Você está na página 1de 6

https://sapiens.agu.gov.

br/documento/226772632

ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO
PROCURADORIA-GERAL FEDERAL
EQUIPE DE TRABALHO REMOTO DE LICITAÇÕES E CONTRATOS
NÚCLEO DE LICITAÇÕES E CONTRATOS

PARECER n. 00127/2019/NLC/ETRLIC/PGF/AGU

NUP: 23282.000516/2012-82
INTERESSADOS: UNIVERSIDADE DA INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL DA LUSOFONIA AFRO-
BRASILEIRA - UNILAB
ASSUNTOS: LICITAÇÕES

EMENTA: Contrato Administrativo. Obra de Engenharia. Prorrogação do prazo de vigência.


Inciso II do §1º do art. 57 da Lei 8.666/93. Possibilidade desde que atendidas as
recomendações.

RELATÓRIO

1. Os presentes autos foram encaminhados à Equipe Nacional de Licitações e Contratos - ENALIC, para
análise da minutas de termos aditivos que tem por objeto a prorrogação dos prazos de vigência e execução do
contrato 16/2012, além de revogação do quinto termo aditivo e aumento e supressões quantitativas.

2. É o relatório.

DO ENCAMINHAMENTO DOS AUTOS À ETR-Licitações

3. Inicialmente, cumpre registrar o que dispõe o art. 14 da Portaria PGF nº 931/2018, acerca do
encaminhamento de processos para a Equipe de Trabalho Remoto de Licitações e Contratos – ETR-LIC:

Art. 14 São requisitos para o encaminhamento de processos administrativos contendo


consultas sobre licitações e contratos da área meio à ETR-Licitações e Contratos:
I – a utilização de minutas padrão de termo de referência, edital de licitação, contrato e ata de
registro de preços, conforme o caso, disponibilizados pela Procuradoria-Geral Federal,
preferencialmente, ou pela Consultoria-Geral da União; e
II – a utilização das listas de verificação (checklists) da instrução processual disponibilizados
pela Procuradoria-Geral Federal, preferencialmente, ou pela Consultoria-Geral da União.
§ 1º As inclusões, modificações e exclusões em minutas padrão deverão ser expressamente
comunicadas e previamente submetidas à apreciação da ETR-Licitações e Contratos, em
manifestação apartada que indique as disposições alteradas e explicite suas justificativas.
§ 2º Para otimização dos trabalhos, a Coordenação da ETR-Licitações e Contratos poderá
definir modelos de comunicação de inclusões, modificações, exclusões ou informações de
observância obrigatória.
§ 3º No caso de crescimento excepcional da demanda de processos encaminhados à ETR-
Licitações e Contratos, sem que haja ingresso de novos integrantes, o DEPCONSU poderá,
ouvido o Responsável pela coordenação da equipe, entre outras medidas, permitir que os
processos sejam analisados pela Equipe em prazo superior àquele estabelecido no plano de

1 de 6 20/02/2019 15:27
https://sapiens.agu.gov.br/documento/226772632

trabalho.
§ 4º A ETR-Licitações e Contratos não atuará em processos com pedido de análise em regime
de urgência ou de prioridade, competindo à Procuradoria Federal junto à autarquia ou
fundação pública federal, nesses casos, a realização das respectivas atividades de consultoria
jurídica, nos termos da Portaria PGF nº 261, de 05 de maio de 2017.

4. Sendo assim, nas hipóteses em que não forem observados os requisitos acima, incluindo a
informação constante do parágrafo único, os processos serão devolvidos para adequação, sem prejuízo de que,
desde logo, sejam feitas considerações a respeito da legalidade do procedimento e recomendações para regularização.

5. Ainda, destaca-se a necessidade de que seja verificada, pela chefia da unidade de execução da PGF
(ou a quem lhe for delegada competência), se os processos encaminhados estão, de fato, instruídos com as minutas da
AGU. Essa análise é importante para evitar a devolução dos autos e, por conseguinte, atraso na sua análise jurídica.
Para tanto, sugere-se orientar o órgão competente para a responsabilização administrativa em caso de divergência de
informação em relação ao uso das minutas.

DA INSTRUÇÃO

6. A UNILAB encaminhou para análise três minutas de termo aditivo, sendo uma de prorrogação, uma
de revogação de termo aditivo anterior e a última de aumento e supressão quantitativa.

7. De início, verifica-se que a instrução e condução desses atos parecem ter tomado um caminho
equivocado. Não parece adequada a escolha feita pela Administração no sentido de revogar o quinto termo aditivo,
conforme adiante será explanado. O procedimento adequado seria incluir o resultado último pretendido na revogação
do quinto termo aditivo dentro do cômputo do aumento ou da supressão a ser realizada pelo termo aditivo específico.

8. Por outro lado, diante da proximidade do fim da vigência contratual, e por estar adequadamente
instruído, será realizada a análise da minuta de termo aditivo cujo objeto é a prorrogação do prazo de execução e
vigência contratual.

9. Em relação à opção de revogação do quinto termo aditivo, insta esclarecer que tal intento não é
cabível pelos seguintes motivos. Um, cuida-se de um negócio jurídico, um contrato, regido pela Lei nº 8.666/1993 e
pela legislação de direito civil, perfeito e acabado, cujos os efeitos já foram produzidos desde a sua assinatura, 06 de
janeiro de 2017.

10. Dois, não se estar aqui tratando de ato administrativo que pode ser revogado, mas sim de contrato
administrativo. Três, conforme disciplina a Lei nº 8.666/1993, em seu art. 78, as hipóteses de rescisão contratual são
taxativas. Sobre esse ponto específico, remete-se ao item 3 do Parecer n164/PGF/PF/UNILAB/2016, produzido nestes
autos.

11. Como a revogação não é a opção jurídica adequada, e, considerando que o intento da Administração é
aumentar ou suprimir o objeto do contrato, a forma jurídica adequada é o aditamento de aumento ou supressão,
devendo, assim, incluir tal aumento ou supressão no cômputo das tabelas produzidas e, consequentemente, atentar
para os limites previstos no art. 65 da Lei nº 8.666/1993.

12. Com base nessas, considerações, sugere-se o retorno dos autos em relação aos termos aditivos de
aumento e supressão e o de revogação do quinto termo aditivo, de modo que se faça a instrução completa dos
aumentos e supressões, de acordo com as exigências da legislação, em especial a Instrução Normativa SEGES nº 05,
de 2017 e a Lei nº 8.666/1993.

DO ADITAMENTO DE PRORROGAÇÃO

2 de 6 20/02/2019 15:27
https://sapiens.agu.gov.br/documento/226772632

13. Um exame da Lei nº 8.666/1993, da Lei nº 12.462/2011 e da jurisprudência consolidada do TCU, e


da Instrução Normativa SEGES nº 05, de 2017, revela quais são os requisitos do aditamento para prorrogação:

a) celebração do termo aditivo dentro do prazo de vigência da contratação (itens I e V da


Conclusão DEPCONSU/PGF/AGU nº 58/2013);
b) justificativas para os aditivos, inclusive do prazo necessário à prorrogação (art. 50 da Lei nº
9.784/1999, art. 57, §2º, da Lei nº 8.666/1993 e Acórdão TCU nº 1.461/2003 -
Plenário) – cumprido (fls. 5.608-5.612);
c) alteração formal do termo de referência/projeto básico com respectiva aprovação da
autoridade competente (art. 7º §1º, por analogia, da Lei nº 8.666/93);
d) autorização do aditamento pela autoridade competente - cumprido (fls.5.699)
e) manutenção de todas as condições de habilitação e ausência de impedimentos à contratação
(art. 55, XIII, da Lei nº 8.666/1993 e verificação de sistemas e sítios da internet - SICAF,
CADIN, CEIS, TCU e CNJ) (fls. 5.693-5.697);
f) disponibilidade orçamentária - não cumprido;
g) análise prévia da consultoria jurídica do órgão (art. 38, parágrafo único, da Lei nº 8.666/93
e Acórdão TCU nº 3.909/2008 - Segunda Câmara) - cumprido;
h) juntada da minuta do termo aditivo com cronograma físico-financeiro atualizado
(cumprido);
i) juntada do ART ou RRT das alterações do Projeto Básico e demais peças técnicas,
como orçamentos e planilhas (art. 10, do Decreto nº 7.983/13);
j) prorrogação da garantia contratual;
l) publicação na imprensa oficial do extrato do termo aditivo (art. 61, parágrafo único, da Lei
nº 8.666/93).

14. Para os requisitos considerados como adequadamente satisfeitos, foi indicada ao lado das alíneas
acima uma observação de "cumprido" em negrito e com remissão à folha do processo administrativo que consta do
sistema Sapiens da AGU. Nos demais casos ou em situação de cumprimento parcial, serão realizadas análises
específicas em seguida.

15. Quanto à alínea "a", a Administração Pública tem até o dia 03 de março de 2019 para celebrar o
termo aditivo, sob pena de haver perda da vigência da contratação, com impossibilidade do aditamento. Isso é o que
determina o item V da Conclusão DEPCONSU/PGF/AGU nº 58/2013:
CONCLUSÃO DEPCONSU/PGF/AGU Nº 58/2013
I. CONSIDERA-SE EXTINTO O CONTRATO ADMINISTRATIVO QUE ATINGE
SEU PRAZO FINAL DE VIGÊNCIA, AINDA QUE SEJA CLASSIFICADO COMO
CONTRATO "DE ESCOPO";
II. EXPIRADO O PRAZO DE VIGÊNCIA E PENDENTE A CONCLUSÃO DO OBJETO
ALMEJADO NO CONTRATO DE ESCOPO, DEVE-SE PROVIDENCIAR A INSERÇÃO
DA PARTE REMANESCENTE EM NOVO CONTRATO ADMINISTRATIVO, O QUAL
DEVERÁ SER PRECEDIDO DE LICITAÇÃO OU ENQUADRADO EM ALGUMA
HIPÓTESE DE DISPENSA OU INEXIGIBILIDADE;
III. A DISPENSA DE LICITAÇÃO DO ART. 24, IV, DA LEI Nº 8.666/93 PODE SER
UTILIZADA MESMO NOS CASOS EM QUE O PRAZO DE VIGÊNCIA DO CONTRATO
DE ESCOPO TENHA EXPIRADO POR DESÍDIA DA ADMINISTRAÇÃO, DESDE QUE
CUMPRIDOS OS REQUISITOS DO DISPOSITIVO LEGAL E RECOMENDADA A
APURAÇÃO DE RESPONSABILIDADE DE QUEM DEU CAUSA À SITUAÇÃO
EMERGENCIAL;
IV. A EXECUÇÃO DE CONTRATO EXTINTO, SEJA ELE DE ESCOPO OU DE
EXECUÇÃO CONTINUADA, CONFIGURA CONTRATO VERBAL, APLICANDO-SE A
ON/AGU Nº 04/2009, QUE DETERMINA O PAGAMENTO POR MEIO DE
RECONHECIMENTO DA OBRIGAÇÃO DE INDENIZAR NOS TERMOS DO ART. 59
DA LEI Nº 8.666/93;

3 de 6 20/02/2019 15:27
https://sapiens.agu.gov.br/documento/226772632

V. É VEDADA A REALIZAÇÃO DE OUTROS ATOS CONTRATUAIS, TAIS COMO


PRORROGAÇÃO OU RESCISÃO, DE CONTRATO ADMINISTRATIVO EXTINTO
POR DECURSO DO PRAZO DE VIGÊNCIA.
REFERÊNCIA: PARECER Nº 13/2013/CPLC/DEPCONSU/PGF/AGU, APROVADO PELO
PROCURADOR-GERAL FEDERAL EM 03.12.2013.

16. Cumpre registrar que foi apresentada manifestação técnica e cronograma físico-financeiro, fls.
5.608-5.612. Recomenda-se avaliar a necessidade de atualizar o projeto básico com a devida aprovação pela
autoridade competente.

17. Recomenda-se ainda avaliar a necessidade de produzir novo ART ou RRT das alterações do Projeto
Básico e demais peças técnicas, como orçamentos e planilhas (art. 10, do Decreto nº 7.983/13)

18. Do exame dos documentos juntados, há a necessidade de atualização das certidões negativas
referentes à receita estadual/distrital.

19. Com relação às pendências no CADIN, o TCU tem entendimento no sentido de que a inscrição no
Cadastro de Créditos não Quitados do setor público (CADIN), por si só, não impede a contratação com a
Administração pública, vide o seguinte acórdão:

Celebração de contrato com empresa inscrita no Cadastro Informativo de Créditos Não Quitados do Setor Público
Federal (Cadin).
Ao apreciar a prestação de contas da Refinaria Alberto Pasqualini S.A. – Refap, relativa ao exercício de 2003, a
Segunda Câmara, por intermédio do Acórdão n.º 5.502/2008, julgou regulares com ressalva as contas dos
responsáveis e expediu determinações à entidade (item 1.7), dentre elas: “1.7.3. não contrate com qualquer empresa
de um grupo em que haja ente inscrito no Cadin (Cadastro Informativo de Créditos Não Quitados do Setor Público
Federal), mesmo na qualidade de consórcio, nos termos do art. 6º, inciso III, da Lei 10.522/2002;”. Contra a aludida
determinação, a Refap interpôs recurso de reconsideração, alegando “não existir qualquer norma que impeça que o
grupo Petrobras, no qual está incluída a REFAP, contrate empresas inscritas no CADIN”. Além disso, “não
vislumbra o caráter determinante quanto ao destino da contratação no art. 6º, inciso III da Lei n.º 10.522/2002, pois
o texto legal exige a consulta, mas não estabelece o impedimento de contratação com empresas inscritas naquele
cadastro. Verifica que se trata de norma restritiva e que, por esta razão, não pode ser interpretada de forma
ampliativa.”. Em seu voto, o relator destacou que o art. 6º, III, da Lei n.º 10.522/2002, “não veta, de modo absoluto,
a celebração de contratos com empresa inscrita no Cadin, vez que o citado artigo de lei prescreve apenas quanto à
consulta prévia ao Cadin”. Dessa forma, não há vedação legal para a contratação de empresas inscritas no Cadin.
Permanece em vigor a obrigatoriedade de consulta prévia ao cadastro, pelos órgãos e entidades da Administração
Pública Federal, direta e indireta, para a celebração de contratos que envolvam o desembolso de recursos públicos.
Trata-se de medida de pouca efetividade prática, uma vez que a inscrição ou não no Cadin não trará qualquer
conseqüência em relação às contratações a serem realizadas.”. Acolhendo o voto do relator, deliberou o Colegiado
no sentido de dar provimento parcial ao recurso para tornar insubsistente o subitem 1.7.3 do Acórdão n.º
5502/2008-2.ª Câmara. Acórdão n.º 6246/2010-2ª Câmara, TC-009.487/2004-8, rel. Min. Raimundo Carreiro,
26.10.2010.

20. Assim, analisando sistematicamente as disposições da Lei de Licitações e da Lei do CADIN, em


cotejo com o entendimento do TCU, é possível afirmar que, apenas na hipótese de o registro no CADIN referir-se a
descumprimento de algumas das condições de regularidade fiscal previstas no artigo 29 da Lei n.º 8.666/93 será
admitida a imposição de qualquer restrição do direito de contratar com o Poder Público. Caso contrário, embora haja
registro de inadimplência, não será lícito, por esse motivo, recusar a contratação que, não fosse por isso, seria firmada.

21. No caso, verifica-se que a empresa atende as condições de regularidade fiscal previstas no art. 29 da
Lei 8666/93, haja vista a certidão válida do SICAF,para comprovação de regularidade junto à Fazenda Federal,
Estadual, Municipal, e ao INSS e a certidão de regularidade junto ao FGTS e à Justiça do Trabalho.

4 de 6 20/02/2019 15:27
https://sapiens.agu.gov.br/documento/226772632

22. Ante o exposto, estando a empresa em situação regular perante o SICAF e possuindo qualificação
técnica e atestado de regular execução do contrato, não há óbices jurídicos à prorrogação do contrato, ainda que haja
em seu nome alguma restrição no CADIN.

23. Recomenda-se, ainda, a juntada da declaração de disponibilidade orçamentária, para fins de


celebração do aditivo.

24. Por fim, as exigências das alíneas "j"e "l" deverão ser atendidas em momento oportuno.

DA MINUTA DE TERMO ADITIVO

25. Em relação à minuta de termo aditivo de prorrogação, cumpre à Administração Pública examinar a
adequação técnica dos valores informados e a correção das informações sobre a qualificação dos representantes das
partes.

26. Devem estar presentes, na minuta, cláusulas atendendo aos pontos abaixo:

a) compatibilidade do aditamento com o objeto contratual original;


b) valor total do termo aditivo;
c) alteração dos prazos de vigência e de execução;
d) complementação do valor da garantia;
e) ratificação das cláusulas contratuais não alteradas pelo termo aditivo.

27. Examinando a minuta contratual à luz das exigências referidas acima, não há observação adicional a
acrescentar.

CONCLUSÃO

28. Em face do exposto, opina-se, nos limites da análise jurídica e excluídos os aspectos técnicos e o
juízo de oportunidade e conveniência do ajuste, pela possibilidade de prorrogação da vigência, desde que
atendidas as recomendações constantes neste parecer, em especial os itens 12, 16, 16, 17, 23 e 24 .

29. Uma vez acatadas as recomendações emitidas ao longo do parecer ou seu afastamento, de forma
motivada pela autoridade competente, consoante previsão do art. 50, VII, da Lei de Processo Administrativo, é
cabível o prosseguimento do feito, sem a necessidade de nova manifestação jurídica quanto ao exame do presente
termo aditivo.

À consideração da chefia da entidade consulente.

Adalberto do Rego Maciel Neto Carlos Henrique Benedito Nitão Loureiro


Procurador Federal Procurador Federal

Cynthia Regina de Lima Passos Diego Franco de Araújo Jurubeba

5 de 6 20/02/2019 15:27
https://sapiens.agu.gov.br/documento/226772632

Procuradora Federal Procurador Federal

José Reginaldo Pereira Gomes Filho Juliana Lima Salvador


Procurador Federal Procuradora Federal

Karina Bacciotti Carvalho Bittencourt


Procuradora Federal

Atenção, a consulta ao processo eletrônico está disponível em http://sapiens.agu.gov.br mediante o


fornecimento do Número Único de Protocolo (NUP) 23282000516201282 e da chave de acesso 19c8cfea

Documento assinado eletronicamente por ADALBERTO DO REGO MACIEL NETO, de acordo com os normativos
legais aplicáveis. A conferência da autenticidade do documento está disponível com o código 226772632 no endereço
eletrônico http://sapiens.agu.gov.br. Informações adicionais: Signatário (a): ADALBERTO DO REGO MACIEL
NETO. Data e Hora: 19-02-2019 12:06. Número de Série: 13428590. Emissor: Autoridade Certificadora
SERPRORFBv4.

6 de 6 20/02/2019 15:27