Você está na página 1de 71

Prazer, somos a Firjan.

7/10/2019
Curso Técnico em
Eletrotécnica

09/07/2019
Planejamento das atividades para
operação de equipamentos e
dispositivos de redes elétricas

3
Ordem de Serviço (OS)

4
Ordem de Serviço (OS)

5
Ordem de Serviço (OS)

6
Ordem de Serviço (OS)

7
Procedimento de Trabalho

8
Procedimento de Trabalho

9
Procedimento de Trabalho

10
Procedimento de Trabalho

11
Procedimento de Trabalho

12
Procedimento de Trabalho

13
Procedimento de Trabalho

14
Análise Preliminar de Riscos (APR)

A análise preliminar de riscos é um estudo detalhado


sobre todas as etapas do trabalho a ser executado
em determinado local, a fim de identificar possíveis
riscos para as pessoas, o meio ambiente, o
patrimônio, a imagem e os serviços da empresa.

15
Análise Preliminar de Riscos (APR)

A APR sempre deverá ser feita com a participação


dos colaboradores da empresa diretamente
envolvidos na atividade, com participação dos
profissionais de segurança do trabalho da empresa.

16
Análise Preliminar de Riscos (APR)

As principais etapas da análise preliminar de risco são:

1.identificação de possíveis perigos;


2.identificação de suas causas;
3.estimativa de possíveis consequências e danos;
4.análise qualitativa de riscos;
5.planejamento de medidas para controle de riscos e
correção de falhas.

17
Análise Preliminar de Riscos (APR)

18
Análise Preliminar de Riscos (APR)

19
Análise Preliminar de Riscos (APR)

20
Análise Preliminar de Riscos (APR)

21
Interpretação de Projetos e
Desenhos Técnicos

22
Subestação de Média Tensão

23
Diagrama Unifilar de Potência

24
25
26
27
28
29
30
31
32
33
34
Comando do Disjuntor

35
36
37
Funções do Relé:
- 50: Sobrecorrente
instantâneo (curto-circuito);

- 51: sobrecorrente
temporizado (sobrecarga);

38
39
Funções do Relé:
- 27: Subtenção;

- 47: Sequencia de fases;

- 59: Sobretensão;

- 60: Desequilíbrio entre fases.

40
41
42
Bobina de Mínima
Tensão

43
44
45
Diagrama de Comando do
Disjuntor Principal

46
47
Segurança para operação e
manutenção de equipamentos e
dispositivos de redes de distribuição

48
Subestação: Segurança, operação e manutenção

Observações de Segurança:

A operação de subestação deverá ser efetuada por pessoas


autorizadas, com o curso de NR-10 básico e SEP, e que estejam
familiarizadas com o sistema elétrico em média e/ ou alta tensão.

Nenhum profissional será obrigado a religar uma subestação,


se as condições necessárias não forem satisfeitas.

49
Subestação: Segurança, operação e manutenção

Observações de Segurança:

- É proibido efetuar quaisquer serviços de reparos nas partes


vivas de uma subestação de média e/ou alta tensão, quando
estiverem energizados.
- A manutenção nos equipamentos, só poderá ser realizada com
autorização de engenheiro ou técnico responsável, que deve
orientar sobre o trabalho a ser realizado e as condições de
segurança.
- Sempre fazer análise de risco preliminar antes de se realizar a
manutenção.

50
Subestação: Segurança, operação e manutenção

Observações de Segurança:

- Não é permitido efetuar manobras em subestação sozinho,


sempre deverá haver mais de uma pessoa credenciada durante as
manobras.
- É terminantemente proibido realizar manobras em subestação
sem equipamentos de proteção (luvas, vara de manobras,
capacete, bota, óculos, uniforme anti-chama, tapetes de borracha,
etc.).
- Os disjuntores de média e/ou alta tensão deverão ter
acionamento por molas pré carregadas manualmente ou por
motor.

51
Subestação: Segurança, operação e manutenção

Autorização para manobras

1 - Motivo da manobra;
2 - Horário de inicio da manobra de liberação;
3 - Se há interrupção;
4 - Se a interrupção é total ou parcial;
5 - Quais os setores afetados;
6 - Diagrama a ser consultado para manobra;
7 - Quais componentes que serão manobrados;
8 - Tempo total de duração das manobras;
9 - Solicitante da manobra;
10 - Responsável(is) pelas manobra(s) (operador);
11 - Em caso de entrega para manutenção quem irá executá-la;
12- Data e horário que o circuito será devolvido para
normalização.

52
Subestação: Segurança, operação e manutenção

Principais motivos de desligamentos automáticos

- Falta de fase no circuito de alimentação;


- Interrupção total do circuito de alimentação;
- Sobre-corrente na subestação;
- Curto-circuito;
- Aquecimento do transformador;
- Falta de óleo no transformador;
- Gás inflamável no transformador;

Qualquer desligamento desta natureza requer um religamento


manual após verificação, o qual é considerado operação de
emergência.
53
Subestação: Segurança, operação e manutenção

Procedimento para desligamentos:

- Desligar os circuitos de AT e BT sempre pelos disjuntores e nunca


pelos seccionadores.
- Os disjuntores são construídos para operar em carga e curto
circuitos, portanto, é o utilizado para desligamentos e religamentos
das cargas de uma subestação.

54
Subestação: Segurança, operação e manutenção

Procedimento para desligamentos programados


1- Planejamento;

2- Conferir e inspecionar os equipamentos;

3- Desligar o comando do gerador e os disjuntores do sistema de


operação de emergência.

55
56
Subestação: Segurança, operação e manutenção

Procedimento para desligamentos programados


1- Planejamento;

2- Conferir e inspecionar os equipamentos;

3- Desligar o comando do gerador e os disjuntores do sistema de


operação de emergência.

4- Desligar o disjuntor principal;

57
58
Subestação: Segurança, operação e manutenção

Procedimento para desligamentos programados


1- Planejamento;

2- Conferir e inspecionar os equipamentos;

3- Desligar o comando do gerador e os disjuntores do sistema de


operação de emergência.

4- Desligar o disjuntor principal;

5- Confirmar estado do equipamento (disjuntor desligado);

59
Subestação: Segurança, operação e manutenção

Procedimento para desligamentos programados


1- Planejamento;

2- Conferir e inspecionar os equipamentos;

3- Desligar o comando do gerador e os disjuntores do sistema de


operação de emergência.

4- Desligar o disjuntor principal;

5- Confirmar estado do equipamento (disjuntor desligado);

6- Abrir seccionador no vão de proteção e bloqueá-lo (se possível);

60
61
Subestação: Segurança, operação e manutenção

Procedimento para desligamentos programados


7- Abrir seccionador no vão de medição da concessionária e
bloqueá-lo (quando possível);

62
63
Subestação: Segurança, operação e manutenção

Procedimento para desligamentos programados


7- Abrir seccionador no vão de medição da concessionária e
bloqueá-lo (quando possível);

8- Abrir seccionador do poste, quando necessário. (Esta operação é


realizada pela concessionária);

10- Sinalizar (delimitar, barreiras, placas, etc.);

64
Subestação: Segurança, operação e manutenção

Antes de iniciar os trabalhos:


A- Executar teste de tensão usando o testador de tensão;
B- Executar Aterramento temporário;
C- Bloquear e sinalizar
D- Isolar a área;

65
Subestação: Segurança, operação e manutenção

Após realizar os trabalhos de manutenção, antes


do religamento, deverá ser verificado:

A - Se todas as ferramentas, equipamentos e pessoal foram


retirados do local;
B - O aterramento temporário foi retirado;
C - Os equipamentos e o sistema de proteção estão em ordem;
D - As telas de proteção ou todas as portas estão no local e
fechadas.

66
Subestação: Segurança, operação e manutenção

Procedimento para religamentos programados

1 - Verificar e inspecionar os equipamentos;

2 - Fechar o seccionador do poste, caso tenha sido aberta;

3- Fechar seccionador no vão de medição da concessionária;

4- Fechar seccionador no vão de proteção;

67
Subestação: Segurança, operação e manutenção

Procedimento para religamentos programados

5- Ligar o disjuntor principal através de comando elétrico, na falta,


utilizar o comando mecânico;

6- Ligar os disjuntor(es) secundários de BT;

7- Ligar os disjuntores do sistema de operação de emergência e


religar o sistema de comando do gerador.

8- Confirmar estado de funcionamento normal da subestação.

68
Subestação: Segurança, operação e manutenção

Observações de Segurança:

1– Os trabalhadores devem ter realizado o curso básico e complementar


de NR- 10 com aproveitamento e serem autorizados;

2– Usar dos EPI’s e EPC’s;

3– Um equipamento só é considerado desenergizado para a manutenção


quando o mesmo estiver: desligado, isolado, testado, aterrado,
bloqueado e sinalizado;

69
Subestação: Segurança, operação e manutenção

Observações de Segurança:

4– Cabe ao responsável, o planejamento do serviço, distribuição das


tarefas, uso e verificação das condições dos EPI’s e EPC’s, condições
gerais de trabalho (meio ambiente, etc), ferramentas, sinalização,
conferência de manobra com a equipe e localização do aterramento
temporário;

5– Em toda a manutenção preditiva, corretiva ou preventiva deve-se


realizar um relatório contendo as condições atuais dos equipamentos e
comparar possíveis alterações com relatórios anteriores.

70