Você está na página 1de 6

ESTUDO DA VARIABILIDADE DO CONFORTO TÉRMICO DE AVES DE

CORTE NAS CONDIÇÕES DE AMBIENTE NATURAL EM CHIMOIO -


MOÇAMBIQUE

Domingos Mário Zeca Fernando1, Arilson José de Oliveira Júnior2, Edson Fernandes Raso1,
Francisco José Noris3 e Alexandre Tique4

1
Departamento de Física da Universidade Pedagógica de Moçambique - UPM.
2
Faculdade de Ciências Agronómicas - UNESP de Botucatu/SP.
3
Instituto Superior Mutasa Moçambique
4
Instituto Nacional de Meteorologia (INAM) - Delegação de Manica
e-mail de contacto - dmzeca@gmail.com

Resumo

Nos últimos anos o sector Agropecuário vem ganhando destaque no avanço e implementação de tecnologias que favorecem seu
crescimento e produtividade, a partir da inserção de sistema de monitoramento e controle das condições climáticas em suas
instalações. Condições térmicas estressantes, além de afetar a saúde dos animais, diminuem sua produtividade. O presente
trabalho teve por objetivo calcular índices de conforto térmico para ambiente natural de aves de corte na cidade de Chimoio,
província de Manica – Moçambique (19°6,98’Sul; 33°28,99’Leste; 909m). A partir de dados médios mensais da temperatura do
ar e umidade relativa, foram calculados os valores do Índices de Temperatura e Umidade (ITU) para diferentes fases de vida das
aves. Os valores de ITU variaram de 75,41 no mês de Fevereiro a 60,98 no mês de Julho, evidenciando maiores valores de ITU
nos meses de verão e menores valores nos meses de inverno. Para aves de uma semana, todo inverno é estressante pelo frio, para
aves de três semanas, o inverno é um período em que o índice de ITU é de conforto térmico e para aves de seis meses, nas
condições ambientais naturais da cidade de Chimoio, todos os meses do ano são de estresse por calor.

Palavras-chave: Conforto térmico; Índice de Temperatura e Umidade;

1. INTRODUÇÃO

Com as actuais mudanças climáticas, vários estudos fazem a avaliação do bem-estar dentro de automóveis
e edifícios com vista a diminuir a influência térmica na produtividade em pessoas e animais (ZHOU et al. 2019;
WUAT al. 2019; GIAMALAKI e KOLOKOTSA, 2019; PEZZOPANE, 2019). O estudo sobre conforto térmico
permite avaliar se em um determinado ambiente existe uma condição favorável para produção animal e/ou de
trabalho humano, além de propiciar diagnósticos referentes a causa de perdas na produtividade e desempenho.
Entende-se por conforto térmico a expressão satisfatória da mente com o ambiente térmico (ASHRAE, 2013)
Por ser a avicultura de corte a líder do crescimento global da produção de carne de alto teor de proteína e
baixo teor de gordura (SKUNCA, 2018), torna-se fundamental preparar ambientes que garantam o conforto térmico
das aves, a fim de aumentar a produtividade (SKUNCA, 2018; Oliveira Júnior et al., 2018). A susceptibilidade do
frango de corte ao estresse calórico aumenta à medida que a umidade relativa e a temperatura ambiente ultrapassam
a zona de conforto térmico, dificultando assim a dissipação de calor, incrementando consequentemente a
temperatura corporal da ave, com efeito negativo sobre o desempenho (BORGES et al., 2003).
Moçambique é um país essencialmente agrícola, onde a prática da actividade pecuária é considerada
complementar, de sobrevivência, principalmente em regiões onde a agricultura é menos segura, sendo a avicultura a
de maior contribuição à nutrição de famílias com baixa renda (NICOLAU, 2011). A cidade de Chimoio, que é
principal cidade da província de Manica, localiza-se na região centro de Moçambique, e é uma das regiões
moçambicanas com maiores concentrações de empreendedores e empresários que apostam na área de pecuária,
especificamente na criação de aves de corte, sendo também uma atividade para consumo familiar. Atualmente não
há trabalhos específicos que avaliem as condições de confortabilidade térmica para aves de corte em ambiente
natural, em Chimoio. Portanto, o objectivo deste trabalho foi analisar os índices de conforto térmico para diferentes
fases de vida de aves de corte em ambiente natural da cidade de Chimoio.

2. MATERIAL E MÉTODOS

As medidas de temperatura do ar e umidade relativa utilizadas neste trabalho foram obtidas por meio das
estações actinométricas do Instituto Nacional de Meteorologia, Delegação de Manica, cidade de Chimoio. A cidade
de Chimoio é uma das cidades de maior produção de frangos de corte ao nível do país e esta se localiza na latitude
de 19º 7’ sul, longitude 33º 29’ leste, altitude de 909 metros e o clima, segundo a classificação de Koppen, é do tipo
Cwa tropical húmido, modificado pela latitude.
Esta cidade apresenta uma temperatura média máxima de 24,1 °C nos meses de Fevereiro, e temperatura
média mínima de 11,1 °C para os meses de Julho. A pluviosidade média anual é de 1143 mm, em que o mês de
Setembro é o mais seco com uma média de11 mm, e Janeiro o de maior pluviosidade com uma média de 231 mm. A
cidade de Chimoio, assim como todo Moçambique, apresenta duas estações no ano, que são nomeadamente, período
quente e chuvoso (Outubro a Março) e período frio e seco (Abril a Setembro). O primeiro período corresponde a
verão e o segundo período ao inverno.
A partir de dados de três anos (2016, 2017 e 2018), calculou-se as condições térmicas de aves de corte
mediante o Índice de Temperatura e Umidade – ITU (Buffington, Collierand&Canton, 1983), com auxílio do
aplicativo Orvalho (Oliveira Júnior et al., 2018). A equação 1 Apresenta o índice ITU.

( )
(1)

Em que é a temperatura do ar (ºC) e a Umidade Relativa do ar (%).


Os resultados do índice ITU e as médias mensais de temperatura do ar e da umidade relativa foram
exportadas e inseridas no software Origin v6, para criação de gráficos e da determinação dos limites de conforto
térmico para diferentes semanas de idade das aves de corte. Os limites de conforto térmico estabelecidos foram
baseados em Silva et al. (2004), conforme Tabela 1.
Tabela 1. Limites de conforto térmico para aves de corte (Silva et al., 2004)

Condição Idade (semanas) ITU


1 72,4 ITU < 80
2 68,4 ITU < 76

3 64,5 ITU < 72


Conforto térmico
4 60,5 ITU < 68
5 56,6 ITU < 64
6a7 56,6 ITU < 60

De ressaltar que quando se oberva valores de ITU fora dos limetes de conforto térmico, as aves sofrem o
estresse por calor ou por frio. Nesses casos é necessário criar unidades de refrigeração para baixar ou elevar a
temperatura, porque o estresse em aves cria desperdício de energia pelo animal, seja para compensar o frio ou para
accionar seu sistema de dissipação do excesso de calor corporal (COSTA et al., 2012).

3. RESULTADOS E DISCUSSÕES

Na Fig. 1 (A e B) são apresentadas as médias de temperatura e umidade relativa do ar referentes aos


períodos de 2016, 2017 e 2018.

A. B.
30 100
29
95
28
27 90
26
85
Umidade Relativa (%)
Temperatura do ar (°C)

25
24 80
23
75
22
21 70
20
19 65

18
60
17 2016 2016
16 2017 55 2017
2018 2018
15
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12
Meses
Meses

Fig. 1. Médias mensais de temperatura e umidade relativa dos anos de 2016, 2017 e 2018, da cidade de Chimoio, Província de
Manica (Instituto Nacional de Meteorologia - Delegação Provincial de Manica)

A cidade de Chimoio (Fig. 1 A) apresenta maiores temperaturas médias mensais na época quente e
chuvosa (Outubro a Março), e menores temperaturas na época fria e seca (Abril a Setembro). De uma forma
geral, o mês de Fevereiro e o mais quente com uma temperatura media mensal de 25,7 ºC no ano de 2016, e o
mês de Julho é o menos quente com uma temperatura media mensal de 16,3 ºC no ano de 2018. Com relação a
umidade relativa (Fig. 1 B), a cidade de Chimoio apresenta uma umidade que varia de 61% a 89% ao longo do
ano.
As médias das temperaturas e umidades do ar são de grande importância, pois é através destas que se
determinou o índice ITU nos diferentes períodos dos anos em estudo. Pois estas influenciam grandemente no
conforto térmico das aves.
Nas Fig. 2, 3 e 4 são apresentados os cálculos do índice ITU para os períodos de 2016 a 2018, na cidade de
Chimoio.

84
82
80
78
76
74
72
ITU

70
68
66
64 2016
62 2017
60 2018
Estresse pelo frio
58
Estresse pelo calor
56
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12

Meses
Fig. 2. Limites de condições térmicas para aves de 1 semana de vida

De acordo com a Fig. 2, as aves de uma semana de vida na cidade de Chimoio, nas condições ambientais
naturais não apresenta nenhuma possibilidade de estresse por calor durante todo ano. Mas o estresse pelo frio é
observado a partir do final de verão (mês de Abril) ate ao final do ano. Sendo, somente os meses do primeiro
trimestre do ano os que apresentam conforto térmico aceitável para frangos de uma semana de vida. Nesta fase de
vida das aves, há uma necessidade dos produtores criar sistemas de refrigeração a fim de elevar a temperatura nos
galpões de criação, principalmente nos meses de Abril a Setembro.
Para aves de três semanas de vida (Fig. 3), para as condições ambientais naturais da cidade de Chimoio, de
uma forma geral observa se conforto térmico nos meses de Março, Abril, Maio, e em alguns dias nos meses de
Agosto a Dezembro. Os meses de Junho e Julho, a cidade de Chimoio mostra a possibilidade das aves de três
semanas apresentarem estresse pelo frio. Enquanto que nos meses de Janeiro a Março as aves estariam passando por
momentos de estresse por calor.
Para a fase de aves de três semanas de vida, a refrigeração dos galpões se torna recomendável para os
meses de Janeiro a Março (diminuição de temperatura) e os meses de Junho e Julho (aumento de temperatura). E,
dependo de anos específicos, na cidade de Chimoio pode ser necessário o uso da refrigeração nos meses de Outubro,
Novembro e Dezembro, para atenuar o mínimo de estresse por calor observado.
80

78

76

74

72

70

ITU
68

66

64

62 2016
2017
60
2018
58 Estresse pelo frio
56 Estresse pelo calor

0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12

Meses
Fig. 3. Limites de condições térmicas para aves de 3 semanas de vida

Mas para aves de seis semanas (Figura 4), nas condições ambientais naturais da cidade de Chimoio,
observa se estresse por calor durante todo ano. Por isso o sistema refrigeração se torna imperioso para todos os
meses do ano. E isso esta associado a variação de temperatura entre a superfície da ave e o ar que a envolve, porque
as aves de seis semana têm dificuldade em perder calor para o ambiente (YAHAV et al. 2005).

82 2016
80 2017
78 2018
Estresse pelo frio
76
Estresse pelo calor
74
72
70
68
ITU

66
64
62
60
58
56
54
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12

Meses
Fig. 4. Limites de condições térmicas para aves de 6 semanas de vida

4. CONCLUSÃO
Para diferentes semanas da criação de aves na cidade de Chimoio verifica-se que:
 Para aves de uma semana, todo inverno é estressante por frio, o que torna necessário um sistema de
refrigeração nessa época de ano;
 Para aves ate três semanas, o inverso é um período em que o índice de ITU é de conforto térmico enquanto
o verão é de estresse por calor. Mas ao longo do ano há uma necessidade ligeira de refrigeração no pico de
frio (Junho e Julho) e nos primeiros três meses de verão (Outubro a Dezembro).
 Para aves de seis semanas, para condições ambientais naturais da cidade de Chimoio, todos os meses do
ano são de estresse por calor.

5. REFERÊNCIAS
ASHRAE, ANSI/ASHRAE Standard 55-2013, Thermal Environmental Conditions for Human Occupancy,
American Society of Heating, Refrigerating and Air-Conditioning Engineers, Inc., Atlanta, 2013.
Buffington, D.E., Collier, R.J. e Canton, G.H. Shade management systems to reduce heat stress for dairy
cows in hot, humid climates. Trans. ASAE 26, 1798–1802, 1983.
Costa, Elvania Maria da Silva.; Dourado, Leilane Rocha Barros.; Merval, Ramon Rêgo. Medidas para
avaliar o conforto térmico em aves, londrina, 2012
Skunca D., Tomasevic, I., Nastasijevic,I., Tomovic, V. e Djekic, I. Life cycle assessment of the chicken
meat chain. Journal of Cleaner Production 184, 440–450, 2018.

Giamalaki, M. e Kolokotsa, D. Understanding the thermal experience of elderly people in their residences:
Study on thermal comfort and adaptive behaviors of senior citizens in Crete, Greece. Energy & Buildings 185, 76–
87, 2019.
Oliveira Júnior, A.J., Souza, S.R.L., Cruz, V.F., Vicentin, T.A., Glavina, A.S.G. Development of an
android APP to calculate thermal comfort indexes on animals and people. Comput.Electron. Agric., v. 151, pp. 175–
184, 2018.
Pezzopane, J. R. M. at al. Animal thermal comfort indexes in silvopastoral systems with different tree
arrangements. Journal of Thermal Biology 79, 103–111, 2019.
Silva, E.T., Leite, D.G., Yuri, F.M., Nery, F.S.G., Rego, J.C.C., Zanatta, R.A., Santos, S.A., Moura, V.V.
Determination of the Temperature and Humidity Index (ITU) forthe Birds Production in Metropolitan Mesoregion
of Curitiba – PR. Revista Acadêmica: ciências agrárias e ambientais 2 (3), 47–60, 2004.
Wu, Z. at al. Adaptive thermal comfort in naturally ventilated dormitory buildings in Changsha, China.
Energy and Buildings, 186, 56-70, 2019.
Yahav, S.; Straschnow, A.; Luger, D.;Shinder, D.; Tanny, J.; Cohen, S. Ventilation, sensible heat loss,
broiler energy, and water balance under harsh environmental conditions. Poultry science, Champaign, v.83, n.2,
253-258, 2004.
Zhou, X. et al. Experimental investigation of thermal comfort in a passenger car under driving conditions.
Building and Environment 149,109-119, 2019.
NICOLAU, Q. C; GIANNINI, A. C; SOUZA, J. G. Cadeia produtiva avícola de corte de moçambique:
caracterização e competitividade. Revista de ciências agrárias, 182 – 198, 2011.

Você também pode gostar