Você está na página 1de 3

Universidade Federal de Pernambuco (UFPE)

Programa de Pós-Graduação em Letras (PPGL) [o aluno colocar o livro na estante]


Sintaxe Gerativa: 2019.1 – Professora: Cláudia Roberta
Marília Oliveira

PROGRAMA MINIMALISTA EM FOCO: Princípios e debates [o aluno] [colocar o livro na estante]

7. Argumento interno e Argumento externo


[colocar o livro] [na estante]
Os predicadores possuem limitações quanto ao número de argumentos que
podem, individualmente, selecionar:
Número mínimo: um (não selecionar argumentos indica não se tratar de
predicador). [colocar] [o livro]
Número máximo: três argumentos
Número intermediário: dois argumentos
8. Argumentos versus Adjuntos
Há duas maneiras por meio das quais o sistema computacional pode estabelecer
elo sintático entre um predicador e seu(s) argumento(s): [predicador à  “Argumentos são entidades sintáticas cuja ocorrência na sentença encontra-se
complemento] e [especificador𝛽 predicador]. prevista nos traços formais que fazem de certo item lexical um predicador [...] O
número de argumentos inscritos na estrutura argumental de um predicador deve
ser representado, numa sentença, exatamente da maneira como se encontra
Predicador previsto nos traços do léxico, nada mais e nada menos.”

Especificador ← predicador  “Adjuntos sintáticos não são previstos a partir dos dados formais de dado
predicador. Enquanto a ocorrência dos argumentos numa sentença é inteiramente
Predicador → complemento determinada pela (s)eleção de certo item lexical, a ocorrência de adjuntos em
nada está relacionada aos traços do léxico.”

Um argumento sempre assume um status em relação ao seu predicador: (1) [O João] viu [a Maria].
complemento ou especificador. (2) [O João] viu [a Maria] → na festa, no sábado, às 19 horas, quando saiu do
trabalho.
 O complemento (argumento interno) é aquele selecionado imediatamente (3) * [O João] viu [ᴓ] → na festa, no sábado, às 19 horas, quando saiu do
(relação de irmandade), sendo a primeira vinculação sintática do sistema trabalho.
computacional. Em termos semânticos, o complemento de um predicador é (4) * [ᴓ] viu [a Maria] → na festa, no sábado, às 19 horas, quando saiu do
tipicamente seu tema\objeto. trabalho.

 O especificador (argumento externo) é aquele selecionado de maneira “A constatação empírica da diferença entre o comportamento de argumentos e
menos imediata pelo predicador. Semanticamente, o especificador de um adjuntos é útil para evitarmos certos equívocos na descrição dos traços de um
predicador é tipicamente seu agente\sujeito. item lexical [...] Verbos que, semanticamente, descrevem movimento no espaço,
são, muitas vezes, interpretados como monoargumentais, selecionando apenas o
argumento externo (sujeito).”
Saturação da estrutura argumental do predicador “colocar”
(5) [A Maria] foi [ao Maracanã]
(6) *A Maria foi [ᴓ] (o lugar para onde se foi é exigido pelo verbo, logo, é
argumento e não adjunto).
Um predicador como “ver” pode selecionar uma cláusula inteira como argumento.
“[...] “Ir” inscreve-se no léxico, portanto, como um predicador de dois argumentos.” “Tal possibilidade é uma consequência da possibilidade de recursividade."

(7) O manobrista colocou [o carro] [na vaga] (16) O João viu [CP que o quadro estava torto na parede].
(8) * O manobrista colocou o carro [ᴓ].
(9) O manobrista estacionou o carro → na vaga. “A especificação da categoria dos argumentos de um dado predicador é
(10) O manobrista estacionou o carro → → →. idiossincrática, isto é, é arbitrária e imprevisível de item a item. Por exemplo, vimos
que um indivíduo precisa especificar no seu léxico mental que o item ‘ver’
O status do constituinte “na vaga” é diferente nas sentenças: em (7) e (8) ele é seleciona DP ou CP como argumento interno, mas ele precisa de outra
argumento interno do verbo “colocar”, ao passo que em (9) e (10) é adjunto de especificação separada para o item ‘beijar’, que seleciona apenas DP como
“estacionar”. complemento.”

9. S-Seleção e C-Seleção (17) João beijou [DP Maria].


(18) * João beijou [CP que Maria estava em casa].

As restrições semânticas que os predicadores impõem a seus argumentos são 10. Papeis Temáticos
denominadas de traços de seleção semântica, ou s-seleção.
“Uma propriedade notável dos predicadores é a sua capacidade de atribuir valores
(11) [O menino] tossiu. semânticos aos seus argumentos [...] Esses significados atribuídos aos
(12)* [A observação] tossiu. argumentos são denominados papéis temáticos, papéis 𝜃.”
(13) [A solução do problema] estava tossindo na minha frente
Ver: Grade temática: {DP = experienciador, DP = tema}
“Na interface conceitual da linguagem, o traço [+animado] foi conferido ao item, de
modo a licenciar o uso metafórico.” (19) João viu a Maria

“Diferente da s-seleção, a seleção categorial, ou c-seleção, é visível e computável “Os papéis temáticos são marcados nos argumentos de maneira composicional,
pelo sistema. A c-seleção diz respeito à categoria sintática do argumento, isto é, de acordo com a sequência das operações sintáticas, via merge, o predicador e
ela especifica se o argumento deve ser selecionado como um sintagma nominal seu argumento interno estabelecem relação sintática imediata [...] Os traços
[DP], um sintagma adjetival (AP), um sintagma preposicional (PP), uma pequena semânticos do argumento interno são concatenados aos traços semânticos do
oração (SC) [...]” predicador e ambos, juntos, associam uma interpretação semântica ao argumento
externo.”
(14) *[O João] viu [PP de Maria]. → (DP)
(15) *[O aluno] colocou o livro [DP a estante]. → (PP) [predicador + argumentos interno] → papel 𝜃 ao argumento externo.

Item do léxico Traços formais (20) João [tem + muitos filhos]


Categoria: V (21) João [tem + muitas dores]
Ver + Predicador
Estrutura argumental:{DP;
DP} Alguns papéis temáticos
Categoria: V
Colocar + Predicador Agente: [João] chutou a bola.
Estrutura argumental:{DP; Experienciador: [João] ouviu um barulho.
DP; PP} Tema: João viu [a Maria].
Paciente: [O marido] apanhou da mulher.
Benefactivo: João deu um presente para [Maria].
Locativo: O aluno colocou o livro [na estante].
Alvo: João jogou a chave [para Maria]. “O léxico possui instância de interface com a memória de longo prazo, com os
Origem: O João veio [de casa]. sistemas conceitual-intencional e articulatório-perceptual e como o sistema
Instrumento: João abriu a porta com [a chave]. computacional.”

O léxico é um domínio da cognição a serviço de diversos senhores:


11. Subcategorias de V
(i) Existe na cognição de um indivíduo particular;
Elementos predicadores que possuem categoria V podem ser agrupados, para (ii) Reflete complexas relações entre valores conceituais e codificação
efeitos descritivos, em três subcategorias: verbos transitivos (selecionam morfossintática;
argumento externo e interno), verbos inergativos (selecionam apenas (iii) Deriva de convenções socioculturais e históricas que elegem tais e
argumentos externos), verbos inacusativos (selecionam apenas argumentos quais codificações como relevantes e regulares.
internos).
As variações existentes entre línguas humanas e, mesmo, no interior de uma
Verbos transitivos: língua específica são completamente instanciadas no léxico.

(22) [DP João] viu [DP a Maria]


(23) [CP Correr pela manhã] espanta [DP a preguiça]
(24) [DP João] viu [CP que o quadro estava torto na parede]
(25) [DP João] precisa [PP de Maria]
(26) [DP João] precisa de [CP que lhe deem atenção]
(27) [ DP O aluno] colocou [DP o livro] [PP na estante]
(28) [DP João] considera [SC Maria inteligente]

Verbos inergativos e verbos inacusativos:

(29) [agente João] sorriu → Inergativo


(30) [tema Joãoj] chegou [tj] → Inacusativo

(31) * Sorrido o João, a festa começou.


(32) Chegado o João, a festa começou.

“Reduzidas de particípio do tipo “feito isso”, “começado a aula” só são licenciadas


se o argumento do predicador na formal participial for concatenado, via merge, ao
seu argumento interno (32), e nunca ao seu argumento externo (31).”

12. Uma conclusão: O léxico na Teoria Linguística

O objetivo do capítulo foi:

(i) apresentar como o léxico interage com o sistema computacional da linguagem


na dinâmica de funcionamento de uma Língua-I.
(ii) Analisar os principais tipos de informação que são codificados no léxico e a
maneira pela qual o sistema computacional acessa e processa essas informações
no curso da derivação das sentenças.

Você também pode gostar