Você está na página 1de 49

Sexta Feira Santa

Forma Extraordinária do Rito Romano

Ofício de Trevas
Ofício d e Treva s d a S exta F eira S an ta |3

O OFÍCIO DE TREVAS

I - O nome
O Ofício de Trevas ou as Trevas (Matutina Tenebrarum) é o
Ofício das Matinas e Laudes dos três últimos dias da Semana
Santa. O nome deriva-se:
a) Das trevas naturais de meia-noite ou ao anoitecer, horas
estas destinadas à recitação do ofício.
b) Da prisão de Jesus durante a noite. O Salvador nos diz
que esta hora era a do poder das trevas: hæc est hora vestra et
potestas tenebrarum (Lc 22, 53).
c) Das trevas litúrgicas, pois que durante o ofício se
apagam as luzes da igreja e se vão apagando todas as velas.
d) Das trevas simbólicas da paixão. Quando Jesus morreu,
trevas cobriram a terra. Este ofício, lembrando as trevas do
Calvário, representa o luto comovedor da Esposa de Cristo, da
Igreja. Por isso faltam o invitatório solene, os hinos, o Gloria
Patri; o acompanhamento musical, o Te Deum. Todas as
antífonas, os salmos, as lições tratam do divino Sofredor.
As três primeiras lições são tiradas das lamentações de
Jeremias e formulam na boca da Igreja a dor íntima sobre os
ultrajes feitos ao Filho de Deus e sobre a impenitência histórica
de Jerusalém, figura da impenitência da alma. Historicamente o
ofício divino destes três dias conservou a sua forma antiga.

II - A cerimônia e sua significação

1. Preparativos.
Do altar retiram-se as toalhas, a cruz e os castiçais. No lado
da epístola, põe-se o candelabro triangular (tenebrário, galo das
trevas) com “15 velas de cera amarela”, as velas do altar devem
ser “ex eadem cera”. No meio do coro coloca-se uma estante
nua para o livro das lamentações.

2. Descritivo Geral do Rito.


Ofício d e Treva s d a S exta F eira S an ta |4

a) Acende-se as velas do tenebrário. Revestidos de sobrepeliz,


os membros do clero entram em procissão.
b) Todas as Antífonas e os Salmos são entoados por dois
chantres: todas as vezes estes devem dirigir-se ao meio do coro,
fazer reverência ao altar, e entoarão a Antífona. Em seguida
convidarão com uma vênia o lado do Evangelho a continuar a
salmodia. Depois de fazer a reverência ao altar e saudarem-se
mutuamente, retornam aos seus lugares. No fim de cada salmo,
um acólito (sacristão) dirige-se ao santuário e apaga uma vela do
tenebrário começando pela inferior do lado do evangelho; depois
do segundo, apaga a vela inferior do lado da epístola; ao terceiro
salmo apaga a segunda vela do lado do evangelho, etc.
Depois da entoação da primeira antífona e do salmo, todos se
sentam. Permanece-se assim durante os três noturnos,
levantando-se apenas para a recitação do Pater noster que
precede as lições de cada noturno.
c) Alguns versos antes do fim do terceiro salmo, o
cerimoniário do coro (coloca a estante no lugar, e) chama o
chantre que cantará a primeira lamentação. Ele o acompanha à
estante, e permanece ao seu lado durante o canto da lição; em
seguida ele o acompanhará ao seu lugar. O cerimoniário do coro
fará assim para as nove lições (retirando a estante depois de ter
acompanhado o último chantre ao seu lugar).
O tom que se deve cantar as lições do segundo e terceiro
noturno é aquele da profecia.
d) Depois do nono responsório, permanece-se sentado para o
canto das Laudes. Ao começar o Benedictus, todos se levantam e
se benzem, porque são palavras do santo evangelho. Ao verso
“Ut sinetimore” apagam-se todas as luzes da igreja; assim, só a
vela que está no vértice do tenebrário permanece acesa. O clero
se senta enquanto se repete a Antífona do Benedictus, depois se
ajoelham para o canto do Christusfactus est, que é entoado pelo
mais digno do coro. Enquanto se repete a Antífona, o acólito
pega a vela que permanece acesa, e se coloca no lado da
Epístola, tendo a vela apoiada na borda do altar. À entoação do
Christus, ele esconde a vela atrás do altar, sem a apagar. A
conclusão da oração que segue o Christus se faz em voz baixa. O
Ofício d e Treva s d a S exta F eira S an ta |5

cerimoniário do coro bate a mão sobre o banco ou sobre o seu


livro, e o coro faz barulho da mesma maneira, até o momento em
que o acólito que tem a vela escondida a faz aparecer. Então o
barulho cessa. O acólito recoloca a vela no tenebrário, e a apaga.
Em seguida o clero se levanta, e se retira em procissão.

3. Explicação mística.
Essa cerimônia tão simples é muito rica em significação. Nós
estamos nos dias em que a glória do Filho de Deus se eclipsou
sob as ignomínias da Paixão. Ele, que era a luz do mundo, se
torna um verme e não um homem, causa de escândalo para seus
discípulos. Todos fogem d’Ele; o próprio Pedro o nega. Este
abandono, esta defecção quase geral, é figurada pela sucessiva
extinção das velas do candelabro triangular, e mesmo das do
altar.
No entanto, esta luz desprezada de Cristo, não está extinta,
embora as sombras a tenham coberto. O acólito coloca a vela
misteriosa sobre o altar, o que simboliza Cristo que sofre e
morre sobre o Calvário; em seguida, ele esconde a vela atrás do
altar, simbolizando assim a sepultura de Nosso Senhor, cuja vida
foi apagada pela morte por três dias. Neste momento então, faz-
se escutar um confuso barulho no santuário, que é deixado na
escuridão pela ausência da última vela. Este barulho, unido às
trevas, simboliza a perturbação dos inimigos e as convulsões da
natureza: no momento em que o Salvador expirou sobre a cruz, a
terra tremeu, as rochas se fenderam e os sepulcros foram abertos.
Porém, de repente, a vela reaparece, sem ter perdido nada da sua
luz; o barulho cessa, e todos rendem homenagem ao Vencedor
da morte.
A razão histórica do rito de apagar pouco a pouco as velas do
tenebrário provavelmente é a imitação do modo antigo de contar.
Apaga-se uma vela depois de cada salmo, para constar quantos
foram recitados.

4. As leituras.
a) Primeiro Noturno: Estas são tiradas, em cada um dos três
dias, do livro das Lamentações de Jeremias. Nós aí vemos o
Ofício d e Treva s d a S exta F eira S an ta |6

desolante espetáculo da Cidade Santa destruída em castigo de


sua idolatria. No entanto, este desastre, nada mais é do que a
figura de um outro muito pior. Jerusalém, tomada pelos Assírios,
ainda conserva seu nome, e o profeta diz que o cativeiro durará
setenta anos.
b) Mas, em sua segunda ruína, a cidade infiel perderá até
mesmo seu nome. Reconstruída mais tarde pelos romanos, ela
foi chamada de Ælia Capitolina. Foi só depois da paz da Igreja
que ela voltou a ser chamada Jerusalém. Além disso, nem a
piedade de Santa Helena e de Constantino, nem os esforços dos
Cruzados, conseguiram manter a liberdade de Jerusalém, de
modo que a sua sorte é ser escrava, e escrava dos infiéis, até o
fim dos tempos.
c) Foi nestes dias que Jerusalém atraiu a si tão terrível
maldição. E é para fazer-nos conhecer a grandeza de seu crime,
que a Igreja nos faz ouvir os prantos do profeta. Esta elegia é
cantada num tom cheio de melancolia, que talvez remonta à
antigüidade judaica.
d) Segundo Noturno: Durante estes três dias, a Igreja lerá
alguns trechos das EnarrationessuperPsalmos de S. Agostinho,
sobre salmos proféticos da Paixão de Jesus.
e) Terceiro Noturno: Nos três dias a Igreja nos fará ler
trechos das epístolas de S. Paulo:
- Na quinta-feira santa é a epístola aos Coríntios: depois de
ter chamado a atenção dos fiéis de Corinto em razão dos abusos
que se introduziram em suas assembléias, S. Paulo conta a
instituição da Eucaristia, que teve lugar no dia de hoje. E, depois
de mostrar quais as disposições que deve ter a alma para
aproximar-se da mesa sagrada, ele mostra o crime que comete
quem comunga indignamente.
- Na sexta-feira santa lê-se a epístola aos Hebreus: S. Paulo
nos mostra que o Filho de Deus tornou-se Pontífice e intercessor
pelos homens diante de Seu Pai, por meio da efusão do Seu
Sangue, pelo qual Ele lava nossos pecados e nos abre as portas
do céu.
- No sábado santo, a Igreja continua a ler, na epístola aos
Hebreus, a doutrina de S. Paulo sobre a virtude do Sangue
Ofício d e Treva s d a S exta F eira S an ta |7

divino. O Apóstolo explica que o testamento de Cristo em nosso


favor, só pôde consumar-se por meio da Sua morte.
Ofício d e Treva s d a S exta F eira S an ta |8

MATINAS

PRIMEIRO NOTURNO

1ª Ant. Levantaram-se os reis da terra, e congregaram-se os príncipes,


contra o Senhor e contra o Seu Cristo.

Salmo 2
É salmo messiânico por excelência. Davi quer erguer um templo ao
Senhor. Deus aceita a boa vontade de seu servo, manda-lhe, porém, dizer
pelo profeta Natan que Ele é que erguerá a casa de Davi a uma sublime
altura, porque o escolhera como Pai do Messias. Fracassarão, portanto,
todas as tramas contra a Casa de Davi. Vendo seu Esposo conduzido à
morte, a Igreja convida-nos a meditar na sua grandeza infinita e apresenta-
nos este salmo que apregoa a divindade do Messias.
Ofício d e Treva s d a S exta F eira S an ta |9

2. Ant. Repartiram entre si as Minhas vestes, lançaram sorte sobre Minha


túnica.

Salmo 21
As circunstâncias históricas deste salmo parecem ser as vexações do filho
revoltoso Absalão. Cristo sofre ainda as vexações maiores, dos filhos
ingratos. Davi fugitivo é uma comovente figura do Messias. A alma que ora,
como Davi e o Messias, nas suas humilhações e perseguições, encontra o
O f í c i o d e T r e v a s d a S e x t a F e i r a S a n t a | 10

auxílio de Deus e, além do conforto, terá o mérito do sofrimento suportado


com resignação.
O f í c i o d e T r e v a s d a S e x t a F e i r a S a n t a | 11
O f í c i o d e T r e v a s d a S e x t a F e i r a S a n t a | 12

3. Ant. Levantaram-se contra mim testemunhas falsas, mas a iniquidade


mentiu contra si própria.

Salmo 26
Neste salmo Davi descreve seus sentimentos, quando das primeiras
perseguições, antes de ser ungido rei em Hebron. Deus é a luz que o guia,
espera que passarão os dias de aflição, que ele escapará com vida e poderá
louvar o Senhor: a antífona é extraída do 3º e 4º versículos, onde se fala das
falsas testemunhas que se contradizem. O salmo exprime os sentimentos do
Salvador durante a Paixão. Compenetremo-nos também desses mesmos
sentimentos.
O f í c i o d e T r e v a s d a S e x t a F e i r a S a n t a | 13

Repete-se a antífona, depois canta-se o versículo seguinte:

V.Dividiram entre se as minhas vestes.


R.E lançaram sobre a minha túnica.

Pater Noster, secreto


O f í c i o d e T r e v a s d a S e x t a F e i r a S a n t a | 14

LIÇÕES DO PRIMEIRO NOTURNO


As três Lições do Primeiro Noturno são Lamentações, do Profeta
Jeremias, que floresceu no Reinado de Josias, 629 anos antes de Cristo.
Jeremias vaticinou e lamentou as futuras desgraças de Jerusalém, como
efeito merecido das suas contínuas prevaricações.
Na primeira e segunda ele prediz a destruição do Templo e da cidade de
Jerusalém e a dispersão da Sinagoga. Na terceira Lamentação, mudando
repentinamente de assunto e estilo, passa a falar do Messias sob o peso dos
castigos porque gravado pelos pecados da Humanidade toda.

Primeira Leitura(Lm 2,8-12)

Das lamentações do Profeta Jeremias.

T
ETH.O Senhor houve por bem destruir as muralhas da
Filha de Sião. Já esticou sua linha de pedreiro, não
desiste de demolir. TET. Iam caindo pelo chão os seus
portões, despedaçadas as trancas. Rei e autoridades estão fora,
lei já não há, nem mesmo os profetas encontram as visões do
Senhor.

J
OD. Já sem fala sentam-se na terra os anciãos de Sião,
vestindo roupas de luto, jogam pó na cabeça. Baixaram a
cabeça até o chão as jovens de Jerusalém.

C
APH. Lágrimas derretem-me os olhos, as entranhas em
alvoroço, minha bílis pelo chão se derramou com a
derrota de meu povo, ao ver crianças e bebês
desfalecendo pelas ruas da cidade.
Jerusalém, Jerusalém, converte-te ao Senhor, teu Deus.
Primeiro responsório
O f í c i o d e T r e v a s d a S e x t a F e i r a S a n t a | 15

℞. Todos os meus amigos me abandonaram e triunfaram os que me


armavam ciladas; aquele que eu amava entregou-me: * E lançando-me
olhares terríveis, cobriram-me de chagas cruéis e deram-me fel a beber.℣.
Colocaram-me entre celerados e não me pouparam a vida. * E lançando-me
olhares terríveis, cobriram-me de chagas cruéis e deram-me fel a beber.

Segunda Leitura (Lm2,12-16)

L
AMED. Perguntam às suas mães: “Onde há pão?”
enquanto, como feridos, desfalecem pelas ruas da
Cidade, exalando sua vida no regaço de sua mãe.

M
EM. A quem te comparar? Quem se te assemelha,
filha de Jerusalém? Quem te poderá salvar e consolar-
te? Virgem, filha de Sião? Grande como o mar é teu
desastre: quem te curará?

N
UN. Teus profetas viram, para ti, vazio e aparência;
não revelaram tua falta para mudar sua sorte,
serviram-te oráculos de vazio e sedução.
O f í c i o d e T r e v a s d a S e x t a F e i r a S a n t a | 16

S
AMECH. Todos os que vão pelo caminho batem suas
mãos ao ver-te, assobiam e meneiam a cabeça contra a
filha de Jerusalém: “É esta a cidade chamada a mais
bela, a alegria de toda a terra?”Jerusalém, Jerusalém, converte-te
ao Senhor, teu Deus.
Segundo responsório

℞. Rasgou-se o véu do templo. * E toda a terra tremeu. Da cruz, clamava


o ladrão, dizendo: Lembrai-Vos de mim, Senhor, quando estiverdes em vosso
reino. ℣. Fenderam-se os rochedos, abriram-se as sepulturas e os corpos dos
Santos que tinham morrido, ressuscitaram. * E toda a terra tremeu. Da cruz,
clamava o ladrão, dizendo: Lembrai-Vos de mim, Senhor, quando estiverdes
em vosso reino.
Segunda Leitura (Lm 3,1-10)

A
LEF. Eu sou o homem que conheceu a miséria sob a
vara de seu furor. ALEF. Ele me guiou e me fez andar
na treva e não na luz; ALEF. Só contra mim está
O f í c i o d e T r e v a s d a S e x t a F e i r a S a n t a | 17

volvendo e revolvendo sua mão todo o dia.

B
ET. Consumiu minha carne e minha pele, despedaçou
os meus ossos. BET. Edificou contra mim e envolveu
minha cabeça de tormento. BET. Fez-me habitar nas
trevas como os que estão mortos para sempre.

G
UIMEL. Cercou-me com um muro, não posso sair;
tornou pesadas minhas cadeias. GUIMEL. Por mais que
grite por socorro ele abafa minha oração. GUIMEL.
Murou meus caminhos com pedras lavradas, obstruiu minhas
veredas.Jerusalém, Jerusalém, converte-te ao Senhor, teu Deus.

Terceiro responsório

℞. Ó minha vinha escolhida! Eu mesmo te plantei. * Como te converteste


em amargura para me crucificares e soltares a Barrabás? ℣. Rodeei-te,
arranquei-te as pedras e edifiquei uma torre. * Como te converteste em
amargura para me crucificares e soltares a Barrabás?
O f í c i o d e T r e v a s d a S e x t a F e i r a S a n t a | 18

SEGUNDO NOTURNO

1. Ant. Os que buscavam tirar-me a minha vida, usavam de violência.

Salmo 37
É um dos salmos morais. Davi torturado pelas doenças, abandonado dos
amigos, perseguido pelos inimigos, reconhece que tinha merecido tais
provações pelos seus pecados. Aceita das mãos divinas o castigo, ora e
espera em Deus. Davi representava o Messias sofrendo pelos nossos pecados
e é também um modelo para cada um de nós. Este salmo é a consciência de
sermos pecadores, é a aceitação das penas como expiação dos nossos
pecados e uma súplica ardente e humilde.
O f í c i o d e T r e v a s d a S e x t a F e i r a S a n t a | 19

2. Ant.Sejam confundidos e envergonhadosaqueles que buscam tirar-me a


vida.
O f í c i o d e T r e v a s d a S e x t a F e i r a S a n t a | 20

Salmo 39
Saul desobedece e é rejeitado. Em seu lugar é escolhido Davi, o homem
segundo o coração de Deus. Davi protesta obediência ao Senhor. Este salmo
é essencialmente messiânico; S. Paulo o emprega quando fala de Jesus
Cristo homem que veio fazer a vontade do Pai.
O f í c i o d e T r e v a s d a S e x t a F e i r a S a n t a | 21

3. Ant. Perseguiram-me os estranhos, e os violentos procuraram tirar-me a


vida.

Salmo 53
Este belo salmo é uma comovente oração do homem que, posto entre as
mais graves provações, mas certo já da libertação, propõe render graças a
Deus. Assim também, o Messias, pela trama da Sinagoga, é traído por um
discípulo e abandonado pelos amigos.
O f í c i o d e T r e v a s d a S e x t a F e i r a S a n t a | 22

V.Acusaram-me falsamente testemunhas iníquas.


R. E a iniquidade enganou-se a si própria.

Pater noster,secreto

LIÇÕES DO SEGUNDO NOTURNO


As lições deste Noturno são um comentário de Santo Agostinho sobre o
salmo 63, onde aparece Davi satirizado e caluniado pelas línguas viperinas,
agudas como espadas querendo enterrar-se na sua honra. Mas esta era
demasiado elevada para que a pudessem atingir. Assim, também, a honra de
Cristo e a dos seus verdadeiros seguidores é imaculada. Passa, então, o
santo Doutor a falar dos mártires.
O martírio é uma glória da religião de Cristo. Como explicar a paciência
heróica dos milhões de cristãos martirizados nos mais longos sofrimentos?
São membros de Cristo e, aquela mesma força e constância que existe na
Cabeça, desce, informa, anima e conforta todos os membros. Aprendamos
onde buscar a força para os nossos sofrimentos: na meditação dos
sofrimentos do Senhor e na graça que nossas orações atrairão.
O f í c i o d e T r e v a s d a S e x t a F e i r a S a n t a | 23

Quarta Leitura
Do Tratado de Santo Agostinho, Bispo, sobre os Salmos (Sl 63, 2)

P
rotegeste-me da conspiração dos malvados, da multidão
dos malfeitores. Contemplemos nossa Cabeça. Muitos
mártires sofreram tais tormentos; mas nenhum deles tem
o brilho da Cabeça dos mártires; nela contemplamos
melhor o que eles experimentaram. Foi protegido da multidão
dos malfeitores, protegido por Deus; protegida sua carne pelo
próprio Filho e pela humanidade que possuía. De fato, ele é
Filho do homem, e Filho de Deus. Filho de Deus por causa de
sua condição divina. Filho do homem por causa da condição de
servo, tendo o poder de entregar sua vida e de retomá-la
(cfFl2,6.7; Jo 10,18). Que puderam fazer-lhe os inimigos?
Mataram o corpo, mas não mataram a alma. Atenção. Não
bastava que o Senhor exortasse os mártires com a palavra, se não
confirmasse as palavras com o exemplo.
Quarto responsório

℞. Como a um ladrão, saístes com espadas e paus para me prender. *


Todos os dias eu estava convosco no templo ensinando e não me prendestes e
agora me conduzis para me flagelar e me crucificar.℣. Como deitassem as
mãos em Jesus e O prendessem, Ele lhes disse: * Todos os dias eu estava
O f í c i o d e T r e v a s d a S e x t a F e i r a S a n t a | 24

convosco no templo ensinando e não me prendestes e agora me conduzis para


me flagelar e me crucificar.

Quinta Leitura

S
abeis que os judeus se reuniram com desígnios
malignos e qual era a multidão de obreiros da
iniquidade. Que iniquidade? A de querer matar nosso
Senhor Jesus Cristo. “Eu vos mostrei inúmeras boas obras”,
disse ele. “Por qual delas quereis lapidar-me?” (Jo 10, 32).
Sustentou todos os seus enfermos, curou todos os seus doentes,
pregou o reino dos céus, eles antes os aborrecessem e não o
médico que os curava; e eles, ingratos diante de todas essas
curas, como os frenéticos devido à febre alta, enlouquecendo
contra o médico que viera curá-los, excogitaram o plano de
matá-lo. Pareciam querer experimentar se ele era
verdadeiramente homem, com a possibilidade de morrer, ou algo
acima dos homens, que não permitisse sua morte. Conhecemos
quais as suas palavras, pelo livro da Sabedoria, de
Salomão:“Condenemo-lo a uma morte vergonhosa.
Experimentemo-lo, para apreciar a sua serenidade; se é na
verdade Filho de Deus, ele o libertará”. (Sb 2,18-20).
Quinto responsório
O f í c i o d e T r e v a s d a S e x t a F e i r a S a n t a | 25

℞. Quando os Judeus crucificaram a Jesus tudo se cobriu de trevas e perto


da hora nona, exclamou Jesus em alta voz: Meu Deus por que assim me
abandonastes? * E inclinando a cabeça, entregou o espírito. ℣. Clamando
Jesus em alta voz, disse: Pai, em vossas mãos entrego o meu espírito. * E
inclinando a cabeça, entregou o espírito.

Sexta Leitura

A
fiaram, qual espada, suas línguas. Não digam os judeus:
Não matamos o Cristo. O motivo por que o entregaram
ao juiz Pilatos foi para que eles mesmos parecessem
imunes do crime de sua morte. Pois, ao lhes dizer Pilatos:
“Tomai-o vós mesmos e matai-o”, responderam: “Não nos é
permitido condenar ninguém à morte” (Jo 18, 31). Queriam fazer
recair a iniqüidade do crime sobre o juiz, que era um homem;
mas por acaso enganavam ao juiz que é Deus? O ato de Pilatos,
O f í c i o d e T r e v a s d a S e x t a F e i r a S a n t a | 26

pelo fato mesmo, tornou-se partícipe do crime; mas em


comparação com os judeus ele é muito mais inocente. Insistiu
quanto pôde para libertá-lo de suas mãos. Foi por isso que o
apresentou depois de flagelado.Não flagelou o Senhor, para
persegui-lo, mas queria acalmar o furor dos judeus, para que ao
menos assim amansassem e desistissem de querer matar, ao vê-
lo flagelado. Assim fez ele. Mas, como eles persistissem, sabeis
que Pilatos lavou as mãos, e disse que ele não o teria feito por si,
que era inocente acerca de sua morte (cfJo 19,1-5; Mt 27,24). No
entanto, ele assim fez. Mas, se é réu quem o fez quase contra a
vontade, serão inocentes aos que o impeliram a assim agir? De
modo algum. Mas, ele proferiu a sentença contrária a Cristo,
mandou crucificá-lo e de certo modo foi ele quem matou; mas
vós, também, ó judeus, matastes. Como o matastes? Com a
espada da língua. Pois afiastes vossas línguas. E quando foi que
feristes, senão quando clamastes: “Crucifica-o, crucifica-o”? (Lc
33, 21).

Sexto responsório
O f í c i o d e T r e v a s d a S e x t a F e i r a S a n t a | 27

℞. Entreguei a minha preciosa vida às mãos dos perversos e o povo, que


era minha herança, voltou-se contra mim como um leão nas selvas. Gritavam
contra mim os meus inimigos, dizendo: Reuni-vos e correi a devorá-lo.
Puseram-me na solidão do deserto e toda a terra chorou sobre mim. * Porque
não foi encontrado quem me quisesse reconhecer e me fazer bem. ℣. Homens
sem misericórdia levantaram-se contra mim e não me pouparam a vida. *
Porque não foi encontrado quem me quisesse reconhecer e me fazer bem.

TERCEIRO NOTURNO

3. Ant. Livra-me, Senhor, dos que me atacam porque se tornaram


senhores da minha vida.
O f í c i o d e T r e v a s d a S e x t a F e i r a S a n t a | 28

Salmo 58
Em seu ódio, Saul põe cerco à casa de Davi para matá-lo. A esposa de
Davi, filha de Saul, salva-o, fazendo-o fugir. De seu esconderijo Davi
contempla os soldados de Saul que não conseguem encontrá-lo. Este salmo é
a oração da alma angustiada, mas sempre confiante em Deus.
O f í c i o d e T r e v a s d a S e x t a F e i r a S a n t a | 29

3. Ant.Afastaste de mim os meus conhecidos, fui traído e não pude


esquivar-me.

Salmo 87
Este salmo é o canto de um leproso afastado do convívio social, proibido
até de frequentar o templo de Deus; alguém, portanto, que em vida é já um
morto para os seus semelhantes. Além desse sofrimento moral, traz um corpo
em chagas, num mar de dores. É uma comovedora alusão a Cristo com o
corpo chagado da flagelação e coroação, que será colocado nas sombras do
sepulcro, mas há de ressuscitar e dar louvor a Deus.
O f í c i o d e T r e v a s d a S e x t a F e i r a S a n t a | 30
O f í c i o d e T r e v a s d a S e x t a F e i r a S a n t a | 31

3. Ant. Armarão laços à vida do justo, e condenarão o sangue inocente.

Salmo 93
Quantas vezes os maus tripudiam sobre os justos, aproveitando da
posição social que Deus lhes deu, para cometerem injustiças e maldades!
Mas Deus é o juiz justiceiro e haverá um dia das contas e um triunfo final da
justiça. O cristão é um homem da eternidade e sabe, a exemplo de Jesus,
suportar tudo, aguardando da justiça divina o prêmio da própria paciência e
a punição dos impenitentes.
O f í c i o d e T r e v a s d a S e x t a F e i r a S a n t a | 32

V. Línguas perversas falaram contra mim.


R. Rodearam-me de palavras de ódio e atacaram-me sem motivo.

Pater noster, secreto


O f í c i o d e T r e v a s d a S e x t a F e i r a S a n t a | 33

LIÇÕES DO TERCEIRO NOTURNO


As lições do Terceiro Noturno são extraídas da Epístola de São Paulo aos
Hebreus. Para aplacar as iras de Deus, provocado pelos pecados do povo, o
Sumo Sacerdote se apresentava uma vez por ano no Sancta Sanctorum.
No Novo Testamento, Jesus Cristo é o Sumo Sacerdote, o nosso Pontífice.
Hoje é o dia do grande sacrifício, o único que aprouve a Deus. Estamos pelo
sacrifício da cruz reconciliados com Deus; somos filhos de Deus a quem
recorremos como a Pai, porque somos irmãos de Cristo. São Paulo descreve
a grandeza desse nosso irmão e Pontífice e desperta-nos a confiança filial em
Deus.

Sétima Leitura
Da Epístola do Apóstolo São Paulo aos Hebreus.
(Hb4, 11-15)

E
sforcemo-nos, portanto, por entrar neste repouso, para
que ninguém repita o acima referido exemplo de
desobediência. A Palavra de Deus é viva, eficaz e mais
cortante do que qualquer espada de dois gumes. Penetra até
dividir alma e espírito, articulações e medulas. Ela julga os
pensamentos e as intenções do coração. E não há criatura que
possa ocultar-se diante dela.Tudo está nu e descoberto aos seus
olhos, e é a ela que devemos prestar contas.Temos um sumo
sacerdote eminente, que entrou no céu, Jesus, o Filho de Deus.
Por isso, permaneçamos firmes na fé que professamos. Com
efeito, temos um sumo sacerdote capaz de se compadecer de
nossas fraquezas, pois ele mesmo foi provado em tudo como
nós, com exceção do pecado.

Sétimo responsório

℞. Entregaram-me às mãos dos ímpios e lançaram-me no meio dos


iníquos, e não me pouparam a vida; os poderosos uniram-se contra mim. * E
O f í c i o d e T r e v a s d a S e x t a F e i r a S a n t a | 34

como gigantes ergueram-se contra mim. ℣. Estranhos levantaram-se contra


mim e os fortes procuraram tirar-me a vida. * E como gigantes ergueram-se
contra mim.

Oitava Leitura (Hb 4, 16; 5, 1-3)

A
proximemo-nos então, com toda a confiança, do trono da
graça, para conseguirmos misericórdia e alcançarmos a
graça de um auxílio no momento oportuno.Todo sumo-
sacerdote é tirado do meio dos homens e instituído em favor dos
homens nas coisas que se referem a Deus, para oferecer dons e
sacrifícios pelos pecados. Sabe ter compaixão dos que estão na
ignorância e no erro, porque ele mesmo está cercado de
fraqueza. Por isso, deve oferecer sacrifícios tanto pelos pecados
do povo, quanto pelos seus próprios.
Oitavo responsório
O f í c i o d e T r e v a s d a S e x t a F e i r a S a n t a | 35

℞. O ímpio entregou Jesus aos príncipes dos sacerdotes e aos anciãos do


povo judeu: * Pedro, porém, O seguia de longe para ver o fim.℣. Levaram-
No então à casa de Caifás, príncipe dos sacerdotes, onde se haviam reunido os
escribas e os fariseus. * Pedro, porém, O seguia de longe para ver o fim.

Nona Leitura (Hb5, 4-10)

N inguém deve atribuir-se esta honra, senão o que foi


chamado por Deus, como Aarão. Deste modo,
também Cristo não se atribuiu a si mesmo a honra de
ser sumo-sacerdote, mas foi aquele que lhe disse: “Tu és o meu
Filho, eu hoje te gerei”. Como diz em outra passagem: “Tu és
sacerdote para sempre, na ordem de Melquisedec”. Cristo nos
dias de sua vida terrestre, dirigiu preces e súplicas, com forte
clamor e lágrimas, àquele que era capaz de salvá-lo da morte. E
foi atendido, por causa de sua entrega a Deus. Mesmo sendo
Filho, aprendeu o que significa a obediência a Deus por aquilo
que ele sofreu. Mas, na consumação de sua vida, tornou-se causa
de salvação eterna para todos os que lhe obedecem. De fato, ele
foi por Deus proclamado sumo-sacerdote na ordem de
Melquisedec.
O f í c i o d e T r e v a s d a S e x t a F e i r a S a n t a | 36

Nono responsório

℞. Obscureceram-se meus olhos à força de chorar, porque me foi


arrebatado Aquele que me consolava. Vede, povos todos: * Se há dor
semelhante à minha dor.℣. Ó vós todos que passais pelo caminho, parai e
vede, * Se há dor semelhante à minha dor.
O f í c i o d e T r e v a s d a S e x t a F e i r a S a n t a | 37
O f í c i o d e T r e v a s d a S e x t a F e i r a S a n t a | 38

LAUDES

1. Ant.Deus não poupou seu próprio Filho, mas o entregou à morte por
amor de todos nós.

Salmo 50
Súplica penitencial, com reconhecimento do pecado e com pedido de
perdão: frente à acusação feita por Deus, só resta ao homem confessar o
próprio pecado.
O f í c i o d e T r e v a s d a S e x t a F e i r a S a n t a | 39

2. Ant.O meu espírito está angustiado; dentro de mim se turbou o meu


coração.

Salmo 142
O justo suplica a Deus, pois sabe que Ele é o defensor dos oprimidos. O
apelo é sempre à misericórdia, pois diante de Deus ninguém é inteiramente
O f í c i o d e T r e v a s d a S e x t a F e i r a S a n t a | 40

justo. “Ninguém é justificado por observar a Lei de Moisés, mas por crer em
Jesus Cristo” (Gl 2, 16).
O f í c i o d e T r e v a s d a S e x t a F e i r a S a n t a | 41

3. Ant.Um dos ladrões diz ao outro: Nós sofremos o castigo que


merecemos. Ele, porém, que mal praticou? Lembrai-Vos de mim, Senhor,
quando entrardes no vosso reino.

Salmo 84
No Salvador caído por terra, Deus abençoou a sua terra (Orígenes).
O f í c i o d e T r e v a s d a S e x t a F e i r a S a n t a | 42

4. Ant.Quando a minha alma ficar perturbada, lembrai-Vos da vossa


misericórdia, Senhor.

Cântico de Habacuc(3,2-19)
O Profeta Habacuc anuncia e descreve a aparição do Senhor para vingar
o Seu povo, oprimido pelos seus inimigos. É um cântico cheio de majestade e
poesia; é verdadeiramente belo, tudo nele respira temor, confiança e alegria.
O f í c i o d e T r e v a s d a S e x t a F e i r a S a n t a | 43
O f í c i o d e T r e v a s d a S e x t a F e i r a S a n t a | 44

5. Ant.Lembrai-vos de mim, Senhor Deus, quando chegardes ao vosso


reino.

Salmo 147
O salmista exorta o povo de Israel a louvar a Deus por ter sido
restaurada a cidade santa e publica as maravilhas de Deus. Os cristãos, à
vista das maravilhas da Redenção, tem muito mais motivos para louvar a
Deus, e devem ler ou cantar este salmo com espírito de verdadeira ação de
graças.
O f í c i o d e T r e v a s d a S e x t a F e i r a S a n t a | 45

Ant. Colocaram-Lhe sobre a cabeça a causa da sua condenação, assim


escrita: Jesus Nazareno, Rei dos Judeus.
O f í c i o d e T r e v a s d a S e x t a F e i r a S a n t a | 46

Cântico de Zacarias
(Lc1, 68-79)
O f í c i o d e T r e v a s d a S e x t a F e i r a S a n t a | 47
O f í c i o d e T r e v a s d a S e x t a F e i r a S a n t a | 48

Ant. Cristo fez-Se por nós obediente até a morte, e morte de


cruz.
O f í c i o d e T r e v a s d a S e x t a F e i r a S a n t a | 49

Terminado o Christus factus est, reza-se, em voz baixa, o Pater Noster


e depois a oração seguinte, sem Oremus, em tom ferial.

R O
éspice, quæsumus, lhai com amor, ó
Dómine, super hanc Senhor, esta vossa
famíliam tuam, † família, pela qual
pro qua Dóminus noster nosso Senhor Jesus Cristo
Jesus Christus non dubitávit não duvidou se entregou às
mánibus trad inocéntium, * mãos dos inimigos e sofreu
et crucis subíre torméntum. o suplício da cruz.
E conclui em voz baixa:
Qui tecum vívit et regnat Que convosco vive e
in unitáte Spíritus Sancti reina, na unidade do Espírito
Deus, per ómnia sæcula Santo Deus, por todos os
sæculórum. Amen. séculos dos séculos. Amém.

Então todos se levantam, e saem em silêncio.


Ofício d e Treva s d a S exta F eira S an ta |3