Você está na página 1de 6

ROTEIRO PARA ORIENTAÇÃO NO ESTUDO DOS OSSOS DO CRÂNIO E DA FACE

INTRODUÇÃO AO CRÂNIO

OSSOS DO VISCEROCRÂNIO

• Mandíbula
• Maxilas-
• Zigomáticos
• Palatinos
• Vômer
• Lacrimais
• Nasais
• Conchas nasais inferiores

OSSOS DO NEUROCRANIO

• Etmoide
• Esfenoide
• Temporais
• Occipital
• Parietais
• Frontal

INTRODUÇÃO

“O crânio constitui o esqueleto da cabeça e pode ser dividido em viscerocrânio e neurocrânio.

O viscerocrânio corresponde à face e nela estão situados os órgãos dos sentidos e o início dos
sistemas digestório e respiratório. É formado por 14 ossos articulados entre si por articulações
fibrosas (suturas), com exceção da mandíbula que é móvel e se liga ao crânio por uma
articulação sinovial (De amplos movimentos). Além da mandíbula, os demais ossos do
viscerocrânio são: duas maxilas, dois zigomáticos, dois palatinos, dois nasais, duas conchas
nasais inferiores, dois lacrimais e um vômer. Todos estes ossos se articulam com as maxilas,
que vêm a constituir assim a porção mais central e importante do esqueleto facial. O neurocrânio
é formado por oito ossos rigidamente unidos entre si através de suturas. São eles: dois
temporais, dois parietais, um frontal, um occipital, um esfenóide e um etmóide. Arranjam -se de
tal forma a constituir uma grande cavidade - cavidade do crânio - onde se aloja o encéfalo. A
parte mais alta do neurocrânio é conhecida como calvária (calota craniana) e pode ser obtida
seccionando-se o crânio transversalmente, tendo como referências as glabela e a
protuberância occipital externa. Os ossos que compõem a cálvaria consistem de duas lâminas
de substância compacta- lâminas externa e interna - que encerram uma camada de substância
esponjosa, que no crânio é conhecida como por díploe. A lâmina interna, por ser mais frágil do
que a externa, fratura -se extensamente nos traumatismos e isto pode provocar rupturas de
artérias que se situam entre ela e a dura-máter.

A remoção da calvária expõe a cavidade do crânio e deixa ver a base do crânio no seu interior.
Ela também pode ser vista por fora, unida ao viscerocrânio e parcialmente encoberta por ele. A
base do crânio coincide com um plano inclinado que secciona o crânio na altura dos pontos
craniométricos Nazio e Básio. Ela é formada por ossos irregulares e caracterizada pela
presença de várias aberturas, forames e canais por onde trafegam nervos e vasos, os quais
podem ser lesados nos traumatismos cranianos, principalmente aqueles acometidos de fraturas. "

1
OS OSSOS DO NEUROCRÂNIO E SEUS PRINCIPAIS
ACIDENTES ANATÔMICOS

FRONTAL
• A parte escamosa curvando-se para cima e para trás, acima da cavidade nasal
e orbitária.
• As partes orbitárias entendendo-se posteriormente como teto das órbitas.
• A parte nasal, com a espinha nasal dirigida inferiormente.
• A sutura frontal ou sutura metópica está normalmente obliterada por volta dos
8 anos , mas ocasionalmente persiste.

Processo zigomático do frontal


Porção nasal do frontal
Seio frontal
Sulco do seio sagital superior
Forame supra-orbital

ETMÓIDE

A lâmina perpendicular com a crista gall i na e xtremidade superior e a lâmina

A lâmina perpendicular com a crista galli na extremidade superior e a lâmina
• cribriforme .
OsConcha labirintos nasal etmoidais superior e ( médiaseios ) nocontendo
lado medial células de decada ar labirinto

Os labirintos etmoidais (seios) contendo células de ar

Concha nasal superior e média no lado medial de cada labirinto.

ESFENÓIDE

• O corpo contendo os dois seios esfenoidais com suas aberturas anteriores.


• As asas menores situando-se lateralmente com o canal óptico entre suas raízes.
• As asas maiores localizando-se lateralmente e sob as asas menores, com a fissura
orbitária superior entre as asas menor e maior e os forames redondo, oval e espinhoso
na asa maior.
• O processo pterigóide com as lâminas pterigóide medial e lateral.
A parte posterior do corpo que se junta ao osso occipital na sincondrose esfeno-ocipital é
comumente conhecida como base do esfenóide.

1. Asas menores
2. Seio esfenoidal
3. Processos pterigóides (lâmina lateral e medial)
4. Processos clinóides
5. Canal óptico

2
6. Sela túrcica
7. Dorso da sela
8. Fossa hipofisial
9. Canal carótico- abertura externa
10. Canal Optico
11. Fissura orbital superior

TEMPORAL

• A parte petrosa incluindo o processo mastóide.


• A parte escamosa dirigindo-se superiormente, mas incluindo a fossa mandibular voltada
inferiormente e o processo zigomático dirigido anteriormente.
• A parte timpânica rodeando o meato acústico externo, abrindo-se lateralmente.
• O meato acústico interno na parte petrosa, abrindo-se medialmente. O processo
estilóide voltado inferiormente.
Porção Timpânica
Meato acústico externo e interno
Parte Mastóidea
Processo mastóide
Parte Petrosa (face inferior) Processo
estilóide
Forame estilomastóide
Forame jugular
Forame lacerado * (temporal + esfenoide )
Parte petrosa (face superior)
Canal carótico (no ápice da porção petrosa) abertura interna do canal carótico
Porção escamosa
Sulcos para a artéria meníngea média
Impressões cerebrais
Fossa mandibular

OCCIPITAL
• O forame magno.
• A parte escamosa curvada no sentido póstero-superior, atrás do forame.
• As partes laterais, com os côndilos inferiormente situados aos lados do forame.
• A parte basilar anteriormente situada ao forame.

Parte basilar
Clivo
Parte condilar
Côndilo do occipital
Forame ou canal do hipoglosso

Escama occipital
Protuberância occipital interna e externa
Forame magno

3
Crista occipital interna
Crista occipital externa
Sulco do seio transverso
Fossas cerebelares
Impressões cerebrais

PARIETAL
• A face externa convexa
• A face interna côncava, com sulcos dos vasos meníngeos médios dirigindo-se para cima e
para trás e o sulco do seio sigmóide no ângulo mastóide (póstero-inferior).

Fossa parietal
Linha temporal inferior
Impressões digitais formadas pelas circunvoluções do cérebro
Sulcos para a artéria meníngea média
Sulco do seio sagital superior

OSSOS DO VISCEROCRÂNIO E SEUS PRINCIPAIS ACIDENTES ANATÔMICOS


MANDÍBULA

• O corpo com seus dentes inferiores.


• O ramo, em direção superior, com o forame mandibular no seu lado medial.
• O processo coronóide na extremidade anterior mais elevada do ramo.
• O processo condilar (côndilo) compreendendo a cabeça e o colo na extremidade posterior
mais elevada do ramo.
• O ângulo na extremidade mais inferior do ramo.
RAMO

01.Ângulo da mandíbula
02.Incisura da mandíbula
03.Processo coronóide
04.Processo condilar
-Cabeça da mandíbula

MAXILA
Os principais componentes da maxila são:
• O processo alveolar com os dentes superiores.
• O processo frontal dirigido superiormente.
• O processo palatino dirigido medialmente.
• O processo zigomático dirigido lateralmente.
03. Processo frontal da
maxila.
01.Processos alveolares superiores.
04. Processo palatino da
02. Processo zigomático da maxila. maxila

4
06. Face orbital (assoalho)
07. Sutura palatina mediana
08. Alvéolo dental
09. Seio maxilar
05. Forame infra-orbital. 10. Canal lacrimonasal *
ZIGOMÁTICO

Os principais componentes do osso zigomático são:

• A borda orbitária levemente curvada e a face orbitária


• O processo frontal em direção superior
• O processo temporal afilado dirigindo-se posteriormente.

PALATINOS

• A lâmina horizontal situada na extremidade inferior e dirigida medialmente.


• A lâmina perpendicular.
• Forames palatinos maiores e menores.

VÔMER
• Asas do vômer
• Lâmina do vômer
• Sutura esfenovomeral

LACRIMAL
A face orbitária (lateral) com o sulco lacrimal situado anteriormente. Sulco lacrimal
(porção anterior à crista). A porção posterior é lisa

CONCHAS NASAIS INFERIORES

NASAIS
A face lateral lisa

PONTOS CRANIOMETRICOS

• Násio
• Básio
• Glabela
• Vértice
• Lambda
• Ptério
• Astério

5
CARACTERISTICAS DAS VERTEBRAS CERVICAIS CI-VII

Estrutura geral das vértebras:


-Corpo vertebral- (axis não tem corpo)
-Disco intervertebral
-Forame vertebral
-Processo espinhoso- bífido
-Processo transverso
-Forame intervertebral
Forame transversário
Observar as características particulares das vértebras de acordo com as regiões da coluna.

Atlas: CI
• Massa lateral do atlas Face
articular superior
Face articular inferior
• Arco anterior do atlas
Fóvea do dente- onde o dente do axis se articula com atlas Tubérculo
anterior
• Arco posterior do atlas Sulco
da artéria vertebral
Tubérculo posterior (mais proeminente que o anterior)
Áxis: CII
Dente do axis
Ápice do dente
Face articular anterior
Face articular posterior- para ligamento transverso do atlas

Vertebra proeminente CVII