Você está na página 1de 2

DINÂMICA:

Dica de simulação de um julgamento em sala de aula


Abaixo um texto para fundamentar a situação e as orientações do andamento da aula

Texto: O Animal

Era uma maternidade pública daquelas em que as mulheres chegam, sabe Deus como
ou de onde, sem nenhum preparo; sem pré-natal, sem condições sem dinheiro, sem
saúde, sem alento, sem perspectivas. Até os médicos e enfermeiras tornaram-se
desalentados. Afinal conviver diariamente com a miséria é suficiente para tornar a vida
amarga.

Mas, quis o destino que assim fosse: nasceram juntos, nessa mesma maternidade. Um
porque a mãe não tinha onde cair morta, o outro porque se a mãe não fosse
rapidamente socorrida cairia morta. E nasceram os dois de cesárea. E ainda assim,
nasceram saudáveis, chorando forte, corados. Foram amamentados, pesados, medidos,
esmiuçados e então devolvidos as respectivas mães. Foram amamentados, acarinhados,
embalados e depois, um ficou na própria maternidade e o outro, assim que possível,
transferido para casa de saúde particular.

Um sozinho com a mãe solteira, o outro no seio de uma família agora aliviada das
circunstâncias do nascimento em local tão impróprio.

- Um acidente - diziam todos - Um acidente - dizia também a mãe solteira com o


pequeno nos seios agarrado.

Dois dias depois, cada qual seguiu seu destino, um, a favela; o outro o apartamento de
frente para o mar. E ambos cresceram hígidos enquanto amamentados. Bonitos,
saudáveis, risonhos. Depois, um já recebia outros alimentos que até sobravam, e o outro
quando as tetas da mãe já não sustentavam, nem as sobras tinha para alimentar-se. E
enquanto na casa de um os avós o disputavam, na favela a mãe desesperada não tinha
mais com quem deixá-lo. E assim, num orfanato, acabou sendo abandonado.

Cresceram, os anos passaram, um no seio da família, o outro no meio de estranhos e a


ele ninguém se vinculava. Um superestimado, abençoado, o outro perdido,
abandonado.

Aos 6 anos, um matriculava-se no primeiro grau, o outro fugia com três pouco mais
velhos para nunca mais voltar. Assim, enquanto um fazia da escola o caminho da sua
vida, o outro fazia da vida na rua a sua escola. Um cada vez mais forte, saudável, o outro
magrelo, perebento, desdentado. Enquanto um aprendia para alargar seus horizontes, o
outro roubava estreitando cada vez mais o seu final.

Os anos passavam e enquanto um ia galgando as escolas mais diferenciadas, o outro


galgava os presídios mais apinhados. A seu modo cada qual recebia, dia a dia, mais e
mais conhecimentos. Em pouco tempo, um usava a palavra como arma, e outro usava a
arma como palavra. E, no exato dia em que se formava advogado, o outro empreendia
mais uma fuga numa rebelião de presidiários. E ambos se tornaram notórios, um como
defensor incondicional da pena de morte, o outro usando a morte como forma
incondicional de sobreviver. O inimigo público número um, o mais procurado. Um
tornou-se juiz de direito, o outro, terrível juiz das vitimas das ruas escuras e desertas.
Ambos com o destino dos outros nas mãos, um com o código de lei da sociedade, o
outro com a lei da sociedade sem código.

Até que certo dia se encontraram. Um bateu o martelo condenando, ao mesmo tempo
que lamentava não haver pena de morte para imputar a tamanho animal. O outro, o
animal, acuado, algemado, lamentando a vida que teria de novo na penitenciária.

E ninguém nunca soube que, naquela maternidade pública, trinta anos atrás, eles
haviam sido trocados.

Atividade:
O texto acima, deixa subtendido, que o rapaz denominado “animal”, recebeu do Juiz a
prisão perpétua, já que não há pena de morte. Refaremos o julgamento do réu, para
confirmar ou mudar a sentença dada:

- Defesa: Elaborar um texto de defesa para o caso e estipular uma nova pena.

- Acusação: Elaborar um texto de acusação para o caso e confirmar a pena ou estipular


outra.

- Júri: Elaborar por escrito três questões para serem feitas a defesa e três para a
acusação, com a finalidade de esclarecer os fatos e depois que todos forem ouvidos,
estipular a sentença.

Desenvolvimento:
Os grupos elaboram seus textos, depois a Acusação começa falando, o Júri faz suas
perguntas, fala a Defesa, Júri faz as perguntas, a Acusação faz sua réplica , a Defesa faz a
tréplica e logo após o Júri se reúne e decide a sentença.