Você está na página 1de 10

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE


DEPARTAMENTO DE ECONOMIA
Código: EAE - 416 Disciplina: Formação Econômica e Social do Brasil - I
Primero semestre de 2017 período noturno Turmas ‘21’ e ‘22’
Programa disponível no Moodle/Stoa (http://disciplinas.stoa.usp.br)
Professor: Dr. Nelson Nozoe (nehnozoe@usp.br)
PAE: Vinicius Rena Pereira (viniciusrp@usp.br)

OBJETIVOS
Esta disciplina tem como objetivos:
• Explicitar os elementos básicos de nossa formação socioeconômica nos quadros da
expansão marítima europeia, colonização e integração do Novo Mundo na economia
mundial e subsequente superação dos laços coloniais; para tanto, tomam-se como
marcos cronológicos a constituição do Estado Português e as décadas iniciais do
Segundo Império.
• Analisar as transformações por que passa a economia brasileira ao longo da segunda
metade do século dezenove, em especial no que respeita à atividade cafeeira; ao
mesmo tempo, evidenciar as mudanças sociais vinculadas ao desenvolvimento
econômico então havido, fixando como limite cronológico final de nossas
preocupações o advento do regime republicano.
A consecução desses objetivos fundamenta-se, sobretudo, no exame das obras clássicas
de nossa historiografia econômica; e incorpora, sempre que possível, a produção
historiográfica recente acerca de nosso passado colonial e imperial.

PROGRAMA SUCINTO
1. Brasil: de Colônia a Império
1.1. O sentido da colonização
1.2. O antigo sistema colonial e a acumulação originária
1.3. A formação do Estado português e a expansão marítima; o sistema colonial
português
1.4. Os elementos estruturais da formação econômica do Brasil
1.5. O açúcar e o complexo econômico nordestino
1.6. O ouro: expansão territorial e comportamento econômico nos Setecentos
1.7. Portugal e as crises dos séculos XVII e XVIII
1.8. D. João no Brasil: os tratados com a Inglaterra e a crise do antigo sistema colonial
1.9. A gestação da economia cafeeira
1.10. Os pródromos da abolição do trabalho escravo

2. Brasil: de Império a República


2.1. As condições para a expansão cafeeira
2.2. A crise da mão-de-obra: imigração e abolição
2.3. O Estado Imperial e a proclamação da República
BIBLIOGRAFIA BÁSICA
BEIGUELMAN, P. A formação do povo no complexo cafeeiro: aspectos políticos. 3 ed.
São Paulo: EDUSP, 2005, p. 15-35 (Extinção do Tráfico) e 51-73 (Abolição e
Considerações Complementares).
BEIGUELMAN, P. Formação política do Brasil. 2.ed. São Paulo: Pioneira, 1976, p. 3 a
27.
BOXER, C. R. O império marítimo português, 1415-1825. São Paulo: Companhia das
Letras, 2002, cap. 2, p. 54-79.
COSTA, E. V. da. Da Monarquia à República: momentos decisivos. São Paulo: Editorial
Grijalbo, 1977, cap. A proclamação da República, p. 291-326.
COSTA, E. V. da. Introdução ao estudo da emancipação política do Brasil. In: MOTA,
C.G. (org.). Brasil em perspectiva. São Paulo: DIFEL: 1975, p. 64-125.
DELFIM NETTO, Antonio. O Problema do Café no Brasil. São Paulo: Fundação Editora
da UNESP, 2009, cap. 1, p. 11-57.
FURTADO, C. Formação econômica do Brasil. 34.ed. São Paulo: Companhia das Letras,
2007, caps. 1 a 29, p. 25-248.
GODINHO, V. M. Portugal, as frotas do açúcar e as frotas do ouro (1670 – 1770). Revista
de História, n.15, jul./set.1953, p 69-88.
GODINHO, Vitorino Magalhães. A expansão quatrocentista portuguesa. Lisboa:
Contemporânea, 1944, caps. 5 (Ceuta e Marrocos) e 6 (Políticas de expansão), p. 51-
101.
GORENDER, J. O escravismo colonial. 4.ed. São Paulo: Ática, 1985, cap. IV, p. 101-
117.
LIMA, F. C. G. de Cerqueira. A lei de cunhagem de 4 de agosto de 1688 e a emissão de
moeda provincial no Brasil (1695-1702). Um episódio da História Monetária do Brasil.
Revista de Economia Contemporânea 9(2): 385-410, mai./ago. 2005.
MACEDO, Jorge Borges de. A situação econômica no tempo de Pombal. Lisboa:
Gradiva, 1989, cap. V (O Fomento Industrial), p. 141-187 (Excertos).
MAXWELL, Kenneth R. A devassa da devassa: a Inconfidência Mineira, Brasil-
Portugal, 1750-1808. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977. Caps. 1 (Disposições) e 2
(Mudanças).
NOVAIS, F. A. As dimensões da Independência. In: NOVAIS, F. A. Aproximações:
estudos de história e historiografia. São Paulo: Cosac Naify, 2005, p. 195-203.
NOVAIS, F. A. Portugal e Brasil na crise do antigo sistema colonial (1777-1808). São
Paulo: Hucitec, 1979, cap. II, p. 57-106.
PANTALEÃO, O. A presença inglesa no Brasil. In: HOLANDA, S. B. de (org.). História
Geral da Civilização Brasileira. 3.ed. São Paulo: DIFEL, 1970, Tomo II (O Brasil
Monárquico), 1º volume (O processo de emancipação), p. 64-99.
PETRONE, M. T. S. Imigração assalariada. HOLANDA, S. B. de (org.). História Geral
da Civilização Brasileira. 2.ed. São Paulo: DIFEL, 1969, Tomo II (O Brasil
Monárquico), 3º volume (Reações e transações), p. 274-296.
PRADO JR., C. Formação do Brasil Contemporâneo (colônia). São Paulo: Brasiliense,
1987, caps. “Sentido da colonização” (p. 18-30) e “Economia” (p.119-129).

2
PRADO JR., C. História econômica do Brasil. 15.ed. São Paulo: Brasiliense, 1972, caps.,
15 (Crise do regime servil e abolição do tráfico), 18 (A decadência do trabalho servil
e sua abolição) e 19 (Imigração e colonização), p. 79-93, 142-154, 172-182 e 183-191.
SCHWARTZ, S. B. Segredos internos: engenhos e escravos na sociedade colonial. São
Paulo: Cia. das Letras, 1988, cap. 8, p. 177-206.
SILVA, F.M. Subsistência e Poder. A política do abastecimento alimentar nas Minas
setecentistas. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2008, cap. 4 (Política normalizadora e
abastecimento).
SILVA, S. Expansão cafeeira e origens da indústria no Brasil. São Paulo: Alfa-Omega,
1976, cap. III (Economia Cafeeira), p. 49-76.
SIMONSEN, R. C. História econômica do Brasil (1500-1820). Brasília: Senado Federal,
Conselho Editorial, 2005. Cap. XIV (D. João VI no Brasil), p. 496-544.

Nota: bibliografia adicional poderá ser indicada sempre que se julgar pertinente.

OBRAS DE REFERÊNCIA

1. Atlas:
ALBUQUERQUE, M. M. et alii. Atlas Histórico Escolar. São Paulo: MEC -
Departamento Nacional de Educação / Melhoramentos, 1960.
ALMEIDA, C. M. de. Atlas do Império do Brazil. Ed. fac-similada. Rio de Janeiro:
Universidade Candido Mendes, 2000.
Atlas 2000: a nova cartografia do mundo. São Paulo: Círculo do Livro / Nova Cultural,
1995.
Atlas nacional do Brasil. 3. ed. Rio de Janeiro: IBGE, 2000.
BARRACLOUGH, G. & PARKER, G. Atlas da história do Mundo. São Paulo: Folha
de São Paulo/Times Books, 1995.
FOLHA DE SÃO PAULO. Atlas Geográfico Mundial. São Paulo: Folha de São Paulo,
1994.
McEVEDY, C. Atlas Histórico-Geográfico Universal. Lisboa: DIFEL, 1987. Capítulo
"O Brasil: 1500-1985", p. 198 - 211.
REVISTA ISTOÉ. ISTOÉ Brasil, 500 anos - Atlas Histórico. São Paulo: Editora Três,
1998. (http://cpdoc.fgv.br/sites/default/files/imagens/AtlasHistórico-Brasil500Anos.pdf)
THÉRY, H. & MELLO, N. A. de. Atlas do Brasil: disparidades e dinâmicas do
território. São Paulo: EDUSP, 2005.

2. Dicionários:
ALMEIDA, N. M. de. Dicionário de questões vernáculas. São Paulo: Caminho Suave,
1981.
BANDECCHI, B. et alii. Dicionário de História do Brasil. São Paulo: Melhoramentos,
1976.
BOTELHO, A. V. & REIS, L. M. Dicionário Histórico Brasil: Colônia e Império. Belo
Horizonte: O autor, 2001.

3
BOTTOMORE, T. (ed.). Dicionário do pensamento marxista. Rio de Janeiro: Jorge
Zahar Editor, 1988.
BURGUIÈRE, A. (org.). Dicionário das ciências históricas. Rio de Janeiro: Imago Ed.,
1993.
HOUAISS, A. & VILLAR, M. de S. Dicionário Houaiss da língua portuguesa. Rio de
Janeiro: Objetiva, 2001.
MOURA, C. Dicionário da escravidão negra no Brasil. São Paulo: EDUSP, 2004.
SANDRONI, P. Dicionário de economia do século XXI. Rio de Janeiro: Record, 2005.
SÉGUIER, J. de. Dicionário Prático Ilustrado. Novo dicionário enciclopédico luso-
brasileiro publicado sob a direção de Jaime de Séguier; edição atualizada e aumentada
por José Lello e Edgar Lello. Dicionário LELLO. Tomo III: História-Geografia.
Porto: Lello & Irmão Editores, 1960.
SILVA, K. V. & SILVA, M. H. Dicionário de conceitos históricos. São Paulo:
Contexto, 2005.
SILVA, M. B. N. da (Coord.). Dicionário da história da colonização portuguesa no
Brasil. Lisboa/S.Paulo: Edl. Verbo, 1994.
VAINFAS, R. (dir.). Dicionário do Brasil Colonial (1500 – 1808). Rio de Janeiro:
Objetiva, 2000.
VAINFAS, R. (dir.). Dicionário do Brasil Imperial (1822 – 1889). Rio de Janeiro:
Objetiva, 2002.

3. Cronologias, estatísticas e outros:


AMATO, C. et alii. Cédulas do Brasil, Império - República (1833-1997). São Paulo:
Perfecta Artes Gráficas, 1997.
ARGOLLO FERRÃO, A. M. de. Arquitetura do café. Campinas, SP: Editora da
UNICAMP; São Paulo: IMESP, 2004.
CARNEIRO, E. (compilador). Antologia do negro brasileiro: de Joaquim Nabuco a
Jorge Amado, os textos mais significativos sobre a presença do negro em nosso país.
Rio de Janeiro: Agir, 2005.
Congresso Agrícola, Rio de Janeiro, 1878. Anais. Ed. fac-similar. Rio de Janeiro:
Fundação Casa de Rui Barbosa, 1988.
ENGERMAN, S., DRESCHER, S. & PAQUETTE, R. (eds.). Oxford Readers: Slavery.
Oxford, UK: Oxford University Press, 2001.
Estatísticas Históricas do Brasil: séries econômicas, demográficas e sociais de 1550 a
1988. 2.ed. rev. e atualizada. Rio de Janeiro: IBGE, 1990. (Série estatísticas
retrospectivas, v. 3).
Fazendas; solares da região cafeeira do Brasil Imperial. Rio de Janeiro: Nova
Fronteira, s/d.
FURTADO, C. Obra autobiográfica de Celso Furtado. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 3
v., 1997.
LEMOS, R. (org.). Bem traçadas linhas: a história do Brasil em cartas pessoais. Rio
de Janeiro: Bom Texto, 2004.
MACHADO, A. R. A. et alii. Cronologia de história do Brasil monárquico (1808-
1889). São Paulo: FFLCH/USP, 2000.
MARTINS, M. & JOHNSTON, E. 150 anos de café. São Paulo: Salamandra
Consultoria Editorial, 1992.

4
SANTIAGO, S. (ccord.). Intérpretes do Brasil. 2.ed. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 3
v., 2002.
SENRA, N. História das estatísticas brasileiras. Volume 1: Estatísticas desejadas
(1822-c.1889). Rio de Janeiro: IBGE, 2006.
Séries estatísticas retrospectivas. Ed. fac-similada. Rio de Janeiro: IBGE / CNI, 1986.
Vols. 1 e 2.
SLEMIAN, A. et alii. Cronologia de história do Brasil colonial (1500-1831). São
Paulo: FFLCH/USP, 1994.

BIBLIOGRAFIA (Leitura recomendada)


ALENCASTRO, L. F. de. O trato dos viventes: formação do Brasil no Atlântico Sul
(séculos XVI e XVII). São Paulo: Cia. das Letras, 2000.
AMARAL LAPA, J.R. do. Caio Prado Júnior: Formação do Brasil contemporâneo. In:
MOTA, L. D. (org.). Introdução ao Brasil; um banquete no trópico. 2.ed. São Paulo:
Editora SENAC, 1999, p. 257-272.)
BARBOSA, R. O papel e a baixa do câmbio: um discurso histórico, 1891. Rio de Janeiro:
Reler, 2005.
BEIGUELMAN, P. Formação política do Brasil. 2.ed. São Paulo: Pioneira, 1976, p.12-
27.
BERBEL, M. R. A Nação como artefato: deputados do Brasil nas Cortes portuguesas
(1821-1822). São Paulo: Hucitec / Fapesp, 1999.
BICALHO, M. F. & FERLINI, V. L. A. (orgs.). Modos de governar: ideias e práticas
políticas no Império Português, séculos XVI a XIX. São Paulo: Alameda, 2005.
BUESCU, M. Rodrigues de Brito: um libelo contra o colonialismo. In: BUESCU, M.
História econômica do Brasil: pesquisas e análises. Rio de Janeiro: APEC, 1970, p.
230-238.
CALDEIRA, J. Mauá: empresário do Império. São Paulo: Cia. das Letras, 1995.
CANABRAVA, A. P. História econômica: estudos e pesquisas. São Paulo: HUCITEC,
Ed. UNESP, ABPHE, 2005.
CARDOSO, C. F. S. As concepções acerca do “sistema econômico mundial” e do “antigo
sistema colonial”; a preocupação obsessiva com a “extração de excedente”. In:
AMARAL LAPA, J. R. do (org.). Modos de produção e realidade brasileira.
Petrópolis: Vozes, 1980, p. 109-132.
CARDOSO, C. F. S. Escravo ou camponês? O protocampesinato negro nas Américas.
São Paulo: Brasiliense, 1987.
CARDOSO, F. H. As condições sociais da industrialização de São Paulo. Revista
Brasiliense, n. 28, p. 31-46, mar./abr. 1960.
CARVALHO, J.M. de. A construção da ordem: a elite política imperial. Teatro de
sombras: a política imperial. 4. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003, Parte
II, cap. 2, p. 291- 328.)

5
CASTRO, A. B. de. A economia política, o capitalismo e a escravidão. In: AMARAL
LAPA, J. R. do (org.). Modos de produção e realidade brasileira. Petrópolis: Vozes,
1980, p. 67-107.
CAVALCANTE, P. Negócios de trapaça: caminhos e descaminhos na América
portuguesa (1700-1750). São Paulo: Hucitec / FAPESP, 2006.
CENNI, F. Italianos no Brasil. 3.ed. São Paulo: Edusp, 2003.
CHALHOUB, S. Visões da liberdade: uma história das últimas décadas da escravidão
na Corte. São Paulo: Cia. das Letras, 1990.
CHAUNU, Pierre. Place et role du Brasil dans les systèmes de communications et dans
e
les mécanismes de croissance de l’économie du XVI siécle. Revue d’Histoire
e
Économique et Sociale. XLVIII Volume, Année 1970, Numéro 4.
CONRAD, R. Os últimos anos da escravatura no Brasil, 1850 – 1888. 2.ed. Rio de
Janeiro: Civilização Brasileira, 1978.
COSER, Ivo. Visconde do Uruguai: centralização e federalismo no Brasil, 1823-1866.
Belo Horizonte: Editora UFMG; Rio de Janeiro: IUPERJ, 2008, cap. 1 (O debate sobre
federação e centralização na constituinte de 1823), p. 31-59.
COSTA, E. V. da. Da senzala à colônia. 3.ed. São Paulo: Brasiliense, 1989.
COSTA, I. del N. da. Fundamentos econômicos da ocupação e povoamento de Minas
Gerais. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros. São Paulo: IEB/USP, (24): 41-52,
1982.
COSTA, I. del N. da. Repensando o modelo interpretativo de Caio Prado Júnior. São
Paulo: NEHD-FEA/USP, 1995. (Cadernos NEHD, 3).
COUTINHO, Maurício C. A teoria econômica de Celso Furtado: Formação Econômica
do Brasil. LIMA, Marcos Costa & DAVID, Maurício Dias (org.). A atualidade do
pensamento de Celso Furtado. Leste Vila Nova: Verbena Editora Ltda., 2008, v.1.,
p.139-159.
D’INCAO, M. A. (org.). História e ideal: ensaios sobre Caio Prado Júnior. S.Paulo:
Ed.UNESP;Brasiliense, 1989.
DINIZ, A. F. O Tratado de Comércio com a Inglaterra e a receita fiscal do Império
Brasileiro no período de 1821 a 1850. Anais do XI Encontro Nacional de Economia
Política. [CD ROM]. São Paulo: SEP – UFES, 2006.
DOHLNIKOFF, M. O pacto imperial: origens do federalismo no Brasil. S.Paulo:
Globo,2005, Introdução,p.11-22.
FAORO, R. Os donos do poder: formação do patronato político brasileiro. P. Alegre:
Globo / S. Paulo: EDUSP, 2 v., 1975.
FERREIRA, G. N. Centralização e descentralização no Império: o debate entre Tavares
Bastos e visconde de Uruguai. São Paulo: Departamento de Ciência Política da
Universidade de São Paulo; Ed. 34, 1999.
FRAGOSO, J. L. R. & FLORENTINO, M. G. O arcaísmo como projeto: mercado
atlântico, sociedade agrária e elite mercantil em uma economia colonial tardia – Rio
de Janeiro, c. 1790 – c. 1840. 4.ed. rev. e ampliada. Rio de Janeiro: Civilização
Brasileira, 2001.

6
FRAGOSO, J., BICALHO, M. F. & GOUVÊA, M. de F. (orgs.). O Antigo Regime nos
trópicos: a dinâmica imperial portuguesa (séculos XVI-XVIII). Rio de Janeiro:
Civilização Brasileira, 2001.
FRAGOSO, J. L. R., ALMEIDA, C. M. C. de & SAMPAIO, A. C. J. de (orgs.).
Conquistadores e negociantes: histórias de elites no Antigo Regime nos trópicos.
América lusa, séculos XVI a XVIII. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007.
FRANZINA, E. A grande emigração: o êxodo dos italianos do Vêneto para o Brasil.
Campinas, SP: Editora da UNICAMP, 2006.
FURTADO, C. Economia colonial no Brasil nos séculos XVI e XVII: elementos de
história econômica aplicados à análise de problemas econômicos e sociais. São Paulo:
Hucitec/ABPHE, 2001.
FURTADO, C. A economia latino-americana: formação histórica e problemas
contemporâneos. 4.ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.
GORENDER, J. A escravidão reabilitada. São Paulo: Ática/Secretaria de Estado da
Cultura de São Paulo, 1990.
HAHNER, J. E. Pobreza e política: os pobres urbanos no Brasil (1870-1920). Brasília:
Edunb, 1993.
HOLANDA, S. B. de. Memórias de um colono no Brasil. In: HOLANDA, S. B. de. Livro
dos prefácios. S.Paulo: Cia. das Letras, 1996, p.11-45.
HOLANDA, S. B. de. Raízes do Brasil. Edição Comemorativa 70 Anos. São Paulo: Cia.
das Letras, 2006.
IANNI, O. O progresso econômico e o trabalhador livre. In: HOLANDA, S. B. de (org.).
História Geral da Civilização Brasileira. 5.ed. São Paulo: DIFEL, t. 2: O Brasil
Monárquico, v. 3: Reações e transações, 1985, p. 297-319.
IGLÉSIAS, F. Situação da história econômica no Brasil. Anais de História. Assis: FFCL
de Assis, ano II, p. 9-64, 1970.
IGLÉSIAS, F. Trajetória política do Brasil, 1500-1964. São Paulo: Cia. das Letras, 1993.
IUMATTI, P. T. Caio Prado Jr.: uma trajetória intelectual. São Paulo: Brasiliense, 2007.
JOHNSON, H. & SILVA, M. B. N. da (coords.). O Império Luso-Brasileiro, 1500-1620.
In: SERRÃO, J. & MARQUES, A. H. de O. (dirs.). Nova História da Expansão
Portuguesa, Volume VI. Lisboa: Editorial Estampa, 1992.
LESSA, R. A invenção republicana: Campos Sales, as bases e a decadência da Primeira
República brasileira. 2.ed. revista. Rio de Janeiro: Topbooks, 1999.
LIBBY, D. C. Transformação e trabalho em uma economia escravista: Minas Gerais no
século XIX. São Paulo: Brasiliense, 1988.
LIBBY, D. C. Notas sobre a produção têxtil brasileira no final do século XVIII: novas
evidências de Minas Gerais. Estudos Econômicos 27 (1): 97-125, jan./abr. 1997.
LINHARES, M. Y. (org.). História geral do Brasil. 9.ed. rev. e atualizada. Rio de Janeiro:
Elsevier, 1990.
LUNA, F. V. Economia e sociedade em Minas Gerais (período colonial). Revista do
Instituto de Estudos Brasileiros. São Paulo: IEB/USP, (24): 33-40, 1982.
http://www.brnuede.com/pesquisadores/paco/pdf-paco/ar19.pdf

7
LUZ, N. V. A luta pela industrialização do Brasil: 1808 a 1930. 2.ed. São Paulo: Alfa-
Omega, 1975.
MALERBA, J. (org.). A independência brasileira: novas dimensões. Rio de Janeiro:
Editora FGV, 2006.
MANCHESTER, A. K. Preeminência inglesa no Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1973.
MARCÍLIO, M. L. Crescimento demográfico e evolução agrária paulista, 1700-1836.
São Paulo: Hucitec, Edusp, 2000.
MARCONDES, R. L. O evolver demográfico e econômico nos espaços fluminenses
(1780-1840). Estudos Econômicos 25 (2): 235-270, maio/ago. 1995.
MATTOS, I. R. de. O tempo Saquarema: a formação do Estado Imperial. 5.ed. São
Paulo: Hucitec, 2004.
MAURO, F. Teoria econômica e história econômica. In: MAURO, F. Nova história e
novo mundo. São Paulo: Edusp; Ed. Perspectiva, 1969, p. 13-40.
MAXWELL, K. Marquês de Pombal: paradoxo do iluminismo. Rio de Janeiro: Paz e
Terra, 1996.
MELLO, E.C.de. A outra Independência: o federalismo pernambucano de 1817 a 1824.
S. Paulo: Ed. 34, 2004, Prefácio, p. 11-22.
MELLO, E. C. de. O norte agrário e o Império (1871-1889). Rio de Janeiro: Nova
Fronteira / Brasília: INL, 1984.
MELLO, E. C. de. O negócio do Brasil: Portugal, os Países Baixos e o Nordeste, 1641-
1669. Rio de Janeiro: Topbooks, 1998.
MELLO, E. C. de. Olinda restaurada: guerra e açúcar no Nordeste, 1630-1654. 3.ed.,
definitiva. São Paulo: Ed. 34, 2007.
MILLIET, S. Roteiro do café e outros ensaios: contribuição para estudo da história
econômica e social do Brasil. 2.ed. São Paulo: BIPA-Editora, 1946.
MOTA, Carlos G. (org.). 1822 Dimensões. São Paulo: Editora Perspectiva, 1972
MOTTA, J. F. Agonia ou robustez? Reflexões acerca da historiografia econômica
brasileira. Revista de Economia da PUC-SP v.1, n.1, p. 117-138, jan.-jun., 2008.
MOTTA, J. F. & NOZOE, N. Cafeicultura e acumulação. Estudos Econômicos. São
Paulo: IPE/USP, 24 (2):253-320, maio/ago. 1994.
NEVES, L. M. B. P. das. Corcundas e constitucionais: a cultura política da
Independência, 1820-1822. Rio de Janeiro: Editora Revan, 2003.
NOVAIS, F. A. & MOTA, C. G. A independência política do Brasil. 2.ed. São Paulo:
Hucitec, 1996.
NOZOE, N. & MOTTA, J. F. Os produtores eventuais de café: nota sobre os primórdios
da cafeicultura paulista (Bananal, 1799-1829). LOCUS: revista de história 5 (1): 51-84,
1999.
OLIVEIRA, Francisco de (Celso Furtado e o pensamento econômico brasileiro. In:
OLIVEIRA, F. de. A navegação venturosa: ensaios sobre Celso Furtado. S. Paulo:
Boitempo Editorial, 2003, p. 39-54.)

8
PENA, E. S. Pajens da casa imperial: jurisconsultos, escravidão e a Lei de 1871.
Campinas, SP: Editora da Unicamp/ Centro de Pesquisa em História Social da Cultura,
2001.
PRADO JR., C. História e desenvolvimento: a contribuição da historiografia para a
teoria e prática do desenvolvimento brasileiro. São Paulo: Brasiliense, 1972.
RICUPERO, B. Caio Prado Jr. e a nacionalização do marxismo no Brasil. São Paulo:
Departamento de Ciência Política da Universidade de São Paulo; FAPESP; Ed. 34,
2000.
RODRIGUES DE BRITTO, João. A economia brasileira no alvorecer do século XIX.
Salvador: Livraria Progresso Editora, s.d.
RODRIGUES, J. O infame comércio: propostas e experiências no final do tráfico de
africanos para o Brasil (1800-1850). Campinas: Editora da UNICAMP / CECULT /
FAPESP, 2000.
SAES, F. A. M. de. O término do escravismo: uma nota sobre a historiografia. Estudos
Econômicos 12 (3): 29-40, set./dez. 1982.
SAES, F. A. M. de. A grande empresa de serviços públicos na economia cafeeira: 1850-
1930. São Paulo: Hucitec, 1986a.
SAES, F. A. M. de. Crédito e bancos no desenvolvimento da economia paulista: 1850-
1930. São Paulo: IPE/USP, 1986b.
SANTOS, R. M. dos. Resistência e superação do escravismo na província de São Paulo
(1885-1888). São Paulo: IPE/USP, 1980.
SCHULZ, J. O exército na política: origens da intervenção militar, 1850-1894. São
Paulo: EDUSP, 1994.
SCHULZ, J. A crise financeira da abolição: 1875-1901. São Paulo: EDUSP/Instituto
Fernand Braudel, 1996.
SCHWARTZ, Stuart B. Escravos, roceiros e rebeldes. Bauru, SP: EDUSC, 2001. Cap. 3
(Roceiros e escravidão: alimentando o Brasil nos fins do período colonial), p. 123-170.
SLENES, R. W. The demography and economics of brazilian slavery: 1850-1888. Tese
de PhD. Stanford University, 1976. (mimeografado).
SOUZA COUTINHO, Rodrigo. Memória sobre o melhoramento dos domínios de Sua
Majestade na América, 1797. In: CARDOSO, J.L. (org.). Portugal como problema; a
economia como solução. Lisboa: Fundação Luso-Americana / Público, Comunicação
Social S/A, 2006, v. V (Do mercantilismo à ilustração, 1625-1820), p. 267-292.
SOUZA, L. de M. O sol e a sombra: política e administração na América portuguesa do
século XVIII. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.
SUBRAHMANYAN, Sanjay. A presença portuguesa no Golfo de Bengala, 1700-1700.
Lisboa: Edições 70, 2002.
SZMRECSÁNYI, Tamás. Sobre a formação da Formação econômica do Brasil de C.
Furtado. Estudos Avançados, v.13, n.37, 1999, p. 207-214.
http://www.scielo.br/pdf/ea/v13n37/v13n37a11.pdf
VAINFAS, Ronaldo. Economia e sociedade na América Espanhola. Rio de Janeiro:
Edições Graal, 1984.
VIEIRA, D. T. Evolução do sistema monetário brasileiro. São Paulo: IPE/USP, 1981.

9
VIEIRA, R. M. Celso Furtado: reforma, política e ideologia (1950-1964). São Paulo:
EDUC, 2007.
VILLELA, A. Política tarifária no II Reinado: evolução e impactos, 1850-1889. Nova
Economia 15 (1): 35-68, jan./abr. 2005.
Nota: bibliografia adicional poderá ser indicada sempre que se julgar pertinente.

AVALIAÇÃO & APROVAÇÃO


A avaliação será realizada mediante duas provas, a serem realizadas nas seguintes datas:
 1ª prova: 08 de maio de 2017 peso 0,40
 2ª prova:26 de junho de 2017 peso 0,60
O aluno que não lograr aprovação nas duas provas acima, poderá submeter-se à 3ª prova,
a ser realizada no dia 03 de julho de 2017. Os pesos das provas do aluno que optar por
pelas 3 provas serão as seguintes:
 1ª prova: 08 de maio de 2017 peso 0,35
 2ª prova: 26 de junho de 2017 peso 0,45
 3ª prova: 03 de julho de 2017 peso 0,20
A nota mínima para aprovação é 5,00 (cinco), correspondente à média ponderada das
notas das provas.
Prova de Reavaliação: 19 de julho de 2017

10

Você também pode gostar