Você está na página 1de 10

Petição Inicial de um divórcio consensual, com um filho menor e sem bens na

constância do casamento.

EXCELENTÍSSIMO (A) SENHOR (A) DOUTOR (A) JUIZ (A) DE DIREITO DA ___
VARA DE FAMÍLIA DA COMARCA DE TEÓFILO OTONI

RICARDO ALVES,brasileiro, natural de Teófilo Otoni/MG,nascido aos 17/03/1983,


casado, taxista, inscrito no Cadastro de Pessoa Física sob n.º XXXXXXXXX e Registro
de Identidade n.º XXXXXXXX, residente e domiciliado na Rua das Begônias, nº124,
bairro Jardim das Acácias e JOSY SANDER ALVES,brasileira, natural de Teófilo
Otoni/MG,nascida aos 02/11/1985, casada, doméstica, inscrito no Cadastro de Pessoa
Física sob n.º XXXXXXXXXXX e Registro de Identidade n.º XXXXXXXX, residente e
domiciliado na Av. Sidônio Otoni, nº 2000, bairro Matinha, por intermédio de sua
advogada, (INSTRUMENTO DE MANDATO ANEXO DOC. 01), Advogado lotado na
Rua Esperança, nº 21, bairro Marajoara, onde recebe intimações e notificações, vem mui
respeitosamente à presença de Vossa Excelência, com amparo no artigo 226, parágrafo
6º da Constituição Federal, Lei nº 6.515/77 e demais dispositivos legais pertinentes,
formular o presente pedido de

AÇÃO DE DIVÓRCIO CONSENSUAL

I - DA BENESSE DA ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA

Inicialmente, requer a Vossa Excelência que sejam deferidos os benefícios da Assistência


Judiciária, por não ter condições de arcar com as custas processuais e honorários
advocatícios, sem comprometer o seu orçamento familiar.

Conforme inteligência do parágrafo único, do artigo 2º da Lei n.º 1.060/50, temos a


definição legal da pessoa desprovida de meios financeiros, ao estabelecer que:

Art. 2º. (...) Parágrafo Único. Considera-se necessitado, para os


fins legais, todo aquele cuja situação econômica não lhe permita
pagar as custas do processo e os honorários de advogado, sem
prejuízo do sustento próprio ou da família.

Sendo assim, segundo dispõe o artigo 4º, da Lei n.º 1.060/50, com as alterações
introduzidas pela Lei n.º 7.510/86, a parte gozará dos benefícios da assistência judiciária,
mediante simples afirmação, na própria petição inicial, de que não está em condições de
pagar as custas do processo e os honorários de advogado, sem prejuízo próprio ou de sua
família.

Pelo exposto, com base na garantia jurídica que a lei oferece, requerem os Autores, a
concessão do benefício da justiça gratuita, em todos os seus termos, a fim que sejam
isentos de qualquer ônus decorrente do presente feito.

II – DOS FATOS

01. Os autores são casados civilmente, sob o regime de comunhão parcial de bens, desde
21 de dezembro de 2010, conforme cópia da certidão de casamento em anexo (doc. 02).
02. Desta união foi concebido um filho, Pedro Sander Alves, menor impúbere,
absolutamente incapaz, nascido aos 20 de fevereiro de 2011 (certidão de nascimento em
anexo - doc. 03), e que atualmente reside com seu genitor.

03. Durante a constância do matrimônio não foram constituídos bens materiais.

04. A separação de fato ocorreu há aproximadamente 04 (quatro) meses, sendo inviável


a reconciliação, o que enseja a presente ação.

III - DA GUARDA DO FILHO

O menor Pedro Sander Alves ficará sob a guarda do pai, tendo a mãe o direito/dever de
permanecer com o filho em dias e horários que mais convenientes sejam ao interesse da
criança.

IV - DOS ALIMENTOS

Ambos os cônjuges acordaram que:

A mãe vai pagar a importância de 25% sobre o salário mínino vigente, mensais a titulo
de pensão alimentícia.

Ainda, arcará com 30% de despesas em ocorrência de saúde, educação e vestuário.

Necessário que tal montante seja depositado ate 5° dia útil de cada mês, mediante conta
corrente a ser aberta em nome do representante do menor para tal finalidade.

V - DOS FUNDAMENTOS LEGAIS E JURÍDICOS

Os cônjuges pretendem, por mútuo consentimento, dissolver a sociedade conjugal,


através do DIVÓRCIO DIRETO CONSENSUAL em face do exposto, nos precisos
termos do artigo 226, § 6º da Constituição Federal, diz: “O casamento civil pode ser
dissolvido pelo divórcio”.

Ainda, aduz o Art. 1.574:

Dar-se-á a separação judicial por mútuo consentimento dos


cônjuges se forem casados por mais de um ano e o manifestarem
perante o juiz, sendo por ele devidamente homologada a
convenção.

Ensina João Roberto Parizatto:

“O casamento apesar de todos os critérios legais exigidos pelo


Código Civil deve reunir pessoas que se amam e quererem
constituir família, quando esses deverão ter tolerância recíproca,
respeito, confiança, aliado a tantos outros fatores para que a união
tenha condições de sobreviver. Deflagrado o desamor, a falta de
confiança e respeito, não se justifica a continuidade da relação,
podendo a separação ser decretada como ato benéfico aos
próprios cônjuges”. (PARIZATTO, João Roberto. Separação e
Divórcio: alimentos. 4. ed. Leme: Edipa, 2004. p. 26)

VI - DOS PEDIDOS

Ante ao exposto, requer a Vossa Excelência:

I- Seja julgado procedente o pedido de divórcio consensual, com base no art. 226,
§6°, da CR/88, pondo fim à sociedade conjugal existente entre os cônjuges, por não haver
possibilidade de reconciliação entre os mesmos.

II- Seja a guarda e a regulamentação de visitas deferidas como acima exposto.

III- A intimação do ilustre representante do Ministério Público, para que se


manifeste e acompanhe o feito até o seu final, sob pena de nulidade, ex-vi dos arts. 82,
incisos, I e II, 84 e 246 todos do Código de Processo Civil.

IV- Sejam fixados os alimentos provisórios no importe de 25% do salário mínimo


vigente mensais a titulo de pensão alimentícia e consequentemente seja aberta uma conta
judicial no nome do pai.

V- Seja expedido mandado de averbação para o cartório de registro civil.

VI- Seja alterados os nomes dos ex-cônjuges para de solteiro, ou seja, JOSY
SANDER PIMENTA.

VII- A concessão dos benefícios da assistência judiciária gratuita, tendo em vista


que requerente não possui recursos de arcar com as despesas o processo sem prejuízo
próprio e de sua família nos termos da Lei 1060/50 (doc 04)

VIII- Protesta provar o alegado por todos os meios de prova em direito admitidos,
tais como a juntada de novos documentos e o depoimento pessoal da adversa parte, sob
pena de confesso.

Dá-se a presente o valor de R$ 780,00 (setecentos e oitenta reais), para efeitos legais.

Nestes termos,

Pede deferimento

Teófilo Otoni, 11 de março de 2015.

____________________________________

RICARDO ALVES

Cônjuge Varão

____________________________________
JOSY SANDER ALVES

Cônjuge Virago

____________________________________

ADVOGADO

OAB/ XXX

Petição de divórcio consensual


Publicado por Wanessa Galvão

 Informar erro

O divórcio é a contrapartida legal ao direito civil que garante a todos a liberdade de


constituir uma família por meio do casamento. Esse direito, utilizado tão comumente
nos dias de hoje, passou a ser oficialmente aceito no Brasil há pouco tempo, em 1977.
Confira um modelo de petição de divórcio, que pode servir de roteiro para uma petição
sua.

Modelo pronto
EXCELENTÍSSIMO(A) SENHOR(A) DOUTOR(A) JUIZ(A) DE DIREITO DA ….
VARA DE FAMÍLIA DA COMARCA DE ….

JOSÉ DOS ANZÓIS, (qualificação), portador da Carteira de Identidade/RG nº …., CPF


nº……. residente e domiciliado na Rua 10, nº.1, bairro xxxx, nesta capital e MARIA
FULANA DOS ANZÓIS, (qualificação), portadora da Carteira de Identidade/RG nº ….,
CPF.: xxxx, residente e domiciliada na Rua 10. nº .1, bairro xxxx, nesta capital, por
intermédio do advogado, in fine, patrono comum dos interessados, inscrito na OAB/XX
sob o número xxxx, , conforme mandato incluso (doc.01), com endereço na Rua 1,
nº.003, onde receberá as intimações e notificações, vem mui respeitosamente à
presença de Vossa Excelência, com fulcro no artigo 226, parágrafo 6º da Constituição
da República de 1988, e nos artigos 1.571 e seguintes da Lei nº 10.402/02 – Código
Civil Brasileiro assim como nos demais dispositivos legais pertinentes, formular o
presente pedido de

DIVÓRCIO DIRETO CONSENSUAL

pelas razões de fato e de direito, que ora passam a articular, para ao final, requererem:

Do Pedido de Gratuidade da Justiça

Os requerentes pleiteiam os benefícios da Justiça Gratuita assegurado pela Constituição


Federal, artigo 5º, LXXIV e Lei Federal 1060/50 tendo em vista que momentaneamente,
não podem arcar com as despesas processuais, sem prejuízo de seu sustento.

Dos Fatos

1. Os Requerentes são casados sob o Regime de …………., desde a data de …. de ….


de …., conforme Certidão de Casamento anexa (doc.2);

2. Do enlace resultou o nascimento de 02 (dois) filhos, ainda menores, a saber:

– Beltrano dos Anzóis, nascido em …. de …. de ….; conforme Certidão de


Nascimento anexa (doc.03);

– Cicrana dos Anzóis, nascida em …..de…….de…., conforme Certidão de Nascimento


anexa (doc.04).

3. Os Requerentes acordam por promoverem a presente ação de divórcio, porque já não


mais comungam dos mesmos interesses, pois lhes faltam a principal causa para a
continuação do casamento: a affectio maritalis, ou seja, o ânimo de viver
conjuntamente, porquanto não mais existir o amor.

3.1. Isto posto, decidem, de comum acordo e nos termos da lei, pela ruptura da vida em
comum bem como do vínculo conjugal.

Dos Bens a partilhar

4. Declaram os Requerentes não existirem bens imóveis ou móveis a partilhar

Da Guarda dos filhos e das visitas

5. Caberá a Requerente mulher, a guarda unilateral e responsabilidade sobre os filhos do


casal, nos termos do artigo 1.589 do Código Civil Brasileiro;

6. Caberá ao Requerente homem, o exercício do direito de visitas semanais, devendo


buscar os menores às 08:00 hs do sábado e devolvê-los às 18:00 hs do domingo, na
residência da Requerente mulher.
6.1. As férias escolares deverão ter o seu período dividido entre os genitores, conforme
o disposto contido no art. 1589 do Código Civil Brasileiro.

6.2. Nos feriados, os filhos menores ficarão alternadamente, um com o Requerente


homem e outro com a Requerente mulher;

Dos Alimentos

7. Os Requerentes dispensam reciprocamente o pagamento de pensão alimentícia.

8. Com relação aos filhos menores acertam, a título de pensão alimentícia, que o genitor
contribuirá mensalmente com o correspondente a 01 (um) salário mínimo vigente no
país, a ser pago mensalmente, até o 5º (quinto) dia útil de cada mês, diretamente a
genitora, mediante recibo.

Do Nome de Solteira

9. A Requerente mulher opta por retornar ao uso do nome de solteira, qual seja: MARIA
FULANA.

Do Pedido

10. Diante de todo o exposto, pugnam a Vossa Excelência a homologação da presente


Ação de Divórcio em todos os seus termos, especialmente:

a) o deferimento do pedido de alteração do nome da mulher para aquele de solteira, qual


seja, Maria Fulana, de acordo com o § 2º do art. 1.578 do Código Civil;

b) O deferimento da guarda unilateral e responsabilidade dos filhos para a mulher, tudo


de acordo com o inciso I do art. 1.584 do Código Civil;

c) O deferimento do pagamento de pensão alimentícia, na forma do item 8, o


que corresponde a 01 (um) salário mínimo vigente no país, a ser pago mensalmente,
pelo genitor, até o 5º (quinto) dia útil de cada mês, diretamente a genitora, mediante
recibo.

d) O deferimento da concessão de justiça gratuita nos termos da Constituição Federal,


artigo 5º, LXXIV e da Lei Federal 1060/50;

e) A expedição de competente ofício para averbar a homologação desta ação de divórcio


na Certidão de Casamento lavrada no Livro x, fls. xxx, do xº Cartório de Registro Civil
da Comarca de .x.x.x.x.xx.;

f) Protesta pela juntada de todos os documentos ora anexados à presente para a


comprovação dos fatos ora alegados e por eventuais outros que Vossa Excelência
entenda como necessários à homologação desta.

g) Pugna pela intimação do ilustre representante do Ministério Público para atuar no


feito.
Estima-se à causa o valor de R$ 1.000,00 (um mil reais).

Nestes termos,
Pedem e esperam deferimento.

…., …. de …. de ….

Advogado

OAB/…

[Modelo] Ação de divórcio consensual -


Novo CPC
44

COMENTAR14

Publicado por Escritório Carvalho & Correia Advogados Associados

há 2 anos

235K visualizações

[Modelo] Ação de divórcio consensual - Novo CPC.docx

EXCELENTÍSSIMO (A) SENHOR (A) DOUTOR (A) JUIZ (A) DE DIREITO DE


UMA DAS VARAS DE FAMÍLIAS DA COMARCA DE NATAL, A QUEM
COUBER POR DISTRIBUIÇÃO LEGAL.

(CONJUGE VARÃO), brasileiro, casado, Analista, Carteira de Identidade nº __, CPF


nº ____, residente e domiciliado na Vila Ferroviário, nº __, Natal/RN, CEP nº 59000-
000 e (CONJUGE VIRAGO), brasileira, casada, técnica de enfermagem, inscrita no
Cadastro de Pessoa Física sob n.º ____ e Registro de Identidade n.º ___, residente e
domiciliada na Rua ___, nº __, Natal/RN, CEP nº 59000-000, vem à presença de Vossa
Excelência, por intermédio de seus advogados abaixo assinados, procuração anexa,
proporem a presente ação, com base nos artigos 24 e seguintes, da Lei nº 6.515/77, e
nos artigos 1.571 e seguintes, do diploma civil, com base nos fatos e fundamentos a
seguir aduzidos:

AÇÃO DE DIVÓRCIO DIRETO CONSENSUAL

I – DA ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA GRATUITA


Inicialmente, necessário destacar que os requerentes declaram não possuir, no momento,
condições financeiras para arcar com as despesas processuais e os honorários
advocatícios sem prejuízo do seu próprio sustento ou da sua família.

Desta feita, requer o consentimento dos benefícios da Justiça Gratuita, nos termos do
artigo 98 do Código de Processo Civil, garantindo-lhe, deste modo, o efetivo acesso à
justiça.

II – DOS FATOS

Os autores são casados civilmente, sob o regime de comunhão parcial de bens, desde 22
de julho de 2009, conforme cópia da certidão de casamento em anexo.

Desta união foi concebido um filho, _______, menor impúbere, absolutamente incapaz,
nascido na data de ______ (certidão de nascimento em anexo).

Durante a constância do matrimônio não foram constituídos bens materiais.

Os requerentes manifestam a vontade livre e consciente pela dissolução da sociedade


conjugal, sendo inviável a reconciliação, o que enseja a presente ação.

III. DOS FUNDAMENTOS JURÍDICOS

Os cônjuges pretendem, por mútuo consentimento, dissolver a sociedade conjugal,


através do DIVÓRCIO DIRETO CONSENSUAL previsto tanto na Lei nº 6.515/77,
quanto no art. 226, § 6º, da Carta Magna, este último dispondo sobre a dissolubilidade
do casamento civil pelo divórcio, sem a necessidade de comprovação do lapso temporal
da separação.

Quanto aos ALIMENTOS, esse direito decorre do poder familiar e do grau de


parentesco, conforme disposto no art. 1.694, Código Civil, in verbis:

"Art. 1.694. Podem os parentes, os cônjuges ou companheiros, pedir uns aos outros os
alimentos de que necessitem para viver de modo compatível com a sua condição social,
inclusive para atender às necessidades de sua educação".

Ademais, é bom enfatizar que os alimentos devem ser pactuados na proporção da


necessidade do impúbere e dos recursos da pessoa obrigada (artigo 1694, § 1º). Neste
diapasão, considerando as condições dos requerentes; considerando a necessidade
mínima do infante, fruto do enlace matrimonial; considerando que é obrigação do
Sr.___, como pai, contribuir, para o sustento de seu filho. Pugna, assim, os requerente
pela homologação do presente acordo no que tange aos alimentos aqui exposto, na
forma abaixo descrita, especificamente no item III.3.

III.1. DA GUARDA DO FILHO

O menor __________ ficará sob a guarda do cônjuge virago, tendo o cônjuge varão o
direito/dever de permanecer com o filho em dias e horários que mais convenientes
sejam ao interesse da criança, preferencialmente, nos finais de semana, de forma
alternada, pegando o filho aos sábados, no horário das 08:00h (oito horas) e o
devolvendo a sua guardiã aos domingos, às 18:00 (dezoito horas).

III.2. DA VISITA E DAS FÉRIAS

Os cônjuges anuem em flexibilizar os dias e os horários de visitas, desde que sejam


previamente estabelecidos e acordados, e que tal ato não imponha prejuízo ao
rendimento escolar do filho.

No que diz respeito às férias escolares, feriados prolongados e às festividades de final


de ano, os cônjuges acordarão previamente com quem a criança permanecerá durante os
referidos períodos.

III.3. DOS ALIMENTOS

O cônjuge varão consente em custear, a título de pensão alimentícia, o plano de saúde e


as mensalidades escolares da criança.

O plano de saúde é descontado diretamente em seu contracheque.

Além do exposto, o genitor pagará, a título de pensão alimentícia, o equivalente a 15%


(quinze por cento) dos seus vencimentos e vantagens, deduzidos os descontos
obrigatórios, que deverá ser descontado diretamente do seu contracheque e depositado
na conta corrente de titularidade da genitora, Banco do Brasil, agência ___, conta
corrente nº ____.

III.4. DOS BENS

Não há bens materiais que sejam objeto de divisão entre os cônjuges.

III.5. DO NOME

A cônjuge virago voltará a usar o seu nome de solteira como tal, _______.

IV. DO PEDIDO E DOS REQUERIMENTOS

Diante de todo exposto, os peticionários requerem de Vossa Excelência que digne-se a:

a) julgar procedente o presente pedido, para extinguir definitivamente o vínculo


conjugal mediante sentença que decrete divórcio, de logo renunciando ao prazo
recursal, em razão do caráter consensual do divórcio, mantendo-se todas as obrigações
estabelecidas entre os Requerentes;

b) Conceder os benefícios da gratuidade judiciária com base no art. 98 do CPC, em


razão da hipossuficiência dos requerentes, não tendo meios de custear as despesas
processuais sem prejuízo do sustento próprio ou de sua família;

c) intimar o douto Representante do Ministério Público, a fim de que acompanhe o


referido processo;
d) expedir o competente Mandado de Averbação ao Cartório do 4º Ofício de Notas, da
Comarca de Natal/RN, para que se proceda com os devidos procedimentos.

e) pugna para que as publicações sejam feitas exclusivamente em nome do patrono


WESKLEY HUDYSON FARIAS DE MEDEIROS OAB/RN Nº _____.

Protestam provar o alegado, por todos os meios de prova admitidos no direito.

Dá-se a causa o valor de R$ 1.000,00 (hum mil reais).

Nestes termos,

Pede e espera deferimento.

Natal, 07 de março de 2016.

____________________________________

Cônjuge Varão

________________________________

Cônjuge Virago

RAQUEL SOUZA DA COSTA MEDEIROS

ADVOGADA – OAB/RN nº ____

WESKLEY HUDYSON FARIAS DE MEDEIROS

ADVOGADO - OAB/RN nº ______

Você também pode gostar