Você está na página 1de 52

Estudos Dirigidos

Os Corpos, Veículos, Campos.


Vamos falar aqui, inicialmente,
sobre os Corpos, Veículos, Campos,
que o Ser Humano é composto.
Estudos Dirigidos
Os Corpos, Veículos, Campos.
Sim, isso mesmo, corpos!
Descobrimos que não possuímos
apenas o nosso corpo físico!
Estudos Dirigidos
Os Corpos, Veículos, Campos.
Diversas pesquisas foram feitas e
diversos experimentos foram realizados.
Estudos Dirigidos
Os Corpos, Veículos, Campos.
E descobrimos então que o corpo
físico poderia ser separado, e outros
corpos foram se mostrando!!!
Estudos Dirigidos
Os Corpos, Veículos, Campos.
Lembrando que alguns autores
preferem usar os termos DISSOCIAR,
Separado = Dissociado
em vez de separar, e EXTERIORIZAR,
em vez de mostrar (para o exterior).
Se mostrar = Exteriorizar
Estudos Dirigidos
Os Corpos, Veículos, Campos.
Traremos a seguir alguns
trechos de um livro que
aborda este assunto.
O homem é um ser multidimensional e muito representativo na escala
da evolução da consciência. Entretanto, o homem não é o ser. Ele é a
manifestação do ser na esfera ou dimensão física.

O substrato do princípio espiritual, o princípio de consciência primor-


dial a que chamamos de espírito é o fundamento de toda manifesta-
ção inteligente e consciente na criação. O espírito é mais que energia
e, ainda que fosse energia, esta não existe sem um fundamento irre-
Capítulo 05 dutível, um substrato. O espírito precisa de veículos de manifestação
Consciência ou corpos, para se relacionar no mundo entre as diversas dimensões
em que atua.
A consciência ou o Si não se confunde com seus veículos de manifes-
tação.

De acordo com os estudos de diversas escolas do pensamento, o ho-


mem é um ser de aspecto setenário, ou seja, sua constituição hiper-
física se manifesta através de sete dimensões ou sete princípios.

Capítulo 07
Os Sete Níveis e
Subníveis da Consciência
FIM
Estudos Dirigidos
veículo
(latim vehiculum, -i)
s. m.
1. Qualquer meio de transporte.
2. Viatura, carro, automóvel.

Os Corpos, Veículos, Campos.3. Aquilo que conduz, auxilia ou promove.


4. Meio de transmissão, de propagação ou de
Vamos dar aqui alguns conceitos
do termo veículo, já que divulgação.
também, como puderam ver,
poderemos utilizá-lo quando
falarmos de nossos corpos.

Fonte: Dicionário Priberam da Língua Portuguesa (30 julho 2014)


Estudos Dirigidos
Os Corpos, Veículos, Campos.
Apresentaremos durante estes nossos estudos
alguns outros personagens, desenhos, imagens
e simulações para melhor fixarmos o nosso
assunto, com outros textos de livros.
Estudos Dirigidos
Os Corpos, Veículos, Campos.
Vamos ver então como poderemos
representar todo estes nossos
“veículos”, ou corpos.
Estudos Dirigidos
Os Corpos, Veículos, Campos.
E para isso vou pedir a
ajuda, e apresentar, para
você, meu amigo Lego!
Estudos Dirigidos
Os Corpos, Veículos, Campos.
Vamos escurecer o nosso quadro,
nos próximos slides, e ver a seguir
os nossos desenhos e esquemas...
Estudos Dirigidos
Os Corpos, Veículos, Campos.
Descobrimos então que não
possuímos apenas esse nosso
corpo, o físico.
Estudos Dirigidos
Os Corpos, Veículos, Campos.
Através dos tempos o homem foi
descobrindo as nossas outras formas mais
sublimes de manifestação e uso...
Estudos Dirigidos
Os Corpos, Veículos, Campos.
Nos próximos slides veremos
estes corpos mais detalhados!
Composição do Ser Humano
01 – Alma ou Espírito

02 – Corpo Budhi

03 – Corpo Mental
Superior

04 – Corpo Mental Inferior


Também chamado de:

O Agregado 05 – Corpo Astral

Humano 06 – Corpo Etérico


agregado = reunião, conjunto.

Usaremos esta classificação (sete corpos)


para este nosso estudo, mas devemos 07 – Corpo Físico Esquema divulgado e
esclarecer que esta classificação estudado pela Internet
pode não ser a definitiva.
Composição do Ser Humano

O Homem Setenário
de acordo com a milenar
concepção setenária,
originária da antiga
tradição oriental.

O Agregado Humano
Esquema divulgado e
estudado pela Internet
Novamente, temos abaixo,
o nosso modelo original...

Para este nosso estudo, e para


uma simplificação, poderemos
usar este nosso modelo acima.
Os corpos mais externos terão
formas ovaladas.
Nosso modelo com Nosso modelo em
formas ovaladas. volta do corpo físico.

Os corpos se interpenetram.
Apesar de o cérebro ser um biocomputador
CAUSAL

complexo, ele ainda tem necessidade de um


programador para instruir o sistema nervoso
a respeito das coisas que tem de fazer e de
MENTAL

como deve agir.


Essa entidade consciente que utiliza o biomeca-
nismo do cérebro e do corpo é a alma ou
ASTRAL
Prefácio
espírito humano.
O que chamamos de domínio espiritual faz parte de uma série de
ETÉRICO sistemas energéticos de dimensões mais elevadas e que estão em
contato direto com o hardware que conhecemos pelo nome de
cérebro e corpo.
FÍSICO
São esses sistemas de dimensões mais elevadas, a nossa assim
chamada anatomia dos sistemas energéticos sutis, que a ciência
ainda não reconhece. (...) FIM
Em vez de recorrer aos tratamentos cirúrgicos ou farmacológicos
convencionais, a medicina vibracional procura tratar as pessoas com
energia pura. Essa perspectiva teórica baseia-se na compreensão de
que o arranjo molecular do corpo físico é na verdade uma complexa
rede de campos de energia entrelaçados. A rede energética, que
representa a estrutura física/celular, é organizada e sustentada pelos
sistemas energéticos "sutis", os quais coordenam o relacionamento
entre a força vital e o corpo. Há uma hierarquia de sistemas
Capítulo I energéticos sutis que coordena tanto as funções eletrofisiológica e
hormonal como a estrutura celular do corpo físico. É basicamente a
partir desses níveis de energia sutil que se originam a saúde e a
doença. Esses singulares sistemas de energia são intensamente
afetados tanto pelas nossas emoções e nível de equilíbrio espiritual
como pelos fatores ambientais e nutricionais. Essas energias sutis
afetam os padrões de crescimento celular tanto positiva como
negativamente.
FIM
CAUSALExiste um aspecto da fisiologia humana
que os médicos ainda não
compreendem e que relutam conhecer.
MENTAL
A conexão invisível entre corpo físico e
as forças sutis do espírito detém as
ASTRAL
chaves para a compreensão dos Capítulo I

relacionamentos internos entre matéria


e energia.
ETÉRICO

Quando os cientistas começarem a compreender o


verdadeiro relacionamento existente entre a matéria
FÍSICO
e energia, estarão mais perto de compreender o
relacionamento entre a humanidade e Deus.
FIM
“(...) iremos estudar (no livro) o
prolongamento dos nossos sistemas
físicos através de sistemas superiores de
energia. Esses sistemas de energia sutil
desempenham um papel essencial no
ser humano. O sistema físico, longe de
ser fechado, é apenas um dos diversos
sistemas interativos que coexistem num
Capítulo IV
equilíbrio dinâmico.

“O que talvez pareça ser um radical desvio do pensamento convencional é a proposição de


que todos esses sistemas estão fisicamente sobrepostos um ao outro exatamente no mesmo
espaço. Esses sistemas energéticos superiores, chamados de corpos sutis, são na verdade
constituídos de matéria com características de frequência diferentes daquelas do corpo
físico.”

FIM
CAUSAL (...) as interações energéticas que se originam nos níveis
sutis superiores, como no nível mental, por exemplo,
exercem inicialmente sua influência sobre o veículo astral.
Da mesma forma, as alterações no veículo astral são
transmitidas ao veículo etérico e, daí, através da interface
MENTAL
físico-etérica, para o corpo físico, onde se dá a sua
expressão final. Os inputs energéticos originários do nível
Capítulo IV
causal também precisam passar pelo nível mental e, em
seguida, pelos outros níveis energéticos inferiores.
ASTRAL

Naturalmente, muito embora estejamos lidando com diferentes níveis de


substância energética, precisamos ter em mente que cada um dos corpos está na
ETÉRICO
verdade espacialmente superposto à forma física. A clareza e a definição com que
uma pessoa sensível a forças psíquicas consegue perceber o campo da aura de
alguém talvez dependa de qual seja o nível mais elevado com o qual sua
consciência consegue sintonizar-se. As pessoas supranormais que conseguem ver
FÍSICO apenas uma estreita faixa de energia em torno do corpo provavelmente têm
capacidade para sintonizar apenas o corpo etérico.
CONTINUA
CAUSAL
Já os supranormais que conseguem ver não só o corpo etérico
mas também as formas ovóides expandidas, cores e imagens
(corpos de pensamento) na parte externa do campo da aura
têm a capacidade de sintonizar suas consciências com o nível
astral, mental e com outros níveis superiores. Nesses níveis
MENTAL
superiores de forma e consciência as contrapartes
energéticas sutis dos chakras têm a capacidade de perceber e
Capítulo IV
processar energias relacionadas com seus próprios níveis de
substância.
ASTRAL

ETÉRICO

FÍSICO

FIM
CAUSAL
(...) podemos ver o quanto a verdadeira natureza dos
seres humanos é desconhecida ou mal compreendida
pela atual geração de pensadores científicos.

MENTAL
Nossos diversos corpos sutis parecem ter evoluído por
razões que não estão relacionadas apenas com a
manutenção das funções fisiológicas do corpo físico. Capítulo IV
Embora tenhamos considerado nossos corpos sutis como
ASTRAL campos energéticos associados à dimensão física, esses
campos energéticos não são gerados pelos nossos corpos
físicos.
ETÉRICO
São os campos energéticos que dão origem à matéria física e não o contrário!
(...)
(...) Os campos energéticos sutis precedem e organizam a formação do
FÍSICO

corpo físico enquanto veículo de expressão das nossas energias conscientes


superiores.
FIM
Graças à moderna física quântica, sabemos que o corpo físico
é, na verdade, um extraordinário agregado de partículas de
matéria física que, em última análise, são constituídas de luz
congelada. Esse corpo físico de luz está em contato com outros
corpos de luz, constituídos de matéria energética sutil, que
apresentam níveis de frequência mais elevados do que aqueles
Capítulo V
que o olho físico consegue perceber. O mecanismo de contato
entre o corpo físico e esses sistemas energéticos superiores
constitui um notável elemento da nossa anatomia sutil
conhecido como interface físico-etérica. O componente dessa
interface com o qual estamos mais familiarizados é o sistema
de meridianos acupunturais.

FIM
Cada ser humano é um entrelaçamento organizado de vários
corpos de diferentes frequências vibracionais. Graças às nos-
sas ligações com os chakras e com nossos corpos de frequên-
cias superiores, somos capazes de assimilar energia e informa-
ções provenientes dos níveis mais elevados do nosso ser. A
energia e as informações que se originam no nível da alma
sofrem progressivas transformações e traduções até se Capítulo IX

manifestarem na forma de uma personalidade consciente que


precisa existir no veículo molecular/celular no nível do plano
físico. Em virtude da natureza limitada do cérebro físico, em
seu atual nível de expressão linear, nós ficamos presos à
perspectiva de uma estrutura espaço/tempo aparentemente
fixa. Assim, o universo multidimensional está além da nossa
pouca desenvolvida capacidade de compreensão.
FIM
CAUSAL As experiências de cada existência são
processadas inicialmente nos níveis astral e
mental, mas integradas de forma mais completa
no nível causal e nos níveis espirituais superiores.
MENTAL Estes últimos níveis são mais permanentes, ao
passo que os veículos energéticos inferiores são
dispositivos de aprendizado transitórios. É por
isso que o corpo causal às vezes é chamado de
ASTRAL
Verdadeiro Self. (...) Capítulo IV

(...) O conhecimento adquirido pelo ego durante as experiências vividas no


ETÉRICO nível do simulador físico são absorvidas e processadas no nível causal e em
outros níveis superiores, onde todo o conhecimento empírico das
existências anteriores é armazenado. Assim, a visão causal da realidade
FÍSICO
nos permite ver a vida a partir de uma perspectiva mais ampla do que
aquela que nos é proporcionada pelos mecanismos perceptuais do plano
físico.
FIM
Cada camada (corpo) penetra
completamente todas as camadas
(corpos) situadas abaixo dela,
incluindo o corpo físico.
Dessarte (assim), o corpo emo-
cional se estende além do cor-
po etérico e incluí tanto o cor-
po etérico como o corpo físico.
Na realidade, cada corpo não é Primeira Parte
uma “camada”, embora seja isso Capítulo 7

o que podemos perceber. É, antes, uma versão


mais dilatada do nosso eu, que carrega dentro
em si as outras formas, mais limitadas.
Do ponto de vista do cientista, cada camada pode ser
considerada um nível de vibrações mais elevadas, que
ocupa o mesmo espaço dos níveis de vibração inferiores
e se estende além deles.
Visando perceber cada nível consecutivo, o observador terá de mover-se com a consciên-
cia para cada novo nível de frequência.

A autora e curadora Barbara Ann Brennan chama de Alta Percepção Sensorial (clariaudiência,
clarividência, clarissenciência ou leitura psíquica) a capacidade de ver estas camadas, corpos. CONTINUA
Temos, assim, sete corpos
que ocupam todos o mesmo
espaço ao mesmo tempo,
cada qual se estendendo para
fora além do último, coisa a
que não estamos acostumados
na vida “normal” de todos os
dias. Muitas pessoas presu-
mem erroneamente que a Primeira Parte
aura se parece com uma cebo- Capítulo 7
la, da qual se descascam ca-
madas sucessivas. Não é
assim.

As camadas estruturadas contêm todas as formas que o corpo físico possui, incluindo os
órgãos internos, os vasos sanguíneos, etc., e formas adicionais, que o corpo físico não
contem.

CONTINUA
Um fluxo vertical de energia pulsa para cima e para baixo do campo da
medula espinhal. Estende-se para fora, além do corpo físico, acima da
cabeça e abaixo do cóccix. Chamo-lhe corrente principal de força verti-
cal. Existem no campo vórtices turbilhonantes, em forma de cones,
chamados chakras. Suas pontas apontam para a corrente principal de
força vertical, e suas extremidades abertas se estendem para a borda
de cada camada do campo em que estão localizados. (Veremos este
assunto [chakras] mais adiante)

Olhando para nós mesmos de Primeira Parte


Capítulo 7
uma perspectiva mais ampla do
que o fizemos antes, vemos
que somos muito mais do
que os nossos corpos físicos.
Somos feitos de camadas
sobrepostas de energia e de
consciência.

Quarta Parte
Capítulo 15 FIM
CONCEITUAÇÃO
O objeto central de estudos das ciências Conscienciologia e Proje-
ciologia é a consciência e, inevitavelmente, suas distintas formas de
manifestação.
Consciência é entendida, dentro destas ciências, não somente co-
mo o estado consciente ou como a voz interna da razão e da ética
pessoal (superego), e sim como a própria entidade que é capaz de
ser ou estar consciente. Neste sentido, como base ou substrato da
individualidade inteligente, muito além da matéria e da energia,
consciência pode ser entendida por muitos como espírito, alma,
Capítulo 2
Consciência
eu, essência, atman, self, ou mesmo, com certa aproximação, ego e
e Seus Atributos personalidade.

Nesta acepção entende-se que somos consciências e não que temos consciências. Muitas
vezes ouve-se as pessoas dizendo: "Minha consciência (ou alma, ou espírito) saiu de mim
esta noite". Neste caso é fácil perceber a má interpretação do indivíduo que se identifica
com seu corpo e pensa que este possui uma consciência, quando o correto é justamente o
oposto: somos todos consciências, as quais possuem corpos.

FIM
HOLOSSOMA
A consciência em si não é matéria nem energia, estando além das
limitações de espaço, tempo e formas. Contudo, para que a cons-
ciência possa se manifestar efetivamente em dimensões mais
densas, como a dimensão intrafísica (nossa dimensão), esta se vale
de veículos energético-materiais para sua manifestação.

Cada veículo manifesta atributos específicos da consciência, estan-


do cada um deles adaptado à sua faixa dimensional específica. No
seu conjunto, estes veículos são chamados de holossoma e, no caso
da consciência intrafísica, é composto pelos seguintes corpos:
Capítulo 4
Holossoma
Soma (corpo físico)

Holochacra (corpo etérico) Holo = inteiro, todo.


Soma = corpo.
Psicossoma (corpo astral)
HOLOSSOMA
Mentalsoma (corpo mental) Conjunto de Veículos de
Manifestação da Consciência
ou Espírito.
* Estudaremos cada um deles depois.

FIM
CAUSAL
CORPOS DO HOMEM
E PLANOS DO UNIVERSO
Como assim, “corpos” do homem?
Não temos um só corpo?
MENTAL
Na verdade, temos vários corpos, de
diferentes naturezas, substâncias e níveis
de sutileza. O que normalmente
chamamos corpo é apenas o envoltório
mais grosseiro, de natureza física,
ASTRAL
constituído por substâncias materiais. Ele
se manifesta na 3ª dimensão. Além desse
corpo visível, possuímos outros, invisíveis,
de diferentes “materiais” e que têm a
ETÉRICO
mesma forma do corpo físico. Cada qual
está numa dimensão diferente (4ª, 5ª, 6ª
e 7ª dimensão) e cada um tem sua função
específica.
FÍSICO

FIM
A CONSCIÊNCIA PROVÉM DA MÔNADA
(...) na verdade tudo começa lá nos planos mais sutis e vai descendo os
níveis de densidade. A origem de tudo é a Mônada. Essa fonte eterna
de força, vida e consciência terá que ir reverberando sua força, vida e
consciência para o plano imediatamente abaixo do monádico, que
vem a ser o plano intuicional, deste para o mental, deste para o
emocional e deste para o físico. Uma energia absolutamente abstrata
e subjetiva não teria como se insuflar e manifestar-se num plano tão
concreto quanto o material, se não ocorresse essa retransmissão de
um plano mais sutil para o imediatamente inferior, não tão sutil
quanto o que lhe estivesse acima, mas nem tão denso e bruto quanto
os que lhe estivessem abaixo.

Chegando o trinômio força, vida e consciência do Átma ou Púrusha, descendo de plano em


plano até chegar ao corpo emocional, este passa dos chakras astrais para os chakras
idênticos e homônimos que estão situados na mesma localização no corpo físico ener-
gético. O corpo energético é também chamado de duplo etérico por possuir um duplo de
todos os órgãos físicos densos, só que formados por energia. Uma vez vitalizado através
dos seus centros de força – os chakras – com a força que vem de cima, repassa ao veículo
que lhe está abaixo, transmitindo a vitalidade do coração energético ao coração material;
dos pulmões energéticos, aos pulmões materiais; do fígado energético, ao fígado material;
e assim por diante.
FIM
Além de muitos outros fenômenos anímicos e espíritas, a dissociação
e exteriorização do duplo humano com todos os seus poderes físicos
e psíquicos e, paralelamente, a materialização das almas falecidas -
vulgarmente chamadas espíritos -, revestindo também integralmente
todas as suas qualidades físicas e faculdades anímicas que os indivi-
dualizaram durante o último estágio terrestre, provam duma forma
concludente que a morte é, em última análise, o prolongamento e a
projeção da Vida nos Mundos supraterrestres sem nada perder da sua
individualidade integral terrestre; quer morfológica, quer psíquica, no
Capítulo I
seu duplo aspecto: mental e emocional. O Além-túmulo patenteia os
Do Complexo Humano mesmos afetos e os mesmos ódios, iguais vícios e semelhantes virtu-
des, que constituíam o valor moral terrestre dos falecidos, das almas
desencarnadas.
O homem possui, pois, uma organização dual: um organismo físico,
corporal, dominado e orientado por um organismo psíquico, espiri-
tual, que, em certas circunstâncias da vida terrestre, se liberta tempo-
rariamente do seu subordinado, e, pela morte, adquire plena indepen-
dência e completa liberdade nos Mundos astral e espirituais.

Dissociação = Dissociar = Separar


Exteriorização = Exteriorizar = Fazer se mostrar FIM
Foi o coronel Albert de Rochas d’Aiglun, antigo diretor da Escola Po-
litécnica de Paris, o inovador do metapsiquismo experimental, revo-
lucionando toda a psicologia, arrancando a alma humana dos domí-
nios obscuros da abstração e da metafísica, fazendo-a entrar no cam-
po da observação e da análise direta, com a sua imortal descoberta
da exteriorização do duplo, no fim do século passado (século XIX),
quando pretendia estudar os resultados suscetíveis de serem obtidos
com uma magnetização profunda, contínua, que fez persistir sobre o
Capítulo V passivo (pessoa submetida a experiência) durante algumas horas,
Experiências do Coronel a fim de observar os efeitos duma hipnose profunda e intensa.
A. Rochas D’Aiglun

A memorável descoberta do desdobramento do duplo humano, fazendo ruir os


melhores alicerces do materialismo reinante, abriu um novo ciclo à operatividade do
psiquismo anímico rasgando-lhe novos e dilatados horizontes, tão imprevistos quanto
profícuos nos seus resultados ulteriores.
Assim foi descoberto, cientificamente, e por processos magnéticos, o desdobramento
do duplo humano, ponto de partida para as célebres descobertas e estudo da
exteriorização da motricidade e de sensibilidade que imortalizaram o nome do sábio
Rochas d’Aiglun e dos seus eminentes continuadores, que imprimiram uma nova
orientação ao estudo experimental da dinâmica psíquica, chamando ao campo da
investigação e experimentação laboratorial um grande número de fenômenos
supranormais e hiper-físicos, deformados no espesso véu da superstição e do milagre. FIM
Estudos Dirigidos
Os Corpos, Veículos, Campos.
Vamos apresentar aqui as conclusões que
chegaram alguns pesquisadores e estudiosos,
incluindo o Cel. de Rochas, a respeito do
agregado humano, extraídas do livro “Da Alma
Humana”, nas Considerações Gerais.
1ª) — O corpo humano, por uma expe-
rimentação hipnomagnética metódica e
proficientemente dirigida, é suscetível
de ser desdobrado e exteriorizado em
dois corpos distintos, demonstrando,
assim, a natureza dual do agregado
humano: o corpo físico ou sarcossoma,
Capítulo X e o corpo psíquico, veículo e instrumen-
Considerações to das faculdades anímicas normais e
Gerais
supranormais, podendo ser dissociados
os seus aerossomas e estudados
separadamente. FÍSICO PSÍQUICO

2ª) — O corpo anímico, envolvendo todo o psiquismo humano, quando projetado para
fora da periferia do corpo físico, transporta com ele, não só um princípio vital (duplo eté-
rico), mas também a inteligência, a sensibilidade, a vontade, a memória e a consciência,
ficando o corpo físico desprovido das suas faculdades psíquicas, apenas reduzido à vida
vegetativa atenuada.

CONTINUA
Sarco = Carne, Músculo. // Aero = Ar. // Soma = Corpo.
3ª) — O corpo anímico integral,
designado geralmente pelo nome de
duplo (bilocação, bi-corporeidade) por
representar a configuração do corpo
físico donde emanou, ainda que invisível,
por vezes, aos sentidos físicos, é
suscetível de ser fotografado e reproduzir
Capítulo X moldagens da sua face e membros,
Considerações
Gerais
impressões digitais e palmares, em
substâncias plásticas como a parafina,
argila, negro de fumo, etc., podendo
densificar-se gradualmente até uma FÍSICO PSÍQUICO
completa corporização idêntica ao corpo
físico donde se exteriorizou.

4ª) — O duplo, contendo o dínamo-psiquismo humano, pode dissociar-se em vários


corpos anímicos, cujo número tem sido variável de experimentador para experimentador,
diferenciados pela natureza e quintessenciação da sua matéria fluídica e hiperfísica, e
pelas suas funções psíquicas (almas secundárias, aerossomas).

5ª) — O desdobramento do duplo pode ser espontâneo (aparições inesperadas do fantas-


ma dos vivos) e provocado experimentalmente por vários processos, sendo preferível o
processo hipomagnético. CONTINUA
6ª) — Desde que o duplo funciona
livremente fora do corpo físico, com o seu
psiquismo e podendo manifestar-se na
plenitude da sua consciência, a alma que
o dirige pode ser considerada como
subsistindo à morte e à desagregação
Capítulo X
celular do corpo físico, e a sobrevivência
Considerações um fato positivo confirmado experimen-
Gerais talmente.

FÍSICO PSÍQUICO

Veremos nos estudos, mais adiante, que na exteriorização e na dissossiação dos corpos o
duplo descrito pelo de Rochas acontecia com a saída do corpo etérico. Mas veremos
que este corpo não se afasta muito do corpo físico. E quando ocorre a morte física ele
também se acaba. Por isso neste último desenho deixamos o duplo junto ao corpo físico.

FIM
Estudos Dirigidos
Os Corpos, Veículos, Campos.
Vamos ver algumas tabelas,
e esquemas, com essas
“divisões” do Ser Humano.
Tabela comparativa – Corpos Espirituais

Corpos
Planos
Espiritismo
Esoterismo em Geral
(Allan Kardec)

Plano Átmico Corpo Divino Corpo Átmico


Espírito
Plano Búdico Corpo Búdico Corpo Búdico

Corpo Mental Superior


Plano Mental Superior Corpo Nirvânico
Corpo Causal

Corpo Mental Inferior


Plano Mental Inferior Corpo Mental
Corpo Mental
Perispírito
Plano Astral Corpo Astral Corpo Astral

“Plano Etérico” Duplo Etérico Corpo Etérico

Plano Físico Corpo Físico Corpo Físico Corpo Físico

Obs.: O Plano Monádico não está inserido na tabela.


Outra tabela comparativa

Fonte: Ilustração da tabela e da referência do livro


http://autocura.wordpress.com/2011/03/
Capítulo VII
Experiências de Charles Lancelin
ESQUEMA DA COMPOSIÇÃO DO HOMEM
(Almas secundárias ou aerossomas)

Espírito — Princípio fundamental, dominando todo o agregado


humano, em relação com o Plano divino.

Alma Consciencial
Elementos constituintes
Alma Intuitiva Capítulo X
do corpo do espírito. Considerações Gerais
Alma Moral

Elemento misto, unindo os elementos


Alma Alma Causal superiores (espirituais), aos elementos
(Princípio fluídico inferiores (anímicos).
e hipefísico)
Alma Inteligente (corpo mental)
Elementos constituintes da
Alma Sensitiva (corpo astral)
alma do corpo físico.
Alma Vital (duplo etérico)

Corpo Físico — único elemento estudado pela Ciência oficial.


Capítulo X
Considerações Gerais
Página 83.
“Nesses estratos (divisão, camada), cada série ou corpo tem denominação
e características distintas, funções específicas e manifestação limitada
ao campo ou dimensão a que está adstrito (dependente, ligado), pois cada
um desses corpos vibra em universo dimensional distinto.”

Átmico
Eu
Tríade Divina
Individualidade
Página 59. Búdico (Ternário Superior)

Corpos espirituais Mental Superior

Mental inferior Ego


Quaternário Inferior
Astral Personalidade

Etérico
Corpos materiais
Somático FIM
Estudos Dirigidos
Os Corpos, Veículos, Campos.
Vamos dar uma
pausa por aqui.

Périclis Roberto
pericliscb@outlook.com

http://vivenciasespiritualismo.net/index.htm
Luiz Antonio Brasil