Você está na página 1de 379

Ao terminar o Catálogo temático das

obras do padre José Maurício, publicado


pelo Conselho Federal de Cultura em
1970, Cleofe Person de Mattos
dedicou-se ao estudo da vida do
compositor setecentista e sua atuação
no Rio de Janeiro. Através de exaustiva
pesquisa em fontes primárias, e com o
apoio da Bolsa Vitae de Artes, ela nos
oferece agora um retrato abrangente e
inédito não apenas da vida do
compositor, mas também da época em
que viveu, distribuindo a matéria em
três períodos. 0 primeiro, de 1767 a
1807, retrocede às avós paterna e
materna e deixa entrever "a parcela da
raça branca em José Maurício...
contraste de luz e sombra que vai
acompanhá-lo por toda a vida".
A infância e a juventude, a atuação
dos jesuítas, os escravos-músicos,
os teatros no Rio de Janeiro,
tudo vai refletir na formação
do jovem compositor.
A mineirice das suas primeiras obras
e a escolha da carreira eclesiástica
como recurso para alcançar status no
campo da música. As dificuldades
decorrentes do "defeito de cor" e,
enfim, a desejada nomeação para
mestre-de-capela numa fase de grande
produtividade. Uma discreta presença
de música seresteira em suas
composições religiosas, diz a autora,
pode ser vista como primeira
manisfestação do nosso
nacionalismo musical.
José
Maurício
Nunes
Garcia
Biografia

Cleofe Person de Mattos


Presidente da República
Fernando Henrique Cardoso

Ministro da Cultura
Francisco Weffort

Fundação Biblioteca Nacional


Presidente
Eduardo Portella

Departamento Nacional do Livro


Diretor
Élmer Corrêa Barbosa
José
Maurício
Nunes
Garcia
Biografia

Cleofe Person de Mattos

Rio de Janeiro
1997

MINISTÉRIO DA CULTURA
Fundação BIBLIOTECA NACIONAL

Departamento Nacional do Livro


Ministério da Cultura
Fundação Biblioteca Nacional
Departamento Nacional do Livro
Av. Rio Branco 219 Centro 20040-008 Rio de Janeiro RJ
tel.-.(021)2628255ramal247 Jax-.(021)2628255ramal336

Copyright ©Fundação Biblioteca Nacional 1996

Edição de texto
Suzana Martins

Projeto Gráfico
Denise Coelho

Capa
Daniella Maceno
Mauro Britto

Pesquisa iconográfica
Marcus Venicio Toledo Ribeiro

Revisão
José Bernardino C. Magalhães Vieira
Osmar de Barros Teixeira

Editoração eletrônica
Valdir José

Reproduções fotográficas
Raul Lima

Rio de Janeiro, 1997


Impresso no Brasil

Ilustração da capa
Litograjia com o retrato do pe. José Mauricio
Nunes Garcia, de autoria de seu filho, Dr.José Mauricio.
Coleção Rodrigo Goulart

Mattos, Cleofe Person de.


José Maurício Nunes Garcia: biografia / Cleofe Person de Mattos.
— Rio de Janeiro: Fundação Biblioteca Nacional, Dep. Nacional do Livro,
1996.

373 , XX ,p. : U..; 25cm

ISBN 85-333-0068-9

1. Garcia, José Maurício Nunes, 1767-1830. 2.Compositores —


Brasil. Biografia. I. Biblioteca Nacional (Brasil). Departamento Nacional
do Livro. II. Título.

CDD 927.83
Apresentação

Todos os que se interessam pela música brasileira há muito


esperavam este trabalho de Cleofe Person de Mattos; sabiam que um dia
as pesquisas históricas e os estudos da musicóloga se transformariam
em livro. Nos últimos anos, a autora se dedicou, graças a uma bolsa da
Fundação Vitae, a pôr ordem às inúmeras anotações recolhidas em anos
de pesquisa, com o propósito de dar forma ao seu trabalho. Durante
anos, percorreu bibliotecas, arquivos históricos e religiosos, conheceu
os arquivos centenários das orquestras de Minas e se tomou conhecida
de músicos e pesquisadores em todo o país como a musicóloga
especialista no período colonial, mais particulannente no mestre José
Maurício Nunes Garcia.

Quando encaminhou o seu texto datilografado para que o


avaliássemos no Departamento Nacional do Livro da Fundação Biblioteca
Nacional, percebemos que nos oferecia para leitura, sob o título de José
Maurício Nunes Garcia—Biografia, obra definitiva sobre aquele que
foi o músico brasileiro mais importante do século XIX. Chegava às nossas
mãos um trabalho que ia preencher enorme lacuna em nossa bibliografia.

É impossível dissociar a obra de José Maurício d o trabalho da


pesquisadora, musicóloga e maestrina Cleofe Person de Mattos. A todos
que buscam informações sobre a vasta e surpreendente obra do padre
José Maurício é obrigatória a leitura do presente livro. Em 1970, Cleofe
nos ofereceu o Catálogo Temático do padre compositor que agora se
completa com a Biografia— dois livros de leitura obrigatória.

Os apreciadores da música em nosso país têm um débito particular


com Cleofe Person de Mattos, esta mulher fantástica, que dedicou sua
vida ao estudo e à pesquisa musicais. Em decorrência de seu infatigável
trabalho de campo, não só nos apresentou a obra do padre José Maurício,
autor que ganhou relevo com seus estudos, como também deu destaque
e projeção internacional aos compositores mineiros do século XIX .Em
1941, Cleofe fundou a Associação de Canto Coral, iniciativa que ganhou
autonomia e maturidade e que, hoje, se identifica com a sua idealizadora.
Embora o trabalho da Associação tenha se imposto e concorrido para
que se multiplicassem os corais, e por ser a Associação de Canto Coral
reconhecida pelo seu amplo e variado repertório, também a projeção no
tempo desta instituição se funde com a obra do padre José Maurício,
por mérito exclusivo de Cleofe Person de Mattos.

A obra d o padre José Maurício não é só importante por ter sido


ele mestre-de-capela da Catedral do Rio. Ela expressa também a
sensibilidade e o estado da cultura brasileira, no rápido período de
transição histórica, quando o Brasil deixou a secundária condição de
colónia, para se tomar sede da Coroa portuguesa foragida,e logo depois
se destacar como centro de decisão do Reino Unido de Portugal e
Algarves. Cleofe traça criteriosamente a trajetória biográfica do padre
compositor, sempre associando cada episódio — e foram muitos — da
sua tumultuada vida à sua produção artística. Texto escrito em estilo
elegante e atraente, fundamentado em vasta documentação, gradualmente
vai revelando, com muita competência, a génese de cada obra. Trata-se,
sem dúvida, de uma obra de referência definitiva, leitura e estudo
obrigatórios de todos os que desejam conhecer os primórdios da música
erudita brasileira.

Somem-se a este trabalho a discografia gravada pela Associação


de Canto Coral e as partituras levantadas para as muitas apresentações
em concertos da Associação e teremos o resultado de uma vida - ou diria
melhor, de duas existências, que, em muitos e inspirados momentos,
eram como se fossem uma só: a de Cleofe e a da Associação de Canto e
Coral, da qual, além de fundadora, ela foi durante 44 anos a iluminada
regente.

Élmer C. Corrêa Barbosa


Diretor
Departamento Nacional do Livro
Prefácio

Física e e c o n o m i a nortearam minha formação. Na primeira,


c u i d a n d o da d i n â m i c a d e m a c r o s s i s t e m a s e p a r t í c u l a s
elementares. Na segunda, dos e f e i t o s d e interesses humanos,
alguns mesquinhos, diante d e recursos ditos limitados, escassos.
Portanto, para mim, é p r a z e r o s o d e s a f i o prefaciar l i v r o escrito
por C l e o f e Person d e Mattos.
Filha d e José Rodrigues d e Mattos e A n n e t t e Person d e
Mattos, C l e o f e t e v e e m seus pais os alicerces de sua f o r m a ç ã o
musical, iniciada e m sua própria casa, então na rua Mariz e Barros,
na Tijuca, onde nasceu e m 17 d e d e z e m b r o de 1913- Consolidou-
a na antiga Escola Nacional d e Música (atual Escola de Música
da U n i v e r s i d a d e F e d e r a l d o R i o d e J a n e i r o ) o n d e e r a m
professores, entre outros, Francisco Braga, Francisco M i g n o n e ,
José Paulo da Silva, A n t ô n i o de Sá Pereira, Luiz Heitor Corrêa de
A z e v e d o . Nessa escola tornou-se, por concurso, professora titular.
Já f o r m a d a , C l e o f e não hesitou e m ser aluna d o maestro
Villa Lobos, n o Curso de Formação d e Professores, na antiga
Universidade d o Distrito Federal, o que p r o v o c o u a m p l i a ç ã o de
seus h o r i z o n t e s profissionais. E m p o l g o u - s e c o m o canto e m
conjunto e ascendeu à c o n d i ç ã o — que iria marcar sua vida d e
artista — d e r e g e n t e d o c o r o de v o z e s femininas, o r g a n i z a d o a o
final d a q u e l e curso, e m b r i ã o d o q u e v e i o a ser a consagrada
A s s o c i a ç ã o d e Canto Coral, e s p é c i e d e referencial d o s corais
brasileiros a partir dos anos 40, da qual f o i diretora artística até
1993-
José Maurício Nunes Garcia, carioca c o m o sua biógrafa,
n a s c i d o e m 22 d e d e z e m b r o d e 1767, na Freguesia da Sé, rua da
Vala (atual Uruguaiana), à época "nos confins da c i d a d e " , na
c o n d i ç ã o d e neto d e escravos, não d e v e ter tido a v e l e i d a d e de
pensar que sua obra e sua vida, n o s é c u l o XX, seriam o b j e t o d e
pesquisa diária, por consagrada professora d e música.
C o m o f e z C l e o f e , r e v i v e m o s os q u e nos legaram v a l o r e s
q u e p o d e m influenciar na (re)construção da s o c i a b i l i d a d e desta
m e t r ó p o l e que, mais d o que cartão postal d o Brasil, é sua síntese,
n o sentido h e g e l i a n o d o termo. O u s o d i z e r que as mulheres
cariocas d e v e m ter papel destacado nessa ( r e ) c o n s t r u ç ã o , pois
são elas que, mais d o q u e enfeitar, d ã o graça e vida a esta cidade,
feminina e m sua natureza, a d e s p e i t o d e seu n o m e masculino.
L e m b r o - m e de Helena Meireles, a violeira d o r a s q u e a d o
mato-grossense que, recentemente, nas areias de Copacabana,
p e r g u n t o u : " A f i n a l , esta c i d a d e é r i o o u mar d e janeiro?".
Sabedoria d e perguntar, arte e s q u e c i d a . O Rio d e Janeiro é mar
d e v i d a , de janeiro a d e z e m b r o , apesar da mortal v i o l e n t a ç ã o
que v e m sofrendo.
C l e o f e , e m sua e u r o p é i a elegância, é d e uma s i m p l i c i d a d e
carioca singular, à Paulinho da V i o l a . A o s 82 anos, d e s p r o v i d a
d e vaidades, ainda se surpreende diante da vida, c o m o a menina
p e r s o n a g e m d e Jostein Gaarder e m O mundo de Sofia.
Q u a n d o da primeira visita e m sua casa, um apartamento
na rua d o Russel, na Glória, e s p e r a m o s alguns minutos até q u e
f o s s e m d e s o c u p a d a s poltronas e cadeiras, cobertas d e partituras
e textos. Pensei: "Casa d e q u e m está mas n ã o v i v e neste m u n d o ,
e m q u e lugares e vidas estão e c o n ó m i c a e p o l i t i c a m e n t e pre-
determinados."
C o m o se e n f r e n t a n d o o t e m p o , esse d é s p o t a , C l e o f e d i z
s e m p r e b o m dia!, rejeitando a tirania dos turnos. A p r e c i a o b o m
v i n h o d o Vale d o Rhur e essa instituição carioca, o c h o p e b e m
tirado, saudáveis i n g r e d i e n t e s d e um b o m p a p o .
Q u a n d o a c o n h e c i tive dificuldades e m seguir seu discurso,
dada a r a p i d e z c o m q u e expressa seus raciocínios, muitos d o s
quais d i s s o n a n t e s para a q u e l e s a c o s t u m a d o s em outros
c o n h e c i m e n t o s . L o g o aprendi e era d o c e m e n t e p r o v o c a d o p e l o
q u e gosta d e conversar: artes e humanidades, Florença, Paris,
Rio d e Janeiro, José Maurício, Mozart, Villa Lobos. Estava diante
da mulher cartesiana e m sua d e d i c a ç ã o intelectual, dionisíaca
a o manifestar t e n s ã o entre suas naturezas.
Trato mais da biógrafa d o q u e d o b i o g r a f a d o . D e l e tratou
C l e o f e , o leitor tem a palavra final.
A autora resgata, a um só t e m p o , vida e obra d e José
Maurício e a sofrida inserção d o s n e g r o s n o m u n d o d o trabalho
n o B r a s i l , s o b uma cultura o r g a n i z a c i o n a l m a r c a d a p e l o
escravismo.
Regente, professora, musicóloga, escritora, mulher
independente, C l e o f e nos o f e r e c e agora a biografia de um h o m e m
q u e , na música e n o s a c e r d ó c i o , p a r e c e ter a c h a d o o c a m i n h o
das p e d r a s para ter mínima cidadania. Foi um ser m a r c a d o pela
tensão entre sua veia popular e a necessidade d e s o b r e v i v e r c o m o
artista n o m u n d o da aristocracia. " O contraste d e luz e sombra
vai a c o m p a n h á - l o p o r toda a v i d a " , s e g u n d o sua b i ó g r a f a .
C o m o é p r ó p r i o da história brasileira, o f e c u n d o compositor
José M a u r í c i o N u n e s Garcia teria f i c a d o e n c o b e r t o p o r espessas
cortinas, n ã o f o s s e C l e o f e Person d e Mattos.

Paulo Roberto Franco Andrade


Rio d e Janeiro, 1995
" O h ! n o c h e q u e guiaste,
oh n o c h e amable más q u e el alborada;
oh n o c h e q u e juntaste
A m a d o c o n amada
amada en el A m a d o transformada."

San Juan d e la Cruz


Noche oscura, 5
Sumário
P r i m e i r a parte (1767-1807) 15

Raízes 17
A criança 22
O Rio d e Janeiro no século d e z o i t o 23
A criança e o j o v e m 30
A ordenação 38
O mestrado 46
O fim d o século: o orador sacro e a manifestação
profana 49
O início d o século d e z e n o v e 54

Segunda parte (1808-1821) 59

1808 - Severiana Rosa d e Castro 61


A-chegada d e D. João V I 62
1808-1811 - O s três anos vividos na Capela Real 65
A travessia 93
1812 - A doença e a tensão no trabalho marcam
o f i m d e um p e r í o d o 102
1813 - O lento ressurgir d o compositor 108
1816 - A morte d e D. Maria I e da mãe d e José
Maurício 118
A chegada da Missão Artística Francesa 125
Sigismund Neukomm 127
1817 - O casamento d e D. Pedro com D. Leopoldina 129
1818 - A aclamação d e D. João V I 133
O Requiem d e Mozart é apresentado no Brasil 142
1821 - O retorno d e D. João V I a Portugal e suas
consequências 147

Terceira parte (1822-1830) 155

1822 - A carta d o c u m e n t o d e José Maurício a D.


Pedro I 157
1823-1825 - A n o s d e dificuldades financeiras n o país l6l
O incêndio d o Real Teatro São João 163
1826 - A Missa de Santa Cecília 165
Os últimos anos 169
O requerimento dos músicos da Capela Imperial 170
A renúncia ao Hábito de Cristo 172
1829 - O casamento de D. Pedro com D. Maria
Amélia de Leuchtenberg 174
1830 - A "legitimação" do Dr. Nunes Garcia 176
Morre José Maurício Nunes Garcia em extrema
miséria 179

Post-mortem 185

O destino de uma obra 187

Século vinte 197

Notas 2 °3

Cadastramento das obras 265

Discografia òòò

Bibliografia 343

índice onomástico 353

Caderno de ilustrações 1 a ^
Primeira parte
(1767-1807)
Raízes

"... entrar sem reserva alguma na história


humilde de toda a minha genealogia."

N ã o s ã o p a l a v r a s d o p a d r e J o s é M a u r í c i o N u n e s G a r c i a as
q u e se l ê e m na e p í g r a f e , e s i m d e s e u f i l h o Dr. N u n e s G a r c i a , '
mas d e f i n e m a linha d o s antepassados d o c o m p o s i t o r . Duas
c r i a t u r a s d e c o r e s c u r a — as d u a s a v ó s n a s c e r a m e s c r a v a s —
e n c o n t r a m - s e na a s c e n d ê n c i a direta d o p a d r e J o s é M a u r í c i o N u n e s
Garcia.
O pai — A p o l i n á r i o N u n e s Garcia2 — " p a r d o f o r r o " , é o
q u e i n f o r m a a c e r t i d ã o d e c a s a m e n t o transcrita n o p r o c e s s o de
genere, nasceu na Ilha d o G o v e r n a d o r , b i s p a d o d o R i o d e Janeiro,
e aí f o i b a t i z a d o ( i g r e j a d e N o s s a S e n h o r a d a A j u d a ) . A m ã e —
V i t ó r i a Maria da C r u z — natural d e M i n a s G e r a i s , f o i b a t i z a d a na
c a p e l a d e S ã o G o n ç a l o d o M o n t e , b i s p a d o d e M a r i a n a , nas
proximidades de Cachoeira d o Campo.
O c a s a m e n t o d e V i t ó r i a Maria c o m A p o l i n á r i o r e a l i z o u - s e
n o R i o d e J a n e i r o , i g r e j a d a F r e g u e s i a d e Santa Rita, e m 14 d e
a g o s t o d e 1762, c e r i m ó n i a c e l e b r a d a às s e t e h o r a s d a n o i t e . F o i
registrada às p á g i n a s 150v. d o " L i v r o d e A s s e n t a m e n t o s d e
M a t r i m ó n i o s d a I g r e j a S. Rita", l i v r o a t u a l m e n t e d e s a p a r e c i d o ,
r a z ã o d e c i t a r - s e o p r o c e s s o de genere ( h a b i l i t a ç ã o à carreira
s a c e r d o t a l ) d e o n d e f o i c o p i a d o o d o c u m e n t o , às p á g i n a s 31
v e r s o , c o m o f o n t e primária. S e g u e transcrição:3

" P á g . 32: O V i g á r i o d e Santa Rita - A n t o n i o J o s é C o r r e a ,


informa:
Certifico, q u e n o Livro de assentamentos de casamentos
d e s t a f r e g u e s i a , às p p 150v d e c l a r o o a s s e n t o q u e da = A o s
c a t o r z e d i a s d o m e s d e A g o s t o d e 1762 a n n o s , na c a p e l a
d e N . S a d a C o e . cita n o C a m p o d a s D r c " p 1 " s e t t e h o r a s da
n o u t e c o m P r o v i s ã o d e S. Ex m d i g m e d o R e v B A d j a D r Juiz
d o s c a s a m e n t o s José d o s Reis per" claustro, e m p r e s e n ç a
das tes' a b a i x o n o m e a d a s e d o Rdo p c C a e t a n o Freire e d o
Rdo pe ( ) c o m p a l a v r a s da p r e z d na f o r m a d o S a g r a d o
C o n s . T r i d . d n 1 d o B i s p a d o , o Rdo p ° A n t ° P e d r o d e L a e t d e
licença minha, r e c e b e o e m matrimonio a A p o l i n á r i o Nunes
G r a c i a , p a r d o f o r r o f° n al d e A n n a Correa d o D e s t e r r o Crioula

17
Cleofe Person de Mattos

d e G u i n é e d e P a i i n c o g n i t o , natural d a Ilha d o G o v d e s t e
B i s p a d o : C o m V i c t o r i a M a da Crus, p a r d a f o r r a , f a n"1 d e
J o a n a G i z , c r i o u l l a e d e p a y i n c o g n i t o , n al e b a t i z a d a na
C a p e l l a d e S. G ç o d o M o n t e , f e g a d e N . S a d e N a z a r e t h da
C a c h o e y r a d o O u r o P r e t o B i s p a d o d e M n a e l h e s d e o as
B ê n ç ã o s na fr a d o A c t u a l R i t o e ( h u m a n o ? ) c o m ( c o m o ? )
t u d o m e c o n s t o u p o r hua c e r t i d ã o p a s s a d a .
R d o p c A n t ° P e d r o Laet:
S a c e r d o t e d o H á b i t o d e S. P e d r o , o q u a l v i n h a j u r a d o e m
c o m o — s e tinha r e c e b i d o o s C o n t r a t " a c i m a na fr a q u e
neste assento d e c l a r o d o q u e t u d o f e z este assento o c o a d -
j u t o r J o z é d e A l m e i d a S a . H é o q u e c o n t h e m o d° a s s e n t o , a
q u e m e r e p o r t o na v e r d c in v e r b o A o s 25 d e J u n h o d e
1791 A n t o n i o J o z é C o r r e a . "

O p r o c e s s o de genere f o i instaurado e m 5 d e janeiro de


1791 p o r u m j o v e m m ú s i c o , J o s é M a u r í c i o N u n e s G a r c i a , q u e
assim c o n c r e t i z a v a o d e s e j o d e "entrar e m o r d e n s " . O p r o c e s s o
— c u j o o b j e t i v o era c o l h e r i n f o r m a ç õ e s a c e r c a d o s h á b i t o s
r e l i g i o s o s d e s e u s a s c e n d e n t e s , e s p e c i a l m e n t e s e b a t i z a d o s , se
haviam s o f r i d o "pena vil" ou acusação de heresia — fazia-se
através d e d o c u m e n t o s e d e p o i m e n t o s de testemunhas chamadas
a p r e s t a r , s o b j u r a m e n t o , as i n f o r m a ç õ e s n e c e s s á r i a s .
D e s e n v o l v e u - s e o processo de José Maurício Nunes Garcia em
d o i s p o n t o s g e o g r á f i c o s : Minas G e r a i s e R i o d e J a n e i r o . E m M i n a s
G e r a i s — S ã o G o n ç a l o d o M o n t e , distrito d e C a c h o e i r a d o C a m p o ,
e e m M a r i a n a , s e d e d o b i s p a d o — p a r a as i n q u i r i ç õ e s s o b r e a
a s c e n d ê n c i a m a t e r n a . N a c i d a d e d o R i o d e J a n e i r o — Ilha d o
G o v e r n a d o r ( i g r e j a d e N o s s a S e n h o r a d a A j u d a ) e na f r e g u e s i a
d e I r a j á ( i g r e j a d e N o s s a S e n h o r a d a A p r e s e n t a ç ã o ) — p a r a as
inquirições sobre a ascendência paterna.

E m S ã o G o n ç a l o d o M o n t e , d i s t r i t o o n d e V i t ó r i a M a r i a da
C r u z p a s s o u p a r t e da m e n i n i c e , f o r a m o u v i d a s p e s s o a s " h u m i l d e s
m a s t e m e n t e s a D e o s e da v e r d a d e " q u e a h a v i a m c o n h e c i d o e
d e l a ainda se l e m b r a v a m . Vitória Maria da C r u z era filha d e Joanna
G o n ç a l v e s , " c r i o u l a da G u i n é " , i n f o r m a m as t e s t e m u n h a s . J o a n a
"mina", escrava d e Simão G o n ç a l v e s , é o q u e adianta o v i g á r i o
da m a t r i z d e C a c h o e i r a d o C a m p o — M a n u e l J o s é d e O l i v e i r a —
c o m b a s e n o s l i v r o s d e r e g i s t r o da f r e g u e s i a d e N a z a r é , e m
Cachoeira d o C a m p o . Pai incógnito. A vinda d e Vitória para o
R i o d e J a n e i r o a o s d e z a n o s , m a i s o u m e n o s , estaria v i n c u l a d a à
f a m í l i a d o s e n h o r d e sua m ã e . N a i n f o r m a ç ã o d e u m a d a s
t e s t e m u n h a s , V i t ó r i a M a r i a teria v i a j a d o " e m p o d e r d e " B a r b o s a

18
José Maurício Nunes Garcia biografia

G o n ç a l v e s — n o m e citado n o registro d e Vitória — provável


parente ou descendente de Simão Gonçalves.
A o r d e m e m a n a d a d o b i s p a d o d o R i o d e Janeiro para q u e
s e p r o c e d e s s e à i n q u i r i ç ã o de genere de José Maurício Nunes
G a r c i a nas p e s s o a s d e V i t ó r i a Maria da C r u z , sua m ã e , e d e Joana
G o n ç a l v e s , sua a v ó , c h e g o u a o v i g á r i o d a i g r e j a m a t r i z d e
Cachoeira d o C a m p o — Nossa Senhora d e Nazaré — através da
C â m a r a E p i s c o p a l da c i d a d e d e Mariana. 4 A i n f o r m a ç ã o d o v i g á r i o
é o d a d o c o n c r e t o m a i s a n t i g o s o b r e o s a n c e s t r a i s d o já e n t ã o
j o v e m c o m p o s i t o r , e afasta d ú v i d a s q u a n t o a o b a t i s m o d e J o a n a
G o n ç a l v e s . D i z o p á r o c o da freguesia d e Nossa Senhora d e
Nazaré, de Cachoeira d o Campo:

" R e v e n d o o L i v r o d o s b a p t i z a d o s desta m e s m a Freguesia


d e N o s s a Senhora d e N a z a r e t h da C a c h o e i r a a c h o hua
J o a n n a Mina Escrava d e S i m ã o G o n ç a l v e s , h u a V i t o r i a f i l h a
d e J o a n n a M i n a d i g o f i l h a d e J o a n n a Escrava d e B a r b o s a
G o n ç a l v e s a m b a s ( M i n a s ? ) : a filha b a p t i z a d a na m e n c i o n a d a
c a p e l l a d e S ã o G o n ç a l o d o M o n t e filial d e s t a F r e g u e s i a e
q u e m e d i z e m ser o s p r o p r i o s d e q u e s e f a z m e n ç ã o n o
d i t o M a n d a d o . H e o q u e p o s s o certificar, e juro i n v e r b o
S a c e r d o t e s . C a c h o e i r a , M a r ç o , d e z e Sette d e 1791, O V i g á r i o
M a n o e l J o s é d e O l i v e i r a . A s p e s s o a s q u e p o d e m jurar s e r
vizinhos adois d i g o o Vigário Manoel José de Oliveira,
R e c o n h e ç o P o r v e r d a d e i r a Santa A n n a / A s p e s s o a s q u e
p o d e m jurar p o r ser v i z i n h a s e d a q u a l i d a d e r e q u i s i t a S ã o
os seguintes...."

Se n ã o d e i x a v a d ú v i d a s q u a n t o a o b a t i s m o da m ã e , c o m o
d a f i l h a , a o e s p e c i f i c a r q u e o d e V i t ó r i a f o r a r e a l i z a d o na c a p e l a
d e São G o n ç a l o d o Monte, o vigário permite dizer q u e o batismo
d e Joana G o n ç a l v e s f o r a f e i t o na p r ó p r i a matriz d e N o s s a S e n h o r a
d e N a z a r é , e m C a c h o e i r a . D e q u a l q u e r m o d o , a r e s p o s t a n ã o era
satisfatoriamente informativa, o q u e determinou n o v o p e d i d o c o m
o u t r o s e s c l a r e c i m e n t o s . Em 23 d e m a r ç o d e 1791 a C â m a r a E p i s -
c o p a l d e Mariana dirigiu-se n o v a m e n t e a o vigário:

" M a n d o a o R e v e r e n d o P á r o c o d a F r e g u e s i a d e N . Sra. d e
N a z a r e t h d e s t e B i s p a d o , q u e v i s t o este m e u m a n d a d o h i n d o
p o r m i m a s s i n a d o e m seu c u m p r i m e n t o passe p o r c e r t i d ã o
a b a i x o d e s t e o d e a s s e n t o d e B a p t i s m o d e V i t o r i a M a r i a da
C r u z , p a r d a L i b e r t a , b a p t i z a d a na c a p e l a d e S ã o G o n ç a l o
d o M o n t e d a dita F r e g u e s i a , f i l h a n a t u r a l d e J o a n n a
G o n ç a l v e s , c r i o u l a da G u i n é e i g u a l m e n t e q u e f o r a t a m b é m

19
Cleofe Person de Mattos

p o r c e r t i d ã o a c h a d a n o assento d o c a z a m e n t o da dita Vitoria


Maria da C r u z c o m A p o l l i n a r i o N u n e s p a r d o L i b e r t o c a z o
f o s s e c e l e b r a d o na dita F r e g u e s i a e q u e a s s i m c u m p r i r a
r e m e t e n d o a esta C a m a r a E c l e s i á s t i c a ... D a d o e p a s s a d o
nesta c i d a d e M a r i a n a s o b o m e u s i g n a l s o m e n t e , a o s 23 d e
m a r ç o d e 1791. — S e g u e m assinaturas: F e r r ã o , B o t e l h o . . . "

A resposta d o vigário Manuel José d e Oliveira n ã o tardou.


T e m data d e 2 d e abril:

" E m v i r t u d e d o M a n d a d o Supra d o m u i t o R e v e r e n d í s s i m o
S e n h o r D o u t o r P r o v i z o r r e v i o s L i v r o s d o s B a p t i z a d o s desta
F r e g u e z i a d e Nossa Senhora d e N a z a r é da Cachoeira d o
C a m p o ( i l e g í v e l ) d e l a s a f o l h a s c e n t o trinta se acha h u m
assento c u j o teor dis o Siguinte " A o s d e z dias d o m e z d i g o
a o s d e z d e M a y o d e m i l s e t e c e n t o s trinta e n o v e , na C a p e l a
d e São G o n ç a l o d o M o n t e filial desta Matriz o R e v e r e n d o
Padre José G o m e s c o m Licença minha baptizou e p o s os
S a n t o s o l i o s a V i t o r i a f i l h a d e J o a n n a Escrava d e B a r b o s a
G o n ç a l v e s : f o r a m P a d r i n h o s J o ã o M e n d e s e M a n o e l Ferreira
C h a v e s d a Itabira f o i b a p t i z a d a p o r f o r s a d e q u e f i z e s t e
a s s e n t o q u e a s s i n e i ut supra e n ã o se c o n t i n h a m a i s n o d i t o
assento a q u e me r e p o r t o e juro o r e f e r i d o i n v e r b o
S a c e r d o t e s C a c h o e i r a d o C a m p o e m Abril d o i s d e mil e
sete centos enoventa hum annos" o Vigário M a n o e l Jose d e
Oliveira."

N o m e s m o d o c u m e n t o o vigário de Cachoeira d o Campo


a t e n d e u à s e g u n d a parte d o m a n d a d o e n v i a d o d e Mariana, q u a n d o
dá outra i n f o r m a ç ã o :

" E m v i r t u d e d o m e s m o M a n d a d o Supra r e v i o s L i v r o s d o s
C a z a m e n t o s desta F r e g u e z i a c o m t o d a a d i l i g e n c i a . C e r t i f i c o
q u e n e l e s s e n ã o acha o a s s e n t o d o c a z a m e n t o d a dita
V i t o r i a Maria d a C r u z c o m A p o l i n á r i o N u n e s I s s o Se acha
n o s L i v r o s d o s b a p t i z a d o s desta F r e g u e z i a a o f i m d o a s s e n t o
d o b a p t i s m o d o A v o d o habilitando José Mauricio N u n e s
G a r c i a , q u e s e n d o m a n d a d o a p e s s o a a q u e t u d o p o s s a na
v e r d a d e o q u e juro i n v e r b o S a c e r d o t e s C a c h o e i r a A b r i l d o i s
d e mil e sete centos e noventa e hum annos O Vigário
M a n o e l J o s é d e O l i v e i r a . . . R e c o n h e ç o p o r v e r d a d e i r a a letra
assima da c e r t i d ã o Supra p o r p l e n o c o n h e c i m e n t o q u e d e l a
t e n h o Santa A n n a . . . "

20
José Maurício Nunes Garcia biografia

F o r a m a j u n t a d a s as c e r t i d õ e s a o s a u t o s , e m 4 d e a b r i l . E
assim, c u m p r i n d o o r d e n s d o b i s p a d o d o R i o d e Janeiro para
p r o c e d e r à inquirição sobre a a v ó d e José Maurício, confirma-se
seu b a t i z a d o , d a d o i m p o r t a n t e n o p r o c e s s a m e n t o d e h a b i l i t a ç ã o .
A s b u s c a s r e a l i z a d a s n o R i o d e J a n e i r o e m t o r n o da
a s c e n d ê n c i a p a t e r n a d i v i d i r a m - s e , c o m o já f o i d i t o , e n t r e a Ilha
d o G o v e r n a d o r — freguesia d e Nossa Senhora da A j u d a , o n d e
A p o l i n á r i o n a s c e u e f o i b a t i z a d o — e a i g r e j a da A p r e s e n t a ç ã o ,
na f r e g u e s i a d e I r a j á , o n d e f o i b a t i z a d a sua m ã e , a t a m b é m
" c r i o u l a da G u i n é " A n a C o r r e a d o D e s t e r r o .
Para e s s e f i m f o r a m a c i o n a d o s o s r e s p e c t i v o s v i g á r i o s , m a s
seus r e s u l t a d o s f o r a m nulos. O p á r o c o d e N o s s a S e n h o r a da A j u d a
i n f o r m o u e m 20 d e j a n e i r o ter i n d a g a d o p e s s o a s a n t i g a s , q u e
d i s s e r a m n ã o c o n h e c e r " p e s s o a a l g u m a desta g e r a ç ã o , n e m nunca
o u v i r ã o n o m i a r " . Da m e s m a forma o v i g á r i o da igreja d e Nossa
S e n h o r a da A p r e s e n t a ç ã o c e r t i f i c o u e m 9 d e j u n h o n ã o ter
e n c o n t r a d o "algum d e seus a s c e n d e n t e s p o r mais q u e m e tenha
c a n z a d o de pesquizallas".
E s g o t a m - s e , p o r t a n t o , e m duas escravas, as i n q u i r i ç õ e s s o b r e
a ascendência de José Maurício. O d e s c o n h e c i m e n t o d o n o m e e
da q u a l i f i c a ç ã o d o a v ô — d o l a d o m a t e r n o c o m o d o p a t e r n o —
reforça e s p o n t a n e a m e n t e a suposição d e q u e repetia-se, n o caso
d a s a v ô s d o f u t u r o m e s t r e - d e - c a p e l a , a rotina da v i d a das escravas.
A pergunta sem resposta deixa entrever o c a m i n h o estreito p o r
o n d e t r a n s i t o u a p a r c e l a d e raça b r a n c a e m J o s é M a u r í c i o .
O s d e p o i m e n t o s das o i t o testemunhas d e São G o n ç a l o d o
M o n t e , quase t o d o s v i z i n h o s d o local o n d e v i v e r a Vitória Maria,
m a s l e m b r a d o s , e m 1791, da m e n i n a q u e d e lá saíra a o s d e z
a n o s , n ã o s ã o c o n f l i t a n t e s nas r e s p o s t a s d a d a s a u m f o r m u l á r i o
p r e v i a m e n t e e s t a b e l e c i d o . C o n f i r m a m q u e V i t ó r i a Maria era f i l h a
d e Joana G o n ç a l v e s , crioula da Guiné, escrava d e Simão
Gonçalves,5 nascida e batizada naquela freguesia.
A i d e n t i f i c a ç ã o d e n o m e s e circunstâncias da v i d a das
p e s s o a s l i g a d a s p o r s a n g u e a J o s é M a u r í c i o — s e u s p a i s e suas
a v ó s — n o s d e p o i m e n t o s das testemunhas citadas n o p r o c e s s o
de genere e c o n f i r m a d o s n o d o c u m e n t á r i o t r a n s c r i t o , d e i x a s e m
a p o i o a c e r t i d ã o d e b a t i s m o d e V i t ó r i a Maria v e i c u l a d a p o r Fran-
c i s c o Curt L a n g e na r e v i s t a Barroco, e m 1981. 6
D e n t r e o s p e r s o n a g e n s e n v o l v i d o s nessas inquirições, o
v u l t o d e Vitória Maria persiste mais l o n g a m e n t e a o olhar da
h i s t ó r i a . A f a s t a d a a i n d a m e n i n a da f r e g u e s i a d e S ã o G o n ç a l o d o
M o n t e , V i t ó r i a é r e e n c o n t r a d a n o R i o d e J a n e i r o a o s 23 a n o s
q u a n d o d o seu c a s a m e n t o c o m A p o l i n á r i o N u n e s G a r c i a e m 1762.
C a s a v a - s e já v i ú v a d e R a i m u n d o P e r e i r a d e A b r e u . 7 S o b r e o

21
Cleofe Person de Mattos

c a s a m e n t o d e Vitória Maria e A p o l i n á r i o é possível ajuizar d o


a m b i e n t e familiar d o casal através de i n f o r m a ç õ e s prestadas e m
1791 n o p r o c e s s o degenere, p o r testemunhas q u e os c o n h e c e r a m
d e s d e os p r i m e i r o s a n o s d e casados, ou m e s m o antes. É o caso
d e S a l v a d o r J o s é d e A l m e i d a e Faria, m ú s i c o d e p r o f i s s ã o , m i n e i r o
d e o r i g e m , c o n t e r r â n e o d e V i t ó r i a Maria, q u e e s c l a r e c e a r e s p e i t o
d e A p o l i n á r i o : " v i v e u o s o b r e d i t o d e seu o f í c i o d e alfaiate".
M a n u e l G a r c i a R o d r i g u e s , t a m b é m m i n e i r o e natural d o b i s p a d o
d e Mariana — e q u e c o n h e c e u Joana G o n ç a l v e s — diz q u e
" s e m p r e f o r a m b o n s c a t ó l i c o s , v i v e n d o c o m muita d e c ê n c i a " .
Outra t e s t e m u n h a , A n t ô n i o Francisco Barbosa, p o r t e i r o da
F a z e n d a , t a m b é m os c o n h e c e u antes d e casados e acrescenta
q u e A p o l i n á r i o vivia " c o m b o m crédito de seu o f í c i o d e alfaiate".
C i n c o a n o s e u m m ê s a g u a r d a r a m V i t ó r i a Maria e A p o l i n á r i o
a c h e g a d a d o f i l h o . O R i o d e J a n e i r o já se t r a n s f o r m a r a na c a p i -
tal d a c o l ó n i a p o r t u g u e s a q u a n d o l h e s v e m essa c r i a n ç a a q u e m
o d e s t i n o não reservara certamente uma vida marcada pela
felicidade. Mas dotara-o d e um c o n d i c i o n a m e n t o d e inteligência
e d e s e n s i b i l i d a d e q u e f a r i a m d e l a u m n o m e b r i l h a n t e na história
artística d e s e u país. T i n h a V i t ó r i a Maria 26 a n o s e q u a t r o m e s e s .

A criança

N a s c e u J o s é M a u r í c i o n o dia d e S ã o M a u r í c i o , n o R i o d e
J a n e i r o , e m 22 d e s e t e m b r o d e 1767. V e i o a o m u n d o na f r e g u e s i a
d a Sé — rua da Vala, a t u a l m e n t e rua U r u g u a i a n a — e b a t i z o u - s e
na C a t e d r a l e Sé, n o dia 20 d e o u t u b r o d o m e s m o a n o . O r e g i s t r o
d o batismo f o i lançado n o Livro d e Batizados d e pessoas Livres
d a C a t h e d r a l ( L ° 11, f o l h a 1 1 6 ) , h o j e e x t r a v i a d o , m a s q u e a t é
1914 a l i n h a v a - s e e n t r e as f o n t e s d o c u m e n t a i s d o a r q u i v o da
C a t e d r a l . A m a i s a n t i g a c ó p i a d e s s e r e g i s t r o , s o l i c i t a d a e m 1791
p o r J o s é M a u r í c i o para instruir o p r o c e s s o d e sua h a b i l i t a ç ã o a
s a c e r d o t e e n c o n t r a - s e à p á g i n a 3 0 v . d o p r o c e s s o de genere no
a r q u i v o da Catedral ( A r q u i v o M e t r o p o l i t a n o d o Rio d e Janeiro).8
D o c u m e n t o q u e se t r a n s c r e v e a s e g u i r :

" O P a d r e M a n o e l d o s Santos e Souza Escrivão da Camara


Ecleziastica e Reverendíssimo Senhor D o m J o z é Joaquim
Justiniano Mazcarenhaz Castellobranco por merce d e D e o s
e da Santa Se A p o s t o l i c a B i s p o d o R i o d e J a n e i r o d o

22
José Maurício Nunes Garcia biografia

Conselho de Sua Magestade Fidelíssima etc.etc. Certifico


que revendo o Livro undécimo dos assentos dos baptizados
da Freguezia da Sé nella a folhas cento e dezasseis versa
Seacha o assento da forma seguinte ...Aos vinte diaz d o
mez de Outubro de mil Sette Centos e cessenta e sette annos
nezta Cathedral baptizou epos os Santos Óleos o Reverendo
coadjutor Manoel Fernandes de Castro a Joze filho Legitimo
de Appolinario Nunez baptizado na Ilha d o Governador e
de sua mulher Victoria Maria da Cruz baptizada em Minaz:
neto paterno incognito e Anna Correa d o Desterro baptizada
em Iraja e pela materna de Joanna da Sylva e Pay incog-
nito: f o i Padrinho Manoel Jaques Frixe (?) nasceu acriança
a vinte dous de Setembro proximo... Antonio Joze Malheiro
c o n i g o Cura = E não Se continha mais coiza alguma em
odito assento a que me reporto em f é d o que fis passar
apresente por mim Subzcrita e assinada. Rio de Janeiro aos
vinte e Sinco de Junho de mil Sette Centos e noventa e
hum. Eu o p°. Manoel dos Santos e Souza a subscrevi e
assinei."

Predestinada a grandes feitos era essa criança que vinha


ao mundo modestamente no lar de Apolinário e de Vitória Maria.
N e t o d e duas escravas, o contraste d e luz e s o m b r a vai
acompanhá-lo por toda a vida. Será visível esse conflito entre a
c o n d i ç ã o natural de mestiço, que é a sua, e a força latente e
luminosa que decorre dos múltiplos talentos de que é dotado.
Nascido em ambiente simplório, passará a conviver na corte entre
os p o d e r o s o s da terra, carregando na p e l e a marca d e sua
ancestralidade africana. Sua inteligência apurada e a musicalidade
que o distingue entre os brasileiros farão com que José Maurício
viva oprimido em hostil preconceito diante de sua condição de
brasileiro nato. O f e r o z c o n f r o n t o social ao l o n g o de sua
existência não impediria contudo a essa criança, por força e ironia
dos caminhos da vida, cumprir a missão de enriquecer a cultura
musical de sua gente.

O Rio de Janeiro no século dezoito

Vinha à luz José Maurício numa cidade de surpreendente


beleza que desde 1763, ao tornar-se a sede d o vice-reinado da

23
Cleofe Person de Mattos

c o l ó n i a portuguesa, vivia e m p l e n o surto d e d e s e n v o l v i m e n t o e


r e n o v a ç ã o . U m lançar d e o l h o s n o s sucessivos m e l h o r a m e n t o s
da c i d a d e q u e p a s s a v a a ter o p r i v i l é g i o da p r e s e n ç a d e u m v i c e -
rei p e r m i t e a v a l i a r as c o n d i ç õ e s o f e r e c i d a s p e l o R i o d e J a n e i r o
q u e será a m o l d u r a da i n f â n c i a e d a j u v e n t u d e d e J o s é M a u r í c i o .
D e t o d a a sua v i d a , e n f i m .
O R i o d e J a n e i r o já a l c a n ç a r a a l g u m a s i n o v a ç õ e s , 9 m a s
encontrou n o marquês d o Lavradio, vice-rei, o administrador que,
t r a n s f e r i d o d e g e s t ã o a l t a m e n t e p r o f í c u a e m S a l v a d o r , na B a h i a ,
p r o c u r o u e m b e l e z á - l o : abriu n o v a s ruas, c o n s t r u i u c h a f a r i z e s
n o v o s , e restituiu à c i d a d e l a z e r e s c o n d i z e n t e s c o m a sua p r ó p r i a
p e r s o n a l i d a d e f e s t e i r a . P a s s a n d o a v i v e r e m a m b i e n t e o n d e as
celebrações religiosas eram particularmente importantes no
c o n t e x t o social, não esquecia o marquês das realizações profanas
a q u e se habituara e m Salvador.
N a v e r d a d e , o R i o d e J a n e i r o era u m a c i d a d e v o l t a d a
s o b r e t u d o p a r a as c o m e m o r a ç õ e s d o c a l e n d á r i o h a g i o l ó g i c o e
mantinha uma p e r i o d i c i d a d e bastante estreita, c u j o p a t r o c í n i o
d i v i d i a - s e entr<e a p r ó p r i a c o r o a e o S e n a d o d a C â m a r a .
A c r e s c e n t a v a m - s e às h a b i t u a i s c o m e m o r a ç õ e s o e c o d o s
a c o n t e c i m e n t o s q u e diziam respeito à vida da própria cidade,
c o m o f a t o s o c o r r i d o s na f a m í l i a r e i n a n t e , e m P o r t u g a l , o q u e se
d e v i a c o m u n i c a r à c o l ó n i a , e, mais d o q u e isto, f e s t e j á - l o s
c o n d i g n a m e n t e : casamentos, nascimentos e mortes, assinalados
c o m T e D e u m , missas e outras c e l e b r a ç õ e s religiosas. A l g u m a s
c o m e m o r a ç õ e s mais festivas d e r a m o r i g e m a festas mais
i m p o r t a n t e s e v a r i a d a s , q u e se p r o l o n g a v a m p o r v á r i o s d i a s : as
c h a m a d a s f e s t a s reais. 1 0 Estas r e p r e s e n t a m , h i s t o r i c a m e n t e , a
o p o r t u n i d a d e d e avaliar-se a infra-estrutura musical da c i d a d e ,
suas d i s p o n i b i l i d a d e s artísticas, e as c o n d i ç õ e s d e o f e r e c e r a o
p o v o o e n t r e t e n i m e n t o q u e os fazia participar c o m alegria das
r a z õ e s da festa e n ã o a p e n a s assistir a o s a t o s r e l i g i o s o s . Em outras
p a l a v r a s , as f e s t a s r e a i s d a v a m a m e d i d a d o d e s e n v o l v i m e n t o
musical d e q u e se dispunha para abrilhantá-las. Várias dessas
f e s t a s r e a i s m a r c a r a m a história d o R i o d e J a n e i r o a o t e m p o d o s
vice-reis, e m e s m o antes.

A o chegar o marquês d o Lavradio, entre os mais


s i g n i f i c a t i v o s e m p r e e n d i m e n t o s d e sua g e s t ã o v a l e citar a c r i a ç ã o
da n o v a sala d e e s p e t á c u l o , a t o a g u a r d a d o c o m a n s i e d a d e p e l o
público d o Rio d e Janeiro desde que desaparecera num incêndio
o antigo Teatro d o Padre Ventura." A o contrário deste, q u e se
instalara a l é m da rua d a V a l a , n o l i m i t e e x t r e m o d a c i d a d e , o
n o v o teatro — l o g o c h a m a d o N o v a Ópera — plantou-se e m p o n t o
n o b r e , j u n t o a o p a l á c i o d o v i c e - r e i , i n e q u í v o c o sinal da d e s t a c a d a

24
José Maurício Nunes Garcia biografia

p o s i ç ã o q u e l h e c a b e r i a n o m a i s a p u r a d o a m b i e n t e d e l a z e r da
c i d a d e . 1 2 E n r i q u e c i a - s e a v i d a m u s i c a l d o R i o d e J a n e i r o c o m as
perspectivas d e n o v o s e v e n t o s q u e v i n h a m satisfazer o g o s t o de
u m p ú b l i c o c e r t o e a garantia d e t r a b a l h o d o s n u m e r o s o s a t o r e s ,
m ú s i c o s e d a n ç a r i n o s q u e a c o r r i a m d e v á r i o s p o n t o s d o p a í s para
participar d e p e ç a s dramáticas, das zarzuelas ou das c h a m a d a s
"óperas".
A o i n s t a l a r - s e n o R i o d e J a n e i r o e m 1763 o m a r q u ê s d o
Lavradio, a c o m p a n h a v a - o a curiosa figura d e um e x - s o l d a d o
português, a um t e m p o músico, fagotista, bailarino, c a b e l e i r e i r o
e e m p r e s á r i o : M a n u e l Luís F e r r e i r a , q u e já s e r v i a a o v i c e - r e i na
Bahia. O m a r q u ê s c o n f i r m o u sua p r o t e ç ã o a M a n u e l Luís, f a z e n d o -
o diretor d o n o v o teatro a o m e s m o t e m p o que lhe c o n c e d i a
f a c i l i d a d e s necessárias para a r e a l i z a ç ã o d e f u n ç õ e s recreativas
na c i d a d e . T a m b é m n i s t o M a n u e l Luís m o s t r a v a - s e e f i c i e n t e :
f a v o r e c i a o c o n v í v i o social, o q u e resultava e m m a i o r p a r t i c i p a ç ã o
das p e s s o a s n o s salões da aristocracia local, e s t i m u l a n d o assim
a p r e s e n ç a das senhoras n o s teatros e m c o m p a n h i a d o s m a r i d o s
— e s p é c i e d e tabu v e n c i d o — e t a m b é m n o s saraus n o p r ó p r i o
palácio do governador.
M a n u e l L u í s F e r r e i r a n ã o se l i m i t o u a c u i d a r d o p r ó p r i o
t e a t r o . Seu a g u ç a d o e s p í r i t o c o m e r c i a l f a z i a - o a l u g a r o e s p a ç o
para diversas f i n a l i d a d e s , inclusive p o s s e d e v i c e - r e i s . N e s s e
m o m e n t o v a m o s encontrar o n o m e d e José Maurício vinculado a
s o l e n i d a d e d e p o s s e d o s d o i s ú l t i m o s v i c e - r e i s , e m 1801 e 1806.
A s s u m i a t a m b é m M a n u e l Luís o s p r e p a r a t i v o s d a s " ó p e r a s
f r a n c a s " , o u seja, a b e r t a s a o p ú b l i c o , e a i n d a e n c a r r e g a v a - s e d o s
e s p e t á c u l o s q u e se r e a l i z a v a m na p r a ç a " d o Curro",
p o s t e r i o r m e n t e C a m p o da A c l a m a ç ã o , C a m p o d e S a n f A n a , h o j e
praça da R e p ú b l i c a . Eram e s p e t á c u l o s cuidadosamente
preparados, anunciados em "bandos" de publicação que
percorriam a cidade a cavalo, soltando foguetes, c o m roupas
v i s t o s a s p a r a m ú s i c o s e m á s c a r a s q u e a n u n c i a v a m o s m o t i v o s da
a p r e s e n t a ç ã o . Ficava e m festa toda a c i d a d e para apreciar o s
"toiros" tanto q u a n t o o desfile d e carros a l e g ó r i c o s transportando
g r u p o s c a n t a n t e s e d a n ç a n t e s d e m ú s i c o s p r o f i s s i o n a i s , q u e se
a p e a v a m a o c h e g a r à f r e n t e das a u t o r i d a d e s para e x e c u t a r as
e v o l u ç õ e s c a b í v e i s aos r e s p e c t i v o s o f í c i o s : ourives, alfaiates etc.
A t u a v a m n o T e a t r o d e M a n u e l Luís artistas b r a s i l e i r o s e
p o r t u g u e s e s , e n t r e e l e s a l g u n s n o m e s c o n h e c i d o s nas r o d a s d e
t e a t r o — L o b a t o , M a n u e l R o d r i g u e s , J o s é I n á c i o da C o s t a , M a r i a
Jacinta, a Marucas o u a Rosinha, e x í m i a n o s o r o n g o — m a s
t a m b é m n o m e s q u e a p a r e c e r ã o mais tarde militando junto d e
J o s é M a u r í c i o , i n t é r p r e t e s o u a l u n o s d o c u r s o d e m ú s i c a d a rua

25
Cleofe Person de Mattos

das Marrecas: Luís Inácio, Geraldo Inácio, e não será com pouca
surpresa que se vai encontrar o nome de Joaquina Maria da
Conceição, a Lapinha, brilhando no palco d o Teatro de Manuel
Luís n o século dezoito, antes de a cantora viajar para Portugal e
encantar as platéias portuguesas no Porto e em Lisboa, no Teatro
São Carlos, com sua v o z magnífica, da qual "fazia o que queria",
nos anos de 1794 e 1795.13
Antes de retornar a Portugal, Lavradio terá tido tempo para
dar estímulo à área cultural incentivando os estudos de história
natural, filosofia e agricultura na Academia Científica d o Rio de
Janeiro (1777-1779). Segundo Hipólito da Costa, u o poeta Silva
Alvarenga esteve ligado a esta Academia, c o m o o será mais tarde,
e c o m maior impulso, à Sociedade Literária, já no fim d o século
dezoito.
Informações mais detalhadas em torno da vida d o Teatro
de Manuel Luís serão abordadas na nota 12, onde será melhor
avaliada a contribuição d o atilado empresário empenhado em
alegrar a vida da cidade, aliando-se ao esforço e à inteligência
de artistas voltados para a música e para a arte dramática no Rio
d e Janeiro no fim d o setecentos e início d o século d e z e n o v e .
Manuel Luís Ferreira, a q u e m p o s t e r i o r m e n t e f o r a m
atribuídos títulos militares de coronel e brigadeiro, bem c o m o
de comendador e " m o ç o da Câmara", permaneceu no Rio de
Janeiro ao retornar para Portugal o seu protetor. Continuou à
frente d o seu teatro, que será frequentado a partir d e 1808 —
após a chegada d e D. João ao Brasil — pela corte portuguesa,
ministros e c o r p o diplomático. Iniciava o Rio de Janeiro sua
v o c a ç ã o de cidade cosmopolita, que a presença da cúpula
administrativa da coroa portuguesa l o g o principiou a atrair.
Sempre à frente d o Teatro que se chamara N o v a Ópera e
tivera o seu nome, obrigou-se Manuel Luís a torná-lo digno d o
n o v o público. O edifício, reformado, passou a ter duas ordens
de camarotes, bela iluminação e, por fim, seu nome é substituído
p e l o de Teatro Régio.
Assistido pela corte, o Teatro de Manuel Luís alcançou, sem
d ú v i d a , um m o m e n t o d e a p o g e u . Mas em razão das suas
condições — o teatro já carregava três décadas de atividades —
houve o inevitável confronto com os teatros europeus, o de
Lisboa, s o b r e t u d o : d i f i c i l m e n t e conseguiria adaptar-se aos
ambiciosos projetos de seus frequentadores. Situação que forçou
a alta administração da coroa e encarar a necessidade da
construção de um teatro de ópera para substituí-lo. Era o princípio
d o fim d o v e l h o teatro setecentista que fora o de Manuel Luís.
Cumprira a sua missão.

26
José Maurício Nunes Garcia biografia

U m r e c u o a o fim d o século anterior não deixará e s q u e c i d o


u m p e q u e n o t e a t r o d e " a m a d o r e s " q u e f u n c i o n o u p o r essa é p o c a
e m f r e n t e à rua d o P a s s e i o . A n t ô n i o N a s c e n t e s P i n t o , a f i g u r a
p r i n c i p a l d o m e s m o teatro, 1 5 era f i l h o d o c o r o n e l d e m i l í c i a s d e
n o m e i d ê n t i c o , p r o p r i e t á r i o d e u m t e r r e n o v i z i n h o d a c a s a na
rua d a s M a r r e c a s , o n d e f u n c i o n o u o c u r s o d e m ú s i c a d o p a d r e
José Maurício.
Entre o s artistas e m ú s i c o s atuantes n o t e a t r o d e " a m a d o r e s " ,
mais uma v e z serão encontrados os a m i g o s de José Maurício,
a l g u n s d o s q u a i s já f o r a m v i s t o s a t u a n d o n o T e a t r o d e M a n u e l
Luís: Luís I n á c i o P e r e i r a , G e r a l d o I n á c i o P e r e i r a , a L a p i n h a , e a
v o z e x c e p c i o n a l d e J o ã o d o s Reis P e r e i r a , s o b r e o q u a l t e r e m o s
ainda d e falar.
Coincidências iniludíveis, reforçadas pela participação de
Silva A l v a r e n g a — q u e e n s a i a v a , n e s t e t e a t r o , p e ç a s " t r á g i c a s e
c ó m i c a s " d e a m i g o s seus — f a z e m acreditar n o e n v o l v i m e n t o d o
j o v e m músico, então e m torno dos vinte anos de idade, c o m o
i n s t r u m e n t i s t a o u c a n t o r d e v o z adulta, n o f u n c i o n a m e n t o d o
p e q u e n o teatro o n d e se ouvia Cimarosa, Paesiello e outros
c o m p o s i t o r e s q u e N a s c e n t e s P i n t o t i v e r a o c a s i ã o d e o u v i r na
Itália.
N ã o terá s i d o e m v ã o o e n v o l v i m e n t o d e J o s é M a u r í c i o c o m
a m ú s i c a l i g e i r a q u e se o u v i a n o t e a t r i n h o da rua d o P a s s e i o . 1 6 O
r e p e r t ó r i o , s u b s t a n c i a l m e n t e c o n s t i t u í d o d e p e ç a s e m v o g a na
Itália, é p o n t o q u e interessa abordar. A l é m d e Cimarosa ( 1 7 4 9 -
1 8 0 1 ) , d e : 1'Italiana inLondra, II matrimonio segreto, ouviam-se
o u t r o s c o m p o s i t o r e s i t a l i a n o s : M i l l i c o ( 1 7 3 9 - 1802), J o m m e l l i
( 1 7 1 4 - 1774). N ã o será i m a g i n o s o centrar n e s s e r e p e r t ó r i o , o n d e
c o n v i v i a m e l e m e n t o s da e s c o l a n a p o l i t a n a , a c e n t o s i t a l i a n i z a n t e s
na m ú s i c a d e J o s é M a u r í c i o a n t e s d e 1808, q u a n d o c h e g o u a o
Brasil D . J o ã o e s e u s c a n t o r e s i t a l i a n o s .
N ã o foi m e n o s significativa, nos primeiros anos d e vice-
r e i n a d o , a t r a n s f o r m a ç ã o q u e se v i n h a o p e r a n d o n o s i s t e m a
e d u c a c i o n a l . A t i n g i d a q u e f o r a e m 1759, p e l a e x p u l s ã o d a o r d e m
j e s u í t i c a ( C o m p a n h i a d e Jesus), 1 7 a c o r o a p o r t u g u e s a instituíra
na c i d a d e , e m s u b s t i t u i ç ã o a o e n s i n o p r a t i c a d o n o s c o l é g i o s " d a
C o m p a n h i a " , o sistema d e aulas régias à f r e n t e das quais
t r a b a l h a v a m p r o f e s s o r e s c r e d e n c i a d o s e i n o v a d o r e s na e d u c a ç ã o
da j u v e n t u d e . O a p o i o e c o n ó m i c o p a r a e n f r e n t a r o s g a s t o s c o m
e s s e e n s i n o , q u e era l e i g o e gratuito, o r i g i n a v a - s e d e u m i m p o s t o
— o s u b s í d i o l i t e r á r i o — q u e já c i r c u l a v a e m 1772. A s c r i a n ç a s e
o s j o v e n s f o r a m b a f e j a d o s p o r essa d e c i s ã o da c o r o a , q u e l h e s
o f e r e c i a a u l a s r é g i a s — i n c l u s i v e d e p r i m e i r a s letras — o q u e
significava ensino não limitado a preparar "padres e

27
Cleofe Person de Mattos

jurisconsultos", c o m o e n t ã o se criticava. P r o f e s s o r e s c r e d e n c i a d o s
p a r a a u l a s r é g i a s h a v i a n o R i o d e J a n e i r o , e n t r e e l e s latinistas e
t e ó l o g o s que viviam e m conventos o n d e eram mantidos cursos
d e a l t o n í v e l . A estes j u n t a v a m - s e b r a s i l e i r o s ilustres, a l g u n s c o m
c u r s o s f e i t o s na E u r o p a — e m C o i m b r a o u e m M o n t p e l l i e r —
c a b e ç a s b e m f o r m a d a s c o m o o m a r q u ê s d e Maricá ( M a r i a n o J o s é
P e r e i r a d a F o n s e c a — R i o d e J a n e i r o , 18.5.1773 - 16.9 1 8 4 8 ) ,
f i g u r a n o t á v e l d e f i l ó s o f o e c i e n t i s t a , autor d e c é l e b r e s Máximas
epensamentos, e M a n u e l I n á c i o da Silva A l v a r e n g a , p o e t a , m ú s i c o
e f i l h o d e músico, professor de retórica, a m b o s ligados a José
M a u r í c i o , c o m o se v e r á a d i a n t e . N a r e a l i d a d e , d e s e n v o l v e r a - s e
n o R i o d e J a n e i r o u m a s o c i e d a d e e m q u e a m i n o r i a culta p a i r a v a
m u i t o a c i m a d a p o p u l a ç ã o q u e m a l c o m e ç a v a a ter a c e s s o r e g u -
lar a o s p r i m e i r o s d e g r a u s da a p r e n d i z a g e m l i t e r á r i a .

O s professores portugueses c o m o s quais procurava-se


a f a s t a r a m e m ó r i a e o s m é t o d o s d e e n s i n o j e s u í t i c o n o Brasil
a m p l i a r a m n o R i o d e J a n e i r o , n ã o s ó o e n s i n o das p r i m e i r a s letras
para a p o p u l a ç ã o , mas t a m b é m classes d e gramática latina,
r e t ó r i c a , g r e g o . A m e d i d a a l c a n ç a r á J o s é M a u r í c i o na
a d o l e s c ê n c i a , d a n d o - l h e o p o r t u n i d a d e d e d e s e n v o l v e r a alta
c a p a c i d a d e intelectual q u e o distinguia d e s d e criança, e a
f o r m a ç ã o c o n d i g n a q u e seus c o n t e m p o r â n e o s lhe r e c o n h e c i a m .
O e n s i n o m u s i c a l r e p o u s a v a na iniciativa d o p r o f e s s o r p a r -
ticular; é o c a s o d e J o s é M a u r í c i o , e n c a m i n h a d o p a r a a c l a s s e d e
Salvador José, " o p a r d o " . Valiam-se esses mestres, entre outros
processos, d e "artinhas" manuscritas q u e eram passadas d e um a
o u t r o a l u n o . Em c a s o s m a i s raros, as c ó p i a s t i n h a m o r i g e m e m
volumes impressos e m Portugal. Num caso e noutro, eram
t r a b a l h o s q u e r e u n i a m , e m p o u c a s p á g i n a s , as n o ç õ e s
i n d i s p e n s á v e i s para ler e e s c r e v e r m ú s i c a . S e r v e d e e x e m p l o para
a v a l i a ç ã o d o n í v e l dessas artinhas u m v o l u m e p r o v e n i e n t e de
Mariana, ora n o A r q u i v o P ú b l i c o Mineiro. N o c a p í t u l o N o ç õ e s d e
Contraponto, abre-se o c a m i n h o à participação d o estudante d e
música, o r i e n t a n d o - o n o servir-se d e instrumento a o seu alcance,
o u u t i l i z a n d o a p r ó p r i a v o z . D e s s e m o d o estaria f a z e n d o a
imediata aplicação d o s ensinamentos teóricos e m p r e g a d o s c o m o
técnica para o s futuros c o m p o s i t o r e s . O talento multiplicava os
resultados.

A c i d a d e c r e s c e r a a o t r a n s f o r m a r - s e na c a p i t a l da c o l ó n i a ,
atraindo músicos oriundos d e outras províncias. Importante,
s o b r e t u d o , a c o n t r i b u i ç ã o d e Minas G e r a i s ; o d e c l í n i o da
p r o d u t i v i d a d e na m i n e r a ç ã o p r o v o c o u o d e s l o c a m e n t o d e m u i t o s
m ú s i c o s p a r a o R i o d e J a n e i r o . C l a s s e ativa — i n s t r u m e n t i s t a s ,
c a n t o r e s , p r o f e s s o r e s , c o p i s t a s — , i n t e g r o u - s e na s o c i e d a d e c a -

28
José Maurício Nunes Garcia biografia

r i o c a r e f o r ç a n d o a infra-estrutura e s p e c i a l i z a d a , a b s o r v i d a q u e
f o i p e l o s teatros e pelas numerosas irmandades. Músicos mineiros
a t u a v a m n o T e a t r o d e M a n u e l Luís, mas era nas i r m a n d a d e s — a
m a i s n u m e r o s a c a t e g o r i a m u s i c a l na c i d a d e d o R i o d e J a n e i r o —
q u e e l e s se c o n c e n t r a v a m . 1 8
Confrarias o u associações d e leigos c o m objetivos religiosos,
as i r m a n d a d e s p r o m o v i a m c e r i m ó n i a s c o m a p a r t i c i p a ç ã o d e
irmãos para o r a ç õ e s , ladainhas e n o v e n a s , ou procissões.
C o m p r o m i s s a d a s c o m d e v o ç õ e s particulares — São P e d r o d o s
Clérigos, Nossa Senhora d o Rosário e São B e n e d i t o d o s H o m e n s
P r e t o s , o u " d a M i s e r i c ó r d i a " — n ã o d e i x a v a m d e r e f o r ç c a r as
g r a n d e s f e s t i v i d a d e s d o c a l e n d á r i o da I g r e j a .
O s m ú s i c o s f o r m a v a m uma categoria p r o f i s s i o n a l bastante
f o r t e , e m p e n h a d a n u m a r o t i n a d e t r a b a l h o q u e r e s u l t a r á , na
d é c a d a d e 1780, na c r i a ç ã o da I r m a n d a d e d e Santa Cecília, v o l t a d a
p a r a o s p r o f e s s o r e s d e m ú s i c a . Seu o b j e t i v o era o r d e n a r a v i d a
d o s i r m ã o s e zelar p e l a sua v i d a p r o f i s s i o n a l ; dela n o s o c u p a r e m o s
oportunamente.
As confrarias d e Nossa Senhora d o Rosário e a d e São
B e n e d i t o dos H o m e n s Pretos, duas irmandades erectas
separadamente no século dezessete, juntaram-se numa só
e n t i d a d e , r e u n i n d o o n o m e d o s d o i s o r a g o s , a i n d a na v e l h a Sé
d e S ã o S e b a s t i ã o , para f o r t a l e c e r - s e d i a n t e d o s d e s e n t e n d i m e n t o s
c o m o c a b i d o . N o s é c u l o s e g u i n t e , e m t e r r e n o d o a d o , na rua da
V a l a , a I r m a n d a d e l e v a n t o u u m a c a p e l i n h a o n d e , e m 1739, v e m
a b r i g a r - s e a C a t e d r a l q u e t ã o m a l a a c o l h e r a q u a n d o na S ã o
Sebastião.
N u n c a h o u v e b o m e n t e n d i m e n t o e n t r e as duas partes, apesar
d e o c a b i d o p e r m a n e c e r s e t e n t a a n o s na i g r e j a d o s I r m ã o s " d o
R o s á r i o " q u e e l e s d e i x a r a m e m 1808. D e s t a c a - s e esta i r m a n d a d e
p e l a p o s i ç ã o a l t a n e i r a q u e t o m o u , e m 1746, d e f e n d e n d o p a r a o s
s e u s m ú s i c o s o d i r e i t o d e c a n t a r na i g r e j a — q u e era d e l e s — as
músicas p o r e l e s e s c o l h i d a s , contra a v o n t a d e d o m e s t r e - d e - c a p e l a
da Sé.
O a m b i e n t e musical d o Rio d e Janeiro, a o findar o s é c u l o
d e z o i t o , n ã o e r a p r o p r i a m e n t e i n e x p r e s s i v o , na m e d i d a c a b í v e l
a uma c i d a d e c o l o n i a l distante centenas d e q u i l ó m e t r o s d o s
g r a n d e s c e n t r o s d e cultura d a E u r o p a , e a i n d a s e p a r a d o s p o r u m
o c e a n o . O r q u e s t r a s f u n c i o n a v a m — a da C a t e d r a l e Sé — e o
i n c o n t á v e l n ú m e r o d e p e s s o a s f i l i a d a s às i r m a n d a d e s a s s u m i a m
c o m o r g u l h o e d i g n i d a d e a r e a l i z a ç ã o m u s i c a l , r e l e v a n t e na v i d a
dessas confrarias.
S u r p r e e n d e , p o r isso, a c o n s t a t a ç ã o d e n ã o ter s o b r e v i v i d o
q u a l q u e r v e s t í g i o d o q u e f o i p r o d u z i d o p e l o s p a r t i c i p a n t e s dessa

29
Cleofe Person de Mattos

r e a l i d a d e . ' 9 O e x t r a v i o da d o c u m e n t a ç ã o p e r t i n e n t e n ã o p e r m i t e
a v a l i a r o n í v e l d a m ú s i c a q u e se f a z i a na C a t e d r a l , n e m sua
c a t e g o r i a , n e m o s m e i o s s o n o r o s utilizados. Sabe-se, p o r e x e m p l o ,
q u e a " m u z i c a " f a z i a - s e e n t ã o c o m q u a t r o m e n i n o s e u m organista.
A p a r t i c i p a ç ã o d e t e n o r e s e b a i x o s seria e x c e p c i o n a l , e m o c a s i õ e s
s o l e n e s . D e s a c o m p a n h a d a s da d o c u m e n t a ç ã o musical teria f i c a d o
p e r d i d a a o p o r t u n i d a d e d e traçar u m a l i n h a d e c o n t i n u i d a d e na
p r o d u ç ã o — n ã o se ousa dizer l i n g u a g e m — d o s c o m p o s i t o r e s
q u e atuaram n o p e r í o d o , b e m c o m o n o r e p e r t ó r i o u t i l i z a d o p e l o s
m e s t r e s - d e - c a p e l a , as r a í z e s m u s i c a i s d o q u e r e p r e s e n t a r i a m o s
e l e m e n t o s tradicionais d e nossa música religiosa. José M a u r í c i o
t e r i a e n c o n t r a d o n o a r q u i v o da C a t e d r a l essas r a í z e s e e s s a s
t r a d i ç õ e s musicais, para c o n h e c ê - l a s e d e s e n v o l v ê - l a s . E n ã o u m a
página e m branco.

A criança e o jovem

P o u c o se s a b e a r e s p e i t o d o s p r i m e i r o s a n o s d e v i d a d e
J o s é M a u r í c i o . A rua da Vala, o n d e nasceu, situava-se " n o s c o n f i n s
da c i d a d e " n o c a m i n h o para o V a l o n g o , o tristemente c é l e b r e
m e r c a d o d e escravos. O canto d o s escravos o u v i d o p o r José
M a u r í c i o na i n f â n c i a n ã o m a r c o u sua m ú s i c a , p r o c e d i m e n t o
i n c o n c e b í v e l n o s p a d r õ e s s o c i a i s d a é p o c a . V i v e u até 1791 na
f r e g u e s i a da Sé.
U m a irmã d e Vitória Maria — d e n o m e i g n o r a d o —
c o m p l e t a v a o q u a d r o f a m i l i a r na m o d e s t a casa d e A p o l i n á r i o . A
partir d e 1773, q u a n d o d e s a p a r e c e u o c h e f e da f a m í l i a , a c r i a n ç a
f i c o u e n t r e g u e a o s c u i d a d o s d a s d u a s f i l h a s da e s c r a v a J o a n a
Gonçalves, que demonstram suficiente intuição ao encaminhá-
l o na d i r e ç ã o certa: p r o p o r c i o n a r - l h e aulas d e música e f a v o r e c e r -
l h e o d e s e n v o l v i m e n t o i n t e l e c t u a l . A tia d e s a p a r e c e u e m 1790. 20
A m ã e a c o m p a n h o u - o e c o m e l e m o r o u a t é m o r r e r , e m 1816.
Se f a l t a m d a d o s e s s e n c i a i s a c e r c a d o p r i m e i r o p e r í o d o d e
sua v i d a , o s c o n t e m p o r â n e o s d e J o s é M a u r í c i o q u e e s c r e v e r a m a
sua b i o g r a f i a — J a n u á r i o da C u n h a B a r b o s a e M a n u e l d e A r a ú j o
P o r t o - A l e g r e — d ã o a c o n h e c e r traços q u e lhe são peculiares.
P o r t o - A l e g r e , q u e d e f i n e as q u a l i d a d e s musicais c o m o u m a " f o r ç a
da n a t u r e z a " , e s c l a r e c e : " t i n h a b e l í s s i m a v o z e p r o d i g i o s a
memória musical"; "reproduzia tudo o que ouvia"; "improvisava
m e l o d i a s e t o c a v a c r a v o e v i o l a s e m n u n c a ter a p r e n d i d o " . 2 1

30
José Maurício Nunes Garcia biografia

" M e n i n o f r a n z i n o " , e s c r e v e J a n u á r i o da C u n h a B a r b o s a , 2 2 q u e
c o n f i r m a a p r e c o c i d a d e n a s d e m o n s t r a ç õ e s da e x c e p c i o n a l
m u s i c a l i d a d e d e José Maurício, e n ã o e s c o n d e o seu entusiasmo
p e l o s "múltiplos talentos" d o futuro compositor, q u e avultam
" m u i t o mais p o r o u t r o s m e r e c i m e n t o s q u e e l e s o u b e r a a d q u i r i r " .
Seria b e m criança q u a n d o c o m e ç o u a estudar música,
" o u v i n d o l i ç õ e s " d e Salvador José, " o p a r d o " . O n o m e d o profes-
s o r é o d o m ú s i c o m i n e i r o S a l v a d o r J o s é d e A l m e i d a e Faria, 2 3
c o n t e r r â n e o d e V i t ó r i a M a r i a e v e l h o a m i g o da f a m í l i a .
D e s c o n h e c i d a e m b o r a a sua f o r m a ç ã o m u s i c a l e n ã o c o n f i r m a d o
fosse compositor ele próprio, não se p o d e deixar de levar e m
c o n t a o ser natural d e c i d a d e v i z i n h a d e V i l a Rica, a v e l h a c a p i -
tal da p r o v í n c i a o n d e a c r i a ç ã o m u s i c a l a l c a n ç a r a n í v e l b a s t a n t e
alto. C a m i n h a m juntos na v i d a musical d o R i o d e J a n e i r o o m e s t r e
e o a l u n o : e m 1784 e s t ã o r e u n i d o s na f u n d a ç ã o da I r m a n d a d e d e
Santa C e c í l i a . Em 1791 S a l v a d o r J o s é é t e s t e m u n h a — e o f a z
c o m indiscutível c o n s i d e r a ç ã o — a r e s p e i t o das q u a l i d a d e s
m o r a i s , intelectuais e a c o n d i ç ã o familiar d o a n t i g o a l u n o , q u a n d o
e s t e d e c i d e entrar " e m o r d e n s " . S e m m e n o s p r e z a r a r e s e r v a d e
c o n h e c i m e n t o s d o prestigiado p r o f e s s o r q u e Januário da Cunha
B a r b o s a r e c o n h e c e e m 1830 p e s s o a " d e q u e m a i n d a h o j e t a n t o s
d i s c í p u l o s b e m a p r o v e i t a d o s se c o n t a m e n t r e o s n o s s o s m e l h o r e s
m ú s i c o s " , p o d e - s e a v a l i a r q u e as d i s p o s i ç õ e s m u s i c a i s d o a l u n o
n ã o t e r i a m t a r d a d o a e s g o t a r a c a p a c i d a d e d e ter a l g o d e n o v o
para ensinar-lhe. P o r t o - A l e g r e a isso faz r e f e r ê n c i a , a o e s c r e v e r
q u e e m b r e v e o p r o f e s s o r a c h o u - o e m c o n d i ç õ e s d e " p o r si s ó
p o d e r c o n t i n u a r o s e s t u d o s d e u m a arte q u e r e q u e r , a l é m d o s
d o n s naturais, u m a p r á t i c a n ã o i n t e r r o m p i d a " . 2 4

S a l v a d o r J o s é n ã o terá r e p r e s e n t a d o , p a r a J o s é M a u r í c i o ,
a p e n a s o p r o f e s s o r de "primeiras notas". Foi o m ú s i c o
f a m i l i a r i z a d o c o m as t r a d i ç õ e s m u s i c a i s n o p e r í o d o á u r e o d a
criação setecentista e m Minas Gerais, cujas bases teóricas e
práticas transferiu a o aluno b e m d o t a d o . A resposta a o s seus
e n s i n a m e n t o s e a e x p e r i ê n c i a d o dia-a-dia d e sua v i d a p r o f i s s i o n a l
t r a n s p a r e c e m c o m o o r i g e m da m i n e i r i d a d e — n o f u n d o , na f o r m a ,
n o c o n t e x t o — p r o j e t a d a nas m a i s antigas o b r a s d o j o v e m m ú s i c o .
Este n ã o tardará a e x t r a p o l a r o s e n s i n a m e n t o s r e c e b i d o s e m
termos de estrutura, de harmonias, instrumentação no
delineamento vocal tanto quanto nos elementos técnicos
p r e s e n t e s e m o b r a s da d é c a d a d e 1790: Sinfonia fúnebre (1790),
o u n a s Matinas do Natal ( 1 7 9 9 ) , q u e r e v e l a m a s p e c t o s n o v o s , e
a i m a g e m d e outra p e r s o n a l i d a d e artística.

I n d e p e n d e n t e das aulas d e S a l v a d o r José, e e v e n t u a i s


mentores, José Maurício não abdicaria de outros m e i o s de

31
Cleofe Person de Mattos

d e s e n v o l v e r suas q u a l i d a d e s m u s i c a i s na p a r t i c i p a ç ã o — q u e se
p o d e julgar óbvia — e m um conjunto coral, e m b o r a n ã o f i q u e
c l a r o f o s s e e s s e c o r o o da Catedral e Sé o n d e c a n t a v a m o s a l u n o s
d o S e m i n á r i o S ã o J o a q u i m . 2 5 F u n c i o n a n d o nas v i z i n h a n ç a s d e
sua c a s a , e f o r m a d o p o r v o z e s i n f a n t i s — m e n i n o s c a n t o r e s —
para s o p r a n o s e contraltos, c o m p l e m e n t a d a s p o r v o z e s adultas
d e t e n o r e s e b a i x o s , o c o r o da Sé n ã o d e i x a r i a d e e s t i m u l a r n o
m e n i n o p o b r e q u e nascera músico o d e s e j o d e participar desse
m u n d o encantado.
O s alunos d o seminário aprendiam "solfa", canto gregoriano
e l a t i m , d o n d e se v ê q u e n ã o s o m e n t e as q u a l i d a d e s m u s i c a i s
eram beneficiadas nesses estudos. A f o r m a ç ã o intelectual
d e s e n v o l v i a - s e c o m os estudos que o futuro mostrará
c o m p e n s a d o r e s p a r a sua v i d a , e s t i m u l a n d o n o i n t e l e c t u a l q u e
era p o r í n d o l e o j o v e m m ú s i c o , a c a p a c i t a ç ã o m a i o r p a r a s e n t i r e
c o m p r e e n d e r a beleza d o canto litúrgico e o sentido p r o f u n d o
d o texto, d e s e n v o l v e n d o n o futuro mestre-de-capela o interesse
p e l a m ú s i c a r e l i g i o s a a partir da f a m i l i a r i d a d e c o m o
c o n h e c i m e n t o d o latim.
A p a r t i c i p a ç ã o d e J o s é M a u r í c i o na estrutura d a C a t e d r a l e
Sé d o R i o d e J a n e i r o , n ã o c o m p r o v a d a até e n t ã o , n ã o tardará a
confirmar-se.
É f o r ç o s o r e c o n h e c e r , p o r é m , q u e se a l i n g u a g e m d o a l u n o
de Salvador José p ô d e expressar-se além d o que caracterizava a
m ú s i c a d o s m i n e i r o s , e s s e r e s u l t a d o n ã o teria s i d o a l c a n ç a d o
a p e n a s c o m o passar d o t e m p o , n e m d o e s p o n t â n e o d e s a b r o c h a r
d e sua s u p e r i o r p e r s o n a l i d a d e m u s i c a l . N o v a s c o n d i ç õ e s d e
t r a b a l h o p r o p i c i a n d o v i v ê n c i a c o m literatura musical mais
atualizada, mas s o b r e t u d o a transformação d o m e i o musical a p ó s
a chegada d o príncipe regente de Portugal a o Rio d e Janeiro, e m
1808, c o n t r i b u í r a m p a r a i s s o . S e m d e i x a r d e l e v a r e m c o n t a , e m
p r i m e i r o lugar, o s e u t a l e n t o m u s i c a l .

Chegou José Maurício à juventude c o m novas aptidões


d e s e n v o l v i d a s na p r á t i c a m u s i c a l , q u e l h e s e r v i r a m d e
p e r s p e c t i v a s para o futuro. I n f o r m a m os c o n t e m p o r â n e o s q u e
e l e jamais possuiu p i a n o o u c r a v o ; seu a d e s t r a m e n t o nesses
i n s t r u m e n t o s teria s i d o a l c a n ç a d o n o d i a - a - d i a d e p r o f e s s o r .
E n s i n a n d o m ú s i c a e c r a v o a s e n h o r a s d a s o c i e d a d e , e m suas
residências, José Maurício encontraria o p o r t u n i d a d e d e exercitar-
se n e s s e s i n s t r u m e n t o s , a o e s t u d a r " c o m a f i n c o ó r g ã o , c r a v o e
v i o l a " , i n s t r u m e n t o s q u e l h e s e r i a m ú t e i s na p a r t i c i p a ç ã o e m
grupos d e igreja, e, q u e m sabe, t a m b é m e m teatros da c i d a d e . O
p o n t o d e p a r t i d a seria s e m p r e a sua e x t r a o r d i n á r i a i n t u i ç ã o m u -

32
José Maurício Nunes Garcia biografia

sical, p o r q u a n t o e l e s f o r a m d o m i n a d o s s e m o a u x í l i o d e q u a l q u e r
professor.
N o a p r e n d i z a d o d o ó r g ã o , instrumento d e e x e c u ç ã o mais
c o m p l e x a e i n i c i a ç ã o m a i s tardia, n ã o teria e n c o n t r a d o J o s é
M a u r í c i o d i f i c u l d a d e s para v a l e r - s e d o e x e m p l o — t a l v e z ainda
m a i s : a s s i s t ê n c i a — d o s b o n s i n s t r u m e n t i s t a s da c i d a d e . 2 6 Estes
e r a m n u m e r o s o s e a t u a v a m n ã o s ó nas i r m a n d a d e s e o r d e n s
terceiras; havia n o s c o n v e n t o s m ú s i c o s g a b a r i t a d o s q u e p o d e r i a m
assistir a o j o v e m m ú s i c o na i n i c i a ç ã o a o i n s t r u m e n t o para o q u a l
J o s é M a u r í c i o era i m p e l i d o p o r u m a a t r a ç ã o c o m p r e e n s í v e l e
e s s e n c i a l à p r á t i c a da m ú s i c a r e l i g i o s a . N a v e r d a d e , n ã o l h e
faltaria c o n d i c i o n a m e n t o q u e s ó p o d e r i a f a v o r e c e r , e m a ç ã o
r e c í p r o c a , o d e s e n v o l v i m e n t o d e sua p e r s o n a l i d a d e d e c o m p o s i -
tor.

Se J o s é M a u r í c i o t o r n o u - s e o r g a n i s t a r e s p e i t a d o , v a l e m o s
l o u v o r e s a o s s e u s d o n s d e i m p r o v i s a d o r — r e f l e x o d e sua
imaginação criadora — que muito impressionaram os
c o n t e m p o r â n e o s nos m o m e n t o s , q u e n ã o seriam raros, de
e x p a n d i - l a . N e n h u m a o b r a escrita p a r a ó r g ã o f o i c o n s e r v a d a . O s
t r e c h o s q u e s o b r e v i v e r a m l i m i t a m - s e às p a r t e s e m b a i x o c i f r a d o ,
p a r c i a l m e n t e r e a l i z a d a s nas c o m p o s i ç õ e s e m q u e era i n s t r u m e n t o
obbligato.
A f o r m a ç ã o intelectual de José Maurício a c o m p a n h o u ,
p a r a l e l a m e n t e , sua f o r m a ç ã o m u s i c a l , c o m p r o f e s s o r e s q u e
m a n t i n h a m i n c l u s i v e aulas r é g i a s d e história e g e o g r a f i a . M a i s
para o f i m d o século, a entrada e m cena d e d o i s p r o f e s s o r e s —
A g o s t i n h o C o r r ê a da Silva G o u l ã o , 2 7 p r o f e s s o r d e f i l o s o f i a r a c i o n a l
e m o r a l , e p a d r e Elias, m e s t r e p ú b l i c o d e g r a m á t i c a latina —
viriam trazer a José Maurício a o p o r t u n i d a d e d e c o m p l e m e n t a r
sua integral f o r m a ç ã o humanística. Estudos q u e atrairiam o j o v e m
m ú s i c o c o m o u m a n e c e s s i d a d e d e sua b r i l h a n t e i n t e l i g ê n c i a o u ,
t a l v e z , c o m o e s t u d o s i n d i s p e n s á v e i s à carreira já e n t r e v i s t a . A p ó s
três a n o s d e e n s i n o , a m b o s m a n i f e s t a m a d m i r a ç ã o p e l o d i s c í p u l o
m a l s a í d o d a a d o l e s c ê n c i a . P a d r e Elias c o n s i d e r o u - o a p t o a
ensinar a disciplina. A mesma atitude é adotada p e l o p r o f e s s o r
d e f i l o s o f i a , m e s t r e G o u l ã o , q u e o c o n v i d o u para ser seu
s u b s t i t u t o . E m a m b o s o s c a s o s v i u - s e J o s é M a u r í c i o na
c o n t i n g ê n c i a d e resignar a o c o n v i t e , p o r ter a v i d a p r o f i s s i o n a l
v o l t a d a para as a t i v i d a d e s musicais.

N o m e s m o p e r í o d o aplicava-se José Maurício a estudos de


retórica, o q u e Salvador José t a m b é m confirma. Explica-se,
p o r t a n t o , f o s s e a p o n t a d o c o m o " O r a d o r " p e l o d e ã o d a Sé, n o
p r o c e s s o de genere. Estudo q u e se verifica de insuspeitada
s i g n i f i c a ç ã o na p e r s o n a l i d a d e d o m ú s i c o , q u e v o l t a r á a estudá-la

33
Cleofe Person de Mattos

a o s 35 a n o s , e n t r e 1802 e 1804, já m e s t r e - d e - c a p e l a d a Sé, c o m o


m e s m o p r o f e s s o r : o m i n e i r o Silva A l v a r e n g a .
A m p l i a d a sua c a p a c i d a d e p r o f i s s i o n a l na e x e c u ç ã o d e v á r i o s
i n s t r u m e n t o s a l é m d e u t i l i z á - l a , c o m o c a n t o r já d e v o z a d u l t a
para garantir as d e s p e s a s c o m a família, c e r t a m e n t e n ã o se
l i m i t a r i a às a u l a s p a r t i c u l a r e s , às i g r e j a s e a o s s a l õ e s a a t u a ç ã o
d o j o v e m m ú s i c o na c i d a d e . N ã o d e v e s e r a f a s t a d a a sua
p a r t i c i p a ç ã o nas orquestras d o R i o d e Janeiro, s e m e x c l u i r o T e a t r o
d e M a n u e l Luís. N e m se p o d e d e i x a r d e admitir nessa p e r s p e c t i v a
o v í n c u l o c o m o " t e a t r i n h o d e a m a d o r e s " da rua d o P a s s e i o .
E m 1779 — a o s d o z e a n o s , p o r t a n t o — é s i g n i f i c a t i v o sa-
ber q u e José Maurício assume c o m o professor d e música. A
i n f o r m a ç ã o parte d o p r ó p r i o aluno — B o n i f á c i o G o n ç a l v e s — e
v e m transcrita n o p r o c e s s o de genere: "a r a z ã o d e c o n h e c e r o
h a b i l i t a n d o h è p o r p r i n c i p i a r há d o z e a n o s a a p r e n d e r M u z i c a ,
d e o n d e h o u v e d e l e c o n h e c i m e n t o " . A s s i m f i c a m e x p l i c a d a s as
p a l a v r a s d e Januário da Cunha Barbosa, n o N e c r o l ó g i o , a o r e f e r i r -
s e à " d e c i d i d a e x c e l ê n c i a da p r o f i s s ã o q u e d e s d e m e n i n o
abraçara".
Personalidade b e m dotada e tecnicamente b e m apoiada nos
e s t u d o s e na prática da m ú s i c a , c o m p r o v a - s e d e s d e o s p r i m e i r o s
a n o s da d é c a d a d e 1780 q u e J o s é M a u r í c i o e s t a v a p r e p a r a d o para
c o m p o r . N a v e r d a d e , s e u s 16 a n o s c o i n c i d e m c o m a p r i m e i r a
m a n i f e s t a ç ã o n o t e r r e n o d a c r i a ç ã o m u s i c a l . Era o s i n a l
s i g n i f i c a t i v o d e sua o p ç ã o p a r a a v i d a : ser m ú s i c o . Sua p r i m e i r a
obra f o i c o m p o s t a o i t o anos antes d e tornar-se padre: a antífona
Tota pulchra es Maria, e m 1783- 28
O u t r o s i n a l d e c i s i v o n ã o t a r d a : e m 1784, a c r i a ç ã o da
I r m a n d a d e d e Santa C e c í l i a e n r i q u e c e u a v i d a musical da c i d a d e ,
c o n f e r i n d o categoria à numerosa classe musical. José Maurício
a s s i n o u , c o m o f u n d a d o r , a ata da c o n f r a r i a d o s p r o f e s s o r e s d e
m ú s i c a . 2 9 Estava c o n s a g r a d o o f i c i a l m e n t e p r o f e s s o r d e m ú s i c a .
T i n h a 17 a n o s .
Ó r g ã o regulador da vida profissional d o s músicos s o b a
i n v o c a ç ã o d a P a d r o e i r a da M ú s i c a , sua c r i a ç ã o r e p r e s e n t a o
r e c o n h e c i m e n t o s o c i a l da i m p o r t â n c i a d e u m a c l a s s e n u m e r o s a
q u e abrangia cantores, instrumentistas, d i r e t o r e s d e música,
copistas e c o m p o s i t o r e s numa c i d a d e o n d e a música fazia-se
s e m p r e p r e s e n t e nas c o m e m o r a ç õ e s o f i c i a i s . C a b e r á à I r m a n d a d e
d e Santa C e c í l i a , a partir d e 1784, z e l a r p e l a i n f r a - e s t r u t u r a m u -
sical da c i d a d e , o s p r o f e s s o r e s d e m ú s i c a , s e u p r e p a r o
profissional, e controlá-los.
A I r m a n d a d e p r o m o v i a e x a m e s para o s q u e d e s e j a v a m
h a b i l i t a r - s e na p r o f i s s ã o . " E x a m e s d i f í c e i s " , e s c r e v e r á m a i s t a r d e

34
José Maurício Nunes Garcia biografia

m o n s e n h o r Pizarro (José d e Souza A z e v e d o Pizarro e Araújo —


1753/1830 — a u t o r d a s Memórias históricas do Rio de Janeiro),
h i s t o r i a d o r e c ó n e g o da Catedral e Sé. E x i g i a - s e d e seus m e m b r o s
fossem pessoas "de bons costumes". A filiação de José Maurício
à I r m a n d a d e é c o e r e n t e c o m o p e r f i l d e sua p e s s o a : p r o f e s s o r
d e s d e 1779, c o m p o s i t o r d e s d e 1783, o s " b o n s c o s t u m e s " d o j o v e m
m ú s i c o s e r ã o c o n f i r m a d o s e m 1791 nas d e c l a r a ç õ e s d a s
t e s t e m u n h a s d o p r o c e s s o de genere.
O c o m p r o m i s s o d a I r m a n d a d e d e Santa C e c í l i a a l c a n ç o u
c o n f i r m a ç ã o d a rainha D . M a r i a I e m 1786. I m p u n h a d i r e t r i z e s
de trabalho, de ganho, deveres e direitos. O s irmãos eram
p r o f e s s o r e s d e m ú s i c a e e n t r e as o b r i g a ç õ e s q u e l h e s e r a m
i m p o s t a s f i g u r a v a m a a n u i d a d e e o r e s p e i t o às d e t e r m i n a ç õ e s d o
s e u e s t a t u t o . O s 33 p r o f e s s o r e s q u e a s s i n a m o c o m p r o m i s s o n ã o
e s g o t a r i a m , p o r c e r t o , o n ú m e r o d e m ú s i c o s e m e x e r c í c i o na
cidade, m e s m o excluída a categoria d e religiosos seculares, ou
das o r d e n s terceiras. Vários dentre eles estarão l i g a d o s à v i d a
particular d e José Maurício c o m o pessoas q u e mais tarde a e l e
estarão reunidas nos conjuntos d e igreja, c o p i a n d o a música ou
e x e c u t a n d o a o b r a d o m a i s j o v e m d o s s i g n a t á r i o s d e 1784.
T a m b é m os futuros padrinhos d o s filhos de que José Maurício
será p a i a partir d e 1806 aí se e n c o n t r a m : J o s é Batista L i s b o a , 3 0
José d o Carmo Torres Vedras e ( p o s s i v e l m e n t e ) Francisco A n t ô n i o
d a S i l v a . A i n d a a s s i n a m o c o m p r o m i s s o o Dr. V i t ó r i o M a r i a
G e r a l d o , Luís d e Souza Rangel e J o s é d e Faria Barros, p r o p r i e t á r i o s
d e manuscritos e copistas d e obras mauricianas mais recuadas.

O ter d e s t i n a d o à C a t e d r a l e Sé a sua p r i m e i r a c o m p o s i ç ã o
r e v e l a t r â n s i t o f á c i l e p o r c e r t o útil c o m o m e s t r e - d e - c a p e l a d a
Sé, c ó n e g o J o ã o L o p e s Ferreira, 3 1 já i d o s o e c a r r e g a n d o m u i t o s
a n o s d e s a c e r d ó c i o . O j o v e m m ú s i c o , c o m p o s i t o r d e s d e 1783,
a g o r a c o n s a g r a d o p r o f e s s o r p e l a I r m a n d a d e d e Santa C e c í l i a , t e m
aS c o n d i ç õ e s d e p r e s t a r a s s i s t ê n c i a c o n t í n u a e s e m d ú v i d a
p r o v e i t o s a a o m e s t r e - d e - c a p e l a a q u e m iria s u c e d e r n o m e s t r a d o .
A o assinar a ata da c r i a ç ã o da I r m a n d a d e d e Santa C e c í l i a ,
José M a u r í c i o reunia o seu n o m e a o d o seu p r o f e s s o r Salvador
J o s é d e A l m e i d a e Faria e a o d e s e u a l u n o B o n i f á c i o G o n ç a l v e s .
( V i d e , à f a l t a d e f o t o g r a f i a , a assinatura d o s e u m e s t r e . ) 3 2

35
Cleofe Person de Mattos

J o s é M a u r í c i o atingiu m o m e n t o d e c i s i v o na d é c a d a d e 1780.
M e s m o p r e p a r a n d o - s e para a v i d a r e l i g i o s a , e e s t u d a n d o c o m
a f i n c o as disciplinas necessárias para o s e x a m e s q u e d e v e r i a
prestar, a criação musical n ã o f o i interrompida. A s u p o s i ç ã o de
q u e s e r i a m o b r a s c o m p o s t a s para a Sé — o r e g i s t r o n o c a t á l o g o
d e J. J. M a c i e l n ã o d e i x a d ú v i d a a r e s p e i t o — a l i m e n t a o u t r a :
estaria c o l a b o r a n d o c o m o c ó n e g o L o p e s F e r r e i r a n ã o s ó n o
p r e p a r o d o repertório ( e n o curso d e música), c o m o estimula a
i d é i a d a p a r t i c i p a ç ã o d e J o s é M a u r í c i o na r o t i n a d a s m ú s i c a s
c a n t a d a s na C a t e d r a l e Sé c o m o b r a s d e sua a u t o r i a . O c a t á l o g o
d e J o a q u i m José Maciel registra algumas p o u c a s músicas
c o m p o s t a s d e p o i s d e 1783, data da Tota pulchra.

Ladainha d e Nossa Senhora a 4 v o z e s e ó r g ã o , c o m p o s t a


n o a n o 1788
Dois hinos a cappella:
"O Redemptor Sume Carmen, H i n o p a r a a P r o c i s s ã o da
S a g r a ç ã o d o s S a n t o s Ó l e o s , a 4 v o z e s s o m e n t e . " 1789
"Pange Língua - p a r a a P r o c i s ã o d o SSm° S a c r a m e n t o d e 5 a
feira maior". ( 1 7 8 9 )

N ã o seria m u i t o , n e m as m a i s i m p o r t a n t e s r e a l i z a ç õ e s d o s
a n o s 80. S ã o a p e n a s a q u e l a s c u j o r e g i s t r o s o b r e v i v e u , e c o m
data assinalada. A n t e s d e terminar a d é c a d a , J o s é M a u r í c i o
c o n s e g u i u m a r c a r u m p o n t o a l t o e m sua b a g a g e m d e c o m p o s i t o r
c o m a p r o d u ç ã o d e o b r a s a cappella p a r a S e m a n a Santa.
P e ç a s q u e c h e g a r a m aos nossos dias e m c ó p i a s precárias,
q u a s e t o d a s s e m n o m e d e a u t o r e s e m d a t a , é l o n g a a h i s t ó r i a da

36
José Maurício Nunes Garcia biografia

i d e n t i f i c a ç ã o d e s s a s p e ç a s — o q u e será c o m p l e t a d o e m nota 3 5
— p e r m i t i n d o a s s e g u r a r a autoria d e J o s é M a u r í c i o , e a data
aplicada a essas obras.
O a n o n i m a t o afeta, entre outros, os manuscritos d o s
Bradados de 6a fr° maior, d o c u m e n t o q u e , a l é m da " P a i x ã o "
( B r a d a d o s ) q u e dá t í t u l o a t o d o o c o n j u n t o d e o b r a s , i n c l u i o s
m o t e t o s d o d i a : Popule meus, Crux fidelis, Vexilla regis, Heú, e
Sepulto Domino. O anonimato do documento desfez-se ao
e n c o n t r o d a c ó p i a a v u l s a d o Popule meus e d o Domine Deus e
d o Vexilla regis c o m a autoria d e v i d a , m e d i d a s u f i c i e n t e p a r a
i d e n t i f i c a r t o d a a s é r i e , l i g a d a e n t r e si p e l o e s t i l o , p e l a l i t u r g i a e
p e l a s e q u ê n c i a d o t e x t o . S e m data, p o r é m . Esta v e m l a n ç a d a e m
o u t r o d o c u m e n t o s e m n o m e d e autor, f o l h a a v u l s a , p a r t i t u r a d a ,
c o m as q u a t r o v o z e s n o s d o i s ú l t i m o s m o t e t o s d o s Bradados .
P r o d u ç ã o v a l i o s a , f o i d i t o . M a s n ã o se d e v e e s p e r a r d e s s a s
p e ç a s a cappella uma réplica dos p a d r õ e s d o m o t e t o p o l i f ô n i c o
q u e um c o m p o s i t o r d o s é c u l o d e z o i t o utilizaria d e n t r o da
l i n g u a g e m p a d r ã o d e sua é p o c a . O e s t i l o é h a r m ó n i c o : a c o r d e s
o u h a r m o n i a s q u e d e f i n e m a t o n a l i d a d e , n ã o mais a m o d a l i d a d e .
S ã o o b r a s q u e , u t i l i z a n d o o s t e x t o s da S e m a n a Santa, i n t e r p r e t a -
o s c o m s i m p l i c i d a d e , mas v i v e - o s à l u z d o d r a m a t i s m o d e sua
p e r s o n a l i d a d e m u s i c a l . O c o n t r a p o n t o c o m o d i s c i p l i n a teria
f a l t a d o na f o r m a ç ã o d o s c o m p o s i t o r e s b r a s i l e i r o s . A s s i m c o m o
f a l t a r i a , t a m b é m , a r e a l i d a d e prática, o g r u p o v o c a l d e a l t o n í v e l
q u e a g r a n d e vida musical p r o p o r c i o n a .
A última d é c a d a d o século, auspiciosamente inaugurada,
r e p r e s e n t a i g u a l m e n t e o f u t u r o m e s t r e - d e - c a p e l a às v é s p e r a s d e
g r a n d e s a c o n t e c i m e n t o s e m sua v i d a . A o s 22 a n o s , a c r i a ç ã o d a s
p e ç a s a cappella a q u e acabamos d e dar atenção, impressionam
talvez m e n o s a cidade colonial d o q u e a c o m p o s i ç ã o d e uma
o b r a p u r a m e n t e i n s t r u m e n t a l : a Sinfonia fúnebre* O interesse
d a p e ç a , r e u n i n d o n a i p e s i n s t r u m e n t a i s o r g a n i z a d o s na
c o m p o s i ç ã o d e uma obra d e caráter e s p e c í f i c o , a m p l i o u m u i t o
seu p r e s t í g i o d e c o m p o s i t o r . N e s t e m o m e n t o a d i v e r s i f i c a ç ã o d o
r e p e r t ó r i o n ã o seria m u i t o g r a n d e , e a i m p o r t â n c i a e m t o r n o d o
q u e se f a z i a na C a t e d r a l o u a o s e u r e d o r era o p a d r ã o m a i o r ,
m a i s s i g n i f i c a t i v o da m ú s i c a na c o l ó n i a .

37
Cleofe Person de Mattos

A ordenação

D e s p o n t a , a o i n i c i a r - s e o a n o 1791 — 5 d e j a n e i r o — o
p r i m e i r o sinal e m d i r e ç ã o a o m a r c o d e c i s i v o e m sua b i o g r a f i a : a
e s c o l h a da carreira. O j o v e m c o m p o s i t o r , d e c i d i d o a fazer-se
s a c e r d o t e , d i r i g e - s e a o j u i z de genere s o l i c i t a n d o seja f e i t a a sua
h a b i l i t a ç ã o . C o n f i r m a d a esta — a p ó s i n q u i r i ç õ e s r e a l i z a d a s e m
M i n a s G e r a i s e n o R i o d e J a n e i r o — estará J o s é M a u r í c i o e m
c o n d i ç õ e s d e p r e s t a r o s e x a m e s s i n o d a i s , n o s três a t o s f i n a i s d e
sua p r e p a r a ç ã o a o s a c e r d ó c i o .
É i n d i s p e n s á v e l c o n s i d e r a r as c i r c u n s t â n c i a s v i t a i s da
p e r s o n a l i d a d e d e José Maurício para ajuizar das r a z õ e s q u e o
t e r i a m l e v a d o , c o m tanta a n t e c e d ê n c i a , a p r e p a r a r - s e nas
disciplinas e m q u e d e v e r i a prestar esses e x a m e s antes d e tomar
a decisão. N o m o m e n t o d e manifestar oficialmente o d e s e j o de
" t o m a r estado", o u "entrar e m o r d e n s " , José Maurício — de
a c e n t u a d a f o r m a ç ã o r e l i g i o s a — já se r e v e l a r a c o m p o s i t o r , a l é m
d e p r o f e s s o r d e m ú s i c a . Já era u m p r o f i s s i o n a l . A e s c o l h a da
carreira, a p o n t a d a c o m o r e f ú g i o para alcançar status c o m p e n s a d o r
à sua c o n d i ç ã o d e m e s t i ç o , e p o b r e , p a r e c e refletir, na r e a l i d a d e ,
atitude bastante positiva a o revelar o e m p e n h o q u e o movia:
r e a l i z a r sua p e r s o n a l i d a d e n o c a m p o da música. 3 5
Para J o s é M a u r í c i o , e x - m e n i n o d e c o r o , f a m i l i a r i z a d o e m
latim tanto q u a n t o n o r e p e r t ó r i o e n o s ritos das c e r i m ó n i a s
r e l i g i o s a s , e q u e d e s d e 16 a n o s c o m p u n h a , o i n g r e s s o a o s 25
a n o s na c a r r e i r a q u e s a t i s f a z i a v á r i o s a s p e c t o s d e sua rica
p e r s o n a l i d a d e , a m p l i a n d o sua mui l o u v a d a i n s t r u ç ã o , f a c i l i t a v a
suas a s p i r a ç õ e s mais p r o f u n d a s . Essa e s c o l h a tem s e n t i d o bastante
c l a r o : era a p o r t a aberta p a r a o c o m p o s i t o r , a o p o r t u n i d a d e q u e
se o f e r e c i a a o r e g e n t e ; e r a , e n f i m , o p r i m e i r o p a s s o e m d i r e ç ã o
a o m e s t r a d o na C a t e d r a l e Sé, à q u a l e s t a v a t ã o p r o f u n d a m e n t e
l i g a d o a o m ú s i c o e, também, a o o r a d o r sacro.
N o r e q u e r i m e n t o a o j u i z de genere, José Maurício e x p õ e
c o m c l a r e z a as r a z õ e s d e sua e s c o l h a : o d e s e j o d e i n g r e s s a r na
v i d a r e l i g i o s a a c o m p a n h o u - o s e m p r e , e para i s s o o r i e n t o u s e u s
e s t u d o s . S i g n i f i c a , e m s u m a , q u e a i n t e n ç ã o d e entrar e m o r d e n s
fora l o n g a m e n t e preparada:36

" D i z J o z ê M a u r i c i o N u n e s G a r c i a , natural e b a t i z a d o na
C a t h e d r a l desta C i d a d e , f i l h o L e g i t i m o d e A p p o l i n a r i o N u n e s
G a r c i a , P a r d o L i b e r t o , natural, e b a t i z a d o na F r e g u e z i a d e
N . S ra . d a A j u d a da Ilha d o G o v e r n a d o r ; e d e sua m o l h e r
V i c t o r i a Maria da C r u z , p a r d a Liberta, b a p t i z a d a na C a p e l l a

38
José Maurício Nunes Garcia biografia

d e S. G o n s a l o d o M o n t e f i l i a l da F r e g u a . d e N . S ra . d e
Nazareth d o Bispado d e Marianna; que elle tem s u m m o
d e s e j o d e s e g u i r a v i d a e c l e s i á s t i c a ; e p a e s s e f i m se t e m
a p p l i c a d o á A r t e d a M u z i c a , à L i n g o a Latina e á R h e t o r i c a ,
c o m o intento deservir a D e o s no m e s m o estado: e p o r q u e
p a r a o c o n s e g u i r l h e h é n e c e s s á r i o f a z e r a sua h a b i l i t a ç ã o =
d e g e n e r e = e s ó e s p e r a ser a d m i t t i d o p o r V . E x a . R ma .
P e d e a V . E x a R ma . seja s e r v i d o a d m i t t i r o S u p p ° .
a f a z e r sua i n q u i r i ç ã o , nas o r i g e n s d e s e o s
a s c e n d e n t e s , para p o d e r c o n s e g u i r o e s t a d o , q u e
pertende.
E.R.M."

Entre o p e d i d o d e h a b i l i t a ç ã o e a r e a l i z a ç ã o d o s e x a m e s
i n t e r p u n h a - s e a c o m p r o v a ç ã o d o s s e n t i m e n t o s c a t ó l i c o s d o s seus
a s c e n d e n t e s . N o c a s o d e J o s é M a u r í c i o f o i l o n g o o p e r í o d o — 25
d e j a n e i r o a 25 d e j u n h o d e 1791 — m a s p e r m i t i u r e c o n h e c e r ,
tanto d o lado paterno c o m o d o materno, a f é católica q u e havia
l e v a d o a o batismo duas a v ó s escravas.
Já f o i v e n t i l a d o n o c a p í t u l o R a í z e s , o l o n g o p r o c e s s o de
genere d e s e n v o l v i d o e m Minas Gerais e n o Rio d e Janeiro, de
a c o r d o c o m a naturalidade d e cada uma das a v ó s d e José
M a u r í c i o . A s i n q u i r i ç õ e s na c i d a d e natal d o h a b i l i t a n d o centraram-
s e , n a t u r a l m e n t e , nas p e s s o a s m a i s p r ó x i m a s : s e u s p a i s . M a s é
s o b r e t u d o o p r ó p r i o J o s é M a u r í c i o — sua f o r m a ç ã o , s u a s
tendências, seus estudos — o assunto mais e m f o c o . A o l o n g o
d o p r o c e s s o ressalta c o m n i t i d e z a f i g u r a da c r i a n ç a q u e s e m p r e
viveu e m "bons costumes", d o adolescente "morigerado" que
e n s i n a v a música. E v i d e n c i o u - s e a estima d e q u a n t o s o c o n h e c i a m
e sobre ele prestaram d e p o i m e n t o . Inclusive autoridades
eclesiásticas.

A o contrário das testemunhas de São G o n ç a l o d o Monte,


as q u e f o r a m c o n v o c a d a s n o R i o d e J a n e i r o p a r a p r e s t a r
i n f o r m a ç õ e s s o b r e José Maurício e seus pais eram p e s s o a s
q u a l i f i c a d a s : 3 7 u m o f i c i a l da A l f â n d e g a , u m c a p e l ã o c a n t o r , o
p o r t e i r o real da F a z e n d a , v á r i o s s a c e r d o t e s , e a i n d a s e u p r i m e i r o
p r o f e s s o r d e música — S a l v a d o r J o s é d e A l m e i d a e Faria — assim
c o m o B o n i f á c i o G o n ç a l v e s , a l u n o s e u a o f i n d a r o s a n o s 70. M a i s
tocante é o testemunho d e A n t ô n i o Francisco Barbosa. C o n h e c e u
A p o l i n á r i o e t a m b é m V i t ó r i a Maria " d e s d e q u e c h e g o u d e sua
Pátria". I n d a g a d o d e possível "infâmia ou p e n a vil", r e s p o n d e u :
" n ã o seria c a p a z d i s s o , p o r ser d e b o a c o n d u t a e b o n s c o s t u m e s " .
E r a m p e s s o a s q u e o c o n h e c i a m " d e s d e s e m p r e " , o u "há m a i s d e
d e z anos", ou vinte, ou a seus pais "ainda s e n d o solteiros" c o m o

39
Cleofe Person de Mattos

Salvador José, antes d o nascimento d o f i l h o . São a c o r d e s todas


as r e f e r ê n c i a s à p e r s o n a l i d a d e d o j o v e m e à sua " b o a i n c l i n a ç ã o " ,
v i v e n d o e m c o m p a n h i a d a m ã e e " s u j e i t o à sua d o u t r i n a e
o b e d i ê n c i a " . Tal é o retrato traçado p e l a s p e s s o a s q u e c o m e l e
c o n v i v e r a m — e c o m seus pais — e m palavras q u e d i z e m r e s p e i t o ,
n ã o à sua i n t e l i g ê n c i a o u m u s i c a l i d a d e , m a s à p e s s o a d o f u t u r o
s a c e r d o t e . Mais d o q u e i n f o r m a ç õ e s b i o g r á f i c a s , s ã o d e p o i m e n t o s
q u e caracterizam a f o r m a ç ã o moral d o adolescente estudioso que
v i v i a n o R i o d e J a n e i r o e o j o v e m d e 24 a n o s às v é s p e r a s d e
v e s t i r a batina d e s a c e r d o t e .
B o n i f á c i o G o n ç a l v e s adianta q u e J o s é M a u r í c i o " s e m p r e
m o s t r o u m u i t a r e l i g i o s i d a d e , a i n d a na i d a d e da p u e r í c i a " . S a l v a -
d o r José, mais l i g a d o à família, e n t r e a b r e u m p o u c o mais a cortina
a l u d i n d o aos estudos d e "Música, Filosofia e Retórica" e informa
q u e A p o l i n á r i o N u n e s G a r c i a v i v i a d o s e u o f í c i o d e alfaiate. " C o m
b o m c r é d i t o " , acrescenta a testemunha A n t ô n i o Francisco Barbosa.
O d e p o i m e n t o das testemunhas não alcançava, p o r é m , o
l i m i t e das e x i g ê n c i a s d o p r o c e s s o d e h a b i l i t a ç ã o . Erguia-se d i a n t e
d e J o s é M a u r í c i o outra d i f i c u l d a d e a ser v e n c i d a , o u j u s t i f i c a d a :
o p r o b l e m a da r a ç a , o l h a d o c o m o d e f e i t o p a r a o s f u t u r o s
sacerdotes. Razão por que, ao m e s m o t e m p o q u e formaliza em
o f í c i o o s e u d e s e j o d e i n g r e s s a r na v i d a r e l i g i o s a , J o s é M a u r í c i o
q u e qualifica d e " i r r e g u l a r i d a d e " o d e f e i t o d e cor, d i r i g e - s e a o
bispo, solicitando a indispensável licença "justificativa" desse
" d e f e i t o " , s e m a qual n ã o lograria habilitar-se.
O a s s u n t o dá m a r g e m a i m p r e s s i o n a n t e e p i s ó d i o d e sua
b i o g r a f i a , a p a r t i r da p e t i ç ã o d i r i g i d a a o b i s p o . N o d o c u m e n t o ,
J o s é M a u r í c i o c h e g a a assumir uma atitude d e d e s a f i o ,
desencadeada num m o m e n t o d e altivez p e l o "filho d e pretos",
r e p r e s e n t a n t e d e raça s o c i a l m e n t e m e n o s p r e z a d a , q u e e l e
c o n t r a p õ e à sua c o n d i ç ã o i n t e l e c t u a l a l c a n ç a d a e m e s t u d o s
p e r s e v e r a n t e s e d e a l t o n í v e l , à sua p r e p a r a ç ã o e m m ú s i c a e a o s
" b o n s c o s t u m e s " q u e t o d a s as t e s t e m u n h a s l h e r e c o n h e c e m . É
q u a s e uma palavra d e negritude e x p o s t a e m i n q u e s t i o n á v e l t o m
d e oratória, palavra apoiada e m lógica irretorquível q u e deixa
entrever, no aspirante ao sacerdócio, a personalidade forte de
q u e m d e f e n d e u m d i r e i t o q u e julga c a b e r - l h e . A o m e s m o t e m p o ,
e l e e s p e r a da " b e n i g n a p i e d a d e " d o b i s p o a a u t o r i z a ç ã o p a r a
f a z e r as m a i s d i l i g ê n c i a s d e e s t i l o q u e l h e p e r m i t i r ã o p r e s t a r a
Deus b o n s serviços n o estado d e sacerdote. Neste sentido José
M a u r í c i o m a n t e r á sua p a l a v r a n o e m b a t e q u e terá d e s o f r e r c o m
o s p o r t u g u e s e s , na h u m i l d a d e c o m q u e r e c e b e o s a t a q u e s d e
m ú s i c o s e m i n i s t r o s da I g r e j a . 3 8

40
José Maurício Nunes Garcia biografia

A r e s p o s t a à sua p e t i ç ã o — a s e n t e n ç a — c o u b e , p o r
i n d i c a ç ã o d o b i s p o , a o d e ã o da Sé, d o u t o r F r a n c i s c o d e G o m e s
V i l l a s - B o a s . A o julgá-la, o d e ã o traz à l u z o p e n s a m e n t o da I g r e j a
s o b r e o p r o b l e m a d o j o v e m q u e d e s e j a v a ser s a c e r d o t e . V a l e
acompanhar a sequência iniciada c o m a petição; a magna
i m p o r t â n c i a d e s s e d o c u m e n t o justifica a t r a n s c r i ç ã o , e m b o r a
parcial, q u e segue:

" D i z J o s é M a u r i c i o N u n e s G a r c i a natural e b a p t i z a d o na
Cathedral desta c i d a d e , f i l h o l e g i t i m o d e A p o l i n á r i o N u n e s
G a r c i a e d e V i t ó r i a Maria d a C r u z , p a r d o s L i b e r t o s , q u e e l e
para... ser d i s p e n ç a d o da c o r e m e r e c e r d e Vossa E x c e l e n c i a
a d i s p e n ç a q u e r justificar o s itens seguintes: Q u e e l l e é
( . . . ) f i l h o l e g i t i m o d o s Pays assima d e c l a r a d o s , p a r d o s , f i l h o s
d e pretos, o s quais d e r ã o boa e d u c a ç ã o a o Justificante.
P r o v a r á q u e e s t e m e s m o d e s d e a sua i n f a n c i a t e v e v o c a ç ã o
p a r a o e s t a d o S a c e r d o t a l , e para m e l h o r p o d e r c o n s e g u i r
se tem aplicado aos estudos de Gramatica, Retórica e
F i l o s o f i a r a c i o n a l e m o r a l , e arte d a M u z i c a . P r o v a r á q u e o
Justificante t e m v i v i d o c o m r e g u l a r i d a d e n o s s e u s c o s t u m e s
s e m n o t a a l g u m a , e e s p e r a S e l l o a t h e o f i m d e sua v i d a ,
( . . . ) s e r t e m e n t e a D e o s , e o b e d i e n t e as L e y s . P r o v a r á q u e
o J u s t i f i c a n t e n ã o d e s m e r e c e esta g r a ç a n ã o s ó p o r n ã o
estar i n c u r s o e m a l g u m a i r r e g u l a r i d a d e q u e a d o de/feito
da cor... digo suspenção e excomunhão, c o m o porque
e s p e r a da b e n i g n a p i e d a d e d e Vossa E x c e l e n c i a esta g r a n d e
e s m o l l a c o m a q u a l p o d e r á f a z e r as m a i s d e l i g e n c i a s d o
e s t i l l o . P e d e a Vossa E x c e l e n c i a q u e i r a d i g n a r - s e a d m i t i r o

J u s t i f i c a n t e a j u s t i f i c a r as p r e m i s s a s e j u s t i f i c a d a s d e ( )
c o m o S u p l i c a n t e d o d e f e i t o da c o r p o r s e r e m s e u s P a y s
p a r d o s f i l h o s d e p r e t o s , v i s t o q u e Vossa E x c e l e n c i a t e m
esta f a c u l d a d d e , a q u a l e s p e r a o S u p l i c a n t e na m i s e r i c ó r d i a
d o Senhor possa b e m aproveitar lhe f a z e n d o a D e o s bons
S e r v i ç o s n o e s t a d o Sacerdotal, r e m e t e n d o para esse f i m a o
M u i t o R e v e r e n d o Dr. P r o v i z o r na f o r m a d o e s t i l l o . "

A p e t i ç ã o é p e ç a f u n d a m e n t a l n o j u l g a m e n t o da
p e r s o n a l i d a d e d e J o s é M a u r í c i o . A altanaria c o m q u e e l e c h a m a
d e " i r r e g u l a r i d a d e " o d e f e i t o d e cor, a insistência e m d i z e r q u e
" p r o v a r á " ser c a p a z d e p r e s t a r " b o n s s e r v i ç o s " a D e u s n o e s t a d o
d e sacerdote, apesar d o "defeito d e cor", revela, no t o m oratório
e m q u e se e x p r e s s a , as q u a l i d a d e s d e u m o r a d o r , título q u e l h e é
a p l i c a d o p e l o d e ã o d a Sé na s e n t e n ç a e m q u e julgará a p e t i ç ã o .
D e i x a t a m b é m entrever o h o m e m d e f o r m a ç ã o humanística e a

41
Cleofe Person de Mattos

barreira q u e significava, para os seus s o n h o s d e músico, o


p r e c o n c e i t o d a c o r . A l t a n a r i a v e n c i d a m a i s t a r d e , p o r f o r ç a da
h u m i l h a ç ã o c o n s t a n t e q u e s o f r i a na c o r t e e d o m e n o s p r e z o p e l o
q u e e l e tinha d e m e l h o r , a sua arte, e m r a z ã o d e ser " f i l h o d e
p a r d o s " e sua m ã e " f i l h a d e p r e t o s " .
A sentença d o deão, que se segue n o processo, à petição,
f a l a c o m p l e n o c o n h e c i m e n t o d e causa e r e s u m e as f a s e s d o
mesmo:

"Vistos estes autos Suplica d o Orador Justificante,


D o c u m e n t o s juntos, t e s t e m u n h a s . . . M o s t r a - s e q u e o O r a d o r
he h o m e m pardo, filho Legitimo de Apolinário Nunes e
V i t o r i a Maria da Crus, t a m b é m p a r d o s ainda q u e
d e s c e n d e n t e s d e p r e t o s e q u e tantos o s P a y s d o Justificante
O r a d o r c o m o e s t e t e m v i v i d o c o m muita c h r i s t a n d a d e e o
m e s m o O r a d o r é b e m m o r i g e r a d o , e c o m muita v o c a ç ã o
d e s d e seus tenros anos, para o Estado Ecclesiastico e c o m
muita a p l i c a ç ã o aos Estudos d e latinidade, Retórica e
F i l o s o f i a , q u e p o r t o d a s estas b o a s q u a l i d a d e s v i r á a Ser
m u i t o util á I g r e j a . C o m o p o r e m p e l a C o n s t i t u i ç ã o da B a -
hia, q u e f o i a d o p t a d a n e s t e B i s p a d o n ã o s ã o a d m i t t i d o s o s
d e s c e n d e n t e s d e pretos, p o r isso necessita o O r a d o r de
d e s p e n ç a p a r a p o d e r h a b i l i t a r s e para o d i t o E s t a d o e a s s i m
r e c o r r e o a Sua E x c e l e n c i a R e v e r e n d í s s i m a para o d e s p e n ç a r
d o d e f f e i t o da cor, que p a d e c e , e p e l o mesmo
E x c e l e n t í s s i m o S e n h o r d i g n a m e n t e 3 9 f o i a d m i t t i d o a justificar
o s o b r e d i t o e r e m e t e r - m e a m e s m a suplica folha duas para
o f i m p e r t e n d i d o , n o s q u a e s t e r m o s está o O r a d o r n o d e
m e r e c e r a graça implorada: p o r q u e o S u p p o s t o d e Direito
Canonico sejão repelidos os Neophitos de pouco tempo
c o n v e r t i d o s a f é c a t ó l i c a , ainda estes m e s m o s s ã o a d m i t t i d o s
p e l o m e s m o d i r e i t o a o S a c e r d o c i o se d e r e m b o a s p r o v a s
d e sua p e r s e v e r a n ç a e c o m o o O r a d o r n ã o h e N e o p h i t o
n e m f i l h o d e a l g u m , ainda q u e Seus P a y s d e l l e s d e s c e n d ã o ,
n ã o p o d e c o m p r e h e n d e r s e nessa p r o i b i ç ã o e m u i t o m a i s
s e n d o C o n s t a n t e a sua b o a c o n d u t a na o b s e r v a n c i a da L e y
e P r e c e i t o s d e Sua M a g e s t a d e , d i g o , e P r e c e i t o s da Santa
M a d r e Igreja sem q u e obste a o r e f e r i d o a d e s p o s i ç ã o d o
C o n c i l i o T r i d e n t i n o Sess. v i n t e e t r ê s d e r e f . C a p . S é t i m o ,
e m q u a n t o o r d e n a q u e o s q u e h o u v e r e m d e Ser p r o m o v i d o s
a O r d e n s a l e m d e c o n s t a r da sua b o a i n d o l e , v i d a e c o s -
t u m e s , d e v ã o ser d e b o a g e r a ç ã o , p o r q u e esta d e t e r m i n a ç ã o
p r o c e d e e m c o n f o r m i d a d e d o s S a g r a d o s C â n o n e s , isto h e
q u e s e j ã o taes, q u a e s n ã o s e j ã o r e p e l i d o s p e l o s S a g r a d o s

42
José Maurício Nunes Garcia biografia

C â n o n e s e p o r isso não obsta a o O r a d o r Justificante assim


c o m o n ã o p o d e obstarlhe a Constituição da Bahia, p o r q u e
ella neste B i s p a d o n ã o h e p r a e c e p t i v a , h e s o m e n t e directiva,
e p o r isso ainda q u e p o d e s s e entenderse c o m o boa n ã o
i m p e d e a d e s p e n ç a . P o r t a n t o , p e l a s F a c u l d a d e s a Sua
Excelencia Reverendíssima competentes e a mim comettidas
j u l g o a o O r a d o r J u s t i f i c a n t e h á b i l p a r a ser a d m i t t i d o , s e m
embargo do deffeito declarado, o dispenço, ohei por
d i s p e n ç a d o d e l l e p a r a o r e f e r i d o f i m e m a n d o se l h e d ê
Sentença pagos os Autos. Rio quatorze de junho de
m i l s e t e c e n t o s n o v e n t a e hum, Francisco G o m e s Villas B o a s . "

A b r i l h a n t e s e n t e n ç a d o d e ã o da Sé, d e c l a r a n d o h a b i l i t a d o
José M a u r í c i o N u n e s Garcia à carreira sacerdotal f o i ajuntada
a o s a u t o s e m 16 d e j u n h o . Suas p a l a v r a s , q u e nas p r ó p r i a s
e n t r e l i n h a s d o s p r e c e i t o s da I g r e j a e n c o n t r a m o m e i o d e a c o l h e r
o p e d i d o d e J o s é M a u r í c i o , e v i d e n c i a m q u e as a u t o r i d a d e s
e c l e s i á s t i c a s já t i n h a m p e n s a m e n t o f o r m a d o e m t o r n o da p e s s o a
d o h a b i l i t a n d o , e q u e e s s e p e n s a m e n t o era p o s i t i v o , na m e d i d a
em que à condição religiosa é acrescentada a avaliação
intelectual.
A o s 29 d i a s d e j u n h o e r a m e n t r e g u e s o s a u t o s c o m o s s e u s
despachos e certidões e dados c o m o publicados pela mão d o
e s c r i v ã o da C â m a r a E c l e s i á s t i c a . Estava J o s é M a u r í c i o h a b i l i t a d o
a f a z e r p r o v a p e r a n t e e x a m i n a d o r e s sinodais, o q u e será r e a l i z a d o
e m três e t a p a s , a p a r t i r d e s e t e m b r o d o m e s m o a n o . O s " l i v r o s
d e m a t r í c u l a d e o r d i n a n d o s " — L Q 5 Q , f l . 1, n Q 7 — i n f o r m a c o m
p r e c i s ã o e s s e s a c o n t e c i m e n t o s : o p r i m e i r o é a matrícula e m 7 d e
s e t e m b r o d e 1791 p a r a o s e x a m e s , q u e s e r i a m " p r e s t a d o s n o
Seminário Teológico":'10

'José M a u r i c i o N u n e s G a r c i a , natural d e s t a c i d a d e , f i l h o
l e g i t i m o d e A p o l i n á r i o N u n e s e d e V i c t o r i a Maria da Crus.
D i s p e n s a d o e m interstícios e d e f e i t o d e cor."

J o s é M a u r í c i o c o n f i r m a e s s e p a s s o na c a r r e i r a s a c e r d o t a l
c o m a e n t r a d a , na m e s m a d a t a , na I r m a n d a d e d e S ã o P e d r o d o s
Clérigos.
N o dia 17 d e d e z e m b r o d o m e s m o a n o o já t o n s u r a d o
d i á c o n o i n s c r e v e - s e para n o v o s e x a m e s . F i n a l m e n t e , e m 3 d e
m a r ç o d e 1792, v e n c i d o s o s e x a m e s da última e t a p a , J o s é M a u r í c i o
é " p r o m o v i d o a o r d e n s " e está p r e p a r a d o para c e l e b r a r a p r i m e i r a
m i s s a , r e a l i z a d a n o p a l á c i o d o b i s p o , p a l á c i o da C o n c e i ç ã o ,
p r o v a v e l m e n t e d i a n t e da b e l a i m a g e m da p a d r o e i r a — h o j e n o

43
Cleofe Person de Mattos

m u s e u d e A r t e Sacra d e S ã o P a u l o . T i n h a o n o v e l s a c e r d o t e 25
anos.
U m a e x i g ê n c i a da I g r e j a p a r a o s q u e se h a b i l i t a s s e m
sacerdote — possuir patrimônio — fazia-se necessário. O
p r o b l e m a d e José Maurício, d e família p o b r e , f o i r e s o l v i d o p e l o
c o m e n d a d o r T h o m á s G o n ç a l v e s , a b a s t a d o c o m e r c i a n t e na rua
d o M e r c a d o , pai d e u m seu " c o n d i s c í p u l o " q u e lhe f a z d o a ç ã o
d e u m a casa na rua d a s M a r r e c a s , e n t ã o c h a m a d a " d a s B e l l a s
N o u t e s " . 4 1 N e s s a c a s a , a l g u n s a n o s m a i s t a r d e será i n s t a l a d o o
c u r s o d e m ú s i c a d o q u a l o p a d r e J o s é M a u r í c i o será p r o f e s s o r
d u r a n t e q u a s e 28 a n o s . 4 2
É v á l i d o questionar, neste m o m e n t o , a v o c a ç ã o d e José
M a u r í c i o p a r a o s a c e r d ó c i o . S e m d ú v i d a , o f u n d o r e l i g i o s o era
a u t ê n t i c o n o j o v e m s a c e r d o t e e d i s s o dará s e m p r e p r o v a s . N ã o
seria, p o r é m , a p e n a s o u e x a t a m e n t e e s t e o m o t i v o q u e o i m p e l i u
p a r a o s a c e r d ó c i o . A f i r m a r - s e na p r o f i s s ã o d e m ú s i c o —
c o m p o n d o , t o c a n d o ó r g ã o , e n s i n a n d o m ú s i c a , r e g e n d o — era o
c a m i n h o para o n d e c o n v e r g i a m seus mais altos s o n h o s . É p o s s í v e l
q u e a já e n t r e v i s t a a t r a ç ã o para a o r a t ó r i a t i v e s s e a sua p a r c e l a
na d e c i s ã o . P o r é m , s e m d e i x a r d ú v i d a s , era a o p ç ã o d e n a t u r e z a
m u s i c a l a q u e o l e v a v a p o r e s s e c a m i n h o , e J o s é M a u r í c i o as-
s u m e i n t e g r a l m e n t e essa o p ç ã o .
A s o b r e c a r g a d e e s t u d o p a r a o s e x a m e s s i n o d a i s q u e tinha
p e l a f r e n t e n ã o l h e teria d e i x a d o , e m 1791, t e m p o s u f i c i e n t e
para d e d i c a r - s e à c o m p o s i ç ã o , n e s s e c a s o uma única o b r a é
assinalada — o Te Deum p e l a " f e l i z c h e g a d a " d e D . Luís d e
V a s c o n c e l o s a Portugal, a o n d e f o r a entregar o p o s t o a o seu
s u c e s s o r 4 5 — e será c o m p e n s a d a n o s a n o s q u e s e s e g u e m à sua
o r d e n a ç ã o , até 1798.
A g r a n d e c o n q u i s t a d o j o v e m s a c e r d o t e , a l é m das f a c i l i d a d e s
s o c i a i s , e l e a s e n c o n t r a r i a na p r ó p r i a S é : a m p l i a v a m - s e as
c o n d i ç õ e s d e m e l h o r s e r v i - l a , ali c o l a b o r a n d o m a i s i n t e n s a m e n t e
a n t e s m e s m o d e ser m e s t r e - d e - c a p e l a . N ã o s e l i m i t a v a a c o m p o r ,
t o c a r e v e n t u a l m e n t e a o ó r g ã o , o u na o r q u e s t r a , r e g e r e dar
assistência a o m e s t r e - d e - c a p e l a . Isto fica e v i d e n t e , p o r volta d e
1795, a o ser e n c a r r e g a d o d e e n s i n a r n o C u r s o P ú b l i c o d e M ú s i c a
i n s t a l a d o na rua d a s M a r r e c a s . C o l o c a d o o s e u p r e p a r o m u s i c a l a
s e r v i ç o d o q u e , na é p o c a , p o d i a substituir a f o r m a ç ã o p r o f e s s o r a l ,
J o s é M a u r í c i o , m ú s i c o p o r v o c a ç ã o , p r o f e s s o r d e s d e 1779 e a g o r a
professor d o curso o n d e cumpria atribuição d o mestre-de-capela,
g a n h a v a i m p o r t â n c i a e e s t a b e l e c i a o sinal m a i s p o s i t i v o d e s e u
v í n c u l o c o m a C a t e d r a l e Sé. 44

G r a n d e s e r v i ç o prestou à vida musical d o Rio d e Janeiro


e s s e c u r s o , a p e s a r da p r e c a r i e d a d e d o s e u a p a r e l h a m e n t o . N ã o

44
José Maurício Nunes Garcia biografia

d i s p u n h a d e i n s t r u m e n t o a d e q u a d o às n e c e s s i d a d e s d i d á t i c a s d a s
aulas: p i a n o o u c r a v o ; o p r o f e s s o r tinha c o m o ú n i c o a p o i o u m a
" v i o l a d e a r a m e " , q u e p a s s a v a d e m ã o e m mão. 4 5 M u i t o i m p o r t o u
para o b o m resultado desse curso a c o m p l e m e n t a ç ã o prática
s e g u n d o o s i s t e m a v i g e n t e d e e n s i n o : h a b i t u a r o a l u n o à prática
musical simultânea, incentivando-o ao estudo de alguns
i n s t r u m e n t o s , o u f a z e n d o - o cantor e m c o r o . Fato c o n f i r m a d o p e l o
i n s p e t o r da c a p e l a e m 1822, q u e J o s é M a u r í c i o " a u m e n t o u c o m
o s s e u s a l u n o s o n ú m e r o d e c a n t o r e s da S é " . T o d a u m a g e r a ç ã o
d e m ú s i c o s irá s e n t a r - s e n o s s e u s b a n c o s : f u t u r o s p r o f e s s o r e s ,
cantores, músicos d e orquestras, compositores, importantes
p e r s o n a l i d a d e s da a d m i n i s t r a ç ã o da v i d a m u s i c a l d a c i d a d e q u e
ao longo d o século dezenove vão ocupar posição de relevo no
Rio d e Janeiro.46
O p e r í o d o d e sua v i d a n o " a p ó s 1791" e n c o n t r a r á o r e c é m -
o r d e n a d o s a c e r d o t e p r o n t o para o c u p a r o p o s t o m á x i m o na v i d a
d e u m m ú s i c o d o s é c u l o d e z o i t o : o d e m e s t r e - d e - c a p e l a . Fase d e
g r a n d e p r o d u t i v i d a d e n o t e r r e n o da c r i a ç ã o m u s i c a l , i n t e r e s s a
o b s e r v a r q u e n e s s e m o m e n t o c o m e ç a a ser o r g a n i z a d o o a r q u i v o
da C a t e d r a l . T r i n t a e d u a s partituras, a p r o x i m a d a m e n t e , s ã o
d e s t i n a d a s à rotina d a i g r e j a , e m q u e s e p r o c u r a a t e n d e r c o m
obras diversificadas a o f u n c i o n a m e n t o da Catedral: uma série de
g r a d u a i s , a n t í f o n a s , Vésperas das Dores — t o d a s c o m o r q u e s t r a
— e a i n d a o u t r a s c o m a c o m p a n h a m e n t o d e ó r g ã o : Vésperas de
Nossa Senhora, Vésperas dos Apóstolos, s a l m o s a v u l s o s , Magnificai
a q u a t r o v o z e s s o m e n t e , e o b r a s para a S e m a n a Santa: d o i s
M i s e r e r e ( p a r a quarta e q u i n t a - f e i r a ) e outras p e ç a s para o m e s m o
tempore e n r i q u e c e m sua b a g a g e m a t é 1798. N ã o s o b r e v i v e u a
Missa r e g i s t r a d a p o r J. J. M a c i e l : Missa para as pontificais da Sé,
e m 1797, a p r i m e i r a d e q u e se t e m n o t í c i a .

A e n u m e r a ç ã o tomou por base manuscritos localizados,


o b r a s datadas e c i t a ç õ e s t a m b é m datadas. A f o n t e — s a l v o m e n ç ã o
e s p e c i a l — é o c a t á l o g o d e J. J. M a c i e l , o q u e as c o l o c a n o â m b i t o
da C a t e d r a l .
O e s t i l o dessas o b r a s f a z r e c o n h e c e r q u e , transitório e m b o r a ,
é s i g n i f i c a t i v o na a p r e c i a ç ã o g l o b a l d o c o m p o s i t o r , e m c o n f r o n t o
c o m o b r a s d e escrita m a i s t a r d i a . N u m a v i s ã o a posteriori pode-
se d i z e r q u e elas representam o estilo setecentista mauriciano.
N a s h a r m o n i a s e s c o l h i d a s a escrita é discreta. N u m a v i s ã o
incipiente, sem dúvida, evoluirá pelos caminhos d o pré-
c l a s s i c i s m o i t a l i a n o p a r a o b r a s mais a f i r m a t i v a s , a i n d a n o s é c u l o
d e z o i t o . A m e d i d a d a s q u a l i d a d e s d o c o m p o s i t o r p o d e r á ser
avaliada n o século d e z e n o v e .

45
Cleofe Person de Mattos

Q u e assim p r o c e d e s s e c o m a autorização, ou por


i n c u m b ê n c i a , das autoridades eclesiásticas, nessas o b r a s q u e
o b v i a m e n t e v i n h a m p r e e n c h e r u m v a z i o na C a t e d r a l p r e d o m i n a
o p r o p ó s i t o d e c o m p o r p a r a o r e p e r t ó r i o da Sé, e n q u a n t o
mantinha-se n o p o s t o o c ó n e g o L o p e s Ferreira, q u e o o c u p o u
a t é 1798. A s o b r a s q u e J o s é M a u r í c i o c o m p ô s p a r a a S e m a n a
Santa d e 1798 f o r a m a última c o n t r i b u i ç ã o p a r a o r e p e r t ó r i o da
Sé a n t e s d e ser e x p e d i d a a p o r t a r i a q u e o t o r n a v a m e s t r e - d e -
capela.

O mestrado

A p r o x i m a v a - s e d o f i m , a esta altura, a v i d a d o m e s t r e - d e -
c a p e l a c ó n e g o L o p e s Ferreira. C o m 28 a n o s d e m e s t r a d o , p e s a r i a
nos seus o m b r o s t o d o o t e m p o q u e ensaiou, tocou órgão, dirigiu
a m ú s i c a nas c e r i m ó n i a s da C a p e l a , c o m p ô s ? D i f í c i l a r e s p o s t a a
r e s p e i t o d e u m m e s t r e - d e - c a p e l a d e q u e m n ã o se e n c o n t r o u
n e n h u m a p á g i n a p o s i t i v a d e m ú s i c a d e sua a u t o r i a , p e l o m e n o s
até agora. Ter-se-iam p e r d i d o , c o m o o c o r r e u c o m a d o s seus
predecessores. A suposição d e q u e tivesse q u e m eventualmente
o s u b s t i t u í s s e n ã o d e v e ser a f a s t a d a . O c ó n e g o L o p e s F e r r e i r a
tinha às m ã o s o p a d r e J o s é M a u r í c i o , c u j a c a p a c i d a d e d e v e r i a
c o n h e c e r d e s d e m u i t o t e m p o , t a l v e z m e n i n o , q u e atuava na Sé,
d i r i g i a o c u r s o da Sé e e m 1798 já c a r r e g a v a u m a b a g a g e m d e
p e l o m e n o s três d e z e n a s d e c o m p o s i ç õ e s , s u p o s t a m e n t e p a r a a
Sé C a t e d r a l , a l g u m a s b a s t a n t e i m p o r t a n t e s .

O c ó n e g o L o p e s Ferreira d e s a p a r e c e u n o dia 4 ( o u 5 ) d e
j u l h o d o m e s m o a n o , na rua da Vala, o n d e m o r a v a . 4 7 O l i v r o d e
ó b i t o s da C a t e d r a l r e g i s t r a o a c o n t e c i m e n t o , assim c o m o o
Sacramento, e a Irmandade de São P e d r o , o q u e dá m a r g e m a
p e q u e n a d i f e r e n ç a d e data.
D o i s dias antes, em portaria d o b i s p o José J o a q u i m
Justiniano, f o r a i n d i c a d o para o p o s t o o p a d r e J o s é M a u r í c i o N u n e s
Garcia. O C a b i d o M e t r o p o l i t a n o d o Rio d e Janeiro (Catedral)
registrou o f a t o n o s s e g u i n t e s termos:48

A o s d o i s d e j u l h o d e mil s e t e c e n t o s e n o v e n t a e o i t o se
p a s s o u p o r t a r i a d e M e . d e C a p e l a d a Sé a o P a d r e J o s é
M a u r i c i o N u n e s G a r c ê s na f a q u e se acha r e g i s t r a d a n o L°

46
José Maurício Nunes Garcia biografia

2 Q , f. 155. D e q u e se f e z e s t e r e g i s t r o . Eu o p c . M a n o e l d o s
S a n t o s e S o u z a Escri iim - da C a m a r a o s u b s c r e v i e a s s i n e i .

N ã o d e i x a d e ser e s t r a n h o o " G a r c ê s " g r a f a d o p e l o m e s m o


escrivão q u e sete anos acompanhara d e perto a tramitação d o
p r o c e s s o de genere e m q u e se habilitara o s a c e r d o t e . O f a t o
i n s ó l i t o d e a n t e c i p a r - s e a p o r t a r i a a o f a l e c i m e n t o d o titular —
p r o v a v e l m e n t e p o r d o e n ç a g r a v e e s e m s o l u ç ã o à vista — p o d e
ter s i d o d e c i d i d o p e l a s a u t o r i d a d e s e c l e s i á s t i c a s p a r a o f i c i a l i z a r
p o s i ç ã o q u e já e x e r c i a na I g r e j a , e m c a r á t e r o f i c i o s o , o j o v e m
c o m p o s i t o r n o s t r a b a l h o s da Sé. C r e d e n c i a i s s u f i c i e n t e s t i n h a - a s
José M a u r í c i o para justificar a indicação. N ã o s ó p e l o p r e p a r o
t é c n i c o , m a s a v i n c u l a ç ã o à v e l h a Sé, j u n t o a o v e l h o m e s t r e , o u
n o s e u lugar, s u b s t i t u i n d o - o q u a n d o n e c e s s á r i o c o m o c o m p o s i -
tor o u c o m o r e g e n t e , t o r n a v a m - n o a p e s s o a a ser e s c o l h i d a , s e m
h e s i t a ç ã o , n o c a s o d e d e s a p a r e c i m e n t o d o c ó n e g o L o p e s Ferreira.
Assumia o padre José Maurício N u n e s Garcia o mestrado
na Sé, q u e o c u p a r á até o f i m da v i d a e n t r e m o m e n t o s d e g r a n d e
alegria e p r o f u n d a d e c e p ç ã o . N a q u e l e m o m e n t o , realizava o seu
s o n h o , q u e r e u n i a o m ú s i c o q u e iria c o m p o r p a r a a C a t e d r a l e aí
d i r i g i r as suas o b r a s , e o o r a d o r na m e s m a p e s s o a .
C o m o mestre-de-capela cabia-lhe também responder
p e r a n t e o S e n a d o d a C â m a r a p e l a " m ú s i c a " q u e a c o m p a n h a v a as
f u n ç õ e s anuais d e a c o r d o c o m o calendário litúrgico pre-
e s t a b e l e c i d o . O e l o , c o m o ato administrativo, entre José Maurício
e as a u t o r i d a d e s d o S e n a d o f a z i a - s e através d e " a r r e m a t a ç õ e s "
q u e d i z i a m r e s p e i t o a determinadas festas: São Sebastião, Cor-
p u s Christi, V i s i t a ç ã o d e N o s s a S e n h o r a , S ã o F r a n c i s c o d e B o r j a .
A l é m d e s s a s c e r i m ó n i a s , era i g u a l m e n t e d o S e n a d o a
r e s p o n s a b i l i d a d e p o r e v e n t u a i s o c o r r ê n c i a s na f a m í l i a real —
c a s a m e n t o s , b a t i z a d o s , m o r t e s — o u na p r ó p r i a c o l ó n i a , i n c l u -
s i v e p o s s e d e v i c e - r e i s , f a l e c i m e n t o d e p e s s o a s gradas. 4 9 U m a
d a s p r i m e i r a s a r r e m a t a ç õ e s f o r a da r o t i n a c o u b e a o Te Deum e m
a ç ã o d e g r a ç a s p e l o n a s c i m e n t o d e D . P e d r o I, n o s s o p r i m e i r o
i m p e r a d o r , e m 29 d e n o v e m b r o d e 1798. J o s é M a u r í c i o r e c e b e u
33$280 p e l a " f u n ç ã o " . 5 0 T u d o a s s i n a l a d o e m c e r i m ó n i a s r e l i g i o s a s ,
d o q u e r e s u l t a v a m p e r s p e c t i v a s artísticas b a s t a n t e r a z o á v e i s e m
cada a n o , nas q u a i s o m e s t r e - d e - c a p e l a n ã o era a p e n a s o
a r r e g i m e n t a d o r e ensaiador, mas o r e g e n t e e, e v e n t u a l m e n t e , o
compositor.

O s assentamentos administrativos genéricos e abrangentes


d e s s e s a t o s l i m i t a v a m - s e , na m a i o r i a d o s c a s o s , a s i m p l e s
r e f e r ê n c i a à " M ú s i c a para as Festas d o S e n a d o " , o q u e n ã o p e r m i t e
i d e n t i f i c a r as o b r a s q u e l h e s c o r r e s p o n d e r i a c o m o g r a d u a i s ,

47
Cleofe Person de Mattos

matinas o u vésperas, e m manuscritos q u e porventura hajam


sobrevivido.
E m 1799 J o s é M a u r í c i o i n g r e s s o u na I r m a n d a d e d e N o s s a
Senhora d o Rosário e São Benedito dos H o m e n s Pretos. Até e n t ã o
concentrara e m duas irmandades o sentido profissional q u e o
c o n d u z i a : a I r m a n d a d e d e Santa Cecília " c o n f r a r i a d o s p r o f e s s o r e s
d e música", e a Irmandade d e São P e d r o d o s Clérigos, d e s d e 7
d e s e t e m b r o d e 1791- N ã o o f i z e r a a n t e s , c e r t a m e n t e p e l a
o p o s i ç ã o entre o Cabido e a Irmandade d e Nossa Senhora d o
R o s á r i o e S ã o B e n e d i t o d o s H o m e n s P r e t o s . Em 1799, já m e s t r e -
d e - c a p e l a , a f a s t a d a s as r a z õ e s d e o p o s i ç ã o , J o s é M a u r í c i o p ô d e
filiar-se à I r m a n d a d e o n d e o C a b i d o se abrigara s e m p r e , até e n t ã o .
Estranha-se, p o r é m , n ã o h a j a c o m p o s t o a l g u m a o b r a d e d i c a d a
aos o r a g o s da Irmandade.
A f u n c i o n a l i d a d e — n o sentido d e a d e q u a ç ã o da obra à
l i t u r g i a — será u m t r a ç o p e r s e v e r a n t e na sua m ú s i c a , n e s s e
p e r í o d o . C h e g a a ser, e m m u i t o s casos, o b s t á c u l o à sua p r e s e n ç a
artística — c o m o a m ú s i c a d e M o z a r t o u d e H a y d n .
São obras construídas num e s q u e m a e m q u e a alternância
d o canto g r e g o r i a n o e o c o r o — ou a orquestra — n ã o têm a
necessária a g i l i d a d e q u e se p r e s s u p õ e existir entre partes
c o n c e b i d a s para o f u n c i o n a m e n t o h a r m ó n i c o d o s g r u p o s
estabilizados.
D u a s o b r a s b a s t a n t e s i g n i f i c a t i v a s c o m p o s t a s e m 1799
r e f l e t e m a s p e c t o s a n t a g ó n i c o s — a a u s t e r i d a d e e a g r a ç a — da
c r i a ç ã o d o m e s t r e - d e - c a p e l a a o f i n d a r o a n o d e 1799: o Ofício
para defuntos, a Missa de requiem e as Matinas do Natal. O
p r i m e i r o traz n o t í t u l o a h o m e n a g e m a o s m e m b r o s d o C a b i d o ,
m a s p o d e ter s i d o c o m p o s t o e m m e m ó r i a d e seu p r e d e c e s s o r n o
m e s t r a d o d a Sé, c ó n e g o L o p e s Ferreira. 5 1
A s Matinas do Natal v i v e m a a t m o s f e r a a l e g r e , f e s t i v a , na
s i m p l i c i d a d e da c o m e m o r a ç ã o natalina. Os t e x t o s e v o c a d o s n o s
o i t o responsórios são m o m e n t o s d e louvação, d e alegria p e l o
N a t a l q u e c h e g a . O andante d o 3 a r e s p o n s ó r i o — "dicite, an-
nunciate"— r e p r e s e n t a u m m o m e n t o d e f e l i c i d a d e para a música
b r a s i l e i r a , n o s o l o d e s o p r a n o q u e se e x p a n d e na t r a n s p o s i ç ã o
espiritualizada d e uma m o d i n h a : "dizei, anunciai o q u e vistes".
A realização desse trecho faz pensar nos limites e nos
compromissos entre a f o r m a ç ã o européia que o compositor
assimilou, e o sentimento nacionalista q u e ele v i v e n c i o u . O q u e
n ã o p o d e ser o l h a d o c o m i n d i f e r e n ç a n o c o n t e x t o artístico e
t e m p o r a l d e uma obra c o m p o s t a para o ú l t i m o Natal d o s é c u l o
d e z o i t o , n o Brasil c o l ó n i a .

48
José Maurício Nunes Garcia biografia

O fim do século: o orador sacro e


a manifestação profana

D o i s c a m i n h o s c o n t r a s t a n t e s p a r t i n d o d a m e s m a rica
p e r s o n a l i d a d e d ã o sinais p o s i t i v o s a n t e s d e f i n d a r o s é c u l o
d e z o i t o : a manifestação profana e a i m a g e m d o o r a d o r sacro. A
d e f i c i ê n c i a d e d o c u m e n t a ç ã o p e r t i n e n t e i m p e d e seja d e v i d a m e n t e
a q u i l a t a d o o s e u v a l o r n o c o n t e x t o d a m u l t i f a c e t a d a estrutura
intelectual d o padre José Maurício. O impulso interior q u e o
i m p e l i a p a r a u m a d i r e ç ã o — o u para outra — tinha o m o m e n t o
e x a t o d e e x e r c e r - s e , na m e d i d a e m q u e c a d a u m a d e l a s e x i g i a
da s o c i e d a d e a p o i o e s p e c í f i c o e o p o r t u n o para sustentar-se e
d e s e n v o l v e r - s e : a c a p a c i d a d e oratória e a liberdade de e x p a n d i r
s e u s s e n t i m e n t o s n a t i v i s t a s a t r a v é s da m ú s i c a r e l i g i o s a .
N o f i m d o s é c u l o d e z o i t o , o m o v i m e n t o da i n t e l e c t u a l i d a d e
n o R i o d e J a n e i r o s o f r e u n o v o i m p u l s o c o m o s t r a b a l h o s da
S o c i e d a d e Literária, q u e n o s d o i s s e n t i d o s t e v e a ç ã o s o b r e J o s é
M a u r í c i o . A t i v a e m d u a s f a s e s ( 1 7 8 6 e 1790 c o m o s o c i e d a d e
c i e n t í f i c a ) r e n a s c i d a e m 1794 c o m o literária, d e l a f a z i a m p a r t e
i n t e l e c t u a i s l i g a d o s a o b i s p o , e n t r e e l e s M a n u e l I n á c i o d a Silva
A l v a r e n g a , s e u p r o f e s s o r d e r e t ó r i c a a n t e s d e o ser n o i n í c i o d o
s é c u l o d e z e n o v e . A p a r t i c i p a ç ã o d o p a d r e J o s é M a u r í c i o nas
t e r t ú l i a s da S o c i e d a d e Literária é d i s c u t í v e l e s ó e n c o n t r a e c o
nos n o m e s das pessoas a q u e e s t e v e realmente ligado.52 Acusada
d e e n v o l v i m e n t o p o l í t i c o n ã o f a v o r á v e l aos interesses da coroa
p o r t u g u e s a , a S o c i e d a d e f o i d i s s o l v i d a e m 1794 p o r o r d e m d o
v i c e - r e i , c o n d e d e R e s e n d e . Seus integrantes ficaram p r e s o s até
o i n d u l t o d e D . Maria I, e m 1797.
O c o n v í v i o c o m o s m e m b r o s da S o c i e d a d e Literária f o i
m a r c a n t e , na d é c a d a d e 1790, p a r a a f o r m a ç ã o d e J o s é M a u r í c i o .
O n a t i v i s m o e m sua p e r s o n a l i d a d e teria t i d o p o r c e r t o o e s t í m u l o
d o s i d e a i s d o p o e t a Silva A l v a r e n g a . 5 3 M i n e i r o d e O u r o P r e t o ,
e m q u e m n ã o f a l t a r i a m v í n c u l o s c o m o s i n t e l e c t u a i s da
I n c o n f i d ê n c i a , n e m a tristeza c o m q u e c o n s i d e r a v a a " i n c u l t a
Pátria m i n h a " , seria s u r p r e e n d e n t e , p a r a a é p o c a , a f l o r a s s e na
m ú s i c a d o c o m p o s i t o r c a r i o c a e s s e t o q u e d e b r a s i l i d a d e e m sua
música religiosa.
N ã o s e r ã o a s p e c t o s m u i t o v e n t i l a d o s na f i s i o n o m i a cultural
d o padre-mestre a d o o r a d o r sacro q u e e f e t i v a m e n t e o foi, tanto
q u a n t o a d o m ú s i c o a n i m a d o p o r p r o f u n d o s e n t i m e n t o nativista.
A p a l a v r a e n t r e t o d a s ilustre d e u m g r a n d e o r a d o r b r a s i l e i r o
— f r e i F r a n c i s c o d e M o n t e A l v e r n e — d e v e s e r c i t a d a na
r e f e r ê n c i a e m q u e a p r e c i a o n í v e l d o s o r a d o r e s s a c r o s q u e se

49
Cleofe Person de Mattos

faziam ouvir n o Rio de Janeiro. Lembra q u e D. João costumava


d i z e r : "... p o s s u í a n o R i o d e J a n e i r o u m a s e l e ç ã o d e p r e g a d o r e s
q u e n ã o lhe permitiam lembrar os q u e deixara e m Portugal".
A c r e s c e n t a M o n t e A l v e r n e , d e f i n i n d o o v a l o r da c o n t r i b u i ç ã o
b r a s i l e i r a d e m o d o a b r a n g e n t e , m a s c o m a f o r ç a d e sua
a u t o r i d a d e : " N ó s p o d e m o s afirmar c o m t o d o o o r g u l h o da
v e r d a d e , q u e nenhum p r e g a d o r transatlântico e x c e d e u os
o r a d o r e s b r a s i l e i r o s " . 5 4 N a luta a b e r t a e n t r e b r a s i l e i r o s e
p o r t u g u e s e s , o a m b i e n t e m u s i c a l d a R e a l C a p e l a seria p r o p í c i o à
f e r o c i d a d e desencadeada pelas incontidas vaidades entre
i n t é r p r e t e s . Seria e s s e o a g r e s s i v o a m b i e n t e q u e c e r c a v a o o r a d o r
e m e s t r e - d e - c a p e l a . S o b esse a s p e c t o — o musical — mais uma
v e z a v o z d e M o n t e A l v e r n e d e v e ser l e m b r a d a q u a n d o se r e f e r e
à C a p e l a : "... s e r v i u d e a r e n a o n d e se m o s t r o u e m t o d a a sua
p o m p a o g é n i o b r a s i l e i r o " . A a b r a n g ê n c i a da p a l a v r a d e M o n t e
A l v e r n e , e m b o r a não cite diretamente o n o m e d o c o m p o s i t o r
b r a s i l e i r o — aliás, n e n h u m n o m e é c i t a d o — n ã o e x c l u i a f i g u r a
d e José Maurício dentre os o r a d o r e s sacros, músico d e cabeça
b e m estruturada, c o m estudos d e retórica a p r e c i a d o s p o r seu
m e s t r e , Silva A l v a r e n g a , e l o u v a d o s " t a l e n t o s f o r a d a m ú s i c a " ,
c o m o e s c r e v e u C u n h a B a r b o s a . É b o m r e c o r d a r q u e e m 1791 o
d e ã o da Sé já r e c o n h e c e r a e s s a s q u a l i d a d e s e m J o s é M a u r í c i o e
o a p o n t a n o p r o c e s s o de genere como "Orador".

N a m e s m a linha i n t e r v é m J a n u á r i o d a C u n h a B a r b o s a , q u e
n ã o e s c o n d e , e m sua a d m i r a ç ã o p e l o p a d r e - m e s t r e , a p r e f e r ê n c i a
p e l o o r a d o r s a c r o , e l o u v a o i n t e l e c t u a l " q u e se f e z c u l t i v a n d o
c o m z e l o e p e r s e v e r a n ç a o s talentos c o m q u e o dotara a natureza."
Escreve, n o N e c r o l ó g i o , o grande tribuno:

"Mas a sua g l o r i a , p a r e c e n d o b e m f i r m a d a nesta b a s e [da


música] que faz a admiração dos nacionais e dos
e s t r a n g e i r o s , avulta m u i t o m a i s p o r o u t r o s m e r e c i m e n t o s
q u e e l e soubera adquirir, e q u e n ã o h e justo e n t r e g a r a o
s i l e n c i o d o s m o r t o s , m o r m e n t e q u a n d o da sua r e c o r d a ç ã o
se p o d e c o n h e c e r q u e o g r a n d e M u s i c o , q u e ora p a r e c e
deixar v a g o e p o r l o n g o s tempos, o lugar que tão
d i g n a m e n t e o c u p a v a e n t r e o s m a i s c e l e b r e s , sabia a j u n t a r
a o s c o n h e c i m e n t o s da sua P r o f i s s ã o f a v o r i t a , o u t r o s n ã o
menos respeitáveis."

M a i s a d i a n t e , J a n u á r i o da C u n h a B a r b o s a r e a f i r m a o s e u
pensamento:

50
José Maurício Nunes Garcia biografia

" E s t u d o u R h e t o r i c a c o m i g u a l a p r o v e i t a m e n t o , o u v i n d o as
l i ç õ e s d o D o u t o r M a n o e l I g n a c i o d a Silva A l v a r e n g a , e d e u
p r o v a s d e p o i s d e q u e estava senhor dos preceitos de
e l o q u e n c i a e d e q u e s a b i a usar d e l e s na e x p o s i ç ã o d e
a r g u m e n t o s d e T h e o l o g i a , a q u e t a m b é m se a p l i c o u , em
muitos e excelentes Sermoens que pregou, depois de se
o r d e n a r d e P r e s b y t e r o n o a n n o d e 1792". ( g r i f o d a a u t o r a )

S ã o d e p o i m e n t o s , sim, m a s q u e v a l e m p e l o v a l o r d a f i g u r a
q u e d e p õ e . O q u e resta da sua o r a t ó r i a , se n ã o f o r a m p r e t e r i d o s
a o s a b o r da i m a g i n a ç ã o e da i n t e l i g ê n c i a e m v e z d e g r a f a d o s ,
l i m i t a - s e h o j e s i m p l e s m e n t e a o s t e m a s d e c i n c o s e r m õ e s . Seus
t í t u l o s e s t ã o i n s c r i t o s na a l e g o r i a i m p r e s s a na f o l h a d e r o s t o d a s
Mauricinas55 d o Dr. N u n e s G a r c i a : S e r m ã o d a s D o r e s , S e r m ã o
d a s L á g r i m a s , S e r m ã o d e Santa C e c í l i a , S e r m ã o d o s S a n t o s
Inocentes e Sermão de Pentecostes.
N ã o s ó a f i g u r a d o o r a d o r s a c r o é d e f i c i e n t e na
d o c u m e n t a ç ã o mauriciana. T a m b é m o é a manifestação profana,
n ã o o b s t a n t e o c o n h e c i m e n t o q u e se t e m d o c a n t a d o r d e
m o d i n h a s e xácaras a c o m p a n h a n d o - s e a o violão. Impressas no
s é c u l o d e z e n o v e , elas representam um d o s aspectos sabidamente
m a r c a n t e s da p e r s o n a l i d a d e d o m ú s i c o d e f o r t e v e i a m o d i n h e i r a .
O h á b i t o d o s a c e r d o t e n ã o l h e a b a f a r á essa v e i a , q u e t e m o s e u
l a d o d e s e n s u a l i d a d e e n ã o o a b a n d o n a r á até t a r d e d a v i d a . 5 6
A o findar o século, o padre José Maurício fixa residência
na z o n a f e s t i v a da c i d a d e . E s c r e v e T a u n a y s o b r e o s c é l e b r e s
" s a r a u s m u s i c a i s " da rua d a s M a r r e c a s , e n t ã o c h a m a d a rua d a s
B e l l a s N o u t e s . A s n o v a s c o n d i ç õ e s p r o p o r c i o n a d a s p o r essa
m o r a d i a a b r e m e s p a ç o s n o v o s e m sua o b r a e e m sua v i d a . O s
m o r a d o r e s r e u n i a m - s e nas calçadas c a n t a n d o m o d i n h a s e f a z e n d o
serenatas, f o r m a n d o nas v i z i n h a n ç a s d o P a s s e i o P ú b l i c o o
a m b i e n t e e s t i m u l a n t e p a r a o s c o m p o s i t o r e s na e x p a n s ã o d o
género.
A f a s e d e v e c o r r e s p o n d e r n ã o s ó às três m o d i n h a s
p o s t e r i o r m e n t e impressas c o m o admitir q u e o p a d r e J o s é M a u r í c i o
h a j a c o m p o s t o n ú m e r o b e m m a i o r d o q u e as três c u j o s t í t u l o s se
c o n h e c e m . Ter-se-ia p e r d i d o o material d e s a b r o c h a d o nas
c a l ç a d a s da rua d a s M a r r e c a s , s e j a p o r q u e f o s s e m o b r a s d e v i d a
e f é m e r a , n a s c i d a s para v i v e r a q u e l e m o m e n t o , seja p o r q u e , c o m o
e x p a n s ã o a m e i o c a m i n h o da música p o p u l a r , n e m t o d a s
houvessem sido grafadas.
Três m o d i n h a s f o r a m impressas p e l o editor Pierre Laforge57
nas d a t a s s e g u i n t e s e a n u n c i a d a s n o Jornal do Commercio:

51
Cleofe Person de Mattos

Beijo a mão que me condena (1837)


No momento da partida meu coração t'entreguei (1837)
Marilia, se me não amas, não me digas a verdade (1840)

A p r i m e i r a d i v u l g o u - s e c o m letra da a u t o r i a d o Dr. N u n e s
G a r c i a , s e g u n d o a n u n c i a O Trovador* e m 1876, f a z e n d o c r e r
q u e o texto original, anterior a o q u e foi p u b l i c a d o por Laforge,
haja d e s a p a r e c i d o .
A segunda talvez represente parceria c o m o marquês d e
M a r i c á . 5 9 C o l a b o r a ç ã o n ã o a s s i n a l a d a na f o n t e :

"No momento da partida, meu coração t 'entreguei, modinha


brazileira, c o m a c o m p a n h a m e n t o d e piano, composta p e l o
i n s i g n e R. S. P. M . J o s é M a u r i c i o N u n e s G a r c i a , p r e ç o 160."

A p r o p ó s i t o desta m o d i n h a cabe r e f e r ê n c i a a u m álbum


impresso, de q u e foi encontrado e x e m p l a r incompleto. Das
m o d i n h a s q u e f a r i a m p a r t e d o v o l u m e 10 o u 12 — o q u e era
f r e q u e n t e e m Portugal e n o Brasil — a p e n a s c i n c o f o r a m
c o n s e r v a d a s : as d e n ú m e r o 1, 2, 6, 8, 10. N o e x e m p l a r ú n i c o até
agora l o c a l i z a d o (Escola d e Música, reg. 4132-4137) a folha d e
r o s t o i n e x i s t e n t e , d o q u e resulta faltar o título, o l o c a l e a data
da i m p r e s s ã o . T a m b é m n ã o e s t ã o l a n ç a d o s nas p á g i n a s o s n o m e s
dos respectivos compositores. Apenas o número. Algumas foram
i d e n t i f i c a d a s p o r s e r e m c o n h e c i d a s . Seus a u t o r e s s ã o t o d o s
c o n t e m p o r â n e o s d e J o s é M a u r í c i o , i n c l u s i v e a l u n o s seus. 6 0 N a
m o d i n h a d e n ú m e r o 8 o texto utilizado é, p r e c i s a m e n t e , o q u e
v e m a n u n c i a d o n o Jornal do Commercio d e 23.11.1837.
S ã o e l e m e n t o s q u e p e r m i t e m seja atribuída a J o s é M a u r í c i o
N u n e s G a r c i a a autoria dessa m o d i n h a c o m p o s t a s o b r e t e x t o duas
vezes impresso.
A s o u t r a s m o d i n h a s i m p r e s s a s e r a m p e ç a s já c o n h e c i d a s
e m u n i d a d e s a v u l s a s . L e v e - s e e m c o n t a a m é t r i c a e as s o l u ç õ e s
d a d a s à estrutura da m o d i n h a , a a u d á c i a na m o v i m e n t a ç ã o e o
c a r á t e r u m t a n t o e r u d i t o da p e ç a , q u e t r a e m o c o m p o s i t o r
h a b i t u a d o a lidar c o m v o z e s t e c n i c a m e n t e t r a b a l h a d a s . A l é m da
s i m i l i t u d e estrutural c o m o u t r a s m o d i n h a s d e J o s é M a u r í c i o .
A t e r c e i r a m o d i n h a p r i n c i p i a a ser c o n h e c i d a n o a n ú n c i o
d o Jornal do Commercio d e 14.2.1840:
MISICA.
Na imprensa de I' L a f o n e , rua d a C a -
i ú A ^ j T f l J l d í a n . 89, a c a b a d o se i m p r i m i r a s e g u i n t e
^ « ^ ^ • m o d i n h a , composta pelo celebre c o m p o s i -
t o r flumiuensc o p a d r e m o s t r e José . M a u r i c i o .Nunes
G a r c i a , preço 160:
Marilia, se me não amas,
' .Yão me digas a verdade, etc.

52
José Maurício Nunes Garcia biografia

O Trovador61 o f e r e c e a t r a n s c r i ç ã o i n t e g r a l d o t e x t o da
m o d i n h a , e s c l a r e c e n d o : "Poesia e Música d o f a l l e c i d o Padre
M e s t r e J o s é M a u r í c i o N u n e s G a r c i a " . N ã o d e i x a d e ser c u r i o s o o
s u s p i r a r a r c á d i c o d o p a d r e - m e s t r e na v e r s ã o d e O Trovador.

"Marília, se me não amas /Não me digas a verdade


Finge amor, tem compaixão / Mente, ingrata, por piedade.
Dize que longe de mim / Sentes penosa saudade,
Dá-me esta doce ilusão / Mente, ingrata, por piedade. "

U m e x e m p l a r da e d i ç ã o d e P i e r r e L a f o r g e , d e 1840, r e ú n e
esta a o u t r a s m o d i n h a s b r a s i l e i r a s e f o i l o c a l i z a d o na A l e m a n h a ,
na B i b l i o t e k d e r R o b e r t Bosch: 6 2 Colleção de modinhas brazileiras
com acompanhamento de piano / de vários autores. Rio de
J a n e i r o ; I m p r e n s a d e m ú s i c a d e P. L a f o r g e , rua da C a d ê a , n. 89.
A r e s p e i t o desta terceira e deliciosa m o d i n h a , e à autoria
d o t e x t o , q u e traz n o v a m e n t e à b a i l a o m a r q u ê s d e M a r i c á , é
b o m recordar J o a q u i m Manuel d e Macedo.63 Refere-se o autor a
uma moça Chiquinha, chegada d e Minas Gerais, d e costumes
f á c e i s , q u e t o c a v a s o f r i v e l m e n t e guitarra e cantava c o m e x c e l e n t e
v o z m o d i n h a s e l u n d u s . E n ã o h a v i a n i n g u é m , c o m o essa m o ç a
mineira, q u e cantasse c o m doçura, e x p r e s s ã o e r e q u i n t a d o g o s t o
a m o d i n h a e n t ã o e m v o g a (1822), e m v e r s o s d o ilustrado f i l ó s o f o
d e p o i s m a r q u ê s d e M a r i c á : " M a r í l i a , se m e n ã o a m a s , n ã o m e
digas a verdade".
D i f i c i l m e n t e se admitiria, na c o n d i ç ã o s o c i a l d o Brasil, outra
m a n i f e s t a ç ã o q u e p u d e s s e integrar o sincretismo d e brasilidade
na m ú s i c a b r a s i l e i r a , f o r a d o s e n t i m e n t o s e r e s t e i r o . A m o d i n h a ,
feita d e e l e m e n t o s c o m u n s à música e u r o p é i a — o t e x t o , a
m e l o d i a c h e g a d a a p a d r õ e s c o n h e c i d o s , nascida e d e s e n v o l v i d a
s o b o s i g n o d e u m c r u z a m e n t o d e raças — tinha q u a l i d a d e s p a r a
ocupar, culturalmente, o e s p a ç o q u e lhe cabia nessa
m i s c i g e n a ç ã o . E c r e s c e r c o m ela. S ã o c a n t o s s e r e s t e i r o s q u e t r a e m
na o b r a d e J o s é M a u r í c i o o c a n t a d o r d e m o d i n h a s e x á c a r a s , e
r e v e l a m o m ú s i c o q u e traz u m v u l c ã o d e n t r o d e si e s e r e n d e a
esse g é n e r o m e i o popular, m e i o erudito, f a z e n d o - o aflorar e m
v á r i a s c o m p o s i ç õ e s r e l i g i o s a s . O s e c o s d e s s e g é n e r o na m ú s i c a
d e J o s é M a u r í c i o p o d e m ser v i s t o s c o m as p r i m e i r a s m a n i f e s t a ç õ e s
d o nosso nacionalismo musical.

53
Cleofe Person de Mattos

O início do século dezenove

A o despontar o século dezenove, a personalidade d o neto


das escravas Joana G o n ç a l v e s e Ana Corrêa d o Desterro afirma-
s e c o m o u m a estrutura s ó l i d a . Sua f i g u r a d e p r o f e s s o r , r e g e n t e ,
c o m p o s i t o r e o r a d o r s a c r o p r o j e t a - s e c o m p r e s t í g i o c r e s c e n t e na
s o c i e d a d e carioca.
C o n d i c i o n a d a e m b o r a às n e c e s s i d a d e s d o c u l t o , a p r o d u ç ã o
d o mestre-de-capela abre-se a g é n e r o s mais diversificados, s e m
c o n t a r as p r o v á v e i s m a n i f e s t a ç õ e s na área p r o f a n a . O i n t e r e s s e
p e l a r e a l i z a ç ã o p u r a m e n t e i n s t r u m e n t a l t r a n s p a r e c e , na v i r a d a
d o s é c u l o , nas i n t r o d u ç õ e s d e p e ç a s r e l i g i o s a s — v e í c u l o s a b e r t o s
à sua fantasia d e m ú s i c o , e m contraste c o m a austera s i m p l i c i d a d e
d a c o n c e p ç ã o c o r a l — e a f i r m a - s e na c o m p o s i ç ã o d e d u a s
a b e r t u r a s : a c h a m a d a "da T e m p e s t a d e " , cuja data n ã o se c o n h e c e
e x a t a m e n t e , mas q u e f o i a p r e s e n t a d a p o r o c a s i ã o d e u m Elogio
dramático n o aniversário d o vice-rei D. F e r n a n d o de Portugal,
q u e e x e r c e u o m a n d a t o d e 1801 a 1806; 64 e a Zemira, composta
e m 1803-
A o fixar a a t e n ç ã o para o m o m e n t o d e transição q u e se
a p r o x i m a , a i m p o r t â n c i a da p r o d u ç ã o s e t e c e n t i s t a a v u l t a — e n o
seu c o n c e i t o estilístico p o d e - s e e s t e n d ê - l a a t é 1807 — p o r i n c i d i r
numa linguagem e m e v o l u ç ã o livre d e influências q u e pudessem
d e s c a r a c t e r i z á - l a , a n t e s q u e se t r a n s f o r m e t o d o u m c o n c e i t o d e
música religiosa.
Quarenta obras representam, aproximadamente, a b a g a g e m
d e J o s é M a u r í c i o d e s d e sua p r i m e i r a c o m p o s i ç ã o e m 1783- O
q u e c a b e aos sete anos f o c a l i z a d o s neste capítulo limita-se a
s e i s o b r a s d a t a d a s : d o i s g r a d u a i s — para a f e s t a d e R e i s e d e
P e n t e c o s t e s — o m o t e t o "a s o l o " , d e 1800, u m Te Deum para
v o z e s e ó r g ã o e m 1801, a Missa em Si bemol, t a m b é m d e 1801, a
Zemira e m 1803 e a a n t í f o n a In honorem beatissimae Maria
Virginis, c o m orquestra, c o m p o s t a e m 1807.Duas dessas obras
s ã o c o n h e c i d a s e m v e r s ã o n ã o a u t ê n t i c a : a Missa em Si bemol e a
Zemira.
O s o r i g i n a i s q u e s e r v i r a m à r e c o n s t i t u i ç ã o dessas duas o b r a s
foram entregues a Alberto N e p o m u c e n o e a Leopoldo Miguez e
n u n c a m a i s e n c o n t r a d o s . N o c a s o da Missa,65 o t í t u l o n ã o f o i
transcrito por n e n h u m d o s q u e cuidaram d o s manuscritos e de
sua p r o b l e m á t i c a , a s s u n t o t r a t a d o e m n o t a : a i n d i s c u t í v e l
i n c o m p l e t a ç ã o da o b r a — falta a p a r t e d e b a i x o v o c a l — e o
a c o m p a n h a m e n t o , se p o r ó r g ã o o u o r q u e s t r a . A Zemira66 é
c o n h e c i d a a t r a v é s da o r q u e s t r a ç ã o f e i t a n o f i m d o s é c u l o
d e z e n o v e p o r L e o p o l d o M i g u e z e a p r e s e n t a d a e m 1898 e m c o n -

54
José Maurício Nunes Garcia biografia

certo d o Centro Artístico c o m o "Protofonia" de ópera


d e s a p a r e c i d a , o q u e nada c o n f i r m a .
E m 1800 J o s é M a u r í c i o c o m p ô s o m o t e t o "a s o l o " p a r a s o -
p r a n o e a c o m p a n h a m e n t o d e orquestra (flautas, trompas, cordas
s e m v i o l a ) . 6 7 P e ç a d e estrutura binária, o m o t e t o é a obra
e s t i l i s t i c a m e n t e m a i s r o c o c ó n o p a n o r a m a da m ú s i c a d o p a d r e
J o s é M a u r í c i o . S e u p r e c i o s i s m o d i n â m i c o v e m e x p o s t o na
o s c i l a ç ã o f r e q u e n t e e n t r e o p i a n o e o p i a n í s s i m o , o u na o p ç ã o
e m tornar o p r i m e i r o t e m p o d o c o m p a s s o o m o m e n t o p r o p í c i o
aos p i a n o s súbitos, e v i t a n d o atribuir-lhe um p e s o q u e o
s o b r e s s a l t o na p r o s ó d i a latina n ã o c o m p e n s a .
A a n t í f o n a d e 1807, última o b r a l o c a l i z a d a c o m data, a n t e s
d e 1808, e q u e p o r essa r a z ã o p o d e ser c o n s i d e r a d a o
e n c e r r a m e n t o d e t o d o um p e r í o d o d e criação musical — o
s e t e c e n t i s t a — m o s t r a q u e J o s é M a u r í c i o às v é s p e r a s da c h e g a d a
d e D. J o ã o mantinha-se fiel aos princípios d o Classicismo, c o m
e l e g â n c i a e p r o p r i e d a d e . I s s o l h e atribui u m a p o s i ç ã o q u e será
tratada n o f i m d e s t e c a p í t u l o .
O e m p e n h o e m preparar-se para a f u n ç ã o d e o r a d o r sacro
e o b t e r a necessária licença para pregar, l e v o u José M a u r í c j o a
r e t o m a r o s e s t u d o s d e r e t ó r i c a d e 1802 a 1804 c o m o p r o f e s s o r
Silva A l v a r e n g a . Este n ã o p o u p o u o s e l o g i o s a o a l u n o , d e q u e m
d i s s e ter f r e q u e n t a d o .suas aulas f a z e n d o " r á p i d o s p r o g r e s s o s q u e
raras v e z e s s e e n c o n t r a m " .
O b r i g a ç õ e s assumidas e m outras fontes de trabalho —
c o m p o r para a I r m a n d a d e d e S ã o P e d r o e p a r a a O r d e m T e r c e i r a
d o C a r m o — a c r e s c e n t a m - s e nessa f a s e da v i d a d e J o s é M a u r í c i o
a l é m d e s e u s d e v e r e s d e m e s t r e - d e - c a p e l a d a Sé e d o S e n a d o da
Câmara.
É e s t r a n h o c o n s t a t a r - s e seja escassa a p r o d u ç ã o l o c a l i z a d a
n o p e r í o d o , n ã o só e m manuscritos tanto q u a n t o e m registros
n o s catálogos antigos. O s compromissos c o m o Senado eram
a r r e m a t a ç õ e s r o t i n e i r a s p a r a as m e s m a s f e s t a s . N ã o se d e v e
a d m i t i r a e s c a s s e z d e o b r a s c o m o d e c r é s c i m o na p r o d u ç ã o ; o
e x t r a v i o d e o b r a s e x p l i c a r á o f a t o , c o i n c i d e n t e nas d e m a i s f o n t e s
de trabalho.
A d m i t i d o na I r m a n d a d e d e São P e d r o c o m o i r m ã o , e m 1791,
o v í n c u l o c o m o c o m p o s i t o r n o p r e p a r o da m ú s i c a p r i n c i p i o u ,
c o m o na Sé, a p ó s o d e s a p a r e c i m e n t o d o c ó n e g o L o p e s F e r r e i r a ,
q u e r e s p o n d i a i g u a l m e n t e p e l a m ú s i c a na I r m a n d a d e d e S ã o
P e d r o 6 8 . O p r i m e i r o c o m p r o m i s s o c o m a " m ú s i c a p a r a as f e s t a s
d o dia d o S a n t o Patriarca" e v o l u i u n o s a n o s s e g u i n t e s para outras
c o m e m o r a ç õ e s : registram-se v é s p e r a s , n o v e n a s , T e D e u m , música
p a r a as d o m i n g a s e p a r a a S e m a n a Santa, e a i n d a m i s s a d e

55
Cleofe Person de Mattos

c a n t o c h ã o na q u i n t a - f e i r a Santa. N o v a s d e v o ç õ e s e s t ã o
a s s i n a l a d a s n o s a n o s d e 1807 e m d i a n t e , a l c a n ç a n d o u m total d e
mais d e trinta o b r a s o q u e representa a l g o d e p o n d e r á v e l , l a n ç a d o
n o l i v r o 3 a d a R e c e i t a e D e s p e s a da I r m a n d a d e . O a s s u n t o será
o b j e t o d e r e f e r ê n c i a n o c a p í t u l o d e d i c a d o a 1811, q u a n d o s e
interrompeu o vínculo entre José Maurício e a Irmandade d e São
Pedro.
A outra f o n t e de trabalho — a Venerável O r d e m Terceira
d o Carmo — que desde o século dezoito realizava cerimónias
r e l i g i o s a s p e l a S e m a n a Santa e festas d e N o s s a S e n h o r a d o C a r m o
( j u l h o ) e Santa T e r e s a ( o u t u b r o ) , r e v e l o u - s e o d e s t i n o d e m u i t a s
e importantes obras d o p a d r e José Maurício. D e v e - s e admitir
a p e n a s q u e o s e n t e n d i m e n t o s p r o f i s s i o n a i s entre a O r d e m Terceira
e o c o m p o s i t o r e r a m m a i s c o m p l i c a d o s 6 9 . P a r t i n d o da p r e m i s s a
q u e Batista L i s b o a n ã o era c o m p o s i t o r — p o d e r i a s e r r e g e n t e ,
c o m o " p r o f e s s o r " q u e era d e s d e 1784 p e l a I r m a n d a d e d e Santa
C e c í l i a , e d i r e t o r d e m ú s i c a , p o s t o q u e l h e é a d j u d i c a d o e m 1802
— conclui-se q u e n o caso d e José Maurício o i r m ã o andador
f u n c i o n a v a c o m o u m a e s p é c i e d e e m p r e s á r i o : era o r e s p o n s á v e l
p e l a o b r a e n c o m e n d a d a e p o r sua e x e c u ç ã o . O n o m e d o a u t o r
da m ú s i c a n ã o era c i t a d o n o s l i v r o s d e d e s p e s a s ; c i r c u n s c r e v i a -
se a o s m a n u s c r i t o s musicais, 7 0 c o n s e r v a d o s , n ã o n o a r q u i v o da
O r d e m T e r c e i r a , m a s n o a r q u i v o d e Batista L i s b o a .
C o n q u a n t o seja i m p o s s í v e l a c o m p r o v a ç ã o , p o r ausência
d e r e c i b o s o u q u a i s q u e r o u t r o s sinais m a i s e x p r e s s i v o s n o s
manuscritos localizados, todos os casos prováveis d e obras
c o m p o s t a s para o s e v e n t o s d a O r d e m T e r c e i r a f o r a m c o n s e r v a d o s
p o r Batista L i s b o a e m s e u a r q u i v o p a r t i c u l a r . É o q u e p e r m i t e
o l h a r c o m o q u e u m c í r c u l o f e c h a d o , a c o m p o s i ç ã o e o seu d e s t i n o .
A e v i d ê n c i a d e s s e s f a t o s ressalta e m c o i n c i d ê n c i a s v á r i a s :
o r e g i s t r o d o e v e n t o n o s l i v r o s da O r d e m , a c o m p o s i ç ã o d o p a -
d r e - m e s t r e para a c e r i m ó n i a , n o m e s m o a n o , e o manuscrito
c o r r e s p o n d e n t e , s e m p r e rubricado p e l o diretor d e música. O s
m a n u s c r i t o s q u e t r a z e m essa rubrica — e m 1790, c o m o e m 1798,
1807, c o m o o c o r r e r á e m 1813, 1814, 1815, 1816 e 1818 — sinal
d e p a s s a g e m p e l o a r q u i v o d e Batista L i s b o a , l e v a n t o u o v é u d o s
a c o n t e c i m e n t o s . 7 1 É essa a e n g r e n a g e m q u e se e n c o n t r a e m
m a n u s c r i t o s d a é p o c a , e se r e p e t e e m 1807, última d a t a a n t e s da
c h e g a d a d e D . J o ã o , na a n t í f o n a p a r a N o s s a S e n h o r a d o C a r m o :
In honorem beatissimce Maria Virginis.
São p e r t i n e n t e s essas o b s e r v a ç õ e s , t e n d e n t e s a esclarecer
a p r o d u ç ã o mauriciana nos primeiros anos d o século d e z e n o v e .
O t r a b a l h o c o n c e n t r a d o d e J o s é M a u r í c i o nas f u n ç õ e s q u e assumiu

56
José Maurício Nunes Garcia biografia

na R e a l C a p e l a , a partir d e 1808, i m p e d i u d u r a n t e a l g u n s a n o s a
c o l a b o r a ç ã o c o m a O r d e m Terceira d o Carmo.72
A rubrica d e Batista L i s b o a n ã o f r e q u e n t a r á m a n u s c r i t o s d e
J o s é M a u r í c i o d a t a d o s até 1813, q u a n d o n o v a s e i m p o r t a n t e s o b r a s
s e r ã o c o m p o s t a s p e l o p a d r e - m e s t r e , já e m outra f a s e . I g u a l m e n t e
transferidas para a c o l e ç ã o d e B e n t o das Mercês.73
É s o b r e t u d o a data da c o m p o s i ç ã o q u e f a z recair na p e q u e n a
a n t í f o n a d e 1807 In honorem beatissimae Maria Virginis, última
o b r a c o m d a t a a n t e r i o r a 1808, a o m e s m o t e m p o q u e e n c e r r a
t o d o u m p e r í o d o d e criação musical, o p o n t o d e referência
e s c o l h i d o p a r a o c o n f r o n t o e n t r e as d u a s f a s e s d i s t i n t a s da
l i n g u a g e m m a u r i c i a n a : a s e t e c e n t i s t a e a q u e está p r e s t e s a
m a n i f e s t a r - s e . O q u e justifica suas c a r a c t e r í s t i c a s m u s i c a i s .
P e ç a d e curtas p r o p o r ç õ e s — 26 c o m p a s s o s — as l i n h a s
g e r a i s da a n t í f o n a e v i d e n c i a m q u e às v é s p e r a s da c h e g a d a d e
D . J o ã o , e m 1808, o c o m p o s i t o r m a n t i n h a - s e f i e l à s i m p l i c i d a d e
e e l e g â n c i a , a p a n á g i o s d o Classicismo, numa c o m p o s i ç ã o b e m
m a i s m o d e s t a d o q u e muitas o b r a s a n t e r i o r e s d o s é c u l o d e z o i t o .
E q u i l i b r a d a c o m o estrutura, d i v i d e - s e e m v á r i o s s e g m e n t o s :
introdução, s o l o d e soprano, coro, interlúdio de orquestra e coda
final.
A melodia desenvolve-se com simplicidade, com leve
tendência ao cromatismo.
O c u r t o s o l o d e s o p r a n o e o â m b i t o e m q u e se m o v e —
i n t e r v a l o d e 6a m a i o r — n ã o d e i x a d ú v i d a d e s t i n a r - s e a u m t i p l e .
T o d a a g a m a d a s h a r m o n i a s naturais d e d o m i n a n t e s ã o
e m p r e g a d a s nesta p e q u e n a p e ç a : a e l a s a c r e s c e n t a m - s e a c o r d e s
d e sétima p o r p r o l o n g a ç ã o , a 6a napolitana e, num c a s o ú n i c o
q u e alia t r a ç o s d o p a s s a d o e u m p o u c o d e o u s a d i a , u m a c o r d e
d e 6 a a u m e n t a d a dá u m t o q u e m a i s v i v o . O b a i x o c i f r a d o é
p r e s e n ç a c o n s t a n t e d e s d e as p r i m e i r a s o b r a s d e J o s é M a u r í c i o .
O s instrumentos d e s o p r o são tratados c o m discrição: os metais
c o m a f u n ç ã o harmónica peculiar à obra o c o m p o s i t o r c o n s e r v o u
m e s m o e m f a s e m a i s tardia. A f l a u t a n ã o s e l i m i t a a d u p l i c a r a
v o z ou instrumento agudo. T e m movimentação própria, b e m
escrita, graciosa. Partes q u e t ê m a e n v o l v ê - l a s o m o v i m e n t o
s i m p l e s o n d e n ã o falta o interesse, quer n o d i á l o g o e
m o v i m e n t a ç ã o das frases, q u e r nas a r t i c u l a ç õ e s instrumentais c o m
n o t a s r e p e t i d a s , a c o r d e s , n o t a s e m staccati que enriquecem a
escrita das cordas.
A a n t í f o n a d e 1807 é a ú l t i m a o b r a c o m d a t a c o n h e c i d a
c o m p o s t a p o r José Maurício n o início d o século d e z e n o v e . Alguns
m e s e s a p ó s a c o m p o s i ç ã o desta p e ç a , o a v i s o da p r ó x i m a c h e g a d a
d o príncipe regente de Portugal sobressalta a cidade,

57
Cleofe Person de Mattos

p r e n u n c i a n d o para o R i o d e Janeiro o e n c e r r a m e n t o d e uma fase


histórica: o f i m d o p e r í o d o c o l o n i a l para a c i d a d e q u e d e s d e
1763 era a c a p i t a l d a c o l ó n i a p o r t u g u e s a na A m é r i c a . O R i o d e
J a n e i r o p a s s a v a a ser a s e d e da a d m i n i s t r a ç ã o da c o r o a
portuguesa.

58
Segunda parte
(1808-1821)
1808
Severiana Rosa de Castro

A n t e s d e abrir e s p a ç o para o a n o d e 1808, q u a n d o


importante a c o n t e c i m e n t o sacode a história d o Rio d e Janeiro,
i m p õ e - s e b r e v e digressão não musical para assinalar a presença
d e uma criatura na vida d o p a d r e - m e s t r e . C h a m a v a - s e ela
Severiana Rosa d e Castro, 74 era vinte e dois anos mais j o v e m d o
q u e José Maurício e a mãe dos filhos que pesam e m sua bagagem
sentimental. P r o l e proibida pela Igreja, não seria c ó m o d a na
consciência d o sacerdote.
A r e s p e i t o da d e s c e n d ê n c i a d o p a d r e José M a u r í c i o
e s c l a r e c e o Dr. N u n e s Garcia, e m 1860, q u e a o t e m p o d o
r e c o n h e c i m e n t o p a t e r n o eram "quatro os meus irmãos v i v o s d e
pai e m ã e " . Palavras q u e v ê m confirmar, n ã o só a pluralidade
da d e s c e n d ê n c i a d o padre, filhos d e uma única mulher, c o m o o
f a t o d e os f i l h o s d e Severiana registrados nos livros d e batismo
da freguesia d e São José serem, realmente, filhos d o mestre-de-
capela. O Dr. Nunes Garcia acrescenta dados mais precisos c o m
r e f e r ê n c i a a esses irmãos, o q u e n ã o exclui a idéia d e algum
o u t r o já f a l e c i d o , ou d e outra o r i g e m q u e n ã o a Severiana. 7 5
A alusão aos filhos " v i v o s " e x i g e referência a o m e n i n o
n a s c i d o d e Severiana e m 1806 ( b a t i z a d o e m 3 d e j u n h o ) que
t o m o u o n o m e d e José. Teria sido batizado às pressas, p o i s não
t e v e madrinha d e batismo, apenas padrinho; desapareceu antes
d e 10 d e d e z e m b r o d e 1808, q u a n d o o seu n o m e é d a d o a outra
criança, q u e será o futuro Dr. Nunes Garcia.
Os livros 4° e 5° d e batismo da freguesia de São José d ã o
consistência às i n f o r m a ç õ e s d o Dr. Nunes Garcia a respeito d e
seus irmãos, citando nomes. Segue registro abreviado: 7 6

1806 - José; p a d r i n h o : Manuel D e l f i m Silva. B a t i z a d o a


3.6, L° 4°, p. 332 v.

1807 - A p o l i n á r i o José; padrinhos: José Batista Lisboa e


Victoria Maria da Cruz. Batizado a 29-8, idem, p. 372.

1808 - José; padrinhos: Francisco Joaquim da Silva e Victoria


Maria da Cruz p o r seu procurador José Batista Lisboa. Batizado
e m 21.12, L° 5°, página lóv. 7 7

1810 - Josefina; padrinho: José d o Carmo Torres Vedras.


Batizada e m 3 3, L° 5°, fl. 86v.

61
Cleofe Person de Mattos

1811 - P a n f í l i a ; p a d r i n h o : t e n e n t e M a n u e l R o d r i g u e s Silva;
B a t i z a d a e m 16.9, L a 5 Q , f l . l 6 3 v .

1813 - A n t ô n i o ; p a d r i n h o : A n t ô n i o B e r n a r d i n o d o s S a n t o s
F e r r e i r a . B a t i z a d o e m 27.3, L a 5 a , f l . 267v.

O Dr. N u n e s Garcia acrescenta particularidades dessa


d e s c e n d ê n c i a . Inclui entre o s "quatro irmãos v i v o s à é p o c a d o
f a l e c i m e n t o d o pai", duas irmãs e m estado d e "meia loucura".
S e r i a m as m e n i n a s n a s c i d a s e m 1810 — J o s e f i n a 7 8 — e 1811 —
P a n f í l i a , e a l u d e a o i r m ã o A p o l i n á r i o , n a s c i d o e m 1807, c o m o
"hábil músico e organista". O n o m e d e Apolinário, juntamente
c o m o d o D r . N u n e s G a r c i a , p a r t i c i p a da d e d i c a t ó r i a d o
Compêndio elementar de música e s c r i t o e m 1821, q u a n d o o p a -
dre-mestre passou a ensinar música aos d o i s filhos.
A esses irmãos juntava-se outro, cujo n o m e o doutor n ã o
cita p o r f o r ç a da i n d i s p o s i ç ã o e n t r e a m b o s c o m r a z õ e s a c u m u l a d a s
d e s d e a m o r t e d o p a i : A n t ô n i o J o s é N u n e s Garcia. 7 9 Q u a n t o a
S e v e r i a n a , o q u e p e n s a r d e s s a c r i a t u r a c a p a z d e atrair u m
intelectual da estatura d o p a d r e J o s é Maurício, s e n ã o admitir f o s s e
d o t a d a d e v i v a c i d a d e , a l é m d o natural d e s l u m b r a m e n t o p e l o
c o m p o s i t o r e p o s s i v e l m e n t e t a m b é m p e l o o r a d o r . D e n t r e o s seus
f i l h o s , q u a t r o e v i d e n c i a r a m a l g u m talento: letras, música e
m e d i c i n a . C a s a d a p o s t e r i o r m e n t e c o m u m c o m e r c i a n t e — Fran-
c i s c o R o d r i g u e s Martins — S e v e r i a n a t e v e o u t r o f i l h o , S e v e r i a n o
R o d r i g u e s Martins, n a s c i d o e m 1820. M é d i c o d e n o m e a d a , c u i d o u
d e Gottschalk q u a n d o este pianista e c o m p o s i t o r a m e r i c a n o
c o n t r a i u f e b r e a m a r e l a n o R i o d e J a n e i r o , e m 1879- O D r .
S e v e r i a n o m o r r e u e m Paris, n o a n o 1897. S e v e r i a n a , já v i ú v a ,
m o r r e u e m 28 d e m a i o d e 1878 e f o i e n t e r r a d a n o c e m i t é r i o d a
O r d e m 3a d o s M í n i m o s d e S ã o F r a n c i s c o d e P a u l a , n o C a t u m b i ,
da q u a l era i r m ã .

A chegada de D.João VI

A o i n i c i a r o a n o d e 1808, o p a d r e J o s é M a u r í c i o tinha 41
a n o s d e i d a d e e d e z d e m e s t r a d o na Sé. Era c o m p o s i t o r p r e s t i g i a d o
e p r o f e s s o r r e s p e i t a d o na c i d a d e . Estava e m c u r s o o m ê s d e
janeiro q u a n d o a cidade f o i sacudida p o r inesperada notícia: a

62
José Maurício Nunes Garcia biografia

próxima chegada d o príncipe regente d e Portugal, o futuro


D . J o ã o V I . A c o m p a n h a - o a rainha D. Maria I, a r e a l f a m í l i a ,
g r a n d e p a r t e da c o r t e e a alta a d m i n i s t r a ç ã o da c o r o a p o r t u g u e s a .
T o d o s a c a m i n h o d o Rio de Janeiro.
O s p r e p a r a t i v o s para a c h e g a d a s ã o d e c i d i d o s p e l o S e n a d o
da Câmara, 8 0 c o m a p r e v i s ã o d e uma c e r i m ó n i a r e l i g i o s a na m a i s
b e l a i g r e j a d a c i d a d e — a da V e n e r á v e l O r d e m T e r c e i r a d e N o s s a
S e n h o r a d o M o n t e d o C a r m o — situada n o T e r r e i r o d o P a ç o ,
p r ó x i m o a o p a l á c i o d o s v i c e - r e i s . N ã o f o i e s c o l h i d a a Sé Catedral,
a f a s t a d a d o c e n t r o n o b r e da c i d a d e , instalada e m t e m p l o mal
c o n s e r v a d o , c o m o c h ã o e m terra batida, o n d e o s i r m ã o s d o
Rosário viviam e m m e i o a turbulências e constante litígio c o m
os membros d o Cabido.
S e m a n a s m a i s tarde, outra n o t í c i a m a i s p r ó x i m a i n f o r m a v a
a data da c h e g a d a — dia 7 d e m a r ç o — e c o m u n i c a v a o d e s e j o
d o p r í n c i p e , l o g o a p ó s o d e s e m b a r q u e : d i r i g i r - s e à Catedral para
assistir a u m T e D e u m e m a ç ã o d e g r a ç a s p e l a v i a g e m b e m
s u c e d i d a . O s p r e p a r a t i v o s já iniciados na igreja da O r d e m Terceira
d o Carmo — armação, paramentos, panaria — foram
i m e d i a t a m e n t e transferidos para a igreja d o Rosário. 8 1 A c e r i m ó n i a
seria r e a l i z a d a c o m a m a i o r p o m p a p o s s í v e l , numa igreja m o d e s t a .
R e s p o n d e r i a p e l a m ú s i c a o g r u p o da Sé: o s c a p e l ã e s c a n t o r e s
para o g r e g o r i a n o , o s m e n i n o s d o Seminário d e São J o a q u i m
p a r a as v o z e s d e s o p r a n o s e c o n t r a l t o s , o s t e n o r e s e b a i x o s e o
o r g a n i s t a e e v e n t u a i s instrumentistas. O p a d r e J o s é M a u r í c i o ,
m e s t r e - d e - c a p e l a d a Sé C a t e d r a l , d i r i g i r i a , o b v i a m e n t e , o
conjunto.
N o d i a m a r c a d o a p o n t o u na barra d o R i o d e J a n e i r o a
e s q u a d r a a n s i o s a m e n t e e s p e r a d a . O d e s e m b a r q u e f e z - s e n o dia
s e g u i n t e , 8 d e m a r ç o , mas a rainha — d o e n t e — d e s e m b a r c a r i a
mais tarde. D . J o ã o , o príncipe regente, a c o m p a n h a d o pela corte
e m g r a n d e gala, r e c e b i d o c o m a deferência possível, f e z a p é o
p e r c u r s o d o c a i s à C a t e d r a l e Sé a o s o m d e " t a m b o r e s e
instrumentos músicos" localizados e m pontos vários. F o g o s d e
a r t i f í c i o e o r e p i q u e d o s s i n o s das i g r e j a s d o R i o d e J a n e i r o
saudavam o cortejo, q u e caminhava sobre um chão c o b e r t o de
areia e ervas odoríferas.
U m c o r e t o j u n t o à rua d o R o s á r i o f a z i a o u v i r , nas p a l a v r a s
d o p a d r e Perereca,82 " m e l o d i o s a s v o z e s instrumentais c o m o
v o c a i s " , e n t o a n d o h i n o s d e j ú b i l o e l o u v o r a Sua A l t e z a R e a l . E
assim, c e r c a d o d e música a o l o n g o d o caminho, o p r í n c i p e r e g e n t e
e n t r o u na C a t e d r a l a o s o m d e u m a " g r a n d e o r q u e s t r a " . E é na
p e q u e n a e h u m i l d e igreja levantada p e l o s irmãos d e Nossa
Senhora d o Rosário e São Benedito d o s H o m e n s Pretos, que o

63
Cleofe Person de Mattos

p r í n c i p e r e g e n t e d e P o r t u g a l e d o s A l g a r v e s a j o e l h a - s e na t a r d e
d e 8 d e m a r ç o d e 1808 p a r a assistir a o T e D e u m e " a g r a d e c e r a
Deus a graça de havê-lo feito chegar a salvo".
A c e r i m ó n i a na Sé c o r o o u as d e m o n s t r a ç õ e s p ú b l i c a s d e
a f e t o e calor h u m a n o d o p o v o d o Rio d e Janeiro, sentimentos
q u e c e r c a r a m D . J o ã o n o s a n o s e m q u e p e r m a n e c e u na c a p i t a l
da c o l ó n i a p o r t u g u e s a . F o i t a m b é m a p r i m e i r a o p o r t u n i d a d e d e
tomar c o n h e c i m e n t o c o m a realização musical da Catedral o n d e
iria p e r m a n e c e r 13 a n o s . A a l u s ã o d i r e t a à m ú s i c a d e v e - s e , m a i s
u m a v e z , a o p a d r e P e r e r e c a : "... u m a g r a n d e o r q u e s t r a r o m p e u
e m m e l o d i o s o s c â n t i c o s l o g o q u e e n t r o u S.A.R. c o m sua augusta
família, e a o s o m dos instrumentos e v o z e s , q u e caminhavam
p e l o santuário, c a m i n h o u o Príncipe Regente...".
Mais p r e c i s a m e n t e n o tocante à música e n t ã o o u v i d a ,
i n f o r m a o h i s t o r i a d o r : " C o n c l u í d o o h i n o d e g r a ç a s e c a n t a d a s as
a n t í f o n a s Sub tuumpraesidium e O Beate Sebastiane...".83
C o m e n t a n d o a posteriori esses a c o n t e c i m e n t o s , o e s c r i v ã o
d o S e n a d o acrescenta:84

"Jamais se v i u nesta c i d a d e t ã o l u z i d a f u n ç ã o : a I g r e j a
Catedral ricamente ornada e t a m b é m p r e p a r a d a para q u e
se n ã o visse hum b o c a d o d e seu interior q u e n ã o estivesse
c o b e r t o da m a i s f i n a t a p e ç a r i a ; d o u s c o r e t o s d o s m e l h o r e s
m ú s i c o s e da m a i s e s c o l h i d a m ú s i c a . . . " e f i n a l i z a : " h u m
l u z i d o a j u n t a m e n t o d e militares, n o b r e s , eclesiásticos, e
s o b r e t u d o d o S e n a d o da C a m a r a . . . c o m p u n h a m u m c o r p o
tão respeitável q u e parecia o Rio d e Janeiro uma nova
cidade."

Se D . J o ã o d e u d e i m e d i a t o a t e n ç ã o a o m é r i t o s d o m e s t r e -
d e - c a p e l a é d i f í c i l saber. T e r i a essa o p o r t u n i d a d e , d i a s a p ó s —
12 d e m a r ç o , s á b a d o — na missa s o l e n e e m l o u v o r d e N o s s a
S e n h o r a d a C o n c e i ç ã o , p a d r o e i r a d a Casa R e a l e D o m í n i o s q u e
e l e p r ó p r i o m a n d o u c e l e b r a r " p e l a sua s a l v a ç ã o e f e l i z c h e g a d a
a o B r a s i l " . R e a l i z o u - s e a c e r i m ó n i a , n ã o m a i s na C a t e d r a l e Sé
m a s na i g r e j a d o s T e r c e i r o s , v i z i n h a à c a p e l a d o s r e l i g i o s o s da
O r d e m C a r m e l i t a n a , q u e D . J o ã o já havia d a d o sinal d e q u e n ã o
tardaria a ser erigida e m Capela Real.
S u c e d e r a m - s e as c e r i m ó n i a s r e l i g i o s a s p e l o m e s m o
a u s p i c i o s o m o t i v o . A I r m a n d a d e d e Santa C e c í l i a c o m s e u s
m ú s i c o s e c a n t o r e s p r e s t o u h o m e n a g e m a o p r í n c i p e na i g r e j a d o
P a r t o . A f u n ç ã o e m n o m e da c i d a d e p r o m o v i d a p e l o S e n a d o ,
p r e v i s t a p e l o e s c r i v ã o , r e a l i z o u - s e n o dia 15 d o m e s m o m ê s , na
C a t e d r a l . C a n t o u - s e na o c a s i ã o , "missa s o l e n e " e T e D e u m " c o m

64
José Maurício Nunes Garcia biografia

g r a n d e m a g n i f i c ê n c i a , q u e r n o o r n a t o d a i g r e j a , q u e r na
e x c e l ê n c i a da música". 8 5
A s s i m c o m o s e o b s e r v a r a nas c e r i m ó n i a s a n t e r i o r e s , n ã o
há r e f e r ê n c i a a o r e s p o n s á v e l p é l a m ú s i c a o u v i d a n e s s e d i a , s e m
e s q u e c e r q u e , a l é m das o b r i g a ç õ e s na Sé, c o m a r e s p o n s a b i l i d a d e
das p r o m o ç õ e s d o Senado, o p a d r e José Maurício atuava c o m o
r e g e n t e d e o r q u e s t r a e d o c o r o da I r m a n d a d e d e Santa C e c í l i a , e
provavelmente c o m o compositor.
A o completar um mês d o desembarque n o Rio de Janeiro,
D . J o ã o m a n d o u r e a l i z a r outra "festa d e a ç ã o d e g r a ç a s p e l a sua
f e l i z c h e g a d a " , na c a p e l a d o c o n v e n t o d o C a r m o . O f e r e c i a m - s e
a o príncipe regente, desse m o d o , diversificadas oportunidades
d e a v a l i a r a q u a l i f i c a ç ã o m u s i c a l d o c o n j u n t o da Sé e o n í v e l d e
c r i a ç ã o e s p e c í f i c a , n o g é n e r o , d e seu m e s t r e - d e - c a p e l a , o p a d r e
José Maurício.

1808-1811
Os três anos vividos
na Capela Real

Em p o u c o s d i a s D . J o ã o p u d e r a c o n h e c e r as i g r e j a s m a i s
i m p o r t a n t e s da c i d a d e e t o m a r c o n h e c i m e n t o d o q u a d r o d e
d i f i c u l d a d e s h u m a n a s q u e c e r c a v a m o f u n c i o n a m e n t o da Catedral
e Sé. N ã o a p e n a s o e s t a d o d e c a d e n t e d o e d i f í c i o , p o u c o a d e q u a d o
à p o m p a q u e l h e q u e r i a atribuir, c o m o C a p e l a Real, m a i s as
d i s s e n ç õ e s entre o s i r m ã o s d o Rosário, d o n o s da igreja, e o C a b i d o
n e l a i n s t a l a d o . O s u f i c i e n t e para f a z e r n a s c e r a i d é i a , l o g o p o s t a
e m prática, d e transferir o C a b i d o para outra igreja nas i m e d i a ç õ e s
d o v e l h o p a l á c i o d o s v i c e - r e i s : serviria d e c a p e l a p a r t i c u l a r à
f a m í l i a real, t r a d i ç ã o entre o s seus antepassados. A e s c o l h a recaiu
na c a p e l a d o s r e l i g i o s o s da O r d e m d o C a r m o , situada e n t r e a
igreja d o s T e r c e i r o s e, d e o u t r o lado, o c o n v e n t o da m e s m a o r d e m ,
já r e q u i s i t a d o p e l a c o r o a p a r a a b r i g a r a rainha.
N a d o c u m e n t a ç ã o o f i c i a l q u e r e g i s t r a v a as m e d i d a s da
o r g a n i z a ç ã o s o c i a l d a c o r t e p o r t u g u e s a n o Brasil, a e s c o l h a l o g o
a p o n t a . N o dia 6 d e abril l ê - s e n o L i v r o d e R e g i s t r o s d e A v i s o s
IJJ'155, p á g i n a 18, q u e Sua A l t e z a R e a l " b a i x a à Sua C a p e l a "
s á b a d o , d i a 9 d o c o r r e n t e , às d e z h o r a s da m a n h ã e à t a r d e , às
c i n c o , o n d e " s e há d e c e l e b r a r uma Festa e m a ç ã o d e g r a ç a s p e l a

65
Cleofe Person de Mattos

f e l i z c h e g a d a d o m e s m o S e n h o r a esta C a p i t a l " . D. J o ã o
d e s e n v o l v e u i m e d i a t a m e n t e a i d é i a da c r i a ç ã o da C a p e l a R e a l
q u e i m p l i c a v a e m uni-la à C a t e d r a l , d i s t r i b u i n d o - a p a r a e s t u d o
a o s q u e a d m i n i s t r a t i v a m e n t e r e s p o n d i a m p e l o assunto. 8 6
N o d e c o r r e r d o m ê s d e a b r i l , a o c u p a ç ã o da n o v a c a p e l a
d e D. J o ã o vai p r o g r e d i n d o a o sabor de d o c u m e n t o s e consultas
às a u t o r i d a d e s r e l i g i o s a s v i n c u l a d a s a o assunto. O p e r í o d o q u e
a n t e c e d e a c r i a ç ã o o f i c i a l da Real C a p e l a n ã o s i g n i f i c a a
p a r a l i s a ç ã o d o s c o n j u n t o s q u e i n t e g r a v a m a música da a n t i g a Sé.
A S e m a n a Santa é r e a l i z a d a na c a p e l a d o s p a d r e s c a r m e l i t a s e ,
n o d i z e r d o p a d r e P e r e r e c a , as c e r i m ó n i a s t i v e r a m a s o l e n i d a d e
c o s t u m e i r a a c r e s c i d a p e l o " e s p l e n d o r d e três M o n s e n h o r e s , d o i s
c ó n e g o s e c i n c o b e n e f i c i a d o s d a Patriarcal v i n d o s c o m a Família
R e a l , a u x i l i a d o s p o r o u t r o s s a c e r d o t e s da c i d a d e e a l u n o s d o
S e m i n á r i o S ã o J o a q u i m , p a r a isso c o n v i d a d o s p o r Sua A l t e z a
R e a l " . F o i m u i t o a p r e c i a d a , n o s a t o s d a S e m a n a Santa, a a t i t u d e
de d e v o ç ã o d o príncipe regente, especialmente o "respeito à
p a l a v r a d e D e u s e a o s c â n t i c o s da i g r e j a " . 8 7
A d e c i s ã o d e criar uma c a p e l a junto a o seu p a l á c i o , e
s o b r e t u d o , d e uni-la à C a t e d r a l d e v e r i a a g u a r d a r a c h e g a d a d o
b i s p o , o q u e s o m e n t e e m 25 d e abril o c o r r e u . A e n t r a d a s o l e n e
d o b i s p o D . J o s é C a e t a n o da Silva C o u t i n h o na c i d a d e r e a l i z o u -
se n o d i a 13 d e m a i o , a n i v e r s á r i o d e D . J o ã o , e m c e r i m ó n i a na
Catedral.
Inteirado dos projetos d o príncipe regente, que desejava
para a Real Capela d o Rio d e Janeiro, f o s s e m r e p r o d u z i d o s q u a n t o
p o s s í v e l o s r i t o s e o c e r i m o n i a l da Patriarcal d e L i s b o a , l o g o
p r e p a r o u - s e o b i s p o para v i a b i l i z a r a e x e c u ç ã o da d e l i c a d a tarefa
q u e l h e c a b i a : i n t e g r a r n o C a b i d o d a C a t e d r a l e Sé d o R i o d e
J a n e i r o o s m i n i s t r o s da patriarcal d e L i s b o a . Já f o r a i n c u m b i d o o
t e s o u r e i r o — p a d r e E l ó i — d e estruturar f i n a n c e i r a m e n t e a n o v a
C a p e l a , p r e p a r a n d o a " r e l a ç ã o d a s d e s p e s a s q u e se p o d e r i a m
f a z e r " c o m a q u e seria a C a p e l a R e a l , i n c l u i n d o o l e v a n t a m e n t o
d o s o r d e n a d o s d a q u e l e s q u e dela d e v e r i a m f a z e r parte.
Cita o s m ú s i c o s v i n d o s c o m D . J o ã o : p a d r e A n t ô n i o P e d r o ,
e o organista José d o Rosário Nunes. Mas é s o b r e t u d o o padre
F r a n c i s c o d e Paula Pereira q u e m e r e c e d e s t a q u e p e l a c o m p e t ê n c i a
e qualidades musicais evidenciadas.
O trabalho e a responsabilidade d o m e s t r e - d e - c a p e l a da Sé
m a n t i n h a - s e n o r m a l m e n t e , mas n ã o se p o d e deixar d e considerar,
n e s s e m o m e n t o , u m sinal l a n ç a d o n o d o c u m e n t o d o p a d r e Elói,
q u e p o d e p a r e c e r natural — o u m e r a insinuação — referindo-se
a o p a d r e F r a n c i s c o d e Paula ( P e r e i r a ) "que p o d e dirigir a Música
e instruir o s c a n t o c h o n i s t a s " . 8 8 Se o padre Francisco de Paula

66
José Maurício Nunes Garcia biografia

p a r t i c i p o u da o r g a n i z a ç ã o musical da C a p e l a o u l h e f o i atribuída
qualquer f u n ç ã o de "dirigir a música" nesse m o m e n t o de
a d a p t a ç ã o a o s m o l d e s d e Lisboa, n ã o se e n c o n t r o u c o m p r o v a ç ã o .
A admissão d o s ministros brasileiros que c o m p u n h a m o
C a b i d o da Sé d o R i o d e J a n e i r o " e n t r e o s m a i s q u e se h o u v e r e m
d e a d m e t i r " é encarada p e l o p a d r e Elói c o m t r a n q u i l i d a d e ,
r e c o n h e c e n d o " q u e n ã o p o d e r i a m ser i g n o r a d o s n e m e s q u e c i d o s "
na r e f o r m u l a ç ã o da C a t e d r a l e c r i a ç ã o da R e a l C a p e l a . O u t r o
d o c u m e n t o s e m assinatura, p o r q u e s e c r e t o , mas q u e o b v i a m e n t e
e x p r e s s a v a o p e n s a m e n t o c o l e t i v o d o s m i n i s t r o s da P a t r i a r c a l é
e n c a m i n h a d o juntamente c o m o e s t u d o d o p a d r e Elói. D i z r e s p e i t o
mais de perto à posição d o mestre-de-capela e representa a
resposta à consulta formulada p o r D. J o ã o s o b r e a f u s ã o da
Catedral à n o v a Capela Real. O o b j e t i v o principal da resposta
era f a z e r v e r a D. J o ã o o s i n c o n v e n i e n t e s d e unir n u m o r g a n i s m o
ú n i c o a Sé à C a p e l a R e a l . E m a l i c i o s a m e n t e era s u g e r i d o a D .
J o ã o , u m a v e z q u e as c i r c u n s t â n c i a s e c o n ó m i c a s n ã o p e r m i t i a m
erigir a Capela c o m a magnitude q u e D. João pretendia, q u e o
príncipe p o d e r i a f a z ê - l o c o m m e n o r n ú m e r o d e ministros, de
m a n e i r a a d i m i n u i r as d e s p e s a s . E i n s i n u a v a q u e se l i m i t a s s e m
os ministros àqueles que haviam a c o m p a n h a d o o príncipe
r e g e n t e . O C a b i d o d o Rio d e Janeiro ficava fora, portanto.89
Prossegue o d o c u m e n t o acrescentando a t o d o esse
m a q u i a v e l i s m o ditado pela insegurança e m manter os respectivos
p o s t o s , u m g e s t o d e i n t o l e r â n c i a e falta d e r e s p e i t o h u m a n o ,
c o m o qual a a r g u m e n t a ç ã o conclui n o caso d e unir-se a Capela
Real à Catedral: " a c o m o d a ç õ e s d e v e r i a m ser feitas d e maneira a
evitar o c o n v í v i o entre os ministros de Lisboa e os d o Rio d e
J a n e i r o " . E, m u i t o r e s p e i t o s a m e n t e , f a z i a m v e r a D . J o ã o : "É
p r e c i s o r e f l e t i r q u e Sua A l t e z a e c o n o m i s a m u i t o p o u c o na u n i ã o
d a s d u a s i g r e j a s p o r q u e fica c o m o p e s o d a s d e s p e s a s da Fabrica,
a q u e a Sé n ã o p o d e suprir, e da s u s t e n t a ç ã o d o s m i n i s t r o s q u e
n ã o p o d e m ser e m p r e g a d o s ; e a p e q u e n a v a n t a g e m q u e n i s s o se
lucra é c o n t r a p e s a d a c o m o s a c r i f í c i o da l i b e r d a d e d e sua c a p e l a ,
e c o m o d e s g o s t o d e entrar nela a l g u m a p e s s o a c o m d e f e i t o f í s i c o
visível".90
R a z ã o i m p e r i o s a para e s s e s ministros, a p e s s o a " c o m d e f e i t o
f í s i c o v i s í v e l " , o p a d r e J o s é M a u r í c i o N u n e s G a r c i a , tinha d o i s
g r a v e s d e f e i t o s : era b r a s i l e i r o e n ã o era b r a n c o d e p e l e .
F o i essa a resposta q u e J o s é M a u r í c i o r e c e b e u d o s m i n i s t r o s
d e s u a i g r e j a , à c h e g a d a da c o r t e , q u a n d o p ô d e sentir, m a i s
a c i d a m e n t e , a h o s t i l i d a d e e o d e s p r e z o p e l a sua p e s s o a e a
i n d i f e r e n ç a p e l o seu talento, d e s t i l a d o s p o r criaturas

67
Cleofe Person de Mattos

hierarquicamente superiores a ele, mas d e qualidade humana


certamente discutível, embora fossem brancos.
N ã o era a p r i m e i r a v e z , b e m se s a b e e m sua c a r r e i r a d e
m ú s i c o e s a c e r d o t e , q u e J o s é M a u r í c i o se v i a p r e s s i o n a d o p e l o
p r o b l e m a d e cor. I m p o s s í v e l e s q u e c e r a v e e m e n t e p e t i ç ã o q u e
dirigira a o b i s p o e m 1791 d e f e n d e n d o seus direitos — c o m o p a r d o
liberto — d e "servir a Deus n o estado d e sacerdote". O g o l p e
a g o r a era m a i s f u n d o . Era u m a b a r r e i r a q u e se o p u n h a a o s s e u s
s o n h o s d e m ú s i c o e à alegria d e c o m p o r para a Real C a p e l a .
M a i s f u n d o a i n d a p o r q u e essa r e a ç ã o n ã o partia d e h o m e n s
i l e t r a d o s e s i m d e p e s s o a s q u e r e p r e s e n t a v a m a c ú p u l a d e sua
igreja e j u l g a v a m o p r o b l e m a q u e o atingia c o m o uma
inferioridade humana.
F o i v e n c i d a , p o r é m , a r e a ç ã o d o s m o n s e n h o r e s da Patriarcal
d e Lisboa, q u e tão asperamente haviam manifestado repulsa à
p r e s e n ç a d e J o s é M a u r í c i o na r e c é m - c r i a d a C a p e l a . A v o n t a d e
d e D . J o ã o s o u b e e v i t a r a injustiça q u e se p r e t e n d i a praticar c o m
o repúdio ao mestre-de-capela com superior formação e
m u s i c a l i d a d e i n d i s c u t í v e l . M e s m o p o r q u e , na c o l ó n i a , n e n h u m
o u t r o m ú s i c o d e i g u a l e n v e r g a d u r a tinha c o n d i ç õ e s d e o c u p a r o
p o s t o na C a p e l a q u e , a partir d e j u n h o , r e u n i u d u a s e n t i d a d e s : a
C a t e d r a l e a C a p e l a R e a l . O p a d r e J o s é M a u r í c i o será t r a n s f e r i d o ,
c o m o C a b i d o , para a igreja d o s r e l i g i o s o s d o C a r m o .
N ã o f o i a m e n a a e x i s t ê n c i a d e J o s é M a u r í c i o na C a p e l a
criada p o r D . J o ã o . A p o s i ç ã o d e tranquilo p r e s t í g i o q u e desfrutava
a t é e n t ã o na c i d a d e e m q u e nascera f o i a b a l a d a c o m a a t i t u d e d e
r e j e i ç ã o d o s ministros portugueses. A hostilidade, c o n f i a d a a o
s i g i l o d e u m d o c u m e n t o o f i c i a l , f o r a a p e n a s o p r e n ú n c i o da
a g r e s s i v i d a d e q u e o c e r c o u a o l o n g o d o s a n o s na m e s m a C a p e l a .
N o d i a 15 d e j u n h o , v é s p e r a da festa d e C o r p u s Christi,
r e a l i z o u - s e na i g r e j a da I r m a n d a d e d o R o s á r i o o p r i m e i r o a t o da
t r a n s f e r ê n c i a da C a t e d r a l p a r a a C a p e l a o n d e s e i n s t a l o u a n o v a
s e d e da Catedral d o R i o d e Janeiro. A s v é s p e r a s s o l e n e s d o C o r p o
d e Deus,91 c e l e b r a d a s c o m música d o padre José Maurício,
s i g n i f i c a v a m para o C a b i d o a última f u n ç ã o na igreja o n d e estivera
s e d i a d a a Sé C a t e d r a l a o l o n g o d e s e t e d é c a d a s . N o â m b i t o da
f e s t a e s c o l h i d a p a r a s o l e n i z a r a i n a u g u r a ç ã o da R e a l C a p e l a ,
p r o s s e g u i r a m o s a t o s s e g u i n t e s C o m p r o c i s s ã o e missa s o l e n e . 9 2
Assim entrava e m f u n c i o n a m e n t o a entidade q u e e m futuro n ã o
m u i t o d i s t a n t e será o c e n á r i o d a s m a i o r e s r e a l i z a ç õ e s m u s i c a i s
da c o l ó n i a p o r t u g u e s a na A m é r i c a : a Real C a p e l a .
N o dia s e g u i n t e ( 1 6 d e j u n h o ) era e x p e d i d o o a l v a r á c o m
f o r ç a d e l e i q u e c o n c r e t i z o u as m e d i d a s n e c e s s á r i a s a o
f u n c i o n a m e n t o da nova Capela. L o n g o , e bastante d i v u l g a d o , o

68
José Maurício Nunes Garcia biografia

alvará da c r i a ç ã o da C a p e l a Real será p a r c i a l m e n t e t r a n s c r i t o e m


n o t a , o n d e se p o d e v e r i f i c a r d a s i n t e n ç õ e s d e r e l i g i o s i d a d e e
z e l o p e l a d i g n i d a d e da f a m í l i a real d e t e r m i n a n t e s d e sua c r i a ç ã o ,
tanto quanto o c u i d a d o e m d e f e n d e r a p o s i ç ã o d o p o v o português
e s e u s d i r e i t o s d e p a d r o e i r o s d e t o d a s as i g r e j a s d o Brasil. 9 3
O a l v a r á a l o n g a - s e e m t o r n o da n o v a h i e r a r q u i a d o s
p r e l a d o s da Capela, mas alcança um c o n j u n t o n o r m a t i v o q u e
tinha a v e r c o m o s d e v e r e s d o m e s t r e - d e - c a p e l a .
N ã o se l i m i t o u à t r a n s f e r ê n c i a g l o b a l e x p r e s s a n o alvará d e
16 d e j u n h o d e 1808 a i n d i c a ç ã o d o p a d r e J o s é M a u r í c i o p a r a a
C a p e l a R e a l . N o dia 26 d e n o v e m b r o d o m e s m o a n o uma portaria
e s p e c i f i c a v a seus deveres:94

"... A t e n d e n d o a achar-se José M a u r i c i o N u n e s Garcia


Presbítero secular servindo os Empregos de Mestre de
Muzica d e minha Real Capella, organista delia e d a n d o
g r a t u i t a m e n t e l i ç õ e n s à m o c i d a d e q u e se destina a a p r e n d e r
a q u e l l a arte: Sou s e r v i d o q u e p e l a F o l h a d o s o r d e n a d o s da
m e s m a Real C a p e l l a v e n ç a o s o b r e d i t o J o s é M a u r i c i o N u n e s
G a r c i a , p o r t o d o s o s r e f e r i d o s e m p r e g o s a q u a n t i a anual
d e s e i s c e n t o s mil reis p a g o s a o s q u a r t é i s na f o r m a d o c o s -
t u m e . O p r e s i d e n t e d e M e u Real Erário o tenha assim
e n t e n d i d o , e o faça e x e c u t a r c o m o s d e s p a c h o s n e c e s s á r i o s .
P a l a c i o d o R i o d e J a n e i r o , e m 26 d e N o v e m b r o d e m i l
o i t o c e n t o s e o i t o ( c o m a rubrica d o P r í n c i p e R e g e n t e ) . "

A o a d m i t i - l o na C a p e l a Real, a c o r o a p o r t u g u e s a atribuía a
José M a u r í c i o f u n ç õ e s múltiplas nos t e r m o s da portaria. O
o r d e n a d o era ú n i c o : a m e s m a q u a n t i a q u e r e c e b i a na Sé d e s d e
1798, o q u e o s t e r m o s da p o r t a r i a c o n f i r m a m . A aula d e m ú s i c a
é m e n c i o n a d a e t a m b é m a f u n ç ã o d e o r g a n i s t a . Mas o s t r a b a l h o s
b u r o c r á t i c o s e o s d e v e r e s d e c o m p o r para a Sé, a mais i m p o r t a n t e
f u n ç ã o d o m e s t r e - d e - c a p e l a p o r q u e c o m p u n h a o seu p e r f i l d e
m ú s i c o p e r a n t e a h i s t ó r i a , esta n ã o v i n h a assinalada na p o r t a r i a .
N ã o sem razão. Sem previsão financeira, José Maurício exerceu-
a e x a u s t i v a m e n t e d e s d e a i n s t a l a ç ã o da R e a l C a p e l a até 1811, e
jamais teve pagamento.95
A c o n t e c i m e n t o s d e s s a f a s e na C a p e l a c o n f i r m a m q u e o
c o n j u n t o m u s i c a l da a n t i g a Sé n ã o teria m e r e c i d o o e n t u s i a s m o
d e D. J o ã o . N e m o seu r e p e r t ó r i o . O p r i m e i r o p r o b l e m a f o i
r e s o l v i d o l o g o , c o m a d e l i b e r a ç ã o prevista n o p r o j e t o d e padre
E l ó i m a n d a n d o v i r d e L i s b o a o s m ú s i c o s da C a p e l a R e a l p a r a o
Rio d e Janeiro. O príncipe regente, sempre interessado e m obras
o r i g i n a i s e a o s a b o r d a s q u e se a d e q u a v a m a o s e u g o s t o m u s i c a l ,

69
Cleofe Person de Mattos

decidiu organizar o arquivo, c o m a c o m p o s i ç ã o d e obras novas.


D e s s e m o d o atendia-se à o r g a n i z a ç ã o d o arquivo musical e d o
r e p e r t ó r i o para esse a r q u i v o , atribuindo a o p a d r e José M a u r í c i o
a c o m p o s i ç ã o d e s s a s obras. 9 6
C o m p e l i d o a atender à extensa série d e solenidades de
v a r i a d a i m p o r t â n c i a , cerca d e setenta o b r a s s ã o assinaladas e n t r e
1808 e 1811. J o s é M a u r í c i o c o m p õ e s e m d e s c a n s o , p o r q u a n t o o
r e p e r t ó r i o básico d e v e r i a estar e m c o n d i ç õ e s de ser
i m e d i a t a m e n t e o u v i d o nas festas previstas d o c a l e n d á r i o r e l i g i o s o
da C a p e l a . 9 7 A s o b r a s c o m p o s t a s a t é o f i m d e 1808 c o n s t a m d o
c a t á l o g o d e J. J. M a c i e l . 9 8
N ã o i m a g i n a v a s e q u e r J o s é M a u r í c i o a o a s s u m i r na R e a l
Capela, q u e ao m e s m o t e m p o que alcançava grandes satisfações
artísticas — as m a i o r e s , t a l v e z , e m sua v i d a — essa f u n ç ã o seria
a raiz d o s s o f r i m e n t o s s e m f i m e m t o r n o d e sua v i d a p r o f i s s i o n a l .
A trilha q u e v a i s e g u i r será p o n t i l h a d a p o r d e s c o n s i d e r a ç õ e s à
sua p e s s o a , d e s d e o s a g r a v o s d e n a t u r e z a e c o n ó m i c a , a q u e já se
a l u d i u , a o p r o b l e m a da c o r e às d i f i c u l d a d e s d e n a t u r e z a vária
q u e a rotina administrativa n ã o registrou.
F o n t e s d e i n f o r m a ç ã o s o b r e a v i d a da c i d a d e m e n c i o n a m
c e r i m ó n i a s r e l i g i o s a s r e a l i z a d a s a t é o f i m d e 1808 d a s q u a i s o
p a d r e J o s é M a u r í c i o teria s i d o o c o m p o s i t o r . O c a t á l o g o d e M a c i e l
c o n f i r m a e m 1808: a Missa da Natividade e p o s s i v e l m e n t e a Missa
da rainha Santa Isabel, a m b a s a q u a t r o v o z e s e ó r g ã o , a l é m d e
o b r a s q u e , f e l i z m e n t e , s o b r e v i v e r a m : a Missa de São Pedro de
Alcântara ( C T 1 0 4 ) , o f e r e c i d a a D . P e d r o , 9 9 as Matinas da
Assunção ( C T 172) p r i m e i r a v e r s ã o , Missa e Credo para a catedral
do bispado ( C T 1 1 9 ) , a s s i m c o m o a Missa pastoril ( C T 108) para
s e i s v o z e s e ó r g ã o . E outras c o n h e c i d a s p o r r e f e r ê n c i a h i s t ó r i c a :
Vésperas do Corpo de Deus — na t r a n s f e r ê n c i a d o C a b i d o p a r a a
i g r e j a q u e seria a C a p e l a R e a l — s a l m o s a v u l s o s , Missa em Fá
Maior ( P u r i f i c a ç ã o - C T 1 1 9 ) e u m Qui sedes o r q u e s t r a d o ( C T
162). A i n d a e m 1808 J o s é M a u r í c i o c o m p õ e a Missa da Conceição
q u e M a c i e l registra c o m o " r e f o r m u l a d a para o dia d e S ã o P e d r o
d e A l c â n t a r a " . C o m o se v e r i f i c a n e s t e b r e v e e n u n c i a d o , n ã o f o i
escassa a p r o d u ç ã o d e José Maurício n o s e g u n d o semestre d e
1808, f a s e d e a d a p t a ç ã o d a C a p e l a a u m m o d e l o n o v o .
As últimas c e r i m ó n i a s solenes d o a n o f i c a m p o r conta de
vitórias militares, algumas sem f u n d a m e n t o . Um tríduo foi
m a n d a d o celebrar por D. J o ã o e m solenes f u n ç õ e s pela
r e s t a u r a ç ã o d e L i s b o a , a l é m d e missas s o l e n e s n o s d i a s 19, 20 e
21 d e d e z e m b r o , T e D e u m e " p o m p o s a p r o c i s s ã o " p e l a s ruas d a
c i d a d e . O u t r a c e r i m ó n i a — na c a p e l a d o s T e r c e i r o s — o c o r r i d a
n o d i a 23 d o m e s m o m ê s m e r e c e c o m e n t á r i o s , e m nota. 1 0 0

70
José Maurício Nunes Garcia biografia

O s c o m p r o m i s s o s c o m o S e n a d o da C â m a r a p r o s s e g u i a m
n o r m a l m e n t e e m 1808, a c r e s c i d o s d e e v e n t o s o b v i a m e n t e n ã o
p r e v i s t o s nas a r r e m a t a ç õ e s r e a l i z a d a s e m 1807. D o q u e resultarão
cerimónias multiplicadas tanto q u a n t o a c o m p o s i ç ã o d e obras
d e m a i o r e s p r o p o r ç õ e s — v é s p e r a s , matinas, missas, p e ç a s n ã o
i n c l u í d a s na rotina c o m o S e n a d o , até e n t ã o , i n c l u s i v e as Vésperas
do Corpo de Deus, c a n t a d a s na t r a n s f e r ê n c i a d o C a b i d o p a r a a
C a p e l a Real.
V i u - s e o b r i g a d a a C a p e l a R e a l , l o g o a p ó s sua c r i a ç ã o , a
t o m a r d e c i s õ e s p a r a sua p r o g r a m a ç ã o c o m o s m ú s i c o s da v e l h a
S é d o R o s á r i o . Estes c o n t i n u a r ã o a t u a n d o e n q u a n t o n ã o c h e g a m
a o R i o d e J a n e i r o o s m ú s i c o s da C a p e l a d e L i s b o a c h a m a d o s p o r
D . J o ã o , e n t r e e l e s o s castrati101 q u e g o z a v a m da p r e f e r ê n c i a d o
príncipe regente. Os cantores principiarão a chegar no início de
1809; o s i n s t r u m e n t i s t a s s o m e n t e e m 1810 a t u a r ã o n o Brasil. O
q u e q u e r d i z e r : s ã o o s recursos musicais da c i d a d e q u e r e s p o n d e m
p e l o f u n c i o n a m e n t o da Real Capela n o s e g u n d o s e m e s t r e d e 1808.
P o u c o mais l o n g í n q u a , a c h e g a d a d o s instrumentistas q u a l i f i c a d o s
f o r ç o u uma d e c i s ã o q u e atingiu o p r ó p r i o repertório da Capela,
r e s t r i n g i n d o a u t i l i z a ç ã o da o r q u e s t r a . A m e d i d a , d e c a r á t e r
p r o v i s ó r i o , r e f l e t e - s e na o b r a d e J o s é M a u r í c i o n e s s e p e r í o d o e m
q u e p r e d o m i n a m as c o m p o s i ç õ e s c o m a c o m p a n h a m e n t o d e
órgão, frequentemente reforçadas por violoncelos, fagotes e
c o n t r a b a i x o s . O a n o d e 1808 r e p r e s e n t a , s o b e s s e a s p e c t o , u m
c o m p a s s o d e e s p e r a na v i d a d a C a p e l a R e a l .
A l é m da c r i a ç ã o da Real C a p e l a , u m b a l a n ç o nas r e a l i z a ç õ e s
d o p r í n c i p e D . J o ã o n o s p r i m e i r o s m e s e s a p ó s sua c h e g a d a e x i b e
o gigantesco esforço no aparelhamento administrativo
e m p r e e n d i d o na d e t e r m i n a ç ã o d e t r a n s f o r m a r a c o l ó n i a n o p a í s
q u e anos mais tarde e l e reconhecerá c o m o R e i n o - U n i d o a Portu-
gal e Algarves. A o dotá-lo de c o n d i ç õ e s adequadas, D. João
a r m a - o c o m t o d o o aparato d e uma burocracia e m m o l d e s
p o r t u g u e s e s , o r g a n i z a n d o o m u n d o q u e se m o v e e m t o r n o d e
sua p e s s o a c o m o a r é p l i c a d o q u e o c e r c a v a e m P o r t u g a l .
Em p o u c o s meses instalou-se de fato, n o Brasil, o
D e s e m b a r g o d o P a ç o ou a Mesa d e Consciência e O r d e n s , mas
t a m b é m a Casa d a S u p l i c a ç ã o , o Real Erário, o B a n c o d o Brasil e
a T i p o g r a f i a R é g i a . A o s p o u c o s se v ã o e s v a i n d o d i f i c u l d a d e s
inerentes ao funcionamento d o regime colonial.
E s c o l h e n d o o s titulares para d i r i g i r essas instituições, v a l i a -
se D . J o ã o d e s e u s v e l h o s a m i g o s , a l g u n s c o m e x p e r i ê n c i a
administrativa, c o m o o c o n d e d e Linhares, ou o m a r q u ê s d e
A g u i a r , q u e já f o r a v i c e - r e i , Vila N o v a da R a i n h a e A n t ô n i o d e

71
Cleofe Person de Mattos

V i l l a N o v a P o r t u g a l . A c a b e ç a m a i s l ú c i d a seria, p o r é m , a d o
c o n d e da Barca.
A i n d a e m 1808 D . J o ã o c u m u l a v a d e m e r c ê s o s t i t u l a r e s
dessas instituições, c r i a n d o u m a e s p é c i e d e aristocracia v i n c u l a d a
à e x e c u ç ã o d e i d é i a s p o s i t i v a s p a r a o Brasil. Em j u l h o c o n c e d e u
a o seu m e s t r e - d e - c a p e l a tratamento e q u i v a l e n t e a o d e muitos
o u t r o s s e r v i d o r e s da c o r o a : a " r a ç ã o d e c r e a d o particular". 1 0 2
N ã o ficaria limitada ao Rio d e Janeiro, c o m a o r g a n i z a ç ã o
da v i d a administrativa e a criação de ó r g ã o s indispensáveis à
estrutura da c o r o a , o c u i d a d o d i s p e n s a d o p o r D . J o ã o a o p a í s e m
q u e v e i o v i v e r . A Real F a z e n d a d e Santa Cruz passará a ser o b j e t o
i m e d i a t o d a s a t e n ç õ e s d o p r í n c i p e r e g e n t e . A partir d e s e t e m b r o
d o m e s m o ano são expedidas ordens de serviço e providências
s ã o t o m a d a s v i s a n d o s o b r e t u d o a d e s e n v o l v e r o p o t e n c i a l agrícola
e p e c u á r i o d a s a n t i g a s terras da o r d e m j e s u í t i c a p a r a e v i t a r
p r o b l e m a s d e abastecimento criados pela chegada inesperada
d e m i l h a r e s d e f o r a s t e i r o s . A r i q u e z a natural da f a z e n d a atrairia,
s e m d ú v i d a , o i n t e r e s s e d e D . J o ã o , m a s n ã o teria p a s s a d o
d e s p e r c e b i d o ao m e l ô m a n o príncipe a potencialidade musical
d o s e s c r a v o s - m ú s i c o s q u e a t u a v a m nas c e r i m ó n i a s r e l i g i o s a s da
f a z e n d a . N e s t e s e n t i d o , t o m o u as m e d i d a s i n d i s p e n s á v e i s a o
d e s e n v o l v i m e n t o desses escravos, d o q u e resultou a imediata
d e c i s ã o d e f a z e r r e v i v e r o e n s i n o d e música i m p l a n t a d o p e l o s
j e s u í t a s até 1759. D e s t a c o u d o i s p r o f e s s o r e s d e m ú s i c a p a r a a
fazenda.103
D. J o ã o terá c o m p e n s a ç ã o p a r a e s s e g e s t o : o s e s c r a v o s -
m ú s i c o s s e r ã o i n t é r p r e t e s d e o b r a s e s p e c i a l m e n t e c o m p o s t a s para
e l e s p e l o s m e s t r e s - d e - c a p e l a e c a n t a d a s na R e a l F a z e n d a e R e a l
Quinta. Na b a g a g e m d e José Maurício a p o n t a m os resultados
c o n c r e t o s a partir d e 1810, q u a n d o c o m p õ e o m o t e t o Praecursor
Domini. O u t r a s o b r a s — e s p e c i a l m e n t e m o t e t o s — s e g u i r ã o essa
c o m p o s i ç ã o , a l g u m a s d e i m p o r t â n c i a n o c o n j u n t o da o b r a d o
mestre da Real C a p e l a .
A partir d e j a n e i r o d e 1809 c o m e ç a m a ser e x p e d i d a s a o s
c a n t o r e s da R e a l C a p e l a d e L i s b o a as p o r t a r i a s d e a d m i s s ã o à
C a p e l a d o R i o d e Janeiro. 1 0 4 A p a r t i c i p a ç ã o d e s s e s m ú s i c o s ,
i n t e g r a n t e s d e u m c o n j u n t o l o u v a d o entre as c a p e l a s p r i n c i p e s c a s
da E u r o p a , será a p e d r a a n g u l a r d o c o n j u n t o q u e se v a i f o r m a r
na c a p i t a l d a c o l ó n i a p o r t u g u e s a , c o n f e r i n d o - l h e a n o t a b i l i d a d e
r e c o n h e c i d a p e l o s viajantes estrangeiros e m artigos e livros
publicados contemporaneamente.
I n i c i a d o n o s p r i m e i r o s d i a s d o a n o 1809, o i n g r e s s o d o s
músicos f o i gradual e continuou p e l o s meses seguintes. O f l u x o
d e c h e g a d a p r o s s e g u i u e m 1810 e intensificou-se e m 1811, q u a n d o

72
José Maurício Nunes Garcia biografia

c h e g o u M a r c o s P o r t u g a l . Em 1817 v i r á o m a i s c é l e b r e castrato
q u e a t u o u n o Brasil: G i a n f r a n c e s c o F a s c i o t t i .
V o z e s d e t i m b r e e s p e c i a l í s s i m o , t r a b a l h a d a s na c o n q u i s t a
d e g r a n d e t é c n i c a e alta v i r t u o s i d a d e , e m f u n ç ã o d o r e p e r t ó r i o
da C a p e l a d e L i s b o a , a l é m da c o n o t a ç ã o estilística e s t a b e l e c i d a
numa r e l a ç ã o d e causa e e f e i t o , esses cantores atuavam e m
t e a t r o s e i g r e j a s da E u r o p a , i n c l u s i v e e m P o r t u g a l . P r e z a d í s s i m o s
p o r D. João, eles d e s e n v o l v i a m uma sonoridade q u e pela primeira
v e z era o u v i d a na h i s t ó r i a d a C a t e d r a l d o R i o d e J a n e i r o . Sua
a t u a ç ã o m e r e c e ser c o n s i d e r a d a s o b o â n g u l o da i n f l u ê n c i a na
obra d o padre-mestre José Maurício, p r o f u n d a m e n t e afetada pela
q u a l i d a d e e p e l a s características d a s v o z e s para as q u a i s p a s s a v a
a c o m p o r . N ã o s ó castrati vieram d e Portugal. Outros n o m e s
passaram a figurar nos manuscritos q u e José Maurício e s c r e v e u
p a r a a R e a l C a p e l a : o Sr. C a p r â n i c a o u o Sr. C i c c o n i ( s o p r a n o s ) ,
o Sr. G o r i f ( c o n t r a l t o ) , o Sr. J o s é Maria da Vila V i ç o s a e o Sr. J o ã o
M a z z i o t t i ( t e n o r e s ) , p a d r e A n t ô n i o P o r t o ( c a p e l ã o ) e p a d r e Paula
( b a i x o s ) . E x c e l e n t e s c a n t o r e s n ã o castrati s o m a m - s e , na r e l a ç ã o
c i t a d a na n o t a 104, p a r a f o r m a r o i m p r e s s i o n a n t e e l e n c o v o c a l ,
inclusive brasileiros q u e anteriormente participavam n o conjunto
da Sé C a t e d r a l , a m i g o s e a n t i g o s a l u n o s d o p a d r e J o s é M a u r í c i o :
J o ã o d o s R e i s P e r e i r a , M a n u e l R o i z da Silva, G e r a l d o I n á c i o
P e r e i r a , Luís G a b r i e l Ferreira L e m o s e o u t r o s c u j o s n o m e s n ã o
f o r a m c o n s e r v a d o s pela burocracia dos primeiros t e m p o s da
Capela Real, q u e r e s p o n d e r a m p e l o f u n c i o n a m e n t o da música
n e l a r e a l i z a d a n o d e c o r r e r d o a n o d e 1808.

A convivência d o padre José Maurício c o m os músicos


v i n d o s da Capela Real de Lisboa f o i muito p e n o s a . Sofrerá d e l e s
a g r e s s õ e s q u e l h e c a u s a r ã o muita a m a r g u r a p o r q u e d i r i g i d a s à
sua p e s s o a n o t e r r e n o artístico. H a b i t u a d o s a o u t r o e s t i l o m u s i -
cal, e insatisfeitos p o r s e r e m dirigidos p o r u m brasileiro, e de
raça p o r e l e s c o n s i d e r a d a i n f e r i o r , n ã o h e s i t a r ã o e m r e p u d i á - l o .
A g e m c o m o o mais f e r o z g r u p o de pressão contra o c o m p o s i t o r ,
a q u e m c e n s u r a v a m p o r " n ã o ter f r e q u e n t a d o o s c o n s e r v a t ó r i o s "
o u p o r " n ã o ter s a í d o d o Brasil". 1 0 5
A o ser c r i a d a , a C a p e l a R e a l n ã o d i s p u n h a d e e s t a t u t o
p r ó p r i o . Seu f u n c i o n a m e n t o o b e d e c i a a o q u e f o r a f e i t o e m 1733
p o r D . J o ã o V. A e l a b o r a ç ã o d e u m d o c u m e n t o c a p a z d e a c u d i r
às c o n d i ç õ e s p r ó p r i a s da n o v a C a p e l a n o s t e r m o s d o alvará q u e
a criara — " s e m se d e r r o g a r e m c o n t u d o o s Estatutos q u e r e g i a m
a Catedral nas partes e m q u e f o r e m c o m p a t í v e i s c o m o d i t o estilo,
e n q u a n t o se n ã o f o r m a m n o v o s estatutos i n t e i r a m e n t e c o n f o r m e s
e a d a p t a d o s a o n o v o e s t i l o da c a p e l a " — f o i o r d e n a d o p o r D.
J o ã o a o b i s p o , p o r e s t e c u m p r i d o n o d e c o r r e r d o s a n o s 1808 e

73
Cleofe Person de Mattos

1809 e e n t r e g u e s e m 4 d e a g o s t o d e 1809. 106 Em data d e 17 d e


a g o s t o d e 1810, e m n o v o o f í c i o , D . J o ã o e n c a m i n h o u a o b i s p o
a l g u m a s o b s e r v a ç õ e s a o m e s m o p r o j e t o , às q u a i s o b i s p o d e v e r i a ,
c o m c o n h e c i m e n t o d e causa, i n t e r p o r o s e u p a r e c e r e assim
a p r o v a r o s e s t a t u t o s e m sua f o r m a d e f i n i t i v a . E n t r e o u t r o s
assuntos, as tardias o b s e r v a ç õ e s o b j e t i v a v a m as f u n ç õ e s e regalias
d o s m o n s e n h o r e s da C a p e l a e o s d i r e i t o s d o C a b i d o n o c a s o d e
Sé v a g a . O b i s p o r e s p o n d e e m 22 d e a g o s t o d e 1810 e o s estatutos
s ã o f i n a l m e n t e a p r o v a d o s e m 27 d e s e t e m b r o d e s s e ano. 1 0 7
Os deveres dos músicos e d o mestre-de-capela estão
p r e v i s t o s n o p r o j e t o d e 1809 q u e se d e t é m l o n g a m e n t e n u m
p e r í o d o d e a d a p t a ç ã o a u m a estrutura n o v a , c r i a d a n o R i o d e
J a n e i r o p a r a a t e n d e r à f o r m a ç ã o da n o v a h i e r a r q u i a , a d o s
m o n s e n h o r e s , q u e i n c l u í a m e m b r o s da Patriarcal d e L i s b o a e d o
C a b i d o d o Rio d e Janeiro. As obrigações d e toda a categoria
l i g a d a à m ú s i c a e r a m e s p e c i f i c a d a s : o c a l e n d á r i o a ser c u m p r i d o
cada ano c o m maior ou m e n o r solenidade, fosse o e v e n t o de
m a i o r o u m e n o r i m p o r t â n c i a , c o n f o r m e o r i t o q u e as c l a s s i f i c a v a
e m festas d e primeira, segunda ou terceira o r d e m .
D o p o n t o d e vista estritamente musical, o estatuto
s i n t e t i z a v a p r e c e i t o s já r e c o m e n d a d o s n o A l v a r á q u e criara a Real
Capela, repetido nos vários documentos q u e a ele conduziam.
T o d o um c o m p o r t a m e n t o abrangente, d o cerimonial a o estilo d e
m ú s i c a q u e n e l a se f a r i a o u v i r , era i n s p i r a d o p e l o c o n c e i t o d e
q u e à Capela d o Rio de Janeiro caberia reviver, e m t o d o s os
a s p e c t o s possíveis, " o estilo da Real Capela de L i s b o a " . N e s s e
e s q u e m a , a criação musical o b e d e c e r i a a u m p a d r ã o . P o r outro
l a d o , o s d e v e r e s a t r i b u í d o s a o s seus d i f e r e n t e s n í v e i s f u n c i o n a i s
n ã o v i r i a m facilitar o r e l a c i o n a m e n t o e n t r e o m e s t r e - d e - c a p e l a e
o q u a d r o d e m ú s i c o s q u e a i n t e g r a v a . Para o m e s t r e - d e - c a p e l a , o
estatuto previa encargos estranhos à f u n ç ã o d e um Kapellmeister,
nada fáceis d e serem c u m p r i d o s p e l o padre José Maurício f a c e à
s i t u a ç ã o p r e c o n c e i t u o s a criada e m t o r n o d e sua p e s s o a .
O b s e r v e m - s e o s i t e n s I e II d o T í t u l o I:
"I - Será o M e s t r e d e C a p e l a e nas suas faltas o M u z i c o m a i s
antigo, ou o organista, o b r i g a d o a vigiar sobre a residência
d e t o d o s o s o u t r o s e a dar p a r t e c a d a d i a a o A p o n t a d o r d a s
f a l t a s d e c a d a h u m d e l e s , para s e r e m a p o n t a d o s s e g u n d o
o s dias, e f u n ç õ e s a q u e f a l t a r e m d o m o d o q u e se a c a b a d e
dizer a respeito d o s "tesoureiros".
II - P o d e r ã o e d e v e r ã o a l e m disso ser a n o t a d o s p e l o s
mestres-de-capela segundo a qualidade d o erro que
c o m e t e r e m , n ã o p a s s a n d o a multa nas p r i m e i r a s 3 v e z e s
da m e t a d e da q u a n t i a c o r r e s p o n d e n t e a h u m d i a d o s e u

74
José Maurício Nunes Garcia biografia

o r d e n a d o , e d e v e n d o p a s s a r - s e a o d o b r o , e a três d o b r o s
desta pena aos casos de reincidência e contumacia,
a p l i c a n d o - s e s e m p r e para a Fabrica da I g r e j a " .

Para u m m e s t r e - d e - c a p e l a a d m i t i d o a c o n t r a g o s t o , a situação
n ã o p o d i a s e r mais e m b a r a ç o s a . A s o b r i g a ç õ e s e s s e n c i a l m e n t e
m u s i c a i s n ã o f a l t a v a m — as aulas — n e m as q u e se r e l a c i o n a v a m
c o m o p r e p a r o d a s c e r i m ó n i a s r e l i g i o s a s na C a t e d r a l . E r a m
o b r i g a ç õ e s às q u a i s o p a d r e J o s é M a u r í c i o a t e n d i a a l é m d e ser
c o m p o s i t o r , r e g e n t e e preparador das músicas escolhidas ou
c o m p o s t a s , a t u a n d o t a m b é m c o m o o r g a n i s t a , n o s t e r m o s da
p o r t a r i a d e 26 d e n o v e m b r o d e 1808.
A g u a r d a n d o embora os cantores q u e viriam d e Lisboa, f o -
r a m n u m e r o s a s as c e r i m ó n i a s r e l i g i o s a s r e a l i z a d a s n o a n o d e
1809 o n d e a p r e s e n ç a da m ú s i c a é assinalada. A c o m e m o r a ç ã o
d o d i a d o p a d r o e i r o da c i d a d e , e m j a n e i r o , a p r i m e i r a assistida
p o r D . J o ã o n o R i o d e J a n e i r o r e v e s t i u - s e d e muita s o l e n i d a d e :
"... a l é m d a s s o l e n e s V é s p e r a s q u e f o r a m o f i c i a d a s p e l o
Excelentíssimo e Reverendíssimo Bispo Capelão-mor, cabido e
c a p e l ã e s da R e a l C a p e l a , e c a n t a d a s p e l o s m ú s i c o s da m e s m a ,
h o u v e M a t i n a s i g u a l m e n t e o f i c i a d a s e cantadas." 1 0 8 Esta é a
informação de Perereca sobre a cerimónia.
N o m ê s d e m a r ç o a c r e s c e n t o u - s e u m a rotina à v i d a musical
d a c i d a d e : a c o m e m o r a ç ã o — m a n t i d a a n u a l m e n t e d e 1809 até
1822 — e m a ç ã o d e g r a ç a s p e l o "dia 7 d e m a r ç o " , dia da c h e g a d a
d o p r í n c i p e r e g e n t e a o Rio d e Janeiro. D. João m a n d o u celebrar
m i s s a e T e D e u m na C a p e l a Real e m " g r a n d e p o m p a " , c o m a
c o r t e " e m t r a g e d e g a l a " . N o d i a s e g u i n t e o S e n a d o da C â m a r a
r e p e t i u a c o m e m o r a ç ã o p e l a m e s m a d a t a na C a p e l a " d o s
T e r c e i r o s " . T u d o f a z c r e r q u e o p a d r e J o s é M a u r í c i o f o s s e o autor
da música o u v i d a nessas cerimónias.109
T r ê s outras missas s ã o assinaladas p o r J. J. M a c i e l c o m data
d e 1809: a Missa de São Miguel Arcanjo, a d e São Pedro de
Alcântara, já c i t a d a , e a da Visitação de Nossa Senhora e Anjo
Custódio do Reino.
N o m ê s d e abril r e a l i z o u - s e c o m g r a n d e s o l e n i d a d e a
S e m a n a Santa. D e c i d i u - s e q u e D . J o ã o " d e s c e à sua R e a l C a p e l l a
n o s d i a s d e D o m i n g o d e R a m o s , Quinta-feira d e E n d o e n ç a s , Sexta-
f e i r a da P a i x ã o e D o m i n g o d e P a s c o a " para assistir a o s " o f f i c i o s
d i v i n o s " . P a r t i c i p a m o s m i n i s t r o s da Real C a p e l a , o s d o C a b i d o
d o R i o d e J a n e i r o e m g r a n d e a p a r a t o ; p e l a música r e s p o n d e r i a o
padre José Maurício, mestre-de-capela, c o m a evidente
p a r t i c i p a ç ã o d o s cantores r e c é m - c h e g a d o s d e Portugal.110 Pela
p r i m e i r a v e z o c a t á l o g o d e J. J. M a c i e l registra o b r a s d e J o s é

75
Cleofe Person de Mattos

M a u r í c i o , c o m p r o v a n d o q u e essa p a r t i c i p a ç ã o c o m e ç a v a a i n f l u i r
n o p e n s a m e n t o artístico:
Credo a 8 vozes somente, para 5a feira santa
Moteto de Nossa Sra., para Procissões, a 6 vozes somente;
Moteto para a Procissão da Aclamação do Rei D. João IV, a
9 vozes somente.
D u a s o b r a s s o b r e v i v e m da S e m a n a Santa d e 1809: Judas
mercator (.CT 1 9 5 ) e Matinas da ressurreição ( C T 200), esta última
na v e r s ã o o r q u e s t r a d a . Entre o s a u t ó g r a f o s e n c o n t r a d o s d e 1809
v a l e assinalar a s e q u ê n c i a " L a u d a S i o n " p a r a a f e s t a d o C o r p o d e
Deus.
Coincidiu o imediato aproveitamento dos cantores vindos
da Capela Real d e Lisboa c o m o d e s a p a r e c i m e n t o das v o z e s
i n f a n t i s na C a p e l a R e a l d o R i o d e J a n e i r o . N ã o p r e v i s t a n o p l a n o
e l a b o r a d o i n i c i a l m e n t e p e l o t e s o u r e i r o da C a p e l a , a a t u a ç ã o d o s
m e n i n o s d o Seminário d e São Joaquim d e s a p a r e c e u a p ó s a
S e m a n a Santa d e 1809.
Nessa fase movimentada aventurou-se o padre-mestre e m
g é n e r o p o u c o f a m i l i a r à sua p e r s o n a l i d a d e : c o m p o r a m ú s i c a d e
c e n a p a r a d u a s p e ç a s d r a m á t i c a s da autoria d e D . G a s t ã o F a u s t o
da C â m a r a C o u t i n h o : Ulisséa, drama eroico, posto em musica por
José Mauricio Nunes Garcia em 1809, para o dia 24 de junho. A
obra representa, sem dúvida, h o m e n a g e m a o aniversário de
D . J o ã o , c o m o s e v ê na data a c r e s c e n t a d a a o t í t u l o , m a s e v o c a
a luta v i v i d a e m P o r t u g a l . A o u t r a o b r a , O triunfo da America,
t a m b é m destinada a a ç ã o cénica p e l o m e s m o autor d o texto, é
animada de espírito igualmente laudatório."1
A c a n t o r a b r a s i l e i r a J o a q u i n a Maria d a C o n c e i ç ã o d a Lapa
f o i a solista p r e v i s t a p a r a a m b a s as p e ç a s . Se as o b r a s f o r a m
o u v i d a s n o m o m e n t o i m a g i n a d o n ã o se t e m notícia, mas O triunfo
da America, c o m o p e ç a d r a m á t i c a , f o i " r e c i t a d a " , na e x p r e s s ã o
d o p a d r e P e r e r e c a , n o dia 13 d e m a i o d e 1810, a n i v e r s á r i o d o
p r í n c i p e r e g e n t e e c a s a m e n t o d e sua f i l h a D . Maria T e r e s a .
Outro grande gesto de consideração d o príncipe regente
p e l o seu m e s t r e - d e - c a p e l a — a c o n c e s s ã o d o H á b i t o d e Cristo,
o r d e m militar — e m p o l g o u o p a d r e J o s é M a u r í c i o n o d e c o r r e r
d e s s e a n o . 1 , 2 N o m ê s d e f e v e r e i r o d e 1809, d u r a n t e u m sarau
m u s i c a l r e a l i z a d o na Q u i n t a da B o a Vista, d e s e n r o l o u - s e a c e n a
espetacular q u e T a u n a y r e p r o d u z i u : D. João retirou d o p e i t o d o
v i s c o n d e d e V i l a N o v a da R a i n h a a c o n d e c o r a ç ã o da O r d e m e a
c o l o c o u na batina d o p a d r e . O b e d e c i a D . J o ã o a u m i m p u l s o d e
entusiasmo pela atuação d e José Maurício, q u e acabara d e p ô r
e m e v i d ê n c i a sua q u a l i f i c a ç ã o d e cravista e d e c a n t o r , f a z e n d o
ouvir Mozart e Cimarosa."3

76
José Maurício Nunes Garcia biografia

A t r a m i t a ç ã o b u r o c r á t i c a d o p r o c e s s o f o i l o n g a — d u r o u 12
m e s e s ! — e n ã o se p o d e d u v i d a r q u e as d i f i c u l d a d e s e r a m criadas
por intermediários de categoria, provavelmente inconformados
c o m a p e r s p e c t i v a d e v e r u s u f r u i n d o tal h o n r a r i a u m c o m p o s i t o r
brasileiro d e p e l e escura. O impasse decorria d e c o n d i ç õ e s
p e c u l i a r e s a o c o n d e c o r a d o : ser d i s p e n s a d o e m d e f e i t o s d e c o r e
r e a l i z a r - s e , o u n ã o , na C a t e d r a l , a c e r i m ó n i a d e i n v e s t i m e n t o d o
hábito. A 5 d e abril, d o i s m e s e s a p ó s a cena d e s e n r o l a d a n o
Paço, o padre José Maurício iniciou o processo, e m termos que
r e v e l a m o e m a r a n h a d o a o r e d o r d o assunto, e d e o n d e partiam
as d i f i c u l d a d e s :

" D i z o P a d r e J o s e M a u r i c i o N u n e s G a r c i a M e da M u z i c a da
Capella d e V.A.R. q u e tendo-se d i v u l g a d o q u e V.A. fazia a o
Sup c . a m e r c ê d o H a b i t o d e Christo, e t e n d o V.A.R. m a n d a d o
q u e o Sup°. f o s s e a o I l l m ° e Exc" 10 D F e r n a n d o J o z é d e P o r -
t u g a l p " e s t e m a n d a r passar a o Sup c . a P r o v i s ã o p* e l e p o r o
H a b i t o , c o m o V . A . R . d i s s e a o Sup e . r e s p o n d e u o m e s m o
Exc. 1 " 0 D. F e r n a n d o q u e ainda V.A.R. l h e n ã o tinha m a n d a d o ;
p o r t a n t o / P e d e o S u p c . a V . A . R . q u e i r a p e l a sua g r a n d e
B o n d a d e c o n c e d e r - l h e a G r a ç a e a M e r c e d o H a b i t o da
O r d e m d e Christo."

O despacho foi lançado no mesmo documento e trouxe a


rubrica d e D . João:

" A t t e n d e n d o a o q u e o Supplicante representa: H e i p o r b e m


f a z e r - l h e M e r c e d o H a b i t o da O r d e m d e C h r i s t o c o m d o z e
m i l reis d e T e n ç a e f f e c t i v a . P a l a c i o d o R i o d e J a n e i r o , e m 5
d e a b r i l d e 1809."

Na mesma data, o c o n d e de Aguiar c o m u n i c o u o f a t o à


M e s a d e C o n s c i ê n c i a e O r d e n s e r e p e t i u p a l a v r a s d e D . J o ã o : "E
m a n d a q u e p a r a o r e c e b e r e p r o f e s s a r se l h e f a ç a m as P r o v a n ç a s
e H a b i l i t a ç õ e s na sua p e s s o a , na f o r m a d o s Estatutos e D e f i n i ç õ e s
da mesma O r d e m . "
O p a d r e r e q u e r e u i m e d i a t a m e n t e c ó p i a da c e r t i d ã o d e
batismo e f e z ver a necessidade d e "correr folha"1'4 p e l o s escrivães
d o Juízo Eclesiástico.
As duas certidões foram concedidas. Apesar disso, quatro
d i a s a p ó s ter r e q u e r i d o as c e r t i d õ e s , o p a d r e J o s é M a u r í c i o e n v i o u
o u t r o o f í c i o p e d i n d o , " p o r justos m o t i v o s " , a dispensa das
c e r t i d õ e s . " 5 M a i s u m a v e z D . J o ã o d e s p a c h o u , n o m e s m o dia e

77
Cleofe Person de Mattos

n o m e s m o d o c u m e n t o , i s e n t a n d o - o da a p r e s e n t a ç ã o dessas
c e r t i d õ e s . " 6 E s c r e v e , in extensis, o p r í n c i p e r e g e n t e :

" A t e n d e n d o a o que o Suplicante representa H e y p o r b e m


d i s p e n s a r d a s P r o v a n ç a s e H a b i l i t a ç õ e s d e sua p e s s o a e
h a v e l o p o r h a b i l i t a d o , p a r a r e c e b e r o H a b i t o da O r d e m d e
C h r i s t o , d e q u e l h e f i z M e r c e D i s p e n s a n d o - o o u t r o s i m da
apresentação d e quaes quer certidões, Folhas Corridas, q u e
d e v e r i a ajuntar; e para q u e na Santa I g r e j a C a t h e d r a l d e s t a
c i d a d e possa qualquer pessoa constituída e m D i g n i d a d e
Eclesiástica l a n ç a r - l h e o m e s m o H a b i t o e a d m i t i - l o l o g o à
P r o f i s s ã o d e l l e , s e m e m b a r g o d o s Estatutos e D e f i n i ç õ e s
da dita O r d e m e m contrario. A Mesa d e C o n s c i ê n c i a o tenha
e n t e n d i d o e lhe m a n d e passar o s d e s p a c h o s necessários.
R i o d e J a n e i r o , e m 26 d e j u n h o d e 1809 "

A s e n t e n ç a d o T r i b u n a l da M e s a d e C o n s c i ê n c i a e O r d e n s ,
proferida e m 7 de julho, foi registrada em d o c u m e n t o
o r n a m e n t a d o c o m o i t o rubricas e a r e c o m e n d a ç ã o : " G u a r d e - s e
n o A r q u i v o " . V i n t e e u m d i a s mais t a r d e , F r a n c i s c o J o s é R o f i n o
d e Souza L o b a t o assinou e m outro d o c u m e n t o a sentença q u e
julgou José Maurício N u n e s Garcia habilitado a tomar o hábito e
p r o f e s s a r na O r d e m d e Cristo. N ã o e s t a v a m p o r é m c o n c l u í d a s as
f o r m a l i d a d e s da h a b i l i t a ç ã o . A p e s a r da c o n t i n u a d a i n t e r f e r ê n c i a
d o p r í n c i p e r e g e n t e n o p r o c e s s o , s e m p r e a f a v o r d o seu mestre-
d e - c a p e l a , mais sete m e s e s se passarão até q u e s e j a m e n c o n t r a d o s
n o v o s sinais d e a n d a m e n t o . N o dia 15 d e f e v e r e i r o d e 1810, n o
d o c u m e n t o d e investidura i g u a l m e n t e a s s i n a d o p o r Sousa L o b a t o ,
a r e f e r ê n c i a a o s " d o z e mil reis d e T e n ç a " é c o m p l e t a d a p e l a
d e c l a r a ç ã o d e q u e " p a p a g a r o s tres q u a r t o s r e s p e c t i v o s se p a s s o u
o p r e s e n t e " . Assunto d e f i n i d o e m a d e n d o , o n d e o "Fiel P a g a d o r
da T e s o u r a r i a m o r d o Real Erário F r a n c i s c o D u a r t e N u n e s "
registrou o s 9$000 " q u e r e c e b e o p e l o s tres q u a r t o s da T e n ç a a c i m a
mencionada"."7
A p a l a v r a f i n a l d e D . J o ã o , e m data d e 15 d e fevereiro,
c o m p l e t o u as i n f o r m a ç õ e s : " 8

" D o m João p o r Graça d e D e o s Príncipe Regente d e Portu-


gal e dos A l g a r v e s e da índia. E d o Mestrado,
C a v a l l a r i a e O r d e m d e N o s s o S e n h o r Jesus C h r i s t o : F a ç o
Saber a vós, Monsenhor Almeida d o M e o Conselho, q u e
e s t a e s e n c a r r e g a d o d e l a n ç a r o s H á b i t o s da ditta O r d e m ,
q u e J o z e Mauricio Nunes Garcia, mostrando d e s e j o s e
d e v o ç ã o d e s e r v i r a N o s s o S e n h o r , e a M i m na m e s m a

78
José Maurício Nunes Garcia biografia

Ordem, Me p e d i o por Mercê. Houvesse por bem Recebello


e M a n d a r - l h e l a n ç a r o H a b i t o d e l i a : e t e n d o - l h e tu f e i t o
essa M e r c ê a Graça d e o D i s p e n s a r das P r o v a n ç a s e
H a b i l i t a ç õ e s d e sua p e s s o a , H a v e n d o - o p o r h a b i l i t a d o para
o R e c e b e r : p o r esta v ê s M a n d o , D o u p o d e r e C o m i s s ã o ,
q u e l h e l a n c e i s o H a b i t o d o s N o v i ç o s d e l i a na M i n h a R e a l
Capella d e Nossa Senhora d o Carmo, que serve d e cabeça
da O r d e m nesta C o r t e , na f o r m a d a s d e f i n i ç õ e s , e d e q u e
assim l h e f o i lançado, fareis assentamento n o l i v r o da
Matricula d o s C a v a l l e i r o s N o v i ç o s e Esta Carta f a r e i s g u a r d a r
n o C a r t o r i o da A r c a d e p u t a d a p a r a as Cartas d o s H á b i t o s ,
q u e na ditta M i n h a R e a l C a p e l l a M a n d o l a n ç a r e l h e
p a s s a r e i s v o s s a C e r t i d ã o c o m o t r a b a l h o d e s t a , p a r a sua
g u a r d a ...Esta se cumprirá s e n d o registrada n o Registro G e r a l
d a s M e r c ê s e p a s s a d a p e l a C h a n c e l l a r i a da O r d e m . R i o d e
J a n e i r o , Q u i n z e d e F e v e r e i r o d e 1810.
O P r í n c i p e c o m g u a r d a , e t c . ..."

R e a l i z o u - s e , f i n a l m e n t e , a investidura c o m o u s e m a p o m p a
d e v i d a a um mestre-de-capela. Manuel de Araújo Porto-Alegre
i n f o r m a a data — 17 d e m a r ç o — e o s n o m e s d o s p a d r i n h o s : " 9
frei José Marcelino Gonçalves, Francisco José R o f i n o d e Souza
L o b a t o , e o v i s c o n d e d e Vila N o v a da R a i n h a , e n t ã o b a r ã o .
Estava c o n f i r m a d o c o m o n o v i ç o na O r d e m d e C r i s t o o p a -
dre brasileiro José Maurício N u n e s Garcia. P o u c o r e t o r n o a l é m
d a s c r i s p a ç õ e s d e t e c t a d a s n o p r o c e s s a m e n t o dessa h o n r a r i a terá
r e s u l t a d o p a r a a f i g u r a ilustre d o m ú s i c o : r e c o r d a r o g e s t o d e
e n t u s i a s m o d e D . J o ã o p e l o talento d e seu m e s t r e - d e - c a p e l a
c a n t a n d o n o P a ç o ; o u s i m p l e s m e n t e ornamentar, para o s o l h o s
da p o s t e r i d a d e , a sua batina c o m a c o n d e c o r a ç ã o n o r e t r a t o a
ó l e o q u e m a i s t a r d e será p i n t a d o p o r s e u f i l h o .
D i f i c u l t o s o , c o m o se p o d e ver, o p r o c e s s a m e n t o da
c o n c e s s ã o d o H á b i t o d e C r i s t o a o p a d r e J o s é M a u r í c i o , n ã o será
m e n o s e l o q u e n t e n o f a z e r sentir o d e s e q u i l í b r i o e n t r e a v o n t a d e
d e D. J o ã o , as m a n o b r a s d e seus ministros, e a d e s c o n s i d e r a ç ã o
d o s m ú s i c o s da C a p e l a , o q u e r e v e l a u m a v i s o d e 3 d e d e z e m b r o
d e 1809 e n v i a d o da F a z e n d a d e Santa C r u z , o n d e se e n c o n t r a v a
o p r í n c i p e r e g e n t e , a o c o n d e d e A g u i a r . O t r a t a m e n t o d e q u e era
a l v o o c o m p o s i t o r grita, nesse d o c u m e n t o oficial —
c o r r e s p o n d ê n c i a e n t r e o c o n d e d e L i n h a r e s , m i n i s t r o da G u e r r a
e d o s E s t r a n g e i r o s , e o c o n d e d e A g u i a r — para ser c o m u n i c a d o
a o juiz de fora inspetor d o s Teatros, a q u e m cabia tomar
p r o v i d ê n c i a s . T e o r parcial d o aviso:

79
Cleofe Person de Mattos

" H a v e n d o s i d o p r e s e n t e a S.A.R. o P r í n c i p e R e g e n t e N o s s o
S e n h o r q u e a b e l a pessa e m m u s i c a c o m p o s t a p e l o p a d r e J.
M a u r i c i o para ser p o s t a e m c e n a n o a u g u s t o d i a d o s a n o s
d e S.M. a R a i n h a N o s s a S e n h o r a , t e m s i d o t ã o p o u c o
e n s a i a d a p e l o s m ú s i c o s e c o m tal n e g l i g e n c i a , q u e s e f a z
m u i t o d i f í c i l o p o d e r ser a m e s m a b e m e d i g n a m e n t e
e z e c u t a d a , c o m o S.A.R. d e s e j a q u e i n f a l i v e l m e n t e s e j a : é
S.A.R. s e r v i d o q u e V. Ex a , m a n d a n d o c h a m a r o Juiz d e Fora
inspetor d o teatro, lhe o r d e n e q u e d a q u i e m diante, d e
m a n h a e d e t a r d e , se f a ç a m o s e n s a i o s da s o b r e d i t a p e s s a ,
q u e n e n h u m a outra seja e n s a i a d a n e s t e i n t e r v a l o e q u e d e
t o d o m o d o se p r o c u r e q u e a m e s m a v á a o s o b r e d i t o d i a e m
cena e vá d i g n a m e n t e . "

N ã o se p o d e c o n f i r m a r se a " b e l a p e s s a " f o i o u n ã o ouvida. 1 2 0


Sem dúvida o p a d r e José Maurício c o n t a v a c o m a estima e a
c o n s i d e r a ç ã o d o príncipe regente. As sucessivas p r o v a s q u e lhe
f o r a m d a d a s a o l o n g o d o p r o c e s s o da O r d e m d e C r i s t o n ã o
permitem esquecer.
A i n d a assim, n o m e s m o a n o , mais u m a v e z D . J o ã o v e i o a o
e n c o n t r o das d i f i c u l d a d e s f i n a n c e i r a s q u e a f l i g i a m o s e u m e s t r e -
de-capela.
O s a c o n t e c i m e n t o s q u e c o r r i a m p a r a l e l a m e n t e a o s d a Real
C a p e l a m o s t r a m q u e a c o n v i v ê n c i a era d i f í c i l n o S e n a d o . A p e n a s ,
eram de outro género, e diziam respeito ao p a g a m e n t o dos
s e r v i ç o s q u e lhe e r a m prestados. Cabia a o mestre-de-capela
o r d e n a d o a n u a l , f i x o ( 1 0 2 $ 4 0 0 , e m 1809). A i n s u f i c i ê n c i a d o
o r d e n a d o n o s e n t i d o d e p o d e r c u m p r i r as a r r e m a t a ç õ e s s e g u n d o
as n e c e s s i d a d e s d e c o n t r a t a ç ã o d e m ú s i c o s c h e g a r a m a o
c o n h e c i m e n t o de D. João, que sugeriu ao presidente
d e s e m b a r g a d o r d o S e n a d o a u m e n t á - l o p a r a 200$000.
N ã o lhe adiantará o aumento d e o r d e n a d o sugerido por D. João,
p o r q u a n t o o S e n a d o não levará e m conta o p a g a m e n t o d o s
músicos c o n v o c a d o s para cada e v e n t o , p a g o s p o r a n t e c i p a ç ã o
p e l o mestre-de-capela, a q u e m o Senado ressarciria. A
impontualidade deste no pagamento criava situações
intransponíveis ao mestre-de-capela porque foi sempre ignorada
a o b r i g a ç ã o d e i n d e n i z á - l o . Seu s a l á r i o n ã o p o d e r i a s e q u e r
c o m p e t i r n o m o m e n t o e m q u e as c e r i m ó n i a s i m p o r t a n t e s
t o r n a v a m - s e m a i s f r e q u e n t e s e e s s e s m ú s i c o s p a s s a m a ser o s da
C a p e l a Real c o m o r d e n a d o s m a i o r e s . N e s s a c i r a n d a , o budgetdo
p a d r e J o s é M a u r í c i o n ã o se s u s t e n t o u .
Para c o m p r e e n d e r m e l h o r a d e s c o n f i a n ç a e m q u e se
d e s e n r o l a v a m os c o m p r o m i s s o s entre o S e n a d o e o mestre-de-

80
José Maurício Nunes Garcia biografia

c a p e l a , n ã o será inútil e v o c a r os fatos. O assunto será


p a r c i a l m e n t e t r a t a d o e m nota, 1 2 1 assim e v i t a n d o a m o n o t o n i a d e
um desfilar contínuo d e p e d i d o s e mandados de p a g a m e n t o , ou
a l u s õ e s às q u i t a ç õ e s e e v a s i v a s d a s a u t o r i d a d e s .
Em o u t u b r o d e 1809, s e g u i n d o - s e a l o n g o p e r í o d o d e atraso
nos pagamentos, o Senado liberou o referente a um ano de
o r d e n a d o . N ã o eram p a g o s os eventos extraordinários, apenas
o s q u a r t é i s já e s t a b e l e c i d o s e m a r r e m a t a ç ã o , d e o u t u b r o d e 1808
a o u t u b r o d e 1809. N e n h u m a a l u s ã o a o p a g a m e n t o p r é v i o a o s
m ú s i c o s participantes e m b o r a a festa d e São Sebastião,
p a t r o c i n a d a p e l o S e n a d o , h o u v e s s e s i d o e n r i q u e c i d a , c o m o se lê
n o t e s t e m u n h o d o p a d r e P e r e r e c a , c o m v é s p e r a s s o l e n e s e matinas
o f i c i a d a s e cantadas. 1 2 2 Era e s s e o t r a t a m e n t o q u e l h e d a v a o
ó r g ã o e n c a r r e g a d o d e p r o m o v e r c e r i m ó n i a s o f i c i a i s e m n o m e da
cidade.
Uma iniciativa p o u c o f e l i z tomada p e l o padre-mestre e m
1809, q u a n d o o f a v o r e c i m e n t o p e l a sua p e s s o a era p o s i t i v o , n ã o
t r o u x e p a r a a sua v i d a s e n ã o d e s g o s t o e d e s i l u s ã o : J o s é M a u r í c i o
r e c o r r e u à Justiça p a r a r e a v e r terras e m O b a t i b a , d i s t r i t o d e
M a r i c á , h e r d a d a s p o r sua m ã e d o c a s a m e n t o a n t e r i o r c o m
R a i m u n d o P e r e i r a d e A b r e u , a s s u n t o já t r a t a d o na n o t a 9-
E q u i v o c o u - s e V i t ó r i a Maria q u a n t o à l o c a l i z a ç ã o d a s terras, o u o
p a d r e J o s é M a u r í c i o n ã o a v a l i o u as a r t i m a n h a s q u e s e f a z i a m
p o r trás d a Justiça: o r e s u l t a d o d o p r o c e s s o f o i d e s f a v o r á v e l para
o compositor.123
A d e s a f i a d o r a a t i t u d e d o s m ú s i c o s da C a p e l a , i n s a t i s f e i t o s
p o r t e r e m d e c o n v i v e r c o m o c o m p o s i t o r b r a s i l e i r o , ilustra
s u f i c i e n t e m e n t e o a m b i e n t e da Capela Real e m d e z e m b r o d e 1809-
O d i a d e S ã o S e b a s t i ã o d e 1810 f o i c o m e m o r a d o c o m "a
mesma pompa d o ano antecedente", diz Perereca, e com
"Matinas". O b r a c o m orquestra q u e Maciel registra.
A n t e s da f e s t a , J o s é M a u r í c i o — n u m a clara r e f e r ê n c i a a o
a d i a n t a m e n t o q u e se d e v i a a o s m ú s i c o s — s o l i c i t o u a o S e n a d o o
p a g a m e n t o d o ú l t i m o q u a r t e l d o a n o d e 1809 " p a r a s e r v i r d e
adjutório aos pagamentos que tem de fazer". N ã o foi atendido o
mestre-de-capela. O Senado expediu mandado de pagamento de
25$400, c o r r e s p o n d e n t e a u m q u a r t e l d e o r d e n a d o e m data d e
14 d e f e v e r e i r o , a p ó s o dia da festa, s e m q u a l q u e r r e f e r ê n c i a a o s
músicos q u e ficaram sem o p a g a m e n t o antecipado.124 A g r a v o u -
se a s i t u a ç ã o d o p a d r e J o s é M a u r í c i o , q u e a s s i n o u a " q u i t a ç ã o " .
D i a s m a i s t a r d e r e a l i z o u - s e , na C a p e l a d o s T e r c e i r o s d o
C a r m o , a c o m e m o r a ç ã o d o dia da c h e g a d a d e D . J o ã o a o R i o d e
J a n e i r o , " d i a 7 d e m a r ç o " . N o dia 31 d e m a r ç o o p a d r e J o s é

81
Cleofe Person de Mattos

M a u r í c i o r e q u e r e u o p a g a m e n t o da f e s t a , p a g o p e l o S e n a d o e m
4 d e abril.' 2 5
Transcrição d o requerimento:

"Senhores d o Senado — Diz o pc. José Mauricio N u n e s


G a r c i a , M e s t r e da C a p e l a Real, q u e e l e , p o r a v i s o d o I l l m °
P r e s i d e n t e d o S e n a d o — O Dr. Juiz d e F o r a - a p r e s e n t o u ,
n o dia 16 d o c o r r e n t e m e s a M u z i c a d a Festa e T e D e u m
q u e o m e s m o S e n a d o f e z e m a ç ã o d e graças p e l o a n i v e r s a r i o
d a c h e g a d a d e S A R nesta c i d a d e na O r d e m 3 a d o C a r m o ,
e c o m o d e v e p a g a r o s m ú s i c o s q u e assistiram a essa f e s t a ,
p o r t a n t o , p. a V . S " . s e j a m s e r v i d a s m a n d a r a m e s m a quantia
d o a n o p a s s a d o , q u e f o r a m 153$600."

E m 12 d e m a i o o p a d r e J o s é M a u r í c i o , e m n o v o
requerimento, solicitou a o Senado o p a g a m e n t o d o o r d e n a d o —
a g o r a r e a j u s t a d o para 200$000 anuais, d e a c o r d o c o m a s u g e s t ã o
d o p r í n c i p e r e g e n t e — para " s a t i s f a z e r a o s m ú s i c o s o q u e se está
d e v e n d o d e s d e o início d o ano". Comprova-se que não fora feito
o pagamento. Rendera-se o mestre-de-capela à evidência d e q u e
n ã o dispunha d e recursos para continuar h o n r a n d o c o m
a n t e c e d ê n c i a o q u e era d e v i d o a o s m ú s i c o s . S e g u e a í n t e g r a d o
requerimento:126

" D i z o P a d r e J o s é M a u r i c i o N u n e s ( M e s t r e de Muzica da
Real C a p e l a desta c i d a d e ) q u e está e n c a r r e g a d o d e
p r o n t i f i c a r as m u z i c a s d e v o z e s e i n s t r u m e n t o s p a t o d a s as
Festividades q u e este S e n a d o h é o b r i g a d o a fazer, e para
as q u a i s r e c e b e a quantia d e 200$000 q u e se distribuem
proporcionalmente pelos Muzicos, se f a z p r e c i s o a o
S u p l i c a n t e q u e V. Sas l h e m a n d e m a g o r a s a t i s f a z e r t o d a a
r e f e r i d a q u a n t i a d e 200$000, n ã o s ó para p a g a r o que se
está devendo aos Muzicos desde o princípio do corrente ano
c o m o para ajustar p o r p r e ç o s m a i s c o m o d o s a d i a n t a n d o
a l g u m a p a r c e l a a o s m e s m o s m u z i c o s q u e h ã o d e s e r v i r na
p r ó x i m a f e s t i v i d a d e d e C o r p o d e D e o s ; e m c u j o s t e r m o s //
P. a V.Sas s e j a m s e r v i d a s a t e n d e r à justa r e p r e s e n t a ç ã o d o
s u p l i c a n t e m a n d a n d o - l h e p a g a r o s 200$000 c o m o r e q u e r ;
s e n d o nesta p a r t e o interesse do suplicante somente servir
bem ao Senado, d e q u e m e s p e r a // R . M . " ( g r i f o s d a a u t o r a )

O o f í c i o deixa claro que algo mudara no tratamento


p r o f i s s i o n a l e n t r e m ú s i c o s e o m e s t r e - d e - c a p e l a : o s 200$000
seriam distribuídos p r o p o r c i o n a l m e n t e p e l o s músicos.

82
José Maurício Nunes Garcia biografia

A r e s p o s t a d o S e n a d o a o o f í c i o d e J o s é M a u r í c i o t e m data
d e 26 d e m a i o . É o m a n d a d o d e p a g a m e n t o d o s 200$000 " d e u m
ano de o r d e n a d o " , esclarecendo que fora arbitrado esse
p a g a m e n t o e m " a c o r d o d e V e r e a ç ã o " r e a l i z a d o n o d i a 10 d e
j a n e i r o d e 1810. 127
A ordem de pagamento, expedida em novembro, foi
q u i t a d a . A d e m o r a e m assiná-la — s e i s m e s e s ! — c o n f i g u r a a
n ã o c o n c o r d â n c i a d o mestre-de-capela c o m o seu c o n t e ú d o .
Resistência afinal v e n c i d a .
A t r a n s c r i ç ã o , m e s m o p a r c i a l da c o r r e s p o n d ê n c i a e n t r e o
S e n a d o — e sua p o s i ç ã o i r r e d u t í v e l — e o m e s t r e - d e - c a p e l a —
v i v e n d o uma situação i n s o l ú v e l — representa, na v e r d a d e , o i n í c i o
d e u m d i á l o g o a l u c i n a d o q u e se p r o l o n g a r á até 1812. O a u m e n t o
da a n u i d a d e p a r a 200$000 n ã o é i n t e r p r e t a d o c o m o a u m e n t o d e
o r d e n a d o para o c o m p o s i t o r , e sim, c o m o e l e p r ó p r i o o r e c o n h e c e
n o o f í c i o d e 12 d e m a i o , u m a q u a n t i a q u e s e r i a d i v i d i d a
p r o p o r c i o n a l m e n t e p e l o s m ú s i c o s . A o c o m p o s i t o r , e r e g e n t e da
o b r a , restará a p e n a s a s a t i s f a ç ã o d e o u v i r a sua o b r a na C a p e l a
Real, c u m p r i n d o a o b r i g a ç ã o d e " s o m e n t e servir b e m a o S e n a d o " .
N a d a m a i s . S e m d e s e j a r insistir d e m a s i a d a m e n t e na e x a u s t i v a
sequência de mandados, de despachos, de um reajuste de
o r d e n a d o q u e o p a d r e - m e s t r e n u n c a u s u f r u i u , n ã o se p o d e
a b a n d o n a r o assunto, p o r q u e o s a c r i f í c i o i m p o s t o a J o s é M a u r í c i o
n ã o havia terminado.
Tal s i t u a ç ã o , c h e i a d e t e n s õ e s , está l a n ç a d a n o s l i v r o s d o
A r q u i v o Geral d o Estado d o Rio de Janeiro, testemunhas
s i l e n c i o s a s d e a c o n t e c i m e n t o s i n s o l ú v e i s e e x p l i c a m as r a z õ e s
da d e c i s ã o q u e o p a d r e J o s é M a u r í c i o v ê - s e o b r i g a d o a t o m a r e m
a g o s t o d e 1810: c o n t r a i r u m a d í v i d a d e 400$000 ( q u a t r o c e n t o s
m i l r é i s ) p a r a l i v r a r - s e da c o n j u n t u r a d i f í c i l . G e s t o d e s e s p e r a d o
e e m n a d a f a v o r á v e l a o seu e q u i l í b r i o e m o c i o n a l , c u j o s resultados
n ã o t e r i a m r e p e r c u t i d o b e m na p r o j e ç ã o d e sua i m a g e m p e s s o a l .
A s c o n d i ç õ e s d o e m p r é s t i m o s ã o duras. A "Escritura d e
divida e obrigação que faz o Reverendo José Mauricio Nunes
G a r c i a a M a t e u s F r a n c i s c o G o m e s e m 18 d e a g o s t o d e 1810" será
transcrita i n t e g r a l m e n t e e m nota, 1 2 8 r e s s a l v a n d o e s p a ç o a s e g u i r
p a r a u m p o n t o i m p o r t a n t e : a f o r m a d e ser s a l d a d a a d í v i d a :

" e m p a g a m e n t o s i g u a i s , d e três e m três m e s e s , q u e


c o m e ç a r ã o a correr de hoje, e hão d e findar daqui a hum
ano p r e f i x o satisfazendo-lhe juntamente os competentes
juros q u e f o r v e n c e n d o à p r o p o r ç ã o d o q u e f o r p a g a n d o ; e
q u e a t u d o isto se o b r i g a p o r s e u s b e n s p r e s e n t e s e f u t u r o s
e e s p e c i a l m e n t e p o r húa m o r a d a d e casas t e r r e a s q u e t e m

83
Cleofe Person de Mattos

na rua d a s M a r r e c a s , q u e p a r t e m c o m o C o r o n e l A n t o n i o
Nascentes Pinto por hum lado, e de outro c o m q u e m direito
for, as q u a i s s ã o livres d e f o r o , p e n s ã o , p e n h o r a o u h i p o t e c a
a l g u m a , e e l e o u t o r g a n t e a g o r a as h i p o t e c a para s e g u r a n ç a
m e l h o r d e s t a d i v i d a a l e m da q u a l o f e r e c e p o r s e u f i a d o r e
p r i n c i p a l p a g a d o r o C a p i t ã o A n t o n i o C a r l o s da S i l v a
R a m a l h o m o r a d o r na sua chacara d o Bairro d e S ã o C r i s t o v ã o
da F r e g u e s i a d o E n g e n h o V e l h o , o q u a l c o m p a r e c e u e f o i
p o r m i m r e c o n h e c i d o e d i c e q u e d e f a c t o se o b r i g a a s o l u ç ã o
desta divida c o m o f i a d o r principal p a g a d o r d e l a p o r seus
bens presentes e futuros."

O o u t o r g a d o Mateus Francisco G o m e s declarou aceitar a


escritura, q u e f o i lida e assinada e m 18 d e a g o s t o d e 1810 p o r
t o d o s o s m e n c i o n a d o s e m a i s as t e s t e m u n h a s : Luís I n á c i o P e r e i r a
Sarmento, J o ã o d o s Reis Pereira e no i m p e d i m e n t o d e A n t ô n i o
T e i x e i r a d e C a r v a l h o , a s s i n o u J o a q u i m Costa da R o c h a Pita.
M e r e c e a t e n ç ã o o n o m e d o v i z i n h o na rua d a s M a r r e c a s ,
c o r o n e l A n t o n i o Nascentes Pinto, p o s s i v e l m e n t e pai d o q u e
m a n t i n h a u m t e a t r o d e a m a d o r e s na rua " d o P a s s e i o " — e o d a s
t e s t e m u n h a s Luís I n á c i o Pereira S a r m e n t o e J o ã o d o s Reis Pereira
— v e l h o s a m i g o s , q u e o a s s i s t e m nessa h o r a d i f í c i l .
O padre José Maurício não encontrou, n o ano seguinte,
m e i o s d e s a t i s f a z e r o seu c r e d o r n o p r a z o p r e v i s t o . O s p r o b l e m a s
c o m o Senado continuaram irremovíveis, e o compositor teve
q u e carregá-los, p a g a n d o aos músicos, e ainda arcando c o m a
d í v i d a . S o m e n t e e m 1812 a d í v i d a será p a g a , e m c o n d i ç õ e s q u e
adiante serão comentadas.
A i n d a n e s s e a n o , d e intensa a t i v i d a d e na C a p e l a , n o v a tarefa
f o i a c r e s c e n t a d a à t r a b a l h o s a v i d a d o p a d r e J o s é M a u r í c i o . Esta
l h e c h e g a c o m o a r q u i v o d e música d o P a l á c i o d e Q u e l u z ; p a r a
e l e o mestre-de-capela é i n d i c a d o arquivista. A esse trabalho
r e f e r i u - s e o c o m p o s i t o r n o d o c u m e n t o q u e e m j u l h o d e 1822
e n v i o u a D . P e d r o , já p r í n c i p e r e g e n t e , e p e r m i t e a v a l i a r o q u e
r e p r e s e n t o u c o m o s o b r e c a r g a n o q u a d r o d e sua v i d a . São palavras
d e José Maurício n o citado d o c u m e n t o :

"Servia e ainda serve d e Archivista. S é r v i o quasi trez anos


d e Organista." Mais adiante especifica: "trabalhou s e m p r e
c o m e x a c t i d ã o nas c o m p o s i ç õ e s q u e S.M. l h e m a n d a v a f a z e r
p a r a as F u n ç õ e n s da R. C a p e l a a n t e s e d e p o i s d e c h e g a r o
A r c h i v o de Musica de Q u e l u z , d o q u e lhe resultou ficar
d e t e r i o r a d o na sua s a ú d e ate o p r e s e n t e . "

84
José Maurício Nunes Garcia biografia

A p e s a r d e e x c e s s i v a a r e s p o n s a b i l i d a d e d e sua n o v a f u n ç ã o
— n ã o prevista na portaria e t a l v e z m a n h o s a m e n t e d e c i d i d a para
distanciá-lo d o e x e r c í c i o de c o m p o r e reger, f u n ç õ e s mais
c o n d i z e n t e s c o m a sua p e r s o n a l i d a d e m u s i c a l — n ã o se p o d e
deixar d e r e c o n h e c e r q u e o trabalho d e arquivista f o i p o s i t i v o
n o p r o c e s s a m e n t o d e sua r e n o v a ç ã o artística. Sua l i n g u a g e m v a i
e n r i q u e c e r - s e c o m as n o v a s t é c n i c a s q u e l h e s ã o o f e r e c i d a s p e l a
v i v ê n c i a c o m r e p e r t ó r i o e c l é t i c o e m a i s a t u a l i z a d o . A s partituras
trarão a o seu c o n h e c i m e n t o n o v o s p r o c e s s o s d e criação, f o n t e
d o s r e n o v a d o s r e c u r s o s i n c o r p o r a d o s à sua escritura a partir dessa
é p o c a . Alguns p o u c o desejáveis, sem dúvida: outros, p o r é m ,
r e p r e s e n t a m c o n t r i b u i ç ã o d e f i n i t i v a p a r a a sua p e r s o n a l i d a d e
m u s i c a l , o q u e será e x a m i n a d o m a i s a d i a n t e .
A p r o p ó s i t o d e s s a " l i v r a r i a " , v a l e l e m b r a r as n ã o p o u c a s
a l u s õ e s à " f a m o s a b i b l i o t e c a " da q u a l e l e seria " p r o p r i e t á r i o " . A
i n f o r m a ç ã o , partida d e A d r i e n Balbi, 1 2 9 c r i o u o m i t o da b i b l i o t e c a
q u e supostamente lhe pertencia. O mito desfez-se n o d o c u m e n t o
d e 1822, c o m a p a l a v r a d o p r ó p r i o c o m p o s i t o r . N ã o f o i l o c a l i z a d o
o a t o o f i c i a l p a r a essa i n c u m b ê n c i a — n ã o p r e v i s t a na p o r t a r i a
d e sua i n d i c a ç ã o p a r a a Real C a p e l a , e m 1808 — t a l v e z p o r q u e
n ã o i m p l i c a s s e e m c o m p r o m i s s o f i n a n c e i r o da c o r o a .
M e r g u l h a d o e m o c u p a ç õ e s várias n o e x e r c í c i o d o m e s t r a d o ,
as p r e o c u p a ç õ e s f i n a n c e i r a s d o p a d r e a g r a v a v a m - s e . A
impontualidade d o Senado inviabilizara desde o início d o a n o a
c a p a c i d a d e d e satisfazer p o r a n t e c i p a ç ã o seus c o m p r o m i s s o s c o m
os músicos. O ano inteiro f o i marcado p o r desentendimentos d e
o r d e m f i n a n c e i r a e assim f o i até o d e s e n l a c e , c h e i o d e traumas,
e m 1811.
A d e s p e i t o d e t o d o o e n v o l v i m e n t o n e g a t i v o e m sua v i d a ,
a obra de criação d o mestre-de-capela continuou crescendo.
M a c i e l registra Matinas de São Sebastião a 4 vozes com orquestra
( v i o l i n o s , v i o l e t a s , flautas, clarinetas, f a g o t e s , clarins, t r o m p a s e
c o n t r a b a i x o ) . R e p e t i n d o ato d o a n o anterior, José Maurício
c o m p ô s " p a r a o d i a 7 d e m a r ç o " a Missa e o Te Deum na
c o m e m o r a ç ã o d o dia da c h e g a d a d e D . J o ã o a o R i o d e J a n e i r o . O
e v e n t o o c o r r e u e m 16 d e m a r ç o na I g r e j a d o s T e r c e i r o s d o
Carmo. 1 3 0
U m Ecce sacerdos a oito v o z e s com acompanhamento de
ó r g ã o , v i o l o n c e l o s e f a g o t e s ( C T 5 ) e o Magnificai das v é s p e r a s
d e S ã o J o s é s o b r e v i v e m na b i b l i o t e c a da E s c o l a d e M ú s i c a . A
p a r t i c i p a ç ã o d o s n o v o s instrumentistas c h e g a d o s d e Lisboa
e n c o n t r o u m o m e n t o i m p o r t a n t e p a r a f a z e r - s e o u v i r na f e s t a d o
C o r p o d e D e u s , para a qual José Maurício c o m p ô s u m salmo:
Beati omnes.131

85
Cleofe Person de Mattos

N e m s ó e m o b r a s o r i g i n a i s trabalharia o c o m p o s i t o r . T é n u e
c o m p e n s a ç ã o nesse ano traumatizante r e c e b e u o p a d r e José
M a u r í c i o c o m a i n c u m b ê n c i a d e transpor para a v o z d e t e n o r —
original para contralto — e f a z e r o arranjo n o s o l o " T u d e v i c t o " ,
d o Te Deum d e M a r c o s P o r t u g a l , a ser e x e c u t a d o n o c a s a m e n t o
d e D . Maria T e r e s a , r e a l i z a d o n o dia 13 d e m a i o d e s s e a n o .
Em j u l h o d e 1810 o R i o d e J a n e i r o t e v e a o p o r t u n i d a d e d e
o u v i r u m a o b r a d e M a r c o s P o r t u g a l e m g r a n d e e s t i l o . A missa
f e s t i v a é e x e c u t a d a na C a p e l a Real na festa d e N o s s a S e n h o r a d o
C a r m o . N ã o há c o m o i l u d i r - s e q u a n t o a o s i g n i f i c a d o d a e s c o l h a
dessa missa e n t r e as p r i m e i r a s g r a n d e s o b r a s c o m o r q u e s t r a l o g o
a p ó s a a d m i s s ã o d o s instrumentistas p o r t u g u e s e s na C a p e l a d o
Rio d e Janeiro. Se o u t r o s a r g u m e n t o s faltassem, a o b r a f a z i a sentir
q u e a q u e l e era o p a d r ã o a ser i m p l a n t a d o na C a p e l a Real. Criava
r a í z e s o " e s t i l o da C a p e l a Real d e L i s b o a " , i m p o n d o o s e u m o d e l o
n o R i o d e J a n e i r o e e s t i m u l a n d o , q u e m s a b e , o d e s e j o d e atrair o
c o m p o s i t o r p o r t u g u ê s p a r a o Brasil. A Gazeta do Rio de Janeiro,
que noticiou o evento, não informa o que parece óbvio: a direção
m u s i c a l da festa. 1 3 2
U m a d i v e r s i f i c a ç ã o e m t e r m o s d e intérpretes d e sua música,
e c o n s e q u e n t e m e n t e , à m a r g e m d e sua p e r s o n a l i d a d e artística é
o q u e r e p r e s e n t a a c o m p o s i ç ã o d o m o t e t o Praecursor Domini, o
p r i m e i r o d e uma série de m o t e t o s destinados a o c o n j u n t o musi-
cal d o s e s c r a v o s - m ú s i c o s da F a z e n d a d e Santa Cruz. 133 H e r d e i r o s
d e u m a t r a d i ç ã o musical q u e o s f i z e r a p a r t i c i p a n t e s h a b i t u a i s d e
c e r i m ó n i a s r e l i g i o s a s p r o m o v i d a s p e l o s jesuítas n o s s é c u l o s
a n t e r i o r e s , o s e s c r a v o s , q u e d e s d e 1808 c o n t a v a m c o m o e n s i n o
d e música, p r i n c i p i a v a m a dar n o v o s sinais d e suas p o s s i b i l i d a d e s
musicais. C o n q u a n t o o Praecursor Domini represente o primeiro
passo técnico n o l o n g o caminho q u e terão pela frente — desde
o t o m d e D ó Maior aos reduzidos recursos harmónicos c o m que
é c o n s t r u í d o o m o t e t o — n ã o d e i x a r á d e ser u m a c o n c e s s ã o para
q u e m já tinha u m a b a g a g e m v a l i o s a d e c o m p o s i t o r b e m a l e n t a d a .
N ã o f o i o m o t e t o a última o b r a c o m p o s t a p o r J o s é M a u r í c i o
e m 1810. N e s s e a n o e n t r e c o r t a d o d e lutas, o c o m p o s i t o r e n c o n t r a
f ô l e g o p a r a e s c r e v e r a Missa de Nossa Senhora a 8 de dezembro
a p r e s e n t a d a n o dia da festa da p a d r o e i r a d o r e i n o , N o s s a S e n h o r a
da C o n c e i ç ã o . O a c o n t e c i m e n t o , m a r c a n t e na v i d a p r o f i s s i o n a l
d o m e s t r e - d e - c a p e l a , está r e g i s t r a d o n o l i v r o d a s " F u n ç õ e s da
Corte"134 c o m a i n f o r m a ç ã o d e q u e o príncipe r e g e n t e desceria à
sua R e a l C a p e l a n o s á b a d o , dia 8 d e d e z e m b r o " p e l a s d e s h o r a s
d a m a n h ã para assistir à f u n ç ã o d e N o s s a S e n h o r a da C o n c e i ç ã o " .
N ã o d e i x a d e ser g r a t i f i c a n t e constatar q u e n e s s e m o m e n t o
d i f í c i l v i v i d o p e l o c o m p o s i t o r , u m e s f o r ç o d e r e n o v a ç ã o artística

86
José Maurício Nunes Garcia biografia

a g i t a v a o p e n s a m e n t o musical d o p a d r e J o s é M a u r í c i o , e e l e teria
c o m p o s t o u m a d a s suas mais i m p o r t a n t e s missas para abrilhantar
u m a c e r i m ó n i a r e a l i z a d a e m g r a n d e g a l a , na p r e s e n ç a d e t o d a a
c o r t e , d o s m i n i s t r o s , d o c o r p o d i p l o m á t i c o e d o s f i g u r õ e s da
n o b r e z a criada p e l o príncipe regente. Foi e x e c u t a d a p e l o s
c a n t o r e s e i n s t r u m e n t i s t a s da Real C a p e l a s o b a d i r e ç ã o d e s e u
m e s t r e - d e - c a p e l a , já p r o f e s s o na O r d e m d e Cristo.
Assumia José Maurício posição definitivamente consagrada
na música brasileira c o m a c o m p o s i ç ã o dessa missa. C o n f i r m a v a -
se q u e o c o n c e i t o d e música para o c u l t o havia m u d a d o , o s m e i o s
s o n o r o s e r a m o u t r o s . O p a d r e J o s é M a u r í c i o , q u e d e s d e 1809
deixara d e c o m p o r para tiples e contraltos, encetava u m v ô o d e
virtuosidade e d e técnica e m b a l a d o numa orquestra numerosa.
M a r c o r e p r e s e n t a t i v o da c r i a ç ã o mauriciana, c o n v i v e m nessa
missa a s p e c t o s v á r i o s d e r e n o v a ç ã o estilística a b r i n d o n o v a s
perspectivas à música brasileira c o m o tratamento v o c a l
i n s u s p e i t a d o a o s o u v i d o s e aos o l h o s d o p o v o da c o l ó n i a .
A s p e c t o s q u e serão o b j e t o d e c o n f r o n t o n o capítulo A Travessia,
a c o n s i d e r a r o c o n f l i t o entre a p e r m a n e n t e g r a v i d a d e e n v o l v e n d o
o Kyrie o p o n d o - s e a o e s t i l o o r n a m e n t a d o d a s á r e a s d e s t i n a d a s
a o s cantores da Capela Real.
Era a f a c e da p r o f a n i d a d e a b r i n d o c a m i n h o n o Laudamus,
s o l o d e s o p r a n o , o u n o Qui tollis, c o n c e r t a n t e para t e n o r e c o r o ,
ou nos processos visíveis d e acompanhamento realizado p e l o
c o r o e m d e t e r m i n a d o s trechos, p r o c e d i m e n t o s q u e se
j u s t a p u n h a m à a u s t e r i d a d e d e d u a s f u g a s : Christe eleison e o
Cum sartcto spiritu.
O c o n t e x t o n ã o n e g a r á a extraordinária q u a l i f i c a ç ã o da o b r a
c o n c e b i d a na e s t r u t u r a d a m i s s a - c a n t a d a q u e v a i d o m i n a r ,
d o r a v a n t e , a c o m p o s i ç ã o das missas d o p a d r e J o s é M a u r í c i o , uma
d e suas c o l u n a s mestras.
O a n o d e 1811 marca, na v i d a d o p a d r e J o s é M a u r í c i o N u n e s
Garcia, o e n c o n t r o c o m o c o m p o s i t o r p o r t u g u ê s q u e viria
e n s o m b r e c ê - l a : M a r c o s A n t ô n i o da F o n s e c a P o r t u g a l . O s f a t o r e s
q u e c o n c o r r i a m para o f r e n t e - a - f r e n t e i n d e s e j a d o u l t r a p a s s a v a m
o natural c h o q u e e n t r e p e r s o n a l i d a d e s artísticas distintas: u m a
v o l t a d a para a música d e teatro, apesar d o l o n g o p a s s a d o
c o m p o n d o para as c a p e l a s reais p o r t u g u e s a s ; outra, c o e r e n t e c o m
a f u n ç ã o q u e e x e r c i a na C a p e l a , c o n c e n t r a v a na m ú s i c a r e l i g i o s a
a f o r ç a d e sua criação. N a v e r d a d e , o c o n f r o n t o d e c o r r i a s o b r e t u d o
da p o s i ç ã o social q u e distinguia cada um d o s protagonistas: o
português, altaneiro, prestigiado pela corte, p e l o s ministros e
p e l o s m ú s i c o s v i n d o s da C a p e l a d e L i s b o a — p e s s o a s m o v i d a s
p o r vaidades e preconceitos — e o brasileiro, submisso,

87
Cleofe Person de Mattos

i m o b i l i z a d o e m suas a s p i r a ç õ e s p o r e s s e s m e s m o s p r e c o n c e i t o s
e d e s p r e s t i g i a d o e n t r e o s q u e o c e r c a v a m f a c e à m o d é s t i a d e sua
o r i g e m . A admiração d o príncipe regente a m b o s a tinham; foi
p o r é m insuficiente n o c a s o d e José Maurício para d e f e n d ê - l o d o
contexto adverso que o envolvia.
N ã o é fantasioso vincular à chegada d e Marcos Portugal
u m a s é r i e d e d e s c a m i n h o s na v i d a p r o f i s s i o n a l d o p a d r e c o m -
p o s i t o r , e m b o r a , c o m o se t e m c o n s t a t a d o , as h o s t i l i d a d e s v i e s s e m
d e l o n g e . N ã o f i q u e m e s q u e c i d a s as t e r r í v e i s p a l a v r a s d o s
m o n s e n h o r e s da C a p e l a R e a l , e m 1808, r e s i s t e n t e s à a d m i s s ã o
d e alguém c o m "defeito físico visível". Nenhuma razão conhecida,
a l é m da c h e g a d a d o c o m p o s i t o r p o r t u g u ê s e x p l i c a r i a t a m b é m a
q u a s e s i m u l t a n e i d a d e d e d o i s fatos o c o r r i d o s a o l o n g o da s e g u n d a
m e t a d e d e 1811: a " R e l a ç ã o d a s o b r a s c o m p o s t a s p o r J o s é
M a u r í c i o N u n e s G a r c i a para a R e a l C a p e l a d o R i o d e J a n e i r o até
o dia 6 d e s e t e m b r o d e 1811" e a i n t e r r u p ç ã o d a s a r r e m a t a ç õ e s
d e m ú s i c a p a r a as c e r i m ó n i a s p a t r o c i n a d a s p e l o S e n a d o . A
" R e l a ç ã o d e obras" 1 3 5 trazia à l u z a luta q u e se e s t a v a t r a v a n d o
na C a p e l a R e a l . N ã o há c o m o i l u d i r - s e q u a n t o a o s e n t i d o d e s s e
d o c u m e n t o , c u j a s r a z õ e s t e r ã o s i d o f u l m i n a n t e s na v i d a d e J o s é
M a u r í c i o . Era a c o n f i r m a ç ã o d o n o v o status q u e d e l e a f a s t a v a a
m i s s ã o d e c o m p o r para a C a p e l a . T i n h a o s e n t i d o i n q u e s t i o n á v e l
d e u m m a r c o triste, d e u m g e s t o d e d e s p e d i d a .
Na listagem numericante imprecisa dessa " R e l a ç ã o " , c o m
títulos n ã o transcritos n e m f i x a d a s as datas d a s c o m p o s i ç õ e s , e m
t u d o t r a n s p a r e c e o s e u e s t a d o d e e s p í r i t o , sua d e s i l u s ã o p o r mais
essa d e r r o t a q u e s e a c u m u l a r a às q u e s o f r e r a a o l o n g o d e s s e s
dois anos terríveis. N ã o mais dirigirá aquela "orquestra
p r o d i g i o s a " , n e m terá à sua d i s p o s i ç ã o cantores q u e n ã o o p u n h a m
e n t r a v e s t é c n i c o s à sua c r i a ç ã o e d a v a m asas à sua i m a g i n a ç ã o .
Em s u m a , o d o c u m e n t o s i g n i f i c a v a o q u e era p r e s u m í v e l
d e s d e a c h e g a d a d e M a r c o s P o r t u g a l : na C a p e l a Real p o d e r i a
h a v e r l u g a r para d o i s m e s t r e s - d e - c a p e l a , mas n ã o h a v i a e s p a ç o
p a r a d u a s p e r s o n a l i d a d e s distintas. U m a d e l a s d e v e r i a a p a g a r -
se; e f o i esta p a r t e q u e c o u b e a J o s é M a u r í c i o . D e s d e 6 d e
s e t e m b r o d e 1811 f i n d a r a sua m i s s ã o d e c o m p o r para a C a p e l a .
N ã o f o i encontrado o ato administrativo que silenciou o padre
J o s é M a u r í c i o n o m o m e n t o e m q u e era a l i j a d o da m a i s cara d a s
suas f u n ç õ e s . N a d a o e x p l i c a r i a , p o r q u a n t o as r a z õ e s e s t a v a m
m u i t o p r ó x i m a s d o p o d e r , mas a o f i x a r e m 6 d e s e t e m b r o o l i m i t e
c r o n o l ó g i c o d e s e u t r a b a l h o d e c o m p o r para a C a p e l a , J o s é
M a u r í c i o c u m p r i a um a t o d e o b e d i ê n c i a a d e t e r m i n a ç õ e s
s u p e r i o r e s , m e d i d a drástica q u e tinha t u d o a v e r c o m a c h e g a d a
d e M a r c o s Portugal.136 O a c o n t e c i m e n t o f o i i m e d i a t a m e n t e

88
José Maurício Nunes Garcia biografia

m a r c a d o p o r m e d i d a s administrativas. N o dia 23 d e j u n h o q u a t r o
"avisos" d o marquês de Aguiar comunicavam r e g a l i a s a q u e teria
direito o r e c é m - c h e g a d o . Outras b e n e s s e s estariam ligadas à
g e n e r o s i d a d e d o "real bolsinho". S e g u e m o s quatro "avisos":137

" A v i s o d o m i n i s t r o C o n d e d e A g u i a r a o t e s o u r e i r o da R e a l
C a p e l a : Meta e m f o l h a a M a r c o s P o r t u g a l , m e s t r e d e musica
d e Suas A l t e z a s Reais, c o m a q u a n t i a d e s e i s c e n t o s mil réis
e m cada ano, q u e ele vencia e m Lisboa c o m o mestre d o
s e m i n á r i o e c o m p o s i t o r da P a t r i a r c a l . "

" A v i s o d o m e s m o a o V i s c o n d e d e Vila N o v a d a R a i n h a :
H a v e n d o o Príncipe Regente N o s s o Senhor n o m e a d o Marcos
P o r t u g a l para m e s t r e d e m u s i c a d e Suas A l t e z a s R e a i s , é
s e r v i d o q u e p o r este s e r v i ç o v e n ç a o o r d e n a d o d e q u a r e n t a
m i l réis p o r m ê s e d u z e n t o s e q u a r e n t a m i l réis a n u a l m e n t e
p a r a p a g a m e n t o d a s casas d e sua h a b i t a ç ã o . O q u e t u d o
l h e d e v e ser s a t i s f e i t o p e l o Seu R e a l B o l s i n h o , assim c o m o
a t e n ç a d e d u z e n t o s mil réis q u e f o i c o n c e d i d a e m Lisboa a
sua m u l h e r c o m o s o b r e v i v ê n c i a p a r a e l e , d e q u e l h e f a z
m e r c ê c o n t i n u a r nesta c o r t e . "

"Aviso d o m e s m o ao Conde de Redondo: o Príncipe Regente


N o s s o S e n h o r é s e r v i d o q u e V . Ex a p a s s e a s o r d e n s
necessarias para q u e p e l a Real Ucharia se d ê a r a ç ã o
competente diariamente a Marcos Portugal, mestre de
m u s i c a d e Suas A l t e z a s R e a i s . "

"Aviso d o m e s m o ao Marquês d e Vagos: O Príncipe Regente


N o s s o S e n h o r é s e r v i d o q u e V . Ex a m a n d e p o r , e m t o d o s o s
dias d e lição, uma s e g e das Reais Cavalariças à porta de
M a r c o s P o r t u g a l , m e s t r e d e musica d e Suas A l t e z a s Reais, a
f i m d e o c o n d u z i r para o P a ç o e d a í para a sua casa, d e p o i s
d e acabada a lição."

O d e s d o b r a m e n t o d o m e s t r a d o na C a p e l a R e a l e m d u a s
p e s s o a s , se n ã o i m p l i c a v a n o a f a s t a m e n t o d o p a d r e J o s é M a u r í c i o ,
n ã o subentendia d e m o d o algum igualdade d e p o s i ç ã o entre os
d o i s m ú s i c o s . A l é m d o ó b v i o d e s n í v e l d e c o r r e n t e da n a t u r a l i d a d e
e da c a t e g o r i a social, a d e s i g u a l d a d e tinha o r i g e m — p r e m e d i t a d a
o u n ã o — na d i f e r e n ç a d e título a t r i b u í d o a u m e a o u t r o q u a n d o
a d m i t i d o s n o real s e r v i ç o . O t í t u l o d e M a r c o s P o r t u g a l — m e s t r e
c o m p o s i t o r — n ã o era o m e s m o q u e e m n o v e m b r o d e 1808 f o r a
a t r i b u í d o a o p a d r e J o s é M a u r í c i o : m e s t r e d e música. N e m o d e s t e

89
Cleofe Person de Mattos

c o r r e s p o n d i a a o d e m e s t r e - d e - c a p e l a q u e r e c e b e r a e m 1798. O
q u e n ã o i m p e d i u q u e as f u n ç õ e s e x e r c i d a s p o r J o s é M a u r í c i o
f o s s e m p r e c i s a m e n t e as d e m e s t r e - d e - c a p e l a : c o m p o r e r e g e r .
T a l a sua q u a l i f i c a ç ã o e m f o l h a s d e p a g a m e n t o e o u t r o s p a p é i s
o f i c i a i s a t é 1830. É p r e c i s a m e n t e n o t r a b a l h o d e c o m p o s i t o r q u e
o t í t u l o c o n d i z c o m o s e u l a b o r na C a p e l a , f a c e à i n t e n s a
c a p a c i d a d e d e c r i a ç ã o d e s e n v o l v i d a e n t r e 1808 e 1811,
p r e p a r a n d o , s e m p r e p o r o r d e m d e D. J o ã o , o r e p e r t ó r i o da C a p e l a .
O q u e lhe valeu a o p o r t u n i d a d e d e c o m p o r para importantes
e v e n t o s , e m p r o p o r ç õ e s q u e p o d e m ser a v a l i a d a s n o
l e v a n t a m e n t o d a s o b r a s d o a r q u i v o da C a p e l a I m p e r i a l , o n d e
f o r a m r e c o l h i d a s as o b r a s c o m p o s t a s p a r a a Sé, c o m o p a r a a
Real C a p e l a .
Em 1811, a r e c o m p e n s a d o p a d r e J o s é M a u r í c i o será suportar
as m e d i d a s q u e l h e s ã o i m p o s t a s p e l a n o v a s i t u a ç ã o . O e s t i l o d a
Capela Real d e Lisboa, q u e , s e g u n d o o d e s e j o d o p r í n c i p e r e g e n t e ,
i m p l a n t a v a - s e na C a p e l a d o R i o d e J a n e i r o , tinha a g o r a à sua
f r e n t e o c o m p o s i t o r q u e d e f a t o e d e d i r e i t o era o s í m b o l o d e s s e
estilo. Sem reação possível.
A t r a n s f e r ê n c i a d e M a r c o s P o r t u g a l para a c i d a d e d o R i o d e
J a n e i r o t r o u x e u m a a g r a v a n t e na v i d a d o p a d r e J o s é M a u r í c i o r
outra l e v a d e m ú s i c o s da C a p e l a d e L i s b o a a c o m p a n h o u o c o m -
positor português, p r e c e d e n d o - o ou seguindo-o de p o u c o ; do
q u e resultou f a z e r crescer o n ú m e r o de pessoas p o u c o afeitas a
p r e s t i g i a r o c o m p o s i t o r b r a s i l e i r o . D e t e r m i n a ç ã o q u e v a i marcar,
d e f i n i t i v a m e n t e , o c l i m a m u s i c a l da C a p e l a c r i a d a p o r D . J o ã o e
p o d e l o c a l i z a r , t a l v e z , a f r a s e q u e se atribui a J o s é M a u r í c i o ,
n u m d e s a b a f o t a r d i o e triste: " O q u e t e n h o s o f r i d o d a q u e l a g e n t e ,
s ó D e u s sabe".138
A presença d o c o m p o s i t o r português f o i notória s o b r e t u d o
n o c u m p r i m e n t o das prerrogativas c o r r e s p o n d e n t e s a o título de
mestre compositor que lhe fora outorgado. N ã o só a
r e s p o n s a b i l i d a d e d e c o m p o r para as c e r i m ó n i a s q u e se r e a l i z a v a m
na R e a l C a p e l a , q u e p a s s a v a às suas m ã o s , c o m o se adianta q u e
D . J o ã o " d e s c i a à R e a l C a p e l a q u a n d o o r e g e n t e era M a r c o s P o r -
tugal".
O e n c o n t r o entre o s d o i s c o m p o s i t o r e s , p r o m o v i d o n o P a ç o
da B o a Vista " p o r i n s p i r a ç ã o d e D o n a Carlota Joaquina 1 3 9 f o i p e l o
menos enganador n o tocante à cordialidade exibida por Marcos
P o r t u g a l q u a n t o à r e a l i d a d e f u t u r a . Se n ã o é e x a t o atribuir à sua
vinda t o d o s os males q u e atingiram o c o m p o s i t o r brasileiro, a
a n i m o s i d a d e d o s rtiúsicos e d o s m i n i s t r o s q u e o c e r c a v a m era
e s t i m u l a d a p o r sua s i m p l e s p r e s e n ç a .

90
José Maurício Nunes Garcia biografia

O d i a - a - d i a p r o f i s s i o n a l d o p a d r e J o s é M a u r í c i o n ã o acusa
q u a l q u e r a b r a n d a m e n t o a o t e n s o a m b i e n t e d e 1810, a o i n i c i a r -
s e 1811. A s p r e o c u p a ç õ e s f i n a n c e i r a s o p e r t u r b a m t a n t o q u a n t o
o s a g r a v o s à sua p e r s o n a l i d a d e artística. S o b r e v i v e n o s l i v r o s d o
S e n a d o d a C â m a r a , f o n t e d a s i n f o r m a ç õ e s q u e s e g u e m e m nota
a respeito dos últimos lances desses acontecimentos, o registro
administrativo dos sucessivos passos desse m o m e n t o histórico,
q u e l e v a r á o c o m p o s i t o r a o i m p a s s e f i n a l , na v i d a d a C a p e l a .
O c a t á l o g o d e M a c i e l registra a o b r a c o m p o s t a p o r J o s é
M a u r í c i o para a f e s t i v i d a d e d o p a d r o e i r o da c i d a d e : Hic est vere,
Moteto para a Procissão de São Sebastião, a 9 vozes somente,
composto no ano de 1811.
N o m ê s d e m a r ç o , c o m o d e r o t i n a d e s d e 1809, o p a d r e
J o s é M a u r í c i o c o m p ô s a Missa e o Te Deum para as c e r i m ó n i a s
c o m e m o r a t i v a s da c h e g a d a d e D . João. 1 4 0
A missa r e a l i z o u - s e na C a p e l a R e a l . A C a t e d r a l c o n s e r v a
n o a r q u i v o a partitura a u t ó g r a f a da p r i m e i r a v e r s ã o d o Te Deum
p a r a o e v e n t o ; nas p a r t e s a v u l s a s , t a m b é m a u t ó g r a f a s , v e m o
e s c l a r e c i m e n t o : "pa o dia 7 d e m a r ç o " . C o m p o s t o para v o z e s
com acompanhamento de órgão, fagotes, violoncelos e
c a n t r a b a i x o , e s e m l o g r a r a l i n h a r - s e e n t r e as o b r a s m a i s
r e p r e s e n t a t i v a s d o p a d r e J o s é M a u r í c i o , o Te Deum a l c a n ç o u o
a p r e ç o d e D. João, q u e o r d e n o u sucessivos acréscimos
instrumentais à v e r s ã o original.

Se a missa q u e a c o m p a n h o u este Te Deum n o e v e n t o f e s t i v o


c o r r e s p o n d e a a l g u m a das m i s s a s q u e s o b r e v i v e r a m n o a r q u i v o
— o q u e p a r e c e p o s s í v e l — n ã o há c o m p r o v a ç ã o d e f i n i t i v a . O
c e r t o , p o r é m , é q u e as d u a s partituras t e r ã o s i d o as ú l t i m a s
g r a n d e s o b r a s c o m p o s t a s p o r José Maurício para a Capela Real
antes d e chegar Marcos Portugal.
N o final d o ano, o padre José Maurício acrescentou aos
títulos já c o n h e c i d o s , o r q u e s t r a ç ã o da Missa pastoril para a noite
do Natal, c o m p o s t a e m 1808. O a c e n t o b u c ó l i c o dessa
c o m p o s i ç ã o , e n v o l v i d o c o m o u m leitmotiv por um solo de

91
Cleofe Person de Mattos

c l a r i n e t a f a z p e n s a r e m c o m o c o n s e g u i r i a c o n c i l i a r a sua v i d a
d i f í c i l c o m tanta a m e n i d a d e . 1 4 1
Por outro lado, a i n t r o d u ç ã o da " v i o l a concertata" d o
Laudamus p õ e e m e v i d ê n c i a a v i r t u o s i d a d e d o instrumentista,
p r o v a v e l m e n t e c h e g a d o n o a n o a n t e r i o r , da C a p e l a d e L i s b o a .
A o c o n s i d e r a r a p r o d u ç ã o d e J o s é M a u r í c i o e m 1811, n ã o
s u r p r e e n d e , p e l a s r a z õ e s já a p o n t a d a s , v ê - l a m a i s p o b r e d o q u e
nos anos anteriores. Interrompera-se n o s e g u n d o semestre o seu
mais a b s o r v e n t e trabalho — a Capela Real — e o s p r o b l e m a s
q u e c e r c a v a m as c o n t r a t a ç õ e s c o m o S e n a d o d a C â m a r a d a v a m
sinais d e q u e t a m b é m c h e g a v a m a o f i m . O q u e se o b s e r v a e m
nota. 1 4 2
Encerrava-se assim, c o m f o r t e a c e n t o m e l a n c ó l i c o , nesse
a n o n e g a t i v o , essa f a s e p r o f i s s i o n a l d o p a d r e J o s é M a u r í c i o , a
q u e d e r a o m e l h o r d e sua v i d a e d e suas f o r ç a s , e o s m a i s f o r t e s
sinais d e d o m í n i o s o b r e si m e s m o , d e s d e 1808. M u d a r a , s e m
dúvida, a posição d o mestre-de-capela brasileiro c o m a chegada
d e M a r c o s P o r t u g a l . À d e r r o t a na C a p e l a Real e às a r r e m a t a ç õ e s
interrompidas c o m o S e n a d o n ã o tardariam outros i n e q u í v o c o s
sinais d e r e j e i ç ã o , c o m o se v a i v e r c o m a I r m a n d a d e d e S ã o
Pedro dos Clérigos.
V i n t e a n o s d e c o n v í v i o , i n i c i a d o c o m o i r m ã o d e s d e o dia
e m q u e s e l a v a s e u d e s t i n o d e m ú s i c o a o d e s a c e r d o t e — dia 7 d e
s e t e m b r o d e 1791 — v i n t e a n o s l i g a d o s a o q u e e l e c h a m o u e m
1814, "a m i n h a I r m a n d a d e " , e para a q u a l e s c r e v e r a d e z e n a s d e
obras, h o j e desaparecidas, eram postos d e lado, ao cessarem os
c o m p r o m i s s o s d o padre José Maurício c o m a Irmandade d e São
P e d r o d o s C l é r i g o s , m a n t i d o s d e s d e 1799. O n z e a n o s f o r a e l e o
c o m p o s i t o r d a m ú s i c a p a r a o dia e v é s p e r a d o " S a n t o P a t r i a r c a " ,
d e v o ç ã o q u e se f o i a c r e s c e n d o e d i v e r s i f i c a n d o a t é alcançar, e m
1810, c e r c a d e q u a r e n t a o b r a s . É o q u e se l ê n o l i v r o 3 a ( 1 7 9 3 -
1 8 2 0 ) da I r m a n d a d e , 1 4 3 e r e p r e s e n t a a l g o d e p o n d e r á v e l c o m o
p r o d u ç ã o musical. Impressionante, p o r é m , é o desaparecimento
d e q u a s e tudo. A e x c e ç ã o p o s s í v e l dirige-se a u m o f í c i o para
Domingo de Ramos, s e m n o m e d e a u t o r ( C T 2 1 8 ) , m a n u s c r i t o
c o n s e r v a d o n o a r q u i v o d a i g r e j a da I r m a n d a d e e q u e se p o d e
c r e r f a ç a p a r t e d o r e g i s t r o d e o b r a s "Para a S e m a n a Santa" e
a s s i m a t r i b u i r u m a data, q u e o m a n u s c r i t o n ã o t e m : 1806.
Em 1811 d e s a p a r e c e u d e f i n i t i v a m e n t e d o s l i v r o s d e d e s p e s a
da I r m a n d a d e o n o m e d o compositor. A deficiência d e saúde
p ô d e e x p l i c a r n a q u e l e m o m e n t o m e d i d a t ã o drástica. N ã o f i c a r á
e x p l i c a d a , p o r é m , tal a t i t u d e d u r a n t e a n o s , m e s m o q u a n d o J o s é
M a u r í c i o c o m p ô s , e m 1814, a Novena do apóstolo São Pedro e

92
José Maurício Nunes Garcia biografia

e m 1815 as Matinas do apóstolo São Pedro, obras obviamente


destinadas à igreja " d o s clérigos".
N ã o t e r m i n a r i a m n e s t e p o n t o as r a z õ e s d e i n q u i e t a ç ã o na
v i d a d o p a d r e - m e s t r e : a d í v i d a c o n t r a í d a e m 1810 c o m o m a j o r
M a t e u s d e i x a d e ser p a g a n o p r a z o l i m i t e , 11 d e j u n h o . A i n d a e m
1811, e m c o n d i ç õ e s n ã o s u f i c i e n t e m e n t e e s c l a r e c i d a s , J o s é
M a u r í c i o f a z o p a g a m e n t o da q u a r t a p a r t e da i m p o r t â n c i a
devida." 1 '' Tal é o c o n t r a p o n t o q u e o e n v o l v e neste a n o t o r m e n t o s o
q u e é 1811.

A travessia

A o f i n d a r 1811, e n v o l v i d o e m u m a luta d e s i g u a l d e s d e a
c h e g a d a da corte, a desesperança cerca a vida d o p a d r e José
Maurício Nunes Garcia. T u d o lhe escapa a o m e s m o t e m p o :
i m p e d i d o d e c o m p o r p a r a a R e a l C a p e l a , as c o n t r a t a ç õ e s c o m o
S e n a d o da C â m a r a n ã o m a i s f i c a r ã o a o s s e u s c u i d a d o s ; sua
c r e d i b i l i d a d e é atingida e a sombra projetada p o r Marcos Portu-
gal afeta-o. C o m p l e t a n d o o q u a d r o desses infortúnios, o c o m -
positor tem a infelicidade de pôr n o m u n d o duas filhas doentes:
J o s e f i n a , n a s c i d a e m 1810, e P a n f í l i a , e m 1811. P o r f i m , o p a d r e
José Maurício adoeceu.
É a h o r a d e i n d a g a r o q u e estaria a c o n t e c e n d o c o m a o b r a
d e criação produzida s o b tensão tão violenta. A pergunta explica
a r a z ã o d e s t e c a p í t u l o e a a v a l i a ç ã o d o q u e está p o r v i r . O a n o
d e 1808 será, o b v i a m e n t e , o p o n t o d e partida p a r a c o n s i d e r a r as
transformações a que é submetida a linguagem d o compositor
na t u m u l t u a d a travessia p o r e s t i l o s d i v e r s o s . N o t é r m i n o d o
p e r í o d o , o p a d r e J o s é M a u r í c i o n ã o m a i s será o c o m p o s i t o r c u j o
estilo identifica-se c o m algumas obras capitais d o Setecentos.
O s a n o s d e 1790, 1794, 1798 e 1799 s e r ã o d a t a s d e o b r a s
marcantes, mas a o m e s m o t e m p o expressões estabilizadas de
u m c o n t e x t o já u l t r a p a s s a d o c o m o e s t i l o e c o n d i ç õ e s t é c n i c a s .
O c o n c e i t o de estilo, c o n s i d e r a d o c o m o o m o d o peculiar
na u t i l i z a ç ã o d e e l e m e n t o s e s p e c í f i c o s da l i n g u a g e m m u s i c a l ,
s u b e n t e n d e a a c e i t a ç ã o d e estruturas r í t m i c a s , f o r m a i s , u m a
c o n c e p ç ã o m e l ó d i c a c o m características p r ó p r i a s . P o r o u t r o l a d o ,
José Maurício não recebeu dos compositores que o precederam
n o R i o d e Janeiro, o l e g a d o d e uma c r i a ç ã o nascida e d e s e n v o l v i d a

93
Cleofe Person de Mattos

c o m características próprias, e l e m e n t o s d e uma l i n g u a g e m q u e


r e p r e s e n t a s s e o e l o d e u m a c o r r e n t e m u s i c a l q u e se t r a n s m i t e ,
q u e se a p r e n d e , q u e s e assimila. E n f i m , d e u m e s t i l o p r ó p r i o .
A inexistência — ou o d e s c o n h e c i m e n t o — de
d o c u m e n t a ç ã o v i v a , c a p a z d e ilustrar u m p a s s a d o h i s t ó r i c o c o m
c a r a c t e r í s t i c a s p e c u l i a r e s para d e f i n i r a v i d a m u s i c a l na c i d a d e é
f a t o d r a m á t i c o na sua história. O R i o d e J a n e i r o n ã o f o i r é p l i c a
da i m a g e m musical d e Minas Gerais, n o s é c u l o X V I I I , n e m r e p e t i u
a e x p e r i ê n c i a histórica d e outras r e g i õ e s culturais — a e s p a n h o l a ,
p o r e x e m p l o — e m c o n d i ç õ e s d e conduzir a um estilo, c o m o é o
c a s o da A m é r i c a Latina.
J o s é M a u r í c i o c o n s t r u i u a o s p o u c o s até 1807 u m e s t i l o
p r ó p r i o , p a r t i n d o e m r a í z e s d e M i n a s G e r a i s , haja vista a Tota
pulchra.
A i n d a n o s é c u l o X V I I I r e f o r m u l o u seu e s t i l o e n ã o t a r d o u a
transformar-se n o m ú s i c o c o m uma l i n g u a g e m q u e o dintinguiu
n o p a n o r a m a da c o l ó n i a .
C o m a c h e g a d a d e D . J o ã o , a o i n g r e s s a r e m j u n h o d e 1808
na C a p e l a Real, o p a d r e J o s é M a u r í c i o iniciara f e c u n d o p e r í o d o
c r i a d o r . I m p u l s i o n a d o p o r outra c o n c e p ç ã o d e e s t i l o na m ú s i c a
religiosa, familiarizou-se c o m novos processos de composição,
d e s c o n h e c i d o s a t é a q u e l e m o m e n t o na m ú s i c a e s c r i t a , o u
p r a t i c a d a , na c o l ó n i a p o r t u g u e s a .
O a l v a r á , a o criar a C a p e l a , d e i x a v a c l a r o q u e as r a í z e s
h i s t ó r i c a s da C a p e l a Real d e Lisboa d e v e r i a m s e r v i r d e m o d e l o à
C a p e l a d o R i o d e Janeiro; o q u e c o n v i n h a a o c e r i m o n i a l a p l i c a v a -
se n e c e s s a r i a m e n t e à música destinada a abrilhantar as c e r i m ó n i a s
r e a l i z a d a s na capital da c o l ó n i a . A p a l a v r a n o v a q u e resulta dessa
t r a n s f o r m a ç ã o c a b e r á a u m a arte mais b r i l h a n t e e m o v i m e n t a d a ,
o n d e a b u s c a d o e f e i t o t e m o s s e u s m o m e n t o s d e se f a z e r v a l e r .
O s e s q u e m a s d e f i n i d o r e s da n o v a l i n g u a g e m p a r t e m , e m
p r i n c í p i o , da a s s i m i l a ç ã o d e p r o c e d i m e n t o s t é c n i c o s — q u e a o
m e s m o t e m p o p o d e r ã o ser q u a l i f i c a d o s c o m o e x p r e s s i o n a i s —
c o n j u g a d o s n o sentido de aderir à virtuosidade admitindo novas
estruturas. Em c o n j u n t o , r e p r e s e n t a m p r o c e d i m e n t o s até e n t ã o
a u s e n t e s d a m ú s i c a d o p a d r e - m e s t r e a o l o n g o d e sua e v o l u ç ã o
natural, m a s q u e se i n c o r p o r a m à sua l i n g u a g e m d e m a n e i r a a
constituir-se, d e n t r o e m p o u c o , o n o v o estilo d o c o m p o s i t o r :
o recitativo
a v i r t u o s i d a d e n o c a n t o e na m e l o d i a i n s t r u m e n t a l
permeabilidade a elementos de profanização
excessiva ornamentação melódica
recurso a clichés musicais
a d e s ã o positiva ao concertante

94
José Maurício Nunes Garcia biografia

a p r o l i x i d a d e d o d i s c u r s o musical: t e x t o s q u e s e r e p e t e m e
progressões
a presença polifônica; a forma fuga
o sinfonismo
a missa-cantata
O e n r i q u e c i m e n t o d o d i s c u r s o musical resultante da
a s s i m i l a ç ã o d e s s e s e l e m e n t o s estilísticos marcará d e f i n i t i v a m e n t e
a o b r a d e J o s é M a u r í c i o a partir desta f a s e , d e c i s i v a e m sua
c a r r e i r a d e c o m p o s i t o r . I m p u l s i o n a d o na b u s c a d e n o v o s m e i o s
de expressar-se e a o m e s m o t e m p o acionado pela urgência no
a t e n d i m e n t o da m ú s i c a para a C a p e l a , é f o r ç o s o r e c o n h e c e r q u e
a p r o d u ç ã o d o p a d r e - m e s t r e , durante esses três anos, n e m s e m p r e
c o r r e s p o n d e u a o m e l h o r d e sua o b r a . C o n s t a t a ç ã o q u e n ã o
s u b e n t e n d e e s t i g m a t i z á - l a c o m o f a s e m e n o s b o a q u a n d o se
considera o inquestionável valor de determinadas obras então
v i n d a s a l u m e , algumas definitivas n o c ô m p u t o geral d o seu
l e g a d o . O c o n d i c i o n a m e n t o t é c n i c o e n t ã o d e s e n v o l v i d o marcará
s u b s t a n c i a l m e n t e a p r o d u ç ã o futura, e v a i p r o p o r c i o n a r a o s e u
d i s c u r s o a d i g n i d a d e d o s m o l d e s c l á s s i c o s e m q u e se i n s p i r o u .
A a c e i t a ç ã o dos n o v o s m o d e l o s não vai i m p e d i r a
assimilação — concomitante e inevitável — d e traços m e n o s
f e l i z e s p o r q u e sintomas d e inadequada p r o f a n i z a ç ã o da música
r e l i g i o s a : o a b u s i v o r e c u r s o à o r n a m e n t a ç ã o , a o r e c i t a t i v o , assim
c o m o a u t i l i z a ç ã o d e f ó r m u l a s g a l a n t e s n o c o n t e x t o da o b r a ,
sobretudo nos acompanhamentos.
A a ç ã o i n o v a d o r a g e n e r a l i z o u - s e , m a s t e m s e n t i d o mais
p r o f u n d o nas missas, o q u e se c o m p r e e n d e d i a n t e da
c o m p l e x i d a d e c o m q u e se d e s e n r o l a m o s p e q u e n o s d r a m a s q u e
s e s u c e d e m na c o m p o s i ç ã o d e u m a missa — p i e d a d e n o Kyrie,
exaltação n o Glória, afirmação de fé n o Credo e o grande mistério
d o "Et i n c a r n a t u s " — a s p e c t o s p a s s í v e i s d e s e r e m t r a t a d o s c o m
o u t r o s r e c u r s o s q u e n ã o o s d a s duas missas c o m p o s t a s a t é 1808.
O recitativo, irremediavelmente ligado à obra religiosa d o
c o m p o s i t o r a p a r t i r d e 1808, i n t e r c a l a - s e c o m f r e q u ê n c i a nas
missas, n o g e r a l e m t r e c h o s d e s t i n a d o s a s o l o s : Qui tollis, Qui
sedes, Quoniam, p o r v e z e s o "Et in t e r r a " . U 5 N u n c a o r e c i t a t i v o
s e c o ; o accompagnato é a f o r m a q u e se g e n e r a l i z o u na o b r a d o
p a d r e - m e s t r e . M e s m o e m o b r a s p r o f a n a s — n o Drama Ulisséa
o u e m O triunfo da América — evidenciou-se o p o u c o estímulo
na u t i l i z a ç ã o d o c r a v o c o m o m e s m o o b j e t i v o e r e c o r r e a o
accompagnato, assim r e v e l a n d o n o v a s f o n t e s d e c o n v í v i o m u s i -
cal.
A o c e n t r o d o s f a t o r e s s i g n i f i c a t i v o s na t r a n s f o r m a ç ã o q u e
se p r o c e s s a v a , i m p o r t a citar c o m o e l e m e n t o d e c i s i v o a

95
Cleofe Person de Mattos

qualificação d o s n o v o s intérpretes. O recurso à riqueza sonora


c o l o c a d a à sua d i s p o s i ç ã o e s t a b e l e c e o u t r o s p a r â m e t r o s , b e m
d i s t a n t e s a esta altura d a s c o n d i ç õ e s v o c a i s e i n s t r u m e n t a i s d o s
m ú s i c o s da v e l h a Sé. N ã o mais t i p l e s o u c o n t r a l t o s infantis, n e m
instrumentistas d e meia f o r ç a . O n o v o r e p e r t ó r i o é c o n c e b i d o
c o m vistas a intérpretes d e categoria, habituados a outros v ô o s
f a z e n d o jus a t r a t a m e n t o a d e q u a d o . Sua escrita v o c a l d e s e n v o l v e -
se na b a s e da a g i l i d a d e d o s n o v o s i n t é r p r e t e s p o n d o e m r e l e v o ,
n ã o s ó a s o n o r i d a d e e s p e c í f i c a , mas o s e u b r i l h a n t i s m o e o s e u
estilo próprio.

P r i o r i t á r i o s o s c a n t o r e s na c h e g a d a a o R i o d e J a n e i r o , é
p r e c i s a m e n t e n o e n f o q u e das v o z e s q u e surgem os primeiros
sinais d e r e n o v a ç ã o na m ú s i c a d e J o s é M a u r í c i o . N ã o a p e n a s nas

96
José Maurício Nunes Garcia biografia

m e l o d i a s d e s t i n a d a s a o s s o p r a n o s e c o n t r a l t o s — castrati— mas
d e t o d o o q u a r t e t o v o c a l e t a m b é m na escrita c o r a l , s e m p r e
q u a l i f i c a d a , d o c o m p o s i t o r . I n e g á v e l é o seu e n c a n t a m e n t o pela
v i r t u o s i d a d e v o c a l , o q u e r e s p o n d e p e l o caráter m e n o s o r t o d o x o ,
ou a l i g e i r a d o , q u e afeta d e t e r m i n a d o s trechos de suas
c o m p o s i ç õ e s , a l i n h a n d o - s e e n t r e o s f a t o r e s d e sua n o v a m a n e i r a
d e c o m p o r : a e x c e s s i v a o r n a m e n t a ç ã o a p l i c a d a às v o z e s e a o s
i n s t r u m e n t o s , s o l i s t a s o u n ã o . C o n v i v e m e m sua o b r a
p r o c e d i m e n t o s d e m a i o r a u s t e r i d a d e estilística: a f o r m a f u g a e
os concertantes e m g r a n d e estilo.
O a n o d e 1810 f o i o g r a n d e m o m e n t o da t r a n s f o r m a ç ã o e m
marcha. N e s s e a n o o p a d r e José Maurício c o m p ô s para g r a n d e
o r q u e s t r a a Missa de Nossa Senhora a 8 de dezembro (Missa da
Conceição, C T 1 0 6 ) . O Laudamus, para s o p r a n o , é tratado c o m
t o d o s os requisitos d e agilidade e de estilo q u e lhe são próprios,
na tessitura a d e q u a d a a q u e se c o n d i c i o n a , e n f i m , a g r a n d e ária
para coloratura.

97
Cleofe Person de Mattos

A a d e s ã o a p r i n c í p i o s q u e se o p u n h a m às o b r a s d e s t i n a d a s
a o c u l t o r e l i g i o s o p o d e ter c r i a d o e m t o r n o d e d e t e r m i n a d o s
t r e c h o s a i m a g e m da c o n c e s s ã o a o g o s t o d o p r í n c i p e r e g e n t e o u
ã p r e s s ã o o r g a n i z a d a d o s m ú s i c o s da C a p e l a . F o r ç a s p o n d e r á v e i s
d e v o n t a d e s q u e se s o b r e p u n h a m às d e l e , c o m p o s i t o r , s e m d ú v i d a
e x i s t i a m , m a s a c o n c l u s ã o a tirar n ã o v a i a l é m da m e i a v e r d a d e .
D e f a t o , o p a d r e J o s é M a u r í c i o c a p i t u l o u d i a n t e da t é c n i c a e da
q u a l i f i c a ç ã o d a s v o z e s c o m as q u a i s p e l a p r i m e i r a v e z p a s s a v a a
trabalhar, n ã o s ó o s s o p r a n o s e c o n t r a l t o s castrati, m a s as v o z e s
m a s c u l i n a s , t o d a s c o m muita c a t e g o r i a . O s o l o d e b a i x o — Qui
sedes e Quoniam — da m e s m a missa da Conceição, é trecho
b r i l h a n t e o n d e o c o m p o s i t o r e x p l o r a a técnica e a p o t e n c i a l i d a d e
d o solista, p r o v a v e l m e n t e o b r a s i l e i r o J o ã o d o s Reis.

A r e v e l a ç ã o da c a p a c i d a d e d e r e n o v a r e m t ã o p o u c o a sua
l i n g u a g e m d i a n t e da c a t e g o r i a v o c a l d o s c a n t o r e s da R e a l C a p e l a
brilha p o r é m n o Quoniam — s e x t e t o de solistas — c o m d o i s
baixos, tenor, contralto e dois sopranos, expressão máxima de
c o n c e r t a n t e e m sua o b r a . N o incipit, f r a g m e n t o d o s e x t e t o para
solistas.

98
José Maurício Nunes Garcia biografia

A p a r t i r da c o m p o s i ç ã o d e s s a missa e m 1810, c o m d u a s
f u g a s , o s e x t e t o , o c o n c e r t a n t e n o Domine Deus, pode-se
c o n s i d e r a r c o n s o l i d a d a na l i n g u a g e m d e J o s é M a u r í c i o u m a f a s e
d e t r a n s i ç ã o estilística, m a r c o i m p o r t a n t e na e v o l u ç ã o da música
b r a s i l e i r a , m u i t o v a l o r i z a d a c o m a i n t e g r a ç ã o da f o r m a f u g a .
A u s e n t e dessa estrutura até 1808, a a s s i m i l a ç ã o da f o r m a f o i
i m e d i a t a , a i n d a q u e a r i g o r n ã o se p o s s a classificar c o m o f u g a —
n e m m e s m o c o m o fugato — um trecho b e m caracterizado
tematicamente mas n o qual d e i x a m d e aparecer os e l e m e n t o s
estruturais. É o q u e o c o r r e c o m o stretto, p o u c o p r e s e n t e nas
fugas de José Maurício (Missa mimosa').

E v i d e n t e m e n t e f a l t o u a J o s é M a u r í c i o , e m sua f o r m a ç ã o , o
e s t u d o da f o r m a e m p r o f u n d i d a d e . A t é c n i c a c o n t r a p o n t í s t i c a ,
q u e b e n e f i c i o u o s c o m p o s i t o r e s q u e s e s u b m e t e r a m à sua
d i s c i p l i n a — q u e já d e i x a r a d e ser a l i n g u a g e m da é p o c a — n ã o
a l c a n ç o u o m ú s i c o n a s c i d o e v i v i d o l o n g e d o s c e n t r o s d e cultura
o n d e s e h a v i a m d e s e n v o l v i d o as r a í z e s d e s s a t é c n i c a .
A i d é i a d e p r e c i a t i v a q u e estas p a l a v r a s p o s s a m suscitar n ã o
significa a inexistência d e fugas d e boa construção e d e b o m
e s t i l o na o b r a d o p a d r e - m e s t r e . H á v a l i d a d e , n o c o n t e ú d o e
t r a t a m e n t o d e sua temática q u a n d o e m p r e g o u a f o r m a p o l i f ô n i c a
num contexto cujo arcabouço é construído e m termos d e criação
harmónica. Há, sobretudo, o s e n t i d o d e f o r m a , o q u e se p o d e
vislumbrar n o incipit:

Data d e 1808 a p r i m e i r a f u g a c o m p o s t a p o r J o s é M a u r í c i o e
l o g o passa a o c u p a r p o n t o f i x o na a r q u i t e t u r a d e suas missas: o

99
Cleofe Person de Mattos

final d o Glória, c o m o H a y d n e Mozart. A p e s a r d e e x p e r i ê n c i a


recente n o c a m i n h o das i n o v a ç õ e s , é e x p r e s s i v o o n ú m e r o d e
s e g m e n t o s da f o r m a q u e a i n t e g r a m : e x p o s i ç ã o , d i v e r t i m e n t o s ,
p e d a l da d o m i n a n t e e d a t ó n i c a , b e m c o m o u m a c e n o d e stretto.
Em d o i s c a s o s — Missa " d a C o n c e i ç ã o " e Missa em Mi bemol
de 1811 — t a m b é m o Christe eleison f o i t r a t a d o c o m o f u g a .
Virá c e d o , e m 1810, n o i m p u l s o da t r a n s i ç ã o v i v e n c i a d a
p e l o c o m p o s i t o r , o m o m e n t o d e c o m p o r suas m e l h o r e s f u g a s ,
seja e m t e r m o s estruturais c o m o da a d e q u a ç ã o d e i n v e n t i v i d a d e
m e l ó d i c a às c a r a c t e r í s t i c a s da f o r m a . O ter c h e g a d o c e d o i m -
p e d e d i z e r - s e q u e o m o d e l o haja e v o l u í d o nas m ã o s d o p a d r e
J o s é M a u r í c i o . A s f u g a s da Missa da Conceição oferecem a
t e m á t i c a e m b o m e s t i l o , c o m o t e c i d o p o l i f ô n i c o e x t r a í d o da
t e m á t i c a da obra: 1 4 6

O s e l e m e n t o s r e s p o n s á v e i s p e l a n o v a i m a g e m da missa d e
J o s é M a u r í c i o n ã o s e l i m i t a r a m , a p e s a r d e sua i m p o r t â n c i a , à
f o r m a f u g a . A estrutura geral — d e s d o b r a d a e m vários
m o v i m e n t o s — e as p r o p o r ç õ e s — q u e n o p e r í o d o e m f o c o
a c u s a m u m a v a r i a ç ã o d o s 579 c o m p a s s o s d a Missa de São Pedro
de Alcântara ( 1 8 0 8 ) a o s 1.339 c o m p a s s o s da Missa da Conceição
(1810) — são estimulados por outro fator que invade, por
c a m i n h o s diversos, a música d o padre-mestre: o sinfonismo.
A g i n d o p a r a l e l a m e n t e à e v o l u ç ã o da f o r m a , o s i n f o n i s m o alimenta
as l o n g a s i n t r o d u ç õ e s q u e p a s s a m a f r e q u e n t á - l a , t a n t o q u a n t o
as r e p e t i ç õ e s e p r o g r e s s õ e s . São p r o c e d i m e n t o s c o n j u g a d o s q u e
s e p o d e m a p r e c i a r e a t é m e d i r e m p a r t i c u l a r i d a d e s da sua
estrutura n o s c o m p a s s o s e m m o v i m e n t o l e n t o q u e a n t e c e d e m o
trecho final d o Glória. A e x p a n s ã o desses c o m p a s s o s — quatro
na missa d e 1808, 24 e m 1810, 4 2 e m 1818 ( M i s s a do Carmo),
a m p l i a n d o - s e p a r a 60 c o m p a s s o s na Missa de Santa Cecília
( 1 8 2 6 ) — , m o s t r a q u e a missa c r e s c e r a p r o p o r c i o n a l m e n t e , e m
todos os sentidos.

100
José Maurício Nunes Garcia biografia

N ã o s ó c r e s c e r a c o m o se d i v e r s i f i c a r a . O G l ó r i a e o C r e d o
são particularmente atingidos pela renovação, n o m o m e n t o e m
q u e sua arquitetura se d e s d o b r a e m t r e c h o s a l t e r n a d a m e n t e corais
e o s q u e se d e s t i n a m a o s s o l o s : árias, d u o s , t e r c e t o s e q u a r t e t o s
v o c a i s , t r e c h o s c a r r e g a d o s d e i n o v a ç õ e s estilísticas.
A b r i r a - s e à i n f l u ê n c i a o p e r í s t i c a a missa p r é - c l á s s i c a d o
p a d r e - m e s t r e . C o m n o v a estrutura, árias, c o n c e r t a n t e s e c o n j u n t o s
solísticos n o G l ó r i a , J o s é M a u r í c i o a d e r e a o s p r i n c í p i o s estilísticos
d a missa c a n t a t a . M u d a t a m b é m o s o m da o r q u e s t r a . Fica m a i s
d e n s o e abre lugar para o u t r o s instrumentos, um d o s quais — o
clarinete — passará a ser o intérprete d o s p e n s a m e n t o s seresteiros
q u e p e r p a s s a m e m sua o b r a r e l i g i o s a , c o m o nas g r a n d e s f r a s e s
d e a g i l i d a d e . Sua f u n ç ã o m a i s i m p o r t a n t e , a d e solista, b r i l h a
nas i n t r o d u ç õ e s d e g r a n d e s obras, n o s m o m e n t o s d e i n t e r v e n ç õ e s
s i n f ó n i c a s q u e s e r ã o a p r e c i a d a s e m o b r a s m a i s tardias.
O h a v e r c e n t r a d o o e s t u d o das m a n i f e s t a ç õ e s r e n o v a d o r a s
e m t o r n o d a s m i s s a s p o d e p a r e c e r e x a g e r a d o . Suas r a z õ e s
e n c o n t r a m i m p o r t â n c i a na c o l u n a mestra q u e r e p r e s e n t a a sua
c r i a ç ã o , n o s d o i s a n o s — o u p o u c o m a i s — e m q u e e l a se
processa. Outras e x p r e s s õ e s importantes — matinas, v é s p e r a s ,
m o t e t o s — s e r ã o b e n e f i c i a d a s p e l o e x e m p l o dessa t r a n s f o r m a ç ã o .
M o t e t o s — o u responsórios, d e n o m i n a ç ã o q u e identifica a forma,
q u a n d o d e s t i n a d o s a o O f e r t ó r i o das missas — f o r a m l a r g a m e n t e
u s a d o s p e l o c o m p o s i t o r , c o m o e x e m p l o d e f o r m a tripartite,
i n s p i r a d a na estrutura d o s a l m o r e l i g i o s o .
F o r a c u m p r i d a e n t r e 1808 e 1811 a t r a n s f o r m a ç ã o estilística
d e t e r m i n a d a p e l a d e c i s ã o d e f a z e r - s e da C a p e l a Real d o R i o d e
J a n e i r o a r é p l i c a da Real C a p e l a d e L i s b o a . A l i n g u a g e m d e J o s é
Maurício, q u e até 1807 conservara ressaibos setecentistas, escolhera
o u t r o s c a m i n h o s , c o m n o v a s perspectivas, n o v o s q u e s t i o n a m e n t o s
s o b r e sua arte, a s e r v i ç o da n o v a p e r s o n a l i d a d e m u s i c a l .
O r e l a c i o n a m e n t o h u m a n o m a n t i n h a i n f e l i z m e n t e as
m e s m a s lutas p e s s o a i s , as m e s m a s d e c e p ç õ e s a o l o n g o d e s s e s
a n o s q u e h a v i a m m a r c a d o s e u c o n v í v i o na C a p e l a . O d e s a p r e ç o
d o s m ú s i c o s , a luta c o m o S e n a d o c o n t i n u a r ã o a ser o
c o n d i c i o n a m e n t o d e s g a s t a n t e , i m p o s s í v e l d e ser m i n i m i z a d o
diante d o s distúrbios definitivos d e saúde, que o p r ó p r i o c o m -
p o s i t o r r e c o n h e c e a o e s c r e v e r a D. P e d r o I, já i m p e r a d o r , o
d o c u m e n t o d e 1822, q u e será transcrito a d i a n t e .
Exausto, sofrido, doente, silencia o c o m p o s i t o r José
M a u r í c i o d u r a n t e a l g u m t e m p o . A drástica d i m i n u i ç ã o d o n ú m e r o
d e o b r a s e m 1812 é s i n t o m a d o s m a l e s q u e o a f l i g e m . N u n c a
mais José Maurício voltará a p r o d u z i r c o m a frequência q u e
marcou o s primeiros anos da Capela Real.

101
Cleofe Person de Mattos

O r e e n c o n t r o d e José Maurício c o m outra f o r m a de


e x p r e s s ã o mais depurada e expressiva chegará e m t e m p o s
p o s t e r i o r e s . Será p o s s í v e l e n t ã o r e c o n h e c e r q u e n ã o f o r a e m v ã o ,
a p e s a r d e t u d o , o seu t r a b a l h o à f r e n t e d e i n t é r p r e t e s f e r o z e s o u
m e r g u l h a d o e m partituras n o s a r q u i v o s d e m ú s i c a . O r e s u l t a d o
será a p r e c i a d o q u a n d o outras o b r a s - p r i m a s — o Ofício e a Missa
dos defuntos, d e 1816, as Matinas de Finados — a l i n h a m - s e e n t r e
as p r o d u ç õ e s m e l h o r e s d e sua b a g a g e m , o b r a s d e e n v e r g a d u r a e
d e f i n i t i v a s c o m o p e n s a m e n t o d e u m artista a m a d u r e c i d o .
C o m p l e t a r a - s e n e s s e s três a n o s a t r a n s f o r m a ç ã o q u e o p a -
d r e J o s é M a u r í c i o julgara necessária à sua s o b r e v i v ê n c i a artística.
A r a z ã o m a i s p r o f u n d a , p o r é m , da a n i m o s i d a d e d o s m ú s i c o s d a
C a p e l a c o n t r a o p a d r e c o m p o s i t o r n ã o se e s g o t a r a p o r q u e essa
luta tinha r a í z e s m a i s f u n d a s : a o p o s i ç ã o e n t r e p o r t u g u e s e s e
b r a s i l e i r o s . N e s s a luta o p a d r e J o s é M a u r í c i o f o i , n o f i m , o
p e r d e d o r . Apesar da caminhada em direção aos n o v o s padrões,
as p o r t a s d a R e a l C a p e l a f i c a r ã o f e c h a d a s às suas o b r a s .

1812
A doença e a tensão no trabalho
marcam o fim de um período

C i e n t i f i c a d o d e s d e o a n o a n t e r i o r d e q u e n ã o se r e n o v a r i a
seu t r a b a l h o c o m o S e n a d o , s u r p r e e n d e a i n c u m b ê n c i a q u e l h e é
d a d a n o i n í c i o d e 1812: r e s p o n d e r p e l a m ú s i c a d o o i t a v á r i o da
f e s t a d e S ã o S e b a s t i ã o na v e l h a Sé d o m o r r o d e S ã o J a n u á r i o . ' 4 7
N ã o é p r o v á v e l — n e n h u m c a t á l o g o acusa c o m p o s i ç ã o c o m
essa data — q u e o p a d r e J o s é M a u r í c i o haja c o m p o s t o o b r a n o v a
e x p r e s s a m e n t e para essa e f e m é r i d e tantas v e z e s p o r e l e a t e n d i d a .
O e n c a r g o significava mais d o que a simples c o m u n i c a ç ã o de
u m a t a r e f a . N a v e r d a d e , era o a t o final d e s s a f a s e e m sua v i d a
nas r e l a ç õ e s c o m o S e n a d o .
R e a l i z o u - s e a festa d o o i t a v á r i o n o dia 27 d e j a n e i r o , s e m
a t e n t a r - s e na c r u e l d a d e d o a t o : o b r i g a r o c o m p o s i t o r — d o e n t e ,
d e r r o t a d o física e m o r a l m e n t e — a subir o m o r r o d e S ã o Januário,
t e n d o p a g o a n t e c i p a d a m e n t e o s a l á r i o d o s m ú s i c o s da C a p e l a ,
c i r c u n s t â n c i a p o r e l e assinalada e m o f í c i o a o S e n a d o da Câmara,
d a t a d o d e I a d e j u l h o d o m e s m o a n o . C i n c o d i a s antes da f e s t a ,

102
José Maurício Nunes Garcia biografia

o u s e j a , a 22 d e j a n e i r o d e 1812, o S e n a d o e n c a m i n h o u um
m a n d a d o d e pagamento:148

" O S e n a d o da C a m a r a d e s t a C o r t e .... M a n d a m o s a o actual


T e s o u r e i r o d o Senado, Cap. Joaquim Ant. A l v e s q u e , e m
c u m p r i m e n t o deste, h i n d o por nós assinado, pague-se a o
p c M c da C a p e l l a R e a l J o s é M a u r i c i o N u n e s G a r c i a a quantia
d e 72$000, r e s t o d e s e u o r d e n a d o d e d u z e n t o s m i l r e i s q u e
v e n c e a n u a l m e n t e p o r o r d e m d o P r í n c i p e R e g e n t e N . Sr. e
p r o c e d e d a s m u s i c a s q u e f e z nas f e s t a s d o m e s m o S e n a d o ;
e p o r n o s r e q u e r e r o s e u p a g a m e n t o se l h e m a n d o u
s a t i s f a z e r p o r d e s p a c h o d e l6.7bro 1811 e c o m q u i t a ç ã o
a b a i x o l a v r a d a , se l e v a r á e m c o n t a nas q u e d e r d e sua
receita e despesa; o q u e cumpra. D a d o e m o S e n a d o da
C a m a r a a 22 de janeiro de 1812. E eu José q u e n o
i m p e d i m e n t o d o S e n a d o da C a m a r a o s u b s c r e v i . " ( S e g u e
"Quitação").

A l g o d e i r r e g u l a r e s t a r i a p o r trás d e s s e d o c u m e n t o ,
subscrito, n o i m p e d i m e n t o d o Senado, por alguém q u e não é o
t a b e l i ã o J o s é Pires Garcia, n e m é sua a assinatura. A p a r e n t e m e n t e ,
t u d o e s t a v a c o n f o r m e a s u g e s t ã o d e D . J o ã o e m 1809, s a l v o o
assunto referente a o p a g a m e n t o aos músicos — n ã o a b o r d a d o
— q u e continuava fora das p r e o c u p a ç õ e s d o Senado.
José M a u r í c i o reagiu t a r d i a m e n t e a este o f í c i o . Na
r e p r e s e n t a ç ã o d e I a d e julho 1 4 9 f e z r e f e r ê n c i a a c o m p r o m i s s o s já
r e a l i z a d o s e ainda n ã o p a g o s p e l o Senado: a festa d e São
S e b a s t i ã o , d e 1812, na q u a l já assumira a d e s p e s a d o s m ú s i c o s .
P e l a última v e z — v i s t o q u e n ã o mais c a b e r i a a o S e n a d o as
d e s p e s a s c o m a música — J o s é M a u r í c i o l e m b r a as duas v é s p e r a s
d e 1808 p o r o c a s i ã o da c h e g a d a d e D . J o ã o , e s o l i c i t a o s e u
p a g a m e n t o , j u n t a m e n t e c o m o da f e s t a d o p a d r o e i r o . 1 5 0 S e g u e o
t e o r da r e p r e s e n t a ç ã o :

" S e n h o r e s d o S e n a d o / o p c J o s é M a u r i c i o N u n e s , actual M c
d a R e a l C a p e l a r e p r e s e n t a q u e e l e p a g o u já a o s M ú s i c o s a
f e s t a d o o i t a v á r i o d e S. S e b a s t i ã o lá em cima na Sé Velha
n o dia 27 d e janr a a q u e o m e s m o S e n a d o assistiu; e g a s t o u
duas doblas e meia; e também representa q u e n o p r i m e i r o
a n n o q u e o S e n a d o a p r e s e n t o u e m p r e s e n ç a d e S A R n'suas
festas anuais, e l l e s u p p l i c a n t e gastou d o seu d i n h e i r o q u a t r o
doblas de acréscimo d o numero e preço dos Muzicos e
c o m o o S e n a d o n ã o p a g o u , o q u e d e u c a u z a a SAR m a n d a r
d e s s e d i n h e i r o s u f i c i e n t e , d e o a o d e p o i s o S e n a d o 200$000

103
Cleofe Person de Mattos

mais o s 51$200 d o p r i m e i r o a n n o ainda n ã o p a g o u , e C o m o


o m e s m o S e n a d o já n ã o t e m q ' f a z e r d e s p e s a s c o m a m u z i c a
q u e se f a z e m na R e a l C a p e l a , p o r q u a n t o S A R as t o m o u a
si; portanto,/ P e d e q u e o m e s m o S e n a d o seja s e r v i d o m a n d a r
p a g a r a o s u p p l i c a n t e 8 3 $ 2 0 0 q u e se l h e d e v e c o n f o r m e
e x p o s t o acima/ E.R.M."

S o m e n t e n o dia 7 d e n o v e m b r o r e s p o n d e u o S e n a d o à
r e p r e s e n t a ç ã o d e I a d e j u l h o e d e s p a c h o u a importância d e 32$000
— e não os 83$000 — p a g a m e n t o s o l i c i t a d o p e l o m e s t r e da
C a p e l a R e a l . T a m b é m p e l a última v e z , e m 25 d o m e s m o m ê s , o
p a d r e J o s é M a u r í c i o v i u - s e o b r i g a d o a assinar q u i t a ç ã o d e quantia
inferior à q u e fora solicitada. D e z meses haviam d e c o r r i d o d e s d e
a festa d o p a d r o e i r o . T e r m i n a v a tristemente o d i á l o g o p r o f i s s i o n a l
e m torno das festividades patrocinadas p e l o Senado, e m mãos
d o p a d r e J o s é M a u r í c i o d e s d e 1798.
É preciso dimensionar o desespero financeiro d o composi-
tor, o b r i g a d o a enfrentar p a g a m e n t o s s u p e r i o r e s a o s seus p r ó p r i o s
g a n h o s , p a r a c o m p r e e n d e r as r a z õ e s q u e o l e v a r a m a e s c r e v e r o
o f í c i o , d e f e n d e n d o a sua p o s i ç ã o na C a p e l a .
A data d e s t a r e p r e s e n t a ç ã o a o S e n a d o — I a d e j u l h o —
p r e c e d e d e alguns dias a s o l u ç ã o d o c o m p r o m i s s o assumido e m
1810 c o m M a t e u s F r a n c i s c o G o m e s . Em 6 d e j u l h o a p r e s e n t o u - s e
e s t e e m j u í z o para assinar a "escritura d e distrate" d e outra d í v i d a
e o b r i g a ç ã o que f a z Mateus Francisco G o m e s ao p a d r e José
M a u r í c i o N u n e s Garcia": 1 5 1

" S a i b a m q u a n t o s e s t e p u b l i c o I n s t r u m e n t o d e Escriptura d e
D i s t r a t e d e outra v i r e m q u e n o a n n o d o N a s c i m e n t o d e
N o s s o S e n h o r Jesus C h r i s t o d e m i l e o i t o c e n t o s e d o z e ,
a o s s e i s d e j u l h o nesta c i d a d e d o R i o d e J a n e i r o n o m e u
Escriptorio perante mim Tabeliam appareceo c o m o
Outorgante Credor Matheus Francisco G o m e s q u e v i v e d e
L a v o u r a e m o r a d o r na Ilha da S a p u c a i a , F r e g u e z i a d e
Inhaúma, e c o m o outorgado d e v e d o r o Padre Joze Mauricio
N u n e s G a r c i a p r o f e s s o na O r d e m d e C h r i s t o e M e s t r e da
Capella Real r e c o n h e c i d o este de m i m T a b e l i a m , e a q u e l l e
d e duas testemunhas adiante nomeadas, e assignadas, e
p o r e l l e s m e f o i a p p r e s e n t a d o o B i l h e t e da D i s t r i b u i ç ã o d o
teor seguinte = D. a Carvalho Matheus Francisco G o m e s
f e z e s c r i p t u r a d e Distrate d e outra a o P a d r e J o s é M a u r i c i o
N u n e s G a r c i a e m s e i s d e J u l h o d e mil e o i t o c e n t o s e d o z e
B r a t e s = D i z e n d o - m e o O u t o r g a n t e p e r a n t e as d i t a s
t e s t e m u n h a s q u e o O u t o r g a n t e lhe hera d e v e d o r d a quantia

104
José Maurício Nunes Garcia biografia

d e q u a t r o c e n t o s mil reis q u e lhe p e d i o e m p r e s t a d o , e


p o r q u e já r e c e b e o a q u a n t i a d e c e m m i l r e i s e a o f a z e r
desta a d e trezentos mil reis perante m i m d o q u e d o u f é
d i s s e q u e l h e dá q u i t a ç ã o d o total d e q u a t r o c e n t o s m i l reis,
e s e u s c o m p e t e n t e s j u r o s até a data d e s t a , e q u e p r o m e t i a
n a m mais e x i g i r d e l l e cousa alguma, e haver o seu f i a d o r
p o r d e s o b r i g a d o da f i a n ç a , e a h y p o t h e c a por
desembaraçada. E l o g o p e l o Outorgado foi dito que
a c c e i t a r i a esta Q u i t a ç ã o na f o r m a d e l i a . Em f é d o q u e m e
p e d i r a m l h e s f i z e s s e este I n s t r o m e n t o q u e lhes li acceitaram
e a s s i g n a r a m as t e s t e m u n h a s p r e z e n t e s : P a d r e F i r m i n o
R o d r i g u e s Silva e J o z e L u i z G a r c ê z E eu J o s é A n t o n i o d o s
S a n t o s A r m e n o q u e e s c r e v i , ass.: M a t e u s Fran. c o G o m e s , P. c
J o s é M a u r i c i o N u n e s G a r c i a e as d u a s t e s t e m u n h a s . "

O u v i r a m t o d o s a leitura d o d o c u m e n t o , q u e f o i a s s i n a d o
p e l a s t e s t e m u n h a s : p a d r e F i r m i n o R o i z da Silva, 1 5 2 e J o s é L u i z
G a r c e z , p e l o padre José Maurício N u n e s Garcia e p e l o major
Mateus Francisco G o m e s .
E n c e r r a v a - s e o p r o b l e m a da d í v i d a c o n t r a í d a e m 1810 p e l o
p a d r e J o s é M a u r í c i o . L i v r a r a da h i p o t e c a a casa da rua d a s
M a r r e c a s c o m o a u x í l i o p r o v á v e l d o s seus a m i g o s . S e m e x p l i c a ç ã o
f i c a v a m as r a z õ e s q u e o l e v a r a m a p e r d ê - l a , m a i s t a r d e .
A o transferir-se para o Brasil, M a r c o s Portugal — c o n s a g r a d o
c o m p o s i t o r d e ó p e r a s — f i c a v a o b r i g a d o a a d e q u a r - s e às
l i m i t a ç õ e s d o m e i o , p a s s a n d o a c o m p o r música r e l i g i o s a . F i z e r a -
o a b u n d a n t e m e n t e n o p a s s a d o p a r a as c a p e l a s r e a i s
portuguesas.153 A o chegar a o R i o d e Janeiro, encontrava-se ainda
e m c o n s t r u ç ã o o Real T e a t r o . O c o m p o s i t o r p o r t u g u ê s n ã o p o d e r i a
ficar distante d o mais importante c e n t r o musical da c i d a d e — a
C a p e l a R e a l — m e s m o q u e as o b r a s c a r r e g a s s e m o s s i n a i s
r e v e l a d o r e s da i n f l u ê n c i a d o g é n e r o q u e l h e p r o p o r c i o n a r a
l o u v o r e s n o s p a l c o s e u r o p e u s . Em casos e s p e c í f i c o s e r a m s i m p l e s
a d a p t a ç õ e s d e o b r a s r e l i g i o s a s a n t e r i o r m e n t e c o m p o s t a s para
M a f r a , B e m p o s t a o u Vila Viçosa. 1 5 4 P a s s a r ã o a ser d e sua autoria
as c o m p o s i ç õ e s q u e f o r m a m o r e p e r t ó r i o da C a p e l a R e a l n o R i o
d e Janeiro, s o b r e t u d o n o s dias q u e significavam u m happening
s o c i a l , q u a n d o a p r e s e n ç a d e D . J o ã o era o sinal d e sua m a i o r
importância.
A nova distribuição d e trabalho que desaba sobre a Capela
d e i x o u s u f i c i e n t e m e n t e c l a r o q u e seria esta a s i t u a ç ã o d e f i n i t i v a
na C a p e l a R e a l . M a s suas m e d i d a s restritivas n ã o t a r d a r a m a
g e n e r a l i z a r - s e . N o P a ç o da B o a V i s t a , r e s i d ê n c i a o f i c i a l d o
p r í n c i p e r e g e n t e , o n d e se f a z i a m ú s i c a p r o f a n a , s e r i a m o u v i d a s

105
Cleofe Person de Mattos

obras de Marcos Portugal, inclusive c o m a participação de


m e m b r o s d a f a m í l i a r e a l , s e u s a l u n o s . Em 1812, i n a u g u r a n d o ,
t a l v e z , o i n t e r c â m b i o c o m o s e s c r a v o s m ú s i c o s da F a z e n d a d e
Santa C r u z , o u v i u - s e u m a f a r s a d e sua a u t o r i a — A saloia
enamorada — c o m texto d o poeta D o m i n g o s Caldas Barbosa.
N ã o era o b r a o r i g i n a l .
Em j u n h o d e 1812 m o r r e u o s o b r i n h o d e D . J o ã o , o p r í n c i p e
P e d r o C a r l o s d e B o u r b o n e B r a g a n ç a , m a r i d o d e D. Maria T e r e s a .
M a r c o s P o r t u g a l c o m p ô s a m ú s i c a p a r a as e x é q u i a s : Matinas de
defuntos}''"' A missa, n o d i a s e g u i n t e , era da autoria d e Z a n e t t i .
A s a b s o l v i ç õ e s , a seguir, e r a m d a autoria d e M a r c o s P o r t u g a l ,
s a l v o a primeira, composta por Fortunato Mazziotti.
N o v o m o t i v o d e m á g o a para José Maurício — se é q u e e l e
estaria e m c o n d i ç õ e s d e a v a l i á - l o — m e s t r e - d e - c a p e l a d e s d e 1798,
v e r - s e p r e t e r i d o e m sua p o s i ç ã o p r o f i s s i o n a l p o r u m c o m p o s i t o r
m e n o r na o p o r t u n i d a d e d e atuar a o l a d o d e M a r c o s P o r t u g a l na
Real C a p e l a .
José Maurício continuou, sem apelação, à m a r g e m das
r e a l i z a ç õ e s i m p o r t a n t e s da C a p e l a . O n o m e d e M a z z i o t t i
partilhará, doravante, c o m o c o m p o s i t o r português, e m e v e n t o s
na C a p e l a Real, na d i r e ç ã o d e o b r a s suas. Em 1816 será n o m e a d o
mestre-de-capela.
D i f i c u l d a d e s p r o v a v e l m e n t e d e v i d a s à sua s a ú d e f o r ç a r a m ,
e m 1812, a a d m i n i s t r a ç ã o d a C a p e l a a t o m a r p r o v i d ê n c i a s
tendentes a o afastamento d e José Maurício d o p o s t o d e organista
q u e d e s d e 1808 — c u m u l a t i v a m e n t e e s e m r e m u n e r a ç ã o —
e x e r c i a na C a p e l a R e a l . Em f e v e r e i r o d e s s e a n o d o i s o r g a n i s t a s
eram n o m e a d o s : o padre J o ã o Jacques e Simão Vitorino Portu-
gal, 156 e m substituição a J o s é M a u r í c i o e a J o a q u i m Felix Baxixa. 1 5 7
O m e s t r e - d e - c a p e l a era c o m p e l i d o a a b a n d o n a r u m a f u n ç ã o q u e ,
t r a b a l h o s a e m b o r a , e a b s o r v e n t e , e s t a v a a r r a i g a d a à sua
p e r s o n a l i d a d e g l o b a l d e m ú s i c o . N ã o p o u c o s artistas e v i a j a n t e s ,
sobretudo o compositor N e u k o m m , ao dizer q u e "ninguém lembra
tanto o mestre c o m o este mulato genial", tiveram a o p o r t u n i d a d e
de o u v i - l o e deixaram d e p o i m e n t o sobre o organista que
i m p r o v i s a v a magistralmente. 1 5 8 Para o m ú s i c o s o f r i d o q u e n o a n o
a n t e r i o r f o r a a f a s t a d o da r e g ê n c i a e da c o m p o s i ç ã o para as
g r a n d e s s o l e n i d a d e s d a C a p e l a , era uma v i o l ê n c i a a m a i s c o r t a r -
l h e as o p o r t u n i d a d e s d e e x p a n d i r o t a l e n t o n o t e c l a d o , n o s
impulsos de grande improvisador que lhe reconheciam.
O d e c r é s c i m o da c r i a ç ã o m u s i c a l n o s ú l t i m o s a n o s d e v e
ser r e c o r d a d o d i a n t e da p r o d u ç ã o d o a n o 1812, r e d u z i d a a d u a s
o b r a s . M a i s u m a v e z e s c r e v i a J o s é M a u r í c i o para o s " e s c r a v o s -
m ú s i c o s " d a F a z e n d a d e Santa C r u z , o u p a r a a R e a l Q u i n t a da

106
José Maurício Nunes Garcia biografia

Boa Vista. A circunstância d e ambas s e r e m " p a ç o s reais" n ã o


a m e n i z a r i a n o p a d r e c o m p o s i t o r , mestre da Capela Real, o
possível sentimento de desterro decorrente da limitação nos
r e c u r s o s m u s i c a i s i m p o s t a à sua i m a g i n a ç ã o c r i a d o r a . D e i x a v a
d e e s c r e v e r para cantores q u e n ã o o p u n h a m entraves t é c n i c o s à
sua c r i a ç ã o , p a r a solistas q u e d a v a m asas à sua i m a g i n a ç ã o , e
passará a a d e q u a r - s e às c o n d i ç õ e s d e c a p a c i t a ç ã o artística m a i s
r e d u z i d a d o s q u e p a s s a r ã o a ser, m a i s f r e q u e n t e m e n t e , o s
i n t é r p r e t e s d e suas obras. 1 5 9
A s perspectivas d e José Maurício continuam mais modestas
d o q u e n o p a s s a d o , n o p a n o r a m a d e sua c r i a ç ã o , c o n q u a n t o se
d e v a r e c o n h e c e r q u e , c o m p o s t o para o m e s m o c o n j u n t o d o
m o t e t o d e 1810, o Tamquam auram d e 1812 mostrava o p r o g r e s s o
t é c n i c o d o s e s c r a v o s - m ú s i c o s da F a z e n d a , o n d e c o n t i n u a v a m e m
a ç ã o o s p r o f e s s o r e s d e m ú s i c a , a m p l i a n d o as p o s s i b i l i d a d e s d e
e x e c u ç ã o . O q u e s e r e f l e t e na c o m p o s i ç ã o da o b r a : r e a p a r e c e o
s o l o d e s o p r a n o h a b i t u a l n o m o t e t o tripartite, assim c o m o a
o r n a m e n t a ç ã o m e l ó d i c a e v i t a d a n o m o t e t o d e 1810.
A r e s p e i t o da e x i b i ç ã o p e l o c o n j u n t o a p ó s uma a p r e s e n t a ç ã o
na R e a l Q u i n t a , u m c o m e n t á r i o e s c a p o u , à é p o c a : " A n t e s d e
h o n t e m o v e festa na Chacara d e Sua A l t e z a . O v e missa g r a n d e
d e M a r c o s c o m e s t r o m e n t a l e t u d o p e l o s p r e t o s d e Santa Cruz, q .
d e r a m e x c e l e n t e c o n t a d e si." 1 6 0 O s m e s m o s i n t é r p r e t e s t e r i a m
c a n t a d o a i n d a a farsa d e M a r c o s P o r t u g a l : A saloia enamorada,
p e ç a q u e será o u v i d a na i g r e j a d e N o s s a S e n h o r a d o R o s á r i o e m
te m po s posteriores.
M a i s u m a v e z M a r c o s P o r t u g a l e n c e r r o u as a t i v i d a d e s
musicais d o a n o apresentando n o Teatro Régio, p o r ocasião d o
a n i v e r s á r i o d a r a i n h a , sua ó p e r a Artaxerxes. Q u e n ã o era, c o m o
n o a n o a n t e r i o r , o b r a i n é d i t a . O r e s u l t a d o a r t í s t i c o n ã o terá s i d o
d e m o l d e a e n t u s i a s m a r o c o m p o s i t o r na a p r e s e n t a ç ã o d e o b r a s
suas e m teatro n o Rio d e Janeiro. O e s p e t á c u l o f o i c o m p l e m e n t a d o
p o r u m b a i l a d o s é r i o d e Luís L a c o m b e : Apolo e Dafne, com
" e n r e d o " e m três a t o s , e " g r a n d e e s t i l o " .

107
Cleofe Person de Mattos

1813
O lento ressurgir do compositor

Em 1813 o s f a d o s p a r e c e m sorrir p a r a J o s é M a u r í c i o . D o i s
s a l m o s c o m p o s t o s nesse a n o i n f o r m a m c o m p r e c i s ã o a é p o c a d o
r e t o r n o a o c o n v í v i o da O r d e m T e r c e i r a d o C a r m o , o m a i s
constante c a m p o de trabalho após a Catedral. A retomada d o
t r a b a l h o , a partir d e 1813, f e z - s e l e n t a m e n t e , e m o b r a s s u c e s s i v a s
c o m p o s t a s para o c o m p a d r e Batista L i s b o a , c o m vistas à O r d e m
T e r c e i r a d o C a r m o . A julgar p e l a s e x p r e s s õ e s d e a l e g r i a q u e o
c o m p o s i t o r c o l o c a na d e d i c a t ó r i a , p o d e - s e d i z e r q u e é o ú n i c o
m o m e n t o d e e x p a n s ã o q u e se c o n h e c e , a o dirigir-se a u m " S e n h o r
B i d o l o r e t e s " , p r o v a v e l m e n t e , o p r ó p r i o J o s é Batista L i s b o a .

" I l m ° Sr. B i d o l o r e t e s R e m e t t o o seu Laudate D o m i n u m


o m n e s g e n t e s . Estimarei q u e saia a s e u g o s t o ; e q u e seja
b e m ganhadeiro, é muito p e q u e n o e de pouca gente. Viva,
v i v a , v i v a , Sr. B i d o l o r e t e s : Sua casa, a o 11 d e j u l h o d e 1813 "

N ã o é menos prazenteiro o oferecimento d o outro salmo:

" I l l m ° Snr. B i d o l o r e t e s ; v a i o L a u d a t e Pueri; e f i c a V.S. C o m


2 Psalmos de Anjinhos bem xibantes; ambos c o m m o t i v o
d e R o n d ó ; e p e q u e n o s ; e P r o p r i o s p a r a as v o z e s q ' q u e r . "

C o m o se v ê , a j o v i a l i d a d e t r a n s p a r e c e n e s s a s d u a s p e ç a s
( C T 76 e 7 7 ) q u e u t i l i z a v a m , p o r t r a d i ç ã o , t e x t o s d o s s a l m o s
Laudate pueri e Laudate Dominum nas e x é q u i a s d e i n f a n t e s .
A r e f e r ê n c i a a o r e s u l t a d o " g a n h a d e i r o " das duas o b r a s "para
p o u c a s v o z e s " e " p e q u e n a s " , c o m o v e m na d e d i c a t ó r i a , p a r e c e
c o n v e r g i r , na r e a l i d a d e , p a r a a p e s s o a d o c o m p a d r e , q u e a l é m
d e "diretor d e música" preocupava-se em ganhar dinheiro. A o
m e s m o t e m p o , r e v e l a a i n t e n ç ã o d e r e d u z i r para t e r m o s mais
m o d e s t o s as e x i g ê n c i a s d e e x e c u ç ã o na e n t i d a d e q u e v o l t a v a a
ser o d e s t i n o m u s i c a l d a s o b r a s d e J o s é M a u r í c i o .
D u a s outras c o m p o s i ç õ e s t r a z e m a m e s m a data. A m b a s c o m
o n o m e o u a rubrica d e Batista L i s b o a :
Matinas da Assumpção de N. Sra/Para a festa de N. Sra. da
Boa Morte na Igreja do Hospício a 15 de agosto/ Compostas pelo
p" José Maurício em 1813
Missa Pequena de pequena orquestra
A data a p l i c a d a à partitura a u t ó g r a f a d a s Matinas significa
na r e a l i d a d e a d a o r q u e s t r a ç ã o d a o b r a . A f e i t u r a , o e s t i l o já

108
José Maurício Nunes Garcia biografia

u l t r a p a s s a d o da c o m p o s i ç ã o a p r o x i m a m - n a d o r e g i s t r o da m e s m a
o b r a n o c a t á l o g o d e M a c i e l : Matinas d'Assunção —para 4 vozes
com acompanhamento de orgão; composta em 1808. O r q u e s t r a d a
c o m discrição (flautas, clarinetes, trompas e cordas), a obra
c o n s e r v a a p a r t e v o c a l s e m p e r d e r as c a r a c t e r í s t i c a s d e
s i m p l i c i d a d e q u e e n v o l v i a a p r i m e i r a v e r s ã o da o b r a , e m 1808.
N a p r i m e i r a p á g i n a da Missa pequena f o i acrescentada uma
i n d i c a ç ã o : " P r i m e i r a M i s s a " , o q u e s u g e r e haja s i d o c a n t a d a , na
O r d e m T e r c e i r a , na festa d e Santa T e r e s a , q u e se r e a l i z a v a e m
d o i s dias sucessivos.
Essas o b r a s c o m p o s t a s e m 1813 m e r e c e m a t e n ç ã o p e l o f a t o
d e s e r e m d a s p r i m e i r a s a partir d o m o m e n t o e m q u e d e i x a r a d e
c o m p o r p a r a a R e a l C a p e l a . E m b o r a p o d e r o s a s , as i r m a n d a d e s e
o r d e n s t e r c e i r a s n ã o t i n h a m as m e s m a s d i s p o n i b i l i d a d e s q u e
p r o p o r c i o n a v a m b r i l h o às c e r i m ó n i a s da C a p e l a . J o s é M a u r í c i o
passará a e s c r e v e r o b r a s mais s ó b r i a s d e feitura, e d e p r o p o r ç õ e s
m a i s m o d e s t a s . Em c o m p l e x i d a d e t é c n i c a — orquestra,
p r o p o r ç õ e s , escrita v o c a l — a Missa pequena difere muito das
missas q u e marcaram a v i v ê n c i a d o c o m p o s i t o r n o p e r í o d o
1808-1811. O t r a t a m e n t o v o c a l da Missa pequena l o g o demonstra
q u e , a p e s a r da d i g n i d a d e v o c a l d o s o l o d e b a i x o — Qui sedes —
Quoniam — os demais solos não exigiam necessariamente a
p a r t i c i p a ç ã o d o s g r a n d e s c a n t o r e s da R e a l C a p e l a p a r a v e n c e r a
v i r t u o s i d a d e d a s árias q u e e m 1810 e 1811 e r a m c a n t a d a s p e l o s
castrati.
A instalação da c o r t e portuguesa n o R i o d e Janeiro acentuara
a d e s i g u a l d a d e já e x i s t e n t e e n t r e b r a s i l e i r o s e p o r t u g u e s e s . Estes
se a t r i b u í a m p r i v i l é g i o s s o b r e o s naturais d o país. O s o r d e n a d o s
d o s músicos n ã o variavam apenas s e g u n d o a categoria de cada
u m : e r a m " c o n f u s o s " , dirá mais tarde m o n s e n h o r F i d a l g o , inspetor
da C a p e l a . Circunstâncias v á r i a s c o n c o r r i a m para e s s e r e s u l t a d o :
p e d i d o d o interessado, assomo de entusiasmo d o príncipe
regente, a especial deferência por determinada pessoa,
e n c a m i n h a n d o para o "real b o l s i n h o " a s o l u ç ã o desses c a s o s mais
chegados. Os pedidos de equiparação de ordenado perseguiam
D . J o ã o . T o d o s se q u e i x a v a m , as r e c l a m a ç õ e s e r a m g e n e r a l i z a d a s
n o tentar justificar o m o t i v o d o p e d i d o : e m p r e g o , e s m o l a ,
c o m e n d a , u m a g a l i n h a p o r dia, c o n e z i a na c a p e l a , ajuda d e c u s t o
e outros favores.
Caso típico é o d e Pedro Colonna, professor de balé, v i n d o
d e L i s b o a c o m D . J o ã o . Em 1813 r e c l a m a v a l h e f o s s e m t a m b é m
c o n c e d i d a s as " 5 0 m o e d a s " p a g a s p e l o " r e a l b o l s i n h o " a M a r c o s
P o r t u g a l , e m v e z d a s 13 q u e e l e r e c e b i a . O b a r ã o d o R i o S e c o ,
q u e informava o p e d i d o , confirma o fato mas acrescenta: " H é

109
Cleofe Person de Mattos

v e r d a d e q u e hum e o u t r o são Mestres d o Real Serviço, mas q u e


d i f e r e n ç a v a y d e h u m a outro"... 1 6 1 C o m p r e e n d e - s e q u e o p a d r e
José M a u r í c i o não era p e s s o a talhada para s o b r e v i v e r
v a n t a j o s a m e n t e e m tal m e i o .
O a c o n t e c i m e n t o d o a n o é a inauguração d o grande teatro
" d e ó p e r a " q u e t o m a r á o n o m e d e Real T e a t r o São J o ã o .
Sua l o c a l i z a ç ã o f o i d e c i d i d a a f a v o r d o C a m p o d o s C i g a n o s ,
e m terreno d o a d o p o r Fernando José d e A l m e i d a , o Fernandinho,
p o r t u g u ê s d e n a s c i m e n t o , c a b e l e i r e i r o c o m o M a n u e l Luís, v i n d o
d e P o r t u g a l c o m o m a r q u ê s d e A g u i a r . Será o a d m i n i s t r a d o r e
empresário.
N ã o seria ideal sua l o c a l i z a ç ã o e m antigas terras pantanosas,
q u e já f o r a r o c i o e f e i r a d e c a v a l o s . N ã o t a r d o u a d e s e n v o l v e r - s e
em torno do edifício um comércio variado e numeroso que, com
o p a s s a r d o t e m p o , a g l u t i n a v a casas d e m ú s i c a e até u m l i c e u
musical, a j u d a n d o a c o m p o r a f i s i o n o m i a q u e a c a r a c t e r i z o u c o m o
a p r a ç a d o R o c i o , f u t u r a m e n t e da C o n s t i t u i ç ã o , h o j e T i r a d e n t e s .
N o dia da i n a u g u r a ç ã o , a Gazeta do Rio de Janeiro d i z i a ser "a
mais b e l a praça desta corte".
Decidiu-se a construção sobre risco f e i t o p o r J o ã o Manuel
da Silva, c o n c e b i d o c o m i n d i s f a r ç á v e l d e s e j o d e a p r o x i m a r - s e
d o T e a t r o S ã o C a r l o s , d e L i s b o a , c o m l u g a r p a r a 1.200 p e s s o a s
na p l a t é i a " s e m v e x a m e " e 112 c a m a r o t e s e m q u a t r o o r d e n s .
C o m p l e m e n t a v a - o a Tribuna Real e uma varanda externa q u e
o c u p a v a t o d a a largura d o p r é d i o , na f a c e v o l t a d a para a praça. 1 6 2
D . J o ã o a u t o r i z o u m e d i d a s d e a p o i o a o F e r n a n d i n h o : utilizar
a c a n t a r i a q u e s u s t e n t a v a as c o l u n a s i n a c a b a d a s da Sé V e l h a ,
assim c o m o isentar o t e a t r o da taxa a l f a n d e g á r i a até q u e entrasse
e m funcionamento.163
A p e s a r d o e m p e n h o d o príncipe, a c o n s t r u ç ã o n ã o estava
t o t a l m e n t e c o n c l u í d a na data p r e v i s t a p a r a a i n a u g u r a ç ã o — 12
d e o u t u b r o d e 1813 — , d i a e m q u e o p r í n c i p e D . P e d r o
c o m p l e t a v a 15 a n o s . N e m f o r a r e s o l v i d o o c o m p l i c a d o
a p a r e l h a m e n t o d e u m teatro q u e se p r o p u n h a a cumprir c o m p l e x a
v i d a artística: a p r e s e n t a ç õ e s dramáticas, ó p e r a s , b a i l a d o s , farsas,
burletas.
N o q u e respeita a o q u a d r o q u e d e p e r t o interessa a este
trabalho, o d e cantores, v a l e lembrar q u e , à e x c e ç ã o de Mariana
Scaramelli — chegada ao Rio de Janeiro em 1811,
presumivelmente alimentando perspectivas ligadas com
e x c l u s i v i d a d e a o g é n e r o o p e r í s t i c o — o n ú m e r o d e artistas
q u a l i f i c a d o s e a f e i t o s a o g é n e r o era i n s u f i c i e n t e n o R i o d e J a n e i r o
para o s p r o j e t o s l i g a d o s a o teatro.

110
José Maurício Nunes Garcia biografia

A l g u n s músicos mais b e m dotados, c o m o J o ã o d o s Reis


Pereira, e outros c o m prévia atuação n o Teatro Régio, alcançaram
i m e d i a t o a p r o v e i t a m e n t o . Faltaria o r g a n i z a r g r u p o d r a m á t i c o d e
c a t e g o r i a ; a p e s a r da inata d i s p o s i ç ã o d o s p o r t u g u e s e s p a r a o
t e a t r o e a d a n ç a , o c a m p o d e a ç ã o d e s t e s n o R i o d e J a n e i r o era
m a i s f é r t i l e m farsas e d a n ç a s l i g e i r a s . B a i l a r i n o s t r a b a l h a v a m ,
e m p r i n c í p i o , e m p e q u e n a s p e ç a s o u a t u a ç õ e s solísticas, mas
n ã o c o m o artistas " a p r e n d i d o s " n o e s p í r i t o d e " c o r p o d e b a i l e " ,
e m f u n ç ã o d e u m r e p e r t ó r i o . A c h e g a d a a o Brasil d e s d e 1811 d e
Luís L a c o m b e e s e u s i r m ã o s , e sua a t u a ç ã o n o T e a t r o R é g i o d e r a
m e l h o r e s p e r s p e c t i v a s a o g é n e r o b a l é s é r i o q u e será d e s e n v o l v i d o
n o R e a l Teatro. 1 6 4
Da cenografia ocupava-se José d e Carvalho Leandro, q u e
t e v e a u x i l i a r e s e c o n t i n u a d o r e s : J o ã o M a n u e l , M a n u e l da Costa
( a r q u i t e t o , p i n t o r e m a q u i n i s t a ) . A esses n o m e s irá juntar-se, c o m o
c e n ó g r a f o , e m 1816, o d e D e b r e t .
N o q u a d r o d o s p r o f i s s i o n a i s d e q u e era c a r e n t e a c i d a d e ,
m u i t o s p r o p u n h a m - s e para f u n ç õ e s d i v e r s a s , d e s e j o s o s d e atuar
neste ou naquele instrumento, ou v i v e r determinados papéis e m
dramas ou óperas, procurando um vínculo estável c o m a coroa
p o r t u g u e s a através d o teatro. Simão Portugal, i r m ã o d e Marcos,
um desses pretendentes a o p o s t o de organista, informa em
r e q u e r i m e n t o q u e até o mês de junho o q u a d r o dos músicos n ã o
se o r g a n i z a r a . 1 6 5 N e m o estaria e m 12 d e o u t u b r o é o q u e p o d e
e x p l i c a r — s e m muita c o n v i c ç ã o , aliás — a a u s ê n c i a d e M a r c o s
P o r t u g a l n o e s p e t á c u l o d e i n a u g u r a ç ã o d o Real T e a t r o S ã o J o ã o ,
e m 12 d e o u t u b r o . Estranhável, s o b r e t u d o , p o r q u e o c o m p o s i t o r
p r e f e r i d o d o p r í n c i p e r e g e n t e teria v i n d o para o Brasil e m 1811
c o m v i s t a s a o R e a l T e a t r o , já e m a n d a m e n t o , e o c u p a r p o s t o
c o n d i z e n t e c o m a n o t á v e l q u a l i f i c a ç ã o q u e o distinguia. Em 1813,
as c o n d i ç õ e s reais d o T e a t r o n ã o t e r i a m e n t u s i a s m a d o o c o m -
p o s i t o r a p a r t i c i p a r d e e s p e t á c u l o e m q u e a i m p r o v i s a ç ã o era
p r e v i s í v e l : a c o n s t r u ç ã o n ã o t e r m i n a r i a , n e m se e s t a b i l i z a r i a o
q u a d r o d o s artistas. Sua o b r a f i c a r i a , a s s i m , e x p o s t a a u m
tratamento deficiente, incompatível c o m a posição d o "inspetor
d e t o d o s o s t e a t r o s da c o r t e " . 1 6 6
Foi inaugurado o teatro c o m o "drama e m música" O
juramento dos Numes. A m ú s i c a , i n c i d e n t a l , era da autoria d e
B e r n a r d o José d e Souza Queirós167 e o autor d o texto, Gastão
F a u s t o da C â m a r a C o u t i n h o . Este, da M a r i n h a d e Sua M a j e s t a d e ,
a u t o r d e p e ç a s " p o s t a s e m m ú s i c a " e m 1809 p e l o p a d r e J o s é
M a u r í c i o , já e x i b i r a s u a l i n g u a g e m r e b u s c a d a , p o r o n d e
desfilavam personagens mitológicas, ou simbólicas. A peça, e m
um ato, parecia r e f l e x o d o estado p r o v i s ó r i o d o Real Teatro, e

Hl
Cleofe Person de Mattos

estaria m u i t o a q u é m d o r e p e r t ó r i o q u e será e x i b i d o e m seu p a l c o


a l g u n s a n o s m a i s t a r d e . O a t o f o i c o m p l e m e n t a d o , na data da
i n a u g u r a ç ã o , c o m o b a i l a d o O combate do vimieiro e "dansas
e n g r a ç a d a s " ( c o m p r e e n d i d a essa e x p r e s s ã o n o s e n t i d o p o r t u g u ê s
d e "bonitas").168
Assim caminhava a o r g a n i z a ç ã o geral d o T e a t r o Real, d e
m o d o a d e f i n i r a estrutura q u e n e l e v a i f u n c i o n a r : a C o m p a n h i a
N a c i o n a l — para o s d r a m a s e c o m é d i a s — a C o m p a n h i a Lírica —
p a r a as ó p e r a s — o C o r p o d e B a i l e p a r a o s g r a n d e s e s p e t á c u l o s
d e b a l é , e o g r u p o d o s " b u r l e s c o s " para o s b a i l e s m a i s l i g e i r o s ,
d a n ç a s i n d i v i d u a i s . N ã o d e m o r a r á m u i t o a c h e g a r o casal d e
d a n ç a r i n o s A u g u s t o T o u s s a i n t e sua m u l h e r , e l e m e s t r e d e d a n ç a
e c o r e ó g r a f o , ela c a n t o r a , e assim reunirá o R e a l T e a t r o São J o ã o
u m c o n j u n t o q u a l i f i c a d o para a d a n ç a , q u e c o m p l e m e n t a v a t o d o s
os espetáculos nele realizados.
E m d e z e m b r o , o a n i v e r s á r i o da rainha n ã o d e i x a v a
e s c a p a r u m a r o t i n a d o c e r i m o n i a l da f a m í l i a r e i n a n t e , t r a z e n d o
d e v o l t a u m e s p e t á c u l o d e ó p e r a , esta d a a u t o r i a d e A n t o n i o
S a l i e r i ( 1 7 5 0 - 1 8 2 5 ) : Axur, rei de Ormuz (1787).
Em 1813 u m g e s t o s u r p r e e n d e n t e d e D . J o ã o n o s e n t i d o d e
m e l h o r a r as c o n d i ç õ e s musicais na C a p e l a Real: p r o p õ e a o b i s p o
a e x t i n ç ã o d o S e m i n á r i o São J o s é para " n o s e u e d i f í c i o e c o m as
suas r e n d a s s e e s t a b e l e c e r h u m S e m i n á r i o d e M u s i c a p a r a o s
S o p r a n o s da Capela Real". A resposta d o b i s p o é, naturalmente,
n ã o c o n c o r d a n t e . ( V e r Bulário, c o m data d e 23 d e j u n h o d e 1813,
s o b título " S o b r e a e x t i n ç ã o , o u c o n s e r v a ç ã o d o S e m i n á r i o E p i s -
c o p a l d e São José desta C o r t e " . )
O bispo alega não ver a necessidade d e "fundar um n o v o
C o l é g i o d e Musica para 12 rapazes, s ó c o m o f i m d e o b t e r a l g u m a s
v o z e s d e s o p r a n o " . . . p o r q u e p a r a e s s e f i m já D . J o ã o t e m
"estabelecido hum suficiente ordenado a hum Professor de
M u s i c a , q u e h è i g u a l m e n t e M e s t r e d e sua C a p e l a Real, e q u e
p o d e m u i t o b e m d e s c o b r i r e a p r o v e i t a r a l g u m a s d e s s a s tais e
q u a i s v o z e s d e s o p r a n o q u e h o u v e r n o R.J.". E o b s e r v a q u e tais
v o z e s e m u m r a p a z d u r a m a p e n a s até o s 13 o u 14 a n o s , a p ó s o s
quais o s alunos seriam d e s p e d i d o s . E isso numa i d a d e e m q u e
ainda n ã o está totalmente a p t o para dela v i v e r e m , mas
s u f i c i e n t e m e n t e " i n d i s p o s t o s para s e g u i r e m o u t r o m o d o d e v i d a " .
P o n d e r a a i n d a o b i s p o q u e n ã o se p o d e r e c e a r a falta d e
m e l h o r e s m ú s i c o s para a R e a l C a p e l a , " c o m o r e a l m e n t e n ã o
f a l t a m , v i s t o q u e n e l a se p o d e m achar o s m e l h o r e s o r d e n a d o s e
p r é m i o s d e seus talentos; e até se p o d e r ã o e s c o l h e r , n ã o 12 a l u n o s
d e 1 c o l é g i o ( . . . ) m a s i n ú m e r o s i n d i v í d u o s t a n t o d o Brasil c o m o
de Portugal e d o estrangeiro".

112
José Maurício Nunes Garcia biografia

Julga o b i s p o mais c o n v e n i e n t e deixar para o u t r o t e m p o o


p r o j e t o d e u m s e m i n á r i o d e s o p r a n o s . Mas p o n d e r a q u e , f i r m a n d o -
s e a i d é i a , n ã o se d e v e e x t i n g u i r o S e m i n á r i o S ã o J o s é . E l e m b r a
o u t r o s f a v o r e s q u e a igreja prestou à c o r o a : o t e r r e n o da antiga
S ó , o A l j u b e , o S e m i n á r i o da Lapa ( . . . ) , o R e c o l h i m e n t o d a s
" c o n v e r t i d a s " d e N o s s a Senhora d o Parto. E a l u d e a o s s e n t i m e n t o s
r e l i g i o s o s d e D . J o ã o , q u e seria m e l h o r s e r v i d o c o m a v e r d a d e .
O S e m i n á r i o São José é uma s e m e n t e para a e d u c a ç ã o d o s
r e l i g i o s o s . R e s p o n d e u c o m o b i s p o . C o m o v a s s a l o , fará o q u e o
r e i d e t e r m i n a r . E assim f i c o u a s a l v o o S e m i n á r i o S ã o J o s é .
D u a s o b r a s — a m b a s c o m orquestra — s ã o c o n h e c i d a s c o m
data d e 1814: a Novena do apóstolo São Pedro ( C T 6 6 ) e o Bendito
e Louvado seja o SSm° Sacramento ( C T 1 2 ) . Será p o u c o , q u a n d o
se c o n s i d e r a q u e d e s d e o a n o a n t e r i o r — q u a s e t o d o v o l t a d o
para o O r d e m Terceira d o C a r m o — o p a d r e José Maurício
n o r m a l i z a r a , o u q u a s e , suas f u n ç õ e s d e c o m p o s i t o r . O m a n u s c r i t o
da Novena — p o s s i v e l m e n t e c o m p o s t o para expressar alegria
c o m o r e t o r n o d o p a p a P i o V I I à cátedra d e São P e d r o , e m R o m a
— c o n s i g n a o o f e r e c i m e n t o a o i r m ã o a n d a d o r da O r d e m T e r c e i r a ,
m a s ressalta, e m nota a u t ó g r a f a na partitura q u e o e m p r é s t i m o
d o manuscrito " n ã o d e v e ser recusado à I r m a n d a d e d e São
Pedro".109
O fato subentende uma questão financeira c o m o fator
d e c i s ó r i o e n t r e as d u a s e n t i d a d e s . A i n s t i t u c i o n a l p o b r e z a da
I r m a n d a d e d o s C l é r i g o s n ã o teria c o n d i ç õ e s d e assumir a
e x e c u ç ã o , talvez n e m m e s m o a e n c o m e n d a d e grandes obras. A
Novena t r a i , s e m d ú v i d a , u m p r o p ó s i t o d e e c o n o m i a na
o r q u e s t r a ç ã o : cordas — s e m viola — , um clarinete, uma t r o m p a
e o baixo cifrado, tudo condizente c o m a escassez d e recursos
da I r m a n d a d e d e S ã o P e d r o , d e s t i n o p r e v i s t o p e l o c o m p o s i t o r
para a o b r a .
O Bendito ( C T 12), o b r a f e s t i v a e c i r c u n s t a n c i a l , é m a i s
r i c o na o r q u e s t r a ç ã o : c o r d a s c o m v i o l a e c o n t r a b a i x o , f l a u t a s ,
c l a r i n e t e s , f a g o t e s , t r o m p a s e clarins. Instrumental n u m e r o s o q u e
f a z c o m p r e e n d e r a e n c o m e n d a d e D. J o ã o para o u t r o B e n d i t o
"mais p e q u e n o e abreviado", que José Maurício escreverá no
a n o s e g u i n t e p a r a o c o n j u n t o musical da F a z e n d a d e Santa C r u z .
O texto e m vernáculo e de cunho menos severo, c o m o
e x p r e s s ã o r e l i g i o s a , p o d e estar a s s o c i a d o a d e t e r m i n a d o t i p o d e
c e r i m ó n i a r e a l i z a d a c o m f r e q u ê n c i a n o P a ç o d a B o a Vista e n t r e
1809 e 1815: o s c h a m a d o s " o r a t ó r i o s d o P a ç o " . N ã o e r a m " f u n ç õ e s
d e c o r t e " c o m c e r i m o n i a l e c o n v i t e s , c o m o as f e s t a s d o C o r p o d e
Deus, d e São Francisco d e Borja ou a f u n ç ã o d e São J o ã o

3
Cleofe Person de Mattos

D e g o l a d o , p o r é m a t o s c i r c u n s c r i t o s a o a m b i e n t e da f a m í l i a real,
ligados que eram à residência oficial.
O a s s u n t o o r a t ó r i o s d o P a ç o f o i a b o r d a d o e m 1809 q u a n d o
o bispo D. José Caetano opôs-se à dramatização d e temas
religiosos n o teatro. O limitado e s p a ç o f í s i c o r e s e r v a d o a esses
a t o s n o p a l á c i o da B o a Vista teria d e s p e r t a d o a a m b i ç ã o p o r u m
e s p a ç o m a i o r d o q u e o "estreito c o r r e d o r " e m q u e se f a z i a música
na R e a l Q u i n t a . O p e d i d o a o b i s p o teria s i d o a p r i m e i r a tentativa
— t a l v e z ú n i c a — d e d r a m a t i z a r e s s e s atos, i d é i a e s t i m u l a d a
p r o v a v e l m e n t e pela chegada d o s músicos d e Lisboa, afeitos a o
género.
N ã o f o i l o c a l i z a d o n e n h u m m a n u s c r i t o musical e x p l i c i t a n d o
destinar-se a estas c e r i m ó n i a s . N e m o s B e n d i t o s d o p a d r e - m e s t r e ,
e m q u e p e s e à natural a p r o x i m a ç ã o c o m o c a r á t e r p o p u l a r d o s
villancicos — d e f o r t e tradição ibérica — suportaria c o n o t a ç ã o
d r a m á t i c a v i n c u l a d a às r e a l i z a ç õ e s d o P a ç o da B o a V i s t a . O s
pagamentos lançados diretamente nos livros de despesa
testemunham concretamente a realização de oratórios que
f a v o r e c i a m n ã o s ó a c a p e l a da Q u i n t a da B o a Vista, m a s a d e
Santa C r u z , e até a C a p e l a Real. 1 7 0
B u s c a n d o uma v e r d a d e entre c o i n c i d ê n c i a s várias, nada
m a i s se p r e t e n d e a l é m d e e n t r e v e r a o r i g e m p r o v á v e l , o u
p r e s u m í v e l , d e u m r e p e r t ó r i o p r a t i c a d o nessas Capelas. S e m a p o i o
d o c u m e n t a l s u f i c i e n t e para a p o n t a r o b r a s citadas, c o n c l u i - s e q u e
lhes caberiam — inclusive por exigir número menor de
participantes — p e ç a s d e caráter d e v o c i o n a l : ladainhas, n o v e -
nas, s e t e n á r i o s , t r e z e n a s .
O instigante, n o caso, é q u e a esta s u p o s i ç ã o c o r r e s p o n d e m
v á r i a s o b r a s d o p a d r e J o s é M a u r í c i o , assim c o m o o s r e g i s t r o s e m
catálogos, q u e o f e r e c e m respaldo a uma aproximação q u e vai
a l é m da s i m p l e s c o i n c i d ê n c i a e n t r e títulos c o n h e c i d o s e r e g i s t r o s
b u r o c r á t i c o s : r e f e r ê n c i a às datas.
A Novena de Santa Bárbara ( C T 6 5 ) é o e x e m p l o mais
e x p r e s s i v o d e o b r a m a u r i c i a n a e n t r e as q u e t ê m r e g i s t r o n o s
catálogos e nos Livros sobre Fazenda d o A r q u i v o Nacional, c o m
a m e s m a data d o manuscrito, 1 7 1 o q u e v e m c o n s i g n a d o n o L i v r o
3a d e A v i s o s e O f í c i o s ( p . 1 7 6 ) ; i n f o r m a a i m p o r t â n c i a p a g a
( 1 3 9 $ 1 0 0 ) e a data d o p a g a m e n t o ( 2 4 . 1 2 . 1 8 1 0 ) , a n o c o n f i r m a d o
n o m a n u s c r i t o a u t ó g r a f o . O u t r a s o b r a s m e r e c e m ser c i t a d a s ,
e m b o r a o m a n u s c r i t o e a data n ã o o f e r e ç a m tanta c o i n c i d ê n c i a .
A p e s a r d o s numerosos registros a b r a n g e n d o vários anos,
p o u c o s d a d o s p o s i t i v o s p o d e m ser a d i a n t a d o s a r e s p e i t o d e s s e s
oratórios e da música aí habitualmente ouvida. D e v e admitir-se
q u e h a v e r i a p a r t i c i p a ç ã o d e p e s s o a s m a i s p r ó x i m a s da f a m í l i a

114
José Maurício Nunes Garcia biografia

r e a l e m c o n d i ç õ e s d e dar, na i n t i m i d a d e , e x p a n s ã o a o s s e u s
s e n t i m e n t o s r e l i g i o s o s tanto q u a n t o às suas q u a l i d a d e s musicais. 1 7 2
Em 1814, d a n d o c o n t i n u i d a d e a u m a s i t u a ç ã o q u e d u r a v a
d e s d e 1808 na F a z e n d a d e Santa C r u z , u m a p o r t a r i a c o n f i r m a a
i n d i c a ç ã o d o s d o i s p r o f e s s o r e s d e m ú s i c a , i n c l u i n d o - o s na f o l h a
da R e a l Câmara. 1 7 3 M e d i d a sábia, t o m a d a d i a n t e d o p r o g r e s s i v o
a p e r f e i ç o a m e n t o dos escravos-músicos, que, além d e permitir
m a i s f r e q u e n t e s a t u a ç õ e s n o P a ç o da B o a Vista, c o n v i v i a m c o m
o u t r o r e p e r t ó r i o , assim o f e r e c e n d o outras p e r s p e c t i v a s m u s i c a i s
n o P a ç o d e S ã o C r i s t ó v ã o . O p a d r e J o s é M a u r í c i o tinha na
b a g a g e m v á r i a s o b r a s p a r a e l e s e x p r e s s a m e n t e c o m p o s t a s , na
s u c e s s ã o d a s q u a i s se p o d e a c o m p a n h a r o d e s e n v o l v i m e n t o
m u s i c a l d o g r u p o , até a l c a n ç a r a o p o r t u n i d a d e d e f a z e r o u v i r
u m a d a s suas m a i s f a m o s a s o b r a s .
Em 1814 a b r i a - s e à v i s i t a ç ã o p ú b l i c a a R e a l B i b l i o t e c a
c h e g a d a a o R i o d e J a n e i r o e m 1810. I n s t a l a d a n o s v a s t o s s a l õ e s
d o H o s p i t a l da O r d e m T e r c e i r a d o C a r m o , a f a m o s a c o l e ç ã o —
e s t i m a d a e m 60 mil v o l u m e s — j u n t a m e n t e c o m a Real B i b l i o t e c a
da C o r o a e a d o I n f a n t a d o , incluía m a n u s c r i t o s d e g r a n d e v a l o r ,
m a p a s , e s t a m p a s raras, m ú s i c a , a l é m d o g a b i n e t e d e f í s i c a . P o r
o r d e m d e D . J o ã o f o i c o l o c a d o o p a d r e J o a q u i m D â m a s o , da
C o n g r e g a ç ã o d o O r a t ó r i o d e L i s b o a , para dirigi-la; para a j u d á - l o ,
o b i b l i o t e c á r i o Luís d o s Santos M a r r o c o s . O p a d r e J o s é M a u r í c i o ,
l i g a d o d e s d e 1810 à o r g a n i z a ç ã o da p a r t e m u s i c a l d o a c e r v o ,
o c u p a v a o p o s t o de arquivista.
I n s t a l a d o e m Santa C r u z d e s d e f e v e r e i r o , D . J o ã o — q u e
n ã o v i e r a a o R i o d e J a n e i r o p a r a a S e m a n a Santa — r e t o r n o u à
c i d a d e p a r a as c o m e m o r a ç õ e s d o dia 7 d e m a r ç o , f e s t e j a d o na
C a p e l a d o s T e r c e i r o s c o m a c o s t u m e i r a s o l e n i d a d e . S e a missa
da f e s t a era da autoria d e M a r c o s P o r t u g a l — o q u e é p r o v á v e l
— o Te Deum era o b r a c o m p o s t a p o r J o s é M a u r í c i o e m 1811 e m
p r i m e i r a v e r s ã o p a r a o m e s m o evento; 1 7 4 f o i r e p e t i d o e m 1814, já
reorquestrado p o r o r d e m d e D. João, o q u e v e m assinalado p e l o
compositor:

"Este T e D e u m t a m b é m t e m h u m a Flauta, 2 c l a r i n e t e s ,
T r o m p a s e Clarins, t u d o ad L i b i t u m : e S o m c o s V i o l o n c e l -
los e Fagotes he q ' são o b r i g a d o s ; e o u t r o a c r é s c i m o d e
s o p r o s e V i o l e t a s f o i m a n d a d o f a z e r - s e p a r a o dia 7 d e
m a r ç o d e 1814."

C e r c o u - s e o a n o 1814 d e a c o n t e c i m e n t o s g r a t o s a o p r í n c i p e
r e g e n t e e a t o d o s a q u e l e s q u e se h a v i a m t r a n s l a d a d o para o Brasil
e m 1807 p o r f o r ç a d o s t u m u l t o s n o V e l h o M u n d o . A q u e d a d e

115
Cleofe Person de Mattos

N a p o l e ã o s i g n i f i c a v a o f i m da guerra na E u r o p a e o f i m d o e x í l i o
d o p a p a P i o V I I e m A v i g n o n . A a l e g r i a q u e se d e r r a m o u s o b r e a
c i d a d e e x p l o d i u na f o r m a c o s t u m e i r a , e m c e r i m ó n i a s r e l i g i o s a s
q u e se r e a l i z a r a m n o f i n a l d o a n o , a c o m e ç a r p e l a missa s o l e n e
e m p o n t i f i c a l , na Real C a p e l a . F o i o r a d o r o f r a n c i s c a n o f r e i Fran-
c i s c o d e Santa T e r e s a S a m p a i o , p r e g a d o r r é g i o . N o dia s e g u i n t e ,
manifestava-se o Mosteiro d e São Bento, que também teve a
p r e s e n ç a d e D . J o ã o , o c o r p o d i p l o m á t i c o e p e s s o a s g r a d a s da
cidade. A Irmandade d o s Clérigos n ã o podia ficar à parte d o
c o n g r a ç a m e n t o g e r a l q u e f e s t e j a v a a l i b e r d a d e d o p a p a e sua
entrada na capital d o m u n d o c a t ó l i c o e m 27 d e m a i o , e f e z cantar,
n o dia 6 d e n o v e m b r o , Missa s o l e n e e T e D e u m p o m p o s o , a t o s
q u e f o r a m presididos p e l o bispo diocesano, capelão-mor. Foi
o r a d o r o p a d r e Januário da Cunha Barbosa.
N o dia 22 d e n o v e m b r o desse a n o o p a d r e José M a u r í c i o
r e c e b e u d e D . J o ã o , " p o r justos m o t i v o s " , p e n s ã o anual d e 25$000
p a r a c o n s t i t u i r o s e u " p a t r i m ô n i o clerical". 1 7 5 í n t e g r a d o d e c r e t o :

" P o r justos m o t i v o s q u e M e f o r a m p r e s e n t e s e se f i z e r a m
d i g n o s d e M i n h a Real B e n e f i c i e n c i a : H e i p o r b e m F a z e r
M e r c ê a José Mauricio N u n e s Garcia Mestre d e Minha Real
C a p e l l a d e h u m a P e n s ã o d e v i n t e e c i n c o m i l r e i s anuais,
p a g a p e l o Real Erário para nella se constituir o seu
Patrimonio Clerical. O Marques d e Aguiar d o C o n s e l h o d e
E s t a d o e P r e s i d e n t e d o M e o Real Erário o t e n h a assim
e n t e n d i d o e o f a ç a e x e c u t a r c o m as d e s p e s a s n e c e s s á r i a s ,
s e m e m b a r g o d e q u a i s q u e r Leis o u D i s p o s i ç õ e s e m
contrario. Palacio d o Rio d e Janeiro, e m vinte e dois d e
N o v ° d e 1814." ( C o m a rubrica d o P R N S ) .

S e m d ú v i d a , era u m g e s t o d e b e n e m e r ê n c i a d e D . J o ã o
pelos diversificados serviços prestados pelo padre-mestre.
C u m p r i a r e c e n t e d e c i s ã o instituída e s s e a n o . C o m o d e c r e t o d e
D . J o ã o , era r e c o n h e c i d a a p o b r e z a d e J o s é M a u r í c i o .
O s e n t i m e n t o d e j ú b i l o q u e e m 1814 tomara conta da c i d a d e
p e l o r e t o r n o d o p a p a à cátedra d e São Pedro, e x p l o d i n d o e m
c e r i m ó n i a s s o l e n e s , c o n t i n u o u a dar d e m o n s t r a ç õ e s e m 1815. O
p a d r e J o s é M a u r í c i o , q u e e m 1814 e s c r e v e r a a Novena do apóstolo
São Pedro, c o m p ô s outra o b r a i m p o r t a n t e d e d e v o ç ã o a o p a t r o n o
d e sua i g r e j a : as Matinas do apóstolo São Pedro."6
O t o m quase heróico q u e percorre a obra, particularmente
o 7a R e s p o n s ó r i o , o n d e o b a i x o solista a s s u m e a r e s p o n s a b i l i d a d e
d e ser o f u n d a d o r d a I g r e j a : "et super hanc petram cedificabo

116
José Maurício Nunes Garcia biografia

Ecclesiam tuam" impressiona c o m o afirmação de fé e obriga a


p e n s a r na v e n e r a ç ã o d o p a d r e J o s é M a u r í c i o p e l a sua I r m a n d a d e .
N ã o a d i a n t a r á a i m p o r t â n c i a e a g r a n d e z a da o b r a . A
I r m a n d a d e d e S ã o P e d r o d o s C l é r i g o s , q u e d e s d e 1811 afastara
J o s é M a u r í c i o , c o m o c o m p o s i t o r d a s suas festas, n ã o p a r e c e ter
f i c a d o c o m o v i d a c o m a obra, destinada a o seu p a t r o n o , n e m
e s t i m u l a d o a sua e x e c u ç ã o . A partitura a u t ó g r a f a e n c o n t r a - s e ,
hoje, n o C a b i d o M e t r o p o l i t a n o d o Rio de Janeiro.
U m a i n d a g a ç ã o i m p õ e - s e , m e i o a n g u s t i a n t e : teria o c o m -
p o s i t o r o u v i d o a sua o b r a q u e n ã o p ô d e dirigir? É d i f í c i l res-
ponder.177
A c o n t e c i m e n t o político d e magna importância, sugerido
pela extrema clarividência de Tayllerand, marcou indelevelmente
o a n o . Para m e l h o r a r a i m a g e m d e P o r t u g a l p e r a n t e as n a ç õ e s
e u r o p é i a s da Santa A l i a n ç a , a d e c i s ã o b e n e f i c i a r i a as r e l a ç õ e s
e n t r e b r a s i l e i r o s e p o r t u g u e s e s . C o n c r e t i z o u - s e o a t o n o d i a 15
d e d e z e m b r o , q u a n d o D . J o ã o assinou o d e c r e t o e l e v a n d o o Brasil
a R e i n o U n i d o a P o r t u g a l e Algarves. 1 7 8 A Carta d e Lei, d a t a d a n o
d i a 16, f o i p u b l i c a d a n o dia s e g u i n t e , a n i v e r s á r i o da r a i n h a :

"... D a d a n o P a l á c i o d o RJ a o s d e z a s e i s d e D e z e m b r o d e
1815... O P r í n c i p e c o m guarda... - M a r q u ê s d e A g u i a r . Carta
d e L e i p e l a q u a l Vossa A l t e z a R e a l Ha p o r b e m e l e v a r e s t e
E s t a d o d o Brasil à g r a d u a ç ã o e c a t h e g o r i a d e R e i n o e u n i -
lo aos Seus R e i n o s d e Portugal e d o s A l g a r v e s d e maneira
q u e f o r m e m h u m só C o r p o P o l í t i c o d e b a i x o d o título d e -
R e i n o U n i d o d e P o r t u g a l e d o Brasil e A l g a r v e s . . . t u d o na
f o r m a acima d e c l a r a d a - Para Vossa A l t e z a Real ver... M a n o e l
Rodrigues Gameiro Pessoa a fez..."

D . J o ã o , " r e c o n h e c e n d o q u a n t o seja v a n t a j o s o a o s m e u s
vassalos e m geral uma perfeita união entre os reinos d e Portu-
g a l , d o A l g a r v e s e d o Brasil e r i g i n d o e s t e à q u e l l a g r a d u a ç ã o e
cathegoria que lhe d e v e m competir, é s e r v i d o ordenar":
(transcrição parcial)

" 1 ° - Q u e d e s d e a p u b l i c a ç ã o d e s t a Carta d e L e i o E s t a d o
d o Brasil seja e l e v a d o à d i g n i d a d e , p r e e m i n ê n c i a e
d e n o m i n a ç ã o d e R e i n o d o Brasil.

2 a - Q u e o s m e u s R e i n o s d e P o r t u g a l , A l g a r v e s , e Brasil
f o r m e m d'ora e m diante hum só, e ú n i c o Reino, d e b a i x o
d o T i t u l o d e R e i n o U n i d o d e Portugal, e d o Brasil e
Algarves."

117
Cleofe Person de Mattos

O Brasil d e i x a v a d e ser c o l ó n i a . A d e c i s ã o , r e c e b i d a c o m
d e m o n s t r a ç õ e s de alegria f o i bastante d i v u l g a d a , c o m o n ã o p o -
dia d e i x a r d e ser n o m o m e n t o e m q u e b r a s i l e i r o s se t o r n a v a m
i g u a i s , p e r a n t e a l e i , a o s p o r t u g u e s e s v i v e n d o n o Brasil. O
r e c o n h e c i m e n t o aludia a o s p o r t u g u e s e s e f i l h o s d e p o r t u g u e s e s
" f a l a n d o a mesma linguagem e a d o t a n d o os m e s m o s hábitos",
c o m o diz o padre Perereca. Decidiu-se festejar o a c o n t e c i d o c o m
a t o s p ú b l i c o s e m j a n e i r o d e 1816, q u a n d o r e a l i z a r a m - s e as
f e s t i v i d a d e s r e l i g i o s a s . A Gazeta do Rio de Janeiro saudou o
acontecimento e m termos calorosos o n d e não faltavam alusões
à aproximação humana.
A e l e v a ç ã o d o Brasil a R e i n o U n i d o f o i c o m e m o r a d a
o f i c i a l m e n t e m ê s s e g u i n t e — 23 d e j a n e i r o — e m c e r i m ó n i a
p r o m o v i d a p e l o S e n a d o c o m missa s o l e n e e T e D e u m na i g r e j a
d e São Francisco de Paula. D e p r o n t o e v i d e n c i o u - s e q u e a
igualdade entre brasileiros e portugueses d o decreto de D. João
n ã o p a s s a v a d e letra m o r t a e q u e a a n o m a l i a p o l í t i c a e i r r e g u l a r
d o a n t i g o sistema c o l o n i a l n ã o havia s i d o desfeita c o m esse
decreto.

1816
A morte de D. Maria I
e da mãe de José Maurício

A o s 49 a n o s , s u p o r t a n d o c o m e s t o i c i s m o a p e r m a n e n t e
d i s c r i m i n a ç ã o racial tanto q u a n t o a artística, o p a d r e J o s é M a u r í c i o
v i v e u , e m 1816 — a n o i n q u i e t o , a g i t a d o , c o n t r a d i t ó r i o —
i m p o r t a n t e s m o m e n t o s d e sua e x i s t ê n c i a . Despontava
auspiciosamente o ano: impulsionado talvez pela ressonância
da e l e v a ç ã o d o Brasil a R e i n o U n i d o a P o r t u g a l e A l g a r v e s , c o u b e -
Ihe d i r i g i r a missa e m a ç ã o d e g r a ç a s p e l o a c o n t e c i m e n t o . 1 7 9 O
c a r á t e r a l t a m e n t e n a c i o n a l i s t a da c o m e m o r a ç ã o — p r o m o v i d a
p e l o S e n a d o da Câmara — bastaria para e x p l i c a r q u e r e c a í s s e n o
p a d r e - m e s t r e , brasileiro nato, a l é m da r e g ê n c i a , t a m b é m a autoria
da obra e x e c u t a d a . O q u e até a g o r a ainda n ã o p a s s o u d e
especulação.
A cerimónia — p r e v i a m e n t e anunciada aos habitantes da
c i d a d e p e l o s habituais bandos, n u m e r o s o s e b e m o r g a n i z a d o s —

118
José Maurício Nunes Garcia biografia

r e a l i z o u - s e n o d i a 21 d e j a n e i r o na i g r e j a da O r d e m T e r c e i r a d o s
M í n i m o s d e São F r a n c i s c o d e Paula, n o e n t ã o c h a m a d o L a r g o da
Sé V e l h a . O a t o c e r c o u - s e d e muita p o m p a c o m a c o r t e e m g r a n d e
g a l a , a p r e s e n ç a d o p r í n c i p e r e g e n t e e seus d o i s f i l h o s , o c o r p o
d i p l o m á t i c o , m i n i s t r o s da C a p e l a Real e , nas p a l a v r a s da Gazeta,
" g r a n d e n ú m e r o d a s p e s s o a s mais distintas p o r sua n o b r e z a e
d i g n i d a d e " . P a r t i c i p a r a m da e x e c u ç ã o o s m ú s i c o s da C a p e l a Real
e C â m a r a . S e g u i u - s e à missa o Te Deum Laudamus " que foi
c a n t a d o , c o m o tinha s i d o t a m b é m a Missa, p e l a m e l h o r e
e s c o l h i d a música, tanto v o c a l q u a n t o instrumental, r e g i d a p e l o
M e s t r e da C a p e l a Real, o r. p . J o s é M a u r i c i o N u n e s . ' " 8 0 O cronista
d a s Memórias para servir à História do Reino do Brasil, q u e dá
esta i n f o r m a ç ã o , n ã o a c r e s c e n t a o n o m e d o a u t o r da m ú s i c a ,
e m b o r a desça a minúcias a o descrever a p o m p a d o cerimonial: a
e s m e r a d a i n d u m e n t á r i a d a s p e s s o a s p r e s e n t e s e as b e l a s
c a r r u a g e n s p u x a d a s p o r seis parelhas d e cavalos. A atitude
o b s t i n a d a da Gazeta do Rio de Janeiro — periódico oficial —
silenciando c o m o s e m p r e o n o m e d o c o m p o s i t o r brasileiro, não
teria a b r a n d a d o c o m a e l e v a ç ã o d o Brasil a R e i n o U n i d o .
Em outra e s f e r a d a s o c i e d a d e o g e s t o d o p r í n c i p e r e g e n t e
t e v e r e a ç ã o s u r p r e e n d e n t e : o c o m é r c i o da c i d a d e o f e r e c e u , c o m o
r e s u l t a d o d e s u b s c r i ç ã o v o l u n t á r i a , u m a q u a n t i a q u e tinha e m
vista b e n e f i c i a r a e d u c a ç ã o p ú b l i c a . A r e s p o s t a d e D . J o ã o a e s s e
o f e r e c i m e n t o t e v e alcance incalculável. O q u e r e p r e s e n t o u para
a cultura n o Brasil será a v a l i a d o na c o n t i n u i d a d e desta b i o g r a f i a :
D . J o ã o p r o p õ e seja e n t r e g u e a o B a n c o d o Brasil a q u a n t i a
a r r e c a d a d a e " o u t r a s q u e se l h e p o d e m a c r e s c e n t a r " , e c o m o
s e u r e n d i m e n t o unir às c a d e i r a s d e c i ê n c i a s e m f u n c i o n a m e n t o
na c i d a d e o e s t u d o d a s b e l a s - a r t e s , assim p r o p i c i a n d o
d e s e n v o l v i m e n t o e p r o s p e r i d a d e e m sua a p l i c a ç ã o à i n d ú s t r i a .
O resultado concreto chegará a o Rio d e Janeiro materializado n o
g r u p o d e artistas q u e p o s t e r i o r m e n t e t o m a r á o n o m e d e M i s s ã o
Artística Francesa.
U m r e g i s t r o n o c a t á l o g o d e J. J. M a c i e l dá n o t í c i a d e uma
obra c o m p o s t a nesse ínterim p o r José Maurício:
Moteto para a Missa da Eleição ou Sagração do Illustrissimo
Senhor Bispo, Prelado atual da Real Capela do Rio de Janeiro,
em 15 de março
O b r a d e s a p a r e c i d a . A s o l e n i d a d e da i m p o s i ç ã o d o b a r r e t e
cardinalício e m D. Lourenço Caleppi, por indicação d o papa Pio
V I I — a t o m a g n í f i c o , e a u g u s t o , p e l a p r i m e i r a v e z p r a t i c a d o na
A m é r i c a — r e a l i z o u - s e na C a p e l a Real da Q u i n t a da B o a Vista, e
v e m m i n u c i o s a m e n t e descrita e m d o c u m e n t o n o A r q u i v o
Nacional.181

119
Cleofe Person de Mattos

N ã o tardará m u i t o o dia 20, e , c o m e l e , u m p a s s o d o l o r o s o


na v i d a d o p a d r e J o s é M a u r í c i o : o d e s a p a r e c i m e n t o d e sua m ã e ,
Vitória Maria. P o r c o i n c i d ê n c i a , n o m e s m o dia da m o r t e da rainha
D . Maria I. Esta m o r r e u n o c o n v e n t o d o C a r m o , o n d e s e m p r e
h a b i t o u d e s d e a c h e g a d a a o Brasil. Prevista d e s d e a v é s p e r a , sua
m o r t e p r o v o c o u c o m o ç ã o g e n e r a l i z a d a na c i d a d e . O c l e r o d a s
q u a t r o f r e g u e s i a s s a i u às ruas f a z e n d o o r a ç õ e s e e n t o a n d o
l a d a i n h a s até s o a r o d o b r e d o g r a n d e s i n o da R e a l C a p e l a , l o g o
r e s p o n d i d o p e l o s o u t r o s s i n o s da c i d a d e . B a n d e i r a s a m e i o p a u ,
s a l v a s i n t e r m i t e n t e s d u r a n t e três dias, p e s s o a s c a m i n h a n d o p e l a s
ruas e m v e s t e s d e l u t o p e s a d o , o R i o d e J a n e i r o t r a n s f o r m o u - s e
n u m a c i d a d e d i f e r e n t e , na i m a g e m e n o s o m .
A s c o r e s e r a m s o m b r i a s e tristes, e r a m o s s o n s e n q u a n t o
n o c o n v e n t o d o C a r m o o c o r p o da rainha era p r e p a r a d o p a r a o
ú l t i m o b e i j a - m ã o . D e p o s i t a d o numa g r a n d e sala o r n a m e n t a d a c o m
d o u r a d o s e p r a t e a d o s , as p a r e d e s c o b e r t a s d e v e l u d o n e g r o , a
população participou d o desfile p i e d o s o acompanhando a ação
d o s c ó n e g o s da R e a l C a p e l a q u e se s u c e d i a m na r e c i t a ç ã o d o
o f í c i o d o s m o r t o s . A s m a t i n a s s e r ã o c a n t a d a s n o dia 22 p e l o s
m ú s i c o s da m e s m a C a p e l a , c o m o as laudes e a missa e m p o n t i f i -
cal, c o n c l u i n d o p o r v o l t a da m e i a - n o i t e a l o n g a c e r i m ó n i a . V á r i o s
dias haviam d e c o r r i d o entre cerimónias religiosas q u a n d o
c h e g a r a m as i r m a n d a d e s e o s p a d r e s d o s c o n v e n t o s p a r a as
encomendações.182
Já era n o i t e q u a n d o o c o r p o f o i c o l o c a d o n o c a r r o f ú n e b r e ;
m o v i m e n t o u - s e o c o r t e j o , q u e atravessará v á r i a s ruas d a c i d a d e
a t é o c o n v e n t o da A j u d a p a r a o s e p u l t a m e n t o . F o i g r a n d e a
a f l u ê n c i a d e p e s s o a s d e t o d a s as classes s o c i a i s q u e a o l o n g o d o
c a m i n h o , d e p é e e m p r o f u n d o s i l ê n c i o , assistiram, à l u z d a s
tochas e a o s o m d o s tambores cobertos de baeta negra, a
p a s s a g e m d o c o r t e j o f ú n e b r e . T r ê s essas já a r m a d a s n o c o n v e n t o
s e r ã o o c u p a d a s s u c e s s i v a m e n t e , e m três d i f e r e n t e s m o m e n t o s
da c e r i m ó n i a p a r a a e n c o m e n d a ç ã o última p o r t o d o o C a b i d o
p r e s i d i d o p e l o b i s p o . O c a i x ã o c o m o c o r p o da rainha f o i , e n t ã o ,
entregue à abadessa.
P a r a l e l a m e n t e n o t e m p o , e m c e n á r i o q u e p o d e r i a ser d e
o u t r o m u n d o , m a s era na m e s m a c i d a d e , d e s e n r o l o u - s e o u t r o
d r a m a i n i c i a d o n o m e s m o dia da m o r t e da r a i n h a : f o r a r e a l i z a d o
o e n t e r r a m e n t o d e V i t ó r i a Maria da C r u z . Seus ú l t i m o s m o m e n t o s
d e vida f o r a m assistidos apenas p e l o neto, então c o m o i t o anos.
A p e s a r d a i d a d e , e s t a v a e s c a l a d o e n t r e as p e s s o a s q u e f a r i a m o
" q u a r t o " à a v ó d o e n t e . E l e p r ó p r i o relata o a c o n t e c i m e n t o e m
1860 a o e s c r e v e r o s " A p o n t a m e n t o s b i o g r á f i c o s " . Q u a n d o o p a -
d r e J o s é M a u r í c i o v o l t o u à casa, o f i l h o f o i a o s e u e n c o n t r o p a r a

120
José Maurício Nunes Garcia biografia

d i z e r - l h e q u e a " D i n d i n h a " estava " f a z e n d o caretas". Palavras


terríveis aos o u v i d o s d e José Maurício, q u e sempre lhe agradeceu
p o r estar a o l a d o da a v ó n e s s e instante d e c i s i v o .
O q u e se s e g u e a o ú l t i m o s o p r o d e V i t ó r i a Maria é s o m e n t e
i n t e r r o g a ç ã o e tristeza. Vitória d e s a p a r e c e u s i l e n c i o s a m e n t e . N ã o
t e v e t o d o o c l e r o para rezar-lhe o o f í c i o d o s mortos, n e m é certo
s e o f i l h o , às v o l t a s c o m as c e r i m ó n i a s e m t o r n o da r a i n h a p ô d e
p e r m a n e c e r t o d o o t e m p o j u n t o a o c o r p o , para v e l á - l o . O l o c a l
o n d e f o i e n t e r r a d a t a m b é m n ã o se c o n s e r v o u na m e m ó r i a d a s
p e s s o a s q u e f i z e r a m a história d e s s e s dias. D e s a p a r e c i a V i t ó r i a
M a r i a d a C r u z a o s 77 a n o s , e n c e r r a n d o u m a e x i s t ê n c i a v o l t a d a
p a r a o s f e i t o s d o f i l h o ilustre q u e e l a p u s e r a n o m u n d o , s o m b r a
d o s m o m e n t o s d e brilho ao v ê - l o pregar, n o púlpito, ou q u a n d o
o u v i a as m ú s i c a s q u e c a l a v a m f u n d o n o c o r a ç ã o dessa m i n e i r a
q u e v i v e r a s ó para p o d e r ouvi-las.
A s e x é q u i a s o f i c i a i s p o r D . Maria I r e a l i z a r a m - s e na C a p e l a
R e a l e s p l e n d o r o s a m e n t e o r n a m e n t a d a ; o o f í c i o n o dia 23 d e abril
às 7:30 da n o i t e , a missa d e r é q u i e m n o dia s e g u i n t e , às 10:30 da
m a n h ã . O f i c i o u o b i s p o ; atuaram na m ú s i c a , a l é m d o s c a p e l ã e s
c a n t o r e s , o s m ú s i c o s da Real Câmara e Real C a p e l a . N o t r a n s e p t o
f o r a m c o l o c a d o s o cetro e a coroa. Toda a corte e pessoas gradas
da s o c i e d a d e e s t a v a m p r e s e n t e s à c e r i m ó n i a q u e f o i
a c o m p a n h a d a , c o n f o r m e r e g i s t r o na Gazeta do Rio de Janeiro
( 2 7 . I V ) , p o r " e x c e l e n t e música, c o m p o s t a e d i r i g i d a p e l o i n s i g n e
M a r c o s A n t ô n i o Portugal". 1 8 3
N e n h u m a i n f o r m a ç ã o c h e g o u aos nossos dias sobre a
c e r i m ó n i a f ú n e b r e p o r Vitória Maria; n e m a data, n e m a igreja
e m q u e f o i e n t e r r a d a . M a s a tristeza d o f i l h o s o a v a e m c a d a
n o t a , e m c a d a f r a s e d o Ofício e da Missa dos defuntos d e 1816.
Música q u e e l e vivera intensamente nos m o m e n t o s em q u e a
c o m p u n h a para ser cantada na c e r i m ó n i a p r o m o v i d a p e l a O r d e m
T e r c e i r a d o C a r m o , e m m e m ó r i a da rainha D . Maria I. A d e d i c a ç ã o
m a i s f u n d a da m a i s f a m o s a o b r a d o p a d r e J o s é M a u r í c i o f i c a r i a
n o r e c ô n d i t o d e seu p e n s a m e n t o , p o r q u e f o r a c o n c e b i d a e
c o m p o s t a n o lastro d e s s e s e n t i m e n t o p r o f u n d o . É e s s e o s e n t i d o
das palavras escritas p e l o v i s c o n d e d e Taunay (1843-1899): " O
R é q u i e m f o i c o m p o s t o e n t r e lágrimas". 1 8 4
E x p r e s s a n d o - s e na l i n g u a g e m d e u m c l á s s i c o , c o m
ressonâncias barrocas, a obra tem e x p a n s õ e s quase românticas
c o n t r a s t a n d o o s o m b r i o Introito c o m a e c l o s ã o d r a m á t i c a d o Dies
irae e s e u e n v o l v i m e n t o d e terror. U m s e n t i m e n t o d e p a c i f i c a ç ã o
p a i r a s o b r e a Missa à m e d i d a q u e s e a p r o x i m a d o f i m , q u a n d o a
lux aeterna, já c h e g a d a , d e s c e c o m o u m a e s p e r a n ç a .

121
Cleofe Person de Mattos

O Ofício e a Missa dos defuntos c o l o c a m - s e , na v e r d a d e ,


e n t r e as m a i s b e l a s p á g i n a s da m ú s i c a b r a s i l e i r a , n o g é n e r o . A
natureza dramática e introspectiva d o seu autor r e v e l a - s e e m
toda a linha diante d o texto d o O f í c i o d o s Mortos, assim
e x p a n d i n d o sua f é e sua tristeza c o m a f o r ç a criativa d e q u e l h e
dotara a natureza.
O s i g n i f i c a d o das duas obras n o c o n t e x t o da c r i a ç ã o
m a u r i c i a n a justifica l h e s e j a m r e s e r v a d a s a l g u m a s p a l a v r a s . A
b e l e z a d o Ofício f o i s e m p r e o f u s c a d a p e l a aura d e s e n t i m e n t o
q u e b a f e j a v a a c a t e g o r i a artística d e sua irmã g é m e a , a Missa,
m a s t a m b é m p e l a sua m a i o r d i v u l g a ç ã o . 1 8 5 N a d a p e r d e e m b e l e z a .
A q u a l i d a d e m u s i c a l d o s s o l o s q u e se m u l t i p l i c a m n o Ofício —
c o m o o Comissa mea, c o m t e x t o a e x p r i m i r o t e m o r d o s p e c a d o s
— o u a f r e m e n t e p e r t u r b a ç ã o e s p i r i t u a l v i v i d a e m o u t r a ária —
Anima mea turbata est— c o l o c a m o Ofício a par d o s m o m e n t o s
m a i s e x p r e s s i v o s da o b r a n o s " l o n g o s e i n s p i r a d í s s i m o s
r e s p o n s ó r i o s " a q u e se r e f e r e o v i s c o n d e d e T a u n a y , a p r i m e i r a
v o z a f a z e r a l u s ã o à o b r a e à sua q u a l i f i c a ç ã o m u s i c a l .
D o i s a s s u n t o s p o l é m i c o s e n v o l v e m a Missa: a i n f l u ê n c i a
d o Requiem d e M o z a r t e o f a t o r c i r c u n s t a n c i a l d e ter s i d o , o u
n ã o , obra e n c o m e n d a d a p o r D. J o ã o VI para as e x é q u i a s da rainha.
É indiscutível a similitude — temática, inclusive — d e
d e t e r m i n a d o s t r e c h o s da missa d o c o m p o s i t o r b r a s i l e i r o c o m a
obra-prima de W o l f g a n g Amadeus Mozart. Similitudes
perfeitamente reconhecíveis e identificáveis que se encontram
nas sucessivas g e r a ç õ e s d e compositores q u e p r e c e d e r a m os
caminhos d e Mozart ou foram por ele iluminados.
São coincidências alimentadas pela identidade tonal e
estilística, c o m o n o Introito ("Requiem aeternum") nas d u a s
p e ç a s . N ã o se c o n f i r m a a i d e n t i d a d e d o b a i x o d i a n t e d o f a t o r
e s t i l o c o n t r a s t a n t e e n t r e as d u a s o b r a s . O d e M o z a r t é u m t e m a ,
u m m o t i v o , u m s u j e i t o , a c o m p a n h a d o e m escrita p o l i f ô n i c a nas
o u t r a s v o z e s . Em r e s u m o , é u m a f u g a , e n i s s o a t e n d e s e g u n d o a
f o r m a ç ã o c o n t r a p o n t í s t i c a d o autor. F o r m a ç ã o q u e J o s é M a u r í c i o
n ã o t e v e . Esse e s t i l o n ã o é o seu, e é t r a t a d o h a r m o n i c a m e n t e .
C o m i s t o o c a r á t e r t e m á t i c o d o b a i x o d e s a p a r e c e , i n t e g r a d o na
h a r m o n i a da p r i m e i r a f r a s e , da qual é c o m p l e m e n t o h a r m ó n i c o .
N o c o n f r o n t o e n t r e o Kyrie d e J o s é M a u r í c i o c o m o Re-
quiem d e M o z a r t , l i g a d o s m a i s d e p e r t o p e l a s e m e l h a n ç a e p e l o
e s t i l o , d e v e - s e l e v a r e m c o n t a o m o t i v o cuja c a r a c t e r í s t i c a p r i n -
cipal r e p o u s a n o i n t e r v a l o m e l ó d i c o d e 7a diminuta. A l g u n s
e x e m p l o s v ê m d e l o n g e , n o t e m p o : 150 a n o s d e e v o l u ç ã o m u s i -
cal t r a n s f o r m a r a m - n o , a g r e g a r a m e l e m e n t o s n o v o s , mas o
i n t e r v a l o d e 7 a d i m i n u t a a s s u m e c o m o q u e u m m o v i m e n t o natu-

122
José Maurício Nunes Garcia biografia

ral n e s s e s m o t i v o s , p r e n u n c i a n d o o q u e se d e f i n e c o m o f u n ç ã o
t ô n i c a - d o m i n a n t e . S ã o p a l a v r a s d e M o n i q u e V a c h o n e m La fugue
dans la musique réligieuse de W.A. Mozart:186 "Cette longue
génealogie, comme les précedentes, manifeste de façon
convaincante que le type (de motif) avec saut de 7ème diminuée
est authentiquement un thème voyageur, qui a nourrit
l'inspiration d' un grande nombre de maitres."
M o n i q u e V a c h o n ilustra m u s i c a l m e n t e suas p a l a v r a s c o m
o s e x e m p l o s d e B e n e d e t t o M a r c e l l o , J. S. B a c h e o u t r o s . É o q u e
se constata n o s m o t i v o s d e B a c h CA oferenda musical) e Haendel
(And with bis stripes) q u e e s t ã o e n t r e as g r a n d e s f i g u r a s q u e
precederam Mozart e permitem acompanhar a génese desse
motivo.
O que Monique Vachon escreve, conquanto não marque o
f i m d a e s c a l a d a d e s s e m o t i v o "voyageut", a p l i c a - s e a o Kyrie d e
M o z a r t , r e l a t i v a m e n t e a o Kyrie d e J o s é M a u r í c i o .
A p r o x i m a ç õ e s m e l ó d i c a s e temáticas unem, sem dúvida
a l g u m a , o Requiem d e M o z a r t e o d e J o s é M a u r í c i o . 1 8 7 Seria
i m p o s s í v e l , p o r é m , d e i x a r d e sentir a c r i a ç ã o mauriciana n o t e c i d o
d e q u e é f e i t a a Missa d e 1816, o s e u e s t i l o , a sua e s t r u t u r a ç ã o
melódica e harmónica sem levar e m conta a personalidade d o
autor, r e c o n h e c í v e l nos a c e n t o s d e r e s i g n a ç ã o e d e h u m i l d a d e
q u e a e n v o l v e m c o m o um todo e lhe d ã o o tom pessoal. O
"Ingemisco" para s o l o d e s o p r a n o c o n t r i b u i para e s s e s e n t i m e n t o
c o m a m a n i f e s t a ç ã o d o ser h u m a n o q u e s e n t e q u e "culpa rubet
vultus meus" e d i s s o s e a r r e p e n d e .
E e s s a l i n g u a g e m n ã o é a da a d m i r á v e l o b r a - p r i m a d e
M o z a r t , na m e d i d a e m q u e o s e f e i t o s p s i c o l ó g i c o s q u e e l a
transmite e s t ã o mais p r ó x i m o s da atitude d o c o m p o s i t o r b r a s i l e i r o
d i a n t e da v i d a .
O s e n t i m e n t o nativista q u e d i z a última p a l a v r a d o Requiem
d e J o s é M a u r í c i o s ó a u m b r a s i l e i r o c a b e r i a e s c r e v ê - l a . Essa
palavra v e m exposta nos violinos, no contracanto grave e nobre
q u e a c o m p a n h a o m u r m ú r i o d a s v o z e s , n o Communio, em
p i a n í s s i m o , f a z e n d o o u v i r o " L u x aeterna luceat eis Domine". E
c o m essa p a l a v r a a Missa c h e g a a o f i m , para o r e p o u s o d e f i n i t i v o ,
c o n f o r m a d o , s u b l i m a d o , n u m r e t o r n o i r r e s i s t í v e l às r a í z e s d o
autor, n ã o isento d e u m t o q u e seresteiro, q u e n ã o caberia a
Mozart, q u e f a z desse t r e c h o uma a d m i r á v e l fuga.
A o r q u e s t r a ç ã o d o Ofício — p a r a c o r d a s c o m d u a s v i o l a s ,
dois clarinetes e duas trompas — é basicamente idêntica à da
Missa de requiem. N e s t a , p o r é m , uma nota a u t o g r a f a p r e v ê o u t r o s
instrumentos: " c o n o b o i , clarins e t i m b a l e s " . O s o b o é s e o s clarins
n ã o f o r a m e n c o n t r a d o s , e sim partes avulsas e autógrafas d e

123
Cleofe Person de Mattos

f l a u t a s e f a g o t e s . U m a p a r t e d e t i m b a l e s , e m c ó p i a d e B e n t o das
M e r c ê s , t e m c o n d i ç õ e s d e ser c ó p i a d o o r i g i n a l m a u r i c i a n o , e
a n e x a r - s e l e g i t i m a m e n t e à o r q u e s t r a ç ã o d a Missa de requiem,188
A t r a d i ç ã o q u e a c o m p a n h a a Missa de requiem c o m o obra
e n c o m e n d a d a p o r D. J o ã o a o p a d r e J o s é M a u r í c i o para as e x é q u i a s
d e D. Maria I p e r d e c o n s i s t ê n c i a d i a n t e da autoria assinalada e m
f o n t e s c o n t e m p o r â n e a s : a Gazeta do Rio de Janeiro e o padre
P e r e r e c a . A s e x é q u i a s o f i c i a i s r e a l i z a r a m - s e na R e a l C a p e l a a 23
d e a b r i l , c o m m ú s i c a d e M a r c o s P o r t u g a l , assistidas p o r t o d a a
r e p r e s e n t a ç ã o s o c i a l a d e q u a d a a u m a rainha.
A c r e s c e n t e - s e ainda o manuscrito d e Marcos Portugal, d e
q u e existe cópia n o Rio de Janeiro, n o Museu Histórico Nacional,
c o n f i r m a n d o a a u t o r i a e a data. 1 8 9 A i n s i s t ê n c i a e m n e g a r a
e n c o m e n d a , q u e representaria u m g e s t o d e e x t r e m a c o n s i d e r a ç ã o
d e D . J o ã o , n ã o d e s m e n t e a i n f o r m a ç ã o histórica d e h a v e r s i d o a
Missa d e J o s é M a u r í c i o c a n t a d a e m u m a d a s e x é q u i a s da rainha.
N ã o a q u e t e v e a p r e s e n ç a d o p r í n c i p e r e g e n t e mas e m c e r i m ó n i a
realizada pela O r d e m Terceira d o Carmo. Na palavra d o barão
d e T a u n a y , q u e a transmitiu a o f i l h o , a c e r i m ó n i a teria s i d o " n a
C a p e l a R e a l , e m j u l h o d a q u e l e a n o " . A s partituras n ã o f i c a r a m
n o a r q u i v o da C a p e l a Real, o q u e seria n o r m a l se f o r a
e n c o m e n d a d a pela coroa.
F i c a r a m , isto sim, n o a r q u i v o p a r t i c u l a r d e Batista L i s b o a
até sua m o r t e , e s ã o a s s i n a l a d o s na r e l a ç ã o d o a c e r v o d o d i r e t o r
d e m ú s i c a da O r d e m , n o i n v e n t á r i o d e s e u s bens. 1 9 0 L a n ç a d o s
s e m data e s e m n o m e d e autor, c o m o g r a n d e p a r t e d o s r e g i s t r o s
d a m e s m a c o l e ç ã o , c o n s e r v a o s títulos q u e l h e atribuiu J o s é
Maurício, 1 9 1 a c o m p a n h a d o p e l a a v a l i a ç ã o e a e v i d e n t e s e p a r a ç ã o
em dois volumes:

Officio dos deffuntos 16$000


Missa dos deffuntos 10$000

C o m p r o v a - s e , dessa m a n e i r a , o v í n c u l o da O r d e m T e r c e i r a
c o m o s m a n u s c r i t o s . É i m p o r t a n t e assinalar a s e p a r a ç ã o e m d o i s
v o l u m e s : a primeira página d e cada obra, q u e i m a d a pela
e x p o s i ç ã o à l u z , f i c o u c o m o p a p e l m a i s e s c u r e c i d o d o q u e as
páginas internas. A e n c a d e r n a ç ã o das duas obras e m u m só v o -
l u m e — p r o v i d ê n c i a d e B e n t o d a s M e r c ê s — n ã o a p a g o u essa
i n f o r m a ç ã o , v i s í v e l até h o j e .
N ã o m e n o s i m p o r t a n t e s ã o o s sinais d e p o s s e d o a u t ó g r a f o .
A s partituras f o r a m respeitadas, mas duas partes avulsas — flautas
e f a g o t e s , t a m b é m autógrafas — t r a z e m o s n o m e s d e Baptista e
B e n t o , assim c o n f i r m a n d o os sucessivos proprietários.192

124
José Maurício Nunes Garcia biografia

D e s a p a r e c i d o Batista L i s b o a , a c o l e ç ã o d e música d e s t e , já a g o r a
pertencia a B e n t o das Mercês.
V a l o r i z a v a - s e a m a u r i c i a n a d e s t e , para s a l v a g u a r d a d a mais
i m p o r t a n t e p a r c e l a da o b r a d e J o s é M a u r í c i o , h o j e e n c a m i n h a d a
à Escola d e Música da Universidade Federal d o Rio de Janeiro,
g r a n d e m e n t e enriquecida c o m esses manuscritos preciosos.
A 4 d e j u l h o d o m e s m o a n o , o u t r o m e s t r e - d e - c a p e l a era
i n d i c a d o : F o r t u n a t o Mazziotti. 1 9 3 Para u m artista d e s e n s i b i l i d a d e
a p u r a d a , e m q u e m a s a ú d e reagira à c o n t i n u a d a t e n s ã o , a e s c o l h a
d e u m t e r c e i r o n o m e para o c u p a r lugar i d ê n t i c o a o seu f o i m o t i v o
d e p r o f u n d o d e s g o s t o . V i a - s e c a d a v e z m a i s d i s t a n t e d e suas
a s p i r a ç õ e s e i r r e m e d i a v e l m e n t e r e d u z i d a sua p o s i ç ã o c o m o
m e s t r e - d e - c a p e l a . F o r t u n a t o M a z z i o t t i era c o m o u m a s o m b r a d o
c o m p o s i t o r português e c o m ele partilhou algumas v e z e s a
r e g ê n c i a , i n c l u s i v e d e o b r a s suas.
C o m a n o m e a ç ã o d e mais um mestre-de-capela, via José
M a u r í c i o restringir-se à F a z e n d a d e Santa C r u z o s e u t r a b a l h o d e
c r i a ç ã o p a r a e n t i d a d e d a c o r o a . Seria a g o t a d ' á g u a na a m a r g u r a
q u e c e r c a v a a sua v i d a . N e s s e a n o , p e d e a o b i s p o l i c e n ç a p a r a
d i z e r missa e m casa, a l e g a n d o m o t i v o s d e s a ú d e .

A chegada da Missão
Artística Francesa

A p r e o c u p a ç ã o d e D . J o ã o e m dotar o país d e instituições


capazes de atender à crescente necessidade de informações
culturais despertara n o p r í n c i p e r e g e n t e a idéia de criar-se n o
R i o d e Janeiro uma A c a d e m i a d e Ciências, o u Escola Real das
Ciências, Artes e O f í c i o s . C o u b e o a g e n c i a m e n t o d o assunto ao
c o n d e da Barca — A n t ô n i o d e A z e v e d o A r a ú j o , h o m e m d e g r a n d e
cultura, f r a n c ó f i l o c o n v i c t o e ministro d o s N e g ó c i o s d o r e i n o —
q u e p r o v i d e n c i o u a v i n d a p a r a o Brasil d e artistas f r a n c e s e s
v o l t a d o s para d i v e r s a s áreas: pintura, p a i s a g e m , pintura histórica,
escultura, arquitetura, m e c â n i c a , serralheria e outras áreas
menores.
Esses artistas c h e g a r a m a o R i o d e J a n e i r o n o dia 26 d e m a r ç o
d e 1816, p o u c o s d i a s a p ó s a m o r t e da rainha D . Maria I. C o m o
n o m e d e M i s s ã o Artística Francesa, 1 9 4 m a i s t a r d e a s s u m i d o , a
atuação e m c o n j u n t o d o g r u p o f o i e x t r e m a m e n t e valiosa para o

125
Cleofe Person de Mattos

d e s e n v o l v i m e n t o d o país. C o n s t i t u í d o p o r artistas c o m c a p a c i d a d e
r e c o n h e c i d a — m e m b r o s d o Instituto d e França, L e b r e t o n , u m
P r é m i o de Roma (Taunay), chefiados por Henry Lebreton, ex-
s e c r e t á r i o d o I n s t i t u t o — essas p e s s o a s t i n h a m p r o f i c i ê n c i a
c o m p r o v a d a e m m e i o da alta r e p r e s e n t a t i v i d a d e i n t e l e c t u a l e
artística na E u r o p a , e i n t e g r a r a m - s e na v i d a d o p a í s e m q u e
passaram a viver. R e p r e s e n t a v a m a força viva d e uma i m i g r a ç ã o
cultural q u e s e a m p l i o u c o m o passar d o t e m p o e v a l o r i z o u e s s e
m e s m o país em realizações categorizadas. O espírito d o
C l a s s i c i s m o q u e d e f e n d i a m e q u e r e s u l t o u , c o m o passar d o s
a n o s , na a l t e r a ç ã o d a s c a r a c t e r í s t i c a s b a r r o c a s da v e l h a c i d a d e
c o l o n i a l , n ã o retira o v a l o r da c o n t r i b u i ç ã o d a M i s s ã o Artística
F r a n c e s a . Se a f i s i o n o m i a d o R i o d e J a n e i r o d e s s e s d i a s p ô d e
c h e g a r até h o j e através da i m a g e m antiga da c i d a d e , a r e p r o d u ç ã o
d e casas, c a n t o s d e rua, e d i f í c i o s , t i p o s p o p u l a r e s , p e r s o n a l i d a d e s
d e nossa história e paisagens q u e d e s a p a r e c e r a m , o s n o m e s de
D e b r e t , d e M o n t i g n y , d e T a u n a y e o u t r o s m a i s d e v e m ser
lembrados.
C h e g a d o s a u m a c i d a d e a b a l a d a p e l a m o r t e d e sua r a i n h a ,
o s f r a n c e s e s assistiram, c o m e s p a n t o , à r e a ç ã o , n ã o s ó d o m u n d o
o f i c i a l c o m o das c a m a d a s p o p u l a r e s . A s i n f i n d á v e i s e n u m e r o s a s
cerimónias fúnebres desenrolavam-se c o m uma p o m p a n ã o
c o n d i z e n t e c o m o e s p e t á c u l o h u m a n o q u e se a g i t a v a nas ruas.
A s s i m p u d e r a m e l e s sentir d e p e r t o o q u e representava,
s o c i a l m e n t e , a p o p u l a ç ã o instalada d o o u t r o l a d o d o A t l â n t i c o ,
o s a s p e c t o s c o n f l i t a n t e s d e u m p o v o e m f o r m a ç ã o o n d e as f o r ç a s
q u e o c o m p u n h a m mal iniciavam c o m p r o m i s s o s d e direitos e
deveres.
I m p o r t a n t e c o m o u m t o d o , para a nossa cultura, n ã o f o i
m e n o r o q u e s i g n i f i c o u para o p a d r e J o s é M a u r í c i o a v i n d a da
M i s s ã o Artística F r a n c e s a para o Brasil. Em p r i m e i r o lugar, p e l a
i m p o r t â n c i a d e p e s s o a s cultas e m c o n d i ç õ e s d e avaliar e a p r e c i a r
a sua o b r a d e c r i a ç ã o , f i r m a n d o t e s t e m u n h o s v á l i d o s até o s d i a s
atuais. Entre e l e s , e s o b r e t u d o , o s m e m b r o s da f a m í l i a T a u n a y
demonstram d e s d e c e d o a o compositor uma admiração q u e
c h e g o u a ser q u a l i f i c a d a c o m o "atávica" p o r um d o s seus
d e s c e n d e n t e s . 1 9 5 N ã o o s s e p a r a v a o p r e c o n c e i t o da d i f e r e n ç a na
c o r da p e l e , atitude restritiva q u e r e c e b i a d o s m ú s i c o s e ministros
da C a p e l a . P a r t i n d o d e artistas e u r o p e u s , essa c o n s t a t a ç ã o
c u m u l a v a d e c o n f o r t o o d e s c e n d e n t e d e e s c r a v o s q u e atingira
u m a p o s i ç ã o a q u e f a z i a jus sua c a t e g o r i a i n t e l e c t u a l : a f i r m a r na
m ú s i c a sua rica p e r s o n a l i d a d e .
O patriarca da f a m í l i a — N i c o l a u A n t ô n i o T a u n a y — q u e
c e d o r e t o r n o u à França, n ã o e s q u e c i a a figura d o m ú s i c o brasileiro

126
José Maurício Nunes Garcia biografia

— "le grand mulâtré" — de q u e m ele pedia notícias q u a n d o


e s c r e v i a para o s filhos. U m desses filhos, A d r i a n o T a u n a y , t a m b é m
p i n t o r , e c o m t a l e n t o , q u e v i a j o u c o m a M i s s ã o L a n g s d o r f para o
i n t e r i o r d o Brasil, e n c o n t r o u e m C u i a b á , a n t e s d e a f o g a r - s e nas
á g u a s d o G u a p o r é , e m 1828, partituras d e J o s é M a u r í c i o q u e e l e
t e v e o c u i d a d o d e m a n d a r copiar. 1 9 6 O u t r o d e s c e n d e n t e d o s
T a u n a y — o v i s c o n d e — já n a s c i d o b r a s i l e i r o , e l e i t o d e p u t a d o
e m 1881, será a p r i m e i r a v o z a t u a n t e n o Brasil e m d e f e s a da
memória d o padre José Maurício. Cabe-lhe o mérito e a primazia
d e ter f i r m a d o a p o s i ç ã o d o c o m p o s i t o r b r a s i l e i r o n o p a n o r a m a
artístico nacional. A s i n f o r m a ç õ e s transmitidas p e l o v i s c o n d e
r e c e b e u - a s d o pai, o barão d e Taunay, c o n t e m p o r â n e o d o pa-
d r e , a q u e m v i u c o n v i v e r na c o r t e . S ã o suas as i n f o r m a ç õ e s q u e
dão c o n t e ú d o e maior validade ao livro publicado pela
C o m p a n h i a d e M e l h o r a m e n t o s d e São P a u l o e m 1930, q u a n d o
d o p r i m e i r o centenário de morte de José Maurício.197 É
p r e c i s a m e n t e a o v i s c o n d e d e T a u n a y , já e l e i t o d e p u t a d o f e d e r a l
q u e se d e v e , a l é m d o l i v r o , a c a m p a n h a i n i c i a d a p o r v o l t a d e
1875 e m d e f e s a da o b r a d o c o m p o s i t o r . M o v i m e n t o d e s e n c a d e a d o
a p a r t i r d e u m e n c o n t r o m e m o r á v e l c o m u m m ú s i c o da C a p e l a
I m p e r i a l , e m 1872, e q u e c u l m i n o u c o m a a q u i s i ç ã o , p e l o
g o v e r n o , da c o l e ç ã o m a u r i c i a n a d e B e n t o d a s Mercês. 1 9 8

Sigismund Neukomm

Outra f i g u r a d e v a l o r c h e g a r i a a o R i o d e J a n e i r o a l g u m a s
s e m a n a s a p ó s a M i s s ã o Artística Francesa: o c o m p o s i t o r austríaco
S i g i s m u n d N e u k o m m ( S a l z b u r g 1778 — Paris 1858), c o m p o s i t o r
de categoria e de fecundidade privilegiada, fruto dos
e n s i n a m e n t o s d e M i c h a e l e F r a n z J o s e f H a y d n , e n t ã o c o m 38
anos. 1 9 9 I n t e g r a v a a c o m i t i v a d o d u q u e d e L u x e m b u r g , q u e v i n h a
a o Brasil r e p r e s e n t a n d o o s e n t i m e n t o d e c o n c i l i a ç ã o de
N a p o l e ã o III junto à c o r o a portuguesa.
Em 16 d e s e t e m b r o d e 1816, N e u k o m m era d e s i g n a d o e m
portaria p o r D. J o ã o para o " e n s i n o p ú b l i c o " , c o m direito a um
tratamento financeiro.

"Tendo consideração ao reconhecido merecimento de


S i g i s m u n d N e u k o m m na arte da m u s i c a q u e d i s t i n t a m e n t e
p r o f e s s a e q u e r e n d o q u e o M e u S e r v i ç o se utilize d e l e t a n t o

127
Cleofe Person de Mattos

p a r a o e n s i n o p u b l i c o da r e f e r i d a arte c o m o p a r a t o d a s
aquelas c o m p o s i ç õ e s d e que hei por servido encarregalo:
H e i p o r b e m f a z e r - l h e M e r c e d e u m a p e n s ã o d e 800$000
anuais p a g o s a quartéis p e l o m e u Real Erário, s e n d o t a m b é m
o b r i g a d o a t o c a r t o d a s as v e z e s q u e para i s s o f o r a v i s a d o .
O M a r q u e s d e Aguiar, d o C o n s e l h o d o Estado, Ministro
assistente a o D e s p a c h o d o G a b i n e t e , e presidente d o M e u
R e a l E r á r i o o t e n h a assim e n t e n d i d o e o f a ç a e x e c u t a r .
P a l a c i o d o R.J., l 6 . I X . 1 8 l 6 ( c o m a rubrica d e S. M a g e s t a d e ) .

A s o b r i g a ç õ e s e r a m claras, m a s n e m t o d a s f o r a m c o b r a d a s :
t o c a r e c o m p o r q u a n d o p a r a i s s o f o s s e c o n v i d a d o . L o g o se v ê
q u e o b l o q u e i o tinha o r i g e m nas i m e d i a ç õ e s da cúpula
administrativa. A i n d a assim, N e u k o m m prestou h o m e n a g e m a
D . J o ã o , c o m a Missa para o Dia das Chagas de Nosso Senhor
Jesus Cristo, c o m p o s t a para a A c l a m a ç ã o , e m 1818, q u e
p r o v a v e l m e n t e n ã o terá s i d o o u v i d a . 2 0 0
N e u k o m m d e u l i ç õ e s d e música a Suas A l t e z a s Reais. D e n t r e
o s f i l h o s d e D. J o ã o , é d e justiça c h a m a r a a t e n ç ã o para o p r í n c i p e
D. Pedro, personalidade que p o d e configurar o músico nato que
n ã o tardará a d e m o n s t r a r essas q u a l i d a d e s . I n f e l i z m e n t e , o espírito
p o u c o a f e i t o à d i s c i p l i n a n ã o terá a j u d a d o o a l u n o na
o p o r t u n i d a d e d e a c r e s c e n t a r à sua m u s i c a l i d a d e o s b e n e f í c i o s
d e f o r m a ç ã o mais categorizada.
D. P e d r o n ã o terá c o r r e s p o n d i d o c o m o n e c e s s á r i o interesse
às l i ç õ e s d e c o n t r a p o n t o d e N e u k o m m , q u e t a m b é m se q u e i x a v a
d a p o u c a a s s i d u i d a d e d o p r í n c i p e às a u l a s . O u t r o m ú s i c o
b e n e f i c i a d o p o r s e u s e n s i n a m e n t o s : F r a n c i s c o M a n u e l da Silva,
e n t ã o c o m p o u c o m a i s d e 21 a n o s e q u e p ô d e a b o r d a r o m u n d o
musical que N e u k o m m representava.
N ã o se p o d e minimizar os resultados da permanência d o
m ú s i c o a u s t r í a c o n o R i o d e J a n e i r o q u e na o c a s i ã o r e u n i a três
c o m p o s i t o r e s d e c a t e g o r i a . Figuras q u e , se r e u n i d a s n u m o b j e t i v o
c o m u m , p o d e r i a m ter r e a l i z a d o a l g o d u r a d o u r o na e d u c a ç ã o
m u s i c a l , o u m e s m o t r a ç a d o d i r e t r i z e s p a r a a cultura da m ú s i c a
na c i d a d e . O q u e n ã o f o i f e i t o . S e p a r a v a - o s o p r e c o n c e i t o , a
v a i d a d e , a d e s c o n f i a n ç a , o d e s n í v e l na d i f e r e n c i a d a p o s i ç ã o
perante o poder, que somente o prestigiado Marcos Portugal
estaria e m c o n d i ç õ e s d e p r o m o v e r .
N e u k o m m e n c o n t r o u , p o r é m , n o Rio d e Janeiro u m inter-
l o c u t o r q u a l i f i c a d o para o s d e b a t e s m u s i c a i s na p e s s o a d o p a d r e
J o s é M a u r í c i o . A r e c í p r o c a terá s i d o a i n d a mais v e r d a d e i r a p a r a
o m ú s i c o b r a s i l e i r o , l i m i t a d o n o i n í c i o da carreira à i n s u f i c i ê n c i a
q u e l h e o f e r e c i a o m e i o musical p o b r e . J o s é M a u r í c i o d e f r o n t a v a

128
José Maurício Nunes Garcia biografia

pela primeira v e z um músico e v o l u í d o e m longa preparação,


v i v i d o e m m e i o t r a n s b o r d a n t e d e v i d a musical para p o d e r , e n f i m ,
ter a satisfação d e alimentar discussões s o b r e a criação musical,
s e u s p r o b l e m a s , sua história e s e u s c a m i n h o s .

1817
O casamento de D. Pedro
com D. Leopoldina

T e r m i n a d o o l u t o o f i c i a l p e l a m o r t e da rainha, p r i n c i p i o u o
m o v i m e n t o d a s a u t o r i d a d e s d i a n t e da p e r s p e c t i v a da a c l a m a ç ã o
d o p r í n c i p e r e g e n t e — o q u e acontecerá um a n o mais tarde — e
o n o i v a d o d o príncipe D. Pedro. Os acontecimentos, sucessivos,
e x i g i a m m e d i d a s p r é v i a s para o futuro d o p r í n c i p e D. P e d r o , o
q u e d á o r i g e m a o alvará c o m f o r ç a d e lei, 2 0 1 d e 9 d e j a n e i r o d e
1817.

" D a d o n o P a l a c i o d o RJ e m 9 d e j a n e i r o d e 1817 — R e y —
C o n d e da B a r c a — A l v a r á c o m f o r ç a d e L e i p o r q u e V o s s a
M a g e s t a d e H a p o r b e m q u e o P r í n c i p e D . P e d r o , Seu m u i t o
a m a d o e p r e s a d o F i l h o P r i m o g é n i t o e o s mais P r í n c i p e s
Filhos P r i m o g é n i t o s desta C o r o a q u e d e p o i s d'Elle v i e r e m
tenham o titulo d e = Príncipe Real d o R e i n o U n i d o de P o r -
t u g a l e d o Brasil e A l g a r v e s e D u q u e s d e B r a g a n ç a = e m
lugar d o T i t u l o d e P r í n c i p e d o B r a z i l q u e lhes f o i c o n f e r i d o
p e l a Carta d e d o a ç ã o d e v i n t e e s e t e d e o u t u b r o d e m i l
s e i s c e n t o s e quarenta e c i n c o t u d o na f o r m a acima declarada
= Para V o s s a M a g e s t a d e V e r . "

A importância d o acontecimento faz c o m q u e Marcos Por-


tugal seja f i n a l m e n t e o u v i d o n o Real Teatro. Duas v e z e s , e m
1817. N a c o m e m o r a ç ã o d o n o i v a d o , e m j u l h o , a o b r a — n ã o
c o m p o s t a e s p e c i a l m e n t e para o e v e n t o — m o s t r a v a q u e o a p r e ç o
p e l a sala d e e s p e t á c u l o s d o R i o d e J a n e i r o , o u p e l o s e u
f u n c i o n a m e n t o , n ã o o e s t i m u l a v a b a s t a n t e para l e v á - l o a e s s e
g e s t o . 2 0 2 R e p e t i u - s e L'oro non compra amore, p e ç a já o u v i d a n o
T e a t r o R é g i o e m 1811. E m b o r a s i m p l e s r é p l i c a d e e s p e t á c u l o , o
ato revestia-se d e importância social, c o m a corte e m g r a n d e
g a l a : o m o t i v o era a r e a l i z a ç ã o d o c a s a m e n t o d o p r í n c i p e D .

129
Cleofe Person de Mattos

P e d r o c o m a arquiduquesa D. Josefa Carolina L e o p o l d i n a , uma


H a b s b u r g , f i l h a d o i m p e r a d o r da Áustria 2 0 3 e irmã d e Maria L u i z a ,
ex-imperatriz dos franceses q u a n d o casada c o m N a p o l e ã o . A
s o l e n i d a d e r e a l i z o u - s e p o r p r o c u r a ç ã o na c i d a d e d e V i e n a , n o
dia 13 d e m a i o d e 1817. T i n h a D . P e d r o 19 anos. A Gazeta
c o m e n t a o e s p e t á c u l o , a r e g ê n c i a d e M a r c o s Portugal, a s s i n a l a n d o
o " d a n ç a d o n o v o " arranjado e e x e c u t a d o p e l o primeiro bailarino
Augusto Toussaint.
A p e s a r d e t e r p a r t i d o d e V i e n a p a r a o Brasil l o g o a p ó s o
b a n q u e t e c o m que o marquês de Marialva c o m e m o r o u o
casamento, D. Leopoldina tardou alguns meses a tomar
c o n h e c i m e n t o c o m o p r í n c i p e D. P e d r o , s e u m a r i d o , e o p a í s
o n d e viria a ser a p r i n c e s a r e a l . A pausa q u e f e z na Itália — e m
Livorno, particularmente, onde ficou aguardando o navio que
iria b u s c á - l a — d e m o r o u - s e a l é m d o p r e v i s t o . A s p e r t u r b a ç õ e s
p o l í t i c a s n o Brasil, às v o l t a s c o m a i n s u r r e i ç ã o p e r n a m b u c a n a ,
r e t a r d a r a m até n o v e m b r o a c h e g a d a da futura i m p e r a t r i z a o R i o
de Janeiro.
N o s p r e p a r a t i v o s para a l o n g a v i a g e m q u e iria e m p r e e n d e r
a p r i n c e s a , n ã o se e s q u e c e r a m o s p o r t u g u e s e s d e o r g a n i z a r u m
c o n j u n t o instrumental para a c o m p a n h á - l a e tornar mais a g r a d á v e l
a travessia m a r í t i m a . V o l t a r e m o s m a i s a d i a n t e a f a l a r s o b r e essa
banda.
O m o m e n t o h i s t ó r i c o d e sua c h e g a d a , a 5 d e n o v e m b r o ,
f o i c o m e m o r a d o na R e a l C a p e l a l o g o a p ó s o d e s e m b a r q u e , c o m
a c e r i m ó n i a r e l i g i o s a da b ê n ç ã o n u p c i a l . O f i c i o u - a o b i s p o D .
J o s é C a e t a n o a o s o m d o Te Deum d e M a r c o s P o r t u g a l c a n t a d o
p e l o s m ú s i c o s da R e a l C a p e l a .
D o i s dias a p ó s a c h e g a d a d e D. L e o p o l d i n a , realizou-se
u m a r e c e p ç ã o na Q u i n t a da B o a Vista. A p ó s a abertura d e I n á c i o
d e Freitas, cantou-se uma serenata d e Marcos Portugal —
L'augurio difelicita — c o m o s c a n t o r e s da C a p e l a Real. N a m e s m a
n o i t e o p r í n c i p e D . P e d r o , e suas i r m ã s D . Maria T e r e s a e D .
I s a b e l M a r i a c a n t a r a m a l g u m a s árias.
A s d e m o n s t r a ç õ e s d e alegria p e l a c h e g a d a da princesa, todas
realizadas c o m música, ainda n ã o haviam t e r m i n a d o . N o dia 8
d e n o v e m b r o , n o R e a l T e a t r o São J o ã o era a p r e s e n t a d a a ó p e r a
Merope, d e M a r c o s P o r t u g a l . U m a v e z mais, n ã o era i n é d i t a , m a s
s i m e m p r i m e i r a a u d i ç ã o n o R i o d e J a n e i r o . Entre o s i n t é r p r e t e s
i n c l u í a - s e G i a n f r a n c e s c o Fasciotti, r e c e n t e m e n t e c h e g a d o a o R i o
d e Janeiro.
N a b i o g r a f i a d o p a d r e J o s é M a u r í c i o a p o n t a m e m 1817 sinais
d e q u e e r a m a l a r m a n t e s suas d i f i c u l d a d e s f i n a n c e i r a s : o m e s t r e -
d e - c a p e l a e s t a v a s e m casa para dar as aulas d o c u r s o d e m ú s i c a ,

130
José Maurício Nunes Garcia biografia

o q u e q u e r d i z e r t a m b é m para m o r a r . O p e d i d o q u e f e z p a r a
a l c a n ç a r a s o l u ç ã o d o p r o b l e m a c o n f i r m a q u e o c u r s o d e música
d o p a d r e J o s é M a u r í c i o n ã o mais f u n c i o n a v a na rua das Marrecas.
U m a v i s o d o c o n d e da Barca — m i n i s t r o d o s N e g ó c i o s d o r e i n o ,
D . F r a n c i s c o d e A l m e i d a M e l o e Castro — dá c i ê n c i a d o f a t o e
t r a n s m i t e a o r d e m d e D . João: 2 0 4

"El R e i N o s s o S e n h o r a t t e n d e n d o a o q u e l h e r e p r e s e n t o u o
Padre José Mauricio Nunes Garcia, Mestre d e Musica d e
sua R e a l C a p e l l a H e s e r v i d o o r d e n a r q u e V.S a l h e d e Casas
d e A p o s e n t a d o r i a para sua h a b i t a ç ã o , as q u a i s d e v e m ter o
e s p a ç o n e c e s s á r i o para ahi dar a sua A u l a d e M ú s i c a o q u e
p a r t i c i p o a VS a para sua i n t e l l i g e n c i a e e x e c u ç ã o . D e o s
g u a r d e V.S a P a ç o , 17 d e F e v e r e i r o d e 1817 ... C o n d e da
Barca."

N o m e s m o a n o José Maurício passou a morar, s e g u n d o o


Almanaque Histórico e Comercial da Cidade do Rio de Janeiro,
na rua d e S ã o Jorge. 2 0 5 A rua traz à l e m b r a n ç a o c o n j u n t o q u e
a c o m p a n h a r a D . L e o p o l d i n a na fragata q u e a t r o u x e a o Brasil,
f o r m a d o p o r 16 músicos: 2 0 6 d o i s c l a r i n e t e s , d o i s flautins, duas
t r o m p a s , d o i s clarins, d o i s f a g o t e s , u m t r o m b ã o , u m b u m b o , uma
c a i x a d e r u f o , d o i s p r a i e i r o s . Eram d i r i g i d o s p o r E r d m a n n
N e u p a r t h . 2 0 7 P r o v o c o u e n t u s i a s m o na c i d a d e a s o n o r i d a d e
brilhante e a p r e c i s ã o rítmica d e s e n v o l v i d a p e l o c o n j u n t o . O p o v o
a g l o m e r a v a - s e n o l a r g o d e S ã o J o r g e — p r ó x i m o a o R o c i o e da
casa o n d e m o r a v a J o s é M a u r í c i o — para o u v i r o s e n s a i o s .
S e m p r e a b e r t o a i n o v a ç õ e s , José M a u r í c i o c o m p ô s para e s s e
c o n j u n t o d o z e Divertimentos para orquestra d e s o p r o s e
p e r c u s s ã o . O b r a única n o g é n e r o e m sua n u m e r o s a b a g a g e m ,
e x t r a v i a r a m - s e i n f e l i z m e n t e o s manuscritos. 2 0 8
D o interesse d o padre José Maurício pela música
camerística, n ã o f o i l o c a l i z a d o e m nossos dias n e n h u m d o c u m e n t o
v i v o . A p r o d u ç ã o existiria, n o e n t a n t o . O Dr. N u n e s G a r c i a d i s s o
dá t e s t e m u n h o a o e s c r e v e r , na a l e g o r i a q u e o r n a m e n t a as suas
Mauricinas ( f o t o ) o s p r i n c i p a i s trabalhos d o pai. A l é m d o s títulos
d o s s e r m õ e s q u e p r o f e r i u , u m i t e m s u r p r e e n d e : Quartetos de
rabecas. N o plural. N e n h u m a i n f o r m a ç ã o f o i e n c o n t r a d a , p o r é m ,
s o b r e essas c o m p o s i ç õ e s , — r e p e r t ó r i o s u p o s t a m e n t e d e s t i n a d o
às r e u n i õ e s d a R e a l Q u i n t a — d e n t r o d o s p a r â m e t r o s m u s i c a i s
da c o r t e . Seriam p r o v a v e l m e n t e p e ç a s m e n o r e s , n ã o a q u e l a s cuja
f o r m a e e s p í r i t o s ã o a e x p r e s s ã o m á x i m a da c r i a ç ã o c l á s s i c a . A s
a t i v i d a d e s d a R e a l Câmara n ã o s ã o m u i t o c o n h e c i d a s , e m q u e
p e s e a q u a l i f i c a ç ã o d o s m ú s i c o s i n d i c a d o s para i n t e g r á - l a .

131
Cleofe Person de Mattos

C o i n c i d e a é p o c a da c o m p o s i ç ã o d o s Divertimentos —
" P o u c o t e m p o d e p o i s , e p o r o r d e m d'El R e i " , s e g u n d o M a n u e l
d e A r a ú j o P o r t o - A l e g r e 2 0 9 — c o m a d e outra o b r a p r o f a n a q u e
n ã o t r a n s p ô s o s l i m i t e s d o r e g i s t r o h i s t ó r i c o : Le due Gemelle,
ú n i c a ó p e r a na b a g a g e m d o p a d r e J o s é M a u r í c i o . 2 1 0 D i s c u t í v e l
f o s s e e n c o m e n d a d e D . J o ã o . A p e s a r da a u t o r i d a d e d a q u e l e s q u e
a v e i c u l a r a m , e a t é a c r e s c e n t a m ter s i d o a o b r a l e v a d a n o R e a l
T e a t r o , n ã o se p o d e d e i x a r d e c o n s i d e r a r p o u c o reais e s s a s
i n f o r m a ç õ e s . A comissão d o teatro q u e decidia sobre o repertório
l e v a d o à c e n a e o p i n a v a a r e s p e i t o d e sua q u a l i d a d e artística —
Marcos Portugal, Fortunato Mazziotti e Simão Portugal — não
s e r i a m p e s s o a s interessadas e m prestigiar o c o m p o s i t o r brasileiro.
I n d e p e n d e n t e d o m é r i t o d o s e u t r a b a l h o , J o s é M a u r í c i o n ã o teria
chance de vê-lo posto e m cena.
Se essas c o n s i d e r a ç õ e s s ã o d i s c u t í v e i s , n ã o o s ã o o s d a d o s
i n e q u í v o c o s d o extravio d o s manuscritos. S e g u n d o i n f o r m a ç ã o
d e T a u n a y 2 " , o c o m p o s i t o r l a n ç o u , e m 1821, n o I n v e n t á r i o d a
M ú s i c a d o R e a l T e s o u r o , a nota q u e se t r a n s c r e v e :

"Le due Gemelle, d r a m a e m musica p o r J o s e M a u r i c i o : c o m


instrumental e partes cantantes. A partitura se acha e m casa
d o Snr. M a r c o s P o r t u g a l . "

É p o s i t i v a a i n c l u s ã o da nota n o I n v e n t á r i o M u s i c a l d o Real
T e s o u r o a f a v o r da e n c o m e n d a d e D . J o ã o e a o d e s t i n o q u e l h e
estaria r e s e r v a d o n o Real T e a t r o . D o c o n t r á r i o , n ã o h a v e r i a r a z ã o
d e e n c o n t r a r - s e a partitura e m casa d e M a r c o s P o r t u g a l . Q u a n t o
a o m a t e r i a l da m e s m a o b r a — p a r t e s i n s t r u m e n t a i s e c a n t a n t e s
— q u e e s t a v a m n o Real T e a t r o São João, o f o g o o s terá c o n s u m i d o
n o i n c ê n d i o o c o r r i d o n o t e a t r o e m 25 d e m a r ç o d e 1824. 212
N ã o s ó na C a p e l a e n o s o u t r o s p a ç o s reais — S a n t o I n á c i o
e S ã o C r i s t ó v ã o — a t u a v a m o s m ú s i c o s da Real C a p e l a ; t a m b é m
o f a z i a m nas i g r e j a s e o r d e n s t e r c e i r a s , e m s o l e n i d a d e s
e v e n t u a l m e n t e dirigidas por José Maurício. N ã o f o i encontrada
c o m p r o v a ç ã o d e q u e alguma obra d o padre-mestre haja s i d o
c a n t a d a p o r Fasciotti, e s t r e l a na sua c a t e g o r i a , o c a n t o r d e m a i s
a l t o o r d e n a d o na C a p e l a Real, s u p e r i o r a o d e M a r c o s P o r t u g a l .
M a s as r e l a ç õ e s e n t r e o c o m p o s i t o r e o c a n t o r s ã o o b j e t o d e uma
i n f o r m a ç ã o q u e se d e v e a N e u k o m m , a o r e f e r i r - s e à n o i t a d a e m
q u e o s d o i s músicos f o r a m protagonistas: "Em uma d ' a q u e l a s
r e u n i õ e s q u e se f a z i a m e m casa d o m a r q u ê s d e S a n t o A m a r o ,
f i z e m o s p r o v a d e a l g u m a s m ú s i c a s q u e m e c h e g a r a m da E u r o p a .
T o d a s as v e z e s q u e se tratava d e cantar, c e d i a o p i a n o a o p a d r e -
m e s t r e , p o r q u e m e l h o r d o q u e e l e n u n c a v i a c o m p a n h a r . Entre

132
José Maurício Nunes Garcia biografia

v á r i a s fantasias, Fasciotti c a n t o u uma B a r c a r o l a q u e f o i


f r e n e t i c a m e n t e aplaudida e repetida. José Maurício, q u e estava
a o p i a n o c o m o q u e para descansar, c o m e ç o u a variar s o b r e o
m o t i v o e c o m os nossos aplausos a crescer e multiplicar-se e m
f o r m o s a s n o v i d a d e s . Suspensos, e i n t e r r o m p e n d o a nossa
a d m i r a ç ã o c o m o v a ç õ e s c o n t í n u a s , ali f i c a m o s até q u e o t o q u e
da a l v o r a d a n o s v i e s s e s u r p r e e n d e r . A h ! o s b r a s i l e i r o s nunca
s o u b e r a m o valor d o h o m e m q u e tinham, valor tanto mais
p r e c i o s o p o i s q u e era t o d o f r u t o d e seus p r ó p r i o s recursos." 2 1 3
E x c l u í d a s as o b r a s c o m p o s t a s e m 1817, mas d e s a p a r e c i d a s :
a ó p e r a Le due Gemelle, o s Divertimentos, e dois salmos (Beatus
omnes e Laudate puerí), apenas uma obra d e José M a u r í c i o
s o b r e v i v e u , e m partitura a u t ó g r a f a : a Trezena de São Francisco
de Paula, h o j e c o n s e r v a d a na b i b l i o t e c a da Escola d e Música da
UFRJ. A Trezena f o i escrita para quatro v o z e s e p e q u e n a orquestra
( 2 v i s , v l c , c b , cl e c o r ) , c o m i n t e r v e n ç õ e s g r e g o r i a n a s , p e q u e n o s
s o l o s d e c o n t r a l t o e s o p r a n o e três jaculatórias. 2 1 4
A o c o n s i d e r a r as o b r a s a p r e s e n t a d a s na i g r e j a d e São Fran-
c i s c o d e Paula e m três a n o s c o n s e c u t i v o s : 1816 (.Missa e Te Deum
p e l o R e i n o U n i d o ) , 1 8 1 7 ( a Trezena) e 1 8 1 9 ( M i s s a pelo
nascimento de D. Maria da Glória'), n ã o se p o d e separar a f i g u r a
d o p a d r e J a n u á r i o da C u n h a B a r b o s a , s e c r e t á r i o da I r m a n d a d e
d o s M í n i m o s d e S ã o F r a n c i s c o d e Paula, à é p o c a . I n t e l e c t u a l d e
v a l o r i n q u e s t i o n á v e l , p o l í t i c o ativo, era a p e s s o a capacitada, c o m o
h i s t o r i a d o r , p a r a a v a l i a r a i m p o r t â n c i a artística e h i s t ó r i c a d a
c o n t r i b u i ç ã o d o p a d r e - m e s t r e n o p a n o r a m a da cultura m u s i c a l
d e s s a é p o c a . O q u e terá f e i t o n e s s e m o m e n t o , e o fará n o
Necrológio, e m 1830.

1818
A aclamação de D.João VI

O Rio d e Janeiro viveu m o m e n t o s de grande movimentação


s o c i a l d e s d e o i n í c i o d e s t e a n o . O dia d o a n i v e r s á r i o da p r i n c e s a
r e a l , e m 22 d e j a n e i r o , f e s t e j a d o na Real C a p e l a c o m m ú s i c a d e
M a r c o s P o r t u g a l , d e u a m e d i d a da simpatia q u e c e r c o u a j o v e m
e s p o s a d e D . P e d r o . O g r a n d e m o m e n t o d o a n o viria l o g o a seguir,
c o m as f e s t a s da a c l a m a ç ã o d e D. J o ã o V I , r e a l i z a d a s n o s d i a s 5
e 6 de fevereiro.

133
Cleofe Person de Mattos

O espetáculo da aclamação emocionou a população que


dez anos antes assistira, intimidada e curiosa, à chegada desse
mesmo príncipe regente. Emoção agora somada ao consenso
afetivo em torno do rei. A o lado deste, a corte c o m p õ e o quadro,
não mais um grupo de figuras desconhecidas para o p o v o , que
crescera com a cidade.
A pompa da realeza é indescritível no cerimonial da Real
Capela onde se vai realizar a missa votiva das Chagas de Cristo,
especial devoção de D. João VI. A cidade transformara-se com o
palacete levantado em frente ao paço, embelezaram-se as ruas
ornadas de arcos construídos sobre risco dos artistas franceses.
A grande massa popular concentrava-se, porém, na praça
da Aclamação — hoje da República, onde eram aguardadas
manifestações populares e carros alegóricos com músicos e
dançarinos —- para assistir às danças, aos cortejos e à corrida de
touros.
A Missa da Aclamação e o Te Deum cantados na Real Capela
também eram composições de Marcos Portugal. As autoridades
portuguesas não deixariam fosse esquecido que o acontecimento
pertencia à história d o reino. O padre José Maurício amargava
mais uma frustração, sem oportunidade de prestar a homenagem
de sua admiração àquele que considerava seu protetor e amigo
no momento máximo que o fazia rei de portugueses e brasileiros.
Na ocasião, Marcos Portugal compôs um Hino para a feliz
aclamação de S. M. F. o Senhor D. João VI, que por ordem do
mesmo Augusto Senhor compôs Marcos Portugal. A obra era
adaptação de um hino de 1809, escrito para concluir a cantata
La Speranza ossia l'augurio di felicità, homenagem a D. João no
dia d o seu aniversário. O Brasil ganhou um hino nacional que
não tinha, adotando o hino português, que foi cantado durante
várias décadas no Rio de Janeiro.
Serenado o movimento festivo levantado pela aclamação,
retirou-se D. João para a Fazenda de Santa Cruz, onde ficou
grande parte d o ano; a enfermidade da perna obrigou-o a essa
permanência. Não participará em 1818 das comemorações anuais
d o aniversário de sua chegada, nem virá à cidade na Semana
Santa.
Em Santa Cruz, onde se detém até fins de junho, D. João
acompanhou os trabalhos de restauração do antigo convento dos
jesuítas.215 Empenhado em torná-lo mais atraente para as futuras
vilegiaturas de sua nora, D. João decidira reformá-lo e fazê-lo
digno da qualificação de palácio real de Santa Cruz, adequando-
o aos requintes de uma princesa da casa d'Áustria. O palácio
não ficará pronto em 1818, mas não tardará a transformar-se no

134
José Maurício Nunes Garcia biografia

l o c a l d e m a n i f e s t a p r e f e r ê n c i a d o rei e d e s e u s f i l h o s para as
h a b i t u a i s r e u n i õ e s s o c i a i s da v i d a da f a m í l i a real.
N ã o seria e x c e p c i o n a l q u e José Maurício tivesse
a c o m p a n h a d o D . J o ã o V I a Santa Cruz, " n u m a vilegiatura d e v i n t e
dias", s e g u n d o assegura T a u n a y e P o r t o - A l e g r e , e aí c o m p o s t o
a l g u m a s o b r a s . Em a m b i e n t e d e m a i o r s e r e n i d a d e h a v e r i a t e m p o
p a r a a c o m p o s i ç ã o d a s várias o b r a s d e s s e a n o f e c u n d o .
Em t e r m o s d e c r i a ç ã o m u s i c a l , o a n o d e 1818 é
i n e s p e r a d a m e n t e r i c o para J o s é M a u r í c i o . U m a e n f e r m i d a d e d e
M a r c o s P o r t u g a l , e m 1817, p a r e c e t e r d a d o a o c o m p o s i t o r
b r a s i l e i r o a o p o r t u n i d a d e d e o c u p a r - s e c o m o b r a s importantes. 2 1 6
A O r d e m T e r c e i r a d o C a r m o a s s o c i o u - s e às c o m p o s i ç õ e s
d o p a d r e - m e s t r e c o m a Novena e a Missa para a festa de Nossa
Senhora do Carmo ( C T n ú m e r o s 67 e 110), f e s t i v i d a d e para a
q u a l J o s é M a u r í c i o t e v e e n t r e seus i n t é r p r e t e s c a n t o r e s da C a p e l a
Real.
U m d u e t o p a r a t e n o r e s ((Qui sedes e Quoniam, C T 163),
o b r a v i g o r o s a e d e g r a n d e a g i l i d a d e , terá s i d o c o m p o s t o " p o r
e n c o m e n d a " ; o p r ó p r i o c o m p o s i t o r lançou n o autógrafo o custo
d o t r a b a l h o : 12$800. M e r e c e r e f e r ê n c i a o n o m e d o s solistas:
C â n d i d o I n á c i o da Silva e F e l i c i a n o G o n ç a l v e s . O p r i m e i r o , a l u n o
d e J o s é M a u r í c i o , c a n t o r c a t e g o r i z a d o , f a z i a - s e o u v i r na R e a l
C a p e l a e n o Real Teatro. Era c o m p o s i t o r ; a m o d i n h a d e sua autoria
Lá no largo da Sé Velha f o i impressa p o r P i e r r e L a f o r g e . F e l i c i a n o
G o n ç a l v e s era c a p e l ã o - c a n t o r m a s p a r t i c i p o u c o m o solista e m
várias obras d e José Maurício.
T r ê s m o t e t o s p a r a Santa C r u z a m p l i a m a v a r i a d a b a g a g e m
m a u r i c i a n a n e s s e a n o . D o i s s ã o d a t a d o s : Moteto dos apóstolos e
Moteto das Virgens, este c o m o d e s t i n o assinalado: "para a música
da R e a l C a p e l a d e Santa C r u z " ( C T 5 8 ) . M u i t o i n c o m p l e t o n o s
t r e c h o s n ã o s o l í s t i c o s , d e s t e m o t e t o c o n s e r v o u - s e na í n t e g r a o
v e r s o , u m l i n d o s o l o d e s o p r a n o . O t e r c e i r o m o t e t o n ã o traz
d a t a , m a s sua i n c l u s ã o e n t r e a s o b r a s d e 1818 n ã o p a r e c e
d i s c u t í v e l d i a n t e da importância q u e terá na p o s s í v e l i d e n t i f i c a ç ã o
d a missa c o m o m e s m o n o m e : o Moteto para a Festa da Degolação
de São João Batista.2"
Um grande e v e n t o e m perspectiva representou o laço mu-
sical e n t r e a F a z e n d a d e Santa C r u z e a Real Quinta da B o a Vista
nas r e a l i z a ç õ e s d e 1818. P r e p a r a v a - s e para o dia 29 d e a g o s t o —
dia d e S ã o J o ã o D e g o l a d o — e p r i n c i p i o u c o m a p o r t a r i a d e
c o n v o c a ç ã o d e e s c r a v o s , e m Santa C r u z , n o dia 27 d e m a r ç o ,
a s s i n a d a p e l o v i s c o n d e d o R i o Seco: 2 1 8

135
Cleofe Person de Mattos

" S e g u n d o as Reais O r d e n s d e El Rei N o s s o S e n h o r e x p e d i d a s


p e l o seu A u g u s t o f i l h o o Sereníssimo Senhor P r í n c i p e Real
v e m a h a v e r as s e g u i n t e s altas e b a i x a s na e s c r a v a r i a d e s t a
RI F a z e n d a a s a b e r :
D a b a n d a d e musica d o s e s c r a v o s desta F a z e n d a o s e s c r a v o s
s e g u i n t e s : M a n o e l C o n c e i ç ã o , J o s é Pestana, S i m ã o M a r q u e s ,
Z e f e r i n o A n t o n i o , Maria da Exaltação, Sebastiana, Mathildes.
D o s e m p r e g a d o s q u e e x i s t e m a o p r e s e n t e n o s e r v i ç o da
Real O b r a d o P a ç o , v ã o e n t r e g a r a o mestre d e musica I n á c i o
P i n h e i r o os rapazes e raparigas seguintes: J o ã o Mariano,
A l b e r t o J o a q u i m , A n a da C r u z , J o a q u i n a R o s a , L i b a n i a
Francisca, P r o p i c i a F r a n c i s c o , Z e f e r i n a d e R a m o s , V i c e n c i a
F e r r e i r a , Francisca d e S o u z a .
D o s q u e a i n d a n ã o f o r a m c h a m a d o s para o s e r v i ç o da o b r a
da F a z e n d a a o e n t r e g a r a o M e s t r e d e Musica I n á c i o P i n h e i r o
são os seguintes: Targini José, José Joaquim d e Morais,
J o a q u i m Francisco, Manoel Joaquim, José Inácio, Francisco
A l v e s , A n t o n i o Ferreira, G o n ç a l o , A n t o n i o , Vitorio.
Santa C r u z e m v i n t e e s e t e d e m a r ç o d e mil o i t o c e n t o s e
d e z o i t o . V i s c o n d e d o Rio Seco."

N ã o d e i x a d e ser g r a t i f i c a n t e v e r o p r í n c i p e D . P e d r o c u i d a r
d e a t i v i d a d e s m u s i c a i s na F a z e n d a , e s c o l h e n d o o s e s c r a v o s p a r a
as f e s t a s e m p e r s p e c t i v a e q u e e n v o l v i a , n ã o s ó M a r c o s P o r t u g a l ,
mas o padre José Maurício.
É p o n t o pacífico a realização de cerimónias religiosas c o m
b o a m ú s i c a na c a p e l a d e S a n t o I n á c i o c o m o na c a p e l a d e S ã o
C r i s t ó v ã o . A m b a s e r a m p a ç o s reais, a m b a s t i n h a m c a p e l a d e
m ú s i c a . A a t u a ç ã o d o p r o f e s s o r I n á c i o P i n h e i r o , p r e v i s t a na
portaria d e 27 d e m a r ç o , facilitava o p r e p a r o da o b r a , se destinada
à Real Quinta.
I n f o r m a o v i s c o n d e d e T a u n a y 2 1 9 q u e a Missa f o i " e s c r i t a
e m vinte dias d e u m p a s s e i o q u e o autor fazia pela Fazenda d e
Santa C r u z " , o q u e p o d e c o r r e s p o n d e r a o p e r í o d o d e c o m p o s i ç ã o
da o b r a . P o r t o - A l e g r e adianta: 2 2 0

" N a f a z e n d a d e Santa C r u z , o n d e h a v i a m a i s e s p a ç o , se
e x e c u t a r a m m a g n í f i c a s c o m p o s i ç õ e s e s c r i t a s lá m e s m o ,
quase s e m p r e improvisadas p e l o s seus mestres-de-capela.
N u m a dessas j o r n a d a s e s c r e v e u J o s é M a u r í c i o a sua f a m o s a
Missa da D e g o l a ç ã o d e S. J o ã o Baptista e outras o b r a s d e
q u e e l e m e s m o se e s q u e c e u . Foi esta missa a q u e p ô s t e r m o
a t o d a s as i n v e s t i d a s d o s m ú s i c o s da r e a l c â m a r a , p o r q u e

136
José Maurício Nunes Garcia biografia

esta o b r a a g r a n d e instrumental f o i t o d a escrita n o e s p a ç o


d e v i n t e dias..."

São f u n d a m e n t a i s o s t e s t e m u n h o s d e d o i s c o n t e m p o r â n e o s
c o m o título da o b r a . Luís d o s Santos M a r r o c o s l o c a l i z o u a data
d a f e s t a da D e g o l a ç ã o ; u m a t e r c e i r a e mais p r ó x i m a t e s t e m u n h a ,
Villa N o v a Portugal, em o f í c i o ao marquês de Loulé c o m
i m p o r t a n t e d e c i s ã o d o rei, t r a n s m i t i u - l h e o c o n v i t e d e D. J o ã o
p a r a q u e o m a r q u ê s e s t i v e s s e p r e s e n t e à festa q u e se r e a l i z a r i a
n o m e s m o dia. N o o f í c i o , d a t a d o d e 29 d e a g o s t o , dia d e S a o
J o ã o D e g o l a d o , v e m i n d i c a d o p r e c i s a m e n t e o l o c a l o n d e se var
c e l e b r a r a f u n ç ã o ; a C a p e l a da R e a l Q u i n t a da B o a V i s t a . ' " N ã o
h a v i a m a i s d ú v i d a s q u a n t o à data e l o c a l e m q u e seria e x e c u t a d a
a Missa da Degolação.
V á r i a s c o n c l u s õ e s p o d e m ser e x t r a í d a s d e s t e o f i c i o : a
o r q u e s t r a seria a da Real Câmara, c o m b o n s instrumentistas,
a c r e s c i d a d e m ú s i c o s da F a z e n d a , i n c l u s i v e o s d o i s p r o f e s s o r e s
d e Santa C r u z . O c o r o seria o d o s e s c r a v o s - m ú s i c o s q u e t e r i a m
p r e p a r a d o a Missa na p r ó p r i a F a z e n d a para cantá-la na Q u i n t a .
N ã o seria a primeira v e z q u e o f a z i a m , seus n o m e s s ã o a p o n t a d o s
na p o r t a r i a d o v i s c o n d e d o R i o S e c o , e m 27 d e m a r ç o .
C a p i t u l o ã p a r t e e b e m mais i m p o r t a n t e é, p o r é m , a
i d e n t i f i c a ç ã o da o b r a e n t r e as missas q u e s o b r e v i v e r a m , p o r q u e
dá u m n o m e a u m m a n u s c r i t o q u e d u r a n t e m u i t o s a n o s p e r d e u a
i d e n t i d a d e . A c o n f i r m a ç ã o passa p o r outra o b r a d e titulo
i n q u e s t i o n a v e l m e n t e a p r o x i m a t i v o : o Moteto para a Festa da
Degolação de São João Batista C C T 6 3 ) .
A s a l u s õ e s à Missa, citada e m t o d a s as f o n t e s c o m o Missa
da Degolação, n ã o facilitaria jamais a i d e n t i f i c a ç ã o p o r n a o
c o r r e s p o n d e r a o título d o m a n u s c r i t o : Missa a grande orchestra.
T í t u l o mais c h e g a d o aos hábitos d e José Maurício, q u e tem duas
o u três missas assim intituladas, inclusive a Missa de Santa Cectlta,
q u e 6 p r e c i s a m e n t e Missa com grande orquestra.
A p r o c u r a d e p o n t o s d e c o n v e r g ê n c i a e n t r e partituras f o i
p r o v e i t o s a . O Moteto c o n f i r m o u seu título a p r o x i m a t i v o e a f o r m a
ternária — estrutura d e r e s p o n s ó r i o — adotada p o r J o s é M a u r i c i o
p a r a o s o f e r t ó r i o s d a s missas. H a v i a a l g o d e c o n c r e t o p o r o n d e
i n i c i a r as p e s q u i s a s .
O s r e s u l t a d o s n ã o t a r d a r ã o , e x p r e s s o s nas c o i n c i d ê n c i a s
m e l ó d i c a s e n t r e as d u a s o b r a s : O Moteto, r e g i s t r o 31 335, d e
c o p i s t a n ã o i d e n t i f i c a d o , e a Missa a grande orchestra, registro
4155-3112, e m c ó p i a d e J o ã o d o s Reis P e r e i r a . O s c o m p a s s o s 10
a 15 e 25 a 35 d o Allegro spiritoso, primeiro tempo d o Moteto,
e n c o n t r a r a m a r é p l i c a n o Qui tollis da Missa 1'grande orquestra,

137
Cleofe Person de Mattos

c o m p a s s o s 35 e 40, o n d e r e a p a r e c e , m a i s e l a b o r a d o d e fatura.
Confirmou-se a similitude q u e l e v o u à aceitação d o m o t e t o c o m o
o o f e r t ó r i o da Missa.

A l é m d o título i d ê n t i c o , outras a p r o x i m a ç õ e s e x i s t e m e n t r e
as d u a s o b r a s : a l i n g u a g e m , a o r q u e s t r a ç ã o , o d e s e n v o l v i m e n t o
h a r m ó n i c o da escrita m u s i c a l c a r a c t e r i z a n d o - a s c o m o o b r a s
complementares. P o d e haver ou não confirmação e m posteriores
achados, mas n o m o m e n t o é a resposta e m q u e a autora deste
trabalho acredita.
A r q u i v a d a na Escola d e Música da U n i v e r s i d a d e F e d e r a l d o
R i o d e J a n e i r o , a Missa a grande orquestra f a z jus a d o i s registros:
o d e n ú m e r o 4155-3112, e m partes avulsas, e 30.118, e m
partituras. Esta — i n c o m p l e t a , c o m muitas p a r t e s e m b r a n c o —
t e m o u t r o t í t u l o : Missa do P" JM N G.
U m t e r c e i r o r e g i s t r o — 4155 A -3111; s o b t í t u l o Messa a
Quattro voei dei S* P. M. J M N G, e m p a r t e s a v u l s a s , i n c l u i
i g u a l m e n t e a Missa a grande orquestra, que v e m copiada com
t r e c h o s da missa a c i m a : Gloria in excelsis e m d ó ; Laudamus em
Fá; Domine Deus e m Fá; Qui sedes e Quoniam e m Mib; Cum
Sancto Spiritu. É n e s s e p o n t o q u e o s t r e c h o s da partitura t ê m o
v a l o r d e c o n f i r m a r a s e q u ê n c i a d o s t r e c h o s da Missa a grande
orchestra. O c o n t e x t o e m q u e está e n v o l v i d a a Missa será
c o l o c a d o num q u a d r o o n d e o assunto ficará mais claro:

138
José Maurício Nunes Garcia biografia

Missa a Grande Orquestra Missa do P*- J M Messa e


N G Quattro Voei
(Partitura)

41V? - 3112 30.118 4155a - 3111

Kyrie Fá M Fá M Fá M
Gloria Ré M Ré M Dó M
Laudamus Mi b M Mi b M ré m
Gratias ré m ré m ré m
Domine Deus Mi b/Si b Mi b M Fá M
Qui tollis dó m dó m dó m
Qui sedes dó m dó m Mi b M
Quoniam Lá b M Lá b M Mi b M
Cum Sane to
Spiritu Si b M

A n t e s d e e n c e r r a r o s c o m e n t á r i o s e m t o r n o das missas
c o m p o s t a s e m 1818, v e m a p r o p ó s i t o l e m b r a r uma nota escrita
p e l o b a r ã o d e T a u n a y a u m d e seus f i l h o s , e m 17 d e j a n e i r o :
" O u v i h o j e uma missa d o p a d r e José Maurício. P a r e c e u - m e
b e l í s s i m a . O A d r i a n o f i c o u e n t u s i a s m a d o . " 2 2 2 A p r o x i m i d a d e da
a c l a m a ç ã o q u e a c e r c a e p o d e r i a c a b e r i g u a l m e n t e a esta o b r a é
uma h i p ó t e s e para q u e f o i o u v i d a p e l o s T a u n a y pai e f i l h o , e
q u e d e i x a e s p a ç o a b e r t o à e x i s t ê n c i a d e outra missa.
A o emergir c o m brilhantismo d o relativo silêncio d e anos
a n t e r i o r e s assistindo a o c r e s c i m e n t o e r e c o n h e c i m e n t o da
i m p o r t â n c i a d e sua p r o d u ç ã o d e c o m p o s i t o r , n ã o d e i x a d e causar
s u r p r e s a e m 1818 o r e g i s t r o da a t u a ç ã o d e J o s é M a u r í c i o n o s
l i v r o s d e R e c e i t a e D e s p e s a da O r d e m T e r c e i r a d o C a r m o c o m o
regente.223 O f a t o s u r p r e e n d e p o r ser a primeira v e z , a p ó s
tantos anos de colaboração com a O r d e m Terceira, sem
q u a l q u e r sinal, m a s s o b r e t u d o p o r r e c e b e r c a c h ê c o m o r e g e n t e
— o ú n i c o d e q u e s e t e m n o t í c i a e m sua l o n g a c a r r e i r a d e
c o m p o s i t o r . A o registrar o n o m e d e J o s é M a u r í c i o nas duas festas
da O r d e m ( j u l h o e outubro), em ambos os casos ele recebeu

139
Cleofe Person de Mattos

25$400 s e m q u a l q u e r a l u s ã o à c i r c u n s t â n c i a d e ser, t a m b é m , o
autor da c o m p o s i ç ã o .
O ter f i g u r a d o n o s L i v r o s d e R e c e i t a e D e s p e s a da O r d e m
Terceira c o m o r e g e n t e deixa uma dúvida q u e diz r e s p e i t o à
r e g ê n c i a d e suas o b r a s . N ã o seria o c o m p o s i t o r , e m t o d o s o s
c a s o s , o r e g e n t e d e suas p r ó p r i a s o b r a s , e s p e c i a l m e n t e nas d u a s
g r a n d e s d a t a s da O r d e m T e r c e i r a ?
Será a p r i m e i r a e a ú l t i m a v e z q u e o s e u n o m e v e m c i t a d o
n o L i v r o da O r d e m . N o a n o s e g u i n t e — e m 1819 — o u t r o c o m -
p o s i t o r e r e g e n t e , m ú s i c o da R e a l C â m a r a , P e d r o T e i x e i r a d e
Seixas, 2 2 4 passará a ser r e s p o n s á v e l p o r essas f u n ç õ e s . C o m o
c r é d i t o d e v i d o n o s l i v r o s da O r d e m .
A d o c u m e n t a ç ã o b u r o c r á t i c a d e 1818 d e i x a e n t r e v e r certa
d e s c o n f i a n ç a entre o s d o i s mestres-de-capela. A g i n d o n o e x e r c í c i o
d a s f u n ç õ e s q u e l h e e r a m a f e i t a s , c a d a u m d e v i a dar p a r e c e r
s o b r e o s p r e t e n d e n t e s às f u n ç õ e s m u s i c a i s na m e s m a c a p e l a . Em
1818, d o i s c a n d i d a t o s i n t e r e s s a d o s n o s t r a b a l h o s d e c ó p i a p a r a
as três c a p e l a s reais: J o ã o A n t ô n i o Silva, c a n d i d a t o d e M a r c o s
P o r t u g a l , e F r a n c i s c o M a n u e l C h a v e s , já e m e x e r c í c i o , a m i g o d e
José Maurício, q u e parece querer d e f e n d e r - s e e m assunto d e
f i d e l i d a d e c o m copistas. 2 2 5
É natural tenha cada c o m p o s i t o r ou m e s t r e - d e - c a p e l a
preferências, o q u e no f u n d o corresponde a uma p o s i ç ã o de
c o n f i a n ç a d o copista. N o q u e respeita ao trabalho d o e x c e l e n t e
c o p i s t a J o ã o A n t ô n i o , d o i s manuscritos musicais p o r e l e c o p i a d o s
acusam, posteriormente, problemas que dificilmente serão
e l u c i d a d o s : a Missa mimosa ( C T 1 2 0 ) , e a g r a n d e Missa em Mi
bemol ( C T 117).
A indicação de Francisco Manuel Chaves f o i oficializada
e m 4 d e j u n h o d e 1818, m a s o a s s u n t o n ã o f i c a e n c e r r a d o . U m
a n o mais tarde, V i l l a n o v a Portugal e n c a m i n h o u para J o s é M a u r í c i o
o r e q u e r i m e n t o d e J o ã o A n t ô n i o para este informar. E c o m u n i c o u
q u e D . J o ã o " h è s e r v i d o s e j a e m p r e g a d o nas c ó p i a s d e t o d a s as
c o m p o s i ç õ e s d e m u s i c a " p a r a as m e s m a s capelas. 2 2 6 S e g u e m o s
t e r m o s da r e s p o s t a d o p a d r e J o s é M a u r í c i o :

" N ã o se p r e c i s a m a i s d e o u t r o c o p i s t a ; t a n t o p o r q u e o
C o p i s t a a c t u a l F r a n c i s c o M a n o e l X a v e s , a q u e m Sua
M a g e s t a d e d e o p o r o r d e n a d o 4 0 $ 0 0 0 p o r m e z p a r a se
e n c a r r e g a r d e t o d a s as c o p i a s da R e a l C a m a r a , da R e a l
C a p e l l a e da Real Quinta h e m 1 0 hábil, m'° e x p e d i t o , e l i g e i r o
t e n d o d a d o s e m p r e boa conta d o q u e se lhe encarrega.
C o m o p o r q u e Sua M a g c p o u p a e s t e g a s t o d e s n e c e s s á r i o
[ p r e s e n ] t e m e n ' c p o r q u a n t o n ã o ha n e c e s s i d a d e d e d o u s

140
José Maurício Nunes Garcia biografia

Copistas c o m o r d e n a d o , s e n d o s u f i c i e n t e e bastante s ó hum,


q u e h e o actual: h e o q u e p o s s o e d e v o i n f o r m a r a V . E x a ,
q u e fará o q u e f o r s e r v i d o . D e V.Ex 4 a t t e n t o e h u m i l d e
S e r v o / o P a d r e J o s e M a u r i c i o N u n e s G a r c i a M e s t r e da
Capella Real."

Em 14 d e n o v e m b r o d e 1820 J o ã o A n t ô n i o f o i n o m e a d o
para a Real C a p e l a , f i c a n d o o b r i g a d o a o m e s m o s e r v i ç o nas outras
c a p e l a s . U m a d e r r o t a a mais para o c o m p o s i t o r , q u e f i c a r á à
m e r c ê d e copista d e f e n d i d o p o r Marcos Portugal.
F i n d a v a u m g r a n d e a n o para J o s é M a u r í c i o . Sua o b r a f o r a
a d m i r a d a e e s s e r e c o n h e c i m e n t o d e r a i m p u l s o à sua p r o d u ç ã o
musical e alegria à sua vida. A s c o m p e n s a ç õ e s n o t e r r e n o artístico
a i n d a o g r a t i f i c a v a m c o m as g r a n d e s obras p r o d u z i d a s nesse a n o ,
e q u e aos p o u c o s eram conhecidas.
Em 1819 nasceu a p r i m o g é n i t a d e D . P e d r o e D . L e o p o l d i n a .
D . Maria da G l ó r i a , p r i n c e s a d a Beira, futura rainha d e P o r t u g a l .
R e c e b i d a c o m a l e g r i a , c o m missa e T e D e u m . O n a s c i m e n t o da
p r i n c e s a p r o p o r c i o n o u a José M a u r í c i o uma a t u a ç ã o c o m o
r e g e n t e : o S e n a d o da Câmara c o n f i o u - l h e a d i r e ç ã o da missa e m
a ç ã o d e graças p e l a c h e g a d a a o m u n d o d e uma criança da estirpe
d o s B r a g a n ç a n a s c i d a n o Brasil.
D a s o l e n e c e r i m ó n i a r e a l i z a d a na I g r e j a d e S ã o F r a n c i s c o
d e P a u l a , p r e s e n t e s o rei e s e u s f i l h o s , da c o r t e e d o c o r p o
d i p l o m á t i c o dá n o t í c i a o p a d r e P e r e r e c a . 2 2 7 I n f e l i z m e n t e , o
c r o n i s t a p r o l i x o n o ressaltar a m a g n i f i c ê n c i a s o c i a l e v i s u a l q u e
c a r a c t e r i z o u o ato, é m u i t o sucinto c o m r e l a ç ã o à música
executada. Escreve o historiador:

"... e l o g o s e d e u p r i n c i p i o a g r a n d e missa, q u e c e l e b r o u
e m pontifical o illustrissimo m o n s e n h o r a r c e d i a g o R o q u e
d a Silva M o r e i r a , s e n d o P r e s b í t e r o assistente d i á c o n o e
s u b d i á c o n o três c ó n e g o s da R e a l C a p e l a e da m e s m a e r a m
o d o s c a n t o r e s e a c ó l i t o s . T o d a a m ú s i c a era t a m b é m da
Real Capela, dirigida p e l o mestre dela o p. José Mauricio."

O a u t o r da m ú s i c a n ã o é m e n c i o n a d o . A Gazeta do Rio de
Janeiro ( 1 9 d e m a i o ) n ã o c o n f i r m a q u e a missa f o i r e g i d a p o r
J o s é M a u r í c i o e adianta q u e o autor da música era M a r c o s P o r t u -
gal. O q u e é p e l o m e n o s discutível, não só p e l o q u e significava
para a vaidade d o c o m p o s i t o r português, quanto, d o p o n t o de
vista d e J o s é M a u r í c i o , u m a d e s a t e n ç ã o d e s c a b i d a . O e n f o q u e
da autoria fica r e l e g a d o a o rol das p r o b a l i d a d e s diante d o s i l ê n c i o
q u e j a m a i s d e i x a r a d e f a z e r p a r t e da rotina d o p e r i ó d i c o o f i c i a l ,
a p e s a r da " i g u a l d a d e " entre p o r t u g u e s e s e brasileiros p r e c o n i z a d a

141
Cleofe Person de Mattos

p e l o d e c r e t o d e e l e v a ç ã o d o Brasil a r e i n o u n i d o . A h i p ó t e s e
m a i s a c e i t á v e l será a d e n ã o ser e x a t a a i n f o r m a ç ã o d a Gazeta,
m e s m o p o r q u e n ã o há m e n ç ã o dessa missa e n t r e as o b r a s d e
Marcos Portugal.
N e s s e a n o d e 1819 o R i o d e J a n e i r o r e c e b e u a visita d e
d o i s p r u s s i a n o s , T. v o n L e i t h o l d e E. v o n R a n g e . D e v o l t a a o
p a í s , p u b l i c a r a m e m l i v r o o r e s u l t a d o d e suas o b s e r v a ç õ e s : 2 2 8 o
R i o d e J a n e i r o , seus a s p e c t o s f í s i c o s , a p o p u l a ç ã o q u e se a g i t a v a
nas ruas ou f r e q u e n t a v a os l u gar e s p ú b l i c o s , i n c l u s i v e os
estrangeiros de p a s s a g e m pela c i d a d e ou aqui instalados. É o
c a s o d e v o n L a n g s d o r f , d i p l o m a t a r u s s o , c h e f e da m i s s ã o q u e
t e v e o s e u n o m e . T i n h a u m a casa d e c a m p o e o f e r e c e u u m b a i l e
a o s o f i c i a i s d e u m n a v i o russo. A m ú s i c a — u m q u a r t e t o d e
i n t e g r a n t e s da o r q u e s t r a d o T e a t r o S ã o J o ã o — t o c o u p a r a o s
presentes e deu-lhes a oportunidade d e dançar pela necessidade
d e "afastar o s mosquitos".
A orquestra d o Real T e a t r o f o i vítima das investidas d o s
d o i s p r u s s i a n o s . A r e f e r ê n c i a a I Tancredi, d e Rossini, mal
reconhecida d e tão "estropiada" pela péssima orquestra, chama
a a t e n ç ã o p e l a má q u a l i d a d e d o s o m ; m u i t o r e d u z i d a e m n ú m e r o ,
" n u m a p a l a v r a , m i s e r á v e l " . F a z e m a r e s s a l v a p a r a o flautista,
francês, e o violoncelista.229 Assistiram eles aos ensaios d o s
b a i l a d o s , c o n v e n c i d o s d e q u e s e u s d i r i g e n t e s , o casal A u g u s t e
T o u s s a i n t 2 3 0 e Luís L a c o m b e e s e u s q u a t r o i r m ã o s — t o d o s
e m p e n h a d o s c o m s e r i e d a d e e m u m a arte b e m - v i n d a , o s g r a n d e s
b a i l a d o s , o u nas d a n ç a s l i g e i r a s q u e p a r t i c i p a v a m d o s i n t e r v a l o s
d e espetáculos q u e duravam horas — fariam honra aos mais
e x i g e n t e s p a l c o s da Europa.

O Requiem de Mozart é
apresentado no Brasil

R e a l i z a ç ã o s u r p r e e n d e n t e na v i d a da c i d a d e , o dia 19 d e
d e z e m b r o d o m e s m o a n o d e i x a u m sinal d e suma i m p o r t â n c i a
m u s i c a l : o Requiem de Mozart é o u v i d o no Rio de Janeiro sob a
d i r e ç ã o d o p a d r e J o s é M a u r í c i o . Se a a p r e s e n t a ç ã o da o b r a , e m
si, já é f a t o n o t á v e l , o a c e s s o d o p ú b l i c o b r a s i l e i r o a o g r a n d e
repertório internacional pelas mãos de um regente brasileiro tem
u m s i g n i f i c a d o cultural e n o r m e para o p o v o , q u e o u v i u u m a o b r a

142
José Maurício Nunes Garcia biografia

a d m i r á v e l , c o m o para o s músicos q u e a executaram. Foi o u v i d a


na i g r e j a d e N o s s a S e n h o r a d o P a r t o c o m o s p r o f e s s o r e s da
I r m a n d a d e d e Santa Cecília, na missa e m h o m e n a g e m a o s i r m ã o s
falecidos naquele ano.
N ã o se p o d e d i s s o c i a r a a u d i ç ã o d o Requiem d e M o z a r t da
p e s s o a d e S i g i s m u n d N e u k o m m , d e s d e 1816 n o Brasil. A partitura
p o d e ter c h e g a d o a o p a í s p e l a s suas m ã o s ; d e q u a l q u e r m o d o ,
n ã o terá p e r d i d o a o p o r t u n i d a d e d e e s t i m u l a r o c o m p o s i t o r
b r a s i l e i r o para a a p r e s e n t a ç ã o da o b r a . E t a m b é m para c o m e n t a r
a e x e c u ç ã o , q u e foi publicada num jornal v i e n e n s e n o a n o
s e g u i n t e , e m j u l h o d e 1820.
Se e m a l g u m m o m e n t o d e sua v i d a a t u a n d o c o m o r e g e n t e ,
José Maurício alcançou notoriedade interpretando obra de outro
a u t o r , e s s e m o m e n t o terá s i d o o dia 19 d e d e z e m b r o d e 1819-
O s comentaristas habituais — p a d r e Perereca e a Gazeta
do Rio de Janeiro — n a d a i n f o r m a m s o b r e o a c o n t e c i m e n t o , mas
a r e a l i z a ç ã o d o Requiem n o R i o d e J a n e i r o r e p e r c u t i u na E u r o p a
p o r q u e u m m ú s i c o n a s c i d o na c i d a d e natal d e M o z a r t , S a l z b u r g ,
escreveu um comentário e o fez publicar no Allgemeine
Musikalische Zeitung, p e r i ó d i c o d e V i e n a . Seria a p r i m e i r a crítica
na história d a s a t i v i d a d e s musicais n o R i o d e Janeiro. N e u k o m m ,
q u e e s c r e v e o a r t i g o , ressalta as q u a l i d a d e s d e J o s é M a u r í c i o
c o m o r e g e n t e . Sua r e a ç ã o , e m t e r m o s d e indiscutível a p r e ç o p e l o
c o m p o s i t o r , v e m transcrita e m t r a d u ç ã o :

"Rio d e Janeiro. A c o r p o r a ç ã o dos músicos (da Irmandade


portuguesa, uma e s p e c i e de c o r p o r a ç ã o r e l i g i o s a ) celebra,
a n u a l m e n t e , a f e s t a d e Santa C e c í l i a a q u e se s e g u e . . . a
missa em,memoria dos músicos falecidos n o correr d o ano.
Para e s s e p r o p o s i t o alguns m e m b r o s dessa c o r p o r a ç ã o , q u e
p o s s u e m s e n s i b i l i d a d e para m e l h o r musica, r e c o m e n d a r a m ,
p o r o c a s i ã o d o u l t i m o f e s t e j o , o Requiem de Mozart,
e x e c u t a d o p o r uma grande orquestra n o último D e z e m b r o ,
na I g r e j a d o P a r t o . A r e g e n c i a d e t o d o o c o n j u n t o c o u b e a o
m a e s t r o da C a p e l a Real, P a d r e J o s é M a u r i c i o N u n e s G a r c i a .
O e n t u s i a s m o c o m q u e o P a d r e G a r c i a t r a b a l h o u t o d a s as
d i f i c u l d a d e s a fim de, t a m b é m aqui, executar, ao m e n o s
u m a v e z , a o b r a - p r i m a d e n o s s o imortal M o z a r t m e r e c e o s
a g r a d e c i m e n t o s mais c a l o r o s o s d o s a m i g o s da arte q u e aqui
se e n c o n t r a m . D e m i n h a parte, s i n t o - m e na o b r i g a ç ã o d e
a p r o v e i t a r essa oportunidade//EIe p r o v o c a , justificadamente,
a m a i s q u a l i f i c a d a a t e n ç ã o e surpresa u m a v e z q u e sua
f o r m a ç ã o é sua p r ó p r i a o b r a . N a s c i d o n o R i o d e J a n e i r o ,
e n t r o u p a r a o s e m i n á r i o e p i s c o p a l dessa c i d a d e o n d e se

143
Cleofe Person de Mattos

f e z finalmente mestre capela, após a conclusão dos estudos


e a sua o r d e n a ç ã o . C o m a c h e g a d a da c o r t e n o Brasil, o b t e v e
o l u g a r d e m e s t r e c a p e l a d a C a p e l a Real, q u e c o n t i n u a
assumindo, n ã o obstante n e g l i g e n c i a n d o seu estado
delicado d e saúde.
A n t e s d o Requiem, c a n t a r a m - s e o s Nocturnen, extraídos d o
Officio Defunctorum de David Perez (nascido em Nápoles,
v e i o e m 1752 p a r a L i s b o a o n d e f i c o u a s e r v i ç o d o r e i ) ,
o b r a q u e c o m p r e e n d e v á r i a s árias, d u e t o s , c o r o s e t c . A
m a i o r parte dessa musica f o i escrita c o m a d i g n i d a d e
a d e q u a d a a o estilo da igreja. Em m u i t o s c o r o s , o m o v i m e n t o
t o m a d o f o i se t o r n a n d o d e m a s i a d o r á p i d o , o q u e , a d e m a i s ,
p u d e o b s e r v a r c o m o r e c o r r e n t e na e x e c u ç ã o d e muitas o b r a s
d e s s e m e s t r e . P a r e c e q u e se p e r d e u a t r a d i ç ã o d e s s a o b r a .
Particularmente d e s a g r a d a v e l s o o u - m e u m c o r o e m ré maior,
e m q u e a trivialidade dos passos dos trompetes e trompas
l e m b r a r a m - m e , e m seu m o v i m e n t o r á p i d o , certas p e ç a s para
t r o m p e t e q u e s a ú d a m , da t o r r e e m K a r l s b a d , o s h ó s p e d e s
q u e c h e g a m para o b a n h o .
A e x e c u ç ã o da o b r a - p r i m a d e M o z a r t nada d e i x o u a d e s e j a r ;
t o d o s os talentos a m b i c i o n a v a m recepcionar, c o m
d i g n i d a d e , o e s t r a n g e i r o M o z a r t n e s s e n o v o m u n d o . Essa
p r i m e i r a t e n t a t i v a f o i , e m t o d a s as p e r s p e c t i v a s , t ã o
s a t i s f a t ó r i a q u e se e s p e r a n ã o ser a última d e s s a e s p e c i e .
1820.
J u n h o . N Q 29."

Estas p a l a v r a s s o b r e o i n t é r p r e t e v a l e m c o m o a p r e c i a ç ã o
d o artista. N ã o s o m e n t e a o c o m p o s i t o r o s c o m e n t á r i o s e r a m
dirigidos, mas a apreciação dignifica-o, partindo d e um músico
q u e soubera apreciar a apresentação da obra d e Mozart por um
músico brasileiro.
S e g u e e m nota 2 3 1 a transcrição d o original a l e m ã o , p u b l i c a d o
n o a n o s e g u i n t e n o AllgemeineMuzikalische Zeitung (20 de julho
d e 1820, n. 2 9 ) .
A m ú s i c a s i n f ó n i c a n ã o tinha v o z i n d i v i d u a l i z a d a n u m a
c i d a d e q u e dispunha d e outras orquestras, todas f u n c i o n a n d o a
s e r v i ç o da c o r o a : a da R e a l C a p e l a e a da R e a l C â m a r a . E a d o
Real T e a t r o S ã o J o ã o . L e v e - s e esta e m c o n t a para tentar
compreender por que Marcos Portugal — que tão
e x u b e r a n t e m e n t e usou d e seu talento para o g é n e r o f a z e n d o o u v i r
suas o b r a s n o s p a í s e s e u r o p e u s — f o i t ã o p a r c i m o n i o s o na
a p r e s e n t a ç ã o d e o b r a s suas n o Real T e a t r o . S o m e n t e d u a s ó p e r a s
d e M a r c o s P o r t u g a l f o r a m à c e n a na c i d a d e e m q u e p a s s o u o s

144
José Maurício Nunes Garcia biografia

últimos d e z e n o v e anos de vida. A e x p l i c a ç ã o mais p r o v á v e l


p a r e c e ser a p o u c a c o n f i a n ç a n o s r e c u r s o s artísticos d o T e a t r o .
A a v a l i a ç ã o da o r q u e s t r a n ã o p o d e p r e s c i n d i r d e d u a s
i n f o r m a ç õ e s : Simão Portugal, c a n d i d a t o a organista n o T e a t r o ,
i n f o r m a e m m a r ç o d e 1813 q u e a o r q u e s t r a n ã o e s t a v a a i n d a
organizada. Os anos de funcionamento não permitem supor que
se tivesse f o r m a d o u m c o n j u n t o n o t á v e l — c o m o o da Real Câmara
— e x c l u s i v o e e s t á v e l para u m t e a t r o d e ó p e r a c u j o r e p e r t ó r i o ,
a l é m d e ó p e r a , a p r e s e n t a v a b a i l a d o s , farsas e as i n d e f e c t í v e i s
ouvertures. A outra f o i d a d a p o r d o i s p r u s s i a n o s e m visita a o R i o
d e J a n e i r o e m 1819, já transcrita e m c a p í t u l o a n t e r i o r .
S u r p r e e n d e a a t u a l i z a ç â o d o r e p e r t ó r i o o p e r í s t i c o n o Real
T e a t r o , n ã o o b s t a n t e as d i f i c u l d a d e s a p o n t a d a s . O s i t a l i a n o s
c o n t i n u a v a m e m c e n a : Puccitta, F e r d i n a n d o Paèr, P i e t r o G e n e r a l i .
T a m b é m M o z a r t é o u v i d o e m 1820. N e c e s s á r i o s a b e r d e q u e
m a n e i r a s e r i a m a p r e s e n t a d a s , uma v e z q u e essas ó p e r a s e x i g i a m
o r q u e s t r a e c a n t o r e s d e q u a l i d a d e , c o m o a d o c o m p o s i t o r italiano
q u e representava, n o m o m e n t o , o mais estrondoso sucesso d o
g é n e r o o p e r í s t i c o : G i o a c c h i n o R o s s i n i ( P e s a r o , 1792 — Paris,
1868).
P o d e - s e dizer que o p ú b l i c o d o Rio d e Janeiro rendeu-se
d e i m e d i a t o à arte d o c o m p o s i t o r q u e a Gazeta c h a m o u u m dia
d e " i m o r t a l R o s s i n i " . R e p r o d u z i a - s e n o Brasil o e n c a n t a m e n t o
c o m a a l e g r i a s a u d á v e l e a graça m e i o f á c i l da arte d o i t a l i a n o
q u e d e i x a r a m a r c a s s e n s í v e i s na o b r a d e g r a n d e s c o m p o s i t o r e s
e u r o p e u s . Aureliano in Palmira é a primeira obra rossiniana
o u v i d a n o R i o d e J a n e i r o e m 1820, n o dia 13 d e m a i o , a n i v e r s á r i o
d e D. João, e m espetáculo d e gala. O sucesso alcançado explica
s u c e d e r e m - s e ó p e r a s d e Rossini n o p a l c o d o Real T e a t r o São
J o ã o até 1823- Em 1821 La Cenerentola, ITancredi, II barbieri di
Siviglia, A italiana em Argel. O entusiasmo p e l a música d e Rossini
continuará v i v í s s i m o n o Brasil imperial c o m a e n c e n a ç ã o d e n o v a s
ó p e r a s -.Elisabeth, rainha da Inglaterra, e Adelaide de Borgonha.
N ã o f o i imediata e m José Maurício a reação positiva à
música d e Rossini, informa Porto-Alegre.232 Posteriormente
d e i x o u - s e v e n c e r — p o r u m a q u e s t ã o d e s o b r e v i v ê n c i a artística,
talvez — pela euforia contagiante, que n ã o atinge o f u n d o e a
f o r m a d e sua c r i a ç ã o c o m o a d e H a y d n o u d e M o z a r t , i n f l u ê n c i a s
d e natureza estrutural. A d o t o u o s p r o c e s s o s d e c o m p o r d e Rossini,
d e c o n d u z i r o t e m a , sua m o v i m e n t a ç ã o o r q u e s t r a l . M a s e r a m
procedimentos esporádicos.
A i n d i s c u t í v e l a ç ã o d o r o s s i n i a n i s m o na m ú s i c a d o p a d r e -
m e s t r e , r e l a t i v a m e n t e e p i s ó d i c a , c o m o um t o d o , c i r c u n s c r e v e - s e
e n t r e 1820 e 1823, a p r o x i m a d a m e n t e : Matinas da Conceição (s.d.,

145
Cleofe Person de Mattos

c. 1820), C T 174; Missa mimosa ( 1 8 2 0 ) , C T 111; Laudamus, para


s o p r a n o e c o n t r a l t o ( 1 8 2 1 ) ; Matinas de Nossa Senhora do Carmo
( 1 8 2 2 ) , C T 176 e a Missa abreviada ( 1 8 2 3 ) , C T 112. Estas a c u s a m
e m grau m a i o r o u m e n o r a influência d o c o m p o s i t o r italiano.
A temática rossiniana utilizada p e l o compositor brasileiro
a p r o x i m a - s e mais d e uma citação d o que d e um p l á g i o .
S u r p r e e n d e o q u e o c o r r e c o m as Matinas do Carmo, p o r tratar-
se d e u m d o s m a i s c o n h e c i d o s m o t i v o s d e Rossini, 2 3 3 c i t a d o ipsis
litteris e m d e z c o m p a s s o s .
A s o b r a s d a t a d a s d e 1820, r e g i s t r a d a s n o s c a t á l o g o s d e
Maciel e Vasco mostram q u e a p r o d u ç ã o d o mestre-de-capela
n ã o era m u i t o v o l u m o s a . T r ê s o b r a s se c o n h e c e m : Credo em Ré
Maior, 3/4, p a r a v o z e s e ó r g ã o ( C T 127), o s a l m o Laudatepueri
p a r a as v é s p e r a s d o E s p í r i t o S a n t o ( o r q u e s t r a ç ã o d e o b r a
c o m p o s t a e m 1815), e a já c i t a d a Missa mimosa.2*
N e s s e m e s m o a n o , u m a nota i n é d i t a m a s já u l t r a p a s s a d a
n o t e m p o e m t o r n o d o c o m p o s i t o r d e u m país l o n g í n q u o , o Brasil,
d e v e t e r c a u s a d o e s p a n t o a o s q u e a l e r a m , na c i d a d e d e V i e n a ,
n o jornal Allgemeine Muzikalische Zeitung: o artigo q u e um
c o r r e s p o n d e n t e publicava s o b r e José Maurício N u n e s Garcia, q u e
dirigira, e m 19 d e d e z e m b r o d e 1819, o g e n i a l Requiem d e M o z a r t .
A Gazeta do Rio de Janeiro encarregou-se de trazer
n o v i d a d e s para os habitantes da cidade, c o m o o a p a r e c i m e n t o
da pianola, anunciando a v e n d a de um " e x c e l e n t e p i a n o q u e
t o c a p o r si d i f e r e n t e s m ú s i c a s " .
I n d í c i o d e p r e o c u p a ç ã o cultural c o m o q u e s e p a s s a v a n o
Brasil é a n o t í c i a e m 15 d e j u n h o d e 1820 s o b r e a i m p r e s s ã o da
" N o t í c i a histórica da v i d a d e H a y d n , d o u t o r e m M ú s i c a " . O t e x t o ,
da a u t o r i a d e H e n r y L e b r e t o n , o r i g i n a - s e d e u m a c o n f e r ê n c i a
f e i t a p e l o c h e f e da M i s s ã o F r a n c e s a e m 6 d e o u t u b r o d e 1810 na
E u r o p a ; f o i t r a d u z i d a p a r a o p o r t u g u ê s p o r B a l t a z a r d a Silva
Lisboa, q u e o f e r e c e u o seu trabalho a Sigismund N e u k o m m . O
v o l u m e , c o m d a t a d e 1820 na I m p r e s s ã o R é g i a , t e m a d i s t i n g u i -
l o o f a t o d e ter s i d o o p r i m e i r o l i v r o s o b r e a s s u n t o m u s i c a l
p u b l i c a d o n o Brasil.
A Gazeta a n u n c i a v a a i n d a , m a n t i d a c o n t i n u a d a m e n t e e m
c o n s e c u t i v o s n ú m e r o s d o m e s m o p e r i ó d i c o , a Viola de Lereno,
o u Coleção de diversas modinhas d o padre Caldas Barbosa.
Em j u l h o d e 1820 d e s a p a r e c e u o d u q u e d e B e r r y , f i l h o
d e C a r l o s X, da França. P o r o r d e m d e Maier, c ô n s u l - g e r a l da
F r a n ç a n o B r a s i l , as e x é q u i a s r e a l i z a m - s e na C a p e l a R e a l , e m
c e r i m ó n i a s o l e n e . C o m p r o v o u - s e mais uma v e z o p r e s t í g i o d e
J o s é M a u r í c i o j u n t o a o s f r a n c e s e s : as m ú s i c a s e s c o l h i d a s f o -
r a m o Ofício de defuntos, d e T e o d o r o C i r o , e a Missa d o p a d r e

146
José Maurício Nunes Garcia biografia

J o s é M a u r í c i o . A i n f o r m a ç ã o da Gazeta n ã o d i z q u a l a missa
n e m se f o i c o m p o s t a p a r a o a t o .
O 7 d e m a r ç o , a n u a l m e n t e f e s t e j a d o na R e a l C a p e l a d e s d e
1809, f o i a i n d a c o m e m o r a d o e m 1820. C u m p r i a , p o r é m , u m a
rotina prestes a extinguir-se.
A c i d a d e n ã o estava tranquila. A a c l a m a ç ã o d o rei e
s u b s e q u e n t e c o r o a ç ã o , r e a l i z a d a e m terras d i s t a n t e s d o v e l h o
P o r t u g a l , e m p a í s q u e já e r a R e i n o U n i d o , i n q u i e t a v a o s
portugueses q u e p e r m a n e c i a m n o reino. A c o n c e n t r a ç ã o das
figuras máximas da administração d o país e m outro continente,
da n o b r e z a , da f a m í l i a r e a l , i n c l u s i v e o h e r d e i r o da c o r o a , t u d o
e s t i m u l a v a a p r e o c u p a ç ã o d o s p o r t u g u e s e s na E u r o p a c o n t r a a
p e r m a n ê n c i a da c o r t e n o Brasil. P r i n c i p i a v a a a g i t a ç ã o d a s c o r t e s
p e l a v o l t a da f a m í l i a real p a r a L i s b o a . O a p e g o d o r e i à terra
o n d e d e s d e 1808 p u d e r a d e s f r u t a r o s d i a s m a i s s o s s e g a d o s d e
sua v i d a r e t a r d a v a e s s e m o m e n t o . N ã o o c o n s e g u i r i a p o r m u i t o
tempo.
N o m u n d o n o v o a que a presença de D. João dera impulso
inconteste, a população explodira não só de portugueses c o m o
de filhos d o s portugueses, e súditos das " n a ç õ e s amigas".
T r a n s f o r m a r a - s e t a m b é m c o m as n o v a s c o n s t r u ç õ e s l e v a n t a d a s à
l u z d e u m a e s t é t i c a n o v a o a s p e c t o f í s i c o da c i d a d e . Já n ã o era a
mesma cidade colonial q u e o príncipe encontrara a o aportar n o
Rio d e Janeiro. T a m b é m o brasileiro, c o m p r i m i d o pelas forças
da n a ç ã o p o r t u g u e s a q u e e x e r c i a m o p o d e r c o m a i m p e r t i n ê n c i a
e o s p r i v i l é g i o s e m d e s f a v o r d a q u e l e s q u e nesta terra h a v i a m
nascido, também esse h o m e m havia mudado. Tornara-se
c o n s c i e n t e da luta q u e o s d i v i d i a .

1821
O retorno de D.João VI a Portugal
e suas consequências

A t e n s ã o p o l í t i c a q u e há m u i t o se v i n h a m a n i f e s t a n d o nas
r e l a ç õ e s e n t r e o Brasil e P o r t u g a l a p ó s a a c l a m a ç ã o r e s u l t o u em
d e c i s ã o q u e v i r á , n o f u t u r o , t r a n s f o r m a r a estrutura p o l í t i c a do
p a í s . C e d e n d o às p r e s s õ e s d a s c o r t e s q u e e x i g e m a p r e s e n ç a do
rei o u d e s e u f i l h o D . P e d r o , d e c i d i u - s e e m abril d e 1821, em

147
Cleofe Person de Mattos

m e i o a uma a g i t a ç ã o g e n e r a l i z a d a , o r e t o r n o d e D. J o ã o VI para
Portugal.
A m a n e i r a c o m o se t r a n s f o r m a r a t ã o r a p i d a m e n t e o q u a d r o
a f e t i v o e p o l í t i c o d e c o n s i d e r a r - s e a f i g u r a d o rei, a l é m das
p r e s s õ e s p o r t u g u e s a s n o r e i n o , tinha m u i t o a v e r c o m o c o n f r o n t o
d e p e r s o n a l i d a d e s . D . P e d r o , j o v e m , i m p e t u o s o , d e s t e m i d o , tinha
t o d a s as q u a l i d a d e s p a r a d e s p e r t a r a a d m i r a ç ã o e t r a n s f o r m a r - s e
e m ídolo popular; dentro em pouco, e por vontade d o povo,
d e c i d i r á f i c a r n o Brasil.
Para D . J o ã o V I , q u e a m a v a o Brasil, a terra a q u e se d e d i c a r a
para c o n s t r u i r u m n o v o país, a d e c i s ã o n ã o p o d e r i a d e i x a r d e ser
m a r c a d a p o r muita tristeza. A luta q u e s e m p r e d i v i d i u b r a s i l e i r o s
e portugueses agravara-se. Apesar de tudo quanto havia
p r o p o r c i o n a d o , D . J o ã o passou a ser visto c o m o i n i m i g o d o Brasil.
A figura d e D. P e d r o , a o contrário, crescia e m p r o g r e s s ã o oposta
à d o p a i . I n d i c a d o p r í n c i p e r e g e n t e , p e r m a n e c e u n o Brasil.
Em abril d e 1821, partia D . J o ã o V I p a r a P o r t u g a l , p e s a r o s o
p o r deixar o país convulsionado e entregue ao filho, q u e ele
sabia u m p o u c o l e v a d o p e l o s a c o n t e c i m e n t o s d o m o m e n t o .
O m u n d o afetivo do padre José Maurício ficou
p r o f u n d a m e n t e a b a l a d o c o m essa partida. Ia-se e m b o r a o a m i g o ,
o p r o t e t o r , o rei q u e l h e d a v a v a l o r . Se f o r a d i f í c i l c o n v i v e r na
C a p e l a e na c o r t e e n q u a n t o o rei p e r m a n e c e r a n o p a í s , mais
tristes t o r n a r a m - s e o s s e u s d i a s a p ó s a p a r t i d a d a q u e l e a q u e m
a p e s a r d e t u d o q u a n t o s o f r e r a , s i l e n c i o s a m e n t e , à sua s o m b r a ,
n e l e v i a a p e n a s o rei q u e a p r e c i a v a sua música. " N a q u e l e t e m p o ,
tinha à f r e n t e El Rei, e n o s o u v i d o s o s o m d e u m a o r q u e s t r a
i m e n s a e p r o d i g i o s a " , terá d i t o o c o m p o s i t o r . 2 3 5 O f i l h o c o n f i r m a :
" O s tristes d i a s d e abril d e 1821 ( . . . ) t i v e r e m e c o b e m triste n o
c o r a ç ã o d e m e u Pai". 2 3 6
Será t a l v e z o m o m e n t o d e a v a l i a r o a l c a n c e da p r o t e ç ã o
d i s p e n s a d a p e l o rei a o s e u m e s t r e - d e - c a p e l a . S e m d ú v i d a , D .
J o ã o e s t i m a v a - o e a p r e c i a v a sua o b r a . P r o p o r c i o n o u - l h e
b e n e f í c i o s : d e f e n d e r a s e u i n g r e s s o na C a p e l a Real, r e c o m e n d a r a
a o S e n a d o o a u m e n t o d o v a l o r d e suas a r r e m a t a ç õ e s , c o n c e d e r a
p e n s ã o d e c r i a d o particular — q u e c a b i a a o s c a p e l ã e s — e , n u m
i m p u l s o d e e n t u s i a s m o , c o n d e c o r a r a - o c o m a O r d e m d e Cristo.
Mas t a m b é m e s m a g a v a - o c o m os trabalhos d e c o m p o s i ç ã o
para a Capela, s e m p r e o c u p a r - s e e m r e m u n e r á - l o p o r esse
trabalho sem medida, n e m incluí-lo nos aumentos p e r i ó d i c o s
a t r i b u í d o s a o s s e u s músicos. 2 3 7
N o s trabalhos que lhe eram atribuídos c o m obras
i m p o r t a n t e s n o p e r í o d o 1808-1811, e mais t a r d e p a r a a F a z e n d a
d e Santa C r u z , D . J o ã o , " a c o s t u m a d o a o s m i l a g r e s d a m u s a d o

148
José Maurício Nunes Garcia biografia

n o s s o artista, já n ã o m e d i a o t e m p o , s ó m a r c a v a o t é r m i n o " . 2 3 8
J o s é M a u r í c i o n ã o a s s o c i a v a à f i g u r a d o rei a da a u t o r i d a d e q u e
l h e havia d i t o , t a l v e z c o m estranheza: " O P a d r e n ã o p e d e nada...",
a q u e e s t e r e s p o n d e r a , c u r v a n d o - s e e b e i j a n d o - l h e as m ã o s :
" Q u a n d o V o s s a M a j e s t a d e e n t e n d e r q u e e u m e r e ç o , m e dará". 2 3 9
N ã o se d a v a c o n t a J o s é M a u r í c i o q u e e l e era u m g r a n d e m ú s i c o ,
v i v e n d o h u m i l h a d o na C a p e l a R e a l a o a l c a n c e d e s e u s o l h o s ,
m a s d e s l i g a d o d e sua b e n e m e r ê n c i a .
S i t u a ç õ e s i m p i e d o s a s c r i a d a s e m t o r n o d e sua v i d a c o m o s
músicos, facilmente evitáveis a um gesto mais atento d e D. J o ã o
n ã o i m p e d i r a m a J o s é M a u r í c i o c o n s i d e r a r o rei " a q u e l e q u e m e
e s t i m a v a d e v e r a s e d a v a v a l o r à m i n h a o b r a " . Essa d e v o ç ã o p o r
q u e m n ã o o livrara da sanha d o s c a n t o r e s e m i n i s t r o s b e m c o m o
d o s " S e n h o r e s " d o S e n a d o da Câmara era, na v e r d a d e , u m a
demonstração de humildade afetiva.
Se a v i n d a d a c o r t e p o r t u g u e s a p r o v o c o u p r o b l e m a s
e c o n ó m i c o s para a v i d a d o s h a b i t a n t e s d o R i o d e J a n e i r o , a saída
f o i mais desastrosa ainda, e m c o n s e q u ê n c i a da retirada d o capital.
O estado calamitoso das finanças d o país, à beira d e um c o l a p s o
na v i d a musical, p r e j u d i c o u e n o r m e m e n t e o e s p l e n d o r da C a p e l a .
C o m a saída d o rei, da c o r t e , da alta a d m i n i s t r a ç ã o da c o r o a ,
f i c a v a m v a z i o s o s c o f r e s d o B a n c o d o Brasil.
A Capela Real f o i a g r a n d e vítima desse r e t o r n o c o l e t i v o .
N ã o s ó o brilho das cerimónias f o i atingido c o m o a própria
r e a l i z a ç ã o musical s o f r e u e m r a z ã o das d i f i c u l d a d e s q u e n ã o mais
p e r m i t i a m a e n c o m e n d a d e obras n o v a s para a r e n o v a ç ã o d o
repertório.
Ficara d i f í c i l a o p a í s m a n t e r a p o m p a q u e c a r a c t e r i z a v a as
f e s t a s na C a p e l a R e a l . P a r a m e n t o s p r e c i o s o s r e t o r n a r a m a
P o r t u g a l , assim c o m o p e ç a s d e o r n a m e n t o da C a p e l a — o
a p o s t o l á r i o d e prata — t i r a n d o a m a j e s t a d e da sua a p a r ê n c i a .
D e s a p a r e c e u , p o r f i m , u m d o s mais i m p o r t a n t e s a s p e c t o s s o c i a i s
d a s c e r i m ó n i a s : c a n t a r para o r e i . P r i n c i p i a v a a d e c a d ê n c i a da
C a p e l a R e a l . Durara 13 a n o s . T o r n o u - s e s o m b r i o o a m b i e n t e q u e
fora cenário, o p a l c o — ou a arena, c o m o dizia M o n t e A l v e r n e
— o n d e visitantes estrangeiros se e s p a n t a v a m c o m o n í v e l artístico
das r e a l i z a ç õ e s musicais e sobre elas e s c r e v i a m e x p r i m i n d o o
seu entusiasmo. U m a n o mais tarde, e m p r o v i s ã o , lamentará o
b i s p o " n ã o ser m a i s p o s s í v e l c e l e b r a r e m - s e o s o f í c i o s d i v i n o s
c o m o m e s m o r i g o r d e f o r m a e r e s i d ê n c i a e s o l e n i d a d e d e cantoria
c o m o f o r a d e sua p r i m e i r a i n s t i t u i ç ã o " .
A o p a r t i r para P o r t u g a l , D . J o ã o p r e s e n t e a r a o p a d r e J o s é
M a u r í c i o c o m u m a t a b a q u e i r a q u e tinha o s e u r e t r a t o c e r c a d o d e
brilhantes. 2 4 0 U m p o u c o a n t e s , i m p u l s i o n a d o t a l v e z p e l o s e u

149
Cleofe Person de Mattos

i n s t i n t o d e d i p l o m a t a q u e l h e f i z e r a sentir a h o r a d a r e t i r a d a ,
S i g i s m u n d N e u k o m m d e i x o u o Brasil. T i n h a f i m o d i á l o g o d e
quase cinco anos entre pessoas q u e falavam a mesma linguagem,
q u e n ã o d e i x a r a passar a o p o r t u n i d a d e d e f i r m a r u m t e s t e m u n h o
d e a d m i r a ç ã o p e l a sua p e s s o a e p e l a sua o b r a . U m a i n f o r m a ç ã o
d e N e u k o m m a P o r t o A l e g r e , e m Paris, n o a n o d e 1853, d i z
r e s p e i t o a u m e v e n t o q u e se p r e p a r a v a n o R i o d e J a n e i r o a o q u a l
estava l i g a d o o p a d r e J o s é Maurício: a a p r e s e n t a ç ã o d e A Criação,
d e H a y d n . N ã o s e p o d e a f i r m a r haja s i d o l e v a d o a t e r m o tal
a p r e s e n t a ç ã o — c o m o já f o i d i t o — e m vista d a s d i f i c u l d a d e s e m
q u e v i v i a o país. O e n t u s i a s m o p e l a o b r a d e H a y d n terá
d e s p e r t a d o e m José Maurício, porém, a idéia de c o m p o r d o i s
s a l m o s " a r r a n j a d o s s o b r e a l g u n s m o t i v o s da g r a n d e o b r a d a
C r i a ç ã o d o M u n d o d o I m m o r t a l H a y d n e o f f e r e c i d o a o Sr. J o ã o
d o s R e i s p e l o s e u a u t o r " . É o q u e e s c l a r e c e o título, q u e p a r e c e
uma f o r m a d e c o m p e n s a ç ã o a o i m p e d i m e n t o d e levar a obra d e
Haydn.
A l é m d o s salmos sobre m o t i v o s d e Haydn, José Maurício
c o m p ô s u m Laudamus avulso e m dueto d e soprano e contralto.
A o r q u e s t r a é p e q u e n a ( d u a s clarinetas, d u a s t r o m p a s , c o r d a s ) , a
l i n g u a g e m é v i v a z , b a s t a n t e d e s e n v o l t a . A p e ç a , u m Larghetto o
sia Andante sostenuto — s e g u i d o d e um Allegro moderato e
Maestoso — é p á g i n a b r i l h a n t e , m a s traz r e s q u í c i o s da i n f l u ê n c i a
q u e ainda cercava a música européia.

U m m o t i v o q u e d e s d e 1810 f r e q u e n t a a o b r a d e J o s é
M a u r í c i o , e e m 1826 será o m o t i v o p r i n c i p a l d e u m a d a s m a i s
i m p o r t a n t e s árias d a Missa de Santa Cecília, c o n t r a c e n a c o m as
r e m i n i s c ê n c i a s rossinianas q u e nesta se o u v e m . D o n d e se v ê q u e ,
a o utilizar um m o t i v o alheio, o c o m p o s i t o r n ã o abria m ã o d o
q u e r e p r e s e n t a v a u m a p a l a v r a sua, u m tema, u m a constância.Este

150
José Maurício Nunes Garcia biografia

Laudamus p o d e ter s i g n i f i c a d o u m g e s t o d e s o l i d a r i e d a d e a o
m ú s i c o , a t i n g i d o , c o m o t o d o s os o u t r o s da C a p e l a , p e l a s
d i f i c u l d a d e s d e c o r r e n t e s da falta d e m e i o s e c o n ó m i c o s para f a z ê -
lo.
O f i l h o , Dr. N u n e s Garcia, c o m e n t a p o s t e r i o r m e n t e a r e a ç ã o
d o p a i , e m f a c e da s i t u a ç ã o g e r a l . O m e s t r e - d e - c a p e l a n ã o f i c o u
a p é n a s mais triste, f i c o u " m a i s c a s e i r o e s o s s e g a d o " . S e m trabalho,
c o m a cabeça p o v o a d a por lembranças d o passado, marcado pela
tristeza da partida d e D . J o ã o e p e l a s d i f i c u l d a d e s f i n a n c e i r a s , o
p a d r e José Maurício dispôs-se a e s c r e v e r uma o b r a teórica para
o e s t u d o d e música d o s seus f i l h o s : A p o l i n á r i o José, c o m 14 a n o s ,
e o f u t u r o Dr. N u n e s G a r c i a , c o m 13. O Compêndio de música
c h e g o u a o s n o s s o s d i a s e m c ó p i a d a t a d a 1864 e o s e g u i n t e
título: 2 4 1
Compendio de Musica - e Methodo de Pianoforte - do ST P°
M" Joze Mauricio Nunes Garcia. Expressam." escripto Para o Dr.
Nunes Garcia e seu irmão Appolinario - em - 1821.
O v o l u m e , c o m p á g i n a s n u m e r a d a s d e 2 e m 2, a t i n g e 56
p á g i n a s . O Compêndio e o Método de pianoforte o c u p a m as
p r i m e i r a s 35 p á g i n a s . A s d e n ú m e r o 36 até 56 e s t ã o o c u p a d a s
c o m obra d e outro autor:
Estudos de Harmonia do Dr. Nunes Garcia— dirigidos —
pelo Sr. Romualdo Pagani sobre o Método dei Maestro Asioli.
12.1.1864.
L i m i t a d o a g u i a r o e s t u d o d o s f i l h o s , o Compêndio tem
p r e t e n s õ e s modestas. Embora o Dr. N u n e s Garcia a f i r m e n o s
Apontamentos biográficos q u e o p a i n ã o o teria e s t i m u l a d o a
seguir a carreira de músico, o s dois filhos tiveram atividade
m u s i c a l . A p o l i n á r i o era o r g a n i s t a ; e m 1824 t o c a v a na i g r e j a d a
L a m p a d o s a . O Dr. N u n e s G a r c i a , d e q u e m já f o i d i t o ter d e i x a d o
u m v o l u m e d e c o m p o s i ç õ e s intitulado Mauricinas— t r e c h o s para
p i a n o , p i a n o e canto, valsas, c a n ç õ e s , r o m a n c e s — até u m a missa,
ensinava música e p i a n o e tocava ó r g ã o e m várias igrejas d o Rio
d e Janeiro: Sacramento, São Francisco d e Paula, para ajudar o
pai q u a n d o este f i c o u s e m recursos.
O Compêndio de Música busca p r o p o r c i o n a r o i n d i s p e n s á v e l
a p o i o à prática musical. A s E n t o a ç õ e s s ã o e x e r c í c i o s i n t r o d u t ó r i o s
a o e s t u d o d o s o l f e j o , c o m a c o m p a n h a m e n t o d e p i a n o . Insiste na
d i v i s ã o r í t m i c a da m ú s i c a . A i n i c i a ç ã o a o i n s t r u m e n t o — Método
de pianoforte — l e v a as m ã o s d o s a l u n o s a o t e c l a d o , e é
c o m p l e t a d o c o m o d e d i l h a d o nas e s c a l a s m a i o r e s e m e n o r e s .
Em t o d o s o s p o n t o s , a p r á t i c a a c o m p a n h a d e p e r t o a t e o r i a .
J o s é M a u r í c i o v a l o r i z a sua o b r a t e ó r i c a c o m p e q u e n o s
trechos v i s a n d o familiarizar os f i l h o s c o m a p r o g r e s s i v a

151
Cleofe Person de Mattos

d i f i c u l d a d e pianística. São t r e c h o s e x t r a í d o s d e o b r a s suas


c o l h i d a s a q u i e acolá a o s a b o r d e suas p r e f e r ê n c i a s , o u r e c o r r e n d o
a o u t r o s c o m p o s i t o r e s : H a y d n , Rossini, Mozart. É c h e g a d o o
m o m e n t o d o c o m p o s i t o r , c r i a n d o l i v r e m e n t e as Lições ( 1 2 ) . as
Fantasias ( 6 ) e três Variações.
U m c o n f r o n t o entre a " a l e g o r i a " criada p e l o Dr. N u n e s
G a r c i a e i m p r e s s a n a s Mauricinas ( 1 8 5 1 ) , e a data da c ó p i a d o
Compêndio ( 1 8 6 4 ) f a z c r e r n ã o seja o r i g i n a l o t í t u l o d a d o a o
Compêndio de música. O f i l h o registra:

Elementos d'Arte da Música


Compêndio de Harmonia
Método Prático para Piano
Regras de Acompanhamento

O Tratado de harmonia, assim c o m o o d e Contraponto,


a m b o s escritos nos últimos t e m p o s de vida, desapareceram d e
sua casa n o dia d o s e u f a l e c i m e n t o , s e g u n d o e s c r e v e M a n u e l d e
Araújo Porto-Alegre. Junto c o m esses v o l u m e s , acrescenta o
m e s m o a u t o r , d e s a p a r e c e u i g u a l m e n t e u m a f o l h a d e p a p e l na
qual estava traçado "um círculo m o v e d i ç o n o qual estavam
m a r c a d o s t o d o s os tons q u e , m o v i d o e m qualquer sentido q u e
f o s s e , apresentava e m roda um sistema c o m p l e t o d e h a r m o n i a " .
Esses t e s t e m u n h o s a u m e n t a m a p o s s i b i l i d a d e d e n ã o ser o
Compêndio de música e o Método de pianoforte os únicos
t r a b a l h o s t e ó r i c o s d o p a d r e J o s é Maurício. 2 4 2
N ã o t e r m i n a r á o a n o 1821 s e m q u e a f r a c a e c o n o m i a d o
p a d r e - m e s t r e s o f r a o p r i m e i r o e m b a t e d e n t r e o s v á r i o s q u e terá
d e s u p o r t a r a t é o f i m da v i d a . F a c e às d i f i c u l d a d e s q u e e s t a v a
a t r a v e s s a n d o , c o m vistas à c o n t e n ç ã o d e d e s p e s a s , D . P e d r o
d e t e r m i n o u q u e o s b e n e f í c i o s c o n c e d i d o s p e l o g e s t o liberal d e
D. João VI fossem diminuídos.
A m e d i d a , d e c i d i d a abruptamente, causou i m p a c t o : D . P e d r o
e l a b o r o u uma r e l a ç ã o d e n o m e s d e p e s s o a s q u e g o z a v a m desse
b e n e f í c i o . P ô s a o l a d o a importância q u e lhes caberia para o
f u t u r o . E s c l a r e c e , p o r é m , q u e teriam p e r d i d o o b e n e f í c i o a q u e l a s
p e s s o a s c u j o s n o m e s n ã o e s t i v e s s e m i n c l u í d o s na dita r e l a ç ã o .
Seguir-se-iam outras relações, c o m outros n o m e s .
A p r i m e i r a r e l a ç ã o incluía, e n t r e o u t r o s n o m e s , o d e M a r c o s
P o r t u g a l , q u e f i c o u c o m 305$000; o c ó n e g o E l e u t é r i o J o s é F e r r ã o ,
c o m 100$000, e A n a s t á c i o da M a d r e d e D e u s ( e n c r e s p a d o r d a
C a p e l a ) c o m 200$000.
O n o m e d e José Maurício n ã o constou dessa primeira
r e l a ç ã o , n e m d a s s e g u i n t e s . Era o sinal d e q u e l h e f o r a retirada a

152
José Maurício Nunes Garcia biografia

r a ç ã o d e c r i a d o p a r t i c u l a r q u e l h e era d a d a para a l i m e n t a ç ã o ,
c o n c e d i d a e m 1809 p o r D . J o ã o V I , r a ç ã o c o n v e r t i d a e m 32$000
m e n s a i s p o r n ã o s u p o r t a r a i n s o l ê n c i a c o m q u e era s e r v i d o na
U c h a r i a . Para o m e s t r e - d e - c a p e l a s i g n i f i c a v a ter d e v i v e r c o m
m a i o r d i f i c u l d a d e , s i t u a ç ã o d e q u e n ã o sairá j a m a i s .
A s medidas administrativas q u e D. P e d r o tomou, posteriormente,
demonstram q u e nada era d e c i d i d o a o acaso. A d e c i s ã o ú n i c a tinha
p o r o b j e t i v o d i m i n u i r o s g a s t o s p ú b l i c o s , m a s f a z i a - o s arbitrária
e i n c o n s e q u e n t e m e n t e , s e g u n d o seu p r ó p r i o f e i t i o . P r e m i a v a o u
d e f e n d i a p e s s o a s às q u a i s o p a í s n a d a d e v i a , o u n ã o t i n h a m u m
passado d e serviços prestados à música, à Capela, a o rei. Nesse
p o n t o , D . P e d r o d e m o n s t r a total d e s a p r e ç o p e l o v e l h o p a d r e -
m e s t r e . Trinta a n o s m a i s tarde, o Dr. N u n e s Garcia m o s t r a v a q u ã o
v i v o era o s e u r e s s e n t i m e n t o d i a n t e dessa injustiça, e e s c r e v i a
a o e n s e j o d a i n a u g u r a ç ã o da estátua d e D. P e d r o n o R o c i o : " O h !
essa estátua e q u e s t r e n ã o m e fará c o m e m o r a r o r e i n a d o d e u m
p r í n c i p e q u e tão surdo f o i aos g e m i d o s d e um v e l h o servidor d e
s e u pai." 2 4 5
Carregando dificuldades políticas e económicas, o país
c u m p r i a m a r c h a direta p a r a t o r n a r - s e i n d e p e n d e n t e d e P o r t u g a l .
A v o l u m a v a m - s e o s atritos e n t r e b r a s i l e i r o s e p o r t u g u e s e s , q u e
e m 1822 se t o r n a r ã o i n t r a n s p o n í v e i s .

153
Terceira parte
(1822-1830)
1822
A carta documento de
José Maurício a D. Pedro I

A a g i t a ç ã o p o l í t i c a tomara conta da c i d a d e e n ã o se
aquietara c o m o retorno d o rei para Portugual. A luta entre
brasileiros e portugueses ainda não havia terminado. N o m e a d o
príncipe regente, D. P e d r o transformou-se n o í d o l o que as suas
qualidades políticas souberam explorar até nova crise, n o v e anos
mais tarde, que determinará o seu afastamento d e f i n i t i v o d o
Brasil.
A o m e s m o t e m p o que esses acontecimentos o e n v o l v e m , o
príncipe encontrava a oportunidade d e dar forma concreta à sua
p a i x ã o pela música, sempre manifestada. 2 4 4 C o i n c i d e o p e r í o d o
intenso de sua criação musical com o í m p e t o e o destemor de
suas atitudes.
Continuavam as expansões de nacionalismo entre brasileiros
e portugueses. A agitação nas ruas entrara nos teatros. O Real
Teatro transformara-se em tribuna para manifestações partidárias
d e r e g o z i j o ou de o p o s i ç ã o . O s acontecimentos se precipitavam.
Multiplicava-se a produção de hinos com títulos sugestivos: A
pátria desoprimida I, Portugueses venturosos. T e x t o s e m q u e os
c o m p o s i t o r e s n ã o deixam nenhuma dúvida sobre o d e s e j o de
independência, c o m o será o hino d e Evaristo da Veiga: fá podeis,
filhos da pátria, cantado em São Paulo à época da Independência
por d o i s c o m p o s i t o r e s q u e utilizaram o m e s m o texto: Marcos
Portugal e o p r ó p r i o D. P e d r o . O h i n o d o futuro imperador terá
a c o n s a g r a ç ã o grata d o s b r a s i l e i r o s e m t e m p o s n ã o m u i t o
longínquos.
D. P e d r o não via, aliás, outra alternativa: sua obstinação
n o c a m i n h o que determinara para si passava pela independência
d o Brasil.
A situação financeira desencadeada d e s d e os primeiros
m e s e s d e seu g o v e r n o e x i g i a m m e d i d a s d e c o n t e n ç ã o d e
despesas. Em certos casos estas eram impiedosas porque atingiam
classes e m p o b r e c i d a s . O m e i o musical, prejudicado c o m a saída
d o s músicos q u e acompanharam D. J o ã o para Portugal, t e v e as
atividades da Real Capela reduzidas por outro alvará, de 17 d e
m a i o de 1822, q u e lhes diminuiu a importância, limitando à
m e t a d e os o r d e n a d o s dos seus músicos.
D. P e d r o , c o n q u a n t o entranhadamente músico, possuía
t e m p e r a m e n t o impetuoso. Suas c o m p o s i ç õ e s , o n d e p r e d o m i n a m
os hinos, refletem, aliás, esse a s p e c t o de sua natureza, p o u c o

157
Cleofe Person de Mattos

s e n s í v e l à i n t i m i d a d e e a o r e c o l h i m e n t o . N ã o se c o m p r e e n d e ,
p o r isso, t o m a s s e m e d i d a s contrárias a o q u e f o r a o m a i s b r i l h a n t e
c e n t r o d e r e a l i z a ç õ e s musicais d o Brasil até essa é p o c a , r e d u z i n d o
à m e t a d e o s v e n c i m e n t o s d e seus músicos, e ainda assim d e i x a n d o
d e p a g a r essa m e t a d e . A s d i f i c u l d a d e s a t i n g e m a t o d o s .
N e s s a o c a s i ã o r e u n i r a m - s e o s m ú s i c o s da C a p e l a R e a l e
solicitaram a D . P e d r o q u e lhes f o s s e m saldados os atrasados
p a r a se l i v r a r d e tal c o n s t r a n g i m e n t o . O s s a l á r i o s d o s m ú s i c o s da
Real Câmara, i g u a l m e n t e atingidos, r e v e l a m - s e n o p e d i d o a D.
P e d r o p a r a q u e p a s s e m a ser p a g o s p e l a f o l h a da R e a l C a p e l a ,
q u e e l e s a l e g a m ser " i n t e i r a m e n t e p a g o s " . 2 4 5
O t e s o u r e i r o da R e a l C â m a r a p r e o c u p a d o c o m a s i t u a ç ã o
e m q u e f i c a r i a m a q u e l e s q u e s ã o a o m e s m o t e m p o da C â m a r a e
d a C a p e l a — J o s é F e r n a n d e s da T r i n d a d e , A l e x a n d r e B a r e t , J o s é
M o s m a n n , L e o n a r d o da M o t a e o o r g a n e i r o A n t ô n i o J o s é d e A r a ú j o
— requerem a D. Pedro que despachou a 3 d e outubro: " C o b r e m
o o r d e n a d o d a C â m a r a e a g r a t i f i c a ç ã o da C a p e l a p e l a f o l h a d a
dita." 2 4 6
O p a d r e J o s é M a u r í c i o e n v e l h e c i a . Estava m a i s c a n s a d o e
mais d o e n t e . N ã o m u i t o distante d o dia e m q u e n ã o mais
r e c o n h e c e r á suas p r ó p r i a s c o m p o s i ç õ e s . 2 4 7 É n e s s e m o m e n t o q u e
o mestre-de-capela, em grande penúria, s e m receber, c o m o os
o u t r o s m ú s i c o s , o s u f i c i e n t e para v i v e r , d i r i g e - s e a D . P e d r o , e
n u m a c o m o v e n t e e x p o s i ç ã o , c o m s i m p l i c i d a d e m a s c o m tristeza,
c o n t a a história d o s e u tributo d e t r a b a l h o à c i d a d e , à Sé, à C a p e l a
R e a l . S o l i c i t a , p o r f i m , a t í t u l o d e r e m u n e r a ç ã o p e l a aula d e
m ú s i c a , há q u a s e 28 a n o s e m f u n c i o n a m e n t o , l h e seja c o n c e d i d o
o e q u i v a l e n t e da r a ç ã o q u e l h e d e r a D . J o ã o e m 1809, r e t i r a d a
e m f i n s d e 1821.
N e s s e d o c u m e n t o , d o l o r o s o , p u n g e n t e m e s m o , mas
v e r d a d e i r o , historia t o d a a sua v i d a f u n c i o n a l , t o d a e l a v o l t a d a
p a r a o s i n t e r e s s e s da m ú s i c a e d a C a p e l a R e a l na carreira d e
servidão q u e escolhera — o curso d e música e a f u n ç ã o d e
arquivista — e alude à d o e n ç a que, p o r e x c e s s o d e trabalho,
d e i x o u - o " d e t e r i o r a d o " até o p r e s e n t e .
N o d e s e n v o l v i m e n t o da carta p e r c e b e - s e q u e D . P e d r o já
e m p e n h a r a sua p a l a v r a d e q u e daria o e q u i v a l e n t e da r a ç ã o " p o r
o u t r o título". A transcrição d e s s e lancinante d o c u m e n t o v a l e c o m o
um depoimento biográfico:

" O P e . M e s t r e J o s é M a u r i c i o N u n e s G a r c i a actual M c da R.
C a p e l a s e r v e n e s t e l u g a r q u a s i a v i n t e e o i t o a n n o s , a saber,
m a i s d e t r e z e na Sé; a m a i s d e q u a t o r z e na R. C a p e l a : o
O r d e n a d o d e s e i s c e n t o s m i l r.s q u e o S u p p c t e m , h e c o m o

158
José Maurício Nunes Garcia biografia

C o m p o s i t o r , s e r v i n d o gratuitamente e m outras o c c u p a ç o i n s ,
d e q u e S.M. o e n c a r r e g a v a , e v e m aser: Servia e a i n d a s e r v e
d e A r c h i v i s t a . S é r v i o q u a s i t r e z a n n o s d e O r g a n i s t a ; era
o C o n t a d o r e p a g a d o r d e t o d a a O r q u e s t r a , q u e se c h a m a v a
d e f o r a a l é m d o s M u z i c o s da R. Camara p a r a as Festas da
R . C a p e l a , o q u e l h e c u s t a v a in m e n ç o t r a b a l h o ; o m e s m o
lugar d e Mc. d e C a p e l a ou R e g e n t e das M u z i c a s e x e r c i a - o
s e m q u e e x i g i c e d e S.M. p r o d u t o a l g u m d e suas f a d i g a s .
A l é m d i s t o t e v e , e t e m h u m a aula p u b l i c a d e M u z i c a H á
quazi vinte e oito annos, d a n d o Liçoins a m o c i d a d e q u e
c o m e l l e q u e r a p r e n d e r esta A r t e ; o S u p p e d e dia e d e n o i t e
t r a b a l h o u s e m p r e c o m e x a c t i d ã o nas c o m p o s i ç o i s q u e S.M.
l h e m a n d a v a f a z e r p a r a as F u n ç o i n s da R . C a p e l a a n t e s
e d e p o i s d e chegar o Archivo d e Muzica d e Queluz, d o que
l h e r e s u l t o u f i c a r d e t r i o r a d o nasua s a ú d e a t h e o p r e z e n t e ;
v i o e m t o d o este t e m p o serem augmentados muitos Muzicos
d o C o r o da R . C a p e l a p o r d u a s o u t r a z v e z e s , e o S u p p c s e m
a u g m e n t o a l g u m , p o r n ã o q u e r e r e m c o m o d a r a S.M., c o m o
V . A . R . b e m o s a b e ; o b t e v e h u m a R a ç ã o inteira d e C r i a d o
particular, q u e avaliada p e l o p r e ç o d o s g e n e r o s d a q u e l e
t e m p o m o n t a v a a o u t r o s s e i s c e n t o s m i l r 5 .: esta R a ç ã o , f o i -
l h e tirada e m D e z e m b r o d o a n n o p r o x i m o p a ç a d o e h á sette
m e z e s q u e o S u p p c s o f r e nas n e c e s s i d a d e s p o r esta C a u s a :
e c o m o V . A . R . p e l a Sua b o n d a d e se d i g n o u d a r - l h e asua A .
palavra d e q u e daria o e q u i v a l e n t e da R a ç ã o p o r o u t r o título,
portanto.

P.a V . A . R . q u e i r a f a z e r a o S u p p e a G r a ç a d e m a n d a r p o r
Seu R e a l D e c r e t o q u e se l h e d ê c o m o o r d e n a d o da A u l a d e
M u z i c a p u b l i c a q u e dá g r a t u i t a m e n t e o e q u i v a l e n t e d e Sua
R a ç ã o o u p o r o u t r o q u a l q u e r titulo, q u e f o r m a i s d o R.
agrado de V.A.R.
E.R.M."

N e s s e documento 2 , 1 8 e, s o b r e t u d o , n o i n f o r m e d e m o n s e n h o r
Fidalgo, a q u e m D. P e d r o incumbiu d e informar sobre o p e d i d o
d o p a d r e J o s é M a u r í c i o , e s t a m p a - s e c l a r a m e n t e a injustiça d a
d e s i g u a l d a d e d e t r a t a m e n t o q u e o c e r c o u s e m p r e . Se é v e r d a d e
q u e as d i f i c u l d a d e s d e v i d a se a g r a v a r a m a p ó s 1821, o d o c u m e n t o
d e i x a c l a r o q u e f o r a s e m p r e mal r e m u n e r a d o ; sua m o d é s t i a t a n t o
q u a n t o o respeito e amizade p o r D. João V I i m p e d i u - o s e m p r e
d e r e i v i n d i c a r q u a l q u e r m e l h o r i a e m seu b e n e f í c i o .
Monsenhor Fidalgo reconhece que o "ordenado é
m e s q u i n h o " , e q u e " h e c e r t o q u e e l e h e d o e n t e " , m a s nas suas

159
Cleofe Person de Mattos

respostas p e r c e b e - s e q u e a palavra n e m s e m p r e foi exata; n e m


sempre foi verdadeira:

" q u e J o s é M a u r i c i o tinha [ d e i o r d e n a d o , na a n t i g a Sé trinta


mil reis p o r a n n o c o m o mestre d e c a p e l a ( ! ) ; e para d e s p e s a s
d a S e m a n a Santa e o u t r a s f e s t i v i d a d e s se l h e d a v ã o m a i s
q u a r e n t a e o i t o m i l reis, c o m o c o n s t a d o L i v r o d e D e s p e s a s
da Fabrica. ( . . . ) athé q u e v e i o o A r c h i v o d e Muzica d e
Q u e l u z ; e d e s d e e n t ã o f o i S.M. s e r v i d o m a n d a r - l h e d a r o
o r d e n a d o d e seissentos mil reis annuais c o m o Mestre d e
Capela e igualmc compositor. O Supplicante continuou a
r e q u e r e r a l g u m a c o i s a m a i s ; e e s t e A u g u s t o Snr. f o i s e r v i d o
m a n d a r - l h e dar h u a r a ç ã o d e Particular, a q u a l f o i V . A . R .
s e r v i d o m a n d a r tirar a i n d a a l g u m t e m p o d e p o i s d e s e r e m
tiradas aos outros q u e a tinhão ( ! ) ; h e e n t ã o q e l l e f i c o u
u n i c a m e n t e c o m seiscentos mil reis."

D o i s p o n t o s são absolutamente inverídicos. José Maurício


n ã o p o d e r i a r e c e b e r 30$000 c o m o m e s t r e - d e - c a p e l a . E q u e
"continuasse a requerer alguma coisa mais" é uma a f i r m a ç ã o q u e
s e o p õ e a o f e i t i o p e s s o a l d o p a d r e - m e s t r e , q u e é inútil q u a l q u e r
a r g u m e n t o . P o r fim, d i z o inspetor r e f e r i n d o - s e à r a ç ã o retirada
p o r D . P e d r o : " f o i V A R s e r v i d o m a n d a r tirar a i n d a a l g u m t e m p o
d e p o i s d e s e r e m tirados d o s o u t r o s q u e a tinham". O s d o c u m e n t o s
aí estão, para c o n t r a d i z ê - l o .
C o n t i n u a o i n s p e t o r da C a p e l a I m p e r i a l c o m o a r g u m e n t o
decisivo, q u e impediria qualquer benefício ao mestre-de-capela.

" H e v e r d a d e q u e o supplicante he d o e n t e , e n ã o d u v i d o
lhe seja m e s q u i n h o o o r d e n a d o , c o m o diz; p o r e m d a n d o -
s e - l h e a l g u m a c o u s a mais c o m o o r d e n a d o , o s o u t r o s q u e
s e r v e m q u e r e r ã o a l e g a r a m e s m a justiça, e se v e r á V . A . R .
p e r s e g u i d o : m a s p o r o u t r o q u a l q u e r titulo, V A R o q u i s e r
i n d e n i s a r , isto p e n d e da innata P i e d a d e d e V . A . R . - H e o
q u e p o s s o i n f o r m a r a V.A.R. q u e m a n d a r á o q u e f o r s e r v i d o .
C a p e l a R e a l , 22 d e j u l h o d e 1822."

E c o m estas p a l a v r a s m o n s e n h o r F i d a l g o f i c a e m p a z c o m a
sua c o n s c i ê n c i a .
D e p o i s da carta, D. P e d r o n ã o p o d i a i g n o r a r a falta d e s a ú d e
e as p r o p o r ç õ e s d a s n e c e s s i d a d e s d o p a d r e J o s é M a u r í c i o ; t u d o
l h e tinha s i d o e x p o s t o , c o m c l a r e z a e n a t u r a l i d a d e . T a m b é m n ã o
p o d i a i g n o r a r q u e e s s e v e l h o s e r v i d o r q u e l h e e s c r e v e r a essa
carta s i m p l e s , mas v e r d a d e i r a , d e i x a r a c l a r o q u e f o r a i m o l a d o

160
José Maurício Nunes Garcia biografia

n o t r a b a l h o da Real C a p e l a — o q u e v i m o s n o s c a p í t u l o s
r e f e r e n t e s a 1809, 1810 e 1811 — s e m se q u e i x a r , t o l h i d o n o s e u
r e s p e i t o a o rei.
A carta nunca t e v e resposta n e m d e s p a c h o . Caíra n o r o d o p i o
da f u n ç ã o p o l í t i c a , a g o r a e m outra d i r e ç ã o .
N o R e a l T e a t r o S ã o J o ã o , q u e c o n t i n u a v a a ser o c e n á r i o
p o l í t i c o para p r o n u n c i a m e n t o s e discursos nas noites de
e s p e t á c u l o , t r a v a v a - s e outra luta, q u e c o n d u z i r i a D . P e d r o d e
A l c â n t a r a a o t r o n o c o m o i m p e r a d o r d o Brasil.
A p ó s u m a carreira p o l í t i c a f u l m i n a n t e , D . P e d r o é a c l a m a d o
i m p e r a d o r . Em s o l e n e c e r i m ó n i a c o m e m o r a t i v a , o Brasil e n t r a v a
e m outra f a s e a o s o m d o Te Deum d e 1820, a o b r a o f e r e c i d a a D.
J o ã o V I . N o s m o m e n t o s g l o r i o s o s d a h i s t ó r i a d o Brasil, s e r ã o d e
sua a u t o r i a as o b r a s o u v i d a s na I m p e r i a l C a p e l a , c o m e m o r a n d o
os grandes acontecimentos.
A c o r o a ç ã o , n o dia I a d e d e z e m b r o , o u t r o e s p l e n d o r o s o
e s p e t á c u l o , será a c o m p a n h a d a na c e r i m ó n i a p e l a Missa do
imperador, c a n t a d a p e l o s m ú s i c o s da Real C a p e l a e Real
Câmara. 2 4 9
O prestígio d e Marcos Portugal c o m o mestre-compositor
t o r n a r a - s e i n s u f i c i e n t e p a r a a s s e g u r a r - l h e a h o n r a d e c o m p o r as
o b r a s p a r a t ã o i m p o r t a n t e s s u c e s s o s da v i d a d e s e u e x - a l u n o .
À m a r g e m da a g i t a ç ã o na c i d a d e , o p a d r e J o s é M a u r í c i o
assistia, c o m tristeza, à i n d i f e r e n ç a c o m q u e era tratada a f i g u r a
d e D . J o ã o V I , o q u e l h e p a r e c i a injusto. A i n d a assim, d u a s obras,
s e m e m b a r g o d e c o n o t a ç õ e s tristes, acrescentam-se a sua b a g a g e m
d e c o m p o s i t o r , e m 1822. U m a s o b r e v i v e e m partitura a u t ó g r a f a :
a Novena do SSm° Sacramento, a 4 vozes, rabecas, clarineta, hua
trompa, violoncellos e Contrabasso. F o i c o m p o s t a n o a n o d e 1822
a o e n s e j o d a e n t r a d a d o p a d r e - m e s t r e na I r m a n d a d e d o Sacra-
m e n t o ( 1 7 d e m a r ç o ) . O b r a e x t e n s a , a Novena i n c l u i u m c â n t i c o
i n i c i a l — O Salutaris— e m s o l o d e s o p r a n o , e u m Tantum ergo.

1823-1825
Anos de dificuldades
financeiras no pais

O s a n o s 1823, 1824 e 1825 n ã o s ã o f é r t e i s e m n o v a s


c o m p o s i ç õ e s . O Rio d e Janeiro reunia, n o m o m e n t o , a l é m d o s

161
Cleofe Person de Mattos

três mestres-de-capela, alguns c o m p o s i t o r e s , l i g a d o s o u n ã o à


i m p e r i a l C a p e l a , q u e já t i n h a m d a d o sinal d e a l g u m t a l e n t o . A
e n u m e r a ç ã o d e v e ser i n i c i a d a c o m F r a n c i s c o M a n u e l da Silva —
o aluno q u e mais d e perto seguiu os caminhos traçados p e l o
m e s t r e , c o m p o n d o muita música r e l i g i o s a , a l é m d e hinos,
m o d i n h a s e cânticos r e l i g i o s o s — , P e d r o T e i x e i r a d e Seixas, Sousa
Q u e i r ó s , s e m falar n o s n u m e r o s o s c o m p o s i t o r e s d e modinhas,
a l g u n s c é l e b r e s , c o m o G a b r i e l F e r n a n d e s da T r i n d a d e , L i n o J o s é
N u n e s e o u t r o s m a i s m o d e s t o s : p o r q u e aí a seara era g r a n d e .
Sem deixar de admitir q u e o extravio de obras possa
e x p l i c a r , a l é m da c o n j u n t u r a d o p a í s , a e s c a s s e z na p r o d u ç ã o
m a u r i c i a n a , a ú n i c a o b r a i m p o r t a n t e q u e se c o n h e c e e m 1823 é
a Missa abreviada,™ c o m p o s t a d e Kyrie e Gloria, para c o r o ,
solistas e orquestra ( c o r d a s , d o i s clarinetes e duas t r o m p a s ) .
O a n o foi, sobretudo, d e c o m e m o r a ç õ e s políticas. O q u e
s u b e n t e n d e f e s t i v i d a d e s na R e a l C a p e l a , a q u e u m d e c r e t o d e r a
outra d e n o m i n a ç ã o : C a p e l a I m p e r i a l . T o d a s as c e r i m ó n i a s e r a m
a c o m p a n h a d a s p o r m ú s i c a c o m p o s t a p e l o i m p e r a d o r . N o d i a 25
d e m a r ç o c o m e m o r o u - s e o j u r a m e n t o da Constituição. O p r i m e i r o
a n i v e r s á r i o da I n d e p e n d ê n c i a , a 7 d e s e t e m b r o , t e v e f e s t a e m
a ç ã o d e g r a ç a s e t a m b é m o d i a 12 d e o u t u b r o , a n i v e r s á r i o d e D .
P e d r o e dia "da g r a n d i o s a e l e v a ç ã o d o p a í s à c a t e g o r i a d e
I m p é r i o " . C o m e m o r a ç õ e s q u e se faziam e m grande estilo, c o m
f o g o s d e a r t i f í c i o , r e p i q u e d e s i n o s na c i d a d e , g u a r d a d e h o n r a ,
c o m p l e m e n t a ç õ e s b e m a o estilo d o imperador.
As dificuldades económicas levaram músicos e
instrumentistas a q u e r e r ingressar na C a p e l a I m p e r i a l , a p e s a r d o s
precários vencimentos, ou mesmo sem nenhum estipêndio. É o
c a s o d o p a d r e J o ã o J o s é d e Faria, 251 e m 11 d e n o v e m b r o , d e
V i c e n t e Ferreira Pontes.252 N o m e s m o a n o D. P e d r o mandara
a d m i t i r d o i s c a n t o r e s : F r a n c i s c o A n t ô n i o Franco 2 5 3 e r e m e t e u o
p e d i d o d e J o ã o d o s S a n t o s Viana 2 5 4 q u e d e s e j a v a s e r a d m i t i d o
p a r a t o c a r c l a r i m , c a r g o v a g o na o r q u e s t r a . Em 4 d e d e z e m b r o
L i n o J o s é N u n e s f o i n o m e a d o para a C a p e l a I m p e r i a l s u b s t i t u i n d o
o instrumentista J o s é M o s m a n n , q u e f a l e c e r a . T e r t u l i a n o d e S o u z a
R a n g e l , a l e g a n d o q u e servia há 12 a n o s s e m e s t i p ê n d i o , p e d i u o
l u g a r d e " t i m b a l e i r o " . T a m b é m q u e r i a ser t i m b a l e i r o J o a q u i m
T o m á s d a Cantuária, d e q u e m i n f o r m a v a o i n s p e t o r : " C a n t u á r i a
já t o c o u o i n s t r u m e n t o q u a n d o f u n c i o n a v a na c a p e l a c o m o a l u n o
d e José Maurício. M u d a n d o d e mestre, d e i x o u a capela, o n d e s ó
vinha tocar q u a n d o lhe pagavam."255
Para c o m p e n s a r nesses a n o s a escassez d e ó p e r a s m o n t a d a s ,
c r i o u - s e n o R i o d e J a n e i r o u m a S o c i e d a d e c u j o o b j e t i v o era
p r o p o r c i o n a r a a u d i ç ã o d e árias d e ó p e r a : o s A c a d é m i c o s

162
José Maurício Nunes Garcia biografia

Filarmónicos. Fabrício Piacentini, cantor n o Imperial Teatro São


P e d r o d e Alcântara, à frente de u m g r u p o d e cantores, dirigia os
" a c a d é m i c o s " . Q u a n d o havia orquestra, os a c o m p a n h a m e n t o s
faziam-se sob a direção de P e d r o Teixeira de Seixas. As
assinaturas e r a m f e i t a s p a r a 25 c o n c e r t o s . N o a n o d e 1823 d o i s
c o n c e r t o s f o r a m r e a l i z a d o s na sala da rua d o C o n d e , 195, o n d e
L o u r e n ç o L a c o m b e tinha a a c a d e m i a d e d a n ç a . A i n d a e m 1823
a p r e s e n t o u - s e a harpista M m e . J o l y — d e há m u i t o instalada n o
R i o d e J a n e i r o , e q u e já d e r a c o n c e r t o c o m o r q u e s t r a — q u e s e
e x i b i u c o m um trio curiosamente f o r m a d o d e harpa, t r o m p a e
f a g o t e . N o a n o d e 1824 c o n t i n u a r ã o a a p r e s e n t a r - s e , já e n t ã o n o
I m p e r i a l T e a t r o d e São P e d r o d e A l c â n t a r a . A n u n c i a r a m u m a
c a n t o r a f r a n c e s a n o Diário do Rio de Janeiro, o periódico que
s u b s t i t u i u a Gazeta do Rio de Janeiro. A p r o g r a m a ç ã o era
c o n s t i t u í d a d e árias, d u o s , t e r c e t o s e c o r o s .
Outros n o m e s são citados um p o u c o mais tarde (1826), d e
i n s t r u m e n t i s t a s p e d i n d o i n g r e s s o na Capela. 2 5 6
Observe-se, contudo, que a Capela Imperial, mesmo
d i m i n u í d a , dispunha d e um n ú m e r o r a z o á v e l d e cantores: 42
v o z e s ( 8 s o p r a n o s , 7 c o n t r a l t o s , 11 t e n o r e s , e 16 b a i x o s ) . E 18
instrumentistas, três organistas e u m o r g a n e i r o . O castrato A n t ô n i o
C i c c o n i a l c a n ç o u n o v o e n g a j a m e n t o e m 1824.

O incêndio do Real Teatro São João

U m acidente inesperado provocou um incêndio d e enormes


p r o p o r ç õ e s n o Real T e a t r o São J o ã o e m 1825, d e i x a n d o - o r e d u z i d o
às q u a t r o p a r e d e s . Era n o i t e d e e s p e t á c u l o e u m a g r a n d e p l a t é i a
— i n c l u s i v e o i m p e r a d o r e D . L e o p o l d i n a — f o r a assistir a u m
d r a m a : A vida de São Hermenegildo. O p ú b l i c o já se retirara
q u a n d o as c h a m a s i l u m i n a r a m o c é u .
P a r a o s h a b i t a n t e s d o R i o d e J a n e i r o f o i triste a d e s t r u i ç ã o
d o teatro, mas a música brasileira f o i diretamente atingida p o r
e s s e i n c ê n d i o c o m o s e u r e s u l t a d o : d e s a p a r e c e u nas c h a m a s o
m a t e r i a l d a ú n i c a ó p e r a q u e J o s é M a u r í c i o e s c r e v e u : Le due
Gemelle. Seria a p r i m e i r a ó p e r a d e a u t o r b r a s i l e i r o . O m a t e r i a l
c o m "as p a r t e s c a n t a n t e s e as p a r t e s d e o r q u e s t r a " f o i r e d u z i d o a
cinzas. D o i s registros existem s o b r e o material da ó p e r a : n o
A r q u i v o N a c i o n a l e n o M i n i s t é r i o da F a z e n d a , t a l v e z n o " R e g i s t r o
o u I n v e n t á r i o d o R e a l T e s o u r o " ( T a u n a y , p . 1 1 9 ) . A partitura

163
Cleofe Person de Mattos

e n c o n t r a v a - s e e m casa d e M a r c o s P o r t u g a l , m e m b r o da c o m i s s ã o
q u e j u l g a v a o r e p e r t ó r i o a ser e x e c u t a d o n o teatro. Estaria a s a l v o ,
c a s o h o u v e s s e r e a l m e n t e a i n t e n ç ã o d e apresentá-la. 2 5 7
Fora d o t e a t r o , na rua — para a q u a l v o l t a r a i m e d i a t a m e n t e
o i m p e r a d o r q u e se dirigia p a r a a Q u i n t a da B o a Vista — o p o v o
m u r m u r a v a , a p r o p ó s i t o d o i n c ê n d i o , ser c a s t i g o , l e m b r a n d o q u e
as p e d r a s d e cantaria da Sé h a v i a m s e r v i d o na c o n s t r u ç ã o d o
Teatro.
A ó p e r a , q u e t a n t o se discutiu h o u v e s s e s i d o l e v a d a n o
teatro, 2 5 8 f o i c o m p o s t a p o u c o t e m p o d e p o i s d o s Divertimentos,
e m 1817, para a b a n d a d e música q u e a c o m p a n h o u D . L e o p o l d i n a
a o Brasil. Se f o i c o m p o s t a p o r o r d e m d e D . J o ã o V I n ã o há c o m o
confirmar. Havia uma c o m i s s ã o para d e c i d i r s o b r e o assunto:
Marcos Portugal, Fortunato Mazziotti e Simão Portugal, q u e n ã o
estariam interessados e m p r o m o v e r a obra d e José Maurício,
i n d e p e n d e n t e d o s e u v a l o r . D o d e s t i n o da partitura, n u n c a mais
se f a l o u .
E m 1834, p o r é m , já f a l e c i d o o c o m p o s i t o r p o r t u g u ê s , u m
a n ú n c i o na i m p r e n s a c o m u n i c a v a estar à v e n d a u m c a i x o t e c o m
o b r a s d e M a r c o s P o r t u g a l . Estaria a i n d a aí, p o r e n g a n o , e n t r e
outras? N ã o será m i l a g r e se a p a r e c e r , u m d i a , e m a l g u m a r q u i v o
d e Minas Gerais, a ópera de José Maurício.
R a p i d a m e n t e r e c o n s t r u í d o p o r q u e o s e u e s p a ç o f a z i a falta
para d i s c u r s o s e p r o n u n c i a m e n t o s p o l í t i c o s , o t e a t r o f o i a d a p t a d o
provisoriamente n o salão interno, paralelo à varanda d o edifício.
Ficaria m e n o r , durante a l g u m t e m p o — 24 c a m a r o t e s e 150 lugares
na p l a t é i a — até ser i n a u g u r a d o s o b o n o m e d e I m p e r i a l T e a t r o
S ã o P e d r o , e m 26 d e j a n e i r o d e 1826.
M a c i e l d e u sinal da c o m p o s i ç ã o d a s Matinas de Nossa
Senhora do Carmo, c o m t o d o o i n s t r u m e n t a l e m 1824 e " p o r
o r d e m d e S.M. o I m p e r a d o r , r e d u z i d a a v o z e s e ó r g ã o , n o a n o d e
1832". 2 5 9
U m a estranha s o l i c i t a ç ã o , e m 1825, d e i x a uma n o t a c u r i o s a
e u m a i n t e r r o g a ç ã o na b i o g r a f i a d o p a d r e J o s é M a u r í c i o . D i r i g e -
se e s t e e m r e q u e r i m e n t o a o p r o v e d o r da Santa Casa d e
Misericórdia c o m o primo e padrinho de Constâncio José Nunes
G a r c i a , c i r u r g i ã o d a m e s m a Santa C a s a , d e p o u c o f a l e c i d o .
A l e g a n d o t ê - l o e d u c a d o , e v e s t i d o e m a n d a d o estudar e m L i s b o a
para d i p l o m a r - s e e m cirurgia, p e d e os b e n s q u e p e r t e n c i a m a o
cirurgião: seis escravos. N a d a significa a p o n t á - l o c o m o p r i m o ,
p o i s o Dr. N u n e s G a r c i a a i n d a e m 1828 era c i t a d o e m t a b e l i ã o
c o m o s o b r i n h o d o p a d r e José Maurício. O d e s p a c h o d e D. P e d r o
a o p r o v e d o r d a Santa Casa d e M i s e r i c ó r d i a : " D e f i r a m c o m o f o r
j u s t o s o b r e esta p r e t e n ç ã o . P a l á c i o d o R i o d e J a n e i r o , e m 15 d e
j u l h o d e 1824." 2 6 °

164
José Maurício Nunes Garcia biografia

1826
A Missa de Santa Cecília

O a n o d e 1826 m a r c o u f u n d a m e n t e a v i d a d o p a d r e J o s é
M a u r í c i o . Em a b r i l c h e g o u a o R i o d e J a n e i r o a n o t í c i a d o
falecimento de D. João VI. N o m e s m o ano emudeceu o composi-
t o r e i m o b i l i z o u - s e o r e g e n t e d e p o i s d e c o m p o r a Missa de Santa
Cecília, sua última c o m p o s i ç ã o , a p r e s e n t a d a e m 22 d e n o v e m b r o .
S e m d ú v i d a , terá p r o f u n d a r e p e r c u s s ã o n o c o r a ç ã o d o c o m -
p o s i t o r o d e s a p a r e c i m e n t o d a q u e l e q u e e m sua m e m ó r i a
c o n t i n u a v a a ser o a m i g o q u e o f i z e r a c o m p o r e r e g e r d u r a n t e
u m p e r í o d o i n e s q u e c í v e l , na Real C a p e l a . A f e t i v a m e n t e , a i m a g e m
d e D . J o ã o c o n t i n u a v a a ser a d o a d m i r a d o r d e sua o b r a , a q u e l e
q u e o c o n d e c o r o u c o m a O r d e m de Cristo e c o n c e d e r a outros
b e n e f í c i o s m e n o r e s . Se o s e u s e n t i m e n t o t r a n s f o r m o u - s e e m
m ú s i c a a i n d a n ã o se p ô d e saber. 2 6 1 A s e x é q u i a s d o p a i d o
i m p e r a d o r f o r a m r e a l i z a d a s n o dia 13 d e m a i o , d i a d e s e u
aniversário. Data s e m p r e festejada c o m d e c r e t o s que
b e n e f i c i a v a m n ã o s ó o s c o l a b o r a d o r e s mais p r ó x i m o s c o m títulos
e c o n d e c o r a ç õ e s , mas t o d o u m p o v o c o m m e d i d a s administrativas
q u e p u d e s s e m b e n e f i c i á - l o . D. J o ã o V I m e r e c i a d o p o v o d o R i o
d e J a n e i r o a h o m e n a g e m d e v i d a a u m p r í n c i p e q u e aí passara
t a l v e z o s mais f e l i z e s d i a s d e sua v i d a e q u e s o u b e r e c o m p e n s a r
a esse p o v o dessa f e l i c i d a d e p r o p o r c i o n a n d o - l h e benfeitorias e
m o d i f i c a ç õ e s definitivas e que d e l e fizera o Reino U n i d o a Por-
tugal e A l g a r v e s .
J o s é M a u r í c i o e s t a v a c o m 59 a n o s . E s t a n c a v a - s e n e s s e a n o
a m a i s f u n d a r a z ã o d o s e u v i v e r , q u e era t r a n s f o r m a r e m m ú s i c a
a r i q u e z a d o seu m u n d o interior.
D o i s ex-alunos, G e r a l d o Inácio e Lino José Nunes, o
p r o c u r a r a m e m n o m e da I r m a n d a d e d e Santa Cecília para c o n v i d á -
l o a c o m p o r a " m i s s a a g r a n d e o r q u e s t r a " q u e seria c a n t a d a n o
d i a d a f e s t a anual da p a d r o e i r a . O c o n v i t e era t u d o q u a n t o se
p o d i a f a z e r para dar a o c o m p o s i t o r o â n i m o d e q u e estava
p r e c i s a n d o p a r a ter a s a t i s f a ç ã o d e s e n t a r - s e j u n t o à m e s a e
exprimir o muito q u e lhe vinha à imaginação.
1826 será, p o r t a n t o , o a n o e m q u e o p a d r e J o s é M a u r í c i o
c o m p õ e a o b r a q u e será o p o n t o final d e 43 a n o s d e v i d a v o l t a d a
p a r a a c o m p o s i ç ã o ( 1 7 8 3 - 1826). A n o s q u e v i v e u a d a p t a n d o - s e
à v i d a p o l í t i c a d o p a í s e suas t r a n s f o r m a ç õ e s e c o m e l a s se
c o n f u n d i n d o . P á g i n a s q u e s i g n i f i c a m , p e l o seu c o n t e ú d o , a
e v o c a ç ã o d e m o t i v o s d e é p o c a s p a s s a d a s v i v i d a s na m e m ó r i a d o

165
Cleofe Person de Mattos

c o m p o s i t o r através das quatrocentas obras p o r o n d e c a m i n h o u e


d e i x o u a m a r c a d e sua e m o ç ã o e s e u s e n t i m e n t o .
A i n i c i a t i v a p a r t i d a d o s m ú s i c o s d a I r m a n d a d e d e Santa
Cecília encontrou o mestre-de-capela desencantado, doente,
passando necessidades, um p o u c o desligado d o q u e o cercava,
não só pela saúde c o m o p e l o a b a n d o n o e m que vivia. O convite
despertou n e l e novas forças, incutindo-lhe vida n o v a . Desse
e s f o r ç o resultará u m a o b r a d i g n a d e e n c e r r a r c o m b r i l h a n t i s m o
u m a carreira d e c o m p o s i t o r . A o f i n a l i z á - l a , J o s é M a u r í c i o l a n ç o u
n o p a p e l o t í t u l o : Missa com grande orquestra. N ã o o título q u e
se t r a d i c i o n a l i z o u , o d e Missa de Santa Cecília, consagrado à
p a d r o e i r a d o s músicos, para a qual f o i c o m p o s t a .
C a n t a d a n o m e s m o a n o , a 22 d e n o v e m b r o , s o b a d i r e ç ã o
d o p r ó p r i o c o m p o s i t o r na missa p e l o s i r m ã o s f a l e c i d o s n a q u e l e
a n o , c u m p r i a J o s é M a u r í c i o , p e l a última v e z , s e u c o m p r o m i s s o
c o m a e n t i d a d e à q u a l era l i g a d o d e s d e o s s e u s 17 a n o s . C o m
essa m i s s a e n c e r r a v a a carreira d e r e g e n t e .
O s manuscritos encontram-se n o Instituto H i s t ó r i c o e
G e o g r á f i c o B r a s i l e i r o s o b n ú m e r o : A r q . 2.2.10. Suas 278 p á g i n a s
c o m p r e e n d e m , a l é m d a Missa e d o Credo, 21 p á g i n a s d e
" a c r é s c i m o s i n s t r u m e n t a i s " o r g a n i z a d o s e m particella que
r e p r e s e n t a m a r e f o r m u l a ç ã o da o r q u e s t r a ç ã o original,
a c r e s c e n t a n d o : o b o é s I e II, f a g o t e s I e II, t r o m b o n e s a l t o , t e n o r
e b a i x o , a l é m d e u m a p a r t e c o r a l , d e s t i n a d a a o Qui tollis, p a r a
r e v i v e r u m a d a s c o n s t â n c i a s n o t r a t a m e n t o d o Qui tollis.
c o n c e r t a n t e c o m t e n o r solista. Escrito à parte, entre o s a c r é s c i m o s
i n s t r u m e n t a i s , f a z c r e r n ã o h a j a s i d o assim e x e c u t a d o e m 1826.
O padre José Maurício escreveu-os ao l o n g o dos anos que lhe
restaram v i v e r a p ó s a c o m p o s i ç ã o da Missa. Os n o m e s d o s solistas
e s t ã o l a n ç a d o s na partitura: " O Snr. Augusto" 2 6 2 ( s o p r a n o ) , o "Snr.
L u i z G a b r i e l " 2 6 3 ( c o n t r a l t o ) , o "Snr. C â n d i d o " 2 6 4 ( t e n o r ) e o "Snr.
A p o l i n á r i o " 2 6 5 ( b a i x o ) cantaram o Domine Deus. G a b r i e l F e r n a n d e s
da T r i n d a d e 2 6 6 a t u o u n o Qui tollis-, e n o Quoniam o mais f a m o s o
c a n t a n t e b r a s i l e i r o : J o ã o d o s Reis Pereira. 2 6 7 A p e n a s o Laudamus
n ã o traz i n d i c a ç ã o .
Obra magnífica, com peculiaridades de beleza em
determinados trechos. M e s m o não aceitando c o m o v e r d a d e i r o
q u e ela f o r a feita e m m e n o s d e trinta dias, p r a z o d e m a s i a d a m e n t e
c u r t o q u a n d o se l e v a m e m c o n t a as p r o p o r ç õ e s da Missa, os
sinais d e p r e o c u p a ç ã o para a e n t r e g a da partitura e v i d e n c i a m - s e
e m a c i d e n t e s c o m o a f o l h a d a s n o t a s s o b r e as q u a i s d e v e atuar;
troca d e pauta c o r r e s p o n d e n t e a o i n s t r u m e n t o , na partitura; o u a
s i m p l e s r e p e t i ç ã o d e m o t i v o s , n o Credo.

166
José Maurício Nunes Garcia biografia

A s s i m a d e n o m i n o u t a m b é m o Dr. N u n e s G a r c i a na carta
e m q u e o f e r e c e u a o Instituto H i s t ó r i c o e G e o g r á f i c o Brasileiro
o s o r i g i n a i s d a Missa. N e s s a carta o Dr. N u n e s G a r c i a e l u c i d a
vários aspectos desse m o m e n t o vivido p e l o compositor. Segue a
t r a n s c r i ç ã o p a r c i a l d o s p o n t o s mais i m p o r t a n t e s d o q u e o Dr.
N u n e s G a r c i a e s c r e v e u e m I a d e d e z e m b r o d e 1853: 268

«Ulmo g n r j-)r S e c r e t a r i o d o I n s t i t u t o H i s t o r i c o .
R e m e t e n d o a V.S a . o a u t h o g r a p h o das duas ultimas Partituras
d e m e u P a e , e q . d e s t i n a v a ha m ' ° o f e r e c e r p a o A r c h i v o d o
Instituto H i s t o r i c o e G e o g r a p h i c o B r a z i l e i r o , d e s d e q . d e u -
m e elle a honra d e aceitar p o r seu s o c i o c o r r e s p o n d e n t e
c u m p r e q . eu d ê as r a z õ e s a q . t i v e d e a t t e n d e r p a i s s o . ( . . . )
( . . . ) N a i m p o s s i b i l i d a d e d e c o l l i g i r - s e h o j e m1"0 o q . m a i s
v u l t o faz d o q . p r o d u z i o c o m o contrapontista o prim. Mestre
d e Capella da Corte d o Brazil, e s e n d o c e r t o q ' esse g é n i o
muzical c o m p o z o authographo e m questão e m m e n o s de
30 d i a s , m 10 c r e n t e d e q . era e l l e e c o m o m " d i c e a s e u s
a m i g o s — "a sua ultima c o m p o z i ç ã o " p a r e c e q . e m m e u
f a v o r h o j e , n e s t e m o m ' ° , n u n c a r e z e r v a n d o c o m o sua
p r o p r i e d a d e as partituras q . e s c r e v i a , s e m p r e a p e d i d o , estas
q . f o l g o d e p o d e r o f f e r e c e r , s ã o c o m e f e i t o as u l t i m a s q .
e l l e e s c r e v e u ; s ã o as ú n i c a s q u e a m o u g u a r d a r p a d a r - m e
p o u c o a n t e s d a sua m o r t e !
P a r e c e q . se u f f a n a v a t a n t o o m e u m e s t r e , P a e e a m i g o d a
p r o d u ç ã o harmónica q. m e ocupa, q. a o dar-m'a, lembro-
m e q . p r o f e r i r a e l l e estas p a l a v r a s " g u a r d a isso, q . te p o d e r á
servir um dia"... H e verdade...: nesse t e m p o frequentava
eu o 6 a a n n o da antiga A c a d e m i a M e d i c o - C i r u r g i c a ; e hoje?...
na d a d i v a d e l l e está, t u d o o q . , e s p e r o q . o I n s t i t u t o m e
aceite...
C o n s t a o l i v r o q . o f f e r e ç o e m s u m m a , d e h u m a Missa e
C r e d o q u a s e i n é d i t o s , f e i t a s expressam 1 0 - a f e s t a d e Sta.
C e c i l i a , e a p e d i d o d o s P r o f f e s s o r e s G e r a l d o I g n a c i o Per™
e L i n o J o z é N u n e s , e m 1826. F o r ã o c a n t a d a s a p e n a s h u m a
v e z n e s s e a n n o , s o b a batuta o u r e g e n c i a d o s e u a u t h o r e
h u m a s e g a v e z p o u c o d e p o i s da m o r t e d e l l e . E p o r q . h o j e
as c o m p o z i ç õ e s sacras p e d e m r e f o r m a ; h o j e q . os
c o m p o z i t o r e s s a c r o s n a c i o n a i s s ã o raros, a u l t i m a Missa e
C r e d o d o P e . M®. J o z e M a u r i c i o q . d i g o s ã o v e r d a d e i r o s t i p o s
e mal eu p o d i a guardar, h e s ó nos A r c h i v o s d o Instituto
Historico G e o g r a p h i c o Brazileiro e q.do m e considero semi-
morto, q. m e apraz v e r esses originais.

167
Cleofe Person de Mattos

D i g n e - m e V. Sra a t t e n d e n d o - m e p e l o e x p o s t o , d e a p r e z e n t a r
e m sessão, o s protestos d e intensa C o n s i d e r a ç ã o p e l o
Instituto —
d o seu C o n s o c i o ami° Cr°
R i o , 1 d e D e z b r o d e 1853 "

A Missa de Santa Cecília é obra d e grandes p r o p o r ç õ e s ,


c o m hora e meia de duração. Motivos que a alimentam f a z e m
evocar passagens sonoras desde os últimos anos d o século XVIII.
Exemplo concreto é o motivo cromático, processional, em
m o v i m e n t o p a r a l e l o , d o s d o i s c l a r i n e t e s da Sinfonia fúnebre, de
1790, q u e atravessa — abstrata e e s p i r i t u a l i z a d a m e n t e triste —
n o Agnus Dei da Missa.
Estão i g u a l m e n t e p r e s e n t e s o s a p e l o s d e b r i l h a n t i s m o q u e
v i n h a m d e 1810, c o m o o m o t i v o d o s e x t e t o da Missa de Nossa
Senhora da Conceição, q u e a p a r e c e n o "Quoniam tu es sanctus"
e m s o l o d e b a i x o , c o m uma ternura amadurecida e e x p e r i m e n t a d a .
V a l e u m a b r e v e r e f e r ê n c i a s o b r e o f i n a l d o Gloria, que
r e p r e s e n t a u m m o m e n t o f e l i z na p e n a d e u m c o m p o s i t o r : o s
sessenta c o m p a s s o s instrumentais q u e p r e c e d e m a entrada d o
c o r o n o Cum Sane to Spiritu. A e v o c a ç ã o d o s o m da " s e r a f i n a "
p a r e c e ter s i d o a intenção d o v e l h o p a d r e - m e s t r e a o iniciar a
I n t r o d u ç ã o d e s s e t r e c h o n ã o m e n o s p r e c i o s o d o q u e a p a r t e coral
q u e o c o m p l e m e n t a : o andantesostenuto que precede a mudança
d e m o v i m e n t o para o allegreto, e se d e s e n v o l v e s o b r e u m m o t i v o
d e caráter quase popular, até o "Amen".
O s e n t i d o d o m i n a n t e d o "Et incarnatus est"é o d e angústia,
e x p r e s s o n o andantino agitato q u e o c o m p o s i t o r e m p r e g a na
i n d i c a ç ã o d o m o v i m e n t o e d e caráter d o trecho, " s e m p r e l i g a d o
e p i a n í s s i m o " . Será, r e a l m e n t e , uma a g i t a ç ã o interior q u e m o v e r i a
o padre José Maurício diante d o texto e explica o sentido
l a n c i n a n t e d e s s e b e l o fugato c o n f i a d o às q u a t r o v o z e s s o l i s t a s
a c o m p a n h a d a s p o r d u p l o q u a r t e t o d e madeiras, c o m b i n a ç ã o única
e m t o d a a sua o b r a .
N ã o m e n o s c o m o v e n t e é o Crucifixus, com o coro em
u n í s s o n o e n v o l v i d o p e l o s trágicos acentos das cordas q u e lhe
fazem a moldura.
T e r m i n a a Missa de Santa Cecília e m g r a n d e t r a n q u i l i d a d e ,
a l t e r n a n d o o s t r e c h o s s o l í s t i c o s c o m as p a r t e s c o r a i s . É o
d e p o i m e n t o d o c o m p o s i t o r , já e n v e l h e c i d o e c a n s a d o a o s 59 anos,
q u e assiste à p r o x i m i d a d e d o s e u f i m , c e r c a d o d e tristeza e d e
a m a r g u r a , mas q u e terá e n c o n t r a d o nesta Missa u m a d a s últimas
alegrias q u e lhe f o r a m c o n c e d i d a s antes de apagar-se.

168
José Maurício Nunes Garcia biografia

Os últimos anos

V i r a - s e a p á g i n a e m q u e se i n s c r e v e a ú l t i m a c o m p o s i ç ã o
d o padre José Maurício N u n e s Garcia e chega-se à dolorosa fase
f i n a l da v i d a d o m e s t r e - d e - c a p e l a .
A o s p o u c o s d e s a p a r e c e r a t u d o a q u i l o q u e d e r a s e n t i d o mais
p r o f u n d o e a f e t i v o à sua e x i s t ê n c i a . A s p e r s p e c t i v a s da f a s e q u e
se a p r o x i m a acentuarão o p r o g r e s s i v o d e c l í n i o das f a c u l d a d e s
d e inteligência d e q u e m tanto e n g r a n d e c e r a a música d e seu
p a í s , d o n o t á v e l o r a d o r q u e se s a b e ter s i d o . E d a c a p a c i d a d e d e
s u p o r t a r as c o n d i ç õ e s d o m e i o q u e o c e r c o u d e s d e 1808.
A d e c a d ê n c i a física é a m o l d u r a p s i c o l ó g i c a d e s s e p e r í o d o
d e vida d o padre José Maurício, acrescido pela penúria q u e sobre
e l e se a b a t e r a d e s d e 1821. T e r m o c o n c l u s i v o e i n j u s t o d e u m a
v i d a t r a b a l h o s a e g r a n d e m e n t e p r o d u t i v a q u e , n o e m o t i v o ser
h u m a n o q u e d e v i a ser, a p a g o u a f o r ç a c r i a d o r a antes q u e a i d a d e
o justificasse.
O s últimos anos d e vida q u e lhe restavam, apesar das
c o n d i ç õ e s adversas d e saúde, e m p r e g a v a - o s José Maurício e m
r e v e r a o r q u e s t r a ç ã o e f a z e r m o d i f i c a ç õ e s na Missa de Santa
Cecília. A l é m disso, elaborava estudos teóricos d e harmonia e
c o n t r a p o n t o . O b r a s q u e , s e g u n d o i n f o r m a Januário da Cunha
B a r b o s a , teria c o n c l u í d o a n t e s d e m o r r e r .
N ã o l h e e s c a p a a raiz d o s e u s o f r i m e n t o m a i o r : " N u n c a
p u d e e s c r e v e r t u d o o q u e r e a l m e n t e o u v i a " , disse ele. 2 6 9 D e s a b a f o
q u e p e r m i t e avaliar a p o s i ç ã o d o músico q u e desejaria reservar
t o d o s o s m o m e n t o s da v i d a para a c r i a ç ã o musical, o u q u e amaria
l e g a r à p o s t e r i d a d e t o d a a música q u e p o v o a v a a sua i m a g i n a ç ã o
s e m ser p e r t u r b a d o p o r e m a r a n h a d o s b u r o c r á t i c o s .
O p a d r e José Maurício m o r a v a c o m o f i l h o q u e v e i o para a
sua c o m p a n h i a a o s s e i s m e s e s d e i d a d e , q u e usará s e u n o m e e
d e q u e m r e c e b i a a j u d a p a r a a s o b r e v i v ê n c i a . D i z o Dr. N u n e s
G a r c i a : "Mais tarde, q u a n d o faltaram r e c u r s o s a m e u pai o c u p a v a -
s e e l e e m c o z i n h a r , lavar, e n g o m a r , i n c l u s i v e costurar." U m a v e z ,
"fez sapatos". E invoca o testemunho de Cláudio Antunes
Benedito.270

169
Cleofe Person de Mattos

O requerimento dos músicos da


Capela Imperial

O s p r o b l e m a s f i n a n c e i r o s q u e a f l i g i a m o s habitantes d o R i o
d e J a n e i r o t o r n a r a m - s e t r á g i c o s e m 1828. M ú s i c o s da C a p e l a
p r o c u r a v a m o u t r o s m e i o s d e se l i b e r t a r da t e r r í v e l s i t u a ç ã o e m
q u e v i v i a m . F o i o q u e o s l e v o u a solicitar, n u m r e q u e r i m e n t o
c o m u m a o i m p e r a d o r , q u e o l h a s s e para a s i t u a ç ã o e m q u e e n t ã o
viviam.
Eram 170 p e s s o a s q u e , neste d o c u m e n t o , f a z i a m a e x p o s i ç ã o
d a s n e c e s s i d a d e s e v i c i s s i t u d e s d e sua p r o f i s s ã o .
O r e q u e r i m e n t o relaciona todos eles, d o bispo a o sineiro,
f e i t o p e l o i n s p e t o r da C a p e l a , m o n s e n h o r F i d a l g o , e m 11 d e
n o v e m b r o d e 1828, q u e e n c a m i n h a essa r e l a ç ã o c o m o s
respectivos estipêndios v e n c i d o s n o último quartel d o ano.
D e s p a c h o d e D . P e d r o : " P a r e c e q u e isto n ã o é p a r a s e p a g a r ,
p o i s g u a r d e - s e a t é v e r s e há q u e m s o l i c i t e " ( f l s . 2 7 ) . O u t r o
despacho modifica o tom agressivo d o imperador: "Pague-se n o
f i m d o quartel". 2 7 1
A t i n g i d o s p e l a situação criada p o r m e d i d a s e c o n ó m i c a s
ditadas p o r D. P e d r o , uniram-se t o d o s o s q u e militavam na Capela
I m p e r i a l e m r e i v i n d i c a ç ã o salarial. T o d a s as c a t e g o r i a s da i g r e j a ,
d e s d e o b i s p o ( g a n h a v a 2.000$000 e está r e d u z i d o a 5 0 0 $ 0 0 0 )
ao varredor, a o sineiro, aos capelães, estão e m p e n h a d a s n o
m e s m o m o v i m e n t o : n ã o t i n h a m m e i o s para v i v e r .
Os peticionários alegavam de forma dramática a
insuficiência d o que ganhavam. Suportavam tudo e m silêncio
a t e n d e n d o à s i t u a ç ã o d e s f a v o r á v e l d o país. N o d o c u m e n t o q u e
m o n s e n h o r F i d a l g o e n t r e g o u , r e l a t i v o a o q u a r t o q u a r t e l d e 1828,
as i n f o r m a ç õ e s s ã o e x t r a í d a s da f o l h a d e p a g a m e n t o .
A o encaminhar o requerimento dos músicos, m o n s e n h o r
F i d a l g o i n f o r m a : " F o i f e i t o o o r ç a m e n t o da C a p e l a I m p e r i a l p a r a
1828-1829 e , se o s m ú s i c o s c a n t o r e s d e v e m ser a u m e n t a d o s ,
t a m b é m o s m e s t r e s q u e , a l é m d e f a z e r e m as suas o b r i g a ç õ e s n o
c o r o , s ã o o b r i g a d o s à c o m p o s i ç ã o d e músicas q u e S. M. o r d e n a r . "
D i z i a m o s p e t i c i o n á r i o s na carta a D. Pedro: 2 7 2

"Destinados d e s d e a infância a uma profissão p o u c o f e l i z


n ã o obstante m e r e ç a a estima d e t o d o s o s p o v o s eles
d e d i c a r a m g r a n d e p a r t e d e seus a n o s a e s s e s e s t u d o s p a r a
c o l h e r u m dia o f r u t o d o t r a b a l h o a s s e g u r a n d o - l h e s
subsistência d e c e n t e , p r e m i o a q u e d e v e aspirar t o d o
c i d a d ã o n ã o o c i o s o . H o u v e um t e m p o e m que, d e algum

170
José Maurício Nunes Garcia biografia

m o d o , c o n s e g u i r a m , mas n o m o m e n t o f a l t a - l h e s o m e i o d e
entreterem huma sem caprichos e amargurada existência."

Mais adiante continuam:

" O s q u e s ã o e n c a r r e g a d o s d o sustento d e família, s e m p o d e r


assumir o u t r o e m p r e g o q u e o s a j u d e a m i n o r a r sua p e n ú r i a ,
s ó encontram n o Imperador, sem duvida o mais p o d e r o s o
r e c u r s o q u e l h e s resta, e d e q u e m e s p e r a m h a j a p o r b e m
c o n c e d e r - l h e s a q u e l e a u m e n t o q u e f o r c o m p a t í v e l c o m as
atuais c i r c u n s t a n c i a s . "

O s 170 n o m e s r e l a c i o n a d o s n o d o c u m e n t o r e ú n e m d e s d e a
alta f i g u r a da C a p e l a — o b i s p o — a t é c a p e l ã e s c a n t o r e s c o m o
Januário da C u n h a Barbosa e o u t r o s mais. T o d o u m g r u p o a b a t i d o
pelas dificuldades de vida, e também músicos talvez p o u c o
l e m b r a d o s d o s atos e s p l e n d o r o s o s de que haviam sido
p r o t a g o n i s t a s a í se r e u n i a m , e s q u e c i d o s d e suas v a i d a d e s n o
p a s s a d o , q u e d a v a m à Capela Real o b r i l h o d e uma c a p e l a
e u r o p é i a . Lá e s t ã o , a b r a n d a d o s e m s e u o r g u l h o , os
p r e c o n c e i t u o s o s músicos q u e amarguraram a vida d o p a d r e José
M a u r í c i o . E n f i m , numa a s p i r a ç ã o c o m u m , M a r c o s P o r t u g a l e J o s é
Maurício assinaram o d o c u m e n t o .
I r m a n a d o s na m e s m a causa, n ã o era i d ê n t i c a a p o s i ç ã o d o s
d o i s compositores. A Marcos Portugal fora mantido, e m b o r a
r e d u z i d o , p a r t e d o o r d e n a d o d o " b o l s i n h o " . C e r t a m e n t e teria
outras v a n t a g e n s , p o i s a l é m d e ser o p r o f e s s o r da c o r t e , t a m b é m
assistia a D . P e d r o e m t o d a s as suas c o m p o s i ç õ e s . Para o p a d r e
J o s é M a u r í c i o , d e t o d a s as b e n e s s e s c o n c e d i d a s p o r D . J o ã o V I ,
nada restava a l é m d o o r d e n a d o d e m e s t r e - d e - c a p e l a — os
6 0 0 $ 0 0 0 da V e l h a Sé — a g o r a r e d u z i d o s a 156$000. A t i n g i a - o a
m i s é r i a . C a b e a m o n s e n h o r F i d a l g o , c o m o i n s p e t o r da c a p e l a ,
i n f o r m a r t a m b é m s o b r e o r e q u e r i m e n t o d e seus c o m p a n h e i r o s .
E n c a m i n h a - o e m 22 d e j u l h o d e 1828, 273 e x a t a m e n t e s e i s a n o s
após o lancinante p e d i d o — desatendido — d o padre José
Maurício a D. Pedro.
A s p a l a v r a s d o i n s p e t o r n ã o e x t r a p o l a m da v e r d a d e d o s
a c o n t e c i m e n t o s p a s s a d o s , c o m o e m 1822. D e s t a v e z e l a s d ã o a
m e d i d a d a s n e c e s s i d a d e s , nas q u a i s e l e está e n v o l v i d o , e e s c r e v e :

" N a d a m a i s justo; a m a i o r p a r t e t e m d i m i n u t o o r d e n a d o .
A l é m d o s escriturados — q u e n ã o p o d e m ter a u m e n t o a l g u m
— p o u c o s o u t r o s t ê m o r d e n a d o m a i s a t e n d í v e l , e assim
m e s m o insuficiente. A maior parte dos cantores tem

171
Cleofe Person de Mattos

o r d e n a d o muito diminuto, com o qual não se podem


sustentar n e m d i m i n u i r . "

E acrescenta, numa possível demonstração de


a r r e p e n d i m e n t o o u d e p i e d a d e d i a n t e das reais n e c e s s i d a d e s
d e s s e s m ú s i c o s , d e n t r e o s q u a i s se i n c l u í a :

"... se o s m ú s i c o s c a n t o r e s d e v e m ser a u m e n t a d o s , t a m b é m
o s m e s t r e s - d e - c a p e l a q u e , a l e m d e f a z e r e m as suas
o b r i g a ç õ e s n o c o r o , s ã o o b r i g a d o s à c o m p o s i ç ã o d e musicas
q u e S. M a j e s t a d e o r d e n a r . H a o s o r g a n i s t a s e a l g u n s
instrumentistas q u e t ê m m e n o s , m u i t o m e n o s d o q u e o s
outros."

O r e s u l t a d o d a s ú p l i c a c o l e t i v a a D . P e d r o I n ã o terá s i d o
s u f i c i e n t e p a r a as n e c e s s i d a d e s d o s q u e c u i d a v a m d a C a p e l a e
s o n h a v a m c o m o seu a s p e c t o f í s i c o d e outrora.

A renúncia ao Hábito de Cristo

Uma p e r p l e x i d a d e fala mais d e perto de um p r o b l e m a d o


p a d r e José Maurício: a renúncia a o H á b i t o d e Cristo. O assunto
t e m i n í c i o à p á g i n a 18 d o s Apontamentos biográficos-.

" P a r a q u e n ã o s e j a o b j e t o d e d u v i d a , d e c l a r o já q . até
1828, q u a n d o se d e u a p e r f i l i a ç ã o e r e c o n h e c i m e n t o q u e
f e z m e u pai p o r escritura l a v r a d a nas N o t a s d o T a b e l i ã o
J o s é P i r e s G a r c i a , g u a r d e i eu o n o m e d e J o s é A p o l i n á r i o
N u n e s Garcia, c o m o q u e n o s livros da antiga A c a d e m i a
M e d i c o - C i r u r g i c a d e v e estar l a n ç a d o o d e s p a c h o d o
Barão de I n h o m i r i m — c o m o Diretor d a q u e l a Escola —
q u a n d o estudei m e d i c i n a e s t a n d o e n t ã o n o 5a ano,
m a n d a n d o registrar a troca d e s o b r e n o m e , p r isso q . p e l o
facto d o meu reconhecimento paterno coube-me o n o m e
d e José M a u r i c i o N u n e s Garcia Júnior. T e n h o disso
certidão entre os meus papéis e diplomas."

O D r . N u n e s G a r c i a associa a r e n ú n c i a p a t e r n a a o u t r o ato,
adiantando que fora feito c o m prévia licença d e D. Pedro, e q u e
e l e p o d e r á r e q u e r e r a Sua M a j e s t a d e I m p e r i a l a c o m p e t e n t e graça,

172
José Maurício Nunes Garcia biografia

o q u e s i g n i f i c a r i a o r e c o n h e c i m e n t o d e f i n i t i v o da r e n ú n c i a q u e
o b e n e f i c i a v a . 2 7 4 O f i l h o d e v e r i a aguardar o m o m e n t o para
r e q u e r ê - l o . M o m e n t o q u e seria, o b v i a m e n t e , a m o r t e d o pai.
O imprevisível, porém, aconteceu: a "prévia licença" foi
r e q u e r i d a t a r d e d e m a i s , às v é s p e r a s da a b d i c a ç ã o . R a z ã o p o r
q u e f i c a n d o t o d a s as o r d e n s s e m g r ã o - m e s t r e s , n ã o f o r a p o s s í v e l
tirar o d i p l o m a p a r a usar d a s i n s í g n i a s .
A r e n ú n c i a e m 1 8 2 8 é d e s m e n t i d a na P ú b l i c a - F o r m a
transcrita n o t e x t o d a Carta d e P e r f i l i a ç ã o , r e q u e r i d a e m 9 d e
j a n e i r o d e 1833- N e s s a o c a s i ã o o Dr. N u n e s G a r c i a n ã o p o s s u í a
ainda o d o c u m e n t o de legitimação, q u a n d o afirma:

"Ser e l e f i l h o natural d o P a d r e J o s é M a u r i c i o N u n e s G a r c i a ,
já f a l e c i d o , q u e o t e v e n o e s t a d o d e s a c e r d o t e d e m u l h e r
s o l t e i r a e d e s i m p e d i d a ( . . . ) C o m o tal o c r i o u e e d u c o u
d e c l a r o u ser s e u f i l h o na escritura q u e juntará e q u e p a r a
sua inteira v a l i d a d e h o u v e - s e p o r b e m c o n f i r m a r . "

A o s e r a p o n t a d o c o m o s o b r i n h o d e J o s é M a u r í c i o , e m 21
d e j u n h o d e 1828, t e s t e m u n h a d o p o r d o i s a m i g o s s e u s — Fran-
c i s c o d a L u z P i n t o e M a n u e l P i m e n t a C h a v e s — o Dr. N u n e s
G a r c i a p e r t u r b a a i n d a mais o s a c o n t e c i m e n t o s q u a n d o i n f o r m a
ter s i d o l e g i t i m a d o nesse m e s m o a n o . C o m p l i c a m - s e o s fatos
d i a n t e d o d o c u m e n t o q u e se v a i ler a g o r a :

"Escriptura d e R e n u n c i a da M e r c e d e h u m a b i t o da O r d e m
d e C h r i s t o q u e f a z o p c . Jc. M a u r i c i o N u n e s G a r c i a a s e u
s o b r i n h o Jc. M a u r i c i o N u n e s G a r c i a .

S a i b ã o q u a n t o s e s t e p u b l i c o . Instrum 10 - d e Escriptura d e
R e n u n c i a v i r e m q ' n o A n n o d o N a s c i m e n t o d e N . S. J e z u s
Christo d e mil o i t o c e n t o s e v i n t e O i t o aos V i n t e C i n c o
Dias d o m e s d e Junho d o ditto a n n o , Nesta M u i t o Leal e
Heróica Cidade d o Rio de Janeiro e m m e o Escriptorio
a p a r e c e r ã o p e r a n t e m i m C o m o O u t o r g a n t e o P c Jc M a u r i c i o
N u n e s Garcia Cavalleiro Da O r d e m d e Christo, e C o m o
O u t o r g a d o s e u s o b r i n h o Jc M a u r i c i o N u n e s G a r c i a , a m b o s
r e c o n h e c i d o s d e m i m T a b e l i ã o p e l o s p r o p r i o s e das
t e s t e m u n h a s adiante n o m e a d a s eassignadas p e r a n t e as quais
p e l o O u t o r g a n t e m e f o i ditto q ' p r esse Instrum. 10 e na m e l h o r
f o r m a e na d e Dir.'° f a z i a C o m o d e f a t o f a z r e n u n c i a da
M e r c e d o H a b i t o da O r d e m d e C h r i s t o d e q ' l h e f e z a g r a ç a
o Senhor D. J o ã o S e x t o a seu subrinho o O u t o r g a d o Ditto
J e . M a u r i c i o N u n e s G a r c i a d e sua l i v r e e e s p o n t a n e a

173
Cleofe Person de Mattos

v o n t a d d e sem Constrangimento d e pessoa alguma e sem


nenhum ónus e só p ' querer obzequiar n o Ditto Outorgdo
s e u S o b r i n h o p o r l h e ter m u i t o a j u d a d o e a C o m p a n h a d o
e m t o d o s o s t e m p o s e p o d e r á r e q u e r e r a sua M a g e s t a d e
I m p e r i a l a C o m p e t e n t e graça da r e n u n c i a e p e ç o O u t o r g a d o
f o i d i t t o q ' a s e i t a v a esta Escriptura na f o r m a d e l i a e a s s i m
justos e C o n t r a c t a d o s p e d i r a m a m i m T a b e l i ã o l h e s l a v r a s s e
e s t e Instrum 1 0 nesta N o t t a q ' s e n d o l h e s lida d i c e r ã o estar
asuas v o n t a d e s d e q ' d o u f é e m e f o i d i s t r i b u í d o p e l o b i l h e t e
d e t h e o r s e g , c D e s t r i b u i n d o a P i r e s o P a d r e Je M a u r i c i o
N u n e s G a r c i a f a z Escriptura d e R e n u n c i a d e h u m a b i t o d e
C h r i s t o a s e u S u b r i n h o Jc M a u r i c i o N u n e s G a r c i a e m V i n t e
h u m d e Junho d e mil O i t o Centos e Vinte O i t o . =
D u a r t e , e a s s i g n a r ã o s e n d o t e s t e m u n h a p r e s e n t e s — Fran. co -
da L u z P i n t o e M a n o e l Pimenta C h a v e s R e c o n h e c i d o s d e m i m
Tabelião."275

E assim e s t a v a s e l a d a e m 21 d e j u n h o d e 1828 a r e n ú n c i a
a o H á b i t o da O r d e m d e Cristo q u e o p a d r e J o s é M a u r í c i o r e c e b e r a
e c o m q u a n t a e m o ç ã o , e m 1809, d e D . J o ã o V I , e o u t o r g a r a a o
"seu subrinho J' Mauricio Nunes Garcia".

1829
O casamento de D. Pedro com
D. Maria Amélia de Leuchtenberg

Os depoimentos sobre a vida d o compositor, sem saúde,


s e m e s p e r a n ç a , n o s d o i s a n o s q u e se s e g u e m , n ã o s ã o m u i t o s ,
mas e l o q u e n t e s : acentuam-se os p a d e c i m e n t o s físicos a q u e
a l u d i r a n o d o c u m e n t o d e 1822. I n f o r m a P o r t o - A l e g r e q u e " h a v i a
hora e m q u e sofria cruelmente". O estado depressivo agrava-se:
q u e i x a - s e d e q u e " h o j e , s ó o u ç o o s m e u s g e m i d o s , o cantar d o s
grilos, ou o ganir dos cães, q u e me i n c o m o d a m e me
e n t r i s t e c e m " . 2 7 6 Suas n o i t e s s e m s o n o s ã o p e r s e g u i d a s p o r
f a n t a s m a s m u s i c a i s d o t e m p o e m q u e d i r i g i a na C a p e l a R e a l .
• C r e s c e a e m o t i v i d a d e d o c o m p o s i t o r q u a n d o a f l o r a m à sua
consciência as mais fortes lembranças desse passado, c o m traços
c r u é i s , m a s c o m p e n s a d o r e s , a g o r a distantes.

174
José Maurício Nunes Garcia biografia

U m a n o v i d a d e h a v i a na f e s t a d e São S e b a s t i ã o : n ã o m a i s o
Senado. D. P e d r o determina o c o m p a r e c i m e n t o da Irmandade
d o Santíssimo Sacramento à festa.
O e d i f í c i o da Capela Imperial oferecia o espetáculo da
d e c a d ê n c i a física q u e deprimia o s que haviam participado d o
seu e s p l e n d o r , para o s o l h o s e para o s o u v i d o s . O t e m p o a afetara.
R a z õ e s q u e a t i n g i a m o s e n t i m e n t o d e s a c e r d o t e d o i n s p e t o r da
Capela l e v a v a m - n o a referir-se c o m frequência ao "estado
desgraçado" a que chegara.
D e há m u i t o d i m i n u í r a o e f e t i v o d o s m ú s i c o s . M o n s e n h o r
F i d a l g o ainda lamentava os q u e haviam i d o c o m D. J o ã o VI, os
q u e desapareceram. Mas D. P e d r o queria q u e f o s s e m n o v a m e n t e
escriturados alguns músicos.
Em 1829 c a s o u - s e n o v a m e n t e o i m p e r a d o r , v i ú v o d e s d e
1826. O a c o n t e c i m e n t o d a r á v i d a n o v a , u m a aura d e a l e g r i a à
C a p e l a I m p e r i a l , q u e passará p o r a p r e s s a d o tratamento d e
restauração a f i m d e r e c e b e r a noiva para a b ê n ç ã o nupcial.
O s p r e p a r a t i v o s para a c e r i m ó n i a na C a p e l a l e m b r a v a m
s o l e n i d a d e s d e o u t r o s t e m p o s . Seu a s p e c t o f í s i c o f o i c u i d a d o , e
a r e n o v a ç ã o d e contratos c o m alguns músicos vai permitir seja
o u v i d o r e p e r t ó r i o c a p a z d e f a z e r c o m q u e a n o i v a , D . Maria
Amélia Eugênia N a p o l e o n a d e Leuchtenberg,277 t o m e l o g o
c o n h e c i m e n t o d a s q u a l i d a d e s artísticas d o f u t u r o m a r i d o .
N e s s e ano, e m m a r ç o , três m e s t r e s - d e - c a p e l a são
c o n v o c a d o s p e l o imperador.
É c u r i o s o o b s e r v a r c o m o a b u r o c r a c i a n i v e l a , numa r e u n i ã o
c o m u m , três p e r s o n a l i d a d e s distintas d o s três m e s t r e s - d e - c a p e l a
para cuidar d e assuntos q u e nada mais lhes diziam, d o i s d e l e s
p e r t o d e desaparecerem. Mazziotti, m e n o s dotado, p o r é m mais
m o ç o , m a n t é m - s e à f r e n t e d a o r q u e s t r a para r e g e r o T e D e u m
q u e se realizará e m d e z e m b r o .
Aproximava-se o casamento d o imperador. O contrato foi
f e i t o na I n g l a t e r r a e o c a s a m e n t o , p o r p r o c u r a ç ã o , r e a l i z o u - s e
e m M u n i q u e , o n d e r e s i d i a a n o i v a , na i g r e j a d o s A g o s t i n i a n o s .
Encerrava-se a v i u v e z d e D. P e d r o antes d e cessarem d e t o d o o s
r u m o r e s e a c a m p a n h a contra o n o i v o , f a c e às c o n d i ç õ e s da m o r t e
d e D. Leopoldina. Um a m i g o pessoal d e D. Pedro, a q u e m a
l e m b r a n ç a d e D . L e o p o l d i n a n ã o seria f a c i l m e n t e e s q u e c i d a ,
e s c r e v e u - l h e : " F a ç a f e l i z a ú n i c a p e s s o a q u e o q u i s . " O Te Deum
d e D. P e d r o foi o u v i d o a o chegar a o Rio d e Janeiro a notícia d o
casamento.
A c h e g a d a da i m p e r a t r i z f o i a g r a n d e f e s t a d o a n o , q u e
d e s d e l o g o p ô d e m a n i f e s t a r suas q u a l i d a d e s f e m i n i n a s d e

175
Cleofe Person de Mattos

s o l i d a r i e d a d e e e x i b i r sua f o r m o s u r a . Realizou-se na Capela I m p e -


rial a cerimónia s o l e n e pela chegada, a o s o m da Missa de D. Pedro. 2 7 8
N ã o m a i s a b r i l h a n t a r ã o as c e r i m ó n i a s as m ú s i c a s d e M a r c o s
P o r t u g a l o u d o p a d r e J o s é M a u r í c i o . O s v e l h o s m e s t r e s , d e há
m u i t o e m u d e c i d o s e e s q u e c i d o s à m e d i d a q u e se i a m d e s p e d i n d o
d a v i d a , a p a g a v a m - s e d i a n t e da f i g u r a n o v a d e c o m p o s i t o r q u e ,
d e s d e 1821, e r g u i a - s e p a r a a d m i r a ç ã o d o s h a b i t a n t e s d a c i d a d e :
o imperador.
A b r i g a d o na casa da m a r q u e s a d e S a n t o A m a r o , 2 7 9 M a r c o s
P o r t u g a l , a p ó s o t e r c e i r o ataque a p o p l é t i c o , v i v e u o seu
ostracismo, e s q u e c i d o d o s t e m p o s g l o r i o s o s d o "rei v e l h o " .
Lamentaria t a l v e z a p e r d a d o s p r i v i l é g i o s q u e a f a g a v a m o seu
o r g u l h o e s e transferira para a rua d o L a v r a d i o s e m as s e g e s , s e m
a integral ração d o "real b o l s i n h o " .
A o p a d r e J o s é M a u r í c i o , já a g o r a " m a i s v e l h o e
valetudinário", n ã o tivera benesses, mas lembrava-se c o m
s a u d a d e , d o f u n d o d e sua p e n ú r i a e d e s e s p e r a n ç a , d o a m i g o
desaparecido.
O p a d r e J o s é M a u r í c i o f o i s o l i c i t a d o , e m 1829, a i n f o r m a r
s o b r e o p e d i d o d o c a n t o r e o r g a n i s t a Elias A n t u n e s d a Silva,
c a n d i d a t o a o H á b i t o d e Cristo. Na ocasião, e s c r e v e u o " a t o
a t e s t a t ó r i o " q u e será t a l v e z o ú l t i m o d o c u m e n t o d e sua v i d a
funcional.
N o d o c u m e n t o , grafado de próprio punho, p o d e - s e apreciar
a c l a r e z a da e x p o s i ç ã o , q u e n ã o p a r e c e c o r r e s p o n d e r à d o m ú s i c o
m e i o a p a g a d o i n t e l e c t u a l m e n t e q u e se a c r e d i t a e s t i v e s s e , a esta
altura, o p a d r e - m e s t r e . D o c u m e n t o p r o d u z i d o s e t e m e s e s a n t e s
d o s e u f a l e c i m e n t o . Esse a s p e c t o c h a m a a a t e n ç ã o : o c o m p o s i t o r
e n c a b e ç a o a t e s t a d o c o m o e n u n c i a d o d o s s e u s títulos, i n c l u s i v e
o d e " P r o f e s s o na O r d e m d e C h r i s t o " . T a l v e z p e l a última v e z .

1830
A "legitimação" do
Dr. Nunes Garcia

J a n e i r o a abril d e 1830. Ú l t i m o s m e s e s d e v i d a para o m ú s i c o


q u e v i v e u e m p e n h a d o e m s e r v i r à sua a r t e e d e l a f a z e r o
i n s t r u m e n t o d e sua s e g u n d a n a t u r e z a . Desmoronava
p r o g r e s s i v a m e n t e o estado físico d o padre José Maurício.

176
José Maurício Nunes Garcia biografia

A s h i p ó t e s e s q u e c o n f i r m a m as r a z õ e s d e seu
d e s a p a r e c i m e n t o aos 62 anos d e idade vinculam invariavelmente
o s m a l e s f í s i c o s às a g r e s s õ e s d e n a t u r e z a p s i c o l ó g i c a . 2 8 0 P o r f i m ,
a p o b r e z a , a inanição, a miséria. A i m a g e m d o descalabro d o
p a í s , da C a p e l a , d e t u d o o q u e r e p r e s e n t o u d e g r a n d e e m sua
v i d a f a r ã o o resto. A situação d e t e n s ã o p r o f u n d a criada p o r
v o l t a d e 1811 m a r c o u u m c o l a p s o e m s e u r i t m o c r i a t i v o , o q u e
p r e c i p i t o u o e s v a i m e n t o d e sua f o r ç a total.
C o n s i d e r e - s e q u e se o p a d r e José Maurício t e v e crises
i n t e r m i t e n t e s d e s a ú d e , a t e n s ã o n e r v o s a f o i s e m p r e sua
c o m p a n h e i r a d e s d e a c h e g a d a da c o r t e . A d i s c r i m i n a ç ã o q u e d e l e s
sofria — e m b o r a jamais dela se queixasse — amargurava a
existência d o h o m e m de p e n s a m e n t o altivo. Sofrerá mais
f u n d a m e n t e q u a n d o o s i n t e r e s s a d o s e m c o n f r o n t o s a t i n g i a m sua
o b r a d e criação, m e n o s p r e z a n d o o seu valor. Em n e n h u m
m o m e n t o q u e i x o u - s e , p o r é m , d o p r e c o n c e i t o racial q u e o f a z i a
i n f e l i z . A t o d a s essas a f r o n t a s r e s p o n d e r á c o m o s i l ê n c i o , o q u e
l e v o u o b a r ã o d e T a u n a y , c o m o já f o i d i t o , a d e f i n i r a sua c o n d u t a
c o m o "de grande superioridade".
O s sinais p r e c u r s o r e s c o i n c i d i a m c o m a d i m i n u i ç ã o d o r i t m o
d e sua p r o d u ç ã o , o q u e v i m o s e n t r e 1811 e 1812. Seria d o e n ç a ,
a p e n a s , ou a falta d e e s t í m u l o de a l g u é m f u n d a m e n t e
d e s p r e s t i g i a d o ? P o d i a ser m o l é s t i a d e g e n e r a t i v a — "sofria
c r u e l m e n t e e m c e r t a s h o r a s " — mas e s s e s s i n t o m a s c o n f u n d i a m -
se c o m o s q u e o e n t r i s t e c i a m : " o g a n i r d o s c ã e s " e " o c a n t a r d o s
grilos". 2 8 1
O q u o t i d i a n o lhe fora muito p e s a d o e os m o m e n t o s
cruciantes d e i x a r a m marcas. Sabe-se d o seu s o f r i m e n t o , sabe-se
d o e s q u e c i m e n t o n o f i m da v i d a , s a b e - s e d a e m o t i v i d a d e q u e o
l e v a v a às l á g r i m a s , m a s a l u d e - s e p o u c o a o s a b a l o s c a u s a d o s n o
t r a b a l h o v i v i d o s o b p e r m a n e n t e t e n s ã o n e r v o s a . O q u e l h e era
e x i g i d o c o m p r o m e t i a o e q u i l í b r i o d e sua estrutura p s i c o l ó g i c a e
n ã o p o d i a d e i x a r d e abater u m o r g a n i s m o q u e , na o b s e r v a ç ã o d e
P o r t o - A l e g r e , "havia sido de forte constituição".
N a s c o n d i ç õ e s e m q u e se e n c o n t r a v a o p a d r e J o s é M a u r í c i o
é d i f í c i l a v a l i a r até q u e p o n t o terá t o m a d o c o n s c i ê n c i a d a m o r t e
d e M a r c o s A n t ô n i o Portugal, 2 8 2 o c o m p o s i t o r p o r t u g u ê s cuja v i n d a
p a r a o R i o d e J a n e i r o retirara d e sua v i d a a m a i s cara a l e g r i a , e
afastara d e seus s o n h o s a o p o r t u n i d a d e d e r e g e r c o m aquela
o r q u e s t r a suas o b r a s na C a p e l a R e a l . N ã o o s o b r e v i v e r i a m u i t o
tempo.
O r e g i s t r o n o L i v r o d e Ó b i t o s das p e s s o a s q u e t r a b a l h a v a m
na C a p e l a I m p e r i a l d e d i c a - l h e a l g u m a s linhas. M e n o s l a c ó n i c a s

177
Cleofe Person de Mattos

d o q u e e s c r e v e r ã o p a r a J o s é M a u r í c i o p o r q u e a m e m ó r i a d e sua
glória era mais recente:

" A o s d e z e s s e t e dias d o m e s d e F e v e r e i r o d e mil o i t o c e n t o s


e trinta a n n o s , na rua d o L a v r a d i o , f a l e s c e o M a r c o s A n t o -
n i o P o r t u g a l , c a s a d o c o m D o n a Maria J o a n n a P o r t u g a l e n o
dia d e z o i t o f o i p o r mim e n c o m e n d a d o (privadamente??) e
a c o m p a n h a d o e m andas para o C o n v e n t o d e Santo A n t o -
nio o n d e foi sepultado, amortalhado c o m vestes de
c a v a l l e i r o d e q u e para c o n s t a r f i s e s t e a s s e n t o . "

M o r a v a o p a d r e J o s é M a u r í c i o na rua d o N ú n c i o , n ú m e r o
18, o n d e v e i o a f a l e c e r . N o f i m d o s é c u l o X I X (Jornal do
Commercio, 24 d e j u n h o d e 1 8 9 8 ) , o v i s c o n d e d e T a u n a y
e s c r e v e u : " H á dias e s t i v e p a r a d o , n ã o p o u c o t e m p o a c o n t e m p l a r
c o m o v i d o a casinha n ° 18 d a rua d o N ú n c i o , e m q u e e l e e x h a l o u
o u l t i m o s u s p i r o , e m 18 d e a b r i l d e 1830. Está a i n d a c o m o
n a q u e l e s d i a s , dies irae, dies illa, calamitatis... baixinha, terrea,
d e p o r t a e j a n e l a , e n c o s t a d i n h a a outra a b s o l u t a m e n t e i g u a l . . . "
A l e g i t i m a ç ã o d o f i l h o é, p o r é m , o assunto mais g r a v e n o
p e r í o d o . M a s n ã o d e i x o u d e se p r e o c u p a r , n e s s e m o m e n t o g r a v e ,
c o m o q u e p u d e s s e m p e n s a r o s v i z i n h o s s e estaria o u n ã o
c u m p r i n d o os seus d e v e r e s religiosos. A o q u e lhe r e s p o n d e o
p a i : " N ã o v i s t e q u e d i s s e missa o n t e m ? "
N o interregno entre a morte de Marcos Portugal e os
a c o n t e c i m e n t o s q u e e s t ã o s e n d o l e m b r a d o s , i n t e r p õ e - s e u m a carta
d e S i m ã o P o r t u g a l d i r i g i d a a D . P e d r o . D e há m u i t o i n t e r e s s a d o
e m t e r u m p o s t o na C a p e l a I m p e r i a l — s e m p r e e s c u s a d o — o
irmão d e Marcos Portugal encontrou, ao e n s e j o da morte deste,
o m o m e n t o d e r e f e r i r - s e a J o s é M a u r í c i o e à sua p o u c a saúde: 2 8 3

" P e l a sua i d a d e se v ê c o m f r e q u e n c i a a c o m e t i d o d e c r ó n i c a s
moléstias, hè muito p r o v á v e l q u e não possa continuar c o m
o m e s m o f e r v o r q u e era seu c o s t u m e n o s e r v i ç o da s o b r e d i t a
capela."

S i n c e r o o u n ã o , o d e p o i m e n t o é p o s i t i v o para a a t u a ç ã o d o
p a d r e J o s é M a u r í c i o , na C a p e l a , n o s ú l t i m o s anos. 2 8 4
Na continuidade d o processo de legitimação, esclarece o
D r . N u n e s G a r c i a às p á g i n a s 32 d o s Apontamentos biográficos:
" m e u P a i m e d o a r a p o r escritura p ú b l i c a , l a v r a d a e m N o t a s d o
T a b e l i ã o Pires Garcia", o q u e revela interesses m e n o s n o b r e s
p o r trás d e t u d o i s s o e , e m b o r a c o n s t r a n g e d o r e s , d e v e m ser

178
José Maurício Nunes Garcia biografia

v e n t i l a d o s p a r a m e l h o r c o n h e c i m e n t o da n a t u r e z a h u m a n a . É o
q u e se l ê a b a i x o : 2 8 5
"E v i s t o o s e u r e q u e r i m e n t o , dita escritura l a v r a d a na acta
d o T a b e l i ã o J o s é P i r e s G a r c i a e m dacta d e tres d e a b r i l d e
1830 e d i l i g ê n c i a s d e estilo a q u e p r o c e d e u o d e s e m b a r g a d o r
Juiz d e F o r a i n t e r i n o J o ã o J o s é d e O l i v e i r a J u n q u e i r a , d e
q u e c o n s t a v a q u e a dita l e g i t i m a ç ã o era d e sua l i v r e e
espontânea vontade e sem constrangimento de pessoa
alguma, n ã o s e n d o o u v i d o s parentes por declarar o m e n o r
p e r f i l h a d o , d e b a i x o d e j u r a m e n t o , n ã o ( o s ) ter até o q u a r t o
grau."

P o b r e J o s é M a u r í c i o , a q u e m n ã o bastara o m e n o s p r e z o
d o s m i n i s t r o s d a Patriarcal d e L i s b o a e d o s m ú s i c o s da C a p e l a
R e a l . Seria t a m b é m i n j u s t i ç a d o , n o f i m da v i d a , p e l o j u r a m e n t o
f e i t o p e l o f i l h o , e m p e n h a d o na sua l e g i t i m a ç ã o , d e i x a n d o o s
i r m ã o s s e m o m e s m o r e c o n h e c i m e n t o . E q u e , p a r a e x i m i r - s e da
responsabilidade d e haver c o n d u z i d o o pai perante o tabelião,
q u i n z e d i a s a n t e s d e sua m o r t e , m e r g u l h a d o já nas s o m b r a s d e
uma inteligibilidade que se esvaía, e m p e n h o u - s e numa tramóia
d e datas, entre 1828 e 1830, s e m c o n s e g u i r libertar-se dessa culpa.
N ã o é m e n o s e s t r a n h á v e l o q u e e l e e s c r e v e u trinta a n o s
mais tarde:

"É p o r t a n t o esta r a z ã o p o r q u e , s e n d o q u a t r o o s m e u s i r m ã o s
d e pai e mãe ao t e m p o d o r e c o n h e c i m e n t o paterno por
c u j o s d i r e i t o s p u g n a n d o se ia d a n d o o f a c t o d e f i c a r s e m
n e n h u m e f e i t o a escritura, o u s e m a assinatura d o o u t o r g a n t e
q u e a nada atendera p o r a q u e l e p r e c e i t o materno."286

Fica dessa afirmativa a suspeita d e q u e o p a d r e José


M a u r í c i o n ã o teria a s s i n a d o o d o c u m e n t o d e l e g i t i m a ç ã o , n o dia
3 d e abril.

Morre José Mauricio Nunes Garcia


em extrema miséria

A c o n s c i ê n c i a d a p r o x i m i d a d e d e q u e a hora c h e g a r a l e v o u
o padre José Maurício ao último gesto: fez descer d o sótão a

179
Cleofe Person de Mattos

c a m a o n d e d o r m i a , para o a n d a r t é r r e o . I n d a g a d o q u a l a r a z ã o ,
r e s p o n d e u c o m s i m p l i c i d a d e : "É para dar m e n o s t r a b a l h o . "
O d i a 18 d e abril m a r c o u o f i m dessa e x i s t ê n c i a f e c u n d a ,
s o f r i d a , m a s q u e terá p o s i ç ã o b r i l h a n t e na e v o l u ç ã o da m ú s i c a
brasileira.
R e d u z i d o à sombra d e l e próprio, o padre José Maurício
N u n e s Garcia d e i x a v a o m u n d o aos 62 anos, "mais c a r r e g a d o d e
m e r e c i m e n t o s d o q u e d e a n o s " , e s c r e v e o p a d r e J a n u á r i o da
C u n h a Barbosa. 2 8 7 P e r d i a a C a p e l a I m p e r i a l o m e s t r e - d e - c a p e l a
q u e p a r t i c i p a r a , c h e i o d e e s p e r a n ç a , da c r i a ç ã o da C a p e l a R e a l .
P e r d i a a m ú s i c a b r a s i l e i r a u m d o s s e u s v u l t o s m a i s n o t á v e i s até
esta d a t a .
D u a s p e s s o a s — o f i l h o e u m e s c r a v o — o assistiram nessa
h o r a d e c i s i v a e m q u e o d i a , p e l a s seis h o r a s da tarde, t a m b é m se
findava.
O f i l h o a i n d a o u v i u o p a i murmurar as p a l a v r a s d e u m h i n o
à N o s s a S e n h o r a . D a rua c h e g a v a o s o m a l e g r e d o c l a r i n e t e d e
s e u a m i g o Policarpo, 2 8 8 q u e v i n h a visitá-lo. O p a d r e J o s é M a u r í c i o
já n ã o terá o u v i d o o s o m d o i n s t r u m e n t o . O m u n d o t o r n a r a - s e
mais distante. E o s i l ê n c i o cai s o b r e a v i d a d o p a d r e J o s é M a u r í c i o .
Apaziguado, enfim.
O q u e s e s e g u e a o p r o f u n d o s i l ê n c i o dessa h o r a l e v a a
m e d i t a r s o b r e a e x i s t ê n c i a d e s s e m ú s i c o q u e v i v e r a p a r a a sua
arte. Desaparecia o padre José Maurício d e i x a n d o uma obra d e
p r o p o r ç õ e s n ã o e x a t a m e n t e a v a l i a d a até a g o r a , mas q u e e m seus
contrastes e desníveis vale c o m o testemunho d o m á x i m o valor
d e uma fase histórica da c r i a ç ã o brasileira, quantitativa e
q u a l i t a t i v a m e n t e a m a i o r c o n t r i b u i ç ã o r e u n i d a até e n t ã o p o r u m
c o m p o s i t o r d o Rio d e Janeiro.
A v i n c u l a ç ã o d o artista c r i a d o r à m o r t e na m i s é r i a atingira
e m c h e i o e c o m toda a brutalidade o compositor brasileiro e m
s e u s ú l t i m o s dias. M o r r e u d e s a m p a r a d o o f i l h o d e V i t ó r i a M a r i a .
M o r r e u s e m assistência. O m e i o q u e o c i r c u n d a v a , o d o s músicos,
t a m b é m estava sem recursos e esse infortúnio sem a p e l a ç ã o fora
c r i a d o p e l a s c o n d i ç õ e s g e r a i s d e v i d a d o país. Era u m a c l a s s e
falida, a d o s músicos; estavam todos muito pobres.
A l a m e n t á v e l situação e m q u e m o r r e u o p a d r e J o s é M a u r í c i o
f a z p e n s a r nas p a l a v r a s d e Arthur H o n n e g e r , q u e p a r e c e m ajustar-
s e a u m a r e a l i d a d e q u e n ã o é mais a d e n o s s o s dias. D i z o c o m -
p o s i t o r SUÍÇO:

" O s á b i o , o c r i a d o r i n t e l e c t u a l é , p o r t a n t o , o ú n i c o ser q u e
n ã o e n r i q u e c e e x p l o r a n d o o seu s e m e l h a n t e . A o c o n t r a r i o ,
e l e f a z u m d o m à h u m a n i d a d e , r e n u n c i a n d o muitas v e z e s

180
José Maurício Nunes Garcia biografia

a satisfações materiais. B e m s a b e m o s q u e raramente e l e é


r e c o m p e n s a d o e m vida. E tem direito à incompreensão, à
falta d e c o r a g e m , a o d e s p r e z o , a l g u m a s v e z e s até à m i s é r i a . "

T e r " d i r e i t o " à miséria — palavras terríveis, cheias de hor-


ror, p r o n u n c i a d a s p e l o c o m p o s i t o r — n ã o p o d e ser a p l i c a d o a o
m ú s i c o d e h o j e , mas era uma r e a l i d a d e na é p o c a d e J o s é M a u r í c i o
e e l e v i v e u - a i n t e g r a l m e n t e . A injustiça e o d e s p r e z o c o u b e r a m -
l h e c o m o u m d i r e i t o . Seus d o n s n ã o o a j u d a r a m a ter a v i d a
m e n o s difícil.
São aspectos q u e c o n c o r d a m c o m o d e s a b a f o d o filho, a o
r e f e r i r - s e m a i s t a r d e "à t e r r í v e l i m p r e s s ã o q u e e m m i m causara
v ê - l o expirar e m completa desgraça, cercado de desgostos e
p r i v a ç õ e s , e d e s a t e n d i d o até nos seus direitos ( . . . ) q u a n d o toda
sua v i d a tinha já g a s t o e m s e r v i r b e m a o E s t a d o . "
Passados alguns momentos d o falecimento, Felizarda
M o r e i r a d e C a s t r o , irmã d e S e v e r i a n a , e n c o n t r o u e m u m a g a v e t a
16$000 e m c o b r e . A h u m i l d a d e da quantia grita, p e l o contrastante
e n t r e a p e n ú r i a q u e e n v o l v e a sua m o r t e e a g r a n d e z a d o q u e
o f e r e c e r a e m v i d a . É o r e m a n e s c e n t e d o s últimos g a n h o s materiais
d e u m a v i d a d e d i c a d a à arte. R e s t o s c o n c r e t o s da i n d i f e r e n ç a ,
da i n g r a t i d ã o p e l o d e s t i n o d o h o m e m q u e p a g o u , c o m o
s o f r i m e n t o d e c a d a dia, o d i r e i t o d e d e i x a r o s e u c a n t o .
A i n d a a t u r d i d o n o tentar c o n c i l i a r o s 16$000 e m c o b r e c o m
as d e s p e s a s n e c e s s á r i a s a o e n t e r r a m e n t o d o p a i , o Dr. N u n e s
Garcia f o i b a f e j a d o c o m o conforto q u e lhe trouxeram a m i g o s e
e x - a l u n o s , na p e s s o a d e C â n d i d o I n á c i o d a Silva, q u e , e m n o m e
da I r m a n d a d e d e Santa C e c í l i a , e x p r i m i u o d e s e j o d e s t a e m
responsabilizar-se p e l o sepultamento d o padre José Maurício e m
e x é q u i a s c o m missa e o f í c i o s o l e n e s , q u e a e n t i d a d e o f i c i a l d o s
m ú s i c o s f a r i a na i g r e j a d e S ã o P e d r o .
A o c h e g a r o c ó n e g o Luís G o n ç a l v e s d o s Santos " p a r a v e s t i r
o c o r p o " , já o e n c o n t r o u p r o n t o . O f i l h o c u m p r i r a e s s e a t o . O
p a d r e José Maurício foi enterrado c o m "calças e jaqueta roxas,
v e s t e s q u e usava n o i n t e r i o r d e sua c a s a " .
O Dr. M a n u e l d e A r a ú j o P o r t o - A l e g r e , i n f o r m a d o d o
f a l e c i m e n t o , v e i o à casa d o p a d r e - m e s t r e a c h a m a d o d o f i l h o ,
s e u c o m p a n h e i r o d e e s t u d o s , para f a z e r - l h e a máscara mortuária,
h o j e n o Instituto Histórico e G e o g r á f i c o Brasileiro.
Nessa o c a s i ã o , analisa a figura física d o p a d r e José M a u r í c i o :
" F o i J o s é M a u r í c i o u m h o m e m d e estatura mais d o q u e o r d i n á r i a ;
tinha u m a f i s i o n o m i a n o b r e , o l h a r p e n e t r a n t e e l u m i n o s o q u a n d o
r e g i a a o r q u e s t r a o u f a l a v a da arte: as d i m e n s õ e s e s a l i ê n c i a s
ó s s e a s d o seu t o d o m o s t r a v a m q u e havia s i d o de f o r t e

181
Cleofe Person de Mattos

c o n s t i t u i ç ã o " . P o r t o - A l e g r e c o n f i r m a ter v i s t o s o b r e a sua m e s a o


tratado d e c o n t r a p o n t o e de harmonia " q u e havia t e r m i n a d o
p o u c o s dias antes d e morrer". E t a m b é m uma f o l h a d e p a p e l
c o m e n g e n h o s o "círculo m o v e d i ç o n o qual estavam marcados
t o d o s os tons e q u e m o v i d o e m qualquer sentido q u e fosse,
apresentava e m roda um sistema c o m p l e t o d e harmonia".
A l u n o s e a m i g o s r e u n i r a m - s e para tocar, na h o r a g r a v e d o
s e p u l t a m e n t o , a Sinfonia fúnebre, n o c l a u s t r o da i g r e j a d e S ã o
Pedro. A venerável irmandade d o Príncipe dos Apóstolos, dos
c l é r i g o s , se n ã o l h e d e u s o c o r r o à v e l h i c e , n e m o a m p a r o u na
d o e n ç a e n q u a n t o v i v e u , d e u - l h e m o r a d a p a r a as suas c i n z a s .
Q u a t r o dias a p ó s a morte d o padre José Maurício, D. P e d r o
i n d i c o u S i m ã o P o r t u g a l para o c u p a r o p o s t o d e m e s t r e - d e - c a p e l a .
N ã o o c o l o c o u na v a g a d e i x a d a p e l o i r m ã o , M a r c o s , m o r t o e m
f e v e r e i r o , e s i m na d e J o s é M a u r í c i o . N o í n t i m o , o g e s t o d o
i m p e r a d o r representava uma h o m e n a g e m a o seu v e l h o p r o f e s -
sor, d e c l a r a n d o - o insubstituível. Mas, p o r o u t r o l a d o , era a pá d e
c a l atirada p o r D . P e d r o na s e p u l t u r a d o p a d r e J o s é M a u r í c i o
N u n e s Garcia.
O N e c r o l ó g i o — e s c r i t o p o r J a n u á r i o da C u n h a B a r b o s a n o
Diário Fluminense d e 7 d e m a i o d e 1830 — é a ú n i c a v o z q u e se
l e v a n t a p a r a deitar, c o m o e s c r e v e o autor, u m a " p e q u e n a c o r o a "
s o b r e o s e u t ú m u l o . O v a l o r m a i o r das palavras d o g r a n d e tribuno,
o r a d o r sacro, f u n d a d o r e secretário p e r p é t u o d o Instituto H i s t ó r i c o
e G e o g r á f i c o B r a s i l e i r o é a a v a l i a ç ã o g e n e r o s a d o artista e d o
intelectual q u e d e s a p a r e c e r a , a d m i r a ç ã o p r o f u n d a p e l o c o m p o s i -
t o r q u e m a r c a r a u m p a s s o na e v o l u ç ã o da m ú s i c a b r a s i l e i r a .

"Este p e q u e n o t r i b u t o da nossa s a u d a d e na m o r t e d e u m
p a t r í c i o q u e tanto n o s honrara p e l a sua d e c i d i d a e x c e l ê n c i a
na p r o f i s s ã o q u e d e s d e m e n i n o abraçara, n ã o será p e r d i d o
para os Brasileiros, q u e a m a m ver r e c o m e n d a d o à
p o s t e r i d a d e e a o c o n h e c i m e n t o d o m u n d o ilustrado, o n o m e
d a q u e l e q u e se f e z c é l e b r e , c u l t i v a n d o c o m z e l o , e
p e r s e v e r a n ç a , o s t a l e n t o s c o m q u e o d o t a r a a n a t u r e z a . Já
n ã o e x i s t e mais o P a d r e J o s é M a u r í c i o N u n e s G a r c i a .
U m a l i g e i r a vista l a n ç a d a a g o r a s o b r e a sua v i d a fará v e r
q u e n ã o s o m o s e x a g e r a d o s neste v o l u n t á r i o tributo d e nossa
a m i z a d e , e q u e o e p i t á f i o q u e d e v i a estar s o b r e a sua c a m p a ,
o n d e s ó se e n c o n t r a m m o d é s t i a e p o b r e z a , e x i s t e n o s
c o r a ç õ e s d e saudosos patrícios, q u e c o n h e c e m quanto ele
h o n r a r a a sua pátria e q u a n t o m e r e c e r a d o s a m a n t e s d a s
Letras e d a s B e l l a s A r t e s . "

182
José Maurício Nunes Garcia biografia

Palavras que espelham o espírito i n d e p e n d e n t e e g e n e r o s o


d e s s e s a c e r d o t e , e s c r e v e n d o - a s q u a n d o nenhuma outra v o z
encontrara v e z para louvar o m ú s i c o q u e desaparecera. Figura
í m p a r na m ú s i c a b r a s i l e i r a , o n o m e d e J o s é M a u r í c i o N u n e s
G a r c i a , até e n t ã o e n v o l v i d o e m s o m b r a , viria à l u z para r e a f i r m a r
sua m e m ó r i a c o m u m a o b r a q u e o c o l o c a v a e n t r e o s g r a n d e s d e
sua p á t r i a .
F r u t o e f o n t e d e a l e g r i a s c o m o d e tristezas, n a s c i d a d o s
m o m e n t o s d e c o n f i a n ç a na v i d a e d a s angústias q u e o c e r c a r a m ,
sua m ú s i c a t r a n s f o r m o u - s e e m p a t r i m ô n i o para sua g e n t e e e m
d á d i v a para a h u m a n i d a d e . Assim cumprira e l e a missão q u e
e s c o l h e r a : ser m ú s i c o p a r a t r a z e r a s e u p o v o a p a l a v r a q u e era
sua, e q u e era n o v a .

183
Post-mortem
O destino de uma obra

N ã o foram f e l i z e s para a Catedral d o Rio de Janeiro os anos


q u e se seguiram a o desaparecimento d e seu primeiro mestre-de-
capela. C o m a morte d o p a d r e José Maurício Nunes Garcia n ã o
mais existia o servidor que, ao l o n g o de 63 anos d e existência
v o l t a d a para a música, construíra uma b a g a g e m numerosa
c o m p r o m e t i d a c o m o ambiente cultural e m q u e f o i p r o d u z i d a .
Da sombra e m que viveu nos últimos anos mergulhava seu c o r p o
e m outra sombra mais escura; dela ascenderia mais tarde para
v i v e r na memória d e seu p o v o c o m uma obra que o c o l o c a v a
entre os grandes d e sua pátria. 290
N ã o f i c o u e s q u e c i d o o mestre-de-capela p e l o s discípulos,
a m i g o s e admiradores. Durante anos sua música permaneceu nas
estantes e suas c o m p o s i ç õ e s continuarão a ser copiadas. A Missa
de Santa Cecília f o i ouvida uma segunda v e z , e m 1830, mas não
seria possível f a z e r muita coisa p o r ser uma obra destinada à
Catedral. Entregue o mestrado da Catedral à m e d i o c r i d a d e d e
Fortunato Mazziotti e d e Simão Portugal, a velha Sé assistirá ao
d e s m a n t e l a m e n t o d o Primeiro Reinado e acompanhará os seus
passos até a a b d i c a ç ã o d e D. P e d r o , e m 1831. Instalou-se uma
Regência q u e aguardou a maioridade d e D. P e d r o II, nascido e m
1825.
A Regência f o i impiedosa c o m a Catedral. Concretizando a
desconfiança d o s h o m e n s públicos c o m a instituição q u e custara
às finanças d o país somas fabulosas n o p e r í o d o d e esplendor,
d e s p e d i u t o d o s os músicos p o u c o s meses após a abdicação. Em
julho d e 1831, ficou a orquestra reduzida ao ó r g ã o , a o rabecão,
e a um violoncelo. 2 9 1
Era o g o l p e final d o conjunto f a m o s o . O s músicos, j o g a d o s
na m i s é r i a , c o n t i n u a r a m v i v e n d o p e n o s a m e n t e . A l g u n s
s o b r e v i v e r a m c o m o diretores d e música e m igrejas — J o ã o d o s
Reis Pereira ou Manuel Pimenta Chaves , outros dedicaram-se a
copiar música. Outros afirmaram-se c o m o professores, c o m José
Maria da Silva Reis, q u e se anunciava nos jornais o f e r e c e n d o - s e
para ensinar música ou Francisco da Luz Pinto, professor n o Pedro
II — e ainda c o m o organistas nas igrejas da cidade. Q u a n d o não
iam buscar e m Buenos Aires ou Montevidéu o ambiente que lhes
p r o p o r c i o n a r i a p e r m a n e c e r na atividade a q u e estavam afeitos.
A criação da Sociedade Musical Beneficente, por Francisco
Manuel da Silva, e m 16 d e d e z e m b r o de 1833, terá sido um ato
heróico com o objetivo de acudir os músicos sem nenhum amparo,
os d o e n t e s e suas famílias, custeando-lhes os funerais.

187
Cleofe Person de Mattos

A d e f i c i ê n c i a d o m e i o musical, s e m r e c u r s o s , s e m o r q u e s t r a
e v o z e s adequadas ao repertório, não favorecia a apresentação
d e g r a n d e s obras. Mudará d e z anos mais tarde c o m a a s c e n s ã o
d e P e d r o I I a o t r o n o , q u e i n d i c o u Francisco M a n u e l c o m o m e s t r e -
d e - c a p e l a d a C a t e d r a l M e t r o p o l i t a n a e C a p e l a I m p e r i a l e m 1842,
na v a g a d e S i m ã o P o r t u g a l .
A o assumir o posto, cuidou Francisco Manuel d o
a p a r e l h a m e n t o m u s i c a l da C a t e d r a l , q u e a R e g ê n c i a e x t i n g u i r a ,
e chamou d e volta os antigos companheiros. Porém, os anos
haviam passado e esses músicos envelheceram ou morreram,
t o r n a n d o i m p r a t i c á v e l a e x e c u ç ã o d e p e ç a s c o m p o s t a s para v o z e s
qualificadas. Dentro e m p o u c o , o mestre-de-capela viu-se diante
da triste r e a l i d a d e : c o m a v e l h i c e , c h e g a r a m as m o l é s t i a s
incuráveis, d i f i c u l t a n d o o u inabilitando esses m ú s i c o s para o
t r a b a l h o . O r e c u r s o a o s f a l s e t i s t a s era a l t e r n a t i v a q u e n ã o
c o r r e s p o n d i a n e m na t é c n i c a n e m n o v o l u m e .
Uma decisão de Francisco Manuel ao chamar para o c o r o
da Catedral o s alunos d o Imperial C o n s e r v a t ó r i o de Música f o i
s a u d a d a p e l a i m p r e n s a . O g e s t o c o n t r i b u í a , c e r t a m e n t e , para re-
v i v e r o r e p e r t ó r i o m a u r i c i a n o da C a p e l a I m p e r i a l , m a s n ã o
i m p e d i u a i d é i a d e q u e "as v e l h a s o b r a s p r e c i s a m ser
r e o r q u e s t r a d a s " , i d é i a q u e o p r ó p r i o f i l h o d e f e n d e na carta a o
Instituto Histórico.
O a r q u i v o da C a p e l a I m p e r i a l era r i c o e m o b r a s
s i g n i f i c a t i v a s . Mas, a q u e l e s q u e s u p u n h a m h o m e n a g e a r o p a d r e -
mestre, m o v i d o s p e l o espírito de renovação, não imaginavam
q u e , a o o u v i r o b r a s c o m p o s t a s p o r J o s é M a u r í c i o , na r e a l i d a d e
estas p a s s a v a m p e l a p e r s o n a l i d a d e d e F r a n c i s c o M a n u e l da
Silva. 2 9 2
N a ânsia d e m o d e r n i z a r as o b r a s , c o l o c a v a m n o v a s árias
s u b s t i t u i n d o as v e r d a d e i r a s ; o instrumental o r i g i n a l era p o r sua
v e z substituído p o r outros, espúrios, não usados n o t e m p o d o
c o m p o s i t o r . Eram e m p r e g a d o s nessas s u b s t i t u i ç õ e s o f i c l e i d e , pis-
t o n s etc. C h a m a v a m - s e o s a u t o r e s das r e d u ç õ e s d e v o z e s N o r b e r t o
Pereira da N o r m a n d i a e M i g u e l P e d r o Vasco, a m b o s arquivistas
da C a p e l a . C o m b i n a r o b r a s d e v á r i a s é p o c a s a t r i b u i n d o - l h e s u m
título ú n i c o c o m p r o m e t e u a m e m ó r i a exata dessas o b r a s cujos
títulos se perderam293 e cuja v e r s ã o o r i g i n a l ainda n ã o f o i
l o c a l i z a d a . P r o b l e m a s é r i o nas o b r a s c o n s e r v a d a s n o R i o d e
J a n e i r o , a m p l i a v a - s e s o b r e t u d o n o interior, o n d e o s i n s t r u m e n t o s
originais faltavam.
A s s i m d e s a p a r e c i a m o s m a n u s c r i t o s da C a t e d r a l d o R i o d e
J a n e i r o : as o b r a s c o r r o í d a s p e l a s traças e a t a c a d a s p e l o m o f o o u
u m i d a d e ficaram reduzidas a um m o n t ã o de papéis velhos. É

188
José Maurício Nunes Garcia biografia

incalculável o n ú m e r o d e manuscritos q u e d e s a p a r e c e r a m . D e p o i s
d a s traças e d o s c u p i n s , a d e p u r a ç ã o f i n a l e d e f i n i t i v a d e u - s e
n u m a e n o r m e f o g u e i r a , l e v a n t a d a n o p á t i o da C a p e l a I m p e r i a l .
S o b r e v i v e r a m até a l g u m a s d é c a d a s t e s t e m u n h a s d e s s e f a t o , e n t r e
elas m o n s e n h o r Marinho, que dele deu c o n h e c i m e n t o ao
historiador A m é r i c o L a c o m b e , d o Instituto Histórico.
O C a t á l o g o d e J o a q u i m J o s é M a c i e l , l e v a n t a d o antes d e s s e s
a c o n t e c i m e n t o s e m 1887 c o m o s s e u s 241 t í t u l o s d e o b r a s
c o m p o s t a s até 1811, p r o v a da e n o r m e p r o d u ç ã o d e J o s é M a u r í c i o
N u n e s G a r c i a para a C a t e d r a l e R e a l C a p e l a d o R i o d e J a n e i r o ,
permaneceu reduzido.
E m 1811 c h e g o u M a r c o s P o r t u g a l e a p r o d u ç ã o d e J o s é
M a u r í c i o d e s a p a r e c e u . F r a n c i s c o M a n u e l d a Silva, q u e s u c e d e u
a S i m ã o P o r t u g a l , d e s a p a r e c e u e m 1865. Seu p o s t o f o i o c u p a d o
p o r A r c â n g e l o F i o r i t o , u m n a p o l i t a n o d a c o m i t i v a da i m p e r a t r i z
D . T e r e s a Cristina Maria, p o r o c a s i ã o d o c a s a m e n t o d e s t a c o m
D . P e d r o II, e q u e n a d a tinha a v e r c o m a t r a d i ç ã o b r a s i l e i r a .
A partir d e 1890 o n o v o m e s t r e - d e - c a p e l a H u g o B u s s m e y e r
d e c i d i u r e v i v e r o r e p e r t ó r i o a n t i g o da C a p e l a . O i m p a s s e e n t r e a
e x e c u ç ã o d a s o b r a s e a i n e x i s t ê n c i a d e v o z e s na C a p e l a I m p e r i a l
c o n d u z i u o mestre-de-capela a tomar medida p o u c o acertada: a
r e d u ç ã o p a r a três v o z e s m a s c u l i n a s d e o r i g i n a i s c o m p o s t o s p a r a
q u a t r o . D e s s a i n i c i a t i v a r e s u l t a r a m o b r a s cuja i n t e g r i d a d e f o i
a t i n g i d a , mas o p r e j u í z o m a i o r f o i o e x t r a v i o d o s o r i g i n a i s . N i s t o
i n c l u e m - s e m i s s a s d e 1808, 1809, d u a s d e 1820, c u j o s títulos
dificilmente serão descobertos n o Catálogo de Maciel.
N e s s e ínterim, Bento das Mercês, e x c e l e n t e copista,
arquivista da C a p e l a I m p e r i a l e a d m i r a d o r i n c o n d i c i o n a l d e J o s é
M a u r í c i o , c o n s e g u i u reunir c ó p i a s e c o l e ç õ e s d e a m i g o s e a n t i g o s
a l u n o s d o p a d r e - m e s t r e : as c o l e ç õ e s d e Francisco M a n u e l da Silva,
q u e r e p r e s e n t a a C a t e d r a l , d e F r a n c i s c o da L u z P i n t o , d e J o ã o
d o s Reis P e r e i r a , assim c o m o o s a n t i g o s c o p i s t a s d e suas músicas:
V i t ó r i o M a r i a G e r a l d o , Luís d e S o u z a R a n g e l , J o ã o d e S. B a r r o s .
D o i s a r q u i v o s e r a m s o b r e t u d o i m p o r t a n t e s : o d e Batista L i s b o a
( O r d e m T e r c e i r a d o C a r m o ) e o d e F r a n c i s c o M a n u e l d a Silva.
A p o s i ç ã o d e arquivista da C a p e l a I m p e r i a l f a c i l i t o u a B e n t o
d a s M e r c ê s l e v a r para casa muita m ú s i c a p a r a c o p i a r . Entre o s
a r q u i v o s r e c o l h i d o s d o s a n t i g o s c o l e c i o n a d o r e s , é i m p o r t a n t e citar
a c o l e ç ã o d e Batista L i s b o a , q u e a o m o r r e r e m 1848 d e i x o u vasta
c o l e ç ã o d e o b r a s e x e c u t a d a s nas c e r i m ó n i a s da O r d e m T e r c e i r a
d o Carmo. Desta ampla c o l e ç ã o q u e abrangia vários autores,
p o d e - s e d i z e r q u e B e n t o das M e r c ê s a b s o r v e u t o d a a m a u r i c i a n a .
O b r a s i m p o r t a n t e s aí s e e n c o n t r a v a m : matinas, m i s s a s , o b r a s
ú n i c a s , e n t r e e l a s o Ofício e a Missa de Requiem d e 1816.

189
Cleofe Person de Mattos

P o r o u t r o l a d o , n ã o se i g n o r a q u e m a n u s c r i t o s p e r t e n c e n t e s
a o a r q u i v o da Catedral se e n c o n t r a m h o j e na b i b l i o t e c a da Escola
d e M ú s i c a . B e n t o das M e r c ê s , arquivista da C a p e l a I m p e r i a l , tinha
l i b e r d a d e p a r a retirar d o a r q u i v o e l e v a r p a r a casa m a n u s c r i t o s e
l e v a n t a r p a r t i t u r a s o u tirar n o v a s c ó p i a s . D e m o r a v a m - s e e s s e s
m a n u s c r i t o s e m sua casa na rua d o L i v r a m e n t o , o n d e o a c o l h e u
a m o r t e a o s 8 2 a n o s , d e p n e u m o n i a d u p l a , e m 12 d e j u l h o d e
1887. T r ê s d i a s a n t e s , J o a q u i m J o s é M a c i e l e n t r e g a v a o c a t á l o g o
d a s m ú s i c a s d o a r q u i v o , c o m 241 u n i d a d e s . O b r a s n e l e c i t a d a s
e n c o n t r a v a m - s e a i n d a na casa d e B e n t o .
A parte quantitativa e qualitativa mais valiosa d o material
d a E s c o l a d e M ú s i c a era s e m d ú v i d a a c o l e ç ã o p r o v e n i e n t e d o
a n t i g o cantor e arquivista da Capela I m p e r i a l . A r r o l a n d o , s e g u n d o
e s t i m a t i v a d o v i s c o n d e d e T a u n a y , n o m o m e n t o da c o m p r a , 112
p e ç a s — n ú m e r o q u e resulta da c o n t a g e m e m s e p a r a d o d e
partituras e p a r t e da m e s m a o b r a , o u d e d i f e r e n t e s c ó p i a s da
m e s m a o b r a — o total é u m p o u c o m e n o r , e m b o r a r e p r e s e n t e
t o d o s o s a r q u i v o s d o Rio d e Janeiro. Muitas das partituras
a u t ó g r a f a s das 14 q u e s o b r e v i v e m e s t ã o na b i b l i o t e c a da E s c o l a
d e Música.
A c o l e ç ã o mauriciana da O r d e m Terceira d o Carmo (na
b i b l i o t e c a p a r t i c u l a r d e J o s é Batista L i s b o a ) já e s t a v a a g r e g a d a à
c o l e ç ã o d e B e n t o d a s M e r c ê s d e s d e a m o r t e d e Batista, e m 1848.
O a c e r v o f o i l e g a d o p o r h e r a n ç a a suas c u n h a d a s V e r i d i a n a
Carolina e P e r e g r i n a Belarmina; p o r m o r t e destas, ficaria para
sua a f i l h a d a G a b r i e l a L o p e s da Silva. 294 Das m ã o s desta, já casada,
c o m o n o m e d e Gabriela Alves de Souza, recebeu o g o v e r n o os
d o i s c a i x o t e s c o m o s m a n u s c r i t o s e a carta da p r o p r i e t á r i a
p r o p o n d o a v e n d a p o r 2:000$000 ( d o i s c o n t o s d e r é i s ) . U m a
p r o p o s t a d o d e p u t a d o m i n e i r o Pandiá C a l ó g e r a s para incluir a
a q u i s i ç ã o da c o l e ç ã o d e B e n t o das M e r c ê s n o o r ç a m e n t o f a c i l i t o u
a aquisição n o ano e m curso. A c o l e ç ã o foi doada ao então
c h a m a d o Instituto N a c i o n a l d e Música. Nesta d o a ç ã o e n v o l v e r a m -
se o d i r e t o r d o e s t a b e l e c i m e n t o , L e o p o l d o M i g u e z , e o c o m p o s i -
tor A l b e r t o N e p o m u c e n o numa g r a n d e tarefa: o material r e c e b i d o
foi estudado, reconstituído e copiado, visando à publicação de
algumas obras, l o g o apresentadas a o público.
A i n a u g u r a ç ã o d o e d i f í c i o n o v o da C a n d e l á r i a , e m 1898, é
a o p o r t u n i d a d e d e dar a m p l i t u d e e d i v u l g a ç ã o às o b r a s p o s t a s
ao alcance d o público. Foi um m o m e n t o d e consagração e m nível
n a c i o n a l , p o r q u a n t o as n o t í c i a s t r a n s p u n h a m as f r o n t e i r a s d o s
e s t a d o s . F o r a m o u v i d a s na o c a s i ã o as s e g u i n t e s o b r a s : Requiem
d e 1816 ( j u n h o ) , Missa festiva ( n o m e a t r i b u í d o , p o r e q u í v o c o , à
Missa de Santa Cecília,295 Missa d e 1801. 296

190
José Maurício Nunes Garcia biografia

N o m e s m o a n o , a I g r e j a d a Santa C r u z d o s M i l i t a r e s f a z i a
o u v i r a Missa mimosa n o dia d e Nossa Senhora da P i e d a d e ,
d i r i g i d a p o r J o ã o P e r e i r a da Silva. 2 9 7
C r i a d o e d e s e n v o l v i d o para atender aos s e r v i ç o s religiosos
da Catedral, o seu a r q u i v o f o i p r e j u d i c a d o c o m o b r a s
d e s a p a r e c i d a s o u desfiguradas p o r arranjos; d e n t r o e m p o u c o
c e d i a sua p o s i ç ã o prioritária à c o l e ç ã o d e B e n t o d a s M e r c ê s , q u e
s e d e s e n v o l v e u p a r a l e l a m e n t e a o a r q u i v o da C a t e d r a l e é h o j e ,
s e m d ú v i d a , o m a i s i m p o r t a n t e s a c e r v o d e m ú s i c a : o da E s c o l a
d e Música da Universidade Federal d o Rio de Janeiro.
S ã o três o s a r q u i v o s q u e f o r m a m a c o l e ç ã o da E s c o l a d e
Música: o a c e r v o de Bento das Mercês, o d o ' I m p e r i a l
C o n s e r v a t ó r i o d e Música e a c o l e ç ã o da Real F a z e n d a Santa Cruz.
A l g u m a s d o a ç õ e s ou aquisições posteriores juntaram-se a
esta, c o m o b r a s p e q u e n a s e d e m e n o r v a l i a , o u i n d e v i d a m e n t e
arranjadas, c o m o a d e José R a i m u n d o d e Miranda M a c h a d o , q u e
p r a t i c a m e n t e a n u l o u as á r i a s o r i g i n a i s , s u b s t i t u i n d o - a s p o r
entradas repetidas d o m o t i v o d o Glória.
E m 1930, n o p r i m e i r o c e n t e n á r i o da m o r t e d e J o s é M a u r í c i o ,
l e v a n t a m e n t o f e i t o p e l o bibliotecário Luiz Heitor Corrêa d e
A z e v e d o , segundo o catálogo de Guilherme de Mello, confirma
a l g u m a s e n t r a d a s a l é m das q u e se c o n h e c i a m .
Crescia, n ã o s ó n o R i o d e Janeiro c o m o n o interior d o Brasil,
o m o v i m e n t o e m t o r n o da m ú s i c a d o p a d r e J o s é M a u r í c i o . N ã o
t a n t o e m c o n c e r t o s c o m o e m p r e s t í g i o , na r e p e r c u s s ã o d o p r o j e t o
de Taunay em cidades que possuíam cópias de músicas d o c o m -
positor nos arquivos locais.
Em P o r t o A l e g r e o m o v i m e n t o f o i b e n e f i c i a d o p e l o s e c o s
da a t i v i d a d e d o m ú s i c o m i n e i r o J o s é J o a q u i m d e M e n d a n h a ( V i l a
Rica 1801 - P o r t o A l e g r e 1885), q u e f o r a m e s t r e - d e - c a p e l a d a
Catedral. 2 9 8
Na realidade, o a c e r v o d e B e n t o das Mercês significava o
a g r u p a m e n t o d e várias c o l e ç õ e s d e música q u e ele, o mais ativo
c o p i s t a e p r o f u n d o a d m i r a d o r da o b r a d e J o s é M a u r í c i o , p r o c u r o u
reunir d e s d e c e d o para m e l h o r d e f e n d ê - l o , e adquiri-las d e p o i s
d e d e s a p a r e c i d o s o s r e s p e c t i v o s d o n o s . D e n t r e essas, o b r a s d o s
primeiros anos d e atividade d e José Maurício copiadas p o r Vitório
Maria G e r a l d o , Luís d e S o u z a R a n g e l , J o s é d e Faria B a r r o s . Entre
o s a r q u i v o s q u e c o n v e r g i r a m para a c o l e ç ã o d e B e n t o das M e r c ê s ,
g r a n d e i m p o r t â n c i a c a b e a o s manuscritos q u e p e r t e n c e r a m a J o s é
Batista L i s b o a q u e , c o m o d i r e t o r d e m ú s i c a da O r d e m T e r c e i r a
d o Carmo, ficava c o m manuscritos d o p r ó p r i o José Maurício que
s e r v i a m às c e r i m ó n i a s da O r d e m . Seu c o n t e ú d o p o d e ser até
c e r t o p o n t o a v a l i a d o na r e l a ç ã o feita p o r Francisco M a n u e l C h a v e s

191
Cleofe Person de Mattos

e F r a n c i s c o da L u z P i n t o , a n e x a d o a o s e u i n v e n t á r i o (Batista
m o r r e u e m 21 d e abril d e 1848), já e n t ã o c h a m a d o d e J o s é Batista
Brasileiro, n o m e a d o t a d o d e s d e a I n d e p e n d ê n c i a . O s manuscritos
p r o v e n i e n t e s d o a r q u i v o d e Batista s ã o r e c o n h e c í v e i s , na E s c o l a
d e M ú s i c a , p e l a rubrica q u e e l e p u n h a n a q u e l e s q u e f i z e r a m ^ d ú v i d a
parte, a l g u m dia, d o seu a c e r v o .
D o i s copistas q u e d e s a p a r e c e r a m antes d e B e n t o d a s M e r c ê s
f o r a m p o r e l e a b s o r v i d o s : Francisco M a n u e l da Silva, c u j o a r q u i v o
seria p a r t e d a s m ú s i c a s da C a t e d r a l p o r e l e t r a b a l h a d a s , e Fran-
c i s c o da L u z P i n t o , c o m p e q u e n o a r q u i v o n u m e r a d o ; a m b o s
c o n f l u í r a m p a r a a c o l e ç ã o d o z e l o s o a r q u i v i s t a , F i r m i n o J o s é da
Silva. O cantor J o ã o d o s Reis f o i igualmente copista de obras d o
p a d r e - m e s t r e . M o r t o e m 1853 p ô d e c o p i a r o b r a s i m p o r t a n t e s ,
c o m o a Missa a grande orquestra ( C T 120) q u e se p o d e a c r e d i t a r
seja a Missa da Degolação, extraviada durante anos, hipótese
q u e se d e f e n d e nesta b i o g r a f i a .
A l é m d a c o l e ç ã o d e B e n t o das M e r c ê s , d o i s a r q u i v o s f o r a m
c a n a l i z a d o s p a r a a Escola d e Música: o da Real F a z e n d a d e Santa
Cruz e Imperial Conservatório d e Música.
A o ser extinto o Imperial C o n s e r v a t ó r i o d e Música, seu
a r q u i v o f o i integralmente transferido para o Instituto N a c i o n a l
d e M ú s i c a , b e m a n t e s da c o l e ç ã o d e B e n t o d a s M e r c ê s . C o m o
material d o Conservatório, inaugurava-se, e m 2 d e janeiro de
1893, o l i v r o d e r e g i s t r o da b i b l i o t e c a . A c o l e ç ã o d e B e n t o d a s
M e r c ê s p r o v e n i e n t e d o I m p e r i a l C o n s e r v a t ó r i o d e Música s o m e n t e
e m 1896 p r i n c i p i a v a a ser r e g i s t r a d o .
A o c o n t r á r i o d o q u e se p o d e r i a i m a g i n a r d e u m a instituição
q u e t i v e r a c o m o d i r e t o r F r a n c i s c o M a n u e l da Silva, a p e n a s d u a s
o b r a s d e J o s é M a u r í c i o s e r i a m registradas na b i b l i o t e c a da Escola
d e Música c o m essa p r o v e n i ê n c i a : Compêndio de música e Método
de pianoforte e a Missa festiva ( n o m e a c r e s c e n t a d o e m 1898, a
l á p i s v e r m e l h o ) q u e c o r r e s p o n d e à Missa de Santa Cecília. O
e n c a m i n h a m e n t o d o m a t e r i a l da R e a l F a z e n d a d e Santa C r u z , a
t e r c e i r a f o n t e i m p o r t a n t e , t e v e c o m o p o n t o d e partida o o f í c i o
d o s e c r e t á r i o d o M i n i s t é r i o d o I n t e r i o r , e m 1894, r e c l a m a d o
p r o v i d ê n c i a s d o Instituto N a c i o n a l d e Música para q u e m a n d a s s e
buscar o s manuscritos d o " a r q u i v o musical" da F a z e n d a — p o u c o s
e m a l c o n s e r v a d o s — q u e se a c h a v a m à d i s p o s i ç ã o d o instituto.
O s manuscritos eram os seguintes:
Tamquam auram ( 1 8 1 2 ) - r e g i s t r o 30.056
Moteto dos apóstolos ( 1 8 1 8 ) - r e g i s t r o 30.056
Moteto para a festa da Degolação de São João Batista (1818)
- r e g i s t r o 31.335
Moteto para as Virgens ( 1 8 1 8 ) - r e g i s t r o 30.058

192
José Maurício Nunes Garcia biografia

Missa a grande orquestra ( 1 8 1 8 ) - r e g i s t r o 4155-3112


O s m a n u s c r i t o s p r o v e n i e n t e s da F a z e n d a d e Santa Cruz t ê m
u m a c a r a c t e r í s t i c a c o m u m : as g r a n d e s m a n c h a s d e u m i d a d e . 2 "
A l g u m a s o b s e r v a ç õ e s d e v e m ser f e i t a s s o b r e as o b r a s da
F a z e n d a d e Santa C r u z : o m a n u s c r i t o d o Praecursor Domini— a
primeira obra c o m p o s t a p o r José Maurício para os e s c r a v o s d e
Santa C r u z — v e i o p a r a a E s c o l a d e M ú s i c a na c o l e ç ã o d e B e n t o
d a s M e r c ê s s e m sinais.
O m o t e t o " p a r a a f e s t a da d e g o l a ç ã o d e São J o ã o Batista"
( C T 6 3 ) faria p a r t e da c o l e ç ã o da C a p e l a I m p e r i a l ; era o Ofertório
da missa da Degolação da q u a l há p a r t e a u t ó g r a f a d e timbales.
M u i t a s b u s c a s f o r a m e f e t u a d a s e n t r e a l g u m a s o b r a s : a Missa a
grande orquestra, c o p i a d a p o r J o ã o d o s Reis P e r e i r a é , s e g u n d o
t u d o f a z crer, a f a m o s a Missa da Degolação de São João Batista,
q u e t a m b é m terá v i n d o na c o l e ç ã o d e B e n t o . C o m p r a d a p o r
180$000 ( c e n t o e oitenta mil réis), s u r p r e e n d e o p r e ç o d o
manuscrito, c o m o d o s mais valiosos manuscritos da c o l e ç ã o .
A 22 d e f e v e r e i r o d e 1894 e s c r e v e r i a L e o p o l d o M i g u e z a o
m i n i s t r o d o I n t e r i o r , i n f o r m a n d o da t r a n s f e r ê n c i a d o a r q u i v o da
S u p e r i n t e n d ê n c i a d e Santa C r u z . M a s a c r e s c e n t a : " N ã o é o m a i s
i m p o r t a n t e a r q u i v o q u e c o n s t a v a lá existir; está r e d u z i d o a v e l h a s
m ú s i c a s , na m a i o r i a i m p r e s t á v e i s . "
N i s t o e n g a n a v a - s e o d i r e t o r d o Instituto N a c i o n a l d e Música.
A s m ú s i c a s — c i n c o m o t e t o s — e r a m i m p o r t a n t e s para a v a l i a r - s e
a e v o l u ç ã o desses intérpretes de José Maurício, o s escravos, por
t e r e m e l e s e x e c u t a d o o b r a s i m p o r t a n t e s , e n t r e e l a s a Missa da
Degolação de São João Batista na R e a l C a p e l a , o q u e f i c o u na
história. A f i r m a ç ã o q u e o m o t i v o musical d o Moteto da Degolação
de São João Batista tornara e v i d e n t e , c o m o O f e r t ó r i o , a p r o x i m a ç ã o
e m q u e a autora desta obra acredita.
Antes d e p r o s s e g u i r m o s n o assunto c o l e ç ã o B e n t o das
M e r c ê s , a o q u a l v o l t a r e m o s , é u m a t o d e justiça a c a m p a n h a
feita p e l o v i s c o n d e d e T a u n a y , q u e se e s f o r ç o u n o q u e e l e p r ó p r i o
d i z i a : " F a ç a m o s justiça a J o s é M a u r í c i o , a t é ser a d q u i r i d a p e l o
G o v e r n o , para o Instituto N a c i o n a l d e Música, a v a l i o s a c o l e ç ã o . "
E m 1872 u m a v o z l e v a n t o u - s e e m d e f e s a da m e m ó r i a d e
J o s é M a u r í c i o e b a t e u - s e p e l a p u b l i c a ç ã o d e suas o b r a s . S o b r e
e l e e s c r e v e u , f e z d i s c u r s o s , c h a m a n d o a a t e n ç ã o para essa f i g u r a
q u e honrara a pátria, t o r n a n d o v i v o o seu v u l t o p e r a n t e a história:
o v i s c o n d e d e T a u n a y . A v a l i o u sua p e r s o n a l i d a d e , sua f i g u r a
h u m a n a n o s e m b a t e s da v i d a para m e l h o r c o m p r e e n d ê - l o : m e n i n o
c h e i o d e inteligência e b o a f o r m a ç ã o , t e v e q u e d e f e n d e r seu
d i r e i t o d e n ã o ser b r a n c o d e p e l e .

193
Cleofe Person de Mattos

O v i s c o n d e , e l e i t o d e p u t a d o p o r Santa Catarina (1881-1883),


t e v e o c a s i ã o d e o u v i r a 21 d e d e z e m b r o , na C a p e l a I m p e r i a l ,
u m a d a s m i s s a s d e J o s é M a u r í c i o na c e r i m ó n i a o f i c i a l c h a m a d a
" d o Espírito Santo", q u e p r e c e d i a a abertura d o s trabalhos
parlamentares. N ã o apenas foi importante a audição da obra,
c o m o o e n c o n t r o q u e a e l a se s e g u i u , e n t r e o d e p u t a d o e o
a r q u i v i s t a da C a p e l a , B e n t o d a s M e r c ê s .
F a l a n d o a o p a i — o b a r ã o d e T a u n a y , m o r t o e m 1881 — a
respeito d o acontecimento, ficou informado sobre a personalidade
d o m e s t r e - d e - c a p e l a , d e sua v i d a na c o r t e e s o b r e t u d o d o v a l o r
d e sua o b r a . A a d m i r a ç ã o " a t á v i c a " p e l o p a d r e a q u e s e r e f e r e
T a u n a y n o p r e f á c i o d o s e u l i v r o f e z - s e sentir, e d e u - l h e e l e m e n t o s
d e a n á l i s e p u b l i c a d o s a partir d e 1880 e m a r t i g o s na Revista
Musical Brasileira e na Gazeta de Notícias, cujo diretor o
p r e s t i g i a v a . A t r a j e t ó r i a s e g u i d a na c a m p a n h a d o v i s c o n d e d e
T a u n a y p r i n c i p i o u c o m a a p r e s e n t a ç ã o d e u m p r o j e t o , e m 1882:
i n v e n t a r i a r a o b r a d e J o s é M a u r í c i o na C a t e d r a l , nas i r m a n d a d e s ,
e m São J o ã o d e l - R e i , para o n d e h a v i a m s i d o l e v a d a s várias o b r a s .
Em j a n e i r o d e 1899 d e s a p a r e c i a , p o r sua v e z , o v i s c o n d e
d e T a u n a y , a p ó s a n o s d e d e d i c a ç ã o à causa d e J o s é M a u r í c i o , a
par d e o u t r o s t r a b a l h o s e m p r e e n d i d o s p e l o Brasil p o r e s s e f i l h o
d e f r a n c e s e s , q u e mais u m a v e z c o n f i r m a v a o v a l o r da i m i g r a ç ã o
cultural q u e o v i s c o n d e p ô d e r e a l i z a r . A f o n s o d e T a u n a y , s e u
f i l h o , r e u n i u t o d a s as p u b l i c a ç õ e s d a Revista e d e jornais e
p u b l i c o u o r e s u m o d o s seus escritos, p r o n u n c i a m e n t o s e p r o j e t o s
e m Uma grande glória brasileira: JM N G ( M e l h o r a m e n t o s , 1930),
p o r o c a s i ã o da p a s s a g e m d o p r i m e i r o c e n t e n á r i o da m o r t e d o
c o m p o s i t o r . L i v r o q u e durante a n o s f o i — j u n t a m e n t e c o m a p a r t e
m a u r i c i a n a d e Dois artistas máximos: José Maurício e Carlos
Gomes — a m a i s p r e c i o s a f o n t e d e i n f o r m a ç ã o s o b r e o c o m p o s i -
tor carioca.
C o m as m ú s i c a s l e v a d a s para P o r t o A l e g r e , J. M e n d a n h a
o r g a n i z o u u m p e q u e n o a r q u i v o q u e a p ó s sua m o r t e se e s p a l h o u
e n t r e seus a l u n o s . U m destes, d e n o m e A d ã o Salvador, c o n s e g u i u
juntá-las e m p a r t e , o q u e c h e g o u a o c o n h e c i m e n t o d o d o u t o r
A n t ô n i o O l i n t o d e O l i v e i r a , m é d i c o g a ú c h o e p r o f e s s o r d e música
n o Instituto d e Belas-Artes, h o j e Escola d e Música da U n i v e r s i d a d e
F e d e r a l d o R i o G r a n d e d o Sul. Este o r g a n i z o u u m Catálogo
temático das c o m p o s i ç õ e s d e José Maurício existentes n o A r q u i v o
Mendanha, de Porto Alegre.
O c a t á l o g o alinha v i n t e títulos c a d a q u a l c o m o r e s p e c t i v o
incipit, e m a i s q u a t r o g r a d u a i s d a t a d o s d e 1795, p e r t e n c e n t e s a o
d o u t o r O l i n t o d e Oliveira. O seu c o n t e ú d o abrange obras para a
S e m a n a Santa incipits n ú m e r o s 1 a 15), alguns c o m t e x t o s

194
José Maurício Nunes Garcia biografia

p o s s i v e l m e n t e adaptados d e outras obras. O c a t á l o g o faz-nos


l a m e n t a r o d e s a p a r e c i m e n t o da Missa de defuntos e m fá m e n o r
— incipit n ú m e r o 18 da c o l e ç ã o — q u e seria, s e g u n d o v e m
c o n s i g n a d o , o Requiem q u e se s e g u i r i a a o Ofício de defuntos, no
m e s m o t o m (Matinas de Finados ( C T 191). O b r a q u e teria
f r e q u e n t a d o o u t r o a r q u i v o na c i d a d e v i z i n h a d e R i o P a r d o , é
h o j e p r o p r i e d a d e d o C o n s e r v a t ó r i o Brasileiro d e Música d o Rio
d e J a n e i r o , p o r d o a ç ã o da ú l t i m a p r o p r i e t á r i a d o a r q u i v o
sobrevivente.300
A s s i m c o m o a a t i v i d a d e d e J o s é M e n d a n h a teria e s t i m u l a d o
a v i d a m u s i c a l e m t o r n o da C a t e d r a l d e P o r t o A l e g r e e c i d a d e s
vizinhas, outros arquivos musicais e m p e n h a v a m - s e e m coligir
m a n u s c r i t o s para ilustrar u m p a s s a d o d e música na c i d a d e , c o m o
o c a s o d e R i o P a r d o , c i d a d e natal d e M a n u e l I n á c i o P o r t o - A l e g r e .
D e l a s d á conta d a s o b r a s d e J o s é M a u r í c i o nessa c i d a d e o escritor
D a n t e d e L a y t a n o , e m c ó p i a s p o r e l e a s s i n a d a s . Esta é a o r i g e m
d o c o n h e c i m e n t o d e s s e a r q u i v o e m c i d a d e tão l o n g í n q u a . E s c r e v e
a l g u é m s o b r e o q u e o c o r r i a q u a n d o as m ú s i c a s d e J o s é M a u r í c i o
e r a m e n s a i a d a s para a l g u m a a p r e s e n t a ç ã o : "Era u m dia d e j u í z o !
o h o m e m g r i t a v a , se d e s c a b e l a v a , p u x a v a o s c a b e l o s , c h o r a v a ! "
A o chegar o f i m d o século, e c o m a tomada d e c o n h e c i m e n t o
da c a m p a n h a d e Taunay, os entendimentos p r o p i c i a r a m um
r e l a c i o n a m e n t o q u e , se n ã o resultou e m a p r e s e n t a ç õ e s p ú b l i c a s ,
p o r q u e a v i d a m u s i c a l n ã o era m u i t o rica, p r o p o r c i o n o u u m a
t r o c a d e c o r r e s p o n d ê n c i a e n t r e a c i d a d e d o sul e a c a p i t a l d o
Brasil.
O estado de São Paulo possui arquivos representativos q u e
d e v e m ser m e n c i o n a d o s p o r c o n t e r o b r a s únicas d e J o s é Maurício.
Em Campinas, o pai d e Carlos G o m e s — Manuel José
G o m e s , d i r e t o r d o c o n j u n t o m u s i c a l da matriz d e N o s s a S e n h o r a
da C o n c e i ç ã o — r e u n i a u m a r q u i v o m u s i c a l d e p r o c e d ê n c i a
diversa, c o m o a dos c o m p o s i t o r e s setecentistas d e Minas Gerais,
c ó p i a s d e músicas de José Maurício feitas p e l o r e g e n t e d e s d e
1834, a l é m d a s p r ó p r i a s c o m p o s i ç õ e s . Q u a t o r z e p e ç a s d e J o s é
M a u r í c i o , a l g u m a s das quais c ó p i a s únicas, v a l o r i z a m a mauriciana
d o arquivo em questão:
Ouverture em ré
Domingo de Ramos (Ofício de)
Missa de "capella" ( p r o v a v e l m e n t e o r q u e s t r a d a p o r M. J.
Gomes)
Novena de São Joaquim
Missa mimosa ( c ó p i a q u e se p o d e j u l g a r a m a i s c o m p l e t a )
Ladainha de Nossa Senhora (1788?)

195
Cleofe Person de Mattos

O a r q u i v o está s e d i a d o n o M u s e u C a r l o s G o m e s d o C e n t r o
d e Letras d e A r t e s d e C a m p i n a s . A s c ó p i a s t ê m a assinatura d e
M a n u e l J o s é G o m e s , q u e g e r a l m e n t e data a c ó p i a . N o total, o
a r q u i v o a l c a n ç a 14 c ó p i a s .
Outra c i d a d e , P i n d a m o n h a n g a b a , n o interior d e São P a u l o ,
c o n t é m o b r a s d e J o s é M a u r í c i o . O a r q u i v o está i n s t a l a d o e m parte
d o Museu Imperial d e D. Pedro e Dona Leopoldina, d i v i d i d o
este e n t r e o a r q u i v o particular d o p r o p r i e t á r i o o r i g i n a l d o a c e r v o .
O a r q u i v o tinha d o i s m e s t r e s - d e - c a p e l a : o q u e o r g a n i z o u o
a r q u i v o e o padre José Fernando G o m e s Cardim, que
p o s t e r i o r m e n t e r e t o r n o u à C a t e d r a l d e S ã o P a u l o . Este é o a u t o r
d e a r r a n j o s e o r q u e s t r a ç õ e s d o m a t e r i a l , i n c l u s i v e u m Te Deum
e m lá m e n o r , Credo, para v o z e s e orquestra e um m o t e t o
Ascendens Christus a q u a t r o v o z e s e ó r g ã o , h o j e na C a t e d r a l d e
São P a u l o , o b r a registrada p o r M a c i e l , o q u e s i g n i f i c a i n f o r m a ç ã o
s o b r e a o r i g e m da o b r a : a C a t e d r a l d o R i o d e J a n e i r o .
O g r a n d e c e l e i r o d e obras mauricianas é, p o r é m , o estado
de Minas Gerais, c o m arquivos centenários. Vários deles reúnem
manuscritos desaparecidos d o Rio de Janeiro. Em São J o ã o del-
R e i , c o m s e u s d o i s a r q u i v o s c e n t e n á r i o s , a Lira S a n j o a n e n s e t e m
p a r t e d o m o t e t o Creator alme siderum ( C T 5 9 ) (as partes q u e
faltam reaparecem e m O u r o Preto), e a possivelmente primeira
v e r s ã o d a s Matinas de Santa Cecília ( ? ) e a c ó p i a ( ú n i c a ) d e u m
moteto, Aleluia.
Na m e s m a c i d a d e , a Orquestra R i b e i r o Bastos b e n e f i c i o u -
se d e cópias " e m t e m p o levadas p o r Martiniano Ribeiro Bastos",
c o m o e s c r e v e T a u n a y , entre e l a s o Requiem. Seu a r q u i v o c o n t é m ,
e n t r e o u t r a s c ó p i a s , d u a s o b r a s ú n i c a s e tardias: Responsórios
fúnebres e Matinas de Nossa Senhora do Carmo.m
A l é m da Lira S a n j o a n e n s e e da O r q u e s t r a R i b e i r o Bastos, o
M u s e u da I n c o n f i d ê n c i a d e O u r o P r e t o é d e p o s i t á r i o d o a c e r v o
Curt L a n g e . N e l e e n c o n t r a m - s e d u a s v a l i o s a s p a r t i t u r a s : o
a u t ó g r a f o d a Missa abreviada ( 1 8 2 3 ) e o mais antigo a u t ó g r a f o
d e J o s é M a u r í c i o l o c a l i z a d o até a g o r a : a partitura d o s d o i s ú l t i m o s
m o t e t o s : Sepulto Domino e o Heu ( L a m e n t a ç õ e s ) , C T 123, d o s
Bradados de 6afeira maior, d e 1789.
O u t r a s o b r a s ú n i c a s e n c o n t r a m - s e n o M u s e u da
I n d e p e n d ê n c i a , até h o j e i n t e i r a m e n t e d e s c o n h e c i d a s d o p ú b l i c o :
a Ladainha de N. Sr.a das Dores ( p r o v a v e l m e n t e d e 1809 o u 1812)
e a Antífona de S. José ( o b r a i n c o m p l e t a ) .
A c i d a d e d e M a r i a n a t e m seu e x e m p l a r ú n i c o ( a r q u i v o da
C ú r i a ) , n o Libera me ( e m s o l m e n o r ) p a r a v o z e s e ó r g ã o .
D i a m a n t i n a p o s s u i e m u m a r q u i v o p a r t i c u l a r ( V i c e n t e C. P i r e s )
u m a Ladainha do Sagrado Coração de Jesus.

196
José Maurício Nunes Garcia biografia

D ã o - s e p o r encerradas, p o r circunstâncias outras q u e não


o e s g o t a m e n t o d e m a n u s c r i t o s m a u r i c i a n o s , as p e s q u i s a s e m
Minas Gerais. Muito haverá o que procurar, obras talvez
e s q u e c i d a s , outras c o n s e r v a d a s e m a r q u i v o s m e n o r e s .

Século vinte

A d i v u l g a ç ã o da o b r a d e J o s é M a u r í c i o p a r e c e ter
e s m o r e c i d o um p o u c o com a morte de L e o p o l d o Miguez (1902)
e, posteriormente, de Alberto N e p o m u c e n o (1920), os dois
p r i m e i r o s b a t a l h a d o r e s d a d i v u l g a ç ã o da c o l e ç ã o B e n t o d a s
M e r c ê s . U m a q u e outra a p r e s e n t a ç ã o a c o n t e c i a , e m S ã o P a u l o
(Missa mimosa'), o u n o R i o d e J a n e i r o . A q u i se f a z i a m as h o n r a s
da d i v u l g a ç ã o i d e a l i z a d a p o r T a u n a y . A a u d i ç ã o d o Requiem, em
1930, d i r i g i d a p o r F r a n c i s c o B r a g a , m a r c o u a p r e s e n ç a d o c o m -
p o s i t o r n o p r i m e i r o c e n t e n á r i o da sua m o r t e .
O Requiem f o i p r i v i l e g i a d o p o r várias a p r e s e n t a ç õ e s não
a p e n a s n o R i o d e J a n e i r o . M a s v a l e citar a q u e o c o r r e u e m 1948,
na missa d e s é t i m o dia d e L o r e n z o F e r n a n d e s , q u e d e i x o u marcas
na l e m b r a n ç a d o s q u e a o u v i r a m .
P o r essa é p o c a já entrara e m c e n a a A s s o c i a ç ã o d e C a n t o
Coral e o seu d e s e j o d e aparelhar-se para r e p e r t ó r i o mais
c o m p l e x o , c o m orquestra e c o r o misto. C o m a necessidade de
o u v i r - s e música brasileira, mais uma v e z u m a c o n t e c i m e n t o
r e l i g i o s o de nível nacional p r o p i c i a v a a o p o r t u n i d a d e : o 35°
C o n g r e s s o Eucarístico e m 1955. C o m e ç a v a a A s s o c i a ç ã o a p r o c u r a
das nossas raízes nacionais, iniciando um p e r í o d o de d e v o ç ã o
p o r p a r t e d a q u e l a s o c i e d a d e m u s i c a l a t r a v é s da m ú s i c a d o p a -
dre-mestre.
D e s t a v e z n ã o era a p e n a s o Requiem q u e se o u v i r i a , m a s
t r e c h o s d a s Matinas do Natal, u m a d a s m a i s d e l i c a d a s p e ç a s d o
c o m p o s i t o r , q u e já t r a z i a m e m sua e s c r i t a r e s s a i b o s d o
n a c i o n a l i s m o , a Missa em si bemol, d e 1801, e o b r a s d o r e p e r t ó r i o
internacional.
Sua m a i o r g l ó r i a seria, p o r é m , ter-se b a t i d o p e l a a q u i s i ç ã o
d o a c e r v o musical d e B e n t o Fernandes das M e r c ê s para d o á - l o
a o Instituto N a c i o n a l d e Música, s a l v a n d o - o d o d e s a p a r e c i m e n t o ,
traças e o u t r o s m e i o s d e d e s t r u i ç ã o , p a r a ser a m a i s i m p o r t a n t e
c o l e ç ã o d e c o m p o s i ç õ e s d o padre José Maurício.

197
Cleofe Person de Mattos

Já era t e m p o d e se p e n s a r e m g r a v a r a l g u m a o b r a , a s s i m
c o m o e m imprimir partituras para m e l h o r c o r r e s p o n d e r aos
p r o p ó s i t o s d e d i v u l g a ç ã o . A Escola d e Música n ã o f u g i u a o seu
dever, d e v e z q u e dispunha d e imprensa o n d e eram publicados
o s p r i m e i r o s n ú m e r o s da Revista Musical de Belas-Artes (1934).
A Missa dos defuntos d e 1809 f o i d a s p r i m e i r a s o b r a s i m p r e s s a s ,
p o r iniciativa d e Luiz H e i t o r Corrêa d e A z e v e d o . Outras seriam
p r o d u z i d a s : Tantum ergo das Matinas da Conceição (1798). Outro
Tantum ergo ( e m mi m e n o r ) , escrito para v o z e s c o m
acompanhamento de órgão, foi orquestrado possivelmente por
F r a n c i s c o M a n u e l da Silva. N o m e s m o í m p e t o , m a i s o u m e n o s à
é p o c a , f r e i P e d r o S i n z i g f e z p u b l i c a r na r e v i s t a Música Sacra as
Matinas do Natal ( i n f e l i z m e n t e s o m e n t e a p a r t e v o c a l ) . O u t r a s
obras f o r a m publicadas, sempre e m c o n d i ç õ e s precárias.
A s a u d i ç õ e s m u l t i p l i c a v a m - s e , mas a i m p r e s s ã o c o n t i n u a v a
muito dificultosa. A apresentação de obras levantadas de
m a n u s c r i t o s a u t ó g r a f o s e m partituras a t i n g i a m , p o r v e z e s , 242
p á g i n a s ( c o r o , i n s t r u m e n t a l e s o l i s t a s ) . S e g u i r a m - s e as p e ç a s a
c a p e l a d e S e m a n a Santa, r e p e r t ó r i o q u a s e t o d o d a t a d o d e 1789-
Foi uma r e v e l a ç ã o s u r p r e e n d e n t e a existência dessas p e q u e n a s
peças, q u e o b e d e c i a m a uma tradição portuguesa.
S e m p r e c o m o p r o p ó s i t o d e apresentar as primeiras a u d i ç õ e s
c o n t e m p o r â n e a s , para r e v e l a r u m a o b r a e n o r m e e q u e m e r e c i a
ser c o n h e c i d a d o s brasileiros, a c i d a d e p r e p a r o u - s e para
c o m e m o r a r o 4 a C e n t e n á r i o d e sua f u n d a ç ã o . D o i s a n o s antes, o
Serviço d o Patrimônio — então f u n c i o n a n d o por cima de um
g a l p ã o d e m a r c e n a r i a , j u n t o à Q u i n t a da B o a Vista — p r e p a r o u
u m o r ç a m e n t o e e s t u d o s n e c e s s á r i o s para c o m e m o r a r a arte m u -
sical. P o r iniciativa d e seus d i r e t o r e s , p r o f e s s o r I p a n e m a M o r e i r a
e Dona Cibele d e Ipanema Moreira, organizou-se um p l a n o q u e
i n t e r e s s a v a m a i s d e p e r t o a i m p r e s s ã o d e partituras. P o r falta d e
recursos, o plano não teve seguimento. A o m e s m o t e m p o , e c o m
o m e s m o o b j e t i v o , p o r iniciativa d o p r o f e s s o r C â n d i d o d e A n d r a d e
M u r i c y f o i p r o p o s t o p e l o C o n s e l h o Federal d e Cultura d o
M i n i s t é r i o da E d u c a ç ã o e Cultura t o m a r m e d i d a s c o m o m e s m o
p r o p ó s i t o : c o m e m o r a r a data c o m u m p r o j e t o d e i m p r e s s ã o d e
partituras e u m c a t á l o g o d a s o b r a s d e J o s é M a u r í c i o . O p r o j e t o
f o i e l a b o r a d o p o r A d e m a r A l v e s da N ó b r e g a , d e l e r e s u l t a n d o a
c ó p i a d e a l g u m a s m a t r i z e s e a p u b l i c a ç ã o d o Catálogo temático,
r e a l i z a d o p e l a autora deste l i v r o e p u b l i c a d o e m 1970. A s matrizes
f i c a r a m a g u a r d a n d o uma o p o r t u n i d a d e , q u e v e i o e m seguida.
A o aproximar-se o ano d o centenário, algumas peças foram
o u v i d a s . As c o m e m o r a ç õ e s tiveram início n o dia 3 d e m a r ç o de
1 9 6 5 e a m ú s i c a d e J o s é M a u r í c i o b r i l h o u na i g r e j a d o s

198
José Maurício Nunes Garcia biografia

C a p u c h i n h o s — o n d e está c o n s e r v a d o o m a r c o d e f u n d a ç ã o da
c i d a d e — c o m v á r i a s o b r a s : o Eccesacerdos (1810) a oito vozes,
o Gradual de São Sebastião (1799) e vários hinos.
A S e m a n a Santa d e 1965 f o i a i n d a c o m e m o r a d a c o m n o v a s
a p r e s e n t a ç õ e s , e m p r o m o ç ã o da R á d i o M i n i s t é r i o da E d u c a ç ã o e
Cultura. F o r a m o u v i d a s na C a n d e l á r i a , t a m b é m e m p r i m e i r a
audição c o n t e m p o r â n e a , s o b a direção d e A l c e o B o c c h i n o , obras
d e v á r i a s é p o c a s , c o m a O r q u e s t r a S i n f ó n i c a N a c i o n a l e solistas
da A s s o c i a ç ã o d e Canto Coral: G o d o f r e d o T r i n d a d e , Dircéa
A m o r i m : Domingo de Ramos ( C T 2 1 7 ) , m a n u s c r i t o d o M u s e u
C a r l o s G o m e s ; Matinas da Ressurreição ( C T 2 0 0 ) e o Te Deum
( C T 93).
N e s s e m e s m o a n o , v á r i o s a c o n t e c i m e n t o s culturais f o r a m
r e a l i z a d o s p o r ó r g ã o s o f i c i a i s , i n c l u s i v e a g r a v a ç ã o d e três d i s -
cos, c o m obras d e José Maurício e outros c o m p o s i t o r e s brasileiros
o u l i g a d o s a o Brasil. F o r a m g r a v a d a s : Cruxfidelis ( 1 7 8 9 ) , Judas
mercator pessimus ( 1 8 0 9 ) , Sinfonia fúnebre ( 1 7 9 0 ) , Kyrie e
fugatos ( 1 8 1 0 , t r e c h o s d a Missa de Nossa Senhora da Conceição),
Zemira ( 1 8 0 3 ) , Te Deum ( 1 8 1 1 ) , Beijo a mão que me condena
( s . d . ) e Abertura em Ré M.
N a v e r d a d e , as g r a v a ç õ e s c o m e ç a r a m e m 1958, p o r iniciativa
d e I r i n e u G a r c i a , d i r e t o r d o s e l o Festa, a q u e m o Brasil f i c o u
d e v e n d o a l g u m a s g r a v a ç õ e s m e m o r á v e i s . M a i s u m a v e z , o Re-
quiem foi o pioneiro, levado no Teatro Municipal, com a
Orquestra Sinfónica Brasileira, e a A s s o c i a ç ã o d e Canto Coral.
A Missa pastoril (1811) foi gravada pela O d e o n , sob a
regência d e Francisco M i g n o n e , e a Associação d e Canto Coral.
À primeira iniciativa de Irineu Garcia, seguiram-se outras
g r a v a ç õ e s , i n c l u s i v e u m a d e g r a n d e s i g n i f i c a ç ã o , a Missa de Santa
Cecília, a p r e s e n t a d a e m c o n c e r t o e m 1959-
Em 1986, d i a n t e da p e r s p e c t i v a d e n o v a s g r a v a ç õ e s , a
A s s o c i a ç ã o d e C a n t o C o r a l abriu e m s e u s q u a d r o s u m c o n j u n t o
i n s t r u m e n t a l — a C a m e r a t a R i o d e J a n e i r o — para a c o m p a n h á - l a
nesses discos. Três g r a v a ç õ e s f o r a m feitas, duas das quais c o m
m ú s i c a s d e J o s é M a u r í c i o : Matinas do Natal ( 1 7 9 9 ) e a Missa de
Nossa Senhora do Carmo (1818), ambas em CD. Dificuldades
e c o n ó m i c a s i m p e d i r a m q u e a s é r i e c o n t i n u a s s e . O s 35 a n o s d e
e x i s t ê n c i a da A s s o c i a ç ã o d e C a n t o C o r a l ( 1 9 7 6 ) f o r a m
c o m e m o r a d o s c o m a p u b l i c a ç ã o d e O b r a s Corais, uma série de
d e z p e ç a s a c a p e l a p a r a S e m a n a Santa.
P o u c o t e m p o a p ó s , c r i a v a - s e , n o M i n i s t é r i o da E d u c a ç ã o e
Cultura, a Funarte ( F u n d a ç ã o N a c i o n a l d e A r t e ) , q u e e n o r m e s
s e r v i ç o s p r e s t o u à cultura e à arte b r a s i l e i r a s . Em c o n v é n i o c o m
a A s s o c i a ç ã o d e C a n t o C o r a l , f o r a m i m p r e s s a s as Matinas do

199
Cleofe Person de Mattos

Natal, c o m ó r g ã o e o r q u e s t r a . S e g u i r a m - s e o u t r a s p u b l i c a ç õ e s ,
p e l o i n t e r e s s e e s p e c i a l d o diretor d o Instituto N a c i o n a l d e Música
da F u n a r t e , E d i n o K r i e g e r , q u e d e c i d i u l e v a r a e f e i t o u m p r o j e t o
d e p u b l i c a ç ã o d e d e z partituras, o q u e se f e z a o l o n g o d e a l g u n s
a n o s através d o P r o j e t o M e m ó r i a Musical Brasileira — P r o M e m u s :
d o i s s a l m o s : Laudatepueri e LaudateDominum; d u a s aberturas:
Abertura em ré e Zemira; Gradual de Natal: Dies sanctificatus;
Gradual de São Sebastião; Constitues eos pricipes; Oficio 1816;
Tota pulchra; Missa de Santa Cecília; Missa pastoril.
N u n c a se tinha f e i t o p r o j e t o tão a m b i c i o s o q u a n t o e s t e , e m
t e r m o s d e Brasil, e m t o r n o d e u m c o m p o s i t o r s e m a l c a n c e
c o m e r c i a l . Foi g r a n d e a r e p e r c u s s ã o artística, c o m a p r e s e n t a ç õ e s
n o Brasil e e x t e r i o r , e ainda e s t i m u l a n d o o e s t u d o e o
c o n h e c i m e n t o d e sua o b r a .
Em 1967, d o i s a n o s a p ó s o I V C e n t e n á r i o , o c o r r i a o s e g u n d o
centenário de nascimento do padre José Maurício. A
c o m e m o r a ç ã o f o i na m e s m a igreja e m q u e f o i o u v i d a a o b r a p e l a
p r i m e i r a v e z n o B r a s i l c o l o n i a l , na C a p e l a R e a l , a g o r a
s i m p l e s m e n t e C a t e d r a l d o R i o d e J a n e i r o : a Missa de Nossa
Senhora da Conceição d e 1810. A c o m e m o r a ç ã o d e u - s e p o r
i n i c i a t i v a d e A i r e s d e A n d r a d e , e n t ã o d i r e t o r da Sala C e c í l i a
M e i r e l e s , c o m a O r q u e s t r a S i n f ó n i c a Brasileira, a A s s o c i a ç ã o d e
C a n t o C o r a l , t e n d o c o m o r e g e n t e Isaak K a r a b t c h e w s k i .
N o e x t e r i o r f o r a m l o c a l i z a d o s a u t ó g r a f o s e c ó p i a s . Em P o r -
tugal (Vila Viçosa, n o palácio d o s duques d e Bragança) i m e n s o
arquivo musical — que conserva obras de compositores
p o r t u g u e s e s q u e e s c r e v e r a m para as c a p e l a s brasileiras, entre
eles Marcos Portugal e Fortunato Mazziotti — abriga dois
a u t ó g r a f o s d e J o s é M a u r í c i o : O triunfo da América e o drama
Ulisséa, o b r a s c o m p o s t a s q u a n d o da g u e r r a c o n t r a a i n v a s ã o
f r a n c e s a , e u m a c ó p i a : Coro para o benefício da Senhora Lapinha.
Em M o n t e v i d é u localizaram-se obras d e José Maurício, todas a
três v o z e s ( m a t e r i a l a r r o l a d o n o l i v r o d e L a u r o A y e s t a r á n : La
música en el Uruguay).
A s a p r e s e n t a ç õ e s f o r a d o Brasil, e s p e c i a l m e n t e d o Requiem,
s u c e d e r a m - s e . F o i e x e c u t a d o e m N á p o l e s , p o r i n i c i a t i v a d e F.
B a d a r ó , m i n i s t r o j u n t o à Santa Sé. O Requiem foi também
a p r e s e n t a d o n o Instituto P r í n c i p e d e N á p o l e s , t e n d o c o m o r e g e n t e
O t t i n o Ravalli. A O l i v e i r a Lima, ministro p l e n i p o t e n c i á r i o d o Brasil
na B é l g i c a , d e v e - s e a e x e c u ç ã o d o Requiem, e m Bruxelas, e m
1908.
N o U r u g u a i , o Requiem foi apreciado p e l o maestro Calvo,
q u e escreveu palavras elogiosas quanto a o estilo d o eminente
b r a s i l e i r o . Em Paris, p o r o c a s i ã o da missa d o t e n o r L a b a l h a c h e ,

200
José Maurício Nunes Garcia biografia

m a i s u m a v e z o Requiem f o i e x e c u t a d o , o u v i d o p o r Rossini, q u e
se e m o c i o n o u . A o b r a h a v i a s i d o l e v a d a t a m b é m nas e x é q u i a s
d e D . T e r e s a Cristina Maria, e s p o s a d e D . P e d r o II, i m p e r a d o r d o
Brasil.

201
Notas
José Maurício Nunes Garcia biografia

1) Garcia Júnior, José Maurício Nunes. Apontamentos para a notícia biográfica do


membro correspondente do Instituto Histórico Geográfico e Etnográfico do Bra-
zii, Rio de Janeiro, 22.9.1860. Documento na Biblioteca Nacional, RJ, Seção de
Manuscritos, Col. Otoni, I, 36.

2) Este é o nome citado pelo compositor em dois importantes requerimentos: em 25 de


junho de 1791, ao solicitar cópia de sua certidão de batismo para instruir o processo
de genere, habilitação à carreira sacerdotal; o outro, em 1809, está vinculado ao
processo de concessão do Hábito de Cristo (Arquivo Nacional: Ordens Militares, Cx.
331, doe. 1.221). Em ambos os casos o segundo sobrenome toi omitido nas cópias
expedidas. Vem citado (grafado: "Gracia") na cópia da certidão de casamento de
seus pais. igualmente anexada ao processo de genere (página 31) e por isso repetido
em todos os documentos expedidos pela Câmara Episcopal do Rio de Janeiro em
1791. Quanto ao "José" acrescentado pelo dr. Nunes Garcia ao nome do avô —
Apolinário José Nunes — nos citados Apontamentos (nota n. 1), não há sinal em
nenhum documento importante. O filho de José Maurício também não é exato ao
qualificar o avô como mestre-de-campo e nascido em Campos dos Goitacases:
Apolinário era alfaiate, nasceu na ilha do Governador e foi batizado na igreja de Nossa
Senhora da Ajuda. O sobrenome Nunes Garcia pode revelar algum laço com o
proprietário de um engenho de açúcar na ilha do Governador: Pedro Nunes Garcia.
Este foi casado e teve vários filhos; fez-se padre no fim da vida e foi pároco na mesma
igreja em que Apolinário foi batizado em 1743. A respeito da possível aproximação,
vide artigo de Cibele Ipanema Moreira no Jornal do Commercio, Rio de Janeiro, 16
abr. 1967.

3) O processo de genere encontra-se no Arquivo do Cabido Metropolitano do Rio de


Janeiro e é o documento citado como fonte principal, pois o Livro I de Assento de
Matrimónios da Igreja de Santa Rita, onde foi registrado o casamento dos pais de
José Maurício (às páginas 150v) está desaparecido.

4) A requisitória de genere enviada pela Câmara Episcopal do Rio de Janeiro para o


bispado de Mariana a favor de José Maurício Nunes Garcia (L- 10, fls. 60 do
Contencioso) envolveu várias autoridades em Minas Gerais, além do vigário de
Cachoeira do Campo. São de Mariana: Dr. José Botelho Borges — cónego da Catedral,
examinador sinodal, provisor, juiz de habilitação de genere; José da Costa Serrão —
escrivão da Câmara Episcopal; José Joachim Santanna (ou Santa Anna) — clérigo
subdiácono — que reconhece por fim a certidão. Esta vem transcrita às páginas 11
do Processo.

5) Curioso que as testemunhas de 1791 recordem o nome de Simão Gonçalves, embora,


desde o batismo de Vitória Maria, sua mãe já era apontada como escrava de Barbosa
Gonçalves, provável descendente de Simão. Quanto ao ser "crioula da Guiné", uma
voz apenas discorda dessa informação: Manuel Rodrigues Garcia, testemunha das
inquirições no Rio de Janeiro, mas natural do bispado de Mariana, que cita Joana
como natural de Angola.

6) Barroco (Belo Horizonte, 1981, n. II, após a página 13). Algumas considerações se
fazem necessárias, porquanto o documento que exibe fragmento de folha de livro
aparentemente original, discorda de todas as referências conhecidas. Aceitar dois
escravos na ascendência próxima (avô) do padre José Maurício seria não reconhecer
o iniludível contingente de raça branca no compositor. Condição que um avô
"desconhecido" explica melhor. Basta conferir os traços relativamente finos do retrato
pintado pelo filho, dr. Nunes Garcia (óleo na Escola de Música da UFRJ) e da máscara

205
Cleofe Person de Mattos

mortuária moldada por Manuel de Araújo Porto-Alegre, hoje no Instituto Histórico e


Geográfico do Rio de Janeiro.

7) De seu primeiro casamento com o tenente Raimundo Pereira de Abreu, herdou Vitória
Maria "umas terras" situadas em Obatiba, distrito de Maricá. Terras compradas em
1760 por Raimundo, ainda solteiro, por 260S000. Com o seu falecimento e provável
deslocamento de Vitória Maria, as terras foram invadidas e passaram a outros
proprietários. Em 1809, valendo-se do prestígio do filho junto a D. Joio, quis reavê-
las, sem resultado. Mais tarde, após a morte de José Maurício, essas terras ainda
seriam objeto de cobiça em sua descendência (Biblioteca Nacional — Seção de
Manuscritos — C — 175—10).

8) A segunda cópia, calcada na mesma fonte — documento no Arquivo Nacional, caixa


331, doe. 1.221 — feita a pedido do compositor em 1809 para instruir o processo
de habilitação de José Maurício ao Hábito de Cristo, além de equivocada a data de
nascimento de José Maurício para 20 de setembro, repete o mesmo engano da cópia
de 1791 quanto ao nome da avó paterna, Joana da Silva, evidenciando que a
inexatidão no sobrenome da mesma é proveniente do próprio registro original, de
1767. Há discordância igualmente no nome atribuído ao padrinho de batismo de
José Maurício: Manuel Jacques (ilegível) na cópia de 1791, e, aportuguesadamente,
Manuel Joaquim na cópia de 1809.

9) A rua da Vala, foco de poluição, fora coberta por um lajeado, assim defendendo a
saúde dos moradores locais, inclusive a dos frequentadores da Catedral e Sé,
instalada na mesma rua. Um jardim surgira ao longo da rua da Ajuda — o Passeio
Público — e no mapa da cidade, pontilhada de alagadiços, a lagoa do Boqueirão é
aterrada. Localizada nas proximidades do Aqueduto, a meio caminho do Passeio
Público, a imagem da lagoa foi perpetuada no quadro pintado por Leandro Joaquim,
em data que coincide com a época da primeira composição de José Maurício.

10) Uma breve referência às festas reais no Rio de Janeiro do século XVIII deixa.claro
que a cidade estava inicialmente longe da opulência exibida em Minas Gerais ou
Salvador, para essas realizações. Em 1728 (10.VI), o governador Vahia Monteiro —
o Onça — comunica em ofício a programação da festa que se realizaria por ocasião
dos "desposórios" do príncipe com a princesa espanhola, filha de Felipe II: comédias,
toiros e "outras demonstrações de alegria" (Múcio da Paixão, O teatro no Brasil, p.
74). Não fica esclarecido se as comédias eram feitas com "bonifrates" ou
"mamulengos". Não se faz menção de qualquer atividade musical. Mário de Andrade
(Pequena história da música, p. 155), citando Lamego Filho (A planície do solar e
da senzala), faz crer que outras cidades da província — caso de São Salvador do
Campo dos Goitacases — fossem melhor aparelhadas, musicalmente, do que a cidade
de São Sebastião e refere-se a uma festa na qual o músico Pedro Leam dirigiu, ao
órgão, um Te Deum acompanhado de orquestra de cordas e sopros, com violinos,
violas, flauta, clarinete, acrescido de "gaitas de fole". As festas reais tinham o
privilégio de impulsionar acontecimentos musicais mais apurados. Os "atos
académicos", constituídos pela reunião de homens cultos, empenhavam-se em
valorizar os seus encontros musicais no século dezoito. É o que se vê, por volta de
1747, no Rio de Janeiro, à chegada do bispo D. Antônio do Desterro, quando foi
apresentada no Mosteiro de São Bento uma ópera — Felinto exaltado — com
"excelente música". Os atores "vinham especiosamente vestidos, que no luzido das
pedras com que se guarnecem mostravam o brilhante dessa festa" (Isidoro da
Fonseca, Júbilos da América, Rio de Janeiro, 1747, p. 21). Carleton Spraghe Smith,
em entrevista ao Correio da Manhã (18. nov. 1972). Ainda antes de instalado o vice-

206
José Maurício Nunes Garcia biografia

reinado no Rio de Janeiro, em 1763, ao chegarem quatro religiosas clarissas, o


capitão João Castelo Branco oferece um concerto "do que havia de melhor" (Jornal
do Commercio—26 maio 1850). Apenas não se sabe o que seria esse "melhor".

11) O Teatro do Padre Ventura sucede aos mais populares tipos de teatro — marionetes,
bonifrates, mamulengos — e foi chamado de "Casa da Ópera". E porque deixara de
ser teatro de bonecos, a Casa da Ópera também foi conhecida como a "oipr'a dos
vivos". Funcionava em rua que ficava no caminho do Valongo. Particularidade que
chama atenção para o nível social circundante, nas proximidades do largo do Capim,
local hoje desaparecido mais situado nas imediações da que foi chamada de "rua do
Fogo" — hoje rua dos Andradas — centro comercial do Rio de Janeiro. O repertório
tinha pretensões: Metastásio, Antônio José da Silva, o Judeu. Não são muitos os
dados que oferecem visão nítida de sua realidade musical. 0 ter sido visitado e
merecido comentários de viajantes europeus: James Forbes — súdito inglês que em
1759 se dirigia a Goa para trabalhar na Companhia das índias — e pelo barão de
Bougainville — navegador francês (1729-1811), autor de Voyage autourdu monde
(1771), de visita ao Rio de Janeiro em julho de 1767 — permite adiantar algumas
informações. O teatro era dirigido pelo chamado padre Ventura, apontado por
Bougainville como mulato e corcunda, que subia ao palco para cantar acompanhando-
se ao violão. 0 pesquisador Gilson Nazareth retifica: "Nem mulato nem corcunda e
seu nome era Boaventura Dias Lopes, batizado em julho de 1710." Gilson Nazareth
dá outros informes além destes, que serão publicados proximamente em pesquisa
própria. Luiz Antônio de Bougainville descreve a sala como "bastante bonita"; sobre
o espetáculo a que assistiu, acrescenta à imagem do seu diretor "padre corcunda".
Segundo depoimento de Forbes — anterior ao de Bougainville — o teatro mantinha
com regularidade dois espetáculos semanais. Apoiava-se o repertório no gosto popu-
lar, em peças dramáticas ou com participação de cantores, atores e orquestra, peças
do tipo de zarzuelas, denominação de origem espanhola para peças — geralmente
em um ato — onde o diálogo dos atores se entremeava com o canto e a interferência
de instrumentistas e dançarinos. Peças de caráter ligeiro, nisso contrastava com as
óperas, de natureza mais séria. A preferência pelas peças sobre libreto do poeta
italiano Pietro Metastásio (Roma, 3 de janeiro de 1698 — Veneza. 12 de abril de
1782) é manifesta. Libretos utilizados em obras de sucesso por figuras como Scarlatti,
Vivaldi, Cimarosa, a tradução para a língua portuguesa facilitou o caminho para os
compositores lusitanos, entre os quais Marcos Portugal. O brasileiro Antônio José
da Silva, o Judeu, gozava igualmente do gosto do público e foi precisamente em
noite de representação de Os encantos de Medéa, de sua autoria, que o Teatro do
Padre Ventura se incendiou. A data, incerta, tem sido citada entre 1767, ou, segundo
Varnhagen, "depois de 1769".

12) A alegria do povo do Rio de Janeiro, abalada com o incêndio do Teatro do Padre
Ventura, renasce com o estímulo que lhe oferece o ânimo folgazão do marquês do
Lavradio com a abertura da sala de espetáculos que mais tarde se chamou Teatro de
Manuel Luiz, no edifício ao lado do palácio do Vice-Rei, hoje palácio Tiradentes, onde
também funcionava a cadeia. O aspecto externo, que se pode ver na litografia de
Desmons, parece justificar, apesar das nove janelas e uma porta, as reservas que lhe
fazia John Luccock ao qualificá-lo de "casa miserável, apertada, sombria" (Notas
sobre o Rio de Janeiro e partes meridionais do Brasil-, São Paulo. Livraria Martins
Editora, Biblioteca Histórica Brasileira). O inglês descreve com "olho frio" o seu in-
terior, o palco acanhado. Embora não compartilhe, Luccock confirma admiração dos
habitantes da cidade pelo seu teatro.
Após 1808, com a chegada da corte, o teatro sofreu reformas é passou a ter duas
ordens de camarotes, arandelas e lustres de cristal. Informa Moreira de Azevedo
(op. c/f., v. 2. p.140) que nas primeiras filas da platéia o público se sentava em

207
Cleofe Person de Mattos

tamboretes "com encosto". 0 espaço posterior, coberto pela tribuna real, não
dispunha de cadeiras. À orquestra refere-se o inglês como "reduzida e mal recrutada".
No ato da inauguração — data não precisa — falou o poeta Silva Alvarenga, que
recitou um poema "ao grande Pedro", marido de 0. Maria I, e exalta a função cultural
do Teatro (Múcio da Paixão, O teatro no Brasil, p.70).
Ao longo das duas últimas décadas do século dezoito e início do dezenove, o Teatro
de Manuel Luiz, se não divergia, em essência, das realizações do Padre Ventura —
que também reunia atores e músicos — tinha outra categoria. Era o local mais
qualificado na apresentação de peças dramáticas, entremeadas ou não de música.
As ouvertures eram de praxe. Os espetáculos denominados "óperas" estariam longe
da complexidade que hoje caracteriza o género: além das ouvertures, ouviam-se
árias, duetos, coros. Ao ensejo de casamentos e nascimentos de príncipes e reis, o
Senado da Câmara obrigava-se a favorecer a população com espetáculos de "ópera
franca", isto é, gratuita, que se realizavam no Teatro de Manuel Luiz. Os festejos
eram anunciados por bandos de publicação, que percorriam a cidade com música,
cavalos, foguetes, roupa para os músicos e máscaras anunciando os itens da festa e
os seus motivos.
As deficiências de instalação e de funcionamento do teatro tornaram-se evidentes
com a chegada da corte portuguesa e forçaram Manuel Luiz a enfrentar o desafio
promovendo reformas no edifício, mudando inclusive o nome para Teatro Régio. O
pano de boca de cena, setecentista, pintado por Leandro Joaquim, é substituído —
por ordem de D. João — por outro, que tinha por motivo a baía de Guanabara, pintado
por José Leandro de Carvalho, artista que viera de Portugal com 0. João.
José Maurício compôs, em 1809, duas obras para acompanhar uma ação dramática
que tinham o teatro como cenário e como cantora solista a "Senhora Lapinha".
Datam de 1810 os primeiros sinais de que o velho Teatro de Manuel Luiz, renovado
mas envelhecido, apesar do título de Teatro Régio que lhe é aposto, não mais
correspondia às exigências do público socialmente categorizado que passara a
frequentá-lo. Em 28 de maio, quinze dias após o casamento de D. Maria Teresa, é
expedido o decreto de D. João para a construção de novo teatro de ópera. A concessão
de loterias para esse fim acompanhava o decreto, e logo foi decidida a sua extração
em 25 de junho — presteza que mostra o empenho — no consistório da igreja de
São Francisco de Paula.
Não fraquejou Manuel Luiz diante da perspectiva, e continuou apresentando no Teatro
Régio comédias e tragédias provavelmente em novas encenações de obras traduzidas
para o português: Molière, Goldoni e, como sempre, Metastásio; assim sobreviveu
até 1812.

Em 1811 chegou ao Brasil Marcos Portugal. Imediatamente, todas as deferências e


sinais de consideração, inclusive posições oficiais foram reservadas para o com-
positor português que no mesmo ano, a 9 de outubro, foi encarregado "da inspeção
dos teatros". A incumbência atingia as "peças em música" apresentadas nos dias
em que Sua Alteza Real se dignasse a assistir ao espetáculo. Na mesma data, um
aviso era dirigido a Manuel Luiz:
"Tendo acontecido por várias vezes não serem executadas na real presença do
Príncipe Regente Nosso Senhor com a regularidade devida algumas peças de música
que se têm recitado no teatro de V. Mcê.: o mesmo Senhor he servido, para evitar
esta falta de execução, das providencias que julgou convenientes a este respeito,
encarregando a Marcos Portugal, mestre de Musica de SSAARR, a inspeção e direção
de comum acordo com V. Mcê., dos espetáculos que se destinarem para os dias em
que S A R fôr ao teatro na forma do aviso de Cópia inclusa na data de hoje, que
remeto a V.Mcê., para sua inteligência. Deus guarde a V. Mcê. Paço, em 9 de outubro
de 1811 — Conde de Aguiar."

208
José Maurício Nunes Garcia biografia

Manuel Luiz resistiu com dignidade a esta prova, e o teatro continuou em


funcionamento. Em dezembro do mesmo ano, apesar da grave enfermidade do com-
positor português, deu-se continuidade à rotina da comemoração anual do aniversário
da rainha, apresentando no Teatro Régio a ópera-bufa de Marcos Portugal: L'oro
non compra amore. Foram intérpretes Mariana Scaramelli, mulher do primeiro
bailarino Luiz Lacombe e habitual cantora das obras de Marcos Portugal. Atuaram
portugueses (Antônio Ferreira e Manuel Rodrigues) e brasileiros (Luiz Inácio,
Joaquina da Lapa — a "Lapinha" — Geraldo Inácio e João dos Reis). Complementava
o espetáculo, segundo o costume, um bailado. 0 programa, que se encontra na
Biblioteca Nacional, Seção de Obras Raras, informa, italianizando-os, os nomes dos
intérpretes, assim grafados: "Geraldo Ignazio, Lugi Ignazio, Gio. dos Reis, Giovacchina
Lapa." Prejudicadas no ano seguinte (1812) as atividades no teatro por motivo de
luto na família real — falecimento do príncipe D. Pedro Carlos, marido de D. Maria
Teresa — a comemoração do aniversário da rainha, em dezembro, realizou-se com
outra ópera de Marcos Portugal: Artaxerxes. O bailado foi composto por Luiz
Lacombe sobre assunto mitológico, como de praxe. Seriam as últimas entre as mais
importantes realizações no Teatro Régio, que já fora a Nova Ópera, mas não deixará
esquecido o nome do Teatro de Manuel Luiz que o distinguiu durante muitos anos.
Em outubro de 1813 é inaugurado o Real Teatro São João. O velho teatro setecentista
não sobreviveu à inauguração do novo e majestoso teatro de ópera. Mais tarde coube-
Ihe destino ingrato: transformou-se em depósito de material da Casa do Trem e por
fim, em 1817, de alojamento para as damas da princesa D. Maria Teresa.

13) Revista da Semana, Rio de Janeiro, outubro, 1943.

14) Carlos Rizzini: Hipólito da Costa e o Correio Braziliense; São Paulo, Companhia
Editora Nacional, 1957, p.84, item 9). Hipólito José da Costa (13 ago. 1774 — 11
nov. 1823), homem de grande instrução, ao voltar dos Estados Unidos para Portugal
foi acusado de ser maçom, o que confirmou. Fugindo de Portugal para a Inglaterra,
iniciou a publicação do Correio Braziliense (1808-1822), obra de grande valor sobre
os acontecimentos históricos no Brasil.

15) Antônio Nascentes Pinto fizera estudos na Itália, onde a oportunidade de ouvir e
talvez de praticar música dera-lhe a capacitação que desenvolveu no Brasil, ao
retornar: manter em atividade um grupo musical com repertório que lhe era familiar.
Nascentes Pinto traduziu para o português as óperas Pieti d'amore e L'italiana in
Londra. O poeta e músico Silva Alvarenga "ensaiava nesse teatro composições
trágicas e cómicas de amigos e discípulos seus antes de serem apresentadas no
Teatro de Manuel Luiz". Não tardou ao grupo receber a denominação de "companhia
Ifrica".

16) Seja lembrado que foi cantando Cimarosa e Mozart, na Real Câmara, que José Maurício
provocou o gesto entusiasmado de D. João do que lhe resultou a condecoração do
Hábito de Cristo.

17) Instalados no Rio de Janeiro desde o século dezesseis (cód. 618, v.l, estante) os
jesuítas ocupavam, ao raiar o século dezoito, terras que abrangiam considerável
extensão territorial, cujas denominações ainda encontram eco na toponímia da cidade:
Fazenda de Santa Cruz, Fazenda do Engenho Velho, do Engenho Novo, Quinta de São
Cristóvão, além dos vastos "chãos" também pertencentes á Ordem e que se
espalhavam no que hoje é o centro da cidade do Rio de Janeiro: rua da Alfândega, de
São Pedro e ainda em cidades vizinhas, entre elas Macaé. 0 enorme contingente
humano que vivia nessas terras — mais de mil escravos — ocupava-se em produção

209
Cleofe Person de Mattos

diversificada: fumo, açúcar, destilaria, plantações, madeiras, gado. Verdadeira


população que se devia alimentar, vestir, dar assistência religiosa, o que incluía a
obrigação de assistir à missa aos domingos. Alguns escravos eram especialmente
preparados para isso. e cantavam ou tocavam algum instrumento na igreja de Santo
Inácio (convento ou colégio dos jesuítas, na Fazenda), assim como em São Cristóvão.
O apego à música manteve com vida a tradição musical, o que poderá ser comprovado
em relações de escravos do século dezoito que assinalam os escravos-músicos. Seus
nomes são conhecidos numa relação de "alfaias e mais pertences" dirigida em 4 de
junho de 1791 a dom Romualdo Antônio de Freitas Coutinho, capelão curado da
igreja, de onde foram destacados os doze escravos-músicos cujos nomes são
transcritos a seguir (Arquivo Nacional, cód. 8, v.4, p.155-183). Observem-se as
indicações C (cativo e f> (forro):
João Batista C Música: p. 171
Jerônimo José C Música: p. 171
Domingos Ramos C Música: p. 173
João Francisco C Música: p. 175
Hipólito Vr» C Música: p. 178
José da Silva C Música: p. 178
Pedro Milagre C Música: p. 178
João Policeno f* Música: p. 180
Matias José f« Música: p. 182
Manuel José f« Música: p. 182
Manuel Gusmão f> Música: p. 183
José Perez f> Música: p. 183
Mesmo no período em que se dissolvia a administração da Fazenda, os escravos
músicos atuavam como profissão (Arquivo Nacional, cód.34, doe.40-2-22), incluindo
tarefas paralelas, como a que se encontra na certidão de sequestro (datada 1760)
dos bens da Fazenda do Engenho Velho, na igreja de São Francisco Xavier, feito a
pedido de Francisco Xavier Telles no ano de 1780, onde aparece o nome de Gaspar
Ribeiro como corista e "cupista". Não é menos expressivo observar-se que ao serem
vendidos os escravos da Fazenda e as terras, após o sequestro, os arrematantes
obrigavam-se a "patrimoniar a capela" e a "manter culto em cada domingo e dias
santos de guarda" (cód. 34, p.229). A exigência diz respeito à continuidade das missas
cantadas pelos escravos-músicos de Santa Cruz, tradição mantida apesar das longas
distâncias que deviam vencer esses músicos da sua "roça" na fazenda para ir até a
capela. Ainda no ano 1780 vendiam-se escravos em Santa Cruz. Vendidos conforme
a idade, as condições físicas e aptidão para o trabalho, é sem dúvida emocionante
lembrar um menino escravo de seis anos, avaliado em bom dinheiro porque sabia
cantar. Sucederam-se os sequestros durante anos, e nos seus autos confirma-se
indiretamente a prática musical, assim assegurando a participação da música nas
cerimónias religiosas. Um passado positivo na igreja de Santo Inácio é o que deixa
entrever a "Relação de coisas inúteis que vão fora do inventário" (Arquivo Nacional,
cx.507, pac.4, doe.3) ao revelar em poucos itens o requinte dos "guisamentos" da
capela ao tempo dos jesuítas: "cazula de damasco carmezim e branco, forrada de
tafetá"; "alvas de linho com renda estreita"; "opas de sarafina" (Serafina era o nome
de pequenos órgãos usados no interior). Na Fazenda de Santa Cruz ficou a memória
ativa, confirmada em breves mas intermitentes assentos anteriores a 1800. Serve de
exemplo o pedido feito em 28 de fevereiro de 1794 para a compra de "huma rabeca,
como aquela q' em outra ocasião já me comprou". Pedido feito ao soldado do I
Regimento da Praça do Rio de Janeiro — Manuel Per» Barroso — por alguém da
Fazenda cujo nome não pôde ser lido. Foi intermediário o cabo Manuel José, que

210
José Maurício Nunes Garcia biografia

entregou, sob recibo, a importância de 4$000 pela rabeca (Fonte: cx.507, doc.7,
folha 31).
Não é menos eloquente, como depoimento, o material recolhido e arrolado nos au-
tos de sequestro da Fazenda de Macaé:
35 cadernos de solfa para o Natal
48 papéis de solfa para o Sacramento
mais cinco papéis de solfa de várias cantatas
13 cadernos de solfa de três ladainhas de cantochão do tempo e alguns "bailos" e
"encomentos" para defuntos
cinco papéis ditos de solfa que constam de cantatas e "minuetos"
seis cadernos de papel riscado para solfas
29 cadernos de solfa para missa, vésperas para Nossa Senhora, e graduais para a
Ascensão e Ressurreição
um minueto e outros papéis com Te Deum e alguns sonetos etc.
Difícil será informar os nomes dos professores que orientavam essa prática. A música
andou sempre ligada à ação missionária, razão por que os nomes dos que se
ocupavam da música aparecem menos. Poderiam ser sacerdotes seculares, ou os
"não regulares" a que se referem posteriormente os autos de sequestro. Mas teriam
ajudado na construção de uma comunidade com escravos-músicos, como terão
respondido pela formação de músicos que se espalharam pelo território do Rio de
Janeiro, e possivelmente mais além, formando um background de músicos-práticos,
alimentando as irmandades e perpetuando, ainda que modestamente, os
ensinamentos recebidos nos colégios da companhia: solfa, um que outro instrumento,
um pouco de cantochão. Um desses músicos teve preservado o nome: padre João
Lopes Ferreira, que atuou na igreja de Santa Rita, na Candelária, como capelão-can-
tor, foi mestre-de-capela na Irmandade de São Pedro dos Clérigos. Mas é sobretudo
por ter sido o predecessor de José Maurício como mestre-de-capela da Catedral e
Sé que seu nome foi conservado. Os escravos-músicos continuaram sua missão na
Fazenda de Santa Cruz: em 1804 já são 21 os nomes conhecidos (cx. 507, pac. 26,
doe. 33). A chegada de D. João VI em 1808 dará ênfase à prática musical indicando
dois professores de música e de primeiras letras para Santa Cruz. O progresso que
alcançam terá contrapartida no interesse do padre José Maurício, que dedicará aos
seus irmãos de raça algumas obras que merecem atenção, inclusive uma obra famosa
da qual eles serão os intérpretes. Desde 1814 já eram 50 (cx. 507, pac. 24, doe. 53)
os que se ocupavam de música e usavam uniforme para cantar diante do rei.

18) A migração de músicos vindos de Minas Gerais beneficiou as irmandades do Rio de


Janeiro, mas também foi útil a José Maurício porque lhe trouxe aquele que será o
seu primeiro professor de música: Salvador José, o Pardo. Muitos outros músicos
da mesma origem relacionaram-se de perto com o compositor carioca; vale citar
Bonifácio Gonçalves, seu discípulo desde 1779, ou João dos Reis Pereira, gloriosa
figura de cantor que acompanhou José Maurício por toda a vida, encarregando-se
dos solos para ele especialmente compostos com todas as suas potencialidades.
Outros músicos mineiros viviam em conventos ou serviam nas ordens religiosas e
ordens terceiras da cidade. Alguns eram compositores: frei Manoel da Silva Rosa
(Itabirito (MG), 17 — Rio de Janeiro (RJ), 1793), franciscano, organista afamado.
Nada confirma, como foi aventado, relacionamento de mestre e aluno entre José
Maurício e esse frade, pessoa arredia, de trato difícil. Compositor, sabe-se de uma
"Paixão" cantada até meados do século XIX na Capela Imperial (Taunay, op. cit., p.
60). Finalmente, seja mencionada a grande figura da música mineira do século
dezoito: José Joaquim Emérico Lobo de Mesquita (Serro (MG) 1746 ? — Rio de
Janeiro (RJ) 1805). Viveu no Rio de Janeiro seus últimos dias, vinculado desde 1801

211
Cleofe Person de Mattos

à Ordem Terceira de Nossa Senhora do Carmo. A aproximação entre José Maurício e


Lobo de Mesquita, que tudo faria crer fosse positiva — mineiro um, filho de mineira
o outro, enfim dois grandes músicos — parece ter sido dificultada pelo diretor de
Música da Ordem Terceira, que tomou atitude de defesa de sua posição — ou de
seus interesses — ao ser contratado pela mesa administrativa da Ordem Terceira o
músico mineiro para tocar aos sábados e domingos na "capela do comissário".

19) No caso da Catedral e Sé, o mais credenciado reduto da música religiosa na cidade,
com um passado construído sobre uma estrutura fixa: chantres, mestre-de-capela,
"moços de coro", o desaparecimento de documentação musical por ela produzida
impede qualquer avaliação sobre a música e possíveis compositores que escreveram
para os conjuntos da Catedral nos anos que precederam o mestrado de José Maurício.
Alguns nomes de músicos nascidos no Rio de Janeiro serão conhecidos como
compositores, entre eles três carmelitas: frei José Pereira de Sant'Ana (1696 —
Salvaterra 3 jan. 1759). Suas composições foram ouvidas no Rio de Janeiro antes
de viajar para Portugal, onde presenciou o terremoto de Lisboa em 1755, o que lhe
afetou as faculdades mentais. Pereira de Sant'Ana tinha ilustração e escreveu "no
reino" a História da Ordem Carmelitana. Outro compositor do Rio de Janeiro — frei
João de Santa Clara Pinto (1735—1825) — nasceu na freguesia da Candelária e
ordenou-se em 1760. Compositor e professor de cantochão em vários conventos,
no Rio e cidades vizinhas de São Paulo, dedicou-se principalmente ao canto coral. O
caso mais incompreensível desse desaparecimento porque envolve a figura de um
intelectual que foi mestre-de-capela da Catedral do Rio de Janeiro, cabe ao padre
Antônio Nunes de Siqueira. Vale a pena conhecer alguma coisa a respeito desse
eminente teórico, tido como compositor de qualidade, para informações sobre a
situação da música na Catedral do Rio de Janeiro antes de ocupar o mestrado o
predecessor do padre José Maurício. Oriundo de família que deu à Catedral de São
Paulo dois mestres-de-capela, o padre Antônio Nunes de Siqueira nasceu no Rio de
Janeiro em 1701 onde faleceu, em 1783. Colaborou na monumental obra do mestre-
de-capela da Bahia — padre Caetano de Mello de Jesus — intitulada: "Escola de
Canto de Órgão" com uma "censura", intervenção bem fundamentada, que põe em
destaque sua erudição. Ocupou o mestrado na Catedral do Rio de Janeiro em 1733,
sem ter tomado ordens — situação incomum — por portaria do bispo D. frei Antônio
Guadalupe. Casou-se por volta de 1734 com D. Joana Vieira de Carvalho Amada. Em
1736, já viúvo e com uma filha — Inácia Catarina, mais tarde organista e segunda
priora do convento das Carmelitas Descalças — pediu para ser sacerdote (Cabido
Metropolitano, L' de índice de Processos de genere, maço 7, 1742). A habilitação
foi dificultosa, e Nunes de Siqueira principiou o ministério sacerdotal em 1747. Sua
filha deixou algumas notas sobre o pai, reproduzidas no opúsculo O Convento de
Santa Teresa, publicação do Arquivo Nacional em 1955. Pode-se apreciar a
consideração que cercava, como intelectual, o mestre-de-capela da Sé. O período foi
assinalado por uma crise envolvendo os músicos da irmandade onde se instalara a
Catedral. Insatisfeito com o nível de execução dos músicos — os "pretinhos", como
eram chamados os irmãos no processo do Conselho Ultramarino — pretendeu o
padre Nunes de Siqueira substituí-los por outros, mais competentes. O gesto
contrariava os termos do alvará de 1742 que assegurava à irmandade o direito de
fazer a música com os seus próprios músicos, assistindo-lhes apenas o mestre-de-
capela da Sé Catedral para lhes "bater o compasso". Queixaram-se os "irmãos" ao
rei, do que resultou o processo que deu razão à irmandade. A resposta do Conselho
Ultramarino à representação dos irmãos do Rosário em 1746 pode ser lida nos Anais
da Biblioteca Nacional, volume 46. Outro ato do padre Antônio Nunes de Siqueira —
sua obstinação em fundar uma Ordem Carmelitana para freiras, o convento de Santa
Teresa — causou desgosto ao bispo e resultou em sua prisão no Aljube, de 1752 a
1753. Ao ser libertado, viajou para Portugal, a fim de alcançar do rei e do papa "o
novo breve para a fundação do convento". Conseguiu-o, mas essa atitude valeu-lhe

212
José Maurício Nunes Garcia biografia

a animosidade do bispo, razão por que passou a ser perseguido. Talvez fosse a razão
de demonstrarem as autoridades desapreço pelas composições não as preservando
no arquivo da Catedral. As realizações musicais da Sé não devem ter melhorado com
essas lutas nem com o afastamento do padre Antônio Nunes de Siqueira. Em 1783
morreu aquele que talvez tives