Você está na página 1de 6

LEVANTAMENTOS TOPOGRÁFICOS PLANI-ALTIMÉTRICOS (MÉTODOS DE

NIVELAMENTO, EQUIPAMENTOS E ERROS), REPRESENTAÇÃO DO RELEVO E


PLANTAS PLANIALTIMÉTRICAS.

A representação do relevo de um terreno tem como função registrar e permitir visualizar a


forma da superfície terrestre, fornecendo com precisão cotas altimétricas de pontos de
interesse. Existem diferentes maneiras de representar um relevo, de acordo com a necessidade
do estudo:
 PONTOS COTADOS: Usados em projetos onde é importante o conhecimento de níveis e
declividades, tais como Implantação Viária; Implantação de edificações; Sistemas
Hidráulicos
 SEÇÕES / PERFIS: Representam cortes verticais do terreno ao longo de uma linha
determinada. Permitem a visualização das linhas do terreno, perfis de projeto, camadas
de minério, representação de lâmina d’água, áreas em cortes e aterro, e outras.
 CURVAS DE N CURVAS DE NÍVEL: São seções transversais do terreno no plano horizontal,
igualmente espaçadas e sobrepostas de forma compatível com a escala e declividade do
terreno. Usados na implantação de cortes e aterros, definição de melhor traçado de
uma via, redes de drenagem, distribuição de água.
As plantas planialtimétricas são a representação das informações planimétricas e altimétricas,
obtidas dos levantamentos já descritos anteriormente, em uma única planta, carta ou mapa.

A finalidade da planta planialtimétrica é fornecer o maior número possível de informações da


superfície representada para efeitos de estudo, planejamento e viabilização de projetos.

Como já foi visto, a planimetria permite representar os acidentes geográficos (naturais ou


artificiais) do terreno em função de suas coordenadas planas (x, y).

A altimetria, por sua vez, fornece um elemento a mais, que é a coordenada (z) de pontos isolados
do terreno (pontos cotados) ou de planos horizontais de interseção com o terreno (curvas de
nível) de forma a poder determinar a diferença de nível entre eles e, assim, definir o relevo da
crosta terrestre.

A determinação das diferenças de nível faz-se por intermédio de uma operação topográfica a
que se dá o nome de nivelamento.

A determinação das diferenças de nível pode ser feita por três métodos diferentes, dando
origem respectivamente a três tipos de nivelamento:
Geométrico: mais preciso dos métodos de nivelamento. Utiliza miras verticais graduadas e níveis
topográficos para medir o nivelamento por meio de visadas horizontais. As altitudes (cotas) são
determinadas com grande rigor;

Trigonométrico: menos preciso do que o método geométrico, é realizado com o uso de


teodolitos e estações com visadas independentes da inclinação. As cotas são obtidas por meio
da leitura de ângulos e distâncias. Apesar de menos preciso, o nivelamento trigonométrico é
mais rápido que o geométrico.

Barométrico: por último, este método se baseia na relação entre a pressão atmosférica e a
altitude. Como possui precisão menor que os outros métodos de nivelamento, ele exige que
sejam feitas correções devido à chamada Maré Barométrica.

Quanto à precisão, os métodos apresentados têm as seguintes tolerâncias:

 ¤ Nivelamento geométrico: Alta precisão - erro tolerável ≤ 1mm / Km


Ordinário - erro tolerável ≤ 1cm / Km
 ¤ Nivelamento trigonométrico - erro tolerável ≤ 1dm/Km
 ¤ Nivelamento barométrico - erro tolerável ≤ 1m/Km

ERROS EM NIVELAMENTOS ¨CAUSAS¨

 Desvio na horizontalidade do eixo da luneta do nível;


 Falta de aprumamento na verticalidade da mira;
 Erro leitura da mira taqueométrica ¨acuidade visual¨
 Refração (reverberação) e de horizontalidade do eixo da luneta, leituras muito distante
e muito próximas.
 Quando o nivelamento envolve uma poligonal fechada aberta, o nivelamento e
contranivelamento, no final, o ponto inicial terá altura A  B e B  A = 0

Ou ainda por H = Ré - Vante = 0

Na prática, devido aos erros cometidos, têm-se:

Ré n pontos  Vante n pontos assim:

Ré n pontos - Vante n pontos = F

onde, F = Erro de fechamento altimétrico


Classificação dos nivelamentos trigonométricos e geométricos
 Simples: quando se pretende a cota de um ponto B a partir da cota conhecida de um
ponto A.

 Por irradiação: transporta a cota de um ponto A para vários pontos B, C, D, ...

 Composto: transporta a cota de um ponto A através de várias estações intermédias para


obter a cota de um ponto C.

 Aberto: se for conhecida apenas a cota inicial da poligonal de nivelamento (cota A =


conhecida, cotas B e C a determinar).
 Fechado: se forem conhecidas as cotas inicial e final da poligonal de nivelamento (cotas
A e C =conhecidas, cota B a determinar).
 Fechado sobre si mesmo: se as cotas inicial e final da poligonal de nivelamento forem
conhecidas e coincidentes (cota A = conhecida, cotas B, C e D a determinar).

NIVELAMENTO GEOMÉTRICO
Este tipo de nivelamento utiliza instrumentos chamados níveis, cuja principal característica é a
de definirem com grande precisão linhas de visada horizontais. A diferença de nível entre os
pontos A e B obtém-se através da diferença das leituras feitas numa mira vertical colocada
sucessivamente nos pontos A e B, com um nível estacionado em qualquer ponto do terreno. O
desnível entre A e B será:

Sendo lA a leitura feita na mira colocada em A e lB a leitura feita na mira colocada em B.

O nivelamento geométrico simples é o que se faz apenas com uma estação para o aparelho,
enquanto que o NIVELAMENTO GEOMÉTRICO COMPOSTO é feito quando há necessidade de
mudança na posição do nível para possibilitar a leitura da mira nos vários pontos notáveis.
Assim, sempre que o nível for instalado em mais de uma estação, diz-se que o nivelamento é
geométrico composto.
 Método das visadas a igual distância
Este método consiste em estacionar o nível a igual distância dos dois pontos onde são colocadas
as miras. Se não houvesse erro de inclinação teríamos as leituras na mira lA e lB, sendo:

Existindo erro de inclinação teremos as leituras l'A e l'B, no entanto,


 Método das visadas recíprocas
Neste método fazem-se dois estacionamentos com o nível, de forma a que a distância aos
pontos A e B seja sensivelmente a mesma e nas mesmas condições. A diferença de nível correcta
é igual à média dos desníveis calculados pelo método das visadas recíprocas mesmo que o nível
esteja desrectificado.

 Métodos de compensação para o nivelamento geométrico composto:


¤ método dos mínimos quadrados (nivelamento de precisão);
¤ distribuição do erro proporcionalmente às distâncias entre pontos a
nivelar;
¤ distribuição do erro igualmente pelos desníveis correspondentes aos
pontos que transmitem a cota (niveladas atrás).
NIVELAMENTO TRIGNOMÉTRICO
Com este método podemos determinar o desnível entre dois pontos A e B do terreno,
conhecendo a distância horizontal D entre eles e o ângulo zenital z da linha de visada.

Leitura no taqueómetro
¤ Ângulo de inclinação: i = 90º - z
¤ Leitura nos fios baixo (l1) e cima (l3)
Cálculos
¤ Leitura no fio médio: l2 = (l1 + l3)/2
¤ Distância: D = D’ cos(i) = D’ sen(z) = G sen2(z)
¤ Altura trigonométrica: h = D tg(i) = D cotg(z) = G sen(z) cos(z)
¤ Desnível: ΔH =ha +h – l2
Principais Equipamentos utilizados
 Estação Total (Taqueometro): instrumento para medições topográficas, que faz
medições de ângulos verticais e horizontais e também de distâncias lineares.
 Teodolito: instrumento óptico de medida utilizado para realizar medidas de ângulos

verticais e horizontais.
 Balizas (mira): instrumento utilizado para elevar o ponto topográfico com objetivo de
torná-lo visível e necessário nas operações de nivelamento geométrico.
 Trenas: Fitas são usadas em levantamentos para medir distâncias horizontais,
verticais ou de inclinação
 Prismas: instrumento destinado a reflexão do sinal emitido por uma estação total.