Você está na página 1de 50

MANUAL DO PROPRIETÁRIO

APARTAMENTO FINAL 4

A
apresentação 2

Prezado Amigo Proprietário

Antes de mais nada queremos agradecer sua escolha por um empreendimento


realizado pela Tecnocal, pois isso é motivo de orgulho para nós.
Este manual contém informações importantes, com objetivo de especificar a correta
utilização e manutenção do seu imóvel de acordo com os sistemas construtivos e
materiais empregados, evitar danos decorrentes do mau uso, esclarecer quanto aos
riscos de perda da garantia por falta de conservação e manutenção preventiva
adequadas.
Nos termos da NBR 5674, da Associação Brasileira de Normas Técnicas,
Manutenção de Edificações, o proprietário é responsável pela manutenção
preventiva de sua unidade e co-responsável pela realização e custeio da manutenção
preventiva das áreas comuns.
É de responsabilidade do proprietário atualizar o conteúdo do Manual do Proprietário
quando realizar modificações na edificação em relação ao originalmente construído e
documentado.
Sempre que necessário, e visando simplificar o atendimento, recomenda-se entrar
em contato com as empresas responsáveis pela execução dos serviços prestados e
as fabricantes e fornecedoras dos materiais utilizados. Elas poderão oferecer
assistência técnica correta e adequada.
Após a entrega, a empresa construtora e/ou incorporadora poderá efetuar vistorias
nas unidades autônomas selecionadas por amostragem, e nas áreas comuns, a fim de
verificar a efetiva realização destas manutenções e o uso correto do imóvel, bem
como avaliar os sistemas quanto ao desempenho dos materiais e funcionamento, de
acordo com o estabelecido no Manual do Proprietário, obrigando o proprietário e o
condomínio, em conseqüência, a permitir o acesso do Profissional em suas
dependências e nas áreas comuns, para proceder a Vistoria Técnica, sob pena de
perda de garantia.
A leitura atenta e integral desde manual é imprescindível, tanto pelo seu proprietário
como por todos os usuários do imóvel.
Mais uma vez agradecemos a confiança depositada em nossa empresa e colocamo-
nos à sua disposição sempre que julgar necessário. Esperamos que nossos esforços
tenham sido suficientes para propiciar-lhe um produto com qualidade superior.

Atenciosamente,

TECNOCAL CONSTRUTORA E INCORPORADORA LTDA.

ISO 9001
índice 3

04 INTRODUÇÃO DESENHOS TÉCNICOS


05 OPERAÇÃO DO IMÓVEL 37 ALVENARIA DE VEDAÇÃO
05 Concessionárias: Pedidos de Ligações Individuais
05 Modificações e Reformas no Imóvel 38 PLANTA DE HIDRAÚLICA
05 Decoração 39 Cozinha - Vista 01
06 Mudança e Transporte de Móveis 40 Cozinha - Vista 02
06 Meio Ambiente 41 Área de Serviço - Vista 03
06 Segurança Patrimonial 42 Área de Serviço - Vista 04
07 Prevenção e Combate a Incêndios 43 Banho Social - Vista 05
07 Situações de Emergência 44 Banho Suíte - Vista 06
45 Banho Suíte - Vista 07
09 USO E MANUTENÇÃO DO IMÓVEL
46 PLANTA DE ELÉTRICA
09 FUNDAÇÕES
47 PLANTA DE FORRO
09 SUPERESTRUTURA
48 PLANTA BAIXA - DETALHE GÁS
10 PAREDES (ALVENARIA E REVESTIMENTO)
12 INSTALAÇÕES HIDRAÚLICAS
16 INSTALAÇÕES ELÉTRICAS
19 INSTALAÇÕES COMPLEMENTARES
20 INSTALAÇÕES DE GÁS
21 IMPERMEABILIZAÇÃO
23 ESQUADRIAS DE ALUMÍNIO
25 ESQUADRIAS DE MADEIRA E FERRAGENS
26 FORRO DE GESSO
27 PINTURA
28 REVESTIMENTO CERÂMICO INTERNO
29 FACHADA
30 PIAS E BANCADAS DE GRANITO
30 PISO DE GRANILITE
31 ELEVADORES
32 TABELA DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA
33 GARANTIAS
49 FORNECEDORES - EMPRESAS E PROFISSIONAIS
introdução 4

GENERALIDADES

Todas as edificações, em certas circunstâncias, podem ter problemas causados por fatores internos, externos ou pela
natureza.
Fatores Internos: decorrem das falhas de utilização ou pelo esgotamento de sua vida útil.
Fatores Externos: decorrem de ações impostas por fatores produzidos por terceiros, não previstos quando da execução da
obra, provocados por ações voluntárias ou involuntárias.
Pela Natureza: manifesta-se em falhas decorrentes de forças não provocadas diretamente pela ação humana, previsíveis
ou não.
O desempenho de qualquer construção decai ao longo do tempo, havendo a necessidade de manutenções periódicas,
para que sejam restabelecidos os padrões desejáveis de conforto e solidez.
Por esta razão, como ocorre com qualquer outro produto, a manutenção do seu imóvel, além da qualidade dos materiais
empregados na construção, depende basicamente do uso adequado de seus equipamentos e componentes. Todos os
dados colocados neste Manual fizeram parte da construção de seu apartamento. Colocamos as principais definições
técnicas e indicamos, de acordo com os fornecedores, quais as melhores orientações para os adequados usos e
manutenções dos materiais empregados.
Por isso, é muito importante que o proprietário e os demais usuários do imóvel leiam com atenção este manual e
o conserve sempre à mão para eventual uso, quando necessário. É importante que em caso de venda ou locação,
que este manual seja entregue ao novo proprietário/usuário garantindo assim que o imóvel seja utilizado e conservado da
melhor forma possível. A negligência pode caracterizar má conservação ou uso inadequado da unidade,
isentando a Construtora e os demais fornecedores de quaisquer responsabilidades.
A vida útil dos produtos e serviços dependem da maneira como o condômino os utilizará, sendo seu dever conservar e
usar o imóvel nos termos recomendados pela Construtora e Fornecedores subcontratados, para auferir a garantia
oferecida.
É no momento da vistoria realizada para o recebimento das chaves que se iniciam as responsabilidades do
proprietário, relacionada à manutenção das condições do imóvel. O descumprimento destas responsabilidades
pode configurar negligência e acarretar a perda de suas prerrogativas de garantia, conforme tabela de garantias no
Capítulo Garantias.
Após a entrega das chaves, o Proprietário é responsável:
Ÿ Pela conservação de sua unidade, pois a vida útil está intimamente ligada a esses cuidados permanentes;
Ÿ Pela conservação, no que lhe couber, das unidades que limitam com a sua ou outras;
Ÿ Pela conservação de todas as partes das áreas comuns do Edifício;
Ÿ Pelo cumprimento da Convenção do Condomínio e dos Regulamentos Internos;
Ÿ Pela segurança patrimonial de todos;
Ÿ Pela aplicação e o fomento das regras de boa vizinhança;
Ÿ Pelo repasse deste manual ao próximo Proprietário do imóvel.

O CONDOMÍNIO
Ao receber as chaves do imóvel, o Proprietário tornou-se Condômino. O instrumento legal que regula os direitos e
obrigações dos condôminos denomina-se Convenção do condomínio.
Por ocasião da 1° Assembléia de Condomínio deverá ser aprovado o Regimento Interno, convencionado entre os
Condôminos, o qual regerá a convivência diária.
É inegável a importância da convivência harmoniosa entre os moradores do Edifício, os quais deverão permanentemente
somar esforços em busca da compreensão e colaboração efetivas.
O condomínio é composto de unidades autônomas (apartamentos), que são de uso privativo, e das áreas comuns, que são
de uso coletivo.
Fazem parte das áreas comuns: o terreno, os corredores, as escadarias, as áreas de circulação e de lazer, os jardins, a
portaria, os elevadores, os equipamentos de combate a incêndios, os reservatórios, as bombas de recalque, as prumadas
de água e esgoto, os condutores de águas pluviais, as tubulações de telefone, de antena e de energia elétrica, a fachada e
demais equipamentos de uso geral.
operação do imóvel 5

Constituem despesas de Condomínio: água e energia elétrica consumida nas áreas comuns; a remuneração dos
funcionários, bem como encargos sociais; as despesas de conservação e manutenção das áreas e equipamentos
comuns; demais despesas previstas na Convenção de Condomínio e outras que venham a ser aprovadas.
É importante a participação dos Condôminos nas assembléias, pois a omissão não desobriga a aceitação das decisões
destas, de acordo com o artigo 24, parágrafo 1° da Lei n.° 4.591.

OPERAÇÃO DO IMÓVEL

CONCESSIONÁRIAS: PEDIDOS DE LIGAÇÕES INDIVIDUAIS


Tão logo você receba as chaves de sua unidade, providencie junto às concessionárias os pedidos de ligações
individuais, conforme as orientações abaixo, pois elas demandam um certo tempo para serem executadas. O
fornecimento de água e as instalações sanitárias de esgoto, de uso coletivo do Condomínio, já se encontram em pleno
funcionamento.

Energia Elétrica: solicite a ligação à CPFL através do site www.cpfl.com.br ou diretamente na agência de
atendimento localizada na Av. Brasil, 600, sala 301, 3° andar, Boqueirão - Praia Grande/SP.

Vivo: (Telefônica) - contato 10315

Gás: o condomínio está conectado à rede externa de gás da concessionária Ultragás (Gás Natural). Para a ligação de
gás é necessário que o Condômino formalize um pedido através do telefone 40031616

MODIFICAÇÕES E REFORMAS NO IMÓVEL


Caso sejam executadas reformas no seu imóvel, tome os seguintes cuidados:
- O imóvel foi construído a partir de projetos elaborados por empresas especializadas, obedecendo à Legislação
Brasileira de Normas Técnicas. A Construtora não assume à responsabilidade sobre mudanças (reformas), e esses
procedimentos acarretam perda da garantia;
- Alterações das característica originais do imóvel podem afetar o seu desempenho estrutural, térmico, acústico, etc.,
bem como nas unidades vizinhas, demais áreas comuns e desempenho dos sistemas do edifício e, portanto, devem ser
feitas sob orientação de profissionais e empresas qualificadas para tal fim. O condomínio deve ser comunicado
antecipadamente;
- As alterações nas áreas comuns, incluindo a alteração de elementos na fachada, só podem ser feitas após
aprovação em Assembléia de Condomínio, conforme especificado na Convenção de Condomínio;
- Consulte sempre um técnico especializado para avaliar as implicações nas condições de estabilidade, segurança,
salubridade e conforto, decorrentes de modificações efetuadas.

DECORAÇÃO
- Verifique as dimensões dos ambientes e espaços no Projeto de Arquitetura, para que transtornos sejam evitados na
aquisição de mobília e/ou equipamentos. Atente também para a disposição das portas, janelas, dos pontos de elétrica e
hidraúlica;
- A colocação de redes em janelas e o fechamento das sacadas com vidro deverá respeitar o estabelecido na Convenção
do Condomínio e no Regulamento Interno do Condomínio.
- Não encoste o fundo dos armários nas paredes para evitar a umidade proveniente da condensação. É sempre
aconselhável a colocação de um isolante como, por exemplo, chapa de isopor, entre o fundo do armário e a parede;
- Nos armários e nos locais sujeitos a umidade (sob as pias) utilize sempre revestimento impermeável (tipo fórmica);
- Para fixação de acessórios (quadros, armários, cortinas, saboneteiras, papeleiras, suportes) que necessitem de
furação nas paredes de sua unidade, é importante tomar os seguintes cuidados:
Ÿ Observe se o local escolhido não é passagem de instalações hidráulicas ou elétricas, conforme detalhado nos Projetos
de Instalações constantes no Manual do Proprietário;
Ÿ Evite perfuração na parede próxima ao quadro de distribuição e nos alinhamentos verticais de interruptores e
tomadas, para evitar acidentes com a rede elétrica;
operação do imóvel 6

Ÿ Para furação em geral utilize, de preferência, furadeira e parafusos com bucha. Atente para o tipo de
revestimento, bem como sua espessura, tanto para parede quanto para teto e piso;
Ÿ Na instalação de armários sob as bancadas de lavatórios e cozinha, deve-se tomar muito cuidado para que os sifões e
ligações flexíveis não sofram impactos, pois as junções podem ser danificadas, provocando vazamentos.

MUDANÇA E TRANSPORTE DE MÓVEIS


Por ocasião da mudança para o seu imóvel é aconselhável que você faça um planejamento, tomando algumas
precauções:
Ÿ Comunique à Administradora ou Síndico a data da mudança, com antecedência;
Ÿ A mudança deverá ocorrer no horário adequado e respeitando o Regulamento Interno do Condomínio;
Ÿ Determinado o dia e horário da mudança, solicita ao zelador, caso seja necessário, que reserve espaço para o
caminhão estacionar em frente ao Edifício e deixe as equipes que trabalham no Condomínio de sobreaviso para
qualquer eventualidade.
Ÿ Para programar o transporte de seus móveis é importante observar se as dimensões dos móveis e/ou
equipamentos são compatíveis com as dimensões dos ambientes, do elevador, escadarias, rampas e dos vãos das
portas de acesso ao imóvel;
Ÿ Verifique se o elevador está protegido corretamente, ou seja, com as almofadas apropriadas. Antes de utilizá-lo
lembre-se que o elevador é um equipamento de uso comum, e caso haja algum dano, o Proprietário que estiver
utilizando será responsabilizado.

MEIO AMBIENTE
Ÿ É importante estar atento para os aspectos ambientais a promover a conscientização dos moradores e funcionários
para que colaborem em ações que tragam benefícios, tais como

Uso racional de energia:


Ÿ Verifique mensalmente as contas para analisar o consumo de água e checar o funcionamento dos medidores ou a
existência de vazamentos. Em caso de oscilações chamar a concessionária para inspeção (esta prática também pode
ser adotada para o uso de gás);
Ÿ Fique atento para o uso adequado da água, evitando o desperdício;

Uso racional de energia:


Ÿ Para evitar fuga de corrente elétrica, realize as manutenções sugeridas, tais como: rever estado de isolamento das
emendas de fios, reapertar as conexões do Quadro de Distribuição e as conexões de tomadas, interruptores e ponto
de luz, verificar o estado dos contatos elétricos substituindo peças que apresentam desgaste.
Ÿ Instale equipamentos e eletrodomésticos que possuam selo de ! conservação de energia", pois estes consomem
menos energia;

Coleta seletiva:
Ÿ Procure implantar um programa de coleta seletiva no edifício e destine os materiais coletados a instituições que
possam reciclá-los ou reutilizados.

SEGURANÇA PATRIMONIAL
Ÿ Verifique se há critérios de acesso para visitantes, fornecedores, representantes de órgãos oficiais e das
concessionárias;
Ÿ Verifique com o síndico se foi contratado seguro contra incêndio e outros sinistros (obrigatório), abrangendo todas as
unidades, partes e objetos comuns;
Ÿ Garanta a utilização adequada dos ambientes para os fins que foram destinados, evitando utilizá-los para o
armazenamento de materiais inflamáveis e outros não autorizados;
Ÿ Garanta a utilização adequada dos equipamentos das áreas comuns para os fins que foram projetados.
operação do imóvel 7

PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO

Neste edifício os halls de serviço possuem extintores, rede de hidrantes e são bloqueados por portas corta fogo.
Ÿ Os extintores de incêndio servem para um primeiro combate a pequenos incêndios. Para tanto, é importante ler
atentamente as instruções contidas no corpo do próprio equipamento, especialmente no que diz respeito às classes de
incêndio para a qual é indicado e como utilizá-lo;
Ÿ O extintor e o local de sua colocação não devem ser alterados, pois foram determinados pelo Corpo de Bombeiros;
Ÿ Apesar de riscos de incêndio em edifícios serem pequenos, eles podem ser provocados por descuidos como esquecer
ferros de passar roupas ligados, panelas superaquecidas, curtos-circuitos ou mesmo cigarros mal apagados;
Ÿ O seu edifício é dotado de um Sistema de Prevenção e Combate a Incêndio, projetado de acordo com as normas do
Corpo de Bombeiros;
Ÿ Incêndios de maior intensidade podem ser combatidos com o uso de hidrantes, desde que não localizados em líquidos
inflamáveis e/ou equipamentos elétricos. As caixas de hidrantes possuem mangueiras que permitem combater o fogo
com segurança, em qualquer ponto do pavimento;
Ÿ As portas corta-fogo tem a finalidade de impedir a propagação do fogo e proteger as escadas durante a fuga em caso
de incêndio, sendo importante que se mantenham sempre fechadas para que o sistema de molas não seja danificado e
impeça o perfeito funcionamento em caso de necessidade. O acesso as portas nunca pode ser obstruído;
Ÿ Este sistema abrange reserva no reservatório de água, prumadas, mangueiras de incêndio, extintores e alarmes;
Ÿ Certifique-se no condomínio que estes itens se encontram em perfeito estado, e somente são utilizados para esse fim e
não sofreram alteração com relação ao projeto original.

Ÿ Em caso de Incêndio:

Ÿ Informe a portaria para avisar aos demais moradores;


Ÿ Ligue para o Corpo de Bombeiros pelo número 193;
Ÿ Ao notar indícios de incêndio (fumaça, cheiro de queimado, etc.) certifique-se do que está queimando e da extensão do
fogo, sempre a uma distância segura;
Ÿ Combata o fogo utilizando o extintor mais apropriado conforme descrito na tabela de classes de incêndio;
Ÿ Em caso de não saber manusear os extintores, saia do local imediatamente, fechando as portas e janelas atrás de si,
sem trancá-las, desligando a eletricidade e alertando os demais moradores;
Ÿ Não utilize os elevadores;
Ÿ Deixe imediatamente o local.

SITUAÇÕES DE EMERGÊNCIA

Vazamentos em Tubulações de Gás


Caso haja vazamento de gás em algum aparelho, como fogão ou aquecedor, feche imediatamente os respectivos
registros. Mantenha os ambientes ventilados, abrindo as janelas e as portas.
Não utilizar nenhum equipamento elétrico ou acionar qualquer interruptor. Caso perdure o vazamento, solicitar ao
zelador/gerente predial o fechamento de abastecimento. Acionar imediatamente a concessionária competente, o
fornecedor dos equipamentos ou o Corpo de Bombeiros.

Vazamento em Tubulações Hidráulicas


No caso de algum vazamento em tubulação de água fria, a primeira providência a ser tomada é o fechamento dos registros
correspondentes. Caso perdure o vazamento, fechar o ramal abastecedor da sua unidade. Quando necessário, avisar a
equipe de manutenção local e acionar imediatamente uma empresa especializada.
operação do imóvel 8

Entupimento em Tubulações de Esgoto e Águas Pluviais


No caso de entupimento na rede de coleta de esgoto e águas pluviais, avisar a equipe de manutenção local e acionar
imediatamente, caso necessário, uma empresa especializada em desentupimento.

Curto - Circuito em Instalações Elétricas


No caso de algum curto-circuito, os disjuntores (do quadro de comando) desligam-se automaticamente, desligando
também as partes afetadas pela anormalidade. Para corrigir, é só voltar o disjuntor correspondente à sua posição original,
tendo antes procurado verificar a causa do desligamento do disjuntor, chamando imediatamente a firma responsável pela
manutenção das instalações do condomínio, através do zelador/gerente predial e/o administradora.
No caso de curto-circuito em equipamentos ou aparelhos, procurar desarmar manualmente o disjuntor correspondente ou
a chave geral.

Parada Súbita de Elevadores


Se eventualmente alguém ficar preso no elevador, acione o botão de alarme ou interfone. O funcionário do condomínio lhe
prestará socorro e chamará a empresa responsável pela conservação do elevador ou Corpo de Bombeiros. Caso o
condomínio tenha optado pela manutenção com o próprio fabricante, deve entrar em contato com a empresa Elevadores
Torres pelo telefone (13) 3494 1619. Para identificação, informar o endereço do condomínio e /ou elevador que está com
problema.
Não permita que nenhum funcionário do edifício abra a porta do elevador em caso de pane. Aguarde a manutenção
chegar. Este procedimento evita acidentes graves.
Não atire lixo no poço do elevador. Esse lixo prejudica as peças que estão na caixa do elevador, causando danos e mau
funcionamento do sistema.

Sistema de Segurança
No caso de intrusão ou tentativa de roubo ou assalto, seguir as recomendações da empresa de segurança
especializada, quando houver, ou acionar a polícia.
uso e manutenção do imóvel, estrutura / paredes 9

USO E MANUTENÇÃO DO IMÓVEL

FUNDAÇÕES
As fundações podem ser definidas como o conjunto de elementos responsáveis pela transmissão dos esforços ao
solo.
PRAZOS DE GARANTIA
Defeitos que comprometam a solidez ou a segurança da edificação - 05 anos.

CUIDADOS DE USO E MANUTENÇÃO PREVENTIVA


Ÿ Não é necessário manutenção para as fundações, entretanto cabe observar que nunca deverão ser abertos
quaisquer tipos de buracos ou perfurações próximos aos pilares do subsolo.
Ÿ Ninguém está autorizado a realizar reforma ou alterações no subsolo e drenagem sem o prévio conhecimento da
Construtora ou de seu Eng. Responsável.
Ÿ Realizar inspeções mensais em todas as caixas de passagem (ralos) situadas no piso subsolo para verificar a
existência de material arenoso em seu interior. Essa areia é proveniente de infiltrações não previstas através das
mantas de filtragem do sistema, que podem se deteriorar com tempo. É importante que se retire esse material
afim de evitar entupimentos na tubulação.
Ÿ O reservatório das águas de drenagem também deverá ser inspecionado periodicamente e limpo, se necessário,
para não ocorrer qualquer dano às bombas.

PERDA DA GARANTIA
Ÿ Se forem alterados ou retirados quaisquer elementos estruturais com relação ao projeto original.
Ÿ Se forem identificadas sobrecargas nas estruturas e paredes além dos limites normais de utilização previstos.
Ÿ Se não forem tomados os cuidados de uso indicados.

SUPERESTRUTURA
As estruturas, em que pese sua aparente rigidez (imobilidade), caracterizam sempre sistemas com certo grau de
movimentação (deformação).
Nesse sentido, os imóveis são, na realidade e internamente, parcialmente móveis, deformando-se dentro de um nível
natural, devido às forças induzidas pela gravidade ou por outros elementos da natureza. As forças induzidas pela
gravidade são verticais (ocorrem no sentido de cima para baixo), compreendendo o peso próprio das estruturas, das
alvenarias, dos revestimentos e as cargas decorrentes do uso do imóvel, como o peso dos móveis, dos objetos, das
pessoas, etc.
Já as forças produzidas pelos elementos da natureza, tais como os ventos, a terra e a água, são difusas (ocorrem em
várias direções). A atuação conjunta de todas as forças citadas acima introduz sempre, em maior ou menor extensão,
deformações nos sistemas estruturais.

PRAZOS DE GARANTIA
Defeitos que comprometam a solidez ou a segurança da edificação - 05 anos.

Cuidados de Uso e Manutenção Preventiva


Ÿ Nenhum elemento estrutural (pilares, vigas ou lajes) poderá ser alterado, danificado ou sobrecarregado.
Ÿ Nunca perfure, mesmo que para fixação de elementos decorativos, quaisquer destes elementos.
Ÿ Em caso de reforma posterior à ocupação do edifício, consulte sempre a CONSTRUTORA ou seu ENG.
RESPONSÁVEL, para evitar sobrecargas e riscos estruturais desnecessários.
Ÿ Se por ventura houver dano no concreto e alguma armação ficar exposta, imediatamente esta deverá ser limpa
com escova de aço e tratada com anticorrosivo, lavar o vão de concreto com água limpa, não deixando qualquer
poeira ou partícula, pincelar tanto o concreto como o aço com nata de cimento (água e cimento portland) e
preencher o vão com argamassa de cimento e areia.
uso e manutenção do imóvel, estrutura / paredes 10

PERDA DE GARANTIA
Ÿ Se forem alterados ou retirados quaisquer elementos estruturais com relação ao projeto original.
Ÿ Se forem identificadas sobrecargas nas estruturas além dos limites normais de utilização previstos.
Ÿ Se não forem tomados os cuidados de uso indicados.

PAREDES (ALVENARIA E REVESTIMENTO)

Descrição do Sistema
As paredes têm como finalidade a vedação da edificação. Em seus elementos de vedação, podem estar embutidas as
tubulações hidraúlicas, elétricas e de gás.
Por serem naturalmente mais expostos, os revestimentos das paredes são os que mais sofrem com agentes
agressivos, e requerem maiores cuidados e manutenções freqüentes.
Todas as paredes do apartamento, exceto das áreas frias foram revestidas em gesso sobre bloco de concreto.

Em edifícios altos, em particular, é comum o aparecimento de fissuras e trincas nas paredes dos andares mais altos
devido à ação dos ventos sobre a estrutura. É comum, também, em qualquer edificação, o aparecimento de fissuras e
trincas.
Fissura é uma abertura em forma de linha que aparece na superfície de qualquer material sólido, proveniente de
ruptura sutil de parte de sua massa, com espessura de até 0,5 milímetro.
Trinca é uma abertura em forma de linha que aparece na superfície de qualquer material sólido, proveniente de
evidente ruptura de parte de sua massa, com espessura de 0,5 milímetro até 1,0 milímetro.
Quando há maior flexibilidade no sistema reticulado, podem surgir as rachaduras e as fendas, ambas de maior
extensão, se comparadas às fissuras e trincas, recomendando-se uma consulta junto à construtora, engenheiro ou
arquiteto.
Rachadura é uma abertura expressiva que aparece na superfície de qualquer material sólido, proveniente de
acentuada ruptura de sua massa, podendo-se ver através dela e cuja espessura varia de 1,0 milímetro até 1,5
milímetro.
Fenda é uma abertura expressiva que aparece na superfície de qualquer material sólido, proveniente de acentuada
ruptura de sua massa, causando sua divisão em partes separadas com espessura superior a 1,5 milímetro.
Observação: Os materiais utilizados na estrutura, alvenaria e revestimento das paredes são de natureza diversas,
possuindo diferentes coeficientes de elasticidade, de resistência e dilatação térmica. Assim sendo, diante de variações
bruscas da temperatura ambiente, da acomodação natural da estrutura causada pela ocupação gradativa do edifício,
bem como, quando submetidos às cargas específicas, podem se comportar de forma diferente, o que poderá
eventualmente acarretar o aparecimento de fissuras (pequenas rupturas) localizadas no revestimento das paredes,
fato este que não compromete de forma alguma a segurança da edificação. No caso de paredes internas, são
consideradas aceitáveis e normais, as fissuras não perceptíveis à distância de pelo menos 1 metro.
Com relação às paredes externas, as eventuais fissuras que surgirem e não provocarem infiltração para o interior da
edificação são consideradas aceitáveis e normais.
uso e manutenção do imóvel, estrutura / paredes 11

PRAZOS DE GARANTIA

Paredes Internas
Fissuras perceptíveis a uma distância superior a 1 metro - 1 ano.
Paredes Externas
Fissuras que possam vir a gerar infiltração - 3 anos.

Nota: as fissuras que não geram infiltração são consideras normais, aceitáveis e deverão ser tratadas pelo condomínio
quando do processo de manutenção preventiva da edificação.

Cuidado de Uso e Manutenção Preventiva


Ÿ Nunca utilize pregos para a fixação de quadros, painéis ou quaisquer elementos, pois causam danos na argamassa
de revestimento e no próprio bloco ou lajota. Sempre que for necessário algum tipo de fixação, utilize buchas e
parafusos, com furação feita com furadeira elétrica e broca para concreto na bitola da bucha;
Ÿ Antes da furação verifique se não há possibilidade da passagem de tubulação hidraúlica, elétrica ou de gás pelo
local. Em caso de dúvida, consulte o zelador e, se a mesma persistir, consulte a construtora;
Ÿ Nunca perfure próximo a tomadas, interruptores, quadros de luz e caixas de passagem;
Ÿ Nunca perfure em áreas próximas a torneiras, registros ou louças sanitárias;
Ÿ Também não é aconselhável a fixação em paredes de elementos com peso elevado;
Ÿ Antes de perfurar as paredes, certifique-se também se o local escolhido não contem pilares e vigas, e nesta
situação, siga as instruções do Manual do Proprietário;
Ÿ Móveis e equipamentos com quina viva deverão ser protegidos com feltro a fim de não danificarem o
revestimento. Proteja sempre os cantos e quinas de alvenaria quando for fazer mudanças ou movimentação de
móveis;
Ÿ Algumas trincas ou fissuras poderão aparecer com o tempo em decorrência da acomodação do edifício. Trincas
pequenas são solucionadas com aplicação de massa corrida. Trincas maiores deverão ter o revestimento ao seu
redor escarificado até o bloco, escovado, umedecido e aplicar tela plástica ou gaze de algodão antes de executar o
revestimento novamente, podendo ser utilizado gesso ou argamassa industrializada. Segue procedimento normal
de aplicação de massa corrida e pintura;
Ÿ Procure manter os ambientes bem ventilados. Nos períodos de inverno ou de chuva, pode ocorrer o surgimento
de mofo nas paredes decorrente de condensação de água por deficiente ventilação, principalmente em ambientes
fechados (armários, atrás de cortinas e forros de banheiro);
Ÿ Combata o mofo com o uso de detergente ou água sanitária dissolvidos em água;
Ÿ Tanto as áreas internas (unidades privativas e áreas comuns), devem ser pintadas a cada 03 anos, evitando assim
o envelhecimento, a perda de brilho, o descascamento, e que eventuais fissuras, possam causar infiltrações.

Nota: Toda vez que for realizada uma repintura após a entrega da edificação, deverá ser feito um tratamento das
fissuras evitando assim infiltrações futuras de água.

PERDA DA GARANTIA
Ÿ Se forem alterados quaisquer elementos de vedação com relação ao projeto original;
Ÿ Se forem identificadas sobrecargas nas estruturas e paredes além dos limites normais de utilização previstos;
Ÿ No caso de não ser realizada a lavagem e restauração dos rejuntes da fachada a cada 02 anos;
Ÿ Se não forem tomados os cuidados de uso ou não for feita a manutenção preventiva necessária.
instalações hidraúlicas, louças e metais 12

INSTALAÇÕES HIDRAÚLICAS

Especificações Técnicas:
O edifício é equipado com redes de água fria, águas pluviais, esgoto e ventilação. Esta, sem dúvida é uma das partes
do apartamento que requer os maiores cuidados de preservação e manutenção. Leia com atenção as recomendações
para a sua conservação, informando também os demais usuários do imóvel.

Descrição do Sistema:
As Instalações Hidraúlicas são constituídas pelas seguintes partes:

Água:
Ÿ Pontos de água (fria): pontos que alimentam os lavatórios, os vasos sanitários, os chuveiros, as pias, os tanques e as
máquinas de lavar;
Ÿ Prumadas de água (fria): são constituídas por tubulações principais que trazem a água do reservatório superior;
Ÿ Ramais de distribuição de água (fria): alimentadores dos diversos pontos, nos cômodos apropriados.

Esgoto:
Ÿ Pontos de esgoto de água servidas: pontos por onde são liberados os esgotos dos pontos que alimentam os
lavatórios, os vasos sanitários, os chuveiros, as pias, os tanques e as máquinas de lavar, além dos ralos secos e
sifonados;
Ÿ Prumadas coletoras principais de esgoto: por onde escoam as águas servidas para as saídas do edifício.

Água Pluviais:
Ÿ Águas de chuvas ou de lavagem são normalmente coletadas pelas redes pluviais;
Ÿ Prumadas de águas pluviais são constituídas por tubulações principais que trazem as águas de chuvas coletada nas
coberturas, ralos das sacadas etc, para as saídas do edifício.

Ralos:
Ÿ Todos os ralos possuem grelhas de proteção para evitar que detritos maiores caiam em seu interior ocasionando
entupimento;
Ÿ Ralos sifonados e sifões têm !
fecho hidráulico", que consiste numa pequena cortina de água, que evita o retorno do
mau cheiro.

Registros:
Ÿ Registro de pressão (água fria): válvulas de pequeno porte, instaladas em sub-ramais ou em pontos de utilização,
destinado á regulagem da vazão de água, ou fechamento;
Ÿ Registros de gaveta (água fria): válvulas de fecho para a instalação hidráulica predial, destinadas a interrupção
eventual de passagem de água para reparos na rede ou ramal.

PRAZOS DE GARANTIA

Materiais:
Tubos / Conexões / Louças / Caixa de Descarga / Torneira / Registro / Sifões / Flexíveis / Válvulas
O Prazo de Garantia é definido segundo os padrões estabelecidos pelos fabricantes.

Serviços:
Colunas de Água Quente / Água Fria / Tubos de Queda de Esgoto
Danos causados devido à movimentação ou acomodação da estrutura # 05 anos
instalações hidraúlicas, louças e metais 13

Coletores:
Problemas com a instalação # 01 ano

Louças / Caixa de Descarga:


Instalação e funcionamento - 01 ano

Torneiras / Registro / Sifões / Flexíveis / Válvulas:


Funcionamento e vedação # 01 ano

Situações não cobertas pela Garantia:


Ÿ Danos sofridos pelo produto em conseqüências de quedas acidentais, maus tratos, manuseio inadequado,
instalação incorreta e erros de especificação;
Ÿ Danos causados aos acabamentos por limpeza inadequada (produtos químicos, solventes, abrasivos do tipo
saponáceo, palha de aço, esponja dupla face);
Ÿ Peças que apresentem desgaste natural, pelo uso regular, tais como: vedantes , gaxetas, anéis de vedação,
guarnições, cunhas, mecanismo de vedação;
Ÿ Danos nos acabamentos dos metais sanitários causados devido à utilização dos mesmos em água não potável, ou
à utilização de produtos tais como solventes, abrasivos do tipo saponáceo, produtos químico, palha de aço ou
esponjas dupla face.

CUIDADOS DE USO E MANUTENÇÃO PREVENTIVA


Ÿ Nunca jogue quaisquer materiais sólidos dentro de vasos sanitários, tais como absorventes íntimos, papel
higiênico, tecidos, fraldas descartáveis, algodão, que com certeza causarão entupimento da rede de esgoto. Metais
e materiais mais pesados poderão romper a tubulação;
Ÿ Nunca jogue restos de alimentos nos ralos das cozinhas;
Ÿ Caso seu apartamento permanecer fechado por longo período e constatar a presença de odores de esgoto, é só
colocar água nos ralos dos pisos ou pias sifonadas, que estes cessarão prontamente;
Ÿ Problemas de vazamento nas caixas de descarga poderão ser facilmente resolvidos pelos proprietários, abrindo a
tampa da caixa acoplada e verificando o problema;
Ÿ Procure sempre ter cuidado ao manusear os registros e torneiras, pois estes funcionam à base de pressão e não
de força, implicando na sua vida útil;
Ÿ Verifique sempre as torneiras e troque, quando necessário, o anel de vedação comumente conhecido como
courinho, para evitar vazamentos, e limpe os aeradores de resíduos;
Ÿ Se ao limpar as caixas de ralos houver rachaduras, chame imediatamente um profissional de hidraúlica para trocá-
la, evitando vazamentos no apartamento inferior;
Ÿ Pancadas fortes em prumadas poderão causar fissuras na tubulação;
Ÿ Sempre que viajar feche todos os registros do seu apartamento;
Ÿ Sempre que for instalar algum equipamento na rede hidraúlica, utilize sempre as peças recomendadas pelo
fabricante e vede as junções com fita veda rosca;
Ÿ Não deixe de usar a grelha de proteção que acompanha a cuba de inox das pias de cozinha;
Ÿ Mantenha vedado o ponto de esgotamento de água da máquina de lavar junto à parede, usando acessórios
próprios;
Ÿ É recomendado o uso de sabão biodegradável para evitar o retorno da espuma da máquina de lavar;
Ÿ Limpe periodicamente os ralos e sifões das louças, tanques e pias do seu imóvel, retirando todo e qualquer
material causador de entupimento (piaçava, panos, cabelos, etc) e jogando água a fim de se manter o fecho hídrico
nos ralos sifonados, evitando assim, o mau cheiro proveniente da rede de esgoto;
Ÿ Limpe periodicamente os aeradores (bicos removíveis) das torneiras, pois é comum o acúmulo de resíduos
provenientes da própria tubulação;
Ÿ Limpe e verifique a regulagem do mecanismo de descarga periodicamente;
Ÿ Verifique gaxeta, anéis o$ring e estanqueidade dos registros de gaveta, evitando vazamentos;
instalações hidraúlicas, louças e metais 14

Ÿ Em caso de necessidade, troque os acabamentos dos registros pelo mesmo modelo ou por outro do mesmo
fabricante, evitando assim a troca da base;
Ÿ Caso os tubos flexíveis (rabichos), que conectam as instalações hidraúlicas às louças forem danificadas, causando
vazamento, substitua-as tomando o cuidado de fechar o registro geral de água antes da troca.

PERDA DA GARANTIA
Ÿ Se for evidenciado entupimento por quaisquer objetos jogados nos vasos sanitários e ralos, tais como: absorventes
íntimos, folhas de papel, cotonetes, cabelos, etc.;
Ÿ Se for evidenciada a falta de troca dos vedantes (courinho) das torneiras;
Ÿ Se for evidenciada a falta de limpeza nos aeradores, provocando assim acúmulo de resíduos nos mesmos;
Ÿ Se for evidenciada a retirada dos elementos de apoio (mão francesa, coluna do tanque, etc.) provocando a queda
da peça ou bancada;
Ÿ Se for evidenciado o uso de produtos abrasivos e/ou limpeza inadequada nos metais sanitários;
Ÿ Se for evidenciado nos sistemas hidraúlicos, pressões (desregulagem da válvula redutora de pressão) e
temperaturas (geradores de calor, aquecedores, etc.) discordantes das estabelecidas em projeto;
Ÿ Equipamentos que foram reparados por pessoas não autorizadas pelo serviço de Assistência Técnica;
Ÿ Aplicação de peças não originais ou inadequadas, ou ainda adaptação de peças adicionais sem autorização prévia
do fabricante;
Ÿ Equipamentos instalados em locais onde a água é considerada não potável contendo impurezas e substâncias
estranhas à mesma que ocasione o mau funcionamento do produto;
Ÿ Objetos estranhos no interior do equipamento ou nas tubulações que prejudiquem ou impossibilitem o seu
funcionamento;
Ÿ Se não forem tomados os cuidados de uso ou não for feita a manutenção preventiva necessária.

Soluções de Alguns dos Problemas Mais Comuns


A seguir, procedimentos a serem adotados para corrigir alguns problemas

Como desentupir a pia


Com o auxílio de luvas de borracha, um desentupidor e uma chave inglesa, siga os seguintes passos:
Ÿ Encha a pia de água;
Ÿ Coloque o desentupidor a vácuo sobre o ralo, pressionando-o para baixo e para cima. Observe se ele esta totalmente
submerso ;
Ÿ Quando a água começar a descer, continue a movimentar o desentupidor, deixando a torneira aberta;
Ÿ Se a água não descer, tente com a mão ou com auxílio de uma chave inglesa, desatarraxar o copo do sifão. Neste copo
ficam depositados os resíduos, geralmente responsáveis pelo entupimento. Mas não esqueça de colocar um
balde em baixo do sifão, pois a água pode cair no chão;
Ÿ Com um arame, tente desobstruir o ralo da pia, de baixo para cima, algumas vezes, os resíduos se localizam neste
trecho do encanamento, daí a necessidade de usar arame;
Ÿ Coloque o copo que você retirou do sifão. Não convém colocar produtos a base de soda caustica dentro da
tubulação de esgoto;
Ÿ Depois do serviço pronto, abra a torneira e deixe correr água em abundância, para limpar bem.

Ÿ Como consertar a torneira que esta vazando:


Ÿ Retire a tampa / botão (quando houver) da cruzeta com a mão;
Ÿ Utilizando a chave de fenda, desrosqueie o parafuso que prende a cruzeta;
Ÿ Com o auxílio de um alicate de bico, desrosqueie a porca que prende a canopla para poder ter acesso ao
mecanismo de vedação;
Ÿ Com o auxílio de um alicate de bico, desrosqueie o mecanismo de vedação do corpo e o substitua por um novo.
instalações hidraúlicas, louças e metais 15

Como desentupir o chuveiro:


Ÿ Desrosqueie a capa protetora do crivo;
Ÿ Retire a proteção metálica (quando houver);
Ÿ Retire o plástico ou a borracha preta;
Ÿ Com o auxílio de uma escova de dente, limpe o crivo desobstruindo os orifícios que podem ter acumulado
detritos.

Como regular a caixa de descarga acoplada da bacia sanitária:

1. Regulagem
Ÿ Com cuidado, abra e retire a tampa da caixa acoplada;
Ÿ Com ajuda de um alicate, rosqueie a bóia, deixando-a mais firme para que, quando a caixa estiver cheia, não
permita que água transborde pelo ladrão.

2. Substituição
Ÿ Com cuidado, abra e retire a tampa da caixa acoplada;
Ÿ Desrosqueie a bóia;
Ÿ Leve-a a um depósito de materiais de construção para que sirva de modelo para a compra de uma nova;
Ÿ Com a nova bóia em mãos, encaixe-a e rosqueie-a exatamente no local de onde a antiga foi retirada.
instalações elétricas 16

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

Descrição do Sistema:

Cada unidade do seu edifício possui uma instalação elétrica independente que é constituída por diversos elementos:
Ÿ Tomadas de energia para ligação de eletrodomésticos de uso corrente;
Ÿ Tomadas especiais de energia para ligação de chuveiro elétrico;
Ÿ Pontos de iluminação para ligação de lâmpadas e luminárias;
Ÿ Interruptores para acionamento dos pontos de iluminação;
Ÿ Quadro elétrico de proteção para controlar as sobrecargas dos circuitos;
Ÿ As potências máximas permitidas para os demais pontos de utilização estão indicadas no projeto elétrico;
Ÿ Será disponibilizada a infra-estrutura (tubulação seca) para instalação de ar-condionado nas suítes e dormitórios,
ficando sob a responsabilidade do proprietário a mão de obra e o material (fiação, disjuntores etc.), necessários para a
instalação. O proprietário deverá contratar técnico especializado para execução do serviço, sendo de sua
responsabilidade, quaisquer problemas que possam ocorrer devido a contratação de mão de obra não especializada
ou a utilização de materiais inadequados para a instalação.

CIRCUITO
É um conjunto de tomadas de energia, tomadas especiais, pontos de energia, pontos de iluminação e interruptores, cuja
fiação encontra-se interligada.

QUADRO ELÉTRICO
É composto por um disjuntor geral com chave seccionadora ou dispositivo diferencial residual (DR) que desliga todos os
circuitos, e por diversos disjuntores secundários, que desligam os seus respectivos circuitos. Esse disjuntor diferencial tem
ainda a função de segurança de todos os circuitos elétricos contra as correntes de fuga provocadas por aparelhos
eletrodomésticos ou instalação elétrica em más condições de conservação.

PRAZOS DE GARANTIA

Tomada e Interruptoes
Material: Especificado pelo Fabricante.
Serviço: Funcionamento e instalação # 01 ano

Fios, Cabos e Tubulação


Material: Especificado pelo Fabricante.
Serviço: Funcionamento e instalação # 01 ano

CUIDADOS DE USO E MANUTENÇÃO PREVENTIVA


Ÿ Todas as unidades foram projetadas e dimensionadas a partir do uso de eletrodomésticos normais e comuns no
mercado ;
Ÿ Os disjuntores são acionados pelas simples movimentação de suas alavancas;
Ÿ Em caso de sobrecarga momentânea, o disjuntor do circuito atingido se desligará automaticamente. Neste caso
bastará religá-lo e tudo voltará ao normal. Caso ele volte a desligar, é sinal de que há sobrecarga continua ou que
esta ocorrendo um curto em algum aparelho ou no próprio circuito. Neste caso, é preciso solicitar os serviços de
um profissional habilitado, não se devendo aceitar conselhos leigos ou curiosos. Sempre que for fazer
manutenção, limpeza reaperto nas instalações elétricas ou mesmo uma simples troca de lâmpadas, desligue o
disjuntor correspondente ao circuito ou, na dúvida, o disjuntor geral referencial;
Ÿ Em caso de necessidade de corte de energia, sobretudo havendo dúvida sobre o disjuntor específico desligar o
disjuntor geral referencial;
Ÿ Ao adquirir aparelhos elétricos, verifique se o local escolhido para a sua colocação é provido de instalação elétrica
adequada para o seu funcionamento nas condições especificado pelos fabricantes;
Ÿ Em caso de necessidade de corte de energia, sobretudo havendo dúvida sobre o disjuntor específico desligar o
disjuntor geral referencial;
instalações elétricas 17

Ÿ Utilizar proteção individual (ex: estabilizadores, filtros de linha e etc) para equipamentos mais sensíveis (como
computadores, home- theater, central de telefone, etc) ;
Ÿ As instalações de equipamentos, lustres ou similares deverão ser executadas por técnico habilitado, observando-se
em especial o aterramento, tensão (voltagem), bitola e qualidade dos fios dos isolamentos, tomadas e plugs à serem
empregados;
Ÿ É sempre importante verificar se a carga do aparelho à ser instalado não sobrecarregará a capacidade de carga
elétrica da tomada e da instalação . Nunca utilize benjamins ( dispositivos com que se ligam vários aparelhos a uma só
tomada) ou extensões com várias tomadas, pois elas provocam sobrecargas;
Ÿ Em caso de incêndio desligue o disjuntor geral do quadro de distribuição;
Ÿ Quando o imóvel estiver desabitado, recomendamos desligar a chave geral (disjuntor geral) no quadro de
distribuição;
Ÿ Só instalar lâmpadas compatíveis com a tensão do projeto ( no caso dos circuitos de 120 volts, utilizar
preferencialmente lâmpadas 127 volts, a fim de prolongar a vida útil das mesmas);
Ÿ Evitar contato dos componentes do sistema com água;
Ÿ Evitar sobrecarregar os circuitos elétricos além das cargas previstas no projeto;
Ÿ Não ligar aparelhos de voltagem diferente das tomadas;
Ÿ Nunca ligar aparelhos diretamente no quadro de luz;
Ÿ Efetuar limpeza na parte externa das instalações elétricas ( espelho, tampas de quadros, etc) somente com pano;
Ÿ Caso o DR desarme, basta girar sua chave para armá-lo novamente. Mas se ele tornar a desarmar, não force o
dispositivo e procure o equipamento elétrico que poderá estar causando fuga da corrente;
Ÿ Evite perfuração na parede próxima ao quadro de distribuição e nos alinhamentos verticais de interruptores e
tomadas, evitando assim acidentes com os fios elétricos;
Ÿ A manutenção deve ser executada com os circuitos desenergizados (disjuntores desligados);
Ÿ Permitir somente que profissionais habilitados tenham acesso às instalações e equipamentos. Isso evitará curto
circuito, choque, etc;
Ÿ Sempre que for executada manutenção nas instalações, como troca de lâmpadas, limpeza e reaperto dos
componentes, desligar os disjuntores correspondentes;
Ÿ Rever estado de isolamento das emendas de fios;
Ÿ Reapertar a cada 06 meses todas as conexões do Quadro de Distribuição;
Ÿ Reapertar anualmente todas as conexões (tomadas, interruptores, pontos de luz);
Ÿ Verificar o estado dos contatos elétricos substituindo peças que apresentem desgaste, quando necessário (tomadas,
interruptores, ponto de luz).
Ÿ A iluminação direta feita com lâmpadas fluorescentes tende a manchar a superfície (forro de gesso) da qual
estiver muito próxima, portanto são necessárias limpezas ou pinturas constantes neste local;
Ÿ Luminárias utilizadas em áreas descobertas ou externas onde existe umidade excessiva podem ter seu
tempo de vida diminuído e necessidade de manutenções frequentes também com troca de lâmpadas;
Ÿ Quando verificado qualquer problema elétrico, utilizar sapatos com sola de borracha e nunca segurar dois fios ao
mesmo tempo.

SUGESTÕES DE MANUTENÇÃO

A seguir, procedimentos a serem adotados para corrigir alguns problemas:

Parte da instalação não funciona:


Verificar o quadro de distribuição, se a chave daquele circuito não está desligada. Em caso afirmativo religá-la, e se esta
voltar a desarmar solicitar assistência de um técnico habilitado, pois duas possibilidade ocorrem:
Ÿ A chave está com defeito e é necessário a sua substituição por uma nova;
instalações elétricas 18

Ÿ Existe algum curto-circuito na instalação e é necessário reparo deste circuito;


Ÿ Eventualmente pode ocorrer a ! falta de uma fase"no fornecimento de energia, o que faz com que determinada parte
da instalação não funcione. Nestes casos, somente a concessionária terá condições de resolver o problema, após
solicitação do consumidor;

Superaquecimento do quadro de distribuição:


Verificar se existem conexões frouxas e reapertá-las, e se existe alguma chave com aquecimento acima do normal, que
pode ser provocado por mau contato interno a chave ou sobrecarga devendo a mesma ser substituída por profissional
habilitado;

As chaves do Quadro de Luz estão desarmando com freqüência:


Podem existir maus contatos elétricos (conexões frouxas) que são sempre fonte de calor, o que afeta a capacidade das
chaves. Neste caso, um simples re-aperto nas conexões resolverá o problema;
Outra possibilidade é de que o circuito esteja sobrecarregado com instalação de novas cargas, cujas características de
potência são superiores as previstas no projeto. Tal fato deve ser rigorosamente evitado.

A chave geral do quadro está desarmando:


Pode existir falta de isolação da enfiação, provocando aparecimento de corrente para a terra. Neste caso deve ser
identificado qual o circuito com falha, procedendo ao desligamento de todos os disjuntores até que se descubra o circuito
com problema, procedendo então ao reparo da isolação com falha.
Pode existir defeito de isolação de algum equipamento ou chuveiro; para descobrir qual está com defeito, proceda da
maneira descrita anteriormente e repare a isolação do equipamento.

Choques elétricos:
Ao perceber qualquer sensação de choque elétrico, proceder da seguinte forma:
Ÿ Desligar a chave de proteção desse circuito;
Ÿ Verificar se o isolamento dos fios de alimentação, não foi danificado e estão fazendo contato superficial com
alguma parte metálica;
Ÿ Caso isso não tenha ocorrido, o problema possivelmente esta no isolamento interno do próprio equipamento. Neste
caso, repará-lo ou substituí-lo por outro de mesmas características elétricas.

Chuveiro elétrico não esquenta a água:


Ÿ Verificar se a chave de proteção no quadro de distribuição esta desarmada. Caso esteja, religá-la;
Ÿ Persistindo o problema, verificar se não ocorreu a queima de resistência do chuveiro elétrico, se for o caso,
substituí-la.

PERDA DE GARANTIA
Ÿ Se for feita qualquer mudança no sistema de instalação que altere suas características originais;
Ÿ Se for evidenciada a substituição de disjuntores por outros de capacidade diferente, especialmente de maior
amperagem;
Ÿ Se for evidenciado o uso de eletrodomésticos velhos, chuveiros ou aquecedores elétricos sem blindagem
desarmando os disjuntores;
Ÿ Se for evidenciada sobrecarga nos circuitos devido a ligação de vários equipamentos no mesmo circuito;
Ÿ Se for verificada a não utilização de proteção individual para equipamentos sensíveis;
Ÿ Se não forem tomados os cuidados de uso ou não for feita a manutenção preventiva necessária.
instalações complementares 19

INSTALAÇÕES COMPLEMENTARES

Telefonia
Foi executada a enfiação para a instalação de telefone, até os pontos existentes na sala, suíte e dormitório. Caso haja
interesse, a passagem da enfiação para outros pontos do apartamento fica a cargo do proprietário. A compra e
instalação do aparelho e da linha telefônica é de responsabilidade do proprietário.

Interfone
Foi executada a instalação dos aparelhos de interfone em todos os apartamentos e na portaria do edifício, permitindo
aos condôminos comunicarem-se entre si e com a portaria.

Pontos para Televisão


Foi executada toda a instalação do sistema de antena coletiva (sinais abertos).

Luz de Emergência
O edifício é dotado de sistema de luz de emergência, através de unidades autônomas de iluminação, visando ter
iluminação mínima no caso de corte de fornecimento de energia pela concessionária, nas áreas comuns.
instalações de gás 20

INSTALAÇÕES DE GÁS

Descrição do Sistema:

O sistema empregado é o do gás natural canalizado. Este sistema de fornecimento (gás canalizado) é sempre contínuo
e não existe troca ou armazenamento de botijões.
Ÿ A instalação de gás é constituída de prumadas, ramais e pontos de alimentação. Sua unidade possui um ponto de
alimentação na cozinha destinado ao fogão.
Ÿ Tecnicamente foi prevista a instalação de medidores de gás individuais por unidade possibilitando (a solicitação e a
instalação são de responsabilidade do proprietário), assim, que o consumo de gás fique totalmente individualizado por
consumidor.

PRAZOS DE GARANTIA
Material #Especificado pelo Fabricante.
Vedação das juntas #01 ano.

CUIDADO DE USO
Ÿ Sempre que não houver utilização constante, ou em caso de ausência prolongada no imóvel, mantenha os registros e
as torneiras fechados;
Ÿ Nunca teste ou procure vazamentos num equipamento, tubulação ou medidor de gás utilizando fósforo ou qualquer
outro material inflamável. É recomendado o uso de espuma de sabão ou sabonete;
Ÿ Não utilizar o local como depósito, principalmente não armazenar produtos combustíveis que poderão gerar risco de
incêndio;
Ÿ Não pendurar objetos nas instalações (tubulações) aparentes.
Ÿ Em caso de vazamentos de gás que não possam ser eliminados com o fechamento de um registro ou torneira
chame a companhia concessionária;
Ÿ Leia com atenção os manuais que acompanham os equipamentos a gás;
Ÿ Verificar o prazo de validade da mangueira de ligação da tubulação ao eletrodoméstico, e trocar quando necessário;
Ÿ Para execução de qualquer serviço de manutenção ou instalação de equipamento a gás, sirva-se de empresas
especializadas ou profissionais habilitados pelas concessionárias e utilize materiais (flexíveis, conexões, etc.)
adequados.

MANUTENÇÃO PREVENTIVA
Para os equipamentos, de acordo com as recomendações dos fabricantes;

PERDA DE GARANTIA
Ÿ Se for verificada instalação inadequada de equipamentos ( equipamentos diferentes dos especificados em
projetos), ex: instalar o sistema de acumulação no lugar do sistema de passagem e vice e versa;
Ÿ Se for verificado que a pressão utilizada esta fora da especificada em projeto;
Ÿ Se não forem tomados os cuidados de uso ou não for feita a manutenção preventiva necessária.
impermeabilização 21

IMPERMEABILIZAÇÃO

Descrição do Sistema:
É o tratamento dado em partes e/ou componentes para construção para garantir a estanqueidade da mesma
impedindo a infiltração de água.
A impermeabilização protege as edificações contra a penetração indesejável de água tanto nos ambientes quanto na
estrutura do edifício.
Em seu apartamento, são impermeabilizados o terraço, a área de serviço e o box do banheiro. As proteções são
imperceptíveis, pois ficam sob os revestimentos finais dos pisos. Convém evitar quebras e perfurações dos pisos e
revestimentos das áreas impermeabilizadas.

COMPONENTES DO SISTEMA
Existem vários tipos de materiais empregados nas impermeabilizações, tais como asfálticos, argamassas
poliméricas, resinas acrílicas termoplásticas, membranas acrílicas, etc.

PRAZOS DE GARANTIA
Sistema de impermeabilização #05 anos.

CUIDADOS DE USO E MANUTENÇÃO PREVENTIVA


Ÿ Utilizar !lavagem a seco" para o piso dos sub-solos. As lavagens com mangueira devem ser evitadas. Caso seja
utilizada, sempre puxar a água para os ralos;
Ÿ Não perfure pisos, não altere o posicionamento de ralos e não modifique nada em áreas impermeabilizadas;
Ÿ Qualquer dano à película impermeabilizante causado por serviços de terceiros contratados pelo condomínio e ou pelos
proprietários acarretará na perda total da garantia pelo fornecedor e pela construtora;
Ÿ Quando surgirem manchas de infiltração sob áreas impermeabilizadas, contatar imediatamente a construtora. Nunca
procure solucionar o problema ou encontrar a causa;
Ÿ Não demore em lavagens ou use produtos químicos abrasivos sobre áreas impermeabilizadas;
Ÿ Inspecionar anualmente os rejuntamentos dos pisos, paredes, soleiras, ralos e peças sanitárias, pois através das falhas
dos mesmos, poderá ocorrer infiltração de água;
Ÿ Evitar plantas com raízes agressivas que possam danificar a impermeabilização ou obstruir os drenos de
escoamento;
Ÿ Manter o nível de terra no mínimo a 10 cm abaixo da borda para evitar infiltrações indesejáveis;
Ÿ Não permitir a fixação de antenas, postes de iluminação ou outros equipamentos sobre lajes impermeabilizadas
através da utilização de buchas, parafusos ou chumbadores. Sugerimos a utilização de base de concreto sobre a
camada de proteção de impermeabilização sem removê-la ou danificá-la. Não fixar pregos, parafusos, buchas e
chumbadores nos revestimentos das platibandas, rufos, muros e paredes impermeabilizadas;
Ÿ Para qualquer tipo de instalação de equipamento sobre superfície impermeabilizada, deve-se solicitar a presença de
uma empresa especializada em impermeabilização;
Ÿ Manter os ralos sempre limpos nas áreas descobertas;
Ÿ Lavar os reservatórios de água com produtos de limpeza e materiais adequados, mantendo a caixa vazia somente o
tempo necessário para limpeza. Não utilizar máquinas de alta pressão, produtos que contenham ácidos nem
ferramentas como espátula, escova de aço ou qualquer tipo de material pontiagudo. É recomendável que esta lavagem
seja feita por empresa especializada;
Ÿ Tomar os devidos cuidados como uso de ferramentas tais como picaretas, enxadões, etc nos serviços de plantio e
manutenção dos jardins, de modo a evitar danos a camada de proteção mecânica existente;
Ÿ Não permitir que se introduzam objetos de qualquer espécie nas juntas de dilatação.
Ÿ Na instalação de gradis / redes de segurança nas janelas e varanda, impermeabilizar o furo feito para sustentação do
mesmo.
impermeabilização 22

Ÿ Caso haja danos a impermeabilização, não executar os reparos com os materiais e sistemas diferentes do aplicado
originalmente, pois a incompatibilidade pode comprometer o bom desempenho do sistema;
Ÿ No caso de defeitos de impermeabilização e de infiltração de água, não tente você mesmo resolver o problema;
Ÿ Inspecionar anualmente a camada drenante do jardim, verificando se não há obstrução na tubulação e
entupimento dos ralos.

PERDA DE GARANTIA
Ÿ Se forem danificados, alterados ou reparados pisos e paredes nas áreas impermeabilizadas;
Ÿ Danificação da manta devido a instalação de equipamentos ou reformas em geral;
Ÿ Utilização de produtos e equipamentos inadequados para limpeza dos reservatórios;
Ÿ Se não forem tomados os cuidados de uso ou não forem feitas as manutenções preventivas necessárias.

ATENÇÃO:
Não é recomendável a utilização de qualquer máquina de alta pressão para limpeza na edificação. Ela pode danificar
rejuntamentos e outros materiais de proteção, e acabar prejudicando a impermeabilização.
Jamais utilize os hidrantes para qualquer finalidade que não seja o combate a incêndio.
esquadrias de alumínio 23

ESQUADRIAS DE ALUMÍNIO

Descrição do Sistema:

Compreendem o conjunto de portas e janelas de alumínio com a seguinte finalidade:


Ÿ Permitir a iluminação do ambiente pelo melhor aproveitamento da luz natural;
Ÿ Possibilitar o contato visual com o exterior;
Ÿ Acessar áreas externas e/ou internas;
Ÿ Possibilitar a troca de ar e a ventilação natural;
Ÿ Proteger o interior da residência e seus ocupantes das intempéries exteriores.
Ÿ As esquadrias também abrangem: corrimão, guarda-corpo de terraços, painéis de fachada e outros elementos
arquitetônicos.

Características de algumas esquadrias:

Janelas e Portas de Correr:


Ÿ Não interferem nas áreas externas ou internas, permitindo, no caso de janelas, o uso de grades ou telas, persianas ou
cortinas;
Ÿ Oferecem a possibilidade de regulagem da abertura das folhas propiciando maior conforto na aeração do
ambiente;
Ÿ No caso de portas ou janelas com veneziana aerada, facilita ao usuário dosar a ventilação ou claridade ao seu
gosto, mantendo tal posição inalterada sob ação dos ventos.

Janelas Maxim-ar:
A folha desta janela abre deslizando sua parte inferior para fora, ao mesmo tempo em que sua parte superior desliza
para baixo.

PRAZOS DE GARANTIA
Borrachas, escovas, articulações, fechos e roldanas # 2 anos.
Acabamento dos perfis de alumínio, fixadores e revestimentos em painel de alumínio #5 anos.
Vedação e funcionamento das partes móveis (inclusive recolhedores de palheta, motores conjuntos elétricos de
acionamento #1 ano.

CUIDADOS DE USO E MANUTENÇÃO


Ÿ As janelas maxim-ar podem ser mantidas abertas, com a pequena angulação, em caso de chuvas moderadas.
Entretanto, em caso de rajadas de vento, os caixilhos podem ser danificados, portanto fique atento para travar as
janelas nessas situações;
Ÿ As janelas devem correr suavemente não devendo ser forçadas;
Ÿ Os trincos não devem ser forçados. Se necessário, aplicar pressão suave ao manuseá-los;
Ÿ Antes de executar qualquer tipo de pintura, seja a tinta óleo, látex ou cal, proteger as esquadrias com fitas adesivas de
PVC, sejam elas pintadas ou anodizadas. Não utilize fitas do tipo ! crepe", pois elas costumam manchar a
esquadria quando em contato prolongado;
Ÿ Remover a fita adesiva imediatamente após o uso, uma vez que sua cola contem ácidos ou produtos agressivos,
que em contato prolongado com as esquadrias poderão danificá-las
Ÿ Caso haja contato da tinta com as esquadrias, limpar imediatamente com o pano seco e em seguida, com pano
umedecido em solução de água e detergente neutro;
Ÿ Na limpeza das fachadas com revestimentos cerâmicos ou de granito, em que se utilizam soluções que contenham
produtos agressivos de quaisquer tipos, proteger as esquadrias com fita de PVC, aplicando-a cuidadosamente, sem
que fique nenhuma área desprotegida ou com mau contato. Caso isso não seja possível, recomenda-se que a limpeza
da fachada seja feita com uso de água com detergente neutro a 5%;
esquadrias de alumínio 24

Ÿ A limpeza das esquadrias como um todo, inclusive guarnições de borrachas e escovas, deverá ser feita com
solução de água e detergente neutro a 5%, com o auxílio de esponja macia, nos períodos abaixo indicados:
Ÿ No mínimo, a cada 12 (doze) meses em zona urbana ou rural;
Ÿ No mínimo, a cada 3 (três) meses em zona marítima ou industrial;
Ÿ As janelas e portas de correr exigem que seus trilhos inferiores sejam frequentemente limpos, evitando#se o
acumulo de poeira, que com o passar do tempo vão se compactando pela ação de abrir e fechar, se transformando em
crostas de difícil remoção, comprometendo desempenho das roldanas e exigindo a sua troca precoce;
Ÿ Deve-se manter os drenos (orifícios) dos trilhos inferiores sempre bem limpos e desobstruídos, principalmente na
época de chuvas mais intensas, pois esta é a causa principal do ! borbulhamento" e vazamento de água para o
interior do ambiente;
Ÿ NÃO usar em hipótese alguma, detergentes contendo saponáceos, esponjas de aço de qualquer espécie, ou
qualquer outro material abrasivo;
Ÿ NÃO usar produtos ácidos ou alcalinos, sua aplicação poderá causar manchas na anodização ou pintura tornando o
acabamento opaco;
Ÿ NÃO utilize objetos cortantes ou perfurantes para auxiliar na limpeza dos ! cantinhos" de difícil acesso. Essa
operação poderá ser feita com o uso do pincel de cerdas macias embebido na solução de água e detergente neutro a
5%;
Ÿ NÃO utilize vaselina, removedor, thinner ou qualquer outro produto derivado do petróleo, pois além de ressecar
plásticos ou borrachas, fazendo com que percam sua função de vedação, possuem componentes que vão atrair
partículas de poeira que agirão com abrasivo, reduzindo em muito a vida do acabamento superficial do alumínio.
Ÿ NÃO utilizar jato de água de alta pressão para lavagem das fachadas. A força do jato pode arrancar as partes
calafetadas com silicone ou qualquer outro material protetor contra infiltração;
Ÿ NÃO remover as borrachas ou massas de vedação;
Ÿ Caso ocorram respingos de cimento, gesso, acido ou tinta, remova-os imediatamente com um pano umedecido na
mesma solução de água e detergente neutro a 5% e, logo após, passe uma flanela seca;
Ÿ Todas as articulações e roldanas trabalham sobre a camada de nylon auto-lubrificante, razão pela qual dispensam
quaisquer tipos de graxa ou óleo lubrificante. Estes produtos não devem ser aplicados às esquadrias, pois em sua
composição poderá haver ácidos ou componentes não compatíveis com os materiais usados na fabricação de
esquadrias;
Ÿ Quando a janela possuir persiana de enrolar, a limpeza externa da mesma deve ser feita removendo-se a tampa da
caixa do rolo, que fica na parte superior da janela, pelo lado interno. Em seguida proceder a limpeza com um pano
macio (ou esponja), umedecido em uma solução de água e detergente neutro a 5 %, executando-se a limpeza em duas
ou três palhetas de cada vez , a medida em que é movida a persiana.
Ÿ Reapertar delicadamente com chave de fenda todos os parafusos aparentes dos fechos, fechaduras ou puxadores e
roldanas responsáveis pela folga do caixilho de correr junto ao trilho, sempre que necessário;
Ÿ Verificar nas janelas Maxim-ar a necessidade de regular o freio. Para isso, abrir a janela até um ponto intermediário ( +
ou - 30graus), no qual ela deve permanecer parada e oferecer certa resistência a qualquer movimento espontâneo. Se
necessária, a regulagem deverá ser feita somente por pessoa especializada, para não colocar em risco a segurança do
usuário e de terceiros,
Ÿ Verificar a vedação e fixação dos vidros a cada ano.

PERDA DE GARANTIA
Ÿ Se forem instaladas cortinas ou quaisquer aparelhos, tais como: persianas, ar condicionado, etc, diretamente na
estrutura das esquadrias, ou que nelas possam interferir;
Ÿ Se for feita qualquer mudança na esquadria, na sua forma de instalação, na modificação de seu acabamento
(especialmente pintura), que altere suas características originais;
Ÿ Se não forem tomados os cuidados de uso ou não for feita a manutenção preventiva necessária.
esquadrias de madeira e ferragens 25

ESQUADRIAS DE MADEIRA E FERRAGENS

Todos os conjuntos de porta da sua unidade terão acabamento em selador ou verniz. Não utilize produtos ácidos ou à base
de amoníaco.
Os batentes e guarnições terão o mesmo acabamento das portas.

CUIDADOS DE USO E MANUTENÇÃO PREVENTIVA


Ÿ Não bater as portas, pois isto causa trincas na madeira e danos às fechaduras e aos revestimentos das paredes;
Ÿ Não utilize produtos de limpeza do tipo Kaol ou similares, pois os mesmos podem retirar as camadas protetora de
verniz, causando oxidação das peças.
Ÿ Para a limpeza das fechaduras e ferragens, use um pano umedecido com água, evitando qualquer tipo de produto
químico ou abrasivo;
Ÿ Procurar manter as portas sempre fechadas para evitar que empenem com o tempo e principalmente com o sol;
Ÿ Para evitar emperramento de dobradiças e parafusos, verifique se estes estejam firmes e que nenhum objeto se
interponha sob as portas;
Ÿ Não molhar constantemente a parte inferior e as folhas das portas para evitar o seu apodrecimento;
Ÿ Evite furar ou fixar objetos nas portas;
Ÿ Lubrifique as fechaduras e dobradiças mensalmente com uma pequena quantidade de micro-óleo WD-40 ou similares.
Ÿ As portas e ferragens não estão dimensionadas para receber aparelhos de ginástica ou equipamentos que causem
esforços adicionais;
Ÿ Ao contratar marceneiros para execução de armários e afins, exija madeiras com pré-tratamento contra pragas;
Ÿ Mantenha seu apartamento sempre ventilado e utilize o máximo de iluminação natural durante o dia. Lembre-se: os
cupins gostam de ambientes quentes, úmidos e escuros. É conveniente também que periodicamente mantenha-se
portas e gavetas de móveis e armários abertos para ventilação e iluminação interna das mesmas;
Ÿ Nunca deixe curiosos ou profissionais não habilitados combater tais pragas.
forros 26

FORRO DE GESSO

Os forros foram executados em placas de gesso, conforme planta anexa.

CUIDADOS DE USO E MANUTENÇÃO PREVENTIVA


Ÿ Nos forros de gesso, não se deve permitir impactos, pois podem se quebrar.;
Ÿ Não devem ser fixados ganchos ou suportes para pendurar vasos ou outros tipos de objetos. Pela sua composição, não
possuem resistência suficiente para suportar tal peso;
Ÿ Os forros de gesso nunca devem ser molhados, pois o contato com a água faz com que o gesso se decomponha;
Ÿ Para evitar o aparecimento de bolor no forro, causado pela umidade do banho, mantenha as janelas abertas durante e
após seu uso;
Ÿ Para remover tais manchas no caso de seu aparecimento, utilizar água sanitária diluída em água;
Ÿ Recomenda-se que os forros de gesso sejam repintados anualmente com tinta apropriada;
Ÿ Deverá ser tomado cuidado na furação para colocação de luminárias nos cômodos rebaixados, uma vez que existem
tubulações correndo sobre os forros;
Ÿ Quando da aquisição das luminárias deve-se contemplar que o cômodo é rebaixado para que as mesmas possuam
peso e fixação adequada para tal;
Ÿ Por se tratar de um elemento distinto da estrutura, os forros de gesso poderão apresentar pequenas fissuras na junção
das placas;
Ÿ No forro poderá aparecer ocasionalmente alguma infiltração causada por vazamento do ramal de água ou esgoto ou
por falta de rejunte no piso e no revestimentos das paredes da unidade superior. Verifique a causa antes de pintá-lo
novamente;
Ÿ O reparo de molduras e pequenas fissuras no gesso poderá ser feito com massa corrida ou nata de gesso diluída em
água;
Ÿ Lustres pesados são desaconselháveis para uso no forro de gesso devido a resistência das placas de gesso.
pintura 27

PINTURA

Tetos e Paredes
As paredes e tetos da sua unidade foram pintadas com tinta látex .

CUIDADOS DE USO E MANUTENÇÃO PREVENTIVA


Ÿ Nunca esfregue as paredes, manchas devem ser limpas com um pano branco umedecido com água e sabão
neutro;
Ÿ Não use produtos ácidos a base de amoníaco;
Ÿ A janela do banheiro deve ser mantida aberta, para evitar aparecimento de machas de mofo no teto;
Ÿ Manchas de mofo deverão ser removidas com detergente neutro ou água sanitária diluída em água;
Ÿ O imóvel deve estar sempre bem ventilado, para evitar o aparecimento de mofo na pintura, resultado da soma de
umidade da sombra e calor;
Ÿ Quando, por ventura, houver umidade, esta deverá ser sanada antes de dar acabamento à parede;
Ÿ Com o tempo, a pintura escurece um pouco e fica naturalmente ! queimada". Nunca faça retoques em pontos isolados.
Ÿ Se necessário, pinte toda a parte do cômodo. Pinturas em áreas externas, tal como gradil, varandas, hall social e
serviço, devem ser comunicadas ao condomínio, tendo vista o aspecto do edifício como um todo
Ÿ Para que seu imóvel mantenha a aparência sempre nova, recomenda-se uma pintura geral periódica. Este
procedimento corrigirá o aparecimento das fissuras, dando maior proteção ao substrato;
Ÿ Vale para todos os materiais que se encontram em sua unidade: antes de utilizar um produto de limpeza, faça um
pequeno teste numa superfície da peça a ser limpa, assim você assegura um bom resultado, sem surpresas
desagradáveis;
Ÿ Antes de executar qualquer tipo de pintura, seja tinta á óleo, látex ou cal, proteger as esquadrias com fitas adesivas de
PVC, sejam elas pintadas ou anodizadas. Não utilize fitas tipo ! crepe"pois elas costumam manchar a esquadria em
contato prolongado;
Ÿ Remover a fita adesiva imediatamente após o uso, uma vez que sua cola contém ácidos ou produtos agressivos, que
em contato prolongado com as esquadrias poderão danificá-las;
Ÿ Caso haja contato da tinta com as esquadrias, limpar imediatamente com pano seco e em seguida, com pano
umedecido em solução de água e detergente neutro.
revestimento cerâmico interno 28

REVESTIMENTO CERÂMICO INTERNO

Descrição do Sistema

Azulejo / Piso /Revestimentos Cerâmicos e/ou Porcelana


Utilizado no revestimento de paredes e pisos internos e externos, visa dar acabamento em áreas úmidas como cozinhas,
banheiros, lavabos, áreas de serviços e acabamento em fachadas, protegendo estas áreas aumentando o desempenho
contra umidade e infiltração de água. Facilitam a limpeza e tornam o ambiente mais higiênico, além de possuírem uma
função decorativa.
Podem se classificados por vários critérios, entre eles o desgaste da superfície esmaltada (PEI), dureza e outros.

PRAZOS DE GARANTIA
Ÿ Peças quebradas, trincadas, riscadas, manchadas ou com tonalidades diferentes #No ato da entrega
Ÿ Peças soltas, gretadas ou desgaste excessivo que não por mau uso #02 anos

CUIDADOS DE USO E MANUTENÇÃO PREVENTIVA


Ÿ Antes de perfurar qualquer peça deve-se consultar o Manual do Proprietário (croqui) e os projetos de instalações para
evitar perfurações em tubulações e camadas impermeabilizadas;
Ÿ As perfurações, quando necessárias devem ser feitas nos rejuntamentos;
Ÿ Para fixação de móveis ou acessórios, utilizar somente parafusos com buchas especiais, evitando impacto nos
revestimentos que possam causar fissuras;
Ÿ Não utilizar produtos químicos corrosivos tais como: cloro líquido, soda caústica ou ácido muriático. O uso de
produtos ácidos e alcalinos podem causar problemas de ataque químico nas placas cerâmicas e no rejuntamento;
Ÿ Não use vassouras ou vassourinhas de piaçava para lavar os pisos e revestimentos, pois elas podem remover o
rejuntamento;
Ÿ Na limpeza, tomar cuidado com o encontro de paredes e tetos de gesso;
Ÿ Evitar bater com peças pontiagudas que possam causar lascamento nas placas cerâmicas;
Ÿ Cuidado no transporte de eletrodomésticos, móveis e materiais pesados, não arrastá-los sobre o piso a fim de evitar
riscos, desgastes e/ou lascamentos;
Ÿ Não utilize objetos cortantes ou perfurantes para auxiliar na limpeza dos cantos de difícil acesso, devendo ser utilizada
escova apropriada;
Ÿ Não raspar com espátulas metálicas, utilizar, quando necessário, espátula de PVC;
Ÿ Não utilizar palhas ou esponjas de aço na limpeza;
fachada 29

FACHADA

A fachada é a parte do edifício que está mais exposta ao ataque de vários agentes, naturais ou não, notadamente no
que se refere à ação de chuvas, ventos, sol, variações de temperatura, umidade, poluição, salitre (nas regiões
litorâneas) e vários outros agentes químicos. Tais agentes vão agredindo e consequentemente desgastando a vedação
instalada. Por isso se faz necessária uma cuidadosa manutenção do revestimento afim de que se prolongue sua vida
útil e se evite a ocorrência de infiltrações que acabarão atingindo o interior dos apartamentos.

CUIDADOS DE USO E MANUTENÇÃO PREVENTIVA


Ÿ O edifício deverá ter sua fachada lavada a cada 02 anos. Tais lavagens devem ser executadas por empresas
especializadas;
Ÿ Juntamente com a lavagem a empresa contratada deverá fazer uma vistoria geral das fachadas procurando
identificar possíveis falhas no rejuntamento ou peças de revestimento cerâmico soltas;
Ÿ Nunca coloque vasos, objetos decorativos ou adornos em peitoris de esquadrias ou terraços. A queda de um
desses elementos poderá ser fatal;

Obs: Na instalação de redes e/ou grades de proteção nas janelas, impermeabilizar o furo feito para fixação.
mármores, granitos e pedras decorativas 30

PIAS E BANCADAS DE GRANITO

A bancada da pia da cozinha foi executada em granito.

CUIDADOS DE USO E MANUTENÇÃO PREVENTIVA


Ÿ Na pia da cozinha, recomendamos aos proprietários a limpeza utilizando água com detergente ou sabão neutro. Nunca
utilizar produtos de limpeza agressivos, tais como palha de aço, ácidos ou detergentes muito fortes;
Ÿ A pia de granito da sua unidade foi fixada através de suportes metálicos fixados na parede de bloco de concreto. Neste
processo foi previsto um afastamento mínimo que permita a colocação de gabinetes e armários embutidos sem
remoção dos respectivos suportes;
Ÿ Nunca suba ou se apóie nas pias de granito, pois podem se soltar ou quebrar causando ferimentos graves;
Ÿ Não permitir sobrecarga de louças sobre a pia;

PISO DE GRANILITE

O piso da escada de acesso aos pavimentos foi revestida em granilite.

CUIDADOS DE USO E MANUTENÇÃO PREVENTIVA


Ÿ Para iniciar a limpeza primeiro varra o excesso de poeira e resíduos;
Ÿ Depois lave todo o piso com uma solução de água e detergente neutro;
Ÿ Enxague com água limpa e seque com rodo de borracha. Seque totalmente com auxílio de panos macios;
Ÿ Nunca utilizar produtos de limpeza agressivos, tais como palha de aço, ácidos ou detergentes muito fortes;
elevadores 31

ELEVADORES

O edifício é dotado de dois elevadores destinados à utilização social ou serviços. Os elevadores tem garantia de fábrica
contada a partir da entrega dos mesmos, efetivada no Contrato de Assistência formalizado com o fabricante. Tal garantia
prevê a substituição de peças e equipamentos que apresentarem falhas de fabricação ou montagem, excluídas as
ocorrências por abuso, uso inadequado e negligência.
Para que seja mantida a validade da garantia é necessário que a manutenção seja realizada pelo próprio fabricante.
Problemas constantes que impedem o funcionamento dos elevadores podem ser evitados a partir da adequada utilização
dos mesmos, atentando-se para algumas medidas práticas, apresentadas a seguir:

CUIDADOS DE USO E MANUTENÇÃO PREVENTIVA


Ÿ Apertar o botão apenas uma vez;
Ÿ Antes de entrar no elevador, verificar se o mesmo encontra-se no andar;
Ÿ Observar o degrau formado entre o piso do pavimento e o piso do elevador;
Ÿ Não ultrapassar o número máximo permitido de passageiros, que está indicado na placa no interior da cabina;
Ÿ Não permitir que as crianças brinquem ou trafeguem sozinhas nos elevadores;
Ÿ Não reter o elevador em um andar;
Ÿ Não fumar no interior da cabina;
Ÿ Em caso de falta de energia ou parada repentina do elevador, solicitar auxílio externo através do interfone ou do
alarme, sem tentar sair sozinho;
Ÿ Jamais utilizar os elevadores em caso de incêndio;
Ÿ Jamais tentar retirar passageiros da cabina quando o elevador parar entre pavimentos. Há grande risco de sérios
acidentes caso a cabina se movimente;
Ÿ Nunca entrar no elevador se a luz estiver apagada.
manutenção preventiva 32

TABELA DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA

ITEM DESCRIÇÃO PERIODICIDADE


Limpeza geral esquadria (zona urbana ou rural) 1 vez ao ano
Limpeza geral esquadria (zona marítima ou industrial) 1 vez a cada 3 meses
Limpeza dos orificios dos trilhos inferiores 1 vez a cada 3 meses
ESQUADRIAS DE ALUMÍNIO
Limpeza da persiana de enrolar 1 vez a cada 3 meses
Reapertar parafusos aparentes dos fechos 1 vez ao ano
Regulagem do freio 1 vez ao ano

1 vez ao ano
IMPERMEABILIZAÇÃO Inspecionar os rejuntamentos dos pisos cerâmicos, ralos e peças sanitárias
Inspecionar a camada drenante do jardim 1 vez ao ano
Repintar áreas privativas A cada 3 anos
ESTRUTURAS / PAREDES Repintar áreas comuns A cada 3 anos
Inspecionar os rejuntamentos da fachada da edificação 1 vez ao ano
Verificar os ralos e sifões das louças, tanques e pias. A cada 6 meses
Trocar os vedantes (courinhos) das torneiras e registros de pressão 1 vez ao ano
Limpar os aeradores (bicos removíveis). A cada 6 meses
Limpar e verificar regulagem do mecanismo de de descarga A cada 6 meses
Verificar gaxeta, anéis o ´ring e estanqueidade dos registros de gaveta e A cada 3 anos
dos registros de esfera
INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS, LOUÇAS E
METAIS Verificar, anéis o´ring dos registros de pressão e torneiras 1 vez ao ano

Verificar o diafragma da torre de entrada e a comporta do mecanismo de A cada 3 anos


caixa acoplada
Verificar a estanqueidade da válvula de descarga, torneira automática e A cada 5 anos
torneira eletrônica
Limpar o crivo do chuveiro 1 vez ao ano
Reapertar todos as conexões 1 vez ao ano
Quadro de Testar o disjuntor DR A cada 6 meses
Distribuição,
Circuitos,
INSTALAÇÃO ELÉTRICA
Tomadas, Reapertar conexões e verificar estado dos contatos elétricos substituindo as
Interruptores e A cada 2 anos
peças que apresentem desgaste
Pontos de Luz

NOTA: Recomendamos a contratação de empresa especializada para realizar a manutenção preventiva


garantia 33

GARANTIA

A TECNOCAL CONSTRUTORA E INCORPORADORA LTDA é reponsável pela construção do imóvel segundo as


prescrições do Código de Proteção e Defesa do Consumidor. Abaixo estão relacionados os seguintes tipos de problemas:

Vícios Aparentes
São aqueles de fácil constatação, detectados quando da vistoria para recebimento do imóvel.

Vícios Ocultos
São aqueles não detectáveis no momento de entrega do imóvel, e que podem surgir durante a sua utilização regular.
A empresa Construtora, no entanto, só pode ser responsabilizada caso a origem do vício oculto, seja comprovadamente,
anterior à entrega do imóvel.

Solidez e Segurança
São itens relacionados à solidez da edificação, e que possam comprometer a sua segurança, nele incluídos peças e
componentes da estrutura do edifício, tais como lajes, pilares, vigas, estruturas de fundação, contenções e arrimos.

PRAZOS DE GARANTIA
Os prazos de garantia de material e serviço dos sistemas estão relacionados a seguir, com validade a partir da data do
Auto de Conclusão do Imóvel.
A construtora não se responsabiliza por danos causados pelo uso inadequado do imóvel, pelo prolongado
desuso, pelo desgaste natural dos materiais ou por reformas e alterações feitas no projeto original, mesmo que
ainda esteja vigente o prazo de garantia contratualmente estipulado.

PERDA DA GARANTIA
As garantias serão perdidas nos seguintes casos:
Ÿ Se durante o prazo de vigência da garantia (vide tabela a seguir) não for observado o que dispõe o Manual do
Proprietário e a NBR 5674 - Manutenção da Edificação, no que diz respeito à manutenção preventiva correta, para
imóveis habitados ou não;
Ÿ Se, nos termos do art. 393 do Código Civil Brasileiro atualizado, ocorrer qualquer caso fortuito, ou por força maior,
que impossibilite a manutenção da garantia concedida;
Ÿ Se foi executada reforma no imóvel ou descaracterizações dos sistemas, com fornecimento de materiais e
serviços pelo próprio usuário;
Ÿ Se houver danos por mau uso, ou não respeitando, os limites admissíveis de sobrecarga nas instalações e
estrutura;
Ÿ Se o proprietário não permitir o acesso do profissional destacado pela Construtora/Incorporadora nas
dependências de sua unidade, para proceder à vistoria técnica;
Ÿ Se forem identificadas irregularidades na vistoria técnica e as devidas providências sugeridas não forem tomadas
por parte do Proprietário ou Condomínio;
Ÿ Demais fatores que podem acarretar a perda da garantia estão descritos ao longo deste manual de
acordo com cada material e serviço especifico.
Ÿ
SOLICITAÇÃO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA
A construtora e/ou incorporadora se obriga a prestar, dentro dos prazos de garantia estabelecidos, o serviço de
assistência técnica, reparando, sem ônus, os defeitos verificados, na forma prevista no Manual do Proprietário.
Caberá ao proprietário solicitar formalmente a visita de representante da construtora e/ou incorporadora, sempre que os
defeitos se enquadrarem entre aqueles integrantes da garantia. Constatando-se na visita de avaliação solicitada, que
esses serviços não estão enquadrados nas condições da garantia, será cobrada uma taxa de visita e não caberá
à construtora e/ou incorporadora a execução dos serviços. É importante lembrar que o atendimento a reclamações
não significa o reconhecimento por parte da Construtora da existência de defeitos ou danos de sua responsabilidade.
garantia tabela de prazos 34

TABELA DE PRAZOS DE GARANTIA

NO ATO DA
SISTEMA FABRICANTE 6 MESES 1 ANO 2 ANOS 3 ANOS 5 ANOS
ENTREGA

Geradores de Água Desempenho do Problemas com a


Quente equipamento instalação

Instalações de Desempenho do Problemas com a


Interfone equipamento instalação

Mau
Circuito Fechado de Problemas com a
desempenho do
TV instalação
equipamento

Mau
Problemas com a
Elevadores desempenho do
instalação
equipamento

Equipamentos
Industrializados Sistema Proteção Mau
Problemas com a
das Unidades Contra Descargas desempenho do
instalação
Autônomas Quando Atmosféricas equipamento
Instalados pela
Construtora
Mau
Sistema de Problemas com a
desempenho do
Combate à Incêndio instalação
equipamento

Automação de Desempenho do Problemas com a


Portões equipamento instalação

Problemas com a
Regulagem de Desempenho de
integridade do
Porta Corta Fogo dobradiças e dobradiças e
material (portas e
maçanetas molas
batentes)

Moto bomba / filtro


Desempenho do Problemas com a
(recirculadores de
equipamento instalação
água)

Espelhos Desempenho
Inst.Elétricas: Material danificados / mau mat. e isol.
Tomadas, colocados Térmico
Interruptores e
Disjuntores Serviços
Problemas com a
instalação

Desempenho
Material mat. e isol.
Inst.Elétricas: Fios, Térmico
Cabos e Tubulação
Problemas com a
Serviços
instalação

Mau
Instalações Material desempenho do
Hidraúlicas: material
Colunas de Água
Fria, Colunas de Danos causados
Água Quente e devido à
Tubos de Queda de Serviços movimentação ou
Esgoto acomodação da
estrutura
garantia tabela de prazos 35

NO ATO DA
SISTEMA FABRICANTE 6 MESES 1 ANO 2 ANOS 3 ANOS 5 ANOS
ENTREGA

Fissuras por
Quebrados,
acomodação dos
Forros Gesso trincados ou
elementos estruturais
manchados
e de vedação

Empolamento,
descascamento,
Sujeira ou mau esfarelamento,
Pintura / Verniz (interna e externa)
acabamento alteração de cor ou
deterioração de
acabamento

Fissuras perceptíveis
Paredes e tetos
a uma distãncia
internos
superior a 1 metro

Infiltração
decorrente do mau
Paredes externas / desempenho do
fachada revestimento
externo da fachada
(ex: fissuras que
possam gerar
infiltração)

Má aderência do
Revestimento de Argamassa, gesso
revestimento e dos
parede / piso e teto liso, componentes do
componentes do
Dry Wall
sistema

Falhas no
Quebrados, Soltos, gretados ou
caimento ou
Azulejo, cerâmica e riscados, trincados, desgaste excessivo
nivelamento
pastilha manchados, ou com que não por mau
inadequado
tonalidade diferente uso
nos pisos

Rejuntamento Falhas ou manchas Falhas na aderência

Falhas no
Piso cimentado, piso
Superfícies caimento ou
acabado em Destacamento
irregulares nivelamento
concreto, contrapiso
inadequado

Problemas em peças
estruturais (lajes,
vigas, pilares,
estruturas de
fundação, contenções
e arrimos) e em
Solidez, segurança
vedações (paredes
da edificação
de alvenarias, Dry
Wall e painéis pré-
moldados que
comprometam a
solidez e segurança
da edificação

(*)Prazo especificado pelo fabricante # entende-se por desempenho de equipamentos e materiais sua capacidade em
atender os requisitos especificados em projetos, sendo o prazo de garantia o constante dos contratos ou manuais
específicos de cada material ou equipamento entregues, ou 6 meses (o que for maior).

NOTA 1: Nesta tabela consta os principais itens das unidades autônomas e das áreas comuns, variando com a
característica individual de cada empreendimento, com base no seu Memorial Descritivo
NOTA 2: No caso de cessão ou transferência da unidade, os prazos de garantia aqui estipulados permanecerão
válidos, com tanto, que se cumpra o estabelecido neste manual.
garantia tabela de prazos 36

NO ATO DA
SISTEMA FABRICANTE 6 MESES 1 ANO 2 ANOS 3 ANOS 5 ANOS
ENTREGA
Desempenho do
Instalações Material
material
Hidraúlicas:
Coletores Problemas com a
Serviços
instalação
Desempenho do
Material
material
Instalações
Hidraúlicas: Ramais Problemas com
Serviços instalações embutidas
e vedação

Quebrados, Desempenho do
trincados, riscados, material
Instalações Material manchadas ou
Hidraúlicas: entupidos
Louças, Caixa de
Descarga e
Problemas com a
Bancadas
Serviços instalação

Quebrados,
trincados, riscados,
Instalações manchadas ou Desempenho
Material
Hidraúlicas: Metais entupidos do material
Sanitários, Sifões,
Flexíveis, Válvulas
Problemas com a
e Ralos
Serviços vedação

Desempenho do
Material material
Instalações de Gás
Probl. nas vedações
Serviços das junções

Sistema de
Impermeabilização
impermeabilização

Lascadas,
Empenamento ou
Esquadrias de Madeira trincadas, riscadas
descolamento
ou manchadas

Borrachas, escovas, Probl. com a


articulações, fechos e instalação e
roldanas desempenho do
material
Perfis de alumínio,
fixadores e Amassadas, Problemas com a
revestimentos em riscados ou integridade do
Esquadrias de painel de alumínio manchadas material
Alumínio

Partes móveis
(inclusive Problemas de
recolhedores de vedação e
palhetas, motores e funcionamento
conjuntos elétricos de
acionamento)
Quebrados,
Vidros trincados ou Má fixação
riscados
desenhos técnicos alvenaria de vedação 37

APARTAMENTO FINAL 04

LEGENDA:

ALVENARIA
ESTRUTURA
desenhos técnicos hidraúlica 38

PLANTA HIDRAÚLICA
apartamento final 04

Observações:

01. Visualizar vistas nas páginas seguintes conforme numeração da planta acima.
02. Não perfurar no alinhamento vertical das faces das prumadas de hidraúlica conforme
identificado na planta acima.
desenhos técnicos hidraúlica 39

COZINHA
apartamento final 04
desenhos técnicos hidraúlica 40

COZINHA
apartamento final 04
desenhos técnicos hidraúlica 41

ÁREA DE SERVIÇO
apartamento final 04
desenhos técnicos hidraúlica 42

ÁREA DE SERVIÇO
apartamento final 04
desenhos técnicos hidraúlica 43

BANHO SOCIAL
apartamento final 04
desenhos técnicos hidraúlica 44

BANHO SUÍTE
apartamento final 04
desenhos técnicos hidraúlica 45

BANHO SUÍTE
apartamento final 04
desenhos técnicos elétrica 46

PLANTA ELÉTRICA
apartamento final 04

Obs: Será disponibilizada toda infra-estrutura (tubulação) para instalação de ar condicionado nas suítes e dormitórios,
ficando sob a responsabilidade do proprietário a mão de obra e o material (cabos, disjuntores etc.), necessários para a
instalação. O proprietário deverá contratar técnico especializado para execução do serviço, sendo de sua
responsabilidade, quaisquer problemas que possam ocorrer devido a contratação de mão de obra não especializada ou a
utilização de materiais inadequados para a instalação.
desenhos técnicos forros 47

PLANTA DE FORRO
apartamento final 04

LEGENDA:

FORRO
desenhos técnicos gás 48

PLANTA BAIXA - DETALHE GÁS


apartamento final 04

Obs: 1. Não perfurar na área hachurada, evitando assim, acidentes e danos a rede de distribuição de
gás do apartamento. Em caso de remoção do piso, o serviço deverá ser executado com cautela por
profissional habilitado e com o manual do proprietário em mãos.
2. Não perfurar no alinhamento vertical do ponto de alimentação de gás na parede,
evitando assim, acidentes e danos a rede de distribuição de gás do apartamento.
3. Conferir no local cotas e posição dos equipamentos.
fornecedores 49

PROJETOS
Projeto Arquitetônico - Ullisses Gonçalves Faria Engenharia & Projetos (13) 3473 5011
Projeto Estrutural - Ullisses Gonçalves Faria Engenharia & Projetos (13) 3473 5011
Projeto de Inst. Hidraúlicas - Ullisses Gonçalves Faria Engenharia & Projetos (13) 3473 5011
Projeto de Instalações Elétricas - Ullisses Gonçalves Faria Engenharia & Projetos (13) 3473 5011
Projeto de Prevenção e Combate à Incêndio - Arq° Reinaldo Lozano (13) 7804 8860

ESTRUTURAS
Aço - Comercial Gerdau - (13) 3576 9000
Votoraço - (13) 3473 3233
Arcelor Mittal - (13) 3465 1407
Concreto - Polimix Concreto Ltda - (13) 3481 3468
Controle e Ensaios Tecnológicos - Falcão Bauer - (11) 3611-0833

ALVENARIA
Blocos de Concreto - Mari & Freitas Indústria de Blocos - (13) 3481 1113
Dimensão Artefatos de Concreto Ltda - (13) 3491 5057
Areia e Pedra - Comércio de Areia e Pedra Rubão - (13) 3495 4210
Cimento - Votorantim - (0800 701 9898)
Marinho Atacadão de Cimento Ltda - (13) 3594 3000

ESQUADRIAS / VIDROS / FERRAGENS


Portas de Correr e Janelas - DNA Alumínio - (13) 3596 9696
Vidros - DNA Vidros - (13) 3596 9090
Portas - Fabriportas Fábrica de Portas Ltda - (42) 3553 1414
Empresa Industrial e Comercial Fuck S.A. - (47) 3621 7801
Batentes - Dois Pinheiros Madeiras Ltda - (13) 3473 7480
Guarnições - Dois Pinheiros Madeiras Ltda - (13) 3473 7480
Fechaduras - Aliança Metalúrgica S/A (11) 2951 1500
Dobradiças - Metalúrgica Rocha Ltda - (11) 4746 7900
Batentes Porta Corta Fogo - Portal Portas Corta Fogo Ltda - (11) 4702 9392
Portas Corta Fogo - Dominante Indústria e Comércio de Portas Ltda - (11) 4617 3747

COBERTURA
Telhas - Eternit S/A - (41) 2109 6800

REVESTIMENTOS / ACABAMENTOS
Azulejos / Pisos / Revestimentos Fachada - Portobello S/A - (0800 648 2002)
Pastilhas de revestimento das muretas dos terraços - Cerâmica Atlas Ltda - (19) 3673 9600
Rejunte - Portokoll - (11) 3395 0306
Tintas - Futura Tintas - (0800 773 2900)
Tintas Coral - (08000 11 7711)

LOUÇAS / METAIS SANITÁRIOS


Vasos sanitários com caixa acoplada e lavatórios com coluna - Hervy Louças Sanitárias. (11) 3818 4700
Torneiras, registros e acabamentos - Docol (0800 474 333)
Tanques - Hervy Louças Sanitárias. (11) 3818 4700
fornecedores 50

MÁRMORES E GRANITOS
Soleiras - Marmoraria Santista (13) 3473 2269
Pias de Cozinha - Gran-nox Baixada Santista Comércio de Materiais de Construção Ltda. (13) 3327 4441

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS E TELEFÔNICAS


Automação e Interfone - Spy Eletrônica de Praia Grande Ltda. (13) 3471 4191
Fios e Cabos Elétricos - Nambei Indústria de Condutores Elétricos Ltda (11) 5056 8900
Quadros de Distribuição - Maxel Materiais Elétricos Ltda (13) 3372 2210
Espelhos e Tomadas - Perlex Produtos Plásticos Ltda. (11) 4661 2414
Disjuntores - Steck Indústria Elétrica Ltda. (11) 2248-7000

INSTALAÇÕES HIDRAÚLICAS
Hidrômetro - Elster Medição de Água S.A. (38) 3690 2200
Tubos / Conexões - Plastubos Ltda - 0300 789 3171
Amanco Brasil Ltda - 0800 701 8770
Astra - 0800 165051

INSTALAÇÕES DE GÁS
Empresa executora dos serviços - Central do Gás (13) 3471 2188

IMPERMEABILIZAÇÕES
Execução - Art&Teck Engenharia, Arquitetura e Construções Ltda. (13) 3251 4718
Manta asfáltica - DENVER Impermeabilizantes Indústria e Comércio Ltda - (011) 4741 6000
Argamassas Poliméricas - DENVER Impermeabilizantes Indústria e Comércio Ltda - (011) 4741 6000

ELEVADORES
Elevadores - Elevadores Torres (13) 3494 1619

Você também pode gostar