Você está na página 1de 3

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE

COLEGIADO DE MEDICINA

PRÁTICAS DE INTEGRAÇÃO ENSINO/SERVIÇO/COMUNIDADE III

Camila Tonini, Elio Costa, Gabriela Alves, Jamylle Marques, Laryssa Vila, Mariana
Cricco, Mauricio Novais, Maycon Valience, Miguel Aguiar, Rodrigo Siqueira, Thays
Albuquerque, Yvana Cassemiro

Reforma da Atenção Primária da Saúde à Saúde na cidade do Rio de Janeiro –


Avaliação dos Primeiros Três Anos de Clínicas da Família

Ilhéus, Bahia

02 de maio de 2018
No Brasil, a organização da APS por meio da Estratégia de Saúde da Família (ESF)
trouxe avanços importantes na saúde e nas condições de vida da população brasileira.
O artigo “Reforma da Atenção Primária à Saúde Na Cidade Do Rio de Janeiro -
Avaliação Dos Primeiros Três Anos De Clínicas Da Família” de Erno Harzheim,
publicado em 2013, analisa as mudanças estruturais, tecnológicas e organizacionais
que foram realizadas no município do Rio de Janeiro a partir de 2009, no qual houve
profunda transformação na gestão pública de saúde. Mudanças estas que foram
acompanhadas por outras cidades brasileiras, inclusive Itabuna – Ba, e identificadas
na vivência dos alunos com o PIESC. Esta percepção fica clara se observamos a
função que as ESF adquiriram neste município, possibilitando uma integração entre
ações preventivas e curativas, bem como maior atenção ao indivíduo e a comunidade.

O artigo em questão buscou evidenciar a importância do investimento em


qualidade estrutural e funcional na Atenção Primária à Saúde por meio do
acompanhamento de seu processo evolutivo, após a implementação de Clínicas
da Família e avaliação comparativa da contribuição individual entre Unidades de
Saúde tipo A, B e C, segundo o grau de orientação, para a revolução na qualidade
da APS. Tais Clínicas da Família tiveram forte impacto no funcionamento da
atenção à saúde como um todo, principalmente por suas características
estruturais e funcionais de qualidade superior às previamente em vigência, sendo
a ambiência, conforto, beleza e sustentabilidade aspectos de fundamental
importância para um funcionamento eficiente. Outrossim, os fatores supracitados
representaram impacto direto na criação de forte vínculo do usuário à unidade,
contribuindo com a longitudinalidade do atendimento e consequentemente,
demonstrando aumento da resolubilidade dos problemas de saúde da população.
Em sinergia, a concentração de 5 ou mais equipes de saúde e incorporação de
tecnologia apropriada, com oferta de coleta de exames laboratoriais e outros mais
complexos, contribuíram, não só para desonerar o sistema de saúde, como
produzir impacto positivo sobre indicadores de saúde do Rio de Janeiro,
referenciado pela redução da mortalidade infantil que, de acordo com DATASUS,
em 2004 se encontrava em 17,2 óbitos a cada mil nascidos e em 2011, teve
redução para 13,5.

A partir da análise de dados do DATASUS que englobam a saúde da mulher e da


criança antes, durante e após a gestação, bem como a taxa de mortalidade neonatal,
infantil, o número de casos de sífilis congênita e gestacional, a coleta de dados acerca
do pré-natal, dentre outros problemas de saúde gerais, como infecção pelo HIV e os
fatores de risco para doenças crônicas, foi possível a visualização das prioridades em
problemas de saúde passíveis de modificação pela ESF, similarmente à prevalência
ou redução das taxas ao longo do período que o presente estudo foi realizado (2009-
2012). Ademais, além da evolução estrutural das equipes implantadas, houve
conjunta atenção destinada à qualidade destas. Pode-se citar o investimento realizado
nos recursos humanos, com o estímulo salarial e o fomento à formação das equipes
por meio da residência médica e multiprofissional. Como resultado, esse fato
proporcionou maior eficiência aos serviços, atraindo profissionais dispostos à
especialização e capazes de intervir de acordo com o modelo preconizado. Ressalta-
se ainda, o aumento da cobertura e acesso universais aos serviços à população, que
além de exaltarem as Unidades do tipo A em relação as do tipo C, tornam viáveis o
exercício da equidade. Os dados expostos corroboram com a mudança na cobertura
da população carioca por ESF, que antes de 2009, quantificava-se em 6,9% e que, ao
fim de 2012, elevou-se a 39%.

Os dados apresentados no artigo comprovam que houve louvável progresso nas ESF,
com adequação de consultas espontâneas e programadas, associado a avanços na
longitudinalidade, integralidade e orientação familiar, exercendo grande impacto na
satisfação do usuário e dos profissionais de saúde.

De modo contextual, verifica-se que, a USF “Dr. Aurivaldo Peixoto Sampaio”, de


Itabuna, possui características estruturais, organizacionais e de perfil profissional que
superam as Unidades do tipo C, porém demandam maior investimento para analogia
às do tipo A. Características como a reforma da infraestrutura da Unidade, a atuação
do Núcleo de Apoio à Saúde da Família (NASF), a presença de novos profissionais
qualificados e a mudança na gestão, evidenciaram essa evolução da USF em relação
ao serviço da Atenção Primária. Ademais, a metodologia do curso de Medicina da
UESC que proporcionou a inserção dos alunos no âmbito desse nível de atenção,
também pode ser considerada um avanço ao exprimir a dedicação em formar
profissionais adequados as necessidades da saúde pública brasileira e que sejam
responsáveis pelas melhorias futuras, bem como as que ocorreram na cidade do Rio
de Janeiro.