Você está na página 1de 10

PSICOTERAPIA: TEORIA, PESQUISA E PRÁTICA

(PRIMAVERA, 1970)

HIPNOTERAPIA: UMA REPREVIS


por Alfred A. Barrios, PhD.

Introdução

Ao longo dos anos tem havido surtos periódicos de grande interesse na


hipnose. Muitos fenômenos extraordinários foram atribuídos aos seus
efeitos e grandes alegações feitas quanto à sua eficácia na terapia. No
entanto, apesar de tais alegações, ainda parece haver relativamente
poucos terapeutas usando a hipnose como ferramenta principal. Por
quê? É porque as críticas geralmente feitas à hipnose são
verdadeiras? Que é superestimada, na verdade limitada a uma pequena
gama de problemas, incapaz de produzir mudanças duradouras? A
remoção dos sintomas pela hipnose leva a novos sintomas? É
perigoso? Não, há muitas evidências clínicas que contradizem essas
afirmações. Tal evidência não pode mais ser ignorada. Considera-se que
a principal razão por trás da rejeição da hipnose foi que, para a maioria
das pessoas, ainda é praticamente um desconhecido. Parece ser da
natureza humana evitar ou rejeitar qualquer coisa que não pareça se
encaixar ou ser explicada racionalmente, especialmente quando parece
ser algo potencialmente poderoso. É principalmente sua natureza
desconhecida que levou a muitos equívocos em torno da hipnose e nos
impediu de fazer o melhor uso dela.

O objetivo do presente artigo é apresentar algumas das evidências


clínicas recentes que contradizem as críticas e os equívocos comuns em
torno da hipnoterapia, para fornecer uma boa indicação de como fazer o
melhor uso dessa ferramenta, e para fornecer uma explicação racional
para sua dificuldade. Acreditar nos efeitos terapêuticos.

Visão Geral da Literatura Recente

Houve 1.018 artigos 1 lidando com hipnose nos últimos três anos (1966
a 1968), aproximadamente quarenta por cento dos quais lidavam com seu
uso na terapia. No mesmo período, encontramos 899 artigos sobre terapia
psicanalítica e 355 sobre terapia comportamental.

Ao contrário da opinião popular de que a hipnose só é eficaz em certos


casos específicos de remoção de sintomas, uma ampla gama de
categorias diagnósticas foi tratada com sucesso pela hipnoterapia. Isso
inclui reação de ansiedade, neurose obsessivo-compulsiva, reações
histéricas e distúrbios sociopatas [Hussain, 1964], bem como epilepsia
[Stein, 1963], alcoolismo [Chong Tong Mun, 1966], frigidez [Richardson,
1963], gagueira e homossexualidade [Alexander, 1965], vários distúrbios
psicossomáticos, incluindo asma, abortos espontâneos, dismenorréia,
rinite alérgica, úlceras, dermatite, infertilidade e hipertensão essencial
[Chong Tong Mun, 1964, 1966]. Também nos últimos anos um número
crescente de relatórios indica que as psicoses são bastante receptivas à
hipnoterapia [Abrams, 1963, 1964; Biddle, 1967].
1De acordo com o armazenamento de informações do Sistema de Análise e
Recuperação de Literatura Médica da Biblioteca Nacional de Medicina (MEDLARS),
baseado em cerca de 2.400 periódicos. O número dado acima não inclui os artigos sobre
hipnose em odontologia (64) e anestesia (59) ou sobre sugestão (391) ou os estudos de
hipnose feitos nos países socialistas europeus (532 em duas bibliografias recentemente
divulgadas cobrindo os anos de 1945- 1965 [Hoskovec e Svorad, 1966]).

Três estudos em larga escala - resultados básicos

O estudo de Richardson (1963) tratou de setenta e seis casos de


frigidez. Ele informa que 94,7% dos pacientes melhoraram. O número
médio de sessões necessárias foi de 1,53. O critério para avaliar a melhora
foi o aumento na porcentagem de orgasmos. A porcentagem de orgasmos
subiu de uma média pré-tratamento de 24% para uma média pós-
tratamento de 84%. Follow-ups (comprimento exato não dado) mostrou
que apenas dois pacientes foram incapazes de continuar realizando clímax
nos mesmos percentuais de quando o tratamento terminou. O método de
tratamento de Richardson era uma combinação de remoção direta de
sintomas, descoberta e remoção de causas subjacentes, uma vez que ele
descobrira que a remoção direta dos sintomas sozinha nem sempre era
suficiente. Ele não relata falhas de indução hipnótica.

O estudo de Chong Tong Mun [1964, 1966] abrangeu 108 pacientes que
sofriam de asma, insônia, alcoolismo, dismenorréia, dermatite, estado de
ansiedade e impotência. A porcentagem de pacientes relatados melhorou
foi de 90%. O número médio de sessões foi cinco. Os critérios para avaliar
a melhora foram a remoção ou melhora dos sintomas. O período médio de
acompanhamento foi de nove meses. O método de tratamento de Chong
Tong Mun foi uma abordagem tripla. Com alguns pacientes, ele trabalharia
na reeducação do paciente em relação aos padrões de comportamento
imediatamente subjacentes aos sintomas. Com os outros, ele primeiro
regrediria o paciente de volta ao início original do sintoma. Uma vez
regredido, ele reeducou o paciente para o fato de que a causa original não
estava mais em operação.

O estudo de Hussain [1964] relata 105 pacientes que sofrem de


alcoolismo, promiscuidade sexual, impotência e frigidez, distúrbios de
personalidade sociopatas, reações histéricas, distúrbios comportamentais
em escolares, distúrbios da fala e várias doenças psicossomáticas
diferentes. A porcentagem de pacientes relatados melhorou foi de
95,2%. O número de sessões necessárias variou de quatro a
dezesseis. Os critérios para avaliar a melhora foram a remoção completa
ou quase completa dos sintomas. Em follow-ups variando de seis meses
a dois anos, nenhum caso de recaída ou substituição de sintomas foi
observado.

A abordagem de Hussain é ilustrada pelo caso de uma mulher de 35


anos que apresenta os seguintes sintomas: ansiedade, alcoolismo,
depressão com tendências suicidas, promiscuidade sexual, insônia e
incapacidade de tomar decisões e planos futuros.

Antes do tratamento, Hussain apontou os vários medos e atitudes


negativas que sentia estarem subjacentes aos sintomas - por exemplo, a
paciente sentindo-se mal e indesejada em relação ao seu casamento,
sentimentos de inadequação em ser mãe, medo da própria mãe, medo de
ser mãe. responsabilidade e tomada de decisões, e culpa por sua
promiscuidade sexual.

Hussain então usou uma técnica terapêutica um pouco semelhante à


técnica de dessensibilização de Wolpe (1958) para eliminar esses medos
e atitudes negativas. Por exemplo, ele faria a paciente pensar em uma
situação particular de produção de medo e a recondicionaria sugerindo
que ela se encontraria calma e relaxada na situação. Essa abordagem em
particular é usada com muita frequência agora de uma forma ou de
outra. Abrams [1963] refere-se a ela como uma técnica de "situação
artificial". Através da hipnose, o paciente é capaz de experimentar suas
novas atitudes em uma "situação artificial", uma situação
imaginada. Difere da abordagem de Wolpe em dois aspectos. Primeiro de
tudo, Wolpe não costuma usar hipnose. Em segundo lugar, de "situações
imaginárias", indo do mais fácil de lidar para o mais difícil. (Não há razão,
no entanto, para que essa abordagem hierárquica não possa ser
incorporada à hipnoterapia.)

Com o paciente acima, Hussain também usou sugestões diretas de


remoção de sintomas. Por exemplo, " aversão ao pensamento e visão do
álcool também foi construída por sugestão direta. " Este paciente recebeu
alta do hospital após doze sessões. " Nenhum sintoma relevante foi
deixado para trás e não houve recaída durante o período de
acompanhamento de seis meses. "

Método atual de uso da hipnose

Como se pode ver nos estudos acima, e isso provavelmente é uma


surpresa para a maioria dos terapeutas, o principal uso da
hipnose não é como um meio de remoção direta dos sintomas. Seu uso
principal também não é como um dispositivo de descoberta. A tendência
atual é usar a hipnose para remover atitudes negativas, medos, padrões
de comportamento desadaptativos e auto-imagens negativas subjacentes
aos sintomas. Descoberta e remoção direta de sintomas ainda são usadas
até certo ponto, mas geralmente em conjunto com essa nova função
principal.
No passado, tanta ênfase foi direcionada para os sintomas e processos
de doença que alguns de nós eram culpados de esquecer a pessoa no
corpo. Cabe a nós [hipnoterapeutas] nos concentrarmos em tratar o
paciente em particular que apresenta o sintoma em vez do sintoma
apresentado pelo paciente [Mann, 1963].

A hipnoterapia psiquiátrica, praticada hoje pelos principais profissionais


da área, tem em comum com todas as outras formas de tratamento
psiquiátrico moderno que se preocupa não só com os sintomas
apresentados, mas principalmente com o impasse dinâmico em que o
paciente se encontra e com seus sintomas. estrutura de caráter
[Alexander, 1965].

A objeção de que os resultados da remoção de sintomas raramente


serão permanentes certamente não é válida. Isso pode ter acontecido no
passado, quando a remoção direta dos sintomas sozinha era praticada e
nada era feito para fortalecer a capacidade do paciente de lidar com sua
dificuldade ou encorajá-lo a ficar de pé sozinho [Hartland, 1965].

Essa mudança está sendo enfatizada no presente artigo porque é parte


de seu propósito encaixar a hipnoterapia no "esquema das coisas". Muitos
terapeutas rejeitaram a hipnose porque sua abordagem direta de sintomas
do passado colidiu violentamente com sua abordagem dinâmica. Agora
vemos que esse choque não precisa mais existir.

A abordagem histórica e histórica da terapia

Alguns hipnoterapeutas usam, em parte, uma abordagem histórica,


voltando à infância do paciente e mudando suas atitudes em relação às
causas desses padrões [Fromm, 1965; Abrams, 1963; Chong Tong Mun,
1964, 1966]. No entanto, a maioria das hipnoterapia é a-histórica e,
parece, mais rápida. Se quiséssemos mudar a direção de um rio, seria
muito mais fácil trabalhar diretamente na corrente principal (uma vez
localizada), em vez de recuar rio acima, localizando todos os afluentes e
apontando cada um em uma nova direção.

Um comentário sobre os perigos atribuídos à hipnose

No passado, houve certos perigos atribuídos ao uso da hipnose - por


exemplo, o perigo de um surto psicótico ou a substituição de sintomas mais
prejudiciais. Segundo um número de investigadores [Kroger,
1963; Abrams, 1964], esses perigos foram grosseiramente
exagerados. No entanto, quaisquer perigos que existam foram
praticamente eliminados por essa nova abordagem. Os poucos percalços
que ocorreram no passado resultaram ou (1) do uso indevido da hipnose
como um agente revelador, ou (2) seu uso indevido como um removedor
direto de sintomas. O primeiro tipo de contratempo foi produzido por um
terapeuta que permitiria ou forçaria o paciente a tomar conhecimento de
informações reprimidas que ele não era forte o suficiente para enfrentar.
Hipnotizabilidade dos pacientes

Freud abandonou a hipnose por causa do " pequeno número de pessoas


que poderiam ser colocadas em um estado profundo de hipnose " naquele
momento e porque, na abordagem catártica, os sintomas desapareceriam
no início, mas reaparecerão mais tarde se a relação paciente-terapeuta
fosse perturbada [ Freud, 1955, p.237]. Nos estudos acima, as únicas
falhas de indução hipnótica foram relatadas por Chong Tong Mun (oito
falhas de 108 pacientes). Isso pode significar uma de duas coisas: os
procedimentos de indução hipnótica melhoraram desde o dia de Freud, ou
que a abordagem de recondicionamento usada nesses casos. os estudos
(em oposição à abordagem catártica de Freud) não exigem níveis muito
profundos de hipnose. Há evidências de que ambos os fatores estejam
envolvidos.

Embora muitos tenham pensado que a suscetibilidade hipnótica era um


traço de caráter definido, há vários estudos que agora parecem indicar que
esse não é o caso, e que a capacidade de resposta pode ser aumentada
por certas mudanças no procedimento de indução hipnótica [Pascal e
Salzberg, 1959; Sachs e Anderson, 1967; Baykushev, 1969], bem como
por meio de uma palestra pré-indução destinada a assegurar uma atitude
positiva, uma expectativa adequada e uma alta motivação para a hipnose
[Dorcus, 1963; Barber, 1969; Barrios, 1969].

No que diz respeito à profundidade da hipnose necessária para a


abordagem de recondicionamento para o trabalho, há um número de
terapeutas que sentem que apenas um leve estado de hipnose é
necessário [Van Pelt, 1958; Kline, 1958; Kroger, 1963]. Um estudo de
Barrios (1969) dá a esse argumento algum apoio; Verificou-se que um
aumento no condicionamento da resposta salivar poderia ser produzido
quase tão eficazmente pelos níveis mais leves de hipnose quanto pelos
níveis mais profundos.

O último ponto nos leva à questão de saber se a indução hipnótica é


necessária para que a abordagem de re-condicionamento funcione. A
julgar pelo trabalho de Wolpe [1958], parece que a hipnose não é um
requisito absolutamente necessário. Isso também seria apoiado pelo
trabalho de Barber [1961, 1965], que descobriu que fenômenos hipnóticos
poderiam ser produzidos sem uma prévia indução hipnótica. No entanto, a
verdadeira questão a ser respondida não é se a indução hipnótica é
absolutamente necessária, mas se ela pode facilitar ainda mais o processo
de condicionamento. O próprio Wolpe admite que a hipnose
aparentemente facilita o condicionamento:

"Pacientes que não podem relaxar não progredirão com este


método. Aqueles que não podem ou não serão hipnotizados, mas
que podem relaxar, progridem, embora aparentemente mais
lentamente do que quando a hipnose é usada ."
[Wolpe, 1958, p.141; sublinhado adicionado]
Além disso, embora o estudo de Barrios [1969] indicasse que o
condicionamento poderia ser aumentado durante níveis mais leves de
hipnose, também foi descoberto que não houve aumento no
condicionamento com aqueles indivíduos indicando nenhuma resposta à
indução hipnótica.

Como apontado na teoria [Barrios, 1969], a sugestão hipnótica e de


vigília estão no mesmo continuum e a indução hipnótica deve ser encarada
como um procedimento pelo qual podemos aumentar a probabilidade de
obter uma resposta mais positiva à sugestão. A próxima questão a ser
decidida agora não é se os procedimentos de indução hipnótica aumentam
a responsividade (isso é muito bem aceito [Barber, 1969]), mas quais
variáveis na indução hipnótica estão desempenhando os papéis principais
e o que pode ser feito para fortalecer a eficácia desses fatores.

Comparação com Psicanálise e Terapia Comportamental

Na comparação de Wolpe de suas abordagens e psicanalíticas [Wolpe,


Salter e Reyna, 1964], encontramos o seguinte: Baseado em todos os
pacientes psiconeuróticos vistos, o número de pacientes curados ou muito
melhorados pela psicanálise foi de 45% em um estudo envolvendo 534
pacientes e 31% no outro estudo envolvendo 595 pacientes (os dois únicos
estudos de grande escala na literatura sobre psicanálise). A duração
média do tratamento para os pacientes melhorados (dados apenas para o
primeiro estudo) foi de três a quatro anos em uma média de três a quatro
sessões por semana, ou uma média de aproximadamente 600 sessões
por paciente. Para a abordagem de Wolpe, descobrimos que, com base
em todos os pacientes atendidos, a taxa de recuperação foi de 65% em
seu próprio estudo envolvendo 295 pacientes (geralmente relatados como
90% de 210 pacientes) e 78% em um estudo de Lazarus envolvendo 408
pacientes. A duração do tratamento para os pacientes melhorados foi uma
média de trinta sessões no primeiro e quatorze no segundo.

Calculando a média dos números acima, descobrimos que, para a


psicanálise, podemos esperar uma taxa de recuperação de 38% após
aproximadamente 600 sessões. Para a terapia de Wolpian, podemos
esperar uma taxa de recuperação de 72% após uma média de 22 sessões
e, para a hipnoterapia, podemos esperar uma taxa de recuperação de 93%
após uma média de 6 sessões.

É interessante notar a correlação negativa entre o número de sessões e


a taxa de recuperação percentual. À primeira vista, isso parece
paradoxal. No entanto, se uma forma de terapia for realmente eficaz, não
só deve aumentar a taxa de recuperação, mas também encurtar o número
de sessões necessárias (assim como ampliar a gama de casos tratáveis).

A necessidade de uma explicação racional

Apesar de todos os relatórios encorajadores, continua havendo


considerável hesitação por parte dos psicoterapeutas em usar a
hipnose. A hipnose ainda é vista como um "desconhecido" pela maioria
dos terapeutas. Eles ainda não estão cientes de qualquer explicação
racional razoável para os fenômenos hipnóticos que os satisfariam, o que
ligaria esses fenômenos a fatos e leis observáveis. Enquanto a hipnose
continuar a exalar um ar de misticismo e charlatanismo, ela continuará
sendo rejeitada por muitos, não importa quão grandes sejam as
reivindicações em seu nome.

Uma explicação baseada nos princípios do condicionamento

O terapeuta experiente realmente não deveria ficar tão surpreso com a


eficácia da hipnose em facilitar a terapia. A indução hipnótica pode ser
encarada como uma técnica para estabelecer um relacionamento muito
forte, para estabelecer uma confiança maior, uma crença maior no
terapeuta, por meio da qual as palavras do último serão muito mais
eficazes. Como Sundberg e Tyler [1962] apontam, uma das características
comuns entre todos os métodos de psicoterapia é a tentativa de "criar
uma forte relação pessoal que possa ser usada como veículo para
mudança construtiva ... É um fato significativo que muitos teóricos
escritores, à medida que sua experiência aumenta, passam a dar muito
mais ênfase a essa variável ". [pp.293-294].

A questão ainda permanece, no entanto - qual é exatamente o processo


pelo qual "meras palavras" podem produzir grandes mudanças na
personalidade.

Como apontado na teoria da hipnose de Barrios (1969), a capacidade


das palavras para produzir mudanças de comportamento não é realmente
tão difícil de entender se estivermos familiarizados com os princípios do
condicionamento de ordem superior.

Primeiro de tudo, sabemos que as palavras podem agir como estímulos


condicionados. Pavlov reconheceu esse fato:

"Obviamente, para o homem a fala fornece estímulos


condicionados que são tão reais quanto quaisquer outros
estímulos ... A fala, por toda a vida anterior do adulto, está
conectada a todos os estímulos internos e externos que podem
atingir o córtex, sinalizando todos substituí-los e, portanto, pode
suscitar todas as reações do organismo que são normalmente
determinadas pelos próprios estímulos. "
[Pavlov, 1960, p.407]

Agora, de acordo com os princípios do condicionamento de alta ordem,


sabemos que ao emparelhar a palavra B com a palavra A devemos
transferir a resposta produzida pela palavra B para a palavra A e
consequentemente qualquer coisa que evoque a palavra A. Assim, por
exemplo, se quiséssemos condicionar uma pessoa a ser mais relaxada na
presença de pessoas, nós emparelharíamos as palavras "pessoas" (A) e
"relaxadas" (B), usando uma sentença ou sugestão como: "De agora em
diante você se sentirá mais relaxado na presença de pessoas". As
formulações teóricas do cortador sobre a sentença como um dispositivo de
condicionamento [Mowrer, 1960] tendem a apoiar essa afirmação.

É claro que sabemos que, em circunstâncias normais, as sugestões nem


sempre são aceitas (e, portanto, o condicionamento nem sempre ocorre
quando uma sugestão apropriada é dada). Por que é isso? Osgood [1963]
sustenta que uma sugestão tenderá a ser rejeitada se for incongruente
com as crenças e atitudes previamente mantidas pelo sujeito ou suas
percepções atuais. Parece que se houvesse algum meio de eliminar o
último, poderíamos ter uma sugestão mais prontamente aceita e assim
facilitar o condicionamento de ordem superior. A hipnose é um desses
meios.

Assim, chegamos à razão pela qual a hipnose é tão eficaz em facilitar a


terapia: as percepções, crenças e atitudes incongruentes são impedidas
de interferir com a sugestão (e, portanto, com o condicionamento). Como
colocado por Pavlov:

"O comando do hipnotizador, em correspondência com a lei geral,


concentra a excitação no sujeito (que está em uma condição de
inibição parcial) em alguma região estreita definida, ao mesmo
tempo intensificando (por indução negativa) a inibição da resto do
córtex e assim abolindo todos os efeitos concorrentes dos
estímulos contemporâneos [percepções atuais] e traços deixados
por outros previamente recebidos [crenças e atitudes
anteriormente mantidas]. Isso explica a grande e praticamente
intransponível influência das sugestões como um estímulo durante
a hipnose, bem como logo depois disso ".
[Pavlov, 1960, p.407; sublinhado adicionado].

Como ilustração, digamos que quiséssemos mudar a auto-imagem do


paciente de uma pessoa inadequada para uma pessoa mais
autoconfiante. Se, em circunstâncias normais, sugerimos que ele não se
sentiria mais inadequado, provavelmente realizaria pouco. Isso ocorre
porque a auto-imagem negativa do paciente, geralmente sempre presente
e bastante dominante, suprimiria rapidamente qualquer imagem positiva
sugerida, ou pelo menos impediria que ela fosse muito viva ou real. Mas,
no hipersensível estado hipnótico, as condições são diferentes. A auto-
imagem negativa do paciente é agora mais facilmente inibida e, portanto,
deve ser menos provável de interferir quando tentamos evocar a auto-
imagem positiva por sugestão. Como um resultado, o condicionamento
pode ocorrer e novas associações podem ser feitas. A pessoa pode
realmente imaginar-se sentindo-se confiante em várias situações e essas
novas associações condicionadas, por sua vez, podem levar a um novo
comportamento. Essa nova atitude pode agora tornar-se permanente por
meio do auto-reforço, assim como sua antiga atitude negativa foi mantida
permanente pelo auto-reforço. Enquanto o paciente tiver atitudes
negativas, elas são auto-reforçadoras. Eles levam a sua tensão, agindo de
forma estranha e cometendo vários erros. Além disso, é improvável que
ele acredite em elogios ou ocorrências positivas, caso eles
aconteçam. Mas se esta auto-imagem negativa foi substituída por uma
positiva, o ciclo oposto pode resultar. Sendo mais confiante e relaxado, ele
naturalmente terá mais chances de ser aceito. Além disso, ele estará mais
aberto a acreditar e aceitar elogios e resultados positivos.

REFERÊNCIAS

Abrams, S., “Hipnoterapia de curto prazo de um paciente esquizofrênico”,


American Journal Of Clinical Hypnosis , 5 (1963), 237-247.

Abrams, S., “O uso de técnicas hipnóticas com psicóticos. Uma revisão crítica ”,
American Journal of Psychotherapy , (1964), 79-94.

Alexander, L., “Experiências clínicas com hipnose em terapia psiquiátrica”,


American Journal of Clinical Hypnosis , 7 (1965), 190-206.

Alexander, L., “Efeitos condicionados de 'hipnose'”,


Sociedade Americana de Odontologia Psicossomática e Medicina , 13 (1966), 35-53.

Barber, TX, "Efeitos fisiológicos da 'hipnose'", Boletim Psicológico , 58 (1961), 390-419.

Barber, TX, "Efeitos fisiológicos da 'sugestão hipnótica'", Psychological Bulletin , 63


(1965), 201-222.

Barber, TX, “Uma formulação empírica do hipnotismo”,


American Journal Of Clinical Hypnosis , 12 (1969).

Barrios, AA, “Para entender a eficácia da hipnoterapia:


Uma abordagem combinada clínica, teórica e experimental”,
dissertação de doutorado da Universidade da Califórnia, Los Angeles , (1969).

Baykushev, SV, “Hiperventilação como uma técnica acelerada de indução hipnótica”,


International Journal of Clinical and Experimental Hypnosis.17 (1969), 20-24.

Biddle, WE, Hipnose nas psicoses , Springfield, Ill .: Charles C. Thomas, 1967.

Chong, Tong Mun, “Hipnose na prática médica geral em Singapura”,


American Journal of Clinical Hypnosis , 6 (1964), 340-344 .

Chong, Tong Mun, "Medicina psicossomática e hipnose",


American Journal of Clinical Hypnosis , 8 (1966), 173-177.

Dorcus, RM, "Falácias em previsões de suscetibilidade à hipnose com base nas


características de personalidade", American Journal of Clinical Hypnosis , 5 (1963), 163-
170.

Freud, S., Os trabalhos psicológicos completos de Sigmund Freud, Volume 18,


Londres: Hogarth Press, 1955.

Fromm, E., "Hipnoanálise: Teoria e dois trechos de casos", Psychotherapy , 2 (1965),


127-133.

Hartland, J., "O valor dos procedimentos de 'fortalecimento do ego' antes da remoção
direta do sintoma sob hipnose", American Journal of Clinical Hypnosis , 8 (1966), 89-93.

Hoskovec, J., & Svorad, D., "literatura recente sobre hipnose dos países socialistas
europeus",American Journal of Clinical Hypnosis , 8 (1966), 210-225.

Hussain, A., “Terapia comportamental usando hipnose”,


The Conditioning TherapiesNova Iorque: Holt, Rinehart & Winston, (1965), 5-20.

Jacobs, L., "Problemas emocionais e comportamentais em pediatria clínica",


Sociedade Americana de Odontologia Psicossomática e Medicina , 11 (1965), 40-56.

Kline, MV, Freud e Hypnosis , Nova York: Julian Press, 1958.

Kroger, WS, “Uma análise de objeções válidas e inválidas à hipnoterapia”


American Journal of Clinical Hypnosis , 6 (1964), 120-131.

Kroger, WS, Hipnose Clínica e Experimental , Filadélfia: Lippincott, 1963.

Mann, H., “Hipnose vem da idade”, American Journal of Clinical Hypnosis5 (1963), 159-
162.

Mowrer, OH, Teoria da Aprendizagem e o Processo Simbólico ,


Nova York: John Wiley and Sons, 1960.

Osgood, CE, “Sobre a compreensão e a criação de sentenças”,


American Psychologist , 18 (1963), 735-751.

Pascal, CR & Salzberg, MC, "Uma abordagem sistemática para induzir o comportamento
hipnótico",
Jornal Internacional de Hipnose Clínica e Experimental , 7 (1959), 161-167

, Pavlov, IP, Condicionado Reflexos , Nova York: Dover, 1960.

Richardson, TA “Hipnoterapia na frigidez”,


American Journal of Clinical Hypnosis5 (1963), 194-199.

Sachs, LD, & Anderson, WL, "Modificação da suscetibilidade hipnótica",


International Journal of Clinical and Experimental Hypnosis , 15 (1967), 172-180.

Stein, C., "A técnica do punho cerrado como um procedimento hipnótico em psicoterapia
clínica",American Journal of Clinical Hypnosis , 6 (1963), 113-119.

Sundberg, ND, & Tyler, LE, Psicologia Clínica , Nova York: Appleton -Century-Crofts,
1962.