Você está na página 1de 20

(...

) e bacteríuria assintomática

Ginecologia e Obstetrícia

Dda Tâmara Osmarini dos Santos


Dr Fernando Vivian
• No acompanhamento pré-natal da gestante é correto afirmar
que:
a) Bacteriúria assintomática não deve ser tratada
b) Bacteriúria assintomática deve ser tratada sempre que
diagnosticada no exame de urina I
c) Bacteriúria assintomática deve ser tratada sempre que
diagnosticada por cultura de urina
d) Bacteriúria assintomática não evolui para cistite
e) Bacteriúria assintomática não evolui para pielonefrite
• No acompanhamento pré-natal da gestante é correto afirmar
que:
a) Bacteriúria assintomática não deve ser tratada
b) Bacteriúria assintomática deve ser tratada sempre que
diagnosticada no exame de urina I
c) Bacteriúria assintomática deve ser tratada sempre que
diagnosticada por cultura de urina
d) Bacteriúria assintomática não evolui para cistite
e) Bacteriúria assintomática não evolui para pielonefrite
• A pielonefrite na gestação está associada mais frequentemente
a(ao):
a) Pré-eclâmpsia
b) Descolamento prematuro de placenta
c) Trabalho de parto prematuro
d) Pós-datismo
e) Macrossomia fetal
• A pielonefrite na gestação está associada mais frequentemente
a(ao):
a) Pré-eclâmpsia
b) Descolamento prematuro de placenta
c) Trabalho de parto prematuro
d) Pós-datismo
e) Macrossomia fetal
• Qual das seguintes alternativas está correta no que diz respeito
às infecções urinárias na gravidez?
a) A bacteriúria assintomática pode ocorrer em até 10% das
gestantes, e o seu tratamento envolve o uso de antibióticos
por um período de 7 a 10 dias.
b) A fase ideal para se rastrear a bacteriúria assintomática é no
primeiro trimestre de gestação, época em que o tratamento é
efetivo, utilizando-se esquemas de antibioticoterapia de dose
única.
c) Uma vez diagnosticada, a bacteriúria assintomática deve ser
acompanhada com exames seriados, não requerendo
tratamento clínico.
d) A escherichia coli e o estreptococo do grupo B são os
patógenos mais frequentes
e) Nenhuma das anteriores
• Qual das seguintes alternativas está correta no que diz respeito
às infecções urinárias na gravidez?
a) A bacteriúria assintomática pode ocorrer em até 10% das
gestantes, e o seu tratamento envolve o uso de antibióticos
por um período de 7 a 10 dias.
b) A fase ideal para se rastrear a bacteriúria assintomática é no
primeiro trimestre de gestação, época em que o tratamento é
efetivo, utilizando-se esquemas de antibioticoterapia de dose
única.
c) Uma vez diagnosticada, a bacteriúria assintomática deve ser
acompanhada com exames seriados, não requerendo
tratamento clínico.
d) A escherichia coli e o estreptococo do grupo B são os
patógenos mais frequentes
e) Nenhuma das anteriores
• Gestante, 24 semanas, assintomática, traz resultado de
urocultura em que há crescimento de Escherichia coli. O
obstetra deve:
a) Considerar a possibilidade de contaminação e repetir o
exame
b) Considerar como bacteriúria assintomática e não prescrever
antibiótico
c) Iniciar o tratamento com quinolona
d) Iniciar o tratamento com cefalosporina de 1ª geração
• Gestante, 24 semanas, assintomática, traz resultado de
urocultura em que há crescimento de Escherichia coli. O
obstetra deve:
a) Considerar a possibilidade de contaminação e repetir o
exame
b) Considerar como bacteriúria assintomática e não prescrever
antibiótico
c) Iniciar o tratamento com quinolona
d) Iniciar o tratamento com cefalosporina de 1ª geração
Infecção Urinária e Bacteriúria
Assintomática
• Gravidez = modificações
• Hor iosà→àfavorece à sàITU
• Estaseàuri riaà→àreduçãoàdoàperistaltis oàureteral,à↑àproduçãoà
de urina, glicosúria e aminoacidúria.
TODA GESTANTE DEVE SER RASTREADA DURANTE O PRÉ-NATAL
Bacteriúriaàassi to ticaàeàHxàdeàepis dioàprévio→àpielo efrite
• ↑àTPP
• ↑àrestriçãoàdeàcresci e to
Infecção Urinária e Bacteriúria
Assintomática
• Gravidez = modificações
• Hor iosà→àfavorece à sàITU
• Estaseàuri riaà→àreduçãoàdoàperistaltis oàureteral,à↑àproduçãoà
de urina, glicosúria e aminoacidúria.
TODA GESTANTE DEVE SER RASTREADA DURANTE O PRÉ-NATAL
Bacteriúriaàassi to ticaàeàHxàdeàepis dioàprévio→àpielo efrite
• ↑àTPP
• ↑àrestriçãoàdeàcresci e to • Doenças neurológicas
• Presença de cálculos renais
Recomendações do MS
• Urina tipo I
• Se nitritos, PMN, numerosas bactérias, hemácias e estearase
leucocitária sem sinais clínicos de ITU → urocultura c/
antibiograma, retorno o mais breve possível
• Urocultura de rotina no pré-natal → ↑ prevalência de
bacteriúria assintomática → pielonefrite (20 – 40%)
Bacteriúria Assintomática
• Crescimento de pelo menos 105UFC/ml → jato médio.
• Aproximadamente 25% dos casos evoluem para infecção aguda
sintomática e associação com abortamento, parto prematuro e
baixo peso.
• Escherichia coli
• Tx → antibiograma e gravidade da infecção
Bacteriúria Assintomática
• ATB e controle pós Tx com urocultura → sucesso terapêutico

• Tratamento: ±7 dias → controle 2 – 4 s pós Tx


• Recaída: 7 – 10 + profilaxia antibiótica até o final da gestação

• Caso a urocultura seja negativa, repetir o controle


mensalmente até o termo
Cistite
• Quadro clínico:
• Disúria
• Dor à micção
• Polaciúria
• Urgência miccional

• Bactéria mais prevalente


• Escherichia coli
Cistite
Tratamento

Nitrofurantoína: 100mg 6/6h por 7 dias


Amoxicilina: 500mg de 8/8h por 3 – 7 dias
Cefalexina:
O bactrim pode500mg de 6/6h
ser usado 3 – 7 diasmas está proibido no
portrimestre,
no 2º
1º e 3º
• Tri etopri à→àa tago istaàdoà cidoàf licoà
• Sulfaà→àpassaàativa e teàpelaàplace taàeàalteraàaàligaçãoàdaà
bilirrubina causando Kernicterus

• Alternativa: fosfomicina 3g – dose única


Pielonefrite
• Quadro clínico:
• Febre (>38◦C) e calafrios
• Mal estar
• Náuseas
• Vômitos
• Dor lombar e nos flancos

• Bactéria mais prevalente


• Escherichia coli (70%)
• Klebsiella/Enterobacter (3%), Proteus (2%) e Gram + (10%)
Pielonefrite
• Unilateral à direita (50% dos casos) → dextrorrotação uterina
determinando obstrução ureteral à direita
• Esquerda ou bilateral 25%

• Complicações:
• Parto pré-termo;
• Envolvimento sistêmico multiorgânico secundário à endotoxina e
à sepse;
• Anemia → hemólise;
• CIVD;
• Síndrome do desconforto respiratório agudo;
• Insuficiência respiratória aguda → mais grave.
Pielonefrite
Tratamento
• Internação hospitalar + ATB EV até afebril por 24 – 48h
• Hidratação venosa → manter um alto volume urinário

Cetriaxone: 1g a cada 24h


Gentamicina: 3mg/kg/dia + Ampicilina 1 – 2g de 6/6h
Ticarciclina-clavulanato: 3,2g de 8/8h
Aztreonam: 1g de 8/8h
Imipenem-cilastatina: 250 – 500mg de 6/6h
Pielonefrite
• Pacientes que responderem ao tratamento podem receber alta
após 12 – 24h de observação → esquema oral de 14 dias
• Após o término do tratamento é obrigatória a ATB supressiva
com Nitrofurantoína 100mg/dia, ao deitar, durante toda a
gravidez e até 4 – 6 semanas pós-parto → altas taxas de
recorrência da pielonefrite (25 – 60%]0