Você está na página 1de 4

Noções De Cronologia Bíblica

A cronologia Bíblica é quase toda incerta, aliás, toda a cronologia antiga. As datas eram
contadas tomando-se por base eventos importantes da época, e isso dentro de cada povo.
Não havia, é óbvio, uma base geral para cômputo do tempo.

Quanto à Bíblia, seus escritores não tinham preocupação com datas. Apenas registravam
os fatos. As datas, quando mencionadas, tinham por base eventos particulares, como
construção de cidades, coroação de reis, etc.

As descobertas arqueológicas e o estudo mourejante de dedicados eruditos no assunto,


vêm melhorando e precisando a cronologia em geral, inclusive a bíblica.

As datas que aparecem às margens de certas edições da Bíblia não pertencem ao texto
original. Foram calculadas em 1650 pelo arcebispo anglicano Ussher (1580-1656.) É
conhecida por Cronologia Aceita. A cronologia de Ussher vem enfrentando severa
crítica. Há divergências quanto a muitas de suas datas, isso em face do progresso do
estudo de assuntos orientais, através de contínuas pesquisas e descobertas
arqueológicas. Quanto à Bíblia não se ocupar de um exato sistema de cronologia,
lembremo-nos que ela é acima de tudo a revelação de Deus à humanidade, expondo o
completo plano da redenção.

A. A utilidade da cronologia bíblica. Ela fornece pontos de referência na progressão


da mensagem e fatos da Bíblia, situando-os no tempo.

B. Dificuldades no estudo da cronologia bíblica. Uma das dificuldades no estudo da


cronologia bíblica está no próprio texto bíblico. Há, especialmente na época dos Juizes,
do reino dividido, e dos profetas, muitos períodos coincidentes em parte, reinados
associados, intervalos de anarquia, arredondamento de números, etc. Para a busca da
solução dessas dificuldades é mister um profundo exame dos textos envolvidos.

C. A era antes de Cristo (a Era AC.). A contagem do tempo que vai de Adão a Cristo
é feita no sentido regressivo, isto é, o cômputo parte de Cristo para Adão, e não ao
contrário. Noutras palavras, partindo de Adão para Cristo, os anos diminuem até
chegarmos a 1 A.C. Portanto, de Cristo para Adão (o normal), os anos aumentam até
chegarmos ao ano 4004 AC, tido como o da Criação adâmíca. É que Jesus é o centro de
tudo. E também o marco divisório e central do tempo. Ver Hb 11.3, no gr.

D. O erro existente em nosso calendário atual. O uso do calendário é tão antigo


quanto a própria humanidade. Os primeiros povos a usar calendário foram os antigos
egípcios. Há calendários diversos, O leitor moderno que só tenha noções do nosso
calendário precisa aperceber-se disso ao estudar assuntos antigos. Nestas nossas
concisas e incompletas notas, reportamo-nos unicamente ao calendário cristão, do qual,
o calendário atual é uma continuação.

Em 526 AD, o imperador romano do Oriente, Justiniano i, decidiu organizar um


calendário original, entregando essa tarefa ao abade Dionísio Exiguus, o qual em seus
cálculos cometeu um erro, fixando o ano 1 AD (o do nascimento de Cristo) com um
atraso de 5 anos. Em seus cálculos ele tomou o calendário romano (o chamado "AUC")
e fixou o ano 1 AD (o início da Era Cristã), como sendo 753 AUC, quando na realidade
era o 749. Daí dizer-se que Jesus nasceu 5 anos antes da Era Cristã. O que é um absurdo
se não for dada uma explicação. Nossos livros e tratados apenas declaram o fato do
engano do abade, mas não o explicam. Portanto, as datas atuais estão atrasadas 5 anos.
Estritamente falando, são quase cinco anos. Trata-se de arredondamento.

Nota 1. O calendário atual chama-se Gregoriano, porque em 1582 o papa Gregório XIII
alterou o calendário de Dionísio, subtraindo-lhe dez dias, a fim de corrigir a diferença
advinda do acúmulo de minutos a partir de 46 AC, quando Júlio César reformou o
calendário então existente.

Nota 2. A palavra calendário vem do latim "calenda" = 1º dia de cada mês entre os
romanos.

E. As divisões do tempo.

1. O dia. Entre os judeus e romanos era dividido em 12 horas, isto é, o período em que
há luz. Entre os judeus, o dia ia de um por de sol a outro. Entre os romanos, ia de uma
meia-noite a outra. As horas do dia e da noite eram contadas separadamente, isto é, doze
e doze; isto entre judeus e romanos. Ver Jo 11.9 e At 23.23. Entre os judeus a Hora
Primeira do dia era às seis da manhã. O mesmo ocorria em relação à noite.

2. A semana. Entre os hebreus, os dias da semana não tinham nomes e sim números,
com exceção do 6º e 7º dias, que também tinha nomes, Lc 23.54.

3. Os meses. Eram lunares. A lua nova marcava o início de cada mês, sendo esse dia
festivo e santificado, Nm 28.11-15; I Sm 20.5; I Cr 23.31; II Rs 4.23; S181.3; Is 1.13;
Cl 2.16. Tinham 29 e 30 dias alternadamente. Antes do exílio babilônico eram
designados por números. Depois disso, passaram a ter nomes e números.

4. Os anos. Tinham 12 meses de 29 e 30 dias alternadamente, perfazendo 354 dias. Os


judeus observavam dois diferentes anos: o sagrado, começando em Abibe (mais ou
menos o nosso abril), e o civil, começando em Tisri (mais ou menos o nosso outubro.)

5. Os séculos. Sua computação.

Século I. Compreende os anos 1 a 100 AD.

Século II. Compreende os anos 101 a 200 AD.

Século III. Anos 201 a 300, e assim por diante.

F. Cronologia resumida dos principais fatos e eventos bíblicos.

Fato Duração Período


O mundo antediluviano 1600 anos 4004-2400 AC
Do Dilúvio a Abraão 400 anos 2400-2000 AC
Os patriarcas Abraão, Isaque, Jacó 200 anos 2000-1800 AC
Israel no Egito 400 anos 1800-1400 AC
Período dos Juízes 300 anos 1400-1100 AC
A monarquia Israelita (Saul, Davi, Salomão) 120 anos 1053-933 AC
O Reino dividido 350 anos 933-586 AC
Queda do Reino do Norte (Samaria) - -721 AC
O exílio babilônico (Judá) 70 anos 606-536 AC
Restauração da Nação Israelita 100 anos 536-432 AC
Ministérios dos profetas literários 400 anos 800-400 AC
Nascimento de Jesus - +- 5 AC
Ministério de João Batista - 29 AD
Ministério de Jesus 3 anos 30-33 AD
Conversão de Paulo - 35 AD
Fundação das igrejas da Ásia Menor e Europa, por Paulo 15 anos 50-65 AD
Início da revolta dos judeus contra os romanos - 66 AD
Destruição do Templo de Jerusalém - 70 AD
Escrito o Apocalipse (o último Livro da Bíblia, por João, o Apóstolo) - 96 AD
Morte de João, o Apóstolo - 100 AD

Nota 1. Profeta Literário é o que deixou escritos seus.

Nota 2. O Templo ao ser destruído no ano 70 AD, tinha apenas seis anos de terminada
sua construção (64 AD.)

G. Cronologia dos impérios mundiais. Isto é, a fase em que exerceram supremacia


sobre o mundo conhecido.

Egito 1600-1200 AC
Assíria 900-607 AC
Babilônia (o neo-império) 606-536 AC
Pérsia 536-331 AC
Grécia 331-146 AC
Roma 146 AC - 476 AD

Autor: Antonio Gilberto


Fonte: Manual da Escola Dominical / CPAD