Você está na página 1de 9

12 Educação e cultura

Sexta-feira, 10 de outubro de 2008

Programa “Aprendendo a
Estudar” - Apresentação
Texto: Sílvia Curi l Foto: Letícia Daher l desenvolver estudo eficaz. al em todos os sentidos, seja aquisição de conhecimentos.
Além disso, esse é um as- na vida profissional, seja na O programa está organiza-
sunto geralmente ausente vida particular. Dificilmen- do em várias partes, abor-
do currículo escolar, como te encontramos satisfação dando diferenciados aspec-
se saber estudar fosse um maior do que ter a consci- tos do assunto, tais como
ato natural daqueles que fre- ência de que detemos os finalidade do estudo, causas
qüentam as salas de aula de conhecimentos necessários do fracasso, possibilidade
nossas escolas. para o bom desempenho de de aprender a estudar, ava-
Dessa forma, os estudan- nossas atividades cotidianas liação dos hábitos de estu-
tes atravessam todo o Ensi- ou aqueles saberes capazes do, condições fundamentais
no Básico e, muitas vezes, do deleite de nossa alma. para o estudo eficaz, orga-
até a Universidade, tentan- Apesar de ser o assunto nização pessoal, motivação,
do o sucesso no aprendiza- na maior parte das vezes atenção, concentração, me-
do de maneira totalmente ignorado, é perfeitamente mória, técnicas e estratégias
aleatória, orientando-se por possível aprender a estu- de estudo, a aula, tratamen-
si mesmos, em processo de- dar com eficiência. to da informação oral, a arte
sorganizado e para a grande Com esse propósito, a de ler, a arte de escrever,
maioria desfavorável e so- partir da próxima semana, a arte da pesquisa, desen-
A partir da próxima semana, acompanhe a série de artigos sobre frido, o que lhes torna mais iniciaremos uma série de volvimento da inteligência,
os vários aspectos que envolvem o estudo eficaz difícil e improdutiva a tare- artigos abordando os vá- maneiras diferenciadas de
fa, favorecendo que sintam rios aspectos que envolvem estudar, metacognição.
É fora de dúvida de que uma de ensino, é a que diz res- desgosto em estudar, levan- o estudo eficaz, com o ob- Procure acompanhar e
das maiores dificuldades peito ao estudo. do mesmo ao fracasso. jetivo de levar aos nossos verá que estudar não é um
enfrentadas no processo de Muito raramente encontra- No entanto, estudar pode e estudantes informações e “bicho de sete cabeças” e
aprendizagem por nossos mos alunos que sabem o quê deve ser um ato de prazer, ferramentas que lhes permi- pode ser preciosa fonte de
alunos, em todos os níveis e como fazer para que possam que leva à realização pesso- tam sucesso no processo de prazer e alegria.

Construção da Escola do ProInfância


Texto: Alessandro Bastos l Imagens: MEC l

A verba de R$ 700 mil para anos para ser aprovada. Além rio para creches e pré-escolas gov.br), o projeto terá esta- a construção levará no míni-
a construção da escola foi desta verba, em dezembro públicas da educação infantil. cionamento, salas de aula, mo 90 dias para ser finaliza-
recebida em maio deste ano, deste ano, a cidade receberá No Circuito das Águas, Serra fraldário, biblioteca, sala de da. A Prefeitura deve prestar
por intermédio da secretária mais R$ 184 mil para a finali- Negra foi a única que conse- leitura, sala de informática, conta da edificação até 2010.
da Educação, Ruth Ferrares- zação do projeto. guiu a efetivação do projeto. sanitários, recreio coberto, Há ainda uma minúscula
so. A escola será edificada O Governo Federal criou o A escola deverá priorizar refeitório, secretarias etc. O parcela de crianças fora da es-
nos trâmites do ProInfância ProInfância por considerar a acessibilidade, fazendo as prédio de 2.800 m² e os mó- cola, aguardando vaga na lista
– Programa Nacional de Re- que a construção de creches adequações necessárias a veis são de última geração de espera das escolas infantis,
estruturação e Aparelhagem e escolas de educação infan- fim de permitir ao portador (como pode ser notado nas de acordo com a secretária de
da Rede Escolar Pública de til e a reestruturação e aqui- de necessidades especiais imagens). Educação: “Com esta nova
Educação Infantil – do Go- sição de equipamentos para acessar todas as áreas da Em virtude do período elei- escola, iremos com certeza
verno Federal. A licitação a rede escolar desse nível unidade com facilidade. De toral, a licitação foi adiada e suprir todas as necessidades
para a construção será feita educacional são indispensá- acordo com a maquete ele- será efetuada nos próximos e dar ainda mais folga na de-
nos próximos dias, porém a veis à melhoria da qualidade trônica de escola infantil do dias. Segundo o secretário de manda de alunos em outras
inauguração será realizada da educação. O programa foi ProInfância, que pode ser Obras, Pedro Perondini, devi- escolas. Sem dúvida, esta será
no próximo ano pela nova instituído pela Resolução nº acessado no site do Ministé- do ao fato de a estrutura física uma das escolas mais requisi-
administração municipal. 6, de 24 de abril de 2007, e rio da Educação, www.fnde. do prédio ser de grande porte, tadas da cidade”.
Em maio deste ano, o prefei- é parte das ações do Plano
to Paulo Scachetti, a secretária de Desenvolvimento da Edu-
da Educação, Ruth Ferraresso, cação (PDE) do Ministério da
e o chefe de gabinete, José Ari Educação. Seu principal ob-
do Amaral, viajaram a Brasília jetivo é prestar assistência
para a assinatura do contrato financeira, em caráter suple-
e recebimento da verba, no va- mentar, ao Distrito Federal
lor de R$ 700 mil, destinada e aos municípios que efetu-
à construção de uma escola aram o Termo de Adesão ao
infantil na Rua José Bonifácio. Plano de Metas Compromis-
A solicitação da unidade para so Todos pela Educação. Os
Serra Negra foi feita através recursos destinam-se à cons-
de projeto da Secretaria Muni- trução, reforma e aquisição
cipal de Educação e levou dois de equipamentos e mobiliá- Todos os móveis e equipamentos serão adequados a crianças com necessidades especiais
12 Educação e cultura
Sexta-feira, 17 de outubro de 2008

Programa Aprendendo a Estudar:


Necessidade, objetivos e espaço de estudo
Texto: Sílvia Curi | Foto: Alessandro Bastos l

um lenhador golpeando furio-


samente uma árvore, numa
floresta, sem que conseguisse
fazer progressos, abordou-o,
dizendo-lhe que seu macha-
do estava sem corte e que de-
via parar para afiá-lo. O lenha-
dor, continuando seus golpes
vigorosos, respondeu-lhe, irri-
tado, que só mesmo um estú-
pido não perceberia que não
tinha tempo para isso.
É exatamente o que é preci-
so fazer para estudar: antes
de mais nada, “afiar” os ins-
trumentos de estudo e vamos
tentar facilitar essa tarefa.

Objetivos
Primeira preocupação que
quem se propõe a estudar
deve ter: consciência clara e
bem definida dos objetivos
reais que pretende atingir, se-
jam eles gerais ou específicos.
Esses objetivos podem ser a
A organização do ambiente é fundamental para que o estudo seja eficaz curto prazo (atingir hoje ou
amanhã, ou na semana, ou no
mês), a médio prazo (no ano,
Por que é do que a simples execução de e da experiência no trabalho esse capital humano deve ser na área de estudos), a longo
necessário estudar? tarefas. Dessa forma, o capital que favorecem a excelência. formado principalmente na prazo (na carreira, na vida).
Nosso mundo, que até pouco físico, que sempre constituiu A grande difusão das tecno- escola, no desenrolar do pro- Ter consciência dos objetivos
tempo atrás tinha essencial- o patrimônio por excelência logias e o desenvolvimento cesso educativo e, como esta- não quer dizer que eles não
mente por base a produção das empresas e dos países, amplo da comunicação entre mos cansados de saber, nossa possam ser alterados ou ajus-
agrícola e a industrial, carac- hoje vem sendo substituído, os povos permitem que es- escola, com raríssimas exce- tados no decorrer do tempo.
teriza-se na atualidade por em valorização, pelo que cha- tejamos todos mergulhados ções, é deficiente em educar Devem, mesmo, ser revistos
constituir uma sociedade de mamos capital humano, que num verdadeiro rodamoinho para o pensar criativo, num de quando em quando e o es-
informação e de conhecimen- diz respeito ao conjunto de de informações as mais diver- processo de formação global tudante deve sempre reservar
to, em que sobressaem os capacidades e conhecimen- sas, provindas dos mais dife- e sólida, com conhecimentos um tempo, diário se possível,
serviços, sendo a capacidade tos dos indivíduos, desenvol- renciados lugares do mundo. amplos que permitam o do- para refletir sobre eles, pro-
de pensamento, a inteligência vido através do processo de Sendo fora de dúvida que a mínio das novas tecnologias, gramando as atividades ne-
e a criatividade muito mais educação de qualidade, dos informação é muito impor- da comunicação, da cultura cessárias para alcançá-los.
significativas e importantes programas de treinamento tante em todas as áreas da e da atuação em várias áre- O estudante deve, sempre
atividade humana, ela, entre- as; um pensar predisposto que possível, dispor de um
tanto, por si só, é inútil, se os a mudanças e atualização cantinho individual, calmo,
indivíduos não estiverem ha- constantes e, sobretudo, de- agradável, longe de barulhos,
bilitados a processá-la e apli- tendo capacidade analítica com uma mesa, e também
cá-la produtivamente e isso só e possibilidade de interagir. uma pequena estante, onde
é possível se eles forem capa- Esse tipo de formação exige livros, cadernos e outros ma-
zes de efetivar conhecimento, estudo eficiente, sério, res- teriais necessários possam ser
uma tarefa essencialmente ponsável, idôneo, continuado, deixados à disposição, devi-
humana que depende funda- socialmente útil, num proces- damente ordenados. Atenção
mentalmente da boa direção so de educação de vida toda. especial deve ser dada à ilu-
e do bom desenvolvimento Dessa forma, desde que es- minação, de modo que o local

9.7cmX8.9cm
do pensamento. Nisso reside tudar permanentemente é seja claro, sem que a luz inci-
o principal diferencial entre um imperativo da sociedade da nos olhos. O ambiente deve
as pessoas e os povos, na atual e que é preciso aprender também ser bem ventilado. O
atualidade: o pensar criativo. a fazê-lo, vamos entender as assento deve ser confortável,
Infelizmente, nem todos os condições necessárias para a possibilitando postura correta.
países estão em condições de efetivação do estudo eficaz. Nesse local, deve concentrar-
formar um bom capital huma- se todo o material necessário
no com capacidade de pensar Ilustrando ao estudo, inclusive água para
com criatividade, produzindo o que pretendemos beber, de modo que o estu-
conhecimento, e o Brasil, de Fazendo uma analogia, lem- dante não tenha que levantar
uma maneira geral, encontra- bramos uma pequena histori- constantemente em busca do
se nessa situação, visto que nha: um viajante, observando que estiver faltando.
12 Educação e cultura
Sexta-feira, 24 de outubro de 2008

Programa Aprendendo a Estudar:


hábitos e condições de estudo favoráveis
Texto: Sílvia Curi l belecidos, que tenha viabi- dez ou quinze dias, descre- a importância da auto-ima-
lidade, flexibilidade, com- vendo como e a que são de- gem e da auto-estima como
pletude e boa distribuição dicadas as horas do dia, de determinantes do ânimo,
das atividades. Para isso, modo a ter consciência de do estado de espírito re-
deverá ser elaborado um como o tempo é distribuí- sultantes da representação
programa, levantando os do e quanto tempo é con- interna positiva ou negati-
tipos de tarefas a realizar sumido em cada atividade, va que cada indivíduo tem
e a seqüência em que de- seja ela relacionada com os de si mesmo, que tende a
vem ser realizadas, orga- estudos ou não, de modo a condicionar o êxito ou o
nizando e estabelecendo ter uma visão clara do tem- fracasso. Assim, é preciso
horários compatíveis com po passado na escola, dedi- valorizar capacidades e po-
essas tarefas, que permi- cado às tarefas escritas em tencialidades em vez de de-
tam um bom aproveita- casa, às tarefas de organi- ter-se em deficiências.
mento do tempo, sabendo zação, às leituras necessá- Além disso, é preciso dar
quando trabalhar e em rias, ao lazer, às refeições, atenção à saúde, ao bem-
que trabalhar. ao descanso, à higiene pes- estar do corpo, à boa for-
Na organização do tempo, soal, à vida social, aos exer- ma física. São de suma
alguns fatores devem ser cícios físicos, etc. importância a alimentação
levados em consideração: Após esse período de equilibrada em quantida-
estabelecer, por escrito, observação, será possível de e nutrientes, as horas
uma programação sema- constatar se a divisão pro- de sono bem dormidas, os
nal, dividindo racionalmen- gramada do tempo é ade- exercícios físicos e de rela-
te o tempo entre as várias quada às metas propostas, xamento bem dosados que
atividades e disciplinas
(veja exemplo na tabela);
reservar um horário diaria- Na organização do tempo, alguns
mente para rever e reajus- fatores devem ser levados em
tar essa programação; uma consideração: estabelecer, por escrito,
vez estabelecido o horário,
segui-lo rigorosamente; uma programação semanal, dividindo
programar tempo para pre- racionalmente o tempo
paração para as aulas, para
revisão das aulas, tarefas e suprindo as necessidades proporcionam a recupera-
Faça alongamentos nos intervalos de estudo pesquisas; programar perí- de cada atividade, de des- ção, o descanso e o alívio
odos de estudo de 40 a 50 canso, de lazer e demais das tensões.
Uma das necessidades Supondo que o espaço de minutos, com intervalos de aspectos da vida cotidiana. Por outro lado, é preciso
para desenvolver um es- estudo esteja devidamen- descanso de 5 a 10 minu- Outro aspecto muito im- afastar desânimo, ansieda-
tudo eficaz é realizar uma te organizado, com todo tos; nos intervalos, dirigir portante que também diz de e complexos, cultivando
análise séria dos hábitos e o material necessário dis- a atenção a coisas que não respeito às condições fa- entusiasmo, motivação, in-
das condições envolvidas ponível e próximo, isolado estejam relacionadas com voráveis e fundamentais teresse, gosto, vontade de
na tarefa de estudar, com o de barulhos e outras coi- o estudo; abordar as maté- para o desenvolvimento de estudar e aprender, auto-
firme propósito de mudar sas que possam distrair rias mais difíceis em dias um estudo eficaz é o que confiança, atitude receptiva,
hábitos e condições desfa- a atenção, é preciso dar separados e logo no início se refere à sintonia mente- curiosidade, compreensão.
voráveis e implantar for- atenção à formulação de do período de estudos; es- corpo, tendo em vista que É de extrema importância
mas de estudo que possam um plano de estudos, com tabelecer prioridades em o ato de estudar extrapola conquistar o autoconheci-
oferecer vantagens. objetivos claramente esta- relação às atividades e pro- a dimensão humana da in- mento e aceitar-se a si mes-
por tarefas que realmente teligência, sendo influen- mo de maneira realista, com
possam ser realizadas no ciado e, muitas vezes de- todas as possibilidades, ca-
tempo previsto; programar terminado, por condições pacidades, deficiências e
o horário de estudos com físicas, fisiológicas, afeti- limitações, reconhecendo e
espaços de reserva para vas, emocionais, psíquicas assumindo erros e frustra-
poder enfrentar imprevis- ou mentais. ções, transformando resul-
tos, quando ocorrerem; Antes de tudo, não é pos- tados pouco satisfatórios
planejar o tempo em con- sível deixar de reconhecer em vitórias e conquistas.
formidade com o próprio
ritmo de vida, respeitando
horas de refeição, de des-
canso e de lazer; além da
programação semanal, fa-
zer planos para o mês, para
o semestre e, mesmo, para
o ano, prevendo etapas a
serem cumpridas.
Organizar o tempo não é
fácil. Para começar, é reco-
mendável fazer um relató-
rio diário do uso do tempo,
durante aproximadamente
12 Educação e cultura
Sexta-feira, 31 de outubro de 2008

Programa Aprendendo a Estudar


a aula- antes e durante. Texto: Sílvia Curi | Foto: Letícia Daher l

de preguiça mental, como


se fosse um mero consu-
midor do que está sendo
abordado. É preciso que
esteja permanentemente
atento, sintonizado com
o que está sendo exposto.
É preciso que seja partici-
pativo no ouvir, aplicando
espírito crítico, acompa-
nhando detalhes, entona-
ções de voz, expressões e
gestos do professor, reco-
nhecendo ser construtor
do próprio conhecimento.
Além disso, deve estar em
atitude de permanente in-
dagação, questionando-se
mentalmente, avaliando,
procurando identificar os
objetivos na exposição do
assunto e estabelecendo
relações com o já conheci-
do. Uma boa estratégia é, a
partir das informações bus-
cadas antes da aula, formu-
lar mentalmente perguntas
Professora Walquíria Pupo, em sala de aula do Colégio Libere Vivere que espera sejam respondi-
das no decorrer do trabalho.
As aulas são fundamentais um trabalho em três etapas: Além disso, o aluno pode particulares ou municipais. Outra coisa a levar em con-
para o desenvolvimento do preparação (antes da aula), perguntar ao professor, no Desde que tenha tomado sideração é avaliar o apro-
estudo eficaz, tendo em participação (durante a aula) final de cada aula, qual o contato prévio com o as- veitamento da aula, verifi-
vista que o ensino é cons- e revisão (depois da aula). assunto a ser abordado na sunto, o aluno terá maior cando se suas indagações e
tituído de atividades que A preparação para a aula aula seguinte, se o profes- facilidade em acompanhar dúvidas foram respondidas.
são realizadas, em grande deve permitir que o aluno se sor não se antecipar nessa a aula, fazendo com que ela Um ponto muito impor-
parte, em classe, na forma familiarize com o assunto a colocação. Essa tomada de se torne mais interessan- tante é fazer anotações
de aulas ministradas pelo ser abordado, desenvolven- contato antecedente à aula te. Ao procurar conhecer o das idéias básicas, das in-
professor, não importando do contato antecipado, bus- pode ser feita, em primeiro assunto com antecedência, formações importantes, de
o tipo de aula oferecida. cando informações prévias. lugar, no próprio livro texto provavelmente surgirão dú- dados relevantes, de ma-
Dessa forma, os estudan- Essa antecipação é perfei- que normalmente é adota- vidas e indagações que de- neira sucinta e clara, sem
tes devem procurar tirar tamente possível, visto que do pelos professores. Mas, verão ser apresentadas ao prender-se em minúcias,
o máximo proveito delas. existe um programa pré-es- além do livro texto, o as- professor, proporcionando sem querer anotar tudo o
Para que isso seja possível, tabelecido e que deve ser sunto pode ser buscado em diálogo e esclarecimentos, que o professor diz. Ajuda
o aluno deve desenvolver seguido no decorrer do ano. livros de consulta, dicioná- facilitando o acompanha- bastante desenvolver um
rios, enciclopédias, jornais, mento das idéias, o reco- sistema próprio de abrevia-
revistas, sites de busca, etc. nhecimento dos pontos de turas ou utilizar sistemas
Essa consulta prévia deve relevância, permitindo que já existentes. Boas anota-
ser sistemática, porém sem o essencial seja detecta- ções propiciam facilidade
objetivo de memorização do, o que ajudará o aluno no processamento e na as-
ou de conhecer o assunto a fazer anotações que ser- similação da informação
em profundidade. virão de orientação para o transmitida. Essas anota-
Para facilitar o contato ini- posterior estudo em casa. ções devem ser transfor-
cial, o aluno deve preocu- Além disso, o bom trata- madas, depois da aula, em
par-se em começar a mon- mento da informação oral apontamentos de estudo.
tar sua biblioteca pessoal, que se dá em aula funciona Na próxima semana, va-
sempre que possível, ad- como diretriz para a orga- mos abordar como tratar,
quirindo livros que tratem nização do assunto trata- fora da sala de aula, essas
dos assuntos que serão vei- do, facilitando o estudo, a anotações feitas em clas-
culados em sala de aula no compreensão e garantindo se, retomando o assunto
decorrer do ano e que faci- eficácia nos estudos. abordado, com o objetivo
litarão a tarefa de informa- Entretanto, para bem tra- de fazer a revisão e o apro-
ções antecipadas e também tar a informação oral é pre- fundamento da matéria
de pesquisas de estudo ciso que o aluno não tenha ensinada, elaborando ma-
que normalmente devem em aula a postura passi- terial escrito organizado,
acontecer depois das aulas. va de simples receptor da que servirá para trabalhos
Deve, também, recorrer a bi- matéria ensinada, ouvindo escritos e estudo posterior
bliotecas, da própria escola, mecanicamente, em atitude por ocasião de provas.
12 Educação e cultura
Sexta-feira, 07 de novembro de 2008

Programa Aprenda a Estudar:


anotações de aula os pontos de destaque da
Texto: Sílvia Curi | Foto: Sílvia Cúri l

bibliotecas. Realizar uma


aula são sinalizados de vá- leitura inteligente desses
rias outras maneiras, como textos, no sentido de en-
apontados diretamente, trar em contato com idéias
por informações repetidas que possam enriquecer o
ou reformuladas, por ano- conhecimento básico do
tações no quadro. assunto em estudo.
Conseguindo seguir o ra- Ao fazer essa leituras, o es-
ciocínio do professor, o tudante deve preocupar-se
estudante vai identificar em fazer novas anotações,
palavras importantes, as adicionais às da aula, acres-
palavras-chave, sempre com centando novas idéias e infor-
grande significância em re- mações às colhidas em classe.
lação ao assunto tratado, Aqui reside um dos maio-
normalmente remetendo à res problemas que os estu-
idéia central. Essas palavras dantes precisam superar:
devem aparecer necessaria- saber efetuar uma leitura es-
mente nas anotações. tudiosa e proveitosa de um
Terminada a aula, o aluno texto. A leitura estudiosa é
deve retomar as anotações diferente das que normal-
o mais cedo possível, en- mente fazemos com o ob-
quanto ainda tem na memó- jetivo de lazer e exige pos-
ria o que foi dito pelo pro- tura e técnicas específicas,
fessor. Lê-las atentamente, as quais, entretanto, podem
buscando complementar e ser perfeitamente aprendi-
explicitar as informações, das e dominadas.
Anotações bem feitas são de grande auxílio no aprendizado procurando desenvolver Esse será o assunto que abor-
compreensão do que foi daremos na próxima edição.
Completando o que ficou professor e a produção pes- entonação, na intensidade dito. Agora é hora de re-
apontado na última edição, soal que o aluno deve desen- de sua voz. É preciso bus- correr ao livro-texto, ler
vamos retomar o problema volver a partir delas. Essa car a coerência do assun- o capítulo corresponden-
das anotações de aula. produção varia, de acordo to, procurando apreender te ao assunto tratado, em
Antes de mais nada, por com a finalidade da produ- o plano da exposição, que atitude crítica, procurando
que o estudante deve ano- ção, que pode ser um texto muitas vezes é anunciado entender o objetivo do es-
tar as informações veicula- escrito para estudo poste- pelo próprio professor, no tudo, relacionar as idéias
das pelo professor em sala rior, um trabalho escolar, início da aula. Imprescin- que ele aborda com o que
de aula? É muito comum uma dissertação, uma expo- dível seguir as etapas de já conhece a esse respeito.
ouvirmos que os aponta- sição oral, um relatório, etc. seu raciocínio, identifican- É hora também de buscar
mentos de aula favorecem Anotações de aula, para do as explicações, as opo- leituras complementares
a memorização, facilitam que sejam bem feitas e pro- sições, as comparações, as em livros que, muitas ve-
a concentração, ou, ainda, dutivas, exigem certos cui- exemplificações que nor- zes, o próprio professor Encontrar um sistema de ano-
promovem a compreensão. dados. Em primeiro lugar, malmente surgem no de- indica ou procurar livros tações que combine hábitos,
Tudo isso é verdadeiro, é preciso que o estudante correr da exposição. Uma que tratem do assunto em métodos e objetivos
mas, existe um motivo que encontre a forma à qual coisa muito importante e
podemos considerar o prin- melhor se adapta, seja em que praticamente ninguém
cipal: as anotações de aula forma de texto ou esque- faz é preocupar-se com as
são um material de trabalho maticamente. O importan- articulações do discurso,
de grande valor ao estudan- te é lembrar que não deve normalmente feitas através
te, pois permitem que tenha ficar preocupado em ano- de palavras ou expressões
informações disponíveis e tar tudo o que o professor (advérbios, expressões ad-
utilizáveis como diretrizes diz. Boas anotações são su- verbiais, conjunções, lo-
nos trabalhos a serem de- cintas, com frases curtas, cuções) que estruturam o
senvolvidos após a aula. ou esquemas econômicos. discurso, mostrando sua se-
Anotações de aula não têm Assim, é preciso, antes qüência lógica: comecemos
finalidade em si mesmas, de tudo, saber distinguir por... em primeiro lugar...
como acaba acontecendo o essencial do acessório, por um lado... pode ser
com a maior parte dos estu- coisa que pode conquistar que... por exemplo... afirmo
dantes que, após passarem gradativamente, através que... portanto...também...
as aulas escrevendo sem da prática. É imprescindí- igualmente... além disso...
parar, nem sequer abrem vel, porém, adotar atitu- agora passemos a... por
o caderno depois disso, ou, de de atenção em relação outro lado... assim... por
se abrem, não sabem o que ao que vê e ao que ouve, conseqüência... porém...
fazer com seus escritos. mantendo-se sintonizado pelo contrário... da mesma
Anotações de aula consti- não apenas no discurso do forma... por isso... em resu-
tuem um material interme- professor, mas também em mo... para concluir...
diário entre o discurso do seus gestos, no ritmo, na Além disso, geralmente,
12 Educação e cultura
Sexta-feira, 14 de novembro de 2008

Programa Aprendendo a Estudar:


leitura estudiosa se tenha intenção ou opor-
Texto: Sílvia Curi | Foto: Sílvia Cúri l

nam-se de leitura possível, e esforço, tendo em mente


tunidade de compra, é pos- caracterizando a forma- que a conquista dos dife-
sível explorar um livro para ção do leitor competente. renciados níveis de leitura
verificar o grau de interesse Ao adquirir a competên- diz respeito à construção
que ele nos desperta. Ini- cia, o leitor adquire também de um saber cumulativo,
cialmente, devemos olhar consciência da incompletu- que se inicia com o proces-
atentamente a capa, a con- de do texto, aprendendo a so de alfabetização, que ca-
tracapa, as orelhas, as infor- buscar nele os pressupos- racteriza os rudimentos do
mações que normalmente tos, o que está subenten- aprendizado, e cresce pro-
trazem sobre o autor, o ín- dido, o contexto, a relação gressivamente em direção
dice, as referências, a edito- com outros textos, a compa- a eficiência, competência e
ra, as ilustrações, o prefácio, ração com o que já conhece desenvoltura. Quanto mais
os títulos dos capítulos, etc. e o que pensa a respeito. lemos, mais aptos nos tor-
Essa exploração inicial e O leitor competente namos para a leitura e capa-
rápida permite saber se o não se prende à reprodu- zes de reconhecer contex-
livro é indicado para leitura ção do que foi lido, mas tos, concepções, ideologias
A leitura estudiosa é fundamental para o desenvolvimento de um bom imediata ou se devemos re- estabelece um diálogo e de estabelecer relações
programa de estudos gistrá-lo para leitura futura. com o que está escrito, com outros textos, con-
Indiscutivelmente, os ob- construindo significado. textos, concepções e ide-
A leitura é elemento impres- compreensão, interpretação, jetivos que estabelecemos Ser um leitor competente ologias, apropriando-nos
cindível ao estudo eficaz. comparação, análise e crítica. para uma leitura determi- é uma questão de decisão adequadamente do texto.
Para isso, o estudante deve Simplificando, podemos nam nosso modo de ler. Se
habituar-se, desde cedo, a dizer que temos três es- nos propomos a entreteni-
freqüentar bibliotecas pú- pécies de leitura. A mais mento, podemos deixar fa-
blicas ou particulares, além comum, que praticamos lar a subjetividade, o ima-
Passos da leitura estudiosa
de preocupar-se em adquirir corriqueiramente, é a leitu- ginário, a fantasia, guiados A leitura estudiosa deve informações veiculadas,
livros, sempre que possível, ra de entretenimento, des- pelo gosto pessoal. A infor- dar-se nas seguintes eta- pondo em destaque as
principalmente os livros bá- preocupada de aquisição mativa já exige um pouco de pas ou fases. palavras importantes,
sicos para estudo e outros de saber, que realizamos discernimento, objetividade analisando e comparan-
fundamentais para consulta. de acordo com nosso gosto e atenção, para compreen- Primeira fase: explora- do essas informações
Somente pela leitura fre- pessoal, mas que, sem dúvi- são e apreensão dos fatos. tória, em que deve dar-se com o já conhecido.
qüente é possível alargar a da, é muito importante que A leitura estudiosa, porém, a verificação da existên-
consciência a respeito dos aconteça logo, a partir do exige de cada um de nós cia, no livro, do assunto Quarta fase: Agora é
mais variados assuntos e momento em que a crian- intenção específica, aten- em questão. Nesta fase, hora da leitura analítica
enriquecer o vocabulário, ça se torna capaz de exer- ção redobrada, velocidade normalmente, o leitor e interpretativa, identi-
permitindo que a comu- cer o ato de ler, ainda que possível que permita com- estará em uma bibliote- ficando o tema, a tese
nicação entre as pessoas de maneira rudimentar, e preensão, reflexão, análise, ca ou consultando livros defendida pelo autor,
seja interessante e fácil. A que se dê diariamente, pois síntese, crítica avaliativa. que possui, cujos títulos distinguindo as idéias
boa leitura, além de disci- concorre para a formação Nesse tipo de leitura deve- sugerem que ele pode- principais das secun-
plinar a mente e desenvol- do hábito da leitura. A se- mos ter a preocupação em rá encontrar o assunto dárias, entendendo a
ver a compreensão, pro- gunda espécie de leitura, descobrir as possíveis leitu- buscado aí. estrutura e a hierarqui-
porciona a construção de informativa, é a que reali- ras que o texto permite, vis- zação da argumentação
bagagem cultural sólida, zamos em busca das notí- to que aí se dá o confronto Segunda fase: leitura desenvolvida na defesa
proporcionando ao estu- cias do cotidiano, tomando entre o leitor e o próprio global e direta do texto dessas idéias, prestando
dante uma boa formação. conhecimento dos fatos e texto, ambos inseridos em selecionado, para apre- atenção aos exemplos
Mas, não basta ler, é pre- assuntos que nos cercam, contextos próprios, os quais ensão do assunto como utilizados, reconhecen-
ciso saber ler bem e saber principalmente através de são importantes para o bom um todo. A postura do do a intenção do autor,
selecionar boas fontes de jornais e revistas. A tercei- trato do material escrito. leitor deve ser de inge- avaliando criticamente
leitura. O aprendizado da ra espécie, a que mais nos Como já ficou apontado, nuidade diante do texto, as conclusões a que ele
leitura é um processo que interessa neste momen- aprender a ler estudio- deixando que ele fale. chegou, tendo em vista
começa com a alfabetiza- to, é a leitura formativa, samente é um processo Deve ter em mente in- reconhecer a validade
ção, nos primeiros anos de que chamamos de leitura complexo, através do qual terrogações básicas – de das informações e nos
escolaridade, e continua, estudiosa ou de estudos, apreendemos as “regras” que trata o texto? Que apropriarmos delas, efe-
quase que de modo infinito, que se faz para aprofun- a serem seguidas e expli- diz o autor? Qual a im- tivando conhecimento.
pela vida toda. Iniciando-se damento de conhecimento citamos os atos que estão portância disso? Nesta fase, é hora de
pela decodificação de sinais, e busca de informação es- relacionados para que pos- fazermos novas anota-
que constitui a primeira pecífica e que exige uma samos desenvolver hábitos Terceira fase: Agora, ções, sublinhando, es-
etapa do aprendizado, de- postura especial e técnica. que, com a evolução do pro- o leitor deve preocupar- quematizando, resumin-
senvolve-se gradativamen- Para tornar-se um bom lei- cesso, são automatizados, se com uma leitura deti- do, elaborando fichas de
te através de níveis cada tor, é preciso ter uma dis- permitindo desempenho da, cuidadosa e reflexi- leitura, que devem com-
vez mais aprofundados. ponibilidade permanente produtivo e eficaz. O leitor va, buscando entender o por um catálogo a ser
É um processo que exige, em relação aos livros, não vai efetivando a “arte” de significado do assunto construído no decorrer
desde o início, postura ade- perdendo oportunidade, ler gradativamente, de acor- tratado, efetuando o le- dos anos de estudo.
quada e sistemática para que por mais insignificante que do com a experiência que vantamento do vocabu- Na próxima edição,
possa desenvolver-se bem, seja, de explorá-los adequa- possui em leitura. Então, lário desconhecido, ten- abordaremos como fa-
implicando graus crescen- damente. Mesmo em rápi- determinados livros, antes tando compreender as zer esse catálogo.
tes de disciplina, percepção, dos contatos, ainda que não julgados difíceis de ler, tor-
12 Educação e cultura
Sexta-feira, 21 de novembro de setembro de 2008

Programa “Aprendendo a Estudar”:


sublinhar e esquematizar Texto: Sílvia Cúri |

Sabendo que a preparação do texto, esquematizar, es- assunto em questão e os da- histórica, acontecimentos texto sublinhado inteligen-
adequada e a postura du- truturando as informações dos relevantes. Uma maneira interessantes e importantes temente, decompondo as
rante a aula são de extrema e resumir, apresentando as prática de verificar se o su- que explicitam os primórdios idéias principais em seus des-
importância, não podemos informações seletivamente. blinhado está bem feito é, ao da prática educacional. dobramentos secundários,
deixar de assinalar, entre- Depois, é hora de preparar as perguntar-se sobre o conte- Esquematizar um texto é hierarquizados em ordem
tanto, que o aprendizado só fichas de leitura, que deverão údo do texto, constatar que transformá-lo em uma estru- de importância, contendo
se concretiza realmente nas ser cuidadosamente cataloga- as respostas incluem as pa- tura visual organizada, em palavras-chave expressas em
sessões de estudo que o es- das, com a finalidade de cons- lavras sublinhadas. que as idéias principais, sin- expressões breves e concisas.
tudante desenvolverá após truir um acervo pessoal que De maneira bem pessoal, po- tetizadas e logicamente or- Esquemas devem fazer par-
essas etapas iniciais e que, será devidamente acrescido, demos utilizar traços, linhas denadas, aparecem em rede te dos hábitos de estudo e
como já foi abordado, implica no decorrer dos anos de es- paralelas, círculos, traços ver- de ligações. É uma expressão podem ser feitos sob várias
um trabalho de retomada das tudo, sempre à disposição do ticais, setas, interrogações, gráfica que oferece um visu- formas: diagramas, árvores,
anotações de aula e de leitura estudante, para a retomada e numeração, colchetes, aste- al claro e simplificado que estrelas. Na verdade, o estu-
estudiosa do livro texto e de aprofundamento do assunto. riscos, palavras nas margens permite captar rapidamente dante deve desenvolver es-
livros complementares, ade- Sublinhar um texto é pôr em da página, etc. É evidente que, o essencial, distinguindo a quemas de maneira pessoal,
quadamente selecionados. evidência as idéias fundamen- para que possamos fazer as- importância de cada elemen- tendo apenas em mente os
Partindo do pressuposto de tais e, para que esse trabalho sim, o livro ou o texto deve to no todo. seguintes critérios: definir
que as duas primeiras fases da seja eficiente, deve ser feito ser de nossa propriedade e a O esquema deve ser pessoal, a idéia principal, que será o
leitura, conforme indicadas na somente depois que o texto preferência é que se faça a lá- constituindo o resultado de ponto de referencia do es-
edição anterior, foram cum- estiver bem compreendido, pis, que não afeta o papel. uma leitura individualizada, quema, expandindo essa
pridas e que, por elas, o estu- retomando parágrafo por pa- Exemplo: É difícil, para não facilitando a análise e a sín- idéia em outras idéias ou
dante já tenha feito a explora- rágrafo, ressaltando palavras dizer impossível, ler esta tese tese, proporcionando estudo conceitos secundários e de-
ção inicial do texto a ser lido ou expressões com modera- aos poucos, por partes. Sua ativo, favorecendo compreen- terminando as palavras-cha-
e apreendido de maneira geral ção, abstendo-se de assinalar leitura é envolvente, uma es- são, memória lógica, fixação ve ou pequenas frases que
o assunto abordado, agora é frases inteiras, preocupando- crita fluente sobre um traba- do assunto, concisão e, so- caracterizem as informações
hora de trabalhar o conteúdo se essencialmente com os lho cuidadoso de pesquisa fei- bretudo, poupando tempo na a respeito dessas idéias.
informativo do texto. elementos indispensáveis do to objeto de extensa reflexão. revisão do assunto, por pro- Vejamos um exemplo de
Para apropriar-se desse con- texto. O sublinhado não tem Se, num primeiro momento porcionar uma visão rápida e esquema, aproveitando os
teúdo, algumas atividades sentido por si só, mas deve envolvente, num outro, im- precisa de conjunto. passos da leitura estudiosa
complementares à leitura de- ser feito por ser extremamen- prescindível, porque relata A elaboração de um esque- apresentados na edição ante-
vem ser gradativamente de- te útil para a compreensão e analisa, numa perspectiva ma deve ser feita a partir do rior (quadro).
senvolvidas para que se con- mais aprofundada do assun-
cretize um trabalho produtivo. to, para apreensão da estrutu-
Isso significa passar da leitura ra e da organização do texto,
estudiosa ao estudo propria- para a revisão da matéria e a
mente dito, utilizando estra- fixação das idéias, sendo im-
tégias que possam promover prescindível para a elabora-
e facilitar o aprendizado real, ção de esquemas e resumos,
as revisões, a memorização e ferramentas imprescindíveis
a constituição de um acervo a qualquer estudante.
pessoal de informações. Devemos sublinhar de ma-
Entre essas estratégias, te- neira econômica, ressaltando
mos as que são utilizadas as palavras que revelam as
para redução de informação: idéias principais, as palavras
sublinhar, ressaltando partes técnicas ou específicas do
12 Educação e cultura
Sexta-feira, 28 de novembro de 2008

Programa “Aprendendo a Estudar”:


resumo e ficha de leitura
Texto: Sílvia Cúri |

Resumo dos Álamos e daquelas que ção de baixa qualidade, não FICHA DE LEITURA NO. _______/ 2008 Página______
Resumir é reduzir um tex- vão começar seu trabalho instrumentaliza o educan-
to às suas idéias principais. em São Miguel Paulista, Sa- do no sentido de que tenha ASSUNTO: ______________________________
É como se saíssemos de um popemba, Jardim São Bento, conhecimento verdadeiro
cinema, após termos assis- Vila Guilhermina, Artur Al- de sua realidade, para que NOME DO AUTOR: ______________________________________________________
tido a um filme, e fôssemos vim e Belém”. com a sua ação consciente,
NOME DA OBRA: ______________________________________________________
solicitados a contar do ele transforme-a nos interesses
tratava. Necessariamente Aplicando a técnica da maioria da população. Ela TRADUÇÃO: _______________________________________________________
teríamos que nos referir de generalização: instrumentaliza de modo
aos personagens, falar da Com a palavra as crianças elementar o educando na lei- EDITORA: ________________________________________________________
ambientação que os envol- e educadores das creches e tura e na escrita necessária
via e relatar, sinteticamen- pré-escolas de diversos bair- ao processo de produção”. ANO DE PUBLICAÇÃO: ___________ CIDADE: ________________________________
te, o enredo do filme, numa ros da Grande São Paulo e
TÍTULO DO CAPÍTULO:
seqüência de situações que daquelas que vão começar Aplicando a
desembocam num desfe- seu trabalho em outros bair- técnica de seleção: PÁGINAS: DE _______ A __________
cho. Isso seria resumir um ros da mesma região. Parágrafo A: A escola pú-
filme, coisa que fazemos A segunda é a seleção, pela blica brasileira perpetua as PALAVRAS-CHAVE:
freqüentemente. qual transformamos parágra- diferenças sociais.
Não é muito diferente fazer fos em proposições tópicas. Parágrafo B: A escola pú- VOCABULÁRIO DESCONHECIDO:
um resumo de um texto ou Exemplo: blica brasileira submete-se à
de um livro, Entretanto, se Parágrafo A: “Hoje, na so- dominação do Estado. RESUMO:
o objetivo é o estudo eficaz, ciedade brasileira, temos Parágrafo C: A escola públi-
alguns passos devem ser ob- uma escola pública dirigida ca brasileira não conscienti- OBSERVAÇÕES PESSOAIS:
servados. O ponto de partida à classe popular, que de- za o educando.
é sempre a leitura estudiosa, senvolve uma educação no O resumo deve constituir
em seus vários passos, uti- sentido formal na perpetu- um novo texto, que é o “es- e exemplificação relevante, relativas ao texto lido, de
lizando as técnicas de subli- ação das diferenças sociais queleto” essencial do texto adequadamente articula- modo a formar um catálogo
nhar e esquematizar que são existentes. Esta escola não original, numa condensação das; apresentar as conclu- cumulativo dos assuntos.
preparatórias. Nessa hora, é desenvolve a sua verda- fiel das idéias ou dos fatos sões do autor da obra resu- Uma ficha de leitura bem
bom que duas outras técni- deira especificidade - a de nele contidos, expressos de mida; redigir em linguagem feita deve conter destacado
cas também sejam levadas distribuir o saber historica- maneira objetiva e pessoal. objetiva; evitar repetições em seu cabeçalho: nome do
em consideração. mente acumulado, como é Esse esqueleto não deve per- de frases inteiras do ori- autor, nome da obra (ou do
A primeira é a generalização, realizado pela escola dirigi- der de vista três elementos ginal; procurar respeitar a texto), tradutor, edição, ci-
pela qual substituímos séries da à camada dominante de fundamentais: cada uma das ordem em que as idéias ou dade em que foi publicada,
de elementos específicos por nossa sociedade”. partes do texto, a progres- fatos são apresentados. ano de publicação. Em se-
outros mais genéricos. Parágrafo B: “Esta escola são em que essas partes se Finalmente, um resumo de guida, destacado, capítulo(s)
Exemplo: pública, como instituição sucedem e a correlação exis- estudo deve ser suficiente- lido com título e respectiva
“Com a palavra, as crianças burocratizada que é, e que tente entre elas. É mente informativo, sendo paginação. Depois, deve ser
e educadores das creches e se insere numa organização possível acrescentar explica- inteligível por si só e dis- colocado o resumo do tex-
pré-escolas de Vila Carrão, burocrática de maior estru- ções pessoais ao texto, o que pensando nova leitura do to original. É recomendável,
Tatuapé, Itaim Paulista, Cida- tura que é o Estado, sofre a o caracteriza como resumo original. Deve, além disso, também, que sejam registra-
de Líder, Penha, Aricanduva, dominação e o controle des- comentado. O grau de di- indicar os dados necessá- das citações relevantes do
Cangaíba, Cidade Patriarca, te, acarretando uma aliena- ficuldade para resumir um rios a serem registrados texto, devidamente locali-
Guarapiranga, Capela do So- ção no seu interior”. texto depende basicamente na ficha catalográfica, per- zadas na obra, que poderão
corro, Ermelino Matarazzo, Parágrafo C:“Esta escola de dois fatores: a complexi- mitindo a identificação da ser úteis para trabalhos pos-
Vila Prudente, Catumbi, Jar- pública, sendo um dos apa- dade do próprio texto (seu obra (ou texto) lida. teriores. Finalmente, podem
dim Eledy, Guaráu, Jardim relhos ideológicos do Esta- vocabulário, sua estrutura- ser registradas observações
Pedreira, Vila Mara e Jardim do, desenvolve uma educa- ção sintático-semântica, suas Ficha de leitura pessoais do estudante.
relações lógicas, o tipo de e catálogo As fichas de leitura devem
assunto tratado) e a compe- Feitos os resumos da lei- ser devidamente cataloga-
tência do leitor (seu grau de turas realizadas, é hora de das por assunto, de modo
amadurecimento intelectual, fazer a ficha de leitura, com que possam ser acessadas
o repertório de informações o máximo de informações sempre que necessário.
que possui, a familiaridade
com os temas explorados).
Mas, um procedimento ade-
quado pode diminuir as di-
ficuldades de elaboração.
De uma forma geral, na
composição de um resumo
devemos observar as se-
guintes diretrizes: contex-
tualizar; ressaltar o assunto
do trabalho; deixar claro o
objetivo do texto; apresentar
as provas ou demonstração
12 Educação e cultura
Sexta-feira, 05 de dezembro de 2008

Programa Aprendendo a Estudar:


desenvolvendo a inteligência
Texto: Sílvia Cúri | Foto: Letícia Daher | |

que aquilo que exigia esforço que se propôs e daquilo que


e tenacidade passe a ser um o impede de alcançá-los. Ter
ato prazeroso. Especialistas a percepção de si mesmo
oferecem quatro conselhos como estudante permitirá as-
para desenvolver a força de sumir-se e fazer-se cada vez
vontade: formular objetivos mais competente e capaz.
de maneira positiva, estabele- Isso interfere diretamente
cer metas mensuráveis den- na auto-imagem e na auto-
tro de reais possibilidades estima, favorecendo cresci-
pessoais e de tempo, rever mento, motivação e sucesso.
diariamente os compromis- Assim, é importante ques-
sos assumidos e gratificar-se tionar-se para conhecer-se
sempre que seus atos com- melhor. Que interesse tenho
provarem força de vontade. em aprender? Organizo e
O desenvolvimento de estu- planejo meus estudos? Dou
do eficaz precisa ser buscado atenção ao que o professor
e cultivado pelo próprio es- fala em sala de aula? Tenho
tudante, independentemente facilidade em memorizar?
do auxílio que lhe possa ser Desenvolvo compreensão
oferecido por outras pessoas. dos assuntos abordados?
Nessa busca, outro elemen- Sou um leitor competente?
to fundamental é “usar a Mantenho a motivação du-
cabeça”, procurando desen- rante todo o ano? Sinto en-
Quanto maior a atenção e a concentração, maior o aproveitamento em aula volver a inteligência no pro- tusiasmo e interesse em ir
cesso de estudo, mantendo além do que é exigido? Sou
É indiscutível que faz parte do camente, dois tipos de fatores interesse que faz com que a atividade mental intensa e capaz de estudar o tem-
comportamento inteligente determinam a atenção: os que mente se fixe no tema e nos constante em operações de po que for necessário para
buscar a melhor adequação dizem respeito ao próprio ob- objetivos pretendidos em classificação, relação, aná- apreender o assunto? Tenho
às variadas situações que de- jeto de nossa atenção, como relação a ele. Vários fatores lise, síntese, memorização, consciência dos meus obje-
vemos vivenciar no decorrer cor, tamanho ou movimento, favorecem a atenção voluntá- observação, interpretação, tivos? Sei como descansar
de nossas vidas. Isso fala a que estão condicionados a fa- ria e o interesse e, entre eles, contextualização, repre- física e mentalmente nos in-
favor da atenção a ser dada tores fisiológicos e os fatores cabe ressaltar os ambientes sentação, conceituação, de- tervalos de estudos? Coloco
pelos estudantes a tudo o psíquicos que se relacionam familiar, escolar e social ri- monstração, transposição, minhas dúvidas ao profes-
que lhes é exigido em ter- com motivação, concentração cos em estímulos culturais. comparação, diferenciação, sor? Anoto as explicações
mos de capacidades da men- e interesse. Além disso, a aten- É tarefa de cada um, porém, crítica, avaliação, indução, adequadamente? Sigo todos
te, de modo a realizar um ção pode ser espontânea ou buscar desenvolver atenção dedução, conclusão, etc. os passos necessários para
bom programa de estudos. voluntária. Se a primeira não e interesse pelos variados as- Nos últimos anos, estudio- uma boa sessão de estudos?
Aliados aos recursos que exige de nós nenhum esfor- suntos que envolvem a vida sos têm ressaltado, ainda, a Desenvolvo um bom trato
têm sido apontados nas edi- ço, sendo provocada direta- de estudos, buscando vivên- importância de o estudante da informação oral e da in-
ções anteriores, quatro ele- mente pelo estímulo, a outra cias favoráveis, com men- desenvolver conhecimento formação escrita? Sei como
mentos essenciais ao bom é um ato consciente, exigindo te aberta ao conhecimento a respeito de seus próprios favorecer atenção e concen-
estudo devem ser agora res- participação ativa. Por ela, um e, sobretudo, procurando processos cognitivos e uma tração? Participo ativamente
saltados: atenção, interes- estímulo é selecionado, em estar inteiramente presen- avaliação ativa que permita a das aulas? Utilizo esquemas,
se, concentração e vontade. detrimento de outros. É exa- te no que está fazendo. reorganização desses proces- gráficos, resumos em meus
Pela atenção, percebemos tamente este tipo de atenção A propriedade mais co- sos, com finalidade de atingir estudos? Sinto-me capaz e
seletivamente um estímulo, que o estudante precisa ter no nhecida da atenção é a con- objetivos concretos. Trata-se, confio em mim mesmo? Es-
deixando que os demais per- desenvolvimento de um pro- centração, que faz com que em resumo, de ter consciên- tou consciente de que o su-
maneçam em segundo plano, grama de estudo. o estudante mergulhe por cia do que sabe e de como cesso só depende de mim?
favorecendo que o objeto em A atenção voluntária exi- inteiro no assunto tratado, fez para saber, assumindo a Mantenho-me estimulado
foco tenha maior nitidez e ge concentração, constância deixando todo o resto de idéia de que insucessos são para aprender? Gratifico-me
possa ser bem captado. Basi- e motivação, favorecendo o lado, por um determinado devidos, não a incapacidades nos momentos certos? Não
tempo. A concentração exige pessoais irrecuperáveis, mas me impressiono com peque-
mente ativa e aberta, em ati- a obstáculos passíveis de se- nos insucessos, sabendo que
tude de busca e curiosidade, rem ultrapassados com mais são superáveis? Mantenho
em estado de certa tensão, esforço e tipos mais adequa- meus propósitos com deci-
de expectativa de revelação. dos de estratégias. É preciso são e firmeza?
Um fator decisivo nesse pro- desenvolver conhecimento Muitas outras perguntas
cesso de desenvolvimento de do que ele próprio estudante surgirão com a disposição
estudo eficaz , favorecendo faz como estudante, obser- de desenvolver uma boa ob-
atenção e concentração, é a vando as próprias ações, de servação de si mesmo, com o
vontade, vontade autêntica e modo a formar uma idéia objetivo sério de conhecer-se
constituída através de esfor- clara do que tem que fazer como estudante. Comece já a
ço contínuo, diário, capaz de para alcançar os objetivos a busca desse conhecimento.
ocasionar a transformação
pretendida, fazendo com inteligências múltiplas; fatores fisiológicos; estímulos