Você está na página 1de 13

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO

SECREATRIA MUNICIPAL DE COORDENADORIA DAS SUBPREFEITURAS


SUBPREFEITURA DE PERUS
COORDENADORIA DE INFRA-ESTRUTURA URBANA E OBRAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA EXECUÇÃO DOS SERVIÇOS DE INSTALAÇÕES


ELÉTRICAS PARA REFORMA E CONCLUSÃO DA AMPLIAÇÃO DA SEDE DA SP- Perus

1. OBJETIVO

O presente caderno de especificações técnicas destina-se a descrever os serviços para execução das
instalações elétricas e de telecomunicações (lógica e telefonia) da Reforma e conclusão da Ampliação
da sede da SP- Perus, serviços esses que deverão ser executados em conformidade com as normas da
A.B.N.T., normas e procedimentos da PMSP , e demais eventualmente pertinentes.

2. NORMAS

O projeto básico de instalações elétricas foi elaborado tendo em vista as normas da A.B.N.T e outras
conforme segue .:

• NBR-5410 – Instalações Elétricas em Baixa Tensão.


• NBR-5413 – Iluminamento de Interiores.
• NBR-5419 – Sistema de Proteção contra Descargas Atmosféricas
• L.I.G. 2000 – Livro de Instruções Gerais da Eletropaulo
• Normas da Telefonica S/A
• Normas ANSI/TIA/EIA-568 A e Boletim TSB-36

3. RELAÇÃO DE DOCUMENTOS TÉCNICOS ELABORADOS

EE – 01/04 RAMAIS ALIMENTADORES


EE – 02/04 ILUMINAÇÃO E TOMADAS DE USO GERAL
EE – 03/04 REDE DE TELECOMUNICAÇÕES
EE – 04/04 REDE DE TOMADAS (micros e impressoras)

4. GENERALIDADES

4.1.GARANTIA E RESPONSABILIDADE

A empresa contratada deverá fornecer, a fiscalização da Sub-Prefeitura de Perus, cópia da via original
autenticada da ART (Anotação de Responsabilidade Técnica) relativa à execução dos serviços aqui
propostos, recolhida pelo engenheiro Eletricista responsável, com base no valor global do contrato.

Para execução das instalações deverão ser atendidas todas as exigências do presente
memorial e Normas da A.B.N.T..

As exigências aqui formuladas, são as mínimas que devem reger a cada caso, devendo prevalecer
as Normas da A.B.N.T., e dos fabricantes dos equipamentos, onde se fizerem necessárias e em
conformidade com o presente memorial.

As eventuais modificações no projeto, ou substituições dos materiais especificados, poderão ser


aceitas desde que solicitadas por escrito e estarem muito bem embasadas e sua aprovação
dependerá de análise por parte da fiscalização.

Mesmo que não conste no projeto e respectivo memorial descritivo, entende-se como incluído no
orçamento da contratada, todos os materiais, mão de obra, encargos trabalhistas, taxas,
PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO
SECREATRIA MUNICIPAL DE COORDENADORIA DAS SUBPREFEITURAS
SUBPREFEITURA DE PERUS
COORDENADORIA DE INFRA-ESTRUTURA URBANA E OBRAS

emolumentos, etc. para a completa execução dos serviços projetados, assim como rigorosa
obediência as prescrições das Normas Técnicas cabíveis, bom acabamento técnico e em pleno e
perfeito funcionamento.

Após o término dos serviços em questão a contratada deverá fornecer à contratante o “AS BUILT” em
forma de projeto executivo, os mesmos deverão ser executados em software autocad, nos formatos
A0 ou “A1” na escala de 1:100 e detalhes na escala de 1:10 em arquivos de extensão “DWG”
compatível com as versões Release 13 ou 14, gravados em disquetes 3.1/2” 2HD e um jogo de
cópias plotadas em papel.

Todos os serviços contratados só serão recebidos pela contratante, após devidamente testados por
um técnico ou engenheiro da contratada na presença da fiscalização da PMSP.

Compete à empresa contratada garantir e responsabilizar-se pela perfeita execução dos serviços em
tela (projeto básico) e o presente memorial nos termos da legislação em vigor, obrigando-se a
substituir ou refazer, sem ônus para a contratante, qualquer serviço ou substituir material que não
esteja de acordo com as condições estabelecidas no presente memorial, bem como não executados a
contento e no prazo determinado pela contratante.

Responder, ressalvadas as hipóteses legais de caso fortuito ou de força maior, por todo e qualquer
prejuízo que, em decorrência da execução deste objeto, for causado aos imóveis, mobiliários,
equipamentos e demais pertences da contratante, ficando certo que os prejuízos eventualmente
causados serão ressarcidos a Sub Prefeitura de Perus.

4.2.EQUIPAMENTOS DE SEGURANÇA

É de inteira responsabilidade da empresa contratada a observação e adoção dos equipamentos de


segurança que se fizerem necessários, conforme normas vigentes, visando não permitir a ocorrência
de danos físicos e materiais, não só com relação aos seus funcionários, como também, com relação
aos usuários em geral do edifício.

A contratada será responsável pela manutenção e pela preservação das condições de segurança da
obra, estando obrigada a cumprir as exigências legais determinadas pela administração pública e,
em particular, pelas normas de segurança do trabalho nas atividades da construção civil.

A contratada deverá fornecer, entre outros, os seguintes elementos de proteção individual, de uso
obrigatório pelos empregados: capacetes de segurança, botas de borracha e sapatos apropriados,
máscaras para trabalho de pintura, máscaras e óculos de segurança para solda, luvas de lonas
plastificadas ou de neoprene para o manuseio de solventes, impermeabilizantes e outros materiais
corrosivos, luvas de borracha para trabalho em circuitos e equipamentos elétricos, cintos de
segurança, etc.

4.3.MATERIAIS

Todos os materiais a serem utilizados serão novos, de primeira qualidade, resistentes e adequados à
finalidade que se destinam. Deverão obedecer às especificações do presente memorial, as normas da
ABNT, no que couber, e na falta destas, ter suas características reconhecidas em certificados ou

2
PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO
SECREATRIA MUNICIPAL DE COORDENADORIA DAS SUBPREFEITURAS
SUBPREFEITURA DE PERUS
COORDENADORIA DE INFRA-ESTRUTURA URBANA E OBRAS

laudos emitidos por laboratórios tecnológicos idôneos.

A empresa contratada deverá, antes da efetiva compra e instalação, apresentar para a fiscalização
da Sub-Prefeitura de Perus, os catálogos técnicos de todos os materiais que serão utilizados na obra.

NOTA : Caso a contratada utilize materiais cuja qualidade seja duvidosa (marcas desconhecidas no
mercado para o tipo de material específicado), caberá à mesma comprovar, através de testes,
estarem os mesmos de acordo com as normas técnicas, inclusive no que se refere a qualidade,
ficando as respectivas despesas por conta da contratada, se solicitado pela fiscalização da
contratante.

4.4.SERVIÇOS IRREGULARES

A fiscalização da SP-Perus, poderá mandar reparar, corrigir, remover, demolir, reconstituir ou


substituir no total ou em parte, qualquer serviço que não esteja de acordo com as condições deste
memorial e projeto, obrigando-se a contratada a iniciar o cumprimento das exigências do mesmo,
dentro do prazo por este determinado, ficando as respectivas despesas por suas expensas.

4.5.ALTERAÇÃO DE SERVIÇOS

Se, por algum motivo, houver necessidade de alteração das obras, serviços e/ou especificações do
projeto básico, a contratada deverá justificar tal alteração, cabendo a aprovação ou decisão final a
fiscalização da SP-Perus.

NOTA : Se a contratada deixar de comunicar previamente as ocorrências que, eventualmente


venham a comprometer em todo ou em parte, a qualidade da obra ou serviço, considerar-se-á que os
mesmos foram executados de forma irregular e, portanto, será exigida a correção, reconstrução e/ou
substituição desses serviços, sem qualquer ônus à PMSP.

4.6.REMANEJAMENTO / LIMPEZA

Todos os remanejamentos que se fizerem necessários durante a obra, correrão por conta da
contratada, bem como toda e qualquer proteção física dos mesmos.

A obra deverá ser mantida sempre limpa e desimpedida dos entulhos resultantes dos serviços,
durante a execução dos respectivos serviços, devendo ser previsto a instalação de tapumes e/ou
outros dispositivos de proteção que se fizerem necessários à proteção da própria obra e transeuntes/
funcionários da PMSP que continuarão circulando pela área de execução dos serviços.

4.7.FISCALIZAÇÃO

Entende-se por fiscalização o funcionário da Sub-Prefeitura de Perus, especialmente designado(s)


para acompanhamento e administração da obra.

3
PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO
SECREATRIA MUNICIPAL DE COORDENADORIA DAS SUBPREFEITURAS
SUBPREFEITURA DE PERUS
COORDENADORIA DE INFRA-ESTRUTURA URBANA E OBRAS

4.8.ENCARGOS E EMOLUMENTOS

Caberá a contratada encarregar-se dos procedimentos legais e respectivas despesas, tais como:
extrair licença para obra, suas prorrogações, pagamento de taxas e emolumentos, etc. que incidirem
sobre a obra.

NOTA : O acompanhamento dos serviços exercido no interesse exclusivo da Sub Prefeitura de Perus,
não exclui e nem reduz a responsabilidade da contratada, inclusive perante a terceiros por qualquer
irregularidade e na sua ocorrência não implica em co-responsabilidade da Sub-Prefeitura de Perus.

4.9.PLACA

Será fornecida e instalada pela empresa contratada placa de execução dos erviços, a ser afixada na
frente do local, de acordo com modelo padrão a ser fornecido pela fiscalização da SP-Perus.

1. SERVIÇOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

1.1.ENTRADA DE ENERGIA

Deverá ser executada nova entrada de energia com caixa Tipo M e T, poste, aterramento, chaves,
cabos, aterramento e respectivos acessórios.

1.2.RAMAIS ALIMENTADORES

Serão executados os seguintes ramais alimentadores:


• Da entrada de Energia ao QGBT (Quadro Geral de Baixa Tensão);
• Do QGBT (Quadro Geral de Baixa Tensão) ao Q.L.T. - 0 1;
• Do QGBT (Quadro Geral de Baixa Tensão) ao Q.L.T. – 0 2;
• Do QGBT (Quadro Geral de Baixa Tensão) ao Q.L.T. - 0 3;
• Do QGBT (Quadro Geral de Baixa Tensão) ao Q.L.T. – 0 4;

1.3.QUADROS DE DISTRIBUIÇÃO

Deverão ser instalados os seguintes quadros :

QGBT (Quadro Geral de Baixa Tensão)


• Quadro de Sobrepor
• Aplicação – distribuição geral de força

QLT - 01
• Quadro de Embutir
• Aplicação – distribuição de luz e tomadas

QLT - 02
• Quadro de Embutir

4
PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO
SECREATRIA MUNICIPAL DE COORDENADORIA DAS SUBPREFEITURAS
SUBPREFEITURA DE PERUS
COORDENADORIA DE INFRA-ESTRUTURA URBANA E OBRAS

• Aplicação – distribuição de luz e tomadas

QLT - 03
• Quadro de Embutir
• Aplicação – distribuição de luz e tomadas

QLT - 04
• Quadro de Embutir
• Aplicação – distribuição de luz e tomadas

9.1.DISTRIBUIÇÃO DE ILUMINAÇÃO

Para iluminação interna da unidade, serão utilizadas as seguintes luminárias:

• Luminárias com lâmpadas fluorescentes 2x40W, reator de alto fator de potência 220V,
sendo do tipo embutir no forro;
• Luminária fluorescente com duas lâmpadas 2 x 20 W, com vidro para embutir em forro;
• Luminária incandescente 1 x 60W de sobrepor.

Para a iluminação de emergência serão utilizados blocos autônomos, distribuídos estrategicamente


no prédio.

9.2.INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PARA A REDE DE MICROS E IMPRESSORAS

Foram projetados QUATROS Quadros de Força.


Os circuitos para a rede de micros e impressoras são exclusivos.
Nas áreas 1, 2 e 3 serão instalados rodapés metálicos 3 vias com tampa de pressão para alojar os
cabos de lógica, telefonia e elétrica. Serão instalados caixas para rodapé para as tomadas
quadradas com rabichos e tomadas de Lógica e Telefonia.

Tomadas
As tomadas para rede exclusiva deverão ser do tipo universal 2P+T, 250 V – 20A, quadradas com
rabicho para as áreas 1, 2 e 3 e para a Área 4 (Praça de atendimento) será redonda para a
instalação em Mobiliário.
Para as tomadas, utilizar caixas apropriadas para o rodapé de sobrepor.

Para as tomadas de parede da rede de uso comum, utilizar caixas de derivação em material
termoplástico 4x2” e 4x4”, com espelho em material termoplástico.

5
PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO
SECREATRIA MUNICIPAL DE COORDENADORIA DAS SUBPREFEITURAS
SUBPREFEITURA DE PERUS
COORDENADORIA DE INFRA-ESTRUTURA URBANA E OBRAS

5. REDE DE TELECOMUNICAÇÕES – DADOS E VOZ

REDE DE DADOS

A rede do novo Prédio será interligada ao prédio existente (Sala do Servidor) através de Fibra Óptica.
A tubulação de interligação será em PVC rígida embutida no piso com caixas de passagem conforme
projeto.
Na Área 3 será instalado um Rack padrão 19” de 44Us, que irá atender as três áreas:

Área 4 : Praça de atendimento = 17 pontos;


Área 3 : Administrativo = 48 pontos;
Área 2 : Administrativo = 31 pontos;

Do Rack padrão de 19” de 44Us, será executada a interligação com a área 1, que será em PVC rígida
embutida no piso com caixas de passagem e fibra óptica, conforme projeto.
Na Área 1 será instalado um Mini Rack padrão 19” de 6Us, que irá atender:

Área 1 : Administrativo = 24 pontos;

RACK METÁLICO – EQUIPAMENTOS ATIVOS

O Rack para acomodação dos equipamentos ativos de automação bancária será do padrão 19”, de
44 Us, completo, porta com visor em acrílico e chave, com todos os acessórios (kit de fixação, 3
bandejas fixas, ventilador duplo, 2 réguas com cinco tomadas elétricas cada, etc.).
Deverão ser providos de dispositivos para conexão do cabeamento horizontal (patch panel com
saída horizontal), bem como do kit para gerenciamento dos cabos (patch organizer), sendo um
patch organizer para cada patch panel instalado.

A distribuição horizontal dos cabos lógicos (dados) se fará à partir do patch panel, no interior do
Rack utilizando-se cabo UTP – 4 pares, categoria 5E, na cor azul.

Em todos os pontos de trabalho (dados), deverão ser previstas tomadas modulares 8 vias (tipo RJ45
fêmea), de forma a atender as necessidades do “layout”.
A conectorização das tomadas deverá obedecer à padronização norma EIA-TIA 568A.
Para rede estruturada, utilizar tomadas modulares 8 vias (tipo RJ45 fêmea) no na cor marfim,
inclusive as tomadas no patch panel.

Deverão ser fornecidos patch cords pré-testados, para a ligação das respectivas estações de
trabalho (comprimento 2,5 metros), com luvas de proteção (booth) e na cor cinza.

Prever fornecimento de patch cable pré-testados, para manobras entre o patch panel e
equipamentos ativos no interior do Rack, com comprimento de 1 a 1,5 metro, sem luvas de
proteção (booth) , sendo na cor cinza para dados e na cor amarela para voz.

Os equipamentos ativos, tais como HUB, switch, Roteador, Modem, Estabilizador/Short Break, serão
fornecidos pela sub prefeitura de Perus.

Todos os cabos par trançados (rede de dados) deverão ser certificados, sendo que o fornecimento
dos respectivos relatórios é condição para o recebimento dos serviços.

6
PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO
SECREATRIA MUNICIPAL DE COORDENADORIA DAS SUBPREFEITURAS
SUBPREFEITURA DE PERUS
COORDENADORIA DE INFRA-ESTRUTURA URBANA E OBRAS

REDE DE TELEFONIA - VOZ

A rede de Telefonia do novo Prédio será interligada a Sala do PABX existente.


A central de Telefonia existente atenderá ao Novo Prédio.
A interligação será através de cabos de telefonia tipo CTP APL 50 – 50 pares e 30 pares, alojados em
eletrodutos de PVC rígido e Terminando em caixas de Distribuição.
Para as áreas 3 e 4 serão instalados uma caixa de 60 x 60 x 12cm.
Para a área 2 será instalado uma caixa padrão Telebrás de 60 x 60 x 12cm.
Para a área 1 será instalado uma caixa padrão Telebrás de 40 x 40 x 12cm.
A distribuição da rede interna de Telefonia, será feita a partir das caixas de telefonia, instalados nas
áreas 1, 2, 3 e 4, com Blocos de telefonia tipo Engate rápido sem selante de 10 pares e para a
alimentação dos pontos serão instalados Cabos tipo CCI 2 pares, terminando em tomadas tipo RJ 11.

Para conectorização dos cabos CTP APL-50, utilizar blocos de engate rápido, montados em
bastidores de inox.

A distribuição horizontal dos cabos de telefonia (voz) se fará à partir do Quadro de Distribuição
utilizando-se cabo CCI – 2 pares, na cor cinza.

Em todos os pontos de trabalho (voz), deverão ser previstas tomadas modulares (tipo RJ11 fêmea),
de forma a atender as necessidades do “layout”.
A conectorização das tomadas deverá obedecer à padronização norma EIA-TIA 568A.

6. IDENTIFICAÇÃO

Todos os quadros (elétricos e telefonia), circuitos elétricos, cabos par trançado, cabos CTP APL-50 e
pontos de energia elétrica e rede estruturada, deverão ser identificados conforme os seguintes critérios:

Quadros (elétricos e telefonia)


Utilizar plaquetas em acrílico, fixados externamente na porta do quadro.

QGLF QUADRO GERAL DE LUZ E FORÇA

QLT - 01 QUADRO DE LUZ E TOMADAS – 01

QLT - 02 QUADRO DE LUZ E TOMADAS – 02

QLT - 03 QUADRO DE LUZ E TOMADAS – 03

QLT - 04 QUADRO DE LUZ E TOMADAS – 04

Circuitos elétricos (energia convencional e exclusiva)


Para identificação dos cabos (flexíveis), utilizar marcadores do tipo anilha em ambas as extremidades.

“n” nº do circuito elétrico – energia convencional e exclusiva

Para identificação dos circuitos no Quadro, utilizar etiqueta em vinil auto laminado fixados na máscara

7
PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO
SECREATRIA MUNICIPAL DE COORDENADORIA DAS SUBPREFEITURAS
SUBPREFEITURA DE PERUS
COORDENADORIA DE INFRA-ESTRUTURA URBANA E OBRAS

dos barramentos.

Para identificação das tomadas estabilizadas de piso e/ou parede, utilizar etiqueta em vinil auto
laminado, fixados nos espelhos de latão e/ou baquelite.

CE“n” circuito elétrico exclusivo, “n” nº do circuito

Rede estruturada – voz e dados


Para identificação dos cabos, utilizar marcadores do tipo anilha em ambas as extremidades.

“n” nº do cabo par trançado (rede estruturada)

Para identificação dos cabos no rack, utilizar etiqueta em vinil auto laminado, fixados na máscara do
patch panel.

Para identificação das tomadas voz e dados (rede estruturada) de piso e/ou parede, utilizar etiqueta em
vinil auto laminado, fixados nos espelhos de latão e/ou baquelite.

TM“n” ponto de telemática, “n” nº do cabo

Para identificação do cabo par trançado para LPCD, utilizar etiqueta em vinil auto laminado, fixados em
ambas extremidades do cabo.

LP cabo reservado para linha privativa de comunicação de dados (linha do modem)

7. ESPECIFICAÇÃO DE MATERIAIS

1.1.REDE ELÉTRICA

QUADROS DE DISTRIBUIÇÃO

Quadro de Distribuição Universal No Fuse DIN/UL Padrão Europeu com capacidade suficiente para
atender o projeto, do tipo sobrepor em chapa nº 16 USG, zincada a quente (galvanizada),
tratamento anti-corrosivo de banho químico (desengraxe e fosfatização à base de fosfato de ferro) e
pintura eletrostática epóxi a pó. Portas com ventilação permanente, trinco, placa de montagem
removível e espelho. Os barramentos deverão ser de cobre eletrolítico para 2 ou 3 Fases, Neutro e
Terra, pintados nas cores padrão da A.B.N.T. Grau de proteção IP-40. Os isoladores deverão seguir
as características exigidas pela A.B.N.T. para o nível de baixa e/ou média tensão.

DISJUNTORES

Monopolares, bipolares e tripolares, termomagnéticos do tipo modular, Norma I.E.C. 898, com
sistemas de proteção contra sobrecarga por elemento para disparo térmico e contra curto circuito
por bobina para disparo eletromagnético. Curva de disparo “C” , montagem sobre trilho DIN.

CABOS

Cabos de baixa tensão do tipo flexível, antichama, para tensões até 750 V - conforme NBR 6148.

8
PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO
SECREATRIA MUNICIPAL DE COORDENADORIA DAS SUBPREFEITURAS
SUBPREFEITURA DE PERUS
COORDENADORIA DE INFRA-ESTRUTURA URBANA E OBRAS

Condutor em fio de cobre nu, têmpera mole e encordoamento classe 5. Isolação em composto
termoplástico de PVC sem chumbo. Temperatura máxima de 70 0C para condutor em serviço
contínuo, de 100 0C para condutor em sobrecarga e de 160 0C par condutor em curto circuito.

TERMINAIS PARA CABOS


Terminais em latão ou bronze de pressão do tipo píno, ferradura ou olhal, conforme necessidade.

TOMADAS

Tomadas para uso geral (TUG): do tipo universal, 2P+T, 250 V – 15 A, material termoplástico, auto-
extinguivel (poliamida) na cor preta e contatos em latão.

Tomadas para rede estabilizada: do tipo pino chato, 2P+T, 250 V – 20 A, material termoplástico
auto-extinguível (poliamida) na cor vermelha e contatos em latão.

INTERRUPTORES

Interruptores (simples e bipolar simples) em policarbonato e plástico ABS, contatos em latão, 250 V -
16 A.

CAIXA DE PAREDES
Caixa de paredes em chapa galvanizada, padrão 4x4” .

CAIXA DE DERIVAÇÃO

Caixa de derivação (estampada) em material termoplástico, padrão 4x2” e 4x4”.

PLACAS

Para caixa de derivação (parede), em material plástico ABS ou baquelite, na cor branca.

1.2.ILUMINAÇÃO

LUMINÁRIAS FLUORESCENTES

Luminárias de com corpo em chapa de aço galvanizado, pintura eletrostática em pó poliéster epóxi
na cor branca, refletor em alumínio anodizado, aletas planas em chapa pintada na cor branca
(distância entre aletas 70 a 85mm.

 DIMENSÕES EMBUTIR: DIMENSÕES SOBREPOR:


comprimento 1240 a 1250mm comprimento 1314 a 1316mm
largura 290 a 310mm largura 290 a 310mm

REATORES

Utilizar reatores eletrônicos com partida rápida, alto fator de potência (≥ 0,99), distorção harmônica

9
PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO
SECREATRIA MUNICIPAL DE COORDENADORIA DAS SUBPREFEITURAS
SUBPREFEITURA DE PERUS
COORDENADORIA DE INFRA-ESTRUTURA URBANA E OBRAS

< 20%, fator de fluxo luminoso ≥ 1,00. A fiscalização poderá solicitar à contratada, relatórios oficiais
da USP/IEE e COPEL ou IMETRO e garantia de 3 anos em papel timbrado.

LÂMPADAS

Fluorescentes tubulares de 40 W.
Fluorescentes tubulares de 20 W.

BLOCO AUTÔNOMO

Com 02 lâmpada fluorescente compactas de 9W.


Acionamento: Automático, na falta de energia.
Recarga da bateria: Através de carregador/flutuador automático
Tensão alimentação: 110V ou 220V, 60Hz, selecionável por chave interna
Autonomia: 2horas
Material da caixa: Plástico alto impacto, injetado
Indicação “SAÍDA” (somente onde indicado no Projeto)

SOQUETES
Soquete do tipo anti-vibratório para lâmpadas fluorescentes

1.3.TELECOMUNICAÇÕES (Voz e Dados)

QUADROS DE DISTRIBUIÇÃO – CONCESSIONÁRIA E ASSINANTE

Caixa de Telefone – Padrão Telebrás em chapa de aço, com tampa em chapa de aço e pintura
eletrostática a pó, fecho triangular padrão, 1 volta em ferro modular e aço, com fundo em aço, fundo
madeira e espuma plástica nas venezianas. Aterramento com barra de cobre 1/8” x 3/8”.

BASTIDOR

Bastidor em aço inoxidável (para fixação em quadros de distribuição padrão Telebrás (profundidade
de 12cm), de dimensões de acordo com a quantidade de pares dos cabos (utilizados nas caixas de
distribuição) – instalados;

BLOCO DE ENGATE

Bloco de engate rápido tipo LSA-plus, em material termoplástico de alto impacto e resistente à
chama, resistência de contato 1 mΩ , resistência de isolação ≥ 5 x 104 MW. Contatos em liga de
cobre com revestimento superficial em prata com durabilidade > 30 anos. Índice de oxigenação ≥
27%. Temperatura de armazenagem -40º à 90ºC e temperatura operacional -20º à 80ºC.

Corte formado por dois elementos normalmente fechados, permitindo acesso aos dois lados do
circuito para manobras e teste.

PORTA ETIQUETA

10
PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO
SECREATRIA MUNICIPAL DE COORDENADORIA DAS SUBPREFEITURAS
SUBPREFEITURA DE PERUS
COORDENADORIA DE INFRA-ESTRUTURA URBANA E OBRAS

Porta etiqueta grupo para montagem em bastidores: É montado em um suporte de montagem tipo
bastidor para permitir identificação, cada suporte ocupa uma posição de bloco.

MÓDULO PORTA ETIQUETA

Módulo porta etiqueta basculante: de encaixe na face do bloco sobre os contato de terminação.

CAIXA DE PAREDE

Caixa de parede em chapa galvanizada, padrão 4x4” .

CAIXA DE DERIVAÇÃO

Caixa de derivação (estampada) em material termoplástico, padrão 4x2” e 4x4”.

PLACAS

Para caixa de derivação (parede), em material plástico ABS ou baquelite, na cor branca.

CABO PAR TRANÇADO

Os cabos lógicos serão do tipo par trançado em passos, não blindado (UTP), categoria 5, padrões
EIA/TIA 568A e Boletim TSB-36, capacidade para tráfego de redes locais Ethernet 10BaseT,
100BaseT, taxas de transmissão a 100Mbps (ou mais) para uma distância máxima de 100 metros,
composto de condutores de cobre sólidos 24AWG, capa externa em PVC na cor azul

PATCH PANEL

Patch Panel 24 posições, Categoria 5, para rack de 19” e profundidade máxima 10 cm, com contatos
do tipo IDC na parte traseira, compatível com cabos UTP e tomadas modulares 8 vias (RJ-45 fêmea)
na parte frontal.

ORGANIZADOR HORIZONTAL

Organizador horizontal de patch cords, manufaturado em material plástico de alto impacto e


resistente à chama.

PATCH CORD E PATCH CABLE

Patch cords pré-testados (manufaturado e testado pelo fabricante), para a ligação das respectivas
estações de trabalho (comprimento 2,5 metros), com luvas de proteção (booth) e na cor cinza.

Patch cable pré-testados (manufaturado e testado pelo fabricante), para manobras entre o patch
panel e equipamentos ativos no interior do Rack, com comprimento de 1,0 a 1,5 metro, sem luvas
de proteção (booth) , sendo na cor cinza para dados e na cor amarela para voz.

RACK PARA TELECOMUNICAÇÕES

Rack metálico com estrutura soldada formada por 04 colunas em chapa de aço bitola 18, 01 quadro
superior em chapa de aço bitola 14, 01 quadro inferior em chapa de aço bitola 14, pintura
eletrostática a pó na cor grafite RAL 8019. Fechamentos removíveis com teto, laterais e tampa
traseira em chapa de aço bitola 18. Venezianas laterais para ventilação. Pintura eletrostática a pó na

11
PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO
SECREATRIA MUNICIPAL DE COORDENADORIA DAS SUBPREFEITURAS
SUBPREFEITURA DE PERUS
COORDENADORIA DE INFRA-ESTRUTURA URBANA E OBRAS

cor grafite RAL 7032. Pés em alumínio fundido com sistema de nivelamento, pintados na cor grafite
RAL 8019. Gaveta de ventilação (teto ventilado) com 02 kits duplo de ventiladores com tensão de
ligação 127/220V, construído em chapa de aço bitola 20, com comando na parte frontal, pintados na
cor cinza RAL 7032. Porta em aço bitola 18, visor acrílico com fecho cremona, maçaneta “L” com
chave Yale, acabamentos na cor cinza RAL 7032. Calha de tomadas construída em chapa de aço
bitola 18 com 8 tomadas 2P+T (pino chato), acabamentos na cor cinza RAL 7032.

Dimensões do rack:

Largura: padrão 19”.


Altura: 44U’s E 6U´s
Profundidade: 570mm.
Kit de organizadores para cabos (horizontal e vertical)
03 Bandejas fixas para equipamentos.
Completo, com todos os acessórios para a devida montagem.

TOMADA MODULAR 8 VIAS (RJ-45 FÊMEA)


Tomada modular 8 vias do tipo RJ-45 fêmea, Categoria 5, com contatos IDC e tampa na parte
traseira, manufaturado com material termoplástico de alto impacto e retardante à chama
(temperaturas até 65 0C. Contatos dos conectores com banho de ouro ≥ 40 micro polegadas sobre
camada ≥ 80 micro polegadas de níquel, resistência a contato máxima de 23 mΩ . Suportar ciclo de
inserção ≥ 700 inserções.

TOMADA MODULAR RJ-11 FÊMEA


Tomada modular tipo RJ-41 fêmea, Categoria 3, com contatos IDC e tampa na parte traseira,
manufaturado com material termoplástico de alto impacto e retardante à chama (temperaturas até
65 0C. Contatos dos conectores com banho de ouro ≥ 40 micro polegadas sobre camada ≥ 80 micro
polegadas de níquel, resistência a contato máxima de 23 mΩ . Suportar ciclo de inserção ≥ 700
inserções.

8. SERVIÇOS (PROCEDIMENTOS)

As instalações devem ser executadas de acordo com as Normas A.B.N.T. (NBR 5410) e outras
aplicáveis no caso em questão.

Todas as peças, equipamentos, acessórios, etc., devem estar alinhados, nivelados, fixados,
com toda perfeição, oferecendo excelente aspecto visual e acabamento.

Todas as perdas, cortes, quebras, reposições de peças defeituosas, por qualquer motivo, correrão por
conta da contratada.

Emendas de fios devem ser feitas eletricamente perfeitas, colocadas dentro das caixas de derivação ou
passagem e convenientemente isoladas.

Em hipótese alguma poderão ser deixadas emendas dentro dos eletrodutos.

Todas as tubulações devem ser devidamente fixadas e ligadas às caixas de passagem de chapa de ferro
e quadros com buchas e arruelas galvanizadas

12
PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO
SECREATRIA MUNICIPAL DE COORDENADORIA DAS SUBPREFEITURAS
SUBPREFEITURA DE PERUS
COORDENADORIA DE INFRA-ESTRUTURA URBANA E OBRAS

As curvas devem ser pré-fabricadas a partir de Ø19mm exclusive.

Todas as rebarbas devem ser eliminadas.

Todas as instalações devem ser devidamente testadas a fim de que se verifique seu bom funcionamento.

Antes da colocação das tomadas deve ser feita medição de isolação. Os mínimos permitidos são os da
norma brasileira NBR-5410.

Antes da entrega final da instalação, deve ser verificado se existe equilíbrio de carga nas fases, fazendo-
se as correções necessárias.

A contratada deve fornecer todos os equipamentos e aparelhos para a execução de testes e


emitir um relatório técnico após cada teste, relatando todas as condições de funcionamento do mesmo.
Os testes serão considerados finalizados, somente após o recebimento e aprovação deste relatório pela
fiscalização

Todos os testes devem ser assistidos pela fiscalização, a qual, contará com o apoio necessário da
contratada para esta atividade.

Só será permitido o uso de talco industrial como lubrificante, na enfiação dos condutores.

Fixações em concreto e laje devem ser feitas com bucha de expansão em nylon, não serão permitidas
fixações como toco de madeira e terminantemente proibido quebrar o concreto e parede para esta
finalidade.

Nas medições de aterramento, caso não se atenda a resistência de 5 ohms, deverá se cravar tantas
hastes quantas forem necessárias para o devido atendimento.

Todas as tubulações, quando embutidos em parede ou piso ou aparentes sobre o forro, serão utilizados
eletrodutos de P.V.C. rígido roscável, de acordo com a norma NBR 6150 “classe A” e devem ser
adequadamente fixadas, de modo a constituírem um sistema de boa aparência e de firmeza suficiente
para suportar o peso dos cabos e os esforços no seu puxamento.

A contratada deverá executar a reconstituição de todo revestimento de laje e piso, na área onde for
efetuado o rasgo para instalação dos eletrodutos ou caixas.

A obra deverá ser entregue limpa e livre de todo o entulho, cabendo a firma executora dos mesmos a
retirada dos entulhos para fora da edificação.

13