Você está na página 1de 25

Guia Prático

para iniciar o

Baby-led

Weaning

Copyright CONALCOLab
2a edição
2019
Quem é ALine Padovani?
Fonoaudióloga com graduação e mestrado pela
USP-SP, especializada na Avaliação e Distúrbios da
Deglutição, na Promoção de Saúde através da
Alimentação Complementar e na Avaliação e
Gerenciamento das Dificuldades Alimentares na
Infância. Educadora Parental formada pela Positive
Discipline Association. É autora do Blog Tá na Hora
do Papá e idealizadora do CONALCOlab, um portal
de informação que visa o empoderamento familiar
e a capacitação profissional à distância.

Sua missão é ampliar e difundir uma introdução


alimentar regada à autonomia, respeito e
oportunidades multissensoriais! Como mãe e
profissional da área da saúde, sabe o quanto esse
processo pode ser difícil e desafiador.
É necessário informação e apoio,
para que os cuidadores sempre
tenham em mente quem é o real
protagonista de todo esse processo:
o bebê.
o objetivo deste ebook
É compartilhar experiências de introdução alimentar
com famílias e profissionais e dividir informações
importantíssimas para a saúde do bebê!

Nesse e-book, você vai encontrar informações


relevantes sobre o BLW e tudo mais que envolve
essa fase tão mágica dos nossos babies.

As vezes não encontramos tudo que queríamos


saber em um só lugar! E estamos aqui justamente
para ajudá-los nessa missão!

Com esse e-book teremos um resumão pra você


entender do que se trata e facilitar ainda mais esse
momento cheio de dúvidas!

Bora lá??
o que é Blw?
BLW é uma abordagem de introdução
alimentar que engloba oferecer alimentos
saudáveis, compartilhando as refeições da
família, certificando-se de que apenas o
bebê coloque comida em sua própria boca.

Aos pais e cuidadores, fica a


responsabilidade de confiar que ele saiba
se deve comer, o que comer, o quanto e
com que rapidez – além de oferecer
alimentos palpáveis desde o início,
possibilitando assim que eles peguem com
suas próprias mãos.

1
Benefícios
- Total autonomia no controle da fome (comer por
necessidade e não por vontade) e da saciedade
(comer o necessário para saciar a fome e não por
gula).

- Por ser uma abordagem multissensorial, o bebê


conhece os alimentos por suas diferentes
características (formas, cores, cheiros, texturas e
sabores), criando um repertório alimentar
incrivelmente variado.

- O bebê aprende as funções orais de acordo com


a evolução de suas habilidades: morder, mastigar
e engolir, em uma ordem fisiológica e natural,
durante um período em que está fisiologicamente
preparado para prevenir os engasgos (reflexo de
gag anteriorizado).

2
Benefícios

- Estimula a autonomia e, ao contrário do que


muita gente pensa, o interesse pelos talheres e
copos de casa desde muito cedo, desde que
sejam dadas oportunidades.

- O bebê torna-se mais disponível para provar e


experimentar coisas novas, já que sabe que pode
recusar ou não aceitar algo caso não tenha
interesse.

- Inúmeras oportunidades de desenvolvimento


motor

- Melhor relacionamento com a comida e com o


ato de comer

- Maior interação com os pais, fazendo o momento


das refeições mais prazeroso

3
O que você precisa saber
- Será maravilhoso se você puder cozinhar a
comida! O objetivo é evitar ao máximo comidas
industrializadas e prontas para consumo

- Vai sujar! Muito!!!

- Informe seus familiares a respeito da


abordagem, evitando preocupações e
comentários que possam de deixar inseguro.

- O bebê deve estar se desenvolvendo no ritmo


adequado. Os prematuros e aqueles com
problemas de saúde necessitam avaliação
individualizada.

4
Como começar?
A Organização Mundial da Saúde recomenda a
introdução alimentar a partir dos 6 meses de vida.

Por volta dessa idade, a criança já consegue sentar


e manter-se nessa posição sem ajuda. Leva à boca
brinquedos e objetos sem auxílio e os manipula
com entusiasmo.

Lembre-se que estamos falando de uma


abordagem em que o bebê guia o processo. Então
é essencial que ele demonstre quando está
pronto para começar.

É interessante ter em mente uma data aproximada


para começar até para que você possa se
programar, mas sem pressão ou expectativas.
Não marque dia ou horário para que ele comece a
comer. Isso pode ser bem frustrante, pois a maioria
dos bebês não está exatamente pronta na data
exata dos 6 meses.

5
Como Começar

Permitir que o bebê se alimente sozinho exige


muita dedicação, paciência mas acima de tudo:
ZERO expectativas. Pense que o leite é ainda a
principal fonte de nutrientes e a alimentação é
complementar.

Observe seu bebê. Você pode trazê-lo para


participar das refeições em família mesmo antes de
apresentá-lo "formalmente" aos alimentos.

Quando ele começar a sentar sem apoio, você


pode sentá-lo na cadeirinha para fazer as refeições
junto com a família, dando uma colher ou uma
caneca para que ele possa brincar e começar a se
familiarizar com o momento da refeição.

É muito importante que a família repense sua


própria alimentação. A ideia é que o seu bebê se
alimente dos mesmos alimentos que vocês e não
há muita lógica em oferecer algo saudável ao seu
bebê enquanto você come de forma inadequada.

6
Apresentação dos
alimentos
Uma alimentação adequada é composta
basicamente de alimentos naturais e
minimamente processados. Feiras e hortifrutis
são grande fonte de inspiração para uma
alimentação saudável.

Não é necessário adicionar sal nem açúcar nos


alimentos. Lembre-se que o paladar está sendo
construído e sentir as sutilezas e diferenças
entre todos os sabores vai ser muito importante
para construir um repertório alimentar variado.

De um modo geral, o bebê come o que a família


está comendo. Dividir as refeições é uma das
bases fundamentais do BLW. Se tiver que fazer
alguma adaptação, que seja em relação ao corte
e formato ou à redução do teor de sal ou açúcar.

7
Apresentação Dos Alimentos

Próximo aos 6 meses, o bebê será capaz de


pegar os alimentos da mesma forma que pega
os brinquedos. Embora ele seja capaz de agarrar
com facilidade, eles não são capazes de abrir o
punho intencionalmene para comer o que tem
dentro da mão.

Dessa forma, é preciso que os alimentos sejam


cortados em tamanhos maiores que o punho do
bebê. Também que sejam firmes o suficiente
para não serem esmagados entre os dedos, mas
moles o suficientes para serem esmagados com
a força das gengivas. A consistência é de
legume para salada.

Você pode usar alimentos amassados ou


processados, caso a família esteja dividindo
uma refeição dessa forma. Mas por mais
tentador que seja, deixe que o bebê tente levar
ele mesmo os alimentos até a boca, seja
molhando e chupando os dedinhos, ou
molhando a colher e levando-a à boca.

8
Apresentação Dos Alimentos

Por quais alimentos começar?


Não importa. A escolha sobre qual alimento
começar é cultural e depende muito de região
para região. O ideal é que vc ofereça aquilo que
sua própria família esteja comendo.

Algumas sugestões:
- Manga, banana, abacate, pêssego, ameixa
- Vegetais cozidos ou grelhados, como brócolis,
cenoura, abobrinha, couve-flor, abóbora.
- Carne, frango ou peixe
- Omelete ou ovo bem cozido
- Batata, batata doce, macarrão em formato
penne ou parafuso, arroz empapado.

9
Apresentação Dos Alimentos

Algumas sugestões nutricionais:

Para dimininuir o risco de deficiência de ferro:


– Ofereça um alimento rico em ferro de alta
disponibilidade em cada refeição, entre eles:
fígado, carne vermelha, frango, porco e peixe
– Ofereça com regularidade os alimentos ricos
em ferro de média e baixa disponibilidade:
vegetais verde escuros, feijões, grão de bico
(incluindo pasta de grão de bico), lentilha
– Utilize receitas para oferecer com segurança os
alimentos que o bebê não consegue agarrar no
princípio (vegetais folhosos, por exemplo)
– Não atrase a introdução alimentar para além
dos 6 meses de idade

Para melhorar a absorção de ferro:


– Deixe os grãos integrais (arroz integral, feijões,
grão de bico, lentilha) de molho em água com
limão por 12 horas, descartando a água do
remolho antes de cozinhar
– Ofereça uma fruta rica em vitamina C junto
com as grandes refeições: laranja, tangerina,
morango, manga, abacaxi, kiwi, carambola,
pêssego

10
Apresentação Dos Alimentos

Para garantir uma boa oferta dos demais


nutrientes:
– Ofereça uma variedade de alimentos,
repetindo diversas vezes os alimentos
recusados no princípio
– Ofereça de 3 a 5 alimentos diferentes em cada
refeição, e disponha na bandeja apenas um
pedaço de cada por vez, repondo sempre que
for preciso

Reduzir o risco de falhas no crescimento


(aumentando a oferta de alimentos calóricos):
– Ofereça ao menos um alimento energético em
cada grande refeição: batata (doce, baroa,
inglesa), inhame, aipim, cará, abóbora, abacate,
banana, azeite, óleo de coco, carnes em geral,
feijões e outras leguminosas!

Evite sucos, ainda que naturais.


O ideal é que o seu bebê tome água! Sucos
possuem alto teor de frutose, ou seja, todo o
açúcar da fruta é concentrado em uma leva só e
ainda perde as fibras quando você coa o suco.

11
Apresentação Dos Alimentos

Reduza as chances de engasgo:

Leia mais sobre engasgo AQUI

Corte alimentos de formatos circulares no


sentido do comprimento, em “formato de batata-
frita” – o ideal é fugir do formato que tende a
“entupir” a via aérea.

Amacie os vegetais e frutas duras, cozinhando-


os na água, forno ou vapor, a fim de que se
tornem fáceis de mastigar por amassamento
com as gengivas. A consistência ideal para BLW
é a de salada de legumes: nem muito duro, nem
muito mole (pois esfarela na mão do bebê que
não tem controle da força).

Quando o bebê ainda não tem dentes, você


pode oferecer as frutas com parte da casca para
facilitar a preensão palmar (já que a maioria
escorrega). Mas é prudente retirar as cascas das
frutas quando o bebê já tem dentes e é capaz de
“rasgar” a casca com a força da mordida.

12
Apresentação Dos Alimentos

Carnes:
Enquanto o bebê ainda não tem o movimento de
pinça desenvolvido, você pode oferecer as
carnes:
- desfiadas umidificadas (molho ou purê) em
pequenas porções;
- ou bem cozidas, macias, cortadas em tiras ou
cubos, no sentido transversal das fibras (assim
os pedaços que se soltam ficam pequenos e
fáceis de mastigar);
- ou também, carnes moídas em formato de
hamburguer, almôndega ou croquete.
Conforme o bebê adquire o movimento de pinça,
o ideal é:
- cortar em pedaços bem pequenos,
- desfiados
- ou carne moída,
até que o bebê tenha habilidade para mastigar
pedaços maiores com o nascimento dos molares
(até os dois anos mais ou menos).

13
Apresentação Dos Alimentos

Alimentos pegajosos (exemplo: cream cheese,


pasta de amendoim e similares) se consumidos,
devem ser apresentados em porções pequenas,
pois podem “grudar” no céu da boca.

Algumas leguminosas como o quiabo e a vagem


costumam ser queridinhos no BLW, pois são de
fácil preensão. Mas atentem-se para as
sementinhas e os grãos de feijão que podem
desprender desses alimentos e escorregar para
o fundo da boca. A melhor forma de oferecer
esses alimentos é cortadinho em rodelas
pequenas quando o bebê já é capaz de pegá-
las.

Alimentos fibrosos e/ou duros para mastigar


mesmo após o cozimento (ex: quiabo, vagem,
brocolis comum, folhas etc) são mais fáceis de
mastigar se cortados em pedaços pequenos
e/ou misturados à outras preparações/receitas.

Hidratar as frutas secas e cozinhar bem os grãos


antes de oferecê-los aos bebês.

14
Apresentação Dos Alimentos

É extremamente arriscado oferecer uvas inteiras


aos bebês e crianças pequenas, assim como
qualquer outro alimento neste formato
(tomatinhos, cerejas, jabuticabas, azeitonas,
ovinho de codorna, entre outros). Quaisquer
alimentos nestes formatos devem ser cortados
longitudinalmente em duas ou quatro partes.
Cortes transversais não são indicados, pois não
“quebram” o formato do alimento que é capaz
de “entupir” a glote.

15
Apresentação Dos Alimentos

Milho verde na espiga deve estar beeem


molinho (daqueles que estouram nos dentes),
para os “banguelas”, vcs podem “rasgar” os
grãos com um ralador de queijo ou passar a faca
longitudinalmente, "abrindo" os grãos.

Retirar sementes e caroços.

As folhas podem ser oferecidas cozidas ou


cruas, mas sempre bem picadas. Como no início
o bebê não consegue pegar os pedacinhos,
sugiro que você ainda assim misture folhas
verdes em outras receitas (ex: omelete), para
que o bebê também sinta o gosto “amarguinho”
que a maioria das folhas verde-escura tem.

Evite pães de forma e/ou pães brancos


“massudos”, pois quando misturados à saliva
formam uma pasta grudenta que pode dificultar
a mastigação e deglutição do bebê, levando à
gags excessivos (e possível engasgo ou vômito).

16
Apresentação Dos Alimentos

Uma nota sobre intolerâncias e alergias:

É sempre bom escrever um diário sobre os


alimentos que estão sendo oferecidos ao bebê.

Com isso, você será capaz de identificar uma


eventual intolerância ou alergia (essa última
muito mais grave e que demanda atenção
imediata).

As crianças são mais suscetíveis a intolerâncias


alimentares, por isso, é importante anotar para
que você possa mais facilmente identificar a que
tipo de alimento seu bebê é intolerante.

Os bebês têm a tendência de evitar alimentos


que não os façam bem, então observe
atentamente e qualquer dúvida pergunte ao
pediatra de confiança.

17
Controlando as
expectativas
Não se assuste se o bebê não demonstrar muito
interesse na comida.

Nessa fase inicial é comum que os bebês


queiram apenas brincar com a comida e
comecem, inclusive, a chorar quando estiverem
satisfeitos.

Não fique frustrada por ter feito toda a comida e


ele não ter aproveitado muito. É assim mesmo.

O principal objetivo nessa fase inicial é


justamente a criança encarar a refeição como
um momento agradável, de brincadeira.

Aproveite para ensiná-la o nome dos alimentos,


cores. Se possível, deixe que o bebê veja você
preparando as comidas.

Tente não comemorar quando ele pega a


comida e coloca na boca! Por mais excitante
que possa parecer, comer é um evento
natural. 18
Controlando as Expectativas

Tente não olhar fixamente o bebê (nem você,


nem quem estiver à volta), encare o processo
com muita naturalidade. Comer é um evento
natural.

É muito importante que vocês mantenham a


calma durante esse processo. É uma fase de
transição muito importante para toda família e é
uma grande novidade para o bebê.

O BLW é um processo, o seu bebê está


aprendendo a levar os alimentos até a boca e
digerí-los, ou seja, são tarefas árduas que ele
ainda precisa aprender.

É muito importante ter paciência, afinal, todos os


estágios são importantes. O bebê aprende
olhando, cheirando, tocando a comida,
inclusive salivando por ela. Todas essas
habilidades fazem parte do processo de
alimentar-se e despertar interesse pela comida.

19
Controlando as Expectativas

Como saber se o bebê está satisfeito?

Alguns sinais:
- Ele vai chorar e querer sair da cadeira
- Vai usar os braços para se desvencilhar da
comida
- Vai pegar os pedaços de comida e vai te
entregar ou jogar no chão

Com o tempo, pode ser que as mamadas


diminuam à medida que o bebê vai
aumentando a quantidade e variedade de
alimentos ingeridos. Não se assuste se isso
acontecer. E não se assuste se isso não
acontecer.

Não existem "regras" e portanto não existe


"sucesso", já que pode ser que ele coma ou
pode ser que ele não coma, de imediato. Encare
o processo o mais natural possível e converse
sempre com o pediatra para acompanhar o
crescimento e desenvolvimento do bebê.

20
Quer aprender mais
sobre Blw?
Você pode encontrar MUITO mais sobre BLW
no site tanahoradopapa.com

Assista à uma aula gratuita sobre BLW:


conalco.com.br/blw

Procura um profissional
de confiança pra te
acompanhar?
Acesse o Mapa de Profissionais certificados
pelo CONALCO: bit.ly/mapaBLW

21
Referências:
- Rapley G e Murket T. Baby-led weaning: O desmame
guiado pelo bebê Ed Timo, 2017.
- Clark J. Baby Led Weaning: Step by Step, Balloon View
Ltd 2014.
- Sites: tanahoradopapa.com e rapleyweaning.com

Resumo e tradução:
Letícia Carvalho Kataoka
Instagram @leticiakataoka

Adaptação do Conteúdo e Redação:


Fonoaudióloga Aline Padovani
Instagram: @alinepadovani.fono
Facebook: /tanahoradopapa
email: contato@conalco.com.br

Consultoria Técnica:
Nutricionista Michelle Bento
Instagram: @nutrimichellebento
Facebook: /nutrimichellebento
email: mbento.nut@gmail.com

Produção: CONALCOLab

Interesses relacionados