Você está na página 1de 293

2

Silva, Ricardo José Carvalho


Concreto Armado
a
2 Edição (Março/2016)
Sobral: Universidade Estadual vale do Acaraú, Centro de Ciências Exatas e
Tecnologia, Engenharia Civil, 2015.

1. Ações 2. Dimensionamento 3. Detalhamento


4. Verificações 5. Estruturas de concreto armado

Capa: A foto da capa mostra o edifício SHAMS ABU DHABI de 75 andares em Abu
Dhabi (próximo a Dubai) que foi calculado em 2008 pelo Prof. Ricardo Carvalho,
prestando serviço através do escritório Hepta Engenharia Estrutural (Fortaleza-CE)
ao escritório Adapt (Nova Iorque-EUA) do Eng. Bijan Alami.

CONCRETO ARMADO
(2a Edição – Agosto/2016)

Ricardo José Carvalho Silva


Professor Efetivo da Universidade Estadual Vale do Acaraú
Engenheiro Civil (Unifor)
Mestre em Estruturas (UnB)
Doutor em Estruturas (UnB / Imperial College – London)

3
APRESENTAÇÃO

Elaborei esta apostila com o objetivo de servir de notas de aula para as


disciplinas de Concreto Armado I e Concreto Armado II, do curso de Engenharia
Civil da Universidade Estadual Vale do Acaraú, em Sobral-CE. Este material é
necessário para que os alunos acompanhem as aulas e anotem informações
complementares discutidas em sala de aula.
O concreto armado é o material estrutural mais utilizado no mundo. Desde
pequenas obras, como pequenas casas residenciais, até grandes obras, como
edifícios altos, estádios de futebol, entre outros, geralmente são projetados com
peças estruturais de concreto armado e (ou) protendido.
Essa apostila visa auxiliar os que se iniciam na arte de projetar estruturas de
concreto, introduzindo os fundamentos do projeto de estruturas de concreto armado
de acordo com as recomendações normativas. A análise, o dimensionamento e o
detalhamento das armaduras dos elementos estruturais como vigas, lajes, pilares,
escadas e caixa d’água são discutidos nos capítulos dessa apostila.

Para que o aluno tenha um aprendizado bem fundamentado, sugiro que não
se limite a estudar somente por esta apostila. Quanto mais livros de diferentes
autores o aluno conseguir estudar, melhor será para compreensão do assunto.
Quaisquer críticas ou sugestões, com o intuito de melhorar as notas de aula,
serão bem-vindas.

Ricardo José Carvalho Silva

4
SUMÁRIO  

1. INTRODUÇÃO AO CONCRETO ARMADO ........................................................... 7


2. CONCEPÇÃO ESTRUTURAL ............................................................................... 9
3. MATERIAIS .......................................................................................................... 29
4. AÇÕES E COMBINAÇÕES .................................................................................. 37
5. ESTADO LIMITE ÚLTIMO .................................................................................... 43
6. VIGAS DE CONCRETO ARMADO ...................................................................... 51
7. LAJES DE CONCRETO ARMADO ...................................................................... 93
8. PILARES ............................................................................................................ 115
9. ESCADAS .......................................................................................................... 163
10. CAIXAS D`ÁGUA, CISTERNAS E PISCINAS .................................................. 169
11. FUNDAÇÕES ................................................................................................... 177
12. ANCORAGEM, TRANSPASSE E RAIO DE CURVATURA DAS BARRAS ..... 203
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ....................................................................... 211
ANEXO 1 – Lista de cargas para cálculo de estruturas de edificações segundo a
NBR6120 (1980) ..................................................................................................... 213
ANEXO 2 – Tabelas para cálculo dos esforços de lajes por Marcus ..................... 217
ANEXO 3 – Tabelas para dimensionamento de pilar à flexão composta normal... 223
ANEXO 4 – Tabelas para dimensionamento de pilar à flexão composta oblíqua .. 255
ANEXO 5 – Tabelas de aços da Gerdau ................................................................ 279
ANEXO 6 – Fôrmas de plástico para lajes nervuradas da Impacto e Atex ............ 289

5
6
CAPÍTULO 1

INTRODUÇÃO AO CONCRETO ARMADO


Concreto Armado é o material estrutural composto pela associação do
concreto com barras de aço, de modo que constituam um sólido único, do ponto de
vista mecânico, quando submetido às ações externas.
Dessa forma, o concreto armado, acaba sendo uma união quase que
perfeita, adquirindo as melhores características do concreto e do aço:

(1) o concreto tem boa resistência à compressão;


(2) o aço tem elevada resistência à tração e à compressão;
(3) boa aderência entre o aço e o concreto;
(4) o concreto protege o aço contra a corrosão;
(5) o aço e o concreto têm coeficientes de dilatação térmica muito parecidos.

As principais vantagens do Concreto Armado são:

(1) maior liberdade de formas;


(2) baixo custo quando comparado com outros sistemas estruturais;
(3) boa resistência a choques, vibrações e altas temperaturas;
(4) resistência à compressão do concreto aumenta com a idade.

E as principais desvantagens do Concreto Armado são:

(1) peso próprio elevado (25 kN/m3);


(2) peça sujeita à fissuração;
(3) necessidade de fôrmas e escoramentos;
(4) dificuldade em adaptações posteriores.

Os primeiros registros de concreto armado datam de 1855, quando Lambot


construiu um barco com argamassa de cimento reforçada com ferro. Em 1861,
Monier construiu um vaso de flores de concreto com armadura de arame (concreto
Monier), em 1861, Coignet publicou os princípios básicos para as construções em
concreto armado, e apresentou na Exposição Internacional de Paris, em 1867, vigas
e tubos de concreto armado.

7
8
CAPÍTULO 2

CONCEPÇÃO ESTRUTURAL
Como o próprio nome diz, a concepção estrutural se refere a criação da
estrutura da edificação. A definição de uma estrutura adequada para uma
determinada arquitetura é de fundamental importância para reduzir custos e facilitar
a execução da edificação.
O primeiro passo para a concepção estrutural está na definição do arranjo
estrutural da edificação. O arranjo estrutural é composto de elementos estruturais,
tais como lajes, vigas, pilares e fundações, escolhidos para um determinado sistema
estrutural que melhor se adeque àquela arquitetura.
A concepção estrutural é subjetiva e independe de qualquer regra
matemática. O bom senso é o principal orientador de uma boa criação. Geralmente,
estruturas mais simples são as melhores opções.
A escolha do arranjo estrutural é também denominado de lançamento
estrutural, onde o engenheiro define para uma determinada arquitetura os locais das
vigas e pilares. Um bom lançamento estrutural propicia facilidade de execução e
economia na construção. Estruturas mal lançadas costumam ser caras e
trabalhosas.
Evidentemente, deve-se definir prioridades para o tipo de edificação. Por
exemplo, um edifício residencial com muitos pavimentos tipos iguais, recomenda-se
iniciar o lançamento com a colocação das vigas acompanhando algumas alvenarias
e a partir disso, locam-se os pilares e definem-se as lajes. Já para um edifício
garagem, a prioridade são as vagas de estacionamento, então, dessa maneira,
inicia-se com a colocação dos pilares e a partir disso, locam-se as vigas e definem-
se as lajes.
Depois de lançada a estrutura, deve-se haver uma compatibilização com os
projetos instalações para que não haja improvisações por alguma
incompatibilidades entre os projetos.

2.1. ELEMENTOS ESTRUTURAIS

As estruturas das edificações são basicamente compostas por lajes que se


apoiam em vigas que se apoiam em pilares que se apoiam nas fundações que se
apoiam no solo (Figura 2.1). As lajes, as vigas e os pilares são classificados como
superestruturas. As fundações e o solo são classificados como infraestruturas.

9
Figura 2.1 – Elementos estruturais de uma edificação

As lajes fazem a função de piso e de teto. Elas podem ser maciça, nervurada
ou pré-moldada (Figura 2.2). As lajes maciças são mais tradicionais e fornecem à
edificação maior rigidez às cargas de vento, porém são lajes mais caras porque
exigem maior quantidade de fôrmas. Com a repetição da mesma fôrma em vários
andares, o custo da edificação reduz. As lajes nervuradas são uma ótima opção
para edificações com maiores vãos. Redução de concreto e fôrma é uma
característica desse tipo de laje, porém geralmente há um aumento na taxa de aço
onerando os custos. As lajes pré-moldadas, volterrana ou treliçada, são ótimas
soluções para pequenas edificações. Sem a necessidade de fôrmas e com a
utilização de baixa taxa de aço tornam esse tipo de laje simples de executar e de
baixo custo. Porém esse tipo de laje tem algumas limitações. Para edifícios altos,
esse tipo de laje não fornece uma boa rigidez lateral. Para grandes vãos esse tipo
de laje apresenta grande flecha e vibra muito. O tipo de laje a ser escolhida é opção
do projetista e deve ser observada o tipo de edificação e comparada as
características de cada sistema para escolher a melhor opção para aquela
edificação específica. Cada construção tem suas peculiaridades e por isso nem
sempre o melhor tipo de laje é o mesmo.

10
Figura 2.2 - Lajes

As vigas podem ser classificadas em vigas ou vigas-paredes (Figura 2.3). As


vigas possuem relação L/h ≥ 2 para vigas bi-apoiadas e L/h ≥ 3 para vigas
contínuas. Esse tipo de viga obedece a teoria de Bernoulli-Navier, onde as seções
transversais planas permanecem planas após deformadas. Essa teoria é base para
as fórmulas de dimensionamento de vigas. Já as vigas-parede são vigas altas, com
a relação L/h < 2 para vigas bi-apoiadas e L/h < 3 para vigas contínuas. As vigas-
paredes não obedecem a teoria de Bernoulli-Navier. Suas seções transversais
depois de deformadas se arqueiam. Por esse motivo, as vigas-paredes são mais
adequadamente dimensionadas através da teoria do modelo de bielas e tirantes.

Figura 2.3 - Vigas

Os pilares podem ser classificados em pilares e pilares-parede (Figura 2.4).


Os pilares possuem a relação b ≥ h/5 e são dimensionados a flexão composta
normal ou flexão composta oblíqua, enquanto os pilares-parede, com a relação b <
h/5, são dimensionados por trecho de seção a compressão simples. Normalmente
se usam os pilares-paredes em regiões onde de precisa enrijecer a edificação para

11
cargas de vento. Geralmente são os pilares na caixa de escada e elevador que
apoiam a caixa d`água.

Figura 2.4 – Pilares

As fundações podem ser rasas (diretas) ou profundas (indiretas). As rasas


mais comuns são blocos, sapatas, sapatas excêntricas com vigas de equilíbrio,
sapatas corrida com viga de rigidez e radier (Figura 2.5). As profundas mais comuns
são as estacas (Figura 2.6). Sejam pré-moldadas, tipo franki, tipo raiz e tipo hélice
contínua.
Nas fundações rasas, o uso dos blocos se limitam a pilares com pouca carga,
geralmente menos de 500 kN, a satapa para pilares com mais cargas, a sapata com
viga de equilíbrio seria uma solução para evitar a sapata excêntrica onde se
transferiria momento fletor para o pilar e a sapata associada é quando se tem uma
fileira de pilares próximos para se fazer somente uma sapata. Em algumas
situações onde pudesse haver sobreposição de sapatas recomenda-se o uso do
radier.

12
Figura 2.5 – Fundações rasas

Nas fundações profundas, o uso de estacas com o bloco de coroamento é


muito comum quando há grandes cargas e o solo não encontra resistência a
pequenas profundidades. Nesse caso, as estacas são cravadas até uma “nega”,
onde a tensão normal em baixo da estaca e o atrito nas laterais da estaca fornecem
resistência para absorver grandes cargas.

Figura 2.6 – Fundações profundas

2.2. SISTEMAS ESTRUTURAIS

O sistema estrutural de uma edificação é definido como o conjunto de


elementos estruturais usados para criar o “esqueleto” da própria edificação. Cada
sistema possui vantagens e desvantagens, dessa maneira, o mais conveniente é

13
conhecer as características de cada sistema e escolher um que melhor se encaixe
com a arquitetura a ser construída. A seguir são apresentados características de 7
diferentes sistemas estruturais.

(1) Sistema com Laje Volterrana apoiada em vigas ou cintas:

O tipo de laje em combinação com o tipo de apoio, seja na viga, seja no pilar,
faz o sistema estrutural da edificação. Dependendo do tipo da edificação, um
sistema estrutural ou outro se adéqua melhor ao edifício.
O sistema com lajes volterrana apoiadas em vigas ou cintas (Figura 2.7) é um
tipo de sistema simples, de fácil execução. Tão simples que o projetista deve
cuidadosamente detalhar os trilhos da laje ancorando dentro da viga em
aproximadamente 8 cm para que não haja erro. Normalmente esse sistema é usado
para pequenas edificações porque a ligação entre a laje volterrana com a viga não
dá uma boa solidariedade que enrijeça a edificação sob efeito de vento. Além disso,
a laje volterrana de não vence grandes vãos, limitando-se em média 4 m para
concreto armado e 7 m para concreto protendido. Os trilhos de volterrana protendido
devem ter bom controle tecnológico para que não haja empenamento.

Figura 2.7 – Laje Volterrana (Laje Pré-moldada)

(2) Sistema com laje treliçada apoiada em vigas ou cintas:

O sistema de laje treliçada apoiada em vigas ou cintas (Figura 2.8) é muito


parecido com o de laje volterrana. Simples e prático. O projetista também deve

14
detalhar a ancoragem dos trilhos ancorados nas vigas. O sistema é um pouco mais
rígido a cargas de ventos que o da laje volterrana, mas ainda tem pouca rigidez
quando se compara com os sistemas mais convencionais de lajes maciças e
nervuradas. Normalmente utiliza-se vãos de até 10 m de comprimento, seja a treliça
de concreto armado ou concreto protendido. O trilho de 10 m é muito flexível e
muitas vezes quebra durante o transporte ou na montagem. Nesse caso o trilho
protendido passa a ser mais vantajoso por ser mais rígido.

Figura 2.8 – Laje Treliçada (Laje Pré-moldada)

(3) Sistema com lajes maciças apoiadas em vigas:

O sistema de laje maciça apoiada em vigas (Figura 2.9) é o sistema mais


tradicional. Consomem altas taxas de fôrmas. É muito boa quando o cliente não
quer usar forro falso de gesso. Possuem boa rigidez quanto a cargas pontuais.
Também são mais solidária que a laje volterrana e a treliçada. Geralmente esse tipo
de laje limita-se a vãos de 5 m x 5 m para lajes de concreto armado e 6 m x 6 m
para lajes de concreto protendido.

15
Figura 2.9 – Laje Maciça apoiada em vigas

(4) Sistema com laje nervurada apoiada em vigas:

O sistema de laje nervurada apoiada em vigas (Figura 2.10) caracterizam-se


pelo baixo consumo de concreto. Maior rigidez por apresentar maior altura útil (d).
Também são mais solidária que a laje volterrana e a treliçada. E, além disso, é um
sistema muito bom quando o cliente não se importa em usar forro falso de gesso.
Como nesse sistema é necessário o uso do forro falso de gesso e a laje é mais
espessa que a laje maciça, há uma perda de altura livre por pavimento se o pé
direito for mantido.
Normalmente os vãos limitam-se em 8 m x 8 m para lajes de concreto armado e
9 m x 9 m para lajes de concreto protendido.

16
Figura 2.10 – Laje Nervurada apoiada em vigas

(5) Sistema com laje lisa ou laje cogumelo apoiada em pilares:

O sistema de laje lisa apoiada em pilares (Figura 2.11) e o sistema de laje


cogumelo apoiada em pilares (Figura 2.12) difere-se somente por que a laje
cogumelo possui um engrossamento da laje na região do encontro com o pilar,
denominado de capitel. Ambos os sistemas são de fácil execução por terem fôrmas
simples sem os recortes de vigas que normalmente dão mais trabalho. É muito boa
quando o cliente não quer usar forro falso de gesso.
Nesse sistema ao contrário do que muitos pensam, há um aumento do peso
do edifício. E, além disso, há a possibilidade da ruptura por punção. O projetista
deve verificar isso nos cálculos.
Essas lajes apresentam um bom efeito de travamento lateral quanto a cargas
de vento, mas apresentam maiores flechas e por esse motivo, o mais indicado é
usar a laje protendida.
Há uma maior liberdade do layout da arquitetura por se tratar de uma laje
única por pavimento. Ou seja, as alvenarias podem ser alteradas de posição sem
prejudicar a laje.
Os vãos geralmente limitam-se em 7 m para lajes de concreto armado e 8 m
para lajes de concreto protendido.

17
Figura 2.11 – Laje Lisa (Laje Plana)

Figura 2.12 – Laje Cogumelo (Laje Plana)

(6) Sistema com laje nervurada apoiada em pilares:

O sistema de laje nervurada apoiada em pilares (Figura 2.13) é uma mistura


do sistema de lajes nervuradas com o sistema de laje cogumelo. Há uma maior
18
liberdade do layout da arquitetura por se tratar de uma laje única por pavimento. Há
altas taxas de armadura. Há maior rigidez que a laje lisa ou cogumelo por que há
uma maior altura útil (d). Além de existir um bom travamento lateral para cargas de
ventos. Além disso, esse tipo de laje também pode romper por punção e deve ser
verificada pelo projetista durante o cálculo.
Normalmente limita-se o vão dessa laje em 8 m para concreto armado e 9 m
para concreto protendido.

Figura 2.13 – Laje Nervurada apoiada em Pilares (Laje Plana)

(7) Sistema com laje nervurada apoiada em vigas-faixa protendidas:

O sistema de laje nervurada apoiada em vigas-faixa protendidas (Figura 2.14)


é o mesmo sistema de laje nervurada apoiada em vigas, porém nesse caso, a viga
protendida é embutida na laje nervurada com grande vão. Esse sistema vem se
popularizando bastante no Brasil. Como é laje nervurada, há um baixo consumo de
concreto e por ser uma solução parecida com as anteriores, há um bom travamento
lateral quanto a carga de vento.
Normalmente, o vão da viga protendida limita-se por volta de 10 m. Apesar
desse valor do vão poder aumentar quando se aumenta a altura da viga.

19
Figura 2.14 – Laje Nervurada apoiada em Vigas-Faixa Protendidas (Laje Plana)

2.3. DIRETRIZES PARA A CONCEPÇÃO ESTRUTURAL

A concepção estrutural é algo pessoal e intuitivo. Não existem regras. Alguns


projetistas preferem um lançamento com mais vigas, dando mais rigidez ao
pavimento, outros preferem um lançamento mais limpo, com menos vigas e lajes
maiores, dando maior simplicidade à execução da obra. Caso um determinado
projeto de arquitetura seja distribuído para dezenas de calculistas, é possível que
apareçam dezenas de diferentes lançamentos estruturais para a mesma arquitetura.
Em resumo, deve-se lançar a estrutura de maneira simples que as cargas venham
das lajes para as vigas e das vigas para os pilares, como se faz na fabricação de
uma mesa rígida. De preferência que as vigas amarrem os pilares nos dois sentidos.
Mesmo não existindo regras para o lançamento estrutural, podem-se citar
algumas diretrizes que tornam o projeto eficiente, tais como:

(1) Vazios ou extremidades enrijecidos por vigas;


(2) Lajes em formato retangular ou quadrado com vãos razoáveis;
(3) Vigas apoiadas em pilares com vãos razoáveis;
(4) Pilares alinhados e amarrados por vigas nos dois sentidos.

Evidentemente nem todos esses itens acima vão constar em um projeto


estrutural por conta das peculiaridades da arquitetura, mas quanto mais itens
desses constarem no lançamento estrutural, melhor ficará o lançamento.
Uma outra preocupação é o lançamento dos pilares que estejam alinhados,
amarrados, bem distribuídos e que possam ir desde a fundação até o último
pavimento, evitando assim a viga de transição (Figura 2.15).

20
Figura 2.15 – Viga de transição recebendo pilar

Esse tipo de viga só deve ser utilizada quando não houver outra solução.
Primeiro por que é uma viga que vai receber um carregamento muito grande.
Segundo por que é uma viga que deve ter o mínimo possível de flecha, pois uma
deflexão nessa viga puxa o pilar para baixo e interfere em todo o equilíbrio da
edificação.

2.4. LANÇAMENTO E PRÉ-DIMENSIONAMENTO ESTRUTURAL

Para a planta baixa apresentada na Figura 2.16, decidiu-se optar por priorizar
o lançamento das vigas e depois colocar os pilares, por se tratar de uma edificação
residencial. Nesse caso, inicialmente fez-se um primeiro esboço das vigas seguindo
as alvenarias principais, conforme Figura 2.17. Em seguida, resolveu-se aprimorar o
primeiro esboço retirando algumas vigas e aumentando vãos. Assim, algumas
alvenarias ficaram sobre as lajes. Dessa maneira apareceu o segundo esboço já
com os pilares locados (Figura 2.18).
Limpando o desenho, aparece na Figura 2.19 o esboço definitivo com uma
contagem de pilares, vigas e lajes ainda não revisada. E por fim, transforma-se esse
esboço numa planta de fôrma (Figura 2.20) do pavimento tipo da edificação com as
numerações de pilares, vigas e lajes já definidas iniciando-se da esquerda para a
direita, de cima para baixo. No caso de vigas, primeiro as vigas horizontais, depois
as verticais. Também pode ser vista na figura dois cortes horizontais e dois cortes
verticais rebatido em cima do próprio desenho da fôrma.
Observe que o projeto é simétrico, ou seja, a contagem de pilares, vigas e
lajes continua para a outra parte do pavimento que não aparece na figura.

21
Figura 2.16 – Projeto de arquitetura – Planta baixa

Figura 2.17 – Primeiro esboço das vigas e lajes

22
Figura 2.18 – Segundo esboço de pilares, vigas e lajes

Figura 2.19 – Esboço definitivo da fôrma do pavimento

23
Figura 2.20 – Projeto de estruturas - Fôrma do pavimento

O chamado “pré-dimensionamento” é uma estimativa de que medidas serão


necessárias para as peças estruturais. Logicamente que são estimativas bem
simplificadas, baseadas principalmente nos vãos. Quando o engenheiro calculista
for fazer o dimensionamento utilizando os carregamentos e as deflexões reais,
obviamente, essas dimensões podem ser alteradas. Por esse motivo, esse pré-
dimensionamento é mais usado por arquitetos que não se aprofundam na teoria das
estruturas. A tabela 2.1 traz as equações simplificadas para que se possa fazer o
pré-dimensionamento. Seria o “chute inicial”.

24
Tabela 2.1 – Pré-dimensionamentos (Simplificação mais usual para arquitetos)
Lajes
ü Laje maciça de Concreto Armado em 1 direção è h = 2% . Vão Menor
ü Laje nervurada de Concreto Armado em 1 direção è h = 3% . Vão Menor
ü Laje maciça de Concreto Armado em cruz è h = 2% . Vão Médio
ü Laje nervurada de Concreto Armado em cruz è h = 3% . Vão Médio
ü Laje lisa de Concreto Protendido è h = 2,5% . Vão Maior entre 2 pilares
OBS: No caso de balanço, utiliza-se o dobro das percentagens.
Vigas
ü Viga de Concreto Armado bi-apoiada è h = 10% . Vão
ü Viga de Concreto Armado contínua è h = 8% . Vão
OBS: No caso de balanço, utiliza-se o dobro das percentagens.
Pilares
ü Área da Seção (m2) = P (kN) / (10000 kN/m2)
ü P (kN) = Ainfluência (m2) . 10 kN/m2 . (no de repetições)
OBS: As repetições são “os pavimentos” e “a coberta”.

Utilizando-se as relações da Tabela 2.1 com as medidas apresentadas na


Figura 2.21, estimam-se as medidas das vigas e lajes conforme mostrado a seguir.

Figura 2.21 – medidas para pré-dimensionamento de lajes e vigas

V2 è maior vão = 590 cm è h = 8% . 590 = 47,2 cm


V4 è maior vão = 465 cm è h = 8% . 465 = 37,2 cm
V5 è maior vão = 170 cm è h = 10% . 170 = 17 cm

25
V7 è maior vão = 597,5 cm è h = 8% . 597,5 = 47,8 cm
V8 è maior vão = 545 cm è h = 10% . 545 = 54,5 cm
V9 = V10 è maior vão = 685 cm è h = 10% . 685 = 68,5 cm

Padronizando-se as vigas em três tipos de seção: 15x50, 15x60 e 15x70,


adota-se 15x50 para V2, V4, V5 e V7, 15x60 para V8 e 15x70 para V9 e V10.

Laje em 1 direção (vão maior/vão menor ≥ 2):


L1 è menor vão = 170 cm è h = 2% . 170 = 3,4 cm
L2 è menor vão = 420 cm è h = 2% . 420 = 8,4 cm

Laje em cruz (vão maior/vão menor < 2):


L3 è vão médio = 402,5 cm è h = 2% . 402,5 = 8,05 cm
L7 è vão médio = 471,25 cm è h = 2% . 471,25 = 9,43 cm

Padronizando-se as lajes em duas espessuras: 8cm e 10cm, adota-se h =


8cm para L1 e h = 10cm para L2, L3 e L7.

Novamente utilizando-se as relações da Tabela 2.1, agora com as medidas


da área de influência do pilar com maior carregamento, apresentadas na Figura
2.22, estimam-se as medidas dos pilares conforme mostrado a seguir.

Figura 2.22 – medidas para pré-dimensionamento dos pilares

Pilar com mais carga è área de influência = 18,07 m2


Carga por pavimento = 10 kN/m2 . 18,07 m2 . 3 repetições = 542,10 kN
Área Seção do Pilar = 542,10 kN/10000 kPa = 0,0542 m2 = 542,1 cm2
(Adota-se 20 cm x 40 cm)

26
Dessa maneira a planta de fôrma definitiva ficou como apresentada na figura
2.23.

Figura 2.23 – Planta de fôrma com lajes, vigas e pilares pré-dimensionadas

27
28
CAPÍTULO 3

MATERIAIS
3.1. MATERIAL CONCRETO

3.1.1. CLASSES

A norma NBR6118:2014 se aplica aos concretos compreendidos nas classes


de resistência até C90. A classe C20, ou superior, se aplica ao CONCRETO
ARMADO. A classe C25, ou superior, ao CONCRETO PROTENDIDO. E a classe
C15 pode ser usada somente em obras provisórias ou em concretos sem fins
estruturais.

3.1.2. MASSA ESPECÍFICA

Quando a massa específica do concreto não for conhecida, para efeito de


cálculo, pode-se adotar 24 kN/m3 para concreto simples e 25 kN/m3 para concreto
armado.

3.1.3. COEFICIENTE DE DILATAÇÃO TÉRMICA

O coeficiente de dilatação térmica do concreto pode ser adotado igual a 10-5 /


o
C.

3.1.4. MÓDULO DE ELASTICIDADE

O Módulo de Elasticidade Eci (Módulo de Deformação Tangente Inicial),


quando não houver ensaio, pode ser estimado pela fórmula:

Eci = αE 5600 f ck para 20 MPa ≤ fck ≤ 50 MPa


1/ 3
⎛ f ck ⎞
Eci = 21,5 . 10 α E ⎜ +1,25 ⎟
3
para 55 MPa ≤ fck ≤ 90 MPa
⎝ 10 ⎠
Sendo:
αE = 1,2 para basalto e diabásio; αE = 0,9 para calcário;
αE = 1,0 para granito e gnaisse; αE = 0,7 para arenito.

O Módulo de Elasticidade Ecs (Módulo de Deformação Secante), quando não


houver ensaio, pode ser estimado pela fórmula:

Ecs = αi Eci
Sendo:
f ck ≤ 1,0
αi = 0,8 + 0,2
80

29
Tabela 3.1 – Valores estimados de módulo de elasticidade em função da resistência
característica à compressão do concreto (considerando o uso de granito como
agregado graúdo) (NBR6118:2014)
Classe de C20 C25 C30 C35 C40 C45 C50 C60 C70 C80 C90
Resistência
Eci 25 28 31 33 35 38 40 42 43 45 47
(GPa)
Ecs 21 24 27 29 32 34 37 40 42 45 47
(GPa)
αi 0,85 0,86 0,88 0,89 0,90 0,91 0,93 0,95 0,98 1,00 1,00

A deformação elástica do concreto depende da composição do traço do


concreto, especialmente da natureza dos agregados. Na avaliação do
comportamento de um elemento estrutural ou seção transversal, pode ser adotado
módulo de elasticidade único, à tração e à compressão, igual ao módulo de
deformação secante (Ecs).

3.1.5. COEFICIENTE DE POISSON E MÓDULO DE ELASTICIDADE


TRANSVERSAL

Para tensões de compressão menores que 0,5fc e tensões de tração


menores que fct, o coeficiente de Poisson ν pode ser tomado como igual a 0,2 e o
módulo de elasticidade transversal Gc igual a Ecs/2,4.

3.1.6. COMPRESSÃO – DIAGRAMA TENSÃO X DEFORMAÇÃO

Para tensões de compressão menores que 0,5 fc, admite-se uma relação
linear entre as tensões e as deformações, utilizando-se o módulo de deformação
secante. Para análises no estado limite último emprega-se o diagrama tensão x
deformação idealizado (Figura 3.1).

Figura 3.1 – Diagrama tensão x deformação idealizado de compressão


(NBR6118:2014)

30
Os valores dos parâmetros εc2 (deformação específica de encurtamento do
concreto no início do patamar plástico) e εcu (deformação específica de
encurtamento do concreto na ruptura) devem ser definidos assim:

* Para concretos de classes até C50: ** Para concretos de classes C55 até
C90:
εc 2 = 2,0%o εc 2 = 2,0%o + 0,085 %o (f ck − 50)
0 , 53

εcu = 3,5%o εcu = 2,6%o + 35%o [(90 − f ck ) / 100 ]


4

Apesar da NBR6118:2014 trazer o diagrama da Figura 3.1 como exemplo,


essa figura

3.1.7. TRAÇÃO – DIAGRAMA TENSÃO X DEFORMAÇÃO

Para o concreto sob tração não fissurado, pode-se adotar o diagrama tensão-
deformação bilinear da Figura 3.2.

Figura 3.2 – Diagrama tensão x deformação bilinear de tração (NBR6118:2014)

Sendo:
𝑓!"#,!"# = 0,7  𝑓!",!
𝑓!"#,!"# = 1,3  𝑓!",!

* Para concretos de classes até C50: ** Para concretos de classes C55 até C90:
!/! 𝑓!",! = 2,12  ln  (1 + 0,11  𝑓!" )
𝑓!",! = 0,3  𝑓!"

3.2. MATERIAL AÇO PASSIVO

3.2.1. CATEGORIAS

Aço Categoria CA-25 è Aço com o valor da resistência característica da tensão de


escoamento (fyk) igual a 25 kgf/mm2 (250 MPa).
Aço Categoria CA-50 è Aço com o valor da resistência característica da tensão de
escoamento (fyk) igual a 50 kgf/mm2 (500 MPa).

31
Aço Categoria CA-60 è Aço com o valor da resistência característica da tensão de
escoamento (fyk) igual a 60 kgf/mm2 (600 MPa).

As bitolas comerciais mais usadas nas estruturas de edificações são


apresentadas na Tabela 3.2.

Tabela 3.2 – Aços mais utilizados na construção civil


AÇOS MAIS USADOS :
Categoria CA-60 Categoria CA-50
Φ 5 mm Φ 6,3 mm (1/4”) Φ 12,5 mm (1/2”) Φ 25 mm (1”)
Φ 8 mm (5/16”) Φ 16 mm (5/8”) Φ 32 mm (1 1/4")
Φ 10 mm (3/8”) Φ 20 mm (3/4”) Φ 40 mm (1 9/16”)

3.2.2. TIPO DE SUPERFÍCIE ADERENTE

A capacidade aderente entre o aço e o concreto está relacionada ao tipo de


superfície da armadura. Quanto melhor a aderência, maior o coeficiente de
aderência (η1) apresentado na Tabela 3.3.

Tabela 3.3 – Valor do coeficiente de aderência η1 (NBR6118:2014)


Tipo de Superfície η1
Lisa 1,0
Entalhada 1,4
Nervurada 2,25

3.2.3. MASSA ESPECÍFICA

A massa específica do aço de armadura passiva pode ser adotado 78,50


kN/m3.

3.2.4. COEFICIENTE DE DILATAÇÃO TÉRMICA

O coeficiente de dilatação térmica do aço pode ser adotado igual ao do


concreto, 10-5/oC.

3.2.5. MÓDULO DE ELASTICIDADE

Na ausência de ensaios ou valores informados pelo fabricante, o módulo de


elasticidade do aço pode ser considerado 210 GPa.

3.2.6. TRAÇÃO – DIAGRAMA TENSÃO X DEFORMAÇÃO

O aço é uma liga metálica de ferro e carbono, com um percentual de 0,03%


a 2,00% de carbono para fornecer maior ductilidade. Existem dois tipos de
fabricação de aço. Tipo A e Tipo B (Figuras 3.3 e 3.4).

Aços Tipo A (CA-25 e CA-50)


- Fabricados pelo processo de laminação a quente.
- O gráfico de tensão x deformação apresenta um patamar de escoamento bem
definido.

32
- São denominados BARRAS de aço.

Aços Tipo B (CA-60)


- Fabricados pelo processo de laminação a quente com posterior deformação a
frio.
- O gráfico de tensão x deformação não apresenta um patamar de escoamento
bem definido.
- São denominados FIOS de aço.

AÇOS COM PATAMAR DE ESCOAMENTO DEFINIDO (TIPO A)


(CA-50)

Figura 3.3 – Diagrama tensão x deformação dos aços CA-50

AÇOS SEM PATAMAR DE ESCOAMENTO DEFINIDO (TIPO B)


(CA-60)

Figura 3.4 – Diagrama tensão x deformação do aço CA-60

33
A NBR6118:2014 traz um diagrama simplificado que pode ser usado para
aços com ou sem patamar de escoamento. Ou seja, para tipo A ou tipo B (Figura
2.5). Para o aço tipo B, o diagrama é adaptado do diagrama real da Figura 2.4.
Utiliza-se a tensão de escoamento (fyk) e a respectiva deformação específica (εyk)
através de uma paralela a 2% como feito na Figura 3.4.

Figura 3.4 – Diagrama tensão x deformação para aços de armaduras passivas


(NBR6118:2014)

3.3. MATERIAL CONCRETO ARMADO E PROTENDIDO

A união do concreto com o aço origina um material composto denominado de


concreto armado. Quando se adiciona uma força de protensão ao concreto armado,
origina-se um novo material composto denominado concreto protendido. A
NBR6118:2014 traz recomendações como cobrimentos mínimos, fator a/c máximo,
classe de concreto mínimo, etc... com o objetivo de melhorar a durabilidade da peça
estrutural.

34
3.4.1. CLASSE DE AGRESSIVIDADE AMBIENTAL

Tabela 3.4 – Classe de agressividade ambiental (NBR6118:2014)


Classe de Classe geral do tipo de Risco de
agressividade Agressividade ambiente para efeito de deterioração da
ambiental projeto estrutura
I Fraca Rural Insignificante
Submersa
II Moderada Urbana a, b Pequeno
a
III Forte Marinha Grande
a, b
Industrial
IV Muito Forte Industrial a, c Elevado
Respingos de maré
a
Pode-se admitir um microclima com uma classe de agressividade mais branda (uma classe acima)
para ambientes internos secos (salas, dormitórios, banheiros, cozinhas e áreas de serviço de
apartamentos residenciais e conjuntos comerciais ou ambientes com concreto revestido com
argamassa e pintura).
b
Pode-se admitir uma classe de agressividade mais branda (uma classe acima) em obras em
regiões de clima seco, com umidade média relativa do ar menor ou igual a 65 %, partes da estrutura
protegidas de chuva em ambientes predominantemente secos ou regiões onde raramente chove.
c
Ambientes quimicamente agressivos, tanques industriais, galvanoplastia, branqueamento em
indústrias de celulose e papel, armazéns de fertilizantes, indústrias químicas.

3.4.2. COBRIMENTOS MÍNIMOS

Tabela 3.5 – Cobrimentos mínimos (NBR6118:2014)


Tipo de Componente ou Classe de agressividade ambiental
estrutura elemento I II III IV
Cobrimento nominal (mm)
Laje 20 25 35 45
Concreto Viga / Pilar 25 30 40 50
Armado Elemento estruturais em 30 40 50
contato com o solo
Concreto Laje 25 30 40 50
Protendido Viga / Pilar 30 35 45 55

3.4.3. FATOR ÁGUA/CIMENTO MÁXIMO

Tabela 3.6 – Fator água/cimento máximo (NBR6118:2014)


Concreto Tipo Classe de agressividade
I II III IV
Relação água/cimento Concr Armado ≤ 0,65 ≤ 0,60 ≤ 0,55 ≤ 0,45
em massa Concr Protendido ≤ 0,60 ≤ 0,55 ≤ 0,50 ≤ 0,45

35
3.4.4. CLASSE DE CONCRETO MÍNIMO

Tabela 3.7 – Classe de concreto mínimo (NBR6118:2014)


Concreto Tipo Classe de agressividade
I II III IV
Classe de concreto Concr Armado ≥ C20 ≥ C25 ≥ C30 ≥ C40
Concr Protendido ≥ C25 ≥ C30 ≥ C35 ≥ C40

3.4.4. DIMENSÕES MÍNIMAS

Lajes ü 7cm para lajes de cobertura não em balanço;


ü 8cm para lajes de piso não em balanço;
ü 10 cm para lajes em balanço;
ü 10cm para lajes que suportem veículos até 30 kN;
ü 12cm para lajes que suportem veículos com peso maior que 30
kN;
ü 15cm para lajes com protensão apoiadas em vigas, com
mínimo de L/42 para lajes de pisos biapoiadas e L/50 para lajes
de piso contínuas;
ü 16cm para lajes lisas e 14cm para lajes cogumelo, fora do
capitel.
Vigas ü Largura mínima para vigas é de 12 cm.
ü Largura mínima para vigas parede é de 15 cm.
Esses limites podem ser reduzidos para 10 cm em casos
excepcionais, desde que se respeite: os cobrimentos mínimos e as
condições de concretagem de acordo com a NBR14931.
Pilares ü Dimensão mínima para seção qualquer forma é 19 cm.
ü Em casos especiais, permite-se dimensões entre 14 e 19 cm,
desde que se multiplique a carga por um coeficiente adicional
γn .
1,0 ≤ γn = 1,95 – 0,05 . (menor dimensão da seção) ≤1,25
Em qualquer caso não se permite área de seção transversal inferior a
360 cm2.

36
CAPÍTULO 4

AÇÕES E COMBINAÇÕES
As ações nas edificações, segundo a NBR 6118 e a NBR 8681, são
classificadas em Permanentes, Variáveis e Excepcionais. As permanentes são as
que vão sempre existir na estruturas de forma invariável, as variáveis são cargas
que dependem da ocupação e de outros fatores que oscilam para mais ou para
menos e as excepcionais são de difícil previsão, geralmente relacionadas a
acidentes, terrorismos, etc. As combinações de ações são estimativas de como
estarão os carregamentos agindo na estrutura no Estado Limite Último (ELU) ou nos
Estados Limites de Serviço (ELS).

4.1. AÇÕES

As ações podem ser melhor entendidas como expostas nas classificações


abaixo.

37
4.2. COMBINAÇÕES ÚLTIMAS (ELU)

Para concreto armado, calcula-se as ações para combinações últimas


normais conforme a seguinte equação:

𝐹! = 𝛾!  𝐹!" +   𝛾!"  𝐹!"# +   𝛾!   𝐹!!! +   Ψ!!  𝐹!"# +  𝛾!"  Ψ!!  𝐹!"#

Sendo:
𝐹! = ações para combinações últimas;
𝐹!" = ações permanentes diretas;
𝐹!"# = ações permanentes indiretas vinda da retração;
𝐹!!! = ação variável direta principal
𝐹!"# = demais ações variáveis diretas
𝐹!"# = ações variáveis indiretas vindo das variações da temperatura;
𝛾! = coeficiente de ponderação para ações permanentes (separadamente ou
conjuntamente);
𝛾!" = coeficiente de ponderação para ações permanentes indiretas vinda da
retração;
𝛾! = coeficiente de ponderação para ações variáveis (separadamente ou
conjuntamente);
 𝛾!" = coeficiente de ponderação para ações variáveis indiretas vinda das variações
da temperatura;
Ψ!! = fator de redução de combinação para as ações variáveis diretas;
Ψ!! = fator de redução de combinação para as ações variáveis indiretas.

Considerando que a maioria das edificações não têm ações variáveis


secundárias e que a retração e efeito de temperatura pouco influenciam uma
estrutura isostática, como as do exemplo do curso de concreto armado e protendido,
pode-se simplificar a equação conforme apresentado a seguir.

𝐹! = 𝛾!  𝐹!" +   𝛾!  𝐹!!!

𝐹! =   𝛾!  𝑔 +   𝛾!  𝑞

Sendo:
𝑔 = valor característico das ações permanentes diretas;
𝑞 = valor característico da única ação variável direta.

Para concreto protendido, deve-se acrescentar como carregamento externo


as cargas equilibrantes, decorrente da carga de protensão e da curvatura dos
cabos.

Os coeficientes de ponderação de ações permanentes diretas podem ser


encontrados na Tabela 4.1, se o calculista optar em considerar um coeficiente para
cada ação, ou na Tabela 4.2, se o calculista optar em considerar somente um
coeficiente para todas as ações permanentes diretas consideradas conjuntamente.

38
Tabela 4.1 - Ações permanentes diretas consideradas separadamente
Combinação Tipo de ação Efeito
Desfavorável Favorável
Normal Peso próprio de estruturas metálicas 1,25 1,0
Peso próprio de estruturas pré-moldadas 1,30 1,0
Peso próprio de estruturas moldadas no local 1,35 1,0
(1)
Elementos construtivos industrializados 1,35 1,0
Elementos construtivos industrializados com adições in loco 1,40 1,0
(2)
Elementos construtivos em geral e equipamentos 1,50 1,0
Especial ou Peso próprio de estruturas metálicas 1,15 1,0
de Peso próprio de estruturas pré-moldadas 1,20 1,0
construção Peso próprio de estruturas moldadas no local 1,25 1,0
(1)
Elementos construtivos industrializados 1,25 1,0
Elementos construtivos industrializados com adições in loco 1,30 1,0
(2)
Elementos construtivos em geral e equipamentos 1,40 1,0
Excepcional Peso próprio de estruturas metálicas 1,10 1,0
Peso próprio de estruturas pré-moldadas 1,15 1,0
Peso próprio de estruturas moldadas no local 1,15 1,0
(1)
Elementos construtivos industrializados 1,15 1,0
Elementos construtivos industrializados com adições in loco 1,20 1,0
(2)
Elementos construtivos em geral e equipamentos 1,30 1,0
(1)
Por exemplo: paredes e fachadas pré-moldadas, gesso acartonado.
(2)
Por exemplo: paredes de alvenaria e seus revestimentos, contrapisos.

Tabela 4.2 - Ações permanentes diretas consideradas conjuntamente


Combinação Tipo de ação Efeito
Desfavorável Favorável
(1)
Normal Grandes pontes 1,30 1,0
(2)
Edificações tipo 1 e pontes em geral 1,35 1,0
(3)
Edificação tipo 2 1,40 1,0
(1)
Especial ou Grandes pontes 1,20 1,0
(2)
de Edificações tipo 1 e pontes em geral 1,25 1,0
(3)
construção Edificação tipo 2 1,30 1,0
(1)
Excepcional Grandes pontes 1,10 1,0
(2)
Edificações tipo 1 e pontes em geral 1,15 1,0
(3)
Edificação tipo 2 1,20 1,0
(1)
Grandes pontes são aquelas em que o peso próprio da estrutura supera 75% da totalidade das ações
permanentes.
(2) 2
Edificações tipo 1 são aquelas onde as cargas acidentais superam 5 kN/m .
(3) 2
Edificações tipo 2 são aquelas onde as cargas acidentais não superam 5 kN/m .

Os coeficientes de ponderação de ações variáveis diretas podem ser


encontrados na Tabela 4.3, se o calculista optar em considerar um coeficiente para
cada ação, ou na Tabela 4.4, se o calculista optar em considerar somente um
coeficiente para todas as ações permanentes diretas consideradas conjuntamente.

39
Tabela 4.3 - Ações variáveis diretas consideradas separadamente
Combinação Tipo de ação Coeficiente de
Ponderação
(1)
Normal Ações truncadas 1,2
Efeito de temperatura 1,2
Ação do vento 1,4
Ações variáveis em geral 1,5
(1)
Especial ou Ações truncadas 1,1
de Efeito de temperatura 1,0
construção Ação do vento 1,2
Ações variáveis em geral 1,3
Excepcional Ações variáveis em geral 1,0
(1)
Ações truncadas são consideradas ações variáveis cuja distribuição de máximos é truncada por um
dispositivo físico de modo que o valor dessa ação não pode superar o limite correspondente. O coeficiente
de ponderação mostrado na nessa tabela se aplica a esse valor limite.

Tabela 4.4 - Ações variáveis diretas consideradas conjuntamente(1)


Combinação Tipo de estrutura Coeficiente de
Ponderação
Normal Pontes e edificações tipo 1 1,5
Edificações tipo 2 1,4
Especial ou Pontes e edificações tipo 1 1,3
de Edificações tipo 2 1,2
construção
Excepcional Estruturas em geral 1,0
(1)
Quando a ações variáveis forem consideradas conjuntamente, o coeficiente de ponderação mostrado na
nessa tabela se aplica a todas as ações, devendo-se considerar também conjuntamente as ações
permanentes diretas. Nesse caso permite-se considerar separadamente as ações indiretas como recalque
de apoio e retração dos materiais e o efeito de temperatura conforme define a NBR8681.

Como a maioria das edificações possuem cargas acidentais que não


superam 5 kN/m2 (Edificações tipo 2), quando consideradas as ações
conjuntamente, pode-se simplificar a equação da combinação das ações para o
ELU mais ainda, como mostrado a seguir.

𝐹! =   𝛾!  𝑔 +   𝛾!  𝑞 = 1,4  𝑔 +  1,4𝑞

𝐹! =  1,4(𝑔 +  𝑞)

Para cálculo das paredes e fundo da caixa d`água de médio ou grande porte
como lajes engastadas, deve-se lembrar que o carregamento da água (variáveis
diretas) geralmente ultrapassam 5 kN/m2. Nesse caso, não se pode calcular como
edificação tipo 2. Se considerado com ações conjuntas como edificações tipo 1, a
combinação ficaria:

𝐹! =   𝛾!  𝑔 +   𝛾!  𝑞 = 1,35  𝑔 +  1,5  𝑞

Caso a opção seja a consideração de ações separadamente, o coeficiente de


ponderação da água será 1,2 (ações truncadas).

40
4.3. COMBINAÇÕES DE SERVIÇO (ELS)

(a) Combinações Quase Permanentes de Serviço (CQP): Todas as ações


variáveis são consideradas com seus valores quase permanentes Ψ!  𝐹!" .

𝐹!,!"# = 𝐹!"# +   Ψ!!  𝐹!"#


Ou seja:

𝐹!,!"# = 𝑔 +   Ψ!  𝑞

(b) Combinações Frequentes de Serviço (CF): A ação variável principal 𝐹!!


é tomada com seu valor frequente Ψ!  𝐹!!! e todas as demais ações variáveis são
tomadas com seus valores quase permanentes Ψ!  𝐹!" .

𝐹!,!"# = 𝐹!"# +   Ψ!  𝐹!!! +     Ψ!!  𝐹!"#

Levando-se em conta que na maioria das edificações só existe uma carga


acidental, que é a carga variável principal:

𝐹!,!"# = 𝑔 +   Ψ!  𝑞

(c) Combinações Raras de Serviço (CF): A ação variável principal 𝐹!! é


tomada com seu valor característico 𝐹!!! e todas as demais ações variáveis são
tomadas com seus valores frequentes Ψ!  𝐹!" .

𝐹!,!"# = 𝐹!"# +   𝐹!!! +     Ψ!!  𝐹!"#

Novamente levando-se em conta que na maioria das edificações só existe


uma carga acidental, que é a carga variável principal:

𝐹!,!"# = 𝑔 +  𝑞

Sendo:
𝐹!,!"# = valor de cálculo das ações para combinações de serviço;
𝐹!"# = valor característico das ações permanentes diretas;
𝐹!!! = valor característico das ações variável direta principal;
𝐹!"# = valor característico das demais ações variáveis diretas;
𝑔 = valor característico das ações permanentes diretas;
𝑞 = valor característico da única ação variável direta;
Ψ!  = fator de redução de combinação frequente para ELS;
Ψ!  = fator de redução de combinação quase permanente para ELS.

41
Os fatores de combinação ψ0, salvo indicação em contrário, expressa em
norma relativa ao tipo de construção e de material considerados, estão indicados na
Tabela 4.5, juntamente com os fatores de redução ψ1 e ψ2 referentes às
combinações de serviço.

Tabela 4.5 - Valores dos fatores de combinação (ψ0) e de redução (ψ1 e ψ2) para as
ações variáveis
3), 4)
Ações Ψ0 Ψ1 Ψ2
Cargas acidentais de edifícios:
Locais em que não há predominância de pesos e de equipamentos que
permanecem fixos 0,5 0,4 0,3
por longos períodos de tempo, nem de elevadas concentrações de
(1)
pessoas 0,7 0,6 0,4
Locais em que há predominância de pesos de equipamentos que 0,8 0,7 0,6
permanecem fixos por
(2)
longos períodos de tempo, ou de elevadas concentrações de pessoas
Bibliotecas, arquivos, depósitos, oficinas e garagens
Vento:
Pressão dinâmica do vento nas estruturas em geral 0,6 0,3 0
Temperatura:
Variações uniformes de temperatura em relação à média anual local 0,6 0,5 0,3
Cargas móveis e seus efeitos dinâmicos:
Passarelas de pedestres 0,6 0,4 0,3
Pontes rodoviárias 0,7 0,5 0,3
Pontes ferroviárias não especializadas 0,8 0,7 0,5
Pontes ferroviárias especializadas 1,0 1,0 0,6
Vigas de rolamentos de pontes rolantes 1,0 0,8 0,5
(1)
Edificações residenciais, de acesso restrito.
(2)
Edificações comerciais, de escritórios e de acesso público.
(3)
Para combinações excepcionais onde a ação principal for sismo, admite-se adotar para ψ2 o valor
zero.
(4)
Para combinações excepcionais onde a ação principal for o fogo, o fator de redução ψ2 pode ser
reduzido, multiplicando-o por 0,7.

42
CAPÍTULO 5

ESTADO LIMITE ÚLTIMO


5.1. INTRODUÇÃO

O estado limite último (ELU) se refere ao colapso, ou a qualquer outra forma


de ruína estrutural, que determine a paralisação do uso da estrutura. As peças de
concreto armado e concreto protendido são dimensionadas no estado limite último
(ELU), ou seja, são dimensionadas prevendo uma possível ruptura.
A vantagem de se dimensionar a peça na ruptura é que pode-se escolher as
deformações que essa peça vai ter no caso de uma ruína. Quanto mais deformada
ficar a peça, melhor. Diz-se que a peça “avisou” que ia romper, ou seja, a peça teve
ductilidade.
No caso de peças com visíveis crescimentos de deformações e fissuras,
sabe-se que a estrutura está “avisando” que vai romper. Nesse caso, há tempo para
fazer uma recuperação estrutural antes que essa ruína aconteça. Essa é uma
grande vantagem de se dimensionar no estado limite último (ELU).
Antes de se discutir os estádios de carregamentos e os domínios de
deformação, é necessário apresentar um fundamento importante que é a hipótese
de Bernoulli.
A Teoria da Flexão ou Hipótese de Bernoulli ou Teoria de Bernoulli-Navier,
utilizadas para vigas não-paredes (L/h ≥ 3), considera que as seções das vigas
indeformadas permanecem planas após deformadas (Figura 5.1).

Figura 5.1 – Hipótese de Bernoulli (Seções Planas)

5.2. ESTÁDIOS DE CARREGAMENTO

Os estádios de carregamentos são as etapas que uma peça sob flexão passa
desde as primeiras cargas, quando a peça nem fissurada está, até as cargas
últimas, quando a viga estaria no estado limite último (ELU).
A Figura 5.2 apresenta os diagramas dos esforços na seção transversal de
uma viga sob flexão. Para o Estádio Ia, as zonas comprimidas e tracionadas ainda
estão no regime linear elástico. Para o Estádio Ib, a zona tracionada torna-se não-
linear, na iminência de fissurar. Para o Estádio II, já há fissura e o aço se
responsabiliza pelos esforços de tração. No Estádio III, também denominado de
estado limite último (ELU), a seção está na ruína. A zona comprimida se apresenta
não-linear, na iminência do esmagamento, e a zona tracionada é resistida pelo aço
escoando.

43
Figura 5.2 – Estádios de carregamento

A Figura 5.3 mostra a relação do aumento das ações com a mudança dos
estádios. Observe que a viga sujeita a pouca carga ainda está não fissurada
(Estádio I). Posteriormente aumenta-se o carregamento, aqui denominado de carga
maior, e na região de maior momento fletor aparecem fissuras, indicando a
passagem para o Estádio II naquela região. E por fim, aumenta-se mais ainda o
carregamento até a carga de ruptura. Nesse instante, na região de maior momento
fletor ocorre a ruína (Estádio III ou ELU).
A NBR6118:2014 recomenda que se dimensione as peças estruturais para
uma situação hipotética de ruína (Estádio III ou ELU) com ductilidade. Essas peças
trabalham em serviço (Estádios I e II) e devem respeitar os Estados Limites de
Serviço que será discutido no capítulo 9.

Figura 5.3 – Relação do aumento das cargas com os Estádios

44
5.3. ANÁLISE NA RUÍNA (ELU) – PEÇAS DE CONCRETO ARMADO

Peças sob flexão na ruína apresentam uma tensão de compressão no


formato de parábola-retângulo e, de acordo com a NBR6118:2014, podem ser
simplificadamente retangularizada conforme mostrada na Figura 5.4. A força de
tração é representada pela carga Rst agindo no aço.

Figura 5.4 – Diagrama de esforços no ELU

O processo de retangularização é muito simples de se entender. A área da


parábola-retângulo é exatamente a mesma da área do retângulo com o valor de x
adaptada para λx (Figura 5.5). Com essa adaptação, fica mais fácil desenvolver as
equações de equilíbrio no ELU.

Figura 5.5 – Relação entre as distribuições de tensão parábola-retângulo e a


distribuição de tensões retangularizado

Pelo equilíbrio das forças horizontais, Rcc é igual ao Rst. E os valores para o
cálculo do Rcc podem ser usados conforme as recomendações da NBR6118:2014
quando se retangulariza o diagrama de tensões normais, descritas na Figura 5.6.

45
Figura 5.6 – Diagrama tensão-deformação para as tensões normais
retangularizadas

Sendo para classes de concreto até C50:


𝑛=2
𝜆 = 0,8

Sendo para classes de C55 até C90:


!
90 − 𝑓!"
𝑛 = 1,4 + 23,4
100
𝑓!" − 50
𝜆 = 0,8 −
400

O coeficiente de redução 0,85, também denominado Efeito de Rüch, visa


estabelecer a tensão máxima de compressão do concreto para ações de longa
duração. O Efeito de Rüch vem da multiplicação de três fatores:

Efeito de Rüch = F1 . F2 . F3 = 0,75 . 1,20 . 0,95 = 0,85

(a) Fator de correção para cargas de longa duração è F1 = 0,75

Ensaios com cargas aplicadas de forma lenta apresentam resistência 25% menores
que ensaios usuais com cargas de curta duração.

(b) Fator de correção para concretos após 28 dias è F2 = 1,20

O aumento médio de resistência do concreto após 28 dias pode chegar até a 20%
em um ano.

(c) Fator de correção em relação aos corpos de provas è F3 = 0,95

46
Ensaios mostram que corpos de provas mais esbeltos que os cilindros usuais (15
cm x 30 cm) apresentam uma redução média de 5% nas resistências à compressão.

5.4. DOMÍNIOS DE DEFORMAÇÃO NO ESTADO LIMITE ÚLTIMO

Os domínios de deformação são as possíveis configurações de deformação


no ELU da seção transversal de uma peça estrutural analisada sob solicitações
normais. A Figura 5.7 apresenta os domínios de deformação definidos pela
NBR6118:2014.

Figura 5.7 – Domínios de deformação de ELU de uma seção transversal


(NBR6118:2014)

Considera-se que a peça chegou a ruína quando o concreto é esmagado


com a deformação (εcu) ou quando a armadura atingiu uma deformação plástica
excessiva (εsd = 10%o). Nesse caso, a armadura não rompeu, mas considera-se
que a deformação foi tão grande que a estrutura de concreto já estaria em uma
condição inutilizável (ruína).
No domínio 1, a peça rompe totalmente tracionada, com as armaduras de um
dos lados chegando a deformação de 10%o. Esse seria o caso de um tirante de
concreto armado.
No domínio 2, a peça chega a ruína com deformação plástica excessiva na
armadura (εsd = 10%o) e na outra extremidade o concreto sofre compressão.
No domínio 3, a peça rompe por esmagamento do concreto e na outra
extremidade, as armaduras já estão escoando (εsd > εyd).
No domínio 4, a peça chega a ruptura por esmagamento do concreto, mas na
outra extremidade as armaduras não chegam nem a escoar. Para o ELU essa
situação chega a ser perigosa porque como as armaduras possuem pouca

47
deformação, a peça de concreto praticamente não fissura e, assim, não há
ductilidade (aviso de ruptura). Essa situação para vigas deve ser evitada.
No domínio 4a e domínio 5, a seção praticamente toda está sob compressão.
No domínio 4a há ruptura por esmagamento em uma das extremidades com
deformação (εcd = εcu), enquanto que no domínio 5 há ruptura por esmagamento
com deformações menores que essa. No domínio 5, a uma distância da
extremidade mais comprimida de [(εcu-εc2)h /εcu], acontece a ruptura quando a
deformação chega a εc2. Os domínios 4a e 5 são comuns em pilares.

5.5. ANÁLISE NOS LIMITES DOS DOMÍNIOS

Analisando as deformações apresentadas na Figura 5.8, referentes aos


limites dos domínios de deformação, pode-se observar que a peça no limite 1-2 está
toda tracionada, como um tirante. A peça nos limites 2-3 e 3-4 possuem zona
tracionada e zona comprimida como uma viga ou uma faixa de uma laje. Nos limites
4-4a e 4a-5 possuem praticamente só compressão como um pilar.

Figura 5.8 – Relação x/d para os limites dos domínios

Com a relação x/d (ou kx = x/d) de uma determinada peça estrutural no ELU,
pode-se identificar o domínio de deformação dessa peça. Basta correlacionar com
as relações dos limites de deformação (Figura 5.9).

48
Figura 5.9 – Valores de kx para encontrar os domínios

Transformando os valores dos kx da Figura 5.4 em valores numérico, tem-se


a Tabela 5.1.

Tabela 5.1 – Valores de kx para os limites dos domínios


Kx = x/d
fck (MPa)
20 - 50 55 60 65 70 75 80 85 90
εc2 (%o) 2,00 2,20 2,29 2,36 2,42 2,47 2,52 2,56 2,60
εcu (%o) 3,50 3,13 2,88 2,74 2,66 2,62 2,60 2,60 2,60
Domínio 1
Lim 1-2 0,000
Domínio 2
Lim 2-3 0,259 0,238 0,224 0,215 0,210 0,207 0,207 0,206 0,206
Domínio 3
Lim 3-4
(1)
CA-50 0,628 0,602 0,582 0,569 0,562 0,558 0,557 0,557 0,557
(2)
CA-60 0,585 0,558 0,538 0,525 0,517 0,514 0,512 0,512 0,512
(3)
CP1900RB 0,324 0,300 0,283 0,273 0,267 0,264 0,263 0,263 0,263
Domínio 4
Lim 4-4a 1,000
Domínio 4a e Domínio 5
(1)
εyd = 2,07%o
(2)
εyd = 2,48%o
(3)
εyd = 7,30%o

49
5.6. DUCTILIDADE

A capacidade de rotação das seções transversais dos elementos estruturais


é função da posição da linha neutra no ELU. Quanto menor for x/d, maior será essa
capacidade de rotação. Em outras palavras, quando menor for x/d, maior será a
ductilidade desse elemento.
Para proporcionar o adequado comportamento dúctil em vigas e lajes, a
NBR6118:2014 estabeleceu que a posição da linha neutra no ELU deve respeitar os
seguintes limites (Figura 5.10). Esses limites são válidos tanto para concreto
armado quanto para concreto protendido.

Figura 5.10 – Relação x/d limite para comportamento dúctil em vigas

Comparando as relações x/d limites estabelecidas pela NBR6118:2014


(Figura 5.9) com as relações x/d da Tabela 5.1, observa-se que pode-se
dimensionar vigas de concreto armado somente para o domínio 2 e parte do
domínio 3, enquanto que para vigas de concreto protendido, pode-se dimensionar
para o domínio 2, o domínio 3 e parte do domínio 4. Porque existe uma faixa do
domínio 4 de vigas de concreto protendido que têm ductilidade.

50
CAPÍTULO 6

VIGAS DE CONCRETO ARMADO


6.1. INTRODUÇÃO

A NBR6118:2014 define viga como um elemento linear em que a flexão é


preponderante. As vigas podem estar em balanço, bi-apoiadas ou contínuas como
as teorias da isostática e da hiperestática costumam discutir. As vigas também
podem ser classificadas quanto ao tipo, como apresentado na Figura 6.1. A viga
retangular com armadura simples normalmente é a solução mais econômica, onde o
aço resiste os esforços de tração e o concreto resiste os esforços de compressão. A
viga retangular com armadura dupla é uma solução alternativa onde a região
comprimida é também resistida por armaduras de compressão. A viga “T” com
armaduras simples é uma outra alternativa que se reforça a zona comprimida,
sendo que nesse caso, com área de concreto. As vigas com armadura duplas e
vigas “T” são geralmente utilizadas quando a viga com armadura simples cai em um
domínio 3 sem ductilidade ou em um domínio 4. Nesse caso, reforçando-se a zona
comprimida, as vigas com armadura dupla ou “T” são dimensionadas respeitando os
limites de ductilidades com uma altura inferior a viga com armadura simples.

Figura 6.1 – Tipos de viga

6.2. CARREGAMENTO DAS VIGAS

A NBR6120:1980 fornece vários valores de cargas para que o calculista


possa considerar em suas análises estruturais. Os carregamentos mais comumente
utilizados nas edificações estão listados abaixo.

ü Cargas Permanentes (g)


Por Volume Concreto armado 25 kN/m3
Tijolo furado 13 kN/m3
Tijolo maciço 18 kN/m3

Por Área Pavimentação 1,0 kN/m2

51
Revestimento 1,0 kN/m2

ü Cargas Acidentais (q)


Por Área Residência (dormitório, sala, copa, cozinha, 1,5 kN/m2
banheiro)
Residência (despensa, área de serviço, lavanderia) 2,0 kN/m2
Escritórios comerciais (salas, banheiros) 2,0 kN/m2
Biblioteca (sala de leitura) 2,5 kN/m2
Biblioteca (sala para depósito de livros) 4,0 kN/m2
Biblioteca (sala com estante de livros) 6,0 kN/m2
Escadas (com acesso ao público) 3,0 kN/m2
Escadas (sem acesso ao público) 2,5 kN/m2

A Transferência de cargas das lajes para as vigas dependem das condições


dos apoios dessas lajes. O tradicional Método das Linhas de Ruptura é um método
simples e eficiente para transferir as cargas das lajes para as vigas. Esse método é
baseado nas rótulas plásticas que surgem de baixo da laje quando essa laje rompe.
Considera-se que cada área limitada pelas rótulas plásticas transfere cargas para as
vigas mais próximas (Figura 6.2).

Figura 6.2- Área de transferência de carga para as vigas

Com as ações conhecidas, traça-se o diagrama dos momentos fletores da


viga analisada (Figura 6.3). A NBR6118:2014 recomenda que nenhum momento
fletor positivo deve ser menor que o momento fletor positivo de um vão bi-engastado
para dimensionamento no ELU.

52
Figura 6.3 – Momentos fletores para dimensionamento da viga

A NBR6118:2014 permite a opção do calculista reduzir os momentos fletores


negativos através de arredondamento do diagrama sobre os apoios. Esse
arredondamento pode ser feito de maneira aproximada, conforme apresentado na
Figura 6.4.

53
Figura 6.4 – Arredondamento do diagrama do momento fletor negativo

EXEMPLO RESOLVIDO:

Considerando a planta de fôrma da Figura 6.5, encontra-se os carregamentos


das vigas V1 e V3 da seguinte forma:

54
Figura 6.5 – Planta de fôrma

(a) Carregamento das lajes L1 e L3:


Carga Permanente (g):
Peso Próprio = 25 kN/m3 . 0,10 m = 2,50 kN/m2
Pavimentação = 1,00 kN/m2
Revestimento = 1,00 kN/m2
Alvenaria = 0,00 kN/m2
Carga Variável (q):
Sobre-carga de varanda residencial = 1,50 kN/m2
Total = 6,00 kN/m2
Obs: Não existe alvenaria sobre as lajes L1 e L3.

(b) Carregamento da laje L2:


Carga Permanente (g):
Peso Próprio = 25 kN/m3 . 0,10 m = 2,50 kN/m2
Pavimentação = 1,00 kN/m2
Revestimento = 1,00 kN/m2
Alvenaria = 13 kN/m3 . (0,15 . 2,90 . 4) m3 / (4 . 6) m2 = 0,94 kN/m2
Carga Variável (q):
Sobre-carga de sala residencial = 1,50 kN/m2
Total = 6,94 kN/m2
Obs: Existe 4m de alvenaria de tijolo cerâmico sobre a laje L2.

(c) Carregamento e diagrama do momento fletor da viga V3 (Figuras 6.6 e 6.7):

55
Figura 6.6 – Ações e diagrama do momento fletor na viga V3

Figura 6.7 – Área de influência da reação da laje L1 na viga V3

(d) Carregamento e diagrama do momento fletor da viga V1 (Figuras 6.8, 6.9 e


6.10):

56
Figura 6.8 – Ações na viga V1

Figura 6.9 – Ações e diagrama do momento fletor na viga V1

57
Figura 6.10 – Áreas de influência da reações das lajes L1 e L2 na viga V1

6.3. DIMENSIONAMENTO À FLEXÃO DE VIGA RETANGULAR COM


ARMADURA SIMPLES NO ESTADO LIMITE ÚLTIMO

Uma seção de uma viga de concreto armado no ELU apresenta os esforços


mostrados na Figura 6.11.

Figura 6.11 – Seção de viga no ELU

Rcc = σc . b . λx
Rst = As . σsd = As . fyd
z = d – 0,5 . y = d – 0,5 . λ . x

Equilíbrio:
Md = Rcc z = (σcd . b . λ . x) . (d – 0,5 . λ . x) = σcd . b . λ . (x/d) . (1 – 0,5 λ . (x/d)) . d2
Md = λ. kx . (1 – 0,5 λ . kx) . b . d2 . σcd
Sendo: kmd = λ . kx . (1 – 0,5 λ . kx)
Md = kmd . b . d2 . σcd
kmd = Md / (b . d2 . σcd)

58
* Na fórmula do kmd, considerou-se esmagamento do concreto (σc = σcd e εc = εcu è
domínio 3) no ELU.
kmd = λ . kx . (1 – 0,5 λ . kx)
kmd = λ . kx – 0,5 λ 2 . kx2
(0,5 λ2) . kx2 + (-λ) . kx + (kmd) = 0
(A) . kx2 + (B) . kx + C = 0
kx = [-B ± (B2 – 4AC)1/2]/(2 A)
kx = {- (-λ) ± [(-λ)2 – 4.(0,5 λ2). (kmd)]1/2}/[2 (0,5 λ2)]
kx = {λ ± [ λ2 – 2 . λ2. kmd]1/2}/( λ2)
kx = {λ ± [λ2 (1 – 2 . kmd)]1/2}/( λ2)
kx = {λ ± λ [1 – 2 . kmd]1/2}/( λ2)
kx = (1/ λ) . [1 ± (1 – 2 . kmd)1/2]
kx = (1/ λ) . [1 - (1 – 2 . kmd)1/2]
kx = [1 - (1 – 2 . kmd)1/2]/ λ
z = d – 0,5 . y
z = d – 0,5 . λ . x
(z/d) = 1 – 0,5 . λ . (x/d)
kz = 1 – 0,5 . λ . kx
Md = Rst z = As . fyd . z
Md/d = As . fyd . (z/d)
Md/d = As . fyd . kz
As = Md /( kz . d . fyd)
* Na fórmula do As, considerou-se escoamento das armaduras longitudinais (σsd =
fyd è domínios 2 ou 3) no ELU.

O roteiro do cálculo da NBR6118:2014 do dimensionamento de uma viga de


concreto armado no ELU foi organizado na Figura 6.12.

59
Figura 6.12 – Roteiro de dimensionamento de uma viga de concreto armado no ELU

Observe que para a condição As ≥ As, mín ser atendida, basta respeitar essa
outra condição Md ≥ Md, mín no dimensionamento no ELU.
O valor da área das barras de aço adotadas (As, adotada), obviamente, deve ser
maior ou igual a área de aço calculada (As) e essas barras devem ser arrumadas de
tal maneira que a altura útil adotada (dadotada) seja maior ou igual a altura útil
considerada no cálculo (d).
𝐴!,!"#$!"!   ≥   𝐴!
𝑑  !"#$!"!   ≥  𝑑

Quando for feito essa arrumação das barras, deve-se tomar cuidado para
respeitar os espaçamentos mínimos entre as armadura longitudinais na viga (Figura
6.13).

60
Figura 6.13 – Arrumação das armaduras na seção da viga

Sendo o espaçamento horizontal (ah):

20  𝑚𝑚
𝑎!   ≥   𝜙 !"#$%&'(%#)!
1,2  𝜙!"#$"!%&  !"#ú!"

Sendo o espaçamento horizontal (av):

20  𝑚𝑚
𝑎!   ≥   𝜙 !"#$%&'(%#)!
0,5  𝜙!"#$"!%&  !"#ú!"

6.4. MOMENTO MÍNIMO E ARMADURA MÍNIMA

O momento mínimo se refere ao momento fletor que provoque a flexão


necessária para que a viga de concreto armado fissure. A armadura mínima é a
armadura dimensionada no ELU para uma viga sujeita ao momento mínimo, desde
que maior que a taxa de armadura mínima absoluta (0,15%). Essa armadura
mínima torna-se necessária porque toda armadura deve ter resistência suficiente
para absorver cargas transferidas no momento da abertura da fissura, fornecendo
ductilidade para a viga.
Segundo a NBR6118:2014, a armadura mínima de tração deve ser
determinada pelo dimensionamento no ELU de uma seção a um momento mínimo
dado pela expressão a seguir, respeitando a taxa mínima absoluta de 0,15%.

Md, mín = 0,8 W0 fctk, sup

61
Sendo:
W0 – o módulo de resistência da seção transversal bruta do concreto, relativa a fibra
mais tracionada. Para uma viga seção retangular, tem-se: W0 = b h2/6.
fctk,sup – resistência característica superior do concreto à tração: fctk,sup = 1,3 fct,m.
fct,m – resistência média à tração do concreto. Para concretos com fck ≤ 50 MPa: fct,m
= 0,3 (fck)2/3. Para concretos com 50 MPa < fck ≤ 90 MPa: fct,m = 2,12 ln(1+0,11 fck).

Utilizando um dimensionamento no ELU, com o diagrama parábola-retângulo,


sem a simplificação da retangularização, através de um processo iterativo, a
NBR6118:2014 apresentou os valores das taxas de armaduras mínimas (Tabela
6.1).

Tabela 6.1 – Taxas mínimas de armadura de flexão para vigas (NBR6118:2014)


Valores de ρmín (As, mín / Ac)
(%)
- C20 C25 C30 C35 C40 C45 C50
- 0,150 0,150 0,150 0,164 0,179 0,194 0,208
C55 C60 C65 C70 C75 C80 C85 C90
0,211 0,219 0,226 0,233 0,239 0,245 0,251 0,256
Observação: Os valores de ρmín estabelecidos nessa tabela pressupõem forma da seção retangular e
o uso de aço CA-50, d/h = 0,8, γc = 1,4 e γs = 1,15. Caso esses fatores estejam diferentes, ρmín deve
ser recalculado.

Apesar da norma recomendar que se recalcule o ρmín caso um dos fatores


seja diferente do considerado no cálculo, para a relação d/h > 0,8, os valores da
Tabela 6.1 ficam a favor da segurança e não terão problemas se forem usados.

6.5. DETALHAMENTO DAS ARMADURAS DE VIGA RETANGULAR COM


ARMADURA SIMPLES

O detalhamento das armaduras da viga é apresentado na Figura 6.14. A


armadura N1 é denominada Armadura Longitudinal ou Armadura de Flexão que é
encontrada através de dimensionamento à flexão no ELU. A armadura N2 é
chamada de Porta-Estribos e sua única função é segurar os estribos. A armadura
N3 é denominada de Armadura Sobre o Apoio e ela deve ter uma área no mínima
igual a 1/3 da armadura principal (armadura longitudinal), se Mapoio for nulo ou
negativo e de valor absoluto |Mapoio| ≤ 0,5 Mvão – As, sobre apoio ≥ As/3 ou igual a 1/4 da
armadura principal (armadura longitudinal), se Mapoio for negativo e de valor absoluto
|Mapoio| > 0,5 Mvão – As, sobre apoio ≥ As/4. Essa armadura impede o aparecimento de
fissuras sobre o apoio, além disso, essa armadura transforma a ligação articulada
em uma ligação semi-rígida. A armadura N4 é conhecida como Armadura de Pele. A
NBR6118:2014 só obriga o uso dessa armadura para vigas acima de 60 cm de
altura para impedir a flambagem na biela comprimida na alma da viga. Apesar disso,
muitos calculistas utilizam essa armadura, inclusive, para vigas de 40 cm, de 50cm
e de 60 cm por um objetivo diferente. Essa armadura acaba por ajudar a reduzir a
fissuração da viga em serviço. A NBR6118:2014 define que a área da seção da
armadura de pele para cada face da viga deve ser no mínimo 0,10% da área da
seção da viga – As, arm pele ≥ 0,10% b h, com espaçamento não maior que 20 cm e
não sendo necessária armadura maior que 5 cm2/m por face. E a armadura N5 é o

62
Estribo que serve para resistir as tensões de tração diagonal decorrente da tensão
de cisalhamento.

Figura 6.14 – Detalhamento das armaduras de uma viga com armadura simples de
concreto armado

EXEMPLO RESOLVIDO:

(a) Dimensionamento e detalhamento da viga V3 do exemplo anterior

kmd = Md / (b . d2 . σcd) = 31520 / (0,15 . (0,45)2 . 0,85 . (30 . 106)/1,4) = 0,057


kx = [1 - (1 – 2 . kmd)1/2]/ λ = [1 – (1 – 2 . 0,057)1/2] / 0,8 = 0,073 < 0,259 è domínio 2
εc = [kx / (1 – kx)] εsd = [0,073 / (1 – 0,073)] 10%o = 0,79%o < 2%o è corrigir kmd
σc = 0,85 . fcd . [1 – (1 - εc / εc2)n] = 0,85 . (30/1,4) . [1 – (1 – 0,79 / 2)2] = 11,55 MPa
kmd, corr = Md / (b . d2 . σc) = 31520 / (0,15 . (0,45)2 . 11,55 . 106) = 0,090
kx = [1 - (1 – 2 . kmd)1/2]/ λ = [1 – (1 – 2 . 0,090)1/2] / 0,8 = 0,118 < 0,259 è domínio 2
kz = 1 – 0,5 . λ . kx = 1 – 0,5 . 0,8 . 0,118 = 0,953
As = Md /( kz . d . fyd) = 31520 /(0,953.0,45.(500.106)/1,15) = 1,69.10-4m2 = 1,69 cm2
As, mín = 0,150% . Ac = 0,150% . (15 . 50) = 1,13 cm2
2 φ 12,5 mm

O detalhamento das armaduras da viga V3 fica como apresentado na Figura 6.15.

63
Figura 6.15 – Detalhamento das armaduras da viga V3

(b) Dimensionamento e detalhamento da viga V1 do exemplo anterior

(b.1) Armadura negativa

kmd = Md / (b . d2 . σcd) = 90360 / (0,15 . (0,45)2 . 0,85 . (30 . 106)/1,4) = 0,163


kx = [1 - (1 – 2 . kmd)1/2]/ λ = [1 – (1 – 2 . 0,163)1/2] / 0,8 = 0,224 < 0,259 è domínio 2
εc = [kx / (1 – kx)] εsd = [0,224 / (1 – 0,224)] 10%o = 2,89%o ≥ 2%o è σc = 0,85fcd è
ok
kz = 1 – 0,5 . λ . kx = 1 – 0,5 . 0,8 . 0,224 = 0,910
As = Md /( kz . d . fyd) = 90360 /(0,910.0,45.(500.106)/1,15) = 5,08.10-4m2 = 5,08 cm2
As, mín = 0,150% . Ac = 0,150% . (15 . 50) = 1,13 cm2
2 φ 20 mm

(b.2) Armadura positiva

kmd = Md / (b . d2 . σcd) = 33620 / (0,15 . (0,45)2 . 0,85 . (30 . 106)/1,4) = 0,061


kx = [1 - (1 – 2 . kmd)1/2]/ λ = [1 – (1 – 2 . 0,061)1/2] / 0,8 = 0,078 < 0,259 è domínio 2
εc = [kx / (1 – kx)] εsd = [0,078 / (1 – 0,078)] 10%o = 0,85%o < 2%o è corrigir kmd
σc = 0,85 . fcd . [1 – (1 - εc / εc2)n] = 0,85 . (30/1,4) . [1 – (1 – 0,85 / 2)2] = 12,19 MPa
kmd, corr = Md / (b . d2 . σc) = 33620 / (0,15 . (0,45)2 . 12,19 . 106) = 0,091
kx = [1 - (1 – 2 . kmd)1/2]/ λ = [1 – (1 – 2 . 0,091)1/2] / 0,8 = 0,119 < 0,259 èdomínio 2
kz = 1 – 0,5 . λ . kx = 1 – 0,5 . 0,8 . 0,119 = 0,952
As = Md /( kz . d . fyd) = 33620 /(0,952.0,45.(500.106)/1,15) = 1,81.10-4m2 = 1,81 cm2
As, mín = 0,150% . Ac = 0,150% . (15 . 50) = 1,13 cm2
2 φ 12,5 mm

64
(b.3) Detalhamento
O detalhamento das armaduras da viga V1 fica como apresentado na Figura 6.16.

Figura 6.16 – Detalhamento das armaduras da viga V1

6.6. DIMENSIONAMENTO À FLEXÃO DE VIGA RETANGULAR COM


ARMADURA DUPLA NO ESTADO LIMITE ÚLTIMO

A viga com armadura dupla é uma ótima solução para quando a viga com
armadura simples não possa ser dimensionada por estar caindo no domínio 4 ou no
domínio 3 sem ductilidade e o calculista não deseja aumentar a altura dessa viga. O
reforço da zona comprimida com armadura de compressão acaba trazendo a viga
com as mesmas dimensões para o domínio 3 com ductilidade. De acordo com as
recomendações normativas que visa dar ductilidade à viga, a NBR6118:2014 manda
que se dimensione a viga com armadura dupla no ELU com a relação kx = x/d =
0,450 (20 MPa ≤fck≤ 50 MPa) e kx = x/d = 0,350 (50 MPa <fck≤ 90 MPa). As Figuras
6.17 e 6.18 mostram com são correlacionados os momentos fletores, as áreas de
armadura e as forças internas com o dimensionamento.

65
Figura 6.17 – Momentos fletores e áreas de armadura no dimensionamento

Figura 6.18 – Esforços internos no dimensionamento

Embora a NBR6118:2014 não limite o valor de Md2, muitos calculista seguem


a recomendação da norma russa que limita o uso do Md2 a 1/3 do Md1.

Md2 ≤ Md1/3
Para encontrar os valores de kmd, lim e o kz, lim relacionados com o kx, lim,
determinado pela norma, desenvolveu-se as seguintes equações:

kz, lim = 1 – 0,5 . λ . kx, lim


kx, lim = [1 - (1 – 2 . kmd, lim)1/2]/ λ
1 - kx, lim λ = (1 – 2 . kmd, lim)1/2
kmd, lim = [1 - (1 - kx, lim λ)2]/2

Esses valores foram apresentados na Tabela 6.2.


Tabela 6.2 – kmd, lim, kx, lim e kz, lim para dimensionamento de viga com armadura
dupla
fck (MPa)
20 - 50 55 60 65 70 75 80 85 90
λ 0,800 0,788 0,775 0,763 0,750 0,738 0,725 0,713 0,700
kmd, lim 0,295 0,238 0,234 0,231 0,228 0,225 0,222 0,218 0,215
kx, lim 0,450 0,350 0,350 0,350 0,350 0,350 0,350 0,350 0,350
kz, lim 0,820 0,862 0,864 0,867 0,869 0,871 0,873 0,875 0,878

66
6.7. DETALHAMENTO DAS ARMADURAS DE VIGA RETANGULAR COM
ARMADURA DUPLA

O detalhamento das armaduras da viga com armadura dupla é praticamente


igual ao da viga com armadura simples. A única diferença é que ao invés da
Armadura Porta-Estribos, se usa a Armadura de Compressão (Figura 6.19).

Figura 6.19 – Detalhamento das armaduras de uma viga com armadura dupla de
concreto armado

A soma das armaduras de tração e de compressão (As e As’) não podem ser
maiores que 4%.Ac, calculadas na região fora da zona de emendas.

EXEMPLO RESOLVIDO:

Observe as ações e a geometria da viga de concreto armado apresentadas


na Figura 6.20.

67
Figura 6.20 – Ações e geometria de viga retangular de concreto armado

Se fosse tentar dimensionar como viga de seção retangular com armadura


simples cairia no domínio 3 sem ductilidade.

kmd = Md / (b . d2 . σcd) = 150000 / (0,15 . (0,40)2 . 0,85 . (30 . 106)/1,4) = 0,343


kx = [1 - (1 – 2 . kmd)1/2]/ λ = [1 – (1 – 2 . 0,343)1/2] / 0,8 = 0,550
0,628 > 0,550 > 0,450 è domínio 3 sem ductilidade
Solução: Dimensionar como viga duplamente armada ou como viga “T”. Optou-se
dimensionar como viga duplamente armada.

(a) Cálculo de verificação do Md1 e Md2:

Md1 = kmd, lim b d2 σcd = 0,295 . 0,15 . (0,40)2 . 0,85 . (30 . 106/1,4) = 128957,14 Nm
Md2 = Md – Md1 = 150000 - 128957,14 = 21042,86 Nm
Md2 ≤ Md1/3 è 21042,86 Nm ≤ 150000/3 = 50000 Nm è Ok

(b) Dimensionamento da viga duplamente armada:

As1 = Md1 / (kz, lim d fyd) = 128957,14 / (0,820 . 0,40 . 500 . 106/1,15) = 9,04 . 10-4m2
As1 = 9,04 cm2

As’= As2 = Md2 / (fyd cf) = 21042,86 / [(500 . 106 / 1,15) . 0,35] = 1,38 . 10-4m2
As’= As2 = 1,38 cm2

Armadura de Tração (As):

As = As1 + As2 = 9,04 + 1,38 = 10,42 cm2 (4 φ 20 mm)

Armadura de Compressão (As’):

As’ = 1,38 cm2 (2 φ 10 mm)

68
Verificação do limite de Armadura Total (Tração + Compressão):

As + As’ ≤ 4% . Ac
4.(3,14.22/4) + 2. (3,14.12/4) ≤ 4% . (15 . 45)
14,13 cm2 ≤ 27 cm2 è Ok

Armadura Sobre o Apoio (As, sobre apoio):

As, sobre apoio = As/3 = 10,42/3 = 3,47 cm2 (2 φ 16 mm)

(c) Detalhamento das armaduras:

O detalhamento das armaduras da viga fica como apresentado na Figura


6.21.

Figura 6.21 – Detalhamento da viga com armadura dupla

6.8. DIMENSIONAMENTO À FLEXÃO DE VIGA “T” COM ARMADURA SIMPLES


NO ESTADO LIMITE ÚLTIMO

A viga “T” é uma ótima solução para quando a viga com armadura simples
não possa ser dimensionada por estar caindo no domínio 4 ou no domínio 3 sem
ductilidade e a viga com armadura dupla não esteja passando no limite Md2 ≤ Md1/3.
Inicialmente se define a geometria da viga “T” (Figuras 6.22 e 6.23). É
imprescindível que a laje seja maciça ou, pelo menos, a região da mesa da viga “T”.

69
Figura 6.22 – Geometria da viga de seção “T”

⎧ 0,1 a ⎧0,1 a
b1 ≤ ⎨ b3 ≤ ⎨
⎩0,5 b2 ⎩ b4
Sendo:
b2 = distância entre as faces de duas vigas sucessivas;
b4 = distância entre a face da viga seção “T” ao bordo livre;
a = distância estimada pela norma entre os pontos de momento nulo na viga seção
“T” (Figura 6.23).

Figura 6.23 – Valores da distância estimada pela norma entre os pontos de


momento nulo (valores de “a”)

70
Definida a geometria, busca-se a altura útil de comparação (do), para saber
se a linha neutra no ELU estará dentro ou fora da mesa (Figura 6.24).

Figura 6.24 – Altura útil de comparação (do)

Se d = do è y = hf è Linha Neutra tangente à mesa è 1o Caso


Se d > do è y < hf è Linha Neutra dentro da mesa è 1o Caso
Se d < do è y > hf è Linha Neutra dentro da nervura è 2o Caso

No caso da linha neutra ficar dentro ou tangenciando a mesa, utiliza-se o


modelo de cálculo do 1o Caso (Figura 6.25). Caso a linha neutra fique fora da mesa
e dentro da nervura, utiliza-se o modelo de cálculo do 2o Caso (Figura 6.26).

Figura 6.25 – Viga de seção “T” do 1o caso

71
Figura 6.26 – Viga de seção “T” do 2o caso

As armaduras negativas que engastam uma laje na outra podem ser


consideradas como Armadura de Ligação Mesa-Alma, desde que se respeite uma
armadura mínima de 1,5 cm2/m (Figura 6.27).

Figura 6.27 – Detalhe da armadura de ligação mesa-alma na viga de seção “T”

6.9. DETALHAMENTO DAS ARMADURAS DE VIGA “T” COM ARMADURA


SIMPLES

O detalhamento das armaduras da viga “T” com armadura simples é


praticamente igual ao da viga retangular com armadura simples. A única diferença é
o uso da armadura negativa da laje como armadura de ligação mesa-alma e o uso
mínimo de 4 porta-estribos ao invés de 2, porque a viga “T” precisa que 2

72
armaduras segurem as arestas dos estribos e mais 2 que segurem as arestas das
armaduras de ligação mesa-alma (Figura 6.28).

Figura 6.28 – Detalhamento das armaduras de uma viga “T” com armadura simples
de concreto armado

EXEMPLO RESOLVIDO:

Observe as ações e a geometria da viga “T” de concreto armado


apresentadas na Figura 6.29.

73
Figura 6.29 – Ações e geometria da viga “T” de concreto armado

Se fosse tentar dimensionar como viga de seção retangular com armadura


simples cairia no domínio 4.

kmd = Md / (b . d2 . σcd) = 150000 / (0,15 . (0,35)2 . 0,85 . (30 . 106)/1,4) = 0,448


kx = [1 - (1 – 2 . kmd)1/2]/ λ = [1 – (1 – 2 . 0,448)1/2] / 0,8 = 0,846 > 0,628 è domínio 4
Solução: Dimensionar como viga de seção “T” ou como viga retangular de armadura
dupla. Optou-se dimensionar como viga “T”.

(a) Altura útil de comparação (do):

do = Md / (σcd bf hf) + hf/2 = 150000/[(0,85.30.106/1,4).(1,75.0,10)] + 0,10/2 = 0,097 m


do = 9,7 cm
d = 35 cm
d ≥ do è 1º Caso (linha neutra tangenciando ou dentro da mesa)

(b) Dimensionamento da viga “T”- 1º Caso:

kmd = Md / (bf . d2 . σcd) = 150000 / (1,75 . (0,35)2 . 0,85 . (30 . 106)/1,4) = 0,038
kx = [1 - (1 – 2 . kmd)1/2]/ λ = [1 – (1 – 2 . 0,038)1/2] / 0,8 = 0,048 < 0,259 è domínio 2
εc = [kx / (1 – kx)] εsd = [0,048 / (1 – 0,048)] 10%o = 0,504%o < 2%o è corrigir kmd
σc = 0,85 . fcd . [1 – (1 - εc / εc2)n] = 0,85 . (30/1,4) . [1 – (1 – 0,504 / 2)2] = 8,02 MPa
kmd, corr = Md / (bf . d2 . σc) = 150000 / (1,75 . (0,35)2 . 8,02 . 106) = 0,087
kx = [1 - (1 – 2 . kmd)1/2]/ λ = [1 – (1 – 2 . 0,087)1/2] / 0,8 = 0,114 < 0,259 èdomínio 2
kz = 1 – 0,5 . λ . kx = 1 – 0,5 . 0,8 . 0,114 = 0,954
As = Md /( kz . d . fyd) = 150000 /(0,954.0,35.(500.106)/1,15) = 10,33.10-4m2
As = 10,33 cm2
As, mín = 0,150% . Ac = 0,150% . (15.30+175.10) = 3,3cm2
4 φ 20 mm

As, sobre apoio = As/3 = 10,33/3 = 3,44 cm2


4 φ 12,5 mm

Armadura de Ligação Mesa-Alma è 1,5 cm2/m è 1φ10mm (0,785 cm2) è 2φ10mm seria
suficiente, mas como essa armadura ficaria no local da armadura negativa entre lajes, deve-se
adotar um espaçamento máximo de 20 cm entre essas armaduras. Dessa maneira, a cada
metro linear, haveria 6φ10mm c/ 20 cm. Para os 8m de viga, haveria 41φ10mm c/20 cm.

(c) Detalhamento das armaduras:

O detalhamento das armaduras da viga fica como apresentado na Figura


6.30.

74
Figura 6.30 – Detalhamento da viga “T”

6.10. DIMENSIONAMENTO AO ESFORÇO CORTANTE

A NBR6118:2014 traz dois modelos de cálculo para dimensionamento de


estribos de viga. O modelo de cálculo I fixa a inclinação da biela comprimida a 45o,
enquanto o modelo de cálculo II permite que o calculista escolha essa inclinação no
intervalo 30º ≤ θ ≤ 45º (Figura 6.31).

Figura 6.31 – Modelo de bielas e tirantes

(a) MODELO DE CÁLCULO I:

O Modelo de Cálculo I é um modelo de bielas e tirantes mais parecido com a


Treliça de Mörsch tradicional. Nesse modelo, o ângulo da biela comprimida é
sempre θ = 45º.

75
(a.1) Verificação da Biela Comprimida

VRd 2 = 0,27 αv f cd b d ≥ Vsd


f ck
αv = 1 −
250

(a.2) Dimensionamento dos Estribos

⎛ Asw ⎞ Vsw
⎜ ⎟ =
⎝ s ⎠ 0,9 d f ywd (senα + cos α )

Quando se utilizam estribos convencionais (α = 90º). Sendo sen(90º) = 1 e


cos(90º) = 0. A equação da norma simplifica-se para:

⎛ Asw ⎞ Vsw
⎜ ⎟ =
⎝ s ⎠ 0,9 d f ywd

Vsw = Vsd − Vc

Sendo:
Vc = Vco è na flexão simples e na flexo-tração com LN cortando a seção (vigas de
concreto armado).
f ctk ,inf 0,7 f ct ,m 0,7 . 0,3 (f ck )2 / 3
Vco = 0,6 f ctd b d = 0,6 b d = 0,6 b d = 0,6 b d = 0,09 (f ck )2 / 3 b d
γc γc 1,4
fywd = tensão na armadura passiva, limitada ao valor de fyd no caso de estribos,
nunca maior que 435 MPa.

(b) MODELO DE CÁLCULO II:

O Modelo de Cálculo II é um modelo de bielas e tirantes mais desenvolvido


da Treliça de Mörsch tradicional. Nesse modelo, o ângulo da biela comprimida pode
variar de 30º ≤ θ ≤ 45º.

(b.1) Verificação da Biela Comprimida

VRd2 = 0,54 αv f cd b d sen θ (cot gα + cot gθ) ≥ Vsd


2

f ck
αv = 1 −
250

Quando se utilizam estribos convencionais (α = 90º) e inclinação da biela


máxima (θ = 45º). Sendo cotg(90º) = 1/tg(90º) = 1/∞ = 0, cotg(45º) = 1/tg(45º) = 1/1
= 1 e sen2(45º) = (0,707)2 = 0,5. A equação da norma fica igual a do Modelo de
Cálculo I:

VRd 2 = 0,54 αv f cd b d 0,5 ≥ Vsd

76
VRd 2 = 0,27 αv f cd b d ≥ Vsd

Quando se utilizam estribos convencionais (α = 90º) e inclinação da biela


mínima (θ = 30º). Sendo cotg(90º) = 1/tg(90º) = 1/∞ = 0, cotg(30º) = 1/tg(30º) =
1/0,577 = 1,733 e sen2(30º) = (0,5)2 = 0,25. A equação da norma simplifica-se para:

VRd2 = 0,54 αv f cd b d 0,25 (0 + 1,733) ≥ Vsd

VRd 2 = 0,23 αv f cd b d ≥ Vsd

Esse é o dimensionamento mais econômico das opções permitidas pela


norma brasileira.

(b.2) Dimensionamento dos Estribos

⎛ Asw ⎞ Vsw
⎜ ⎟ =
⎝ s ⎠ 0,9 d f ywd (cot gα + cot gθ) senα

Quando se utilizam estribos convencionais (α = 90º) e inclinação da biela


máxima (θ = 45º). Sendo cotg(90º) = 1/tg(90º) = 1/∞ = 0, cotg(45º) = 1/tg(45º) = 1/1
= 1 e sen(90º) = 1. A equação da norma fica igual a do Modelo de Cálculo I:

⎛ Asw ⎞ Vsw
⎜ ⎟ =
⎝ s ⎠ 0,9 d f ywd

Quando se utilizam estribos convencionais (α = 90º) e inclinação da biela


mínima (θ = 30º). Sendo cotg(90º) = 1/tg(90º) = 1/∞ = 0, cotg(30º) = 1/tg(30º) =
1/0,577 = 1,733 e sen(90º) = 1. A equação da norma simplifica-se para:

⎛ Asw ⎞ Vsw
⎜ ⎟ =
⎝ s ⎠ 0,9 d f ywd (0 + 1,733)

⎛ Asw ⎞ Vsw
⎜ ⎟ =
⎝ s ⎠ 1,56 d f ywd

Vsw = Vsd − Vc

Sendo:
Vc = Vc1 è na flexão simples e na flexo-tração com LN cortando a seção (vigas de
concreto armado). Nesse caso, o valor de Vc pode ser encontrado no diagrama de
Vc1 (Figura 6.32).

77
Figura 6.32 – Diagrama Vc1 (Vc) x Vsd

f ctk ,inf 0,7 f ct ,m 0,7 . 0,3 (f ck )2 / 3


Vco = 0,6 f ctd b d = 0,6 b d = 0,6 b d = 0,6 b d = 0,09 (f ck )2 / 3 b d
γc γc 1,4
fywd = tensão na armadura passiva, limitada ao valor de fyd no caso de estribos,
nunca maior que 435 MPa.

(C) ARMADURA MÍNIMA, TAXA DE ARMADURA MÍNIMA E ESPAÇAMENTO


MÁXIMO:

𝐴!" 𝑓!",!
𝜌!" = ≥ 𝜌!",!í! = 0,2  
𝑏  . 𝑠  . 𝑠𝑒𝑛𝛼 𝑓!"#

Utilizando estribos a 90o, a fórmula pode ser desenvolvida para essa:


𝐴!" 𝑓!",!
𝜌!" = ≥ 𝜌!",!í! = 0,2  
𝑏  . 𝑠   𝑓!"#

A área de estribo mínimo para um espaçamento s seria:


𝐴!",!í! =   𝜌!",!í!  (𝑏  . 𝑠)

fywk – resistência característica ao escoamento do aço da armadura transversal;

Sendo:
b = largura da viga;
s = vão longitudinal para o qual se calcula a armadura transversal. Normalmente
usa-se S = 1 m = 100cm.
fct,m – resistência média à tração do concreto. Para concretos com fck ≤ 50 MPa: fct,m
= 0,3 (fck)2/3. Para concretos com 50 MPa < fck ≤ 90 MPa: fct,m = 2,12 ln(1+0,11 fck);
fck = resistência característica do concreto à compressão;
fywk = resistência característica do escoamento do aço da armadura transversal;
O fywd é limitado ao valor de 435 MPa.

78
O espaçamento longitudinal mínimo entre estribos deve ser suficiente para a
passagem do vibrador que garanta um bom adensamento. O espaçamento
longitudinal máximo entre estribos deve atender as seguintes condições:

ü Se VSd ≤ 0,67 VRd2, então smáx = 0,6 d ≤ 300 mm;


ü Se VSd > 0,67 VRd2, então smáx = 0,3 d ≤ 200 mm.

O espaçamento transversal entre ramos (pernas) sucessivos dos estribos


não pode exceder os seguintes valores:

ü Se VSd ≤ 0,20 VRd2, então st, máx = d ≤ 800 mm;


ü Se VSd > 0,20 VRd2, então st, máx = 0,6 d ≤ 350 mm.

O diâmetro da barra que constitui o estribo deve ser maior ou igual a 5 mm,
sem exceder 1/10 da largura da alma da viga (5 mm ≤ φ ≤ b/10). Para estribos
formados por telas soldadas, o diâmetro mínimo pode ser reduzido para 4,2 mm.

Os estribos devem ser detalhados no projeto como apresentado na Figura


6.33.

Figura 6.33 – Detalhamento das armaduras dos estribos

O roteiro dos modelos de cálculo da NBR6118:2014 do dimensionamento de


estribos de uma viga de concreto armado foi organizado na Figura 6.34.

79
Figura 6.34 – Roteiro de dimensionamento de uma viga de concreto armado no ELU

EXEMPLO RESOLVIDO

(a) CÁLCULO DO ESFORÇO CORTANTE NA VIGA

Observe as ações e o diagrama do esforço cortante da viga de concreto


armado desse exemplo (Figuras 6.35 e 6.36).

80
Figura 6.35 – Ações na viga

Figura 6.36 – Diagrama do esforço cortante

(b) MODELO DE CÁLCULO I:

Considerações do Cálculo:
*Biela com inclinação θ = 45o
** Tirantes (Estribos) com inclinação α = 90o

81
(b.1) Verificação da Biela Comprimida

f ck
αv = 1 − = 1 – 30/250 = 0,88
250

VRd 2 = 0,27 αv f cd b d ≥ Vsd

VRd2 = 0,27 . 0,88. (30 . 106/1,4) . 0,15 . 0,45 = 343671,43 N = 343,67 kN


Vsd = 112,28 kN
VRd2 > Vsd è Ok

(b.2) Dimensionamento dos Estribos

Sendo:
Vc = Vco è na flexão simples e na flexo-tração com LN cortando a seção (vigas de
concreto armado).
Vco = 0,09 (fck)2/3 b d = 0,09 . (30MPa)2/3 . 150mm . 450mm = 58653,48 kN
Vco = 58,65 kN
Vc = 58,65 kN

Vsw = Vsd – Vc = 112,28 kN – 58,65 kN


Vsw = 53,63 kN

(Asw/s) = Vsw / (0,9 d fywd) = 53630 N / (0,9 . 0,45m . 435 . 106 N/m2)
(Asw/s) = 3,04 . 10-4 m2/m = 3,04 cm2/m

fywd = tensão na armadura passiva, limitada ao valor de fyd no caso de estribos,


nunca maior que 435 MPa.

(c) MODELO DE CÁLCULO II:

Considerações do Cálculo:
*Biela com inclinação θ = 30o
** Tirantes (Estribos) com inclinação α = 90o

(c.1) Verificação da Biela Comprimida


f ck
αv = 1 − = 1 – 30/250 = 0,88
250

VRd 2 = 0,23 αv f cd b d ≥ Vsd


VRd2 = 0,23 . 0,88 . (30 . 106/1,4) . 0,15 . 0,45 = 292757,14 N = 292,76 kN
Vsd = 112,28 kN
VRd2 > Vsd è Ok

(c.2) Dimensionamento dos Estribos

82
Vc = Vc1 è na flexão simples e na flexo-tração com LN cortando a seção (vigas de
concreto armado). Nesse caso, o valor de Vc pode ser encontrado no diagrama de
Vc1 (Figura 6.37).

Figura 6.37 – Diagrama Vc1 x Vsd

Vco = 0,09 (fck)2/3 b d = 0,09 . (30MPa)2/3 . 150mm . 450mm = 58653,48 kN


Vco = 58,65 kN

Vc/(292,76 – 112,28) kN = 58,65 kN/(292,76 – 58,65) kN


Vc = 45,21 kN

Vsw = Vsd – Vc = 112,28 kN – 45,21 kN


Vsw = 67,07 kN

(Asw/s) = Vsw / (1,56 d fywd) = 67070 N / (1,56 . 0,45m . 435 . 106 N/m2)
(Asw/s) = 2,20 . 10-4 m2/m = 2,20 cm2/m

Sendo:
fywd = tensão na armadura passiva, limitada ao valor de fyd no caso de estribos,
nunca maior que 435 MPa.

OBS: (Asw/s)MODELO I = 3,04 cm2/m > (Asw/s)MODELO II = 2,20 cm2/m


Como o MODELO DE CÁLCULO II foi o mais econômico, optou-se em utilizar esse
modelo para o dimensionamento da viga.

(d) ARMADURA MÍNIMA:

fct,m = 0,3 (fck)2/3 = 0,3 (30 MPa)2/3 = 2,90 MPa

(d.1) Armadura Mínima Usando Aço CA-50:


ρsw, mín = 0,2 fct,m / fywk = 0,2 . 2,90 MPa / 500 MPa = 0,116%
(Asw/s)mín = ρsw, mín (b . s) = 0,116% (15cm.100cm) = 1,74cm2/m

83
(Asw/s) = 2,20 cm2/m > (Asw/s)mín = 1,74 cm2/m è adota-se (Asw/s)

(Asw/s) = 2,20 cm2/m (estribo com 2 pernas)


(Asw/s) = 2,20 / 2 = 1,10 cm2/m (considerando apenas 1 perna)

1,10 / (π 0,632/4) = 3,53 estribos por metro


3,53 estribos por metro . 5,60 m de vão interno de viga = 19,77è 20φ6,3mm
20 estribos è 19 espaçamentos è 560cm/19 espaçamentos = 29,47cm
20 φ 6,3 mm c/ 29 cm

(d.2) Armadura Mínima Usando Aço CA-60:


ρsw, mín = 0,2 fct,m / fywk = 0,2 . 2,90 MPa / 600 MPa = 0,097%
(Asw/s)mín = ρsw, mín (b . s) = 0,097% (15cm.100cm) = 1,46cm2/m

(Asw/s) = 2,20 cm2/m > (Asw/s)mín = 1,46 cm2/m è adota-se (Asw/s)

(Asw/s) = 2,20 cm2/m (estribo com 2 pernas)


(Asw/s) = 2,20 / 2 = 1,10 cm2/m (considerando apenas 1 perna)

1,10 / (π 0,52/4) = 5,61 estribos por metro


5,61 estribos por metro . 5,60 m de vão interno de viga = 31,42 è 32φ5,0mm
32 estribos è 31 espaçamentos è 560cm/31 espaçamentos = 18,06cm
32 φ 5,0 mm c/ 18 cm

OBS: Os estribos da viga vão de face a face de pilar e os estribos do pilar passam
direto, ou seja, nos encontros de viga com pilar só passam estribos de pilar.

(e) ESPAÇAMENTOS MÁXIMOS:

(e.1) Espaçamento Longitudinal Máximo dos Estribos:

ü Se Vsd ≤ 0,67 VRd2, então smáx = 0,6 d ≤ 300 mm


ü Se Vsd > 0,67 VRd2, então smáx = 0,3 d ≤ 200 mm

Vsd = 112,28 kN
0,67 . VRd2 = 0,67 . 292,76 kN = 196,15 kN

Então:
Smáx = 0,6 d ≤ 300 mm
Smáx = 0,6 d = 0,6 . 450 mm = 270 mm ≤ 300 mm è Smáx = 270 mm = 27 cm

OBS: O espaçamento anteriormente considerado para o aço CA-50 de φ 6,3mm c/


29 cm deve ser alterado para respeitar o Smáx de 27 cm.

(e.2) Espaçamento Transversal Máximo dos Estribos (Espaçamento entre pernas):

ü Se Vsd ≤ 0,20 VRd2, então st, máx = d ≤ 800 mm;


ü Se Vsd > 0,20 VRd2, então st, máx = 0,6 d ≤ 350 mm.

84
Vsd = 112,28 kN
0,20 . VRd2 = 0,20 . 292,76 kN = 58,55 kN

Então:
St, máx = 0,6 d ≤ 350 mm
St, máx = 0,6 . 450 mm = 270 mm ≤ 350 mm è St, máx = 270 mm = 27 cm

OBS: Estribos com 2 Pernas em viga de b = 15 cm, com cobrimento de 3 cm


(Classe de Agressividade Ambiental II), tem o espaçamento entre pernas de no
máximo 8 cm (S = 15 – 3 – 3 – 0,5 - 0,5 = 8cm). Dessa maneira, o limite está
atendido com folga.

(f) OPÇÕES DE ESTRIBOS:

CA – 50 (5 mm ≤ φ ≤ b/10 = 150/10 = 15mm)


22 φ 6,3 mm c/ 27 cm * Utilizando o espaçamento máximo (Smáx = 27cm)
22 φ 8,0 mm c/ 27 cm * Utilizando o espaçamento máximo (Smáx = 27cm)
22 φ 10,0 mm c/ 27 cm * Utilizando o espaçamento máximo (Smáx = 27cm)
22 φ 12,5 mm c/ 27 cm * Utilizando o espaçamento máximo (Smáx = 27cm)
CA – 60 (5 mm ≤ φ ≤ b/10 = 150/10 = 15mm)
32 φ 5,0 mm c/ 18 cm

OBS: Como o espaçamento longitudinal dos estribos com aço CA-50 foi alterado
para respeitar o espaçamento longitudinal máximo da norma, recalculou-se a
quantidade de estribos com o novo espaçamento, como apresentado a seguir.

Quantidade = [(560 cm / 27 cm) + 1] = 21,74 estribos è 22 estribos

(g) DETALHAMENTO DAS ARMADURAS

O detalhamento das armaduras transversais (estribos) da viga fica como


apresentado na Figura 6.38.

Figura 6.38 – Detalhamento dos estribos

85
6.11. DIMENSIONAMENTO AO MOMENTO TORSOR

A NBR6118:2014 recomenda que se analise viga sujeita a torção como uma


treliça espacial (Figura 6.39), utilizando os mesmos ângulos das bielas comprimidas
dos cálculos dos estribos, seja modelo de cálculo I ou modelo de cálculo II.

Figura 6.39 – Treliça de Mörsch espacial para análise de torção

Quando uma viga é submetida à torção simples, suas seções transversais,


inicialmente planas, se empenam, devido aos diferentes alongamentos longitudinais
de suas fibras. Se não houver nenhuma restrição ao empenamento como apoios, a
barra estará livre de tensões normais e a torção é denominada “Torção de Saint
Venant” ou Torção Pura.
A torção também se classifica em Torção de Equilíbrio e Torção de
Compatibilidade. A Torção de Equilíbrio é quando os momentos torsores são
necessários para satisfazer as condições de equilíbrio. A estrutura poderia entrar
em ruína caso não fosse dimensionada para absorver esses momentos (Ex: viga de
uma marquise). A Torção de Compatibilidade é aquela que surge do impedimento
da deformação. A capacidade de plastificação e o aparecimento de fissuras na peça
não acarretariam uma ruína (Ex: viga de bordo). Para Torção de Equilíbrio, a taxa
geométrica para armadura de pele longitudinal (ρsl) e a taxa geométrica de
armadura transversal (ρsw) devem ser maior ou igual a taxa geométrica de armadura
mínima usada no dimensionamento de estribos.

𝐴!"
𝜌!" =   𝑓!",!
ℎ!  𝑢!
    ≥   𝜌!",!í! = 𝜌!",!í! =  0,2
𝐴!" 𝑓!"#
𝜌!" =  
𝑏  𝑠
Sendo:
b = largura da viga;
s = vão longitudinal para o qual se calcula a armadura transversal. Normalmente
usa-se S = 1 m = 100cm.

86
fct,m – resistência média à tração do concreto. Para concretos com fck ≤ 50 MPa: fct,m
= 0,3 (fck)2/3. Para concretos com 50 MPa < fck ≤ 90 MPa: fct,m = 2,12 ln(1+0,11 fck);
fck = resistência característica do concreto à compressão;
fywk = resistência característica do escoamento do aço da armadura transversal;

Para Torção de Compatibilidade, é possível desprezar a taxa geométrica


mínima, desde que o elemento estrutural tenha adequada capacitação de
adaptação plástica e que todos os outros esforços sejam calculados desprezando a
torção. Porém, em regiões onde o comprimento do elementos seja menor ou igual a
2h, para garantir um nível razoável de capacidade de adaptação plástica, deve-se
respeitar a armadura mínima de torção e limitar a força cortante, tal que VSd ≤ 0,7
VRd2.
Para a análise de uma viga à torção, é necessário definir geometrias. A
NBR6118:2014 recomenda que se calcule as geometrias da espessura da parede
fictícia (he), da área limitada pela linha média (Ae), da área da seção cheia (A), do
perímetro da linha média (ue) e do perímetro da seção cheia (u), conforme
apresentado na Figura 6.40.

Figura 6.40 – Geometrias para análise de torção

A sequência para o dimensionamento das armaduras para torção da


NBR6118:2014 é muito parecida com a sequência para dimensionamento das
armaduras para o esforço cortante. A única diferença é que para o esforço cortante
só se dimensiona armaduras transversais (estribos) e para momento torsor se

87
dimensionam armaduras transversais (estribos) e longitudinais (armadura de pele).
Veja a seguir.

(a) Verificação da Biela Comprimida:

𝑇!"! = 0,50  𝛼!!  𝑓!"  𝐴! ℎ! 𝑠𝑒𝑛(2𝜃) ≥ 𝑇!" = 1,4  𝑇!

f ck
αv = 1 −
250

(b) Dimensionamento dos Estribos:

Através do equilíbrio TRd3 ≥ TSd, encontra-se a equação do (Ast/s) dos


estribos. Cada estribo possui duas pernas que resistem a tração diagonal que surge
com a torção. (Figura 6.41).

𝐴!"
𝑇!"! = 𝑓!"#  2  𝐴! 𝑐𝑜𝑡𝑔(𝜃) ≥ 𝑇!" = 1,4  𝑇!
𝑠

𝐴!" 𝑇!"

𝑠 [𝑓!"#  2  𝐴! 𝑐𝑜𝑡𝑔 𝜃 ]

Figura 6.41 – Estribos

Através do equilíbrio TRd4 ≥ TSd, encontra-se a equação do (Asl/ue) da


Armadura Longitudinal (Armadura de Pele). A armadura de pele deve ser distribuída
no perímetro ue para também resistir à tração diagonal que surge com a torção
(Figura 6.42). A distribuição regular das armaduras seria o ideal, mas geralmente as
armaduras de flexão já ocupam esse espaço e, assim, a distribuição irregular nas
laterais acaba sendo a mais usada.

88
𝐴!"
𝑇!"! = 𝑓  2  𝐴! 𝑡𝑔(𝜃) ≥ 𝑇!" = 1,4  𝑇!
𝑢! !"#

𝐴!" 𝑇!"

𝑢! [𝑓!"#  2  𝐴! 𝑡𝑔(𝜃)]

Figura 6.42 – Armaduras longitudinais (armadura de pele)

Da mesma forma do dimensionamento para o esforço cortante, a


NBR6118:2014 limita o valor de fywd a 435 MPa. Independentemente do tipo de
armadura usada. Seja para o dimensionamento das armaduras transversais ou
longitudinais.
A verificação da Biela Comprimida, como alternativa, também pode ser feita
em conjunto com o esforço cortante.

𝑉!" 𝑇!"
+     ≤ 1
𝑉!"! 𝑇!"!

EXEMPLO RESOLVIDO

(a) CÁLCULO DO MOMENTO TORSOR NA VIGA

* Considerando a mesma viga do exemplo resolvido do dimensionamento ao


esforço cortante, com os mesmos esforços, com a inclusão de um momento torsor
de equilíbrio de uma situação particular.
** Considerar um momento torsor de TSd = 13 kNm.

(b) CONSIDERAÇÃO DO MODELO DE CÁLCULO I:

Considerações do Cálculo:
*Biela com inclinação θ = 45o
** Tirantes (Estribos) com inclinação α = 90o

89
OBS: No caso de torsão, a adoção do Modelo de Cálculo I tanto para esforço
cortante como para momento torsor parece ser mais precisa.

(b.1) Verificação da Biela Comprimida

αv2 = 1 – fck/250 = 1 – 30/250 = 0,88


C1 ≈ 4 cm (valor estimado por ainda não se saber as armaduras)
A/u = b h / [2(b + h)] = 15cm.50cm / [2(15cm + 50cm)] = 5,77cm
2 C1 = 2 . 4cm = 8 cm
Como: A/u < 2 C1 , então: he = A/u ≤ 2C1
he = 5,77cm ≤ 8 cm (Ok)
Ae = (b – he) . (h – he) = (15 – 5,77) . (50 – 5,77) = 408,24 cm2

* Verificação 1 da biela (somente com momento torsor):


TRd2 = 0,50 αv2 fcd Ae he sen(2θ) ≥ TSd
TRd2 = 0,50 . 0,88 . (30 . 106/1,4) . (408,24/10000) . (5,77/100) . sen(2.45o)
TRd2 = 22209,42 Nm = 22,21 kNm
TSd = 13 kNm
TRd2 ≥TSd è Ok.

* Verificação 2 da biela (momento torsor e esforço cortante):


VSd/VRd2 + TSd/TRd2 ≤ 1
112,28/343,67 + 13/22,21 = 0,327 + 0,585 = 0,912 ≤ 1 è Ok.

(b.2) Dimensionamento da Armadura Transversal (Estribos):

(Ast/s) = TSd / [fywd 2 Ae cotg(θ)


(Ast/s) = 13000 Nm / [(435 . 106 N/m2) . 2 . (408,24/10000 m2) . cotg(45o)]
(Ast/s) = 3,66 . 10-4 m2/m = 3,66 cm2/m

OBS: Da mesma forma do dimensionamento do esforço cortante, a NBR6118:2014


limita o valor de fywd a 435 MPa. Independentemente do tipo de armadura usada.
Seja para armaduras transversais ou longitudinais.

* Verificação da Armadura Transversal Mínima Usando Aço CA-50:

fct,m = 0,3 (fck)2/3 = 0,3 (30 MPa)2/3 = 2,90 MPa

ρsw, mín = 0,2 fct,m / fywk = 0,2 . 2,90 MPa / 500 MPa = 0,116%
(Asw/s)mín = ρsw, mín (b . s) = 0,116% (15cm.100cm) = 1,74cm2/m

(Asw/s) = 3,66 cm2/m > (Asw/s)mín = 1,74 cm2/m è adota-se (Asw/s)

OBS: Diferente da análise ao esforço cortante, para análise à torção,


independentemente do uso da armadura CA-50 ou CA-60, o fywk limita-se a
500MPa.

90
*Somando-se a área de estribos para o cortante com o momento torsor do Modelo
de Cálculo I, tem-se:

(Asw/s) = 3,04 cm2/m + 3,66 cm2/m = 6,70 cm2/m

(Asw/s) = 6,70 cm2/m (estribo com 2 pernas)


(Asw/s) = 6,70 / 2 = 3,35 cm2/m (considerando apenas 1 perna)

3,35 / (π 0,632/4) = 10,75 estribos por metro


10,75 estribos por metro . 5,60 m de vão interno de viga = 60,20è 61φ6,3mm
61 estribos è 60 espaçamentos è 560cm/60 espaçamentos = 9,33cm
61 φ 6,3 mm c/ 9 cm

ou

3,35 / (π 0,82/4) = 6,67 estribos por metro


6,67 estribos por metro . 5,60 m de vão interno de viga = 37,35è 38φ8,0mm
38 estribos è 37 espaçamentos è 560cm/37 espaçamentos = 15,14cm
38 φ 8,0 mm c/ 15 cm

OBS: Para esse dimensionamento específico, o uso de armadura de φ 5,0 mm (CA-


60) não foi calculado pelo excesso de barras com espaçamento muito pequeno,
dificultando a concretagem dessa peça estrutural.

(b.3) Dimensionamento da Armadura Longitudinal (Armadura de Pele):

(Asl/ue) = TSd / [fywd 2 Ae tg(θ)]


(Asl/ue) = 13000 Nm / [(435 . 106 N/m2) . 2 . (408,24/10000 m2) . tg(45o)]
(Asl/ue) = 3,66 . 10-4 m2/m = 3,66 cm2/ue

OBS: Da mesma forma do dimensionamento do esforço cortante, a NBR6118:2014


limita o valor de fywd a 435 MPa. Independentemente do tipo de armadura usada.
Seja para armaduras transversais ou longitudinais.

* Verificação da Armadura Transversal Mínima Usando Aço CA-50:

fct,m = 0,3 (fck)2/3 = 0,3 (30 MPa)2/3 = 2,90 MPa

ρsl, mín = 0,2 fct,m / fywk = 0,2 . 2,90 MPa / 500 MPa = 0,116%

he = 5,77 cm
ue = 2.(b-he) + 2.(h-he) = 2.(15 – 5,77) + 2.(50 – 5,77) = 106,92 cm

(Asl/ue)mín = ρsl, mín (he . ue) = 0,116% (5,77cm.106,92cm) = 0,716cm2/ue

(Asl/ue) = 3,66 cm2/ue > (Asl/ue)mín = 0,716 cm2/m è adota-se (Asl/ue)

91
OBS: Diferente da análise ao esforço cortante, para análise à torção,
independentemente do uso da armadura CA-50 ou CA-60, o fywk limita-se a
500MPa.

*Caso a viga fosse mais alta que 60 cm, teria que somar com a armadura de pele
definida pela norma. Nesse caso a única armadura de pele considerada é a
destinada a resistir o momento torsor:

(Asl/ue) = 0,00 cm2/ue + 3,66 cm2/ue = 3,66 cm2/ue


(considerando apenas 1 perna distribuída no perímetro ue)

3,66 / (π 0,632/4) = 11,75 barras corridas distribuídas no perímetro ue


12 φ 6,3mm para as duas faces da viga
6 φ 6,3mm para cada face da viga
(6 x 2) φ 6,3 mm - corridos

(c) DETALHAMENTO DAS ARMADURAS

O detalhamento das armaduras transversais (estribos) e longitudinais


(armadura de pele) da viga fica como apresentado na Figura 6.43.

Figura 6.43 – Detalhamento das armaduras de combate à torção

Observe que nesse exemplo, como o momento torsor era pequeno, foi possível dar
resistência à viga somente dimensionando estribos e armadura de pele. Para um
momento torsor maior, provavelmente, só seria possível aumentar essa resistência
da viga aumentando sua inércia polar (Jo = Ix + Iy), ou seja, aumentando
consideravelmente sua seção transversal. Por esse motivo, os calculistas procuram
inicialmente uma concepção estrutural sem torção. Ou pelo menos, sem torção de
equilíbrio.

92
CAPÍTULO 7

LAJES DE CONCRETO ARMADO


7.1. INTRODUÇÃO

As lajes são elemento de placa onde a altura é muito menor que as outras
duas dimensões. São solicitadas predominantemente por cargas normais ao seu
plano médio e apesar da maioria das lajes serem quadradas ou retangulares, elas
podem também se apresentar com qualquer outra forma.
As lajes são classificadas como maciças, nervuradas, mistas, lisas, cogumelo
ou pré-moldadas (Figura 7.1).

Figura 7.1 – Tipos de lajes

As lajes também podem ser classificadas como armadas em cruz ou como


armadas em 1 só direção (Figura 7.2). Essa classificação diz respeito a solicitação
da laje. Se ela é uma laje quadrada ou retangular com Lmaior/Lmenor ≤ 2, essa laje vai
ser solicitada por dois momentos fletores (Mx e My) e, desta maneira, deve ser
dimensionada com armaduras nas duas direções. Se a laje for mais comprida, com
Lmaior/Lmenor > 2, essa laje vai ser solicitada somente por momento fletor no menor
vão e deve ser dimensionada somente no menor vão. No outro vão, deve-se utilizar
a armadura de distribuição mínima estabelecida pela norma. Porém, vale ressaltar,
que isso só é válido para lajes apoiadas nos quatro lados. Lajes em balanço,
independente dos vãos, vai ser sempre laje armada em 1 só direção. Na direção do
balanço.

93
Figura 7.2 – Lajes em cruz e em 1 só direção

A opção de considerar a laje como apoiada (ligação articulada) ou engastada


(ligação rígida) é do projetista. Normalmente se considera a laje engastada se ela
não for pequena e que esse engastamento não prejudique a laje ao lado (Figura
7.3).
Independentemente da consideração do engaste ou não, pode-se analisar
todas as lajes como isoladas e depois compatibilizar os momentos fletores
negativos nos encontros das lajes, considerando-as contínuas como descrito a
seguir.

Figura 7.3 – Deformadas das lajes contínuas e lajes isoladas

94
7.2. LAJES ARMADAS EM UMA SÓ DIREÇÃO

As lajes armadas em uma só direção podem ser calculadas como isoladas


(Figura 7.4), desde que depois os momentos fletores negativos sejam uniformizados
para funcionarem como contínuas (Figura 7.5).

Figura 7.4 – Lajes armadas em 1 só direção isoladas

95
Figura 7.5 – Lajes armadas em 1 só direção contínuas

7.3. LAJES ARMADAS EM CRUZ

Da mesma forma, isso pode ser feito para as lajes armadas em cruz (Figura
7.9). Porém, para se obter os momentos fletores para uma laje em cruz, deve-se
usar algum método de análise de placas. O Método de Marcus é muito eficiente
para lajes retangulares e quadradas. Esse método consistem em analisar a laje em
faixas nos eixos X e Y. As condições dos apoios das lajes (engastado ou apoiado)
vão definir o caso da laje (Caso 1, Caso 2, Caso 3, Caso 4, Caso 5 ou Caso 6)
(Figura 7.6, 7.7 e 7.8). A seguir são apresentadas as fórmulas para o cálculo dos
momentos fletores para cada um desses casos. As constantes dos denominadores
mx, my, nx e ny são encontradas nas tabelas encontradas no anexo dessa apostila.

96
Figura 7.6 – Lajes armadas em cruz isoladas (Casos 1 e 2)

Figura 7.7 – Lajes armadas em cruz isoladas (Casos 3 e 4)

97
Figura 7.8 – Lajes armadas em cruz isoladas (Casos 5 e 6)

Regra para a escolha do vão principal (Lx):


1o - Maior número de engastes;
2o – Menor vão.

Figura 7.9 – Lajes em cruz contínuas

98
7.4. DIMENSIONAMENTO

O dimensionamento das armaduras da laje deve ser feito no ELU, do mesmo


jeito da viga, sendo que a largura b igual a 1m.

kmd = Md / (b d2 σcd) = Md / (1 d2 σcd)

A NBR6118:2014 permite que se use uma armadura mínima menor que o da


viga, em alguns casos (Tabela 7.1).

Tabela 7.1 – Armadura mínima de lajes (NBR6118:2014)


Armaduras Positivas
Armaduras Laje em Cruz Laje em 1 direção
Negativas (Lx e Ly)
Armadura Armadura Secundária
Principal
As ρs ≥ ρmín ρs ≥ 0,67 ρmín ρs ≥ ρmín As ≥ 20% As,princ
ρs =
bh 2
As ≥ 0,9 cm / m
ρs ≥ 0,5 ρprinc

7.5. VERIFICAÇÕES E DETALHAMENTO DAS ARMADURAS

A NBR6118:2014 limita as bitola máxima e o espaçamento máximo da


armadura conforme descrito abaixo:
h
Bitola Máxima è φ ≤
8
⎧20 cm
Espaçamento Máximo para Armadura Principal: S ≤ ⎨
⎩ 2 h
Espaçamento Máximo para Armadura Secundária: S ≤ 33 cm

O detalhamento das armaduras das lajes é apresentado nas Figuras 7.10,


7.11, 7.12,

99
Figura 7.10 – Detalhamento das armaduras negativas

Figura 7.11 – Critério para interrupção das armaduras negativas

100
Figura 7.12 – Detalhamento das armaduras negativas em laje em balanço

Figura 7.13 – Detalhamento das armaduras positivas

7.6. LAJE MACIÇA

A laje maciça é um o sistema estrutural de laje mais tradicional para


edificações médias e altas. Normalmente se utiliza esse sistema combinado com o

101
sistema de laje nervurada. As lajes maiores são as nervuradas e as menores são as
maciças.
As desvantagens do sistema de lajes maciças são as altas taxas de fôrmas e
a limitação de vãos. E as vantagens são que as lajes maciças juntamente com o
conjunto de vigas fornecem boa rigidez a edificação tanto para ações verticais
quanto horizontais.
Os vãos das lajes maciças que normalmente têm até 12 cm de espessura
não são grandes. Para lajes armadas em cruz, lajes maciças de 6 m x 6 m já são
consideradas grandes, enquanto para lajes armadas em uma única direção, o
menor vão é o limitador. Normalmente lajes armadas em uma única direção com 4
m já são consideradas grandes.

EXEMPLO RESOLVIDO

Dimensione e detalhe as lajes L1 e L2 da Figura 8.14. Suponha que as lajes


tenham sobre-carga de dormitório residencial. Não há alvenaria sobre as lajes,
exceto na extremidade do balanço (sobre a Aba 1), onde há uma alvenaria de tijolo
furado com 1,5m de altura. Considere fck = 30 MPa e altura útil das lajes d = 7cm
para L1 e d=9cm para L2.

Figura 7.14 – Fôrma de pavimento

Observe que a laje L1 é uma laje armada em cruz do Caso 1. A laje L2 é uma
laje em balanço (laje armada em uma só direção) com uma aba na extremidade. A
aba se parece com uma viga, com a diferença que a aba é segurada pela a laje.
Uma vantagem, nesse caso, de se utilizar uma aba é que essa aba não vai
transmitir torção à viga V2, porque essa aba não está apoiada na viga V2, e sim na
lajes L2. Em resumo, a aba é como se a laje fizesse uma virada na sua
extremidade, dando uma aparência de viga.

(a) Carregamento das lajes:

102
Laje L1:
g è PP = 25 kN/m3 . 0,10 m = 2,5 kN/m2
Alv = 0
Rev = 1,0 kN/m2
Pav = 1,0 kN/m2
q è SC = 1,5 kN/m2
g+q= 6,0 kN/m2

Laje L2:
g è PP = 25 kN/m3 . 0,12 m = 3 kN/m2
Alv = 0
Rev = 1,0 kN/m2
Pav = 1,0 kN/m2
q è SC = 1,5 kN/m2
g+q= 6,5 kN/m2

Carga 25 kN/m3.(0,15.0,50.1)m3 + 13 kN/m3.(0,15.1,5.1) m3 = 4,8 kN ≥ 2 kN


Pontual =

(b) Momentos Fletores das lajes:

L1 – Laje armada em cruz (Caso 1)

λ = ly/lx = 1,00 è mx = 27,43 e my = 27,43

Mx = p lx2 / mx = 6 . 52 / 27,43 = 5,47 kNm/m


My = p lx2 / my = 6 . 52 / 27,43 = 5,47 kNm/m

Mdx = Mdy = 1,4 . 5,47 = 7,66 kNm/m

103
Figura 7.15 – Momentos fletores da laje L1

L2 – Laje armada em uma só direção ( l = 1,50 m)

M = -4,8 . 1,50 – 6,5 . 1,502/2 = - 14,51 kNm/m

γn = 1,95 - 0,05 h ≥ 1,0 è γn = 1,95 - 0,05 . 12 = 1,35 ≥ 1,0


Md = 1,35 .1,4 . (-14,51) = - 27,42 kNm/m

Figura 7.16 – Momentos fletores da laje L2

(c) Dimensionamento das lajes

104
L1 (Md = 7,66 kNm/m)

𝑀! 7660
𝑘!" =   = = 0,086
𝑏  𝑑 !  𝜎!" 1  . 0,07!  .    0,85  . 30  . 10! /1,4
1 − 1 − 2  𝑘!" !/! 1 − 1 − 2  . 0,086 !/!
𝑘! = =   = 0,112  
𝜆 0,8
è Dom 2
𝜀! = 1,27%𝑜
𝜀!" = 10%𝑜
!
𝜀! ! 1,27%𝑜
𝜎! = 0,85  𝑓!"   1 −   1 − = 0,85  (30/1,4)   1 −   1 −   = 15,76  𝑀𝑃𝑎
𝜀!! 2%𝑜
𝑀! 7660
𝑘!",!"## =   = = 0,099
𝑏  𝑑 !  𝜎! 1  . 0,07!  .    15,76  . 10!
1 − 1 − 2  𝑘!" !/! 1 − 1 − 2  . 0,099 !/!
𝑘! = =   = 0,131  
𝜆 0,8
è Dom 2
𝜀! = 1,51%𝑜
𝜀!" = 10%𝑜

𝑘! = 1 − 0,5  . 𝜆  . 𝑘! =  1 − 0,5  . 0,8  . 0,131 = 0,948


𝑀! 7660
𝐴! =   =   = 2,66  . 10!! 𝑚! = 2,66  𝑐𝑚! /𝑚
𝑘!  𝑑  𝑓!" 0,948  . 0,07  . 500  . 10! /1,15
𝐴!,!í! =  𝜌  . 𝐴! = 0,67  . 0,150%  . 100  . 10 = 1,0  𝑐𝑚! /𝑚  

(2,66cm2/m) / (π . 0,632/4 cm2) = 8,54 φ 6,3 mm por metro è 9 φ 6,3 mm por metro
8 espaçamentos por metro è 8 . 5m = 40 espaçamentos nos 5m
500 cm / 40 espaçamentos = 12,5 cm è 41 φ 6,3 mm c/12,5m

L2 (Md = 27,42 kNm/m)

𝑀! 27420
𝑘!" =   = = 0,186
𝑏  𝑑  𝜎!" 1  . 0,09  .    0,85  . 30  . 10! /1,4
! !

1 − 1 − 2  𝑘!" !/! 1 − 1 − 2  . 0,186 !/!


𝑘! = =   = 0,259  
𝜆 0,8
è Lim Dom 2-3
𝜀! = 3,5%𝑜
𝜀!" = 10%𝑜

𝑘! = 1 − 0,5  . 𝜆  . 𝑘! =  1 − 0,5  . 0,8  . 0,259 = 0,896


𝑀! 27420
𝐴! =   =   = 7,82  . 10!! 𝑚! = 7,82  𝑐𝑚! /𝑚
𝑘!  𝑑  𝑓!" 0,896  . 0,09  . 500  . 10! /1,15

(7,82cm2/m) / (π . 1,02/4 cm2) = 9,96 φ 10 mm por metro è 10 φ 6,3 mm por metro


9 espaçamentos por metro è 9 . 4m = 36 espaçamentos nos 5m
400 cm / 36 espaçamentos = 11,11 cm è 37 φ 10 mm c/11 cm

105
(d) Detalhamento das lajes

Figura 7.17 – Armaduras positiva

Figura 7.18 – Armaduras negativa e detalhe da aba 1

7.7. LAJE NERVURADA

A laje nervurada é um o sistema estrutural de laje muito utilizada para


edificações médias e altas.
A maior desvantagem do sistema de lajes nervuradas é a perda de altura
livre (distância entre o piso e o fundo da laje) por conta desse tipo de laje ser mais

106
espessa que a laje maciça. Por outro lado, as vantagens são que as lajes
nervuradas fornecem uma muito boa rigidez a edificação tanto para ações verticais
quanto horizontais, além de também fornecerem economia do consumo de concreto
às edificações.
Os vãos das lajes nervuradas com 26 cm ou 31 cm de espessura são
maiores que os vãos das lajes maciças. Para lajes armadas em cruz, lajes
nervuradas de 8 m x 8 m já são consideradas grandes, enquanto para lajes
armadas em uma única direção, o menor vão é o limitador. Normalmente lajes
armadas em uma única direção com 5 m já são consideradas grandes.

EXEMPLO RESOLVIDO

** Utilizando a fôrma de 61 cm x 61 cm com altura de 21 cm (ANEXO 6) è A laje


fica com h = 26 cm.

Figura 7.19 – Fôrma de pavimento com laje nervurada

107
Concreto: C30
fcd = fck/1,4 = 30 / 1,4 = 21,43 MPa

Aço: CA-50
fyd = fyk/1,15 = 500 / 1,15 = 434,78 MPa

Figura 7.20 – Linhas de ruptura em laje do 1o caso

(a) Carregamento:

PP = 25.[(6,5 . 6,5 . 0,26)m3 – 100cxs.(0,056m3)]/ (6,5 . 6,5) m2 = 3,19 kN/m2


Rev = 1,0 kN/m2
Pav = 1,0 kN/m2
Alv = 0,0 kN/m2
S.C. = 2,0 kN/m2
TOTAL = 7,19 kN/m2

(b) Análise (Marcus) – Pode-se usar Marcus para laje nervurada somente se a linha
neutra cair dentro da mesa (x ≤ 5 cm). Caso contrário, deve-se dimensionar cada
nervura como viga “T” caso 2.

λ = ly/lx = 1
Mx = My = p lx2/mx = 7,19 . (6,5)2/27,43 = 11,07 kNm/m
Md = 1,4 . 11,07 = 15,50 kNm/m

(c) Dimensionamento:

𝑀! 15500
𝑘!" =   = = 0,019
𝑏  𝑑 !  𝜎!" 1  . 0,21!  .    0,85  . 21,43  . 10!
1 − 1 − 2  𝑘!" !/! 1 − 1 − 2  . 0,019 !/!
𝑘! = =   = 0,024  
𝜆 0,8
è Dom 2

𝑘! 0,024
𝜀! = = = 0,25%𝑜
1 −   𝑘! 1 −  0,024
𝜀!" = 10%𝑜
!
𝜀! ! 0,25%𝑜
𝜎! = 0,85  𝑓!" 1 − 1 − =  0,85  . 21,43 1 − 1 − =  4,26  𝑀𝑃𝑎
𝜀!! 2%𝑜

108
𝑀! 15500
𝑘!",!"## =   = = 0,082
𝑏  𝑑  𝜎! 1  . 0,21!  .    4,26  . 10!
!

1 − 1 − 2  𝑘!" !/! 1 − 1 − 2  . 0,082 !/!


𝑘! = =   = 0,108  
𝜆 0,8
è Dom 2 è x = kx . d = 0,108 . 21 = 2,27 cm < 5 cm da mesa è Ok

𝑘! = 1 − 0,5  . 𝜆  . 𝑘! =  1 − 0,5  . 0,8  . 0,108 = 0,957


𝑀! 15500
𝐴! =   =   = 1,77  . 10!! 𝑚! /𝑚 = 1,77  𝑐𝑚! /𝑚
𝑘!  𝑑  𝑓!" 0,957  . 0,21  . 434,78  . 10!
𝐴! =  1,77  𝑐𝑚! /𝑚  . 0,61m   = 1,08  𝑐𝑚! /𝑛𝑒𝑟𝑣𝑢𝑟𝑎
è 1 ϕ 12,5 mm c/ nervura

As,mín = 0,15% . (554,6) = 0,83 cm2/nervura

Figura 7.21 – Nervura da laje nervurada correlacionada com seção “T”

109
Figura 7.22 – Armadura na mesa da laje nervurada

(d) Detalhamento das Armaduras:

Detalhamento das Armaduras Detalhamento das Armaduras Negativas:


Positivas:

Figura 7.23 – Detalhamento das armaduras

110
7.8. LAJE PRÉ-MOLDADA

A laje pré-moldada é um o sistema estrutural de laje muito popular para


edificações pequenas e médias. É importante destacar que aqui está se falando de
lajes volterranas e treliçadas, diferentemente de um sistema completo de elementos
pré-fabricados (também chamado de pré-moldados) onde as lajes alveolares e lajes
π são protendidas com pré-tração e são utilizadas para edificações médias e
grandes.
A maior desvantagem do sistema de lajes pré-moldadas é a pouca rigidez
principalmente para ações horizontais. A ligação entre as lajes e as vigas não
apresentam bom efeito diafragma como os sistemas estruturais de lajes maciças e
lajes nervuradas apresentam. Por outro lado, as vantagens são que as lajes pré-
moldadas têm um sistema prático de tecnologia facilmente acessível para os
operários. E por ser um sistema de fácil montagem, o calculista deve se preocupar
em detalhar a montagem de maneira clara para não haver erros.
Normalmente os sistemas pré-moldados são armados em uma única direção
(a direção dos trilhos) e essa direção geralmente o vão não passa de 4 m para lajes
volterranas e ou de 10 m para lajes treliçadas. Dependendo da altura da treliça da
laje treliçada fabricada, o vão pode passar dos 10 m com tranquilidade.

EXEMPLO RESOLVIDO

Figura 7.24 – Detalhe da laje pré-moldada

111
Figura 7.25 – Distribuição dos trilhos (vigotas)

Concreto: C30
fcd = fck/1,4 = 30 / 1,4 = 21,43 MPa

Aço: CA-50
fyd = fyk/1,15 = 500 / 1,15 = 434,78 MPa

Figura 7.26 – Linhas de ruptura em laje armada em uma única direção

(a) Carregamento:

PP = 1,85 kN/m2
Rev = 1,0 kN/m2
Pav = 1,0 kN/m2
Alv = 0,0 kN/m2
S.C. = 2,0 kN/m2
TOTAL = 5,85 kN/m2

112
Figura 7.27 – Peso próprio estimado na laje pré-moldada

(b) Análise em uma única direção – Pode-se calcular como laje em única direção
somente se a linha neutra cair dentro da mesa (x ≤ 3 cm). Caso contrário, deve-se
dimensionar cada vigota como viga “T” caso 2.

Mx = p lx2/8 = 5,85 . (3)2 / 8 = 6,58 kNm/m è Md = 1,4 . 6,58 = 9,21 kNm/m

(c) Dimensionamento:

𝑀! 9210
𝑘!" =   = = 0,103
𝑏  𝑑 !  𝜎!" 1  . 0,07!  .    0,85  . 21,43  . 10!
1 − 1 − 2  𝑘!" !/! 1 − 1 − 2  . 0,103 !/!
𝑘! = =   = 0,136  
𝜆 0,8
è Dom 2

𝑘! 0,136
𝜀! = = = 1,58%𝑜
1 −   𝑘! 1 −  0,136
𝜀!" = 10%𝑜
!
𝜀! ! 1,58%𝑜
𝜎! = 0,85  𝑓!" 1 − 1 − =  0,85  . 21,43 1 − 1 − =  17,41  𝑀𝑃𝑎
𝜀!! 2%𝑜

𝑀! 9210
𝑘!",!"!! =   = = 0,108
𝑏  𝑑 !  𝜎! 1  . 0,07!  .    17,41  . 10!
1 − 1 − 2  𝑘!" !/! 1 − 1 − 2  . 0,108 !/!
𝑘! = =   = 0,143  
𝜆 0,8
è Dom 2 è x = kx . d = 0,143 . 7 = 1 cm < 3 cm da mesa è Ok

𝑘! = 1 − 0,5  . 𝜆  . 𝑘! =  1 − 0,5  . 0,8  . 0,143 = 0,943

113
𝑀! 9210
𝐴! =   =   = 3,21  . 10!! 𝑚! /𝑚 = 3,21  𝑐𝑚! /𝑚
𝑘!  𝑑  𝑓!" 0,943  . 0,07  . 434,78  . 10!
𝐴! =  3,21  𝑐𝑚! /𝑚  . 0,42m   = 1,35  𝑐𝑚! /𝑛𝑒𝑟𝑣𝑢𝑟𝑎

As,mín = 0,15% . (193,5) = 0,29 cm2/m

(d) Detalhamento das vigotas

Figura 7.28 – Detalhes das armaduras nas vigotas

OBS: Colocar na mesa uma armadura mínima que deve ficar sobre os tijolos (ϕ
5mm c/ 33 cm).

114
CAPÍTULO 8

PILARES
8.1. INTRODUÇÃO

A NBR6118:2014 define pilar como um elemento linear de eixo reto,


usualmente disposto na vertical, em que as forças normais de compressão são
preponderantes. Os pilares podem ser classificados quanto sua esbeltez como:
Pilares Curtos, Medianamente Esbeltos, Esbeltos e Muito Esbeltos. Os pilares
podem ser classificados quanto a instabilidade como: Pilares Contraventados e de
Contraventamento. Os pilares podem ser classificados quanto ao posicionamento
como: Pilar Intermediário, de Extremidade e de canto. A cada diferente
classificação, o pilar é dimensionado de maneira diferente. Esses detalhes são
cuidadosamente discutidos no decorrer desse capítulo.

8.2. ESBELTEZ

A esbeltez de um pilar para um determinado eixo é medido através de um


índice de esbeltez (λ) que mede a facilidade que esse pilar tem de flambam.
Dependendo do índice de esbeltez, o pilar pode ser classificado como curto,
medianamente esbelto, esbelto e muito esbelto. Quanto mais esbelto for o pilar,
mais rigoroso deve ser seu cálculo para evitar uma ruptura por flambagem. A Figura
8.1 mostra como se encontra o comprimento equivalente (comprimento de
flambagem) necessário para o cálculo do índice de esbeltez apresentado a seguir.

Figura 8.1 – Esbeltez do pilar

Índice de Esbeltez para pilares de seção qualquer:

115
𝑙! 𝑙!
𝜆 =   =  
𝑖 𝐼
𝐴

Particularizando o índice de Esbeltez para pilares de seção retangular:


𝑙! 𝑙! 𝑙! 𝑙! 𝑙!
𝜆 =   =   =     =     =  3,46  
𝑖 𝐼 𝑏  ℎ! /  12 ℎ! /  12 ℎ
𝐴 𝑏  ℎ

Particularizando o índice de Esbeltez para pilares de seção circular:


𝑙! 𝑙! 𝑙! 𝑙! 𝑙!
𝜆 =   =   =     =   =  4
𝑖 𝐼 𝑑 ! /  16 𝑑
𝜋  𝑑 ! /  64
𝐴
𝜋  𝑑 ! /  4

Os pilares podem ser classificados quanto a esbeltez da seguinte forma:

Pilar Curto ------------------------------------------------ λ ≤ λ1


Pilar Medianamente Esbelto ------------------------- λ1 < λ ≤ 90
Pilar Esbelto ---------------------------------------------- 90 < λ ≤ 140
Pilar Muito Esbelto -------------------------------------- 140 < λ ≤ 200

Sendo:
25 + 12,5𝑒! /ℎ  ≥ 35
𝜆! =    
∝!  ≤ 90

(i) Sendo αb, para pilares bi-apoiados sem cargas transversais:


𝑀!  ≥ 0,40
∝! = 0,60 + 0,40    
𝑀!  ≤ 1,00

MA e MB são os momentos de 1a ordem nas extremidades do pilar, obtidos na


análise de 1a ordem no caso de estruturas de nós fixos e os momentos totais (1a
ordem + 2a ordem global) no caso de estruturas de nós móveis. Deve ser adotado
para MA o maior valor absoluto ao longo do pilar bi-apoiado e para MB o sinal
positivo, se tracionar na mesma face que MA, e negativo, em caso contrario.

(ii) Sendo αb, para pilares bi-apoiados com cargas transversais significativas
ao longo da altura:
∝! = 1,00

(iii) Sendo αb, para pilares em balanço:


𝑀!  ≥ 0,85
∝! = 0,80 + 0,20    
𝑀!  ≤ 1,00

MA é o momento de 1a ordem no engaste e MC é o momento de 1a ordem no


meio do pilar em balanço.

116
(iv) Sendo αb, para pilares bi-apoiados ou em balanço com momentos
menores que o momento mínimo estabelecido pela NBR6118:2014 - M1d, mín = Nd
(0,015 + 0,03 h):

∝! = 1,00

A NBR6118:2014, diferentemente de antes, determina o comprimento de


flambagem dos pilares não em balanço le = l. Dessa maneira, pode-se interpretar
que só existem agora dois tipos de pilares: Pilares em Balanço e Pilares
Biarticulados.

8.3. ESTRUTURAS DE NÓS FIXOS E ESTRUTURAS DE NÓS MÓVEIS

É possível identificar na estrutura elementos que possuem grande rigidez as


ações horizontais. Esses elementos são denominados Elementos de
Contraventamento, enquanto os demais são denominados de Elementos
Contraventados. Em outras palavras, quando a estrutura é flexível, considerada de
nós móveis, devem-se escolher alguns pilares para trabalhar como Elemento de
Contraventamento.
Inicialmente deve-se verificar o “coeficiente gama z” para ver se os pilares da
edificação são considerados de nós fixos ou de nós móveis. Caso seja de nós fixos,
podem-se dimensionar todos os pilares como “Pilar Contraventado” sem influência
dos ventos ou imperfeições geométricas globais. Caso seja de nós móveis, escolhe-
se um pilar para resistir à influência de ventos ou imperfeições geométricas
denominado de “Pilar de Contraventamento” e os outros podem ser dimensionados
como “Pilar Contraventado” sem influência dos ventos ou imperfeições geométricas.
Ver Figura 8.3.

117
Figura 8.3 – Pilar contraventado e de contraventamento

Sendo:
M1,tot,d = momento de tombamento, ou seja, soma dos momentos de todas as
forças horizontais da combinação considerada, com seus valores de cálculo, em
relação a base da estrutura. Resumindo seria o momento devido às cargas
horizontais de vento.
ΔMtot,d = soma dos produtos de todas as forças verticais atuantes na
estrutura, na combinação considerada, com seus valores de cálculo, pelos
deslocamentos horizontais de seus respectivos pontos de aplicação , obtidos na
análise de 1ª ordem. Resumindo seria o momento de 2ª ordem das cargas verticais
em relação os deslocamentos provocados pelas cargas horizontais de vento.

118
8.4. VENTO NA ESTRUTURA

Figura 8.4 – Análise do efeito do vento na base do pilar

Sendo os valores de H1, H2, etc. calculados seguindo as recomendações da


norma de ventos (NBR6123 – Forças devidas ao vento em edificações -
Procedimentos).

8.5. IMPERFEIÇÕES GEOMÉTRICAS NA ESTRUTURA

As imperfeições geométricas do eixo dos elementos estruturais da estrutura


descarregada devem ser consideradas no cálculo. As imperfeições classificam-se
em Imperfeições Geométricas Globais e Imperfeições Geométricas Locais.

8.5.1. Imperfeições Geométricas Globais

Na análise global dessas estruturas, sejam elas contraventadas ou não, deve


ser considerado um desaprumo dos elementos verticais conforme mostra a Figura
8.6.

Figura 8.6 – Imperfeições geométricas globais

1
𝜃! =  
100   𝐻

119
1 + 1/𝑛
𝜃! =   𝜃!  
2

Onde:

θ1mín = 1/300 para estruturas reticuladas e imperfeições locais;


θ1máx = 1/200;
H é a altura total da edificação, expressa em metros (m);
n é o número de prumadas de pilares no pórtico plano.

Para edifícios com predominância de lajes lisas ou cogumelo, deve-se


considererar θa = θ1. E para pilares isolados em balanço, deve-se adotar θ1 = 1/200.
A consideração das ações de vento e desaprumo deve respeitar as seguintes
observações:
(a) Quando 30% da ação do vento for maior que a ação de desaprumo,
considera-se somente a ação do vento.
(b) Quando a ação do vento for inferior a 30% da ação do desaprumo,
considera-se somente o desaprumo respeitando o θ1mín.
(c) Nos demais casos, combina-se a ação do vento e do desaprumo no
mesmo sentido e direção, sem a necessidade da consideração do θ1mín.

O cálculo do Momento Fletor das Imperfeições Geométricas Globais na base


do pilar pode ser feito de acordo com o exemplo da Figura 8.7.

Figura 8.7 – Esquema para cálculo do momento fletor das imperfeições geométricas
globais na base do pilar
!"#$%  !
𝑀!"#  !"#$  !"#$%&' = 𝑉!"  𝛿! +   𝑉!"  𝛿! +   𝑉!"  𝛿! + 𝑉!!  𝛿!
!"#$%  !
𝑀!"#  !"#$  !"#$%&' = 𝑉!"  𝛿! +   𝑉!"  𝛿! +   𝑉!!  𝛿! + 𝑉!"  𝛿!
!"#$%  !
𝑀!"#  !"#$  !"#$%&' = 𝑉!"  𝛿! +   𝑉!!  𝛿! +   𝑉!"  𝛿! + 𝑉!"  𝛿!
Sendo:
δ1, δ2, etc. os são os desaprumo calculado pelo ângulo θa e pela altura da dos
andares;

120
V14, V13, V12, V11 são as reações de apoio resistidas pelo Pilar 1 nos
respectivos andares;
Mimp Geom Global é o momento fletor na base de uma prumada do pilar
analisado.

8.5.2. Imperfeições Geométricas Locais

Figura 8.8 – Imperfeições geométricas Locais

O cálculo do Momento Fletor das Imperfeições Geométricas Locais em um


pilar em um determinado andar pode ser feito como demonstrado abaixo.

!"#$%  !,      !"#$%  !


𝑀!"#  !"#$  !"#$%& = 𝑉!"  𝑒!

𝑃𝑎𝑟𝑎  𝑠𝑒çã𝑜  𝑛𝑜𝑠  𝑡𝑜𝑝𝑜𝑠   ⟹   𝑒! = 𝐻!  . 𝜃!


𝐻!
𝑃𝑎𝑟𝑎  𝑠𝑒çã𝑜  𝑎  𝑚𝑒𝑖𝑎  𝑎𝑙𝑡𝑢𝑟𝑎   ⟹   𝑒! =  . 𝜃!
2
Onde:

θ1mín = 1/300 para estruturas reticuladas e imperfeições locais;


θ1máx = 1/200;
Hi é a altura total do andar;
Vij é a reação de apoio resistidas pelo Pilar i no andar j;
ea é a excentricidade das imperfeições geométricas locais, ou como antes o
denominavam, excentricidade acidental.

8.5.3. Momento Mínimo

Segundo a NBR6118:2014, o efeito das imperfeições locais nos pilares pode


ser substituído, em estruturas reticuladas, pela consideração do momento mínimo

121
de 1a ordem, apresentado a seguir.

𝑀!!,!í! =   𝑁!  𝑒!,!í! =   𝑁!  (0,015 + 0,03  ℎ) è com h em m


ou
𝑀!!,!í! =   𝑁!  𝑒!,!í! =   𝑁!  (1,5 + 0,03  ℎ) è com h em cm

Onde:
h é a altura total da seção transversal na direção considerada;
Nd é o esforço normal de projeto;
e1, mín é a excentricidade de 1a ordem mínima.

A NBR6118:2014, recomenda para pilares retangulares definir uma envoltória


mínima de 1a ordem, tomada a favor da segurança, de acordo com a Figura 8.9.
Nesse caso, a verificação do momento mínimo pode ser considerada atendida
quando, no dimensionamento adotado, obtém-se uma envoltória resistente que
englobe a envoltória mínima de 1a ordem.

Figura 8.9 – Envoltória mínima de 1a ordem (NBR6118:2014)

Quando houver necessidade de calcular os efeitos de 2a ordem em alguma


das direções do pilar, a verificação do momento mínimo deve considerar ainda a
envoltória mínima de 2a ordem (Figura 8.10).

122
Figura 8.10 – Envoltória mínima com 2a ordem (NBR6118:2014)

8.6. TRANSFERÊNCIA DE MOMENTO DE VIGA PARA PILAR

A ligação entre pilar e viga, na verdade, nem é uma ligação articulada


perfeita, como se estima simplificadamente no cálculo das vigas, nem é um engaste
perfeito. Na verdade, ao se tratar de ligações de concreto armado ou protendido,
não existem ligações articuladas nem rígidas perfeitas. Todas são semi-rígidas,
algumas mais para articuladas outras mais para rígidas.
As armaduras sobre-apoio que a NBR6118:2014 obriga que se coloque nas
extremidades das vigas, nas ligações com pilares de extremidade ou pilares de
canto, sugere que haja uma transferência de momento da viga para o pilar. Embora
essa viga tenha sido calculada com essa ligação articulada, a norma considera na
análise do pilar, como se fosse engastada parcialmente e, por isso, faz com que
haja a transferência de algum momento fletor da viga para o pilar de extremidade ou
pilar de canto.
A NBR6118:2014 permite que se utilize o modelo físico da Figura 8.11 para a
ligação entre a viga e o pilar (parte superior do pilar e parte inferior do pilar).

Figura 8.11 – Momentos transferidos para o pilar

123
O momento transferido para o pilar se divide em Msup e Minf que se referem a
parte superior da ligação e inferior da ligação, respectivamente. Esses momentos
são função do momento de engastamento perfeito teórico e das rigidezes do pilar e
da viga, conforme apresentado na Figura 8.12.

rinf
Minf = Meng Meng = -ql2/12 Meng = -ql2/12
rinf + rsup + r vig
rsup
Msup = Meng - -
rinf + rsup + r vig
+

4 Ivig 6 Isup 6 Iinf M = ql2/24


r vig = , r sup = , rinf =
lvig lsup linf

Figura 8.12 – Momentos supondo um engastamento da viga no pilar por conta da


armadura sobre o apoio

Sendo a letra “l” o vão e a letra “I” o momento de inércia da seção


transversal.

8.7. FLUÊNCIA

A fluência do concreto é o aumento de deformação com o tempo sob ação de


cargas ou tensões permanentes. Essa fluência em peças submetidas a cargas de
longa duração deve-se a migração das moléculas de água existentes na pasta
endurecida de cimento. E esse aumento de deformação em pilares acarretam
também aumento de excentricidades, dessa maneira, a NBR6118:2014 obriga que
se considere uma Excentricidade de Fluência (ecc ou ec) para pilares com índice de
esbeltez λ > 90 (pilares esbeltos e muito esbeltos).
!!!"
𝑀!" !! !!!"
𝑒! = 𝑒!! =   + 𝑒! 2,718 −1
𝑁!"

Onde:
10  𝐸!"  𝐼!
𝑁! =  
𝑙!!
ea é excentricidade devido a imperfeições locais;
Msg e Nsg são os esforços solicitantes devidos à combinação quase permanente;
ϕ é o coeficiente de fluência;
Eci é o módulo de elasticidade inicial do concreto no instante t0;
Ic é o momento de inércia da seção de concreto;
le é o comprimento equivalente do pilar.

124
8.8. MÉTODOS PARA DETERMINAÇÃO DOS EFEITOS LOCAIS DE 2a ORDEM

8.8.1. MÉTODO GERAL (MÉTODO EXATO)

O Método Geral ou Exato é um roteiro numérico cuja análise não-linear de 2a


ordem com a discretização adequada do pilar, com a consideração da relação
momento-curvatura real em cada seção, e com a consideração da não-linearidade
geométrica de maneira não aproximada. A NBR6118:2014 obriga o uso desse
método para esbeltez λ > 140.

8.8.2. MÉTODOS APROXIMADOS

Os esforços locais de 2a ordem podem ser calculados por métodos


aproximados, como o do Pilar-Padrão e o do Pilar-Padrão Melhorado.

8.8.2.1. MÉTODO DO PILAR PADRÃO COM CURVATURA APROXIMADA

Esse método pode ser empregado, somente para pilares com λ ≤ 90, com
seção constante e com armadura simétrica e constante ao longo de seu eixo. A não
linearidade geométrica é considerada através de uma expressão aproximada,
supondo-se que a deformação da barra seja senoidal. A não-linearidade física é
considerada através de uma fórmula aproximada da curvatura da seção crítica.
O momento total local (1a+2a ordem locais) no pilar deve ser calculado pela
expressão:

𝑙!! 1
𝑀!,!"! =   𝛼!  𝑀!!,! +   𝑁!       ≥   𝑀!!,!  
10 𝑟

Sendo 1/r a curvatura na seção crítica calculada pela expressão aproximada:

1 0,005 0,005
=     ≤  
𝑟 ℎ  (𝜈 + 0,5) ℎ

Dessa maneira, o momento de 2a ordem local e a excentricidade de 2a ordem


local podem ser calculadas por:

𝑀!! = 𝑁!  𝑒!!

𝑙!! 0,005
 𝑒!! =      
10 𝜈! + 0,5  ℎ

𝑁!
𝜈! =   ≥ 0,5
𝐴!  𝑓!"

Onde:
h é a altura da seção na direção considerada;
νo é a força normal adimensional.

125
8.8.2.2. MÉTODO DO PILAR PADRÃO COM RIGIDEZ K APROXIMADA

Como no modelo anterior, esse método pode ser empregado, somente


também para pilares com λ ≤ 90, com seção constante e com armadura simétrica e
constante ao longo de seu eixo. A não linearidade geométrica também é
considerada através de uma expressão aproximada, supondo-se que a deformação
da barra seja senoidal. A não-linearidade física é calculada por uma expressão
aproximada de rigidez.
O momento total local (1a+2a ordem locais) no pilar deve ser calculado a
partir da majoração do momento de 1a ordem com a expressão:

𝛼!  𝑀!!,!
𝑀!,!"! =     ≥   𝑀!!,!
𝜆!
1 −   𝜅
120  
𝜈

O valor da rigidez adimensional κ pode ser estimada pela expressão:

𝑀!",!"!
𝜅!"#$% = 32   1 + 5  
 𝜈
ℎ  𝑁!
Em um processo de dimensionamento, toma-se MRd,tot = MSd,tot. Em um
processo de verificação, onde a armadura é conhecida, MRd,tot é o momento
resistente calculado com essas armaduras e com Nd = NSd = NRd. As variáveis h, ν,
M1d,A e αb são as mesmas definidas anteriormente. Normalmente, duas ou três
iterações já são suficiente quando se opta por um cálculo iterativo. Esse
procedimento recai na expressão abaixo.
!
𝐴  𝑀!,!"! + 𝐵  𝑀!,!"! + 𝐶 = 0

−𝐵 +   𝐵! − 4𝐴𝐶
𝑀!,!"! =  
2𝐴
Onde:
𝐴 = 5  ℎ;
𝑁!  𝑙!!
𝐵 =   ℎ!  𝑁! − − 5  ℎ  𝛼!  𝑀!!,! ;
320
𝐶 =   −  𝑁! ℎ!  𝛼!  𝑀!!,!

8.8.2.3. MÉTODO DO PILAR PADRÃO ACOPLADO A DIAGRAMAS M, N, 1/r

Esse método pode ser utilizado para determinação dos esforços de 2a ordem
em pilares com λ ≤ 140. Nesse método, pode-se usar o método do pilar-padrão ou
pilar-padrão melhorado, utilizando-se para a curvatura da seção os valores obtidos
de diagramas M, N, 1/r específicos para o caso. Para o caso de λ > 90, é obrigatória
a consideração dos efeitos da fluência.

126
8.8.2.4. MÉTODO DO PILAR-PADRÃO PARA PILARES DE SEÇÃO RETANGULAR
SUBMETIDOS À FLEXÃO COMPOSTA OBLÍQUA

Quando a esbeltez de um pilar de seção retangular submetido à flexão


composta oblíqua for menor ou igual a 90 (λ ≤ 90) nas duas direções principais,
podem ser aplicados os processos aproximados descritos nos itens anteriores,
simultaneamente, em cada uma das duas direções.
Uma vez obtida a distribuição de momentos totais, em cada direção, deve ser
verificada se a composição desses momentos solicitantes fica dentro da envoltória
de momentos resistentes para a armadura escolhida. Essa verificação da envoltória
pode ser realizada em três seções: nos topos A e B e em um ponto intermediário
onde se admite atuar concomitantemente os momentos Md,tot nas duas direções (x e
y).

8.9. FLEXÃO EM PILARES

A flexão pode ser pura, simples, composta normal (composta reta) ou


composta oblíqua. A maioria dos livros quando trata de pilar, aborda o assunto
flexão composta normal e flexão composta oblíqua. Quando trata de vigas, aborda o
assunto flexão pura e simples. Dessa forma, o aluno mais distraído acaba não
fazendo uma relação comparativa entre as quatro flexões. Aqui abaixo é
apresentado um gráfico onde são apresentados as diferenças entre os quatro tipos
de flexão.

A Flexão Pura é um tipo de flexão em uma seção onde existe somente um


Momento Fletor.
A Flexão Simples é um tipo de flexão em uma seção onde existem um
Momento Fletor e um Esforço Cortante.
A Flexão Composta Normal, também denominada de Flexão Composta Reta,
é uma flexão onde existem um Esforço Normal e um Momento Fletor.
A Flexão Composta Oblíqua é uma flexão onde existem um Esforço Normal e
dois Momentos Fletores. Esses dois momentos fletores originam um momento fletor
resultante oblíquo, fora dos eixos.

127
A flexão pura e a flexão simples são situações mais comuns em vigas e a
flexão composta normal e a flexão composta oblíqua são situações mais comuns
em pilares.
Uma peça sujeita a flexão composta normal está sujeita a um esforço normal
e um momento fletor. Uma peça sujeita à flexão composta oblíqua está sujeita a um
esforço normal e dois momentos fletores. Ver Figura 8.13 e 8.14.

Figura 8.13 – Pilar sob flexão composta normal

Figura 8.14 – Pilar sob flexão composta oblíqua

8.10. EXCENTRICIDADES: EFEITOS DE 1a ORDEM, DE 2a ORDEM E DE


FLUÊNCIA

Os efeitos de 1a ordem são decorrentes de cargas que multiplicadas por um


braço de alavanca geram um momento fletor, denominado de momento de 1a
ordem. Os efeitos de segunda ordem são decorrentes de outras cargas que se

128
tornaram excêntricas por conta da deformação surgida pelos efeitos de 1a ordem.
Esses momentos chamam-se momentos de 2a ordem. Por exemplo: a força do
vento causa um momento de 1a ordem em relação a base da edificação. Mas essa
força desloca a edificação, criando uma excentricidade em relação ao peso próprio
da edificação e esse momento causado pelo peso próprio da edificação deformada
em relação a base da edificação causa um momento de 2a ordem. Quando a
situação analisada é em relação a edificação toda ou boa parte dela, denomina-se
análise global. Quando a situação refere-se somente àquele andar, chama-se
análise local. Dessas definições surgem termos como: efeitos de 1a ordem global,
efeitos de 1a ordem local, efeitos de 2a ordem global e efeitos de 2a ordem local.
No dimensionamento do pilar, sabe-se que vários momentos fletores
participam da flexão composta normal ou oblíqua, mas para simplificar o algebrismo,
basta encontrar o esforço normal de projeto (Nd) e as excentricidades relacionadas
com os momentos (e(a) = M(a)/Nd ; e(b) = M(b)/Nd ; e(c) = M(c)/Nd ; etc.), para que a
análise fique simplificadamente reduzida a um esforço normal (Nd) e um momento
fletor (Md, Total). No caso de flexão composta oblíqua, dois momentos fletores (Mdx,
Total e Mdy, Total) (Figura 8.15)

Figura 8.15 – Relação entre as excentricidades e o momento fletor total

Para o cálculo dessas excentricidades, inicialmente deve-se analisar e


classificar a edificação como de nós fixos ou nós móveis (Figura 8.16). A de nós
fixos tem excentricidades de 1a ordem e excentricidades de 2a ordem local somente
quando a seção analisada for deslocavel. No caso da edificação de nós móveis, o
pilar de contraventamento escolhido deve ter também excentricidade de 2a ordem
global vindo da carga de vento. A Excentricidade de fluência, que é uma
excentricidade relacionada a física das micro-partículas do concreto que tendem a
aumentar lentamente ao longo do tempo, só deve ser considerada no caso de pilar
esbelto ou muito esbelto.

129
Figura 8.16 – Pórtico de nós móveis e pórtico de nós fixos e suas excentricidades

No caso de pilar intermediário ou de extremidade de contraventamento, as


excentricidades devem ser calculadas como mostrada na Figura 8.17, no eixo x e
depois no eixo y. No final, considera-se o eixo mais desfavorável, ou seja, o que
necessitar de mais armadura.

Figura 8.17 – Excentricidades para pilar intermediário ou de extremidade de


contraventamento

No caso de pilar intermediário ou de extremidade contraventado, as


excentricidades devem ser calculadas como mostrada na Figura 8.18, para o eixo x

130
e depois para o eixo y. No final, considera-se o eixo mais desfavorável, ou seja, o
que necessitar de mais armadura.

Figura 8.18 – Excentricidades para pilar intermediário ou de extremidade de


contraventado

No caso de pilar de canto de contraventamento, as excentricidades devem


ser calculadas à flexão composta oblíqua como apresentada na Figura 8.19, para o
eixo x com excentricidades totais e eixo do y com somente excentricidade de
momento transferido da viga. Depois, para o eixo x somente com excentricidade de
momento transferido da viga e eixo y com momentos totais. No final, considera-se a
análise mais desfavorável, ou seja, o que necessitar de mais armadura.

131
Figura 8.19 – Excentricidades para pilar de canto de contraventamento

No caso de pilar de canto contraventado, as excentricidades devem ser


calculadas à flexão composta oblíqua como apresentada na Figura 8.20, para o eixo
x com excentricidades totais e eixo do y com somente excentricidade de momento
transferido da viga. Depois, para o eixo x somente com excentricidade de momento
transferido da viga e eixo y com momentos totais. No final, considera-se a análise
mais desfavorável, ou seja, o que necessitar de mais armadura.

132
Figura 8.20 – Excentricidades para pilar de canto contraventado

8.11. RECOMENDAÇÕES NORMATIVAS PARA O ARRANJO DAS ARMADURAS

A seguir, os itens (a) a (g) apresentam as recomendações da NBR6118:2014


para o arranjo das armaduras dos pilares.

(a) As bitolas ϕ das armaduras longitudinais usadas no pilar devem estar dentro do
seguinte intervalo:

10 mm ≤ ϕ ≤ b/8

sendo: b = menor dimensão da seção.

(b) Pelo menos 1 barra em cada vértice dos estribos. Em seções circulares, no
mínimo 6 barras. Figura 8.21.

Figura 8.21 – Armaduras longitudinais dispostas na seção

133
(c) Os espaçamento das barras longitudinais devem estar dentro do seguinte
intervalo (Figura 8.22):

20mm ⎫
⎪ ⎧400mm
φ ⎬ ≤ s ≤ ⎨
1,2 φagreg⎪⎭ ⎩ 2 b

sendo: b = menor dimensão da seção.


Figura 8.22 – Espaçamento das barras longitudinais de pilares

(d) Os estribos servem para impedir a flambagem das barras longitudinais. As


bitolas dos estribos devem respeitar as seguintes relações:

⎧5mm
φt ≥ ⎨
⎩ φ / 4

Quando necessário, NBR6118:2014 permite que se use estribo com a bitola


φt < φ/4, desde que as armaduras (longitudinais e transversais) sejam constituídas
do mesmo tipo de aço e o espaçamento também respeite a limitação:

𝜙!! 1
𝑠!á! = 90000    
𝜙 𝑓!"
com fyk em megapascal (MPa).

(e) Deve-se travar as armaduras longitudinais com estribos duplos ou grampos ou


gravatas (Figura 8.23):

Figura 8.23 – Armaduras longitudinais travadas com estribos duplos ou com


grampos ou com gravatas

134
(f) Espaçamento longitudinal dos estribos deve respeitar a seguinte relação (Figura
8.24):

200  𝑚𝑚
𝑠! ≤ 𝑏
12  𝜙   𝐶𝐴 − 50  𝑜𝑢  24  𝜙  (𝐶𝐴 − 25)

sendo: b = menor dimensão da seção.

Figura 8.24 – Espaçamento longitudinal dos estribos

(g) Taxas de armaduras, na região do transpasse ou não das armaduras, devem


respeitar os seguintes limites:

⎧ 0,15 Nd
⎪≥ ρmín = ≥ 0,4%
f yd A c
ρ = A's ⎨
⎪
Ac ⎪
≤ ρmáx = 8,0%
⎪
⎩

8.12. EXEMPLO DE CARREGAMENTO DOS PILARES

A Figura 8.25 mostra a planta de fôrma do pavimento tipo e um corte


esquemático de uma edificação de 3 níveis (1 coberta e 3 pavimentos tipos) com
pés direito de 3 m. Para simplificar, supõe-se que a estrutura de escada, elevadores
e caixa d`água sejam independentes da estrutura apresentada. Condirerando-se as
lajes maciças de 10 cm de altura, as vigas de 15 cm x 50 cm e os pilares de canto e
de extremidade com dimensões de 20 cm x 30 cm e o pilar intermediário com
dimensão de 20 cm x 40 cm. Considerando-se alvenaria de tijolo cerâmico somente
sobre as vigas.

135
Figura 8.25 – Planta de fôrma e corte esquemático

Observe que P1, P3, P7 e P9 são Pilares de Canto, P2, P4, P6 e P8 são
Pilares de Extremidade e P5 é Pilar Intermediário.

(i) Carregamento das Lajes (L1=L2=L3=L4)

g è PP = 25 . 0,10 = 2,5 kN/m2


REV = 1,0 kN/m2
PAV = 1,0 kN/m2
ALV = 0,0 kN/m2
q è SC = 1,5 kN/m2
g+q = 6,0 kN/m2

(ii) Carregamento das Vigas

A Figura 8.26 apresenta as linhas de ruptura da laje L1 que definem as áreas


que transferem carregamento para cada uma das vigas que circulam a laje L1. As
outras lajes apresentam as mesmas linhas de ruptura, sendo na posição espelhada.

Figura 8.26 – Linhas de ruptura da laje L1

136
tg30o=a/b è a=b tg30o è a+b=5 è b tg30o + b = 5 è b=3,17m
a=1,83m
2
A1 = 5 . 1,83/2 = 4,58 m A2 = 5 . 3,17/2 = 7,93 m2

Os carregamentos das vigas são apresentados nas Figuras 8.27 e 8.28.

Figura 8.27 – Cargas das vigas V1, V3, V4 e V6

Figura 8.28 – Cargas das vigas V2 e V5

137
Dessa maneira, organizando-se as reações das vigas sobre os pilares,
juntamente com os pesos próprios dos pilares, pode-se encontrar os carregamentos
totais da cada um dos pilares, conforme apresentado na Figura 8.29.

Figura 8.29 – Cargas dos pilares

138
8.13. EXEMPLO DE DIMENSIONAMENTO DE PILAR INTERMEDIÁRIO –
FLEXÃO COMPOSTA NORMAL

𝑙 = 3  𝑚
𝑙!"   ≤  
𝑙! + ℎ = 2,5 + 0,25 = 2,75𝑚
lex = 2,75m

𝑙 = 3  𝑚
𝑙!"   ≤  
𝑙! + ℎ = 2,5 + 0,4 = 2,9𝑚
ley = 2,9m

(a) Momento em X

ex = e1L + e2L + ec = 2,25 + 1,11 + 0 = 3,36 cm

e1L = ea + ei ≥ e1, mín è e1L = 2,25 cm


ea = (Hi/2) θ1 = (lex/2) θ1 = (275/2) . (1/200) = 0,69 cm

139
ei = 0 è Não há transferência de momento de viga para pilar
e1, mín = 1,5 + 0,03 h = 1,5 + 0,03 . 25 = 2,25 cm

M1d < M1d, mín è ∝! = 1,00


2,25
25 + 12,5e! /h  ≥ 35 25 + 12,5  . 25  ≥ 35
λ! =       ⟹   λ! =     = 26,1         ⟹         λ! = 35          
∝!  ≤ 90 1,00  ≤ 90

λx = 3,46 le/h = 3,46 . 2,75/0,25 = 38,06 (λ1 < λx ≤ 90 è Pilar Medianamente


Esbelto)

𝑁! 1851,79  . 10! 𝑁
𝜈! =   = = 0,86 ≥ 0,5
𝐴!  𝑓!" 0,25.0,4  𝑚!  . 21,43. 10! 𝑁/𝑚!

𝑙!! 0,005 275! 0,005


𝑒!! =       =      
10 𝜈! + 0,5  ℎ 10 0,86 + 0,5  25

e2L = 1,11 cm

ec = 0 è Não é pilar esbelto ou muito esbelto

(b) Momento em Y

ey = e1L + e2L + ec = 2,70 + 0 + 0 = 2,70 cm

e1L = ea + ei ≥ e1, mín è e1L = 2,70 cm


ea = (Hi/2) θ1 = (lex/2) θ1 = (290/2) . (1/200) = 0,73 cm
ei = 0 è Não há transferência de momento de viga para pilar
e1, mín = 1,5 + 0,03 h = 1,5 + 0,03 . 40 = 2,70 cm

M1d < M1d, mín è ∝! = 1,00


2,70
25 + 12,5e! /h  ≥ 35 25 + 12,5  . 40  ≥ 35
λ! =       ⟹   λ! =     = 25,84         ⟹     λ! = 35          
∝!  ≤ 90 1,00  ≤ 90

λy = 3,46 le/h = 3,46 . 2,9/0,4 = 25,1 ( λy ≤ λ1 = 35 è Pilar Curto)

140
e2L = 0 è Pilar curto

ec = 0 è Não é pilar esbelto ou muito esbelto

(C) Dimensionamento (Pilar de 8 barras)

Nd

Mdx
x

𝑁! 1851,79  . 10!  𝑁
𝜈 =   =     = 1,02
𝑏  ℎ  𝜎!" 0,4𝑚  . 0,25𝑚  . 0,85  .    21,43  .    10!  𝑁/𝑚!
𝑀! 1851,79  . 10!  . 0,0336  𝑁𝑚  
𝜇 =   ! =     = 0,14  
𝑏  ℎ  𝜎!" 0,4𝑚  . 0,25! 𝑚!  . 0,85  .    21,43  .    10!  𝑁/𝑚!

δ=d’/h = 4/25 = 0,16 ≈ 0,15


µ
0,10 0,14 0,20
1,00 0,25 0,38 0,57
ν 1,02 0,27 0,40 0,59
1,10 0,35 0,47 0,66
ω = 0,40

141
Nd

Mdy

y
𝑁! 1851,79  . 10!  𝑁
𝜈 =   =     = 1,02
𝑏  ℎ  𝜎!" 0,25𝑚  . 0,4𝑚  . 0,85  .    21,43  .    10!  𝑁/𝑚!
𝑀! 1851,79  . 10!  . 0,0270  𝑁𝑚  
𝜇 =   =     = 0,07  
𝑏  ℎ!  𝜎!" 0,25𝑚  . 0,4! 𝑚!  . 0,85  .    21,43  .    10!  𝑁/𝑚!

δ=d’/h = 4/40 = 0,10


µ
0,00 0,07 0,10
1,00 0,00 0,18 0,26
ν 1,02 0,02 0,20 0,28
1,10 0,11 0,29 0,37
ω = 0,20

As = ω b h σcd / fyd = 0,40 . 25 . 40 . 0,85 . 21,43MPa / 434,78MPa = 16,76 cm2


è 8 φ 20 mm

(d) verificação da Taxa de Armadura

* Seção intermediária (ρ ≥ ρmín è Ok):


𝐴! 8  . 3,14  . (2,0! )/4
𝜌 =   =     = 0,025 = 2,5%
𝐴! 25  . 40
0,15  𝑁! 0,15  .    1851,79  . 10!
𝜌!í! =   = = 0,0064 =    0,64% ≥ 0,40%
𝑓!"  .    𝐴! 434,78  . 10!  .    (0,25  . 0,40)
ρmín = 0,64%

* Seção no transpasse (ρ ≤ ρmáx è Ok):


𝐴! 8  . 3,14  . (2,0! )/4
𝜌 = 2   =    2 = 0,050 = 5,0%
𝐴! 25  . 40
ρmáx = 8,0%

142
(e) Estribos

5  𝑚𝑚 φt = 5 mm
𝜙!   ≥   𝜙 20
= = 5  𝑚𝑚
4 4

200  𝑚𝑚 st = 200 mm = 20 cm


𝑠!   ≤   𝑚𝑒𝑛𝑜𝑟  𝑑𝑖𝑚𝑒𝑛𝑠ã𝑜 = 250  𝑚𝑚
12  . 𝜙 = 12  . 20 = 240  𝑚𝑚

(f) Espaçamento de barras longitudinais:

20𝑚𝑚
20𝑚𝑚 =  𝜙 ≤ 𝑠 ≤ 400𝑚𝑚
1,2  𝜙!"#$" 2  . 𝑏 = 2.250 = 500𝑚𝑚

sendo: b = menor dimensão da seção

20mm ≤ sx ≤ 400mm è Ok
20mm ≤ sy ≤ 400mm è Ok

(g) Estribos duplos ou grampos (ou gravatas):

Deve-se travar as armaduras desprotegidas com grampos (ou gravatas) ou


estribos duplos para evitar flambagem dessas armaduras.

143
(h) detalhamento

8.14. EXEMPLO DE DIMENSIONAMENTO DE PILAR DE EXTREMIDADE –


FLEXÃO COMPOSTA NORMAL

𝑙 = 3  𝑚
𝑙!"   ≤  
𝑙! + ℎ = 2,5 + 0,20 = 2,7𝑚
lex = 2,7m

𝑙 = 3  𝑚
𝑙!"   ≤  
𝑙! + ℎ = 2,5 + 0,3 = 2,8𝑚
ley = 2,8m

144
(a) Momento em X

(a.1) Seção 1 = Seção 3

ex = e1L + e2L + ec = 3,49 + 0 + 0 = 3,49 cm

e1L = ea + ei = 1,35 + 2,14 = 3,49 cm ≥ e1, mín = 2,10 cm è e1L = 3,49 cm


ea = Hi θ1 = lex θ1 = 270 . (1/200) = 1,35 cm
1,4  . 𝑀!"# 1,4  . 11,15
𝑒!" = = = 0,0214  𝑚 = 2,14  𝑐𝑚    
𝑁! 727,90
𝑒! ≥  
1,4  . 𝑀!"# 1,4  . 0,70
𝑒!" =   = = 0,0013  𝑚 = 0,13  𝑐𝑚
𝑁! 727,90
ei = 2,14 cm
e1, mín = 1,5 + 0,03 h = 1,5 + 0,03 . 20 = 2,10 cm

145
M1d > M1d, mín è Calcula-se αb:
M!  ≥ 0,40
∝! = 0,60 + 0,40              
M!  ≤ 1,00
−(1,4  . 0,70 + 727,90. 1,35/100)  ≥ 0,40
∝! =  0,60 + 0,40 = 0,77           ⟹        ∝! = 0,77  
(1,4  . 11,15 + 727,90.1,35/100)  ≤ 1,00
3,49
25 + 12,5e! /h  ≥ 35 25 + 12,5  . 20  ≥ 35
λ! =       ⟹ λ! =     = 35,30   ⟹ λ! = 35,30          
∝!  ≤ 90 0,77  ≤ 90

λx = 3,46 le/h = 3,46 . 2,70/0,20 = 46,71 (λx > λ1 è Pilar Medianamente Esbelto)

e2L = 0 è Seção indeslocável (Nós Fixos)

ec = 0 è Não é pilar esbelto ou muito esbelto

(a.2) Seção 2

ex = e1L + e2L + ec = 2,10 + 1,70 + 0 = 3,80 cm

e1L = ea + ei = 0,68 + 1,23 = 1,91 cm < e1, mín = 2,10 cm è e1L = 2,10 cm
ea = (Hi/2) θ1 = (lex/2) θ1 = (270/2) . (1/200) = 0,68 cm

0,6. 𝑒!" + 0,4. 𝑒!" = 0,6  . 2,14 + 0,4  . (−0,13) = 1,23  𝑐𝑚    
𝑒! ≥  
0,4. 𝑒!" =  0,4  . 0,13 = −0,052  𝑐𝑚
ei = 1,23 cm
e1, mín = 1,5 + 0,03 h = 1,5 + 0,03 . 20 = 2,10 cm

M1d < M1d, mín è ∝! = 1,00

2,10
25 + 12,5e! /h  ≥ 35 25 + 12,5  . 20  ≥ 35
λ! =       ⟹ λ! =     = 26,31 ⟹ λ! = 35          
∝!  ≤ 90 1  ≤ 90

λx = 3,46 le/h = 3,46 . 2,70/0,20 = 46,71 (λx > λ1 è Pilar Medianamente Esbelto)

𝑁! 727,90  . 10! 𝑁
𝜈! =   = = 0,57 ≥ 0,5
𝐴!  𝑓!" 0,20.0,30  𝑚!  . 21,43. 10! 𝑁/𝑚!

146
𝑙!! 0,005 270! 0,005
𝑒!! =       =       = 1,70  𝑐𝑚
10 𝜈! + 0,5  ℎ 10 0,57 + 0,5  20

e2L = 1,41 cm

ec = 0 è Não é pilar esbelto ou muito esbelto

(b) Momento em Y

(b.1) Seção 1 = Seção 3

ey = e1L + e2L + ec = 2,40 + 0 + 0 = 2,40 cm

e1L = ea + ei = 1,40 + 0 = 1,40 cm ≥ e1, mín = 2,40 cm è e1L = 2,40 cm


ea = Hi θ1 = lex θ1 = 280 . (1/200) = 1,40 cm
ei = 0 è Não há transferência de momento de viga para pilar
e1, mín = 1,5 + 0,03 h = 1,5 + 0,03 . 30 = 2,40 cm

M1d < M1d, mín è ∝! = 1,00


2,40
25 + 12,5e! /h  ≥ 35 25 + 12,5  . 30  ≥ 35
λ! =       ⟹ λ! =     = 26,00   ⟹ λ! = 35          
∝!  ≤ 90 1,00  ≤ 90

λy = 3,46 le/h = 3,46 . 2,80/0,30 = 32,29 (λy < λ1 è Pilar Curto)

e2L = 0 è Pilar curto

ec = 0 è Não é pilar esbelto ou muito esbelto

147
(a.2) Seção 2

ey = e1L + e2L + ec = 2,40 + 0 + 0 = 2,40 cm

e1L = ea + ei = 0,70 + 0 = 0,70 cm ≥ e1, mín = 2,40 cm è e1L = 2,40 cm


ea = (Hi/2) θ1 = (lex/2) θ1 = (280/2) . (1/200) = 0,70 cm
ei = 0 è Não há transferência de momento de viga para pilar
e1, mín = 1,5 + 0,03 h = 1,5 + 0,03 . 30 = 2,40 cm

M1d < M1d, mín è ∝! = 1,00


2,40
25 + 12,5e! /h  ≥ 35 25 + 12,5  . 30  ≥ 35
λ! =       ⟹ λ! =     = 26,00   ⟹ λ! = 35          
∝!  ≤ 90 1,00  ≤ 90

λy = 3,46 le/h = 3,46 . 2,80/0,30 = 32,29 (λy < λ1 è Pilar Curto)

e2L = 0 è Pilar curto

ec = 0 è Não é pilar esbelto ou muito esbelto

(C) Dimensionamento (Pilar de 6 barras)

148
Nd

Mdx
x

𝑁! 727,90  . 10!  𝑁
𝜈 =   =     = 0,67
𝑏  ℎ  𝜎!" 0,3𝑚  . 0,2𝑚  . 0,85  .    21,43  .    10!  𝑁/𝑚!
𝑀! 727,90  . 10!  . 0,0349  𝑁𝑚  
𝜇 =   =     = 0,12  
𝑏  ℎ!  𝜎!" 0,3𝑚  . 0,2! 𝑚!  . 0,85  .    21,43  .    10!  𝑁/𝑚!
δ=d’/h = 4/20 = 0,20
µ
0,10 0,12 0,20
0,60 0,00 0,07 0,35
ν 0,67 0,00 0,08 0,39
0,70 0,00 0,08 0,40
ω = 0,08

Nd

Mdx
x

𝑁! 727,90  . 10!  𝑁
𝜈 =   =     = 0,67
𝑏  ℎ  𝜎!" 0,3𝑚  . 0,2𝑚  . 0,85  .    21,43  .    10!  𝑁/𝑚!
𝑀! 727,90  . 10!  . 0,0380  𝑁𝑚  
𝜇 =   =     = 0,13  
𝑏  ℎ!  𝜎!" 0,3𝑚  . 0,2! 𝑚!  . 0,85  .    21,43  .    10!  𝑁/𝑚!
δ=d’/h = 4/20 = 0,20
µ
0,10 0,13 0,20
0,60 0,00 0,11 0,35
ν 0,67 0,00 0,12 0,39
0,70 0,00 0,12 0,40
ω = 0,12

149
Nd

Mdy

y
𝑁! 727,90  . 10!  𝑁
𝜈 =   =     = 0,67
𝑏  ℎ  𝜎!" 0,2𝑚  . 0,3𝑚  . 0,85  .    21,43  .    10!  𝑁/𝑚!
𝑀! 727,90  . 10!  . 0,0240  𝑁𝑚  
𝜇 =   =     = 0,05  
𝑏  ℎ!  𝜎!" 0,2𝑚  . 0,3! 𝑚!  . 0,85  .    21,43  .    10!  𝑁/𝑚!
δ=d’/h = 4/30 = 0,13 ≈ 0,15
µ
0,00 0,05 0,10
0,60 0,00 0,00 0,00
ν 0,67 0,00 0,00 0,00
0,70 0,00 0,00 0,00
ω = 0,00

Nd

Mdy

𝑁! 727,90  . 10!  𝑁
𝜈 =   =     = 0,67
𝑏  ℎ  𝜎!" 0,2𝑚  . 0,3𝑚  . 0,85  .    21,43  .    10!  𝑁/𝑚!
𝑀! 727,90  . 10!  . 0,0240  𝑁𝑚  
𝜇 =   ! =     = 0,05  
𝑏  ℎ  𝜎!" 0,2𝑚  . 0,3! 𝑚!  . 0,85  .    21,43  .    10!  𝑁/𝑚!
δ=d’/h = 4/30 = 0,13 ≈ 0,15
µ
0,00 0,05 0,10
0,60 0,00 0,00 0,00
ν 0,67 0,00 0,00 0,00
0,70 0,00 0,00 0,00
ω = 0,00

150
As = ω b h σcd / fyd = 0,12 . 20 . 30 . 0,85 . 21,43MPa / 434,78MPa = 3,02 cm2
è 6 φ 10 mm

(d) verificação da Taxa de Armadura

* Seção intermediária (ρ ≥ ρmín è Ok):


𝐴! 6  . 3,14  . (1,0! )/4
𝜌 =   =     = 0,008 = 0,78%
𝐴! 20  . 30
0,15  𝑁! 0,15  .    727,90  . 10!
𝜌!í! =   = = 0,004 =    0,42% ≥ 0,40%
𝑓!"  .    𝐴! 434,78  . 10!  .    (0,20  . 0,30)
ρmín = 0,42%

* Seção no transpasse (ρ ≤ ρmáx è Ok):


𝐴! 6  . 3,14  . (1,0! )/4
𝜌 = 2   =    2 = 0,016 = 1,57%
𝐴! 20  . 30
ρmáx = 8,0%

(e) Estribos

5  𝑚𝑚 φt = 5 mm
𝜙!   ≥   𝜙 10
= = 2,5  𝑚𝑚
4 4

200  𝑚𝑚 st = 120 mm = 12 cm


𝑠!   ≤   𝑚𝑒𝑛𝑜𝑟  𝑑𝑖𝑚𝑒𝑛𝑠ã𝑜 = 200  𝑚𝑚
12  . 𝜙 = 12  . 10 = 120  𝑚𝑚

151
(f) Espaçamento de barras longitudinais:

20𝑚𝑚
10𝑚𝑚 =  𝜙 ≤ 𝑠 ≤ 400𝑚𝑚
1,2  𝜙!"#$" 2  . 𝑏 = 2.200 = 400𝑚𝑚

sendo: b = menor dimensão da seção

20mm ≤ sx ≤ 400mm è Ok
20mm ≤ sy ≤ 400mm è Ok

(g) Estribos duplos ou grampos (ou gravatas):

(h) detalhamento

152
8.15. EXEMPLO DE DIMENSIONAMENTO DE PILAR DE CANTO – FLEXÃO
COMPOSTA OBLÍQUA

𝑙 = 3  𝑚
𝑙!"   ≤  
𝑙! + ℎ = 2,5 + 0,20 = 2,7𝑚
lex = 2,7m

𝑙 = 3  𝑚
𝑙!"   ≤  
𝑙! + ℎ = 2,5 + 0,3 = 2,8𝑚
ley = 2,8m

Eixo X Eixo Y

153
(a) Momento em X

(a.1) Seção 1 = Seção 3

ex = e1L + e2L + ec = 3,95 + 0 + 0 = 3,49 cm

e1L = ea + ei = 1,35 + 2,60 = 3,95 cm ≥ e1, mín = 2,10 cm è e1L = 3,95 cm


ea = Hi θ1 = lex θ1 = 270 . (1/200) = 1,35 cm
1,4  . 𝑀!"# 1,4  . 5,30
𝑒!" = = = 0,0260  𝑚 = 2,60  𝑐𝑚    
𝑁! 285,61
𝑒! ≥  
1,4  . 𝑀!"# 1,4  . 0,70
𝑒!" =   = = 0,0034  𝑚 = 0,34  𝑐𝑚
𝑁! 285,61
ei = 2,60 cm
e1, mín = 1,5 + 0,03 h = 1,5 + 0,03 . 20 = 2,10 cm

M1d > M1d, mín è Calcula-se αb:


M!  ≥ 0,40
∝! = 0,60 + 0,40              
M!  ≤ 1,00
−(1,4  . 0,70 + 285,61  . 1,35/100)  ≥ 0,40
∝! =  0,60 + 0,40 = 0,70           ⟹        ∝! = 0,70  
(1,4  . 5,30 + 285,61  . 1,35/100)  ≤ 1,00
3,95
25 + 12,5e! /h  ≥ 35 25 + 12,5  . 20  ≥ 35
λ! =       ⟹ λ! =     = 39,24   ⟹ λ! = 39,24          
∝!  ≤ 90 0,70  ≤ 90

λx = 3,46 le/h = 3,46 . 2,70/0,20 = 46,71 (λx > λ1 è Pilar Medianamente Esbelto)

e2L = 0 è Seção indeslocável (Nós Fixos)

ec = 0 è Não é pilar esbelto ou muito esbelto

Cálculo da excentricidade ei y

1,4  . 𝑀!"# 1,4  . 7,74


𝑒!" = = = 0,0379  𝑚 = 3,79  𝑐𝑚    
𝑁! 285,61
𝑒!  ! ≥  
1,4  . 𝑀!"# 1,4  . 0,94
𝑒!" =   = = 0,0046  𝑚 = 0,46  𝑐𝑚
𝑁! 285,61

ei y = 3,79 cm

154
(a.2) Seção 2

ex = e1L + e2L + ec = 2,10 + 1,51 + 0 = 3,61 cm

e1L = ea + ei = 0,68 + 1,42 = 2,10 cm = e1, mín = 2,10 cm è e1L = 2,10 cm


ea = (Hi/2) θ1 = (lex/2) θ1 = (270/2) . (1/200) = 0,68 cm

0,6. 𝑒!" + 0,4. 𝑒!" = 0,6  . 2,60 + 0,4  . (−0,34) = 1,42  𝑐𝑚    
𝑒! ≥  
0,4. 𝑒!" =  0,4  . (−0,34) = −0,14  𝑐𝑚
ei = 1,42 cm
e1, mín = 1,5 + 0,03 h = 1,5 + 0,03 . 20 = 2,10 cm

M1d = M1d, mín è Calcula-se αb:


M!  ≥ 0,40
∝! = 0,60 + 0,40              
M!  ≤ 1,00
−(1,4  . 0,70 + 285,61  . 1,35/100)  ≥ 0,40
∝! =  0,60 + 0,40 = 0,70           ⟹        ∝! = 0,70  
(1,4  . 5,30 + 285,61  . 1,35/100)  ≤ 1,00

2,10
25 + 12,5e! /h  ≥ 35 25 + 12,5  . 20  ≥ 35
λ! =       ⟹ λ! =     = 37,59   ⟹ λ! = 37,59          
∝!  ≤ 90 0,70  ≤ 90
λx = 3,46 le/h = 3,46 . 2,70/0,20 = 46,71 (λx > λ1 è Pilar Medianamente Esbelto)

𝑁! 285,61  . 10! 𝑁
𝜈! =   = = 0,22 ≥ 0,5
𝐴!  𝑓!" 0,20.0,30  𝑚!  . 21,43. 10! 𝑁/𝑚!

𝑙!! 0,005 275! 0,005


𝑒!! =       =       = 1,51  𝑐𝑚
10 𝜈! + 0,5  ℎ 10 0,5 + 0,5  25

e2L = 1,51 cm

ec = 0 è Não é pilar esbelto ou muito esbelto

Cálculo da excentricidade ei y

0,6. 𝑒!" + 0,4. 𝑒!" = 0,6  . 3,79 + 0,4  . (−0,46) = 2,09  𝑐𝑚    
𝑒!  ! ≥  
0,4. 𝑒!" =  0,4  . (−0,46) = −0,18  𝑐𝑚

ei y = 2,09 cm

155
(b) Momento em Y

(b.1) Seção 1 = Seção 3

ey = e1L + e2L + ec = 5,19 + 0 + 0 = 5,19 cm

e1L = ea + ei = 1,40 + 3,79 = 5,19 cm ≥ e1, mín = 2,40 cm è e1L = 5,19 cm


ea = Hi θ1 = lex θ1 = 280 . (1/200) = 1,40 cm
1,4  . 𝑀!"# 1,4  . 7,74
𝑒!" = = = 0,0379  𝑚 = 3,79  𝑐𝑚    
𝑁! 285,61
𝑒! ≥  
1,4  . 𝑀!"# 1,4  . 0,94
𝑒!" =   = = 0,0046  𝑚 = 0,46  𝑐𝑚
𝑁! 285,61
ei = 3,79 cm
e1, mín = 1,5 + 0,03 h = 1,5 + 0,03 . 30 = 2,40 cm

M1d > M1d, mín è Calcula-se αb:


M!  ≥ 0,40
∝! = 0,60 + 0,40              
M!  ≤ 1,00
−(1,4  . 0,94 + 285,61  . 1,40/100)  ≥ 0,40
∝! =  0,60 + 0,40 = 0,46           ⟹        ∝! = 0,46  
(1,4  . 7,74 + 285,61  . 1,40/100)  ≤ 1,00

5,19
25 + 12,5e! /h  ≥ 35 25 + 12,5  . 30  ≥ 35
λ! =       ⟹ λ! =     = 59,05   ⟹ λ! = 59,05          
∝!  ≤ 90 0,46  ≤ 90

λx = 3,46 le/h = 3,46 . 2,80/0,30 = 32,29 (λx < λ1 è Pilar Curto)

e2L = 0 è Seção indeslocável (Nós Fixos)

ec = 0 è Não é pilar esbelto ou muito esbelto

Cálculo da excentricidade ei x

1,4  . 𝑀!"# 1,4  . 5,30


𝑒!" = = = 0,0260  𝑚 = 2,60  𝑐𝑚    
𝑁! 285,61
𝑒!  ! ≥  
1,4  . 𝑀!"# 1,4  . 0,70
𝑒!" =   = = 0,0034  𝑚 = 0,34  𝑐𝑚
𝑁! 285,61

ei x = 2,60 cm

156
(b.2) Seção 2

ey = e1L + e2L + ec = 2,79 + 0 + 0 = 2,79 cm

e1L = ea + ei = 0,70 + 2,09 = 2,79 cm > e1, mín = 2,10 cm è e1L = 2,79 cm
ea = (Hi/2) θ1 = (lex/2) θ1 = (280/2) . (1/200) = 0,70 cm

0,6. 𝑒!" + 0,4. 𝑒!" = 0,6  . 3,79 + 0,4  . (−0,46) = 2,09  𝑐𝑚    
𝑒! ≥  
0,4. 𝑒!" =  0,4  . (−0,46) = −0,18  𝑐𝑚
ei = 2,09 cm
e1, mín = 1,5 + 0,03 h = 1,5 + 0,03 . 30 = 2,40 cm

M1d > M1d, mín è Calcula-se αb:


M!  ≥ 0,40
∝! = 0,60 + 0,40              
M!  ≤ 1,00
−(1,4  . 0,94 + 285,61  . 0,70/100)  ≥ 0,40
∝! =  0,60 + 0,40 = 0,50           ⟹        ∝! = 0,50  
(1,4  . 7,74 + 285,61  . 0,70/100)  ≤ 1,00

2,79
25 + 12,5e! /h  ≥ 35 25 + 12,5  . 30  ≥ 35
λ! =       ⟹ λ! =     = 52,33   ⟹ λ! = 52,33          
∝!  ≤ 90 0,50  ≤ 90

λx = 3,46 le/h = 3,46 . 2,80/0,30 = 32,29 (λx < λ1 è Pilar Curto)

e2L = 0 è Pilar curto

ec = 0 è Não é pilar esbelto ou muito esbelto

Cálculo da excentricidade ei x

0,6. 𝑒!" + 0,4. 𝑒!" = 0,6  . 2,60 + 0,4  . (−0,34) = 1,42  𝑐𝑚    
𝑒! ≥  
0,4. 𝑒!" =  0,4  . (−0,34) = −0,14  𝑐𝑚
ei = 1,42 cm

157
(C) Dimensionamento (Pilar de 4 barras)

𝑁! 285,61  . 10!  𝑁
𝜈 =   =     = 0,29
𝑏  ℎ  𝜎!" 0,2𝑚  . 0,3𝑚  . 0,90  . 0,85  .    21,43  .    10!  𝑁/𝑚!

𝑀! 285,61  . 10! . 0,0349  𝑁𝑚  


𝜇! =   !
=     = 0,03  
𝑏  ℎ  𝜎!" 0,2𝑚  . 0,3 𝑚!  . 0,90  . 0,85  .    21,43  .    10!  𝑁/𝑚!
!

𝑀! 285,61  . 10! . 0,0379  𝑁𝑚  


𝜇! =   !
=     = 0,06
𝑏  ℎ  𝜎!" 0,3𝑚  . 0,2 𝑚!  . 0,90  . 0,85  .    21,43  .    10!  𝑁/𝑚!
!

ν = 0,29 è νadotado = 0,20 (adota-se o valor mais próximo que exista nas tabelas)
µx
0,00 0,03 0,10
0,00 0,00 0,02 0,05
µy 0,06 0,03 0,06 0,13
0,10 0,05 0,09 0,19
ω = 0,06

158
𝑁! 285,61  . 10!  𝑁
𝜈 =   =     = 0,29
𝑏  ℎ  𝜎!" 0,2𝑚  . 0,3𝑚  . 0,90  . 0,85  .    21,43  .    10!  𝑁/𝑚!

𝑀! 285,61  . 10! . 0,0361  𝑁𝑚  


𝜇! =   !
=     = 0,03  
𝑏  ℎ  𝜎!" 0,2𝑚  . 0,3 𝑚!  . 0,90  . 0,85  .    21,43  .    10!  𝑁/𝑚!
!

𝑀! 285,61  . 10! . 0,0209  𝑁𝑚  


𝜇! =   !
=     = 0,03
𝑏  ℎ  𝜎!" 0,3𝑚  . 0,2 𝑚!  . 0,90  . 0,85  .    21,43  .    10!  𝑁/𝑚!
!

ν = 0,29 è νadotado = 0,20 (adota-se o valor mais próximo que exista nas tabelas)
µx
0,00 0,03 0,10
0,00 0,00 0,02 0,05
µy 0,03 0,02 0,04 0,09
0,10 0,05 0,09 0,19
ω = 0,04

𝑁! 285,61  . 10!  𝑁
𝜈 =   =     = 0,29
𝑏  ℎ  𝜎!" 0,2𝑚  . 0,3𝑚  . 0,90  . 0,85  .    21,43  .    10!  𝑁/𝑚!

𝑀! 285,61  . 10! . 0,0260  𝑁𝑚  


𝜇! =   !
=     = 0,02  
𝑏  ℎ  𝜎!" 0,2𝑚  . 0,3 𝑚!  . 0,90  . 0,85  .    21,43  .    10!  𝑁/𝑚!
!

𝑀! 285,61  . 10! . 0,0519  𝑁𝑚  


𝜇! =   =     = 0,08
𝑏  ℎ!  𝜎!" 0,3𝑚  . 0,2! 𝑚!  . 0,90  . 0,85  .    21,43  .    10!  𝑁/𝑚!

ν = 0,29 è νadotado = 0,20 (adota-se o valor mais próximo que exista nas tabelas)
µx
0,00 0,02 0,10
0,00 0,00 0,01 0,05
µy 0,08 0,04 0,07 0,16
0,10 0,05 0,08 0,19
ω = 0,07

159
𝑁! 285,61  . 10!  𝑁
𝜈 =   =     = 0,29
𝑏  ℎ  𝜎!" 0,2𝑚  . 0,3𝑚  . 0,90  . 0,85  .    21,43  .    10!  𝑁/𝑚!

𝑀! 285,61  . 10! . 0,0142  𝑁𝑚  


𝜇! =   =     = 0,01  
𝑏  ℎ!  𝜎!" 0,2𝑚  . 0,3! 𝑚!  . 0,90  . 0,85  .    21,43  .    10!  𝑁/𝑚!

𝑀! 285,61  . 10! . 0,0279  𝑁𝑚  


𝜇! =   =     = 0,04
𝑏  ℎ!  𝜎!" 0,3𝑚  . 0,2! 𝑚!  . 0,90  . 0,85  .    21,43  .    10!  𝑁/𝑚!

ν = 0,29 è νadotado = 0,20 (adota-se o valor mais próximo que exista nas tabelas)
µx
0,00 0,01 0,10
0,00 0,00 0,01 0,05
µy 0,04 0,02 0,03 0,11
0,10 0,05 0,06 0,19
ω = 0,03
As = ω b h σcd / fyd = 0,07 . 20 . 30 . 0,90 . 0,85 . 21,43MPa / 434,78MPa = 1,58 cm2
è 4 φ 10 mm

(d) verificação da Taxa de Armadura

* Seção intermediária (ρ ≥ ρmín è Ok):


𝐴! 4  . 3,14  . (1,0! )/4
𝜌 =   =     = 0,005 = 0,52%
𝐴! 20  . 30
0,15  𝑁! 0,15  .    285,61  . 10!
𝜌!í! =   = = 0,0016 =    0,16% ≥ 0,40%
𝑓!"  .    𝐴! 434,78  . 10!  .    (0,20  . 0,30)
ρmín = 0,40%

* Seção no transpasse (ρ ≤ ρmáx è Ok):


𝐴! 4  . 3,14  . (1,0! )/4
𝜌 = 2   =    2 = 0,0104 = 1,04%
𝐴! 20  . 30
ρmáx = 8,0%

160
(e) Estribos

5  𝑚𝑚 φt = 5 mm
𝜙!   ≥   𝜙 10
= = 2,5  𝑚𝑚
4 4

200  𝑚𝑚 st = 120 mm = 12 cm


𝑠!   ≤   𝑚𝑒𝑛𝑜𝑟  𝑑𝑖𝑚𝑒𝑛𝑠ã𝑜 = 200  𝑚𝑚
12  . 𝜙 = 12  . 10 = 120  𝑚𝑚

(f) Espaçamento de barras longitudinais:

20𝑚𝑚
10𝑚𝑚 =  𝜙 ≤ 𝑠 ≤ 400𝑚𝑚
1,2  𝜙!"#$" 2  . 𝑏 = 2.200 = 400𝑚𝑚

sendo: b = menor dimensão da seção

20mm ≤ sx ≤ 400mm è Ok
20mm ≤ sy ≤ 400mm è Ok

(g) Estribos duplos ou grampos (ou gravatas):

Não há necessidade porque todas as 4 barras estão protegidas nos vértices dos
estribos.

(h) detalhamento

161
162
CAPÍTULO 9

ESCADAS
As escadas são elementos estruturais inclinados sujeitos principalmente à
flexão simples. Normalmente um lance de uma escada é bi-apoiado e funciona
como se fosse uma viga. Eventualmente esse lance pode ter três ou quatro apoios e
passa a funcionar mais parecido com uma laje.

9.1. TIPOS DE ESCADAS

A escada apresentada na Figura 9.1 é uma peça bi-apoiada que pode ser
calculada à flexão como uma viga. Somente dimensionando as armaduras
longitudinais e utilizando uma armadura mínima de distribuição no outro sentido.

Figura 9.1 – Escada bi-apoiada

A escada mostrada na Figura 9.2 é uma peça que se assemelha a um pórtico


bi-apoiado e não pode ser analisada como uma viga. Nesse caso, deve-se analisar
por elementos finitos, grelha ou como pórtico mesmo, por conta de sua
descontinuidade.

Figura 9.2 – Escada bi-apoiada com degraus recortados

163
A escada da Figura 9.3 é composta de degraus que funcionam como vigas
bi-apoiadas em vigas inclinadas bi-apoiadas. Normalmente esse tipo de escada tem
os degraus pré-moldados.

Figura 9.3 – Escada com degraus bi-apoiados em vigas inclinadas

A escada apresentada na Figura 9.4 é composta de degraus em balanço


para os dois lados que funcionam como vigas em balanço e se apoiam numa viga
central bi-apoiada. Esse tipo de escada, apesar de elegante, pode vibrar muito,
dando uma sensação de desconforto ou insegurança na ponta dos balanços.

Figura 9.4 – Escada com degraus em balanço apoiados em uma vigas central

A escada da Figura 9.5 também é composta de degraus em balanço que


funcionam como vigas em balanço e se engastam numa viga lateral bi-apoiada. Mas
com um agravante. Como o balanço é maior que o da figura 11.3, a escada deve
vibrar mais ainda, dando uma sensação de desconforto ou insegurança muito maior.

164
Figura 9.5 – Escada com degraus em balanço apoiados em uma vigas lateral

A escada da Figura 9.6 é composta de um plano com degraus por cima


apoiado em quatro vigas. Esse plano com degraus pode ser dimensionado como
uma laje em cruz ou em uma única direção, dependendo dos vãos.

Figura 9.6 – Escada apoiada nos quatros vigas

11.2. CUIDADO COM AS MUDANÇAS DE DIREÇÃO DAS ARMADURAS

Uma das recomendações da NBR6118 (2014) é que não haja mudança de


direção de barra tracionada que a resultante seja para a direção do cobrimento.
Sempre a resultante deve ter a direção do eixo da escada. Observe as barras com
mudança de direção certa e errada na figura 9.7.

165
ERRADO Resultante pode
esmagar o cobrimento
da escada.

CERTO Resultante no sentido


oposto do cobrimento.

CERTO Resultantes nos


sentidos opostos dos
cobrimentos.

Figura 9.7 – Mudança de direção das barras da escada

11.3. EXEMPLO DO CÁLCULO DE UMA ESCADA BI-APOIADA

Figura 9.8 – Escada do exemplo

Pé direito = 17,5 cm . 16 degraus = 280 cm Concreto C35


Largura de cada lance de escada = 160 cm CA-50
166
Figura 9.9 – Carregamentos na escada

Mk = 23,09 . (4,502)/8 = 58,45 kNm


Md = 1,4 . 58,45 = 81,83 kNm
kmd = Md / (b d2 σcd) = 81830 / (1,6 . 0,102 . 0,85 . 35/1,4 . 106) = 0,241
kx = [1 – (1 – 2 kmd)1/2] / λ = [1 – (1 – 2 . 0,241)1/2] / 0,8 = 0,350 (domínio 3 com
ductilidade)
kz = 1 – 0,5 λ kx = 1 – 0,5 . 0,8 . 0,350 = 0,860
As = Md /( kz d fyd) = 81830 / (0,860 . 0,10 . 500/1,15 . 106) = 21,88 cm2
18 ϕ 12,5 mm c/ 9 cm

Figura 9.10 – Detalhamento das armaduras da escada

OBS: 1 ϕ 12,5 mm è As = 1,23 cm2


21,88 cm / 1,23 cm2 = 17,79 Bitolas ≈ 18 Bitolas (17 Espaçamentos)
2

160 cm / 17 Espaçamentos = 9,41 cm ≈ 9 cm


OBS: Foi adotado como armadura de distribuição ϕ 5 mm c/ 33 cm

167
Utilizando o cálculo do peso próprio sem as simplificações do exemplo
anterior (Figura 9.11), chega-se a praticamente ao mesmo resultado, mostrando
assim, que as simplificações utilizadas são aceitáveis.

Figura 9.11 – Carregamentos na escada com diferentes considerações

Mk = 59,48 kNm e As = 22,35 cm2 (18,17 φ 12,5 mm ≈ 18 φ 12,5 mm) - aceitável

168
CAPÍTULO 10

CAIXAS D`ÁGUA, CISTERNAS E PISCINAS

Caixas d`água, cisternas e piscinas são elementos estruturais projetados


para receber pressão de água. Porém, na figura 10.1, observa-se que a pressão de
água agindo nas paredes e no fundo da cisterna e da piscina são parcialmente
absorvidos pelo solo, que por sua vez acabam restringindo a deformação da
estrutura. Diferentemente, a caixa d`água não recebe ajuda do solo e,
consequentemente, deforma bem mais que a cisterna e a piscina. Por esse motivo,
para evitar problemas de vazamentos decorrentes de deformação, recomenda-se
para caixa d`águas médias e grandes, utilizar paredes de concreto armado maciço.
Além de usar uma impermeabilização tipo manta que aceita maior deformação sem
rasgar. Para Cisternas e Piscinas, é muito comum o uso de uma laje do fundo de
concreto armado maciço e paredes de alvenaria amarradas com cintas e pilaretes
de concreto armado.

Figura 10.1 – Caixa d`água, cisterna e piscina

Para o projeto de caixa d’água, recomenda-se engastar o fundo nas paredes,


tornando a laje do fundo como Marcus-Caso 6. Engastar as paredes nas outras
paredes vizinhas e no fundo, deixando somente apoiada na tampa e, assim,
tornando as paredes como Marcus-Caso 5. E, por fim, apoiar a tampa nas paredes,
tornando a tampa como Marcus-Caso 1.
Uma outra opção seria engastar tudo, analisando tudo como Marcus-Caso 6,
mas essa opção seria mais eficiente se a ação da tampa também fosse de dentro
para fora. Como não é, a transferência do momento no engaste parede-tampa iria
originar um momento interno nas extremidades da tampa e, esse momento
aumentaria no centro pela ação do peso da tampa (Figura 10.2).

169
(a) Opção 1 – Tampa apoiada

(a) Opção 2 – Tampa engastada

Figura 10.2 – Análise da caixa d’água opção 1 ou opção 2

No caso de cisternas e piscinas com paredes de alvenarias, pode-se


interpretar a parede de alvenaria com pilaretes e cintas de concreto armado como
se fosse uma laje parecida com a nervurada, com as nervuras sendo os pilaretes e
as cintas, espaçadas aproximadamente a 1 metro.

12.1. CUIDADO COM AS ARMADURAS DE CANTO

Nos cantos, as amaduras que engastam uma parede na outra ou uma parede
no fundo, ou até mesmo, a tampa em uma parede, devem respeitar a mesma
recomendação discutida no capítulo das escadas. Não virar armadura com a
resultante no sentido do cobrimento. Observe como devem ser dispostas as
armaduras como mostrada na figura 10.3.

170
Figura 10.3 – Detalhe das armaduras nos cantos

171
10.2. EXEMPLO DO CÁLCULO DE UMA CAIXA D`ÁGUA

Figura 10.4 – Carregamentos da caixa d`água

172
Figura 10.5 – Laje do fundo

Figura 10.6 – Laje das paredes

Uniformizando-se os esforços nos engastes de acordo com a norma


NBR6118:2014, tem-se:

𝑿𝒎é𝒅𝒊𝒐 = 𝟏𝟏, 𝟐𝟓  𝒌𝑵𝒎/𝒎


𝑃𝑎𝑟𝑒𝑑𝑒 −  𝑃𝑎𝑟𝑒𝑑𝑒 ≥  
0,8  . 𝑋!!"#$ = 0,8  .    11,25 = 9,00

8,44 + 18,65
𝑃𝑎𝑟𝑒𝑑𝑒 −  𝐹𝑢𝑛𝑑𝑜 ≥   𝑋!é!"# = = 13,55
2
𝟎, 𝟖  . 𝑿𝒎𝒂𝒊𝒐𝒓 = 𝟎, 𝟖  .    𝟏𝟖, 𝟔𝟓 = 𝟏𝟒, 𝟗𝟐  𝒌𝑵𝒎/𝒎

173
Para caixas d’águas não muito grandes, onde a adoção de uma malha única
nas paredes e no fundo não gere um gasto excessivo, pode-se optar por essa
simplificação que facilita bastante a execução. Para o dimensionamento dessa
malha, utiliza-se o maior momento fletor encontrado dentre os momentos das
paredes e do fundo (14,92 kNm/m).

Momentos Positivos è 4,58 kNm/m; 4,01 kNm/m; 8,03 kNm/m e 8,03 kNm/m
Momentos Negativos è 11,25 kNm/m e 14,92 kNm/m

Dessa maneira o dimensionamento fica assim:

Sendo: h = 10cm e d = 7 cm εc = 2,99%o kz = 0,908


Md = 14,92 kNm/m εsd = 10%o As = 5,40 cm2/m
kmd = 0,167 σc = σcd As, mín = 1,50 cm2/m
kx = 0,230 (domínio 2) (Não precisa corrigir) 1 φ 8mm è 0,502 cm2
5,40/0,502 ≈ 11φ8mm/m
100cm / 10 = 10cm
31 N1 φ 8mm c/10cm

Figura 10.7 – Laje da tampa

Para a tampa, o dimensionamento da armadura interna fica:

Sendo: h = 10cm e d = 7 cm εc = 0,20%o kz = 0,957


Md = 1,38 kNm/m εsd = 10%o As = 0,47 cm2/m
kmd = 0,015 σc = 3,44 MPa As, mín = 1,50 cm2/m
kx = 0,019 (domínio 2) kmd, corrigido = 0,082 1 φ 6,3mm è 0,312 cm2
kx = 0,107 (domínio 2) 1,50/0,312 ≈ 5φ6,3mm/m
100cm / 4=25cm > 20cm
16 N2 φ 6,3mm c/20cm

174
Figura 10.8 – Detalhamento das armaduras

10.3. CORRELAÇÃO COM O CÁLCULO DE UMA CISTERNA OU PISCINA

O cálculo de uma cisterna ou piscina pode ser feito da mesma maneira da


caixa d`água, diferindo apenas que na cisterna ou piscina pode haver lençol freático
no terreno. Nesse caso, deve-se também dimensionar a armadura considerando a
água externa e o reservatório vazio. O dimensionamento considerando somente a
água interna geraria uma armadura e o dimensionamento considerando apenas a
água externa geraria outra armadura. Adotaria a maior delas como positiva e
negativa também.

175
176
CAPÍTULO 11

FUNDAÇÕES
11.1. INTRODUÇÃO

O projeto de fundações está diretamente ligado ao projeto de estruturas, pois


as reações do carregamento da estrutura deve ser resistido pelo projeto de
fundações. E quando se fala em projeto de fundações, fala-se em projeto dos blocos
ou sapatas ou estacas de concreto armado, respeitando a norma de projetos de
estruturas de concreto NBR6118:2014 (Estruturas), e em análise das características
do solo que resistirá o carregamento da edificação, respeitando a norma de projeto
de fundações NBR6122:1996 (Geotecnia).

Geralmente o engenheiro estrutural impõe ao engenheiro de fundações o


recalque zero. O engenheiro de fundações nunca vai conseguir o recalque zero
porque até mesmo uma fundação sobre rocha recalca. Essas compatibilizações de
projetos nem sempre são fáceis de se resolver.
A ligação entre a saída do pilar e a fundação deve ser cuidadosamente
analisada. O ideal é que o centro de gravidade do pilar coincida com o centro de
gravidade da fundação para que não surjam novas excentricidades “e” que
provoquem momentos fletores indesejáveis (Figura 11.1).

(a) Sapata e pilar concêntricos

177
(b) Sapata e pilar excêntricos

Figura 11.1 – Excentricidade na ligação pilar-sapata

No caso da necessidade do uso de sapatas excêntricas, para evitar o


momento devido a excentricidade, pode-se criar uma viga de equilíbrio impedindo
que esse momento seja transmitido ao pilar (Figura 11.2). Além disso, esse
momento causaria uma distribuição de tensões assimétricas no solo que resultaria
em recalques diferenciais.

Figura 11.2 – Sapata excêntrica com viga de equilíbrio

178
11.2. SOLO

11.2.1. MECANISMOS DE RUPTURA DO SOLO

Tradicionalmente, há dois tipos de ruptura dos solos: a generalizada (ou


geral) e a localizada (ou local). A generalizada é uma ruptura brusca, ela acontece
com pouco recalque. A localizada já ocorre após um maior recalque, caracterizando-
se por ser menos brusca que a outra. Normalmente a ruptura generalizada ocorre
em solos mais rígidos. Enquanto a ruptura localizada ocorre em solos mais
deformáveis.

Ruptura Generalizada ou Geral: Ruptura Localizada ou Local:


ü Ruptura brusca; ü Ruptura menos brusca;
ü Pouco recalque; ü Maior recalque;
ü Solos mais rígidos; ü Solos mais deformáveis;
ü Argilas rija, muito rija e dura; ü Argilas muito mole, mole e média;
ü Areias compacta e muito ü Areia fofa, pouco compacta e
compacta. medianamente compacta.

Normalmente essa ruptura pode ser visualizada em fundações rasas como


apresentado na Figura 11.3. Em fundações profundas, essa ruptura (Figura 11.4) já
não é vista, mas pode ser identificada por problemas refletidos na estrutura da
edificação.

Figura 11.3 – Mecanismo de ruptura em fundações rasas

Figura 11.4 – Mecanismo de ruptura em fundações profundas

11.2.2. CAPACIDADE DE CARGA

Existem alguns métodos bastante usados para se estimar a capacidade de


carga do solo que serão apresentado a seguir.

179
11.2.2.1. REALIZAÇÃO DE PROVA DE CARGA SOBRE PLACA

Esse ensaio procura simular o comportamento de uma fundação rasa. O


ensaio é feito empregando-se uma placa rígida de ferro fundido de 80 cm de
diâmetro, a qual é carregada por meio de um macaco hidráulico apoiada em uma
caixa carregada ou em uma laje com tirantes (Figura 11.5).

Figura 11.5 – Prova de carga sobre placa (Alonso, 2010)

Através dos dados do ensaio pode-se traçar a curva Pressão x Recalque. A


pressão é aplicada em estágios, sendo cada estágio só aplicado novamente quando
o recalque do estágio anterior já estiver estabilizado. A curva Pressão x Recalque,
representada pelas linhas pontilhadas, é obtida ligando os pontos estabilizados
(Figura 11.6).

180
Figura 11.6 – Curva Pressão x Recalque (Alonso, 2010)

Na maioria dos casos, a curva Pressão x Recalque pode ser expresso entre
dois casos bem diferentes (Figura 11.7). Alguns solos apresentam curva de ruptura
geral, isto é, com uma tensão de ruptura bem definida (σR), são solos resistentes
(argilas rija, muito rija e dura e areias compacta e muito compacta). Outros solos
apresentam curva de ruptura local, isto é, sem uma definição exata do valor da
tensão de ruptura, são solos de baixa resistência (argilas muito mole, mole e média
e areia fofa, pouco compacta e medianamente compacta).

Figura 11.7 – Diagrama Pressão x Recalque

Com base nos resultados da prova de carga, pode-se estimar a tensão


admissível do solo, da seguinte maneira:

Para solos com predominância de ruptura geral :


𝜎!
𝜎! =  
2

181
Para solos com predominância de ruptura local :
𝜎!"
𝜎!   ≤   2
𝜎!"

Sendo:

σ25 a tensão correspondente a um recalque de 25 mm (Ruptura convencional);


σ10 a tensão correspondente a um recalque de 10 mm;
σR a tensão de ruptura.

11.2.2.2. UTILIZAÇÃO DAS FÓRMULAS DE TERZAGHI

Para solos que apresentam ruptura geral, a tensão de ruptura (σR) pode ser
obtida por:

𝜎!     = 𝑐  𝑁!  𝑆! 1 𝑞  𝑁!  𝑆!


+  𝛾  𝐵  𝑁!  𝑆! +
      ↓                           2             ↓

𝐶𝑜𝑒𝑠ã𝑜 𝑆𝑜𝑏𝑟𝑒 − 𝐶𝑎𝑟𝑔𝑎
𝐴𝑡𝑟𝑖𝑡𝑜

Sendo:
c - a coesão do solo;
γ - o peso específico do solo onde se apoia a fundação;
B – a menor largura da sapata;
q – a pressão efetiva do solo na cota de apoio da fundação;
Nc, Nγ e Nq – fatores de carga que são função do ângulo de atrito interno (ϕ) (Figura
11.8);
Sc, Sγ e Sq – fatores de forma (Tabela 11.1).

Figura 11.8 – Fatores de carga

Para solos com ruptura local, usa-se a mesma fórmula adotando N`(linhas
pontilhadas da Figura 11.8) ao invés dos fatores N. Além disso, deve-se usar 2/3 da
coesão real do solo.

182
Tabela 11.1 – Fatores de forma
Forma da Fatores de Forma
Fundação Sc Sγ Sq
Corrida 1,0 1,0 1,0
Quadrada 1,3 0,8 1,0
Circular 1,3 0,6 1,0
Retangular 1,1 0,9 1,0

Conhecido o valor de σR, a tensão admissível σs será dada por:


𝜎!
𝜎! =  
𝐹𝑆
Sendo:

FS – o fator de segurança (geralmente adota-se 3).

Quando não existem valores de ensaios para coesão (c) e ângulo de atrito
interno (ϕ), pode-se utilizar os valores da Tabelas 11.2.

Tabela 11.2 – Dados aproximados na falta de ensaios


Argila SPT Coesão c Areia Densidade SPT ϕ
o
(kPa) relativa ( )
(Dr)
Muito mole <2 < 10 Fofa < 0,2 <4 < 30
Mole 2a4 10 a 25 Pouco compacta 0,2 a 0,4 4 a 10 30 a 35
Média 4a8 25 a 50 Medianamente compacta 0,4 a 0,6 10 a 30 35 a 40
Rija 8 a 15 50 a 100 Compacta 0,6 a 0,8 30 a 50 40 a 45
Muito rija 15 a 30 100 a 200 Muito compacta > 0,8 > 50 > 45
Dura > 30 > 200

Sendo:
Ruptura Localizada
Ruptura Generalizada

11.2.2.3. MÉTODOS EMPÍRICOS

Os métodos empíricos são aqueles em que a capacidade de carga é


estimada com base na descrição dos tipos de solo. A norma brasileira de
fundações, a NBR 6122:1996, apresenta os valores para as tensões básicas para
diversos tipos de solo (tabela 11.3).

183
Tabela 11.3 – Tensões básicas segundo a NBR 6122:1996
Item Descrição do Solo Valores (MPa)
Rocha sã, maciça, sem laminação ou sinal de
1 3,0
decomposição
2 Rochas laminadas, com pequenas fissuras, estratificadas 1,5
3 Rochas alteradas ou em decomposição (*)
4 Solos granulares concrecionados - conglomerados 1,0
5 Solos pedregulhosos compactos a muito compactos 0,6
6 Solos pedregulhosos fofos 0,3
7 Areias muito compactas 0,5
8 Areias compactas 0,4
9 Areias medianamente compactas 0,2
10 Argilas duras 0,3
11 Argilas rijas 0,2
12 Argilas médias 0,1
13 Siltes duros (muito compactos) 0,3
14 Siltes rijos (compactos) 0,2
15 Siles médios (medianamente compactos) 0,1
(*) Para rochas alteradas ou em decomposição, tem que ser levado em conta a
natureza da rocha matriz e o grau de decomposição ou alteração.

2.2.3. INVESTIGAÇÃO DO SUBSOLO

A investigação do subsolo é a análise do solo que vai ser construída a


edificação. Precisa-se descobrir as características daquele subsolo.
Essa investigação deve ser dividida em três etapas:
(a) investigação preliminar è Conhecer as principais características do solo,
geralmente através de ensaio de SPT (Tipos do solo, nível da água,
tensão admissível, etc.);
(b) investigação complementar ou de projeto è Alguma informação que a
análise preliminar não tenha conseguido, geralmente através de
sondagem mista para investigar abaixo de rochas onde o SPT não tenha
conseguido investir;
(c) investigação para a fase de execução è Durante a obra, nas regiões
mais críticas indicadas pelo calculista, para confirmar informações obtidas
na investigação preliminar ou na investigação complementar.

Os principais processos de investigação do subsolo para fins de projeto de


fundações de estruturas são:
(a) Poços;
(b) Sondagens a trado;
(c) Sondagens a percussão com SPT;
(d) Sondagens rotativas;
(e) Sondagens mistas;
(f) Ensaios de cone (CPT);
(g) Ensaio pressiométrico (PMT).

184
11.3. FUNDAÇÕES RASAS

11.3.1. TIPOLOGIAS

Quando há boa resistência do solo para pequenas profundidades a melhor


opção é a fundação rasa, também denominada de fundação direta ou superficiais.
Caso contrário, o uso da fundação profunda é necessária.
O uso de sapatas ou blocos (escalonados ou não) (Figura 11.9 (a) e (b)) é a
opção mais econômica. Os blocos são elementos rígidos e podem ser de concreto
ciclópico ou concreto simples, portanto sem armadura. A altura do bloco não
armado deve ter uma altura mínima que seja função do ângulo α (Figura 11.10). A
NBR6118:2014 não permite o uso de bloco de concreto simples com altura inferior a
20 cm.
As sapatas já trabalham à flexão e devem ser de concreto armado (Figura
11.9 (c)).

Figura 11.9 – Bloco e sapata

Figura 11.10 – Ângulo αmín para que não necessite armadura

185
Caso existam vários pilares próximos enfileirados, uma boa opção é fazer
uma única sapata com uma viga de rigidez (sapata associada) como na Figura
11.11.

Figura 11.11 – Sapata Associada

No caso de vários pilares não enfileirados próximos, o radier é uma boa


opção. O radier é uma laje lisa invertida, e como a laje lisa é um sistema onde a
desvantagem é ser muito flexível, aconselha-se usar o radier protendido para se
reduzir essa deficiência (Figura 11.12).

Figura 11.12 – Radier

Em situações onde se precise fazer uma sapata de divisa (sapata


excêntrica), o mais usual é criar uma viga de equilíbrio ligando a sapata excêntrica a
outra sapata para impedir que haja transferência de momento para o pilar (Figura
11.13).

Figura 11.13 – Sapata excêntrica juntamente com viga de equilíbrio e outra sapata

186
11.3.2. BLOCOS

Os blocos são normalmente elementos de concreto simples, ou seja, não


armados. Normalmente são usados como fundações de pilares com pouca carga (≤
50 tf = 500 kN) e com momentos fletores nulos ou desprezíveis. Geralmente são
fundações de residências com um ou dois pavimentos.
O dimensionamento de um bloco de fundação não armado deve objetivar em
fornecer uma determinada altura ao bloco de maneira que as tensões de tração
sejam inferiores a resistência à tração do concreto usado.
A NBR6118:2014 não permite o uso de blocos de concreto simples (não
armados) sobre estacas. Além disso, a NBR6118:2014 não permite blocos com
espessura média menor que 20 cm.
A área da base de blocos de fundação deve ser determinada a partir da
tensão admissível do solo para cargas não majoradas.
Normalmente os calculistas dimensionam blocos com o ângulo α ≥ 60o.
Outra forma seria usar o ábaco da Figura 11.10 para se estimar esse ângulo
mínimo.
O valor de σsolo é o valor da tensão admissível do solo informado pela
investigação do subsolo, normalmente o ensaio de SPT. E o valor do σct é tensão de
tração do concreto que pode ser estimada com fctk, inf = 0,7 fct,m = 0,7 . (0,3 fck2/3) =
0,21 fck2/3, para concretos de classe até C50.

EXEMPLO RESOLVIDO:

Tensão Admissível do Solo no nível -1,50m = 2 kgf/cm2 = 0,2 MPa


Carga no Pilar Nk = 20 tf = 200 kN
Seção do Pilar de 20 cm x 20 cm
Concreto da obra C20

(a) Utilizando o ângulo α = 60o

Área da base do bloco = 200000 N / (0,2 . 106 N/m2) = 1 m2 = 10000 cm2


Altura do bloco = h = 40 cm . tg (60o) = 69,28 cm
Adota-se um bloco de 100 cm x 100 cm, com altura de 70 cm

(b) Utilizando o ângulo α encontrado no ábaco da Figura 11.10

Área da base do bloco = 200000 N / (0,2 . 106 N/m2) = 1 m2 = 10000 cm2

fctk, inf = 0,21 . fck 2/3 = 0,21 . 202/3 = 1,56 MPa è σsolo/σct = 0,2 / 1,56 = 0,13
è α = 33o

Altura do bloco = h = 40 cm . tg (33o) = 25,98 cm


Adota-se um bloco de 100 cm x 100 cm, com altura de 30 cm

187
Figura 11.14 – Bloco de fundação

11.3.3. SAPATAS ISOLADAS

As Sapatas Isoladas podem também ser denominada de Sapatas Centradas


ou simplesmente Sapatas. Ela pode ter altura constante ou variável como na Figura
11.15. O uso da altura variável proporciona uma economia do concreto considerável
em sapatas grandes.

Figura 11.15 - Sapatas

Quanto à rigidez, as sapatas podem ser classificadas como Sapatas Rígidas


ou Sapatas Flexíveis. Segundo a NBR6118:2014, a Sapata (Figura 11.16) é
classificada como rígida se:

h ≥ (a – ap)/3
Sendo:
h = altura da sapata;
a = dimensão da sapata em uma determinada direção;
ap = dimensão do pilar na mesma direção.

188
Figura 11.16 – Sapata Rígida ou Flexível

O comportamento, segundo a NBR6118:2014, da Sapata Rígida pode ser


caracterizado por:

(a) Trabalhar à flexão nas duas direções admitindo que a tração seja uniforme e a
compressão seja mais concentrada na região do pilar.
(b) Trabalhar ao cisalhamento ficando dentro do cone hipotético de punção. Não
havendo, assim, possibilidade de ruptura por puncionamento.

O comportamento, segundo a NBR6118:2014, da Sapata Flexível pode ser


caracterizado por:

(a) Trabalha à flexão nas duas direções não sendo possível admitir que a tração
seja uniforme. E a compressão deve ser mais criteriosamente avaliada na região do
pilar.
(b) Há possibilidade de ruptura por punção. Deve-se, caso necessário, dimensionar
armaduras transversais para combater o puncionamento.

As Sapatas Rígidas podem ser dimensionadas por flexão admitindo-se as


hipóteses de Bernoulli ou por modelos de bielas e tirantes tridimensional. E as
Sapatas Flexíveis devem ser dimensionadas como lajes lisas de concreto armado
com todas as verificações sobre punção.
A NBR6118:2014 permite que se uniformize a tensão no solo em contato com
a sapata, somente para a Sapata Rígida (Figura 11.17).

189
Figura 11.17 – Tensões em sapatas de acordo com o tipo de solo

A mesma análise no ELU que se fazia para vigas e lajes é feita para a seção
transversal da sapata sob flexão. Para simplificar o cálculo, tornando a peça
estrutural um pouco a favor da segurança, é aceitável considerar a seção
comprimida trapezoidal como uma seção retangular, conforme mostrado na Figura
11.18.

Figura 11.18 – Sapata no ELU

190
EXEMPLO RESOLVIDO:

Tensão Admissível do Solo no nível -1,50m = 2,6 kgf/cm2 = 0,26 MPa


Carga no Pilar Nk = 80 tf = 800 kN
Momento Fletor Mk ≈ 0
Seção do Pilar de 30 cm x 30 cm
Concreto da obra C30

(a) Dimensionamento e detalhamento pelo método da flexão

(a.1) Definição da geometria:

Área da base da sapata = 800000 N / (0,26 . 106 N/m2) = 3,08 m2 = 30800 cm2
è adota-se 180 cm x 180 cm

h ≥ (a – ap)/3 = (180 – 30)/3 = 50 cm è adota-se h = 50 cm e h0 = 10 cm (Sapata


Rígida)

(a.2) Análise dos esforços:

Figura 11.22 – Tensões no solo

191
Figura 11.19 – Esforços (momento fletor e esforço cortante) na seção da sapata

(a.2) Verificação da biela comprimida:

ü Perímetro C= Perímetro em torno do pilar è Necessita verificar biela


comprimida;
ü Perímetro C’= Perímetro a 2d do pilar è Verificação necessária somente
para sapata flexível;
ü Perímetro C’’ = Perímetro a 2d da armadura de cisalhamento è Verificação
necessária somente para sapatas flexíveis grandes com armaduras de
cisalhamento.

Perímetro C = 30 cm + 30 cm + 30 cm + 30 cm = 120 cm

τsd = Vd / (C . d) = 1,4 . 800 kN / (1,20 m . 0,45 m) = 2074 kPa = 2,07 MPa


τRd2 = 0,27 αv fcd = 0,27 . 0,88 . (30 MPa/1,4) = 5,09 MPa
αv = 1 – fck/250 = 1 – 30/250 = 0,88

τsd ≤ τRd2 è Ok. Não há esmagamento da biela comprimida e não precisa


dimensionar a armadura de cisalhamento porque não é sapata flexível.

(a.3) Dimensionamento à flexão:

Md = 1,4.Mk = 1,4 . 180 = 252 kNm


kmd = Md / (b . d2 . σcd) = 252000 / (0,30 . (0,45)2 . 0,90 . 0,85 . (30 . 106)/1,4) = 0,253
kx = [1 - (1 – 2 . kmd)1/2]/ λ = [1 – (1 – 2 . 0,253)1/2] / 0,8 = 0,372 è dominio 3 com
ductilidade
kz = 1 – 0,5 . λ . kx = 1 – 0,5 . 0,8 . 0,372 = 0,851
As = Md /( kz . d . fyd) = 252000 /(0,851.0,45.(500.106)/1,15) = 15,14.10-4m2 = 15,14
cm2

192
20 φ 10 mm c/ 9 cm

(a.4) Detalhamento das armaduras:

Figura 11.20 – Detalhamento das armaduras

No caso de Sapatas com momentos fletores vindo das excentricidades dos


pilares pode-se, no caso de sapatas rígidas, linearizar as tensões no solo e calcular
os esforços com o carregamento triangular ou trapezoidal (Figura11.21).

193
Figura 11.21 – Tensões no solo para sapatas com momento

Porém, essa opção pode provocar recalque diferencial, o que seria bastante
ruim para a edificação. Para evitar isso, pode-se optar em criar uma viga de
equilíbrio na base desse pilar, como está descrito no decorrer desse capítulo.

11.3.4. SAPATAS ASSOCIADAS COM VIGA DE RIGIDEZ

A sapata associada com viga de rigidez é normalmente usadas quando duas


sapatas estariam se sobrepondo. Para evitar isso, constrói-se uma única sapata,
recebendo carga de dois ou mais pilares. Como as cargas são diferentes, a reação
do solo na sapata corrida não seria uniforme. Para uniformizar essa reação e evitar
o recalque diferencial, constrói-se uma viga de rigidez coincidindo o centro de
gravidade da sapata associada com viga de rigidez com o centro de gravidade das
cargas dos pilares (Figura 11.22).

194
Figura 11.22 – CG das cargas e CG da sapata associada

EXEMPLO RESOLVIDO:

Tensão Admissível do Solo no nível -1,50m = 2,0 kgf/cm2 = 0,20 MPa


Carga no Pilar 1 Nk = 50 tf = 500 kN
Carga no Pilar 2 Nk = 100 tf = 1000 kN
Seção dos Pilares de 30 cm x 30 cm
Distância entre eixos de P1 e P2 = 3 m
Concreto da obra C30

(a) Dimensionamento e detalhamento pelo método da flexão

(a.1) Definição da geometria:

Área da base da sapata = (500000 N + 1000000 N) / (0,20 . 106 N/m2) = 7,50 m2 =


75000 cm2

Calculando-se o xmédio e repetindo a mesma distância para o lado direito da


sapata associada, consegue-se coincidir o CG das cargas com o CG da sapata
associada, evitando assim o recalque diferencial (Figura 11.23).

195
Figura 11.23 – CG das cargas e CG da sapata associada do exemplo

Como o comprimento da sapata associada é 6m e a tensão admissível do


solo é 0,20 MPa, necessariamente a largura mínima da sapata associada é 1,25cm,
conforme calculado abaixo.

1500000  𝑁
𝜎= ≤ 𝜎!"# = 0,2. 10! 𝑁/𝑚!
(6𝑚  . 𝐿𝑎𝑟𝑔𝑢𝑟𝑎)

𝐿𝑎𝑟𝑔𝑢𝑟𝑎 = 1,25𝑚

h ≥ (a – ap)/3 = (125 – 30)/3 = 31,66 cm è adota-se h = 40 cm e h0 = 10 cm (Sapata


Associada Rígida)

Figura 11.24 –sapata associada com viga de rigidez do exemplo

Obs1: Essa sapata se dimensiona em uma única direção, da mesma maneira do


dimensionamento da sapata isolada.
Obs2: Nesse exemplo foi destacado somente o dimensionamento da viga de rigidez.

196
(a.2) Análise dos esforços da viga de rigidez (30 x 80):

Figura 11.25 – Viga de rigidez

Figura 11.26 – Esforços na viga de rigidez

197
11.3.5. SAPATAS DE DIVISA COM VIGA DE EQUILÍBRIO

Sapatas de Divisa ou Sapatas Excêntricas com viga de equilíbrio


normalmente se usa com uma viga de equilíbrio, também chamada de viga de
alavanca. Essa viga tem a função de impedir que a excentricidade da sapata
transmita momento ao pilar, criando um sistema onde o pilar é apoiado no final do
balanço da viga de equilíbrio que, por sua vez, se apoia em duas sapatas (Figura
11.27).

Figura 11.27 – Viga de equilíbrio

EXEMPLO RESOLVIDO:

Tensão Admissível do Solo no nível -1,50m = 2,0 kgf/cm2 = 0,20 MPa


Carga no Pilar de divisa 1 Nk = 50 tf = 500 kN
Carga no Pilar 2 Nk = 100 tf = 1000 kN
Seção dos Pilares de 30 cm x 30 cm
Distância entre eixos de P1 e P2 = 4 m
Concreto da obra C30

(a) Dimensionamento e detalhamento pelo método da flexão

(a.1) Definição da geometria:

Área da base da sapata de divisa = 500000 N/ (0,20 . 106 N/m2) = 2,5 m2 = 25000
cm2 è adota-se 160 cm x 160 cm.
Área da base da sapata = 1000000 N/ (0,20 . 106 N/m2) = 5 m2 = 50000 cm2 è
adota-se 225 cm x 225 cm.

Obs1: Essas sapatas se dimensionam da mesma maneira do dimensionamento da


sapata isolada resolvida anteriormente.
Obs2: Nesse exemplo foi destacado apenas o dimensionamento da viga de
equilíbrio.

198
(a.2) Análise dos esforços da viga de equilíbrio (30 x 70):

Figura 11.28 – Esforços na viga de equilíbrio

Obs: Para o dimensionamento da sapata que sofreu um alívio de 125 kN, a norma
permite que se reduza a carga transferida do pilar P2 por até 50% do alívio (Carga =
P2 – 50% Alívio = 1000 – 50%.125 = 937,5 kN).

11.4. FUNDAÇÕES PROFUNDAS

11.4.1. TIPOLOGIAS

Para fundações profundas, o uso de estacas juntamente com um bloco de


coroamente torna-se necessário (Figura 11.29). As estacas seguram as cargas dos
pilares principalmente através do atrito lateral com o solo e também através da
resistência a tensão normal no solo profundo encontrado. O bloco de coroamento é
um elemento muito rígido que tem a função de transferir a carga do pilar para as
estacas. Diferentemente dos blocos não armados usados nas fundações rasas, os
blocos de coroamento são obrigatoriamente armados (NBR6118:2014).

199
Figura 11.29 – Fundações profundas: Estacas e bloco de coroamento

Atualmente é grande a variedade de tipos de fundações profundas nas obras


civis, diferindo-se entre si basicamente pelo método executivo, pelos materiais que
são constituídas e pelas capacidades de carga. Veja a seguir:

(a) Estaca broca (de 50 kN a 100 kN):

Esse tipo de fundação é a mais simples de todas. Ela é executada, acima do


nível da água e é perfurada a trado por um operário. Depois de furada, coloca-se a
armadura e o concreto. Esse tipo de estaca é muito usada para fazer uma cortina de
contenção dos terrenos vizinhos. Normalmente utiliza-se com diâmetro variando
entre 15 e 25 cm e comprimento até 6 m.

(b) Estaca Strauss (de 200 kN a 800 kN):

Essa estaca apresenta a vantagem de não provocar vibração, evitando danos


às construções vizinhas. A execução dessa estaca se dá por perfuração através de
uma sonda de percussão ligada a um tripé. Essa sonda (bate-estaca Strauss) cava
o solo e empurra o tubo para baixo. Depois do tubo estar dentro do solo, pode-se,
conforme a necessidade, rosquear outro tubo no tubo cravado e continuar o
procedimento até uma altura pré-determinada. Depois, coloca-se a armadura, a
seguir, o concreto e arremessado e apiloado enquanto retira-se o tubo. Essa estaca
é a que dá menos atrito lateral quando comparada com as outras estacas. Não se
recomenda o uso dessa fundação abaixo do nível d`água.

(c) Estaca Pré-moldada de Concreto (de 200 kN a 1500 kN);

Sua execução é simples, mas geralmente incomoda os vizinhos. As estacas


pré-moldadas são cravadas no solo através de um bate-estaca. A grande
desvantagem da estaca pré-moldada é que ela já vem de um tamanho certo, não é
possível fazer emendas, no caso de precisar de mais profundidade.

(d) Estaca Tipo Franki (500 kN a 1700 kN):

Sua execução gera muita vibração e incomodam os vizinhos. É executada


através da cravação de um tubo metálico com a ponta fechada por uma bucha (brita

200
e areia). Quando o bate-estaca crava na profundidade desejada, o tubo é puxado, a
bucha é expurgada do tubo e fixada no solo alargando a base, depois é colocada a
armadura e arremessado o concreto enquanto o tubo e retirado. Ao contrário das
estacas pré-moldadas, as estacas tipo franki podem ficar de profundidades variáveis
em um mesmo terreno.

(e) Estaca Metálica (400 kN a 3000 kN):

Apesar de também ser cravada com bate-estaca, diferentemente da estaca


pré-moldada de concreto, essa estaca provoca pouca vibração, principalmente
quando executada com trilhos metálicos de fácil cravação. Ela pode ser emendada
com solda, caso necessite aumentar a profundidade da estaca. Mas apesar dessas
vantagens, é mais cara que os outros tipos de estacas.

(f) Estaca Tipo Mega (aproximadamente 700 kN):

Geralmente esse tipo de fundação é usada para reforço em prédios já


prontos. A estaca é cravada por um macaco hidráulico apoiada em outra fundação
existente. A grande vantagem desse sistema é que não causa vibração por não
haver batidas.

(g) Estaca Hélice Contínua (de 600 kN a 5000 kN)

Esse tipo de estaca é escavada através de uma hélice girando que penetra
no solo até a altura pré-definida, depois a hélice é retirada vagarosamente sem
girar, retirando o solo, enquanto no eixo da hélice é bombeado concreto. Na medida
que a hélice sai, o concreto preenche o vazio. Após a retirada da hélice, é
mergulhada a armadura dentro do concreto ainda fresco. Uma grande vantagem é
que não provoca vibrações.

(h) Estaca Raiz (de 300 kN a 1000 kN)

Esse tipo de estaca é escavada com a colocação de vários tubos metálicos


rosqueáveis através da utilização de equipamentos mecânicos apropriados
denominados perfuratrizes (hidráulicas, mecânicas ou pneumáticas) que penetra no
solo até a altura pré-definida, depois coloca-se a armadura, injeta-se a argamassa
(cimento e areia), retiram-se os tubos rosqueáveis ao mesmo tempo que se aplica
uma pressão de no mínimo 4 kg/cm2 fazendo com que parte da argamassa penetre
no solo aumentando assim o atrito com o solo.

(i) Tubulão (acima de 3000 kN).

Existem dois tipos de tubulões: a céu aberto e a ar comprimido (com camisa


de aço ou concreto). Os tubulões a céu aberto são usados acima do nível da água,
os tubulões a ar comprimido são usados abaixo do nível da água (no máximo 30m
de coluna d`água), quando não é possível esgotar a mesma. Durante a execução
não causam vibração, sua escavação é praticamente igual ao hélice contínua,
diferindo no final porque é necessário que um operário desça e cave o alargamento

201
da base do tubulão. É a execução mais perigosa quando comparada com as outras
execuções de fundações profundas.

11.4.2. ESTACA COM BLOCO DE COROAMENTO

Blocos sobre estacas, também conhecidos como blocos de coroamento, são


estruturas de volume usadas para transmitir as cargas de pilar para as estacas e
tubulões. Esses blocos podem ser rígidos ou flexíveis, de acordo com o mesmo
critério usado para sapatas.

O comportamento estrutural do bloco rígido se caracteriza por:

(a) trabalha à flexão nas duas direções, mas com trações essencialmente
concentradas nas linhas sobre as estacas (com faixa de largura igual a
1,2φestaca);
(b) forças transmitidas do pilar para as estacas por bielas de compressão, de
forma e dimensões complexas;
(c) trabalha ao cisalhamento também em duas direções, não apresentando
ruptura por tração diagonal, e sim por compressão diagonal (esmagamento
da biela comprimida).

Para o bloco flexível, deve ser realizada uma análise mais complexa, desde a
distribuição das estacas, dos tirantes de tração, até a necessidade da verificação de
ruptura por punção.
Para a análise e dimensionamento do bloco, pode-se usar modelos de bielas
e tirantes tridimensionais. Se houver forças horizontais significativas ou forte
assimetria, o modelo deve considerar a interação solo-estrutura.
As armaduras de flexão devem ser dispostas em mais de 85% nas faixas
definidas pelas estacas (faixa de largura igual a 1,2φestaca), considerando o equilíbrio
da biela.
Para controlar a fissuração em serviço, deve ser prevista uma armadura
positiva adicional (Armadura de Distribuição), independente da armadura principal
de flexão, em malha uniformemente distribuída em duas direções para 20% dos
esforços totais. Porém, esse valor pode ser reduzido, desde que justificado o
controle de fissuras na região entre as armaduras principais.
Caso seja prevista armadura de distribuição para mais de 25% dos esforços
totais ou caso o espaçamento entre as estacas seja maior que 3 vezes o diâmetro
da estaca, deve ser prevista armadura de suspensão para a parcela da carga a ser
equilibrada.
Em blocos com duas ou mais estacas em uma única linha, é obrigatória a
colocação de armaduras laterais e superior.

202
CAPÍTULO 12

ANCORAGEM, TRANSPASSE E RAIO DE


CURVATURA DAS BARRAS
12.1. INTRODUÇÃO

Esse capítulo aborda o assunto do comprimento de ancoragem, do


comprimento do transpasse e do raio de curvatura que as barras devem possuir
seguindo as recomendações normativas.
Esse itens são de fundamental importância no projeto para que as armaduras
funcionem de acordo com o modelo analisado.

12.2. TIPOS DE ARMADURA

Figura 12.1 – Tipos de armadura

A armadura positiva do vão 1 é dimensionada pelo momento fletor máximo


no LVÃO1, a armadura positiva do vão 2 é dimensionada pelo momento fletor máximo
no LVÃO2 e a armadura negativa é dimensionada pelo momento fletor negativo
máximo que aparece sobre o apoio intermediário.

A armadura sobre-apoio é calculada como maior ou igual a 1/3 do As da


armadura positiva do referido vão.

A armadura de pele só é necessária, segundo a norma NBR6118:2014, para


vigas com altura maior que 60 cm. A norma recomenda que se calcule essa
armadura como maior ou igual a 0,10% da área da seção transversal da viga para
cada face. Esse tipo de armadura longitudinal deve ser corrida, distribuída nas duas
faces da viga e espaçada não mais que 20 cm. Além disso, deve-se usar somente
barras de alta aderência.

203
O Porta–Estribo é uma armadura adotada com a função única de segurar os
estribos.

12.3. DIAGRAMA DESLOCADO

Para detalhar as armaduras de uma viga, a primeira coisa a ser feita é


deslocar o diagrama do momento fletor a uma distância al. Sendo:

⎧0,5 d estribos a 900


a l ⎨
= 0
⎩0,2 d estribos a 45

Figura 12.2 – Diagrama de momento fletor deslocado

12.3. COMPRIMENTO DE ANCORAGEM (lb e lb, nec)

Deve-se ancorar uma barra tracionada em uma região comprimida a uma


distância lb, além do diagrama deslocado. Porém, no caso da armadura calculada
(As,calc) ser menor que a armadura adotada (As,ef) ou no caso do uso de ganchos ou
no caso do uso de barras auxiliares soldadas, a NBR6118:2014 permite que se use
um comprimento de ancoragem lb,nec menor que lb (Figura 12.2).

204
𝐴!,!"#!
𝑙!,!"# = 𝛼    𝑙!     ≥   𝑙!,!í!
𝐴!,!"

Sendo:

1,0  (𝑝𝑎𝑟𝑎  𝑏𝑎𝑟𝑟𝑎𝑠  𝑠𝑒𝑚  𝑔𝑎𝑛𝑐ℎ𝑜)


0,7  (𝑝𝑎𝑟𝑎  𝑏𝑎𝑟𝑟𝑎𝑠  𝑡𝑟𝑎𝑐𝑖𝑜𝑛𝑎𝑑𝑎𝑠  𝑐𝑜𝑚  𝑔𝑎𝑛𝑐ℎ𝑜  𝑒  𝑐𝑜𝑏𝑟𝑖𝑚𝑒𝑛𝑡𝑜   ≥ 3𝜙)  
𝛼 =  
0,7  (𝑞𝑢𝑎𝑛𝑑𝑜  ℎ𝑜𝑢𝑣𝑒𝑟  𝑏𝑎𝑟𝑟𝑎𝑠  𝑡𝑟𝑎𝑛𝑠𝑣𝑒𝑟𝑠𝑎𝑖𝑠  𝑠𝑜𝑙𝑑𝑎𝑑𝑎𝑠)
0,5  (𝑞𝑢𝑎𝑛𝑑𝑜  ℎ𝑜𝑢𝑣𝑒𝑟  𝑏𝑎𝑟𝑟𝑎𝑠  𝑡𝑟𝑎𝑛𝑠𝑣. 𝑠𝑜𝑙𝑑𝑎𝑑𝑎𝑠, 𝑔𝑎𝑛𝑐ℎ𝑜  𝑒  𝑐𝑜𝑏𝑟𝑖𝑚𝑒𝑛𝑡𝑜   ≥ 3𝜙)

ϕ 𝑓!" 0,3  𝑙!


𝑙! =       ≤ 25𝜙 𝑙!,!í!   ≥   10  𝜙
4 𝑓!"
100  𝑚𝑚

𝑓!"#,!"# !/!
𝑓!"#,!"# = 0,21  𝑓!"
𝑓!" =   𝜂!  𝜂!  𝜂!  
𝛾!

1,0  (𝑝𝑎𝑟𝑎  𝑏𝑎𝑟𝑟𝑎𝑠  𝑙𝑖𝑠𝑎𝑠) 1,0  (𝑝𝑎𝑟𝑎  𝑏𝑜𝑎  𝑎𝑑𝑒𝑟ê𝑛𝑐𝑖𝑎)


𝜂! =  
𝜂! =   1,4  (𝑝𝑎𝑟𝑎  𝑏𝑎𝑟𝑟𝑎𝑠  𝑒𝑛𝑡𝑎𝑙ℎ𝑎𝑑𝑎𝑠) 0,7  (𝑝𝑎𝑟𝑎  𝑚á  𝑎𝑑𝑒𝑟ê𝑛𝑐𝑖𝑎)
2,25  (𝑝𝑎𝑟𝑎  𝑏𝑎𝑟𝑟𝑎𝑠  𝑛𝑒𝑟𝑣𝑢𝑟𝑎𝑑𝑎𝑠)
1,0  (𝑝𝑎𝑟𝑎  𝜙   <  32  𝑚𝑚)
𝜂! =   (132 −  𝜙)
 (𝑝𝑎𝑟𝑎  𝜙   ≥  32  𝑚𝑚)
100

E define-se a zona de boa ou má aderência da seguinte maneira:

Figura 12.3 – Zonas de boa e má aderência

A NBR6118:2014, através do fator redutor α, permite que se reduza o


comprimento de ancoragem necessário (lb,nec) em 30% ou 50%, no caso de uso de

205
gancho na barra e, também, no caso de uso de barras transversais soldadas
melhorando a ancoragem das barras longitudinais.

Figura 12.4 – Barras com comprimento de ancoragem necessário com e sem


gancho

O comprimento do gancho (trecho reto após a virada) deve ser:

Figura 12.5 – Tamanhos dos ganchos

12.4. RAIO DE CURVATURA DAS BARRAS

Para dobrar uma barra, deve-se respeitar os seguintes diâmetros internos de


curvatura (Pinos de dobramento – D)

206
Figura 12.6 – Diâmetros de dobramento (D)

12.5. EMENDA POR TRANSPASSE

Outro assunto importante é o do transpasse de armaduras. A emenda de


barras pode ser denominada de transpasse, porém essa emenda introduz tensões
de tração e de compressão na região. Para evitar altas concentrações de tensão,
deve-se limitar a quantidade de emendas numa mesma seção.

A NBR 6118:2014 considera as emendas na mesma seção transversal


quando a extremidades mais próximas estejam afastadas menos que 20 % do maior
comprimento de transpasse, como mostrado na figura abaixo.

Figura 12.7 - Emendas supostas na mesma seção transversal.

207
208
209
210
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
ARAUJO, Jose Milton de. Curso de concreto armado. 4. ed. Rio Grande: Dunas,
2014. v.1. ISBN: 978-85-86717-13-0.
ARAUJO, Jose Milton de. Curso de concreto armado. 4. ed. Rio Grande: Dunas,
2014. v.2. ISBN: 978-85-86717-13-0.
ARAUJO, Jose Milton de. Curso de concreto armado. 4. ed. Rio Grande: Dunas,
2014. v.3. ISBN: 978-85-86717-13-0.
ARAUJO, Jose Milton de. Curso de concreto armado. 4. ed. Rio Grande: Dunas,
2014. v.4. ISBN: 978-85-86717-13-0.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 5739/94 – Ensaio de
compressão de corpos de prova cilíndricos de concreto. Rio de Janeiro, 1994-a.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6118 – Projeto de
estruturas de concreto - Procedimentos. Rio de Janeiro, 2014.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6152/92 – Materiais
metálicos - Determinação das propriedades mecânicas a tração – Métodos de
ensaio. Rio de Janeiro, 1992.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 7222/94 – Argamassa
e concreto – Determinação da resistência a tração por compressão diametral de
corpos de prova cilíndricos – Método de ensaio. Rio de Janeiro, 1994-b.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 8522/84 – Concreto –
Determinação do módulo de deformação estática e diagrama tensão-deformação –
Método de ensaio. Rio de Janeiro, 1984.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Cargas para o calculo de
estruturas de edificacões : NBR 6120. Rio de Janeiro:[s.n.], 1980.
CARVALHO, Roberto Chust e PINHEIRO, Libânio Miranda. Cálculo e detalhamento
de estruturas usuais de concreto armado. São Paulo: Pini, 2009. v.2. ISBN:978-85-
7266-188-1.
CLÍMACO, João Calos Teatini de S. Estruturas de concreto armado: Fundamentos
de projeto, dimensionamento e verificação. 1a. Edição. Universidade de Brasília,
Brasília, 2010.
FUSCO, P. B. Técnica de Armar as Estruturas de Concreto. São Paulo: Pini , 1994.
Interciência, 1979.
MaCGREGOR J.G., Reinforced Concrete - Mechanics & Design, Prentice Hall,
Second Edition, New Jersey, U.S.A., 1992.

211
212
ANEXO 1 – Lista de cargas para cálculo de
estruturas de edificações segundo a NBR6120
(1980)
PESOS ESPECÍFICOS DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL (kN/m3):

213
SOBRE-CARGAS MÍNIMAS (kN/m2):

214
215
216
ANEXO 2 – Tabelas para cálculo dos esforços de
lajes por Marcus

Momentos Positivos Momentos Negativos


λ = Ly/Lx
2
px = kx . p Mx = p . Lx /mx (Não existem)
2
My = p . Lx /my

λ kx mx nx my ny λ kx mx nx my ny
1,00 0,500 27,43 - 27,43 - - - - - - -
1,01 0,510 26,89 - 27,43 - 1,51 0,839 13,76 - 31,36 -
1,02 0,520 26,37 - 27,43 - 1,52 0,842 13,64 - 31,52 -
1,03 0,530 25,87 - 27,44 - 1,53 0,846 13,53 - 31,68 -
1,04 0,539 25,38 - 27,45 - 1,54 0,849 13,43 - 31,85 -
1,05 0,549 24,91 - 27,47 - 1,55 0,852 13,33 - 32,01 -
1,06 0,558 24,46 - 27,48 - 1,56 0,856 13,23 - 32,19 -
1,07 0,567 24,02 - 27,50 - 1,57 0,859 13,13 - 32,36 -
1,08 0,576 23,60 - 27,52 - 1,58 0,862 13,03 - 32,53 -
1,09 0,585 23,19 - 27,55 - 1,59 0,865 12,94 - 32,71 -
1,10 0,594 22,79 - 27,58 - 1,60 0,868 12,85 - 32,90 -
1,11 0,603 22,41 - 27,61 - 1,61 0,870 12,76 - 33,08 -
1,12 0,611 22,03 - 27,64 - 1,62 0,873 12,68 - 33,27 -
1,13 0,620 21,67 - 27,68 - 1,63 0,876 12,59 - 33,46 -
1,14 0,628 21,33 - 27,71 - 1,64 0,879 12,51 - 33,65 -
1,15 0,636 20,99 - 27,76 - 1,65 0,881 12,43 - 33,85 -
1,16 0,644 20,66 - 27,80 - 1,66 0,884 12,36 - 34,05 -
1,17 0,652 20,34 - 27,85 - 1,67 0,886 12,28 - 34,25 -
1,18 0,660 20,04 - 27,90 - 1,68 0,888 12,21 - 34,45 -
1,19 0,667 19,74 - 27,95 - 1,69 0,891 12,13 - 34,65 -
1,20 0,675 19,45 - 28,01 - 1,70 0,893 12,06 - 34,87 -
1,21 0,682 19,17 - 28,07 - 1,71 0,895 12,00 - 35,08 -
1,22 0,689 18,90 - 28,14 - 1,72 0,897 11,93 - 35,29 -
1,23 0,696 18,64 - 28,20 - 1,73 0,900 11,86 - 35,51 -
1,24 0,703 18,39 - 28,27 - 1,74 0,902 11,80 - 35,73 -
1,25 0,709 18,14 - 28,34 - 1,75 0,904 11,74 - 35,95 -
1,26 0,716 17,90 - 28,42 - 1,76 0,906 11,68 - 36,18 -
1,27 0,722 17,67 - 28,50 - 1,77 0,908 11,62 - 36,40 -
1,28 0,729 17,44 - 28,58 - 1,78 0,909 11,56 - 36,63 -
1,29 0,735 17,23 - 28,67 - 1,79 0,911 11,51 - 36,87 -
1,30 0,741 17,02 - 28,76 - 1,80 0,913 11,45 - 37,10 -
1,31 0,747 16,81 - 28,85 - 1,81 0,915 11,40 - 37,34 -
1,32 0,752 16,61 - 28,94 - 1,82 0,916 11,34 - 37,58 -
1,33 0,758 16,42 - 29,04 - 1,83 0,918 11,29 - 37,82 -
1,34 0,763 16,23 - 29,14 - 1,84 0,920 11,24 - 38,07 -
1,35 0,769 16,05 - 29,25 - 1,85 0,921 11,19 - 38,31 -
1,36 0,774 15,87 - 29,36 - 1,86 0,923 11,15 - 38,56 -
1,37 0,779 15,70 - 29,47 - 1,87 0,924 11,10 - 38,81 -
1,38 0,784 15,53 - 29,58 - 1,88 0,926 11,05 - 39,07 -
1,39 0,789 15,37 - 29,70 - 1,89 0,927 11,01 - 39,32 -
1,40 0,793 15,22 - 29,82 - 1,90 0,929 10,96 - 39,58 -
1,41 0,798 15,06 - 29,95 - 1,91 0,930 10,92 - 39,84 -
1,42 0,803 14,91 - 30,07 - 1,92 0,931 10,88 - 40,11 -
1,43 0,807 14,77 - 30,20 - 1,93 0,933 10,84 - 40,37 -
1,44 0,811 14,63 - 30,34 - 1,94 0,934 10,80 - 40,64 -
1,45 0,816 14,50 - 30,48 - 1,95 0,935 10,76 - 40,91 -
1,46 0,820 14,35 - 30,62 - 1,96 0,937 10,72 - 41,18 -
1,47 0,824 14,23 - 30,76 - 1,97 0,938 10,68 - 41,45 -
1,48 0,828 14,11 - 30,91 - 1,98 0,939 10,65 - 41,73 -
1,49 0,831 13,99 - 31,05 - 1,99 0,940 10,61 - 42,01 -
1,50 0,835 13,87 - 31,21 - 2,00 0,941 10,57 - 42,29 -

217
Momentos Positivos Momentos Negativos
λ = Ly/Lx
2 2
px = kx . p Mx = p . Lx /mx Xx = p . Lx /nx
2
My = p . Lx /my

λ kx mx nx my ny λ kx mx nx my ny
0,50 0,135 140,95 59,20 45,13 - - - - - - -
0,51 0,145 132,97 55,30 44,14 - 1,02 0,730 29,02 10,96 37,20 -
0,52 0,155 125,69 51,77 43,23 - 1,04 0,745 28,19 10,74 37,68 -
0,53 0,165 119,04 48,56 42,38 - 1,06 0,759 27,41 10,53 38,20 -
0,54 0,175 112,95 45,63 41,60 - 1,08 0,773 26,69 10,35 38,74 -
0,55 0,186 107,36 42,97 40,88 - 1,10 0,785 26,02 10,19 39,32 -
0,56 0,197 102,21 40,54 40,22 - 1,12 0,797 25,41 10,03 39,92 -
0,57 0,209 97,47 38,31 39,61 - 1,14 0,809 24,83 9,89 40,56 -
0,58 0,221 93,09 36,28 39,03 - 1,16 0,819 24,29 9,77 41,22 -
0,59 0,233 89,04 34,41 38,52 - 1,18 0,829 23,80 9,65 41,91 -
0,60 0,245 85,29 32,69 38,04 - 1,20 0,838 23,33 9,54 42,63 -
0,61 0,257 81,80 31,11 37,60 - 1,22 0,847 22,90 9,44 43,37 -
0,62 0,270 78,56 29,66 37,20 - 1,24 0,855 22,49 9,35 44,14 -
0,63 0,283 75,54 28,31 36,84 - 1,26 0,863 22,11 9,27 44,93 -
0,64 0,295 72,72 27,07 36,50 - 1,28 0,870 21,76 9,19 45,75 -
0,65 0,309 70,08 25,93 36,20 - 1,30 0,877 21,42 9,12 46,60 -
0,66 0,322 67,61 24,86 35,92 - 1,32 0,884 21,11 9,05 47,46 -
0,67 0,335 65,29 23,88 35,67 - 1,34 0,890 20,82 8,99 48,35 -
0,68 0,348 63,11 22,97 35,45 - 1,36 0,895 20,55 8,94 49,27 -
0,69 0,362 61,06 22,12 35,25 - 1,38 0,901 20,29 8,88 50,20 -
0,70 0,375 59,13 21,33 35,08 - 1,40 0,906 20,04 8,83 51,16 -
0,71 0,388 57,31 20,59 34,92 - 1,42 0,910 19,81 8,79 52,14 -
0,72 0,402 55,59 19,91 34,79 - 1,44 0,915 19,60 8,74 53,15 -
0,73 0,415 53,96 19,27 34,68 - 1,46 0,919 19,39 8,70 54,17 -
0,74 0,428 52,42 18,67 34,58 - 1,48 0,923 19,20 8,67 55,22 -
0,75 0,442 50,95 18,11 34,50 - 1,50 0,927 19,02 8,63 56,28 -
0,76 0,455 49,56 17,59 34,44 - 1,52 0,930 18,84 8,60 57,37 -
0,77 0,468 48,24 17,10 34,40 - 1,54 0,934 18,68 8,57 58,48 -
0,78 0,481 46,99 16,65 34,37 - 1,56 0,937 18,52 8,54 59,61 -
0,79 0,493 45,80 16,22 34,35 - 1,58 0,940 18,38 8,51 60,75 -
0,80 0,506 44,65 15,81 34,35 - 1,60 0,942 18,24 8,49 61,92 -
0,81 0,518 43,57 15,43 34,37 - 1,62 0,945 18,10 8,46 63,11 -
0,82 0,531 42,54 15,08 34,39 - 1,64 0,948 17,98 8,44 64,32 -
0,83 0,543 41,55 14,74 34,43 - 1,66 0,950 17,85 8,42 65,55 -
0,84 0,555 40,60 14,43 34,48 - 1,68 0,952 17,74 8,40 66,79 -
0,85 0,566 39,70 14,13 34,55 - 1,70 0,954 17,63 8,38 68,06 -
0,86 0,578 38,84 13,85 34,62 - 1,72 0,956 17,53 8,37 69,34 -
0,87 0,589 38,01 13,59 34,71 - 1,74 0,958 17,43 8,35 70,65 -
0,88 0,600 37,22 13,34 34,81 - 1,76 0,960 17,33 8,33 71,97 -
0,89 0,611 36,47 13,10 34,91 - 1,78 0,962 17,24 8,32 73,31 -
0,90 0,621 35,74 12,88 35,03 - 1,80 0,963 17,15 8,30 74,67 -
0,91 0,632 35,05 12,67 35,16 - 1,82 0,965 17,07 8,29 76,05 -
0,92 0,642 34,38 12,47 35,30 - 1,84 0,966 16,99 8,28 77,44 -
0,93 0,652 33,74 12,28 35,45 - 1,86 0,968 16,91 8,27 78,85 -
0,94 0,661 33,13 12,10 35,61 - 1,88 0,969 16,84 8,26 80,29 -
0,95 0,671 32,54 11,93 35,78 - 1,90 0,970 16,77 8,25 81,74 -
0,96 0,680 31,97 11,77 35,95 - 1,92 0,971 16,70 8,24 83,21 -
0,97 0,689 31,43 11,61 36,14 - 1,94 0,973 16,64 8,23 84,69 -
0,98 0,698 30,91 11,47 36,33 - 1,96 0,974 16,57 8,22 86,20 -
0,99 0,706 30,41 11,33 36,54 - 1,98 0,975 16,51 8,21 87,72 -
1,00 0,714 29,93 11,20 36,75 - 2,00 0,976 16,46 8,20 89,26 -

218
Momentos Positivos Momentos Negativos
λ = Ly/Lx
2 2
px = kx . p Mx = p . Lx /mx Xx = p . Lx /nx
2 2
My = p . Lx /my Xy = p . Lx /ny

λ kx mx nx my ny λ kx mx nx my ny
1,00 0,500 37,15 16,00 37,15 16,00 - - - - - -
1,01 0,510 36,42 15,69 37,15 16,00 1,51 0,839 20,49 9,54 46,72 21,75
1,02 0,520 35,72 15,39 37,17 16,01 1,52 0,842 20,36 9,50 47,05 21,95
1,03 0,530 35,05 15,11 37,19 16,03 1,53 0,846 20,24 9,46 47,39 22,14
1,04 0,539 34,42 14,84 37,23 16,05 1,54 0,849 20,13 9,42 47,73 22,35
1,05 0,549 33,81 14,58 37,27 16,08 1,55 0,852 20,01 9,39 48,08 22,55
1,06 0,558 33,22 14,34 27,32 16,11 1,56 0,856 19,90 9,35 48,43 22,76
1,07 0,567 32,65 14,10 37,38 16,15 1,57 0,859 19,79 9,32 48,79 22,96
1,08 0,576 32,11 13,88 37,45 16,19 1,58 0,862 19,69 9,28 49,15 23,18
1,09 0,585 31,59 13,67 37,53 16,24 1,59 0,865 19,59 9,25 49,51 23,39
1,10 0,594 31,09 13,46 37,62 16,29 1,60 0,868 19,49 9,22 49,88 23,61
1,11 0,603 30,61 13,27 37,71 16,35 1,61 0,870 19,39 9,19 50,26 23,82
1,12 0,611 30,15 13,08 37,82 16,41 1,62 0,873 19,29 9,16 50,66 24,04
1,13 0,620 29,70 12,91 37,92 16,48 1,63 0,876 19,20 9,13 51,02 24,27
1,14 0,628 29,27 12,74 38,04 16,55 1,64 0,879 19,11 9,11 51,41 24,49
1,15 0,636 28,86 12,57 38,17 16,63 1,65 0,881 19,03 9,08 51,80 24,72
1,16 0,644 28,46 12,42 38,30 16,71 1,66 0,884 18,94 9,05 52,19 24,95
1,17 0,652 28,08 12,27 38,44 16,80 1,67 0,886 18,86 9,03 52,59 25,18
1,18 0,660 27,71 12,13 38,58 16,88 1,68 0,888 18,78 9,00 52,99 25,41
1,19 0,667 27,35 11,99 38,74 16,98 1,69 0,891 18,70 8,98 53,40 25,65
1,20 0,675 27,01 11,86 38,89 17,08 1,70 0,893 18,62 8,96 53,81 25,89
1,21 0,682 26,68 11,73 39,06 17,18 1,71 0,895 18,55 8,94 54,23 26,13
1,22 0,689 26,36 11,61 39,23 17,28 1,72 0,897 18,47 8,91 54,65 26,37
1,23 0,696 26,05 11,50 39,41 17,39 1,73 0,900 18,40 8,89 55,07 26,62
1,24 0,703 25,75 11,38 39,60 17,50 1,74 0,902 18,33 8,87 55,50 26,86
1,25 0,709 25,46 11,28 39,79 17,62 1,75 0,904 18,26 8,85 55,93 27,11
1,26 0,716 25,19 11,17 39,99 17,74 1,76 0,906 18,20 8,83 56,36 27,36
1,27 0,722 24,92 11,08 40,19 17,86 1,77 0,908 18,13 8,82 56,80 27,62
1,28 0,729 24,66 10,98 40,40 17,99 1,78 0,909 18,07 8,80 57,25 27,87
1,29 0,735 24,41 10,89 40,62 18,12 1,79 0,911 18,01 8,78 57,69 28,13
1,30 0,741 24,16 10,80 40,84 18,25 1,80 0,913 17,95 8,76 58,14 28,39
1,31 0,747 23,93 10,72 41,06 18,39 1,81 0,915 17,89 8,75 58,60 28,65
1,32 0,752 23,70 10,64 41,30 18,53 1,82 0,916 17,83 8,73 59,06 28,91
1,33 0,758 23,48 10,56 41,53 18,67 1,83 0,918 17,77 8,71 59,52 29,18
1,34 0,763 23,27 10,48 41,78 18,82 1,84 0,920 17,72 8,70 59,98 29,45
1,35 0,769 23,06 10,41 42,03 18,97 1,85 0,921 17,66 8,68 60,45 29,72
1,36 0,774 22,86 10,34 42,28 19,12 1,86 0,923 17,61 8,67 60,93 29,99
1,37 0,779 22,67 10,27 42,54 19,28 1,87 0,924 17,56 8,65 61,40 30,26
1,38 0,784 22,48 10,21 42,81 19,44 1,88 0,926 17,51 8,64 61,88 30,54
1,39 0,789 22,30 10,14 43,08 19,60 1,89 0,927 17,46 8,63 62,37 30,82
1,40 0,793 22,12 10,08 43,35 19,76 1,90 0,929 17,41 8,61 62,85 31,10
1,41 0,798 21,95 10,02 43,64 19,93 1,91 0,930 17,36 8,60 63,35 31,38
1,42 0,803 21,78 9,97 43,92 20,10 1,92 0,931 17,32 8,59 63,84 31,66
1,43 0,807 21,62 9,91 44,21 20,27 1,93 0,933 17,27 8,58 64,34 31,95
1,44 0,811 21,46 9,86 44,51 20,45 1,94 0,934 17,23 8,56 64,84 32,23
1,45 0,816 21,31 9,81 44,81 20,62 1,95 0,935 17,19 8,55 65,35 32,52
1,46 0,820 21,16 9,76 45,12 20,81 1,96 0,937 17,14 8,54 65,86 32,82
1,47 0,824 21,02 9,71 45,43 20,99 1,97 0,938 17,10 8,53 66,37 33,11
1,48 0,828 20,88 9,67 45,74 21,18 1,98 0,939 17,06 8,52 66,89 33,40
1,49 0,831 20,75 9,62 46,06 21,36 1,99 0,940 17,02 8,51 67,40 33,70
1,50 0,835 20,62 9,58 46,39 21,56 2,00 0,941 16,98 8,50 67,93 34,00

219
Momentos Positivos Momentos Negativos
λ = Ly/Lx
2 2
px = kx . p Mx = p . Lx /mx Xx = p . Lx /nx
2
My = p . Lx /my

λ kx mx nx my ny λ kx mx nx my ny
0,50 0,238 137,06 50,40 49,92 - - - - - - -
0,51 0,253 130,06 47,48 49,12 - 1,02 0,844 36,71 14,22 57,01 -
0,52 0,268 123,66 44,82 48,39 - 1,04 0,854 36,00 14,05 58,34 -
0,53 0,283 117,78 42,42 47,73 - 1,06 0,863 35,35 13,90 59,71 -
0,54 0,298 112,39 40,23 47,14 - 1,08 0,872 34,74 13,76 61,13 -
0,55 0,314 107,42 38,23 46,61 - 1,10 0,880 34,18 13,64 62,60 -
0,56 0,330 102,83 36,40 46,14 - 1,12 0,887 33,66 13,53 64,11 -
0,57 0,345 98,59 34,74 45,72 - 1,14 0,894 33,18 13,42 65,67 -
0,58 0,361 94,66 33,21 45,36 - 1,16 0,901 32,74 13,33 67,27 -
0,59 0,377 91,01 31,81 45,04 - 1,18 0,906 32,32 13,24 68,92 -
0,60 0,393 87,62 30,52 44,77 - 1,20 0,912 31,93 13,16 70,61 -
0,61 0,409 84,46 29,33 44,55 - 1,22 0,917 31,57 13,08 72,34 -
0,62 0,425 81,51 28,24 44,36 - 1,24 0,922 31,23 13,02 74,11 -
0,63 0,441 78,76 27,24 44,21 - 1,26 0,926 30,92 12,95 75,93 -
0,64 0,456 76,18 26,31 44,10 - 1,28 0,931 30,62 12,89 77,78 -
0,65 0,472 73,76 25,44 44,03 - 1,30 0,935 30,34 12,84 79,68 -
0,66 0,487 71,49 24,65 43,98 - 1,32 0,938 30,08 12,79 81,61 -
0,67 0,502 69,36 23,91 43,97 - 1,34 0,942 29,83 12,74 83,58 -
0,68 0,517 67,36 23,22 43,99 - 1,36 0,945 29,60 12,70 85,60 -
0,69 0,531 65,47 22,59 44,04 - 1,38 0,948 29,39 12,66 87,65 -
0,70 0,546 63,69 22,00 44,11 - 1,40 0,951 29,18 12,62 89,73 -
0,71 0,560 62,01 21,44 44,21 - 1,42 0,953 28,99 12,59 91,86 -
0,72 0,573 60,42 20,93 44,34 - 1,44 0,956 28,80 12,56 94,02 -
0,73 0,587 58,92 20,45 44,49 - 1,46 0,958 28,63 12,53 96,22 -
0,74 0,600 57,51 20,00 44,67 - 1,48 0,960 28,47 12,50 98,46 -
0,75 0,613 56,16 19,59 44,87 - 1,50 0,962 28,31 12,47 100,73 -
0,76 0,625 54,89 19,19 45,09 - 1,52 0,964 28,16 12,45 103,04 -
0,77 0,637 53,69 18,83 45,33 - 1,54 0,966 28,02 12,43 105,39 -
0,78 0,649 52,54 18,48 45,59 - 1,56 0,967 27,89 12,41 107,77 -
0,79 0,661 51,46 18,16 45,88 - 1,58 0,969 27,76 12,39 110,19 -
0,80 0,672 50,42 17,86 46,18 - 1,60 0,970 27,64 12,37 112,64 -
0,81 0,683 49,44 17,58 46,50 - 1,62 0,972 27,53 12,35 115,13 -
0,82 0,693 48,51 17,31 46,84 - 1,64 0,973 27,42 12,33 117,65 -
0,83 0,704 47,62 17,06 47,20 - 1,66 0,974 27,31 12,32 120,21 -
0,84 0,713 46,78 16,82 47,58 - 1,68 0,976 27,22 12,30 122,80 -
0,85 0,723 45,97 16,60 47,97 - 1,70 0,977 27,12 12,29 125,43 -
0,86 0,732 45,21 16,39 48,38 - 1,72 0,978 27,03 12,27 128,10 -
0,87 0,741 44,48 16,19 48,81 - 1,74 0,979 26,94 12,26 130,79 -
0,88 0,750 43,78 16,00 49,26 - 1,76 0,980 26,86 12,25 133,52 -
0,89 0,758 43,12 15,83 49,72 - 1,78 0,980 26,78 12,24 136,29 -
0,90 0,766 42,48 15,65 50,19 - 1,80 0,981 26,70 12,23 139,09 -
0,91 0,774 41,87 15,50 50,68 - 1,82 0,982 26,63 12,22 141,92 -
0,92 0,782 41,29 15,35 51,19 - 1,84 0,983 26,56 12,21 144,79 -
0,93 0,789 40,74 15,21 51,71 - 1,86 0,984 26,49 12,20 147,69 -
0,94 0,796 40,21 15,07 52,24 - 1,88 0,984 26,43 12,19 150,63 -
0,95 0,803 39,70 14,95 52,79 - 1,90 0,985 26,37 12,18 153,60 -
0,96 0,809 39,22 14,83 53,35 - 1,92 0,985 26,31 12,18 156,60 -
0,97 0,816 38,75 14,71 53,93 - 1,94 0,986 26,25 12,17 159,64 -
0,98 0,822 38,31 14,60 54,52 - 1,96 0,987 26,19 12,16 162,71 -
0,99 0,828 37,88 14,50 55,13 - 1,98 0,987 26,14 12,16 165,82 -
1,00 0,833 37,47 14,40 55,74 - 2,00 0,988 26,09 12,15 168,95 -

220
Momentos Positivos Momentos Negativos
λ = Ly/Lx
2 2
px = kx . p Mx = p . Lx /mx Xx = p . Lx /nx
2 2
My = p . Lx /my Xy = p . Lx /ny

λ kx mx nx my ny λ kx mx nx my ny
0,50 0,111 246,42 108,00 71,43 36,00 - - - - - -
0,51 0,119 230,75 100,69 69,54 34,92 1,02 0,684 42,93 17,54 51,14 24,34
0,52 0,128 216,50 94,06 67,77 33,91 1,04 0,701 41,77 17,13 51,77 24,70
0,53 0,136 203,51 88,04 66,13 32,97 1,06 0,716 40,72 16,75 52,45 25,10
0,54 0,145 191,66 82,56 64,61 32,10 1,08 0,731 39,74 16,41 53,18 25,52
0,55 0,155 180,83 77,57 63,19 31,29 1,10 0,745 38,84 16,10 53,96 25,97
0,56 0,164 170,90 73,01 61,86 30,53 1,12 0,759 38,01 15,81 54,78 26,45
0,57 0,174 161,79 68,84 60,63 29,82 1,14 0,772 37,25 15,55 55,65 26,95
0,58 0,185 153,42 65,02 59,49 29,16 1,16 0,784 36,54 15,31 56,56 27,47
0,59 0,195 145,71 61,52 58,43 28,55 1,18 0,795 35,88 15,09 57,51 28,02
0,60 0,206 138,61 58,30 57,44 27,98 1,20 0,806 35,27 14,89 58,50 28,60
0,61 0,217 132,05 55,33 56,52 27,45 1,22 0,816 34,70 14,71 59,53 29,19
0,62 0,228 125,98 52,61 55,67 26,96 1,24 0,825 34,17 14,54 60,60 29,80
0,63 0,240 120,36 50,09 54,88 26,51 1,26 0,834 33,68 14,38 61,71 30,44
0,64 0,251 115,14 47,76 54,15 26,08 1,28 0,843 33,22 14,24 62,86 31,10
0,65 0,263 110,30 45,61 53,48 25,69 1,30 0,851 32,79 14,10 64,04 31,77
0,66 0,275 105,80 43,62 52,86 25,34 1,32 0,859 32,39 13,98 65,25 32,47
0,67 0,287 101,61 41,78 52,29 25,00 1,34 0,866 32,01 13,86 66,50 33,18
0,68 0,300 97,70 40,06 51,76 24,70 1,36 0,872 31,66 13,75 67,79 33,92
0,69 0,312 94,06 38,47 51,28 24,42 1,38 0,879 31,32 13,65 69,10 34,67
0,70 0,324 90,65 36,99 50,85 24,17 1,40 0,885 31,01 13,56 70,45 35,44
0,71 0,337 87,46 35,61 50,45 23,94 1,42 0,890 30,72 13,48 71,84 36,23
0,72 0,350 84,48 34,33 50,09 23,73 1,44 0,896 30,44 13,40 73,25 37,04
0,73 0,362 81,68 33,13 49,77 23,54 1,46 0,901 30,18 13,32 74,69 37,86
0,74 0,375 79,05 32,01 49,48 23,37 1,48 0,906 29,94 13,25 76,17 38,70
0,75 0,388 76,58 30,96 49,23 23,22 1,50 0,910 29,71 13,19 77,68 39,56
0,76 0,400 74,26 29,98 49,01 23,09 1,52 0,914 29,49 13,12 79,21 40,43
0,77 0,413 72,08 29,07 48,81 22,98 1,54 0,918 29,28 13,07 80,78 41,32
0,78 0,425 70,02 28,21 48,65 22,88 1,56 0,922 29,09 13,01 82,37 42,22
0,79 0,438 68,08 27,40 48,51 22,80 1,58 0,926 28,90 12,96 84,00 43,15
0,80 0,450 66,24 26,65 48,40 22,74 1,60 0,929 28,73 12,92 85,65 44,09
0,81 0,463 64,51 25,94 48,32 22,69 1,62 0,932 28,56 12,87 87,33 45,04
0,82 0,475 62,88 25,27 48,26 22,66 1,64 0,935 28,40 12,83 89,04 46,01
0,83 0,487 61,33 24,64 48,22 22,64 1,66 0,938 28,25 12,79 90,77 46,99
0,84 0,499 59,86 24,05 48,21 22,63 1,68 0,941 28,11 12,75 92,54 47,99
0,85 0,511 58,47 23,49 48,22 22,63 1,70 0,944 27,97 12,72 94,33 49,01
0,86 0,522 57,15 22,97 48,25 22,65 1,72 0,946 27,84 12,69 96,15 50,04
0,87 0,534 55,90 22,47 48,30 22,68 1,74 0,948 27,72 12,65 98,00 51,08
0,88 0,545 54,71 22,01 48,37 22,72 1,76 0,950 27,60 12,63 99,87 52,14
0,89 0,557 53,58 21,56 48,46 22,77 1,78 0,953 27,49 12,60 101,77 53,22
0,90 0,568 52,51 21,14 48,57 22,84 1,80 0,955 27,38 12,57 103,70 54,31
0,91 0,578 51,49 20,75 48,69 22,91 1,82 0,956 27,28 12,55 105,65 55,41
0,92 0,589 50,51 20,38 48,84 22,99 1,84 0,958 27,18 12,52 107,63 56,53
0,93 0,599 49,59 20,02 49,00 23,09 1,86 0,960 27,09 12,50 109,63 57,67
0,94 0,610 48,70 19,68 49,18 23,19 1,88 0,962 27,00 12,48 111,66 58,81
0,95 0,620 47,86 19,37 49,37 23,30 1,90 0,963 26,92 12,46 113,72 59,98
0,96 0,629 47,06 19,06 49,58 23,43 1,92 0,965 26,83 12,44 115,80 61,15
0,97 0,639 46,29 18,78 49,80 23,56 1,94 0,966 26,75 12,42 117,91 62,34
0,98 0,648 45,55 18,50 50,04 23,70 1,96 0,967 26,68 12,41 120,04 63,55
0,99 0,658 44,85 18,25 50,29 23,84 1,98 0,968 26,61 12,39 122,20 64,77
1,00 0,667 44,18 18,00 50,56 24,00 2,00 0,970 26,54 12,38 124,38 66,00

221
Momentos Positivos Momentos Negativos
λ = Ly/Lx
2 2
px = kx . p Mx = p . Lx /mx Xx = p . Lx /nx
2 2
My = p . Lx /my Xy = p . Lx /ny

λ kx mx nx my ny λ kx mx nx my ny
1,00 0,500 55,74 24,00 55,74 24,00 - - - - - -
1,01 0,510 54,66 23,53 55,76 24,00 1,51 0,839 31,87 14,31 72,67 32,62
1,02 0,520 53,61 23,09 55,78 24,02 1,52 0,842 31,71 14,24 73,26 32,92
1,03 0,530 52,62 22,66 55,82 24,04 1,53 0,846 31,54 14,19 73,84 33,22
1,04 0,539 51,74 22,26 55,88 24,07 1,54 0,849 31,39 14,13 74,44 33,52
1,05 0,549 50,76 21,87 55,96 24,11 1,55 0,852 31,24 14,08 75,04 33,82
1,06 0,558 49,89 21,50 56,06 24,16 1,56 0,856 31,09 14,03 75,66 34,13
1,07 0,567 49,06 21,16 56,17 24,22 1,57 0,859 30,94 13,97 76,27 34,44
1,08 0,576 48,27 20,82 56,30 24,28 1,58 0,862 30,80 13,92 76,90 34,79
1,09 0,585 47,50 20,50 56,44 24,36 1,59 0,865 30,67 13,88 77,52 35,08
1,10 0,594 46,77 20,20 56,59 24,44 1,60 0,868 30,54 13,83 78,17 35,41
1,11 0,603 46,07 19,90 56,76 24,52 1,61 0,870 30,41 13,79 78,81 35,73
1,12 0,611 45,40 19,63 56,94 24,62 1,62 0,873 30,28 13,74 79,47 36,06
1,13 0,620 44,76 19,36 57,14 24,72 1,63 0,876 30,16 13,70 80,13 36,40
1,14 0,628 44,13 19,10 57,36 24,83 1,64 0,879 30,04 13,66 80,80 36,74
1,15 0,636 43,54 18,86 57,58 24,94 1,65 0,881 29,93 13,62 81,48 37,08
1,16 0,644 42,97 18,63 57,82 25,06 1,66 0,884 29,82 13,58 82,16 37,42
1,17 0,652 42,42 18,40 58,07 25,19 1,67 0,886 29,71 13,54 82,86 37,77
1,18 0,660 41,89 18,19 58,33 25,33 1,68 0,888 29,60 13,51 83,54 38,12
1,19 0,667 41,38 17,98 58,60 25,47 1,69 0,891 29,50 13,47 84,24 38,47
1,20 0,675 40,90 17,79 58,89 25,61 1,70 0,893 29,40 13,44 84,96 38,83
1,21 0,682 40,42 17,60 59,19 25,76 1,71 0,895 29,30 13,40 85,67 39,19
1,22 0,689 39,97 17,42 59,49 25,92 1,72 0,897 29,20 13,37 86,38 39,56
1,23 0,696 39,54 17,24 59,81 26,09 1,73 0,900 29,11 13,34 87,12 39,92
1,24 0,703 39,12 17,07 60,14 26,26 1,74 0,902 29,02 13,31 87,86 40,29
1,25 0,709 38,71 16,91 60,49 26,43 1,75 0,904 28,93 13,28 88,60 40,67
1,26 0,716 38,32 16,76 60,84 26,61 1,76 0,906 28,84 13,26 89,34 41,04
1,27 0,722 37,94 16,61 61,20 26,79 1,77 0,908 28,76 13,22 90,09 41,42
1,28 0,729 37,58 16,47 61,57 26,98 1,78 0,909 28,68 13,19 90,86 41,81
1,29 0,735 37,23 16,33 61,96 27,18 1,79 0,911 28,60 13,17 91,61 42,19
1,30 0,741 36,89 16,20 62,36 27,38 1,80 0,913 28,52 13,14 92,39 42,58
1,31 0,747 36,57 16,07 62,76 27,58 1,81 0,915 28,44 13,12 93,17 42,97
1,32 0,752 36,26 15,96 63,16 27,79 1,82 0,916 28,37 13,09 93,96 43,37
1,33 0,758 35,94 15,83 63,59 28,01 1,83 0,918 28,29 13,07 94,76 43,77
1,34 0,763 35,66 15,72 64,02 28,23 1,84 0,920 28,22 13,04 95,56 44,17
1,35 0,769 35,37 15,61 64,46 28,46 1,85 0,921 28,16 13,02 96,36 44,57
1,36 0,774 35,09 15,51 64,91 28,68 1,86 0,923 28,09 13,00 97,16 44,98
1,37 0,779 34,83 15,41 65,36 28,91 1,87 0,924 28,02 12,98 97,98 45,39
1,38 0,784 34,57 15,31 65,83 29,16 1,88 0,926 27,96 12,96 98,80 45,81
1,39 0,789 34,32 15,21 66,31 29,39 1,89 0,927 27,89 12,94 99,62 46,22
1,40 0,793 34,08 15,12 66,79 29,64 1,90 0,929 27,83 12,92 100,46 46,64
1,41 0,798 33,84 15,04 67,29 29,89 1,91 0,930 27,77 12,90 101,30 47,06
1,42 0,803 33,62 14,96 67,79 30,14 1,92 0,931 27,71 12,88 102,16 47,49
1,43 0,807 33,40 14,87 68,30 30,40 1,93 0,933 27,66 12,86 103,00 47,92
1,44 0,811 33,19 14,79 68,82 30,67 1,94 0,934 27,60 12,84 103,86 48,36
1,45 0,816 32,98 14,71 69,34 30,94 1,95 0,935 27,54 12,83 104,72 48,78
1,46 0,820 32,78 14,64 69,88 31,21 1,96 0,937 27,49 12,81 105,58 49,21
1,47 0,824 32,59 14,57 70,42 31,48 1,97 0,938 27,43 12,80 106,46 49,66
1,48 0,828 32,40 14,50 70,97 31,76 1,98 0,939 27,38 12,78 107,36 50,10
1,49 0,831 32,22 14,43 71,53 32,04 1,99 0,940 27,33 12,77 108,23 50,56
1,50 0,835 32,04 14,37 72,10 32,33 2,00 0,941 27,28 12,76 109,12 50,99

222
ANEXO 3 – Tabelas para dimensionamento de pilar
à flexão composta normal

Número de camadas = 2; δ=0,05


δ=d’/h 𝜎!" = 0,85𝑓!"
!! !!
𝜈= 𝜇=
!!!!" !!²!!"

𝜔𝑏ℎ𝜎!"
𝐴! =
𝑓!"
Valores de ω
µ↓
ν↓ 0,00 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 0,60 0,70 0,80
0,00 0,00 0,22 0,45 0,67 0,89 1,12 1,34 1,56 1,79

0,10 0,00 0,13 0,35 0,57 0,80 1,02 1,24 1,47 1,69

0,20 0,00 0,04 0,27 0,49 0,71 0,93 1,16 1,38 1,60

0,30 0,00 0,00 0,21 0,43 0,66 0,88 1,10 1,32 1,54

0,40 0,00 0,00 0,18 0,40 0,62 0,84 1,07 1,29 1,51

0,50 0,00 0,00 0,18 0,41 0,63 0,86 1,08 1,30 1,53

0,60 0,00 0,00 0,21 0,46 0,70 0,93 1,15 1,38 1,61

0,70 0,00 0,00 0,26 0,52 0,76 1,00 1,23 1,46 1,69

0,80 0,00 0,05 0,33 0,59 0,83 1,07 1,31 1,54 1,77

0,90 0,00 0,14 0,40 0,66 0,91 1,15 1,39 1,62 1,85

1,00 0,00 0,23 0,48 0,74 0,99 1,23 1,47 1,71 1,94

1,10 0,11 0,32 0,57 0,82 1,07 1,31 1,55 1,79 2,02

1,20 0,22 0,42 0,66 0,91 1,16 1,40 1,64 1,88 2,11

1,30 0,33 0,52 0,75 1,00 1,24 1,49 1,73 1,96 2,20

1,40 0,43 0,62 0,85 1,09 1,33 1,57 1,81 2,05 2,29

1,50 0,54 0,72 0,94 1,18 1,42 1,66 1,90 2,14 2,38

1,60 0,65 0,82 1,04 1,27 1,51 1,75 1,99 2,23 2,47

1,70 0,76 0,92 1,14 1,37 1,61 1,85 2,08 2,32 2,56

1,80 0,87 1,02 1,24 1,47 1,70 1,94 2,18 2,41 2,65

1,90 0,98 1,12 1,34 1,56 1,80 2,03 2,27 2,51 2,74

2,00 1,09 1,22 1,44 1,66 1,89 2,13 2,36 2,60 2,84

223
Número de camadas = 2; δ=0,10
δ=d’/h 𝜎!" = 0,85𝑓!"
!! !!
𝜈= 𝜇=
!!!!" !!²!!"

𝜔𝑏ℎ𝜎!"
𝐴! =
𝑓!"
Valores de ω
µ↓
ν↓ 0,00 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 0,60 0,70 0,80
0,00 0,00 0,24 0,49 0,74 0,99 1,24 1,49 1,74 1,99

0,10 0,00 0,14 0,39 0,64 0,90 1,15 1,40 1,65 1,90

0,20 0,00 0,05 0,30 0,55 0,80 1,05 1,30 1,55 1,80

0,30 0,00 0,00 0,24 0,49 0,74 0,99 1,24 1,49 1,74

0,40 0,00 0,00 0,20 0,45 0,70 0,95 1,20 1,45 1,70

0,50 0,00 0,00 0,21 0,47 0,73 0,98 1,23 1,49 1,74

0,60 0,00 0,00 0,25 0,53 0,79 1,05 1,31 1,56 1,82

0,70 0,00 0,00 0,30 0,59 0,86 1,13 1,39 1,65 1,90

0,80 0,00 0,06 0,37 0,66 0,94 1,20 1,47 1,73 1,99

0,90 0,00 0,15 0,44 0,73 1,01 1,28 1,55 1,81 2,07

1,00 0,00 0,24 0,52 0,81 1,09 1,36 1,63 1,90 2,16

1,10 0,11 0,34 0,61 0,89 1,17 1,45 1,72 1,98 2,24

1,20 0,22 0,44 0,70 0,98 1,26 1,53 1,80 2,07 2,33

1,30 0,33 0,54 0,79 1,07 1,35 1,62 1,89 2,16 2,42

1,40 0,43 0,64 0,89 1,16 1,43 1,71 1,98 2,24 2,51

1,50 0,54 0,75 0,99 1,25 1,53 1,80 2,07 2,33 2,60

1,60 0,65 0,85 1,09 1,35 1,62 1,89 2,16 2,42 2,69

1,70 0,76 0,95 1,19 1,44 1,71 1,98 2,25 2,51 2,78

1,80 0,87 1,05 1,29 1,54 1,80 2,07 2,34 2,61 2,87

1,90 0,98 1,15 1,39 1,64 1,90 2,17 2,43 2,70 2,96

2,00 1,09 1,25 1,49 1,74 2,00 2,26 2,53 2,79 3,06

224
Número de camadas = 2; δ=0,15
δ=d’/h 𝜎!" = 0,85𝑓!"
!! !!
𝜈= 𝜇=
!!!!" !!²!!"

𝜔𝑏ℎ𝜎!"
𝐴! =
𝑓!"

Valores de ω
µ↓

ν↓ 0,00 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 0,60 0,70 0,80

0,00 0,00 0,25 0,54 0,83 1,11 1,40 1,69 1,98 2,26

0,10 0,00 0,15 0,44 0,73 1,02 1,31 1,59 1,88 2,17

0,20 0,00 0,06 0,35 0,64 0,93 1,22 1,50 1,79 2,08

0,30 0,00 0,00 0,27 0,56 0,85 1,13 1,42 1,70 1,99

0,40 0,00 0,00 0,23 0,51 0,80 1,09 1,37 1,66 1,94

0,50 0,00 0,00 0,25 0,55 0,85 1,14 1,43 1,72 2,00

0,60 0,00 0,00 0,29 0,61 0,92 1,21 1,51 1,80 2,09

0,70 0,00 0,00 0,35 0,68 0,99 1,29 1,59 1,88 2,17

0,80 0,00 0,06 0,41 0,75 1,06 1,37 1,67 1,96 2,26

0,90 0,00 0,16 0,49 0,82 1,14 1,45 1,75 2,05 2,34

1,00 0,00 0,25 0,57 0,90 1,22 1,53 1,83 2,13 2,43

1,10 0,11 0,35 0,66 0,98 1,30 1,61 1,92 2,22 2,52

1,20 0,22 0,46 0,75 1,07 1,39 1,70 2,01 2,31 2,61

1,30 0,33 0,56 0,85 1,16 1,47 1,79 2,09 2,40 2,69

1,40 0,43 0,66 0,94 1,25 1,56 1,87 2,18 2,48 2,78

1,50 0,54 0,77 1,04 1,34 1,65 1,96 2,27 2,57 2,87

1,60 0,65 0,88 1,14 1,44 1,74 2,05 2,36 2,66 2,96

1,70 0,76 0,98 1,24 1,53 1,84 2,15 2,45 2,75 3,06

1,80 0,87 1,09 1,34 1,63 1,93 2,24 2,54 2,85 3,15

1,90 0,98 1,19 1,44 1,73 2,03 2,33 2,64 2,94 3,24

2,00 1,09 1,29 1,55 1,83 2,12 2,42 2,73 3,03 3,33

225
Número de camadas = 2; δ=0,20
δ=d’/h 𝜎!" = 0,85𝑓!"
!! !!
𝜈= 𝜇=
!!!!" !!²!!"

𝜔𝑏ℎ𝜎!"
𝐴! =
𝑓!"

Valores de ω
µ↓
ν↓ 0,00 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 0,60 0,70 0,80
0,00 0,00 0,27 0,60 0,94 1,27 1,61 1,95 2,28 2,62
0,10 0,00 0,17 0,50 0,84 1,18 1,52 1,85 2,19 2,53
0,20 0,00 0,07 0,41 0,75 1,09 1,43 1,76 2,10 2,44
0,30 0,00 0,00 0,33 0,67 1,01 1,35 1,68 2,02 2,35
0,40 0,00 0,00 0,28 0,62 0,97 1,31 1,66 2,00 2,35
0,50 0,00 0,00 0,30 0,66 1,01 1,36 1,71 2,05 2,40
0,60 0,00 0,00 0,35 0,72 1,08 1,42 1,77 2,11 2,45
0,70 0,00 0,00 0,40 0,79 1,15 1,50 1,85 2,19 2,53
0,80 0,00 0,07 0,47 0,86 1,23 1,58 1,93 2,27 2,61
0,90 0,00 0,17 0,55 0,94 1,31 1,66 2,01 2,36 2,70
1,00 0,00 0,27 0,63 1,01 1,39 1,75 2,10 2,44 2,79
1,10 0,11 0,37 0,72 1,10 1,47 1,83 2,18 2,53 2,88
1,20 0,22 0,47 0,81 1,18 1,55 1,92 2,27 2,62 2,97
1,30 0,33 0,58 0,91 1,27 1,64 2,00 2,36 2,71 3,06
1,40 0,43 0,69 1,00 1,36 1,73 2,09 2,45 2,80 3,15
1,50 0,54 0,79 1,10 1,45 1,82 2,18 2,53 2,89 3,24
1,60 0,65 0,90 1,20 1,55 1,91 2,27 2,62 2,98 3,33
1,70 0,76 1,01 1,30 1,64 2,00 2,36 2,72 3,07 3,42
1,80 0,87 1,12 1,40 1,74 2,09 2,45 2,81 3,16 3,51
1,90 0,98 1,22 1,51 1,84 2,19 2,54 2,90 3,25 3,60
2,00 1,09 1,33 1,61 1,93 2,28 2,64 2,99 3,34 2,69

226
Número de camadas = 3; δ=0,05
δ=d’/h 𝜎!" = 0,85𝑓!"
!! !!
𝜈= 𝜇=
!!!!" !!²!!"

𝜔𝑏ℎ𝜎!"
𝐴! =
𝑓!"

Valores de ω
µ↓
ν↓ 0,00 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 0,60 0,70 0,80
0,00 0,00 0,22 0,46 0,70 1,01 1,33 1,65 1,98 2,31
0,10 0,00 0,13 0,38 0,67 0,99 1,31 1,64 1,97 2,29
0,20 0,00 0,05 0,33 0,65 0,97 1,30 1,62 1,95 2,29
0,30 0,00 0,00 0,30 0,62 0,95 1,28 1,61 1,94 2,28
0,40 0,00 0,00 0,27 0,60 0,93 1,27 1,60 1,93 2,27
0,50 0,00 0,00 0,26 0,59 0,92 1,26 1,59 1,92 2,26
0,60 0,00 0,00 0,30 0,63 0,96 1,27 1,59 1,92 2,25
0,70 0,00 0,00 0,35 0,70 1,02 1,35 1,66 1,98 2,29
0,80 0,00 0,06 0,41 0,76 1,09 1,42 1,74 2,06 2,37
0,90 0,00 0,15 0,49 0,83 1,17 1,49 1,82 2,14 2,45
1,00 0,00 0,25 0,57 0,91 1,24 1,57 1,89 2,22 2,53
1,10 0,11 0,35 0,65 0,99 1,32 1,65 1,97 2,30 2,61
1,20 0,22 0,45 0,74 1,07 1,40 1,73 2,05 2,38 2,70
1,30 0,33 0,55 0,83 1,15 1,48 1,81 2,14 2,46 2,78
1,40 0,43 0,66 0,92 1,24 1,56 1,89 2,22 2,54 2,86
1,50 0,54 0,76 1,02 1,32 1,65 1,97 2,30 2,62 2,94
1,60 0,65 0,87 1,12 1,41 1,73 2,06 2,38 2,71 3,03
1,70 0,76 0,97 1,22 1,50 1,82 2,14 2,47 2,79 3,11
1,80 0,87 1,08 1,32 1,59 1,91 2,23 2,55 2,88 3,20
1,90 0,98 1,18 1,42 1,69 2,00 2,32 2,64 2,96 3,28
2,00 1,09 1,28 1,53 1,79 2,09 2,40 2,73 3,05 3,37

227
Número de camadas = 3; δ=0,10
δ=d’/h 𝜎!" = 0,85𝑓!"
!! !!
𝜈= 𝜇=
!!!!" !!²!!"

𝜔𝑏ℎ𝜎!"
𝐴! =
𝑓!"

Valores de ω
µ↓
ν↓ 0,00 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 0,60 0,70 0,80
0,00 0,00 0,24 0,50 0,77 1,13 1,49 1,85 2,22 2,59
0,10 0,00 0,14 0,41 0,75 1,11 1,47 1,84 2,21 2,58
0,20 0,00 0,06 0,37 0,72 1,09 1,45 1,82 2,20 2,57
0,30 0,00 0,00 0,33 0,70 1,07 1,44 1,81 2,19 2,56
0,40 0,00 0,00 0,30 0,68 1,05 1,43 1,80 2,18 2,55
0,50 0,00 0,00 0,30 0,67 1,04 1,41 1,79 2,17 2,54
0,60 0,00 0,00 0,34 0,73 1,10 1,47 1,83 2,19 2,55
0,70 0,00 0,00 0,40 0,80 1,17 1,54 1,91 2,27 2,63
0,80 0,00 0,07 0,47 0,86 1,25 1,62 1,99 2,35 2,71
0,90 0,00 0,16 0,54 0,94 1,32 1,69 2,06 2,43 2,79
1,00 0,00 0,26 0,62 1,01 1,40 1,77 2,14 2,51 2,88
1,10 0,11 0,36 0,70 1,09 1,47 1,85 2,22 2,59 2,96
1,20 0,22 0,47 0,79 1,17 1,55 1,93 2,30 2,67 3,04
1,30 0,33 0,57 0,88 1,25 1,64 2,01 2,39 2,76 3,12
1,40 0,43 0,68 0,98 1,34 1,72 2,10 2,47 2,84 3,21
1,50 0,54 0,78 1,07 1,43 1,80 2,18 2,55 2,92 3,29
1,60 0,65 0,89 1,17 1,52 1,89 2,26 2,64 3,01 3,38
1,70 0,76 1,00 1,27 1,61 1,98 2,35 2,72 3,09 3,46
1,80 0,87 1,11 1,37 1,70 2,06 2,43 2,81 3,18 3,55
1,90 0,98 1,21 1,48 1,79 2,15 2,52 2,89 3,26 3,63
2,00 1,09 1,32 1,58 1,88 2,24 2,61 2,98 3,35 3,72

228
Número de camadas = 3; δ=0,15
δ=d’/h 𝜎!" = 0,85𝑓!"
!! !!
𝜈= 𝜇=
!!!!" !!²!!"

𝜔𝑏ℎ𝜎!"
𝐴! =
𝑓!"

Valores de ω
µ↓
ν↓ 0,00 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 0,60 0,70 0,80
0,00 0,00 0,25 0,55 0,91 1,31 1,71 2,12 2,53 2,95
0,10 0,00 0,15 0,48 0,87 1,27 1,68 2,10 2,52 2,94
0,20 0,00 0,06 0,43 0,82 1,24 1,66 2,08 2,51 2,93
0,30 0,00 0,00 0,38 0,80 1,22 1,64 2,07 2,50 2,92
0,40 0,00 0,00 0,34 0,77 1,20 1,63 2,06 2,49 2,91
0,50 0,00 0,00 0,36 0,80 1,23 1,65 2,07 2,49 2,91
0,60 0,00 0,00 0,41 0,86 1,30 1,72 2,15 2,57 2,99
0,70 0,00 0,00 0,46 0,93 1,37 1,80 2,23 2,65 3,08
0,80 0,00 0,07 0,53 0,99 1,44 1,88 2,31 2,73 3,16
0,90 0,00 0,17 0,60 1,07 1,52 1,95 2,39 2,81 3,24
1,00 0,00 0,27 0,68 1,14 1,59 2,03 2,47 2,90 3,32
1,10 0,11 0,38 0,77 1,22 1,67 2,11 2,55 2,98 3,41
1,20 0,22 0,48 0,86 1,30 1,75 2,19 2,63 3,06 3,49
1,30 0,33 0,59 0,95 1,39 1,83 2,27 2,71 3,14 3,57
1,40 0,43 0,70 1,04 1,47 1,92 2,36 2,79 3,23 3,66
1,50 0,54 0,81 1,14 1,56 2,00 2,44 2,88 3,31 3,74
1,60 0,65 0,91 1,23 1,65 2,09 2,53 2,96 3,40 3,83
1,70 0,76 1,02 1,33 1,74 2,17 2,61 3,05 3,48 3,91
1,80 0,87 1,13 1,43 1,83 2,26 2,70 3,13 3,57 4,00
1,90 0,98 1,24 1,54 1,92 2,35 2,78 3,22 3,65 4,08
2,00 1,09 1,35 1,64 2,02 2,44 2,87 3,31 3,74 4,17

229
Número de camadas = 3; δ=0,20
δ=d’/h 𝜎!" = 0,85𝑓!"
!! !!
𝜈= 𝜇=
!!!!" !!²!!"

𝜔𝑏ℎ𝜎!"
𝐴! =
𝑓!"

Valores de ω
µ↓
ν↓ 0,00 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 0,60 0,70 0,80
0,00 0,00 0,27 0,64 1,12 1,61 2,11 2,61 3,12 3,62
0,10 0,00 0,17 0,58 1,06 1,56 2,06 2,57 3,07 3,58
0,20 0,00 0,07 0,52 1,01 1,51 2,02 2,52 3,03 3,53
0,30 0,00 0,00 0,46 0,96 1,46 1,97 2,47 2,98 3,49
0,40 0,00 0,00 0,41 0,93 1,45 1,97 2,48 3,00 3,52
0,50 0,00 0,00 0,44 0,97 1,50 2,02 2,54 3,06 3,57
0,60 0,00 0,00 0,49 1,03 1,55 2,07 2,59 3,11 3,63
0,70 0,00 0,00 0,55 1,10 1,63 2,14 2,66 3,17 3,68
0,80 0,00 0,08 0,61 1,17 1,70 2,22 2,74 3,25 3,76
0,90 0,00 0,18 0,69 1,24 1,78 2,30 2,82 3,33 3,84
1,00 0,00 0,29 0,77 1,32 1,86 2,38 2,90 3,41 3,92
1,10 0,11 0,39 0,85 1,40 1,93 2,46 2,98 3,50 4,01
1,20 0,22 0,50 0,94 1,48 2,02 2,54 3,06 3,58 4,09
1,30 0,33 0,61 1,04 1,56 2,10 2,63 3,15 3,66 4,18
1,40 0,43 0,72 1,13 1,65 2,18 2,71 3,23 3,75 4,26
1,50 0,54 0,83 1,22 1,73 2,27 2,79 3,32 3,83 4,35
1,60 0,65 0,94 1,32 1,82 2,35 2,88 3,40 3,92 4,44
1,70 0,76 1,05 1,42 1,91 2,44 2,96 3,49 4,01 4,52
1,80 0,87 1,16 1,52 2,00 2,52 3,05 3,57 4,09 4,61
1,90 0,98 1,27 1,62 2,10 2,61 3,14 3,66 4,18 4,70
2,00 1,09 1,38 1,72 2,19 2,70 3,22 3,75 4,27 4,78

230
Número de camadas = 4; δ=0,05
δ=d’/h 𝜎!" = 0,85𝑓!"
!! !!
𝜈= 𝜇=
!!!!" !!²!!"

𝜔𝑏ℎ𝜎!"
𝐴! =
𝑓!"

Valores de ω
µ↓
ν↓ 0,00 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 0,60 0,70 0,80
0,00 0,00 0,23 0,50 0,81 1,14 1,47 1,82 2,19 2,57
0,10 0,00 0,14 0,43 0,75 1,08 1,45 1,82 2,20 2,58
0,20 0,00 0,06 0,37 0,71 1,08 1,45 1,83 2,21 2,59
0,30 0,00 0,00 0,33 0,70 1,07 1,45 1,83 2,21 2,60
0,40 0,00 0,00 0,31 0,69 1,07 1,45 1,84 2,22 2,60
0,50 0,00 0,00 0,30 0,69 1,07 1,46 1,84 2,23 2,61
0,60 0,00 0,00 0,33 0,71 1,08 1,46 1,85 2,24 2,62
0,70 0,00 0,00 0,39 0,77 1,14 1,51 1,87 2,25 2,63
0,80 0,00 0,07 0,45 0,84 1,21 1,58 1,94 2,30 2,65
0,90 0,00 0,16 0,52 0,90 1,28 1,65 2,01 2,37 2,73
1,00 0,00 0,25 0,59 0,97 1,35 1,72 2,08 2,45 2,80
1,10 0,11 0,35 0,67 1,05 1,42 1,79 2,16 2,52 2,88
1,20 0,22 0,45 0,76 1,12 1,50 1,87 2,23 2,60 2,96
1,30 0,33 0,56 0,85 1,20 1,57 1,94 2,31 2,67 3,04
1,40 0,43 0,66 0,94 1,28 1,65 2,02 2,39 2,75 3,11
1,50 0,54 0,76 1,04 1,36 1,73 2,10 2,46 2,83 3,19
1,60 0,65 0,87 1,14 1,45 1,81 2,18 2,54 2,91 3,27
1,70 0,76 0,98 1,24 1,54 1,89 2,26 2,62 2,99 3,35
1,80 0,87 1,08 1,34 1,63 1,97 2,34 2,70 3,07 3,43
1,90 0,98 1,19 1,44 1,73 2,06 2,42 2,78 3,14 3,51
2,00 1,09 1,29 1,54 1,82 2,14 2,50 2,86 3,23 3,59

231
Número de camadas = 4; δ=0,10
δ=d’/h 𝜎!" = 0,85𝑓!"
!! !!
𝜈= 𝜇=
!!!!" !!²!!"

𝜔𝑏ℎ𝜎!"
𝐴! =
𝑓!"

Valores de ω
µ↓
ν↓ 0,00 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 0,60 0,70 0,80
0,00 0,00 0,24 0,54 0,89 1,26 1,66 2,09 2,52 2,95
0,10 0,00 0,15 0,47 0,83 1,23 1,66 2,09 2,52 2,95
0,20 0,00 0,06 0,41 0,81 1,23 1,66 2,09 2,53 2,96
0,30 0,00 0,00 0,37 0,80 1,23 1,66 2,10 2,53 2,97
0,40 0,00 0,00 0,35 0,79 1,22 1,66 2,10 2,54 2,97
0,50 0,00 0,00 0,35 0,78 1,22 1,66 2,10 2,54 2,98
0,60 0,00 0,00 0,39 0,84 1,26 1,68 2,11 2,55 2,99
0,70 0,00 0,00 0,44 0,90 1,33 1,75 2,17 2,59 3,01
0,80 0,00 0,07 0,51 0,96 1,40 1,82 2,25 2,67 3,09
0,90 0,00 0,16 0,58 1,03 1,47 1,90 2,32 2,74 3,16
1,00 0,00 0,26 0,65 1,10 1,54 1,97 2,40 2,82 3,24
1,10 0,11 0,37 0,74 1,17 1,61 2,04 2,47 2,90 3,32
1,20 0,22 0,47 0,82 1,25 1,69 2,12 2,55 2,97 3,39
1,30 0,33 0,57 0,91 1,33 1,76 2,20 2,63 3,05 3,47
1,40 0,43 0,68 1,00 1,41 1,84 2,27 2,70 3,13 3,55
1,50 0,54 0,78 1,09 1,49 1,92 2,35 2,78 3,21 3,63
1,60 0,65 0,89 1,18 1,58 2,00 2,43 2,86 3,29 3,71
1,70 0,76 1,00 1,28 1,66 2,08 2,51 2,94 3,37 3,79
1,80 0,87 1,10 1,38 1,75 2,17 2,59 3,02 3,45 3,87
1,90 0,98 1,21 1,49 1,84 2,25 2,67 3,10 3,53 3,95
2,00 1,09 1,32 1,59 1,93 2,33 2,76 3,18 3,61 4,03

232
Número de camadas = 4; δ=0,15
δ=d’/h 𝜎!" = 0,85𝑓!"
!! !!
𝜈= 𝜇=
!!!!" !!²!!"

𝜔𝑏ℎ𝜎!"
𝐴! =
𝑓!"

Valores de ω
µ↓
ν↓ 0,00 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 0,60 0,70 0,80
0,00 0,00 0,25 0,61 1,00 1,44 1,93 2,43 2,93 3,43
0,10 0,00 0,16 0,53 0,95 1,44 1,93 2,43 2,93 3,44
0,20 0,00 0,07 0,46 0,94 1,43 1,93 2,43 2,94 3,44
0,30 0,00 0,00 0,43 0,92 1,43 1,93 2,44 2,94 3,45
0,40 0,00 0,00 0,41 0,91 1,42 1,93 2,44 2,95 3,45
0,50 0,00 0,00 0,42 0,94 1,44 1,94 2,44 2,95 3,46
0,60 0,00 0,00 0,47 1,00 1,51 2,01 2,51 3,00 3,50
0,70 0,00 0,00 0,52 1,06 1,57 2,08 2,58 3,08 3,58
0,80 0,00 0,07 0,58 1,12 1,64 2,15 2,66 3,16 3,66
0,90 0,00 0,17 0,66 1,19 1,71 2,23 2,73 3,23 3,73
1,00 0,00 0,27 0,73 1,26 1,79 2,30 2,81 3,31 3,81
1,10 0,11 0,38 0,82 1,34 1,86 2,38 2,89 3,39 3,89
1,20 0,22 0,48 0,90 1,42 1,94 2,45 2,96 3,47 3,97
1,30 0,33 0,59 0,99 1,50 2,02 2,53 3,04 3,55 4,05
1,40 0,43 0,70 1,08 1,58 2,09 2,61 3,12 3,63 4,13
1,50 0,54 0,81 1,17 1,66 2,17 2,69 3,20 3,71 4,21
1,60 0,65 0,91 1,26 1,74 2,25 2,77 3,28 3,79 4,29
1,70 0,76 1,02 1,36 1,83 2,34 2,85 3,36 3,87 4,37
1,80 0,87 1,13 1,45 1,92 2,42 2,93 3,44 3,95 4,45
1,90 0,98 1,24 1,55 2,00 2,50 3,01 3,52 4,03 4,53
2,00 1,09 1,35 1,65 2,09 2,59 3,09 3,60 4,11 4,62

233
Número de camadas = 4; δ=0,20
δ=d’/h 𝜎!" = 0,85𝑓!"
!! !!
𝜈= 𝜇=
!!!!" !!²!!"

𝜔𝑏ℎ𝜎!"
𝐴! =
𝑓!"

Valores de ω
µ↓
ν↓ 0,00 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 0,60 0,70 0,80
0,00 0,00 0,27 0,70 1,23 1,83 2,43 3,03 3,64 4,25
0,10 0,00 0,17 0,62 1,20 1,80 2,40 3,01 3,61 4,22
0,20 0,00 0,07 0,57 1,16 1,77 2,37 2,98 3,59 4,20
0,30 0,00 0,00 0,53 1,13 1,74 2,34 2,95 3,56 4,17
0,40 0,00 0,00 0,50 1,12 1,74 2,36 2,98 3,60 4,22
0,50 0,00 0,00 0,53 1,16 1,79 2,41 3,03 3,66 4,28
0,60 0,00 0,00 0,57 1,22 1,84 2,46 3,09 3,71 4,33
0,70 0,00 0,00 0,63 1,28 1,91 2,53 3,14 3,77 4,39
0,80 0,00 0,08 0,69 1,35 1,98 2,60 3,22 3,83 4,45
0,90 0,00 0,18 0,76 1,42 2,05 2,68 3,30 3,91 4,53
1,00 0,00 0,29 0,84 1,49 2,13 2,75 3,37 3,99 4,61
1,10 0,11 0,39 0,92 1,56 2,20 2,83 3,45 4,07 4,69
1,20 0,22 0,50 1,01 1,64 2,28 2,91 3,53 4,15 4,77
1,30 0,33 0,61 1,09 1,72 2,36 2,99 3,61 4,23 4,85
1,40 0,43 0,72 1,18 1,80 2,44 3,07 3,69 4,31 4,93
1,50 0,54 0,83 1,28 1,88 2,52 3,15 3,77 4,39 5,01
1,60 0,65 0,94 1,37 1,97 2,60 3,23 3,85 4,47 5,09
1,70 0,76 1,05 1,47 2,05 2,68 3,31 3,93 4,55 5,17
1,80 0,87 1,16 1,56 2,14 2,76 3,39 4,01 4,64 5,25
1,90 0,98 1,27 1,66 2,23 2,84 3,47 4,10 4,72 5,34
2,00 1,09 1,38 1,75 2,31 2,93 3,55 4,18 4,80 5,42

234
Número de camadas = 5; δ=0,05
δ=d’/h 𝜎!" = 0,85𝑓!"
!! !!
𝜈= 𝜇=
!!!!" !!²!!"

𝜔𝑏ℎ𝜎!"
𝐴! =
𝑓!"

Valores de ω
µ↓
ν↓ 0,00 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 0,60 0,70 0,80
0,00 0,00 0,24 0,52 0,85 1,22 1,59 1,97 2,35 2,73
0,10 0,00 0,14 0,45 0,81 1,18 1,55 1,93 2,31 2,72
0,20 0,00 0,06 0,40 0,76 1,14 1,52 1,93 2,33 2,74
0,30 0,00 0,00 0,35 0,73 1,13 1,54 1,94 2,35 2,75
0,40 0,00 0,00 0,33 0,73 1,14 1,55 1,96 2,37 2,77
0,50 0,00 0,00 0,32 0,74 1,15 1,56 1,97 2,38 2,79
0,60 0,00 0,00 0,35 0,76 1,16 1,58 1,99 2,40 2,81
0,70 0,00 0,00 0,40 0,82 1,21 1,60 2,01 2,42 2,83
0,80 0,00 0,07 0,47 0,88 1,27 1,66 2,05 2,44 2,85
0,90 0,00 0,16 0,54 0,94 1,34 1,73 2,12 2,50 2,88
1,00 0,00 0,26 0,62 1,01 1,41 1,80 2,19 2,57 2,96
1,10 0,11 0,36 0,71 1,09 1,48 1,87 2,26 2,65 3,03
1,20 0,22 0,47 0,79 1,17 1,55 1,94 2,33 2,72 3,10
1,30 0,33 0,57 0,89 1,25 1,63 2,01 2,40 2,79 3,18
1,40 0,43 0,68 0,98 1,34 1,71 2,09 2,48 2,86 3,25
1,50 0,54 0,78 1,07 1,43 1,80 2,17 2,55 2,94 3,32
1,60 0,65 0,89 1,17 1,52 1,89 2,25 2,63 3,01 3,40
1,70 0,76 1,00 1,27 1,61 1,97 2,34 2,71 3,09 3,47
1,80 0,87 1,10 1,37 1,70 2,06 2,43 2,79 3,16 3,55
1,90 0,98 1,21 1,48 1,80 2,15 2,52 2,88 3,24 3,63
2,00 1,09 1,32 1,58 1,89 2,24 2,61 2,97 3,33 3,70

235
Número de camadas = 5; δ=0,10
δ=d’/h 𝜎!" = 0,85𝑓!"
!! !!
𝜈= 𝜇=
!!!!" !!²!!"

𝜔𝑏ℎ𝜎!"
𝐴! =
𝑓!"

Valores de ω
µ↓
ν↓ 0,00 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 0,60 0,70 0,80
0,00 0,00 0,25 0,56 0,95 1,37 1,79 2,22 2,68 3,15
0,10 0,00 0,15 0,50 0,91 1,33 1,76 2,23 2,70 3,16
0,20 0,00 0,06 0,44 0,86 1,31 1,77 2,24 2,71 3,18
0,30 0,00 0,00 0,39 0,85 1,32 1,79 2,26 2,73 3,20
0,40 0,00 0,00 0,38 0,85 1,32 1,80 2,27 2,74 3,21
0,50 0,00 0,00 0,38 0,85 1,33 1,81 2,28 2,76 2,23
0,60 0,00 0,00 0,42 0,90 1,36 1,82 2,30 2,77 3,25
0,70 0,00 0,00 0,47 0,95 1,42 1,88 2,33 2,79 3,27
0,80 0,00 0,07 0,53 1,02 1,49 1,95 2,40 2,86 3,31
0,90 0,00 0,17 0,60 1,08 1,55 2,02 2,47 2,93 3,38
1,00 0,00 0,27 0,67 1,15 1,62 2,09 2,55 3,00 3,46
1,10 0,11 0,38 0,76 1,22 1,69 2,16 2,62 3,07 3,53
1,20 0,22 0,48 0,85 1,29 1,76 2,23 2,69 3,15 3,60
1,30 0,33 0,59 0,94 1,37 1,84 2,30 2,76 3,22 3,68
1,40 0,43 0,69 1,04 1,45 1,91 2,38 2,84 3,30 3,75
1,50 0,54 0,80 1,13 1,54 1,99 2,45 2,91 3,37 3,83
1,60 0,65 0,91 1,23 1,63 2,06 2,53 2,99 3,45 3,90
1,70 0,76 1,02 1,32 1,72 2,14 2,60 3,06 3,52 3,98
1,80 0,87 1,12 1,43 1,81 2,23 2,68 3,14 3,60 4,06
1,90 0,98 1,23 1,53 1,90 2,32 2,76 3,22 3,68 4,13
2,00 1,09 1,34 1,63 2,00 2,41 2,84 3,30 3,75 4,21

236
Número de camadas = 5; δ=0,15
δ=d’/h 𝜎!" = 0,85𝑓!"
!! !!
𝜈= 𝜇=
!!!!" !!²!!"

𝜔𝑏ℎ𝜎!"
𝐴! =
𝑓!"

Valores de ω
µ↓
ν↓ 0,00 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 0,60 0,70 0,80
0,00 0,00 0,26 0,63 1,09 1,56 2,08 2,63 3,18 3,73
0,10 0,00 0,16 0,57 1,03 1,54 2,09 2,64 3,19 3,75
0,20 0,00 0,07 0,50 1,01 1,55 2,10 2,65 3,21 3,76
0,30 0,00 0,00 0,46 1,00 1,55 2,11 2,66 3,22 3,77
0,40 0,00 0,00 0,45 1,00 1,56 2,12 2,67 3,23 3,79
0,50 0,00 0,00 0,46 1,02 1,57 2,13 2,69 3,25 3,80
0,60 0,00 0,00 0,50 1,08 1,64 2,19 2,74 3,28 3,83
0,70 0,00 0,00 0,56 1,14 1,70 2,26 2,81 3,35 3,90
0,80 0,00 0,08 0,62 1,20 1,77 2,33 2,88 3,43 3,97
0,90 0,00 0,18 0,69 1,27 1,84 2,40 2,95 3,50 4,05
1,00 0,00 0,28 0,76 1,34 1,91 2,47 3,02 3,58 4,12
1,10 0,11 0,39 0,84 1,41 1,98 2,54 3,10 3,65 4,20
1,20 0,22 0,49 0,92 1,48 2,05 2,62 3,17 3,73 4,28
1,30 0,33 0,60 1,01 1,56 2,13 2,69 3,25 3,80 4,35
1,40 0,43 0,71 1,10 1,64 2,20 2,76 3,32 3,88 4,43
1,50 0,54 0,82 1,20 1,72 2,28 2,84 3,40 3,95 4,50
1,60 0,65 0,93 1,30 1,80 2,35 2,92 3,47 4,03 4,58
1,70 0,76 1,04 1,39 1,88 2,43 2,99 3,55 4,11 4,66
1,80 0,87 1,15 1,49 1,96 2,51 3,07 3,63 4,18 4,74
1,90 0,98 1,25 1,59 2,05 2,59 3,15 3,70 4,26 4,81
2,00 1,09 1,36 1,69 2,14 2,67 3,23 3,78 4,34 4,89

237
Número de camadas = 5; δ=0,20
δ=d’/h 𝜎!" = 0,85𝑓!"
!! !!
𝜈= 𝜇=
!!!!" !!²!!"

𝜔𝑏ℎ𝜎!"
𝐴! =
𝑓!"
Valores de ω
µ↓
ν↓ 0,00 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 0,60 0,70 0,80
0,00 0,00 0,27 0,74 1,31 1,97 2,64 3,31 3,99 4,67
0,10 0,00 0,18 0,66 1,29 1,95 2,63 3,30 3,98 4,66
0,20 0,00 0,08 0,61 1,27 1,94 2,61 3,29 3,97 4,65
0,30 0,00 0,00 0,58 1,24 1,92 2,60 3,28 3,96 4,64
0,40 0,00 0,00 0,55 1,24 1,93 2,62 3,31 4,00 4,69
0,50 0,00 0,00 0,58 1,28 1,98 2,67 3,37 4,06 4,75
0,60 0,00 0,00 0,62 1,34 2,03 2,72 3,42 4,11 4,80
0,70 0,00 0,00 0,68 1,40 2,10 2,79 3,47 4,17 4,86
0,80 0,00 0,08 0,74 1,46 2,17 2,86 3,54 4,23 4,92
0,90 0,00 0,19 0,81 1,53 2,24 2,93 3,62 4,30 4,98
1,00 0,00 0,29 0,88 1,60 2,31 3,00 3,69 4,38 5,06
1,10 0,11 0,40 0,96 1,67 2,38 3,08 3,77 4,45 5,14
1,20 0,22 0,51 1,04 1,75 2,45 3,15 3,84 4,53 5,22
1,30 0,33 0,62 1,13 1,82 2,53 3,23 3,92 4,61 5,29
1,40 0,43 0,73 1,22 1,90 2,60 3,30 4,00 4,68 5,37
1,50 0,54 0,84 1,31 1,98 2,68 3,38 4,07 4,76 5,45
1,60 0,65 0,95 1,40 2,06 2,76 3,46 4,15 4,84 5,53
1,70 0,76 1,06 1,49 2,14 2,83 3,53 4,23 4,92 5,60
1,80 0,87 1,17 1,58 2,22 2,91 3,61 4,30 5,00 5,68
1,90 0,98 1,28 1,68 2,31 2,99 3,69 4,38 5,07 5,76
2,00 1,09 1,39 1,78 2,39 3,07 3,77 4,46 5,15 5,84

238
Número de camadas = 6; δ=0,05
δ=d’/h 𝜎!" = 0,85𝑓!"
!! !!
𝜈= 𝜇=
!!!!" !!²!!"

𝜔𝑏ℎ𝜎!"
𝐴! =
𝑓!"

Valores de ω
µ↓
ν↓ 0,00 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 0,60 0,70 0,80
0,00 0,00 0,24 0,54 0,88 1,26 1,66 2,06 2,46 2,87
0,10 0,00 0,15 0,47 0,83 1,23 1,63 2,04 2,44 2,85
0,20 0,00 0,06 0,41 0,80 1,20 1,60 2,01 2,42 2,83
0,30 0,00 0,00 0,36 0,77 1,17 1,58 2,00 2,42 2,84
0,40 0,00 0,00 0,34 0,76 1,18 1,60 2,03 2,45 2,87
0,50 0,00 0,00 0,34 0,77 1,20 1,62 2,05 2,47 2,90
0,60 0,00 0,00 0,37 0,79 1,22 1,65 2,07 2,50 2,92
0,70 0,00 0,00 0,42 0,85 1,25 1,67 2,10 2,52 2,95
0,80 0,00 0,07 0,49 0,91 1,32 1,72 2,12 2,55 2,97
0,90 0,00 0,16 0,56 0,98 1,39 1,79 2,19 2,59 3,00
1,00 0,00 0,26 0,64 1,06 1,47 1,87 2,26 2,65 3,05
1,10 0,11 0,37 0,72 1,14 1,54 1,94 2,34 2,73 3,12
1,20 0,22 0,47 0,81 1,22 1,62 2,02 2,42 2,81 3,20
1,30 0,33 0,57 0,90 1,30 1,70 2,10 2,50 2,89 3,28
1,40 0,43 0,68 0,99 1,38 1,78 2,19 2,58 2,98 3,37
1,50 0,54 0,79 1,09 1,47 1,87 2,27 2,66 3,06 3,45
1,60 0,65 0,89 1,18 1,56 1,95 2,35 2,75 3,14 3,53
1,70 0,76 1,00 1,28 1,65 2,04 2,43 2,83 2,23 3,62
1,80 0,87 1,11 1,38 1,74 2,12 2,52 2,92 3,31 3,70
1,90 0,98 1,22 1,49 1,83 2,21 2,61 3,00 3,39 3,79
2,00 1,09 1,32 1,59 1,92 2,30 2,69 3,09 3,48 3,87

239
Número de camadas = 6; δ=0,10
δ=d’/h 𝜎!" = 0,85𝑓!"
!! !!
𝜈= 𝜇=
!!!!" !!²!!"

𝜔𝑏ℎ𝜎!"
𝐴! =
𝑓!"

Valores de ω
µ↓
ν↓ 0,00 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 0,60 0,70 0,80
0,00 0,00 0,25 0,59 0,98 1,43 1,89 2,35 2,82 3,29
0,10 0,00 0,15 0,51 0,94 1,40 1,86 2,33 2,80 3,30
0,20 0,00 0,07 0,46 0,91 1,37 1,85 2,34 2,83 3,32
0,30 0,00 0,00 0,41 0,88 1,37 1,86 2,36 2,85 3,34
0,40 0,00 0,00 0,40 0,89 1,39 1,88 2,38 2,87 3,37
0,50 0,00 0,00 0,40 0,90 1,40 1,90 2,40 2,89 3,39
0,60 0,00 0,00 0,44 0,94 1,42 1,92 2,42 2,92 3,41
0,70 0,00 0,00 0,49 0,99 1,48 1,96 2,44 2,94 3,44
0,80 0,00 0,07 0,55 1,05 1,54 2,03 2,51 2,98 3,46
0,90 0,00 0,17 0,62 1,12 1,61 2,09 2,57 3,05 3,53
1,00 0,00 0,27 0,70 1,18 1,68 2,16 2,64 3,12 3,60
1,10 0,11 0,38 0,79 1,26 1,74 2,23 2,71 3,19 3,67
1,20 0,22 0,48 0,87 1,34 1,81 2,30 2,78 3,26 3,74
1,30 0,33 0,59 0,96 1,42 1,89 2,37 2,86 3,34 3,81
1,40 0,43 0,70 1,06 1,51 1,97 2,44 2,93 3,41 3,89
1,50 0,54 0,80 1,15 1,59 2,06 2,52 3,00 3,48 3,96
1,60 0,65 0,91 1,25 1,68 2,14 2,60 3,07 3,55 4,03
1,70 0,76 1,02 1,34 1,77 2,22 2,68 3,14 3,63 4,11
1,80 0,87 1,13 1,44 1,86 2,31 2,77 3,23 3,70 4,18
1,90 0,98 1,24 1,54 1,95 2,40 2,85 3,31 3,77 4,25
2,00 1,09 1,35 1,64 2,04 2,49 2,94 3,40 3,85 4,33

240
Número de camadas = 6; δ=0,15
δ=d’/h 𝜎!" = 0,85𝑓!"
!! !!
𝜈= 𝜇=
!!!!" !!²!!"

𝜔𝑏ℎ𝜎!"
𝐴! =
𝑓!"
Valores de ω
µ↓

ν↓ 0,00 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 0,60 0,70 0,80

0,00 0,00 0,26 0,65 1,13 1,66 2,19 2,76 3,35 3,93

0,10 0,00 0,17 0,58 1,09 1,62 2,20 2,78 3,37 3,95

0,20 0,00 0,07 0,53 1,05 1,63 2,21 2,80 3,39 3,97

0,30 0,00 0,00 0,48 1,06 1,64 2,23 2,82 3,41 4,00

0,40 0,00 0,00 0,47 1,06 1,65 2,25 2,84 3,43 4,02

0,50 0,00 0,00 0,49 1,08 1,67 2,26 2,85 3,45 4,04

0,60 0,00 0,00 0,53 1,14 1,73 2,31 2,89 3,47 4,06

0,70 0,00 0,00 0,58 1,20 1,79 2,38 2,96 3,54 4,12

0,80 0,00 0,08 0,64 1,26 1,86 2,45 3,03 3,61 4,19

0,90 0,00 0,18 0,71 1,32 1,92 2,52 3,10 3,69 4,27

1,00 0,00 0,28 0,78 1,39 1,99 2,58 3,17 3,76 4,34

1,10 0,11 0,39 0,86 1,46 2,06 2,65 3,24 3,83 4,41

1,20 0,22 0,50 0,95 1,53 2,13 2,73 3,32 3,90 4,49

1,30 0,33 0,61 1,04 1,60 2,20 2,80 3,39 3,97 4,56

1,40 0,43 0,71 1,13 1,68 2,27 2,87 3,46 4,05 4,63

1,50 0,54 0,82 1,23 1,75 2,35 2,94 3,53 4,12 4,71

1,60 0,65 0,93 1,32 1,84 2,42 3,02 3,61 4,20 4,78

1,70 0,76 1,04 1,42 1,93 2,50 3,09 3,68 4,27 4,86

1,80 0,87 1,15 1,52 2,02 2,57 3,16 3,76 4,34 4,93

1,90 0,98 1,26 1,62 2,11 2,65 3,24 3,83 4,42 5,01

2,00 1,09 1,37 1,71 2,20 2,73 3,32 3,91 4,49 5,08

241
Número de camadas = 6; δ=0,20
δ=d’/h 𝜎!" = 0,85𝑓!"
!! !!
𝜈= 𝜇=
!!!!" !!²!!"

𝜔𝑏ℎ𝜎!"
𝐴! =
𝑓!"
Valores de ω
µ↓

ν↓ 0,00 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 0,60 0,70 0,80

0,00 0,00 0,28 0,76 1,37 2,08 2,79 3,52 4,24 4,97

0,10 0,00 0,17 0,70 1,35 2,07 2,79 3,51 4,24 4,97

0,20 0,00 0,08 0,64 1,34 2,06 2,78 3,51 4,24 4,97

0,30 0,00 0,00 0,61 1,33 2,05 2,78 3,51 4,24 4,97

0,40 0,00 0,00 0,59 1,33 2,07 2,81 3,55 4,29 5,03

0,50 0,00 0,00 0,62 1,37 2,12 2,86 3,60 4,34 5,08

0,60 0,00 0,00 0,66 1,42 2,17 2,91 3,66 4,40 5,14

0,70 0,00 0,00 0,71 1,49 2,23 2,97 3,71 4,45 5,20

0,80 0,00 0,08 0,77 1,55 2,30 3,04 3,77 4,51 5,25

0,90 0,00 0,19 0,84 1,61 2,37 3,11 3,85 4,58 5,31

1,00 0,00 0,30 0,91 1,68 2,44 3,18 3,92 4,65 5,39

1,10 0,11 0,40 0,99 1,75 2,51 3,25 3,99 4,73 5,46

1,20 0,22 0,51 1,07 1,82 2,58 3,32 4,06 4,80 5,54

1,30 0,33 0,62 1,15 1,89 2,65 3,40 4,14 4,88 5,61

1,40 0,43 0,73 1,24 1,97 2,72 3,47 4,21 4,95 5,69

1,50 0,54 0,84 1,33 2,04 2,79 3,54 4,29 5,03 5,76

1,60 0,65 0,95 1,42 2,12 2,87 3,62 4,36 5,10 5,84

1,70 0,76 1,06 1,52 2,20 2,94 3,69 4,44 5,18 5,91

1,80 0,87 1,18 1,62 2,28 3,02 3,77 4,51 5,25 5,99

1,90 0,98 1,29 1,72 2,36 3,10 3,84 4,59 5,33 6,07

2,00 1,09 1,40 1,82 2,44 3,18 3,92 4,66 5,40 6,14

242
Número de camadas = 3; δ=0,05
δ=d’/h 𝜎!" = 0,85𝑓!"
!! !!
𝜈= 𝜇=
!!!!" !!²!!"

𝜔𝑏ℎ𝜎!"
𝐴! =
𝑓!"
Valores de ω
µ↓

ν↓ 0,00 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 0,60 0,70 0,80

0,00 0,00 0,22 0,45 0,68 0,92 1,20 1,48 1,77 2,06

0,10 0,00 0,13 0,36 0,61 0,89 1,18 1,47 1,76 2,05

0,20 0,00 0,05 0,31 0,58 0,87 1,16 1,45 1,74 2,04

0,30 0,00 0,00 0,27 0,56 0,85 1,14 1,44 1,73 2,03

0,40 0,00 0,00 0,24 0,53 0,83 1,13 1,42 1,72 2,01

0,50 0,00 0,00 0,23 0,52 0,82 1,11 1,41 1,71 2,01

0,60 0,00 0,00 0,27 0,58 0,87 1,16 1,44 1,73 2,01

0,70 0,00 0,00 0,32 0,64 0,94 1,23 1,52 1,81 2,09

0,80 0,00 0,06 0,39 0,70 1,01 1,30 1,60 1,88 2,17

0,90 0,00 0,15 0,46 0,78 1,08 1,38 1,67 1,96 2,25

1,00 0,00 0,24 0,54 0,85 1,16 1,46 1,75 2,04 2,33

1,10 0,11 0,34 0,62 0,93 1,24 1,54 1,83 2,12 2,41

1,20 0,22 0,44 0,71 1,01 1,32 1,62 1,91 2,21 2,50

1,30 0,33 0,54 0,80 1,10 1,40 1,70 2,00 2,29 2,58

1,40 0,43 0,65 0,90 1,18 1,48 1,78 2,08 2,37 2,67

1,50 0,54 0,75 1,00 1,27 1,57 1,87 2,16 2,46 2,75

1,60 0,65 0,86 1,10 1,36 1,66 1,95 2,25 2,54 2,83

1,70 0,76 0,96 1,20 1,46 1,74 2,04 2,33 2,63 2,92

1,80 0,87 1,06 1,30 1,55 1,83 2,13 2,42 2,71 3,01

1,90 0,98 1,16 1,40 1,65 1,92 2,22 2,51 2,80 3,09

2,00 1,09 1,26 1,50 1,75 2,02 2,31 2,60 2,89 3,18

243
Número de camadas = 3; δ=0,10
δ=d’/h 𝜎!" = 0,85𝑓!"
!! !!
𝜈= 𝜇=
!!!!" !!²!!"

𝜔𝑏ℎ𝜎!"
𝐴! =
𝑓!"
Valores de ω
µ↓

ν↓ 0,00 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 0,60 0,70 0,80

0,00 0,00 0,24 0,49 0,75 1,02 1,34 1,66 1,99 2,32

0,10 0,00 0,14 0,40 0,68 1,00 1,32 1,65 1,97 2,30

0,20 0,00 0,05 0,34 0,65 0,98 1,30 1,63 1,96 2,29

0,30 0,00 0,00 0,30 0,62 0,95 1,28 1,61 1,95 2,28

0,40 0,00 0,00 0,27 0,60 0,93 1,27 1,60 1,93 2,27

0,50 0,00 0,00 0,27 0,61 0,93 1,26 1,59 1,92 2,26

0,60 0,00 0,00 0,31 0,66 1,00 1,33 1,66 1,98 2,31

0,70 0,00 0,00 0,37 0,73 1,07 1,40 1,73 2,06 2,39

0,80 0,00 0,07 0,43 0,80 1,14 1,48 1,81 2,14 2,47

0,90 0,00 0,16 0,51 0,87 1,22 1,56 1,89 2,22 2,55

1,00 0,00 0,26 0,59 0,94 1,29 1,64 1,97 2,30 2,63

1,10 0,11 0,36 0,67 1,02 1,37 1,72 2,05 2,39 2,72

1,20 0,22 0,46 0,76 1,11 1,45 1,80 2,13 2,47 2,80

1,30 0,33 0,56 0,85 1,19 1,54 1,88 2,22 2,55 2,89

1,40 0,43 0,67 0,95 1,28 1,62 1,96 2,30 2,64 2,97

1,50 0,54 0,77 1,05 1,37 1,71 2,05 2,39 2,72 3,06

1,60 0,65 0,88 1,14 1,46 1,79 2,13 2,47 2,81 3,14

1,70 0,76 0,99 1,25 1,55 1,88 2,22 2,56 2,89 3,23

1,80 0,87 1,09 1,35 1,64 1,97 2,31 2,65 2,98 3,31

1,90 0,98 1,20 1,45 1,74 2,06 2,40 2,73 3,07 3,40

2,00 1,09 1,30 1,55 1,83 2,15 2,49 2,82 3,16 3,49

244
Número de camadas = 3; δ=0,15
δ=d’/h 𝜎!" = 0,85𝑓!"
!! !!
𝜈= 𝜇=
!!!!" !!²!!"

𝜔𝑏ℎ𝜎!"
𝐴! =
𝑓!"
Valores de ω
µ↓

ν↓ 0,00 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 0,60 0,70 0,80

0,00 0,00 0,25 0,54 0,85 1,21 1,57 1,93 2,29 2,65

0,10 0,00 0,15 0,45 0,80 1,16 1,52 1,88 2,25 2,63

0,20 0,00 0,06 0,39 0,75 1,11 1,48 1,86 2,24 2,61

0,30 0,00 0,00 0,34 0,71 1,09 1,46 1,84 2,22 2,60

0,40 0,00 0,00 0,30 0,69 1,07 1,45 1,83 2,21 2,59

0,50 0,00 0,00 0,32 0,72 1,10 1,48 1,86 2,23 2,61

0,60 0,00 0,00 0,37 0,78 1,17 1,55 1,93 2,31 2,69

0,70 0,00 0,00 0,42 0,84 1,24 1,63 2,01 2,39 2,77

0,80 0,00 0,07 0,49 0,91 1,31 1,71 2,09 2,48 2,86

0,90 0,00 0,17 0,57 0,99 1,39 1,78 2,17 2,56 2,94

1,00 0,00 0,27 0,65 1,06 1,47 1,86 2,25 2,64 3,02

1,10 0,11 0,37 0,73 1,14 1,55 1,94 2,34 2,72 3,11

1,20 0,22 0,48 0,82 1,22 1,63 2,03 2,42 2,81 3,19

1,30 0,33 0,58 0,92 1,31 1,71 2,11 2,50 2,89 3,28

1,40 0,43 0,69 1,01 1,40 1,80 2,19 2,59 2,98 3,36

1,50 0,54 0,79 1,11 1,49 1,88 1,28 2,67 3,06 3,45

1,60 0,65 0,90 1,20 1,58 1,97 2,36 2,76 3,15 3,53

1,70 0,76 1,01 1,30 1,67 2,06 2,45 2,84 3,23 3,62

1,80 0,87 1,12 1,41 1,76 2,15 2,54 2,93 3,32 3,71

1,90 0,98 1,23 1,51 1,85 2,24 2,63 3,02 3,41 3,80

2,00 1,09 1,34 1,61 1,95 2,33 2,72 3,11 3,50 3,88

245
Número de camadas = 3; δ=0,20
δ=d’/h 𝜎!" = 0,85𝑓!"
!! !!
𝜈= 𝜇=
!!!!" !!²!!"

𝜔𝑏ℎ𝜎!"
𝐴! =
𝑓!"
Valores de ω
µ↓

ν↓ 0,00 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 0,60 0,70 0,80

0,00 0,00 0,27 0,61 1,03 1,47 1,92 2,36 2,81 3,26

0,10 0,00 0,17 0,54 0,97 1,42 1,86 2,31 2,76 3,21

0,20 0,00 0,07 0,48 0,92 1,36 1,81 2,26 2,71 3,16

0,30 0,00 0,00 0,41 0,86 1,31 1,76 2,21 2,66 3,10

0,40 0,00 0,00 0,37 0,83 1,29 1,75 2,21 2,67 3,13

0,50 0,00 0,00 0,40 0,87 1,33 1,80 2,26 2,72 3,18

0,60 0,00 0,00 0,44 0,93 1,40 1,85 2,31 2,77 3,24

0,70 0,00 0,00 0,50 1,00 1,47 1,93 2,39 2,84 3,29

0,80 0,00 0,08 0,57 1,07 1,54 2,01 2,47 2,92 3,38

0,90 0,00 0,18 0,64 1,14 1,62 2,09 2,55 3,01 3,46

1,00 0,00 0,28 0,72 1,22 1,70 2,17 2,63 3,09 3,54

1,10 0,11 0,39 0,81 1,30 1,78 2,25 2,71 3,17 3,63

1,20 0,22 0,49 0,90 1,38 1,86 2,33 2,80 3,26 3,72

1,30 0,33 0,60 0,99 1,46 1,94 2,42 2,88 3,34 3,80

1,40 0,43 0,71 1,09 1,55 2,03 2,50 2,97 3,43 3,89

1,50 0,54 0,82 1,18 1,64 2,11 2,59 3,05 3,52 3,97

1,60 0,65 0,93 1,28 1,73 2,20 2,67 3,14 3,60 4,06

1,70 0,76 1,04 1,38 1,82 2,29 2,76 3,23 3,69 4,15

1,80 0,87 1,15 1,48 1,91 2,38 2,85 3,31 3,78 4,24

1,90 0,98 1,26 1,58 2,01 2,47 2,93 3,40 3,86 4,32

2,00 1,09 1,37 1,68 2,10 2,56 3,02 3,49 3,95 4,41

246
Número de camadas = 4; δ=0,05
δ=d’/h 𝜎!" = 0,85𝑓!"
!! !!
𝜈= 𝜇=
!!!!" !!²!!"

𝜔𝑏ℎ𝜎!"
𝐴! =
𝑓!"
Valores de ω
µ↓

ν↓ 0,00 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 0,60 0,70 0,80

0,00 0,00 0,22 0,46 0,72 0,99 1,27 1,55 1,83 2,11

0,10 0,00 0,13 0,38 0,66 0,93 1,22 1,50 1,79 2,09

0,20 0,00 0,05 0,32 0,60 0,88 1,18 1,49 1,79 2,09

0,30 0,00 0,00 0,27 0,57 0,87 1,18 1,48 1,79 2,10

0,40 0,00 0,00 0,25 0,56 0,86 1,17 1,48 1,79 2,10

0,50 0,00 0,00 0,24 0,55 0,86 1,17 1,48 1,79 2,10

0,60 0,00 0,00 0,28 0,60 0,90 1,20 1,49 1,79 2,10

0,70 0,00 0,00 0,33 0,66 0,97 1,27 1,57 1,86 2,16

0,80 0,00 0,06 0,39 0,72 1,03 1,34 1,64 1,94 2,23

0,90 0,00 0,15 0,46 0,79 1,10 1,41 1,72 2,02 2,31

1,00 0,00 0,24 0,54 0,86 1,18 1,49 1,79 2,09 2,39

1,10 0,11 0,34 0,62 0,94 1,25 1,56 1,87 2,17 2,47

1,20 0,22 0,44 0,71 1,02 1,33 1,64 1,95 2,25 2,55

1,30 0,33 0,54 0,81 1,10 1,41 1,72 2,03 2,33 2,63

1,40 0,43 0,64 0,90 1,19 1,49 1,80 2,11 2,41 2,71

1,50 0,54 0,75 1,00 1,28 1,58 1,88 2,19 2,49 2,79

1,60 0,65 0,85 1,10 1,37 1,66 1,97 2,27 2,57 2,88

1,70 0,76 0,96 1,20 1,46 1,75 2,05 2,35 2,66 2,96

1,80 0,87 1,06 1,30 1,56 1,84 2,13 2,44 2,74 3,04

1,90 0,98 1,16 1,40 1,65 1,93 2,22 2,52 2,82 3,13

2,00 1,09 1,26 1,50 1,75 2,02 2,31 2,61 2,91 3,21

247
Número de camadas = 4; δ=0,10
δ=d’/h 𝜎!" = 0,85𝑓!"
!! !!
𝜈= 𝜇=
!!!!" !!²!!"

𝜔𝑏ℎ𝜎!"
𝐴! =
𝑓!"
Valores de ω
µ↓

ν↓ 0,00 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 0,60 0,70 0,80

0,00 0,00 0,24 0,50 0,79 1,09 1,41 1,72 2,04 2,38

0,10 0,00 0,14 0,42 0,73 1,04 1,35 1,69 2,03 2,38

0,20 0,00 0,06 0,36 0,67 1,00 1,34 1,69 2,03 2,38

0,30 0,00 0,00 0,31 0,65 0,99 1,34 1,68 2,03 2,38

0,40 0,00 0,00 0,28 0,63 0,98 1,33 1,68 2,03 2,38

0,50 0,00 0,00 0,28 0,63 0,98 1,33 1,68 2,03 2,38

0,60 0,00 0,00 0,33 0,69 1,04 1,39 1,73 2,07 2,41

0,70 0,00 0,00 0,38 0,75 1,11 1,46 1,80 2,14 2,48

0,80 0,00 0,07 0,44 0,82 1,18 1,53 1,88 2,22 2,56

0,90 0,00 0,16 0,51 0,89 1,25 1,61 1,95 2,30 2,64

1,00 0,00 0,25 0,59 0,96 1,33 1,68 2,03 2,38 2,72

1,10 0,11 0,35 0,68 1,04 1,40 1,76 2,11 2,46 2,80

1,20 0,22 0,46 0,76 1,12 1,48 1,84 2,19 2,54 2,88

1,30 0,33 0,56 0,85 1,20 1,56 1,92 2,27 2,62 2,97

1,40 0,43 0,66 0,95 1,29 1,64 2,00 2,35 2,70 3,05

1,50 0,54 0,77 1,04 1,37 1,73 2,08 2,43 2,78 3,13

1,60 0,65 0,87 1,14 1,46 1,81 2,16 2,52 2,87 3,21

1,70 0,76 0,98 1,24 1,55 1,90 2,25 2,60 2,95 3,30

1,80 0,87 1,09 1,34 1,64 1,98 2,33 2,68 3,03 3,38

1,90 0,98 1,19 1,45 1,74 2,07 2,42 2,77 3,12 3,47

2,00 1,09 1,30 1,55 1,83 2,16 2,51 2,85 3,20 3,55

248
Número de camadas = 4; δ=0,15
δ=d’/h 𝜎!" = 0,85𝑓!"
!! !!
𝜈= 𝜇=
!!!!" !!²!!"

𝜔𝑏ℎ𝜎!"
𝐴! =
𝑓!"
Valores de ω
µ↓

ν↓ 0,00 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 0,60 0,70 0,80

0,00 0,00 0,25 0,56 0,90 1,25 1,60 1,97 2,35 2,75

0,10 0,00 0,15 0,48 0,83 1,18 1,56 1,95 2,35 2,75

0,20 0,00 0,06 0,40 0,77 1,15 1,55 1,94 2,34 2,74

0,30 0,00 0,00 0,35 0,74 1,14 1,54 1,94 2,34 2,74

0,40 0,00 0,00 0,32 0,73 1,13 1,53 1,94 2,34 2,74

0,50 0,00 0,00 0,34 0,76 1,16 1,56 1,96 2,36 2,75

0,60 0,00 0,00 0,39 0,82 1,23 1,63 2,03 2,43 2,83

0,70 0,00 0,00 0,44 0,88 1,30 1,71 2,11 2,51 2,91

0,80 0,00 0,07 0,51 0,95 1,37 1,78 2,19 2,59 2,99

0,90 0,00 0,17 0,58 1,02 1,44 1,86 2,27 2,67 3,07

1,00 0,00 0,27 0,66 1,09 1,52 1,93 2,34 2,75 3,15

1,10 0,11 0,37 0,74 1,17 1,60 2,01 2,42 2,83 3,24

1,20 0,22 0,47 0,83 1,25 1,67 2,09 2,50 2,91 3,32

1,30 0,33 0,58 0,92 1,33 1,75 2,17 2,59 2,99 3,40

1,40 0,43 0,69 1,01 1,42 1,84 2,25 2,67 3,08 3,48

1,50 0,54 0,79 1,11 1,50 1,92 2,34 2,75 3,16 3,57

1,60 0,65 0,90 1,20 1,59 2,00 2,42 2,83 3,24 3,65

1,70 0,76 1,01 1,30 1,68 2,09 2,50 2,92 3,33 3,74

1,80 0,87 1,12 1,40 1,77 2,18 2,59 3,00 3,41 3,82

1,90 0,98 1,22 1,50 1,86 2,26 2,68 3,09 3,50 3,90

2,00 1,09 1,33 1,61 1,95 2,35 2,76 3,17 3,58 3,99

249
Número de camadas = 4; δ=0,20
δ=d’/h 𝜎!" = 0,85𝑓!"
!! !!
𝜈= 𝜇=
!!!!" !!²!!"

𝜔𝑏ℎ𝜎!"
𝐴! =
𝑓!"
Valores de ω
µ↓

ν↓ 0,00 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 0,60 0,70 0,80

0,00 0,00 0,27 0,64 1,05 1,51 1,98 2,46 2,94 3,41

0,10 0,00 0,17 0,56 1,00 1,47 1,94 2,42 2,90 3,38

0,20 0,00 0,07 0,48 0,95 1,43 1,90 2,38 2,86 3,34

0,30 0,00 0,00 0,43 0,91 1,38 1,86 2,34 2,82 3,30

0,40 0,00 0,00 0,39 0,88 1,37 1,86 2,35 2,84 3,33

0,50 0,00 0,00 0,42 0,92 1,42 1,91 2,41 2,90 3,39

0,60 0,00 0,00 0,47 0,98 1,48 1,97 2,46 2,95 3,44

0,70 0,00 0,00 0,52 1,05 1,55 2,04 2,53 3,01 3,50

0,80 0,00 0,08 0,59 1,12 1,62 2,12 2,61 3,09 3,58

0,90 0,00 0,18 0,66 1,19 1,70 2,19 2,69 3,17 3,66

1,00 0,00 0,28 0,74 1,26 1,77 2,27 2,77 3,25 3,74

1,10 0,11 0,39 0,82 1,34 1,85 2,35 2,85 3,34 3,82

1,20 0,22 0,49 0,91 1,42 1,93 2,43 2,93 3,42 3,91

1,30 0,33 0,60 1,00 1,50 2,01 2,51 3,01 3,50 3,99

1,40 0,43 0,71 1,10 1,59 2,09 2,60 3,09 3,59 4,07

1,50 0,54 0,82 1,19 1,67 2,18 2,68 3,18 3,67 4,16

1,60 0,65 0,92 1,29 1,76 2,26 2,76 3,26 3,75 4,24

1,70 0,76 1,03 1,38 1,85 2,35 2,85 3,34 3,84 4,33

1,80 0,87 1,14 1,48 1,94 2,43 2,93 3,43 3,92 4,41

1,90 0,98 1,25 1,58 2,03 2,52 3,02 3,51 4,01 4,50

2,00 1,09 1,36 1,68 2,12 2,61 3,11 3,60 4,09 4,58

250
Número de camadas = 6; δ=0,05
δ=d’/h 𝜎!" = 0,85𝑓!"
!! !!
𝜈= 𝜇=
!!!!" !!²!!"

𝜔𝑏ℎ𝜎!"
𝐴! =
𝑓!"
Valores de ω
µ↓

ν↓ 0,00 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 0,60 0,70 0,80

0,00 0,00 0,23 0,47 0,73 1,00 1,29 1,57 1,86 2,16

0,10 0,00 0,13 0,39 0,67 0,95 1,24 1,54 1,84 2,14

0,20 0,00 0,05 0,33 0,61 0,91 1,21 1,51 1,82 2,12

0,30 0,00 0,00 0,28 0,58 0,88 1,19 1,49 1,80 2,10

0,40 0,00 0,00 0,25 0,56 0,87 1,18 1,49 1,80 2,11

0,50 0,00 0,00 0,24 0,56 0,87 1,19 1,50 1,81 2,12

0,60 0,00 0,00 0,28 0,60 0,91 1,21 1,51 1,82 2,14

0,70 0,00 0,00 0,34 0,66 0,97 1,28 1,57 1,87 2,17

0,80 0,00 0,06 0,40 0,73 1,04 1,35 1,65 1,95 2,24

0,90 0,00 0,15 0,47 0,80 1,12 1,43 1,73 2,03 2,32

1,00 0,00 0,25 0,55 0,88 1,19 1,50 1,81 2,11 2,41

1,10 0,11 0,34 0,64 0,96 1,27 1,58 1,89 2,19 2,49

1,20 0,22 0,45 0,73 1,04 1,35 1,66 1,97 2,27 2,57

1,30 0,33 0,55 0,82 1,12 1,44 1,75 2,05 2,36 2,66

1,40 0,43 0,65 0,91 1,21 1,52 1,83 2,14 2,44 2,74

1,50 0,54 0,76 1,01 1,30 1,61 1,92 2,22 2,53 2,83

1,60 0,65 0,86 1,11 1,39 1,69 2,00 2,31 2,61 2,91

1,70 0,76 0,97 1,21 1,48 1,78 2,09 2,39 2,70 3,00

1,80 0,87 1,07 1,31 1,58 1,87 2,18 2,48 2,78 3,09

1,90 0,98 1,17 1,41 1,67 1,96 2,27 2,57 2,87 3,17

2,00 1,09 1,27 1,52 1,77 2,06 2,36 2,66 2,96 3,26

251
Número de camadas = 6; δ=0,10
δ=d’/h 𝜎!" = 0,85𝑓!"
!! !!
𝜈= 𝜇=
!!!!" !!²!!"

𝜔𝑏ℎ𝜎!"
𝐴! =
𝑓!"
Valores de ω
µ↓

ν↓ 0,00 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 0,60 0,70 0,80

0,00 0,00 0,24 0,51 0,80 1,11 1,43 1,77 2,11 2,45

0,10 0,00 0,15 0,43 0,74 1,06 1,40 1,74 2,08 2,43

0,20 0,00 0,06 0,36 0,69 1,03 1,37 1,71 2,06 2,40

0,30 0,00 0,00 0,31 0,65 1,00 1,35 1,70 2,05 2,41

0,40 0,00 0,00 0,28 0,64 1,00 1,35 1,71 2,06 2,42

0,50 0,00 0,00 0,29 0,65 1,00 1,36 1,71 2,07 2,43

0,60 0,00 0,00 0,33 0,70 1,06 1,41 1,75 2,10 2,44

0,70 0,00 0,00 0,38 0,76 1,12 1,48 1,82 2,17 2,52

0,80 0,00 0,07 0,45 0,82 1,19 1,55 1,90 2,25 2,59

0,90 0,00 0,16 0,52 0,90 1,26 1,62 1,97 2,32 2,67

1,00 0,00 0,26 0,60 0,97 1,33 1,69 2,05 2,40 2,75

1,10 0,11 0,36 0,69 1,05 1,41 1,77 2,12 2,48 2,83

1,20 0,22 0,46 0,78 1,13 1,49 1,85 2,20 2,55 2,90

1,30 0,33 0,57 0,87 1,22 1,58 1,93 2,28 2,63 2,98

1,40 0,43 0,67 0,96 1,31 1,66 2,01 2,36 2,71 3,06

1,50 0,54 0,78 1,06 1,40 1,75 2,10 2,45 2,79 3,14

1,60 0,65 0,88 1,16 1,49 1,83 2,19 2,53 2,88 3,22

1,70 0,76 0,99 1,26 1,58 1,92 2,27 2,62 2,97 3,31

1,80 0,87 1,10 1,36 1,67 2,01 2,36 2,71 3,05 3,40

1,90 0,98 1,20 1,46 1,76 2,10 2,45 2,80 3,14 3,49

2,00 1,09 1,31 1,57 1,86 2,19 2,54 2,88 3,23 3,57

252
Número de camadas = 6; δ=0,15
δ=d’/h 𝜎!" = 0,85𝑓!"
!! !!
𝜈= 𝜇=
!!!!" !!²!!"

𝜔𝑏ℎ𝜎!"
𝐴! =
𝑓!"
Valores de ω
µ↓

ν↓ 0,00 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 0,60 0,70 0,80

0,00 0,00 0,26 0,57 0,92 1,27 1,65 2,03 2,42 2,81

0,10 0,00 0,16 0,49 0,84 1,22 1,60 2,00 2,39 2,79

0,20 0,00 0,06 0,41 0,79 1,18 1,57 1,98 2,39 2,80

0,30 0,00 0,00 0,36 0,75 1,16 1,57 1,98 2,39 2,81

0,40 0,00 0,00 0,33 0,75 1,16 1,57 1,99 2,40 2,82

0,50 0,00 0,00 0,35 0,77 1,19 1,60 2,01 2,41 2,82

0,60 0,00 0,00 0,39 0,83 1,25 1,67 2,08 2,49 2,90

0,70 0,00 0,00 0,45 0,89 1,32 1,74 2,15 2,57 2,98

0,80 0,00 0,07 0,51 0,96 1,39 1,81 2,23 2,64 3,05

0,90 0,00 0,17 0,58 1,03 1,46 1,89 2,31 2,72 3,13

1,00 0,00 0,27 0,66 1,10 1,54 1,96 2,38 2,80 3,21

1,10 0,11 0,37 0,75 1,18 1,61 2,04 2,46 2,88 3,29

1,20 0,22 0,48 0,84 1,25 1,69 2,12 2,54 2,96 3,37

1,30 0,33 0,58 0,93 1,34 1,77 2,19 2,62 3,04 3,45

1,40 0,43 0,69 1,02 1,43 1,85 2,27 2,70 3,12 3,53

1,50 0,54 0,80 1,12 1,51 1,93 2,35 2,78 3,20 3,61

1,60 0,65 0,91 1,22 1,61 2,01 2,43 2,86 3,28 3,69

1,70 0,76 1,01 1,32 1,70 2,10 2,52 2,94 3,36 3,78

1,80 0,87 1,12 1,42 1,79 2,19 2,60 3,02 3,44 3,86

1,90 0,98 1,23 1,52 1,88 2,28 2,68 3,10 3,52 3,94

2,00 1,09 1,34 1,62 1,98 2,37 2,77 3,19 3,60 4,02

253
Número de camadas = 6; δ=0,20
δ=d’/h 𝜎!" = 0,85𝑓!"
!! !!
𝜈= 𝜇=
!!!!" !!²!!"

𝜔𝑏ℎ𝜎!"
𝐴! =
𝑓!"
Valores de ω
µ↓

ν↓ 0,00 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 0,60 0,70 0,80

0,00 0,00 0,27 0,65 1,08 1,54 2,01 2,50 2,99 3,49

0,10 0,00 0,17 0,56 1,02 1,49 1,98 2,47 2,97 3,46

0,20 0,00 0,07 0,50 0,96 1,45 1,95 2,44 2,94 3,44

0,30 0,00 0,00 0,44 0,93 1,42 1,92 2,42 2,92 3,41

0,40 0,00 0,00 0,41 0,91 1,42 1,93 2,44 2,94 3,45

0,50 0,00 0,00 0,43 0,95 1,47 1,98 2,49 3,00 3,51

0,60 0,00 0,00 0,48 1,01 1,52 2,03 2,54 3,05 3,56

0,70 0,00 0,00 0,53 1,08 1,59 2,10 2,61 3,11 3,62

0,80 0,00 0,08 0,60 1,14 1,67 2,18 2,68 3,19 3,69

0,90 0,00 0,18 0,67 1,21 1,74 2,25 2,76 3,27 3,77

1,00 0,00 0,28 0,75 1,29 1,81 2,33 2,84 3,34 3,85

1,10 0,11 0,39 0,83 1,36 1,89 2,41 2,92 3,42 3,93

1,20 0,22 0,49 0,92 1,44 1,97 2,48 3,00 3,50 4,01

1,30 0,33 0,60 1,01 1,52 2,04 2,56 3,08 3,59 4,09

1,40 0,43 0,71 1,10 1,60 2,12 2,64 3,16 3,67 4,17

1,50 0,54 0,82 1,20 1,69 2,21 2,72 3,24 3,75 4,25

1,60 0,65 0,93 1,29 1,77 2,29 2,81 3,32 3,83 4,34

1,70 0,76 1,04 1,39 1,86 2,37 2,89 3,40 3,91 4,42

1,80 0,87 1,15 1,49 1,95 2,45 2,97 3,48 3,99 4,50

1,90 0,98 1,26 1,59 2,04 2,54 3,05 3,57 4,08 4,59

2,00 1,09 1,37 1,69 2,13 2,63 3,14 3,65 4,16 4,67

254
ANEXO 4 – Tabelas para dimensionamento de pilar
à flexão composta oblíqua
Número de barras = 4
0,85  (até  C50)
d’x/hx=d’y/hy=0,10 𝜎!" = 0,9  . 𝛼! . 𝑓!" α! = !!" !!"
0,85 1 − (C55 − C90)
!""
!! !!"
𝐴! = ℎ! ℎ! 𝜈= 𝜇! =
!! !!" !! !! !!"
!!" !  !!  !!"
𝜇! = 𝐴! =
!!    !!  !!" !!"

Valores de ω para ν = 0
𝝁𝒙 ↓

𝝁𝒚 ↓ 0,00 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 0,60 0,70 0,80

0,00 0,00 0,24 0,49 0,74 0,99 1,24 1,49 1,74 1,99

0,10 0,24 0,29 0,51 0,76 1,01 1,26 1,51 1,76 2,01

0,20 0,49 0,51 0,73 0,96 1,20 1,44 1,69 1,93 2,18

0,30 0,74 0,76 0,96 1,20 1,44 1,68 1,93 2,18 2,42

0,40 0,99 1,01 1,20 1,44 1,68 1,93 2,17 2,42 2,67

0,50 1,24 1,26 1,44 1,68 1,93 2,17 2,42 2,67 2,91

0,60 1,49 1,51 1,69 1,93 2,17 2,42 2,67 2,91 3,16

0,70 1,74 1,76 1,93 2,18 2,42 2,67 2,91 3,16 3,41

0,80 1,99 2,01 2,18 2,42 2,67 2,91 3,16 3,41 3,66

Valores de ω para ν = 0,2


𝝁𝒙 ↓

𝝁𝒚 ↓ 0,00 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 0,60 0,70 0,80

0,00 0,00 0,05 0,30 0,55 0,80 1,05 1,30 1,55 1,80

0,10 0,05 0,19 0,43 0,68 0,92 1,17 1,43 1,67 1,92

0,20 0,30 0,43 0,66 0,91 1,16 1,41 1,66 1,91 2,16

0,30 0,55 0,68 0,91 1,15 1,40 1,65 1,90 2,15 2,40

0,40 0,80 0,92 1,16 1,40 1,65 1,90 2,15 2,40 2,65

0,50 1,05 1,17 1,41 1,65 1,90 2,14 2,39 2,64 2,89

0,60 1,30 1,43 1,66 1,90 2,15 2,39 2,64 2,89 3,14

0,70 1,55 1,67 1,91 2,15 2,40 2,64 2,89 3,14 3,39

0,80 1,80 1,92 2,16 2,40 2,65 2,89 3,14 3,39 3,64

255
Número de barras = 4
0,85  (até  C50)
d’x/hx=d’y/hy=0,10 𝜎!" = 0,9  . 𝛼! . 𝑓!" α! = !!" !!"
0,85 1 − (C55 − C90)
!""
!! !!"
𝐴! = ℎ! ℎ! 𝜈= 𝜇! =
!! !!" !! !! !!"
!!" !  !!  !!"
𝜇! = 𝐴! =
!!    !!  !!" !!"

Valores de ω para ν = 0,4


𝝁𝒙 ↓

𝝁𝒚 ↓ 0,00 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 0,60 0,70 0,80

0,00 0,00 0,00 0,20 0,45 0,70 0,95 1,20 1,45 1,70

0,10 0,00 0,10 0,37 0,64 0,89 1,15 1,40 1,66 1,91

0,20 0,20 0,37 0,61 0,86 1,12 1,38 1,64 1,90 2,15

0,30 0,45 0,64 0,86 1,11 1,36 1,62 1,88 2,13 2,38

0,40 0,70 0,89 1,12 1,36 1,61 1,87 2,12 2,37 2,63

0,50 0,95 1,15 1,38 1,62 1,87 2,12 2,37 2,62 2,87

0,60 1,20 1,40 1,64 1,88 2,12 2,37 2,62 2,87 3,12

0,70 1,45 1,66 1,90 2,13 2,37 2,62 2,87 3,12 3,37

0,80 1,70 1,91 2,15 2,38 2,63 2,87 3,12 3,37 3,62

Valores de ω para ν = 0,6


𝝁𝒙 ↓

𝝁𝒚 ↓ 0,00 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 0,60 0,70 0,80

0,00 0,00 0,00 0,25 0,53 0,79 1,05 1,31 1,56 1,82

0,10 0,00 0,11 0,41 0,69 0,95 1,19 1,44 1,68 1,91

0,20 0,25 0,41 0,66 0,91 1,17 1,42 1,66 1,90 2,14

0,30 0,53 0,69 0,91 1,16 1,40 1,64 1,89 2,13 2,38

0,40 0,79 0,95 1,17 1,40 1,64 1,88 2,12 2,36 2,61

0,50 1,05 1,19 1,42 1,64 1,88 2,12 2,36 2,60 2,86

0,60 1,31 1,44 1,66 1,89 2,12 2,36 2,60 2,85 3,10

0,70 1,56 1,68 1,90 2,13 2,36 2,60 2,85 3,10 3,35

0,80 1,82 1,91 2,14 2,38 2,61 2,86 3,10 3,35 3,60

256
Número de barras = 4
0,85  (até  C50)
d’x/hx=d’y/hy=0,10 𝜎!" = 0,9  . 𝛼! . 𝑓!" α! = !!" !!"
0,85 1 − (C55 − C90)
!""
!! !!"
𝐴! = ℎ! ℎ! 𝜈= 𝜇! =
!! !!" !! !! !!"
!!" !  !!  !!"
𝜇! = 𝐴! =
!!    !!  !!" !!"

Valores de ω para ν = 0,8


𝝁𝒙 ↓

𝝁𝒚 ↓ 0,00 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 0,60 0,70 0,80

0,00 0,00 0,06 0,37 0,66 0,94 1,20 1,47 1,73 1,99

0,10 0,06 0,22 0,51 0,80 1,06 1,32 1,57 1,82 2,06

0,20 0,37 0,51 0,75 1,02 1,29 1,54 1,79 2,04 2,28

0,30 0,66 0,80 1,02 1,27 1,52 1,77 2,02 2,27 2,51

0,40 0,94 1,06 1,29 1,52 1,77 2,01 2,26 2,50 2,74

0,50 1,20 1,32 1,54 1,77 2,01 2,25 2,49 2,73 2,97

0,60 1,47 1,57 1,79 2,02 2,26 2,49 2,73 2,97 3,21

0,70 1,73 1,82 2,04 2,27 2,50 2,73 2,97 3,21 3,45

0,80 1,99 2,06 2,28 2,51 2,74 2,97 3,21 3,45 3,68

Valores de ω para ν = 1,0


𝝁𝒙 ↓

𝝁𝒚 ↓ 0,00 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 0,60 0,70 0,80

0,00 0,00 0,24 0,52 0,81 1,09 1,36 1,63 1,90 2,16

0,10 0,24 0,37 0,64 0,92 1,20 1,46 1,71 1,96 2,21

0,20 0,52 0,64 0,88 1,15 1,42 1,68 1,93 2,18 2,43

0,30 0,81 0,92 1,15 1,39 1,65 1,91 2,16 2,41 2,66

0,40 1,09 1,20 1,42 1,65 1,90 2,15 2,39 2,64 2,89

0,50 1,36 1,46 1,68 1,91 2,15 2,39 2,63 2,88 3,12

0,60 1,63 1,71 1,93 2,16 2,39 2,63 2,88 3,12 3,36

0,70 1,90 1,96 2,18 2,41 2,64 2,88 3,12 3,36 3,59

0,80 2,16 2,21 2,43 2,66 2,89 3,12 3,36 3,59 3,83

257
Número de barras = 4
0,85  (até  C50)
d’x/hx=d’y/hy=0,10 𝜎!" = 0,9  . 𝛼! . 𝑓!" α! = !!" !!"
0,85 1 − (C55 − C90)
!""
!! !!"
𝐴! = ℎ! ℎ! 𝜈= 𝜇! =
!! !!" !! !! !!"
!!" !  !!  !!"
𝜇! = 𝐴! =
!!    !!  !!" !!"

Valores de ω para ν = 1,2


𝝁𝒙 ↓

𝝁𝒚 ↓ 0,00 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 0,60 0,70 0,80

0,00 0,22 0,44 0,70 0,98 1,26 1,53 1,80 2,07 2,33

0,10 0,44 0,55 0,80 1,07 1,34 1,60 1,86 2,11 2,37

0,20 0,70 0,80 1,03 1,29 1,56 1,82 2,08 2,33 2,58

0,30 0,98 1,07 1,29 1,53 1,79 2,05 2,31 2,56 2,81

0,40 1,26 1,34 1,56 1,79 2,04 2,29 2,54 2,79 3,04

0,50 1,53 1,60 1,82 2,05 2,29 2,53 2,78 3,02 3,27

0,60 1,80 1,86 2,08 2,31 2,54 2,78 3,02 3,26 3,50

0,70 2,07 2,11 2,33 2,56 2,79 3,02 3,26 3,50 3,74

0,80 2,33 2,37 2,58 2,81 3,04 3,27 3,50 3,74 3,98

Valores de ω para ν = 1,4


𝝁𝒙 ↓

𝝁𝒚 ↓ 0,00 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 0,60 0,70 0,80

0,00 0,43 0,64 0,89 1,16 1,44 1,71 1,98 2,24 2,51

0,10 0,64 0,74 0,96 1,22 1,49 1,75 2,01 2,27 2,54

0,20 0,89 0,96 1,19 1,44 1,71 1,97 2,23 2,48 2,73

0,30 1,16 1,22 1,44 1,68 1,94 2,20 2,45 2,71 2,96

0,40 1,44 1,49 1,71 1,94 2,18 2,43 2,69 2,94 3,19

0,50 1,71 1,75 1,97 2,20 2,43 2,68 2,92 3,17 3,42

0,60 1,98 2,01 2,23 2,45 2,69 2,92 3,17 3,41 3,66

0,70 2,24 2,27 2,48 2,71 2,94 3,17 3,41 3,65 3,89

0,80 2,51 2,54 2,73 2,96 3,19 3,42 3,66 3,89 4,13

258
Número de barras = 6
0,85  (até  C50)
d’x/hx=d’y/hy=0,10 𝜎!" = 0,9  . 𝛼! . 𝑓!" α! = !!" !!"
0,85 1 − (C55 − C90)
!""
!! !!"
𝐴! = ℎ! ℎ! 𝜈= 𝜇! =
!! !!" !! !! !!"
!!" !  !!  !!"
𝜇! = 𝐴! =
!!    !!  !!" !!"

Valores de ω para ν = 0
𝝁𝒙 ↓

𝝁𝒚 ↓ 0,00 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 0,60 0,70 0,80

0,00 0,00 0,24 0,49 0,74 0,99 1,24 1,49 1,74 1,99

0,10 0,24 0,33 0,55 0,78 1,03 1,27 1,52 1,77 2,02

0,20 0,50 0,60 0,80 1,04 1,29 1,53 1,77 2,02 2,27

0,30 0,77 0,91 1,11 1,35 1,59 1,82 2,06 2,30 2,54

0,40 1,13 1,26 1,44 1,68 1,93 2,17 2,41 2,64 2,88

0,50 1,49 1,61 1,79 2,03 2,27 2,51 2,75 2,99 3,23

0,60 1,85 1,97 2,14 2,37 2,61 2,86 3,10 3,34 3,58

0,70 2,22 2,33 2,49 2,73 2,97 3,21 3,45 3,69 3,93

0,80 2,59 2,69 2,84 3,08 3,32 3,56 3,80 4,04 4,28

Valores de ω para ν = 0,2


𝝁𝒙 ↓

𝝁𝒚 ↓ 0,00 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 0,60 0,70 0,80

0,00 0,00 0,05 0,30 0,55 0,80 1,05 1,30 1,55 1,80

0,10 0,05 0,20 0,45 0,70 0,95 1,20 1,45 1,69 1,95

0,20 0,37 0,52 0,76 1,00 1,24 1,49 1,73 1,97 2,22

0,30 0,72 0,86 1,09 1,34 1,58 1,83 2,07 2,31 2,55

0,40 1,09 1,21 1,44 1,68 1,93 2,17 2,41 2,65 2,90

0,50 1,46 1,56 1,80 2,03 2,27 2,52 2,76 3,00 3,25

0,60 1,83 1,93 2,15 2,39 2,62 2,87 3,11 3,35 3,59

0,70 2,20 2,29 2,51 2,74 2,98 3,22 3,46 3,70 3,95

0,80 2,57 2,65 2,87 3,10 3,34 3,57 3,81 4,06 4,30

259
Número de barras = 6
0,85  (até  C50)
d’x/hx=d’y/hy=0,10 𝜎!" = 0,9  . 𝛼! . 𝑓!" α! = !!" !!"
0,85 1 − (C55 − C90)
!""
!! !!"
𝐴! = ℎ! ℎ! 𝜈= 𝜇! =
!! !!" !! !! !!"
!!" !  !!  !!"
𝜇! = 𝐴! =
!!    !!  !!" !!"

Valores de ω para ν = 0,4


𝝁𝒙 ↓

𝝁𝒚 ↓ 0,00 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 0,60 0,70 0,80

0,00 0,00 0,00 0,20 0,45 0,70 0,95 1,20 1,45 1,70

0,10 0,00 0,12 0,40 0,67 0,92 1,18 1,42 1,67 1,91

0,20 0,30 0,48 0,72 0,98 1,24 1,49 1,74 1,99 2,24

0,30 0,67 0,85 1,08 1,32 1,58 1,83 2,07 2,32 2,57

0,40 1,05 1,21 1,44 1,68 1,92 2,17 2,42 2,66 2,91

0,50 1,42 1,57 1,80 2,04 2,28 2,52 2,77 3,01 3,26

0,60 1,80 1,93 2,16 2,40 2,64 2,88 3,12 3,36 3,61

0,70 2,17 2,29 2,52 2,76 2,99 3,23 3,47 3,72 3,96

0,80 2,55 2,65 2,88 3,12 3,35 3,59 3,83 4,07 4,31

Valores de ω para ν = 0,6


𝝁𝒙 ↓

𝝁𝒚 ↓ 0,00 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 0,60 0,70 0,80

0,00 0,00 0,00 0,25 0,53 0,79 1,05 1,31 1,56 1,82

0,10 0,00 0,13 0,44 0,72 0,97 1,23 1,48 1,72 1,97

0,20 0,34 0,51 0,76 1,02 1,27 1,52 1,76 2,01 2,26

0,30 0,73 0,88 1,11 1,35 1,60 1,84 2,09 2,34 2,59

0,40 1,10 1,24 1,46 1,69 1,93 2,18 2,43 2,68 2,93

0,50 1,47 1,59 1,81 2,05 2,29 2,53 2,78 3,03 3,27

0,60 1,83 1,95 2,18 2,41 2,65 2,89 3,13 3,38 3,62

0,70 2,19 2,32 2,54 2,77 3,01 3,25 3,49 3,73 3,98

0,80 2,55 2,68 2,90 3,14 3,37 3,61 3,85 4,09 4,33

260
Número de barras = 6
0,85  (até  C50)
d’x/hx=d’y/hy=0,10 𝜎!" = 0,9  . 𝛼! . 𝑓!" α! = !!" !!"
0,85 1 − (C55 − C90)
!""
!! !!"
𝐴! = ℎ! ℎ! 𝜈= 𝜇! =
!! !!" !! !! !!"
!!" !  !!  !!"
𝜇! = 𝐴! =
!!    !!  !!" !!"

Valores de ω para ν = 0,8


𝝁𝒙 ↓

𝝁𝒚 ↓ 0,00 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 0,60 0,70 0,80

0,00 0,00 0,06 0,37 0,66 0,94 1,20 1,47 1,73 1,99

0,10 0,07 0,23 0,53 0,82 1,09 1,36 1,61 1,86 2,11

0,20 0,47 0,61 0,85 1,12 1,38 1,63 1,88 2,12 2,36

0,30 0,86 0,99 1,22 1,46 1,71 1,95 2,20 2,43 2,67

0,40 1,25 1,36 1,58 1,81 2,04 2,28 2,52 2,76 3,00

0,50 1,62 1,71 1,93 2,15 2,38 2,62 2,85 3,09 3,32

0,60 1,99 2,07 2,28 2,50 2,72 2,95 3,18 3,42 3,65

0,70 2,35 2,43 2,62 2,84 3,07 3,29 3,52 3,75 4,00

0,80 2,71 2,79 2,96 3,18 3,41 3,63 3,87 4,11 4,35

Valores de ω para ν = 1,0


𝝁𝒙 ↓

𝝁𝒚 ↓ 0,00 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 0,60 0,70 0,80

0,00 0,00 0,24 0,52 0,81 1,09 1,36 1,63 1,90 2,16

0,10 0,26 0,39 0,66 0,95 1,23 1,50 1,76 2,01 2,26

0,20 0,62 0,74 0,97 1,23 1,50 1,76 2,01 2,25 2,50

0,30 1,01 1,12 1,34 1,58 1,82 2,07 2,32 2,56 2,81

0,40 1.40 1,49 1,70 1,93 2,17 2,41 2,65 2,89 3,13

0,50 1,77 1,85 2,06 2,29 2,51 2,75 2,98 3,22 3,46

0,60 2,14 2,22 2,41 2,63 2,86 3,09 3,32 3,55 3,79

0,70 2,51 2,59 2,76 2,98 3,20 3,43 3,66 3,89 4,12

0,80 2,88 2,95 3,10 3,32 3,55 3,77 4,00 4,22 4,45

261
Número de barras = 6
0,85  (até  C50)
d’x/hx=d’y/hy=0,10 𝜎!" = 0,9  . 𝛼! . 𝑓!" α! = !!" !!"
0,85 1 − (C55 − C90)
!""
!! !!"
𝐴! = ℎ! ℎ! 𝜈= 𝜇! =
!! !!" !! !! !!"
!!" !  !!  !!"
𝜇! = 𝐴! =
!!    !!  !!" !!"

Valores de ω para ν = 1,2


𝝁𝒙 ↓

𝝁𝒚 ↓ 0,00 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 0,60 0,70 0,80

0,00 0,22 0,44 0,70 0,98 1,26 1,53 1,80 2,07 2,33

0,10 0,47 0,57 0,82 1,10 1,37 1,64 1,91 2,17 2,42

0,20 0,79 0,89 1,11 1,36 1,62 1,88 2,14 2,40 2,65

0,30 1,17 1,26 1,47 1,71 1,95 2,20 2,45 2,70 2,94

0,40 1,55 1,63 1,84 2,06 2,30 2,54 2,78 3,02 3,26

0,50 1,93 2,01 2,20 2,42 2,65 2,88 3,12 3,35 3,59

0,60 2,30 2,38 2,55 2,77 3,00 3,22 3,46 3,69 3,92

0,70 2,67 2,75 2,90 3,12 3,34 3,57 3,80 4,03 4,26

0,80 3,04 3,11 3,25 3,47 3,69 3,91 4,14 4,37 4,59

Valores de ω para ν = 1,4


𝝁𝒙 ↓

𝝁𝒚 ↓ 0,00 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 0,60 0,70 0,80

0,00 0,43 0,64 0,89 1,16 1,44 1,71 1,98 2,24 2,51

0,10 0,68 0,76 0,99 1,26 1,53 1,80 2,06 2,32 2,58

0,20 0,98 1,05 1,27 1,51 1,76 2,03 2,29 2,55 2,81

0,30 1,34 1,41 1,62 1,85 2,09 2,33 2,59 2,83 3,08

0,40 1,72 1,79 1,98 2,20 2,44 2,67 2,91 3,16 3,40

0,50 2,10 2,16 2,34 2,56 2,78 3,02 3,25 3,49 3,73

0,60 2,47 2,54 2,69 2,91 3,14 3,37 3,60 3,83 4,06

0,70 2,84 2,91 3,04 3,26 3,49 3,71 3,94 4,17 4,40

0,80 3,21 3,28 3,39 3,61 3,83 4,06 4,28 4,51 4,73

262
Número de barras = 8
0,85  (até  C50)
d’x/hx=d’y/hy=0,10 𝜎!" = 0,9  . 𝛼! . 𝑓!" α! = !!" !!"
0,85 1 − (C55 − C90)
!""
!! !!"
𝐴! = ℎ! ℎ! 𝜈= 𝜇! =
!! !!" !! !! !!"
!!" !  !!  !!"
𝜇! = 𝐴! =
!!    !!  !!" !!"

Valores de ω para ν = 0
𝝁𝒙 ↓

𝝁𝒚 ↓ 0,00 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 0,60 0,70 0,80

0,00 0,00 0,24 0,49 0,74 0,99 1,24 1,49 1,74 1,99

0,10 0,24 0,34 0,56 0,80 1,04 1,28 1,53 1,78 2,03

0,20 0,54 0,66 0,87 1,10 1,34 1,58 1,82 2,06 2,30

0,30 0,89 1,02 1,20 1,44 1,68 1,93 2,17 2,41 2,65

0,40 1,26 1,39 1,56 1,80 2,04 2,28 2,52 2,76 3,00

0,50 1,66 1,78 1,96 2,19 2,42 2,66 2,90 3,13 3,37

0,60 2,09 2,20 2,37 2,59 2,82 3,06 3,29 3,53 3,76

0,70 2,52 2,61 2,78 3,00 3,23 3,46 3,69 3,93 4,17

0,80 2,95 3,03 3,20 3,41 3,64 3,87 4,10 4,34 4,57

Valores de ω para ν = 0,2


𝝁𝒙 ↓

𝝁𝒚 ↓ 0,00 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 0,60 0,70 0,80

0,00 0,00 0,05 0,30 0,55 0,80 1,05 1,30 1,55 1,80

0,10 0,06 0,22 0,46 0,71 0,96 1,20 1,45 1,70 1,95

0,20 0,41 0,55 0,79 1,04 1,28 1,53 1,78 2,02 2,27

0,30 0,81 0,95 1,18 1,42 1,66 1,90 2,13 2,37 2,61

0,40 1,23 1,35 1,57 1,81 2,05 2,29 2,53 2,76 3,00

0,50 1,66 1,77 1,98 2,21 2,45 2,68 2,93 3,16 3,40

0,60 2,09 2,19 2,39 2,62 2,86 3,09 3,33 3,56 3,80

0,70 2,53 2,61 2,80 3,03 3,27 3,50 3,73 3,97 4,20

0,80 2,96 3,03 3,22 3,45 3,68 3,91 4,14 4,37 4,61

263
Número de barras = 8
0,85  (até  C50)
d’x/hx=d’y/hy=0,10 𝜎!" = 0,9  . 𝛼! . 𝑓!" α! = !!" !!"
0,85 1 − (C55 − C90)
!""
!! !!"
𝐴! = ℎ! ℎ! 𝜈= 𝜇! =
!! !!" !! !! !!"
!!" !  !!  !!"
𝜇! = 𝐴! =
!!    !!  !!" !!"

Valores de ω para ν = 0,4


𝝁𝒙 ↓

𝝁𝒚 ↓ 0,00 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 0,60 0,70 0,80

0,00 0,00 0,00 0,20 0,45 0,70 0,95 1,20 1,45 1,70

0,10 0,00 0,12 0,41 0,68 0,94 1,19 1,44 1,69 1,94

0,20 0,35 0,53 0,77 1,03 1,28 1,53 1,78 2,02 2,26

0,30 0,79 0,95 1,18 1,42 1,67 1,92 2,16 2,40 2,64

0,40 1,22 1,37 1,59 1,83 2,07 2,31 2,55 2,79 3,03

0,50 1,66 1,79 2,01 2,24 2,48 2,71 2,95 3,19 3,43

0,60 2,10 2,21 2,43 2,66 2,89 3,12 3,36 3,60 3,83

0,70 2,54 2,62 2,84 3,07 3,30 3,53 3,77 4,00 4,24

0,80 2,97 3,03 3,26 3,48 3,71 3,95 4,18 4,41 4,65

Valores de ω para ν = 0,6


𝝁𝒙 ↓

𝝁𝒚 ↓ 0,00 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 0,60 0,70 0,80

0,00 0,00 0,00 0,25 0,53 0,79 1,05 1,31 1,56 1,82

0,10 0,00 0,13 0,45 0,74 1,00 1,25 1,50 1,75 1,99

0,20 0,39 0,56 0,81 1,07 1,32 1,56 1,82 2,07 2,33

0,30 0,84 0,99 1,21 1,44 1,69 1,94 2,19 2,43 2,68

0,40 1,26 1,40 1,62 1,85 2,09 2,34 2,58 2,82 3,07

0,50 1,68 1,82 2,04 2,27 2,50 2,74 2,98 3,22 3,47

0,60 2,11 2,25 2,46 2,69 2,92 3,15 3,39 3,63 3,87

0,70 2,55 2,67 2,88 3,11 3,34 3,57 3,80 4,04 4,27

0,80 2,99 3,10 3,30 3,53 3,76 3,99 4,22 4,45 4,69

264
Número de barras = 8
0,85  (até  C50)
d’x/hx=d’y/hy=0,10 𝜎!" = 0,9  . 𝛼! . 𝑓!" α! = !!" !!"
0,85 1 − (C55 − C90)
!""
!! !!"
𝐴! = ℎ! ℎ! 𝜈= 𝜇! =
!! !!" !! !! !!"
!!" !  !!  !!"
𝜇! = 𝐴! =
!!    !!  !!" !!"

Valores de ω para ν = 0,8


𝝁𝒙 ↓

𝝁𝒚 ↓ 0,00 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 0,60 0,70 0,80

0,00 0,00 0,06 0,37 0,66 0,94 1,20 1,47 1,73 1,99

0,10 0,07 0,24 0,55 0,84 1,12 1,38 1,63 1,88 2,13

0,20 0,51 0,65 0,90 1,16 1,43 1,69 1,94 2,19 2,44

0,30 0,96 1,10 1,31 1,55 1,79 2,04 2,28 2,51 2,75

0,40 1,40 1,51 1,73 1,95 2,18 2,41 2,65 2,89 3,12

0,50 1,82 1,93 2,13 2,35 2,58 2,80 3,03 3,26 3,51

0,60 2,25 2,35 2,54 2,75 2,97 3,19 3,43 3,67 3,91

0,70 2,67 2,77 2,93 3,15 3,38 3,61 3,85 4,08 4,32

0,80 3,09 3,19 3,34 3,57 3,80 4,03 4,26 4,49 4,73

Valores de ω para ν = 1,0


𝝁𝒙 ↓

𝝁𝒚 ↓ 0,00 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 0,60 0,70 0,80

0,00 0,00 0,24 0,52 0,81 1,09 1,36 1,63 1,90 2,16

0,10 0,26 0,41 0,67 0,97 1,25 1,51 1,77 2,03 2,28

0,20 0,66 0,78 1,02 1,28 1,55 1,82 2,08 2,33 2,58

0,30 1,10 1,21 1,43 1,66 1,90 2,15 2,40 2,65 2,90

0,40 1,54 1,64 1,85 2,07 2,30 2,53 2,77 3,01 3,25

0,50 1,97 2,07 2,26 2,48 2,70 2,93 3,16 3,39 3,62

0,60 2,40 2,50 2,66 2,88 3,10 3,32 3,55 3,77 4,00

0,70 2,82 2,92 3,06 3,28 3,50 3,72 3,94 4,16 4,39

0,80 3,24 3,34 3,46 3,68 3,90 4,12 4,34 4,56 4,78

265
Número de barras = 8
0,85  (até  C50)
d’x/hx=d’y/hy=0,10 𝜎!" = 0,9  . 𝛼! . 𝑓!" α! = !!" !!"
0,85 1 − (C55 − C90)
!""
!! !!"
𝐴! = ℎ! ℎ! 𝜈= 𝜇! =
!! !!" !! !! !!"
!!" !  !!  !!"
𝜇! = 𝐴! =
!!    !!  !!" !!"

Valores de ω para ν = 1,2


𝝁𝒙 ↓

𝝁𝒚 ↓ 0,00 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 0,60 0,70 0,80

0,00 0,22 0,44 0,70 0,98 1,26 1,53 1,80 2,07 2,33

0,10 0,47 0,59 0,83 1,11 1,38 1,65 1,92 2,18 2,44

0,20 0,82 0,93 1,16 1,42 1,69 1,96 2,22 2,47 2,73

0,30 1,25 1,35 1,56 1,79 2,03 2,28 2,54 2,79 3,04

0,40 1,69 1,79 1,98 2,20 2,42 2,66 2,89 3,13 3,37

0,50 2,12 2,22 2,39 2,61 2,83 3,06 3,28 3,52 3,75

0,60 2,55 2,65 2,80 3,01 3,23 3,45 3,68 3,90 4,13

0,70 2,97 3,07 3,20 3,42 3,63 3,85 4,08 4,30 4,52

0,80 3,39 3,50 3,60 3,82 4,03 4,25 4,47 4,69 4,91

Valores de ω para ν = 1,4


𝝁𝒙 ↓

𝝁𝒚 ↓ 0,00 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 0,60 0,70 0,80

0,00 0,43 0,64 0,89 1,16 1,44 1,71 1,98 2,24 2,51

0,10 0,68 0,79 1,00 1,26 1,54 1,81 2,08 2,34 2,60

0,20 1,00 1,10 1,32 1,57 1,83 2,10 2,36 2,62 2,88

0,30 1,41 1,50 1,70 1,93 2,17 2,43 2,68 2,94 3,19

0,40 1,84 1,94 2,11 2,33 2,55 2,79 3,02 3,27 3,52

0,50 2,27 2,37 2,53 2,74 2,96 3,19 3,41 3,64 3,88

0,60 2,70 2,80 2,93 3,15 3,37 3,59 3,81 4,04 4,27

0,70 3,13 3,23 3,34 3,55 3,77 3,99 4,21 4,43 4,65

0,80 3,55 3,65 3,75 3,96 4,17 4,39 4,60 4,83 5,05

266
Número de barras = 10
0,85  (até  C50)
d’x/hx=d’y/hy=0,10 𝜎!" = 0,9  . 𝛼! . 𝑓!" α! = !!" !!"
0,85 1 − (C55 − C90)
!""
!! !!"
𝐴! = ℎ! ℎ! 𝜈= 𝜇! =
!! !!" !! !! !!"
!!" !  !!  !!"
𝜇! = 𝐴! =
!!    !!  !!" !!"

Valores de ω para ν = 0
𝝁𝒙 ↓

𝝁𝒚 ↓ 0,00 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 0,60 0,70 0,80

0,00 0,00 0,24 0,49 0,74 0,99 1,24 1,49 1,74 1,99

0,10 0,25 0,35 0,57 0,81 1,05 1,29 1,53 1,78 2,03

0,20 0,56 0,68 0,89 1,12 1,36 1,60 1,84 2,08 2,33

0,30 0,95 1,08 1,27 1,50 1,74 1,98 2,22 2,46 2,69

0,40 1,37 1,49 1,67 1,90 2,14 2,38 2,62 2,86 3,10

0,50 1,79 1,92 2,09 2,31 2,55 2,79 3,02 3,26 3,50

0,60 2,22 2,34 2,51 2,72 2,96 3,19 3,43 3,67 3,91

0,70 2,68 2,78 2,95 3,16 3,38 3,61 3,84 4,08 4,32

0,80 3,15 3,23 3,40 3,60 3,82 4,05 4,28 4,51 4,73

Valores de ω para ν = 0,2


𝝁𝒙 ↓

𝝁𝒚 ↓ 0,00 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 0,60 0,70 0,80

0,00 0,00 0,05 0,30 0,55 0,80 1,05 1,30 1,55 1,80

0,10 0,06 0,22 0,46 0,71 0,96 1,22 1,47 1,72 1,97

0,20 0,44 0,59 0,83 1,07 1,32 1,56 1,80 2,05 2,30

0,30 0,86 1,00 1,22 1,46 1,71 1,95 2,19 2,43 2,67

0,40 1,31 1,44 1,65 1,88 2,12 2,36 2,59 2,83 3,08

0,50 1,77 1,89 2,09 2,32 2,55 2,78 3,02 3,25 3,48

0,60 2,24 2,35 2,54 2,76 2,99 3,22 3,45 3,68 3,92

0,70 2,71 2,80 2,98 3,21 3,43 3,66 3,89 4,12 4,34

0,80 3,18 3,27 3,43 3,65 3,88 4,10 4,33 4,56 4,79

267
Número de barras = 10
0,85  (até  C50)
d’x/hx=d’y/hy=0,10 𝜎!" = 0,9  . 𝛼! . 𝑓!" α! = !!" !!"
0,85 1 − (C55 − C90)
!""
!! !!"
𝐴! = ℎ! ℎ! 𝜈= 𝜇! =
!! !!" !! !! !!"
!!" !  !!  !!"
𝜇! = 𝐴! =
!!    !!  !!" !!"

Valores de ω para ν = 0,4


𝝁𝒙 ↓

𝝁𝒚 ↓ 0,00 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 0,60 0,70 0,80

0,00 0,00 0,00 0,20 0,45 0,70 0,95 1,20 1,45 1,70

0,10 0,00 0,13 0,42 0,69 0,95 1,20 1,46 1,70 1,95

0,20 0,38 0,56 0,80 1,06 1,31 1,56 1,81 2,06 2,30

0,30 0,85 1,01 1,24 1,48 1,72 1,96 2,20 2,44 2,69

0,40 1,32 1,46 1,68 1,91 2,15 2,39 2,63 2,86 3,10

0,50 1,80 1,91 2,13 2,36 2,59 2,82 3,06 3,29 3,53

0,60 2,27 2,36 2,59 2,81 3,03 3,26 3,49 3,73 3,96

0,70 2,74 2,82 3,03 3,26 3,48 3,71 3,94 4,17 4,40

0,80 3,21 3,30 3,48 3,71 3,93 4,16 4,38 4,61 4,84

Valores de ω para ν = 0,6


𝝁𝒙 ↓

𝝁𝒚 ↓ 0,00 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 0,60 0,70 0,80

0,00 0,00 0,00 0,25 0,53 0,79 1,05 1,31 1,56 1,82

0,10 0,00 0,14 0,46 0,75 1,02 1,27 1,51 1,76 2,01

0,20 0,42 0,59 0,83 1,10 1,36 1,61 1,87 2,12 2,37

0,30 0,90 1,05 1,27 1,50 1,75 2,00 2,25 2,51 2,75

0,40 1,36 1,50 1,72 1,95 2,18 2,42 2,67 2,91 3,15

0,50 1,82 1,96 2,18 2,40 2,63 2,86 3,10 3,34 3,57

0,60 2,30 2,43 2,63 2,86 3,08 3,31 3,54 3,77 4,01

0,70 2,77 2,89 3,08 3,31 3,53 3,76 3,99 4,21 4,45

0,80 3,25 3,36 3,54 3,76 3,98 4,21 4,43 4,66 4,89

268
Número de barras = 10
0,85  (até  C50)
d’x/hx=d’y/hy=0,10 𝜎!" = 0,9  . 𝛼! . 𝑓!" α! = !!" !!"
0,85 1 − (C55 − C90)
!""
!! !!"
𝐴! = ℎ! ℎ! 𝜈= 𝜇! =
!! !!" !! !! !!"
!!" !  !!  !!"
𝜇! = 𝐴! =
!!    !!  !!" !!"

Valores de ω para ν = 0,8


𝝁𝒙 ↓

𝝁𝒚 ↓ 0,00 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 0,60 0,70 0,80

0,00 0,00 0,06 0,37 0,66 0,94 1,20 1,47 1,73 1,99

0,10 0,07 0,25 0,55 0,85 1,13 1,39 1,65 1,90 2,15

0,20 0,53 0,69 0,93 1,20 1,47 1,73 1,99 2,23 2,47

0,30 1,02 1,15 1,37 1,60 1,85 2,11 2,35 2,60 2,84

0,40 1,49 1,61 1,82 2,04 2,26 2,49 2,73 2,98 3,22

0,50 1,95 2,07 2,26 2,47 2,69 2,91 3,15 3,38 3,62

0,60 2,40 2,53 2,70 2,91 3,13 3,36 3,59 3,82 4,06

0,70 2,86 2,98 3,14 3,36 3,59 3,81 4,04 4,27 4,50

0,80 3,31 3,44 3,59 3,82 4,04 4,27 4,49 4,72 4,94

Valores de ω para ν = 1,0


𝝁𝒙 ↓

𝝁𝒚 ↓ 0,00 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 0,60 0,70 0,80

0,00 0,00 0,24 0,52 0,81 1,09 1,36 1,63 1,90 2,16

0,10 0,27 0,41 0,68 0,97 1,26 1,53 1,79 2,04 2,30

0,20 0,68 0,82 1,06 1,32 1,59 1,86 2,12 2,36 2,61

0,30 1,15 1,27 1,49 1,73 1,97 2,23 2,48 2,74 2,98

0,40 1,62 1,74 1,94 2,15 2,38 2,62 2,86 3,11 3,35

0,50 2,09 2,21 2,38 2,60 2,81 3,03 3,26 3,50 3,74

0,60 2,55 2,66 2,82 3,04 3,25 3,47 3,69 3,91 4,14

0,70 3,00 3,12 3,26 3,47 3,68 3,90 4,12 4,33 4,56

0,80 3,46 3,58 3,70 3,90 4,12 4,33 4,55 4,77 5,00

269
Número de barras = 10
0,85  (até  C50)
d’x/hx=d’y/hy=0,10 𝜎!" = 0,9  . 𝛼! . 𝑓!" α! = !!" !!"
0,85 1 − (C55 − C90)
!""
!! !!"
𝐴! = ℎ! ℎ! 𝜈= 𝜇! =
!! !!" !! !! !!"
!!" !  !!  !!"
𝜇! = 𝐴! =
!!    !!  !!" !!"

Valores de ω para ν = 1,2


𝝁𝒙 ↓

𝝁𝒚 ↓ 0,00 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 0,60 0,70 0,80

0,00 0,22 0,44 0,70 0,98 1,26 1,53 1,80 2,07 2,33

0,10 0,48 0,60 0,84 1,12 1,40 1,67 1,94 2,20 2,45

0,20 0,85 0,97 1,20 1,45 1,72 1,99 2,25 2,50 2,75

0,30 1,29 1,41 1,63 1,86 2,11 2,36 2,62 2,87 3,12

0,40 1,76 1,88 2,06 2,28 2,52 2,75 3,00 3,25 3,49

0,50 2,23 2,35 2,51 2,72 2,94 3,16 3,40 3,64 3,88

0,60 2,69 2,81 2,95 3,16 3,38 3,60 3,81 4,04 4,27

0,70 3,15 3,27 3,39 3,60 3,81 4,03 4,25 4,46 4,69

0,80 3,60 3,72 3,84 4,04 4,25 4,46 4,68 4,89 5,11

Valores de ω para ν = 1,4


𝝁𝒙 ↓

𝝁𝒚 ↓ 0,00 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 0,60 0,70 0,80

0,00 0,43 0,64 0,89 1,16 1,44 1,71 1,98 2,24 2,51

0,10 0,69 0,79 1,02 1,27 1,55 1,82 2,09 2,35 2,61

0,20 1,04 1,14 1,36 1,60 1,86 2,13 2,39 2,64 2,90

0,30 1,45 1,57 1,77 2,01 2,25 2,50 2,75 3,01 3,26

0,40 1,91 2,02 2,20 2,43 2,66 2,90 3,14 3,39 3,64

0,50 2,38 2,49 2,64 2,85 3,07 3,30 3,54 3,78 4,02

0,60 2,84 2,95 3,08 3,30 3,51 3,73 3,94 4,18 4,41

0,70 3,30 3,41 3,53 3,74 3,95 4,16 4,38 4,60 4,82

0,80 3,75 3,87 3,99 4,17 4,38 4,59 4,81 5,03 5,25

270
Número de barras = 8
0,85  (até  C50)
d’x/hx=d’y/hy=0,10 𝜎!" = 0,9  . 𝛼! . 𝑓!" α! = !!" !!"
0,85 1 − (C55 − C90)
!""
!! !!"
𝐴! = ℎ! ℎ! 𝜈= 𝜇! =
!! !!" !! !! !!"
!!" !  !!  !!"
𝜇! = 𝐴! =
!!    !!  !!" !!"

Valores de ω para ν = 0
𝝁𝒙 ↓

𝝁𝒚 ↓ 0,00 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 0,60 0,70 0,80

0,00 0,00 0,24 0,49 0,75 1,02 1,34 1,66 1,99 2,32

0,10 0,24 0,34 0,59 0,87 1,17 1,48 1,80 2,11 2,43

0,20 0,49 0,59 0,83 1,10 1,40 1,70 2,01 2,32 2,63

0,30 0,75 0,87 1,10 1,35 1,65 1,95 2,26 2,57 2,88

0,40 1,02 1,17 1,40 1,65 1,94 2,24 2,53 2,83 3,14

0,50 1,34 1,48 1,70 1,95 2,24 2,53 2,84 3,14 3,44

0,60 1,66 1,80 2,01 2,26 2,53 2,84 3,14 3,44 3,74

0,70 1,99 2,11 2,32 2,57 2,83 3,14 3,44 3,74 4,04

0,80 2,32 2,43 2,63 2,88 3,14 3,44 3,74 4,04 4,34

Valores de ω para ν = 0,2


𝝁𝒙 ↓

𝝁𝒚 ↓ 0,00 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 0,60 0,70 0,80

0,00 0,00 0,05 0,34 0,65 0,98 1,30 1,63 1,96 2,29

0,10 0,05 0,20 0,50 0,80 1,12 1,43 1,74 2,06 2,38

0,20 0,34 0,50 0,77 1,07 1,36 1,68 1,99 2,30 2,62

0,30 0,65 0,80 1,07 1,36 1,66 1,96 2,27 2,57 2,88

0,40 0,98 1,12 1,36 1,66 1,97 2,27 2,57 2,87 3,17

0,50 1,30 1,43 1,68 1,96 2,27 2,57 2,87 3,17 3,47

0,60 1,63 1,74 1,99 2,27 2,57 2,87 3,17 3,48 3,78

0,70 1,96 2,06 2,30 2,57 2,87 3,17 3,48 3,78 4,08

0,80 2,29 2,38 2,62 2,88 3,17 3,47 3,78 4,08 4,39

271
Número de barras = 8
0,85  (até  C50)
d’x/hx=d’y/hy=0,10 𝜎!" = 0,9  . 𝛼! . 𝑓!" α! = !!" !!"
0,85 1 − (C55 − C90)
!""
!! !!"
𝐴! = ℎ! ℎ! 𝜈= 𝜇! =
!! !!" !! !! !!"
!!" !  !!  !!"
𝜇! = 𝐴! =
!!    !!  !!" !!"

Valores de ω para ν = 0,4


𝝁𝒙 ↓

𝝁𝒚 ↓ 0,00 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 0,60 0,70 0,80

0,00 0,00 0,00 0,27 0,60 0,93 1,27 1,60 1,93 2,27

0,10 0,00 0,13 0,46 0,79 1,10 1,42 1,74 2,06 2,39

0,20 0,27 0,46 0,76 1,07 1,38 1,70 2,01 2,32 2,62

0,30 0,60 0,79 1,07 1,38 1,68 1,99 2,30 2,61 2,92

0,40 0,93 1,10 1,38 1,68 1,99 2,30 2,60 2,91 3,21

0,50 1,27 1,42 1,70 1,99 2,30 2,60 2,91 3,21 3,52

0,60 1,60 1,74 2,01 2,30 2,60 2,91 3,21 3,52 3,82

0,70 1,93 2,06 2,32 2,61 2,91 3,21 3,52 3,82 4,13

0,80 2,27 2,39 2,62 2,92 3,21 3,52 3,82 4,13 4,43

Valores de ω para ν = 0,6


𝝁𝒙 ↓

𝝁𝒚 ↓ 0,00 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 0,60 0,70 0,80

0,00 0,00 0,00 0,31 0,66 1,00 1,33 1,66 1,98 2,31

0,10 0,00 0,14 0,50 0,83 1,16 1,48 1,80 2,13 2,45

0,20 0,31 0,50 0,80 1,11 1,42 1,73 2,05 2,36 2,68

0,30 0,66 0,83 1,11 1,41 1,71 2,02 2,34 2,65 2,96

0,40 1,00 1,16 1,42 1,71 2,02 2,33 2,64 2,95 3,26

0,50 1,33 1,48 1,73 2,02 2,33 2,63 2,94 3,25 3,56

0,60 1,66 1,80 2,05 2,34 2,64 2,94 3,25 3,55 3,86

0,70 1,98 2,13 2,36 2,65 2,95 3,25 3,55 3,86 4,17

0,80 2,31 2,45 2,68 2,96 3,26 3,56 3,86 4,17 4,47

272
Número de barras = 8
0,85  (até  C50)
d’x/hx=d’y/hy=0,10 𝜎!" = 0,9  . 𝛼! . 𝑓!" α! = !!" !!"
0,85 1 − (C55 − C90)
!""
!! !!"
𝐴! = ℎ! ℎ! 𝜈= 𝜇! =
!! !!" !! !! !!"
!!" !  !!  !!"
𝜇! = 𝐴! =
!!    !!  !!" !!"

Valores de ω para ν = 0,8


𝝁𝒙 ↓

𝝁𝒚 ↓ 0,00 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 0,60 0,70 0,80

0,00 0,00 0,07 0,43 0,80 1,14 1,48 1,81 2,14 2,47

0,10 0,07 0,24 0,59 0,94 1,28 1,61 1,93 2,25 2,56

0,20 0,43 0,59 0,88 1,21 1,53 1,84 2,15 2,46 2,78

0,30 0,80 0,94 1,21 1,51 1,81 2,12 2,42 2,72 3,02

0,40 1,14 1,28 1,53 1,81 2,11 2,41 2,71 3,01 3,31

0,50 1,48 1,61 1,84 2,12 2,41 2,71 3,00 3,30 3,61

0,60 1,81 1,93 2,15 2,42 2,71 3,00 3,29 3,60 3,91

0,70 2,14 2,25 2,46 2,72 3,01 3,30 3,60 3,91 4,22

0,80 2,47 2,56 2,78 3,02 3,31 3,61 3,91 4,22 4,52

Valores de ω para ν = 1,0


𝝁𝒙 ↓

𝝁𝒚 ↓ 0,00 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 0,60 0,70 0,80

0,00 0,00 0,26 0,59 0,95 1,29 1,64 1,97 2,30 2,63

0,10 0,26 0,40 0,72 1,07 1,42 1,75 2,07 2,39 2,72

0,20 0,59 0,72 0,99 1,31 1,64 1,96 2,29 2,61 2,92

0,30 0,95 1,07 1,31 1,62 1,93 2,24 2,55 2,85 3,15

0,40 1,29 1,42 1,64 1,93 2,23 2,53 2,83 3,13 3,43

0,50 1,64 1,75 1,96 2,24 2,53 2,83 3,13 3,42 3,72

0,60 1,97 2,07 2,29 2,55 2,83 3,13 3,42 3,72 4,01

0,70 2,30 2,39 2,61 2,85 3,13 3,42 3,72 4,01 4,30

0,80 2,63 2,72 2,92 3,15 3,43 3,72 4,01 4,30 4,59

273
Número de barras = 8
0,85  (até  C50)
d’x/hx=d’y/hy=0,10 𝜎!" = 0,9  . 𝛼! . 𝑓!" α! = !!" !!"
0,85 1 − (C55 − C90)
!""
!! !!"
𝐴! = ℎ! ℎ! 𝜈= 𝜇! =
!! !!" !! !! !!"
!!" !  !!  !!"
𝜇! = 𝐴! =
!!    !!  !!" !!"

Valores de ω para ν = 1,2


𝝁𝒙 ↓

𝝁𝒚 ↓ 0,00 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 0,60 0,70 0,80

0,00 0,22 0,46 0,76 1,11 1,45 1,80 2,14 2,47 2,80

0,10 0,46 0,58 0,87 1,22 1,56 1,89 2,22 2,55 2,88

0,20 0,76 0,87 1,12 1,44 1,77 2,11 2,43 2,75 3,07

0,30 1,11 1,22 1,44 1,74 2,05 2,36 2,67 2,98 3,29

0,40 1,45 1,56 1,77 2,05 2,35 2,65 2,96 3,26 3,57

0,50 1,80 1,89 2,11 2,36 2,65 2,95 3,25 3,55 3,85

0,60 2,14 2,22 2,43 2,67 2,96 3,25 3,55 3,84 4,14

0,70 2,47 2,55 2,75 2,98 3,26 3,55 3,84 4,14 4,43

0,80 2,80 2,88 3,07 3,29 3,57 3,85 4,14 4,43 4,72

Valores de ω para ν = 1,4


𝝁𝒙 ↓

𝝁𝒚 ↓ 0,00 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 0,60 0,70 0,80

0,00 0,43 0,67 0,95 1,28 1,62 1,96 2,30 2,64 2,97

0,10 0,67 0,78 1,04 1,37 1,71 2,04 2,38 2,71 3,05

0,20 0,95 1,04 1,27 1,58 1,92 2,25 2,58 2,90 3,22

0,30 1,28 1,37 1,58 1,87 2,18 2,49 2,81 3,12 3,44

0,40 1,62 1,71 1,92 2,18 2,47 2,78 3,09 3,40 3,70

0,50 1,96 2,04 2,25 2,49 2,78 3,08 3,38 3,68 3,98

0,60 2,30 2,38 2,58 2,81 3,09 3,38 3,68 3,97 4,27

0,70 2,64 2,71 2,90 3,12 3,40 3,68 3,97 4,27 4,56

0,80 2,97 3,05 3,22 3,44 3,70 3,98 4,27 4,56 4,86

274
Número de barras = 12
0,85  (até  C50)
d’x/hx=d’y/hy=0,10 𝜎!" = 0,9  . 𝛼! . 𝑓!" α! = !!" !!"
0,85 1 − (C55 − C90)
!""
!! !!"
𝐴! = ℎ! ℎ! 𝜈= 𝜇! =
!! !!" !! !! !!"
!!" !  !!  !!"
𝜇! = 𝐴! =
!!    !!  !!" !!"

Valores de ω para ν = 0
𝝁𝒙 ↓

𝝁𝒚 ↓ 0,00 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 0,60 0,70 0,80

0,00 0,00 0,24 0,50 0,79 1,09 1,41 1,72 2,04 2,38

0,10 0,24 0,35 0,62 0,92 1,22 1,53 1,85 2,16 2,50

0,20 0,50 0,62 0,85 1,13 1,43 1,73 2,04 2,36 2,69

0,30 0,79 0,92 1,13 1,42 1,71 2,00 2,30 2,61 2,93

0,40 1,09 1,22 1,43 1,71 2,00 2,29 2,59 2,90 3,21

0,50 1,41 1,53 1,73 2,00 2,29 2,58 2,87 3,18 3,49

0,60 1,72 1,85 2,04 2,30 2,59 2,87 3,17 3,47 3,78

0,70 2,04 2,16 2,36 2,61 2,90 3,18 3,47 3,76 4,07

0,80 2,38 2,50 2,69 2,93 3,21 3,49 3,78 4,07 4,37

Valores de ω para ν = 0,2


𝝁𝒙 ↓

𝝁𝒚 ↓ 0,00 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 0,60 0,70 0,80

0,00 0,00 0,06 0,36 0,67 1,00 1,34 1,69 2,03 2,38

0,10 0,06 0,22 0,50 0,82 1,14 1,47 1,80 2,14 2,47

0,20 0,36 0,50 0,78 1,08 1,40 1,71 2,04 2,36 2,69

0,30 0,67 0,82 1,08 1,37 1,68 1,99 2,31 2,63 2,95

0,40 1,00 1,14 1,40 1,68 1,98 2,29 2,60 2,91 3,23

0,50 1,34 1,47 1,71 1,99 2,29 2,59 2,90 3,21 3,52

0,60 1,69 1,80 2,04 2,31 2,60 2,90 3,21 3,51 3,82

0,70 2,03 2,14 2,36 2,63 2,91 3,21 3,51 3,82 4,13

0,80 2,38 2,47 2,69 2,95 3,23 3,52 3,82 4,13 4,44

275
Número de barras = 12
0,85  (até  C50)
d’x/hx=d’y/hy=0,10 𝜎!" = 0,9  . 𝛼! . 𝑓!" α! = !!" !!"
0,85 1 − (C55 − C90)
!""
!! !!"
𝐴! = ℎ! ℎ! 𝜈= 𝜇! =
!! !!" !! !! !!"
!!" !  !!  !!"
𝜇! = 𝐴! =
!!    !!  !!" !!"

Valores de ω para ν = 0,4


𝝁𝒙 ↓

𝝁𝒚 ↓ 0,00 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 0,60 0,70 0,80

0,00 0,00 0,00 0,28 0,63 0,98 1,33 1,68 2,03 2,38

0,10 0,00 0,13 0,47 0,81 1,14 1,48 1,81 2,15 2,48

0,20 0,28 0,47 0,78 1,09 1,41 1,74 2,06 2,40 2,73

0,30 0,63 0,81 1,09 1,40 1,72 2,03 2,34 2,66 2,99

0,40 0,98 1,14 1,41 1,72 2,03 2,34 2,65 2,96 3,27

0,50 1,33 1,48 1,74 2,03 2,34 2,65 2,96 3,27 3,58

0,60 1,68 1,81 2,06 2,34 2,65 2,96 3,26 3,57 3,88

0,70 2,03 2,15 2,40 2,66 2,96 3,27 3,57 3,88 4,19

0,80 2,38 2,48 2,73 2,99 3,27 3,58 3,88 4,19 4,50

Valores de ω para ν = 0,6


𝝁𝒙 ↓

𝝁𝒚 ↓ 0,00 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 0,60 0,70 0,80

0,00 0,00 0,00 0,32 0,69 1,04 1,39 1,73 2,07 2,40

0,10 0,00 0,14 0,51 0,87 1,21 1,54 1,88 2,21 2,55

0,20 0,32 0,51 0,82 1,14 1,47 1,80 2,14 2,47 2,79

0,30 0,69 0,87 1,14 1,44 1,76 2,08 2,41 2,74 3,07

0,40 1,04 1,21 1,47 1,76 2,08 2,39 2,71 3,02 3,34

0,50 1,39 1,54 1,80 2,08 2,39 2,70 3,01 3,33 3,64

0,60 1,73 1,88 2,14 2,41 2,71 3,01 3,32 3,64 3,95

0,70 2,07 2,21 2,47 2,74 3,02 3,33 3,64 3,95 4,26

0,80 2,40 2,55 2,79 3,07 3,34 3,64 3,95 4,26 4,57

276
Número de barras = 12
0,85  (até  C50)
d’x/hx=d’y/hy=0,10 𝜎!" = 0,9  . 𝛼! . 𝑓!" α! = !!" !!"
0,85 1 − (C55 − C90)
!""
!! !!"
𝐴! = ℎ! ℎ! 𝜈= 𝜇! =
!! !!" !! !! !!"
!!" !  !!  !!"
𝜇! = 𝐴! =
!!    !!  !!" !!"

Valores de ω para ν = 0,8


𝝁𝒙 ↓

𝝁𝒚 ↓ 0,00 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 0,60 0,70 0,80

0,00 0,00 0,07 0,44 0,82 1,18 1,53 1,88 2,22 2,56

0,10 0,07 0,25 0,61 0,97 1,32 1,67 2,01 2,34 2,67

0,20 0,44 0,61 0,90 1,24 1,58 1,91 2,24 2,56 2,88

0,30 0,82 0,97 1,24 1,54 1,86 2,18 2,50 2,83 3,15

0,40 1,18 1,32 1,58 1,86 2,16 2,47 2,78 3,10 3,43

0,50 1,53 1,67 1,91 2,18 2,47 2,77 3,08 3,39 3,71

0,60 1,88 2,01 2,24 2,50 2,78 3,08 3,39 3,70 4,02

0,70 2,22 2,34 2,56 2,83 3,10 3,39 3,70 4,02 4,33

0,80 2,56 2,67 2,88 3,15 3,43 3,71 4,02 4,33 4,64

Valores de ω para ν = 1,0


𝝁𝒙 ↓

𝝁𝒚 ↓ 0,00 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 0,60 0,70 0,80

0,00 0,00 0,26 0,59 0,96 1,33 1,68 2,03 2,38 2,72

0,10 0,26 0,41 0,73 1,10 1,46 1,80 2,15 2,49 2,83

0,20 0,59 0,73 1,02 1,35 1,70 2,04 2,37 2,69 3,02

0,30 0,96 1,10 1,35 1,65 1,97 2,30 2,63 2,96 3,28

0,40 1,33 1,46 1,70 1,97 2,27 2,58 2,90 3,22 3,55

0,50 1,68 1,80 2,04 2,30 2,58 2,88 3,19 3,50 3,82

0,60 2,03 2,15 2,37 2,63 2,90 3,19 3,49 3,80 4,10

0,70 2,38 1,49 2,69 2,96 3,22 3,50 3,80 4,10 4,40

0,80 2,72 2,83 3,02 3,28 3,55 3,82 4,10 4,40 4,71

277
Número de barras = 12
0,85  (até  C50)
d’x/hx=d’y/hy=0,10 𝜎!" = 0,9  . 𝛼! . 𝑓!" α! = !!" !!"
0,85 1 − (C55 − C90)
!""
!! !!"
𝐴! = ℎ! ℎ! 𝜈= 𝜇! =
!! !!" !! !! !!"
!!" !  !!  !!"
𝜇! = 𝐴! =
!!    !!  !!" !!"

Valores de ω para ν = 1,2


𝝁𝒙 ↓

𝝁𝒚 ↓ 0,00 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 0,60 0,70 0,80

0,00 0,22 0,46 0,76 1,12 1,48 1,84 2,19 2,54 2,88

0,10 0,46 0,59 0,89 1,24 1,60 1,95 2,29 2,64 2,99

0,20 0,76 0,89 1,16 1,49 1,83 2,17 2,50 2,83 3,17

0,30 1,12 1,24 1,49 1,78 2,10 1,43 2,77 3,09 3,42

0,40 1,48 1,60 1,83 2,10 2,39 2,71 3,03 3,36 3,69

0,50 1,84 1,95 2,17 2,43 2,71 3,00 3,31 3,63 3,95

0,60 2,19 2,29 2,50 2,77 3,03 3,31 3,61 3,92 4,22

0,70 2,54 2,64 2,83 3,09 3,36 3,63 3,92 4,22 4,52

0,80 2,88 2,99 3,17 3,42 3,69 3,95 4,22 4,52 4,82

Valores de ω para ν = 1,4


𝝁𝒙 ↓

𝝁𝒚 ↓ 0,00 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 0,60 0,70 0,80

0,00 0,43 0,66 0,95 1,29 1,64 2,00 2,35 2,70 3,05

0,10 0,66 0,78 1,06 1,39 1,74 2,10 2,45 2,80 3,15

0,20 0,95 1,06 1,32 1,63 1,96 2,30 2,64 2,98 3,31

0,30 1,29 1,39 1,63 1,92 2,24 2,57 2,90 3,23 3,56

0,40 1,64 1,74 1,96 2,24 2,53 2,84 3,17 3,50 3,82

0,50 2,00 2,10 2,30 2,57 2,84 3,13 3,44 3,77 4,09

0,60 2,35 2,45 2,64 2,90 3,17 3,44 3,73 4,04 4,36

0,70 2,70 2,80 2,98 3,23 3,50 3,77 4,04 4,34 4,65

0,80 3,05 3,15 3,31 3,56 3,82 4,09 4,36 4,65 4,95

278
ANEXO 5 – Tabelas de aços da Gerdau

279
VERGALHÃO GERDAU GG50 (CA-50)

Para o seu projeto sair do papel com segurança e qualidade, use o Vergalhão
Gerdau GG 50. Produzido rigorosamente de acordo com as especificações da
norma ABNT NBR 7480:2007, é fornecido na categoria CA-50 com superfície
nervurada, garantindo assim maior aderência da estrutura ao concreto. É
comercializado em barras retas nas bitolas de 6,3 a 40 mm, dobradas até 20 mm e
em rolos de 6,3 a 16 mm. Os feixes de barras possuem comprimento de 12 m e
peso de 2.000 kg. Fácil de encontrar e de trabalhar, o vergallhão Gerdau GG 50
pode vir cortado e dobrado de acordo com o seu projeto, proporcionando economia
de tempo, redução de custo e capital de giro, eliminando o desperdício de material e
otimizando o trabalho no canteiro de obras, além de receber suporte técnico durante
a etapa da armação das ferragens. Agora que você já sabe, use o vergalhão
Gerdau GG 50, o vergalhão que está por dentro das melhores obras.

Diâmetro do Pino para dobramento a 180o :


ϕ 6.3 - ϕ 16.0 è 3 x Diâmetro Nominal
ϕ 20.0 - ϕ 40.0 è 6 x Diâmetro Nominal

280
VERGALHÃO CA-25 GERDAU

Usado em estruturas de concreto armado, o vergalhão CA-25 é produzido


rigorosamente de acordo com as especificações da norma ABNT NBR 7480:2007.
O vergalhão CA-25 possui superfície lisa, é comercializado em barras retas com
comprimento de 12 m de feixes de 1.000 kg ou 2.000 kg e é soldável para todas as
bitolas. Mais qualidade e segurança com o vergalhão que está sempre por dentro
das melhores obras.

Diâmetro do Pino para dobramento a 180o :


ϕ 6.3 - ϕ 16.0 è 2 x Diâmetro Nominal
ϕ 20.0 - ϕ 40.0 è 4 x Diâmetro Nominal

281
CA – 60 GERDAU

Para viabilizar seus projetos de estruturas de concreto armado com segurança e


resistência, use o vergalhão CA-60. Produzido de acordo com a norma ABNT NBR
7480:2007, o CA-60 é conhecido pela alta resistência, proporcionando estruturas de
concreto armado mais leves. Além disso, o CA-60 Gerdau possui superfície
nervurada e é soldável em todas as bitolas e apresentações. A garantia de
qualidade do CA-60 você encontra em: Rolos com peso aproximado de 170 kg;
ü Barras de 12 m de comprimento, retas ou dobradas;
ü Feixes de 1.000 kg;
ü Bobinas de 1.000 kg ou 2.000 kg para uso industrial.

Diâmetro do Pino para dobramento a 180o :


ϕ 4.2 - ϕ 9.50 è 5 x Diâmetro Nominal

282
TELA SOLDADA NERVURADA GERDAU

Própria para construir lajes em concreto armado, pisos industriais e


estruturas pré-moldadas e paredes de concreto, a tela soldada nervurada oferece
segurança e economia. sinônimo de qualidade e garantia de procedência. É feita
com Aço Gerdau 60 e/ou GG 50, sinônimo de qualidade e garantia de procedência.
Soldada em todos os pontos de cruzamento garante melhor ancoragem, ligando os
elementos estruturais, além de um excelente controle de fissuramento.

283
TELA SOLDADA NERVURADA GERDAU (Continuação)

284
TRELIÇA GERDAU

A Treliça Gerdau é fabricada com aço CA-60 nervurado, que permite melhor
aderência ao concreto. Possui uma enorme capacidade de vencer grandes vãos e
suportar altas cargas com toda a segurança. Você encontra a treliça Gerdau nos
comprimentos de 8 m, 10 m e 12 m, em feixes de aproximadamente 65 kg. Sua
utilização estrutural em lajes treliçadas e mini painéis treliçados bem como
espaçador de armaduras, traz diversos benefícios para processo de construção:
ü Redução do uso de fôrmas e escoramentos
ü Redução do custo com mão-de-obra
ü Racionalização na execução e na
ü organização do canteiro de obras
ü Maior rapidez na montagem

285
COLUNA E VIGA POP GERDAU

Indicada para fazer vigas, cintas, colunas, baldrames, muros e para


travamento de paredes, a Coluna POP Gerdau já vem pronta para uso. Possui total
garantia de qualidade, pois é feita com vergalhão GG 50 e estribos de aço CA-60
Gerdau, unidos por solda ponto. Possui espaçamento uniforme de 20 cm entre os
estribos e seu comprimento pode chegar a 7 m. Com a coluna POP Gerdau, você
constrói com mais qualidade, praticidade, maior rapidez e, é claro, mais segurança e
economia para sua obra.

286
ESTRIBO NERVURADO GERDAU

Feito com vergalhão CA-60 nervurado Gerdau, que proporciona maior


aderência do aço com o concreto, está disponível na bitola 4,2 mm e padronizado
em formatos quadrados e retangulares. Simples de usar, já vem pronto e possui
medidas exatas, reduzindo o tempo de armação das vigas e colunas. Use o estribo
nervurado Gerdau, prático e econômico, feito na medida certa da sua necessidade.

287
MALHA POP GERDAU

Indicada para lajes e pisos, a Malha POP já vem pronta para uso. É
produzida com aço CA-60 nervurado Gerdau e soldada em todos os pontos de
cruzamento, garantindo maior segurança, evitando trincas, fissuras e
embarrigamentos. Fornecida no tamanho 2 m x 3 m, em quatro tipos, de acordo
com a sua necessidade:

Leve è Ferragem para lajes pré-fabricadas ou treliçadas de cobertura, contrapisos


e calçadas residenciais, argamassa de proteção para impermeabilização.
Médio è Ferragem para lajes pré-fabricadas ou treliçadas de pisos de residências,
placas pré-moldadas para execução de muros.
Reforçado è Ferragem para lajes pré-fabricadas ou treliçadas de pisos de
escritórios ou depósitos, placas pré-moldadas para jazigos, pisos de concreto para
quadras, garagens e estacionamentos.
Pesado è Ferragem pronta para piscinas de profundidade até 1,20 m (armar lado
interno e externo das paredes e fundo), pisos de concreto para postos de gasolina e
depósitos leves.

288
ANEXO 6 – Fôrmas de plástico para lajes
nervuradas da Impacto e Atex

289
290
291
292
293

Você também pode gostar