Você está na página 1de 4

O próximo estágio do reset económico global

projectado chegou !
sábado, 8 de junho de 2019

A questão principal é “Por que as elites arruinariam um sistema que já está


trabalhando a seu favor…?” A resposta é complicada em alguns aspectos,
porque existem múltiplos fatores que motivam os globalistas a fazer as coisas
que fazem. No entanto, antes de entrarmos em explicações, precisamos
entender que esse tipo de questão está enraizado em falsas suposições, não em
lógica.
A primeira suposição que as pessoas fazem é que esse sistema atual é o sistema
globalista ideal - não é nem perto.
Ao estudar literatura globalista e livros brancos, de Brave New World, de Aldous
Huxley, ao livro de HG Wells The New World Order e seu filme pouco conhecido
Things To Come, à coleção de escritos de Manly P. Hall intitulada 'The All Seeing
Eye', Tragédia e Esperança, de Carol Quigley, aos documentos do Clube de
Roma, Entre Dois Tempos, de Zbigniew Brzezinski, aos documentos Good
Morning World do ex-Diretor da ONU Robert Muller, à Assembléia de Nova
Ordem de Henry Kissinger, ao FMI e à Agenda 2030 da ONU. Em quase todos
os documentos sobre globalização publicados pelo Conselho de Relações
Exteriores, vemos um objetivo final bastante descarado descrito.
Para resumir: pelo menos no século passado, os globalistas têm perseguido um
verdadeiro sistema mundial único que não é encoberto, mas evidente. Eles
querem uma aceitação pública consciente de um sistema econômico global
completamente centralizado, uma única moeda global, um governo mundial
único e uma religião mundial única (embora essa questão em particular exija um
artigo totalmente separado).
Para atingir um objetivo tão elevado e, finalmente, destrutivo, eles teriam que
criar ciclos contínuos de falsa prosperidade seguida de catástrofe. Ou seja, as
grandes guerras e o colapso econômico planejado são suas ferramentas
primárias para condicionar as massas a abandonar suas inclinações sociais e
biológicas naturais em direção ao individualismo e ao tribalismo e abraçar a
filosofia coletivista. Eles criaram o sistema atual como um meio para um fim. Não
é o ideal utópico deles; Na verdade, o sistema atual foi projetado para falhar. E,
nesse fracasso, a "ordem" globalista pretendida deve ser introduzida. A dialética
hegeliana descreve essa estratégia como problema, reação e solução.
Essa é a realidade que muitas pessoas simplesmente não parecem entender.
Mesmo se eles forem educados sobre a existência da agenda globalista, eles
acham que os globalistas estão tentando proteger o sistema que existe, ou
proteger o chamado “estado profundo”. Mas este é um meme de propaganda
que não descreve o quadro maior. O quadro geral é ao mesmo tempo muito pior
e também mais promissor.
A verdade é que a antiga ordem mundial do século passado é uma medida
sacrificial, como o estágio de reforço de um foguete para o espaço que cai e se
incendeia na atmosfera quando é gasto. Se você não aceita a realidade que os
globalistas destroem para criar oportunidades de ganho, então você nunca será
capaz de entender por que os eventos atuais estão tomando a forma que eles
são.
É claro que, no discurso público, as elites aprenderam a temperar sua linguagem
e como descrevem sua agenda. O conhecimento público, ou pelo menos a
consciência geral da “nova ordem mundial” está crescendo, e assim eles são
forçados a introduzir a ideia de uma vasta mudança social e econômica de uma
maneira que soa menos nefasta e é relativamente comercializável. Eles também
têm a tendência de sugerir eventos ou avisar sobre desastres que estão prestes
a acontecer; desastres que estão prestes a causar. Talvez isso seja
simplesmente uma maneira de se isolar da culpa quando o sofrimento começar.
O Fundo Monetário Internacional (FMI) começou a espalhar um meme alguns
anos atrás como uma maneira de descrever um desastre econômico global sem
dizer a palavra “crash”. A diretora-gerente Christine Lagarde e outros
começaram a usar a expressão “redefinição econômica global” em referência à
maior centralização da gestão econômica e monetária, tudo na esteira de um
tipo de crise que foi deixada em grande parte ambígua. O que ela estava
descrevendo era simplesmente outro nome para a nova ordem mundial, mas foi
uma das primeiras vezes que vimos um funcionário globalista realmente sugerir
que a mudança ou "reset" seria construída sobre as cinzas do sistema do velho
mundo, e não do que simplesmente construído como uma extensão do mesmo.
A mensagem de Lagarde era essencialmente a seguinte: a cooperação “coletiva”
não será apenas encorajada na nova ordem, será necessária - ou seja, a
cooperação coletiva de todas as nações para o mesmo contexto geopolítico e
econômico. Se isso não for realizado, uma grande dor fiscal será sentida e
resultará em "transbordamento". Tradução: Devido à interdependência forçada
do globalismo, a crise em um país poderia causar um efeito dominó de crise em
outros países; portanto, todos os países e seu comportamento econômico
devem ser administrados por uma autoridade central para evitar que governos
errados ou “bancos centrais desonestos” perturbem o equilíbrio.
O FMI e o CFR também se referem a isso como o “novo multilateralismo” ou a
“ordem mundial multipolar”.
Acredito que a próxima etapa da redefinição econômica já começou em 2018 e
2019. Nesta fase do teatro criado globalmente, vemos o mundo sendo dilacerado
pela “falta de cooperação” que Lagarde e o CFR nos alertaram em 2015. A
guerra comercial está rapidamente se tornando uma guerra econômica mundial,
atraindo várias nações de ambos os lados. Este cenário só beneficia os
globalistas, pois oferece uma cobertura perfeita ao iniciar um crash da
historicamente massiva "Everything Bubble", que eles passaram os últimos dez
anos inflando apenas para este momento.
Como previ em meu artigo "A Terceira Guerra Mundial será uma guerra
econômica", publicada em abril de 2018, o conflito tarifário entre os EUA e a
China se tornou um excelente catalisador para a redefinição global. Em meu
artigo "A América perde quando a guerra comercial se torna uma guerra
cambial", publicada em junho de 2018, declarei:

“Uma questão que precisa ser abordada é quanto tempo durará a atual guerra
comercial? Algumas pessoas afirmam que as hostilidades econômicas serão de
curta duração, que os parceiros comerciais estrangeiros rapidamente se
renderão às demandas do governo Trump e que qualquer retaliação contra as
tarifas será escassa e inconsequente. Se este for o caso e a guerra comercial se
mover rapidamente, então eu concordo - muito pouco dano será feito à economia
dos EUA além do que já foi feito pelo Federal Reserve.

No entanto, e se não terminar rapidamente? E se a guerra comercial se arrastar


pelo resto do primeiro mandato de Trump? E se isso se transformar em um
segundo mandato ou no regime de um novo presidente em 2020? Isso é
exatamente o que eu espero que aconteça, e a razão pela qual eu prevejo que
este será o caso repousa nas oportunidades que uma guerra comercial
prolongada proporcionará aos globalistas. ”
O mundo econômico tem um período de atenção muito curto, mas há um ano na
mídia alternativa a guerra comercial estava sendo tratada pelas líderes de torcida
Trump em particular como uma novidade - uma questão que não seria resolvida
em questão de meses com Trump vitorioso . Hoje, essas mesmas pessoas agora
são fãs de guerra comercial, agitando seus pompons e gritando por mais
enquanto compram completamente a farsa. Mencionar o fato de que a guerra
comercial está servindo apenas como uma distração, de modo que os globalistas
possam completar sua agenda de redefinição econômica, não parece colocá-los
em fase.
Eles costumam fazer um dos dois argumentos: Trump é um anti-globalista que
está derrubando o sistema de “estado profundo” e a guerra comercial é parte de
seu “jogo de xadrez 4D”. Ou os globalistas não têm controle suficiente sobre o
sistema atual para alcançar o tipo de “conspiração” que descrevo aqui.
Primeiro, passando apenas por suas associações, está claro que Donald Trump
é uma oposição controlada que desempenha o papel de "anti-globalista",
enquanto ao mesmo tempo empilha seu gabinete com as mesmas elites com as
quais ele supostamente está em guerra. Como descrevi em vários artigos, o
Trump foi comprado na década de 1990, quando foi salvo da possível falência
permanente do agente bancário de Rothschild, Wilber Ross. Trump fez de Ross
seu Secretário de Comércio assim que ele entrou na Casa Branca, e Ross é uma
das figuras-chave na guerra comercial em desenvolvimento.
Neste ponto, devo dizer que qualquer um que argumente que Trump está
“jogando xadrez 4D” com as elites bancárias, enquanto ele está cercado por elas
diariamente, deve ser clinicamente insano. Toda política econômica e comercial
que Trump iniciou nos últimos dois anos serviu como uma cortina de fumaça
para os globalistas controlarem a demolição da economia. Como o reajuste
continua no meio da guerra comercial, será Trump e por extensão todos os
conservadores que levam a culpa. Trump é um flautista de destruição para
movimentos conservadores, e é por isso que eu sempre disse que qualquer
tentativa de impedir Trump (antes que o acidente seja concluído) fracassará. Os
globalistas gostam dele exatamente onde ele está.

Segundo, há um banco central globalista controlado em quase todas as nações


do mundo, incluindo países supostamente anti-globalistas no Oriente como a
Rússia e a China. Todos esses bancos centrais são coordenados através do
Bank For International Settlements, em Basileia, na Suíça. Os globalistas
ditatoriamente ditam a política econômica de quase todo o planeta. Eles podem
facilmente criar um colapso econômico sempre que desejarem. Isto é um fato.
No entanto, o que eles não controlam é como os elementos do público reagirão
à sua agenda de redefinição. E é aí que encontramos esperança. Eles ainda não
têm sua “nova ordem mundial”, razão pela qual precisam recorrer a teatrais
elaborados e operações psicológicas. Eles sabem que um segmento desperto e
consciente da população poderia aniquilá-los amanhã com a motivação certa, e
assim, eles continuam a nos distrair com um enxame de outras preocupações e
calamidades.
O objetivo é convencer as massas a se concentrarem em todos os inimigos
errados, ignorando as elites organizadas e psicopatas como a raiz da ameaça à
humanidade. Nós devemos odiar os russos, ou odiar os chineses, ou odiar as
pessoas à esquerda, ou odiar as pessoas à direita, e assim por diante. Mas
esses conflitos são apenas sintomas de uma doença mais profunda. O grande
perigo é que o foco nos globalistas, como o vírus, desapareça da consciência
pública e dos círculos conservadores, em particular, à medida que a guerra
comercial se torna uma guerra mundial e o colapso econômico resulta em dor
financeira.
O reset está em cima de nós. A narrativa do colapso está sendo escrita diante
de nossos olhos. O jogo final não repousa sobre os globalistas, mas proponentes
da liberdade e soberania. Ou mantemos nossa mira no verdadeiro inimigo, ou
somos sugados para dentro do turbilhão e esquecemos quem somos e por que
estamos aqui. Se o último ocorrer, a redefinição globalista será assegurada.