Você está na página 1de 65
erie VIGNE so Lil gene O povo brasileiro, que ja bestializado” & proclamay Reptiblica e que hoje é convidado a trabalhar mais” para resolv problemas que afetam seu co sido objeto de sucessivas configuragdes por parte das classes dominantes, cujo resultado foi o "populacho”, a "ralé”, a " e tantas outras formas pelas quais as ideologias dominantes tentaram dar conta daqueles "residuos sociais” laridade de classes da nao cabiam nem tre os escravos. sobre esses "residuos sociais” que Liicio Kowarick se debruga em seu Trabalho e vadiagem — A origem do trabalho livre no Brasil. propésito sem diivida ¢ ambicioso, tendo em vista o amplo periodo compreendido. Kowarick percorre-o no entanto com seguranga e inegavel familiaridade com a historiografia do periodo, que ele utiliza para demonstrar uma série de idées-recues a partir das quais se tratou de dar conta dos complexos fenémenos sociais advindos da transi¢do do trabalho escravo para 0 trabalho livre no Brasil Desta critica historiogréfica emerge uma tese central: as distintas configuragdes do fendmeno social aludido pela expresso "marginalidade” nao so mais do que 0 resultado das metamorfoses do capitalismo brasileiro desde 0 perfodo colonial até os prédromos da industrializagao, onde a andlise se iterrompe, Metamorfose que se da dentro de uma constante: a sistemittica € permanente desconfianga vis-d-vis do trabalhador livre nacional, que s6 & convocado para tarefas secundérias e aviltadas, recebendo af um tratamento & imagem e semelhanga daquele dispensado aos escravos. O resultado do trabalho € significativo e ilumina de forma definitiva 0 ethos capitalista brasileiro. As estratégias patronais respondem a interesses TRABALHO E VADIAGEM A origem do trabalho livre no Brasil Lucio Kowarick TRABALHO E VADIAGEM A origem do trabalho livre no Brasil 2° edigio 400054376 PAZ E TERRA