Você está na página 1de 10

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA


INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO
TOCANTINS - CAMPUS PALMAS
CURSO DE ENGENHARIA CIVIL
COMPONENTE CURRICULAR: ANÁLISE DE ÁGUAS
PROF. MARCELO MENDES PEDROZA

CAROLINE RODRIGUES DE SOUZA; GABRIEL MILHOMEM; MATHEUS FARIAS;


MAYELLE GONÇALVES; PATRÍCIA BACRI DE MATOS; RAIDSON NASCIMENTO

RELATÓRIO: NITROGÊNIO AMONIACAL NA ÁGUA

Palmas- TO
Junho/2019.
CAROLINE RODRIGUES DE SOUZA; GABRIEL MILHOMEM; MATHEUS FARIAS;
MAYELLE GONÇALVES; PATRÍCIA BACRI DE MATOS; RAIDSON NASCIMENTO

RELATÓRIO: NITROGÊNIO AMONIACAL NA ÁGUA

Trabalho apresentado à disciplina de Análise


de Águas, do curso de Engenharia Civil do
Instituto Federal de Educação, Ciência e
Tecnologia do Tocantins, como requisito
parcial para obtenção de nota.
Orientador: Prof. Marcelo Mendes Pedroza.

Palmas- TO
Junho/2019.
1. INTRODUÇÃO

O nitrogênio é um elemento químico de número atômico (Z) 7, massa molar 14,0067


g/mol e pontos de fusão e ebulição respectivamente iguais a -209,9 ºC e - 195,8 ºC. Esse
elemento é o mais abundante no ar atmosférico, compondo cerca de 78% de seu volume
em massa. Cerca de 20% do ar é constituído de gás oxigênio e 1% de outros gases, tais
como argônio, gás carbônico e vapor de água.
O nitrogênio é o elemento que as plantas necessitam em maior quantidade. É um
macronutriente primário ou nobre. No entanto, devido à multiplicidade de reações químicas
e biológicas, à dependência das condições ambientais e ao seu efeito no rendimento das
culturas, o nitrogênio é também o elemento que apresenta maiores dificuldades de manejo
na produção agrícola mesmo em propriedades tecnicamente orientadas.
As formas preferenciais de absorção de nitrogênio pelas plantas são a amônia
(NH4+) e o nitrato (NO3-). Compostos nitrogenados simples, como ureia e alguns
aminoácidos, também podem ser absorvidos, mas são poucos encontrados na forma livre
no solo.
Apesar de estar presente em grande quantidade na atmosfera, o teor de nitrogênio
na crosta terrestre é relativamente escasso, na ordem de 19 ppm, o que significa que em
cada tonelada há 19 g dele. Ele é o 33º elemento em ordem de abundância. Talvez, seja
por este motivo ele é o elemento mais caro dos fertilizantes, pois, para sua formação são
necessárias diversas reações químicas, as quais necessitam de muita energia. Tal
afirmação é justificada pelo fato da difícil síntese e alto custo energético da formação do
NH3.
As formas em que o N se apresenta nos adubo nitrogenados são: Nítricas (Ex.
Nitrato de Cálcio), amoniacal (Ou ambas como é o caso do Nitrato de Amônia), orgânica e
amídica (Uréia). A concentração de N nos adubos podem variar desde 82% na amônia
anidra até alguns décimo de 1% nos adubos orgânicos.
Os fertilizantes azotados são uma poderosa fonte de contaminação do solo e das
águas. Os compostos que contêm íons cianeto formam sais extremamente tóxicos e são
mortais para numerosos animais, entre os quais os mamíferos.
O nitrogênio é um elemento essencial para a vida, já que ele é componente das
proteínas e do DNA de todos os seres vivos do planeta. A principal fonte, para as plantas e
animais está no N2 da atmosfera. Toda forma de transformação do N2 da atmosfera em
outros compostos de nitrogênio é denominada de fixação de nitrogênio.
Uma dessas formas é a amônia (NH3). A amônia pode ser absorvida pelas plantas
ou oxidada pelas bactérias em nitrato (NO3-) ou nitrito (NO2).
Figura 1 - Ciclo do nitrogênio.

Imagem 1 - Ciclo do nitrogênio

A amônia (NH3+) é um gás incolor com forte odor pungente. A amônia reagirá com a
água para formar uma base fraca. O termo amônia refere-se a duas espécies químicas que
estão em equilíbrio na água (NH3, não ionizado e NH4+, ionizado). Testes de amônia
geralmente medem a amônia total (NH3 + NH4+). A toxicidade para a amônia é
principalmente atribuível à forma não ionizada (NH 3 ), em oposição à forma ionizada
(NH4+). Em geral, mais NH3 e maior toxicidade existe em pH mais alto.
Quando dissolvido em água, a amônia normal (NH3) reage para formar uma espécie
ionizada chamada amônio (NH4+).

NH3 + H2O NH4+ + OH-

Este é um modo abreviado de dizer que uma molécula de amônia reage com uma
molécula de água para formar um íon amônio e um íon hidroxila. A partir da seta com o
dobro da cabeça, podemos dizer que a reação pode ir em qualquer direção e íons de
hidroxila e íons de amônio podem se combinar para formar amônia e água. Isto é
precisamente o que acontece quando o pH da água aumenta; Aquela é a água torna-se
mais alcalina. Você pode lembrar que a alcalinidade é causada por um aumento nos íons
hidroxila.
Um aumento nos íons hidroxila (ou alcalinidade) empurra o equilíbrio para a
esquerda e forma-se a amônia mais sindicalizada. Em qualquer momento, haverá
moléculas de amônia e íons de amônio presentes. A quantidade de cada espécie depende
do pH e da temperatura.
A amônia existe em duas formas na água:

● NH3 (isso é chamado de amônia sindicalizada)


● NH4 + (isso é chamado de amônia ionizada)

Juntas, essas duas formas de amônia são chamadas de TAN, o que significa
nitrogênio amoniacal total.

NH3 é a principal forma de amônia tóxica. Tem sido relatado tóxico para organismos
de água doce em concentrações que variam de 0,53 a 22,8 mg / L. Os níveis tóxicos são
dependentes do pH e da temperatura. A toxicidade aumenta com o aumento do pH e com o
aumento da temperatura. As plantas são mais tolerantes à amônia do que os animais, e os
invertebrados são mais tolerantes que os peixes. As taxas de eclosão e crescimento dos
peixes podem ser afetadas. No desenvolvimento estrutural, alterações nos tecidos das
brânquias, fígado e rins também podem ocorrer. Concentrações tóxicas de amônia em
humanos podem causar perda de equilíbrio, convulsões, coma e morte.
Níveis de amônia superiores aos limites recomendados podem prejudicar a vida
aquática. Acredita-se que a toxicidade da amônia seja uma das principais causas de perdas
inexplicáveis em incubadoras de peixes. Embora a molécula de amônia seja um nutriente
necessário para a vida, o excesso de amônia pode se acumular no organismo e causar
alteração do metabolismo ou aumento do pH corporal. Diferentes espécies de peixes
podem tolerar diferentes níveis de amônia, mas em qualquer caso, menos é melhor. A truta
arco-íris pode tolerar até cerca de 0,2 mg / L, enquanto o híbrido listrado pode lidar com 1,2
mg / L.

2. EXPERIMENTO: NITROGÊNIO AMONIACAL (AMÔNIA)

Metodologia: Para tal análise é utilizado o espectofotômetro, um aparelho que incide um


feixe de luz monocromática através de uma solução medindo a quantidade de luz que foi
absorvida em diferentes comprimentos de onda restringida a faixa entre o ultravioleta ao
infravermelho do espectro eletromagnético (entre aproximadamente 300 – 800 nm). A partir
destes dados é possível determinar a curva de absorbância de uma substância que é dada
pela quantidade de luz absorvida em função do comprimento de onda. Para o experimento,
utilizou-se duas fontes de águas, uma de mestrado e a outra de tanque de peixe como
apresenta a imagem abaixo:

Figura 2: Águas utilizadas no experimento.

Fonte: Autores.

Materiais necessários:
● Proveta de 100 ml
● Tubos de Nessler
● Pipetas de 5 a 10 ml

Reagentes
● Sulfato de Zinco à 10%
● Sal de Rochelle - dissolver 50g de tartarato de sódio e potássio em 100 ml de água
destilada.
● Reativo de Nessler - dissolver 100g de Iodeto de Mercúrio e 70g de Iodeto de
Potássio numa pequena quantidade de água destilada, e adicionar à mistura uma
solução resfriada contendo 160g de Hidróxido de Sódio dissolvida em 500 mL de
água destilada. Diluir para 1 litro.
● Dissolver 240g de NaOH e completar para 1000ml com água destilada.
● Solução estoque de amônia - dissolver 3,819g de NH4Cl seco a 100°C, e diluir para
1000 ml em água destilada.
● Solução padrão de amônia - diluir 10 mL da solução estoque de amônia para 1000
mL em água destilada.

Procedimento
1. Tomar numa proveta 100mL da amostra e transferir para um becker de 250 mL;
2. Adicionar 2 mL de Sulfato de Zinco à 10%;
3. Adicionar 4 gotas de NaOH 6N;
4. Agitar o béquer em movimentos circulares e deixar em repouso por 5 minutos;
5. Retirar 5 mL do sobrenadante com o auxílio de uma pipeta graduada e transferir
para um tubo de Nessler
6. Adicionar 2 gotas do Sal de Rochelle
7. Adicionar 1 mL do Reativo de Nessler.
8. Completar o volume para 50 mL com água destilada e deixar em repouso por 10
minutos;
9. Fazer a leitura no Espectrofotômetro a 450 nm.
10. PREPARO DO BRANCO (Para zerar o espectrofotômetro): adicionar 1 mL do
Reagente de Nessler e duas gotas do Sal de Rochelle e no tubo de Nessler e
completar o volume da cubeta de Nessler para 50 mL com água destilada; deixar 10
minutos em repouso e zerar o aparelho.
A seguir, temos a imagem do espectrofotômetro utilizado para o experimento:

Figura 3: Espectrofotômetro.

Fonte: Autores.
Figura 4: Espectrofotômetro.

Fonte: Autores.

Ao total, tivemos 7 amostras, 2 brancos para zerar o aparelho e o restante com as


soluções.
Figura 5: Amostras.

Fonte: Autores.
Curva de Calibração
Para se construir a Curva de Calibração efetuar a preparação de pelo menos cinco
padrões com concentrações conhecidas. No Laboratório de Águas e Efluentes do IFTO -
Palmas tem sido usada numa faixa entre zero e 5 mgN/L.

Para preparar, por exemplo, 50 mL dos padrões 1,2,3,4 e 5 mgN/L, pipetar,


respectivamente, 5, 10, 15, 20 e 25 mL da solução padrão de amônia em tubos de Nessler
e completar o volume até o volume de 50 mL com água destilada.
Observação: A solução Padrão de Amônia tem concentração igual a 10 mgN/L.

Figura 6: Dados para Curva de calibração.

Fonte: Autores.

Figura 7: Curva de calibração.

Fonte: Autores.
Figura 8: Dados das soluções..

.
Fonte: Autores.

3. CONCLUSÃO
A concentração da solução e a distância que o feixe luminoso percorre interferem no
valor da absorbância. Quanto mais concentrado a solução, maior será a absorção da luz
que a atravessa e quanto maior a distância que o feixe percorrer, maior será a quantidade
de luz absorvida. Relação essa que pode ser vista a partir da equação de Lambert-Beer.

Assim, para o experimento acima, podemos concluir que a solução que absorve
mais a luz é a solução com a água do mestrado, pois a mesma apresenta maior
absorbância e maior distância percorrida pelo feixe.

O experimento teve como objetivo determinar a concentração de amônia presente


em uma solução de. Ao trabalhar com reagentes é de grande importância que se tenha
conhecimento dos riscos e particularidades da substância para que não ocorram acidentes.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

https://water-research.net/index.php/ammonia-in-groundwater-runoff-and-streams