Você está na página 1de 72

PLANTAS MEDICINAIS

CULTIVO E MANEJO NA AGRICULTURA FAMILIAR


Expediente

Projeto Horto Medicinal

Diretor da Escola Estadual Casa Jovem e


Diretor
Executivo da OSCIP:
Francisco Cruz Nascimento

Coordenador Geral:
Vilmar Barbosa

Coordenador Técnico:
Adson dos Santos
Emanuel Alvez

Equipe Técnica:
Leonel Soares
Juraci Matuela
Rosiel Santos

Elaboração de textos:
Dayse Carmam
Adson dos Santos

Projeto Gráfico e Capa:


Frederico Rocha | R.2 Marketing

Fotos:
Adson dos Santos
Leonel Soares

Uma Publicação em Parceria com o


Ministério da Agricultura, Convênio de
Nº 704237
Ed : 2010 , PHM - Projeto Horto Medicinal
Coleção: PHM

PLANTAS MEDICINAIS:
Cultivo e Manejo na Agricultura Familiar

Plantas Medicinais: Cultivo e Manejo na Agricultura Familiar/ Projeto Horto Medicinal -


Igrapiúna: PHMCJ, 200
46p.

Palavras Chaves: Agricultura Familiar, Jovens e Plantas Medicinais.


PLANTAS MEDICINAIS
CULTIVO E MANEJO NA AGRICULTURA FAMILIAR

PROJETO HORTO MEDICINAL


O Projeto Horto
Medicinal é uma atividade da
Casa Jovem, em parceria com o
Ministério da Agricultura,
Pecuaria e Abastecimento,
para suprir a necessidade das
comunidades campesinas em
ter acesso à alternativa de
saúde em suas residências, nas
quais promovem o cultivo
orgânico de Plantas Medicinais
e Preparações Caseiras, sem
deixar de lado as experiências
das comunidades.
A Casa Jovem é uma
organização de sociedade civil
e pública, que promove desde
2008 ações em prol do
PLANTAS MEDICINAIS desenvolvimento de Crianças,
Adolescentes, Jovens e Adultos
do Baixo Sul da Bahia, a partir da execução de Projetos Pedagógicos, que conciliem a
Educação do Campo, o Ensino Profissional e a Educação Integral, potencializando os
CULTIVO E MANEJO NA AGRICULTURA FAMILIAR
Saberes da Terra e a Educação para a Vida e pelo Trabalho, tendo em vista o
desenvolvimento integrado e sustentável da região.
O Projeto Horto Medicinal, participa do Programa de Desenvolvimento Integrado e
Sustentável - PDIS, que prioriza a capacitação e promoção humana da comunidade
(Capital Humano), dando-lhes conteúdos, informações, levando a auto-valorização e
reconhecimento de seu potencial, dando suporte para explorar racionalmente os
recursos naturais na sustentabilidade do ser, ou seja, usufruir do Capital Ambiental, com
estrutura para que as potencialidades sejam exercidas, tais quais o Capital Social que
promove a colaboração, o envolvimento e a participação num objetivo comum, por
exemplo, associativismo e cooperativismo, produzindo a Riqueza Moral. E o Capital
Produtivo que reúne os recursos capazes de gerar riquezas e favorece a criação de
IGRAPIÚNA - 2011 oportunidades e renda para as pessoas da comunidade.
PLANTAS MEDICINAIS
CULTIVO E MANEJO NA AGRICULTURA FAMILIAR
Como surgiu a Agricultura?

Há cerca de doze mil anos, durante a Tal prática permitiu o aumento da


pré-história, a população humana vivia oferta de alimento das pessoas, e as
como nômades, ou seja, passavam plantas começaram a ser cultivadas. Isso
determinado tempo em um local, e se porque elas podiam produzir frutos, que
Certamente, quando você ainda era criança, ao ficar deslocava para outro quando os alimentos eram facilmente colhidos quando
doente, sua mãe ou sua avó fez um chazinho ou um (a caça) acabavam. Até que, com um maduros. Logo, as frequentes e perigosas
tempo notaram que alguns grãos que eram buscas à procura de alimentos eram
lambedor de algumas plantas medicinais e lhe ofereceu
coletados da natureza para a sua diminuídas e evitadas, permitindo que a
para beber.
alimentação poderiam ser enterrados, isto população permanece por muito mais
Hoje, você adulto, já deve ter usado algumas dessas
é, "semeados" a fim de produzir novas tempo em um determinado local. Os grãos
plantas. Seja para temperar uma comida ou para tomar
plantas iguais às que os originaram. Esses foram selecionados entre os grãos
como remédio. Não só você já fez isso, como também aspectos eram observados principalmente selvagens, de acordo com as
milhões de pessoas no mundo inteiro utilizam essas plantas pelas mulheres, que ficavam em casa características que mais interessavam aos
medicinais para algum tipo de doença. cuidando do lar e das plantas ao redor da caçadores e coletadores, como por
Muitas destas plantas são as mesmas que estão no casa. exemplo, o tamanho, a produtividade, o
quintal da sua casa. As mesmas que iremos cultivar na nossa sabor entre outras.
horta medicinal. O Brasil é um dos países que possui um
grande número dessas plantas, onde 7 em cada 10
remédios comprados nas farmácias são feitos direta ou
indiretamente de plantas medicinais.
Dessa forma, apresentamos para vocês O Projeto
Horto Medicinal Casa Jovem, que através de oficinas
pedagógicas, irá partilhar informações sobre as formas
adequadas de cultivo, manejo e utilização das plantas
medicinais.
Como surgiu a Agricultura? Como surgiu a Agricultura?

Assim surgiu o cultivo das primeiras Contudo, essa prática trouxe consigo Nesse momento o mundo viveu
alguns aspectos negativos sobre tudo nos períodos de muita euforia, altas produções
plantas domesticadas e os primeiros
países em desenvolvimento, por exemplo, eram obtidas a partir das diretrizes da
agricultores, que permitiram a junção de que optaram por um modelo de
re vo l u çã o ve rd e . Po ré m , m u i to s
maior numero de pessoas, comparando desenvolvimento a partir da modernização
questionamentos eram feitos, pois esse
com o período que somente se tinha a caça da agricultura tendo como premicia uso
descontrolado dos recursos ambientais, modelo de produção não respeitava os
e coleta. Houve uma transição gradual na princípios da natureza e se mostrava
desmatamento, contaminação de rios e
qual a economia de caça e coleta conviveu lagos dentre outros aspectos. agressivo ao meio ambiente.
com a economia agrícola: algumas culturas Assim surgiram alguns modelos de Neste contexto, surgiram em todas
produção, e esse processo se deu de forma as partes do mundo movimentos que
eram deliberadamente plantadas e outros
gradual.Iniciando-se no fim da 1ª Guerra visavam resgatar os princípios naturais, a
alimentos eram obtidos da natureza. Mundial, quando surgiam na Europa as exemplo da agricultura natural (Japão), da
Algumas técnicas foram sendo primeiras preocupações com a qualidade agricultura regenerativa (França), da
“testadas”, por exemplo, o uso de restos dos alimentos consumidos pela agricultura biológica (Estados Unidos),
das culturas como forma de fertilizar o população. Os primeiros movimentos de
além das formas de produção já existentes,
agricultura nativa surgiram
solo, cobertura morta para proteção do como a biodinâmica e a orgânica.
respectivamente na Inglaterra (Agricultura
solo evitando o processo erosivo entre Orgânica) e na Áustria (Agricultura
outas. E sua produção era sobre tudo para Biodinâmica).
sua subsistência. Após a 2° guerra mundial, o mundo
A descoberta da agricultura trouxe sofreu um grande avanço nas áreas de
química industrial e farmacêutica. Foram
vários benefícios para sociedade. Para a
criados os adubos sintéticos e os
sociedade antiga, o beneficio foi fixação defensivos químicos, com o objetivo de
dos homens em um determinado local, reerguer os países atingidos pela guerra e
ocorrendo consequentemente o acabar com a fome do mundo. Em seguida
a modernização trouxe modelos de
surgimento das vilas e comunidades. Para
qualificar produtividade, com, por
a sociedade atual, o beneficio foi a exemplo, as sementes geneticamente
produção de alimentos e matéria-prima melhoradas. Esse modelo ficou conhecido
para fins de produção de bens de como revolução verde que tinha como
função consolidar o modelo de
consumo.
modernização da agricultura.
Modelos de Produção na Agricultura A Agroecologia
Desenvolvimento da Agricultura A agroecologia consiste em uma proposta alternativa de agricultura familiar
socialmente justa, economicamente viável e ecologicamente sustentável. O termo pode
A evolução da agricultura deu-se, principalmente, através de três estágios: o ser entendido de diversas formas: como ciência, como movimento e como prática. Nesse
primeiro ocorreu há cerca de dez mil anos atrás, quando se começou a utilizar práticas de sentido, a agroecologia não existe isoladamente, mas é uma ciência integradora que
cultivos e variedades melhoradas de plantas, utilizando “sistemas integrados de manejo agrega conhecimentos de outras ciências, além de agregar também saberes populares e
agrícola”. A partir de 1960 iniciou-se o segundo estágio, que foi a chamada Revolução tradicionais provenientes das experiências de agricultores familiares de comunidades
Verde, com a utilização de novas técnicas (exemplo: herbicidas, fertilizantes e variedades indígenas e camponesas
de plantas mais produtivas). E o terceiro é conhecido como biorevolução que é o estágio A palavra agroecologia foi utilizada pela primeira vez em 1928, com a publicação do
que está em andamento. termo pelo agrônomo russo Basil Bensin.
O entendimento da agroecologia enquanto ciência coincidiu com a maior
Agricultura Convencional preocupação pela preservação dos recursos naturais nos anos 1960 e 70. Os critérios de
sustentabilidade nortearam as discussões sobre uma agricultura sustentável, que
Conceito usado exaustivamente no período da “Revolução Verde” a “agricultura garantisse a preservação do solo, dos recursos hídricos, da vida silvestre e dos
convencional” é um modo agrícola onde prevalece a busca da maior produtividade através ecossistemas naturais, e ao mesmo tempo assegurasse a segurança alimentar.
da utilização intensa de insumos externos, o que em curto prazo trás resultados Porém, só depois de 1970, quando agrônomos passam a enxergar o valor da
econômicos visíveis como o aumento da produtividade e eficiência agrícola. No primeiro ecologia nos sistemas agrícolas, que o termo começa a ser mais explorado e a
momento também o aumento da produtividade contribui para a diminuição da migração agroecologia trabalhada com mais afinco, pois passa a ser entendida como campo de
rural e melhora a distribuição de renda, porém a longo prazo trazem danos ambientais que produção científica e como ciência integradora, preocupada com a aplicação direta de
não são contabilizados pelos adeptos da agricultura convencional, o plantio é focado na seus princípios na agricultura, na organização social e no estabelecimento de novas
monocultura desenvolvida em larga escala, o que em longo prazo pode gerar um formas de relação entre sociedade e natureza.
estreitamento da diversidade genética do meio ambiente explorado. A agroecologia é ainda uma ciência e uma prática em franca expansão. A partir dos
anos 1980, as organizações não governamentais foram fundamentais na promoção e
Agricultura Orgânica divulgação da agroecologia em todo o mundo e especialmente no Brasil.Nos últimos anos
nota-se uma preocupação constante de universidades, centros de pesquisa e programas
Um sistema de gerenciamento total e projetos de extensão em trabalhar aspectos e características técnico-científicas, bem
da produção agrícola com vistas a como os impactos sociais provenientes da prática agroecológica.
promover e realçar a saúde do meio
ambiente, preservar a biodiversidade, os
ciclos e as atividades biológicas do solo.
Neste sentido, a agricultura orgânica
enfatiza o uso de práticas de manejo em
oposição ao uso de elementos estranhos
ao meio rural. Isso abrange, sempre que
possível, a administração de
conhecimentos agronômicos, biológicos e
até mesmo mecânicos. Mas exclui a
adoção de substâncias químicas ou outros
materiais sintéticos que desempenhem no
solo funções estranhas às desempenhadas
pelo ecossistema.
Agricultura Agricultura Agricultura Agricultura
Biodinâmica Orgânica Organo-Biológica Natural
Agroecologia Biodinâmica
Anos 1930 e 1940
Início década de 20 Início década de 1930 Meados de 1930
Grã Bretanha/Suíça
Alemanha / Áustria
/Áustria
Suíça / Áustria Japão A Agricultura Biodinâmica possui uma base comum com as demais formas de
produção orgânicas no que diz respeito à diversificação e integração das explorações
vegetais, animais e florestais; à adoção de esquemas de reciclagem de resíduos vegetais e
animais e ao uso de nutrientes de baixa solubilidade e concentração.
A agricultura biodinâmica difere das demais correntes agroecológicas basicamente
Agricultura em dois pontos. O primeiro é o uso de preparados biodinâmicos, que são substâncias de
Biológica origem mineral, vegetal e animal altamente diluídas, segundo os princípios da
Década 1960/1970 homeopatia, aplicados no solo, nas plantas e nos compostos. Esses preparados têm o
França
objetivo de vitalizar as plantas e estimular o seu crescimento.
O segundo é o fato de efetuar as operações agrícolas (plantio, poda, raleio, demais
tratos culturais e colheita) de acordo com um calendário astral, concedendo atenção
Agricultura Agricultura Permacultura especial à disposição da lua e dos planetas, por esse motivo é definida como uma "ciência
Ecológica Regenerativa
espiritual", ligado à antroposofia, em que a propriedade deve ser entendida como um
Final 1970 e início de Final 1970 e início de
Anos 1970 e 1980 organismo. Preconizam-se práticas que permitam a interação entre animais e vegetais;
1980 1980
Austrália
Alemanha/Holanda Estados Unidos
respeito ao calendário astrológico biodinâmico; utilização de preparados biodinâmicos,
que visam reativar as forças vitais da natureza; além de outras medidas de proteção e
conservação do meio ambiente.
É importante ressaltar que as práticas agrícolas biodinâmicas possuem seu próprio
sistema de certificação, fiscalização e credenciamento de agricultores. Todavia, as
Agricultura Alternativa unidades de produção biodinâmicas são agrupadas sob a denominação genérica de
Anos 1970 agricultura orgânica. Ou seja, uma unidade de produção biodinâmica também é orgânica,
porém o contrário não é verdadeiro.

Agroecologia
Anos 1980
América Latina / Estados Unidos

Agricultura Sustentável
Final de 1980 e 1990
Agricultura Orgânica Agricultura Regenerativa
Agricultura Orgânica ou Agricultura Biológica é o termo frequentemente usado É um modelo que surgiu a partir da agricultura orgânica proveniente das ideias de
para designar a produção de alimentos e outros produtos vegetais que não faz uso de Howard e Rodale, atualmente conhecido como agricultura regenerativa que consiste em
produtos químicos sintéticos, tais como fertilizantes e pesticidas, nem de organismos promover a produção de alimentos saudáveis, a criação de ciclos fechados de geração de
geneticamente modificados. insumos a partir de resíduos e a aplicação no campo de práticas conservadoras da
Apresenta um conjunto de normas bem definidas para produção e comercialização natureza. Na prática visa a regeneração e a manutenção não apenas das culturas, mas de
da produção determinadas e aceitas internacionalmente e nacionalmente. Atualmente, o todo o sistema de produção alimentar, incluindo as comunidades rurais e os
nome "agricultura orgânica" é utilizado em países de origem anglo-saxã, germânica e consumidores.
latina. Pode ser considerado como sinônimo de Agricultura Bbiológica e engloba as Este modelo reforça o fato de o agricultor buscar sua independência pela
práticas agrícolas da agricultura biodinâmica e natural. potencialização dos recursos encontrados e criados na própria unidade de produção
Não tem ligação a nenhum movimento religioso. Baseado na melhoria da agrícola ao invés de buscar importar insumos externos da sua propriedade, usando todos
fertilidade do solo por um processo biológico natural, pelo uso da matéria orgânica, o que os matérias encontrados em seu redorno intuito de fertilizar o solo e controlar possíveis
é essencial à saúde das plantas. Como as outras correntes essa proposta é totalmente pragas e doenças.
contrária à utilização de adubos químicos solúveis. Os princípios são, basicamente, os No Brasil, a experiência mais conhecida é a do suíço Ernst Götsch, na região sul da
mesmos da agricultura biológica. Bahia, onde desenvolveu um sistema agrossilvicultural para uma rápida recuperação de
áreas degradadas privilegiando a produção agrícola por meio de poda intensiva das
árvores, de forma a induzir o rejuvenescimento, o vigor e o crescimento das plantas,
aliados a elevada incorporação de biomassa ao solo; e controle intensivo da sucessão
vegetal.
Agricultura Biológica Agricultura Natural
No início essa corrente era baseada em aspectos socioeconômicos e políticos: A Agricultura Natural tem como princípio fundamental respeitar as leis da natureza
autonomia do produtor e comercialização direta. A preocupação era a proteção nas atividades agrícolas, reduzindo ao mínimo possível a interferência sobre o
ambiental, qualidade biológica do alimento e desenvolvimento de fontes renováveis de ecossistema. Por isso, na prática não é recomendado o revolvimento do solo, nem a
energia. utilização de composto orgânico com dejetos de animais. Aliás, o uso de esterco animal é
Os princípios da Agricultura Biológica são baseados na saúde da planta, que está rejeitado radicalmente.
Na prática se utilizam produtos especiais para preparação de compostos orgânicos,
ligada à saúde dos solos. Ou seja, uma planta bem nutrida, além de ficar mais resistente a
chamados de microorganismos eficientes (EM), que é uma combinação de bactérias e
doenças e pragas, fornece ao homem um alimento de maior valor biológico.
Agricultura Biológica não considera essencial a associação da agricultura com a fungos da própria natureza, sem manipulação genética, que forma uma cultura mista de

pecuária. Recomendam o uso de matéria orgânica, porém essa pode vir de outras fontes microorganismos benéficos. Esses produtos que estar dentro das normas da agricultura
orgânica, são comercializados e possuem fórmula com patente.
externas à propriedade, diferentemente do que preconizam os biodinâmicos e a
agricultura regenerativa.
Segundo seus precursores, o mais importante era a integração entre as
propriedades e com o conjunto das atividades socioeconômicas regionais. Este termo é
mais utilizado em países europeus de origem latina (França, Itália, Portugal e Espanha).
Segundo as normas uma propriedade "biodinâmica" ou "orgânica", é também
considerada como "biológica".
Permacultura Como fazer Agroecologia
A Permacultura é um método que para planejar, atualizar e manter sistemas de Ao se trabalhar uma propriedade a partir dos princípios agroecológicos se faz
escala humana (jardins, vilas, aldeias e comunidades), precisa-se de uma visão holística, necessário considerar a complexidade dos sistemas, dentro e fora da propriedade. Os
ou seja, ao praticar agricultura tem que levar em consideração o todo, numa perspectiva agricultores e os técnicos devem enxergar a lavoura e a criação como elementos dentro da
de ambientalmente sustentáveis, socialmente justos e financeiramente viáveis. natureza, que não podem ser trabalhados isoladamente respeitando sempre as
O princípio da Permacultura se correlaciona à aplicação criativa dos princípios peculiaridades de cada realidade. Precisa-se conhecer os elementos dessa diversidade
básicos da natureza, integrando plantas, animais, construções, e pessoas em um para que se possa manejá-los adequadamente, trabalhando a favor da natureza e não
ambiente produtivo e com estética e harmonia, em três pilares: Cuidado com a Terra, contra ela, como é feito na agricultura convencional.
Trabalha-se a conservação do solo ao invés de destruí-lo com os usos excessivos de
Cuidado com as Pessoas e Repartir os excedentes.
A Permacultura une o conhecimento secular às descobertas da ciência moderna, maquinas e adubos e defensivos químicos. Em vez de se eliminar, devemos aprende a

proporcionando o desenvolvimento integrado da propriedade rural de forma viável e trabalhar a parceria entre as ervas nativas (daninhas), entre as criações e as lavouras.
Nesta lógica não devemos considerar os insetos como pragas, pois com plantas
segura para o agricultor familiar, além de ser um método para planejar sistemas de escala
resistentes e com equilíbrio entre as populações de insetos e seus predadores, eles não
humana, proporciona uma forma sistêmica de se visualizar o mundo e as correlações
chegam a causar danos econômicos nas culturas. Dentro desse mesmo princípio não se
entre todos os seus componentes.
trata doença com agrotóxico, mas busca-se fortalecer a planta para que esta não se torne
suscetível ao ataque de doenças e de insetos.
Para manter a planta forte é preciso que ela receba uma nutrição adequada, o que
não se consegue utilizando adubos químicos, devido a suas altas concentrações e
solubilidade que provocam absorção forçada pela planta e consequentemente cria
desequilíbrios metabólicos. Estes desequilíbrios deixam a seiva rica em aminoácidos
livres, o alimento predileto dos parasitas.
Como fazer Agroecologia Práticas Agraecológicas
Para uma nutrição adequada, é necessário que o solo seja fértil e biologicamente Dentro da dimensão ecológica da Agroecologia, podemos identificar várias ações
ativo, como terra de mato que sustenta árvores gigantescas sem nunca ter sido adubada. no sentido de ecologização dos sistemas produtivos, sendo que essas ações são possíveis
Solo fértil é solo vivo, com muita matéria orgânica e com diversas espécies vegetais, de serem realizadas pelos agricultores. Além de conservar e melhorar a fertilidade dos
insetos e microorganismos. Quanto mais matéria orgânica, mais vida tem o solo, melhor solos, de preservar e ampliar a biodiversidade natural e doméstica, de proteger as fontes
nutrida e equilibrada é a planta que nele se desenvolve. e cursos d'água, eliminar o uso de substâncias tóxicas, como os agrotóxicos e adubos
O agricultor e o técnico devem conhecer cada vez mais os sinais da natureza. Eles sintéticos ou de efeito desconhecido, como os organismos geneticamente modificados,
necessitam saber que quando aparecem muitos insetos, ou determinado tipo de erva os agricultores deveriam, ainda, se preocupar com a reciclagem e/ou reutilizaçãode
nativa, é devido a algum tipo de desequilíbrio ou alguma carência. Neste caso, o certo é materiais, energia e nutrientes. Dentre as possibilidades, em nível de propriedades, de
corrigir o desequilíbrio, ao invés de matar os insetos ou eliminar a erva, pois devemos reciclar nutrientes, está a utilização de composto orgânico, úrica de vaca, manipueira,
eliminar a causa do problema e não apenas suas consequências. biofertlizantes dentre outros.
A agroecologia baseia-se sobre o principio da sustentabilidade, para tanto,norteia-
se através de práticas agrícolas menos agressivas ao meio ambiente, onde agreguem
valor a produção e consequentemente melhoria da renda dos agricultores a partir de
metodologias participativas e comercialização de forma justa.
Composto Orgânico Composto Orgânico
Este processo requer que cada indivíduo dentro da sua própria propriedade Como é feito o composto?
desenvolva um método de processar restos de cultura, esterco animal. Se forem galhos, O composto é feito sobrepondo os resíduos orgânicos, formando-se pilhas ou leiras. A
montagem da leira é realizada alternando-se os diferentes tipos de resíduos em camadas
mato, toras de madeira, também funciona. O método mais simples requer a disposição do com espessura em torno de 20 cm. Por exemplo, forma-se uma camada com restos de
material numa pilha que vai ser regada e revolvida ocasionalmente, tendo em vista a capina, acompanhada por outra com restos de cozinha. A seguir adiciona-se uma camada
de serragem e depois outra com restos de comida novamente, assim sucessivamente até
promoção de umidade e oxigênio aos microrganismos da mistura. Durante o período de esgotarem os resíduos.
compostagem (que poderá levar três meses normalmente a depender do material
usado), o material empilhado sofre decomposição por intermédio de bactérias e fungos Quando o composto está pronto?
A compostagem leva de 9 a 16 semanas, dependendo do material orgânico utilizado, das
até a formação de húmus. Quando este material composto se encontrar estabilizado condições ambientais (no verão é mais rápido) e do cuidado no revolvimento constante e
biologicamente, poderá ser usado para correção de solos ou como adubo. É um material uniforme da leira. O composto está pronto quando após o revolvimento da leira a
temperatura não mais aumentar.
rico em nutrientes que irá melhorar e manter a saúde física, química e biológica do solo,
tornando as plantas mais vigorosas. Quantas vezes é preciso revirar o composto?
O reviramento ocorre quando se observar as barras de ferro frias ou muito quentes, o que
pode ocorrer logo na primeira semana. Na dúvida pode-se estabelecer uma rotina de
reviramento semanal da leira.
Adubação Verde Adubação Verde e os Nutrientes
Adubação verde ou plantio verde é o nome dado à prática de adicionar leguminosas Os nutrientes são muito importantes para o desenvolvimento dos vegetais, pois
na superfície do solo com intenção de enriquecê-lo nutricionalmente. A decomposição plantas que crescem em ambientes com déficit nutricional não se desenvolvem
destes restos orgânicos favorece o aumento da produção de biomassa vegetal. As
principais razões da escolha de leguminosas na adubação verde é a facilidade da fixação normalmente, e podem até deixar de se reproduzir. O plantio verde colabora para o
de N2 atmosférico pela ação nitrificante das bactérias, especialmente do gênero enriquecimento nutricional dos solos, fornecendo mais nutrientes para as plantas que
Rhizobium, que associam-se com as raízes destas plantas, fornecendo-lhe o nitrogênio e
recebendo o carboidrato em troca. são cultivadas. Os nutrientes, além de serem muito importantes para a manutenção do
Principais Vantagens: metabolismo das plantas, também atuam diretamente na produção de nucleotídeos,
cadeias de aminoácidos e de proteínas que são essenciais para o crescimento das plantas.
*Funcionam como adubo para as outras plantas;
*Protegem o solo contra as chuvas e ventos;
*Pode servir de abrigo para os inimigos naturais dos insetos-pragas que atacam os
cultivos.
*Dificulta o crescimento de plantas invasoras, como o dandá (tiririca de três quinas)

Neste consórcio, o adubo verde pode ser semeado nas entrelinhas ou em todo o
terreno. Neste último caso, pode-se fazer a roçada na linha (em torno de 20cm) onde vai
ser plantada a cultura de interesse econômico e, sempre que necessário para não
prejudicar o crescimento da cultura.
Um bom exemplo é uma espécie conhecida como Crotalária. Ela pode ser cortada
quando floresce, e funciona como um adubo, e ainda protege o solo. Um exemplo
desse tipo de consórcio é o plantio de babosa + crotalária.
No entanto, a adubação verde por si só, não é suficiente. Na maioria das vezes deve
ser complementada pela adubação orgânica, feita preferencialmente com composto
orgânico ou estercos de animais curtidos, sempre baseada na análise do solo.
Barreira de Vento Rotação de Culturas
A barreira de vento, ou quebra-vento é um natural ou artificial, que serve para A rotação de culturas consiste em alternar, anualmente, espécies vegetais, numa
diminuir a velocidade do vento, protegendo assim a área que será cercada. mesma área agrícola. As espécies escolhidas devem ter, ao mesmo tempo, propósito
As principais funções do quebra vento, são: comercial e de recuperação do solo.

*Proteção do solo contra os ventos, evitando a queda de galhos, folhas, flores e frutos; *As vantagens da rotação de culturas são inúmeras:
*Conservação da umidade do solo, através da diminuição das perdas da água; *Proporciona a produção diversificada de alimentos e outros produtos agrícolas,
*Aumenta a eficiência da irrigação e do uso da água, diminuindo as perdas; *Melhora as características físicas, químicas e biológicas do solo;
*Produção de madeira para uso na propriedade como lenha ou em benfeitorias, ou para a *Auxilia no controle de plantas daninhas, doenças e pragas;
comercialização; *Repõe matéria orgânica e protege o solo da ação dos agentes climáticos.
*Fornecimento de combustível através da madeira;

O sansão-do-campo (Mimosa caesalpiniaefolia) é um bom exemplo, e vem sendo


bastante utilizado como cerca viva.
Porque devemos usar essas práticas
Proteção do Solo na Agricultura?
É a utilização de restos vegetais (folhas, principalmente) como proteção do solo. A utilização da matéria orgânica é de suma importância para que posamos alcançar
Essa cobertura morta: um sistema sustentável de produção. Além de fornecer nutrientes para as plantas,
melhora as qualidades físicas, químicas e biológicas do solo, conserva o solo umedecido,
*Protégé o solo contra a chuva e o sol;
*Evita formação de crostas duras na superfície; diminui o processo erosivo, auxilia no equilíbrio do pH do solo, aumenta a biodiversidade
*O solo ''segura'' mais a umidade; do solo, influenciando sobre medida para a disponibilidade de nutrientes para a planta,
*Evita a presença de ervas invasoras; com o uso dessas práticas ocorre a ciclagem de nutrientes.

Pode ser feita com palha, capim cortado, casca de arroz ou outro material
disponível. Não deve ser misturada ao solo.
Porque não usar adubos químicos Consórcio de Plantas Medicinais
Na prática da agricultura, no manejo do solo e das plantas, devemos encarar a terra Fazer um cultivo orgânico não significa apenas utilizar fontes de adubação orgânica.
como um mundo complexo e integrado onde devem viver em equilíbrio um número É necessário realizar outras técnicas como a rotação de culturas, proteção do solo,
incalculável de microrganismos, que garantem a perfeita fertilidade do solo e a sanidade barreira de vento, adubação verde, compostagem, controle alternativo e natural de
das plantas. Devemos considerar a terra em seus aspectos físicos, químicos e biológicos pragas e doenças, e a consorciação.
procurando promover, proteger e conservar a harmonia entre estas três partes. A A consorciação é uma técnica muito importante. É um sistema agrícola, onde na
agricultura convencional ainda tende a considerar o solo como um mero suporte que, mesma área, se cultiva duas ou mais culturas agrícolas. Ou seja, é plantar dois ou mais
efeito de adubos químicos e agrotóxicos, e sob o risco de degradação do solo, deve tipos de plantas na mesma área.
produzir enormes vegetais sob o argumento que é necessário aumentar a produção Um exemplo de consórcio é o cultivo de cacau + seringa na mesma área. Esse
sempre. A outra face da moeda, porém, nos mostra que apesar dos adubos químicos plantio tem dado bons resultados, e muitos produtores tem se mostrado satisfeitos com a
darem , a curto prazo, uma resposta em termos de uma maior produtividade e produtos produção em suas propriedades.
de maior tamanho, estes são em geral menos saborosos, mais pobres em vitaminas e sais Uma área grande de plantas da mesma espécie pode facilitar o surgimento e rápido
minerais e impregnados de resíduos de venenos”. desenvolvimento de pragas e doenças específicas. A consorciação de duas ou mais
Não devemos usar adubos químicos, pois acarretam alguns problemas: espécies reduz este risco. É necessário, entretanto, fazer um planejamento desta
• Só uma parte dos adubos químicos é absorvida pelas raízes das plantas causando uma consorciação. Quando não há informações sobre o efeito da consorciação ela deve ser
hipernutrição, e fazendo com que aumente muito seu teor de água ( isso por que a planta testada primeiro em uma pequena área.
necessita que o solo estava úmido para que possa absolver o adubo), desta forma o No caso de plantas medicinais é uma técnica nova, mas já existem alguns
vegetal fica nutricionalmente desiquilibrado, isso as transformam em uma “presa” fácil resultados.
para praga s e doenças, além de serem menos saborosas e terem seu teor nutritivo
empobrecido;
•A outra parte que não é absorvida pela planta é lixiviada, ou seja, é levada pelas águas
das chuvas e irrigação, poluindo rios, lagos, lenções freáticos, ocasionando muitas vezes
em poluição completas desses recurso naturais;
•Uma outra parte desses adubos são evaporados, como no caso dos adubos nitrogenados
( por exemplo, sulfato de amônio), que a forma de óxido nitroso vai assim como ocorre
com os fluocarbonetos de aerossol destruir a camada de ozônio da atmosfera;
•Este tipo de adubação é a causa a morte de microorganismos úteis do solo e a absorção
forçada pela plantas, pois estes sais, além de se solubilizarem na água do solo,
apresentam-se em altas concentrações;
•Oneram a produção;
•Contaminam os agricultores.
Consórcio de Plantas Medicinais
Abaixo vemos alguns exemplos de associações benéficas e associações que devem
ser evitadas.

*Alfavaca - Não deve ser plantada perto da Arruda. Seu cheiro repele moscas e mosquitos.
*Funcho - Não devem ser plantadas perto de nenhuma outra planta
*Hortelã: Seu cheiro repele lepidópteros tipo borboleta-da-couve podendo ser plantada
como bordadura de lavouras. Exige atenção pois se alastra com facilidade.
*Alecrim: mantém afastados a borboleta-da-couve e a mosca-da-cenoura. É planta
companheira da sálvia.
*Manjerona: melhora o aroma das plantas.
*Losna: como bordadura, mantém os animais fora da lavoura, mas sua vizinhança não faz
bem a nenhuma outra planta; mantenha-o um pouco afastado.
Sistema de Cultivo
Seria uma bobagem falar de cultivo para um agricultor, já que ele sabe como
ninguém a maneira adequada de trabalhar em sua terra, mas essa cartilha, traz para você
uma forma mais saudável e barata de cultivar sua horta medicinal.
Um cultivo orgânico. Sim, a adubação orgânica além de ser barata, É a maneira mais
saudável de cuidar das plantas, porque você pode usar o material da sua própria
propriedade como as cascas de frutas, o esterco de galinha, de porcos, de gado entre
outros...
Mas porque tenho que me preocupar com isso? Par se ter um remédio de boa
qualidade, é preciso uma planta boa e saudável, sem a utilização de agrotóxicos.
Exigências Agroecológicas de Cultivo O Solo
Para cultivar plantas medicinais é preciso fazer algo que você já faz sempre: Plantas Medicinais crescem e produzem bem em terras fofas, argilosas, com
observar o clima e o solo da sua comunidade para que você cultive aí em sua propriedade matéria orgânica e úmidas. Mas se em sua comunidade as terras são arenosas e um pouco
aquelas plantas que mais se adaptam, ou seja, que melhor crescem e produzem aí onde mais secas também é possível plantar e produzir, desde quando seja feita a adubação
você está. certa. Mas disso falaremos um pouco a frente.
Plantas e Tipos de Solo Luz

PLANTA TIPO DE SOLO A luz desempenha um papel fundamental na vida das plantas, influenciando no
crescimento e desenvolvimento. A falta ou excesso de luminosidade diminui a produção
Alecrim Calcário e bem drenados ou impossibilitam o crescimento das espécies cultivadas. Dessa forma, é importante
Arruda Levemente alcalino, bem drenado observar que existem plantas que se desenvolvem melhor em locais de mais sombra e
e rico em matéria orgânica outras em locais de maior luminosidade.

Babosa Leve e bem drenado


Capim-limão Drenado e rico em matéria orgânica
Erva-cidreira Drenado, rico em matéria orgânica,
férteis

Espinheira-santa Humosos
Guaco Com bom teor de argila e bem
drenado

Hortelã-pimenta Aerado e úmido


Clima Clima

Cada tipo de planta medicinal se Plantas de clima mais quente:


desenvolve bem em um tipo de clima
diferente. Umas se dão melhor em lugares erva-baleeira
onde chove menos e faz mais calor e outras açafrões
só gostam de climas mais chuvosos e frios. capim-limão
boldo-da-terra
Plantas de clima mais frio: boldo-baiano
arruda
camomila babosa
macela guaraná
macelinha jaborandi
calêndula
celidônia
guaco
bardana
capuchinha ou chagas
espinheira-santa
estévia
dedaleira
Plantas Medicinais Cultivadas no Projeto Plantas Medicinais Cultivadas no Projeto
Medicinal Casa Jovem Medicinal Casa Jovem
Boas Práticas de Cultivo Montando meu Horto Medicinal
Para cultivar plantas medicinais é preciso fazer algo que você já faz sempre:
observar o clima e o solo da sua comunidade para que você cultive aí em sua propriedade
aquelas plantas que mais se adaptam, ou seja, que melhor crescem e produzem aí onde
você está.

O cultivo de nossas plantas medicinais será feito por etapas, que devem ser
seguidas passo a passo. Pois são informações seguras de cuidado com a terra e com nós
mesmos.

O cultivo de nossas plantas medicinais será feito por etapas, que devem ser
seguidas passo por passo, pois são informações seguras de cuidado com a terra e com nós
mesmos. Essas dicas são chamadas de boas práticas do cultivo.
Escolha da Área Preparo da Área Escolhida
O primeiro passo para cultivar plantas medicinais de boa qualidade, tomando Coleta de Amostra
cuidado com a saúde das pessoas e preservando o ambiente, é a escolha da área onde
O primeiro passo no preparo da área é a coleta de amostras de solo, que funciona
vamos fazer nosso horto medicinal. como um exame de sangue da terra e é feito para poder saber quanto de adubo e calcário
É importante que a área escolhida seja distante de pontos de contaminação como será preciso colocar no local.
lixo, esgoto doméstico ou fossa seca. O solo da área deve ter bastante matéria orgânica,
boa umidade e argiloso. Para facilitar o trabalho é bom que a área seja perto da água e de Passo 1

casa. Com um cavador, enxada ou enxadete, abrir um buraco de 20 cm em torno de um


Não usar áreas de mata nem de capoeira por respeito e conservação ao meio palmo de profundidade por um palmo de largura.
ambiente.
Preparo da Área Escolhida Preparo da Área Escolhida
Coleta de Amostra Coleta de Amostra

Passo 2 Passo 3

Coletar um pouco de terra do buraco, tomando cuidado para pegar terra de cima Coletar a terra de 10 a 15 locais em cada hectare, sempre colocando no balde.
até embaixo da profundidade do buraco. Colocar a terra em um balde ou saco bem limpo.
Lembrando que esse solo não poderá ser retirado de caminhos, perto de formigueiros, de
esterco ou local onde tem adubo pois pode maquiar o resultado da análise.
Preparo da Área Escolhida Preparo da Área Escolhida
Passo 4 Passo 5

Misturar bem a terra do balde, retirando os galhos, raízes e pedras. Retirar 500 gramas de terra e colocar em um saco plástico. Depois identificar:
colocando nome do proprietário nesse caso você , o nome da propriedade, o local de
dentro da propriedade por exemplo área de baixada ou área de cima e o tamanho da área
e o que vai ser plantado.

Passo 6

Encaminhar a amostra para um escritório da EBDA ou


CEPLAC. Quando chegar o resultado, mostrar ao técnico que vai em
sua roça para ele fazer os cálculos do adubo que irá precisar.
Levantamento de Canteiros e Aberturas
Limpeza da Área de Covas
Os passos para a limpeza da área são os Levantar canteiros com um palmo de altura e no máximo 10 metros de
seguintes: comprimento. Deixar 50 centímetros de espaço entre os canteiros para acesso de pessoas
e ferramentas. Os canteiros são para plantas medicinais com mentrasto, hortelã japonesa
1. Retirar toda a vegetação natural, raízes e alfavaca grossa.
e pedras; Para as plantas medicinais que não são plantadas em canteiros, como capim santo e
erva cidreira as covas são abertas com 30 centímetros de profundidade, 30 centímetros
2. Aplicar calcário e fosfato natural de de largura e 30 centímetros de comprimento.
acordo com o resultado da análise do
solo e incorporar;

3. Cercar a área com materiais


disponíveis na propriedade, tais como:
bambu, palha, palmeiras, para evitar
invasão de animais;
Adubação de Canteiros e de Covas Plantio
Feita com fertilizantes orgânicos como: esterco de galinha, porcos e boi. Na Essa é uma fase muito importante e os cuidados precisam ser grandes. As mudas de
quantidade de 2 kg por metro quadrado de canteiro. No caso das covas pode-se usar 1 kg espécies de canteiro como mentrasto e hortelã rasteiro são plantadas a 30 centímetros de
de esterco por cada cova. distância uma das outras a uma profundidade no máximo 5 centímetros.
Pode-se também usar húmus de minhoca, casca decomposta de cacau, bucha de As mudas de espécies de cova podem ser plantadas a máximo a 20 cm de
dendê, cinzas de casa de farinha ou outros materiais disponíveis na propriedade. O profundidade, se forem feitas em tubetes, ou 10 cm no caso de estacas.
fosfato natural também deve ser utilizado na quantidade de 100g por metro quadrado de
canteiro ou por cova.
Cuidados depois do Plantio Irrigação
Para as plantas medicinais crescerem e produzirem bem, você sabe muito disso, a
gente tem de cuidar. E esses cuidados podem ser divididos assim:

1. Uso de cobertura morta para abafar o crescimento das plantas espontâneas. Aquelas
que você chama de mato, a cobertura morta além disso favorece o crescimento das
plantas por ser um adubo orgânico e conserva a umidade do solo deixando as plantas mais
resistentes a falta de água.

Três importantíssimos cuidados devem ser tomados quanto a água de irrigação:

1. A quantidade de água deve ser usada de acordo com a necessidade de cada planta
cultivada, para evitar desperdícios desse bem tão precioso;

2. A água é grande fonte de


contaminação, por isso,
deve-se tomar cuidado
com a fonte de onde se
retira a água para a
irrigação de nossa horta
medicinal;

3. Evitar irrigar muito


para o solo não ficar
encharcado pois isso
pode trazer doenças e
causar a morte das
plantas.
Adubação Pragas e Doenças
Na fase de crescimento das plantas você pode adubar com esterco de galinha. Nas Você sabia que as plantas
covas use 1 kg por planta e nos canteiros 1 kg por metro quadrado. medicinais geralmente,
resistem bem ao ataque de
doenças e pragas? Pois é, se
cuidarmos bem das nossas
ervas, com um bom solo e uma
boa adubação, o ataque dessas
pragas e dessas doenças serão
bem menores. Veja algumas
formas de prevensão.

Elsiel – Casa Familiar Rural de


Presidente Tancredo Neves
Receitas Biológicas para Controle Mistura de Sabão, Macerado de Fumo e Enxofre
Vamos aprender a fazer Você sabe fazer mistura de
re c e i ta s b i o l ó g i ca s p a ra sabão, macerado de fumo e
acabar com qualquer tipo de e n x o f r e ? N ã o ?
praga e doença que venha É só você misturar em 10 litros
p re j u d i ca r n o s s a h o r ta ? de água morna, meia barra de
Vejamos duas receita ao sabão, um litro de macerado de
lado: Macerado curtido de fumo e 01 kg de enxofre, deixe
urtiga e o Macerado de fumo. esfriar, depois é só jogar sobre
as plantas. Essa receita serve
para controlar ácaros.

Macerado curtido de
urtiga
Colocar 500 gramas
de folhas de urtiga
fresca ou 100 gramas
de folhas de urtiga
seca em um litro de
água e deixar dois
dias. Para aplicação
diluir em 10 litros de
água e molhar sobre
as plantas ou no solo.
Controla pulgões e
lagartas (aplicado no Leonel, Tecnico Casa Jovem
solo). Sr. Messias - Buri/Sabão
Cravo de Defunto Pimenta Vermelha
Olha que dica bem legal! Ola! Sou Ana Paula, do Colégio
O cravo de defunto Estadual Casa Jovem. Vou
quando plantado nas ensinar para vocês uma
bordaduras impede o receita com pimenta vermelha.
a p a rec im ento d e Pegue a pimenta vermelha,
n e m ató i d e s n a s p l a nta s soque bem e misture com
cultivadas. bastante água e um pouco de
sabão em pó ou líquido, depois
espalhe sobre as plantas. Age
como repelente de insetos.

Ana Paula, estudante do


Sr. Eustáquio - Comunidade do Julião
Colégio Estadual Casa Jovem.
Mistura de Cinzas e Cal Aplicação de Cal
Prazer, sou Angelo, vim Ola pessoal! Sou Vinicios,
aqui para te dar uma dica da comunidade da Jubeba. Vou
muito importante: Dissolva ensinar uma receita muito
300 gramas de cal virgem interessante para o agricultor:
em 10 litros de água e - Faça uma pasta de cal e
mais 100 gramas de cinzas. pincele sobre o tronco. Isso
Coe e pincele, ou espalhe evita-se a subida de formigas.
sobre as plantas durante o
inverno.

Angelo, estudante da Escola Vinicios, estudante do


de Instrução Militar na Casa Jovem Colégio Estadual Casa Jovem.
Pasta Bordazela Colheita Secagem e Armazenamento
Ola pessoal! Eu sou Hoberlan, da comunidade do Rio do Braço. Todo esforço que você fez até agora no cultivo das plantas pode - se perder quando
Vou mostrar como se faz uma pasta bordazela. É só seguir os não se dá atenção ao momento certo de colheita, beneficiamento e armazenagem. O
passos que esta ao lado. Evita-se a subida de formigas. valor comercial das Plantas Medicinais será de acordo à sua qualidade. E essa qualidade
depende de:
Dissolva 1 kg de sulfato de cobre
a) colheita no período certo de cada planta;
bem moído em um pouco de
água, mexa bem com uma vara.
Em outro vasilhame queime 01 b) correto manuseio durante e após a colheita;
kg de cal virgem com água
quente, a qual deve ser c) beneficiamento adequado;
colocada bem devagar.
Espere até que a solução d) armazenagem apropriada.
esfrie. Em um terceiro
vasilhame, com
capacidade para 10 litros,
coloque a solução de cal e
a solução de sulfato de
cobre, pouco a pouco e
mexendo bem com uma
vara. Depois complete até
os dez litros com água e
mexa bem. Aplique com uma
brocha de pedreiro pintando
os troncos e os galhos mais
grossos, evitando as folhas e
galhos mais finos. Aplicando
durante o inverno controla
líquens, musgos, algas em
frutíferas e ajuda a controlar Hoberlan, da Casa Familiar
doenças bacterianas em outras Rural de Igrapiúna.
plantas.
Parte Colhida - Ponto de Colheita Secagem
A colheita de Plantas Meu nome é Maria dos Anjos, sou da comunidade da Laranjeira. Sei de uma dica bem interessante e vou
Medicinais deve ser feita ensinar para vocês: - A melhor forma de utilizar as plantas medicinais é verdinha, fresquinha, porque
contém maior quantidade de seiva. Mais sabemos que nem sempre isso é possível, porque quando
com tempo seco e após o
colhemos uma planta e deixamos algum tempo guardado ela imediatamente seca. Assim, a secagem é
desaparecimento do hoje em dia a melhor forma de conservação da plantas medicinais.
orvalho. Não se
recomenda a colheita Cuidados que Antecedem a Secagem
logo após um período Para conseguir uma planta de boa qualidade é
longo de chuvas, pois a preciso fazer a secagem dessa s ervas de
quantidade da seiva forma correta:
encontrada nas plantas 1) Não é necessário lavar as plantas
antes da secagem, a não ser alguns
pode diminuir se a planta
tiposde rizomas e raízes;
ficar úmida. Além disso, 2) Deve-se separar as plantas
esse aumento de portipos;
umidade pode gerar o 3) As plantas colhidas ao
aparecimento de fungos serem colocadas no local de
que dificultam a secagem, não devem
receber muito sol;
secagem.
4) Antes de secar as plantas
deve-se fazer uma limpeza
tirandoaterra,pedras,outras
plantas, e partes des plantas
que estejam sujas,
amareladas, manchadas e
rasgadas.
5) As plantas colhidas inteiras
devem conter cada parte (folha, flor,
Darlan, aluno do caule, raiz, sementes, frutos) mas,
Colégio Estadual Casa Jovem. devem ser secadas separadamente;
Dona Maria dos Anjos,
6) Quando uma planta tiver muitas raízes pode
Comunidade Quilombola da Laranjeira
cortar em pedaços ou fatias para facilitar a secagem.
ATENÇÃO:
Para secar as folhas, a melhor maneira é deixá-las com
seus talos, pois preserva sua qualidade, previne que se
quebre, rasgue e é melhor para pegar nelas.
Cuidados Cuidados com o Armazenamento
Cuidados que Antecedem a Secagem Ola! Sou Wagner, da comunidade da
Lagoa Santa. Se você quer evitar
Paraconseguirumaplantadeboaqualidadeéprecisofazerasecagemdessas ervas de forma que a planta perca a sua qualidade,
correta: deve seguir estas instruções:
1)Nãoénecessário lavarasplantasantesdasecagem,anãoseralgunstiposde rizomas e raízes;

2)Deve-se separarasplantasportipos;
* Ao colocar as plantas
3)Asplantascolhidasaoseremcolocadasnolocaldesecagem,nãodevem receber muito sol; no saco, não encher até
a boca;
4) Antes de secar as plantas deve-se fazer uma limpeza tirando a terra, pedras, outras plantas, e
partes des plantas que estejam sujas, amareladas, manchadas e rasgadas. * Arrumar os pacotes
das plantas de forma
5) As plantas colhidas inteiras devem conter cada parte (folha, flor, caule, raiz, sementes, frutos) que não amasse, nem
mas, devem ser secadas separadamente; quebre;

6) Quando uma planta tiver muitas raízes pode cortar em pedaços ou fatias para facilitar a * O produto colhido
secagem. deve ser colocado em
vasilhas limpas ou nos
ATENÇÃO: sacos;

Para secar as folhas, a melhor maneira é deixá-las com seus talos, pois preserva sua * Depois de embaladas
qualidade, previne que se quebre, rasgue e é melhor para pegar nelas. evitar colocar essas
plantas no solo.

Wagner - Casa Familiar Agro Florestal


Tipos de Secagem Modelos de Secagem
A secagem natural (no sol) pode levar dias ou semanas, dependendo das plantas e Existem vários modelos
do clima. No entanto, o tempo de secagem será reduzido se for feito pelo secador. de secadores disponíveis.
A secagem por meio dos secadores pode ser feita com ou sem aquecimento do ar.
O material a ser secado é colocado sobre bandejas próprias. Em geral, recomenda - Veja alguns:
se 2 a 3kg de flores ou folhas por m2. O tempo de secagem com esses equipamentos é de
poucas horas.
Embalagem Armazenamento e Transporte

O tipo de embalagem a ser utilizada para ensacar as plantas, depende do tipo da As plantas já embaladas devem ser armazenadas (guardadas) o mais rápido
planta seca, quantidade, modo de transporte, distância e exigências do comprador. possível. O local de armazenagem deve ser seco, escuro e ventilado.
As embalagens mais utilizadas são: fardos, sacos de papel ou plástico, sacos de Para manter o ambiente ventilado, podem-se utilizar, por exemplo, exaustores
papel + plástico e caixas de papelão. Em geral, quando forem grandes quantidades eólicos. O local onde as plantas serão armazenadas (guardadas) deve ter piso de concreto
(folhas) são colocados em sacos grandes chamados de fardos e empacotados pelas ou similar, de fácil limpeza, e estarem livres de insetos, ratos ou poeira. Qualquer local
máquinas, em volumes de 60 a 100kg. com estas características é considerado adequado para o armazenamento das plantas.
As plantas que não podem ser achatadas (raízes e cascas) são embaladas nos
fardos. As sementes e frutos são colocadas em sacos menores pois são muito valiosas, e
sensíveis ao manuseio.
As flores de camomila e folhas de hortelã para chás, podem ser embaladas em
caixas de papelão.
Nas embalagens deve está escrito: o nome da planta (da forma que nós
conhecemos) o nome científico da planta ( da forma que os pesquisadores conhecem) o
número do lote, o código da partida, data da colheita, prazo de validade, nome de quem
fez a embalagem, data da embalagem e número da respectiva ficha que contém as
informações agronômicas referentes ao lote de plantas produzidas.
Características das Plantas Cultivadas no
Projeto Horto Medicinal
Hortelã Rasteiro Hortelã Rasteiro

Nome comum Hortelã rasteiro


Nome científico Mentha x Villosa
Família Lamiaceae
Propagação raiz/estacas
Espaç. (m) 0,3 x 0,3
Colheita 3 meses
Porte (m) Rasteiro
Produtividade (ton ms/ha) 1,58
Origem Ásia
Parte Usada Folhas
Ambiente Ideal Sol
Local de Plantio Canteiro
Alecrim Alecrim

Nome comum Alecrim


Nome científico Rosmarinus officinalis
Família Lamiaceae
Propagação Estacas
Espaç. (m) 1,2 x 0,9
Colheita 1 ano
Porte (m) 1
Produtividade (ton ms/ha) 1,82
Origem Europa
Parte Usada Folhas
Ambiente Ideal Sol
Local de Plantio Cova
Manjericão Manjericão

Nome comum Manjericão


Nome científico Ocimum basilicum
Família Lamiaceae
Propagação sem./estacas
Espaç. (m) 0,6 x 0,3
Colheita 8 meses
Porte (m) 0,3 a 0,5
Produtividade (ton ms/ha) 5
Origem Índia
Parte Usada Folhas
Ambiente Ideal Sol
Local de Plantio Cova
Babosa Babosa

Nome comum Babosa


Nome científico Aloe Vera
Família Asphodelaceae
Propagação Rebentos
Espaç. (m) 1,0 x 0,5
Colheita 2 anos
Porte (m) 0,5
Produtividade (ton ms/ha) ne
Origem África
Parte Usada Folhas
Ambiente Ideal Sol
Local de Plantio Cova
Erva Doce Erva Doce

Nome comum Erva Doce


Nome científico Pimpinella anisum
Família Apiaceae
Propagação sementes
Espaç. (m) 1,2 x 0,8
Colheita 6 meses
Porte (m) 1,2
Produtividade (ton ms/ha) 0,4
Origem Europa
Parte Usada Folhas
Ambiente Ideal Sol
Local de Plantio Cova
Capim Santo Capim Santo

Nome comum Capim Santo


Nome científico Cymbopogon citratus
Família Poaceae
Propagação div. touc.
Espaç. (m) 1,0 x 0,4
Colheita 3 meses
Porte (m) 0,5
Produtividade (ton ms/ha) 24
Origem Ásia
Parte Usada Folhas
Ambiente Ideal Sol
Local de Plantio Cova
Citronela Citronela

Nome comum Citronela


Nome científico Cymbopogon winterianus
Família Poaceae
Propagação div. touc.
Espaç. (m) 1,0 x 0,5
Colheita 3 meses
Porte (m) 1,2
Produtividade (ton ms/ha) 20
Origem Índia
Parte Usada Folhas
Ambiente Ideal Sol
Local de Plantio Cova
Alecrim Pimenta Alecrim Pimenta

Nome comum Alecrim Pimenta


Nome científico Lippia sidoides
Família Verbinaceae
Propagação estacas
Espaç. (m) 2,5 x 2,5
Colheita 8 - 10 meses
Porte (m) 2
Produtividade (ton ms/ha) ne
Origem Brasil
Parte Usada Folhas
Ambiente Ideal Sol
Local de Plantio Cova
Alfavaca Fina Alfavaca Fina

Nome comum Alfavaca Fina


Nome científico Ocimum gratissimum
Família Lamiaceae
Propagação Sem./estacas
Espaç. (m) 2,5 x 2,5
Colheita 8 - 10 meses
Porte (m) ne
Produtividade (ton ms/ha) ne
Origem Ásia
Parte Usada Folhas
Ambiente Ideal Sol
Local de Plantio Cova
Alfavaca Grossa Alfavaca Grossa

Nome comum Alfavaca grossa


Nome científico Plectrantus amboinicus
Família Lamiaceae
Propagação estacas
Espaç. (m) 0,5 x 0,5
Colheita 4 meses
Porte (m) 0,6
Produtividade (ton ms/ha) ne
Origem ne
Parte Usada Folhas
Ambiente Ideal Sombra
Local de Plantio Canteiro
Carqueja Carqueja

Nome comum Carqueja


Nome científico Baccharis trimera
Família Asteraceae
Propagação Sem./estacas
Espaç. (m) 0,5 x 0,3
Colheita 5 meses
Porte (m) 0,6
Produtividade (ton ms/ha) 5,96
Origem América do Sul
Parte Usada Folhas
Ambiente Ideal Sol
Local de Plantio Cova
Chambá Chambá

Nome comum Buraninha


Nome científico Justicia pectoralis
Família Acanthaceae
Propagação estacas
Espaç. (m) 0,4 x 0,4
Colheita 3 meses
Porte (m) 0,6
Produtividade (ton ms/ha) ne
Origem Brasil
Parte Usada Folhas
Ambiente Ideal Sol
Local de Plantio Canteiro
Courama Branca Courama Branca

Nome comum Courama Branca


Nome científico Kalanchoe brasiiensis
Família Crassulaceae
Propagação ne
Espaç. (m) ne
Colheita ne
Porte (m) ne
Produtividade (ton ms/ha) ne
Origem Brasil
Parte Usada Folhas
Ambiente Ideal Sombra
Local de Plantio Cova
Espinheira Santa Espinheira Santa

Nome comum Espinheira Santa


Nome científico Maytenus ilicifolia
Família Celastreceae
Propagação Sementes
Espaç. (m) 1,5 x 1,0
Colheita 2 anos
Porte (m) 3a5
Produtividade (ton ms/ha) 4,0
Origem Brasil
Parte Usada Folhas
Ambiente Ideal Sol
Local de Plantio Cova
Falso Boldo Falso Boldo

Nome comum Falso boldo


Nome científico Plectranthus barbatus
Família Lamiaceae
Propagação estacas
Espaç. (m) 1,0 x 1,0
Colheita 6 meses
Porte (m) 1,5
Produtividade (ton ms/ha) 2,5
Origem Índia
Parte Usada Folhas
Ambiente Ideal Sombra
Local de Plantio Cova
Funcho Medicinal Funcho Medicinal

Nome comum Funcho Medicinal


Nome científico Lippia alba
Família Verbinaceae
Propagação sem./estacas
Espaç. (m) 1,0 x 0,5
Colheita 6 meses
Porte (m) 1,0
Produtividade (ton ms/ha) 1,25
Origem América do Sul
Parte Usada Folhas
Ambiente Ideal Sol
Local de Plantio Cova
Guaco Guaco

Nome comum Guaco


Nome científico Mikania glomerata
Família Asateraceae
Propagação estacas
Espaç. (m) 1,5 x 2,0
Colheita ne
Porte (m) trepadeira
Produtividade (ton ms/ha) 1,95
Origem Brasil
Parte Usada Folhas
Ambiente Ideal Sombra
Local de Plantio Cova
Hortelã Japonesa Hortelã Japonesa

Nome comum Hortelã Japonesa


Nome científico Mentha arvensis
Família Lamiaceae
Propagação estacas
Espaç. (m) 0,3 x 0,3
Colheita 3 - 4 meses
Porte (m) rasteiro
Produtividade (ton ms/ha) 2,3
Origem Europa
Parte Usada Folhas
Ambiente Ideal Sol
Local de Plantio Canteiro
Alfavaca Cravo Alfavaca Cravo

Nome comum Alfavaca Cravo


Nome científico Ocimum gratissimum
Família Lamiaceae
Propagação Sem./estacas
Espaç. (m) 2,5 x 2,5
Colheita 8 - 10 meses
Porte (m) -
Produtividade (ton ms/ha) -
Origem Ásia
Parte Usada Folhas
Ambiente Ideal -
Local de Plantio Cova
Arruda Arruda

Nome comum Arruda


Nome científico Ruta graveolens
Família Rutaceae
Propagação Sem./estacas
Espaç. (m) 0,6 x 0,5
Colheita 4 meses
Porte (m) 1
Produtividade (ton ms/ha) 1,5
Origem Ásia menor
Parte Usada -
Ambiente Ideal -
Local de Plantio Cova
Confrei Confrei

Nome comum Confrei


Nome científico Symphytum officinale
Família Boraginaceae
Propagação div. touc.
Espaç. (m) 0,5 x 0,5
Colheita 3 meses
Porte (m) 0,5
Produtividade (ton ms/ha) 8
Origem Ásia
Parte Usada Partes aéreas e raízes
Ambiente Ideal -
Local de Plantio Cova
Colônia Colônia

Nome comum Colônia


Nome científico Alpinia zerumbet
Família Zingiberaceae
Propagação rizoma
Espaç. (m) 0,6 x 0,6
Colheita 6 meses
Porte (m) 2,5
Produtividade (ton ms/ha) 0,2
Origem Ásia
Parte Usada Folhas
Ambiente Ideal Sombra
Local de Plantio Cova
Mastruz Mastruz

Nome comum Mastruz


Nome científico Chenopodium ambrosiodes

Família Amaranthaceae
Propagação sementes
Espaç. (m) 0,5 x 0,5
Colheita 3 meses
Porte (m) 0,8
Produtividade (ton ms/ha) -
Origem México
Parte Usada Folhas
Ambiente Ideal -
Local de Plantio Cova
Mentrasto Mentrasto

Nome comum Mentrasto


Nome científico Ageratum conyzoides
Família Asteraceae
Propagação sementes
Espaç. (m) 0,3 x 0,3
Colheita 3 meses
Porte (m) 0,5
Produtividade (ton ms/ha) 0,5
Origem América tropical
Parte Usada Partes aéreas sem as flores

Ambiente Ideal -
Local de Plantio Cova
Poejo Poejo

Nome comum Poejo


Nome científico Mentha pulegium
Família lamiaceae
Propagação raiz/estacas
Espaç. (m) 0,3 x 0,3
Colheita 3 meses
Porte (m) Rasteiro (0,3 a 0,5)
Produtividade (ton ms/ha) Rasteiro
Origem Europa e Ásia Ocidental
Parte Usada Partes aéreas
Ambiente Ideal Clima ameno
Local de Plantio Cova
Quebra Pedra Quebra Pedra

Nome comum Quebra Pedra


Nome científico Phyllanthus niruri
Família Phyllanthaceae
Propagação sementes
Espaç. (m) 0,2 x 0,2
Colheita 3 meses
Porte (m) 0,5
Produtividade (ton ms/ha) -
Origem Trópicos
Parte Usada Partes aéreas
Ambiente Ideal -
Local de Plantio Cova
Sene Sene

Nome comum Sene


Nome científico Senna Sp.
Família fabaceae
Propagação semente
Espaç. (m) -
Colheita -
Porte (m) 2
Produtividade (ton ms/ha) -
Origem -
Parte Usada Folhas e frutos
Ambiente Ideal -
Local de Plantio Cova
anotações
anotações anotações
anotações anotações
anotações anotações
anotações anotações