Você está na página 1de 7

PDF 1

Muçulmanos da Rússia, tártaros do Volga e da Criméia, Quirguiz e Saris da Sibéria e do Turquestão,


turcos e tártaros da Transcaucásia, Cheohene e Povos da Montanha do Caucaeus, e todas as suas
mesquitas e casas de oração foram destruídas, cujas crenças e costumes foram pisoteados pelos czares e
pelos opressores da Rússia. Doravante, suas crenças e costumes, suas instituições nacionais e culturais
são sempre livres e invioláveis. Organize sua vida nacional em completa liberdade. Isso é seu direito. Eu /
Assim li em parte uma proclamação emitida em 7 de dezembro de 1917 pelos bolcheviques sobre as
assinaturas de Lênin e Stalin, dirigida a todos os trabalhadores muçulmanos da Rússia e do Oriente. "Os
bolcheviques perceberam que se a sua revolução fosse para ser um completo e se pudessem consolidar
seu poder recém-conquistado, era essencial o apoio dos povos minoritários de Pluellee, os povos,
incluindo os muçulmanos, por isso a proclamação foi reduzida.Também foram emitidos outros
pronunciamentos designados para o objetivo final. uma declaração anterior, também assinada por Lênin e
Stalin, emitida em 15 de novembro de 1917, declarara: O Conselho da Comissão do Povo decidira basear
suas atividades em relação às nacionalidades de Ronnie nos seguintes princípios: Igualdade e soberania
das nações de Ruesia - O direito das nações de libertar a autodeterminação, incluindo o direito de separar
e formar estados independentes 3. Abolição de todos os privilégios e restrições nacionais e nacionais-
religiosos qualquer que seja. Liberdade de desenvolvimento para as minorias nacionais e grupos
etnográficos que habitam o território da Rússia. Os povos muçulmanos da Rússia não tinham, na época,
como saber o quanto uma promessa bolchevique, ou seja, comunista, significava. As duas declarações,
portanto, a princípio despertaram grandes esperanças. Os súditos coloniais do Tear, cujas terras foram
incorporadas à força e mantidas como parte do Império Russo, desejavam fervorosamente a
independência nacional; e essas proclamações pareciam um convite aberto para que declarassem sua
liberdade do domínio russo e criassem seus próprios estados nacionais. O regime czarista, portanto,
aparecia como o principal inimigo dos muçulmanos e do Holahevike, de modo que os primeiros eram
facilmente persuadidos a cooperar com os últimos. Aprovado ForRelease1999 / 08/24: CIA-RDP78-
02771R000200090002-6

PDF 2

A desilusão foi rápida. Líderes muçulmanos foram inicialmente banqueteados e festejados pelos
bolcheviques; mas à medida que o poder do último crescia, eles logo mostraram que suas promessas
tinham sido apenas uma ma tática. Os recém-estabelecidos governos muçulmanos independentes eram
ruthneuver, menos reprimidos pelo Exército Vermelho e. Russo. regra re-imposta como os bolcheviques
esqueceram suas promessas de reconhecer o direito de autodeterminação. A história dos comunistas
durante os 40 anos em que estiveram no poder na União Soviética mostra que a autodeterminação não
tem sido o único assunto sobre o qual eles traíram suas promessas e sua suposta doutrina. Ao longo de
seus anos de poder, e especialmente desde a Primeira Guerra Mundial, em sua propaganda aos povos da
Ásia e da África, os comunistas se orgulharam de seu sucesso na solução do "problema das
nacionalidades". através da construção de um estado multi-nacional em que cada nacionalidade ou seja,
igual e tem plena oportunidade para um desenvolvimento cultural nacional livre. Um breve exame do
registro, contudo, Mo. que a oportunidade permitida para o desenvolvimento cultural nacional Ss limitou
severamente onde existe de fato e é, em todo caso, sem exceção, tão controlada e deformada a ponto de
não servir as necessidades e aspirações de os vários povos, mas apenas os interesses do Partido
Conmuniat e do grande chauvinismo russo. Deixe-nos, por exemplo, considerar a posição do Islã. Nas
regiões muçulmanas da Rússia, como em terras muçulmanas em toda a época, o Islã era a pedra de
sustentação em torno da qual a vida de seus devotos girava, ou melhor, se desenrolava até que os
comunistas violaram suas promessas e impossibilitaram que os muçulmanos cumprissem seus deveres
religiosos. . Como vimos, a proclamação de novembro de 1917 prometia aos muçulmanos que eles
estariam livres para continuar na prática de sua fé. Mesmo alguns anos antes da Revolução, em um
artigo intitulado Para os pobres rurais ,. Lênin escreveu: Todos devem ser perfeitamente livres não só
para pertencer a qualquer religião que lhe agrade, mas cada um ser livre para divulgar sua religião e
mudar sua religião. Nenhum funcionário deve ter o direito de perguntar a alguém sobre sua religião, é
uma questão para a consciência dessa pessoa e ninguém tem nenhum interesse em interferir. .3 / Um
decreto sobre a separação entre Igreja e Estado, emitido em 5 de fevereiro de 1918, declarou no Artigo 3
que "Todo cidadão pode professar e religião ou nenhum", no Artigo 5 que -. A prática livre de ritos
religiosos é garantida; e no Artigo 9 que "Os cidadãos podem ensinar e estudar a religião em particular".
A / Uma vez que os comunistas haviam consolidado seu poder, no entanto, eles começaram a revelar sua
verdadeira natureza, a violar seu Pre anterior e tomar atos repressivos. Terras pertencentes a mesquitas
foram confiscadas por um decreto em 1918. Irmandades religiosas muçulmanas foram banidas durante o
período de 1921 a 1922 e uma campanha foi lançada para ridicularizar o Islã e minar a influência dos
líderes espirituais dos VaiikeWPOiWeleaUTMOOttiteeth-ReMaW-O271kOMM2IXATAPP / a #
2

PDF 3

Aprovado para lançamento 1999/00/24: CIA48131.78-02771120002000900024


por Lênin antes da Revolução e garantido por lei imediatamente após a Revolução, mas logo o artigo 122
de um código criminal tornou-a obrigada a ministrar religião a crianças e menores, seja em público, seja
por punição de um ano, por trabalho corretivo. ou em particular. Em 1929, iniciou-se um ataque direto a
Salem, que incluía medidas que tornavam a vida religiosa ativa praticamente impossível. Liderança
islâmica foi eliminada pela prisão e deportação, se não liquidação, de quase todos os Pere .. desfrutando
de qualquer status religioso; quase todas as mesquitas da vila e da maioria das cidades estavam fechadas
(veja abaixo); a literatura religiosa era aumentada através da mudança de alfabetos, o confisco de textos
religiosos exorbitantes, incluindo o Alcorão, e a previsão de todas as publicações de natureza religiosa; e
qualquer um em uma posição de responsabilidade era dlemiseed se conhecido como um muçulmano
piedoso e praticante. Os muçulmanos deveriam ser livres para praticar suas crenças e era a promessa
bolchevique. Mas o islamismo não faz parte dessas crenças? Não é a parte mais vital e mais
profundamente apreciada da vida muçulmana? No entanto, os comunistas, no epicite de seu
compromisso, suprimiram o Islã de maneira rudimentar, por exemplo, a questão das mesquitas. Quando
os comunistas chegaram a Pacer, em 1917, havia apenas 7.000 mesquitas na Ruseia européia, além do
número incontável de muçulmanos na Ásia Central, no Cáucaso e Tranecaucasia, e na Crimeia. Mas em
1942 os próprios comunistas admitiram que havia apenas 1.312 mesquitas em toda a União Soviética. Os
outros tinham sido confiscados e convertidos em armazéns ou lojas ou de outra forma profanados ou
autorizados a cair em ruínas. No entanto, na proclamação de novembro de 1917, os bolcheviques haviam
condenado as Lágrimas por destruírem mesquitas e casas de oração e alimentado-se por apoio
muçulmano, para que tais ações pudessem ser levadas a um pulo Embora alguns mosquitos tenham sido
construídos no período do pós-guerra e alguns outros reparados, a situação é um pouco melhor do que
era em 1942, Em Tashkent, por exemplo, onde uma vez antes da chegada dos comunistas ao poder,
existem hoje apenas 20. A Samarkand, que antigamente tinha mais de 100, hoje tem apenas 17, dos
quais apenas um é permitido para ser usado. Bokhare, que uma vez se gabou de 360, também tem
apenas um hoje. Alma-Ata, uma cidade muçulmana para oenturiee e a capital da república muçulmana do
Cazaquistão, não tem uma única mesquita, nem pode ser encontrada em uma grande cidade muçulmana
como Krasnovodsk, Ashkabad ou Stalinabed.
A mesma história vale para os madras ... ou o eco religioso. Antes do regime comunista havia pelo menos
8.000. Os 103 madrasahs que antes eram o orgulho de Sok: descobre muçulmanos e que treinavam
16.000 mullahe não são mais. Hoje existe apenas um - o único, de fato, em toda a União Soviética - que
tem meros 105 estudantes que seguem um curso de nove anos. Aprovado para lançamento em
1999/08/24 CIA-RDP78-02771R0002000900024

PDF 4

Aprovado para lançamento em 1999/08/24 CIA-RDP78-02771R000200090002-6


Tal é a maneira pela qual os comunistas honram sua promessa de respeitar as crenças e costumes
muçulmanos, instituições muçulmanas nacionais e culturais: O mesmo destino que atingiu as mesquitas e
madrasa também tem sido o destino da Shariah, a Santa Lei do Islã. Isso também os comunistas
prometeram respeitar - mas nós sabemos o que significa uma promessa comunista. Falando ao povo
Dagheetani em Temir-Khan-Shura (hoje Buinakek) em 13 de novembro de 1920, Stalin declarou: Somos
informados de que a Sharia é de grande importância para os povos do Daguestão. Também somos
informados de que os inimigos do poder soviético estão espalhando rumores de que o regime soviético
proibiria a Shariah. Estou autorizado a declarar aqui, em nome do governo da RSFSR, que esses rumores
são mentiras. O governo da Rússia deixa a todo povo o pleno direito de se auto-administrar com base em
suas próprias leis e costumes. O governo soviético considera a sharia como lei consuetudinária da mesma
posição que a vigente entre os outros povos que vivem na Rússia. Se for o desejo do povo de Dagheetan,
suas leis e costumes serão preservados. 5 / Esta é uma afirmação muito segura, pois poderia haver um
olearer e mais compromisso obrigatório por parte dos comunistas em respeitar a Shariah? Infelizmente,
isso não significava nada, pois era apenas outro exemplo do fato de que os comunistas constantemente
dizem uma coisa e depois fazem outra. A verdade é que Stalin sabia que ele estava falando uma mentira,
sabia que os comunistas não tinham intenção de respeitar a Sharia, por apenas um mês antes, em um
artigo publicado na edição de 10 de outubro de 1920 do Pravda (que, claro, o Dagheetanie não tinha
visto nem tinha o conhecimento de Zny), ele declarara: se, por exemplo, as massas dos Daguestanis,
profundamente imbuídas de preconceitos religiosos, seguem os comunistas. Com base na Shariah, é
óbvio que a métodos diretos de combate aos pré-juízes religiosos neste país devem ser substituídos por
métodos indiretos e mais cautelosos. 6 /
Em outras palavras, a conveniência política exigia que os comunistas fizessem promessas agora e as
quebrassem mais tarde. Isso é exatamente o que os comunistas fizeram. O governo soviético por um
tempo permitiu que a Sharia continuasse em vigor. Em 1922, estabeleceu tribunais da sharia no
Turquestão e, mais tarde, em 1924-25, no curso da reforma agrária, recorreu a esses tribunais para obter
declarações favoráveis ​dos teólogos muçulmanos. Mas uma vez que eles cumpriram seu propósito, todas
as cortes Shariah foram abolidas, especialmente após o início da vigorosa campanha anti-islamismo em
1929. V Como colocou a edição de janeiro de 1950 do periódico soviético Leltilycoe Goeudarstvo Pravo,
preceitos stalinistas, quando realizada , rapidamente levou à elação das crenças religiosas e da Shariah
que se eliminaram e foram liquidadas.

PDF 5

Approved ForRelease1999108/24:CIA-RDP78-02771R000200090002.6 Stalin, in 1920, had praised the


Shariah ae Muslim customary law; but the Soviet Political Dictionary (1940) describes it as "a means
forkellaiii-M-Wrkers in economic and political subordina-tion by the rich. It legalizes domination,
exploitation and slavery of the workers, the enslavement of women," and states flatly that in the USSR,
now, the Shariah is eradicated.. Stalin, in 1920 praised the Shariah as Muslim customary law; but Kizil
Uzbekistan, on 29 May 1949, described it as "a collection-Fr-Sews which are among the most ignoble and
unjust in the world." Such is the manner in which Communists honor their promises, the may in which
they respect Muslim beliefs and customs, Muslim national and cultural institutions: The Communists have
not been content to close mosque, and madrasahs, suppress the Shariah, and liquidate Muslim religious
leaders; they even insult the Islamic faith itself and its Holy Prophet (God bless and keep him!). One
Communist writer, in setting forth the official party line, described Islam as a "primitive and fanatical
religion" which is a chaotic mixture of Christian, Jewish, and pagan doctrines.. 8/ And Bagirov, the
apostate First Secretary of the Azerbaidzhan Communist Party, in a speech printed in the 14 July 1950
issue of p2t1n0.0„ Rabotchi (Baku), called the Prophet Muhammad (May God b1M1-iiiid-rarEiri: "a
representative of the feudal-mercantile aristocracy of Mecca who utilized Islam for the unification of the
Arab tribes and for the maintenance of their own power.. Yet, despite these blasphemies against Islam
and Muhammad (May God bless and keep him:), the Communists are today trying to persuade the
Muslim peoples of Africa, Asia, and the Middle East that they have no better friends than the Communist.:

The Holy Qur'an makes incumbent upon every true believer the faithful observance of the five Pillars of
Islam; profession of the faith, prayer, alms giving, fasting, and pilgrimage. These all formed an integral
part of the beliefs and customs of the Muslim peoples of Russia--which the Communists promised to
respect. But today the Pillars are proscribed in the Soviet Union. Only the profession of the faith can be
made without hindrance; but even this must be done in secret unless the pious Muslim wishes to run the
risk of being subjected to pressure, economic or otherwise, on the part of the authorities. Prayer, too, is
im-possible for the same reason. In any case, the Muslim worker is not permitted to leave his work to
recite his prayers at the appointed times, and the communal Friday prayer is precluded by the Absence of
mosques and by the fact that the Kremlin has decreed that Muslims must observe Sunday rather that the
tradi-tional Muslim Friday as the weekly day of rest. The younger generation, having been deprived of
religious instruction, is further handicapped by its ignorance of the prayers. Fasting during the holy month
of Ramadan is almost impos-sible. A Muslim worker, if he should decide to defy the Communist ban on
fasting, is nevertheless forced to do a full day's work; WORWeneertelei%i
04titer249avolopmenroonstoocems2.6rk
5

PDF 6

Aprovado para lançamento 1999/08/24 CIAADP78-02771R0002000900024 norma é grave.


Consequentemente, o jejum tornou-se praticamente impossível fisicamente. Além disso, como forma de
impor a proibição, os muçulmanos são freqüentemente submetidos a testes durante o Ramadã. Por
exemplo, eles podem ser convocados para a conferência por seus superiores e lá ofereceram uma bebida
ou um cigarro. Recusar-se a aceitar equivale a uma admissão de jejum e pode levar à demissão, se não a
uma punição mais severa. Alm. dar, ou zakat, é rigorosamente proibido por lei. Os códigos criminais das
repúblicas usbeque, tadjique e turcomena, bem como os da RSFSS, também aplicados nas repúblicas
quirguiz e cazaque, prevêem sanções penais para a cobrança de tais dízimos religiosos. O quinto pilar, o
tal ou a peregrinação, foi banido pelos comunistas das terras do seu regime. Como resultado das
concessões de guerra, a proibição foi suspensa em 1944, apenas para ser re-imposta em 1947. Embora a
proibição tenha sido novamente levantada após a morte de Stalin, isso era mais em teoria do que na
prática, pois os únicos muçulmanos soviéticos haviam feito isso. a viagem a Meca tem sido comunistas
fiéis, cujo propósito é fazer com que os Dallis não cumpram primariamente qualquer dever religioso, mas
propagandalizem. O muçulmano soviético comum ainda é impedido de fazer a peregrinação. Tal é a
maneira pela qual os comunistas respeitam as crenças e costumes muçulmanos, as instituições
muçulmanas nacionais e culturais: Vamos agora considerar alguns outros aspectos da vida e da cultura
muçulmana na União Soviética. A VII Conferência de Toda a Rússia do Partido Operário Social-Democrata
da Rússia (o antigo nome do Partido Comunista da União Soviética) adotou em abril de 1917 uma
resolução que dizia, em parte: O Partido exige ampla autonomia regional, a abolição de uma linguagem
estatal obrigatória ... "9 / Isso fazia parte da campanha bolchevique para ganhar o apoio dos povos
minoritários da Rússia. Um povo .. a língua é sem dúvida a parte mais preciosa de sua cultura, e um povo
lutará tanto, se Não é mais difícil preservar essa herança do que conquistar a independência política. ”Os
bolcheviques sabiam disso: Stalin, de fato, em seu marxismo e na questão nacional, escrevera:
Uma minoria não está descontente porque é uma mera união nacional, mas porque não goza do direito
de usar sua língua nativa. Permitir que use sua língua nativa e o descontentamento passará por si
mesmo.
Uma vez que os bolcheviques consolidaram seu poder, entretanto, essa visão liberal da questão da
linguagem começou a mudar e o grande chauvinismo russo voltou a emergir. Lênin viu o perigo: e numa
carta escrita em 31 de dezembro de 1922, não destinada à publicação geral, ele advertiu que: necessário
estabelecer as regras mais estritas relativas a Utbrilwi4f06.fteaseits98,010) (3A-Rbpmstmowaymbis502.6

PDF 7

Aprovado para lançamento 1999108/24 CIA-RDP78-02771R000200090002-6


que entram na união e cumprem essas regras com especial cuidado. Não há dúvida de que, sob o
pretexto de unidade do serviço ferroviário, sob o pretexto de fiscal, unidade e assim por diante, com o
nosso aparato presente, uma massa de abusos de caráter genuinamente russo terá lugar. 12 / • Após a
morte de Lênin, a tendência que ele previa ganhou cada vez mais força à medida que os líderes
soviéticos se esqueceram de sua promessa inicial de não conceder direitos especiais a nenhum idioma. O
clímax veio em 13 de março de 1938, quando o Kremlin emitiu um decreto que tornava obrigatório o
ensino do russo em todas as escolas de minorias nacionais.
Hoje, o russo não é ensinado apenas em todas as escolas, mas também, através da força das pressões
políticas, econômicas e legais, se torna a linguagem de todos os negócios e da vida social em todas as
partes da União Soviética. Todo cidadão soviético, independentemente de sua origem nacional, é
obrigado a utilizá-lo para obter sucesso em sua carreira, seja qual for. O trabalho do curso em
universidades e outras instituições de ensino superior na URSS, mesmo aquelas localizadas em áreas
muçulmanas, é realizado em russo. Isso não apenas fortalece a posição privilegiada do russo, mas
também impede que muitos jovens de minorias obtenham educação avançada, já que seu treinamento na
língua russa tem sido tão ruim que eles não se qualificam. Como resultado, apenas uma pequena
porcentagem dos graduados de instituições educacionais em áreas muçulmanas é na verdade
muçulmana. Por exemplo, em março de 1947, o reitor da Universidade Estadual do Cazaquistão admitiu
que, desde a fundação da universidade em 1934, apenas 17% de todos os formados eram cazaques. Da
mesma forma que os 1.100 estudantes formados pela Universidade Estadual do Usbequistão em
Samarkand, de 1927 a 1947, apenas um pouco mais da metade era Aaiatics, o restante tendo sido russos
e outros descendentes de europeus. Exemplos paralelos também poderiam ser apresentados para todas
as outras áreas muçulmanas e suas instituições de ensino superior.
Não só os comunistas violaram sua promessa de não instituir uma linguagem estatal obrigatória, mas
também fizeram um esforço determinado para reverenciar as várias línguas minoritárias. Os escritores e
gramáticos comunistas estão tentando lentamente mudar a estrutura das línguas minoritárias para ajustá-
las ao máximo possível com o modelo russo; e quando novas palavras são necessárias em uma língua, os
comunistas não permitem que eles sejam formados a partir de raízes nativas, mas exigem que eles sejam
adaptados dos equivalentes russos. Ilustrativo disso é a declaração da imprensa russa, falando de uma
conferência linguística que se reuniu em Baku em janeiro de 1951: O dever dos lingüistas é. escreva
obras realmente científicas sobre a origem e a história da língua, fazendo com que elas mostrem
completamente a influência favorável da língua russa sobre ela e estabeleçam os elementos idênticos nas
duas línguas. A língua deve ser en-Approved.ElscRatwase4999 / 0844411A-
ROR79ONVIR0002000600024.1 /

PDF 8
Aprovado para lançamento em 1999/08/24 CIA-RDP78-02771R000200090002-6
assim como uma infinidade de obras de menor estatura. O fato é que os comunistas condenam e,
portanto, impedem a publicação de todas as obras literárias muçulmanas, exceto as poucas que exaltam
as virtudes da Rússia e dos russos. Tal é a maneira pela qual os comunistas respeitam as crenças e
costumes muçulmanos, as instituições muçulmanas nacionais e culturais: ou deixamos de lado a história,
que, juntamente com a religião, a língua e a literatura, constituem o cerne da herança cultural de um
povo. Aqui novamente os comunistas interferiram de maneira desavergonhada. Por exemplo, em 9 de
agosto de 1944, o Comitê Central do Partido Comunista, em Moscou, emitiu uma diretriz ordenando que
o Comitê Provincial Tártaro do partido "procedesse a uma revisão científica da história de Tartária, para
liquidar graves falhas e erros de caráter nacionalista cometido por escritores e historiadores individuais ao
lidar com a história tártara ". 12./ Em outras palavras, a história tártara deveria ser reescrita - sejamos
francos, devesse ser falsificada - a fim de eliminar referências a. Grandes agressões russas e esconder os
fatos do curso real das relações tártaro-russas. E este não foi um caso isolado. Em todas as áreas
muçulmanas da URSS, os historiadores, sob as ordens do Partido Comunista, reescreveram a história para
distorcer os fatos, de modo que os russos aparecessem sempre em boa luz. Escusado será dizer que as
histórias que apresentam os fatos de forma verdadeira foram retiradas e destruídas, de modo que as
gerações presentes e futuras dos muçulmanos são sempre negadas a chance de aprender os fatos
verdadeiros do passado de suas nações.
Tal é a maneira pela qual os comunistas respeitam as crenças e costumes muçulmanos, instituições
muçulmanas nacionais e culturais: O ressurgimento do grande chauvinismo russo, especialmente desde a
Segunda Guerra Mundial, também resultou em uma campanha para difamar os heróis históricos dos
vários povos muçulmanos. Por exemplo, em 1947, Kenesary Kasymov, o líder da resistência cazaque de
1837-1846 à agressão russa - e também o herói nacional dos kirghiz - foi aceito pelos comunistas como
um lutador pela libertação nacional. Mas, em junho de 1949, Vo roe IELail, em um artigo sobre a história
do Cazaquistão, declarou que a política do wKenSI4ry dirigida à criação de um Estado centralizado era
uma expressão de seus esforços usurpacionais para subordinar todos os outros detentores do poder a si
mesmo. O Pravda publicou um ataque virulento contra os erros dos historiadores Triglighetan e fez de
Kenesary e seu irmão como vilões negros. Os interesses comunistas, da Grande Rússia, exigiam que seu
nome fosse contornado, de modo que a história do Cazaquistão foi reescrita. desenvolvimento cultural!
"Ou tomar o caso de Shamyl, o grande herói da resistência caucasiana à agressão russa, que recebeu o
mesmo tratamento que o Kenesary. A Grande Escola Ensina Soviética em um Estado-Maior /
WHCOSATWIN * / §§001C14

PDF 9

Aprovado para lançamento em 1999/08/24 CIA-RDP78-02771R000200090002-6


assim como uma infinidade de obras de menor estatura. O fato é que os comunistas condenam e,
portanto, impedem a publicação de todas as obras literárias muçulmanas, exceto as poucas que exaltam
as virtudes da Rússia e dos russos. Tal é a maneira pela qual os comunistas respeitam as crenças e
costumes muçulmanos, as instituições muçulmanas nacionais e culturais: ou deixamos de lado a história,
que, juntamente com a religião, a língua e a literatura, constituem o cerne da herança cultural de um
povo. Aqui novamente os comunistas interferiram de maneira desavergonhada. Por exemplo, em 9 de
agosto de 1944, o Comitê Central do Partido Comunista, em Moscou, emitiu uma diretriz ordenando que
o Comitê Provincial Tártaro do partido "procedesse a uma revisão científica da história de Tartária, para
liquidar graves falhas e erros de caráter nacionalista cometido por escritores e historiadores individuais ao
lidar com a história tártara ". 12./ Em outras palavras, a história tártara deveria ser reescrita - sejamos
francos, devesse ser falsificada - a fim de eliminar referências a. Grandes agressões russas e esconder os
fatos do curso real das relações tártaro-russas. E este não foi um caso isolado. Em todas as áreas
muçulmanas da URSS, os historiadores, sob as ordens do Partido Comunista, reescreveram a história para
distorcer os fatos, de modo que os russos aparecessem sempre em boa luz. Escusado será dizer que as
histórias que apresentam os fatos de forma verdadeira foram retiradas e destruídas, de modo que as
gerações presentes e futuras dos muçulmanos são sempre negadas a chance de aprender os fatos
verdadeiros do passado de suas nações.
Tal é a maneira pela qual os comunistas respeitam as crenças e costumes muçulmanos, instituições
muçulmanas nacionais e culturais: O ressurgimento do grande chauvinismo russo, especialmente desde a
Segunda Guerra Mundial, também resultou em uma campanha para difamar os heróis históricos dos
vários povos muçulmanos. Por exemplo, em 1947, Kenesary Kasymov, o líder da resistência cazaque de
1837-1846 à agressão russa - e também o herói nacional dos kirghiz - foi aceito pelos comunistas como
um lutador pela libertação nacional. Mas, em junho de 1949, Vo roe IELail, em um artigo sobre a história
do Cazaquistão, declarou que a política do wKenSI4ry dirigida à criação de um Estado centralizado era
uma expressão de seus esforços usurpacionais para subordinar todos os outros detentores do poder a si
mesmo. O Pravda publicou um ataque virulento contra os erros dos historiadores Triglighetan e fez de
Kenesary e seu irmão como vilões negros. Os interesses comunistas, da Grande Rússia, exigiam que seu
nome fosse contornado, de modo que a história do Cazaquistão foi reescrita. desenvolvimento cultural!
"Ou tomar o caso de Shamyl, o grande herói da resistência caucasiana à agressão russa, que recebeu o
mesmo tratamento que o Kenesary. A Grande Escola Ensina Soviética em um Estado-Maior /
WHCOSATWIN * / §§001C14

PDF 10

Aprovado para lançamento em 1999/08/24: CIA-RDP78-02771 R000200090002-6


movimento de povos brancos da montanha, que foi dirigido contra a política colonial da Rússia czarista.
"Sua denigração começou em 1947 em uma conferência do Instituto Histórico da Academia de Ciências
da URSS, quando um orador denunciou o movimento de Shamyl como não tendo sido um para libertação
nacional, mas luta pela liberdade dos lobos, pela liberdade do atraso, da opressão, das trevas, do
asiático. " Outros membros da conferência não receberam bem o discurso e alguns até censuraram o
detrator de Shamyl; e nada mais foi ouvido sobre o assunto por três anos. Em março de 1950, Guseimov
recebeu um prêmio Stalin por seu livro História do século XIX, Pensamento social e filosófico no
Azerbaijão, no qual SEXY1 era POTTUTA = simpaticamente. Apenas dois meses depois, em maio, o
Prêmio foi rescindido e o Comitê do Prêmio administrou uma severa repreensão, declarando que a
avaliação de Shamyl por Gueeimov "basicamente distorce o significado do movimento, que era
reacionário e nacionalista, e estava no serviço do capitalismo britânico e do sultão turco ". Depois disso, a
história de outro povo minoritário foi reescrita para atender às necessidades do grande chau-vinismo
russo. E os comunistas chamam isso de "desenvolvimento cultural livre"! Talvez o melhor exemplo do
desprezo comunista pelos direitos dos povos minoritários da União Soviética e do vazio de seu
"desenvolvimento cultural livre" seja a liquidação em tempo de guerra de vários povos muçulmanos
inteiros: tártaros da Crimeia, tchetchenos, inguches, balkars. , Karachai, bem como o povo budista-
galego. É difícil conceber uma violação mais clara da promessa de permitir o "livre desenvolvimento
cultural", pois como pode haver uma cultura ou desenvolvimento cultural se um povo é liquidado ou
disperso em pequena parte em meio a outros povos? Como isso pode ser reconciliado com o
compromisso comunista, como contido na Proclamação de 1917, de respeitar as crenças e costumes
muçulmanos, instituições muçulmanas nacionais e culturais? Stalin e seus companheiros tentaram na
época justificar esse genocídio com base na necessidade militar, mas a seguinte declaração mostra a
falsidade dessa afirmação:
Ainda mais monstruosos são os atos cujo iniciador foi Stalin e que são violações grosseiras dos princípios
leninistas básicos da política de nacionalidade do Estado soviético. Referimo-nos às deportações em
massa de seus lugares nativos de nações inteiras ...; essa ação de deportação não foi ditada por
nenhuma necessidade militar. Assim, já no final de 1943 ... uma decisão foi tomada e executada sobre a
deportação de todos os Karachai das terras em que viviam. No mesmo período, no final de dezembro de
1943, o mesmo lote ocorreu a toda a população da República Autônoma de Kalmyk. Em março de 1944,
todos os povos chechenos e inguches foram deportados e a República Autônoma da Chechênia-Ingúchia
foi liquidada. Em abril de 1944, todos os Balkars
IttlitePualtilikitittMeItrommilAztAMbog0002.6

PDF 11

Aprovado para lançamento em 1999/08/24 CIA-RDP78-02771R000200090002-6


muitos de e não havia lugar para deportar
Esta afirmação deixa clara a flagrante violação dos direitos das minorias nacionais pelo Kremlin, E não é
apenas uma declaração de propaganda escrita por algum anticomunista ocidental, mas veio da boca de
Nikita Krushchev, atual chefe do Partido Comunista, durante seu discurso no congresso do partido em 25
de fevereiro de 1956. Ele alegou que tudo se devia a Stalin; mas o fato é que, se os mestres do Kremlin
tivessem o poder de violar os direitos das minorias uma vez de maneira tão brutal, eles poderiam fazê-lo
novamente sempre que assim o desejassem. É simplesmente mais uma ilustração da falta de sentido do
comunismo que se vangloria de "desenvolvimento cultural livre". Em seu famoso ensaio Marxismo e a
questão nacional, escrita em 1913 antes da Comissão, Stálin escreveu:
.. apenas a própria nação tem o direito de determinar o seu destino. ... ninguém tem o direito de
interferir na vida da nação, destruir suas escolas e outras instituições, violar seus hábitos e costumes,
cultivar sua língua ou restringir seus direitos. E em "Contra-Revolução e os Povos da Rússia", um artigo
publicado em 13 de agosto de 1917, Stálin escreveu: Mas ninguém tem o direito de interferir na vida
interna de uma nação e pela força .correto. seus erros. As nações são soberanas em questões da vida
interna e têm o direito de administrar a si mesmas de acordo com seus próprios desejos.
O registro de 40 anos de governo comunista, no entanto, mostra que cada um desses princípios.
professos pelos comunistas antes que eles conquistassem o poder foram sistematicamente e
constantemente violados. O Kremlin interferiu com força na vida das várias nações minoritárias de
maneira inadequada; as escolas da carta e outras instituições, por exemplo, mesquitas e madraeahs,
foram destruídas; suas línguas foram reprimidas ou pelo menos mudadas e corrompidas; seus direitos
foram reduzidos; e seu direito de se governar de acordo com seus próprios desejos foi infringido. Essas
declarações são especialmente verdadeiras para os povos muçulmanos da União Soviética. Uma vez que
eles foram sujeitos povos coloniais da Rússia czarista, hoje eles estão sujeitos povos coloniais da Rússia
soviética. A única diferença é que, sob o domínio czarista, eles gozavam de autonomia cultural; enquanto
que hoje, apesar do orgulho comunista de "desenvolvimento cultural livre", permitia a todas as nações
dentro das fronteiras da URSS, a Arte. Preg.1818: PrIttn, fI4-01Mati * Ok§c§liboitore'r

PDF 12

Aprovado para lançamento 1999108124: CIA-RDP78-02771R000200090002-6


pelas necessidades do grande chauvinismo russo, isto é, estão sendo russizadas. Os outros povos
muçulmanos do mundo fariam bem em refletir sobre o destino de seus infelizes co-religiosos antes de
aceitarem a propaganda comunista que agora está sendo dirigida a eles. Pois pode haver pouca dúvida,
mas se os comunistas ganhassem o controle de suas terras, sofreriam o mesmo destino.
Aprovado para lançamento 1999108124: CIA-RDP78-02771R000200090002-6 12

PDF 13

Aprovado para lançamento em 1999/08/24 CIA-RDP78-02771 R000200090002-6


FONTES
1. I.V. Kluchnikov e A. Satanic (eds.), Mezhdunarodnaya politika noveishege vremeni v dop, ovoralch
notakh deklaratsialch (Moscou, 192b-M), / I, p. 947r.—
2. Alf ° Lalg Caroe, Emoção Soviética. O Tu ka da Ásia Central 3. V. Lenin, Selected Works (Nova York,
1943), II, p. 284. 4. Gamete Rabochego 1 Krestyanekogo Praviteletva, 23 de janeiro de 1918 [01d Sty 1J.
5. I.V. Stalin, Mo.cithenia (Mosoow, 1947), IV, p. 395-6. 6. 9ta11n, o marxismo e a questão nacional e
colonial 7. Ver Mustafa Chokaev, "Souvenirs is Turkestan", Promethee (Faris), (1938-39).
8. gipichzr.:nvoiogiviiHrtAteleat Civilization 9. Stalin, Marxismo e a Questão Nacional e Colonial p. 269. 10.
Ver Richard Pipes, A Formação da União Soviética: Comunismo e Natio71111171.71717777067177e7Fs.,
P. 93-77.-7411 texto também en Trotsky sky (Londres, 1947, p. 3b1-b3. 11. Citado em Caroe, aL cit., P.
156. 12. Walter Kolar., Rússia e suas Colônias (Nova Iorque, 1952), p. 39, citando
1r7Ficaccardie.TrIcc771777, 1944, p. 22. 13. Columbia University Russian Institute, The Campanha Anti-
Stalin e Comunismo Internacional (ew ou, p. 57. 14. Stalin, Marxism e Iht Nacional e Colonial aaejill.on, p.
18. 15. Stalin Sochineniya, III, p. 209.
Aprovado para lançamento 1989108124: CIA-RDP78-02771R000200090002-8