Você está na página 1de 48

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ

CAMPUS DE SOBRAL
CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

CAP 1 - INTRODUÇÃO À
ELETRÔNICA

Disciplina: Eletrônica Analógica


OBJETIVOS

 Apresentar a Ementa do Curso;


 Introduzir Conceitos Sobre Eletricidade Básica;
 Introduzir Conceito Básicos para o Estudo da
Eletrônica Analógica;
 Iniciar Estudos Básicos Sobre Amplificadores
Operacionais.
LIVRO TEXTO
PARTE 1 – REVISÃO DE
ELETRICIDADE BÁSICA
ELETRICIDADE BÁSICA
ELETRICIDADE BÁSICA
ELETRICIDADE BÁSICA
ELETRICIDADE BÁSICA
ELETRICIDADE BÁSICA
ELETRICIDADE BÁSICA
ELETRICIDADE BÁSICA
INTRODUÇÃO A ANÁLISE DE CIRCUITOS
INTRODUÇÃO A ANÁLISE DE CIRCUITOS
INTRODUÇÃO A ANÁLISE DE CIRCUITOS
INTRODUÇÃO A ANÁLISE DE CIRCUITOS
INTRODUÇÃO A ANÁLISE DE CIRCUITOS
INTRODUÇÃO A ANÁLISE DE CIRCUITOS
INTRODUÇÃO A ANÁLISE DE CIRCUITOS
INTRODUÇÃO A ANÁLISE DE CIRCUITOS
INTRODUÇÃO A ANÁLISE DE CIRCUITOS
TRANSFORMADORES
TRANSFORMADORES
PARTE 2 – CONCEITOS BÁSICOS
INTRODUÇÃO À ELETRÔNICA

“Atualmente a eletrônica moderna (Microeletrônica) refere-se à


tecnologia de Circuitos Integrados (CIs) capaz de produzir milhões de
componentes em um pequeno pedaço de silício (pastilha de silício –
silicon chip) com área da ordem de 100 mm2 (microprocessadores)”.

Fonte: Sedra e Smith, “Microeletrônica”. 5a Ed. Pearson.


INTRODUÇÃO À ELETRÔNICA
INTRODUÇÃO À ELETRÔNICA
INTRODUÇÃO À ELETRÔNICA
• Geralmente, as formas de ondas são difíceis de ser
caracterizadas matematicamente. Em outras palavras, não é
fácil descrever sucintamente expressões analíticas de formas
de ondas arbitrárias como da figura abaixo.
• Tal descrição é fundamental para o projeto dos circuitos de
processamento de sinais que realizarão determinadas
funções dos sinais recebidos.

PROBLEMA!!! 
ESPECTRO DE FREQUÊNCIA DOS SINAIS

 Série de Fourier:

Onde;

 Cálculo dos coeficientes:


ESPECTRO DE FREQUÊNCIA DOS SINAIS

 Exemplo:

4𝑉 1 1
𝑣 𝑡 = 𝑠𝑒𝑛 𝜔𝑜 𝑡 + 𝑠𝑒𝑛 3𝜔𝑜 𝑡 + 𝑠𝑒𝑛 5𝜔𝑜 𝑡 + … Onde; V = 1 V, ωo = 377 rad/s.
𝜋 31.5 5

0.5
v(t)

-0.5

-1

-1.5
0 0.005 0.01 0.015 0.02 0.025 0.03 0.035

tempo (s)
ESPECTRO DE FREQUÊNCIA DOS SINAIS
 Logo, o espectro de frequências será:
ESPECTRO DE FREQUÊNCIA DOS SINAIS

 Obs.: A transformada de Fourier pode ser aplicada a uma função


não periódica no tempo, gerando um espectro de frequências que é
uma função contínua da frequência. Ao contrário dos sinais periódicos
(espectro discreto em ωo e suas harmônicas), o espectro de sinais não
periódicos, em geral, contém todas as frequências possíveis.
SINAIS DIGITAIS E ANALÓGICOS
 O sinal apresentado ao lado é chamado
analógico. O nome deriva do fato de tal sinal
ser “análogo” ao sinal físico que representa.
Os sinais analógicos são sempre “contínuos”
no tempo.
 Uma forma alternativa de representação
de sinais é por meio de uma sequência de
números discretos, cada número
representando um valor de amplitude do
sinal em cada instante de tempo.
 Em intervalos de tempo iguais é medida
a amplitude do sinal num processo
conhecido como “amostragem”.
CONVERSÃO ANALÓGICO-DIGITAL (A/D)
 O sistema numérico que geralmente é
escolhido para representar as amostras é o
“binário” (cada dígito assume 0 ou 1).
 Se utilizarmos N dígitos binários para
representar cada amostra:
𝐷 = 𝑏0 20 + 𝑏1 21 + 𝑏2 22 + ⋯ + 𝑏𝑁−1 2𝑁−1 .
 b0 – Bit menos significativo.
 bN-1 – Bit mais significativo.
 Por convenção um número binário é
escrito na forma:
𝑏𝑁−1 𝑏𝑁−2 𝑏𝑁−3 … … … 𝑏0
 A representação digital discretiza a amostra analógica em 2𝑁 níveis
possíveis, logo quanto maior o número de bits mais o valor da palavra digital
“D” se aproxima da amostra analógica (redução do erro de quantização).
PARTE 3 – INTRODUÇÃO A
AMPLIFICADORES OPERACIONAIS
AMPLIFICADORES – CONCEITOS INICIAIS
• Amplificação de sinal  Processo mais simples e fundamental no
processamento de sinais;
• Necessidade de amplificação  Transdutores fornecem sinais “fracos”
(na faixa de µV ou mV e possuem baixa energia);
• Para um dado amplificador linear: 𝑣𝑜 (𝑡) = 𝐴𝑣𝑖 (𝑡), onde 𝐴 é o ganho do
amplificador, 𝑣𝑜 e 𝑣𝑖 tensões de saída e entrada, respectivamente.

Ganho de Tensão 
GANHOS (ADIMENSIONAL E DECIBEL)

Vantagens em utilizar ganhos em Decibéis:


1) Funções de transferências de componentes complexos podem ser facilmente
determinadas experimentalmente por meios de testes de “resposta em
frequência” (utiliza-se geradores de sinais);
2) Permite projetar circuitos que eliminem os efeitos de ruídos indesejáveis em
diferentes faixas de frequências;
3) Nos sistemas em cascata de amplificadores a multiplicação dos ganhos
adimensionais é convertida em soma dos ganhos em dB (escala logarítmica).
FONTES DE ALIMENTAÇÃO DO AMPLIFICADOR
EXEMPLO 1
• Considere um aplificador operando a partir de fontes de alimentação de
± 10 V. Uma tensão senoidal de 1 V de pico esta acoplada na entrada e
uma tensão de 9 V de pico é fornecida na saída, a uma carga de 1 kΩ.
O amplificador drena uma corrente de 9,5 mA de cada fonte de
alimentação. A corrente de entrada do amplificador é senoidal, tendo 0,1
mA de pico. Calcule o ganho de tensão, o ganho de corrente, o ganho
de potência, a potência drenada da fonte cc, a potência dissipada no
amplificador e a eficiência.
SATURAÇÃO DO AMPLIFICADOR
CARACTERÍSTICA NÃO LINEAR E POLARIZAÇÃO
• Amplificadores com alimentação simples (positiva)  Curva não
passa pela origem!
• POLARIZAÇÃO  Acrescentar nível dc no sinal de entrada a fim de
obter uma operação próxima ao ponto médio da característica de
transferência (Q - ponto quiescente ou ponto de polarização).
CARACTERÍSTICA NÃO LINEAR E POLARIZAÇÃO
• 𝑣𝐼 𝑡 = 𝑉𝐼 + 𝑣𝑖 𝑡 ;
• 𝑣𝑂 𝑡 = 𝑉𝑜 + 𝑣𝑜 𝑡 , onde 𝑣𝑜 𝑡 = 𝐴𝑣𝑖 𝑡 ;
• O sinal de entrada deve ficar confinado na região linear do amplificador;
EXEMPLO 2
• Um amplificador transistorizado tem a seguinte característica de
transferência: 𝑣𝑂 𝑡 = 10 − 10−11 𝑒 40𝑣𝐼(𝑡) , válida para 𝑣𝐼 𝑡 ≥ 0 𝑉 e
𝑣𝑂 𝑡 ≥ 0,3 𝑉. Encontre os limites L- e L+ e os valores correspondentes
de 𝑣𝐼 𝑡 . Encontre também o valor de tensão cc de polarização 𝑉𝐼 que
resulta em 𝑉𝑂 = 5 𝑉 e o ganho de tensão correspondente a este ponto
de operação.
MODELOS DE CIRCUITOS PARA
AMPLIFICADORES
 Amplificador de Tensão

• 𝑅𝑖 representa o fato do amplificador drenar uma corrente de entrada da fonte de


sinal.
• 𝑅𝑂 representa a variação da tensão de saída quando a carga solicita corrente.
MODELOS DE CIRCUITOS PARA
AMPLIFICADORES
 Amplificador de Tensão

𝑣𝑜 𝑅𝐿
 𝐴𝑣 = 𝑣𝑖
= 𝐴𝑣𝑜
𝑅𝑜 +𝑅𝐿
- Ganho de tensão do AmpOp em circ. aberto!
MODELOS DE CIRCUITOS PARA
AMPLIFICADORES
 Amplificador de Tensão (Ideal)
AMPLIFICADORES EM CASCATA
EXEMPLO 3
• A figura abaixo repersenta um amplificador composto de três estágios em
cascata. O amplificador é alimentado por uma fonte de sinal com
resistência de entrada de 100 kΩ. O 1º estágio tem resistência de entrada
relativamente alta e um fator de ganho modesto, 10. O 2º estágio tem alto
fator de ganho, mas sua resistência de entrada é mais baixa. Finalmente, o
3º estágio, ou estágio de saída, tem ganho unitário, mas baixa resistência
𝑣𝐿
de saída. Desejamos saber o ganho de tensão global, isto é, 𝑣𝑆
, o ganho de
corrente e o ganho de potência.
OUTROS TIPOS DE AMPLIFICADORES