Você está na página 1de 347

CADERNO DE TESTES

Testes de História
com Respostas Comentadas
Guilherme Pigozzi Bravo
Tiago Siqueira de Oliveira

CONTATO
EDITORA NOVA APOSTILA
FONE: (11) 3536-5302 / 28486366
EMAIL: NOVA@NOVAAPOSTILA.COM.BR
WWW.NOVACONCURSOS.COM.BR
NOSSA EQUIPE
AUTORES
GUILHERME PIGOZZI BRAVO
TIAGO SIQUEIRA DE OLIVEIRA

DIAGRAMAÇÃO
EMANUELA AMARAL
ELAINE CRISTINA GOMES

DESIGN GRÁFICO
BRUNO FERNANDES

COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA
ANDRÉIA AGOSTIN EMÍDIO
MÁRCIO ANDRÉ EMÍDIO

COORDENAÇÃO GERAL
JULIANA PIVOTTO
PEDRO MOURA

ISBN: 978-85-64384-47-7
Guilherme Pigozzi Bravo
Doutorando e Mestre em Ciências Sociais pela Universidade Estadual
Paulista “Júlio de Mesquita Filho” - UNESP e Graduado em História pela
mesma Universidade.

Tiago Siqueira de Oliveira


Doutorando, Mestre e Graduado em Ciências Sociais pela Universidade
Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” - UNESP.
ÍNDICE

Apresentação..................................................................................................07
História do Brasil - Questões 01 a 330..........................................................11
História Geral - Questões 331 a 500...........................................................220
APRESENTAÇÃO

Olá concursando. Foi com imenso prazer e carinho que elaboramos este caderno
de testes que, certamente, será mais um importante instrumento de estudo e prepara-
ção para os diversos concursos que exigem, em seus editais, o conteúdo de História.
Sabemos o quanto é imprescindível estar bem preparado para conquistar o sucesso e,
assim, alcançar a tão sonhada vaga. Diante de um mercado de trabalho competitivo,
exigente, flexível e, por isso mesmo, instável, a cada dia que passa, a carreira pública
tem sido o caminho escolhido por aqueles que desejam a estabilidade empregatícia,
acompanhada de salários muito atrativos. Tal situação eleva o número de candidatos
por vaga, fazendo, também, com que o nível de dificuldade das perguntas aumente.
Assim, não apenas se exige do concursando um grande amadurecimento intelectual,
mas, também, um bom preparo emocional. Temos ciência de que o caminho a ser
percorrido, desde a escolha da carreira, até a aprovação no certame, muitas vezes
é árduo e desgastante, porém, recompensador ao final. Felizes estaremos, por sua
aprovação.
Neste sentido, escolhemos as quinhentas questões, que estão divididas neste ca-
derno, nos tópicos História do Brasil e História Geral, de diferentes provas, bancas,
instituições e níveis de exigência.
No tópico História do Brasil, há questões referentes aos Períodos Colonial, Im-
perial e Republicano.
No tópico Historia Geral, as perguntas referem-se ao Período Antigo, Medieval,
Moderno e Contemporâneo. Decidimos mesclar as questões de cada tópico como
forma de adequar o caderno do estudante ao formato das provas, já que nestas, as
perguntas não aparecem divididas.
Por fim, gostaríamos de desejar aos concursandos um excelente estudo e que
Deus esteja com todos vocês, dando-lhes força e sabedoria. Boa Prova!!

Os autores.
GUILHERME PIGOZZI BRAVO
TIAGO SIQUEIRA DE OLIVEIRA

História
Caderno de Testes
2ª edição

São Paulo

Nova Apostila

2014
História

HISTÓRIA DO BRASIL

01. (ENEM - EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO - INEP/2012)


Próximo da Igreja dedicada a São Gonçalo nos deparamos com uma impressio-
nante multidão que dançava ao som de suas violas. Tão logo viram o Vice-Rei,
cercaram-no e o obrigaram a dançar e pular, exercício violento e pouco apro-
priado tanto para sua idade quanto posição. Tivemos nós mesmos que entrar
na dança, por bem ou por mal, e não deixou de ser interessante ver numa igreja
padres, mulheres, frades, cavalheiros e escravos a dançar e pular misturados,
e a gritar a plenos pulmões “Viva São Gonçalo do Amarante”. (Barbinais, Le
Gentil. Noveau Voyage au tour du monde. Apud: TINHORÃO, J. R. As festas no
Brasil Colonial. São Paulo: Ed. 34, 2000 - adaptado).
O viajante francês, ao descrever suas impressões sobre uma festa ocorrida
em Salvador, em 1717, demonstra dificuldade em entendê-la, porque, como
outras manifestações religiosas do período colonial, ela
(A) seguia os preceitos advindos da hierarquia católica romana.
(B) demarcava a submissão do povo à autoridade constituída.
(C) definia o pertencimento dos padres às camada populares.
(D) afirmava um sentido comunitário de partilha da devoção.
(E) harmonizava as relações sociais entre escravos e senhores.

As comemorações religiosas no Brasil Colônia nos revelam bem mais do que


a crença e os costumes religiosos; podem nos dar conhecimento maior sobre as
estruturas e relações sociais da época. A religião tinha função agregadora e promovia
a interação entre os membros de uma sociedade que compartilhassem da mesma fé,
conforme nos mostra o texto apresentado.

RESPOSTA: “D”..

02. (ENEM - EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO - INEP/2012)


As mulheres quebradeiras de coco-babaçu dos Estados do Maranhão, Piauí,
Pará e Tocantins, na sua grande maioria, vivem numa situação de exclusão e
subalternidade. O termo quebradeira de coco assume o caráter de identidade
coletiva na medida em que as mulheres que sobrevivem dessa atividade e
reconhecem sua posição e condição desvalorizada pela lógica da dominação,
se organizam em movimentos de resistência e de luta pela conquista da terra,

11
História
pela libertação dos babaçuais, pela autonomia do processo produtivo. Passam
a atribuir significados ao seu trabalho e as suas experiências, tendo como
principal referência sua condição preexistente de acesso e uso dos recursos
naturais. (ROCHA, M. R. T. A luta das mulheres quebradeiras de coco-babaçu,
pela libertação do coco preso e pela posse da terra. In: Anais do VII Congresso
Latino-Americano de Sociologia Rural, Quito, 2006 - adaptado).
A organização do movimento das quebradeiras de coco de babaçu é
resultante da
(A) constante violência nos babaçuais, na confluência de terras maranhen-
ses, piauienses, paraenses e tocantinenses, região com elevado índice de homi-
cídios.
(B) falta de identidade coletiva das trabalhadoras, migrantes das cidades e
com pouco vínculo histórico com as áreas rurais do interior do Tocantins, Pará,
Maranhão e Piauí.
(C) escassez de água nas regiões de veredas, ambientes naturais dos
babaçus, causada pela construção de açudes particulares, impedindo o amplo
acesso público aos recursos hídricos.
(D) progressiva devastação das matas dos cocais, em função do avanço da
sojicultura nos chapadões do Meio-Norte brasileiro.
(E) dificuldade imposta pelos fazendeiros e posseiros no acesso aos babaçuais
localizados no interior de suas propriedades.

A Lei de Terras de 1850, no período do 2º Reinado, permitiu o acesso à


terra mediante a compra. Essa lei originou-se em um parlamento composto por
grandes proprietários de terras e, assim, dificultava o acesso às pequenas e médias
propriedades, importantes para a fixação do pequeno camponês no campo e garantir-
lhe a sobrevivência. Por isso, muitos dos que se utilizavam de terras no interior
não mais puderam fazê-lo, pois elas tornaram-se propriedade privada. O período
republicano pouco ou nada mudou quanto ao acesso à terra, apesar das incipientes
avanços da reforma agrária. A luta pela terra ainda se mantém, como por exemplo,
as das quebradeiras de babaçu.

RESPOSTA: “E”..

03. (INEP- ENEM - EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO - 2012)


Em um engenho, sois imitadores de Cristo crucificado, porque padeceis em um
modo muito semelhante o que o mesmo Senhor padeceu na sua cruz e em toda a
sua paixão. A sua cruz foi composta de dois madeiros, e a vossa em um engenho
é de três. Também ali não faltaram as canas, porque duas vezes entraram na
Paixão: uma vez servindo para o cetro de escárnio, e outra vez para a esponja em

12
História
que lhe deram o fel. A Paixão de Cristo parte foi de noite sem dormir, parte foi
de dia sem descansar, e tais são as vossas noites e os vossos dias. Cristo despido,
e vós despidos; Cristo sem comer, e vós famintos; Cristo em tudo maltratado, e
vós maltratados em tudo. Os ferros, as prisões, os açoites, as chagas, os nomes
afrontosos, de tudo isto se compõe a vossa imitação, que, se for acompanhada de
paciência, também terá merecimento de martírio. (VIEIRA, A. Sermões. Tomo
XI. Porto: Lello & Irmão, 1951 - adaptado).
O trecho do sermão do Padre Antônio Vieira estabelece uma relação entre
a Paixão de Cristo e
(A) a atividade dos comerciantes de açúcar nos portos brasileiros.
(B) a função dos mestres de açúcar durante a safra de cana.
(C) o sofrimento dos jesuítas na conversão dos ameríndios.
(D) o papel dos senhores na administração dos engenhos.
(E) o trabalho dos escravos na produção de açúcar.

O trabalho escravo no Brasil tem sido objeto de perguntas nas mais variadas
provas. O Padre Antônio Vieira, personagem importante do período barroco
brasileiro, e representante emblemático em relação à atuação da Igreja Católica no
país colonial, aborda, em seus Sermões, temas que permeiam a sociedade daquela
época, para tecer criticas, sejam elas nas relações religiosas, sociais, políticas,
econômicas ou culturais. No texto apresentado, Vieira compara o sacrifício vicário
de Cristo ao trabalho escravo. Fica também patente uma crítica velada a essa referida
prática.

RESPOSTA: “E”..

04. (ENEM - EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO - INEP/2012)


Fugindo à luta de classes, a nossa organização sindical tem sido um instrumento
de harmonia e de cooperação entre o capital e o trabalho. Não se limitou a um
sindicalismo puramente “operário”, que conduziria certamente a luta contra
o “patrão”, como aconteceu com outros povos. (FALCÃO, W. Cartas sindicais.
In: Boletim do Ministério do Trabalho, Indústria e Comércio. Rio de Janeiro, 10
(85), set. 1941 - adaptado).
Nesse documento oficial, à época do Estado Novo (1937-1945), é apresentada
uma concepção de organização sindical que
(A) elimina os conflitos no ambiente das fábricas.
(B) limita os direitos associativos do segmento patronal.
(C) orienta a busca do consenso entre trabalhadores e patrões.
(D) proíbe o registro de estrangeiros nas entidades profissionais do país.
(E) desobriga o Estado quanto aos direitos e deveres da classe trabalhadora.

13
História
O presidente Getúlio Vargas recebeu do DIP-Departamento de Imprensa
e Propaganda a alcunha de “Pai dos Pobres”, transfigurando-se no governante
preocupado com os menos favorecidos, que precisavam ser tutelados; afinal, o bom
trabalhador é o bom cidadão. É bem verdade que esta foi a forma encontrada pelo
governo para administrar o conflito gerado pelo Capital x Trabalho, e adaptar o
universo do trabalho às propostas políticas, vinculando-as as atividades sindicais ao
Estado via Ministério do Trabalho, da Indústria e do Comércio. Nasce, dessa relação,
o fenômeno denominado “peleguismo”- resultante da articulação da liderança
sindical com o governo, sendo o Estado o árbitro maior nas situações de embates.

RESPOSTA: “C”..

05. (ENEM - EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO - INEP/2012)


Torna-se claro que quem descobriu a África no Brasil, muito antes dos europeus,
foram os próprios africanos trazidos como escravos. E esta descoberta não
se restringia apenas ao reino linguístico, estendia-se também a outras áreas
culturais, inclusive à da religião. Há razões para pensar que os africanos,
quando misturados e transportados ao Brasil, não demoraram em perceber
a existência entre si de elos culturais mais profundos. (SLENES, R. Malungu,
ngoma vem. África coberta e descoberta do Brasil. Revista USP, n. 12, dez./jan./
fev. 1991-92 - adaptado).
Com base no texto, ao favorecer o contato de indivíduos de diferentes partes
da África, a experiência da escravidão no Brasil tornou possível a
(A) formação de uma identidade cultural afro-brasileira.
(B) superação de aspectos culturais africanos por antigas tradições
europeias.
(C) reprodução de conflitos entre grupos étnicos africanos.
(D) manutenção das características culturais específicas de cada etnia.
(E) resistência à incorporação de elementos culturais indígenas.

É necessário, para responder à questão, que se compreenda bem as diferenças


conceituais existentes entre Cultura e Nação. A primeira refere-se ao conjunto de
valores, comportamentos, crenças e heranças, que, via de regra transcendem o
conceito de etnia. No caso dos africanos trazidos para a América para trabalhar
como escravos, também eles pertenciam a tribos diferentes e a construção de uma
nova identidade cultural provém das senzalas, do cativeiro. Nação já pressupõe
uma identidade cultural entre os habitantes de uma mesma comunidade. Portanto,
enquanto formadores de uma nova comunidade, os africanos “ganham” uma “nova”
identidade conforme os lugares em que foram habitar como escravos.

RESPOSTA: “A”..

14
História
06. (ENEM - EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO - INEP/2012)
Após o retorno de uma viagem a Minas Gerais, onde Pedro I fora recebido com
grande frieza, seus partidários prepararam uma série de manifestações a favor
do imperador no Rio de Janeiro, armando fogueiras e luminárias na cidade.
Contudo, na noite de 11 de março, tiveram início os conflitos que ficaram
conhecidos como a Noite das Garrafadas, durante os quais os “brasileiros”
apagavam as fogueiras “portuguesas” e atacavam as casas iluminadas, sendo
respondidos com cacos de garrafas jogadas das janelas. (VAINFAS, R. Org..
Dicionário do Brasil Imperial. Rio de Janeiro: Objetiva, 2008 - adaptado).
Os anos finais do I Reinado (1822-1831) se caracterizaram pelo aumento
da tensão política. Nesse sentido, a análise dos episódios descritos em Minas
Gerais e no Rio de Janeiro revela
(A) estímulos ao racismo.
(B) apoio ao xenofobismo.
(C) críticas ao federalismo.
(D) repúdio ao republicanismo.
(E) questionamentos ao autoritarismo.

Para que se entenda bem a proposta, é preciso que se saiba que os termos
“portugueses” e “brasileiros” não se referem à nacionalidades, mas nomeiam os
partidários e opositores do governo de Pedro I. A política do governante em questão
voltava-se mais para os interesses de Portugal o que desagradava os grandes
proprietários de terra, que apoiaram e lutaram pela independência do país, e que
esperavam uma política de modelo mais liberal (mesmo com restrições) a um
modelo autoritário referendado pelo poder Moderador instituído pela Constituição
de 1824. Noite das Garrafadas foi um momento de confronto entre “portugueses” e
“brasileiros”, que não trazia em seu bojo qualquer manifestação xenofóbica muito
menos racista.

RESPOSTA: “E”..

07. (ENEM - EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO - INEP/2012)


“Diante dessas inconsistências e de outras que ainda preocupam a opinião
pública, nós, jornalistas, estamos encaminhando este documento ao Sindicato
dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo, para que o entregue à
Justiça; e da Justiça esperamos a realização de novas diligências capazes de
levar à completa elucidação desses fatos e de outros que porventura vierem a
ser levantados.” (Em nome da verdade. In: O Estado de São Paulo, 3 fev. 1976.
Apud. FILHO, I. A. Brasil, 500 anos em documentos. Rio de Janeiro: Mauad,
1999)

15
História
A morte do jornalista Vladimir Herzog, ocorrida durante o regime militar,
em 1975, levou a medidas como o abaixo-assinado feito por profissionais da
imprensa de São Paulo. A análise dessa medida tomada indica a:
(A) certeza do cumprimento das leis.
(B) superação do governo de exceção.
(C) violência dos terroristas de esquerda.
(D) punição dos torturadores da polícia.
(E) expectativa da investigação dos culpados.

Lutava-se contra os que praticavam a tortura, nos órgãos de controle social do


regime, como o DOI-CODI; investigava-se os culpados e buscava-se o fim do regime
então vigente. As opções B, D e E trazem ideias corretas sobre as expectativas da
oposição para com o regime militar, o que pode gerar dúvidas quanto à resposta correta.
Porém, apenas a opção “E” está de acordo com o trecho apresentado. O texto vincula-
se a um momento específico - a morte do jornalista Vladimir Herzog, a qual colocou
em xeque o que ocorria no interior do DOI-CODI. As autoridades declararam que a
morte fora em decorrência de suicídio. A comunidade judaica também abalou-se, pois,
sendo ele um judeu suicida, não poderia, conforme determinam os preceitos judaicos,
ser sepultado nos limites do campo santo. Henry Sobel manifestou, publicamente, sua
descrença quanto ao suicídio do jornalista. A comunidade judaica e outros setores da
sociedade civil reagiram contra o regime e à tortura de presos políticos.

RESPOSTA: “E”..

08. (ENEM - EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO - INEP/2012)

Cartaz da Revolução Constitucionalista.


Disponível em: http://veja.abril.com.br. Acesso em: 29 jun. 2012.

16
História
Elaborado pelos partidários da Revolução Constitucionalista de 1932, o
cartaz apresentado pretendia mobilizar a população paulista contra o governo
federal. Essa mobilização utilizou-se de uma referência histórica, associando o
processo revolucionário
(A) à experiência francesa, expressa no chamado à luta contra a ditadura.
(B) aos ideais republicanos, indicados no destaque à bandeira paulista.
(C) ao protagonismo das Forças Armadas, representadas pelo militar que
empunha a bandeira.
(D)ao bandeirantismo, símbolo paulista apresentado em primeiro plano.
(E) ao papel figurativo de Vargas na política, enfatizado pela pequenez de
sua figura no cartaz.

A Revolução Constitucionalista de São Paulo, em 1932 tinha, como escopo,


a elaboração de uma nova Constituição para o Brasil, e reduzir o autoritarismo de
Getúlio Vargas, o qual prometia “retirar as oligarquias rurais do poder”, sobretudo
as paulistas, como parte de um projeto industrializante para o País. Pretendiam,
ainda, recolocar São Paulo em lugar de destaque no cenário político brasileiro. O
cartaz apresenta a figura de um Bandeirante, figura emblemática no desbravamento
dos sertões, a partir da Capitania de São Paulo, imobilizando Vargas, com uma
bandeira paulista ao fundo.

RESPOSTA: “D”..

9. (ENEM - EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO - INEP/2012) A


experiência que tenho de lidar com aldeias de diversas nações me tem feito ver,
que nunca índio fez grande confiança de branco e, se isto sucede com os que
estão já civilizados, como não sucederá o mesmo com esses que estão ainda
brutos. (NORONHA, M. Carta a J. Caldeira Brant. 2 jan.1751. Apud CHAIM,
M. M. Aldeamentos indígenas (Goiás: 1749-1811). São Paulo: Nobel, Brasília:
INL, 1983 - adaptado).
Em 1749, ao separar-se de São Paulo, a capitania de Goiás foi governada
por D. Marcos de Noronha, que atendeu às diretrizes da política indigenista
pombalina que incentivava a criação de aldeamentos em função
(A) das constantes rebeliões indígenas contra os brancos colonizadores, que
ameaçavam a produção de ouro nas regiões mineradoras.
(B) da propagação de doenças originadas do contato com os colonizadores,
que dizimaram boa parte da população indígena.
(C) do empenho das ordens religiosas em proteger o indígena da exploração,
o que garantiu a sua supremacia na administração colonial.

17
História
(D) da política racista da Coroa Portuguesa, contrária à miscigenação, que
organizava a sociedade em uma hierarquia dominada pelos brancos.
(E) da necessidade de controle dos brancos sobre a população indígena,
objetivando sua adaptação às exigências do trabalho regular.

O texto apresentado pode não dar segurança quanto à escolha da alternativa


correta, embora o assunto seja clássico no que compete aos estudos sobre as relações
entre os nativos e os colonizadores. Os nativos sempre foram considerados rebeldes,
por não serem capazes de trabalhar na agricultura. Entretanto é bom ressaltar que
os colonizadores pouco ou nada conheciam da cultura dos nativos. Não levavam
em conta, por exemplo, que aos homens indígenas cabiam a guerra e a caça; a
agricultura, considerada rudimentar, cabia às mulheres. Quanto à questão religiosa,
a administração pombalina teve, como um de seus objetivos, o enfraquecimento
da atuação da Igreja Católica, pois o trabalho de catequese dos jesuítas dava-lhes,
de certa forma, o controle sobre as aldeias. Pombal almejava que a Coroa tivesse o
controle de todas as atividades lucrativas.

RESPOSTA: “E”..

10. (ENEM - EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO - INEP/2011)


Completamente analfabeto, ou quase, sem assistência médica, não lendo
jornais, nem revistas, a não ser em casos esporádicos, tem o patrão na conta
de benfeitor. No plano político, ele luta com o “coronel” e pelo “coronel”. Aí
estão os votos de cabresto, que resultam, em grande parte, da nossa organização
econômica rural. (LEAL, V. N. Coronelismo, enxada e voto. São Paulo: Alfa-
Ômega, 1978 - adaptado).
O coronelismo, fenômeno político da Primeira República (1889-1930), tinha
como uma de suas principais características o controle do voto, o que limitava,
portanto, o exercício da cidadania. Nesse período, esta prática estava vinculada
a uma estrutura social
(A) igualitária, com um nível satisfatório de distribuição da renda.
(B) estagnada, com uma relativa harmonia entre as classes.
(C) tradicional, com a manutenção da escravidão nos engenhos como forma
produtiva típica.
(D) ditatorial, perturbada por um constante clima de opressão mantido
pelo exército e polícia.
(E) agrária, marcada pela concentração da terra e do poder político local
e regional.

18
História
A opção A pode ser logo eliminada, por definir a sociedade brasileira como
“igualitária”, quando o texto mostra justamente o contrário. A opção B exige
atenção, pois podemos considerar a sociedade brasileira estagnada, visto que poucas
foram as transformações em sua estrutura fundamental, desde a época do Brasil
colônia, mas não podemos afirmar que seja harmônica entre as classes, devido aos
conflitos que permeiam nossa história. Estamos longe de sermos um povo pacífico.
A opção C é a que apresenta análise correta da estrutura social brasileira como
sendo tradicional, embora a escravidão tenha sido oficialmente abolida no País,
mediante lei, em 1888. Temos de considerar, ainda, que as fazendas de café no
Sudeste eram mais produtivas do que os engenhos de açúcar do Nordeste, embora
a economia brasileira exportasse outros produtos. Entretanto, o café respondia por
mais de 60% dos produtos exportados. A opção D não pode ser considerada correta,
pois apresenta a República Velha como ditatorial. Poderia, sim, ser definida como
autoritária, mas não era uma ditadura. A opção E é a que responde corretamente
à questão formulada, pois foca com precisão os elementos pertinentes à estrutura
social brasileira da época, ou seja, economia de base agrária, grande concentração
de terras (latifúndios) e toda a ação política de base nos municípios e estados sob o
comando dos coronéis.

Resposta “E”.

11. (ENEM - EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO - INEP/2011)


“Art. 92. São excluídos de votar nas Assembleias Paroquiais:
I. Os menores de vinte e cinco anos, nos quais não se compreendam os
casados, e Oficiais Militares, que forem maiores de vinte e um anos, os Bacharéis
Formados e Clérigos de Ordens Sacras. (...)
IV. Os Religiosos, e quaisquer que vivam em Comunidade claustral.
V. Os que não tiverem de renda líquida anual cem mil réis por bens de raiz,
indústria, comércio ou empregos. “
(Constituição Política do Império do Brasil (1824). Disponível em: https://
legislação.planalto.gov.br. Acesso em: 27 abr. 2010 - adaptado).
A legislação espelha os conflitos políticos e sociais do contexto histórico de
sua formulação. A Constituição de 1824 regulamentou o direito de voto dos
“cidadãos brasileiros” com o objetivo de garantir
(A) o fim da inspiração liberal sobre a estrutura política brasileira.
(B) a ampliação do direito de voto para maioria dos brasileiros nascidos
livres.
(C) a concentração de poderes na região produtora de café, o Sudeste
brasileiro.
(D) o controle do poder político nas mãos dos grandes proprietários e
comerciantes.
(E) a diminuição da interferência da Igreja Católica nas decisões político-
administrativas.

19
História
A opção A não está correta, pois traz a afirmação “ fim da inspiração liberal”. O
projeto liberal tem características burguesas, pois Locke, no século XVII, fala em
povo, mas está se reportando aos “mais capazes”, que demonstrariam capacidade de
gerir a propriedade. Portanto, deixar de fora uma parte da sociedade do direito ao
voto não significa o “fim da inspiração liberal. A opção B pode ser eliminada, pois
contradiz o título do artigo 92 da Constituição em pauta, que enuncia “São excluídos
de votar”. A opção C peca ao colocar o domínio do Sudeste e do Café, que só ocorre
no final do período monárquico. A exportação do café só ganhará importância por
volta de 1860, tendo seu momento de maior importância econômica por volta de
1860 e seu ápice no período da República Velha - 1889 a 1920. A opção E afirma
que houve diminuição da interferência da Igreja Católica, o que não é verdade. A
Constituição de 1824, por meio do regime de Padroado, deu à Igreja a possibilidade
de interferir em assuntos de Estado e vice-versa. Além da contagem de voto ser feita
por paróquia, a Igreja exercia também a função social-administrativa de registro
de nascimento, casamento, de mortes e de propriedade de escravos via certidão
de batismo. A opção D é a correta, pois a renda em dinheiro fazia valer o eleitor,
conforme o artigo 92, inciso V, transcrito na questão.

RESPOSTA: “D”..

12. (ENEM - EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO - INEP/2011)


Até que ponto, a partir de posturas e interesses diversos, as oligarquias paulista
e mineira dominaram a cena política nacional na Primeira República? A união
de ambas foi um traço fundamental, mas que não conta toda a história do
período. A união foi feita com a preponderância de uma ou de outra das duas
frações. Com o tempo, surgiram as discussões e um grande desacerto final.
(FAUSTO, B. História do Brasil. São Paulo: EdUSP, 2004 - adaptado).

A imagem de um bem-sucedido acordo “café com leite” entre São Paulo


e Minas, um acordo de alternância de presidência entre os dois estados,
não passa de uma idealização de um processo muito mais caótico e cheio de
conflitos. Profundas divergências políticas os colocavam em confronto, devido
a diferentes graus de envolvimento no comércio exterior. (TOPIK, S. A presença
do estado na economia política do Brasil de 1889 a 1930. Rio de Janeiro: Record,
1989 - adaptado).
Para a caracterização do processo político durante a Primeira República,
utiliza-se com frequência a expressão “Política do Café com Leite”. No entanto,
os textos apresentam a seguinte ressalva a sua utilização:

20
História
(A) a riqueza gerada pelo café dava à oligarquia paulista a prerrogativa de
indicar os candidatos à presidência, sem necessidade de alianças.
(B) As divisões políticas internas de cada estado da federação invalidavam
o uso do conceito de aliança entre estados para este período.
(C) As disputas políticas do período contradiziam a suposta estabilidade da
aliança entre mineiros e paulistas.
(D) A centralização do poder no executivo federal impedia a formação de
uma aliança duradoura entre as oligarquias.
(E) A diversificação da produção e a preocupação com o mercado interno
unificavam os interesses das oligarquias.

A opção A apresenta corretamente o poder de São Paulo, por conta de ser o


maior exportador de café mas, ao enunciar que esse estado não precisava de
alianças, a afirmativa se torna incorreta. Nessa época, Minas Gerais era o estado
mais populoso da federação, tendo, portanto, mais eleitores e o maior número de
deputados na Câmara Federal. Assim sendo, São Paulo precisava ao menos da
aliança com Minas Gerais, para conseguir ter o controle da câmara por maioria e,
desta forma, dominar todo o processo eleitoral O erro apresentado na opção B é
o de afirmar que a federação e, por conseguinte, a maior autonomia dos estados,
invalidava alianças. Fazer alianças é prerrogativa da ação política, ainda mais em
uma federação. A autonomia garante, na verdade, a possibilidade de articulações
políticas que resguardem os interesses das partes da federação. A opção C apresenta
um ângulo diferente da questão, pois as outras opções destacam a questão da aliança
entre São Paulo e Minas Gerais, enquanto esta destaca que a aliança não significava
concordância em todos os momentos. Os conflitos eram parte do processo de
articulação dos interesses diversos. Há os interesses comuns, mas as divergências
existiam, até mesmo porque a economia de Minas Gerais era muito mais voltada
para o mercado interno - leite e carne -, e a de São Paulo para a exportação (café)
A opção D apresenta um erro conceitual. Se há uma Federação e não se configura
uma ditadura, não há centralização no poder executivo. A opção E apresenta duas
incorreções: diversificação da produção e economia voltada majoritariamente para
mercado interno. Ao contrário, um dos problemas da economia brasileira à época
era exatamente a pouca diversificação, o que levava a uma maior vulnerabilidade às
oscilações do mercado externo. A economia era principalmente agroexportadora e
não voltada para o mercado interno. Essa é a segunda incorreção.

RESPOSTA: “C”..

21
História
13. (ENEM - EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO - INEP/2011) É
difícil encontrar um texto sobre a Proclamação da República no Brasil que não
cite a afirmação de Aristides Lobo, no Diário Popular de São Paulo, de que “o
povo assistiu àquilo bestializado”. Essa versão foi relida pelos enaltecedores da
Revolução de 1930, que não descuidaram da forma republicana, mas realçaram
a exclusão social, o militarismo e o estrangeirismo da fórmula implantada em
1889. Isto porque o Brasil brasileiro teria nascido em 1930. (MELLO, M. T. C.
A república consentida: cultura democrática e científica no final do Império. Rio
de Janeiro: FGV, 2007 - adaptado).
O texto defende que a consolidação de uma determinada memória sobre a
Proclamação da República no Brasil teve, na Revolução de 1930, um de seus
momentos mais importantes. Os defensores da Revolução de 1930 procuraram
construir uma visão negativa para os eventos de 1889, porque esta era uma
maneira de
(A) valorizar as propostas políticas democráticas e liberais vitoriosas.
(B) resgatar simbolicamente as figuras políticas ligadas à Monarquia.
(C) criticar a política educacional adotada durante a República Velha.
(D) legitimar a ordem política inaugurada com a chegada desse grupo ao
poder.
(E) destacar a ampla participação popular obtida no processo da
Proclamação.

Esta questão apresenta uma visão diferente sobre a participação popular na


Proclamação da República. O início da análise da questão é o afirmado por Aristides
Lobo. Em sua tese de doutorado, Teresa Chaves de Mello, historiadora da PUC/
RJ, afirma que, nos centros urbanos, a elaboração da ideia de República, no final do
século XIX, contou com a participação de setores populares, que liam e divulgavam
charges e textos de jornais, e assistiam a palestras e debates. Assim, segundo Prof.
Teresa, a idealização de que a República seria o único caminho para a democracia
e para o progresso contou com apoio do povo, especialmente na então capital,
Rio de Janeiro. Responder esta questão exige conhecimentos além da política e
da economia daquela época. A opção A erra ao colocar “propostas democráticas e
liberais”. Liberalismo e Democracia não se ligam automaticamente, e participação
popular não garante a democracia. A opção B. refere-se à Monarquia, mas a questão
trata da República. A opção C refere-se à Educação, assunto não mencionado na
questão. A opção D é a que se refere ao movimento de 1930, tratado na questão. A
opção E apresenta a participação do povo na Proclamação da República, embora
não se possa dizer que essa participação foi ampla, devida à enorme população rural
então existente, analfabeta e sujeita aos grandes proprietários de terras.

RESPOSTA: “D”..

22
História
14. (ENEM - EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO - INEP/2011) A
Lei 10.639, de 9 de janeiro de 2003, inclui, no currículo dos estabelecimentos
de ensino fundamental e médio, oficiais e particulares, a obrigatoriedade do
ensino sobre História e Cultura Afro-Brasileira e determina que o conteúdo
programático incluirá o estudo da História da África e dos africanos, a luta dos
negros no Brasil, a cultura negra brasileira e o negro na formação da sociedade
nacional, resgatando a contribuição do povo negro nas áreas social, econômica
e política pertinentes à História do Brasil, além de instituir, no calendário
escolar, o dia 20 de novembro como data comemorativa do “Dia da Consciência
Negra”. (Disponível em: http://www.planalto.gov.br. Acesso em: 27 jul. 2010 -
adaptado).
A referida lei representa uma mudança não só para a educação nacional,
mas também para a sociedade brasileira, porque
(A) legitima o ensino das ciências humanas nas escolas.
(B) divulga conhecimentos para a população afro-brasileira.
(C) reforça a concepção etnocêntrica sobre a África e sua cultura.
(D) garante aos afrodescendentes a igualdade no acesso à educação.
(E) impulsiona o reconhecimento da pluralidade étnico- racial do país.

Na opção A, deve-se lembrar de que História e Geografia (Ciências Humanas) já


constavam nos currículos das escolas públicas e privadas, desde a época do Império.
A opção B menciona “população afro-brasileira”, e não “educação nacional” e
“sociedade brasileira”, conforme a questão coloca. A opção C está totalmente
errada, pois diz o que o estudo sobre culturas africanas pretende romper, e não
reforçar. O etnocentrismo - estudo de um povo, partindo de nossos conceitos, pode
levar justamente à desvalorização da outra cultura. A opção D se refere ao acesso
à Educação, que não é a proposta da Lei. A opção E é a correta, pois apresenta o
povo brasileiro como um todo, composto por várias etnias e culturas, originárias dos
continentes europeu, americana e africano.

RESPOSTA: “E”..

15. (ENEM - EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO - INEP/2011)


O açúcar e suas técnicas de produção foram levados à Europa pelos árabes,
no século VIII, durante a Idade Média, mas foi principalmente a partir das
Cruzadas (séculos XI e XIII) que a sua procura foi aumentando. Nessa época,
passou a ser importado do Oriente Médio e produzido em pequena escala no
sul da Itália, mas continuou a ser um produto de luxo, extremamente caro,
chegando a figurar nos dotes de princesas casadoiras. (CAMPOS, R. Grandeza
do Brasil no tempo de Antonil (1681-1716). São Paulo: Atual, 1996)

23
História
Considerando o conceito do Antigo Sistema Colonial, o açúcar foi o produto
escolhido por Portugal para dar início à colonização brasileira, em virtude de
(A) o lucro obtido com o seu comércio ser muito vantajoso
(B) os árabes serem aliados históricos dos portugueses.
(C) a mão de obra necessária para o cultivo ser insuficiente.
(D) as feitorias africanas facilitarem a comercialização desse produto.
(E) os nativos da América dominarem uma técnica de cultivo semelhante.

Conhecer o que foram as Cruzadas, o Antigo Sistema Colonial, os objetivos


e métodos de colonização dos europeus, nos séculos XV e XVI é de grande ajuda
para esta questão. A opção A é a correta, pois apresenta o objetivo principal: o lucro
obtido por Portugal, explorando a Colônia: esta produziria açúcar com exclusividade
para a Metrópole, a qual, por sua vez, venderia o produto por toda a Europa. A opção
B está errada, pois os árabes não foram aliados dos portugueses, nem envolvidos
no comércio no Brasil. As opções C, D e E estão erradas, pois se referem a outros
assuntos, e não à produção e comércio do açúcar e à colonização do Brasil.

RESPOSTA: “A”..

16. (ENEM - EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO - INEP/2011)

Charge capa da revista O Malho, de 1904. Disponível em: http://1.


bp.blogspot.com.
A imagem representa as manifestações nas ruas da cidade do Rio de Janeiro,
na primeira década do século XX, que integraram a “Revolta da Vacina”.
Considerando o contexto político-social da época, essa revolta revela

24
História
(A) a insatisfação da população com os benefícios de uma modernização
urbana autoritária.
(B) a consciência da população pobre sobre a necessidade de vacinação
para a erradicação das epidemias.
(C) a garantia do processo democrático instaurado com a República,
através da defesa da liberdade de expressão da população.
(D) o planejamento do governo republicano na área de saúde, que abrangia
a população em geral.
(E) o apoio ao governo republicano, pela atitude de vacinar toda a população
em vez de privilegiar a elite.

A Revolta da Vacina ocorreu em 1904, no período da República Velha, quando


se vivia sob o poder hegemônico político, econômico e cultural dos grandes
latifundiários e a população menos favorecida sofria com a miséria e com a falta de
assistência do Poder Público, somando-se ainda um alto índice de analfabetismo.

RESPOSTA: “A”..

17. (INEP- ENEM - EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO-2010) O


alfaiate pardo João de Deus, que, na altura em que foi preso, não tinha mais
do que 80 réis e oito filhos, declarava que “Todos os brasileiros se fizessem
franceses, para viverem em igualdade e abundância”. MAXWELL, K.
Condicionalismos da independência do Brasil. SILVA, M. N. (Org.). O império
luso-brasileiro, 1750-1822. Lisboa: Estampa, 1986.
O texto faz referência à Conjuração Baiana. No contexto da crise do sistema
colonial, esse movimento se diferenciou dos demais movimentos libertários
ocorridos no Brasil por
(A) defender a igualdade econômica, extinguindo a propriedade, conforme
proposto nos movimentos liberais da França napoleônica.
(B) introduzir no Brasil o pensamento e o ideário liberal que moveram os
revolucionários ingleses na luta contra o absolutismo monárquico.
(C) propor a instalação de um regime nos moldes da república dos Estados
Unidos, sem alterar a ordem socioeconômica escravista e latifundiária.
(D) apresentar um caráter elitista burguês, uma vez que sofrera influência
direta da Revolução Francesa, propondo o sistema censitário de votação.
(E) defender um governo democrático que garantisse a participação política
das camadas populares, influenciado pelo ideário da Revolução Francesa.

25
História
A palavra mais importante para se responder à questão é igualdade. Todas as
lutas empreendidas, na América, contra as metrópoles portuguesas e espanholas,
tinham como inspiração os ideais iluministas, oriundos da Revolução Francesa do
século XIX. Entretanto, a Revolução Francesa não foi hegemônica em sua essência,
quer seja em relação à demanda dos diferentes segmentos sociais nela engajados,
quer em relação à base ideológica. Havia os que defendiam o sistema de governo
republicano, outros que eram adeptos da monarquia que se formava na Grã-
Bretanha. Tais diferenças vão se refletir, em sua totalidade, também nos movimentos
americanos. Exemplos são a Conjuração Baiana, de conformação popular, e a
Inconfidência Mineira, gestada entre intelectuais e filhos de ricos mineradores, com
proposta liberal, mas longe de ser democrática ou igualitária.

RESPOSTA: “E”..

18. (ENEM - EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO - INEP/2011)


Para os amigos pão, para os inimigos, pau; aos amigos se faz justiça, aos
inimigos, aplica-se a lei. (LEAL, V. N. Coronelismo, Enxada e Voto. São Paulo:
Alfa-Ômega, 1988)
Esse discurso, típico do contexto histórico da República Velha e usado por
chefes políticos, expressa uma realidade caracterizada
(A) pela força política dos burocratas do nascente Estado republicano,
que utilizavam de suas prerrogativas para controlar e dominar o poder nos
municípios.
(B) pelo controle político dos proprietários no interior do país, que
buscavam, por meio dos seus currais eleitorais, enfraquecer a nascente
burguesia brasileira.
(C) pelo mandonismo das oligarquias no interior do Brasil, que utilizavam
diferentes mecanismos assistencialistas e de favorecimento para garantir o
controle dos votos.
(D) pelo domínio político de grupos ligados às velhas instituições
monárquicas e que não encontraram espaço de ascensão política na nascente
república.
(E) pela aliança política firmada entre as oligarquias do Norte e Nordeste
do Brasil, que garantiria uma alternância no poder federal de presidentes
originários dessas regiões.

A questão trata do coronelismo, fenômeno presente na chamada República Velha,


quando são as oligarquias agrárias que têm a voz de comando; as consequências
políticas, econômicas e sociais advindas desse período têm reflexos até nossos

26
História
dias. Latifúndio, poder local e voto de cabresto são palavras–chave para se bem
compreender todas as articulações políticas, econômicas e sociais desse período
histórico brasileiro.

RESPOSTA: “C”..

19. (ENEM - EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO - INEP/2011) A


solução Militar da crise política gerada pela sucessão do presidente Washington
Luis, em 1929-1930, provoca profunda ruptura institucional no país. Deposto o
presidente, o Governo Provisório (1930-1934) precisa administrar as diferenças
entre as correntes políticas integrantes da composição vitoriosa, herdeira da
Aliança Liberal. (LEMOS, R. A revolução constitucionalista de 1932. SILVA, R.
M.; CACHAPUZ, P. B.; LAMARÃO, S. (Org.). Getúlio Vargas e o seu tempo.
Rio de Janeiro: BNDES)
No contexto histórico da crise da Primeira República, verifica-se uma
divisão no movimento tenentista. A atuação dos integrantes do movimento
liderados por Juarez Távora, os chamados “liberais” nos anos 1930, deve ser
entendida como
(A) a aliança com os cafeicultores paulistas, em defesa de novas eleições.
(B) o retorno aos quartéis, diante da desilusão política com a “Revolução
de 30”.
(C) o compromisso político-institucional com o governo provisório de
Vargas.
(D) a adesão ao socialismo, reforçada pelo exemplo do ex-tenente Luís
Carlos Prestes.
(E) o apoio ao governo provisório em defesa da descentralização do poder
político.

Para se responder corretamente à questão, é preciso conhecer tanto o período de


governo de Getúlio Vargas de 1930 a 1934, como também o que foi o movimento
tenentista. Este era subdividido em duas vertentes: uma liderada por Luís Carlos
Prestes, comunista e revolucionária, e a outra, liderada por Juarez Távora, que
defendia um governo desvinculado do comando dos coronéis, e era contrária ao
predomínio político de São Paulo e Minas Gerais. Comprometido com o movimento
de 1930, Vargas e suas bases de apoio deixavam transparecer serem eles os agentes
de transformação, ao obterem o controle do aparelho do Estado.
Geralmente, fala-se mais do grupo liderado por Luís Carlos Prestes, e pouco há
sobre Juarez Távora. Assim, a opção correta só pode a “C”.

RESPOSTA: “C”..

27
História
20. (ENEM - EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO - INEP/2011) Na
história brasileira, a chamada Revolta da Chibata liderada por João Cândido,
e depois descrita em música, foi
(A) a rebelião de escravos contra os castigos físicos, ocorrida na Bahia, em
1848, e repetida no Rio de Janeiro.
(B) a revolta, no porto de Salvador, em 1860, de marinheiros dos navios que
faziam o tráfico negreiro.
(C) o protesto ocorrido no Exército, em 1865, contra o castigo de chibatadas
em soldados desertores na Guerra do Paraguai.
(D) a rebelião dos marinheiros, negros e mulatos, em 1910, contra os
castigos e as condições de trabalho na Marinha de Guerra.
(E) o protesto popular contra o aumento do custo de vida no Rio de Janeiro,
em 1917, dissolvido, a chibatadas, pela polícia.

Tanto a Revolta da Vacina, de 1904, como a Revolta da Chibata, de 1910,


obtiveram papel relevante no período da chamada República Velha, deixando
evidente que o processo histórico brasileiro não foi tão pacífico como afirmam
muitos. A Revolta da Chibata foi liderada por negros e mulatos. Os motivos que
deflagraram a Revolta foram os castigos físicos impostos pela Marinha a seus
marinheiros, que eram submetidos à chibata (chicote)

RESPOSTA: “D”..

21. (ENEM - EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO - INEP/2011)

Fonte: Incra, Estatísticas cadastrais 1998.

28
História
O gráfico representa a relação entre o tamanho e a totalidade dos imóveis
rurais no Brasil. Que característica da estrutura fundiária brasileira está
evidenciada no gráfico apresentado?
(A) A concentração de terras nas mãos de poucos.
(B) A existência de poucas terras agricultáveis.
(C) O domínio territorial dos minifúndios.
(D) A primazia da agricultura familiar.
(E) A debilidade dos plantations modernos.

Esta questão trata da concentração fundiária no Brasil, que existe desde a


colonização portuguesa. No país, predominam os latifúndios, pois a agricultura
familiar (minifúndios) quase não tem espaço, nem muito incentivo. As lavouras
modernas atreladas a empresas agrícolas, muitas delas multinacionais, centram suas
atividades no setor agropecuário.

RESPOSTA: “A”..

22. (ENEM - EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO - INEP/2011)


A serraria construía ramais ferroviários que adentravam as grandes matas,
onde grandes locomotivas com guindastes e correntes gigantescas de mas de
100 metros arrastavam, para as composições de trem, as toras que jaziam
abatidas por equipes de trabalhadores que anteriormente passavam pelo local.
Quando o guindaste arrastava as grandes toras em direção à composição de
trem, os ervais nativos que existiam em meio às matas eram destruídos por
este deslocamento. (MACHADO, P. P. Lideranças do Contestado. Campinas:
Unicamp, 2004. - adaptado)
No início do século XX, uma série de empreendimentos capitalistas chegou
à região do meio oeste de Santa Catarina - ferrovias, serrarias e projetos de
colonização. Os impactos sociais gerados por esse processo estão na origem da
chamada Guerra do Contestado. Entre tais impactos, encontrava-se
(A) a absorção dos trabalhadores rurais como trabalhadores da serraria,
resultando em um processo de êxodo rural.
(B) o desemprego gerado pela introdução das novas máquinas, que
diminuíam a necessidade de mão de obra.
(C) a desorganização da economia tradicional, que sustentava os posseiros
e os trabalhadores rurais da região.
(D) a diminuição do poder dos grandes coronéis da região, que passavam
disputar o poder político com os novos agentes.
(E) o crescimento dos conflitos entre os operários empregados nesses
empreendimentos e os seus proprietários, ligados ao capital internacional.

29
História
A introdução de máquinas não constitui, por si só, razão suficiente para levar
ao desemprego, mesmo porque a demanda de mão de obra abundante e barata era
o que atraía o capital estrangeiro. As obras empreendidas pelo capital estrangeiro
centravam-se, sobretudo, em áreas rurais; dessa forma, não seria essa a razão
pela qual os trabalhadores abandonariam o campo. O Capital estrangeiro contava
também com o apoio dos coronéis. Portanto, o trecho transcrito “Quando o guindaste
arrastava as grandes toras em direção à composição de trem, os ervais nativos que
existiam em meio às matas eram destruídos por esse deslocamento” faz relação à
destruição do modo de vida e da produção dos camponeses.

RESPOSTA: “C”..

23. (ENEM - EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO - INEP/2011)


As secas e o apelo econômico da borracha - produto que, no final do século
XIX, alcançava preços altos nos mercados internacionais – motivaram a
movimentação de massas humanas oriundas do Nordeste do Brasil para o Acre.
Entretanto, até o início do século XX, essa região pertencia à Bolívia, embora
a maioria de sua população fosse brasileira e não obedecesse à autoridade
boliviana. Para reagir à presença de brasileiros, o governo de La Paz negociou
o arrendamento da região a uma entidade internacional, o Bolivian Syndicate,
iniciando violentas disputas dos dois lados da fronteira. O conflito só terminou
em 1903, com a assinatura do tratado de Petrópolis, pelo qual o Brasil comprou
o território por dois milhões de libras esterlinas. (Disponível em: www.mre.gov.
br. Acesso em: 03 nov. 2008. - adaptado)
Compreendendo o contexto em que ocorreram os fatos apresentados, o
Acre tornou-se parte do território nacional brasileiro
(A) pela formalização do Tratado de Petrópolis, que indenizava o Brasil
pela sua anexação.
(B) por meio do auxílio do Bolivian Syndicate aos emigrantes brasileiros na
região.
(C) devido à crescente emigração de brasileiros que exploravam os seringais.
(D) em função da presença de inúmeros imigrantes estrangeiros na região.
(E) pela indenização que os emigrantes brasileiros pagaram à Bolívia.

Não se trata, na questão em pauta, de “imigrantes estrangeiros”, e nem os


brasileiros que hoje habitam a região do atual Acre poderiam ser considerados
“emigrantes”, pois não abandonavam o território nacional de forma intencional. Ao
entrarem em território boliviano, o faziam em busca de seringueiras, no exercício de
atividade extrativista. Conforme o Tratado de Petrópolis, foi a Bolívia quem recebeu
indenização, paga pelo Brasil, e não pelos emigrantes.

RESPOSTA: “C”..

30
História
24-(ENEM - EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO - INEP/2011)
Negro, filho de escrava e fidalgo português, o baiano Luiz Gama fez das leis
e das letras suas armas na luta pela liberdade. Foi vendido ilegalmente como
escravo, pelo seu pai, para cobrir dívidas de jogo. Sabendo ler e escrever, aos
18 anos de idade conseguiu provas de que havia nascido livre. Autodidata,
advogado sem diploma, fez do direito seu ofício e transformou-se, em pouco
tempo, em proeminente advogado da causa abolicionista. (AZEVEDO, E. Orfeu
de Carapinha. In: Revista de História. Ano 1, nº 3. Rio de janeiro: Biblioteca
Nacional, jan. 2004. -adaptado).
A conquista da liberdade pelos afro-brasileiros na segunda metade do séc.
XIX foi resultado de importantes lutas sociais condicionadas historicamente. A
biografia de Luiz Gama exemplifica a
(A) impossibilidade de ascensão social do negro forro em uma sociedade
escravocrata, mesmo sendo alfabetizado.
(B) extrema dificuldade de projeção dos intelectuais negros nesse contexto
e a utilização do Direito como canal de luta pela liberdade.
(C) rigidez de uma sociedade, assentada na escravidão, que inviabilizava os
mecanismos de ascensão social.
(D) possibilidade de ascensão social, viabilizada pelo apoio das elites
dominantes, a um mestiço filho de pai português.
(E) troca de favores entre um representante negro e a elite agrária escravista
que outorgara o direito advocatício ao mesmo.

Para se entender o processo de escravidão no Brasil, é preciso levar em conta as


diferenças existentes entre as várias regiões socioeconômicas, entre campo e cidade
além do tempo. A questão indica o tempo: século XIX. Deixa evidente que Luiz da
Gama foi vendido “ilegalmente”, demonstra sua dificuldade de sobrevivência bem
como a utilização do Direito como arma legítima na luta por liberdade de todos os
cativos.

RESPOSTA: “B”.

25. (ENEM - EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO - INEP/2011)


Eu, o Príncipe Regente, faço saber aos que o presente Alvará virem: que
desejando promover e adiantar a riqueza nacional, e sendo um dos mananciais
dela as manufaturas e a indústria, sou servido abolir e revogar toda e qualquer
proibição que haja a este respeito no Estado do Brasil.
Alvará de liberdade para as indústrias (1º de Abril de 1808). In Bonavides,
P.; Amaral, R. Textos políticos da História do Brasil.Vol. 1. Brasília: Senado
Federal, 2002 (adaptado).

31
História
O projeto industrializante de D.João, conforme expresso no alvará, não se
concretizou. Que características desse período explicam esse fato?
(A) A ocupação de Portugal pelas tropas francesas e o fechamento das
manufaturas portuguesas.
(B) A dependência portuguesa da Inglaterra e o predomínio industrial
inglês sobre suas redes de comércio.
(C) A desconfiança da burguesia industrial colonial diante da chegada da
família real portuguesa.
(D) O confronto entre a França e a Inglaterra e a posição dúbia assumida
por Portugal no comércio internacional.
(E) O atraso industrial da colônia provocado pela perda de mercados para
as indústrias portuguesas.

Ocorreram entre 1808 e 1821, no conhecido período Joanino, muitas


transformações estruturais em relação à herança colonial brasileira. Tais mudanças
se deveram não só ao atendimento das necessidades da família real, das dívida com
os ingleses , da proteção contra os exércitos de Napoleão, como também do desgaste
do Antigo Sistema Colonial e da crescente pressão inglesa por mercados livres,
em decorrência da Revolução Industrial que a Inglaterra vivia em sua plenitude.
Era preciso desenvolver e incrementar manufaturas para manter uma produção
competitiva no que tange ao comércio internacional. Era este o objetivo de D.
João VI quando revogou a proibição de manufaturas no país. Mas, motivos como
a concorrência e produtividade dos ingleses, somadas às dívidas de Portugal com
a Grã-Bretanha podem ser a razão do insucesso da medida tomada por D. João VI.

RESPOSTA: “B”.

26. (ENEM - EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO - INEP/2011) Não


é difícil entender o que ocorreu no Brasil nos anos imediatamente anteriores ao
golpe militar de 1964. A diminuição da oferta de empregos e a desvalorização
dos salários, provocadas pela inflação, levaram a uma intensa mobilização
política popular, marcada por sucessivas ondas grevistas de várias categorias
profissionais, o que aprofundou as tensões sociais. Dessa vez, as classes
trabalhadoras se recusaram a pagar o pato pelas “sobras”do modelo econômico
juscelinista.
MENDONÇA, S.R. A Industrialização Brasileira. São Paulo: Moderna,
2002. (adaptado)
Segundo o texto, os conflitos sociais ocorridos no início dos anos 1960
decorreram principalmente

32
História
(A) da manipulação política empreendida pelo governo João Goulart.
(B) das contradições econômicas do modelo desenvolvimentista.
(C) do poder político adquirido pelos sindicatos populistas.
(D) da desmobilização das classes dominantes frente ao avanço das greves.
(E) da recusa dos sindicatos em aceitar mudanças na legislação trabalhista.

Para que se responda corretamente à questão, é necessário conhecer o modelo


de desenvolvimento industrial adotado pelo presidente Jucelino Kubtschek. A opção
de modelo abraçada pelo então presidente Jucelino favoreceu, em muito, a classe
média da população, além de revelar seu lado “progressista” na construção de
Brasília, houve também aumento de consumo de bens e serviços simbolizando a
“modernidade”, mas trazendo em seu bojo o arrocho no salario dos trabalhadores
não qualificados. A classe menos favorecida, não teve acesso às riquezas produzidas
durante o governo de JK.
Portanto, a inflação, o custo de vida alto e a carga tributária dão a vitória a
Jânio Quadros, candidato pela UDN, e considerado oposição. Jânio teve um curto
governo catastrófico, ele renuncia e a situação grava-se ainda mais no governo de
seu sucessor João Goular, o que leva a sociedade brasileira a dizer não às Reformas
de Base, consideradas por parte da sociedade como sendo comunistas, em plena era
da Guerra Fria.

RESPOSTA: “B”.

27. (ENEM - EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO - INEP/2011)


“Pecado nefando” era expressão correntemente utilizada pelos inquisidores
para a sodomia. Nefandus: o que não pode ser dito. A Assembleia de clérigos
reunida em Salvador, em 1707, considerou a sodomia “tão péssimo e horrendo
crime”, tão contrário à lei da natureza, que “era indigno de ser nomeado” e, por
isso mesmo, nefando.
NOVAIS, F.; MELLO E SOUZA, L. História da Vida Privada no Brasil. V.
1.São Paulo: Companhia das Letras, 1997 (adaptado).
O número de homossexuais assassinados no Brasil bateu o recorde histórico
em 2009. De acordo com o Relatório Anual de Assassinato de Homossexuais
(LGBT - Lésbicas, Gays, Bissexuais e Travestis), nesse ano foram registrados
195 mortos por motivação homofóbica no País.
D i s p o n í v e l : w w w. a l e m d a n o t i c i a . c o m . b r / u l t i m a s _ n o t i c i a s .
php?codnoticia=3871.Acesso em: 29 abr. 2010 (adaptado)
A homofobia é a rejeição e menosprezo à orientação sexual do outro e, muitas
vezes, expressa-se sob a forma de comportamentos violentos. Os textos indicam
que as condenações públicas, perseguições e assassinatos de homossexuais no
país estão associadas

33
História
(A) à baixa representatividade política de grupos organizados que defendem
os direitos de cidadania dos homossexuais.
(B) à falência da democracia no país, que torna impeditiva a divulgação de
estatísticas relacionadas à violência contra homossexuais.
(C) à Constituição de 1988, que exclui do tecido social os homossexuais,
além de impedi-los de exercer seus direitos políticos.
(D) a um passado histórico marcado pela demonização do corpo e por
formas recorrentes de tabus e intolerância.
(E) a uma política eugênica desenvolvida pelo Estado, justificada a partir
dos posicionamentos de correntes filosófico-científicas.

Apesar da questão de homofobia permear jornais e revistas, e outros meios de


comunicação, suas raízes históricas são pouco conhecidas. A homofobia aparece
nos registros da Inquisição Medieval ou em registros de épocas posteriores, cristãs
ou não. O primeiro trecho transcrito na questão baseia-se moralmente em textos
inquisitoriais europeus, tendo alcançado terra brasileira por meio da colonização
portuguesa no século XVI. Portanto, não provém do comportamento dos nossos
nativos, muito menos de culturas africanas.

RESPOSTA: “B”.

28. (ENEM - EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO - INEP/2011)

A imagem retrata uma cena da vida cotidiana dos escravos urbanos no


início do século XIX. Lembrando que as atividades desempenhadas por esses
trabalhadores eram diversas, os escravos de aluguel representados na pintura

34
História
(A) vendiam a produção da lavoura cafeeira para os moradores das cidades.
(B) trabalhavam nas casas de seus senhores e acompanhavam as donzelas
na rua.
(C) realizavam trabalhos temporários em troca de pagamento para os seus
senhores.
(D) eram autônomos, sendo contratados por outros senhores para
realizarem atividades comerciais.
(E) aguardavam a sua própria venda após desembarcarem no porto.

Os denominados escravos de aluguel, também denominados “escravos de


ganho”, pois trabalhavam para o ganho de seus senhores. Geralmente, exerciam
atividades que exigiam habilidades específicas como sapateiros, ourives, jardineiros
ou ferreiros. Por isso mesmo, geralmente, eram escravos citadinos. Não possuíam
qualquer forma de autonomia, não comercializavam nenhum produto, nem tinham
salário. O ganho era sempre auferido ao senhor.

RESPOSTA: “C”.

29. (ENEM - EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO - INEP/2011)

35
História
A letra da canção apresenta um tema recorrente na história da colonização
brasileira, as relações de poder entre portugueses e povos nativos, e representa
uma crítica à ideia presente no chamado mito
(A) da democracia racial, originado das relações cordiais estabelecidas entre
portugueses e nativos no período anterior ao início da colonização brasileira.
(B) da cordialidade brasileira, advinda da forma como os povos nativos
se associaram economicamente aos portugueses, participando dos negócios
coloniais açucareiros.
(C) do brasileiro receptivo, oriundo da facilidade com que os nativos
brasileiros aceitaram as regras impostas pelo colonizador, o que garantiu o
sucesso da colonização.
(D) da natural miscigenação, resultante da forma como a metrópole
incentivou a união entre colonos, ex-escravas e nativas para acelerar o
povoamento da colônia.
(E) do encontro, que identifica a colonização portuguesa como pacífica
em função das relações de troca estabelecidas nos primeiros contatos entre
portugueses e nativos.

Muitos são os mitos em relação ao comportamento dos brasileiros, desde o


momento em que os nativos e os colonizadores portugueses se encontraram,
principalmente, no que tange à cordialidade ao pacifismo como sendo estes valores
naturais em nossa cultura. Alguns desses mitos tem sua origem nos escritos de
Gilberto Freire acerca da “democracia racial”, resultante da miscigenação entre
os nativos, os brancos e os negros. Entretanto, sabemos que a cordialidade e a
miscigenação acontecida de forma natural, sobretudo entre os nativos e portugueses
é mito.

RESPOSTA: “E”.

30. (CBM/CE – SOLDADO BOMBEIRO MILITAR- CESPE/2014 -


(MODIFICADO). João A. Antonil, um jesuíta que viveu no Brasil no século
XVII, afirmou que “os escravos são as mãos e os pés do senhor de engenho,
porque sem eles, no Brasil, não é possível fazer, conservar e aumentar fazenda
nem ter engenho corrente”. Com relação à sociedade, cultura e economia entre
os séculos XVI e XIX no Brasil, julgue as questões 30 a 34.
O trabalho escravo no Brasil foi utilizado nas lavouras e nas minas de metais
preciosos. O restante do trabalho, como as atividades urbanas e os serviços nos
lares, era feito por trabalhadores livres.
( ) Certo ( ) Errado

36
História
Além de serem utilizados nas grandes monoculturas, os escravos desempenhavam
funções, também, no espaço doméstico dos senhores. Dentre estas funções, pode-se
citar, por exemplo, o cuidado com a casa e com os filhos dos senhores. No meio
urbano os escravos de ganho realizavam atividade comercial.

RESPOSTA: “ERRADO”.

31. Os primeiros escravos no Brasil foram os índios, chamados também de


negros da terra.
( ) Certo ( ) Errado

A mão de obra indígena foi utilizada, primeiramente, na atividade de extração


e comércio do Pau-Brasil, utilizada no continente Europeu como matéria-prima
para a fabricação de tinturas. Posteriormente, com a sistematização da produção de
açúcar na colônia, os portugueses buscaram, inicialmente, utilizar a força de trabalho
indígena nas grandes propriedades.

RESPOSTA: “CERTO”.

32. O tráfico de escravos africanos para o Brasil foi menos importante para
a lógica econômica mercantilista que a escravização do índio pelos colonos na
América.
( ) Certo ( ) Errado

Para responder a questão, é necessário compreender o conceito e os preceitos do


Mercantilismo, que assim podem ser resumidos: conceitos ou medidas de natureza
econômica que nortearam o sentido da colonização do Brasil por Portugal. Dentre os
seus preceitos, destacam-se: balança comercial favorável (índice de exportação deve
ser superior ao de importação); Metalismo: constituir reserva de metais preciosos
como, por exemplo, ouro e prata; O comércio sobrepõe-se, em importância, à
produção de mercadorias. Neste último ponto podemos perceber que a acumulação
faz-se por meio do comércio. Neste sentido, pode-se concluir que o comércio de
escravos constituiu uma atividade muito lucrativa, adequando-se ao padrão de
acumulação proposto pelo sistema mercantilista.

RESPOSTA: “ERRADO”.

33. A abolição da escravidão no Brasil foi decretada pela princesa Isabel em


13 de maio de 1888. No entanto, o estado do Ceará já havia abolido o trabalho
escravo em março de 1884.
( )Certo ( )Errado

37
História
A partir de 2011, resultado de uma emenda Constitucional aprovada em
dezembro daquele ano, o dia 25 de maio foi transformado em feriado estadual, dia
em que é celebrada a Data Magna do Ceará, referência à abolição da escravidão no
estado que aconteceu no dia 25 de maio de 1884, praticamente quatro anos antes que
o decreto assinado pela Princesa Isabel, em maio de 1888. Em 2014 comemora-se
130 anos do fato em questão. O Ceará constituiu a primeira província nacional a
decretar o fim da escravidão

RESPOSTA: “CERTO”.

34. Entre as leis que procuravam o fim da escravidão no Brasil pode se


considerar a Lei do Ventre Livre formulada e defendida por Eusébio de Queiroz
em 1850.
( ) Certo ( ) Errado

A Lei do Ventre Livre foi promulgada no mês de setembro de 1871 por meio
da qual ficava estabelecido que os filhos dos escravos nascidos a partir desta data
estariam livres. A Lei Eusébio de Queiroz que aboliu o tráfico negreiro para o Brasil,
foi promulgada em 1850.

RESPOSTA: “ERRADO”.

35. (CESPE - 2014 - CBM-CE - SOLDADO BOMBEIRO MILITAR


-MODIFICADO). No que se refere à República brasileira entre 1889 e 1964,
responda as questões 35 a 39.
A Revolução de 1930 foi motivada pelo rompimento da política do café com
leite, tendo sido eleito um presidente paulista em vez de um presidente mineiro.
Em resposta, um grupo de militares depôs o presidente Washington Luis e
transferiu o poder político a Getúlio Vargas.
( ) Certo ( ) Errado

No governo de Prudente de Moraes (1898-1902), que representava os interesses


das elites cafeicultoras (Oligarquias), “inaugurou-se” o período (1894-1930) de
consolidação do domínio político, social e econômico das frações latifundiárias, com
destaque para os grupos oligárquicos de São Paulo e Minas Gerais (Política do “Café
com Leite”). Assim, ao longo deste período, paulistas e mineiros alternavam-se na
presidência da República além de possuir o maior número de cadeiras no Congresso e
gozar de grande influência no campo político-econômico nacional. Washington Luis,
paulista, indicou, para sua sucessão, o também paulista Júlio Prestes, contrariando as
expectativas firmadas por meio do pacto do “Café com Leite”. Tal atitude resultou

38
História
na formação da Aliança Liberal com a candidatura de Getúlio Vargas à Presidência
da República, em oposição à Júlio Prestes, candidato apoiado pelo Governo Federal.
Com a derrota de Getúlio nas urnas, no dia 03 de outubro de 1930, eclode, no Rio
Grande do Sul, movimento armado contra Washington Luís. Os gaúchos contam
com o apoio de mineiros e paraibanos. No dia 24 de outubro acontece a deposição
do presidente da República por uma junta governativa. Poucos dias depois, Getúlio
Vargas é escolhido para ocupar o posto de chefe do governo provisório.

RESPOSTA: “CERTO”.

36. Em 1947, o presidente Eurico Gaspar Dutra criou o Conselho Nacional


do Petróleo, lançou o slogan O Petróleo é Nosso e fundou a PETROBRAS, que
controla toda a produção do petróleo brasileiro.
( )Certo ( )Errado

O Conselho Nacional do Petróleo foi criado em 1938, durante o governo de


Getúlio Vargas (Estado Novo). No ano de 1951, Getúlio Vargas encaminhou ao
Congresso projeto destinado à criação da Petrobrás. A estatal é criada em1953.

RESPOSTA: “ERRADO”.

37. O fato de a burguesia ter se voltado contra o governo e as instituições


democráticas, devido à instabilidade provocada pela radicalização e às ameaças
em seus interesses econômicos, constitui uma causa do golpe militar de 1964.
( )Certo ( )Errado

Para responder a questão é necessário relembrar os principais fatos políticos que


antecedem o golpe civil-militar. Em 1960, Jânio Quadros é eleito para a Presidência
da República. João Goulart elege-se para a vice-presidência; Brasília é inaugurada
por Kubitschek. Em 1961, no dia 31 de janeiro, Jânio é empossado na Presidência
da República. No dia 25 de agosto, renuncia. Ministros militares não querem que
João Goulart (Jango) assuma. O Congresso, por meio de Emenda, instaura o regime
parlamentarista. Jango é empossado. Tancredo Neves torna-se Primeiro-Ministro.
No ano de 1963, por meio de um Plebiscito, encerra-se o regime parlamentarista.
Este ano é marcado por grandes agitações no plano político e social. Em 1964, Jango,
em um comício no Rio de Janeiro, anuncia as “reformas de base” cujos principais
pontos são: reforma agrária, concessão do direito de voto aos analfabetos e praças
do Exército, maior participação do Estado no campo econômico, nacionalização de
firmas estrangeiras. A oposição à Jango recrudesce, tanto em significativas parcelas
da sociedade civil, quanto em setores das Forças Armadas No dia 31 de março é

39
História
deflagrado o golpe civil-militar que instaurou o regime ditatorial no Brasil. Neste
mesmo ano há a posse de Castelo Branco na Presidência da República e promulgação
do Ato Institucional nº1(AI).

RESPOSTA: “CERTO”.

38. A bossa nova foi criada como um movimento cultural de contestação à


ditadura durante o governo de Ernesto Geisel.
( )Certo ( ) Errado

A Bossa-Nova constituiu um movimento artístico-cultural que surgiu na década


de 1950, influenciado tanto pelo clima de otimismo gerado pelo crescimento
econômico após a Segunda Guerra Mundial, como, também, pelos debates acerca
do processo de modernização do país.

RESPOSTA: “ERRADO”.

39. Os amotinados da Revolta da Chibata, liderada por João Candido


Felisberto, reivindicaram maiores salários para os militares, especialmente os
marinheiros.
( )Certo ( ) Errado

Em 1910 eclodiu, no Rio de Janeiro, sob a liderança do marinheiro João


Cândido, a “Revolta da Chibata”, contra os castigos corporais a que são submetidos
os marinheiros.

RESPOSTA: “ERRADO”.

40. (CESPE - 2014 - CBM-CE - SOLDADO BOMBEIRO MILITAR


-MODIFICADO). Acerca da redemocratização no Brasil, responda as questões
40 e 41.
O Plano Real, criado durante o governo de Itamar Franco, obteve êxito no
controle da inflação, graças à política cambial ancorada no dólar e à redução
das emissões monetárias.
( ) Certo ( ) Errado

Para responder a questão é necessário relembrar os principais fatos políticos


anteriores ao Plano Real. Em 1991, houve aumento da inflação e, consequentemente,
a crise econômica se agravou. No ano de 1992, sob fortes acusações de corrupção,
Fernando Collor sofre o processo de impeachment. O vice-presidente, Itamar Franco,

40
História
assume a Presidência da República. No ano seguinte, o sistema presidencialista é
escolhido em plebiscito; Criou-se o Cruzeiro Real. Em 1994, Fernando Henrique
Cardoso, ministro da Fazenda, lançou o Plano Real, projeto de estabilização
econômica que tinha por objetivo acabar com a inflação. Em 1995. Fernando
Henrique Cardoso elegeu-se para a Presidência da República. Houve a privatização
de empresas públicas (estatais) como, por exemplo, a Vale do Rio Doce (1997).
A Petrobrás deixou de exercer o monopólio da exploração de petróleo. O então
Presidente promoveu a abertura da economia nacional ao capital estrangeiro.

RESPOSTA: “CERTO”.

41. Um dos fatores que causou forte insatisfação popular contra o regime
militar foi o agravamento da crise econômica, a elevada inflação, que atingiu
110%.
( )Certo ( ) Errado

O governo do último presidente militar, João Batista Figueiredo, foi marcado


por uma forte crise econômica. No início dos anos 1980, houve queda do valor
do PIB (Produto Interno Bruto), e a inflação, de acordo com Boris Fausto, na obra
História do Brasil, atingiu a marca de 110,2% em 1980, 95,2%, em 1981 e 99,7%
em 1982. Segundo o mesmo autor, “A inflação se acelerara de 40,8% em 1978 para
223,8% em 1984. No mesmo período, a dívida externa subira de 43,5 bilhões de
dólares para 91 bilhões.” (FAUSTO, 2007, p.504).

RESPOSTA: “CERTO”.

42. (CBM/MG - OFICIAL BOMBEIRO MILITAR - FUMARC/2014).


Em 13 de maio de 2013, a Lei Áurea completou 125 anos, fruto das pressões
internas da sociedade imperial brasileira e da pressão externa por uma maior
dignidade e incremento do comércio internacional. São consequências diretas
da lei de abolição da escravatura, EXCETO:
(A) Proclamação da República.
(B) A monarquia brasileira perdeu apoio político dos latifundiários.
(C) Maior integração de afrodescendentes da sociedade da primeira
república.
(D) A mão de obra assalariada no Brasil se transformou na principal forma
de trabalho por meio de uma lei.

41
História
Os nefastos efeitos da escravidão no Brasil não desapareceram com a Lei
Áurea. A utilização de africanos como mão de obra escrava no país, consolidou,
infelizmente, a noção de que a raça negra é, naturalmente e, também, por ser inferior
em relação à branca, melhor adaptada à serviços braçais e desvalorizados. Além
disso, a associação da cor com a condição de escravo, mercadoria ou simplesmente
“coisa”, ainda se faz presente em discursos e outros tipos de manifestações.

RESPOSTA: “C”.

43. (CBM/MG - OFICIAL BOMBEIRO MILITAR - FUMARC/2014). A


Aliança Liberal que reuniu as principais forças oposicionistas contra Júlio
Prestes, candidato do governo Washington Luís ao posto de presidente da
república, era composta por
(A) Getúlio Vargas para presidente e João Pessoa para vice-presidente.
(B) Getúlio Vargas para presidente e Antônio Carlos para vice-presidente.
(C) Getúlio Vargas na cabeça da chapa e Juarez Távora para vice-presidente.
(D) Getúlio Vargas para presidente e Luís Carlos Prestes para vice-
presidente.

A Aliança Liberal, formada em agosto de 1929, era composta por Getúlio Vargas
para presidente e João Pessoa para vice-presidente.

RESPOSTA: “A”.

44. (CBM/MG - OFICIAL BOMBEIRO MILITAR - FUMARC/2014). Leia


a reportagem:
Marin foi ligado à ala radical da ditadura, dizem arquivos do regime -
Notícias - UOL Copa do Mundo 2014
Por Aiuri Rebello e Rodrigo Mattos
Do UOL, em Brasília e em São Paulo 11/04/2013
Em sua carreira política, o presidente da CBF (Confederação Brasileira de
Futebol) e do COL (Comitê Organizador Local), José Maria Marin, teve ligação
com a ala mais radical do governo militar, conexões com órgãos de vigilância e
de repressão e fez elogios ao regime. É o que revelam documentos dos arquivos
da ditadura obtidos pelo UOL Esporte.
A reportagem pesquisou mais de 100 papéis relacionados ao dirigente
nos arquivos do Dops (Departamento de Ordem Política e Social), do SNI
(Sistema Nacional de Informação), no Arquivo Nacional, órgãos que reuniam
as investigações do regime, e na Assembleia Legislativa. A partir desta quinta-
feira (11/04/2013), será publicada uma série de reportagens sobre a atuação
dele como político nos anos de chumbo.

42
História
Sobre o colaboracionismo com o golpe militar de 1964 e o apoio aos governos
ditatoriais, podemos concluir que
(A) O principal expoente político da ala radical era o Marechal Humberto
de Alencar Castello Branco, pois sempre quis manter o legislativo funcionando
e tinha um bom diálogo com os líderes oposicionistas.
(B) Dizer que “[...] José Maria Marin teve ligação com a ala mais radical
do governo militar [...]” tem a mesma significação histórica que dizer que o
presidente da CBF foi ligado à linha dura.
(C) José Maria Marin, por ser um político nos anos 1960, sempre foi
ligado ao MDB (Movimento Democrático Brasileiro), o principal partido de
sustentação do regime.
(D) Órgãos de repressão como o SNI e o Dops agiam dentro dos paramentos
legais, respeitando os direitos humanos, os processos legais e a democracia.

Linha-Dura é o nome pelo qual ficou conhecida uma fração das Forças Armadas
que, apoiados por significativos setores da sociedade civil, defendia o recrudescimento
e intensificação dos métodos de repressão e tortura, maior participação nos centros
decisórios do governo e manutenção do governo militar, no contexto da abertura
política do regime. Além disso, aquela fração foi responsável por ações violentas,
como, por exemplo, o caso do atentado no Riocentro, em 1981.

RESPOSTA: “B”.

45. (FACULDADE CULTURA INGLESA - VESTIBULAR PROVA 01


- VUNESP/2013). Não foi senão em 1888 que se registrou um esforço bem
sucedido de reforma, liderado pelo Visconde de Ouro Preto e pelo Partido
Liberal. Um fator sugeriu a necessidade de reforma monetária. A escravidão
tinha sido abolida em 1888. A transição para uma economia monetária nas
fazendas de café seria feita com base na atração de imigrantes europeus. Com
a Proclamação da República em 15 de novembro de 1889, Rui Barbosa foi
nomeado Ministro da Fazenda e continuou as reformas de Ouro Preto.
O excerto refere-se ao conjunto de modificações históricas ocorridas no
Brasil, no final do século XIX. Descreve, mais particularmente, a reforma na
área econômica implementada pelo último gabinete do Império e pelo primeiro
governo da República, que consistiu na;
(A) implementação de uma política de emissão de moedas, fato que gerou
uma diminuição do poder de compra da população.
(B) aplicação de uma política deflacionária, com a retirada do mercado de
grande volume de dinheiro.

43
História
(C) compra do estoque excedente de café retido nas fazendas paulistas, com
o objetivo de ajudar monetariamente os fazendeiros atingidos pela abolição
(D) contração dos créditos por meio do estabelecimento de um único banco
emissor de dinheiro, objetivando, assim, retirar do mercado os empresários
incompetentes.
(E) ampliação do auxílio aos imigrantes europeus recém-chegados ao Brasil,
com o aumento de seus ganhos monetários.

O texto faz alusão à política econômica que recebeu o nome de “Encilhamento”,


implantada no governo republicano de Deodoro da Fonseca. A instauração da
República, em substituição ao regime monárquico, deu-se em um contexto de
instabilidade econômica, representada, entre outros, pela insuficiência de meio
circulante (moeda em circulação) no país. No ministério da Fazenda, Rui Barbosa
buscou incrementar a quantidade de moeda em circulação e incentivar a formação de
sociedades anônimas, permitindo que bancos pudessem emitir papel-moeda. Essas
medidas tiveram, como principais consequências, dado o grande volume de capital
circulante, a desvalorização da moeda, inflação, falências e fechamento de muitas
empresas, especulação financeira.

RESPOSTA: “A”.

46. (FACULDADE CULTURA INGLESA - VESTIBULAR PROVA 01


- VUNESP/2013). Em meados do século XIX, a economia brasileira passou
por ligeiro processo de desenvolvimento econômico, no qual se destacam os
empreendimentos de Irineu Evangelista de Sousa, o Barão de Mauá. Esse
processo foi favorecido, entre outras razões,
(A) pela elevação de impostos sobre produtos importados, incluindo os
ingleses, e pela liberação de capitais devido à extinção do tráfico de escravos.
(B) pela ampliação da procura, pelo governo brasileiro, de produtos bélicos
e pela eclosão da Guerra do Paraguai
(C) pela redução do fornecimento de mercadorias industriais euro peias
para o mercado brasileiro e pela abertura de amplos mercados na Índia e na
China.
(D) pela desorganização da economia industrial europeia e pela instabilidade
política provocada pelas unificações da Alemanha e da Itália.
(E) pela industrialização dos Estados Unidos da América e pela perda da
hegemonia econômica inglesa na América Latina.

44
História
Em 1850, por meio da Lei Eusébio de Queirós, extinguiu-se o tráfico negreiro
para o Brasil, o que possibilitou a inversão de capitais até então destinados ao
comércio de escravos para outras áreas ou atividades. Além disso, seis anos antes,
em 1844, foi aprovada a Tarifa Alves Branco. Por meio desta lei, buscou-se ampliar
a arrecadação fiscal do governo mediante o aumento das tarifas de importação.
Em retaliação, no ano seguinte, houve a aprovação da Lei Bill Aberdeen pelo
Parlamento Inglês. Esta lei permitia que navios ingleses aprisionassem embarcações
que transportassem escravos. Neste sentido, a resposta correta é a letra A.

RESPOSTA: “A”.

47. (FACULDADE CULTURA INGLESA - VESTIBULAR PROVA 01 -


VUNESP/2013). A Revolução de 1930, no Brasil, aboliu a Primeira República
e levou Getúlio Vargas à presidência do país. Em 10 de novembro de 1937,
Getúlio Vargas, por meio de um golpe político, instituiu o Estado Novo, o qual;
(A) estabeleceu o sufrágio universal masculino, concedeu o direito de voto
aos analfabetos e reprimiu a Revolta da Armada.
(B) reduziu os direitos sociais dos trabalhadores urbanos, realizou uma
reforma agrária e privatizou empresas estatais.
(C) fortaleceu os poderes políticos das oligarquias, nos estados, incentivou a
expansão da economia cafeeira e impediu a participação do Brasil na Segunda
Guerra Mundial.
(D) aboliu o federalismo, substituiu os governadores por interventores do
governo central e exerceu severo controle sobre a imprensa falada e escrita.
(E) legalizou o Partido Comunista, favoreceu o crescimento do Partido
Integralista e foi favorável à Itália e à Alemanha durante a Segunda Guerra Mundial.

Em 1937, no dia 10 de novembro, Getúlio Vargas aplicou um golpe de Estado dando


início, assim, ao período de seu governo conhecido por Estado Novo que se estenderia
até 1945. Tal período foi marcado, entre outros, pelo fechamento do Congresso, outorga
de uma nova Constituição, de inspiração fascista e autoritária, supressão dos partidos
políticos e fortalecimento do poder do Estado (Centralização Política). Em 1939, há a
criação do Departamento de Imprensa e Propaganda (DIP), responsável pela censura
aos meios de comunicação (controle da opinião), ao mesmo tempo em que utilizava
desses mesmos meios para fazer a propaganda do regime e construir uma imagem
positiva de Getúlio Vargas junto à população (“Pai dos Pobres”); Em maio deste ano,
criou-se a justiça do trabalho, por meio da qual o Estado promoveria a “conciliação”
dos interesses dos trabalhadores e da classe patronal. Construía-se, assim, a imagem de
um Estado que representava os interesses da nação.

RESPOSTA: “D”.

45
História
48. (INSTITUTO RIO BRANCO - DIPLOMATA - BOLSA - PRÊMIO
DE VOCAÇÃO PARA A DIPLOMACIA - CESPE/2013 - MODIFICADA). A
expansão da agroindústria açucareira atingiu proporções assombrosas a partir
do final do século XVI. Essa expansão não era coisa simples. Exigia um grande
investimento, que deveria cobrir os gastos em instalações para o processamento
da cana e na compra de mão de obra importada da África.
Considerando o texto acima e os aspectos marcantes do processo de
colonização do Brasil, responda as questões 48 a 51.
Monopólio, latifúndio e escravidão foram elementos essenciais do sistema
colonial português implantado no Brasil, cujas bases permaneceram de pé
mesmo após a Independência

( ) Certo ( )Errado

O sistema por meio do qual se organizou a produção de açúcar, Plantation, na


Colônia, caracterizava-se pela grande propriedade (latifúndio); monocultura (cana
de açúcar), utilização de mão-de-obra escrava (Índios e, posteriormente, africanos);
produção em larga escala para o comércio externo. Esta estrutura produtiva foi
mantida mesmo após a proclamação da Independência.

RESPOSTA: “CERTO”.

49. Agroindústria açucareira ocupou, fundamentalmente, o litoral nordestino.


No século XVIII, a mineração estendeu a colonização para áreas do interior.

( )Certo ( ) Errado

Como reflexo da concentração da agroindústria açucareira no Nordeste pode-se


citar, como exemplo, a fundação da Cidade de Salvador, em 1549, por iniciativa
de Tomé de Souza (Primeiro Governador-Geral). Nesta cidade, foi estabelecida a
capital da Colônia, reflexo da prosperidade econômica do Nordeste em função da
produção e comercialização do açúcar. No início do século XVIII são descobertas
as primeiras minas de ouro na região de Minas Gerais. O eixo econômico da colônia
desloca-se para a região Sudeste.

RESPOSTA: “CERTO”.

50. Em decorrência da peculiaridade da extração de ouro e diamante, a


mineração provocou a ampliação da utilização de mão de obra escrava, impediu
o surgimento de classes médias e dificultou o aparecimento de cidades.

( ) Certo ( ) Errado

46
História
No início do século XVIII são descobertas as primeiras minas de ouro na região
de Minas Gerais. O eixo econômico da colônia desloca-se para a região Sudeste.
A Coroa Portuguesa criou, para fins administrativos, as chamadas Intendências de
Minas. Além disso, estabeleceu impostos sobre o ouro extraído como, por exemplo,
o quinto, a capitação e a derrama. As chamadas Casas de Fundição eram responsáveis
pela fundição do ouro em pó. Neste processo, já se descontava o quinto. O ciclo da
mineração provocou profundas mudanças nos campos social (expansão demográfica
e alteração na estrutura social), político, administrativo, econômico (crescimento do
mercado interno) e cultural (Barroco) da Colônia.

RESPOSTA: “ERRADO”.

51. agroindústria açucareira foi a maneira encontrada por Portugal para


colonizar suas terras americanas, já que, ao contrário do ocorrido nas áreas
pertencentes à Espanha, não foram encontrados metais preciosos nos primeiros
tempos de ocupação do Brasil.

( )Certo ( )Errado

O sistema por meio do qual se organizou a produção de açúcar, Plantation,


na Colônia, caracterizava-se pela grande propriedade (latifúndio); monocultura
(cana de açúcar), utilização de mão-de-obra escrava (Índios e, posteriormente,
africanos); produção em larga escala para o comércio externo. Este sistema atendia
aos preceitos do Mercantilismo, que nortearam o sentido da colonização do Brasil
por Portugal. Dentre os seus preceitos, destacam-se: balança comercial favorável
(índice de exportação deve ser superior ao de importação); Metalismo: constituir
reserva de metais preciosos como, por exemplo, ouro e prata; O comércio sobrepõe-
se, em importância, à produção de mercadorias. O açúcar, neste contexto histórico,
era uma produto muito procurado na Europa, o que garantia altos preços no mercado
internacional. Além disso, além de Portugal já estar familiarizado em relação às
técnicas de fabricação do açúcar, a produção deste era considerada, também, um
meio lucrativo de estabelecer a ocupação sistemática da Colônia.

RESPOSTA: “CERTO”.

52. (INSTITUTO RIO BRANCO - DIPLOMATA - BOLSA - PRÊMIO


DE VOCAÇÃO PARA A DIPLOMACIA - CESPE/2013 - MODIFICADA)
A virada do século XIX para o XX apresentou, no Brasil, características tão
dramáticas quanto decisivas para o destino futuro do país. Em maio de 1888,
era tardiamente abolida a escravidão. Um ano e meio após a Abolição caía
a Monarquia. A república surgiu alardeando promessas de igualdade e de
cidadania.

47
História
A partir do texto acima, responda as questões 52 a 56, relativas à história
brasileira entre fins do século XIX e as três primeiras décadas do século XX.
O curto espaço de tempo entre a Abolição e a Proclamação da República
sugere haver forte vinculação entre a Monarquia e o sistema escravocrata.
Isolado das demais forças políticas do país, o Império não subsistiu à Lei Áurea
e às crises políticas que se sucediam.
( ) Certo ( ) Errado

A queda do Regime Imperial foi provocada por um conjunto de fatores e


acontecimentos, dentre os quais se encontra a questão da abolição da Escravidão.
A forma como o governo imperial lidou com a questão escravista. desagradou uma
significativa parcela dos proprietários de terras, que se sentiu prejudicada em seus
interesses. Assim, o Imperador perdeu um significativo pilar de apoio. Contudo, não
se pode esquecer-se: da Questão Militar (1884-1886), motivada pela insatisfação da
oficialidade do Exército em relação ao tratamento dispensado à instituição militar
pelo governo imperial e elites civis. Os oficiais reclamavam maior atenção, por
parte das autoridades públicas, à organização militar e à participação dos efetivos
militares na vida pública nacional; A Questão Religiosa (1872-1875), motivada pela
proibição da entrada de maçons nas irmandades religiosas, provocou fortes tensões
entre Estado e a Igreja. Além disso, há o fortalecimento dos ideais republicanos.

RESPOSTA: “CERTO”.

53. A vigorosa presença popular no movimento republicano legitimou


o golpe militar conduzido pelo marechal Deodoro e sustentou os primeiros
tempos do novo regime.

( )Certo ( )Errado

A explicação dada na pergunta anterior ajuda a responder a questão. Foram


vistos os principais fatores que levaram à derrocada do Governo Imperial. O golpe
militar liderado por Deodoro da Fonseca, que instaurou a República, ocorreu sem a
maciça participação das massas populares.

RESPOSTA: “ERRADO”.

54. Revolução de 1930 deu início à Era Vargas (1930-1945), período


assinalado pela abertura do país ao capital internacional e pela opção por um
caminho político que se afastava do totalitarismo fascista em voga na Europa
naquele contexto histórico.

( ) Certo ( ) Errado

48
História
Comentário: Já no seu primeiro ano de governo, Vargas iniciou as profundas
transformações pelas quais passou o país, em relação à Primeira República. Surge,
assim, um novo modelo de Estado, cujas características principais são a centralização
e o intervencionismo no plano político, econômico e social. Entretanto, as mudanças
não permaneceram apenas no campo político; atingiram também o da ideologia e da
natureza do Estado e de suas funções na sociedade, resultado da crise do pensamento
liberal e da ascensão das doutrinas e valores autoritários.

RESPOSTA: “ERRADO”.

55. Marcas importantes da Era Vargas foram, entre outras, o lançamento


da indústria de base no país e a adoção de um conjunto de leis voltadas para a
proteção do trabalho.

( )Certo ( ) Errado

A criação do Ministério do Trabalho, Indústria e Comércio marcou o início


de uma política intervencionista, não apenas no campo das relações trabalhistas,
mas também em outros setores da sociedade, como o econômico por meio, entre
outros, da política de substituição de importações e incentivo à industria de base. No
âmbito social, com uma legislação trabalhista que valorizou o trabalhador nacional
e regulamentou os direitos referentes à férias, salário e outros benefícios, Vargas
conseguiu maior controle sobre a classe trabalhadora.

RESPOSTA: “CERTO”.

56. O Brasil foi o último país do ocidente a dar fim ao sistema de trabalho
compulsório e violento com o qual conviveu desde os primórdios da colonização,
a escravidão.

( ) Certo ( ) Errado

O Brasil representa o último país do continente americano a por fim ao regime


de escravidão.

RESPOSTA: “CERTO”.

57. (INSTITUTO RIO BRANCO - DIPLOMATA - BOLSA - PRÊMIO


DE VOCAÇÃO PARA A DIPLOMACIA - CESPE/2013 - MODIFICADA)
O trabalhismo adquiriu importância real entre os anos 1940 e 1960, pois

49
História
suas proposições programáticas encontraram ressonância não só no Partido
Trabalhista Brasileiro, como também em diferentes entidades do movimento
social organizado. Mas o que contribuiu para torná-lo mais forte e difundido foi
sua decidida penetração junto a segmentos da sociedade civil, que, especialmente
na década de 50 e princípios da de 60 do século passado, se empenharam para
que o Estado brasileiro adotasse um amplo programa de reformas sociais e
econômicas.
Considerando o texto acima e a experiência democrática vivida pelo Brasil
entre a queda do Estado Novo e o golpe de 1964, responda as questões 57 a 59.

O PTB, defensor do trabalhismo brasileiro, teve como seu mais fiel e


constante aliado a União Democrática Nacional (UDN), ambos voltados para o
combate sem tréguas ao Partido Social Democrático (PSD).

( ) Certo ( )Errado

Durante o Estado Novo formaram-se as mais importantes agremiações políticas


(partidos) que dominaram o cenário político nacional no período que vai dos anos
1940 aos anos 1960: Partido Social Democrático (PSD), a União Democrática
Nacional (UDN), e o Partido Trabalhista Brasileiro (PTB). O PSD, ao longo
daqueles anos, conseguiu eleger dois nomes para a Presidência da República: Eurico
Gaspar Dutra e Juscelino Kubtschek. Já o PTB conseguiu alcançar a Presidência
com Getúlio Vargas, em 1950 e João Goulart em 1961., Dentre os três partidos acima
citados, o Partido Social Democrático foi o que conquistou maior influência no meio
político nacional, contando com o apoio do PDT e a oposição da UDN.

RESPOSTA: “ERRADO”.

58. As reformas de base defendidas das pelo governo João Goulart, a


exemplo da reforma agrária, foram decisivas para desestabilizá-lo, levando ao
golpe de Estado que o derrubou em 1964.

( )Certo ( ) Errado

Para responder a questão é necessário relembrar os principais fatos políticos que


antecedem o golpe civil-militar. Em 1960, Jânio Quadros é eleito para a Presidência
da República. João Goulart elege-se para a vice-presidência; Brasília é inaugurada
por Kubitschek. Em 1961, no dia 31 de janeiro, Jânio é empossado na Presidência
da República. No dia 25 de agosto, renúncia. Ministros militares não querem que
João Goulart (Jango) assuma. O Congresso, por meio de Emenda, instaura o regime

50
História
parlamentarista. Jango é empossado. Tancredo Neves torna-se Primeiro-Ministro.
No ano de 1963, por meio de um Plebiscito, encerra-se o regime parlamentarista.
Este ano é marcado por grandes agitações no plano político e social. Em 1964, Jango,
em um comício no Rio de Janeiro, anuncia as “reformas de base” cujos principais
pontos são: reforma agrária, concessão do direito de voto aos analfabetos e praças
do Exército, maior participação do Estado no campo econômico, nacionalização de
firmas estrangeiras. A oposição à Jango recrudesce, tanto em significativas parcelas
da sociedade civil, quanto em setores das Forças Armadas No dia 31 de março é
deflagrado o golpe civil-militar que instaurou o regime ditatorial no Brasil. Neste
mesmo ano há a posse de Castelo Branco na Presidência da República e promulgação
do Ato Institucional nº1(AI).

RESPOSTA: “CERTO”.

59. O Partido Trabalhista Brasileiro (PTB) chegou formalmente à


presidência da República em duas ocasiões: com a eleição de Vargas, em 1950, e
com a posse de João Goulart, em 1961, em face da renúncia de Jânio Quadros.

( ) Certo ( )Errado

Comentário: Durante o Estado Novo formaram-se as mais importantes agremiações


políticas (partidos) que dominaram o cenário político nacional no período que vai dos
anos 1940 aos anos 1960: Partido Social Democrático (PSD), a União Democrática
Nacional (UDN), e o Partido Trabalhista Brasileiro (PTB). O PSD, ao longo daqueles
anos, conseguiu eleger dois nomes para a Presidência da República: Eurico Gaspar
Dutra e Juscelino Kubtschek. Já o PTB conseguiu alcançar a Presidência com Getúlio
Vargas, em 1950 e João Goulart em 1961., Dentre os três partidos acima citados, o
Partido Social Democrático foi o que conquistou maior influência no meio político
nacional, contando com o apoio do PDT e a oposição da UDN.

RESPOSTA: “ERRADO”.

60. (INSTITUTO RIO BRANCO - DIPLOMATA - BOLSA - PRÊMIO


DE VOCAÇÃO PARA A DIPLOMACIA - CESPE/2013 - MODIFICADA).
Após o regime militar, o renascimento da vida pública no Brasil foi uma árdua
conquista. A luta pela redemocratização mobilizou os mais variados segmentos
e instituições da sociedade civil. A volta ao Estado de Direito foi marcada por
um despertar da sociedade brasileira para as grandes questões nacionais. Em
1988 foi promulgada a Constituição Federal e a sociedade civil se organizou na
luta pelas eleições diretas.

51
História
Considerando o texto acima e a atualidade política e social brasileira,
responda as questões 60 a 62.
A pressão popular pelas Diretas Já levou o Congresso Nacional a aprovar
a Emenda Dante de Oliveira, que sepultou o colégio eleitoral que elegia os
presidentes da República.

( )Certo ( )Errado

Em 1984, houve forte mobilização em apoio às eleições diretas. Dante de


Oliveira, deputado federal pelo PMDB, encaminhou ao Congresso uma emenda com
o objetivo de instituir eleições diretas. A Emenda Constitucional nº5 de 1983 ganhou
o nome do deputado. Contudo, a proposta formulada por Dante não foi aprovada
pelo Congresso.

RESPOSTA: “ERRADO”.

61. Considerando o texto acima e a atualidade política e social brasileira,


julgue os itens seguintes.
Os primeiros anos da redemocratização, após cerca de duas décadas de
autoritarismo, foram marcados pela instabilidade econômica, cenário no qual
se destacaram a alta inflação e a elevada dívida externa.

( ) Certo ( ) Errado

O governo do último presidente militar, João Batista Figueiredo, foi marcado por
uma forte crise econômica. No início dos anos 1980, houve queda do valor do PIB
(Produto Interno Bruto), e a inflação, de acordo com Boris Fausto, na obra História
do Brasil, atingiu a marca de 110,2% em 1980, 95,2%, em 1981 e 99,7% em 1982.
Segundo o mesmo autor, “A inflação se acelerara de 40,8% em 1978 para 223,8%
em 1984. No mesmo período, a dívida externa subira de 43,5 bilhões de dólares
para 91 bilhões.” (FAUSTO, 2007, p.504). Em 1986, um ano após a eleição de
Tancredo Neves para a presidência da República, com José Sarney como presidente,
foi anunciado o Plano Cruzado, com o objetivo de combater a inflação e melhorar a
situação econômica. Contudo, no ano seguinte, a situação econômica se agravou e a
inflação permaneceu fora de controle. Em 1990, no governo de Fernando Collor, há
a tentativa de conter a inflação por meio do congelamento dos depósitos bancários.
Em 1991, a inflação aumenta e a crise econômica se agrava.

RESPOSTA: “CERTA”.

52
História
62. mobilização popular foi a grande responsável pela celeridade com que
se deu a transição entre o regime autoritário, implantado em 1964, e o regime
democrático, retomado com a eleição presidencial indireta de Tancredo Neves.
( ) Certo ( )Errado

O processo de “abertura” do Regime Militar, conhecido como “Distensão”,


percorreu um caminho tortuoso, cheio de complicações e agravantes, motivadas por
vários fatores, dentre os quais se destaca a oposição de uma fração de militares
no interior das Forças Armadas, conhecida como “linha-dura”, que propunha
a manutenção do regime ditatorial. É importante, também, destacar que abertura
política esteve sob as rédeas do governo militar. De acordo com Boris Fausto, na
obra História do Brasil, “[...] a abertura foi lenta, gradual e insegura, [...]”. (FAUSTO,
2007, p.490).

RESPOSTA: “ERRADO”.

63. (PUC/SP - VESTIBULAR - PUC/2014)

Augusto Bandeira.Correio da Manhã, 21.09.1963.


Apud: Rodrigo Patto Sá Motta. Jango e o golpe de 1964 na caricatura.
Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2006, p. 104.

53
História
É correto armar que a charge, publicada em setembro de 1963,
(A) celebra as reformas realizadas pelo presidente João Goulart e as
interpreta como sendo resultado das mobilizações populares.
(B) mostra que o golpe militar é iminente e que o presidente João Goulart
defende a necessidade de reprimir os movimentos sociais.
(C) critica o presidente João Goulart e faz alusão a protestos, greves e forte
crise política e social, que ocorriam durante seu governo.
(D) rejeita a autoridade do presidente João Goulart e defende a rebelião
como única saída para superar as dificuldades políticas e econômicas.
(E) destaca o uso político da mídia pelo presidente João Goulart e critica a
influência do rádio e da televisão no cotidiano dos brasileiros.

A imagem retrata a crítica situação que reinava no país naquele momento, no


campo social e político, e a atitude do presidente em afirmar que tudo está tranquilo.

RESPOSTA: “C”.

64. (CBM/SC - SOLDADO 3° CLASSE - MS CONCURSOS/2013 -


MODIFICADA). Com base na historiografia brasileira, analise a charge acima
e assinale a única alternativa correta.

54
História
(A) A charge satiriza o sistema de votação que predominou em todo o
período regencial brasileiro.
(B) A charge é uma representação do sistema de votação que vigorou no
Brasil Império.
(C) A charge simboliza o sistema de voto que garantia o poder de força dos
coronéis de patentes militares.
(D) A charge é uma representação satírica do sistema de votação que
predominou nos primeiros tempos da República no Brasil.

A maioria da população brasileira, neste período histórico, estava localizada


na área rural, submetida econômica, social e politicamente aos chefes locais, os
“coronéis” , cujo poder político mostrava-se forte graças à manutenção, durante o
período republicano, da estrutura econômica, herdada do período colonial, baseada
na concentração da propriedade rural. Sem qualquer tipo de instrução, dependentes
do trabalho e dos “favores” oferecidos pelos grandes proprietários, essa população
atuava de maneira tutelada no cenário político, de forma a fornecer uma quantidade
de votos suficiente para a manutenção do situacionismo político.

RESPOSTA: “D”.

65. (UNESP - VESTIBULAR PROVA 1 - VUNESP/2013). A proclamação


da República não é um ato fortuito, nem obra do acaso, como chegaram a
insinuar os monarquistas; não é tampouco o fruto inesperado de uma parada
militar. Os militares não foram meros instrumentos dos civis, nem foi um ato de
indisciplina que os levou a liderar o movimento da manhã de 15 de novembro,
como tem sido dito às vezes. Alguns deles tinham sólidas convicções republicanas
e já vinham conspirando há algum tempo [...]. Imbuídos de ideias republicanas,
estavam convencidos de que resolveriam os problemas brasileiros liquidando a
Monarquia e instalando a República
O texto identifica a proclamação da República como resultado
(A) da unidade dos militares, que agiram de forma coerente e constante na
luta contra o poder civil que prevalecia durante o Império.
(B) da fragilidade do comando exercido pelo Imperador frente às rebeliões
republicanas que agitaram o país nas últimas décadas do Império.
(C) de um projeto militar de assumir o comando do Estado brasileiro e
implantar uma ditadura armada, afastando os civis da vida política.
(D) da disseminação de ideais republicanos e salvacionistas nos meios
militares, que articularam a ação de derrubada da Monarquia.
(E) de uma conspiração de civis, que recorreram aos militares para
derrubar a Monarquia e assumir o controle do Estado brasileiro

55
História
A queda do Regime Imperial foi provocada por um conjunto de fatores e
acontecimentos, dentre os quais se encontra a questão da abolição da Escravidão.
A forma como o governo imperial lidou com a questão escravista. desagradou uma
significativa parcela dos proprietários de terras, que se sentiu prejudicada em seus
interesses. Assim, o Imperador perdeu um significativo pilar de apoio. Contudo, não
se pode esquecer-se: da Questão Militar (1884-1886), motivada pela insatisfação da
oficialidade do Exército em relação ao tratamento dispensado à instituição militar
pelo governo imperial e elites civis. Os oficiais reclamavam maior atenção, por
parte das autoridades públicas, à organização militar e à participação dos efetivos
militares na vida pública nacional; A Questão Religiosa (1872-1875), motivada pela
proibição da entrada de maçons nas irmandades religiosas, provocou fortes tensões
entre Estado e a Igreja. Além disso, há o fortalecimento dos ideais republicanos.

RESPOSTA: “D”.

66. (UNESP - VESTIBULAR PROVA 1 - VUNESP/2013).

A charge é de 1979, ano em que João Figueiredo assumiu a Presidência da


República. Sua dúvida em relação à roupa é uma alusão.
(A) ao estilo de vida de um homem, formado em quartéis militares e
habituado à formalidade das cerimônias oficiais.
(B) à oscilação, característica de seu governo, entre a defesa de posições
ideológicas de direita e de esquerda.

56
História
(C) à decisão de renunciar ao cargo, em meio ao conflito pelo poder entre
distintos setores das Forças Armadas
(D) às denúncias de risco de golpe de esquerda, que atravessavam o país
após o fim do regime militar.
(E) às dificuldades da abertura política, cuja forma e ritmo provocavam
tensões e divergências entre civis e militares.

O processo de “abertura” do Regime Militar, conhecido como “Distensão”,


percorreu um caminho tortuoso, cheio de complicações e agravantes, motivadas por
vários fatores, dentre os quais se destaca a oposição de uma fração de militares
no interior das Forças Armadas, conhecida como “linha-dura”, que propunha
a manutenção do regime ditatorial. É importante, também, destacar que abertura
política esteve sob as rédeas do governo militar. De acordo com Boris Fausto, na
obra História do Brasil, “[...] a abertura foi lenta, gradual e insegura, [...]”. (FAUSTO,
2007, p.490).

RESPOSTA: “E”.

67. (UERJ - VESTIBULAR PROVA 1 - UERJ/2013)

Os governos de Getúlio Vargas e de Juscelino Kubitschek foram momentos


marcantes da história econômica brasileira, especialmente no que se refere ao
desenvolvimento industrial do país.
Uma semelhança entre o processo de industrialização brasileiro verificado
no governo de Vargas e no de JK está apontada em:

57
História
(A) expansão do mercado interno
(B) flexibilização do monetarismo
(C) regulação da política ambiental
(D) autonomia do progresso tecnológico

Getúlio Vargas e Juscelino Kubitschek destacaram-se na promoção e


desenvolvimento do setor industrial nacional, avanço que teve reflexos no campo
político, social e cultural do país. O desenvolvimento do setor industrial está
intimamente ligado ao processo de substituição de importações, cujo objetivo era a
substituição de produtos importados pelos fabricados aqui no Brasil, em resposta à
crescente demanda interna.

Resposta: “A”.

68. (INSTITUTO RIO BRANCO - DIPLOMATA PROVA 2 - CESPE/2013)


Assinale a opção correta a respeito do processo de independência do Brasil.
(A) O movimento republicano secessionista no norte do Brasil, em 1820,
propiciou a conscientização da elite do sudeste da necessidade da independência,
a fim de se impedir que regiões brasileiras a fizessem autonomamente e se
desintegrassem do território nacional.
(B) Embora o exclusivismo comercial tenha acabado em 1808, com a
abertura dos portos às nações amigas, somente em 7 de setembro de 1822, o
Brasil deixou de ser colônia política.
(C) A Revolução Liberal do Porto, em 1820, criou, tanto em Portugal
quanto no Brasil, um clima de liberdade, que favoreceu a discussão de novas
ideias políticas.
(D) A tentativa das Cortes de Lisboa de impor à colônia brasileira a
condição de Reino Unido, por acarretar impostos adicionais à elite local, foi o
fato desencadeador da Proclamação da Independência do Brasil.
(E) A derrota portuguesa da tentativa de ocupar a Banda Oriental
desmoralizou D. João perante as elites brasileiras e contribuiu para o surgimento
do projeto de rompimento dos laços coloniais.

A Revolução Liberal (ou Constitucionalista) do Porto, em 1820, consistiu na


ocupação de Lisboa, por parte dos revoltosos, que estabeleceram a derrocada do
absolutismo e a instalação da monarquia constitucional. Propôs-se, também, a eleição
de Cortes, ou, Parlamento, com o objetivo de sancionar uma constituição, além de
exigir o regresso de D. João VI a Portugal. Em abril de 1821, D. João VI regressa
a Portugal. Deixa, na condição de regente do Reino Unido do Brasil, o príncipe
Dom Pedro. Neste mesmo ano, ocorre a anexação do Uruguai, na época chamado

58
História
de “Banda Oriental” (Província Cisplatina), ao Reino Unido de Portugal, Brasil e
Algarves. No ano de 1822, Dom Pedro, enquanto príncipe regente, não atende ao
pedido de regresso exigido pelas Cortes de Lisboa e decide, assim, permanecer no
Brasil (09 de Janeiro – “Dia do Fico”). No dia sete de setembro, D. Pedro proclama
a independência do Brasil.

RESPOSTA: “C”.

69. (INSTITUTO RIO BRANCO - DIPLOMATA PROVA 2 - CESPE/2013)


No que concerne ao período regencial no Brasil, assinale a opção correta.
(A) O regresso conservador alterou a política externa, ao priorizar a
contenção de Rosas, líder da Confederação Argentina.
(B) O período regencial iniciou-se na abdicação de Pedro I ao trono, em
decorrência de pressões diplomáticas britânicas e da oposição das elites
escravocratas.
(C) Durante o avanço liberal, o Senado foi extinto como resultado da ação
dos exaltados contra o que classificavam como reduto caramuru.
(D) No período regencial no Brasil, houve fraca coesão entre as elites e
importante participação dos setores populares no processo político.
(E) O Ato Adicional de 1834 fortaleceu o Exército, que teve ampliado
seu efetivo, oportunidade de profissionalização de seus membros e assegurou
importância política.

A fase das Regências iniciou-se no ano de 1831, em razão da atitude de D. Pedro


I de abdicar ao trono. No mesmo dia da abdicação, sete de abril, formou-se uma
Regência Trina Provisória, já que o herdeiro de D. Pedro I tinha apenas cinco anos.
Em junho do mesmo ano, foi eleita a Regência Trina Permanente, que governou
o país até 1835. No ano de 1834, a Regência Trina converte-se em Regência Una.
Seguiu-se, assim, a Regência de Feijó (1835-1837) e de Araújo Lima (1837-1840). O
período Regencial caracterizou-se por uma forte instabilidade política e social, dado
o número de conflitos de cunho regional e social como, por exemplo, a Sabinada,
na Bahia, a Balaiada, no Maranhão, a Cabanagem, no Pará e a Guerra dos Farrapos,
no Rio Grande do Sul, e conflitos de ordem política (Exaltados, Moderados,
Restauradores). Em 1840, por meio de uma manobra política, que ficou conhecida
pelo nome de “Golpe da Maioridade”, antecipou-se a maioridade de D. Pedro II,
então com catorze anos, para que o mesmo pudesse assumir o trono brasileiro.

RESPOSTA: “D”.

59
História
70. (INSTITUTO RIO BRANCO - DIPLOMATA PROVA 2 - CESPE/2013
-MODIFICADA) Acerca da configuração territorial da América portuguesa,
julgue (C ou E) as questões 70 e 71.
O Tratado de Madri tinha como princípio principal, quanto à definição
de fronteiras, o uti possidetis e como argumento subsidiário, aplicável à foz do
Amazonas e ao Rio da Prata, o mare liberum

( ) Certo ( )Errado

Diante do fato de que, na prática, o Tratado de Tordesilhas havia sido


desrespeitado, Portugal e Espanha entram em negociação visando a redefinição
dos limites de seus respectivos territórios. Durante as negociações, Alexandre de
Gusmão, brasileiro, utilizou, como recurso para defender os interesses portugueses,
o principio do uti possidetis, segundo o qual a posse de um território cabe a quem o
tenha ocupado. Assim, Portugal conseguiu expandir suas possessões. A colônia de
Sacramento passaria ao domínio espanhol. Em troca, Portugal receberia o território
dos Sete Povos das Missões. (Tratado de Madri- 1750).

Resposta: “ERRADO”.

71. A expansão territorial para o sul, para que o Rio da Prata fosse limite
natural, resultou na fundação de Montevidéu em 1680.
( ) Certo ( ) Errado

Entre os anos de 1825 a 1828, houve um conflito envolvendo Brasil e Argentina


pela posse da Província da Cisplatina (Guerra da Cisplatina). Em 1828, ambos os
países reconheceram a independência da Província (República Oriental do Uruguai).

RESPOSTA: “ERRADO”.

72. (INSTITUTO RIO BRANCO - DIPLOMATA PROVA 2 - CESPE/2013)


Acerca da política externa adotada pelo governo brasileiro no período entre
1930 e 1945, assinale a opção correta.
(A) A demonstração de simpatia do presidente Getúlio Vargas pelos regimes
totalitários europeus e o incremento do comércio entre Brasil e Alemanha
justificavam a intensa campanha governista de nacionalização dos imigrantes
residentes na Região Sul e a proibição de propaganda e organização de partidos
políticos.
(B) Em que pesem as pressões dos Estados Unidos da América (EUA), o
Brasil aceitou manter relações comerciais com a Alemanha baseadas em moeda
não conversível, denominada marco de compensação.

60
História
(C) A nomeação de Osvaldo Aranha para o Ministério das Relações
Exteriores em 1938 introduziu rupturas fundamentais no encaminhamento da
ação internacional do Brasil, que passou a desenvolver estratégia de barganha
com os EUA e a Alemanha.
(D) Na fase inicial desse período, a política externa adquiriu um tom
francamente belicoso e expansionista, como demonstram as ações de intervenção
do Brasil em assuntos internos dos países vizinhos, ao tomar partido nos
conflitos, como na Guerra do Chaco, entre a Bolívia e o Paraguai, e na Questão
de Letícia, entre o Peru e a Colômbia.
(E) O Itamaraty, na VII Conferência Internacional Americana, realizada
em Montevidéu, em 1933, reiterou a repulsa do governo brasileiro a alianças
como a do Pacto Briand-Kellog.

Nos quinze anos do primeiro Governo Vargas, de 1930 a 1945, Getúlio buscou
fazer da política externa, um meio de barganhar em prol do progresso do país nos
campos político e econômico. O presidente da República, habilmente, aproveitou
o clima favorável no cenário internacional para negociar acordos importantes na
área das finanças, o que foi fundamental para dinamizar o setor industrial. Neste
sentido, o governo buscou aproximação com os Estados Unidos sem, contudo
deixar de barganhar com outras nações como, por exemplo, a Alemanha, com a qual
dinamizou relações comerciais principalmente entre 1934 e 1938

RESPOSTA: “B”.

73. (INSTITUTO RIO BRANCO - DIPLOMATA PROVA 2 - CESPE/2013


-MODIFICADO)
A revolução de 1930 introduziu mudanças políticas, econômicas, sociais e na
política externa. A respeito dessas mudanças, julgue (C ou E) as questões 73 a 76.
O Estado empreendeu, a partir de 1930, ação determinante na educação,
com o intuito de criar um sistema nacional, esforço que envolveu educadores
de diferentes correntes, como a dos reformadores liberais e a dos católicos, e
também a própria elite cultural.

( ) Certo ( ) Errado

A questão educacional esteve fortemente presente no projeto político do grupo


que subiu ao poder com a Revolução de 1930. A preocupação com a formação de
uma elite ilustrada consubstanciou-se, por exemplo, na criação do Ministério da
Educação e Saúde (1930), na reforma do Ensino Secundário, em 1942, na criação da
Universidade do Brasil, dentre outras.

RESPOSTA: “CERTO”.

61
História
74. O poder estatal tratou, a partir de 1930, de promover alianças de
classes, garantindo direitos sociais e mecanismos de proteção aos trabalhadores
urbanos.
( ) Certo ( ) Errado

A criação do Ministério do Trabalho, Indústria e Comércio marcou o início


de uma política intervencionista, não apenas no campo das relações trabalhistas,
mas também em outros setores da sociedade, como o econômico por meio, entre
outros, da política de substituição de importações e incentivo à industria de base. No
âmbito social, com uma legislação trabalhista que valorizou o trabalhador nacional
e regulamentou os direitos referentes à férias, salário e outros benefícios, Vargas
conseguiu maior controle sobre a classe trabalhadora.

RESPOSTA: “CERTO”.

75. Afastadas do núcleo central do Estado, as Forças Armadas foram


substituídas, em suas funções de garantidoras da ordem interna, por novos
aparelhos repressivos, que reproduziam os criados pelo fascismo europeu.
( )Certo ( )Errado

De acordo com José Murilo de Carvalho, na obra Forças Armadas e Política no


Brasil, editado em 2006, página 63, o Exército, após a ascensão de Getúlio Vargas
ao poder, em outubro de 1930, encontrava-se enfraquecido, graças às cisões e aos
conflitos internos de ordem hierárquica como, também, de cunho ideológico. Além
disso, houve grande número de atos de indisciplina, protestos e agitações envolvendo
efetivos de alta e baixa patente. Diante desta situação, deu-se início, a partir do
fortalecimento de uma fração do Exército portadora de um projeto que combinava
segurança interna e externa, centralização do Poder, e desenvolvimento econômico
nacional, o processo de reformulação do Exército, capitaneado pelo General Góis
Monteiro, que tinha por objetivo restaurar a disciplina e a hierarquia no interior da
corporação, de forma a fortalecer politicamente as Forças Armadas, em particular o
Exército, no interior da burocracia estatal, alçando-o, assim, à posição de destaque
na promoção do progresso do país. O golpe de novembro de 1937, que instituiu a
ditadura varguista, representou a coroação daquela fração e de seu projeto.

RESPOSTA: “ERRADO”.

76. A revolução de 1930 introduziu mudanças políticas, econômicas, sociais


e na política externa. A respeito dessas mudanças, julgue (C ou E) a seguir.

62
História
Sem ruptura com a política que vinha sendo implementada, a política
externa do governo revolucionário caracterizou-se pelo protagonismo no plano
regional e pela centralidade do relacionamento com os EUA.

( ) Certo ( ) Errado

Nos quinze anos do primeiro Governo Vargas, de 1930 a 1945, Getúlio buscou
fazer da política externa, um meio de barganhar em prol do progresso do país nos
campos político e econômico. O presidente da República, habilmente, aproveitou
o clima favorável no cenário internacional para negociar acordos importantes na
área das finanças, o que foi fundamental para dinamizar o setor industrial. Neste
sentido, o governo buscou aproximação com os Estados Unidos sem, contudo
deixar de barganhar com outras nações como, por exemplo, a Alemanha, com a qual
dinamizou relações comerciais principalmente entre 1934 e 1938.

RESPOSTA: “CERTO”.

77. (CESPE - 2013 - INSTITUTO RIO BRANCO - DIPLOMATA - PROVA


1) Na política externa adotada no governo de Ernesto Geisel (1974-1979),
destaca-se como característica proeminente.
(A) a continuidade, em suas principais vertentes, da política externa do
governo Médici (1969-1974).
(B) a reaproximação com a Argentina, em contraposição ao período de
discórdias e controvérsias do período Médici.
(C) a resistência em celebrar o acordo de cooperação tecnológica ou militar
com os países industrializados, do que foi exemplo a denúncia do acordo nuclear
com a Alemanha.
(D) o alinhamento com os interesses norte-americanos no cenário
internacional.
(E) o princípio do pragmatismo responsável, que resultou no reatamento
das relações diplomáticas com a China e no reconhecimento de Angola.

No plano das relações exteriores, o presidente Ernesto Geisel (1974-1979)


não buscou alinhar-se incondicionalmente em relação aos EUA. Estabeleceu o
reconhecimento de governos alinhados ao bloco socialista e restabeleceu laços
diplomáticos com o governo chinês, o que desagradou a fração das Forças Armadas
identificada como “linha-dura”, que defendia a manutenção e o “endurecimento” do
regime militar.

RESPOSTA: “E”.

63
História
78. (IF/SP - VESTIBULAR - IFSP/2013)

Considerando o sentido da colonização apontado no texto, é correto afir-


mar que na organização do Brasil Colonial predominavam
(A) o latifúndio, o trabalho assalariado e a policultura.
(B) a urbanização do interior e a produção monocultora.
(C) o trabalho escravo, o mercado livre e a industrialização.
(D) o latifúndio, o trabalho escravo e a agricultura de exportação.
(E) a pequena propriedade, o trabalho dos imigrantes e a mineração.

O sistema por meio do qual se organizou a produção de açúcar na Colônia,


Plantation, possuía as seguintes características: grande propriedade (latifúndio);
monocultura (cana de açúcar), utilização de mão-de-obra escrava (Índios e, poste-
riormente, africanos); produção em larga escala para o comércio externo

RESPOSTA: “D”.

79. (IF/SP - VESTIBULAR - IFSP/2013)

É correto afirmar que essa frase expressa as características


(A) da política dos governadores, que garantia o poder às oligarquias regio-
nais e diminuía a participação do povo na política.
(B) da república da espada, na qual ocorriam eleições democráticas de am-
pla participação popular com apoio do Exército.
(C) da república do café-com-leite, na qual os latifundiários da região Nor-
deste tinham prioridade nas decisões do governo.
(D) do segundo reinado, no qual o Imperador Pedro II utilizava o Poder
Moderador para escolher os gabinetes de ministros.
(E) do regime militar, pois não havia liberdade de expressão para a
população e o presidente governava de forma centralizadora.

64
História
A Política dos Governadores, “inaugurada” no governo de Campos Sales, tinha
como objetivo garantir o apoio das elites políticas estaduais ao governo Federal por
meio de troca de favores políticos. Os lideres políticos municipais, conhecidos como
“coronéis”, tiveram papel importante na consolidação do referido apoio, graças à sua
influência junto à população rural.

RESPOSTA: “A”.

80. (UNB - VESTIBULAR PROVA 1 - CESPE/2013 - MODIFICADO)

Acerca da contextualização histórica que o texto propõe como explicação


do passado, responda as questões 80 a 88:

65
História
Getúlio Vargas, em 1937, suprimiu não só agremiações e partidos cujos
fundamentos ideológicos se opunham aos de sua proposta, como a Aliança
Nacional Libertadora (ANL), mas também aqueles de ideário fascista, como a
Ação Integralista Brasileira (AIB).

( ) Certo ( )Errado

Em 1935, há a formação da Aliança Nacional Libertadora, frente popular cujo


objetivo era a luta contra a Lei de Segurança Nacional, o movimento integralista,
o imperialismo e o latifúndio. Em abril é sancionada a Lei de Segurança Nacional,
que tipificava os crimes contra a ordem pública e social. Eclosão dos Levantes
Nacional-Libertadores (ANL) no mês de novembro, nas cidades de Natal, Recife e
Rio de Janeiro. O governo reprime o movimento de forma violenta. Após ser posta
na ilegalidade, em julho de 1935, a ANL é “fechada” em dezembro do mesmo ano.
Utilizando, de maneira hábil, a ameaça comunista, Getúlio Vargas conquista apoio
do Congresso para aprovação do Estado de Sítio. A Ação Integralista Brasileira,
fundada em 1932 por Plínio Salgado, foi fechada em 1938.

RESPOSTA: “ERRADO”.

81. Assumindo o papel de pai dos pobres e tutor da nação brasileira, Vargas
tentou centralizar todas as decisões que afetavam o país, tutelando importantes
iniciativas sociais e econômicas no âmbito das relações de trabalho e da
industrialização.
( ) Certo ( )Errado

Já no seu primeiro ano de governo, Getúlio Vargas iniciou as profundas


transformações pelas quais passou o país, em relação à Primeira República. Com
o movimento de outubro de 1930, as velhas oligarquias, que até então dominavam
a máquina política do país, foram alijadas do poder e substituídas pelos grupos que
compunham a Aliança Liberal, como os tenentes. Surge, assim, um novo modelo de
Estado, cujas características principais são a centralização e o intervencionismo no
plano político, econômico e social e cultural.

RESPOSTA: “CERTO”.

82. O contexto internacional a que se refere o texto, sobretudo no que


tange à difusão de ideologias políticas, integra a crise do denominado período
entreguerras, o qual se caracterizou pelo descrédito na capacidade de o sistema
liberal garantir o bem-estar social.

( )Certo ( )Errado

66
História
A “queda” da Bolsa de Nova York provocou uma grande crise econômica em escala
mundial. O colapso da economia (deflação, superprodução e retração do mercado
consumidor), provocou uma grava crise no sistema capitalista. Efeitos da crise:
Falência de grande número de empresas e bancos, alto índice de desemprego, queda
no preço dos produtos agrícolas, dos bens de produção e das exportações (retração
do mercado), crise política e agitação social. Uma das principais consequências
da crise econômica foi o abandono, por parte das lideranças políticas dos países
industrializados, dos preceitos e fórmulas do liberalismo econômico (Capacidade
de auto-regulamentação do mercado, livre-iniciativa, livre-concorrência). A
emergência de um Estado Intervencionista constituiu umas das saídas encontradas
para contornar as crises sociais e econômicas (a política do “New Deal”, implantada
nos Estados Unidos pelo presidente Franklin Roosevelt, constitui um exemplo).
Em alguns países, a crise econômica constituiu, dentre outras, uma das principais
causas para a formação e consolidação de regimes de caráter totalitário (nacionalista,
militarista, centralizador, autoritário, expansionista, racismo, anticomunismo) como,
por exemplo, o nazismo, na Alemanha.

RESPOSTA: “CERTO”.

83. O caráter totalitário da vida política da Itália e da Alemanha deve-se ao


fato de esses países, transformados em Estados-nação tardiamente, no século
XIX, precisarem impor-se às potências já estabelecidas no cenário internacional,
como a Inglaterra e a França.

( ) Certo ( ) Errado

O comentário da questão anterior responde esta pergunta

RESPOSTA: “ERRADO”.

84. Na liderança política afinada com a ideologia do Estado Novo,


mesclavam-se a experiência do coronelismo e as concepções corporativistas em
voga na Itália, na primeira metade do século XX, o que reforçou o papel central
do presidente.
( ) Certo ( )Errado

As transformações econômicas, políticas e sociais promovidas pela Revolução


de 1930, muito embora tenham provocado significativas transformações no “sistema
coronelista”, não alteraram o principal pilar sobre o qual se assentava o poder
político dos coronéis: a concentração da propriedade fundiária. A própria legislação

67
História
trabalhista, implantada por Getúlio Vargas nos primeiros anos de seu governo,
permaneceu restrita aos trabalhadores urbanos. A centralização do poder também
não impediu a manutenção da força política dos chefes locais. A cultura política
nacional conservava-se, na década de 30, essencialmente regionalista.

RESPOSTA: “CERTO”.

85. Implantação do Estado Novo, em 1937, foi um golpe de Estado que pôs
fim aos movimentos políticos que lutavam pelo estabelecimento de um regime
de governo liberal e democrático, nos moldes dos EUA.

( ) Certo ( )Errado

O governo autoritário de Getúlio Vargas, conhecido pelo nome de Estado Novo,


iniciou-se em 10 de novembro de 1937, por meio de um golpe sob a liderança de
Vargas que contava com o apoio de um setor da cúpula do Exército, capitaneado pelo
general Góes Monteiro. Para que se concretizasse o golpe, era necessário neutralizar
ou minar as oposições existentes entre civis e militares, além de estabelecer um
consenso em torno da manutenção de Vargas na Presidência. A exploração do
sentimento anticomunista foi fundamental para o encaminhamento do Golpe. Cabe
acrescentar que, nesse período, grande parte da imprensa, órgãos governamentais
e a elite que detinha o poder consideravam o comunismo uma ameaça à sociedade
brasileira. Após os Levantes Nacional-Libertadores de novembro de 1935, a abertura
do sistema político foi, com o tempo, atingida pelo crescimento do poder executivo,
pois Vargas conseguiu do Congresso o apoio para instaurar o estado de sítio. Dessa
forma, Getúlio Vargas, por meio da propaganda anticomunista, soube habilmente
utilizar o temor que os setores liberais tinham dos conflitos sociais e também do
comunismo, para, com medidas de exceção, como a Lei de Segurança Nacional
(LSN), em abril de 1935, e com os estados de sítio e de guerra, após novembro deste
ano, fortalecer o Executivo. Caminhava-se, então, para o Estado Novo.

RESPOSTA: “ERRADO”.

86. A expressão “socialismo real” foi empregada, primeiramente, para


designar o abrandamento do regime promovido por Stálin, visando-se à
superação do radicalismo da Revolução Bolchevique e à melhoria da integração
da União Soviética com a Europa após a Primeira Guerra Mundial.

( ) Certo ( ) Errado

68
História
Foi justamente durante o governo de Stálin (1924-1953) que se deu inicio à
um intenso processo de centralização do poder, com o fortalecimento da cúpula do
Partido Comunista, e forte repressão política. Nos anos 1930, Stalin empreendeu
uma ação política repressiva, conhecida como fase do “terror”, na qual deportou,
assassinou e expurgou os opositores do regime como, por exemplo Leon Trotsky.
Sob a liderança de Stalin, a URSS converteu-se em potência mundial.

RESPOSTA: “ERRADO”.

87. Com relação ao desfecho do Estado Novo e aos argumentos apontados


no texto, assinale a opção correta.
(A) Internamente, o regime ditatorial de Vargas apoiava-se, entre outros
expedientes, em forte esquema de censura e de propaganda de apologia do
regime vigente
(B) Foram impostas sanções internacionais ao Brasil, devido a seu
alinhamento às potências do Eixo — Alemanha, Itália e Japão — até o final da
Segunda Guerra.
(C) Impossibilitadas de formar partidos políticos, a oposição liberal-
democrata e a de esquerda organizaram-se clandestinamente em um bloco
coeso e derrubaram o ditador Vargas em outubro de 1945.
(D) Na tentativa de angariar a simpatia popular, Getúlio Vargas lançou,
após sua deposição, a campanha queremista, cujo lema era “Queremos Getúlio”.

Em 1939, criou-se o Departamento de Imprensa e Propaganda (DIP), responsável


pela censura aos meios de comunicação (controle da opinião), ao mesmo tempo em
que utilizava desses mesmos meios para fazer a propaganda do regime e construir
uma imagem positiva de Getúlio Vargas junto à população (“Pai dos Pobres”); Em
maio deste ano, criou-se a justiça do trabalho, por meio da qual o Estado promoveria
a “conciliação” dos interesses dos trabalhadores e da classe patronal. Construía-se,
assim, a imagem de um Estado que representava os interesses da nação. (Populismo)

RESPOSTA: “A”.

88. Assinale a opção correta a respeito de assuntos suscitados pelo texto


apresentado.
(A) O sindicalismo é uma força social que emergiu das corporações de
ofício, na Idade Média.
(B) Na versão marxista, socialismo é o regime político a ser atingido para
a superação da sociedade capitalista e a implantação da sociedade comunista.

69
História
(C) Sociologicamente, pode-se definir, por extensão, socialismo real como
o conjunto de tentativas de implantação do socialismo após a Segunda Guerra
Mundial.
(D) Na perspectiva sociológica, o fascismo italiano é categorizado como um
regime político autoritário.

O pensamento marxista concebe o ser humano enquanto um ser social e


histórico, alicerçando-se no materialismo histórico e no pensamento dialético.
A teoria desenvolvida por Karl Marx é considerada a mais expressiva crítica em
relação à organização social burguesa e sua base econômica: o modo de produção
capitalista. Assim, a crítica ao capital está fundamentada em uma ação política,
cujo protagonismo encontra-se na classe operária, a classe revolucionária, que tem
por principal objetivo a superação do sistema capitalista e a instauração de uma
sociedade comunista. No pensamento marxista, o socialismo constitui uma etapa
que antecede a implantação do comunismo. No socialismo a propriedade privada
dos meios de produção é abolida seguida da construção de um Estado, com a função
de instaurar o regime e garantir a igualdade social (Ditadura do Proletariado). Na
fase seguinte (comunismo), o Estado desaparece.

RESPOSTA: “B”.

89. (FUVEST - VESTIBULAR - 2013) A economia das possessões coloniais


portuguesas na América foi marcada por mercadorias que, uma vez exportadas
para outras regiões do mundo, podiam alcançar alto valor e garantir, aos
envolvidos em seu comércio, grandes lucros. Além do açúcar, explorado desde
meados do século XVI, e do ouro, extraído regularmente desde fins do XVII,
merecem destaque, como elementos de exportação presentes nessa economia:
(A) tabaco, algodão e derivados da pecuária.
(B) ferro, sal e tecidos.
(C) escravos indígenas, arroz e diamantes.
(D) animais exóticos, cacau e embarcações.
(E) drogas do sertão, frutos do mar e cordoaria.

Embora a produção do açúcar e a extração aurífera dominassem o quadro


produtivo, nas colônias produziam-se, também, tabaco, algodão e produtos oriundos
da pecuária.

RESPOSTA: “A”.

70
História
90. (UNESP - VESTIBULAR Primeira Fase - 2013) O Brasil assistiu, nos
últimos meses de 1822 e na primeira metade de 1823,
(A) ao reconhecimento da Independência brasileira pelos Estados Unidos,
pela Inglaterra e por Portugal.
(B) ao esforço do Imperador para impor seu poder às províncias que não
haviam aderido à Independência.
(C) à libertação da Província Cisplatina, que se tornou independente e
recebeu o nome de Uruguai.
(D) à pacífica unificação de todas as partes do território nacional, sob a
liderança do governo central, no Rio de Janeiro.
(E) à confirmação, pelas Cortes portuguesas e pela Assembleia Constituinte,
do poder constitucional do Imperador.

Esta questão está relacionada à Guerra da Independência, que ocorreu após o 7


de setembro de 1822. As províncias do Pará, Maranhão, Piauí, Bahia e Cisplatina,
cujos governos eram controlados por portugueses, não aceitaram D. Pedro, quer
como Regente (antes da Independência), quer como Imperador. O Piauí foi o
primeiro a ceder, seguido por Maranhão e o Pará. Na Bahia, as forças brasileiras
alcançaram a vitória em 2 de julho de 1823. A Guerra da Independência se encerrou
em 2 de março de 1824, quando, na Cisplatina, então província brasileira, as tropas
portuguesas se renderam.

RESPOSTA: “B”.

91. (UNESP - VESTIBULAR Primeira Fase - 2013) A Revolução


Farroupilha foi um dos movimentos armados contrários ao poder central no
Período Regencial brasileiro (1831-1840). O movimento dos Farrapos teve
algumas particularidades, quando comparado aos demais.
“Em nome do povo do Rio Grande, depus o governador Braga e entreguei
o governo ao seu substituto legal, Marciano Ribeiro. E, em nome do Rio
Grande do Sul, eu lhe digo que, nesta província extrema [...] não toleramos
imposições humilhantes, nem insultos de qualquer espécie. [...] O Rio Grande é
a sentinela do Brasil, que olha vigilante para o Rio da Prata. Merece, pois, maior
consideração e respeito. Não pode e nem deve ser oprimido pelo despotismo.
Exigimos que o governo imperial nos dê um governador de nossa confiança, que
olhe pelos nossos interesses, pelo nosso progresso, pela nossa dignidade, ou nos
separaremos do centro e, com a espada na mão, saberemos morrer com honra,
ou viver com liberdade”.
(Bento Gonçalves [carta ao Regente Feijó, setembro de 1835], apud
Sandra Jatahy Pesavento. A Revolução Farroupilha, 1986.)

71
História
Entre os motivos da Revolução Farroupilha, podemos citar
(A) o desejo rio-grandense de maior autonomia política e econômica da
província frente ao poder imperial, sediado no Rio de Janeiro.
(B) a incorporação, ao território brasileiro, da Província Cisplatina,
que passou a concorrer com os gaúchos pelo controle de mercado interno do
charque.
(C) a dificuldade de controle e vigilância da fronteira sul do império, que
representava constante ameaça de invasão espanhola e platina.
(D) a proteção do charque rio-grandense pela Corte, evitando a concorrência
do charque estrangeiro e garantindo os baixos preços dos produtos locais.
(E) a destruição das lavouras gaúchas pelas guerras de independência na
região do Prata e a decorrente Redução da produção agrícola no Sul do Brasil.

A Revolução Farroupilha (1835-45) bateu-se, principalmente, contra o poder


centralizador do governo instalado no Rio de Janeiro, o qual contava com o apoio
de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Bahia e Pernambuco. Esse centralismo
continuava a existir, mesmo após o Ato Adicional de 1834. Em seu início, foi
um movimento federalista, mas, em 1837, passou a ter viés separatista. Além de
rebelados contra o Governo Central, os gaúchos também se revoltaram contra a
maior taxação sobre o charque rio-grandense, em relação à cobrada sobre o produto
uruguaio.

RESPOSTA: “A”.

92. (UNESP - VESTIBULAR Primeira Fase - 2013) Durante o regime


militar brasileiro (1964-1985), ocorreram:
(A) fim do intervencionismo estatal na economia, ampliação da autonomia
dos estados e controle militar do sistema de informações.
(B) ampliação dos programas sociais voltados à saúde e à educação,
crescimento industrial e saneamento completo das contas públicas.
(C) limitação dos investimentos estrangeiros do país, erradicação da
inflação e pagamento da dívida externa brasileira.
(D) fortalecimento do poder executivo, relativo esvaziamento do legislativo
e do judiciário e aumento da participação estatal na economia.
(E) modernização tecnológica nas comunicações, incremento dos transportes
aéreo e ferroviário e maior equilíbrio na distribuição de renda.

O fortalecimento do Poder Executivo foi aspecto marcante do regime militar


brasileiro, desde sua origem, conforme o AI 1, passando pelos demais Atos
Institucionais. Os poderes Legislativo e Judiciário perderam força política, quadro

72
História
que começou a ser mudado no final do governo Geisel (1974-1979). O Estado
também aumento sua participação na economia, com a criação de diversas empresas
estatais e com o estabelecimento de reserva de mercado para alguns setores.

RESPOSTA: “D”.

93. (UNESP - VESTIBULAR Primeira Fase - 2013) O uso do álcool


combustível é antigo no Brasil. Desde o início do século XX, o país já usava o
produto extraído da cana-de-açúcar para fins energéticos. Com o pré-sal em
alta, o açúcar caro lá fora e os canaviais em crise, o biocombustível brasileiro
derrapa quando o mundo mais precisa de energia verde.
(Martha San Juan França. O etanol na encruzilhada. Unesp Ciência, maio
de 2012. Adaptado)
A partir da leitura do texto e de seus conhecimentos, pode-se afirmar que,
no Brasil,
(A) em 1900, iniciaram-se experiências com motores a combustão, em alguns
carros movidos a etanol, provocando o aumento da exportação brasileira desse
biocombustível.
(B) dos séculos XVI a XVIII, os engenhos de açúcar se expandiram pela
região Nordeste, constituindo a principal atividade econômica.
(C) com a desativação do Proálcool em 2001, descartou-se a perspectiva do
etanol se consolidar no mercado brasileiro como fonte renovável de energia.
(D) em 1960, a primeira crise do petróleo elevou o preço do barril e a
importação consumiu quase metade das divisas obtidas com a exportação
nacional.
(E) a chegada ao mercado dos carros com motor flex provocou aumento
significativo da produção de etanol, tornando o país autossuficiente.

A cultura intensa de cana, para a produção de açúcar, no Nordeste, constituiu-se


na principal fonte de renda do Brasil, do século XVI ao XVIII. Somente nos últimos
quarenta anos parte da produção de cana tem sido destinada à produção de álcool.

RESPOSTA: “B”.

94. (UNESP - VESTIBULAR Primeira Fase - 2013) Desde o início da


semana, alunos da rede municipal de Vitória da Conquista, na Bahia, não vão
mais poder cabular aulas. Um “uniforme inteligente” vai contar aos pais se
os alunos chegaram à escola – ou “dedurar” se eles não passaram do portão.
O sistema, baseado em radiofrequência, funciona por meio de um mini chip
instalado na camiseta do novo uniforme, que começou a ser distribuído para

73
História
20 mil estudantes na segunda-feira. Funciona assim: no momento em que os
alunos entram na escola, um sensor instalado na portaria detecta o chip e envia
um SMS aos pais avisando sobre a entrada na instituição. (Natália Cancian.
Uniforme inteligente entrega aluno que cabula aula na Bahia. Folha de S.
Paulo, 22.03.2012)
A leitura do fato relatado na reportagem permite repercussões filosóficas
relacionadas à esfera da ética, pois o “uniforme inteligente”
(A) está inserido em um processo de resistência ao poder disciplinar na
escola.
(B) é fruto de uma ação do Estado para incrementar o grau de liberdade
nas escolas.
(C) indica a consolidação de mecanismos de consulta democrática na escola
pública.
(D) introduz novas formas institucionais de controle sobre a liberdade
individual.
(E) proporciona uma indiscutível contribuição científica para a autonomia
individual.

A tecnologia presente no denominado “uniforme inteligente” presta-se,


indubitavelmente, ao controle em relação à autonomia dos alunos, uma vez que o
sistema permite que se rastreie os passos dos educando.

RESPOSTA: “D”.

95. (MACKENZIE - VESTIBULAR - 2011) “(…) Recordo- me de como ouvi,


pela primeira vez, na minha meninice, falar desse grande seridoense (Seridó,
Rio Grande do Norte) [José Bezerra do Araújo- Galvão]. O seu nome soava
como uma nota de clarim, vibrando nas quebradas das serras e dos vales, como
defensor da honra alheia, dos limites da propriedade privada, da moça ofendida,
do pobre que apelava para a sua proteção, inimigo da prepotência, defensor dos
hábitos e costumes do seu povo, transformados por uma sedimentação de vários
séculos em norma de vida ou código de lei. No seu município predominou por
muito tempo o regime do Estado sou eu. O município era ele. A lei era ele. O
juiz, o delegado, o padre, eram ele”. MELO, M. R. de. Patriarcas e Carreiros.
Rio de Janeiro: Pongetti, 1954, p. 273
O trecho trata de um fenômeno que, no Brasil,
(A) possui profundas raízes históricas, tendo surgido na República Velha e
se modificado ao longo do tempo, uma vez que, se antes não se valia de métodos
coercitivos, hoje é uma prática corrente nos meios políticos.

74
História
(B) apesar de possuir raízes históricas, não pode ser aplicado à realidade
atual do país, uma vez que os avanços democráticos verificados nos últimos
anos impossibilitam o surgimento dos chamados “coronéis”.
(C) está ligado às transformações urbanas do pós- Segunda Guerra
Mundial, já que tal conflito trouxe alterações significativas para a estrutura
social e política do país, possibilitando a emergência de novas camadas sociais.
(D) não tem nenhuma ligação com o passado, mesmo porque, falar de
práticas coercitivas e métodos baseados no “mandonismo”, não faz parte da
realidade política brasileira, baseada na democracia desde sua fundação.
(E) possui profundas raízes históricas, relacionado a uma concepção de
governo que inclui práticas de “mandonismo local”, com métodos coercitivos e/
ou paternalistas em relação à população e aos trabalhadores.

O texto proposto na questão foca o chamado “mandonismo local” ou coronelismo,


fenômeno importante presente na história política brasileira. Afirmações como “O
município era ele. A lei era ele” demonstram claramente a concentração tanto de
poderes políticos como de poderes jurídicos e paternalistas na figura de um líder
local, de um coronel. Embora tal fenômeno tenha raízes no período colonial, ele
ainda pode ser encontrado em algumas regiões brasileiras.

RESPOSTA: “E”.

96. (MACKENZIE - VESTIBULAR - 2011)

75
História
Atribui- se ao governador mineiro Antônio Carlos uma frase que simboliza
a tensão existente no Brasil, em 1930: “Façamos a revolução, antes que o povo
a faça.” Tal demonstração de preocupação, por parte das elites da Aliança
Liberal, mostra que elas tinham consciência de que era necessário agir para
assumir o controle político e conter as insatisfações populares. A respeito da
Revolução de 1930, como ilustra a foto da época, é correto afirmar que
(A) a ascensão do gaúcho Getúlio Vargas, como novo presidente,
representava a aliança das antigas oligarquias e também dos setores sociais
urbanos e do tenentismo, aparentemente vitorioso dentro das Forças Armadas.
O compromisso entre esses grupos era o de permanência do sistema econômico
e político do governo anterior com o apoio das Forças Armadas.
(B) a Revolução de 1930 não pode ser considerada um rompimento decisivo
na história do país, pois além da permanência de grupos ligados ao governo
anterior, não ocorreu nenhuma mudança no sistema representativo brasileiro.
Continuamos verificando a defesa dos interesses políticos e econômicos de uma
única categoria social e o prestígio dos militares.
(C) os que assumiram o poder, com a Revolução de 1930, buscaram, de
todas as maneiras, criar a imagem de um Brasil totalmente diferente a partir
do levante. Podemos considerar tal episódio político como sendo a vitória da
burguesia industrial sobre as tradicionais oligarquias cafeeiras e que as Forças
Armadas promoveriam a integração e a união nacional.
(D) a derrota do paulista Júlio Prestes, nas eleições presidenciais de 1930,
precipitou o levante revolucionário, responsável por entregar o poder a Getúlio
Vargas, que governou durante 15 anos. Para se manter na liderança política, o
político gaúcho contou com o apoio irrestrito das Forças Armadas.
(E) ao assumir o comando político da nação, logo após o movimento de
1930, Getúlio Vargas divulgou imagens envergando um uniforme militar,
influenciando a opinião pública de que, sob sua liderança, iniciava- -se um novo
período de combate aos males da Velha República e em prol da ordem e do
progresso.

Em busca da construção de uma imagem de governante inovador, capaz de


atender as demandas e desejos dos mais variados setores componentes da sociedade
brasileira, Getúlio Vargas, líder do movimento “Revolucionário” de 1930, enfrentava
manifestações de descontentamento em relação às estruturas político-econômicas da
Primeira República do Brasil. Tais manifestações advinham tanto do setor militar
(tenentismo que tecia críticas ao modelo oligárquico da política brasileira) como
dos civis que eram críticos ferrenhos dos “males” da República Velha e desejosos da
ordem e do progresso do País.

RESPOSTA: “E”.

76
História
97. (MACKENZIE – VESTIBULAR - 2012)

De acordo com a charge acima e com os aspectos socioeconômicos do Brasil


no período apresentado, considere as afirmativas I, II e III.
I. A ascensão das classes D e E teve um salto a partir do Plano Real,
oscilou durante o governo de Fernando Henrique Cardoso e se acentuou no
governo Lula, entre 2003 e 2010. Nesse contexto, o Brasil superou totalmente a
desigualdade crônica, vivida historicamente.
II. Apesar das oscilações do período 1995-2003 e da grande evolução do
período 2004-2010, a melhoria da condição social predominou. No entanto,
ainda persistem grandes desigualdades sociais no Brasil.
III. Houve, de um modo geral, uma melhora no padrão de distribuição de
renda nacional. Dessa forma, o Brasil hoje atingiu, em relação à concentração
de renda, os padrões da Europa Ocidental, hoje em crise.
Dessa forma,
(A) apenas I e III estão corretas.
(B) apenas I está correta.
(C) apenas II está correta.
(D) apenas II e III estão corretas.
(E) apenas III está correta.

77
História
A charge mostra a triste realidade a que são submetidos milhões de brasileiros,
que enfrentam a pobreza extrema. O Plano Real, embora tenha melhorado a situação
econômica brasileira, está longe ainda de superar a desigualdade que assola, desde
há muito, o País, tampouco solucionou a já crônica concentração de renda brasileira.

RESPOSTA: “C”.

98. (MACKENZIE – VESTIBULAR - 2012) 1 de janeiro, consagrado


à comemoração da fraternidade universal; 21 de abril, consagrado à
comemoração dos precursores da independência brasileira, resumidos em
Tiradentes, 3 de maio, consagrado à comemoração da descoberta do Brasil;
13 de maio, consagrado à fraternidade dos brasileiros; 14 de julho, consagrado
à comemoração da República, da liberdade e da independência dos povos
americanos; 7 de setembro, consagrado à comemoração da independência do
Brasil; 12 de outubro, consagrado à comemoração da descoberta da América; 2
de novembro, consagrado à comemoração geral dos mortos e 15 de novembro,
consagrado à comemoração da pátria brasileira. Citado em Marco Antonio
Villa. A história das constituições brasileiras: 200 anos de luta contra o arbítrio.
São Paulo: Leya, 2011, p.28
Pela análise dos feriados acima, estabelecidos logo após a proclamação da
República em 1889, conclui-se que
(A) uma das preocupações do novo regime foi estabelecer o laicismo do
Estado, permitindo a permanência de apenas um feriado de origem religiosa.
(B) houve a preocupação, no início, em transformar o Brasil em um Estado
laico, o que não foi seguido pela primeira constituição republicana, de 1891.
(C) essa nova forma de governo preocupou-se tanto com o patriotismo
como com a religiosidade dos brasileiros, estabelecendo o catolicismo como
religião oficial.
(D) os ideais positivistas, sem importância no contexto da crise do Império,
foram adotados logo no início do novo regime, daí a preocupação com feriados.
(E) as tentativas de relacionar o novo regime com a História do Brasil foram
bem sucedidas, porém a religião oficial continuou a do Império: o catolicismo.

Tão logo após o golpe militar de 15 de novembro de 1889, Mal Deodoro da


Fonseca, chefe do Governo Provisório, proveu a cisão entre o Estado Republicano
e a Igreja Católica, fato que foi referendado pela Constituição de 1881. Tem-se,
nesse momento, a organização do Estado laico no Brasil. Foi criado, então, um novo
calendário para os feriados nacionais, sendo apenas um deles de cunho religioso.

RESPOSTA: “A”.

78
História
99. (MACKENZIE – VESTIBULAR - 2012)

“Esta cova em que estás com palmos medida


É a conta menor que tiraste em vida (…)
É de bom tamanho, nem largo nem fundo,
É a parte que te cabe deste latifúndio(…)”

(Funeral de um Lavrador, Chico Buarque)

Acerca da estrutura fundiária de terras, tanto na América do Norte, quanto


na América do Sul, considere as afirmativas abaixo.
I. No Brasil, em 1850, com a Lei das Terras, o governo não poderia doar
terras públicas a ninguém, ao contrário do Homestead Act, de 1862, nos Estados
Unidos, que repassava lotes de terras de 64 hectares por família interessada no
cultivo e ocupação das mesmas.
II. Tanto o decreto norte-americano, quanto a lei imperial impediam os
descendentes dos escravos e os imigrantes de terem acesso às terras públicas,
favorecendo as elites agrárias locais.
III. O Homestead Act confirmou que a questão da terra livre não representou
um problema para o futuro desenvolvimento econômico dos EUA, ao passo que
no Brasil, a questão agrária continua gerando conflitos na sociedade atual.
A partir das afirmativas acima, é correto afirmar que
(A) somente I está correta.
(B) somente II está correta.
(C) somente I e II estão corretas.
(D) somente I e III estão corretas.
(E) somente II e III estão corretas.

I. Verdadeiro. O Homestead Act realmente possibilitou o acesso à terra por parte


dos imigrantes, sobretudo posteriormente à ocupação e cultivo. Já, no Brasil, a Lei
das Terras regulamentou a compra e venda, mas fez com que o imigrante tivesse de
trabalhar ainda mais tempo nas plantações da elite proprietária de terra.
II. Falso, já que o decreto norte-americano não impediu que imigrantes e ex-
escravos possuíssem terras.
III. Verdadeiro., pois a restrição ao acesso à terra é, ainda até hoje, razão de
conflitos. O contrário do que aconteceu nos EUA, pois o Homestead Act possibilitou
melhor distribuição de terras e, consequentemente, os conflitos diminuíram.

RESPOSTA: “D”.

79
História
100. (MACKENZIE – VESTIBULAR - 2012) A respeito do Plano Real,
programa brasileiro com o objetivo de estabilização econômica, é correto
afirmar que
(A) foi elaborado pelo ministro da Economia da época, Dílson Funaro, e
apesar da resistência por parte dos partidos de oposição, foi implantado, com
sucesso, no final do governo José Sarney.
(B) o ministro Fernando Henrique Cardoso, durante o governo Itamar
Franco, anunciou o programa que tinha como objetivo acabar com a infl ação
e estabilizar a economia.
(C) o plano econômico, idealizado pela equipe econômica do governo Itamar
Franco, não apresentou, inicialmente, resultados expressivos no combate à
inflação, o que gerou um desgaste político para o presidente Itamar.
(D) a desconfiança, por parte dos partidos de oposição, na efi cácia do Plano
Real em efetivamente combater a inflação não permitiu que o presidente Itamar
pudesse se candidatar à reeleição como presidente da República.
(E) o presidente Fernando Henrique Cardoso, para tentar solucionar os
problemas relacionados à ineficácia do Plano Real instituiu, no início do seu
governo em 1995, uma nova moeda, o real.

Em 1994, após o insucesso de vários planos em busca da estabilização


econômica, nos governos Sarney (85/90) e Collor 90/92), foi anunciado o Plano Real,
por Fernando Henrique Cardoso, Ministro da Fazenda, no governo do presidente
Itamar Franco. O Cruzeiro foi então substituído pelo Real e, juntamente com outras
medidas, o plano obteve êxito e a inflação foi controlada.

RESPOSTA: “B”.

101. (MACKENZIE – VESTIBULAR - 2012) (…) a nova política do governo


passou a abranger dois planos de atuação; em um, mais imediato, a correção
das deformações que se revelavam em todas as manifestações do processo de
desenvolvimento brasileiro político-militar, econômico, social e externo; em
outro, a adoção de uma estratégia para o desencadeamento de um surto de
progresso, igualmente naquele sentido integrado, levando em conta a realidade
brasileira em seu conjunto. O primeiro passo dessa política de reconstrução
constituiu, evidentemente, na restauração da ordem, em todas as áreas, e da
autoridade, segundo o princípio constitucional.
(Castelo Branco, Mensagem ao Congresso Nacional, 1965)

Assinale a alternativa que contém a síntese mais completa a respeito do


contexto histórico e político do texto acima:

80
História
(A) A necessidade do então governo de impor a paz interna, visto que, no
momento anterior, o então presidente João Goulart havia assumido, perante os
governos estrangeiros, acordos socialistas que ameaçavam a soberania nacional.
(B) O governo Castelo Branco assumiu a preocupação prioritária com a
manutenção da ordem interna do país, promovendo forte repressão policial a
várias entidades, como sindicatos e a UNE, focos de resistência política ao golpe
de 1964.
(C) Acreditando que a ordem e o progresso caminhavam juntos para
alcançar a reconstrução nacional, todas as medidas econômicas tomadas
durante o seu governo contaram com o irrestrito apoio e aprovação popular.
(D) A necessidade de se abandonar o nacionalismo reformista implementado
durante o mandato de Jânio Quadros e adotar um modelo econômico contando
com o apoio dos militares, investidores estrangeiros e grandes empresários
nacionais.
(E) Foi realizada a primeira revisão na Constituição Nacional, a fim de
aumentar o poder político do Executivo a fim de conter a ameaça da proliferação
dos ideais socialistas ou comunistas em nosso país.

O presidente João Goulart foi deposto pelo Golpe Militar de 1964. Este e o Ato
Institucional nº 1 deram início ao regime militar no Brasil Apesar do amplo apoio
recebido de diversos setores, surgiram movimentos de resistência, como alguns
sindicatos, artistas e intelectuais, e a UNE, contra os quais o Governo iniciou ação
repressiva.

RESPOSTA: “C”.

102. (MACKENZIE – VESTIBULAR - 2012) A Semana de Arte Moderna


de 1922 foi um marco cultural e a expressão da busca de um novo Brasil que
conseguisse superar suas características arcaicas, refletindo mudanças em
todas as áreas de nosso país. Em 1928, Oswald de Andrade publicou o Manifesto
Antropofágico, que procurou “traduzir” o espírito da cultura nacional.
A respeito do contexto histórico e cultural da época, é correto afirmar que
(A) Como proposta de mudança para a Arte do século XX, ao se aceitarem
as influências estrangeiras, sem se menosprezar a identidade nacional, e sim
reforçando-a, retoma-se a proposta da antropofagia como “ferramenta” na
elaboração da verdadeira cultura nacional.
(B) Todas as novas correntes artísticas advindas da Europa, no início do
século XX, são fundamentais para a elaboração de uma cultura verdadeiramente
nacional, pois estavam engajadas na preocupação de favorecer as classes
trabalhadoras dentro da nova sociedade moderna mundial.

81
História
(C) O Modernismo brasileiro surgiu com a intenção de promover uma
atualização da arte brasileira, capaz de ajudar na consolidação da identidade
nacional de tal forma que tiveram de se desligar da influência cultural externa
para a dedicação única da arte, considerada nacional e genuína.
(D) Reflete um novo posicionamento em relação à Arte no Brasil,
reproduzindo as ideias que, no plano político, eram defendidas pelo movimento
Verde-Amarelismo de Plínio Salgado que defendia a presença de estrangeirismos
em nossa cultura.
(E) Mostra o rompimento de vários artistas nacionais, como Tarsila do
Amaral e Di Cavalcanti, com as influências externas, principalmente com
o movimento futurista italiano, profundamente aliado aos ideais fascistas e
autoritários.

A Semana de Arte Moderna de 1922 foi um movimento lançado por vários


artistas e escritores, com o objetivo de aproximar o pensamento brasileiro, no
âmbito cultural e artístico, com as tendências europeias surgidas no final do século
IXI e início do XX, além de valorizar elementos brasileiros, o exótico e a forma livre
de se expressar.

RESPOSTA: “A”.

103. (MACKENZIE – VESTIBULAR - 2012) “Apareceu a 10 do corrente


[janeiro de 1888] em Piracicaba o primeiro número de uma folha trisemanal
intitulada O Lavrador Paulista, e consagrada aos (...) interesses negreiros das
fazendas” [interesses dos grandes proprietários de escravos]
(Diário Popular. Jornal de São Paulo, 03/01/1888)

“O órgão escravocrata que sob este título [O Lavrador Paulista] apareceu


em Piracicaba, deu três números e morreu. O povo não esteve para sustentar
folhas de semelhante jaez” [espécie/qualidade/laia]
(Diário Popular - Jornal de São Paulo, 10/01/1888)

Considerando o contexto histórico em que as notícias anteriores foram


divulgadas, assinale a alternativa que apresente uma explicação satisfatória
para a falta de apoio popular ao O Lavrador Paulista.
(A) No momento em que o jornal foi publicado, a população não tinha
aderido ao abolicionismo; portanto, a principal causa de sua extinção foi o
desinteresse popular pelos destinos reservados aos negros após a Lei Áurea,
assinada naquele contexto.

82
História
(B) Era consenso, naquele momento, que a abolição fosse uma questão de
tempo, por isso a população não deu atenção ao jornal que defendia os interesses
escravistas da burguesia cafeeira do Oeste paulista e sua indenização, caso a Lei
Áurea fosse assinada.
(C) O interesse escravista, predominante naquele momento, tentou
influenciar as populações rurais de São Paulo a não aderirem ao abolicionismo,
daí a necessidade de fundação de um jornal naquele sentido, apesar de sua
extinção alguns dias depois.
(D) O abolicionismo, predominante na sociedade brasileira da época
contava com a adesão de diversos sujeitos sociais - camadas médias urbanas,
intelectuais, políticos, jornalistas dentre outros - assim como a ação efetiva dos
negros na luta pelo fim da escravidão.
(E) É preciso levar em consideração, na análise, a situação financeira do município
citado - Piracicaba - uma vez que, afastado dos grandes centros produtores de café,
não foi possível aos seus cidadãos o financiamento do jornal citado.

A partir da segunda metade do século XIX, o abolicionismo passou a tomar vulto


dentro de vários setores da sociedade. O Governo viu-se, então, pressionado por
esses grupos, além dos movimentos dos próprios escravos, para abolir a escravidão.

RESPOSTA: “D”.

104. (MACKENZIE – VESTIBULAR - 2013) Os reflexos da Primeira


Guerra Mundial para economia brasileira, durante o governo de Wenceslau
Brás (1914-1918), ocasionaram:
(A) o aumento do déficit orçamentário, pois para corrigir os problemas
financeiros do governo anterior, Wenceslau Brás teve de recorrer a um novo
Funding Loan.
(B) a ampliação da produção industrial brasileira e a criação de novas
fábricas para suprir o mercado nacional, devido à queda das importações de
produtos industrializados estrangeiros.
(C) a sensível diminuição na produção industrial brasileira, devido à enorme
evasão de mão de obra das indústrias, pois grande contingente de operários foi
enviado, como soldados, para lutar no conflito.
(D) o aumento de empréstimos e investimentos em diversos setores da nossa
economia, por parte de banqueiros e industriais estrangeiros que, temerosos
dos rumos do conflito mundial, passaram a investir no país.
(E) a drástica redução dos investimentos no setor industrial e a queda de sua
produção, uma vez que o governo brasileiro incentivou os produtores agrícolas
a aumentarem suas safras a fim de abastecer o mercado externo.

83
História
O Brasil, com a Primeira Guerra Mundial, teve grande dificuldade para importar
produtos industrializados. Isso contribuiu para a expansão da indústria nacional.

RESPOSTA: “B”.

105. (MACKENZIE – VESTIBULAR - 2013) “A partir de hoje, 15 de


novembro de 1889, o Brasil entra em nova fase, pois pode-se considerar finda
a Monarquia, passando-se ao regime francamente democrático com todas as
consequências da Liberdade”
Assim se referiu a manchete do jornal carioca Gazeta da Tarde, anunciando
a Proclamação da República no Brasil. Pode-se dizer que tal ato
(A) reforçou as posições conservadoras dos positivistas brasileiros, o que
facilitou a ascensão do exército, como liderança do movimento, e auxiliou na
decretação de um Estado em bases religiosas e federalistas.
(B) resultou da conjugação de variados fatores, destacando as insatisfações
de grupos militares, camadas médias urbanas e setores latifundiários com os
rumos políticos e sociais do Império no Brasil.
(C) colocou fim à longa crise do Segundo Reinado, contribuindo para a
emergência do populismo enquanto prática política manipuladora, voltada
para a satisfação dos anseios de camadas trabalhadoras urbanas.
(D) rompeu com a legalidade da sucessão ao trono, uma vez que impediu a
ascensão da princesa Isabel, como governante, causando, por sua vez, revoltas
populares por todo o país.
(E) corroborou a busca pela modernização política do Brasil e mostrou-
se decisivo para a elaboração de políticas governamentais de inserção dos ex-
escravos no mercado de trabalho livre.

O Exército, principalmente os oficiais, o Partido Republicano Paulista (liderado


por cafeicultores) e grupos sociais urbanos tiveram destacada participação na
implantação da República.

RESPOSTA: “B”.

106. (MACKENZIE – VESTIBULAR - 2013)

Cavaleiros circulam vigiando as pessoas


Não importa se são ruins, nem importa se são boas
E a cidade se apresenta centro das ambições
Para mendigos ou ricos e outras armações
Coletivos, automóveis, motos e metrôs

84
História
Trabalhadores, patrões, policiais, camelôs
A cidade não para, a cidade só cresce
O de cima sobe e o de baixo desce
A cidade não para, a cidade só cresce
O de cima sobe e o de baixo desce
A cidade se encontra prostituída
Por aqueles que a usaram em busca de saída
Ilusora de pessoas de outros lugares
A cidade e sua fama vai além dos mares
No meio da esperteza internacional
A cidade até que não está tão mal
E a situação sempre mais ou menos
Sempre uns com mais e outros com menos
(…)

Chico Science. A cidade. Da lama ao caos. Sony Music, 1994.

A letra da música anterior aponta para alguns problemas vividos na


contemporaneidade. Assinale a alternativa que melhor explicita o contexto e as
referências ao Brasil atual.
(A) A ortodoxia econômica de governos recentes tem adotado uma postura
mais crítica em relação ao modelo neoliberal, aproximando-se de políticas
social-democratas. De efeito duvidoso, tal política aponta para uma nova
perspectiva, com a resolução das desigualdades encontradas até então.
(B) Vivencia-se a emergência de políticas públicas voltadas para a resolução
de certos problemas sociais, em particular as desigualdades geradas pelo modelo
neoliberal até então adotado. Daí o rompimento com o FMI feito recentemente.
(C) Procura-se acomodar crescimento econômico com um modelo que
priorize investimentos nas questões sociais. Práticas populistas que em nada
contribuem para a real superação das desigualdades existentes no país.
(D) De um lado, estabilização econômica. De outro, marginalização,
insegurança, aprofundamento das desigualdades econômicas e sociais,
insatisfações em relação a esse contexto. Faces da mesma moeda apontam para
a necessidade de reformulação da política de desenvolvimento adotada.
(E) A marginalização tem sido uma realidade crescente no país, contrariando
uma tendência mundial de redução desses níveis de desigualdade. Isso se deve
ao insucesso de programas sociais atuais, abrindo caminho, por sua vez, para
abusos cometidos por autoridades policiais e divulgados pela imprensa.

85
História
O desenvolvimento do país, durante o período chamado de “Milagre Brasileiro”
e o fim do regime militar de 1964/1985, apresentou contradições. Em 01 de julho
de 1994, o Plano Real trouxe a estabilidade econômica e uma política econômica
neoliberal. Mas vários setores da sociedade continuam, ainda hoje, marginalizados.

RESPOSTA: “D”.

107. (PUC - VESTIBULAR - 2012) Mostraram-lhes um carneiro; não


fizeram caso dele. Mostraram-lhes uma galinha; quase tiveram medo dela, e
não lhe queriam por mão. Depois lhe pegaram, mas como espantados. Deram-
lhes ali de comer: pão e peixe cozido, confeitos, bolos, mel, figos-passa. Não
quiseram comer daquilo quase nada; e se provaram alguma coisa, logo a
lançavam fora. Trouxeram-lhes vinho em uma taça; mal lhe puseram a boca,
não gostaram dele nada, nem quiseram mais.
(A carta de Pero Vaz Caminha, maio de 1500. Extraído de Dea Ribeiro
Fenelon. 50 textos de história do Brasil. São Paulo: Hucitec, 1986, p. 23)
O documento mostra um dos primeiros contatos entre portugueses e nativos
do atual Brasil. Podemos dizer, entre outras coisas, que a carta, na sua íntegra,
demonstra a
(A) superioridade técnica dos europeus em relação aos indígenas e os
motivos de a conquista portuguesa não ter enfrentado resistência.
(B) necessidade de reeducar os hábitos dos indígenas, cuja alimentação
cotidiana era muito menos diversificada que a dos conquistadores.
(C) importância da chegada dos portugueses ao continente americano, pois
eles trouxeram melhores alimentos e melhores hábitos de vestimenta.
(D) variedade de hábitos culturais de europeus e indígenas, ao expor
diferenças nas vestimentas, nos utensílios e na alimentação.
(E) harmonia plena com que se deram as relações entre conquistadores e
conquistados, que se identificaram facilmente.

O texto apresenta algumas das inúmeras diferenças entre os portugueses e os


índios brasileiros, na cultura, na alimentação, na vestimenta, nos utensílios e armas,

RESPOSTA: “D”.

108. (PUC - VESTIBULAR - 2012) Assim como os nazistas e os fascistas,


os integralistas pregavam a substituição da luta de classes pela ascensão
dos melhores, para renovar as camadas dirigentes e continuar estrutural e
funcionalmente o seu papel na sociedade. Antônio Candido. Teresina etc. Rio de
Janeiro: Paz e Terra, 1980, p. 129. Adaptado.

86
História
O texto compara nazismo, fascismo e integralismo, identificando-os
(A) no anseio de estabelecer um governo proletário, capaz de frear a
ascensão da burguesia e de patrocinar amplas reformas sociais e políticas.
(B) na aceitação da luta de classes como princípio das relações sociais e na
valorização da reforma administrativa como forma de eliminar os problemas
políticos.
(C) no esforço de valorizar a identidade nacional, único traço capaz de
impedir a luta de classes e assegurar a formação de um governo socialista.
(D) na rejeição da ideia de que a sociedade seja movida pela luta de classes
e na defesa de que o poder seja exercido por um grupo limitado e privilegiado
de pessoas.
(E) na busca de uma revolução proletária internacional e no reconhecimento
do papel central que o governo deve exercer na harmonização das relações
sociais.

Profundas transformações sociais, econômicas e políticas marcaram o período


entre as duas Grandes Guerras (1918 a 1939). No Brasil, os integralistas adotaram
os ideais nazifascistas, como solução para as crises políticas e econômicas da época,
propondo um Estado forte, em que um grupo limitado e privilegiado de pessoas
exerceria o poder, rejeitando, assim a luta de classes e o liberalismo político. grupo
limitado e privilegiado de pessoas.

RESPOSTA: “D”.

109. (PUC - VESTIBULAR - 2012) Em dez anos de vigência, o AI-5 tivera


tempo de punir 1607 cidadãos, dos quais 321 cassados: seis senadores, 110
deputados federais e 161 estaduais, 22 prefeitos, 22 vereadores (…). Além da
cassação, os senadores e 100 deputados federais tiveram seus direitos políticos
suspensos por 10 anos. Entre as punições a funcionários públicos, estavam o
afastamento de três ministros do Supremo Tribunal Federal e de professores
universitários. Paralelamente a essa caçada, o AI-5 desenvolveu um implacável
expurgo nas obras criadas: em dez anos, cerca de 500 filmes, 450 peças de teatro,
200 livros, dezenas de programas de rádio, 100 revistas, mais de 500 letras de
música e uma dúzia de capítulos e sinopses de telenovela foram censurados.
Zuenir Ventura. 1968: o ano que não terminou. Rio de Janeiro: Nova
Fronteira, 1988, p. 285-286. Adaptado.
O texto menciona alguns efeitos do Ato Institucional no 5, decretado em
1968 e revogado em 1978. Podemos dizer que o AI-5
(A) foi uma reação ao complô da mídia, dos artistas e de parte dos políticos,
que pretendiam implantar o socialismo no Brasil.

87
História
(B) determinou o fim da democracia no país e instaurou a primeira ditadura
da história do Brasil.
(C) permitiu ao governo militar aplicar seu programa de amplas reformas
sociais, sem a resistência dos setores conservadores da sociedade.
(D) ampliou os poderes do regime militar vigente, eliminando garantias
constitucionais.
(E) extinguiu os partidos de oposição e impediu as manifestações de todos
os políticos.

O Ato Institucional nº 5, editado pelo Regime Militar (1964-1985), concedeu,


ao governo federal, poderes, para entre outros, cassar mandatos, suspender
direitos políticos por dez anos, fechar órgãos do Legislativo (Congresso Nacional,
Assembleias Estaduais e Câmaras Municipais) por tempo indeterminado, sem
abertura de processos. Foi o mais duro dos Atos, pois vários dos poderes dados ao
Governo Central violavam garantias constitucionais.

RESPOSTA: “D”.

110. (PUC - VESTIBULAR - 2012) Leia:


“Mais do que ficar reduzindo áreas de preservação e reservas ambientais,
mais do que afetar a paz nas cadeias da biodiversidade, mais do que encomendar
e acreditar em estudos falaciosos, se a agropecuária brasileira quiser realmente
atingir níveis de produção capazes de evitar a escassez de alimentos no futuro,
ela precisará ampliar seus investimentos em inovação e tecnologia.”
(DAHER, Rui. Pesquisa e Desenvolvimento. São Paulo: Terra
Magazine,20/12/2011.in:http://terramagazine.terra.com.br/
interna/0,,OI5525903-EI12666,00 Pesquisa+e+desenvolvimento.html)

Tendo em vista o texto e as áreas geográficas do campo brasileiro dominadas


pela agricultura moderna (o “agronegócio”) é correto afirmar que
(A) o autor quis dizer que nas áreas geográficas do chamado agronegócio
não há tecnologias modernas aplicadas à produção agrícola.
(B) nas áreas do agronegócio, a produção é bastante tecnologizada (mesmo
que se advogue mais inovação), e boa parte dos trabalhadores mora nas cidades.
(C) o agronegócio, a despeito do conteúdo tecnológico, só pode ser mais
produtivo incorporando novas áreas geográficas, atualmente florestadas.
(D) com a tecnologia incorporada no agronegócio, a produção é sustentável,
com desmatamento mínimo, tal como no Centro-Oeste brasileiro.
(E) nas áreas do agronegócio, há crescimento de empregos e também de
moradores nas configurações rurais, e um esvaziamento das cidades.

88
História
Conforme o texto, a produção do agronegócio será maior somente com a
utilização de novas técnicas. Muitos dos trabalhadores desse setor, por exercerem
atividades especializadas, moram em cidades

RESPOSTA: “B”.

111. (PUC - VESTIBULAR - 2012) Leia com atenção:


”As cidades constituem-se no palco das contradições econômicas, sociais e
políticas e o sistema viário é um espaço em permanente disputa entre diferentes
atores, que se apresentam como pedestres, ciclistas, condutores e usuários de
automóveis, caminhões, ônibus e motos.“
(BRASIL Acessível. Programa Brasileiro de Acessibilidade Urbana.
Ministério das Cidades, 2006. p. 2)
A referência aqui são as grandes cidades brasileiras. Sobre a questão da
acessibilidade nessas áreas pode-se observar que
(A) nas “disputas” por mobilidade urbana, a automobilização crescente
gera problemas para o pedestre que também é usuário dos transportes coletivos.
(B) as preocupações constantes com a mobilidade e a segurança dos
pedestres se estendem cada vez mais aos portadores de necessidades especiais.
(C) a multiplicação do hábito do uso da bicicleta resultou da construção de
muitas ciclovias nas cidades, roubando, se necessário, espaço dos automóveis.
(D) ônibus e caminhões, ao mutiplicarem-se no sistema viário das grandes
cidades, são como vilões que provocam trânsito e atrapalham os pedestres.
(E) a multiplicação de motos nas cidades brasileiras é responsável pelos
congestionamentos e por dificuldades na circulação de pessoas e mercadorias.

O automóvel, como meio de transporte individual, tem grande presença nas


cidades brasileiras. Isso provoca congestionamentos, que prejudicam o transporte
coletivo e, por consequência, seus usuários.

RESPOSTA: “A”.

112. (PUC - VESTIBULAR - 2013) “Ao longo da segunda metade do século


XVI, a Bahia se tornou a principal capitania do Brasil colonial.
Juntou-se a Pernambuco como região de grande lavoura e engenhos
produtores de açúcar; tornou-se polo de imigração portuguesa, com destaque
para os cristãos-novos, atraídos pela nova frente de expansão açucareira e
desejosos de escapar do braço comprido do Santo Ofício português, criado
entre 1536 e 1540; abrigou número crescente de missionários, não só jesuítas,
mas professos de outras ordens religiosas.”
(Ronaldo Vainfas. Antônio Vieira. São Paulo:
Companhia das Letras, 2011, p. 31)

89
História
Podemos afirmar que o texto indica uma concepção acerca do estudo da
história do Brasil colonial em que se
(A) privilegia a dimensão religiosa dos vínculos entre colônia e metrópole,
pois tal dimensão é necessariamente determinante das demais relações presentes
na sociedade colonial.
(B) valoriza a liberdade de crença e a pluralidade das manifestações
religiosas na colônia, possível a partir da aceitação, pela Igreja Católica, das
formas de religiosidade das comunidades indígenas.
(C) caracteriza a divisão internacional do trabalho, pois as colônias
americanas e suas metrópoles europeias mantiveram, antes e depois da
independência, papéis hegemônicos no contexto global de circulação de
mercadorias.
(D) reconhece o caráter complexo e plural das relações entre colônia
e metrópole a partir da identificação de diversos elementos da ocupação e
organização da sociedade colonial.
(E) define o caráter flexível das relações entre colônia e metrópole, pois
estas se estruturam a partir do perfeito equilíbrio político entre a periferia e o
centro econômico.

No final do século XVI, as capitanias da Bahia e de Pernambuco eram as


principais, política e economicamente. Ordens religiosas, principalmente a dos
jesuítas, participaram ativamente na colonização brasileira; entre os imigrantes
portugueses, os cristãos-novos eram em grande número. Assim, o Pacto Colonial
abrangeu os aspectos político, comercial, social e religioso das relações entre a
colônia e a metrópole.

RESPOSTA: “D”.

113. (PUC - VESTIBULAR - 2013) Os grupos provinciais acabaram se


envolvendo com a construção do Estado, mas, ao fazê-lo, impuseram uma
organização institucional que preservava o controle de cada um deles sobre
sua província e, ao mesmo tempo, lhes conferia poder de influência no governo
central. (Miriam Dolhnikoff. O pacto imperial. São Paulo: Globo, 2005, p. 285)
O texto trata do processo de formação do Estado brasileiro na primeira
metade do século XIX e destaca
(A) o confronto entre o modelo federativo de inspiração norte-americana
e o modelo unitário que prevaleceu na constituição dos Estados nacionais na
América Hispânica.
(B) a combinação de elementos unitários e federalistas, que assegurou
simultaneamente a unidade nacional e a manutenção dos poderes oligárquicos
locais.

90
História
(C) o isolamento das oligarquias locais, que conseguiram reforçar seu poder
dentro das províncias, mas não interferiam nas decisões de caráter nacional.
(D) a vitória dos defensores de um Estado nacional federativo e fragmentário
e a derrota de todas as propostas de unificação das províncias.
(E) a derrota definitiva dos projetos autonomistas das províncias e o
fracasso dos ideais de centralização política, que eram incapazes de assegurar
a unidade nacional.

Na primeira metade do século XIX, grupos oligárquicos provinciais aceitaram o


governo central, em troca de influir na política nacional. Assim, a unidade nacional
manteve-se pela combinação de constituintes federalistas e unitaristas.

RESPOSTA: “B”.

114. (PUC - VESTIBULAR - 2013) “Ao assumir a presidência em março de


1967, Costa e Silva ainda patrocinava a política recessiva do governo anterior.
A ditadura parecia não ter nada a oferecer à sociedade. A impopularidade
do regime, a formação da Frente Ampla e o movimento estudantil nas ruas
convenceram os grupos militares mais ‘duros’ a pressionar o governo a alterar
a política econômica. Com isso, a prioridade de reduzir a inflação por métodos
recessivos teria que ser substituída por outra: o crescimento econômico com
um controle menos rígido do processo inflacionário. Com o AI-5 e a posse do
general Médici na presidência, a nova proposta foi vitoriosa.”
(Jorge Ferreira. João Goulart, uma biografia. Rio de Janeiro:
Civilização Brasileira, 2011, p. 642)

Entre as características dessa nova proposta, que alterou o rumo da


condução econômica durante os anos do regime militar, podemos citar a
(A) expansão da fronteira agrícola, voltada prioritariamente à revalorização
das culturas tradicionais do café, do tabaco e do algodão.
(B) eliminação do crédito para a indústria e para a agricultura e,
simultaneamente, a ampliação dos créditos para os consumidores.
(C) criação de programas sociais, voltados principalmente à melhoria das
condições de vida dos trabalhadores e à ampliação do mercado consumidor
interno.
(D) limitação das exportações e, simultaneamente, o estímulo às importações,
por meio da redução das alíquotas cobradas na entrada dos produtos.
(E) abertura a maiores investimentos estrangeiros e, simultaneamente, a
realização de grandes obras públicas.

91
História
O governo de Costa e Silva foi bastante criticado, tanto por militares da “linha
dura”, quanto pela Frente Ampla e pelo Movimento Estudantil. A “lina dura” colocou
o General Médici na Presidência, e decretou o AI-5. No novo governo, houve maior
abertura para investimentos estrangeiros, e o Governo passou a realizar grandes
obras públicas.

RESPOSTA: “E”.

115. (PUC - VESTIBULAR - 2013) Leia o trecho de uma entrevista, à Folha


de São Paulo, de André Esteves, presidente e principal sócio do BTG Pactual,
maior banco de investimentos da América Latina.
Folha: Há uma preocupação excessiva com a inflação?
André Esteves: A inflação, de longe, não é o principal problema hoje do país
[Brasil]. A gente ainda gasta muito tempo e esforço pensando nela. A economia
brasileira se sofisticou. Três grandes temas, tão ou mais importantes, estão na
agenda do governo - infraestrutura, excesso de carga fiscal e educação.
(Folha de São Paulo. Não é preciso reforma tributária para baixar já os
impostos no Brasil. 04/11/2012, p. B3).

Considerando as preocupações com a infraestrutura e a educação, visando


à eficiência da economia brasileira, é correto dizer que
(A) a significativa melhora do quadro educacional do país, que favorece a
pujança atual da economia, não tem um correspondente na infraestrutura de
telecomunicações, ainda muito precária e sem perspectivas de investimentos.
(B) a infraestrutura de transportes foi revolucionada, em especial no que
diz respeito ao transporte aéreo, impactando de forma positiva na efi ciência
econômica, ao mesmo tempo em que novos cursos de engenharia se multiplicam
pelo país.
(C) as fragilidades do ensino básico somadas às insuficiências do sistema
universitário, juntamente com as precariedades dos meios de transporte num
país continental, são verdadeiros obstáculos para o desenvolvimento econômico.
(D) os grandes investimentos ocorridos recentemente no sistema ferroviário
indicam um desenvolvimento consistente na infraestrutura de transporte,
embora nosso sistema educacional não tenha condições de formar profissionais
nesse ramo industrial.
(E) a precariedade do sistema de educação no país não compromete a
eficiência econômica do país de uma forma tão séria, quanto a precariedade
notada na infraestrutura energética, tanto no que diz respeito às fontes, quanto
à geração e à distribuição.

92
História
Um sistema de transporte ineficiente e que não atinge muitas áreas é um dos vários
problemas a serem resolvidos para a economia brasileira se desenvolver. A falta de
educação de qualidade provoca a má formação de milhares de brasileiros. Juntos, estes
e os demais problemas reduzem a competividade brasileira, frente aos outros países.. l.

RESPOSTA: “C”.

116. (PUC - VESTIBULAR - 2013) Leia com atenção: “Em Cidade de Muros,
Tereza Caldeira [apresenta uma visão panorâmica]. Fala de São Paulo, mas sua
leitura […] vale para boa parte das cidades do país: ‘A segregação — tanto social
quanto espacial — é uma característica importante das cidades. As regras que
organizam o espaço urbano são basicamente padrões de diferenciação social e
de separação.
Essas regras variam cultural e historicamente, revelam os princípios que
estruturam a vida pública e indicam como os grupos sociais se inter-relacionam
no espaço da cidade.’”
(Antonio RISÉRIO. A Cidade no Brasil. São Paulo:
Editora 34, 2012. p. 307)

Considerando o texto e o fenômeno da segregação urbana nas cidades


brasileiras, escolha a alternativa que melhor expressa essa questão.
(A) A intensidade da segregação urbana nas grandes metrópoles brasileiras
desvaloriza os espaços públicos em benefício dos espaços privados de
convivência.
(B) A segregação é um fenômeno natural das grandes cidades brasileiras,
devido ao seu tamanho, tanto que ela se repete, do mesmo modo, em todas as
grandes cidades do mundo.
(C) A segregação urbana de fato se generaliza nas grandes cidades
brasileiras, com a exceção daquelas que são litorâneas, pois nelas os espaços
públicos são muito vigorosos.
(D) A segregação social e espacial das grandes cidades brasileiras implica
um prejuízo para o convívio social urbano, mas não afeta a funcionalidade
técnica das cidades.
(E) Fenômenos comuns nas grandes cidades brasileiras, como condomínios
fechados e shoppings centers, diminuem a segregação urbana, pois levam o
centro para as periferias.

Na maior parte das cidades brasileiras, espaços privados (shoppings, condomínios)


são valorizados, enquanto que áreas públicas (praças) são desvalorizados. Isso
provoca e aumenta a segregação urbana.

RESPOSTA: “A”.

93
História
117. (PUC/SP - VESTIBULAR - PUC/2014) Descoberto o Novo Mundo e
instaurado o processo de colonização, começou a se desenrolar o embate entre
o Bem e o Mal.
Laura de Mello e Souza. Inferno Atlântico. São Paulo: Companhia das
Letras, 1993, p. 22-23.
Na percepção de muitos colonizadores portugueses do Brasil, uma das
armas mais importantes utilizadas nesse “embate entre o Bem e o Mal” era a:
(A) retomada de padrões religiosos da Antiguidade.
(B) defesa do princípio do livre arbítrio.
(C) aceitação da diversidade de crenças.
(D) catequização das populações nativas.
(E) busca da racionalidade e do espírito científico.

Os portugueses, durante a colonização do Brasil, consideravam a catequização


como uma forma de dar o “Bem” aos índios, que viveriam rodeados pelo “Mal”.
Mas, ao mesmo tempo, usavam a catequese como meio para controlar a Colônia.

RESPOSTA: “D”.

118. (INEP - ENEM - EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO -


INEP/2009)

Acerca das expectativas quanto à formação do Brasil, a sentença que


sintetiza os pontos de vista apresentados no texto é:

94
História
(A) Brasil, um país que vai pra frente.
(B) Brasil, a eterna esperança.
(C) Brasil, glória no passado, grandeza no presente.
(D) Brasil, terra bela, pátria grande.
(E) Brasil, gigante pela própria natureza.

Em todas as análises acerca da realidade política, econômica e social do Brasil,


apresentada pelos autores citados, a questão do desenvolvimento e modernização
do país está condicionada a superação de entraves políticos ou econômicos. O
estabelecimento de uma condição para o crescimento do país demonstra que, para
estes autores, tal crescimento poderá ocorrer (se ocorrer) somente no futuro. O
tempo verbal escolhido pelos autores reforça este argumento.

RESPOSTA: “B”.

119. (INEP - ENEM - EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO -


INEP/2009)

Segundo as ideias de Francisco Campos,

(A) os eleitores, políticos e juízes seriam mal- intencionados.


(B) o governo Vargas seria um mal necessário, mas transitório.
(C) Vargas seria o homem adequado para implantar a democracia de
partidos.
(D) a Constituição de 1937 seria a preparação para uma futura democracia
liberal.
(E) Vargas seria o homem capaz de exercer o poder de modo inteligente e
correto.

95
História
Em 1937, no dia 10 de novembro, Getúlio Vargas aplica um golpe de Estado
dando início, assim, ao período de seu governo conhecido por Estado Novo que
se estenderá até 1945. Tal período foi marcado, entre outros, pelo fechamento do
Congresso, outorga de uma nova Constituição, de inspiração fascista e autoritária,
supressão dos partidos políticos e fortalecimento do poder do Estado (Centralização
Política). Em 1939, há a criação do Departamento de Imprensa e Propaganda (DIP),
responsável pela censura aos meios de comunicação (controle da opinião), ao
mesmo tempo em que utilizava desses mesmos meios para fazer a propaganda do
regime e construir uma imagem positiva de Getúlio Vargas junto à população (“Pai
dos Pobres”); Em maio deste ano, criou-se a justiça do trabalho, por meio da qual
o Estado promoveria a “conciliação” dos interesses dos trabalhadores e da classe
patronal. Construía-se, assim, a imagem de um Estado que representava os interesses
da nação.

RESPOSTA: “E”.

120. (INEP - ENEM - EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO -


INEP/2009)

Os programas “Hora do Brasil” contribuíram para

(A) conscientizar os trabalhadores de que os direitos sociais foram


conquistados por seu esforço, após anos de lutas sindicais.
(B) promover a autonomia dos grupos sociais, por meio de uma linguagem
simples e de fácil entendimento.
(C) estimular os movimentos grevistas, que reivindicavam um
aprofundamento dos direitos trabalhistas.

96
História
(D) consolidar a imagem de Vargas como um governante protetor das
massas.
(E) aumentar os grupos de discussão política dos trabalhadores, estimulados
pelas palavras do ministro.

Em 1937, no dia 10 de novembro, Getúlio Vargas aplica um golpe de Estado


dando início, assim, ao período de seu governo conhecido por Estado Novo que
se estenderá até 1945. Tal período foi marcado, entre outros, pelo fechamento do
Congresso, outorga de uma nova Constituição, de inspiração fascista e autoritária,
supressão dos partidos políticos e fortalecimento do poder do Estado (Centralização
Política). Em 1939, há a criação do Departamento de Imprensa e Propaganda
(DIP), responsável pela censura aos meios de comunicação (controle da opinião),
ao mesmo tempo em que utilizava desses mesmos meios para fazer a propaganda
do regime e construir uma imagem positiva de Getúlio Vargas junto à população
(“Pai dos Pobres”); Em maio deste ano, criou-se a justiça do trabalho, por meio
da qual o Estado promoveria a “conciliação” dos interesses dos trabalhadores e
da classe patronal. Construía-se, assim, a imagem de um Estado que representava
os interesses da nação. A formação do caráter e do comportamento do trabalhador
nacional tinha por finalidade torná-lo “imune” às influências perniciosas das
ideologias revolucionárias trazidas para o país pelo elemento estrangeiro. A inserção
do trabalhador nacional no mercado de trabalho deveria ser feita de forma a torná-lo
produtivo e, ao mesmo tempo, disciplinado, dócil, domesticado.

RESPOSTA: “D”.

121. (INEP - ENEM - EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO -


INEP/2009)

97
História
Do ponto de vista da Inquisição,
(A) o problema dos métodos citados no trecho residia na dissimulação, que
acabava por enganar o enfeitiçado.
(B) o diabo era um concorrente poderoso da autoridade da Igreja e somente
a justiça do fogo poderia eliminá-lo.
(C) os ingredientes em decomposição das poções mágicas eram condenados
porque afetavam a saúde da população.
(D) as feiticeiras representavam séria ameaça à sociedade, pois eram
perceptíveis suas tendências feministas.
(E) os cristãos deviam preservar a instituição do casamento recorrendo
exclusivamente aos ensinamentos da Igreja.

Embora a questão da feitiçaria fosse importante para a atuação do Tribunal da


Santa Inquisição (Vide o Manual Inquisitorial “O Martelo das Feiticeiras”. A edição
em português tem um excelente ensaio da socióloga Rose Marie Muraro que propõe
ideias interessantes acerca do feminismo, assunto sempre atual e presente em provas
de concursos, particularmente como tema de redação). O problema das práticas
de feitiçaria, para a Igreja Católica, residia no fato de que tais práticas poderiam
ameaçar a hegemonia política e cultural que a Igreja desfrutava, principalmente,
no caso em questão, no campo da ciência e da medicina. Bruxas e Feiticeiras eram
figuras construídas pelas lideranças católicas com o objetivo de condenar rituais e
práticas alternativas.

RESPOSTA: “E”.

122. (INEP - ENEM - EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO -


INEP/2009)

O período da independência do Brasil registra conflitos raciais, como se


depreende:

98
História
(A) dos rumores acerca da revolta escrava do Haiti, que circulavam entre
a população escrava e entre os mestiços pobres, alimentando seu desejo por
mudanças.
(B) da rejeição aos portugueses, brancos, que significava a rejeição à
opressão da Metrópole, como ocorreu na Noite das Garrafadas.
(C) do apoio que escravos e negros forros deram à monarquia, com a
perspectiva de receber sua proteção contra as injustiças do sistema escravista.
(D) do repúdio que os escravos trabalhadores dos portos demonstravam
contra os marinheiros, porque estes representavam a elite branca opressora.
(E) da expulsão de vários líderes negros independentistas, que defendiam a
implantação de uma república negra, a exemplo do Haiti.

Para responder a questão é necessário recordar o movimento pela independência


do Haiti. No ano de 1789 Saint-Domingue era responsável pela produção de,
aproximadamente, 40 % do açúcar em escala mundial, constituindo, assim, a colônia
mais lucrativa dos franceses. Neste período histórico, o número de escravos, no
Haiti, era de, aproximadamente, 500 mil. No dia 22 de Agosto de 1791, a população
escrava de Saint-Domingue revoltou-se, dando início, assim, à um grave conflito
civil. Em janeiro de 1804, o Haiti torna-se uma república independente, a primeira,
na América Latina, fruto, em grande parte, de uma revolta de escravos. A atuação dos
escravos, enquanto sujeitos históricos capazes de transformar as relações político-
sociais em uma colônia, causava temor entre as elites agrárias.

RESPOSTA: “A”.

123. (INEP - ENEM - EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO -


INEP/2009)

99
História
Sob o ponto de vista da política externa brasileira no século XX, conclui-se que:
(A) o Brasil é um país periférico na ordem mundial, devido às diferentes
conjunturas de inserção internacional.
(B) as possibilidades de fazer prevalecer ideias e conceitos próprios, no que
tange aos temas do comércio internacional e dos países em desenvolvimento,
são mínimas.
(C) as brechas do sistema internacional não foram bem aproveitadas
para avançar posições voltadas para a criação de uma área de cooperação e
associação integrada a seu entorno geográfico.
(D) os grandes debates nacionais acerca da inserção internacional do Brasil
foram embasados pelas elites do Império e da República por meio de consultas
aos diversos setores da população.
(E) a atuação do Brasil em termos de política externa evidencia que o
país tem capacidade decisória própria, mesmo diante dos constrangimentos
internacionais.

Uma leitura atenta do texto escolhido para a questão permite que se alcance
a resposta correta. O texto refere-se a capacidade de que teve o país, ao longo de
sua história, de preparar-se para a conquista de soberania e autonomia no cenário
internacional.

RESPOSTA: “E”.

124. (INEP - ENEM - EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO -


INEP/2009)

100
História
Com base nas informações contidas no texto, depreende-se que
(A) o processo migratório foi desencadeado por ações de governo para
viabilizar a produção industrial no Sudeste.
(B) os governos estaduais do Sudeste priorizaram a qualificação da mão-
de-obra migrante.
(C) o processo de migração para o Sudeste contribui para o fenômeno
conhecido como inchaço urbano.
(D) as migrações para o sudeste desencadearam a valorização do trabalho
manual, sobretudo na década de 80.
(E) a falta de especialização dos migrantes é positiva para os empregadores,
pois significa maior versatilidade profissional.

A alternativa (A) está incorreta, pois a política do governo do Sudeste não foi a
causadora do processo migratório do Nordeste para o Sudeste, mas sim as condições
precárias em que viviam boa parte dos habitantes da região nordestina. A alternativa
(B) está incorreta, porque o fluxo migratório se deu por razões sociais em que uma
grande maioria dos migrantes não possuíam qualificação profissional. A alternativa
(C) está correta. O processo migratório sem planejamento superlotou as cidades que
receberam os migrantes, fazendo ocorrer o fenômeno denominado inchaço urbano.
A capital paulista é um grande exemplo. A alternativa (D) está incorreta, pois os
migrantes se viram obrigados a trabalhar por um salário menor do que recebia a média
local, apesar de ser maior do que antes recebiam. Houve, portanto, desvalorização
do trabalho. Alternativa (E) está incorreta, porque quanto mais qualificado for o
profissional, menor será sua versatilidade.

RESPOSTA: “C”.

101
História
125. (INEP - ENEM - EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO -
INEP/2009)

Com base nas informações do mapa acerca dos conflitos pela posse de terra
no Brasil, a região:
(A) conhecida historicamente como das Missões Jesuíticas é a de maior
violência.
(B) do Bico do Papagaio apresenta os números mais expressivos.
(C) conhecida como oeste baiano tem o maior número de mortes.
(D) do norte do Mato Grosso, área de expansão da agricultura mecanizada,
é a mais violenta do país.
(E) da Zona da Mata mineira teve o maior registro de mortes.

102
História
O Bico do Papagaio é uma região que se localiza no extremo norte do Estado
de Tocantins, e abrange, ainda, regiões do leste do Estado do Pará e do oeste do
Maranhão, sendo uma região de maior número de conflitos fundiários do país,
opondo fazendeiros, grileiros e líderes camponeses na posse pela terra. Praticamente,
não se respeitam as leis e, frequentemente, tais conflitos são marcados por mortes.
A alternativa (A) está incorreta, pois, embora os jesuítas tenham estado em todo
territórios brasileiros, não há relação entre a presença deles e os conflitos fundiários
na época da colonização. Já em relação às alternativas C e D é provável que tenha
havido conflitos nessas regiões mas de intensidade e gravidade menores das
ocorridas na região do Bico do Papagaio. A alternativa (E) está incorreta, pois na
região próxima ao Rio de Janeiro denominada Zona da Mata, região permeada por
áreas urbanas, não há conflitos agrários graves.

RESPOSTA: “B”.

126. (INEP - ENEM - EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO -


INEP/2009)

De acordo com o gráfico e com referência à distribuição das áreas rurais no


Brasil, conclui-se que:
(A) imóveis improdutivos são predominantes em relação às demais formas
de ocupação da terra no âmbito nacional e na maioria das regiões.
(B) o índice de 63,8% de imóveis improdutivos demonstra que grande parte
do solo brasileiro é de baixa fertilidade, impróprio para a atividade agrícola.

103
História
(C) o percentual de imóveis improdutivos iguala-se ao de imóveis produtivos
somados aos minifúndios, o que justifica a existência de conflitos por terra.
(D) a região Norte apresenta o segundo menor percentual de imóveis
produtivos, possivelmente em razão da presença de densa cobertura florestal,
protegida por legislação ambiental.
(E) a região Centro-Oeste apresenta o menor percentual de área ocupada
por minifúndios, o que inviabiliza políticas de reforma agrária nesta região.

A alternativa (B) está incorreta, pois a improdutividade da propriedade brasileira


não se deve à infertilidade, mas sim à concentração de terras. A alternativa (C) está
incorreta porque, no Brasil, o número de propriedades produtivas adicionado ao
número de minifúndios não se iguala à quantidade de propriedade improdutiva.
Conforme a leitura do gráfico, a porcentagem de propriedade improdutiva (63,8%)
é quase o dobro das outras duas juntas (36,2%). A alternativa (D) está incorreta, já
que é a região Norte que apresenta o menor nível de imóveis produtivos (12,1%).
A alternativa (E) está incorreta, pois um número menor ,no Centro-Oeste, de
minifúndios não inviabiliza a reforma agrária, muito pelo contrário, quanto maior
for a concentração de terra, maior é a possibilidade de se realizar a reforma agrária.

RESPOSTA: “A”.

127. (INEP - ENEM - EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO -


INEP/2008)

104
História
Na obra Entrudo, de Jean-Baptiste Debret (1768-1848), apresentada acima,
(A) registram-se cenas da vida íntima dos senhores de engenho e suas
relações com os escravos.
(B) identifica-se a presença de traços marcantes do movimento artístico
denominado Cubismo.
(C) identificam-se, nas fisionomias, sentimentos de angústia e inquietações
que revelam as relações conflituosas entre senhores e escravos.
(D) observa-se a composição harmoniosa e destacam-se as imagens que
representam figuras humanas.
(E) constata-se que o artista utilizava a técnica do óleo sobre tela, com
pinceladas breves e manchas, sem delinear as figuras ou as fisionomias.

Trata-se de um documento em que a imagem é reveladora de um momento


histórico, cultural revelando parte da prática cotidiana de uma sociedade.
A obra tem valor como documento a ser analisado e considerado na medida
em que o artista não é um ser neutro, desvinculado da realidade em que vive. Para
melhor entendimento da obra é necessário, também, que se tenha conhecimento das
tendências que permeiam as escolas de pinturas da época. Conhecimento histórico
do Brasil colonial também, em muito, contribui para que se tire proveito da obra
enquanto documento. Vemos no quadro uma cena de rua em que costumes são
registrados.

RESPOSTA: “D”.

128. (INEP - ENEM - EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO -


INEP/2008)

O abolicionista Joaquim Nabuco fez um resumo dos fatores que levaram à


abolição da escravatura com as seguintes palavras: “Cinco ações ou concursos
diferentes cooperaram para o resultado final: 1.º) o espírito daqueles que
criavam a opinião pela ideia, pela palavra, pelo sentimento, e que a faziam
valer por meio do Parlamento, dos meetings [reuniões públicas], da imprensa,
do ensino superior, do púlpito, dos tribunais; 2.º) a ação coercitiva dos que se
propunham a destruir materialmente o formidável aparelho da escravidão,
arrebatando os escravos ao poder dos senhores; 3.º) a ação complementar
dos próprios proprietários, que, à medida que o movimento se precipitava,
iam libertando em massa as suas ‘fábricas’; 4.º) a ação política dos estadistas,
representando as concessões do governo; 5.º) a ação da família imperial.”

Joaquim Nabuco. Minha formação. São Paulo: Martin Claret, 2005, p.


144 (com adaptações).

105
História
Nesse texto, Joaquim Nabuco afirma que a abolição da escravatura foi o
resultado de uma luta:
(A) de ideias, associada a ações contra a organização escravista, com o
auxílio de proprietários que libertavam seus escravos, de estadistas e da aço da
família imperial.
(B) de classes, associada a ações contra a organização escravista, que
foi seguida pela ajuda de proprietários que substituíam os escravos por
assalariados, o que provocou a adesão de estadistas e, posteriormente, ações
republicanas.
(C) partidária, associada a ações contra a organização escravista, com o
auxílio de proprietários que mudavam seu foco de investimento e da ação da
família imperial.
(D) política, associada a ações contra a organização escravista, sabotada
por proprietários que buscavam manter o escravismo, por estadistas e pela
ação republicana contra a realeza.
(E) religiosa, associada a ações contra a organização escravista, que
fora apoiada por proprietários que haviam substituído os seus escravos por
imigrantes, o que resultou na adesão de estadistas republicanos na luta contra
a realeza.

Sem fazer nenhuma referência econômica, mas abordando razões atreladas à


política vigente, à mentalidade e ações dos grandes proprietários mediante o desgaste
do escravismo, Joaquim Nabuco apresenta análise da abolição da escravatura no
Brasil. Os livros didáticos, diferentemente, da análise em questão, dão destaque a
razões econômicas dos fazendeiros do café e à ação humanitária tanto de intelectuais
e políticos como da família imperial, na pessoa da princesa Isabel.

RESPOSTA: “A”.

129. (INEP - ENEM - EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO -


INEP/2008)

O ano de 1954 foi decisivo para Carlos Lacerda. Os que conviveram


com ele em 1954, 1955, 1957 (um dos seus momentos intelectuais mais altos,
quando o governo Juscelino tentou cassar o seu mandato de deputado), 1961
e 1964 tinham consciência de que Carlos Lacerda, em uma batalha política ou
jornalística, era um trator em ação, era um vendaval desencadeado não se sabe
como, mas que era impossível parar fosse pelo método que fosse.

Hélio Fernandes. Carlos Lacerda, a morte antes da missão cumprida. In:


Tribuna da Imprensa, 22/5/2007 (com adaptações).

106
História
Com base nas informações do texto acima e em aspectos relevantes da
história brasileira entre 1954, quando ocorreu o suicídio de Vargas (em grande
medida, devido à pressão política exercida pelo próprio Lacerda), e 1964,
quando um golpe de Estado interrompe a trajetória democrática do país,
conclui-se que:
(A) a cassação do mandato parlamentar de Lacerda antecedeu a crise que
levou Vargas à morte.
(B) Lacerda e adeptos do getulismo, aparentemente opositores, expressavam
a mesma posição político- ideológica.
(C) a implantação do regime militar, em 1964, decorreu da crise surgida com
a contestação à posse de Juscelino Kubitschek como presidente da República.
(D) Carlos Lacerda atingiu o apogeu de sua carreira, tanto no jornalismo
quanto na política, com a instauração do regime militar.
(E) Juscelino Kubitschek, na presidência da República, sofreu vigorosa
oposição de Carlos Lacerda, contra quem procurou reagir.

É necessário que se tenha um olhar atento à política brasileiro do período


1950/1960, sobretudo em relação à atuação política de Carlos Lacerda, UDN,
partido que fazia oposição ao PTB – varguista – com candidatos seguidamente
eleitos para o cargo presidencial e para o Congresso, embora não majoritário.
Fazendo alianças com partidos estaduais menores e com o PSD, o PTB marcou
importante posição histórica. Lacerda exercia ferrenha oposição à política de Vargas,
mesmo já tendo sido Maoísta defendia um liberalismo estrito, ou seja, contrário
a qualquer intervenção estatal no funcionamento da economia. Ele era contrário à
forma populista de governo. Juscelino Kubitschek, mesmo adotando postura política
diferente de Vargas, não pode ser considerado um liberal, conforme a concepção
udenista e de Lacerda.

RESPOSTA: “E”.

130. (INEP - ENEM - EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO -


INEP/2007)

Após a Independência, integramo-nos como exportadores de produtos


primários à divisão internacional do trabalho, estruturada ao redor da Grã-
Bretanha. O Brasil especializou-se na produção, com braço escravo importado
da África, de plantas tropicais para a Europa e a América do Norte. Isso
atrasou o desenvolvimento de nossa economia por pelo menos uns oitenta anos.
Éramos um país essencialmente agrícola e tecnicamente atrasado por depender
de produtores cativos. Não se poderia confiar a trabalhadores forçados outros

107
História
instrumentos de produção que os mais toscos e baratos. O atraso econômico
forçou o Brasil a se voltar para fora. Era do exterior que vinham os bens de
consumo que fundamentavam um padrão de vida “civilizado”, marca que
distinguia as classes cultas e “naturalmente” dominantes do povaréu primitivo
e miserável. (...) E de fora vinham também os capitais que permitiam iniciar a
construção de uma infra- estrutura de serviços urbanos, de energia, transportes
e comunicações.
Paul Singer. Evolução da economia e vinculação internacional.
In: I. Sachs; J. Willheim; P. S. Pinheiro (Orgs.). Brasil: um século de
transformações. São Paulo: Cia. das Letras, 2001, p. 80.

Levando-se em consideração as afirmações acima, relativas à estrutura


econômica do Brasil por ocasião da independência política (1822), é correto
afirmar que o país:
(A) se industrializou rapidamente devido ao desenvolvimento alcançado no
período colonial.
(B) extinguiu a produção colonial baseada na escravidão e fundamentou a
produção no trabalho livre.
(C) se tornou dependente da economia europeia por realizar tardiamente
sua industrialização em relação a outros países.
(D) se tornou dependente do capital estrangeiro, que foi introduzido no país
sem trazer ganhos para a infra - estrutura de serviços urbanos.
(E) teve sua industrialização estimulada pela Grã-Bretanha, que investiu
capitais em vários setores produtivos.

É necessário analisarmos com critério nossas bases históricas. Estas, mesmo


tendo sofrido interferência britânica durante o século XIX, não podemos desprezar
nossas particularidades, e, para não incorrermos em erros, devemos analisar com
criticidade vertentes históricas que afirmam ter sido nossa independência resultado
da ajuda inglesa e que somente com eles mantínhamos comércio. Além dessas,
afirmar ainda que a GUERRA do Paraguai teria acontecido em razão do interesse
inglês em fragilizar a autonomia paraguaia. É preciso levar em conta também que
a independência brasileira não trouxe consigo o fim da escravidão e nem tínhamos
à época da colonização um desenvolvimento nem infraestrutura que sustentasse um
grande crescimento industrial.

RESPOSTA: “C”.

108
História
131. (INEP - ENEM - EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO -
INEP/2007)

Considerando a linha do tempo acima e o processo de abolição da


escravatura no Brasil, assinale a opção correta.
(A) O processo abolicionista foi rápido porque recebeu a adesão de todas as
correntes políticas do país.
(B) O primeiro passo para a abolição da escravatura foi a proibição do uso
dos serviços das crianças nascidas em cativeiro.
(C) Antes que a compra de escravos no exterior fosse proibida, decidiu-se
pela libertação dos cativos mais velhos.
(D) Assinada pela princesa Isabel, a Lei Áurea concluiu o processo
abolicionista, tornando ilegal a escravidão no Brasil.
(E) Ao abolir o tráfico negreiro, a Lei Eusébio de Queirós bloqueou a
formulação de novas leis antiescravidão, no Brasil.

Para que se possa encontrar a alternativa correta, é necessário que se leve em


conta o processo de abolição da escravidão no Brasil, a que interesses ela atendia,
a quais grupos sociais ela agradava, a linha cronológica do processo, as suas
especificidades, qual ideologia norteia o abolicionismo e qual o seu vínculo com o
processo de desintegração da Ordem Imperial no Brasil.

RESPOSTA: “D”.

132. (ETEC/SP VESTIBULINHO – FUNDAÇÃO FAT/2013 – Modificado)


Os cartazes, como os exemplos a seguir, são geralmente expostos em locais de
fácil acesso e atingem um grande público.

109
História
1 2

O cartaz da figura 1 foi divulgado nos EUA no ano de 1917, durante a


Primeira Guerra Mundial; enquanto o cartaz da figura 2 foi divulgado no
Brasil, durante a Revolução Constitucionalista no ano de 1932. Analisando e
contextualizando os cartazes apresentados, é correto afirmar que
(A) o cartaz divulgado no Brasil pode ser considerado de conteúdo
político, ao contrário do cartaz dos EUA, cujo conteúdo pode ser considerado
nitidamente humorístico.
(B) em ambos os cartazes, a postura corporal dos personagens evidencia
o apoio aos regimes ditatoriais que havia tanto nos Estados Unidos quanto no
Brasil em 1932.
(C) os dois cartazes têm como personagens principais membros da classe
operária, pois ambos são instrumentos de divulgação do Partido Comunista.
(D) o cartaz dos EUA representa uma propaganda de alcance nacional,
enquanto o cartaz do Brasil refere-se a um movimento regional.
(E) o cartaz do Brasil demonstra a propaganda positiva do governo Vargas,
assim como o cartaz dos EUA apoia o governo de Roosevelt.

O cartaz norte-americano (figura 01) insere-se no contexto da entrada dos


Estados Unidos na Primeira Guerra Mundial (1917). Diz respeito à campanha, de
alcance nacional, para o alistamento militar. Já o segundo cartaz (figura 2), faz parte
da campanha, organizada por uma fração da elite política de São Paulo, em favor da
constitucionalização do Brasil, em 1932. A Radicalização do movimento atingiu seu
ápice no dia 09 de julho, quando a “Revolução Paulista” foi deflagrada.

RESPOSTA: “D”.

110
História
133. (PM/SP – SOLDADO - PM/2005) Pela primeira vez na história, o
Brasil coordena uma missão de paz em um país assolado por problemas sociais
e naturais. A qual país estamos nos referindo?
(A) Haiti.
(B) Angola.
(C) República Dominicana.
(D) El Salvador.
(E) Congo.

Com conturbadas crises políticas durante todo o século XX, aprofundando-se


a partir de 1991, momento que a Organização dos Estados Americanos (OEA), a
Organização das Nações Unidades (ONU) e os EUA impuseram sanções econômicas
ao país para forçar os ditadores militares do Haiti a permitirem a volta do governante
deposto. Em setembro de 1994, força multinacional liderada pelos EUA, entrou
no Haiti para reempossar Jean-Bertrand Aristide. Aristide reassumiu o País com a
Economia destroçada pelas convulsões internas. Apesar dos avanços democráticos,
com a eleição de dois presidentes entre 1994 a 2000, o país continuou mergulhado
em crise. Apesar da mediação da comunidade internacional, a oposição local do
país refutou a mediação. Em fevereiro de 2004, conflitos armados eclodiram.
O presidente da Suprema Corte, Bonifácio Alexandre, assumiu interinamente a
presidência, conforme prevê a Constituição daquele país. Em consequência, o
Conselho de Segurança da ONU decidiu estabelecer a Missão das Nações Unidades
chefiada pelo Exército Brasileiro

RESPOSTA: “A”.

134. (PM/SP – SOLDADO - PM/2005) O sistema eleitoral adotado no


Império Brasileiro estabelecia o voto censitário. Esta afirmação significa:
(A) Que o voto não era extensivo aos analfabetos e às mulheres.
(B) Por ocasião das eleições, realiza-se o recenseamento geral da população.
(C) As eleições eram efetuadas em dois turnos sucessivos.
(D) Para ser eleitor era necessário possuir uma determinada renda anual.
(E) O voto era indireto no que se referia às eleições gerais.

O voto censitário esteve em vigor no Brasil durante todo o período monárquico,


estabelecido na Constituição Federal de 1824 e abolida pela Constituição de 1891.
O Eleitor deveria ter uma renda mínima para votar em torno de 100 mil-réis. A
população que conseguia ser eleitora, girava em torno de 13%, de acordo com o
censo de 1872. Entretanto, os eleitores eram submissos às autoridades locais e as
eleições eram violentas e cheias de fraudes.

RESPOSTA: “D”.

111
História
135. (PM/SP – SOLDADO - PM/2005) “Cinquenta anos de progresso em
cinco de governo” foi o slogan que marcou o governo do único Presidente
brasileiro eleito por voto popular, após a Constituição de 1946 e que chegou
efetivamente a concluir o mandato. Tais Informações referem-se:
(A) Juscelino Kubitscek.
(B) Jânio Quadros.
(C) Campos Sales.
(D) Café Filho.
(E) João Goulart.

Através da aliança política formada por 6 partidos políticos, Juscelino foi eleito
presidente da República em 3 de outubro de 1955, com 35,68% dos votos válidos, a menor
votação de todos os presidentes eleitos de 1945 a 1960. Foi empossado em 31 de janeiro
de 1956, e, governou por 5 anos, até 31 de janeiro de 1961. Seu vice-presidente eleito foi
João Goulart. Foi o primeiro presidente desde Arthur Bernardes a cumprir integralmente
o mandato. Com seu Slogan “Cinquenta anos em cinco”, conseguiu encetar um processo
de rápida industrialização, tendo como carro chefe a indústria automobilística. Houve, no
seu governo, um forte crescimento econômico, porém, com forte crescimento da dívida
pública interna e da dívida externa. Foi ele quem fundou Brasília em 21 de abril de
1960. Seu governo é lembrado como “os anos dourados”, coincidindo com a fase de
prosperidade norte-americana, caracterizada pela baixa inflação e pelas elevadas taxas
de crescimento da economia e do padrão de vida dos norte-americanos.

RESPOSTA: “A”.

136. (INEP - ENEM - EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO -


INEP/2007)

112
História
Um dia, os imigrantes aglomerados na amurada da proa chegavam à
fedentina quente de um porto, num silêncio de mato e de febre amarela. Santos.
— É aqui! Buenos Aires é aqui! — Tinham trocado o rótulo das bagagens,
desciam em fila. Faziam suas necessidades nos trens dos animais onde iam.
Jogavam-nos num pavilhão comum em São Paulo. — Buenos Aires é aqui!
— Amontoados com trouxas, sanfonas e baús, num carro de bois, que pretos
guiavam através do mato por estradas esburacadas, chegavam uma tarde nas
senzalas donde acabava de sair o braço escravo. Formavam militarmente nas
madrugadas do terreiro homens e mulheres, ante feitores de espingarda ao
ombro.

Oswald de Andrade. Marco Zero II – Chão. Rio de Janeiro: Globo, 1991.

Levando-se em consideração o texto de Oswald de Andrade e a pintura


de Antonio Rocco reproduzida acima, relativos à imigração europeia para o
Brasil, é correto afirmar que
(A) a visão da imigração presente na pintura é trágica e, no texto, otimista.
(B) a pintura confirma a visão do texto quanto à imigração de argentinos
para o Brasil.
(C) os dois autores retratam dificuldades dos imigrantes na chegada ao
Brasil.
(D) Antonio Rocco retrata de forma otimista a imigração, destacando o
pioneirismo do imigrante.
(E) Oswald de Andrade mostra que a condição de vida do imigrante era
melhor que a dos ex- escravos.

Uma leitura atenta da obra, observamos imigrantes chegando ao porto de


Santos, em São Paulo (embora pudesse ser qualquer outro porto). O quadro marca
um momento histórico brasileiro. Ao citar Buenos Aires, Oswald de Andrade
pretende demonstrar como os imigrantes eram, provavelmente, enganados quanto
ao lugar a que desejavam ir, ou o desconhecimento em relação à nova terra, o que os
deixava mais expostos à exploração, à manipulação dos proprietários de terra, que,
via de regra, os submetia à mão de obra escrava, com baixos salários com vistas na
melhoria da qualidade do trabalhador, posto que eram brancos.

RESPOSTA: “C”.

113
História
137. (INEP - ENEM - EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO -
INEP/2007)

Carlos [Drummond de Andrade],

Achei graça e gozei com o seu entusiasmo pela candidatura Getúlio Vargas
– João Pessoa. É. Mas veja como estamos... trocados. Esse entusiasmo devia ser
meu e sou eu que conservo o ceticismo que deveria ser de você. (...).
Eu... eu contemplo numa torcida apenas simpática a candidatura Getúlio
Vargas, que antes desejara tanto. Mas pra mim, presentemente, essa candidatura
(única aceitável, está claro) fica manchada por essas pazes fragílimas de governistas
mineiros, gaúchos, paraibanos (...), com democráticos paulistas (que pararam de
atacar o Bernardes) e oposicionistas cariocas e gaúchos. Tudo isso não me entristece.
Continuo reconhecendo a existência de males necessários, porém me afasta do meu
país e da candidatura Getúlio Vargas. Repito: única aceitável.

Mário [de Andrade]

Renato Lemos. Bem traçadas linhas: a história do Brasil em cartas pessoais.


Rio de Janeiro: Bom Texto, 2004, p. 305.

Acerca da crise política ocorrida em fins da Primeira República, a carta do


paulista Mário de Andrade ao mineiro Carlos Drummond de Andrade revela:
(A) a simpatia de Drummond pela candidatura Vargas e o desencanto de
Mário de Andrade com as composições políticas sustentadas por Vargas.
(B) a veneração de Drummond e Mário de Andrade ao gaúcho Getúlio
Vargas, que se aliou à oligarquia cafeeira de São Paulo.
(C) a concordância entre Mário de Andrade e Drummond quanto ao caráter
inovador de Vargas, que fez uma ampla aliança para derrotar a oligarquia mineira.
(D) a discordância entre Mário de Andrade e Drummond sobre a
importância da aliança entre Vargas e o paulista Júlio Prestes nas eleições
presidenciais.
(E) o otimismo de Mário de Andrade em relação a Getúlio Vargas, que se
recusara a fazer alianças políticas para vencer as eleições.

A pergunta faz referência ao ano de 1930, quando houve eleição presidencial,


em que foram indicados como candidatos, pela Aliança Liberal, Vargas- João
Pessoa, momento marcado por controvérsias. Há, entretanto consenso de que esse
movimento de 1930 deva ser entendido como não-revolucionário.

RESPOSTA: “A”.

114
História
138. (INEP - ENEM - EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO -
INEP/2006)

Os textos acima retratam, respectivamente, São Paulo e Olinda no início


do século XVII, quando Olinda era maior e mais rica. São Paulo é, atualmente,
a maior metrópole brasileira e uma das maiores do planeta. Essa mudança
deveu-se, essencialmente, ao seguinte fator econômico:

(A) maior desenvolvimento do cultivo da cana-de-açúcar no planalto de


Piratininga do que na Zona da Mata Nordestina.
(B) atraso no desenvolvimento econômico da região de Olinda e Recife,
associado à escravidão, inexistente em São Paulo.
(C) avanço da construção naval em São Paulo, favorecido pelo comércio
dessa cidade com as Índias.
(D) desenvolvimento sucessivo da economia mineradora, cafeicultora e
industrial no Sudeste.
(E) destruição do sistema produtivo de algodão em Pernambuco quando da
ocupação holandesa.

A proposta estabelece uma ponte entre o desenvolvimento urbano no Brasil, no


século XVII e os dias atuais. No século XVII, as regiões economicamente mais ativas
eram essencialmente as nordestinas, e, com a extração e a exploração, no século
XVIII, de metais e pedras preciosas em Minas Gerais, muda-se o eixo econômico
para a região sudeste. Muda-se a capital brasileira de Salvador para o Rio de Janeiro.
O dinamismo econômico é que determina o desenvolvimento das cidades.

RESPOSTA: “D”.

115
História
139. (INEP - 2006 - ENEM - EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO
- INEP/2006)

A partir dessas informações, relativas à história republicana brasileira,


assinale a opção correta.

(A) Ao término do governo João Goulart, Juscelino Kubitschek foi eleito


presidente da República.
(B) A renúncia de Jânio Quadros representou a primeira grande crise do
regime republicano brasileiro.
(C) Após duas décadas de governos militares, Getúlio Vargas foi eleito
presidente em eleições diretas.
(D) A trágica morte de Vargas determinou o fim da carreira política de João
Goulart.
(E) No período republicano citado, sucessivamente, um presidente morreu,
um teve sua posse contestada, um renunciou e outro foi deposto.

Apesar do tema proposto seja um dos períodos mais problemáticos da história do


Brasil, importa que se conheça a cronologia dos fatos e que se tenha conhecimento
acerca de Constituição 1946, que estabelece quinquênios presidenciais em vez de
quadriênios. 1954-1964 –governam Café Filho(no lugar de Vargas que se suicidou),
Carlos Luz e Nereu Ramos. Juscelino Kubitschek de Oliveira-l956-1960. Jânio
Quadros 1961(renuncia em agosto) assume João Goulart, que foi deposto em 1964,
com o Golpe Civil- Militar.

RESPOSTA: “E”.

116
História
140. (INEP - 2006 - ENEM - EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO
- INEP/2006)

É correto apenas o que se afirma em


(A) I.
(B) II.
(C) III.
(D) I e II.
(E) II e III.

117
História
A afirmativa III está incorreta, pois afirma que o regime autoritário entre 1964
e 1984 não fez usa da violência em relação a seus opositores, quando o que se tem
é exatamente o contrário. Sabe-se que vitória brasileira na Copa de 1970 foi usada
como uma forma de escape do medo e da insegurança reinantes. O que se propagava
era que se estava construindo de um “grande País”.

RESPOSTA: “D”.

141. (PM/SP – SOLDADO - PM/2005) A Inglaterra atuou a favor do


Brasil para a obtenção do reconhecimento de sua independência, mas exigiu a
extinção:
(A) Do acordo comercial de 1810.
(B) Do Pacto Colonial.
(C) Dos contratos comerciais com países da Santa Aliança.
(D) Da escravatura.
(E) Do tráfico negreiro.

O tráfico negreiro constituiu-se num comércio altamente lucrativo para os


interesses da Coroa. Havia rivalidade entre o Brasil e Inglaterra era decorrente
de assuntos alfandegários e do tráfico de escravos africanos. Como o objetivo de
Portugal era aumentar meu mercado consumidor de produtos industrializados, a
escravidão no Brasil era um obstáculo para o aumento do consumo, pois o escravo
era mercadoria e não consumidor.

RESPOSTA: “E”.

142. (PM/SP – SOLDADO - PM/2005) Nas alternativas abaixo, os Estados


de Minas Gerais e Tocantins, têm respectivamente, como capitais:
(A) Belo Horizonte e Florianópolis.
(B) Belo Horizonte e Campo Grande.
(C) Belo Horizonte e Goiânia.
(D) Belo Horizonte e Palmas.
(E) Belo Horizonte e Cuiabá.

Em 12/12/1897, o então presidente do Estado de Minas Gerais (nesta época


o governador era denominado como presidente) inaugurou a nova do Estado. A
cidade, que já contava com 10 mil habitantes em sua inauguração, custou aos cofres
estaduais a importância de 36 mil contos de réis. Em 1901, a Cidade de Minas teve
seu nome modificado para o atual, em virtude da dualidade de nomes, já que o
distrito e a comarca se chamavam Belo Horizonte. Em 2013, o IBGE contabilizou

118
História
a população em 2.479.175 habitantes. A cidade foi fundada em 20 de maio de 1989,
logo após a criação do Tocantins pela Constituição de 1988. Antes desta data,
Palmas foi planejada inicialmente pelos arquitetos Luís Fernando Cruvinel Teixeira
e Walfredo Antunes de Oliveira Filho, sendo que a partir daí, a cidade começou a ser
construída pelos trabalhadores que vieram do interior do Tocantins e de vários outros
estados do país. Entretanto, somente a partir do dia 1 de janeiro de 1990, Palmas
passou a ser a capital definitiva do estado, pois antes desta data, a cidade não possuía
condições físicas de sediar o governo estadual, que estava alocado temporariamente
no município vizinho de Miracema do Tocantins. Atualmente, a população da Capital
tocantinense conta com 1.478.164, segundo estimativa do IBGE em 2013.

RESPOSTA: “D”.

143. (PM/SP – SOLDADO - PM/2005) O golpe da maioridade, datado de


julho de 1840 e que elevou D. Pedro II a imperador do Brasil, foi justificado
como sendo:
(A) Uma estratégia para manter a unidade nacional, abalada pelas
sucessivas rebeliões provinciais.
(B) O único caminho para que o país alcançasse novo patamar de
desenvolvimento econômico e social.
(C) A melhor saída para impedir que o Partido Liberal dominasse a política
nacional.
(D) A forma mais viável para o governo aceitar a Proclamação da República
e a abolição da escravatura.
(E) Uma estratégia para impedir a instalação de um governo ditatorial e
simpatizando do socialismo utópico.

A ideia da declaração da Maioridade surgira desde 1835, com a fundação do


Clube da Maioridade. Os Andradas e os parlamentares mais exaltados procuraram
D. Pedro de Alcântara e pediram que ele assumisse o poder, ao que o príncipe teria
respondido: “Quero já”, e foi aclamado Imperador Constitucional, em julho de
1840. Foi denominada Revolução Parlamentar ou Maiorista, que terminava com a
Regência e iniciava o governo pessoal de D. Pedro II. Essa iniciativa foi realizada
para derrubar os conservadores que estavam tão fortalecidos no poder, sendo que os
liberais propuseram a antecipação da maioridade do Imperador.

RESPOSTA: “A”.

119
História
144. (PM/SP – SOLDADO - PM/2005) Dentro do processo de colonização
no Brasil, a Coroa Portuguesa e a classe mercantil, num primeiro momento,
não encontraram no Brasil, os metais preciosos que tanto desejavam; tiveram
que optar por uma atividade econômica lucrativa e partiram para a agricultura
onde o produto escolhido foi:
(A) algodão.
(B) soja.
(C) café.
(D) cana-de-açúcar.
(E) borracha.

O ciclo da cultura da cana-de-açúcar surgiu na fase colonial, no Brasil, entre os


séculos XVI e XVII, e teve um grande impacto e grande importância na economia
brasileira desta época. A cana-de-açúcar era o produto que dava lucro à Coroa além
de colaborar na concretização de colonização portuguesa no Brasil. Com o intuito
de explorar a sua colônia e obter riquezas, os portugueses instalaram engenhos
para produzirem açúcar no litoral do Brasil. A decisão teve como base também o
fato da cana de açúcar ter rápido cultivo além da localização, na costa nordestina,
especialmente em Pernambuco, o que facilitaria o escoamento do açúcar produzido
para a Europa.

RESPOSTA: “D”.

As questões 145 e 146 referem-se ao texto:

“Quando olhei a terra ardendo qual fogueira de São João,


Eu perguntei a Deus do céu, aí! porque tamanha judiação.
Que Braseiro! Que fornalha! Nenhum pé de plantação.
Por falta d’ água perdi meu gado, morreu de sede meu alazão.
Até mesmo a asa branca bateu asas do sertão.
Então, eu disse: Adeus Rosinha! Guarda contigo meu coração.
Hoje longe, muitas léguas, uma solidão,
Espero a chuva cair de novo para eu voltar pro meu sertão.
Quando o verde dos teus olhos se espalhar na plantação,
Eu te asseguro, não chores não, viu? Eu voltarei pro meu sertão”.
(Luiz Gonzaga)

120
História
145. Assinale qual a vegetação predominante no sertão árido brasileiro,
descrita na canção de Luiz Gonzaga:
(A) Araucária.
(B) Pantanal.
(C) Cerrado.
(D) Campos.
(E) Caatinga.

O reino vegetal está muito presente na obra gonzagueana, decorou capa de discos,
nomeou músicas e vinis. E foi catando os grãos no roçado e extraindo espinhos e flores
na caatinga, que Luiz Gonzaga ampliou o seu paiol de músicas, plantou nas rádios e
colheu o carinho do povo brasileiro, segundo o site do governo de Recife, da capital do
Estado de Pernambuco, no qual há um memorial em homenagem ao cantor.

RESPOSTA: “E”.

146. Considerando o texto acima, se o sertanejo sair do sertão para a zona


da mata e retornando após a colheita da cana, esse processo é chamado de:
(A) Migração Sazonal.
(B) Êxodo Urbano.
(C) Inchaço Urbano.
(D) Migração Pendular.
(E) Nomadismo.

As migrações sazonais são aquelas feitas por pessoas ou animais devido as


estações do ano. Os trabalhadores migram para outros locais com a intenção de
plantar produtos (que não poderiam ser cultivados no lugar anterior por causa do
clima em determinadas estações). No Brasil, ocorre muito do Nordeste para o Sul.
Sazonal vem de sazao, o mesmo que estação. Em nosso caso em tela, o cantor
ressalta as dificuldades do homem do campo, que é obrigado a migrar de sua casa
para o litoral devido as secas recorrentes no verão nordestino.

RESPOSTA: “A”.

147. O “plantation” teve grande influência na agricultura nacional colonial


como modelo de produção. Assinale as características correta sobre o tema:
(A) Latifúndio e mão-de-obra assalariada.
(B) Grande propriedade autossuficiente.
(C) Latifúndio monocultor, escravista e exportador.
(D) Pequena propriedade com mão-de-obra assalariada.
(E) Minifúndio exportador de diversas culturas.

121
História
Plantation é um tipo de sistema agrícola (uma plantação) baseado em uma
monocultura de exportação mediante a utilização de latifúndios e mão-de-obra
escrava. Foi bastante utilizado na colonização da América, principalmente no
cultivo de gêneros tropicais. A primeira característica da economia de plantação
é a monocultura. Nesse sistema, são produzidas grandes quantidades de um
só produto que se adapta muito bem ao solo e ao clima da região. Os produtos
cultivados por meio da economia de plantação no Brasil são cana-de-açúcar, café,
soja, etc. Nesse sistema, a produção é voltada quase que totalmente para o mercado
externo, permanecendo no país apenas produtos de baixa qualidade. As colônias
eram exploradas de uma forma especulativa, sem nenhum interesse, por parte das
metrópoles, na melhora do país em que a economia de plantação era estabelecida.

RESPOSTA: “C”.

148. Sobre a mineração no Brasil, em Minas Gerais, durante o século XVIII,


principalmente, podemos afirmar que:
(A) Não houve tributação pela metrópole portuguesa.
(B) O principal produto na região foi o ouro.
(C) O ouro ficou retido em sua totalidade no Brasil.
(D) Período sem conflitos, pacífico, sem revoltas.
(E) A revolta de Beckman relaciona-se ao ciclo do ouro.

A descoberta das lavras de ouro nas Minas Gerais, nos finais do século XVII e
início do século XVIII foi o acontecimento mais espetacular da história econômica
do Brasil colônia. Provocou enorme repercussão, tanto para a própria metrópole
como para boa parte do mundo. Desde os primórdios da colonização, acreditava-se
que o Brasil tinha ouro e outros metais e pedras preciosas. Só que, passados já dois
séculos de ocupação, não haviam sido encontrados em volume significativo.

RESPOSTA: “B”.

149. Revolução considerada a mais longa do Brasil, ocorreu no período de


1835 a 1945, iniciando no Rio Grande do Sul e se estendeu pelo Sul do país,
reivindicavam maior autonomia provincial e a redução de impostos sobre o
charque gaúcho. Falamos da:
(A) Sabinada.
(B) Balaiada.
(C) Revolução Farroupilha.
(D) Cabanagem.
(E) Revolução Praieira.

122
História
Iniciada, durante a Regência Uma de Feijó, foi a mais longa Guerra civil
brasileira, tendo durado 10 anos e só terminou em 1845, no governo pessoal de
D. Pedro II. A Guerra dos Farrapos foi promovida pela classe dominante gaúcha,
constituída de estanceiros (criadores de gado), com o apoio de intelectuais e do povo
em geral. A produção do charque tornava a economia gaúcha voltada para o mercado
interno. Em 1835, o governo central taxou com pesados impostos esse produto, o
que ocasionou a indignação dos estanceiros, pois o charque gaúcho, uma das bases
da economia local, passou a sofrer violenta concorrência do charque platino que
tinha privilégios alfandegários no Brasil.

RESPOSTA: “C”.

150. Presidente militar brasileiro responsável por dar início à abertura


política, publicando em seu governo, a Lei da Anistia em 1979, no Brasil, a qual
autorizou os exilados políticos retornarem ao país:
(A) Castelo Branco.
(B) Garrastazu Médici.
(C) Juscelino Kubistchek.
(D) General Geisel.
(E) General Figueiredo.

O Governo de Ernesto Geisel foi marcado pela necessidade de se administrar


o avanço das oposições legais frente os sinais de crise da ditadura. A busca por
reformas foi sentida nas eleições parlamentares de 1974, onde mais de 40% das
cadeiras do Congresso Nacional foram ocupadas por integrantes do MDB. Os
militares da chamada “linha dura” começaram a perceber a desaprovação popular
frente o regime. Em contrapartida, outros integrantes do regime defendiam a
necessidade de flexibilização que pudesse dar maior longevidade ao governo militar.
O contexto marcado por contradições acabou incitando os setores mais radicais do
regime a cometerem atos de extremo autoritarismo. Em outubro de 1975, o jornalista
Vladimir Herzog foi assassinado nos corredores do II Exército de São Paulo. Segundo
as fontes oficiais, o jornalista teria se matado na prisão. No entanto, as fotos do
incidente estranhamente mostravam seu pescoço amarrado a um lençol e com os pés
ao chão. O episódio acabou dando forças para que diversas entidades representativas
se unissem em torno de duas grandes reivindicações: a anistia aos presos políticos
e a realização de uma nova Constituinte. Entre as entidades que encabeçaram essas
lutas se destacavam a Ordem dos Advogados do Brasil, a Associação Brasileira para
o Progresso da Ciência, a Associação Brasileira de Imprensa, Comitê Brasileiro
pela Anistia, as Comunidades Eclesiais de Base e a União dos Estudantes do Brasil.
Projetando uma ampliação da representação política dos setores de oposição, o

123
História
Governo Geisel lançou, em 1977, o chamado pacote de abril. Esse pacote promoveu
uma desarticulação política sustentada pelas premissas estabelecidas pelo Ato
Institucional nº 5 (AI-5). Com isso, a ditadura conseguiu garantir uma maioria de
integrantes políticos favoráveis à situação. Reafirmando seu projeto de reabertura
política “lenta e gradual”, o general Geisel afastou os radicais do governo para abrir
portas à eleição de João Batista Figueiredo. Ao fim de seu mandato, Ernesto Geisel
tomou uma última atitude que representou bem o tom conservador de sua abertura
política: revogou o AI-5 e, logo em seguida, deu ao próximo presidente o direito de
decretar Estado de Sítio a qualquer momento.

RESPOSTA: “D”.

151. Devido à dificuldade de contratação de mão-de-obra qualificada e


a restrições do trabalho escravo impostas pela Inglaterra, no século XIX, a
imigração europeia para o Brasil, ajudou a consolidar:
(A) o poder dos coronéis em toda a região amazônica.
(B) a pecuária na região Centro-Oeste.
(C) a industrialização no eixo Manaus-Belém.
(D) a lavoura cafeeira no Oeste paulista.
(E) a produção de açúcar no norte do paraná.

Com a abolição da escravidão no Brasil em 1888, teve como consequência a


queda do Império e gerou a crise econômica na Província do Rio de Janeiro, maior
produtora de café, que cedeu lugar a São Paulo. Houve uma mudança no eixo da
economia nacional, do vale do Paraíba do Sul fluminense (escravista) para o Oeste
paulista (mão-de-obra assalariada) que beneficiou-se com a vinda de imigrantes,
notadamente italianos.

RESPOSTA: “D”.

152. No início da Primeira República (1889-1930), a oligarquia governante


teve de enfrentar, no sertão baiano, os fiéis seguidores de Antônio Conselheiro,
no conflito retratado pelo escritor Euclides da Cunha. Esse conflito foi chamado
de:
(A) Cabanagem.
(B) Campanha Civilista.
(C) Contestado.
(D) Farroupilha.
(E) Canudos.

124
História
O beato Antônio Conselheiro, no Arraial de Canudos, sertão da Bahia iniciou
movimento messiânico em 1894 contra a Proclamação da República. Euclides
da Cunha, autor do livro “Os Sertões”, relata este episódio histórico. Prudente de
Morais, após várias derrotas militares, exterminou os sertanejos, passando a ser
conhecida pela história tradicional como o “Pacificador da República”.

RESPOSTA: “E”.

153. (AEVP - VUNESP/2005) O jovem eletricista brasileiro Jean Charles de


Menezes, 27 anos, morava em Londres havia aproximadamente 4 anos. No dia
22.07.2005, foi confundido com um terrorista pela polícia inglesa e, por engano,
foi executado com vários tiros na cabeça:
(A) quando saía do trabalho.
(B) quando atravessava o Hyde Park.
(C) dentro do ônibus que o levava ao trabalho.
(D) quando atravessa a ponte sobre o rio Tâmisa.
(E) dentro de um vagão do metrô.

Em junho de 2009, foi lançado o filme Jean Charles, interpretado por Selton Mello,
o qual trata da história do assassinato por engano, do jovem brasileiro, Jean Charles,
dentro de um vagão de metrô em Londres no dia 22/07/2005. Em 7 de janeiro de 2010,
data do 32º aniversário de nascimento de Jean Charles, um memorial dedicado a ele
foi inaugurado na estação do metrô de Stockwell. O memorial, criado por dois artistas
locais, foi instalado na entrada da estação onde já havia um altar improvisado com
flores, velas, fotografias, mensagens e recortes de notícias sobre o caso.

RESPOSTA: “E”.

154. (PC/SP - FTP/2008) Vários planos econômicos editados no País ao


longo dos anos, alteraram as regras da economia. O plano cruzado extinguiu
o cruzeiro e criou nova moeda, o cruzado. Essa mudança ocorreu no governo:
(A) José Sarney.
(B) Fernando Collor de Mello.
(C) Tancredo Neves.
(D) Itamar Franco.
(E) Fernando Henrique Cardoso.

Entre 1985 e 1990, o Brasil estava assolado por uma crise econômica profunda,
com altíssimas taxas de inflação. Vários Planos econômicos foram postos em prática
na tentativa de combater a inflação, através de congelamento de preços e salários.

125
História
O primeiro Plano a ser instituído foi o Cruzado, em 1986, o qual inseriu uma nova
moeda, o cruzado. Porém, depois deste plano que não foi eficaz, Sarney implementou
outros Planos econômicos como Plano Bresser (1987) e Plano Verão (1989) para
tentar controlar a inflação e estabilizar a economia.

RESPOSTA: “A”.

155. (ESA - EB/2005) Sobre a vinda da Família Real Portuguesa para o


Brasil em 1808, podemos afirmar que:
(A) o apoio inglês foi retribuído através do decreto de Abertura dos Portos
às Nações Amigas.
(B) a marinha inglesa perseguiu os navios portugueses até o litoral brasileiro.
(C) a população portuguesa apoiou a saída de seus governantes ameaçados
de captura pelas tropas francesas.
(D) D. João VI transformou a cidade de Salvador na nova capital do
Império Português.
(E) contou com auxílio da marinha francesa, que protegeu a esquadra
portuguesa contra os ingleses.

O Bloqueio continental decretado por Napoleão Bonaparte em 1806 obrigava


todos os países do continente europeu a fechar seus portos ao comércio com a
Inglaterra. D. João, regente de Portugal, devido à loucura de sua mãe (D. Maria
I), aliado da Inglaterra, resolveu aderir parcialmente às exigências francesas, o
que levou a invasão de seu país, pelas tropas franco-espanholas. A Família Real,
protegida por uma esquadra inglesa, partiu em direção ao Brasil, chegando ao Brasil
em 1808.

RESPOSTA: “A”.

156. (ESA - EB/2005) Logo que começou a governar, D. Pedro I enfrentou


muitas dificuldades para consolidar a Independência e manter a ordem político
do País. No Nordeste, a reação liderada pela Província de Pernambuco foi
denominada de:
(A) Jornada das Cacetadas.
(B) Federação do Norte.
(C) Noite das Garrafadas.
(D) Grupo dos Restauradores.
(E) Confederação do Equador.

126
História
Em 1824, estourou em Pernambuco um movimento revolucionário de caráter
liberal e republicano, que de certa forma constituiu-se num prolongamento da
Revolução Pernambucana de 1817. Suas causas foram o fechamento da Assembleia
Constituinte e a outorga da Constituição de 1824. O Nordeste, naquela época,
atravessava uma difícil situação econômica. Havia grande submissão política das
províncias nordestinas ao Rio de Janeiro, pois o Imperador nomeava presidentes
de fora das províncias. Figuras como Frei Caneca (Principal líder), Cipriano Barata
e Manuel de Carvalho Paes de Andrade, que já haviam participado da Revolução
Pernambucana de 1817, divulgavam as ideias liberais, republicanas, antilusitanas e
federativas. A revolta revê início com a nomeação por D. Pedro I, de Francisco Paes
Barreto, como

RESPOSTA: “E”.

157. (ESA - EB/2005) Durante o período pré-colonial (1500-1530), a


exploração do pau-brasil se fazia pelo sistema de escambo. O escambo envolvia
o (a):
(A) operação feita por contrabandistas.
(B) troca de tarefa executada por mercadorias de baixo custo.
(C) trabalho forçado dos indígenas.
(D) exploração como monopólio real.
(E) execução pelo sistema de arrendamento.

No início da extração do pau-brasil os índios faziam tarefas aos portugueses


mediante a troca por produtos baratos com espelhos, peças de roupas, adornos, entre
outras coisas, com a finalidade de conquistar o indígena para o auxílio na extração
da madeira. Contudo, a troca de produtos por trabalhos deixou de ser interessante
aos índios que começou a ser subjugado pelas armas. Como o conflito se intensificou
e o português não conseguia “domesticar” a mão-de-obra indígena, iniciou-se o
processo de introdução da mão-de-obra escrava oriunda da África.

RESPOSTA: “B”.

158. (ESA-EB/2005) Entre outros fatores que concorreram para o fim da


República Velha, pode-se destacar a (o):
(A) apoio do movimento tenentista para a oligarquia paulista do PRP.
(B) Revolução Constitucionalista de 1932.
(C) política econômica do “Encilhamento”.
(D) participação do Brasil na Segunda Guerra Mundial.
(E) política sucessória e a crise econômica de 1929.

127
História
No governo de Washington Luís predominava a política dos governadores, com
a alternância no governo federal entre mineiros e paulistas. Durante a campanha pela
sucessão Washington Luís preferiu apoiar a candidatura do paulista Júlio Prestes
em vez de apoiar a candidatura do mineiro Antônio Carlos. Com esta atitude, ele
quebrou o compromisso da política do Café-com-leite e provocou o rompimento
das relações entre Minas e São Paulo. Além, da crise política, em 1929, houve
uma acentuada queda das exportações de café, afetando a situação interna do país
por causa da Crise Econômica Mundial de 1929 (Grande Depressão), iniciada na
Bolsa de Nova York (EUA). Esta crise espalhou-se pela década de 1930 e pode ser
considerada uma crise do capitalismo. Houve o fim do predomínio dos Fazendeiros
arruinados e enfraquecidos epla crise mundial. Elefes foram derrubados do poder em
1930, por uma revolução, que teve como chefe o gaúcho Getúlio Vargas.

RESPOSTA: “E”.

159. (ESA-EB/2005) A tabela abaixo mostra dados populacionais de alguns


Estados Brasileiros.

Estado População absoluta Densidade demográfica (hab/Km2


São Paulo 37.032.403 149,22
Minas Gerais 17.891.494 30,5
Rio de Janeiro 14.391.282 328,6

Fonte: IBGE, Censo Demográfico, 2000.

De acordo com a tabela, é correto afirmar que dos Estados que aparecem
listados acima:
(A) Minas Gerais é o mais populoso e o menos povoado.
(B) São Paulo é o mais povoado.
(C) Minas Gerais é o menos populoso.
(D) Rio de Janeiro é o mais povoado.
(E) São Paulo é o mais populoso e povoado.

Apesar do Estado de São Paulo ser o Estado mais populoso, comparando-se


com a área ocupada e quantidade de habitantes, Rio de janeiro é o mais povoado. A
densidade demográfica, ou seja, a quantidade de habitantes por quilômetro quadrado
é muito maior que a encontrada no Estado de São Paulo.

RESPOSTA: “D”.

128
História
160. (ESA-EB/2005) A História do Brasil é pontuada por inúmeros conflitos
e disputas, ao longo de mais de 500 anos. Sob este aspecto, é correto afirmar
que a:
(A) Guerra dos Mascates eclodiu entre comerciantes portugueses e
brasileiros ligados à cana-de-açúcar na Região de São Paulo no início do século
XVIII.
(B) Guerra dos Emboabas aconteceu entre os habitantes de Olinda e Recife
no início do século XVIII.
(C) Guerra da Tríplice Aliança ocorreu entre a Argentina, o Brasil e o
Paraguai contra o Uruguai.
(D) Revolta de Felipe dos Santos foi causada, entre outros motivos, pelos
altos impostos cobrados pelo Governo Português.
(E) Revolta do Contestado opôs os bandeirantes paulistas aos índios das
reduções jesuíticas na Região Sul.

Revolta de Vila Rica (1720) ou também conhecida como Revolta de Felipe


dos Santos, principal chefe do movimento, tinha como acabar com os abusos do
monopólio português. Este movimento foi local e não contestou a dominação
portuguesa, mas o abuso da cobrança de impostos. Felipe dos Santos o líder de mais
baixa condição social, foi preso, enforcado e esquartejado.

RESPOSTA: “D”.

161. (ESA-EB/2005) As vias de transportes são essenciais para o bom


desenvolvimento econômico de um país. Sobre o tema é correto afirmar que,
no Brasil,
(A) o transporte ferroviário vem aumentando consideravelmente, com
construções de ferroviais em todos os estados da Federação.
(B) o alto custo de compra das aeronaves e as condições precárias de nossos
aeroportos inviabilizam o transporte aéreo.
(C) a navegação de cabotagem é muito utilizada no transporte de cargas e
passageiros devido o excelente aparelhamento dos portos brasileiros.
(D) há fores deficiências na navegação fluvial, graças ao regime intermitente
dos principais rios brasileiros.
(E) predominam as rodovias, que são responsáveis pela maior parte do
transporte de mercadorias e passageiros.

A partir da década de 1950, com a implantação do parque industrial


automobilístico, foi definido pelo Estado brasileiro o privilégio do transporte
rodoviário, em detrimento ao transporte ferroviário e fluvial. Diante do exposto,

129
História
atualmente, o país tem dificuldade logística, porque as ferrovias foram sucateadas e
o grande fluxo de caminhões e o custo de manutenção encarecem o frete e deixam
nossas indústrias e agricultura em desvantagem competitiva com os demais países
no mercado internacional. As rodovias estão cada vez mais congestionadas e a
preservação das rodovias nos Estados mais longe do centro comercial do Brasil estão
em péssimas condições. Por fim, o transporte aéreo de cargas do Brasil é pouco
utilizado e seu custo é alto.

RESPOSTA: “E”.

162. (ESA-EB/2005) As fronteiras nacionais estendem-se por mais de 23.000


quilômetros. Sobre essas pode-se dizer que:
(A) a porção marítima representa menos de 5.000 Km.
(B) foram consolidadas no período colonial.
(C) fazem limite com 12 países sul-americanos.
(D) as fronteiras terrestres representam mais de 12.000 Km.
(E) correspondem, na sua totalidade, a acidentes naturais.

O Brasil possui 23.127 Km de fronteiras, das quais 15.71 Km são terrestres


e 7.408 Km são marítimas. O país que possui a maior fronteira com o Brasil é a
Bolívia (3.126 Km) e a menor é o Suriname (593 Km).

RESPOSTA: “D”.

163. Em matéria da Revista Veja, de 18 de junho de 2014, trata de uma


expedição realizada por ela à Zona de processamento de Exportação de Pecém
e cita uma iniciativa do governo da primeira plataforma logística multimodal
do Brasil, com integração entre ferrovias, rodovias e aeroporto de cargas. A
Zona de Processamento de Pecém e a Plataforma logística multimodal do Brasil
fica respectivamente em:
(A) Joinville-SC e Jundiaí-SP.
(B) Guarapuava-PR e Porto Real-RJ.
(C) Sorriso-MT e Não-Me-Toque-RS.
(D) Irecê-BA e Sete Lagoas-MG.
(E) São Gonçalo do Amarante-CE e Anápolis-GO.

Empreendimento pioneiro no país está sendo montado na área do Porto


de Pecém, em São Gonçalo do Amarante-CE. É uma zona de processamento de
exportação (ZPE). Qualquer indústria que exporte pelo menos 80% do que produz
pode se instalar no local e desfrutar benefícios como uma redução de 75% no imposto

130
História
de renda. A presença na ZPE também assegura acesso privilegiado ao porto, o que
reduz tempo e custo. A plataforma logística multimodal é a primeira do Brasil, e, terá
a integração entre ferrovias, rodovias e aeroporto de cargas, está sendo construída
em Goiás. O terminal vai funcionar ao lado do Distrito Agroindustrial de Anápolis
(Daia), que abriga mais de uma centena de médias e grandes empresas. O espaço da
plataforma já tem a infraestrutura básica montada, e o governo estadual começou a
selecionar a empresa privada que vai gerir a plataforma por 33 anos. Ainda falta a
inauguração da Ferrovia Norte-Sul, que deveria ficar pronta em 2014, e do aeroporto
de cargas, cuja pista está praticamente concluída.

RESPOSTA: “E”.

164. O governo brasileiro, por meio do Programa FX2, pretende aprimorar


o poderio bélico da Força Aérea Brasileira com a aquisição de aviões de Combate
(caças). Após mais de dez anos de discussão, no dia 18 de dezembro de 2013 foi
anunciado que o governo Brasileiro optou pela aquisição da aeronave de qual?
(A) Rafale F3, da França.
(B) F/A-18E Super Hornet, dos EUA.
(C) JAS-39 Gripen NG, da Suécia.
(D) Sukhoi Su-30, da Rússia.
(E) F-16 Fighting Falcon, dos EUA.

O governo federal anunciou em 18/12/2013 que o Gripen NG, oferecido pela


empresa sueca Saab como “a aeronave de combate mais avançada do mundo”, será
o novo caça do Brasil. Ao contrário dos outros concorrentes, o Rafale, da francesa
Dassault, e o F-18, da norte-americana Boeing, o Gripen NG ainda não voa. Ele
começou a sair do papel em julho, quando a Saab iniciou a produção em sua fábrica
em Linköping. A proposta da Saab era considerada mais barata que a dos concorrentes
US$ 4,5 bilhões (quatro e meio Bilhões de Dólares), além do custo de hora de voo,
que é inferior ao dos concorrentes (cerca de US$ 4 mil). A negociação prevê que o
Brasil participe do processo de produção com ampla transferência de tecnologia,
o que foi considerado, pelos militares, um dos fatores que interferiu na decisão. A
estimativa é que 40% do modelo e 80% da estrutura sejam de fabricação nacional.

RESPOSTA: “C”.

165. (PC/SP - IP/2009) A Lei 13.541, de 7 de maio de 2009, conhecida como


“Lei antifumo”, tem eficácia:
(A) somente no município de São Paulo.
(B) somente no Estado de São Paulo.
(C) em todo território nacional.
(D) somente na Região Sudeste.
(E) somente na Grande São Paulo.

131
História
No dia 7 de agosto de 2009, no Estado de São Paulo entrou em vigor a Lei
publicada em 7 de maio do mesmo ano. Com a entrada em vigor da legislação
antifumo, ficou proibido fumar em ambientes fechados de uso coletivo como
bares, restaurantes, casas noturnas e outros estabelecimentos comerciais dentro
do Estado de São Paulo. Mesmo os fumódromos em ambientes de trabalho e as
áreas reservadas para fumantes em restaurantes ficam proibidas. A nova legislação
estabelece ambientes 100% livres do tabaco.

RESPOSTA: “B”.

166. (PC/SP - IP/2009) Em telefonia celular, o que é “portabilidade”?


(A) É a faculdade do cliente em manter o número a ele designado, mesmo
mudando de operadora, dentro da mesma área de registro (DDD).
(B) É a facilidade que o celular, por seu tamanho, apresenta em ser
transportado.
(C) É a obrigatoriedade de fidelidade que um cliente tem com uma
operadora, durante o período de um ano.
(D) É a funcionalidade de que alguns aparelhos apresentam de transmitir
dados entre si, sem a necessidade do uso de cabos.
(E) É a possibilidade de utilização de um aparelho móvel, em uma região
não atendida por sua operadora, utilizando-se de antenas de outras operadoras.

A Portabilidade Numérica, criada em 2007 pela ANATEL (Agência Nacional


de Telecomunicações) é uma regra que permite a um cliente, manter o número do
seu telefone mesmo que troque de operadora dentro do mesmo DDD, e é permitida,
desde que seja feita de uma operadora Celular para Celular, e de Fixa para Fixa, isso
significa que se mudar de cidade, o cliente não pode carregar o seu número, e nem
solicitar que seu número Fixo, seja migrado para uma operadora Celular ou Vice-
Versa. Além disso solicitar a Portabilidade, não dispensa o Cliente dos compromissos
assumidos no contrato da sua Linha.

RESPOSTA: “A”.

167. (PC/SP - IP/2009) Quem faz a medição do P.I.B. (Produto Interno


Bruto)?
(A) O Banco Central do Brasil.
(B) A Bolsa de Valores.
(C) O Ministério da Economia.
(D) Exclusivamente o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
(E) O Datafolha.

132
História
No Brasil, o cálculo do PIB é feito pelo Instituto Brasileiro de Geografia e
Estatística (IBGE), instituição federal subordinada ao Ministério de Planejamento,
desde 1990. Antes deste período, a Fundação Getúlio Vargas era a responsável pela
medição.

RESPOSTA: “D”.

168. (PC/SP - IP/2009) O que é Nepotismo:


(A) É a prática de concorrência legal.
(B) É a contratação, sem concurso público, de parentes de autoridades e
funcionários para cargos de confiança no serviço público.
(C) É a mudança, por parte de um político, durante um mandato, de partido.
(D) É a prática de concussão por parte de funcionário público.
(E) É o governo exercido por nobres.

Etimologicamente, a palavra “Nepotismo” nasce do latim nepos, que, por sua


vez, significa neto ou descendente. Trata-se de expressão utilizada para designar
o favorecimento de parentes (ou amigos íntimos) para exercer cargo ou função
pública, sem a devida competência para tanto, notadamente, em detrimento de
pessoas capacitadas. Historicamente, a referida expressão (nepotismo) aplicava-
se no âmbito exclusivo da igreja, em que o Papa indicava parentes, especialmente
sobrinhos, para ocupar cargos que ostentavam privilégios. Atualmente, entende-se
por nepotismo o ato de favorecer pessoas, por laços de parentesco ou amizade, na
contratação para cargos da Administração pública. Segundo interpretação jurídica
corrente, a prática de Nepotismo fere o Artigo 37 da Constituição Federal brasileira,
o qual prevê o princípio da legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e
eficiência na Administração Pública.

RESPOSTA: “B”.

169. (PC/SP - IP/2009) O que prevê a Lei 12.031, de 21 de setembro de 2009,


que alterou a Lei 5.700 de 01 de setembro de 1971.
(A) A criação do nono ano do ensino fundamental
(B) A obrigatoriedade de execução semanal do Hino Nacional nos
estabelecimentos de Ensino Fundamental, públicos e privados.
(C) A obrigatoriedade de uso de uniformes, nas cores da bandeira nacional,
nas escolas da rede pública.
(D) A forma como será feita a reposição das aulas perdidas em razão da
gripe suína.
(E) A inclusão da matéria Organização Social e Política do Brasil (OSPB)
no Ensino Médio.

133
História
Esta Lei Federal, publicado pelo Vice-Presidente, José de Alencar, no exercício
do Cargo de Presidente da República, determinou a obrigatoriedade da execução
semanal do Hino Nacional, nos estabelecimentos de Ensino Fundamental.

RESPOSTA: “B”.

170. (PC/SP - IP/2009) A gripe H1N1 (Gripe Suína) já é considerada uma


pandemia. Pandemia é:
(A) o surgimento de uma doença que, pelo menos até o momento, não há
cura.
(B) o alastramento de uma doença, em determinada região, como por
exemplo um Estado.
(C) a eclosão de uma doença infecciosa transmitida por determinado
animal.
(D) a eclosão de uma doença infecciosa que se espalha entre a população
localizada em uma grande região demográfica como, por exemplo, um
continente ou mesmo o planeta.
(E) a incidência, em curto espaço de tempo, de grande número de casos de
uma doença, em uma região determinada.

Segundo Manual de conceitos e definições em Saúde, do Ministério da


Saúde, publicado em 1977, disponível online (http://bvsms.saude.gov.br/bvs/
publicacoes/0117conceitos.pdf) Pandemia caracteriza-se por uma epidemia com
larga distribuição geográfica, atingindo mais de um país ou de um continente. Um
exemplo típico deste evento é a epidemia de AIDS que atinge todos os continentes.

RESPOSTA: “D”.

171. Na última década do século XIX, Amazonas e Pará, distantes do centro


político do país e do polo dinâmico de sua economia, o sudeste cafeeiro, começava
a viver um período de prosperidade econômica. Tal situação deveu-se:
(A) à grande procura pelas chamadas drogas do sertão
(B) à grande exploração do látex.
(C) ao desenvolvimento da lavoura do cacau.
(D) ao crescimento do comércio de drogas.
(E) à descoberta de ouro na bacia amazônica.

O ciclo da borracha foi um momento importante da história econômica e social


do Brasil, relacionado com a extração de látex e comercialização da borracha. Teve
o seu centro na região amazônica, e proporcionou expansão da colonização, atração

134
História
de riqueza, transformações culturais e sociais, e grande impulso ao crescimento de
Manaus, Porto Velho e Belém. No mesmo período (início do Século XX), foi criado
o Território Federal do Acre, atual Estado do Acre, cuja área foi adquirida da Bolívia,
por meio da compra no valor de 2 milhões de libras esterlinas, em 1903. O ciclo
da borracha viveu seu auge entre 1879 e 1912, tendo depois experimentado uma
sobrevida entre 1942 e 1945, durante a II Guerra Mundial (1939-1945).

RESPOSTA: “B”.

172. O imigrante alemão radicou-se principalmente nestes estados:


(A) Pará e São Paulo.
(B) Rio de Janeiro e Minas Gerais.
(C) Rio Grande do Sul e Santa Catarina.
(D) Goiás e Paraná.
(E) Espírito Santo e Mato Grosso.

Em 1818, o primeiro grupo de imigrantes alemães que chegou ao Brasil, fixou-


se no sul da Bahia. No entanto, a primeira colônia fundada pelos alemães foi no
extremo sul do país, em São Leopoldo, atualmente, região metropolitana da capital
gaúcha. Os alemães vieram pensando em conseguir uma vida melhor no Brasil, já
que estas não eram exatamente as condições que encontravam na Alemanha. No
ano de 1827, chegaram os primeiros imigrantes germanos ao porto de Santos, este
primeiro grupo foi para Santo Amaro, os grupos que vieram a seguir foram para
localidades como São Roque, Embu, Itapecerica, Rio Claro e para os cafezais, no
interior do estado de São Paulo. Em meados de 1829, iniciou-se a colonização de
Santa Catarina, considerado, atualmente, o Estado mais alemão do Brasil. Calcula-se
que 35% da população deste estado tem ascendência alemã. A concentração deles é
mais notável nas cidades de Mafra e São Pedro de Alcântara. O Rio Grande do Sul
foi o estado que mais imigrantes alemães recebeu, seguido de Santa Catarina. No
ano de 1930, aproximadamente 20% da população destes estados eram compostos
de imigrantes de origem germânica. Embora menor, a presença alemã foi marcante
em estados como São Paulo, Paraná, Espírito Santo, Minas gerais e Rio de Janeiro
(Nova Friburgo e Petrópolis).O ápice da imigração alemã no Brasil ocorreu entre
1920 e 1930, ou seja, depois da I Guerra Mundial e antes do início da Segunda
Grande Guerra, época em que desembarcaram no país aproximadamente 75.000
alemães fugindo das tensões de cunho político e econômico que aconteciam na
Alemanha daquele período.

RESPOSTA: “C”.

135
História
173. Os municípios paulistas de Limeira, Bebedouro e Araraquara
destacam-se pelas plantações de:
(A) trigo.
(B) café.
(C) mandioca.
(D) amendoim.
(E) Laranja.

Segundo o Site Investe São Paulo, o Estado de São Paulo é o maior produtor
mundial de Laranja, respondendo por mais de 28,8% da produção mundial da
fruta, de acordo com dados de 2012, do Departamento de Agricultura dos Estados
Unidos (USDA) e do Instituto Brasileiro de geografia e Estatística (IBGE). Limeira,
Bebedouro e Araraquara destacam-se com áreas que concentram muitos produtores.
Em Araraquara, por exemplo, existe a indústria Cutrale de processamento do suco
da laranja, inaugurada em março de 1968 por José Cutrale Jr.

RESPOSTA: “E”.

174. Governo que implantou no Brasil concessões populares exaltando


os trabalhadores, criando o salário mínimo, a jornada semanal de trabalho
máxima, férias remuneradas, entre outros benefícios, culminando com a
publicação da CLT no dia 1º de maio de 1943:
(A) Ernesto Geisel.
(B) Juscelino Kubistchek.
(C) Castelo Branco.
(D) Jânio Quadros.
(E) Getúlio Vargas.

Na obra “A invenção do Trabalhismo”, de Ângela de Castro Gomes, a autora


ressalta que Vargas, em 1938, iniciou as comemorações do Dia do Trabalho. O
presidente Vargas discursou e caracterizou o teor desta data, transformando-a em
festiva durante todo o Estado Novo. A partir de 1939 a comemoração do 1º de Maio
foi feita com grande público de trabalhadores, pois foi deslocada para o estádio
de São Januário, o campo do Vasco da Gama, na época o maior estádio do Rio de
Janeiro. O dia 1º de maio, o aniversário de Vargas e o dia 10 de novembro, data da
implantação do Estado Novo, eram ocasiões cercadas de entusiasmo e momentos de
pronunciamento e anúncios presidenciais. No ano de 1943, foi a apresentada a CLT,
mas de 1938 a 1945, Vargas apresentava uma iniciativa de seu governo na área da
política social.

RESPOSTA: “E”.

136
História
175. Empresas que fazem acordo entre si, estabelecendo um preço comum,
dividindo os mercados potenciais, inviabilizando a livre concorrência. Esse tipo
de integração é denominado:
(A) Cartel.
(B) Holding.
(C) Truste.
(D) Pool.
(E) Conglomerados.

Cartel é um acordo explícito ou implícito entre concorrentes para, principalmente,


fixação de preços ou cotas de produção, divisão de clientes e de mercados de atuação
ou, por meio da ação coordenada entre os participantes, eliminar a concorrência
e aumentar os preços dos produtos, obtendo maiores lucros, em prejuízo do
consumidor. A formação de cartéis teve início na Segunda Revolução Industrial,
na segunda metade do século XIX. Cartéis normalmente ocorrem em mercados,
nos quais existe um pequeno número de firmas, e normalmente envolve produtos
homogêneos. Na prática o cartel opera como um monopólio, isto é, como se fosse
uma única empresa. Os Cartéis são considerados a mais grave lesão à concorrência
e prejudicam consumidores ao aumentar preços e restringir oferta, tornando os bens
e serviços mais caros ou indisponíveis.

RESPOSTA: “A”.

176. Foi divulgado e implantado no Brasil, em 1º de março de 1986, um


plano emergencial, que consistia em uma tentativa de combater a inflação, sem
comprometer o crescimento econômico. Qual o nome desse plano, capitaneado
por Dilson Funaro, Ministro da Fazenda?
(A) Plano Salte.
(B) Plano Bresser.
(C) Plano Cruzado.
(D) Placo de Metas.
(E) Plano Verão.

O Plano Cruzado foi um conjunto de medidas econômicas lançadas pelo governo


de José Sarney, com a finalidade de estabilizar a economia. O ano de 1985 foi um
ano atribulado, com a queda do regime militar e a morte do presidente Tancredo
Neves. A moeda brasileira Cruzeiro foi transformada em Cruzado, seguido de sua
valorização. Houve o congelamento dos preços e correção automática do salário
mínimo para acompanhar a inflação. O plano foi um fracasso. Foi a época de falta de
produtos no mercado, ocasião em que os consumidores faziam estoque de produtos
em casa.

RESPOSTA: “C”.

137
História
177. (ESA-EB/2004) No início do Século XVIII, a disputa pelo ouro da região
das minas, entre os paulistas e mineradores provenientes de outras regiões do
Brasil e de Portugal, gerou um conflito que foi denominado:
(A) Revolta de Beckman.
(B) Aclamação de Amador Bueno.
(C) Guerra dos Emboabas.
(D) Guerra dos Mascastes.
(E) Revolta de Vila Rica.

Em 1709, ocorreu em Minas Gerais e teve como causa a luta pela posse das
minas entre paulistas e forasteiros, denominados “emboabas”. Com a descoberta
de ouro no Brasil, muitos portugueses e populações da orla litorânea, que estavam
decadentes devido ao declínio da produção açucareira, dirigiram-se para os sertões de
Minas Gerais. Eles entraram em conflito com os descobridores das minas (paulistas)
para exploração das jazidas.

RESPOSTA: “C”.

178. (ESA-EB/2004) Observando-se o sistema de governo vigente durante o


Brasil Colonial, é correto afirmar que:
(A) o fracasso das capitanias hereditárias implicou o desuso das Cartas de
Doação e das obrigações do Documento Foral.
(B) o sistema de câmaras municipais instituiu duas novas políticas
administrativas: as sesmarias e o serviço militar compulsório.
(C) o sistema de capitanias hereditárias já havia sido empregado por
Portugal na administração das ilhas canárias.
(D) a criação do Governo Geral, centralizando a administração, provocou
a extinção imediata das capitanias hereditárias.
(E) o sistema de capitanias hereditárias foi um empreendimento que,
dirigido pela Coroa, estava a cargo de particulares.

O rei D. João III, “O Colonizador”, instituiu este regime em 1534, visando a


ocupação do território brasileiro com recursos de particulares. O Brasil foi dividido
em lotes de terras, denominado de Capitanias, doadas a capitães (donatários). Estes
lotes começavam no litoral, indo até o Meridiano de Tordesilhas.

RESPOSTA: “E”.

138
História
179. (ESA-EB/2004) O período que decorreu entre 1946 e 1964 é conhecido,
na História do Brasil, como “República” ou “Era Populista”. A respeito desse
período, é correto afirmar que a política:
(A) industrial do governo Juscelino Kubistchek terminou por afetar a
economia, levando o país a romper com o Fundo Monetário Internacional.
(B) externa do governo Eurico Dutra caracterizou-se por sua independência
em relação aos grandes blocos ideológicos vigentes.
(C) mineral do governo Getúlio Vargas buscou a nacionalização de todas
as jazidas, ficando o monopólio de exploração para a Companhia Vale do Rio
Doce.
(D) monetária go governo Jânio Quadros pautou-se pela desvalorização da
moeda, o que levou a declarar a moratória.
(E) interna do governo João Goulart foi marcada pela união de toda a classe
política em prol da estabilização do país.

Na questão acima, o aplicador concentrou sua análise no termo populismo.


Neste sentido, o governo de JK foi caracterizado pelo grande desenvolvimento
econômico nacional-desenvolvimentista. Entre 1956 a 1960, Juscelino Kubistchek
criou o Plano de Metas, com o objetivo de desenvolver os transportes, energia e
produção de alimentos. Este presidente construiu Brasília, criou hidroelétricas
(Furnas e Três Marias) e trouxe com capital estrangeiro para a implantação da
indústria automobilística.

RESPOSTA: “A”.

180. (ESA-EB/2004) Os anos que se seguiram à queda da monarquia


no Brasil foram caracterizados por um período de instabilidade da jovem
república. Os eventos que ocorreram durante a “República da Espada” foram:
(A) o “Funding Loan” e a “Revolução Federalista”.
(B) a “Revolta da Borracha” e a “Revolta de Juazeiro”.
(C) a “Revolta da Vacina” e a “Guerra do Contestado”.
(D) a “Revolta de Canudos” e a “Revolta da Chibata”.
(E) o “Encilhamento” e a “Revolta da Armada”.

A República da Espada ocorreu no Brasil entre os anos de 1889 a 1894, logo


após a deposição de D. Pedro II. Durante este período, o Brasil foi governado pelos
marechais Deodoro da Fonseca e Floriano Peixoto, sendo, naquela época, comuns
os levantes populares, e a repressão a focos de resistência simpáticos ao Imperador,
os quais pleiteavam a restauração da monarquia. Com a implantação da República,
uma junta militar liderada por Deodoro da Fonseca governou o Brasil, com Floriano

139
História
como vice. Entretanto, Deodoro renunciou no mesmo ano, devido a sua incapacidade
como político, entre outros problemas, principalmente os graves problemas políticos
e econômicos, como atritos com a oligarquia cafeeira, que queria o Poder. Na
incipiente República, ocorreram greves devido à inflação crescente, o estouro da
bolha do encilhamento e a Primeira Revolta da Armada, liderada por membros da
marinha que, com forte influência monarquista não se conformavam com os poderes
ditatoriais do Exército. Ao suceder Deodoro, Floriano Peixoto tentou reverter os
efeitos da crise econômica sem sucesso, ao mesmo tempo que reprimiu com mão de
ferro os movimentos que contestavam o regime militar, notadamente a Revolta da
Armada e a Revolução Federalista.

RESPOSTA: “D”.

181. (ESA-EB/2004) Entre os anos de 1864 e 1870, desenrolou-se na


América do Sul um conflito intitulado Guerra do Paraguai, ou Guerra da
Tríplice Aliança. Podemos afirmar que o episódio conhecido como o estopim
para o início deste conflito foi o (a):
(A) ataque paraguaio às tropas da Tríplice Aliança na Batalha de Tuiuti.
(B) aprisionamento do navio brasileiro Marquês de Olinda pelos paraguaios.
(C) invasão de áreas dos estados do Paraná e São Paulo pelos paraguaios.
(D) tentativa de tomada de Buenos Aires e La paz pelo ditador Solano
López.
(E) duelo naval entre as marinhas paraguaia e brasileira na Batalha do
Riachuelo.

Em 1864, o Brasil estava envolvido num conflito armado com o Uruguai. Havia
organizado tropas, invadido e deposto o governo uruguaio do ditador Aguirre, que
era líder do Partido Blanco e aliado de Solano López. O ditador paraguaio se opôs à
invasão brasileira do Uruguai, porque contrariava seus interesses. Como retaliação,
o governo paraguaio aprisionou no porto de Assunção o navio brasileiro Marquês
de Olinda, e em seguida atacou Dourados, na então província de Mato Grosso. Foi
o estopim da guerra. Em maio de 1865, o Paraguai também fez várias incursões
armadas em território argentino, com objetivo de conquistar o Rio Grande do Sul.
Contra as pretensões do governo paraguaio, o Brasil, a Argentina e o Uruguai
reagiram, firmando o acordo militar chamado de Tríplice Aliança.

RESPOSTA: “B”.

140
História
182. Eram lavrados dois documentos básicos que regulavam a transação
entre a coroa portuguesa e o particular que receberia a terra sob sua
responsabilidade no Brasil, a qual fora dividida em Capitanias. Qual o nome
desses documentos?
(A) Carta de doação e o Foral.
(B) Contrato de Usufruto e o Quinto.
(C) Carta Testamento e Foral.
(D) Carta de doação e a Capitação.
(E) Contrato Real e Vassalagem.

O rei D. João III, “O Colonizador”, instituiu as Capitanias Hereditárias em


1534, visando a ocupação do território brasileiro com recursos de particulares. O
Brasil foi dividido em lotes de terras, denominado de Capitanias, doadas a capitães
(donatários). Estes lotes começavam no litoral, indo até o Meridiano de Tordesilhas.
A Carta de doação e o Foral eram os documentos que regulamentavam as capitanias.
Pela Carta de Doação concedia-se a administração perpétua e hereditária de um
determinado território. Através do Foral eram fixados os direitos e deveres dos
donatários e colonos.

RESPOSTA: “A”.

183. Durante o período Colonial, a sociedade brasileira era oligárquica,


patriarcal e escravista, e, segundo os estudiosos, estavam divididas em duas
classes antagônicas:
(A) Senhores de engenho X índios.
(B) Senhores de engenho X escravo.
(C) Homens Livres X escravos.
(D) Nobres X Plebeus.
(E) Servos X Senhores de engenho.

Pode ser interpretado nesta questão, que o avaliador identifica o sistema de


produção açucareiro, o qual tinha como características básicas, a monocultura, a
escravidão, o latifúndio e a exportação. A consequência desta atividade favoreceu o
aparecimento de uma nova estrutura social e econômica que viabiliza a produção. O
sociólogo Gilberto Freyre, no livro “Casa Grande e Senzala”, descreveu muito bem a
sociedade açucareira nordestina, onde predominava o patriarcalismo (autoridade do
pai), definindo-se duas classes antagônicas, o Senhor de engenho (dono da fazenda
e autoridade que todos se submetiam) e o escravo africano.

RESPOSTA: “B”.

141
História
184. Todos os nomes listados abaixo são de governadores-gerais do Brasil,
exceto:
(A) Tomé de Sousa (1549-1553).
(B) Duarte da Costa (1553-1558).
(C) Mem de Sá (1558-1572).
(D) Tomé de Sousa (1602-1608).
(E) Eusébio de Queiróz (1845-1852).

Eusébio de Queirós Coutinho Matoso da Câmara foi magistrado e político


brasileiro, no período imperial no Brasil. Foi ministro da Justiça (1848-1852) e,
neste cargo, foi o autor de uma das mais importantes leis do império, a Lei Eusébio
de Queirós, que reprimia o tráfico negreiro e estabelecia sua posterior extinção.

RESPOSTA: “E”.

185. Principal instrumento do Sistema Colonial, entre a metrópole e a


colônia:
(A) Exclusivo Colonial.
(B) Tarifas Alfandegárias protecionistas.
(C) Monopólios comerciais.
(D) Pacto Colonial.
(E) derrama e o pagamento do quinto.

A colonização aparece como um desdobramento da expansão marítima


e comercial europeia, que assinala o início dos tempos Modernos. O sistema de
colonização subordina-se ao Mercantilismo: a função da colônia seria completar
a economia da Metrópole. Esta fornece os manufaturados e a colônia as matérias-
primas e gêneros tropicais, exclusivamente (Pacto Colonial).

RESPOSTA: “D”.

186. A relação entre Portugal e Brasil de 1500 a 1530 definiu-se:


(A) no estabelecimento de um projeto de colonização e povoamento a partir
do litoral.
(B) conquista de todo o litoral e estabelecimento de parcerias com os índios
com pagamento de salários aos caciques.
(C) o Brasil serviu como porta para interligação da América com o Oriente.
(D) os portugueses limitaram-se ao envio de algumas expedições e a
exploração de pau-brasil.
(E) foram montadas manufaturas têxteis para desenvolvimento da colônia
como polo produtor de tecidos.

142
História
A coroa portuguesa não identificou no Brasil como região para onde seria
transferida a população. Ela considerou sua Colônia americana como fornecedora de
matérias-primas e consumidora de produtos manufaturados. Contudo, cabe ressaltar
que logo após o “descobrimento do Brasil”, a única forma de relação econômica
da colônia com a metrópole era a extração de pau-brasil. Durante os primeiros 30
anos o Brasil foi visitado por algumas expedições esporádicas que não visavam
sua colonização efetiva. Tal posição de desinteresse manifestada pelos portugueses
deve-se a dois fatores: o interesse no comércio das especiarias com as Índias e a
falta de possibilidades comerciais oferecidas pelo Brasil naquele período. Portanto,
correspondeu à fase da exploração do pau-brasil. O rei de Portugal tomou as seguintes
providências: enviou expedições (exploradoras e guarda-costas) e arrendou o Brasil.

RESPOSTA: “D”.

187. A principal regra do Pacto Colonial entre Brasil e Portugal firmava-se


em:
(A) Os colonos só produziriam o que Portugal precisasse e só venderia ou
compraria de homens autorizados pelo rei.
(B) Os colonos só produziriam o que Portugal precisasse, mas poderiam
comprar ou vender a qualquer estrangeiro.
(C) Os colonos poderiam produzir o que quisessem, mas só poderiam
comprar ou vender às pessoas autorizadas pelo rei.
(D) Os colonos teriam ampla liberdade comercial, incentivo à indústria
manufatureira local e tentativa de transformar o Brasil em polo exportador.
(E) Os colonos poderiam negociar desde que contribuíssem com impostos
para a coroa portuguesa.

O sistema de colonização subordina-se ao Mercantilismo: a função da colônia


seria completar a economia da Metrópole. Os colonos só produziriam o que Portugal
precisasse e só venderia ou compraria de homens autorizados pelo rei.

RESPOSTA: “A”.

188. O governo Provisório, instituído logo após a Proclamação da República


representava as diversas frações de classe que romperam com D. Pedro II, a
saber:
(A) as camadas médias urbanas e a aristocracia latifundiária do café e do
açúcar.
(B) o Exército, os ex-escravos e a burguesia industrial já fortalecida.
(C) setores da Igreja, a Guarda Nacional e as camadas urbanas.
(D) o Exército, a Guarda Nacional e a burguesia agrária canavieira.
(E) o Exército, as camadas médias urbanas e a burguesia agrária cafeeira.

143
História
Entre 1870 a 1889, correspondeu a fase de declínio do Império, surgindo as
crises que iriam abalar o regime monárquico. A propaganda republicada entre os
militares foi intensa, destacando-se Benjamim Constant, professor da Escola Militar,
que divulgava as ideias de uma República Positivista. As Leis que combatiam a
escravidão, com sua consequente abolição (Lei Àurea de 1888) abalou o apoio que
o imperador obtinha dos cafeicultores do vale do Paraíba. A Questão Religiosa, que
tem suas raízes nos direitos do governo imperial de intervir em assuntos eclesiásticos
e os Atritos do Imperador com bispos envolvidos com a maçonaria, culminou com
a punição dos mesmos, afastando o apoio da Igreja ao seu governo. Outro fator que
contribuiu para a queda do Império foi a Questão Militar, pois, após a Guerra do
Paraguai, o Exército tornou-se importante força e desejava ter maior participação na
vida política do País. Influenciados pelo positivismo, os militares foram assumindo
posições em favor do abolicionismo ou mesmo da ideia republicana. Neste período
vários jornais republicanos circulavam e a classe média, liberal, estava cada vez
mais descontente com o Imperador, devido as transformações econômicas e sociais
ocorridas a partir da segunda metade do século XIX. As cidades e, notadamente,
a classe média, formada principalmente por pequenos comerciantes, profissionais
liberais, trabalhadores em geral, estavam vislumbrando uma nova formatação de
Estado, onde a participação política pudesse ser mais efetiva.

RESPOSTA: “E”.

189. A importância da Lei Eusébio de Queirós (1850), no contexto do


processo de abolição da escravidão no Brasil, está no fato de ter:
(A) Declarado extinto o tráfico de africanos, estipulando penas para seus
infratores.
(B) Concedido liberdade a todos os escravos que participaram da Revolução
Praieira (1848).
(C) Permitido a repressão dos traficantes de escravos por navios da marinha
portuguesa.
(D) Libertado os escravos que fossem maiores de 60 anos de idade.
(E) Acabado com a venda em separado de cais africanos em leilões públicos.

Em 1850 o governo brasileiro, através de seu ministro da Justiça, Euzébio de


Queiroz, resolveu acabar com o tráfico de escravos. Esta Lei ficou historicamente
conhecida como Lei Euzébio de Queiroz. Ela declarou extinto o tráfico de africanos,
estipulando penas para seus infratores.

RESPOSTA: “A”.

144
História
190. O Brasil, durante a República Velha, tinha como seu principal produto
de exportação o café, e em 1906, o governo federal criou uma política específica
de valorização do produto que ficou conhecido como:
(A) Encilhamento.
(B) Política do Café com Leite.
(C) Política das Salvações.
(D) Convênio de Taubaté.
(E) Funding Loan.

Em 1906, houve a assinatura do Convênio de Taubaté, nome atribuído em


homenagem ao munícipio que sediou o acordo realizado entre os estados Minas
Gerais, São Paulo e Rio de Janeiro em favor de uma política de valorização do café
como principal produto da economia brasileira, protegendo seus produtores, a partir
da definição do preço mínimo para o mercado exportador.

RESPOSTA: “D”.

191. No século XVII, contribuíram para o desbravamento do interior


brasileiro:
(A) O descobrimento da cultura da cana-de-açúcar e da cultura do algodão.
(B) O apresamento de indígenas e a procura por riquezas minerais.
(C) A necessidade de defesa e o combate aos franceses.
(D) O fim do domínio espanhol e a restauração da monarquia portuguesa.
(E) A guerra dos Emboabas e a transferência da capital da colônia para o
Rio de Janeiro.

As Entradas e Bandeiras constituíram movimentos de expansão territorial,


responsáveis pela atual configuração geográfica do Brasil. As entradas eram
expedições organizadas pela iniciativa oficial (governo), prevaleceram no século
XVI e normalmente respeitavam a linha de Tordesilhas. As Bandeiras, geralmente
organizadas graças à iniciativa particular, e transcorreram durante o século XVI,
e tiveram seu apogeu no XVII e XVIII, e eram expedições que ultrapassavam a
linha do Meridiano de Tordesilhas. Contribuíram para aumentar consideravelmente
o território brasileiro. Partiram quase todas de São Vicente (São Paulo). Elas
utilizavam os rios Tietê, Paraná, São Francisco e os afluentes meridionais do
Amazonas. As bandeiras eram utilizadas, também, para aprisionamento de índios em
massa. São famosas e conhecidas na historiografia a participação ativa de paulistas
(Bandeirantes), pois a economia açucareira não deu certo como no Nordeste e a
opção foi este tipo de atividade, de lucros compensadores.

RESPOSTA: “B”.

145
História
192. Durante a Segunda Guerra Mundial (1939-1945), o governo de Getúlio
Vargas decidiu-se pelo alinhamento com as forças das Nações Unidas para
combater o nazi-fascismo. Foi, então, enviada uma Força Expedicionária a
FEB, para a Europa, no seguinte país:
(A) a Itália.
(B) o sul da França.
(C) a Normandia.
(D) a Rússia.
(E) o norte da África.

Segundo Francisco César Ferraz, na obra “Os Brasileiros e a II Guerra Mundial”,


não eram intenção dos Estados Unidos e da Inglaterra ter um parceiro diretamente
envolvido no Teatro de Operações, ou seja, na Guerra. O Brasil, ou melhor, o Exército
Brasileiro não tinha treinamento, vestimenta e as condições físicas e de saúde dos
brasileiros eram precárias. Na verdade, segundo o autor, algumas autoridades
militares aliadas até tentaram desestimular as pretensões brasileiras. No final de 1942,
norte-americanos discutiam a conveniência ou não do envio dos brasileiros para a
guerra. Em janeiro de 1943, depois de participar da conferência com chefes aliados
em Casablanca, Marrocos, o presidente norte-americano Rossevelt encontrou-se
com Getúlio Vargas em Natal, no Rio Grande do Norte. Depois desse encontro,
ficou acertada a participação brasileira diretamente nos combates, em local que seria
definido. Posteriormente, após vários problemas para o envio das tropas e discussões
sobre o local do desembarque brasileiro, decidiu-se que o Brasil atuaria na Itália. Em
2 de julho de 1944, no navio USS General Mann, partiu o primeiro escalão da FEB
do porto do Rio de Janeiro para a Itália. Existe vasta bibliografia sobre este período
dentre elas a citada acima ou mesmo a polêmica obra do jornalista William Waack,
sob título “As duas faces da Glória”, onde ele apresenta as negociações de Vargas
com Rossevelt para o envio da tropa brasileira.

RESPOSTA: “A”.

193. Em qual região, de um específico Estado brasileiro, encontra-se o


maior rebanho bufalino?
(A) Ilha de Bananal.
(B) Pampa Gaúcho.
(C) Ilha de Marajó.
(D) Pantanal Mato Grosso.
(E) Triângulo Mineiro.

146
História
Segundo o Ministério da Agricultura, o Estado do Pará lidera na bubalinocultura.
A ilha de Marajó tem aproximadamente 320 mil cabeças de búfalos. O rebanho
brasileiro de búfalos tem cerca de 1,15 milhões de cabeças, das quais 720 mil
cabeças ficam na região norte, sendo que o Estado do Pará como um todo representa
39% (aproximadamente 461 cabeças) da produção nacional, com destaque para a
ilha acima mencionada.

RESPOSTA: “C”.

194. A Constituição, promulgada em 1934, durante o Governo de Getúlio


Vargas, estabelecia o que se segue, exceto:
(A) extinção do cargo de Vice-Presidente da República.
(B) reforma eleitoral, com o voto secreto e o voto feminino.
(C) representação classista do Poder Judiciário.
(D) mandato presidencial de 4 anos.
(E) eleições diretas par ao executivo.

A Constituição de 1934 foi reflexo das Revolução Constitucionalista de 1932.


Apesar do conflito ter sido um fracasso do ponto de vista militar, no campo político
suas consequências foram positivas. Em 1933, Vargas promoveu eleições para a
Assembleia Constituinte e em novembro do mesmo ano, tiveram início os trabalhos
dos constituintes eleitos, os quais resultariam na Constituição promulgada em 1934,
a qual previa, reforma eleitora, com o voto secreto e o voto feminino, mandato
presidencial de 4 anos, eleições diretas para o executivo, extinção do cargo de vice-
presidente da república, entre outras coisas.

RESPOSTA: “C”.

195. As Províncias onde, durante o Império (1822-1889), ocorreram a


Balaiada e a Sabinada, respectivamente, foram:
(A) Maranhão e Ceará.
(B) Pernambuco e Paraíba.
(C) Ceará e Pernambuco.
(D) Rio de Janeiro e Paraíba.
(E) Maranhão e Bahia.

A Balaiada foi um movimento ocorrido entre 1838 a 1841, tipicamente popular,


ocorrido no Maranhão e que se estendeu ao Piauí. Os balaios organizaram um governo
em Caxias e ameaçavam tomar a capital (São Luís). Para combatê-los, foi nomeado
o Coronel Luís Alves de Lima e Silva (que seria o futuro Duque de Caxias, patrono

147
História
do Exército), que venceu os revoltosos na Vila de Caxias. Por isto foi promovido a
General e recebeu o seu primeiro título de nobreza, Barão de Caxias. A Sabinada,
foi uma revolta ocorrida na Bahia, no período de 1837 e 1838, região onde já havia
ocorrido lutas nativistas e de negros muçulmanos, limitando-se na capital, Salvador.
Este conflito foi liderado pelo Dr. Sabino da Rocha que proclamou o “Estado Livre
Baiense”. Ele apoiava as tendências federativa da Cabanagem (1835-1840) e da
Farroupilha (1835-1845).

RESPOSTA: “E”.

196. A Política dos Governadores, característica marcante da República


Venha, tinha por objetivo:
(A) evitar a fragmentação e o separatismo entre os estados da federação.
(B) eliminar as oposições e consolidar o poder das oligarquias.
(C) favorecer as oligarquias nordestinas e urbana.
(D) enfrentar, com auxílio dos governadores, a oligarquia cafeeira.
(E) solucionar as questões sociais e combater as fraudes eleitorais.

No governo de Campos Sales (1898-1902) foi inaugurada a Política dos


Governadores, a qual tinha como característica a troca de favores entre o presidente
e os governadores de Estado. O presidente consultava os governadores e não os
partidos políticos. A principal consequência dessa política foi o domínio de São
Paulo e Minas Gerais, que se alternavam no poder, durante toda a República Velha
(1889-1930). Com esta medida, eliminava-se as oposições e consolidava o poder
das oligarquias, principalmente a cafeeira paulista e a produtora de leite e queijo
mineira.

RESPOSTA: “B”.

197. A Monocultura, o Latifúndio e a Escravidão marcaram o Sistema


Colonial português no Brasil, resultando:
(A) no desenvolvimento interno da colônia, beneficiada pela ausência de
monopólio.
(B) na formação de uma sociedade civil forte em decorrência da autonomia
desfrutada.
(C) em grande desigualdade social, concentração da propriedade fundiária
e dependência econômica.
(D) em acumulação de renda, que permitiu o desenvolvimento
manufatureiro.
(E) no predomínio do trabalho livre, desenvolvimento tecnológico e cultural.

148
História
A concentração de renda e terra beneficia somente o latifundiário monocultor.
A economia nacional fica fragilizada, pois a diversificação de produtos, fortalece
a economia por um todo, pois caso algum produto tenha uma oscilação de
desvalorização muito forte dos preços, não afetaria todo o mercado interno do país.
Outra consequência da concentração de renda é a desigualdade social, pois tudo fica
concentrado nas mãos de uma oligarquia, ocasionando a concentração de terra e a
dependência econômica.

RESPOSTA: “C”.

198. O movimento pela Independência do Brasil foi liderado notadamente:


(A) pela elite latifundiária.
(B) pela massa da população.
(C) pelos próprios portugueses.
(D) pela burguesia industrial.
(E) pelos escravos.

Após o regresso de D. João VI, as Cortes portuguesas irão tomar uma série
de medidas que visavam recolonizar o Brasil e que irão acelerar o processo de
Independência do Brasil. A elite latifundiários, notadamente a produtora de café
e açúcar, os quais queriam ter independência da corte portuguesa para realizar
negociações comerciais. Para restringir a autonomia do Brasil, a corte portuguesa
propôs a extinção de repartições públicas criadas por D. João VI no Rio de
Janeiro. A corte portuguesa exigiu a subordinação direta das províncias a Portugal
(D. Pedro só ficaria governando o Rio de Janeiro. A medida que culminou com a
Independência foi a ordem a D. Pedro para regressar a Portugal para “completar
sua educação”. A reação a estas medidas foi através do “Clube da Resistência” onde
se destacaram a Imprensa, a Maçonaria e nomes como Jose Clemente Pereira, José
Bonifácio, Gonçalves Ledo, entre outros. Portanto, para os brasileiros era necessária
a permanência de D. Pedro no Brasil, pois sua partida representaria o retorno do
Brasil à condição de colônia.

RESPOSTA: “A”.

199. O que caracterizou de forma definitiva a ampliação da autoridade do


Imperador D. Pedro I foi a criação do Poder:
(A) Legislativo.
(B) Executivo.
(C) Moderador.
(D) Judiciário.
(E) Constitucionalista.

149
História
O Poder Moderador é um dos quatro poderes de Estado instituídos pela
Constituição Brasileira de 25 de março de 1824. Seguindo os ditames do liberalismo
que se tornara norma ao longo do século XIX, a Constituição de 1824 concede ao
Rei a proteção sob os demais poderes. O quarto poder era privativo do imperador,
atuava como um “mecanismo de absorção dos atritos entre os poderes legislativo
e executivo” e em seu papel de “fiel da balança”. É o poder reservado ao regente
vitalício no parlamentarismo regencial, poder esse que deve ser usado para equilibrar
os outros poderes e fazer coisas sem burocracia em prol do Estado, uma vez que
o regente tem o poder de usar esse poder somente em questões políticas, sendo
excluídos privilégios em sua vida privada.

RESPOSTA: “C”.

200. Durante o Segundo Reinado, o Brasil teve alguns conflitos com a


Inglaterra, que não queria reconhecer nossos direitos como nação soberana e
independente. Esses conflitos consistiram na chamada:
(A) Questão Christie.
(B) Questão Inglesa.
(C) Questão de Gales.
(D) Questão Militar.
(E) Questão Religiosa.

O não reconhecimento por parte da Inglaterra, deveu-se sobretudo, por


rivalidades decorrentes de assuntos alfandegários e do tráfico de escravos africanos
que obstruíam os interesses ingleses. Em 1863, a infalibilidade do embaixador Inglês
no Brasil, Willian Christie, provocou dois incidentes. O primeiro foi o naufrágio do
navio inglês “Príncipe Gales” (1861), devido ao saqueamento por desconhecidos do
carregamento lançado na praia e o segundo constou da prisão de três oficiais ingleses
em trajes civis e embriagados, que promoviam desordens na Tijuca, Rio de Janeiro,
sendo presos pela polícia brasileira, em 1862.

RESPOSTA: “A”.

201. No início, todos os trabalhadores das fazendas de café eram escravos.


Ao longo dos anos, com a restrição do tráfico de escravos, passaram a ser
substituídos por imigrantes, principalmente:
(A) portugueses e franceses.
(B) portugueses e espanhóis.
(C) alemães e italianos.
(D) italianos e ingleses.
(E) alemães e ingleses.

150
História
Com o fracasso das antigas fórmulas de trabalho, leia-se escravidão, alguns
fazendeiros optaram pelo trabalho assalariado, estipulavam um pagamento mensal ou
um preço fixo por alqueire trabalhado. Em 1824 é fundada por alemães, a colônia de
São Leopoldo, no Rio Grande do Sul. Os italianos começaram a imigrar em número
significativo para o Brasil a partir da década de 1870. Seu ápice ocorreu no período
entre os anos de 1880 e 1930. A maior parte dela se concentrou no estado de São
Paulo. Estes imigrantes foram impulsionados pelas transformações socioeconômicas
em curso no Norte da península itálica, que afetaram sobretudo a propriedade da
terra. Um aspecto peculiar à imigração em massa italiana é que ela começou a
ocorrer pouco após a unificação da Itália 1861, pelo Rei Vitor Emanuel, razão pela
qual uma identidade nacional desses imigrantes se forjou, em grande medida, no
Brasil. O século XIX foi marcado por uma intensa expulsão demográfica na Europa.
O alto crescimento da população, ao lado do acelerado processo de industrialização,
afetaram diretamente as oportunidades de emprego naquele continente.

RESPOSTA: “C”.

202. A insatisfação social atingiu as Forças Armadas e difundiu-se,


sobretudo, entre os oficiais de baixa patente. Por isso, às revoltas do período
entre 1922 a 1930 denominou-se:
(A) Movimento de Oficialidade.
(B) Movimento Liberal.
(C) Movimento Democrático.
(D) Movimento Tenentista.
(E) Movimento Nativista.

O movimento de 5 de julho de 1922, conhecido como a Revolta dos Dezoito


do Forte de Copacabana marcou o início da crise da República Velha que culminará
com a Revolução de 1930, extinguindo este período. Tem como causa a luta contra
as práticas políticas que caracterizaram a República Velha, como o coronelismo e
política do café-com-leite.

RESPOSTA: “D”.

203. Em 1817 ocorreu uma revolução de caráter republicano na província:


(A) de Minas Gerais.
(B) de Pernambuco.
(C) da Bahia.
(D) do Mato Grasso.
(E) de Santa Catarina.

151
História
Este movimento de caráter libera, republicano e federativo que ocorreu durante o
período Joanino é denominado de Revolução Pernambucana de 1817. É considerada
o movimento percursor de nossa Independência, de âmbito quase nacional, pois teve
a adesão de várias províncias do Nordeste.

RESPOSTA: “B”.

204. Considerado o Patriarca da Independência, exerceu grande influência


na regência de D. Pedro, após o episódio do Fico:
(A) José Clemente Ferreira.
(B) Antônio Dias.
(C) Martim Francisco.
(D) José Bonifácio.
(E) Duque de Caxias.

Depois do “Dia do Fico”, D. Pedro constituiu o Ministério da Independência


e nomeou José Bonifácio, principal figura do movimento emancipatório do Brasil,
para a Pasto do Reino e dos Negócios Estrangeiros. Pelo decreto do “Cumpra-se”,
só seriam aqui aplicadas as ordens que não fossem contrárias aos interesses dos
brasileiros. Segundo o site do município paulista de José Bonifácio, o “Patriarca da
Independência, tornou-se o principal organizador da Independência do Brasil com
atuação destacada no processo constitucional. Seu liberalismo porém, limitava-se
ao discurso ou a alguma literatura que produziu sobre a necessidade de abolição
gradual da escravidão. Na prática foi um assumido defensor dos escravocratas.
Nas eleições para Constituinte, José Bonifácio conseguiu fazer três dos seis
representantes paulistas, colocando na liderança do grupo seu outro irmão Antônio
Carlos. Bonifácio atenuou as divergências políticas e ideológicas entre o imperador
e a Assembleia Constituinte, onde representava a corrente mais conservadora
defendendo um Estado extremamente centralizado e a limitação do direito de voto,
em oposição aos liberais radicais, que exigiam uma constituição liberal, a limitação
dos poderes de D. Pedro e a maior autonomia das províncias.

RESPOSTA: “D”.

205. O motivo que forçou o retorno de D. João VI para Portugal, em 1821,


foi:
(A) a Revolução Constitucionalista do Porto.
(B) a ameaça francesa de novo ataque a Portugal.
(C) a ameaça inglesa de abandonar Portugal.
(D) o descontentamento do povo.
(E) o convite de Napoleão para o Rei assumir seu governo.

152
História
A Revolução do Porto, ocorreu em 1920, em Portugal, a qual exigia o retorno
imediato de D. João VI. Os revolucionários pretendiam a constitucionalização do
país, o regresso de D. João VI e a recolonização do Brasil. O imperador ao regressar,
deixou seu filho D. Pedro de Alcântara, como Príncipe Regente do Brasil, na certeza
de que a Independência do Brasil estava próxima.

RESPOSTA: “A”.

206. Forçado a sair de Portugal, ao chegar à Bahia, D. João assinou a Carta


Régia, pela qual:
(A) mandou invadir a Guiana Francesa.
(B) elevou o Brasil à categoria de Reino Unido.
(C) abriu os portos brasileiros às nações amigas.
(D) revogou as restrições impostas às indústrias.
(E) declarou a Independência do Brasil.

Logo ao chegar à Bahia D. João, aconselhado pelo Visconde de Cairu, assinou a


Carta Régia de 28 de janeiro de 1808, decretando a abertura dos portos brasileiros aos
outros países, ou seja, isto significou o fim do pacto colonial e pode ser considerada
como o primeiro passo para a independência política do Brasil.

RESPOSTA: “C”.

207. Durante a permanência de D. João, foi anexado ao Brasil em 1821 o


território:
(A) das Missões Argentinas.
(B) da Banda Oriental do Uruguai.
(C) do norte do Paraguai.
(D) do Acre.
(E) de Rondônia.

Três fatos marcaram a política externa de D. João VI, o primeiro a ocupação da


Guiana Francesa, o segundo, a assinatura dos tratados de 1810 com a Inglaterra e a
conquista da Banda Oriental do Uruguai em 1821.

RESPOSTA: “B”.

208. O primeiro país a reconhecer nossa independência foi:


(A) Inglaterra.
(B) Argentina.
(C) Portugal.
(D) Estados Unidos.
(E) Espanha.

153
História
Os Estados Unidos foram o primeiro país a reconhecer a Independência do
Brasil, em 1824, graças à Doutrina Monroe, a qual defende que a América é para os
americanos. Portugal somente reconheceu nossa independência em 1825 por causa da
interferência da Inglaterra. O Brasil, por meio do Tratado de 1825 pagaria a importância
de dois milhões de libras esterlinas, como pagamento de uma dívida de Portugal junto
à Inglaterra e D. João VI poderia usar o título de Imperador Honorário do Brasil.

RESPOSTA: “D”.

209. A primeira Constituição brasileira foi outorgada por D. Pedro I em:


(A) 25 de março de 1824.
(B) 24 de março de 1825.
(C) 9 de janeiro de 1823.
(D) 21 de outubro de 1824.
(E) 5 de outubro de 1988.

Em 25 de março de 1824 foi outorgada a 1ª Constituição Brasileira, a qual fora


elaborada por um Conselho de Estado e, depois outorgada por D. Pedro I.

RESPOSTA: “A”.

210. O governo de D. Pedro I terminou no dia 7 de abril de 1831 com sua:


(A) morte.
(B) volta para a Espanha.
(C) abdicação.
(D) deposição.
(E) golpe militar.

D. Pedro I abdicou do trono brasileiro em favor do seu filho, D. Pedro, com 5


anos de idade, deixando José Bonifácio como tutor do futuro D. Pedro II. D. Pedro I
retornou a Portugal com a finalidade de restaurar a coroa portuguesa em favor de D.
Maria da Glória, sua filha.

RESPOSTA: “C”.

211. Luís Alves de Lima e Silva, recebeu o título de Barão de Caxias, quando
derrotou os balaios:
(A) na Bahia.
(B) no Pará.
(C) em Pernambuco.
(D) na Argentina.
(E) no Maranhão.

154
História
A Balaiada foi um movimento ocorrido entre 1838 a 1841, tipicamente popular,
ocorrido no Maranhão e que se estendeu ao Piauí. Os balaios organizaram um governo
em Caxias e ameaçavam tomar a capital (São Luís). Para combatê-los, foi nomeado
o Coronel Luís Alves de Lima e Silva (que seria o futuro Duque de Caxias, patrono
do Exército), que venceu os revoltosos na Vila de Caxias. Por isto foi promovido a
General e recebeu o seu primeiro título de nobreza, Barão de Caxias.

RESPOSTA: “E”.

212. No 2º Império o Brasil enfrentou uma guerra contra o Paraguai que


durou de:
(A) 1851 até 1860.
(B) 1865 até 1870.
(C) 1852 até 1864.
(D) 1864 até 1870.
(E) 1852 até 1865.

Sem declaração de guerra Solano Lopez determinou o apresamento do navio


brasileiro “Marquês de Olinda”, no rio Paraguai, que se dirigia ao Mato Grosso
levando o presidente daquela província em 11 de novembro de 1864. A partir deste
episódio o Brasil entrou em guerra, culminando em 1869, o Exército Brasileiro,
sob comando de Caxias, ocupou Assunção, capital do Paraguai. No combate de
Serro Corá, em 1870, Lopez foi morto pelas tropas do General José Antônio, onde,
segundo a tradição, Lopez teria sido morto pelo Cabo José Francisco Lacerda, vulgo
“Chico Diabo”.

RESPOSTA: “D”.

213. Governava o Brasil por ocasião da I Guerra Mundial:


(A) Arthur Bernardes.
(B) Venceslau Brás Pereira.
(C) Washington Luís.
(D) Epitácio Pessoa.
(E) Getúlio Vargas.

O Brasil era governado por Venceslau Brás Pereira, no período da 1ª Guerra


Mundial.

RESPOSTA: “B”.

155
História
214. O início da construção da ponte Rio-Niterói é uma realização do governo
do General:
(A) Costa e Silva.
(B) Castelo Branco.
(C) Médici.
(D) Dutra.
(E) Figueiredo.

A ponte Rio-Niterói, também conhecido como Ponte Presidente Costa e Silva,


teve sua construção iniciada em 1968, sendo inaugurada em 1974.

RESPOSTA: “A”.

215. O tipo mestiço resultante do cruzamento de negro com índio é o:


(A) Cafuzo.
(B) curiboca.
(C) mameluco.
(D) mulato.
(E) juçara.

A miscigenação de etnia entre o negro e o índio é o cafuzo.

RESPOSTA: “A”.

216. O tipo mestiço resultante do cruzamento de branco, negro e índio é o:


(A) Cafuzo.
(B) curiboca.
(C) mameluco.
(D) mulato.
(E) juçara.

A miscigenação de etnia entre branco, negro e índio é denominado de juçara.

RESPOSTA: “E”.

217. O período compreendido entre 1580 e 1640 caracteriza-se, no Brasil,


pelo domínio:
(A) francês no Rio de Janeiro.
(B) Espanhol.
(C) francês no Maranhão.
(D) holandês na Bahia.
(E) alemão em Santa Catarina.

156
História
O período compreendido entre 1580 e 1640 caracteriza-se no Brasil pelo domínio
Espanhol. Portugal passou a ser domínio da Espanha, por crises de sucessão devido
a morte de Dom Sebastião, rei de Portugal. Felipe II, rei da Espanha, se impõe como
herdeiro legítimo, devido a morte do Cardeal D. Henrique falecido e sem filhos.

RESPOSTA: “B”.

218. O bandeirante cognominado “Anhanguera” foi:


(A) Belchior Dias Moréia.
(B) Antonio Raposo Tavares.
(C) Antônio Dias Adorno.
(D) Bartolomeu Bueno da Silva.
(E) Domingos Jorge Velho.

O bandeirante cognominado de “Anhanguera” foi Bartolomeu Bueno da Silva.

RESPOSTA: “D”.

219. A revolta que, nos fins do século XVIII, escolheu como lema a frase em
latim “Libertas quae sera tamem” teve seu principal personagem em:
(A) Joaquim Silvério dos Reis.
(B) Joaquim José da Silva Xavier.
(C) Alvarenga Peixoto.
(D) Felipe dos Santos.
(E) João Cândido Felisberto.

A Inconfidência Mineira, ocorreu em 1789, em Minas Gerais e teve como


principal personagem o mártir, o Alferes Joaquim José da Silva Xavier, mais
conhecido como Tiradentes, o qual foi condenado à morte por enforcamento e seu
corpo foi esquartejado.

RESPOSTA: “B”.

220. O decreto que declarava livres os filhos de mulher escrava nascidos a


partir de 28 de setembro de 1871, denominou-se:
(A) Lei Nabuco de Araújo.
(B) Lei Áurea.
(C) Lei Rio Branco.
(D) Lei Eusébio de Queirós.
(E) Lei Saraiva-Contegipe.

157
História
A Lei do Ventre Livre ou Rio Branco, de 1871, foi aprovada no gabinete
conservador chefiado pelo Visconde do Rio Branco. Esta lei concedia liberdade aos
filhos de mães escrava nascidos a contar da promulgação da Lei.

RESPOSTA: “C”.

221. Benjamim Constant era grande propagandista da:


(A) monarquia.
(B) regência.
(C) abolição.
(D) ditadura.
(E) república.

Entre 1870 a 1889, correspondeu a fase de declínio do Império, surgindo as


crises que iriam abalar o regime monárquico. A propaganda republicada entre os
militares foi intensa, destacando-se Benjamim Constant, professor da Escola Militar,
que divulgava as ideias de uma República Positivista.

RESPOSTA: “E”.

222. O principal motivo pela deflagração da Inconfidência Mineira foi a


decretação da “derrama”. O levante estava marcado justamente para a data de
sua execução. Entende-se por “derrama” a (o):
(A) data das eleições municipais.
(B) enforcamento dos principais conjurados.
(C) cobrança dos impostos atrasados.
(D) proibição do comércio próximo aos veios auríferos.
(E) realização de vendas de ouro por atacado.

A Derrama era a cobrança de impostos atrasados. Como as minas não produziam


o mesmo que outrora, a Coroa portuguesa realizava a devassa nos produtores,
confiscando bens e reprimindo os mineradores.

RESPOSTA: “C”.

223. A fundação do Instituto Histórico e geográfico Brasileiro, em 1938, a


criação do Colégio D. Pedro II, em 1837, a Sabinada (1837-1838) e a Cabanagem
(1835-1840) foram alguns fatos históricos ocorridos durante o governo de:
(A) Araújo Lima.
(B) D. Pedro II.
(C) Antônio Feijó.
(D) Deodoro da Fonseca.
(E) Francisco de Lima e Silva.

158
História
A Regência Uma de Araújo Lima, ocorreu no período de 1837 a 1840, começou
sua gestão com a renúncia de Feijó, em setembro de 1837 e termina com a revolução
parlamentar ou maiorista em julho de 1840. Ele governou por quase 3 anos. A
regência de Araújo Lima foi boa e equilibrada, com os conservadores no poder e
os liberais na oposição. Ele fundou o Instituto Histórico e geográfico Brasileiro,
em 1938, criou o Colégio D. Pedro II, em 1837. Teve momentos difíceis com os
conflitos como a Sabinada (1837-1838) e a Cabanagem (1835-1840).

RESPOSTA: “A”.

224. A modernização da cidade do Rio de Janeiro pelo prefeito Pereira


Passos e a tentativa do médico e sanitarista Osvaldo Cruz de erradicar a febre
amarela e a varíola das terras cariocas são fatos ocorridos no governo de:
(A) Afonso Pena.
(B) Epitácio Pessoa.
(C) Wenceslau Brás.
(D) Prudente de Morais.
(E) Rodrigues Alves.

Rodrigues Alves (1902-1906) governou o Brasil durante a época do surto da


borracha. No seu governo foi realizada a modernização da cidade do Rio de Janeiro,
graças ao prefeito Pereira Passos que tinha como projeto erradicar as doenças e
melhorar o saneamento básico da cidade. Neste período o sanitarista Oswaldo Cruz
realizou o combate à febre amarela e à varíola, sendo que houve um levante na
Escola Militar contra a obrigatoriedade da vacina.

RESPOSTA: “E”.

225. O personagem responsável pela fundação do Jardim Botânico,


Academia Real Militar, Banco do Brasil e Biblioteca Pública em nosso País foi:
(A) D. Pedro I.
(B) D. João VI.
(C) D. Pedro II.
(D) Floriano Peixoto.
(E) José Bonifácio.

Com a Corte no Brasil, no período de 1808 a 1821, foi necessário introduzir-se


uma série de melhoramentos para a administração do reino e das colônias, já que o
Rio de Janeiro passava a ser, de fato, a capital. D. João VI tomou diversas medidas
em favor do progresso cultural, criando, entre outras coisas, a Imprensa Régia

159
História
(Jornal a Gazeta do Rio de Janeiro e a revista O patriota), Escolas de ensino superior
(faculdades de Medicina da Bahia e do Rio de Janeiro), Academia de Belas Artes
e Biblioteca Real, Real Teatro de São João e Jardim Botânico, Academia Militar,
Banco do Brasil, etc.

RESPOSTA: “B”.

226. Primeiro presidente civil diretamente eleito pelo povo na república


velha. Em seu governo foi solucionada a Questão de Palmas com a argentina,
graças a atuação do Barão do Rio Branco. Foi responsável pelo restabelecimento
das relações diplomáticas com Portugal e combateu o beato Antônio Conselheiro,
no Arraial de Canudos, foram alguns fatos históricos ocorridos durante o
governo de:
(A) Campos Sales
(B) Deodoro da Fonseca.
(C) Rodrigues Alves.
(D) Prudente de Morais.
(E) Nilo Peçanha.

Prudente de Morais foi o primeiro presidente civil, posterior a república da


espada. No seu governo inicia-se o domínio político dos fazendeiros, por meio do
coronelismo. O Barão do Rio Branco, eminente diplomata, solucionou, no governo
de Prudente de Morais, a Questão de Palmas com a Argentina. Foi possível também,
o restabelecimento das relações diplomáticas com Portugal. Mas, o episódio
histórico mais trágico, foi o extermínio dos sertanejos, liderados pelo Beato Antônio
Conselheiro, no Arraial de Canudos, nos sertões da Bahia, ocasião retratada pelo
autor da obra “Os Sertões”, Euclides da Cunha”.

RESPOSTA: “D”.

227. A criação da PETROBRÁS, com a finalidade de defender e explorar o


petróleo no Brasil, é obra do governo de:
(A) Getúlio Vargas.
(B) Eurico Dutra.
(C) Costa e Silva.
(D) Castelo Branco.
(E) Washington Luís.

160
História
Eleito diretamente pelo povo, sendo sua segunda gestão do país, Getúlio Vargas
governou o Brasil, entre 1951 a 1954, num período de grande agitação política e militar.
Depois de grande pressão dos militares nacionalistas, foi cria a Petrobrás em 1953.

RESPOSTA: “A”.

228. Foi construída, na fronteira do Brasil com o Paraguai, a maior usina


hidrelétrica do mundo em capacidade de geração de energia elétrica. Seu nome é:
(A) Paulo Afonso.
(B) Itaipu.
(C) Três Gargantas.
(D) Furnas.
(E) Belo Monte.

No Governo do General Ernesto Geisel (1974-1979) ocorreu uma crise econômica


marcada pela crise energética mundial, quando ocorreu excessiva elevação dos
preços do petróleo, que repercutiu internamente, baixando a taxa de investimento
público. Contudo, como a tendência desenvolvimentista estava em vigor, iniciou-se a
construção da Hidroelétrica de Itaipu, na fronteira do Brasil com o Paraguai.

RESPOSTA: “B”.

229. A empresa brasileira responsável pela fabricação de aviões e


considerada a 3ª maior empresa de aviação civil do mundo, criada em 19 de
agosto de 1969:
(A) Embratur.
(B) Embratel.
(C) Embraer.
(D) DAC.
(E) ANAC.

Segundo o site da EMBRAER, em 19 de agosto de 1969 foi criada a Embraer


– Empresa Brasileira de Aeronáutica S.A., companhia de capital misto e controle
estatal. Com o apoio do Governo Brasileiro, a Empresa iria transformar ciência e
tecnologia em engenharia e capacidade industrial. Além de iniciar a produção do
Bandeirante, a Embraer foi contratada pelo Governo Brasileiro para fabricar o
jato de treinamento avançado e ataque ao solo EMB 326, Xavante, sob licença da
empresa italiana Aermacchi. Outros desenvolvimentos que marcaram o início das
atividades da Embraer foram o planador de alto desempenho EMB 400, Urupema, e
a aeronave agrícola EMB 200 Ipanema.

RESPOSTA: “C”.

161
História
230. Para aumentar o potencial energético da região Sudeste e do Brasil,
o Governo brasileiro construiu a primeira usina atômica, diante do exposto é
correto afirmar:
(A) construiu Usinas em Vitória.
(B) construiu Usinas em Campos.
(C) o Brasil não construiu usinas, pois assinou o tratado de não proliferação
de utilização de energia atômica.
(D) construiu Usinas em Angra dos Reis.
(E) construiu Usinas em Parati.

No Governo do General Ernesto Geisel (1974-1979) ocorreu uma crise


econômica marcada pela crise energética mundial, quando ocorreu excessiva
elevação dos preços do petróleo, que repercutiu internamente, baixando a taxa de
investimento público. Contudo, como a tendência desenvolvimentista estava em
vigor, foi assinado um acordo de cooperação nuclear com a Alemanha ocidental,
com a finalidade de construir Usinas Nucleares em Angra dos Reis.

RESPOSTA: “D”.

231. O fenômeno “friagem” que ocorre na Amazônia é decorrente de:


(A) uma doença tropical.
(B) esfriamento do magma em contato com a superfície da Terra.
(C) invasão das águas do mar sobre o rio Amazonas
(D) uma mudança dos níveis de água do rio Amazonas.
(E) uma variação climática.

Friagem é um fenômeno climático que só ocorre em poucos dias do inverno e


limita-se à Amazônia Ocidental, principalmente ao sul da Amazônia. É uma queda
brusca da temperatura caracterizada pela invasão do território brasileiro pela Massa
Polar atlântica, que penetrando pelas planícies dos Pampas (RS) e do Pantanal (MS),
chega até a planície amazônica.

RESPOSTA: “E”.

232. A rede ferroviária do Estado de São Paulo teve sua expansão, no início
do século XX, particularmente no oeste paulista, ligada principalmente ao (à):
(A) escoamento do minério de ferro.
(B) exploração madeireira.
(C) desenvolvimento da cafeicultura.
(D) aumento das Usinas de Cana de Açúcar.
(E) desenvolvimento do ABCD paulista devido à industrialização.

162
História
A região Sudeste é a mais bem servida do país nos transportes aéreo, rodoviário
e ferroviário. O Estado de São Paulo é o que possui o maior número de estradas
de ferro. Estas surgiram principalmente devido à expansão da lavoura cafeeira.
Contudo, após a década de 1970, os governos optaram por privilegiar o transporte
por rodovias em detrimento das ferrovias, culminando na década de 1990 com o
completo sucateamento e privatização feito pelo governo paulista. Atualmente,
a licença está nas mãos da América Latina Logística que abandou o transporte
ferroviário no Oeste paulista, com a complacência do governo do Estado.

RESPOSTA: “C”.

233. A ferrovia que parte de Bauru, interior de São Paulo, alcançando


Corumbá-MT, prolongando-se até Santa Cruz de La Sierra, na Bolívia, recebe
o nome de:
(A) Rede Mineração de Viação.
(B) E. F. Noroeste do Brasil.
(C) E. F. Sorocabana.
(D) E. F. Madeira-Mamoré.
(E) E. F. D. Pedro II.

A ferrovia que parte de Bauru, interior de São Paulo, alcançando Corumbá-MT,


prolongando-se até Santa Cruz de La Sierra, na Bolívia, recebe o nome de E. F.
Noroeste do Brasil.

RESPOSTA: “B”.

234. O famoso Quilombo dos Palmares, em 1695, na serra alagoana da


Barriga, foi exterminado pelo sertanista de contrato denominado:
(A) Domingos Jorge Velho.
(B) Manoel Borba Gato.
(C) Antônio Moreira César.
(D) Domingos Barbosa Calheiros.
(E) Garcia Rodrigues Pais.

Domingos Jorge Velho foi contratado para destruir o Quilombo dos Palmares,
após extinguir aquele agrupamento de negros fugitivos, ocupou o interior do Piauí,
exterminando os indígenas, na denominada Guerra dos Cariris, possibilitando a
montagem de 39 estâncias de gado na região.

RESPOSTA: “A”.

163
História
235. O (s) únicos (s) Estado (s) pertencente (s) à Região Nordeste, que tem
(têm) parte de suas terras integrando o território denominado “Amazônia
Legal”, denomina (m) -se:
(A) Piauí.
(B) Maranhão e Piauí.
(C) Maranhão.
(D) Tocantins.
(E) Maranhão e Mato Grasso.

A Amazônia Legal engloba a região Norte do Brasil, oeste do Estado do


Maranhão, Estado do Mato Grasso e partes do Norte do Estado do Mato Grosso
do Sul. Contudo, o detalhe da questão, é que ela pergunta qual Estado da região
Nordeste que tem parte na Amazônia legal. Portanto somente o Estado do Maranhão
que será a resposta correta.

RESPOSTA: “C”.

236. A caatinga é o tipo de vegetação que caracteriza o Nordeste semiárido.


Dentro da região Nordeste, é encontrada com maior frequência no (a):
(A) Zona da Mata.
(B) Sertão.
(C) Ocidente do Meio-Norte.
(D) Agreste.
(E) Litoral.

Predomina pela maior área do Nordeste à vegetação da Caatinga. Esta paisagem


vegetal aparece em quase toda a área do “Polígono das Secas, notadamente no
Sertão, com clima semiárido. Nesta região as chuvas precipitam pouco e são mal
distribuídas, dificultando o aproveitamento do solo. É o típico clima do Sertão
nordestino.

RESPOSTA: “B”.

237. As localidades de Garibaldi e Bento Gonçalves, ambas do Rio Grande


do Sul, são exemplos de colonização:
(A) Suíça.
(B) Alemã.
(C) portuguesa.
(D) japonesa.
(E) Italiana.

164
História
Os imigrantes italianos, fundaram os municípios de Garibaldi e Bento Gonçalves,
entre outros da região centro-norte do Rio Grande do Sul. Eles estão ligados ao
cultivo da uva e na produção de vinhos, principalmente instalados em pequenas
propriedades.

RESPOSTA: “E”.

238. O período republicano brasileiro, iniciado em 1889, atravessou fases


bem distintas, da quais destacamos a seguinte características em seus primeiros
30 anos:
(A) um período de longa ditadura, que só terminou com o suicídio de
Getúlio Vargas em 1954.
(B) uma fase parlamentarista, no governo Juscelino Kubitschek.
(C) surgimento na década de 1930, da Ação Integralista Brasileira e da
Aliança Nacional Libertadora, constituindo-se nos primeiros movimentos
políticos nacionais com orientação ideológica.
(D) a chamada República “Café-com-Leite”, baseada no poder das
oligarquias estaduais.
(E) participação do Brasil na II Guerra Mundial, com o envio da Força
Expedicionário Brasileira.

Nesta questão o aplicador ressalta uma das características do período, a chamada


República “Café-com-Leite”, baseada no poder das oligarquias estaduais. No governo
de Campos Sales (1898-1902) foi inaugurada a Política dos Governadores, a qual
tinha como característica a troca de favores entre o presidente e os governadores
de Estado. O presidente consultava os governadores e não os partidos políticos. A
principal consequência dessa política foi o domínio de São Paulo e Minas Gerais,
que se alternavam no poder, durante toda a República Velha (1889-1930). Com
esta medida, eliminava-se as oposições e consolidava o poder das oligarquias,
principalmente a cafeeira paulista e a produtora de leite e queijo mineira.

RESPOSTA: “D”.

239. O trinômio que constituiu a base do programa administrativo de


Juscelino Kubitschek era:
(A) indústria, pecuária e agricultura.
(B) transporte, energia e alimentação.
(C) educação, saneamento básico e saúde.
(D) agricultura, extrativismo mineral e industrial.
(E) comércio exterior, balança de pagamento e combate à inflação.

165
História
O governo de Juscelino Kubitschek (1956-1961) foi marcado por um intenso
aceleramento econômico. Este surto econômico, foi denominado de nacionalismo
desenvolvimentista, caracterizado pela criação do Plano de Metas, o qual tinha três
vertentes, investimento em transporte, energia e alimentação.

RESPOSTA: “B”.

240. Nas eleições para a substituição de Nilo Peçanha (1910), as duas forças
políticas que se contrapunham era:
(A) industrialismo x agrarismo.
(B) liberais x republicanos.
(C) totalitarismo x democracia.
(D) parlamentarismo x presidencialismo.
(E) civilismo x militarismo.

Nas eleições para substituição de Nilo Peçanha houve uma acirrada disputa
pela sucessão presidencial. Surgiu a campanha em torno do candidato Rui Barbosa,
denominada de Campanha Civilista e a campanha em torno do candidato Marechal
Hermes da Fonseca, denominada de Campanha Militarista. A Campanha Civilista
marcou a primeira divisão na Política do Café-com-Leite, pois São Paulo apoiou a
Bahia com o candidato Rui Barbosa e Minas Gerais apoiou o Rio Grande do Sul,
com o candidato Hermes da Fonseca. Apesar do apoio de São Paulo, Rui Barbosa
perdeu a eleição para o candidato de situação, Hermes da Fonseca.

RESPOSTA: “E”.

241. É consequência da “Política dos Governadores” de Campos Sales:


(A) o fortalecimento da União.
(B) aa autonomia dos Estados na política nacional.
(C) o incentivo à industrialização.
(D) o predomínio político de Minas Gerais e São Paulo.
(E) a organização de novos partidos políticos.

A Política dos Governadores tinha como característica a troca de favores entre o


presidente e os governadores de Estado. O presidente consultava os governadores e
não os partidos políticos. A principal consequência dessa política foi o domínio de São
Paulo e Minas Gerais, que se alternavam no poder, durante toda a República Velha
(1889-1930). Com esta medida, eliminava-se as oposições e consolidava o poder das
oligarquias, principalmente a cafeeira paulista e a produtora de leite e queijo mineira.

RESPOSTA: “D”.

166
História
242. É considerado o marco inicial do Movimento tenentista na República
Velha:
(A) Coluna Prestes.
(B) Revolução de 1930.
(C) Levante do Forte de Copacabana.
(D) Revolução de 1964.
(E) Revolução Paulista de 1924.

O movimento de 5 de julho de 1922, conhecido como a Revolta dos Dezoito


do Forte de Copacabana marcou o início da crise da República Velha que culminará
com a Revolução de 1930, extinguindo este período. Tem como causa a luta contra
as práticas políticas que caracterizaram a República Velha, como o coronelismo e
política do café-com-leite.

RESPOSTA: “C”.

243. A implantação do Estado Novo por Vargas, em 1937, provoca a:


(A) dissolução de todos os partidos políticos.
(B) adoção de um excessivo federalismo.
(C) organização da justiça eleitoral.
(D) defesa do liberalismo econômico.
(E) aprovação do voto feminino.

A crise capitalista internacional, a ascensão de forças populares e principalmente


o combate ao Integralismo e ao Comunismo levaram Vargas a dar o Golpe do
Estado novo, restringindo as liberdades políticas e impondo um regime ditatorial. O
Estado Novo aboliu as garantias individuais e teve como característica principais, a
centralização do poder nas mãos do executivo e intervenção nos Estados, proibição
de greves, extinguiu todos os partidos políticos e regulamentou a pena de morte no
Brasil. Todas estas iniciativas foram implementadas, além da outorga da Constituição
de 1937 com características similares à constituição polonesa.

RESPOSTA: “A”.

244. Dentre as grandes iniciativas que pode se destacar no início do governo


Geisel foi:
(A) ampliação do Mar territorial brasileiro.
(B) acordo nuclear firmado com a Alemanha Ocidental.
(C) elaboração do I PND.
(D) publicação do ato Institucional no 5.
(E) criação do Proterra e do Funrural.

167
História
No Governo do General Ernesto Geisel (1974-1979) ocorreu uma crise
econômica marcada pela crise energética mundial, quando ocorreu excessiva
elevação dos preços do petróleo, que repercutiu internamente, baixando a taxa de
investimento público. Contudo, como a tendência desenvolvimentista estava em
vigor, foi assinado um acordo de cooperação nuclear com a Alemanha ocidental,
com a finalidade de construir Usinas Nucleares em Angra dos Reis.

RESPOSTA: “B”.

245. Os lemas “senta pua” e a “a cobra está fumando” lembram a


participação histórica do Brasil na:
(A) I Guerra Mundial.
(B) Guerra de Canudos.
(C) Guerra do Paraguai.
(D) II Guerra Mundial.
(E) Revolução de 1930.

Segundo Francisco Ferraz, na obra “Os brasileiros e a segunda guerra mundial”,


destaca que os aviadores brasileiros, do 1º grupo de Aviação de Caça, da recém
criada Força Aérea Brasileira, preparam-se para a guerra, patrulhando o litoral
brasileiro, caçando submarinos do Eixo e realizando patrulhas. Haviam recebido
treinamento de combate aéreo nos Estados Unidos, e lá criaram o distintivo e o
lema que identificaria o grupo, “Senta a Pua”. Na Itália, ficaram subordinados à
Força Aérea do Exército dos Estados Unidos. A mística criada em torno do lema “a
cobra está fumando”, foi criado, tendo em vista a superação da grande dificuldade
do Brasil em criar um contingente para embarcar para a II Guerra Mundial. Muitos
críticos da Força Expedicionária Brasileira não acreditavam que seria possível o
governo Vargas enviar uma tropa ao “Teatro de Operações” de guerra. Foi uma
iniciativa hercúlea, com apoio do Presidente americano Rossevelt que possibilitou o
envio da tropa para ajudar na imagem de Vargas no Brasil.

RESPOSTA: “D”.

246. A evolução cultural do Brasil-Colônia deve-se notadamente às Ordens


Religiosas. A que mais se destacou no cenário cultural foi a dos:
(A) evangélicos.
(B) beneditinos.
(C) franciscanos.
(D) dominicanos.
(E) jesuítas.

168
História
Os jesuítas auxiliaram os portugueses a colonizarem o Brasil. A atuação de
José de Anchieta, pode ser citada como exemplo, devido ao seu trabalho junto aos
indígenas. Duarte da Costa, juntamente com os jesuítas José de Anchieta e Manoel
da Nóbrega, fundaram o Colégio de São Paulo da Piratininga, o qual deu origem a
cidade de São Paulo.

RESPOSTA: “E”.

247. No início do governo imperial de D. Pedro I, houve a Revolução da


Cisplatina que culminou com a independência do país chamado:
(A) Paraguai.
(B) Uruguai.
(C) Argentina.
(D) Bolívia.
(E) Chile.

Entre 1851 e 1870, o Brasil empreendeu três campanhas militares e políticas na


região do Rio da Prata. Na questão em tela, as três campanhas foram a intervenção
contra Oribe (Uruguai) e Rosas (argentina) entre 1851 e 1852, a intervenção no
Uruguai contra Aguirre em 1864, com a consequente Guerra do Paraguai ou contra
Solano Lopez (1864 a 1870). Portanto, o examinador refere-se ao movimento
realizado pelas tropas imperiais brasileiras, comandadas por Mena Barreto, aliada
as tropas de Venâncio Flores, auxiliadas por pelo Almirante Tamandaré, cercaram
Montevidéu. Aguirre, ditador uruguaio, passou o governo ao presidente do Senado,
que aceitava a derrota e assinou a paz com o Brasil. Em fevereiro de 1865, Venâncio
Flores subiu ao poder e se comprometeu a prestar total cooperação com o Brasil na
Guerra contra o Paraguai, que já havia iniciado.

RESPOSTA: “B”.

248. Nossas fronteiras terrestres no norte do Brasil estão intimamente


ligadas à habilidade de negociação do grande vulto reconhecido como o
“Patrono da Diplomacia Brasileira”, ou seja, o:
(A) Barão de Ladário.
(B) Marquês de São Vicente.
(C) Barão do Rio Branco.
(D) Visconde de Caravelas.
(E) Duque de Caxias.

169
História
Durante o início da República, o Barão do Rio Branco realizou várias
negociações para delimitar a faixa de fronteira do Estado brasileiro. No período
do governo de Prudente de Moraes, Rio Branco solucionou a Questão de Palmas
com a Argentina. Posteriormente, já no governo de Campos Sales, ele conseguiu
solucionar a Questão do Amapá com a França, estabelecendo o rio Oiapoque como
limite entre o Amapá e a Guiana Francesa. Outra atuação importante a ser destacada,
é a solução da chamada Questão do Acre, problema de fronteira entre o Brasil e a
Bolívia. Rio Branco foi reconhecido como o Patrono da Diplomacia brasileira e seu
nome está vinculado ao Instituto de formação de diplomatas no Brasil.

RESPOSTA: “C”.

249. Com a Independência do Brasil tivemos a nossa primeira Constituição,


que foi outorgada por D. Pedro I no ano de:
(A) 1840.
(B) 1822.
(C) 1831.
(D) 1889.
(E) 1824.

A primeira constituição brasileira foi outorgada por D. Pedro I, em 25 de março


de 1824.

RESPOSTA: “E”.

250. A mudança da capital de Salvador para o Rio de Janeiro foi motivado


pelo (s) seguinte (s) fator (es):
(A) a invasão holandesa à Bahia e Pernambuco.
(B) ao início da cultura do café e da criação de gado no Sudeste.
(C) melhores condições do porto do Rio de Janeiro e facilidade de maior
divulgação cultural entre Portugal e o Brasil.
(D) exploração do ouro no Centro-Sul e a necessidade de se aprimorar a
defesa contra as pretensões expansionistas estrangeiras.
(E) tentativa de interiorização da administração colonial portuguesa.

O foco da coroa portuguesa mudou do Nordeste, com o declínio da importância


do açúcar, como principal produto da economia da colônia, para a produção do
ouro, no Centro-Sul do país. O Conde de Oeiras, mais conhecido como Marquês
do Pombal, era o Primeiro Ministro do rei D. José I, de Portugal. A administração
pombalina visava a recuperação da economia do Brasil em benefício de Portugal,

170
História
a fim de que este último se livrasse do domínio econômico da Inglaterra. Pombal
promoveu a transferência da capital do Brasil de Salvador para o Rio de Janeiro
em 1763, contudo ela se consolidou com a vinda da Família Real para o Brasil em
1808, pois, foi implementada por D. João VI, o qual promoveu a abertura de várias
instituições de Estado para a gestão do Brasil.

RESPOSTA: “D”.

251. O interesse inglês na extinção do tráfico de escravos do Brasil decorreu:


(A) da necessidade de ampliação do mercado consumidor brasileiro para
as suas mercadorias.
(B) da preocupação humanitária e filantrópica pela sorte dos escravos.
(C) da necessidade de conversão dos africanos ao protestantismo.
(D) da ampliação do mercado de escravos nas colônias inglesas.
(E) da pressão exercida pela Igreja Anglicana.

Com a mudança no cenário mundial, não era mais interessante para o Capitalismo,
particularmente para os interesses ingleses, a manutenção da escravidão. A proposta
liberal, principalmente posterior à Revolução Francesa e o início da Revolução
Industrial, era criar demandas para os produtos produzidos e instalar democracias
pelo mundo, com o intuito de construir cidadãos que contribuam para “o Contrato
Social”. Neste período, consolidou-se Estados-Nação, os quais se rearticulavam para
promoverem o progresso social, mas principalmente o econômico.

RESPOSTA: “A”.

252. “Façamos a revolução pelo voto antes que o povo a faça pelas armas”
foi uma afirmação supostamente atribuída por um dos chefes da Aliança
Liberal, nos convulsionados dias de 1930. Este personagem foi:
(A) Júlio Prestes.
(B) Getúlio Vargas.
(C) Virgílio de Melo Franco.
(D) João Neves de Fontoura.
(E) Antônio Carlos Ribeiro de Andrada.

Da terceira geração dos Andradas e quarto político deste nome, era bisneto de
José Bonifácio de Andrada e Silva considerado “o Patriarca da Independência, neto
do Conselheiro Martim Francisco Ribeiro de Andrada e sobrinho de José Bonifácio,
o Moço. Seu pai, deputado geral e senador estadual por Minas Gerais, Antônio
Carlos Ribeiro de Andrada, mudou-se de São Paulo para Barbacena na segunda

171
História
metade do século XIX para casar-se com D. Adelaide Feliciana Lima Duarte, irmã
do Visconde de Lima Duarte e bisneta do inconfidente José Aires Gomes, consórcio
este que deu origem ao ramo mineiro dos Andradas. Ele formou-se em direito
pela Faculdade de Direito de São Paulo (1891), juntamente com Delfim Moreira,
Venceslau Brás, João Baptista Martins entre outros. Fundou o Clube Republicano
dos Estudantes Mineiros, nesta ocasião, ainda estudante funda o Partido Operário
Barbacenense. Na faculdade teve como colega de turma Afrânio de Melo Franco.
Começou a vida pública como promotor público em Ubá. Foi, também, professor de
história geral e de direito comercial na Academia de Comércio de Juiz de Fora (1894
- 1898). Até1902 exerceu a advocacia privada. Foi colaborador e depois proprietário
do Jornal do Comércio de Juiz de Fora e, fundou ainda, o Diário Mercantil (1912)
naquela cidade, onde fora, também, vereador. Foi colaborador do Jornal do Comércio
do Rio de Janeiro e prefeito de Belo Horizonte em 1905. Foi presidente do estado
de Minas Gerais, no período compreendido entre 1926 - 1930, por sua iniciativa e
na sua gestão foi instituído em Minas o voto secreto. Foi o principal articulador e
organizador da Aliança Liberal e um dos líderes da Revolução de 30. Antônio Carlos
disse em discurso, ainda em 1929: “Façamos a revolução pelo voto antes que o povo
a faça pelas armas”. Exerceu a presidência da República em 1935, ao substituir
Getúlio Vargas no cargo, quando este viajou ao Uruguai e à Argentina. Elegeu-
se para a Assembleia Nacional Constituinte de 1933 da qual foi seu presidente, e
depois presidiu a Câmara dos Deputados até 1937. Democrata convicto, abandonou
a política, desiludido com o golpe do Estado Novo dado por Getúlio Vargas.

RESPOSTA: “E”.

253. Entre as iniciativas de Getúlio Vargas em 1930, destaca-se a criação:


(A) do Programa de Integração Social.
(B) do Instituto Nacional de Previdência Nacional.
(C) do Ministério do Trabalho, Indústria e Comércio.
(D) da Petrobrás.
(E) do Partido Trabalhista Brasileiro.

Durante o governo provisório de Getúlio Vargas, no período de 1930 a 1934,


ele criou vários Ministérios, dentre eles, da Educação, Saúde, Trabalho, Indústria
e Comércio, com a perspectiva de criar no Brasil uma indústria de substituição
de importações, com a finalidade de deixar o país menos dependente de produtos
importados. Era preciso criar mão-de-obra qualificada e definir políticas que
contemplasse a construção da produção nacional.

RESPOSTA: “C”.

172
História
254. O Manifesto dos Mineiros (1943), que contou com a assinatura de
Milton Campos, Pedro Aleixo e Magalhães Pinto, entre outros, foi uma:
(A) demonstração de apoio ao governo de Getúlio Vargas.
(B) defesa da redemocratização e do fim do Estado Novo.
(C) denúncia contra a influência da Ação Integralista Brasileira.
(D) manifestação contrária ao esquerdismo na política brasileira.
(E) defesa da participação do exército na II Guerra Mundial.

O Manifesto dos Mineiros foi uma carta aberta publicada em 24 de outubro


de 1943, no aniversário da vitória da Revolução de 1930, por importantes nomes
da intelectualidade liberal (advogados e juristas) do estado de Minas Gerais, em
defesa da redemocratização e do fim do Estado Novo, criado pelo regime ditatorial
comandado por Getúlio Vargas, por meio do Golpe constitucional em 1937. Naquele
período não havia democracia e a liberdade de expressão era cerceada, ocasião
em que intelectuais liberais e socialistas eram encarcerados ou banidos. Vargas
mantinha o Congresso fechado e o chefe da polícia política, Filinto Muller, era
acusado de prisões arbitrárias e de torturar presos políticos. Foi quando um grupo
de 92 personalidades de Minas Gerais decidiu redigir uma carta e fazendo-a circular
pelo país, de forma clandestina, o documento ficou conhecido como “Manifesto dos
Mineiros”. Finalmente publicado em jornal, resultou em prisões, demissões de cargos
públicos e todo tipo de perseguição contra seus signatários. Foi, contudo, o primeiro
gesto libertário, que deu início à reação nacional, culminando com a derrubada do
regime ditatorial no Brasil, em 1945, após o término da Segunda Guerra Mundial.

RESPOSTA: “B”.

255. O movimento que se manifestou na década de 1920 e que se propunha


a diminuir o poder das oligarquias, combater a corrupção generalizada e a
fraude do sistema eleitoral, manipulado pelo coronelismo, chamou-se:
(A) Salvacionismo.
(B) Socialismo.
(C) Civilismo.
(D) Tenentismo.
(E) Queremismo.

O movimento de 5 de julho de 1922, conhecido como a Revolta dos Dezoito


do Forte de Copacabana marcou o início do movimento tenentista no Brasil. Este
movimento descortinou a crise da República Velha que culminará com a Revolução
de 1930. Tem como causa a luta contra as práticas políticas que caracterizaram

173
História
a República Velha, como a política do café-com-leite diminuindo o poder das
oligarquias, combater a corrupção generalizada e a fraude do sistema eleitoral,
manipulado pelo coronelismo.

RESPOSTA: “D”.

256. O movimento integralista brasileiro, liderado por Plínio Salgado, tinha


como um dos seus princípios básicos o (a):
(A) comunização no Brasil.
(B) pluripartidarismo democrático.
(C) redemocratização da ditadura Vargas.
(D) estruturação de ensino primário a todos os cidadãos
(E) pregação de um nacionalismo extremado.

O Integralismo brasileiro ideologicamente era ultranacionalista, defendia


a propriedade privada, o resgate da cultura nacional, o moralismo, valorizava
o nacionalismo, os valores morais da prática cristã, o princípio da autoridade (e
portanto a estrutura hierárquica da sociedade), o combate ao comunismo e ao
liberalismo econômico, ou seja, previa que o economia teria que ser protecionista
e não mediado pelo lei da mercado, no tocante a oferta e demanda em relação à
concorrência com produtos importados.

RESPOSTA: “E”.

257. A política de Rui Barbosa, conhecida como “Encilhamento”, favoreceu:


(A) a primeira crise econômica do governo republicano.
(B) o desenvolvimento das artes em geral.
(C) a educação escolar básica.
(D) o aprimoramento das relações da Igreja com o Estado.
(E) o estabelecimento do governo provisório.

Foi a primeira crise econômica do Brasil que ocorreu durante o governo de


Deodoro da Fonseca. Os Ministros da Fazenda Visconde de Ouro Preto e Ruy
Barbosa, sob a justificativa de estimular a industrialização no País, adotaram uma
política baseada em créditos livres aos investimentos industriais garantidos por
farta emissão monetária. Devido ao excesso de emissão de papel moeda sem lastro,
ocorreu a consequente crise inflacionária.

RESPOSTA: “A”.

174
História
258. Ao final da Segunda Guerra Mundial, o Brasil teve como consequência
para a indústria:
(A) a criação do parque automobilístico.
(B) a implantação da indústria petroquímica.
(C) a instalação da indústria de base e a expansão da indústria de bens e de
consumo.
(D) o desenvolvimento da indústria aeronáutica.
(E) a expansão da indústria eletroeletrônica.

Getúlio Vargas soube conduzir habilmente a conquista de apoio durante a II


Guerra Mundial, disputada entre Alemanha e Estados Unidos. A II Guerra Mundial
foi fator de aceleração do processo econômico brasileiro, porque dificultou as
importações e ampliou as possibilidades de exportação. Marcou o início da
decolagem industrial, com a indústria pesada ou de base, graças a negociação para a
criação da Usina Siderúrgica de Volta Redonda, financiada pelos americanos.

RESPOSTA: “C”.

259. Um dos marcos da “Política Nacionalista” de Getúlio Vargas, em sua


volta ao Governo a partir de 1951, foi:
(A) a criação do Plano SALTE.
(B) a criação da PETROBRÁS.
(C) o Programa de Metas.
(D) a inauguração da Usina de Volta Redonda.
(E) a criação da Companhia Vale do Rio Doce.

Em concurso público deve-se prestar muita atenção na formulação da pergunta.


O candidato deve entender o que está sendo perguntado dentro do contexto. A questão
acima, é um exemplo clássico, onde o candidato pode errar a questão, devido a não
prestar atenção no enunciado. A companhia de Volta Redonda foi criada por Vargas,
porém, nesta questão, o avaliador contextualiza a questão relativo ao segundo
mandato. Portanto a resposta correta é a PETROBRAS criada em 1953 por Vargas.

RESPOSTA: “B”.

260. As críticas da oposição contra o presidente Jânio Quadros


aprofundaram-se, motivadas, principalmente:
(A) pelo combate aos comunistas.
(B) pelo rompimento diplomático om a URSS.
(C) pela decretação do AI-5.
(D) pela condecoração do líder cubano “Che” Guevara.
(E) pelo episódio do atentado a Carlos Lacerda.

175
História
O governo Jânio Quadros, em 1961 procurou desenvolver uma política externa
independente conferindo uma Condecoração ao líder revolucionário Che Guevara.
Esta atitude causou uma grande insatisfação, particularmente nas Forças Armadas,
que não concordaram com a premiação. Várias ações inconsequentes de Jânio,
culminou com seu pedido de renúncia em agosto de 1961. Ele governou por apenas
7 meses, causando uma grave crise político-militar, pois as tendências esquerdistas
do seu vice-presidente João Goulart encontraram forte oposição militar para que ele
não assumisse o cargo de presidente.

RESPOSTA: “D”.

261. Sobre o Governo Castelo Branco é incorreto afirmar que:


(A) incentivou os movimentos populares de inspiração esquerdista.
(B) instituiu o bipartidarismo.
(C) encaminhou ao Congresso o projeto da Constituição de 1967.
(D) instituiu a Lei de Segurança Nacional.
(E) anulou alguns atos do governo anterior.

O Governo do Marechal Castelo Branco, no período de 1964 a 1967, foi o


primeiro governo militar, após do golpe de 31 de março de 1964. O golpe civil-
militar foi implementado devido à instabilidade política no período de 1961 a 1964,
principalmente devido a renúncia de Jânio Quadros, crise financeira e a ascensão dos
movimentos de esquerda, notadamente o Partido Comunista Brasileiro.

RESPOSTA: “A”.

262. A chamada “abertura política” de nossos dias foi iniciada no governo


de:
(A) Castelo Branco.
(B) Emílio Médici.
(C) Ernesto Geisel.
(D) Costa e Silva.
(E) João Figueiredo.

Após neutralizar a ala da direita radical dentro das Forças Armadas, o General
Ernesto Geisel iniciou os trabalhos para a abertura política. Ele iniciou a abertura
política, com a Lei da Anistia e o início das negociações para a transição do poder
dos militares para os civis.

RESPOSTA: “C”.

176
História
263. A construção e o crescimento de Brasília, com a respectiva transferência
da Capital Federal estimularam:
(A) o crescimento da população de toda a região Centro-Oeste,
principalmente dinamizando a importância das cidades de Goiânia e Anápolis.
(B) o desenvolvimento cultura do Rio de Janeiro, afastando a cidade dos
conflitos políticas.
(C) a designação de Goiânia para capital do Estado de Goiás e Palmas para
a Capital de Tocantins.
(D) a expansão da cafeicultura em Goiás.
(E) a preservação do parque ecológico do Pantanal Mato-Grossense.

A construção e o crescimento de Brasília proporcionaram o crescimento


da população e do mercado consumidor na região centro-oeste do Brasil. Houve
grande migração de mão-de-obra nordestina que instalaram-se nas cidades satélites,
próximas à Brasília. A mobilidade de pessoas e mercadorias, devido à transferência
do Distrito Federal do Rio de Janeiro para Brasília dinamizou a região, principalmente
as cidades de Goiânia e Anápolis, as quais abrigaram diversas empresas e indústrias.

RESPOSTA: “A”.

264. Com fins metodológicos para ensino da História, chama-se República


Velha ao período de:
(A) 1889-1898.
(B) 1930-1945.
(C) 1945-1964.
(D) 1889-1910.
(E) 1889-1930.

O período corresponde a 1889, ano da Proclamação da República até 1930, ano


da Revolução de 1930 liderada pela Aliança Liberal é considerado como República
Velha. Este período foi descrito, também, como período de dominação das oligarquias
paulistas e mineiras, por meio da política do café-com-leite.

RESPOSTA: “E”.

265. Proclamada a Independência, o Brasil adotou como forma de governo:


(A) a República Federativa e Parlamentar.
(B) a Monarquia Absoluta, Hereditária e Divina.
(C) a Monarquia Constitucional Parlamentarista.
(D) a República Federativa e Presidencialista.
(E) a Monarquia Hereditária, Constitucional e Representativa.

177
História
O Primeiro Reinado é a parte da história do Brasil que corresponde ao governo
de D. Pedro I. Teve início em 7 de setembro de 1822, com a Independência do Brasil
e terminou com a abdicação de D. Pedro I, em 7 de abril de 1831. O governo de D.
Pedro I enfrentou muitas dificuldades para consolidar a independência, porque no
I Reinado ocorreram muitas revoltas regionais e oposições políticas internas. Em
1823, durante a elaboração da Constituição, os políticos tentaram limitar o poder do
Imperador. Foi uma reação política a forma autoritária de governar do Imperador.
Ele escolheu 10 pessoas de sua confiança para elaborar a Constituição brasileira.
Ela foi outorgada em 25 de março de 1824, sendo que suas principais características
eram a Monarquia Hereditária, a divisão dos poderes em Executivo, Legislativo e
Judiciário, mais um quarto poder, denominado de Moderador, o qual era exclusivo
do Imperador e lhe proporcionava diversos poderes políticos. Na Constituição foi
estabelecido o processo eleitoral, sendo que o eleitor deveria ser maior de 25 anos, do
sexo masculino e possuir alta renda. Portanto, o governo a partir da independência,
caracterizou-se por ser uma Monarquia Hereditária, Constitucional e Representativa
(Existiam Deputados e Senadores que representavam seus interesses).

RESPOSTA: “E”.

266. O primeiro presidente civil da República no Brasil foi:


(A) Floriano Peixoto.
(B) Deodoro da Fonseca.
(C) Prudente de Morais.
(D) Rodrigues Alves.
(E) Washington Luís.

O Paulista Prudente de Morais foi o primeiro presidente civil diretamente eleito


pelo povo. Seu governo teve início em 1894 e durou até 1898.

RESPOSTA: “C”.

267. Em linhas gerais, a Revolução Constitucionalista de São Paulo teve


como causa política:
(A) a oposição ao golpe de 1937, devido o apoio paulista ao Integralismo de
Plínio Salgado e à ANL de Luís Carlos Prestes.
(B) a exigência de eleições e de uma constituição, com autonomia dos
Estados e voto secreto, com a inclusão das mulheres.
(C) a crise do café atingida pela crise de 1929, por causa da falta de
financiamento dos cafeicultores.
(D) a vitória da Revolução de 1930 e a ascensão de Vargas ao poder.
(E) a queda de Getúlio Vargas pelo golpe dado por Dutra.

178
História
Em São Paulo surgiram as primeiras manifestações pela reconstitucionalização
do País, exigindo uma nova Constituição. O Conflito armado explodiu em 9 de julho
de 1932, tendo como reivindicação a exigência de eleições e de uma constituição,
com autonomia dos Estados e voto secreto, com a inclusão das mulheres.

RESPOSTA: “B”.

268. Com fins metodológicos para ensino da História, chama-se República


da Espada ao período de:
(A) 1889-1894.
(B) 1930-1945.
(C) 1945-1964.
(D) 1889-1910.
(E) 1889-1930.

Após a Proclamação da República foi instituído um Governo Provisório sob


a Presidência do Marechal Deodoro da Fonseca. Este governo passou diversas
crises para consolidação da república. Deodoro governou de 1889 a 1891, sendo
substituído pelo seu vice-presidente o Marechal Floriano Peixoto, governando
de 1891 a 1894. Ele foi considerado o “Marechal de Ferro” e “Consolidador da
República”, devido sua ação para reprimir a oposição à Proclamação da República.
Portanto, este período ficou conhecido como República da Espada.

RESPOSTA: “A”.

269. Entre as diversas causas que tornaram Portugal e Espanha os primeiros


países europeus a se lançarem nas viagens marítimas da época moderno, pode-
se citar:
(A) o sistema administrativo descentralizado, que favoreceu a iniciativa dos
grupos burgueses.
(B) o grande interesse da nobreza no desenvolvimento das relações
capitalistas comerciais.
(C) o incentivo dado pela Igreja Protestante, interessada na ampliação do
número de fiéis.
(D) o interesse das monarquias centralizadas em ampliar suas relações
comerciais e suas áreas de influência.
(E) o apoio dado pelos senhores feudais às pesquisas sobre conhecimentos
náuticos.

179
História
Com o desenvolvimento da Burguesia por meio do comércio, as monarquias
tinham o interesse de ampliar suas relações comerciais e suas áreas de influência. O
progresso tecnológico e a posição estratégica de Portugal e Espanha favoreceram estes
dois países a serem os precursores nas grandes navegações. Portanto no século XV
e XVI, as Monarquias portuguesa e espanhola apoiaram a Burguesia para superar as
dificuldades geradas pela causa política (tomada de Constantinopla, inviabilizando o
comércio com o mediterrâneo), cumulativamente com a causa econômica (comércio
de especiarias) possibilitou a expansão ultramarina que inviabilizavam a ampliação
das relações comerciais e das áreas de influência de ambas as coroas.

RESPOSTA: “D”.

270. Principais características da Constituição Brasileira, outorgada em 25


de março de 1824:
(1) voto censitário e descoberto.
(2) república parlamentarista.
(3) padroado.
(4) quatro poderes.
(5) voto direto e universal.

(A) 1, 2 e 3.
(B) 2, 3 e 4.
(C) 3, 4 e 5.
(D) 1, 3 e 4.
(E) 2, 3 e 5.

As principais características da Constituição Brasileira outorgada eram três: O


Voto Censitário, o padroado e os quatro poderes. O voto censitário e descoberto
configurava-se no voto em que o eleitor para votar, deveria ter uma renda mínima
e este era declarado, ou seja, o voto não era secreto. No que se refere ao padroado,
tratava-se de um instrumento jurídico tipicamente medieval que possibilitava um
domínio direto do Imperador nos negócios religiosos, especialmente nos aspectos
administrativos, jurídicos e financeiros. Por fim, os quatro poderes eram o Executivo,
o Judiciário, Legislativo e Moderador.

RESPOSTA: “D”.

271. Apesar de ligadas ao mesmo cenário político-econômico nacional


e internacional, as conjurações Mineira e Baiana apresentaram algumas
diferenças, tais como:

180
História
(A) a Conjuração Mineira, ao contrário da Baiana, contou com a
participação da Maçonaria.
(B) a Conjuração Baiana, ao contrário da Mineira, contava com forte
aparato policial-militar.
(C) a Conjuração Mineira, ao contrário da Baiana, pleiteava a abolição da
escravidão.
(D) a Conjuração Baiana, ao contrário da Mineira, pretendia incentivar o
estudo universitário no Brasil.
(E) a Conjuração Baiana, ao Contrário da Mineira, apresentou forte
participação popular.

A Revolução Francesa em 1789, foi um importante marco na História Moderna


da civilização ocidental. Significou o fim do sistema absolutista e dos privilégios
da nobreza. O povo ganhou mais autonomia e seus direitos sociais passaram a ser
respeitados. A vida dos trabalhadores urbanos e rurais melhorou significativamente.
Por outro lado, a burguesia conduziu o processo de forma a garantir seu domínio
social. As bases de uma sociedade burguesa e capitalista foram estabelecidas
durante a revolução. Os ideais políticos (principalmente iluministas) presentes na
França influenciaram o movimento de Inconfidência Mineira no Brasil (1789) e
Conjuração Baiana (1798). A Inconfidência Mineira, ocorreu em 1789, em Minas
Gerais e teve como principal personagem o mártir, o Alferes Joaquim José da
Silva Xavier, mais conhecido como Tiradentes, o qual foi condenado à morte por
enforcamento e seu corpo foi esquartejado. Ela não teve participação popular e foi
um movimento restrito aos ricos, ligados à extração mineral e à produção agrícola,
enquanto o único condenado foi Tiradentes. O objetivo central deste movimento
era romper com o pacto colonial. A Conjuração Baiana de 1798, também conhecida
como Revolução dos Alfaiates foi um movimento precursor da Independência que
apresentou características mais populares. Foi considerada a primeira Revolução
Social do Brasil, pois teve a participação de pessoas humildes como soldados,
libertos, alfaiates, entre outros. Surgiu devido à pregação das ideias liberais francesas
pela ação da Maçonaria. A Loja Maçônica “Cavaleiros da Luz”, que contava com a
participação de intelectuais como Cipriano barata (cirurgião) e José da Silva Lisboa
(futuro Visconde de Cairu), se destacou nessa ação na Bahia. O movimento se limitou
a Salvador, antiga capital do Brasil, onde grande parte da população compunha-se
de artesões livres (sapateiros, alfaiates, mulatos, ex-escravos). Os integrantes deste
movimento foram severamente reprimidos.

RESPOSTA: “E”.

181
História
272. A Revolução Pernambucana de 1817 foi um movimento que pode ser
caracterizado como:
(A) o movimento que contribuiu decisivamente no processo de independência
política do Brasil.
(B) ter contado com a participação de portugueses e espanhóis na luta
contra os holandeses.
(C) ter sido um movimento que não sofreu influência dos ideais de liberdade
surgidos na Independência dos Estados Unidos da América.
(D) um movimento que provocou descontentamento entre os portugueses
por causa da contenção de despensas de D. João VI, que não concedeu privilégios
aos próprios portugueses.
(E) o único movimento em que os revoltosos não instalaram um governo
provisório e nem defenderam o ideal republicano.

Este movimento ocorreu durante a permanência da família real no Brasil e


teve como causas, a rivalidade entre os portugueses e os brasileiros, em Recife, a
influência das ideias liberais francesas, a cobrança de pesados impostos e abusos
administrativos, atuação das sociedades secretas (Maçonaria) e a difícil situação
econômica de Pernambuco, devido à crise na lavoura açucareira, a escassez de
gêneros de primeira necessidade e a seca que assolava a região. As consequências
deste movimento foram a aceleração do processo de independência e a separação de
Alagoas e Rio Grande do Norte da Província de Pernambuco.

RESPOSTA: “A”.

273. A Segunda Guerra Mundial, ocorrida durante período de 1939 a 1945


representou um importante período na História Brasileira devido à participação
do nosso País. No contexto deste conflito mundial podemos afirmar que:
(A) o Brasil entrou no conflito do lado das democracias que lutaram contra
os totalitarismos devido a um pacto de aliança com a Itália.
(B) a guerra representou um grande obstáculo ao desenvolvimento
industrial brasileiro porque os Estados Unidos e a União Soviética dividiram o
Mercado Comum Europeu entre si.
(C) o resultado da participação do Brasil na II Guerra Mundial foi a queda
do governo ditatorial de Getúlio Vargas, acompanhando uma tendência do
mundo pós-guerra.
(D) o Brasil por não concordar com o desmembramento da Alemanha após
a I Guerra Mundial, pressionou os Estados Unidos a entrarem na II Guerra
Mundial.
(E) o Brasil, inicialmente, entrou na II Guerra ao lado dos regimes
totalitários por estar o País vivendo a ditadura de Vargas, e, posteriormente,
em 1942, é pressionado pelos Estados unidos a se aliar às democracias.

182
História
Segundo Francisco César Ferraz, na obra “Os Brasileiros e a segunda Guerra
Mundial, na Política interna, a participação na guerra significou a erosão do Estado
Novo. Novos grupos políticos, na maioria conservadores e anti-Vargas, cresceram
durante a guerra, em oposição a um governo que anteriormente apoiaram, quando “o
perigo vermelho” (comunismo) justificava o fim dos direitos democráticos que agora
tanto reivindicavam. Nessa reação conservadora, da qual participaram muitos que
ajudaram a construir o Estado Novo, Vargas foi deposto, em 29 de outubro de 1945.

RESPOSTA: “C”.

274. Ao primeiro governo Vargas (1930-1945) pode ser atribuída uma


importante conquista social. Foi a:
(A) construção da Companhia Siderúrgica Nacional (1941).
(B) criação da Companhia Vale do Rio Doce (1942).
(C) entrada do Brasil na Segunda Guerra Mundial (1942).
(D) criação das Leis Trabalhistas, com a jornada de 8 horas, férias
remuneradas e indenizações por dispensa.
(E) outorga da Constituição de 1939, com características fascistas, a
chamada “Polaca”.

A ação intervencionista do Estado no campo social e econômico foi decisiva. O


Estado passou a exercer as atividades principais da economia, como no campo do
petróleo, energia, telefonia, siderurgia, minérios entre outras atividades. Contudo, no
campo social, a criação da Consolidação das Leis do Trabalho – CLT, em 1943 foi o
marco para a consagração e reunião de diversas leis esparsas que garantiam os direitos
mínimos dos trabalhadores, como férias, 13º Salário, salário mínimo, entre outros.

RESPOSTA: “D”.

275. O acordo nuclear com a Alemanha para construção de Usinas no Brasil


foi realizado no governo do presidente:
(A) Getúlio Vargas.
(B) Figueiredo.
(C) Juscelino Kubitschek.
(D) Castelo Branco.
(E) Geisel.

O Acordo para construção das Usinas atômicas em Angra dos Reis foi assinado
entre a Alemanha e o Brasil pelo Presidente Ernesto Geisel.

RESPOSTA: “E”.

183
História
276. Forma órgãos importantes para a divulgação do movimento da
Independência, durante a sua organização:
(A) comércio e indústria.
(B) imprensa e indústria.
(C) imprensa e Maçonaria.
(D) comércio e Maçonaria.
(E) indústria e imprensa.

A Imprensa e a Maçonaria foram os principais órgãos de divulgação do movimento


de independência durante sua organização. A Revolução Pernambucana, Baiana e
Mineira contaram com o apoio destes meios de divulgação para operacionalizar seus
movimentos.

RESPOSTA: “C”.

277. Política de maior aproximação entre o governo e as camadas populares


retomada por Getúlio Vargas:
(A) Populismo.
(B) Positivismo.
(C) Sindicalismo.
(D) Peleguismo.
(E) Anarquismo.

Na questão acima, o aplicador concentrou sua análise no termo populismo.


Neste sentido, o governo de Getúlio Vargas foi caracterizado pela estruturação
burocrático-administrativa do Estado Brasileiro, com o intuito de criar condições para
o desenvolvimento econômico e industrial, porém privilegiando os trabalhadores
com leis em âmbito social. A Consolidação das Leis do Trabalho e a garantia do
poder aquisitivo dos trabalhadores, pelo reajuste do salário mínimo e toda as ações
do Ministério do Trabalho em seu governo, determinou uma aproximação do
presidente com as camadas populares. A Fundação do Partido Trabalhista
Brasileiro em 1945 e a atuação da imprensa para a formação da opinião pública,
favoreceu o surgimento de um novo método de articulação política denominado como
populismo. Com a Constituição de 1946, houve a reconstitucionalização do País,
sendo considerada uma das mais democráticas. Podiam votar os brasileiros maiores
de 18 anos, sendo obrigatório o alistamento e o voto para os brasileiros de ambos
os sexos. Eram impedidos de votar, os analfabetos; os que não saibam exprimir-
se na língua nacional e os que estejam privados, temporária ou definitivamente,
dos direitos políticos. Portanto, a política foi oxigenada com a participação de
uma parcela significativa da população, as quais eram privilegiadas nos discursos
políticos, gerando candidatos identificados com as causas populares.

RESPOSTA: “A”.

184
História
278. Qual o Governo, posterior à II Guerra Mundial que elaborou o Plano
SALTE, sigla que constitui as iniciais de Saúde, Alimentação, transporte e
Energia, com a finalidade de traçar um planejamento, visando o desenvolvimento
econômico do Brasil:
(A) Getúlio Vargas.
(B) Juscelino Kubistchek.
(C) Geisel.
(D) Dutra.
(E) Jânio Quadros.

O Presidente Eurico Gaspar Dutra, no período de 1946 a 1951. Após o fim da II


Guerra Mundial passou a ter no Brasil uma preocupação maior com planejamento,
visando o desenvolvimento econômico do país.

RESPOSTA: “D”.

279. Qual foram os três planos econômicos realizados por José Sarney para
tentativa estabilização da economia, devido à crise econômica vivida em seu
governo, diante das altíssimas taxas de inflação:
(A) Plano Cruzado, SALTE e II PND.
(B) Plano Cruzado, Plano Bresser e Plano Verão.
(C) Plano Cruzado, Plano Lafer, Plano Verão.
(D) Plano Cruzado, Plano Verão e Plano Trienal.
(E) Plano Cruzado, Plano Trienal e Plano de Metas.

Vários planos econômicos foram postos em prática na tentativa de combater a


inflação, através do congelamento de preços e salários, durante o governo de José
Sarney (1985-1990). Dentre eles o Plano Cruzado (1986), o Plano Bresser (1987) e
o Plano Verão (1989), foram ações do Estado na tentativa de estabilizar a economia
do Brasil.

RESPOSTA: “B”.

280. Qual foi o 1º presidente eleito pelo voto direto após o regime militar,
sendo eleito em 2º turno?
(A) José Sarney.
(B) Tancredo Neves.
(C) Fernando Henrique Cardoso.
(D) Luís Inácio Lula da Silva.
(E) Fernando Collor de Mello.

185
História
O 1º presidente eleito pelo voto direto, após o regime militar, sendo eleito em
2º Turno foi Fernando Collor de Mello (PRN) que venceu o candidato Luís Inácio
Lula da Silva (PT).

RESPOSTA: “E”.

281. Qual foi o presidente da república que em 1994 editou o Plano Real, o
qual o encontra-se em vigor até nossos dias?
(A) Fernando Collor de Melo.
(B) Fernando Henrique Cardoso.
(C) Itamar Franco.
(D) Luís Inácio Lula da Silva.
(E) José Sarney.

Itamar Franco (1992-1995), após o Impeachment do presidente Fernando Collor


(1990-1992), assumiu a presidência do Brasil. No seu governo, foi editado o Plano
Real, o qual entrou em vigor no ano de 1994, com o lançamento da moeda Real em
01/07/1994.

RESPOSTA: “C”.

282. A sigla MMDC, assumida como emblema do Movimento


Constitucionalista de 1932, significava as iniciais dos seguintes jovens estudantes
paulistas mortos:
(A) Mateus, Mário, Douglas e Charles.
(B) Mateus, Martins, Dráuzio e Camargo.
(C) Miragaia, Martins, Douglas e Camargo.
(D) Martins, Miragaia, Dráuzio e Camargo.
(E) Mateus, Miragaia, Douglas e Charles.

Um momento crítico da manifestação dos estudantes paulistas contra o


governo de Getúlio Vargas aconteceu no dia 23 de maio ainda do ano de 1930.
As dependências de uma célula apoiadora da Revolução de 1930 em São Paulo,
chamada Liga Revolucionária, foi invadida por jovens opositores do governo do
momento. Houve um combate que resultou na morte de quatro jovens paulistas:
Mario Martins de Almeida, Euclides Miragaia, Dráusio Marcondes de Sousa e
Antônio Camargo de Andrade. Os jovens paulistas revolucionários eram conhecidos
respectivamente como Martins, Miragaia, Dráusio e Camargo. As iniciais de seus
nomes viraram bandeira de manifestações que ao levarem bandeiras com a sigla
MMDC, culminou na deflagração do Revolução de 1932.

RESPOSTA: “D”.

186
História
283. A primeira capital do Brasil foi construída em 1549, com o auxílio de
Diogo Alvares Correia, conhecido como:
(A) Caramuru.
(B) Anhanguera.
(C) Frei Caneca.
(D) Dioguinho.
(E) Emboaba.

Portugal a partir de 1530 inicia a colonização efetiva do litoral brasileiro.


A expedição de Martins Afonso de Sousa partiu de Lisboa em 1530, com três
finalidades. Colonizar o Brasil, defender o território, com expedições Guarda-Costas
e Explorar a Colônia. Ao Chegar na Bahia foi recebido pelo famoso Diogo Álvares
Correia, conhecido como caramuru, naufrago português que vivia entre os índios.

RESPOSTA: “A”.

284. Nascido em Cuiabá, fez carreira militar e faleceu em 1974. Apoiou a


“Revolta da Vacina”. Foi Presidente da República. Estamos falando de:
(A) Floriano Peixoto.
(B) Getúlio Vargas.
(C) Rodrigues Alves.
(D) Deodoro da Fonseca.
(E) Eurico Gaspar Dutra.

Eurico Gaspar Dutra nasceu em Cuiabá, Mato Grosso, em 1883 e faleceu em


1974. Segundo o Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea
do Brasil (CPDOC) Dutra, ingressou na Escola Militar da Praia Vermelha, no Rio
de Janeiro, em 1904. Nesse ano, participou, junto com companheiros de corporação,
da Revolta da Vacina, deflagrada na capital federal contra o governo do presidente
Rodrigues Alves. Por conta disso, foi expulso da Escola Militar, só retomando seus
estudos no ano seguinte, quando foi anistiado. Em 1906, ingressou na Escola de
Guerra de Porto Alegre; em seguida, cursou a Escola de Artilharia e Engenharia.
Durante a década de 1910, foi frequente colaborador da revista “A Defesa Nacional”,
destinada ao meio militar. Em 1922, concluiu o curso da Escola do Estado-Maior.
Foi presidente do Brasil no período de 1946 a 1951.

RESPOSTA: “E”.

187
História
285. Em 1993, houve um plebiscito nacional sobre a forma e o sistema de
governo, a vitória foi da forma:
(A) monarquia e parlamentarismo.
(B) república e parlamentarismo.
(C) república e presidencialismo.
(D) imperialista e presidencialismo.
(E) república e sindicalismo.

Em 21 de abril de 1993, foi realizado plebiscito que demandava escolher


monarquia ou república e parlamentarismo ou presidencialismo. Essa consulta
consolidou a forma e o sistema de governo atuais, ou seja, a forma de República, sob
o sistema presidencialista.

RESPOSTA: “C”.

286. Quais as consequências da Inconfidência Mineira?


(A) Não houve consequências visíveis não alterando-se em nada a situação
histórica daquele momento.
(B) Os principais líderes foram presos e deportados e Tiradentes enforcado
em praça pública no Rio de Janeiro.
(C) Brasil tornou-se independente e Tiradentes foi nomeado o primeiro
governador do novo Estado.
(D) O término da monarquia e o início do regime republicano.
(E) Tomada do poder pelos militares e Tiradentes nomeado interventor de
Minas.

As consequências da Inconfidência mineira foi que os principais líderes foram


presos e deportados e Tiradentes enforcado em praça pública no Rio de Janeiro e seu
corpo esquartejado.

RESPOSTA: “B”.

287. Qual a origem dos ideais dos revoltosos baianos de 1798?


(A) principalmente da Revolução Francesa (1789); da Revolução
Americana (1766) e dos ideais de fraternidade, liberdade e igualdade dos
filósofos iluministas.
(B) os revoltosos baianos tiraram suas ideias da inconfidência Mineira.
(C) dos ideais naturalistas dos fisiocratas absolutistas.
(D) os revoltosos baianos tinham ideias próprias, nascidas nas universidades
de Salvador.
(E) dos pintores e escritores impressionistas franceses da segunda metade
do século XX.

188
História
A origem está intimamente vinculada aos ideais da Revolução Francesa (1789)
e da Revolução Americana de 1766.

RESPOSTA: “A”.

288. Qual a principal diferença entre a Inconfidência Mineira e a Conjuração


Baiana que pode ser destacada abaixo:
(A) As Estados onde elas ocorreram eram diferentes, pois um conflito
aconteceu em Minas e o outro no Estado da Bahia.
(B) Não havia diferenças entre os dois conflitos, porque ambos tiveram o
mesmo caráter e preocupação.
(C) Não havia diferenças, pois ambas combatiam a exploração da metrópole,
Portugal, e, visavam o fim da escravidão, a reforma agrária e a instalação de
um governo republicano.
(D) A conjuração baiana envolveu muito mais elementos populares enquanto
a mineira envolveu a elite local (grandes mineradores e comerciantes).
(E) A conjuração baiana tinha caráter comunista, pois queria instalar uma
república popular, enquanto a Inconfidência mineira tinha caráter liberal, pois
defendida a pequena propriedade e o aumento do mercado consumidor.

A conjuração baiana envolveu muito mais elementos populares enquanto a


mineira envolveu a elite local (grandes mineradores e comerciantes)

RESPOSTA: “D”.

289. A crise financeira, conhecida como “encilhamento”, ocorrida durante


o governo provisório de Deodoro da Fonseca, teve como características
principais:
(A) as políticas de Rui Barbosa, Ministro da Fazenda, que tinha como meta
fundamental o combate à inflação e restrição ao crédito.
(B) a restrição à liberdade dos bancos e da moeda circulante e o combate à
inflação desenfreada.
(C) aumento do crédito, a liberdade aos bancos para emitir papel moeda em
grande quantidade e a inflação desenfreada.
(D) as políticas de Joaquim Murtinho, Ministro da Fazenda, o qual
incentivava a transferência de capitais da agricultura para a indústria.
(E) o aumento da dívida pública por meio da restrição do crédito aos bancos
e o arrocho salarial.

189
História
Foi a primeira crise econômica do Brasil que ocorreu durante o governo de
Deodoro da Fonseca. Os Ministros da Fazenda Visconde de Ouro Preto e Ruy
Barbosa, sob a justificativa de estimular a industrialização no País, adotaram uma
política baseada em créditos livres aos investimentos industriais garantidos por
farta emissão monetária. Devido ao excesso de emissão de papel moeda sem lastro,
ocorreu a consequente crise inflacionária.

RESPOSTA: “C”.

290. O primeiro instrumento eficiente capaz de punir os políticos que


gastam mais do que arrecadam, iniciam obras sem ter dinheiro para concluí-
las e mantêm inchada a folha de funcionários é:
(A) Lei Kandir.
(B) Lei de responsabilidade fiscal.
(C) Lei de Diretrizes e Bases.
(D) Lei Seca.
(E) Lei de Diretrizes Orçamentárias.

A Lei Complementar n° 101, de 4 de maio de 2000, estabelece normas de finanças


públicas voltadas para a responsabilidade na gestão fiscal, que pressupõe uma ação
planejada e transparente, em que se previnem e corrigem desvios capazes de afetar o
equilíbrio das contas públicas, mediante o cumprimento de metas de resultados entre
receitas e despesas e a obediência de limites e condições no que tange a renúncia
de receita, geração de despesas com pessoal, da seguridade social e outras, dívidas
consolidada e mobiliária, operações de crédito, inclusive por antecipação de receita,
concessão de garantia e inscrição em Restos a Pagar.

RESPOSTA: “B”.

291. Um aspecto tem sido considerado como relevante para economia e


a competitividade de produção industrial dos países no mercado mundial é o
custo da mão-de-obra. De acordo com a maioria dos analistas econômicos, a
China destaca-se, pois, este aspecto relevante é o custo baixo:
(A) produção tecnológica.
(B) logística de transporte naval e aéreo.
(C) abundância de recursos naturais.
(D) incentivos Fiscais.
(E) mão-de-obra.

190
História
Segundo a Secretaria de Assuntos Estratégicos, da Presidência da República,
atualmente apontou que o custo do trabalho na China subiu em média 140% entre
2002 e 2008, quando entrou em vigor a atual legislação trabalhista chinesa. A hora
trabalhada no país passou a custar US$ 1,36. No entanto, o valor ainda é 23 vezes
inferior ao pago nos Estados Unidos e seis vezes menor que o registrado no Brasil.
Para o professor da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade (FEA/
USP), um dos autores do Livro “Competitividade Industrial Chinesa”, Gilmar
Masiero, o principal impacto do aumento do custo da mão de obra na China é a
retomada da competitividade de outros países. Fonte: http://www.sae.gov.br/
site/?p=13015#ixzz36IktFx87

RESPOSTA: “E”.

292. Comissão instituída pela Presidente Dilma Rousseff, em 2011, com a


finalidade de investigar violações aos Direitos Humanos consideradas graves e
ocorridas entre 1946 e 1988 no Brasil. O nome desta Comissão é:
(A) Comissão de Direitos humanos.
(B) Comissão de Assuntos Estratégicos.
(C) Comissão de Anistia aos Torturados.
(D) Comissão Nacional da Verdade.
(E) Comissão Nacional da Vergonha.

A Comissão Nacional da Verdade foi criada pela Lei 12528/2011 e instituída em


16 de maio de 2012. A CNV tem por finalidade apurar graves violações de Direitos
Humanos ocorridas entre 18 de setembro de 1946 e 5 de outubro de 1988.

RESPOSTA: “D”.

293. Desde os anos 1960, manifestações populares importantes ocuparam a


cena política brasileira, exigindo garantias para o exercício da democracia. Entre
essas manifestações a que a objetivou à ruptura institucional democrática foi:
(A) A campanha das Diretas-já.
(B) A passeata dos Cem Mil.
(C) A marcha com Deus pela Família e pela Liberdade.
(D) O Comício da Central do Brasil.
(E) Os atos pelo impeachment de Collor.

Segundo o Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do


Brasil (CPDOC) o Movimento surgido em março de 1964 e que consistiu numa série
de manifestações, ou “marchas”, organizadas principalmente por setores do clero e

191
História
por entidades femininas em resposta ao comício realizado no Rio de Janeiro em 13
de março de 1964, durante o qual o presidente João Goulart anunciou seu programa
de reformas de base. Congregou segmentos da classe média, temerosos do “perigo
comunista” e favoráveis à deposição do presidente da República.

RESPOSTA: “C”.

294. Seleção de futebol que em 1974, foi apelidada de “Laranja mecânica”,


devido a sua tática de jogo. Este nome carinhosamente foi dado, em homenagem
ao clássico filme de Stanley Kubrick, sucesso cinematográfico da época. Esta
seleção que participa da Copa de 2014 no Brasil é a seleção da (do):
(A) Holanda.
(B) Uruguai.
(C) Argentina.
(D) Suíça.
(E) Alemanha.

A campanha desta seleção na Copa do Mundo de 1974 foi histórica: em sete jogos,
cinco vitórias, um empate e uma derrota. A derrota, inclusive, tirou o título das mãos
dos Países Baixos, pois foi na final contra os alemães ocidentais (2-1, de virada, para
os donos da casa). Apesar de não ter sido a grande campeã, encantou o mundo com
uma maneira dinâmica de jogar futebol, onde os jogadores não guardavam posições e
faziam a bola passar de pé em pé até chegar ao golo adversário. Esta tática, considerada
revolucionária, foi denominada de “carrossel” e acabou apelidando carinhosamente a
seleção da Holanda de Laranja Mecânica, em homenagem ao clássico filme de Stanley
Kubrick e sucesso cinematográfico da época.

RESPOSTA: “A”.

295. Após o golpe civil-militar de 1964, foi criado o bipartidarismo, ainda


no Governo de Castelo Branco. Os partidos eram, respectivamente:
(A) PDS e PMDB.
(B) MDB e ARENA.
(C) PDS e UDN.
(D) PTB e PCB.
(E) MDB e PCB.

Após o golpe Civil-Militar de 1964, tomou posse como presidente do Brasil,


o General Castelo Branco, o qual, dentre as medidas política tomas, foi extinção
dos antigos partidos políticos (UDN, PSD, PTB, entre outros), resultando no

192
História
bipartidarismo, ou seja, a criação de dois partidos, sendo que do lado da oposição
denominou-se Movimento Democrático Brasileiro, cuja sigla era MDB e da situação
denominou-se Aliança Renovadora Nacional, cuja sigla era ARENA.

RESPOSTA: “B”.

296. Lei resultante de ampla mobilização popular e aprovado pelo


Congresso em 2010, a qual será pela primeira vez aplicada integralmente, na
eleição geral de 2014, com a finalidade de afastar da possibilidade de eleição em
cargo público:
(A) Lei Kandir.
(B) Lei de Responsabilidade Fiscal.
(C) Lei de Improbidade Administrativa.
(D) Lei da Ficha Limpa.
(E) Lei de Diretrizes e Bases.

Resultado de ampla mobilização popular e aprovada pelo Congresso Nacional


em 2010, a Lei da Ficha Limpa (Lei Complementar nº 135/2010) será pela primeira
vez aplicada em uma eleição geral, a de 2014. A Lei da Ficha Limpa foi sancionada
no dia 4 de junho de 2010 e fortaleceu as punições aos cidadãos e candidatos que
burlaram a lisura e a ética das eleições ou que tenham contra si determinadas
condenações na esfera eleitoral, administrativa ou criminal. A lei dispõe de 14
hipóteses de inelegibilidades que sujeitam aqueles que nelas se enquadram a oito
anos de afastamento das urnas como candidatos. A proposta foi aprovada pelo
Congresso Nacional após receber as assinaturas de 1,3 milhão de brasileiros em
apoio às novas regras.

RESPOSTA: “B”.

297. Legislação que regulamentou a aplicação do ICMS, a qual devido


a várias disputas entre os Estados, sofreu alteração, ocasião em que os
governadores negociem com o Governo Federal o montante de verba a ser
repassada, devido a renúncia fiscal, mediante recursos alocados no orçamento
geral da União. A legislação que regulamentou a aplicação do ICMS é a:
(A) Lei Kandir.
(B) Lei de Responsabilidade Fiscal.
(C) Lei de Improbidade Administrativa.
(D) Lei da Ficha Limpa.
(E) Lei de Diretrizes e Bases.

193
História
A Lei Kandir regulamentou a aplicação do Imposto sobre Operações Relativas
à Circulação de Mercadorias e Prestações de Serviços de Transporte Interestadual,
Intermunicipal e de Comunicação (ICMS). Feita pelo então ministro do Planejamento
Antônio Kandir, transformou-se na Lei Complementar 87/96, que já foi alterada por
várias outras leis complementares. Uma das normas da Lei Kandir é a isenção do
pagamento de ICMS sobre as exportações de produtos primários e semielaborados ou
serviços. Por esse motivo, a lei sempre provocou polêmica entre os governadores de
estados exportadores, que alegam perda de arrecadação devido à isenção do imposto
nesses produtos. Até 2003, a Lei Kandir garantiu aos estados o repasse de valores a
título de compensação pelas perdas decorrentes da isenção de ICMS, mas, a partir
de 2004, a Lei Complementar 115, uma das Leis que alterou essa legislação, embora
mantendo o direito de repasse, deixou de fixar o valor. Com isso, os governadores
precisam negociar a cada ano com o Executivo o montante a ser repassado, mediante
recursos alocados no orçamento geral da União.

RESPOSTA: “A”.

298. Em novembro de 2007, o governo brasileiro anunciou a descoberta de


uma importante reserva. O produto a ser explorado é:
(A) ferro.
(B) manganês.
(C) carvão.
(D) gás natural.
(E) petróleo.

Em 2007 a Petrobrás anunciou a descoberta de petróleo na camada denominada


pré-sal, que posteriormente verificou-se ser um grande campo petrolífero,
estendendo-se ao longo de 800 km na costa brasileira, do estado do Espírito Santo
ao de Santa Catarina, abaixo de espessa camada de sal (rocha salina) e englobando
as bacias sedimentares do Espírito Santo, de Campos e de Santos. 

RESPOSTA: “E”.

299. (PM/JOÃO PESSOA-PB – HISTÓRIA – FGV/2013) A bandeira do


Estado da Paraíba é composta por duas faixas verticais, uma preta e outra
vermelha, e nesta última está escrito “NEGO” (verbo negar, presente do
indicativo, primeira pessoa do singular).

194
História

Neste caso, o termo “NEGO” se refere


(A) à refutação do domínio monárquico luso sobre o Brasil, por ocasião da
insurreição paraibana de 1817, que antecipa a independência do país e quer
proclamar uma república.
(B) ao movimento Quebra-Quilos, que eclodiu na paraíba em função da
negativa dos nordestinos de custear as despesas da Guerra do Paraguai por
meio do aumento dos impostos.
(C) à negativa de Epitácio Pessoa de participar do sistema político do café
com leite, que revezava candidatos do centro-sul na sucessão presidencial.
(D) à recusa do então Presidente do Estado da Paraíba, João Pessoa, de
apoiar a candidatura do sucessor para a presidência do Brasil indicado por
Washington Luís.
(E) ao veto liderado pela Paraíba em relação à intervenção do governo
federal na região por meio da criação da SUDENE, e apoiado por outros
Estados do Nordeste.

A atual bandeira do estado, conhecida como Bandeira do Nego, foi adotada em


1930, após uma bandeira que vigorou entre 1907 e 1922. Um terço dela está na cor
preta, representando os dias de luto que vigoraram no estado após o assassinato de
João Pessoa em Recife, ano de 1930, e os dois terços restantes na cor vermelha,
representando a Aliança Liberal, que adotou a bandeira rubro-negra em 25 de
setembro de 1930. No meio da parte vermelha, há a inscrição “NEGO”, na cor
branca e em letras maiúsculas, que é a conjugação do verbo “negar” no presente do
indicativo da primeira pessoa do singular e representa a não aceitação do sucessor à
presidência da república indicado pelo presidente brasileiro da época, Washington
Luís. Quando da adoção da bandeira, o vocábulo era escrito com um acento agudo
na letra E (NÉGO). Em 26 de julho de 1965, o Decreto Estadual n° 3.919 oficializou
a bandeira rubro-negra como a bandeira estadual, vigorando até os dias de hoje.

RESPOSTA: “D”.

195
História
300. (PM/JOÃO PESSOA-PB – HISTÓRIA – FGV/2013) A respeito da foto
abaixo, analise as afirmativas a seguir:

(Passeata dos Cem Mil, Rio de Janeiro, 1968)

I. Os manifestantes exigem ampliação dos direitos civis para todos os


membros da sociedade, independentemente de sua raça, cor ou condição social.
II. Os integrantes da passeata protestam contra a ditadura militar e o
controle da opinião pública, em nome dos direitos civis e políticos.
III. A Luta contra a censura é uma crítica ao populismo que dificulta a
liberdade de expressão, de associação e de consciência, ao estabelecer o controle
do Estado sobre a educação e os sindicatos.
(A) se somente a afirmativa I estiver correta.
(B) se somente a afirmativa II estiver correta.
(C) se somente a afirmativa III estiver correta.
(D) se somente as afirmativas I e II estiverem corretas.
(E) se todas as afirmativas estiverem corretas.

No dia 26 de junho de 1968, cerca de cem mil pessoas ocuparam as ruas do


centro do Rio de Janeiro, realizando o mais importante protesto contra a ditadura
militar até então. A manifestação, iniciada a partir de um ato político na Cinelândia,
pretendia cobrar uma postura do governo frente aos problemas estudantis e, ao
mesmo tempo, refletia o descontentamento crescente com o governo por causa do
controle da opinião pública pelo Estado e, em nome dos direitos civis e políticos.
Desta manifestação participaram também intelectuais, artistas, padres e grande
número de mães.

RESPOSTA: “B”.

196
História
301. (PM/JOÃO PESSOA-PB – HISTÓRIA – FGV/2013) As alternativas
a seguir apresentam características dos processos de abolição nas Américas,
considerados em uma perspectiva transnacional, à exceção de uma. Assinale-a.
(A) O Haiti foi o primeiro país a proibir a escravidão em 1794, mas a sua
legislação abolicionista foi revogada por Napoleão em 1802.
(B) Em 1807, o parlamento da Inglaterra aprovou o Ato para a Abolição
do Comércio de Escravos, abolindo o tráfico de escravos par as suas colônias.
(C) Em 1831, o Brasil assinou um tratado com a Grã-Bretanha, passando a
considerar ilegal o tráfico atlântico de escravos.
(D) Nos Estados Unidos o processo de emancipação aconteceu primeiro
em 1763, quando o então presidente Abraham Lincoln abole a escravidão nos
estados do sul.
(E) Em 1870, nas colônias espanholas de Cuba e Porto Rico, e, em 1871, no
Império do Brasil, foram adotadas as primeiras leis abolicionistas.

As primeiras leis de restrição da escravidão em Cuba, Porto Rico e brasil, foram


posteriores ao ano de 1870. Em 1886, ocorreu a abolição da escravidão em Cuba. Foi
o penúltimo país americano a abolir a escravidão, atrás apenas do Brasil, que aboliu a
escravidão em 1888. A abolição na colônia espanhola de Porto Rico foi declarada em 1873.

RESPOSTA: “E”.

302. (PM/JOÃO PESSOA-PB – HISTÓRIA – FGV/2013) [...] Brasileiros!


salta aos olhos a negra perfídia, são patentes os reiterados perjuros do imperador,
e está conhecida nossa ilusão ou engano em adotarmos um sistema de governo
defeituoso em sua origem, e mais defeituoso em suas partes componentes. As
constituições, as leis e todas as instituições humanas são feitas para os povos e
não os povos para elas.
[...] Segui, ó brasileiros, o exemplo dos bravos habitantes da zona tórrida,
vossos irmãos, vossos amigos, vossos compatriotas; imitai os valentes de seis
províncias do norte que vão estabelecer seu governo debaixo do melhor de
todos os sistemas - representativo; um centro em lugar escolhido pelos votos
dos nossos representantes dará vitalidade e movimento a todo nosso grande
corpo social. Cada Estado terá eu respectivo centro, e cada um destes centros,
formando um anel da grande cadeia, nos tomará invencíveis.
Brasileiros! Pequenas considerações só devem estorvar pequenas almas;
o momento é este, salvemos a honra, a pátria e a liberdade, soltando o grito
festivo - Viva a Confederação do Equador!
(Manoel de Carvalho Paes de Andrade, Presidente http://www.dhnet.org.
br/direitos/anthistbr/imperio/conf_equador.htm)

197
História
As alternativas a seguir se referem corretamente ao ideário político dos
confederados de 1824, contido no trecho citado do Manifesto de Proclamação
da Confederação do Equador, à exceção de uma. Assinale-a.
(A) O Manifesto veicula a ideia liberal de nação como fruto da livre escolha
“dos povos”, de quem emana o direito natural de governar a si mesmo.
(B) O Manifesto convida a imitar “os valentes de seis províncias do Norte”,
referindo-se aos revolucionários do Ceará, Alagoas, Rio Grande do norte,
Maranhão, Paraíba e Bahia.
(C) O Manifesto é dirigido ao povo do Rio de Janeiro e à Corte, para que
adiram às “luzes” e à república proclamada no Norte, opondo-se ao projeto
recolonizador dos portugueses.
(D) Os confederados aludem ao “sistema americano” para referir-se à
forma republicana de governo, que adotam, provisoriamente, inspirando-se na
Constituição da Colômbia, uma república desde 1819.
(E) O “anel da grande cadeia”, que “nos tornará invencíveis” é uma
referência ao ideal federativo que impulsionava o movimento e oferecia um
modelo alternativo ao centralismo imperial.

O Manifesto escrito em 2 de julho de 1824 foi dirigido a todo o povo brasileiro


para que adiram ao sistema republicano de governo. O manifesto veicula a ideia liberal
de nação como fruto da livre escolha “dos povos”, neste caso a Nação Brasileira,
a qual foi concebida nos escritos de Frei Caneca. Segundo a concepção destes
revolucionários, a autodeterminação dos povos é um direito natural de governar a si
mesmo. Eles sugeriam que o ideal federativo impulsionava o movimento e oferecia
um modelo alternativo ao centralismo imperial.

RESPOSTA: “C”.

303. (PM/JOÃO PESSOA-PB – HISTÓRIA – FGV/2013) As reformas


pombalinas (1750-1777) representaram um esforço de modernização da
administração e da economia do império luso. Assinale alternativa que identifica
corretamente uma das medidas dessas reformas e seu objetivo.
(A) Proibição da escravidão indígena, com o objetivo de disponibilizar mão
de obra para as manufaturas urbanas.
(B) Criação de Companhias de Comércio, com o objetivo de flexibilizar o
pacto colonial, concedendo liberdade de comércio à colônia.
(C) Expulsão da Companhia de Jesus do império português, com o
objetivo de afirmar a supremacia do Estado em relação aos tribunais e demais
instituições eclesiásticas.

198
História
(D) Transferência da capital, de Salvador para o Rio de Janeiro, com o
objetivo de eliminar as rotas do contrabando do ouro para a região do Prata.
(E) Incentivo à instalação de manufaturas, com o objetivo de fortalecer o
mercado interno, em concorrência com a produção das colônias espanholas da
América.

Durante o século XVIII o Brasil foi o cenário de uma luta entre duas grandes
forças: a igreja e o governo. Os jesuítas chegaram ao país em 1549, mais precisamente
em Salvador (cidade fundada com ajuda deles), na Bahia, através da expedição de
Tomé de Souza. Além de catequizar os índios, os jesuítas construíram colégios
que iam do Ceará a Santa Catarina e foram muitos que deram o seu sangue pelos
colégios, por Portugal e pelos indígenas. Com o decorrer do tempo a influência dos
jesuítas ia crescendo e eles passaram a ter uma certa independência em relação ao
Estado e até da própria igreja. Somando com isso, é importante também entender que
com a entrada do século XVIII, a Europa passou a contar com uma teoria política
que vai contra o iluminismo, conhecida como Absolutismo que pregava que uma
pessoa deve ter o poder absoluto (judicial, legislativo e religioso). Até então a igreja
era muito poderosa, Portugal passou então a pregar três medidas. O Despotismo
Esclarecido, ou seja acreditava-se no direito divino do rei; o Regalismo onde o chefe
do estado podia interferir em assuntos internos da igreja e o Beneplácito Régio onde
a igreja tinha que contar com a aprovação do monarca. Era o Marquês de Pombal
o representante do Despotismo Esclarecido e o ministro do reino de Portugal. O
Marquês realizou a conhecida “Reforma Pombalina” que tinha como intenção
transformar Portugal numa metrópole capitalista, assim como outros países europeus
já capitalizados, com o objetivo de afirmar a supremacia do Estado em relação aos
tribunais e demais instituições eclesiásticas.

RESPOSTA: “C”.

304. (PM/ARAQUARA-SP – HISTÓRIA – CETRO/2013) Sobre o Segundo


Reinado, no Brasil do século XIX, marque V para verdadeiro ou F para falso e,
em seguida, assinale a alternativa que apresenta a sequência correta.
( ) Entre os resultados da Guerra do Paraguai, para o Brasil, pode-se
mencionar o endividamento com a Inglaterra e o fortalecimento do Exército.
( ) O fortalecimento do Exército, após a Guerra do Paraguai, serviu à
restauração da influência do governo imperial outrora em crise.
( ) Ao final do século XIX, a causa abolicionista angariou adeptos de
diferentes setores sociais, apesar de grande e unânime oposição por parte dos
conservadores.

199
História
(A) V/V/F
(B) V/V/V
(C) V/F/F
(D) F/F/F
(E) F/V/V

A Guerra do Paraguai ocorreu no período de 1864 a 1870. Houve massiva


participação de escravos que foram oferecidos no alistamento, no lugar dos
filhos da oligarquia. Os soldados brasileiros sofreram muito no conflito. O apoio
prestado pelo Imperador aos militares em Guerra fora duramente criticado pelos
militares, notadamente Caxias e Benjamim Constant. Cabe destacar, que apesar das
deficiências de logística da Guerra o Exército conquistou a Vitória, saindo fortalecido.
A convivência com os escravos contribuiu no surgimento de um sentimento de
solidariedade para com os negros. Após o retorno da Guerra, o Exército iniciou
um movimento contrário ao Império, principalmente, pois a ala conservadora da
oligarquia queria desmobilizá-lo, em favor da Guarda Nacional, a qual era o braço
armado da oligarquia em cada Estado. O último apoio político da coroa, provinha da
oligarquia escravocrata que não queria o fim da escravidão. Desse modo, D. Pedro
II foi se desgastando politicamente, culminando na República em 1889 devido
aos diversos pontos divergentes, e, principalmente por causa do fim da escravidão
decretada em 1888.

RESPOSTA: “C”.

305. (PM/ARAQUARA-SP – HISTÓRIA – CETRO/2013) Sobre o governo


de Fernando Collor de Mello, é correto afirmar que
I. buscou a ampliação do funcionalismo público dentro de estritos critérios
qualitativos.
II. foi responsável por uma tentativa de modernização do Brasil e pela
privatização de empresas estatais.
III. apesar de acusações de corrupção e de posteriormente ter sido
considerado culpado, Collor contava com amplo apoio da maioria do Congresso
e da elite econômica.
É correto o que está contido em
(A) I, II e III
(B) II, apenas
(C) II e III, apenas
(D) III, apenas
(E) I e II, apenas

200
História
O Governo de Fernando Collor de Mello durou de 15 de março de 1990 a 2
de outubro de 1992, encerrado após aprovação de seu impeachment. As medidas
de Collor para a economia incluíram ações de impacto como: redução da máquina
administrativa com a extinção ou fusão de ministérios e órgãos públicos, demissão
de funcionários públicos e o congelamento de preços e salários. Um dos pontos
importantes do plano previa o confisco dos depósitos bancários superiores a Cr$
50.000,00 (cinquenta mil cruzeiros) por um prazo de dezoito meses visando reduzir
a quantidade de moeda em circulação, além de alterações no cálculo da correção
monetária e no funcionamento das aplicações financeiras. Mesmo sendo o confisco
bancário um flagrante desrespeito ao direito constitucional de propriedade o plano
econômico conduzido pela Ministra da Economia Zélia Cardoso de Mello foi
aprovado pelo Congresso Nacional em questão de poucos dias. Oriundo de um
estado politicamente pouco influente e filiado a uma legenda de pouca tradição
política, Collor sentiu a necessidade de compor uma base de sustentação capaz de
permitir a implementação de seu programa de governo, ainda que ele próprio não
fosse afeito a ciceronear os parlamentares em seus contatos políticos com vistas a
aprovar os projetos de seu interesse. Tal aversão criou um distanciamento entre o
chefe do executivo e a maioria dos parlamentares que lhe hipotecavam apoio, mas
em regra seu governo contava com o suporte de políticos do PFL, PDS, PTB, PL, de
partidos conservadores de menor vulto e dissidentes ocasionais.

RESPOSTA: “B”.

306. (PM/ARAQUARA-SP – HISTÓRIA – CETRO/2013) Sobre o primeiro


governo Vargas (1930-1945), analise as assertivas abaixo.
I. Getúlio Vargas utilizou-se dos chamados “Tenentes” para tentar suprimir
o poder regional das oligarquias paulista e nordestina.
II. O período do primeiro governo Vargas caracterizou-se por um processo
eleitoral aberto e pela presença de variados e fortes partidos em âmbito nacional.
III. Partidos de grande destaque em nível nacional, o Partido Comunista e
os Integralistas protagonizaram diversos enfrentamentos, muitos deles com o
emprego de violência, ao longo dos anos 30.
É correto o que se afirma em:
(A) I, II e III.
(B) I e II, apenas.
(C) II e III, apenas.
(D) III, apenas.
(E) I e III, apenas.

201
História
Getúlio Vargas pediu o apoio dos Tenentes que participaram da Coluna Prestes
na década de 1920 para apoiá-lo na Revolução de 1930, no intuito de combater a
política dos governadores, que privilegiava as oligarquias mineira e paulista e o
voto de “cabresto”. Vargas nomeando-os interventores nos Estados do Brasil, com a
finalidade de subordinar às oligarquias ao seu projeto de poder tinha como objetivo
coagir as lideranças regionais. João Alberto, um dos tenentes revolucionário, foi
nomeado interventor em São Paulo. Ele não conseguiu cooptar a oligarquia paulista
para a causa de Vargas, pois, a fração de classe que apoiara Getúlio Vargas percebeu
que Vargas estava dando um golpe para se perpetuar no poder. Consequentemente,
em 1932, aconteceu o conflito da Revolução Constitucionalista, em 09/07/1932, a
qual reivindicava o retorno das garantias constitucionais e o voto secreto e direto. Em
1934, Vargas dera a impressão de abertura política, promulgando nova Constituição,
prevendo as eleições diretas, o voto secreto e a ampliação dos direitos políticos às
mulheres. Contudo, devido a articulação do movimento Comunista, realizada por
Luís Carlos Prestes, líder revolucionário tenente que transformou-se em comunista,
em 1935, por meio da Aliança Nacional Libertadora deflagra uma quartelada.
Devido a este fato e a ascensão do movimento ultra nacionalista Integralista que
se posicionava radicalmente, entrando em conflito direto com os comunistas,
possibilitou que Vargas determinasse um golpe dentro do golpe, outorgando a
Constituição de 1937, denominada de “polaca”. Esta constituição ganhou este
apelido, porque tinha características repressoras da Constituição polonesa. Getúlio
permaneceu no poder até 1945, quando foi deposto pelos militares, com o intuito de
restaurar a democracia.

RESPOSTA: “E”.

307. (PM/ARAQUARA-SP – HISTÓRIA – CETRO/2013) A respeito do


Regime Militar no Brasil, analise as assertivas abaixo.
I. Após a instauração do golpe militar de 1964, objetivou-se, através do AI-
1, o reforço do poder Executivo em detrimento do campo de ação do Congresso.
II. Alguns membros da hierarquia eclesiástica se opuseram ao governo dos
militares, com destaque para a região Nordeste, por meio da atuação de Dom
Hélder Câmara (arcebispo de Olinda e Recife).
III. O período chamado “milagre brasileiro” combinou com um considerável
crescimento econômico com Taxas razoavelmente baixas de inflação. Neste
mesmo período, ocorreu uma diminuição do investimento do capital estrangeiro
em favor do fortalecimento da indústria local.

202
História
É correto o que se afirma em:
(A) I, II e III.
(B) I, apenas.
(C) III, apenas.
(D) I e III, apenas.
(E) I e II, apenas.

Após o início do golpe Civil-Militar em 31 de março de 1964, por meio do AI-1,


reforçou o poder Executivo em detrimento do campo de ação do Congresso. Neste
ato ficaram suspensos por dez anos os direitos políticos de todos os cidadãos vistos
como opositores ao regime, dentre eles congressistas, militares e governadores.
Dentre as medidas política tomadas, determinou, também, a extinção dos antigos
partidos políticos (UDN, PSD, PTB, entre outros), resultando no bipartidarismo,
ou seja, a criação de dois partidos, sendo que do lado da oposição denominou-se
Movimento Democrático Brasileiro, cuja sigla era MDB e da situação denominou-
se Aliança Renovadora Nacional, cuja sigla era ARENA. No Item II, o examinador
coloca em destaque uma figura importante, durante a Ditadura Militar. Dom Hélder
Câmara, aos 55 anos, foi nomeado Arcebispo de Olinda e Recife. Assumiu a
Arquidiocese, em 12 de março de 1964, permanecendo neste cargo durante vinte
anos. Na época em que tomou posse como Arcebispo em Pernambuco, o Brasil
encontrava-se em pleno domínio da ditadura militar. Momento político este, que o
tornou um líder contra o autoritarismo e os abusos aos direitos humanos, praticado
pelos militares. Desempenhou inúmeras funções, principalmente em Organizações
não Governamentais, movimentos estudantis e operários, ligas comunitárias contra
a fome e a miséria. Como sacerdote representante da Igreja Católica, Dom Helder
pôde levantar a sua voz em defesa da comunidade sem vez e sem voz na escala social.
Teve como ideário nas suas pregações a luta pela fé cristã e a caridade aos pobres
e oprimidos. Paralelamente às atividades religiosas, Dom Helder criou projetos e
organizações pastorais, destinadas a atender às comunidades do Nordeste, que
viviam em situação de miséria. Devido a sua atuação política e social, sua pregação
libertadora em defesa dos mais pobres, seja pela denúncia da exploração dos países
subdesenvolvidos, ou pela sua pastoral religiosa em prol da valorização dos pobres
e leigos, foi chamado de comunista, e passou a sofrer retaliações e perseguições por
parte das autoridades militares. Foi impedido de ter acesso aos meios de comunicação
de massa e de divulgar suas mensagens durante todo o período ditatorial. No Item
III, o examinador faz uma pegadinha, para confundir o candidato, destacando o
período denominado como “milagre econômico”. Milagre econômico brasileiro
foi realizado durante o Regime Militar no Brasil, entre 1969 e 1973. O termo
“milagre” está relacionado com o rápido e excepcional crescimento econômico pelo
qual passou o Brasil neste período. Nesse período do desenvolvimento brasileiro,

203
História
a taxa de crescimento do PIB saltou de 9,8% a.a. em 1968 para 14% a.a. em 1973,
porém, ao contrário do que afirma no Item III, da questão acima, a inflação não foi
controlada, passando de 19,46% em 1968, para 34,55% em 1974. Paradoxalmente
aos investimentos para alavancar a economia, houve aumento da concentração
de renda e da pobreza. Este crescimento foi alavancado pelo PAEG (Programa
de Ação Econômica do Governo) implantado em 1964, durante o governo de
Castelo Branco. O desenvolvimento econômico foi bancado, principalmente, com
empréstimos no exterior. Esta dívida prejudicou o desenvolvimento do Brasil nos
anos futuros, pois criou uma dependência com relação aos credores e ao FMI
(Fundo Monetário Internacional), além de comprometer uma significativa fatia do
orçamento para pagamento de juros da dívida. O crescimento econômico brasileiro
começou a diminuir a partir de 1974, com uma crise mundial provocada pelo
“choque do petróleo”. O elevado aumento no preço do petróleo no mercado mundial
afetou diretamente a economia brasileira. Os combustíveis derivados do petróleo
aumentaram muito, elevando ainda mais a inflação.

RESPOSTA: “E”.

308. (UNESP – ASSISTENTE OPERACIONAL II – VUNESP/2013) Dilma


Rousseff deve colocar na pauta as denúncias de que um país estaria espionando
suas comunicações. A presidente suspendeu a viagem que faria em outubro
de 2013, em um indício de que não pretende se encontrar com o presidente
daquele país. O governo brasileiro quer um pedido de desculpas formal e por
escrito e ameaça suspender acordos com o país. (http://rederecord.r7.com/
video/crise-diplomatica-dilma-da-indicio-de-que-deve-suspender-viagem-
522879600cf208c65704afab. Adaptado)
Assinale a alternativa que identifica o país que estaria espionando o Brasil.
(A) França.
(B) Alemanha.
(C) Canadá.
(D) Itália.
(E) Estados Unidos

Em São Petesburgo, na Rússia, para o encontro do G-20, Dilma Rousseff deve


colocar na pauta as denúncias de que os Estados Unidos estariam espionando suas
comunicações. A presidente suspendeu a viagem da equipe que iria aos EUA para
preparar a viagem dela em outubro, em um indício de que pode não se encontrar
com Barack Obama. O governo brasileiro quer um pedido de desculpas formal e por
escrito e ameaça suspender acordos com o país.

RESPOSTA: “E”.

204
História
309. (UNESP – ASSISTENTE OPERACIONAL II – VUNESP/2013) O
Banco Central (BC) vai continuar trabalhando para que a preocupação da
população com a inflação seja aliviada e, ao longo do tempo, desapareça. O BC
reconhece que a inflação está alta, embora não esteja fora de controle. (http://
agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2013-06-27/banco-central-atua-para-aliviar-
preocupacao-com-inflacao)
Uma das ações do Banco Central para conter a inflação é
(A) aumentar a taxa de juros (SELIC).
(B) aumentar as exportações de manufaturados.
(C) conter as importações de supérfluos.
(D) pedir empréstimos ao FMI (Fundo Monetário Internacional).
(E) diminuir a quantidade de dinheiro em circução.

O Banco Central, com o intuito de controlar a atividade econômica no Brasil,


utiliza como um dos instrumentos possíveis a elevação da taxa básica de juros (Selic)
para conter a inflação. Esta ação que leva tempo para gerar efeitos na economia,
será utilizada em 2014, segundo noticiado, no link acima, descrito no enunciado
da questão. De acordo com o Relatório de Inflação, divulgado na notícia acima, a
inflação deve encerrar o ano de 2013 em 6% e no ano de 2014, a previsão é de que a
inflação gire em torno de 5,4%.

RESPOSTA: “A”.

310. (UNESP – ASSISTENTE OPERACIONAL II – VUNESP/2013)


No final de setembro de 2013, foram divulgados os dados da Pnad (Pesquisa
Nacional de Amostra de Domicílios). Entre os resultados da pesquisa, um deles
é preocupante. Trata-se do (a)
(A) aumento da taxa de mortalidade infantil nas grandes cidades.
(B) crescimento do desemprego, calculado em torno de 25%.
(C) aumento da taxa de analfabetismo entre 2011 e 2012.
(D) redução do número de internautas que era mais alto em 2012.
(E) diminuição de alunos nas universidades públicas brasileiras.

A Pesquisa Nacional de Amostra de Domicílios – Pnad obtém informações


anuais sobre características demográficas e socioeconômicas da população, como
sexo, idade, educação, trabalho e rendimento, e características dos domicílios, e,
com periodicidade variável, informações sobre migração, fecundidade, nupcialidade,
entre outras, tendo como unidade de coleta os domicílios. Em 2013, foi identificado
um aumento na taxa de analfabetismo entre os anos de 2011 e 2012. Como exemplo,
no grupo de pessoas de 15 anos ou mais no Brasil em geral, a taxa subiu de 8,6%

205
História
da população em 2011 para 8,7%. Esse aumento foi determinado pelo aumento do
analfabetismo na região Centro Oeste (6,3% para 6,7%) e região Nordestes (16,9%
para 17,4%), segundo o estudo.

RESPOSTA: “C”.

311. (UNESP – ASSISTENTE OPERACIONAL II – VUNESP/2013) O


polêmico Programa foi criado pelo governo federal para promover a melhoria
do atendimento aos usuários do Sistema Único de Saúde, que prevê investimento
em infraestrutura dos hospitais e unidades de saúde, além de levar médicos
para regiões onde não existem esses profissionais.
O Programa denomina-se
(A) Mais Saúde.
(B) Atendimento de Saúde.
(C) Saúde para todos.
(D) Mais Médicos.
(E) Médicos para todos.

Segundo o Ministério da Saúde, O Programa Mais Médicos faz parte de um


amplo pacto de melhoria do atendimento aos usuários do Sistema Único de Saúde,
que prevê mais investimentos em infraestrutura dos hospitais e unidades de saúde,
além de levar mais médicos para regiões onde há escassez e ausência de profissionais.
A polêmica deste programa está em incentivar a vinda de médicos estrangeiros para
o exercício da medicina no Brasil, onde médicos brasileiros não tem interesse de
atuar, devido à falta de infraestrutura nestes locais.

RESPOSTA: “D”.

312. (UNESP – ASSISTENTE OPERACIONAL II – VUNESP/2013)


Nomeado pela presidente Dilma Rousseff no início do mandato, deixou o
Ministério das Relações Exteriores após reunião com a presidente na noite desta
segunda--feira (26/08/2013). Ele passará a ser o novo representante do Brasil
nas Nações Unidas. O motivo da demissão foi o episódio do senador boliviano
Roger Pinto Molina, que estava asilado havia um ano na embaixada brasileira
em La Paz e foi trazido para o Brasil em um carro oficial brasileiro, embora não
tivesse autorização do governo boliviano para deixar o país. (http://g1.globo.
com/politica/noticia/2013/08/veja-o-perfil-de __ -que-deixou-o-governo-dilma.
html)

206
História
Trata-se do ministro
(A) Luis Alberto Figueiredo.
(B) Celso Amorim.
(C) José Eduardo Cardozo.
(D) Gilberto Carvalho.
(E) Antônio Patriota.

O Ministro Antônio Patriota foi demitido do Ministério das Relações Exteriores,


sendo substituído pelo no ministro, Luiz Alberto Ferreira, pelo episódio do senador
boliviano Roger Pinto Molina, que estava asilado havia um ano na embaixada
brasileira em La Paz, o qual foi trazido para o Brasil em um carro oficial brasileiro,
embora não tivesse autorização do governo boliviano para deixar o país.

RESPOSTA: “E”.

313. (UNESP – VESTIBULAR – VUNESP/2013) A proclamação da


República não é um ato fortuito, nem obra do acaso, como chegaram a insinuar
os monarquistas; não é tampouco o fruto inesperado de uma parada militar. Os
militares não foram meros instrumentos dos civis, nem foi um ato de indisciplina
que os levou a liderar o movimento da manhã de 15 de novembro, como tem
sido dito às vezes. Alguns deles tinham sólidas convicções republicanas e já
vinham conspirando há algum tempo [...]. Imbuídos de ideias republicanas,
estavam convencidos de que resolveriam os problemas brasileiros liquidando
a Monarquia e instalando a República. (Emília Viotti da Costa. Da monarquia
à república, 1987.)
O texto identifica a proclamação da República como resultado
(A) da unidade dos militares, que agiram de forma coerente e constante na
luta contra o poder civil que prevalecia durante o Império.
(B) da fragilidade do comando exercido pelo Imperador frente às rebeliões
republicanas que agitaram o país nas últimas décadas do Império.
(C) de um projeto militar de assumir o comando do Estado brasileiro e
implantar uma ditadura armada, afastando os civis da vida política.
(D) da disseminação de ideais republicanos e salvacionistas nos meios
militares, que articularam a ação de derrubada da Monarquia.
(E) de uma conspiração de civis, que recorreram aos militares para
derrubar a Monarquia e assumir o controle do Estado brasileiro.

A Guerra contra o Paraguai, no aspecto da solidariedade dos militares para a


causa da abolição da escravidão e a construção do sentimento nacionalista devido as
ingerências do Imperador gerou insatisfação na caserna. Contribuiu para aprofundar

207
História
a crise do Império a disseminação das correntes liberais, republicanas e positivistas
na sociedade, permeando, também os militares, já insatisfeitos com os rumos
políticos do país. O último apoio do Imperador estava constituído na oligarquia
escravocrata que após à abolição da escravidão em 1888. Portanto, a partir deste
contexto, permitiu-se que fosse articulada a ação de derrubada da Monarquia, com a
consequente proclamação da República a partir de 1889.

RESPOSTA: “D”.

314. (UNESP – VESTIBULAR – VUNESP/2013) Analise o cartaz da


campanha presidencial do Marechal Henrique Teixeira Lott para responder às
questões de números 227 e 228.

O cartaz, que foi empregado na campanha para a Presidência da República


em 1960,
(A) confirma a presença de Vargas como principal articulador da
candidatura de Lott e relembra as dificuldades na construção da nova Capital.
(B) demonstra a aliança do conjunto das classes sociais brasileiras com Lott
e defende a necessidade de unidade política na busca pelo progresso do país.
(C) celebra o desenvolvimentismo dos governos anteriores e alerta para o
risco iminente de golpe militar.
(D) ressalta a aliança partidária construída em torno do nome de Lott e
destaca a continuidade política que sua candidatura representa.
(E) apresenta a candidatura de Lott à presidência como expressão do
populismo e do esforço de incorporar os setores trabalhadores à política.

208
História
Na Obra O demolidor de Presidentes, de Marina Gusmão de Mendonça, 2002,
afirma que apesar das diversas crises, o governo JK se caracterizou como a fase de
maior estabilidade política no período compreendido entre 1945 e 1964. Houve uma
enorme expansão econômica, notadamente desenvolvimentista. O Cartaz ressalta
a aliança partidária construída em torno do nome de Lott e destaca a continuidade
política que sua candidatura representa.

RESPOSTA: “D”.

315. (UNESP – VESTIBULAR – VUNESP/2013) A forma como Juscelino


Kubitschek é representado no cartaz
(A) associa a construção de Brasília ao desbravamento do interior do país e
sugere um projeto de integração nacional.
(B) expressa o esforço para que ele seja aceito pelo eleitorado, que sempre
o rejeitou por ser descendente de imigrantes.
(C) questiona o autoritarismo de seu governo e a impopularidade do projeto
de transferência da Capital para Brasília.
(D) caracteriza a inauguração da nova Capital como estratégia de afastar o
poder federal dos principais centros econômicos do país.
(E) é uma crítica ao arcaísmo de suas ações políticas e uma defesa da
modernização econômica e política do país.

O Cartaz tem um duplo sentido, primeiro considera Juscelino Kubistchek


como alinhado à causa paulista, devido sua vestimenta ser análoga aos bandeirantes
paulistas que desbravaram os interiores do Brasil para a integração nacional. Desse
modo, contribuir para um segundo sentido, de associar a campanha do General Lott
ao seu projeto desenvolvimentista e nacionalista, em contraposição ao candidato para
presidente da UDN (União Democrática Nacional), Jânio Quadros, ex-governador
de São Paulo. A apresentação deste painel articula a imagem do General aos feitos
de JK, com o objetivo de ofuscar o carisma populista de Jânio Quadros. Portanto,
associa a construção de Brasília ao desbravamento do interior do país e sugere um
projeto de integração nacional.

RESPOSTA: “A”.

316. (UNESP – VESTIBULAR – VUNESP/2013) A extração de madeira,


especialmente do pau-brasil, os ciclos do açúcar e café e o desmatamento para
instalação de indústrias são eventos de nossa história que contribuíram para a
degradação desse bioma. (www.eco.ib.usp.br)

209
História
O texto refere-se ao bioma
(A) Mata Atlântica.
(B) Caatinga.
(C) Cerrado.
(D) Pantanal.
(E) Floresta Amazônica.

O texto refere-se à Mata Atlântica, porque o pau-brasil foi coletado, principalmente


no litoral brasileiro. A cana-de-açúcar foi também, produtos principalmente
produzidos nas Capitanias de Pernambuco e São Vicente, particularmente próximos
ao litoral, com a finalidade de facilitar a exportação do produto e finalmente, a
cultura do café, predominante permaneceu no Estado do Rio de Janeiro, na região
do vale do paraíba, migrando, posteriormente para São Paulo, progredindo, com a
construção das ferrovias até o Oeste Paulista e Norte do Estado do Paraná. Todas as
regiões mencionadas acima, predominantemente possuíam Mata Atlântica.

RESPOSTA: “A”.

317. (UNESP – VESTIBULAR – VUNESP/2013) Leia a notícia para


responder às questões de números 234 e 235.
Em dia de maior mobilização, protestos levam mais de 1 milhão de pessoas
às ruas no Brasil. Mais de 1 milhão de pessoas participaram de protestos em
várias cidades do Brasil nesta quinta-feira [20.06.2013]. Os protestos ocorreram
em várias capitais e centenas de cidades nas cinco regiões do país. Ao todo, 388
cidades tiveram manifestações, incluindo 22 capitais. (http://noticias.uol.com.
br. Adaptado.)

Os protestos que tomaram as ruas do Brasil durante o mês de junho de


2013 foram originalmente motivados por problema que aflige grande parte da
população que vive nas grandes cidades do país, a saber,
(A) o aumento do desemprego e a precarização do trabalho.
(B) o alto custo e a má qualidade do sistema público de saúde.
(C) o aumento da violência urbana e o alto custo da segurança pública.
(D) a falta de vagas na educação básica e a precarização do sistema público
de ensino.
(E) o alto custo e a má qualidade do sistema público de transporte.

Os protestos no Brasil em 2013, também conhecidos como Manifestações dos 20


centavos, Manifestações de Junho ou Jornadas de junho, foram várias manifestações
populares por todo o país que inicialmente surgiram para contestar os aumentos

210
História
nas tarifas de transporte público, principalmente nas principais capitais, devido a
precariedade do sistema público de transporte. Foram as maiores mobilizações no
país desde as manifestações pelo impeachment do então presidente Fernando Collor
de Mello em 1992, e chegaram a contar com até 84% de simpatia da população.

RESPOSTA: “E”.

318. (UNESP – VESTIBULAR – VUNESP/2013) Ao se espalharem pelo


território brasileiro, esses protestos evidenciaram características do espaço
geográfico próprias do atual período histórico da globalização. Entre essas
características pode-se mencionar
(A) uma frágil articulação entre os lugares, resultante do uso corporativo
das redes técnicas de comunicação por grandes empresas, o que inviabilizou a
ocorrência de manifestações simultâneas pelo país.
(B) uma estreita articulação entre os lugares, possibilitada pela presença de
redes técnicas de comunicação que, por sua vez, viabilizaram a ocorrência de
manifestações simultâneas por todo o país, em razão da circulação organizada
de informações.
(C) uma frágil articulação entre os lugares, devido a redes técnicas
de comunicação e de transporte ainda problemáticas, o que inviabilizou a
ocorrência de manifestações simultâneas por todo o país.
(D) um relativo isolamento entre os lugares, devido à ausência de redes
técnicas de comunicação, o que inviabilizou a ocorrência de manifestações
simultâneas pelo país.
(E) uma estreita articulação entre os lugares, possibilitada pela presença de
redes técnicas de transporte que, por sua vez, viabilizaram o deslocamento do
mesmo grupo de manifestantes por todo o país em um intervalo curto de tempo.

Com a popularização da Internet e particularmente, redes sociais como Facebook,


twiter, entre outras, demonstrando uma nova etapa da democracia, pois é possível
saber de fatos e trocar informações em todo o território brasileiro e no mundo em
tempo real. Portanto, houve uma estreita articulação entre os lugares, possibilitada
pela presença de redes técnicas de comunicação que, por sua vez, viabilizaram a
ocorrência de manifestações simultâneas por todo o país, em razão da circulação
organizada de informações.

RESPOSTA: “B”.

211
História
319. (UNESP – VESTIBULAR – VUNESP/2013) Observe as imagens

Copacabana, início do século XX

(oglobo.globo.com/rio)

Copacabana, início do século XXI

(www.rio-dejaneiro.org)

As imagens apresentam, em momentos históricos distintos, uma das


paisagens mais conhecidas do Brasil: a praia de Copacabana, no Rio de
Janeiro. A partir da análise das paisagens, pode-se notar o intenso processo
de adensamento e verticalização das edificações ocorrido na região ao longo
do último século. Considerando a dinâmica da formação do espaço urbano
no Brasil contemporâneo, é correto afirmar que o processo de verticalização
observado no bairro de Copacabana se deve, especialmente,

212
História
(A) à constante valorização do solo urbano em uma região da cidade
bastante cobiçada pela elite econômica, intensamente explorada pelo mercado
imobiliário.
(B) ao interesse do poder público e do mercado imobiliário em instalar
condomínios populares nessa região da cidade, ao longo do último século.
(C) às condições oferecidas pelo meio físico que, por apresentar um relevo
bastante acidentado, limitou o número de áreas aptas à ocupação humana na
cidade.
(D) à política de planejamento urbano, que teve como objetivo concentrar
a oferta de habitações e serviços básicos em apenas alguns lugares da cidade.
(E) à política de planejamento urbano, que privilegiou a ocupação de
planícies e encostas com o objetivo de preservar a paisagem natural e estimular
o turismo na cidade.

O Rio de Janeiro no início do século XX era a capital Federal. Houve diversas


obras no início do século para o embelezamento da cidade e transferência da população
pobre para a periferia. Dessa forma, a orla do Rio de Janeiro, principalmente
Copacabana sofreu devido à constante valorização do solo urbano em uma região
da cidade bastante cobiçada pela elite econômica, intensamente explorada pelo
mercado imobiliário.

RESPOSTA: “A”.

320. (UNESP – VESTIBULAR – VUNESP/2013) Leia a notícia.


Um grupo de indígenas que protestava contra a mudança no processo
de demarcação de terras cercou nesta quinta-feira [18.04.2013] o Palácio do
Planalto. De acordo com um dos representantes do movimento, Neguinho Tuká,
a população indígena não foi ouvida durante o processo de elaboração da PEC
215 e teme perder suas terras com as mudanças. “Índio sem terra não tem vida”,
declarou o coordenador das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira,
Marcos Apurinã. “Não aceitamos e não vamos aceitar mais esse genocídio.” O
grupo é o mesmo que, na última terça-feira, 16, invadiu o plenário da Câmara
dos Deputados em protesto contra a PEC 215, que transfere do Poder Executivo
para o Congresso Nacional a decisão final sobre a demarcação de terras
indígenas no Brasil. (http://ultimosegundo.ig.com.br. Adaptado.)
São processos que vêm contribuindo para o acirramento da tensão social
envolvendo a população indígena no campo brasileiro:
(A) o avanço das atividades agrícolas, mineradoras e pecuárias de grande
porte; a instalação de usinas hidrelétricas em terras indígenas; e a permanência
da concentração de terras no país.

213
História
(B) a expansão da reforma agrária; o aumento do desemprego no campo;
e a ausência de políticas de assistência social destinada à população indígena.
(C) o avanço das atividades agrícolas, mineradoras e pecuárias de grande
porte; a expansão da reforma agrária; e a reivindicação da população indígena
de direitos não previstos na Constituição Federal.
(D) a expansão da reforma agrária e da agricultura familiar; a instalação
de usinas hidrelétricas em terras indígenas; e a permanência da concentração
de terras no país.
(E) a expansão da agricultura familiar no país; o aumento do desemprego no
campo; e a ausência de políticas de assistência social destinada à população indígena.

O avanço das atividades agrícolas, mineradoras e pecuárias de grande porte;


a instalação de usinas hidrelétricas em terras indígenas; e a permanência da
concentração de terras no país está marginalizando o índio, com a possibilidade de
ocorrência de conflitos armados entre o homem branco e o índio.

RESPOSTA: “A”.

321. (ESSA/EB – SARGENTO – MD/2012) Em 1831, durante o Período


Regencial, em resposta às agitações militares e populares, criou-se pelos
moderados o (a)
A) Guarda Nacional.
B) Conselho de Estado.
C) Clube da Maioridade.
D) Regência Una de Feijó.
E) Código do Processo Criminal.

A Guarda Nacional foi criada num contexto de agitações militares e populares,


após abdicação de D. Pedro I, onde ocorriam diversos choques entre brasileiros e
portugueses. Como o Exército era construído de Oficiais portugueses havia receio na
sociedade que os militares tomassem alguma atitude restauradora, posicionando-se
pela volta de D. Pedro I. Dessa forma o Exército foi considerado uma ameaça em
potencial ao liberalismo da nova ordem instaurada com a Regência.

RESPOSTA: “A”.

322. (ESSA/EB – SARGENTO – MD/2012) As expedições portuguesas ao


Brasil nas duas primeiras décadas do século XVI objetivaram
A) iniciar o cultivo da cana-de-açúcar e o imediato povoamento.
B) travar contato com os nossos índios e iniciar atividades comerciais com
os mesmos

214
História
C) transferir para o Brasil os acusados de heresias protestantes na corte
portuguesa.
D) reconhecer a terra descoberta e salvaguardar a sua posse.
E) estimular a catequese dos índios a pedido da Companhia de Jesus

A coroa portuguesa não identificou no Brasil como região para onde seria
transferida a população. Ela considerou sua Colônia americana como fornecedora de
matérias-primas e consumidora de produtos manufaturados. Contudo, cabe ressaltar
que logo após o “descobrimento do Brasil”, a única forma de relação econômica
da colônia com a metrópole era a extração de pau-brasil. Durante os primeiros 30
anos o Brasil foi visitado por algumas expedições esporádicas que não visavam sua
colonização efetiva. Portanto, o rei de Portugal enviou expedições exploradoras para
levantar as possibilidades de uso das novas terras e expedições guarda-costas para
proteger as terras de invasores.

RESPOSTA: “D”.

323. (ESSA/EB – SARGENTO – MD/2012) Na história do Brasil, o termo


“messianismo” é usado no estudo de alguns movimentos sociais. Assinale a
única alternativa que apresenta um desses movimentos e seu respectivo líder.
A) Revolta de Canudos / Antônio Conselheiro.
B) Revolta da Vacina / João Maria.
C) Guerra do Contestado, Euclides da Cunha.
D) Os 18 do Forte de Copacabana / Miguel Lucena.
E) Coluna Prestes / Luís Carlos Prestes.

O aplicador que ressalta o conflito liderado pelo beato Antônio Conselheiro, no


Arraial de Canudos, sertão da Bahia, o qual iniciou movimento messiânico em 1894
contra a Proclamação da República. Euclides da Cunha, autor do livro “Os Sertões”,
relata este episódio histórico. Prudente de Morais, após várias derrotas militares,
exterminou os sertanejos, passando a ser conhecida pela história tradicional como o
“Pacificador da República”.

RESPOSTA: “A”.

324. (ESSA/EB – SARGENTO – MD/2012) O Tratado de Tordesilhas,


assinado pelos reis ibéricos com a intervenção papal, representa
A) o marco inicial da colonização portuguesa do Brasil.
B) o fim da rivalidade entre portugueses e espanhóis na América.
C) a tomada de posse do Brasil pelos portugueses.
D) a demarcação dos direitos de exploração colonial dos ibéricos.
E) o declínio do expansionismo espanhol.

215
História
O descobrimento da América quase levou Portugal a fazer guerra à Espanha,
pois julgava-se lesado em seus direitos. Para solucionar o problema da divisão
das terras descobertas, o Papa Alexandre VI, por intermédio da Bula Inter-Coetera
(1493) que não foi aceito por Portugal, pois o meridiano imaginário seria contado
a partir de 100 léguas a oeste das ilhas de Cabo Verde e Açores. Os países ibéricos
chegaram a um acordo através do Tratado de Tordesilhas, assinado em 1494. Ficou
estabelecido que as terras e ilhas a leste do meridiano a contar de 370 léguas das
ilhas de Cabo Verde, pertenceriam a Portugal e as que ficassem a oeste da mesma
linha, pertenceriam à Espanha.

RESPOSTA: “D”.

325. (ESSA/EB – SARGENTO – MD/2012) Na Segunda Guerra Mundial,


o Brasil participou, ao lado dos aliados, com um contingente de mais de
20.000 homens que formaram a Força Expedicionária Brasileira (FEB). Esse
contingente destacou-se nas batalhas
A) de Palmares.
B) da Normandia.
C) dos Guararapes.
D) de Monte Castelo.
E) do Monte das Tabordas.

Segundo Francisco César Ferraz, na obra “Os Brasileiros e a II Guerra Mundial”,


não eram intenção dos Estados Unidos e da Inglaterra ter um parceiro diretamente
envolvido no Teatro de Operações, ou seja, na Guerra. Entretanto, após diversas
deliberações e acordos entre o Roosevelt e Getúlio Vargas o Brasil participou, ao lado
dos aliados, com um contingente de mais de 20.000 homens que formaram a Força
Expedicionária Brasileira (FEB), integrando ao IV corpo do exército americano, este
por sua vez vinculado ao V exército dos Estados Unidos, comandado pelo general
Mark W. Clark. Esse contingente destacou-se nas batalhas de Monte Castelo.

RESPOSTA: “D”.

326. (ESSA/EB – SARGENTO – MD/2012) O Aquífero Guarani constitui-


se num grande reservatório subterrâneo de água doce e distribui-se por oito
estados brasileiros. Dentre eles encontra-se o estado do (a)
A) do Rio de Janeiro.
B) da Bahia.
C) do Amazonas.
D) de Minas Gerais.
E) do Pará.

216
História
Aquífero Guarani foi o nome que, em 1996, o geólogo uruguaio Danilo Anton
propôs para denominar um imenso aquífero que abrange partes dos territórios do
Uruguai, Argentina, Paraguai e principalmente Brasil, ocupando 1.200.000 km².
Na ocasião, ele chegou a ser considerado o maior do mundo, capaz de abastecer
a população brasileira durante 2500 anos. A maior reserva atualmente conhecida
é o Aquífero Alter do Chão, localizado sob os Estados do Amapá e Amazonas. O
Aquífero Guarani é imenso, mas menor do que se supunha e, sobretudo, com volume
e qualidade da água inferiores aos estimados inicialmente. A população atual do
domínio de ocorrência do aquífero é estimada em quinze milhões de habitantes. Os
Estados brasileiros que estão na área de abrangência do referido aquífero são Mato
Grosso do Sul (213.700 km²), Rio Grande do Sul (157.600 km²), São Paulo (155.800
km²), Paraná (131.300 km²), Goiás (55 000 km²), Minas Gerais (51.300 km²), Santa
Catarina (49.200 km²) e Mato Grosso (26 400 km²)

RESPOSTA: “D”.

327. (ESSA/EB – SARGENTO – MD/2012) O Índice de Desenvolvimento


Humano (IDH) serve para aferir as condições de vida de uma população. Assim,
o Brasil que, em 2011, obteve 0,718 de IDH, ficou na 84ª posição no ranking
de 187 países, deve promover ações para melhorar sobretudo os seguintes
indicadores socioeconômicos:
A) expectativa de vida e nível de instrução.
B) renda per capita e taxa de mortalidade infantil.
C) taxa de alfabetização e taxa de fecundidade.
D) índice de desemprego e esperança de vida.
E) dívida externa e PIB per capita.

O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento divulgou que analisando


os indicadores avaliados, como expectativa de vida, anos médios de escolaridade,
anos esperados de escolaridade e renda nacional bruta per capita, dois tiveram
mudanças: expectativa de vida e renda nacional bruta. Atualizando as informações
da questão acima, o Brasil no último relatório divulgado em 2013, subiu 85ª posição
em 2012 e manteve-se nela em 2013, com pontuação 0.730.

RESPOSTA: “A”.

328. (ESSA/EB – SARGENTO – MD/2012) Nas últimas décadas, o


crescimento populacional e econômico resultou em contínuo aumento da
demanda por energia no Brasil. O grande destaque no consumo final de energia
no País tem sido o setor:

217
História
A) de transporte
B) industrial
C) agropecuário
D) residencial
E) comercial

Segundo o Relatório Síntese do Balanço Energético Nacional – BEN 2014,


apresenta os dados acerca da contabilização da oferta, transformação e consumo
final de produtos energéticos no Brasil, tendo por base o ano de 2013. O documento
apresenta entre outras coisas, que no Brasil, em relação ao consumo de Energia
Elétrica, a indústria consome cerca de 33,9% da energia produzida, enquanto o
setor de transporte consome 32%, e em resumo as residências consomem 9,1%, dos
93,7% produzidos no Brasil. Portanto, segundo o relatório, historicamente, o setor
industrial é o maior consumidor de Energia Elétrica no país.

RESPOSTA: “A”.

329. (ESSA/EB – SARGENTO – MD/2012) Sobre a divisão política atual do


território brasileiro é correto afirmar que o Brasil é uma República Federativa
formada por
A) 27 estados, 3 territórios e o distrito federal.
B) 27 estados e o distrito federal.
C) 26 estados, 3 territórios e o distrito federal.
D) 26 estados e o distrito federal.
E) 26 estados, 2 territórios e o distrito federal.

Esta pergunta pode ser considerada uma pegadinha, pois o Brasil possui 27
Unidades da Federação, pois o Distrito Federal (Brasília) é uma delas. Entretanto o
Brasil possui 26 Estados e um Distrito Federal. Este tipo de pergunta simples, pode
confundir o candidato apressado em responder a questão. Por isso, leia bem antes de
assinalar no gabarito.

RESPOSTA: “D”.

330. (ESSA/EB – SARGENTO – MD/2012) Assinale a alternativa que


apresenta a segunda maior bacia hidrográfica brasileira em termos de volume
de vazão e que possui uma imensa bacia sedimentar onde está localizada a
maior ilha fluvial do mundo.

218
História
A) Bacia Amazônica.
B) Bacia do Paraná.
C) Bacia do Tocantins-Araguaia.
D) Bacia do São Francisco.
E) Bacia do Paraguai.

Esta questão foi muito bem elaborada, pois, lendo-a já dá para excluir a Bacia
Amazônica, pois ela é a maior bacia hidrográfica do Brasil. A partir daí, o candidato
recebe um outro elemento a considerar, que é a maior ilha fluvial do mundo, ou seja,
a ilha do Bananal, a qual localiza-se no Rio Tocantins. Deste modo, a alternativa
correta é a Bacia do Tocantins-Araguaia.

RESPOSTA: “C”.

219
História

HISTÓRIA GERAL

331. (ENEM - EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO- INEP/2012) É


verdade que, nas democracias, o povo parece fazer o que quer; mas a liberdade política
não consiste nisso. Deve-se ter sempre presente em mente o que é independência e
o que é liberdade. A liberdade é o direito de fazer tudo o que as leis permitem;
se um cidadão pudesse fazer tudo o que elas proíbem, não teria mais liberdade,
porque os outros também teriam tal poder. (MONTESQUIEU. Do Espírito das
Leis. São Paulo: Editora Nova Cultural, 1997 - adaptado).

A característica de democracia ressaltada por Montesquieu diz respeito


(A) Ao status de cidadania que o indivíduo adquire ao tomar as decisões
por si mesmo.
(B) ao condicionamento da liberdade dos cidadãos à conformidade às leis.
(C) à possibilidade de o cidadão participar no poder e, nesse caso, livre da
submissão às leis.
(D) ao livre-arbítrio do cidadão em relação àquilo que é proibido,
desde que ciente das consequências.
(E) ao direito do cidadão exercer sua vontade de acordo com seus valores
pessoais.

Foi de Montesquieu a proposta da divisão de poderes, como maneira de cercear


toda forma de abuso, prática rotineira na época. Portanto, o que ele defende claramente
é que “(...) a liberdade é o direito de fazer tudo o que as leis permitem”. Assim
sendo, liberdade, para ele, é sinônimo de compartilhamento com responsabilidade e
respeito às leis de poder entre os cidadãos de uma determinada sociedade.

Resposta: ”B”

220
História
332. ((ENEM - EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO - INEP/2012) )

Disponível em: www.gandhiserve.org. Acesso em: 21 nov. 2011.

O cartum, publicado em 1932, ironiza as consequências sociais das


constantes prisões de Mahatma Gandhi pelas autoridades britânicas, na Índia,
demonstrando
(A) a ineficiência do sistema judiciário inglês no território indiano.
(B) o apoio da população hindu à prisão de Gandhi.
(C) o caráter violento das manifestações hindus frente à ação inglesa.
(D) a impossibilidade de deter o movimento liderado por Gandhi.
(E) a indiferença das autoridades britânicas frente ao apelo popular hindu.

Em 1932, a Índia estava sob o domínio britânico, sendo uma de suas colônias
mais importantes, e considerada “Joia da Coroa”. Ela tanto tinha importante papel
geoestratégico no Oriente para os ingleses, como era de grande valia econômica,
pois da referida colônia provinham produtos como chá, especiarias e tecidos (estes
últimos vendidos em todas as praças comerciais do império). É contra o domínio
inglês que Gandhi lidera a luta, de cunho pacifista: propunha o boicote aos produtos
ingleses e o não pagamento de taxas. Dessa forma, Gandhi conseguiu a adesão de
muçulmanos e hindus. A cada prisão que sofria Mahatma, como era conhecido,
maior se tornava o apoio ao líder indiano, como bem demonstra a charge.

RESPOSTA: “D”.

221
História
333. (ENEM - EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO- INEP/2012)
Que é ilegal a faculdade que se atribui à autoridade real para suspender as
leis ou seu cumprimento. Que é ilegal toda cobrança de impostos para a Coroa
sem o concurso do Parlamento, sob pretexto de prerrogativa, ou em época e
modo diferentes dos designados por ele próprio. Que é indispensável convocar
com frequência os Parlamentos para satisfazer os agravos, assim como para
corrigir, afirmar e conservar leis. (Declaração de Direitos. Disponível em: http://
disciplinas.stoa.usp.br. Acesso em: 20 dez. 2011 - adaptado).

No documento de 1689, identifica-se uma particularidade da Inglaterra


diante dos demais Estados europeus na Época Moderna. A peculiaridade inglesa
e o regime político que predominavam na Europa continental estão indicados,
respectivamente, em:
(A) redução da influência do papa – Teocracia.
(B) limitação do poder do soberano – Absolutismo.
(C) ampliação da dominação da nobreza – República.
(D) expansão da força do presidente – Parlamentarismo.
(E) restrição da competência do congresso –Presidencialismo.

A Revolução Inglesa ocorreu no século XVII, em duas etapas: 1640, com a


Guerra Civil e o Governo de Cromwell, e firma-se com a Revolução Gloriosa e a
com a Declaração dos Direitos, em 1688. Nessa época, a maioria dos outros Estados
europeus tinha regime político absolutista. Portanto, a opção “B” é a correta. O efeito
principal da Declaração dos Direitos foi a limitação dos poderes do soberano, o que
possibilitou o surgimento do regime parlamentarista, em contraste com o regime
absolutista então vigente na Europa Continental.

RESPOSTA: “B”.

334. (ENEM - EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO- INEP/2012)


Texto I
A Europa entrou em estado de exceção, personificado por obscuras forças
econômicas sem rosto ou localização física conhecida que não prestam contas
a ninguém e se espalham pelo globo por meio de milhões de transações diárias
no ciberespaço. (ROSSI, C. Nem fim do mundo nem mundo novo. Folha de São
Paulo, 11 dez. 2011 - adaptado).

Texto II
Estamos imersos numa crise financeira como nunca tínhamos visto desde a
Grande Depressão iniciada em 1929 nos Estados Unidos. (Entrevista de George
Soros. Disponível em: www.nybooks.com. Acesso em: 17 ago. 2011 - adaptado).

222
História
A comparação entre os significados da atual crise econômica e do crash de
1929 oculta a principal diferença entre essas duas crises, pois
(A) o crash da Bolsa em 1929 adveio do envolvimento dos EUA na I Guerra
Mundial e a atual crise é o resultado dos gastos militares desse país nas guerras
do Afeganistão e Iraque.
(B) a crise de 1929 ocorreu devido a um quadro de superprodução industrial
nos EUA e a atual crise resultou da especulação financeira e da expansão
desmedida do crédito bancário.
(C) a crise de 1929 foi o resultado da concorrência dos países europeus,
reconstruídos após a I Guerra e a atual crise se associa à emergência dos BRICS
como novos concorrentes econômicos.
(D) o crash da Bolsa em 1929 resultou do excesso de proteções ao setor
produtivo estadunidense e a atual crise tem origem na internacionalização das
empresas e no avanço da política de livre mercado.
(E) a crise de 1929 decorreu da política intervencionista norte-americana
sobre o sistema de comércio mundial e a atual crise resultou do excesso de
regulação do governo desse país sobre o sistema monetário.

Os EUA, após a Primeira Guerra Mundial, tornaram-se o grande fornecedor


de produtos para a Europa, para a América Latina e para as colônias europeias na
África e na Ásia. A Europa estava destruída pela guerra, e o dólar substituiu a libra
esterlina como moeda de comércio internacional, vinculando, dessa forma, o sistema
financeiro do Ocidente ao sistema americano. O “crack” da Bolsa de Nova York, em
1929, resultou da superprodução e não da falência dos bancos. A crise de 2008 foi
resultado da especulação e do excesso de créditos, e difundiu-se por todo o Planeta
globalizado, conforme afirma o trecho transcrito.

RESPOSTA: “B”.

223
História
335. ((ENEM - EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO - INEP/2012) )

Disponível em: http://quadro-a-quadro.blog.br. Acesso em: 27 jan. 2012.

Com sua entrada no universo dos gibis, o Capitão chegaria para apaziguar
a agonia, o autoritarismo militar e combater a tirania. Claro que, em tempos de
guerra, um gibi de um herói com uma bandeira americana no peito aplicando
um sopapo no Fuhrer só poderia ganhar destaque, e o sucesso não demoraria
muito a chegar. (COSTA, C. Capitão América, o primeiro vingador: crítica.
Disponível em: www.revistastart.com.br. Acesso em: 27 jan. 2012 - adaptado).

A capa da primeira edição norte-americana da revista do Capitão América


demonstra sua associação com a participação dos Estados Unidos na luta contra
(A) a Tríplice Aliança, na Primeira Guerra Mundial.
(B) os regimes totalitários, na Segunda Guerra Mundial.
(C) o poder soviético, durante a Guerra Fria.
(D) o movimento comunista, na Guerra do Vietnã.
(E) o terrorismo internacional, após 11 de setembro de 2001.

224
História
Observando-se com atenção a capa da revista, vê-se que o Capitão América
está batendo em Hitler, o Fuhrer, representante máximo do nazifascimo, regime
totalitário por excelência.

RESPOSTA: “B”.

336. (ENEM - EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO - INEP/2011)


Se a mania de fechar, verdadeiro habitus da mentalidade medieval, nascido
talvez de um profundo sentimento de insegurança, estava difundida no mundo
rural, estava do mesmo modo no meio urbano, pois que uma das características
da cidade era de ser limitada por portas e por uma muralha. (DUBY, G. et al.
Séculos XIV-XV . In: ARIÈS, P.; DUBY, G. História da vida privada da Europa
Feudal à Renascença. São Paulo: Cia. das Letras, 1990 - adaptado).

As práticas e os usos das muralhas sofreram importantes mudanças no final


da Idade Média, quando elas assumiram a função de pontos de passagem ou
pórticos. Este processo está diretamente relacionado com
(A) o crescimento das atividades comerciais e urbanas.
(B) a migração de camponeses e artesãos.
(C) a expansão dos parques industriais e fabris.
(D) o aumento do número de castelos e feudos.
(E) a contenção das epidemias e doenças.

Na Europa Medieval, a sociedade era basicamente rural, e cada feudo tinha sua
autonomia, considerando-se as suas subsistência e segurança e as guerras. As Cruzadas
e a Reconquista da Península Ibérica, a partir do século XII, levaram as guerras feudais
para outras regiões. Assim, as hoje atuais França, Alemanha, Bélgica, Holanda, Suíça e
Itália passaram a ter produtos excedentes, o que as levou a abrir novas rotas comerciais,
ampliando o comércio e alterando as características das cidades.

RESPOSTA: “A”.
.
337. (ENEM - EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO - INEP/2011)
O café tem origem na região onde hoje se encontra a Etiópia, mas seu cultivo e
consumo se disseminaram a partir da Península Árabe. Aportou à Europa por
Constantinopla e, finalmente, em 1615, ganhou a cidade de Veneza. Quando
o café chegou à região europeia, alguns clérigos sugeriram que o produto
deveria ser excomungado, por ser obra do diabo. O papa Clemente VIII (1592-
1605), contudo, resolveu provar a bebida. Tendo gostado do sabor, decidiu que
ela deveria ser batizada para que se tornasse uma “bebida verdadeiramente
cristã”. (THORN, J. Guia do café. Lisboa: Livros e livros, 1998 - adaptado).

225
História
A postura dos clérigos e do papa Clemente VIII, diante da introdução do
café na Europa Ocidental, pode ser explicada pela associação dessa bebida ao
(A) ateísmo.
(B) judaísmo.
(C) hinduísmo.
(D) islamismo.
(E) protestantismo.

A opção A está incorreta, pois se refere ao ateísmo, ou seja, descrença em qualquer


religião. A opção B está incorreta, pois o judaísmo não era, nem é, predominante na
Etiópia e na Península Árabe. O hinduísmo – alternativa C, tem origens na Índia, que
não tem relação com a expansão e o comércio do café. Portanto, alternativa errada. A
opção D está correta, pois foram os árabes – muçulmanos, considerados infiéis pela
Igreja Católica, quem levou o café ao Ocidente.
O protestantismo estava em fase de expansão, no século XVI, mas o café não é
de origem europeia e, mesmo entre os seguidores daquele movimento, o consumo da
bebida feita com esse fruto era restrito.

RESPOSTA: “D”.

338. (ENEM - EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO - INEP/2011)


A Inglaterra pedia lucros e recebia lucros. Tudo se transformava em lucro.
As cidades tinham sua sujeira lucrativa, suas favelas lucrativas, sua fumaça
lucrativa, sua desordem lucrativa, sua ignorância lucrativa, seu desespero
lucrativo. As novas fábricas e os novos alto-fornos eram como as Pirâmides,
mostrando mais a escravização do homem que seu poder. (DEANE, P. A
Revolução Industrial. Rio de Janeiro: Zahar, 1979 -adaptado)

Qual relação é estabelecida no texto entre os avanços tecnológicos ocorridos


no contexto da Revolução Industrial Inglesa e as características das cidades
industriais no início do século XIX?
(A) A facilidade em se estabelecer relações lucrativas transformava as
cidades em espaços privilegiados para a livre iniciativa, característica da nova
sociedade capitalista.
(B) O desenvolvimento de métodos de planejamento urbano aumentava a
eficiência do trabalho industrial.
(C) A construção de núcleos urbanos integrados por meios de transporte
facilitava o deslocamento dos trabalhadores das periferias até as fábricas.
(D) A grandiosidade dos prédios onde se localizavam as fábricas revelava os
avanços da engenharia e da arquitetura do período, transformando as cidades
em locais de experimentação estética e artística.

226
História
(E) O alto nível de exploração dos trabalhadores industriais ocasionava
o surgimento de aglomerados urbanos marcados por péssimas condições de
moradia, saúde e higiene.

O Brasil é, ainda, um País marcado por profundas diferenças regionais no


âmbito social, econômico e cultural, e que sofreu o processo de industrialização
tardiamente, a partir de quando boa parte de suas cidades começou a enfrentar a
superpopulação, sem que se conseguisse oferecer a todos as infraestruturas básicas
para bem acomodá-los. O século XXI trouxe consigo grandes melhorias para o
trabalhador, assegurando-lhe, via lei, proteção a seus interesses e necessidades, o
que não havia nos séculos XVIII e XIX. Os benefícios que os trabalhadores têm,
hoje, foram conquistados com árdua luta, que teve início na ação dos Quebradores
de Máquinas, ocorrida por volta de 1830, na Inglaterra.

RESPOSTA: “E”.

339. (ENEM - EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO - INEP/2011)


A evolução do processo de transformação de matérias-primas em produtos
acabados ocorreu em três estágios: artesanato, manufatura e máquino-fatura.
Um desses estágios foi o artesanato, em que se
(A) trabalhava conforme o ritmo das máquinas e de maneira padronizada.
(B) trabalhava geralmente sem o uso de máquinas e de modo diferente do
modelo de produção em série.
(C) empregavam fontes de energia abundantes para o funcionamento das
máquinas.
(D) realizava parte da produção por cada operário, com uso de máquinas e
trabalho assalariado.
(E) faziam interferências do processo produtivo por técnicos e gerentes,
com vistas a determinar o ritmo de produção.

A questão trata da construção do modelo fabril de produção denominado


“Revolução Industrial”. As mudanças na forma de produção aconteceram de forma
bem mais lenta do que a Revolução ocorrida na segunda metade do século XVIII,
na Inglaterra. Tais mudanças têm, muito provavelmente, seu início no século XIII,
quando se tinha a comercialização da produção artesanal, com o início da abertura da
economia feudal. A produção artesanal caracteriza-se pela produção sem a utilização
de máquinas, pela não produção em série, por não apresentar divisão de trabalho nem
mão de obra especializada, tendo a figura do artesão como o principal responsável
pelo processo que vai da matéria prima ao produto final.

RESPOSTA: “B”.

227
História
340. (ENEM - EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO - INEP/2011)

“Quem construiu a Tebas de sete portas?


Nos livros estão nomes de reis:
Arrastaram eles os blocos de pedra?
a Babilônia várias vezes destruída
Quem a reconstruiu tantas vezes?
Em que casas da Lima dourada moravam os construtores?
Para onde foram os pedreiros, na noite em que a Muralha da
China ficou pronta?
A grande Roma está cheia de arcos do triunfo.

(BRECHT, B. Perguntas de um trabalhador que lê. Disponível em: http//


recantodasletras.uol.com.br. Acesso em: 28 abr.2010.)

Partindo das reflexões de um trabalhador que lê um livro de História,


o autor censura a memória construída sobre determinados monumentos e
acontecimentos históricos. A crítica refere-se ao fato de que
(A) os agentes históricos de uma determinada sociedade deveriam ser
aqueles que realizaram feitos heroicos ou grandiosos e, por isso, ficaram na
memória.
(B) a História deveria se preocupar em memorizar os nomes de reis ou dos
governantes das civilizações que se desenvolveram ao longo do tempo.
(C) os grandes monumentos históricos foram construídos por trabalhadores,
mas sua memória está vinculada aos governantes das sociedades que os
construíram.
(D) os trabalhadores consideram que a História é uma ciência de difícil
compreensão, pois trata de sociedades antigas e distantes no tempo.
(E) as civilizações citadas no texto, embora muito importantes, permanecem
sem terem sido alvos de pesquisas históricas.

Brecht expõe, nesta maravilhosa poesia, uma crítica à uma forma de escrita da
História que privilegia as personalidades políticas, os governantes, como se fossem
estes os que construíram, com suas mãos, os monumentos.

RESPOSTA: “C”.

341. (FUVEST-VESTIBULAR-2014) A ideia de ocupação do continente


pelo povo americano teve também raízes populares, no senso comum e também
em fundamentos religiosos. O sonho de estender o princípio da “união” até

228
História
o Pacífico foi chamado de “Destino Manifesto”. Nancy Priscilla S. Naro. A
formação dos Estados Unidos. São Paulo: Atual, 1986, p. 19. A concepção de
“Destino Manifesto”, cunhada nos Estados Unidos da década de 1840,
(A) difundiu a ideia de que os norte-americanos eram um povo eleito
e contribuiu para justificar o desbravamento de fronteiras e a expansão em
direção ao Oeste.
(B) tinha origem na doutrina judaica e enfatizava que os homens deviam
temer a Deus e respeitar a todos os semelhantes, independentemente de sua
etnia ou posição social.
(C) baseava-se no princípio do multiculturalismo e impediu a propagação
de projetos ou ideologias racistas no Sul e no Norte dos Estados Unidos.
(D) derivou de princípios calvinistas e rejeitava a valorização do
individualismo e do aventureirismo nas campanhas militares de conquista
territorial, privilegiando as ações coordenadas pelo Estado.
(E) defendia a necessidade de se preservar a natureza e impediu o
prosseguimento das guerras contra indígenas, na conquista do Centro e do
Oeste do território norte-americano.

O “Destino Manifesto” consistiu em uma concepção de base ideológico-


política, mesclada com preceitos religiosos que fundamentou e legitimou a expansão
territorial dos EUA.

RESPOSTA: “A”.

342. (ENEM - EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO - INEP/2011)


Um banco inglês decidiu cobrar de seus clientes cinco libras toda vez que
recorressem aos funcionários de suas agências. E o motivo disso é que, na
verdade, não querem clientes em suas agências; o que querem é reduzir o número
de agências, fazendo com que os clientes usem as máquinas automáticas em
todo o tipo de transações. Em suma, eles querem se livrar de seus funcionários.
HOBSBAWM, E. O novo século. São Paulo: Companhia das Letras, 2000
(adaptado).

O exemplo mencionado permite identificar um aspecto da adoção de novas


tecnologias na economia capitalista contemporânea. Um argumento utilizado
pelas empresas e uma consequência social de tal aspecto estão em
(A) qualidade total e estabilidade no trabalho.
(B) pleno emprego e enfraquecimento dos sindicatos.
(C) diminuição dos custos e insegurança no emprego.
(D) responsabilidade social e redução do desemprego.
(E) maximização dos lucros e aparecimento de empregos.

229
História
As práticas econômicas a que se refere a questão, trata-se das que o atual modelo
de capitalismo, basicamente neoliberal e globalizado, exerce. Os mecanismos
pertinentes ao modelo neoliberal provêm do denominado Consenso de Washington,
1980, tendo como expoentes máximos a conhecida “Dama de Ferro”, Margaret
Tachter, primeira ministra da Grã-Bretanha e Ronald Reagan, presidente dos Estados
Unidos. O modelo econômico neoliberal opõe-se ao Keynesiano, para o qual a
proteção do trabalhador por meio da Seguridade Social e da intervenção estatal na
economia constituem-se em eixos fundamentais para a saúde do mercado consumidor.
Já a proposta neoliberal defende a livre negociação entre patrão e empregado, sendo
as “leis de mercado”, ou seja a oferta e a procura, as responsáveis pela regulação
do mercado de trabalho, deixando a cargo do Estado somente Segurança Pública,
a Defesa, a Educação Básica e a Política Externa. que compete às empresas, o
neoliberalismo propõe corte crescente de gastos, de maneira que se possa aumentar
ou diminuir o preço dos produtos e dos serviços garantindo competitividade no
mercado, como também postos de trabalho substituídos pela tecnologia.

RESPOSTA: “C”.

343. (ENEM - EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO - INEP/2011)


Uma suposta “vacina” contra o despotismo, em um contexto democrático, tem
por objetivo

(A) impedir a contratação de familiares para o serviço público.


(B) reduzir a ação das instituições constitucionais.
(C) combater a distribuição equilibrada de poder.
(D) evitar a escolha de governantes autoritários.
(E) restringir a atuação do Parlamento.

A questão coloca em evidência o conceito de Democracia, não apenas em


oposição ao autoritarismo, mas também como um modelo político no qual a
expressão do via Parlamento – Poder Legislativo - configura-se como fundamento
mínimo de um exercício político democrático , regido por uma Constituição.,
conforme Norberto Bobbio.

RESPOSTA: “D”.

230
História
344. (FUVEST-VESTIBULAR-2014)

A fotografia acima, tirada em Beijing, China, em 1989, pode ser identificada,


corretamente, como
(A) reveladora do sucateamento do exército chinês, sinal mais visível da
crise econômica que então se abateu sobre aquela potência comunista.
(B) emblema do conflito cultural entre Ocidente e Oriente, que resultou na
recuperação de valores religiosos ancestrais na China.
(C) demonstração da incapacidade do Partido Comunista Chinês de impor
sua política pela força, já que o levante daquele ano derrubou o regime.
(D) montagem jornalística, logo desmascarada pela revelação de que o
homem que nela aparece é chinês, enquanto os tanques são soviéticos.
(E) símbolo do confronto entre liberdade de expressão e autoritarismo
político, ainda hoje marcante naquele país.

O retrato expõe o descontentamento dos populares com o comportamento


autoritário do governo chinês, comunista. Tal comportamento ainda se faz presente
nos dias atuais.

RESPOSTA: “E”.

231
História
345. (INEP- ENEM - EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO-2009) Os
regimes totalitários da primeira metade do século XX apoiaram-se fortemente
na mobilização da juventude em torno da defesa de ideias grandiosas para o
futuro da nação. Nesses projetos, os jovens deveriam entender que só havia
uma pessoa digna de ser amada e obedecida, que era o líder. Tais movimentos
sociais juvenis contribuíram para a implantação e a sustentação do nazismo, na
Alemanha, e do fascismo, na Itália, Espanha e Portugal.

A atuação desses movimentos juvenis caracterizava-se

(A) pelo sectarismo e pela forma violenta e radical com que enfrentavam os
opositores ao regime.
(B) pelas propostas de conscientização da população acerca dos seus direitos
como cidadãos.
(C) pela promoção de um modo de vida saudável, que mostrava os jovens
como exemplos a seguir.
(D) pelo diálogo, ao organizar debates que opunham jovens idealistas e
velhas lideranças conservadoras.
(E) pelos métodos políticos populistas e pela organização de comícios
multitudinários.

Os grupos de jovens a que se refere à questão aderiram de forma incisiva e


entusiástica aos movimentos fascista e nazista. Eram jovens marcados pelo
desencanto, pela desesperança e pelo desemprego e que habitavam uma Europa
marcada negativamente pela Primeira Guerra Mundial e pela crise de 1929. A prática
da violência como uma forma de controle social, era estimulada e defendida pelo
que propunha a ideologia fascista. Ela atuaria como “educadora” e “purificadora” de
qualquer elemento que trouxesse prejuízo ao desenvolvimento da sociedade.

RESPOSTA: “A”.

346. (INEP- ENEM - EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO-2009)


O Egito é visitado anualmente por milhões de turistas de todos os quadrantes
do planeta, desejosos de ver com os próprios olhos a grandiosidade do poder
esculpida em pedra há milênios: as pirâmides de Gizeh, as tumbas do Vale dos
Reis e os numerosos templos construídos ao longo do Nilo

O que hoje se transformou em atração turística era, no passado, interpretado


de forma muito diferente, pois

232
História
(A) significava, entre outros aspectos, o poder que os faraós tinham
para escravizar grandes contingentes populacionais que trabalhavam nesses
monumentos.
(B) representava para as populações do alto Egito a possibilidade de migrar
para o sul e encontrar trabalho nos canteiros faraônicos.
(C) significava a solução para os problemas econômicos, uma vez que os
faraós sacrificavam aos deuses suas riquezas, construindo templos.
(D) representava a possibilidade de o faraó ordenar a sociedade, obrigando
os desocupados a trabalharem em obras públicas, que engrandeceram o próprio
Egito.
(E) significava um peso para a população egípcia, que condenava o luxo
faraônico e a religião baseada em crenças e superstições.

Para responder à questão é necessário ter em mente que o poder do Faraó era
bastante extenso e sustentado por crenças religiosas. O faraó em si não era um deus,
mas era um ungido por uma das divindades do deus sol, podendo ser Anúbis ou
Áton, Ísis ou Osíris. É bom lembrar que sempre houve uma justificativa religiosa
referendando o poder do faraó. O trabalho despendido na construção dos monumentos
que registram e demonstram o poder e a força do governante, era executado por
escravos, já que a sociedade egípcia estava envolvida em atividades produtivas.
Muitos desses escravos eram oriundos das atividades guerreiras do faraó. Eram
despojos de guerra.

RESPOSTA: “A”.

347. (INEP- ENEM - EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO-2009)


Hoje em dia, nas grandes cidades, enterrar os mortos é uma prática quase
íntima, que diz respeito apenas à família. A menos, é claro, que se trate de
uma personalidade conhecida. Entretanto, isso nem sempre foi assim. Para um
historiador, os sepultamentos são uma fonte de informações importantes para
que se compreenda, por exemplo, a vida política das sociedades.

No que se refere às práticas sociais ligadas aos sepultamentos,

(A) na Grécia Antiga, as cerimônias fúnebres eram desvalorizadas, porque


o mais importante era a democracia experimentada pelos vivos.
(B) na Idade Média, a Igreja tinha pouca influência sobre os rituais fúnebres,
preocupando-se mais com a salvação da alma.
(C) no Brasil colônia, o sepultamento dos mortos nas igrejas era regido pela
observância da hierarquia social.

233
História
(D) na época da Reforma, o catolicismo condenou os excessos de gastos que
a burguesia fazia para sepultar seus mortos.
(E) no período posterior à Revolução Francesa, devido as grandes
perturbações sociais, abandona-se a prática do luto.

A partir do momento em que se coloca a História Cultural no âmbito dos estudos


históricos e que se passa a entender a Cultura como sendo o conjunto da produção
humana, por meio do qual se pode visualizar a estrutura e o modo de vida de uma
determinada sociedade, em um determinado espaço de tempo, percebeu-se que as
manifestações culturais de um povo revelam o processo histórico construído por
ela. Para tanto, basta que se observe e que estude tais manifestações. A pergunta é
interessante e enquadra-se nas novas vertentes do estudo da História anteriormente
relegados a segundo plano por serem considerados “irrelevantes” para a análise. Ou
seja, teriam pouco a contribuir. Hoje em dia a História Cultural passou ao centro do
palco dos estudos históricos, na medida em que se entende Cultura como o conjunto
de toda produção humana, que espelha a estrutura e a conjuntura de vida de uma
dada sociedade em um dado tempo. Estudar e analisar as manifestações culturais de
um povo é uma forma de conhecer e analisar o processo histórico daquela sociedade

Resposta “C”

348. (INEP- ENEM - EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO-2009) Do


ponto de vista geopolítico, a Guerra Fria dividiu a Europa em dois blocos. Essa
divisão propiciou a formação de alianças antagônicas de caráter militar, como
a OTAN, que aglutinava os países do bloco ocidental, e o Pacto de Varsóvia, que
concentrava os do bloco oriental. É importante destacar que, na formação da
OTAN, estão presentes, além dos países do oeste europeu, os EUA e o Canadá.
Essa divisão histórica atingiu igualmente os âmbitos político e econômico que se
refletia pela opção entre os modelos capitalista e socialista.

Essa divisão europeia ficou conhecida como

(A) Cortina de Ferro.


(B) Muro de Berlim.
(C) União Europeia.
(D) Convenção de Ramsar.
(E) Conferência de Estocolmo.

234
História
A questão evolve o período da Guerra Fria, assunto bastante explorado pelas
mais diversas mídias. A expressão “Cortina de Ferro” foi cunhada pelo primeiro
ministro britânico, Winston Churchil, em um de seus discursos proferidos em Fulton,
Missouri, 1946, quando manifestava sua preocupação em relação à sovietização das
regiões europeias colocadas espaços de influência da URSS, pelos acordos de Yalta
de 1944. Embora tenham sido aliados durante a Segunda Grande Guerra, EUA e
URSS começam a se estranhar desde o momento em que as forças aliadas decidiram
a guerra, e que a capitulação da Alemanha era questão de tempo.

RESPOSTA: “A”.

349. CBM/MG - OFICIAL BOMBEIRO MILITAR - FUMARC/2014). A


reação ao movimento transgressor veio com as seguintes medidas:

1ª) O latim continuou sendo a língua oficial;


2ª) Criação de catecismos e seminários para a formação de sacerdotes;
3ª) As doutrinas, os dogmas e os ritos contestados foram rigorosamente
mantidos e reafirmados;
4ª) Criação da Companhia de Jesus;
5ª) Índex Librorum Proibitorum ou Índex;
6ª) Inquisição.

Essas medidas foram produzidas ao longo do século XVI e tiveram um


grande impacto no mundo religioso europeu. Os seis itens acima são frutos da

(A) Contrarreforma.
(B) Reforma Luterana.
(D) Reforma Calvinista.
(E) Reforma Anglicana.

Para responder a questão é preciso ter conhecimento acerca da Reforma


Protestante. A Reforma foi um movimento inaugurado por Martinho Lutero em
1517 (Publicação das 95 teses na porta da igreja de Wittenberg), contrário à Igreja
Católica, no século XVI, que promoveu a cisão da unidade do pensamento cristão
ocidental. Os principais fatores que contribuíram para tal separação foram: religiosos
(crise moral da Igreja, interesses políticos, corrupção e comportamento escandalosos
do clero, incapacidade de atender os anseios dos fieis, novas interpretações da Bíblia
e a venda de indulgências); socioeconômicos (conformação da ética religiosa ao
espírito do capitalismo comercial) e políticas (valorização dos sentimentos nacionais
formação das monarquias). Principais movimentos reformistas: Luteranismo

235
História
(Alemanha), Calvinismo (Suíça) e Anglicismo (Inglaterra). A Contrarreforma foi a
reação da Igreja Católica diante do avanço do protestantismo. Cria-se a Companhia
de Jesus (Jesuítas), reorganiza-se a Inquisição (Tribunal do Santo Ofício) e proíbe-se
a leitura de algumas obras consideradas impróprias.

Resposta: “A”.

350. (CBM/MG - OFICIAL BOMBEIRO MILITAR - FUMARC/2014)

Leia a reportagem:

Taxa de desemprego na Grécia bate novo recorde em abril


11/07/2013

ATENAS, 11 Julho (Reuters) - A taxa de desemprego da Grécia bateu novo


recorde em abril, em consequência da recessão e depois de mais de três anos
de austeridade implementada em troca de ajuda financeira no âmbito de um
acordo de resgate internacional. A taxa de desemprego do país subiu a 26,9%,
ante 26,8% em março, a leitura mais alta desde que as estatísticas do serviço
ELSTAT começaram a ser publicadas, em 2006. É mais do que o dobro da taxa
média da zona do euro, que atingiu 12,2% em maio. “O fato importante é que
quase dois, em cada três, têm ficado fora do trabalho por mais de 12 meses”, disse
o economista do instituto de pesquisa IOBE, Angelos Tsakanikas, ressaltando
os profundos problemas no mercado de trabalho. Aqueles com idade entre 15 e
24 anos permanecem entre os mais afetados, embora a taxa de desemprego para
essa faixa etária tenha diminuído para 57,5% em abril, de 58,3% em março. A
taxa de desemprego da Grécia triplicou desde o início da crise em 2009, quando
centenas de milhares de pessoas perderam o trabalho ou seus negócios.

No ano de 1929, o mundo experimentou uma crise econômica mais profunda


do que a descrita acima. John Keynes concebeu uma saída econômica da crise
que previa no seu receituário, EXCETO:

(A) Criação de frentes de trabalho para empregar a grande massa de


desempregados.
(B) Geração de emprego e renda, como a TVA (Tennesse Valley Authority).
(C) Financiamento dos setores produtivos industriais e agropastoris.
(D) Não intervenção do Estado na economia.

236
História
Para responder a questão é necessário relembrar os principais fatos ligados à
Crise da Bolsa de Nova York, em 1929. A “queda” da Bolsa de Nova York provocou
uma grande crise econômica em escala mundial. O colapso da economia (deflação,
superprodução e retração do mercado consumidor), provocou uma grava crise
no sistema capitalista. Efeitos da crise: Falência de grande número de empresas
e bancos, alto índice de desemprego, queda no preço dos produtos agrícolas, dos
bens de produção e das exportações (retração do mercado), crise política e agitação
social. Uma das principais consequências da crise econômica foi o abandono, por
parte das lideranças políticas dos países industrializados, dos preceitos e fórmulas
do liberalismo econômico (Capacidade de auto-regulamentação do mercado,
livre-iniciativa, livre-concorrência). A emergência de um Estado Intervencionista,
proposta defendida por John Keynes, constituiu umas das saídas encontradas para
contornar as crises sociais e econômicas (a política do “New Deal”, implantada nos
Estados Unidos pelo presidente Franklin Roosevelt, constitui um exemplo).

RESPOSTA: “D”..

351. (FACULDADE CULTURA INGLESA - VESTIBULAR PROVA 01 -


VUNESP/2013)

Os gregos possuíam um vasto repertório de histórias míticas. O mito


permitia aos gregos da época arcaica apreender e conhecer seu passado
histórico. Mas o mito não estendia seu controle sobre tudo. Os gregos estavam,
cada vez mais, em presença de explicações e de justificações divergentes, até
mesmo inconciliáveis, mas coexistentes: umas eram míti cas, outras não. A
partir do século VI a.C., alguns exprimiram sua dúvida e seu ceticismo; eles não
foram, entretanto, numerosos, pois a maior parte das pessoas não “estudava”
os mitos, contentando-se, simplesmente, em repeti-los.

O excerto, que faz uma síntese significativa da cultura do final do período


arcaico da história grega, alude ao surgimento;

(A) de direitos políticos concedidos à maioria do povo pela democracia


grega, com a exclusão dos militares.
(B) do ateísmo e da incredulidade na Grécia Antiga, que abarcaram o
conjunto do mundo grego
(C) de críticas às interpretações tradicionais, que se mantiveram restritas a
um pequeno número de indivíduos.
(D) da noção de beleza ideal nas artes gregas, elaborada pelas filosofias
platônicas e aristotélicas.
(E) da união política das cidades gregas, que foi sustentada por fundamentos
filosóficos e crenças religiosas comuns

237
História
O texto faz referência ao surgimento da Filosofia que, ao contrário do discurso
mítico-religioso, buscava explicar os fenômenos naturais de maneira lógico-racional,
sem recorrer a entidades extraterrenas ou divinas.

RESPOSTA: “C”..

352. (FACULDADE CULTURA INGLESA - VESTIBULAR PROVA 01 -


VUNESP/2013). Em torno de 1030, os clérigos do norte da França proclamaram
que, de acordo com os desígnios divinos, os homens estão divididos em três
categorias, os que rezam, os que combatem e os que trabalham, e que a
concórdia entre eles baseia-se numa troca mútua de serviços.

No trecho transcrito, o historiador Georges Duby descreve a;

(A) oposição da Igreja medieval à exploração dos servos pela nobreza.


(B) razão econômica da baixa produtividade da agricultura medieval.
(C) submissão dos sacerdotes cristãos ao poderio militar dos nobres
medievais
(D) divisão igualitária da riqueza produzida pelos camponeses medievais.
(E) maneira como eram justificadas as divisões sociais na Idade Média.

Para responder a questão é necessário conhecer os principais aspectos da


organização social e política do período medieval. A Idade Média é, historicamente,
dividida em Alta Idade Média (séculos V a X) e Baixa Idade Média (séculos X e XV).
A organização social e política pode ser, assim, resumida: Teocentrismo (Supremacia
do Poder Espiritual sobre o Temporal), Fragmentação Política (Suserania e
Vassalagem), divisão social em estamentos, o que não permitia mobilidade social.
Estamentos: Clero (os que oram), Nobreza (os que combatem) e Camponeses (os
que trabalham).

RESPOSTA: “E”..

353. (PUC/SP - VESTIBULAR - PUC/2014) “O fato maior do século XIX é


a criação de uma economia global única, que atinge progressivamente as mais
remotas paragens do mundo, uma rede cada vez mais densa de transações
econômicas, comunicações e movimentos de bens, dinheiro e pessoas, ligando os
países desenvolvidos entre si e ao mundo não desenvolvido.” Eric Hobsbawm. A
era dos Impérios. 1875-1914. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2008, p. 95.

238
História
O processo histórico descrito no texto corresponde ao
(A) avanço da indústria chinesa, que superou a concorrência comercial
dos países do Ocidente e passou a monopolizar os mercados consumidores da
Europa e da América.
(B) estabelecimento de clara hegemonia política e militar soviética, nos
tempos da Guerra Fria, sobre o Leste europeu e o Sul e Sudeste do continente
asiático.
(C) imperialismo norte-americano, que impôs seu domínio econômico-
financeiro sobre a América, a Europa Ocidental e parte do continente africano.
(D) sucesso das políticas neoliberais de ampliação da produção industrial
e dos mercados consumidores, que permitiram o rompimento das barreiras
alfandegárias mesmo nos países socialistas da Ásia.
(E) expansionismo europeu sobre o Pacífico, a Ásia e a África, que impôs
o controle político e comercial de potências ocidentais a diversas partes do
mundo.

A passagem escrita por Eric Hobsbawm diz respeito às resultantes da Segunda


Revolução Industrial que alteraram profundamente os campos das comunicações,
transporte, produção, cultura, entre outros. Como uma das principais consequências
do processo industrial, há a expansão das economias capitalistas da Europa em
direção à África, Ásia, Oceania, dentre outras. Diante da retração do mercado
consumidor interno, as potências industriais européias buscaram escoar seus
produtos para aquelas regiões, com o objetivo de formar um mercado consumidor
para seus produtos manufaturados. Além disso, buscaram monopolizar fontes de
matéria prima e produtos primários, reduzindo países à condição de colônias. Nas
“colônias”, as potências européias investiram em diversos setores como: transporte,
comunicações, indústria extrativa, urbanização, buscando atender seus interesses.
Nos países colonizados, os europeus exerceram domínio não apenas no setor
econômico mas, também, nos campos político, social e cultural, sob justificativas
racistas e preconceituosas (darwinismo social). Seu resultado foi o estabelecimento
de um novo período do capitalismo, conhecido como financeiro e monopolista. As
principais potências europeias e os EUA passaram a constituir verdadeiros impérios
sobre o Pacífico, a Ásia e a África, controlando política e economicamente as mais
diversas regiões do globo.

RESPOSTA: “E”.

239
História
354. (FACULDADE CULTURA INGLESA - VESTIBULAR PROVA 01 -
VUNESP/2013)

O Pirralho foi uma revista satírica publicada em São Paulo entre 1911 e
1917. As charges dessa revista tinham nítido conteúdo político, além de estarem
sempre sintonizadas com os acontecimentos do momento histórico.

A charge acima, por exemplo, refere-se à;

(A) dominação dos mercados consumidores dos países americanos pela


economia industrial da Inglaterra.
(B) imposição da democracia, pelo governo norte-americano, aos países do
continente dominados por ditaduras militares
(C) crescente intervenção do governo norte-americano na América Latina,
contrastando com sua antiga posição de defesa da independência das colônias
ibéricas.
(D) iminente entrada dos Estados Unidos na Primeira Guerra Mundial com
a finalidade de proteger os pequenos países da América
(E) política de união dos povos da América, como único recurso capaz de
impedir a sua anexação pelas potências imperialistas.

Para responder a questão, dado que o personagem retratado na charge é o “Tio


Sam”, é preciso conhecer a política expansionista dos Estados Unidos, conhecida pelo
nome de Imperialismo Americano, pela qual o país buscou conquistar e consolidar,

240
História
ao longo de sua história enquanto país independente, por diferentes meios (embargos
econômicos, declarações, guerras, revoluções, comércio), a hegemonia econômica,
política, social e cultural no cenário mundial.

RESPOSTA: “C”.

355. (FACULDADE CULTURA INGLESA - VESTIBULAR PROVA


01 - VUNESP/2013). O grande objetivo da entrada do homem em sociedade
consiste na fruição da propriedade em paz e em segurança e, sendo o grande
instrumento e meio disto as leis estabelecidas nessa sociedade, a primeira lei
positiva e fundamental de todas as comunidades consiste em estabelecer o
poder legislativo. Esse poder legislativo não é somente o poder supremo da
comunidade, mas é sagrado e inalterável nas mãos em que a comunidade uma
vez o colocou; nem pode qualquer édito, de quem quer que seja, ter a força e
a obrigação da lei se não tiver sanção do legislativo escolhido e nomeado pelo
público; porque, sem isto, a lei não teria o consentimento da sociedade sobre a
qual ninguém tem o poder de fazer leis senão por seu próprio consentimento e
pela autoridade dela recebida.

O filósofo inglês John Locke publicou o Segundo tratado sobre o governo em


1690. Um dos argumentos do livro, resumido no excerto transcrito, foi essencial
para que transformações políticas ocorressem na Europa e na América, porque;

(A) denunciou a exploração econômica dos trabalhadores industriais.


(B) sustentou que a propriedade particular das terras provocava lutas
sociais
(C) demonstrou que a democracia seria possível apenas em pequenos
grupos sociais.
(D) elaborou, por oposição aos Estados absolutistas, a teoria do governo
representativo
(E) considerou a paz social, garantida pelo rei, como a condição da felicidade
humana.

Os filósofos dos séculos. XVI-XVIII, conhecidos pelo nome de “contratualistas”,


dentre os quais se destaca, na questão, John Locke, buscam justificar e legitimar o
Poder Político de maneira racional, sem qualquer relação com a “vontade” divina
ou religiosa, contrapondo-se, assim, às bases da soberania absolutista. As teorias
contratualistas simbolizam a legitimidade do poder fundada na representatividade
e no consenso. O Poder Político é resultante de um “contrato” estabelecido entre
governante e governados.

RESPOSTA: “D”

241
História
356. (MS CONCURSOS - 2013 - CBM-SC - SOLDADO 3° CLASSE). A
escravidão, também denominada de escravismo, escravagismo ou escravatura,
é uma prática social de exploração humana, onde o escravo é considerado uma
mercadoria. Sob o ponto de vista histórico, pode-se afirmar que a escravidão se
enquadra nos seguintes aspectos, exceto:

(A) Nas sociedades onde o escravo era considerado uma mercadoria, os


preços variavam de acordo com as condições físicas, habilidades profissionais,
a idade, a procedência e o destino do escravo.
(B) Na Idade Média, os escravos atenienses não podiam ser vendidos,
trocados ou comprados, pois eles eram propriedade das cidades gregas que
podiam conceder a proprietários o direito definitivo de posse de alguns escravos
(os italiotas).
(C) A escravidão nos tempos modernos era baseada num forte preconceito
racial em que o grupo étnico ao qual pertencia o comerciante era considerado
superior.
(D) Com a exploração do trabalho escravo, tornava-se possível a produção
de excedentes e uma enorme acumulação de riquezas, contribuindo assim, para
o desenvolvimento econômico e cultural que a humanidade conheceu em alguns
momentos históricos e épocas.

A prática da escravidão esteve presente ao longo do período medieval. Grande


número de gregos e muçulmanos, por exemplo, foi comercializado, por traficantes
de escravos, nas regiões que envolvem a Ásia, na sua parcela ocidental e a África,
na sua parcela setentrional.

RESPOSTA: “B”

357. (MS CONCURSOS - 2013 - CBM-SC - SOLDADO 3° CLASSE)


A definição mais apropriada e aceita para desenvolvimento sustentável é
o desenvolvimento capaz de garantir as necessidades básicas da geração
atual, sem comprometer a capacidade de sobrevivência das futuras gerações.
É o desenvolvimento que não esgota os recursos naturais para o futuro. De
acordo com essa definição que surgiu na Comissão Mundial sobre Meio
Ambiente e Desenvolvimento, criada pelas Nações Unidas para discutir e
propor mecanismos para a harmonização do desenvolvimento econômico e a
conservação ambiental, é correto afirmar que:

(A) O desenvolvimento econômico é primordial para as nações mais pobres,


mas o caminho a ser seguido deve ser, sempre, o mesmo adotado pelos países
industrializados.

242
História
(B) O desenvolvimento sustentável sugere, de fato, a quantidade em vez de
qualidade, com a diminuição acentuada do uso de matérias-primas e produtos
e a eliminação da reutilização e da reciclagem.
(C) O desenvolvimento sustentável se confunde com crescimento econômico,
que depende do consumo decrescente de energia e recursos naturais.
(D) O conceito de desenvolvimento sustentável, apresentado pela Comissão
Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, criada pelas Nações Unidas,
representou uma nova forma de desenvolvimento econômico, que leva em conta
o meio ambiente.

Por meio da leitura e interpretação do texto, pode-se concluir que o conceito de


desenvolvimento sustentável está intimamente ligado ao de crescimento econômico
e o de preservação do meio-ambiente. Assim, tal crescimento deve ser promovido
por meio do uso racional e controlado dos recursos naturais, de forma a garantir a
preservação destes para as gerações futuras.

RESPOSTA: “C”.

358. (VUNESP - 2013 - UNESP - VESTIBULAR - PROVA 1). Mais ou menos


a partir do século XI, os cristãos organizaram expedições em comum contra os
muçulmanos, na Palestina, para reconquistar os “lugares santos” onde Cristo
tinha morrido e ressuscitado. São as cruzadas [...]. Os homens e as mulheres da
Idade Média tiveram então o sentimento de pertencer a um mesmo grupo de
instituições, de crenças e de hábitos: a cristandade.

Segundo o texto, as cruzadas.

(A) contribuíram para a construção da unidade interna do cristianismo, o


que reforçou o poder da Igreja Católica Romana e do Papa.
(B) resultaram na conquista definitiva da Palestina pelos cristãos e na
decorrente derrota e submissão dos muçulmanos.
(C) determinaram o aumento do poder dos reis e dos imperadores, uma vez
que a derrota dos cristãos debilitou o poder político do Papa.
(D) estabeleceram o caráter monoteísta do cristianismo medieval, o que
ajudou a reduzir a influência judaica e muçulmana na Palestina
(E) definiram a separação oficial entre Igreja e Estado, estipulando funções
e papéis diferentes para os líderes políticos e religiosos.

243
História
Para resolver esta questão é necessário relembrar que a Igreja Católica exerceu
seu poder nos mais diversos setores do universo medieval (política, economia,
cultura e sociedade) e na prática da Inquisição (combate às heresias). As Cruzadas
foram originadas pelo aumento populacional, a necessidade de expansão territorial,
interesses econômicos e religiosos, como, por exemplo, a expulsão dos muçulmanos
da Terra Santa. No total, organizaram-se oito cruzadas.

RESPOSTA: “A”

359. (VUNESP - 2013 - UNESP - VESTIBULAR - PROVA 1). Ó mar salgado,


quanto do teu sal. São lágrimas de Portugal! Por te cruzarmos, quantas mães
choraram. Quantos filhos em vão rezaram! Quantas noivas ficaram por casar.
Para que fosses nosso, ó mar! Valeu a pena? Tudo vale a pena. Se a alma não
é pequena. Quem quer passar além do. Bojador. Tem que passar além da dor.
Deus ao mar o perigo e o abismo deu, Mas nele é que espelhou o céu.

Entre outros aspectos da expansão marítima portuguesa a partir do século


XV, o poema menciona

(A) o sucesso da empreitada, que transformou Portugal na principal


potência europeia por quatro séculos
(B) o reconhecimento do papel determinante da Coroa no estímulo às
navegações e no apoio financeiro aos familiares dos navegadores
(C) a crença religiosa como principal motor das navegações, o que justifica
o reconhecimento da grandeza da alma dos portugueses.
(D) a percepção das perdas e dos ganhos individuais e coletivos provocados
pelas navegações e pelos riscos que elas comportavam
(E) a dificuldade dos navegadores de reconhecer as diferenças entre os
oceanos, que os levou a confundir a América com as Índias.

A passagem do feudalismo para o capitalismo foi marcada pelo confronto entre


a emergente burguesia e a decadente nobreza feudal; na política, pela formação
do Estado Moderno; pelo advento da Reforma Protestante e pelo movimento
renascentista. A Europa convive nesse período com significativa expansão marítima
e comercial, determinada, economicamente, pelo comércio de especiarias, pela
descoberta de novos mercados e pela escassez de metais preciosos. A burguesia
favorece a centralização do poder junto à realeza. Há um crescente espírito de
aventura alicerçado por um grande avanço tecnológico (caravelas com seus
instrumentos de navegação, mapas geográficos dentre outros). Os países que mais
se destacaram nesse novo momento de expansões foram: Portugal e posteriormente,

244
História
Espanha (descoberta de novo caminho para as Índias, descoberta da América
enquanto Holandeses, Ingleses e Franceses concentram suas atividades marítimas no
Atlântico Norte). No poema de Fernando Pessoa, o autor expõe, ao mesmo tempo, os
sentimentos ligados aos riscos e recompensas das atividades marítimas.

RESPOSTA: “D”.

360. (VUNESP - 2013 - UNESP - VESTIBULAR - PROVA 1). O comércio


foi de fato o nervo da colonização do Antigo Regime, isto é, para incrementar
as atividades mercantis processava-se a ocupação, povoamento e valorização
das novas áreas. E aqui ressalta de novo o sentido da colonização da época
Moderna; indo em curso na Europa a expansão da economia de mercado, com
a mercantilização crescente dos vários setores produtivos antes à margem da
circulação de mercadorias – a produção colonial era uma produção mercantil,
ligada às grandes linhas do tráfico internacional.

O mecanismo principal da colonização foi o comércio entre colônia e


metrópole, fato que se manifesta

(A) na ampliação do movimento de integração econômica europeia por


meio do amplo acesso de outras potências aos mercados coloniais
(B) na ausência de preocupações capitalistas por parte dos colonos, que
preferiam manter o modelo feudal e a hegemonia dos senhores de terras
(C) nas críticas das autoridades metropolitanas à persistência do escravismo,
que impedia a ampliação do mercado consumidor na colônia.
(D) no desinteresse metropolitano de ocupar as novas terras conquistadas,
limitando-se à exploração imediatista das riquezas encontradas.
(E) no condicionamento político, demográfico e econômico dos espaços
coloniais, que deveriam gerar lucros para as economias metropolitanas.

O sistema por meio do qual se organizou a produção de açúcar, Plantation,


na Colônia, caracterizava-se pela grande propriedade (latifúndio); monocultura
(cana de açúcar), utilização de mão-de-obra escrava (Índios e, posteriormente,
africanos); produção em larga escala para o comércio externo. Este sistema atendia
aos preceitos do Mercantilismo, que nortearam o sentido da colonização do Brasil
por Portugal. Dentre os seus preceitos, destacam-se: balança comercial favorável
(índice de exportação deve ser superior ao de importação); Metalismo: constituir
reserva de metais preciosos como, por exemplo, ouro e prata; O comércio sobrepõe-
se, em importância, à produção de mercadorias. O açúcar, neste contexto histórico,
era uma produto muito procurado na Europa, o que garantia altos preços no mercado

245
História
internacional. Além disso, além de Portugal já estar familiarizado em relação às
técnicas de fabricação do açúcar, a produção deste era considerada, também, um meio
lucrativo de estabelecer a ocupação sistemática da Colônia. Além disso, conjunto de
normas baseado nos princípios do mercantilismo, o pacto colonial refere-se à função
econômica da colônia, na relação com a metrópole. No caso do Brasil, todo açúcar
aqui produzido era comercializado no exterior, exclusivamente, pela metrópole, que
ficava com o lucro obtido com a venda do produto. Além disso, todos os produtos
consumidos na colônia eram provenientes (importados) da metrópole.

RESPOSTA: “E”.

361. (VUNESP - 2013 - UNESP - VESTIBULAR - PROVA 1). Entre as


diferenças políticas que levaram o Norte e o Sul dos Estados Unidos à Guerra
Civil, em 1861, podemos citar

(A) a disputa pelo mercado consumidor europeu de matérias-primas e pelo


mercado consumidor latino-americano de manufaturados
(B) a disputa em relação às terras do Oeste, que vinham sendo conquistadas
e gradualmente incorporadas à União
(C) o apoio nortista às lutas pela independência de Cuba e a rejeição sulista
às emancipações políticas no Caribe
(D) a anexação de terras do México por estados do Norte e a defesa sulista
da autonomia e da soberania territorial mexicana.
(E) o esforço de expansão para o Sul e o consequente estabelecimento de
hegemonia norte-americana sobre a América Latina.

O conflito civil estadunidense conhecido pelo nome de Guerra de Secessão ou,


Guerra Civil americana, teve início em 1861, terminando no ano de 1865. Dentre os
fatores que levaram à eclosão do conflito destacam-se a questão escravocrata (desejo
dos grupos aristocráticos do sul em expandir a escravidão ao Oeste americano, o
que contrariou a elite industrial do norte), impostos interestaduais, divergências de
cunho regionalista, dentre outros.

RESPOSTA: B.

362. (VUNESP - 2013 - UNESP - VESTIBULAR - PROVA 1). No final da


primavera de 1921, um grande artigo de Lenin define o que será a NEP [Nova
política econômica]: supressão das requisições, impostos em gêneros (para
os camponeses); liberdade de comércio; liberdade de produção artesanal;
concessões aos capitalistas estrangeiros; liberdade de empresa – é verdade que

246
História
restrita – para os cidadãos soviéticos. [...] Ao mesmo tempo, recusa qualquer
liberdade política ao país: “Os mencheviques continuarão presos”, e anuncia
uma depuração do partido, dirigida contra os revolucionários oriundos de
outros partidos, isto é, não imbuídos da mentalidade bolchevique

O texto identifica duas características do processo de constituição da União


Soviética;

(A) a reconciliação entre as principais facções social-democratas e a


implantação de um sistema político que atribuía todo poder aos sovietes de
soldados, operários e camponeses.
(B) o reconhecimento do fracasso político e social dos ideais comunistas e
o restabelecimento do capitalismo liberal como modo de produção hegemônico
no país.
(C) a estatização das empresas e dos capitais estrangeiros investidos no
país e a nacionalização de todos os meios de produção, com a implantação do
chamado comunismo de guerra
(D) a aguda centralização do poder nas mãos do partido governante e o
restabelecimento temporário de algumas práticas capitalistas, que visavam à
aceleração do crescimento econômico do país.
(E) o fim da participação russa na Guerra Mundial, defendida pelas
principais lideranças do Exército Vermelho, e a legalização de todos os partidos
socialistas

Comentário: Para responder a questão é necessário relembrar as principais


características da Revolução Russa (1917) e o seu contexto histórico: Efeitos da
Primeira Guerra Mundial: crise econômica (colapso setor produtivo, transportes,
setor agrícola) e social (greves e manifestações), além de milhares de mortos durante
o conflito. No ano de 1917, Lênin proclama as Teses de Abril, na qual defende a
tática de “Todo poder aos sovietes”, reclamando a retirada da Rússia do conflito
mundial e a implantação de uma reforma agrária. Início da Revolução Socialista na
Rússia: os bolcheviques, sob o comando de Lênin e Trotski, assumem o Poder. A
oposição aos bolcheviques (mencheviques, burgueses e partidários do czar- russos
brancos) reage, levando o país a uma guerra civil (1918-1921). Após violentos
conflitos, os bolcheviques (russos vermelhos) consolidam-se no Poder. Em 1923,
houve a formação da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas.

RESPOSTA: “D”.

247
História
363. (UERJ - 2013 - UERJ - VESTIBULAR - PROVA 1)

O governo norte-coreano anunciou recentemente que não mais reconheceria


o armistício assinado em 1953, o que trouxe novamente ao debate o episódio da
Guerra da Coreia.

O fator que explica a dimensão assumida por essa guerra na década de 1950
está apresentado em:

(A) mundialização do acesso a fontes de energia


(B) bipolaridade das relações políticas internacionais
(C) hegemonia soviética em países do Terceiro Mundo
(D) criação de multinacionais japonesas no extremo Oriente

Um dos principais legados da Segunda Guerra Mundial foi a polarização do


mundo em dois blocos: A bipolarização do poder entre URSS e Estados Unidos
(Guerra Fria) provocou um estado de permanente tensão e disputas diplomáticas,
em escala mundial, atingindo, muitas vezes, os limites de um confronto armado. A
bipartição do Poder entre aquelas potências envolveu conflitos de ordem econômica,
política, ideológica, social, cultural, militar e espacial, em escala internacional,
como, por exemplo, a Guerra da Coréia. Tais conflitos, atingiram e modificaram, em
várias ocasiões, a configuração geográfica e sócio-política de muitos países. Nem
mesmo o Espaço ficou imune (Corrida Espacial). Guerras, perseguições, muro de
Berlim (1961), mortes, prisões, embargos e ditaduras constituíram efeitos daquela
rivalidade.

RESPOSTA: “B”..

248
História
364. (UERJ - 2013 - UERJ - VESTIBULAR - PROVA 1)

A Primeira Guerra Mundial (1914-1918) provocou transformações nas


vidas de crianças e jovens europeus. Uma dessas transformações é apresentada
no filme “A fita branca” e está associada ao que o diretor denominou de “raízes
do mal”

Nas décadas de 1920 e 1930, os efeitos dessas raízes do mal se manifestaram


no seguinte processo histórico:

(A) expansão do comunismo


(B) difusão do etnocentrismo
(C) ascensão do totalitarismo
(D) renascimento do liberalismo

A “queda” da Bolsa de Nova York provocou uma grande crise econômica em escala
mundial. O colapso da economia (deflação, superprodução e retração do mercado
consumidor), provocou uma grava crise no sistema capitalista. Efeitos da crise:
Falência de grande número de empresas e bancos, alto índice de desemprego, queda
no preço dos produtos agrícolas, dos bens de produção e das exportações (retração
do mercado), crise política e agitação social. Uma das principais consequências
da crise econômica foi o abandono, por parte das lideranças políticas dos países
industrializados, dos preceitos e fórmulas do liberalismo econômico (Capacidade de
auto-regulamentação do mercado, livre-iniciativa, livre-concorrência). A emergência

249
História
de um Estado Intervencionista constituiu umas das saídas encontradas para contornar
as crises sociais e econômicas (a política do “New Deal”, implantada nos Estados
Unidos pelo presidente Franklin Roosevelt, constitui um exemplo). Em alguns
países, a crise econômica constituiu, dentre outras, uma das principais causas para a
formação e consolidação de regimes de caráter totalitário (nacionalista, militarista,
centralizador, autoritário, expansionista, racismo, anticomunismo) como, por
exemplo, o nazismo, na Alemanha. As principais características do Totalitarismo são:
Nacionalismo; repúdio às formas liberais e democráticas de governo; Centralização
Política; Militarismo; Anti-Comunismo; Autoritarismo; Expansionismo (política
imperialista); Racismo. Utilização dos meios de comunicação e entretenimento de
massa, como, por exemplo, o rádio, o cinema, o teatro, a imprensa, para fazer a
propaganda do regime junto à população.

RESPOSTA: “C”..

365. (PUC/SP - VESTIBULAR - PUC/2014) Observe a manchete e o


subtítulo de um artigo publicado no jornal O Estado de S. Paulo:

GAME OF DRONES

(As ferramentas de guerra estão se transformando e, com elas, as perguntas


feitas pelos estrategistas da ordem geopolítica mundial)

(O Estado de S. Paulo. Suplemento Aliás, 27/10/2013. p. E10)

Tendo em vista as chamadas do artigo publicado, é correto armar que

(A) armamentos sem tripulação tornam as ações militares mais precisas e


oferecem mais segurança às populações civis, vítimas frequentes das guerras.
(B) a associação entre geopolítica e estratégia militar (guerra) mantém-se
vinculada na mente dos analistas,
quando o assunto é a ordem mundial.
(C) armamentos teleguiados são mais seguros para os civis, pois são muito
caros, logo, acessíveis apenas às forças militares legais e nacionais
(D) com os novos armamentos, pergunta-se se esse poder concentrado nas
mãos de alguns países não criará uma nova ordem mais pacíca.
(E) com esses novos armamentos, a ideia de ordem geopolítica mundial vai
se desatualizar, pois o poder militar será mais igualitário entre as nações.

250
História
O uso de “Drones”, nome dado às aeronaves que não transportam tripulação,
constitui uma nova “arma” no campo da tecnologia militar com o objetivo de garantir
a conquista e dominação de um dado território. Essa nova tecnologia, contudo,
não representa qualquer garantia de segurança à população civil, já que, segundo
estatística da ONU, seu uso tem causado danos entre os civis.

RESPOSTA: “B”.

366. (CESPE - 2013 - Instituto Rio Branco - Diplomata - Prova 2) A


execução de Carlos I, em 30 de janeiro de 1649, foi decisão do Parlamento inglês
que simbolizou o fim do absolutismo na Inglaterra e comprometeu o mito da
identificação entre poder real e sua origem divina. Manifestação inicial da crise
do Antigo Regime, a Revolução Inglesa do século XVII foi o ponto de partida
da Era das Revoluções, que, entre fins do século XVIII e primeira metade
do século XIX, iria desvelar o mundo contemporâneo. Relativamente a esse
processo histórico, assinale a opção correta.

(A) A Revolução Francesa de 1789 marcou o perfil ideológico das revoluções


burguesas, dado seu caráter liberal e pioneiramente democrático, que
acompanhou todo o processo revolucionário, da queda da Bastilha à ascensão
de Napoleão Bonaparte ao poder.
(B) A Revolução Puritana de 1640 e a Revolução Gloriosa de 1688, ainda
que integrantes de um mesmo contexto, são distintas nos propósitos e nos meios
utilizados, visto que a segunda se insurgiu contra o Parlamento, mas procurou
manter incólume o poder monárquico.
(C) Dois motivos excluem a Revolução Industrial do conjunto de revoluções
burguesas que sepultaram o Antigo Regime: ter mantido em aberto o processo
de transição do feudalismo ao capitalismo e ter exercido diminuta influência na
transformação política dos países que se industrializavam.
(D) Chamados iluministas, pensadores europeus do século XVIII —
especialmente franceses — revolucionaram intelectualmente o mundo moderno
ao atacarem com vigor a injustiça, a intolerância religiosa e os privilégios,
preparando o terreno para as revoluções que destruiriam o Antigo Regime.
(E) Considerada a primeira revolução americana, a independência das
13 colônias inglesas da América do Norte foi facilitada pela homogeneidade
da colonização e pela decisão da Inglaterra de não reagir militarmente ao
movimento separatista, para assegurar a continuidade dos negócios na região.

251
História
Os pensadores iluministas, inspirados nos ideais burgueses, defendiam o
papel emancipador da razão humana, considerada o único instrumento por meio
do qual o homem alcançaria a verdade, a felicidade à liberdade (Humanismo/
Antropocentrismo). Críticos do Absolutismo (Antigo Regime), da Igreja e do regime
de servidão, aqueles pensadores propunham uma nova organização da sociedade,
baseada nos valores da igualdade e da liberdade, considerados direitos naturais, e
defendiam uma nova relação entre governantes e governados, a partir de um pacto
político firmado por meio de um contrato social. O pensamento iluminista exerceu forte
influência em vários movimentos políticos, tais como: Independência dos Estados
Unidos (1776) e Revolução Francesa (1789). Os principais pensadores iluministas:
John Locke (liberalismo); Jean-Jacques Rousseau; Barão de Montesquieu; Voltaire.
No campo econômico, destacam-se: Quesnay; Adam Smith.

RESPOSTA: “D”.

367. (CESPE - 2013 - Instituto Rio Branco - Diplomata - Prova 2) A partir


de meados do século XIX, acompanhando o processo de desenvolvimento da
industrialização, o proletariado buscou desenvolver formas de solidariedade.
Nessa perspectiva, surgiram cooperativas, associações de ajuda mútua e, por
fim, sindicatos. Muitos governos chegaram a desenvolver políticas sociais,
provavelmente para enquadrar o movimento operário, como evidencia a
avançada política habitacional na Alemanha de Bismarck. Relativamente a esse
cenário, assinale a opção correta.

(A) Surgida em 1864, a Associação Internacional dos Trabalhadores, ou


I Internacional, pretendia articular a luta do movimento operário em escala
mundial.
(B) Ao longo do século XIX, o movimento operário europeu foi marcadamente
ideológico e, na maioria absoluta dos casos, plenamente identificado com o
socialismo.
(C) Presa às circunstâncias históricas do passado, a Igreja Católica mostrou-
se insensível à questão social, vindo a se manifestar sobre esse tema apenas no
século XX.
(D) Com o apoio das tropas prussianas, a Comuna de Paris logrou assumir
o controle da capital francesa e nela implantou o modelo anarquista de
administração pública.
(E) Apesar da acirrada oposição de Marx e Engels, o avanço do movimento
operário sustentou-se em aguda radicalização política e ideológica.

252
História
Além dos avanços tecnológicos e ampliação dos setores de produção, a
Revolução Industrial desencadeou um efetivo processo de urbanização (crescimento
das cidades – formação dos bairros operários), desenvolvimento das redes de
transporte e comunicação, divisão do trabalho no interior das fábricas, como
forma de acelerar a produção; novas relações entre capital (burguês proprietário
das fábricas) e a força de trabalho; formação de uma classe operária que reagiu,
de diferentes maneiras, contra a exploração da força de trabalho, longas jornadas,
baixos salários e péssimas condições de vida e de trabalho. Como um exemplo desta
reação está a criação, em 1864, da Associação Internacional dos Trabalhadores
conhecida pelo nome de “I Internacional”, cujo objetivo era organizar o movimento
operário em amplitude global. Vale ressaltar que, no contexto do desenvolvimento
e consolidação do capitalismo, surgem teorias econômicas e sociais que defendem
os preceitos do capital (liberalismo econômico) e outras que contestam os valores
capitalistas e pregam a sua derrocada, em favor de um modelo político-social mais
justo e igualitário (Socialismo/Comunismo – Karl Marx).

RESPOSTA: “A”.

368. (CESPE - 2013 - Instituto Rio Branco - Diplomata - Prova 2). A Segunda
Guerra Mundial (1939-1945) é, geralmente, considerada o grande momento de
inflexão do século XX. Decorrência de duas décadas de instabilidade política,
comoção social e crise econômica, ela foi o mais universalizado dos conflitos e,
ao chegar ao fim, gerou uma ordem internacional que se afastava dos padrões
vigentes, a rigor, desde a Idade Moderna. Relativamente aos fatores que
determinaram o início de hostilidades e às conferências que estabeleceram as
balizas do novo cenário mundial, assinale a opção correta.

(A) A Conferência de Potsdam definiu a internacionalização de Berlim e


a divisão da Alemanha em duas áreas de influência: a área sob influência da
União Soviética e a sob influência dos EUA.
(B) Embora combatido por liberais, trotskistas e social-democratas, o Pacto
de Não-Agressão Germano-Soviético foi fundamental para retardar o início da
Segunda Guerra Mundial.
(C) A política da Paz Armada desencadeada por Hitler, ainda que não
necessariamente expansionista, abriu o caminho para a guerra, por gerar
desconfiança e temor generalizados.
(D) A Liga das Nações condenou a anexação da Áustria pela Alemanha
nazista, tendo sido veemente o protesto da França e da Inglaterra, que
romperam relações diplomáticas com Berlim.

253
História
(E) Em face de sua contribuição na luta contra o Reich nazista, a União
Soviética teve o reconhecimento internacional reforçado na Conferência de
Teerã e, em lalta, assegurou sua influência no Leste Europeu.

A Segunda Guerra Mundial (1939-1945): Principais Causas: Revanchismo


alemão (Diante das humilhantes imposições do Tratado de Versalhes); Nacionalismo;
política de expansionismo militar (anexação de territórios) implantada pela Alemanha,
Itália e Japão. No ano de 1939, a Alemanha invade e ocupa a Tchecoslováquia e a
Albânia é anexada pela Itália. No mês de setembro, os nazistas invadem a Polônia.
Inglaterra e França declaram guerra à Alemanha. Tem início a Segunda Guerra
Mundial. Neste ano é assinado o pacto de não-agressão entre a Alemanha e a União
Soviética. Em 1940, o exército nazista invade a Dinamarca, Holanda, Bélgica e
Noruega. A frança é ocupada pelos alemães (governo colaboracionista de Pétain,
em Vichy). Em 1941, a Alemanha invade a Grécia e a Iugoslávia. Hitler desrespeita
o pacto assinado com a União Soviética e invade a Rússia. Neste mesmo ano, os
japoneses atacam a base naval de Pearl Harbour. Os Estados Unidos declaram guerra
aos países do Eixo (Itália, Alemanha e Japão). 1943: os alemães são derrotados em
Stalingrado (União Soviética) e na África. As potências aliadas (EUA, Inglaterra
e França) começam a ocupar a Itália. Prisão e execução de Benito Mussolini, o
Duce, chefe do Estado fascista italiano. Conferência de Teerã: os líderes dos EUA,
Inglaterra e União Soviética reúnem-se na capital iraniana entre o final de novembro
e o início de dezembro. Nesta reunião, tratou-se acerca da divisão da Alemanha e
da configuração da fronteira polonesa, por meio do reconhecimento, por parte dos
ingleses e norte-americanos, da anexação, à União Soviética, da Estônia, Letônia,
Lituânia e do Leste da Polônia. 1944: Desembarque das tropas inglesas, americanas
e canadenses na Normandia (França) – “Dia D”. A França é liberta do jugo nazista.
De Gaulle, um dos principais nomes da resistência francesa contra os alemães,
torna-se líder do governo Provisório e instaura a IV República na França. No ano
de 1945, os líderes da Inglaterra, EUA e União Soviética, Churchill, Roosevelt e
Stalin, respectivamente, reúnem-se na Conferência de Yalta. Cria-se a Organização
das Nações Unidas (ONU). Em abril, as tropas soviéticas ocupam Berlim. Suicídio
de Adolf Hitler. A capitulação (derrota) da Alemanha ocorreu no dia 7 de maio. Nos
meses de Julho e Agosto, durante a conferência de Potsdam, dividiu-se a Alemanha
em quatro zonas de ocupação, foi imposta uma indenização à Alemanha e foi criado
o Tribunal de Nuremberg, para julgar os crimes de guerra cometidos pelos nazistas.
Nos dias 06 e 09 de agosto, os EUA lançam duas bombas atômicas, em Hiroshima e
Nagasaki, respectivamente. O Japão rendeu-se. Assim, os tratados acordados entre
as potências vencedoras abriram caminho para uma nova ordem geopolítica marcada
pela bipolaridade entre Estados Unidos e União Soviética (Guerra Fria). O Leste
Europeu converteu-se, conforme visto acima, em um espaço de influência soviético.

RESPOSTA: “E”..

254
História
369. (CESPE - 2013 - Instituto Rio Branco - Diplomata - Prova 2). Rússia
e China protagonizaram as duas mais importantes revoluções socialistas
que o século XX conheceu, cujos passos, na América Latina do pós-Segunda
Guerra Mundial, foram seguidos por Cuba. Relativamente aos processos
revolucionários que exerceram considerável impacto na história do mundo
contemporâneo, assinale a opção correta.

(A) Tão logo se tornou vitoriosa, em 1959, a Revolução Cubana definiu-se


como marxista. A despeito do contexto de coexistência pacífica que vigorava
então nas relações internacionais, a presença de um regime socialista nas
Américas repercutiu nos demais países do continente, cujos governos,
majoritariamente, apoiavam as iniciativas de Fidel Castro.
(B) Dada a sua participação na Grande Guerra de 1914, a Rússia
czarista enfrentou efeitos devastadores, tais como sublevações nas províncias
muçulmanas da Ásia Central, revoltas camponesas e desintegração do próprio
exército. Esses e outros fatores foram essenciais para os dois movimentos
revoltosos que, em 1917, derrubaram a tricentenária dinastia dos Romanov e
instituíram a república socialista.
(C) Reforma agrária e nacionalização de indústrias e bancos incluem-se nas
primeiras decisões tomadas pelo governo bolchevique de Lênin, as quais foram
mantidas, sem retrocesso, ao longo da experiência socialista da União Soviética,
aprofundadas sob Stálin e apenas amainadas com o advento da perestroika, já
em meados dos anos 80.
(D) Sob a liderança de Mao Zedong, o objetivo da Revolução Chinesa era
implantar as concepções marxistas em uma das mais antigas civilizações do
mundo, seguindo como modelo — praticamente sem alterações substanciais —
a experiência soviética, o que explica a permanente aliança entre China e União
Soviética, apenas desfeita quando o reformista Gorbatchev assumiu o poder em
Moscou.
(E) Os bons resultados dos planos econômicos implantados por Mao
Zedong nos anos 50 do século passado criaram condições para que o “grande
timoneiro” flexibilizasse o regime político que comandava, abertura política
que se concretizou na Revolução Cultural e permitiu à China usufruir, a partir
de 1966 e durante uma década, de certos padrões de democracia.

Os efeitos da Primeira Guerra Mundial, para a Rússia, foram desastrosos e


podem ser, assim, resumidos: crise econômica (colapso setor produtivo, transportes,
setor agrícola) e social (greves e manifestações), além de milhares de mortos durante
o conflito. Assim, no ano de 1917, Lênin proclama as Teses de Abril, na qual defende
a tática de “Todo poder aos sovietes”, reclamando a retirada da Rússia do conflito

255
História
mundial e a implantação de uma reforma agrária. Início da Revolução Socialista na
Rússia: os bolcheviques, sob o comando de Lênin e Trotski, assumem o Poder. A
oposição aos bolcheviques (mencheviques, burgueses e partidários do czar- russos
brancos) reage, levando o país a uma guerra civil (1918-1921). Após violentos
conflitos, os bolcheviques (russos vermelhos) consolidam-se no Poder. Em 1923,
houve a formação da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas.

RESPOSTA: “B”.

370. (CESPE - 2013 - Instituto Rio Branco - Diplomata - Prova 2-


MODIFICADO). Por volta de 1860, uma nova palavra entrou no vocabulário
econômico e político do mundo: “capitalismo”. O triunfo global do capitalismo
é o tema mais importante da história nas décadas que sucederam 1848. Foi
o triunfo de uma sociedade que acreditou que o crescimento repousava na
competição da livre iniciativa privada, no sucesso de comprar tudo no mercado
mais barato (inclusive trabalho) e vender no mais caro.

Tendo o texto acima como referência inicial e considerando o significado


histórico da Revolução Industrial, julgue (C ou E) as questões 370 a 373.

A competição citada no texto, razão de ser de crescimento econômico que


não teria fim, como se acreditava à época, circunscreveu-se à iniciativa privada.
A triunfante sociedade burguesa, defensora intransigente dos princípios
liberais, impediu que a ação dos Estados nacionais interferisse na economia, o
que resultou em clima de paz e de rivalidades amortecidas, que perdurou até
meados do século XX.

( ) Certo ( ) Errado

Os preceitos da doutrina liberal estabelecem os direitos a vida, a liberdade


e a propriedade como naturais, ou seja, não instituídos pelo Estado. A vida e a
liberdade, na teoria liberal estabelecida por John Locke, da mesma maneira que as
posses materiais, estão condicionadas à atividade humana sobre a natureza, ou seja,
a capacidade humana de produzi-las no instante em que se apropria de algo. A defesa
da propriedade na sociedade civil significa, assim, a defesa da vida e da liberdade
do indivíduo. A sociedade transforma-se, então, em um espaço onde se estabelece
uma relação entre proprietários que, por meio de um contrato, instauram um poder
político, cuja finalidade é somente garantir a posse e o usufruto da propriedade
e salvaguardar os direitos à vida e a liberdade. Neste caso, para o liberalismo, a
sociedade constituiria um espaço no qual os indivíduos, enquanto proprietários que

256
História
buscam o aumento de seus lucros e bens se relacionariam. Contudo, a capacidade de
auto-regulamentação do mercado, livre-iniciativa, livre-concorrência, preceitos do
liberalismo, não constituiu obstáculo à iniciativa dos Estados nacionais no campo
econômico como bem demonstra o Imperialismo e Neocolonialismo no século XIX,
que consistiu na expansão das economias capitalistas da Europa em direção à África,
Ásia, Oceania, dentre outras. Diante da retração do mercado consumidor interno, as
potências industriais européias buscaram escoar seus produtos para aquelas regiões,
com o objetivo de formar um mercado consumidor para seus produtos manufaturados.
Além disso, buscaram monopolizar fontes de matéria prima e produtos primários,
reduzindo países à condição de colônias. Nas “colônias”, as potências européias
investiram em diversos setores como: transporte, comunicações, indústria extrativa,
urbanização, buscando atender seus interesses. Nos países colonizados, os europeus
exerceram domínio não apenas no setor econômico mas, também, nos campos
político, social e cultural, sob justificativas racistas e preconceituosas (darwinismo
social). Além, disso as disputas econômicas entre as principais potências européias
constituem um dos principais fatores que levaram à Primeira Guerra Mundial.

RESPOSTA: “ERRADO”

371. Entre os diversos elementos que se conjugam para a conceituação


mais abrangente da Revolução Industrial, destacam-se a substituição das
ferramentas pelas máquinas, da energia humana pela motriz e da forma
doméstica de produção pelo sistema fabril

( )Certo ( )Errado

A Inglaterra constituiu, no século XVIII, o berço da Revolução Industrial,


processo que viria a atingir outros países durante o século XIX. A Revolução
Industrial caracteriza-se pela dinamização e modernização do setor de produção
de mercadorias, que se torna o eixo central da economia capitalista em sua fase
industrial. O processo de dinamização e modernização envolveu a substituição de
ferramentas por máquinas e a utilização de novas fontes de energia motriz, como
a energia hidráulica e o vapor. Paralelamente, o sistema de produção em âmbito
doméstico foi substituído pela organização fabril (fábricas).

RESPOSTA: “CERTO”

257
História
372. No período de tempo mencionado no texto, a partir de meados do século
XIX, a Revolução Industrial deixa de ser um acontecimento essencialmente
inglês e tende a se disseminar. Nesse processo de universalização da moderna
indústria, assinalada pela expansão imperialista, verifica-se a consolidação do
capitalismo como sistema econômico dominante.

( ) Certo ( )Errado

A Inglaterra constituiu, no século XVIII, o berço da Revolução Industrial,


processo que viria a atingir outros países durante o século XIX. A Revolução
Industrial caracteriza-se pela dinamização e modernização do setor de produção
de mercadorias, que se torna o eixo central da economia capitalista em sua fase
industrial. O processo de dinamização e modernização envolveu a substituição de
ferramentas por máquinas e a utilização de novas fontes de energia motriz, como
a energia hidráulica e o vapor. Paralelamente, o sistema de produção em âmbito
doméstico foi substituído pela organização fabril (fábricas). As fases da Revolução
Industrial são: Primeira Fase (1760-1860); Segunda Fase (1860-1900): Conhecida
como Segunda Revolução Industrial, envolveu a adoção de novas técnicas e
transformações na produção e sua expansão para outros países. Inovações deste
período: novas fontes de energia (energia elétrica, por exemplo), novos setores de
produção (siderurgia e indústria química), desenvolvimento dos setores de transporte
e comunicação e novas maneiras de organizar a produção (Taylorismo e fordismo).
Uma das principais consequências da Revolução Industrial foi a consolidação do
sistema capitalista, regime econômico assentado na exploração da mão-de-obra
assalariada

RESPOSTA: “CERTO”

373. Assentada na notável evolução tecnológica que a caracterizou, a


Revolução Industrial alterou radicalmente o sistema produtivo, ampliando,
de maneira inédita, o volume da produção e os mercados consumidores. Essa
transformação, contudo, foi insuficiente para determinar novos padrões de
pensamento e de comportamento da sociedade, que ainda permanecia presa a
ideias e valores do passado rural.

( ) Certo ( )Errado

Além dos avanços tecnológicos e ampliação dos setores de produção, a


Revolução Industrial desencadeou, por meio de um efetivo processo de urbanização
(crescimento das cidades – formação dos bairros operários), desenvolvimento das

258
História
redes de transporte e comunicação, divisão do trabalho no interior das fábricas,
como forma de acelerar a produção, uma profunda mudança, também, no campo
sociocultural, revolucionando os padrões de comportamento e o cotidiano das
pessoas.

Resposta: “ERRADO”

374. (CESPE - 2013 - Instituto Rio Branco - Diplomata - Prova 2-


MODIFICADO). O colapso econômico de 1929 foi único em termos de
profundidade e amplitude. Já houvera crises cíclicas antes, mas nunca como
essa. A economia dos países industrializados permaneceu desintegrada por mais
de cinco anos, com redução de um quinto na produção e desemprego que atingiu
um quarto da força de trabalho. Crises financeiras e cambiais se reproduziram
no mundo todo em um intervalo de semanas, fazendo que economias inteiras
afundassem juntas. Nenhuma das principais nações foi poupada.

Tendo o texto acima como referência inicial e considerando as múltiplas


implicações do tema nele abordado, além do contexto histórico que lhe serve de
moldura, julgue (C ou E) as questões 374 a 377.

A Grande Depressão dos anos 30 do século XX selou o fracasso da ordem


econômica clássica, que não trouxera paz nem cooperação; ao contrário,
provavelmente tenha acirrado os conflitos entre as nações. Entende-se a
relação entre a crise de 1930 e a Segunda Guerra Mundial ao considerar que
a recuperação econômica dos países, sobretudo os da Europa, assentou-se, em
larga medida, na corrida armamentista, como foi o caso da Alemanha nazista

( )Certo ( ) Errado

Para responder a questão é necessário relembrar os principais fatos ligados à


Crise da Bolsa de Nova York, em 1929. A “queda” da Bolsa de Nova York provocou
uma grande crise econômica em escala mundial. O colapso da economia (deflação,
superprodução e retração do mercado consumidor), provocou uma grava crise
no sistema capitalista. Efeitos da crise: Falência de grande número de empresas
e bancos, alto índice de desemprego, queda no preço dos produtos agrícolas, dos
bens de produção e das exportações (retração do mercado), crise política e agitação
social. Uma das principais consequências da crise econômica foi o abandono, por
parte das lideranças políticas dos países industrializados, dos preceitos e fórmulas
do liberalismo econômico (Capacidade de auto-regulamentação do mercado,
livre-iniciativa, livre-concorrência). A emergência de um Estado Intervencionista,

259
História
proposta defendida por John Keynes, constituiu umas das saídas encontradas para
contornar as crises sociais e econômicas (a política do “New Deal”, implantada
nos Estados Unidos pelo presidente Franklin Roosevelt, constitui um exemplo).
Em alguns países, a crise econômica constituiu, dentre outras, uma das principais
causas para a formação e consolidação de regimes de caráter totalitário (nacionalista,
militarista, centralizador, autoritário, expansionista, racismo, anticomunismo) como,
por exemplo, o nazismo, na Alemanha.

Resposta: “CERTO”

375. Com a quebra da Bolsa de Valores de Nova Iorque em outubro de


1929, iniciou-se a maior crise que o moderno capitalismo conhecera até então.
Embora rapidamente disseminada, devido à vigorosa presença dos EUA no
cenário econômico mundial pós-Primeira Guerra, a crise passou ao largo de
países com pouca ou nenhuma industrialização, como os de grande parte da
Ásia e os da América Latina

( ) Certo ( )Errado

Conforme o comentário da questão anterior, a crise decorrente da “quebra”


da Bolsa de Nova York, em 1929, teve alcance mundial, ou seja, atingiu, também,
países não industrializados ou os de baixa industrialização. Muitos destes países
eram exportadores de produtos primários e tinham nas nações industrializadas seus
principais compradores.

Resposta: ERRADO”

376. Em 1933, no auge da crise, Roosevelt e Hitler chegaram ao poder, e


seus governos notabilizaram-se por oferecer respostas contundentes ao caos
social e político em que se encontravam EUA e Alemanha. Com o New Deal,
de Roosevelt, ainda que preservada a democracia, amplia-se a presença do
Estado na economia, em contraste com as práticas econômicas ultraliberais que
haviam levado ao colapso do sistema.

( ) Certo ( ) Errado

Para responder a questão é necessário relembrar os principais fatos ligados à


Crise da Bolsa de Nova York, em 1929. A “queda” da Bolsa de Nova York provocou
uma grande crise econômica em escala mundial. O colapso da economia (deflação,
superprodução e retração do mercado consumidor), provocou uma grava crise

260
História
no sistema capitalista. Efeitos da crise: Falência de grande número de empresas
e bancos, alto índice de desemprego, queda no preço dos produtos agrícolas, dos
bens de produção e das exportações (retração do mercado), crise política e agitação
social. Uma das principais consequências da crise econômica foi o abandono, por
parte das lideranças políticas dos países industrializados, dos preceitos e fórmulas
do liberalismo econômico (Capacidade de auto-regulamentação do mercado,
livre-iniciativa, livre-concorrência). A emergência de um Estado Intervencionista,
proposta defendida por John Keynes, constituiu umas das saídas encontradas para
contornar as crises sociais e econômicas (a política do “New Deal”, implantada nos
Estados Unidos pelo presidente Franklin Roosevelt, constitui um exemplo).

Resposta: “CERTO”

377. O New Deal promoveu radical transformação na organização e no


funcionamento do capitalismo nos EUA: os setores financeiro e industrial
passaram a ser fiscalizados vigorosamente pelo governo federal, que optou por
não se envolver na recuperação de áreas mais debilitadas, como a agricultura e
a organização do trabalho.

( )Certo ( )Errado

O comentário da questão anterior ajuda a responder esta questão já que,


conforme visto, um dos principais efeitos da crise econômica foi a falência de um
número considerável de empresas e, em consequência, o recrudescimento da taxa
de desemprego, o que “obrigou” o estado americano, por meio do New Deal, a
reorganizar o mercado de trabalho, garantindo oferta de emprego.

Resposta: “ERRADO”

378. (CESPE - 2013 - Instituto Rio Branco - Diplomata - Prova 2). No que
concerne à unificação da Itália e suas consequências, assinale a opção correta.

(A) A questão romana e do pontificado somente seria resolvida em 1929, no


Tratado de Locarno, em que se estabeleceu a criação do Estado do Vaticano.
(B) O Romantismo literário, o republicanismo revolucionário e o
historicismo que enfatizava a singularidade nacional inspiraram o processo de
unificação da Itália.
(C) O processo de unificação da Itália iniciou-se nos Condados de Nice e de
Savoia, que comandavam a guerra contra a Áustria e conseguiram amalgamar
os movimentos secessionistas que começaram a eclodir em 1859.

261
História
(D) A deposição de Napoleão III na França liquidou as garantias de que
gozava o Papa, que assistiu à invasão dos Estados Pontificais pelas forças
unionistas e à conversão de Roma em capital da Itália unificada. x
(E) A unificação italiana teve consequências diretas no equilíbrio da política
europeia, em especial, na intensificação da política denominada isolamento
esplêndido (splendid isolation), implementada pela Inglaterra

No movimento em favor da unificação da Itália, destacam-se a atuação de


Giuseppe Garibaldi e Camilo Benso, o Conde De Cavour. Após vários conflitos,
no ano de 1861, Vitor Emanuel II foi proclamado rei da Itália. Em 1870, a cidade
de Roma foi ocupada pelos italianos, convertendo-se, assim, na capital. O processo
de unificação da Itália sofreu forte resistência do papa Pio IX, que não aceitava a
unificação. A solução para o conflito com a Igreja deu-se em 1929, com o Tratado de
Latrão, o qual instituiu o Estado do Vaticano.

RESPOSTA: “D”.

379. (FUVEST-VESTIBULAR- 2013) A escravidão na Roma antiga

(A) permaneceu praticamente inalterada ao longo dos séculos, mas foi


abolida com a introdução do cristianismo.
(B) previa a possibilidade de alforria do escravo apenas no caso da morte
de seu proprietário.
(C) era restrita ao meio rural e associada ao trabalho braçal, não ocorrendo
em áreas urbanas, nem atingindo funções intelectuais ou administrativas.
(D) pressupunha que os escravos eram humanos e, por isso, era proibida
toda forma de castigo físico.
(E) variou ao longo do tempo, mas era determinada por três critérios:
nascimento, guerra e direito civil.

A escravidão representa um dos principais fatores responsáveis pela evolução


política, social e econômica de Roma ao longo de sua brilhante história. Esse sistema
sofreu modificações ao logo dos anos apresentando, dentre suas mais importantes
características, a escravidão por hereditariedade, pela guerra e a decorrente por
dívidas.

RESPOSTA: “E”.

262
História
380. (FUVEST-VESTIBULAR- 2013) Quando Bernal Díaz avistou pela
primeira vez a capital asteca, ficou sem palavras. Anos mais tarde, as palavras
viriam: ele escreveu um alentado relato de suas experiências como membro
da expedição espanhola liderada por Hernán Cortés rumo ao Império Asteca.
Naquela tarde de novembro de 1519, porém, quando Díaz e seus companheiros
de conquista emergiram do desfiladeiro e depararam-se pela primeira vez
com o Vale do México lá embaixo, viram um cenário que, anos depois, assim
descreveram: “vislumbramos tamanhas maravilhas que não sabíamos o que
dizer, nem se o que se nos apresentava diante dos olhos era real”.
Matthew Restall. Sete mitos da conquista espanhola. Rio de Janeiro:
Civilização Brasileira, 2006, p. 15-16. Adaptado.

O texto mostra um aspecto importante da conquista da América pelos


espanhóis, a saber,
(A) a superioridade cultural dos nativos americanos em relação aos
europeus.
(B) o caráter amistoso do primeiro encontro e da posterior convivência
entre conquistadores e conquistados.
(C) a surpresa dos conquistadores diante de manifestações culturais dos
nativos americanos.
(D) o reconhecimento, pelos nativos, da importância dos contatos culturais
e comerciais com os europeus.
(E) a rápida desaparição das culturas nativas da América Espanhola.

O texto mostra a reação de espanto e admiração apresentado por Bernal Diaz ao


avistar o Vale do México.

RESPOSTA: “C”.

381. (CESPE - 2013 - INSTITUTO RIO BRANCO - DIPLOMATA -


PROVA 2). Acerca da coexistência pacífica que caracterizou as relações entre
as superpotências na segunda metade dos anos 50 do século passado e em parte
da década de 60, assinale a opção correta.

(A) A morte de Joseph Stalin, em 1953, e a ascensão de Kruschev ao ápice


do poder favoreceram o tratamento mais flexível das relações entre a União
Soviética e os EUA.
(B) A reconstrução da Europa Ocidental nos anos 50 resultou de um
processo marginal das dinâmicas de estabelecimento da coexistência pacífica
entre as superpotências mundiais.

263
História
(C) A permanência do purismo ideológico ao longo da segunda metade
da década de 50 nos EUA retardou o surgimento do padrão da coexistência
pacífica entre as superpotências mundiais.
(D) O início da desintegração do bloco comunista, com a descaracterização
da unidade na Europa Oriental, na década de 50 e o conflito sino-soviético do
início dos anos 60 são resultados indiretos da coexistência pacífica entre as
superpotências mundiais.
(E) O estancamento do processo de descolonização nos anos 60, com
o congelamento do status quo colonial, postergou o enfrentamento das
superpotências na Ásia e na África e favoreceu o entendimento entre Moscou
e Washington

Após a morte do líder soviético Joseph Stalin, em 1953, deu-se início à uma forte
competição interna pelo poder político. Desta disputa, saiu vitorioso Nikita Kruschev.
No ano de 1955, com Kruschev no poder, iniciou-se uma fase de “abertura” do
regime, abrandando a censura e a atividade da polícia política, “liberando” antigos
presos políticos e cerrando as portas de campos de trabalho forçados. No campo das
relações exteriores, Kruschev buscou aproximar-se dos EUA, chegando a visitar o
país ianque, em 1959, tornando-se, assim, o primeiro líder soviético a “pisar” no
território americano.

RESPOSTA: “A”.

382. (CESPE - 2013 - INSTITUTO RIO BRANCO - DIPLOMATA- PROVA


2. (MODIFICADO)

A Guerra Fria constitui um dos fenômenos mais importantes da História


Contemporânea. Acerca de sua fase inicial, responda (C ou E) as questões 131 a 134.

O bloqueio de Berlim e a imediata construção do muro que dividiu a cidade


em duas zonas, em 1948, constituem a resposta da União Soviética à política de
contenção estabelecida pelos EUA.

( ) Certo ( )Errado

O Muro de Berlim foi construído no ano de 1961, por iniciativa do governo


comunista da República Democrática Alemã (Alemanha Oriental), com o objetivo
de dividir a capital alemã em dois espaços de influência: comunista, de um lado, e
capitalista (República Federal Alemã- Alemanha Ocidental), de outro.

RESPOSTA: “ERRADO”

264
História
383. Com o fim da Segunda Guerra Mundial, a política externa dos EUA
passou a sustentar-se na ideia de ação de longo prazo vinculada à necessidade
de contenção das tendências expansionistas da União Soviética.

( ) Certo ( )Errado

A bipolarização do poder entre URSS e Estados Unidos provocou um estado


de permanente tensão e disputas diplomáticas, em escala mundial, atingindo,
muitas vezes, os limites de um confronto armado. A bipartição do Poder entre
aquelas potências envolveu conflitos de ordem econômica, política, ideológica,
social, cultural, militar e espacial, em escala internacional. Tais conflitos, atingiram
e modificaram, em várias ocasiões, a configuração geográfica e sócio-política de
muitos países. Nem mesmo o Espaço ficou imune (Corrida Espacial). Guerras,
perseguições, muro de Berlim (1961), mortes, prisões, embargos e ditaduras
constituíram efeitos daquela rivalidade.

RESPOSTA: “CERTO”

384. Considerada uma atualização da Doutrina Monroe, a Doutrina


Truman foi a primeira formulação política com caráter universal a esboçar-se
na política externa norte- americana.

( ) Certo ( )Errado

Para responder a questão é necessário lembrar da política expansionista dos


Estados Unidos, conhecida pelo nome de Imperialismo Americano, pela qual o país
buscou conquistar e consolidar, ao longo de sua história enquanto país independente,
por diferentes meios (embargos econômicos, declarações, guerras, revoluções,
comércio), a hegemonia econômica, política, social e cultural no cenário mundial. A
política expansionista empreendida pelos EUA, pouco tempo após sua independência
foi justificada, no século XIX, pelo Destino Manifesto, segundo o qual os EUA teria
sido a nação escolhida por Deus para exercer aquela hegemonia em escala mundial.
Assim, a fé nesta ideologia dinamizou o crescimento territorial e econômico dos
Estados Unidos.

RESPOSTA: “ERRADO”

385. O Plano Marshall foi peça fundamental da estratégia norte-americana


na Guerra Fria, configurando-se como tradução econômica da Doutrina
Truman.

( ) Certo ( )Errado

265
História
O saldo da Segunda Guerra Mundial para os países envolvidos foi trágico. Altos
índices de destruição e morte compuseram um quadro desolador: fome, miséria,
frio, grande número de desabrigados e órfãos, centros industriais e agrícolas
arrasados, doenças, refugiados. O único país que escapou deste terrível cenário foi
os Estados Unidos. Durante o conflito, a indústria e a agricultura norte-americana
experimentaram um grande crescimento. Ao final do conflito, os EUA detinham
quase a totalidade das reservas mundiais de ouro, transformando-se na principal
potência capitalista no cenário mundial. Embora tenha sofrido pesadas perdas
materiais e humanas durante a Guerra, a União Soviética emergiu do conflito como
nação vitoriosa, expandindo sua influência ideológica, política, econômica e militar
para outras áreas. Ao fim da Segunda Guerra, o mundo dividia-se em dois blocos
ideologicamente antagônicos: o capitalista, sob a liderança dos Estados Unidos, e o
comunista (socialismo), sob o domínio da União Soviética (URSS). Dava-se início
à Guerra Fria. A bipolarização do poder entre URSS e Estados Unidos provocou um
estado de permanente tensão e disputas diplomáticas, em escala mundial, atingindo,
muitas vezes, os limites de um confronto armado. Nesta lógica de disputa de zonas
de influência, sob a lógica da Doutrina Truman, os EUA lançaram, em 1947, o
chamado Plano Marshall, assim nomeado em alusão ao chefe de Estado americano
George Marshall. O plano estabelecia uma ajuda financeira aos países europeus
que sofreram as trágicas consequências, econômicas e sociais, da guerra. Ficaram
excluídas deste apoio econômico, as nações alinhadas ao bloco soviético.

Resposta: “CERTO”

386. (IF-SP - 2013 - IF-SP – VESTIBULAR)

De acordo com o texto, é correto afirmar que ele se refere às tensões entre

(A) Israel e Palestina pelo controle da região da Faixa de Gaza.


(B) Rússia e China pelo controle do modelo socialista soviético.
(C) URSS e União Europeia pelo controle comercial do petróleo.
(D) EUA e URSS pela supremacia do capitalismo ou do socialismo.
(E) EUA e Iraque na disputa pelo petróleo da região do Oriente Médio.

266
História
Ao fim da Segunda Guerra Mundial, o mundo dividia-se em dois blocos
ideologicamente antagônicos: o capitalista, sob a liderança dos Estados Unidos, e o
comunista (socialismo), sob o domínio da União Soviética (URSS). Dava-se início
à Guerra Fria. A bipolarização do poder entre URSS e Estados Unidos provocou um
estado de permanente tensão e disputas diplomáticas, em escala mundial, atingindo,
muitas vezes, os limites de um confronto armado.

RESPOSTA: “D”.

387. (IF-SP - 2013 - IF-SP – VESTIBULAR)

Analisando o trecho citado, é correto afirmar que ele se refere ao sistema


político
(A) da república, após a Revolução Francesa.
(B) do feudalismo monárquico da Idade Média.
(C) do absolutismo (Antigo Regime) da Idade Moderna.
(D) da república ateniense, após as reformas de Péricles.
(E) do Império Romano, sob o domínio de César Augusto

A passagem do feudalismo para o capitalismo foi marcada pelo confronto


entre a emergente burguesia e a decadente nobreza feudal; na política, pela
formação do Estado Moderno (Absolutista); pelo advento da Reforma Protestante
e pelo movimento renascentista. A Europa convive nesse período com significativa
expansão marítima e comercial, determinada, economicamente, pelo comércio de
especiarias, pela descoberta de novos mercados e pela escassez de metais preciosos.
A burguesia favorece a centralização do poder junto à realeza. Há um crescente
espírito de aventura alicerçado por um grande avanço tecnológico (caravelas com
seus instrumentos de navegação, mapas geográficos dentre outros).Os países que mais
se destacaram nesse novo momento de expansões foram: Portugal e posteriormente,
Espanha (descoberta de novo caminho para as Índias, descoberta da América
enquanto Holandeses, Ingleses e Franceses concentram suas atividades marítimas
no Atlântico Norte). As características gerais do Estado Moderno são: definição de
um território, soberania governamental, idioma comum e exército permanente. O

267
História
absolutismo constitui um sistema político no qual o monarca concentrava poderes
ilimitados e capacidade de intervenção nos diversos setores da sociedade. Pensadores
que fundamentaram, teoricamente, a construção e as características do Absolutismo:
Nicolau Maquiavel, Jean Bodin, Thomas Hobbes e Jacques Bossuet.

RESPOSTA: “C”.

388. (IF-SP - 2013 - IF-SP – VESTIBULAR). Observe atentamente os dois


primeiros artigos da Declaração de Direitos do Homem e do Cidadão (1789).

Esse texto pode ser considerado uma das primeiras conquistas da Revolução
Francesa. A partir dele, é correto afirmar que os líderes desse movimento
pertenciam
(A) à burguesia, que pretendia se aliar aos reis absolutistas contra o clero.
(B) à burguesia, que pretendia eliminar os privilégios do clero e da nobreza.
(C) à nobreza, que pretendia se unir aos interesses do proletariado industrial.
(D) à nobreza, que pretendia eliminar o direito de propriedade da burguesia.
(E) ao clero, que pretendia eliminar a opressão da nobreza sobre os
camponeses.

Dentre os principais motivos que levaram à eclosão do movimento pode-


se citar: altos valores gastos com os luxos e privilégios gozados pelo monarca e
sua corte (nobreza); Forte influência dos ideais iluministas (igualdade, liberdade e
fraternidade); Crise econômica e social: escassez de alimentos (secas e inundações
prejudicaram a colheita); divisão social na sociedade francesa em estamentos, o que
dificultava a mobilidade social. Assim estava dividida a França, no plano social:
Ø Primeiro Estado: Clero, dividido em: Alto Clero (nobreza, proprietários
rurais, não pagavam impostos); Baixo Clero (origem popular, crítico em relação aos
privilégios gozados pela nobreza e simpatizante dos ideais de mudança social).

268
História
Ø Segundo Estado: Nobreza (detentora de grandes porções de terra, não
pagava impostos, ocupava principais postos na administração estatal).
Ø Terceiro Estado: Maioria da População. Burguesia, dividida em Alta
Burguesia (banqueiros, comerciantes), Média Burguesia (Profissionais Liberais) e
Pequena Burguesia (Pequenos comerciantes e artesãos). A classe burguesa criticava
os privilégios estendidos ao clero e a nobreza. Pagava impostos e reclamava igualdade
civil e reconhecimento político. Além da burguesia, os trabalhadores urbanos (sans
culottes) e camponeses (levavam uma existência miserável) faziam parte do Terceiro
Estado.

RESPOSTA: “B”.

389. (CESPE - 2013 - UNB - VESTIBULAR - PROVA 1 (MODIFICADO)

Tendo como referência o texto acima, responda as questões 389-390:

Os ideais da Revolução Francesa preconizaram a ruptura com a tradição e


inauguraram um novo padrão de justiça, expresso na Declaração dos Direitos
do Homem e do Cidadão.

( ) Certo ( )Errado

Dentre os principais motivos que levaram à eclosão do movimento pode-


se citar: altos valores gastos com os luxos e privilégios gozados pelo monarca e
sua corte (nobreza); Forte influência dos ideais iluministas (igualdade, liberdade e

269
História
fraternidade); Crise econômica e social: escassez de alimentos (secas e inundações
prejudicaram a colheita); divisão social na sociedade francesa em estamentos, o que
dificultava a mobilidade social. Assim estava dividida a França, no plano social:
Primeiro Estado: Clero, dividido em: Alto Clero (nobreza, proprietários
rurais, não pagavam impostos); Baixo Clero (origem popular, crítico em relação aos
privilégios gozados pela nobreza e simpatizante dos ideais de mudança social).
Segundo Estado: Nobreza (detentora de grandes porções de terra, não
pagava impostos, ocupava principais postos na administração estatal).
Terceiro Estado: Maioria da População. Burguesia, dividida em Alta
Burguesia (banqueiros, comerciantes), Média Burguesia (Profissionais Liberais) e
Pequena Burguesia (Pequenos comerciantes e artesãos). A classe burguesa criticava
os privilégios estendidos ao clero e a nobreza. Pagava impostos e reclamava igualdade
civil e reconhecimento político. Além da burguesia, os trabalhadores urbanos (sans
culottes) e camponeses (levavam uma existência miserável) faziam parte do Terceiro
Estado. No dia 14 de julho houve a invasão e tomada da Bastilha, espécie de prisão
política da monarquia. A queda da Bastilha marcou o início da Revolução Francesa.
Na fase da Assembleia Nacional (1789-1792) houve a elaboração da “Declaração
dos Direitos do Homem e do Cidadão” que defendia igualdade diante da lei e a
liberdade

RESPOSTA: “CERTO”

390. Na época colonial, na América hispana e na lusa, o governo local


organizava-se em cabidos (câmaras municipais), nos quais tinham assento
os melhores cidadãos, denominados homens-bons, o que configurava uma
estrutura elitizada de poder e justiça.

( )Certo ( )Errado

As câmaras municipais exerciam a função de controle da receita e despesas


do poder público em âmbito local, fiscalização do comércio realizado nos locais
próximos da cidade, conservação do patrimônio público e a viabilização de
empreendimentos públicos. Vereadores e um juiz compunham a Câmara. Tais cargos
eram ocupados pelos proprietários rurais daquele município. Aos que escolhiam ou
exerciam tais ofícios era atribuído o nome de homens bons.

RESPOSTA: “CERTO”

270
História
391. (CESPE - 2013 - UNB - VESTIBULAR - PROVA 1 (MODIFICADO)

Tendo o texto acima como referência, responda as questões de 391 a 394:

Até as primeiras décadas do século XX, o crescimento da população


urbana e a aglomeração de indústrias, estabelecimentos comerciais e serviços
restringiam-se aos países desenvolvidos do continente europeu, aos Estados
Unidos, ao Canadá e ao Japão.

( ) Certo ( ) Errado

A Inglaterra constituiu, no século XVIII, o berço da Revolução Industrial,


processo que viria a atingir outros países durante o século XIX. A Revolução
Industrial caracteriza-se pela dinamização e modernização do setor de produção
de mercadorias, que se torna o eixo central da economia capitalista em sua fase
industrial. O processo de dinamização e modernização envolveu a substituição de
ferramentas por máquinas e a utilização de novas fontes de energia motriz, como
a energia hidráulica e o vapor. Paralelamente, o sistema de produção em âmbito
doméstico foi substituído pela organização fabril (fábricas). Fases da Revolução
Industrial: Primeira Fase (1760-1860); Segunda Fase (1860-1900): Conhecida
como Segunda Revolução Industrial, envolveu a adoção de novas técnicas e
transformações na produção e sua expansão para outros países. Inovações deste
período: novas fontes de energia (energia elétrica, por exemplo), novos setores de
produção (siderurgia e indústria química), desenvolvimento dos setores de transporte
e comunicação e novas maneiras de organizar a produção (Taylorismo e fordismo).

271
História
Após um longo período medieval (Xogunato), deu início, no Japão, a chamada Era
Meiji que avançou até a primeira década do século XX. Este período da história
japonesa foi caracterizado por uma rápida e intensa modernização, que possibilitou
ao país alcançar o status de potência industrial em nível mundial

RESPOSTA: “CERTO”

392. crescente industrialização desencadeada pela Primeira Revolução


Industrial favoreceu intenso processo de urbanização.

( ) Certo ( )Errado

Além dos avanços tecnológicos e ampliação dos setores de produção, a


Revolução desencadeou um efetivo processo de urbanização (crescimento das
cidades – formação dos bairros operários), desenvolvimento das redes de transporte
e comunicação, divisão do trabalho no interior das fábricas, como forma de acelerar
a produção; novas relações entre capital (burguês proprietário das fábricas) e a força
de trabalho; formação de uma classe operária que reagiu, de diferentes maneiras,
contra a exploração da força de trabalho, longas jornadas, baixos salários e péssimas
condições de vida e de trabalho. Consolidação do sistema capitalista, regime
econômico assentado na exploração da mão-de-obra assalariada.

RESPOSTA: “CERTO”

393. Com a Primeira Revolução Industrial, as cidades passaram a ter uma


nova função: ser o lócus da produção industrial

( ) Certo ( )Errado

O comentário da questão anterior responde esta pergunta.

RESPOSTA: “CERTO”

394. Após a Revolução Industrial, a relação entre o homem em sociedade


e os recursos da natureza tem-se pautado pelo efetivo uso sustentável do meio
ambiental.

( ) Certo ( )Errado

272
História
A preocupação com a preservação do meio ambiente e, também, com a
utilização racional e controlada dos recursos naturais é relativamente recente.
Examinando os anos posteriores à Revolução Industrial, podemos perceber a pouca
atenção dispensada pelas principais potências industriais quanto às consequências
desastrosas ao ecossistema geradas pela expansão e intensificação, sem controle,
do processo produtivo. Ainda hoje, pode-se constatar a forte resistência com
que algumas potências econômicas recebem recomendações quanto aos riscos e
consequências da emissão de gases tóxicos, poluição do ar, do solo, dos recursos
hídricos, dentre outros.

RESPOSTA: “ERRADO”

395. (FUVEST-VESTIBULAR- 2013) “O senhor acredita, então”, insistiu o


inquisidor, “que não se saiba qual a melhor lei?” Menocchio respondeu:
“Senhor, eu penso que cada um acha que sua fé seja a melhor, mas não se
sabe qual é a melhor; mas, porque meu avô, meu pai e os meus são cristãos, eu
quero continuar cristão e acreditar que essa seja a melhor fé”.
Carlo Ginzburg. O queijo e os vermes. São Paulo: Companhia das Letras,
1987, p. 113.

O texto apresenta o diálogo de um inquisidor com um homem (Menocchio)


processado, em 1599, pelo Santo Ofício. A posição de Menocchio indica
(A) uma percepção da variedade de crenças, passíveis de serem consideradas,
pela Igreja Católica, como heréticas.
(B) uma crítica à incapacidade da Igreja Católica de combater e eliminar
suas dissidências internas.
(C) um interesse de conhecer outras religiões e formas de culto, atitude
estimulada, à época, pela Igreja Católica.
(D) um apoio às iniciativas reformistas dos protestantes, que defendiam a
completa liberdade de opção religiosa.
(E) uma perspectiva ateísta, baseada na sua experiência familiar.

O moleiro Menocchio, não afirma ser a fé e a lei cristã superiores, em relação


às outras. Seu desejo de “continuar” a ser cristão está intimamente ligado à uma
tradição familiar. Tal convicção, para a Igreja Católica, representava uma heresia.

RESPOSTA: “A”.

273
História
396. (FUVEST-VESTIBULAR- 2013) Oh! Aquela alegria me deu náuseas.
Sentia-me ao mesmo tempo satisfeito e descontente. E eu disse: tanto melhor e
tanto pior. Eu entendia que o povo comum estava tomando a justiça em suas
mãos. Aprovo essa justiça, mas poderia não ser cruel? Castigos de todos os
tipos, arrastamentos e esquartejamentos, tortura, a roda, o cavalete, a fogueira,
verdugos proliferando por toda parte trouxeram tanto prejuízo aos nossos
costumes! Nossos senhores colherão o que semearam. Graco Babeuf, citado por
R. Darnton. O beijo de Lamourette. Mídia, cultura e revolução. São Paulo:
Companhia das Letras, 1990, p. 31. Adaptado.
O texto é parte de uma carta enviada por Graco Babeuf à sua mulher, no
início da Revolução Francesa de 1789. O autor

(A) discorda dos propósitos revolucionários e defende a continuidade do


Antigo Regime, seus métodos e costumes políticos.
(B) apoia incondicionalmente as ações dos revolucionários por acreditar
que não havia outra maneira de transformar o país.
(C) defende a criação de um poder judiciário, que atue junto ao rei.
(D) caracteriza a violência revolucionária como uma reação aos castigos e à
repressão antes existentes na França.
(E) aceita os meios de tortura empregados pelos revolucionários e os
considera uma novidade na história francesa.

Na missiva, Graco apresenta um conflito sentimental quanto à violência exercida


pelos populares no contexto da Revolução Francesa de 1789. A ação violenta das
massas populares é justificada como resposta à opressão exercida sobre elas por um
longo período

RESPOSTA: “D”.

397. (UNESP-VESTIBULAR-2013-PrimeiraFase) Todo processo de


industrialização é necessariamente doloroso, porque envolve a erosão de
padrões de vida tradicionais. Contudo, na Grã-Bretanha, ele ocorreu com
uma violência excepcional, e nunca foi acompanhado por um sentimento de
participação nacional num esforço comum. Sua única ideologia foi a dos patrões.
O que ocorreu, na realidade, foi uma violência contra a natureza humana. De
acordo com uma certa perspectiva, esta violência pode ser considerada como o
resultado da ânsia pelo lucro, numa época em que a cobiça dos proprietários

274
História
dos meios de produção estava livre das antigas restrições e não tinha ainda sido
limitada pelos novos instrumentos de controle social. Não foram nem a pobreza,
nem a doença os responsáveis pelas mais negras sombras que cobriram os anos
da Revolução Industrial, mas sim o próprio trabalho.
(Edward P. Thompson. A formação da classe operária inglesa, vol. 2, 1987.
Adaptado.)

O texto afirma que a Revolução Industrial


(A) aumentou os lucros dos capitalistas e gerou a convicção de que era
desnecessário criar mecanismos de defesa e proteção dos trabalhadores.
(B) provocou forte crescimento da economia britânica e, devido a isso,
contou com esforço e apoio plenos de todos os segmentos da população.
(C) representou mudanças radicais nas condições de vida e trabalho dos
operários e envolveu-os num duro processo de produção.
(D) piorou as condições de vida e de trabalho dos operários, mas trouxe o
benefício de consolidar a ideia de que o trabalho enobrece o homem.
(E) preservou as formas tradicionais de sociabilidade operária, mas
aprofundou a miséria e facilitou o alastramento de epidemias

A Primeira Revolução Industrial, mediante novo sistema fabril, alterou as


formas tradicionais, eliminando a produção artesanal. Assim, o sistema de trabalho
que então vigorava foi substancialmente mudado. Mas os operários, entre os quais
grande número de mulheres e de crianças, passaram a cumprir jornadas de trabalho
extensas e difíceis, aliadas a regras disciplinares rígidas. Além disso, os empresários
mantinham o controle de seus empregados por meio de salários baixíssimos,
incompatíveis com o serviço desempenhado.

RESPOSTA: “C”.

398. (UNESP-VESTIBULAR-2013-Primeira Fase)

Itália deseja a paz, mas não teme a guerra.


Justiça sem a força é uma palavra sem sentido.
Nós sonhamos com a Itália romana.

Os três lemas acima foram amplamente divulgados durante o governo de


Benito Mussolini (1922-1943) e revelam características centrais do fascismo
italiano:

275
História
(A) a perseguição aos judeus, a liberdade de expressão e a valorização do
direito romano.
(B) o culto ao corpo, o pacificismo e a ânsia de voltar ao passado.
(C) o nacionalismo, a valorização do espírito clássico e o materialismo.
(D) a beligerância, o culto à ação e o esforço expansionista.
(E) o revanchismo, a socialização da economia industrial e a perseguição
aos estrangeiros.

As frases de Mussolini mencionadas nesta questão têm relação com o


nacionalismo (usando a Roma Imperial como modelo), com a convicção de que a
Itália fora injustiçada após a Primeira Guerra Mundial, quanto à divisão territorial, e
com a ideia de se fazer justiça por meio da guerra. Essas três visões auxiliavam na
composição do projeto de expansão do fascismo.

RESPOSTA: “D”.

399. (UNESP-VESTIBULAR-2013-Primeira Fase) O colapso e o fim da


União Soviética, no princípio da década de 1990, derivaram, entre outros
fatores,
(A) da ascensão comercial e militar da China e da Coreia do Sul, o que
provocou acelerada redução nas exportações soviéticas de armamentos para os
países do leste europeu.
(B) da implantação do socialismo nos países do leste europeu e da perda de
influência política e comercial sobre a África, o Oriente Médio e o sul asiático.
(C) dos altos gastos militares e das disputas internas do partido hegemônico,
que facilitaram a eclosão de movimentos separatistas nas repúblicas controladas
pela Rússia.
(D) da derrubada do Muro de Berlim, que representava a principal
proteção, por terra, do mundo socialista, o que facilitou o avanço das tropas
ocidentais.
(E) da ascensão política dos partidos de extrema direita na Rússia e do
surgimento de um sindicalismo independente nas repúblicas da Ásia.

A URSS não tinha estrutura sócio-econômica para manter os altos custos


exigidos pela Guerra Fria e, assim, suas reservas se esgotaram. Após a morte de
Leonid Brejenev (1982), disputas de poder entre grupos ortodoxos e reformistas
enfraqueceram o comando político. Aos curtos governos de Iuri Andropov (1982-
1984) e de Constantin Chernenko (1984-1985), seguiu-se o de Mikail Gorbachev.
Com a Glasnost (transparência), surigram movimentos separatistas, e, nos anos de

276
História
1990-1991, as quinze repúblicas soviéticas declararam-se independência. Em 31
de dezembro de 1991, a dissolução da União Soviética, assinada por Bóris Ieltsin,
confirmou um fato já consumado.

RESPOSTA: “C”.

400. (UNESP-VESTIBULAR-2013-Primeira Fase) As manchetes de


jornal de junho de 2012 enfatizaram a Conferência das Nações Unidas sobre
Desenvolvimento Sustentável. A Rio+20, como ficou conhecida, tinha o desafio
de dar continuidade à conscientização global que teve início na Rio 92. As
diretrizes propostas por essas conferências têm por finalidade o desenvolvimento
sustentável, o qual se refere a um modelo de
(A) consumo que vise atender às necessidades das gerações presentes, sem
comprometer o atendimento às necessidades das gerações futuras.
(B) desenvolvimento social e econômico que objetive a satisfação financeira
e cultural da sociedade.
(C) consumo excessivo dos recursos naturais, com vistas à preservação,
para as gerações futuras, das espécies animais em extinção.
(D) desenvolvimento global que disponha dos recursos naturais para suprir
as necessidades da geração atual.
(E) desenvolvimento global que incorpore e priorize os aspectos do
desenvolvimento econômico.

Em 1983, a Comissão das Nações Unidas para o Meio Ambiente lançou uma
proposta, denominada Desenvolvimento Sustentável ou Eco-desenvolvimento,
com o objetivo de criar um desenvolvimento econômico-social que considerasse
os aspectos sociais e ambientais. À época, havia duas principais ideias de
desenvolvimento econômico: a dos conservacionistas, sustentada pelos países
desenvolvidos, e a desenvolvimentista, pelos países subdesenvolvidos. A proposta
de Desenvolvimento Sustentável envolve não apenas a produção, mas também o
progresso das sociedades atuais e futuras em um meio ambiente saudável e bem
preservado. A alternativa “A” relaciona o Desenvolvimento Sustentável ao consumo,
o que pode causar alguma confusão. Mas as outras alternativas fazem abordagens
incorretas, e são facilmente eliminadas por exclusão. Assim, o Desenvolvimento
Sustentável é relacionado às necessidades atuais da sociedade (alternativa B), ao
consumo excessivo (alternativa C), limitado à atual geração (alternativa D), ou
relacionado exclusivamente aodesenvolvimento econômico (alternativa E).

RESPOSTA: “A”.

277
História
401. (UNESP-VESTIBULAR-2013-Primeira Fase) No dia 3 de junho
de 2012, os jornais estamparam a notícia dos 60 anos de reinado da Rainha
Elizabeth II. Ela foi coroada chefe de Estado da Grã-Bretanha e dos países da
Comunidade Britânica no dia 2 de junho de 1953.
Assinale a alternativa que contém um acontecimento geopolítico ocorrido
nos anos 1950, década em que a Rainha Elizabeth II assumiu o reinado.
(A) Ataque nuclear norte-americano ao Japão.
(B) Guerra da Coreia.
(C) Construção do Muro de Berlim.
(D) Criação da OPEP (Organização dos países exportadores de Petróleo).
(E) Dissolução da URSS.

Os ataques nucleares norte-americanos ao Japão fora em 1945 (6 de agosto –


Hiroshima, 9 de agosto – Nagasaki). A Guerra da Coreia durou de junho de 1950
a julho de 1953. O Muro de Berlim foi construído em 1961 (início em agosto). A
OPEP – Organização dos Países Exportadores de Petróleo – foi criada em 1960. A
URSS – União das Repúblicas Socialistas Soviéticas –, foi dissolvida em dezembro
de 1991.

RESPOSTA: “B”.

402. (UNESP-VESTIBULAR-2013-Primeira Fase) A modernidade


não pertence a cultura nenhuma, mas surge sempre CONTRA uma cultura
particular, como uma fenda, uma fissura no tecido desta. Assim, na Europa, a
modernidade não surge como um desenvolvimento da cultura cristã, mas como
uma crítica a esta, feita por indivíduos como Copérnico, Montaigne, Bruno,
Descartes, indivíduos que, na medida em que a criticavam, já dela se separavam,
já dela se desenraizavam. A crítica faz parte da razão que, não pertencendo
a cultura particular nenhuma, está em princípio disponível a todos os seres
humanos e culturas. Entendida desse modo, a modernidade não consiste numa
etapa da história da Europa ou do mundo, mas numa postura crítica ante a
cultura, postura que é capaz de surgir em diferentes momentos e regiões do
mundo, como na Atenas de Péricles, na Índia do imperador Ashoka ou no Brasil
de hoje. (Antonio Cícero. (Resenha sobre o livro O Roubo da História. Folha de
S. Paulo, 01.11.2008. Adaptado)

Com a leitura do texto, a modernidade pode ser entendida como


(A) uma tendência filosófica especificamente europeia e ocidental de crítica
cultural e religiosa.
(B) uma tendência oposta a diversas formas de desenvolvimento da
autonomia individual.

278
História
(C) um conjunto de princípios morais absolutos, dotados de fundamentação
teológica e cristã.
(D) um movimento amplo de propagação da crítica racional a diversas
formas de preconceito.
(E) um movimento filosófico desconectado dos princípios racionais do
iluminismo europeu.

Para o autor, a modernidade não se relaciona a um único contexto histórico


particularmente europeu, mas ela se faz presente em muitos momentos e contextos
históricos, como uma tendência que, valendo-se de conhecimento crítico, racional e
independente contesta comportamentos culturais firmados em preconceitos.

RESPOSTA: “D”.

403. (UNESP-VESTIBULAR-2013-Primeira Fase) Encontrar explicações


convincentes para a origem e a evolução da vida sempre foi uma obsessão
para os cientistas. A competição constante, embora muitas vezes silenciosa,
entre os indivíduos, teria preservado as melhores linhagens, afirmava Charles
Darwin. Assim, um ser vivo com uma mutação favorável para a sobrevivência
da espécie teria mais chances de sobreviver e espalhar essa característica para
as futuras gerações. Ao fim, sobreviveriam os mais fortes, como interpretou
o filósofo Herbert Spencer. Um século e meio depois, um biólogo americano
agita a comunidade científica internacional ao ousar complementar a teoria da
seleção darwinista. Segundo Edward Wilson, da Universidade de Harvard, o
processo evolutivo é mais bem-sucedido em sociedades nas quais os indivíduos
colaboram uns com os outros para um objetivo comum. Assim, grupos de
pessoas, empresas e até países que agem pensando em benefício dos outros e de
forma coletiva alcançam mais sucesso, segundo o americano. (Rachel Costa. O
poder da generosidade. IstoÉ. 11.05.2012. Adaptado)

Embora divergentes no que se refere aos fatores que explicam a evolução


da espécie humana, ambas as teorias, de Darwin e de Wilson, apresentam como
ponto comum a concepção de que
(A) influências religiosas e metafísicas são o principal veículo no processo
evolutivo humano ao longo do tempo.
(B) são os condicionamentos psicológicos que influenciam de maneira
decisiva o progresso na história.
(C) a sobrevivência da espécie humana ao longo da história é explicada pela
primazia de fatores de natureza evolutiva.

279
História
(D) os fatores econômicos e materiais são os principais responsáveis pelas
transformações históricas.
(E) os fatores intelectuais são os principais responsáveis pelo sucesso dos
homens em dominar a natureza.

Para a sobrevivência da espécie humana, tanto a competição darwiniana como a


colaboração, para Wilson constituem-se em fatores da natureza evolutiva da espécie
humana.

RESPOSTA: “C”.

404. (UNESP-VESTIBULAR-2013-Primeira Fase) Em um documento


rubricado pela Rede Global de Academias de Ciência (IAP), um grupo de
pensadores da comunidade científica com sede em Trieste (Itália) que engloba
105 academias de todo o mundo alerta pela primeira vez sobre os riscos do
consumo nos países do Primeiro Mundo e a falta de controle demográfico,
principalmente nas nações em desenvolvimento. Na declaração da comunidade
científica se indica que as pautas de consumo exarcebado do Primeiro Mundo
estão se deslocando perigosamente para os países em desenvolvimento: os
milhões de telefones celulares e toneladas de “junk food” que invadem os lares
pobres são claros indicadores dessa problemática. A ausência nos países pobres
de políticas de planejamento familiar ou de prevenção de gravidezes precoces
acaba de configurar um sombrio cenário de superpopulação. Trata-se de dois
problemas convergentes que pela primeira vez analisamos de forma conjunta”,
afirma García Novo.(Francho Barón, El País, 16.06.2012. Adaptado)

Um dos problemas relatados no texto está relacionado com


(A) a supremacia de tendências estatais de controle sobre a economia liberal.
(B) o aumento do nível de pobreza nos países subdesenvolvidos.
(C) a hegemonia do planejamento familiar nos países do Terceiro Mundo.
(D) o declínio dos valores morais e religiosos na era contemporânea.
(E) o irracionalismo das relações de consumo no mundo atual.

O texto, ao colocar em evidência o modelo capitalista vigente, deixa claro que


o consumismo exorbitante e irresponsável, aliado ao crescimento demográfico sem
controle são ameaças reais para o futuro da humanidade.

RESPOSTA: “E”.

280
História
405. (UNESP-VESTIBULAR-2013-Primeira Fase) O marketing religioso
objetiva identificar as necessidades de espírito e de conhecimento dos adeptos
de uma determinada religião, oferecendo uma linha de produtos e serviços
específicos para determinado segmento religioso e linguagem inerente ao tipo
de pregação veiculada. A pessoa que se sente vazia num mundo capitalista e
individualista busca refúgio através de uma religião. Identificar o público
que mais frequenta o templo e o bairro onde o mesmo está situado, o nível
de escolaridade, renda, hábitos, demais dados dos perfis demográficos e
psicográficos são considerados num planejamento de marketing de uma
linha de produtos religiosos. (Fernando Rebouças. Marketing religioso. www.
infoescola.com, 04.01.2010. Adaptado.)

O fenômeno descrito pode ser explicado por tendências de


(A) instrumentalização e mercantilização da fé religiosa.
(B) crítica religiosa à massificação de produtos de consumo.
(C) recuperação das práticas religiosas tradicionais.
(D) indiferença das igrejas e religiões frente às demandas de mercado.
(E) rejeição de ferramentas administrativas no âmbito religioso.

Em uma sociedade de consumo, em que se tem estabelecido um modelo de


mercado, todas as práticas e valores culturais acabam, também, vinculados à
lógica desse mercado. E, nessa direção, a fé e as necessidades espirituais tornam-
se “mercadorias” a serem consumidas pelos fiéis e para atraí-los valem também as
mesmas técnicas inerentes desse mercado. Por essa razão, assiste-se, atualmente, à
expansão das chamadas teologias da prosperidade.

RESPOSTA: “A”.

281
História
406. (MACKENZIE-VESTIBULAR-2011)

http://www.toonpool.com

A charge acima faz referência


(A) à manutenção do embargo econômico imposto pelos EUA à Cuba desde
1961.
(B) ao controle militar que os EUA exercem sobre todo o território cubano
desde a crise dos mísseis de 1962.
(C) ao fracasso das mudanças em Cuba, que resultaram na ampla abertura
econômica e na volta da democracia, com a eleição direta de Raul Castro.
(D) à aliança entre os EUA e Cuba, agora sob o comando de Raul Castro,
para o combate à pobreza na ilha.
(E) ao isolamento que a Organização dos Estados Americanos, OEA, impôs
à Cuba, recentemente, para pressionar a volta da democracia.

A charge refere-se ao embargo econômico dos Estados Unidos a Cuba e às


consequências em relação à economia cubana, dentre elas, evidentemente, a escassez
de recursos financeiros.

RESPOSTA: “A”.

282
História
407. (MACKENZIE-VESTIBULAR-2011) “Ao lado dos sinos dos conventos
e das igrejas, destinados a soar e a impor as horas canônicas dos ofícios religiosos,
aparecem os sinos laicos, sobretudo utilizados para a proclamação do tempo
do trabalho (início, interrupções e fim). Nas cidades do nordeste da Europa,
importante região têxtil, os novos sinos opõem à autoridade dos campanários
da igreja a altivez das torres que os desafiam. Em face do tempo da Igreja,
afirma- se o tempo do mercador, senhor do processo de trabalho”. Dicionário
temático do Ocidente Medieval, v. II, p. 163.
O texto aponta
(A) os erros de certas análises historiográficas a respeito das concepções
medievais de tempo e de trabalho. De forma precipitada, tais análises tendem a
considerar a Igreja detentora absoluta de tais concepções, durante toda a Idade
Média, demonstrando a falta de análises históricas empíricas.
(B) que as estruturas e as mentalidades medievais não sofreram
transformações substanciais. De fato, como apontado no texto, as ideias
acerca do trabalho e do tempo continuaram as mesmas durante o período,
demonstrando que mentalidades não se alteram rapidamente.
(C) para as transformações processadas na Idade Média acerca do papel
regulador da Igreja e do mercador. Aquela atenta à nova realidade, adaptando-
se cada vez mais; este, senhor do comércio e das mercadorias, demonstra o seu
poder ao impor o domínio sobre os sinos e os campanários medievais.
(D) para as transformações processadas no final da Idade Média em
relação ao tempo e ao trabalho. De fato, se antes tais conceitos eram regidos
e dominados pela Igreja, a partir daquele momento as concepções valorativas
acerca deles passam a predominar na transição feudo- capitalista, sobretudo
nos ambientes laicos.
(E) que as concepções de tempo e de trabalho se alteraram ao longo do
tempo, exceto na Idade Média. De fato, analisado empiricamente, o período
é rico em representações a respeito desses conceitos, sempre demonstrando a
fragilidade eclesiástica em impor seus conceitos para a população em geral.

O texto aborda as transformações promovidas, no contexto medieval, pela


transição do regime feudal para o regime capitalista. A essa transição estão associados
a ascensão da burguesia e o surgimento de uma nova concepção mais objetiva e
menos mística, voltada para o lucro, o que pode ser observado nos próprios exemplos
presentes no texto, ou seja, as mudanças arquitetônicas das cidades europeias, agora
com belas torres cujos sinos marcam o “tempo do trabalho” e não mais o “tempo
religioso”.

RESPOSTA: “D”.

283
História
408. (MACKENZIE-VESTIBULAR-2011) “Atacar não significa apenas
assaltar cidades muradas ou golpear um exército em ordem de batalha, deve
também incluir o ato de assaltar o inimigo no seu equilíbrio mental.”
(Sun Tzu-Ping-fa, A Arte da Guerra, séc. IV a.C.
Terrorismo: 1. Modo de coagir, ameaçar ou influenciar outras pessoas,
ou de impor- lhes a vontade pelo uso sistemático do terror; 2. Forma de ação
política que combate o poder estabelecido mediante o emprego da violência.
Novo Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa
A respeito do atentado terrorista, ocorrido em 11 de setembro de 2001, nos
Estados Unidos, e as consequências desse episódio para as relações geopolíticas
internacionais no século XXI, é correto afirmar que

(A) foi mais uma ação liderada pelos grupos extremistas Hamas e do
Hezbollah, contra a política norte-americana no Oriente Médio, utilizando,
para tais ações suicidas, somente jovens de baixa renda e de pouca instrução,
que acreditavam que tais atos lhes garantiriam o direito de ingressar no paraíso
celestial.
(B) a resposta americana ao ataque de 11 de setembro foi a perseguição
sistemática ao milionário saudita Osama bin Laden que, em transmissões
realizadas pela mídia na época, assumiu publicamente a autoria do atentado,
provocando o aumento do sentimento xenofobista do povo norte- americano
aos imigrantes de origem árabe residentes no país.
(C) formou- se uma coalização internacional contando, principalmente,
com o apoio da Inglaterra junto aos Estados Unidos, a fim de combater os
focos terroristas no Oriente Médio, dando início à Guerra do Golfo e a um
esforço, perante as agências internacionais de notícia, de combater o islamismo
fundamentalista.
(D) o ataque sofrido pelos EUA em 2001 tem relação direta com a atuação
política norte- americana no Oriente Médio, que sempre visou atender
aos interesses econômicos americanos na região, e resultou no aumento da
insegurança junto à sociedade americana, jamais atacada anteriormente em
seu próprio território.
(E) a partir desse episódio, os EUA cortaram relações diplomáticas com o
Paquistão, pois houve relutância, por parte da liderança religiosa paquistanesa,
em indicar o local exato do esconderijo de bin Laden, o que possibilitaria a sua
prisão imediatamente após o atentado de 11 de setembro.

Quase como regra, a participação política americana no Oriente Médio esteve,


em maior ou menor escala, vinculada ao atendimento de interesses econômicos dos
EUA, principalmente, os relacionados ao petróleo, como, por exemplo, a Guerra

284
História
do Golfo 1990/91. Contrários à política norte-americana, à influência cultural dos
ianques e, até mesmo à presença de tropas de soldados americanos próxima aos
considerados “lugares sagrados” muçulmanos, grupos fundamentalistas islâmicos
antiamericanos se organizaram. O mais conhecido deles a Al-Qaeda promoveu uma
série de ataques a alvos norte-americanos, como o das Torres Gêmeas, em 11 de
setembro de 2011.

RESPOSTA: “D”.

409. (MACKENZIE –VESTIBULAR-JUNHO-2012)

Tradução livre:
Milu: Tintim, há dois, lá atrás, conversando.
Tintim: Meus queridos amigos, hoje vou lhes falar sobre seu país: a Bélgica!

O processo histórico que possibilitou a fala de Tintim


(A) denomina-se colonialismo clássico e foi marcado pela conquista de
territórios africanos e asiáticos por potências europeias, em busca de mercados
consumidores, matérias-primas estratégicas e imposição de valores culturais.
(B) refere-se à conquista do Congo pela Bélgica, no contexto da disputa por
territórios africanos e latino-americanos, denominado de liberalismo clássico, o
que resultou em conflitos que contribuiriam para a eclosão da Primeira Guerra
Mundial.

285
História
(C) denomina-se imperialismo neocolonialista e foi marcado pela disputa
e conquista de territórios africanos e asiáticos por potências europeias,
contribuindo para os conflitos que resultariam na eclosão da Grande Guerra.
(D) esteve na origem dos conflitos que resultaram na Segunda Guerra
Mundial, uma vez que não levou em conta as diferenças nacionalistas entre
congoleses e belgas, conflitos esses não concluídos até a contemporaneidade.
(E) denomina-se neocolonialismo e foi marcado pela disputa de territórios
na África e Ásia por potências europeias, em decorrência dos problemas gerados
pelo nascente capitalismo concorrencial e industrial na Europa Moderna.

No trecho da história em quadrinhos, o professor personagem (europeu) ensina


a adolescentes negros do Congo, região colonizada por Belgas no movimento
imperialista do final do século XIX. Fica clara a submissão cultural dos povos
africanos aos interesses europeus, em conformidade com o projeto neocolonialista.

RESPOSTA: “C”.

410. (MACKENZIE –VESTIBULAR-JUNHO-2012) Temos um regime


que nada tem a invejar das leis estrangeiras. Somos, antes, exemplos que
imitadores. (…). (…) no que se refere à vida pública, as origens sociais contam
menos que o mérito, sem que a pobreza dificulte a alguém servir à cidade por
causa da humildade de sua posição. Vivemos em liberdade, não somente em
termos de vida política, mas também na vida cotidiana. (…) por mais tolerantes
que sejamos nas relações particulares, recusamos absolutamente, nas questões
públicas, fazer algo de ilegal — teríamos medo! Damos ouvidos àqueles que
se sucedem nas magistraturas, às leis e especialmente àquelas criadas para
proteger as vítimas (…). (Tucídides. História da Guerra do Peloponeso).

O regime de governo, referido por Tucídides, denominava-se, na Grécia


antiga,
(A) Oligarquia.
(B) Monarquia.
(C) Tirania.
(D) República.
(E) Democracia.

No excerto em questão, Tucídides foca características da democracia ateniense,


tais como o valor atribuído ao mérito, o pouco valor dado às origens sociais do
cidadão, a questão legal no que se refere às questões públicas obediência e valorização
das leis, ao ato sucessório no poder e questões relativas às liberdades cotidianas.

RESPOSTA: “E”.

286
História
411. (MACKENZIE –VESTIBULAR-JUNHO-2012) “O ar da cidade torna
os homens mais livres”
O provérbio medieval acima denota uma mudança no cenário europeu
com o declínio do feudalismo e ressurgimento das cidades. As alterações que
ocorreram no final da Idade Média refletiam a nova visão do homem desse
tempo perante o mundo.
Considerando o provérbio acima e as transformações decorrentes da
transição do feudalismo para o capitalismo, é correto afirmar que,
(A) graças ao Renascimento Comercial, verificado na Baixa Idade Média,
as cidades medievais ficaram livres do pagamento das antigas taxas e tributos
feudais, liberando os ocupantes das cidades de tais encargos monetários.
(B) em virtude das Cruzadas (1096-1270), aumentou o intercâmbio religioso
entre Oriente e o Ocidente, ocasionando uma maior tolerância religiosa nas
cidades medievais, que passaram a se espelhar no modelo de Jerusalém.
(C) enquanto a vida no campo era marcada por uma estrutura social
estratifi cada, nos novos centros urbanos, o desenvolvimento comercial e
artesanal criaram condições para a possibilidade de ascensão social para o
homem urbano.
(D) por contar com seu próprio conjunto de leis e jurisprudência, livres da
influência dos senhores feudais, as cidades medievais proporcionaram liberdade
a todos quantos se sentiam oprimidos pelo modelo social feudal da época.
(E) enquanto fazia parte da condição servil, trabalhar nas terras do senhor
e a ele entregar parte da colheita, nas cidades, já no século XII, as relações de
trabalho eram totalmente assalariadas.

O advento do sistema capitalista juntamente com o renascimento comercial e o


desenvolvimento do sistema capitalista estão diretamente vinculados ao surgimento
de um novo cenário, de novos grupos e novas formas de relações sociais no que tange
à Europa da Baixa Idade Média. Nos burgos (cidades medievais) a diversificação
econômica ficava a cargo dos artesãos e dos comerciantes, como também as novas
formas livres de trabalho, a administração da mercadoria excedente e o conceito
de lucro. Enquanto no campo ainda eram mantidas as relações feudais, nas cidades
houve maior ascensão de grupos burgueses e maior movimentação social.

RESPOSTA: “C”.

412. (MACKENZIE-VESTIBULAR-DEZEMBRO-2012) “(…) Consta que


a concubina de Péricles, Aspásia, ajudou-o a escrever seus discursos. E a todos
surpreendia ver o grande estadista, a cada manhã, ao sair de casa, despedir-se
de Aspásia com beijos.”
(A elevação do espírito: 600 a.C.- 400 a.C. Rio de Janeiro, 1998)

287
História
O texto acima, referindo-se ao grande líder da cidade-estado de Atenas,
Péricles, retrata as contradições sociais existentes, não apenas em Atenas, mas
em toda a Grécia. Sobre a sociedade grega da época, podemos afirmar que
(A) As condições sociais eram idênticas tanto nas cidades-estados que
evoluíram para regimes democráticos, como Atenas, por exemplo, quanto nas
póleis oligárquicas, como Esparta.
(B) Em toda a Grécia, a sociedade era predominantemente masculina, mas
em disputas sucessórias familiares, em alguns casos, o poder era exercido pelas
mulheres.
(C) A democracia, instituída pelas reformas de Clístenes, era um sistema
político que atendia aos interesses de apenas uma minoria da população,
estando excluídos os estrangeiros, os escravos e as mulheres.
(D) Em Atenas, as mulheres provenientes de ricas famílias possuíam maior
autonomia, pois eram consultadas e participavam efetivamente das decisões
políticas e assuntos relacionados ao destino da pólis.
(E) A estabilidade social, advinda das reformas introduzidas por Clístenes,
não foi acompanhada por estabilidade econômica, já que foi a partir da
conquista da democracia que os gregos iniciaram seus conflitos com os persas.

A Grécia antiga é considerada o berço da democracia. Entretanto, ela não permitia


a participação, na vida pública, das mulheres, dos escravos e dos estrangeiros,
por considerá-los inferiores. Isso pode ser considerado uma contradição, sendo
democracia um regime com base na igualdade e na liberdade política de toda a
sociedade. Decorre daí a surpresa causada pelo relacionamento entre Aspásia e
Péricles, conforme mencionado no texto.

RESPOSTA: “C”.

413. (MACKENZIE-VESTIBULAR-DEZEMBRO-2012) Com a união das


coroas de Portugal e Espanha, ocorreu o início do período chamado de União
Ibérica (1580-1640). A Holanda, que enfrentou diversas lutas contra a Espanha,
exerceu influência direta na colônia portuguesa na América, pois
(A) passou a pilhar e saquear as feitorias na costa africana dominada
pelos espanhóis, interessada no comércio de escravos e de marfim, invadindo,
também, as cidades de Santos e Salvador, no Brasil.
(B) o embargo espanhol representou prejuízos para os interesses holandeses
no Brasil, uma vez que participavam do comércio de produtos tropicais
nacionais, principalmente do pau-brasil.
(C) sofria, na época, perseguições religiosas na Europa e retaliações dos
católicos residentes em seu país, por isso, seu desejo foi montar uma colônia
protestante no Brasil.

288
História
(D) ocupou o nordeste brasileiro para evitar a criação de bases e feitorias
espanholas, visando quebrar o monopólio da rota da prata advinda das demais
colônias e também minar o prestígio internacional ibérico.
(E) apoderou-se do nordeste brasileiro e retomou o controle da lucrativa
operação de transporte, refino e distribuição comercial do açúcar brasileiro,
perdido a partir da União Ibérica.

Durante o período de 1580 a 1640 (União Ibérica), Portugal e Espanha foram


governados pelo mesmo rei espanhol. Portugal foi envolvido, assim, nos conflitos
espanhóis, entre os quais o com a Holanda. O rei espanhol proibiu a Holanda
de comercializar o açúcar brasileiro, o que fez com que a Companhia das Índias
Ocidentais – holandesa, ocupasse o Nordeste brasileiro, a fim de recuperar a
produção e o comércio do açúcar.

RESPOSTA: “E”.

414. (MACKENZIE-VESTIBULAR-DEZEMBRO-2012)

“O Estado sou eu”, frase atribuída ao rei francês Luís XIV, traduzia o grau
de centralização de poderes típica dos Estados absolutistas europeus. Tal forma
de organização política destacava a figura do monarca como bem caracteriza
a imagem acima. Assinale a alternativa correta que expressa o papel da
monarquia absolutista:

289
História
(A) O regente, ao aparecer publicamente com trajes suntuosos, exprimia a
união entre o poder temporal e o espiritual, apoiado publicamente pelo Papa
em cada aparição pública.
(B) O monarca, ao se utilizar da pompa e da suntuosidade, sintetizava os
anseios da própria nação e dos diversos grupos religiosos existentes no território
francês.
(C) A exposição pública da fi gura do monarca enfraquecia a nobreza e
as tradições aristocráticas, ao mesmo tempo em que fortalecia os interesses
burgueses.
(D) O rei, ao simbolizar o próprio Estado francês, consegue articular o
anseio do grupo mercantil em ascensão, articulando-os com os interesses da
nobreza nacional.
(E) Eliminar as revoltas camponesas francesas, recorrendo ao luxo e
majestade configurados na imagem do monarca, garantia estabilidade a nação.

Os monarcas absolutistas da Europa, como Luís XIV (quadro), buscaram


conciliar os interesses da burguesia capitalista em ascensão com os da aristocracia
feudal. Assim, mantiveram privilégios e títulos da nobreza, ao mesmo tempo em que
incentivavam os crescentes comércio e mercantilismo.

RESPOSTA: “D”.

415. (MACKENZIE-VESTIBULAR-2013) Desde janeiro de 2011, a Síria


se encontra em uma guerra civil que adquiriu dimensões que preocupam a
comunidade internacional. Enquanto a oposição almeja destituir o presidente
Bashar al-Assad e inaugurar um regime democrático, o governo sírio responde
aos protestos, que considera como ação terrorista para desestabilizar o regime.
A respeito desse conflito interno, é correto afirmar que
(A) o conflito interno sírio é decorrente das disputas religiosas e divergências
a respeito da prática islâmica no mundo árabe.
(B) foi somente em agosto de 2013 que os protestos liderados pela oposição
síria assumiram a dimensão de revolta armada.
(C) os meios de comunicação e a imprensa do país atuam sem restrição à
liberdade de expressão, apesar do conflito e da revolta armada.
(D) o uso de armas químicas em Damasco causou milhares de mortes. Esse
ato foi condenado internacionalmente.
(E) a guerra civil síria reaproximou os presidentes Obama, dos EUA, e
Putin, da Rússia, confirmando o interesse político mútuo nessa região.

290
História
A revolta síria inclui-se em um amplo movimento, chamado de Primavera
Árabe, que, desde 2011, tem lutado contra governos autoritários no Oriente Médio
e norte da África, em busca de um regime democrático. O presidente sírio, Assad,
para dominar o movimento em seu país, tem usado métodos de extrema violência,
inclusive armas químicas.

RESPOSTA: “D”.

416. (MACKENZIE-VESTIBULAR-2013) O Mar Mediterrâneo foi a


maior de todas as vias de circulação romanas e dele resultou a formação do
Império Romano (27 a.C. a 476 d.C.). A respeito dessa importante conquista
para a civilização romana, assinale a alternativa correta:
(A) A eliminação da hegemonia cartaginesa sobre a região além de permitir
que Roma passasse a dominar o comércio mediterrâneo, possibilitou aumentar
o dinamismo próprio da estrutura escravista, que necessitava de mão de obra
decorrentes das conquistas.
(B) Após a derrota romana nas Guerras Púnicas, quando fenícios e
cartagineses ocuparam o estreito de Gibraltar, a única saída para dar
continuidade ao processo de expansão foi a conquista do mar Mediterrâneo.
(C) A explosão demográfica e os conflitos internos com a plebe urbana
exigiram medidas expansionistas por parte do governo, para que se
estabelecessem colônias romanas fora da península itálica a fim de minimizar
as tensões sociais.
(D) A necessidade de expansão do cristianismo, que a partir do século IV,
tornou-se a religião oficial do império romano, implicou na divulgação dos
princípios dessa nova doutrina para os povos bárbaros.
(E) A crescente produção de cereais, durante o império romano,
especialmente, o trigo, levou à expansão de suas fronteiras, uma vez que era
necessário ser escoado e vendido para as demais províncias romanas.

Para expandir seu poder, os romanos obtiveram importante vitória sobre os


cartagineses (Guerras Púnicas), o que levou ao domínio do Mar Mediterrâneo.
Isso permitiu, aos romanos, controlarem importantes rotas de comércio e
utilizarem prisioneiros de guerra como mão de obra escrava, além de difundirem o
latifúndio.

RESPOSTA: “A”.

291
História
417. (MACKENZIE-VESTIBULAR-2013) “Se a América Latina não foi
esquartejada como a África, deveu-se ao fato — é preciso reconhecê-lo — de
ter tido, sem que houvesse solicitado, um ‘tutor’. Um tutor ousado, porque se
atreveu a dizer que a América era para os americanos, num momento em que
apenas tinha a ilusão de ser uma potência. No entanto, quando esse tutor se
transformou em grande potência, mudou seu discurso e gritou que era dono”.
(Héctor Hernan Bruit. O Imperialismo. São Paulo: Atual, 1994, p. 49).
A partir da análise do texto, é correto afirmar que
(A) a América Latina, desde a primeira metade do século XIX, é um
instrumento do imperialismo estadunidense, que, historicamente, impôs,
àqueles países, políticas como a Doutrina Monroe e a Política do Big Stick.
(B) as divisões sofridas pela África, decorrentes do imperialismo do século
XIX, não puderem acontecer no continente americano em virtude da imposição
ao respeito, feita na Conferência de Berlim, entre EUA e potências europeias,
da autodeterminação da América Latina.
(C) o século XIX viu nascer a pretensa hegemonia estadunidense sobre os
países latino-americanos, envolvendo disputas — desde aquela época — entre
capitalistas e socialistas, ambientados na Guerra Fria.
(D) os americanos, há dois séculos, convivem com a supremacia
estadunidense sobre os diversos países do continente, resultando em políticas
impositivas como a da “Boa Vizinhança” e a Aliança para o Progresso.
(E) a América sempre foi protegida, resultando na criação de diversos
acordos econômicos e na aliança de todo o continente em torno deles, apesar do
domínio que os Estados Unidos exercem sobre o restante do mundo.

James Monroe, presidente norte-americano, lançou, em 1823, a chamada


Doutrina Monroe, cujo slogan é “A América para os americanos”. No início do
século XX, o então presidente Theodore Roosevelt lançou a Big Stick Policy e o
intervencionismo militar. Esses dois instrumentos caracterizam a chamada política
imperialista norte-americana.

RESPOSTA: “A”.

418. (MACKENZIE-VESTIBULAR-2013)Com relação aos dois grandes


conflitos mundiais, de 1914-1918 e de 1939-1945, considere as afirmativas.
I. O imperialismo e o nacionalismo encontram-se nas origens dos dois
conflitos mundiais, uma vez que o primeiro intensificou as tensões mundiais
devido à disputa por áreas de influência e o segundo favoreceu formação dos
regimes totalitários fascistas.

292
História
II. As duas guerras mundiais, envolvendo povos extra-europeus,
desenvolveram a consciência nacional deles, influenciando decisivamente no
processo de descolonização afro-asiática.
III. O questionamento dos postulados liberais do capitalismo foi intensificado
a partir dos dois conflitos, o que criou as condições favoráveis para a expansão
dos ideais anarquistas em todo o mundo.

Assinale a alternativa correta.


(A) Somente a afirmativa I está correta.
(B) Somente a afirmativa II está correta.
(C) Somente a afirmativa III está correta.
(D) Somente as afirmativas I e II estão corretas.
(E) Somente as afirmativas II e III estão corretas.

A afirmativa III está incorreta, pois, nos momentos entre guerras e pós-Segunda
Guerra, ocorreu a expansão de regimes socialistas-marxistas, a partir da Revolução
Bolchevique de 1917, ampliada pelas vitórias soviéticas na Segunda Guerra.

RESPOSTA: “D”.

419. (PUC-VESTIBULAR-2012) Mergulhados numa atmosfera social em


que qualquer relação de inferior a superior reveste uma coloração diretamente
humana, essas pessoas, para com o senhor, não estão obrigadas apenas às
múltiplas rendas ou prestações de serviços que oneram as casas e os campos.
Devem-lhe também auxílio e obediência e contam com a sua proteção.
(Marc Bloch. A sociedade feudal. Lisboa: Edições 70, 1987, p. 278)

O texto refere-se às relações


(A) entre reis e súditos. (D) de vassalagem.
(B) de servidão. (E) entre Deus e os clérigos.
(C) entre homens e mulheres.

O texto refere-se às relações entre os senhores feudais e os camponeses, na


Europa medieval. A sociedade feudal caracterizou-se pela servidão, sistema em
que os servos prestavam serviços e pagavam vários tributos aos nobres e grandes
proprietários de terras. Estes, em troca, davam proteção e cediam uma pequena área
de terra para os servos morarem e explorarem.

RESPOSTA: “B”.

293
História
420. (PUC-VESTIBULAR-2012) A introdução de máquinas no sistema de
produção inglês, no decorrer do século XVIII,
(A) acarretou a redução do número de empregos e da jornada de trabalho.
(B) impediu a concentração dos trabalhadores no mesmo espaço.
(C) ampliou o conhecimento dos operários acerca do processo produtivo.
(D) permitiu a preservação de formas tradicionais de vida e sociabilidade.
(E) acelerou o ritmo da produção e aumentou a produtividade.

A Revolução Industrial iniciou-se na segunda metade do século XVIII, na


Inglaterra. Com a Revolução, as formas de produção e as relações socioeconômicas
sofreram fortes mudanças, tais como: o surgimento das fábricas e a divisão do trabalho
em fases distintas, maiores jornadas de trabalho, e a produção e a produtividade em
escala maior.

RESPOSTA: “E”.

421. (PUC-VESTIBULAR-2013) “O modo de produção feudal, tal como


apareceu na Europa ocidental, deixava em geral aos camponeses apenas o
espaço mínimo para aumentarem o produto de que dispunham dentro das
duras limitações do sistema senhorial.
Perry Anderson. Passagens da antiguidade ao feudalismo. Porto:
Afrontamento, 1980, p. 208. Adaptado.

O texto caracteriza o modo de produção feudal, destacando que


(A) havia classes distintas e opostas no feudalismo, embora a luta social
fosse atenuada pelas amplas oportunidades de lucro que os senhores ofereciam
aos camponeses.
(B) as relações de suserania e vassalagem e o caráter rural do feudalismo
eliminaram as cidades e provocaram o declínio do comércio e das atividades de
serviço.
(C) a possibilidade de melhoria da condição econômica dos camponeses era
bastante restrita, devido ao conjunto de obrigações que estes deviam prestar
aos senhores.
(D) as longas jornadas de trabalho nas lavouras e a ampla gama de impostos
impediam os camponeses de ascenderem socialmente e provocavam a ruína dos
senhores de terras.
(E) havia oportunidades de transformação social no feudalismo, embora
os camponeses raramente as aproveitassem, pois preferiam se dedicar
prioritariamente ao trabalho.

294
História
Na Europa medieval, o sistema feudal dava poucos direitos e muitas obrigações
aos camponeses. Entre estas, o trabalho temporário (corveia), e a obrigação de
entregar boa parte da produção aos senhores. Assim, os camponeses tinham poucas
oportunidades para melhorarem socioeconomicamente.

RESPOSTA: “C”.

422. (PUC-VESTIBULAR-2013) “Nunca houve um ano como 1968 e é


improvável que volte a haver.” (Mark Kurlansky. 1968, o ano que abalou o
mundo. Rio de Janeiro: José Olympio, 2005, p. 13.

A peculiaridade de 1968 pode ser explicada


(A) pela ocorrência de movimentos de contestação, que se voltavam contra
alvos diferentes e se manifestavam em distintas partes do planeta.
(B) pelos protestos internacionais contra a Guerra do Vietnã, que levaram
os Estados Unidos a interromper imediatamente sua ação militar no sul asiático.
(C) pela difusão, através do movimento estudantil, de projetos socialistas e
anarquistas, que demoliram a hegemonia econômica dos países ricos.
(D) pelo fim dos confrontos velados entre as superpotências mundiais, o que
provocou o início de um longo período de estabilidade internacional.
(E) pela queda do muro de Berlim, que demonstrou o fracasso do socialismo
real na União Soviética e no Leste Europeu.

No ano de 1968, em diversos países, surgiram movimentos de contestação com


várias semelhanças entre si, embora voltados para as respectivas nações. Surgiram,
nesse ano, o movimento hippie, o pacifismo, o feminismo, entre outros, formando
a chamada contracultura, a qual influenciou, e ainda influencia, jovens em vários
países.

RESPOSTA: “A”.

423. (PUC-VESTIBULAR-2013) Leia: “No momento em que atravessa sua


mais grave crise política e econômica, a União Europeia (UE) celebrou, ontem,
uma conquista histórica: o Prêmio Nobel da Paz de 2012. A decisão do comitê de
experts, anunciada no fim da manhã, em Oslo, na Noruega, pegou de surpresa
a opinião pública do bloco de 27 países.”
(O Estado de S. Paulo. Em crise, União Europeia ganha Nobel da Paz e
argumento contra eurocéticos. 13/10/2012. p. A11.) Sobre o significado desse
prêmio dado à União Europeia é correto afirmar que
A) seu efeito é apenas propagandístico, pois fantasia uma harmonia que
haveria no continente, algo falso diante das tensões militares ainda existentes
na Europa.

295
História
(B) visou um fim econômico, procurando desviar a atenção sobre os
problemas econômicos estruturais gerados pela integração das realidades
geográfico-nacionais da Europa.
(C) trata-se de um reconhecimento ao papel da União Europeia, que tem
agido contra as intervenções em países estrangeiros, como no caso da ação no
Iraque, realizada pelos EUA.
(D) entendeu-se que a integração de realidades geográfico-nacionais em
uma entidade mais ampla elimina de vez as motivações para conflitos, que no
passado foram tão nefastos.
(E) buscou estimular a continuidade das políticas diplomáticas e econômicas
da União Europeia junto às suas ex-colônias, mergulhadas em infindáveis
conflitos internos.

A União Europeia atravessa crise, pois alguns países, principalmente Portugal,


Itália, Irlanda, Grécia e Espanha, enfrentam descontrole dos gastos públicos. Isso
aumenta a desigualdade entre os países-membros e gera fortes pressões político-
econômicas. O Prêmio Nobel conquistado destaca a integração, mas se esquece dos
aspectos político-econômicos.

RESPOSTA: “B”.

424. (PUC/SP - VESTIBULAR - PUC/2014) ”Por natureza, na maior parte


dos casos, há o que comanda e o que é comandado. O homem livre comanda o
escravo (…). Estabelecemos que o escravo é útil para as necessidades da vida.“
(Aristóteles. Política (IV a.C.). Apud: Marcelo Rede. A Grécia Antiga. São
Paulo: Saraiva, 2012, p. 33.

O texto, escrito no século IV a.C., indica que, no mundo grego antigo, a

(A) democracia envolvia todos os moradores das cidades e do campo, sem


fazer distinções de raça ou condição social.
(B) escravidão era considerada natural e sua instituição permitiu a
participação dos cidadãos na vida política.
(C) democracia e a escravidão eram consideradas incompatíveis, pois
apenas com liberdade geral e irrestrita é que se pode construir uma democracia.
(D) escravidão permitia que todos os cidadãos pudessem dedicar-se apenas
ao ócio, sem atuar na vida coletiva da cidade.
(E) democracia predominou, uma vez que todos eram considerados iguais
e livres por natureza.

296
História
Os cidadãos da Grécia Antiga, que eram proprietários de escravos, não
trabalhavam e, assim, dedicavam-se à filosofia e à política.

RESPOSTA: “B”.

425. (INEP - 2009 - ENEM - EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO -


AZUL - PRIMEIRO DIA)

Os movimentos sociais, que marcaram o ano de 1968,

(A) foram manifestações desprovidas de conotação política, que tinham o


objetivo de questionar a rigidez dos padrões de comportamento social fundado
em valores tradicionais da moral religiosa.
(B) restringiram-se às sociedades de países desenvolvidos, onde a
industrialização avançada, a penetração dos meios de comunicação de massa e
a alienação cultural que deles resultava eram mais evidentes.
(C) resultaram no fortalecimento do conservadorismo político, social e
religioso que prevaleceu nos países ocidentais durante as décadas de 70 e 80.
(D) tiveram baixa repercussão no plano político, apesar de seus fortes
desdobramentos nos planos social e cultural, expressos na mudança de costumes
e na contracultura.
(E) inspiraram futuras mobilizações, como o pacifismo, o ambientalismo, a
promoção da equidade de gêneros e a defesa dos direitos das minorias.

As alternativas A e D estão incorretas quando afirmam que os movimentos


político-sociais de 1968 não apresentaram um significativo viés contestatório no
campo político. As críticas não se restringiram apenas ao campo cultural e social,

297
História
mas atingiram, também, a organização e as formas de governo. A alternativa B
está errada ao afirmar que as manifestações de 1968 ficaram restritas aos países
desenvolvidos. A alternativa C está incorreta ao afirmar que os movimentos político-
sociais de 1968 tiveram como resultado a consolidação dos padrões conservadores
no campo da cultura, da política.

RESPOSTA: “E”.

426. (INEP - 2009 - ENEM - EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO -


AZUL - PRIMEIRO DIA)

O panorama estratégico do mundo pós-Guerra Fria apresenta

(A) o aumento de conflitos internos associados ao nacionalismo, às disputas


étnicas, ao extremismo religioso e ao fortalecimento de ameaças como o
terrorismo, o tráfico de drogas e o crime organizado.
(B) o fim da corrida armamentista e a redução dos gastos militares das
grandes potências, o que se traduziu em maior estabilidade nos continentes
europeu e asiático, que tinham sido palco da Guerra Fria.
(C) o desengajamento das grandes potências, pois as intervenções militares
em regiões assoladas por conflitos passaram a ser realizadas pela Organização
das Nações Unidas (ONU), com maior envolvimento de países emergentes.
(D) a plena vigência do Tratado de Não Proliferação, que afastou a
possibilidade de um conflito nuclear como ameaça global, devido à crescente
consciência política internacional acerca desse perigo.
(E) a condição dos EUA como única superpotência, mas que se submetem
às decisões da ONU no que concerne às ações militares.

O ano de 1991 marcou o fim da URSS e dos governos comunistas europeus. Em


dezembro deste ano foi assinado o “Acordo de Minsk” que estabeleceu a Comunidade
de Estados Independentes (CEI). Houve, também, a unificação da Alemanha, cujo
símbolo foi a derrubada do muro de Berlim, em 1989. Com a derrocada do bloco
socialista-soviético, capitalismo tornou-se hegemônico mundialmente, sob a égide
dos Estados Unidos. Neoliberalismo e globalização constituem os principais símbolos

298
História
da Nova Ordem Mundial. Porém, tais transformações não resultaram na cessação
ou, ao menos, diminuição dos conflitos econômicos, políticos, religiosos, étnicos,
dentre outros. Em muitos casos constituíram, até mesmo, fator preponderante para
a eclosão de guerras civis, recrudescimento da desigualdade social e econômica,
fome, desemprego.

Resposta: “A”

427. (INEP - 2009 - ENEM - EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO -


AZUL - PRIMEIRO DIA)

Na tradição política dos EUA, uma forma de incluir socialmente os cidadãos é

(A) submeter o indivíduo à proteção do governo.


(B) hierarquizar os indivíduos segundo suas posses.
(C) estimular a formação de propriedades comunais.
(D) vincular democracia e possibilidades econômicas individuais.
(E) defender a obrigação de que todos os indivíduos tenham propriedades.

No texto de apoio da questão, podemos perceber a forte influência dos preceitos


do Liberalismo Político e Econômico na formação do Estado norte-americano. Tais
preceitos estabelecem os direitos a vida, a liberdade e a propriedade como naturais,
ou seja, não instituídos pelo Estado. A vida e a liberdade, na teoria liberal estabelecida
por John Locke, da mesma maneira que as posses materiais, estão condicionadas à
atividade humana sobre a natureza, ou seja, a capacidade humana de produzi-las
no instante em que se apropria de algo. A defesa da propriedade na sociedade civil
significa, assim, a defesa da vida e da liberdade do indivíduo. A sociedade transforma-
se, então, em um espaço onde se estabelece uma relação entre proprietários que, por

299
História
meio de um contrato, instauram um poder político, cuja finalidade é garantir a posse
e o usufruto da propriedade. Neste caso, para o liberalismo, a sociedade constituiria
um espaço no qual os indivíduos, enquanto proprietários que buscam o aumento de
seus lucros e bens se relacionariam.

RESPOSTA: “D”.

428. (INEP - 2009 - ENEM - EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO -


AZUL - PRIMEIRO DIA)

Do trecho, infere-se que, para Tocqueville, os norte- americanos do seu


tempo

(A) buscavam o êxito, descurando as virtudes cívicas.


(B) tinham na vida moral uma garantia de enriquecimento rápido.
(C) valorizavam um conceito de honra dissociado do comportamento ético.
(D) relacionavam a conduta moral dos indivíduos com o progresso
econômico.
(E) acreditavam que o comportamento casto perturbava a harmonia
doméstica.

O trecho escrito por Tocqueville, defende o respeito e a obediência aos preceitos


morais como um meio ideal para alcançar prosperidade material e ordem social.
O autor estabelece, assim, uma relação direta entre conduta moral e progresso
econômico.

RESPOSTA: “D”..

300
História
429. (INEP - 2009 - ENEM - EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO -
AZUL - PRIMEIRO DIA)

Com a mudança tecnológica ocorrida durante a Revolução Industrial, a


forma de trabalhar alterou-se porque

(A) a invenção do tear propiciou o surgimento de novas relações sociais.


(B) os tecelões mais hábeis prevaleceram sobre os inexperientes.
(C) os novos teares exigiam treinamento especializado para serem operados.
(D) os artesãos, no período anterior, combinavam a tecelagem com o cultivo
de subsistência.
(E) os trabalhadores não especializados se apropriaram dos lugares dos
antigos artesãos nas fábricas.

Para se responder a questão deve-se concentrar no seguinte trecho:”(...)


fazendeiros-tecelões abandonaram suas pequenas propriedades para se concentrar na
atividade de tecer”, pois é nele que está presente a ideia-chave em busca da alternativa
correta. Esta foi a grande transformação engendrada pela Revolução Industrial, ou
seja, transformou o artesão independente em operário assalariado, dependente do
empresário no fornecimento da matéria prima, instrumento de trabalho e salário.

RESPOSTA: “D”.

301
História
430. (INEP - 2009 - ENEM - EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO -
AZUL - PRIMEIRO DIA)

São, portanto, observadas consequências econômicas, sociais e ambientais


inter-relacionadas no período posterior à Revolução Industrial, as quais incluem

(A) a erradicação da fome no mundo.


(B) o aumento das áreas rurais e a diminuição das áreas urbanas.
(C) a maior demanda por recursos naturais, entre os quais os recursos
energéticos.
(D) a menor necessidade de utilização de adubos e corretivos na agricultura.
(E) o contínuo aumento da oferta de emprego no setor primário da
economia, em face da mecanização.

A alternativa (A) não pode estar correta, pois não ocorreu a erradicação da fome
no mundo no período que procede à Revolução Industrial. Infelizmente, essa mazela
ainda alcança grande parte da humanidade, sobretudo em regiões menos favorecidas
tais como nos continentes Africano, Latino Americano e Asiático. A alternativa (B)
está errada, pois o que pode ser observado, no período pós-revolução industrial,
foi o aumento das áreas urbanas e, consequentemente, a retração das áreas rurais,
pelo menos no que se refere ao contingente populacional habitando nessas áreas.
Alternativa (C) é a correta, pois houve, como consequência da industrialização, a
necessidade crescente de matérias-primas para a expansão e funcionamento desse
setor, para o que também demandava energia, fazendo crescer a necessidade de
consumo de recursos naturais. A alternativa (D) está incorreta. Com a migração do
homem do campo e um maior número de pessoas vivendo nas cidades, a produção
de alimentos sofreu uma queda, embora a demanda por tais alimentos não tenha
diminuído. É importante lembrar que é sempre crescente o contingente populacional
no planeta, situação que levou a homem a aumentar a produtividade da terra por
meio de adubos e outros insumos. A alternativa (E) está incorreta. A mecanização
da agricultura (setor primário) fez diminuir a necessidade de mão de obra e,
consequentemente, houve redução de emprego.

RESPOSTA: “C”.

302
História
431. (FUVEST-VESTIBULAR-2014) O local e o global determinam-se
reciprocamente, umas vezes de modo congruente e consequente, outras de
modo desigual e desencontrado. Mesclam-se e tensionam-se singularidades,
particularidades e universalidades. Conforme Anthony Giddens, “A
globalização pode assim ser definida como a intensificação das relações
sociais em escala mundial, que ligam localidades distantes de tal maneira que
acontecimentos locais são modelados por eventos ocorrendo a muitas milhas de
distância e vice-versa. Este é um processo dialético porque tais acontecimentos
locais podem se deslocar numa direção inversa às relações muito distanciadas
que os modelam. A transformação local é, assim, uma parte da globalização”.
Octávio Ianni, Estudos Avançados. USP. São Paulo, 1994. Adaptado.
Neste texto, escrito no final do século XX, o autor refere-se a um processo
que persiste no século atual. A partir desse texto, pode-se inferir que esse
processo leva à
(A) padronização da vida cotidiana.
(B) melhor distribuição de renda no planeta.
(C) intensificação do convívio e das relações afetivas presenciais.
(D) maior troca de saberes entre gerações.
(E) retração do ambientalismo como reação à sociedade de consumo.

Buscando compreender o fenômeno da globalização, Otávio Ianni afirma que tal


fenômeno faz-se, também, presente, no âmbito da localidade, por meio do processo
de padronização da vida cotidiana, submetendo o local ao global.

RESPOSTA: “A”.

432. (INEP - 2009 - ENEM - EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO -


AZUL - PRIMEIRO DIA)

303
História
Um dos fatores que explica a subalimentação na América do Sul é

(A) a baixa inserção de sua agricultura no comércio mundial.


(B) a quantidade insuficiente de mão-de-obra para o trabalho agrícola.
(C) a presença de estruturas agrárias arcaicas formadas por latifúndios
improdutivos.
(D) a situação conflituosa vivida no campo, que impede o crescimento da
produção agrícola.
(E) os sistemas de cultivo mecanizado voltados para o abastecimento do
mercado interno.

A alternativa (A) está incorreta, pois, de modo geral, a inserção da agricultura


da América do Sul no comércio mundial é bastante significativa. Brasil e Argentina,
por exemplo, são grandes exportadores de produtos agrícolas. De qualquer forma, a
inserção ou não no comércio mundial não tem relação direta com a subalimentação,
que se constitui, predominantemente, em um problema de ordem social. A alternativa
(B) está incorreta, pois, mesmo tendo havido êxodo rural expressivo na maior parte
dos países da América do Sul, não é a carência de mão de obra no campo que leva
a subalimentação, mas, sim, a falta de acesso da população à comida, seja por
precariedade socioeconômica da sociedade, seja pela estrutura fundiária ineficiente
que normalmente existe nos países sul-americanos. A alternativa (C) está correta.
A presença frequente de latifúndios improdutivos na América do Sul é um dos
fatores que leva a subalimentação, pois, caso esses latifúndios improdutivos fossem
repartidos em minifúndios para o cultivo e subsistência de famílias, o problema da
subalimentação seria bastante amenizado. A alternativa (D) está incorreta. Embora
haja conflitos no campo, geralmente por disputa de terra, esse não é um fator
determinante para explicar a subalimentação no continente. A alternativa (E) está
incorreta. Os sistemas mecanizados de cultivo são usados, sobretudo, na agricultura
de grande porte, que normalmente se destina à exportação, e não ao mercado interno,
como está previsto na letra (E).

RESPOSTA: “C”.

304
História
433. (INEP - 2009 - ENEM - EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO -
AZUL - PRIMEIRO DIA)

Uma das consequências que pode ser atribuída à crescente intensificação da


exploração de recursos naturais, facilitada pelo desenvolvimento tecnológico ao
longo da história, é

(A) a diminuição do comércio entre países e regiões, que se tornaram


autossuficientes na produção de bens e serviços.
(B) a ocorrência de desastres ambientais de grandes proporções, como no
caso de derramamento de óleo por navios petroleiros.
(C) a melhora generalizada das condições de vida da população mundial, a
partir da eliminação das desigualdades econômicas na atualidade.
(D) o desmatamento, que eliminou grandes extensões de diversos biomas
improdutivos, cujas áreas passaram a ser ocupadas por centros industriais
modernos.
(E) o aumento demográfico mundial, sobretudo nos países mais
desenvolvidos, que apresentam altas taxas de crescimento vegetativo.

A alternativa (A) está incorreta, pois em decorrência da globalização, a exploração


dos recursos naturais e o desenvolvimento tecnológico promovem expansão e não a
diminuição do comércio internacional. A alternativa (B) está correta. A exploração
dos recursos naturais de forma descontrolada tende a aumentar os desastres
ambientais de grandes proporções. A alternativa (C) está incorreta porque nem a
maior exploração de recursos naturais e os avanços tecnológicos têm o poder de
acabar com as desigualdades sociais, o que só seria possível com políticas mais
justas e eficientes. A alternativa (D) está incorreta. Não é correto se falar em biomas
improdutivos. O que acontece é que o desmatamento pode ser uma consequência
da exploração de determinados recursos naturais. O que se pode afirmar é que haja
terras improdutivas, ociosas. A alternativa (E) está incorreta porque a explosão
demográfica ocorre principalmente nos países subdesenvolvidos. O crescimento
vegetativo de países centrais é menor, o que projeta um futuro complicado em
relação à economia e à previdência.

RESPOSTA: “B”.

305
História
434. (INEP - 2009 - ENEM - EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO -
AZUL - PRIMEIRO DIA)

No presente, observa-se crescente atenção aos efeitos da atividade humana,


em diferentes áreas, sobre o meio ambiente, sendo constante, nos fóruns
internacionais e nas instâncias nacionais, a referência à sustentabilidade como
princípio orientador de ações e propostas que deles emanam. A sustentabilidade
explica-se pela

(A) incapacidade de se manter uma atividade econômica ao longo do tempo


sem causar danos ao meio ambiente.
(B) incompatibilidade entre crescimento econômico acelerado e preservação
de recursos naturais e de fontes não renováveis de energia.
(C) interação de todas as dimensões do bem-estar humano com o crescimento
econômico, sem a preocupação com a conservação dos recursos naturais que
estivera presente desde a Antiguidade.
(D) proteção da biodiversidade em face das ameaças de destruição que
sofrem as florestas tropicais devido ao avanço de atividades como a mineração,
a monocultura, o tráfico de madeira e de espécies selvagens.
(E) necessidade de se satisfazer as demandas atuais colocadas pelo
desenvolvimento sem comprometer a capacidade de as gerações futuras
atenderem suas próprias necessidades nos campos econômico, social e
ambiental.

O que define sustentabilidade é a necessidade da utilização dos recursos naturais


com responsabilidade de tal maneira que as gerações futuras também o tenham
de forma suficiente para viverem bem. Assim sendo, as demais definições estão
incorretas.

RESPOSTA: “E”.

306
História
435. (INEP - 2009 - ENEM - EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO -
AZUL - PRIMEIRO DIA)

No cenário de que trata o texto, a exploração de jazidas de petróleo, bem


como de minérios – diamante, ouro, prata, cobre, chumbo, zinco – torna-se
atraente não só em função de seu formidável potencial, mas também por

(A) situar-se em uma zona geopolítica mais estável que o Oriente Médio.
(B) possibilitar o povoamento de uma região pouco habitada, além de
promover seu desenvolvimento econômico.
(C) garantir, aos países em desenvolvimento, acesso a matérias-primas e
energia, necessárias ao crescimento econômico.
(D) contribuir para a redução da poluição em áreas ambientalmente já
degradadas devido ao grande volume da produção industrial, como ocorreu
na Europa.
(E) promover a participação dos combustíveis fósseis na matriz energética
mundial, dominada, majoritariamente, pelas fontes renováveis, de maior custo.

Sabemos da dependência da economia mundial dos recursos energéticos


como o gás e o petróleo, cujas reservas encontram-se, em grande parte, no Oriente
Médio, região de constantes conflitos políticos/religiosos. Portanto, ir em busca
de tais recursos nas regiões polares seria de suma importância estrategicamente. A
alternativa (B) está incorreta, pois lugares inóspitos (polos) não são atrativos para o
povoamento e exploração. A alternativa (C) está incorreta, pois o favorecimento dos
países subdesenvolvidos não é um dos objetivos dos Estados que querem explorar
recursos energéticos no Polo Norte. No caso de haver disputas por esses lugares, os
países de menor desenvolvimento certamente não contarão com os mesmos recursos
tecnológicos para obterem êxitos. A alternativa (D) está incorreta, pois qualquer
forma de exploração de recursos fósseis tende a aumentar o nível de poluição e não
diminuí-lo. A alternativa (E) está incorreta, pois a matriz energética (fóssil), a maior
parte dela utilizada no planeta não se renova. Portanto, se o homem quiser preservar

307
História
o meio em que vive evitando catástrofes como, por exemplo, o aquecimento global,
deve investir em fontes de energia renovável, o que não é o caso da eventual
exploração energética do polo Norte.

RESPOSTA: “A”.

436. (INEP - 2008 - ENEM - EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO -


PROVA AMARELA)

Na América inglesa, não houve nenhum processo sistemático de catequese


e de conversão dos índios ao cristianismo, apesar de algumas iniciativas nesse
sentido. Brancos e índios confrontaram-se muitas vezes e mantiveram- se
separados. Na América portuguesa, a catequese dos índios começou com o
próprio processo de colonização, e a mestiçagem teve dimensões significativas.
Tanto na América inglesa quanto na portuguesa, as populações indígenas foram
muito sacrificadas. Os índios não tinham defesas contra as doenças trazidas
pelos brancos, foram derrotados pelas armas de fogo destes últimos e, muitas
vezes, escravizados.

No processo de colonização das Américas, as populações indígenas da


América portuguesa
(A) Foram submetidas a um processo de doutrinação religiosa que não
ocorreu com os indígenas da América inglesa.
(B) mantiveram sua cultura tão intacta quanto a dos indígenas da América
inglesa.
(C) passaram pelo processo de mestiçagem, que ocorreu amplamente com
os indígenas da América inglesa.
(D) diferenciaram-se dos indígenas da América inglesa por terem suas
terras devolvidas.
(E) resistiram, como os indígenas da América inglesa, às doenças trazidas
pelos brancos.

Foi a particularidade da forma de colonização que marcou a diferença de


tratamento dispensado aos nativos da América Inglesa e da América Portuguesa. Na
primeira a ocupação e colonização foram realizadas pele iniciativa privada composta
por perseguidos políticos, pelas comunidades que fugiam de perseguições religiosas,
por aventureiros e enviados de comerciantes, sem o respaldo ou ajuda política da
metrópole. A coroa só atuou quando se fez necessário o controle dos súditos de além
mar. Os comerciantes britânicos poderiam obter lucro com os produtos advindos

308
História
de áreas subtropicais. Não houve também intervenção da Igreja Anglicana. Na
América Portuguesa é perceptível a participação da Igreja Católica associada à
Coroa. Portanto, a doutrinação religiosa foi extremamente importante como um
dos mecanismos de dominação das comunidades nativas, tanto no Brasil quanto na
América Espanhola.

RESPOSTA: “A”.

437. (INEP - 2008 - ENEM - EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO


- PROVA AMARELA) Em discurso proferido em 17 de março de 1939, o
primeiro-ministro inglês à época, Neville Chamberlain, sustentou sua posição
política: “Não necessito defender minhas visitas à Alemanha no outono passado,
que alternativa existia? Nada do que pudéssemos ter feito, nada do que a
França pudesse ter feito, ou mesmo a Rússia, teria salvado a Tchecoslováquia
da destruição. Mas eu também tinha outro propósito ao ir até Munique. Era o
de prosseguir com a política por vezes chamada de ‘apaziguamento europeu’, e
Hitler repetiu o que já havia dito, ou seja, que os Sudetos, região de população
alemã na Tchecoslováquia, eram a sua última ambição territorial na Europa, e
que não queria incluir na Alemanha outros povos que não os alemães.” Internet:
<www.johndclare.net> (com adaptações).

Sabendo-se que o compromisso assumido por Hitler em 1938, mencionado


no texto acima, foi rompido pelo líder alemão em 1939, infere-se que
(A) Hitler ambicionava o controle de mais territórios na Europa além da
região dos Sudetos.
(B) a aliança entre a Inglaterra, a França e a Rússia poderia ter salvado a
Tchecoslováquia.
(C) o rompimento desse compromisso inspirou a política de ‘apaziguamento
europeu’.
(D) a política de Chamberlain de apaziguar o líder alemão era contrária à
posição assumida pelas potências aliadas.
(E) a forma que Chamberlain escolheu para lidar com o problema dos
Sudetos deu origem à destruição da Tchecoslováquia.

O momento histórico compreendido entre as duas grandes guerras (1919-1939)


é marcado pela política anglo-francesa de apaziguamento no âmbito internacional,
como também pelo expansionismo italiano, japonês e alemão. Com o propósito
de isolar a URSS tanto na Europa centro-oriental como no Pacífico (oriente) a
França e Grã-Bretanha lutavam para evitar, a qualquer custo, uma nova guerra e
pela expansão da Itália, Japão e Alemanha. França, Grã-Bretanha e Estados Unidos

309
História
temiam a expansão do socialismo e a influência da URSS sobretudo em relação à
áreas estratégicas que lhes possibilitassem a saída por mares quentes e o acesso à
matérias primas, além de sua projeção como potência. A política de apaziguamento
custou alto preço a países pequenos do Europa Centro-Oriental. Que exerceriam o
papel de “barreiras” ao suposto expansionismo da URSS, segundo a Conferência de
Munique, em 1938. A Tchecoslováquia não recebe ajuda para se defender contra a
invasão alemã. Conforme Lorde Hallifax, ministro das Relações Exteriores da Grã-
Bretanha a Tchecoslováquia (os Sudetos) “não valia uma guerra”. Hitler parecia
haver concordado com a não anexação de mais territórios o que não se confirmou
em 1939 com o Pacto de Não-agressão, entre URSS e a Alemanha nazista e com a
posterior invasão à Polônia, que fora dividida entre os membros pactuantes.

RESPOSTA: “A”.

438. (INEP - 2008 - ENEM - EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO -


PROVA AMARELA) Na América do Sul, as Forças Armadas Revolucionárias
da Colômbia (Farc) lutam, há décadas, para impor um regime de inspiração
marxista no país. Hoje, são acusadas de envolvimento com o narcotráfico, o qual
supostamente financia suas ações, que incluem ataques diversos, assassinatos
e sequestros. Na Ásia, a Al Qaeda, criada por Osama bin Laden, defende o
fundamentalismo islâmico e vê nos Estados Unidos da América (EUA) e em
Israel inimigos poderosos, os quais deve combater sem trégua. A mais conhecida
de suas ações terroristas ocorreu em 2001, quando foram atingidos o Pentágono
e as torres do World Trade Center.

A partir das informações acima, conclui-se que


(A) as ações guerrilheiras e terroristas no mundo contemporâneo usam
métodos idênticos para alcançar os mesmos propósitos.
(B) o apoio internacional recebido pelas Farc decorre do desconhecimento,
pela maioria das nações, das práticas violentas dessa organização.
(C) os EUA, mesmo sendo a maior potência do planeta, foram surpreendidos
com ataques terroristas que atingiram alvos de grande importância simbólica.
(D) as organizações mencionadas identificam-se quanto aos princípios
religiosos que defendem.
(E) tanto as Farc quanto a Al Qaeda restringem sua atuação à área
geográfica em que se localizam, respectivamente, América do Sul e Ásia.

É possível observar, embora as alternativas tenham apresentado dados que


se referem à política internacional e à política externa (coisas diferentes) um
antiamericanismo crescente. Ficou, à época do ataque às Torres Gêmeas, evidente

310
História
aos olhos dos americanos e do mundo a fragilidade da defesa dos EUA, que fora
pego de surpresa. É preciso salientar que as FARC não têm nenhum conteúdo,
compromisso religioso, e nem o apoio de organismos internacionais.

RESPOSTA: “C”.

439. (INEP - 2007 - ENEM - EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO -


PROVA AMARELA)

Lucro na adversidade

Os fazendeiros da região sudoeste de Bangladesh, um dos países mais pobres


da Ásia, estão tentando adaptar-se às mudanças acarretadas pelo aquecimento
global. Antes acostumados a produzir arroz e vegetais, responsáveis por boa
parte da produção nacional, eles estão migrando para o cultivo do camarão.
Com a subida do nível do mar, a água salgada penetrou nos rios e mangues
da região, o que inviabilizou a agricultura, mas, de outro lado, possibilitou a
criação de crustáceos, uma atividade até mais lucrativa.
O lado positivo da situação termina por aí. A maior parte da população
local foi prejudicada, já que os fazendeiros não precisam contratar mais mão-
de-obra, o que aumentou o desemprego. A flora e a fauna do mangue vêm sendo
afetadas pela nova composição da água. Os lençóis freáticos da região foram
atingidos pela água salgada.

Globo Rural, jun./2007, p.18 (com adaptações).

A situação descrita acima retrata


(A) o fortalecimento de atividades produtivas tradicionais em Bangladesh
em decorrência dos efeitos do aquecimento global.
(B) a introdução de uma nova atividade produtiva que amplia a oferta de
emprego.
(C) a reestruturação de atividades produtivas como forma de enfrentar
mudanças nas condições ambientais da região.
(D) o dano ambiental provocado pela exploração mais intensa dos recursos
naturais da região a partir do cultivo do camarão.
(E) a busca de investimentos mais rentáveis para Bangladesh crescer
economicamente e competir no mercado internacional de grãos.

311
História
A alternativa (A) está incorreta já que o cultivo de crustáceos fragilizou as
atividades produtivas tradicionais, pois houve substituição da agricultura pela nova
atividade. A alternativa (B) está incorreta, pois houve diminuição da demanda de
mão de obra já que o contingente exigido pela agricultura é maior do que o exigido
pelo cultivo de crustáceos, o gerou desemprego. A alternativa (C) está correta, pois
o cultivo de crustáceos foi a opção da população local para suprir suas necessidades,
tendo em vista que o aquecimento global afetou as atividades tradicionais. Com a
salinização dos rios e mangues a nova atividade tornou-se, então, viável. A alternativa
(D) está incorreta porque não versa sobre os problemas e danos provenientes da
exploração dos crustáceos, mas tem como foque as mudanças decorrentes do
aquecimento global. A alternativa (E) está incorreta, pois o texto mostra a mudança
de atividade e não a busca por uma mais rentável que favoreceria o crescimento da
economia de Bangladesh, nem trata da competição internacional no setor de grãos.

RESPOSTA: “C”.

440. (FUVEST-VESTIBULAR-2014) As chamadas “revoluções inglesas”,


transcorridas entre 1640 e 1688, tiveram como resultados imediatos
(A) a proclamação dos Direitos do Homem e do Cidadão e o fim dos
monopólios comerciais.
(B) o surgimento da monarquia absoluta e as guerras contra a França
napoleônica.
(C) o reconhecimento do catolicismo como religião oficial e o fortalecimento
da ingerência papal nas questões locais.
(D) o fim do anglicanismo e o início das demarcações das terras comuns.
(E) o fortalecimento do Parlamento e o aumento, no governo, da influência
dos grupos ligados às atividades comerciais.

As “revoluções inglesas” opuseram os setores favoráveis ao regime absolutista


e as frações que apoiavam uma maior concentração de poder no Parlamento, o
progresso econômico e expansão comercial. Das “revoluções” resultou a formação
de uma monarquia parlamentar e a consolidação do sistema capitalista na Inglaterra.

RESPOSTA: “E”.

312
História
441. (INEP - 2006 - ENEM - EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO -
PROVA AMARELA)

Essas significativas mudanças nas fronteiras de países da Europa Oriental


nas duas últimas décadas do século XX, direta ou indiretamente, resultaram
(A) do fortalecimento geopolítico da URSS e de seus países aliados, na
ordem internacional.
(B) da crise do capitalismo na Europa, representada principalmente pela
queda do muro de Berlim.
(C) da luta de antigas e tradicionais comunidades nacionais e religiosas
oprimidas por Estados criados antes da Segunda Guerra Mundial.
(D) do avanço do capitalismo e da ideologia neoliberal no mundo ocidental.
(E) da necessidade de alguns países subdesenvolvidos ampliarem seus
territórios.

A resposta exige conhecimento geopolítico do período compreendido entre


a Segunda Guerra Mundial até o final do século XX, passando pelo florescer e
desgaste da Guerra Fria. Período marcado pelo “aparecimento” e “desaparecimento”
de Estados (Iugoslávia, por exemplo) e, por isso mesmo mudanças no mapa europeu.

RESPOSTA: “C”.

442. (PM/SP – SOLDADO/2005) Nazismo, Fascismo e Comunismo


identificaram-se:
(A) Pelo Capitalismo.
(B) Por tomar o poder pela força.
(C) Por expedições primitivas.
(D) Pelo Liberalismo.
(E) Pela influência burguesa.

313
História
Nesta questão o aplicador refere-se à Revolução Russa ocorrida em outubro de
1917, ocasião em que o Partido Bolchevique tomou o poder do Estado para instalar
uma ditadura operário-camponesa. A Revolução Russa derrubou a autocracia.
O Fascismo por sua vez, é referenciado nesta questão, principalmente, à tomada
do poder na Itália, por Benito Mussolini, em 1943, com a invasão da Itália pelos
alemães nazistas. Finalmente, o Nazismo, com alguns aspectos do Fascismo,
caracterizou-se, também como de extrema-direita, nacionalista, por causa de
seu conservadorismo social e meios autoritários de oposição ao igualitarismo
(comunismo). Contudo, as características polêmicas mais marcantes do Nazismo é o
antissemitismo, principalmente com a tese da eugenia, o anticatolicismo e a revisão
da tese bismarquiana de que a Alemanha deveria conquistar territórios, criando o
Estado-Nação Alemão.

RESPOSTA: “B”.

443. (PM/SP – SOLDADO/2005) Processo de aceleração capitalista


atrelado aos avanços dos meios de transporte e comunicação, que promoveram
a circulação de pessoas ideias, informações e bens de serviço, desencadeando
uma integralização mundial. Estados nos referindo:
(A) Ao mercado Comum Europeu.
(B) Ao Milagre Japonês.
(C) À Globalização.
(D) À União Europeia.
(E) À Economia planificada.

Embora vários estudiosos situem a origem do termo globalização na


contemporaneidade, devido ao aprofundamento internacional da integração
econômica, social, cultural e política. Cabe destacar que alguns historiadores traçam
a globalização muito antes das grandes viagens ao Novo mundo pelos europeus.
Alguns até traçam a origem do termo, no terceiro milênio A.C. O Termo globalização
tem uso crescente desde meados dos anos 1980, principalmente atrelado a assuntos
como comércio internacional, transações financeiras, movimentos de capital,
migração, mudanças climáticas, Comunicação, entre outros.

RESPOSTA: “C”.

444. (PM/SP – SOLDADO/2005) Com a Revolução Comercial houve a


ascendência do capitalismo, sistema econômico cujas características principais são:
(A) O controle estatal e as cooperativas.
(B) Não visar lucro e concorrência.
(C) Propriedade privada e livre concorrência.
(D) Monopólio industrial.
(E) Criação de companhias regulamentadas pelo Governo.

314
História
A Revolução Comercial foi um período de grande expansão econômica da
Europa, movido pelo colonialismo e mercantilismo que durou aproximadamente do
século XVI, ao século XVIII. Este desenvolvimento comercial, com raízes no século
XV, resultou em transformações profundas na economia europeia. A moeda tornou-
se fator primordial da riqueza e as transações comerciais. A produção e a troca
deixaram de ter caráter de subsistência, visando atender aos mercados das cidades.
As companhias mercantis aplicam técnicas contábeis e adotam novas formas de
comercializar, como as cartas de crédito e de pagamento. Definiu-se o conceito de
propriedade privada, livre comércio e concorrência definida pela oferta e demanda.

RESPOSTA: “C”.

445. (PM/SP – SOLDADO/2005) Considerado o maior fenômeno climático


global, leva ao aquecimento de uma enorme quantidade de água no Oceano
Pacífico Equatorial, tendo como uma de suas consequências as secas no nordeste
brasileiro. Estados falando de:
(A) Monções.
(B) El Niño.
(C) Friagem.
(D) Pressão Atmosférica.
(E) Massa de Ar.

Segundo o Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos, vinculado ao INPE


(Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), El Niño é um fenômeno atmosférico-
oceânico caracterizado por um aquecimento anormal das águas superficiais no
oceano Pacífico Tropical, e que pode afetar o clima regional e global, mudando os
padrões de vento a nível mundial, e afetando assim, os regimes de chuva em regiões
tropicais e de latitudes médias

RESPOSTA: “B”.

446. (PM/SP – SOLDADO/2005) Morto no dia 11 de novembro de 2004 em


um hospital militar em Paris, aos 75 anos de idade, o homem que lutou avida
toda por uma causa e uniu os palestinos em torno dela será lembrando como
aquele que soube, com habilidade e autoridade, tomar importantes decisões
sobre a guerra e a paz no Oriente Médio. Estamos nos referindo ao líder
palestino:
(A) Yitzhak Rabin.
(B) Ariel Sharon.
(C) Sadam Hussein.
(D) Ossama Bin Laden.
(E) Yasser Arafat.

315
História
Mohamed Abdel Rahman Abdel Raouf Arafat al Qudwa al Husseini, mais
conhecido como Yasser Arafat, morre em 11 de novembro de 2004 aos 75 anos,
depois de estar confinado mais de dois anos em seu complexo de Ramallah, devido
a uma hemorragia cerebral. Arafat foi um líder nacionalista palestino, presidente da
OLP (Organização pela Libertação Palestina) e, mais tarde, da Autoridade Nacional
Palestina, além de dirigente do partido secular Fatah, que fundou em 1959. Passou
grande parte de sua vida lutando contra Israel e pela autodeterminação dos palestinos.
Em 1994 recebeu o Prêmio Nobel da Paz junto com Shimon Peres e Itzhak Rabin por
seus esforços em favor da paz no Oriente Médio.
RESPOSTA: “E”.

447. (PM/SP – SOLDADO/2005) A partir de 1750, desenvolveu-se na Europa


um processo de grandes transformações sócios-econômicas relacionadas à
substituição do trabalho artesanal pelo trabalho assalariado. Estamos falando da:
(A) Revolução Econômica.
(B) Revolução Industrial.
(C) Revolução Gloriosa.
(D) Revolução Comercial.
(E) Revolução Tecnológica.

A Revolução Industrial teve início no século XVIII, na Inglaterra, com a


mecanização dos sistemas de produção. Enquanto na Idade Média o artesanato era
a forma de produzir mais utilizada, na Idade Moderna tudo mudou. A burguesia
industrial, ávida por maiores lucros, menores custos e produção acelerada, buscou
alternativas para melhorar a produção de mercadorias. Também podemos apontar o
crescimento populacional, que trouxe maior demanda de produtos e mercadorias.
Além da fonte de energia, os ingleses possuíam grandes reservas de minério de
ferro, a principal matéria-prima utilizada neste período. A mão-de-obra disponível
em abundância (desde a Lei dos Cercamentos de Terras), também favoreceu
a Inglaterra, pois havia uma massa de trabalhadores procurando emprego nas
cidades inglesas do século XVIII. A burguesia inglesa tinha capital suficiente para
financiar as fábricas, comprar matéria-prima e máquinas e contratar empregados.
O mercado consumidor inglês também pode ser destacado como importante fator
que contribuiu para o pioneirismo inglês. O século XVIII foi marcado pelo grande
salto tecnológico nos transportes e máquinas. As máquinas a vapor, principalmente
os gigantes teares, revolucionou o modo de produzir. Se por um lado a máquina
substituiu o homem, gerando milhares de desempregados, por outro baixou o preço
de mercadorias e acelerou o ritmo de produção. Entretanto, as fábricas do início
da Revolução Industrial não apresentavam o melhor dos ambientes de trabalho. As
condições das fábricas eram precárias. Eram ambientes com péssima iluminação,

316
História
abafados e sujos. Os salários recebidos pelos trabalhadores eram muito baixos e
chegava-se a empregar o trabalho infantil e feminino. Os empregados chegavam
a trabalhar até 18 horas por dia e estavam sujeitos a castigos físicos dos patrões.
Não havia direitos trabalhistas como, por exemplo, férias, décimo terceiro salário,
auxílio doença, descanso semanal remunerado ou qualquer outro benefício. Quando
desempregados, ficavam sem nenhum tipo de auxílio e passavam por situações de
precariedade. Em muitas regiões da Europa, os trabalhadores se organizaram para
lutar por melhores condições de trabalho. Os empregados das fábricas formaram
as trade unions (espécie de sindicatos) com o objetivo de melhorar as condições
de trabalho dos empregados. A Revolução tornou os métodos de produção mais
eficientes. Os produtos passaram a ser produzidos mais rapidamente, barateando
o preço e estimulando o consumo. Por outro lado, aumentou também o número de
desempregados como citamos acima. As máquinas foram substituindo, aos poucos, a
mão-de-obra humana. A poluição ambiental, o aumento da poluição sonora, o êxodo
rural e o crescimento desordenado das cidades também foram consequências nocivas
para a sociedade. Até os dias de hoje, o desemprego é um dos grandes problemas
nos países em desenvolvimento. Gerar empregos tem se tornado um dos maiores
desafios de governos no mundo todo. Os empregos repetitivos e pouco qualificados
foram substituídos por máquinas e robôs. As empresas procuram profissionais bem
qualificados para ocuparem empregos que exigem cada vez mais criatividade e
múltiplas capacidades. Mesmo nos países desenvolvidos tem faltado empregos para
a população.

RESPOSTA: “B”.

448. (PM/SP – SOLDADO/2005) Sistema econômico, social e político


característico da Europa na Idade Média que atingiu o apogeu por volta do
século X, com uma sociedade rural baseada nas relações servis de produção.
Esse sistema foi denominado:
(A) Socialismo.
(B) Liberalismo.
(C) Feudalismo.
(D) Imperialismo.
(E) Capitalismo.

Feudalismo foi um modo de organização social, político e cultural baseado no


regime de servidão, onde o trabalhador rural era “o servo” do grande proprietário
de terras, “o senhor feudal”. O feudalismo predominou na Europa durante toda a
Idade Média (entre os séculos V e XV). O feudalismo era um sistema que imperava
dentro do feudo, uma grande propriedade rural, que abrigava um castelo fortificado,

317
História
as aldeias, as terras para cultivo, os pastos e os bosques. Era uma unidade de
produção do sistema feudal, onde o servo plantava, colhia, fazia vinho, azeite,
farinha, pão, criava gado, fabricava queijo, manteiga, caçava, pescava e trabalhava
numa rudimentar indústria artesanal. No feudo se produzia apenas o necessário
para o consumo da comunidade, onde o trabalho servil envolvia uma série de
obrigações, entre elas: os servos trabalhavam como rendeiros, pagando ao senhor
com mercadorias ou prestações de serviços pelo uso da terra; cada família trabalhava
gratuitamente durante alguns dias nas terras do senhor; cada servo pagava taxas
pelo uso do moinho, do forno etc. Aos senhores feudais cabia a responsabilidade de
formar exércitos particulares e construir castelos fortificados, onde dentro e em torno
dos quais se desenvolvia a comunidade feudal, protegida por eles.

RESPOSTA: “C”.

449. Uma antiga lenda, narrada pelo poeta clássica romano Virgílio, na
Obra Eneida, conta que Roma foi fundada pelos dois irmãos gêmeos:
(A) Rômulo e Remo.
(B) Drácon e Sólon.
(C) Lépido e Otávio.
(D) Aristóteles e Platão.
(E) Sófocles e Sócrates.

Rômulo ou Rómulo Remo são, segundo a mitologia romana, dois irmãos


gêmeos, um dos quais, Rômulo, foi o fundador da cidade de Roma e seu primeiro
rei. Nesta lenda, eram filhos de Marte e de Reia Sílvia, descendente de Eneias.
A data de fundação de Roma é indicada, por tradição, em 21 de abril de753 a.C.
(também chamado de “Natal de Roma” e dia das festas de Pales). A Eneida é uma
epopéia em doze cantos, escrita em versos por Virgílio em seu retiro na Campânia
durante os últimos 12 anos de sua vida (30-19 a.C.), ou seja, após o estabelecimento
definitivo do principado de Augusto. O poema ficou inacabado. Segundo a tradição,
Virgílio teria ordenado sua destruição quando estava prestes a morrer. Trata-se de
uma epopeia nacional para celebrar a origem e o crescimento do Império Romano.
Seu fundamento é a lenda segundo a qual Enéas, após a queda de Tróia e longas
viagens erráticas, fundou uma colônia troiana no Lácio, a fonte da raça romana. A
característica marcante do poema é a concepção da Itália como uma única nação,
e da história romana como um todo contínuo desde a fundação da cidade até a
expansão completa do Império.

RESPOSTA: “A”.

318
História
450. “Cabia à colônia, além de consumir os produtos manufaturados
pela metrópole, produzir segundo as exigências da economia mercantilista,
garantindo lucros e rendas à Coroa e à Burguesia mercantil”. O texto refere-se
ao conceito de:
(A) Colônias de Povoamento.
(B) Feudalismo.
(C) Globalização.
(D) Liberalismo Econômico.
(E) Pacto Colonial.

A colonização aparece como um desdobramento da expansão marítima


e comercial europeia, que assinala o início dos tempos Modernos. O sistema de
colonização subordina-se ao Mercantilismo: a função da colônia seria completar
a economia da metrópole. Esta fornece os manufaturados e a colônia as matérias-
primas e gêneros tropicais (Pacto Colonial).

RESPOSTA: “E”.

451. Sobre a Revolução Industrial, preencha corretamente a lacuna:


“A utilização de máquina a vapor na produção de manufaturas gerou, na
_____________ do século XVIII, o sistema fabril, aumentando exponencialmente
a produção e reduzindo os custos”:
(A) França.
(B) Inglaterra.
(C) Rússia.
(D) Espanha.
(E) Itália.

O século XVIII foi marcado pelo grande salto tecnológico nos transportes e
máquinas. As máquinas a vapor, principalmente os gigantes teares, revolucionou
o modo de produzir. O mercado consumidor inglês pode ser destacado como
importante fator que contribuiu para o pioneirismo inglês na Revolução Industrial.

RESPOSTA: “B”.

452. Hegemonia política da classe burguesa que pôs fim ao Antigo Regime,
possibilitou a participação das massas na política e o nacionalismo dos
“Jacobinos” são algumas das consequências da:
(A) Revolução Francesa de 1789.
(B) Revolução Russa de 1917.
(C) Revolução Inglesa de 1640.
(D) Revolução Cubana de 1959.
(E) Revolução Mexicana de 1915.

319
História
A Revolução Francesa em 1789, foi um importante marco na História Moderna
da civilização ocidental. Significou o fim do sistema absolutista e dos privilégios
da nobreza. O povo ganhou mais autonomia e seus direitos sociais passaram a ser
respeitados. A vida dos trabalhadores urbanos e rurais melhorou significativamente.
Por outro lado, a burguesia conduziu o processo de forma a garantir seu domínio
social. As bases de uma sociedade burguesa e capitalista foram estabelecidas durante
a revolução. Os ideais políticos (principalmente iluministas) presentes na França
antes da Revolução Francesa também influenciaram a independência de alguns
países da América Espanhola e o movimento de Inconfidência Mineira no Brasil
(1789) e Conjuração Baiana (1798).

RESPOSTA: “A”.

453. Jerusalém é considerada “cidade santa” para três grandes religiões.


São elas:
(A) fetichismo, islamismo e judaísmo.
(B) budismo, hinduísmo e maometismo.
(C) cristianismo, niilismo e islamismo.
(D) judaísmo, cristianismo e islamismo.
(E) budismo, judaísmo e islamismo.

A cidade de Jerusalém tem uma história que data do IV milênio a. C., tornando-a
uma das mais antigas do mundo. Jerusalém é a cidade santa dos judeus, cristãos,
e muçulmanos. É a capital declarada (mas não reconhecida pela comunidade
internacional) de Israel e sua maior cidade, com uma população de aproximadamente
800.000 habitantes. Localizada nas Montanhas Judias, entre o Mar Mediterrâneo e
o norte do Mar Morto, a Jerusalém moderna tem crescido aos arredores da cidade
Antiga. Apesar de possuir uma área de apenas 0,9 quilômetros quadrados, a cidade
antiga hospeda os principais pontos religiosos. A cidade antigamente murada, um
patrimônio mundial, tem sido tradicionalmente dividida em quatro quarteirões, ainda
que os nomes usados hoje (os bairros armênios, cristãos, judeu e o muçulmano)
foram introduzidos por volta do século XIX. A cidade velha foi indicada para
inclusão na lista do patrimônio mundial em perigo pela Jordânia em 1982. No curso
da história, Jerusalém foi destruída duas vezes, sitiada 23 vezes, atacada 52 vezes,
e capturada e recapturada 44 vezes. Atualmente, o status de Jerusalém continua um
dos maiores problemas no conflito israelita-palestino. A anexação, por Israel, do
leste de Jerusalém, em 1967, durante a Guerra dos Seis Dias, tem sido repetidamente
condenada pelas Nações Unidas e órgãos relacionados, e o povo palestino vislumbra
o leste de Jerusalém como a capital do seu futuro estado.

RESPOSTA: “D”.

320
História
454. Floresta fechada, com grande densidade vegetal e grande variedade
botânica, desenvolvida nas áreas de climas quentes e sempre úmidos, como a
Amazônia e o Congo, classifica-se como:
(A) tundra.
(B) equatorial.
(C) Pantanal.
(D) savana.
(E) Cerrado.

Dá-se o nome de Floresta Equatorial a uma série de formações florestais


localizadas nas regiões equatoriais que compreendem a Floresta Amazônica, e as
florestas do sudeste asiático e em algumas regiões africanas (Congo). A principal
característica das Florestas Equatoriais são sua grande densidade e a presença de
plantas de grande porte além das altas taxas de precipitação pluviométrica.

RESPOSTA: “B”.

455. (Fiscal de Obras/PM-Marília - CEMAT/2005) É considerada a terra


do jazz e sempre conviveu com a expectativa de uma tragédia natural. No dia
29 de agosto de 2005 foi atingida por um furacão e inundada, deixando centenas
de mortos e 100.000 desabrigados. A cidade de que se trata e o nome do furacão
são, respectivamente:
(A) Nova Iorque e Kamila.
(B) Nova Jérsei e Kanídia.
(C) Nova Orleans e Katrina.
(D) Miami e Karina.
(E) Los Angeles e Rita.

O Furacão Katrina foi um grande furacão, que destruiu uma parte dos EUA.
Este furacão alcançou a categoria 5 da Escala de Furacões de Saffir-Simpson
(regredindo a 4 antes de chegar a costa sudeste dos Estados Unidos). Os ventos do
furacão alcançaram mais de 280 quilômetros por hora, e causaram grandes prejuízos
na região litorânea do sul dos Estados Unidos, especialmente em torno da região
metropolitana de Nova Orleans, em 29 de agosto de 2005 onde mais de um milhão
de pessoas foram evacuadas.

RESPOSTA: “C”.

321
História
456. (Fiscal de Obras/PM-Marília - CEMAT/2005) Os 141 países que
assinaram o Tratado de Kioto, em vigor desde o início de 2005, concluíram
que o aquecimento global é um fenômeno real e os efeitos das mudanças no
clima da terra são iminentes. Dentre as seis provas de que o aquecimento faz
efeito, as duas com grau de certeza mais alta de que a culpa é realmente deste
aquecimento são:
(A) Derretimento das geleiras e ciclones mais potentes.
(B) Derretimento nas geleiras e enchentes na Europa.
(C) Enchentes na Europa e a proliferação de algas tóxicas.
(D) Calor e incêndios na Europa e secas.
(E) Ciclones mais potentes e calor e incêndios na Europa.

As alterações climáticas têm vindo a ser identificadas como uma das maiores
ameaças ambientais, sociais e económicas que o planeta e a humanidade enfrentam
na atualidade. A temperatura média da superfície da Terra aumentou 0,74º C desde
o final de 1800. É previsto um aumento entre 1,8°C a 4°C até ao ano de 2100, o que
implica alterações climáticas drásticas caso não se tomem as medidas necessárias.
A atual tendência de aquecimento global poderá originar extinções. Inúmeras
espécies vegetais e animais, já enfraquecidas pela poluição e pela perda dos seus
habitats, não deverão sobreviver nos próximos cem anos. Os seres humanos, embora
não enfrentem ameaças idênticas, estarão sujeitos às mais diversas adversidades.
Eventos climáticos como tempestades severas, inundações e secas, por exemplo, são
cada vez mais frequentes ultimamente, indicando que os cenários previstos pelos
especialistas são cada vez mais uma realidade. O nível médio do mar subiu entre 10 a
20 centímetros durante o século XX, e um aumento adicional de 18 a 59 centímetros
é esperado até ao ano de 2100. As temperaturas elevadas provocam a expansão do
volume do oceano e o derretimento de glaciares e as calotas de gelo aumentam
ainda mais o nível da água. Se o pior cenário previsto é alcançado, o mar pode
inundar as costas densamente povoadas de países como o Bangladesh, provocar o
desaparecimento total de algumas nações (como o estado da ilha das Maldivas),
privar bilhões de pessoas de reservas de água doce, e estimular migrações em massa.

RESPOSTA: “A”.

457. (Agente de Desenvolvimento Social-SADS/SP – VUNESP/2007) A


Wikipédia descobriu que Ryan Jordan, um estudante do Estado americano de
Kentucky, 24 anos de idade, se passava por um renomado professor de teologia.
Na correção dos artigos de sua área, Jordan recorria a livros como “Catholicism
for Dummies” (Catolicismo para idiotas). A revista “New Yorker” teve que se
retratar em uma nota do editor por tê-lo tomado como especialista. A Wikipédia
é:

322
História
(A) uma revista científica digital.
(B) uma enciclopédia colaborativa.
(C) um jornal que publica curiosidades.
(D) um anuário de assuntos religiosos.
(E) um provedor de igrejas evangélicas.

Wikipédia é um projeto de enciclopédia multilíngue de licença livre, baseado na


web, escrito de maneira colaborativa e que encontra-se atualmente sob administração
da Fundação Wikimedia, uma organização sem fins lucrativos cuja missão, segundo
o próprio site é “dar poder de informação e engajar pessoas pelo mundo para coletar
e desenvolver conteúdo educacional sob uma licença livre ou no domínio público, e
para disseminá-lo efetivamente e globalmente”. Contudo, uma parcela considerável
da academia brasileira sustenta que algumas informações que constam no site são
questionáveis, no tocante ao do rigor acadêmico, contudo um meio primário para
pesquisa superficial sobre assuntos de interesse geral.

RESPOSTA: “B”.

458. (PC/SP - IP/2009) O lixo espacial é composto de:


(A) gases tóxicos liberados da atmosfera terrestre.
(B) pedaços de meteoros e meteoritos fragmentados com o choque destes
astros com a atmosfera da Terra.
(C) detritos de saneamento expelidos pela Estação Orbital Internacional.
(D) nuvem tóxica liberada pelas erupções vulcânicas.
(E) detritos de naves, satélites desativados, objetos metálicos e pedaços de
foguetes.

Após o início da corrida espacial entre a ex- URSS e os EUA gravitam ao redor
da terra detritos de naves, satélites desativados, objetos metálicos e pedaços de
foguetes.

RESPOSTA: “E”.

459. Os presidentes da Bolívia, Venezuela e Cuba, em 2014 são,


respectivamente:
(A) Evo Morales, Nicolás Maduro e Raul Castro.
(B) Álvaro Uribe, Evo Morales e Fidel Castro.
(C) Evo Morales, Fernando Lugo e Raul Castro.
(D) Evo Morales, Hugo Chaves e Fidel Castro.
(E) Cristina Kirchner, Evo Morales e Raul Castro.

323
História
Evo Morales iniciou seu mandato em 2006. Em 2010 foi reeleito e seu mandato
será até dezembro de 2014, sendo que poderá concorrer à reeleição, segundo
interpretação do Tribunal Constitucional, pois o Estado Boliviano foi refundado em
2009. Assim, Evo Morales, primeiro presidente indígena da história daquele país,
poderá ficar no poder até 2020. Nicolás Maduro, era vice-presidente constitucional,
assumindo a presidência após a morte de Hugo Chaves. Maduro foi eleito, assumindo
seu mandato em 19 de abril e 2013. Raul Casto, irmão de Fidel Castro que presidiu
Cuba por mais de 40 anos, assumiu o governo em julho de 2006. Em 2008, chegou
à presidência de fato, sendo reeleito em 24 de fevereiro de 2013, por mais 5 anos
de mandato. Analistas políticos apontam que após seu mandato, poderá ser o fim da
era Castro.

RESPOSTA: “A”.

460. (PC/SP - IP/2009) Qual astro do sistema solar deixou de ser considerado
como planeta, pela União Astronômica Internacional (UAI), durante a reunião
em Praga, na República Tcheca, em 2006?
(A) Netuno.
(B) Vênus.
(C) Mercúrio.
(D) Plutão.
(E) Júpiter.

Em 24 de agosto de 2006, a União Astronômica Internacional (UAI) criou uma


definição de planeta formal, que fez Plutão deixar de ser planeta e ganhar a nova
classificação de planeta anão.

RESPOSTA: “D”.

461. (PC/SP - IP/2009) Entre quais Estados do Oriente Médio está sendo
construído um muro a fim de separá-los:
(A) Israel e Iraque.
(B) Irã e Iraque.
(C) Líbano e Israel.
(D) Irã e Israel.
(E) Israel e Cisjordânia.

O Muro de Israel, também chamado de Muro da Cisjordânia, é um projeto


do governo israelense que começou a ser executado no ano de 2002 e que
ganhou repercussão internacional por causa da polêmica e pelas críticas que

324
História
vem recebendo, inclusive de dentro da própria Israel. Sua intenção é dividir
o território do país com o da Cisjordânia, pertencente à Palestina. O motivo
para a construção do muro, segundo os seus idealizadores, é servir como meio
de defesa contra os ataques terroristas palestinos. O conflito entre palestinos e
israelenses é historicamente longo, além de ser motivado pela disputa territorial
da região da palestina pelas duas nações.

RESPOSTA: “E”.

462. (PC/SP - IP/2009) Quais as regiões do planeta, mais afetadas pelo


buraco na camada de ozônio?
(A) O continente americano.
(B) Não existe uma região específica.
(C) As áreas desérticas.
(D) Os Polos, especialmente, o Polo Sul (Antártida).
(E) Europa e Estados Unidos, por serem as áreas mais poluídas.

Segundo a WWF-Brasil, há evidências científicas de que substâncias fabricadas


pelo homem estão destruindo a camada de ozônio. Em 1977, cientistas britânicos
detectaram pela primeira vez a existência de um buraco na camada de ozônio sobre
a Antártida. Desde então, têm se acumulado registros de que a camada está se
tornando mais fina em várias partes do mundo, especialmente nas regiões próximas
do Polo Sul e, recentemente, do Polo Norte. Uma série de fatores climáticos faz
da estratosfera sobre a Antártida uma região especialmente suscetível à destruição
do ozônio. Toda primavera, no Hemisfério Sul, aparece um buraco na camada de
ozônio sobre o continente. Os cientistas observaram que o buraco vem crescendo e
que seus efeitos têm se tornado mais evidentes. Médicos da região têm relatado uma
ocorrência anormal de pessoas com alergias e problemas de pele e visão.

RESPOSTA: “D”.

463. (PC/SP - IP/2009) Qual o nome do Papa Bento XVI?


(A) Giuseppe Melchiorre Sarto
(B) Archille Ratti.
(C) Joseph Alois Rayzinger.
(D) Giovanni Battista Martini.
(E) Karol Josef Wojtyl.

325
História
O Papa Bento XVI, nascido Joseph Alois Rayzinger, alemão, tornou-se Papa em
19 de abril de 2005, com a Morte de João Paulo II, renunciando em 28 de fevereiro
de 2013.

RESPOSTA: “C”.

464. Qual o nome do Papa Francisco?


(A) Giuseppe Melchiorre Sarto.
(B) Jorge Mario Bergoglio.
(C) Joseph Alois Rayzinger.
(D) Giovanni Battista Martini.
(E) Karol Josef Wojtyl.

O Papa Francisco, nascido Jorge Mario Bergoglio, tornou-se Papa em 13 de


março de 2013, em decorrência da renúncia do Papa Bento XVI.

RESPOSTA: “B”.

465. Qual o nome do Mascote da Copa do Mundo de 2014?


(A) Willie.
(B) Zakumi.
(C) Kobe.
(D) Fuleco.
(E) Zacumi.

A mascote “Fuleco” ou tatu-bola é a mascote da Copa do Mundo FIFA de


2014, realizada no Brasil. Ele é da família das bolas, conhecida como tatu-bola-da-
caatinga, que encontra-se, a espécie, ameaçada de extinção.

RESPOSTA: “D”.

466. (PC/SP - IP/2009) O que é desenvolvimento sustentável?


(A) É o desenvolvimento de um país, por seus próprios recursos, sem a
necessidade de auxílio externo.
(B) É aquele que necessita de auxílio externo, para poder ter seu curso.
(C) É o desenvolvimento de uma determinada região, baseado em seus
próprios recursos naturais.
(D) É o desenvolvimento capaz de suprir as necessidades das presentes
gerações, sem comprometer as necessidades das gerações futuras.
(E) É aquele utilizada para o sustento básico das famílias de uma
determinada localidade.

326
História
Segundo Barbosa (2008), em seu artigo intitulado “O desafio do Desenvolvimento
Sustentável, publicado na Revista Visões, 4ª ed., n° 4, Volume 1, janeiro/junho de
2008, afirma que o termo “desenvolvimento sustentável” surgiu a partir de estudos da
Organização das Nações Unidas sobre as mudanças climáticas, como uma resposta
para à humanidade perante a crise social e ambiental pela qual o mundo passava a
partir da segunda metade do século XX. Na Comissão Mundial para o Meio Ambiente
e o Desenvolvimento (CMMAD), também conhecida como Comissão de Brundtland,
presidida pela norueguesa Gro Haalen Brundtland, no processo preparatório a
Conferência das Nações Unidas, também chamada de “Rio 92”, foi desenvolvido um
relatório que ficou conhecido como “Nosso Futuro Comum”. Tal relatório contém
informações colhidas pela comissão ao longo de três anos de pesquisa e análise,
destacando-se as questões sociais, principalmente no que se refere ao uso da terra,
sua ocupação, suprimento de água, abrigo e serviços sociais, educativos e sanitários,
além de administração do crescimento urbano. Neste relatório está exposta uma das
definições mais difundidas do conceito: “o desenvolvimento sustentável é aquele
que atende as necessidades do presente sem comprometer as possibilidades de as
gerações futuras atenderem suas próprias necessidades”.

RESPOSTA: “D”.

467. (PC/SP - IP/2009) O que é uma ONG:


(A) São organizações que visam o combate às ações de Governo.
(B) São organizações que não possuem vínculo com o Governo, mas que
repassam a ele parte dos lucros obtidos com suas atividades.
(C) São organizações criadas com o proposito único de auxiliar o Governo
em suas ações sociais.
(D) É uma organização, com fins lucrativos, que apesar de não pertencer a
nenhum escalão do Governo, possui vínculos diretos com este.
(E) É uma associação formada por um grupo de pessoas em torno de
propósitos comuns, sem fins lucrativos, e que todo e qualquer excedente
financeiro deve ser aplicado nas ações a que se propõe.

ONG é a sigla de Organização Não Governamental. Trata-se de entidades de


iniciativa social com fins humanitários, que são independentes da administração
pública e que não têm finalidade lucrativa. Uma ONG pode ter diversas formas
jurídicas: associação, fundação, cooperativa, etc. O importante é que nunca procurem
fazer lucros, pois são entidades da sociedade civil que têm por base o voluntariado e
que procuram melhorar algum aspecto da sociedade.

RESPOSTA: “E”.

327
História
468. (PC/SP - IP/2009) Não fazem parte do G-20 (Grupo dos países que,
juntos, respondem por 90% do P.I.B. do planeta):
(A) Suíça e Uruguai.
(B) Brasil e Argentina.
(C) Arábia Saudita e Índia.
(D) Estados Unidos e Alemanha.
(E) Japão e China.

O G20 (Grupo dos 20) é um grupo constituído por ministros da economia e


presidentes de bancos centrais dos 19 países de economias mais desenvolvidas
do mundo, mais a União Europeia. Criado em 1999, na esteira de várias crises
econômicas da década de 1990, o G20 é uma espécie de fórum de cooperação e
consulta sobre assuntos financeiros internacionais. Os países que fazem parte do
G-20 são: África do Sul, Alemanha, Arábia Saudita, Argentina, Austrália, Brasil,
Canadá, China, Coréia do Sul, Estados Unidos, França, Índia, Indonésia, Itália,
Japão, México, Reino Unido, Rússia, Turquia e países Membros da União Europeia.

RESPOSTA: “A”.

469. A União Europeia (EU), com a entrada da Croácia, a partir de julho de


2013, ficou composta por quantos países?
(A) dezenove países.
(B) dez países.
(C) vinte e oito países.
(D) trinta países.
(E) vinte e sete países.

Em 30 de junho de 2013, a Croácia se tornou o 28º Membro da União Europeia.


O país com aproximadamente 4,4 milhões de habitantes foi o segundo de sete
Estados extraídos da ex-Iugoslávia a entrar na União Europeia, após a Eslovênia em
2004. O ingresso da Croácia marca a primeira expansão da União Europeia rumo a
leste desde 2007, quando Romênia e Bulgária entraram no Bloco.

RESPOSTA: “C”.

470. Assinale a única alternativa que não expressa característica do Sistema


Feudal:
(A) Espírito crítico e pouco religioso.
(B) Valorização das relações de dependência e de fidelidade.
(C) Exploração do trabalho dos servos através de inúmeros impostos.
(D) Sociedade Hierarquizada, estamental e pouca mobilidade social.
(E) Economia amonetária e praticamente autossuficiente.

328
História
Feudalismo foi um modo de organização social, político e cultural baseado no
regime de servidão, onde o trabalhador rural era “o servo” do grande proprietário
de terras, “o senhor feudal”. O feudalismo predominou na Europa durante toda a
Idade Média (entre os séculos V e XV). O feudalismo era um sistema que imperava
dentro do feudo, uma grande propriedade rural, que abrigava um castelo fortificado,
as aldeias, as terras para cultivo, os pastos e os bosques. Era uma unidade de
produção do sistema feudal, onde o servo plantava, colhia, fazia vinho, azeite,
farinha, pão, criava gado, fabricava queijo, manteiga, caçava, pescava e trabalhava
numa rudimentar indústria artesanal. No feudo se produzia apenas o necessário
para o consumo da comunidade, onde o trabalho servil envolvia uma série de
obrigações, entre elas: os servos trabalhavam como rendeiros, pagando ao senhor
com mercadorias ou prestações de serviços pelo uso da terra; cada família trabalhava
gratuitamente durante alguns dias nas terras do senhor; cada servo pagava taxas
pelo uso do moinho, do forno etc. Aos senhores feudais cabia a responsabilidade de
formar exércitos particulares e construir castelos fortificados, onde dentro e em torno
dos quais se desenvolvia a comunidade feudal, protegida por eles.
RESPOSTA: “A”.

471. A pressão napoleônica sobre a Europa resultava, no plano


socioeconômico:
(A) da aliança franco-russa com o objetivo de dominar a Europa.
(B) do interesse em apossar-se dos portos marítimos do Mediterrâneo.
(C) do crescimento da burguesia francesa e seus interesses no controle de
mercados.
(D) do rompimento do bloqueio continental pelos russos.
(E) da rivalidade militar entre França e Inglaterra.

A Revolução Francesa gerou diversas consequências, como: assinalou a


ascensão política da burguesia e o triunfo de seus ideais e aspirações; estimulou o
desenvolvimento capitalista da França; significou a derrubada do Antigo regime com
a queda do Absolutismo; extinguiu os privilégios e resquícios do feudalismo; deu
início a um processo de separação entre a Igreja e o Estado; estimulou os movimentos
liberais e constitucionalistas na Europa; influenciou os movimentos de independência
das colônias latino-americanas; deu origem às instituições político-ideológicas que
caracterizam o mundo contemporâneo. As consequências foram diversas, gerando
Revoluções por todo o mundo inclusive no Brasil. Napoleão Bonaparte consolidou
internamente as conquistas da burguesia francesa e, no plano externo, promoveu
a expansão dos ideais revolucionários para o resto através de suas conquistas. A
obra de Napoleão Bonaparte como estadista foi extraordinária coroado Imperador
em 1804 reorganizou o Estado, modernizou as leis através do Código Civil (1804)

329
História
estimulou o ensino e realizou grandes obras que deram impulso ao desenvolvimento
do capitalismo na França. Estimulou o surgimento de movimentos revolucionários na
Holanda, Bélgica e Suíça, despertando manifestações de apoio na Itália, Alemanha,
Áustria, Inglaterra e Irlanda; chegando até o Novo Mundo e, também, influenciando
a malograda luta pela independência nas colônias portuguesas e espanholas.

RESPOSTA: “C”.

472. A separação das duas Alemanhas em 1945 representou a divisão


do mundo entre os blocos comunista e capitalista, sistemas econômicos que
dividiram o mundo após a Segunda Guerra Mundial. Qual foi o principal
símbolo que caracterizou esse momento da Guerra Fria?
(A) O surgimento da ONU.
(B) A Construção do muro de Berlim.
(C) A Perestroika.
(D) A Glasnost.
(E) O surgimento da OTAN.

Em tempos de pós-Segunda Guerra, por volta de 1961, um grupo de militares


começaram a cercar os portões de Brandenburgo com arame farpado. A ação era
resultado da disputa entre os soviéticos e capitalistas. Afinal de contas, ao dividirem
o mundo em zonas de influência, o controle do território alemão representava uma
conquista bastante significativa. Sob tal contexto, os agentes do lado socialista
tomaram a divisão física como solução. Alguns dias depois, os oficiais da República
Democrática Alemã, acompanhados por outros militares armados, descarregaram
sacos de areia, cimento e tijolos. Assim nascia o Muro de Berlim. Inicialmente,
o arame farpado fora substituído por uma mureta que media apenas um metro de
altura. Aos poucos, cercas, guaritas, sensores de movimento, minas terrestres e
cães de guarda desnudavam o lugar que simbolizaria o epicentro da ordem bipolar.
No ano de 1989, os húngaros abriram suas fronteiras e, com isso, permitiram que
milhares de orientais alcançassem o outro lado. Enquanto isso, a ascensão política de
Mikhail Gorbachev na União Soviética indicava que o bloco socialista politicamente
se esfacelava. Em 9 de novembro de 1989, a Alemanha Oriental permitiu a travessia
para o outro lado. Em clima de festa, os alemães retiravam pedaços de concreto que
viabilizaram uma divisão obtusa e traumática.

RESPOSTA: “B”.

330
História
473. Modelo Clássico de Revolução Burguesa, movimento que contou com
a participação de vários segmentos sociais, pondo fim a um regime absolutista,
acontecimento do século XVIII que marcou definitivamente a transição do
feudalismo para o capitalismo. Estamos discorrendo sobre:
(A) Revolução Americana.
(B) Revolução Cubana.
(C) Revolução Industrial.
(D) Revolução Russa.
(E) Revolução Francesa.

A Revolução Francesa em 1789, foi um importante marco na História Moderna


da civilização ocidental. Significou o fim do sistema absolutista e dos privilégios
da nobreza. O povo ganhou mais autonomia e seus direitos sociais passaram a ser
respeitados. A vida dos trabalhadores urbanos e rurais melhorou significativamente.
Por outro lado, a burguesia conduziu o processo de forma a garantir seu domínio
social. As bases de uma sociedade burguesa e capitalista foram estabelecidas durante
a revolução. Os ideais políticos (principalmente iluministas) presentes na França
antes da Revolução Francesa também influenciaram a independência de alguns
países da América Espanhola e o movimento de Inconfidência Mineira no Brasil
(1789) e Conjuração Baiana (1798).

RESPOSTA: “E”.

474. É o mais forte movimento separatista espanhol contando, inclusive,


com a ação do grupo terrorista ETA. Trata-se:
(A) Do separatismo Basco.
(B) Da ideia da autonomia do Tirol.
(C) Do Separatismo da Cataluña.
(D) Da autonomia da Tartária.
(E) Da liderança pela autonomia do Vale do Rio Pó.

O ETA é um grupo que procura a independência da região do País Basco (Euskal


Herria), da Espanha e da França. O ETA possui ideologia separatista/independentista
marxista-leninista e revolucionária. Em 1952 organiza-se um grupo universitário
de estudos chamado Ekin (empreender em euskera), em Bilbao. Em 1953, através
do Partido Nacionalista Basco (PNB) o grupo entra em contato com a organização
juvenil PNB, Euzko Gaztedi. Em 1956 as duas associações fundem-se. Dois anos
mais tarde (1958), os grupos separam-se por divergências internas, sendo que o
Ekin converte-se em ETA no dia 31 de Julho de1959. Por questões ideológicas, o
ETA desliga-se do PNB, utilizando a ação direta como estratégia de movimento de

331
História
resistência na mesma época em que diversos países do hemisfério sul lutavam por
liberdade. Os integrantes da ETA são denominados etarras, um neologismo criado
pela imprensa espanhola a partir do nome da organização e do sufixo basco, com
o qual se formam os gentílicos no idioma. Em basco a denominação é etakideak,
plural de etakide (membro da ETA). Os membros e partidários do movimento
frequentemente utilizam o termo gudariak, que significa guerreiros ou soldados.

RESPOSTA: “A”.

475. Os países chamados “do eixo”, durante a Segunda guerra Mundial,


eram:
(A) França, Holanda e Bélgica.
(B) Alemanha, Rússia e Itália.
(C) Alemanha, Itália e Japão.
(D) Estados Unidos, França e Inglaterra.
(E) Alemanha, França e Polônia.

A segunda Guerra Mundial, ocorrida entre 1939 a 1945, tinha de um lado o Eixo
(Alemanha, Japão e Itália) e de outro os Aliados (Inglaterra, Rússia e EUA).

RESPOSTA: “C”.

476. Para os romanos, bárbaros eram todos os povos:


(A) que viviam ao norte da África.
(B) que viviam fora das fronteiras do Império.
(C) pastores originários dos desertos da Arábia.
(D) originários da Ásia setentrional.
(E) Contrários ao Catolicismo.

Entre os gregos e romanos, bárbaros eram todos os povos considerados, por eles,
como estrangeiros, sem civilização, rude, cruel e desumano. Geralmente, no senso-
comum, é um termo utilizado para referir-se a um membro de uma determinada
nação ou grupo étnico considerado atrasado. As sociedades tribais, nas visões das
sociedades urbanas são vistas como bárbaras como inferiores, ou admirados como
nobres selvagens, não perdendo a qualidade depreciativa dispensada àqueles que se
quer qualificar.

RESPOSTA: “B”.

332
História
477. A II Guerra Mundial (1939-1945) terminou efetivamente com:
(A) Acordo com a Itália e a tomada de Berlim pelas tropas soviéticas.
(B) A rendição incondicional e conjunta da Itália, Alemanha e Japão.
(C) O acordo entre Japão e Itália e a rendição da Alemanha.
(D) A rendição do Japão, depois da explosão de bombas atômicas em
Hiroshima e Nagasaqui.
(E) A reunião em São Francisco, onde se estabeleceram as bases para a
ONU.

Na Itália, a rendição assinada em 29 de abril de 1945 pelo comando das forças


alemãs naquele país, se efetivou em 2 de maio de 1945. O tratado de rendição
alemão foi assinado em 7 de maio de 1945, em Reims e ratificado, em 8 de maio de
1945, em Berlim. O Grupo de Exércitos Centro alemão resistiu em Praga até o dia
11 de maio de 1945. Como o Japão continuou a ignorar os termos de Potsdam, os
Estados Unidos lançam bombas atômicas sobre as cidades japonesas de Hiroshima
e Nagasaki em agosto. Entre as duas bombas, os soviéticos, em conformidade com
o acordo de Yalta, invadem a Manchúria, dominada pelos japoneses e rapidamente
derrotam o Exército de Guangdong, que era a principal força de combate japonesa.
O Exército Vermelho também captura a ilha Sacalina e as ilhas Curilas. Em 15
de agosto de 1945 o Japão se rende, sendo os documentos de rendição finalmente
assinados a bordo do convés do navio de guerra americano USS Missouri em 2 de
setembro de 1945, o que pôs fim à guerra.

RESPOSTA: “D”.

478. Regime de segregação racial imposto na África do Sul, no século XIX,


é conhecido como:
(A) Apartheid.
(B) Anarquismo.
(C) Censitário.
(D) Feudalismo.
(E) Ditadura Fascista.

O termo apartheid se refere a uma política racial implantada na África do


Sul. De acordo com esse regime, a minoria branca, os únicos com direito a voto,
detinha todo poder político e econômico no país, enquanto à imensa maioria negra
restava a obrigação de obedecer rigorosamente à legislação separatista. A política de
segregação racial foi oficializada em 1948, com a chegada do Novo Partido Nacional
(NNP) ao poder. O apartheid não permitia o acesso dos negros às urnas e os
proibia de adquirir terras na maior parte do país, obrigando-os a viver em zonas

333
História
residenciais segregadas, uma espécie de confinamento geográfico. Casamentos
e relações sexuais entre pessoas de diferentes etnias também eram proibidos. A
oposição teve início na década de 1950, sendo que em 1962, o líder da oposição
Nelson Mandela foi preso e condenado a prisão perpétua, permanecendo na cadeia
até 1990.

RESPOSTA: “A”.

479. As duas classes sociais mais importantes do sistema capitalista: uma


constituída pelos proprietários dos meios de produção; a outra constituída pela
força de trabalho, que vende sua mão-de-obra em troca de um salário. Quais
sãos essas classes, respectivamente:
(A) Capitalista e burguesia.
(B) Servos e profissionais liberais.
(C) Burguesia e proletariado.
(D) Escravos e proletariado.
(E) Proletariado e Banqueiro.

Essa questão pressupõe uma leitura da Economia política clássica, na qual


identifica que o comprador da força de trabalho (Burguesia) fazendo com que seu
vendedor (proletariado) trabalhe. O trabalho é, antes de tudo, segundo Marx, na
Obra O Capital, um processo entre o homem e a natureza, processo este em que
o homem, por sua própria ação, medeia, regula e controla seu metabolismo com a
natureza. Portanto, com a evolução do capitalismo, os burgueses, proprietários dos
meios de produção, compra a mão-de-obra do trabalhador, por valor previamente
estabelecido, com a finalidade de criar a mercadoria, com a adição do lucro,
posteriormente à venda do produto manufaturado.

RESPOSTA: “C”.

480. Estima-se que a água do nosso planeta, cerca de 95% são água salgada
e dos 5% restantes, quase a metade está retida nos polos e geleiras. Diante do
exposto, o uso de água do mar para a obtenção de água potável ainda não é uma
realidade em larga escala devido:
(A) O custo do processo de dessalinização é muito alto.
(B) Comprometeria muito a vida aquática dos oceanos.
(C) Não se sabe separar adequadamente os sais nela dissolvidos.
(D) A água salgada do mar tem temperatura de ebulição alta.
(E) A água do mar possui materiais irremovíveis.

334
História
Muitas nações na África e no Oriente Médio vivem com problemas hídricos,
os quais aplicam um processo caro, chamado dessalinização, para obterem água
potável a partir da água do mar. Com o desenvolvimento tecnológico, futuramente
este processo pode-se tornar muito utilizado, dada a presente poluição intensa dos
corpos d’água continentais.

RESPOSTA: “A”.

481. Quem patrocinava a maior parte das viagens marítimas durante o


século XV e qual doutrina econômica que orientava essas grandes navegações
dos Estados Nacionais europeus?
(A) Os mercadores feudais, com a finalidade de consolidar o feudalismo.
(B) Os nobres togados, com a finalidade de difundir o sistema liberal nos
países fora da Europa.
(C) Os burgueses, com visão mercantilista, em busca de pedras preciosas e
mercado consumidor para seus produtos manufaturados.
(D) Os servos da gleba com a finalidade de estabelecerem comércio.
(E) Os reis com a finalidade de adquirem terras e dominar maiores extensões
territoriais.

Na economia da Idade Média, o comércio tornou-se a atividade mais importante


que a agrícola da economia feudal. As cidades se desenvolveram, sendo que o
ambiente rural começava a ser menos atrativo. Na sociedade surgiu e se fortaleceu
uma nova classe social, a dos comerciantes (a burguesia). A perspectiva de
aumentar o comércio fez das grandes navegações a oportunidade dos comerciantes
aumentarem suas vendas e diversificarem os produtos comerciados, principalmente
das especiarias do oriente. A navegação, com o progresso da ciência, diminuiu os
custos do transporte, que era feito por terra, maximizando os lucros. O Oriente
(Índia) era o destino dos navios por causa, da possibilidade de compra de pedras
preciosas, das especiarias e dos tecidos com qualidade produzidos naquele país.

RESPOSTA: “C”.

482. A grande invenção atribuída ao italiano Flávio Gióia, no ano de 1280


que revolucionou os processos de orientação na navegação foi:
(A) caravela.
(B) remo.
(C) vela romana.
(D) bússola.
(E) timão.

335
História
A invenção da bússola revolucionou a história da humanidade e proporcionou ao
homem a possibilidade de explorar um mundo novo por meio das navegações. Tudo
começou com a descoberta da agulha magnética, que era atraída para a direção dos polos
Norte magnético do planeta Terra. A bússola foi inventada e aperfeiçoada por Flávio
Gióia, em Amalfi, na Itália, no ano de 1280. Segundo relatos históricos, o inventor teria
usado uma caixa para colocar a rosa-dos-ventos com elementos de magnetismo.

RESPOSTA: “D”.

483. Em relação a crise econômica de 1929, nos Estados Unidos da América,


podemos afirmar:
(A) impulsionou os produtores de cana-de-açúcar devido ao aumento da
demanda.
(B) acarretou sensível aumento de nossas exportações de produtos
manufaturados.
(C) afetou os produtores brasileiros de café.
(D) provocou aumento das possibilidades do mercado de trabalho interno.
(E) não modificou nosso comércio exterior, porque não havia mercadorias
para exportar.

Devido à crise Econômica Mundial de 1929, iniciada na Bolsa de Nova


York, Estados unidos, houve acentuada queda nas exportações de café. Esta crise
determinou o fim do predomínio dos fazendeiros, os quais foram, em sua maioria,
arruinados e enfraquecidos pela crise mundial.

RESPOSTA: “C”.

484. Um dos resultados das denominadas Grandes Navegações iniciadas


pelos portugueses, foi:
(A) o controle do mar Mediterrâneo pelos navegadores italianos.
(B) o deslocamento do eixo comercial da Europa, do mar Mediterrâneo
para o oceano Atlântico.
(C) o desenvolvimento das navegações espanholas, inglesas e holandesas no
mar Mediterrâneo.
(D) a decadência econômica das cidades portuárias da península ibérica.
(E) a decadência econômica da burguesia mercantil portuguesa.

Com a “descoberta da américa”, houve o deslocamento do eixo comercial


da Europa, do Mar Mediterrâneo para o Oceano Atlântico. O Brasil, tornou-se a
principal colônia portuguesa, realizando o suprimento de matérias-primas diversas
para o mercado de Portugal.

RESPOSTA: “B”.

336
História
485. (PM/ARAQUARA-SP – HISTÓRIA – CETRO/2013) A respeito do
período Napoleônico, assinale a alternativa incorreta.
(A) A Inglaterra apresentava-se como uma potência naval, impedindo o
avanço francês por meios marítimos.
(B) O choque entre franceses e ingleses trouxe grandes gastos àqueles.
Contudo, os ingleses tiveram poucos prejuízos e puderam contar com o apoio
financeiro de seus aliados.
(C) Napoleão viu-se obrigado a renunciar por conta dos constantes
enfrentamentos militares e pelo enfraquecimento econômico da França.
(D) Internamente, o período napoleônico apresentou uma sistematização
jurídica consolidada através do Código Napoleônico.
(E) No que tange ao sistema educacional, o período napoleônico visou a
conter o avanço do radicalismo. O ensino secundário, por exemplo, seguiu
modelos humanísticos, inspirado por jesuítas.

Entre 1804 a 1815 foi considerado o auge do Poder de Napoleão na França. A


rivalidade entre França e Inglaterra se acentuou mais ainda nesse contexto, uma vez
que os dois países eram as grandes potências da época. Ciente de que não seria capaz
de derrotar a poderosa marinha inglesa, Napoleão criou o Bloqueio Continental,
decreto que proibia todos os países de manterem relações comerciais com a Inglaterra.
A clara intenção de Bonaparte era arruinar os ingleses economicamente. De fato,
o Bloqueio Continental não surtiu o efeito desejado, uma vez que alguns países
não o cumpriram, contudo a Inglaterra sofreu desgastes até 18 de junho de 1815,
com a derrota de Napoleão na Batalha de Waterloo. Portugal, por exemplo, fora um
desses países que não aderiu ao Bloqueio continental, aspecto que levou à invasão
de seu território pelas tropas francesas. Aliás, a invasão das tropas napoleônicas em
Portugal foi o que desencadeou a fuga da família real para o Brasil.

RESPOSTA: “B”.

486. (PM/ARAQUARA-SP – HISTÓRIA – CETRO/2013) Sobre as


reivindicações acerca dos direitos femininos, analise as assertivas.
I. Durante a Primeira Guerra Mundial, o uso de mão de obra masculina
tornou-se limitado em algumas localidades da Europa, sobretudo. Por isso,
muitas mulheres viram-se obrigadas a assumir funções outrora atribuídas
exclusivamente aos homens. Tal transformação motivou novas reflexões acerca
do papel da mulher na sociedade.
II. Embora tenha havido variados movimentos dispostos a refletir sobre o
papel da mulher na sociedade ao longo da história, a formação de um movimento
coeso em favor dos direitos femininos só foi possível a partir das interpretações
propostas por Marx acerca da formação do capitalismo e de suas formas de
exploração. Desde então, tem-se um alinhamento entre o pensamento marxista
e os movimentos feministas.

337
História
III. Embora desde o século XIX tenham sido publicadas diversas obras em
defesa da extensão dos direitos políticos às mulheres, o sufrágio feminino só
tornou-se possível em países como a Inglaterra e Brasil a partir da primeira
metade do século XX.
É correto o que se afirma em:
(A) I, II e III.
(B) I, apenas.
(C) II, apenas.
(D) II e III, apenas.
(E) I e III, apenas.

O examinador, ao formular a questão considera que as reflexões sobre o papel


da mulher na sociedade, surgiu por meio da inserção delas no mercado de trabalho.
Assim, reflexões deste papel surgiram, posteriormente ao 8 de março de 1857, quando
129 operárias têxteis foram queimadas vivas em Nova Iorque em 1857 por exigirem
redução da jornada de trabalho. A situação da mulher na produção, agravada por este
fato em Nova Iorque, criaram todo um debate sobre o papel da mulher nas atividades
produtivas. A data de 8 de março, foi selada como homenagem às mulheres, proposta
por Clara Zetkin na 2ª Conferência Internacional de Mulheres Socialistas realizada
em 1910 em Copenhague, Dinamarca. Esta data selou simbolicamente a íntima
relação da caminhada libertadora da mulher com a luta dos operários por sua
emancipação social, ou seja, não foi Marx que gerou um movimento coeso, mas sim
a evolução de seu pensamento que possibilitou, posteriormente, que o movimento
feminista na década de 1970 interpretasse a questão da autonomia da mulher na
sociedade sexista. O examinador, coloca o contexto da I Guerra Mundial, sendo
que a questão feminista não estava em cena, ainda, mas sim os direitos trabalhistas,
os quais foram analisados por Marx, contemplando a realidade da mulher como
situação em que a desigualmente (de homens e mulheres proletários) é inexorável
ao sistema capitalista.

RESPOSTA: “E”.

487. (PM/ARAQUARA-SP – HISTÓRIA – CETRO/2013) Sobre o período


colonial e as navegações portuguesas, analise as assertivas abaixo.
I. A penetração portuguesa em solo africano ocorreu apenas em áreas
costeiras, através de postos comerciais fortificados.
II. Nos primeiros momentos, após a chegada ao Brasil, o exotismo de sua
fauna e de sua flora despertou nos portugueses maior atenção do que seu
potencial para a exploração econômica.

338
História
III. A presença dos espanhóis, que chegaram a estabelecer uma colônia onde
hoje se encontra a cidade do Rio de Janeiro, estimulou uma maior exploração
do Brasil pelos Lusitanos.
É correto o que se afirma em:
(A) I, apenas.
(B) I e II, apenas.
(C) III, apenas.
(D) I e III, apenas.
(E) II, apenas.

A presença dos Espanhóis na América foi predominante apenas à Oeste da Linha


de Tordesilhas definida entre Portugal e Espanha, ou seja, não estiveram no Brasil,
exceto durante a união ibérica, no período de 1580 a 1640.

RESPOSTA: “B”.

488. (PM/ARAQUARA-SP – HISTÓRIA – CETRO/2013) Sobre a Reforma


Protestante, marque V para verdadeiro ou F para falso e, em seguida, assinale
a alternativa que apresenta a sequência correta.
( ) Como consequência da Reforma promovida por Martinho Lutero na
Alemanha, pode-se citar o aumento na produção de livros e panfletos, que
contribuíram para a difusão de suas propostas.
( ) A Bíblia em língua vernácula de Lutero contribuiu para a popularização
dos preceitos cristãos e para a sistematização do alemão, até então visto como
uma língua inferior.
(...) Em função de sua oposição à Igreja Católica, Lutero posicionou-se
favoravelmente ao islamismo, identificando pontos em comum com a fé cristã.
(A) V/V/F
(B) F/F/V
(C) F/V/F
(D) V/F/V
(E) V/V/V

Martinho Lutero, viveu no período de 1483 a 1546, foi um monge católico


agostiniano e professor de teologia germânico que foi figura central na Reforma
Protestante. Sua teologia desafiou a autoridade papal da Igreja Católica Romana, pois
ele ensinava que a Bíblia é a única fonte de conhecimento divinamente revelada
e opôs-se ao sacerdotismo, por considerar que todos os cristãos batizados são
como um sacerdócio santo. Aqueles que se identificavam com os ensinamentos
de Lutero eram chamados luteranos. Segundo a tradição, em 31 de outubro de

339
História
1517 foram afixadas as 95 Teses na porta da Igreja do Castelo de Wittenberg, com
um convite aberto a uma disputa escolástica sobre elas. Essas teses condenavam
o que Lutero acreditava ser a avareza e o paganismo na Igreja como um abuso e
pediam um debate teológico sobre o que as Indulgências significavam. Para todos
os efeitos, contudo, nelas Lutero não questionava diretamente a autoridade do Papa
para conceder as tais indulgências. As 95 Teses foram logo traduzidas para o alemão
e amplamente copiadas e impressas. Ao cabo de duas semanas se haviam espalhado
por toda a Alemanha e, em dois meses, por toda a Europa. Este foi considerado
o primeiro episódio da História em que a imprensa teve papel fundamental, pois
facilitou a distribuição simples e ampla do documento. Depois de fazer pouco caso
de Lutero, O Papa Leão X, afirmou que ele seria um “alemão bêbado que escrevera as
teses”, considerando que “quando ele estivesse sóbrio mudaria de opinião”. O Papa
Leão X ordenou, em 1518, ao professor de teologia dominicano Silvestro Mazzolini
que investigasse o assunto. Este denunciou que Lutero se opunha de maneira
implícita à autoridade do Sumo Pontífice, quando discordava de uma de suas bulas.
Declarou ser Lutero um herege e escreveu uma refutação acadêmica às suas teses.
Nela, mantinha a autoridade papal sobre a Igreja e condenava as teorias de Lutero
como um desvio e uma apostasia. Lutero replicou de igual forma (academicamente),
dando assim início à controvérsia. Lutero foi perseguido pelo Papa. Lutero foi
colocado em exílio para não ser morto, por Frederico “o Sábio”, ocasião em que
Lutero início estadia em Wartburg. Neste exílio forçado iniciou-se um período
muito construtivo de sua carreira como reformista. Em seu “Deserto” ou “Patmos”
(como ele mesmo chamava, em suas cartas) de Wartburg, começou a tradução da
Bíblia, da qual foi impresso o Novo Testamento, em setembro de 1522. Em seus
últimos anos, Lutero tornou-se algo antissemita, chegando a escrever que as casas
judaicas deveriam ser destruídas, e suas sinagogas queimadas, dinheiro confiscado e
liberdade cerceada. Essas afirmações fizeram de Lutero uma figura controversa entre
muitos historiadores e estudiosos. Há, inclusive, uma corrente de historiadores, que
considera que a retórica de Lutero antijudaica contribuiu significativamente para o
desenvolvimento do antissemitismo na Alemanha

RESPOSTA: “A”.

489. (PM/ARAQUARA-SP – HISTÓRIA – CETRO/2013) Sobre a Segunda


Guerra Mundial, analise as assertivas abaixo.
I. A República Social Italiana, ou República de Saló, foi a primeira tentativa,
por parte da monarquia italiana, de estabelecer um governo livre do Partido
Fascista. Tão logo a Itália foi conquistada pelos aliados.
II. O “Euthanasia Programme”, durante a Segunda Guerra Mundial,
na Alemanha Nazista, tinha por objetivo levar ao extremo os princípios de
purificação racial defendidos pelos partidários de Hitler (“livrar as gerações
futuras de uma doença hereditária incurável”).

340
História
III. As Leis de Nuremberg visavam à diminuição da perseguição aos judeus
e à devolução do direito de cidadania a estes.
É correto o que se afirma em
(A) I, II e III
(B) I e II, apenas
(C) I, apenas
(D) II, apenas
(E) III, apenas

Esta questão que aparentemente, parece fácil, é uma pegadinha. O Item I, é o


contrário do que se afirma, ou seja, a República Social Italiana, também conhecida
como República de Salò, foi o nome assumido pelo governo fascista instaurado
em território italiano em 23 de setembro de 1943 na parte do território italiano
não ocupada pelos Aliados e era controlada pelos nazistas. Governada por Benito
Mussolini durante toda a sua curta existência, seu território correspondia à Itália
setentrional, com exceção das províncias de Trento, Bolzano, Belluno e a região de
Friuli-Venezia Giulia. A sede do governo era em Salò, cidade às margens do Lago de
Garda, não muito distante de Milão. No Item III, o examinador declara o significado
inverso do que foi as Leis de Nuremberg, as quais eram três textos adotados pelo
Reich sob iniciativa de Adolf Hitler, Em essência, nestes textos, particularmente
no terceiro define a transcrição para instrumentos legislativos do Terceiro Reich de
toda a ideologia antissemita do nazismo. Permitiram e fomentaram os processos de
perseguição aos judeus na sociedade alemã. E por último, o Item II é o correto, no
qual apresenta a consequência das Leis de Nuremberg, a qual perseguiu as minorias
sociais e os deficientes, sendo que estes últimos foram implacavelmente atingidos
pelo programa “Euthanasia Programme”, durante a Segunda Guerra Mundial, o qual
tinha por objetivo levar ao extremo os princípios de purificação racial defendidos
pelos partidários de Hitler (“livrar as gerações futuras de uma doença hereditária
incurável”).

RESPOSTA: “D”.

490. (UNESP – ASSISTENTE OPERACIONAL II – VUNESP/2013) Em


julho de 2013, um presidente sul-americano enfrentou um sério incidente
diplomático na Europa, pois foi impedido de entrar no espaço aéreo de diversos
países pela suspeita de transportar Edward Snowden, um norte-americano que
está sendo acusado de espionagem nos Estados Unidos. O fato causou imediata
reação de repúdio de Lideranças sul-americanas. (http://noticias.terra.com.br/
mundo/america-latina/-presidentes-sul-americanos-evocam-unasul-contra-gra
veafronta,c8e22d16f92af310VgnVCM20000099cceb0aRCRD.html. Adaptado)

341
História
O incidente ocorreu com o presidente do (a)
(A) Peru.
(B) Venezuela.
(C) Chile.
(D) Bolívia.
(E) Equador

O incidente diplomático foi enfrentado pelo presidente boliviano Evo Morales


na Europa, impedido de entrar no espaço aéreo de diversos países pela suspeita
de transportar Edward Snowden. Este fato causou imediata reação de repúdio de
lideranças sul-americanas, dentre eles, os presidentes do Uruguai, Venezuela,
Argentina e Equador.

RESPOSTA: “D”.

491. (UNESP – ASSISTENTE OPERACIONAL II – VUNESP/2013) A foto


abaixo mostra o navio Costa Concórdia que naufragou em 2012. Leia o texto
abaixo que trata sobre seu resgate, em setembro de 2013.

http://www.jb.com.br/internacional/noticias/2012/01/14/itamaraty-havia-
brasileiros-no-navio-que-naufragou/

Em setembro de 2013, terminou com sucesso a operação inédita para


desvirar o navio Costa Concórdia. Foram 19 horas muito longas e aflitas. A
pequena ilha acompanhou acordada o resgate da enorme embarcação, com

342
História
a qual foi obrigada a conviver durante 20 meses. Cada grau de rotação era
comemorado. (http://g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2013/09/navio-
costa-concordia-e-posto-novamente-na-posicao-vertical.htm)
O navio naufragou no litoral da
(A) Espanha.
(B) Grécia.
(C) Itália.
(D) França.
(E) Croácia

O Navio Costa Concordia, da empresa Costa Cruzeiros, com 4,2 mil passageiros,
foi a pique após encalhar em um banco de areia, no litoral da Itália.

RESPOSTA: “C”.

492. (UNESP – VESTIBULAR – VUNESP/2013) A Revolução dos Cravos


aconteceu em Portugal, no dia 25 de abril de 1974. Esse movimento
(A) permitiu o restabelecimento do controle político português sobre as
colônias africanas, que haviam acabado de conquistar sua independência.
(B) instalou uma ditadura militar em Portugal, encerrando cinco décadas
de Estado democrático e popular.
(C) iniciou o processo de democratização do país, encerrando o longo
regime autoritário que marcou parte do século XX português.
(D) impediu a continuidade do processo de modernização da economia
portuguesa, implantado ao final da Segunda Guerra Mundial.
(E) contestou o ingresso de Portugal na Comunidade Europeia e defendeu a
aproximação do país com os países socialistas do Leste Europeu.

A Revolução dos Cravos, denominada historicamente Revolução de 25 de


Abril, foi um movimento das Forças Armadas que depôs o regime ditatorial vigente
desde1933, e iniciou um processo iniciou a democratização do país, encerrando o
longo regime autoritário que marcou parte do século XX português.

RESPOSTA: “C”.

493. (UNESP – VESTIBULAR – VUNESP/2013) A população de Londres,


com 12% da população total do Reino Unido, exige uma pegada ecológica de 21
milhões de hectares ou, simplesmente, toda a terra produtiva do Reino Unido.
Em Vancouver, no Canadá, constatou-se que a área exigida para manter o nível
de vida da população corresponde a 174 vezes a área de sua própria jurisdição.

343
História
Um habitante de uma cidade típica da América do Norte tem uma pegada
ecológica de 461 hectares, enquanto na Índia a pegada ecológica per capita
é de 45 hectares. Assim, o planeta sofre um impacto dez vezes maior quando
nasce um bebê no primeiro mundo do que quando nasce um bebê na Índia,
na China ou no Paquistão. Um malthusianismo cego, ainda hegemônico nas
lides ambientalistas, está infelizmente muito mais preocupado com o controle
da população na Índia do que com a injustiça ambiental que sustenta a injusta
ordem de poder mundial. (Rogério Haesbaert da Costa e Carlos Walter Porto-
Gonçalves. A nova des-ordem mundial, 2005. Adaptado.)
No texto, os autores fazem uma crítica à abordagem malthusiana, que tende
a considerar o tamanho da população como o fator principal do impacto sobre
os recursos naturais existentes no planeta. Dessa forma, para se entender a atual
“crise ambiental”, outros fatores, também importantes, devem ser levados em
consideração, a saber,
(A) o tamanho dos territórios de cada país e a falta de conhecimento sobre
a quantidade de recursos naturais que cada população dispõe.
(B) o baixo nível de renda das populações dos países desenvolvidos e seu
reduzido grau de desenvolvimento tecnológico.
(C) o modelo de desenvolvimento econômico adotado pelos países e os
padrões de consumo difundidos em escala mundial.
(D) o tamanho das populações dos países subdesenvolvidos e seu baixo nível
de escolaridade.
(E) o baixo desenvolvimento técnico-científico dos países e a ausência de
conhecimentos sobre a finitude dos recursos naturais existentes no planeta.

O autor questiona o modelo de consumo das populações dos países desenvolvidos,


pois o padrão adotado é insustentável. Desse modo, o autor questiona a abordagem
fundamentada no clássico da Economia Política Thomas Robert Malthus (1766-
1834), o qual formulou a tese, que em resumo seria que as populações humanas
crescem em progressão geométrica, enquanto os meios de subsistência crescem
em progressão aritmética. O problema, segundo Costa e Porto-Goncalves (2005)
não é apenas o tamanho da população, mas sim como ela se relaciona com o meio
ambiente. Portanto, o modelo de desenvolvimento econômico adotado pelos países
e os padrões de consumo difundidos em escala mundial são equações que devem ser
comparadas e não apenas o aspecto demográfico.

RESPOSTA: “C”.

344
História
494. (UNESP – VESTIBULAR – VUNESP/2013) O processo de
mundialização do sistema capitalista sempre esteve apoiado na difusão de
políticas econômicas e na constituição de determinadas lógicas geopolíticas e
geoeconômicas de organização do espaço mundial. Constituem-se em política
econômica e em lógica capitalista de ordenamento do espaço mundial no
período atual:
(A) o keynesianismo e o colonialismo.
(B) o desenvolvimentismo e o neocolonialismo.
(C) o neoliberalismo e a globalização.
(D) o mercantilismo e a descolonização.
(E) o liberalismo e o imperialismo.

O aplicador sugere nesta questão o desenvolvimento do neoliberalismo, que a


partir da década de 1990, caracterizou-se com a predominância do capitalismo sem o
contraponto da União Soviética que entrara em colapso no final da década de 1980. A
partir deste período, o mundo assistiu o desenvolvimento das relações internacionais
mediadas num primeiro momento pela hegemonia dos Estados Unidos, o qual em
meados dos anos 2000 passaram por diversas crises militares (ataques terroristas)
políticas e econômicas, notadamente devido a um mundo que se tornara multipolar
(União Europeia, China, Tigres Asiáticos, Mercosul, entre outros grupos), por meio
da globalização. Atualmente, assistimos a um reajustamento do mercado de produção
mundial, no qual a China se insere como ator de peso na economia, transferindo,
praticamente a maioria dos parques industrias para seu país devido ao baixo custo
de mão-de-obra, abertura de mercado e o desenvolvimento tecnológico. Portanto, o
neoliberalismo, por meio evolução do cenário mundial, devido as várias reformas
na forma de produção, relações trabalhistas e no mercado internacional, tem seus
efeitos positivos e negativos maximizados devido a globalização da informação, das
relações internacionais e do mercado mundial.

RESPOSTA: “C”.

495. (UNESP – VESTIBULAR – VUNESP/2013) Após os atentados de 11


de setembro de 2001, o governo dos Estados Unidos da América aprovou uma
série de medidas com o objetivo de proteger os cidadãos americanos da ameaça
representada pelo terrorismo internacional. Entre as medidas adotadas pelo
governo norte-americano estão
(A) a realização de acordos de cooperação militar e tecnológica com países
aliados no combate ao terrorismo internacional; e a prisão imediata de árabes
e muçulmanos que residissem nos Estados Unidos.

345
História
(B) a realização de ataques preventivos a países suspeitos de sediarem
grupos terroristas; e a restrição da liberdade e dos direitos civis de suspeitos de
associação com o terrorismo.
(C) a concessão de apoio logístico e financeiro a países que, autonomamente,
pudessem combater grupos terroristas em seus territórios; e a preservação dos
direitos civis de suspeitos de associação com o terrorismo, que residissem dentro
ou fora dos Estados Unidos.
(D) a realização de ataques preventivos a países suspeitos de sediarem
grupos terroristas; e a flexibilização do ingresso nos Estados Unidos de pessoas
oriundas de qualquer região do mundo.
(E) a realização de acordos de cooperação militar e tecnológica com países
suspeitos de sediarem grupos terroristas; e a preservação dos princípios de
liberdade individual e autonomia dos povos.

Os Estados Unidos, após os ataques de 11 de setembro de 2001, promoveram a


realização de ataques preventivos a países suspeitos de sediarem grupos terroristas,
como o Afeganistão e o Iraque e deflagraram a restrição da liberdade e dos direitos
civis de suspeitos de associação com o terrorismo.

RESPOSTA: “C”.

496. (UNESP – VESTIBULAR – VUNESP/2013) A China é a segunda maior


economia do mundo. Quer garantir a hegemonia no seu quintal, como fizeram
os Estados Unidos no Caribe depois da guerra civil. As Filipinas temem por um
atol de rochas desabitado que disputam com a China. O Japão está de plantão
por umas ilhotas de pedra e vento, que a China diz que lhe pertencem. Mesmo
o Vietnã desconfia mais da China do que dos Estados Unidos. As autoridades de
Hanói gostam de lembrar que o gigante americano invadiu o México uma vez.
O gigante chinês invadiu o Vietnã dezessete. (André Petry. O Século do Pacífico.
Veja, 24.04.2013. Adaptado.)
A persistência histórica dos co