Você está na página 1de 50

Exercícios primeiros

• Deixar as obras sobre a mesa especificada


• Não apresentá-las ao público
• Descrever de forma poética as obras que trouxeram
POÉTICA BIDIMENSIONAL ALETHEIA ALVES DA SILVA
A RELAÇÃO VERBAL-VISUAL DA POÉTICA
GIANNOTTI, M. A imagem escrita. ARS (São Paulo). Vol.1 nº1. 2003.
DILEMA
COMO ESCREVER UM TEXTO
CONDIZENTE COM SUA PRODUÇÃO
VISUAL?

Como fomentar um discurso artístico?


OS ESTILOS SÃO
PROGRESSIVAMENTE
APROPRIADOS E
TRANSFORMADOS PELOS
ARTISTAS EM BUSCA DE
UMA LINGUAGEM PESSOAL.
POÉTICA
MEMORIAL
HISTORICIDADE
HISTÓRIA DA ARTE OCIDENTAL: NA
EUROPA DESDE A ANTIGUIDADE ATÉ O
SÉC. XVIII, A ARTE REPRESENTA MOTIVOS
RETIRADOS DE UM TEXTO ESCRITO.

ARTISTA TRADICIONAL: PINTOR E


ESCULTOR TINHAM A FUNÇÃO DE
TRADUZIR A PALAVRA RELIGIOSA,
HISTÓRICA OU POÉTICA EM IMAGEM
Jean de Léry, Família de
Tupinambás, Theodoro
VISUAL.
de Bry. Xilogravura
14x18 cm, 1600.
Hans Staden, Preparo da
carne humana no
moquém, Theodoro de
Bry, 1592, Detalhe
Gravura em cobre.
Hans Staden, Theodoro de Bry,
1592, Detalhe Gravura em cobre
PERÍODO DA RENASCENÇA (XIV
– XVI): COM AS EXPANSÕES
ULTRAMARINAS ARTE DE
CUNHO VISUAL PASSA A
CONTER CARÁTER
INFORMATIVO, TENDO EM
VISTA QUE GRANDE PARTE DA
POPULAÇÃO EUROPÉIA ERA
ANALFABETA.
Homem e mulher tupi,
homem e mulher
Tapuia, Albert Eckhout,
1641-1643, óleo sobre
tela.
MUDANÇA DE PARADIGMA

SÉCULO XIX: MUDANÇA DA


ATITUDE DO ESCRITOR EM
RELAÇÃO AO ARTISTA .O
ESCRITOR E POETA BAUDELAIRE
(1821-1867) PASSA A ESCREVER
SOBRE O ARTISTA DELACROIX
(1798-1863), A PINTURA PASSA A
Delacroix, Grécia nas Ruínas de
INFLUENCIAR A POESIA.
Missolonghi (1826), Museu des
Beaux-Arts, Bordeaux
MESMO QUE
DELACROIX
PERMANEÇA
RETRATANDO
TEMAS HISTÓRICOS
EM SUA PINTURA, A
REPRESENTAÇÃO DO
TEMA E CONTEÚDO
TORNA-SE
Delacroix , A Liberdade
SECUNDÁRIA.
Guiando o Povo (1830),
Museu do Louvre- Paris
AS IMAGENS PASSAM A SER
VISTAS DE MANEIRA
AUTÔNOMA, SEM MEDIAÇÃO
DO TEXTO.
O TEXTO TORNA-SE APENAS UM
COMPLEMENTO DA IMAGEM.
AS PALAVRAS SÃO CONCEBIDAS
COMO ELEMENTOS VISUAIS QUE
DEVEM SE INTEGRAR NA
TOTALIDADE DA
IMAGEM/PINTURA.
A PARTIR DO MOMENTO
EM QUE OS ARTISTAS
COMPREENDEM QUE
DECIFRAR UMA PALAVRA
É DIVERGENTE DE
DECIFRAR UM SIGNO
VISUAL, PASSAM A
UTILIZAR VÁRIOS
ARTIFÍCIOS PARA
Eliseu Visconde (1910)
INTEGRAR A PALAVRA A
IMAGEM.
NESTE MOMENTO O ARTISTA
SE VÊ LIVRE DAS
CONVENÇÕES DO
NATURALISMO E PASSA A
PENSAR NA ESPECIFICIDADE
DO SEU MEIO DE EXPRESSÃO,
A TELA NÃO É MAIS A JANELA
RENASCENTISTA QUE EVOCA
UM ESPAÇO, MAS UM
Edouard Manet,
Madame Emilie Zola, TERRENO DE
1879. Museu de Orsay,
Pastel.
Obs: Manet busca EXPERIMENTAÇÃO
integrar sua assinatura a
representação da imagem
CONTÍNUA.
ARTE PASSA A SER
LINGUAGEM, A ESCRITA
EQUIVALE A UM
CONTORNO, UMA MANCHA
CROMÁTICA, A PINTURA
PASSA A SER UMA FORMA
DE LINGUAGEM ESPECÍFICA
E AUTÔNOMA.
Cloude Monet,1899.
Cézanne (1839-1906)

PINTURA É BASEADA NAS


SENSAÇÕES VISUAIS, AO INVÉS DE
CONSISTIR EM UMA ILUSTRAÇÃO
DE TEXTO, SE DISTANCIA DA
RETÓRICA. MESMO QUE TENHA
UMA RELAÇÃO COM A NATUREZA,
CRIA UMA SEGUNDA NATUREZA, A
Cézanne, Retrato de Victor
PINTURA É CONCEBIDA ALÉM DO
Chocquet , 1875, Coleção
Victor Rothschil VISÍVEL.
Arte moderna: Imagem e Texto

AS PALAVRAS TORNAM SE
ELEMENTOS GRÁFICOS
EXPRESSIVOS. NA ARTE
MODERNA A PALAVRA
CONVERTE SE EM IMAGEM OU
DESENHO. OCORRE A
PROGRESSIVA DISSOCIAÇÃO DA
NARRATIVA DA IMAGEM, QUE
POR SUA VEZ GANHA Cézanne, Vista de

AUTONOMIA. Gardanne, 1885-


1886
Arte moderna: Imagem e Texto

Cubismo as imagens e as palavras

EXIGE UM ESFORÇO PARA O


RECONHECIMENTO DAS IMAGENS
QUE NOS SÃO FAMILIARES,
GARRAFAS, FRUTAS, RETRATOS.
NÃO HÁ UM COMPROMISSO COM
A REPRESENTAÇÃO NATURAL DA
Bottle and a wine glass on the
table (garrafa e um copo de
vinho em cima da mesa),
REALIDADE. A IMAGEM PASSA A
1912, Pablo Picasso.
FALAR POR SI MESMA.
Arte moderna: Imagem e Texto

Cubismo as imagens e as
palavras

O ESPAÇO FRAGMENTADO FAZ


COM QUE APENAS
IDENTIFICAMOS ALGUNS
ASPECTOS DO MUNDO
VISÍVEL. Candlestick and Playing Cards on
a Table (Castiçal e Baralho em
uma tabela) de 1910, Georges
Braque
Arte moderna: Imagem e Texto

Cubismo as imagens e as palavras

AS PALAVRAS SURGEM NESTE


ESPAÇO EM PEDAÇOS DE JORNAIS,
RECORTES PARTITURAS DE
MUSICAS, CONTENDO UM PESO
COMPOSITIVO, DESEMPENHAM
PAPEL ATIVO NA CONSTRUÇÃO DA
Still life with a bottle of rum IMAGEM FINAL.
(Ainda vida com uma garrafa de
rum) , de 1911, Pablo Picasso.
Arte moderna: Imagem e Texto

Cubismo as imagens e as palavras

A PALAVRA É ANÁLOGA AO
DESENHO, CONSISTE EM
ELEMENTO GRÁFICO QUE TEM
INTERESSE PLÁSTICO E NÃO AO
CONTEÚDO.

Still Life with a Pair of Banderillas (Ainda


vida com um par de bandarilhas),
Summer 1911, Georges Braque.
Arte moderna: Imagem e Texto
Cubismo as imagens e as palavras

O TÍTULO DOS TRABALHOS TÊM


UMA NOVA FUNÇÃO,
RELACIONADA A DECIFRAÇÃO DO
SIGNIFICADO DA IMAGEM, ISTO É,
INDICADOR DA NOSSA
PERCEPÇÃO, POR MEIO DO TÍTULO
Man with a hat and a violin
(homem com um chapéu e
BUSCAMOS PROJETAR
um violino) 1912, Pablo
Picasso (Spanish, 1881-
1973).
MENTALMENTE O QUE ELE
SUGERE.
Table on a café Terrace Tabela
Violin and a playing cards (violino
em um terraço do café, 1915,
e um jogo de cartas), 1913, Juan
Diego Rivera, (Mexican, 1886-
Gris (Spanish, 1887-1927).
1915)
Arte moderna: Imagem e Texto
Cubismo as imagens e as palavras

AS IMAGENS NÃO REMETEM MAIS


UMA RETÓRICA PARA SEREM
DECIFRADAS, NÃO SERVEM
SOMENTE PARA ILUSTRAR UMA
HISTÓRIA.

Table by a window(Tabela por


uma janela), 1917, Jean
Metzinger (french, 1883-1956)
CRÍTICA A
AUTONOMIA DA
IMAGEM/ARTE
CONCEITUAL
Arte moderna: Imagem e Texto
Marcel Duchamp (1887–1968)

QUESTIONA A ABSTRAÇÃO DA
PINTURA BASEADA
SIMPLESMENTE NAS SENSAÇÕES
VISUAIS. COMPREENDE QUE
NOSSA PERCEPÇÃO PRESSUPÕE
UMA ARTICULAÇÃO COM A
LINGUAGEM.
Nu descendo a escada. 1912.
Marcel Duchamp
Arte moderna: Imagem e Texto
Marcel Duchamp (1887–1968)

A ARTE EXISTE NO INTERIOR DE


UMA LINGUAGEM, SE CONSTITUI
PERANTE UMA LINGUAGEM E UM
PENSAMENTO VISUAL, TODA
PINTURA EXPLICITA ESQUEMAS
CONCEITUAIS QUE MOLDAM
NOSSO OLHAR.
Arte moderna: Imagem e Texto
Marcel Duchamp (1887–1968)

DUCHAMP IDENTIFICOU A
ARTICULAÇÃO ESSENCIAL ENTRE A
IMAGEM E A PALAVRA.
PRECURSOR DA TENDÊNCIA
ARTÍSTICA EM JOGAR COM O
TEXTO E A IMAGEM.
A noiva despida por seus celibatários,
mesmo (O grande vidro), 1915-1923
Marcel Duchamp , Óleo, verniz, folha
de chumbo, fio de chumbo, e poeira
em dois painéis de vidro, 109 1/4 x 69
1/4 polegadas (277,5 x 175,9
centímetros)
Arte moderna: Imagem e Texto
Marcel Duchamp (1887–1968)

A NOIVA OCUPA O PAINEL


SUPERIOR, ENQUANTO SEUS
CELIBATÁRIOS ESTÃO PRESOS NO
PAINEL DE VIDRO INFERIOR.

A noiva despida por seus celibatários,


mesmo (O grande vidro), 1915-1923
Marcel Duchamp , Óleo, verniz, folha
de chumbo, fio de chumbo, e poeira
em dois painéis de vidro, 109 1/4 x 69
1/4 polegadas (277,5 x 175,9
centímetros)
Arte moderna: Imagem e Texto
Marcel Duchamp (1887–1968)

QUEBRA DE DUCHAMP COM OS


MÉTODOS TRADICIONAIS DE
PRODUÇÃO ARTÍSTICA, EVIDENTE.
NESTA OBRA, UM OBJETO QUE
PODE SER CARACTERIZADO TANTO
COMO PINTURA E ESCULTURA.
A noiva despida por seus celibatários,
mesmo (O grande vidro), 1915-1923
Marcel Duchamp , Óleo, verniz, folha
de chumbo, fio de chumbo, e poeira
em dois painéis de vidro, 109 1/4 x 69
1/4 polegadas (277,5 x 175,9
centímetros)
Arte moderna: Imagem e Texto
Marcel Duchamp (1887–1968)

DESAFIA UM MOTIVO SAGRADO


DA PINTURA TRADICIONAL, O NU,
REELABORA ESTE TEMA EM UMA
ABORDAGEM MECANICISTA DO
CORPO FEMININO.
A noiva despida por seus celibatários,
mesmo (O grande vidro), 1915-1923
Marcel Duchamp , Óleo, verniz, folha
de chumbo, fio de chumbo, e poeira
em dois painéis de vidro, 109 1/4 x 69
1/4 polegadas (277,5 x 175,9
centímetros)
Arte moderna: Imagem e Texto
Marcel Duchamp (1887–1968)

A REPRESENTAÇÃO DO NU
FEMININO FOI REALIZADA EM
FORMAS SUCESSIVAS DE
MOVIMENTO, A PARTIR DA
FRATURA DO CORPO E A
DENSIDADE DAS FORMAS
MECANICISTAS, CONTENDO
INFLUÊNCIAS DO MOVIMENTO
FUTURISTA.
Arte moderna: Imagem e Texto
Marcel Duchamp (1887–1968)

A HIERARQUIA ENTRE
REPRESENTAÇÃO PLÁSTICA E
LINGUÍSTICA É ROMPIDA QUANDO
AMBAS PASSAM A OCUPAR O
MESMO CAMPO VISUAL,
CONTENDO UMA JUSTAPOSIÇÃO
A noiva despida por seus celibatários,
ENTRE FIGURAS E SIGNOS.
mesmo (O grande vidro), 1915-1923
Marcel Duchamp, A caixa Verde.
René Magritte, 1928-29,
63.5 cm x 93.98 cm.
PERÍODO PÓS DÉCADA
DE 1940: A ARTE PODE
SER REPRODUZIDA
INFINITAMENTE.

O QUE A DIFERENCIA?

Jasper Johns, False


Start, 1959, óleo
sobre tela.
SUA CAPACIDADE DE
IMPRIMIR ALGO A MAIS
À REPRESENTAÇÃO.

SUA DIMENSÃO
SIMBÓLICA.

Jasper Johns,
0 to 9, 1961,
óleo sobre
tela.
SURGE DE UMA SOCIEDADE
SATURADA DE IMAGENS,
ONDE A AUTONOMIA DA
OBRA DE ARTE SE TORNA
CADA VEZ MAIS
PROBLEMÁTICA, BEM COMO
A ESPECIFICIDADE DOS
MEIOS – PINTURA,
Jasper Johns,
ESCULTURA, ETC..
Land’s End,
1963, óleo
sobre tela.
AMBIGUIDADE
SEMÂNTICA E VISUAL, EM
SUA OBRA FALSE START
JOGA COM A PERCEPÇÃO
DAS CORES, SINALIZANDO
A COR TANTO PELA
PLÁSTICA COMO PELA
LINGUAGEM.

Jasper Johns, False


Start, 1959, óleo
sobre tela.
FENÔMENO VISUAL É
CONCEBIDO TANTO PELO
USO DA LINGUAGEM, NA
COMPREENSÃO DA
PALAVRA “VERMELHO”
COMO PELO FENÔMENO
CROMÁTICO (PERCEPÇÃO
VISUAL).

Jasper Johns, False


Start, 1959, óleo
sobre tela.
A ESCOLHA DE JOHNS: O
USO DA TÉCNICA
ENCÁUSTICA, A MISTURA
DE PIGMENTOS COM CERA;
INTENCIONALIDADE DE
RESSALTAR OPACIDADE
ENTRE IMAGENS E
CÓDIGOS.
Jasper Johns,
Alvo com
quatro faces,
1955,
encáustica.
CONCEPÇÃO POÉTICA

Jasper Johns,
Green target,
1955, encáustica.
[...] a poesia é mais filosófica que o saber
histórico.[...] este não faz mais do que
contar como as coisas aconteceram no
passado, a poesia nos conta como as
coisas podem acontecer em todo o
tempo. (Giannotti cita Aristóteles, 2003).
Paul Valéry (1871-1945)

Identifica que: a poética se distingue da


história justamente por seu caráter
utópico, projetivo;
Reintroduziu a palavra Poética como meio
de apresentar uma nova forma de
reflexão sobre um saber prático;
Contrapõe com a Estética.
Estética:

Surge como disciplina filosófica no século XVIII com


Baumgarten, se desenvolveu no âmbito do pensamento
puro (idealizado/ contrapõe o saber prático).
Poética
Visa a reflexão sobre a produção de uma obra,
enquanto a estética empenha reflexões filosóficas
sobre o ato de contemplar obras já feitas.
Poética meio de expressar o percurso do artista, que em uma
desordem vai em direção a uma ordem.
Discurso aqui é visto como um meio para visar uma ação.
Estudo compositivo/ análise das técnicas, procedim
instrumentos materiais/ meios e suportes para a ação.
A escolha de determinados materiais revela a postura do a
em relação ao mundo.
POÉTICA

Forma de criar por meio da escrita uma linguagem


específica capaz de descrever o embate do artista
com sua obra.

A obra quando se resume em conceito, torna-se um m


suporte de ideias?
Conceito, aparência e condições materiais?
“Manual de Pintura e Caligrafia”

Muitas vezes não dizemos mais do que palavras, e esse é o


grande risco quando falamos de arte. É também grande risco
quando falamos de tudo. Sócrates, a arte, compreender este
mundo e a vida que fazemos nele, juntar a pedra com a pedra, a
cor com a cor. A palavra recuperada com a recuperação da
palavra, acrescentar o mais que falta para continuarmos a
organizar o sentido das coisas, não necessariamente para
completar esse sentido, mas para ajustar, unir a biela ao
excêntrico, a mão ao punho, e tudo ao cérebro.

José Saramago
Exercícios segundos
• Escolher intencionalmente uma obra sobre a mesa e descobrir de quem é.
• Ter uma conversa sobre a fruição da mesma
• Elencar situações empáticas sobre a convergência das escolhas
Exercícios terceiros
• Imaginar um objeto cativo, especial para vc.
• Crie (mentalmente) as circunstâncias da apresentação do mesmo na
sua vida.
• Relate sobre estas circunstâncias com a sua dupla sem dizer o objeto
• O/a parceiro/a pode gravar a fala do relator
• Este último deve fazer uma obra que apresente este objeto, comece
desenhando-o

Você também pode gostar