Você está na página 1de 15

MAT3457 – ÁLGEBRA LINEAR I 1 a Lista de Exercícios – 1 o semestre de 2019

Exercícios 1-8: os espaços V 2 e V 3 . Exercícios 9-17: dependência, independência linear, bases. Exercícios 18-48: sistemas lineares. Exercícios 49-73: produto escalar. Exercícios 74-77: mudança de base.

1. Determine x em função de u e v na equação 2 x 3 u = 10( x + v).

2. Resolva o sistema x + 2 y = u 3 x y = 2 u + v

3. Ache a soma dos vetores indicados em cada figura:

nas incógnitas x e y.

(i)

F E

A

em cada figura: nas incógnitas x e y . (i) F E A D B C

D

B C

(ii)

F E

A

nas incógnitas x e y . (i) F E A D B C (ii) F E

B C

D

4. Dado um tetraedro de vértices A, B, C e O, considerar o ponto X no segmento BC, tal

−−→

−−→

−−→

−→

−−→

−−→ que BX = 3 XC. Exprimir o vetor AX como combinação linear dos vetores OA, OB e

OC.

A

O C X
O
C
X

B

−−→

5. Dados quatro pontos A, B, C e X tais que AX = m XB, A = B e m = 1, exprima CX

−−→

−−→

−→

−−→

em função de CA, CB e m.

C

A B X −−→ −−→ (Sugestão: na relação AX = m XB faça aparecer C
A
B
X
−−→
−−→
(Sugestão: na relação AX = m XB faça aparecer C em ambos os membros.)

1

6.

Em um triângulo de vértices A, B e C, sejam M e N os pontos médios dos lados AC e BC,

respectivamente. Mostre que MN é paralelo a AB e tem comprimento igual à metade do

7.

8.

9.

10.

11.

12.

13.

14.

15.

16.

17.

comprimento de AB.

Dado um triângulo de vértices A, B e C, cujas medianas são AM , BN e CP mostre que

−−→

AM + BN + CP = 0 .

−−→

−−→

Num triângulo de vértices A, B e C, considere o ponto X sobre o segmento AB tal que

−−→

−−→

AX = 2 XB e o ponto Y sobre o segmento BC tal que BY = 3 Y C . Seja P o −→

ponto intersecção dos segmentos CX e AY . Exprima o vetor AP em função dos vetores

−−→

AB e AC.

−−→

−−→

−→

Sejam u, v e w três vetores linearmente indepententes em V 3 , seja O um ponto de E 3 e seja λ R. Considere os pontos A, B, C, D de E 3 tais que

OA −→ = u 2 v + w,

OB −−→ = u + v 2w,

OC −−→ = λ u + v w,

OD −−→ = 2 u λ v.

−−→

−→

−−→

Determine λ de modo que os vetores AB, AC e AD sejam linearmente dependentes.

Seja { e 1 , e 2 , e 3 } uma base de V 3 . Dados os vetores u = 4 e 1 + e 2 3 e 3 , v = 3 e 2 + e 3 e w = 2 e 2 + 3 e 3 , justifique por que v não pode ser escrito como combinação linear de u e w .

Exprima o vetor u = 4 e 1 + e 3 com combinação linear dos vetores v = e 1 , w = 3 e 1 +2 e 2 + e t = e 1 e 2 + e 3 , em que { e 1 , e 2 , e 3 } denota uma base de V 3 .

e

3

Prove que u + v w , u v + w e u + v + w são linearmente independentes, se e somente se, u, v e w o forem.

Estude a dependência linear dos seguintes conjuntos de vetores, com coordenadas dadas em relação a uma base de V 3 :

(i) {(0, 0, 0)} (ii) {(2, 1, 3), (1, 1, 2), (0, 1, 1)}

Verifique que o vetor u = (2, 1) pode ser escrito de uma única maneira como combinação linear dos vetores v = (3, 4) e w = (1, 3). Os vetores estão referidos a uma base de V 2 .

Determine o valor de α R para que o vetor u = α e 1 + 2 e 2 + 3 e 3 seja combinação linear dos vetores v = e 1 + 4 e 2 + 5 e 3 e w = 2 e 1 + e 3 , em que { e 1 , e 2 , e 3 } denota uma base de V 3 .

Para que valores de a R os vetores de coordenadas, em relação a uma base fixa, (a, 1, 0), (1, a, 1) e (0, 1, a) são coplanares?

Seja { e 1 , e 2 , e 3 } uma base de V 3 . Verifique, em cada um dos itens abaixo, quais dos conjuntos de vetores { u, v, w } formam uma base de V 3 .

(i) u = 3 e 1 + 2 e 2 e 3 , v = e 1 + e 2 + e 3 , w = 4 e 1 + 3

e

2

(ii) u = e 1 + e 2 , v = e 1 + e 3 , w = e 2 +

e

3

(iii)

(iv) u = 2 e 1 + 3 e 2 + e 3 , v = e 1 e 2 + e 3 , w =

u = e 2 , v = e 3 , w =

e

1

e

2

2

18. Encontre a solução dos sistemas:

(i)

(iii)

  2x 1 + x 2 2x 3 + 3x 4

= 1

3x 1 + 2x 2 x 3 + 2x 4 = 4

3x 1 + 3x 2 + 3x 3 3x 4 = 5

x 1 + x 3 + x 5 = 1

x 2 + x 3 + 2x 5 + x 6 = 2

x 4 + 3x 5 = 3

(ii)

x 1 + 2x 2 3x 3 = 4

x 1 + 3x 2 + x 3 = 11 2x 1 + 5x 2 4x 3 = 13

2x 1 + 6x 2 + 2x 3 = 22

(iv)

x 1 + 2x 2 3x 3 = 6

2x 1 x 2 + 4x 3 = 2

4x 1 + 3x 2 2x 3 = 14

19. Em cada um dos itens abaixo, encontre as condições precisas que a constantes b i devem satisfazer para que o sistema seja compatível:

(i)

(iii)

  x 1 2x 2 + 5x 3 = b 1

 

 

x

x

2

1

1

+ x 3

= 2

+ x 2

+ x 2 = 2

+ x 3 = b 1

4x 1 5x 2 + 8x 3 = b 2

3x 1 + 3x 2 3x 3 = b 3

  x

(ii)

  x


(iv)

 

x

x

 

 

x 1 x 2 + 3x 3 + 2x 4 = b 1

2x 1 + x 2 + 5x 3 + x 4 = b 2

3x 1 + 2x 2 + 2x 3 x 4 = b 3

4x 1 3x 2 + x 3 + 3x 4 = b 4

2

1

1

+ x 3 = 2

+ b 1 x 2 + x 3 = 2

+ x 2 = 2

20. Usando operações elementares sobre as linhas da matriz aumentada de cada um dos siste-

mas lineares abaixo, determine os valores de a e b para os quais sistema não tem solução, tem exatamente uma solução e tem infinitas soluções.

(i)

+ y az = 0 + 2y 2z = 1 + (1 a)y 2z = 2 2a 2x + 3y (2 + a)z = 1

x

x

x

(ii)

x + y + az = a + b + 1 2x + 3y + az = 3a + 2b + 1 x + y + 2az = 2b + 2

21. Em cada caso, encontre condições sobre os números a e b para que o sistema dado não tenha solução, tenha uma única solução, ou tenha infinitas soluções. Resolva o sistema quando ele for consistente.

(i) ax + y

= 1

2x + y = b

  ax + bz = 2


(iv)

 

ax + ay + 4z = 4

ay + 2z = b

(ii) x + ay = 1 bx + 2y =

5

(iii)

  x + 2y + z = 1 3x + 7y + 6z = 1

 

2x + 4y + (a 2 + 1)z = b 1

22. Encontre uma matriz X tal que:

(i)

1

2

0

1

3

2

1

0

1

2

X = 4

3

1

0

5

5

3

7

7

0

2

8

1

1

(ii)

1 2

2

3 4

3

3

4 X = 2

2

5

2

1

1

1

1

1

1

3

23. Encontre a matriz C que satisfaz


  C 0

1

0

2

1

0

0

0

1

1

0

1

  1

0

1

t 1 =

1

1

1

2

3

1

0

1

3

(Lembre que se A é uma matriz, sua transposta é denotada por A t .)

24. Determine os valores de a e b que tornam o sistema

determinado. Em seguida, resolva o sistema.

3x 7y = a

x + y = b

5x + 3y = 5a + 2b

x + 2y = a + b 1

compatível e

25. Considere o sistema linear

  ax + bz =

2

ax + ay + 4z = 4

ay + 2z = b

nas variáveis x, y, z. Ache os valores de

a e b para que o conjunto solução do sistema seja: (i) unitário, (ii) vazio, (iii) infinito.

26. Seja A M m×n (R). Considere o sistema não-homogêneo AX = B e o sistema homogêneo associado AX = 0. Prove ou dê contra-exemplo.

(i) Se AX = B tem infinitas soluções, então AX = 0 tem infinitas soluções.

(ii)

Se AX = 0 tem infinitas soluções, então AX = B tem infinitas soluções.

(iii)

Se AX = B não tem solução, então AX = 0 só tem a solução trivial.

(iv)

Se AX = 0 só tem a solução trivial, então AX = B tem solução única.

27. Sejam A, B M m×n (R). Considere a equação matricial AX = B, em que a incógnita X

é uma matriz de ordem n. Mostre que se essa equação possuir mais do que uma solução, então ela terá infinitas soluções.

1

28. Mostre que a matriz a

b

29. Mostre que as seguintes matrizes são invertíveis e calcule as suas inversas.

0

1

c

0

0 é invertível e que a sua inversa é

1

1

a ac b

A =

1

2

2

2 ,

1

B = 1

0

0

1

2

1

0 ,

1

C =

0

1

1

0

0

0

1

2

1

0

1

0

3

1

1

1

0

1

c

0

0 .

1

30. (i) Sejam A M m (R) e B, C M m×n (R), com A invertível. Mostre que se AB = AC, então B = C.

(ii)

Existe alguma matriz invertível A tal que A 2 = 0?

(iii)

Dê um exemplo de uma matriz A M m×n (R) tal que A 2 = 0.

4

2

31. Considere a matriz A = 3

2

4

6

1

0

5 e calcule seu determinante. Em cada caso, procure

4

adivinhar quanto será det B, em que B é a matriz obtida a partir de A

(i) permutando-se as linhas 2 e 3.

(ii)

(iii)

(iv)

(v)

(vi) transpondo-se A.

multiplicando-se a linha 2 por

multiplicando-se a linha 3 por 2.

somando-se a linha 2 à linha 3.

somando-se π vezes a linha 1 à linha 2.

2

3 .

32. Calcule os seguintes determinantes. Recomenda-se fazer operações elementares para redu- zir as contas.

  2

3

0

6

7

1

9

2 ,

5

− 2  , 5

3

0

2

1

4

3

2

4

6

,

1

3

0

1

0

4

3

5

3

1

1

2

2

2

2

3

,

1

 

2

0

0

0

3

7

0

0

0

1

0

1

2

0

5

4

0

1

1

3

2

1

1

1

 

33. Encontre det A sabendo que A é uma matriz 3 × 3 e det(7A) = 6. E se A for 4 × 4?

a

34. Suponha que det d

f = 8. Determine det f + i

b

e

c

i

e + h

d + g

2h

2i

2g

3b + e

3c + f e det f i

e h

d g

g h

3a + d

a

35. Suponha que det p

b

q

u v

w

c

r = 1. Calcule det c + r

a + p

b + q

(x 1)q (x 1)r

(x 1)p

5v + 2b

5w + 2c . 5u + 2a

36. Calcule det

1

0

1

2

1

2

1

3

1

1

2

1

3

2

1

1

0

1

1

1

2

0

2

3

1

e det

1

2

2

1

2

0

1

1

0

0

1

3

3

1

2

2

1

2

1

3

1

1

1

1

1

.

3g

3i

3h

2a + d

2c + f . 2b + e

37. Se A = 1 0 0 1 , mostre que A 2 = I. Mostre que não existem matrizes de tamanho 3 × 3

tais que A 2 = I 3 . Mostre que não existem matrizes de tamanho n × n, com n ímpar, tais

que A 2 = I n .

38. Seja A = a b os valores de a, b e c.

1

a

1

c

b

c . Calcule det A e verifique que A é invertível, quaisquer que sejam

1

39. Use operações elementares para mostrar que det

0 e que det

a

x

+ 2

+ 1

2x a

b + 2 y + 1 2y b

c + 2 z + 1 = 0. 2z c

a 2 1 + a 2a 2 a 1

b 2 1 + b 2b 2 b 1

c 2 1 + c 2c 2 c 1

=

5

40. Em cada caso, demonstre que a afirmação é verdadeira ou dê um exemplo mostrando que ela é falsa. Em todos os ítens, A, B e C são matrizes quadradas.

(i)

Se A 2 = I, então det A = 1.

(ii)

Se A 3 = I, então det A = 1.

(iii)

Se det A

= 0 e AB = AC, então B = C.

(iv)

det(3A) = 3 det A.

(v)

Se A é invertível, então det(A 1 BA) = det B.

(vi)

det(AB) = det(BA).

(vii)

Se det A = 0, então A possui duas linhas idênticas.

(viii)

det(A) = det A.

(ix)

det(A + B) = det A + det B.

(x)

Se A é 2 × 2, det(7A) = 49 det A.

(xi)

Se det A = det B, então A = B.

(xii)

Se a diagonal principal de A consiste de zeros, então det A = 0.

(xiii)

Se A t = A, então det A = 1.

41. Sob quais condições vale det(A) = det A? E det(A) = det A?

42. Mostre

1

que det x

1

1

z = (y x)(z x)(z y). x 2 y 2 z 2

y

43.

Mostre que det

1

x

x

x

1

2

1

3

1

1

x 2 x 3 x 4

x

x

1

2

2

3

2

1

x

x

2

4

3

4

x

x

2

3

3

3

= (x 4 x 3 )(x 4 x 2 )(x 4 x 1 )(x 3

x 2 )(x 3 x 1 )(x 2 x 1 ).

44.

Mostre que det

x

0

0

a

1

x

0

b

0

1

x

c

0

0

1

x + d

= a + bx + cx 2 + dx 3 + x 4 .

(Sugestão: Suponha,

primeiro, que o determinante é não nulo. Então, mostre que o resultado ainda é válido

quando det A = 0.)

45. O que pode ser dito sobre o valor de det A, onde A é uma matriz n × n tal que (i) A 2 = I,

(vii) A 1 = A t ?

(ii) A 3 = I,

(iii) A 2 = 5A,

(iv) A = A t ,

(v) A 2 + I = 0,

(vi) A 3 = A,

46. Suponha que det A = 3, det B = 5 e det C = 1, em que A, B e C são matrizes quadra-

das de

mesmo tamanho. Calcule det(A 3 B 2 C t B 3 A 2 ) e det B t A 1 B 1 CA 3 (C 1 ) t .

47. Se A é 4 × 4 e det(3A 1 ) = 5 = det A 2 (B t ) 1 , encontre det A e det B.

48. Em cada caso, encontre os valores do número c para que A possua inversa e encontre A 1 para tais valores de c:

1

(i) A = 2

c

c

0

1

0

c

1

1

(ii) A = 1

c

c

1

c

6

c

1

1

49. Mostre (usando vetores) que as diagonais de uma paralelogramo têm a mesma medida se,

e somente se, o paralelogramo é um retângulo.

u − v v u u + v
u − v
v
u
u + v

(Sugestão: traduza o problema para u + v = u v ⇐⇒ u v.)

50. Dados u = 13, v = 19, u + v = 24, calcule u v .

51. Sabendo que u = 11, v = 23 e u v = 30, calcule u + v .

52. Sabendo que u v, u = 12, v = 5, calcule u + v e u v .

53. Os vetores u e v formam um ângulo de 60 . Sabe-se que u = 8 e v = 5. Calcule u + v e u v .

54. Três forças f 1 , f 2 , f 3 estão aplicadas num ponto O e têm direções perpendiculares entre si. Calcule a intensidade da força f resultante, sabendo que f 1 = 2, f 2 = 10, f 1 = 11.

55. Mostre que as três medianas de um triângulo se encontram num ponto que é o baricentro.

56. Sejam A, B e C três diferentes pontos de E 3 e sejam u = BA e v = BC. Mostre que o

é paralelo à bissetriz do ângulo A BC. Interprete geometricamente

esse resultado, relacionando-o com uma conhecida propriedade dos losangos. (Sugestão:

−−→

−−→

u u +

v

v

vetor w =

calcule os cossenos dos ângulos entre u e c e entre u e a, e compare-os.)

57. A medida em radianos do ângulo entre u e v é π . Sabendo que u = 5 e v = 1, determine a medida em radianos do ângulo entre u + v e u v.

4

−−→

−−→

58. Calcule AB · DA sabendo que o tetraedro ABCD é regular e de aresta unitária.

Nos exercícios de 59 a 75, assumimos que as coordenadas dos vetores estão expressas em relação a uma base ortonormal.

59. Determine u tal que u = 3 3 e u é ortogonal a v = (2, 3, 1) e a w = (2, 4, 6). Dos u ’s encontrados, qual é o que forma um ângulo agudo com o vetor (1, 0, 0)?

60. Determine u tal que u = 2, a medida em graus do ângulo entre u e (1, 1, 0) seja 45

e u (1, 1, 0).

61. Determine a projeção do vetor w na direção do vetor v nos casos:

(i)

w = (1, 1, 2), v = (3, 1, 1)

(ii)

w = (1, 1, 1), v = (2, 1, 2)

62. Decomponha w = (1, 3, 2) como soma de dois vetores w 1 e w 2 , sendo w 1 paralelo ao vetor (0, 1, 3) e w 2 ortogonal a este último.

7

63. (Processo de ortonormalização de Gram–Schmidt) Dada uma base { f 1 , f 2 , f 3 }, des-

creva um procedimento para encontrar uma base ortonormal { e 1 , e 2 , e 3 } tal que e 1 || f 1 e

Aplique esse procedimento para f 1 = (1, 2, 2),

e 2 seja combinação linear de f 1 e f 2 . f 2 = (1, 0, 1) e f 3 = (1, 1, 1).

64. Mostre (usando vetores) que

(i) as diagonais de um losango são perpendiculares entre si, e, reciprocamente, se um paralelogramo tem as diagonais perpendiculares entre si, então ele é um losango;

(ii) as diagonais de um losango bissetam os ângulos internos.

65. Sendo E = { e 1 , e 2 , e 3 } e F = { f 1 , f 2 , f 3 } bases de V 3 tais que f 1 = 2 e 1

e 3 , f 2 = e 2 + 2

e

3

e f 3 = 7 e 3 , se w = e 1 + e 2 + e 3 , determine as coordenadas de w na base F .

66. Seja E = { i, j, k} uma base ortonormal de V 3 . Sendo u =

e w =

coordenadas do vetor t = 3 i 2 j k em relação à base F .

j + k)

1 6 (2 i j + k), prove que F = { u, v, w } é uma base ortonormal de V 3 e calcule as

3 ( i + j k),

1

v =

1

2 (

67. Sabe-se que x é ortogonal a (1, 1, 0) e a (1, 0, 1), tem norma 3 e, sendo θ a medida do ângulo entre x e (0, 1, 0), tem-se cos θ > 0. Determine x.

68. Dados a = (0, 1, 1), b = (0, 1, 0) e c = (1, 1, 0), determine o vetor

ortogonal a c, proj a u = (0,

1

1

3

unitário u tal que u

é

2 , sabendo que o ângulo entre v e a mede π radianos e que os vetores a, c, v são linearmente dependentes.

2 ) e u · b > 0. Determine os vetores v de norma 8,

69. Para cada par de vetores a seguir, determine se o ângulo entre v e w é agudo, obtuso ou reto.

(1, 7), w = (14, 2)

(i) v = (4, 2), w = (1, 8)

(ii) v = (2, 1), w = (4, 1)

(iii) v =

(iv)

v = (2, 1, 3), w = (1, 2, 7) (v) v = (3, 3, 3), w = (2, 2, 2)

(vi)

v = (1, 1, 2), w = (2, 4, 1)

70. Encontre todos os possíveis a, b e c de modo que u = (a, b, c) seja ortogonal a ambos os vetores v = (2, 4, 1) e w = (2, 4, 1).

71. Em cada caso, calcule a projeção de v sobre w .

(i) v = (3, 2), w = (2, 1)

(ii) v = (1, 3, 1), w = (3, 2, 0)

72. Em cada caso, escreva v como uma soma v = v 1 + v 2 com v 1 paralelo a w e v 2 ortogonal

a w .

(i) v =

3

1

1

, w