Você está na página 1de 44

WorkBook

Eneagrama
Conhecendo seu material 03
Conhecendo o LAB SSJ 04

ENTENDA O ENEAGRAMA

Atividade: Olhando para dentro 05


O que é o Eneagrama 06
Conceitos centrais 07

As três inteligências e as tríades do Eneagrama 08

OS NOVE Ps DO ENEAGRAMA

Os nove tipos 10
Pontos Positivos e Desafios 12
Descrição básica dos nove tipos 14

Talentos dos Tipos 25


Atividade: Plano de ação 30
Atividade: SEDI 31
Artigo: Competências e mesmices 36
Bibliografia recomendada 40
Conhecendo o
seu material
Esta apostila tem o objetivo de auxiliar o seu
processo de aprendizado de duas maneiras:

• Ao longo das aulas, oferecendo o conteúdo


apresentado pelos instrutores e demais materiais
utilizados (dinâmicas, cases ou ferramentas);
• Após o término de cada tema, por meio de
artigos complementares, indicação de endereços
na internet e de uma bibliografia básica sobre
cada um dos temas.

Lembre-se de que o processo de aprendizado não


acaba aqui: reveja a apresentação, leia os artigos e
visite os sites na internet. Segundo Robert Kornikau
e Frank McElroy, o nível de retenção do conteúdo
aprendido aumentará 65% se você retomar o contato
com os temas aprendidos nos próximos 15 dias.

Aproveite!

LAB SSJ


Conhecendo o
LAB SSJ
O Laboratório de Negócios SSJ é uma consultoria de educação
corporativa que desenvolve cursos e projetos in-company, com o
objetivo de potencializar o verdadeiro diferencial competitivo das
empresas: as pessoas.

Aplicamos a inovação e nossa sólida experiência para impulsionar o


conhecimento. Nosso principal objetivo é fazer com que os programas
de desenvolvimento reflitam as estratégias da organização e produzam
resultados concretos. Por isso, criamos soluções de aprendizagem
adaptadas à realidade e necessidade de cada cliente.

A metodologia que utilizamos em todos os programas segue os


princípios da Andragogia moderna: ciência que estuda as melhores
práticas para orientar adultos a aprender. Além disso, utilizamos a
criatividade para incentivar o envolvimento e, conseqüentemente,
sedimentar o processo de aprendizado e mudança dos participantes.

A pesquisa de conteúdos consistentes e atuais fundamenta a


concepção de nossos programas de desenvolvimento. Dessa forma, as
metodologias, casos e vivências aplicados tiram o participante de sua
zona de conforto e proporcionam um aprendizado efetivo e permanente,
estabelecendo relações entre a experiência vivenciada no programa e o
dia-a-dia profissional de cada um.

4
ATIVIDADE

Olhando para dentro


O que eu mais gosto em ser como eu sou é:

O que eu menos gosto em ser como eu sou é:

© D. Daniels, M. D. & H. Palmer®. Material de Ensino Licenciado para Graduados do Enneagram Professional Trainning Program (EPTP). Janeiro de 2003.
Direitos de uso para Urânio Paes - professor associado e certificado por Helen Palmer e David Daniels. 
O ENEAGRAMA

O que é?
O Eneagrama é um modelo que explica o comportamento humano
com uma precisão que normalmente surpreende quem o conhece.
Sua descrição dos Nove Tipos é muito profunda e esclarecedora e
freqüentemente leva as pessoas a assumirem e superarem pontos fracos
em um nível inédito.

Um pouco sobre
9
a história...
8 1 O Eneagrama original foi desenvolvido na antiguidade, mas sua origem
exata ainda é desconhecida. Vários autores acreditam que o Eneagrama
era conhecido dos Sufis. Existem referências a um diagrama semelhante
7 2 em diversas escrituras antigas.

O sistema foi introduzido pela primeira vez no Ocidente no início do


6 3 século XX, com o trabalho do filósofo George I. Gurdjieff.

4 O Eneagrama das personalidades foi melhor desenvolvido na década de


5
70, com a Escola de Arica (O. Ichazo e C. Naranjo).

Hoje
Hoje, há vários professores e autores no mundo, como Helen Palmer e
David Daniels.

O Eneagrama já conta com validação científica e acadêmica, incluindo


diversas teses de mestrado e doutorado nos EUA e na Europa.

No mundo dos negócios, o Eneagrama vem sendo descoberto por


alguns cursos de MBA de instituições, como Stanford e Loyola, nos EUA,
e FGV e USP, no Brasil. Importantes organizações multinacionais também
já utilizam o modelo do Eneagrama com suas equipes. Alguns exemplos
são: 3M, IBM, Motorola, Boeing, Disney, Sony, Du Pont, Procter &
Gamble etc.

No Brasil, podemos citar: Embraer, Vale do Rio Doce, Vivo, Unibanco,


Souza Cruz, Yahoo, Avon, Itaú, Oracle, entre outras.

 © D. Daniels, M. D. & H. Palmer®. Material de Ensino Licenciado para Graduados do Enneagram Professional Trainning Program (EPTP). Janeiro de 2003.
Direitos de uso para Urânio Paes - professor associado e certificado por Helen Palmer e David Daniels.
Conceitos centrais
• Existem Nove Tipos Humanos e cada pessoa é de um destes tipos.
• Nenhum tipo é melhor do que o outro.
• Nosso tipo não muda, mas nós mudamos.
• Temos traços de todos os tipos, mas a visão de mundo do nosso
tipo nos domina e nos cega para a realidade objetiva.
• Para definirmos nosso tipo, a paixão e a fixação contam mais do
que os traços típicos de comportamento.
• O tipo é uma defesa e um estado de consciência reduzida.
• A natureza não controlada do nosso tipo causa estresse, conflito e
sofrimento no trabalho e nos relacionamentos.*
• O Eneagrama nos ajuda a sair do estado do tipo, ensinando-nos a
controlar nossas reações.
• Isto se faz com auto-observação, ou seja, com o controle da
atenção, da energia e do comportamento.*
• A auto-observação pode ser ensinada e aos poucos amplia nossa
consciência, mas nunca se torna habitual.*
• O crescimento requer comprometimento, esforço e tempo.*
• Há diversos Eneagramas (sistema com muitas dimensões).
• Nós não somos um tipo: nós “estamos” um tipo.
• O tipo é um “falso eu” que colocamos no lugar de nossa
verdadeira essência.
• Podemos nos reencontrar com nossa verdadeira essência.
• A observação dos outros leva à compreensão, aceitação e
tolerância. Não estereotipe, não julgue e não justifique.
Antes de começar
o trabalho de
modificar o mundo,
dê três voltas den-
tro de sua casa.
Provérbio chinês

© D. Daniels, M. D. & H. Palmer®. Material de Ensino Licenciado para Graduados do Enneagram Professional Trainning Program (EPTP). Janeiro de 2003.
Direitos de uso para Urânio Paes - professor associado e certificado por Helen Palmer e David Daniels. 
As três inteligências
e as tríades

9
8

7
Intelecto

6
do e
íad
Tr

8 © D. Daniels, M. D. & H. Palmer®. Material de Ensino Licenciado para Graduados do Enneagram Professional Trainning Program (EPTP). Janeiro de 2003.
Direitos de uso para Urânio Paes - professor associado e certificado por Helen Palmer e David Daniels.
Tría
de

9
do
Ins
ti
1
nt
o

2
ções

3
o
s
Em
da

4
e
ad

í
Tr

© D. Daniels, M. D. & H. Palmer®. Material de Ensino Licenciado para Graduados do Enneagram Professional Trainning Program (EPTP). Janeiro de 2003.
Direitos de uso para Urânio Paes - professor associado e certificado por Helen Palmer e David Daniels. 9
Os Nove Tipos

9
PODER
8

PRAZER
7

PRECAUÇÃO
6

PRIVACIDADE 5

10 up9 Desenvolvimento Humano


PAZ

9
1 PERFEIÇÃO

2
PRESTEZA

3 PERFORMANCE

4 PROFUNDIDADE

up9 Desenvolvimento Humano 11


Explorando os
Nove Tipos

Tipo 8 • PODER
Pontos
9
8
positivos

Desafios

Tipo 7 • PRAZER
Pontos
positivos

Desafios
7
Tipo 6 • PRECAUÇÃO
Pontos
positivos

Desafios
6
Tipo 5 • PRIVACIDADE
Pontos

5
positivos

Desafios

12 up9 Desenvolvimento Humano


Tipo 9 • PAZ
Pontos
positivos

Desafios

9 Tipo 1 • PERFEIÇÃO
Pontos

1 positivos

Desafios

Tipo 2 • PRESTEZA
Pontos
positivos

2 Desafios

Tipo 3 • PERFORMANCE
Pontos
positivos

3 Desafios

Tipo 4 • PROFUNDIDADE
Pontos

4
positivos

Desafios

up9 Desenvolvimento Humano 13


Descrição básica
dos Nove Tipos
PODER
Acredita que você deve ser forte e poderoso para assegurar
9
8
proteção e respeito em um mundo difícil. Conseqüentemente,
Oitos buscam justiça, são diretos, fortes e orientados para a
ação, mas são também exageradamente impactantes, excessivos
e, às vezes, impulsivos.

PRAZER
Acredita que você nunca deve se desanimar e
deve estar sempre aberto para ver o lado positivo

7
da vida. Conseqüentemente, Setes são otimistas,
buscam sempre o prazer e são aventureiros, mas
também podem evitar a dor e as decisões difíceis,
ter dificuldades com compromissos e ser auto-
referentes.

PRECAUÇÃO
Acredita que você deve obter proteção e
segurança em um mundo perigoso no qual você

6
não pode confiar. Conseqüentemente, Seis são
eles próprios confiáveis, inquisitivos, bons amigos
e questionadores, mas também podem duvidar
excessivamente, ser acusatórios e medrosos.

PRIVACIDADE
Acredita que você tem que se proteger de um mundo que exige
muito e dá muito pouco. Conseqüentemente, Cincos buscam
auto-suficiência, não pedem para si, são analíticos e não
invasivos, mas também podem ser contidos, desconectados e
excessivamente reservados.
5

14 © D. Daniels, M. D. & H. Palmer®. Material de Ensino Licenciado para Graduados do Enneagram Professional Trainning Program (EPTP). Janeiro de 2003.
Direitos de uso para Urânio Paes - professor associado e certificado por Helen Palmer e David Daniels.
PAZ
Acredita que, para ser valorizado, você tem que se harmonizar e concordar para se
relacionar bem. Conseqüentemente, Noves esquecem de si mesmos, buscam harmonia,
mantêm o conforto e a estabilidade, mas também evitam conflitos e, às vezes, são
teimosos.

9 PERFEIÇÃO

1 Acredita que você deve ser bom e correto para ser


merecedor. Conseqüentemente, Uns são conscienciosos,
responsáveis, orientados para o aprimoramento e
autocontrolados, mas também podem ser críticos,
ressentidos e autojulgadores.

PRESTEZA

Acredita que você deve fazer o tempo inteiro


pelos outros para poder receber aprovação

2
e ter direitos. Conseqüentemente, Dois são
atenciosos, úteis, encorajadores e orientados
para os relacionamentos, mas também podem ser
orgulhosos, invasivos e exigentes/insistentes.

PERFORMANCE
Acredita que você deve realizar e ter sucesso
para ser reconhecido. Conseqüentemente,

3
Três são trabalhadores, diligentes, rápidos,
orientados para as metas e eficientes, mas também
podem esquecer dos sentimentos, ser impacientes
e guiados pela imagem.

PROFUNDIDADE

4
Acredita que você tem que alcançar a situação ideal e cobiçada
para ser reconhecido e valorizado. Conseqüentemente, Quatros
são idealistas, sentem profundamente, são empáticos, autênticos
consigo mesmos, mas também são dramáticos, “de lua” e às vezes
sentem-se superiores.

© D. Daniels, M. D. & H. Palmer®. Material de Ensino Licenciado para Graduados do Enneagram Professional Trainning Program (EPTP). Janeiro de 2003.
Direitos de uso para Urânio Paes - professor associado e certificado por Helen Palmer e David Daniels. 15
tipo

1
Instinto

Criado sobre a matriz elaborada por Cláudio Naranjo, adaptado de Oscar Ichazo.
puro
Perfeição Idéia superior: Virtude:
Perfeição ESSÊNCIA:
Serenidade
Consciência desperta

PERSONALIDADE:
Fixação: Consciência diminuída
Paixão:
Ressentimento Ira
Proposição básica Autopreservação:
O estado original não dual de perfeição em Ansiedade, preocupação
todas as coisas em cada momento vai para o
segundo plano em um mundo que você percebe Social: 1 a 1:
julgar e castigar o mau comportamento e o impulso. Inadaptabili- Ciúme
Conseqüentemente, você passa a acreditar que pode dade
ganhar valor e merecimento (amor) se for bom, corrigir
o erro e atender às exigências da mente crítica. Simulta- Mecanismo
neamente, você desenvolve ressentimento e raiva/culpa de defesa:
reprimida com relação ao impulso, ao mau compor- Formação
tamento e àquilo que se julga errado. A atenção vai reativa
naturalmente para o erro a ser corrigido.

Para onde vai a atenção Bênçãos


Para focalizar o que é certo/errado (especialmente o Esforço, ação correta, honestidade, responsabi-
que está errado e precisa ser corrigido); para os pa- lidade, preocupação com a melhoria, diligência,
drões internos; para as críticas externas e para distante idealismo, altos padrões, autoconfiança, dedicação.
do prazer; para a comparação de si mesmo com os
outros; para o automonitoramento constante.
Estratégia básica para os Uns
Ajudar o Um a notar e reduzir a dominação da
Preocupações resultantes mente crítica, a mover-se na direção de reconhecer
Fazer as coisas de forma certa, conseqüentemente esca-
o erro como diferença e a aceitar e integrar o “lado
pando da acusação e da culpa; comportando-se respon-
obscuro”.
savelmente e de forma independente; tendo ansiedade
e preocupação sobre “fazer de maneira certa”, poster-
gando a ação até garantir isto; prestando atenção ao Como os Uns podem desenvolv-
crítico interno e preocupando-se com a crítica externa;
contendo a raiva em si mesmo pelos erros, a qual, se
er a si próprios?
Em meditação, notar a mente indo para a qualidade
não for contida, pode justificadamente ser revertida
maniqueísta do “certo/errado” e a tensão associada
contra os outros; suprimindo as necessidades pessoais
a isto; mudar a atenção do “fazer errado” para
e prazeres por causa do medo de que as comportas se
reconhecer as diferenças; notar o crítico interno
abrirão, dando vazão aos impulsos obscuros; compa-
em ação por 30 segundos a cada hora e deixá-lo
rando-se com os outros para se colocar na posição
ir; aceitar o “lado obscuro” e o prazer como uma
moralmente superior.
ordem natural; utilizar a raiva e a culpa como dicas
para perceber julgamentos e tendência a culpar
Dificuldades produzidas alguém e como dicas para reconhecer as necessi-
para si mesmo dades reprimidas; perguntar se um determinado erro
realmente é algo grave; agendar atividades prazero-
Presença constante do crítico interno que afeta a auto-
sas e torná-las invioláveis; cometer erros que não
estima, causando tensão, solidão, preocupação e preju-
fazem mal a
dicando a ação; reversão do crítico para fora – você,
ninguém de propósito e notar o efeito disto; com-
não eu; adiamento do prazer; erupção do lado obscuro
parar os deveres com o que poderia realmente ser
da agressão e da sexualidade que foi reprimido; ser
desejado.
tragado pelo detalhe, prejudicando sua produtividade.

Dificuldades produzidas Como as demais pessoas podem


para os outros auxiliar os Uns?
Encorajando o Um no seu desenvolvimento, por
A crítica e a superioridade do Um pode fazer o outro se exemplo, tendo mais prazer, aceitando erros e
sentir mal, rejeitado, inferior, na defensiva, ou gerar an- diferenças, separando a auto-estima dos padrões
tipatia; o sentimento dos outros de que eles raramente internos; provendo o Um de uma posição não julga-
fazem a coisa certa; sentir a força da raiva contida e do dora; recebendo suas próprias críticas e admitindo
controle do Um; sentindo-se ferido/punido pela mente seus enganos; fazendo o Um saber que pode ser
crítica severa do Um; experimentando o perfeccionismo amado apesar de ser imperfeito; mostrando o que é
como um “beco sem saída”, uma discriminação, algo positivo e OK; relembrando ao Um que a meta é ser
que reduz o prazer. total, não perfeito.

16 © D. Daniels, M. D. & H. Palmer®. Material de Ensino Licenciado para Graduados do Enneagram Professional Trainning Program (EPTP). Janeiro de 2003.
Direitos de uso para Urânio Paes - professor associado e certificado por Helen Palmer e David Daniels.
2

Criado sobre a matriz elaborada por Cláudio Naranjo, adaptado de Oscar Ichazo.
Instinto
puro
tipo Presteza Idéia superior: Virtude:
Liberdade Humildade
ESSÊNCIA:
Consciência desperta

PERSONALIDADE:
Consciência diminuída Paixão:
Fixação:
Proposição básica Adulação Orgulho
O estado original de liberdade em que são
Autopreservação:
satisfeitas necessidades de acordo com uma Privilégio, “eu primeiro”
vontade universal vai para o segundo plano em
um mundo que você percebe como sendo
baseado no “é dando que se recebe”. Social: 1 a 1:
Ambição Sedução
Conseqüentemente, você passa a acreditar que
pode obter amor e preencher suas necessidades
pessoais por meio do seu próprio ato de dar para
os outros o que eles querem/precisam e esperando
Mecanismo
que estes outros retribuam. Simultaneamente, você
de defesa:
desenvolve uma energia de orgulho por saber melhor
Repressão
o que os outros precisam. A atenção vai naturalmente
para as necessidades e desejos dos outros.
exagero no tocante aos sentimentos e na doação;
pensando “sou realmente amado?”; sendo ex-
Para onde vai a atenção cluído pelo Dois – eu não sou importante.
Para focar seletivamente as necessidades/desejos dos
outros, especialmente daqueles mais importantes (elei-
tos); para os sentimentos; para associar-se por meio da
Bênçãos
experiência; para se alterar para atender os desejos dos Solícito e útil, generoso, romântico, sensível aos senti-
outros; para o presente e o futuro; para referenciar a mentos, reconhecedor, apoiador, energético, exuber-
própria ação baseada no comportamento dos outros. ante (vívido), expressivo, voluntarioso e disposto.

Preocupações resultantes Estratégia básica para os Dois


Ajudando o Dois a se desenvolver, integrar e pos-
Ganhar aceitação e aprovação de outras pessoas im-
suir o verdadeiro “eu” e superar o vício de satis-
portantes, por exemplo, conexão romântica; sentir-se
fazer as necessidades dos outros eleitos como uma
importante nos relacionamentos e por meio da satis-
forma de ser amado e cuidado.
fação das necessidades de outros (orgulho); sentindo
as necessidades emocionais dos outros e alterando,
mudando, moldando o “eu” para satisfazer estas neces-
Como os Dois podem desenvolver
sidades; criando sentimentos bons e evitando conflito; a si próprios?
notando a falta de liberdade produzida por esta posição Em meditação, notar a tensão indo para fora, para
e desejando-a; confusão, repressão, expressão indireta sentir as necessidades dos outros eleitos e senti-
das próprias necessidades e os “múltiplos eus” que mentos associados de importância em relação aos
desenvolve com os outros. outros; auto-observar a alteração para fazer pelos
outros; perguntar-se o que realmente quer, o que
Dificuldades produzidas realmente é importante para mim (reconhecendo
que isto pode gerar ansiedade); utilizando a raiva e
para si mesmo histeria crescente como sinais dos próprios desejos
Ênfase exagerada nos relacionamentos, especialmente reprimidos; observando a confiança nos senti-
aqueles desafiadores, produzindo uma vulnerabilidade mentos fortes; praticando consistência; separando
à rejeição e à perda; repressão e expressão indireta o amor da armadilha da aprovação e atenção e
das necessidades pessoais reais que podem conduzir à percebendo que o amor não requer moldar e alterar
erupção da emoção (raiva); manipulação de outros para o “eu” (um reenquadramento); praticando gastar
satisfazer as próprias necessidades; dominação completa tempo sozinho, desenvolvendo atividades indepen-
da emoção (histeria, angústia, e reclamações somáticas); dentes, reivindicando sua própria visão.
repressão e confusão relativa ao “eu” verdadeiro – quem
é o “eu” verdadeiro; problemas de dependência (sentir-
se controlado); almejando liberdade.
Como as demais pessoas podem
auxiliar os Dois?
Dificuldades produzidas Encorajando o Dois no seu desenvolvimento, por
exemplo, no reconhecimento de si mesmo de
para os outros maneira separada do ato de dar, reivindicando
Percebendo que o Dois dá para receber e que é manipu- sua própria voz, mantendo-se constante; evitando
lador (reclamando, provocando culpa); experimentando tornar-se a maravilha e ser seduzido pelo ato de
a forte dependência do Dois (quer muito), levando dar do Dois; provendo firmeza; prestando atenção
ao desencantamento mais do que se maravilhando; o às verdadeiras necessidades do Dois.

© D. Daniels, M. D. & H. Palmer®. Material de Ensino Licenciado para Graduados do Enneagram Professional Trainning Program (EPTP). Janeiro de 2003.
Direitos de uso para Urânio Paes - professor associado e certificado por Helen Palmer e David Daniels. 17
Criado sobre a matriz elaborada por Cláudio Naranjo, adaptado de Oscar Ichazo.
Instinto
puro
tipo Performance Idéia superior:
Virtude:
Veracidade/
Esperança ESSÊNCIA: Honestidade
Consciência desperta

PERSONALIDADE: Paixão:
Fixação: Consciência diminuída
Engano/
Proposição básica Vaidade Auto-engano
O estado original de esperança em que as Autopreservação:
coisas acontecem de acordo com leis universais Segurança material
(por exemplo, não são dependentes do esforço de
1 a 1:
quem as faz) vai para o segundo plano em um mundo Social:
Imagem
que você percebe recompensar o “fazer” e não o “ser”. Prestígio masc./fem.
Conseqüentemente, você passa a acreditar que pode
obter amor, aceitação e reconhecimento pelo seu
desempenho, fazendo e tendo sucesso. Simultanea-
Mecanismo
mente, você desenvolve uma energia de seguir em
de defesa:
frente, com auto-engano, para equiparar-se à imagem
Identificação
de sucesso e aprovação. A atenção vai naturalmente
para tarefas e coisas para realizar.
Bênçãos
Para onde vai a atenção Diligência, liderança, possibilidade, entusiasmo,
Para as muitas tarefas a realizar; para convergir para esperança na ação, encorajamento, soluções, prove-
uma meta única, focada; para a ação e a aprovação; dor, eficiência, senso prático, competência.
para o que é positivo a ser cumprido; para o futuro;
para o “empowerment” de si mesmo; para a imagem
junto aos outros. Estratégia básica para os Três
Ajudando os Três a diminuir o ritmo, a dar as boas-
Preocupações resultantes vindas e a valorizar os sentimentos; a notar que o
Realizando e tendo sucesso; identificando-se com o amor é “ser”, assim como “fazer” e “ter”.
desempenho; eficiência; mantendo-se ocupado e ativo;
ajustando-se e equiparando-se com a imagem dese-
jada; escondendo as interferências na realização, por
Como os Três podem desenvolver
exemplo, coisas negativas, sentimentos, obstáculos a si próprios?
percebidos; competindo e ganhando; parecendo bom; Em meditação, notando a mente acelerando e indo
obtendo feedback positivo e aprovação; ganhando para canais múltiplos de tarefas; levando tempo
status, prestígio e poder. para reduzir o ritmo e desconectar do desempenho;
construindo o observador interno ao notar os sen-
timentos e prestando atenção às sensações físicas
Dificuldades produzidas (especialmente o cansaço); perguntando-se o que
para si mesmo realmente importa; praticando a distinção entre o
Auto-engano a respeito das necessidades reais; perden- que precisa ser mudado (fazer) e o que precisa de
do os próprios sentimentos; imperfeição (movendo-se aceitação (descoberta); utilizando a frustração ao
para uma tarefa nova); fazendo alguma ação quando a redor de obstruções para apreciar as diferenças;
tarefa é obter aceitação; sofrimento (tristeza, ansiedade) perguntando-se se isto é a imagem ou o “eu” real
parece não vir de “lugar algum” e quer ser espantado do qual estou indo atrás; reconhecendo a fraqueza
para longe; raiva e impaciência com diferenças que são e procurando pelo que são essências continuadas
vistas como obstruções no caminho em direção à meta; em várias tarefas; trabalhando em uma perspectiva
desejando muita admiração e atenção. introspectiva; valorizar a compreensão empática para
que ela se equivalha ao status com a realização.
Dificuldades produzidas Como as demais pessoas podem
para os outros auxiliar os Três?
Percebendo que os Três não se preocupam comigo, Encorajando o Três no seu desenvolvimento, por
especialmente com meus sentimentos; Três parecendo exemplo, tendo tempo para sentir o perfume das
artificial ou superficial; experimentando que as coisas flores, prestar atenção aos sentimentos, realmente
e as metas importam mais do que as pessoas; experi- te ouvir; ajudando o Três a tornar os relacionamen-
mentando a dificuldade dos Três de deixar ir, relaxar e tos e os sentimentos a “tarefa”; deixando o Três
refletir; Três pegando atalhos e suavizando a verdade; saber que você se preocupa com ele, independente-
sentindo-se manipulado pela agenda de realização do mente das realizações; deixando o Três entender o
Três. que realmente é importante para você.

18 © D. Daniels, M. D. & H. Palmer®. Material de Ensino Licenciado para Graduados do Enneagram Professional Trainning Program (EPTP). Janeiro de 2003.
Direitos de uso para Urânio Paes - professor associado e certificado por Helen Palmer e David Daniels.
Criado sobre a matriz elaborada por Cláudio Naranjo, adaptado de Oscar Ichazo.
tipo

4
Instinto
puro
Profundidade Idéia superior: Virtude:
Originalidade Equanimidade
(origem) ESSÊNCIA:
Consciência desperta

PERSONALIDADE:
Fixação: Consciência diminuída Paixão:
Proposição básica Melancolia Inveja
O estado ideal original de conexão profunda Autopreservação:
Intrepidez, imprudência
com todas as coisas vai para o segundo plano
em um mundo que você percebe abandoná-lo,
fazendo com que algo importante fique faltando. Social: 1 a 1:
Vergonha Competição,
Conseqüentemente, você passa a acreditar que pode social ódio
recuperar o amor ou situação ideal original que foi
perdida quando achar o amor ou a situação que seja Mecanismo
única, especial e que você acredita que o preencherá. de defesa:
Simultaneamente, você desenvolve inveja e desejo por Introjeção
aquilo que é idealizado e não está disponível. A atenção
naturalmente vai para aquilo de importante que está Bênçãos
faltando. Sensível, possuidor de um temperamento criativo,
afinado com os sentimentos, empatia (especialmente
Para onde vai a atenção com relação ao sofrimento), intenso, romântico,
Para o que está faltando ou o que está indisponível e apreciador do que é único e singular, apaixonado,
que você julga ser especial; para o hábito do “puxa- idealista.
empurra” ao notar aquilo que é negativo no que está
próximo e que é positivo no que está distante e que se
foi ou que ainda vai chegar; para focar nos sentimen- Estratégia básica para os Quatro
tos e amplificá-los, especialmente a tristeza; para uma Ajudar os Quatros a superar o desejo daquilo que está
posição externa de controle; para os extremos (longe faltando e que julga ser importante, a apreciar o que há
do meio termo); para o comportamento auto-referente. de positivo na vida agora e a aceitar-se como alguém
que pode ser amado, independentemente da sua
Preocupações resultantes identificação com seu lado único.
Desejar o objeto especial ou indisponível (amor, trab-
alho, etc.); transformando os sentimentos naquilo que é Como os Quatro podem desenvolver
“real”; procurando aquilo que é único, intenso, especial
e elitista; evitando o aspecto maçante do momento
a si próprios?
presente e a monotonia do “caminho do meio”; não Em meditação, notando como os sentimentos surgem
sucumbir ao que é comum; criar crises; resistir a ser e a atenção vai para o que está faltando e deseja;
mudado. observando os sentimentos intensos e resistindo a segui-
los, pois isto cria mais sofrimento e crises; praticando a
Dificuldades produzidas valorização do caminho do meio (valorizando as coisas
comuns) e estabilizando a atenção naquilo que é positivo
para si mesmo no momento presente (praticando a equanimidade);
Insatisfação e raiva com a vida como ela é: o sentimento percebendo que o sarcasmo, o sofrimento, sua tentativa
de que “nada é bom o bastante” ajuda na rejeição; de ser especial e seu comportamento auto-referente são
dominação da oscilação sentimental; dor associada aos substitutos viciadores para a o sentimento de abandono;
“D’s” - depressão, devastação, desdém, drama, decep- desenvolver o equilíbrio de sentimentos, pensamentos e
ção, desvio; sentir-se diferente, uma pessoa que não se ações; adotar os planos de ação apropriados para não
encaixa (o lado doloroso do sentimento de ser único); sucumbir aos sentimentos; mantendo-se equilibrado
dificuldades para sustentar um relacionamento ou um quando você “deixa a peteca cair”; apreciando o
caminho; dor associada à crise que foi criada (“viciado” idealismo, mas sem se identificar com ele.
no sofrimento) e que foi estendida; inveja daqueles que
supostamente têm completude. Como as demais pessoas podem
auxiliar os Quatro?
Dificuldades produzidas Encorajando o Quatro no seu desenvolvimento, por
para os outros exemplo, não permitindo que os sentimentos dirijam,
Sentir que você não é suficiente e não satisfaz; sentir a comandem e arruínem o Quatro, estabilizando a
tendência à oposição (resistência) e ao sarcasmo mordaz; atenção, valorizando o caminho do meio e apreciando
culpa por estar fazendo o Quatro “fracassar”; dor e raiva o que está aqui agora; entendendo o Quatro (a
pela rejeição que ele experimenta; ter que lidar com as empatia deve vir antes da ajuda); mantendo-se firme
crises recorrentes. quando os sentimentos do Quatro são intensos;
revelando os seus próprios sentimentos e reações;
apreciando o forte idealismo do Quatro.

© D. Daniels, M. D. & H. Palmer®. Material de Ensino Licenciado para Graduados do Enneagram Professional Trainning Program (EPTP). Janeiro de 2003.
Direitos de uso para Urânio Paes - professor associado e certificado por Helen Palmer e David Daniels. 19
Criado sobre a matriz elaborada por Cláudio Naranjo, adaptado de Oscar Ichazo.
Instinto
puro
tipo Privacidade Idéia superior:
Virtude:
Desapego
Onisciência ESSÊNCIA: (não apego)
Consciência desperta

PERSONALIDADE:
Proposição básica Fixação: Consciência diminuída
Paixão:
O estado original de onisciência e do saber
transparente de que o fluxo de energia universal
Mesquinhez Avareza
satisfaz necessidades reais vai para o segundo Auto-preservação:
plano em um mundo que você percebe demandar Castelo
muito ou dar muito pouco. Conseqüentemente, você
1 a 1:
passa a acreditar que pode ganhar proteção contra a Social:
Confidências
Totem
intrusão e os recursos insuficientes e assegurar a vida
por meio da privacidade, da auto-suficiência, limitando
desejos e adquirindo conhecimento. Simultaneamente, Mecanismo
você desenvolve avareza pelo seu tempo, sua energia e de defesa:
seu conhecimento. (A atenção vai naturalmente para as Isolamento de
intrusões e para se desconectar para observar). afeição
Para onde vai a atenção soa”; pode ser confundido com o desejo por mais
Vai para fora, para observar; para pensar (o domínio contato.
intelectual); para arrefecer e reduzir o sentimento; para
esquadrinhar; para desassociar (desconexão); para Bênçãos
compartimentar (separar e segmentar as coisas e o Culto, conhecedor, cuidadoso, imparcial (tranqüilo
tempo – o chamado “pensamento descontínuo”); para nas crises), respeitoso, guardião de segredos,
o que há para aceitar; para uma posição interna de apreciador da simplicidade, confiável, ascético.
controle (ego-retenção).

Preocupações resultantes Estratégia básica para os Cinco


Ajudar o Cinco a apreciar a diferença entre a
Adquirir (acumular) privacidade de tempo e espaço; desconexão e o desapego, a perceber que quando
limitar a dependência e os desejos/necessidades; ele se retira ele convida à intromissão, a relacionar-se
administrando os sentimentos fortes (especialmente com as experiências e os sentimentos e mover-se na
o medo); evitando ficar preso em uma armadilha e direção da vida e da energia vital.
evitando as intrusões; pensando com antecedência
– adquirindo previsibilidade; preocupações com limites
e fronteiras – desenvolvendo contenção, conservando
Como os Cinco podem desenvolver
energia e compartimentando; desejando conhecimento a si próprios?
para explicar a vida; antecipando demandas. Em meditação, permitindo os sentimentos e sensações
e aprendendo a diferença entre a desconexão e o
Dificuldades produzidas desapego (manter-se presente e engajado); notando
para si mesmo como os sentimentos se descolam e vão para o
compartimento da mente (mentalizar); praticando
Isolamento dos próprios sentimentos e experiências, comportamentos espontâneos (aqui e agora), incluindo
especialmente no aqui e agora; desconectar-se da indulgências e luxúrias; movendo-se na direção dos
vida – possivelmente retirando-se e partindo para sentimentos e da ação; fazendo trabalho de corpo;
o minimalismo; dor de solidão com um desejo para juntando-se a um grupo de apoio que envolva abrir-
conectar-se; sentimento de inadequação; vários se; a cada dia prevendo e revisando o “deixar ir” do
fracassos para entrar em ação, oportunidades perdidas; controle de tempo, espaço, energia e pensamentos;
avareza pelo tempo e espaço; confundir a tendência notando que o ato de se retirar e de se conter leva
a se desconectar com o desapego (não apego); ver à intrusão; comportando-se como se houvesse
solicitações como demandas fortes. abundância.
Dificuldades produzidas Como as demais pessoas podem
para os outros auxiliar os Cinco?
Sentir-se ignorado pelo Cinco – não conectado, não ser
cuidado; confundir as necessidades do Cinco por privaci- Encorajando o Cinco no seu desenvolvimento, por
dade (não envolvimento) como retirada e rejeição; sentir exemplo, dando as boas-vindas aos sentimentos no
que em um conflito, o fardo da confrontação cai sobre aqui e agora, expressando preocupações, encarando
você; experimentando ser julgado no nível intelectual; o conflito e deixando ir embora o controle de tempo
experimentando a retração do Cinco como acúmulo e e energia; fornecendo um feedback moderado sobre
retenção de tempo, espaço, energia, e dele mesmo; os os seus próprios sentimentos e preocupações;
sentimentos do Cinco que geram inferioridade nos outros; respeitando a necessidade de privacidade do Cinco
do lado de fora, estas tendências podem parecer uma (entendendo que isto não é rejeição); fazendo uma
postura de guardar segredo e de superioridade; escond- distinção entre solicitações e demandas; evitando a
endo-se dentro de uma pose ou agindo na “terceira pes- intelectualização.

20 © D. Daniels, M. D. & H. Palmer®. Material de Ensino Licenciado para Graduados do Enneagram Professional Trainning Program (EPTP). Janeiro de 2003.
Direitos de uso para Urânio Paes - professor associado e certificado por Helen Palmer e David Daniels.
tipo

Criado sobre a matriz elaborada por Cláudio Naranjo, adaptado de Oscar Ichazo.
Instinto
puro

Precaução Idéia superior: Virtude:


Fé ESSÊNCIA:
Coragem
Consciência desperta

PERSONALIDADE:
Proposição básica Fixação: Consciência diminuída Paixão:
O estado original de fé em si mesmo, nos outros Covardia Medo
e no universo vai para o segundo plano em um
mundo que você percebe como perigoso, Autopreservação:
Calidez, afeição
imprevisível e indigno de confiança. Conseqüentemente,
você passa a acreditar que pode assegurar vida e certe- Social: 1 a 1:
za obtendo ou desafiando a segurança e evitando ou Obrigação, Força e
enfrentando situações ruins por meio da vigilância, dever beleza
questionando e batalhando contra ou fugindo de peri-
gos. Simultaneamente, você desenvolve medo e dúvida Mecanismo
com respeito ao que pode ameaçar a segurança. A de defesa:
atenção naturalmente vai para os perigos e os cenários Projeção
de pior hipótese e como lidar com eles.

Para onde vai a atenção Bênçãos


Para focar o perigo que é amplificado (vigilância); para Cuidadoso, cálido, protetor, dedicado aos outros,
pensar (imaginando); para esquadrinhar no intuito de confiante conforme a fé se desenvolve, intuitivo, sen-
explicar o senso interno de ameaça (medo e dúvida); sível, muitas boas idéias, leal, justo, engenhoso.
para implicações e conclusões (imaginação); para o pre-
sente e o futuro; para controlar o que está localizado
tanto externo quanto internamente. Estratégia básica para os Seis
Ajudar o Seis a notar a preocupação com ameaça, a
Preocupações resultantes imaginação fértil e a projeção que a acompanha, a
Enfrentando ou evitando todos os possíveis perigos prestar atenção ao que já está certo, a se tornar sua
para reduzir medos; assegurando a boa vontade dos própria autoridade e desenvolver a confiança.
outros por meio do dever e da calidez (qualidade de ser
cálido – “quente”); tirando provas para si mesmo; afe-
tando os outros (mostrando força); preocupando-se com Como os Seis podem desenvolver
o poder e a autoridade; duvidando e não confiando nos a si próprios?
outros (projeção); identificando-se com os mais fracos
(lealdade para com uma causa); evitando raiva ao não Em meditação, notando como os perigos, dúvidas,
se impor para os outros; sendo sensível a mensagens medos físicos e o pensamento paranóico surgem para
ambivalentes. explicar os medos internos; desenvolvendo um trab-
alho corporal, por exemplo, exercício regular; fazendo
Dificuldades produzidas uma declaração de fé – agindo como uma pessoa de
fé agiria; fazendo o exercício de dedicar o mesmo
para si mesmo tempo à confiança, ao prazer, etc; questionando-se se
Dúvida e ambivalência “sobre tudo”, levando à inação, uma idéia ou medo é uma intuição ou uma projeção;
procrastinação e não finalização; dificuldades com a aceitando a ambivalência e escolhendo um dos lados
autoridade, tanto por obediência quanto por rebeldia; para entrar em ação; utilizando o medo como um
vendo possibilidades amedrontadoras em todos lugares ponto de partida para reconhecê-lo e dispersá-lo
que torna a vida não prazerosa; amplificando o poder (para o contrafóbico, questionando a “necessidade”
externo, os perigos, e os dano (hipervigilância que limita de agir – há algo a provar?); notando o poder que
as possibilidades); imaginando excessivamente, espe- atribui para os outros e tornando-se sua própria auto-
cialmente no que diz respeito à raiva e às motivações ridade; notando e saboreando sucessos e realizações;
dos outros (interpretando mal e desconfiando); vendo checando medos e preocupações com outras pessoas.
o oculto e ignorando o óbvio; querendo mais provas de
que é possível; criando oposição para entrar em ação.
Como as demais pessoas podem
Dificuldades produzidas auxiliar os Seis?
para os outros Encorajando o Seis no seu desenvolvimento, por
Por causa da cautela (ou do “palavrório”), não saber exemplo, notando o que é positivo, confiando no fu-
o que realmente se passa com o Seis; experimentando turo, apreciando as suas próprias forças; fornecendo
frustração por causa das demoras e da procrastinação; ao Seis interpretações alternativas positivas; sendo
sentindo-se despido pelas projeções do Seis, duvidando, uma pessoa consistente e confiável; abrindo os seus
acusações tanto implícitas quanto explícitas (culpa e próprios sentimentos e pensamentos; encorajando o
paranóia); Seis aparentando controlar e superproteger Seis para adotar uma ação positiva.
(tomando conta do bunker), ao invés de ser generoso;
causando problemas para os outros.

© D. Daniels, M. D. & H. Palmer®. Material de Ensino Licenciado para Graduados do Enneagram Professional Trainning Program (EPTP). Janeiro de 2003.
Direitos de uso para Urânio Paes - professor associado e certificado por Helen Palmer e David Daniels. 21
Criado sobre a matriz elaborada por Cláudio Naranjo, adaptado de Oscar Ichazo.
7
Instinto
tipo puro

Prazer Idéia superior:


Trabalho
Virtude:
Sobriedade
(obra) ESSÊNCIA:
Consciência desperta

PERSONALIDADE:
Consciência diminuída
Proposição básica Fixação: Paixão:
O estado original de concentração com foco
Planejamento Gula
chamado Trabalho ou Constância, com uma Autopreservação:
Defensores, família
habilidade para transitar pelo espectro de vida
de maneira total e livre, vai para o segundo plano, Social: 1 a 1:
em um mundo que você percebe como causador Sacrifício, Sugestiona-
bilidade,
de frustração, limitação e dor. Conseqüentemente, mártir fascinação
você passa a acreditar que pode escapar da
frustração e da dor e assegurar uma vida boa se Mecanismo
tiver opções, oportunidades e aventuras. Simultanea- de defesa:
mente, você desenvolve gula mental por possibilidades Racionalização
positivas e prazeres. A atenção vai naturalmente para
as opções e para manter a vida em alta.
promissos; sentir-se diminuído pela minimização de dor
Para onde vai a atenção e conflito do Sete que parece tornar trivial o sofrimento
Para as múltiplas opções; para interconectar e inter- e os problemas dos outros.
relacionar informações; das coisas pequenas (pensamento
específico) para as coisas grandes (pensamento global); Bênçãos
para a imaginação e a ação; para planejar possibilidades Brincalhão, agradável, inventivo, imaginativo, energético,
prazerosas; para extremos; para valores relativos; para otimista, amante da vida, vendo possibilidades, solícito.
sua auto-referência, especialmente o que lhe faz sentir-se
bem; para um lugar interior de controle.
Estratégia básica para os Sete
Preocupações resultantes Ajudar o Sete a reconhecer os excessos de experiência,
a assumir compromissos mais profundos e a aceitar
Excitação/prazer/aproveitar as experiências da vida (para tudo da vida: dor, medo, monotonia, limitação assim
o lado positivo até mesmo das situações dolorosas); como prazer, alegria, excitação, e opções.
sendo otimista e escolhendo aquilo que mantém a
vida de forma positiva (que o faz se sentir bem);
sendo apreciado (faz charme e desarma os outros); as Como os Sete podem desenvolver
muitas opções simultâneas possíveis, freqüentemente
inter-relacionando-as (mente de macaco); explicando e
a si próprios?
justificando seu próprio comportamento (racionalizando Em meditação, diminuindo a atividade mental e focando
e intelectualizando); valorizando as limitações apenas um único ponto; prevendo e revendo a cada dia a
enquanto sacrifícios; mantendo uma postura superior. fome pela excitação e difusão de opções; praticando
estar presente e aceitar a situação atual, seja ela
dolorosa ou prazerosa, estimulante ou enfadonha;
Dificuldades produzidas trabalhando uma coisa de cada vez até a conclusão;
para si mesmo deixando algumas opções de lado; reconhecendo que
O ganho de curto prazo pode conduzir à dor no longo a vida é feita de escolhas (“menos” pode representar
prazo (nenhuma dor, nenhum ganho – “no pain, “mais”); aceitando limites, notando que pode surgir um
no gain”); várias perdas como resultado de tentar sentimento de medo e de se sentir preso; praticando se
manter a vida de forma positiva e fugir das limitações manter enraizado e resistir às racionalizações quando
(armadilhas); sobrecarga por tentar manter a excitação estiver assumindo compromissos; trabalhando para dar
(gula); tentar fazer mais pode levar à perda de sentido as boas-vindas aos conflitos e às críticas; notando a
e então à ansiedade e à depressão; distração e desvio superioridade sutil em posição de otimismo.
de objetivos e compromissos mais profundos; repetição
dos mesmos erros; nivelamento da autoridade que gera
dificuldades.
Como as demais pessoas podem
auxiliar os Sete?
Dificuldades produzidas Encorajando o Sete no seu desenvolvimento, por
para os outros exemplo, assumindo compromissos profundos, aceitando
a dor, assim como o prazer na vida, apreciando o valor
Percepção de que o Sete não se importa realmente ou dos outros; provendo o Sete com o apoio de um quadro
que não se pode contar com ele, como resultado da de referência para ele se mover na direção das situações
preocupação do Sete consigo mesmo (narcisismo); per- e compromissos prazerosos; transformando as suas
cepção de ser uma criança de um Deus menos poderoso próprias necessidades, desejos e sentimentos em algo
(resultado da posição superior do Sete); experimentar importante; aplicando o princípio KISS (Keep It Simple
dor como resultado do Sete não assumir e manter com- “Sweetie”; mantenha a coisa simples, “doçura”).

22 © D. Daniels, M. D. & H. Palmer®. Material de Ensino Licenciado para Graduados do Enneagram Professional Trainning Program (EPTP). Janeiro de 2003.
Direitos de uso para Urânio Paes - professor associado e certificado por Helen Palmer e David Daniels.
tipo

Criado sobre a matriz elaborada por Cláudio Naranjo, adaptado de Oscar Ichazo.
8
Instinto
puro

Poder Idéia superior: Virtude:


Inocência
Verdade ESSÊNCIA:
Consciência desperta

PERSONALIDADE:
Fixação: Consciência diminuída
Proposição básica Paixão:
O estado original inocente de sentir a verdade Vingança Luxúria
essencial em tudo e em cada indivíduo vai para Autopreservação:
o segundo plano em um mundo que você percebe Sobrevivência
satisfatória
como duro e injusto e onde o mais forte tira proveito
1 a 1:
dos outros. Conseqüentemente, você passa a acreditar Social: Possessivi-
que pode assegurar proteção e ganhar respeito (mereci- Amizade dade, vigor
mento) tornando-se forte e poderoso e escondendo sua
vulnerabilidade. Simultaneamente, você desenvolve uma Mecanismo
grande energia luxuriosa. A atenção vai naturalmente de defesa:
para as injustiças e para aquilo que precisa de controle Negação
ou assertividade.

Para onde vai a atenção


Para fora, para o poder e o controle; para a ação e a
assertividade; para os extremos e para o excesso – um Bênçãos
estilo do tipo “tudo ou nada” de prestar atenção no Forte, poderoso, estimulante, intenso, determinado,
que é justo ou injusto; para manifestar, tornar público; corajoso, persistente, protetor dos outros, justo,
para o presente (“amnésia” em relação ao passado); amigável, verdadeiro, honesto, claro, direto, firme.
para as incongruências; para a urgência (“imediata-
mente!”); para ser auto-referente.
Estratégia básica para os Oito
Preocupações resultantes Ajudar o Oito a notar a intensidade e a reduzir a
impulsividade, a apreciar as diferenças, valorizar os
Domínio e controle do espaço, das coisas e das pes-
opostos (por exemplo, fraqueza, vulnerabilidade) e a
soas; tomando uma posição e entrando em ação direta;
perceber e moderar seu impacto sobre os outros.
corrigindo a “injustiça” (revanche) e protegendo os mais
fracos; sendo assertivo e abertamente bravo (o movi-
mento contrário); estabelecendo contato e enfrentando Como os Oito podem desenvolver
o conflito; admirando a força; negação da própria
fraqueza (desatenção em relação a ela) e vulnerabili- a si próprios?
dade; criando intensidade na vida; raiva como proteção Em meditação, permitindo que a mente e o corpo
e representação de força e respeito. se aquietem e voltem para o estado vazio quando a
energia direcionada para fora ressurge; uma vez por
hora, checando a energia e o impulso para agir e
Dificuldades produzidas então respirando várias vezes de maneira relaxante;
para si mesmo a cada dia, prevendo e revendo seu impacto sobre os
Muita quantidade, muita precipitação, muito volume, outros; perguntando aos outros se você está sendo
muito tempo, o “muito” conduzindo à exaustão, ao excessivo; mantendo as metas de longo prazo em
abuso de si mesmo, à rejeição e a outros comportamen- mente: “quais as conseqüências deste comportamen-
tos contraproducentes; negação do medo, da fraqueza e to”; defendendo a virtude do mundano, do suave, do
da vulnerabilidade, resultando em danos para si mesmo moderado; praticando o adiamento das gratificações
e para os outros; controle e dominação, resultando pos- e do estímulo: dando as boas-vindas à monotonia
sivelmente em contra-ataque, perda, anulação das própri- e ao medo; permitindo o outro lado – o apareci-
as metas e problemas com a autoridade; confundindo mento da vulnerabilidade, da fraqueza, da inocência;
justiça com revanche (às vezes resultando em vingança utilizando situações desfavoráveis como um ponto
de si mesmo); esquecendo das virtudes da ternura, da de partida para criar compromissos e para chegar a
dependência, passividade, sensibilidade. soluções do tipo “ganha-ganha”.

Dificuldades produzidas Como as demais pessoas podem


para os outros auxiliar os Oito?
Encorajando o Oito no seu desenvolvimento, por ex-
Sentindo a tendência de se afastar por causa dos
emplo, aceitando a própria vulnerabilidade e fraque-
excessos e do controle; ressentindo-se da intimidação
za, percebendo seu impacto, reduzindo excessos e
e da intrusão (confrontação); experimentando danos e
impulsividade; ficando firme, contudo flexível; dando
desrespeito – prejudicado por aquele que mais o ama;
feedback ao Oito sobre o seu impacto e intimidação;
experimentando violações de “direitos e propriedade”;
sendo franco; mostrando-lhe a virtude da passividade
experimentando a justiça mal direcionada como sendo
e da aceitação.
vingança.

© D. Daniels, M. D. & H. Palmer®. Material de Ensino Licenciado para Graduados do Enneagram Professional Trainning Program (EPTP). Janeiro de 2003.
Direitos de uso para Urânio Paes - professor associado e certificado por Helen Palmer e David Daniels. 23
Criado sobre a matriz elaborada por Cláudio Naranjo, adaptado de Oscar Ichazo.
9
Instinto
puro
tipo Paz Idéia superior: Virtude:
Amor ESSÊNCIA: Ação certa
Consciência desperta

PERSONALIDADE:
Consciência diminuída
Proposição básica Fixação: Paixão:
O estado original de êxtase do amor incondicional Indolência Preguiça
e da união em que todos pertencem igualmente Autopreservação:
vai para o segundo plano em um mundo que você Apetite
percebe tirar a sua importância ou que exige que você
se harmonize. Conseqüentemente, você passa a acredi- Social: 1 a 1:
tar que pode obter a sensação de pertencer e de ter Participação União
conforto se prestar atenção, fundir-se com os outros
e dispersar energia em objetos substitutos. Simulta- Mecanismo
neamente, você desenvolve inércia (esquecimento de de defesa:
si mesmo) sobre suas próprias prioridades e limites. A Narcotização
atenção vai naturalmente para os outros e as reivindica-
ções do ambiente recaem sobre você.
Bênçãos
Para onde vai a atenção Preocupado, atento aos outros, disposto a dar,
Para o ambiente, esparramando e freqüentemente se empático, adaptável, complacente, disposto a ajudar
difundindo para o que é secundário, não essencial; para e apoiar, participativo, com quem se pode contar,
evitar desconforto; para agradar os outros; para detal- perceptivo, regular, acalma os outros, receptivo, geral-
hes e estrutura; para sentir (ter sensações) e fundir-se mente não julgador.
com outros, para o que se apresenta no mundo real;
para um lugar exterior de controle (passividade); para
os outros. Estratégia básica para os Nove
Ajudando o Nove a prestar atenção em si mesmo e em
suas próprias necessidades, determinando prioridades,
Preocupações resultantes a entrar em ação, a dar as boas-vindas ao desconforto
Agradando e sendo sensível com os outros, resultando e a mudar.
em dificuldade de dizer e assumir uma posição; manter
a vida confortável e familiar (harmonizar); muitos detal-
hes e pensamentos igualmente fortes e que competem
Como os Nove podem desenvolver
entre si (substituindo o essencial com substitutos a si próprios?
secundários); retenção da própria energia e da raiva; Em meditação, notando a mente indo para as muitas
resistindo à influência do ambiente; querendo previsibi- coisas diferentes e para os outros e para longe de si
lidade e estrutura. mesmo; adotando uma prática diária de prever o que é
importante para mim e revisar como eu me desempen-
Dificuldades produzidas hei nesta prática; utilizando a resistência/raiva/teimosia
para regressar ao que foi perdido e que é importante
para si mesmo para mim; reenquadrar a vida analisando “quem e o
Seguindo, indo com os outros e, mais tarde, ressentindo- que”, não apenas “o que”; criando planos de ação com
se e resistindo a isto; esquecendo de si mesmo (in- intervalos de tempo claros e limites; dando as boas-
dolência e negligência com relação a si mesmo); fazendo vindas à mudança e desafiando o desconforto asso-
aquilo que torna a vida mais confortável, não o que é ciado à mudança; adotando uma posição pessoal nos
importante, às vezes nem mesmo sabendo o que é im- diversos assuntos; notando os próprios sentimentos
portante para si mesmo (narcotização); contendo energia, que precedem a mudança da atenção para os substitu-
especialmente a expressão de raiva; perdendo oportuni- tos, por exemplo, comida, televisão; mantendo-se com
dades por protelar enquanto decide; depreciando-se. suas próprias metas.

Dificuldades produzidas Como as demais pessoas podem


para os outros auxiliar os Nove?
Percebendo o Nove como agressivo-passivo e teimoso; Encorajando e reforçando o Nove no seu desenvolvi-
experimentando o Nove como alguém que não pega o mento, por exemplo, assumindo e expressando uma
ponto, não identifica o que é importante; dispersão de posição, fazendo com que o “eu” e as próprias neces-
energia e foco em fazer com que tudo seja igualmente sidades sejam importantes, dando as boas-vindas à
importante, esquecendo-se das reais necessidades; O mudança e ao desconforto; oferecendo ao Nove um
Nove dando o que ele quer, não o que querem e não o ambiente encorajador para entrar em ação e acessar a
que ele não quer; o Nove que parece concordar, quando raiva; perguntando ao Nove quais são os seus desejos e
na verdade não concordou; sentindo-se frustrado pelos necessidades; ajudando o Nove a manter o seu próprio
Noves sendo dominados pelo conforto. foco e os seus limites.

24 © D. Daniels, M. D. & H. Palmer®. Material de Ensino Licenciado para Graduados do Enneagram Professional Trainning Program (EPTP). Janeiro de 2003.
Direitos de uso para Urânio Paes - professor associado e certificado por Helen Palmer e David Daniels.
Talentos dos tipos,
e o quanto agregam ao grupo “Me inspiro com esses
Talentos e aplico para
Inspirar os Outros”

tipo

1 Prováveis talentos do Tipo 1 para si


mesmo e para inspirar os outros:


Identificar erros
Aprimoramento contínuo
• Promover consistência em relação aos valores
• Pontualidade
• Organização
• Disciplina
• Follow-up
• Responsabilidade
• Gerar credibilidade
• Passar rapidamente para a implementação
• Atenção ao detalhe

E, em estado superior:
Aceitação de si mesmo e do outro

© D. Daniels, M. D. & H. Palmer®. Material de Ensino Licenciado para Graduados do Enneagram Professional Trainning Program (EPTP). Janeiro de 2003.
Direitos de uso para Urânio Paes - professor associado e certificado por Helen Palmer e David Daniels. 25
2
tipo Prováveis talentos do Tipo 2 para si
mesmo e para inspirar os outros:


Gerar bons sentimentos nos outros
Dedicar atenção às pessoas
• Identificar insatisfações e procurar corrigi-las
• Identificar expectativas das pessoas
• Leitura emocional do outro
• Vontade de servir e ajudar
• Simpatia
• Positividade
• Adequar-se “padrão vibratório” do outro
• Valorizar as pessoas
• Abordagem de coaching

E, em estado superior:
Liberdade para si mesmo e para o outro

tipo Prováveis talentos do Tipo 3 para si


mesmo e para inspirar os outros:
• Fazer acontecer
• Foco no negócio e em resultados
• Agilidade e ir adiante, seguir em frente
• Persistência e força de vontade
• Preocupação com a imagem de pessoas,
produtos e marcas
• Vendas, marketing e negociação
• Envolvimento, comprometimento e dedicação
• Faro para o sucesso
• Maximização da produtividade
• Vestir a camisa

E, em estado superior:
Esperança (tudo dará certo)

26 © D. Daniels, M. D. & H. Palmer®. Material de Ensino Licenciado para Graduados do Enneagram Professional Trainning Program (EPTP). Janeiro de 2003.
Direitos de uso para Urânio Paes - professor associado e certificado por Helen Palmer e David Daniels.
tipo

4 Prováveis talentos do Tipo 4 para si


mesmo e para inspirar os outros:
• Inovação
• Criatividade
• Não se contentar nunca
• Autenticidade
• Identificação de falhas a serem superadas
• Senso estético refinado
• Busca de melhorias de si mesmo
• Criação de diferenciais para pessoas, equipe,
produtos e empresas (condição de ser único)
• Compreensivo e humano
• Expressivo

E, em estado superior:
Equanimidade

Prováveis talentos do Tipo 5 para si


tipo mesmo e para inspirar os outros:
• Análise objetiva
• Visão clara das coisas e de soluções para os
problemas
• Calma durante crises
• Foco em aprendizado contínuo
• Curiosidade
• Pesquisa e busca de informação
• Dar espaço para os outros (não invasivo)
• Gerar credibilidade
• Planejamento
• Estratégia

E, em estado superior:
Não-apego

© D. Daniels, M. D. & H. Palmer®. Material de Ensino Licenciado para Graduados do Enneagram Professional Trainning Program (EPTP). Janeiro de 2003.
Direitos de uso para Urânio Paes - professor associado e certificado por Helen Palmer e David Daniels. 27
tipo

6 Prováveis talentos do Tipo 6 para si


mesmo e para inspirar os outros:


Identificar riscos
Cautela e prudência
• Busca de informações
• Descobrir intenções ocultas e ameaças potenciais
• Responsabilidade
• Coesão do grupo
• Fidelidade
• Confiável
• Planejamento
• Atento

E, em estado superior:
Aceitação de si mesmo e do outro

7
tipo Prováveis talentos do Tipo 7 para si
mesmo e para inspirar os outros:


Positividade
Bom humor
• Capacidade de descontrair o clima de trabalho
• Charme e encantamento
• Persuasão
• Identificar alternativas positiva
• Inovação
• Síntese
• Networking
• União de pessoas, áreas e teorias diferentes
• Fazer várias coisas ao mesmo tempo

E, em estado superior:
Sobriedade

28 © D. Daniels, M. D. & H. Palmer®. Material de Ensino Licenciado para Graduados do Enneagram Professional Trainning Program (EPTP). Janeiro de 2003.
Direitos de uso para Urânio Paes - professor associado e certificado por Helen Palmer e David Daniels.
tipo

8 Prováveis talentos do Tipo 8 para si


mesmo e para inspirar os outros:


Identificar injustiças
Autenticidade e verdade
• Defender os mais fracos
• Ser assertivo
• Ter coragem para enfrentar adversidades
• Não esmorecer nunca
• Comandar
• Implementar, sem delongas
• Follow-up e cobrança de resultados
• Vai direto ao ponto
• Transformar

E, em estado superior:
Verdade

9
tipo
Prováveis talentos do Tipo 9 para si
mesmo e para inspirar os outros:


Harmonização
Acalmar o outro
• Coesão do grupo
• Fazer todos se sentirem incluídos
• Paciência e calma
• Atenção e ajuda ao outro
• Identificar o que o outro pensa e sente
• Regularidade
• Solucionar conflitos
• Adaptabilidade
• Assumir trabalhos pesados e rotineiros

E, em estado superior:
A ação certa

© D. Daniels, M. D. & H. Palmer®. Material de Ensino Licenciado para Graduados do Enneagram Professional Trainning Program (EPTP). Janeiro de 2003.
Direitos de uso para Urânio Paes - professor associado e certificado por Helen Palmer e David Daniels. 29
ATIVIDADE Plano de ação
Como o desenvolvimento
acontece

Consciência
“Eu não sou perfeito.” 50%
O que eu preciso mudar?

Desenvolvimento
da habilidade
“Quero ajuda.”
25% Motivação
“Eu me preocupo
com isto.”
25%
Eu me preocupo com isto o
Quais habilidades? suficiente para esforçar-me?

Por que?

Plano de desenvolvimento
Como posso aprender esta habilidade?
1.
2.
Como saberei se tive sucesso no desenvolvim-
ento desta habilidade?

Data limite para desenvolver


esta habilidade:

Limites intermediários Datas

Qual será meu primeiro passo e quando ele


acontecerá?

30 © 2005 Bogda & Associates, adapted from Mercer-Delta, com licenciamento no Brasil para up9 Desenvolvimento Humano.
ATIVIDADE

Inventário de Descoberta
do Eneagrama de Stanford
Stanford Enneagram Discovery Inventory
Reproduzido com permissão de David Daniels a Urânio Paes

Autor:
David N. Daniels, M.D. & Virginia A . Price, Ph.D.

Fonte:
Daniels, David & Price, Virginia The Essential Enneagram. New York: HarperCollins, 2000

1) UMA AUTO-AVALIAÇÃO
Este inventário descreve nove diferentes tipos de personalidade.
Nenhum desses tipos de personalidade é melhor ou pior do que
qualquer outro.
Os parágrafos a seguir pretendem ser uma simples amostra de
cada um dos nove tipos. Nenhum dos parágrafos pretende ser uma
descrição completa da personalidade de um indivíduo.

2) INSTRUÇÕES
Leia as descrições de personalidade das próximas páginas e sele-
cione aquela que lhe cai melhor.
Apesar de alguns desses parágrafos poderem descrevê-lo até certo
ponto, selecione aquele que mais se assemelha com você.

Se tiver dúvida, assinale também uma segunda e terceira opção.

Ao fazer sua seleção, considere cada parágrafo como um todo,


ao invés de considerar cada frase fora do contexto. Pergunte a si
mesmo: “Este parágrafo, como um todo,
cai-me melhor do que qualquer outro parágrafo?”.

3) SUGESTÃO
Se você achar difícil escolher um parágrafo, pense em qual de-
scrição uma pessoa íntima selecionaria para descrevê-lo. Uma vez
que os padrões de personalidade são geralmente mais evidentes
no início da idade adulta, você pode também perguntar a si mesmo
qual desses padrões melhor lhe descrevia quando você tinha vinte
anos.

© D. Daniels, M. D. & H. Palmer®. Material de Ensino Licenciado para Graduados do Enneagram Professional Trainning Program (EPTP). Janeiro de 2003.
Direitos de uso para Urânio Paes - professor associado e certificado por Helen Palmer e David Daniels. 31
A C
Eu me caracterizaria como uma pessoa quieta e Encaro as coisas de uma maneira “tudo ou nada”,
analítica que precisa de mais tempo sozinha do especialmente as que me interessam. Valorizo
que a maioria das pessoas precisa. muitíssimo ser forte, honesto e confiável.

Normalmente, prefiro observar o que está Mostro aquilo que sou. Não confio nos outros até
acontecendo a estar envolvido. Não gosto que que provem ser confiáveis.
as pessoas me façam muitas exigências ou que
esperem que eu saiba e relate o que estou Gosto que as pessoas sejam abertas comigo, e
sentindo. sei quando elas estão sendo falsas, mentindo ou
tentando me manipular.
Eu me aproximo mais dos meus sentimentos
quando estou só do que quando estou com Tenho dificuldade em tolerar a fraqueza das
outras pessoas. Freqüentemente, aprecio melhor pessoas, a menos que entenda a razão disto ou
as experiências que tive recordando e repassando veja que elas estão tentando fazer algo a respeito.
cada detalhe delas do que quando as vivenciei. Também tenho dificuldade em seguir ordens ou
rumos quando não respeito ou não concordo com
Quase nunca me aborreço quando estou só, uma a pessoa que detém a autoridade.
vez que tenho uma vida mental muito ativa e não
sinto muita necessidade de estar interagindo com Sou muito melhor tomando conta. Acho difícil
outras pessoas. não demonstrar meus sentimentos quando estou
zangado. Estou sempre pronto a socorrer amigos
É importante para mim proteger meu tempo, ou familiares, especialmente quando penso que
energia e espaço privado e, em conseqüência, estão sendo tratados injustamente.
viver uma vida simples e descomplicada e ser tão
auto-suficiente quanto possível. Posso não vencer cada um dos confrontos com os
outros, mas deixarei minhas marcas no campo de
batalha.

B
Tenho altos padrões internos de retidão, e espero D
viver segundo esses padrões.
Pareço apto a ver todos os pontos de vista com
Para mim, é fácil ver o que está errado com as muita facilidade.
coisas e também ver como elas poderiam ser
melhoradas. Posso parecer, às vezes, indeciso, uma vez que
Posso parecer a algumas pessoas extremamente consigo ver vantagens e desvantagens em todos
crítico ou exigindo perfeição, mas é difícil para os aspectos.
mim ignorar ou aceitar coisas que não foram A habilidade em ver todos os aspectos me
feitas de modo correto. torna bom em ajudar as pessoas a resolver suas
diferenças.
Orgulho-me do fato de que, se sou o responsável
por fazer algo, você pode estar certo de que o A mesma habilidade pode às vezes me levar a ser
farei bem. mais atento às posições, agendas e prioridades
das outras pessoas do que às minhas próprias.
Às vezes, tenho sentimentos de raiva
quando alguém não tenta fazer as coisas Não é incomum que eu me torne distraído e em
apropriadamente, ou quando age irresponsável ou seguida desligue-me de coisas importantes que
injustamente, embora, normalmente, eu tente não estou tentando fazer.
demonstrar essa raiva abertamente.
Quando isso acontece, minha atenção é
Para mim, o trabalho vem antes do prazer e freqüentemente desviada para tarefas triviais, sem
suprimo meus desejos para ver o trabalho
concluído.

32 © D. Daniels, M. D. & H. Palmer®. Material de Ensino Licenciado para Graduados do Enneagram Professional Trainning Program (EPTP). Janeiro de 2003.
Direitos de uso para Urânio Paes - professor associado e certificado por Helen Palmer e David Daniels.
importância. Tenho dificuldade em saber o que Minha imaginação também me leva à ingenuidade
realmente é importante para mim e evito conflito, e ao meu bom, embora um pouco desafinado,
seguindo o que os outros querem. senso de humor. Gostaria que a vida tivesse mais
certeza, porém, de modo geral, pareço duvidar
As pessoas tendem a me considerar das pessoas e das coisas à minha volta.
despreocupado, agradável e indulgente. É preciso
muita coisa para me levar ao ponto de mostrar Posso normalmente perceber as deficiências na
minha raiva diretamente a alguém. Gosto da vida idéia que alguém está expressando. Suponho que,
confortável, harmoniosa e agradável. como conseqüência, algumas pessoas podem me
considerar muito astuto. Tenho a tendência de
suspeitar da autoridade e não fico particularmente
confortável sendo visto como a pessoa que detém
E todo o comando.

Sou uma pessoa otimista que gosta de propor Uma vez que posso ver o que está errado com a
coisas novas e interessantes para realizar. visão corrente das coisas, inclino-me a identificar-
me com a causa dos desfavorecidos.
Tenho uma mente muita ativa que se move
rapidamente e oscila entre diferentes idéias. Tão logo tenha aderido a uma pessoa ou causa,
Gosto de fazer uma imagem global de como sou muito leal a ela.
essas idéias se encaixam e fico entusiasmado
quando consigo conectar conceitos que
inicialmente não pareciam ter relação.
G
Gosto de trabalhar em coisas que me interessam
e tenho muita energia para dedicar a elas. Ser o melhor no que faço é uma forte motivação
Tenho dificuldade em me fixar em tarefas não para mim e tenho recebido muito reconhecimento,
gratificantes e repetitivas. ao longo dos anos, pelas minhas realizações.
Gosto de estar engajado no início de um projeto
e durante a fase de planejamento, quando há Tenho realizado muito e sou bem sucedido em
muitas opções interessantes a considerar. quase tudo a que me proponho.

Quando o meu interesse em algo se extingue, é Identifico-me fortemente com o que eu faço,
difícil para mim permanecer focado, porque quero porque penso que, em larga escala, o valor de
mover-me para a próxima coisa que captura o uma pessoa é baseado no que ela realiza e no
meu interesse. Se alguma coisa me desagrada, reconhecimento que ela obtém.
prefiro desviar minha atenção para idéias mais
agradáveis. Sempre tenho mais a fazer do que cabe no tempo
disponível, de modo que coloco de lado os
Acredito que as pessoas têm direito a uma vida sentimentos e a reflexão, a fim de fazer as coisas.
agradável. Uma vez que há sempre algo a fazer, acho difícil
simplesmente sentar e deixar o tempo passar.

Fico impaciente com pessoas que não usam


F bem o meu tempo. Algumas vezes preferiria
simplesmente assumir um projeto que alguém
Tenho uma imaginação vívida, especialmente está conduzindo muito lentamente.
quando se trata daquilo que pode ser ameaçador
à segurança e às garantias. Normalmente, Gosto de me sentir e parecer “por cima” de
posso apontar o que pode vir a ser perigoso ou qualquer situação.
ameaçador e então experimentar medo como
se isto estivesse realmente acontecendo. Tanto Embora goste de competir, sou também um bom
evito o perigo quanto o desafio abertamente. elemento de equipe.

© D. Daniels, M. D. & H. Palmer®. Material de Ensino Licenciado para Graduados do Enneagram Professional Trainning Program (EPTP). Janeiro de 2003.
Direitos de uso para Urânio Paes - professor associado e certificado por Helen Palmer e David Daniels. 33
H I
Sou uma pessoa com muita sensibilidade e com Sou muito sensível aos sentimentos das outras
sentimentos intensos. Freqüentemente, sinto- pessoas. Posso saber o que elas precisam,
me incompreendido e solitário, porque me sinto mesmo quando não as conheço.
diferente de todos.
Algumas vezes é frustrante quando me dou
Meu comportamento pode parecer dramático conta das necessidades das pessoas – de
aos outros, e, algumas vezes, sou criticado por modo especial suas dores e infelicidade, porque
ser extremamente sensível e por amplificar meus não estou apto a fazer por elas tanto quanto
sentimentos. gostaria. É fácil para mim o ato de me entregar.

O que realmente ocorre por dentro é o meu Fico sentido quando as pessoas pensam que
anseio tanto por uma conexão emocional quanto estou tentando manipulá-las ou controlá-las.
por uma experiência de relacionamento profundo. Tudo o que eu tento fazer é compreendê-las e
ajudá-las.
Tenho dificuldade em apreciar totalmente os
relacionamentos atuais por causa da minha Gosto de ser visto como uma pessoa amistosa
tendência em querer o que não posso ter e em e boa, mas quando não estou sendo levado
desdenhar o que realmente tenho. em conta ou apreciado posso tornar-me muito
emotivo ou mesmo exigente.
A procura de conexão emocional esteve presente
por toda minha vida e a ausência dessa conexão Bons relacionamentos significam muito para
me tem levado à melancolia e à depressão. mim, e estou sempre me esforçando para
conseguí-los.
Algumas vezes, penso por que outras pessoas
parecem ter mais do que eu – melhores
relacionamentos e vidas mais felizes. Tenho um
refinado senso estético e experimento um mundo
rico em emoções e significado.

34 © D. Daniels, M. D. & H. Palmer®. Material de Ensino Licenciado para Graduados do Enneagram Professional Trainning Program (EPTP). Janeiro de 2003.
Direitos de uso para Urânio Paes - professor associado e certificado por Helen Palmer e David Daniels.
Conclusões do SEDI
No Inventário de Descoberta do Eneagrama Stanford (SEDI):

A = Tipo 5 D = Tipo 9 G = Tipo 3


B = Tipo 1 E = Tipo 7 H = Tipo 4
C = Tipo 8 F = Tipo 6 I = Tipo 2

Baseado em um estudo realizado com 1.000 indivíduos em


Stanford (CA-EUA), a probabilidade de você ter acertado o
seu tipo por meio do questionário é de:

Tipo 1: 66% Tipo 4: 61% Tipo 7: 52%


Tipo 2: 65% Tipo 5: 65% Tipo 8: 37%
Tipo 3: 54% Tipo 6: 66% Tipo 9: 68%

© D. Daniels, M. D. & H. Palmer®. Material de Ensino Licenciado para Graduados do Enneagram Professional Trainning Program (EPTP). Janeiro de 2003.
Direitos de uso para Urânio Paes - professor associado e certificado por Helen Palmer e David Daniels. 35
ARTIGO

Competências
e mesmices
(artigo publicado recentemente no site Canal RH
por Urânio Paes – diretor da up9.)

Quinta-feira, 27 de abril de 2006.

A gestão por competências tem se espalhado pelas empresas


com grande velocidade. Alguns a consideram o que há de
mais moderno em gestão de pessoas. Outros alardeiam-na
como o último passo evolutivo das organizações, depois
das eras da qualidade e dos processos. Mas parece que, em
que pesem suas contribuições positivas à modernização das
empresas, a gestão por competências tem provocado algumas
distorções indesejáveis, às quais os profissionais de RH e
demais gestores preocupados com o fator humano deveriam
estar atentos.

Este artigo trata de uma distorção comum e pouco comentada


da gestão por competências: a concentração exagerada de
determinados perfis de pessoas nos quadros da empresa e
a eliminação das diferenças, criando um ambiente de “mes-
mice”.

Antes de tratarmos dessa distorção, vale a pena usar alguma


conceituação e reconhecer avanços propiciados pela ferramen-
ta. Competências são conhecimentos, habilidades e atitudes
mobilizados para a geração de resultados. Em outras palavras,
indivíduos competentes não são aqueles que simplesmente
sabem executar tarefas, mas aqueles que agregam valor ao
negócio e fazem entregas permanentes. Entende-se que com-
petências sejam, ao mesmo tempo, mensuráveis e passíveis
de serem desenvolvidas por meio de treinamento.

Alguns autores dividem as competências entre técnicas e


comportamentais. Outros as dividem em três tipos: as especí-
ficas, ou seja, atreladas a alguns cargos apenas; as gerenciais,
desejadas para gestores; e as gerais ou corporativas, ne-
cessárias a todas as pessoas e equipes da empresa. É senso
comum que as competências gerais ou corporativas são ne-
cessárias, especialmente agora que existe grande mobilidade
dos indivíduos nas organizações e os cargos deixaram de ser
tão importantes quanto foram antigamente.

36
Assim, as empresas normalmente definem uma lista com algumas poucas
competências corporativas, que podem ser, por exemplo: influência, negocia-
ção, flexibilidade, pensamento estratégico, visão do negócio, foco em resul-
tados, trabalho em equipe, orientação para o cliente, qualidade, inovação,
criatividade e capacidade de lidar com mudanças.

Para implementar a gestão por competências, os passos básicos são, nesta


ordem:

(1) Definir as competências gerais e específicas desejadas pela organização;

(2) Mapear o estado das competências no quadro atual de pessoas (identifi-


cando “gaps”);

(3) Por fim, implementar a gestão por competências nas diferentes funções de
Recursos Humanos, tais como treinamento e desenvolvimento, recrutamento e
seleção, avaliação de desempenho e remuneração.

Uma entrevista de seleção baseada no modelo de competências, por exemplo,


tem as seguintes características específicas: ênfase no teste das competências
pré-definidas, personalização da entrevista conforme o cargo, investigação do
comportamento real do candidato e formulação de perguntas considerando o
contexto, a ação e os resultados em situações vivenciadas no passado (exem-
plo: “cite idéias ou sugestões produtivas que você teve em sua área de atu-
ação”; ou “fale-me sobre uma meta ousada que você estabeleceu e conseguiu
alcançar”; ou ainda “conte-me sobre um projeto que você estabeleceu e que
não foi bem aceito pela equipe”).

De fato, a gestão por competências está sintonizada com algumas impor-


tantes tendências atuais, como do reforço no foco em resultados e na agrega-
ção de valor dos indivíduos para a empresa, além da modernização do RH
das empresas, ensinando-o a trabalhar com mensurações e conectando-o um
pouco mais à estratégia do negócio.
Algumas áreas de RH têm, efetivamente, passado por transformações e influ-
enciado mais e melhor as empresas com o auxílio da gestão por competên-
cias. Parece claro, portanto, que ela representa um avanço.

37
Entretanto, como muitas teorias que, de tão populares, viram modismos
e panacéias, a gestão por competências tem sido implementada com
distorções impressionantes. Uma delas é a criação de um exército de
profissionais muito parecidos entre si. O motivo é simples: se todos
os funcionários da empresa precisam ter ênfase em algumas poucas
competências corporativas, a concentração de pessoas de um mesmo
perfil torna-se inevitável e é apenas uma questão de tempo. Imple-
mentando a gestão por competências com pouco questionamento,
algumas empresas têm simplesmente aniquilado as diferenças entre as
pessoas, tratando de excluir determinados perfis dos processos seleti-
vos ou então de doutriná-los por meio de treinamento ou avaliação de
desempenho.

Nove tipos

Na prática, isso tem levado ao que os americanos chamam de “more of


the same”.

Um instrumento certeiro para evitar esse “mais do mesmo” é o Enea-


grama, um sistema diferenciado e poderoso de autoconhecimento e de
desenvolvimento humano.
O Eneagrama descreve nove diferentes tipos humanos e os caminhos
para cada um deles desenvolver-se e recuperar consciência. Treinamen-
tos recentes de Eneagrama, feitos com grupos de executivos da filial
brasileira de uma multinacional, deixaram evidente essa distorção.
A empresa havia implementado a gestão por competências e havia
definido suas competências gerenciais conforme exigia seu mercado
altamente dinâmico: empreendedorismo, adaptação a mudanças, ca-
pacidade decisória, foco em resultados e liderança positiva e assertiva
(termos alterados para evitar a identificação do cliente).

Ficou claro que 80% dos gestores pertenciam aos Tipos 3, 7 ou 8


do Eneagrama, pois eles eram eminentemente práticos, positivos e
dinâmicos, além de possuírem outras qualidades endeusadas naquele
ambiente. O 3, por exemplo, é naturalmente focado em resultados. O 7
é mestre em promover e adaptar-se a mudanças. Já o 8 é um líder que
não titubeia ao tomar decisões.

38
As competências mais importantes do negócio realmente estavam bem
encaminhadas. Mas, naquele momento, a empresa estava sofrendo
alguns efeitos colaterais: inúmeros problemas de processo, gestão
deficiente dos riscos, análise insuficiente antes das decisões, ambiente
quase nada voltado aos relacionamentos humanos, baixo poder de
mediação, etc. Apesar de não serem competências centrais do negó-
cio, esses pontos tornaram-se causa de grandes perdas financeiras e
insatisfação de funcionários e clientes.

Seria muito diferente se o grupo de gestores contasse com mais


pessoas dos Tipos 1, voltadas à eliminação dos erros e à melhoria
contínua dos processos, 2, fortes em relacionamentos, 4, atento ao
que está faltando e ainda não está bom, 5, com seu conhecido poder
de análise, 6, mestre na gestão dos riscos e 9, mediador por natureza.

Em um dos grupos treinados dessa empresa, foi marcante a expressão


de terror de uma sobrevivente do Tipo 1. A pobre gestora percebia os
problemas, sabia o que fazer para corrigi-los, mas sentia-se absoluta-
mente incapaz, por remar sempre contra a maré.

É inquestionável a validade do modelo de gestão por competências. O


único problema é a forma desavisada como, em alguns casos, ele vem
sendo aplicado.

Diversas abordagens podem ser usadas para manter os benefícios


dessa ferramenta e, ao mesmo tempo, minimizar suas armadilhas.
Entretanto, antes disso é importante resgatar o respeito por algumas
leis simples e antigas. Por exemplo, aquela que diz que a diversidade
de pessoas é fundamental. “Ninguém é perfeito, mas uma equipe de
trabalho pode chegar quase à perfeição se unir pessoas de estilos
diferentes” – dizia um antigo e competentíssimo profissional da área
de RH. Ou, apelando para um gênio da dramaturgia, lembremos a
frase célebre de Nelson Rodrigues: “toda unanimidade é burra”.

Urânio Paes, consultor de empresas, diretor da


up9 Desenvolvimento Humano, é especialista em Eneagrama.

39
Bibliografia
selecionada
em português Alipio, P, Os Segredos das Pessoas (Gente, São Paulo, 1997)

Chabreuil, P. - Fabien, A Empresa e seus Colaboradores (do


Paulo, Madras, 1999)

Daniels, D.- V. PRICE, A Essência do Eneagrama (São Paulo,


Pensamento, 2003)

Maitri S., A Dimensão Espiritual do Eneagrama (São Paulo,


Cultrix, 2000)

Mariz De L. Nelson, O Elefante no Escuro (São Paulo, Pleiade,


2000)
Melendo, M., O Eneagrama (São Paulo, Loyola, 2001)

Naranjo, C., Os Nove Tipos de Personalidade (Rio de Janeiro,


Objetiva, 1997)

Naranjo C., O Eneagrama da Sociedade (São Paulo, Esfera,


2004)

Neves, Santos J., O Eneagrama e o Empresário (Rio de Janeiro,


Expressao e Cultura, 2000)

Palmer, Helen, O Eneagrama (São Paulo, Ed. Paulinas, 1993)

Palmer, Helen, O Eneagrama de Bolso (São Paulo, Ed. Paulinas,


1999)

Palmer, Helen, O Eneagrama no Amor e no Trabalho (São Paulo,


Ed. Paulinas, 1999)

Paterham, C., Eneagrama: um Caminho para seu Sucesso Indi-


vidual e Profissional (Rio de Janeiro, Madras, 2002)

Riso, R. - H. Hudson, A Sabedoria do Eneagrama (São Paulo,


Cultrix, 1999)

Rohr, R.- A. Ebert, O Eneagrama: as Nove Faces da Alma (São


Paulo, Vozes, 2000)

Wagele, E.- R. Baron, Eneagrama para os Pais (São Paulo,


Madras, 1999)

Wagele, E.- R. Baron, Eneagrama, um Guia Prático (Rio de


Janeiro, Ediouro, 1996)

Webb, K., Eneagrama (Série Fundamentos de) (São Paulo,


Avatar, 1998)

40
Bibliografia
selecionada
em inglês Almaas, A. H., Facets of Unity (Berkeley, Diamond Books, 1998)

Aspell, Patrick J. & Aspell, Dee Dee, The Enneagram Personality


Portraits (San Francisco, Jossey-Bass Pfeiffer, 1997)

Bartlett, Carolyn, The Enneagram Field Guide – Notes on Using


the Enneagram in Counselling, Therapy and Personal Growth
(Portland, The Enneagram Consortium, 2003)

Bast, Mary & Thomson, Clarence, Out Of The Box: Coaching


With The Enneagram (Portland, Stellar Attractions, 2003)

Brady, Loretta, Finding Yourself On The Enneagram (Allen,


Thomas More, 1997)

Burke, David & Burow, Peter, Transforming Organizations – Creat-


ing Performance-Based Culture (Sydney, Burow & Burke, 2002)

Condon,T., Enneagram Movie&Video Guide (Portland, Metamor-


phous Press, 1999)

David, Oscar, The Enneagram For Managers (Lincoln: Writers


Club Press, 2001)

Forster, Susan & O´Hanrahan, Peter, Transformational Leader-


ship (Oakland, Enneagram Work, 1995)

Goldberg, M.J., The 9 Ways of Working (New York, Marlowe,


1999)

Keesan, Barry, The Enneagram of Leadership (Rochester,


Worksmart, 2002)

Keyes, Margaret F, Emotions and the Enneagram (Muir Beach,


Molysdatur, 1992)

Lapid-Bogda, Ginger, Bringing Out The Best in Yourself At Work


– How to use the Enneagram System for Success (New York,
McGrawHill, 2004)

Levine, Janet, Know Your Parenting Personality – How To Use


The Enneagram To Become The Best Parent You Can Be (Hobo-
ken, Wiley, 2003)

Linden, Anné & Spalding, Murray, The Enneagram and NLP – A


Journey of Evolution (Portland, Metamorphous Press, 1994)

Nathans, Hannah, The Enneagram At Work – Towards Personal


Mastery and Social Intelligence (Schiedam, Scriptum, 2003)

Palmer, Helen, The Enneagram Advantage (New York, River


Press, 1997)

Riso, Don Richard, Enneagram Transformations (New York,


Houghton Mifflin, 1993)

Sheppard, Lynette, The Everyday Enneagram (Petaluma, Nine


Points Press, 2000)

41
Thomson, Clarence & Condon, Thomas (editors), Enneagram
Applications – Personality Styles in Business, Therapy, Medi-
cine, Spirituality and Daily Life (Portland, Metamorphous Press,
2001)

Wagner, Jerome, The Enneagram Spectrum of Personality Styles


(Portland, Metamorphous Press, 1996)

Wyman, Pat, Three Keys to Self-Understanding – An Innovative


and Effective Combination of the Myers-Briggs Type Indicator
Assessment Tool, the Enneagram and Inner-Child Healing
(Gainesville, Center for Applications of Psychological Type,
2001)

Para uma bibliografia completa em várias línguas,


consulte o site do International Enneagram Association:
www.internationalenneagram.org

Indicação de
websites sobre
Eneagrama up9 Desenvolvimento Humano: www.up9.com.br

Helen Palmer & David Daniels Trifold School of Enneagram


Studies: www.authenticenneagram.com

Association of Enneagram Teachers in the Narrative Tradition:


www.enneagramteachers.org

Enneagram Monthly webpage: http://ideodynamic.com/ennea-


gram-monthly

Ginger Lapid-Bogda: www.theenneagraminbusiness.com

Helen Palmer e David Daniels: www.authenticenneagram.com

42
Av. Dr. Cardoso de Melo, 1.491
Vila Olímpia - São Paulo - SP

(11) 3704-4377
www.labssj.com.br

© Material utilizado em programas de desenvolvimento do LAB SSJ.


Curso de “Eneagrama”

Você também pode gostar