Você está na página 1de 69

PSYCONAUTA

de Peter J. Carrol
Com ilustrações de
Brian Ward &
Tradução de Marcello L. Medeiros
P sic o nau ta 2
P sic o nau ta 3

PSYCONAUTA
Uma Publicação da IOT
De 3o e 2o Graus
Incluindo um
Manual de Teoria e Prática de Magia
P sic o nau ta 4
P sic o nau ta 5

Índice
Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7
Magia do Novo Aeon . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9
Experimentos de Magia em Grupo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
Níveis de Consciência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
Combate Mágico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
Os Rituais
A MassadodoChaos
Chaos. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .... .. .... ...... ......... ...... .... .. .... .. .. .. . 17
19
Invocação de Baphomet ................................................................................... 21
Iniciação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
Exorcismo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
Extrema Unção: O Encantamento Final . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
Ordenação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
Tempo Mágico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
Quimiognose . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
Perspectivas Mágicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35
Chaos: O Segredo do universo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
Baphomet . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
O Censor Psíquico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
O Demônio Choronzon . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
Shamanismo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47
Gnosticismo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49
Sacerdócio Ocultista . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
Armas Mágicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55
Paradigmas Mágicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57
Anedotas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Teoria Catastrófica da Magia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
P sic o nau ta 6
P sic o nau ta 7

Introdução

Após alguns séculos de negligência, mestres avançados estão voltando suas atenções à magia
mais uma vez. Normalmente se diz que magia foi o que tínhamos antes que a ciência fosse devidamente
organizada. Agora parece que magia é onde ciência está realmente encabeçando. Uma antropologia
iluminada tem admitido com aversão que entre todos os rituais e bagunças das tão conhecidas culturas
primitivas, ali existia um poder muito real e surpreendente que não pode ser ocultado. Elevados médiuns
agora sugerem que o universo funciona de alguma forma mais semelhante à visão da feitiçaria do que na
mecânica autônoma.
A arte mágica está sofrendo uma profunda renascença. Mais trivialidades cabalistas e góticas do
que o suficiente tem sido arduamente coletadas nas salas da biblioteca fantasmagórica do Museu
Britânico. Nesta nova era o impulso do empenho mágico está tendendo a fazer as técnicas experimentais
operarem de acordo com a sua associação religiosa ou simbólica. As técnicas de magia serão a
hiperciência do futuro. As srcens destas artes residem não nas sociedades pagãs ou até medievais, mas
são achadas nas formas mais desenvolvidas de culturas xamânicas. Antes que a história se iniciasse, a
humanidade sabia de um poder estranho e terrível o qual gradualmente foi adormecido de seu alcance. Ele
agora fica na iminência de suas descobertas.
Este é um livro de fonte material e uma obra de referência para aqueles que procuram realizar
um trabalho em grupo ou operar como sacerdotes xamânicos para a comunidade. Isto é um complemento
do volume do Liber Null o qual consiste num manual de feitiçaria individual como ensinado pela IOT
(Ordem Mágica dos Iluminados de Thanateros).

assuntos As seções deste


relacionados. livroas podem
Idéias ser estão
quais não lidas completamente
em qualquer ordem; é uma
explicadas em enciclopédia de quarenta
uma seção serão achadas
em uma seção da qual foram srcinadas.
P sic o nau ta 8
P sic o nau ta 9

MAGIA DO NOVO AE ON

U ma maldição antiga chinesa ainda recai sobre nós; “Vocês devem viver em tempos interessantes”.
Desde a queda do Império Romano tem havido raramente épocas mais interessantes que esta. Seja
quando for que a história torna-se instável e os destinos ficam na balança, então o magista e o
messias aparecem em todos os locais. Nossa própria civilização tem se movido para uma época de crises
permanentes e revoltas, e nós estamos envolvidos numa praga de mágicos. Eles servem um propósito
histórico, para quando uma sociedade for alterada radicalmente, aonde alternativas espirituais proliferam
e dentro desta
Cabe uma
aos cultura
mágicosirádeterminarem
selecionar suacomo
nova esta
visãonova
de mundo.
espiritualidade irá se manifestar. A maioria
terminará chorando na selva ou sendo colocado a riscos de muitas formas, mas uns poucos irão deixar
para a humanidade um presente maior do que eles realizaram. A hierarquia ortodoxa de religiões
monoteístas é intelectualmente e espiritualmente um gasto de esforços sem frutos. Apesar de que ali
haverão batalhas sangrentas antes deles serem totalmente exterminados. A ciência tem trazido poder e
idéias a nós, mas não a sabedoria ou a responsabilidade de lidar com elas. O próximo grande avanço que a
humanidade fará será no lado psíquico. Existem muitos sinais encorajando que isto está começando a
acontecer. É neste novo campo de esforços que nós devemos redescobrir muito do conhecimento mágico
que os anciões xamãs uma vez possuíram. É claro, nós devemos saber disto sobre máscaras diferentes, e
irão eventualmente expandir na sabedoria deles imensamente.
Existe um aspecto de duas faces para o trabalho mágico mais importante agora sendo feito.
Inicialmente é uma investigação experimental dentre as atuais técnicas como oposto ao mero simbolismo
da magia. Os métodos de magia são distribuídos uniformemente pelas histórias e pelas culturas. É tempo
de desenterrar eles e os fazerem trabalhar. Em segundo lugar, é essencial que o que deve ser chamado de
espiritualidade fique envolvido na magia. Magia tem de ter seu próprio gosto, sua própria visão de mundo
e sua própria filosofia. Ali sempre houve uma tendência de considerar magia como uma arte antiga. Todo
sistema xamânico considera a si mesmo como sendo o representante de somente uma facção do poder e
sabedoria que suas tradições mantinham.
Isto parece que na realidade do passado era ele mais caótico e susceptível à magia. Até mesmo
astrofísica e biologia suportam a visão mística. Olhar aos mais longínquos objetos nos céus é dar uma
olhada repentina a alguns dos eventos antecedentes neste universo. Aqui eventos cataclísmicos de
violência inacreditável estão ocorrendo estranhamente. Os fósseis gravaram mostras de que nosso próprio
planeta uma vez se chocou abaixo dos pés de imensos e totalmente improváveis dragões. Isto parece que
como a idade do universo importa, tornam-se mais ordenados e sensíveis e que a força da magia se
esvanece. Isto certamente parece verdade pelo relacionamento entre magia e matéria. Exceto pelo metal
ocasional dobrando desonestamente e por excêntricos xamãs que ainda insistem em andar sobre chamas
de fogo, quando os mais densos poderes mágicos parecem estar vazando. Isto é entretanto somente
metade da história. Uma profunda mudança tem ocorrido e a força mágica vem agora se manifestando
com crescente força dos níveis psíquicos. A criatividade da consciência tem crescido com grande rapidez
de forma tão enorme que a totalidade das idéias humanas parecem dobrar com cada década. A ciência não
tem causado em
criatividade isto,geral.
ela é No
umanível
de suas facesosdepoderes
mágico efeito, como existem
psíquicos estãoexplosões paralelas
se tornando muitona arte,acessíveis.
mais música e
Telepatia, clarividência e viagens astrais foram uma vez ganhos somente a grande custo por alguns eleitos
por medidas extremas. Agora eles estão dentro do alcance de qualquer um munido com determinação
moderada.
O início da nova adversão psíquica tem adquirido um saber definitivamente subversivo. A Magia
tem alinhada a si mesma contra formas opressivas de ordens em muitos campos. Pela medicina e
psiquiatria a magia vem sendo combatida e determinada a remendar os autômatos danificados e plugá-los
novamente ao sistema. Ao invés disso seria melhor que indivíduos aprendessem a lidar com suas próprias
autodefesas mentais e tratar seus corpos com remédios domésticos tais como ervas. Magia rejeita política
a nada mais que o desejo perverso de algumas pessoas de dominar outras. Ela faz bem ao dissociar a si
mesma das brigas de macacos advogados ao invés da iluminação pessoal e emancipação, as quais são
somente a real salvaguarda da liberdade. Magia é anti-ideológica porque o produto principal de soluções
ideológicas são repressões e cadáveres. Magia é profundamente oposta à religião. Magia é também oposta
à superstição de que o mundo é totalmente material e que as ações humanas não são intimamente
entrelaçados com a esfera psíquica.
Para opor formas repressivas de ordem as quais normalmente impõe a si mesmas por
significados maléficos, magia alinha a si mesma para uma visão caótica do bem caótico. O compromisso
mágico ao bem é refletido nela e ela refere-se a liberdade individual e consciência em seu interesse em
todas as outras formas de vida deste planeta. No nível mais elevado isto manifesta-se como algum
sentimento não especificado pelas “vibrações” geradas pelos pensamentos e ações humanos.
P sic o nau ta 10

O aspecto caótico da nova era mágica é psicologicamente anárquico. Esta é uma espécie de
operação de foder a mente aplicada a nós mesmos assim como ao mundo. O objetivo é produzir
inspiração e iluminação pelo desdobramento de nossas estruturas de crença desordenadamente. Humor,
crenças randômicas, informações contrárias e desinformações são as suas técnicas.
Para pegar um exemplo inócuo, usualmente advogo astrologia persuasivamente para pessoas
ordinárias, mas ridicularizo isso para meus amigos magistas. Humor e crenças ramdômicas acreditam que
de acordo com o uso da astrologia irão desordenar o que as pessoas pensam de ambos os caminhos. Isto
significa que eu sou: a) mentiroso, b) louco, c) iluminado, d)fora de nossa habilidade de viver quase
qualquer verdade?
P sic o nau ta 11

EXPER IÊNC IAS DE MAGIA EM GRUPO

O propósito de estruturar a atividade em grupo com rituais é gerar mais poder do que esforços
individuais poderiam atingir. Efeitos sinérgicos virão a atividade numa operação devidamente
sincronizada, e o poder coletivo irá exceder a soma do poder individual de cada participante.
Operações em grupo também tornam possíveis muitos experimentos que requerem mais do que um
operador e permite uma divisão de funções quando algum participante pode contribuir com as habilidades
as quais o outro é carente. Operações de magia em grupo podem ser realizadas como um exercício de
treinamento, como
absolutamente pesquisa,
segura ouecomo
de riscos, assim um procedimento
todas para
atividades são a criação dea efeitos.
experimentais um grau.Nenhuma técnica é
Alguns exercícios
podem ser então totalmente experimentais em conceitos e execução que assim não são possíveis de
fazermos. Se estes foram possíveis dizer é porque estas buscas estavam sendo feitas, então não seria
necessário fazê-la.
Efeitos específicos serão o auxílio da maioria dos exercícios de treinamento e técnicas e é com
estes que o capítulo lida a respeito exclusivamente. Quatro áreas de experimentação serão examinadas:
psíquica, ritual, transe e sonho.
Fora da atividade sincronizada em grupo, rituais também agem como um fator cerimonial. Há
suposição de que vestes rituais e parafernálias servem para marcar a transição de uma atividade ordinária
para uma de importância. Um uniforme tem uma função adicional – aquela da não personalização. Esta
ajuda a reduzir a importância de fatores da personalidade individual e permite os que usam relatarem um
ao outro as funcionalidades de alguns princípios além de considerações pessoais. Um manto negro
completo com capuz é mais excelente para este propósito, como a nudez. Uma máscara branca
inexpressiva completa o efeito total do anonimato.
Experimentos em grupo com simples psiquismo caem principalmente na categoria de exercícios
de treinamento em telepatia. Muitas considerações significativas são aplicadas aqui. Telepatia é realizada
mais efetivamente pela projeção sincronizada de muitos operantes a um único objetivo, mas um único
projetor terá mais sucesso do que um plebe pobremente sincronizada. Tentar projetar ou receber um
bando seqüencial de imagens para obter um resultado estatístico é muito menos efetivo do que projetando
uma única imagem poderosamente. Concentração intensa momentânea num sigilo ou símbolo é
normalmente o melhor. Com tentativas repetidas, o projetor e o receptor tornam-se confusos e distraídos.
Os tão conhecidos experimentos de portais astrais nos quais um único operador tenta adivinhar
um simbolismo trazido de uma imagem em particular, sigilo ou símbolo, são pouco mais do que
exercícios na imaginação criativa realizada no transe leve. Se o experimento é realizado simultaneamente
por muitos participantes, este pode tornar-se uma base para a troca de figuras telepáticas. Atividades
psíquicas podem ser sincronizadas por um ritual no qual sinais previamente arranjados entrançam em
meditações particulares. O grupo pode concentrar-se num símbolo ou mantra, ou eles podem ser levados
pelo imaginário sugerido em voz alta por um membro.
Muitos outros métodos de poder irão elevando-se também a agir para sincronizar os participantes
num ritual. A essência da dança mágica é de que esta deveria ser uma dança em circulação ao redor de um
ponto fixo,doacompanhado
no centro de invocações
círculo. Respirações mântricas
elevadas, coletivas.
flagelação O balanço
e estimulação é mantido
podem tambémsegurando a faixa fixa
serem empregadas
para reforçar excitação e gnose. Excitação sexual é difícil de controlar e coordenar exceto numa base
auto-erótica e é mais comum a realização da segunda tentativa de um ritual existente do que os meios de
estimulação controlada de gnose grupal.
Rituais completos de variedades meditativas ou excitantes são normalmente dirigidos próximo
de um dos quatro objetivos: Encantamento – Fazendo coisas acontecerem direto pela magia; Evocação –
fazendo as coisas acontecerem pelo agenciamento de vários demônios e elementares; Invocação – a
comunhão de várias entidades e formas de pensamento para inspiração de seus conhecimentos e
conversação; e Adivinhação – obtendo conhecimento pelos maios mágicos diretamente. O modo mais
simples de orquestrar estes rituais para operações em grupo é por um oficial presidindo a realização da
seqüência principal do ritual e tendo o participante se entregue à visualização delas, mântras, movimentos
rituais e invocações em certas sugestões pré fornecidas. Para ser efetivo, o ritual deve ser operado com
um mecanismo automático no qual o poder pode se manifestar sem distração ou hesitação. Uma
variedade de estados de transe de sugestionabilidade moderada para hipnose profunda podem ser usados
para operação em grupo. Um operador irá persuadir um ou mais assuntos numa condição receptiva pela
sugestão ou invocação, o assunto sendo numa condição relaxada ou levemente drogada. O sensor
psíquico é menos ativo no estado de transe mas também age para bloquear a precaução de eventos
mágicos da busca de outros níveis. Quando o estado de transe é controlado por outra pessoa, este
problema pode se tornar muito elevado. O candidato ao transe pode ser dirigido a procurar informações
P sic o nau ta 12

clarividentes e relatar isso ao operador. A vontade do tema pode ser dirigida a realizar um ato mágico que
o censor normalmente proibiria, reciprocamente.
Um perigo com experiências de transe é que a influência do operador sobre o tema pode
gradualmente estender a si mesmo em estados assim como não mais de transe. Outro é que a memória e
imaginação podem tornar-se muito ativas em estados de transe e começar a iludir tanto o operador e o
assunto. Por esta razão experimentos de transe deveriam ser realizados sem freqüência e por resultados
objetivos somente.
É possível realizar experiências de magia grupal em níveis de sonhos. A dificuldade principal
com trabalhos em sonhos é fazer o comando agir de uma forma particular em níveis de sonho e penetra o
estado de sonho. Algumas formas de encantamentos rituais pré-arranjados ou visualizações podem servir
para impor a agir magicamente nos níveis mais profundos da mente antes de dormir. O tão conhecido
sabat astral é o tipo principal de experiências mágicas realizadas a nível de sonho. Os participantes
harmonizam-se para estarem sonhando presentes na companhia um do outro em algum local real com o
qual eles sejam familiares. Os participantes podem tanto entrar no sono em localidades diferentes num
momento previamente arranjado, ou dormirem juntos num determinado local. No segundo caso isto pode
ser possível à primeira pessoa exteriorizar-se em seu corpo de sonho e tentarem astralmente acordar os
outros. O propósito inicial de tais sabats é atingir uma percepção comum. Atração sexual pode ser usada
para suprir uma força motivacional a encontros no nível dos sonhos, e usando ungüentos para ajudar no
processo de exteriorização
P sic o nau ta 13

NÍVEI S DE C ONSCIÊNC IA

D esde o começo da psicologia, as pessoas nunca se cansaram de ficar inventando novos caminhos
separando por compartimentos a mente. Todos estes esquemas são mais ou menos arbitrários, e
de forma alguma aparentando a estruturas visíveis dentro do cérebro. Muitos esquemas refletiam
meramente os prejuízos morais daqueles os quais eles imaginaram. Basicamente todos esquemas falharam
pela complexidade da mente exceder a sofisticação dos esquemas. O conteúdo inteiro da mente parece ser
subconsciente; é apenas uma questão de chamar de volta, e ali há uma escala completa do facilmente
acessíveldoaoque
maioria inacessível
é descritosem qualquer
como razãodadeconsciência
o domínio tirar uma linha arbitrária
elevada parecepara um ponto
ser uma emdaparticular.
mistura moralidade A
desejável pensando e um pouco dos mais obscuros e disfuncionais instintos e forças.
Nem a psicologia ou psiquiatria tem feito muito progresso com suas tentativas de entender como
os conteúdos da mente interagem. A causa e cura de pesadelos permanecem tão obscuros como sempre.
Seja qual for a relação entre as matérias que a consciência deva ter, é evidente que a consciência ocorre
numa escala de cinco estados, aqui mostrados: gnose, consciência, automatismo, sonhando, e
inconsciência.
Inconsciência tem poucos usos além de permitir o corpo a descansar e mantendo o organismo
fora de caminhos perigosos durante estas horas de escuridão pela qual o corpo não está adaptado.
Sonhando, o qual normalmente, apesar de não invariavelmente, ocorre no sono, tem muitas funções; ele
permite à mente digerir experiências conscientes e fazer ajustes emocionais a isto. Ele também fornece
uma janela dentro da dimensão psíquica e dentro das menos acessíveis regiões da memória. O estado de
automatismo nos permite realizar todos os comportamentos automáticos que levantam necessidades
vitais: caminhar, comer, dirigir veículos e todas as milhões de alternativas as quais não requerem qualquer
pensamento uma vez que tenham sido apreendidas. Consciência ocorre quando a mente produz alguma
resposta não automática para um estímulo. Algumas mentes irão somente ser provocadas numa
consciência por eventos externos incomuns; outras mentes podem estar aptas a auto estimularem a si
mesmas dentro da consciência. O grau e duração da consciência que qualquer estímulo provoca pode
variar do muito pequeno ao enorme dependendo basicamente da inteligência. O nível de Gnose ocorre
quando a mente torna-se intensivamente consciente de qualquer coisa. Isto não é o mesmo que pensar
intensamente sobre algo, por neste estado de intensidade da consciência o pensamento se cessa, e o
objetivo da consciência mantém a atenção da mente por completo. Terror, raiva, orgasmo e várias
meditações tranqüilas provocarão esta condição.
O nível de automatismo tem vindo por um monte de pedaços separados do misticismo em geral.
Enquanto é útil estar apto a dirigir um veículo ou andar automaticamente, isto é obviamente indesejável
para se viver uma vida toda dessa forma. Nunca antes o estado de automatismo teve tantos outros usos.
Um nível de automatismo é aquele que a inspiração ou impressões clarividentes geralmente se introduz , e
é parcialmente do nível de automatismo que encantamentos são lançados – Preferivelmente do que em
estados de consciência. A maioria dos gênios mundiais tem tido algum tipo de hobby ou distração
automáticas, as quais eles usam para criar o vácuo em suas consciências dentro do qual algo útil pode se
manifestar.
mente com Similarmente algumas pensativa.
uma meta automática das formasTambém
metodológicas
quandodelançamos
adivinhação são elaboradas
encantamentos para ocupar
é essencial que oa
processo atual possa ser realizado sem ter de pensar a respeito disso.
Apesar do nível de consciência poder ser o fórum no qual nós refinamos nossos métodos e
teorias e experiências, muitos de nossos momentos mais significativos são de muito pouco uso na magia
prática. Pelo fato que alguém mais se centraliza no nível de consciência, a magia tende a ser mais difícil
de se realizar por eles. O nível gnóstico é a maior fonte de poderes mágicos e estados místicos de
consciência. Apesar das ondas de palpiteiros com falas sem sentido do que experiências místicas
provocam no plano intelectual, é um tanto simples declarar exatamente o que é e como a atingir. Gnose é
intensa consciência de algo, incluindo as idéias da personalidade ou insignificantes. Os maiores extremos
de emoções (e não apenas as emoções prazerosas) podem iniciá-lo, e assim pode um ato profundo de
concentração centralizado em algo. Esta consciência intensa leva místicos a três erros comuns. Isto pode
criar a ilusão de que alguém e o objeto de concentração são a mesma coisa. Ele pode levar a convicção de
que sua vida já não existe, e isto pode levar à obsessão de que o objeto de concentração é a coisa suprema
do universo.
Magicamente, Gnose é o estado o qual a maioria facilmente permite a vontade e a percepção se
expandirem e tocarem realidades além da mente. As capacidades da Gnose são muito menos interessantes
do que o que pode ser feito com ela. Claro que é possível para algumas atividades estarem ocorrendo em
mais que um nível de consciência. O nível de automatismo, por exemplo, continua a função além dos
momentos mais repreendidos da consciência, e partes desta operam até mesmo em gnose. A maioria dos
transes e estados hipnóticos parece caírem em algum lugar entre o estado de automatismo e o estado de
P sic o nau ta 14

sonho. Eu tenho minhas suspeitas de que partes do estado de sonho estão operando sem nosso aviso deles
enquanto estamos despertos, muito como as estrelas que continuam a brilhar durante o dia sem que nossa
visão possa vê-las.
A maioria das pessoas identificaria alguns artistas e homens maus com seus níveis de
consciência e automatismo, nos quais se sentirão confortáveis durante os sonhos, e o místico localizaria
sua real essência em nível Gnóstico. De acordo com a perspectiva mágica nenhuma dessas imagens é real.
A tua personalidade é nada mais do que o ponto o qual a tua força vital desforme (ou Kia) toca a
experiência. Pela consciência ocorrer somente pelo intermédio do Kia/da mente, nós não estamos aptos a
alcançar suas metas da personalidade com idéias. Para preencher esta brecha ou vácuo, nós construímos
um Ego. O ego é uma imagem da personalidade e Kia que construímos esporadicamente. O Kia deveria
estar apto a achar expressão em qualquer nível e ser eqüitativamente versado em todos ou nenhum destes
estados.
Um treinamento mágico é designado para abrir os sonhos negligenciados, a provocar um exame
da essência do nível automatizado, e para adicionar novos programas a ele. Este deveria ser também o
ensino dos métodos de tornar-se consciente ou desligar-se dela pela vontade, e de entrando em nível
Gnóstico e atuando dentro deste.
A vida normal de um humano é gasta numa oscilação entre os níveis automatizados e
inconscientes, pontuado por momentos ímpares de sonhos e consciência. O magista pode bem se esforçar
para estabelecer uma nova oscilação entre o estado de sonho e consciência com excursões ocasionais
dentro dos níveis automatizados e Gnóstico para propósitos em específico.
P sic o nau ta 15

C OMBATE MÁGICO

O combate entre mestres bruxos e feiticeiros ocorre tanto como um resultado de conflitos não
resolvidos de interesse profissional, ou mais como exercício de treinamento ou teste de
supremacia. Se ambos os protagonistas são paralelamente hábeis, os resultados serão
improvavelmente fatais. Combates entre magistas e pessoas ordinárias, cada uma com suas próprias
armas e técnicas, serão provavelmente tão perigosas que ambas as partes como o combate entre pessoas
ordinárias.
O de
de castigo combate mágico
desgraças é para repugnantes
e doenças ser travado com
que adeixam
mesmaoseriedade dada em consideração
atuante fisicamente a assuntos
ruim, e assassinato. O
protagonista que esteja psicologicamente despreparado a fazer tais coisas fisicamente não irá realizá-la
psiquicamente. De todos motivos possíveis, vingança é o mais apontado, exceto como uma demonstração
e aviso a outros. Violência é um instrumento muito brusco e uma pequena reflexão deve indicar formas
mais efetivas de intervenção psíquica, como os feitiços de ligação e amarração, ou operações para mudar
as opiniões de um adversário.
O ataque mágico toma duas formas. De longo alcance, a informação telepática é mandada e faz o
alvo destruir a si mesmo. Para fazer um homem cair sobre um veículo não é possível; para fazer um
veículo cair sobre uma pessoa é mais completamente impossível. Sob curto alcance, é possível prejudicar
ou drenar o campo de energia de um adversário utilizando a si próprio. Isto requer alta proximidade,
normalmente contato. Combate mágico deste tipo não é efetivamente pela mera vontade ou visualização,
mas pela projeção de uma força a qual pode ser realmente sentida, normalmente pelas mãos. Mais
raramente a força pode ser projetada pela voz ou os olhos ou carregada na respiração. A força é srcinada
na área do umbigo e ao seu estímulo pela disciplina da respiração, concentração, visualização e pelas
disciplinas sexuais. Uma parte dessa força é colocada no corpo do inimigo para causar a ruptura da
energia vital deixando doença e morte. A única defesa consiste em ficar fugindo do contato ou em manter
suficiente controle sobre as energias internas de alguém e estar apto a neutralizar os efeitos da energia
entrando/ rompedora.
Vampirismo psíquico pode ser um fenômeno inteiramente passivo e não deliberado, assim como
jovens pessoas vivem intimamente com pessoas muito mais velhas. Energia vital não pode facilmente ser
tirada de uma pessoa consciente num feiticeiro mais forte, ao menos que o feiticeiro primeiro mate ou
machuque seriamente sua vítima por curto alcance.
Combate mágico de longo alcance depende da projeção de impulsos autodestrutivos
telepaticamente. Existem vários métodos para evitar os perigos inerentes desta técnica. Primeiramente
estão tomando entre eles um aprendiz para fazer o trabalho sujo. A imagem do alvo ferido na maneira
requerida é usada para mandar o ataque. Imagens de cera , fotografias, cabelos ou aparas do nariz ajudam
a formar uma conexão entre a imagem visualizada e o alvo. Para focalizar a energia psíquica da feitiçaria,
o ataque é lançado de um estado de profunda concentração ou de um apogeu de excitação estática. Raiva
e ódio provocados durante um ritual completo de destruição da imagem podem servir. O magista pode
fardar dor a si próprio, imaginando esta se srcinar de seu adversário de forma a elevar a fúria dele. Um
método
psíquicasmais longo chamando
são elevadas por concentração
pela abstinência prolongada
e dirigidas com intençõesémalignas
a rápidaaoNegra,
alvo. na qual as energias
Um fetiche mortal é um método composto de ataque o qual pode ser usado a qualquer alcance. O
feiticeiro compõe um dispositivo para carregar seu desejo de morte ao inimigo. Ingredientes infratores e
necróticos, juntos com algo para representar o inimigo, são ritualmente preparado com concentração
mágica total durante a qual o feiticeiro adiciona sua própria força psíquica para transmissão por
proximidade. O fetiche é então colocado aonde à vítima tem a intenção de entrar em contato com isto.
Um feiticeiro habilidoso pode ter sucesso na projeção de uma entidade puramente etérica pelo espaço
para atormentar seu oponente. O ataque mágico é normalmente feito pela ação secreta. Existem muito
poucos pontos a ficar induzindo alguém a intenção do erro, a menos que a vítima tenha disposição a
nervosismo, paranóias ou superstição.
A dificuldade principal com a defesa ao ataque mágico é a de que o grande ato de tentar
adivinhar a intenção precisa de seu inimigo aumenta a sua vulnerabilidade a este. Uma terceira pessoa é
mais útil aqui. Um contra-ataque por sua própria conta é uma estratégia de alto risco se o inimigo já tenha
tomado a iniciativa. O maior risco de todos é mandar de volta um ataque idêntico. A preparação de um
ataque inevitavelmente envolve a geração de impulsos auto destrutivos para projeção. Ali sempre há o
risco de que isto pode acender atrito entre as partes e duplicadamente então neste caso. A situação é
análoga a um duelo com granadas.
A defesa mais efetiva é fornecida por entidades sensíveis ou semi-sensíveis. Atividades
religiosas obsessivas prolongadas irão, pelo homem ordinário, criar uma forma etérica de pensamento que
ele pode chamar de deus. Este efeito é parcialmente transferível e explica a dificuldade de ataque a
P sic o nau ta 16

personalidades públicas. É comum pessoas que, quando estão caídas pela oposição e despidas de
pensamentos de seus seguidores, rapidamente tem então doenças e morte que se seguem geralmente.
Entidades ancoradas em talismãs, amuletos e fetiches são feitos pela concentração de energias psíquicas
em vários objetos – algumas vezes auxiliados pelo sacrifício de sangue ou excrementos sexuais.
Em todas as formas de ataques mágicos de fato ou suspeitos, a paranóia pode ser o pior inimigo.
É de uma alta ignorância entrar em situações onde conflitos são a única opção deixada. Ataque mágico é a
oposição direta da cura ocultista, mesmo que ele use forças similares. Assim como todas as coisas,
atividades construtivas são um desafio muito maior para nossas habilidades do que essas destrutivas.
P sic o nau ta 17

OS RITUAIS DO CH AOS

C inco rituais baseados nos princípios do Novo Aeon Gnóstico


Xamânico são apresentados aqui para cobrir a maioria das situações
que os sacerdotes do Chaos devem encontrar. Eles são A Massa do
Chaos, Iniciação, Ordenação, Exorcismo e Extrema Unção.
O Massa do Chaos é um ritual geral o qual pode ser realizado para
os propósitos de invocação, evocação, encantamento ou consagração. O
Ritual de Exorcismo é aplicável para infestações psíquicas de pessoas, locais
e objetos. O Ritual da Extrema Unção (ou último ritual) pode ser aplicado ao
corpo falecido ou moribundo de criaturas de todas espécies incluindo nós
próprios. O Ritual de Iniciação dá o método geral para admitir candidatos
como iniciados dentro da ordem interna. Nenhum ritual é fornecido para a
criação de um adepto ou Mestre, por cada pessoa que busca dever aparelhar a
sua própria entrada nestes graus e esperar o reconhecimento de seus
parceiros. Um esboço de requisitos para atingir o status de sacerdócio oculto
é dado numa forma geral para adaptação de acordo com que as circunstâncias
necessitarem. Cada um deve ser realizado por um único operador ou por um
número limitado de participantes e assistente.
P sic o nau ta 18
P sic o nau ta 19

A MASSA DO C HAOS

E ste ritual deve ser realizado como um sacramento de invocação para elevar uma manifestação
particular de energia para inspiração, adivinhação ou comunhão com um domínio particular da
consciência. Ele deve ser realizado como um ato de encantamento no qual encantamentos são
projetados para modificar a realidade física. Ele também pode ser realizado para consagrar instrumentos
ou evocar entidades para um uso posterior. O ritual consiste de um mínimo de 6 partes: Preparação,
Estabelecimento de intenção, Iniciação do Chaos, invocação de Baphomet, Oath e fechamento.
A preparação incluirá deixar o local pronto, a instalação de círculos e triângulos, a colocação de
instrumentos e armas, e a administração de quaisquer elixires químicos ou botânicos os quais poderão ser
empregados para gnose intensificada. Rituais de banimento, meditação, danças em círculos e outras
formas de preparação de gnose podem ser usados para preparar os participantes.
O estabelecimento de intenções deve ser formulado tão simplesmente, vigorosamente e precisa
quanto possível. Ficando de lado qualquer base material que tenha de ser usada no ritual, o sacerdote (isa)
oficiante diz as palavras: “É nossa vontade __________”, adicionando seja qual for o objetivo do ritual
que se destine. A base material pode ser uma comida para consagração posterior e consumo. Isto pode ser
um sigilo com o qual lança um encantamento ou um talismã, amuleto ou fetiche para consagração. Em
eventos os quais as bases são de um elixir sexual, então o sacerdote ou sacerdotisa permanece de mãos
vazias pelo sacrifício que será de seu próprio corpo.
A invocação do Chaos é realizada por um encantamento bárbaro entregue em conjunção com os
métodos gnósticos da escolha do operador. A versão escrita suprema do Chaos é dada abaixo junto com
uma tradução a qual é tão acurada quanto possível dentro da estrutura lógica primitiva da Língua
Portuguesa. Desenhando o sigilo do Chaos no ar acima do círculo e auxiliado pela visualização do mesmo
pelos assistentes, o(a) sacerdote(isa) começa:

OL SONUF VAROSAGAI GOHU


Eu Reino Sobre Você Saith

VOUINA VABZIR DE TEHOM QUADMONAH


O Dragão Águia do Chaos Primário

ZIR ILE IAIDA DAYES PRAF ELILA


Eu sou o primeiro do Maior que vive no Primeiro Aether

ZIR DO KIAFI CAOSAGO MOPSPELEH TELOCH


Eu sou o terror da Terra o hormônio da Morte

PANPIRA MALPIRGAY CAOSAGH


Chovendo a cântaros os Fogos da Vida Na Terra

ZAZAS ZAZAS NASATANATA ZAZAS


(Esta última linha não pode ser traduzida)

A estrela de oito raios do Chaos radiante é visualizada sobre o círculo em toda à parte, e
sacrifícios de incensos, sangues ou elixires sexuais podem ser feitos.
P sic o nau ta 20
P sic o nau ta 21

A INVOCAÇ ÃO DE BAPHOM ET

O (A) Sacerdote(isa) o(a) qual assume a manifestação de Baphomet, se veste com a imagem do
veado e visualiza a si mesma na forma de deidade tradicional desta fonte de poder. Baphomet,
como a representação da corrente de vida terrestre, parece com a forma de uma deidade chifruda
theriomórfica de andrógino, alado, réptil, com seios e aspectos humanos. O sacerdote provoca dentro de si
mesmo um renascimento do Chi, ou Kundalini, ou Serpente do Fogo Sagrado, como isto é variavelmente
conhecido. Outros participantes podem acessorar por entregar tais encantamentos como o incomparável
“Hino a Pã” pela projeção de uma visualização do pentagrama oposto dentro do sacerdote, e se necessitar
for, administrando o osculo infame (este tão conhecido beijo obsceno ao diabólico bumbum tem sido mal
compreendido. Todos estes que são requeridos são os que uma esbaforada no peritoneum, o espaço entre
o genital e o ânus – dentro do qual o Kundalini espera para ser srcinado). O sacerdote então completa a
invocação com a litânia aeonica.

No primeiro aeon eu era o Grande Espírito


No Segundo Aeon, as pessoas me conheciam como o Deus Chifrudo Pangenitor Panphage
No Terceiro Aeon eu era as sombras, o Demônio
No quarto Aeon pessoas não me conhecem, por eu ser O Escondido
Neste novo Aeon eu apareço defronte a vocês como Baphomet
O Deus antes de todos os deuses os quais devem aturar até o fim da Terra.

O sacerdote com Baphomet agora toma qualquer base material sendo usada como foco para o
ritual e consagra ao propósito deste ritual por qualquer significado que seja à vontade do deus dele, talvez
pela fala, por gesto, ou por algum meio inesperado. O juramento marca o ápice do ritual. Mantendo as
bases materiais para cima, o sacerdote e todos os participantes afirmam:
“Esta é minha vontade!”

Se a base for um sacramento, este então é consumido. Se este for um sigilo, este é destruído ou
escondido, enquanto um objeto consagrado é então coberto e guardado para uso posterior.
O fechamento pode necessitar de um exorcismo do sacerdote se o transe ou possessão ser
profundo. Qualquer símbolo Bafomético e a parafernália são removidos, e um pentagrama para cima é
desenhado no ar pelo sacerdote. Uma purificação facial completa com água gelada é administrada, e ela é
chamada para lugar visível pelo seu nome ordinário até que ele responda.
Um ritual de banimento final fecha o ritual
P sic o nau ta 22
P sic o nau ta 23

INICIAÇÃO

I niciação nunca pode ser realizada de acordo com algumas fórmulas prontas. Dois candidatos não terão
os mesmos requisitos exatamente, habilidades e falhas. Qualquer ordem a qual tente iniciar por uma
fórmula pronta mostra extraordinária falta de percepção e imaginação. Existência em si mesma pode
ser vista como uma contínua iniciação pontuada por periódicas mortes e renascimentos, os quais por si
mesmos têm um grande potencial iniciatório. Além de um certo nível, o magista começará a procurar suas
próprias experiências iniciatórias deliberadamente, ou pode sentir que algo dentro de si mesmo está o
puxando para dentro destas experiências. Ali não há rota fixa a qual alguém pode atravessar e tornar-se
um adepto ou mestre automaticamente. Ai existe muitas variáveis na existência para fazer uma simples
equação possível.
Quando um estudante ou neófito se aproxima do guardião de um corpo de conhecimento
ocultista, ele será requisitado a experimentar alguma forma de iniciação se ele sobreviver por um período
inicial de instrução e determinação. Uma operação destas nunca deveria ser repetida num tão conhecido
nível mais elevado. Se o adepto de uma ordem não está apto a satisfazer completamente a ele mesmo
como candidato e tomam a ele completamente em suas confidências, então eles não terão atividades de
iniciação. Ordene dentro de Ordens existe somente a manufaturar hierarquias para seu próprio fim.
A iniciação formal irá conter todos os seguintes elementos:

Uma Provação (ordálio) – Para testar a resistência e devoção à Ordem, e para testar várias
habilidades que a ordem possa requerer.

Uma Autorização – Com certos segredos, poderes e conhecimentos que são propriedade da
Ordem.
Uma Indução dentro da Ordem – O qual pode colocar certas obrigações de deveres e segredos
ao candidato.
O Inesperado – A Ordem deveria ser capaz de elaborar algum evento o qual irá causar enorme
surpresa ao candidato, revertendo às expectativas, e forçando a pensar ou agir numa forma a qual seja de
comportamento completamente diferente de seu normal. Uma piada prática é em muitos caminhos uma
sobrevivência secular de ritos iniciatórios, uma reflexão da piada cósmica sendo tocada continuamente
em todas nossas existências particulares. Em aeons passados esta experiência foi normalmente provida
por algum tipo de morte simulada e renascimento. Existem muitas formas variantes disso; - hipnose,
alucinógenos ou redução temporária de total vulnerabilidade pode ser usada. Terror, privação física ou
excitação estática levando ao colapso deveria ser empregada entretanto com certa prudência.
Provações podem também ser colocadas para testar habilidades específicas, tais como poder de
adivinhação. O candidato pode ser argumentado a dar a história de certo objeto o qual ele é apresentado.
Este pode alternativamente ser cobrado a conjurar um pentagrama com força suficiente para que isto
possa ser visto por outros.
Enquanto isso seria sequer desejável ora possível dar uma fórmula iniciatória exata, uns resumos
de alguns dos métodos gerais são apresentados abaixo. Primeiro, algumas formas de ordenações:
A Jornada Iniciatória – O candidato é mandado (ou preso) numa jornada, talvez pelas florestas
à noite, ou até mesmo por uma cidade cheia. Em vários pontos ele se encontra e é desafiado por vários
guardiões e também por pessoas que ele não perceberá que são guardiões. Cada um fará uma demanda a
ele a qual ele terá de satisfazer antes de ser dirigido ao próximo ponto.

Guardando uma Estação – O candidato é designado para um ponto que ele não deve deixá-lo
com castigo para a falha. Isto pode ser uma árvore na mata ou até mesmo uma lâmpada colocada num
lugar público. Várias experiências as quais o forçam a confrontar seus medos e desejos são arranjados a
por à prova o candidato de seu posto.

Defesa Mágica – Um círculo é desenhado no solo ao redor do candidato. Todos outros oficiais
da Ordem estão fora do círculo. Nenhuma pessoa pode atravessar o círculo, e nenhum objeto o qual seja
uma arma física pode atravessar o círculo. Não existem outras regras. O combate cessa se o candidato
ceder ou quando o oficial presidindo esteja satisfeito.

Em segundo lugar, alguns exemplos de permissão: o candidato pode ser preparado pela
abstinência, pela meditação, e, se necessário for, por vários elixires, e então ser mostrado certas forças e
entidades que os oficiais da Ordem devem convocar. Alternativamente o candidato pode ser colocado em
transe e ser preso por uma série de visões. Rituais em grupo elaborados para produzir elevação ou estados
P sic o nau ta 24

alterados de consciência podem também ser realizados. Ao candidato podem ser ensinadas certas técnicas
ou ter alguns instrumentos consagrados para seu uso pessoal.
A fase Indutiva de uma iniciação informa o candidato dos requisitos da Ordem concernida para
segredos. Sangue, aparadas (desbaste) no nariz, saliva e secreções dos candidatos (na medida precisa da
cabeça aos pés de comprimento) podem ser dados em garantia.
Do que deve constituir a parte inesperada de um ritual de iniciação eu não devo dizer mais nada.
Visto que a maioria do ritual é um teste das habilidades mágicas e organizacionais da Ordem, elaboração
do Inesperado é um teste de criatividade da Ordem.
P sic o nau ta 25

EXORCISMO

E xorcismo é de dois tipos, o exorcismo de locais e objetos e o exorcismo de pessoas. Um possível


terceiro tipo, o exorcismo de animais, é raramente encontrado e raramente vale a tentativa, este
sendo extraordinariamente difícil de qualquer forma. O exorcismo de pessoas não pressupõe
invariavelmente que alguma entidade externa tem assumido a mente de candidato. Nós somos um tanto
capazes de produzir nossos próprios demônios por maus hábitos mentais, ou em respeito a peculiares
formas de stress. Somente vale à pena tentar o exorcismo como cura para pesadelos se o paciente reclama
especificamente
isto de algum
somente parece tipo de se
ter sucesso infestação por uma
a possessão entidade
começou independente decorosa.
comparativamente Adicionalmente,
recentemente. Como o
curandeiro diz, um humano com má alma, um caso louco de longa data, não pode ser normalmente
auxiliado.
A forma de exorcismo religioso convencional procura redirecionar um obsessor com uma
enorme e mais poderosa força. Isso envolve a invocação de um deus para afastar o demônio. Isto pode
somente funcionar se o candidato tem sido levado ao medo ou reverência a um deus. O exorcista deve
invocar, e a algum alcance, realmente personificando o deus do candidato usando todas as palavras
simbólicas, ações e parafernálias que vão com isso. Então ele deve comandar o candidato para que
abandone sua obsessão se necessário por um comportamento um tanto forçado. Ele pode ser útil se o
exorcista fizer uma mostra de realmente remover o demônio. Alguma forma de malandragem simbólica é
também usada neste ponto.
Métodos psiquiátricos de tratamento mental ainda são incrivelmente primitivos. A maioria
depende de CARROT ou técnicas embaraçosas. Terapias de CARROT dependem de serem tão
interessantes e razoáveis quanto possível ao paciente e algumas vezes são efetivas por um longo período.
Terapias embaraçosas são providas de práticas medievais de fustigação a demônios para fora das pessoas.
Nestes dias civilizados elas são normalmente administradas com reclusão, o bisturi, ou a seringa
hipodérmica. Sua efetividade é questionável.
As técnicas do Shamanismo livre oferecem uma alternativa aos métodos religiosos e
psiquiátricos. Ao invés de invocar a um deus de um candidato, o exorcista invoca a personalidade do
demônio do candidato. Esta aproximação pode ser particularmente útil com um candidato não religioso.
Após observação do candidato por algum tempo, o exorcista o tomará e o levará para algum lugar seguro
e garantirá que ele estará em sua completa mercê. Então o exorcista toma o candidato por uma viagem em
seu inferno primitivo. Incensos impuros e mordazes podem ser queimados; iluminação esquisita por
flashes e fumaça podem ser empregadas. O exorcista comporta-se de maneira estranha e ameaçadora,
ressoando ao candidato todas as peculiaridades que ele tenha exibido de si mesmo. Efetivamente, o
exorcista aterroriza o candidato de volta à normalidade pela demonstração a ele até onde ele caiu na
ladeira aonde ele tem dormido (deitado) e o quanto além ele pode eventualmente ir.
Técnicas gnósticas, isto é, a generalização de intensa excitação do êxtase mental ou
alternativamente extrema meditação na quietude, são efetivos no exorcismo de uma pessoa. Em ambas
destas duas condições a mente torna-se hiper sugestionável, a qual explica seus usos em lavagens
cerebrais. Agora, muitas
mental associada com a formas de possessão
provocação sexual outêmexperiências
um componente sexual podem
traumáticas ou traumático,
também Aseenergia
tornar
divertidas para alimentar uma obsessão até que esta cresça numa entidade independente ou atraia uma
entidade independente. De fato, este é um dos métodos mais fáceis pelo qual o magista pode criar seus
familiares, elementais e demônios. É somente pelo retorno a um nível similar de alegria mental por vários
níveis fisiológicos que tal forma de obsessão e possessão podem ser desafiados e banidos. O ritual então
consiste de trazer o candidato a uma grande catarse, durante a qual sua consciência pode ser
reprogramada a rejeitar a entidade ofensiva a qual tenha sido construída.
O exorcismo de locais e objetos é de dois tipos. O primeiro é um xamã realizado na presença de
pessoas que pedem o exorcismo em si mesmas, mas que são incapazes de chegarem ao termo de fato. O
exorcismo é possível tendo convocado situação onde o problema fica nos habitantes do local e é óbvio
que não no local por si mesmo como eles protestam. Neste caso, o exorcismo é realizado em suas
presenças com eles como o real alvo. O exorcista terá de fazer alguma simulação de lidar com o local dali
mesmo, e neste ele deveria pedir para a pessoa afetada para ajudá-lo. Como eles tem já exteriorizada a
força de obsessão ou possessão imaginária, ou algumas vezes objetivamente (como um poltergeist, etc...),
o próximo passo lógico é para eles tomarem o controle disto.
Se ali há fenômenos psíquicos objetivos, como materializações, barulhos, caída repentina de
temperatura, ou objetos arremessados ao redor, o exorcista não deve concluir imediatamente a presença
de uma entidade extra-humana. Humanos são um tanto capazes de efetivar tais manifestações enquanto
sendo inconsciente de que eles estão fazendo.
P sic o nau ta 26

Se, entretanto, o mago puder satisfazer a si mesmo de que algum local ou objeto que está
infestado com alguma energia psíquica ou entidade, então uma grande oportunidade se apresenta. Ao
invés do banimento, cilada pode ser considerada. Em geral, Espíritos podem ser coagidos por qualquer
coisa elevadamente ordenada, baixa estrutura de entropia – a vontade humana focalizada, metal
magnetizado, cristais, e para algumas extensões, água muito pura sendo o agente mais costumeiramente
empregado.
A vontade mágica normalmente começa caçando a espreita a entidade pelo provimento disso dar
alguma base à manifestação. Dependendo de suas habilidades clarividentes, ele pode empregar escuridão,
fumaça de incenso ou alucinógenos para adquirir alguma impressão do que ele está lidando com. Um
ritual de seguimento ao centro da cilada ao redor do que será o uso de uma armadilha de espíritos as quais
de longe os mais efetivos são os cristais. Cristais de sal grosso são também usados mais ou menos em
rituais religiosos não muito conhecidos, mas xamãs pelo mundo todo preferem cristais, e muito mais os
que são mais estáveis, particularmente quartzo. Incidentalmente, o sal ordinário é muito bom para apanhar
várias partículas de escombros psíquicos de baixo nível que muitos bruxos e místicos recusam-se a
comer. Consumo de sal cru é de alguma forma uma injúria para a saúde física de qualquer forma.
Entidades podem ser coergidas a um cristal colocando-o num local ocupado por um espírito se
este puder ser determinado. Coerção por uma vontade humana fortemente focalizada, assistida por
incitações e passes com instrumentos de ferro fortemente magnetizados, pode ser efetiva –
particularmente se a operação toda está concentrada num ritual.
Banimento pode ser realizado simplesmente forçando a entidade a partir, ou esse pode ser
realizado em seguida a cilada. Apesar disso ser muito comum, água é uma substância muito anômala. A
nível molecular esta não é totalmente homogênea ou randômica, mas possuidora de uma certa estrutura
delicada a qual é muito sensitiva ao calor, radiação e AMBIENCE psíquico. Esta receberá uma carga
psíquica prontamente, mas irá dissipá-la tão prontamente quanto. Por isso em rituais de banimento cristais
infestados de saldonobanimento
Outra variação banimentodireto
normalmente
é carregarvão
pordiretos para serem
um pouco de águadissolvidos em água
e simplesmente por algunsa água
esparramar dias.
ao redor da proximidade da entidade, pelo seu efeito desintegrador.
O magista pode encontrar entidades as quais são as reminiscências psíquicas de um humano
morto. Se este ainda possua qualquer grau de coerência, ele pode ter recursos para várias formas de unção
como dadas na próxima sessão.
P sic o nau ta 27

EXTREMA UNÇÃ O: O ENC ANTAM ENTO FINAL

A s forças orgânicas as quais trazem um ser dentro da existência física irão, inevitavelmente,
remover isto da existência posteriormente. Também não é possível ou desejável prevenir isto de
ocorrer eventualmente. Morte é uma pré-condição de vida. Sem a morte, a vida humana não mais
seria humana. Morte deve ser uma grande iniciação ou uma catástrofe randômica na qual os frutos de uma
são largamente perdidos.
Na morte existem três partes de um ser a serem consideradas: seu Kia, seu corpo aetérico e seu
corpoapresentação
sua físico. O último
numairácultura
degradar-se em váriosSomente
em particular. graus dependendo
religiões asdaquais
superstição repulsivatemerosas
são realmente envolvendo
da
morte tem projetado os hábitos revoltantes de sepultamento em caixas seladas ou embalsamando. Na
trajetória normal dos acontecimentos, o corpo aethérico começará a degradar-se assim que o corpo físico
começar a se desintegrar. O corpo aetérico, também conhecido como alma, contém uma imagem do corpo
e algumas de suas mais poderosas memórias. Se a morte ocorre de uma forma altamente poderosa, o
aetérico pode conter a memória desta experiência também. O aetérico desintegrando-se, pode algumas
vezes provocar a todas as maneiras de experiências quase religiosas na morte; cada um deve visitar
brevemente o céu e o inferno de suas expectativas. O aetérico pode parecer como um fantasma, e parte
disso pode se tornar ligado a locais ou objetos, e – raramente – outras pessoas. Em geral, elasticamente,
isto se dissipa dentro do cenário aetérico após alguns dias. O Kia é destinado a ser reabsorvido dentro do
reservatório de força vital a qual faz a si mesmo conhecido a nós como Baphomet. Ao místico esta
experiência é a união com Deus. Ao feiticeiro isto tem sido consumido pelo Demônio e ele procura
deliberadamente evitar isso. O magista, por outro lado, pode bem dar alguma consideração para isto,
quer ele deseje preservar sua consciência individual ou não. Absorção em Baphomet explode o Kia em
infinitos fragmentos, fora do qual novos Kias irão eventualmente formar a residir em novos seres. Por
meios mágicos, é possível fazer o Kia reencarnar totalmente sem perder a sua integridade. Outras técnicas
permitem o Kia a carregar algum aetérico com ele, em cada caso ao menos algumas das lições principais
e memórias de uma encarnação podem ser preservadas para a próxima.
O mago deve decidir por si mesmo qual o curso de ações serão tomadas por sua própria alma.
Quando presente em, ou brevemente depois, da morte de qualquer criatura, o mago tem a oportunidade
acessorar como um psico pomp, um guia de almas pelo outro mundo.
Instruções e encorajamento podem ser dados verbalmente à pessoa falecendo, mas no caso de
seu ser estar em coma, ou morto, ou pertencer a outras raças ou espécies, o mago deverá confiar em
visualizações telepáticas sozinho para colocar através de suas mensagens. Os pontos essenciais, os quais
podem ser declarados em qualquer forma de candidato, que o candidato estará compreendendo, é este:
“Esteja sem medo quando a grande metamorfose ocorrer”.
Visões fantásticas e aterradoras são ilusórias, ria delas e as rejeite, elas não podem te tocar agora,
vá adiante.
Você chegará ao segredo do teu ser. O qual pode parecer como um brilho ofuscante, ou como
uma escuridão assustadora, ou como ambas as coisas e mais.
É
É tua
tua escolha
escolha tornar-se uno com
ficar separado tua fonte
se você quiserseisso
você
aoquiser
invés.isto.
Faça o que tu queiras.
Se você permanecer separado, então você precisa buscar nova vida.
Na procura pelo renascimento, procure as emanações de amor, vitalidade e inteligência, vá aonde
exista força e liberdade.
P sic o nau ta 28
P sic o nau ta 29

ORDENAÇÃO

U m sacerdote mágico, distinto de um adepto, é alguém capaz de estar administrando os


sacramentos e rituais da iniciação, exorcismo, extrema unção e o Massa e de discursar sabiamente
sobre misticismo e magia para quem quer que seja que vá requisitar isso a ele. A maioria dos
adeptos estará apta à função do sacerdócio ao menos que essas pessoas estejam seguindo exclusivamente
o caminho solitário. Iniciados acreditarão que adquirindo os poderes de um sacerdote mágico terão dado
um passo adiante no progresso deles em direção ao sacerdócio.
Ordenação
demonstração não habilidades
de certas é conferida nos
por reino
algumdeselo de aprovação,
alguém. A Ordemmas é dada em
reconhece comoreconhecimento
ordenamento doda
sacerdócio do Chaos aqueles que puderem demonstrar o seguinte:
Administração da Massa do Chaos para invocação, encantamento e consagração.
Realização de exorcismo de pessoas e locais com efeito.
Administração da extrema unção a algum ser o qual legado certamente não deve ter sido trazido
para este propósito.
O desígnio e realização de uma iniciação, agindo como oficial principal.
Habilidade psíquica em encantamento e adivinhação por qualquer método preferido.
A habilidade de entrar ao menos em um estado alterado de consciência de gnose pela vontade.
A habilidade de discutir sabiamente, naturalmente, convincentemente e com autoridade em
assuntos mágicos e místicos.
Estas habilidades têm de ser testadas por um período de tempo, mas após cumprimento
satisfatório o candidato realiza o Ritual de Ordenação propriamente dito. Para isso ele realiza o Massa do
Chaos por sua própria inspiração mágica e consagra seus instrumentos sagrados, com tantos oficiais da
Ordem quanto possível a estarem para adicionar seus próprios poderes ao ritual.
P sic o nau ta 30
P sic o nau ta 31

TEMPO M ÁGIC O

O s corpos celestiais os quais exercem os maiores efeitos físicos e psíquicos na Terra são o Sol e a
Lua. Os efeitos dos outros planetas são mínimos comparados e pouco não relacionado com as
atribuições fantásticas para deuses antigos. Astrologia, como qualquer outro campo de
conhecimento, procura ampliar a si mesma, mas ao fazer ela indiscriminadamente tem se tornado vaga e
imprecisa. Os planetas influenciam a Terra, mas os efeitos são indiretos, por eles nos efetuarem pelo
efeito ao Sol, e muitos desses efeitos são imensuráveis e pequenos.
A Lua não
lua, as radiações brilhasofrem
solares por suauma
própria luz, mas
mudança em pelo reflexo dae, luz
propriedades ao do Sol. Aoaestar
chegarem saltando
Terra, fora dao
eles lançam
brilho melancólico familiar prateado sobre tudo o que tocam. Antes dos dias que a psiquiatria abusasse de
tranqüilizantes em massa, hospitais mentais se tornariam asilos para doentes mentais verificáveis na Lua
Cheia. Fortes luzes lunares exercem um efeito energizador geral psico físico numa grande variedade de
vida animal e vegetal os quais o crescimento e o comportamento são influenciados por isso. Existem
poucas coisas mais revigorantes do que o banho de lua, mas se a energia não for canalizada para algo útil,
ela pode ter a tendência de intoxicar e perturbar o banho lunar. Longe da civilização, o ciclo menstrual
feminino fica sincronizado com as fases lunares. A passagem do sangue tende a ocorrer à noite de Lua
Nova mas pode ocorrer em Lua Cheia. A ovulação irá ocorrer necessariamente na fase oposta. Nos
momentos de menstruação a mulher está em sua fase física mais poderosa e clarividente. Muitas
autoridades consideram que a Lua Cheia é o tempo para operações de magia beneficente, cura, fertilidade
e de prosperidade, e que a lua Nova é o momento para feitiços malignos. Isto é somente parte da verdade.
Todas magias operam de algum jeito melhor em Lua Cheia por ali existirem mais energias psíquicas ao
redor. Magia danosa tende a ter efeitos piores em suas vítimas em Lua Nova para qualquer um que tenha
a tendência de ser uma reviravolta para baixo, mas reciprocamente o ataque tem de ser feito numa posição
de energia menor. A exceção disso, é claro, sendo para mulheres menstruadas neste momento. Por esta
razão muitos sistemas religiosos e mágicos tendem a ser temerosos ao poder feminino nestes momentos e
as excluem dos templos ou relações sexuais com homens. Por outro lado, algumas ordens mágicas
arcanas e secretas têm encorajado as mulheres a usarem poderes extrapsíquicos quando a menstruação
ocorre em Lua Nova ou Cheia para o bem e doença, respectivamente. Contraceptivos orais agora
oferecem um método simples para efetivarem a sincronização com ambas fases lunares como desejado.
No assunto geral do tempo em qualquer ato mágico, não vale nada a idéia de que o melhor
momento para realizar qualquer magia a afetar outros é as quatro da manhã no horário local. Este é o
momento que o corpo mental estará em seu nível fisiológico mais baixo. É o momento dos sonhos e o
momento que a maioria dos resquícios nascem ou morrem.
O ciclo anual em latitudes temperadas exerce um efeito psíquico considerável pelo
gerenciamento da vida vegetal e animal. O ciclo anual do sexo, crescimento e morte e decadência criam
uma corrente psíquica correspondente a qual pode provavelmente explicar a maioria dos signos
astrológicos e tornar vários tipos de magia facilitados em certas épocas. Energias primaveris auxiliam
operações beneficentes como as curas, crescimento, amor e fertilidade, estes sendo realizados no
Hemisfério
de Setembro.Norte ao redor
Energias do do mês de
outono Maio, após
auxiliam 30 de Abril,
as operações e no Hemisfério
de necromancia, Suleem
morte Outubro,como
escuridão, após 30
no
Hemisfério Norte é realizado as festas de Halloween, em 31 de Outubro, mas no Hemisfério Sul sem
festividades relativas.
A qualidade das radiações solares estão freqüentemente em distúrbio pela presença das manchas
solares. Ali existem vórtex magnéticos intensos os quais se movem pela superfície do Sol e tendem a
aparecer em grande número a cada onze anos. Eles parecem escuros porque eles são mais frios que o resto
da superfície desta fornalha raivosa termonuclear. Os imensos campos de energia associados com as
manchas solares são mensuráveis aqui na Terra e normalmente interrompem comunicações em ondas de
rádio. Manchas solares tem efeitos imprevisíveis aqui na Terra; a mancha solar máxima é mais comum do
que não associada com elevações do nível da Terra e desastres nos medos do humano. Eventos
geralmente movem para fases de crises e guardam mudanças que começam. A imagem é mais complicada
por uma polaridade magnética reversa de um ciclo para o próximo, dando um ciclo completo de vinte e
dois anos. Magicamente o tempo de uma mancha solar máxima é o tempo de se realizar grandes
mudanças em movimento, enquanto eventos estão em seus momentos mais sensíveis e instáveis, e o
menor empurrão apode ter conseqüências decisivas.
As duas últimas máximas ocorreram em 1968 e 1979 marcando o princípio de correntes
otimistas e pessimistas, respectivamente. Deixe-nos esperar que 1990 traga bons tempos para a Terra.
Isto permanece sendo que existe uma correlação entre o Atu 22 do taro e o 22 º ano do ciclo. O Bobo
representaria presumivelmente um nódulo , e a Fortuna um segundo em cada ciclo.
P sic o nau ta 32

O conhecimento de ciclos astronômicos e temporais convém para não agir como uma influência
restritiva na atividade mágica, antes isto deveria sugerir épocas quando tais artes possam ser praticadas
com eficiência maior que a normal.
P sic o nau ta 33

QUIMIOGNOSE
NOTA IMPORTANTE: Usar drogas de qualquer tipo é envenenar o corpo. A diferença entre
doses suficientes e superdoses é tão variável quanto exibir o perigo inerente do uso de substâncias
tóxicas. O autor tem experimentado estudos compreensivos do uso de muitos tipos de drogas numa forma
científica controlada, garantindo proteções múltiplas e proteções durante os experimentos. Sequer a
editora ora o autor desejam incitar qualquer leitor ao uso irresponsável de substâncias tóxicas e
aconselhamos contra o uso delas. Entretanto omitir uma inspeção deste aspecto historicamente

importante das operações da técnica mágica iriam arriscar toda a integridade do livro.

A gentes químicos de srcem natural ou produzidos sempre atuam numa regra importante no
xamanismo e na magia. Estas substâncias podem tornar vários poderes ocultos acessíveis, mas
nenhum deles confere habilidades mágicas por si mesmos. Ali existem quatro fatores os quais
controlam, o resultado de experimentos com drogas mágicas: inicialmente, os efeitos psicológicos das
drogas por si mesmas; em segundo lugar, o treinamento e habilidades de seus usuários; em terceiro lugar,
qualquer força mágica inata contida nas substâncias; e em quarto lugar, qualquer evento mágico externo o
qual possa afetar a experiência.
Nas bases de seus efeitos psicológicos, drogas magicamente úteis podem ser divididas em três
categorias. Alucinógenos são substâncias as quais aumentam a percepção. Alucinações, por distinção das
percepções superiores, ocorrem quando o submisso tem tomado overdose a si mesmo ou falha em dirigir
a sua percepção para qualquer propósito, e a experiência torna-se uma viagem desordenada ao redor de
sua imaginação. Agentes desinibidores como o álcool e o raxixe, fazem isso mais fácil para atingir
estados gnósticos de excitação frenética requeridos em vários rituais estáticos. Substâncias hipnóticas ou
narcóticas são aquelas as quais nos elevam para vários graus de transe e inconsciência.
Agora a maioria das drogas em qualquer destas classes irá exibir todos os três tipos de efeito por
várias doses. Pequenas quantidades de narcóticos são estimulantes em muitos casos e doses maiores
devem ser alucinógenas. Doses excessivas de agentes desinibidores podem causar estupor e alucinação.
Alucinógenos por si mesmos podem ser estimulantes em pequenas doses, mas podem causar transe em
doses maiores.
Além disso todas as drogas causarão envenenamento, coma e morte em alguns níveis, apesar
disso só ocorrer em níveis extremos. O treinamento e habilidade do uso das drogas conta por muitas das
diferenças de efeitos noticiados em doses menores. Quantidades as quais evoquem somente euforia
MILOD ou náusea em assuntos não dominados podem ser suficientes para permitir ao adepto a entrar em
estados de transe ou estáticos. O direcionamento da percepção é também essencial se alguém está para
comungar com fenômenos mágicos em lugar de apenas ter momentos agradáveis ou nauseante. O
direcionamento da percepção pode ser aprendido em meditação sem drogas, ou este pode ser trazido em
atividade pela presença de um adepto, ou isto pode ser causado por forças mágicas contidas nas
substâncias das drogas. A falha na direção das percepções é a causa de todas as visões de terror e seu
significado das drogas.
Ali podem
sido preparada haver forças
especialmente paramágicas inatas numa
conter alguma forçadroga
oculta.sePor
ela esta
é feita de drogas
razão substâncias, ou sedeveriam
botânicas ela tem
ser coletadas com o maior carinho e respeito. De retorno, o espírito da espécie pode entregar seus
superiores segredos ao usuário: tal conhecimento como aonde achar a planta, quais as suas naturezas e
propriedades (curativas e outras), e um conhecimento das outras criaturas e forças que tem uma relação
com ela. Algumas preparações podem conter elementos não venenosos os quais tem propriedades ocultas,
como partes de animais com os quais o feiticeiro procura comunhão. Quando usada uma substância
química refinada ou pura, é sábio realizar uma invocação de antemão. No menor dos casos isto
direcionará a percepção de alguém, e isto pode suceder na colocação de uma carga mágica na própria
substância.
Eventos externos podem também servir para percepção diferente. Um iniciado experiente pode
levar o neófito na visão correta ou demonstrar um fenômeno particular para aumentar a percepção do
neófito.
Agora brevemente, uma exegese das drogas de uso comum e seus efeitos: ungüentos selvagens
são achados numa variedade de pontos na história da magia e muitas culturas. Os ingredientes essenciais
são uma base de graxa, uma ou mais das espécies da SOLANUM venenosas (DATURA HENBANE ou
beladona e algumas vezes napêlo ou acônito). O ungüento é untado no frente e ao redor das coxas e foi
ocasionalmente aplicado internamente para a genitália feminina usando uma vassoura de mão, HENCE
ou mitos. Os alcalóides da SOLACEAE causa sonolência e consciência nas quais ocorrem alucinações de
estar voando e nas quais a real viagem astral é possível. O alcalóide napêlo ajuda no entorpecer geral do
corpo. Todos estes alcalóides carregam um risco severo de envenenamento, entretanto, e é ilógico tomar
P sic o nau ta 34

overdose ou ingerir a mistura. Com este tipo de droga é preferível usar somente quantidades escassas e
então tentar viagens astrais desejadas enquanto adormecido mais do que do que letárgico.
Um campo imenso de alucinógenos está disponível a estimular a percepção mágica. Sintéticos
como o LSD não possuem qualidades mágicas intrínsecas, mas produzem visões deslumbrantemente
erráticas, as quais, apesar de eles poderem ser carregados emocionalmente, parecem somente e refletir as
expectativas de medos do usuário. Pela natureza passageira e fantasticamente distorcida das experiências
com LSD, é notoriamente difícil dirigir a percepção das visões particulares usando. Considerando que nos
dias iniciais do uso de LSD carregou uma vibração JOYOUS OCEANIC, atualmente isto parece ter
adquirido uma aura de paranóia e pesadelos.
Apesar de que isto é provavelmente impossível dirigir o transe para fins mágicos, o gás dióxido
nitroso produz visões notáveis de uma natureza intensamente natural. Geralmente parece que esta simples
substância tapa o grande assento próprio de inspiração, mas os insights que isto traz tem e tendência
exasperante de balbuciar pelos dedos de alguém no despertar. Não obstante, isto dá um gosto atraente de
algo se aproximando da forma de SAMADHI.
Alucinógenos que trabalham naturalmente oferecem uma fonte muito mais rica para a percepção
mágica. AMANITA MUSACRIA, o FLY AGARIC TOADSTOOL tendo uma CAP vermelha e SPOTS
brancos, contém uma variedade de alcalóides incluindo BUFOTENINE. Esta substância também é achada
em GLANDS através dos olhos de certos sapos os quais podem explicar o uso delas em BRWEWS
medievais de bruxas. É também significante que AMANITA MUSCARIA BEARS o nome cogumelo; de
fato, é virtualmente o arquétipo cogumelo no folclore, presumidamente pela sua singularidade química.
Nenhum sapo tem sido jamais visto sentado em alguém por opção.
Um grupo similar de alucinantes alcalóides existe numa espécie de pequenos cogumelos
PSYLOCYBE. Algo muito estranho tem acontecido a esta espécie. Ali parece não haver referência a eles
por todos em qualquer folclore fora da América até recentemente, muito recentemente. Apesar de
virtualmente
PSYLOCYBEtodas tem aspermanecido
outras ervasdesconhecido
e fungos PSYCHOGENIC tenhamum
e catalogado como sidoachado
conhecidos
poucopor séculos,
cogumelos
desinteressante e raro. Isso parece que o que nós estamos testemunhando aqui é a repentina proliferação
de um mutante VIRILE e alucinógeno dentro de outra espécie de outra forma insignificante. É esperado
que após alguns anos isto não desapareça novamente como misteriosamente apareceu.
Os pequenos cogumelos produzem todos os efeitos interessantes da AMANITA mas sem os
efeitos colaterais desprazerosos. Eles são também altamente comunicativos se aproximados com respeito
e vontade mostram ao pesquisador muitos aspectos de seus seres coletivos tão bem quanto lhe dando
GLIMPSES dentro dele e o universo.
Com todos tipos de drogas excitantes e indutoras do transe, o truque é usar apenas o suficiente
para estimular a condição requerida mas não tanto para que alguém perca o controle sobre isto.
Substâncias indutoras de transe incluem narcóticos como o ópium, TOBACCO, ou decocções do
MANDRAKE e vários anestésicos como o éter e o clorofórmio. Preparações excitantes incluem o álcool,
o raxixe e pequenas quantidades de alucinógenos.
Todas estas substâncias requerem uma técnica estática adicional para dirigir a percepção a
produzir o efeito desejável. Em geral, agentes químicos são úteis somente na magia receptiva, como a
viagem astral, adivinhação e invocação, e após um tempo o adepto deveria estar apto a obter estas
experi6encias sem assistência química. Agentes químicos acham muito poucas aplicações nas mais ativas
formas de magia como os sigilos e encantamentos. No combate mágico seu uso pode provar ser
desastroso.
Uma reflexão posterior: Eu não iria aconselhar a ninguém a trilhar muito profundamente na mira
da alquimia, mas o Elixir negro desta tradição era quase que certamente uma essência de sapo.
NOTA: Todas drogas são venenosas e as substâncias previamente mencionadas tem a capacidade de
agirem como tóxicos letais. Com muitos psicotrópicos naturais, a diferença entre uma dosagem fatal e
uma dosagem meramente psicotrópica é impossível analisar por métodos amadores. Estas técnicas são
mencionadas somente por causa de complemento histórico.
P sic o nau ta 35

PE RSPEC TIVAS M ÁGICAS

P rocessos físicos sozinhos nunca irão explicar completamente a existência do universo, vida e
consciência. Respostas religiosas são apenas desejos imaginados e fabricação de imoral lançadas
como um véu mais de ignorância sóbria de uma parte inferior. Para explicar suas experiências
místicas ocultas, magistas são forçados a ir além de modelos para desenvolverem escopos dos sistemas
materialistas ou religiosos. Ao magista é auto-evidente de que ali há algum nível de realidade além do
meramente físico. Magistas medievais pensavam que seus poderes emanavam de ou de Deus ou do
Diabo.
bem ouDe
parafato
maloperações mágicas acontecem
ou com motivação indiferente.igualmente
Seja o quebem em qualquer
for para nomeda
uma natureza deoutra
deuses, neutro, aqui
realidade, para
não há obviamente necessidades–psicológicas além de antropomorfisar para isto.
Muitas disciplinas científicas começam não pela observação de qualquer tipo de brilho ou
consciência em eventos materiais vitais e procedem negando que estas coisas existem em videntes vivos,
mesmos de neles me incluindo. Pela consciência não se enquadrar dentro de seus esquemas mecânicos
eles declaram isto como ilusório. Magistas proclamam justamente o argumento oposto. Observando uma
consciência em si mesma animal e, magnânimos que são eles o suficiente para estender isso a todas coisas
como por algum nível-árvore, amuletos, planetários de corpos, e tudo mais. Esta é uma atitude muito mais
respeitosa e generosa do que aquela que fazem os religiosos, na maioria dos quais não darão uma alma de
sequer um animal.
Uma visão mágica da mente diferencia-se radicalmente das idéias científicas religiosas. De um
ponto de vista religioso nós somos variavelmente um legado pouco disposto, ou manifestações
desconhecidas dos deuses. Alternativamente nós somos parcialmente de Deus e parcialmente de
demônios, de pessoalmente de Deus, mas predominantemente demônios por escolha. Novamente
pensamentos moralistas obscurecem uma ignorância. Não existe realmente visão científica da mente de
qualquer forma; ali existe somente psicologia, então nós devemos contrastar isto com um materialista de
visão geral. O Contraste deles é estranho. Psicologia clama que quando algo acontece às pessoas
(estímulo), elas fazem algo (resposta). O que faz uma pessoa dar uma resposta e outra pessoa uma
resposta diferente particular é o ego delas. Uma visão materialista geral por outro lado é uma aceitação de
que nós temos livre-arbítrio. Sou eu meu ego, ou sou eu meu livre-arbítrio? Este problema antigo é
insolúvel por isto ser erroneamente fraseado. Magia oferece uma visão alternativa. Consciência ocorre
quando o Kia (o qual é equivalente ao Arbítrio mais percepção ao vivo de algo, mas é por si mesmo sem
forma) toca uma materialidade (ego, mente, informações sensoriais e extra-sensoriais, etc), então nós
temos ambas estas coisas, mas nós somos nenhuma delas; nós experimentamos nosso ser somente
naqueles locais de encontro.
Uma visão geral da interpretação mágica de existência aparece nas seções seguintes deste livro:
Baphomet, Choronzon e o Censor Psíquico. Uma exposição mais detalhada de teorias técnicas ocultistas
aparece em ambos capítulos sobre Paradigmas Mágicos.
P sic o nau ta 36
P sic o nau ta 37

C AOS: O SEGR E DO DO UNI VERSO


Pode isso não ser Consciência, Magia e Caos uma coisa da mesma? Consciência está apta a fazer coisas
acontecerem espontaneamente sem causa anterior. Isto normalmente acontece dentro do cérebro, aonde
aquela parte da consciência que nós chamamos de “Vontade” titila os nervos para fazer certos
acontecimentos e ações acontecerem. Ocasionalmente a consciência está apta a fazer coisas acontecerem
fora do corpo quando esta realiza magia. Qualquer ato de Vontade é mágico. Reciprocamente qualquer
ato da percepção consciente é também magia, uma ocorrência nos nervos é espontaneamente percebida na
consciência. Algumas vezes esta percepção pode ocorrer diretamente sem o uso dos sentidos, como na
clarividência.
Magia não está confinada apenas na consciência. Todos eventos, incluindo a srcem do universo,
acontecem unicamente pela magia. Que seja dito, eles surgem espontaneamente sem uma meta prioritária
final. Matéria dá a aparência de sermos gerados por leis físicas, mas estas são somente aproximações
estatísticas. Não é possível dar uma explicação final de como qualquer coisa acontece em termos de causa
e efeito. Em qualquer nível o evento deve ter “apenas acontecido”. Isto deve parecer subir a um universo
completamente desordenado randômico. Não tanto. Lance para morte de uma única e você deve pegar
algo, lance para milhões de seis e você pegará quase exatamente seis milhões. Ali não há razão pelas leis
do universo representado aqui pela estrutura do dado; eles, também, são fenômenos que tem apenas
surgem espontaneamente e podem um dia parar de aplicar-se à espontaneidade produzir algo diferente.
Agora é muito difícil imaginar eventos surgindo espontaneamente sem uma causa principal até
mesmo acreditando que isto acontece todos os momentos que alguém exerce sua vontade. Por esta razão
tem sido preferido chamar este caminho como fenômeno do Chaos. Nos é impossível compreender o
Chaos, porque a compreensão é parte de nós mesmos e é derivado da matéria o qual obedece
principalmente às formas estatísticas da causalidade. De fato, todo nosso pensamento racional é
estruturado na hipótese de que uma coisa causa outra. Isto segue então que nossos pensamentos nunca
estarão aptos para apreciar a natureza da consciência ou o universo como um todo porque isto é
espontâneo, mágico e caótico por sua natureza. Agora seria injustificável deduzir disto que o universo é
consciente e pode pensar em nosso sentido de mundo. O Universo É os pensamentos do Chaos se você
quiser. Nós podemos estar aptos a compreender os pensamentos, mas não o Chaos donde eles surgem.
Similarmente não podemos estar acostumados estar conscientes e exercendo nossa vontade, mas nunca
devemos estar aptos a formar idéias do que este é.
Cada um dos principais filósofos humanos tentou resolver uma questão particular sobre
existência. Ciência pergunta “como” e descobre cadeias de causalidade. Religiões perguntam “porque” e
inventam respostas teológicas. Arte pergunta “qual” e aparece com os princípios estéticos. A questão que
a magia procura responder é “o que”, e isto é por um exame da natureza das coisas. Se nós procedermos
direto ao cerne do assunto e perguntar à magia qual é a natureza da consciência do universo e tudo mais,
nós teremos esta resposta: eles são fenômenos espontâneos, mágicos e caóticos. A força a qual inicia e
move o universo, e a força que repousa no centro de nossa consciência, é caprichosa e arbitrária, criando
e destruindo por nenhum propósito além de entreter a si mesmo. Não há nada espiritual ou moralista a
respeito do Chaos
informações podeme Kia. Nós vivemos
ser úteis numpropósitos
para alguns universo onde nada éCabe
relativos. verdadeiro (real), apesar
a nós decidir o que de
nósque algumas
desejamos
considerar significativo ou bom ou divertido. O universo entretém a si mesmo constantemente e nos
convida a fazermos o mesmo. Eu pessoalmente aplaudo o universo por ser esta estupenda piada prática
que ele é. Se ali havia o propósito de vida, o universo, e tudo isto seria muito menos entretecedor. Nós
podemos ir somente pastoralmente ao longo disso ou lutar uma heróica mas fútil batalha contra isso.
Assim como isso é, nós somos livres para agarrar qualquer liberdade que for disponível e fazer qualquer
coisa que nós pensamos com eles. Pode ser que teologia, teologia e até mesmo metafísica são poesia com
péssimo lirismo, mas aqui vão de qualquer forma:
Chaos – a palavra deve ser dita apesar de que somente o irreal disto deve ser conhecido.
A blasfêmia disto deve ser nossa libertação.
Mudança é o único fenômeno constante.
Oh! Deixe-me adorar a randomicidade das coisas, por tudo que eu amei tem surgido disso e
serão tomadas por isto. Chance!
Saúdo também sob ordem aparente, por isso incremento as possibilidades do Chaos.
Ali pode haver nenhuma verdade absoluta num universo de relatividade.
Todas as coisas são arbitrárias, algumas coisas têm uma verdade relativa por um período.
Com a vida sendo acidental nós estamos livres a dar avaliação que quisermos.
Eu não acho necessário considerar isso pelas minhas ações até mesmo a mim mesmo.
Eu não requisito justificativas.
Que eu faça, é suficiente em si mesmo..
P sic o nau ta 38

Vida é sua própria resposta, minha espiritualidade é a forma que eu a vivo.


Eu acreditarei no que me trouxer prazer, poder e êxtase.
Compreensão não pode compreender a si mesma
Percepção não pode perceber a si mesma.
Vontade não pode indesejar a si mesma.
O Segredo do Universo É o Segredo do Universo, me ensinando nas calmarias e tempestades.
P sic o nau ta 39

BAPHOMET
“O que é Deus”? Nós bem que perguntamos, desde que esta questão tem obcecado nossa espécie desde
que este tem nascido como uma noção. A questão tem se tornado um jogo de bola completamente novo
desde a invenção do telescópio. Se a Terra foi reduzida a um grão de areia, então o universo ainda seria
inimaginável vasto na mesma escala. O objeto observado mais adiante estaria a uma longa distância, não
jardas ou sequer muitas milhas, mas ainda ao menos vários milhares de bilhões de milhas. Nosso mundo,
um grão de areia num espaço de milhões de bilhões de milhas. Isto é improvável que qualquer que for o
criador desta
Comoescala
umaterá interesse
espécie pessoal
nós só no que tivemos
começamos para o café.
a fazer pretensas teorias sobre deuses cósmicos quando
nós misturamos nossa psicologia megalomaníaca com os vestígios do conhecimento xamânico. O Deus
monoteísta é somente uma imagem idealizada de nós mesmos ou de nossos parentes ou nossos reis
escritos em geral. A perspectiva do telescópio agora indica que esta idéia era infantilmente pequena. Não
me surpreende a inquisição ter queimado os astrônomos. De forma alguma, antes que os erros
monoteístas tivessem sido feitos, nossa espécie tem embarcado numa apreciação sofisticada da estrutura
psíquica de nosso próprio pequeno canto do universo. Na primeira época do Xamanismo, humanos
reconheceram o espírito animador de seres vivos. Isto era costumeiramente descrito como um Deus
chifrudo, um homem com chifres. Isto era uma força sem moralismo, e esta não poderia ser barganhada
nem aplacada. Entretanto, pela observação cuidadosa, mediação e treinamento seriam possíveis dar a
alguém e à tribo de alguém uma era psíquica num ambiente hostil pela sua apreciação. Estas habilidades
psíquicas prematuras, compartilhadas com uma elevada inteligência, rapidamente passaram a punir
humanos com mais sucesso dentro da espécie neste planeta. A força que fez isto ser possível era
universalmente simbolizada como Deus Chifrudo. Chifrudo porque a este era conferido certo poder sobre
os animais e um homem chifrudo porque este representa algo extra que os humanos não podiam atingir. O
chifre duplo simboliza a natureza bipolar de uma força a qual tinha tanto o deus e o demônio, luz e
escuridão, belo e terrível além disso, a imagem do Deus Chifrudo dá uma impressão da impressionante e
terrível natureza deste tipo de poder.
A agricultura e vida assentada em cidades-estados introduzidos na Era Pagã. O homem perdeu o
toque com muitos aspectos desta força a qual relatou diretamente a natureza e começou a construir todas
formas de teorias improváveis politeístas e panteístas a considerar pelo comportamento de si mesmo e seu
ambiente. Conhecimento tornou-se fragmentado e aspectos da força foram personificadas em várias
deidades. Superstição e mera religião tornaram-se predominantes. A erudição e habilidades mágicas
srcinais sobreviveram em locais, mas tornaram-se não oficiais ou até mesmo foram marginalizadas. Na
era monoteísta religião se tornou um instrumento completamente institucionalizado de Estado. Deuses
singulares deste período foram criados a darem a sansão divino aos poderes seculares e sacerdotais e para
fornecer um modelo ideal aos cidadãos. A força anciã mágica dificilmente poderia sustentar as bases para
estes novos deuses. Ao invés de que Yahweh, Jehovah, Allá e Budda foram definidos como humanos
masculinos idealizados em termos de idéias particularmente culturais. Magia tornou-se uma atividade
reprimida pelos sacerdotes da nova religião que não eram muito adeptos disto e eles não foram
preparados para
Pela elevar a quaisquer
composição idealizadaoutras
de umpessoas para usurparem
único deus, tudo aquilosuas
quehabilidades limitadas.
era não-ideal ou maligno passou a
ser amontoado, unidos na forma de várias imagens Demoníacas. O Deus Chifrudo da Antigüidade foi
repetido agora como o antideus deste sistema. Seus devotos como bruxos e feiticeiros se encontravam
secretamente para praticar suas magias.
Na Era Atéia, pela qual as culturas principais terrestres estão agora passando, Deus tornou-se
homem, despido de suas capacidades psíquicas e místicas mas ao invés provido de tecnologia física. Por
um ato supremo de desatenção seletiva, culturas atéias ordenaram a não observar a manifestação de
qualquer ordem da realidade além da física. A força vital do cosmos e os seres dentro dela iludem suas
equações e se tornaram o deus escondido.
Na era Caótica, no umbral o qual ficamos, uma nova concepção de realidade física está se
formando. Esta nova concepção está se formando por várias frentes. A era principal da física quântica
parece estar provendo uma base teórica para muitos dos fenômenos redescobertos pela renascença do
interesse em parapsicologia e práticas mágicas anciãs.
No novo paradigma a força animadora no universo inteiramente vasto pode ser chamada de
Chaos. Este é o inválido e inexpressível grávido do qual a existência se manifesta, este é virtualmente
imperceptível, inconcebível e impossível de se visualizar. Quase qualquer tentativa de dizer qualquer
coisa a respeito disso seria a negação de sua outra qualidade e portanto uma mentira. Nós poderíamos
dizer que isto era Caótico ou randômico, por formas partirem dele sem causas. Nós poderíamos descreve-
la como furtivamente randômico, mas isso iria refletir somente nossa atitude positiva à existência se nós
pegássemos o problema de manter um. Nós poderíamos dizer que ele opera a nível quântico (sub-
P sic o nau ta 40

atômico) e dentro do centro de nossos seres, se somente porque nós somos incapazes de detectar mais do
que seus efeitos secundários em outro local. Nós poderíamos dizer que sua manifestação mais óbvia é a
mudança. Esta definição é bastante efetiva e baseada de fato num truque ou numa aproximação. Nada que
nós poderíamos saber é realmente estático ou imutável. Nós estaríamos completamente incapazes de
perceber algo que era totalmente imóvel, por esta não emitir energia nem impedir a fluência de objetos
por ele. O Chaos pode ser mais bem visualizado como o único ponto em repouso, o Movedor Invisível
como eles eram. Entretanto nós escolhemos ver isto, o último piso a galgar é totalmente nulo à nossa
compreensão, impessoal e inumano, caprichoso e tão infinito e incompreensível a ter muita utilidade
como um deus para seres limitados à dualidade como nós.
Existe uma parte do Chaos a qual é de maior relevância direta ao mago. Este é o espírito da
energia vital do nosso planeta. Todos seres vivos têm alguma qualidade extra neles a qual os separa da
matéria inorgânica. Os xamãs anciãos principalmente buscando representar esta força pelo Deus
Chifrudo. Em épocas recentes esta força tem reafirmado a si mesma em nossa consciência pelo símbolo
de Baphomet.
Baphomet é o campo psíquico gerado pela totalidade dos seres vivos neste planeta. Desde a Era
Xamânica este tem sido representado como Pan, Pangenitos, All-Begettor, Destruidor de Tudo, como
Shiva-Kali-phallus criativo e abominável mãe e destruidora – como Abraxas – deus polimórfico que é
tanto bom como mal – como o animal encabeçando o Diabo do sexo e morte, ou simplesmente como
“Deusa”. Outras representações incluem a águia, o Barão Samedhi ou Thanateros, ou Cernunnos – o deus
chifrudo dos Celtas.
A apelação “Baphomet” é obscura, mas provavelmente parte do grego Baph-metis, união com
sabedoria.
Deuses com nomes baphométicos e imagens reabertas pelos ensinamentos gnósticos. Nenhuma
imagem pode representar completamente a totalidade do que esta força é, mas esta imagem é
convencionalmente mostrada
inclui várias características como ume hermafrodita
mamíferas deus-deusa
reptilianas. Este na formalembrar
deveria também de umprotozoários,
humano chifrudo que
insetos e
simbolismo floral por ele ser o espírito animador de qualquer coisa de uma bactéria a um tigre. Se
tivermos sucesso na criação de uma máquina consciente, ela terá de incluir elementos mecânicos também.
Entre seus chifres uma tocha é normalmente posicionada, por espírito ser mais facilmente visualizado
como luz. A imagem deveria também incluir elementos lucubres por ele também envolver a morte. Vida e
morte são fenômenos singulares pelos quais a força vital continuamente reencarna. Uma negação da
morte é também uma negação da vida. Os mecanismos celulares os quais permitem a vida também
tornam a morte inevitável, essencial e desejável. Todas religiões que não aceitam a morte são basicamente
contra a vida. Não tenha medo – você tem sido e será milhões de coisas; tudo o que sofrerá é amnésia. O
aspecto sexual do deus-deusa Baphomet está sempre enfatizado, por sexo criar vida, e a sexualidade ser
uma medida da força vital ou vitalidade, não importa como esta é expressa.
O espírito de força vital é o espírito do êxtase dual, procriação e reabsorção, sexo e morte: Deus
belo e terrível do falcão caçador, Deus divisor do rebento, Deus dos amantes unidos, Deus da estrutura
em forma de verme, Deus da lebre iniciante, Deus do divertimento selvagem caçando a floresta em
alegria insana. Invoque este Deus com um ato de amor selvagemente desinibido, e com vinho e drogas
estranhas as quais excitam e exaltam a vitalidade e imaginação. Por última alternativa, delineando a
própria consciência divertida em comunhão com este Deus por profunda concentração e visualização, e a
força vital mágica está alegre para lutar para o bem ou doenças. Oh venha diante da majestade Cornuda
pelo poder do ar, e nos conceda o poder do surfe ao ar e o de falar pelo vento!
Virtualmente todas as mitologias retêm algum saber sobre energias primitivas reptilianas as
quais em geral antecedem os deuses por si mesmas. Dessa forma, nós temos em muitas cosmologias
várias serpentes como Leviathan cercando o universo, ou dragões Chaóticos do tipo Tiamat do qual a
existência cresce. Os deuses são freqüentemente descritos como tendo matado ou impressionado estas
forças reptilianas, ou como sendo perpetuamente engajados em as suprimir. Virtualmente todos demônios
são descritos como parte animal e a maioria tem alguma habilidade reptiliana.
Uma variedade de sugestões ingênuas mas incorretas tem sido colocadas adiante a se considerar
pela representação onipresente das forças primitivas ou demoníacas com símbolos reptilianos. É verdade
que serpentes serem parecidas o phallus, mas a maioria dos répteis quádruplos não. É também verdade
que algumas cobras tem a aparência de estarem regenerando a si mesmos quando elas deixam as suas
escamas, mas até mesmo as suas observações casuais iriam rapidamente mostrar que isto não torna as
cobras imortais. Alguns grandes répteis são sem sombra de dúvidas perigosos à saúde, mas os terríveis
dinossauros foram extintos muito antes que o ser humano aparecesse. Se nós retermos memórias
ancestrais do medo da luta com animais, então estes animais teriam sido quase inteiramente mamíferos,
mamutes, ursos, boi selvagem e até mesmo gatos. Não, ali deve haver alguma conexão mais profunda
P sic o nau ta 41

entre ele e o dragão a explicar a ocorrência universal deste mito até mesmo em terras com poucos destes
espetaculares répteis.
O dragão de nossas mitologias dorme dentro de nossas próprias cabeças. Evolução tem nos
deixado com três cérebros. Ao invés de uma completa reestruturação do cérebro no avanço de cada fase
do avanço evolucionário, novas informações foram simplesmente adicionadas para cobrir novas funções.
A parte mais nova de nosso cérebro é o que nos faz humanos únicos. Somente os macacos mostram algo
similar. A próxima parte mais antiga é algo que dividimos com os mamíferos em geral. A parte mais
primitiva do cérebro é algo que os mamíferos, incluindo nós próprios, dividimos com os répteis. Os
humanos tem um homem, um lobo e um crocodilo vivendo dentro de seu cadáver.
Todos os dragões, serpentes e demônios escamosos de mitos e pesadelos são atavismos
reptilianos desaflorando das partes antigas de nossos cérebros. Evolução não tem apagado este
comportamento ancestral padrão, meramente nodoso então sobre um pilar de novas modificações. Apesar
disto, na mitologia dos deuses, como representações da consciência humana, suprimem os titãs e dragões
da consciência mais antiga.
A tradição da magia preserva uma quantidade de técnicas para despertar o dragão adormecido e
lobos do cérebro antigo. Se as forças aetéricas do corpo são direcionadas para cima em direção ao crânio,
as primeiras partes do cérebro a serem ativadas serão os circuitos reptilianos, apesar de que, no
misticismo Oriental, a liberação do poder da serpente é chamada elevar o kundalini. Atento aos perigos
desta técnica, os magos orientais insistem que o Kundalini não deve ser permitido demoradamente aqui,
mas deve ser feito para entrar nos centros cerebrais elevados.
Os centros cerebrais antigos podem também ser ativados durante estados intensos de excitação
ou quietude meditativa. Gnose pode ser dirigida para estes níveis pela visualização de alguém na forma
requerida de besta, e pelo uso de sigilos a alcançar os programas de comportamento subconsciente. A
“mente dragão” acha aplicação mágica na criação de demônios poderosos e bastante sórdidos e para a
projeção
extendem de encantamentos
à compaixão de uma natureza
ou consciência e contém similar.
somente Os programas suficiente
premeditação da consciência reptiliana não
pelas necessidades de
caça, morte, alimentação e reprodução.
Sociedade e religião têm estado preocupados com a manutenção do dragão e lobo
permanentemente suprimidos exceto naqueles momentos aos quais são colocados a fazerem guerra. Para
os magos, estas forças atávicas são uma fonte do poder pessoal. Por Baphomet, o Deus dos Magos, ser
freqüentemente numa forma composta de homem – mamífero – serpente, como são muitos deuses
xamânicos.
P sic o nau ta 42
P sic o nau ta 43

O SEN SOR PSÍQ UIC O


A parte física nossa é muito delicado sobre o Chaos e a magia; de fato, nossa mente detesta estas
coisas e ali he um mecanismo sensorial muito poderoso que nos previne do uso ou noticiando tudo senão
uma fração deste.
Quando as pessoas são apresentadas a eventos realmente mágicos eles de alguma forma
gerenciam a não divulgação. Se eles são forçados a informar algo sem controvérsias mágico eles podem
ficar assustados, com náusea e doentes. O Sensor Psíquico nos bloqueia de intrusos de outras realidades.
São publicadas
habilidade a maioria
de registrar das comunicações
coincidências telepáticas,
significativas, nos cegasonhos.
ou relembrar para a Opresciência, e reduz
sensor psíquico nãonossa
tira
apenas isso fora da divina malícia; a vida física ordinária seria impossível sem isto. Isto seria como estar
vivendo permanentemente sob a influência de alucinógenos.
A força-consci6encia em nós que aparece como rota da vontade e percepção pode ser chamada
de Kia. Este Kia não tem forma. Qualquer forma de motivação inata ou divina que alguém pode achar
descobrir é uma ilusão. Este é seu centro inválido de algum ser o qual é o Santo Anjo Guardião real. O
sensor psíquico, por outro lado, é uma coisa material a qual protege a mente da magia e seres dominados
pela temerosa estranheza da natureza psíquica a qual nos apresenta como Chaos. Magos tem uma
quantidade de truques sob seus escravos por seletividade omitindo o sensor psíquico. O sensor é mais
ativo em alguns níveis de consciência do que em outros. No nível de sonho a percepção e algumas vezes a
vontade, tem mais liberdade de agir magicamente, mas o sensor irá em geral suceder na prevenção de
ambos os comandos a fazerem isto da penetração em níveis de sonho, ou prevenir a memória disso de
estar disponível a nível consciente.
O nível consciente – no qual nós estamos conscientes do pensamento e estando emotivos – é
dado o maior grau de proteção pelo sensor, e muitas técnicas mágicas são dadas para puxar consciência
longe deste nível. O nível robótico no qual realizamos tarefas automáticas é menos bem-protegido. Num
estado de preocupação despreocupado, mas o sensor geralmente age prevenindo este de entrar
completamente consciente. Se esta barreira puder ser ultrapassada, um volume quase loucamente de
telepatia, precognição em termos curtos, e coincidências improváveis podem ser recebidas. O nível
gnóstico de concentração da quietude ou excitação estática é o último protegido pelo sensor, pois este
nível grande parte da mente é silenciada. Conseqüentemente, sistemas de magia mais efetivos tem
desenvolvido um ou mais métodos de entrar nesse nível deliberadamente.
P sic o nau ta 44
P sic o nau ta 45

O DEMÔNI O C HORONZON .
Um erro curioso ocorreu em muitos sistemas de pensamento oculto. É a noção de algum ser
superior ou verdadeira vontade que têm sido mal apropriada de algumas religiões monoteístas. Existem
muitos que gostam de pensar que possuem algum ser interior ou superior, que seja de alguma forma mais
real ou espiritual que seu ser ordinário ou inferior. Os fatos não mostram isso. Não há uma parte da crença
de alguém sobre si mesmo que não possa ser modificada por técnicas psicológicas suficientemente fortes.
Não há nada de si mesmo que não possa ter retirado ou modificado. O estímulo próprio pode, se
corretamente
versa. Não háaplicado,
santuáriomudar comunistas
soberano dentro em fascistas,
de nós mesmos santos
queem demônios,
represente mansos
nossa em heróis
natureza e vice-
real. Não há
ninguém presente na fortaleza interior. Tudo que recordamos como ego, tudo em que acreditamos, é
justamente o que nós temos renderizado do fato do nosso nascimento até hoje. Com drogas, lavagem
cerebral e outras técnicas de extrema persuasão, é possível fazer rapidamente um homem devoto de uma
ideologia diferente, um patriota de outro país, ou um seguidor de uma diferente religião. Nossa mente é
uma extensão do corpo e não há nenhuma parte dela que não possa ser retirada ou modificada.
A única parte de nós mesmos que existe acima da estrutura psicológica mutável e temporária que
nós chamamos o ego é o KIA. KIA é o termo deliberadamente insignificante dado à centelha de vida ou
força de vida dentro de nós. O Kia é sem forma. Não é nem isso ou aquilo. Quase nada podemos dizer
dele, exceto é que o centro vazio da consciência, e "é" aquilo que ele toca. Ele não tem nenhuma
qualidade como divino, compaixão ou espiritualidade, assim como nenhum dos opostos. Ele dá, contudo,
um sentido de significado ou consciência quando nós experimentamos ou desejamos qualquer coisa,
tornando-se mais aparente para nós quando experimentamos algo fortemente. A gargalhada franca e o
êxtase nos dão uma dica do Kia.
O centro da consciência é sem forma e sem qualidades das quais a mente possa formar imagens.
Não há ninguém em casa. Kia é anônimo. Nós somos uma incompreensível campo de força biomística, do
hiperespaço, se você preferir, com mente e corpo anexados. O erro de tantos sistemas ocultos é imaginar
que o Kia tem alguma natureza pré-ordenada ou qualidade intrínseca. Isto é apenas um desejoso
pensamento, tentando dar significado cósmico para o ego.
Nosso ego é o que nossa mente pensa que somos. É uma imagem de nós mesmos que cresce das
nossas experiências de vida, nosso corpo, sexo, raça, religião, cultura, educação, socialização, medos e
desejos. Existe uma grande pressão em nós para desenvolver um ego afirmado e integrado. Nós devemos
supostamente saber exatamente quem somos, no que acreditamos e supostamente ser hábeis para defender
essa identidade. Quanto mais forte nos identificamos com algo, mas fortemente nós rejeitaremos seu
oposto. Disto, os egos mais fortes e obsessivos pertencerem aos seres menos complexos. Para estes tipos
existe o problema adicional, que exaltar qualquer princípio irá eventualmente atrair seu oposto. Aqueles
que exaltam a força irão descer a uma posição de fraqueza. Aqueles que buscam por bem irão enveredar
no mal.
Desenvolver um ego é como criar um castelo contra a realidade. Provê alguma defesa e senso de
propósito, mas quão largo for, mais ataques ele convidará, e, derradeiramente, cairá em pedaços. Existe
mais umopostos
dos seus problema.
elasTodas fortalezas
severamente tambémnossa
restringem são prisões. Por que nossas crenças implicam na rejeição
liberdade.
Muitos místicos e magistas religiosamente orientados descrevem suas experiências místicas em
termos de transcendência. Eles descrevem a si mesmos como tendo sido arrematados para dentro de algo
imensamente maior, como uma folha em um furacão, ou como uma gota entrando em um oceano. Eles
clamam que seus próprios egos foram obliterados (apagados) e combinados em união com a cabeça de
deus. Nada desta natureza ocorreu. Eles meramente tem empregado alguma forma de exaltação gnóstica
para inflar os próprio ego em uma imensa versão de deus que eles estiveram cuidadosamente cultivando.
O processo não difere nem um pouco daquele empregado pelo mago negro, que também infla seu ego
para dimensões cósmicas, sendo que os tipos religiosos precisam de um deus para em nome do qual
avançar em seus próprios interesses. Eles podem também fazer um show de humildade ao esconder deles
mesmos a enormidade de suas megalomanias.
Exatamente a mesma coisa acontece quando um magista tenta invocar seu Sagrado Anjo
Guardião. A fonte de consciência existe como poderes de vontade e percepção. Quaisquer nomes,
imagens, símbolos e diretivas que o magista recebe serão somente artefatos exagerados de sua própria
mente e ego e possivelmente fragmentos telepáticos de outras pessoas. Por ele obter estas comunicações
em estado gnóstico, ele tende a aceitá-los sem crítica. Gnose também libera criatividade subconsciente e
as mensagens parecem ser mais persuasivas se elas vierem junto com uma inesperada clareza de idéias.
Nós, cada um de nós, tem um real Sagrado Anjo Guardião, ou Kia, que é nosso poder de
consciência, magia e gênio. Nós também temos uma lastimável capacidade de ficar obsidiados com os
meros produtos de nossos gênios, confundindo-os com o próprio Gênio.
P sic o nau ta 46

Esses efeitos colaterais obsessivos tem um nome genético, Choronzon, ou os demônios


Choronzon, uma vez que seu nome é múltiplo. Adorar essas criações é aprisionar-se em loucura e invocar
um desastre eventual.
Crença em um deus ou em um ego são a mesma coisa. Todo homem já é sua própria visão
doente de Deus. Ambos o magista negro e o maníaco religioso adquirem um certo carisma e missão de
suas respectivas obsessões, mas definitivamente suas buscas são fúteis, pois eles não podem ir além dos
seus próprios medos e desejos inflados, para a coisa real - a anônima e sem forma, contudo fantástica,
fonte de poder dentro deles mesmos.
Que nos somos consciências, mágicas e criativas, é a coisa mais misteriosa e inacreditável do
universo. Qualquer deus ou ser superior que possamos imaginar é necessariamente menos espantoso do
que o que nós mesmos atualmente somos, pois é meramente uma criação nossa. Eu mesmo estou não
desejando dar qualquer nome sensível, atributo ou glifo para o infinito mistério dentro do núcleo da
minha consciência e atrás da ilusão do universo. É sabiamente dito que o Absoluto ou é inefável ou é
menos que nós mesmos.
Invocar o real Sagrado Anjo Guardião (ou Kia) é uma tarefa paradoxalmente difícil. Como isto
não tem forma, não há como prender a atenção imaginativamente nele. Isto não pode ser percebido ou
quisto, pois isto é por si mesmo, a raiz da percepção e vontade.
Se alguém invoca o Sagrado Anjo Guardião com a expectativa geral de vários sinais e
manifestações, então usualmente o gênio e capacidades mágicas desse alguém proverão isto, se for
empregada suficiente gnose. Alternativamente, se alguém entra em um estado exaltado de uma forma não
planejada, então a crença livre gerada irá usualmente anexar-se a qualquer idéia mística insipiente que ele
tiver. Em ambos os casos a pessoa perdeu o barco. Permita-me repetir minha surpreendentemente simples
mensagem. O real Sagrado Anjo Guardião é somente a força de consciência, magia e gênio em si mesma,
nada mais. Isto não pode manifestar-se no vácuo; é sempre expressada de alguma forma, mas as
expressões não sãotalvez
Existem a coisasóemduas
si mesmo.
coisas que podem invocar o real Sagrado Anjo Guardião ou Kia.
Primeiramente, o ego pode ser colocado em seu lugar pela deliberada busca de união com algo que se tem
rejeitado. Secundariamente, a oculta força deus Kia pode ser sentida como a raiz de todos atos de
consciência, magia e gênio perfazendo tão diversa e extensiva série destes atos quanto possível.
Invoque sempre, como diz o oráculo.
E bana Choronzon sempre que se manifestar".
P sic o nau ta 47

XAMANISMO

X amanismo é nossa tradição mágica e mística mais velha. É do xamanismo que todas as artes e
ciências mágicas se srcinam. As tradições xamânicas ainda são praticadas em todos os
continentes do Hemisfério Sul – Austrália, África e América do Sul. Ele é achado inicialmente
em sociedades caçadoras, mas sobrevive também em vidas de vilas semi-assentadas aonde toma mais o
perfil de ciência-bruxaria.. As invasões da civilização modernas têm quase que destruído o xamanismo na
América do Norte, Oceania, Ásia do Norte e dentro do Círculo Ártico. Alguns conhecimentos xamânicos
sobreviveram
cultos na bruxaria
sacerdotais européia,
das sociedades enquanto
clássicas. noconclusões
Duas Oriente Médio
podemo ser
xamanismo
tiradas detornou-se
um exametragado pelos
das culturas
remanescentes xamânicas, e de gravações daquelas extintas. Inicialmente, apesar da enorme separação
geográfica entre culturas xamânicas, elas dividem mitos idênticos. Em segundo lugar, é um poder e
conhecimento xamânico que magos contemporâneos procuram redescobrir. Os princípios básicos da
magia como os princípios básicos da ciência, não mudam, mas eles podem se perder. Xamanismo
apresenta uma tecnologia mágica muito completa a qual resume todos assuntos mágicos. A humanidade
agora está na maior carência destas habilidades do que em qualquer época desde a primeira era, se ela for
para compreender no lugar de destruir a si mesma. Xamanismo uma vez guiou todas as sociedades
humanas e as manteve em equilíbrio com seus ambientes por milhares de anos. Todo o ocultismo é uma
tentativa de conquistar de volta aquela sabedoria temerosa perdida. Deixe-nos olhar então o que as
tradições xamânicas mantiveram. O poder xamânico não pode ser progressivamente acumulado como
todas as outras tecnologias. Um xamã terá sorte se seus próprios aprendizes fizerem qualquer avanço
além de sua bagagem própria. Poderes xamânicos são tão difíceis de dominar que uma tradição requer um
influxo contínuo de talentos apenas para prevenir a si mesma da degeneração. Pelas razões que os xamãs
normalmente descrevem suas tradições como tendo declinado de glórias antigas. Somente um praticante
ocasional e excepcional pode ganhar de volta alguns dos poderes mais legendários. Para o Xamanismo é
central a percepção de outro mundo ou uma série de outros mundos. Estes tipos de dimensões astrais ou
etéreas contendo várias entidades e forças permitem que reais efeitos possam ser criados neste mundo. A
alma xamânica viaja pela sua dimensão enquanto em estado de transe estático induzido por drogas. A
jornada pode ser compreendida por conhecimento divinatório, curar doenças, dar um soco num inimigo
ou achar animais de jogo.
Xamãs prósperos são normalmente selecionados daqueles com dispersões nervosas. Eles podem
ser tanto atribuídos a instruções xamânicas ou são dirigidos a estar por um poder presente na cultura
xamânica. Iniciação invoca uma jornada dentro de outro mundo. Um encontro com espíritos e uma
experiência de morte e renascimento. Na experiência de morte e renascimento o candidato tem uma visão
de seu corpo sendo desmembrado, geralmente por fantásticos seres ou espíritos animais, e então
reorganizando dos destroços. O novo corpo invariavelmente contém uma parte extra geralmente descrita
como um osso adicional ou uma inclusão de pedras mágicas de quartzo ou algumas vezes um espírito
animal. Esta experiência simboliza graficamente a localização do campo de força dentro do corpo ou a
adição de vários poderes extras a ele. Na maioria dos sistemas xamânicos esta força etérea tem aparecido
pela
pelasregião
mãos. naval por magia
É o mesmo de curto
que Chi ou Ki,alcance, apesarou
ou Kundalini deaura.
ao invés disto poder ser mandado pelos olhos ou
A tradição xamânica exibe um completo alcance de assuntos mágicos. Exorcismos e curas são as
habilidades principais divididas com a comunidade, e estas são normalmente empreendidas em estados de
transe e estáticos durante os quais uma jornada em outros mundos é feita para se procurar uma cura.
Ataques e devoluções mágicas podem ser realizados para clientes, e xamãs por si mesmos irão
freqüentemente lutar uns com os outros pela supremacia, geralmente assumindo em seus outros mundos
fisionomias animais para este propósito. Alguns xamãs cultivam enorme controle fisiológico com o qual
resistem ao calor, frio ou dor. Caminhar no fogo, no qual calor feroz é magicamente prevenido de
chamuscar carne e é uma característica muito comum desta tradição e ocorre em todo o mundo.
Congregar com o mundo dos espíritos é extensivo e inclui vários espíritos naturais, entidades
animais, vegetais e servidores, as sombras dos mortos, entidades sexuais como íncubus e súcubus e
normalmente um deus chifrudo, até mesmo em áreas onde não existam animais com chifres. Ingressar em
outros mundos é feito por portões perigosos colidindo, comparável à concepção moderna do abismo.
Sonho também como transe é um método importante de obter acesso a outros mundos. Ferramentas
xamânicas são altamente variadas mas normalmente incluem um dispositivo que faz barulho, como
bateria ou agitar com ossatura de cobra, para chamar espíritos e induzir ao transe, assim como vários
objetos de poder, mais costumeiramente cristais de quartzo. A tradição extraordinária do xamanismo é a
manancial de todos sistemas ocultistas, e é no xamanismo que nós devemos procurar se nós desejamos
adquirir pedaços de magia, a ciência mais antiga do homem, e usá-los novamente.
P sic o nau ta 48
P sic o nau ta 49

GNOSTICISMO

N os primeiros e segundo séculos uma série de cultos bizarros cresceram em várias partes do
Império Romano, notavelmente na Alexandria, que se espalharam de pessoas e culturas na boca
do Nilo. Esses cultos eram conhecidos como Gnósticos. Suas idéias e atividades parecem
extravagantes tanto aos antigos e alta\mente avançados. Quando a ordem negra da hierarquia cristã subiu
à ascendência, ela vigorosamente e violentamente suprimiu estes cultos. Entretanto você não pode culpar
Jesus pela religião praticada em seu nome. Os Gnósticos deixaram uma abundância de materiais escritos,
e alguns séculos.
últimos de seus cultos sobreviveram
Os Cátaros marginalizados
medievais à influência
e os albigenos do desenvolvimento
certamente da arte
procuraram algum mágica nos
conhecimento
Gnóstico, e este capítulo sugestionará que as suas influências podem ser detectadas em muitos pontos.
Existem muitas linhas no pensamento Gnóstico. Este contém especulações cósmicas elevadas o
suficiente a serem comparadas com as mais refinadas do sistema Ocidental. Algumas destas especulações
anteciparam a Cabala e a Astrologia Medieval. Ali há um sistema de magia bem desenvolvido
sobrevivendo mais na forma de artefatos. Os Gnósticos tinham uma variedade de sistemas éticos baseados
tanto no completo liberalismo Anárquico ou também no estrito Asceticismo, seja qual for parecesse mais
propício a levar a liberação em qualquer situação particular. Acima de tudo, Gnosticismo era considerado
com experiências místicas – Gnose – Como oposto ao mero Pistis ou fé. O que o mundo teve a tendência
a lembrar o para que a Gnose era, entretanto, é uma estória apócrifa as quais escarneceram as religiões as
religiões ortodoxas de seu tempo.
Gnosticismo tem sido supremamente importante no desenvolvimento da cultura Ocidental por
ele representar uma síntese da iluminação Grega, Egípcia e Orienta, as quais foram rapidamente forçadas
as marginalidades e depois apareceram em obras de magos medievais e da renascença, nos Templários, na
Bruxaria, no Rosacrucianismo, e em nossa própria época.
Aos Gnósticos, nenhuma concepção de Deus ou o final ou qualquer definição que for era infinita
o suficiente. Eles consideram que o Ser Supremo era completamente inefável e além de qualquer coisa
que pudesse ser dita deste. Eles riam dos conceitos desesperadamente paroquianos antropomórficos do
Absoluto que outras religiões colocaram adiante, empreendidos a dizer tão pouco quanto possível a
respeito disso, guardado que isso era um pequeno fragmento da infinidade disto no homem e em todo ser
vivo. Gnose significa experimentar esta faísca primária dentro de si mesmo.
Exatamente como o infinito fragmentou a si mesmo e descendeu para a existência com matéria
era o assunto de infindável debate entre os Gnósticos. Eles produziram muitas teorias. Algumas eram
meramente alegorias poéticas do processo em termos sexuais. Alguns eram comentários alegóricos sobre
a psicologia humana – toda cosmologia incorpora uma psicologia. Alguns eram desculpas para amontoar
ridicularidades em outras religiões. Algumas eram provavelmente tentativas deliberadas de ridicularizar
um intermediário variado e colorido mundo mágico de várias Eras e arcipreste entre este mundo e a
última realidade.
A última realidade deu ascensão para uma variedade de Aeons, normalmente trinta, os quais
envolvem o universo material. Este Aeon não é tanto composto de períodos de tempo como princípios
espirituais ou principados.
viu como Eras Estatensões
Trinta. Várias idéia parece ter reaparecido
inerentes nas visões
as Eras resultadas mágicas dodeDr.
na formação umaJohn Dee que de
quantidade as
Archon, ou regras. Em outros sistemas, a realidade final em si mesma é o primeiro Archon e deste um
número de Archons seguintes, normalmente sete, o Hebdomad, envolvido por um processo de Ennoia do
primeiro Archon produziu um ser, Barbelo (ou Barbelon) tendo uma natureza feminina ou andrógena.
Alternativamente, Barbelo deve ser identificado com o Grande Silêncio no qual o Chaos primário, ou
primeiro Archon se manifestou.
De alguma forma estes princípios cósmicos foram responsáveis pela criação e surgimento deste
mundo. Este é variavelmente chamado Ialdaboath ou Sabaoth ou Iaô e muitos outros nomes. Algumas
vezes a força é sétuplo e identificada com os planetas astrológicos. Esta força é concebida de uma
manifestação andrógena ou masculina com um animal com cabeça humana. É possuidora da
responsabilidade pela criação de seres materiais nos quais a realidade final então condescendida respirar
uma faísca vital. Barbelo é conhecido por nós como Babalon ou Nuit, a grande mãe estrela na qual cada
um deve procurar sua re-absorção para penetrar o mistério maior. Ialdaboath era ainda outra manifestação
do onipresente deus chifrudo conhecido pelos Templários com Baphomet e aos Cristãos como o Diabo. A
força do dragão aparece em alguns sistemas gnósticos como a serpente do mundo ou Leviathan cercando
o universo e mordendo seu próprio rabo.
As atitudes Gnósticas para a vida material – apesar de aparentemente contraditório – é uma
conseqüência direta da Gnose deles e suas especulações cosmológicas. Tendo experimentado o reluzir da
infinidade de si mesmo, eles perceberam que eles não poderiam ser tocados por qualquer coisa, e ainda
eles eram livres para fazerem qualquer coisa. Alguns consideraram formas particulares de atividade mais
P sic o nau ta 50

parecidas a obscurecer a faísca vital e outras formas mais tendenciosas a libera-la. Alguns eram libertinos,
outros ascetas – eles normalmente escolhem ser o oposto que prevalece os padrões sociais. O mundo
material era considerado como sendo inteiramente demoníaco, corrupto e imperfeito. Este era chefiado
pela sua óbvia inconstância. Somente as faíscas vitais eram imortais e iriam reencarnar até que
conseguissem a união como infinito, tanto no fim do universo ou pela liberação de si mesmo enquanto
isso. Isto então, resumidamente, era a visão Gnóstica da realidade. Gnosticismo nunca foi uma religião
organizada, mas existia uma série de cultos elitistas liderados pelos tais notáveis como o mago Simão
Magus, os filósofos Vallentino e Apollônio de Tiana.
Cada professor propaga sua gnose pelas palavras da boca, expressando a mensagem numa forma
ajustável a estrutura de crenças local. Em adição, um grande tratado era escrito, parcialmente para
lembrar professores particulares o que eles tinham pensado e também para evitar confusões e dissidências
na hierarquia das principais religiões organizadas na época – Cristianismo e Judaísmo. Certos dados
alternativos da Bíblia foram produzidos para bloquearem com importantes especulações Gnósticas.
Inicialmente, o Deus Yahweh do Velho Testamento era visto como um ser vivo, intenção velha e tola
senil perseguindo a humanidade, enquanto a serpente (que deu o conhecimento) era vista como uma
amiga da humanidade. Em segundo lugar, Jesus era visto como um real mensageiro do infinito, mas sua
crucificação era considerada sem significado. Somente sua imagem de amor e o poder acima eram
achados importantes.
Os Gnósticos eram reais anarquistas do espírito. Eles viam todas as outras religiões como
encorajando a escravidão a sacerdotes e poderes seculares com suas restrições legais e morais. Contra
estas coisas alcançavam suas piadas cosmológicas, suas antimoralidades e suas magias.
Magia Gnóstica inclui o uso de espíritos familiares, necromancia e o uso de poções para
propósitos de indução eróticos e a sonhos, mas suas práticas principais eram as orgias, telesmáticas e
encantatórias. Seus rituais de orgias incluíam o consumo (como sacramento) da mistura de elixires
sexuais femininos deliberadamente
terem consumido e masculinos e sangue menstrual
seus próprios após
fetos os coitos.A Eles
abordados. também
maioria tinhamGnósticas
das seitas a reputação
não de
se
interessava a reprodução – a qual eles consideravam uma repetição de um erro fundamental. Seus ritos
sexuais foram designados para trapacear o diabo Archon de roubar vítimas humanas, e dar um antegosto
inspirador da última e final reabsorção de Babalon.
Os gnósticos deixaram atrás deles inumeráveis, intrincadas e belas impressões em pedras, jóias,
cerâmicas e metais os quais vão sob o nome de gemas Gnósticas. Estas teriam funcionado como talismãs
e amuletos carregados com vários feitiços e encantamentos. Eles teriam também deixado a nós algumas
estátuas votivas notáveis e bizarras as quais teriam funcionado como peças centrais fetichistas em rituais.
Muitas das palavras de poder e nomes bárbaros de evocação que existiam na magia medieval e
contemporânea tem suas srcens em encantamentos gnósticos. Estes são normalmente tecidas dentro de
invocações de grande beleza e poder, como os rituais do não nascido ou HEAQDLESS. A palavra
Abracadabra, por si mesma, vem do nome do Deus Gnóstico Abraxas. Certas quantidades de seitas
Gnósticas estavam ativas ao redor de Damasco (Síria), e se alguma estava tentando redescobrir ou até
mesmo inventar o terrível Necronomicon dos mitos de Lovecraft então gnósticos seriam a melhor fonte.
O tópico infinito de magia aparece em sua totalidade em Gnosticismo que estava apto a delinear
suas técnicas do conhecimento Egípcio, das Escolas Misteriosas Gregas e de sistemas mais adiante ao
leste, cada qual tinha preservado tradições das últimas fontes de magia – Xamanismo.
P sic o nau ta 51

SAC ER DÓCIO OCUL TISTA

E mpreendimentos mágicos, místicos e religiosos procuram completar cinco necessidades básicas


humanas, as quais podem ser identificadas como segue:
- Prover técnicas de Engenharia Emocional;
- Dar à vida um sentido;
- Provar algum significado de Intersessão e Intervenção;
- Fornecer algumas explanações para a morte;
- Formular
Estas uma estrutura
necessidades social ou Cultorelacionadas em muitas religiões, e particularmente
estão profundamente
muitas filosofias políticas, e não tente lidar com todas elas. Achando uma solução para alguns dos
problemas pode tornar menos emergente a necessidade de solucionar outros. Um sacerdote ocultista
deveria ser capaz de lidar com todos estes assuntos. Vamos considerar como ele deve agarrar cada um e
contrastar seu método com aqueles de sistemas mais ortodoxos.

Engenharia Emocional
Isto inclui todas práticas designadas a estimular ou controlar estados emocionais. Exaltação em
orações e canto, contrição e culpas imaginárias, medo e angústia sob o espectro da raiva divina, e prazer
sob prospecto da recompensa divina.
Em nossa cultura, uma correlação entre uma entrega a uma religião e um aumento no uso de
drogas de alteração pessoal é muito notável. A maior ameaça para religião, entretanto, é entretenimento.
O novo poder da mídia de entretenimento de nos prover com qualquer coisa de terror tem usurpado
muitas das funções dos sacerdotes. Ali há uma honestidade refrescante a respeito do entretenimento
secular, é apenas um entretenimento sem a desculpa da espiritualidade por sua justificação. Isto ainda é,
entretanto, manipulativo.
Se o mago colocar a si mesmo dentro ou fora de qualquer estado emocional, então ele deveria ser
abastecido com as técnicas de realizar isso. O processo não requer justificativas – aquela sua vontade será
o suficiente. Alguém não pode escapar das várias experiências emocionais numa encarnação humana, e é
preferível adotar um mestre do que escravizar uma relação a isto. O sacerdote oculto deveria ser capaz de
instruir qualquer pessoa nos processos de engenharia emocional. Os métodos principais são aqueles
gnósticos de lançar alguém num êxtase frenético, tranqüilizando a mente para um ponto de absoluta
quietude, e evocando gargalhadas dos deuses pela risada combinando com a contemplação do paradoxo.
Qualquer um que domine estas técnicas completamente tem atingido um tremendo poder sobre si
mesmo mais válido que saúde, amor, fama ou riqueza. Ele tem fixado a si mesmo livre dos efeitos do
mundo; nada pode tocá-lo a menos que ele queira isso. Como isto tem sido dito, a salva é quem sabe
como pode viver confortavelmente no inferno.

Significado

qualquerSignificado é motivação.
tipo é provida Qualquer
de significado. Dessecoisa
modo que dê elevação
o corpo a um
é a fonte de comportamento físiconeste
muitos significados e mental de
mundo.
Dor, prazer, raiva, sexualidade e por ai vai, provê num ímpeto a agir e por isso uma fonte de significado.
Uma vez que o organismo tenha resolvido estes problemas, outra motivação mais sutil e nos níveis
mentais – desejo por conhecimento e por poder, e gratificações emocionais de todos os tipos. Além disto,
o organismo pode provocar níveis mais elevados de motivação os quais tem sido chamados de
“espirituais”, e alguns ali são os quais buscam o significado do significado por si mesmo.
Argumentar qualquer nível de significado com razões é normalmente perdê-lo. Significado surge
da diferenciação da experiência em dor e prazer, bem e mal, interessante e desinteressante, beleza ou
feiúra, valer à pena ou não. Experiências são somente significativas quando nós somos sensíveis a elas.
Nós somente podemos perceber diferenças. Idéias só são significativas quando podemos apreciar suas
separações e novidades. Espiritualidade somente surge quando nós começamos a considerar algumas
coisas não espirituais. Significado é dependente do estabelecimento de dualidades, e crença é
fundamentalmente um ato de diferenciação – considerando uma coisa diferente de outra. Então idéias as
quais criam significados para nós devem ser crenças condicionais. Por exemplo, certos conhecimentos
acerca de Deus, se isto era sim ou não, ou certamente a respeito da perpetualidade da vida, de qualquer
modo sim ou não, absolutamente acreditando ser perpétuo céu ou inferno sem escapatória, ali não haveria
razão para se preocupar com qualquer coisa.
Razão é portanto destrutiva ao significado quando esta procura respostas incondicionais e
absolutas. Neste contexto é provavelmente mais prudente ficar a mão do suicida e perguntar se a razão
não é algo irregular com a natureza existencial.
P sic o nau ta 52

O místico ascético e o mago adotam diferentes posições em direção às suas respectivas


existências. O místico ascético concebe uma vasta diferenciação entre o material e o espiritual. Ele então
tenta sacar significado do material para que então possa colocar no mundo espiritual. Puxar significados
do material parece ser um exercício bizarro, mas aí há uma lógica inserida nisso. Ele procura indiferença
no sexo, indiferença na fome, ao prazer e à dor, de fato a tudo o que motiva o humano normal. De retorno
um mundo todo do que ele chama de experiências espirituais se abre a ele. Seus sonhos, seus atos de
devoção e seus pensamentos internos tornam-se carregados de significados.
Para aqueles que inventam ou acreditam em religião, é necessário erguer concepções numa
escala cósmica para prover uma fonte de referência e significado. Invariavelmente os princípios mais
elevados devem ser paradoxais ou conter alguma dualidade. Ambos princípios finais devem realmente
consistir de dois princípios opostos ou ali deve haver algum tipo de queda final. Os paradoxos de religião
são inquestionáveis e podem somente ser interpretados numa base hierárquica. Religiões são
ingenuamente repressivas e conservadoras. Somente heresias e cismas permitem qualquer evolução de
idéias. Muito do significado em religião é derivado da relação de autoridade e obediência;
conseqüentemente religiões existem somente como um fenômeno social. Religiões privadas
inevitavelmente se envolvem num misticismo ou magia, e esta tem uma tendência a transmutar numa
nova religião.
O mago não concebe de tal vasto golfo entre espírito e matéria. A ele elas são partes ambas da
mesma coisa, e ele não exalta qualquer uma acima de outra. Ele não rejeita qualquer parte de sua
experiência. O mago vive num contínuo início com o sublime e inefável Tão /Deus /Chaos pelos
misteriosos e sutis Aethers do temeroso e estranho mundo material. Ao mago, qualquer pedaço de
conhecimento, qualquer novo poder, qualquer oportunidade para iluminação é pior tendo por sua própria
causa. A única coisa detestada nesta incrível experiência é falhar e vir a ser enpunhalado com alguma
parte disso. Para estar apto a operar em todas as esferas, o mago deve dominar a arte de ambos a estar sem
crença ou de estando
experimentando. aptodeveria
O mago a investir crenças temporariamente
ser igualmente em qualquer
estar familiarizado coisa com
com um croça, a qual um
um pincel, ele tubo
está
de teste, ou uma vara. Em todas as coisas ele está procurando trazer seu Kia numa manifestação; por ele
vida é sua própria resposta, e a forma que ele vive é sua própria espiritualidade.
É insensato perguntar questões grandes e não específicas sobre a vida e o universo em geral,
porque por uma resposta nós só podemos inventar estados hipotéticos de não-vida ou não-universo. O
universo existe num local fantástico e mágico por si próprio, e vida é um mistério o qual nunca é
esgotado. É somente quando o homem não dá a devida atenção à totalidade do que acontece ao seu redor
todos os segundos que ele é tentado a inventar teorias espúrias para cobrir sua falta de conhecimento. Para
o mago, esta falta de conhecimento é a última fonte de significado. O real sacerdote é aquele quem pode
comunicar este senso de mistério.

Intersecção
Todas religiões têm algum método de afetar a realidade, ou de encorajar algum deus a afetar a
realidade, ou de meramente dar a aparência de que eles estão fazendo estas coisas. Quando uma religião
torna-se mais institucionalizada e ortodoxa, ali há cada vez menos ênfase neste tipo de atividade, e por
boas razões. Magia é um negócio muito anárquico. Algumas pessoas dão maior dádiva para isso do que
outros e algumas vezes isto falha. A maioria dos sacerdotes que se tornam adeptos a isso irão em breve
perceber que estes eram seus próprios poderes psíquicos operando e não de um deus. Tais sacerdotes que
se tornam adeptos iriam em breve atrair hierarquia clerical imensa seguida de usurpação e desordem.
Todas as ortodoxias tendem ser limitadas no seu uso por esta razão, e também porque elas podem não ser
aptas por si mesmas a atender à demanda.
As respostas religiosas estão envolvidas na consagração num meio-coração tentado por
intersecção, então esteja pronto com a frase de propaganda, “esta não foi a vontade de Deus” no caso de
falhas. Alguém pode bem perguntar se deus estará fazendo sua vontade de qualquer jeito, certamente ele
não requer uma sugestão de nós?
A aproximação do sacerdote ocultista é inteiramente diferente quando ele guia sua ordem ou
coven em atividades mágicas. Ali há uma alta probabilidade de falha porque eles podem não estar aptos a
elevar poder suficiente e eles podem não estar fazendo exatamente o que é requerido. Todos estarão
atentos disto. Nesta situação eles têm de agir com total compromisso e sem o mais ligeiro traço de luxúria
de resultado. Tudo o possível deve ser feito no plano físico para montar as condições de sucesso de
antemão, e então a magia será lançada a inclinar o balanço. Ter dado extremos a alguém é o suficiente em
si mesmo. O resultado pode ser esperado sem medo ou desejo de receber com risada quaisquer que sejam.
P sic o nau ta 53

Morte
A diferença entre idéias ou crenças é de que idéias podem ser reais, mas crenças são sempre
falsas. Isto aparenta ser uma coisa monstruosa a se dizer, mas eu ofereço isto como uma definição. O que
separa uma idéia de uma crença é a força emocional confiada a apoiar a crença. Se algo foi realmente
verdade para nós, nós não teríamos de fazer um esforço para acreditar nisso. Todas as crenças acerca da
morte têm uma outra característica aparte de suas improbabilidades e falsidades inerentes. Elas têm de ser
adicionais. Que seja dito, elas têm de conter ambos inferno e céu, ou ambos reencarnação prazerosa ou
não. Considerar um esquema no qual alguém foi destinado por qualquer céu perpétuo ou inferno eterno
ou ambos a total extinção ou existência perceptível como uma totalmente espírito desencorpado sem os
órgãos de vontade ou sentido. Ou considerar um certo conhecimento que a próxima encarnação não
poderia ser afetada por eventos nesta vida. Como crenças, estas coisas seriam um tanto inúteis e
insatisfatória. Isto revela crenças sobre morte pelo que ela é principalmente, dispositivos criam efeitos
emocionais nesta vida. O sacerdote ocultista deveria se abster de adicionando qualquer coisa de seu
monte necromante. Ele deveria devotar bastante de seus talentos mostrando às pessoas que a morte
parece. Necromancia é algo das artes macabras ultimamente, porque esta tem sido enormemente e
amplamente abusado por aqueles os quais são telepáticos com os vivos e/ou que querem o dinheiro dessas
pessoas. Não obstante estes que tem visto ou falado diretamente aos/com os mortos teu uma segurança de
algo além da fé. Uma única experiência é razoavelmente acessível para qualquer determinada pessoa.

Estrutura Social
Qualquer empreendimento humano envolvendo mais do que um indivíduo irá exibir alguma
forma de estrutura social da hierarquia completa à aparente democracia. A dinâmica de cultos mistos,
conspirações e religiões são instrutores dos vários caminhos no qual ordens mágicas devem, e não devem
ser organizados.

si mesmo,Numa religião,
entretanto istohierarquia é demanifestado
nunca seria importânciaabertamente.
suprema e éEscravizando
efetivamente seus
um objeto de adoração
seguidores, por
hierarquia
representa a si mesma como o emissário de poderes mais elevados ou “os ensinamentos” ou o que for,
mas não como a coisa por si mesma. Isto é análogo a tropas saudando não o oficial, mas a comissão que
ele usar em seu peito. O resultado final é o mesmo, mas isto ajuda a superar a resistência do ego
envolvida na personalidade de alguém submetido à vontade de outra pessoa.
Uma vez que tais relações assimétricas tem sido estabelecidas, esta prontamente perpetua a si
mesma. O sacerdote ou líder é permitido passar comentários pessoais a seus seguidores. Isto não necessita
sequer ser percebido. Eles necessitam somente ser o tipo de coisa que aquele amigo não diria face a face,
mais poucas coisas que alguém iria gostar de ouvir e de repente o guru parece o mais sábio homem na
Terra.
Outra gambiarra de organizações religiosas é forçar uma re-racionalização de crenças pela ação.
Pessoas não são persuadidas pelas intelectualidades das crenças. Elas são persuadidas a realizar atos
religiosos na infância ou enquanto sob stress. De qualquer maneira eles desenvolvem ou aceitam as
racionalizações e opiniões que vem com isso. Para converter alguém ao anarquismo, tem de persuadir ele
a jogar uma bomba por várias razões emocionais romanticamente. Essa pessoa irá, subseqüentemente ter
de ajustar as suas crenças para justificar o que ele tem feito. As organizações com maior sucesso são
aquelas que mergulham potencialmente converte direto a ações. Obediência segue um modelo similar. De
início somente as menores e mais inconseqüentes obediências serão demandadas. Esta força a
racionalização de que este alguém é de fato leal a qualquer organização dando obediência aquele
“superior”. Esta lealdade não é senão uma pedra nos sapatos aos maiores atos de submissão, normalmente
os favores da inteligência, sacola ou favores sexuais.
Relacionamentos de líder-adepto também permitem ao líder licenciar seus seguidores a agir sem
responsabilidade. Inibição natural de mostrar violência, sexualidade e outras emoções podem facilmente
ser sobre-montado se o líder dizer a seus seguidores a fazer estas coisas. Eles irão freqüentemente
agradecer-lhe por deixar-lhes fazer o que eles tiveram sempre o desejo de fazer.
Segredos e elitismo caracterizam todas as hierarquias. Ali não há nada de errado ao serem elite
ou tendo segredos reais, como tais, mas a maioria dos cultos confiados fortemente em elites artificiais e
produzem segredos como um significado de atração e controle. Aceitando que elite e a manutenção de
segredos são atos de obediência por si mesmos. A inclusão dentro de uma elite e um grau de
megalomania estão Entre os lideres autorizados podem conferir sobre a vida de seus seguidores. Para este
fim a maioria dos cultos reforçam sua identidade coletiva com padrões de indumentárias e
comportamento e todas formas de distintivos, insígnias e rótulos. Isto normalmente assume tanta
importância quanto a atividade atual do culto. Pessoas são facilmente enganadas na aceitação de novos
membros num grande grupo como um substituto para a ampliação de si mesmos.
P sic o nau ta 54

As atividades dos cultos pareciam pressupor um alto grau de cinismo entre seus líderes. Isto
raramente é assim. A maioria tem tragado suas próprias mentiras e decepções totalmente, ou então elas
são racionalizadas em termos de uma coisa até mesmo mais elevada. Como um resultado, eles queimaram
obsessões que os equipavam com um certo carisma o qual coloca fogo em seus olhos e inflama suas
preces. E o que é o resultado de todas estas atividades cultuadas?
Mercantilismo ou um RAID Policial: Um culto qualquer admnistra tornar a si mesmo numa
instituição inocente ou esta tornar-se progressivamente mais extrema até que o estado decida quebrar ela.
Uma ordem mágica estará empregada numa guerrilha psíquica contra todos cultos da magia negra e
religiões incluindo filosofias materialistas. Em tais cultos todos homens são seus próprios sacerdotes.
Qualquer membro tem o direito de reinvindicar qualquer segredo dentro da ordem além dos segredos de
sua própria identidade se ele desejar isto.
Diferente de cultos e religiões, uma Ordem Genuína não irá admitir um número fora de suas
bases SAICE de pessoas. Vitalidade só pode ser mantida pelo controle da qualidade no influxo. Qualquer
que for a hierarquia que surge dentro de uma Ordem será uma reflexão de habilidades demonstráveis.
Tentativas de usar os vários truques do professor enumerados nesta seção será imediatamente destacado e
ridicularizado. Ali há apenas uma justificativa para a existência de uma genuína Ordem Mágica –
capacitar indivíduos a tomarem controle de suas próprias espiritualidades. E este é um objetivo muito
heróico e perigoso. Tome cuidado com a invasão policial.
P sic o nau ta 55

ARMAS M ÁGIC AS

A s cinco classes de armas mágicas são divididas de acordo com suas funções mais do que pelas
suas aparências GROSS que eles possam manifestar no plano físico. Todas armas são designadas
para ter um efeito no físico, mas as armas por si mesmas existem primeiro no plano etérico ou
astral. A forma física da arma mágica é nada mais que uma manivela ou âncora convenientes para sua
forma etérica.
A espada e Pentáculo são armas de análise e síntese respectivamente. Sobre o pentáculo formas
etéricas,
O magistaimagens e poderes
pode criar sãode
centenas agrupados quando
pentáculos a vontade
no curso de seusmágica e percepção
feitiços, ainda que vitalizam
aqui existaa imaginação.
uma virtude
ao se ter uma arma para propósitos em geral desta classe, pelo seu poder aumentar com o uso, e então
pode ser empregada como um altar para consagração de pentáculos menores. Para muitas operações de
um tipo evocatório, o pentáculo é colocado no copo e a conjuração realizada com a vara.
A espada, ou mais normalmente a adaga, é a arma de análise ou cisão, ou no mais simples senso,
destruição. Pela espada, a vontade mágica e a percepção vitalizam a imaginação do abolido das coisas. A
espada é o reservatório do poder o qual desintegra influências etéricas pelas quais o plano material é
afetado. Ambos espada e pentáculo são armas etéricas pelas quais os poderes da vontade altamente
ordenados, percepção e imaginação executam, comandos mentais nos planos da natureza mediana.
A Vara e o Cálice ao usados para transmitir os poderes da vida (ou Kia) diretamente sobre o
plano etérico. A vara é a arma da vontade e o cálice da percepção. Estas palavras são usadas para carregar
o processo indescritível o qual ocorre na interface da consciência e matéria, mais do que mera percepção
sensorial e ação mecânica. Tudo isto pode ser dito destes processos e que alguns eventos tem a aparência
de se procederem de fora para dentro de nós, e outros parecem srcinar-se de dentro de nós e procederem
externamente. As lições de todos êxtases elevados são de que estas diferenças são arbitrárias e irreais.
Aqui nós entramos num plano aonde nossa estrutura lógica é enferma equipara a seguir, e somente os
poderes das lâmpadas transcendem o paradoxo.
O cálice pode ser considerado como um receptáculo etérico para a percepção mágica. De todas
as armas, esta é ao menos provavelmente para assemelhar o objeto físico ao nome que serve, apesar de
copos atuais de tinta ou sangue serem algumas vezes usados. Para alguns, o cálice existe como um
espelho, uma pedra polida, um estado de transe, uma carta de tarô, uma mandala, um estado de sonho, ou
um sentimento que apenas apareceu a eles. Estas coisas geralmente agem como um aparelho por
preocuparem alguém com algo mais, para que assim a percepção mágica possa surfar desengoçada pelos
pensamentos discursivos e imaginação. Parte do poder que é construído neles pode se parecer com a auto-
fascinação. A arma do cálice adquire uma qualidade auto hipnótica e fornece um portal pelo qual a
percepção tem acesso a outros planos.
A arma da vara similarmente aparece numa profusão de formas. Como um instrumento para
auxiliar a projeção da vontade mágica nos planos etéricos e material, esta poderia ser um sigilo de
propósitos gerais, um amuleto, um anel, um mantra de encantamento, ou até mesmo um ato de sugestão
que alguém realize. Como com o pentáculo, aqui há uma virtude em ter um pequeno, portátil e
permanente aparelho
poderes da vara desta classe, pelo
são parcialmente para poder
facinarrender com elesuperficiais
as funções com o uso.daAssim
mentecomo com o cálice,
e canalizar os
as forças
escondido nas profundezas. Como a espada, a vara é manipulada de tal forma como para descrever
vivamente a vontade e subconsciência o que é requerido delas.
A arma da Lâmpada é somente marcada como tal pela analogia popular com os espíritos da luz.
Chaos, o último abstrato de existência, e Kia, a força vital pessoal, são eqüitativamente se sentir uma
escuridão temerosa ou como ambos brilho e volátil simultaneamente. Como um aparelho para canalizar
esta força à consciência mundana do mago aqui não há limites para as formas que a lâmpada pode tomar.
Ela poderia ser qualquer coisa da idéia de Deus ou o Tão, para algum fetish um símbolo de aparência
primitiva. O caminho do mago é a manifestação do espírito dentro da matéria, e sua técnica primária é a
gnose, a focalização da consciência por meios fisiológicos. A lâmpada mágica deveria ser algo o qual
auxilia a gnose e recebe as forças que ele gera. A lâmpada é a arma de inspiraçcão no sentido srcinal da
palavra: ela inspira ele.
O mago deveria ser capaz de realizar qualquer ritual no astral, que isto seja dito, pelos poderes da
imaginação sozinha. Pela forte visualização de qualquer dessas armas ao ponto de ele realmente se
alucinar com sua presenças, ele desenha ambas as formas aetéricas da arma e os poderes associados com
ele durante a ação. Tal técnica de mãos vazias é a marca de um adepto.
P sic o nau ta 56
P sic o nau ta 57

PAR ADIGMA MÁGI C O

T odos os sistemas de pensamento e com preensão se srcinam de uma variedade de bases postuladas
a respeito do universo e da relação humana com ele. Estas idéias e suposições vão maquiar os
paradigmas ou visão do mundo dominante pelo qual uma cultura ou indivíduo interage com seu
universo. Aeons são marcados pela passagem de vários grandes paradigmas de pensamentos metafísicos
em lugar da passagem de períodos fixados do tempo histórico.Dentro de cada paradigma haverão
parAdigmas menores os quais contribuem com o todo. Por exemplo, na cultura dominante da Europa e
América
liberal e obranca anglo
trabalho saxã
ético, Protestante,
e ciência co estecom seus paradigma
paradigma dependentes
dependente do individualismo
da causalidade humanitário
e materialismo.
Outras culturas tem tido e ainda tem visões de mundo completamente diferentes as quais são
difíceis para um estranho de entrar. O universo (sendo a criatura acomodante como ela é) tenderá a prover
confirmação de qualquer paradigma que alguém escolha viver dentro. Nós estamos, sob certa extensão,
num universo observador-criado. No lugar de apenas acumular dentro a visão de mundo mágica uma
maneira fortuita, é útil considerar os paradigmas alternativos nos quais devemos intencionar operar.
Como a maioria de nós já temos nossos seres dentro de um paradigma cultural científico, uma visão
mágica moderna vê encopassadamente isto também se isto é para ser efetivo numa civilização
tecnológica. Seus paradigmas mágicos alternativos são mostrados abaixo,e eles são de fato uma estranha
mistura de feitiçaria e hyperciência. Todos eles parecem um pouco loucos no nosso ponto de vista
normal, mas nosso ponto de vista normal também prova ser bastante estranho em inspeção aproximada.
Todos paradigmas mágicos participam de alguma forma de ação por uma distância, seja esta uma
distância de espaço ou tempo ou ambos. Apesar de sermos incapazes de imaginar como isto pode ocorrer,
deveríamos não arremessar isto janela abaixo. Ciência pode certamente demonstrar tanto ação à distância
com gravidade e magnetismo e a distorção espaço/ tempo na tão chamada realidade ordinária. Em magia
isto é chamado de sincronicidade. Um evento mental, percepção ou um ato de vontade ocorre ao mesmo
tempo (em sincronia) a um evento no mundo material. Ciência não nega a possibilidade de que pura
informação possa ser transmitida de local a local; de fato o Princípio Quântico da Inseparabilidade exige
de que isto deve acontecer. É claro que isso pode sempre ser perdoado como coincidência, mas a maioria
dos magos seriam um tanto contente ao estarem aptos a arrumarem as coincidências. Os seis paradigmas
que seguem procuram explicar o mecanismo em operação.

O Paradigma Caoetérico
O universo manifesto é apenas uma minúscula ilha de ordem comparativa, fixo num infinito
oceano de Chaos primitivo ou potencial. Além disso, esta limitação do Chaos penetra qualquer interstício
de nossa ilha de ordem. Esta ilha de ordem foi randomicamente vomitado fora do Chaos e irá
eventualmente ser dissolvido novamente dentro dele. Apesar deste universo ser um evento altamente
improvável, isto foi compelido de ocorrer eventualmente. Nós mesmos somos a estrutura mais altamente
ordenada conhecida nesta ilha, ainda que bem no centro de nossos seres está uma faísca deste mesmo
Chaos o qual da ascensão à ilusão deste universo. É este faísca de Chaos que nos anima e nos permite
trabalhar
o oposto com a magia.
a qualquer Nósque
coisa nãopossamos
podemos pensar
perceber
queo Chaos diretamente
ele seja. por isto
Nós podemos, simultaneamente
entretanto, conter
ocasionalmente
vislumbrar e fazer uso da matéria parcialmente formada a qual tem somente uma existência probabilística
e indeterminada. A esta coisa podemos chamar de éter.
Se isto nos fizer sentirmos melhores podemos chamar isto de Chaos, o Tão, ou Deus e imaginar
isto como sendo benevolente e com sentimentos humanos. Existem duas escolas de pensamentos em
magia. Uma considera o agente formador do universo ser randômico e caótico, e o outro considera que
isto é uma força de consciência espiritual. Como eles tem somente a si mesmos nos quais basearem suas
especulações, eles estão basicamente dizendo que suas próprias naturezas são ambas consciências
randômicas, caótica ou espiritual. Eu mesmo estou inclinado à visão de que minha consciência espiritual é
randômica e caótica num ponto de vista aceitável.

Manipulação da Probabilidade
Este é um paradigma muito mais modesto, muito menos pretensiosa cosmicamente que o
primeiro paradigma. Ali há um ponto em algum lugar na gênesis de qualquer evento quando a sua futura
realidade é incerta. O universo não é uma estrutura automática; ali há um nível de desorganização dentro
do qual o universo por si mesmo não sabe o que é e o que fazer a respeito. A informação não é previsível
até mesmo nos eventos por si mesmos. Bizarro como isto possa parecer, ali há até mesmo uma
formulação matemática acurada dos limites desta desorganização, o Princípio da Incerteza de Heinzeberg.
Agora eventos na mente certamente participam de uma qualidade similar: eles são imprevisíveis e surgem
aparentemente sem causa. Isto tem sido suspeitado, até mesmo por cientistas, de que ali há uma variável
P sic o nau ta 58

estendida a qual causa eventos de materializar numa forma particular d uma quantidade d possibilidades.
Esta variável escondida é suspeita de ser a consciência ou a informação. Consciência, então, poderia estar
controlando como os eventos intermediários irão de fato materializar-se. Armado com esta idéia è
aplicando a sua magia ao ponto crítico, o mago pode engendrar algumas coincidências impressionantes.

Teoria do Campo Mórfico


A hipótese extraordinária e romântica da causalidade formativa provê um excelente paradigma
mágico. Resumidamente, ela atesta que seja quando for que um novo evento ocorra no universo, ele
predisponha todos eventos posteriores similares a ocorrerem da mesma forma pelo gerenciamento de um
“campo mórfico” onipresente pela ação do tempo e do espaço. A hipótese não tange a si mesma com o
porque do evento ocorrido em primeiro lugar, mas sugere que tão logo ao ter acontecido gera este campo
mórfico com o qual acontecerá de forma semelhante novamente. Isto provê racionalidade para muitas
magias.
Clarividência, por exemplo, é a tapão de um campo mórfico deixado por um evento à distância
ou em passado recente. Somente profecias, sempre a mais duvidosa das artes mântricas, não pode ser
encaixada neste esquema. Atavismos, entidades, deuses e demônios seriam representações de campos
mórficos deixados por pensamentos animais e humanos. Magia simpatética torna-se representações
deliberativas de um evento em miniatura para produzir um campo mórfico o qual causa o evento
desejado a ocorrer aonde for. Se imaginar um evento é o suficiente para gerar um pequeno campo
mórfico, então a efetividade da visualização estará explicada.
Religiões tem a visão de que a consciência precede vida orgânica. Supostamente haviam deuses,
forças angelicais, titânicas e demônios atuando no palco antes que a vida material se desenvolvesse, A
ciência toma a visão oposta e considera que a maior parte da evolução orgânica ocorrera antes que o
fenômeno da consciência aparecesse. A visão mágica, a qual tem dado mais atenção à qualidade da
consciência por si mesma, tome
envolvem sincronizadamente. Aouma visãoumalternativa
ocorrer e concluiorgânico,
desenvolvimento que as formas orgânicas
um campo e psíquicas
psíquico é geradosee
que alimenta de volta a forma orgânica. THUS cada espécie de ser vivo ter sua própria forma psíquica ou
essência mágica. Estas egrégoras podem ocasionalmente serem sentidas como uma presença ou até
mesmo olhando livremente na forma da espécie que elas observam. Aqueles que perceberam a egrégora
humana normalmente descrevem como Deus. Comunhão com campos mórficos de bestas é de grande
importância ao xamã e feiticeiro por isto arcar com conhecimento íntimo sobre a criatura atual e permitir
ao magista um certo poder sobre tais espécies. Isto pode também permitir a ele apropriar-se certos
poderes da besta, particularmente sobre o plano etérico. Esta é a razão da ocorrência pelo mundo todo do
toteísmo sobre pessoas caçadas e o prevalescer de deuses encorpados com animais com cabeça humana
na maioria das mitologias.
Magistas consideram que toda vida neste mundo contribui para, e depende de, uma vasta
egrégora ccomposta a qual tem variavelmente sido conhecida como a Grande Mãe, o Anima Mundi, o
Grande Archon, d Demônio, Pan e Baphomet.

Observador
Nós Crioutemos
normalmente o Universo
a tendência a atribuir vontade e percepção como funções separadas de
nossa consciência ou sentidos. De fato, nossa vontade e percepção parecem ser as propriedades mais
básicas de nosso ser. Entretanto, tente fazer estas presunções:

Tudo o que percebemos é real. (não irracional)

Qualquer coisa que não conseguimos perceber não existe. (não para nós, de qualquer jeito)

Qualquer coisa que queremos que não venha para nossa percepção não era nossa vontade, mas
apenas um desejo falho.

Então Vontade e Percepção São A Mesma Coisa.

Olhar ao teu redor por momentos; todo seu universo é exatamente como você quis e percebeu. É
tudo uma criação de sua crença nisto. Até mesmo outra pessoa deve ser contada como invenções de sua
crença nelas. Obviamente as crenças que apoiam o universo devem estar muito assentadas e não
agradáveis a meros desejos, apesar de que atos de vontade/ percepção podem mudar partes deste. Isto
provê um modelo mágico no qual qualquer coisa é permitida, mesmo que isto deve ser terrivelmente
difícil. Austin Osman Spare também trabalhou sobre este paradigma, antecipando em meio século o
desenvolvimento da não objetividade , uma das inúmeras interpretações da teoria quântica. Isto sugere
P sic o nau ta 59

que é o ato da percepção desejada ou medida a qual cria eventos. Magicamente é tapando o mais
profundo nível de consciência e crença que eventos criativos são iniciados.

O Universo Holográfico
Para especificar a posição de uma partícula com acuracidade completa, nós teríamos também de
especificar a posição relativa de cada e toda partícula no universo. No modelo do Universo Holográfico ,
esta idéia é tomada um passo adiante; cada partícula do universo é de fato conectada a qualquer outra
partícula por alguma forma oculta de conexão instantânea.. Esta conexão tem uma formulação
matemática no Princípio Inseparável Quântico. Hipóteses desse tipo são também chamadas “teorias das
armadilhas” porque elas sugerem que tudo é a causa de tudo – o universo está mantendo a si mesmo em
pé por suas próprias armadilhas. Qualquer mudança em qualquer local neste tal universo holográfico iria,
na teoria, ser detectável em qualquer lugar instantaneamente. Tal forma oculta de comunicação
instantânea é a peça básica da magia.
A rede de conexões entre qualquer evento pode ser vista como uma realidade de ordem mais
elevada, o holograma. A parte da realidade na qual nós temos normalmente sentido é meramente a
projeção disto, o holograma. Sincronicidade e todos paradigmas mágicos aceitam que existe alguma
forma de transferência de informações a qual pode proceder em caminhos bastante incomum pelo espaço
e tempo. Apesar de que é difícil imaginar como matéria ou energia podem se comportar dessa maneira,
não existe razão porque pura informação por si mesmo não pode ser feita para realizar isto. Pura
informação não tem densidade ou força, e então nada poderia prevenir sua passagem instantânea para
qualquer lugar ou talvez qualquer momento. É parecido com o que dentro da psique e dentro da
indeterminância quântica que delimita a realidade física possa ali haver algo agindo como transmissor e
receptor desta informação pura.
Isto iria, por exemplo, explicar porque fenômenos psíquicos podem ser percebidos mas não
podem seroufacilmente
fotografar gerados poderá
gravar fantasmas para registro
atestar. objetivamente,
Isto iria tambémcomo qualquer
confirmar pessoa
o lugar que mágico
comum tem tentado
que é
mais fácil fazer um homem cair sobre um peso de dezesseis toneladas que fazer um peso de dezesseis
toneladas cair sobre um homem. A informação requerida é infinitamente inferior no primeiro caso, ao
menos que no curso esta pessoa possa HEX o motorista do guindaste exatamente no momento preciso.

Dimensionalidade Superior
Nos achamos num universo que é ao menos na quarta dimensão. Para ser sensível a nós um
evento deve ter uma adequação em tanto espaço como tempo. Um pedaço de papel tendo somente duas
ou três dimensões, que não tenha espessura, ou existindo por um tempo imperceptível de tempo, não
poderia ser parte de nosso universo. Apesar de que nós costumeiramente pensamos em termos de uma
realidade tri-dimensional, esta deve ser ao menos uma realidade na quarta dimensão, até mesmo se o
tempo pareça ter uma qualidade diferente para nossa percepção. Nós costumeiramente esquecemos de
incluir tempo em nossa concepção porque tomamos simultaneidade como garantida; assumimos que
coisas existem ao mesmo tempo e todas elas irão persistir.
Suponha por um momento que aqui houve uma quinta dimensão que nós não fomos capazes de
perceber pelos nossos sentidos. Suponha também que todos os fenômenos foram na quinta dimensão.
Como poderia um evento da quinta dimensão aparecer para nossa percepção na quarta dimensão? Um
ponto na quinta dimensão não poderia ser percebido na quarta dimensão. Isto pode explicar porque
partículas fundamentais ou quarcks não podem ser observadas singularmente. Uma dimensionalidade
superior deve também resolver outros problemas na física como a violação da paridade e certas
propriedades do vácuo. Uma linha da quinta dimensão iria aparecer a nós como um ponto. Uma superfície
da quinta dimensão iria aparecer como uma linha para nossa realidade. Um “objeto sólido” na quinta
dimensão pareceria como uma superfície, e as coisas as quais aparecem a nós como objetos sólidos em
nossas realidades seriam a manifestação de sólidos da quinta dimensão para os quais não temos nomes.
Agora, pontos, linhas, superfícies e “objetos sólidos”não existem de fato nesta quinta dimensão como
pontos, linhas e superfícies existem na nossa ordinária geometria da quarta dimensão, exceto como
idealizações.
Isto consequentemente segue que se houve quinta dimensão, todas as coisas que percebemos
como objetos sólidos existentes na “nossa realidade” são meramente a forma que objetos da quinta
dimensão aparecem para nós. Isto pode parecer uma complicação sem sentido, mas esta foi focada para
demonstrar que nós podemos estar vivendo numa realidade da quinta dimensão, ainda que não somos
capazes de percebe-la. Quais seriam as conseqüências disto, se assim for? Isto iria re fato explicar uma
grande parte de vários problemas obscuros da física fundamental. Inicialmente, isto iria explicar porque
vivemos num mundo mais num mundo de efeitos que num mundo de causas. Nós só estamos habilitados
a medir efeitos. Não temos idéia de como qualquer coisa possa causar qualquer coisa mais num sentido
P sic o nau ta 60

final. Todas nossas tão conhecidas leis físicas são meramente catálogos de causas e efeitos que passamos
a esperar. Nosso poder de realmente causar mudanças é ilusório. Nós meramente arranjamos as coisas
para realizarmos alguns efeitos prováveis, mas não podemos tomar como tendo das raízes das causas de si
mesmos. Isto é dificilmente surpreendente se não estamos aptos a interagir com a total dimensionalidade
de um evento. Como os cabalistas tem dito, o mundo causal tem existido como uma quinta dimensão.
Umas quinta dimensão para a qual a psique tem algum acesso limitado poderia explicar todos
fenômenos mágicos e ocultistas sem exceção. Informação movendo-se por uma quinta dimensão poderia
manifestar em qualquer ponto do tempo e espaço ordinário. Telepatia, necromancia, clarividência e pré-
cognição são explicadas de uma vez. Transformações causadas na quita dimensão iriam aparecer como
efeitos na nossa realidade ordinária; telecinese e todas as formas de lançamentos de feitiços e
encantamentos são portanto possíveis. Tentar fazer coisas acontecerem no mundo ordinário pelo arranjo
de efeitos é um negócio laborioso e que consome muito tempo. Se pudéssemos ter acesso ao mundo
causal, infinito poder e possibilidades poderiam estar acessíveis a um capricho, se ainda assim
estivéssemos interessados.
O propósito deste estudo não é reabilitar ciência e magia, mas para demonstrar que ali existem
alternativas para i irracionalismo quando chega erguendo bases teóricas para um modus operandi mágico.
Se a ciência sempre começou a realizar sérias investigações à magia, os resultados seriam desastrosos. A
humanidade provou a si mesma ser totalmente incapaz de lidar sequer com subst6ancias modaradamente
perigosas como plutônio com responsabilidade. Imagine o que isto iria ser utilizado com máquinas de
encantamento de feitiçaria, ou até mesmo simples, mas confiável, telepatia. É do interesse da
sobrevivência das espécies que os ocultistas continuem ridículos e sem crédito por suas artes aos olhos da
ciência ortodoxa.
O autor tem uma certa preferência por paradigmas da dimensionalidade superior, se somente
porque a evolução da mais simples forma regular pelo aumento da dimensionalidade leva um a produzir
símbolos familiares são mostrados na figura 1.

Figura 1. A evolução das formas por vários níveis dimensionais.

A maioria dos paradigmas mágicos ENVISAGE um universo feito totalmente de três realidades.

Realidade Primária: O Nulo, Caos, Ain Soph Aor, Deus, o EMPYREAN, Universo B, o
MEON, o Pleroma ou PLENUM, Mummu, o Nagual, o mundo Arquétipo ou Formador, a Quinta
dimensão, Mente Cósmica, o Holograma, a noite de Pan, Hyperespaço, Acausalidade, Plano Quântico.

Realidade Secundária: Os Aethers ou Astral, Probabildiade, os Deuses, Campos Mórficos, o


Mundo das Sombras, os Lados, os Ventos, a Luz Astral, Potencia, Aura, Natureza Mediana.

Realidade Terciária: O Mundo Físico ou Material, Malkuth, Universo A, o tonal, a Quarta


Dimensão, o Corpo de Deus, o Holograma, Causalidade.

Outra característica adicional de todos paradigmas mágicos é que há equivalência entre o


microcosmo e o macrocosmo. Tão acima como embaixo. Desta forma o humano contém uma parte da
realidade primária e secundária em adição de seu ser físico.
P sic o nau ta 61

ANEDOTAS
C ada uma destas histórias do diário do autor é interessante porque elas ilustram uma técnica de
gênesis particular de idéias que aparecem neste livro. Em alguns casos, detalhes da localização
precisa são omitidos ou nomes trocados para proteger indivíduos. Tanto quanto possível, eventos
são apresentados exatamente como eles aconteceram para mim.
Talvez isso aconteceu porque eu nasci e fui criado próximo daquela parte do de South Downs
que Steyning.
em mantém tanto sobrasisto
Ou talvez deaconteceu
um temploporque
antigoeuRomano Bretão
tenho uma mãeem Chanctonbury
vidente. e um
Eu não sei, masforte Templário
eu ainda posso
lembrar-me de estranhos encontros com entidades nos meus sonhos de infância que eram tais quais
campos de força elementares, e tendo um interesse persistente no paganismo na minha adolescência. Eu
lembro-me claramente da primeira noite que eu tentei fazer algo acontecer. Eu estava sob as frustrações
típicas de um adolescente, vindas a maioria do sexo, e tentei voar em fúrias que achei tremendamente
excitante e divertida. Eu algumas vezes retirei alguns itens de uma coleção de velhas espadas e machados
que tinham sido permitidos ficarem em meu quarto e os ataquei violentamente esgrimando ao ar e ira
frenética pelo inferno que isso era. Uma tarde, assim divertida, eu dei uma saidinha para uma andada
ainda no entardecer de uma dessas fúrias. Alguma distância adiante de mim eu vi uma vítima
satisfatoriamente não suspeita num uniforme que mais parecia o de um cobrador de ônibus. De cerca de
trinta jardas eu deliberadamente perdi num arremesso de energia nele silenciosamente apontando e
concentrando-se nas suas costas. Quase que imediatamente ele pulou, como se isso tivesse o chutado
violentamente o traseiro. Ele virou-se para observar-me chocado e surpreso, e eu, também chocado e
surpreso, fingi estar indiferente. Então ele escondeu seu desembaraço e partiu em outra direção. Eu
sinceramente espero que não tenha havido um efeito posterior. Isto foi motivado por nada mais que
aquele hooliganismo adolescente e curiosidade e desde então eu tenho usado raramente esta força.
Entretanto o mais importante, eu agora tinha prova de que ali havia algo em todos aqueles livros de
bruxaria.
Minha descoberta seguinte ocorreu quando experimentei poderosos alucinógenos na faculdade.
Eu tive expectativas de que me mostrariam minha real alma, o centro de um ciclone como era de se
esperar. Ao invés disso, eu vi que na essência íntima de meu ser havia somente o poder da vontade e o
poder da percepção. Tudo o mais estava adicionado e poderiam ser jogados fora. Eu comecei a ver que
sobre a aparente ordem do assunto tinha uma força operando espontânea, criativa, caótica e mágica. Este
insight inicialmente me intimidou e isto foi alguns anos antes de eu aceitar e confirmar os mesmos.
Enquanto isso eu realizei meditações. Inicialmente eu pensei que meditações me trariam somente
calmaria, por eu ter pedido um pouco mais que isso. Posteriormente eu estava a perceber que isto me
trouxe um grau de controle o qual provou ser de muita utilidade de muitas formas. Eu comecei a registrar
meus sonhos e achei um mundo fantástico que poderia estar aberto com a perseverança. Em severas vezes
sonhei com coisas em particular que tinham justamente acontecido com minha mãe, com completa
precisão. Encorajado, eu comecei a tentar e achar minhas mãos nos sonhos como uma ação preliminar
para
partesdeliberar-me
da mente deem viagens
uma pessoaastrais. Foi então
que parecem que eu encontrei
inflexíveis o meu
a que estas Sensor Psíquico.
experiências são semExistem
limite. Oalgumas
sensor
irá para quase qualquer dist6ancia para prevenir uma experimentação, ou lembrando que uma pessoa tem
experimentado fenômenos de outros planos. Foram tomados muitos meses para passar este obstáculo, mas
os resultados bem que valeram a pena.
Numa noite um parente meu a muito falecido apareceu num sonho. Isso foi o suficiente para me
chocar no momento me fazendo agir. Imediatamente eu achei minhas mãos e então as puxei para fora, e
subitamente uma parte de mim estava defronte a um local que eu estava me organizando a visitar, a
quinze milhas donde estava. A viagem foi instantânea e com uma sensação de estar flutuando como um
balão. Em todas estas experiências seqüenciais, aconteceu o mesmo: de repente, contra alguma enorme
resistência me atirei para uma membrana, e me era permitido ficar e observar o local desejado por alguns
momentos antes de ser arrebatado de volta. Os detalhes dos alvos eram sempre exatamente como eles
deveriam ser, sem a tradicional distorção dos sonhos. Numa ocasião quando eu pensei que tinha me
perdido, eu repentinamente percebi que eu tinha partido de cabeça para baixo na cena a qual estava
correta em todos os detalhes.
Já nesta época eu comecei a rodar por ai atrás da Postura da Morte e os Sigilos de Austin Osman
Spare. Eu não posso me esquecer da primeira vez que eu tentei experimentar uma experiência como
animal por sigilos. Eu criei um sigilo para criar um karma de um gato alguns dias precisamente. Tendo
concentrado nisto por um tempo e obtendo o resultado eu tive mais o0u menos esquecido numa noite que
eu estava andando numa betesga de iluminação bastante empobrecido na minha cidade natal. Eu peguei
num olhar repentino algo se movendo ao meu lado direito e virei para ver uma enorme gata vislumbrante
P sic o nau ta 62

sentada num portal de correio. No momento que nossos olhos se encontraram, algo indescritível brilhou
entre nós, e repentinamente eu me rasguei na escuridão e uivando como um felino, completamente
possuído. Mas a falta de sujeira em minhas mãos após tudo isso me convenceu que eu não estava andando
de quatro.
Nos flats que eu vivi eu estava vivendo naquela época numa cidade grande, ali havia um sujeito
me causando uma progressiva caída à loucura. Vamos chamá-lo de Ron. A maioria dos psiquiatras teria
diagnosticado Ron como Paranóico Esquizofrênico. Seu comportamento era bizarro ao extremo. Ele
ouvia vozes continuamente e ele imaginou perseguições das formas mais improváveis fontes. Um dia ele
me pagou uma visita, dirigido talvez por rumores de meu interesse. Ele estava vestido em cinco camadas
de roupa, faminto, e quase completamente alucinado. Ele tinha estado acampando numa calefação por
algum tempo para evitar demônios em seu flat. Deixando-o tão confortável quanto possível, pensei que
poderia tentar realizar qualquer coisa que eu pudesse para ajudar.
Partimos para um quarto que eu tinha preparado para vários experimentos mágicos e apliquei os
procedimentos normais de exorcismo. Nada estava funcionaria. Ron ficou muito defensivo e ficou apenas
murmurando um fluxo de coisas dissociadas e sem sentido. Nada o faria manifestar o demônio que o
acompanhava, para que eles pudessem ser banidos. Em desespero eu decidi ser seu demônio. Eu avancei
sobre ele grunhindo e amaldiçoando, ameaçando-o com armas e ameaças, trazendo de volta as coisas as
quais ele havia se queixado. Por alguns minutos eu me tornei a sua paranóia. Coberto num estranho
roupão numa sala escura cheia de enxofre queimando, eu mantive sua alma na ponta de minha espada e
por esta evoquei todo o inferno que o assolava. O efeito foi notável. Ele se despertou e tornou-se
completamente lúcido e razoável, tentando caminhar pelo seu roteiro de predicamento, usando perfeitos
sentidos e lógica com as respostas emocionais corretas. Imediatamente após isso eu voltei a minhas
atitudes normais e nos levei para fora do canal de choque. Ron estava então normal por novos vinte
minutos durante o tempo que tentamos descobrir como ele poderia tomar sua vida normal novamente. Já
no fim de
decidiu nossa conversa
repentinamente eleele
partir começou a deslizar de volta
estava completamente loucoanovamente.
seu modo insano,
Este foieo no
meumomento que que
maior pesar ele
eu não tive as facilidades para detê-lo e tentar e fazer algo mais para ele. Como o doutor bruxo disse, uma
pessoa que tem problemas na cabeça pode ser curada, mas uma pessoa com uma “alma má”, isto é, um
caso mental de longa data, freqüentemente mostra-se como intratável. Eu vi Ron somente brevemente
mais uma vez após os psiquiatras terem concluído suas atuações sobre ele,e ele pareceu um repolho
virtual. Esperamos que aquilo era somente o efeito de sedativos.
Nesta época eu tive o meu primeiro sucesso com a postura da morte de Austin Osman Spare.
Após alguns meses de prática eu repentinamente entrei num estranho estado estático o qual era hilariante
além de minha mais selvagem expectativa e pareceu ser o portal para certas experiências mágicas. Eu
acharia a mim mesmo pairando como um ponto de consciência Dora de meu corpo inteiramente e estava
livre para examinar a bola de força ectoplásmica que cada um de nós contém em seu corpo astral.
Minha capacidade para acessos de raiva irada algumas vezes reafirmava a si mesmas quando
eventos passaram a ser tentados. Em uma ocasião, eu tinha perdido as chaves da porta no tumulto de meu
flat e estava atrasado para um compromisso. Ataquei violentamente por todos os quartos, um por um
derrubando todos locais aonde possivelmente estava escondida a chave, ficando cada vez mais nervoso.
Eventualmente eu permaneci no centro da sala principal e desabafei a ira que me abatia.Repentinamente a
chave apareceu meio do ar, logo atrás do meu ombro direito e caiu ao chão. Puxei-a para cimasem sequer
pensar e lancei-me para fora da porta da frente. Isto não aconteceu dessa forma, por eu estar a quinze
jardas acima da direção que toda aquela força do que eu tinha feito amanhecesse na minha mente
pensante. Isso ainda ma traz arrepios.
Brevemente depois marquei minha retirada para uma viagem de baixo custo ao redor do mundo.
Esta mostrou-se uma excelente forma de aprimorar habilidades mágicas. Longos períodos de inatividade
forçada atravessando desertos, e longos períodos de quietude nas montanhas do Himalaia parecem aflorar
uma capacidade para a telepatia. A vacância das perigosas associações com viagens baratas é um forte
estímulo.
Se a vida humana é precária na Índia, então o estilo de vida de um cachorro indiano deve ser a
mais demandado e competitivo possível. Como resultado, cachorros indianos desenvolveram uma
inteligência raramente atingida pelos seus relativos bolhas inchadas do Ocidente. Você teria de ser meio
para-psíquico para sobreviver como um cão na Índia, e foram muitos os que conheci lá. Um em
particular parava qualquer coisa que estivesse fazendo e viria a mim em poucos minutos se eu pensasse
intencionalmente nele.
Ali haviam muitos monges Tibetanos Budistas numa vila da montanha na qual fiquei. As pessoas
dali tem o crédito de possuírem algumas habilidades um tanto extraordinárias. Uma vez, sentado num
edifício baixo observando o mercado, eu decidi ver se eu poderia influenciar um entre os vários.
Selecionando um entre aqueles monges com vestuário vermelho, cabeça raspada ao acaso ao ele entrar no
P sic o nau ta 63

mercado, eu o comandei a parar. Isto ele fez apesar do fato de que ele estava fixo no meio da rua. “Vire-
se”, eu pensei. Ele respondeu agindo. Eu o deixei vir de volta para a calçada dez passos e então projetei a
sugestão novamente. Na segunda vez ele refez os seus passos após dar uma volta novamente. Quando ele
recobrou sua posição inicial, eu mandei uma mensagem uma terceira vez. Nesse instante ele parou, olhou
para si mesmo de uma forma confusa, sacudiu sua cabeça, e andou determinado para fora de sua rota de
srcem. Eu o perdi. Pensando a este respeito posteriormente,eu suponho que isto não foi tão esperto. Estes
monges ficam o dia inteiro a meditando, e não é surpreendente que eles não sejam receptivas este tipo de
coisa.
Retornando eventualmente para a Inglaterra, eu descobri que fungos do outono eram assunto de
muito interesse. Um companheiro feiticeiro amigo me levou para passear no começo da temporada e
apanhou para mim um punhado do supracitado sacramento, o qual eu comi fresco. Cerca de uma hora
depois, deitado no sótão de meu amigo, uma visão magnífica e bela se mostrou para mim. Ela era de um
corpo segmentado ardente superado por fabulosas asas difamas. Ele rodou em torno de si mesmo a minha
frente para que eu pudesse inspeciona-lo por alguns momentos e então desapareceu. Isso não aconteceu
até eu ir à procura do cogumelo uma segunda vez que eu compreendi o que era a visão. Na segunda busca
pelo cogumelo eu observei que numerosos pequenos mosquitos estavam zumbindo entre os cogumelos.
Quando colocamos algum dos cogumelos para secar num papel uma certa quantidade de bichos
emergiram. Eu traguei muitos deles na primeira dose e me uni a estes seres. Teria eu encontrado o Senhor
dos Mosquitos talvez?
Estes são apenas algumas das experiências mais fáceis de serem explicadas que apareceram pelo
meu caminho durante anos de desenvolvimento com a magia. Muitas centenas de instâncias de telepatia,
precognições, coincidêncisa, e lançamentos de feitiços não podem ser registrados. Eu não reconheço mais
estas coisas como estranhas ou incomuns. O maior mistério para mim agora é porque estas coisas não
estão sempre acessíveis e disponíveis todo o tempo. Eu considero que qualquer pessoa a qual esteja
preparada
resultados.para se esforçar contra sua própria resistência a este fenômeno, o “sensor psíquico”, atingirá
P sic o nau ta 64

TEORI A DA C ATÁST ROFE E MAGIA

TEORIA DA CATÁSTROFE é uma ferramenta da matemática a qual permite SUDDEN


mudanças descontínuas para serem representadas por um modelo topológico. Topologia é
algumas vezes chamada “geometria do RUBBER SHEET”, na qual uma forma pode ser

A
distorcida em qualquer outra desde que as características básicas permaneçam inalteradas. A teoria provê
uma descrição qualitativa, mas não quantitativa de como uma mudança repentina irá ocorrer. Ela nos diz
que algo diferente estará a ser esperado sobre certas circunstâncias , mas ela não nos diz exatamente
quando espera-la. Ela nos diz, entretanto, como provocar catástrofes. A teoria está aplicada aqui a
situações aonde iniciações, iluminações e conversões religiosas , aonde há nestas uma mudança repentina
do estado. Em cada caso esta teoria descreve a situação satisfatoriamente e também lança muito do que é
inesperado e valioso. Era particularmente de meu gosto a sabedoria PERFIDIOUS que tomou minha
atenção para a teoria que a maioria dos matemáticos ainda consideram “magia negra”, mas acreditam
nisto como tendo certa aplicabilidade à magia que aqui apresento.
P sic o nau ta 65

TE ORIA DA C ATÁST ROFE


Eu usarei principalmente o modelo preponderante da catástrofe mostrado na figura 2. A inclinação
retorcida nela é a superfície da catástrofe sobre a qual um ponto representando comportamento pode se
mover. A direção Z é o eixo comportamental, e a parte superior do eixo nesta superfície, a maioria de
comportamentos particulares que esta irá mostrar. A é o ponto mais elevado e B um pouco mais embaixo,
D é maisoembaixo
controle ainda
qual causa de B ou de
catástrofes. C paraaliAháquando
Quando este for
um grande aplicado.
fator O Eixo X
de X, qualquer é um segundo
mudança fator
de A para C de
ou
de volta novamente não será suave, mas será uma subida mudança assim como o ponto cai sobre à
margem da dobra de volta para baixo em uma outra parte da superfície. Desta forma, se o comportamento
está no ponto B ou D, uma mudança nos valores de X ou Y causarão somente mudanças suaves
contínuas. Entretanto, se o comportamento está entre os pontos A ou C, qualquer grande mudança em Y
irá resultar numa mudança catastrófica de acordo com a descida do ponto para a superfície.

Figura 2. O modelo para a Teoria da Catástrofe

Figura 3. A teoria
materialista. dapontos
Aqui os Catástrofe aplicadaoaoseguinte:
representam ocultismo
A)versus a visãoocultista;
Pensamento do mundo B)
Pensamento materialista; C) Pensamento sujo ocultista; e D) Pensamento sujo
materialista
P sic o nau ta 66

Aplicações da Teoria da Catástrofe: Visões de mundo Ocultista versus Materialista.


Este modelo representa a visão de mundo Ocultista versus materialista. O fator de controle é Y, o total de
experiências mágicas que a pessoa lembra ter passado; e X, o grau pelo qual o assunto e pensado ou
rigorosamente o que ele lembra ter percebido. Veja a Figura 3.

As Transições: B <-–> D; uma oscilação característica do ocultismo popular, aonde cada pedaço de
mudança sem críticas aceitadas sem sentido na mente de alguém permanece por alguns dias que essa
pessoa possa lembrar.
D –-> C; um aumento da sofisticação da visão materialista causada por um estudo científico e
racionalização.
B –-> A; um aumento da sofisticação da visão ocultismo causada por estudo mágico ou racionalização.
D –-> A; um gradual crescimento de uma visão ocultista causada pelo estudo de teorias mágicas e a
exposição a experiências mágicas.
C –-> A; Uma mudança repentina e descontínua a visão ocultista causada pela exposição a experiências
mágicas.

Transições além de A são incomuns por elas envolverem a eliminação de experiências da memória.
Qualquer esquema de treinamento mágico visa produzir estado A no qual o assunto possa ser
discriminado a respeito da experiência oculta. Alguns mestres insistem num curso de treinamento mental
que inicialmente leva o pupilo ao estado C para que ele então faça a revisão da catástrofe da visão do
mundo para A ao ser exposto a experiências mágicas. Eu tenho a tendência de considerar a rota D –-> A
(um aumento gradual tanto de objetividade como experiência) como a rota mais fácil de engendrar, apesar
de que o propósito geral deste livro é prover a transição de B – -> A .

...
Aplicação da Teoria da Catástrofe: Mudança na Crença
Nós podemos também usar o modelo da teoria da Catástrofe para mostrar uma mudança de uma crença
para outra. Os fatores de controle são Y, compromisso emocional para uma crença ou de outra; e X,
racionalidade e irracionalidade, como mostra na figura 4. Tipos de crença (I) e (II) podem alcançar de um
ideológico para um religioso e incluir tais crenças como descrenças.

As Transições: A <–-> B e C !-> D representam meramente o despertar e o reforçar da crença pelo


aumento ou decréscimo da racionalidade. Este aumento da crença com irracionalidade corresponde ao
reviver religioso e o nacionalismo.
B !-> D: Representa oscilação entre crenças racionais se mantidas (I) e (II) numa base emocional
A !> C: representa mudança catastrófica de irracionalidade que manteve crenças (I) !> (II) causada
pela mudança de compromissos emocionais, por exemplo, conversão religiosa.

A !> D e B !> C: São possíveis.


P sic o nau ta 67

Figura 4. A teoria da Catástrofe aplicada para uma mudança de uma crença


para outra. A e C representam fortes crenças que são ambas emocionais e
irracionais. B e D representam crenças que são emocionais e racionais. Note
como os elementos da racionalidade causam um decréscimo na força das
crenças.

Um fenômeno mais adiante pode ser mostrado na superfície da catástrofe – este da duplicação ou
separação como mostrado na Figura 5. A figura mostra como uma decadência à irracionalidade produz
duas possibilidades para uma crença forte a qual é muito instável a respeito do envolvimento emocional.
Esta é uma técnica que tem seus usos em magia.

Aplicação da Teoria da Catástrofe: Iniciação Mística


Os fatores de controle são Y, conhecimento místico; e X, poder/habilidade com a gnose como mostrado
na figura 6.

A Transição: D " A; um aumento gradual em ambos conhecimento e poder, seguido por um sistema
melhor.

Figura 5. Este é uma extrapolação da figura 4, e mostra o fenômeno da bifurcação ou


separação.
P sic o nau ta 68

Figura 6. A teoria da catástrofe aplicada a iniciação mística. Aqui os pontos


representam o seguinte: A) místico iluminado; B) conhecimento místico; C) alguém
com poder mas sem conhecimento; e D) iniciante.

D " B " A: conhecimento primeiro, poder posteriormente, um processo o qual, apesar de seguro, pode
nunca ser satisfeito

B " C: poder primeiro, conhecimento depois. Este tipo de treinamento ou experiência geralmente produz
heresia ou pesadelos. Muitos mestres místicos dizem que poder por si mesmo de fato remove a pessoa
candidata mais adiante do que menciona em suas iniciações místicas e herege uma barreira catastrófica
para progressos posteriores.

Aplicação da Teoria da Catástrofe: Iniciação Mágica


Os fatores de controle são Y, poder; e X, conhecimento. Numa iniciação mágicos fatores de controle
operam por todos os lados de outra forma porque as estruturas do conhecimento e poder são diferentes,
assim como são os seus efeitos sobre a pessoa candidata. São geralmente simples estas diferenças as quais
levam a pessoa magista e mística a denegrir o sistema de uma a da outra. Veja Figura 7.

Figura 7. A teoria da catástrofe aplicada a iniciação mágica. Aqui os pontos


representam: A) Magista illuminada; B) Poderosa, mas não sábia; C) Uma que
é meramente cheia de idéias; e D) o iniciante.
P sic o nau ta 69

Figura 8. Uma extrapolação da Figura 7 – A superfície da Caosfera duplas

As Transições: D " A um gradual aumento tanto no conhecimento como no poder.


D " B: Poder primeiro, um perigoso caminho o qual pode levar o candidato num desastre.

D " C: Conhecimento primeiro; este tipo de treinamento normalmente produz somente uma diletância.
Assim nós vemos porque mestres místicos depreciam poder para si mesmo e mestres mágicos depreciam
conhecimento para si mesmo. Cada um desses remove o candidato mais adiante de seu objetoivo e
necessita de uma mudança catastrófica para atingir o efeito desejado. Poder por si mesmo na magia e
conhecimento por si mesmo no misticismo trazem ao menos um caminho a seguir para o candidato.
Ambos estes esquemas podem ser combinados numa superfície de Catástrofe duplas para os quais eu
espero que o criador desta teoria me perdoe. Veja a Figura 8.

Pontos B e C são nesta superfície levemente inferiores que D. Aparte de nada tão perigosamente magro
como o caminho D " A torna-se em um ponto, eu apresento isso sem comentários mais profundos.