Você está na página 1de 2

Cena 1

A raposa Dora e a cegonha Lila (Tito) viviam em uma linda floresta e eram muito amigas. Todos os dias,
elas se encontravam no fim da tarde para conversar, contar as novidades e falar sobre as suas
qualidades.

R- Oi Lila (Tito)!!! Amiga (o) você não vai acreditar! Eu tirei uma foto no Instagram ontem e já tive mais de
1000 curtidas! Aí como eu sou famosa e bonita! – disse Dora a raposa

C- Que legal, Dora! Hoje eu passei o dia pegando gravetos para ajudar meus amigos esquilos a
construírem uma nova casinha para eles. Inclusive, eu preciso ir agora pois eles ainda precisam de ajuda
para fazer alguns ajustes. – falou a (o) cegonha Lila (Tito).

(os dois se despedem e cada um sai pra um lado)

Durante um desses encontros, Dora se mostrou muito simpática e fez um convite especial a Lila:

R-Amiga (o), tudo bem? Eu quero te mostrar os aplicativos que eu baixei no meu celular de última
geração e a minha linda casa. Gostaria de te convidar pra ir almoçar lá em casa amanhã. O que me diz?

C- Quanta gentileza, Dora! É claro que eu aceito, será uma honra para mim poder almoçar com você em
sua linda casa. – respondeu a (o) cegonha

R -Então esteja lá amanhã ao meio dia. Vou preparar um prato maravilhoso pra você- disse Dora

Cena 2
No dia seguinte, Lila (Tito) se arrumou com muito gosto para o almoço especial e foi para a casa de Dora.
Assim que a (o) cegonha chegou, a raposa o convidou para entrar e conhecer sua casa e mostrar seu
celular da ultima geração.

C –Nossa?! Sua casa é realmente muito bonita e arrumada, Dora. Parabéns – disse Lila(Tito)

R – Você acha mesmo? E olha meu celular de ultima geração, ele tira foto super bem e tem vááários
aplicativos.

Dora fez questão de mostrar toda a casa pra a Lila (Tito), apresentando cada cômodo e tirando fotos por
onde passavam. Depois de ter feito todas as apresentações, e mostrado seus aplicativos, convidou a (o)
cegonha para se sentar a mesa. Mas, para a surpresa de Lila (Tito), Dora havia preparado um prato
quase impossível para uma cegonha comer com seu bico tão fino: sopa. Lila (Tito) ficou muito sem graça
e sem reação também.

A (o) cegonha ficou triste, pois além de estar com muita fome, ela (ele) tinha certeza de que a raposa
Dora sabia da sua dificuldade para tomar sopa com aquele bico fino e ficou pensando que a amiga havia
feito aquilo de propósito.

Porém, para não fazer desfeita, Lila(Tito) tentou, com grande sacrifício, tomar a sopa. Mesmo assim ela
(ele) só conseguiu molhar um pouco do bico. Enquanto isso, Dora saboreava o prato como se nada
estivesse acontecendo.

Após o almoço a raposa Dora acompanhou a (o) cegonha até a porta e provocou:

R –Nossa, parece que você não gostou muito da minha comida, afinal, deixou quase tudo no prato.

C – Imagina! Estava uma delicia. Quero até aproveitar e convida-la para jantar em minha casa amanhã.
Preciso retribuir a sua gentileza –disse Lila(Tito)

A raposa, muito interesseira, não pensou duas vezes e disse:

R – Claro que eu aceito seu convite! Até amanhã.


Cena 3
No dia seguinte, Dora se arrumou muito animada pensando no banquete que encontraria na casa da
cegonha. No caminho da casa de Lila(Tito) Dora já podia até sentir o cheiro da comida pois estava
faminta.

Assim que Dora chegou, logo Lila(Tito) a recebeu. ( se cumprimentam) e o jantar foi servido.

A (o) cegonha havia preparado um prato no qual era especialista: peixe ao molho. Quando a raposa viu
que a comida estava em jarros compridos e com boca estreita, ela se desesperou.

CONGELA (COMO PODERIA SER O FIM DESSA HISTORIA, CRIANÇAS?)

Dora tentou de todas as formas chegar com seu focinho até o fundo do jarro, mas só conseguiu sentir o
cheiro da comida. Logo, Lila(Tito) pegou um prato que havia pedido emprestado do Joao tartaruga
especialmente para a raposa Dora. Dora ficou reparando como Lila(Tito) se alimentava e percebeu como
tinha sido egoísta no dia anterior:

R - Lila(Tito), me perdoa. Eu fui muito egoísta quando te convidei para almoçar lá em casa. Eu só queria
me exibir e nem me importei com você. E olha só você, pediu um prato emprestado especialmente para
mim.

C – Tudo bem, Dora, eu te perdoo. Quando eu era criança eu aprendi o seguinte “ nunca faça aos outros
aquilo que você não deseja que façam com você.

Terminaram o jantar satisfeitas e se despediram.

Dora foi pra casa pensando em como naquele dia ela aprendeu como ser uma amiga melhor e que
devemos tratar as pessoas como gostaríamos de ser tratados.

FIM