Você está na página 1de 15

UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS


ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS

RELATÓRIO DE ESTÁGIO

Grupamento Operativo de Fuzileiros Navais


Francisco Edinaldo de Castro
Matrícula: 201301944351

Porto Príncipe - Haiti

2017
2

Francisco Edinaldo de Castro

Grupamento Operativo de Fuzileiros Navais

Relatório Final de Estágio Supervisionado


apresentado para composição da nota de
avaliação da disciplina Estágio
Supervisionado do Curso de Ciências
Contábeis, da Universidade Estácio de Sá
como requisito parcial para obtenção do grau
em Bacharel em Ciências Contábeis.

 Professor Orientador: Andre Luis Cantuaria Cardoso Oliveira


 Profissional Orientador: Lincoln Costa da Silva
 Coordenador do Curso de Ciências Contábeis: Wellinton
Barros Figueiredo
 Empresa: Grupamento Operativo de Fuzileiros Navais
 Período: 15/02 /2017 a 01 /04 /2017

Porto Príncipe – Haiti

2017
3

SUMÁRIO

1 Introdução 4
1.1 Justificativa 5
1.2 Objetivos 5
2 A Empresa 5
2.1 Fundamentação Teórica 7
2.1 Metodologia do Trabalho 8
2.3 Organização do Relatório 9
3 Atividades Realizadas 9
4 Considerações Finais 11
5 Referências Bibliográficas 12
6 Anexos e Apêndices 13

1 Introdução
4

O relatório refere-se às atividades desenvolvidas durante o estágio


supervisionado em ciências contábeis, no qual e definido em Lei como:
Art. 1° Estágio é ato educativo escolar supervisionado,
desenvolvido no ambiente de trabalho, que visa à preparação
para o trabalho produtivo de educandos que estejam
frequentando o ensino regular em instituições de educação
superior, de educação profissional, de ensino médio, da
educação especial e dos anos finais do ensino fundamental, na
modalidade profissional da educação de jovens e adultos. (Lei
nº 11.788, de 25 de setembro de 2008).
Este estágio foi realizado no Grupamento Operativo de Fuzileiros Navais,
na cidade de Porto Príncipe no Haiti. Esta Organização Militar (OM) tem como
estrutura organizacional o Comandante; o Chefe de Estado Maior; Componente
de Comando (composto por Seção de Pessoal, Seção de Inteligência, Seção
de Operações, Seção de Logística, Seção de Comunicações, Seção de
Intendência e Seção de Assuntos Civis e Comunicação Social); Componente
de Combate Terrestre (composto por quatro pelotões de Fuzileiros Navais) e
Componente de Apoio e Serviço ao Combate (composto pelos setores de
Saúde, Engenharia, Manutenção, Abastecimento e Transporte).
Quanto à estrutura física, a OM conta com instalações que visam ao
desenvolvimento das atividades administrativas e operacionais, isto é,
alojamentos para tropa, galpões para manutenção de viaturas e tratamento de
água, enfermaria, refeitório, sala de computadores, banheiros, área de lazer e
academia. Assim toda a Base está voltada para o cumprimento das missões
militares bem como para acomodação da tropa.
O enfoque do trabalho será os procedimentos contábeis que são
realizados na Seção de Intendência, a qual é responsável por gerir os recursos
financeiros e exercer as atribuições de Organização Centralizadora (OC) do
pagamento do pessoal militar perante o comandante, que tem competência por
toda a execução financeira da Organização Militar (OM) .

1.1 Justificativa
5

Em razão da profissão e do atual período de vivência no local de trabalho,


o referido relatório foi elaborado no Grupamento Operativo de Fuzileiros Navais
no Haiti, em cumprimento das exigências da disciplina Estágio Supervisionado
do Curso de Ciências Contábeis, onde foram centralizados, na seção de
Intendência, os objetivos relativos ao aprendizado contábil do estágio, a fim de
compreender os procedimentos na execução de suas tarefas, bem como
agregar conhecimento para uma possível assunção de função nesse setor da
Marinha do Brasil.

1.2 Objetivos

Os objetivos são compreender o processo contábil por meio de métodos


práticos, aplicando o conhecimento teórico já aprendido e descrever as
atividades desenvolvidas, a fim de ampliar competências profissionais para o
desempenho de funções nos diversos segmentos da contabilidade.

2 A Empresa

A Base do Grupamento Operativo de Fuzileiros Navais está localizada na


cidade de Porto Príncipe, no Haiti. Essa base integra o 25° Contingente do
Batalhão Brasileiro de Força de Paz, composto por militares da Marinha,
Exército e Aeronáutica.
O Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas, por meio
da resolução número 1542, estabeleceu a Missão das Nações Unidas para
Estabilização no Haiti (MINUSTAH) a partir de 1º junho de 2004.
A MINUSTAH é composta por contingentes de vários países e tem
características multidimensionais, compreendendo, além do componente
militar, outros componentes como o de direitos humanos, polícia,
desarmamento, assessoria eleitoral, entre outros. A missão tem como objetivos:
 Criar condições para estabilização e segurança do Haiti;
 Organizar eleições presidenciais e municipais; e
6

 Garantir que sejam assegurados os direitos humanos do povo, em


especial das mulheres e crianças.
Fruto de participações bem-sucedidas do Brasil em Missões de Paz
anteriores e de acordos internacionais, foi atribuído ao Brasil, o comando do
componente militar da MINUSTAH (Force Commander), sendo, então,
designado um General do Exército Brasileiro para exercer tal cargo. A esse
General, são subordinados os contingentes militares de todos os países
participantes da Missão.
O Grupamento Operativo de Fuzileiros Navais realiza diversas tarefas, tais
como:
 Patrulhas, a pé e em viaturas, em vias urbanas e rurais;
 Inspeções em automóveis e pedestres em busca de armas e drogas;
 Apoio e Segurança a eleições;
 Controle de Distúrbios e Manifestações perturbadoras da ordem e
segurança;

 Investidas contra locais de atividade criminosa;


 Ajuda Humanitária, distribuindo remédios e alimentos em
estabelecimentos designados pela ONU;

 Segurança do porto, aeroporto e instalações sensíveis;


 Segurança de Autoridades Haitianas; e
 Segurança e escolta de diversas autoridades civis e militares brasileiras
e de outros países em visita ao País.

Atualmente, o Grupamento tem o efetivo de 175 militares com a missão de


realizar operações militares de manutenção da paz em sua área de
responsabilidade, a fim de contribuir para a manutenção do ambiente seguro e
estável no Haiti, para o apoio às atividades de assistência humanitária e para o
fortalecimento das instituições nacionais.

2.1 Fundamentação Teórica

A contabilidade desempenhada nas Organizações Militares está


fundamentada na Administração Pública, que é o conjunto de órgãos do Estado
7

que tem por finalidade satisfazer as necessidades da coletividade, por meio da


execução dos serviços públicos em áreas como Educação, Segurança,
Transporte etc. na qual está subdividida em Administração Direta (centralizada)
e Administração Indireta (descentralizada).
Direta quando o Estado executa suas atividades diretamente por meio
dos Poderes da União, dos estados, do Distrito Federal e dos municípios.
Neste caso, os órgãos não possuem personalidade jurídica própria nem
patrimônio.
Indireta quando o Estado transfere a execução das suas funções para
outras pessoas jurídicas ligadas a ele. Neste caso, as entidades possuem
personalidades jurídicas e patrimônio próprios e são vinculados a um órgão da
administração direta.
As Forças Armadas, como integrantes do Poder Executivo, estão
diretamente ligadas à Administração Direta. Assim devem seguir aos Princípios
da Administração Pública, conforme presente no artigo 37 da Constituição
Federal de 1988: "A administração pública direta e indireta de qualquer dos
Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios
obedecerá aos princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade,
publicidade e eficiência”.
Na Marinha do Brasil (MB), há duas publicações que orientam e
normatizam os procedimentos contábeis de acordo com a administração direta:
SGM-301 - NORMAS SOBRE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E
CONTABILIDADE e SGM-302 – NORMAS SOBRE PAGAMENTO DE
PESSOAL NA MB. Essas normas têm o propósito de compilar informações,
abrangendo diversos assuntos com o objetivo de balizar e facilitar o trabalho
dos gestores.
As referidas normas englobam assuntos, dentre os quais podem
destacar:

a) o estabelecimento de procedimentos inerentes à administração financeira na


Marinha do Brasil, em concordância com a legislação pertinente e observadas
as peculiaridades da Administração Naval, padronizando a apresentação da
documentação comprobatória e definindo atribuições dos agentes envolvidos;
8

b) a consolidação das instruções inerentes à concepção, ao funcionamento e à


utilização do Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo
Federal (SIAFI) (anexo A);

c) os procedimentos inerentes à contabilidade afetos às contas de gestão e


contas de responsabilidade, voltados para as Unidades Gestoras (UG) no país
e no exterior;

d) a definição dos sistemas de informação, interno e externo, que apoiam a


estrutura do pagamento de pessoal nas diversas etapas do processo de
pagamento assim apresentados:
- SISPAG (anexo B)
Sistema de Pagamento da MB, que processa as informações necessárias ao
pagamento de pessoal militar da ativa e inativos, pensionistas de militares,
pensionistas do Superior Tribunal Militar (STM), civis quando no exterior e civis
em situações especiais; e
- SIAPE (anexo C)
Sistema Integrado de Administração de Recursos Humanos da Secretaria de
Administração Federal, que atende ao processamento das informações de
pagamento do pessoal civil ativo e inativo no País e pensionistas do pessoal
civil;

e) a descrição dos procedimentos para a execução da atividade de pagamento


de pessoal nas diversas situações.

2.2 Metodologia do Trabalho

A seção de intendência é composta pelo encarregado, Primeiro-Tenente


(Intendente da Marinha) Lincoln costa da Silva; pelo adjunto, Suboficial Gerson
Benedito dos Santos; pelo auxiliar, Terceiro-Sargento Alessandro Borges
Mascouto do Nascimento. Essa seção subsidia o comando com informações a
respeito das necessidades de suprimentos e realização de serviços. Além
9

disso, executa toda a coordenação financeira para o pagamento dos militares


junto ao SOGERBANK (banco haitiano) e outras Organizações Militares.
Salienta-se, neste contexto, a relevância da Diretoria de Finanças da Marinha
(DFM) órgão central de administração que envia e recebe procedimentos
contábeis relacionados aos processos em lide na seção.
Dentro dos valores que norteiam as atividades do Corpo de Fuzileiros
Navais, que são honra, competência, determinação e profissionalismo, são os
embasamentos da metodologia no desempenho das tarefas. O setor está
munido de armários para arquivos, mesas, computadores e etc. Os
procedimentos executados, faz-se uso da intranet, que possibilita um ambiente
mais corporativo entre as Organizações Militares. Ressalta-se uso de sistemas
de informação como Sistema de Pagamento da MB (SISPAG), Sistema
Integrado de Administração Financeira do Governo Federal (SIAFI), Sistema
Integrado de Gestão de Pessoal (SIGeP) (anexo D), bem como programas de
texto e planilha para registros e lançamentos de valores contabilizados e seus
arquivamento eletrônico. Os procedimentos adotados na Seção de Intendência
estão especificados pelo Plano Anual de Trabalho (PAT).

2.3 Organização do Relatório

A fim de facilitar a consulta e o entendimento, o relatório está organizado


com o índice e itens e subitens, em que as atividades realizadas estão
descritas na seguinte forma:

3.1 Arquivos de documentos


3.2 Consulta nos Sistemas de Informação
3.3 Processos de licitação
3.4 Atividade descritas pelo Plano Anual de Trabalho (PAT)

3 Atividades Realizadas

Durante o estágio, foram realizadas as seguintes atividades:


10

3.1 Arquivos de documentos


Acompanhamento dos procedimentos para arquivos de documentos
físicos e eletrônicos, a fim de facilitar a consulta dos gestores.

3.2 Consulta nos Sistemas de Informação


Verificação de dados para ratificação das informações.

3.3 Processos de licitação


Acompanhamento do processo licitatório dos bens e serviços, bem como
auxiliando no preenchimento da documentação comprobatória, essa atividade
está em conformidade com o inciso XXIX do art. 24, da Lei n° 8.666/1993 e
com a SGM-301 que especifica as documentações e os limites das despesas,
no capitulo 1, item 1.17.4 desse norma.

3.4 Atividade descritas pelo Plano Anual de Trabalho (PAT)


Essas atividades, em razão do nível de responsabilidade, foram apenas
acompanhadas.
Processo de pagamento do Daily allowance ( subsídio diário individual
para água).
 Receber do Batalhão de Infantaria de Força de Paz (BRABAT) o Payroll
(folha de pagamento) do Grupamento Operativo de Fuzileiros Navias
com os valores do Daily allowance;
 Enviar Carta ao SOGEBANK solicitando a transferência do valor
recebido do BRABAT para conta de cada militar;
 Encaminhar, via Papeleta de Encaminhamento, relação nominal para
certificação de recebimento do Daily allowance;
 Enviar Parte ao BRABAT atestando recebimento dos valores Daily
allowance por cada militar.

Processo de pagamento dos militares.


 Enviar planilha à Pagadoria de Pessoal da Marinha (PAPEM) para
confecção da prévia de Pagamento;
 Receber depósito da PAPEM referente ao mês corrente;
11

 Enviar Carta ao SOGEBANK solicitando que o valor recebido pela


PAPEM seja distribuído às contas dos militares;
 Publicar Nota em Plano de Dia com recomendações para procedimentos
financeiros.

4 Considerações Finais

Os trabalhos realizados em uma Instituição Militar no exterior, em missão


de paz, exigem do profissional contábil maiores competências técnicas em
razão das particularidades inerentes às atividades exercidas fora do Brasil.
Durante o estágio, buscou-se a constante associação da teoria com a prática
visando à compreensão de todo o processo contábil realizado na Seção, assim
possibilitou um aprendizado mais consistente.
A vivência organizacional apresenta situações que requerem dos
profissionais habilidades de adequação e conhecimentos técnicos, em virtude
dos desafios situacionais que surgem durante a realização do trabalho. Tal
conjuntura proporciona o aumento do conhecimento empírico.
Indubitavelmente, esse tipo de conhecimento, atrelado à parte teórica, contribui
sobremaneira para capacitação dos profissionais contábeis.
As normas estabelecidas pela Marinha do Brasil foram as principais
referências de consulta na realização das tarefas, pois são elas que
fundamentam a Administração Naval, bem como as peculiaridades dessa
instituição.
Dessa forma, o estágio no Grupamento Operativo de Fuzileiros Navais
no Haiti contribuiu para uma visão mais ampla da Contabilidade. E favoreceu
conhecer a forma como a OM lida com os processos contábeis. Igualmente,
observa-se que se faz necessária a busca constante pelo conhecimento
técnico dessa área, bem como sua atualização. Portanto, a realização desse
relatório foi primordial para minha formação acadêmica e profissional, de
maneira a capacitar-me para os desafios da profissão contábil.

5 Referencias Bibliográficas
12

BRASIL - LEI Nº 11.788, DE 25 DE SETEMBRO DE 2008 - Estágio


Supervisionado - Disponível em: www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-
2010/2008/lei/l11788.htm. Acesso em: 15 de fevereiro de 2017;

MARINHA DO BRASIL – CORPO DE FUZILEIROS NAVAIS - Histórico da


MINUSTAH - Disponível em: www.marinha.mil.br/cgcfn/?q=minustah. Acesso
em: 20 de fevereiro de 2017;

BRASIL - DECRETO Nº 99.244, DE 10 DE MAIO DE 1990 - Dispõe sobre a


reorganização e o funcionamento dos órgãos da Presidência da
República e dos Ministérios, Disponível em:
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/D99244.htm. Titulo I, Art. 1°- Acesso
em: 4 março de 2017;

BRASIL - LEI COMPLEMENTAR Nº 97, DE 9 DE JUNHO DE 1999 - Dispõe


sobre as normas gerais para a organização, o preparo e o emprego das
Forças Armadas, Disponível em:
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/lcp/Lcp97.htm#art23. Seção I, Art. 6°-
Acesso em: 10 de março de 2017;

BRASIL - CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE


1988 – Administração Pública, Disponível em:
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicaocompilado.htm. Art. 37°- Acesso
em: 10 de mar. 2017;

UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ. FACULDADE DE CONTABILIDADE EAD –


Contabilidade Pública. WebAula 1, matéria contabilidade Pública, Rio de
Janeiro, 2017;

BRASIL - LEI Nº 8.666, DE 21 DE JUNHO DE 1993 – Institui normas para


licitação e contratos da Administração Pública, Disponível em:
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8666cons.htm. Art. 24°, Inciso XXIX -
Acesso em: 14 de mar. 2017;
13

MARINHA DO BRASIL - Normas sobre Administração Financeira e


Contabilidade - Capítulo 1, item 1.14.4 da SGM 301- Secretaria-Geral da
Marinha, Brasília, 2014.

6 ANEXOS E APÊNDICES

Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal (Anexo A).


14

Sistema de Pagamento da MB (anexo B)

Sistema de Pagamento da MB (anexo B)


15

Sistema Integrado de Administração de Recursos Humanos da Secretaria de


Administração Federal (anexo C)

Sistema Integrado de Gestão de Pessoal (anexo D)

Você também pode gostar