Você está na página 1de 11

1.

ACNE

A acne é uma doença da pele caracterizada pela inflamação do folículo


pilossebáceo. É um problema comum durante a adolescência, sendo uma manifestação
normalmente temporária dessa fase. O desenvolvimento da acne está diretamente
relacionado com o aumento dos níveis hormonais na adolescência, mas acomete
também na fase adulta e em recém-nascidos.

Estudos indicam que pelo menos 80% de toda a população terá pelo menos uma
vez durante a vida algum episódio de acne. A acne ocorre podendo ser hereditária. Em
homens, o comprometimento é mais severo quando comparado ao que ocorre em
mulheres. As lesões, em ambos os casos, ocorrem normalmente na face, no dorso e no
tórax. Apesar de não ser um problema de saúde grave, pode desencadear problemas
relacionados com a autoestima, em virtude do aspecto das lesões.

1.1 Os principais fatores que desencadeiam a acne

A acne pode ser desencadeada por diferentes fatores, tais como questões
genéticas e hormonais, uso de medicamentos e cosméticos, estresse e alguns tipos de
alimentos ricos em carboidratos de alto índice glicêmico (nível de açúcar). Vale
destacar, no entanto, que a acne não se relaciona diretamente com a alimentação, mas
o excesso de açúcar pode aumentar a produção de andrógenos.

2. TIPOS DE
ACNE

A acne manifesta-se de diferentes formas. As lesões podem ser:

 Comedões ou cravos: folículos entupidos pelo sebo. Comedões fechados


apresentam-se como pontos brancos, e os comedões abertos
apresentam-se como pontos pretos.
 Pápulas: lesões sólidas e altas.
 Pústulas: lesões com pus.
 Nódulos: lesões com inflamação e que causam cicatrizes por atingir
camadas profundas.
 Cisto: Lesões maiores que as pústulas, inflamadas e que causam dor e
cicatrizes.

2.1 Produção de sebo

As glândulas sebáceas são acionadas por hormônios andrógenos (hormônios


relacionados com características masculinos) e inicia-se a produção de sebo, que é uma
secreção rica em lipídios. A capa córnea da epiderme, quando estimulada por esse
fluxo da produção sebácea, passa a produzir maior quantidade de queratina, deixando
a pele seborreica.

2.2 Comedogênese ou hiperqueratinização folicular

Processo em que se formam as lesões chamadas de microcomedões e comedões,


popularmente denominadas de cravos. Nesse processo, ocorre a descamação de
células queratinizadas que se acumulam nos folículos, formando uma espécie de
tampão que impede o escoamento do sebo.

2.3 Colonização bacteriana

Na superfície da pele e nos ductos das glândulas sebáceas, pode ocorrer a


multiplicação de bactérias. O organismo mais comum nesse processo é
o Propionibacterium acnes que se alimenta das secreções produzidas pelas glândulas
sebáceas e que quando em contato com os poros promove a inflamação dos folículos
pilosos causando acnes.

2.4 Inflamação
A multiplicação de bactérias causa a inflamação da pele. O Propionibacterium
acnes, produz uma enzima degradante para a pele que está relacionada com o
processo de inflamação. Esta bactéria é largamente encontrada na microbiota (flora) da
pele presente na maioria das pessoas, e vivem em ácidos graxos nas glândulas
sebáceas alimentando-se do sebo secretado pelos poros.

2.5 Acne vulgar

As apresentações clínicas são diversas e sua classificação não é universal. A


descrição das lesões e sua extensão é a maneira mais útil para definir sua gravidade e
orientar seu tratamento. As lesões iniciais são caracterizadas por comedões (tampões
de queratina que se formam dentro dos óstios dos folículos e são descritos como
abertos - “pontos pretos” - e/ou fechados - “pontos brancos”) que não apresentam
inflamação. Com a progressão para a doença inflamatória, surgem pápulas, pústulas e
nódulos (lesões inflamatórias dolorosas maiores do que 5 mm). A estimativa da
gravidade depende de diversos fatores, como tipo de lesão, presença de cicatrizes,
secreção das lesões ou trajetos fistulosos.

3. GRAUS DAS ACNES

De acordo com as manifestações da acne, elas podem ser classificadas em grau I,


grau II, grau III e grau IV. Nessas últimas, as lesões são tão graves que podem
interconectar-se, formando uma espécie de túnel.

3.1 GRAU I e II
3.1.1 Acne comedoniana

Presença de comedões abertos ou fechados, em geral na face. Não apresenta


inflamações. Podendo apresentar pequenas inflamações.
3.2 GRAU III e IV
3.2.1 Acne inflamatória papulopustular e comedões

Presença de comedões, pápulas e pústulas. Geralmente acomete na face,


pescoço e ombros. Podem deixar cicatrizes e hiperpigmentação pós-inflamatório e
eritemas. Seborreia sempre presente.

3.3 GRAU IV
3.3.1 Acne conglobata

Presença de comedões, pápulas, pústulas e nódulos. O nódulo é causado pela


obstrução dos poros, aumento da produção de sebo pelas glândulas sebáceas com
presença de lesões que drenam secreção, trajetos fistulosos e proliferação de bactérias
que se alimentam do próprio sebo.
3.4 GRAU V
3.4.1 Acne fulminante

A acne fulminante é um tipo muito raro de acne muito agressivo e grave que
aparece frequentemente em adolescentes homens. É uma doença sistêmica
caracterizada por surgimento abrupto de nódulos inflamatórios e crostas hemorrágicas,
presença de febre.

4. ACNE RECEM NASCIDO

Durante os primeiros meses de vida os recém-nascidos estão expostos a


hormônios androgênicos de origem materna e, em consequência, podem surgir
hiperplasias sebáceas. São lesões foliculares, de cor amarelada e superfície lisa,
agrupadas no nariz, lábio superior e zonas malares. Estas lesões regridem
gradualmente durante as primeiras semanas de vida.

5. ACNE GENÉTICA E HORMONAL

É o processo inflamatório das glândulas sebáceas e dos folículos pilossebáceos.


Muito frequente na fase da adolescência, sem deixar de ser comum também em
adultos, principalmente em mulheres. Além do incômodo das lesões, como na
adolescência a aparência é um fator importante, o comprometimento estético
determinado por alterações da pele pode atingir o lado psicológico e tornar o
adolescente inseguro, tímido, deprimido, com rebaixamento da autoestima.

6. SINTOMAS

Hormônios sexuais, que começam a ser produzidos na puberdade, são os


principais responsáveis pelas alterações das características da pele, assim como pelo
surgimento da acne. As lesões aparecem com mais frequência na face, mas também
podem ocorrer nas costas, ombros e peito. Esses hormônios, chamados andrógenos e
estrógenos, são produzidos tanto pelos ovários (mulher) e testículos (homem) quanto
pelas glândulas suprarrenais (duas pequenas glândulas situadas sobre os rins) em
ambos os sexos. A produção dos andrógenos é maior nos homens e a dos estrógenos é
maior nas mulheres. São os andrógenos os responsáveis pelo início do funcionamento
das chamadas glândulas sebáceas. Essas glândulas estão presentes desde o
nascimento, mas são mais ativas na puberdade, época em que, em pessoas com
predisposição genética, desencadeia mudanças relacionadas ao conteúdo de gordura
(secreção sebácea) da pele e do couro cabeludo. Assim, os sintomas principais são:
comedões (cravos); pápulas (lesões sólidas arredondadas, endurecidas e eritematosas);
pústulas (lesões com pus); nódulos (lesões caracterizadas pela inflamação, que se
expandem por camadas mais profundas da pele e podem levar à destruição de tecidos,
causando cicatrizes) e cistos (maiores que as pústulas, inflamados, expandem-se por
camadas mais profundas da pele, podem ser muito dolorosos e deixar cicatrizes).
Pode ocorrer piora relacionada a situações de estresse ou no período menstrual.
Certos medicamentos como corticoides, vitaminas do complexo B, exposição exagerada
ao sol, contato com óleos, graxas ou produtos gordurosos, época do ano
(especialmente inverno) e, principalmente, o hábito de mexer nas lesões (“espremer
cravos e espinhas”) pioram o quadro. A acne não é contagiosa e não se relaciona à
“sujeira” da pele ou do sangue.

7. INFLUENCIA DAS EMOÇÕES E ALIMENTAÇÃO PARA O SURGIMENTO DE ACNES

A tendência de que o perfil alimentar e nutricional em indivíduos com acne tem


uma característica de consumo de alimentos com índice glicêmico mais alto do que o
de pessoas que não desenvolveram acne. Sendo assim, é pertinente que a abordagem
terapêutica, nesses pacientes, tenha como conduta a adequação quantitativa e
qualitativa das fontes glicêmicas e do leite na dieta.

O paciente acneico sofre com transtornos que vão além das questões estéticas,
podendo estar relacionados com fatores emocionais, uso de medicamentos, fatores
genéticos e ambientais. A conduta nutricional adequada pode influenciar na melhora
do quadro acneico. As pessoas com acne apresentam um maior nível de estresse do
que as pessoas que não a tem.

O papel do nutricionista no tratamento da acne vulgar deve ser parte integrante


de uma terapia multidisciplinar, já que as lesões provocadas pela dermatose
demandam, muitas vezes, recursos estéticos e terapias medicamentosas.

Os trabalhos já publicados ainda não elucidam totalmente os fatores alimentares


envolvidos, pois se trata de uma doença multifatorial relacionando alimentação e a
dermatose da acne.

8. ERUPÇÃO ACNEIFORME INDUZIDA POR MEDICAMENTO

Alguns medicamentos podem induzir a formação de erupções acneiformes com


presença de pápulas inflamatórias e pústulas. Geralmente essas lesões apresentam um
padrão monomórfico, sem a presença de comedões.
Erupção acneiforme

9. OS PRINCIPAIS MEDICAMENTOS ENVOLVIDOS ESTÃO APRESENTADOS NA


TABELA ABAIXO.

10. MEDICAMENTOS PARA TRATAMENTO DE ACNE

O tratamento medicamentoso inclui terapia tópica e sistêmica, orientada pelo


tipo de lesão e sua gravidade. O tratamento deve ser realizado por pelo menos dois a
três meses para avaliação da resposta.
11. TRATAMENTOS BÁSICOS PARA CONTROLE DA ACNE

11.1 ORIENTAÇÕES GERAIS

A acne tem um caráter recorrente ao longo do tempo, por isso a terapia de


manutenção e o cuidado com a pele é importante. Orientações dietéticas para reduzir
o consumo de laticínios e carboidratos apresentam benefício incerto.

As seguintes medidas devem ser orientadas para o cuidado da pele:


Lavar o rosto duas vezes por dia com sabonete neutro e água em temperatura
ambiente;

Evitar a lavagem vigorosa nas áreas com acne (aumenta o risco de dermatite
irritativa) ou a utilização de sabonetes abrasivos, produtos esfoliantes ou adstringentes.

Evitar uso excessivo de cosméticos e optar por produtos não comedogênicos


(produtos sem óleo).

Orientar uso regular de protetor solar, pois reduz a chance de hiperpigmentação


pós-inflamatória.

Não manipular as lesões com acne, pois aumenta a chance de formar cicatrizes.

Não utilizar receitas caseiras desconhecidas, exposição ao sol exagerada,


medicamentos sem indicação de um médico.
https://brasilescola.uol.com.br/saude-na-escola/acne.htm

https://pt.wikipedia.org/wiki/Propionibacterium_acnes

https://www.dermaclub.com.br/noticia/glossario-da-acne-cravos-espinhas-
comedoes-de-a-a-z-entenda-cada-problema-da-pele-acneica_a6759/1

https://www.sbd.org.br/dermatologia/pele/doencas-e-problemas/acne/23/

http://revistas.unifoa.edu.br/index.php/cadernos/article/download/422/1285

http://repositorio.chporto.pt/bitstream/10400.16/1231/1/AlteracoesCutaneas_1
8-1.pdf