Você está na página 1de 6

1 INTRODUÇÃO

Segundo Osni Moura Ribeiro (1999, p. 33), “A Contabilidade é uma ciência que permite, através de suas
técnicas, manter um controle permanente do Patrimônio da empresa”.

Sendo o Patrimônio um conjunto de bens, direitos e obrigações vinculados a esta entidade, podemos
caracterizá-lo como o objeto primordial da contabilidade, pois é através dele que identificamos a verdadeira
situação de uma pessoa ou empresa.

Para compreendermos melhor o Patrimônio, precisamos entender o que é o Balanço Patrimonial, o que
são bens tangíveis e intangíveis, os direitos e as obrigações.

Mais adiante temos como parte do Balanço Patrimonial o ativo, o passivo e patrimônio líquido, que
causam diversas mudanças nas contas patrimoniais ou nas contas de resultado.

O Balanço Patrimonial possui algumas situações de confronto entre o ativo e o passivo, podendo resultar
em circunstâncias desfavoráveis às empresas.

2 O PATRIMÔNIO

O Patrimônio significa o conjunto de bens, direitos e obrigações pertencentes a uma pessoa física ou
jurídica. Os bens e direitos são os elementos positivos do Patrimônio e as obrigações são consideradas como
elementos negativos. É representado por um gráfico em forma da letra “T”.

De acordo com Ribeiro (1999, p. 39), “O patrimônio, objeto da Contabilidade, é um conjunto de bens,
direitos e obrigações avaliado em moeda corrente e pertencente a uma pessoa”.

Entende-se por bens as coisas úteis, capazes de satisfazer as necessidades humanas ou empresariais, que
podem ser divididos em:

Apostilas Ideal
Bens Tangíveis: são palpáveis e possuem forma física, ou seja, objetos que a empresa utiliza.
Subdividido em Bens Móveis, que são aqueles que podemos remover do local (armários, prateleiras, máquinas,
computadores, entre outros), e Bens Imóveis, fixos em seu lugar natural (edifícios, construções, terrenos, etc.).

Bens Intangíveis: não são constituídos de matéria, normalmente são as patentes de invenção ou direito
do uso de marcas.

Os Direitos são todos os valores que a entidade tem para receber de terceiros, sendo o exemplo mais
comum o das vendas a prazo, ou seja, quando vendemos um produto ou mercadoria a outra empresa e o
pagamento não é efetuado no ato, mas sim, futuramente. Esses Direitos geralmente aparecem seguidos pela
expressão “a receber”.

Já as Obrigações são as dívidas que assumimos com terceiros, compromissos que deverão ser pagos
ou liquidados em data preestabelecida. Aparecem frequentemente seguidas com a expressão “a pagar”. A
Obrigação exigível mais comum em uma entidade é a compra de mercadoria a prazo, onde a empresa fica
devendo para o fornecedor, situação esta conhecida como fornecedores ou duplicatas a pagar.

a) Note que os direitos e as obrigações são fáceis de se conhecer, pois, na Contabilidade, normalmente
representam um elemento seguido pelas expressões “a receber” ou a “pagar”.
Entretanto, há exceções a essa regra: Clientes e Fornecedores representam direito e obrigação,
respectivamente, e não aparecem as expressões “a Receber” e “a Pagar”. As vendas a prazo efetuadas
para os clientes geram, para a empresa, direitos; e as compras a prazo, efetuadas dos fornecedores, geram
para a empresa obrigações. Não é necessário, contudo, escrever Clientes a Receber ou Fornecedores a
Pagar.
b) É bom saber que os compromissos que a empresa tem para com entidades governamentais poderão
ser contabilizados com intitulações que contenham a expressão “a Receber” ou “a Pagar”. Os impostos
e as contribuições, quando descontados de terceiros (Imposto de Renda e contribuição da Previdência
retidos dos salários dos empregados), devem ser contabilizados com intitulação de “Impostos e
Contribuições a Recolher”. Quando representam encargos da empresa, devem ser contabilizados com
intitulação de “Impostos e Contribuições a Pagar”. (RIBEIRO, 1999, p. 39-40).

A contabilidade estuda e elabora relatórios contábeis a partir dos aspectos:

Aspecto Qualitativo: consiste em qualificar, dar nome aos componentes do respectivo relatório,
permitindo que se conheça a natureza de cada um.

Aspecto Quantitativo: resume-se em dar a esses bens, direitos e obrigações seus respectivos valores,
levando a conhecer o valor do patrimônio da entidade.

Esses aspectos permitem uma informação exata do tamanho do patrimônio, permitindo-nos avaliar o
valor preciso do patrimônio de determinada empresa.

2.1 REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DO PATRIMÔNIO



O Patrimônio é representado por um gráfico, no formato da letra “T”:

Apostilas Ideal
PATRIMÔNIO

2.2 BALANÇO PATRIMONIAL

Conforme Ribeiro (1999, p. 42), o balanço patrimonial “[...] precisa estar em equilíbrio. Para refletir
adequadamente a situação financeira da entidade, o total do lado do Ativo deverá ser igual ao total do lado do
Passivo”.

É um relatório gerado pela contabilidade para identificarmos a situação financeira e econômica da


entidade, em data prefixada. É representado em gráfico, no formato de “T”, e dividido em duas colunas, sendo
a primeira (esquerda) chamada de elementos do Ativo e a segunda (direita) denominada de elementos do
Passivo e Patrimônio Líquido. Assim representado:

TABELA 1 – REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DO PATRIMÔNIO

FONTE: Ribeiro (1999, p. 40).

O Ativo compreende os bens e direitos de propriedade da entidade, que trazem benefícios e proporcionam
lucros para a empresa. São elementos positivos: maquinário, estoque, duplicatas a receber, entre outros.

Conforme Tessari (2010, p. 25), “Ativo é um recurso controlado pela entidade como resultado de eventos
passados e do qual se espera que resultem futuros benefícios econômicos para a entidade”.

O Passivo, ao contrário, “[...] é sinônimo de coisa ruim, negativa”, de acordo com Tessari (2010, p. 27).
É composto por elementos negativos, ou seja, as obrigações exigíveis ou não, a longo ou a curto prazo, de uma
empresa. O Passivo pode representar o endividamento ou o crescimento desproporcional da entidade, podendo
levá-la à falência. Os elementos negativos compreendem: dívidas com terceiros, fornecedores a pagar, salários
de funcionários, etc.

A estrutura do Patrimônio, representada graficamente através do Balanço Patrimonial, fica assim demonstrada:

62 Ideal
Apostilas
QUADRO 1 – ESTRUTURA DO PATRIMÔNIO, BALANÇO PATRIMONIAL

FONTE: Tessari (2010, p. 21)

2.3 PATRIMÔNIO LÍQUIDO

Da mesma forma, o Comitê de Pronunciamentos Contábeis – CPC nº. 01, que trata da Estrutura
Conceitual Básica para Elaboração das Demonstrações Contábeis (NBC-T-1), conceitua o Patrimônio
Líquido da seguinte forma: Patrimônio Líquido é o valor residual dos ativos da entidade depois de
deduzidos todos os seus passivos. (TESSARI, 2010, p. 75)

O Patrimônio Líquido ou Situação Líquida é a parte do Patrimônio que representa os valores que os
acionistas ou sócios possuem em um determinado momento, após somar seus bens e direitos e subtraí-los do
total das obrigações. Podemos dizer, então, que o Patrimônio Líquido é constituído pelas aplicações dos sócios
somadas aos lucros produzidos pelas atividades da empresa.

Podemos, ainda, dizer que a Situação Líquida é um valor resultante do cálculo algébrico entre os valores
dos bens mais os valores dos direitos e menos os valores das obrigações, e que o Patrimônio Líquido
também é um valor resultante do cálculo algébrico, só que entre valores das contas que compõem o
próprio grupo do Patrimônio Líquido. (RIBEIRO, 1999, p. 46).

As contas do Ativo, no Patrimônio Líquido, são organizadas pelo seu grau de liquidez, formando dois
grupos: o Ativo Circulante (AC) e o Ativo Não Circulante (ANC). O Ativo Circulante compreende os bens e
direitos que a empresa possui e que poderá transformar em dinheiro, após o término do seu exercício social.
No Ativo Não Circulante ocorre o inverso, são os bens e direitos que a empresa não tem intenção alguma de
transformar em dinheiro ou desfazer-se.

A divisão do Passivo ocorre de acordo com o grau de exigibilidade, da seguinte forma: no Passivo
Circulante, as dívidas assumidas pela empresa deverão ser pagas em um prazo máximo de um ano, e no
Passivo Não Circulante as obrigações ultrapassam o prazo de um ano do encerramento do balanço, ou seja,
somente serão classificadas neste grupo as contas com pagamento superior a 12 meses.

2.4 ORIGEM E APLICAÇÃO DOS RECURSOS

Quando observamos o Balanço Patrimonial, visualizamos os recursos disponíveis. A origem do recurso


que a empresa consegue é mostrada pelo Passivo e a aplicação destes recursos é demonstrada pelo Ativo. Os
recursos investidos pelos proprietários ficam denominados como capital nominal, estes valores aumentam
gradativamente conforme os investimentos feitos pela empresa.

O Passivo é subdividido em: recursos de terceiros, que compreendem as obrigações obtidas pela
entidade em forma de empréstimos, e os recursos próprios, podendo ser através dos sócios ou proprietários
(investimentos) ou do giro normal da empresa (obtidos pelos lucros gerados).

63 Ideal
Apostilas
A aplicação destes recursos aparece no Ativo e são denominados como valores disponíveis pela entidade
em um determinado momento, mostrando onde e quanto foi aplicado o recurso disponível.

Para melhor visualização das variações em um balanço patrimonial, seguem os quadros:

QUADRO 2 – BALANÇO PATRIMONIAL


ATIVO PASSIVO E PATRIMÔNIO
LÍQUIDO
Caixa 2.800 PAT R I M Ô N I O  
Imóveis 1200 LÍQUIDO 4.000
TOTAL 4.000 Capital 4.000
TOTAL
FONTE: Silva (2012)

Para iniciar suas atividades, a empresa comprou materiais eletrônicos no valor de R$ 2.000,00 a prazo:

QUADRO 3 – BALANÇO PATRIMONIAL


ATIVO PASSIVO E PATRIMÔNIO
LÍQUIDO
Caixa 2.800 PASSIVO  
Imóveis 1200 Contas a Pagar 2.000
Materiais 2.000 P A T R I M Ô N I O  
    LÍQUIDO 4.000
TOTAL 6.000 Capital 6.000
TOTAL
FONTE: Silva (2012)

A empresa comprou um veículo para uso, pagando à vista R$ 200,00.

QUADRO 4 – BALANÇO PATRIMONIAL


ATIVO PASSIVO E PATRIMÔNIO
LÍQUIDO
Caixa 2.600 PASSIVO  
Imóveis 1200 Contas a Pagar 2.000
Materiais 2.000 PATRIMÔNIO  
Veículos 200 LÍQUIDO 4.000
TOTAL 6.000 Capital 6.000
TOTAL
FONTE: Silva (2012)

Foi vendido um pavimento do edifício por R$ 600,00, representado por uma nota promissória emitida
pelo comprador:

QUADRO 5 – BALANÇO PATRIMONIAL


ATIVO PASSIVO E PATRIMÔNIO
LÍQUIDO
Caixa 2.600 PASSIVO  
Imóveis 600 Contas a Pagar 2.000
Materiais 2.000 PATRIMÔNIO  
Veículos 200 LÍQUIDO 4.000
Títulos a Receber 600 Capital  
TOTAL 6.000   6.000
TOTAL
FONTE: Silva (2012)

64 Ideal
Apostilas
Foram pagos R$ 1.300,00 da dívida da aquisição de materiais eletrônicos:

QUADRO 6 – BALANÇO PATRIMONIAL


ATIVO PASSIVO E PATRIMÔNIO
LÍQUIDO
Caixa 1.300 PASSIVO  
Imóveis 600 Contas a Pagar 700
Materiais 2.000 PATRIMÔNIO  
Veículos 200 LÍQUIDO 4.000
Títulos a Receber 600 Capital  
TOTAL 4.700   4.700
TOTAL
FONTE: Silva (2012)

A empresa recebeu R$ 400,00 referente ao pagamento parcial da venda do pavimento do edifício:

QUADRO 7 – BALANÇO PATRIMONIAL


ATIVO PASSIVO E PATRIMÔNIO
LÍQUIDO
Caixa 1.700 PASSIVO  
Imóveis 600 Contas a Pagar 700
Materiais 2.000 PATRIMÔNIO  
Veículos 200 LÍQUIDO 4.000
Títulos a Receber 200 Capital  
TOTAL 4.700   4.700
TOTAL
FONTE: Silva (2012)

Acompanhando estas modificações e movimentações, percebemos que o total do ativo e do passivo fica
sempre igual, formando-se uma equação conhecida como: PL = Ativo – Passivo.

Ribeiro afirma que existem outras informações importantes que constam no Patrimônio:

O assunto Estática Patrimonial pode constar de editais de concursos como subdivisão do item
Patrimônio. É bom saber que a situação estática (“parada”) do Patrimônio é demonstrada através
do Balanço Patrimonial, que evidencia os totais dos bens, dos direitos e das obrigações, além do
Patrimônio Líquido da entidade, existentes em um determinado momento. Já a situação dinâmica
do Patrimônio é demonstrada através da Demonstração do Resultado do Exercício, que evidencia as
variações patrimoniais ocorridas em um determinado período, as quais interferem na Situação Líquida
do Patrimônio. (RIBEIRO. 1999, p. 47, grifo do autor).

65 Ideal
Apostilas