Você está na página 1de 53

0

SUMÁRIO

1 CONCEITUANDO O TERMO DIDÁTICA........................................... 3

2 TEXTO PARA REFLEXÃO: QUALIDADE EM EDUCAÇÃO (PDQ


Consultoria - www.pdq.com.br) .......................................................................... 6

3 DIDÁTICA E TRABALHO DOCENTE: A MEDIAÇÃO DIDÁTICA DO


PROFESSOR NAS AULAS ................................................................................ 8

3.1 Estilos De Professor .................................................................... 9

3.2 Uma Pedagogia que Valoriza os Conteúdos e as Ações Mentais


Correspondentes ao Modo de Constituição Desses Conteúdos................... 13

4 O ENSINO E O DESENVOLVIMENTO DO PENSAMENTO ........... 17

5 METODOLOGIA DO ENSINO SUPERIOR: FUNÇÃO DOCENTE NA


SOCIEDADE CAPITALISTA ............................................................................ 22

6 FORMAÇÃO DO PROFESSOR UNIVERSITÁRIO: POSSIBILIDADES


E OS LIMITES QUE COMPROMETEM UMA PRÁTICA REFLEXIVA ............. 25

7 MÉTODOS DE ENSINO QUE PODEM SER USADOS NO ENSINO


SUPERIOR....................................................................................................... 28

7.1 Método de Palestras.................................................................. 29

7.2 Método de Resumo de Leitura (apontamentos) ........................ 30

7.3 Método de Filmes Educativos ou Videoteipes ........................... 30

7.4 Método de Casos ...................................................................... 31

7.5 Métodos de Discussão .............................................................. 32

7.6 Métodos de Desempenho de Papeis (Role-play) ...................... 32

7.7 Método de Grupo “T” (treinamento de sensibilidade) ................ 33

7.8 Método de Jogos de Empresas ................................................. 34

8 OS DESAFIOS NA FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS PARA O


ENSINO UNIVERSITÁRIO ............................................................................... 35

9 PLANEJAMENTO DE ENSINO ....................................................... 41

9.1 Peculiaridades Significativas ..................................................... 41

1
BIBLIOGRAFIA ...................................................................................... 48

10 SUGESTÕES DE LEITURAS .......................................................... 51

2
1 CONCEITUANDO O TERMO DIDÁTICA

De modo geral, a palavra Didática se associa a arrumação, ordem,


logicidade, clareza, simplificação e costuma, portanto, também conotar rigor,
bitolamento, limitação, quadratura. Se ela adquiriu significados negativos, supõe-
se que a origem deles esteja nas práxis, ou seja, o exercício regular da Didática,
em todos os níveis de ensino, seria responsável pelo seu desprestígio ou má
fama. Realmente, muitos manuais de Didática estão cheios de itens e subitens,
regras e conselhos: o professor deve, o professor não deve e ficam, portanto,
muito próximos dos receituários ou listagens de permissões e proibições,
tentando inutilmente disfarçar o seu vazio atrás de excessivo formalismo.
Corroborando todas estas restritivas, fez-se popular o seguinte conceito
de Didática - disciplina com a qual ou sem a qual tudo fica tal e qual.
De fato, convém perguntar como aprenderam os nossos antepassados,
entregues a professores leigos, cuja preocupação maior era a competência
conteudística, a manutenção do respeito à cátedra e a sua pessoa, que do alto
do seu tablado despejava sobre os alunos seu saber irrefutável. Por outro lado,
com tanta didática hoje em voga, enriquecida pela psicologia, pela análise de
sistemas e por toda a tecnologia do ensino, como explicar que o ensino continue
piorando sempre, como a querer comprovar a inutilidade desses recursos?
Aliás, estarão eles sendo utilizados? E se realmente estão, haverá em seu
emprego uma dose mínima de consciência, de adequação, de espírito de busca
e pesquisa? Ou tudo acontece na simples cópia ou transplante de modelos
inadequados à realidade brasileira e, por isso, devidamente rejeitados?
Como saber também se o caos do ensino seria bem maior, sem as
tentativas de reformulação, sem o esforço das Faculdades de Educação com
licenciaturas, sem os cursos de reciclagem, sem as pós-graduações em
Educação?
O momento pedagógico é dos piores, reflete os problemas da sociedade
doente, inflacionada, violenta, desigual. Não adianta, pois, esperar milagres da
Didática. Conviria, ao contrário, tomar consciência dos seus limites e
possibilidades e impedir que ela fosse mais um elemento de manipulação do
homem, de violação dos seus direitos, de repetição do passado. Enfrentar o
amanhã com as armas de ontem é garantir, previamente, a derrota. Desistir de
3
lutar, sob o pretexto de falta de equipamento, é covardia. Não há verbas, não há
material, mas o recurso humano, o mais válido, existe, e aí está a exigir um
aceitamento interior, capaz de acioná-lo.
De um professor de Didática espera-se que seja pelo menos um didata,
não na acepção vulgar da palavra, mas no sentido de reconhecer que suas
atitudes valem bem mais que suas técnicas, que, trocando com seus alunos o
que ele é, abrirá caminhos mais amplos do que se apenas trocar com eles o que
sabe, tentando moldá-los a si, ao seu fazer didático. Do professor de Didática é
natural que o aluno cobre um pouco mais do que de qualquer outro professor:
em primeiro lugar, ele exige respeito ao que ele (aluno) é; em segundo lugar,
que ele vivencie e comprove numa lição de autenticidade o que ele (professor)
considera correto, mas que tenha também abertura para valorizar outras opções.
Veja o desenho abaixo:

Fonte: www.tecnologiaedidatica.blogspot.com.br

O mesmo retrata sobre a importância de a Didática ser centrada, correta


e induzir o pensamento do aluno.
Uma Didática de vida estaria à frente de qualquer Didática legista ou
receitante; a vivência didática seria preferível à permanência no exercício
didático isolado ou atomizado. Ser o professor é conseguir integrar,

4
harmoniosamente e com amor, as habilidades antes treinadas em separado. Se
em cada habilidade ele se coloca, sua humanidade ultrapassará a técnica,
conferindo-lhe espaços inusitados.
Não se trata de negar as bases técnico-científicas em que se assenta a
Didática, mas de, em as mantendo, acrescentar-lhes uma possibilidade a mais -
a da ousadia, a do incomum, a do ilógico, a ênfase a tudo o que foge aos padrões
cotidianos e rotineiros. Parte-se do pressuposto de que se a Didática se alicerça
na psicologia da aprendizagem e se alimenta da tecnologia do ensino, nada
impede o seu enriquecimento ou extrapolação na dinâmica da criatividade.
Por certo, praticando a criatividade, professores e alunos não se tornarão
melhores, mas é possível que se prepare um pouco mais para o futuro, que
transfiram mais facilmente as aprendizagens de hoje para o contexto de amanhã
e que possam tornar-se menos temerosos e mais felizes na superação de
situações diversas e adversas.
Opta-se pela crença de que a boa didática é a que incentiva a produção
e não a reprodução, a divergência muito mais que a convergência, a crítica em
lugar da tranquila aceitação, a dúvida em detrimento das certezas
preestabelecidas, o erro provisório em lugar do acerto fácil. Propõe-se também
que a essa Didática se chame AMPLA DIDÁTICA: além da fusão harmoniosa de
princípios científicos e recursos técnicos com a valorização da função criativa,
ela se diz "ampla" por aplicar-se a todos os níveis de ensino e por estar aberta a
todas as contribuições plausíveis que vieram subsidiá-la.

5
2 TEXTO PARA REFLEXÃO: QUALIDADE EM EDUCAÇÃO (PDQ
CONSULTORIA - WWW.PDQ.COM.BR)

O desenvolvimento de processos consistentes voltados para a qualidade


em educação tem um duplo significado e efeito.
Quando uma instituição educacional está comprometida com o
desenvolvimento de um sistema da qualidade, ela está não apenas
aperfeiçoando seus processos pedagógicos e administrativos, como também
exercendo um papel educador extremamente importante, com a demonstração
de modelos e comportamentos que serão exigidos dos alunos nos seus
diferentes meios sociais, já que o conceito de qualidade transcende o enfoque
tecnicista das organizações produtivas e contempla todo o contexto do que
podemos denominar de "qualidade de vida" do cidadão, especialmente nas
relações humanas.
Por isso, o entendimento, a ampliação e a disseminação do conceito de
qualidade em educação vêm merecendo nos últimos anos uma atenção especial
de diferentes segmentos da sociedade, não somente daqueles ligados
diretamente a essa área, mas de todos aqueles efetivamente preocupados com
a consolidação desses valores de forma sustentada.

Fonte: wwwcompromissocampinas.org.br

Mas, afinal, o que é qualidade em educação?


Para tentarmos responder essa questão, é importante que entendamos a
qualidade como um processo complexo, que tem no comportamento humano a
essência de sua natureza.

6
Inicialmente, dentro desse processo complexo, entendemos a qualidade
como uma componente naturalmente integrada ao planejamento, e que essa
integração se constitui não só num fator fundamental para o desenvolvimento
sustentado das instituições, como também num exercício valioso dentro do
contexto dos processos de aprendizagem.
Dentro de uma visão técnica, o planejamento, como atividade estratégica,
que se preocupa com o futuro e com os ambientes externos e internos da
organização, define seus objetivos e os referenciais para o seu desenvolvimento.
A qualidade, que se preocupa com o aperfeiçoamento contínuo da organização,
busca permanentemente a melhor forma de atingir seus objetivos e de viabilizar
o seu desenvolvimento. Definir objetivos (planejar) e buscar a melhor forma de
atingi-los (qualidade) são os pressupostos básicos para entendermos
planejamento e qualidade como um processo integrado essencial para o
desenvolvimento das organizações.
Peter Senge, em seu livro A Quinta Disciplina, cita que "as melhores
organizações do futuro serão aquelas que descobrirão como despertar o
empenho e a capacidade de aprender das pessoas em todos os níveis da
organização". Para o autor, as empresas terão que se converter em
organizações de aprendizagem.
Esse conceito nos mostra que as instituições de ensino podem constituir-
se em modelos para esse processo e que, por isso, terão um papel cada vez
mais relevante nesse contexto.
A negociação e o diálogo no lugar do autoritarismo, trabalho em equipe
substituindo posturas individualistas, ampla delegação ao invés de centralização,
estruturas organizacionais sem rigidez hierárquica onde se cultive a confiança
mútua, estímulo à cooperação e desenvolvimento de laços afetivos e
desestímulo à competição e aos comportamentos agressivos; essas serão as
características das organizações do futuro que farão com que as técnicas do
planejamento e da qualidade sejam efetivas e se constituam em fator diferencial
competitivo para o seu desenvolvimento.
Podemos, portanto, propor que o entendimento do conceito de qualidade
em educação se fundamente na busca da formação integral do indivíduo onde a
racionalidade deve ser vista como uma das dimensões humanas e não como a
única. Uma instituição de ensino como referencial de qualidade será aquela que

7
demonstre esses valores com a prática de seus processos de
ensino/aprendizagem e se constitua numa organização de aprendizagem, tal
como definida por Peter Senge.

Fonte: www.almanaqueliterario.com

3 DIDÁTICA E TRABALHO DOCENTE: A MEDIAÇÃO DIDÁTICA DO


PROFESSOR NAS AULAS

Alunos costumam comentar entre si: “gosto desse professor porque ele
tem didática”. Outros dizem: “com essa professora a gente tem mais facilidade
de aprender”. Provavelmente, o que os alunos estão querendo dizer é que esses
professores têm um modo acertado de dar aula, que ensinam bem, que com
eles, de fato, aprendem. Então, o que é ter didática? A didática pode ajudar os
alunos a melhorar seu aproveitamento escolar? O que um professor precisa
conhecer de didática para que possa levar bem o seu trabalho em sala de aula?
Considerando as mudanças que estão ocorrendo nas formas de aprender e
ensinar, principalmente pela forte influência dos meios de informação e
comunicação, o que mudar na prática dos professores?

8
Fonte: www.eminclusao.wordpress.com

É certo que a maioria do professorado tem como principal objetivo do seu


trabalho conseguir que seus alunos aprendam da melhor forma possível. Por
mais limitações que um professor possa ter (falta de tempo para preparar aulas,
falta de material de consulta, insuficiente domínio da matéria, pouca variação
nos métodos de ensino, desânimo por causa da desvalorização profissional,
etc.), quando entra em classe, ele tem consciência de sua responsabilidade em
proporcionar aos alunos um bom ensino. Apesar disso, saberá ele fazer um bom
ensino, de modo que os alunos aprendam melhor? É possível melhorar seu
desempenho como professor? Qual é o sentido de “mediação docente” nas
aulas?

3.1 Estilos De Professor

Há diversos tipos de professores. Os mais tradicionais contentam-se em


transmitir a matéria que está no livro didático, por meio de aula expositiva. É o
estilo professor-transmissor de conteúdo. Suas aulas são sempre iguais, o
método de ensino é quase o mesmo para todas as matérias, independentemente
da idade e das características individuais e sociais dos alunos. Pode até ser que

9
essas práticas de passar a matéria, dar exercícios e depois cobrar o conteúdo
na prova, tenham algum resultado positivo.
Mesmo porque alguns alunos aprendem “apesar do professor”. O mais
comum, no entanto, é o aluno memorizar o que o professor fala, decorar a
matéria e mecanizar fórmulas, definições etc. A aprendizagem que decorre
desse tipo ensino (vamos chamá-la de mecânica, repetitiva) serve para
responder questões de uma prova, sair-se bem no vestibular ou num concurso,
mas ela não é duradoura, ela não ajuda o aluno a formar esquemas mentais
próprios. O aluno que aprende mecanicamente, na maior parte dos casos, não
desenvolve raciocínio próprio, não forma generalizações conceituais, não é
capaz de fazer relações entre um conceito e outro, não sabe aplicar uma relação
geral para casos particulares.
O professor transmissor de conteúdo não favorece uma aprendizagem
sólida porque o conteúdo que ele passa não se transforma em meio de atividade
subjetiva do aluno. Ou seja, o aluno não dá conta de explicar uma ideia, uma
definição, com suas próprias palavras, não saber aplicar o conhecimento em
situações novas ou diferentes, nem na sala de aula nem fora dela. A participação
do aluno é pouco solicitada, e quando o professor faz uma pergunta, ele próprio
imediatamente a responde.
É possível que entre os professores que se utilizam desses
procedimentos de ensino haja alguns que levem os alunos a aprender os
conceitos de forma mais sólida, que saibam lidar de forma autônoma com os
conceitos. Mas não é o caso da maioria. O que se vê nas instituições de ensino
superior é um ensino meramente expositivo, empírico, repetitivo, memorístico.
Os alunos desses professores não aprendem solidamente, ou seja, não sabem
lidar de forma independente com os conhecimentos, não “interiorizam” os
conceitos, o modo de pensar, raciocinar e atuar, próprios da matéria que está
sendo ensinada e, assim, os conceitos não se transformam em instrumentos
mentais para atuar com a realidade.

10
Fonte:www.udf.edu.br

O estilo professor-facilitador aplica-se a professores que se julgam mais


atualizados nas metodologias de ensino, eles tentam variar mais os métodos e
procedimentos. Alguns deles preocupam-se, realmente, com certas
características individuais e sociais dos alunos, procuram saber os
conhecimentos prévios ou as experiências dos alunos, tentam estabelecer
diálogo ou investir mais no bom relacionamento com os alunos. Outros tentam
inovar organizando trabalhos em grupo ou estudo dirigido, utilizando recursos
audiovisuais, dando tarefas que requerem algum tipo de pesquisa. Há, também,
em algumas áreas de conhecimento, professores que entendem que a melhor
forma de aprender é colocar os alunos no laboratório na crença de que, fazendo
experiências, lidando com materiais, assimilam melhor a matéria.
Essas formas de trabalho didático, sem dúvida, trazem mais vantagens
do que aquelas do ensino tradicional. Entretanto, quase sempre esses
professores acabam voltando às práticas tradicionais, por exemplo, não sabem
utilizar a atividade própria do aluno para eles próprios formando conceitos. Com
efeito, ao avaliar a aprendizagem dos alunos pedem respostas memorizadas e
a repetição de definições ou fórmulas. Mesmo utilizando técnicas ativas e
respeitando mais o aluno, as mudanças metodológicas ficam apenas na forma,
mantendo empobrecidos os resultados da aprendizagem, ou aluno não forma
conceitos, não aprende a pensar com autonomia, não interioriza ações mentais.
Ou seja, sua atividade mental continua pouco reflexiva.
Poderíamos mencionar outros estilos de professor: o professor-técnico
(preocupado pelo lado operacional, prático da sua matéria, seu objetivo é saber-
fazer, não fazer-pensar-fazer); o professor-laboratório (acha que única forma
eficaz de aprender é a pesquisa ou a demonstração experimental); o professor-

11
comunicador (o típico professor de cursinhos que só sabe trabalhar o conteúdo
fazendo graça, não dando conta de colocar o próprio conteúdo no campo de
interesses e motivos do aluno).
Em resumo, muitos professores não sabem como ajudar o aluno a,
através de formas de mobilização de sua atividade mental, elaborar de forma
consciente e independente o conhecimento para que possa ser utilizado nas
várias situações da vida prática. As atividades que organizam não levam os
alunos a adquirir conceitos e métodos de pensamento, habilidades e
capacidades mentais, para poderem lidar de forma independente e criativa com
os conhecimentos e a realidade, tornando esses conceitos e métodos meios de
sua atividade.

Fonte: www.educacao.uol.com.br

Sugerimos para quem deseja um ensino eficaz, tendo em vista


aprendizagens mais sólidas dos alunos, a metáfora do professor-mediador.
Quais são as características do professor mediador? O que caracteriza uma
didática baseada no princípio da mediação? Numa formulação sintética, boa
didática significa um tipo de trabalho na sala de aula em que o professor atua
como mediador da relação cognitiva do aluno com a matéria. Há uma condução
eficaz da aula quando o professor assegura, pelo seu trabalho, o encontro bem-
sucedido entre o aluno e a matéria de estudo. Em outras palavras, o ensino
satisfatório é aquele em que o professor põe em prática e dirige as condições e

12
os modos que asseguram um processo de conhecimento pelo aluno. Vejamos
isso mais detalhadamente.
Visite o site: revistaescola.abril.com.br/formação/base-sala-aula-428564.shtml

3.2 Uma Pedagogia que Valoriza os Conteúdos e as Ações Mentais


Correspondentes ao Modo de Constituição Desses Conteúdos

Fonte:www.africaeafricanidades.com.br

Uma boa didática, na perspectiva da mediação, é aquela que promove e


amplia o desenvolvimento das capacidades intelectuais dos alunos por meio dos
conteúdos. Conforme a teoria histórico-cultural, formulada inicialmente pelo
psicólogo e pedagogo russo Lev Vygotsky, o objetivo do ensino é o
desenvolvimento das capacidades mentais e da subjetividade dos alunos
através da assimilação consciente e ativa dos conteúdos, em cujo processo se
leva em conta os motivos dos alunos1. O ensino é meio pelo qual os alunos se
apropriam das capacidades humanas formadas historicamente e objetivadas na
cultura material e espiritual. Essa apropriação se dá pela aprendizagem de

1 Teoria histórico-cultural é uma corrente da psicologia fundada pelo psicólogo e

pedagogo russo Lev Vygotsky (1896-1934) e desenvolvida teoricamente juntamente com outros
psicólogos e pedagogos como Leontiev, Luria, Galperin, Davídov, a partir dos anos 1920. Essa
teoria busca compreender o desenvolvimento da mente humana como vinculado à cultura, ou
seja, atribui um papel decisivo da cultura na formação das funções psicológicas superiores (e
dentro da cultura, o ensino e a aprendizagem).

13
conteúdo, habilidades, atitudes, formadas pela humanidade ao longo da história.
Conforme as próprias palavras de Vygotsky:

A internalização de formas culturais de comportamento envolve a


reconstrução da atividade psicológica tendo como base as operações
com signos. (...) A internalização das atividades socialmente
enraizadas e historicamente desenvolvidas constitui o aspecto
característico da psicologia humana. (1984, p. 65).

Esse processo de interiorização ou apropriação tem as seguintes


características:
O desenvolvimento mental dos alunos depende da transmissão-
apropriação de conhecimentos, habilidades, valores, que vão sendo constituídos
na história da humanidade;
O papel do ensino é propiciar aos alunos os meios de domínio dos
conceitos, isto é, dos modos próprios de pensar e de atuar da matéria ensinada,
de modo a formar capacidades intelectuais com base nos procedimentos lógicos
e investigativos da ciência ensinada;
A ação de ensinar, mais do que “passar conteúdo”, consiste em intervir no
processo mental de formação de conceitos por parte dos alunos, com base na
matéria ensinada;
As relações intersubjetivas na sala de aula implicam, necessariamente, a
compreensão dos motivos dos alunos, isto é, seus objetivos e suas razões para
se envolverem nas atividades de aprendizagem.
A aprendizagem se consolida melhor se forem criadas situações de
interlocução, cooperação, diálogo, entre professor e alunos e entre os alunos,
em que os alunos tenham chance de formular e opera com conceitos.
Na mesma linha teórica, Davydov 2 afirma que o papel do ensino é
desenvolver nos alunos as capacidades intelectuais necessárias para assimilar
e utilizar com êxito os conhecimentos. Ele escreve:

2 Vasili V. Davydov é um psicólogo e pedagogo russo, pertencente à Escola de Vygotsky.


Nasceu na Rússia em 1930 e morreu em 1998. Dedicou sua vida profissional à pesquisa
educacional juntamente com vários colaboradores, investigando especialmente o
desenvolvimento do pensamento de crianças em idade escolar por meio do ensino. Entre suas

14
Os pedagogos começam a compreender que a tarefa da escola
contemporânea não consiste em dar às crianças uma soma de fatos conhecidos,
mas em ensiná-las a orientar-se independentemente na informação científica e
em qualquer outra. Isto significa que a escola deve ensinar os alunos a pensar,
quer dizer, desenvolver ativamente neles os fundamentos do pensamento
contemporâneo para o qual é necessário organizar um ensino que impulsione o
desenvolvimento. Chamemos esse ensino de desenvolvimental. (Davydov,
1988, p.3).

Fonte: www.colegioweb.com.br

Conforme Davidov, para que o ensino esteja voltado para o


desenvolvimento das capacidades intelectuais dos alunos, é preciso que o
professor conheça quais são os métodos de investigação utilizados pelo cientista
(em relação à matéria que ensina), pois é nesses métodos que encontrará as
capacidades intelectuais a serem formadas pelos estudantes enquanto estudam
a matéria.
Em outras palavras, para aprender a pensar e a agir com base nos
conteúdos de uma matéria de ensino é preciso que os alunos dominem aquelas
ações mentais associadas a esses conteúdos, as quais são encontradas nos

obras se destacam: Tipos de generalización en la enseñanza (1978) e La enseñanza escolar y


el desarrollo psíquico (1988). Desenvolveu, com base no pensamento de Vygotsky e Leontiev, a
teoria do ensino desenvolvimental (teoria de ensino voltada para o desenvolvimento humano).

15
procedimentos lógicos e investigativos próprios da ciência que dá origem a esses
conteúdos.
Conclui-se, daí, que a um professor não basta dominar o conteúdo, é
preciso que saiba mais três coisas:
a) qual é o processo de pesquisa pelo qual se chegou a esse conteúdo,
ou seja, a epistemologia da ciência que ensina;
b) por quais métodos e procedimentos ensinará seus alunos a se
apropriarem dos conteúdos da ciência ensinada e, especialmente, das ações
mentais ligadas a esses conteúdos;
c) quais são as características individuais e socioculturais dos alunos e os
motivos que os impulsionam, de modo a saber ligar os conteúdos com esses
motivos.
Para M. Castells, a tarefa das escolas e dos processos educativos é o de
desenvolver em quem está aprendendo a capacidade de aprender, em razão de
exigências postas pelo volume crescente de dados acessíveis na sociedade e
nas redes informacionais, da necessidade de lidar com um mundo diferente e,
também, de educar a juventude em valores e ajudá-la a construir personalidades
flexíveis e eticamente ancoradas (in Hargreaves, 2001, p. 16). Também E. Morin
expressa com muita convicção à exigência de se desenvolver uma inteligência
geral que saiba discernir o contexto, o global, o multidimensional, a interação
complexa dos elementos. Escreve esse autor:

(...) o desenvolvimento de aptidões gerais da mente permite


melhor desenvolvimento das competências particulares ou
especializadas. Quanto mais poderosa é a inteligência geral, maior é
sua faculdade de tratar problemas especiais. A compreensão dos
dados particulares também necessita da ativação da inteligência geral,
que opera e organiza a mobilização dos conhecimentos de conjunto
em cada caso particular. (...) Dessa maneira, há correlação entre a
mobilização dos conhecimentos de conjunto e a ativação da
inteligência geral (Morin, 2000, p. 39).

Em síntese, esses estudos destacam, nos processos do ensinar a


aprender e a pensar em um campo de conhecimento, o papel ativo dos sujeitos
na aprendizagem e, especialmente, a necessidade dos sujeitos desenvolverem
habilidades de pensamento, competências cognitivas, como meio para
compreender e atuar no mundo da profissão, da política, da cultura. Esses meios

16
da atividade aprender são aprendidos pelo estudante quando desenvolve as
ações mentais conexas aos conteúdos, isto é, o modo próprio de pensar,
pesquisar e agir que corresponde à ciência, arte ou tecnologia ensinadas.

Fonte: www.educacao.faber-castell.com.br

4 O ENSINO E O DESENVOLVIMENTO DO PENSAMENTO

A teoria do ensino desenvolvimental de Vasíli Davydov, baseada na teoria


histórico-cultural de Vygotsky, sustenta tese de que o bom ensino é o que
promove o desenvolvimento mental, isto é, as capacidades e habilidades de
pensamento. Segundo Vygotsky, a aprendizagem e o ensino são formas
universais de desenvolvimento mental. Para Davydov, a atividade de
aprendizagem está assentada no conhecimento teórico-científico, ou seja, no
desenvolvimento do pensamento teórico e nas ações mentais que lhe
correspondem.
É importante esclarecer que, na teoria histórico-cultural elaborada entre
outros por Vygotsky, Leontiev e Davídov, pensamento teórico ou conceito não
tem o sentido de “estudar teoria”, de lidar com o conteúdo só na teoria. Em outro
texto escrevi sobre isso:

17
Na teoria histórico-cultural, conceito não se refere apenas às
características e propriedades dos fenômenos em estudo, mas a uma
ação mental peculiar pela qual se efetua uma reflexão sobre um objeto
que, ao mesmo tempo, é um meio de reconstrução mental desse objeto
pelo pensamento. Nesse sentido, pensar teoricamente é desenvolver
processos mentais pelos quais chegamos aos conceitos e os
transformamos em ferramentas para fazer generalizações conceituais
e aplicá-las a problemas específicos. Como escreve Seth Chaiklin,
conceito significa um conjunto de procedimentos para deduzir relações
particulares de uma relação abstrata. (LIBÂNEO, 2008, P. 61).

O ensino, portanto, propicia a apropriação da cultura e da ciência, e o


desenvolvimento do pensamento, por meio da formação e operação com
conceitos. São dois processos articulados entre si, formando uma unidade:
Podemos expressar essa ideia de duas maneiras:
À medida que o aluno forma conceitos científicos, incorpora processos de
pensamento e vice-versa.
Enquanto forma o pensamento teórico-científico, o aluno desenvolve
ações mentais mediante a solução de problemas que suscitam sua atividade
mental. Com isso, o aluno assimila o conhecimento teórico e as capacidades e
habilidades relacionadas a esse conhecimento.
Sendo assim, o papel da escola é ajudar os alunos a desenvolver suas
capacidades mentais, ao mesmo tempo em que se apropriam dos conteúdos.
Nesse sentido, a metodologia de ensino, mais do que o conjunto dos
procedimentos e técnicas de ensino, consiste em instrumentos de mediação
para ajudar o aluno a pensar com os instrumentos conceituais e os processos
de investigação da ciência que se ensina. Por exemplo, a boa pedagogia da
física é aquela que consegue traduzir didaticamente o modo próprio de pensar,
investigar e atuar da própria física.

18
Fonte: www.pontinhoestudantil.com.br

Trata-se, assim, de fazer a junção entre o conteúdo e o desenvolvimento


das capacidades de pensar. A ideia central contida nessa teoria é simples:
ensinar é colocar o aluno numa atividade de aprendizagem. A atividade de
aprendizagem é a própria aprendizagem, ou seja, com base nos conteúdos,
aprender habilidades, desenvolver capacidades e competências para que os
alunos aprendam por si mesmos. É essa ideia que Davydov defende: a atividade
de aprender consiste em encontrar soluções gerais para problemas específicos,
é apreender os conceitos mais gerais que dão suporte a um conteúdo, para
aplicá-los a situações concretas. Esse modo de ver o ensino significa dizer que
o ensino mais compatível com o mundo da ciência, da tecnologia, dos meios de
comunicação, é aquele que contribui para que o aluno aprenda a raciocinar com
a própria cabeça, que forme conceitos e categorias de pensamento decorrente
da ciência que está aprendendo, para lidar praticamente com a realidade. Os
conceitos, nessa maneira de ver, são ferramentas mentais para lidar
praticamente com problemas, situações, dilemas práticos, etc.
Explicitando essa ideia numa formulação mais completa, podemos dizer:
o modo de lidar pedagogicamente com algo, depende do modo de lidar
epistemologicamente com algo, considerando as condições do aluno e o
contexto sociocultural em que ele vive (vale dizer, as condições da realidade
econômica, social, etc.). Trata-se, portanto, de unir no ensino a lógica do
processo de investigação com os produtos da investigação. Ou seja, o acesso
aos conteúdos, à aquisição de conceitos científicos, precisa percorrer o processo

19
de investigação, os modos de pensar e investigar da ciência ensinada. Não basta
aprender o que aconteceu na história, é preciso pensar historicamente. Pensar
matematicamente sobre matemática, biologicamente sobre biologia,
linguisticamente sobre português.
Essa forma de entender a atividade de ensino das disciplinas específicas
requer do professor não apenas o domínio do conteúdo, mas, também, dos
procedimentos investigativos da matéria que está ensinando e das formas de
pensamento, habilidades de pensamento que propiciem uma reflexão sobre a
metodologia investigativa do conteúdo que se está aprendendo. Ensinar,
portanto, é adquirir meios do pensar, através dos conteúdos. Em outras palavras,
é desenvolver nos alunos o pensamento teórico, que é o processo através do
qual se revela a essência e o desenvolvimento dos objetos de conhecimento e
com isso a aquisição de métodos e estratégias cognoscitivas gerais de cada
ciência, em função de analisar e resolver problemas. Escreve a esse respeito
Rubtsov:
A aquisição de um método teórico geral visando à resolução de uma série
de problemas concretos e práticos, concentrando-se naquilo que eles têm em
comum e não na resolução específica de um entre eles, constitui-se numa das
características mais importantes da aprendizagem. Propor um problema de
aprendizagem a um escolar é confrontá-lo com uma situação cuja solução, em
todas as suas variantes concretas, pede uma aplicação do método teórico geral.
(...) Podemos definir o processo de resolução de um problema como o da
aquisição das formas de ação características dos conteúdos teóricos. O termo
“forma de ação geral”, também chamado de forma de ação universal, designa
aquilo que é obtido como resultado ou modo de funcionamento essencial para
trazer soluções para os problemas de aprendizagem; mais do que soluções, é
este resultado particular que constitui o objeto desses problemas (Rubtsov,
1996, p. 131).
Nesses termos, o papel da didática é: a) ajudar os alunos a pensar
teoricamente (a partir da formação de conceitos); b) ajudar o aluno a dominar o
modo de pensar, atuar e investigar a ciência ensinada; c) levar em conta a
atividade psicológica do aluno (motivos) e seu contexto sociocultural e
institucional.

20
Para chegar à consecução desses objetivos, o professor precisa saber
como trabalhar a matéria no sentido da formação e operação com conceitos.
Para isso, no trabalho com os conteúdos, podem ser seguidos três momentos:
1. Análise do conteúdo da matéria para identificar um princípio geral,
ou seja, uma relação mais geral, um conceito nuclear, do qual se parte para ser
aplicado a manifestações particulares desse conteúdo.
2. Realizar por meio da conversação dirigida, do diálogo com os
alunos, da colocação problemas ou casos, tarefas que possibilitem deduções do
geral para o particular, ou seja, aplicação do princípio geral (relação geral,
conceito nuclear) a problemas particulares.
3. Conseguir com que o aluno domine os procedimentos lógicos do
pensamento (ligados à matéria) que têm caráter generalizante. Ao captar a
essência, isto é, o princípio interno explicativo do objeto e suas relações internas,
o aluno se apropria dos métodos e estratégias cognitivas dos modos de
atividades anteriores desenvolvidas pelos cientistas; o aluno reproduz em sua
mente o percurso investigativo de apreensão teórica do objeto realizado pela
prática científica e social.

Fonte: wwwsociedadepublica.com.br

Todos esses momentos devem estar conectados com os motivos e todos


esses momentos devem estar conectados com os motivos e objetivos subjetivos
do aluno, ampliados com as necessidades sociais de estudar e aprender
interpostos pelo professor, na sua condição de educador.

21
5 METODOLOGIA DO ENSINO SUPERIOR: FUNÇÃO DOCENTE NA
SOCIEDADE CAPITALISTA

Atuar na docência superior requer que o professor/orientador não perca


de vista que é na formação inicial, ou seja, nos cursos superiores de graduação,
que os saberes históricos, pedagógicos, técnicos são mobilizados,
problematizados, sistematizados e incorporados à experiência de construção do
saber. Em virtude disso para estar apto a atuar nesse ensino, sua formação não
deve prescindir do desenvolvimento de habilidades e competências que são
adquiridas ao longo de trajetória acadêmica. Trajetória esta que se inicia com a
graduação e que deve ir além, com a participação em cursos de especialização,
mestrado e doutorado.

Fonte: www.ufpr.br

O professor ou profissional que se propõe a atuar em alguma Instituição


de Ensino Superior deve ser “competente em uma determinada área de
conhecimento” ter “domínio na área pedagógica”, que o envolve o ato de ensinar.
Para Passos:

[...] O professor deve ser visto como conceptor e gestor de


currículo, preocupando-se com a valorização do conhecimento e sua
atualização, com pesquisa, crítica e cooperação, com os aspectos
éticos do exercício da profissão, com os valores sociais, culturais,
políticos e econômicos, com a participação na sociedade e o
compromisso com sua evolução (PASSOS, 2009, p.36).

22
Essas exigências são básicas para que o ensino superior tenha qualidade.
O docente precisa investir continuamente em sua formação priorizando o
ensino/pesquisa/extensão, pois só assim terá condições de possibilitar aos seus
alunos um arcabouço de conhecimentos que lhes dê sustentação teórica e
prática para enfrentar os desafios de sua profissão. Assim, o professor deve
contribuir para que a formação universitária consista em um espaço de
diversificação, do debate, de pesquisa, de participação, de criticidade e de ação,
superando a postura tradicional de alguns docentes, que davam respostas
prontas para todas as situações, desvinculando os saberes adquiridos na
universidade da realidade profissional do discente.

Fonte:www.cesed.br
Para Demo (2000, p.130), essa atitude do professor acarreta sérias
consequências, tais como:
 O aluno que apenas escuta exposições do professor, no máximo,
se instrui, mas não chega a elaborar a atitude do aprender a
aprender;
 O professor sem produção própria não tem condições de superar
a mediocridade imitativa, repassando, pois, esta mesma;
 É absurdo aceitar que, no percurso de um professor que lê em
outros autores e repassa para alunos, que, por sua vez, também
apenas escuta e copia, aconteça qualquer coisa de relevante,
sobretudo informação ativa;
 Reduzida à vida acadêmica apenas a isto, não acontece o
essencial, seja na linha da qualidade formal (instrumentação

23
técnica da autossuficiência), seja na linha da qualidade política
(fundamentação da cidadania);
 Quem permanece no mero aprender, não sai da mediocridade,
fazendo parte da sucata.
Essas análises pontuadas por Demo nos levam a refletir sobre a
necessidade de superarmos essa visão do conhecimento compartimentalizado
e passivo, dado, sobretudo, avaliarmos nossa responsabilidade na formação de
futuros profissionais, que precisam ser orientados no sentido de interagir com o
saber/saberes numa perspectiva de descoberta, investigação, reflexão e
produção, para que a partir dessas atitudes possam estar hábeis e capacitados
para o mercado de trabalho e para sua atuação enquanto cidadão.
A sociedade, cada dia mais competitiva, exige do professor novas
demandas como: preparar o aluno afetivamente para seus fracassos e vitórias,
resolver os problemas de indisciplina, orientar pais na educação de seus filhos,
desenvolver metodologias que tornem a aprendizagem mais significativa,
resolver os problemas da violência e das drogas, restaurar a importância dos
conhecimentos e a perda da credibilidade na ciência, enfim, ir além de ser um
mero reprodutor de conhecimentos e tornar-se um educador apto a enfrentar as
exigências e paulatinamente formar a identidade de ser professor.
O ato de ensinar se configura, sobretudo, na ação. De acordo com o
conceito de AÇÃO DOCENTE, a profissão de educador é uma PRÁTICA
SOCIAL. Como tantas outras, é uma forma de se intervir na realidade social, no
caso por meio da educação que ocorre não só, mas essencialmente, nas
instituições de ensino. Isso porque a atividade docente é ao mesmo tempo
PRÁTICA E AÇÃO. Não basta que os professores de ensino superior dominem
teorias, conceitos, categorias, ou seja, conjunto particular de conhecimentos
específicos de sua área, é preciso entender a práxis docente como atividade de
transformação da realidade, para isso precisa de competência, de
conhecimento, de sensibilidade, da ética, de estética, de consciência política.
Enfim, transpor a fronteira entre a docência baseada no ensino e a docência
baseada na aprendizagem (PASSOS, 2009, p. 39).
Essas reflexões nos instigam às seguintes questões: Será que estamos
cientes da responsabilidade de ser professor? Estamos dispostos a investir
tempo, dinheiro numa formação acadêmica/intelectual? Estamos preparados

24
para as decepções, frustrações, dificuldades, ou somente pensamos nas
alegrias, prestígio social, e no status de ser reconhecido enquanto professor
universitário? Eu me reconheço enquanto professor/orientador, ou lecionar
significa um acréscimo no orçamento doméstico?
A proposta de refletirmos sobre essas questões é para percebermos que
ao nos propormos adentrar no universo da docência é preciso estar consciente
de que os desafios a serem superados são muitos. Para Chaunu “(...) ensinar
não é uma profissão que se exerça algumas horas por semana: é uma forma de
partilhar o saber, um modo de relação com os outros (...)”. (CHAUNU et al apud
FONSECA, 2005, p.83); é confrontar cotidianamente com mundos diferentes,
com a heterogeneidade dos alunos, com seus saberes, com suas dificuldades e
com as nossas também, pois, segundo Paulo Freire, “(...) quem ensina aprende
ao ensinar e quem aprende ensina ao aprender” (FREIRE, 2010, p.23).

6 FORMAÇÃO DO PROFESSOR UNIVERSITÁRIO: POSSIBILIDADES E


OS LIMITES QUE COMPROMETEM UMA PRÁTICA REFLEXIVA

O professor universitário atualmente precisa desenvolver habilidades e


competências que possam prepará-los para o desafio de atender à demanda
massiva que se instaura no ensino superior. As políticas e as propostas
curriculares adotadas dentro das IES — Instituições de Ensino Superior — são
pensadas para atender um mercado cada dia mais competitivo e excludente que
não possibilita uma formação docente reflexiva, já que conduz os profissionais
da área de educação, principalmente do ensino superior, a uma busca apressada
por títulos acadêmicos, que os tornam especialistas em disciplinas
predeterminadas, fragmentando assim as diversas dimensões do conhecimento.
Em contrapartida, o mundo globalizado exige saberes cada vez mais
polidisciplinares, multidimensionais, transnacionais, globais, planetários.
(MORRIN, 2003, p.9).

25
Fonte: www.guiadoestudante.abril.com.br

Contudo, essa necessidade de uma formação rápida e sem consistência


teoria/prática dificulta a formação de um professor reflexivo contribuindo para a
“proletarização” do ofício do professor, que segundo Philippe Perrenoud (2008,
p.10) reduz sua prática a meros executores de diretrizes impostas tanto pela a
autoridade escolar tradicional quanto por grupos de especialistas que planejam
o currículo, as estruturas e organização do trabalho, as tecnologias educativas,
os manuais os espaços e os tempos escolares.
Superar essa distância entre os intelectuais que em sua grande maioria
estão fora de sala de aula — mas são contratados pelos governos para pensar
e promover mudanças no ensino — e o professor que convive com os reais
problemas da educação, que não são tratados nos compêndios, nos livros,
tampouco são resolvidos apenas com o auxílio dos saberes teóricos e dos
procedimentos sugeridos, é o grande desafio da educação contemporânea.
O primeiro passo para superar as divergências que ocorrem em no
sistema educacional é cotidianamente desenvolver-se a capacidade de
refletirmos “em” e “sobre” nossa ação. O paradigma do profissional reflexivo
contrapõe a ilusão “(...) de que a ciência oferecia uma base de conhecimentos
suficiente para uma ação racional” (PERRENOUD, 2008, p.15). Essa postura
teórico-metodológica é o ponto de partida para formarmos
profissionais/intelectuais capazes de elaborar uma interpretação própria sobre
as modificações e permanências da sociedade e do sistema educacional,

26
oferecendo respostas eficientes às novas situações. Portanto, para os
educadores o desafio é:
 Ampliar as bases científicas da prática, onde elas existem, e lutar
contra uma ignorância ainda muito ampla das ciências humanas,
da psicologia e, acima de tudo, das ciências sociais;
 Não mistificar e desenvolver formações que articulem
racionalidade científica e prática reflexiva, não como irmãs
inimigas, mas como duas faces da mesma moeda (Idem, p.16).
Essas discussões trazidas por Perrenoud estão bem explícitas em um
conceito definido por Tardif (apud PASSOS, 2009), que é o de “epistemologia da
prática profissional”. A epistemologia relacionada à prática profissional refere-se
ao “(...) estudo do conjunto dos saberes utilizados realmente pelos profissionais
em seu espaço de trabalho cotidiano, para desempenharem todas as suas
tarefas”. (Idem). Esses estudos/pesquisas, que investigam o ensino em situação,
se bem direcionadas, podem dar suporte ao professor universitário na tarefa de
refletir e modificar sua prática, pois a finalidade desses trabalhos é: [...]
oportunizar uma reflexão na ação docente, uma reflexão sobre a ação docente
e uma reflexão sobre a reflexão da ação. Destarte, o investigador, ao trabalhar
a epistemologia da prática, percebe a importância do papel docente que não se
limita ao de transmissor de saberes produzidos por outros, passando ao de
agente construtor de saberes pedagógicos que constituem os fundamentos da
prática, de sua identidade, de suas habilidades e competências profissionais.
(PASSOS, 2009, p.42).
Nesse sentido, é importante verificar que ensinar no século XXI requer
uma prática transformadora, reconstrutiva que deve abolir a ortodoxia, aos
saberes práticos e começar e desenvolver uma relação entre o saber e a
profissão que culminará em uma reflexão. Para Demo (1996, p.17), a pesquisa
é fundamental para que o professor possa ultrapassar a posição de mero
reprodutor de conhecimentos e torne um mestre/ orientador e isso só será
possível se o professor promover a relação entre o conhecimento teórico
adquirido na academia, o contexto educativo no qual está inserido e sua prática.
Durante muito tempo, na formação de professores ocorria uma
supervalorização de um ensino propedêutico em detrimento de uma formação
mais ampla. Nesta perspectiva de ensino, a pesquisa era desvalorizada,
27
desnecessária, já que a teoria era desvinculada do campo de atuação
profissional dos futuros formandos. A discussão em torno da necessidade da
prática de pesquisa na formação do professor inicia-se no final do século
passado quando teóricos da educação passa a vê-la como: princípio científico e
educativo; um elo importante entre pesquisa e prática no trabalho e a formação;
ferramenta didática que articula o saber e a prática docente; instrumento de
reflexão coletiva sobre a prática, enfim pode favorecer o trabalho conjunto da
universidade com as escolas públicas, por meio da pesquisa colaborativa.
(ANDRÉ, 2001, p.56).
É imprescindível que professores do ensino superior desenvolvam
habilidades e competências para trabalhar com o ensino/pesquisa. Pesquisar,
refletir sobre a pesquisa gera conhecimentos, mas para que ocorra produção de
saberes necessitamos de todo um arcabouço de conhecimento teórico,
conceitos e hipóteses específicos, vocabulário próprio, dispor de tempo,
trabalhar em um ambiente que possibilite uma atitude investigativa. Esse é um
grande um desafio que requer parceria entre docentes, diretores e discentes.

7 MÉTODOS DE ENSINO QUE PODEM SER USADOS NO ENSINO


SUPERIOR

Fonte: www.brasilescola.com

28
A aula expositiva geralmente na apresentação de informação verbal do
professor a um grupo de estudantes, observando-se pouca atividade aberta e
pouco entrosamento entre estudantes e professor; em alguns casos a palavra
do professor é interrompida por comentários e perguntas.
Planty e Cols. afirmam que as aulas podem ser úteis no adestramento de
administradores que estão habituados a informações verbais; assim como para
subordinados de nível inferior.

7.1 Método de Palestras

Fonte: www.psicologia10.com.br

A palavra permite transmitir a um grupo de pessoas uma considerável


quantidade de informações.
Do ponto de vista de Busch a palestra se trata de uma reunião
cuidadosamente planejada que encerra uma finalidade e metas específicas.
Evidências experimentais indicam que este método não pode vencer a
resistência à mudança ou modificações de atitudes, no entanto, há imprevistos
em algumas experiências que demonstram o contrário.
Contudo as palestras exercem maior efeito na mudança de atividade que
a palavra escrita.

29
7.2 Método de Resumo de Leitura (apontamentos)

A distribuição de “apontamentos” é um método de ensino que pretende,


de uma forma mais ampla, que se leia uma informação especifica.
Campbell a Metzner em pesquisas, demonstram que aproximadamente
um terço da população admite que sua única leitura seja as páginas de esporte,
humorismo, notícias e anúncios de periódicos, enquanto que um número similar
não lê nem periódicos em revistas, e cerca da metade não lê qualquer livro no
espaço de um ano (o autor do presente trabalho desconhece pesquisas
semelhantes realizadas na América Latina e supõe que o hábito de leitura é
análogo ao do estudo de Campbell e Metzer para a América Latina).

Fonte: www.picaroponto.com

7.3 Método de Filmes Educativos ou Videoteipes

Os custos de um filme e da aquisição de um circuito fechado são altos,


mas levando-se em conta que se pode utilizar muitas vezes é investimento
relativamente barato para as grandes instituições de ensino superior.

30
O valor de um filme encontra-se no aproveitamento visual, porém de
nenhum modo pode desenvolver habilidades.
Carpenter e Greenhill não encontraram diferenças entre os grupos
universitários, que aprenderam através de aulas e os que aprenderam através
de filmes de circuitos fechado, com discussões complementares.
Siegel e Cols comparam os resultados depois de um exame final de
classes separadas, com grandes grupos instruídos por televisão, e outros com
grupos pequenos e grandes, preparados por instrutores concluíram que não
existem diferenças significativas nos resultados dos exames finais.
Nos últimos anos tem crescido muito a utilização de VT para treinamento
de pessoal em informática e esse recurso, se bem produzido, é de grande valor
pedagógico.

7.4 Método de Casos

O Método de Casos foi desenvolvido na Escola de Negócios de Harvard,


e é uma das primeiras modificações que se apresentou ao método de aulas
expositivas.
Consiste este método na apresentação a pequenos grupos, de uma
situação típica problemática, que se transforma em motivo de discussão “que
fazer”, “como poderia ser evitado o problema?”, “quais são os problemas que
delineiam a política da empresa indicada?”.
De acordo com Maier este método proporciona a prática na resolução de
problemas e utiliza as vantagens da discussão, mas não acrescenta nada no que
diz respeito a relações humanas.
Para Mac Gehee e Thayer (1961), o inconveniente do uso deste método
situa-se na dificuldade para vencer as pressões e resistências que se
desenvolvem nos processos de entrosamento e coesão do grupo no empenho
de uma tarefa comum, que implica na solução do caso em questão.

31
7.5 Métodos de Discussão

Lewin em seus estudos, apoia este método, demonstrando que em grupos


de donas-de-casa que estudaram o problema e tomaram suas decisões em
relação à alimentação, constatou-se um aumento nos hábitos de economia na
alimentação de forma mais significativa que em grupos de mulheres que foram
submetidas a processos persuasivos para mudarem seus hábitos de
alimentação.
De acordo com Maier os inconvenientes apresentados pelo método de
discussão são o tempo considerável que se consome para uma matéria
relativamente limitada e as informações que oferece, em alguns aspectos, são
completas e em outros incompletas.

Fonte: www.hpsconsultores.com

7.6 Métodos de Desempenho de Papeis (Role-play)

Define-se este método como “a criação de uma situação vital que inclua
conflitos entre diversas pessoas e consiga que as pessoas de um grupo
desempenhem os diversos personagens criados”.
Lawshe e Bolds demonstram os efeitos deste método sobre o rendimento
verbal e pregam a necessidade de uma prática maior para determinar sua
eficácia no desempenho de tarefas normais.

32
Por outro lado, Maier afirma que este método pode limitar-se ao
treinamento de habilidades em relações humanas.
Alguns opinam que um dos problemas deste método é o apoio que se
oferece durante a aprendizagem, esclarecendo:
“Como (de que maneira) o aluno tem que entrar em entendimento com o
outro que desempenha um papel que controla sistematicamente os elementos
auxiliares da situação e oferece o auxílio imediato para suas afirmações. E que
um desvio no papel assumido resulta fatalmente em um comportamento
inadequado”.

.
Fonte: www.acerta.net

7.7 Método de Grupo “T” (treinamento de sensibilidade)

De acordo com Bennis o treinamento de sensibilidade é uma forma


original e discutida de educação, na qual os grupos trabalham sob a direção de
um especialista capacitado profissionalmente que explora os processos de
desenvolvimento do grupo, enfocando sua atenção sobre o comportamento
adotado por seus membros.
O grupo assim formado, carece de estrutura e encontra compensação
integrando-se para compreender a si mesmo.

33
De acordo com House os grupos “T” são uma experiência educativa
original e despertam curiosidade (e ansiedade) pois que no campo desta técnica
se estabelece uma grande controvérsia.
Estas mesmas características do método apresentam a necessidade de
uma determinação objetiva dos lucros da transferência de aprendizagem e de
situações do grupo para situações de vida real, Shepard (1960), responde a isto
dizendo: “qualquer um dos participantes, uma vez de regresso à empresa, está
ciente que sofreu um impacto, mas o que não está claro é a natureza do impacto.
Observamos que alguns problemas foram solucionados. Não obstante está apto
para assumir as consequências em longo prazo. Talvez a experiência de
Laboratório não seja mais que uma parte de um amplo programa de
organização”.

7.8 Método de Jogos de Empresas

Do ponto de vista Andlinger podemos definir um jogo de empresas como:


“Um conjunto de regras que corresponde à economia de uma empresa com todo
o realismo possível e com as limitações de todo jogo; este tipo de jogo poderia
chamar-se operacional e não tem relação com a chamada “teoria dos jogos”, é
um método teórico para a solução de situações conflitantes. O jogo operacional
é essencialmente simulado e proporciona campo para tomada de decisões tendo
em mira a montagem da estratégia perfeita”.
Estes a partir da década de 70 tornaram-se muito utilizados embora com
o aparecimento do microcomputador e produção desses jogos reduziu-se muito.
De acordo com Green a Sisson não se deve tentar o uso destes jogos
para avaliar o pessoal executivo, sem antes proceder a uma extensa pesquisa
que decida a correlação entre o êxito do jogo e o êxito em administrar uma
organização.
Essa opinião foi posteriormente refutada por inúmeros trabalhos que
comprovaram sua efetividade.
O jogo de empresa quando usando computador, se baseia na simulação
do desempenho de papéis que implicam na interação entre os participantes

34
humanos e os computadores, proporcionando aos alunos as variações de
entradas e saídas de informações ao computador.
Em todas as simulações realizadas com computador as variáveis de
entrada e saída são fornecidas à medida que se desenvolvem as consequências
lógicas das variações de entrada tal como previamente determinado pelo modelo
programado.
De acordo com Crano e Brewer a simulação com computador é mais
apropriada para as teorias que são suficientemente complexas para permitir a
descoberta das consequências não antecipadas e contudo, suficientemente
precisas para proporcionar as relações funcionais específicas entre as variáveis
relevantes.
Este método de ensino, de acordo com Abelson requer uma equiparação
consideravelmente maior dos procedimentos de intercâmbio formal de
informação específica e da documentação escrita por extenso sobre os
programas disponíveis.

8 OS DESAFIOS NA FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS PARA O ENSINO


UNIVERSITÁRIO

Fonte: www.aimportanciadoensinosuperior.blogspot.com.br

Ao longo desse estudo, já salientamos a necessidade de o professor do


ensino superior investir em seu aprimoramento profissional através da

35
participação em cursos em nível de pós-graduação, prioritariamente em
programas de mestrado e doutorado, participação em cursos de formação
pedagógica, que discuta os métodos de ensino, favoreça a incorporação de
conceitos acerca do papel do professor em relação ao aluno, à instituição de
ensino e à própria sociedade. Faz-se necessário a participação em congressos,
seminários, colóquios, que discutam a problemática do ensino e sua prática,
assim os docentes poderão estar aptos a estimular a criação cultural, o
desenvolvimento do espírito científico e do pensamento reflexivo, que são bases
para o processo de construção do conhecimento.
Nesse sentido, o profissional do ensino superior necessita lançar mão dos
saberes didáticos para compreender as demandas que a atividade de ensino
produz, com base nas teorias, discussões acumuladas sobre essa questão.
Esses saberes são negligenciados, pois durante muito tempo a formação
específica — conhecimentos pedagógicos — para docência era compreendida
como desnecessária. Essa atitude decorre principalmente de duas posturas: a
ideia de que a docência é um dom e a de que quem sabe fazer, sabe ensinar.
Os saberes didáticos são essenciais para o ensino nas diversas áreas de
conhecimento, já que articulam teoria da educação e teoria de ensino com outros
saberes. São as ações da prática que direcionará a forma dos saberes. Assim a
ausência do conhecimento desses saberes por parte do professor compromete
a aprendizagem. Para Santos (apud PASSOS, 2009, p.43) o desconhecimento
das práticas de ensino e dos procedimentos didáticos transforma o professor em:
[...] um “palanqueiro” e retórico, com discursos muitas vezes vazios,
abusando dos recursos audiovisuais e da moderna tecnologia, tentando cumprir
seu papel de transmissor de informações, que dificilmente se transformarão em
conhecimento. Não é incomum nesse tipo de aula, o aluno aproveitar a
penumbra da sala de aula para um cochilo ou para um devaneio, não vendo a
hora de a sessão de “tortura” terminar e ele ir para casa ou ao encontro da
“turma” no barzinho de costume. A ausência de valorização do conhecimento
pedagógico dificulta e limita a ação do professor universitário. O
desconhecimento, ou o conhecimento superficial da arte de ensinar numa
abordagem político-ideológica, que evidencie a relação entre conhecimento,
poder e formação das sociedades; ética, que destaque a relação entre
conhecimento e formação humana, direitos, igualdade, cidadania;

36
psicopedagógico e estética, que contribui para que o professor veja o processo
de ensino de forma naturalizada, sem perceber que está atuando em um campo
minado de ideologias e valores.
Segundo Fonseca (2007, p.48), nós, professores, ao atuarmos em
diferentes espaços educativos, temos a possibilidade de desconstruirmos
discursos antidemocráticos, monoculturais, preconceituosos e difusores de
estereótipos. Para tanto, essa condição só será possível se, no decorrer de sua
formação, o docente tiver desenvolvido competências e habilidades que o
qualifique para exercer essa condição de um professor transformador.
O professor Masetto (2008), um dos principais autores brasileiros que
analisam e desenvolvem propostas de aprimoramento para a formação de
profissionais para o ensino universitário, define a docência no ensino superior
como domínio de conhecimentos específicos em uma determinada área a serem
mediados por um professor para os seus alunos. Afirma que o (a) professor (a)
universitário (a) é um (a) profissional da educação na atividade docente, e como
tal não pode minimizar o valor e a necessidade de uma sólida formação
pedagógica. Postula também que, no contexto de aprendizagem, o foco está no
aluno, e não no professor, e várias das demandas advindas desta centralidade
não são aprendidas no exercício profissional, salvo aquele dos que já são
profissionais da educação.
Logo, para Masetto (apud Costa 2008), os aspectos que devem
contemplar o perfil do docente universitário são:
Preparação pedagógica: A ênfase aqui recai sobre a carência dos
professores quando se fala de profissionalismo na docência. Essa carência se
dá principalmente pela a ausência de domínio na área pedagógica. Salienta a
precariedade da formação do professor universitário em virtude da falta de
formação adequada; da participação de programas de aperfeiçoamento. É
comum o professor universitário dominar conhecimentos de sua área, ser
atualizado, mas em contrapartida não consegue ensinar com destreza, e ainda
tem dificuldades para definir métodos e técnicas de avaliação de aprendizagem.
Demonstra ainda que a falta de preparação pedagógica dos docentes é
consequência da desvalorização da profissão no âmbito da própria universidade,
que não incentiva, tampouco valoriza a formação continuada do professor.

37
A despeito dessas limitações, o professor universitário deve apropria-se
de três requisitos básicos para exercer seu ofício: a) requisitos legais; b)
requisitos pessoais - qualificação básica de pós-graduação comprovada; c)
requisitos técnicos – conhecer em profundidade a disciplina que irá lecionar; ser
capaz de fazer inter-relações entre os conhecimentos de sua disciplina com os
aspectos sociais, culturais, econômicos, políticos da sociedade; conhecer e ter
habilidades técnicas, que o permita a compreender o funcionamento do Ensino
Superior desde o planejamento até as técnicas de avaliação.
Professor como conceptor e gestor de currículo: O currículo constitui um
primeiro nível de planejamento da atividade educativa, na medida em que nele
se estabelecem objetivos gerais e seus desdobramentos em objetivos
específicos. A questão central que serve de pano de fundo para o Currículo
escolar é a de saber qual conhecimento devem ser ensinados em uma sala de
aula. O que o aluno deve saber? Qual conhecimento ou saber é considerado
importante ou válido ou essencial para merecer ser considerado parte do
currículo? Diz Apple (apud Fonseca 2007, p.51):
Trata-se, pois, de uma “ferramenta” que pode ser utilizada tanto para a
promoção de uma educação libertadora, transformadora quanto para a
manutenção do status quo. E o professor não pode perder de vista sua
autonomia, sua capacidade de conceber o currículo para promover o
aprofundamento no campo da ciência da pesquisa, relacionando a práxis
curricular a interdisciplinaridade, o pensamento crítico priorizando o ensino e a
pesquisa.
Relação professor-aluno e aluno-aluno no processo de aprendizagem: no
processo de aprendizagem o papel do professor é, especialmente, o de
mediador, assumindo, em todas as situações, uma postura crítica diante do
saber e da sociedade. Para Tardif e Lessard (apud Costa 2008), ser docente no
cotidiano nada mais é “[...] do que um conjunto de interações personalizadas
com os alunos, a fim de obter participação deles em seu próprio processo de
formação e atender às diferentes necessidades”. Não há como trabalhar as
interações humanas sem perceber que o trabalho em equipe tem como
gratificação a cooperação recíproca.
Atualmente, trabalhar em equipe tornou-se uma necessidade
estabelecida pelo ofício de ser professor. Requer, contudo, competências e a

38
convicção de que a cooperação é um valor profissional. O desenvolvimento de
projetos interdisciplinares de pesquisa evidencia que o trabalho docente e os
procedimentos didáticos não se limitam à sala de aula, superando a visão de um
conhecimento estático, pronto e acabado. Ser educador:

[...] não é ser um indivíduo enclausurado dentro de suas


próprias ideias e verdades adquiridas no decorrer dos anos de
profissão, ao contrário, é estar aberto para o novo, “[...] é se colocar
em jogo como integrante nas interações com os estudantes.” (TARDIF;
LESSARD 2005, p. 268). É se conscientizar de que não há educação
sem a interação com o outro e que não se deve trabalhar sobre o aluno,
depositando-lhe conhecimentos, ao contrário, deve trabalhar com e
para os alunos, buscar sempre estar em harmonia com a dimensão
ética. (COSTA, 2008, p.50).

Domínio da tecnologia educacional: a aula deve ser um momento de troca


de experiências, de diálogo, de produção significativa de conhecimento. Para
tanto, os usos de várias técnicas podem dinamizar as aulas e torná-las mais
“viva”, transformando-as em espaço privilegiado de aprendizagem. Assim, o
professor não deve abrir mão do auxílio das tecnologias industriais, que estão
relacionadas com a informática, a telemática, o computador, a internet, os
aparelhos de Datashow e de retroprojetor, o e-mail e as interações humanas por
meio de dinâmicas de grupo. A despeito dos benefícios do uso dessas
tecnologias para o desenvolvimento e dinâmica das aulas, é preciso estar atento
para os possíveis riscos, ciladas, vantagens e desvantagens. Por isso é
importante que o professor busque aprender através de cursos a lidar com essas
ferramentas.
Entretanto, ainda existem professores que se recusam a fazer uso da
tecnologia em suas aulas, limitando ao velho quadro e giz, seja pelo fato de não
ter habilidade para lidar com essas ferramentas, seja pelo fato de
deliberadamente se manter fiel às velhas formas de ensinar.
Segundo Masetto (apud Costa 2008), “[...] ter domínio sobre a tecnologia
educacional é percebê-la como um meio para que as aulas possam acontecer
de maneira dinâmica, isto não significa permitir que se façam melhor as coisas
velhas, ao contrário do que se pensa, ela forçará aos docentes a fazer melhor
as coisas novas”.

39
Outra questão que é primordial e que o professor deve ficar atento é a
renovação nas propostas metodológicas. O uso de diferentes linguagens no
ensino para qualquer área do conhecimento amplia o olhar do docente, favorece
o diálogo e o enriquecimento do conteúdo dado, tornando o processo de
produção e transmissão de conhecimentos interdisciplinar, dinâmico e flexível.
Entre as diferentes linguagens podemos citar: filmes e programas de TV, o uso
de imagens, artigos de jornais, obras de ficção dentre outros. Entretanto, essa
renovação metodológica requer de nós, professores, um aprofundamento de
nossos conhecimentos acerca dos limites e possibilidades na incorporação
dessas diferentes fontes de ensino, bem como permanente atualização,
constante investigação. Segundo Fonseca (2005, p.164):

O professor não é mais aquele que apresenta um monólogo


para alunos ordeiros e passivos que, por sua vez, “decoram” o
conteúdo. Ele tem o privilégio de mediar às relações entre os sujeitos,
o mundo e suas representações, e o conhecimento, pois as diversas
linguagens expressam relações sociais, relações de trabalho e poder,
identidades sociais, culturais, étnicas, religiosas, universos mentais
constitutivos da memória social e coletiva.

Nesse sentido, deixo como “provocação” a necessidade de firmamos um


compromisso com a qualidade de nosso ensino, com o investimento em nossa
carreira docente. Fazermos um propósito de darmos o melhor em nossa sala de
aula estimulando a pesquisa, incentivando e contribuindo com o
desenvolvimento intelectual de nossos alunos. Adotarmos continuamente uma
reflexão crítica sobre a nossa prática. Parafraseando Paulo Freire (2010), que
nosso preparo científico coincida com a nossa retidão ética, respeito aos outros,
coerência, capacidade de viver e aprender com o diferente.

40
9 PLANEJAMENTO DE ENSINO

9.1 Peculiaridades Significativas

Planejar e pensar andam juntos. Ao começar o dia, o homem pensa e


distribui suas atividades no tempo: o que irá fazer? Como fazer? Para que fazer?
Com o que fazer? Etc. Nas mais simples e corriqueiras ações humanas, quando
o homem pensa de forma a atender suas metas e seus objetivos, ele está
planejando, sem necessariamente criar um instrumental técnico que norteie suas
ações. Essas observações iniciais estão sendo expressas, apenas para chamar
atenção sobre o aspecto cotidiano da ação de planejar e como o planejamento
faz parte da vida.

Fonte: www.educador.brasilescola.uol.com.br
Aquele que não mais planeja, talvez já tenha robotizado suas ações,
portanto, quem sabe, não tem a consciência do que está fazendo, nem se ainda
pode construir alguma coisa. Alguns até dizem: “Nem preciso mais pensar, vou
fazendo o que me mandam fazer... Eu não necessito planejar, já vou fazendo,
porque sei onde vai dar...”. E assim por diante.
Nessa circunstância, parece estar presente a alienação do homem como
sujeito, na medida em que assume a atitude de dominado, fazedor dócil e outras
tantas denominações que podem ser impressas no sujeito, quando este se torna
objeto nas mãos de outrem. Todavia, o objetivo deste estudo não é discutir tais

41
questões, muito embora elas estejam presentes nas atividades habituais do
homem.

Fonte: www.iptsp.ufg.br

O planejamento é um processo que exige organização, sistematização,


previsão, decisão e outros aspectos na pretensão de garantir a eficiência e
eficácia de uma ação, quer seja em um nível micro, quer seja no nível macro. O
processo de planejamento está inserido em vários setores da vida social:
planejamento urbano, planejamento econômico, planejamento habitacional,
planejamento familiar, entre outros.
Do ponto de vista educacional, o planejamento é um ato político-
pedagógico porque revela intenções e a intencionalidade, expõe o que se deseja
realizar e o que se pretende atingir. Mas o que significa planejamento do ensino
e suas finalidades pedagógicas? O que é o planejamento docente? O plano de
aula? O projeto de disciplina? A programação semestral? O projeto pedagógico?
Esses conceitos, atualmente, foram redefinidos, não só por conta da Lei de
Diretrizes e Bases da Educação Nacional, mas também como resultante do novo
modelo de sociedade, onde alguns denominam de sociedade aprendente,
outros, sociedade do conhecimento.
O que é importante, do ponto de vista do ensino, é deixar claro que o
professor necessita planejar, refletir sobre sua ação, pensar sobre o que faz,
antes, durante e depois. O ensino superior tem características muito próprias
porque objetiva a formação do cidadão, do profissional, do sujeito enquanto

42
pessoa, enfim de uma formação que o habilite ao trabalho e à vida. Voltemos à
questão inicial. O que significa o planejamento de ensino? Por que o professor
deve planejar? Quais os procedimentos, os instrumentos, as técnicas, os
métodos, os recursos e as finalidades pedagógicas do planejamento de ensino?
Um ato político pedagógico? Uma carta de intenção? Uma reflexão sobre o saber
fazer docente?
Antes de desenvolver algumas dessas questões, é imprescindível afirmar
que existem diferentes abordagens sobre o assunto. Tais abordagens se
diferenciam pela forma como tratam à temática, todavia se afinam quantos aos
seus elementos constitutivos. Assim considerado, arrisca-se afirmar que o
planejamento do ensino significa, sobretudo, pensar a ação docente refletindo
sobre os objetivos, os conteúdos, os procedimentos metodológicos, a avaliação
do aluno e do professor. O que diferencia é o tratamento que cada abordagem
explica o processo a partir de vários fatores: o político, o técnico, o social, o
cultural e o educacional.
É essencial enfatizar que o planejamento de ensino implica,
especialmente, em uma ação refletida: o professor elaborando uma reflexão
permanente de sua prática educativa.
Assim o planejamento de ensino tem características que lhes são
próprias, isto, particularmente, porque lida com os sujeitos aprendentes, portanto
sujeitos em processo de formação humana. Para tal empreendimento, o
professor realiza passos que se complementam e se interpenetram na ação
didático pedagógica. Decidir, prever, selecionar, escolher, organizar, refazer,
redimensionar, refletir sobre o processo antes, durante e depois da ação
concluída. O pensar, em longo prazo, está presente na ação do professor
reflexivo. Planejar, então, é a previsão sobre o que irá acontecer, é um processo
de reflexão sobre a prática docente, sobre seus objetivos, sobre o que está
acontecendo, sobre o que aconteceu. Por fim, planejar requer uma atitude
científica do fazer didático-pedagógico.
Mas como planejar? Quais as ações presentes e como proceder do ponto
de vista operacional, uma vez que é entendido que o planejamento é um
processo, um ato político pedagógico e, por conseguinte não tem neutralidade
porque sua intencionalidade se revela nas ações de ensino. O que se pretende

43
desenvolver? O cidadão que se deseja formar? A sociedade que se pretende
ajudar a construir?
Em primeiro lugar, as fases, os passos, as etapas, as escolhas, implicam
em situações diversificadas, que estão presentes durante o acontecer em sala
de aula, num processo de idas e vindas. Contudo, para efeito de entendimento,
indica-se a realização de um diagnóstico aqui compreendido como uma situação
de análise; de reflexão sobre o circunstante, o local, o global.
Nesse contexto didático-pedagógico: averiguar a quantidade de alunos,
os novos desafios impostos pela sociedade, às condições físicas da instituição,
os recursos disponíveis, nível, as possíveis estratégias de inovação, as
expectativas do aluno, o nível intelectual, as condições socioeconômicas (retrato
sociocultural do aluno), a cultura institucional a filosofia da universidade e/ou da
instituição de ensino superior, enfim, as condições objetivas e subjetivas em que
o processo de ensino irá acontecer.
Tal atitude do docente, o encaminhará para uma reflexão de sua ação
educativa naquela instituição e a partir desse diagnóstico inicial, relacionando
com o projeto da universidade, poderá desenvolver uma prática formativa.
De posse do Projeto de Ensino oficial, o docente irá elaborar sua
programação, adaptando-a as suas escolhas, inclusive, inserindo a pesquisa nos
exercícios didáticos. Caso a instituição de ensino superior não apresente o
projeto da disciplina, o professor deverá elaborar observando os seguintes
componentes:
a- Ementa da Disciplina: Ementa É Um Resumo Dos Conteúdos
Que Irão Ser Trabalhados No Projeto.
b- Objetivos de Ensino: Elaborá-los na perspectiva da formação de
habilidades a serem desenvolvidas pelos alunos: habilidades cognitivas, sociais,
atitudinais etc. Há níveis diferenciados de objetivos: objetivo geral, alcançável
em longo prazo; objetivo específico, o qual expressa uma habilidade específica
a ser pretendida. Este deve explicitar de forma clara a intenção proposta. Os
objetivos variam quanto ao nível, conforme o projeto. Por exemplo; no Projeto da
disciplina: objetivo geral e objetivos específicos para cada unidade do Projeto;
no plano de aula pode comportar mais de um objetivo específico, dependendo
do número de sessões (exemplo: 02 sessões no período da noite, horários A e
B). É importante frisar que irá depender da estrutura pedagógica da instituição,

44
a forma de elaborar projetos e planos. Há bastante flexibilidade, contanto que no
projeto de ensino ou plano de aula, estejam presentes os seus elementos
constitutivos. Portanto, não existem modelos fixos.
Destaca-se ainda, que os objetivos, de uma maneira geral, para deixar
clara as ações pretendidas devem iniciar com o verbo no infinitivo, porque irá
indicar a habilidade desejada.
Caso o professor desejar indicar outra habilidade no mesmo objetivo,
deve usar o outro verbo no gerúndio. Exemplo: Avaliar as condições
socioeconômicas do Nordeste, indicando os fatores determinantes da região.
A formulação de objetivos está diretamente relacionada à seleção de
conteúdo.
c- Conteúdos: (saber sistematizado, hábitos, atitudes, valores e
convicções). Quais são os conteúdos de ensino? Quais os saberes
fundamentais? O professor deverá, na seleção dos conteúdos, considerar
critérios como: validade, relevância, gradualidade, acessibilidade,
interdisciplinaridade, articulação com outras áreas, cientificidade, adequação.
Além do conhecimento da ciência, o professor, por exercer uma função
formadora, deve inserir outros conteúdos: socialização, valores, solidariedade,
respeito, ética, política, cooperação, cidadania, etc.
d- Metodologia (procedimentos metodológicos): Metodologia é o
estudo dos métodos. Metodologia de ensino significa o conjunto de métodos
aplicados à situação didática pedagógica.
Método de ensino é o caminho escolhido pelo professor para organizar as
situações ensino-aprendizagem. A técnica é a operacionalização do método. No
planejamento, ao elaborar o projeto de ensino, o professor antevê quais os
métodos e as técnicas que poderá desenvolver com seu aluno em sala de aula
na perspectiva de promover a aprendizagem. E, juntamente com os alunos, irão
avaliando quais são os mais adequados aos diferentes saberes, ao perfil do
grupo, aos objetivos e aos alunos como sujeitos individuais. Nesse processo
participativo, o professor deixa claro suas possibilidades didáticas e o que ele
pensa e o que espera do aluno como sujeito aprendente, suas possibilidades,
sua capacidade para aprender, sua individualidade.
Quando o professor exacerba um método ou uma técnica, poderá estar
privilegiando alguns alunos e excluindo outros, e, mais ainda, deixando de

45
realizar singulares experiências didáticas que o ajudariam aperfeiçoar sua
prática docente e possibilitar ao aluno variadas formas de aprender. Ainda
arriscar a trabalhar o saber de diferentes formas, percorrendo criativos trajetos
em sala de aula.
O medo de mudar, às vezes, impede o professor de arriscar novos
caminhos pedagógicos. Daí o significado didático-pedagógico na formação do
professor. Os paradigmas das experiências anteriores podem ser as referências
de muitos professores. Assim posto, é válido para o docente buscar novas
técnicas, desbravar novos caminhos, numa investida esperançosa de quem
deseja fazer o melhor, do ponto de vista metodológico e didático. Tal atitude
implica em estudar sobre a natureza didática de sua prática educativa.
Donald Schon tem sido uma referência teórico-metodológica dos
profissionais que atuam de formação de professores por afirmar que os bons
profissionais utilizam um conjunto de processos que não dependem da lógica,
da racionalidade técnica, mas sim, são manifestações de sagacidade, intuição e
sensibilidade artística. Schon orienta para que se observe estes professores
para averiguarmos como desenvolvem suas práticas, como fazem e o que
fazem, para colhermos lições para nossos programas de formação. (O saber
fazer-docente, 2002).
O professor deve refletir didaticamente sobre sua prática, pensar no
cotidiano sobre o saber-fazer em sala de aula, para não escorregar na mesmice
metodológica de utilização dos mesmos recursos e das invariáveis técnicas de
ensino. É importante que o professor estude sobre essa temática, uma vez que
há uma diversidade metodológica que pode ser trabalhada em sem sala de aula
e/ou numa situação didático-pedagógica. Exemplo: exposição com ilustração,
trabalhos em grupos, estudos dirigidos, tarefas individuais, pesquisas,
experiências de campo, sociodramas, painéis de discussão, debates, tribuna
livre, exposição com demonstração, júri simulado, aulas expositivas, seminários,
ensino individualizado.
e- Recursos de ensino: Com o avanço das novas tecnologias da
informação e comunicação-NTIC, os recursos na área do ensino se tornaram
valiosos, principalmente do ponto de vista do trabalho do professor e do aluno,
não só em sala de aula, mas como fonte de pesquisa. Ao planejar, o professor
deverá levar em conta as reais condições dos alunos, os recursos disponíveis

46
pelo aluno e na instituição de ensino, a fim de organizar situações didáticas em
que possam utilizar as novas tecnologias, como: data show, transparências
coloridas, hipertextos, bibliotecas virtuais, Internet, E-mail, sites,
teleconferências, vídeos, e outros recursos mais avançados, na medida em que
o professor for se a aperfeiçoando.
f- Avaliação: A avaliação é uma etapa presente quotidianamente em
sala de aula, exerce uma função fundamental, que é a função diagnóstica. O
professor deverá acolher as dificuldades do aluno no sentido de tentar ajudá-lo
a superá-las, a vencê-las. Evitar a função classificatória, comparando sujeitos
entre sujeitos. A avaliação deverá considerar o avanço que aquele aluno obteve
durante o curso. Há muito que estudar sobre avaliação. Uma das dicas é a de
realizar as articulações necessárias para que se possa promover testes, provas,
relatórios, e outros instrumentos a partir de uma concepção de avaliação que diz
respeito ao aluno como sujeito de sua aprendizagem, uma vez que planejar é
uma ação dinâmica, interativa, e acontece antes de se iniciar o processo de
ensino, durante e depois do processo. É uma ação reflexiva, que exige do
professor permanente investigação e atualização didático-pedagógica.

47
BIBLIOGRAFIA BÁSICA

ALARCÃO, I. Formação reflexiva dos professores, Estratégias de Supervisão,


Porto Editora.

CARVALHO, A. D. Novas metodologias em educação, Coleção Educação, São


Paulo, Porto.

CUNHA, Maria Isabel da. Inovações pedagógicas e a renovação de saberes no


ensinar e no aprender na universidade. In: VIII Congresso Luso-Afro-Brasileiro
de ciências sociais.

BIBLIOGRAFIA

ANDRÉ, Marli. O papel mediador da pesquisa no ensino da didática. In:

ANDRÉ, M.; OLIVEIRA, M. R. (Orgs.). Alternativas do ensino da didática.


Campinas/SP: Papirus, 1997. p. 19-36.

CARVALHO, A. D. Novas metodologias em educação, Coleção Educação, São


Paulo, Porto. [s.d].

CASTRO, Amélia A.: O professor e a didática, Revista Educação, Brasília, 1981.

CUNHA, Maria Isabel da. Inovações pedagógicas e a renovação de saberes no


ensinar e no aprender na universidade. In: VIII Congresso Luso-Afro-Brasileiro
de ciências sociais. Coimbra, 2004.

CUNHA, Maria Isabel: O bom professor e sua prática, Campinas, Papirus, 1989.

D’ÁVILA, Cristina. Decifra-me ou te devorarei: o que pode o professor frente ao


livro didático? Salvador: EDUNEB/EDUFBA, 2008.

DAVYDOV, Vasili. La enseñanza escolar y el desarrollo psíquico. Moscu:


Editorial Progreso, 1988.

48
DAVYDOV, Vasili. Tipos de generalización de la enseñanza. Havana: Editorial
Pueblo y educación, 1978.

FONSECA, Selva G. Ensinar História no século XXI: em busca do tempo


entendido. Campinas, Papirus, 2005.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática


educativa. 30. ed. São Paulo, 2011.

FREIRE, Paulo: Pedagogia da autofobia: saberes necessários à prática


educativa. Rio de Janeiro, 2003.

GARCIA, M. M.ª: A didática do ensino superior, Campinas, Papirus, 1994.

GENTILI, P. A. A.: Qualidade total na educação, Ed. Mundo Novo, 1995.

GHIRALDELLI JUNIOR, Paulo. História da educação brasileira. 4. ed. São


Paulo: 2011.

GODOY: A didática do ensino superior, São Paulo, Iglu, 1998.

HARGREAVES, Andy. O ensino como profissão paradoxal. Pátio, Porto Alegre,


ano IV, n. 16, fev/abr 2001.

LIBÂNEO, José C. A didática e a aprendizagem do pensar e do aprender: a teoria


histórico-cultural da atividade e a contribuição de Vasili Davydov. In: Revista
Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 27, 2004.

LIBÂNEO, José C. Didática e epistemologia: para além do embate entre a


didática e as didáticas específicas. In: VEIGA, Ilma P. A. e d’Ávila, Cristina
(orgs.). Profissão docente: novos sentidos, novas perspectivas. Campinas:
Papirus Editora, 2008).

LIBÂNEO, José Carlos: Didática, São Paulo, Cortez, 1994.

LOPES, Antônia: Repensando a Didática. Campinas, Ed. Papirus, 2.ed.


Cortez,2009.

MASETTO, Marcos Tarciso (Org.) Docência na universidade. 9. ed. Campinas:


Papirus, 2008.

49
MORIN, Edgar, A cabeça bem-feita: repensar a reforma, reformar o
pensamento / tradução. Rio de Janeiro, 2011.

MORIN, Edgar. Os sete saberes necessários à educação do futuro. São


Paulo: Cortez/Unesco, 2000.

MORRISA, W.: O ensino superior: teoria e prática, Rio de Janeiro, Zahar, 1972.

NÓVOA, Antônio (coord.). Os professores e sua formação, 2. ed., Lisboa,


Nova Enciclopédia, 2012.

OLIVEIRA, M. R. N. S. (orgs): Confluências e divergências entre didática e


currículo, Campinas/SP: Papirus, 1997.

PASSOS, Miriam Barreto de Almeida. Professores do ensino superior:


práticas e desafios, Porto Alegre: Ed. Mediação, 2009.

PERRENNOUD, Philippe. Dez competências para ensinar, Porto Alegre,


Artmédicas, 2002.

PERRENOUD, Philippe. A prática reflexiva no ofício de professor-


Profissionalização e razão pedagógica. Capítulo I - Da reflexão na essência da
ação a uma prática reflexiva; Capítulo II – Saber refletir sobre a própria prática:
Objetivo central da formação dos professores? Porto Alegre: ARTMED
EDITORA S.A. 2002.SANTANNA, I. M.: Didática: aprender a ensinar, São Paulo,
Loyola, 1989.

RUBTSOV, Vitaly. A atividade de aprendizagem e os problemas referentes


à formação do pensamento teórico dos escolares. In: GARNIER, C.,
BEDNARZ, ULANOVSKAYA (orgs.). Após Vygotsky e Piaget; perspectivas
social e construtivista, escolas russa e ocidental. Porto Alegre: Artes Médicas,
1996.

SAVIANI, D. Escola e democracia, São Paulo, Cortez, 1984.

SAVIANI. D. Tendências e correntes da educação brasileira. MENDES, D. T.


(Coord.) Filosofia da Educação Brasileira. 3 ed. Rio de Janeiro: Civilização
Brasileira, 1987.

50
SEVERINO, A. J. Interdisciplinaridade: para além da filosofia do sujeito. São
Paulo, Vozes, 2013.

VEIGA, Ilma (coord.). Planejamento do ensino numa perspectiva crítica de


educação. In: São Paulo, 2012.

VEIGA, Ilma Passos Alencastro (Org). Didática o ensino e suas relações.


Campinas, SP; 2011.

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fonte,


1984.

10 SUGESTÕES DE LEITURAS

________________. Planejamento: plano de ensino aprendizagem e projeto


educativo. São Paulo: Libertad, 1995. ZABALA. A Prática Educativa: como
ensinar. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.

AQUINO, J. G . (org) Indisciplina na escola: Alternativas teóricas e práticas. São


Paulo: Summus, 1996. CANDAU, V.M. (org.). Didática, currículos e saberes
escolares. Rio de Janeiro: DP&A, 2000.

HERNANDEZ, F. e VENTURA, M. A organização do currículo por projetos de


trabalho. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.

LIBÂNEO, J. C. Didática. São Paulo: Cortez, 1994.

VASCONCELLOS, C.S. Disciplina: construção da disciplina consciente e


interativa em sala de aula e na escola. São Paulo: Libertad, 1995.

ANASTASIOU, L. G. C.; ALVES, L. P.. Processos de ensinagem na


universidade: pressupostos para as estratégias de trabalho em aula. 3. ed.
Joinville: UNIVILLE, 2004.

Gil, A. C. Didática do Ensino superior. 1 a edição, São Paulo: Atlas, 2008.

Gil, A. C. Metodologia do Ensino superior. 3 a edição, São Paulo: Atlas, 1997.

LUCKESI, C. C.. A avaliação da aprendizagem escolar: estudos e proposições.


S. Paulo: Cortez, 1996. (Caps. II, III, VIII e IX).
51
MASETTO, M. T. Competência pedagógica do professor universitário. São
Paulo: Summus, 2003. OLIVEN, A. C. Histórico da educação superior no Brasil.
In: Soares, M. S. A. et al, 2002. A educação superior no Brasil. Porto Alegre,
2002.

PIMENTA, S. G & ANASTASIOU, L. G. C. Docência do ensino superior. 3ed.


São Paulo, editora Cortez: 2008.

SHÖN, D. A “Formar professores como profissionais reflexivos”. In NÓVOA, A.


Os professores e a sua formação. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1995, pp.
77-91.

TARDIF, M.. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis: Vozes, 2002.


WEBER, S. "Políticas do Ensino Superior - Perspectivas para a próxima década".
Avaliação, vol. 5, nº 1 (15), março 2000, pp. 15-18.

ZABALA, A. A prática educativa. Como ensinar. Porto alegre: Artes Médicas,


1998 (cap. 2).

52