Você está na página 1de 2

APRESENTAÇÃO DO SEMINÁRIO

2ª LIÇÃO DE FREUD1

Marcelo Pinheiro Martins2

Este relatório é baseado na segunda lição que foi apresentada em seminário por
colegas de sala. A segunda lição é parte do Volume XI – Sigmund Freud – Cinco Lições
de Psicanálise, Leonardo da Vinci e outros trabalhos (1910).

Inicialmente se falou sobre a hipnose e da influência de Charcot para uma


mudança de direção na abordagem de Freud em relação ao tratamento das histerias.
Entendi que Charcot foi importante para a tomada de decisão de Freud para novos ideias
relacionadas a hipnose, porém, mais tarde, chega à conclusão de que a hipnose tinha
muitas falhas e que não poderia ser usada cientificamente.

A apresentação dos colegas juntamente com as explicações da professora


Claúdia Pezzini, fez compreender que Freud neste período estava construindo teorias que
viriam a compor a psicanalise, com descobertas que surgiam mediante erros e acertos,
também durante a apresentação do seminário foram citados vários termos como repressão
(recalque), resistências e inconsciente.

Outro ponto que considerei importante foi a ideia da construção da origem da


histeria, (histeria me pareceu ser usada de forma ampla para problemas que aparentemente
tinha uma mesma origem e/ou sintomas), tendo como causa vivências da infância e nem
sempre tão distantes como a infância. Chamou a atenção de como os fatos do passado que
foram recalcados pode interferir na vida presente do indivíduo, também o fato de ser
“conduzido” a ter determinadas comportamentos e sofrimentos e não ter consciência
daquilo, também mostra que não era um processo tão simples.

Durante a apresentação foi comentado e explicado pela professora outro


processo importante que Freud identificou, este processo definido como transferência, foi
talvez um dos pontos mais importantes das descobertas da época para a psicanalise. O

1
Relatório construído a partir da apresentação do seminário - 2ª Lição de Freud.
2
Aluno do 3º Semestre de Psicologia – Matutino - FaestUniserra
não acontecimento da transferência põe todo o processo em condições de não alcançar
resultado, no que consegui entender, no processo investigativo é necessário que haja
confiança a ponto de o paciente expor suas vivências, pois partindo dessa interação
rompe-se barreiras e, portanto, a resistência aos poucos vai sendo vencida.

Também considerei esclarecedor a maneira que se alcança a “cura” ou a sua


melhora do seu estado físico e emocional. O fato daquilo que foi recalcado, seja qual for
o motivo, que de acordo com Freud, foi transferido para inconsciente e como forma de
proteção o mecanismo de defesa o mantém bloqueado causando sintomas, trazendo
sofrimento, que no caso da histeria, eram apresentados física e mentalmente, porém, se
esses fatos recalcados são transferidos do inconsciente para o consciente, permite-se o
tratamento e esta interação de identificação da causa mostrou em si já grande importância
para o tratamento (a cura pela fala).

REFERÊNCIAS

Apresentação de Seminário. 2º Lição, 3º Semestre Psicologia, Matutino. Comentários:


Professora Pezzini, Claúdia.

Freud, S. (1974). Cinco lições de psicanálise. Segunda lição. In J. Strachey (Ed. e


Trans.) & J. Salomão (Ed. e Trad.). Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas
Completas de Sigmund Freud (Vol. XI). Rio de Janeiro: Imago Editora. (Obra original
publicada 1910).