Você está na página 1de 27

FILOSOFIA 10.

º ANO
Ano letivo 2018-2019
I - Racionalidade argumentativa da Filosofia e a dimensão discursiva do trabalho filosófico

Textos complementares de acordo com as


Aprendizagens Essenciais

Tese, argumento, validade, verdade e solidez


Quadrado da oposição
Explicitar os conceitos de tese, argumento, validade, verdade e solidez;
Operacionalizar os conceitos de tese, argumento, validade, verdade e solidez, usando-os como instrumentos
críticos da filosofia;
Aplicar o quadrado da oposição à negação de teses.

1. Tese, argumento, validade, verdade e solidez

1.1. Tese

Para responder aos problemas que colocam, os filósofos apresentam teses e


desenvolvem teorias.
Uma tese corresponde a uma ideia que se quer afirmar a propósito de um dado
problema. No âmbito da filosofia, uma tese constitui uma resposta a um problema em aberto,
estando, por conseguinte, sujeita à discussão. Para defender uma ideia, ou tese, é necessário
construir bons argumentos.
Na base do trabalho filosófico estão o pensamento (raciocínio lógico) e a
argumentação. Para assegurar a qualidade e o rigor dos argumentos que apoiam as suas
teses e teorias, os filósofos recorrem à lógica.

1.2. Lógica formal e lógica informal

A lógica é a disciplina filosófica que estuda a distinção entre argumentos válidos e


inválidos, mediante a identificação das condições necessárias à operação que conduz da
verdade de certas crenças à verdade de outras. Ela dedica-se ao estudo das leis, princípios
e regras a que devem obedecer o pensamento e o discurso para serem válidos.
Distingue-se a lógica formal – que analisa a validade dos argumentos dedutivos – da
lógica informal – que se debruça fundamentalmente sobre a validade dos argumentos não
dedutivos. Voltaremos a esta distinção quando apresentarmos a diferença entre argumentos
dedutivos e não dedutivos.
1
José Ferreira Borges · Marta Paiva · Orlanda Tavares · Novos Contextos
1.3. Argumento

No âmbito da lógica, o argumento é definido como um conjunto de proposições


devidamente articuladas – a conclusão e a(s) premissa(s) –, no qual a(s) premissa(s)
procura(m) defender, sustentar ou justificar a conclusão. À conclusão também se chamada
tese, uma vez que ela traduz a ideia que se quer defender.
O que caracteriza o argumento é o nexo lógico entre as premissas e a conclusão.

Exemplo de um argumento:
Os alunos da turma 10A são estudantes de Filosofia.
Pedro e Miguel são alunos da turma 10A.
Logo, Pedro e Miguel são estudantes de Filosofia.

Um argumento tem subjacente uma inferência ou raciocínio, uma operação mental


através da qual chegamos a uma conclusão partindo de determinadas razões e efetuando a
transição lógica entre proposições. Quando essa transição lógica falha, percebemos que algo
está errado. Vejamos:

Os alunos da turma 10A são estudantes de Filosofia.


Pedro e Miguel são estudantes de Filosofia.
Logo, Pedro e Miguel são alunos da turma 10A.

Neste exemplo, compreendemos facilmente que o facto de Pedro e Miguel serem


estudantes de Filosofia não implica que façam parte da turma 10A. Neste sentido, estaremos
a cometer um erro de raciocínio, tornando o argumento inválido e, portanto, nada
convincente.
No nosso discurso quotidiano, formulamos constantemente argumentos. Usamos
expressões que indicam a presença de premissas – porque, pois, dado que, sabendo que
– e de conclusões – logo, então, por conseguinte. São estes indicadores que nos permitem
descobrir ideias, ou teses, a propósito de diferentes assuntos e problemas.

1.4. Proposições

É nas frases que usamos no nosso discurso que encontramos expressas as


proposições que compõem os argumentos. Contudo, nem todas as frases expressam
proposições. As frases associadas a atos de interrogar, ordenar, exclamar, pedir, chamar,
prometer não se enquadram na categoria das frases que expressam proposições, pois não
podem ser classificadas como verdadeiras ou falsas. Só as frases declarativas é que
expressam proposições, dado que podem ser classificadas como verdadeiras ou falsas.

2
José Ferreira Borges · Marta Paiva · Orlanda Tavares · Novos Contextos
A proposição é o pensamento ou conteúdo, verdadeiro ou falso, expresso por uma
frase declarativa. A mesma proposição pode ser expressa por diferentes frases
declarativas.
A proposição relaciona pelo menos dois termos. O termo é geralmente entendido
como a expressão verbal do conceito. O conceito constitui o elemento básico do pensamento
e é a representação intelectual de determinada realidade.
A operação mental que permite estabelecer uma relação entre conceitos e que está
subjacente à formação de proposições é o juízo.

1.5. Verdade, validade e solidez

É ao nível das proposições que ocorrem a verdade e a falsidade. Atribui-se às


proposições, e apenas a elas, um dos valores lógicos: verdadeiro ou falso. A verdade e a
falsidade aplicam-se apenas à matéria ou conteúdo das proposições. Se estiverem de acordo
com a realidade, as proposições são verdadeiras; se não estiverem, são falsas.
A validade e a invalidade são qualidades próprias dos argumentos, resultantes do
facto de as premissas apoiarem/garantirem ou não a conclusão. A validade traduz uma certa
relação entre os valores de verdade das premissas e o valor de verdade da conclusão. Isso
acontece diferentemente nos argumentos dedutivos e não dedutivos.
Os argumentos dedutivos são aqueles cuja validade depende apenas da sua forma
lógica. Um argumento dedutivo só é válido quando as suas premissas oferecem uma
garantia completa à conclusão, sendo logicamente impossível que as premissas sejam
verdadeiras e, simultaneamente, a conclusão falsa. Assim, a conclusão terá de ser
verdadeira, se todas as premissas forem verdadeiras.

Exemplo:
Todos os portugueses são europeus.
João é português.
Logo, João é europeu.

Contudo, pode dar-se o caso de alguns argumentos válidos apresentarem premissas


falsas. No exemplo apresentado, não temos a certeza se João é português. Por isso, para
ficarmos plenamente convencidos, é importante averiguar a verdade das proposições.
Os argumentos válidos constituídos por premissas verdadeiras denominam-se
argumentos sólidos. Nesse sentido, a solidez já pressupõe a validade.

Exemplos:
3
José Ferreira Borges · Marta Paiva · Orlanda Tavares · Novos Contextos
Todos os portugueses são europeus.
João Sousa é português.
Logo, João Sousa é europeu.

João Sousa é vimaranense e é português.


Logo, é português.

No que se refere aos argumentos não dedutivos, que serão referidos mais à frente,
a sua validade depende de aspetos que vão para lá da forma lógica do argumento.

1.6. Falácias

Entende-se por falácia todo o argumento inválido, embora aparente ser válido. As
falácias formais são aquelas que decorrem apenas da forma lógica do argumento, sendo
por isso cometidas ao nível dos argumentos dedutivos. As falácias informais são cometidas
ao nível dos argumentos não dedutivos, resultando de aspetos que vão para lá da forma
lógica do argumento. Veremos diferentes exemplos destes tipos de falácias mais à frente.

1.7. O Quadrado da Oposição


4
José Ferreira Borges · Marta Paiva · Orlanda Tavares · Novos Contextos
Na linguagem corrente, as frases que expressam proposições nem sempre se
apresentam de uma forma adequada à análise lógica dos argumentos. No entanto, quaisquer
frases declarativas se podem transformar em proposições relativamente fáceis de analisar
em termos lógicos, se as apresentarmos na sua forma-padrão ou forma canónica.
Existem diferentes tipos de proposições: categóricas, condicionais, disjuntivas. Iremos
aqui considerar as proposições categóricas.
A qualidade das proposições categóricas refere-se ao seu carácter afirmativo ou
negativo e a quantidade refere-se à extensão do sujeito da proposição, podendo esta ser
universal – o sujeito é tomado em toda a sua extensão – ou particular – o sujeito é tomado
apenas numa parte da sua extensão. As proposições singulares – o predicado é afirmado
ou negado de um único elemento – foram frequentemente consideradas proposições
universais.

Tipos de proposições Forma lógica


Tipo A Universal afirmativa Todo o S é P.
Tipo E Universal negativa Nenhum S é P.
Tipo I Particular afirmativa Algum S é P.
Tipo O Particular negativa Algum S não é P.

Entre as proposições categóricas podem ser estabelecidas diferentes relações


lógicas. Essas relações podem sintetizar-se na seguinte representação, que ficou conhecida
como Quadrado da Oposição.

CONTRÁRIAS
A E

SUBALTERNAS CONTRADITÓRIAS SUBALTERNAS

I O
SUBCONTRÁRIAS

Inferir por oposição consiste em tirar de uma proposição outras proposições,


alterando a quantidade e/ou a qualidade, e em concluir imediatamente, a partir da verdade
ou falsidade da proposição inicial, a verdade ou falsidade daquelas que se obtêm.
5
José Ferreira Borges · Marta Paiva · Orlanda Tavares · Novos Contextos
As teses filosóficas surgem, frequentemente, sob a forma de proposições universais.
Para negar uma proposição universal não é correto apresentar a sua contrária, pois se a
verdade de uma delas implica a falsidade da outra, da falsidade de uma não podemos concluir
a falsidade ou veracidade da outra.
Assim, por exemplo, para negar a tese segundo a qual “Nenhuma guerra é justa”, não
é correto afirmar que “Todas as guerras são justas”; será necessário propor a sua
contraditória: “Algumas guerras são justas”. Da mesma maneira, a negação da proposição
“Algumas guerras não são justas” será “Todas as guerras são justas”.

Segue-se uma síntese das regras da oposição:

Regra das contraditórias: duas proposições contraditórias não podem ser verdadeiras
e falsas ao mesmo tempo. A verdade de uma implica a falsidade da outra e vice-versa.
São a negação uma da outra.

Regra das contrárias: duas proposições contrárias não podem ser ambas verdadeiras
ao mesmo tempo. Mas da falsidade de uma não se pode concluir a falsidade ou
veracidade da outra. Por isso, não são a negação uma da outra.

Regra das subcontrárias: duas proposições subcontrárias não podem ser ambas
falsas ao mesmo tempo, mas podem ser ambas verdadeiras. Não são a negação uma
da outra.

Regra das subalternas: da verdade da universal infere-se a verdade da particular que


lhe está subordinada; da verdade da particular nada se pode concluir quanto à
universal; da falsidade da universal nada se pode concluir relativamente à verdade ou
falsidade da particular; da falsidade da particular infere-se a falsidade da universal.

Nota: No âmbito da relação de subalternidade, verificada entre as proposições de tipo A e I, por um lado,
e E e O, por outro, A implica I e E implica O, mas o contrário não se verifica. Daí a seta apresentar apenas
um sentido.

Formas de inferência válida


Explicitar em que consistem as conetivas proposicionais de conjunção, disjunção (inclusiva e exclusiva),
condicional, bicondicional e negação;

6
José Ferreira Borges · Marta Paiva · Orlanda Tavares · Novos Contextos
Aplicar tabelas de verdade na validação de formas argumentativas;
Aplicar as regras de inferência do modus ponens, do modus tollens, do silogismo hipotético, das leis de De
Morgan, da negação dupla, da contraposição e do silogismo disjuntivo para validar argumentos.
Principais falácias formais
Identificar e justificar as falácias formais da afirmação do consequente e da negação do antecedente.

2. Formas de inferência válida – lógica proposicional

As formas de inferência válida que iremos abordar no âmbito da lógica proposicional


referem-se, em geral, a argumentos constituídos por proposições de tipo diferente daquelas
que já referimos.
Assim, para estudarmos os aspetos mais elementares da lógica proposicional,
devemos começar por distinguir proposições simples de proposições complexas,
referindo também em que consistem os operadores proposicionais.

2.1. Proposições simples e complexas e operadores proposicionais

Uma proposição é o pensamento ou o conteúdo expresso por uma frase


declarativa, suscetível de ser considerada verdadeira ou falsa. As proposições têm,
portanto, valor de verdade.
Proposições simples são proposições em que não estão presentes quaisquer
operadores. Proposições complexas são proposições em que está presente um operador
ou mais do que um.
O valor de verdade das proposições simples depende do facto de elas estarem ou
não de acordo com a realidade.
O valor de verdade das proposições complexas depende do valor de verdade das
proposições simples e dos operadores utilizados.
Às palavras ou expressões como “e”, “penso que”, “acredito que”, “ou”, “mas”, “se…,
então”, etc., chama-se operadores proposicionais. Ligadas a determinada(s)
proposição(ões), elas permitem formar novas proposições.
Dentro dos operadores proposicionais, chamam-se operadores verofuncionais –
operadores lógicos ou conetivas proposicionais – quaisquer operadores que nos
permitam, uma vez conhecidos os valores de verdade das proposições simples, determinar,
apenas com base nessa informação, o valor de verdade da proposição complexa resultante.
Nessa altura, diz-se que a proposição complexa é uma função de verdade.

7
José Ferreira Borges · Marta Paiva · Orlanda Tavares · Novos Contextos
Podemos representar as proposições usando letras maiúsculas – P, Q, R, etc. –, às
quais se chama letras proposicionais. Enquanto símbolos que representam quaisquer
proposições simples, elas designam-se por variáveis proposicionais.

2.2. Operadores verofuncionais e formas proposicionais

O quadro seguinte apresenta-nos os operadores verofuncionais, com a


simbolização respetiva – a estes símbolos também se chama constantes lógicas –, com a
maneira como se lê cada símbolo e com as formas proposicionais correspondentes.

OPERADORES VEROFUNCIONAIS
Símbolo Leitura Formas proposicionais
 não Negação

 e Conjunção

 ou Disjunção inclusiva

 ou… ou Disjunção exclusiva


→ se..., então Condicional
↔ se, e só se Bicondicional

Vejamos agora exemplos concretos dessas formas proposicionais, simbolizadas


pelas letras maiúsculas referidas:
Forma lógica Exemplos
P Não P A alma não é espiritual.

PQ PeQ A alma é espiritual e o corpo é material.

PQ P ou Q A alma é espiritual ou o corpo é material.

PQ Ou P ou Q Ou a alma é espiritual ou o corpo é material.


P→Q Se P, então Q Se a alma é espiritual, então o corpo é material.
P↔Q P se, e só se, Q A alma é espiritual se, e só se, o corpo é material.

8
José Ferreira Borges · Marta Paiva · Orlanda Tavares · Novos Contextos
Distingue-se operador singular, unário ou monádico – o que se aplica apenas a
uma proposição – de operador binário ou diádico – o que se aplica a duas proposições. O
operador “não” é o único operador unário.

A negação é uma proposição que se representa por “ P”. Se P é verdadeira,  P é


falsa; se P é falsa,  P é verdadeira. A negação de uma negação equivale a uma afirmação.

Uma tabela de verdade – ou matriz lógica – apresenta as diversas condições de


verdade de uma forma proposicional específica, permitindo determinar de modo mecânico a
sua verdade ou falsidade.

Eis a tabela de verdade da negação:

P P
V F
F V

A conjunção (P  Q) é uma proposição que é verdadeira se as proposições


conectadas forem verdadeiras e falsa se pelo menos uma delas for falsa.

P Q PQ
V V V
V F F
F V F
F F F

9
José Ferreira Borges · Marta Paiva · Orlanda Tavares · Novos Contextos
O operador “ou” pode ter um sentido inclusivo ou exclusivo.
A disjunção inclusiva (P  Q) é uma proposição sempre verdadeira, exceto quando
P e Q forem simultaneamente falsas.

P Q PQ
V V V
V F V
F V V
F F F

A disjunção exclusiva (P  Q), por sua vez, é uma proposição que é verdadeira se
P e Q possuírem valores lógicos distintos, e falsa se possuírem o mesmo valor lógico.

P Q PQ
V V F
V F V
F V V
F F F

A condicional, ou implicação material (P → Q), é uma proposição que só é falsa se


P – o antecedente – for verdadeira e Q – o consequente – for falsa. Nas restantes situações,
a proposição é verdadeira. O antecedente é uma condição suficiente para o consequente, o
qual é uma condição necessária para o antecedente.

P Q P→Q
V V V
V F F
F V V
F F V

10
José Ferreira Borges · Marta Paiva · Orlanda Tavares · Novos Contextos
A bicondicional, ou equivalência material (P ↔ Q), é uma proposição que é
verdadeira se ambas as proposições tiverem o mesmo valor lógico e falsa se as proposições
tiverem valores lógicos distintos.

P Q P↔Q
V V V
V F F
F V F
F F V

2.3. Âmbito dos operadores e formalização das proposições

Os operadores incidem sobre proposições simples ou complexas. O âmbito de um


operador refere-se à(s) proposição(ões) sobre a(s) qual(is) esse operador incide. Ao
operador de maior âmbito chama-se operador principal.

Eu pinto e não canto. PQ


Não é verdade que eu pinto e não canto.  (P   Q)

Para formalizar proposições, deverão seguir-se os passos abaixo indicados:

 Colocar as proposições na forma canónica.


 Isolar as proposições simples e atribuir variáveis proposicionais a cada uma (“construir
o dicionário” ou proceder à “interpretação” das proposições).
 Simbolizar ou formalizar a proposição complexa.

11
José Ferreira Borges · Marta Paiva · Orlanda Tavares · Novos Contextos
Vejamos um exemplo:

Expressão canónica Dicionário Formalização


Se é falso afirmar que o mal P: O mal existe.
não existe e o bem é ilusório,
Q: O bem é ilusório.  ( P  Q) → R
então as normas morais têm
sentido. R: As normas morais têm
sentido.

2.4. Tabelas de verdade, tautologias, contradições e contingências

As tabelas de verdade permitem-nos determinar se uma proposição complexa é uma


tautologia – fórmula proposicional sempre verdadeira –, uma contradição – fórmula
proposicional sempre falsa – ou uma contingência – fórmula proposicional que tanto pode
ser verdadeira como falsa.

Exemplo de uma tautologia Forma lógica

Se observo o céu e escuto o vento, então (P  Q) → P


observo o céu.

P Q (P  Q) → P
V V V V
V F F V
F V F V
F F F V

12
José Ferreira Borges · Marta Paiva · Orlanda Tavares · Novos Contextos
Exemplo de uma contradição Forma lógica

Não penso ou não sonho se, e só se, ( P   Q) ↔ (P  Q)


penso e sonho.

P Q ( P   Q) ↔ (P  Q)
V V F F F F V
V F F V V F F
F V V V F F F
F F V V V F F

Exemplo de uma contingência Forma lógica

Se passeio ou corro, então passeio. (P  Q) → P

P Q (P  Q) → P
V V V V
V F V V
F V V F
F F F V

13
José Ferreira Borges · Marta Paiva · Orlanda Tavares · Novos Contextos
2.5. Inspetores de circunstâncias

Uma forma de inferência dedutiva é válida se, e somente se, a fórmula proposicional
(implicativa) que lhe corresponde for uma tautologia.
Para a determinação da validade das formas de inferência dedutiva, é habitual o uso
dos inspetores de circunstâncias – que, no fundo, consistem numa sequência de tabelas
de verdade, que são feitas para as premissas e para a conclusão.
Como num argumento dedutivo válido é impossível que as premissas sejam
verdadeiras e a conclusão falsa, num inspetor de circunstâncias um argumento válido será
aquele em que não existe nenhuma linha (circunstância) que torne as premissas verdadeiras
e a conclusão falsa.
Vejamos um exemplo.

Argumento Dicionário Formalização

Se canto, então sou feliz. P: Canto. P→Q


Canto. Q: Sou feliz. P
Logo, sou feliz. Q

Em vez do símbolo , também poderemos usar o símbolo , que se designa por “martelo semântico”.
Ambos se leem “Logo”, um indicador de conclusão.

Teremos então o seguinte inspetor de circunstâncias:

Premissa 1 Premissa 2 Conclusão

P Q P → Q, P Q
V V V V V
V F F V F
F V V F V
F F V F F

A primeira linha exprime a única circunstância em que as premissas são verdadeiras. Ora,
dado que tal circunstância também torna a conclusão verdadeira, o argumento é
considerado válido.

14
José Ferreira Borges · Marta Paiva · Orlanda Tavares · Novos Contextos
Analisemos outro exemplo.

Argumento Dicionário Formalização

Se canto, então sou feliz. P: Canto. P→Q


Sou feliz. Q: Sou feliz. Q
Logo, canto. P

Vejamos agora o respetivo inspetor de circunstâncias:

P Q P → Q, Q P
V V V V V
V F F F V
F V V V F
F F V F F

O argumento é inválido. A primeira e a terceira linhas exprimem as únicas circunstâncias


em que ambas as premissas são verdadeiras. Contudo, se na primeira linha a
circunstância torna a conclusão verdadeira, já na terceira linha a circunstância em causa
torna a conclusão falsa.

Vejamos outro argumento, mais complexo, acompanhado do respetivo inspetor de


circunstâncias:

Argumento Dicionário Formalização

Se Manuel barafusta e Pedro não P: Manuel barafusta. (P   Q) → R


sorri, então o ambiente é pesado. Q: Pedro sorri. R
O ambiente é pesado. R: O ambiente é pesado. PQ
Logo, Manuel barafusta e Pedro não
sorri.

15
José Ferreira Borges · Marta Paiva · Orlanda Tavares · Novos Contextos
P Q R (P   Q) → R, R PQ
V V V F F V V F F
V V F F F V F F F
V F V V V V V V V
V F F V V F F V V
F V V F F V V F F
F V F F F V F F F
F F V F V V V F V
F F F F V V F F V

Há três circunstâncias (1.ª, 5.ª e 7.ª) em que ambas as premissas são verdadeiras e
a conclusão é falsa. Logo, o argumento é inválido.

2.6. Formas de inferência válida

Apresentam-se de seguida algumas formas de inferência válida, acompanhadas de


exemplos:
P→Q
 Modus ponens: Se canto, então sou feliz. Canto. Logo, P
Q
sou feliz.

 Modus tollens: Se canto, então sou feliz. Não sou feliz. P→Q
Logo, não canto. Q
P

 Contraposição: Se há sol, então vou caminhar. Logo, P→Q


se não vou caminhar, então não há sol. Q→P

 Silogismo disjuntivo (disjunção inclusiva): Penso ou PQ


sinto. Não penso. Logo, sinto. P
Q

16
José Ferreira Borges · Marta Paiva · Orlanda Tavares · Novos Contextos
 Silogismo hipotético: Se durmo bem, então descanso. P→Q
Se descanso, então tenho saúde. Logo, se durmo bem, Q→R
então tenho saúde. P→R

 Leis de De Morgan:
– negação da conjunção: Não é verdade que  (P  Q)
sou injusto e cruel. Logo, não sou injusto ou não sou PQ
cruel;
– negação da disjunção: Não é verdade que
 (P  Q)
há sol ou chuva. Logo, não há sol e não há chuva. PQ

 Negação dupla: Não é verdade que eu não penso. P


Logo, eu penso. P

2.7. Variáveis de fórmula

As letras maiúsculas do meio do alfabeto – P, Q, R – são usadas para representar


determinadas proposições simples. A fim de saber o que simboliza cada uma dessas letras
proposicionais, cria-se um dicionário ou uma interpretação.
Todavia, as proposições podem ser simples ou complexas. Assim, é costume usarem-
se as letras iniciais do alfabeto – A, B, C, etc. – para aquilo a que se chama variáveis de
fórmula, as quais representam qualquer tipo de proposição (simples ou complexa).

Exemplo Dicionário Formalização


Se tenho livros, então sou feliz e sábio. P: Tenho livros. P → (Q  R)
Não é verdade que sou feliz e sábio. Q: Sou feliz.  (Q  R)
Logo, não tenho livros. R: Sou sábio. P

A→B
B
A
17
José Ferreira Borges · Marta Paiva · Orlanda Tavares · Novos Contextos
Apresentam-se de seguida as formas de inferência válida, com base nas variáveis
de fórmula.

Formas de inferência válida


Modus ponens Modus tollens
A→B A→B
A B
B A

Silogismo disjuntivo Silogismo hipotético


AB AB A→B
A B B→C
B A A→C

Contraposição Leis de De Morgan


A→B B→A  (A  B) AB
B→A A→B  AB   (A  B)
OU A→BB→A OU  (A  B)   A   B
Negação dupla  (A  B) AB
A A  AB   (A  B)
A A OU  (A  B)   A   B

OU AA
Nota: o símbolo  significa, no presente contexto, que tanto
se pode inferir validamente num como noutro sentido.

2.8. Principais falácias formais (formas de inferência inválida)


18
José Ferreira Borges · Marta Paiva · Orlanda Tavares · Novos Contextos
Duas das principais falácias formais são a:

P→Q
 Falácia da afirmação do consequente: Q
Se trabalho, então ganho dinheiro. Ganho dinheiro. P
Logo, trabalho.

P→Q
 Falácia da negação do antecedente:
P
Se trabalho, então ganho dinheiro. Não trabalho. Logo, Q
não ganho dinheiro.

O discurso argumentativo e principais tipos de argumentos e falácias informais


Clarificar as noções de argumento não-dedutivo, por indução, por analogia e por autoridade;
19
José Ferreira Borges · Marta Paiva · Orlanda Tavares · Novos Contextos
Construir argumentos por indução, por analogia e por autoridade;
Identificar, justificando, as falácias informais generalização precipitada, amostra não representativa, falsa
analogia, apelo ilegítimo à autoridade, petição de princípio, falso dilema, falsa relação causal, ad hominem, ad
populum, apelo à ignorância, boneco de palha e derrapagem;
Utilizar conscientemente diferentes tipos de argumentos formais e não formais na análise crítica do pensamento
filosófico e na expressão do seu próprio pensamento;
Aplicar o conhecimento de diferentes falácias formais e não formais na verificação da estrutura e qualidade
argumentativas de diferentes formas de comunicação.

3. O discurso argumentativo e principais tipos de


argumentos e falácias informais

3.1. Principais tipos de argumentos

Em qualquer discurso argumentativo são vários os tipos de argumentos que


poderemos usar quando queremos convencer alguém da razoabilidade de uma tese. Para
além dos argumentos dedutivos, podemos usar outro tipo de argumentos – os não
dedutivos: argumentos indutivos (ou induções), argumentos por analogia e argumentos de
autoridade.
Os argumentos não dedutivos são aqueles em que a verdade das premissas
apenas sugere a plausibilidade da conclusão ou a probabilidade de ela ser também
verdadeira. Neste tipo de argumentos, as premissas apenas dão um suporte parcial à
conclusão, fornecendo razões a seu favor, mas não a tornando necessariamente verdadeira.
Por isso, a conclusão é apenas recomendada.
A validade dos argumentos não dedutivos depende do grau de probabilidade, de
razoabilidade ou ainda de relevância das proposições que compõem o argumento. Assim, tal
validade depende de aspetos que vão para lá da forma lógica do argumento. Um argumento
não dedutivo é válido quando é improvável, mas não propriamente impossível, ter
premissas verdadeiras e conclusão falsa.
Se as premissas não fornecem boas razões para apoiar a verdade da conclusão, o
argumento é inválido – também se lhe chama argumento fraco. Se fornecem boas razões,
o argumento é válido – também se lhe chama argumento forte.

Os argumentos indutivos ou induções podem ser de dois tipos: a generalização e


a previsão.

A indução por generalização consiste num argumento cuja conclusão é mais geral
do que a(s) premissa(s).

20
José Ferreira Borges · Marta Paiva · Orlanda Tavares · Novos Contextos
Exemplo:
Todos os peixes observados até agora respiram através da absorção do oxigénio
presente na água.
Logo, todos os peixes respiram através da absorção do oxigénio presente na água.

Uma generalização é válida se cumprir os seguintes requisitos:


– se partir de um número relevante de casos observados;
– se não se tiverem encontrado, depois de procurados, quaisquer contraexemplos;
– se os casos observados forem representativos do universo em questão.

Uma das falácias decorrentes do não cumprimento destes requisitos é a falácia da


generalização precipitada, que ocorre quando se conclui abusivamente o geral de apenas
um ou poucos casos:

Exemplo:
Fiz um teste de Filosofia e foi difícil.
Logo, todos os testes de Filosofia são difíceis.

Outra falácia decorrente do não cumprimento dos requisitos de validade é a falácia


da amostra não representativa, a qual consiste em concluir de um segmento da população
para toda a população, apesar de poder incluir um número significativo de casos.

Exemplo:
Com base em inquéritos realizados ao conjunto dos estudantes portugueses do
ensino superior, constata-se que todos eles valorizam este tipo de ensino.
Logo, todos os portugueses valorizam o ensino superior.

(Apesar de o número de casos da amostra ser significativo, os estudantes


portugueses do ensino superior não representam a população portuguesa.)

A indução por previsão é o argumento que, baseando-se em casos passados,


antevê casos não observados, presentes ou futuros.

Exemplo:
Todos os cavalos observados até hoje nasceram quadrúpedes.
Logo, o próximo cavalo a nascer também nascerá quadrúpede.

Uma indução por previsão é válida se cumprir os seguintes requisitos:

21
José Ferreira Borges · Marta Paiva · Orlanda Tavares · Novos Contextos
– se existir uma forte probabilidade de a conclusão corresponder à realidade;
– se não existir informação disponível contrária ao que se afirma no argumento.

Quando estes requisitos não se cumprem, estamos perante a falácia da previsão


inadequada.

Exemplo:
A temperatura na Terra nunca apresentou variações significativas no passado.
Logo, ela nunca apresentará variações significativas no futuro.

(A conclusão é ilegítima porque existe informação disponível que dá conta do


aquecimento global.)

O argumento por analogia consiste em partir de certas semelhanças ou relações


entre dois objetos ou duas realidades e em encontrar novas semelhanças ou relações.
Baseia-se, assim, na comparação que se estabelece entre as realidades, supondo
semelhanças novas a partir das já conhecidas.

Exemplo:
O cantor A canta bastante bem.
O cantor B tem um timbre e uma extensão vocal semelhantes aos do cantor A.
Logo, o cantor B também canta bastante bem.

Um argumento por analogia é válido se cumprir os seguintes requisitos:

– se as semelhanças entre as realidades forem relevantes no que diz respeito à


conclusão;
– se as semelhanças relevantes no que diz respeito à conclusão forem em número
suficiente;
– se não existirem diferenças relevantes no que diz respeito à conclusão.

O não cumprimento destes requisitos corresponde à falácia da falsa analogia:

Exemplo 1:
O carro da marca X é bastante potente.
O carro da marca Y tem a mesma cor e o mesmo tamanho que o carro da marca X.
Logo o carro da marca Y também é bastante potente.

(Neste caso, as semelhanças não são relevantes no que diz respeito à conclusão.)

Exemplo 2:

22
José Ferreira Borges · Marta Paiva · Orlanda Tavares · Novos Contextos
O médico A, que estudou numa Universidade de prestígio, é um profissional
excelente.
O médico B estudou na mesma Universidade.
Logo, O médico B também é um profissional excelente.

(Neste caso, as semelhanças relevantes no que diz respeito à conclusão não são em
número suficiente.)

Exemplo 3:
As máquinas não são conscientes de si.
A mente humana é como uma máquina.
Logo, a mente humana não é consciente de si.

(Neste caso, existem diferenças relevantes entre a mente humana e as máquinas, no


que diz respeito àquilo que é afirmado na conclusão.)

O argumento de autoridade pode ser definido como o argumento que se apoia na


opinião de um especialista ou de uma autoridade para fazer valer a sua conclusão.

Exemplo:
Galileu afirmou que todos os corpos caem com aceleração constante.
Logo, todos os corpos caem com aceleração constante.

Para o argumento de autoridade ser válido deve cumprir os seguintes requisitos:


– deve referir-se o nome da autoridade e a fonte em que ela exprimiu essa ideia;
– a autoridade invocada deve ser um efetivo especialista ou perito na área em
questão;
– não pode existir controvérsia entre os especialistas da área em questão, ou seja,
aquilo que é afirmado deve ser amplamente consensual entre as autoridades dessa
área;
– o especialista invocado não pode ter interesses pessoais ou de classe no âmbito do
assunto em causa;
– o argumento não pode ser mais fraco do que outro argumento contrário.

Quando estes requisitos não são cumpridos, comete-se a falácia do apelo ilegítimo
à autoridade.

Exemplo 1:
Estudos indicam que comer um ovo por dia prejudica a saúde.
Logo, comer um ovo por dia prejudica a saúde.

23
José Ferreira Borges · Marta Paiva · Orlanda Tavares · Novos Contextos
(Será necessário referir quem foram os autores do estudo; existe controvérsia entre
os especialistas relativamente a este assunto; além disso, o argumento talvez seja
mais fraco do que o argumento contrário.)

Exemplo 2:
Um membro do governo afirmou que, desde que o governo iniciou funções, a
felicidade dos cidadãos aumentou bastante.
Logo, desde que o governo iniciou funções, a felicidade dos cidadãos aumentou
bastante.

(Além de não ser referido o nome da pessoa invocada, talvez também não se trate de
uma autoridade efetiva na área em questão, sendo inclusive alguém com interesses
pessoais no âmbito do assunto em causa; além disso, existe certamente controvérsia
entre os especialistas relativamente a este assunto.)

3.2. Falácias informais

As falácias informais são argumentos inválidos, aparentemente válidos, e cuja


invalidade não resulta de uma deficiência formal, antes decorre do conteúdo do argumento,
da sua matéria, da linguagem natural comum usada nesses argumentos.
Uma vez que este tipo de falácias não depende da forma lógica do argumento,
pode haver argumentos com a mesma forma que sejam fortes ou fracos, bons ou maus,
válidos ou inválidos.
Algumas falácias informais foram já referidas – as da generalização precipitada, da
amostra não representativa, da previsão inadequada, da falsa analogia e do apelo ilegítimo
à autoridade.
Vamos agora ver outras, que são bastante comuns.

A falácia da petição de princípio é a falácia que consiste em assumir como verdadeiro


aquilo que se pretende provar. Neste tipo de argumento falacioso, a conclusão é usada, de
uma forma implícita, como premissa, encontrando-se muitas vezes disfarçada com palavras
de significação idêntica à daquelas que aparecem na conclusão propriamente dita. Também
se chama argumento circular ou falácia da circularidade à petição de princípio.

Exemplos:
Andar a pé é um desporto saudável. Logo, andar a pé é um desporto que faz bem à
saúde.

O ser humano é inteligente, porque é um ser que possui inteligência.

24
José Ferreira Borges · Marta Paiva · Orlanda Tavares · Novos Contextos
A falácia do falso dilema é a falácia que consiste em reduzir as opções possíveis a
apenas duas, ignorando-se as restantes alternativas, e em extrair uma conclusão a partir
dessa disjunção falsa. “Falso dilema” é sinónimo de “falsa dicotomia”.

Exemplos de disjunções falsas:


Ou votas no partido x ou será a desgraça do país.
(Outros partidos são ignorados.)

Ou estás comigo ou estás contra mim.


(Ignora-se a possibilidade de se ser neutro.)

Vejamos agora o exemplo de um argumento baseado neste tipo de premissas:

Exemplo:
Ou votas no partido x, ou será a desgraça do país.
Não votas no partido x.
Logo, será a desgraça do país.

Embora seja válido em termos dedutivos, este argumento exprime um falso dilema:
ignora-se a possibilidade de todos os outros partidos poderem evitar a desgraça do país.

A falácia da falsa relação causal – conhecida também como “post hoc, ergo propter
hoc”, que significa “depois disto, logo por causa disto” – é a falácia que se comete sempre
que se toma como causa de algo aquilo que é apenas um antecedente ou uma qualquer
circunstância acidental. Trata-se, por isso, de concluir que há uma relação de causa e efeito
entre dois acontecimentos que se verificam em simultâneo ou em que um se verifica após o
outro.
Exemplos:
Sempre que eu entro com o pé direito no campo, a minha equipa ganha o jogo.
Logo, a causa das nossas vitórias é o facto de eu entrar com o pé direito no campo.

Quando faço testes em dias de chuva, tiro negativa.


Logo, a chuva é a causa das classificações negativas dos meus testes.

A falácia ad hominem é a falácia que se comete quando, em vez de se atacar ou


refutar a tese de alguém, se ataca a pessoa que a defende.

Exemplos:
A tua tese de que tudo é composto de átomos está errada, porque cheiras mal da
boca sempre que a proferes.

Sartre estava errado a respeito do ser humano, porque não ia regularmente à missa.
25
José Ferreira Borges · Marta Paiva · Orlanda Tavares · Novos Contextos
A falácia ad populum é a falácia que se comete quando se apela à opinião da maioria
para fazer valer a verdade de uma conclusão.

Exemplos:
A maioria das pessoas considera que a leitura é uma perda de tempo. Logo, a leitura
é uma perda de tempo.

A maioria dos contribuintes considera legítimo fugir ao fisco.


Logo, é legítimo fugir ao fisco.

A falácia do apelo à ignorância é a falácia que se comete quando uma proposição


é tida como verdadeira só porque não se provou a sua falsidade ou como falsa só porque
não se provou que é verdadeira.

Exemplos:
Não existem fenómenos telepáticos, porque até agora ninguém provou que eles
existem.

A alma é imortal. Isto porque ninguém provou que a alma morre com o corpo.

A falácia do espantalho ou do boneco de palha é a falácia cometida sempre que


alguém, em vez de refutar o verdadeiro argumento do seu opositor/interlocutor, ataca ou
refuta uma versão simplificada, mais fraca e deturpada desse argumento, a fim de ser mais
fácil de rebater a tese oposta. Trata-se de distorcer as ideias do interlocutor para que elas
pareçam falsas.

Exemplo:
António defende que não devemos comer carne de animais cujo processo de
industrialização os tenha sujeitado a condições de vida e morte cruéis.
Manuel refuta António dizendo: “António quer que apenas comamos alface!“

(Note-se que em momento algum António defende que não devemos comer qualquer
tipo de carne, sugerindo que sejamos vegetarianos – “comer alface” –, mas apenas
aquele tipo de carne sujeito às condições descritas. O argumento é assim deturpado
e simplificado.)

26
José Ferreira Borges · Marta Paiva · Orlanda Tavares · Novos Contextos
A falácia da derrapagem, “bola de neve” ou “declive escorregadio” é a falácia
cometida sempre que alguém, para refutar uma tese ou para defender a sua, apresenta, pelo
menos, uma premissa falsa ou duvidosa e uma série de consequências progressivamente
inaceitáveis. A partir da primeira premissa, outras vão surgindo, até se mostrar que um
determinado resultado indesejável inevitavelmente se seguirá.

Exemplo:
Se jogares a dinheiro, vais viciar-te no jogo. Se te viciares no jogo, perderás tudo o
que tens. Se perderes tudo o que tens, terás de mendigar. Se tiveres de mendigar,
ninguém te dará nada. Se ninguém te der nada, morrerás à fome. Logo, se jogares a
dinheiro, morrerás à fome.

27
José Ferreira Borges · Marta Paiva · Orlanda Tavares · Novos Contextos