Você está na página 1de 30

1

INSTRUÇÕES PARA A PREPARAÇÃO E SUBMISSÃO DE ARTIGOS


CIENTÍFICOS: aparência do documento
(Espaço 1,5 entre linhas, tamanho 12)
João Bosco Coelho1
Maria Aparecida Alves Rocha Coelho2
Elzimeire Coelho Matos3
(Espaço 1,5 entre linhas, tamanho 12)
RESUMO
(Espaço 1,5 entre linhas, tamanho 12)
Este estudo tem como objetivo apresentar a normalização de artigos científicos que
podem ser de relatos de pesquisas, estudo de caso ou outros, em conformidade
com a NBR 6022/2003. Ele contém instruções para digitação com ênfase no formato
das páginas, espaçamentos, especificações gerais sobre a formatação do texto,
numerações, equações e fórmulas matemáticas, ilustrações e citações. A
metodologia de pesquisa adotada foi a documental, a partir da consulta da NBR
6022, bem como das NBRs 6023/2002, 6028/2003, 6032/1989, 10520/2002 e
14724/2011, além de publicações afins disponíveis. Apresenta como resultados os
elementos da estrutura do artigo, iniciando com elementos pré-textuais: título e
subtítulo, autoria, resumo e palavras-chave em língua vernácula; elementos textuais:
introdução, desenvolvimento e conclusão; pós-textuais: título, subtítulo e palavras-
chave em língua estrangeira, notas explicativas, referências, apêndices e anexos.
Assim, é possível colaborar com a produção de artigos dentro das normas vigentes,
possibilitando aos estudantes comunicar os resultados de estudos em eventos e
periódicos da área.
(Espaço 1,5 entre linhas, tamanho 12)
Palavras-chave: Artigo. Normalização. Citações. Referências. (Máximo de 5)
(Espaço 1,5 entre linhas, tamanho 12)
(Espaço 1,5 entre linhas, tamanho 12)
1 INTRODUÇÃO
(Espaço 1,5 entre linhas, tamanho 12)
As instruções presentes neste artigo têm como finalidade definir um modelo
para produção de artigos científicos, com o objetivo de auxiliar aqueles que
pretendem redigi-los e posteriormente submetê-los para avaliação ou publicação,
excetuando-se casos em que deve-se seguir regras estipuladas por modelos de
documentos ou templates disponibilizados por comissões científicas. Este texto pode
ser usado como modelo por usuários do Microsoft Word TM e, em qualquer caso,
como modelo para usuários de outros softwares processadores de texto.

1
Professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão (IFMA) – Campus Imperatriz.
E-mail: bosco@ifma.edu.br.
2
Professora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão (IFMA) – Campus Imperatriz.
E-mail: maar-coelho@ifma.edu.br.
3
Bibliotecária do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão (IFMA) – Campus
Imperatriz. E-mail: meire.itz@ifma.edu.br.
2

A base para a preparação deste artigo foi a pesquisa documental, realizada a


partir da NBR 6022/2003 além das NBRs 6023/2002, 6028/2003, 6032/1989,
10520/2002 e 14724/2011 e documentos cientificamente autênticos disponíveis. As
NBRs são revistas, atualizadas e republicadas periodicamente e não devem ser
memorizadas e sim consultadas sempre que for necessário.
O restante do artigo está organizado da seguinte maneira: a Seção 2,
INSTRUÇÕES PARA DIGITAÇÃO, apresenta orientações gerais sobre formato das
páginas, espaçamentos especificações sobre a formatação do texto e numeração
progressiva das seções e subseções. A Seção 3, ESTRUTURA DO ARTIGO
CIENTÍFICO, apresenta o conteúdo dos artigos que inclui partes pré-textuais,
textuais e pós-textuais. Na Seção 4 ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS, são
apresentadas orientações sobre título e subtítulo em língua vernácula, autor, resumo
e palavras-chave em língua vernácula. Na Seção 5 CORPO DO TEXTO: elementos
textuais, expõe-se, com orientações e exemplos, as três partes fundamentais:
introdução, desenvolvimento e conclusão e a Seção 6 ELEMENTOS PÓS-
TEXTUAIS, mostra orientações para a redação do título e subtítulo em língua
estrangeira, resumo e palavras-chave em língua estrangeira, referências, apêndices
e anexos.
Na parte final do artigo tem-se, a Seção 7 EQUAÇÕES, FÓRMULAS,
SÍMBOLOS E UNIDADES, a Seção 8 ILUSTAÇÕES e a Seção 9 CITAÇÕES, ambas
com orientações gerais baseadas na ABNT, sobre equações e fórmulas
matemáticas, imagens elucidativas do texto e formatação das citações,
respectivamente. A Seção 10 NOTAS DE RODAPÉ, apresenta a forma adequada de
utilizar as notas de rodapé, enquanto que a Seção 11 CONCLUSÃO e as
REFERÊNCIAS concluem o trabalho.
Como resultado espera-se colaborar com a produção de artigos científicos
dentro das normas vigentes, particularmente a ABNT, dando aos estudantes a
oportunidade de apresentar os resultados de estudos e pesquisas em eventos, ou a
submissão deles em periódicos para publicações.

2 INSTRUÇÕES PARA DIGITAÇÃO


3

O trabalho deve ser escrito em língua vernácula. A tradução para uma língua
estrangeira (inglês, francês, alemão, espanhol, etc.) do título, do resumo e das
palavras-chave deve ser apresentada ao final do trabalho (antes da lista de
referências).

2.1 Tamanho do trabalho

O artigo completo, incluindo as ilustrações que compreendem figuras,


gráficos, fórmulas, lâminas, desenhos, gravuras, mapas, quadros, fotografias, ou
outras formas pictográficas necessárias à complementação e melhor visualização do
texto, deve ser limitado de 10 a 15 páginas em tamanho A4 (21 cm x 29,7 cm).
Atender a esta limitação é um exercício que poderá ser útil em situações futuras, por
exemplo, para cumprir exigências estabelecidas em editais. Deve-se escrever de
forma concisa, não reduzindo as ilustrações a tamanhos que sacrifiquem o
entendimento dos símbolos e legendas nelas incluídos.

2.2 Formato de página

O artigo deve ser digitado em papel tamanho A4 (21 cm x 29,7 cm) (layout da
página: Superior e Esquerda 3 cm, Inferior e Direita 2 cm, numeradas a partir da
primeira página em algarismos arábicos, no canto superior direito da folha, a 2,0 cm
da borda superior), usando a Fonte Times New Roman ou Arial, tamanho 12 pt, com
espaço 1,5 de entrelinhas e alinhamento justificado, exceto em situações previstas
em normas específicas. Comece cada parágrafo a 1,25 cm (configurar) da margem
esquerda, não deixando espaço entre dois parágrafos subsequentes, ou seja, é
necessário controlar o espaço vertical entre os parágrafos no documento por meio
da configuração do espaçamento antes ou após os parágrafos.

2.2.1 Espaçamento

O trabalho deve obedecer às seguintes orientações sobre espaçamento:


a) Todo o trabalho deve ser digitado com espaço de 1,5 entre linhas, tamanho
12, com exceção do título e subtítulo do artigo e das seções, dos nomes dos
autores e suas filiações em nota de rodapé, do resumo e abstract, das
4

citações diretas com mais de três linhas, notas de rodapé, referências, que
devem ser digitados em espaço simples de 1,0 entre linhas;
b) Os títulos das seções e subseções devem ser separados do texto que os
precede e os sucede por um espaço de 1,5 entre linhas, tamanho 12 em
branco;
c) As citações diretas com mais de três linhas devem ser separadas do texto
que as precede e as sucede por um espaço simples de 1,0 entre linhas,
tamanho 12 em branco;
d) As notas de rodapé devem ser separadas do texto por um espaço simples de
entre linhas e por um filete de 5 cm, a partir da margem esquerda;
e) As referências ao final do trabalho devem ser separadas entre si por dois
espaços simples de 1,0 entre linhas, tamanho 12 em branco.
O formato final do trabalho deve ser a deste documento, contudo devem-se
seguir regras estipuladas por cada periódico no caso de publicação.

2.3 Especificações gerais para a formatação do texto

O trabalho deve ser totalmente digitado em fonte Times New Roman ou Arial
tamanho 12 pt. Esta diretriz inclui, portanto, o título do trabalho, nome dos autores,
resumo, palavras-chave, títulos de seções, subseções, referências e tabelas. As
identificações das ilustrações e as suas fontes, colocadas respectivamente nas
partes superior e inferior das mesmas, bem como as citações longas, com mais de
três linhas, são digitadas em fonte Times New Roman ou Arial tamanho 10 pt.

2.4 Numeração progressiva das seções e subseções do artigo

A divisão do trabalho em seções e subseções deve ser utilizada para


evidenciar a sistematização do conteúdo do trabalho. Os títulos dos capítulos e
subcapítulos devem ser separados do texto que os precede e os sucede por um
espaço 1,5 entre linhas, tamanho 12 em branco.
De acordo com a NBR 6024/2012:
a) Devem ser utilizados algarismos arábicos;
b) Deve-se limitar a numeração progressiva até a seção quinária;
c) O indicativo numérico de uma seção primária antecede seu título, alinhado à
esquerda, separados por um espaço de um caractere em branco;
5

d) Digitar o título das seções primárias em CAIXA ALTA, em negrito, alinhado à


esquerda. Iniciar digitando sua identificação em algarismos arábicos, deixe
um espaço simples e então digite o título da seção;
e) Os títulos das seções secundárias devem ser digitados em caixa baixa, em
negrito, destacados tipograficamente, da primária à quinaria, utilizando-se os
recursos itálico, sublinhado e outros;
f) O indicativo de uma seção secundária é constituído pelo indicativo da seção
primária a que pertence, seguido do número que lhe for atribuído na
sequência do assunto e separado por ponto. Repete-se o mesmo processo
em relação às demais seções.
g) Todas as seções devem conter um texto relacionado com elas;
h) Títulos de seções com indicação numérica, que ocupem mais de uma linha,
devem, a partir da segunda linha, ser alinhados abaixo da primeira letra da
primeira palavra do título;
i) Resumo em língua vernácula, resumo em língua estrangeira, referências,
agradecimentos, apêndices e anexos não são numerados;
j) Evitar terminar uma página com um título sem texto abaixo do mesmo.
k) Evitar terminar uma seção com uma citação. Fazer comentários,
esclarecimentos ou explanações não incluídas no texto.

3 ESTRUTURA DO ARTIGO CIENTÍFICO

Artigo científico, de acordo com a NBR 6022 (2003, p. 2) é uma publicação


com autoria declarada, que apresenta e discute ideias, métodos, técnicas, processos
e resultados de diversas áreas do conhecimento. Pode ser original que apresenta
temas ou abordagens originais, relatos de experiência de pesquisa, estudo de caso,
etc., ou de revisão que resume, analisa e discute informações já publicadas.
O artigo deve conter elementos pré-textuais obrigatórios: título e subtítulo (se
houver), autoria, resumo e palavras-chave na língua do texto; elementos textuais
obrigatórios: introdução, desenvolvimento e conclusão e elementos pós-textuais
obrigatórios: Título, subtítulo (se houver) em língua estrangeira, resumo e palavras-
chave em língua estrangeira e referências, além dos elementos opcionais: notas de
rodapé apêndices e anexos.

4 ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS
6

O artigo científico é iniciado com os elementos pré-textuais, título e subtítulo


(se houver), autoria, resumo e palavras-chave na língua do texto.

4.1 Título e subtítulo do artigo em língua vernácula

O título de um artigo é palavra, expressão ou frase que designa o assunto ou


o conteúdo de uma publicação e subtítulo são informações apresentadas em
seguida ao título, visando esclarecê-lo ou complementá-lo de acordo com o
conteúdo da publicação.
Título e subtítulo (se houver) em língua vernácula devem ser digitados na
página de abertura do artigo, em negrito, diferenciados tipograficamente ou em
CAIXA ALTA (título) e caixa baixa (subtítulo), com alinhamento centralizado,
separados por dois pontos, na língua do texto e com espaçamento simples de 1,0
entre linhas, tamanho 12, não devendo exceder 3 linhas. Deve-se deixar uma linha
de espaço (espaçamento 1,5 entre linhas, tamanho 12 entre o final do título e o
primeiro autor.

4.2 Autor(es)

Digitar o(s) nome(s) completo(s) do(s) autor(es), alinhado(s) à direita.


Havendo mais de um autor, digitar um por linha usando espaçamento 1,0 entre
linhas, tamanho 12. Em nota de rodapé deve aparecer a descrição de função e
nome da instituição ao qual pertence(m) e endereço eletrônico. O(s) nome(s) do(s)
autor(es) deve(m) ser digitado(s) em negrito, caixa baixa, enquanto que todas as
informações restantes em nota de rodapé devem ser digitadas em estilo normal
(nem negrito, nem itálico), com espaçamento simples de 1,0 entre linhas, tamanho
10, e alinhadas, partir da segunda linha da mesma nota, abaixo da primeira letra da
primeira linha, de forma a destacar o expoente.
4.3 Resumo e palavras-chave em língua vernácula

De acordo com a NBR 6022 (2003) o resumo é elemento obrigatório,


constituído de uma sequência de frases concisas e objetivas e não uma enumeração
de tópicos, seguido, logo abaixo, das palavras-chave, elementos obrigatórios e que
são palavras representativas do conteúdo do artigo.
7

4.3.1 Resumo em língua vernácula

O Resumo é elaborado de acordo com a NBR 6028/2003 e deve seguir as


seguintes orientações:
a) O Resumo deve ser informativo, apresentando os objetivos ou finalidades, a
metodologia, os resultados e conclusões;
b) Deve-se usar parágrafo único sem recuo na primeira linha e justificado;
c) Usar o verbo na voz ativa e na 3ª pessoa do singular;
d) A extensão do Resumo para artigos científicos é de 100 a 250 palavras.
e) A primeira frase do resumo deve ser significativa e expressar o tema
principal do trabalho;
f) Deve ser evitado o uso de frases negativas, símbolos e fórmulas que não
sejam de uso corrente, comentário pessoal, críticas ou julgamento de valor.
g) Apesar da NBR 6028/2003 não especificar o espaçamento utilizado no
resumo, orienta-se que o texto deve ser digitado em espaçamento simples.

4.3.2 Palavras-chave em língua vernácula

Nos artigos científicos é obrigatório a inclusão de palavras-chave que são


termos que o caracterizam. Elas podem ser usadas para permitir que o artigo possa
ser encontrado por sistemas eletrônicos de busca, por isso deve-se escolher
palavras-chave bem abrangentes que indicam o conteúdo do trabalho.
As palavras-chave devem figurar depois do resumo. Sendo assim, após o
resumo pule uma linha (Espaço 1,5 entre linhas, tamanho 12), digite o título
(Palavras-chave:), em negrito, caixa baixa e alinhado à esquerda. Digitar de 3 a 5
palavras-chave, separadas entre si por ponto e finalizadas também por ponto, com
somente a primeira letra de cada palavra-chave em maiúscula
5 CORPO DO TEXTO: elementos textuais

Os elementos textuais apresentam o conteúdo do trabalho propriamente dito


em três partes fundamentais: introdução, desenvolvimento e conclusão. Nele o autor
desenvolve o tema escolhido, apresentando os resultados de suas pesquisas, ou
como pode ser constatado na NBR 6022 (2003, p. 2) é a “parte do trabalho onde a
matéria é exposta”.
Na introdução dá-se uma visão geral do trabalho acadêmico e apresenta-se
os pontos mais importantes superficialmente. No desenvolvimento, o autor deve
mostrar que domina o tema escolhido, esclarecer os métodos utilizados e
8

desenvolver o texto. A última parte, a conclusão (considerações finais), é onde o


autor deve mostrar o seu ponto de vista. Nela não há a inclusão de dados, mas
apenas o ponto de vista dele com relação a tudo que foi tratado, portanto não cabe
citações e outros autores.
Nos elementos textuais, todas as seções e subseções são numeradas e elas
não são iniciadas em páginas distintas. Iniciar cada parágrafo com recuo de 1,25 cm
da margem esquerda e eliminar os excessos de espaço antes e após cada um
deles, ou seja, adotar espaçamento (0 pt) antes e depois dos parágrafos.

5.1 Introdução

Na introdução deve-se expor a finalidade do trabalho para que o leitor tenha


uma visão geral do tema abordado. De acordo com a NBR 6022 (2003, p. 4) a
introdução deve apresentar e delimitar o assunto tratado, os objetivos e outros
elementos fundamentais para situar o tema da pesquisa. Ela precisa ser bem
elaborada para prender o leitor quanto ao assunto a ser abordado, seja esse leitor
leigo, ou não, neste assunto.
Mesmo sendo a introdução um dos primeiros elementos a ser visualizado pelo
leitor, recomenda-se que deve ser um dos últimos a ser elaborado para não haver
desacertos entre o que foi introduzido e desenvolvido, principalmente com relação a
conclusão.
Seguem sugestões para orientar a formação do texto da Introdução:
 Apresentar o tema dentro de um contexto;
 Delimitar o tema, apresentando o problema de pesquisa do seu artigo.
 Apresentar possíveis respostas para o problema de pesquisa, ou seja, as
hipóteses.
 Apresentar o objetivo geral do trabalho e também os específicos. Eles são
ingredientes fundamentais para o trabalho.
 Apresentar a relevância do seu trabalho acadêmico, identificando a
importância dele para a sociedade ou comunidade científica, ou seja, a
justificativa.
 Descrever qual metodologia foi utilizada, se foi pesquisa bibliográfica ou de
campo, ou outras.
9

 Apresentar a estrutura do trabalho, ou seja, como ele está dividido em seções


e subseções, falando de forma resumida sobre o que se trata cada uma
delas.
Neste sentido, na redação da introdução é importante observar que no
primeiro parágrafo, deve-se ir direto ao assunto e neste e nos demais parágrafos
deve-se tomar o cuidado de não ser muito sucinto, para convencer que o tema do
artigo é interessante e vale a pena prosseguir na leitura.

5.2 Desenvolvimento

Parte principal e a mais extensa do trabalho em que o autor deve fazer, de


forma ordenada, uma exposição e uma discussão das teorias que foram utilizadas,
apresentando-as e relacionando-as com os objetivos propostos, e ainda, conforme a
NBR 6022 (2003, p. 4), o desenvolvimento “[...] contém a exposição ordenada e
pormenorizada do assunto tratado”. Por ser o corpo do trabalho, pode ser dividido
em seções e subseções conforme NBR 6024 (2012). Independentemente da
natureza do estudo (pesquisa bibliográfica, de campo, experimental, descritiva ou
outra), a revisão de literatura, os materiais e métodos e as análises ou resultados
sempre constituem a parte textual do artigo.
Não se deve criar uma seção intitulada DESENVOLVIMENTO, o termo serve
para apenas identificar a parte do artigo onde serão desenvolvidos os objetivos do
trabalho com base nas informações obtidas para se chegar à conclusão deste,
utilizando para isto de argumentos sólidos que validem as hipóteses. É importante
observar que:
 Nenhuma informação deve estar solta no desenvolvimento do trabalho.
Assim, tudo que for utilizado na defesa de um argumento, deve estar
alicerçado nos dados coletados ou em um referencial teórico.
 Nesse sentido, são as citações que servem para situar o leitor no contexto do
trabalho, seja transcrevendo literalmente o texto no caso das citações diretas
ou apenas parafraseando os autores no caso das indiretas. Elas são
importantes para esclarecimento, sustentação ou ilustração de um assunto e,
por isso, sempre devem ser chamadas no texto.
 Mais ainda, o número de referências utilizadas qualifica o trabalho, sendo
assim, deve-se relacionar pensamentos de diferentes autores, pois isso
10

enriquecerá muito o trabalho. Contudo deve-se observar cuidadosamente a


procedência do material ou a fonte utilizada.
 Pode ocorrer uma conversa entre o autor do artigo e os autores pesquisados,
ou seja, o autor do artigo deve apresentar suas opiniões pessoais após as
citações, com isto, não é aconselhado encerrar uma seção ou subseção com
uma citação.

5.3 Conclusão (Considerações finais)

A conclusão (considerações finais) deve ser decorrência natural do que foi


exposto no desenvolvimento. Ela deve, fundamentada no que foi feito, apresentar
uma discussão dos resultados obtidos, em que se verifica as observações pessoais
do autor. Deve ser breve e responder às questões da pesquisa. Poderá também
apresentar sugestões de novas linhas de estudo.
No desenvolvimento do artigo estabelece-se ligações entre os diversos
conceitos que alicerçam os conteúdos selecionados para a composição das seções
e subseções, ou seja, faz-se um diálogo com os autores. Contudo, na redação da
conclusão o autor do artigo deve expressar suas opiniões sobre os diversos
assuntos tratados, ou seja, deve dar, de forma crítica e reflexiva, suas impressões
pessoais.
É importante observar no texto da conclusão que os objetivos formulados
foram ou não alcançados, mais ainda, deve-se entender que a conclusão é uma
síntese dos resultados do trabalho elaborado.

6 ELEMENTOS PÓS-TEXTUAIS

Os elementos pós-textuais relativos a um artigo científico: título, resumo e


palavras-chave em língua estrangeira (obrigatórios), referências (obrigatório), notas
de rodapé (opcional), apêndices (opcional) e anexos (opcional), dispostos nesta
ordem, compõem sua última parte. Eles caracterizam o final da apresentação, e têm
o objetivo de completar o conteúdo e o entendimento do trabalho. São fundamentais
para que os avaliadores tenham acesso às fontes de estudo do autor e a aspectos
complementares do texto. A utilização destes complementos ajuda, por vezes, a
sustentar os argumentos das hipóteses apresentadas no trabalho. Ajudam na
11

organização, quando documentos que deveriam estar nos Anexos ou Apêndice,


aparecem no corpo do texto, quebrando a leitura.
A paginação dos elementos pós-textuais deve ser contínua a do texto.

6.1 título, Resumo e Palavras-chave em língua estrangeira

O título do artigo, o resumo (em inglês ABSTRACT) e as palavras-chave (em


inglês Keywords) em uma língua estrangeira são elementos obrigatórios e são as
traduções deles em língua vernácula para outro idioma de propagação internacional.
Eles deverão ser colocados no final do artigo e antes das referências e seguir o
mesmo formato deles em língua vernácula.
Para este artigo eles estão representados a seguir, para servir como exemplo.

INSTRUCTIONS FOR PREPARATION AND SUBMISSION OF PAPERS:


appearance of the document
(Espaço 1,5 entre linhas, tamanho 12)
ABSTRACT
(Espaço 1,5 entre linhas, tamanho 12)
This study aims to present the standardization of scientific articles that can be
research reports, case studies or others, in accordance with NBR 6022/2003. It
contains typing instructions with emphasis on page formatting, spacing, general
specifications on text formatting and numbering. The research methodology adopted
was documentary, based on the consultation of NBR 6022, as well as NBRs
6023/2002, 6028/2003, 6032/1989, 10520/2002 and 14724/2011, in addition of
related publications available. It presents as a results the elements of the article
structure, starting with pre-textual elements: title and subtitle, authorship, abstract
and keywords in the vernacular language; textual elements: introduction,
development and conclusion; and post-textual: title, subtitle and keywords in foreign
language, explanatory notes, references, appendices and annexes. Therefore, it is
possible to collaborate with the production of articles within the current standards,
allowing the students to communicate the results of studies in events and periodicals
of the field.
(Espaço 1,5 entre linhas, tamanho 12)
Keywords: Article. Standardization. Quotes. References. (Maximum of 5)

6.2 Referências

Referências é um elemento pós-textual obrigatório e é uma nova seção do


artigo. O título REFERÊNCIAS é digitado em letras maiúsculas, em negrito, fonte
tamanho 12, sem indicativo numérico e alinhado à esquerda. (A NBR 6023/2002 não
especifica o alinhamento do título). É a listagem apenas das publicações citadas na
12

elaboração do trabalho que devem ser digitadas em ordem alfabética (sistema autor
data) ou na mesma ordem que aparece no texto (sistema numérico). Quanto à
localização, as referências podem aparecer no rodapé, no fim do texto ou em lista de
referências.
As referências são elaboradas conforme a NBR 6023/2002, na qual aparecem
as seguintes orientações:
 Os elementos essenciais e complementares da referência devem ser
apresentados em sequência padronizada.
 Para compor cada referência, deve-se obedecer à sequência dos elementos.
 As referências são alinhadas somente à margem esquerda do texto e de
forma a se identificar individualmente cada documento, em espaço simples e
separadas entre si por espaço duplo. Quando aparecerem em notas de
rodapé, serão alinhadas, a partir da segunda linha da mesma referência,
abaixo da primeira letra da primeira palavra, de forma a destacar o expoente
e sem espaço entre elas.
 A pontuação segue padrões internacionais e deve ser uniforme para todas as
referências. As abreviaturas devem ser conforme a NBR 10522.
 O recurso tipográfico (negrito, grifo ou itálico) utilizado para destacar o
elemento título deve ser uniforme em todas as referências de um mesmo
documento. Isto não se aplica às obras sem indicação de autoria, ou de
responsabilidade, cujo elemento de entrada é o próprio título, já destacado
pelo uso de letras maiúsculas na primeira palavra, com exclusão de artigos
(definidos e indefinidos) e palavras monossilábicas.

Exemplo:

REFERÊNCIAS

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6023: Informação e


documentação – referências; elaboração. Rio de Janeiro, 2002.

_________. NBR 14724: Informação e documentação – trabalhos acadêmicos;


apresentação. Rio de Janeiro, 2002.

COSTA, Antônio F. G. Guia para elaboração de monografias – relatórios de


pesquisa: trabalhos acadêmicos, trabalhos de iniciação científica,
dissertações, teses e editoração de livros. Rio de Janeiro: Interciência, 2003.
5.3 Apêndice
13

6.3 Apêndices

Apêndice é elemento opcional de acordo com a NBR 14724 (2011). Cada


Apêndice é um texto ou documento elaborado pelo autor, relacionado ao trabalho, a
fim de complementar sua argumentação, sem prejuízo da unidade nuclear deste
trabalho.
Inicia-se em página distinta, sem indicativo numérico, precedido da palavra
APÊNDICE e identificado por letras maiúsculas consecutivas, travessão e pelo
respectivo título. Excepcionalmente utilizam-se letras maiúsculas dobradas, na
identificação dos apêndices, quando esgotadas as 23 letras do alfabeto.
O Apêndice é localizado na margem superior, em letras maiúsculas, em
negrito, centralizado, fonte tamanho 12, espaço simples de entrelinhas.
Exemplo:
14

APENDICE A: ESTRUTURA DO ARTIGO CIENTÍFICO

A estrutura de um artigo científico é constituída de elementos pré-textuais,


elementos textuais e elementos pós-textuais. A disposição dos elementos é
apresentada na Tab. 1, construída com o objetivo de orientar os usuários.

Tabela 1 – Disposição dos elementos


Estrutura Elemento Seção
Título, e subtítulo (se houver);
Nome(s) do(s) autor(es);
Pré-textuais Resumo na língua do texto;
Palavras-chave na língua do texto.

Introdução
Textuais Desenvolvimento
Conclusão
Título, e subtítulo (se houver) em língua estrangeira;
Resumo em língua estrangeira;
Palavras-chave em língua estrangeira;
Pós-textuais Referências
Notas de rodapé
Apêndices;
Anexos.
Fonte: o autor
15

6.4 Anexos

Anexo é elemento opcional de acordo com a NBR 14724 (2011). Cada anexo
é texto ou documento não elaborado pelo autor, que serve de fundamentação,
comprovação e ilustração.
Inicia-se em página distinta, sem indicativo numérico, precedido da palavra
ANEXO e identificado por letras maiúsculas consecutivas, travessão e pelo
respectivo título. Excepcionalmente utilizam-se letras maiúsculas dobradas, na
identificação dos apêndices, quando esgotadas as 23 letras do alfabeto. São
localizados na margem superior, em letras maiúsculas, em negrito, centralizado,
fonte tamanho 12, espaço simples de entrelinhas.
Exemplo:
16

ANEXO A: REFERÊNCIAS

Seguem modelos de referências com exemplos e caso seja necessário,


consulte a NBR-6023/2002

Livros
AUTOR(es) DA OBRA. Título da obra: subtítulo (se houver). Número da edição (se
houver). Local de publicação: Editor, ano da publicação.

Dissertação ou tese
AUTOR(es). Título: subtítulo (se houver). Ano da defesa. Total de folhas.

Artigo de Periódico
AUTOR(es). Título: subtítulo (se houver). Nome do periódico, Local de publicação,
volume, número ou fascículo, paginação, período da publicação do periódico.

Artigo publicado em periódico eletrônico


AUTOR(es). Título: subtítulo (se houver). Nome do periódico, local de publicação,
volume ou fascículo, período da publicação do periódico. <endereço da URL>. Data
do acesso.

Documento publicado na Internet


AUTOR(es). Título: subtítulo (se houver). Disponível em: <endereço da URL>. Data
do acesso.

Autoria desconhecida ou não identificada


Título (primeira palavra em caixa alta). Cidade: Editora, ano de publicação.

Documento da Internet sem autoria.


TÍTULO (primeira palavra em caixa alta). Disponível em: <endereço da URL>.
Acesso em: data do acesso (com mês abreviado).

Com indicação de subtítulo


AUTOR(es). Título: subtítulo. Cidade: Editora; ano de publicação.
17

7 EQUAÇÕES E FÓRMULAS, SÍMBOLOS E UNIDADES

As equações matemáticas são alinhadas à esquerda com recuo de 2,0 cm.


Numerar as equações em sequência com algarismos arábicos entre parênteses e
alinhados à direita como mostrado na Eq. (1). Elas são referidas por Eq. (1) no meio
da frase, ou por Equação (1) (iniciais maiúsculas = nome da equação) quando
citadas no início de uma sentença.
Os símbolos usados nas equações devem ser definidos imediatamente antes
ou depois de sua primeira ocorrência no texto do trabalho. O tamanho da fonte
usada nas equações deve ser compatível com o utilizado no texto. Os símbolos
devem ter suas unidades expressas no sistema S.I. (métrico), evitando assim a
combinação entre sistemas de medidas, o que geralmente é fonte de confusão, em
especial porque as equações não são dimensionalmente coerentes. Caso sejam
empregados sistemas de medidas diferentes, informar claramente as unidades para
cada grandeza na equação. A vírgula deverá ser o separador entre a parte inteira e a
parte decimal de números fracionários.
Para fazer as equações mais compactas, pode ser utilizado o símbolo de
fração (/), a função exp. ou expoentes convenientes. Os símbolos e variáveis
empregados devem ser em itálico. Empregar o sinal de travessão para indicar a
operação de subtração, ou sinal disponível em editores de equação. Utilizar sempre
os parênteses para evitar ambiguidades no denominador.
Deixar uma linha de espaço (Espaço 1,5 entre linhas, tamanho 12) antes e
depois de cada equação incluída. Por exemplo:

 dT
q r  4 r 2 k (1)
dr

A Equação (1) representa o fluxo de calor que atravessa uma parede esférica
e é chamada de equação de Fourier, em que:
q = fluxo de calor por condução;
k = condutividade térmica do material;
r = raio da superfície esférica;
dT/dr = gradiente de temperatura na direção radial.
18

Se for necessária mais de uma linha, a equação deverá ser interrompida


antes do sinal de igualdade ou depois dos sinais de adição, subtração, divisão e
multiplicação.

8 – ILUSTRAÇÕES

Ilustração é uma designação genérica de imagens que elucidam um texto.


São consideradas ilustrações: desenho, esquema, fluxograma, fotografia, gráfico,
mapa, organograma, planta, quadro, retrato, figura, imagem, entre outros.
Apresentam-se da seguinte forma:
a) As ilustrações, legendas e suas fontes deverão estar centradas no texto sem
deixar espaço entre elas.
b) Sua identificação aparece na parte superior (Times New Roman ou Arial,
tamanho 10), composta pelo nome específico da ilustração (em caixa baixa,
com inicial maiúscula), número de ordem em algarismos arábicos, travessão
e título (Figura 1 – Título da ilustração).
c) Todas as ilustrações transcritas de outros documentos (ou mesmo produções
do próprio autor), devem necessariamente ter a indicação da fonte.
d) Após as ilustrações, na parte inferior, indicar a fonte consultada (Times New
Roman ou Arial, tamanho 10) (Fonte: Fonte utilizada).
e) Quando a ilustração for de autoria própria, deve-se identificar com: Fonte:
autoria própria ou Fonte: elaborado pelo autor.
f) Texto e símbolos nelas incluídos devem ser de fácil leitura, devendo-se evitar
o uso de símbolos pequenos.
g) Deve ser evitado também o uso de siglas e abreviaturas que não sejam de
uso corrente; quando necessárias devem ser grafadas por extenso como nota
na tabela.
h) As ilustrações devem ser inseridas o mais próximo possível do trecho a que
se referem.
Numerar as ilustrações em sequência usando algarismos arábicos (ex: Figura
1, Figura 2, Tabela 1, Tabela 2). Fazer referência a elas no texto como Fig. 1 e Tab. 1
(exceto no início de uma sentença, onde Figura 1 e Tabela 1 devem ser usadas).
As legendas das ilustrações não devem exceder 3 linhas. Deixar uma linha de
espaço (Espaço 1,5 entre linhas, tamanho 12) entre a ilustração e o texto que a
precede e a sucede.
19

Figuras coloridas e fotografias de alta qualidade podem ser incluídas no


trabalho. Para reduzir o tamanho do arquivo e preservar a resolução gráfica,
converter os arquivos das imagens para o formato GIFF (para figuras com até 16
cores) ou para o formato JPEG (alta densidade de cores), antes de inseri-los no
trabalho.
A Tabela 1 e Fig. 1 seguem como exemplos.

Tabela 1 - Coeficientes nas equações constitutivas


Equações Nomenclatur Valor
constitutivas a
Tensor turbulento Cµ 0.09
Tensor turbulento Cµb 0.69
Pressão interfacial Cpi CVM/2
Força de arrasto CD Kuo & Wallis (1974)
Fonte: http://www.bibcir.fsp.usp.br

Tem-se, de acordo com Rosa (2009), que os valores dos coeficientes que
constam na Tab. 1 não trazem uma universalidade a todos os casos, mas há uma
correspondência deles com o fenômeno físico, de forma que uma escolha
apropriada destes coeficientes conduz a bons resultados. Observar que a legenda
deve ser sucinta e necessariamente chamada no texto, onde pode ajudar o leitor a
compreender mais detalhes.
A Figura 1 mostra dados coletados de um experimento com uma mangueira
dotada de um esguicho em uma de suas extremidades, onde observa-se a variação
da pressão, expressa em (N/m2), em função da distância axial do bocal, expressa
em (mm).

Figura 1 - Variação da pressão ao longo dos esguichos: dados experimentais .


20

-1 0 0 0

O u tl e t s e c ti o n
-2 0 0 0

P re s s u re (N /m 2 )
-3 0 0 0

-4 0 0 0 S y m b o ls r e p re s e n t m e a s u r e d v a lu e s

-5 0 0 0

0 20 40 60 80
N o z z le a x ia l d is ta n c e ( m m )
Fonte: (CASTRO, 2003)

Deve-se denominar os eixos coordenados em gráficos, incluindo as


respectivas unidades, sempre que aplicável. Da mesma forma, denominar
colunas/linhas em tabelas, com respectivas unidades.
Colocar no texto apenas ilustrações significativas, evitando o uso de figuras
que sejam apenas penduricalhos. Além disto, comete-se o erro de descrever
detalhes das ilustrações na legenda, desviando a sua utilidade que é de fazer o leitor
entender seu significado.

9 CITAÇÕES

A NBR 10520/2002 estabelece as condições exigidas para a apresentação de


citações em documentos técnico-científicos e acadêmicos. Segundo a (NBR 10520,
2002, p. 1), citação é a “menção de uma informação extraída de outra fonte. ” Assim,
as citações são as ideias retiradas dos textos lidos e servem para dar
fundamentação teórica e credibilidade aos trabalhos acadêmicos científicos,
fornecem informações existentes em outros trabalhos ou pesquisas já
desenvolvidas, sejam elas semelhantes ou divergentes. Para Latour (2000, p. 58-59)
“um trabalho científico sem referências é como uma criança desacompanhada a
caminhar pela noite de uma grande cidade que ela não conhece: isolada, perdida,
pode acontecer-lhe qualquer coisa. ”
Deve-se atribuir crédito à fonte consultada quando utiliza-se ideias extraídas
de livros, revistas, dissertações ou teses, artigos publicados em revistas e
periódicos, documentos publicados na internet, relatórios, filmes, palestras,
informações extraídas de entrevistas, etc. Não é necessário atribuir crédito para
21

conhecimento comum, informações encontradas em dicionários ou enciclopédias,


observações do senso comum, informações históricas de conhecimento público,
notícias publicadas em revistas e jornais.
Existem dois tipos de sistemas de chamada – autor-data e numérico.
Qualquer que seja o sistema adotado, este deve ser seguido em todo o trabalho,
permitindo sua correlação na lista de referências ou em notas de rodapé.
Pode-se encontrar um texto de fácil manuseio, bastante didático, disponível no
endereço eletrônico http://www.leffa.pro.br/textos/abnt.htm, com o título: Normas da
ABNT - Citações e Referências Bibliográficas, que pode ser importante na hora
esclarecer dúvidas. Ele é uma compilação de vários arquivos, incluindo um original
da Biblioteca da USP, além dos seguintes textos: (1) “Como fazer referências” de
Maria Bernadete Martins Alves e Susana M. de Arruda e (2) “Guia para normatização
de referências” da UFES.

9.1 Sistema autor-data

Segundo a (NBR 10520, 2002) nas citações no sistema autor-data, a


indicação de autoria é feita pelo sobrenome de cada autor, pelo nome de cada
instituição responsável ou pelo título incluído na sentença, em letras maiúsculas e
minúsculas (caixa baixa) indicando-se a data e página, separadas por vírgula, entre
parênteses.
Quando a indicação da autoria estiver entre parênteses, deve ser em letras
maiúsculas (CAIXA ALTA), seguida da data de publicação do documento e página,
todas separadas por vírgula. Pode-se especificar no texto o volume, tomo ou seção
da fonte consultada. Estes devem seguir a data, separados por vírgula e precedidos
pelo termo, que o caracteriza, de forma abreviada. Nas citações indiretas, apenas as
indicações da autoria e da data são exigidas e as demais indicações são opcionais.
Exemplos:

a) Citações diretas.
 Para Resnick, Halliday e Krane (1996, v. 4, p. 172) “Tanto a química quanto a
física do estado sólido dependem do conhecimento da estrutura atômica”.
 “[...] a energia máxima dos elétrons emitidos não era determinada pela
intensidade da luz, como era de se esperar pela teoria ondulatória de
Maxwell, e sim pela frequência da onda incidente” (ROCHA, 2002, p. 243).
22

b) Citações indiretas.
 Segundo Martins (1986) a experiência de Oersted despertou o interesse de
diversos cientistas e desencadeou o estudo do eletromagnetismo.
 As equações de Maxwell sintetizam matematicamente todo o conhecimento
no domínio do eletromagnetismo clássico e desempenham no
eletromagnetismo papel análogo ao das leis de Newton na mecânica clássica
(ROCHA, 2002).

9.1.1 Regras gerais de apresentação

a) As indicações de autoria no sistema autor-data, incluídas na sentença, devem


ser feitas em letras maiúsculas e minúsculas (caixa baixa). Indica-se a data,
entre parênteses e, se a citação for direta, a página, identificada por (p
minúsculo e ponto), separada da data por vírgula.
Exemplos:
Um autor: Segundo Albuquerque (2011, p. 1) ...
Dois autores: Silva e Figueiredo (2005, p. 146) afirmam que ...
Três autores: Assis, Sá e Sousa (2010, p. 21) descrevem ...
Mais de três autores: Belkin et al. (1982, p. 76) ...
Autoria desconhecida: A Geração ... (2012) “Tem sido cada vez [...]”
Entidade: Comissão das comunidades europeias (2002, p. 8) ...
b) As indicações de autoria no sistema autor-data, entre parênteses, devem ser
feitas em letras maiúsculas (CAIXA ALTA), seguidas da data e, se a citação
for direta, da página, identificada por (p minúsculo e ponto). Todos são
separados por vírgulas.
Exemplos:
Um autor: (ALBUQUERQUE, 2011, p. 12) ...
Dois autores: (SILVA; FIGUEIREDO 2005, p. 146) ...
Três autores: (ASSIS; SÁ; SOUSA 2010, p. 21) ...
Mais de três autores: (BELKIN et al., (1982, p. 76) ...
Autoria desconhecida: “Tem sido cada vez [...]” (A GERAÇÃO ..., 2012)
Entidade: (COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS, 2002, p. 8)
c) Indicações de autores com coincidência de sobrenomes, deve-se acrescentar
as iniciais de seus prenomes e, se novamente existir coincidência,
acrescentam-se os prenomes por extenso.
Exemplos:
23

(OLIVEIRA, C., 2010) (OLIVEIRA, P., 2010)


(OLIVEIRA, Carlos, 2010) (OLIVEIRA, Cláudio, 2010)
d) As citações de vários documentos produzidos por um mesmo autor, com
publicação no mesmo ano, são diferenciados pelo acréscimo de letras
minúsculas, em ordem alfabética, após a data e sem espaçamento.
Exemplos:
(PAULA, 2006a) (PAULA, 2006b)
Conforme Paula (2006a) Conforme Paula (2007b)
Existem outras situações, tanto as citadas como as não citadas podem ser
obtidas consultando-se a NBR 10520 (2002).

9.2 Sistema numérico

No sistema numérico, a indicação da autoria é feita por uma numeração


única, crescente e consecutiva, ou seja, não se inicia a numeração a cada página,
utilizando-se algarismos arábicos, remetendo à lista de referências na própria folha,
em nota de rodapé e também no final do artigo, na mesma ordem em que aparecem
no texto.
Este sistema não deve ser utilizado quando existem notas de rodapé
explicativas, utilizadas para comentários esclarecimentos ou observações que não
podem ser incluídas no texto.
A indicação da numeração pode ser feita entre parênteses ou colchetes,
alinhada ao texto, ou acima da linha do texto, em expoente e após a pontuação que
fecha a citação.
Exemplos:
Aldo Novak diz: “Perder para a razão, sempre é ganhar.” 1
Segundo Confúcio, “É mais fácil vencer um mau hábito hoje do que
amanhã.”(2)
Slack apud Alves1 (2003, p. 31) destaca que “...”

9.2.1 Autorias em notas de rodapé

Em notas de rodapé as autorias de citações devem ser digitadas dentro das


margens, separadas do texto por um filete de 5 cm, a partir da margem esquerda,
sem espaço entre elas e com fonte menor (Espaço 1,0 entre linhas, tamanho 10). A
24

partir da segunda linha da mesma nota, alinha-se abaixo da primeira letra da


primeira linha, de forma a destacar o expoente.
A primeira citação de uma obra, em nota de rodapé, deve ter sua referência
completa. As citações seguintes da mesma obra podem aparecer de forma
abreviada, usando-se expressões latinas. Apresenta-se a seguir alguns destaques:
 Ibdem – ibd [na mesma obra] - Usado quando se faz várias citações seguidas
de um mesmo documento.
5
SILVA, 1980, p. 120
6
Ibid., p. 132
 Idem – Id [do mesmo autor] - Obras diferentes do mesmo autor.
5
SILVA, 1980, p. 132
6
Id., 1992, p. 132
 Opus citatum - op. cit. [obra citada] - Refere-se à obra citada anteriormente
“na mesma página”, quando houver intercalação de outras notas.
5
SILVA, 1980, p. 23
6
PEREIRA, 1991, p. 213
7
SILVA, op. cit., p. 93
 Locus citatum - loc cit [lugar citado] - Refere-se a mesma página de uma obra
citada anteriormente, quando houver intercalação de outras notas.
5
SILVA, 1995, p. 120
6
PEREIRA, 1994, p. 132
7
[SILVA, loc. cit.

9.3 Tipos de citações

Consultando a NBR 10520 (2002, p. 1-2) tem-se que as citações podem ser:
 Diretas: transcrição textual de parte da obra consultada;
 Indiretas: texto baseado na obra do autor consultado;
 Citação de citação: citação direta ou indireta de um texto em que não se teve
acesso ao original;
 Notas de rodapé: indicações, observações ou aditamentos ao texto feitos pelo
autor, tradutor ou editor;
 Notas explicativas: notas usadas para comentários, esclarecimentos ou
explanações, que não possam ser incluídos no texto.
25

A não citação da fonte, independente de citação direta ou indireta, confere


a característica de plágio, que fere a Lei de direito autoral.

9.3.1 Citação direta

Citação direta é a “transcrição textual de parte da obra do autor consultado.”


NBR 10520 (2002, p. 2). Cruz e Ribeiro (2004, p. 176) afirmam que “Uma citação é
textual [direta], quando há a transcrição literal do texto de um autor ou parte dele,
conservando-se grafia, a pontuação, o idioma e até eventuais incoerências, erros de
ortografia e/ou concordância. ”
Podem ser utilizadas as supressões, interpolações, destaques, incorreções ou
incoerências, dúvidas ou ênfase, como se segue:
 Supressões: indicam interrupção ou omissão da citação sem alterar o
sentido do texto. São indicadas pelo uso de reticências entre colchetes, no
início, meio ou final da citação. [...].
o Exemplo: De acordo com Bruno (2001, p. 112) “[...] a citação deve
reproduzir o fraseado, a ortografia e a pontuação interna da fonte
original, mesmo quando a fonte contém erros.”
 Interpolações: acréscimos ou comentários inseridos em citações são
indicados entre colchetes [ ], no inicio, meio ou final da citação.
o Exemplo: Desse modo, “[...] esse modelo funcionou [e ainda funciona]
como critério e medida para entendermos a vida familiar brasileira ao
longo do tempo. ” (SAMARA, 2002, p. 28).
 Destaque do autor do texto: As palavras ou expressões destacadas no
texto, devem ser seguidas de uma das expressões: sem grifo no original,
grifo meu ou grifo nosso, inseridas após a indicação da referência da
citação.
o Exemplo: “[...] desejo criar uma literatura independente, diversa, de
vez que, aparecendo o classicismo como manifestação do passado
colonial [...].” (CANDIDO, 1993, v. 2, p. 12, grifo nosso).
 Destaque do autor consultado: Usa-se a expressão grifo do autor, após a
indicação da referência da citação, caso o destaque já faça parte da obra
consultada.
o Exemplo: “Há muito se insiste na tese do fato como constructo, mas
tal afirmação raramente tem escapado ao funesto destino de clichê
retórico-epistemológico. ” (RODRIGUES, 2002, p. 370, grifo do autor).
26

 Incorreções e incoerências: no texto são indicadas pela expressão [sic],


imediatamente após a sua ocorrência. A expressão sic significa, assim
mesmo, isto é, estava assim no texto original, no inicio, meio ou final da
citação.
o Exemplo: De acordo com Abdala (2005, p. 42) “Weinberg propôs em

1977 [sic] um modelo para a formulação da teoria eletrofraca. ”


Quando a citação incluir texto traduzido pelo autor, deve-se incluir, após a
chamada da citação, a expressão tradução nossa, entre parênteses. (NBR 10520,
2002, p. 3)
Exemplo:
“Ao fazê-lo pode estar envolto em culpa, perversão, ódio de si mesmo [...] pode
julgar-se pecador e identificar-se com seu pecado. ” (RAHNER, 1962, v. 4, p. 463,
tradução nossa).

9.3.1.1 Citação direta com até 3 linhas

Devem ser transcritas entre aspas duplas (“...”), incorporadas ao texto, sem
destaque tipográfico, com indicação das fontes de onde foram retiradas. Exemplo:
Segundo Vasconcelos (2010, p. 46), “[...] é imprescindível mapear as atividades de
estágio realizadas pelos alunos, identificando espaços, período, e de que forma essa
atividade vem sendo desenvolvida e até que ponto ela contribui ou entrava a
formação profissional”.
Quando houver na frase que está sendo citada uma palavra ou trecho entre
aspas duplas, estas devem ser transformadas em aspas simples (‘...’). Exemplo: “A
‘codificação’ e a ‘descodificação’ permitem ao alfabetizando integrar a significação
das respectivas palavras geradoras em seu contexto existencial. ” (FREIRE, 2000, p.
10).

9.3.1.2 Citação direta com mais de 3 linhas

É transcrita em parágrafo distinto, destacada com recuo de 4 cm da margem


esquerda, com letra menor do que a do texto utilizado (tamanho 10), sem as aspas e
com espaçamento simples entre linhas (Espaço 1,0 entre linhas). A citação deverá
ser separada do texto que a precede e a sucede por um espaço de entrelinhas
simples em branco (Espaço 1,0 entre linhas, tamanho 12).
27

Com a indicação de autoria no sistema autor-data, incluída na sentença,


tem-se como exemplo: Foladori (2001, p. 61) afirma

Os seres vivos, como organismos biológicos e sociedades equipadas com


determinadas bagagens culturais, possuem um comportamento e um
instrumental para transformar o meio ambiente de forma qualitativamente
diferente daquela usada pelo restante dos seres vivos.

Alternativamente, a indicação de autoria, neste sistema, entre parênteses, é


mostrada a seguir:

Os seres vivos, como organismos biológicos e sociedades equipadas com


determinadas bagagens culturais, possuem um comportamento e um
instrumental para transformar o meio ambiente de forma qualitativamente
diferente daquela usada pelo restante dos seres vivos. (FOLADORI 2001, p.
61).

As citações são informações utilizadas pelo(s) autor(es) com objetivo de


fundamentar a validade ou veracidade do conteúdo que está sendo escrito no TCC e
não devem iniciar ou finalizar uma seção ou subseção.

9.3.2 Citação indireta

É a transcrição das ideias de um autor, usando outras palavras, conservando


o sentido do texto original. Neste tipo de citação, não se utilizam as aspas, mas o
autor e a data de publicação devem ser indicados. Não é obrigatório colocar o
número da página, mas, se desta forma se fizer deve-se repetir em todas as outras
citações indiretas. Por exemplo: No caso do Ceará, o próprio processo de
organização do espaço, diretamente ligado à pecuária e ao produto algodão,
favoreceu as economias primário-exportadoras (SOUZA, 1994).
No exemplo não se fez uma “cópia” das palavras escritas pelo autor, ou seja,
utilizou-se das próprias palavras tendo como base o texto de um autor que foi citado
no formato (AUTOR, ano).

9.3.3 Citação de citação

É a transcrição direta ou indireta de um texto em que não se teve acesso ao


documento original e só deve ser utilizado na total impossibilidade de acesso a este
documento. Apesar de parecer complicado, é bem mais fácil, do que se pensa:
(sobrenome do autor que não se tem a obra em mão, ano dessa obra apud (citado
28

por) sobrenome do autor, ano da obra lida, página). Veja o exemplo, abaixo, que é
uma citação de citação direta e longa. Isso porque se leu o autor Küsten, que em
sua obra citou Viola e Leis, devido a não ter o acesso à obra de Viola e Leis, cita-o
através de Küsten.

No Primeiro Mundo encontra-se a poluição da riqueza. Usinas nucleares,


chuva ácida, consumo suntuário, montanhas de lixo, doenças provocadas
pelo excesso de alimentos, álcool, drogas e medicamentos. No Terceiro
Mundo concentra-se a poluição da miséria: subnutrição, ausência de água
potável e esgotos, lixões a céu aberto, ausência de atenção médica e de
medicamentos, consumo de álcool e drogas.
No Primeiro Mundo há uma perda progressiva do sentido da vida motivada
por uma concepção unilateralmente materialista da vida humana. No
Terceiro Mundo há uma degradação generalizada do sentido da vida,
provocada por uma concentração extrema da riqueza, que deixa sem
horizontes as maiorias miseráveis. (VIOLA; LEIS, 1991 apud KÜSTEN,
2004, p. 18).

Em uma citação direta com até três linhas, ou seja, no texto, tem-se como
exemplo: segundo Vianna (1986, p. 172 apud SEGATTO, 1995, p. 214-215) “[...] o
viés organicista da burocracia estatal e o antiliberalismo da cultura política de 1937,
preservado de modo encapuçado na Carta de 1946.”
No rodapé da página: “[...] o ato de ler envolve um processamento serial que
começa com uma fixação ocular sobre o texto, prosseguindo da esquerda para a
direita de forma linear”4.
Observando este último exemplo, nele houve uma transcrição de palavras
textuais escritas por Gough em uma obra de 1972, mencionadas por Nardi em 1993,
fonte que se está consultando diretamente.

4
GOUGH, 1972 apud NARDI, 1993, p. 2.
29

10 NOTAS DE RODAPÉ

As notas de rodapé servem para abordar pontos que não devem ser incluídos
no texto para não o sobrecarregar. Devem ser digitadas dentro das margens,
separadas do texto por um filete de 5 cm, a partir da margem esquerda, sem espaço
entre elas e com fonte menor (Espaço 1,0 entre linhas, tamanho 10). A partir da
segunda linha da mesma nota, são alinhadas abaixo da primeira letra da primeira
linha, de forma a destacar o expoente.
A numeração das notas de rodapé é feita por algarismos arábicos, em
sequência única e consecutiva. Elas não podem ser usadas quando se utiliza
referência numérica em nota de rodapé.

11 CONCLUSÃO

Discussão dos resultados obtidos na pesquisa, em que se verifica as


observações pessoais do autor. Poderá também apresentar sugestões de novas
linhas de estudo. A conclusão não deve apresentar citações ou interpretações de
outros autores. Elas devem ser breves e responder às questões da pesquisa.
No caso particular deste artigo ele contém instruções para preparação de
artigos científicos. Porém, além do que foi exposto nele, deve-se consultar as
normas existentes ou procurar auxílio de pessoas capacitadas para sanar dúvidas
que porventura apareçam. Aconselha-se entregar uma cópia da versão final e
corrigida do artigo à Biblioteca Josué Montello para ser disponibilizada para consulta
e empréstimo aos usuários da mesma.

REFERÊNCIAS

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6022: Informação e


documentação – Artigo em publicação periódica científica impressa. Rio de
Janeiro, 2003.

_________. NBR 6023: Informação e documentação – referências; elaboração. Rio


de Janeiro, 2002.

_________. NBR 6028: Informação e documentação – Resumo. Rio de Janeiro,


2003.
30

_________. NBR 6032: Abreviação de títulos de periódicos e publicações seriadas.


Rio de Janeiro, 1989.
_________. NBR 10520: Informação e documentação – citações em documentos;
apresentação. Rio de Janeiro, 2002.

_________. NBR 14724: Informação e documentação – trabalhos acadêmicos;


apresentação. Rio de Janeiro, 2002.

COSTA, Antônio F. G. Guia para elaboração de monografias – relatórios de


pesquisa: trabalhos acadêmicos, trabalhos de iniciação científica,
dissertações, teses e editoração de livros. Rio de Janeiro: Interciência, 2003.

CRUZ, C.; RIBEIRO, U. Metodologia científica: teoria e prática. Rio de Janeiro:


Axcel Books, 2004.
LATOUR, B. Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade
afora. São Paulo, UNESP, 2000.