Você está na página 1de 3

Endereço da página:

https://novaescola.org.br/conteudo/17900/menos-da-metade-dos-brasileiros-com-
mais-de-25-anos-completou-educacao-basica

Publicado em NOVA ESCOLA 19 de Junho | 2019

Levantamento

Menos da metade dos brasileiros


com mais de 25 anos completou
Educação Básica
Pesquisa realizada pelo IBGE traz dados sobre analfabetismo, nível de
instrução e frequência escolar
Paula Salas

Crédito: Marcello Casal Jr Agência Brasil

Dos brasileiros com 25 anos ou mais, apenas 47,5% completaram a Educação Básica. E 6,9% deles não
tinha qualquer instrução. O Nordeste é a região com maior deficiência em escolaridade, com 61,1% dos
seus residentes sem ensino básico completo.

Os dados fazem parte da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad) de 2018,
divulgados nesta quarta-feira (19). Entre os dados apresentados, referentes ao segundo semestre de
2018, o levantamento evidencia que a rede pública é responsável por 74,5% dos alunos na Educação
Infantil; 82,3% do Ensino Fundamental; e 87% do estudantes matriculados no Ensino Médio. Para
quem ficou curioso, no Ensino Superior, esse cenário muda e a rede privada detem a mais de 71% das
matrículas.

A pesquisa mostra avanços na Educação, porém evidencia uma discrepância racial e entre as regiões
do país. Veja os principais dados apresentados:
ANALFABETISMO
Entre 2017 e 2018, houve uma redução de 121 mil analfabetos. Mas hoje, quem são os analfabetos no
Brasil? A Pnad aponta que a maioria das pessoas analfabetas no país é formada por mulheres pretas
ou pardas com 60 anos ou mais.

Em 2018, quase 6 milhões de pessoas com 60 anos ou mais eram consideradas analfabetas, ou seja,
18,6% do grupo etário. Este número representa uma diminuição nos índices de analfabetismo: em
2016, 20,4% do grupo eram analfabetos. A menor taxa de analfabetismo (6,8%) registrada está entre
jovens com 15 anos ou mais - dado que poderia apontar para avanços recentes no acesso à Educação.

Entre o grupo mais velho, a taxa de analfabetismo de pessoas pretas ou pardas é de 27,5%, enquanto
de brancos é de 10,3%, isto é, uma diferença percentual de 17,2. Entre os mais jovens, essa diferença
cai para 5.9 pontos percentuais - 3,9% são brancos e 9,1 são pretos ou pardos.

NÍVEL DE INSTRUÇÃO
Devido às diferentes trajetórias escolares, a pesquisa investiga o nível educacional alcançado por cada
pessoa com um recorte etário de 25 anos ou mais. A Pnad revela que 52,5% desse grupo não
completaram a Educação Básica, isto é, não chegaram ao final do Ensino Médio. Destes, quase 60%
eram pretos ou pardos.

Em 2018, 6,9% das pessoas com 25 anos ou mais não tiveram nenhuma instrução; 33,1% tem o
Fundamental incompleto; 8,1% o Fundamental completo; 4,5% Ensino Médio incompleto; e 26,9% do
EM completo. Estes dados mantêm uma taxa de crescimento nacional, mas ainda demonstram que a
maioria da população não completou o Ensino Básico. Neste grupo, um dado que salta aos olhos é a
alta concentração de pessoas no Nordeste, que tem 61,1% dos seus residentes sem Ensino Básico
completo.

Entre esse mesmo grupo, a pesquisa também investigou a média de anos de estudo. A média nacional
foi de 9,8 anos em 2018, sendo que, em 2016, foi de 8,9 anos. Entre as regiões brasileiras, a melhor
média é do Sudeste com 10 anos e a pior, o Nordeste com 7,9.

FREQUÊNCIA ESCOLAR
Este dado avalia a proporção de alunos de determinada faixa etária em relação ao total de pessoas
com aquele intervalo de idade. De forma geral, essa taxa aumentou em todos os grupos e entre
pessoas de 6 a 14 anos, 99,3% estão na escola, o que equivale a 25,8 milhões de alunos.

Entre 0 e 3 anos, 34,2% frequentam a creche. Já entre 4 e 5 anos, quando começa a idade escolar
obrigatória, a taxa pula para 92.4%. Esse número começa a cair a partir do grupo de 15 e 17 anos, no
qual 88,2% estão estudando; 18 a 24 anos, 32,4%; e com 25 anos ou mais, apenas 4,6% frequentam a
escola.

IDADE ESCOLAR IDEAL


Para compreender a distorção idade-série e evasão, a pesquisa calcula, a partir da frequência, a taxa
ajustada de frequência escolar líquida. Nos anos iniciais, entre alunos de 6 e 10 anos, 96,1% estavam
na etapa ideal, enquanto, no Fundamental 2, esse número cai para 86,7%. O atraso escolar aumenta
expressivamente entre alunos de 15 a 17 anos, os quais 69,3% cursam o ano ideal para aquela idade
ou já haviam concluido o Ensino Básico obrigatório, isto é, 30,7% estão atrasados.

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS


Em 2018, mais de 1,6 milhão de pessoas frequentavam a Educação de Jovens e Adultos (EJA), destes
831 mil cursam o Ensino Fundamental e 833, o Ensino Médio. Em ambas, a maioria dos alunos tem até
24 anos e são pretos ou pardos. Os homens são maioria no Fundamental e as mulheres no Ensino
Médio.

O levantamento trimestral investiga questões ligadas à Educação e, desde 2016, é realizada uma versão
anual que amplia o questionário aplicado. O levantamento traça um panorama educacional e passa
por temas como analfabetismo, nível de instrução, frequência escolar, entre outros. Com dados
divididos em Brasil, grandes regiões e unidades federativas, realiza-se um cruzamento com recortes
raciais, etários e de gênero.

"NEM-NEM"
A expressão é utilizada para denominar as pessoas que nem estudam nem trabalham. Em 2018, entre
as 47,3 milhões de pessoas entre 15 aos 29 anos, 23% pertenciam ao grupo dos nem-nem; 13,5%
estudavam e trabalhavam; 28,6% apenas estudavam; e 34,9% apenas trabalhava. Em relação à 2017, o
cenário é muito semelhante.

O PNAD considera condição de estudo além da frequência à escola, mas também cursos pré-
vestibular, ensino técnico ou qualificação profissional.