Você está na página 1de 45

CIMATEC

MATEMÁTICA APLICADA A
MECÂNICA AUTOMOTIVA
CIMATEC

MATEMÁTICA APLICADA A
MECÂNICA AUTOMOTIVA

Salvador
2005
Copyright  2005 por SENAI-DR BA. Todos os direitos reservados.

Área Tecnológica Automotiva

Elaboração: Enoch Dias Santos Junior; Técnico.

Revisão Técnica: Gabriel Souza de Santana, Técnico.

Revisão Pedagógica: Ludmila K.S.Figueiredo

Normalização: Sueli Madalena Costa Negri

Catalogação na fonte (Núcleo de Informação Tecnológica – NIT)


________________________________________________________

SENAI-DR BA. Matemática Aplicada a Mecânica Automotiva.


Salvador, 2005. 44p il. (Rev.00)

1. Matemática - Mecânica Automotiva I. Título

CDD. 629
________________________________________________________

SENAI CIMATEC
Av. Orlando Gomes, 1845 - Piatã
Salvador – Bahia – Brasil
CEP 41650-010
Tel.: (71) 462-9500
Fax. (71) 462-9599
http://www.cimatec.fieb.org.br
APRESENTAÇÃO

Com o objetivo de apoiar e proporcionar a melhoria contínua do padrão de qualidade


e produtividade da indústria, o SENAI BA desenvolve programas de educação
profissional e superior, além de prestar serviços técnicos e tecnológicos. Essas
atividades, com conteúdos tecnológicos, são direcionadas para indústrias nos
diversos segmentos, através de programas de educação profissional, consultorias e
informação tecnológica, para profissionais da área industrial ou para pessoas que
desejam profissionalizar-se visando inserir-se no mercado de trabalho.

Este material didático foi preparado para funcionar como instrumento de consulta.
Possui informações que são aplicáveis de forma prática no dia-a-dia do profissional,
e apresenta uma linguagem simples e de fácil assimilação. É um meio que
possibilita, de forma eficiente, o aperfeiçoamento do aluno através do estudo do
conteúdo apresentado no módulo.
SUMÁRIO

Apresentação
I – SISTEMA MÉTRICO DE MEDIDAS................................................................................7
1.1 Introdução......................................................................................................................7
1.2 Noção de números decimais....................................................................................8
1.3 Operações com números decimais......................................................................10
II - NOÇÃO DO SISTEMA INGLÊS DE MEDIDAS..........................................................14
2.1 Medidas de comprimento sistema Inglês............................................................14
III - FRAÇÃO ORDINÁRIA..................................................................................................15
3.1 Termos...........................................................................................................................15
3.2 Operações com fração ordinária...........................................................................16
IV - MEDIDAS DE COMPRIMENTO - SISTEMA MÉTRICO DECIMAL......................19
V - MEDIDA DE MASSA (PESO)-SISTEMA MÉTRICO DECIMAL..............................21
VI - MEDIDAS DE MASSA (PESO) – SITEMA INGLÊS................................................21
VII - MEDIDAS DE ÁREA – SISTEMA MÉTRICO DECIMAL E SISTEMA INGLÊS. 21
7.1 Medidas de algumas áreas......................................................................................22
7.1.1 Área do quadrado...............................................................................................22
7.1.2 Área do retângulo...............................................................................................23
7.1.3 Área do triângulo................................................................................................23
VIII - MEDIDAS DE VOLUME – SISTEMA MÉTRICO DE CIMAL/ SISTEMA INGLÊS
...................................................................................................................................................25
IX - PRESSÃO ATMOSFÉRICA (Noção de pressão)...................................................26
9.1 Tabela de altitude e pressão correspondentes..................................................27
9.2 Medidas de pressão..................................................................................................28
9.3 Medição da pressão - manômetros.......................................................................29
9.4 Tabela de conversão de medidas de pressão....................................................30
X - MEDIDAS DE TORQUE.................................................................................................31
XI - MEDIDAS ANGULARES...............................................................................................32
11.1 Ângulos.......................................................................................................................32
11.2 Instrumentos para medição de ângulos............................................................33
11.3 Operações no sistema sexagesimal...................................................................34
XII - TEMPERATURA...........................................................................................................37
XIII - CONVERSÃO DE MEDIDAS DO SISTEMA INGLÊS PARAO SISTEMA
MÉTRICO E VICE-VERSA....................................................................................................39
13.1Conversão de polegadas em milímetros............................................................39
13.2 Conversão de polegada fracionária em milímetros........................................39
13.3 Conversão de milímetros em polegadas...........................................................40
13.4 Conversão de polegadas fracionárias em polegadas decimais.................42
13.5 Conversão de polegadas decimais em polegadas fracionárias.................43
13.6 Conversão de polegada decimal em milímetros.............................................44
13.7 Conversão de milímetros em polegada decimais...........................................45
REFERÊNCIAS.......................................................................................................................45
I – SISTEMA MÉTRICO DE MEDIDAS

1.1 Introdução

Sistemas métricos de medidas

Foi a França que instituiu um sistema racional de medidas, em que todas as


unidades de comprimento derivam de uma grandeza escolhida como padrão, no
caso, o metro.
As unidades derivadas do metro formam o sistema métrico decimal, isto é, cada uma
delas é 10, 100, 1000 vezes maior ou menor do que a unidade principal, que é o
metro e assim por diante.
O comprimento do metro foi determinado por uma comissão de matemáticos da
Academia de Ciências da França.
Esses matemáticos mediram a distância de 1/4 do meridiano terrestre e depois
calcularam a sua décima milionésima parte e, construiu-se o metro padrão, cujo
original ficou depositado na Repartição Internacional de Pesos e Medidas na França.
O metro padrão é representado por uma régua de platina e irídio, de secção em
forma de X e apresentando em suas extremidades dois traços de referência que
indicam o comprimento legal do metro à temperatura de fusão do gelo(0°C). Esse
sistema de medidas foi introduzido no Brasil em 1873 por decreto-lei que tornou
obrigatório o uso do sistema métrico em todo o país, deixando de lado as antigas
medidas de dimensões variáveis, que não obedeciam a uma grandeza padrão.
Portanto, o sistema métrico é o oficialmente adotado no Brasil, sendo por isso o mais
usado, embora ainda se importe grande quantidade de máquinas, acessórios e
equipamentos de países estrangeiros onde não é adotado o sistema métrico, mas
sim o sistema inglês (polegadas).
Surge dai, então, a necessidade de conhecermos os dois sistemas de medidas, bem
como saber fazer as conversões de medidas de um sistema para o outro, isto é,
saber transformar polegadas em milímetros e vice-versa.
1.2 Noção de números decimais
(frações decimais)

São chamados números inteiros àqueles que estão à esquerda da vírgula e


fracionários os que estão à direita da vírgula.

Leitura de números decimais

O número 12,825 Iê-se assim:


-Doze inteiros e oitocentos e vinte e cinco milésimos.

O número 534,5402 lê-se:


-Quinhentos e trinta e quatro inteiros e cinco mil quatrocentos e dois décimos de
milésimos.

O número 26,50 lê-se:


-Vinte e seis inteiros e cinqüenta centésimos.

Leitura e aproximação de números decimais

Aproximação de números decimais

8
 Podemos aproximar os números decimais de acordo com a quantidade de
casas decimais que quisermos:
décimos, centésimos, milésimos e assim por diante

A aproximação é feita da seguinte forma:

 À primeira casa antes da vírgula, acresce-se de mais uma unidade quando a


primeira casa decimal após a vírgula for maior que 5, e para menos quando
for menor que 5.

Exemplo de casas após a vírgula inferior a “5”

Aplicando a aproximação passará para:

3,32-3,3-3,0
Resultado final = 3,0mm
Observem que as três casas após a vírgula são menores que “5”.

Exemplo de casas após a virgula superiores a “5”.

Aplicando a aproximação passará para:

3,69 1ª Aproximação

9
3,70 2ª Aproximação
4,00 3ª Aproximação

Observem que as três casas após a vírgula são maiores que "5".
Exemplos:

 3,31 mm - Três milímetros e trinta e um centésimos pode ser aproximado


para:
33mm(Três milímetros e três décimos).

 5,492 mm - Cinco milímetros e quatrocentos e noventa e dois milésimos, para:


5,49 mm (cinco milímetros e quarenta e nove centésimos).
5,5 mm (cinco milímetros e cinco décimos).

1.3 Operações com números decimais

Adição ou soma:

Para somar frações decimais, colocam-se as vírgulas alinhadas na posição vertical e


em seguida somam-se seus números, como se fossem números inteiros.

Ex: 3,45 + 0,38 + 2,30 =

Subtração ou diminuição:

10
Procede-se da mesma maneira que na adição, colocando-se as vírgulas alinhadas
verticalmente em seguida efetua-se a subtração.

Ex. ; 3,23-2,18 =

Multiplicação

Na multiplicação efetua-se a operação como se fossem números inteiros. Terminada


a operação, contam-se os números à direita da vírgula do multiplicando e do
multiplicador e coloca-se a vírgula no resultado, deslocada para a esquerda de tantos
algarismos quantos forem contados à direita do multiplicando e do multiplicador.

Ex. : 2,4 x 1,5 =

Exemplos:

11
Divisão:

Para dividir frações decimais é necessário, em primeiro lugar, igualar as casas à


direita da vírgula do dividendo e do divisor.

Ex: 1,488: 1,2

Para igualar as casas basta acrescentar zeros na fração menor, fazendo com que as
quantidades de casas à direita da vírgula sejam iguais.

1,488: 1,200

Uma vez igualadas as casas à divisão será feita como se fossem números inteiros.

Para transformar uma fração decimal em número real decimal basta escrever o
numerador e separar com uma vírgula, a partir da direita, tantos algarismos quantos
forem os zeros do denominador.

12
- (Você pode observar que, à direita da vírgula, há tantos algarismos quanto são os
zeros do denominador.)
- Para transformar uma fração ordinária em numeral decimal basta dividir o
numerador pelo denominador

Assim:

Propriedades

Os números representados por uma fração decimal não se alteram quando se


acrescentam, ou se retiram, zeros à direita do numeral fracional.

Assim:

Esta propriedade permite que se escreva um numeral decimal com quantas casas
decimais se desejar.
Para reduzir um numeral decimal a uma fração decimal, escreve-se, como
numerador, o numeral sem a vírgula e, como denominador, o um (1) seguido de
tantos zeros quantos são os algarismos da parte decimal. Assim:

Decimais periódicos

13
Às vezes, na transformação de uma fração ordinária em numeral decimal, quando
dividimos o numerador pelo denominador encontramos divisão não exata. Por
exemplo:

Observe que o quociente encontrado nessa divisão é formado por um número


limitado de algarismos, O mesmo algarismo se repete um número ilimitado de vezes.
Dizemos que a fração se transformou numa decimal periódica, ou dízima periódica.

II - NOÇÃO DO SISTEMA INGLÊS DE MEDIDAS

Temos aqui um outro sistema de medidas, denominado inglês, ainda muito utilizado
em alguns países.
Este tem suas medidas baseadas em dimensões tiradas do corpo humano

2.1 Medidas de comprimento sistema Inglês

A unidade de comprimento do sistema inglês, mais usada é a polegada. Além da


polegada, há outras unidades, tais como: jarda e o pé.

14
Na tabela acima, conheça os símbolos e suas correspondências no sistema métrico.
Representa-se a polegada pelo seu valor numérico, acompanhado de 2 linhas (")
colocadas ao alto e à direita do valor. Exemplo: 3/4 ".
As subdivisões da polegada são sempre dadas em forma de fração ordinária e, entre
estas frações, não pode haver nenhuma com o numerador par. Quando isto ocorrer,
ela deve ser simplificada, ou seja, ser reduzida à sua forma mais simples.
Nas medidas em frações de polegadas, por exemplo, 1/16", 1/8",3/4", 13/16", etc., é
comum se ler: um dezesseis ávos, um oitavo, três quartos, treze dezesseis ávos, etc.
Nunca encontramos medidas escritas da seguinte forma: 2/4", 6/8", 4/4", etc.; caso
isso aconteça, devemos simplificá-las. Para tanto, vamos fazer uma pequena
recordação sobre frações ordinárias.

III - FRAÇÃO ORDINÁRIA


3.1 Termos

Uma fração ordinária é composta por dois termos, separados por um traço horizontal.
O termo que fica na parte superior do traço chama-se "numerador", e o termo abaixo
do traço recebe o nome de "denominador"; temos assim a fração formada:

O denominador da fração indica em quantas partes foi dividida a unidade, e o


numerador nos diz quantas dessas partes foram tomadas.
Exemplo: Se dividirmos uma barra de ferro em oito partes iguais e tomarmos apenas
cinco, representaremos em fração ordinária da seguinte forma:

Isto quer dizer que a unidade foi dividida em oito partes iguais, e que tomamos
apenas cinco partes dessas oito, restando três partes.
Quando nos deparamos com uma medida de fração ordinária em polegadas, como
2/4", para simplificá-Ia, devemos dividir tanto o numerador como o denominador por
um mesmo número, para não alterar o valor da fração.
Simplifica-se a fração até se conseguir um numerador ímpar.

3.2 Operações com fração


ordinária

15
Soma e Subtração:

1 º Caso: "Soma e subtração de frações ordinárias com denominadores iguais",

Neste primeiro caso, não há dificuldades para somar ou subtrair as frações; basta
somar ou subtrair os numeradores e manter o denominador, como esclarece o
exemplo abaixo:

2° Caso: "Soma e subtração de frações ordinárias com denominadores diferentes".


Neste caso, para se poder somar frações, é preciso, em primeiro lugar, igualar os
denominadores, para depois poder efetuar a soma. Para igualar os denominadores,
há na matemática um processo denominado Mínimo Múltiplo Comum.

A) Somar as frações:

As frações, como se apresentam, não podem ser somadas, visto apresentarem


denominadores diferentes; precisamos então igualar os denominadores 16 e 32.
Para tanto; vamos achar o “M.M.C.".
Para se obter o Mínimo Múltiplo Comum (M.M.C.), colocam-se os números em
seqüência e faz-se uma linha vertical à direita. Do lado direito da linha coloca-se um
número que possa dividir todos ou parte dos números até restarem a unidade “um”
para todos os números.

16
Finalmente multiplicam-se todos os números do lado direito da linha vertical. O
resultado será o M.M.C.

B)Subtrair e somar as frações:

5 2 3
 
8 16 16

Multiplicação de frações:

17
Para se obter o produto de duas ou mais frações, multiplicamos entre si os
numeradores e os denominadores. Ex.:

Divisão de frações

Para dividir frações, basta multiplicar a primeira fração pela fração inversa das outras
parcelas. Ex.:

18
IV - MEDIDAS DE COMPRIMENTO - SISTEMA MÉTRICO DECIMAL

Em primeiro lugar, iremos falar sobre as medidas de comprimento, que tem como
unidade básica de medida o metro, e possui múltiplos e submúltiplos.

Os seus múltiplos são:

Decâmetro, Hectômetro e Quilômetro, e os seus submúltiplos:


Decímetro, Centímetro e Milímetro.

Os múltiplos e submúltiplos são:

Quilômetro -Km = 1000 m


Hectômetro -Hm = 100 m Múltiplos
Decâmetro -Dam = 10 m

Metro -m = 1 m –Unidade

Decímetro -dm = 0,1 m


Centímetro- cm = 0,01 m Sub-múltiplos
Milímetro -mm = 0,001 m

Na mecânica em geral, e particularmente na de automóveis, somente nos interessam


os submúltiplos do metro. Inicialmente o metro foi dividido em 10 partes iguais,
chamando-se a cada uma delas decímetro (dm); em seguida, foi dividido em 100
partes iguais, sendo que cada parte recebeu o nome de centímetro (cm). Mas com a
evolução, surge a necessidade de se conseguirem medidas mais precisas; dividiu-se
então o metro em 1000 partes iguais que foram chamadas de milímetro (mm).

Com o aparecimento das máquinas, estas exigiram precisões ainda maiores que a
do milímetro, surgindo desta forma à necessidade de se dividir o milímetro em partes
menores; e assim ele foi dividido em 10, 100, 1000, e ainda mais partes iguais, de
acordo com as precisões exigidas em cada área de trabalho. A milésima parte do
milímetro é também chamada Mícrom.
Nas medidas de precisão, como no caso particular das peças e componentes do
automóvel, é usado o milímetro e suas subdivisões.

19
Submúltiplos do metro e do milímetro

Submúltiplos do metro

Submúltiplos do milímetro

A tabela mostra a subdivisão do milímetro em décimos, centésimos e milésimos.

Submúltiplos do Milímetro

0,1 mm = 1 décimo de mm
0,01 mm = 1 centésimo de mm
0,001 mm = 1 milésimo de mm
1 metro equivale 10 decímetros; a 100 centímetros; a 1000 milímetros.

20
V - MEDIDA DE MASSA (PESO)-SISTEMA MÉTRICO DECIMAL

Para medir a massa de um objeto, usamos as unidades de massa. A principal


unidade de massa é o GRAMA (g).

Os múltiplos e submúltiplos são:

Quilograma (kg) = 1000 g


Hectograma (hcg) = 100 g Múltiplos
Decagrama (dcg) = 10 g

Grama (g) =1 g Unidade básica

Decigrama (dg) = 0,1g


Centigrama ( cg) = 0,01g Submúltiplos
Miligrama (mg) = 0,001g

VI - MEDIDAS DE MASSA (PESO) – SITEMA INGLÊS

A unidade principal do Sistema Inglês é a LIBRA


(Ib ). Além da libra, há outras unidades como:

Libra 0= 453, 68 kg
Onça = 28,359
Short ton. = 20001b = ton. pequena = 907,2 kg
Longton. = 2204 1 b = ton.Grande = 1016 kg

VII - MEDIDAS DE ÁREA – SISTEMA MÉTRICO DECIMAL E SISTEMA INGLÊS

A área é medida em uma superfície plana delimitada.


As áreas no sistema métrico decimal são medidas normalmente nas unidades :

mm2 - Milímetros quadrados


cm2 - Centímetros quadrados.
m2 - Metros quadrados
Km2 - Quilômetros quadrados

No sistema Inglês, as medidas de áreas são feitas da mesma forma que no sistema
métrico, apenas mudando-se para as unidades inglesas.

21
7.1 Medidas de algumas áreas

7.1.1 Área do quadrado

As fórmulas para se calcular áreas, são iguais para os dois sistemas. No nosso caso
as áreas que mais interessam são as seguintes:

Para obter a área de um quadrado multiplica-se o valor de um dos lados por si


próprio, ou seja, eleva-se ao quadrado o valor de um de seus lados.

Área = a2 ou Área = a X a

Exemplo: Calcular a área da figura abaixo:

A área será = a X b

A = 20x20 = 400cm2

22
7.1.2 Área do retângulo

Para obter a área de um retângulo multiplica-se o lado maior “a” pelo lado menor “b “:

Área = a X b

Exemplo: calcular a área da figura abaixo :

Área = a X b

A= 20 X 5 = 100 cm2

7.1.3 Área do triângulo

Para se obter a área de um triângulo, multiplica-se a


base "b" pela altura "h" e divide-se por 2.

bxh
Área =
2
Exemplo: calcular a área da figura abaixo:

bxh 5 x 4 20
Área =    10 cm2
2 2 2

23
7.1.4 Área da circunferência

Para se obter a área de uma circunferência, multiplica-se o valor da constante  (pi)


que corresponde a 3,14 pelo raio ao quadrado.

Área =  x r2 Área = Exemplo: Calcular a área da figura abaixo :

Área = 3,14 x 32
Área = 3,14 x 9 = 28,26cm2

Exercício:
Calcule a área da circunferência abaixo:

r = 4cm

24
VIII - MEDIDAS DE VOLUME – SISTEMA MÉTRICO DE CIMAL/ SISTEMA INGLÊS

Chama-se volume o espaço ocupado por um corpo.


Chama-se capacidade o volume de líquido que um objeto pode conter.

Os volumes (capacidades) no Sistema Métrico Decimal se expressam nas seguintes


unidades:
A unidade principal de capacidade é o litro ()

Quilolitro (kl) = 1000 e


Hectolitro (hel) =100 Múltiplos Múltiplos
Decalitro (dal) = 10

litro () = 1Unidade básica

decilitro (dl) = 0,1 


centilitro (cl) = 0,01  Submúltiplos Submúltiplos
mililitro (ml) = 0,00 1 

No sistema Inglês a unidade mais usada é a polegada cúbica (poI 3). Além da
polegada cúbica, há outras unidades como:

25
Cáculo de volume do cilindro

Para se obter o volume de um cilindro, multiplica-se o valor de “  ”(pi) que


corresponde a 3,14, pelo raio ao quadrado e o resultado multiplica-se pela altura

V=  x r2 x h
Exemplo : calcular o volume do cilindro abaixo :

V=  x r2 x h
V=3,14 x 42 x 7

V= 3,14 x 16 x 7 = 351,68cm3

IX - PRESSÃO ATMOSFÉRICA (Noção de pressão)

A Terra está rodeada por uma certa massa de ar que se estende desde a sua
superfície até uma altura aproximada de 80 km. Toda essa massa de ar possui um
peso e, portanto, exerce uma pressão sobre a superfície da Terra.
Tal pressão exercida pelo ar ("atmosfera") denomina-se PRESSÃO ATMOSFÉRICA.
O valor da pressão atmosférica depende da "altitude" (altura em relação ao nível do
mar).
Por exemplo, ao nível do mar a atmosfera que nos rodeia exerce uma pressão de
1,033 kg/cm2 (14,7 psi ou lb/pol2).
Se a medição for realizada em um local mais elevado (de maior altitude), por
exemplo, no pico de uma montanha, o valor encontrado será menor do que aquele
medido ao nível do mar. Isto ocorre porque quanto maior a altura, menor amassa de
ar sobre nós.
De experiências práticas sabe-se que a pressão atmosférica diminui
aproximadamente 0, 1 kg/cm2 para cada aumento de 100 metros na altitude.
Assim, se estivermos num local cuja altitude seja de 5000 metros, então a pressão
atmosférica medida será de 0,516 kg/cm2(7 ,35 psi).
9.1 Tabela de altitude e pressão correspondentes

26
O conceito de pressão atmosférica poderá ser entendido melhor através da
ilustração apresentada na figura e na tabela abaixo

27
9.2 Medidas de pressão

Pressão é força dividida pela unidade de área.

Fórmula para se calcular pressão:

F
P
A

Onde :

P = pressão
F = força em kgf,lbs, etc.
A = área em : cm2 ,pol2,etc.

Exemplo :

Um corpo quadrado, com 2 cm de comprimento e largura, está submetido a uma


força (peso) 10 kgf. Qual a pressão?

A= 2 cm x 2 cm = 4 cm2
F=10kgf

F 10kgf
P= P   2,5kgf/cm2
A 4cm

O instrumento que serve para medir pressão em circuitos fechados é o manômetro.


O instrumento que serve para medir pressão em circuito aberto é o barômetro.

28
A pressão pode ser expressa em várias unidades:

9.3 Medição da pressão - manômetros

O instrumento que serve para medir pressão é omanômetro.


Aplica-se o manômetro diretamente a câmara ou tubulação, tomando-se o cuidado
para que a sua capacidade seja superior à pressão que se deseja medir.
Os tipos mais usados são o manômetro com tubo de Burdon e o manômetro de
diafragma.
O manômetro com tubo de Burdon é constituído por um tubo oco, enrolado em
espiral, fechado numa das extremidades. Quando uma pressão é aplicada na
extremidade aberta, o tubo se expande, alterando o seu formato.
Esse movimento se transmite a um ponteiro que se desloca sobre uma escala
graduada, na qual se lê diretamente a pressão em kgf/cm 2 (ou psi).
No manômetro de diafragma a pressão aplicada na face interna do diafragma faz
com que ele se dilate, movimentando o ponteiro que se desloca sobre a escala
graduada. Nessa escala é lido o valor da pressão que está sendo medida.

9.4 Tabela de conversão


de medidas de pressão

29
X - MEDIDAS DE TORQUE

30
Torque é o esforço de torção ou de giro (produto
da força pela distância).
T=FXD
Onde:
T = torque
F = força
D = distância

Exemplo: se aplicarmos uma força de 80 kgf a


uma alavanca de 0, 1 metro de comprimento de
forma a girar um eixo, teremos:

T = 80 kgf x 0,1 m = 18 kgf.m

O instrumento que serve para medir torque é o torquímetro.


O torque se expressa nas unidades:

Chave dinamométrica (torquímetro)

Destina-se a medir o esforço de


aperto.
É um cabo especial para chave
tubular (soquete),com dispositivo de
medições de tensões.
Os tipos mais comuns são: de dial de
ponteiro e de estalo.
A precisão na medição do aperto
depende do estado da chave
dinamométrica, do tipo de rosca,
lubrificação do parafuso e atenção do
operador.

XI - MEDIDAS ANGULARES

31
Circunferência é uma linha curva, plana e
fechada, cujos pontos possuem a mesma
distância a um ponto comum interno chamado
centro.
Essa curva foi dividida em 360 partes iguais, e
cada uma dessas partes foi chamada de "grau".
O grau foi dividido em 60 minutos e o minuto em
60 segundos.

1 circunferência = 360° (graus).


1 grau = 60'(minutos).
1 minuto = 60"(segundos).
O sinal (0) indica graus.
O sinal (') indica minutos.
O sinal (“) indica segundos”.
Esse tipo de divisão é denominado:
SISTEMA SEXAGESIMAL.

11.1 Ângulos

Exemplos de ângulos:

Os ângulos podem ser classificados quanto as suas aberturas como:

-Angulo AGUDO -é aquele que tem abertura menor que 90°,


-Angulo RETO -é aquele que tem abertura igual à 90°,
-Angulo OBTUSO -é aquele que tem abertura maior que 90°,

11.2 Instrumentos para medição de ângulos

32
1 - Transferidor

Em geral o transferidor apresenta um semicírculo graduado e uma régua.


Praticamente, 1º (um grau) é a menor divisão apresentada diretamente na graduação
do transferidor. É empregado para usos comuns.

2 - Goniômetro
Usado para medir ângulos com aproximação de até 5 minutos. O Goniômetro é um
instrumento onde o disco graduado e o esquadro formam uma só peça, de maior
precisão .

11.3 Operações no sistema sexagesimal

33
1. Soma:

Para se efetuar uma soma em graus, colocam-se as unidades iguais, uma sob as
outras e efetuam-se as somas:

Quando os segundos ou minutos têm somas que excedem 60, então devemos
transformá-las:

Como 85’ e 67 “são maiores que 60 então devemos efetuar as transformações:

2. Subtração:

34
Para se subtrair graus, colocam-se as unidades iguais uma sobre a outra, e efetuam-
se as subtrações como se fossem números inteiros.

1º Caso

2 º Caso

Para que a subtração fosse possível, foi necessário que fizéssimos a transformação
de 38’ para 37’ 60 “o que não altera o seu valor.

3. Multiplicação:

Para multiplicar graus, efetuam-se as operações normalmente como se fossem


números inteiros, fazendo-se as transformações no final da operação

Somando-se este valor 152 o temos:

4. Divisão:

35
Divide-se em graus, como se fossem números comuns, fazendo-se as
transformações no decorrer das operações.

O resto passará para a próxima coluna transformado. No 1º exemplo restou 1’ e o


transformamos em 60” e assim em toda divisão.

XII - TEMPERATURA

36
A intensidade da energia CALOR, e denominada TEMPERATURA. O instrumento
para medir essa intensidade é o termômetro.
Para se transformar graus Celsius (ou Centígrado) em graus Fahrenheit ou vice-
versa, utilizam-se fórmulas como abaixo é explicado:

A. Fórmula para se transformar graus Centígrados em graus Fahrenheit :

5
ºC  x(º F  32) Ou fórmula simplificada º C  ( F  32) : 1,8
9

Exemplo: A temperatura de 212ºF corresponde a que valor na escala Centigrada ?

5
ºC  x (212º 32)
9

5 180 900
ºC  x180  5 x  
9 9 9

ºC = 100ºC

ou fórmula simplificada :

º C  (212  32) : 1,8


º C  180 : 1,8 
º C  100º

B. Fórmula para se transformar graus fahrenheit em graus centígrados :

37
9
º F  ( x º C )  32 Ou fórmula simplificada º F  (1,8 x º C )  32
5
Exemplo : A temperatura de 0º corresponde a que valor na escala Fahreheit ?

9
º F  ( x0º C )  32
5

ou pela fórmula simplificada :

º F  (1,8 x0º )  32 
º F  32º F

Equivalência de temperatura na ebulição e congelamento da água

XIII - CONVERSÃO DE MEDIDAS DO SISTEMA INGLÊS PARAO SISTEMA


MÉTRICO E VICE-VERSA

38
13.1Conversão de polegadas em milímetros

Para se transformar polegadas inteiras em milímetros, multiplicamos o número de


polegadas inteiras por 25,4 mm, que é o valor aproximado de uma polegada em
milímetros.

Exemplo:

a) 2" x 25,4 mm= 50,8 mm

b) 5"x25,4 mm = 127,0 mm

13.2 Conversão de polegada fracionária em milímetros

Para se transformar polegada fracionária em milímetros, procede-se da seguinte


maneira:
O numerador da fração deve ser multiplicado por 25,4 mm, é o resultado deste
produto dividido pelo denominador. O resultado obtido na divisão já é o valor em
milímetros correspondente.

Fórmula:

numerador.
25,4 x
deno min ador

Exemplos:

a) Transformar 1/8” em milímetros.

1" 25,4 x1" 25,4


   3,175mm
8 8 8

b) transformar 17/32“em milímetros.

17" 25, 4 x17 431,8


   13, 49mm
32 32 32

13.3 Conversão de milímetros em polegadas

39
Para se transformar milímetros em polegadas,dividimos o número de polegadas
inteiras por 25,4 mm, que é o valor aproximado de uma polegada em milímetros.

Exemplo:

a) Transformar 76,2 mm, em polegadas.

76,2: 25,4 = 3"


portanto, 76,2 mm corresponde exatamente a 3".

b) Transformar 101,6 mm, em polegadas.

101,6:25,4 = 4"
portanto, 101,6 mm corresponde exatamente a 4".

Nos casos anteriores, verifica-se que as divisões são exatas; portanto, nestes casos,
o resultado da divisão corresponderá sempre a polegadas inteiras.

40
Há casos em que a divisão não é exata;quando isto ocorre, procede-se da seguinte
forma:
Divide-se o valor em milímetro pelo valor correspondente a uma polegada em
milímetros, (25,4 mm);o resultado dessa divisão, multiplica-se por 128 que
é a menor subdivisão da polegada, e simplifica-se pelo denominador 128 até uma
fração irredutível.

128
Fórmula : ( mm : 25,4) x
128
a) Transformar 19,05mm em polegadas.

128
(19,05 : 25,4) x 
128

128 96
 0,75 x  
128 128

96 : 2 48 : 2
  
128 : 2 64 : 2

24 : 2 12 : 2 6 : 2
   
32 : 2 16 : 2 8 : 2

3"

4

b) Transformar, 53, 9mm em polegada.

128
 (53,9 : 25,4 x 
128
128
 2,122 x
128

2,122 foi o resultado obtido, o(s) números(s) à esquerda da vírgula é (são)


polegadas(s) inteira (s) (2"), e à direita da vírgula, uma fração decimal
(0,122).Neste caso deixa-se o valor inteiro de fora, e transforma-se a fração decimal
em fração ordinária. Para isso, multiplica-se a parte fracionária pelo
número 128 que é a menor subdivisão da polegada e simplifica-se pelo denominador
128 até uma fração irredutível.

128 15,616
0,122 x 
128 128

41
O resultado 15,616, não pode ser simplificado, portanto arredonda-se a primeira casa
antes da vírgula em mais uma unidade, quando a primeira decimal após a vírgula for
maior que 5" e para menos quando for menor que 5".

Então o resultado: 15, 616, passa a 16/128 ao invés de 15/128. Assim 53,9 mm
corresponde em polegadas a 2 " 16/128; como o numerador é um número par,
podemos simplificá-lo:

16 : 2 8:2
 
128 : 2 64 : 2

4:2 2:2
 
32 : 2 16 : 2

1

8

Portanto, o resultado de 53,9 mm, corresponde aproximadamente a:

1"
2
8
13.4 Conversão de polegadas fracionárias em polegadas decimais

Se dividirmos uma polegada em mil partes, teremos cada uma dessas partes
correspondendo a um milésimo de polegada, equivalendo a 1/1000 ou
0,001".

Ocorre, algumas vezes, termos uma medida em fração ordinária da polegada e


queremos saber essa mesma medida em milésimos de polegada.
Para isso, basta fazer o seguinte: divide-se o numerador da fração pelo seu
denominador, e o resultado desta divisão será a correspondência em milésimos de
polegada.

Numerador
Fórmula:
Deno min ador

Exemplo:

a) Passar 7/8", para milésimos de polegada.

7
 0,875"
8

42
b) Passar 13/16", para milésimos de polegada.

13
 0,8125"
16

13.5 Conversão de polegadas decimais em polegadas fracionárias

Para se converter polegadas decimais em polegadas fracionárias, faz-se o seguinte:

Multiplica-se o valor em polegadas decimais, pelo número 128 que é a menor


subdivisão da polegada e simplifica-se pelo denominador 128, até uma fração
irredutível.

128
Fórmula: Pol.Dec.x
128

Exemplos:

a) Transformar 0,250", milésimos de polegada decimal, em polegada fracionária:

128 32 : 2
0,250 x  
128 128 : 2

16 : 2 8:2
 
64 : 2 32 : 2

4:2 2:2
 
16 : 2 8 : 2

1"

4

b) Transformar 0,5625" milésimos de polegada decimal, em polegada fracionária:

43
128 : 2 72 : 2 36 : 2 18 : 2
0,565 x    
128 : 2 128 : 2 64 : 2 32 : 2

9"

16
Há casos em que a multiplicação não é exata;quando isto acontece, procede-se
como nos casos anteriores, faz-se o arredondamento da primeira casa antes da
vírgula em mais uma unidade, quando a primeira casa decimal após a vírgula for
maior que 5 e para menos se for menor que 5.

Exemplos

a) Transformar 0,730" milésimos de polegada decimal, em polegada fracionária:

128 9344 93"


0,730" x   Aproximar
128 128 128

93"
0,730” corresponde a aproximadamente :
128
b) Transformar 0,937 milésimos de polegada decimal, em polegada fracionária :

120 : 2 60 : 2 30 : 2 15"
0,937 x
128 119 ,936
128

128
 Aproximar e simplificar   
128 : 2 64 : 2 32 : 2 16
15"
0,937” corresponde a aproximadamente :
16

13.6 Conversão de polegada decimal em milímetros

Para se converter polegada decimal em milímetros faz-se o seguinte:

Multiplica-se o valor em polegadas decimais, pelo valor correspondente a uma


polegada em milímetros (25,4).

44
Fórmula: pol dec X 25,4

Exemplos:

a) Transformar 0,020" milésimos de polegada, em milímetros.

0,020 x 25,4 = 0,508 mm (milésimos de milímetros)

OBS: Aproximando-se a última casa decimal para mais, passará a 0,51 mm


(centésimos de milímetros) .

b) Transformar, 0,46875" (quarenta e seis mil, oitocentos e setenta e cinco


centésimos de polegada), em milímetros:

0,46875" x 25,4 = 11,90625 mm ou arredondando-se para 12 mm.

13.7 Conversão de milímetros em polegada decimais

Para se converter milímetros em polegadas decimais, faz-se o seguinte:

Divide-se o valor em milímetros, pelo correspondente a uma polegada em milímetros


(25,4).

mm
Fórmula : 25,4

Exemplos:

a)Transformar 6,35mm em polegadas decimais.

6,35
 0,250" ( milésimos de polegada)
25,4

b) Transformar 19,05 mm em polegadas decimais.

19,05
 0,750" (milésimos de polegada)
25,4

45
REFERÊNCIAS

1. FORD TREINAMENTO DE SERVIÇO . Sistemas de medidas e controle.

46