Você está na página 1de 34

ZOOLOGIA DOS BOVINOS

Classe MAMMALIA
 Animais de maior complexidade evolutiva;

 Geralmente ficam retidos no útero para desenvolvimento;

 Crias nascem com desenvolvimento bastante adiantado;

 Fêmeas com glândulas mamárias que secretam leite;

Glândula Mamária - é uma glândula exócrina cuja função


primordial é a produção de leite para nutrir o recém-nascido;

 Leite é responsável pela nutrição das crias ao início da vida;

 Presente em ambos os sexos;

 Nos machos o desenvolvimento cessa antes da puberdade;


Classe MAMMALIA
 Estrutura da Glândula Mamária

 Ramificação mais complexa do que a das demais glândulas da pele;

 Sistema de ductos rodeados por tecido glandular;

 Influenciada por vários hormônios - Prolactina;

 Tipos de organização glandular:

 acúmulos de tecido glandular dispostos na parede abdominal


secretando leite em pequenas depressões;
 ductos desembocam de forma separada em estrutura carnosa
chamada mamilo;
 ductos secretam o leite em um reservatório comum (úbere), o
qual secreta para o exterior através de abertura única na teta.
Classe MAMMALIA
Classe MAMMALIA
Subclasse Prototheria – ovovivíparos

Subclasse Theria - vivíparos

Infraclasse Pantotheria - extinto

Infraclasse Metatheria - marsupiais

Infraclasse Eutheria - placentários


Infraclasse EUTHERIA
 Mamíferos placentários, sem bolsa ou marsúpio;

 Feto desenvolve-se inteiramente dentro do corpo da fêmea;

 Feto prende-se à parede do útero por uma placenta;

27 Ordens – 10 extintas
Ordem Lagomorpha – Oryctolagus cuniculus
Ordem Rodentia – Cavia cobaya
Ordem Carnivora – Canis familiaris, Felis domestica
Ordem Perissodactyla – Equus caballus, Equus asinus
Ordem Atiodactyla
Ordem ARTIODACTYLA
 Mamíferos ungulados de dedos pares;

 Dois artelhos funcionais em cada pé, raramente quatro;

 Artelhos envolvidos por um casco cornificado;

 Eixo da perna entre os artelhos;

 Muitos são dotados de cornos ou chifres, dentição reduzida e rúmen;

Subordem Suiformes – Sus domesticus

Subordem Tylopoda – camelídeos do velho e novo mundo

Subordem Ruminantia
Ordem ARTIODACTYLA
Subordem RUMINANTIA
 Herbívoros - parte aérea dos vegetais são a base da dieta;

 Pré-estômago compartimentalizado - Rúmen, Retículo e Omaso;

 Estômago químico – Abomaso;

 Rúmen-retículo - ativa fermentação microbiana;

 Bactérias, fungos e protozoários;

 Degradam os componentes da parede celular dos vegetais;

 Celulose, hemicelulose e lignina são importantes fontes de energia;

 Grande habilidade no uso de compostos de NNP;

 Síntese de vitaminas hidrossolúveis (complexo B) e de vitamina K;


Subordem RUMINANTIA
Subordem RUMINANTIA
Subordem RUMINANTIA
 Características do ambiente ruminal

 Temperatura constante de 39º C (38º – 42º C);

 Anaerobismo ou ausência de O2;

 CO2 e CH4 são os gases predominantes;

 pH variando entre 5,5 e 7,0;

 Pressão Osmótica constante;

 Povoado por Bactérias, Fungos e Protozoários;

 Equilíbrio da população depende da alimentação.


Celulose Hemicelulose Amido Mono e dissacarídeos Pectinas

Glicose

Glicólise

Piruvato (C3)

Lactato Acetato (C2) Formato H2

Propionato (C3) Butirato (C4) CO2 CH4


METANO
Proteína Verdadeira Compostos de NNP

Aminoácidos

AGV Amônia – NH3 AGV Carboidratos

Aminoácidos

Proteína Microbiana

Aminoácidos Absorção
Subordem RUMINANTIA
Infra-ordem Tragulina – intermediários entre porcos, camelos e veados

Família Tragulidae

Infra-ordem Pecora – ruminantes verdadeiros

Família Cervidae – veados, cervos, alces e renas

Família Giraffidae - girafas

Família Antilocapridae - antilocapra

Família Bovidae
Família BOVIDAE
 Espécies semelhantes, embora existam grandes variações de porte;

 Encontrados em todas as latitudes e altitudes;

 Cornos presentes na maioria das espécies e em ambos os sexos;

 Cornos não ramificados e mais desenvolvidos nos machos;

 Ocos, com epiderme queratinizada revestindo projeção óssea;

 Implantados sobre protuberância óssea – Gavelhos de Frontal;

 Crescem durante toda a vida, sem caducidade e sem ramificação;

 Fórmula dentária – 2 (I 0/4; C 0/0; PM 3/3; M 3/3) ou 32 dentes.


Família BOVIDAE
Família BOVIDAE
Família BOVIDAE
Subfamília Cephalopinae – duikers

Subfamília Hippotraginae – orix, damaliscos, adax, gnus

Subfamília Antilopinae – antílopes, impalas, gazelas

Subfamília Caprinae – Capra hircus, Ovis aries

Subfamília Bovinae

 Acentuado dimorfismo sexual;

 Machos podem pesar o dobro das fêmeas;

 Chifres são encontrados em machos de todas as espécies;

 Chifres lisos, desprovido de anéis.


Subfamília BOVINAE
Gênero Tragelaphus – nyalas e kudus

Gênero Taurotragus – elandes

Gênero Boselaphus – nilgai

Gênero Tetracerus – antílope de quatro chifres

Gênero Bubalus – Bubalus bubalis Lyd

Gênero Syncerus – búfalo africano

Gênero Bison – bisões europeu e americano

Gênero Bos
Gênero BOS
 Animais de grande porte, corpulentos e com membros robustos;

 Cauda longa, com um tufo de pêlos na extremidade;

 Desprovidos de glândulas suborbitais, inguinais ou interdigitais;

 Cornos presentes nos dois sexos, sendo maior nos machos;

 Cornos inseridos separadamente nos extremos do topo da cabeça;

 Área occipital da cabeça forma ângulo reto com a face;


Gênero BOS
Subgênero Poephagus Gray, 1843

Bos grunniens - Yak

Subgênero Bibos Hodgson, 1837

Bos gaurus - Gaur

Subgênero Novibos Coolidge, 1940

Bos sauveli - Kouprey

Subgênero Bos Linnaeus, 1758

Bos javanicus - Bateng

Bos taurus – Boi Europeu

Bos indicus – Boi Indiano ou Zebu


Bos grunniens

Nome comum: Yak ou Iaque.


Outras Denominações: B. mutus.
Distribuição Geográfica: Tibete e regiões altas adjacentes.
 Espécie domesticada no Tibete no primeiro milênio da Era Cristã, é
utilizado para tração, carga, e produção de leite e carne.
 Considerada por alguns como mais próximo dos Bisões.
Bos gaurus

Nome comum: Gaur e Gayal (forma doméstica).


Outras Denominações: B. frontalis.
Distribuição Geográfica: Índia, Nepal, Indochina e Península Malaia.
 A forma doméstica, denominada Gayal é de menor porte e utilizada
localmente como animal de tração e para produção de carne.
Bos sauvelli

Nome comum: Kouprey ou Boi das Florestas.


Distribuição Geográfica: Nordeste do Camboja, e áreas adjacentes na
Tailandia e Laos, sudeste do Viet Nam.
 Espécie rara e muito ameaçada de extinção, já foi considerada extinta,
tendo sido localizado pequeno grupo em 1986.
Bos javanicus

Nome comum: Bateng ou batengo.


Outras Denominações: B. sondaicus, B. bateng.
Distribuição Geográfica: Burma, Tailândia, Indochina, Península Malaia, Java e
Borneo.
 Hipótese de Keller – baseado na conformação craniana admite ser esta a
espécie selvagem precursora dos zebuínos;
 São criados em domesticidade mediante hibridação com o Zebu.
Bos taurus

Nome comum: Boi Europeu.


Outras Denominações: B. taurus taurus.
Origem Geográfica: Europa, Ásia.
 São pertencentes a esta espécie todas as raças criadas em latitudes mais
elevadas, portando de ambientes com clima temperado.
Bos indicus

Nome comum: Zebu ou Boi Indiano.


Outras Denominações: B. taurus indicus.
Origem Geográfica: Índia, Paquistão e África.
 São os bovinos que predominam nas regiões intertropicais do globo.
Bos taurus taurus Bos taurus indicus

 Espécies interfecundas de modo


completo.

Bos taurus nomadicus


Diferenças entre Bos taurus e Bos indicus.

 Aspectos Morfológicos;

 Temperamento;

 Rusticidade ou Resistência Orgânica;

 Adaptação Climática;

 Ecologia;