Você está na página 1de 19

Vivendo o Melhor de Deus!

Dt 1. 21 – 30

Introdução
Estas palavras foram ditas por Moisés ao povo de Israel, quando eles estavam à beira da Terra
Prometida. Moisés está explicando porque eles até então não tinham conquistado nada.
Embora Deus lhes tivesse feito promessas e a terra fosse uma grande bênção, toda uma geração
perdeu a oportunidade de conquistá-la. Entendo que há coisas que podem nos impedir de aprender a
conquistar o melhor de Deus.
Às vezes ocorre de nos acomodarmos com pequenas conquistas na vida. Mas há pessoas que
simplesmente não tem conseguido conquistar absolutamente nada. Como lemos em Dt 1. 21 – 30. Há
muitas coisas que podem nos impedir de viver o melhor de Deus para nós.
Para vivermos o melhor de Deus...

Pôr fim à nossa falta de disposição – v. 26a


Diz que eles "não quiseram" entrar na terra;
Isto mostra uma falta de vontade, de disposição.
Ora, um cristão tem que ser alguém esforçado, que persegue seus alvos sem desanimar.
E o apóstolo Paulo, autor de 13 cartas do NT, escreveu numa delas a respeito da sua missão. Ele disse:
“É para realizar essa tarefa que eu trabalho e luto”, Cl 1.29.
Meu amado: Será que você não está perdendo a bênção por falta de disposição para lutar, para se
esforçar por ela?
• Quero lhe dizer: As portas que dão acesso às bênçãos não se abrem sozinhas, automaticamente!
• Ninguém é abençoado apenas por estar bem intencionado; você precisa estar disposto a fazer
esforço, a lutar pela posse da bênção!
Já reparou que há duas palavras que abrem muitas portas: "Puxe" e "Empurre". Isso significa: tome
uma atitude, faça um esforço, mexa-se, que a porta vai se abrir!
Muitas pessoas estão tendo poucas conquistas porque lhes falta esta disposição para se esforçar; elas
se acomodaram, não querem entrar na terra, não querem se dar ao trabalho de lutar, não se esforçam
por coisa alguma, e por resultado, não conquistam coisa alguma.
“Se você faz o que sempre fez, conseguirá o que sempre conseguiu”.
A falta de disposição nos impede de ser conquistadores. E a carência do mundo hoje é justamente esta:
de pessoas conquistadoras.
Você realmente quer o melhor de Deus para a sua vida? ...então ponha fim à falta de disposição.

Dar um basta à nossa rebeldia – v. 26b


Diz também que eles foram "rebeldes", ou seja, desobedientes a Deus.
Rebeldia é desobediência (e esta pode ser a única explicação porque algumas pessoas não são
abençoadas ou são só um pouco abençoadas).
Deus tem princípios na Sua Palavra que devem ser obedecidos.
Quando não obedecemos, perdemos a bênção! Quem não obedece, padece.
Existem pessoas que só obedecem a Deus quando dá vontade, vai ser duramente repreendido pelo
Senhor. Nós precisamos obedecer a Deus, quer tenhamos vontade ou não – obediência não é uma opção
é mandamento!

Um dos livros sapienciais da Bíblia, Eclesiastes, 12. 13, diz: “De tudo o que foi dito, a conclusão é esta:
Tema a Deus e obedeça aos seus mandamentos porque foi para isso que fomos criados”.
Deus manda obedecermos à Sua Palavra. Comece a ter vontade de obedecer!
O melhor de Deus é conquistado quando damos um basta em nossa rebeldia e começamos a obedecer
a Deus.

Parar com a murmuração v. 27


Sabe o que é murmurar? ...é "falar entre os dentes", é reclamar, queixar-se.
Não é essa a linguagem do cristão. Dos lábios do crente deve sair o louvor e a gratidão. Mas você
encontra crentes murmuradores por aí.
O problema disso é que quando murmuramos, nós damos lugar a ação de demônios, porque nossas
palavras são sementes no reino espiritual (o que você fala é como semear, um dia vai colher). Observe
1 Co 10. 10 – “Nem murmureis, como alguns deles murmuraram e foram destruídos pelo
exterminador”.
Se queremos o melhor de Deus para nossas vidas, amados, precisamos parar com a
murmuração! Você quer conquistar o melhor de Deus! Então pare com a murmuração.

Lançar fora todo o medo v. 28


Medo, é derrota antecipada. Sabe que é medo? É falta de confiança em Deus, é falta de fé. Quando
temos medo de enfrentar as situações e os demônios que estão por trás delas, somos impedidos de
avançar. O medo de perder tira a vontade de ganhar. Eu aprendi isso. O medo impede que o
sobrenatural de Deus opere em nosso favor - Tg 1: 6,7: “...quem duvida é como as ondas do mar, que o
vento leva de um lado para o outro. Quem é assim não pense que vai receber alguma coisa do
Senhor”.
Deus não age em quem está em cima do muro, na dúvida. O melhor de Deus ainda está para ser
conquistado. Não podemos ter medo de encarar os desafios, de encarar os inimigos.
Quando ganhamos intimidade com Deus, sentimos os braços de Deus por baixo de nós, e assim, não
precisamos ter medo do que está diante de nós.

Conclusão
Sabe o que nos faz aprendermos a conquistar o melhor de Deus?
Quando vencemos as barreiras! Então:
A falta de disposição? De um fim nela!
A rebeldia? Basta!
A murmuração? Acabe com isso!
O medo? Bote ele para fora!
Só podemos conquistar o melhor de Deus se nos arrependermos dos nossos pecados e deixarmos que
Jesus governe nossa vida.
SETE CARACTERISTÍCAS DE GIDEÃO

Introdução : Deus transformou a vida de Gideão em um homem valente usado por Deus
para libertar o povo da opressão midianita, vejamos sete características:

1. ERA HUMILDE - Deus sempre vai resistir aos soberbos e dar graça aos humildes - Jz 6.15

2. TINHA PRECAUÇÃO - Ele era prudente, todo homem usado para se colocar na brecha tem
precaução - Jz 6.17.

3. TINHA ESPIRITUALIDADE - Um dos fatores primordial sem espiritualidade jamais poderemos servir
ao Senhor - Jz 6.24

4. ERA OBEDIENTE - Obedecer é melhor do que sacrificar - JZ 6.27

5. TINHA INSPIRAÇÃO DIVINA - Inspiração pelo Espírito Santo em um homem é uma caracteristíca
tremenda - Jz 6. 34

6. COMUNHÃO COM DEUS - ë o segredo de que O Senhor está com ele para o que der e vier - Jz
6.36; Jz 7.4,9.

7. LEALDADE A DEUS - Ser fiel, pois Deus contempla para permancecer forte e poderoso- Jz 8. 22,23.

CONCLUSÃO: Deus levantou Gideão e ele foi um grande libertador , recebeu esta grande misdsão ,
Deus o capacitou para isso , Deus quer dizer que está procurando estas caracteristícas na tua vida pois
tem uma grande missão.
O preparo para a volta de Jesus

Mathias Quintela de Souza


Mateus - 25 - 1 : 13
Introdução

1. Estamos refletindo sobre a volta de Jesus, em cinco mensagens, no mês de setembro e no primeiro
Domingo de outubro. Tendo em vista a realização da Conferência Missionária no final da quarta semana
de setembro, o texto básico é Mateus 24.14.
2. Já vimos, na mensagem anterior, que os sinais são pistas, são dicas, são advertências que chamam a
nossa atenção para a volta do Senhor, quando será consumada a sua obra redentora e seremos
introduzidos nos novos céus e nova terra, onde habita a justiça (2 Pedro 3.9).
3. Em Mateus 24 Jesus fala dos sinais da sua volta (1-14) que será com poder e grande glória (29-31) e
adverte: "...vigiai, porque não sabeis em que dia vem o vosso Senhor" (24.42). "Por isso, ficai também
vós apercebidos; porque à hora em que não cuidais o Filho do homem virá" (24.44).
4. Diante disso, devemos estar sempre preparados para a volta do Senhor. Com este objetivo, Jesus
contou a parábola das dez virgens que termina assim: "Vigiai, pois, porque não sabeis o dia nem a
hora" (Mateus 25.13). Essa mensagem visa responder três perguntas básicas: Por que nos preparar?
Como nos preparar? Para que nos preparar?

Porque nos preparar?

1. Porque a volta do Senhor é certa. Ele é o noivo que jamais abandona a noiva. O espírito e a noiva
clamam pela vinda do noivo (Apocalipse 22.17). A noiva está sendo preparada e adornada para as
bodas do Cordeiro (Apocalipse 21.2; 19.6-8). Há mais de 1800 afirmações na Bíblia que falam da volta
do Senhor. A Palavra de Deus não falha. Portanto, preparemo-nos!
2. O tempo da espera é o tempo do preparo. A espera pode ser longa ou breve (2 Pedro 3.8). É a
oportunidade que Deus dá a todos (2 Pedro 3.9). Com o Pentecoste, teve início "os últimos dias" (Atos
2.17) e todos terão oportunidade de invocar o nome do Senhor para a salvação antes que venha "o
grande e glorioso Dia do Senhor" (Atos 2.20-21).
3. A parábola das dez virgens ensina que a demora da espera distingue o sábio do tolo: o sábio, ou
prudente, prepara-se para encontrar-se com o noivo; o tolo, ou insensato deixa passar a oportunidade.
Deus quer que todos sejamos sábios e prudentes.

Como nos preparar?

1. O azeite nos fala das provisões da graça de Deus para manter acesa a chama da fé e da esperança.
Somos os que somos pela graça e essa graça não deve tornar-se vã em nossa vida (1Coríntios 15.10).
Os recursos da graça são suficientes para a salvação e a perseverança mesmo nas crises da vida (2
Coríntios 12.7-9).
2. Devemos usar com diligência os meios que Deus nos dá para administrarmos os recursos da graça.
Somos despenseiros ou administradores da multiforme (rica) graça de Deus (1 Pedro 4.10).
a. A Palavra é o combustível (azeite) que alimenta as chamas da fé e da esperança (Romanos 10.17;
15.4; Salmos 119.105). Estamos nos alimentando diariamente com a Palavra? (Mateus 4.2-4).
b. A vigilância e a oração são essenciais para permanecermos firmes na fé e perseverarmos até o final
(Mateus 26. 41). O crente sábio alegra-se na esperança, é paciente na tribulação e perseverante na
oração (Romanos 12.12).
c. A prática das ordenanças (sacramentos) do Senhor é essencial no preparo do crente: (1) o
compromisso do batismo (Atos 2.38; Gálatas 3. 26-27); (2) a celebração da Ceia do Senhor até que ele
volte (1 Coríntios 11.26). A participação da Ceia na Comunhão com is irmãos é o alimento da salvação
(1Coríntios 10.16-17).
d. A edificação mútua através do exercício dos dons de cada um no Corpo de Cristo (1Pedro 4.10-11). O
crente só se abastece com o azeite da graça na comunhão do Corpo de Cristo. Fora disso, ele fica sem
azeite. Participar tanto das celebrações como da vida em comunidade (célula) é essencial para esse
preparo, pois ministramos "uns aos outros". Isto não seria possível sem convívio.
Para que nos preparar

1. Para sermos participantes da Ceia das bodas do Cordeiro (Apocalipse 19.9; Lucas 14.15). Ele virá
para nos levar para estarmos eternamente na sua comunhão (João 14.3).
2. Para vivermos em plenitude a herança da qual temos agora a garantia, as primícias (Efésios 1.13-14;
1 Coríntios 2.9).

Conclusão

O tempo do preparo é agora. Somos desafiados: (1) a superar a inconstância dos imaturos que se
deixam levar por ventos de doutrinas (Efésios 4. 13-14); (2) a nos fortalecermos através do uso
diligente dos meios da graça (Palavra, oração, sacramentos, vida comprometida em comunidade) ao
invés de buscar sinais e prodígios, tão em voga hoje, como se todos fossem provas de verdade (Mateus
7.21-23).
Sejamos sábios e prudentes e preparemo-nos enquanto é tempo. Caso contrário, a porta se fechará
para nós como aconteceu com os incrédulos e acomodados nos dias de Noé. Ouçamos a exortação de
Jesus: "Tenham cuidado, para não sobrecarregar o coração de vocês de libertinagem, bebedeira e
ansiedades da vida, e aquele dia venha sobre vocês inesperadamente. Porque ele virá sobre todos os
que vivem na face de toda a terra. Estejam sempre atentos e orem para que vocês possam escapar de
tudo o que está para acontecer, e estar em pé diante do Filho do Homem" (Lucas 21.34-36).
Experiências com o Senhor
Quando você menos espera o milagre acontece!

“Tendo por certo isto mesmo, que aquele que em vós começou a boa obra a aperfeiçoará até ao dia do Senhor Jesus Cristo”. Filipenses 1:6

Sabe o que Deus está falando aqui? Que Ele começou a abrir a porta da bênção para nossas vidas e ela será escancarada. Ele começou nos
abençoar e a bênção será concluída. Creia!

A minha oração é que o Espírito Santo esteja ministrando ao seu coração.

Filipenses 1:6, tem sido uma realidade em nossas vidas, a nossa igreja (Assembléia de Deus do Bom Retiro – São Paulo), ficava próximo a dois
galpões enormes da Antártica, estávamos promovendo um evento chamado “Evento Renovação”, no meio do culto veio até mim um irmão e
disse: “-Pastor, por quê não vamos até aqueles galpões e tomamos posse deles pela fé?” Resolvemos ir até lá, pedimos permissão para entrar e
oramos rodeando aquele lugar.

Entramos em contato com a Antártica e eles queriam uma quantia extremamente expressiva e nós tínhamos em caixa R$ 3.000,00. Este
desafio exorbitante nos trouxe muitas experiências com o Senhor. Nos ensinou a agir, confiar e crer em suas promessas.

A primeira lição que aprendemos foi:


Os grandes sonhos podem se tornar reais.

O Senhor havia me prometido que o meu sonho iria se tornar realidade. Precisamos acreditar que o nosso sonho irá acontecer. Não fique pensado
que você não é nada para receber o que Deus você tem pra você. Querido, somos a menina dos olhos de Deus.

Mas atenção, precisamos ficar alerta com as pessoas que possuem dois tipos de síndrome:

Síndrome da auto suficiência

“Eu vou, eu posso, eu aconteço, eu sou...” ·

Síndrome de Moisés

“Quem sou eu? Será que eu posso? Eu não sei falar...” ·

II lição: Não dá para entender tudo antes do final

As circunstâncias podem revelar direções que não esperamos, mas não devemos ficar nos atendo a isto e sim estar sempre tomando decisões
mediante aquilo que o Senhor está nos revelando.

Eu não estou falando de ser inconseqüente e sim de homens e mulheres de Deus, que tomam decisões por meio da fé e pautados naquilo que o
Senhor diz.

III lição: Cuidado com o perigo de cortar caminho

Não podemos incorrer no jeitinho fácil, nas maracutaias que encurtam o caminho que devemos prosseguir para alcançarmos o alvo. As coisas de
Deus acontecem do jeito de Deus e em santidade. Tenha sabedoria.

IV lição: Ninguém faz nada sozinho

Para quitarmos as prestações da compra do terreno, lançamos um projeto denominado “Projeto Jericó”, foi muito lindo ver toda igreja
abraçando o projeto e também muitos amigos que se uniram a nós.

Todos sabem que em meados de outubro de 2004, meu filho Dayan, passou por lutas grandes no tocante à sua saúde e sabe por que ele está
bem? Porquê você se uniu a mim em oração, a igreja de Cristo no Brasil e até no exterior, estava em intercessão pela vida do Dayan. Glória a
Deus!

V lição: Não dê atenção aos profetas do caos

Ao lançarmos o “Projeto Jericó”, deparamos com pessoas que vinham nos desanimar e dizer que não era de Deus, que não iria dar certo. O
Senhor disse: Jabes, não perca tempo.

Meu irmão creia no que Deus está te direcionando, não fique tentando explicar.

VI lição: As lutas fazem parte do processo

Não podemos parar a corrida em direção ao nosso alvo, quando as lutas vierem. As adversidades são a maneira de Deus glorificar Seu nome em
nossas vidas.

VII lição: Se prepare para ter experiências com grandes milagres

Onde você menos espera, o Senhor irá mover e o milagre acontecerá.

Ei! Deus se move quando você menos espera!


Enquanto Jesus não volta
Mt 25. 31 – 46
Introdução
Hoje nosso tema é Enquanto Jesus Não Volta.
- Temos destacado a importância de estarmos preparados para a volta de Jesus, uma vez que não
sabemos nem o dia nem a hora. As parábolas dos talentos (Mt 25. 14 – 30) e das minas (Lc 19. 12 –
27) nos ensinam que enquanto Jesus não volta é tempo de trabalho e de missão. É necessário que
sejamos encontrados produtivos no seu reino quando ele vier buscar sua igreja.
- Jesus nos adverte sobre o que fazer enquanto ele não volta:

1 – Aguardar a volta de Jesus de maneira certa


Havia por parte dos discípulos uma forte expectativa de que Jesus implantasse um reino político, que
seria imediato. At 1. 6 – 8: "Então, os que estavam reunidos lhe perguntaram: Senhor, será este o
tempo em que restaures o reino a Israel? Respondeu-lhes: Não vos compete conhecer tempos ou
épocas que o Pai reservou pela sua exclusiva autoridade".
É bem possível que ao se depararem com a possibilidade de um reino imediato, muitos aderiram à
condição de espera apenas. Já que o reino virá, não precisaremos fazer nada, vamos apenas aguardar.
Este pensamento pode nos atingir hoje, como Jesus voltará, e o tempo está se cumprindo, vamos deitar
debaixo de uma árvore grande, em sombra e água fresca e aguardar que "Venha o Reino".
É necessário pensar no céu, desejar o céu, viver como se fôssemos para o céu ainda hoje, mas não
podemos nos esquecer de que enquanto Jesus não volta, ele nos deixou como embaixadores do reino,
nos constituiu mordomos, nos confiando seus bens (Mt 25. 14), dando-nos uma missão e nos
capacitando para isto.
Não somos apenas meros expectadores na implantação do reino, somos agentes que possuem o
privilégio de serem partícipes do maior projeto que já existiu no mundo, a implantação do reino de
Deus.

2 – Aguardar a volta de Jesus sabendo que recebemos talentos


Em primeiro lugar devemos ter uma perspectiva correto da vinda do reino, aguardando a volta de Jesus
de maneira correta. Mas também precisamos estar conscientes de que para este período cada um de
nós foi capacitado com talentos.
Ao nos constituir mordomos, embaixadores do reino, Jesus nos presenteou com talentos, dons,
capacidades dadas a cada um para que nos tornássemos produtivos.
Todos são capacitados, uns com cinco, outros dois e alguns aindacom um talento. Mas não importa a
quantidade nem a característica destes talentos, importa é que uma vez filhos, recebemos os talentos
(vs. 15, "cada um, segundo sua própria capacidade"). At. 1. 8: "Mas recebereis poder ao descer sobre
vós o Espírito Santo".
Ef. 4. 7-13: "e a graça foi concedida a cada um de nós segundo a proporção do dom de Cristo. Por isso,
diz: Quando ele subiu às alturas, levou cativo o cativeiro e concedeu dons aos homens. Ora, que quer
dizer subiu, senão que também havia descido às regiões inferiores da terra? Aquele que desceu é
também o mesmo que subiu acima de todos os céus, para encher todas as coisas. E ele mesmo
concedeu uns para apóstolos, outros para profetas, outros para evangelistas e outros para pastores e
mestres, com vistas ao aperfeiçoamento dos santos para o desempenho do seu serviço, para a
edificação do corpo de Cristo, até que todos cheguemos à unidade da fé e do pleno conhecimento do
Filho de Deus, à perfeita varonilidade, à medida da estatura da plenitude de Cristo".
1 Cor. 12.7: "A manifestação do Espírito é concedida a cada um visando a um fim proveitoso".
Todos são ministros de Deus em seu reino, nem todos terão a mesma capacidade, nem as mesmas
funções. Precisamos entender que Deus dá diferentes talentos a nós. Por isso não queiramos ser como
o outro é, nem fazer o que o outro faz, mas precisamos descobrir o que Deus quer que façamos na
medida em que ele nos deu.

3) Aguardar a volta de Jesus sendo produtivos


Devemos aguardar a volta de Jesus com uma expectativa correta, sabendo que todos fomos
capacitados com talentos. Mas estes talentos precisam ser usados, colocados a serviço do reino.
Na prestação de contas, os que multiplicarem os talentos serão recompensados, o que esconder o
talento, será condenado. Mais uma vez não se trata de recompensa por obras ou realizações, mas por
um sinal externo de uma profunda convicção de comprometimento com a pessoa de Jesus e sua obra.
No vs. 26 Jesus chama a atenção para o fato de que aquele que recebeu um talento tinha de seu
Senhor uma imagem de alguém preocupado com castigo, e não de um Senhor gracioso pronto para
capacitá-lo a se tornar produtivo.
Nossa missão é o de multiplicarmos os talentos, fomos capacitados para a Grande Comissão de Atos
1.8 e Mt. 28. 18-20. Não temos o direito de permanecermos de braços cruzados, é hora de um grande
mover de Deus, um re-avivamento, de grande colheita. João 9. 4: "É necessário que façamos as obras
daquele que me enviou, enquanto é dia; a noite vem, quando ninguém pode trabalhar".
Pv. 14.23: "Em todo trabalho há proveito; meras palavras, porém, levam à penúria (ruína)". O Senhor é
justo e não exigirá nada além daquilo que podemos fazer. Lc. 12.48 "...Mas àquele a quem muito foi
dado, muito lhe será exigido; e àquele a quem muito se confia, muito mais lhe pedirão".
Devemos trabalhar com leveza e alegria, renovando a esperança, o trabalho do Senhor é prazeroso e
leve (Mt. 11. 28-30). Nele, encontramos descanso para nossa alma.

Conclusão
Os versos 21 e 23 refletem a conclusão desta mensagem. Ao aguardarmos a volta de Jesus, da
maneira correta, sabendo que temos talentos e de maneira produtiva, naquele Grande Dia ouviremos:
"Muito bom, servo bom e fiel; foste fiel no pouco, sobre o muito te colocarei; entra no gozo do teu
Senhor". Na BLH lemos: "venha para a festa".
ENFRENTANDO OS DESAPONTAMENTOS
Êxodo 15.22-27

O capítulo 15 de Êxodo, registra a história do povo de Deus peregrinando pelo deserto em direção à terra
prometida. Porém, experimentaram desapontamentos. O que fazer quando as nossas expectativas são
frustradas?

Como enfrentar os desapontamentos da vida?

1) NÃO PROCURE UM CULPADO DIANTE DO DESAPONTAMENTO – vv. 22-24

"Aí Moisés levou o povo de Israel do mar Vermelho para o deserto de Sur. Eles caminharam três dias no
deserto e não acharam água. Então chegaram a um lugar chamado Mara, porém não puderam beber a
água dali porque era amarga. Por isso aquele lugar era chamado Mara. O povo reclamou com Moisés e
perguntou: - O que vamos beber?" (vs. 22-24)

Há LIÇÕES que só APRENDEMOS com DESAPONTAMENTOS.

2) DESCUBRA O PROPÓSITO DO DESAPONTAMENTO – v. 26

"E disse o SENHOR: - Se vocês prestarem atenção no que eu digo, se fizerem o que é certo e se guardarem
os meus mandamentos, eu os livrarei das doenças que mandei contra os egípcios. Eu sou o Deus Eterno,
que cura vocês." (v. 26)

Para CONQUISTAR a terra prometida temos que seguir os ESTATUTOS e as ordenanças do SENHOR.

3) CONFIE NO PODER DE DEUS PARA VENCER O DESAPONTAMENTO – v. 25

"Então Moisés, em voz alta, pediu socorro ao Deus Eterno, e o Eterno lhe mostrou um pedaço de madeira.
Moisés jogou a madeira na água, e a água ficou boa de beber. Foi nesse lugar que o Deus Eterno deu leis
aos israelitas e os pôs à prova." (v. 25)

Se a sua VIDA está AMARGA, Deus tem PODER para transformá-la


Ceia do Senhor: Olhando e Refletindo

Antonio Coine, Rev


1º Coríntios - 11 - 23 : 24
Introdução:

A Ceia do Senhor nos dá a oportunidade de bênçãos e crescimento espiritual se nos aproximarmos dela
com atitude correta.

O que, então, devemos fazer se a Ceia do Senhor é para trazer bênçãos e não castigo?

I – EM PRIMEIRO LUGAR DEVEMOS OLHAR PARA TRÁS (vv. 23-26a)

"Porque eu recebi do Senhor o que também vos entreguei: que o Senhor Jesus, na noite em que foi
traído, tomou o pão; e, tendo dado graças, o partiu e disse: Isto é o meu corpo, que é dado por vós;
fazei isto em memória de mim. Por semelhante movo, depois de haver ceado, tomou também o cálice,
dizendo: este cálice é a nova aliança no meu sangue; fazei isto, todas as vezes que o beberdes, em
memória de mim. Porque, todas as vezes que comerdes este pão e beberdes o cálice..."

O partir do pão nos lembra o Corpo de Cristo, dado por nós; e o cálice nos lembra do seu sangue
derramado.

Isto é uma coisa notável, pois Jesus quer que os seus seguidores lembrem da Sua Morte.

A maioria de nós tenta esquecer como, aqueles que nós amamos, morreram, mas Jesus quer que nos
lembremos como Ele morreu

Porque?

Porque tudo o que temos, como cristãos, está centralizado naquela morte.

1º.) Devemos nos lembrar QUE Ele morreu, porque isso é uma parte da mensagem do Evangelho:
"Antes de tudo, vos entreguei o que também recebi: Cristo morreu pelos nossos pecados, segundo as
Escrituras, e que foi sepultado e ressuscitou ao terceiro dia, segundo as Escrituras."( I Cor 15.3-4).

Não é um ensino, é um fato.

2º.) Devemos, também, lembrar PORQUE Ele morreu:

Cristo morreu pelos nossos pecados (Isaías 53.6: "Todos nós andávamos desgarrados como ovelhas;
cada um se desviava pelo caminho, mas o SENHOR fez cair sobre ele a iniqüidade de todos nós." e I
Pedro 2.24: " Carregando ele mesmo em seu corpo, sobre o madeiro, os nossos pecados, para que nós,
mortos para os pecados, vivamos para a justiça; por suas chagas, fostes sarados.") pagando o débito
que não poderíamos pagar.

3º.) Devemos, também, lembrar COMO Ele morreu desejando mostrar mais tarde o Seu amor por nós
(Rm 5.8: "Mas Deus prova o seu próprio amor para conosco pelo fato de Ter Cristo morrido por nós,
sendo nós ainda pecadores.")

Ele entregou o seu corpo nas mãos de homens pecadores e carregou sobre Seu corpo os pecados do
mundo.

Portanto, este "relembrar" não é simplesmente uma recordação de fatos históricos. É uma participação
nas realidades espirituais.

Na Mesa do Senhor nós não andamos em volta de um monumento para admirar. Nós temos comunhão
com o Salvador vivo quando nossos corações são alcançados pela fé.

II – EM SEGUNDO LUGAR DEVEMOS OLHAR PARA FRENTE (26b)

"Anunciais a morte do Senhor, até que ele venha"

Nós observamos a Ceia "até que Ele venha"

A volta de Cristo é uma abençoada esperança da Igreja e do cristão individualmente.

Jesus não só morreu por nós,

mas Ele ressuscitou outra vez,

subiu aos céus e

um dia voltará.

III – DEVEMOS OLHAR PARA DENTRO DE NÓS (vv. 27,28,31,32)

"Por isso, aquele que comer o pão ou beber o cálice do Senhor, indignamente, será réu do corpo e do
sangue do Senhor. Examine-se, pois, o homem a si mesmo, e, assim, coma do pão, e beba do cálice;
Porque, se nos julgássemos a nós mesmos, não seríamos julgados. Mas, quando julgados, somos
disciplinados pelo Senhor, para não sermos condenados com o mundo."

O Problema de estar em pecado:

"Por isso, aquele que comer o pão ou beber o cálice do Senhor, indignamente,..."

"Se o Senhor espera de nós gratidão ao recebermos este mistério; se ele quer que reconheçamos sua
graça de todo o nosso coração e fazê-la conhecida através de nossos lábios, então aquele que lhe dirigiu
insulto em vez de honra não escapará sem castigo; pois o Senhor não tolerará que o seu mandamento
seja menosprezado." (J.Calvino, pg. 360)

" ‘Comer indignamente’ :


Na realidade, como disse L.Morris, "ninguém é dígno da bondade de Cristo para conosco.

"Mas noutro sentido podemos vir dignamente, isto é, com fé, e com a devida realização de tudo que é
pertinente a tão solene rito.

"Negligenciar nisto é vir indignamente no sentido aqui censurado.

"A grandeza da dádiva oferecida é a medida da grandeza da sua culpa." (pg.


Então, "comer indignamente" é:

Em primeiro lugar "é desonrar o uso puro e ilegítimo pelo nosso próprio abuso.

"Nenhum fornicador, perjuro, ébrio ou impostor, sem indício de penitência (arrependimento) pode forçar
o caminho." (Calvino e os libertinos de Genebra)

Em segundo lugar "não estar com o coração preparado como deveria." Pois a displicência ou indiferença
é sinal de irreverência, também merece a punição de Deus.

"Paulo não quer dizer que a pessoa que comunga erroneamente incorre na pena eterna, mas cai sob a
medida de condenação apropriada a seu ato.

3) A questão do Auto-Exame

"Examine-se, pois, o homem a si mesmo,..."

"Paulo quer dizer que ninguém deve entender a Santa Comunhão como uma coisa natural, como
qualquer outro serviço litúrgico.
AS QUALIDADES QUE A IGREJA PRECISA TER NA ÚLTIMA HORA

Introdução: As qualidades que a Igreja precisa ter na Última Hora são as qualidades da Igreja que será
arrebatada ao encontro do Senhor nos ares. A Igreja da última hora deve está alerta para a vinda do Senhor,
a qual poderá acontecer de forma repentina. O arrebatamento é descrito na Bíblia como o rapto e assalto
repentino da Igreja. É por isso que a vinda de Cristo é descrita como a vinda do ladrão de noite (I Ts.5.2-4).
A palavra “arrebatados” é traduzida do verbo grego “harpazo”, que significa “arrancar ou tirar com força”. O
vocábulo latim “raptare” significa também “arrebatar”, e deu origem a nossa palavra portuguesa “raptar”.
Assim como o ladrão assalta, rapta e seqüestra as pessoas numa incrível rapidez; o Senhor Jesus raptará a
Igreja da última hora na incrível rapidez do “abrir e piscar de olhos” (1 Co.15.52). Talvez o objetivo do
Senhor em arrebatar a sua Igreja com tanta rapidez, é não dar tempo algum para o inimigo arquitetar
qualquer plano de ação no reino espiritual para tentar prejudicar este evento iminente e glorioso. No Antigo
Testamento houve dois casos de arrebatamento, que, com certeza, Deus operou isso para simbolizar o tipo
da Igreja que será arrebatada ao encontro do Senhor nos ares. O primeiro arrebatamento da história foi o de
Enoque (Gn.5.22-24). Enoque representa a Igreja que anda com Deus na terra, e será transladada ao
encontro do Senhor (Hb.11.5 e 1 Ts.4.16-17). O segundo caso de arrebatamento foi o de Elias (2 Rs.2.11).
Elias representa a Igreja fiel que combate o pecado e subsiste de pé na presença do Senhor, e, será levada
de forma sobrenatural da terra para o céu (1 Co.15.51-52).

I- SETE CARACTERISTICAS DA IGREJA DOS ÚLTIMOS DIAS

As sete características da Igreja dos últimos dias estão claramente explicitas nas sete Cartas que Cristo
enviou ás sete Igrejas da Ásia (Ap.1.11).
Vejamos:

1- Perda do Primeiro Amor (Ap.2.4). Jesus disse em Mt.24.12, que “por se multiplicar a iniqüidade, o amor
de quase todos se esfriará”. O cristão que já perdeu o seu primeiro amor possui de certa forma a
característica de um “crente efesiano”.
2- Fidelidade em meio ao sofrimento e a perseguição (Ap.2.10). Jesus disse em Mt.24.9, que “Sereis odiados
de todas as nações por causa do meu Nome”. A Igreja da última hora poderá ser perseguida e sofrer pelo
Nome de Jesus, porém, permanecerá fiel ao seu Senhor. O cristão fiel em meio a perseguição e sofrimento,
possui a característica de um “crente erminiano”.
3- Comprometida com o pecado (Ap.2.14-16). Jesus disse em Mt.7.22-23, que “Muitos me dirão naquele dia:
Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu Nome? E em teu Nome não expulsamos demônios? E em teu
Nome não fizemos muitos milagres? Então lhes direi abertamente: Nunca vos conheci. Apartai-vos de mim,
vós que praticais a iniqüidade”. Os cristãos de Pérgamo defendiam a doutrina de Balaão; ora, Balaão também
profetizava em Nome do Senhor (Nm.24.2-4), porém, era comprometido com o pecado, e por isso, teve um
fim triste (Nm.31.8,16). O cristão comprometido com o pecado, tem a característica de um “crente
pergaminiano”.
4- Envolvimento com Heresias (Ap.2.20-24). Jesus disse em Mt.13.33, que a boa massa do Cristianismo
poderia ser levedada pelo fermento da heresia, e o mal poderia andar junto com o bem no final dos tempos
(Mt.13.24-30). Tolerar Jezabel na Igreja, é tolerar o pecado e a heresia dentro da Igreja. O cristão envolvido
com heresias, tem a característica de um “crente tiatirense”.
5- Tendo aparência de viva, porém morta (Ap.3.1). Paulo disse em 2 Tm.3.5, que nos últimos dias haveria
pessoas “tendo aparência de piedade, mas negando-lhe o poder”. Hoje em dia vivemos em um mundo de
aparências. Todas as pessoas se dizem cristãs. Porém, alguns estão como os cristãos de Sardes; tem nome
de vivos, mas estão mortos. São os “vivos-mortos” que estão caminhando dentro da Igreja. Um cristão
“vivo-morto” tem a característica do “crente sárdico”.
6- Fiel e Perseverante (Ap.3.10-11). Mesmo em meio a apostasia espiritual e esfriamento espiritual de
muitos, haverá sempre um remanescente fiel e perseverante servindo ao Senhor. Jesus disse em Mt.24.13,
“Mas aquele que perseverar até o fim será salvo”. Esse remanescente fiel é que faz aparte da Igreja da
última hora que será arrebatada ao encontro do Senhor nos ares. O cristão fiel e perseverante, tem a
característica de um “crente filadelfiano”. Filadélfia será a Igreja do Arrebatamento, pois, foi a única Igreja
das sete, em que Jesus falou de preservá-la da Grande Tribulação, e acerca de sua Vinda (Ap.3.10-11).
Filadélfia subsiste fiel entre Sardes ( a igreja morta) e Laodicéia (a igreja indiferente).
7- Rica materialmente e pobre espiritualmente (Ap.3.17-18). Esse é o quadro de muitas igrejas nestes
últimos dias. Belíssimas Catedrais erguidas, porém, mornas e indiferentes. São Igrejas ricas e orgulhosas.
Entretanto, Jesus disse que esses tipos de cristãos são pobres e coitados, e precisam adquirir as riquezas
espirituais e duradouras (Ap.3.18). Paulo disse em 1 Tm.6.17-19, o seguinte: “Exorta aos ricos do presente
século que não sejam orgulhosos, nem depositem a sua esperança na instabilidade da riqueza, mas em
Deus, que tudo nos proporciona ricamente para nosso aprazimento; que pratiquem o bem, sejam ricos de
boas obras, generosos em dar e prontos a repartir; que acumulem para si mesmos tesouros, sólido
fundamento para o futuro, a fim de se apoderarem da vida eterna”. Os grandes homens de Deus da Bíblia,
também eram ricos. Porém, eles colocavam Deus acima das suas riquezas. O cristão rico materialmente e
pobre espiritualmente, tem a característica de um “crente laodicence”.

7.1- LIÇÕES IMPORTANTES DA IGREJA DE LAODICÉIA

Interessante é que, Jesus usou a própria economia de Laodicéia, para ilustrar valores espirituais. Laodicéia,
era uma cidade rica: Possuía uma indústria de lã, um centro bancário que cunhava moedas de ouro, e uma
indústria farmacêutica que fabricava colírio para os olhos. Ao chamar o pastor de Laodicéia de pobre,
miserável, cego e nu (Ap.3.17), Jesus quis dizer o seguinte:
A)- Embora vocês produzam muitas riquezas, todavia, são pobres.
B)- Embora vocês produzam moedas de ouro, todavia, são miseráveis, e precisam comprar de mim o ouro
refinado para se enriquecerem (Ap.3.18).
C)- Embora vocês produzam roupas, todavia, permanecem nus, e precisam comprar de mim vestiduras
brancas para se vestirem (Ap.3.18).
D)- Embora vocês produzam remédio para os olhos, todavia, continuam cegos, e precisam adquirir de mim o
colírio espiritual para os olhos (Ap.3.18).
Será que esse não é o quadro espiritual de muitas igrejas nestes últimos dias? A Igreja Primitiva não tinha
prata e nem ouro, mas levantava o paralítico em Nome de Jesus (At.3.1-8). A Igreja moderna possui prata e
ouro, mas já não tem a fé de levantar o paralítico em Nome de Jesus (Lc.18.8).

II- SETE QUALIDADES DA IGREJA DA ÚLTIMA HORA


Dentre as muitas qualidades que a Igreja da última hora possui, gostaria de destacar pelo menos sete
principais qualidades da Igreja do Arrebatamento. Vejamos:
1-A Igreja da Última Hora é uma Noiva Pura (2 Co.11.2). Paulo disse que a Igreja do arrebatamento deverá
permanecer como “Virgem Pura”. Em Lv.21.13, o Sumo Sacerdote só poderia casar com uma moça virgem.
Jesus Cristo, o Sumo Sacerdote Eterno, só irá tomar como esposa uma Noiva Pura (Ef.5.25-27).
2- A Igreja da Última Hora Permanece Vigilante (Mt.24.42-44). Uma das coisas que mais Jesus advertiu aos
seus discípulos foi acerca da vigilância. Em Lc.13.35-48, Jesus contou a Parábola do Servo Vigilante e
reiterou a vigilância em todos os seus sermões escatológicos. Em Mc.13.33, Ele chegou a dizer: “Olhai, vigiai
e orai, porque não sabeis quando chegará o tempo”.
3- A Igreja da Última Hora Permanece de pé (Lc.21.36). Jesus disse que devemos estar em pé na presença
do Filho do Homem. Paulo disse em 1 Co.10.12, que “Aquele, pois, que pensa estar em pé veja que não
caia”.
4- A Igreja da Última Hora anseia pela Vinda do Noivo (Ap.22.20-21). No livro de Cantares, Salomão
descreve de forma poética a ardente ansiedade que a Noiva tem de se encontrar com o Noivo, e descreve
esse anseio da Noiva no último versículo do livro, dizendo: “Vem depressa, amado meu, faze-te semelhante
ao gamo ou ao filho da gazela, que saltam sobre os montes aromáticos” (Ct.8.14), o Noivo, por sua vez,
atende ao pedido da Noiva, dizendo: “Certamente, venho sem demora” (Ap.22.2o), e, a Noiva lhe responde:
“Amém! Ora, vem, Senhor Jesus!”.
5- A Igreja da Última Hora mantém as suas Lâmpadas acesas, e com reserva de azeite (Mt.25.1-10). A
Igreja da Última Hora precisa continuar brilhando como a luz do mundo (Mt.5.14). Jesus usou o símbolo do
castiçal para ilustrar as suas Igrejas (Ap.1.20). O castiçal servia para iluminar continuamente o Tabernáculo
(Ex.27.20). Jesus advertiu a Igreja de Éfeso que iria remover o seu castiçal, caso não se arrependessem
(Ap.2.5). A Igreja não pode deixar de brilhar neste mundo de trevas. A Igreja não pode nunca perder o brilho
do Espírito Santo (1 Ts.5.19).
6- A Igreja da Última Hora guarda a Palavra de Deus (Ap.3.10). Paulo disse em 2 Tm.4.3, que haveria um
tempo em que as pessoas não suportariam a sã doutrina. Já existem muitas igrejas considerando a Doutrina
Apostólica como ultrapassada, recusando dar ouvidos á verdade, entregando-se ás fábulas, e elegendo
mestres que interpretem a Bíblia ao seu bel prazer (2 Tm.4.3-4). A Igreja do arrebatamento guarda e
conserva a Palavra da Perseverança, e será livre da Grande Tribulação (Ap.3.10).
7- A Igreja da Última Hora permanece na posição de Embaixadores de Cristo (2 Co.5.20). Todos nós
sabemos que, quando um país é ameaçado de um colapso, uma das primeiras providências a serem tomadas
pelos Governos que nele mantém Embaixadas, é remover os seus Embaixadores. Assim, Jesus Cristo, o
nosso Rei providenciará a remoção de seus Embaixadores deste mundo, os quais serão arrebatados ao Seu
Encontro nos ares (1 Ts.4.16-17).
Aprendendo no deserto
” E DEPOIS foram Moisés e Arão e disseram a Faraó: Assim diz o SENHOR Deus de Israel: Deixa ir o meu povo, para que me celebre uma festa
no deserto.” Exôdo 5:1

Quero falar com você sobre deserto, quando se pronuncia esta palavra, logo vem a nossa mente a idéia de diculdade, escassez. No dicionário,
esta palavra significa terra seca e extensa com pouca árvore e capim, onde não mora ninguém.

Ou seja, o deserto é difícil.

Mas eu quero falar com você, porque existem benefícios no deserto:

1º- O deserto nos disciplina e nos adestra para a conquista de Canaã.

Deus permite o deserto; a dificuldade, para que as conquistas depois tenham um valor maior.

Eu costumo comparar o deserto com canções. Quando a trabalhamos com canções, muitas vezes usamos de notas maiores para realçar a
mesma, geralmente se usa este recurso depois de uma pausa, na segunda parte a entonação vem mais firme, com mais intensidade.

Muitas vezes o silêncio de Deus é uma pausa na música da nossa vida, mas na segunda parte vem o melhor. Deus transforma a nossa vida velha.

Vou te dar um exemplo claro. Quando você canta:


“Então m’alma canta a ti Senhor...”
Repare na 2ª parte da música, o “tão” aumenta – Você já notou? A segunda parte fica melhor.

Existem pessoas que oram por um relacionamento, por um namoro, e participam de todos os cultos da igreja, então, de-repente Deus libera a
benção, a pessoa conhece alguém interessante e some da igreja.
Aprenda uma coisa: o mais difícil é administrar a conquista do que conquistar a bênção.

2º- O deserto ensina a depender de Deus.

Quem permanece em pé é quem depende de Deus. O deserto é lugar de milagre e Deus tem prazer em mostrar que Ele está agindo na nossa
vida.

Na travessia do mar vermelho, foram 5 km de abertura para que o povo passasse em pé seco. (Milagre de Deus).

Não temos que depender de nós. O Senhor é quem faz tudo acontecer, a nossa subsistência depende de Deus.

3º- No deserto Deus prova e lança luz em nosso coração.

Deus lança luz no nosso coração para que venhamos nos conhecer, esperando de nós uma resposta.
Deus nos ama tanto e desejou que um dia estivéssemos na presença d´Ele, por isso espera que nós reconheçamos os nossos pecados.

Pare de dar calote, pare de mentir. Às vezes você está neste deserto pelas suas próprias atitudes.

4º- Celebre no deserto

O Senhor quer que aprendamos a celebrar no meio da tribulação. Como isso é possível? É simples, não fomos criados para estar no deserto!

“Porque a nossa leve e momentânea tribulação produz para nós eterno peso de glória, acima de toda a comparação” II Co 4:17

É por isso que dá pra fazer festa no deserto! Canaã é logo ali. O que me consola no deserto da minha vida é que tem sempre uma Canaã me
esperando.

O que você passa hoje vai passar, o deserto vai passar!


Aprendendo com os Erros

Introdução
Há coisas que acontecem em nossas vidas, que achamos que Deus não pode usar. Nossos erros, por exemplo,
é uma delas. Mas Deus pode usar o fracasso, trabalhando nossas falhas para que através delas haja vitória.

O fracasso é o maior obstáculo do ser humano, ele está sempre diante do homem, acusando-o por seus pecados
e quedas, não há para onde ir sem que a acusação esteja ali, presente, tirando o completar de Deus no dia a dia
dos seus servos.
Deus tem alegria sem limites para aqueles que o servem, mas o Diabo quer tirar essa paz através das nossas
falhas. Vivemos numa sociedade onde sucesso é tudo, ele é absoluto e só aquele que é bem sucedido tem valor,
mas Deus tem nos chamado para lutar por pessoas fracassadas, que erraram e que precisam lidar com isso e
alcançar vitórias. Se quisermos fazer diferença em nossa geração, teremos que investir nessa geração que
falhou e que pode aprender com seus erros. Pois Fracassos também servem para:
1 – Nos Educar – Sl 119. 71
Quando erramos, percebemos como as coisas não devem funcionar. Isso é um processo de aprendizagem.
Existem coisas que temos que passar, não precisamos, mas temos que passar.
Muitas vezes no tempo da aflição é que buscamos ao Senhor e Ele nos coloca de joelhos para clamarmos, isto é,
Deus usando os erros para nos ensinar. Perguntamos a Ele porque determinada situação está acontecendo, mas
não entendemos que Deus não pode nos cercar, como um pai que cerca seu filho de mimos e não deixa que ele
caia enquanto aprende a andar. Essa é uma proteção demasiada e desnecessária, pois nenhuma criança
aprende a andar sem cair, assim Deus não pode nos colocar num lugar onde não podemos errar. Sua proteção
não está em não nos deixar cair, mas sim em nos guiar à vitória. Lembre-se sempre: Errar não é fatal desistir
sim!
2 – Nos Motivar – Pv 20. 30
Essa passagem nos ensina que às vezes Deus vai usar a dor para nos ensinar algumas coisas e para nos dar
uma nova direção. Deus permite a sequidão em nossas vidas e perguntamos: Deus por quê? Estava tudo tão
bem! E Deus nos mostra que nos tirou do lugar do conforto, porque o seu objetivo não é o nosso conforto, mas
nos levar para o lugar do seu propósito. Então Deus coloca um pouco de dor para que tenhamos motivação e
assim possamos sair de onde estamos para ir ao lugar onde Deus quer que estejamos.
Deus não nos chamou para viver a base de sombra e água fresca, mas para viver uma vida profética. Ele faz
isso para nos levar a um novo nível de vida, Deus está tentando nos redirecionar através da nossa sequidão.
3 – Para nos cultivar – Tg 1. 1 – 3
O texto nos mostra que para sermos pessoas experimentadas e completas precisamos passar por algumas
situações, assim Deus permite que passemos por tribulações para aperfeiçoar nosso caráter e nossa fé, enfim,
para que nos tornemos pessoas melhores.
Se nunca errássemos seriamos as pessoas mais difíceis da terra, inacessíveis, porém, nossos erros não
significam mudança de caráter é preciso ter cuidado com isso, pois precisamos responder às lutas e fracassos da
maneira certa. Por isso há muitas pessoas que apanham e não aprendem, pois não tiveram a visão certa da
situação e por isso não responderam corretamente e continuam tendo as mesmas atitudes, fazendo as coisas do
mesmo jeito, aí é que temos a graça de Deus que nos faz vencer apesar dos nossos erros, cultivando em nós o
seu amor, Ele não deixa de nos amar, Ele não nos ama mais e nem menos por causa das nossas falhas. Assim o
evangelho não é resposta para aqueles santos que não erram, mas para os que falham.
Deus nos criou para o sucesso, mas seu preço não é o desempenho, mas o Seu amor por nós que foi provado
na morte de Jesus. É impossível fazer algo para que Deus nos ame mais ou menos, pois Seu amor é
incondicional.
4 – Para sabermos que existem princípios que nos farão vencer apesar das nos falhas
Em primeiro lugar temos que saber que Deus não deixa de nos amar quando falhamos e por isso não podemos
deixar de pedir perdão, pois se assim agirmos ficaremos cauterizados por aquela área habitual do pecado.
É necessário estar sempre sensíveis ao Espírito Santo e não desistir de lutar contra nossas falhas, pedindo
perdão e não negociando, mas crendo que Deus não se cansa de nos perdoar, pois Ele não nos ama por causa
do nosso desempenho, mas por seu próprio amor.
Assim, devemos estar com corações abertos e humildes diante de Deus, desviando do orgulho, pois ele impede
que busquemos ajuda. Ao buscarmos ajuda estaremos caminhando em direção à vontade de Deus e Ele nos
livrará dos nossos fracassos e erros.
A única coisa que precisamos temer ao falhar está em Hb 12.15. “Cuidado de que ninguém se prive da graça de
Deus...” Devemos ter cuidado para não rejeitar a graça de Deus e ser soberbo, não recebendo do seu amor.
Deus é poderoso para mudar nossas vidas e nos tornar homens e mulheres de sucesso que irão tocar e
transformar essa geração. Temos uma ferramenta em nossas mãos para mudar a nossa vida – a escolha.
Vasos cheios do Espírito

2º Reis4 - 1 : 44

INTRODUÇÃO:

1- Vivemos dias de complexidade. O mundo vive uma completa desesperança.


2- O profeta Eliseu neste texto está convivendo com dias de fome. Havia fome e seca sobre o meio do
povo. ( explicar o texto)
3- Quando comecei a ler este texto, percebi certas verdades espirituais que serviram para minha vida
espiritual e gostaria de compartilhar com os irmãos. Pois, também tem implicações praticas para nossa
vida com o evangelismo.
4- Vc pode estar perguntando: O que este texto tem haver com com minha vida; com o evangelismo e
com a igreja?
ELUCIDAÇÃO:
1- Este texto sendo estudado com cuidado, creio que esta viúva pode ser tipificada com a igreja.
2- Jesus certa vez foi interpelado pelos fariseus por que os discípulos de Jesus ñ jejuavam e Jesus
respondeu: " Como podem os convidados do noivo jejuar enquanto está com eles? Não podem
enquanto está com eles" ( Mc 2.19)
3- Jesus faz uma alusão esse periodo em que a igreja não teria a presença corpórea do noivo. Então
podemos claramente dizer que a igreja é como aquela viúva que espera as be aventuranças do noivo
enquanto peregrina aqui na terra. É por isso, que a Bíblia tem um carinho tão especial pelas viúvas.
( Tiago 1.27). Deus se diz o pai dos órfãos e o marido da viúva.
4- A viúva deste texto vivia num período de grande fome. O povo estava aflito por causa da carência. A
igreja nestes últimos dias tem atravessado o período do qual Amós falou: " Estão chegando dias,
declara o Senhor, o soberano, em que enviarei fome sobre a terra, não fome de alimento, mas, da
Palavra do Senhor..." ( Amós 8.11-12). Os homens correriam de um lado para o outro, buscando onde
sanar a sua alma!!
5- O mundo sente fome de moral, virtude, paz!!
6- A igreja sente necessidade de ser alimentada. Devemos perceber q não podemos viver com a
mesma fome que o mundo,e, precisamos bater na porta de Deus.
7- Em relação a igreja, vejo, Eliseu como que representando a figura de Deus Pai. Precisamos clamar
na presença de Deus por alimento. Precisamos entrar em Sua presença como a viúva entrou na
presença de Eliseu lembrando da promessa do Senhor: " Já fui jovem e agora sou velho, mas nunca vi
um justo desamparado e nem sua descendência mendigar o pão!! (Sl 37) . Mas, existe algumas
verdades nisso tudo!! São elas:
I - QUAL É A SUA FOME???
1- É de santidade? é de tranqüilidade? é de paz? Peça a Deus, pois estes direitos estão assegurados
em Cristo Jesus!!! ( Fl 4.6)
2- MUITAS VEZES TEMOS VIVIDO COM FOME COMO O MUNDO! !Mesmo assentados na mesa do
banquete com o Senhor, temos vivido com fome, porque esquecemos das promessas que ele nos fez e
que o Noivo fiel deixou como herança!!

I I - O QUE TEMOS EM CASA??


1 - Quando Eliseu ouviu a queixa daquela mulher, ele perguntou: " O que tens em casa?". A mulher
respondeu que tinha apenas um vaso com óleo.
2 - Nós também temos um vaso: o meu e o seu coração, que podemos abrir ao Senhor clamando: "
Unges a minha cabeça com óleo e o meu cálice transborda" ( Salmo 23.5)
3 - O segredo espiritual da vida do cristão é o: ESPIRITO SANTO!!. Sem ele nós e a igreja não
passamos de um clube, uma associação ou um bando de alienado do mundo. Se o espírito Santo não
passamos de um aglomerado de gente!! O que faz a igreja ser um corpo vivo do Espírito Santo é um
vaso (coração) cheio do óleo da presença de Deus!!!
4 - quando o ambiente está azeitado pelo Espírito Santo, sentimos a presença da Gloria do Senhor
trazendo alegria ao ambiente. É como se a sua shekinah estivesse passando!

I I I - E QUAL É O SEGREDO PARA ISSO??


1 - Simples!! É só ir buscar os vasos vazios!!
2 - Quem são eles?? São os pecadores que não conhecem Jesus. São aqueles que já perderam a
esperança e estão desiludidos. É aquele seu colega que estão desesperado, homossexuais, lésbicas,
drogados!!
3 - Devemos trazer estes vasos vazios para casa do Senhor, para eles experimentarem um derramar do
Espírito em suas vidas!!
4 - Deus não faz grandes milagres em vasos cheios. Ele gosta de vasos vazios da arrogância, do
egoísmo, da vaidade, do amor ao dinheiro, da ato-justiça!! E quando tivermos preparados os vasos só
precisamos fechar a porta. Mas, o que significa fechar a porta??!!
I V - SEPARAR-SE DO MUNDO!!
1 - Fechando a porta para as novelas; p/ promiscuiddae sexual; para o jogo da loteria; para a mentira,
para desonestidade, para a lingua que difama; que fala da vida alheia ( 1 Jo 2.15-17), ou seja, para tudo
que não presta.
2 - Crente que faz parte do mundo é inimigo de Deus, pois a Bíblia diz:" Infiéis, não compreendeis que a
amizade do mundo é inimiga de Deus? Aquele, pois, que quiser ser amigo do mundo constitui-se
inimigo de Deus" ( Tg 4.5,14).
3 - O filosofo dinamarquês, Soren Kierkegaard disse: " No dia em que a igreja e o mundo se tornarem
amigos, a igreja deixará de existir"

V - INTIMIDADE COM DEUS!!


1 - Quando queremos intimidade no nosso lar fazemos o que? fechamos a porta!
2 - Muitos não em sentido este azeite do spirito Santo, porque não tem fechado a porta da sua casa!!
( Mt 6 . 6 ).
3 - Hoje em dia há tempo para tudo, mas não há para Deus!! precisamos fechar a nossa porta!!
4 - A melhor oração é aquela que é feita na intimidade, a sós com a porta fechada.
5 - Este é o projeto maravilhoso de Deus para nós!!

CONCLUSÃO:
1 - Quando acabou os vasos da viúva, de para pagar a divida e ainda viver por muito tempo.
2 - o óleo do Espírito que Deus quer derramar tem de ser abundante para sobrar, transbordar, para que
nunca sejamos vazios, esgotados.
3 - Devemos transbordar este óleo a onde quer que eu vá. Pois um vaso transbordante derrama óleo no
colégio;no emprego, no transito, entre os amigos!!!
4 - SE queremos ser vitoriosos no evangelismo ou onde Deus nos leva, precisamos do óleo do Senhor.
Precisamos de azeite p/viver cheio da graça.