Você está na página 1de 157

CADERNO DE

ESPECIFICAÇÕES

Revisão 04
2014
Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
1

PREFÁCIO

Este Caderno de Especificações tem por objetivo padronizar todos os serviços de obras civis
executados durante as etapas de construção de um site da American Tower do Brasil. As
especificações aqui descritas foram baseadas nas Normas Técnicas Brasileiras vigentes.

As etapas de construção aqui abordadas compreendem:

 Sondagem;
 Abertura de obra;
 Movimentação de Terra;
 Energia provisória;
 Energia definitiva;
 Locação de estrutura e gabarito;
 Execução de Concreto em obra;
 Rebaixamento de lençol freático para fundações;
 Procedimento para execução de REFORÇOS de fundações;
 Moldagem de Corpos de Prova
 Montagem de estruturas metálicas;
 Aterramento;
 Obras civis – Greenfield;
 Fechamento do site;
 Construção de Acesso;
 Obras civis – Rooftop;
 Normas e equipamentos de trabalho em altura;
 Detalhes Construtivos (caderno anexo).

As instruções presentes neste documento deverão ser fielmente seguidas durante a


construção de um site para American Tower do Brasil e toda e qualquer alteração ou impeditivo para
execução destes serviços, deverá ser previamente comunicado ao responsável da American Tower
do Brasil pela obra.

O contratado não poderá, em hipótese alguma, tomar decisões ou executar serviços em


discordância aos projetos elaborados e entregues pela American Tower do Brasil ao contratado.
Durante a abertura de obra, se houver situação ou fato que impeçam a execução do projeto, o
mesmo deverá ser revisado pela American Tower do Brasil e posteriormente entregue ao contratado.

Toda e qualquer obra só deverá ser iniciada após a entrega dos projetos executivos e de
fundação pela American Tower do Brasil. A padronização de cada uma das etapas visa aumentar a
qualidade dos serviços, minimizando as diferenças encontradas entre obra e projeto após a entrega
do site. O número de pendências encontradas será reduzido e evitará retrabalho e atraso na entrega
da obra para o cliente final.

A American Tower do Brasil tem abrangência nacional, e trabalha com empresas de diversos
portes, que utilizam equipamentos e materiais diversos. As especificações visam padronizar a
entrega de um serviço, não importando onde ou por quem este foi executado.

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
2

ÍNDICE

1. Execução de Sondagem a Percussão Pág 3


2. Abertura de Obra Pág 8
3. Movimentação de Terra; Corte e Aterro e Arrimo Pág 12
4. Energia Provisória Pág 19
5. Energia Definitiva Pág 23
6. Locação de Estruturas e Montagem de Gabarito Pág 27
7. Execução de Concreto em Obra Pág 33
8. Execução de Rebaixamento de Lençol Freático para Radiers Pág 38
9. Procedimento para execução de fundações Tipo Radier Pág 41
10. Procedimento para execução de fundações Tipo Tubulão Pág 46
11. Procedimento para execução de fundações Tipo Estaca-Raiz Pág 53
12. Procedimento para execução de RFEORÇO em Fundações Pág 60
13. Moldagem de Corpos de Prova Pág 62
14. Montagem Pág 69
14.1. Informações do Documento Pág 69
14.2. Objetivo Pág 70
14.3. Tipos de estrutura Pág 70
14.4. Gabarito e Chumbadores Pág 71
14.5. Ligações Parafusadas Pág 71
14.6. Postes Monotubulares – Slip Joint – (Fonte Seccional) Pág 73
14.7. Poste Dodecagonal (Fonte: BrasilSat) – Poste Flangeado (int/externo) com costura lateral Pág 79
14.8. Torres Triangulares Tubulares Flangeadas (Fonte: Seccional) Pág 81
14.9. Torres em cantoneira Pág 84
14.10.Torres com Montantes Ômega Pág 87
14.11. Torres estaiadas Pág 87
14.12. Balizamento Noturno (Materiais) Pág 89
14.13. Balizamento Diurno (Materiais) Pág 90
14.14. Montagem dos Suportes de RF e MW Pág 91
15. Aterramento – Sites novos Pág 92
– Recomposição do aterramento nas obras de REFORÇOS Pág 97
– Medição da Resistência do aterramento Pág 100
16. Obras Civis – Greenfield Pág 101
17. Fechamento de Sites Novos (BTS) Pág 111
18. Construção de Acesso Pág 125
19. Obras Civis – Rooftop Pág 128
20. Normas e Equipamentos para Trabalho em Altura Pág 138

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
3
Execução de Sondagem a Percussão

1. Informações do Documento

1.1. Participantes

Autor Andrea Favoretto


Contribuição N/A
Aprovado por Patricia Prospero

1.2. Histórico de Revisões

Revisão Data da Revisão Autor Item Revisado


00 26/11/2009 Andrea Favoretto Emissão Inicial
01 19/01/2010 Patricia Prospero Documentos a serem entregues

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
4
Execução de Sondagem a Percussão

2. Objetivo

O presente documento tem por finalidade definir os procedimentos e parâmetros mínimos


para execução de Sondagem a Percussão (também conhecida como Sondagem de Simples
Reconhecimento) nos sites da American Tower do Brasil Cessão de Infra-estruturas Ltda. (ATC) pela
sua Contratada.

3. Considerações Gerais

Os serviços deverão ser executados por pessoal devidamente treinado e qualificado e em


concordância com as orientações da Associação Brasileira de Normas Técnicas através da Norma
Brasileira (NBR6484).
O uso de instrumentos e equipamentos apropriados é exigência da ATC e responsabilidade
da Contratada (inclusive os de Proteção Individual – EPI).
O serviço de execução de Sondagem à Percussão divide-se em 3 partes a saber:
- Parte I: perfuração e verificação da existência e posição do lençol freático;
- Parte II: amostragem, identificação e classificação das amostras;
- Parte III: apresentação dos resultados através do Relatório de Sondagem com Anotação
de Responsabilidade Técnica (ART).
A identificação de cada um dos furos de sondagem deve conter a sigla SP, seguida de
número indicativo de ordem. Em cada obra este número será sempre crescente,
independentemente do local, fase ou objetivo da sondagem. Quando for necessária a execução de
mais de um furo num mesmo ponto de investigação, os furos subseqüentes terão a mesma
numeração do primeiro, acrescida das letras A, B, C, etc.

Importante: no caso de prosseguimento da sondagem pelo método rotativo, este deverá ser
denominado com a sigla e número das sondagens rotativas (Vide especificação ATC específica).

4. Equipamentos e Materiais

Equipamentos

4.1. Tripé com roldanas, guincho mecânico ou com moitão;


4.2. Trado concha ou espiral;
4.3. Hastes e luvas de aço;
4.4. Alimentador d’ água, cruzeta, trépano e “T” de lavagem;
4.5. Barriletes amostradores e peças para cravação destes: Martelo ou peso de 65Kg e guia, para
bater;
4.6. Tubos de revestimentos;
4.7. Motobomba;
4.8. Abraçadeiras para revestimentos;
4.9. Abaixadores e alçadores para hastes;
4.10. Saca-tubos;
4.11. Baldinho com válvula de pé;
4.12. Chaves de grifo;
4.13. Metro ou trena;

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
5
Execução de Sondagem a Percussão

4.14. Recipientes herméticos para amostras tipo copo;


4.15. Parafina, sacos plásticos, etiquetas para identificação;
4.16. Medidor de nível d’água.

5. Descrição das Etapas

5.1. Parte I – Perfuração e verificação da existência e posição do lençol freático:

A ATC indicará o local onde serão executados os furos de sondagem. É obrigação da


Contratada executar a sondagem exatamente no local indicado ou informar eventuais problemas
que impeçam a execução no referido local. A distância entre os furos deverá variar entre 8,00 e
10,00 metros e os mesmo NÃO poderão estar alinhados.
Antes de iniciar a perfuração a Contratada deverá marcar um ponto de referência (portão,
guia da rua, poste elétrico, etc.) que será a cota 0,00 do terreno. Através deste ponto de referência
a Contratada terá a cota de cada um dos furos de sondagem. A cota dos furos é informação
obrigatória no Relatório de Sondagem.
Primeiramente deverá ser realizada a limpeza de uma área que permita a execução de todas
as operações sem obstáculos. Deve ser providenciada a abertura de uma vala ao redor da sonda e
que desvie as águas no caso de chuva. Quando for necessária a construção de uma plataforma,
essa deverá ser totalmente assoalhada e cobrir no mínimo, a área delimitada pelos pontos de fixação
do tripé.
As sondagens deverão ser iniciadas utilizando-se o trado concha. Quando o avanço da
sondagem se tornar impraticável com este equipamento, o furo deve ser revestido e o avanço feito
utilizando o trado espiral.
Em uma das extremidades da composição de hastes acopla-se o amostrador padrão (1-3/8”
e 2” de diâmetros interno e externo, respectivamente). Este deverá ser apoiado no fundo do furo
aberto com o trado cavadeira. Com auxílio de um tripé, corda e roldanas, ergue-se um martelo de
65kg até uma altura de 75cm do topo da composição de hastes e deixa-se que caia sobre esta em
queda livre. Este procedimento deverá ser repetido até a penetração de 45 cm do amostrador padrão
no solo. Conta-se o número de quedas do martelo necessário para penetração de cada 15 cm do
total de 45 cm.
Quando for atingido o lençol freático ou se o avanço do trado espiral for inferior a 50,0 mm
em 10 minutos de operação contínua de perfuração ou nos casos de solos aderentes ao trado, passa-
se para o método de percussão com circulação de água (lavagem). Para tanto é obrigatória a
cravação do revestimento.
Durante as operações de perfuração, caso a parede do furo se mostre instável, é obrigatória,
para amostragens subseqüentes, a descida do tubo de revestimento até onde se fizer necessário,
alternadamente com a operação de perfuração, de tal modo que a boca inferior do revestimento
nunca fique a mais de 1,0 m do fundo do furo e nem menos de 10,0 cm, no momento de cravar o
barrilete amostrador.
Quando o avanço do furo se fizer por lavagem, deve-se erguer o sistema de circulação d'água
(o que equivale a elevar o trépano) da altura de aproximadamente 0,3 m e durante sua queda deve
ser manualmente imprimido um movimento de rotação na coluna de hastes.
A soma do número de golpes necessários à penetração dos últimos 30cm do amostrador é
designada por N. O procedimento acima é conhecido como “Standard Penetration Test” (SPT).

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
6
Execução de Sondagem a Percussão

Após a penetração dos 45 cm, o amostrador deverá ser retirado do furo e a amostra contida em seu
“bico” deverá ser recolhida e acondicionada. Prossegue-se a abertura de mais um metro de furo até
alcançar a cota seguinte, 2 (dois) metros. Para tal utiliza-se um “trado helicoidal” que remove o
material enquanto não atingido o lençol freático. Quando atingido o nível de lençol freático, a
perfuração deve ser feita com auxílio de “circulação de água”. Somente ABAIXO do Nível d’água, a
perfuração não poderá ser por circulação de água, para não mascarar a posição exata da cota do
lençol freático.
Durante o processo de perfuração, quando encontrado o nível d’água, deve-se anotar a sua
profundidade e esperar sua estabilização por no mínimo 30 minutos.
A circulação de água deverá ser realizada com emprego de uma motobomba, uma caixa
d’água com divisória para decantação e um trépano.
Há quatro situações onde a sondagem em um determinado furo pode ser dada por
encerrada:
5.1.1. Quando, no ensaio de avanço da perfuração por circulação de água, forem obtidos avanços
inferiores a 50 mm em cada período de 10 min. ou quando, após a realização de quatro ensaios
consecutivos, não for alcançada a profundidade de execução do SPT;
5.1.2. Quando, em 3m sucessivos, se obtiver 30 golpes para penetração dos 15 cm iniciais do
amostrador-padrão;
5.1.3. Quando, em 4m sucessivos, se obtiver 50 golpes para penetração dos 30 cm iniciais do
amostrador-padrão;
5.1.4. Quando, em 5m sucessivos, se obtiver 50 golpes para penetração dos 45 cm iniciais do
amostrador-padrão.

Importante: Caso ocorra alguma das situações acima listadas, a sondagem deve ser
deslocada, no mínimo duas vezes para posições diametralmente opostas, a 2m da sondagem inicial,
ou conforme orientação do cliente ou seu preposto. Estes novos furos deverão ter a nomenclatura
igual ao furo inicial acrescido das letras A, B, C e assim por diante.

5.2. Parte II – Amostragem, identificação e classificação das amostras:

A cada metro de perfuração deverão ser retiradas amostras do solo por meio do amostrador
padrão (diâmetro externo 50,8mm e diâmetro interno 34,9mm). O amostrador deverá penetrar
livremente no furo previamente executado quer por trado cavadeira ou por circulação de água.
As amostras deverão ser acondicionadas em recipientes apropriados para manter as
características do solo natural, evitando a perda de umidade. Ainda em campo, as amostras deverão
estar protegidas da chuva e do sol. Após o término da sondagem, as amostras deverão ser levadas
ao laboratório para classificação tátil-visual. Em laboratório serão definidas as camadas de solos e
suas espessuras.

5.3. Parte III – Apresentação dos resultados através do Relatório de Sondagem:

De posse dos perfis individuais preliminares de cada sondagem obtidos após a classificação
tátil-visual, do nível d’água e da cota (elevação) do terreno no início da perfuração, desenha-se
(seguindo as especificações da NBR6484) o perfil do subsolo de cada sondagem, ou de preferência,
as seções do subsolo abrangendo diversas sondagens. O perfil das sondagens deverá mostrar todas
as camadas de solo encontradas, as posições dos níveis d’água, o número de golpes N necessários
à cravação dos 30 últimos cm do amostrador, a cota de referência dos furos, e demais informações
úteis que forem observadas.

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
7
Execução de Sondagem a Percussão

O Relatório de Sondagem deverá ser assinado por um engenheiro ou geólogo responsável


pelo trabalho, constando: endereço completo do site, croqui do terreno em planta com a localização
da referência de nível (Cota 0,0m), localização de cada um dos furos de sondagem com suas
respectivas cotas, data de execução dos serviços, e todas as informações indicadas na Norma ABNT
NBR6484/2001.
Juntamente com o Relatório de Sondagem, deverá ser entregue a ART referente ao serviço
executado, constando as informações necessárias para identificação do site, assinada pelo
responsável técnico da contratada, com o comprovante de pagamento.

6. Bibliografia

6.1. ABNT NBR6484/2001 – Sondagem a Percussão.

7. Dúvidas

Eventuais dúvidas deverão ser dirimidas através do seguinte contato:


Engª. Patricia Prospero Maradei
Departamento de Engenharia - ATC
E-mail: patricia.maradei@americantower.com

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
8
Abertura de Obra

1. Informações do Documento

1.3. Participantes

Autor Rafael Neves


Contribuição Maurício Delferro, Ailton Nunes e Clovis Sales
Aprovado por Patricia Prospero

1.4. Histórico de Revisões

Revisão Data da Revisão Autor Item Revisado


00 08/11/09 Fernando Galvão Emissão Inicial
01 05/05/10 Fernando Galvao Considerações Gerais e Descrição
das etapas
02 09/03/2012 Clóvis Sáles Descrição das etapas (Arrimo)
03 01/03/2013 Rafael Neves Cancelamento do Hidrômetro

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
9
Abertura de Obra

2. Objetivo

O intuito é identificar toda e qualquer interferência entre o projeto executivo e a situação


real da área locada, a fim de antecipar futuros problemas e otimizar as instalações.

3. Considerações Gerais

Na abertura de obra devem ser levantadas todas as possíveis interferências com relação ao
início das obras civis. Essa vistoria deve ser feita pelo supervisor de campo da ATC, acompanhado
do engenheiro responsável da contratada e o mestre de obra. A ATC fornece o projeto executivo
que é composto pelos seguintes projetos: civil, elétrico, fundação, portão, muro, alambrado,
aterramento, base de equipamentos, QTM / QDCA, skid, planialtimétrico e outros. A configuração e
detalhamento dos projetos referentes a equipamentos das operadoras variam de acordo com a
região e clientes. De posse de todas as informações necessárias os representantes da ATC e
contratada discutem como resolver os problemas de possíveis interferências. Caso seja alterado o
layout do projeto civil, o supervisor de campo fica responsável por realizar as anotações no projeto,
semelhante a um “As Built” com as alterações e enviar ao coordenador responsável. Para melhor
visualização dos projetos.

4. Equipamentos e Materiais

Os equipamentos e materiais a serem utilizados são:

4.1. Projeto executivo


4.2. Trena
4.3. Máquina fotográfica
4.4. GPS
4.5. Relatório do candidato aprovado

5. Descrição das Etapas

Abaixo são descritos alguns itens que devem ser verificados na abertura de obra:

5.1. Confirmação do endereço e coordenadas através do projeto executivo e do GPS;

5.2. Estaquear as extremidades da área locada. Muitas vezes, a área locada já foi delimitada pela
equipe responsável pelo levantamento planialtimetrico. Em caso de dúvidas, o supervisor de campo
deve entrar em contato com a área de site aquisition, para solicitar o acompanhamento do Hunter
responsável pela locação do terreno;

5.3. Verificar todas as interferências na área locada, como árvores, edificações antigas, entulho de
alguma outra obra, etc; discutir e acordar como tais interferências poderão ser retiradas impactando
minimamente o início das obras;

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
10
Abertura de Obra

5.4. Verificar se será necessário movimento de terra, corte ou aterro, não previsto em projeto, que
poderão ser manuais ou mecânicos. A topografia do terreno e o projeto de fundação irão determinar
o movimento de terra a ser executado. Em alguns casos, taludes podem ser insuficientes e a
necessidade de uma contenção específica (muro de arrimo) pode existir, isto identificado poderá ser
utilizado o projeto típico ou providenciado um específico para o site.

5.4.1. No aterro deve-se tomar os seguintes cuidados:


a) Remover toda a vegetação e mais um pouco de solo aonde o aterro será apoiado;

b) Para grandes declividades atentar para o escorregamento e seguir o projeto. Caso


haja alguma divergência com o mesmo, o responsável da ATC solicitará verificação e se
necessário revisão do projeto.

c) Executar o aterro conforme instruções do tema Movimentação de Terra: Corte e


Aterro.

5.5. Verificar como está a rede elétrica para a futura ligação de energia. Esse item será abordado
no tópico “Energia Definitiva”.

5.6. Identificar a melhor posição do padrão de entrada de energia. Posicionar o mais próximo
possível da rede publica. Esta análise é muito importante e poderá evitar o retardamento das ligações
definitivas devido a extensões de rede. Caso seja alterada a posição, fazer “As Built” do site.

5.7. O supervisor de campo junto à contratada deve identificar pontos para utilização de energia
provisória.

5.8. Identificar o melhor lugar para armazenamento dos materiais de consumo e da estrutura
metálica (areia, pedra, madeira, ferro, parafusos, chumbadores e torre). O local de armazenamento
dos materiais influi diretamente na circulação da obra, um item que otimiza o trabalho. Caso seja
necessário armazenar cimento, cujas características químicas podem ser alteradas em contato com
a chuva e calor, deve-se tomar alguns cuidados tais como: não empilhar mais de 10 sacos, afastar
no mínimo 30 cm das paredes, colocar sobres estrados de madeira a 30cm do piso e colocar os
sacos de cimento em local arejado.

5.9. Verificar a presença de qualquer interferência que impossibilite a execução da fundação. Neste
caso, o supervisor de campo, deve informar a situação com croqui e enviar sugestão de solução da
interferência para seu gestor. Este item é de suma importância para que não haja atrasos nas
concretagens.

6.0. A obra deverá ser fechada a estranhos e também deve oferecer segurança às pessoas e
elementos externos à mesma. Pessoas não autorizadas não deverão em hipótese alguma, entrar no
local da obra.

6.1. Todos os contratados estão proibidos de falar em nome da American Tower sobre o motivo da
obra em questão. Evitar comentários relacionados à obra e zelar pelo bom relacionamento com a
vizinhança.

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
11
Abertura de Obra

6.2. O fornecedor é responsável por realizar todos os registros fotográficos da abertura de obra,
acompanhamento e aceitação, devendo ser realizados em fotografia digital e todas as fotos deverão
estar datadas.

6.3. Quando for encontrado na abertura de obra um hidrômetro existente dentro da área locada,
será de responsabilidade da contratada o cancelamento e desativação deste hidrômetro.

6. Dúvidas

Eventuais dúvidas deverão ser dirimidas através do supervisor de campo ATC.

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
12
Movimentação de Terra: Corte, Aterro e Arrimo

1. Informações do Documento

1.5. Participantes

Autor Andrea Favoretto


Contribuição Clóvis Sáles
Aprovado por Patricia Prospero

1.6. Histórico de Revisões

Revisão Data da Revisão Autor Item Revisado


00 12/05/10 Andrea Favoretto Emissão Inicial
01 09/03/2012 Clóvis Sáles Contenção (Muro de arrimo)

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
13
Movimentação de Terra: Corte, Aterro e Arrimo

2. Objetivo

Padronizar os procedimentos de execução e aceitação dos serviços de:


 escavação, aterro, compactação e bota-fora;
 apiloamento de fundo de valas;
 reaterro apiloado de valas;
 retirada de terra excedente das escavações;
 estrutura de contenção (muro de arrimo).

3. Considerações Gerais

Qualquer que seja a configuração do terreno inicialmente encontrada e a configuração final


desejada, o movimento de terra deve ser precedido por uma fase que se denomina em geral de
preparação do terreno.
A preparação do terreno é composta por algumas etapas genéricas que obviamente, se
aplicam ou não, conforme as características específicas do terreno encontrado. Estas etapas são as
seguintes:
1. Desmatamento (retirada da vegetação de grande porte): Pode ser feita com motoserra ou,
eventualmente, com porcessos mecânicos, no caso de existêcia de poucas árvores;
2. Destocamento: No caso de ser utilizada moto-serra para o corte de árvores, o destocamento
pode ser feito manualmente;
3. Limpeza: Retirada da vegetação rasteira;
4. Remoção da Camada Vegetal: A camada de solo que pode ser considerada um banco
genético e que deve ser retirada particularmente, pois não pode ser utilizada em aterros.

4. Equipamentos e Materiais

Os serviços de terraplanagem podem ser executados por processos manuais ou mecânicos.


Os processos manuais utilizam a força humana, através de ferramentas e está restrito a
pequenos movimentos de terra (100m³) ou a locais onde seja obrigatório, em vista de condições
peculiares.
Os processos mecânicos para o movimento de terra utilizam duas máquinas distintas
basicamente. Um equipamento que escava e carrega o material sobre um outro equipamento que
transporta até o local da descarga. Os equipamentos mais utilizados são os seguintes:

 Pá Carregadora
 Retroescavadeira
 Bobby-cat
 Caminhôes basculantes
 Sapo (compactador de placa vibratória) ou rolo para compactação

5. Descrição das Etapas

O termo terraplanagem é definido como sendo o conjunto de operações de escavação, carga,


transporte, descarga, compactação e acabamento executados a fim de passar-se de um terreno em
seu estado natural para uma nova conformação topográfica desejada.

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
14
Movimentação de Terra: Corte e Aterro

5.1. Escavação, Aterro, Compactação e Bota-fora


A escavação do solo e a retirada do material devem ser executadas mecanicamente,
utilizando-se retroescavadeira e obedecendo aos critérios de segurança recomendados.
O aterro deve ser executado em camadas, que após a compactação, deve ter no máximo 20
cm de espessura. Devem ser utilizados compactadores manuais ou compactadores vibratórios
de solo, tipo sapo, para uma compactação mais eficaz.
O material excedente deve ser transportado através de caminhão basculante com o apoio de
carregadeira frontal até o local indicado pela fiscalização.

5.2 Escavação Manual


Antes de iniciar a escavação, a executante deve informar-se a respeito de galerias,
canalizações e cabos, na área onde devem ser realizados os trabalhos.

5.3 Apiloamento de Fundo de Valas


Após a escavação e retirada do material, o fundo da vala deve ser apiloado com sapo ou
soquete (lata de tinta de 18l, preenchida com concreto).

5.4 Reaterro Apiloado de Valas


Nos reaterros finais, utilizar, de preferência, a terra da própria escavação, umedecida,
cuidando para não conter pedras de dimensões superiores a 5 cm; a compactação deve ser manual
ou mecânica, de modo a atingir densidade e compactação homogêneas, aproximadas às
do terreno natural adjacente, utilizando Sapo ou soquete.

5.5 Retirada de Terra Excedente das Escavações


Deve ser providenciada a retirada do material excedente.

O movimento de terra básico pode significar uma operação de corte, aterro ou misto, como
pode ser abservado nas figuras a seguir:

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
15
Movimentação de Terra: Corte e Aterro

Além dessas operações básicas (corte, aterro e compactação) outras operações de caráter
restrito são também bastantes comuns, em função da necessidade do tipo de fundação a ser
executada. Em alguns casos são necessárias outras operações, tais como a troca de solo.
Em obras de fundações em tubulão, o movimento de terra deverá ser feito previamente,
diminuindo a escavação manual dos tubulões e facilitando o posicionamento de suas armaduras.
Nos casos em que torne necessária a contenção da vizinhança através de uso de perfis
metálicos ou paredes de diafragma, estes serviços deverão preceder a escavação.
Definindo quando alguns dados serão necessários para que o mesmo se realize:
 Sondagem do terreno: Este tipo de dado será importante para a definição do tipo de
equipamento a ser utilizado bem como do plano de execução de terraplenagem.

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
16
Movimentação de Terra: Corte e Aterro

 Cota de fundo da escavação: Ao se conhecer o tipo de fundação a ser executada


poderá ser definida a cota mais adequada para o final da escavação.
 Níveis da vizinhaça: Caso não haja estrutura de contenção de vizinhança este será o
ponto de partida para o início dos taludes periféricos.
 Definição da posição dos equipamentos: Este dado é importante para compatbilizar
a escavação com a locação dos equipamentos.

Deve-se ter em conta que, quando se corta um terreno que tenha um certo grau de
compactação, o solo tornando-se solto, perde a consistência inicial e aumenta de volume. A este
fenômeno da-se o nome de empolamento.
A tabela a seguir dá os fatores médios de conversão de volumes para diversos tipos de
terreno, ou seja, os números pelos quais se multiplicam os volumes para convertê-los de uma a
outra situação:

Para o bom andamento dos serviços, alguns cuidados devem ser tomados.
Além dos problemas de dimensionamento dos equipamentos e do controle do volume de
terra retirado em cada viagem, tendo diferente enfoque conforme descrito nos sistemas de
compactação, existem preocupações quanto a técnica de execução dos serviços. São dois aspectos
básicos que devem ser observados:
 Controle da cota de fundo da escavação: este tipo de controle poderá ser feito com
a utilização de topografia ou ainda de uma maneira mais rudimentar servindo-se de
uma mangueira de nível com ajuda de estacas auxuliares (pontaletes de madeira).
Neste caso o nível de referência deverá ser marcado sobre as estacas que vão sendo
deslocadas à medida que a escavação vai ocorrendo. As estacas acompanham o
andamento das máquinas de escavação.
 Controle de inclinação de taludes: é função do tipo de solo a ser escavado e das
condições de vizinhança do serviço de terraplanagem, deve ser definida pela ATC,
indicando uma inclinação para o talude que garanta a sua estabilidade.
A medida que estes taludes são executados é necessário que se controle a inclinação
dos mesmos. Isto pode ser feito com o auxílio de um gabarito construído em madeira
(sarrafo de 1” x 3”) que fornece a declividade desejada. Vide figura abaixo:

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
17
Movimentação de Terra: Corte e Aterro

5.6 Estrutura de Contenção (Muro de Arrimo)


Em alguns casos de terrenos com inclinação muito grande ou características específicas do
site, pode-se necessitar de uma estrutura de conteção de terra. Quando isto for necessário deve-se
executar o projeto do muro de arrimo fornecido, seguindo o conceito de que este também é uma
estrutura e deverá seguir as especificações e recomendações expostas neste Caderno quanto à
execução de escavações, de concreto e de fundações.
O projeto típico de muro de arrimo da ATC foi projetado para uma altura máxima de
contenção de 2,0m de terra e deve ser executado em etapas alternadas de escavação, com painéis
de largura próximas a 2,0m e escavados intercaladamente, evitando escorregamento do solo.
Posteriormente devem ser executadas as estacas, concretagem dos blocos, concretagem das vigas,
alvenarias de fechamento, impermeabilização e drenagem; sendo que as vigas, alvenarias,
impermeabilização e a drenagem deverão ser executadas por painel escavado.

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
18
Movimentação de Terra: Corte e Aterro

6. Dúvidas

Eventuais dúvidas deverão ser dirimidas através do seguinte contato:


Engª. Patricia Prospero Maradei
Departamento de Engenharia - ATC
E-mail: patricia.maradei@americantower.com

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
19
Energia Provisória

1. Informações do Documento

1.7. Participantes

Autor Rafael Souza


Contribuição Fernando Galvão e Evilásio Camargo
Aprovado por Patricia Prospero

1.8. Histórico de Revisões

Revisão Data da Revisão Autor Item Revisado


00 06/11/09 Rafael Souza Emissão Inicial
01 12/11/09 Rafael Souza 3. Considerações Gerais
02 03/05/10 Fernando Galvão 3. Considerações Gerais
03 09/03/12 Depto. Energia Compartilhamento de Energia

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
20
Energia Provisória

2. Objetivo

Identificar os possíveis pontos de energia que podem ser aproveitados para realização de
atividades em obra e ligação de equipamentos da operadora até que o padrão de energia definitivo
seja ligado.

3. Considerações Gerais

Com o intuito de acelerar as atividades em campo sempre que possível utilizamos energia
provisória até que o padrão definitivo seja ligado, esse documento visa padronizar esse tipo de
instalação no que tange materiais e efetivamente de onde podemos retirar este tipo de energia.

3.1 Identificando Pontos de Energia

Há teoricamente 2 (duas) formas de adquirirmos energia provisória: concessionária de


energia local ou medidores de terceiros (vizinho, proprietário e outra operadora). No caso de
solicitação de energias provisórias através da concessionária local, a contratada para execução
da obra será responsável pelo pagamento da taxa e administração do período de utilização.
Para ligação provisória a terceiros, o primeiro passo nesse processo para implantação da
energia provisória é a segurança, então padrões de energia que não apresentem segurança ou
que já estejam subdimensionados para sua capacidade existente não podem ser considerados
como uma opção para utilização na energia provisória.

3.2 Autorizações e Período de Utilização

Após a identificação do melhor ponto para retirada da energia provisória, precisamos colher
algumas informações de onde retiraremos esta energia como:
 Cópia das últimas 03 contas de energia
 Contatos (Telefone, E-mail, Celular e etc)
 Informar a data de início da ligação da provisória

Estas informações devem ser direcionadas a American Tower para providências de reembolso
ao fornecendor da energia provisória e também para solicitarmos ressarcimento da operadora
instalada no site.

Importante: Caso seja provisória, compartilhada com outra operadora: Anotar o


número do medidor e o nome operadora (identificar o site), informar o departamento de Energia
da ATC que solicitará a autorização do compartilhamento. Aguardar o “De Acordo” para realizar a
ligação.

Assim que o padrão de energia definitivo for ativado, informaremos ao fornecedor da energia
provisória e desativaremos a mesma, finalizando o processo da energia provisória.

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
21
Energia Provisória

4. Equipamentos e Materiais

Como não sabemos a que distância teremos um padrão de energia que esteja nas condições
mínimas desejadas para implantação de energia provisória, foram adotados alguns critérios de bitola
de cabo em relação a distância abaixo devido a perda de capacidade conforme tabela abaixo:

Distância (m) Bitola de cabo (mm) Disjuntor (A)


0 a 30 10 50
31 a 50 16 50
Acima de 50 25 50

Além dos critérios acima citado, devemos verificar se na rede da concessionária há um “trafo”
(transformador). A inexistência de transformador na rede, mostra que a rede é de média tensão, isso
quer dizer que a rede não está em voltagem usual para utilização, ou seja, será preciso instalar um
transformador para que a energia fique dimensionada em voltagem comercial (110 v/220 v).

5. Descrição das Etapas

Considerando o fornecimento dos quadros de distribuição (QTMs e QDCAs) para as


operadoras, partiremos para efetiva implantação de energia provisória no site, seguindo os passos
abaixo:
5.1. Construção do padrão de energia definitivo: consultar padrão de energia juntamente com a
concessionária local, pois cada concessionária tem seu próprio critério para efetivação de padrão;

5.2. Instalação do QTM (Quadro de Transferência Manual)/QDCA (Quadro de Distribuição de


Corrente Alternada): Cada operadora tem seu próprio padrão de QTM/QDCA, consultar o projeto
da operadora.

5.3. Instalar a energia provisória no disjuntor geral do QTM/QDCA, ativando assim o quadro de
distribuição.

6. Gerador

Quando não temos opção para ligação de energia provisória através da concessionária local
ou terceiros, é necessária a utilização de um gerador de energia, para tanto, seguir os critérios
listados:

6.1. Só solicite um gerador de Energia após ter certeza que nenhuma das possibilidades
anteriores são possíveis e após autorização da American Tower.

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
22
Energia Provisória

6.2. Procedimentos para Instalação de Gerador de Energia:


 Instalação do QTM/QDCA
 Instalar o gerador na tomada Steck existente. Alguns QTM´s não contemplam
tomada Steck, neste caso, ligue os cabos diretamente no disjuntor geral do
QTM/QDCA
 O gerador deve ser disposto estrategicamente no site de uma maneira que não
atrapalhe novos trabalhos e que sua retirada não seja difícil

7. Dúvidas

Eventuais dúvidas deverão ser dirimidas através do seguinte contato:


Engº. Evilásio Camargo
Departamento de Energia - ATC
E-mail: evilario.camargo@americantower.com

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
23
Energia Definitiva

1. Informações do Documento

1.9. Participantes

Autor Fernando Galvão


Contribuição Evilásio Camargo
Aprovado por Patricia Prospero

1.10. Histórico de Revisões

Revisão Data da Revisão Autor Item Revisado


00 03/05/10 Fernando Galvão Emissão Inicial

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
24
Energia Definitiva

2. Objetivo

Orientar contratadas e colaboradores no processo de ligação de energia definitiva.

3. Materiais e Equipamentos

Os equipamentos e materiais a serem utilizados são:

3.1 – Postes de entrada de energia H=7m 300dan


3.2 – Tubulação e bengala de 2” em ferro galvanizado a fogo.
3.3 – Roldana em porcelana para instalação ao poste.
3.4 – Caixas para medidores (monofásico / trifásico).
3.5 – Tubulação de 2” em PVC.
3.6 – QTM/QDCA conforme padrão da operadora.
3.7 - Cabos de energia conforme especificações da concessionária local.

4. Descrição das Etapas

O processo para ligação de energia definitiva deve seguir as seguintes etapas:

 Reconhecimento da Rede.
 Identificação dos padrões da concessionária local.
 Ligação de energia ATC e Operadora

4.1 – Reconhecimentos da Rede (Melhoria /Extensão de rede)

Este tipo de identificação das condições da Rede e de suas características deverá ser realizado já na
abertura de Obra.

Tipos de Rede:
Primária – Geralmente 13,8 KV, ou seja, 13800 Volts.
Secundária – Pode ser:
127/220 V, conhecida por 220 trifásico, onde F+N=127V e F+F= 220V.
220/380 V, conhecida como 380 trifásico, onde F+N=220V e F+F=380V.

Há algumas situações onde serão necessárias melhorias e/ou extensões de rede:

- Rede Primaria a menos de 30m do padrão de entrada.

É necessária a instalação de transformador responsável pelo rebaixamento da rede primária


para rede secundária (comercial). Caso os prazos para execução deste serviço pela concessionária
não atendam a expectativa da ATC, iniciar processo de contratação de empresa de energia

- Rede Primária a mais de 30m do padrão de entrada.

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
25
Energia Definitiva

É necessária extensão da rede primária até no máximo de 30m do padrão de entrada e


instalação de transformador responsável pelo rebaixamento da rede primária para rede secundária
(comercial). Caso os prazos para execução deste serviço pela concessionária não atendam a
expectativa da ATC, “iniciar processo de contratação de empresa de energia”.

- Rede Secundária a menos de 30m do padrão de entrada.

Após a conclusão da execução do padrão de entrada, devem-se seguir os procedimentos do


item 4.3

- Rede Secundária a mais de 30m do padrão de entrada.

Necessária extensão da rede secundária até no máximo 30 m do padrão de entrada. Caso


os prazos para execução deste serviço pela concessionária não atendam a expectativa da ATC,
“iniciar processo de contratação de empresa de energia”.

- Melhorias de rede.

Esta situação dever ser estudada, caso a caso, tendo como diretrizes a necessidade de
características de fornecimento de energia a ATC e operadora (monofásico / trifásico). Caso sejam
necessárias adições de fase ou qualquer tipo de melhoria a rede. Caso os prazos para execução
deste serviço pela concessionária não atendam a expectativa da ATC, “iniciar processo de
contratação de empresa de energia”.

“Iniciar processo de contratação de empresa de energia”: A contratada / supervisor de campo


deve visitar a concessionária local, identificar os padrões locais de instalação, solicitar referências de
empresas de energia prestadoras de serviço à concessionária e informar ao coordenador ATC todas
a informações levantadas, o coordenador deve solicitar orçamento à pelo menos 2 (duas) empresas
e finalmente, com os orçamentos em mãos, envia-os ao departamento de suprimentos para efetivar
a contratação. A contratada de energia fica responsável pela execução dos serviços de extensão /
melhoria e também, pelo pedido de ligação das unidades consumidoras.

As identificações precoces de melhorias ou extensões de rede evitarão a utilização de energia


provisória ou geradores.

4.2 – Identificação dos padrões de instalação da concessionária local.

A contratada / supervisor de campo deve ir à concessionária de energia local e solicitar os


folhetos com as especificações de ligação de energia referente a configuração necessária ao site.Esta
etapa visa assegurar que as instalações estão conforme padrão de projeto local, evitando assim, a
rejeição do padrão pela concessionária e por conseqüência, o atraso nas ligações definitivas de
energia.

4.3 – Ligação de energia definitiva ATC / Operadora.

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
26
Energia Definitiva

Ligação de energia definitiva ATC

A contratada é responsável pela solicitação e acompanhamento de ligação da unidade


consumidora da ATC nos sites. Para que a contratada possa fazer este pedido, a ATC envia
declaração com tal autorização em nome da contratada.

Ligação de energia definitiva Operadora


O processo para ligação de energia definitiva da operadora deve seguir o exposto abaixo:

- A ATC elabora a carta de pedido de ligação com todas as informações cadastrais da


operadora e o endereço da unidade consumidora / site.
- A operadora solicita a ligação através do contato corporativo junto à concessionária.
- A concessionária gera o protocolo / expediente / ordem de serviço para operadora que
deve informar a ATC.
- A contratada de posse do protocolo, monitora e acompanha o processo de ligação da
unidade consumidora da operadora.

5. Dúvidas

Eventuais dúvidas deverão ser dirimidas através do responsável pelo departamento de


energia ATC.

Eventuais dúvidas deverão ser dirimidas através do seguinte contato:


Engº. Evilásio Camargo
Departamento de Energia - ATC
E-mail: evilario.camargo@americantower.com

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
27
Locação de Estruturas e Montagem de Gabarito

1. Informações do Documento

1.11. Participantes

Autor Nelson Suiama e Mauro Matubara


Contribuição Clóvis Sales
Aprovado por Patricia Prospero

1.12. Histórico de Revisões

Revisão Data da Revisão Autor Item Revisado


00 06/11/2009 NSS e MHM Emissão Inicial
01 09/3/2012 Clóvis Sáles Revisão Geral

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
28
Locação de Estruturas e Montagem de Gabarito

2. Objetivo

Esta instrução tem o objetivo de orientar e padronizar a locação de estrutura, montagem e


desmontagem de gabaritos de torres e postes, para a correta realização deste procedimento.

3. Locação da Estrutura

Antes da execução da locação da estrutura, deve-se verificar se o responsável pela obra possui
o projeto executivo e projeto de fundação.
Toda a locação da estrutura é feita com base no projeto executivo, onde podemos encontrar:
- Dimensão do terreno;
- Distância de recuos;
- Abertura entre montantes, no caso de dúvida neste item, deve-se consultar o projeto de
fundação.

- Indicação das cotas referentes ao recuo.

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
29
Locação de Estruturas e Montagem de Gabarito

4. Gabarito

Ao receber o gabarito e chumbadores na obra, o responsável da construtora deve verificar:


- a quantidade, o diâmetro e comprimento dos chumbadores que devem estar exatamente
conforme projeto de fundação e da estrutura.
- A abertura da estrutura (gabarito x projeto de fundação).

Cuidados importantes para se posicionar os chumbadores:

- As armaduras da fundação nunca poderão ser cortadas para a passagem dos chumbadores;
- O centro do conjunto dos chumbadores deve coincidir com o centro do bloco;
- Deve-se travar os chumbadores para que no momento da concretagem eles não se desloque;
- Os chumbadores deverão estar sempre nivelados e no prumo;
- Conferir o comprimento do chumbador que deverá permanecer fora do bloco;
- Nunca confiar no gabarito, executar verificações importantes que serão demonstradas a
seguir.

Verificações Importantes:

- No caso de postes deve-se verificar a excentricidade e nivelamento dos chumbadores em


relação ao bloco.
- Em torres triangulares deve-se verificar o nivelamento dos chumbadores, bem como o
posicionamento correto do gabarito com o auxílio de linha. Exemplo:

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
30
Locação de Estruturas e Montagem de Gabarito

A linha tracejada azul deve sair do eixo do chumbador e deve interceptar exatamente o meio
do lado oposto ao conjunto do chumbador. Esta linha corresponde à bissetriz do ângulo de abertura
da torre. Este procedimento deve ser executado nos três pés da torre simultaneamente, pois as linhas
devem se encontrar no CG da torre. Quando as linhas não se encontram em um só ponto, o gabarito
está montado erroneamente e sua instalação deve ser refeita. A concretagem só poderá ser iniciada
se, estas medidas estiverem corretas.

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
31
Locação de Estruturas e Montagem de Gabarito

- Em torres quadradas deve-se também verificar o nivelamento e com o auxílio de linha,


utilizando o procedimento acima indicado:

Em torres quadradas, as linhas devem ser esticadas formando as diagonais do quadrado, onde
a linha deverá passar pelo centro dos chumbadores.
Conferir a medida ”A” referente à distância entre o centro dos chumbadores e/ou a intersecção
das linhas em relação ao centro do gabarito.

O sucesso de toda montagem deve-se ao correto posicionamento do gabarito e


concretagem dos chumbadores. Um gabarito instalado incorretamente pode impedir a montagem
da estrutura

Se a distância entre a face superior do bloco e a face inferior do flange for maior
do que 1 ½ vezes a altura da porca é obrigatória a execução do grout. Se esta distância
for menor, é apenas recomendada a execução deste procedimento. Exemplo: para porcas com 2”
(50 mm) de altura, o grout deverá ser executado se a distância entre a face superior do bloco e
inferior do flange for maior do que 75mm. Caso seja executado Grout deverá ser prevista a instalação
de um dreno durante sua execução, para evitar o acúmulo de água nos montantes, em postes e
torres tubulares.
A execução do grout bem como a drenagem é de responsabilidade da empresa construtora
contratada para executar o site.

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
32
Locação de Estruturas e Montagem de Gabarito

5. Execução de Grout

Grout é uma argamassa pré-dosada composta de cimento Portland, areia de quartzo de


granulometria selecionada e aditivos especiais convenientemente dosados. É fornecido pronto para
uso, bastando a adição de água na proporção recomendada pelo fabricante para se obter a
consistência e resistência mecânica indicada.
A base que ficará em contato com o grout deverá estar perfeitamente limpa, áspera, isenta
de óleos, graxas, restos de pintura, natas de cimento, agentes químicos e sem qualquer partícula
solta que prejudique a perfeita aderência do grout no substrato. Recomendamos também que a
base seja umedecida 24 horas antes da colocação, atentando-se para que a mesma fique sem água
na superfície na hora da aplicação.
As fôrmas devem permitir o fácil escoamento e o preenchimento contínuo dos espaços que
serão grauteados. Portanto, a estanqueidade das fôrmas é fundamental para evitar a fuga do grout,
bem como o prévio umedecimento de fôrmas de madeira que é imprescindível.
Para aplicação, verter cuidadosamente e continuamente o grout com ângulo de 45° em
relação à placa de base e sempre apenas por um dos lados para se evitar a formação de bolhas de
ar. A espessura da camada de grout deverá ser de 5 cm. As fôrmas só poderão ser removidas após
o endurecimento, aproximadamente 48 horas após a concretagem.

Existem no mercado várias marcas de grout, devendo-se, antes do consumo, comunicar ao


departamento de estruturas da American Tower do Brasil para a devida aprovação e liberação.
Algumas marcas recomendadas pela American Tower do Brasil são: Sika Grout 250 (Sika) e
Masterflow 320 Grout (Basf), V-I Grauth (Vedacit).

6. Bibliografia

Seccional
www.seccional.com.br

BrasilSat
www.brasilsat.com.br

7. Dúvidas

Eventuais dúvidas deverão ser dirimidas através do seguinte contato:


Engª. Patricia Prospero Maradei
Departamento de Engenharia - ATC
E-mail: patricia.maradei@americantower.com

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
33
Execução de Concreto em Obra

1. Informações do Documento

1.13. Participantes

Autor Andrea Favoretto


Contribuição Clóvis Sales
Aprovado por Patricia Prospero

1.14. Histórico de Revisões

Revisão Data da Revisão Autor Item Revisado


00 17/11/2009 Andrea Favoretto Emissão Inicial
01 15/04/2010 Patricia Prospero Inclusão do item 5
02 09/03/2012 Clóvis Sáles Item 6 (traço)

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
34
Execução de Concreto em Obra

2. Objetivo

Descrever o procedimento de execução do concreto no canteiro de obra, considerando que,


este concreto deve apresentar características e propriedades compatíveis com os projetos do site e
exige de seu executor, um perfeito conhecimento das propriedades e qualidades dos materiais
constituintes e da funcionalidade destes, bem como da técnica de seu preparo e uso procedimento
para moldagem e cura de corpos-de-prova de concreto, de acordo com a NBR 5738:2003.

3. Considerações Gerais

O concreto somente será fabricado em obra se, e somente se, não houver
possibilidade de acesso ao site para caminhões betoneira.
Isto posto, define-se o concreto como um material constituído por uma mistura de um
aglomerante hidráulico (cimento) com materiais inertes (agregados) e água. Quando recém
misturado, deve oferecer condições tais de plasticidade, que facilitem as operações de manuseio
indispensáveis ao lançamento nas formas, adquirindo com o tempo, pelas reações que então se
processarem entre aglomerados e água, coesão e resistência.

Traço do concreto: proporção entre os diversos componentes;


Fator água/cimento (a/c): relação entre estes dois componentes, interfirindo diretamente na
resistência e na retração do concreto;
Aditivos: alterar e influenciar características específicas, como: pega, fluidez, dureza de
superfície, etc.

Para obter um concreto durável, resistente, econômico e de bom aspecto, deve-se saber:
3.1. as propriedades de cada um dos materiais componentes;
3.2. as propriedades do concreto e os fatores suscetíveis de alterá-los;
3.3. a proporção correta e a execução cuidadosa da mistura em cada caso, afim de obter as
características de projeto;
3.4. os meios de transportes, lançamento e adensamento compatíveis com a obra;
3.5. o modo de executar o controle do concreto durante a preparação e após o endurecimento, afim
de capacitar-se o atendimento das características exigidas, tomando os cuidados devidos em caso
contrário.
Ao conjunto cimento + água dá-se a denominação de pasta que, adicionando um agregado
miúdo a pasta (areia), obtém-se a argamassa.
Considerando-se o concreto como uma argamassa, a qual foi adicionado um agregado
graúdo (brita), a pasta terá como função envolver os agregados, enchendo os vazios formados e
propiciando ao concreto possibilidades de manuseio, quando recém misturado; e aglutinar os
agregados no concreto endurecido resultando num conjunto único, resistência aos esforços
mecânicos e durabilidade frente aos agentes agressivos.

4. Equipamentos e Materiais

4.1. Equipamentos

Para a mistura e homogeneização do concreto são utilizadas pás, enxadas, ou pequenas


betoneiras elétricas.

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
35
Execução de Concreto em Obra

Baldes, latas ou caixotes de madeiras (padiolas) com dimensões previamente definidas, são
utilizados para fazer a dosagem dos componentes do concreto volumetricamente.

4.2. Materiais
O concreto representa uma composição de água, cimento, areia e pedra britada.

4.2.1. Cimento:
O cimento posto em obra deve ser acondicionado em estrados de madeira, com o objetivo
de impedir o contato dos sacos de cimentos com o solo. Os sacos devem ser cobertos, para que não
tomem sol ou chuva.
A American Tower do Brasil especifica dois tipos de cimento a ser utilizado em suas obras.
São eles:
4.2.1.1. Cimento Portland Composto – tipo II (CP-II): um concreto elaborado utilizando CP-II atinge
uma resistência que permite o início da montagem das estruturas 07 (sete) dias após a concretagem.
Este tipo de cimento é um aglomerante hidráulico obtido pela moagem de clínquer Portland
ao qual se adiciona, durante a operação, a quantidade necessária de uma ou mais formas de sulfato
de cálcio, sendo permitida durante a moagem a adição a esta mistura, de materiais pozolânicos,
escórias granuladas de alto forno e/ou materiais carbonáticos.
4.2.1.2. Cimento Portand de Alta Resistência Inicial – tipo V (ARI): um concreto elaborado utilizando
Cimento ARI atinge uma resistência que permite o início da montagem das estruturas 03 (três) dias
após a concretagem.
Este tipo de cimento é um aglomerante hidráulico obtido pela moagem de clínquer Portland,
sem qualquer adição durante a moagem, a não ser uma ou mais formas de sulfato de cálcio e
materiais carbonáticos. Este tipo de cimento NÃO deve ser administrado no canteiro de obra, apenas
em usinas concreteiras.

4.2.2. Areia
Também chamada de agregado miúdo, serve para preencher os espaços vazios entre o
cimento e o agregado graúdo. O emprego da areia no concreto é necessário por motivo de economia.
A areia fina NÃO é recomendável, pois compromete a resistência do concreto.
Deve estar limpa, seca e livre de impurezas como:
húmus – prejudica a pega e o endurecimento do concreto.
torrões de argila – originam vazios que diminuem a resistência do concreto.
carvão, linhito e turfa – perturbam o endurecimento e intumescendo e desagregando o concreto.
Mica e partículas vegetais – prejudicam a qualidade do concreto.
A cor escura da areia é indício de material orgânico, exceto quando esta se origina de rochas escuras.

4.2.3. Brita
Conhecida como agregado graúdo, classificam-se conforme material retido na peneira:

Tabela 4.1
Tipo Diâmetro médio
Pedrisco 0,0mm 4,8mm
Brita 0 4,8mm 9,5mm
Brita 1* 9,5mm 19mm
Brita 2* 19mm 25mm
Brita 3 25mm 38mm
* Normalmente utilizadas
Brita 4 38mm 54mm
Brita 5 76mm 100mm

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
36
Execução de Concreto em Obra

Caso a brita possua muito pó de pedra, deve-se providenciar a sua lavagem, para que a
qualidade do concreto não diminua devido à menor aderência entre a pasta e a brita.
O concreto é melhor e mais consistente quando os espaços entre as britas maiores são
ocupados uniformemente por britas menores e areia.

5. Resistência a Compressão (fck)

A grande maioria dos projetos da American Tower adota como resistência a compressão 20
MPa, para os concretos aplicados em suas fundações. O traço do concreto deverá seguir os volumes
especificados no item 7, visando uma resistência a compressão aos 28 dias como o previsto em
projeto. A responsabilidade da garantia da execução deste traço é da contratada, mas cabe ao
supervisor de campo fornecê-lo e acompanhar a execução do mesmo, garantindo a sua execução
conforme o traço.
Para garantir uma melhor qualidade do concreto produzido em obra, devem ser observados
com atenção os itens abaixo:
- É imprescindível verificar a consistência do concreto utilizando o método do abatimento do
tronco de cone, Slump (NBR 7223).
- Ordem de colocação dos materiais na betoneira: é aconselhável começar o lançamento da
água ou parte dela, posteriormente lançando o agregado graúdo e, sempre com a betoneira em
funcionamento, lança-se o cimento. Finalmente lança-se a areia e o eventual restante dos materiais.
Este procedimento garante uma mistura mais homogênea e com menor quantidade de vazios;
- A trabalhabilidade do concreto (coesão, consistência, plasticidade, bombeabilidade, etc.)
deve ser tal que permita seu adensamento manual e/ou mecânico dentro das formas, garantindo
um total preenchimento de concreto nas peças estruturais, mas sempre limitando-se ao fator a/c
descrito.
Usualmente o concreto utilizado é o usinado, o qual a usina é responsável pelo traço e deve
garantir a resistência especificada no projeto de fundações, deve-se sempre dar preferência a este,
evitando ao máximo à execução do concreto em obra.

6. Bibliografia

As Normas relacionadas a seguir contêm disposições que, ao serem citadas neste texto,
constituem prescrições para esta Norma. As edições indicadas estavam em vigor no momento desta
publicação. Como toda norma está sujeita a revisão, recomenda-se àqueles que realizam acordos
com base nesta que verifiquem a conveniência de se usarem as edições mais recentes das normas
citadas a seguir. A ABNT possui a informação das normas em vigor em um dado momento.

6.1. NBR 9833:1987 – Concreto fresco – Determinação da massa específica e do teor de ar pelo
método gravimétrico – Método de ensaio.
6.2. NBR NM 33:1998 – Concreto – Amostragem de concreto fresco
6.3. NBR NM 36:1998 – Concreto fresco – Separação de agregados grandes por peneiramento
6.4. NBR NM 47:2002 – Concreto – Determinação do teor de ar em concreto fresco – Método
Pressométrico
6.5. NBR NM 67:1998 – Concreto – Determinação da consistência pelo abatimento do tronco de
cone
6.6. Manual de Dosagem e Controle de Concreto – Paulo Helene / Paulo Terzian – Editora Pini – 1ª
Edição

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
37
Execução de Concreto em Obra

7. Traço do concreto

8. Dúvidas

Eventuais dúvidas deverão ser dirimidas através do seguinte contato:


Engª. Patricia Prospero Maradei
Departamento de Engenharia - ATC
E-mail: patricia.maradei@americantower.com

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
38
Execução de Rebaixamento de Lençol Freático para Radiers

1. Informações do Documento

1.15. Participantes

Autor Andrea Favoretto Patricia Prospero Maradei


Contribuição Patricia Prospero Maradei
Aprovado por Patricia Prospero Maradei

1.16. Histórico de Revisões

Revisão Data da Revisão Autor Item Revisado


00 25/11/2009 Andrea Favoretto Emissão Inicial
01 30/04/2010 Patricia Prospero Descrição das etapas

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
39
Execução de Rebaixamento de Lençol Freático para Radiers

2. Objetivo

Descrever o procedimento de rebaixamento do lençol freático para a execução de fundações


diretas do tipo Radier.

3. Considerações Gerais

O rebaixamento de lençol freático tem por objetivo alterar a posição do nível d’água. Esta
alteração pode ser permanente ou temporária. Nas obras da ATC este rebaixamento será
temporário, pois visa o rebaixamento do nível d’água durante a execução das fundações diretas tipo
radier.
O rebaixamento do lençol freático deve ser feito com bastante critério e só poderá ser
executado SE estiver descrito nos projetos de fundação da ATC. Solos compostos por
camadas de areia e argila mole são mais delicados e instáveis a essas intervenções. Com isso, as
estruturas podem sofrer danos estruturais graves, com recalques consideráveis.
Dependendo do tipo de solo, o rebaixamento deve ser descartado para a segurança das
estruturas vizinhas. Quem tomará a decisão de quando será necessário o rebaixamento será o
departamento de engenharia da ATC.

4. Equipamentos e Materiais

4.1. Equipamentos

Conjunto de bombas centrífugas e a vácuo


Ponteiras em aço galvanizado ou PVC
Tubos e conectores em PVC

4.2. Materiais

Areia
Pedrisco de granulometria fina
Água

5. Descrição das Etapas

A maior parte dos casos exige o rebaixamento temporário do lençol. Nesse caso, o sistema
é ligado antes do início da escavação e desligado logo após o término dos trabalhos. Essa técnica
pode ser aplicada por meio do sistema de ponteiras filtrantes ou Well Point System.
São sistemas de poços de pequeno diâmetro nos quais são instaladas ponteiras conectadas
a um coletor e daí para um conjunto de bomba centrífuga + bomba de vácuo. Os poços são, em
geral, executados através de perfuratrizes que empregam circulação direta, podendo o furo ser
revestido ou não, dependendo da estabilidade da parede da perfuração.

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
40

Execução de Rebaixamento de Lençol Freático para Radiers


O diâmetro dos poços varia entre 10 e 15 cm (4” e 6”) e o espaçamento entre os mesmos,
dependendo da natureza do solo e do volume do aqüífero a ser bombeado, varia de 0,5 a 3,0m.
Após a execução de cada furo, coloca-se a ponteira centralizadamente e, a seguir, lançam-
se areia ou pedrisco fino com granulometria apropriada entre a ponteira e a parede de perfuração.
Usualmente, as ponteiras devem circunscrever a área cujo lençol deverá ser rebaixado e devem
estar submergidas em pelo menos 0,50m no lençol freático. Com a ponteira instalada no fundo do
poço é feita a vedação na parte superior do furo - no nível do solo (ver ilustração abaixo).
As ponteiras mais utilizadas no Brasil têm diâmetro de 3,8 a 5,08 cm (1¹/²” a 2”) e 0,3 a
1,0m de comprimento. As ponteiras são ligadas à superfície por tubos denominados de subida ou
sucção. Estes tubos, de material e diâmetro igual ao das ponteiras, possibilitam o acoplamento das
ponteiras com os coletores, os quais têm a função de conectar as ponteiras ao conjunto bomba
centrífuga + bomba a vácuo.
O conjunto de bombas deve ser instalado, preferencialmente, em um ponto central da rede
coletora, para minimizar perdas de carga hidráulica.
Para aumentar a eficácia do sistema, o rebaixamento pode ser feito em dois ou três estágios.
Nestas condições, as etapas subseqüentes operam a partir do rebaixamento alcançado no estágio
superior.

Durante a execução e operação do rebaixamento do lençol freático deve haver um


acompanhamento da vizinhança, com objetivo de identificar eventuais recalques ocasionados pela
redução do nível do lençol freático. Qualquer problema deverá ser imediatamente reportado para
ATC.

6. Bibliografia

6.1. Fundações: teoria e prática. Ivan Grandis. Editora Pini.


6.2. Teoria e Prática de Rebaixamento do Lençol D'água. P.P.C. Velloso. Livros Técnicos e Editora.
6.3. Alonso, U.R.,“Rebaixamento Temporário de Aquíferos”, 1999

7. Dúvidas

Eventuais dúvidas deverão ser dirimidas através do seguinte contato:


Engª. Patricia Prospero Maradei
Departamento de Engenharia - ATC
E-mail: patricia.maradei@americantower.com

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
41
Procedimento para execução de fundações Tipo Radier

1. Informações do Documento

1.17. Participantes

Autor Andrea Favoretto


Contribuição Clóvis Sales
Aprovado por Patricia Prospero

1.18. Histórico de Revisões

Revisão Data da Revisão Autor Item Revisado


00 13/11/2009 Andrea Favoretto Emissão Inicial
01 15/04/2010 Patricia Prospero Inclusão do item “Concretagem”
02 09/03/2012 Clóvis Sáles Revisão geral

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:

Procedimento para execução de fundações Tipo Radier 42

2. Objetivo

O presente documento estabelece as diretrizes e condicionantes para execução, verificação


e avaliação de fundações diretas do tipo radier. Descreve e fixa os equipamentos, as ferramentas e
os acessórios mínimos necessários, bem como especifica os materiais utilizados.

3. Considerações Gerais

Este tipo de fundação transmite as cargas estruturais através de superfícies, diretamente


assentadas em terreno, desconsiderando-se eventuais parcelas transmitidas por atrito lateral. Trata-
se de fundação em superfície contínua, apresentando a disposição de uma laje de concreto armado
e que podem assumir diversas formas geométricas, sendo a mais usual, quadrada.

4. Equipamentos e Materiais

Os tipos, capacidade e quantidade dos equipamentos a serem utilizados devem ser em


função do tipo, dimensão e prazos previstos no projeto. Desta forma, a executante deve prever os
seguintes tipos básicos de equipamentos:

4.1. retro-escavadeiras;
4.2. caminhão basculante;
4.3. betoneiras;’
4.4. guindaste de médio porte;
4.5. pequenas centrais de concreto – se necessário;
4.6. bancadas completas de carpintaria e armação;
4.7. ferramentas manuais, tais como: pás, picaretas, enxadas, bombas e outros.

Na execução desses tipos de fundação, o executor deve prever a utilização dos seguintes
materiais:
4.8. forma de tábua (se as características do solo permitir, pode-se ser executado contra-
barranco);
4.9. escoramentos;
4.10. concreto com fck ≥ 20 MPa, ou conforme solicitado em projeto;
4.11. aço estrutural CA-50.

5. Descrição das Etapas

A execução de um radier é composta de 05 etapas, descritas abaixo:

5.1. Locação e escavação manual do radier:


5.1.1. Locar os eixos dos pilaretes com piquetes de madeira individualizados;
5.1.2. Locar os vértices do radier com piquetes de madeira individualizados;
5.1.3. Iniciar a escavação até a cota especificada em projeto;
5.1.4. Executar o nivelamento e compactação do fundo da escavação;

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
43
Procedimento para execução de fundações Tipo Radier

5.2. Execução de concreto magro (lastro), com espessura de acordo com especificado em projeto
ou no mínimo 5 cm;
5.3. Montagem da forma de tábua e escoramento da mesma, garantindo que durante a
concretagem, as dimensões de projeto do radier não sofreram alterações;
5.4. Colocação da armadura, respeitando os espaçamentos, quantidades, bitolas e comprimentos de
projeto;
5.5. Concretagem.

Preparos e cuidados para o lançamento do concreto:

Antes do lançamento do concreto para confecção dos elementos de fundação, o local deve
ser cuidadosamente limpo, isento de quaisquer materiais que sejam nocivos ao concreto e as formas
deverão estar umidecidas. Em caso de existência de água nas valas da fundação, deve-se
providenciar o esgotamento da água, e a área devidamente protegida. Não é permitida a
concretagem antes dessas providências.
O fundo da vala deve ser recoberto com uma camada de brita, posteriormente, com uma
camada de concreto magro, nas espessuras definidas em projeto. Existe a possibilidade de a
concretagem ser executada usando o solo diretamente como forma lateral, verificando-se a
estabilidade do solo.

Preparos de fundação em rocha:

Quando o projeto determinar o apoio do radier diretamente em rocha, a superfície da rocha


deve ser preparada com certa rugosidade, seguida de limpeza total e lavagem completa da área de
fundação. As rochas soltas, argamassas secas, depósitos orgânicos, substâncias oleosas, friáveis e
outros materiais estranhos, devem ser removidos. Fissuras abertas, impregnadas de argila ou outros
materiais finos devem ser limpos com jatos de ar e água até uma profundidade adequada.
A complementação da limpeza deve ser feita através do uso de picaretas, alavancas,
vassouras duras, jatos de ar e água a alta velocidade, jatos de areia ou outros métodos adequados,
seguidos de uma total lavagem. As rochas que não se desprendem facilmente com alavancas
aplicadas manualmente não devem ser removidas. O acúmulo de água de lavagem, que resulta nas
depressões da fundação, deve ser removida, antes do início do lançamento. Durante o lançamento
do concreto, a rocha deve estar isenta de materiais finos e nas condições de saturado superfície
seca, a fim de que não haja absorção de água do concreto fresco.

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
44
Procedimento para execução de fundações Tipo Radier

Cuidados na instalação da armação:

A armação pode ser cortada e dobrada em campo ou pode vir já cortada e dobrada. Em
qualquer um dos casos, é obrigação do supervisor de campo conferir o tipo de aço, bitola,
dimensões e espaçamentos que devem estar exatamente conforme projeto.
Atenção especial deve ser dada para manter durante a concretagem o recobrimento das
armaduras conforme projeto.

Concretagem:

O recebimento do concreto é de responsabilidade do supervisor de campo. O


recebimento consiste na verificação e aprovação da documentação (nota fiscal, certificados, etc)
que acompanha cada betoneira e na verificação da consistência do concreto pelo abatimento do
tronco de cone, slump (NBR 7223).
O documento de entrega que acompanha cada remessa de concreto deve conter: tipo do
cimento utilizado, quantidade de cada componente do concreto, volume total de concreto, hora do
início da mistura, o abatimento do tronco de cone (slump), resistência característica do concreto à
compressão e presença de aditivo (quando aplicável).
Após a aceitação do concreto, pode ser liberada a concretagem do radier. O concreto pode
ser bombeado (quando o caminhão betoneira não puder chegar perto da fundação) ou transportado
manualmente (com carrinhos de mão e padiolas). Em ambos os casos, a altura de lançamento
do concreto não pode ser maior do que 2,00m, para evitar segregação do material.
Durante a concretagem deverá ser utilizado vibrador para garantir um preenchimento
homogêneo do concreto na forma. A concretagem só estará concluída quando for atingida a cota
(altura) de projeto do radier.
Logo após a concretagem até a execução do re-aterro, deve ser prevista a cura úmida do
concreto do radier (lado exposto), com molhagem 3 vezes ao dia ou outro sistema de cura (mantas,
areia, etc).

6. Bibliografia

6.1. NBR 5738:1994 – Moldagem e cura de corpos-de-prova cilíndricos ou prismáticos de concreto


6.2. NBR 5739:1994 – Concreto – Ensaios de compressão de corpos-de-prova cilíndricos
6.3. NBR 6118:2003 – Projeto de estruturas de concreto – Procedimento
6.4. NBR 6122:2010 – Projeto e execução de fundações – Procedimento
6.5. NBR 7480:1996 – Barras e fio de aço destinados às armaduras para concreto armado
6.6. NBR 7211:1983 – Agregado para concreto
6.7. NBR 11578:1991 – Cimento Portland composto – Especificação
6.8. NBR 12131:1991 – Prova de carga estática – Estaca
6.9. Manual de Especificações de Produtos e Procedimentos ABEF – Engenharia de Fundações e
Geotecnica – 3ª edição – Ed. Pini

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
45
Procedimento para execução de fundações Tipo Radier

7. Dúvidas

Eventuais dúvidas deverão ser dirimidas através do seguinte contato:


Engª. Patricia Prospero Maradei
Departamento de Engenharia - ATC
E-mail: patricia.maradei@americantower.com

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
46
Procedimento para execução de fundações Tipo Tubulão

1. Informações do Documento

1.19. Participantes

Autor Andrea Favoretto


Contribuição Clóvis Sales
Aprovado por Patricia Prospero

1.20. Histórico de Revisões

Revisão Data da Revisão Autor Item Revisado


00 06/11/2009 Andrea Favoretto Emissão Inicial
01 30/04/2010 Patricia Prospero Inclusão de Considerações Gerais
02 09/03/2012 Clóvis Sáles Revisão geral

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
47
Procedimento para execução de fundações Tipo Tubulão

2. Objetivo

O presente documento estabelece as diretrizes e condicionantes para execução, verificação


e avaliação de tubulões a céu aberto, executados por perfuração manual ou mecânica até a cota
especificada em projeto, sendo dotados de uma base tronco-cônica, alargada manualmente, com
posterior lançamento de concreto. Descreve e fixa os equipamentos, as ferramentas e os acessórios
mínimos necessários, bem como especifica os materiais.

3. Considerações Gerais

Tubulões são elementos de fundação em concreto moldado in loco, com função específica
de transmitir as cargas estruturais para os solos de maior capacidade de suporte. Os elementos de
fundação em concreto moldado in loco, tubulões a céu aberto, são obtidos através o preenchimento
com concreto de escavações no terreno, previamente executadas, constituídas de fuste de seção
circular e formato cilíndrico e base tronco-cônica.

4. Equipamentos e Materiais

Os equipamentos a serem utilizados são:

4.1. sarilhos metálicos ou guinchos mecânicos, conforme o caso;


4.2. carrinhos de mão;
4.3. bombas de sucção ou submersas;
4.4. tubo de concretagem ou tremonha;
4.5. carregadeiras;
4.6. caminhões basculantes;
4.7. caminhões providos de pequenos guindastes;
4.8. trado mecânico para escavação;
4.9. rompedor hidráulico ou martelete;
4.10. caminhões betoneiras;
4.11. vibradores de imersão para concreto

Todos os materiais a serem utilizados devem ter Certificado de Conformidade e deverão ser
os descritos abaixo:

4.12. concreto com fck ≥20 MPa ou conforme projeto;


4.13. camisas de concreto com diâmetros internos entre 80 cm e 200 cm com comprimento entre
0,5 m e 1,0 m de comprimento, quando solicitado em projeto;
4.14. aço estrutural CA-50.

5. Descrição das Etapas

A execução de um tubulão é composta de 03 etapas, descritas abaixo:

5.1. Locação do tubulão e escavação manual do fuste

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
48
Procedimento para execução de fundações Tipo Tubulão

5.1.1. Locar o centro dos tubulões com piquetes de madeira individualizados;


5.1.2. Marcar o diâmetro de cada tubulão utilizando 2 hastes de ferro ou 2 pregos, ligado por um
fio (linha de pesca ou cordonê), colocando-se uma das hastes no centro do tubulão, de modo que
a outra possa girar em torno da primeira, mantendo-se esta distância igual ao raio do mesmo;
5.1.3. Iniciar a escavação com picareta, para em seguida utilizar vanga e pá. Até 2,0m de
profundidade, o poceiro que está fazendo a escavação retira o solo com a pá jogando-o em volta
do tubulão, formando uma “coroa”. Após a profundidade de 2,0m, instalar o sarilho na boca do
tubulão e prosseguir a escavação retirando-se a terra com auxílio de balde que é alçado para cima
– pelo poceiro que está na superfície – com auxílio de sarrilho;
5.1.6. Alcançada a profundidade estimada para o assentado da base do tubulão, iniciar a abertura
e alargamento da base, de acordo com as dimensões em projeto.

Considerações gerais:

A locação dos tubulões no campo deve atender o projeto executivo.


A partir da escavação, toda ação deverá ser baseada no projeto de fundação e não mais no
projeto executivo. A implantação dos tubulões deve atender às profundidades previstas no projeto,
de forma que quaisquer alterações das profundidades dos tubulões, somente podem ser executadas
após autorização prévia do departamento de engenharia da ATC.

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
49
Procedimento para execução de fundações Tipo Tubulão

No nível definitivo de implantação da base do tubulão, a rocha ou o material firme encontrado


deve ficar isento de material solto. Quando não houver especificação diferente, a implantação da
base do tubulão, em solo ou rocha, deve ser feita em superfície horizontal.
Quando previstas cotas variáveis de assentamento entre tubulões próximos, a execução deve
ser iniciada pelos tubulões mais profundos, passando-se a seguir para os mais rasos.
É de extrema importância acompanhar a escavação do primeiro tubulão de cada
site. Este acompanhamento visa analisar junto ao executante, se o solo encontrado em campo é o
mesmo da sondagem, garantindo assim a segurança do poceiro durante sua execução. Se houver
qualquer divergência entre o encontrado em campo e a sondagem, parar imediatamente a
escavação e entrar em contato com o departamento de Engenharia da ATC.

5.2. Alargamento de base

Iniciar o alargamento da base, identificando primeiramente o centro do tubulão, marcando-


o com um piquete de madeira, alargar paulatinamente a circunferência da base da borda do fuste
para a extremidade – obedecendo ao diâmetro, a inclinação e à altura especificados em projeto.

Considerações gerais:

Deve-se evitar trabalho simultâneo em bases alargadas de tubulões adjacentes. Esta


indicação é válida, seja quanto à escavação ou quanto à concretagem, e visa impedir o
desmoronamento de bases abertas ou danos ao concreto recém lançado. Quando as características
do solo indicarem que o alargamento de base pode ser problemático, deve ser estudada a
possibilidade da diminuição do ângulo de abertura, o uso de injeções, aplicações superficiais de
argamassa de cimento, ou mesmo escoramento, para evitar desmoronamento da base. Estes
procedimentos deverão ser aprovados pela ATC antes de sua execução.
Deve-se evitar que, entre o término da execução do alargamento de base de um tubulão e
sua concretagem, decorra tempo superior a 24 horas. De qualquer modo, sempre que a
concretagem não for feita imediatamente após o término do alargamento e sua inspeção, deve
cobrir o fuste para evitar acidentes e antes de concretar o tubulão, deve ser efetuada uma nova
inspeção por ocasião da concretagem, limpando-se cuidadosamente o fundo da base, removendo a
camada eventualmente amolecida pela exposição ao tempo ou por água de infiltração.

5.3. Armação e concretagem

O procedimento para execução será:

5.3.1. Marcar a cota de arrasamento no fuste e colocar a armação;


5.3.2. Centralizar a ferragem e posicioná-la em relação à cota de arrasamento;
5.3.3. Iniciar a concretagem – através de um funil de madeira ou aço – orientando o fluxo de
concreto para que este, ao ser lançado, não entre em contato com o solo antes de preencher o vazio
da escavação até a cota de arrasamento;
5.3.4. O concreto deve estar suficientemente fluido, sem apresentar porosidade para que preencha
todo o vazio da escavação da base.

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
50
Procedimento para execução de fundações Tipo Tubulão

Considerações gerais:

A armação do tubulão deve ser montada de maneira a garantir sua rigidez e evitar
deformações durante o manuseio e concretagem.
Atenção especial deve ser dada durante a concretagem para manter a espessura
recomendada e o recobrimento da armadura.
O comprimento da armação, as bitolas e espaçamentos devem estar exatamente conforme
projeto de fundação. Todas as armações deverão ser conferidas pelo supervisor de campo ANTES
da mesma ser instalada dentro do tubulão. A armação deve estar apoiada no fundo do tubulão, mas
não encostada no solo (devem ser instalados espaçadores nas pontas da armação). Todo o fuste
deve ser armado.
A concretagem deve ser iniciada imediatamente após o término do alargamento
da base. Quando fornecido por usina, o concreto deverá ser “aceito” antes da liberação da
concretagem.
O recebimento do concreto é de responsabilidade do supervisor de campo. O
recebimento consiste na verificação e aprovação da documentação (nota fiscal, certificados, etc)
que acompanha cada betoneira e na verificação da consistência do concreto pelo abatimento do
tronco de cone, slump (NBR 7223).
O documento de entrega que acompanha cada remessa de concreto deve conter: o tipo do
cimento utilizado, quantidade de cada componente do concreto, volume total de concreto, hora do
início da mistura, o abatimento do tronco de cone (slump), resistência característica do concreto à
compressão e presença de aditivo (quando aplicável).
Após a aceitação do concreto, pode ser liberada a concretagem do tubulão. O concreto pode
ser bombeado (quando o caminhão betoneira não puder chegar perto da fundação) ou transportado
manualmente (com carrinhos de mão e padiolas). Em ambos os casos, a altura de lançamento
do concreto não pode ser maior do que 2,00m, para evitar segregação do material.
Durante a concretagem deverá ser utilizado vibrador para garantir um preenchimento
homogêneo do concreto na forma. A concretagem só estará concluída quando for atingida a cota
(altura) de projeto do tubulão.

Preparo das cabeças:

As cabeças dos tubulões, caso seja necessário, devem ser cortadas com ponteiros até que
se atinja a cota de arrasamento prevista, não sendo admitida qualquer outra ferramenta para tal
serviço. O corte do concreto deve ser feito em camadas de pequena espessura iniciando pela borda

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
Procedimento para execução de fundações Tipo Tubulão 51

em direção ao centro do tubulão. As cabeças dos tubulões devem ficar normais aos seus próprios
eixos. Os tubulões devem penetrar no bloco de coroamento pelo menos 10 cm, salvo especificação
de projeto.

Ligação do tubulão com o bloco de coroamento:

Em qualquer caso, deve ser garantida a transferência adequada da carga do pilar para o
tubulão conforme estabelecido em projeto, ou seja, a existência da ligação do tubulão com o bloco
de coroamento da base através do arranque da armação (parte da armação que “entra” dentro do
bloco da fundação). A altura do arranque deverá ser exatamente conforme projeto. Quando o
arranque estiver maior, as barras deverão ser cortadas e quando estiver menor, o departamento de
Engenharia deverá ser avisado, para projetar a emenda a ser instalada neste arranque.

6. Detalhes Importantes

6.1. Lançamento do concreto

O concreto deve ser lançado com altura máxima de 2m para evitar a segregação do material.

6.2. Camisas de concreto

Em função das condições de estabilidade da parede lateral do tubulão e quando solicitado


em projeto, deve ser executado o encamisamento do tubulão. O encamisamento deverá ser feito
com tubos de concreto pré-moldados (manilhas), com as dimensões determinadas em projeto. A
camisa deve ser introduzida no terreno concomitantemente com a escavação.
Atingida a cota prevista para assentamento do tubulão, procede-se às operações de
alargamento da base.
Durante essa operação, a camisa deve ser escorada de modo a evitar sua descida. Podem
ser utilizados também outros tipos de forma circulares para pilares,desde que a contenção da terra
seja garantida.
Terminado o alargamento acrescenta-se a armadura e concreta-se a base e o fuste do
tubulão, obedecendo-se ao plano de concretagem previamente definido.

7. Bibliografia

7.1. NBR 5738:1994 – Moldagem e cura de corpos-de-prova cilíndricos ou prismáticos de concreto


7.2. NBR 5739:1994 – Concreto – Ensaios de compressão de corpos-de-prova cilíndricos
7.2. NBR 6118:2003 – Projeto de estruturas de concreto – Procedimento
7.3. NBR 6122:1996 – Projeto e execução de fundações – Procedimento
7.4. NBR 7480:1996 – Barras e fio de aço destinados às armaduras para concreto armado
7.5. NBR 7211:1983 – Agregado para concreto
7.6. NBR 11578:1991 – Cimento Portland composto – Especificação
7.7. NBR 12131:1991 – Prova de carga estática – Estaca
7.8. Manual de Especificações de Produtos e Procedimentos ABEF – Engenharia de Fundações e
Geotecnica – 3ª edição – Ed. Pini

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
52
Procedimento para execução de fundações Tipo Tubulão

8. Dúvidas

Eventuais dúvidas deverão ser dirimidas através do seguinte contato:


Engª. Patricia Prospero Maradei
Departamento de Engenharia - ATC
E-mail: patricia.maradei@americantower.com

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
53
Procedimento para execução de fundações Tipo Estaca-Raiz

1. Informações do Documento

1.21. Participantes

Autor Andrea Favoretto


Contribuição N/A
Aprovado por Patricia Prospero

1.22. Histórico de Revisões

Revisão Data da Revisão Autor Item Revisado


00 30/10/2009 Andrea Favoretto Emissão Inicial
01 12/04/2010 Patricia Prospero Revisão do Fluxograma

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
54
Procedimento para execução de fundações Tipo Estaca-Raiz

2. Objetivo

O presente documento estabelece as diretrizes e condicionantes para execução, verificação


e avaliação de estacas escavadas, de pequeno diâmetro, moldadas in loco, tipo raiz. Ainda descreve
e fixa os equipamentos, as ferramentas e os acessórios mínimos necessários, especificando os
materiais utilizados.

3. Considerações Gerais

Para as estacas-raiz aplicam-se as seguintes definições:

3.1. Estaca-raiz em solo: é um tipo de estaca escavada, concretada in loco, em que se aplicam
injeção de ar comprimido imediatamente após a moldagem do fuste e no topo do mesmo,
concomitantemente com a remoção do revestimento. O preenchimento com calda de cimento ou
argamassa é executado aplicando-se regularmente uma pressão rigorosamente controlada.
3.2. Estaca-raiz em solo e rocha: É uma estaca moldada in loco executada através de perfuração
rotativa ou roto-percussiva, revestida integralmente no trecho em solo, por meio de tubo metálico
(tubo de revestimento) que garante a estabilidade da perfuração. No trecho em rocha, seja na
passagem de matacões ou no embutimento do topo rochoso, ela é executada a partir da perfuração
interna ao tubo de revestimento, por processo roto-percussivo, tendo como conseqüência a redução
do diâmetro neste trecho. É optativo, conforme definido em projeto, o recorte neste trecho, de
maneira a conferir à estaca o diâmetro externo do tubo de revestimento.
3.3. Diâmetros nominais: Simples número que serve como designação para projeto de fundação e
corresponde ao diâmetro externo, em milímetros, dos tubos de revestimentos utilizados na
perfuração. A tabela a seguir indica a correspondência entre os diâmetros nominais das estacas e
os diâmetros externos dos tubos de revestimentos:

Diâmetro nominal da estaca mm 150 160 200 250 310 400 500
Diâmetro mínimo externo do mm 127 141 168 220 273 355 406
tubo de revestimento

3.4. Composição de injeção: Conjunto de tubos de PVC ou galvanizados, unidos por conexões,
utilizados para lavagem interna de composição de tubos de revestimento e também para o
preenchimento com a argamassa em sentido ascendente.
3.5. Broca de três asas ou tricone: Ferramenta de corte, acoplada à composição de hastes de
perfuração, que tem por finalidade destruir trechos de solo, realizando um pré-furo para posterior
instalação do tubo de revestimento, ou mesmo limpando-o internamente.
3.6. Martelo de fundo tipo DTH (down the hole): Equipamento utilizado para perfuração de rochas.
É acionado por ar comprimido e introduzido pelo interior do tubo de revestimento, acoplado às
hastes de perfuração, até o contato com a rocha (sã ou matacão). A perfuração é conseguida através
de movimentos roto-percussivos. O martelo de fundo possui ainda em sua extremidade inferior, um
bit com pastilhas ou botões de wídea ou tungstênio.

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
55
Procedimento para execução de fundações Tipo Estaca-Raiz

4. Equipamentos, Acessórios e Materiais

4.1. Os equipamentos a serem utilizados são:

4.1.1. Para estacas-raiz em solos:


4.1.1.1. Perfuratrizes rotativas hidráulicas, mecânicas ou a a r comprimido, montadas sobre
estruturas metálicas, com capacidade para revestir integralmente todo o trecho em solo, utilizando-
se do tubo de revestimento;
4.1.1.2. Conjunto misturador de argamassa;
4.1.1.3. Bomba de injeção de argamassa;
4.1.1.4. Compressor de ar, com capacidade de vazão mínima de 5 cfm e pressão máxima de 0,5
MPa;
4.1.1.5. Bomba d´água, capaz de promover a limpeza dos detritos da perfuração do interior do tubo
do revestimento;
4.1.1.6. Conjunto extrator, dotado de macaco e conjunto de acionamento hidráulico, com
capacidade de extrair integralmente o tubo de revestimento do furo quando totalmente preenchido
de argamassa;
4.1.1.7. Reservatórios para acumulação de água, com capacidade para perfuração contínua de pelo
menos uma estaca

4.1.2. Para estacas-raiz em solo e rocha:


4.1.2.1. Idem acima;
4.1.2.2. Martelo de superfície e/ou martelo de fundo tipo DTH; e
4.1.2.3. Compressor de ar compatível com a necessidade de operação dos martelos.

4.2. Os acessórios e materiais são:

4.2.1. Para estacas-raiz em solos:


4.2.1.1. Tubos de revestimento, conjunto de tubos de aço, consistindo de segmentos, com roscas
paralelas, podendo ter comprimentos variados, sendo resistentes aos esforços provenientes da sua
introdução no terreno, por rotação, pela perfuratriz;

4.2.2. Para estacas-raiz em solo e rocha:


4.2.2.1. Idem acima;
4.2.2.2. Caso a perfuração seja por processo rotativo, prever sapata ou coroas diamantadas,
barrilete amostrador e hastes para perfuração com barriletes;
4.2.2.3. Caso a perfuração seja por processo roto-percussivo, prever bits para perfuração roto-
percussiva com martelo de superfície ou martelo de fundo DHT, no diâmetro especificado para a
estaca; lubrificador de linha de ar comprimido para martelo e hastes para perfuração com martelo
de superfície ou de fundo.

4.3. Todos os materiais a serem utilizados devem ter Certificado de Conformidade e deverão ser os
descritos abaixo:
4.3.1. Aço CA 50A
4.3.2. Cimento, conforme especificação do projeto
4.3.3. Areia
4.3.4. Argamassa: com Fck mínimo de 20MPa com consumo mínimo de cimento de 600 kg/m³.

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
56
Procedimento para execução de fundações Tipo Estaca-Raiz

5. Descrição das Etapas

A execução de uma estaca-raiz compreende fundamentalmente pelas fases consecutivas:

5.1. Perfuração auxiliada por circulação de água


5.1.1. Em solos:
A perfuração em solo é realizada por rotação de tubos com auxílio de circulação de água que
é injetada pelo interior deles e retorna a superfície pela face externa. Esses tubos vão sendo
conectados (por rosca) à medida que a perfuração avança, sendo posteriormente recuperados após
a instalação da armadura e preenchimento do furo com argamassa. A perfuração deve atingir a
cota de projeto.

5.1.2. Em solos e rochas:


Em presença de camadas de solo de pouca resistência sobrejacentes ao topo rochoso, onde
é necessário o embutimento da estaca-raiz em rocha, utiliza-se sistema de perfuração a roto-
percussão com martelo de fundo, internamente ao tudo de revestimento no trecho em solo, com
diâmetro reduzido em rocha.

5.2. Instalação da armadura


Após a perfuração atingir a cota de projeto, continua-se a injetar água, sem avançar a
perfuração, para promover a limpeza do furo. A injeção de água só deve parar quando a
mesma sair “limpa” através das laterais dos tubos de revestimento. Após a limpeza instala-
se a armadura geralmente constituída por barras de aço montadas em gaiolas.

5.3. Preenchimento da argamassa


Uma vez instalada a armação deve introduzir o tubo de injeção até o final da perfuração para
proceder à injeção, de baixo para cima. A injeção somente estará concluída quando a
argamassa extravasar pela boca do tubo de revestimento, garantindo-se assim, que a água
ou a lama de perfuração seja substituída pela argamassa.
A argamassa deve ser confeccionada em misturador de alta turbulência, geralmente acionado
por moto bomba, para garantir a homogeneidade da mistura. Para atender ao consumo mínimo de
cimento estipulado pela NBR6122, ou seja, 600kg/m³, o traço normalmente utilizado contém
89 litros de areia para 1 saco de 50kg de cimento e 20 a 25 litros de água, o que confere
a argamassa uma resistência característica elevada, superior a 20MPa. Interromper a injeção,
apenas, quando a argamassa emergente sair limpa sem sinais de contaminação de lama ou detritos.
A injeção de argamassa deve sempre ser executada até a superfície do terreno.

5.4. Remoção do revestimento e aplicação de golpes de ar comprimido


Completado o preenchimento da argamassa é rosqueado na extremidade superior do
revestimento um tampão metálico ligado a um compressor para permitir aplicar golpes de ar
comprimido durante a extração do revestimento, operação que é auxiliada por macacos hidráulicos.
Usam-se baixas pressões (inferiores a 0,5MPa), que visam apenas garantir a integridade da estaca.
À medida que os tubos vão sendo extraídos, o nível da argamassa vai abaixando necessitando ser
completado antes da aplicação de novo golpe de ar comprimido. Essa operação é repetida várias
vezes no curso da retirada do revestimento.

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
57
Procedimento para execução de fundações Tipo Estaca-Raiz

5.5. Preparo e arrasamento da cabeça da estaca


Uma vez que a injeção da estaca-raiz obriga seu preenchimento até a superfície do terreno,
existirá um excesso de argamassa que deve ser demolido, no mínimo um dia após a execução da
estaca.
Quebrar a cabeça da estaca empregando-se marretas e ponteiras, porém
trabalhando-se com pequena inclinação para cima em relação à horizontal. Em hipótese alguma,
a armação da estaca deverá ser cortada junto com a cabeça da estaca.
Manter a seção resultante do desmonte do concreto, plana e perpendicular ao eixo da estaca,
sendo que a operação de demolição deve ser executada de modo a não causar danos à mesma.
Embutir o topo da estaca, após o arrasamento, no mínimo 5cm, dentro do bloco,
e acima do nível do lastro de concreto, cuidando-se para que a armadura, parte fundamental da
resistência, fique ancorada adequadamente ao bloco de coroamento.

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
58
Procedimento para execução de fundações Tipo Estaca-Raiz

Fluxograma executivo de estaca tipo raiz

PROCEDIMENTOS
INICIAIS

PERFURAÇÃO

SOLO SOLO E ROCHA

PERFURAÇÃO COM PERF. C/ REVESTIMENTO PERF. C/ REVESTIMENTO NO


REVESTIMENTO ATÉ A INTEGRAL ATÉ TERRENO TRECHO EM SOLO
COTA DE PROJETO DURO

PERF. ROTO-
PRÉ-FURO OU LIMPEZA COM PERFURAÇÃO ROTATIVA PERCUSSIVA INTERNA
TRICONE AO REVESTIMENTO

CONTINUIDADE DE
REVESTIMENTO ATÉ COTA
DE PROJETO
REDUÇÃO
DO
DIÂMETRO
NO
TRECHO
EM ROCHA

LIMPEZA DO FURO E
COLOCAÇÃO DA
ARMADURA NO
COMPRIMENTO TOTAL

INJEÇÃO COM ARGAMASSA

RETIRADA DO TUBO DE
REVESTIMENTO

ESTACA PRONTA

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
59
Procedimento para execução de fundações Tipo Estaca-Raiz

6. Bibliografia

6.1. NBR 5739:1994 – Concreto – Ensaios de compressão de corpos-de-prova cilíndricos


6.2. NBR 6118:2003 – Projeto de estruturas de concreto – Procedimento
6.3. NBR 6122:1996 – Projeto e execução de fundações – Procedimento
6.4. NBR 7480:1996 – Barras e fio de aço destinados às armaduras para concreto armado
6.5. NBR 7211:1983 – Agregado para concreto
6.6. NBR 11578:1991 – Cimento Portland composto – Especificação
6.7. NBR 12131:1991 – Prova de carga estática – Estaca
6.8. Manual de Especificações de Produtos e Procedimentos ABEF – Engenharia de Fundações e
Geotecnica – 3ª edição – Ed. Pini

7. Dúvidas

Eventuais dúvidas deverão ser dirimidas através do seguinte contato:


Engª. Patricia Prospero Maradei
Departamento de Engenharia - ATC
E-mail: patricia.maradei@americantower.com

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:

Procedimento para execução de REFORÇO de fundações 60

1. Informações do Documento

1.1. Participantes

Autor Felipe Manhães


Contribuição Felipe Manhães
Aprovado por Andrea Favoretto

1.2. Histórico de Revisões

Revisão Data da Revisão Autor Item Revisado


00 22/09/2014 Felipe Manhães Emissão Inicial

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
61
Procedimento para execução de REFORÇO de fundações

2. Objetivo

O presente documento estabelece as diretrizes, padrões e condicionantes para execução,


verificação e avaliação de reforços das fundações, executados por perfuração manual ou mecânica
até a cota especificada em projeto.

3. Considerações Gerais

 Acabamento dos blocos para reforço de fundação:

Os blocos deverão ser finalizados lisos, sem chapisco e sem emboço;


A pintura (epóxi na cor cinza concreto) será obrigatória para não precisarmos diferenciar
sites em regiões com potencial mais corrosivo. A mesma somente poderá ser aplicada 72h após a
finalização da concretagem.
A correção das falhas nos blocos (bicheira, falta de cobrimento, ninho de concretagem)
deverá ser realizada obrigatoriamente com grout estrutural tixotrópico (Exemplo – Sikagrout TIX).

 Concretagem de blocos abaixo do nível do solo:

O padrão será contratarmos sem a exigência de forma para concretagem contra


barranco. Caso seja necessário, o fornecedor deverá comprovar com fotos e cobrar apenas a área
necessária.
As laterais da escavação deverão ser chapiscadas e o fundo possuir o concreto magro,
tolerando-se o uso de lastro de brita;
Em algumas situações recomendamos o uso de formas para escoramento, desde que
certificadas pelo supervisor de campo. São estas:

 Escavação junto a equipamentos;


 Escavação profunda junto a residências vizinhas;
 Solo instável;
 Qualquer outra que for julgada como arriscada.

4. Dúvidas

Eventuais dúvidas deverão ser dirimidas através do seguinte contato:


Engª. Andrea Favoretto
Departamento de Reforços - ATC
E-mail: andrea.favoretto@americantower.com

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
62
Moldagem de Corpos de Prova

1. Informações do Documento

1.3. Participantes

Autor Andrea Favoretto


Contribuição Paulo Aoki
Aprovado por Patricia Prospero

1.4. Histórico de Revisões

Revisão Data da Revisão Autor Item Revisado


00 17/11/2009 Andrea Favoretto Emissão Inicial
01 02/10/2014 Paulo Aoki Moldes para corpo de prova

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
63
Moldagem de Corpos de Prova

2. Objetivo

Descrever o procedimento para moldagem, preparação, transporte e cura de corpos-de-


prova de concreto, de acordo com a NBR 5738/2003 – Moldagem e cura de corpos-de-prova
cilíndricos ou prismáticos de concreto.
Estes corpos-de-prova serão utilizados em ensaios para determinação da propriedade do
concreto utilizado.

3. Considerações Gerais

Esta Norma não se aplica a concreto com abatimento igual a zero ou misturas relativamente
secas, tais como as empregadas para a construção de tubos para galerias ou blocos de concreto.
Para os efeitos desta Norma, aplica-se a seguinte definição:

3.1. Dimensão básica dos corpos-de-prova expressa em milímetros: Dimensão utilizada como
referência para os corpos-de-prova, sendo utilizado o diâmetro, no caso de corpos-de-prova
cilíndricos.

4. Equipamentos e Materiais

4.1. Moldes Cilíndricos

4.1.1. Devem ter altura igual ao dobro do diâmetro.


4.1.2. O diâmetro deve ser de 10 cm, 15 cm, 20 cm, 30 cm ou 45 cm. As medidas diametrais têm
tolerância de 1% e a altura 2%.
4.1.3. Os planos das bordas circulares extremas do molde devem ser perpendiculares ao eixo
longitudinal do molde.
4.1.4. Devem ter espessura suficiente para assegurar as condições definidas em 4.1.1. e 4.1.2.
4.1.5. Características Gerais:

As laterais e a base do molde devem ser de aço ou outro material não absorvente, que não
reaja com o cimento Portland, e suficientemente resistentes para manter sua forma durante a
operação de moldagem. O molde deve ser em aço, aberto em seu extremo superior e permitir fácil
desmoldagem, sem danificar os corpos-de-prova. A base, colocada no extremo inferior do molde,
deve ser rígida e plana, com tolerância de planeza de 0,05 mm.

Molde padrão de aço

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
64
Moldagem de Corpos de Prova

O conjunto constituído pelo molde e sua base deve ser estanque. Quando as juntas não
forem estanques, devem ser vedadas com um material de características adequadas que não reaja
com o cimento Portland, para evitar perda de água.
Não devem ser aceitos moldes com geratrizes abertas desencontradas. Para evitar esse
problema, os moldes podem ter um dispositivo que evite o desencontro das geratrizes abertas.

OBS: Não serão permitidos moldes de tudo de PVC cortados em campo.

4.2. Equipamentos de adensamento

4.2.1. Haste de adensamento

Barra de aço cilíndrica, com superfície lisa (16,0 +/- 0,2 mm) de diâmetro e comprimento de
600 mm, com um os dois extremos em forma semi-esférica, com diâmetro igual ao da haste.

4.2.2. Vibradores de imersão

Os vibradores de imersão (internos) podem ter eixo rígido ou flexível e devem ser acionados
por um motor elétrico. A freqüência de vibração não deve ser inferior a 100 Hz (6.000 vibrações por
minuto), medida quando o elemento vibrante estiver submerso no concreto.
O diâmetro ou o lado exterior da seção transversal do elemento vibrante não deve ser inferior
a 25 mm nem superior a ¼ da dimensão básica para os corpos-de-prova cilíndricos. O comprimento
total da parte flexível e do elemento vibrante deve ser pelo menos 80 mm maior que a altura do
molde.
Os vibradores externos podem ser do tipo de compartimento fechado e a freqüência de
vibração deve ser superior a 50 Hz (3.000 vibrações por minuto).
Qualquer que seja o tipo de vibrador externo utilizado, ele deve dispor de meios para fixar
firmemente o molde ao vibrador. Deve dispor ainda de aparelhagem para controlar a freqüência de
vibração.

4.3. Amostragem

A amostra de concreto destinada à preparação de corpos-de-prova deve ser obtida de acordo


com o definido na NBR NM 33. A American Tower do Brasil pede que sejam recolhidas 6 amostras
por caminhão betoneira, ou 6 corpos de prova a cada 6m³. Dois corpos de prova devem ser rompidos
7 dias após a concretagem, outros dois, a 28 dias e os dois remanescentes devem ser armazenados
servindo como contra-prova caso necessário.

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
65
Moldagem de Corpos de Prova

Registrar, para posterior conferência, a data, a hora da adição da água de mistura, o local
de aplicação do concreto, a hora da moldagem e o abatimento obtido.

4.4. Abatimento

Determinar o abatimento da amostra de concreto de acordo com a NBR NM 67.

Nota: Quando necessário, determinar o teor de ar na amostra de concreto com a NBR NM


47 ou, no caso de concretos que contenham agregados de elevada porosidade, de acordo com a
NBR 9833.
As amostras empregadas nos ensaios de abatimento e teor de ar devem ser descartadas.

5. Descrição das Etapas

5.1. Dimensões dos corpos-de-prova

A dimensão básica do corpo-de-prova deve ser no mínimo 4 vezes maior que a dimensão
nominal máxima do agregado graúdo do concreto. As partículas de dimensão superior à máxima
nominal, que ocasionalmente sejam encontradas na moldagem dos corpos-de-prova, devem ser
eliminadas por peneiramento do concreto, de acordo com NBR NM 36.

Nota: Alternativamente, desde que conste no relatório do ensaio, a medida básica do corpo-
de-prova pode ser no mínimo 3 vezes maior que a dimensão nominal máxima do agregado graúdo
do concreto.

5.2. Preparação dos moldes

Antes de proceder à moldagem dos corpos-de-prova, os moldes e suas bases devem ser
convenientemente revestidos internamente com uma fina camada de óleo mineral.
A superfície de apoio dos moldes deve ser rígida, horizontal, livre de vibrações e outras
perturbações que possam modificar a forma e as propriedades do concreto dos corpos de prova
durante sua moldagem e início de pega.

5.3. Moldagem dos corpos-de-prova

Proceder a uma prévia remistura da amostra para garantir a sua uniformidade e colocar o
concreto dentro dos moldes em número de camadas que corresponda ao que determina a tabela 1,
utilizando uma concha de seção U.
Ao introduzir o concreto, deslocar a concha ao redor da borda do molde, de forma a
assegurar a distribuição simétrica e, imediatamente, com a haste em movimento circular, nivelar o
concreto antes de iniciar seu adensamento.

5.4. Adensamento dos corpos-de-prova

5.4.1. Escolha do método de adensamento

Deve ser feita em função do abatimento do concreto, determinado de acordo com a NBR NM
67, e das seguintes condições:
Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000
Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
66
Moldagem de Corpos de Prova

5.4.1.1. Os concretos com abatimento compreendido entre 10 mm e 30 mm devem ser adensados


por vibração;
5.4.1.2. Os concretos com abatimento compreendido entre 30 mm e 150 mm podem ser adensados
com a haste (adensamento manual) ou por vibração;
5.4.1.3. Os concretos com abatimento superior a 150 mm devem ser adensados com a haste
(adensamento manual).

Nota: Para concretos especiais, o procedimento de moldagem pode ser modificado de modo
a simular o adensamento a ser empregado na obra, de acordo com o responsável pela obra.

5.4.2. Adensamento manual com haste (ver tabela 1)

Introduzir o concreto no molde em camadas de volume aproximadamente igual e adensar


cada camada utilizando a haste, que deve penetrar no concreto com seu extremo em forma de
semiesfera, o número de vezes definido na tabela 1.

Tabela 1 – Número de camadas para moldagem dos corpos-de-prova (1)

Tipo de corpo-de-prova Dimensão básica (d) mm Número de camadas em função do tipo de Número de golpes
adensamento para adensamento
Mecânico Manual manual
100 1 2 12
150 2 3 25
Cilíndrico 200 2 4 50
250 3 5 75
300 3 6 100
450 5 9 225
(1) Para concretos com abatimento superior a 160 mm, a quantidade de camadas deve ser a metade da estabelecida
nesta tabela. Caso o número de camadas resulte fracionário, arredondar para o inteiro superior mais próximo.

A primeira camada deve ser atravessada em toda sua espessura quando adensada com a
haste, evitando-se golpear a base do molde. Os golpes devem ser distribuídos uniformemente em
toda seção transversal do molde. Cada uma das camadas seguintes também deve ser adensada em
toda sua espessura, fazendo com que a haste penetre aproximadamente 20 mm na camada anterior.
Se a haste de adensamento criar vazios na massa de concreto, deve-se bater levemente na
face externa do molde, até o fechamento destes.
A última camada deve ser moldada com quantidade em excesso de concreto, de forma que,
ao ser adensado, complete todo o volume do molde e seja possível proceder ao seu rasamento,
eliminando o material em excesso. Em nenhum caso é aceito completar o volume do molde com
concreto após o adensamento da última camada.

5.5. Rasamento

Independentemente do método de adensamento utilizado, após o adensamento da última


camada deve ser feito o rasamento da superfície com a borda do molde, empregando para isso uma
régua metálica ou uma colher de pedreiro adequada.

5.6. Manuseio e transporte

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
67
Moldagem de Corpos de Prova

Quando não for possível realizar a moldagem no local de armazenamento, os corpos-de-


prova devem ser levados imediatamente após o rasamento até o local onde permanecerão durante
a cura inicial. Ao manusear os corpos-de-prova, evitar trepidações, golpes, inclinações e, de forma
geral, qualquer movimento que possa perturbar o concreto ou a superfície superior do corpo-de-
prova.
Após a desforma, os corpos-de-prova destinados a um laboratório devem ser transportados
em caixa rígidas, contendo serragem ou areia molhadas.

5.7. Cura

5.7.1. Cura inicial

Após a moldagem, colocar os moldes sobre uma superfície horizontal rígida, livre de
vibrações e de qualquer outra causa que possa perturbar o concreto. Durante as primeiras 24 h (no
caso de corpos-de-prova cilíndricos) todos os corpos de prova devem ser armazenados em local
protegido de intempéries, sendo devidamente cobertos com material não reativo e não absorvente,
com a finalidade de evitar perda de água do concreto.
Os corpos-de-prova transportados da obra ao laboratório para serem ensaiados, após
cumprido o período de cura inicial, devem ser submetidos ao tipo de cura correspondente. Para
realizar o transporte, devem ser embalados de maneira adequada, que evite golpes, choques,
exposição direta ao sol ou outra fonte de calor, evitando temperaturas elevadas e perda de umidade.

5.8. Entrega do resultado

Após o rompimento do corpo de prova no laboratório, a contratada deve enviar um relatório


onde conste o resultado obtido bem como um parecer sobre o mesmo, informando de modo claro
a sua conformidade ou não, com os parâmetros de projeto requeridos.
Um relatório parcial deve ser enviado após o rompimento das amostras aos 7 dias e o
relatório final deve conter as informações de rompimento aos 28 dias.
Este relatório deve ser enviado por e-mail e também uma via impressa onde conste a
assinatura e CREA do eng. Responsável.
Deve ser recolhida a respectiva ART e enviada junto com o relatório impresso, com a
identificação do site.

6. Bibliografia

As Normas relacionadas a seguir contêm disposições que, ao serem citadas neste texto,
constituem prescrições para esta Norma. As edições indicadas estavam em vigor no momento desta
publicação. Como toda norma está sujeita a revisão, recomenda-se àqueles que realizam acordos
com base nestas que verifiquem a conveniência de se usarem as edições mais recentes das normas
citadas a seguir. A ABNT possui a informação das normas em vigor em um dado momento.

6.1. NBR 9833:1987 – Concreto fresco – Determinação da massa específica e do teor de ar pelo
método gravimétrico – Método de ensaio.
6.2. NBR NM 33:1998 – Concreto – Amostragem de concreto fresco
6.3. NBR NM 36:1998 – Concreto fresco – Separação de agregados grandes por peneiramento

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
68
Moldagem de Corpos de Prova

6.4. NBR NM 47:2002 – Concreto – Determinação do teor de ar em concreto fresco – Método


Pressométrico
6.5. NBR NM 67:1998 – Concreto – Determinação da consistência pelo abatimento do tronco de
cone

7. Dúvidas

Eventuais dúvidas deverão ser dirimidas através do seguinte contato:


Engº. Paulo Aoki
Departamento de Engenharia - ATC
E-mail: paulo.aoki@americantower.com

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
69
Montagem

1. Informações do Documento

1.5. Participantes

Autor Nelson Suiama e Mauro Matubara


Contribuição Patricia Prospero e Rafael Neves
Aprovado por Patricia Prospero

1.6. Histórico de Revisões

Revisão Data da Revisão Autor Item Revisado


00 06/11/2009 NSS e MHM Emissão Inicial
01 15/04/2010 Patrícia Próspero Balizamento Diruno e Torres
Estaiadas
02 07/03/2012 Rafael Neves Balizamento Norturno e Diurno

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
70
Montagem

2. Objetivo

Esta instrução tem o objetivo de orientar e padronizar os serviços de montagem e


desmontagem de torres e postes, relacionando equipamentos, sistemas e verificações; para a correta
realização deste procedimento.

3. Tipos de Estruturas

Neste capítulo descreveremos as etapas e processos executivos de montagem e desmontagem


de postes e torres metálicas. Os modelos de estruturas abordados serão:

- Postes Tubulares – Slip Joint;


- Postes Flangeados;
- Torres Tubulares Flangeadas;
- Torres em Cantoneira;
- Torres em Perfil Omega;
- Torres Estaiadas.

A montagem de estruturas é uma atividade de risco. O montador deve possuir habilida-


des para galgar a estrutura com desenvoltura. Sua tarefa é chegar primeiro onde ninguém jamais
esteve. Os riscos, entretanto, devem ser reduzidos ao máximo possível.

A Montagem de estruturas envolve três etapas principais:

1) Transporte:
- Listagem de peças;
- Levantamento de Cargas;
- Planejamento de transporte;
- Embarque e transporte de peças;

2) Mobilização do Canteiro:
- Listagem de ferramentas;
- Lista de equipamentos;
- Transporte de ferramentas e equipamentos;
- Descarga e montagem de canteiro de obras;

3) Montagem:
- Montagem dos primeiros módulos;
- Montagem dos equipamentos para içamento;

Ressaltamos novamente que toda atividade em altura representa risco, portanto todo
trabalhador deve receber equipamentos e treinamento adequado antes de executar este tipo de
trabalho. O uso correto dos equipamentos de proteção permite a execução de trabalhos seguros e
produtivos.

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
71
Montagem

4. Gabarito e chumbadores

O sucesso de toda montagem deve-se ao correto posicionamento do gabarito e


concretagem dos chumbadores. Um gabarito instalado incorretamente pode impedir a montagem
da estrutura. Alguns itens devem ser observados antes do início da montagem da estrutura:

- O centro dos chumbadores deve coincidir com o centro do bloco;


- Os chumbadores deverão estar sempre nivelados e no prumo;
- Conferir o comprimento do chumbador que está fora do bloco;

Após a checagem dos itens acima, pode ser iniciada a montagem das estruturas. Se for
constatado algum problema com relação aos chumbadores e gabarito (excentricidade, comprimento
fora do bloco diferente do projeto, etc.) a montagem deve ser paralisada e os problemas reportados
para o Departamento de Engenharia para que sejam tomadas as medidas cabíveis.

5. Ligações Parafusadas

As ligações parafusadas das estruturas se prestam a unir duas peças para formar um novo
grupo ou o conjunto da estrutura. Trata-se de um grupo de peças, que sendo pré-montadas
previamente no canteiro de obras, formarão uma peça única maior, a ser içada para sua posição final
na estrutura. Esta treliça por sua vez poderá ser interligada às colunas ou outro tipo de apoio, também
por meio de parafusos.
As ligações parafusadas são obtidas pela execução de furos nas duas peças a serem unidas.
Estas peças serão aproximadas durante a montagem de tal forma que uma se alinhe a outra,
conforme previsto no projeto. Prossegue-se com a aproximação até que se toquem e sejam ajustadas
de forma que cada furo da ligação numa peça coincida com o seu correspondente na outra peça.
Este ajuste poderá ser auxiliado por meio de uma espina ou chave de ponta.
A ligação será iniciada pela introdução de alguns parafusos nos furos, inseridas as arruelas (que
devem estar no lado a ser girado no aperto) e ajustadas às porcas. Após, deverá ser dada a condição
de pré-torque que é definida como o aperto obtido após poucos impactos aplicados por uma chave
de impacto, ou pelo esforço máximo aplicado por um operário usando uma chave normal. Após esta
operação inicial, devem ser colocados parafusos nos furos restantes e tais parafusos também levados
a condição de pré-torque. Conforme o tipo de parafuso e de ligação será obrigatória a aplicação de
torque adequado a cada conjunto parafuso-porca, de acordo com os procedimentos explicitados a
seguir.
Um trabalho por vezes negligenciado na montagem é a separação precisa dos pa-
rafusos por tipo, diâmetro e comprimento. É bastante comum a ocorrência na mesma obra de
parafusos de mesmo tipo e diâmetro, com comprimentos ligeiramente diferentes. Se não houver uma
separação e aplicação dos parafusos criteriosamente nos lugares corretos, podem ocorrer grandes
atrasos simplesmente por aplicar o parafuso mais longo no lugar do mais curto. Quando chegar o
momento de montar as peças onde seriam exigidos os mais longos, só restarão os mais curtos que
possivelmente não atenderão as condições mínimas de aperto.
A preparação das superfícies para a colocação dos parafusos de alta resistência (tipo fricção)
deverá ser cuidadosa, de maneira que as superfícies em contato na montagem, incluindo cabeças de
parafuso e arruelas, estejam todas completamente livres de tinta, óleo, sujeira, ferrugem, carepa,

rebarbas, etc., que poderão impedir o contato perfeito das partes.

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
72
Montagem

Tipos de parafusos

As estruturas da ATC utilizam basicamente dois tipos de parafusos estruturais:

1. Parafusos Comuns ou A-307, utilizados nas ligações secundárias das estruturas. Não
requerem processo de torque controlado e funcionam sempre por cisalhamento entre a superfície do
parafuso e as laterais dos furos, em ligações por contato;

2. Parafusos de alta resistência tipo A-325, utilizados na maioria das estruturas em ligações
principais. São aplicados tanto nas ligações por atrito quanto nas ligações por contato; nas ligações
por atrito devem obrigatoriamente ser instalados com torque controlado. O aperto normal poderá ser
aplicado nas ligações por contato nas quais o escorregamento é permitido ou quando estiverem
sujeitos à tração ou tração e corte, quando não houver flutuações de carga que causem afrouxamento
ou fadiga dos parafusos.

Controle de torque

A parafusagem das conexões estruturais é feita com chaves manuais ou de impacto. Em muitas
conexões usam-se parafusos ASTM-A307, quando permitido pelas especificações. Estes parafusos
podem ser apertados a mão, com chaves manuais, girando o parafuso ou a porca até que as partes
conectadas estejam perfeitamente assentadas. Entretanto, o uso de chaves de impacto operadas a
ar comprimido é mais econômico. Parafusos de alta resistência ASTM-A325 são amplamente usados
em conexões onde as cargas são relativamente altas ou sujeitas a flutuações dinâmicas, como em
torres.
Os parafusos de alta resistência devem ser apertados de forma a se obter uma força mínima
de tração (Tm) adequada a cada diâmetro e tipo de parafuso usado. Quando a porca é apertada, ela
tende a aproximar as peças entre si até que se toquem. A partir do momento que as peças se
encontram coladas uma à outra, qualquer aperto na porca provocará um esforço de tração no corpo
do parafuso, alongando-o. Portanto, a tração no corpo do parafuso e a conseqüente força de atrito
entre as peças dependem da intensidade do torque aplicado no conjunto parafuso-porca.
Este torque e a força de tração mínima são fornecidos na tabela abaixo para os parafusos
ASTM e equivale a aproximadamente 70% da resistência característica à tração do parafuso.
Se necessário, em função das condições de acesso ao parafuso e das folgas para manuseio da
ferramenta, o aperto pode ser dado girando-se a cabeça do parafuso e impedindo a porca de girar.
Quando forem usadas chaves de impacto, sua capacidade deverá ser adequada e seu suprimento de
ar (quando utilizada máquina de torque pneumática) deverá ser suficiente para obter-se o aperto
desejado de cada parafuso em aproximadamente 10 segundos.

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
73
Montagem

Tabela de Torque e Tração para parafuso ASTM A325

6. Postes Monotubulares – Slip Joint – (Fonte Seccional)

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
74
Montagem

RELAÇÃO DE EQUIPAMENTOS E FERRAMENTAS PARA MONTAGEM:

• 02 ou mais equipamentos de tração tipo tirfor, ou talha manual, com capacidade e


quantidades definidas na pasta de montagem. Capacidade mínima de 3,2 tf cada.
• 02 cabos de aço para tirfor com comprimento superior em 5m a altura da estrutura
• 01 “Peça K” de 6” – Peça de apoio de encaixe. (Vide detalhe na seqüência ).
• 02 “Patescas” - Roldanas com gancho para aumentar a capacidade de tração.
• 02 Marretas de 10 kgf cada.
• 01 Conjunto de manilhas.
• 01 Jogo de chaves de boca de 1/2” a 2”.
• 01 Conjunto de “estropos” - Laços de cabo de aço.
• 01 Jogo de ferramentas diversas: chaves-de-fenda, espina, alicates, etc.
• 01 Óleo solúvel em água para facilitar encaixe (segue junto com a estrutura).

Dimensionamento dos equipamentos de tração:


A capacidade do tirfor/talha deve estar de acordo com o especificado na “Tabela de Encaixe”
que acompanha a pasta de montagem de cada estrutura. (Anexo A)

Largura mínima de 15cm (6”)

VERIFICAÇÕES NECESSÁRIAS

A equipe de montagem deverá receber a estrutura em campo, vinda de fábrica. Todo material
recebido deverá ser conferido com base na “Lista de Material”, que segue junto com a estrutura
(faz parte da Pasta de Montagem, que está dentro das caixas e embalagens). Caso seja verificada
a falta eventual de algum item, ou se algum item foi danificado no transporte, a área de Logística
da ATC e o Fabricante deverão ser informados imediatamente para providenciar sua provisão.
O encarregado da montagem deverá inspecionar a fundação (executada por terceiros),
atentando-se aos seguintes itens:
• A quantidade, bitola e distância entre os chumbadores (concretados com dois gabaritos)
deverão estar de acordo com o projeto que segue na pasta de montagem.
• Os chumbadores deverão estar todos nivelados, com toda sua rosca aparecendo e livres de
nata de concreto.
Os chumbadores deverão estar todos devidamente na vertical, sendo inaceitável inclinações
com relação ao prumo.
O flange da seção da base deve ser apoiado sobre a primeira linha de porcas. Sobre este
flange será colocada a segunda linha de porcas e as contra- porcas.

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
75
Montagem

Desta maneira a água que eventualmente condensar internamente ao fuste do poste será
naturalmente drenada.

Se a distância entre a face superior do bloco e a face inferior do flange for maior
do que 1 ½ vezes a altura da porca é obrigatória a execução do grout. Exemplo: para
porcas com 2” (50 mm) de altura, o grout deverá ser executado se a distância entre a face superior
do bloco e inferior do flange for maior do que 75mm. Caso seja executado Grout deverá ser prevista
drenagem durante sua execução.
A execução do grout bem como a drenagem é de responsabilidade da empresa construtora
contratada para executar o site.

PREPARAÇÃO PARA A MONTAGEM

Existem duas maneiras de montar um poste metálico:

1) Montagem horizontal;
2) Montagem vertical.
Após as verificações e levantamentos iniciais, deve-se separar e posicionar as seções que
compõe a estrutura de modo a facilitar o manuseio das mesmas – poderá ser utilizado um caminhão
tipo Munck para isso, quando houver necessidades e condições de acesso – deixando liberada a
área mais apropriada para montagem na horizontal.
Caso tenha ocorrido ovalização das seções devido ao transporte, deve-se antes de promover
o encaixe retirar este efeito com cuidado.
Deve-se identificar o “ponto-de-pega” da estrutura, que é por onde será içado o poste.
Usualmente adota-se o ponto-de-pega como sendo uma das regiões de encaixe acima do Centro de
Gravidade (CG), onde a estrutura possui parede dupla, situada entre 1/2 e 2/3 da altura do poste.
O CG é informado na “Tabela de encaixe” (Anexo A)

Nota relevante:

- Estruturas sem pintura:


Torres monotubulares com encaixe tipo slip joint com contato "metal/metal" seja “aço/aço” ou
“aço galvanizado/aço galvanizado” são de acoplagem estável tendo em vista a perfeição da estrutura
cristalina dos metais.

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
76
Montagem

- Estruturas com pintura:


Um acoplamento "metal / metal com tinta" é mais crítico, pois a pintura além de não ser boa
condutora elétrica, não possui estrutura cristalina. Neste caso a pintura na região do encaixe deve
ser eliminada, portanto, não pinte a região de encaixe!

MONTAGEM HORIZONTAL

Uma vez que as seções estejam preparadas, deve-se alinhá-las no chão, seguindo a ordem de
encaixe conforme a pasta de montagem. Sempre que houver condições, procurar situar o ponto-de-
pega ao lado da fundação que receberá a estrutura. Isso facilitará em muito o içamento e o
acoplamento do flange da base com os chumbadores concretados.
O Desenho 1 ilustra a situação descrita

Como as seções são cônicas e ocorre redução dos diâmetros ao longo da estrutura, mantenha
o eixo longitudinal na horizontal através de calços de madeira sob as seções, com o objetivo de
facilitar o início do acoplamento entre uma seção e outra.
Antes de instalar os sistemas de encaixe (tirfores e cabos), observar o alinhamento das seções
quanto ao conjunto de escadas e esteiras (se houver). Todas as seções deverão ter o mesmo
posicionamento quanto às patilhas que receberão os respectivos acessórios (esses detalhes estarão
definidos na Pasta de Montagem).
Instalar cada conjunto de tirfor e cabo de aço nas laterais do poste, de maneira que os dois
sistemas de força fiquem em posições diametralmente opostas. Na base, prender cada tirfor com
auxílio de manilhas e estropo. No meio do diâmetro do topo da seção seguinte, colocar a peça K,
onde serão engatadas as patescas. O cabo que sai do tirfor deverá passar pela patesca e retornar à
base, prendendo a ponta com o gancho no flange por meio de manilha.
Passe o óleo solúvel na proporção indicada na sua embalagem, nas peças macho e fêmea para
facilitar o encaixe. O óleo evaporará logo em seguida.
Inicie o encaixe entre as duas primeiras seções da base, tracionando o cabo até que ele esteja
esticado, de forma que a peça K fique encostada no topo da seção sem cair.

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
77
Montagem

Em seguida, tracionar simultaneamente os dois ou mais tirfores, golpeando energicamente


com a marreta em torno da região de encaixe e na peça K, para reduzir o atrito estático, observando
o sucessivo avanço do encaixe.
Na Pasta de Montagem estão indicados os encaixes teóricos previstos entre as seções, como
valores de referência, porém a operação deve continuar até que a seção que está encaixando
“estacione”, sem possibilidade de aumento do encaixe.
Deve ser feita uma marca na seção inferior (macho), distanciada do topo da mesma com
medida maior que o encaixe teórico indicado na pasta de montagem. Esta marca possibilitará o
monitoramento do progresso do encaixe.
É importante observar o desaparecimento de “frestas” entre as duas seções, na região do
encaixe. Assim, o procedimento descrito deverá ser repetido sucessivamente para cada seção,
sempre conferindo o alinhamento.

ATENÇÃO: IMPORTANTE!

Somente executar o encaixe das seções seguintes, após o completo acoplamento das seções
anteriores. Não dar por encerrado um encaixe até ter a certeza de que não haja possibilidade do
mínimo avanço ou acomodação.

Içamento da Estrutura

Para o içamento da estrutura completa, montado no chão, será utilizado um caminhão-


guindaste com lança de alcance mínimo de 2/3 da altura da estrutura. A capacidade de içamento do
guindaste será função da situação da montagem analisando o peso da estrutura e a distância entre
a estrutura montada no chão e a fundação. Esta análise deverá ser feita em conjunto entre o
operador do equipamento e o encarregado da montagem.
O proprietário do caminhão-guindaste é responsável pela emissão do estudo de risco emitindo
o “Plano de Trabalho” para cada situação de montagem.

Nos chumbadores instalados na fundação, que receberão o poste, nivelar as porcas inferiores,
sobre as quais será assentado o flange da base, deixando alguns fios de rosca para baixo, caso
sejam necessários pequenos ajustes na prumada da estrutura. Prender a estrutura no ponto-de-

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
78
Montagem

pega descrito com estropo apropriado fornecido pela empresa de guindastes, visando a proteção da
galvanização. Como medida de precaução, é recomendado prender um tirfor com o cabo tracionado
desde a base até o topo do poste, durante o içamento e retirar somente após a estrutura estar
aparafusada nos chumbadores. Com o caminhão-guindaste, içar a estrutura acoplando o flange nos
chumbadores.

MONTAGEM VERTICAL

Caso não haja possibilidade da utilização de guindaste, por dificuldade operacional, de


acesso, disponibilidade e/ou restrições de área, serão usados andaimes e/ou MTM (Montador de
Torre Monotubular / “Pau de carga”), onde as peças da estrutura serão içadas e encaixadas uma a
uma ou por módulos, na vertical.
Esta montagem é executada módulo a módulo, respeitando o mesmo procedimento para os
encaixes explicado acima. O içamento das seções deve ser individual e deve ser executado
utilizando-se os dois furos situados na parte superior de cada módulo. Os furos servem para
instalação dos cabos de suspensão. Estes furos não devem ser utilizados como apoio para o
acoplamento das seções. Estes furos foram projetados para içamento das seções.
Devido ao alto custo e a dificuldade em encontrar guindastes para locação em determinadas
regiões, a Montagem Vertical é a mais usual. Os procedimentos referentes ao encaixe das seções e
posicionamento e utilização do tirfor são os mesmos aplicados na Montagem Horizontal.
O instrumento principal para montagem na vertical é o Pau de Carga (Facão). Este
equipamento é instalado provisoriamente na própria estrutura, e deslocados para cima à medida
que a montagem progride. O “facão” (pau de carga) é dotado de uma polia instalada na parte
superior, por onde passa a corda de fibra ou cabo para o içamento das peças. Na parte inferior o
facão possui uma garra que se apóia junto a um nó da estrutura já previamente montada. O cabo
de içamento será passado por diversas polias de mudança de direção até que esteja alinhado com
o equipamento de tração.

DESMONTAGEM

Para desmontagem, adotar o procedimento inverso para desacoplamento dos encaixes tipo
“slip joint”. A desmontagem poderá ser executada com a estrutura na vertical ou na horizontal,
neste caso será necessário um guindaste para retirar o poste e baixá-lo ao solo.
Para desmontagem na vertical será necessária a adoção de estrutura auxiliar (do tipo pau de
carga) como o MTM citado acima. Após a retirada de todos os equipamentos e acessórios, como
antenas, cabos, plataformas, suportes, escadas, esteiras, etc., o MTM deve ser fixado lateralmente
ao Poste em 2 pontos na seção inferior e mais um ponto na seção superior (a que vai ser
desacoplada). Uma roldana fixada no seu topo conduzirá um cabo de aço fixado ao flange de base
e na outra extremidade num estropo amarrado na seção superior. Um tirfor instalado na base do
Poste fornecerá a tração necessária para desacoplar as seções.
Durante a operação poderão ser aplicados pequenos golpes com uma marreta sobre a junta
para facilitar o desencaixe.
Outro sistema idêntico e paralelo pode ser necessário, bem como um andaime pode ser
utilizado para conforto e segurança dos operadores.
Para desmontagem na horizontal, o processo é o mesmo acima, lembrando que o MTM pode
ser substituído por outro ponto de apoio externo ao Poste.
A situação está resumida no desenho 4.

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
79
Montagem

7. Poste Dodecagonal (Fonte: BrasilSat) – Poste Flangeado (interno/externo)


com costura lateral

RELAÇÃO DE EQUIPAMENTOS E FERRAMENTAS PARA MONTAGEM

 Catraca, guincho ou talha


 Pau-de-carga com duas vezes a altura da maior peça a ser montada
 Cabo de Aço 1/4 “
 Roldanas (2 unidades para cada pau de carga)
 Nível de bolha
 Prumo
 Mangueira de nível
 Corda de nylon ou sisal
 Conjunto de chaves (ajustáveis, de boca, de fenda, alicates, etc.)

Obs.: A quantidade e o dimensionamento destes itens variam conforme o peso da estrutura e


o prazo requerido para a montagem.

DESEMBARQUE

Retirar os módulos do caminhão através de dispositivo de içamento (caminhão Munck,


guindaste).
Deve-se tomar cuidado com o manuseio dos módulos para não danificar a pintura e não
deformá-los.

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
80
Montagem

Descarregar de formas que os módulos fiquem aos pares e próximos para facilitar a montagem
parcial no solo.

VERIFICAÇÕES NECESSÁRIAS

O engenheiro responsável pela instalação do poste, antes do início dos serviços, deverá
examinar e inspecionar se existe qualquer imperfeição na estrutura e acessórios.
Atenção especial deverá ser dada ao alinhamento dos módulos, à proteção da galvanização, à
locação dos chumbadores, ao nivelamento das bases de fundação e ao aperto dos chumbadores após
a montagem do primeiro módulo.
Nos desenhos de montagem estão todos os detalhes de montagem da estrutura, plataforma,
escada e indicação de acessórios.
Caso seja observada qualquer deformação ou amassamento em algum elemento estrutural este
deve ser substituído.
A listagem de materiais (“check list”) deve ser verificada antes do início dos serviços. O
fabricante aceitará reclamações até 3 dias após a entrega dos materiais em campo.
Peças extraviadas devem ser requisitadas especificando os códigos, descrições, dimensões e
motivos.

MONTAGEM

Montagem com “pau de carga”:

A montagem deve ser iniciada pelo módulo da base. Deve-se estaiar o pau de carga no solo,
içar a face oposta da escada do módulo base e posicioná-lo sobre os chumbadores prendendo as
porcas com um leve aperto.
Montar o “pau de carga” por dentro do módulo e içar a outra metade do módulo com a escada
e esteira já montada.
Com um montador posicionado no interior da torre e outro por fora, colocar todos os parafusos
e apertá-los.
Subir o “pau de carga” para o içamento da metade do módulo superior (lado da escada),
prender os parafusos do flange, subir a outra metade e prender os parafusos de ligação da mesma
forma anterior. E assim por diante, enquanto for possível o posicionamento do montador no interior
do módulo.
Quando não for mais possível o montador por dentro do módulo, pré-montar as duas metades
do módulo no chão para posterior içamento do módulo inteiro com “pau de carga”.
Após atingir a altura final, içar todos os acessórios.
Durante a montagem, verificar o prumo a cada 6 metros.

CUIDADOS ESPECIAIS PARA MONTAGEM E INSTALAÇÃO

Todos os parafusos de união dos módulos são compostos por uma arruela lisa e duas porcas
sextavadas. (porca e contra-porca).
As peças devem ser montadas com leve aperto nos parafusos; o aperto final só deverá ser
dado após montagem completa da estrutura e plataformas;
As porcas-trava (pall nut) ou contra-porcas devem ser instaldas, obrigatoriamente, em todos
os parafusos, após o aperto final das porcas principais.
A prumada da poste deve ser verificada e mantida rigorosamente na vertical durante todas as
fases da montagem.

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
81
Montagem

Em hipótese alguma é permitida a furação ou modificação de peças no campo.


O nivelamento das sapatas, chumbadores e o alinhamento das colunas devem ser
inspecionados em todas as etapas de trabalho.
Não deve ser permitida, nas proximidades da obra, a presença de elementos não habilitados,
inexperientes ou sem equipamento de segurança.

8. Torres Triangulares Tubulares Flangeadas (Fonte: Seccional)

RELAÇÃO DE EQUIPAMENTOS E FERRAMENTAS PARA MONTAGEM

 Catraca, guincho ou talha


 Pau-de-carga com altura de 12m
 Cabo de Aço 1/4 “
 Roldanas (2 unidades para cada pau de carga)
 Nível de bolha
 Prumo
 Mangueira de nível
 Corda de nylon ou sisal
 Conjunto de chaves (ajustáveis, de boca, de fenda, alicates, etc.)

Obs.: A quantidade e o dimensionamento destes itens variam conforme o peso da estrutura e


o prazo requerido para a montagem.

VERIFICAÇÕES NECESSÁRIAS

A equipe de montagem deverá receber a estrutura em campo, e após a descarga, proceder à


separação e estocagem das peças, de forma a manter organizado o canteiro da obra.
Todo material recebido deverá ser conferido com base na “Lista de Materiais”, que segue junto
com a estrutura (faz parte da Pasta de Montagem, que está dentro das caixas e embalagens). Caso
seja verificada a falta eventual de algum item, ou se algum item foi danificado no transporte, a ATC
deverá ser informada imediatamente para providenciar sua provisão.
Atenção especial deve ser dada ao alinhamento dos montantes, à proteção da galvanização,
à locação dos chumbadores e ao nivelamento das bases de fundação e ao aperto dos chumbadores
após a montagem do primeiro módulo
O encarregado da montagem deverá inspecionar a fundação (executada por terceiros),

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
82
Montagem

atentando-se aos seguintes itens:


- A quantidade, bitola e distância entre os chumbadores (concretados com dois gabaritos)
deverão estar de acordo com o projeto que segue na pasta de montagem.
- Todos chumbadores nivelados, com as roscas livres de nata de concreto.
- Os chumbadores deverão estar todos devidamente na vertical, sendo inaceitáveis inclinações
com relação ao prumo.

O flange da coluna da base estará apoiado sobre a primeira linha de porcas. Sobre este flange
será colocada a segunda linha de porcas e a contra-porca.
Desta maneira a água que eventualmente escorrer por dentro da coluna será naturalmente
drenada.

Caso seja necessária a execução do Grout deverá ser prevista drenagem durante sua
execução. O dreno pode ser posicionado dentro do bloco (quando instalado antes da concretagem)
ou dentro do grout, quando a execução do grout for feita após a concretagem do bloco de fundação.
A execução do grout bem como a drenagem é de responsabilidade da empresa construtora
contratada para executar o site.

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
83
Montagem

PREPARAÇÃO PARA A MONTAGEM

Após as verificações e levantamentos iniciais, deve-se separar e posicionar as peças que


compõem a estrutura de modo a facilitar o manuseio das mesmas, de preferência por tipo e por
ordem de montagem, deixando liberada a área da base onde será erguida a estrutura.
Os parafusos, porcas, e pall nuts, são embalados em caixas específicas, uma por módulo da
torre. Portanto, as mesmas só devem ser abertas, além do momento da conferência, quando da
montagem de cada módulo, evitando assim, a mistura destes acessórios.
Não deve ser permitida, nas proximidades da obra, a presença de elementos não habilitados,
inexperientes ou sem equipamento de segurança.

MONTAGEM

A montagem inicia com a instalação das porcas inferiores dos chumbadores e seu nivelamento
para receber os flanges de base. Com as porcas de base niveladas, inicia-se a colocação dos 3
primeiros montantes (colunas), um em cada base. O içamento pode ser feito com auxílio de pau de
carga (sempre com o dobro do comprimento do montante) ou caminhão munck, tomando sempre o
cuidado de não provocar esforços horizontais (bater) nos chumbadores.
A seguir, proceder à instalação das diagonais, iniciando-se pelas principais, seguido das
secundárias e posteriormente os travamentos. O aperto final dos parafusos e porcas será dado ao
final da montagem, quando a torre estiver na altura definitiva.
Com o primeiro módulo fechado, os flanges de base devem ser verificados e se necessário
revisto seu nivelamento. Após, proceder ao aperto das porcas superiores (ou porca e contra porca).
Para montagem dos próximos módulos, o pau de carga deve ser reinstalado a cada nova altura,
sempre junto aos montantes, na sua parte interna. Uma roldana deve ser instalada na sua
extremidade superior, para passagem do cabo de aço que fará a suspensão das peças, por meio das
catracas.
Os montantes devem ser suspensos sempre na vertical pela área interna da estrutura,
atentando-se para que os flanges de base estejam sempre voltados para baixo, para serem
aparafusados aos flanges de topo das seções inferiores. Os mesmos devem estar presos por cordas,
além do cabo de içamento, para facilitar seu alinhamento e fixação ao montante inferior. Somente
após o aparafusamento dos montantes, é que se deve iniciar a montagem das diagonais principais e
posteriormente as secundárias e travamentos.
As diagonais, horizontais e travamentos internos devem ser montados com leve aperto nos
parafusos; o aperto final deverá ser dado após montagem completa da estrutura e plataformas,
iniciando pelo aperto dos parafusos dos montantes.

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
84
Montagem

Após conclusão da montagem de cada módulo, deve-se conferir a cota de abertura no topo das
colunas com o valor indicado nos desenhos de montagem.
Visando manter o interior da estrutura livre para içamento das peças, os quadros principais
de travamento podem ser instalados no final, antes das plataformas e do reaperto. A instalação dos
acessórios como plataformas, escadas, leitos de cabos e suportes de antenas, deve ser executado
após o reaperto final dos parafusos da estrutura. Como etapa final, serão instalados os sistemas de
balizamento noturno e proteção atmosférica.
A pintura pode ser executada antes ou após a montagem, sendo que no primeiro caso serão
necessários retoques no final.
Em hipótese alguma é permitida a furação ou modificação de peças em campo.
Recomendamos, durante a montagem, manter um ou mais pés da torre, conectados à malha
de aterramento da estação ou à uma haste de terra, se esta não existir.

DESMONTAGEM

Para desmontagem, os serviços devem ser de cima para baixo, com o uso dos mesmos
equipamentos usados na montagem.
Primeiramente devem ser retirados os suportes de antenas e as plataformas externas, bem
como os sistemas de balizamento noturno e proteção atmosférica, exceto os rabichos de terra.
As demais plataformas, escadas e leitos de cabos podem ser retirados paralelamente à
desmontagem da estrutura que será no sentido inverso da montagem.
Visando facilitar o transporte e eventual remontagem da estrutura, recomendamos a
identificação dos materiais bem como sua separação e acomodação adequadas. Não será permitida
a reutilização de parafusos e porcas.

9. Torres em Cantoneira

RELAÇÃO DE EQUIPAMENTOS E FERRAMENTAS PARA MONTAGEM

 Catraca, guincho ou talha


 Pau-de-carga com altura de 12m
 Cabo de Aço 1/4 “
 Roldanas (2 unidades para cada pau de carga)
 Nível de bolha

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
85
Montagem

 Prumo
 Mangueira de nível
 Corda de nylon ou sisal
 Conjunto de chaves (ajustáveis, de boca, de fenda, alicates, etc.)

Obs.: A quantidade e o dimensionamento destes itens variam conforme o peso da estrutura e


o prazo requerido para a montagem.

VERIFICAÇÕES NECESSÁRIAS

A equipe de montagem deverá receber a estrutura em campo, e após a descarga, proceder à


separação e estocagem das peças, de forma a manter organizado o canteiro da obra.
Todo material recebido deverá ser conferido com base na “Lista de Materiais”, que segue junto
com a estrutura. Caso seja verificada a falta eventual de algum item, ou se algum item foi danificado
no transporte, a ATC deverá ser informada imediatamente para providenciar sua provisão.
O encarregado da montagem deverá inspecionar a fundação (executada por terceiros),
atentando-se aos seguintes itens:
- A quantidade, bitola e distância entre os chumbadores deverão estar de acordo com o projeto.
- Nivelamento dos chumbadores, com as roscas livres de nata de concreto.
- Os chumbadores deverão estar todos devidamente na vertical, sendo inaceitáveis inclinações
com relação ao prumo.
A placa de base deverá estar apoiada sobre a primeira linha de porcas. Sobre esta placa de
base será colocada a segunda linha de porcas e a contra-porca.
Caso a distância entre a face superior do bloco seja superior a 1 ½ vezes a altura da porca
deverá ser executado Grout (argamassa de expansão).

PREPARAÇÃO PARA A MONTAGEM

Após as verificações e levantamentos iniciais, deve-se separar e posicionar as peças que


compõem a estrutura de modo a facilitar o manuseio das mesmas, de preferência por tipo e por
ordem de montagem, deixando liberada a área da base onde será erguida a estrutura.
Os parafusos, porcas, e pall nuts, são embalados em caixas específicas, uma por módulo da
torre. Portanto, as mesmas só devem ser abertas, além do momento da conferência, quando da
montagem de cada módulo, evitando assim, a mistura destes acessórios.
Não deve ser permitida, nas proximidades da obra, a presença de elementos não habilitados,
inexperientes ou sem equipamento de segurança.

MONTAGEM

A montagem inicia-se com a instalação das porcas inferiores dos chumbadores e seu
nivelamento para receber as placas de base. Com as porcas de base niveladas, inicia-se a colocação
dos primeiros montantes (colunas), um em cada base. O içamento pode ser feito com auxílio de pau
de carga ou caminhão munck, tomando sempre o cuidado de não provocar esforços horizontais
(bater) nos chumbadores.

A seguir, proceder à instalação das diagonais, iniciando-se pelas principais, seguido das
secundárias e posteriormente os travamentos. O aperto final dos parafusos e porcas será dado ao
final da montagem, quando a torre estiver na altura definitiva.

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
86
Montagem

Com o primeiro módulo fechado, as placas de base devem ser verificadas e se necessário revisto
seu nivelamento. Após, proceder ao aperto das porcas superiores (ou porca e contra porca).
Para montagem dos próximos módulos, o pau de carga deve ser reinstalado a cada nova altura,
sempre junto aos montantes, na sua parte interna. Uma roldana deve ser instalada na sua
extremidade superior, para passagem do cabo de aço que fará a suspensão das peças, por meio das
catracas.
Os montantes devem ser suspensos sempre na vertical pela área interna da estrutura,
atentando-se para o correto posicionamento dos mesmos, evitando-se assim a montagem incorreta
dos montantes. Os mesmos devem estar presos por cordas, além do cabo de içamento, para facilitar
seu alinhamento e fixação ao montante inferior. Somente após o aparafusamento dos montantes, é
que se deve iniciar a montagem das diagonais principais e posteriormente as secundárias e
travamentos.
As diagonais, horizontais e travamentos internos devem ser montados com leve aperto nos
parafusos; o aperto final deverá ser dado após montagem completa da estrutura e plataformas,
iniciando pelo aperto dos parafusos dos montantes;
Após conclusão da montagem de cada módulo, deve-se conferir a cota de abertura no topo das
colunas com o valor indicado nos desenhos de montagem.
Visando manter o interior da estrutura livre para içamento das peças, os quadros principais
de travamento podem ser instalados no final, antes das plataformas e do reaperto. A instalação dos
acessórios como plataformas, escadas, leitos de cabos e suportes de antenas, deve ser executado
após o reaperto final dos parafusos da estrutura. Como etapa final, serão instalados os sistemas de
balizamento noturno e proteção atmosférica.
A pintura pode ser executada antes ou após a montagem, sendo que no primeiro caso serão
necessários retoques no final.
Em hipótese alguma é permitida a furação ou modificação de peças em campo.
Recomendamos, durante a montagem, manter um ou mais pés da torre, conectados à malha
de aterramento da estação ou à uma haste de terra, se esta não existir.

DESMONTAGEM

Para desmontagem, os serviços devem ser de cima para baixo, com o uso dos mesmos
equipamentos usados na montagem.
Primeiramente devem ser retirados os suportes de antenas e as plataformas externas, bem
como os sistemas de balizamento noturno e proteção atmosférica, exceto os rabichos de terra.
As demais plataformas, escadas e leitos de cabos podem ser retirados paralelamente à
desmontagem da estrutura que será no sentido inverso da montagem.
Visando facilitar o transporte e eventual remontagem da estrutura, recomendamos a
identificação dos materiais bem como sua separação e acomodação adequadas. Não será permitida
a reutilização de parafusos e porcas.

PEÇAS USADAS

O uso de peças usadas viola todas as garantias estabelecidas pelo fabricante pois não se pode
ter certeza se o material disponibilizado foi usado de modo inadequado anteriormente. Use apenas
material novo e galvanizado.

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
87
Montagem

10. Torres com Montante Ômega

Ver montagem de torres com montantes em cantoneira.

11. Torres Estaiadas

Torres estaiadas são estruturas muito esbeltas articuladas ou engastadas na base, que
contam com cabos de aço interligados em diferentes pontos de sua altura e ancorados no solo
para sua estabilização. Este tipo de torre se presta principalmente para locais com grande
disponibilidade de espaço, pois os estais são ancorados distantes da estrutura. Podem ser
treliçadas ou tubulares, na forma de poste ou aporticada. Sua característica principal é o peso
reduzido e o custo baixo devido à utilização dos estais. Desde que suportem os esforços,
poderão ser verticalizadas com o auxílio de um guincho, basculando sobre a própria base.
Podem ser utilizados mastros para aumento do ângulo de içamento. Os estais já devem estar
previamente instalados à torre, porém ainda não ancorados às bases. Os estais instalados à ré
servirão de freio para a verticalização.

RELAÇÃO DE EQUIPAMENTOS E FERRAMENTAS PARA MONTAGEM

 Catraca, guincho ou talha


 Pau-de-carga com altura de 12m
 02 (dois) Dinamômetros de no mínimo 2.000 Kgf
 Cabo de Aço 1/4 “ e acessórios
 Roldanas (2 unidades para cada pau de carga)
 Freio
 Nível de bolha
 02 (dois) Teodolitos posicionados em ângulo de 90°
 Prumo
 Mangueira de nível
 Corda de nylon ou sisal
 Conjunto de chaves (ajustáveis, de boca, de fenda, alicates, etc.)

Obs.: A quantidade e o dimensionamento destes itens variam conforme o peso da estrutura e


o prazo requerido para a montagem.

VERIFICAÇÕES NECESSÁRIAS

A equipe de montagem deverá receber a estrutura em campo, e após a descarga, proceder à


separação e estocagem das peças, de forma a manter organizado o canteiro da obra.
Todo material recebido deverá ser conferido com base na “Lista de Materiais”, que segue junto
com a estrutura. Caso seja verificada a falta eventual de algum item, ou se algum item foi danificado
no transporte, a ATC deverá ser informada imediatamente para providenciar sua provisão.

O encarregado da montagem deverá inspecionar a fundação (executada por terceiros),


atentando-se aos seguintes itens:

- As dimensões e distâncias entre a base central e os blocos de ancoragem, deverão estar de

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
88
Montagem

acordo com o projeto de fundação;


- Nivelamento dos chumbadores ou chumbador único (para torres articuladas), bem como das
ancoragens;
- Os chumbadores e as ancoragens deverão estar todos devidamente na vertical, sendo
inaceitáveis inclinações com relação ao prumo.

PREPARAÇÃO PARA A MONTAGEM

Após as verificações e levantamentos iniciais, deve-se separar e posicionar as peças que


compõem a estrutura de modo a facilitar o manuseio das mesmas, de preferência por módulo,
deixando liberada a área da base da torre, bem como a área ao redor das bases de ancoragem.
Os parafusos, porcas e pallnuts são separados por módulo da torre. A colocação das placas
estabilizadoras e manilhas devem preceder o início da montagem da estrutura. Os cabos de aço
(estais) deverão estar cortados, nas medidas indicadas em projeto, deixando uma folga para os
trabalhos de tensionamento. Os esticadores devem estar preparados e posicionados ao lado das
bases de ancoragem.
Os teodolitos devem estar posicionados formando um ângulo de 90º, permitindo a verificação
da verticalidade dos módulos nos dois quadrantes.
Não deve ser permitida, nas proximidades da obra, a presença de elementos não habilitados,
inexperientes ou sem equipamento de segurança.

MONTAGEM

As torres estaiadas são esbeltas e leves, portanto a sua montagem pode ser otimizada,
montando-se as seções no chão e içando-se já completas. A montagem inicia-se com a instalação do
primeiro módulo, efetuando a ligação entre os chumbadores ou pivôs com este módulo.
Posteriormente, deve-se verificar o nivelamento da placa de base e a verticalidade do módulo
montado com o auxílio dos dois teodolitos. O içamento pode ser feito com auxílio de pau de carga
ou caminhão munck.
O aperto final dos parafusos e porcas será dado imediatamente após a verificação da
verticalidade de cada módulo.
Antes da montagem dos próximos módulos, o primeiro módulo montado deverá estar estaiado
com auxílio de cordas ou cabos ancorados provisoriamente na base de ancoragem. Para montagem
dos próximos módulos, o pau de carga deve ser reinstalado a cada nova altura, sempre junto aos
montantes, paralelamente a estrutura. Uma roldana deve ser instalada na sua extremidade superior,
para passagem do cabo de aço que fará a suspensão das peças, por meio das catracas.
Os módulos devem ser suspensos sempre na vertical, atentando-se para o correto
posicionamento dos mesmos, evitando-se assim a montagem incorreta da torre. Os mesmos devem
estar presos por cordas, além do cabo de içamento, para facilitar seu alinhamento e fixação ao módulo
inferior.
Cada módulo instalado deve ser estaiado no topo para garantir a verticalidade e segurança
durante a montagem. O módulo com o primeiro nível de estais deve ser içado já com os cabos
instalados na estrutura. Após a montagem deste módulo, os cabos devem ser pré tensionados e o
módulo colocado no prumo. Apenas depois de verificada a verticalidade do módulo, os cabos devem
ser tensionados conforme indicado no projeto. Uma vez tensionado o primeiro nível de cabos, as
cordas poderão ser removidas dos módulos inferiores.

Este processo deve ser repetido até o término da montagem da estrutura.


A instalação dos acessórios como plataformas, escadas, leitos de cabos e suportes de antenas,

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
89
Montagem

deve ser executado após o término da montagem da estrutura. As etapas finais serão instaladas os
sistemas de balizamento noturno e proteção atmosférica.

A pintura pode ser executada antes ou após a montagem, sendo que no primeiro caso serão
necessários retoques no final.
Em hipótese alguma é permitida a furação ou modificação de peças em campo.
Recomendamos, durante a montagem, manter um ou mais pés da torre, conectados à malha
de aterramento da estação ou à uma haste de terra, se esta não existir.

DESMONTAGEM

A desmontagem de uma torre estaiada deve ser executada por equipes experientes. A situação
de uma torre usada é difícil de determinar e, em um processo de desmontagem, pode ser perigoso
ou fatal. Desmontagem e instalação podem requer o uso temporário de estais de aço.
Antenas, torres, cabos, estais e outros metais são excelentes condutores de corrente elétrica.
Até mesmo um leve contato de uma dessas partes a uma linha de transmissão fecha um caminho
elétrico até o instalador,
Se uma das partes da montagem tocar a linha de transmissão – não toque este ou tente
removê-la. Chame a companhia de energia elétrica local.

12. Balizamento Noturno - Materiais

O balizamento Noturno será composto por luminárias duplas, de cor vermelha instaladas a
1,50m acima do topo da estrutura, alimentado por disjuntor específico, na menor tensão disponível
a ser instalado num quadro e comandado por um relé fotoelétrico. Ver lista de materiais na
ESPECIFICAÇÃO PARA O FORNECIMENTO DE NOVAS ESTRUTURAS PARA ATC – R2.
A distribuição das luminárias no balizamento noturno em torres e postes deverá ser de acordo
com o seguinte padrão:
a) Até 45 m - 1 nível de balizamento no topo;
b) De 46 m a 75 m - 2 níveis de balizamento, um duplo no topo e outro na altura
intermediária, composto por duas luminárias, instaladas em dois montantes da estrutura;
c) Acima de 75 m - 3 níveis de balizamento, um duplo no topo e os outros dois duplos, a
cada 1/3 da altura da estrutura vertical, instalados em montantes distintos entre os níveis.
As luminárias do balizamento noturno deverão ser à prova de intempéries e resistente ao
tempo, de baixa intensidade, tipo LED simples (fabricante DBTEC, FRATA ou HILIGHT), LUZ
VERMELHA de 32 candelas, alimentadas na menor tensão disponível em corrente alternada entre
fase e neutro do sistema elétrico do site.
A alimentação do sistema de balizamento noturno deverá ser feita através de cabo PP, com
neutro isolado, 6 mm², 0,6/1Kv, protegido por eletroduto de aço galvanizado a fogo Ø1”.
Quando indicado em projeto, o balizamento noturno será do tipo Solar. Este sistema consiste
na captação e armazenamento da energia solar durante o dia, sob forma de energia elétrica, e a
utiliza automaticamente durante a noite para a sinalização requerida.
Em conformidade com a resolução 256 do Comando da Aeronáutica (COMAR), apresenta
intensidade luminosa superior a 10 candelas e adicionalmente, autonomia de até 10 dias com baixa
insolação.

. O forncecimento e instalação é de responsabilidade da ATC.

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
90
Montagem

Balizamento para estruturas

A responsabilidade de instalação da infraestrutura do balizamento noturno na estrutura é da


equipe de montagem contratada pela ATC, a responsabilidade da infraestrutura entre a estrutura
vertical e o disjuntor é da contratada pela execução da obra civil.

13. Balizamento Diurno - Materiais

Todas as novas torres e postes metálicos, após a galvanização, deverão ser pintados, salvo
quando determinado pela Engenharia. Além de prover a proteção contra corrosão, a pintura prestar-
se-á também a sinalização diurna de obstáculo (Branco e Laranja), atendendo sempre o Comar
(Comando Aéreo Regional). A pintura deverá ser preferencialmente feita na fábrica e retocada após
a montagem na obra.
A decisão de pintar ou não uma estrutura existente deverá ser baseada no parecer emitido
pelo Comando Aéreo Regional. Este parecer, mas conhecido como Comar Definitivo, determina a
necessidade ou não de pintar a estrutura e de instalar os balizamentos. Informa ainda a quantidade,
disposição e as intensidades destes balizamentos. Quando determinada a necessidade de pintura da
estrutura, o procedimento abaixo deverá ser seguido.

Material e Equipamentos

- Tinta: Poliuretano Alifático (Polane) da Sumaré, nas cores Laranja e Branca


- Pincéis e rolos
- Pistolas para jetamento
- Tiner

Execução

1. Antes de iniciar a pintura, retirar a sujeira de todos os tipos, através de estopas, podendo
estar umedecidas com água;
2. Não utilizar produtos inflamáveis na limpeza, como álcool, pois pode afetar a pintura
original

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
91
Montagem

3. As estruturas deverão ser pintadas intercalando-se as cores laranja e branco, iniciando e


terminando com seções em laranja. As faixas deverão ter entre 5 e 7 metros (não mais
do que 7 metros), de preferência coincidir com os módulos das estruturas, conforme
determinação da Portaria 1.141/GM5, de 8 de dezembro de 1987 – vide Capítulo V;
4. Não é necessário dar fundo antes da pintura, pois a tinta a ser utilizada não precisa fundo
(não será admitida a utilização de outra tinta);
5. Não é necessária a utilização de solvente, a tinta tem o componente A e B, que
misturados estão prontos para serem aplicados nas estruturas metálicas;
6. Nas estruturas localizadas em áreas residências, dentro de cidades a pintura não poderá
ser feita utilizando pistola e sim com rolos e pincéis.
7. A escada, os esteiramentos verticais e horizontais, e o piso das plataformas não deverão
ser pintados; o guarda-corpo da plataforma deverá ser pintado.
8. As antenas não deverão de maneira nenhuma ser pintadas.
9. Deverão ser aplicadas 02 demãos de tinta dando um intervalo necessário para a secagem
da primeira demão.

14. Montagem dos Suportes de RF e MW

A montagem dos suportes de RF e MW é de responsabilidade do fornecedor contratado


para a construção da obra civil. Será obrigatório o fornecimento do suporte, conforme modelos
padrão ATC e emitir as respecitivas ART de fabricação e montagem.

15. Bibliografia

ARTIGOS TÉCNICOS

CBCA_Transport_Montagem

SITES INTERNET

www.dbtec.com.br / www.frata.com.br / www.hilight.com.br

COMANDO AÉREO REGIONAL

Portaria 1.414/GM5 de 8 de dezembro de 1987

16. Dúvidas

Eventuais dúvidas deverão ser dirimidas através do seguinte contato:


Engª. Patricia Prospero Maradei
Departamento de Engenharia - ATC
E-mail: patricia.maradei@americantower.com

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
92
Aterramento

1. Informações do Documento

1.7. Participantes

Autor Rafael Neves


Contribuição Evilásio Camargo e Mauricio Delferro

1.8. Histórico de Revisões

Revisão Data da Revisão Autor Item Revisado


00 11/05/10 Fernando Galvão Emissão Inicial
01 09/03/12 Rafael Neves Balizamento Noturno
02 20/02/13 Rafael Neves Conforme Manual do Aterramento

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
93
Aterramento

2. Objetivo

Determinar os padrões do processo de execução e medição do aterramento da estrutura e


equipamentos, a fim de protegê-los de descargas atmosféricas.

3. Materiais e Equipamentos

Os equipamentos e materiais a serem utilizados são:

 Cordoalha de aço galvanizado 3/8” 7x8AWG


 Conector terminal a compressão estanhado
 Conector bimetalico estanhado tipo split bolt (fornecimento ATC).
 Haste de aterramento de aço cobreado alta camada (5/8” x 2,4m) (haste normatizada).
 Caixa de inspeção de alvenaria, com tampa de concreto e/ou ferro fundido.
 Parafuso sextavado de aço inox.
 Eletroduto em PVC rígido de 1”.
 Moldes de grafite (cadinho).
 Cartucho de pólvora.
 Alicate de manuseio.
 Luvas
 Cordoalha de cobre nú 50mm² 8 fios.
 Alicate Terrômetro – MINIPA ET-4310 ou similar.
 Escada

4. Descrição das etapas de execução da malha de aterramento.

4.1 - O supervisor de campo deve conferir todo material utilizado pela contratada para
execução da malha de aterramento, tendo como parâmetros o projeto. Caso haja algum
material divergente ao especificado em projeto, o supervisor de campo não deve aceitar o
material, requerendo sua substituição para o material padrão ATC. Nestes casos o supervisor
deve informar o coordenador.

4.2 – Escavação das valas para malha de aterramento em 0,2 x 0,6 m. A malha de
aterramento deve envolver a estrutura metálica, base de equipamentos do cliente e possuir
um ramal de ligação ao padrão de entrada de energia. A malha de aterramento deve ser
conectada ao neutro da concessionária através da haste da caixa de aterramento do padrão
de entrada.

4.3 – Escavação das caixas de inspeção para aterramento nas dimensões de 0,3 x 0,3 x 0,8
m. O acabamento da caixa de inspeção deve ser em alvenaria emboçada com requadros
em ferro galvanizados a fogo, com tampa em ferro fundido ou concreto armado com alça
em aço galvanizado a fogo.

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
94
Aterramento

Caixa de aterramentos padrão ATC.

Caixa de aterramento acabada.


4.4 – Após a conclusão da escavação das valas, cravam-se as hastes de aterramento de aço
cobreado alta camada de 5/8” x 2,4 m. A haste deve ser cravada ao solo até 2,2m de
profundidade.

4.5 – Passa-se a malha de aterramento em cordoalha de cobre nú 50mm².

Escavação da malha de aterramento.

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
95
Aterramento

4.6 – Na malha de aterramento, as conexões entre as hastes e o cordoalha de cobre nú


devem ser feitas com solda exotérmica.

4.7 – A solda exotérmica deve ser executada conforme abaixo:

- Utilizar materiais de proteção como: óculos e luvas;


- Colocar o alicate no molde (cadinho);
- Aqueça o molde e limpe a haste e o cabo;
- Posicione corretamente a haste e o cabo;
- Feche o alicate até travar;
- Coloque o disco metálico;
- Despeje o pó de solda;
- Coloque o pó de ignição (pólvora), deixe um rastilho na borda do molde;
- Feche a tampa e acione lateralmente o elemento de ignição (pólvora);
- Aguarde alguns segundos e a solda estará pronta;

4.8 – Interligam-se a estrutura metálica a malha de aterramento, com cordoalha de aço


galvanizado de 3/8”, a cordoalha deve ser envolvida por tubulação em PVC 1”. A conexão
da cordoalha de aço galvanizada a aleta da estrutura deve ser em conector terminal a
compressão estanhado com fixação em parafuso inox. A conexão malha de aterramento em
cordoalha de cobre nú e cordoalha de aço galvanizado dever ser feita com conectores bi-
metálicos. A figura abaixo ilustra esta ligação. A cordoalha de aço não pode ter curva
maior do que 45°.

Conector bimetálico tipo Split-bolt (fornecido pela ATC)

4.9 – Concluídos os trabalhos com as cordoalhas, executam-se as caixas de inspeção de


aterramento em alvenaria emboçada, vedam-se os dutos e colocam-se as tampas em ferro
fundido.

4.10 – O fechamento das valas devem ser compactados manualmente em camadas de 0,2m.
A contratada deverá encaminhar algumas fotos mostrando da profundidade (0,60m)
escavada da vala de aterramento para o supervisor poder validar o reaterro da mesma.

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
96
Aterramento

4.11 – A graxa que deverá passar nos contatos do aterramento entre cabo de cobre e aço,
cabo de aço e estrutura vertical é de fornecimento da ATC. Esta graxa é enviada juntamente
com o kit de aterramento entregue junto com a estrutura vertical.

Composto anti-óxido (graxa) para conexões do aterramento (fornecido pela ATC)

Sealtub 1” e e cabo de aço para aterramento Tinta retirada para conexão do aterramento da
da estrutura vertical (fornecido pela ATC) estrutura vertical.

4.12 – Quando estiver descriminado no


projeto executivo que a contratada deverá
fornecer o FCI para aterramento das
antenas na estrutura vertical, o mesmo
deverá ser fixado, conforme projeto, e a
tinta deverá ser removida para sua
conexão.

Conector FCI para estrutura vertical.

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
97
Aterramento

5. Recomposição do aterramento nas obras de reforços estruturais

Fica estabelecido e alinhado com os fornecedores de obras de reforços que a


recomposição dos pontos de aterramento nas obras de reforço estrutural deverá ser feita
da seguinte forma:

5.1 - Quando:

Em toda situação que o aterramento original ficar encoberto pelo reforço de


fundação, estiver vandalizado ou em decomposição. Esse procedimento deverá ser
comunicado com o supervisor de campo da ATC, responsável pela obra.
Observamos que nas obras onde o reforço é exclusivamente estrutural não faremos a correção devido a
qualificação da equipe.

5.2 - Como avaliar:

Através das fotos de contratação da obra ou na vistoria de abertura da obra. Caso


a LPU já tenha sido fechada, poderá ser cobrado cobrado em adicional, quando validado
pelo supervisor responsável.

5.3 - Como fazer:

O aterramento deverá ser recomposto com a conexão de uma cordoalha galvanizada


protegida por um tubo corrugado até o poço de inspeção, onde será emendada com um
rabicho de cobre ligado a malha, conforme ilustração a seguir:

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
98
Aterramento

1 – Conector parafuso fendido bi metálico com sapata 50mm² http://www.conimel.com.br/pdf/05.Pdf


(Conexão aço - Torre) + parafuso/porca/arruela galvanizados a fogo;

2 – Conector parafuso fendido bi metálico 70mm² http://www.conimel.com.br/pdf/04.Pdf + composto anti-


óxido http://www.conimel.com.br/pdf/48.Pdf (Conexão Aço - Cobre);

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
99
Aterramento

3 – Conector parafuso fendido 50mm² (Conexão Cobre – Cobre);

4 – Condutor de cordoalha galvanizada 3/8;

5 – Condutor de cobre 50mm²; (Este pode ficar em contato com o solo)

6 – Duto corrugado PEAD 1” na proteção do condutor + vedação em espuma de poliuretano nas extremidades
+ fixação no bloco com abraçadeiras “U”; (PROTEGER A CORDOALHA PARA QUE A MESMA NÃO FIQUE
EM CONTATO COM O SOLO)

7 - Caixa de inspeção elétrica PVC com tampa PVC 26cm x 29cm (Instalada junto ao bloco da fundação
ou mais próximo possível da fundação);

As caixas de passagem existentes que não forem demolidas poderão ser


aproveitadas, observando que a cordoalha galvanizada não poderá estar em contato com o
solo.

Outro ponto importante é a fixação do aterramento a estrutura. Não façam furos


desnecessários nos montantes. Consultem o Supervisor ou Reforços caso tenham
dúvida.

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
100
Aterramento

6. Descrição das etapas de medição da resistência do aterramento

6.1 – A medição deve ser feita em dois pontos:


- todas as conexões entre malha de aterramento e a estrutura metálica. EX:
estruturas triangulares metálicas terão 3 pontos (rabichos) para medição da resistência.
- cabo neutro da concessionária

6.2 – Para as conexões entre malha de aterramento e a estrutura metálica deve-se verificar
a continuidade das conexões de aterramento, conectando-se o alicate terrômetro (MINPA
ET-4130 ou similar) a cordoalha de aço galvanizado (rabicho). Esta leitura deve revelar
resistências inferiores a 10 Ω.

6.3 – Para medição da resistência do neutro da concessionária deve ser feita, conectando-
se o alicate terrômetro (MINPA ET-4130 ou similar) no cabo de neutro da concessionária
em um ponto entre o painel de medição e o ramal de alimentação da concessionária. Para
isso, o executor deverá utilizar uma escada, de modo a ter acesso à conexão do cabo neutro
na pingadeira do ramal de alimentação. Esta leitura deve revelar resistências inferiores a 10
Ω.

6.4 – Nos casos que os valores da resistência forem maiores que 10 Ω, a contratada deverá
informar imediatamente a ATC para decidir sobre o tratamento do solo a ser realizado para
aproximar ao valor a 10 Ω.

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
101
Obras Civis - GREENFIELD

1. Informações do Documento

1.9. Participantes

Autor Rafael Neves


Contribuição Ailton Nunes / Clovis Sales / Maurício DelFerro
Aprovado por Alexandre Katz

1.10. Histórico de Revisões

Revisão Data da Revisão Autor Item Revisado


00 11/05/10 Fernando Galvão Emissão Inicial
01 07/03/12 Rafael Neves Muro e Rooftop
02 01/03/13 Rafael Neves Detalhes do Portão e Muro
03 17/12/14 Rafael Neves Detalhes das caixas de passagem

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
102
Obras Civis - GREENFIELD

2. Objetivo

Determinar os padrões construtivos ATC para a execução de serviços em obras civis.

3. Padrão de entrada de energia

3.1 – Antes de iniciar a execução do padrão de entrada de energia a contratada deverá ir à


concessionária local e solicitar os padrões para instalação de unidades consumidoras
conforme o projeto. Esta iniciativa visa evitar a rejeição pela concessionária das instalações
do padrão de entrada de energia, causando retrabalhos e atrasos na ligação de energia
definitiva.

3.2 – A contratada e o supervisor de campo devem conferir se


a posição do padrão de entrada de energia informada no projeto
é realmente a posição mais adequada. A definição da melhor
posição do padrão de entrada de energia deve levar em
consideração a posição da rede de energia pública, procurando
executá-lo o mais próximo possível da mesma evitando a
extensão de energia. A instalação do poste deve seguir esta
orientação. O poste deverá ser de concreto duplo com
resistência mecânica mínima de T 200 daN, conforme NBR 8451
da ABNT. O comprimento do poste para utilização em entradas
de energia deverá ser de, no mínimo, 7200mm. Seu
engastamento mínimo deverá ser de 1320mm.

3.3 – A contratada é responsável pela interação com a Concessionária de energia, a fim de


providenciar todas as documentações necessárias, aprovação do projeto, legalização da
presente ação e ligação definitiva de energia do site.

3.4 – O padrão deve ser executado em alvenaria com h máx = 2,00m e largura variável
dependendo das configurações e especificações solicitadas pelo cliente e padrões de projeto
adotado pela concessionária local.

3.5 – A entrada de energia deverá ser executada tão logo seja dado o início das obras
seguindo o padrão da concessionária local, sempre prever a instalação de no mínimo 2
medidores, sendo um da ATC e o segundo da Operadora. Deverá ser previsto a instalação
da grade (F.G.F.) de proteção do medidor com cadeado de segredo após a instalação do
mesmo.

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
103
Obras Civis - GREENFIELD

Grade antivandalismo para os medidores. Prever o cadeado com a cinta nicropress.

3.6– O acabamento do padrão de entrada de energia deve ser em chapisco fino com peneira
e sobre os medidores e deve-se instalar pingadeira para proteção das águas pluviais.

3.7 - -Os quadros de uso


exclusivo das operadoras
(QTM/QDCA/QD) não
poderão ser construídos
juntamente com a alvenaria
dos medidores. A alvenaria
para estes quadros deverão ser
executadas sempre próximo da
base do equipamento, ou seja,
nos muros laterais do site. O
acabamento do abrigo do QTM
deve ser em chapisco fino com
peneira e deve-se instalar
pingadeira para proteção das
águas pluviais.

Acabamento em chapisco fino e pingadeira


sobre o quadro da operadora.

3.8 – Os medidores deverão ser identificados com plaqueta de


acrílico preta e texto em branco com o nome da ATC e da
operadora responsável pela unidade consumidora. A dimensão
da plaqueta deverá ser de 2 x 4cm.

Modelo da plaqueta de identificação.


3.9 – Caso até a data da conclusão da obra, não tivermos disponibilizada a energia defintivia,
a contratada deverá providenciar antecipadamente a energia provisória. Para o

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
104
Obras Civis - GREENFIELD

fornecimento da energia provisória, tanto para sites em terreno ou em edifícios, deveremos


seguir o seguinte procedimento adotado pelo Departamento de Energia da ATC.

4. Caixas de passagem EL / FO / AT

4.1 – As caixas de passagem de elétrica e fibra óptica da ATC são executadas em alvenaria
com dimensões 0,6 x 0,6 x 0,8m e a caixa de passagem de aterramento com dimensões 0,3
x 0,3 x 0,8m, requadros de aço galvanizado a fogo, com tampa em concreto armado ou
ferro fundido (quando utilizadas em trechos de tráfego pesado), para as tampas em
concreto armado, sempre instalar 02 alças em aço galvanizado a fogo.

4.2 – O acabamento interno


das laterais das caixas de
passagem deve ser executado
em chapisco fino com peneira
e emboço. Na base das caixas
de passagem deve haver uma
camada de 5cm de brita para
facilitar a permeabilidade da
água.

4.3 – Vedar as tubulações que chegam as caixas de passagem com espuma expansiva para
evitar infiltração de água.

4.4 – Todas as tampas das caixas de passagem devem ter identificação em baixo relevo.
Com as siglas a seguir: FO – Fibra Óptica, EL – Elétrica e AT – Aterramento.

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
105
Obras Civis - GREENFIELD

Caixa de elétrica (tampa de concreto e/ou ferro fundido).

Caixa de fibra ótica (tampa de concreto e/ou ferro fundido).

Caixa de aterramento (tampa de concreto e/ou tampa de ferro fundido).

5.5 – Quando houver a necessidade de lacrar a caixa, devido a região ser propícia a
vandalismos, a contratada deverá seguir o seguinte prodecimento:

a. Preencher o interior da caixa com brita até o cobrimento dos cabos;


b. Cobrir a brita interna com uma nata de cimento;
c. Executar o fechamento das tampas com um pingo de solda, dificultando assim a
sua abertura.

5. Caixas de passagem EL / FO COMPARTILHADAS

5.1 – Em sites rurais, compartilhados ou com espaços escassos, será permitido utilizar caixas
de passagem de elétrica e fibra óptica compartilhadas, modelo ATC, conforme detalhe.
Serão executadas em alvenaria com dimensões 0,8 x 0,8 x 0,8m, requadros de aço
galvanizado a fogo, com tampa em concreto armado e 02 alças em aço galvanizado a fogo.

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
106
Obras Civis - GREENFIELD

6. Base de equipamento

6.1. Identificar o local de instalação da base, conforme projeto executivo, utilizar piquetes;
a base não deve ser instalada a menos de 1,50m da fundação da torre, para não
dificultar a execução de um possível reforço estrutural. Quando a fundação for do tipo radier
enterrado, a base deverá ficar afastada no mínimo 1,50m da projeção do limite do radier.

6.2. Limpar, nivelar e construir um lastro de 5cm de concreto magro ou brita nº 1 e 2, sendo
que a concreto magro deverá ter um fck maior 9MPa;

6.3. Instalar a armação (negativa e positiva), lembrando sempre de deixar a tubulação de


fibra óptica, energia e aterramento, o diâmetro dessa tubulação varia conforme a
operadora; Respeitar um cobrimento de 3 cm da ferragem.

6.4. Respeitar a cura do concreto de 3 dias para a instalação de equipamentos da operadora.

6.5. O concreto estrutural da base deverá ser fck de 20 MPa.

Base do equipamento feito em brita com as saídas de


tubulação de energia, fibra óptica e aterramento.
Atentar para instalação de espaçadores impedindo o
contato da armação com o solo.

Concretagem da base do equipamento. A


forma deve ser montada com escoras para Base concretada
garantir que o concreto não “escape” para o
terreno.

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
107
Obras Civis - GREENFIELD

7. Instalação de condutores e tubulação

7.1 - Escavação das Valas

A escavação de uma vala com mínimo 40 cm de profundidade e 20cm de largura dependendo


da quantidade de eletrodutos a instalar na vala.

7.2- Instalações dos eletrodutos na Vala

Os eletrodutos deverão atender as especificações e dimensões indicadas em projeto, de


forma continua. Nos casos em que o eletroduto passar sob o acesso de veículos, o mesmo
deverá ser embonecados com camada de concreto magro, antes do preenchimento da vala.

7.3 - Recomposição e compactação do solo movimentado em camadas de 20 cm até que sua


recomposição seja efetivada por completo

7.4 - Arames guia e vedação das extremidades dos eletrodutos com espuma expansiva faz-
se necessária para evitar a entrada de animais ou algum material da obra

8. Revestimento do piso

A área interna do site deverá ser revestida com uma manta Geotêxtil modelo Mirafi
HP 270 fabricado pela TenCate™ e vendida no Brasil exclusivamente pela empresa Allonda,
sendo aplicada em toda a extensão do site para evitar o surgimento de vegetação, com
atenção especial para o entorno de partes com concreto onde pode ficar terra aparente.
Após concluído esse revestimento com a manta, deve se espalhar um lastro de 7 cm de
brita nº 1 e 2 de boa qualidade
e livre de qualquer partícula
como terra e areia.

Produto homologado.

Deverá haver um transpasse de 30 cm de


manta sobre manta, para garantir a total
cobertura do terro do site. A brita deverá ser
espalhada uniformemente sobre o
revestimento.

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
108
Obras Civis - GREENFIELD

Aplicação da Manta Geotêxtil

A aplicação da manta geotêxtil HP 270 é um processo simples que envolve somente


a abertura do tecido desenrolando a bobina ao longo do site, sempre respeitando o
transpasse de 30cm entre as camadas e utilizando um material cortante para obter a
medida desejada de tecido.
Caso seja necessário alguma manutenção no site, deve-se retirar a brita e armazenar
em local que não tenha contato com terra ou outro tipo de matéria orgânica, evitando assim
que a vegetação cresça entre os espaços do material granular, fazer os reparos necessários
e cobrir novamente com os 7cm de brita.
.

Nos terrenos onde houver a necessidade de talude, deverão ser revestidos com
grama para evitar erosão. Prever a execução de canaletas de concreto e caixas de captação
de água pluvial.

Nos casos de sites em áreas rurais e sem vizinhos, poderá ser aplicado uma camada
de brita do lado externo do site com largura de 0,50m para melhorar o acabamento final do
site.

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
109
Obras Civis - GREENFIELD

9. Calçada Frontal

Todo o site da ATC deverá ter calçada. As calçadas deverão ser executadas na testada
do site, mesmo em ruas não urbanizadas e deverão ser executadas conforme padrão da
vizinhança e/ou município. Caso não haja calçada na vizinhança, a contratada deverá
executar uma calçada (L min = 1,00 m) de concreto magro, armado até o limite da rua. Esta
calçada deverá contemplar o rebaixamento da guia no trecho de acesso de veículos.

Nos trechos urbanos, a rampa de acesso de veículos deverá respeitar a legislação


municipal vigente. Caso o município não possua legislação, deverá executar a rampa de
acesso de veículos. As calçadas deverão ter as seguintes características:

- Meio-fio: pré-moldado de concreto com altura mínima de 20cm acima da


pavimentação da rua;

- Espessura mínima: 10 cm em quadros com dimensão máxima de 3,00m e junta seca


no seu plano;

- Resistência do concreto: 15 Mpa (mínimo);

- Armadura: malha inferior com barras de aço CA-50, diâmetro 8 mm a cada 20 cm


nos dois sentidos, com recobrimento inferior mínimo de 3 cm.

- Acabamento: Desempenado.

Rampa de acesso de veículos e acessibilidade.

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
110
Obras Civis - GREENFIELD

10. Numeração do imóvel

Todo o site da ATC deverá ter a numeração metálica do imóvel. A instalação desta
numeração é de responsabilidade do fornecedor de obra. A numeração metálica deverá ser
fixada no muro frontal do site.

Numeração fixada no muro.

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
111
Fechamento do Site

1. Informações do Documento

1.11. Participantes

Autor Rafael Neves


Contribuição Rafael Neves / Ailton Nunes
Aprovado por Alexandre Katz

1.12. Histórico de Revisões

Revisão Data da Revisão Autor Item Revisado


00 06/05/10 Fernando Galvão Emissão Inicial
01 07/03/12 Rafael Neves Muro de alvenaria e portão
02 01/03/13 Rafael neves Muro / Portão / Concertina

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
112
Fechamento do Site

2. Objetivo

O presente documento tem por finalidade definir os padrões de fechamento do site ATC,
podendo ser de alambrado ou muro.

3. Considerações Gerais

O fechamento dos sites foi dividido em quatro itens:

- Viga Baldrame
- Alambrado
- Mourão
- Muro

Viga Baldrame: tem como função dar suporte aos mourões e portão, protegendo o site
contra erosão do solo e escoamento da brita. As dimensões da viga baldrame são de 15 x 25 cm e
a armação é composta por quatro ferros de 8 mm com estribo de 6,3mm a cada 20cm. A base da
viga baldrame deve estar 10 cm abaixo do nível do solo. Para detalhe executivo, ver projeto.

Mourões: deverão ter seção quadrada de 10 x 10 cm com H=3,20 m (2,70 m na vertical +


0,40 m inclinado) e deverão ser instalados a cada 2,50m. Os mourões devem ter 04 (quatro) furos
transversais para permitir a passagem dos arames lisos galvanizados que esticam o alambrado. Os
furos servirão também para passagem dos arames farpados galvanizado, para a proteção na parte
superior do fechamento. Os mourões instalados nas extremidades do terreno devem ter um
travamento em duas direções conforme descrito em projeto.

Alambrado: padrão utilizado pela ATC, tela em arame liso galvanizado n° 12 bwg malha 2”
com H =2,00m.

Muro: será constituído de bloco de concreto de 0,14x0,19x0,39m, entremeados com


pilaretes de concreto a cada 2,50m e altura de 2,40 m, amarrados por cinta de concreto (dentro de
bloco canaleta) na altura intermediária, no topo, e viga baldrame na base. Nos locais dos pilares,
deverá ser executado uma “broca”, com 2,00 m de profundiade e em sequência do pilar até o topo
do muro.

OBS: Caso o bloco de concreto não seja disponível na região do site, a contratada deverá
sugerir ao departamento de projetos da ATC uma opção de substituição do material. O mesmo será
analisado antes da liberação da utilização.

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
113
Fechamento do Site

4. Equipamentos e Materiais

Os equipamentos e materiais a serem utilizados são:

4.1. Linha ou arame


4.2. Piquete
4.3. Esquadro de pedreiro
4.4. Mangueira de nível
4.5. Trena
4.6. Tela de arame galvanizado
4.7. Arame farpado galvanizado
4.8. Arame liso galvanizado
4.9. Mourões

5. Descrição das etapas de execução da viga baldrame, mourões e alambrado

A execução do fechamento do site tem 07 etapas executivas, a saber:

5.1. Locação da viga baldrame: conforme projeto executivo enviado pela ATC.

5.2. Depois de locada, deve-se dar início a escavação da vala (viga baldrame). Nesta etapa também
deverão ser executadas as brocas para fixação dos mourões. As dimensões das brocas estão
especificadas no projeto executivo. O fundo da vala de ser nivelado;

5.3. Após escavação, deve-se instalar a ferragem da viga baldrame e posteriormente instalar os
mourões.

5.4. A viga baldrame deve ser executada em concreto armado, sempre respeitando a determinação
do projeto executivo.

5.5. Após a cura do concreto da viga baldrame, estende-se o alambrado na região especificada em
projeto.

5.6. Na seqüência devem-se passar entrelaçados os arames lisos galvanizados ao alambrado em


três posições e prendê-los, conforme projeto. Os arames devem ser esticados com catracas. Nesta
etapa é importante verificar se o arame foi esticado corretamente, para dificultar a remoção do
alambrado. O arame esticador inferior deve ser fixado nos grampos i na viga baldrame.

5.7. Passam-se quatro arames farpados galvanizado na parte inclinada superior dos mourões.

Para terrenos que possuem fechamento em muro, total ou parcial, deve ser instalado o
pescoço de ganso com TB. 2.1/2” aço galvanizado a fogo a cada 1 m. Esta instalação depende de
um acordo prévio com os vizinhos do site.

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
114
Fechamento do Site

Viga Baldrame e Mourões Esticadores (catraca)

Fechamento do site com alambrado e arame farpado

Esticador (catraca) nos arames guias Arame liso entrelaçado ao alambrado

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
115
Fechamento do Site

6. Descrição geral do muro

O muro de alvenaria será de H=2,40m e concertina de Ø 0,40m no topo. A altura total do


fechamento será de H=2,80 m.

Sob o muro será executado uma viga baldrame interligando as “brocas”, pilares e dando
sustentação à compressão da alvenaria.

Os pilares devem possuir um mínimo de 4 ferros de 8mm com estribos de 6,3mm a cada 20
cm.

Sobre o muro deverá ser preenchido em argamassa, com a finalidade de dar acabamento e
evitar o empoçamento de água na superfície do topo.

Ainda sobre o muro, deverá ser feito o chumbamento dos suportes tipo pescoço de ganso
para passagem de arame guia da concertina. Os suportes deverão ser confeccionados em cantoneira
F.G.F. de perfil tipo T de 2” x ¼”.

O acabamento de todas as faces do muro deverão ser feitos em chapisco com argamassa de
cimento e areia grossa lavada no traço 1:3. Não serão aceitos acabamentos irregulares e diferentes
texturas ao longo da mesma parede.

Fechamento do site com muro e concertina.

Nos casos onde existir muros e/ou paredes vizinhas, será necessário a instalação de rufo
para não ocorrer infiltrações nas paredes dos vizinhos.

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
116
Fechamento do Site

7. Concertina Metálica

As concertinas deverão ser instaladas em todo o perímetro do site, sobre muro ou alambrado,
conforme especificação do projeto. A concertina metálica de aço inoxidável ou de aço galvanizado
com 40cm de diâmetro e 20cm de espaçamento entre as espiras, fixadas todas à arames de suportes
entre os perfis.

Concertina sobre muro e portão.

Pescoço de ganso chumbado no muro.

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
117
Fechamento do Site

8. Portão

O portão deverá ser tubular de Ø 2” (parede de 2.65 mm à 3.0 mm) galvanizado a fogo
conforme detalhamento do portão anexos aos projetos.

O portão deverá ser chumbado através de grapas suficientes para garantir a estabilidade da
estrutura e devidamente a prumo.

Deverá ser instalado ferrolho com trava para colocação de cadeado e corrente pelo lado
interno do portão e abertura para facilicar o acesso ao cadeado.

A largura do portão será de 3,00 m (1,50 cada folha), altura total de 2,80 m, sendo 2,30 m
do portão e 0,50 m de arame farpado ou concertina, conforme especificado em projeto. As grapas
serão em ferro chato de 1/4" chumbadas nos pilares de concreto, conforme projeto específico. Todas
as peças deverão ser galvanizadas a fogo e os tubos fechados no topo.

Portão de chapa e portão de tela padrão ATC

Quando for necessário qualquer operação no portão, que possa agredir o tratamento prévio
da galvanização, todos os pontos afetados deverão ser tratados com a galvanização fria (CRZ).

Prever a instalação do pino de articulação do portão antes da concretagem da grapa no pilar.

Os pilares do portão deverão ser de concreto virado em obras, com no mínimo 350kg de
cimento por metro cúbico de concreto. Executar broca Ø 25 com 3,00 m de comprimento. Posicionar
o portão sobre o pino na fundação mantendo-o na vertical, de forma a efetuar a correta marcação
do pilar a ser perfurado lateralmente para a inserção da grapa de aço superior. O portão só poderá
ser solto das escoras após 5 dias de concretagem.

Nos terrenos murados, o portão deverá ser constituido com chapas de aço galvanizado, no
mínimo BSG#14, de 1,9 mm de espessura, formato diamente em quatro pontos.

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
118
Fechamento do Site

Portão de veículos e pedestres (portão em chapa)

Nos terrenos cercados por alambrado, utilizar a tela de arame liso galvanizado n° 12 BWG,
malha 2” x 2.67 mm.

Portão de veículos e pedestres (portão em tela)

Quando houver a necessidade e estiver detalhado no projeto, a ATC poderá instalar portão
para pedestres. A largura do portão será de 1,20 m, altura total de 2,80 m, sendo 2,30 m do
portão e 0,50 m de arame farpado ou concertina, conforme especificado em projeto. As grapas
serão em ferro chato de 1/4" chumbadas nos pilares de concreto, conforme projeto específico. Todas
as peças deverão ser galvanizadas a fogo e os tubos fechados no topo.

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
119
Fechamento do Site

9. Cerca Paraguaia

Quando existir área remanescente de uma área locada, e estiver indicado a execução em
projeto, a contratada será responsável por executar uma cerca tipo paraguaia.
Para este tipo de fechamento, a contratada deverá iniciar a construção pelo canto (mestre).
O canto é de extrema importância por ser a parte mais resistente. Nas peças de canto, utilizar
mourões de 2,70m de comprimento, sendo, 1,20m deverá ser colocado dentro do buraco com uma
folga de aproximadamente 10cm nas laterais e 1,50m externo. Este mourão deve ser bem aprumado
e fixado.

Imagem colhida do Guia de Construção Belgo.

O espaçamento entre os mourões intermediários deverá ser de no máximo 3,00m. A


quantidade de arames lisos deverá ser de 5 linhas, espaçadas a cada 30 cm.

Imagem colhida do Guia de Construção Belgo.

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
120
Fechamento do Site

10. Cadeado Mul-T-Lock

Todos os sites com fechamento em muro, concertina e portão de chapa, deverá


obrigatoriamente ser fechado com cadeado Mul-T-Lock. Este cadeado será de fornecimento da ATC,
de acordo com cada região e a instalação será de responsabilidade do fornecedor de obra civil.
A instalação deste cadeado, deverá seguir o seguinte Manual de Instalação fornecido pelo
fabricante, conforme ilustrações abaixo:

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
121
Fechamento do Site

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
122
Fechamento do Site

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
123
Fechamento do Site

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
124
Fechamento do Site

11. Cadeado de Segredo – Fixação no Portão

Todos os sites com fechamento em alambrado, arame farpado e portão de tela,


deverá obrigatoriamente ser fechado com cadeado de segredo STAM, fixado com corrente
e/ou cinta nicopress.
Adotar o código do cadeado de segredo, conforme padrão ATC. Solicitar a informação
para o supervisor de campo.

Cadeado de segredo com corrente.

Cadeado de segredo com cinta nicopress.

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
125
Construção de Acesso ao Site

1. Informações do Documento

1.1. Participantes

Autor Rafael Neves


Contribuição Rafael Neves / Ailton Nunes / Gerson Zainaghi
Aprovado por Alexandre Katz

1.2. Histórico de Revisões

Revisão Data da Revisão Autor Item Revisado


00 19/02/14 Rafael Neves Emissão Inicial

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
126
Construção de Acesso ao Site

2. Objetivo

O presente documento tem por finalidade definir os padrões de construção de acesso ao site
ATC, visando evitar a erosão e a degradação do meio ambiente, evitar o carreamento do solo para
os cursos d’água, controlar as enxurradas e garantir o tráfego de veículos até a entrada do site.

3. Considerações Gerais

Durante a abertura de obra, juntamente com o supervisor, a contratada deverá avaliar a


necessidade de execução do acesso ao site ATC, e caso, seja identificada a necessidade, o mesmo
deverá comunicar a ATC.
A execução da via de acesso até o site deverá obedecer o seguinte critério:

1) - Passar a máquina (raspagem superficial);


2) - Regularizar o acesso;
3) - Remover a camada mole do solo;
4) - Compactar corretamente o acesso;

A compactação deverá ser feito por equipamento apropriado: Rolo de pé de carneiro e


acabamento com rolo liso (ambos vibratórios) e passar pelo menos 10 idas e voltas nos trechos a
serem compactados.

5) - Espalhar “bica corrida” (foto em anexo) – largura mínima de 3,00m.

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
127
Construção de Acesso ao Site

3. Acessos com aclives intensos

Nos casos onde houver a necessidade de construção de acesso específico, a empresa


contratada deverá apresentar o projeto para a execução do acesso, com as indicações de canaletas
para águas pluviais, gramas, cortes e aterros.

5.7. Passam-se quatro arames farpados galvanizado na parte inclinada superior dos mourões.

Para terrenos que possuem fechamento em muro, total ou parcial, deve ser instalado o
pescoço de ganso com TB. 2.1/2” aço galvanizado a fogo a cada 1 m. Esta instalação depende de
um acordo prévio com os vizinhos do site.

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:

Obras Civis - ROOFTOP 128

1. Informações do Documento

1.1. Participantes

Autor Rafael Neves


Contribuição Spencer Freire e Clovis Sales
Aprovado por Alexandre Katz

1.2. Histórico de Revisões

Revisão Data da Revisão Autor Item Revisado


00 01/03/13 Rafael Neves Emissão Inicial

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
129
Obras Civis - ROOFTOP

2. Objetivo

Determinar os padrões para execução de serviços em obras civis em edifícios (Rooftop).

3. Escopo para obras em ROOFTOP

A implantação de sites em rooftop compreende, além das atividades mencionadas


anteriormente para obras em terrenos, haverá uma preocupação redobrada devido
existência de diversos “fiscais” (síndico, zelador e condôminos) no decorrer da obra e após
sua total instalação, portanto deveremos sempre atentar-se as orientações abaixo:

10.1 - Na abertura da obra

Verificar se as instalações a serem executadas estarão dentro da área locada. A ART


de execução, o projeto executivo, projeto do reforço e laudo estrutural deverão ser
conferidos na abertura da obra (qualquer divergência o responsável deverá ser
imediatamente comunicado);

Executar o registro fotográfico inicial antes do iniciar qualquer atividade nas áreas de
intervenção no edifício. Este registro fotográfico deverá ser entregue como Termo de
Vistoria com Condomínio de Início de Obra (CMS_TVCRT_DDMMAA.pdf). (Solicitar
ao supervisor de campo o modelo do Termo de Inspeção Inicial).
Caso seja necessário qualquer reposicionamento de antenas coletivas, pára-raios e
balizamento do condomínio, o mesmo só poderá ser realizado após solicitação e aprovação
do síndico/zelador.

A impermeabilização existente deverá ser preservada. Será necessário a entrega do


Termo de Garantia da Impermeabilização toda e qualquer intervenção na laje do
edifício. Este termo deverá contemplar a garantia dos serviços no prazo de 5 anos.

Solicitar ao responsável (síndico/zelador) do edifício um local apropriado para


armazenamento dos materiais da obra;

O supervisor juntamente com a contratada deverá solicitar um ponto dentro do centro


de medição para utilização de energia provisória para a execução da obra e a esta energia
consumida será reembolsada pelo contratado.

O supervisor juntamente com a contratada deverão trabalhar dentro do horário


estipulado pelo condomínio, evitando eventuais danos e transtornos aos condôminos;

A contratada deverá fornecer o nome completo e RG dos funcionários que participarão


da obra para a ATC disponibilizar o acesso durante o período permitido pelo condomínio.

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
130
Obras Civis - ROOFTOP

10.2 - Serviços Preliminares

Todo e qualquer serviço de intervenção ao edifício, deverá ser rigorosamente


recomposto após as instalações, como exemplo:

Demolições de impermeabilizações e pisos; demolições e rasgos em alvenaria e laje


para passagem de tubulações; demolições e recomposições de forros; quebras e
recomposições de pisos, inclusive de concreto, considerando-se incluídas todas as tarefas e
atividades decorrentes de tais serviços, tais como remoção e destinação de entulho; retirada
e recolocação de telhas e madeiramentos; recomposição de telhados, incluindo
fornecimentos e serviços; remanejamento de tubulações elétricas, hidráulicas e outras
existentes.

10.3 - Reforço Estrutural

Fornecimento, transporte e instalação de reforço estrutural e de estruturas de


sustentação de equipamentos é de responsabilidade da contratada. Todos os danos causados
no edifício, deverá ser tratado diretamente pela contratada.

10.4- Impermeabilizações

Toda e qualquer intervenção no edifício, deverá ser prevista a impermeabilização


necessária, visando proteção contra infiltrações nos ambientes criados ou vizinhos,
executada por profissionais habilitados, incluindo fornecimento, execução e garantia dos
mesmos.

Quando não estiver contemplado em projeto a impermeabilização total da laje, deverá


executar a impermeabilização parcial das áreas afetadas na execução do site.

O objetivo da impermeabilização, além de permitir a habilidade e funcionalidade da


construção civil, é proteger a edificação de inúmeros problemas patológicos que poderão
surgir com infiltração de água, integrada ao oxigênio e outros componentes agressivos da
atmosfera, tais como: gases poluentes, chuva ácida, etc., já que uma grande quantidade de
materiais constituintes das edificações sofre um processo de deterioração e degração,
quando em presença desses elementos.

Um dos principais elementos para o sucesso da impermeabilização é a qualidade da


construção e a preparação da estrutura ou substrato para receber a impermeabilização.

Nos casos de remoção de telhado, a contratada deverá proteger imediatamente a laje


com lona plástica específica até a execução e finalização da impermeabilização. Os ralos e
drenagens existentes deverão ser preservados para o escoamento natural das águas.

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
131
Obras Civis - ROOFTOP

Todo e qualquer bloco de concreto a ser executada para mastros, estrutura para o
equipamento e esteira horizontal, deverão ser impermeabilizados. Não será admitida a
instalação das peças metálicas diretamente sobre a laje.

Veja abaixo a orientação passo a passo para a impermeabilização das áreas afetadas:
Passo 1 – Verificar a integridade da impermeabilização existente:

Passo 2 – Detalhe em corte da situação original da laje

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
132
Obras Civis - ROOFTOP

Passo 3 – Retirar a proteção mecânica onde será instalada a nova base

Passo 4 – Construir a base do mastro conforme projeto, quando necessário, preservar a manta existente.

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
133
Obras Civis - ROOFTOP

Passo 5 – Envelopar a nova base com a nova manta de impermeabilização soldando-a com a manta
existente. Observar o sentido da nova manta que deverá fazer um rodapé tanto no sentido vertical, como no
horizontal.

Passo 6 – Executar a nova proteção mecânica sobre a nova manta aplicada.

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
134
Obras Civis - ROOFTOP

Passo 7 – Instalar o mastro metálico conforme o projeto.

Passo 8 – Finalizar o acabamento com tinta impermeabilizante e proceder com o teste de estanqueidade.

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
135
Obras Civis - ROOFTOP

Passo 9 – Vista geral do produto final após a realização do teste de estanqueidade.

RESUMO DAS ETAPAS DA IMPERMEABILIZAÇÃO

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
136
Obras Civis - ROOFTOP

10.5 - Serviços Complementares

O projeto executivo deverá contemplar todo e qualquer serviço a ser executado,


porém na abertura da obra, poderá verificar a necessidade de algum serviço adicional como
exemplo: Fornecimento e instalação de pisos, passarelas, plataformas, grades, guarda-
corpos, criação de acessos, miscelâneos, remanejamento de pára-raios e balizamento
noturno, recomposição de revestimentos, pinturas necessárias, limpeza e verificação final.

Estes serviços complementares deverão ser comunicados ao responsável da ATC para


verificar a necessidade e autorização para a realização do mesmo.

10.6 - Interligação Equipamento/Antenas

Todo e qualquer esteiramento horizontal e vertical, inclusive estruturas de apoio,


elementos de fixação; curvas e tampas para esteiramento, quando necessário, além de
mastros, suportes de antenas e bases de concreto.

10.7.- Instalações Elétricas

A contratada deverá provir, conforme o projeto, o fornecimento e a execução da


entrada de energia, medição, interligação entre entrada e quadro de alimentação da
operadora, criação de malha de aterramento, interconexão com malhas existentes, conexão
de estruturas metálicas ao sistema de aterramento, fornecimento e instalação do sistema de
proteção contra descargas atmosféricas, conexão ao sistema de aterramento existente ou
novo.

10.8 - Estruturas Metálicas e Reforços Estruturais

Toda e qualquer estrutura metálica necessária para acesso ao site, seja escada ou
plataformas de trabalho, entre outras, sempre terá que ser executada em aço galvanizado a
fogo;

Todos os reforços estruturais deverão ser realizados seguindo rigorosamente o que


foi solicitado no projeto executivo e laudo estrutural do mesmo. Não serão admitidas
soldagens na obra, devendo-se utilizar apenas peças construídas para montagem
parafusada.

As peças utilizadas na instalação do reforço estrutural devem ser sempre protegidas


por galvanização a fogo.

Sempre que indicado em projeto, a contratada deverá fornecer o guarda-corpo F.G.F.


(Ferro Galvanizado a Fogo) nos locais de acesso, circulação e trabalho em altura com riscos
de acidentes.

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
137
Obras Civis - ROOFTOP

10.9 – Ancoragem dos Blocos

Para a ancoragem dos blocos dos mastros, estais e estrutura para apoio do
equipamento deverá seguir a análise do projeto e memória de cálculo do calculista.
Considerar o comprimento e profundidade de fixação indicada em projeto. Deverá ser
retirada a proteção mecânica e a manta de impermeabilização existente para a ancoragem
ser fixada diretamente na laje.

10.10 – Termo de Garantia da Impermeabilização

O fornecedor de obra civil deverá obrigatoriamente entregar um termo de garantia da


impermeabilização. Segue abaixo um modelo do termo de garantia da impermeabilização a
ser entregue no final da obra.

Solicitar modelo anexo para apresentação.

10.11 – Termo de Aceitação do Condomínio na Finalização da Obra

É obrigação da contratada, realizar a vistoria em conjunto com o síndico e/ou


responsável pelo condomínio para verificar as instalações e situação no qual estará
entregando o condomínio. Após esta vistoria, a contratada deverá colher a assinatura do
representante do condomínio no Termo de Aceitação do Condomínio na Finalização
da Obra (CMS_TACRT_DDMMAA.pdf) e enviar a via original para a ATC. O envio deste
documento pode ser via supervisor de campo.

O supervisor deverá encaminha o modelo do termo para a contratada.

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
138
Normas e Equipamentos para Trabalho em Altura

1. Informações do Documento

1.3. Participantes

Autor Nelson Suiama e Mauro Matubara


Contribuição -
Aprovado por Patricia Prospero

1.4. Histórico de Revisões

Revisão Data da Revisão Autor Item Revisado


00 06/11/2009 NSS e MHM Emissão Inicial
01 26/03/2013 RRN Revisão 01

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
139
Normas e Equipamentos para Trabalho em Altura

2. Objetivo

Esta instrução tem o objetivo de orientar e padronizar os serviços de escala em altura,


relacionando equipamentos, sistemas, verificações etc., para a correta realização deste
procedimento.

3. Recomendação Importante

As informações contidas neste caderno são complementares e, em momento algum,


substituem o treinamento prático com equipamentos em estruturas adequadas e
acompanhamento de instrutores experientes. Este material serve apenas de apoio e
referência para consultas posteriores.

Toda atividade em altura representa risco pela sua própria natureza, portanto todo trabalhador
deve receber equipamentos e treinamento adequado antes de aventurar-se neste tipo de trabalho.
O uso correto dos equipamentos de proteção permite a execução de trabalhos seguros e produtivos.
Técnicos e engenheiros de segurança devem acompanhar os trabalhadores a fim de elaborar
procedimentos de segurança do trabalho, bem como garantir a aplicação e uso dos sistemas de
segurança que considerem todos os riscos aos quais o trabalhador será exposto durante a execução
de sua atividade.

4. Normas de Segurança

Durante os últimos anos foram desenvolvidos equipamentos de proteção e técnicas


profissionais de trabalho de altura e resgate. Muitas destas técnicas seguem padrões industriais e
são reconhecidas nacionalmente e internacionalmente.
Existem várias normas e regras que determinam rígidos padrões de testes para confecção de
equipamentos bem como legislação do trabalho que sugerem comportamentos apropriados a estes
tipos de trabalhos. Na seqüência algumas principais normas:

NR- 6
-Chama-se Normas Regulamentadoras - Equipamento de Proteção Individual.
-Seu país de origem é Brasil.
Está regulamentada desde 1º de maio de 1943/ Decreto Lei nº 5.452,CLT Art. 168 a 181, Portaria
nº3.214 de 8 de junho de 1978-Lei nº 8.213 de 24 de junho de 1991; (Art §1 e § 2).
- É regido por um sistema organizacional Público.
- Considera-se Equipamento de Proteção Individual - EPI todo dispositivo de uso individual de
fabricação nacional e estrangeira, destinado a proteger a saúde e a integridade física do trabalhador

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:

Normas e Equipamentos para Trabalho em Altura 140

NR-18
- Chama-se Normas Regulamentadoras - Condição e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da
Construção.
- Seu país de origem é Brasil.
- Está regulamentada desde 1º de maio de 1943/Decreto Lei nº 5.452,CLT Art. 168 a 181, Portaria
nº3.214 de 8 de junho de 1978-Lei nº 8.213 de 24 de junho de 1991; (Art §1 e § 2).
- É regido por um sistema organizacional Público.
- Consideram-se condições e meio ambiente de trabalho na indústria da construção estabelecendo
diretrizes de ordem administrativa, de planejamento, de organização que objetivam a implantação
de medidas de controle e sistemas preventivos de segurança nos processos, atendendo itens :
- 18.13 Medidas de Proteção Contra Quedas de Altura.
- 18.18 Serviços em Telhados ( Sub itens :18.18.1 ; 18.18.1.1 ; 18.18.2 ; 18.18.4 ).
- 18.20 Locais Confinados.
- 18.23 EPI ( Sub itens: 18.23.1 ; 18.23.2 ; 18.23.3 ; 18.23.1.1 ; 18.23.4 ).
- 18.28 Treinamento (Sub itens : 18.28.1 ; 18.28.2 ; 18.28.3 ; 18.28.4).

CA e CRF
- Chama-se Certificado de Aprovação e Certificado de Registro do Fabricante.
- Seu país de origem é Brasil.
- É regido por um sistema organizacional Público.
- Sua especialidade é garantir a qualidade do processo que é supervisionado por uma organização
de certificação que deve aprovar o produto final, emitindo documentos com seus devidos registros,
ou seja, todos EPI'S comercializados no Brasil devem ter a identificação CA ou CRF.

NFPA
- Chama-se National Fire Protection Association.
- Seu país de origem é Estados Unidos
- Sua existência está vinculada a 100 anos .
- É regido por uma associação independente.
- Sua especialidade está nos padrões de proteção sobre os quais se recomendam para o uso do
pessoal de Combate a Incêndio e da Proteção do Patrimônio.

CE
- Chama-se Comunidade Européia ou EN.
- Sua origem é Europa.
- É regido pela Comunidade Européia.
- É reconhecida pelos EPI'S de resgate que se incluem na categoria 3 e que devem atender a Diretiva
Européia 89/686/CEE de Bruxelas.
- Sua especialidade é garantir a qualidade do processo que é supervisionado por uma organização
de certificação que deve aprovar o produto final, emitindo documentos com seus devidos registros,
ou seja, todos os EPI'S comercializados na Europa devem ter a identificação CE.

UIAA
- Chama-se Union of International Alpine Associations.
- Sua origem é Europa - Suíça.
- È regido por sistema organizacional independente.
- È reconhecida por ter o próprio selo baseado nas normas e o Certificado da UIAA é dado também
por organizações Independentes.
- Sua especialidade é a certificação técnica que são válidos para cordas de alpinismo, cintos e

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
141
Normas e Equipamentos para Trabalho em Altura

capacetes, usados em resgate técnico normalmente atendendo a especificação da própria UIAA.

OSHA
- Chama-se Occupational Safety and Health Administration.
- Seu país de origem é U.S.A.
- É um sistema organizacional Público.
- Existe há mais de 30 anos.
- É uma secretaria de Assistência de saúde e Segurança Ocupacional e sua especialidade esta
direcionada em Ambiental, Segurança e Saúde Ocupacional.

Estas entidades citadas acima não fazem testes nos equipamentos, apesar de levarem os selos
de identificação. A sua homologação é sem certificação e os testes realizados são com laboratórios
reconhecidos em seu próprio país como:
- Brasil: Inmetro e Fundacentro
- Estados Unidos: Underwrites Laboratories ( UL ) e Safety Equipament Institute ( SEI )
- Europa: TÜV Zertifizierungsgemeinschaft E.V

5. Condições para Trabalhos em Altura

Todo trabalhador deve portar os EPI's (Equipamentos de Proteção Individual) necessários ao


seu trabalho bem como estar consciente das exigências para garantir a segurança pessoal e coletiva.
O trabalhador deverá estar preparado física, emocional e tecnicamente para executar estas
atividades. É necessário desenvolvimento contínuo e aprimoramento das técnicas de segurança no
trabalho através de treinamentos, reciclagens e seminários de segurança, nos quais as técnicas de
trabalho sejam constantemente analisadas, discutidas e melhoradas.
Um planejamento adequado é muito importante. Antes de iniciar o trabalho devemos escrever
o Plano de resgate e o Plano de trabalho. Isso garantirá o sucesso.

Exame médico
É aconselhável que todo trabalhador submeta-se antes do trabalho e periodicamente a exames
médicos para verificar condições físicas. Assim, é possível detectar patologias que podem contribuir
para acidentes durante o trabalho em alturas. Normalmente o resgate de vítimas acidentadas em
altura é mais complexo e arriscado. Portanto, o exame médico é de fundamental importância para
evitar acidentes.
Para que a condição física do trabalhador seja adequada para o trabalho em alturas, sugerimos
a prática de esportes, bem como a realização de alguns exames médicos-laboratoriais.
Avaliação Física
- Controle de pressão arterial , freqüência cardíaca e respiratória
- Exame clínico periódico
- Eletrocardiograma
- Eletro encefalograma
- Acuidade visual
- Labirintite
- Audiométrico

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
142
Normas e Equipamentos para Trabalho em Altura

O indivíduo que apresentar mais de 45 anos deverá realizar exames periódicos mais criteriosos.
Exemplo: teste de esforço para avaliação do sistema cardiovascular (ciclo ergometria).
Constatada condição física adequada, o trabalhador poderá desenvolver a atividade sem restrições.
Avaliação Psicológica
- Distúrbios de comportamento
- Temperamento
- Acrofobia (medo excessivo de altura)

Avaliação Médica
Todo trabalhador que se propõe a executar atividades em locais elevados, deverá estar
consciente das exigências, para garantir a segurança pessoal e coletiva.
O trabalho em alturas é uma atividade especial, requer dos profissionais condições físicas,
emocionais e técnicas ideais.
Os deslocamentos verticais e horizontais em torres exigem que o trabalhador realize esforços
físicos que podem levar à exaustão. Portanto, deve apresentar: peso, idade, saúde física e psicológica
compatível com as exigências do trabalho.

Condições Técnicas
É dever do trabalhador utilizar corretamente os EPI's (Equipamentos de Proteção Individual)
para trabalhos em alturas, assim como treinamento e reciclagem das técnicas. O conhecimento das
técnicas de segurança para trabalhos em altura, da movimentação da carga, das técnicas de resgate
e primeiros socorros proporcionam as condições técnicas para a execução de um trabalho produtivo
e seguro.
Importante também considerar o manuseio e transporte de ferramentas e equipamentos.
Utilizar sempre todas as ferramentas e os equipamentos amarrados, pois podem atingir pessoas no
solo.
Como Trabalhar:
Portar todos os equipamentos de segurança necessários aos trabalhos em alturas:
- Cinto de segurança tipo pára-quedista com talabarte e tirantes.
- Capacete que proteja a região occipital (nuca) com fixação jugular de três pontos.
- Bota meio cano, confortável, de solado rígido e leve.
- Luvas adequadas ao trabalho.
- Corda de segurança pessoal.
- Sistemas de ancoragem.
- Freio (chamado “oito”), mosquetões e fitas de ancoragem.
- Rádios
- Placas de sinalização ao nível do solo.
- Kit de resgate
- Sistema de saída de emergência da torre.
- Maleta de primeiros socorros.
- Além destes equipamentos, deve-se sempre valer do trabalho em equipe.

Quando Trabalhar
Trabalhos em alturas devem ser executados essencialmente durante o dia. Não é aconselhável
subir sozinho em uma torre, poste ou estrutura similar. Não aconselhamos subir à noite, somente em
caso de emergência.
A presença de umidade, ventos fortes e a possibilidade de raios são fatores que aumentam o
risco de acidentes. Deve-se evitar, dentro do possível, atividades quando a temperatura estiver em
seus extremos.

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
143
Normas e Equipamentos para Trabalho em Altura

A exposição ao calor provoca a perda excessiva de líquidos, podendo ocasionar tonturas ou


desmaios.
Quando a exposição ao Sol for prolongada, deverá haver ingestão adequada de líquidos, bem
como o uso de protetor solar. Na presença de ventos fortes e frio intenso o trabalhador deverá utilizar
vestimenta impermeável ao vento (nylon e similares). Cabe ainda lembrar que durante o frio intenso
a agilidade e a flexibilidade podem diminuir.

CUIDADO! Complacência MATA !!!!


Afaste-se da torre na possibilidade de raios. Avalie sempre o risco de acidentes com choques
elétricos e exposição a microondas.

Alimentação
É de fundamental importância a alimentação que precede as atividades em locais elevados:
café da manhã e almoço. O trabalho em torres consome uma grande quantidade de calorias. A
alimentação matinal é indispensável para evitar hipoglicemias, ou seja, a quantidade insuficiente de
açúcar no sangue. Já no almoço, deve ser evitada a ingestão de grandes quantidades de proteínas e
lipídios (carnes e gorduras), comer apenas a quantidade suficiente evitando excessos. No almoço
sugerimos peixe, carne branca, salada, pois são de fácil digestão.
Algumas torres ficam distantes da cidade, portanto, leve consigo um a barra energética para
repor as energias. Nunca ingerir bebidas alcoólicas, pois elas diminuem os reflexos.

6. Equipamentos e Sistemas de Segurança

Toda atividade em altura representa risco para quem a executa, e para que seja desenvolvida
com segurança, é importante que as equipes de trabalho conheçam os termos técnicos de segurança
neste tipo de atividade, bem como o uso de técnicas e equipamentos especiais de proteção com o
propósito de evitar ou conter eventuais quedas. Os equipamentos de segurança são ferramentas de
trabalho, e possibilitam a execução de tarefas de maneira mais ágil e segura.

EPI - Equipamento de Proteção Individual: é todo dispositivo de uso individual destinado a


proteger a saúde e a integridade física do trabalhador. E.P.I's utilizados em torres: cinto de segurança
tipo pára-quedista, capacete, talabarte, trava-quedas, luva, óculos, bota de segurança, entre outros.

Cinto de segurança tipo pára-quedista: Cinto de proteção contra quedas e/ou parada de
quedas com fixação peitoral, ventral, lateral e dorsal.

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
144
Normas e Equipamentos para Trabalho em Altura

Talabarte: Equipamento limitador de movimento; posiciona o trabalhador e o deixa com as


mãos livres para o trabalho. É sempre acoplado nas argolas laterais do cinto de segurança. Não deve
ser utilizado para parada de queda do trabalhador.

Mosquetão: peça metálica (de aço ou liga de alumínio) de alta resistência à tração que
funciona como conector no sistema de segurança. São equipamentos conectores que normalmente
interligam os componentes dos sistemas de segurança.
Existem vários tipos e modelos de mosquetões, devendo ser escolhidos de acordo com o uso
específico. Geralmente são fabricados em ligas de alumínio, podendo ser fabricados também em aço
carbono ou inox.

Sistema de segurança: é o conjunto de todos os elementos, - incluindo pessoas,


equipamentos, instalações, plano de trabalho, plano de resgate e treinamento que auxiliam na
prevenção de acidentes.

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
145
Normas e Equipamentos para Trabalho em Altura

Ponto de ancoragem: ponto de sustentação do sistema de segurança.

Corda de segurança: corda projetada para suportar vidas humanas.

Corda de movimentação de carga: corda projetada somente para suspensão de cargas.


Seu uso para suspensão de vidas humanas é proibido.

Blocantes e ascensores : são equipamentos de bloqueio e permitem o movimento em cordas


somente numa direção. Seu uso é bastante versátil, podendo ser utilizados como elementos blocantes
para ascensão em corda ou como capturadores de progressão de movimento; podem também ser
utilizados de forma auxiliar com os freios garantindo posicionamentos seguros e precisos.

Freios: são equipamentos de descida em cordas que possibilitam a regulagem da velocidade


e permitem posicionamento durante a descida. São dispositivos utilizados para controlar o movimento
de uma ou mais cordas através do atrito desta(s) com o mesmo.

Polias: são peças utilizadas para montagem de sistemas de vantagem mecânica


(movimentação de cargas com menor esforço físico) e para eliminar o atrito das cordas com as
estruturas. São utilizadas em resgate técnico ou movimentação de carga. As polias também podem
mudar a direção do movimento.

Fator de segurança estático (FSE): relação existente entre carga (força) de ruptura do
equipamento e a carga de trabalho.
Se imaginarmos a utilização de uma corda com carga de ruptura igual a 135 kgf e usarmos
a carga de uma pessoa 135 kgf (NFPA), teoricamente a corda resistiria (carga estática). Porém
qualquer solicitação, carga ou movimento adicional levaria à sua ruptura.
Dizemos nesta condição que a relação entre carga estática e sua carga de ruptura é igual a 1,
ou seja o fator de segurança estático é igual a 1. Para as condições de suporte de vida, adota-se o
padrão NFPA que determina um FSE de 15:1 para cordas e mosquetões.
Fator de queda: é a relação entre a distância de queda e o comprimento total da corda usada
para bloquear esta queda. O cálculo do fator de queda é usado para estimar a força de impacto na
corda quando submetida ao bloqueio de um corpo em queda.

CONSERVAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EPI’S:

Equipamentos de proteção são produtos que exigem tratamentos cuidadosos e específicos. É


responsabilidade do usuário o conhecimento das técnicas de conservação, manutenção e uso
específico. Inspecione sempre antes e depois de cada uso o seu equipamento.

Segurança para Materiais Metálicos

A principal preocupação para com materiais metálicos é o risco de quedas, que podem gerar
micro fissuras internas. Estas micro fissuras não são visíveis a olho nu e podem debilitar o
equipamento reduzindo sua resistência à tração.

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:

Normas e Equipamentos para Trabalho em Altura 146

Limpeza e Cuidados para Materiais Metálicos

Desgaste: Sempre que estas peças apresentarem desgaste superior a 20% do diâmetro,
provenientes de atrito, providenciar a sua substituição.

Limpeza: Partículas de areia e agentes químicos podem danificar os materiais metálicos


durante o seu uso, portanto é importante manter os equipamentos sempre limpos.
A limpeza de materiais metálicos pode ser feita através da aplicação de querosene limpo com
pincel. Secar todos os materiais e fazer uma inspeção visual do estado de cada peça do sistema de
segurança. Lubrificar com grafite em pó.

Agentes químicos:
Certos agentes químicos podem danificar as peças metálicas. Mantenha os equipamentos longe
de ácidos e similares. Transporte e guarde os equipamentos em locais adequados para evitar contato
com estes agentes.
Os equipamentos metálicos deverão ter sempre a carga de ruptura várias vezes maior que
Resistência: a carga que irá suportar. Esta relação entre resistência e carga é conhecida como fator
de segurança.
Jamais utilizar os mesmos equipamentos para suspensão de vidas e de cargas; mantenha uma
separação bem distinta para o uso do equipamento. Não utilizar equipamentos metálicos no seu limite
de carga. Respeitar a carga de trabalho.

EPI’S NÃO METÁLICOS:

São todas as peças compostas de fibras sintéticas ou fitas. Servem geralmente como elementos
finais dos sistemas de segurança.

Capacetes : são Equipamentos de Proteção Individual, seu uso é obrigatório. Devem possuir
as seguintes características:
• Leveza.
• Resistência.
• Não atrapalhar o movimento.
• Caso o trabalhador sofra uma eventual queda deve permanecer na posição.
• Devem possuir suporte jugular integral com suspensão de 3 pontos.
• Permitir fixar lanterna.

Cintos de Segurança: são Equipamentos de Proteção Individual utilizados para


posicionamento, contenção de quedas e/ou suspensão.
Conforme a NR-18, o cinto de segurança tipo pára-quedista é obrigatório em atividades a mais
de dois metros de altura do piso, sempre que houver risco de quedas.
O cinto deve proporcionar, durante sua utilização, conforto e segurança. Não deve incomodar
o trabalhador ou impedir a sua liberdade de movimentos. Em caso de queda, se o cinto estiver
perfeitamente ajustado à morfologia do usuário, ele distribuirá a força de impacto por todo o corpo.
A finalidade do cinto é de prevenir e reter quedas, sustentar o trabalhador durante os
posicionamentos.
Caso haja risco de queda, deve-se considerar o fator de queda estático (F.Q.E) assim como
incluir um sistema adicional de absorção de energia, se necessário.

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
147
Normas e Equipamentos para Trabalho em Altura

Especificações do Cinto de Segurança Tipo Pára-Quedista

Este equipamento foi desenvolvido para evitar ou limitar quedas de locais elevados, tendo como
principais características:
• Leveza
• Conforto
• Ergonomia
• Resistência
• Ser aplicável a deslocamentos verticais e horizontais
• Facilitar o posicionamento durante trabalho
• Permitir acesso a qualquer ponto de uma torre ou estrutura
• Manter em todas as ocasiões o trabalhador fixo por no mínimo um ponto
Outro ponto importante na escolha de cintos de segurança é o C.A. (Certificado de Aprovação)
emitido pelo Ministério do trabalho assim como garantia oferecida pelo fabricante, além da assistência
técnica para serviços de revisão e manutenção.
Os cintos de segurança devem ser de uso pessoal, respeitando as medidas de cada usuário. Os
cintos devem ser submetidos à revisões periódicas, de acordo com a freqüência de uso. É muito
importante ler e manter arquivado o manual do cinto fornecido pelo seu fabricante, pois através dele
é possível manter um histórico de uso.

Tirante em "Y”
Acessório imprescindível para os deslocamentos horizontais e verticais nas estruturas. Devido
ao seu formato em "y" (possui duas pontas) é possível fazer deslocamento sempre fixo à estrutura.
Além dos mosquetões o tirante conta também com dois talabartes adicionais, que podem ser
conectados a estruturas de até 7 polegadas, os talabartes adicionais, por serem confeccionados em
fita flexível, podem ser torcidos, dobrados ou submetidos a esforços em qualquer sentido.

Talabarte
Acessório para posicionamento na estrutura. Seu uso é restrito para apenas essa finalidade.
Pode ser fixo-móvel com ou sem regulagem. Deve ser sempre conectado às argolas laterais.

Absorvedor de energia (ABS)


No momento de uma queda sempre será gerada uma força de impacto, esta força será
distribuída pelo equipamento, pela estrutura e , pelo corpo da pessoa que caiu.
Sabe-se que forças de impacto podem causar sérios danos à pessoa que caiu. Para essas
situações utiliza-se o ABS

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:

Normas e Equipamentos para Trabalho em Altura 148

LUVAS
Recomendamos o uso de luvas durante o trabalho em torres. As luvas em couro vaqueta são
indicadas para trabalhos mais pesados, as luvas sem dedos para trabalhos mais sensíveis.
O uso da luva evita qualquer possibilidade de corte ou arranhão durante a movimentação na
estrutura da torre. Luva para trabalho em altura deve ter as seguintes características: leveza, permitir
um bom tato além da boa proteção a abrasão e calor, principalmente na palma e polegar.

BOTAS
As botas devem dar proteção e conforto para os pés, principalmente para o calcanhar e
tornozelo. A bota deve ser meio cano com solado semi rígido.

CORDAS
Com o surgimento das fibras sintéticas, as cordas ganharam muitas qualidades, que não podiam
ser observadas quando os mesmos eram produzidos somente com fibras naturais. Hoje podemos
dispor de uma corda sintética que possui uma carga de ruptura comparável e dependendo de sua
construção superior aos cabos de aço.
Cordas são elementos importantes no trabalho em altura. Para segurança, resgate,
movimentação de carga e posicionamentos.
Existem muitas formas de construção de cordas. No entanto, o tipo mais recomendável para
trabalhos em altura é aquele cuja construção é feita com a tecnologia "capa e alma" (Kernmantle,
nome de origem germânica normalmente utilizado).

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:

Normas e Equipamentos para Trabalho em Altura 149

TIPOS DE CORDAS
Dinâmicas: são fabricadas para ter em média 8% de elasticidade com o peso de uma pessoa e
até 40% no limite de ruptura. Seu uso é pouco comum nos trabalhos em altura. É utilizada
principalmente no meio esportivo (alpinismo).

Estáticas: são cordas cuja alma oferece pouca elasticidade (aproximadamente 3%). Esta
elasticidade, apesar de pouca, é essencial para fornecer ao usuário a segurança necessária. É ideal
para o trabalho em alturas.

MATERIAIS
- Poliamida: (Nylon 6.6)
Vantagens: Em torno de 10% mais resistente a tração do que o poliéster.
Ponto de fusão: em torno de 250ºC.
Excelente resistência a choques.
Desvantagens: Perde em torno de 10 - 15 % da resistência quando molhado, apesar de
recuperar toda resistência quando seco.
Suscetível a ácidos fortes, tais como os usados em baterias.

- Poliéster:
Vantagens: Alta resistência mecânica mesmo quando molhado.
Boa resistência à abrasão.
Ponto de fusão: em torno de 250ºC.
Resistência a ácidos e outros produtos químicos.
Desvantagens: Não suporta carga de choque tão bem como poliamida.
Susceptibilidade a danos por álcalis.
Não flutua na água

- Poliolefinas: (polipropileno e polietileno)


Não aconselhamos o uso de polipropileno e polietileno para segurança pessoal. Com critério
podem ser utilizados para movimentação de carga. Segue abaixo a justificativa:
Vantagens: Não absorvem água / Flutuam na água.
Desvantagens: Relativa baixa resistência / Pobre resistência à abrasão.
Baixo ponto de fusão/ Baixa capacidade de receber choques.
Grande módulo de elasticidade (estica muito).
Sensível a luz do sol (raios ultravioletas).

CONSELHOS PRÁTICOS
• Uma corda com o dobro de diâmetro de outra, tem aproximadamente quatro vezes mais
resistência.
• Evite utilizar cordas de diferentes tipos e/ou materiais juntas, uma vez que só atuará a mais
rígida ao ser submetido o esforço de tração.
• Não é sempre certo que a melhor corda seja a mais resistente, há que se levar em
consideração também sua elasticidade e se a corda terá de suportar cargas de choque, tensões ou
arestas abrasivas.
• A existência de um nó pode diminuir a resistência da corda em até 50%.

SEGURANÇA PARA CORDAS E FITAS


Tanto a resistência como o tempo de vida útil de uma corda variam conforme o tempo e o tipo
de uso. A medida em que a corda é usada, mesmo que de forma adequada, sua resistência inicial

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
150
Normas e Equipamentos para Trabalho em Altura

diminui. Da mesma forma, submetê-la a condições extremas ou inadequadas de uso compromete a


resistência, podendo, inclusive, inutilizá-la.
É importante praticar técnicas adequadas de proteção para minimizar a probabilidade das fibras
seccionarem. Seja cuidadoso com eventuais entraves na corda ou fitas, use sempre o senso comum.
Nunca permita que a corda deslize sobre si mesma, pois o calor gerado pelo atrito poderá
danificar a capa ou até mesmo romper a corda.

LIMPEZA E CUIDADOS PARA CORDAS DE FIBRAS SINTÉTICAS / FITAS


As cordas demandam cuidados especiais sempre que forem usadas, especialmente em casos
em que as mesmas são utilizadas por diferentes pessoas.
Nessas ocasiões, elas deverão ser cuidadosamente checadas em todo o seu comprimento,
apalpando-a para verificar irregularidades, e visualmente, para verificar danos na capa.

Armazenagem:
Embora as fibras de nylon tenham boa resistência aos raios UV, deve-se evitar a exposição
prolongada direta ao Sol. Guardar a corda ou equipamento em local seco e arejado, longe de fontes
de calor.

Umidade:
Quando o nylon permanece úmido, ele perde sua resistência à tração e abrasão. Seque
totalmente a corda ou equipamento à sombra antes de armazená-la até o próximo uso. Nunca seque
uma corda ou equipamento em secadoras de roupa ou aparelhos como secadores de cabelo.

Agentes químicos:
Certos agentes químicos danificam as fibras de nylon. Mantenha a corda e os demais
equipamentos longe de ácidos de bateria, produtos derivados de petróleo e líquidos de limpeza.
Agentes químicos podem produzir danos sem marcas visíveis a olho nu, portanto, quando
houver suspeita de contaminação, retire a corda ou equipamento de uso. Transporte e guarde as
cordas e equipamentos em locais adequados para evitar contato com estes agentes.
Para identificação da corda ou fitas de equipamentos ou ainda em atividades onde seja
necessário marcar o ponto médio da corda utilize somente marcadores que não danifiquem as fibras.

Limpeza:
Partículas de areia e poeira podem danificar os minúsculos filamentos do nylon, portanto é
importante manter a corda e equipamentos sempre limpos.
Não utilizar fluidos secos para limpeza ou detergentes de uso doméstico, pois os mesmos
podem conter agentes químicos deteriorantes. Recomenda-se que as cordas sejam lavadas com
água, e se necessário, utilizar sabão neutro e escova de cerdas macias.
Para lavagem em máquinas de lavar roupa, deve-se colocar a corda dentro de uma fronha ou
um saco de fio tramado, utilizando ciclo moderado e água fria. A lavagem de equipamentos em
máquinas de lavar roupa não é recomendada. Utilizar escova de nylon com cerdas macias.

Arestas cortantes:
A corda sob tensão pode ser facilmente cortada. Sempre utilize protetores de corda nesses
locais, evitando o atrito e mantendo a corda longe de objetos que possam danificá-la.

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
151
Normas e Equipamentos para Trabalho em Altura

Resistência:
A corda deverá ter sempre uma carga de ruptura várias vezes maior que a carga que irá
suportar. Esta relação entre resistência e carga é conhecida como fator de segurança. Se a resistência
da corda é de 2.500Kgf e a carga é de 500Kgf, então o fator de segurança será de 5:1; este fator é
adequado para se carregar equipamentos, mas é insuficiente quando vidas humanas dependem da
resistência da corda; a norma NFPA recomenda fator de segurança 15:1

NÓS
Os nós são fundamento básico para quem trabalha com cordas. Portanto, toda pessoa que
trabalha em altura deve ser hábil na confecção de uma gama limitada de nós, rapidamente e sem
hesitação. Os nós são úteis nas seguintes utilizações:
• Na ancoragem
• Para união de cordas
• Para se confeccionar anéis (azelhas)
• Para amarrar pessoas diretamente a cordas
• Para certos sistemas de segurança
• Para segurança pessoal
• Para deslocamento horizontal com corda de segurança superior
• Para fazer linhas de segurança
Os nós devem ser praticados continuamente para se manter as habilidades. Todo trabalhador
deve possuir um pedaço de corda com pelo menos 2 metros. Para não esquecer é importante ser
capaz de confeccionar a maioria dos nós sob estresse, no escuro, usando apenas uma mão, mesmo
que seja aquela não dominante.

Qualidades de um bom nó
Os nós adequados para trabalho em altura tem uma ou mais das seguintes características em
comum:
• São relativamente fáceis de confeccionar;
• Podem ser facilmente inspecionados se estão corretamente feitos;
• Uma vez feitos permanecem assim;
• Têm pouco efeito na resistência da corda;
• São relativamente fáceis de se desfazer após sofrerem carga.
Todas as vezes que fazemos um nó, existe perda de resistência da corda. Esta perda se deve
ao fato de que os nós produzem nas cordas regiões de pequeno diâmetro. Como regra, considera-se
que um nó reduz a resistência da corda entre 15 a 40%.

Regra 4:1
Esta regra geral diz que quando uma corda tem uma dobra menor de 4 vezes o seu diâmetro
ocorre uma perda de resistência. A perda se deve ao fato que as fibras da parte externa da curva
são retesadas sofrendo dessa forma uma carga superior às fibras da parte interior da curva. Assim,
para uma corda de 12,5 mm qualquer curva menor que 4 cm de diâmetro leva a uma perda de
resistência.
Embora não seja necessário conhecer vários nós diferentes, 5 ou 6 são suficientes em quase
todas as situações. É muito importante saber qual nó usar em cada situação.

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
152
Normas e Equipamentos para Trabalho em Altura

Azelha oitada
Utilizado para fazer uma alça na corda.
Utilizado para segurança pessoal, quando existe a necessidade de que o nó não deslize na
corda. Quando feito na ponta da corda deve conter o arremate.

Azelha oitada com alça dupla


Tem a mesma utilização do azelha oitada com a vantagem de poder ser utilizado para distribuir
as forças num ponto de ancoragem, através das duas alças. Quando feito na ponta da corda deve
conter o arremate.

Oito duplo
Utilizado para fazer a união de duas cordas.
Deve ser utilizado sempre junto com o arremate.

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
153
Normas e Equipamentos para Trabalho em Altura

Nó para ferramentas
Utilizado para fixar um cordelete fino a ferramenta, para que esta fique fixa ao punho ou à alça
porta-ferramentas.

Focinho de porco
Utilizado para fechamento do equipamento de suspensão. Utilização para fixação de
ferramentas à alça porta-ferramenta, ou à estrutura da torre.

Para a correta confecção de um nó, as seguintes operações devem ser feitas:

Alinhamento:
O nó deve ser corretamente confeccionado para que a corda não fique cruzada nem trançada

Simetria:
As partes do nó devem ser idênticas

Tensionamento:
O ajuste de um nó envolve o tensionamento de todas as suas partes para torná-lo operacional.

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
154
Normas e Equipamentos para Trabalho em Altura

SISTEMA DE CABOS

Cabos verticais: de ser instalado do solo até o topo da estrutura, sem interrupções para o
uso do trava-quedas. Neste caso, o trabalhador fixa o trava-quedas no cabo de aço de 8mm e no
cinto (fixação peitoral), e segue pela escada;
Em caso de queda o travamento será imediato, e o impacto da queda será distribuído através
do cinto.

Configuração do cabo de aço


Diâmetro 5/16" 6X19 (8mm) isento de graxa com alma de aço, material aço carbono
galvanizado a fogo. Não é permitida a utilização de cordoalhas no uso de trava-quedas.

Movimentação
Para movimentação em estruturas com distância inferior a 1,80m, pode-se realizar
deslocamentos horizontais com a ajuda, apenas, do cinto de segurança fazendo uso alternado do
talabarte fixo e do talabarte adicional.
Jamais utilizar os mosquetões com a trava aberta, ou em alavanca.
As partes do equipamento que ficam em contato com a estrutura são revestidas de couro para
evitar o atrito do nylon com as estruturas.

SISTEMAS DE ANCORAGEM
Sistemas de ancoragem são formas de fixar os sistemas de segurança nas estruturas através
de montagens e uso de equipamentos de fixação.
Ponto de ancoragem é a parte da estrutura que oferece sustentação para o sistema de
segurança. É onde são aplicadas as forças no caso de uma queda, tração, suspensão ou
posicionamento. Ancoragem à prova de bomba (APB) é uma ancoragem tão robusta que não se
espera que a mesma sofra qualquer abalo, nem mesmo recebendo a maior carga esperada pelo
sistema. Para que a APB falhe, seria necessário o comprometimento de toda a estrutura.
Ponto de backup é um ponto secundário de segurança, com resistência igual ou maior ao ponto
principal. Será solicitado em caso de pane do sistema principal.

Existem basicamente dois tipos de sistemas de ancoragem

SISTEMA DE ANCORAGEM EM SÉRIE


Utiliza um único ponto de ancoragem para sustentação do sistema de segurança. Este ponto
deve ser suficientemente resistente pois é nele que é aplicada toda a carga do sistema.
Sempre são montados um ou mais pontos de ancoragem adicionais (backup) a fim de aumentar
a segurança do sistema.

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:
155
Normas e Equipamentos para Trabalho em Altura

SISTEMA DE ANCORAGEM EM PARALELO


Utiliza dois ou mais pontos de ancoragem simultaneamente. A carga aplicada no sistema de
segurança é distribuída entre os pontos de ancoragem.
Este sistema é particularmente interessante quando os pontos de ancoragem não oferecem
resistência isoladamente, ou quando é necessário um posicionamento entre os pontos de ancoragem.

Utilização de Cordas para trabalhos em torres

Em casos de trabalhos onde houver a necessidade de travessia horizontal, em locais onde a


distância entre as estruturas for maior que 1,80 m e não houverem cabos horizontais instalados,
recomenda-se o uso de cordas a fim de facilitar o acesso e garantir a segurança.
As cordas devem ser instaladas acima do local de trabalho, o mais alto possível, através de um
sistema de ancoragem, protegendo-as sempre de arestas cortantes. Deve-se amarrar a corda no
quadrante da torre onde será feito o trabalho de maneira que ela fique no centro do local de trabalho
evitando movimentos pendulares no caso de uma queda.
No nível da atividade deve-se fazer o nó de "Azelha oitada" no meio da corda e fixar um dos
tirantes na alça do nó. Utiliza-se a corda para dar proteção em casos de quedas e também para
manter o equilíbrio durante o movimento. Existe também a opção de utilizar um trava- quedas para
corda, tornando a travessia ainda mais segura.

RESGATE EM ESTRUTURAS VERTICAIS


Podemos dizer que a principal função ou objetivo do resgate técnico é transportar com
segurança alguém que não esteja em condições de fazê-lo por si próprio, em locais de difícil acesso,
locais elevados ou espaços confinados, para um local onde possa receber cuidado definitivo.

Etapas de atendimento:
As etapas de salvamento e resgate, com freqüência são efetuadas de modo conjunto, muitas
vezes as etapas se sobrepõem.
O atendimento, quer em um salvamento, quer em um resgate, pode ser dividido em:
Planejamento preliminar, Procedimentos operacionais e Reavaliação (Debriefing)

Planejamento preliminar:
É a etapa em que se prepara a ação, é de extrema importância, pois é o alicerce de qualquer
operação.

Procedimentos operacionais:
São as ações propriamente ditas, às quais são executadas para atingir o objetivo proposto,
quer seja um salvamento ou resgate. No caso de um salvamento os procedimentos são subdivididos
em: Avaliação, Tratamento e Transporte. Em um resgate pode ser subdividido em:
Posicionamento no local de operações, Ancoragens, Confecção das linhas, Abordagem da vítima,
Preparação da evacuação, Evacuação, Desmonte do equipamento e Abandono do local de operações.

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000


Caderno de Especificações Técnicas Data: Rev.:

American Tower do Brasil 19.12.14 04


Título: Página:

Normas e Equipamentos para Trabalho em Altura 156

7. Bibliografia

Seccional
www.seccional.com.br

BrasilSat
www.brasilsat.com.br

8. Dúvidas

Eventuais dúvidas deverão ser dirimidas através do seguinte contato:


Engª. Patricia Prospero Maradei
Departamento de Engenharia - ATC
E-mail: patricia.maradei@americantower.com

Rua Olimpíadas, 205 – 8° andar – São Paulo – SP, Brasil 04551-000