Você está na página 1de 4

Efeito Haas e Camadas de Delay

Textos de Fernando José Peixoto Lopes


Técnico de Áudio Profissional
(27) 9-9518-4250 WhatsApp

APOIO
O Efeito Haas, também conhecido como Efeito Procedência, é a capacidade de ouvir
e identificar sons nos nossos ouvidos, mas que chegam em tempos diferentes.
Graças a geometria da nossa cabeça e a separação dos nossos ouvidos, identificamos
se o som vem da esquerda ou direita, se está perto ou longe.

Para isso usamos basicamente três “pilares”;

1. Tempo;
2. Volume;
3. Timbre.
Acredito que nessa ordem. Conseguimos identificar o primeiro som a partir de uns 20
milissegundos e após os 35 milissegundos começamos a identificar dobras.

Temos (sentimos) o Efeito Haas até mesmo quando a segunda fonte sonora
(atrasada) superar em uns 10dBSPL a primeira, isso significa que se tenho duas
fontes A com 0 delay a 96dBSPL, e a segunda B com 20ms de delay a 106dBSPL
ainda identificamos a fonte A na frente.

Isso explica que quando ouvido duas fontes sonoras iguais chegando ao mesmo
tempo em nossos ouvidos temos a sensação do som central ou dentro da nossa
cabeça, a partir do momento que atrasamos um lado ou uma das fontes começamos
a ouvir a “estereofonia”.

Quando aprendi sobre o efeito Haas quis usar, e confesso que errei na primeira
tentativa.

Já ouviram torres de delays que falam mais alto que o PA? Será que se usarmos o
efeito Haas o som não ficaria mais natural, como se saísse apenas do PA? Há muitos
anos assisti um espetáculo da Broadway e pude “ouvir” o efeito Haas em ação,
impressionante pois tinha bem acima da minha cabeça uma caixa de delay, que
parecia estar desligada, pois todo o som saia de dentro do palco. Com certeza tinha
um bom atraso nas caixas de delay e também no PA.

A Fórmula Mágica:

l = 344 / t (lembrando que a velocidade da onda sonora varia de acordo com a


temperatura e humidade do ar)

Comprimento da onda = 344 m/s

Assim temos por média, pois novamente lembro que a velocidade da onda sonora
varia de acordo com a temperatura e humidade do ar:

 1 m = 3,2ms
 2 m = 6,4ms
 3 m = 6,4ms
 4 m = 12,8ms
 e assim por diante

Quando disse que errei, foi em começar fazer os atrasos com 20ms – 30ms, pois
aprendi que a sensação do haas começava em 20ms, isso somado na terceira
camada acaba virando dobras. Isso porque quis fazer camadas de delays na Mix ao
vivo. Foi quando um amigo, me deu uma grande dica, que eu poderia começar a
fazer os delays com pequenos tempos, que 3,2ms já é um atraso de 1 m.
Foi quando comecei a mixar com camadas de delays como a disposição da banda no
palco (ou a maneira que queria colocá-los), ex: bateria – 4 m, baixo – 3 m, 
guitarras – 2 m, backing vocal – 1 m, lead vocal 0 metro (sem delay), assim a mix
ficou muito mais rica, pude mixar com muito mais som de banda e como a voz não
tem delay ela sempre chega a frente, gosto muito do resultado pois a mix fica bem
cheia e a voz sempre nítida. Tenho um amigo que usa isso na Mix de orquestras,
fazendo várias camadas de acordo com a disposição dos naipes e deixa o coral sem
atraso, assim ele sempre tem as vozes a frente.

Em resumo podemos utilizar dos delays para atrasar as torres de delays, atrasar o
PA e deixar o som parecer sair de dentro do palco, no caso de LCR podemos
atrasar o LR, assim parecerá que o center que está falando mais e também atrasar
as entradas e fazer “camadas de delay”, essa última é a que mais gosto tanto
para mixar bandas como orquestras, imagine quantas camadas usamos em uma
orquestra, é fantástico mixar LR + profundidade, você começa a imaginar o palco na
hora da mix.

‘’DEUS SEJA SEMPRE LOUVADO”!