Você está na página 1de 4

UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ

LICENCIATURA EM LETRAS-ESPANHOL
EDUCAÇÃO ESPECIAL INCLUSIVA

Gustavo Roberto de Lima

Pesquisa e Análise de Práticas Pedagógicas na Escola Inclusiva: Relatório de


Apresentação de Resultados

Introdução

O seguinte relatório visa contemplar as atividades realizadas na Prática como


Componente Curricular (PCC) da disciplina de Educação Especial Inclusiva do Curso de
Letras- Espanhol – EAD da Universidade Estácio de Sá.
As atividades foram realizadas ao longo do primeiro semestre letivo do ano de 2019
com observação participante e submissão de entrevistas ao longo dos dias 6 e 13 de maio na
Escola Estadual Viera Marques na Cidade de Santos Dumont.
A escola em que a prática foi realizada atende aos alunos dos anos iniciais do ensino
fundamental. Possui espaço físico parcialmente inclusivo e sala de recursos multifuncionais
além de corpo docente e administrativo devidamente preparado para realização da inclusão dos
alunos com deficiência e seu processo de ensino-aprendizagem.
A professora e alunos observados não serão identificados em respeito ao direito de
anonimato e consonância com a falta de documentação disponível em ambiente virtual da
instituição que garanta a realização da atividade. A primeira, é professora na instituição por
longo período, possui graduação em pedagogia e atua na sala de recursos. Já o aluno, possui 6
anos e tem quadro de deficiência intelectual e está matriculado no primeiro ano do ensino
fundamental.
Objetivos

Relacionar os conteúdos estudados em ambiente virtual e os observados ao longo do


trabalho de práticas. Atentando para os desafios na atuação dos profissionais nas possibilidades
de atuação dentro da escola. Observando principalmente dentro do ambiente da escola
inclusiva, as atividades pedagógicas, o ambiente físico, as praticas dos docentes além de
inúmeras questões para produção de um relatório que apresente de maneira suscinta essa relação
entre as teorias estudadas e práticas vivenciadas.

Atividade Observada

A atividade de observação participante foi realizada em uma escola pública estadual


com uma professora com formação em pedagogia e atuação na sala de recursos multifuncionais.
A escola possui o primeiro pavimento adaptado e é onde concentra todas as atividades para os
alunos com deficiência. Já entre o primeiro e segundo pavimento não há adaptação física, sendo
separados por uma escada. Desta forma, o aluno com deficiência física ou dificuldade de
locomoção teria sua percepção do espaço escolar limitada.
O atendimento observado será em especial de um aluno com deficiência intelectual, com
necessidades específicas de concentração e equilíbrio e coordenação motora fina (movimento
de pinça com os dedos).
O aluno frequenta a sala multirecursos no contraturno, tal como exige a legislação,
sendo as aulas regulares ministradas no período da manhã e as atividades da sala multirecursos
no período da tarde. Tendo ambas adaptações no planejamento para atender as necessidades do
aluno com deficiência.
Dentro do acervo da sala de recursos multifuncionais podemos citar os jogos
pedagógicos, alfabetos móveis, quebra-cabeças e ábacos. Com a aluna com deficiência
intelectual observada ao longo desta pesquisa é priorizado o uso do alfabeto móvel para ajuda
no desenvolvimento da escrita.
Na sala de aula regular é valorizada a socialização entre os alunos e mobilização da
turma de forma a favorecer a inclusão de todos. Contando inclusive com estagiária para auxilio
em sala nestas atividades. Ocorre também a integração entre escola e família para o
favorecimento do processo de ensino-aprendizagem do aluno com deficiência.
As avaliações do aluno em específico ocorre na sala de recursos, com prova adaptada e
material concreto para realização da mesma. Tudo isso devidamente registrado no PEI (plano
de ensino individualizado) do aluno.
Como principal desafio para realização do ensino adaptado, segundo as professoras, é a
necessidade do olhar diferenciado para cada aluno, atentando para o que deve ser ensinado. A
também o desafio de adaptação completa das escolas para o atendimento a todos os alunos com
deficiência, atentando para a adaptação do espaço físico com a instalação de rampas, banheiros
adaptados e os recursos pedagógicos necessários para cada necessidade especial.

Sugestões
Como principais sugestões para a escola observada a principal questão a ser resolvida é
a adaptação física total do espaço, com instalação de elevador que interligue o primeiro e
segundo pavimento para a atenção ao aluno com deficiência física ou dificuldade de locomoção.
Já com relação ao aluno observado nesse estudo não se consegue sugerir nada, uma vez
que, as atividades são realizadas de forma adequada visando sempre o aprendizado do aluno e
sua sociabilização. A observação e realização desse trabalho somente fez aumentar o
conhecimento do pesquisador em relação as práticas realizadas no ensino dos alunos com
deficiência intelectual.
Um único ponto a ser evidenciado é a necessidade do processo de educação continuada
do docente e do corpo administrativo para lidar com os desafios impostos na lida com os alunos.
Juntamente com a promoção por parte da secretaria de educação desses cursos.
Desta forma se acredita que a escola será ainda melhor no tratamento aos alunos com
deficiência e se há de replicar as boas práticas observadas em toda a rede de ensino.

Referências Bibliográficas

BRASIL. Declaração de Salamanca e linha de ação sobre necessidades educativas especiais.


Brasília: UNESCO, 1994.

BRASIL. Declaração Mundial sobre Educação para Todos: plano de ação para satisfazer as
necessidades básicas de aprendizagem.

Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB)


Plano Nacional de Educação (PNE)

Referências dos conteúdos do ambiente virtual da disciplina de Educação Especial Inclusiva


da Universidade Estácio de Sá.