Você está na página 1de 2

Descoberta da literatura

1
No dia a dia do engenho,
toda a semana, durante,
cochichavam-me em segredo:
saiu um novo romance.
5
E da feira do domingo
me traziam conspirantes
para que os lesse e explicasse
um romance de barbante.
Sentados na roda morta
10
de um carro de boi, sem jante,
ouviam o folheto guenzo,
a seu leitor semelhante,
com as peripécias de espanto
GLOSSÁRIO
preditas pelos feirantes.
15
Embora as coisas contadas
e todo o mirabolante, Jante: sem aro.
em nada ou pouco variassem Guenzo: fino, mirrado, miúdo.
nos crimes, no amor, nos lances, Imantar: deixava a todos
e soassem como sabidas magnetizados.
20
de outros folhetos migrantes, Circunstantes: quem presencia
a tensão era tão densa, ou se encontra em torno de um
subia tão alarmante, evento ou acontecimento.
que o leitor que lia aquilo Cassaco: trabalhador ou peão de
como puro alto-falante, engenho de açúcar.
25
e, sem querer, imantara Corumba: sertanejo, retirante.
todos ali, circunstantes,
Caçanje: em um dialeto do
receava que confundissem
português.
o de perto com o distante,
o ali com o espaço mágico,
30
seu franzino com o gigante,
e que o acabassem tomando
pelo autor imaginante
ou tivesse que afrontar
as brabezas do brigante.
35
(E acabaria, não fossem
contar tudo à Casa-grande:
na moita morta do engenho,
um filho-engenho, perante
cassacos do eito e de tudo,
40
se estava dando ao desplante
de ler letra analfabeta
de corumba, no caçanje
próprio dos cegos de feira,
muitas vezes meliantes.)
João Cabral de Mello Neto. “A escola das facas”, in: Obra completa. Rio de
Janeiro: Nova Aguilar, 1994, pp. 447-448.