Você está na página 1de 13

Hemisférios cerebrais

ImprimirEnviarFavoritos

A divisão de trabalho exercida pelos dois lados do cérebro,


considerada exclusividade humana, na verdade nos antecede em
meio bilhão de anos. A fala, destreza, reconhecimento facial e o
processamento de relações espaciais estão presentes em assimetrias
do cérebro de vertebrados primitivos.

Revista Scientific American - por Peter F. MacNeilage, Lesley J. Rogers e Giorgio


Vallortigara

CONCEITOS-CHAVE

- Os autores propõem que a especialização dos dois hemisférios do cérebro já estava em


curso quando os vertebrados surgiram há 500 milhões de anos.
- O hemisfério esquerdo originalmente parece ser focado no controle geral de padrões
de comportamento bem estabelecidos; o direito é especializado na detecção e resposta a
estímulos inesperados.
- Tanto a fala quanto a tendência ao lado direito podem ter sido desenvolvidos através
da especialização de controle de comportamentos rotineiros.
- O reconhecimento facial e o processamento de relações espaciais podem estar
relacionados à herança da necessidade de perceber predadores rapidamente.

O hemisfério esquerdo do cérebro humano controla a linguagem, sem dúvida nosso


melhor atributo mental. Além disso, também controla a extraordinária destreza da mão
direita humana. Já o hemisfério direito é dominante no controle, entre outros, do nosso
senso de como as coisas se interrelacionam no espaço. Há 40 anos, o consenso científico
estabelecia que eram exclusividades humanas não somente a linguagem como também a
destreza e a especialização de apenas um dos lados do cérebro para processar relações
espaciais. Pensava-se que outros animais não tinham especializações hemisféricas de
qualquer tipo.

Essas crenças se encaixam perfeitamente na ideia de que os humanos têm uma


importância evolutiva especial. Biólogos e cientistas comportamentalistas geralmente
concordam que a destreza se desenvolveu nos nossos ancestrais hominídeos conforme
aprendiam a construir e utilizar ferramentas há cerca de 2,5 milhões anos. Além disso, a
destreza é tida como a base para a fala. Talvez, conforme o seu desenvolvimento, o
hemisfério esquerdo simplesmente tenha acrescentado a linguagem de sinais ao seu
repertório de habilidades manuais, então convertida para a fala. Outra hipótese é a
extensão da capacidade de controlar ações manuais até o controle do aparato vocal para
a fala. Em ambos os casos, a fala e a linguagem se desenvolveram por meio da produção
de ferramentas, um talento relativamente recente. Enquanto isso, pensava-se que, depois
que o hemisfério esquerdo se especializou na destreza manual, o hemisfério direito se
desenvolveu como o padrão do centro de processamento de relações espaciais.

Mas, nas últimas décadas, estudos em muitos outros animais mostraram que seus dois
hemisférios cerebrais também possuem papéis distintos. Apesar de tais descobertas, a
crença vigente mantém a idéia de que nos humanos é diferente. Muitos pesquisadores
ainda acham que a recente descoberta da especialização dos dois hemisférios do cérebro
em não humanos não está relacionada à dos humanos. As especializações hemisféricas
humanas começaram com humanos.

Apresentamos aqui evidências para uma hipótese radicalmente diferente, que ganha
espaço principalmente entre biólogos. Nossa argumentação é de que a especialização de
cada hemisfério no cérebro humano surgiu há cerca de 500 milhões de anos. Sugerimos
que as mais recentes especializações dos hemisférios cerebrais, incluindo as humanas,
foram desenvolvidas por exemplares originais por meio do processo darwiniano de
descendência com modificação. (Nesse processo, as habilidades relevantes dos
ancestrais são modificadas ou escolhidas para o desenvolvimento de novas
características.) Nossa hipótese é que o hemisfério esquerdo do cérebro vertebrado foi
originalmente especializado no controle de padrões de comportamento bem
estabelecidos sob circunstâncias ordinárias e costumeiras. Por outro lado, o hemisfério
direito, o principal local de excitação emocional, primeiramente se especializou na
detecção e resposta a estímulos inesperados do ambiente.

Em vertebrados primitivos essa divisão de trabalho provavelmente se iniciou quando


um ou outro hemisfério desenvolveu a tendência de controle em determinadas
circunstâncias. A partir dessa simples introdução, propomos que o hemisfério direito
tem o controle primário de circunstâncias potencialmente perigosas que necessitam de
uma reação rápida do animal, como, por exemplo, detectar um predador se
aproximando. Em outras palavras, o hemisfério esquerdo se tornou o local dos
comportamentos de automotivação, algumas vezes chamados de controle descendente.
(Destacamos que o comportamento de automotivação não necessita ser inato; na verda-
de, geralmente é aprendido.) O hemisfério direito se tornou o local dos comportamentos
motivados pelo ambiente, ou controle ascendente. O processo que direciona
comportamentos mais especializados - linguagem, fabricação de ferramentas, inter-
relação espacial, reconhecimento facial e outros - se desenvolveu desses dois controles
básicos.

• O Hemisfério Esquerdo

A maioria das evidências que apoiam nossa hipótese não vem da observação direta do
cérebro, mas da observação de comportamentos que favorecem um ou outro lado do
corpo. No sistema nervoso do vertebrado, o cruzamento de conexões entre corpo e
cérebro, em sua maioria nervos de e para um lado do corpo, está ligado ao hemisfério do
lado oposto do cérebro.

Evidências da primeira parte de nossa hipótese que o hemisfério esquerdo dos


vertebrados é especialista no controle da rotina, que são comportamentos direcionados
internamente - foram construídas ao longo de muito tempo. Um comportamento rotinei-
ro com inclinação para a direita entre muitos vertebrados é a alimentação. Sapos, répteis
e peixes, por exemplo, tendem a atacar no lado direito com orientação do olho direito e
hemisfério esquerdo . Em várias de espécies de aves - galinhas, pombos, codornas e
pernas-de-pau - o olho direito é o principal guia para várias formas de conseguir comida
com o bico e capturar a presa. Por exemplo, essa preferência por um lado na alimenta-
ção, aparentemente resultou numa tendência à lateralização na anatomia externa do
animal. O bico do pássaro neozelandês Anarhynchus frontalis é inclinado para a direita;
dessa forma o olho direito da ave pode guiar o bico na busca por comida sob pequenas
pedras dos rios.

Nos mamíferos, o comportamento alimentar das baleias jubarte é um exemplo


espetacular da preferência de lateralização para alimentação. Philip J. Clapham,
atualmente no Alaska Fisheries Science Center, em Seattle, e seus colegas descobriram
que entre 75 baleias, 60 tinham apenas o lado direito da mandíbula desgastada. As
outras 15 apresentavam desgaste somente no lado esquerdo. Os resultados mostraram
uma clara evidência de que determinadas baleias favoreciam um lado da mandíbula na
coleta de alimentos e a "destreza mandibular" foi, de longe, predominante.

Em resumo, em todas as classes de vertebrados - peixes, anfíbios, répteis, aves e


mamíferos - os animais tendem a reter o que foi, provavelmente, uma tendência
ancestral sobre o uso do lado direito nas atividades alimentares rotineiras.
• A Origem da Destreza

O que esses resultados dizem sobre a alegação de exclusividade da destreza humana? A


evidência de lateralização direita em aves e baleias é intrigante, mas dificilmente é um
argumento convincente contra a antiga crença de que a destreza nos humanos não teve
precursores evolucionários. Todavia, mais de uma dúzia de estudos recentes mostram
que há uma tendência ao lado direito entre outros primatas, nossos parentes mais
próximos na evolução claramente sugerindo que a destreza humana descende daquela
dos primeiros primatas. A preferência pelo lado direito pode ser vista em macacos
(babuínos, macacos Cebus e Rhesus), assim como em símios, especialmente
chimpanzés.

Muitos dos estudos com macacos foram rea lizados por William D. Hopkins, do Yerkes
National Primate Research Center; em Atlanta, e seus colegas. O grupo de Hopkins
observou preferências pela mão direita, principalmente em atividades que envolvem
coordenação com ambas as mãos ou apanhar alimentos em locais muito altos para
serem alcançados sem ficar de pé. Por exemplo, pesquisadores colocaram mel, um
alimento considerado predileto, em um pequeno tubo de plástico e o entregaram ao
macaco. Para retirar o mel, o macaco deveria pegar o tubo com uma das mãos e deslizar
com um dedo da mão oposta. Numa razão de 2 para 1, os macacos preferiram utilizar a
mão direita para deslizar por cima do tubo e obter o mel. Do mesmo modo, nos
experimentos de alcance, os macacos geralmente alcançavam o alimento que desejavam
com a mão direita.

As descobertas de Yerkes também sugerem que conforme os primeiros primatas


desenvolviam for mas mais difíceis e elaboradas de encontrar alimento, sua preferência
por uma das mãos se tornava mais forte. Suspeitamos que a razão seja que, ao
desempenhar tarefas cada vez mais complexas, foi necessário controlar os sinais do
cérebro para passar o mais diretamente possível para a mão mais habilidosa. Uma vez
que a rota mais direta do hemisfério esquerdo - especializado nas tarefas rotineiras -
segue a lateralidade cruzada dos nervos periféricos, a mão direita se tornou a preferida
entre os prima tas não humanos para a realização de tarefas elaboradas, porém
rotineiras.

• A Comunicação e o Lado Esquerdo


A descendência evolutiva da destreza humana por meio da modificação do antigo
comportamento alimentar de seus ancestrais prima tas superiores, agora parece muito
provável. Todavia, poderia o comportamento alimentar também ter resultado na
especialização da fala através do lado esquerdo do cérebro? Na verdade, isso não
significa que sugerimos que esse desenvolvimento foi direto. Em vez disso,
argumentamos que a "linguagem do cérebro" surgiu de uma especialização
intermediária, e de certa forma menos primitiva, do hemisfério esquerdo do cérebro -
em outras palavras, a especialização da comunicação rotineira, tanto vocal como não
vocal. Mas, ao contrário de antigas crenças de estudantes da pré-história humana,
nenhuma dessas habilidades de comunicação surgiu inicialmente com humanos. Essas
habilidades também foram descendentes das especializações hemisféricas que
apareceram primeiramente em animais que viveram muito tempo antes de surgir nossa
espécie.

Por exemplo, estudos com aves mostram que o hemisfério esquerdo controla o canto.
Em leões marinhos, cães e macacos, o hemisfério esquerdo controla a percepção de
chamado por outros membros da mesma espécie. Rogers, em colaboração com Michelle
A. Hook-Costigan, agora na Texas A&M University, observam que saguis comuns
abrem mais o lado direito da boca que o esquerdo quando estão chamando
amigavelmente outros saguis. As pessoas geralmente também abrem mais o lado direito
da boca do que o esquerdo enquanto falam - resultado de maior ativação do lado direito
da face pelo hemisfério esquerdo do cérebro.

Poucas coisas são universais na Natureza, porém em alguns animais uma resposta vocal
a circunstâncias altamente emocionais também tem sido relacionada ao lado esquerdo
do cérebro, e não - como alguns esperavam - ao direito. Quando um sapo macho é preso
por trás e imobilizado por um rival também macho, o hemisfério esquerdo parece con-
trolar as respostas vocais do primeiro sapo. O hemisfério esquerdo do camundongo
controla a recepção de um sinal de socorro de um filhote, e nos gerbilos controla a
produção de chamados durante a cópula. Mas esses animais podem ser exceções. Em
humanos e macacos - e talvez na maioria dos outros animais - o lado direito do cérebro
controla apenas as vocalizações altamente emocionais, enquanto o lado esquerdo cuida
das vocalizações rotineiras.

Comunicação não vocal em humanos também tem antecedentes evolucionários. Não


apenas os chimpanzés tendem a ser destros, mas também favorecem o uso da mão
direita para gestos de comunicação. Os gorilas também tendem a incorporar a mão
direita em comunicações complexas que envolvem a cabeça e a boca. Adrien
Meguerditchian e Jacques Vauclair, ambos da Universidade da Provença, na França,
observaram em babuínos uma lateralização direita para comunicação manual (bater com
a mão no chão).

A significância evolutiva de tudo isso ficou clara assim que alguém notou que humanos
também têm a tendência de fazer gestos de comunicação com a mão direita. O
comportamento de lateralização que compartilhamos com os babuínos sugere que as
comunicações com a mão direita surgiram com a primeira aparição do ancestral
parecido com o macaco. Essa criatura surgiu há talvez 40 milhões de anos - muito antes
dos hominídeos.

• A Evolução da Fala
Uma questão fundamental permanece: como pode qualquer um dos comportamentos já
controlados pelo lado esquerdo do cérebro (como alimentação, vocalização,
comunicação com a mão direita) ser modificado para se tornar fala - um dos passos
mais monumentais da história da vida sobre a Terra?

MacNeilage imaginou que era preciso a evolução da sílaba, a unidade básica


organizacional sustentando uma fala no tempo apropriado. A sílaba típica é uma
alternância rítmica entre consoantes e vogais. (Consoantes são sons criados quando o
trato vocal é momentaneamente fechado ou quase fechado; vogais são os sons criados
por meio da ressonância com o formato do trato vocal enquanto o ar circula
relativamente livre para fora da boca aberta.)

A sílaba pode ter sido desenvolvida como um subproduto de um alternado levantar


(consoante) e abaixar (vogal) do maxilar, um comportamento já bem estabelecido pela
mastigação, sucção e ato de lamber. Alguns desses ciclos produzidos, como esta los de
lábios, podem ter começado a servir como sinais de comunicação entre os primeiros
primatas, como fazem até hoje muitos outros primatas. Algum tempo depois, as
habilidades de vocalização da laringe podem ter se correlacionado com os estalos de
lábios comunicativos para formar as sílabas que foram inicialmente utilizadas para
simbolizar conceitos individuais, formando assim as palavras. Subsequentemente, a
habilidade de formar frases (linguagem) presumidamente foi desenvolvida quando os
primeiros humanos combinaram os dois tipos de palavras que contêm o principal
significado das frases: substantivos e verbos.
• O Hemisfério Direito

E a outra metade de nossas hipóteses? O quanto é intensa a evidência de que, no início


da evolução dos vertebrados, o hemisfério direito se especializou na detecção e resposta
de estímulos inesperados? De que forma essa especialização foi desenvolvida e
transformada?

Um dos conjuntos de resultados que prestou forte suporte à nossa hipótese vem dos
estudos de reações dos predadores de vários animais. Afinal, poucos eventos nos
ambientes dos antigos vertebrados poderiam ser tão inesperados e carregados de emo-
ção que a súbita aparição de um predador mortal. De fato, peixes, anfíbios, pássaros e
mamíferos todos reagem com muita precaução a predadores vistos pelo lado esquerdo
de seu campo de visão (lado direito do cérebro) em comparação ao lado direito.

A evidência da mesma especialização hemisférica humana para reações vem dos


estudos com imagens cerebrais. No resumo desses estudos, Michael D. Fox e seus
colegas da Washington University, em St. Louis, concluíram que os humanos possuem
um "sistema atencional" no hemisfério direito particularmente sensível ao inesperado, e
"relevante estímulo comportamental" - ou, em outras palavras, o tipo de estímulo que
diz, com efeito, "perigo adiante"! A existência de tal sistema atencional ajuda a fazer
sentido uma propensão humana de outra forma inexplicável: no laboratório, mesmo as
pessoas destras respondiam mais rapidamente aos estímulos inesperados com a mão
esquerda (hemisfério direito) que com a direita.

Mesmo em circunstâncias não ameaçadoras, muitos vertebrados mantêm um atento olho


esquerdo em qualquer predador visível. Essa especialização do hemisfério direito na
presença de predadores também é extensiva a muitos animais com comportamento
agressivo. Sapos, camaleões, pintinhos e babuínos têm maior tendência a atacar
membros da mesma espécie pelo lado esquerdo que pelo direito.

Nos humanos, os comportamentos relativamente primitivos de prevenção e cautela que


manifestam a atenção do hemisfério direito em animais não humanos se mesclaram
numa variedade de emoções negativas. Médicos do século 19 notaram que os pacientes
reclamam com mais frequência de paralisia histérica dos membros do lado esquerdo que
do direito. Já existe alguma evidência para o controle de choros emocionais e gritos pelo
hemisfério direito do cérebro de humanos - em impressionante contraste com as
vocalizações emocionalmente neutras controladas com o hemisfério esquerdo. As
pessoas estão mais propensas a se tornarem depressivas após um dano no hemisfério
esquerdo que no direito. E, em estados de depressão crônica, o hemisfério direito se
torna mais ativo que o esquerdo.
• Processo de Reconhecimento

Juntamente com a aparição inesperada de um predador; a mudança ambiental mais


importante a que os primeiros vertebrados tinham de reagir rapidamente era a do
encontro com outros da mesma espécie. Nos peixes e aves o hemisfério direito
reconhece os companheiros sociais e monitora o comportamento social que pode
necessitar de reação imediata. Portanto, o papel do hemisfério direito na percepção
facial deve ter descendido das habilidades dos primeiros vertebrados de reconhecer a
aparência visual de outros indivíduos da mesma espécie.

Por exemplo, a penas algumas espécies de peixes - entre os primeiros vertebrados


desenvolvidos - são capazes de reconhecer outro indivíduo peixe, mas as aves, em geral,
mostram uma capacidade do hemisfério direito de reconhecer outros dos seus. Keith M.
Kendrick, do Babraham Institute em Cambridge, Inglaterra, mostrou que as ovelhas
podem reconhecer a face de outras ovelhas (e de pessoas) pela memória, e o hemisfério
direito é preferencialmente envolvido. Charles R. Hamilton e Betty A. Vermeire, ambos
da Texas A&M, observaram comportamento semelhante em macacos.

Nos humanos, os neurocientistas recentemente reconheceram que o hemisfério direito é


especializado no reconhecimento facial. Prosopagnosia, uma desordem neurológica que
prejudica essa habilidade, mais frequentemente é resultado de dano no hemisfério
direito que no esquerdo. Ao expandir o reconhecimento facial para o que parece ser
outro nível, tanto macacos quanto humanos interpretam as expressões faciais
emocionais com maior exatidão com o hemisfério direito que com o esquerdo.
Acreditamos que essa habilidade é parte de uma antiga capacidade evolutiva do
hemisfério direito para determinada identidade ou familiaridade para julgar se o
presente estímulo, por exemplo, já foi visto ou encontrado antes.

• Global e Local

Defendemos a distinção básica entre o papel do hemisfério esquerdo em ação normal e


o papel do lado direito em circunstâncias não usuais. Mas os pesquisadores também têm
destacado dicotomias adicionais na função hemisférica. Nos humanos, o hemisfério
direito "entende toda a cena", atendendo a aspectos globais desse ambiente em vez de
focar em um número limitado de características. Essa capacidade oferece vantagens
substanciais na análise de relações espaciais. As memórias armazenadas pelo hemisfério
direito tendem a ser organizadas e relembradas como padrões generalizados, em vez de
uma série de itens isolados. Em contraste, o hemisfério esquerdo tende a focar nos
aspectos locais de seu ambiente.

Uma notável evidência para a dicotomia global local em humanos foi trazida à tona por
meio de uma tarefa inventada por David Navon da Universidade de Haifa, em Israel.
Pediu-se a pacientes com danos cerebrais que copiassem uma figura composta por cerca
de 20 ou mais diminutas letras A maiúsculas que formavam um grande H maiúsculo. A
maioria dos pacientes com danos no hemisfério esquerdo fez uma linha simples,
desenhando o H sem nenhuma das pequenas letras A incluídas, Já os pacientes com
danos no hemisfério direito espalharam de forma não sistemática pequenas letras A por
toda a página.
Uma dicotomia semelhante foi detectada em galinhas, sugerindo sua relativamente
precoce evolução. Richard J. Andrew da University of Sussex, na Inglaterra, e
Vallortigara descobriram que, assim como nos humanos, o pintinho doméstico tem uma
atenção especial a amplas relações espaciais com seu hemisfério direito. Além disso,
pintinhos com o olho direito coberto, portanto recebendo informação apenas do
hemisfério direito, mostram interesse em uma grande variedade de estímulos, sugerindo
que se preocupam com o ambiente global. Pintinhos com o olho esquerdo coberto, que
podem perceber apenas com o hemisfério esquerdo, focam em características
específicas da paisagem local.

• Especialização dos Hemisférios


Por que os vertebrados favoreceram a segregação de certas funções em uma ou outra
metade do cérebro? Para avaliar o estímulo recebido, um organismo pode aplicar dois
tipos de análises simultaneamente. Deve estimar a novidade geral do estímulo e tomar
ações emergenciais decisivas se necessário (hemisfério direito). E deve determinar se o
estímulo se encaixa em alguma categoria familiar, para então colocar em prática
qualquer resposta já preestabelecida, no caso de haver alguma que seja necessária
(hemisfério esquerdo).

Para detectar a novidade, o organismo deve notar as características que apontam a


experiência como única. A percepção espacial exige, na prática, quase que o mesmo tipo
de "faro para a novidade", pois quase qualquer ponto de vista que o animal adote resulta
em uma nova configuração de estímulos. Essa é a função do hemisfério direito. Por
outro lado, para categorizar uma experiência, o organismo deve reconhecer quais dessas
características são recorrentes, enquanto ignora ou descarta aquelas que são únicas e
exclusivas. O resultado é atenção seletiva, uma das habilidades mais importantes do
cérebro. Essa é a função do hemisfério esquerdo.

Então, talvez essas especializações hemisféricas tenham desenvolvido primeiro, pois


coletivamente processavam de forma mais eficiente e simultânea ambos os tipos de
informação em comparação a um cérebro sem tal sistema especializado. Para testar essa
ideia, comparamos as habilidades dos animais de cérebro lateralizado com animais da
mesma espécie, porém, sem lateralização do cérebro. Se sua ideia estivesse correta,
aqueles com cérebro lateralizado poderiam realizar funções paralelas dos hemisférios
direito e esquerdo com mais eficiência que aqueles com cérebro não lateralizado.

Felizmente, Rogers já havia mostrado que por meio da exposição de um embrião de um


pintinho doméstico à luz e à escuridão antes de sair do ovo, se poderia manipular o
desenvolvimento da especialização hemisférica para certas funções. Antes de saírem da
casca, a cabeça dos pintinhos naturalmente se virava e, dessa forma, o olho esquerdo era
coberto pelo corpo e apenas o olho direito podia ser estimulado pela luz que passava
através da casca do ovo. A luz inicia algumas das especializações hemisféricas para o
desenvolvimento do processamento visual. Incubando os ovos no escuro, Rogers pode-
ria prevenir o desenvolvimento das especializações. Ela descobriu, especialmente, que o
tratamento no escuro previne o hemisfério esquerdo de desenvolver sua habilidade
superior normal de selecionar grãos de alimento de pequenas pedras. Além disso,
previne que o hemisfério direito seja mais responsivo que o esquerdo para predadores.

Rogers e Vallortigara, em colaboração com Paolo Zucca, da Universidade de Teramo, na


Itália, testaram ambos os tipos de pintinhos em duas tarefas: os pintinhos tinham de
encontrar grãos de comida espalhados entre pequenas pedras enquanto monitoravam a
aparição de um modelo de predador por cima da cabeça. Os pintinhos incubados na luz
poderiam realizar ambas as tarefas simultaneamente, enquanto aqueles incubados no
escuro não, confirmando assim que a lateralização cerebral é um processo mais
eficiente.
• "Quebra de
Simetria " Social

Permitindo que o
processamento
aconteça nos dois
hemisférios
separadamente e em
paralelo pode-se
aumentar a
eficiência do
cérebro, mas não
explica o motivo de
uma ou outra
especialização
predominar entre as
espécies. Por que, na
maioria dos animais,
o olho esquerdo (e
hemisfério direito) é mais apropriado para vigilância contra predadores que o direito (e
o hemisfério esquerdo)? O que faz a predominância de um tipo de destreza manual ser
mais provável que uma mistura simétrica, de 50-50 de ambos?

Do ponto de vista evolucionário, uma quebra na simetria onde as populações são


formadas principalmente de tipos destros e canhotos, poderia ser desvantajosa, pois o
comportamento dos indivíduos seria mais previsível aos predadores, poderiam aprender
a atacar do lado menos vigilante da presa, reduzindo assim as chances de serem
detectados. A proporção desigual de indivíduos destros e canhotos em muitas
populações indicaria, assim, ser o desequilíbrio tão valioso que persiste apesar da
crescente vulnerabilidade dos predadores. Rogers e Vallortigara sugerem que, entre os
animais sociais, a vantagem da conformidade pode estar em saber o que esperar de
outros da mesma espécie.

Junto com Stefano Ghirlanda, das Universidades de Estocolmo, na Suécia, e Bolonha,


na Itália, Vallortigara recentemente mostrou de forma matemática que as populações
dominadas por indivíduos destros ou canhotos podem de fato aumentar espon-
taneamente, se tal população tiver custos e benefícios dependentes do número de casos.
A teoria matemática de jogos mostra que o melhor curso de ação de um indivíduo pode
depender da decisão da maioria do seu próprio grupo. Aplicando a teoria de jogos,
Ghirlanda e Vallortigara demonstraram que o comportamento destro ou canhoto pode
evoluir em uma população sob pressão de seleção social - ou seja, quando indivíduos
assimétricos devem se ajustar a outros de sua espécie. Por exemplo, é provável que
cardumes de peixes desenvolvam, na maioria das vezes, uma preferência uniforme de
rotação. Um peixe solitário, por outro lado, provavelmente irá variar aleatoriamente sua
preferência de movimentos, pois tem menos necessidade de nadar em grupo.

Sabendo-se que o cérebro assimétrico não é especificamente dos humanos, surgem


novas questões sobre um número maior de funções humanas, como o papel relativo dos
hemisférios esquerdo e direito na autopercepção, consciência, empatia e capacidade de
ter lampejos de ideias. As descobertas descritas sugerem que essas funções serão mais
bem compreendidos em termos da descendência com modificações das habilidades pré-
humanas.

Para conhecer mais

Comparative vertebrate lateralization. Editado por Lesley J. Rogers e Richard J.


Andrew. Cambridge University Press, 2002.
Advantages of having a lateralized brain. Lesley J. Rogers, Paolo Zucca e Giorgio
Vallortigara, em Proceedings of the Royal Society B, vol, 271, supl 6, págs. 5420-5422,7
de dezembro de 2004.
Survival with an asymmetrical brain: advantages and disadvantages of cerebral
lateralization. Giorgio Vallortigara e Lesley J. Rogers, em Behavioral and Brain
Sciences, vol, 28, nº 4, págs. 575-633, agosto de 2005.
The origin of speech. Peter F. MacNeilage. Oxford University Press, 2008.
Mechanisms and functions of brain and behavioural asymmetries. Luca Tommasi, em
Philosophical Transactions of the Royal Saciety B, vaI. 364, págs. 855-859, 12 de abril
de 2009.

Os Autores

Peter F. MacNeilage é professor de psicologia da University of Texas em Austin. Já


escreveu mais de 120 artigos sobre a evolução de sistemas de ação complexos. Seu
livro, The origin of speech, foi publicado no ano passado pela Oxford University Press.
Lesley J. Rogers é professora emérita de neurociência e comportamento animal da
University of New England, na Austrália. Ela descobriu a lateralização no cérebro
anterior de pintinhos quando ainda se pensava que a lateralização era uma característica
única do cérebro humano.
Giorgio Vallortigara é professor de neurociência cognitiva do Centro de Ciências do
Cérebro/Mente e do Departamento de Ciências Cognitivas da Universidade de Trento,
Itália. Com Rogers, ele descobriu a primeira evidência da assimetria funcional do
cérebro em peixes e anfíbios.