Você está na página 1de 7

Capacidade de Carga em Fundações Profundas

CAPACIDADE DE CARGA DE FUNDAÇÕES PROFUNDAS

Conceito
As fundações profundas (também chamadas de indiretas) são aquelas em que
transmitem carga ao solo pela resistência de ponta e de atrito ao longo da superfície
lateral.

Visão técnica

Figura 1 - Fundação Profunda

Q = QL + QP Onde: Q = capacidade de carga na ruptura;


QL = parcela do atrito lateral;
QP = parcela da resistência de ponta.

Tipos
a) CAIXÃO: elemento de fundação profunda de forma prismática, concretado na
superfície e instalado por escavação interna.
b) TUBULÃO: elemento de fundação profunda, cilíndrico, em que há descida de
operário pelo menos na sua etapa final de escavação. Pode ser a céu aberto ou ar
comprimido e ter ou não base alargada.
c) ESTACA: elemento que colocado ou moldado no solo por cravação ou perfuração
tem a finalidade de transmitir cargas ao solo. Seja pela resistência sob sua
extremidade inferior, seja pela resistência ao longo de sua superfície lateral ou
por uma combinação das duas.

Funções das estacas


a) Transmitir a carga da estrutura através de material de baixa capacidade de carga
até atingir um horizonte com capacidade de carga adequada;

Mecânica dos Solos II - Profa Mirtes C. P. Ramires 1


Capacidade de Carga em Fundações Profundas

b) Resistir cargas laterais;


c) Melhorar a capacidade de carga dos solos;
d) Desenvolver capacidade de carga pelo atrito entre a estaca e o solo.

Teoria de Meyerhoff
a) RESISTÊNCIA DE PONTA Q P = σ r ⋅ A BASE

σr = c ⋅ Nc + k ⋅ γ ⋅ h ⋅ Nq A BASE = π ⋅ r 2

Onde: σr = resistência unitária de ponta;


c = coesão;
γ = peso específico aparente natural do solo;
Nc, Nq = fatores de capacidade de carga;
h = altura da estaca;
k = coeficiente (areias fofas = 0,5; areias compactas = 1,0).

b) RESISTÊNCIA LATERAL Q L = f ⋅ A LATERAL

f = c a + σ c ⋅ tgφ' A LATERAL = 2 ⋅ π ⋅ r ⋅ h

Onde: f = resistência unitária lateral;


ca = adesão solo x estaca (1,0 kg/cm2), gráfico em função da coesão ou
valores sugeridos na Tabela 1.

Tabela 1 - Valores sugeridos para adesão solo x estaca


Estaca ca

metálica c/3

concreto c/2

madeira (2/3)c

⎛1⎞
σc = tensão média ao longo da estaca → σ c = ⎜ ⎟ ⋅ k o ⋅ γ ⋅ h
⎝2⎠
ko = coeficiente conforme Tabela 2

Mecânica dos Solos II - Profa Mirtes C. P. Ramires 2


Capacidade de Carga em Fundações Profundas

Tabela 2 - Valores sugeridos para ko


ko
Estaca
Areia fofa Areia compacta
metálica 0,5 1,0

concreto 1,0 2,0

madeira 1,5 4,0

φ’ = ângulo de atrito solo x estaca, conforme Tabela 3.

Tabela 3 - Valores sugeridos para φ’


φ’/φ
Estaca Superfície da estaca
Areia seca Areia saturada
metálica liso 0,54 0,64
rugoso 0,76 0,80
liso 0,76 0,80
concreto semi-rugoso 0,88 0,88
rugoso 0.98 0.90
madeira fibras paralelas ao comprimento 0,76 0,85
caso contrário 0,88 0,89

Observações
1.

Figura 2 – Embutimento de fundações profundas

2. Tubulão: calcular como fundação direta com efeito de profundidade ou como


fundação profunda (h > 5 D)

3. Capacidade de carga para estaca isolada → 100%

Mecânica dos Solos II - Profa Mirtes C. P. Ramires 3


Capacidade de Carga em Fundações Profundas

Eficiência de grupos de estacas (E)


Em um grupo de estacas a carga de ruptura correspondente a uma porcentagem, E, da
carga por estaca x no de estacas.
A eficiência de estacas de atrito cravadas em grupo (Converse & Labarre): (argila)

⎡ (n − 1)m + (m − 1)n ⎤
E = 1− θ⋅ ⎢ ⎥⎦
⎣ 90 ⋅ m ⋅ n

Onde: n = no de estacas por fila;


m = no de filas;
θ = ângulo (em graus) cuja tangente é d/e;
d = diâmetro da estaca;
e = espaçamento.

Figura 3 – Grupo de estacas

QL do grupo de estacas será o MENOR VALOR de:


(m ⋅ n ) ⋅ Q L ⋅ E 2(B + L ) ⋅ h ⋅ c a
QL = QL =
FS FS

Em areias: E = 100% → (enormal ≥ 3 d)

Mecânica dos Solos II - Profa Mirtes C. P. Ramires 4


Capacidade de Carga em Fundações Profundas

Figura 4 – Fatores de capacidade de carga segundo Meyerhoff para estacas

Mecânica dos Solos II - Profa Mirtes C. P. Ramires 5


Capacidade de Carga em Fundações Profundas

Figura 5 – Relação coesão x adesão para estacas de atrito em argila

Figura 6 – Relação entre a quantidade de estacas por fila e a eficiência

Mecânica dos Solos II - Profa Mirtes C. P. Ramires 6


Capacidade de Carga em Fundações Profundas

Exercício
1. Qual é a carga admissível para o bloco de estacas sendo construídas em um solo
argiloso. A estaca de concreto é do tipo cravada. Considerar o fator de segurança
igual a 3. Dados: γ = 17 kN/m3; c = 42 kN/m2; φ = 22º; d = 400 mm; h = 16 m.

1,2 m

1,2 m
Resistência de ponta Q P = σ r ⋅ A BASE
φ
N q = e π.tgφ .tg 2 (45 o + ) = eπ tg22.tg²(45°+22°/2) = 7,82
2
N c = ( N q − 1). cot φ = (7,82–1).(1/tg22°) = 16,88
σ r = c ⋅ N c + k ⋅ γ ⋅ h ⋅ N q = (42)(16,88) + (0)(17)(16)(7,82) = 708,96 kN/m²
A BASE = π ⋅ r 2 = π.(0,2)² = 0,126 m²
Q P = σ r ⋅ A BASE = (708,96)(0,126) = 89,33 kN (para uma estaca)
Qp
Qp = 89,33 kN x 4 = 357,32 kN Æ Q P = = 119,11 kN
FS
Resistência lateral Q L = f ⋅ A LATERAL
f = c a + σ c ⋅ tgφ'
Sendo: ca = 0,36 kg/cm² (gráfico)
ca = c/2 = 0,21 kg/cm² (tabela)
f = 21 kN/m²
A LATERAL = 2 ⋅ π ⋅ r ⋅ h = 2.π.(0,2).(16) = 20,11 m²
Q L = f ⋅ A LATERAL = (21)(20,11) = 422,31 kN
Q
Q L = L = 140,77 kN (para uma estaca)
FS
⎡ (n − 1)m + (m − 1)n ⎤
Eficiência E = 1− θ⋅ ⎢ ⎥⎦
⎣ 90 ⋅ m ⋅ n
d 0,40
= = 0,333 Æ θ = 18,43°
e 1,20
n=m=2
⎡ (n − 1)m + (m − 1)n ⎤
E = 1− θ⋅ ⎢ ⎥⎦ = 0,80 x 100 = 80 %
⎣ 90 ⋅ m ⋅ n
(m ⋅ n ) ⋅ Q L ⋅ E = (2)(2)(140,77)(0,80) = 450,46 kN
QL =
FS
2(B + L ) ⋅ h ⋅ c a (2)(1,60 + 1,60)(16)(21)
QL = = = 716,8 kN
FS 3
Adotar o MENOR valor de Q L: Q L = 450,46 kN
Capacidade de carga Q = Q P + Q L = 119,11 + 450,46 = 569,57 kN

Mecânica dos Solos II - Profa Mirtes C. P. Ramires 7